Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05855


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Atino fie 1045.
"3 Quarla fpira
. ,,, rio publira-sr iodos os -.farciu < guarda: o preco da assigua-
F' lie de )/'* 1""' quartcl pagos adianto-
I1!' anuncios dos aealgnaiilrs sao inse-
* ., rr, de 20 ris por linda, 40 rs. em
YZ ajurente, c as ir-pliees pea jnrtadc.
L\ ,.., uo foiem assi/mantos pagao 80 rs.
r I lia, c ''O yP SFS ihi.UNO MEZDESETKMBRO.
i l is 7 h. c 15 inin. da tnanhSa.
K. ,?S3h.e4m.nlWdat.rd.
' "*! a ir as 7hor. e 54 roln. da man.
cl .' -i -inhnr r i;... da'srde.
IUJI111- a -- -
1___!_________ ,.ii li
PARTIDAS OS CORREIOS.
Goianna. Parahyba, e Rio Grande do Norte
Segundas c Solas feiras.
Cali, Serhihaem, Mo Forinosa, Porto Cal-
vo, e Macer; no 1." 11 e"21 deoada moi,
Cnranliiins c onito a 10 c 24.
Boa-Vista e Flores a 13 c2o.
Victoria as Quintas feiras.
Olimla todos os dias.
PRF.AMAR DE HOJE.
Pi uncir as (i li. e 6 inin. da uianha.
Segunda as 6 .
- *>rt .:.-
tantea Ja tarde.
do Sctcmbro.
Anno XX N.
*
1)IAS DA SEMANA.
1 Segunda S. F.gvdio, aud. do J. de I).
da 2. v.. e do J. M. da 2. v.
2 Terra S. F.stevio, aud. do J. de D.
da 1. v. e do J. dos Feitos.
:S Quarla S. F.ul'emia, aud do J. de I).
da 3. vara.
i Quinta S. Candida, aud. do Juii de D.
da 2. vara, c do J. M. da 1. c 2. v
5 Sexta S. Gentil aud. do' J. de D. da
1. v. do eivel, c do J. dos Feitos.
6 Sabuado S. Libanca. aud. do 1. de D.
da 2. vara.
7 Domingo S. Ciodoaldo
CAMWOS NO DA 2 DKSETEMIIRQ-
Cambio sobre Londres. 2.V/,d.porl|aG0d.
Part 370 ri'-li por franco.
ii Lisboa 120 a 125p. c. pr. p. m.
Dse, de let. de boas (Irmas 1 '/t VjP-%
Ouro-(Incas hespanholas 31/500 a 31/800
.....da de /100 vel. liyWW a 18/100
. .. de 6/400 nov. 17800 a 17*800
' ii de 4*000 O/uUO a /700
/raa-Palayes .... 1/J60 a 1*980
. Pesos Columnarcs. l,*80 a 2/00"
Ditos Mexicanos 1/95U a 1/960
Murcias de 2 muc. /7KA a 1/80"
Acces da C." do Itebe'ri be de 50/000 ao paa-
DIARIO DE PERMAMBUCQ
PARTE OFF^CIAL.
-
Governo ta provincia,
EXPEDIENTE DO DI. 29 DO r-iSIADO.
ofleinAn presidente da rel85S0.exigi1.do sua opi-
Lio aubre o r.ontcilo na ultima parta dura oflcio do
"uis I prWrisReforinandt o alfares porta-bandeira o!.
Ilalallio de Olinda, Antonio Gomes do Almeida; n.rapi-
liiii da terceira oiimpanhia do raesmo batalhao, Manoel
lAnfuiio (L.aPaaaoa oSilvo; o da terceira Juo B..ptta
|,b Silva Manguinl.o; o ci quarla Francisco Luis Virios;
leo alfcres iTeixeir.Parlicipou-10 no ehefe da Irgio de Olnuln.
Cpmmandodas Armas.
Dando presentar a Vine, o corneta do primeiro bo-
ho de oac/dore sob seu interino dominando, Jos
iiuini Gome; o quat foi preso no diatrirto dos Afo-
0, crcmeltido |ielo respectivo subdelegado, estando
Asente 1I0 batalhao, e sem liecnca para ir aquello lugar:
fine., por tal motivo, mandar castigar esta praca como
Julgar conveniento, tendo em vista a precedente 0011-
Ructa do mesnio corneta. Dos guarde a Vmc. Quarlcl
Trneral na cidade do Recife, 0 do agosto de iMSAn
,nu Loneta Siara.Sr. capitn Manoel Jos d'Espin-
F0I.1, couiinandnnie interino do primeiro batalliao do
paradores do excroitn.
I Havendo-ine Vmc. onmmunicado 0111 ofliuio do 13
l Ita, iicrtencenles a irmandado de S. Joan do segundo
Ibauihio deartilliaria p, nao so ochavad cni segurou-
|c no quartel do eontingciite de seu commando; deler-
I mino a Vino quo taca entrega dos lucimos objectos ao
[ presidente da mesa regedora dn Scnhora da Conceicau
I dn militares, o brigadeiro Alcixo Jos de liveira. Dos
guarde a Vine. Quartel general na oidnde do Recife, 16
I iic agosto de 1845.Antonio Correia Siara. Sr. J0S0
Ido Kego Barros FalcSo, capitn commandaiile do con-
I tingeule do segando batalhao de artilharia p.
///i. aKxm. r.Purticipo a V. Exc, que o cobo de
Icsquailro Mximo l'ereirn ltur.no, coiiipreliendido no
numero de oulrns praca, que o governo imperial or-
dctiuu por aviso de 24 do prximo pausado, que livoi-
I i'iu baixo do arrvico, lia va sido cscuso a '20 de setom-
bro ultimo, cm coiisequencia do dar substituto idneo
Deus guarde t V. Exo. Quartel general na cidade do Re-
cife, V.) e. agosto de 1845. Illm. e Exiu. Sr. Antonio
Pinto Chicliorro da Gainn, presidente da provincia.
\ Antonio Correii Siara.
Illm. Sr.Nlu tendo sida reoonhecida, at boje, co-
mo illcgal, ou incompetente pelo miuisscrio da guerra a
dt|.(u (l'uuia lu para as uapellas das fortaloxas desta
pruMiicia, que se forneco mediante a tabello, orgunisnib
fin iiilude do imperial nsiso de 20 do abril do 1843, e
pul.lirada eiu ordem do da l'J.le junliu do dito auno; nao
podri dei&ar de ser comprcbeiididas nos pedidos men-
lesas referidas luios, einqoanto nao for competcnlo-
|mente alterada a mesilla tabella: sendo coherente coni os
I anteriores pedidos iienlu parte, os do mes do jullio ulti-
liuii, a que V. S. se rehire, devidainente frao abona-
liij p. lo aiMMiul de i'ucrra as linee para as capelina da
Hurlleio do llriiui e Tiitnaudor, o forte do Buraco. Te-
Jili.i urdenauo, que aoja cliiniuada do pedido do deposi-
to de reclutas a requmcao da lu para o sargento da
Iciinipanliia, continuando os dilospedidos acuiiiprelien-
rilinni as inesmas quiltro linea : assim para que estes,
Iciiniii o dos corpos cl'orla.letas, d'or avante vonbto c-
I predicados, tenho instruido nestu sentido aos respeeti-
l'oscummnndaiiavs. Deus guarde a V. S, Quartel gene-
Iral 11.1 cidade do Recife, 19 do agosto de 1845. Ant-
nimo Correia Siara Illm. Sr. Jos de linio Ingles,
(pagador militar.
Illm. o Kxm. Sr. Tendo os" ex-sulJados Manoel
I Antonio dus Santos c Alejandre Jorge, ootiduniuados,pe-
lo oriniode terceira deserto, aos trnballios das fortifi
csces, cuuipridu laes seutencas, inandri pl-os eui li-
Iserdade; e porquo os referidos foreados eatavAo em-
I fregados no aervico da limpoia da furtaleza do liruiu,
I tojo a V, Exc. as suas nrdens, no sentido de seren
iiiaiiilados para a dita l'orlaleta dous presos de justica,
Hue, mediante as entuicas coudeinnatorias, posso ser
CAKLIMJNA SICILIA. (*)
QUAUTA PAUTE.
LVI.
FATAI. EXra.CAylO.
0 quarlo que Rafaella babitava em easa do seu lio eni
arj, dava vista para o mar, e esta circunstancia n
*vm feito dr-lho preferencia a lodos os outros. Ella s
euava, e cora pesar, qando tinlia de faier ou recebar
"Has, t guando se acliava desembarac'ada dos deveres
sucicdado, & elle voltavn sempre com praier, porque
go" Uo "UVu encontrava os lvres pensamentos o os felues
mida wlidio. Os lugares se impregnan, por assim
iiu^i ',g d<" B,eu'uc"t' que liabilunlnienie
'lanos, c quu ah fbrmio como urna allimospbera
"I Uo neeeaiaria alma como a allimospliera pliyai-
/ Vido Diaio h." 194.
di
>*
lo.
incumbidos daqucllc aervico, conformo requisita ores
pectivo tenonte-ciironel commandanle interino da it-
furtaleu. Deo guarde a V. Exo. Quartel general na ci-
dade do Recife, 21 de agual de 1845. Illm. e Exra,
Sr. Antonio Pinto Chicliorro da Gama, presidente J
provincia.Antonio Correia Siara.
Illm. o Exm. r. Ponderandoocornncl Joaqun Ji
Luis do Sousa, eucarregado do commando da fores (ce-
la proviucia, que so ocha em diligencia ao Sul da mes-
illa, quo lia inconveniente era quo pora os p.igonientos
que lem do prtiocdcr, le llie reiiicllu cdulas de valo
maior. quo 10/000 rs.; levo isto mesnio ao conhccimeii
to de V. Exc, pora que se digne providenciar como ra
/oavelmente V. Eto entender. Dos guarde a V. Exe
Quartel general na cidade do Reoife, 21 .le agosto d
1845. Illm. e Exm ,Sr Antonio Pinto Chicliorro d
Gama, presidente da provincia. Antonio Correia Si
ara- '.
Illm. o Exm. Sr. A 12 Jo correnle fin remctlidi
por essa presidencia ao quartel general, o soldado de
sertordu eurpo provisorio da provincia da Parahibi, Jo
Antonio do Moura, u qual dovu alli responder en
Conccllio de guerra; em cnnseqiiencia rogo o V. B*. a
eonvcnientci orden, para que un vapor, que segu pan
aquella provincia, seja transportado dito soldado. Ueui
guardo a V. Exe. Quartel general na cidade do Recife
21 de agosto de 1845. -Illm. o Exm. Sr. Antonio Pinte
Chicliorro da Gama, prciidenlo da provincia. Antonio
Correia Siara.
Illm. e Exm. Sr. Cunslando-ie.quc se ocha a bordo
do brigue-escuna de g'uerra Caliopo, surto ueste porto, o
soldado dosertor da companhia provisoria em dcslaou-
luento, Francisca Aires do Paiva, eiii qualidado do cria-
do d'um dos uflToiaei do inesino brigue-escuna; rogo 11
V. Exc. as convenientes orden*, 110 sentido do sor re-
coudutido ao respectivo corpu o dito desertor, para
proocder-se na forma da lei. Dos guarde a V. Exc.
Quarlcl general na cidade do Recife, 23 de agosto do
1845 Illm. o Exm. Sr. sintona Pinto Chicliorro da
Gama, presidente da provincia. Antonio Correia Siara!
Ilm. e Exm. Sr. Opporlunaiiienle infoimei ao ante-
cessor de y. Exc, que no deposito desta provnola ba-
ria cerca do 30 reurutos disponivei pora seguirn a
rrtu do Rio-i!c-Janeiro; a 27 de morco ultimo, delibe.
rou S. Exr., quo osmesmosembarcassem no vapor G'mo-
piasi com aquello destino, e erVoctivamento se effec-
11,1x1 o embarque de 28 reclutas 110 referido dia 27, a
bordo do mesnio vapor, e frau os quo se acbao comprc-
heudidoa na relacao nominal, aqu adjunta, assignada
pelo secretario dcsle comuioudo. Em dala de 8 de abril,
enviei a essa presidencia as guias dos sobrcdjtos recru-
tas para tcrein o eomenieiilo deslino : o quo participo n
V. Exc. em observancia ao dispostu no seu ollicio do 23
do correnle. Ueos guardo a V. Exo. Quartel general na
oidade do Recife, 2a do egosto de 184a.Illm. e Exm.
Sr. Antonio Pinto Chicliorro da Gama, preiidcnlc da
provinciaAntonio Correia Siara.
Illm. eExm.Sr.O aviso imperial de 31 de jiilhnnu-
do, que ordena, se d baixa dosorvico ao 1. sargento
Antonio Ramos da Silva,o segundo cadete Jacintlio Jus
Gomes do quarlo batalhao de arlilharia pe, como por
V. Exo. me foi oonimunioado em ollicio do 22 do cor-
rento, nao pode ser exceulado, por nao perlencerein di-
tas pracas a guarnir o desta provincia, nein aqui cxis-
lirem. Deo guardo a V. Exc. Quartel general na cida-
de do Rocife, 28 de agosto de 184o. llliu. c Exm. Sr.
Antonio Pinto Chicliorro da Gama, presidente da pro
vincia.Antonio Correia Siara.
^. 1,'mrin iim-UMiai
INTERIOR.
RIO GRANDE-UO-NBTE.
GOVSuNO DA PROVINCIA.
Conetpondencia do Exm. Sr. doutor Casimiro Jote
do Moraa Sarment, com o inspector da the-
touiaria de azenda.
ANNO dk 1815.
Abril 28.
N. 1. Participando ter entrado no exercicio Je
presidente denla provincia.
Dia 29.
N. 2. TransmiUindo as ordem do tribunal do tbe-
souro publico nacional de ni. 14 a 18.
ijst.iMi'i raimna
ca he ao corpo. S l so vive bem entao; i smente se
respira volitado; cm quolquer outra parle achnmos o
arespesso, insalubre, o senliiuo-nos detiiihar.
Ao vollar do Boncuvino depois do seu encontr com a
ranilla Carolina, ha in-ie Rafaella recolhido immediala-
nicnle uo seu quarlo, como lugar d'asilo, e por nada
destu mundo a lint erijo de l arrancado. Depois de una
scena Uo nova p, ira ella, e de emojes tiovivos, ninis
que nunca uecessituva de solidao c recoihimento ; uflo
quo o tio fosse indiscreto, quo nao tinhn ello mesnio es-
sa dose de curiosidode A todos permiltida, e que na si-
tuacan prsenle, era pelo menos legitima a altercafio
da sobriuha com a roinha era para elle um enigma cuja
chave mais que niiiguem liaba o dircilo do procurar ;
mas como uo principio Hiera algumas questdes a Halad-
la, e esta s llie dera respoatus evasivas, asseutou em ana
oandura que ella nSu sabia do caso oais do que elle.
Na ventado, disia elle, Ue urna rixa bem extrava-
gante I E porque se longou a rainha com usco .' Quelite
filemos nos? O' mjsterio do ihruno! Throni myteria >
E voltava as suas queridas medalhas, que de ludo o con-
solavo e distruhiao.
A descoberlu de uina traiefio be golpe de niorlu para
as almas justa. Em quuoto Kafeella estove cm presenca
rainha o depois na de seu lio, pode conler-se soccor-
rciidu-se toda a sua oncrgia o nrgulliu, mas logo que
se acbou so, partio-sc-ibo o corocao, debulhou-ie em
N. 3.Eiigindo uma copia aulbentict do orca-
mento da receila e despezt, correipondenle ao exerci-
cio de 1842 a 1843.
N. 4. Patio ai inos do V. S. a inclusa Riiia do 1."
lente de arlilharia a po, Joao da Gama Lobo Ben-
te>, ao qual, por paisar a servir nesta provincia, V.
S. mandar abrir o reveniente asienlamento, a fim de
que noi devidos lempos I he sejSar'abonados os leus ven-
cimentos. Dos guarde a V. S. Palacio do governo
do Rio-Grande-do-Norle, 29 de abril de 1845.r.
Caiimiio Jos de Moraet Sarment. Sr. inspeclor
interino da tbesouraria da faienda desta provincia.
Dia 50.
N. 5.Communicando que leve o conveniente des-
tino o aviso de uma leltra da quanlia do 400j rs., uc-
eada favor de Joao Chrisoiloino de Oliveira.e contra a
tbesuoraria de fazenda da provincia de Pernambuco.
Maio 5.
N 0.Participando que teve o destino docostume
o aviso de uma leltra da quanlia de 1:200* rs sircada
favor do Joao Heorique de liveira Rigucira, e contra
a Ibesouraiia de'fazenda de Pernambuco.
N. 7.Accusando o reccbimcnlo da cerlido do
ponto dos emprogados di (azenda deila provincia, cor
respondente ao mez de abril ultimo, que veio incluso
no ofliciodo inspeclor,datado de boje,sob n. 79.
. Di'aG.
N. 8.Informe V. S. com urgencia, se essa re-
parlicao nao teui feito falta o amanuense Mafaldo Joa-
qun) de Mello, que pelo meu antecessor foi nomeado
membro da coinmisso encarrogada de examinar a oi-
cripturacao e contabilidade da tbesouraria provincial.
Ueos guate a V. f>. Palacio do governo de Rio-Gran-
de-do-Norte, G de maio de 1843. r. Casimiro
Joti de Maraes Sarment. Sr. inspector da theiou-
raria de la/.cuda desla provincia.
N. 9.Coinmunicoa V. S.^para sua.intelligoncia,
;ue por portarii desta data loi dispensado Mafaldo
oaquim de Mello, ofcial da secretaria dessa ibesou
raria, da commissBo em que se acba na tbesouraria
provincial-, detendo por isso aprescnlar se d'amanbaa
em diante nessa reparticao, a fim de oceupar-so as
obrigsedes do seu emprego. Uoos guarde a V. S. Pa-
lacio do governo do Rio-Grande-doNorte, 6 de maio
de 1845. Dr, Casimiro Jos de Moraet Sarment.
Sr. inspector da tbesouraria de (azenda desta pro-
vincia.
Dia 7.
N, jo. Participando que foi encaminbado ao seu
destino o aviso de urna lettra da qusnlia do 64GS rs.
saccada a favor de L'rancisco Ignacio Ferreita Jnior, e
contra a tbesouraria da provincia de Pernambuco, o
qual aviso voio incluso no ollicio do inspeclor, de bon-
letn datado, sob n. 83.
N, |],Uizendo que teve o conveniente destino o
aviso de uma lettra da quanlia do 678320 n., itc-
oada em favor de Jos Alexaudre Seabra do Mello, e
contra a Ihesouraria da provincia de Pernambuco.
Da 8.
N. 12.Participando quo foi enviada ao seu desti-
no a copia de orcamcnloda receta c despe/a desta pro-
vincia, pertcncente ao exercicio de 1842 a 1843.
Dia 9.
N. 13. Cumpre que V. S. me informe com bran-
dado quanto anda resta da quota marcada para a guar-
da nacional nesta provincia dentro do anno (nanceiro
corrente, deduzidas as despezus que necessariameote le
tenbo do fazer por aquella consignaco at o ultimo
de junbo prximo vindouro. Dos guarde a V. S.
Palacio do governo do Ro-Grande-do-Norte, 9 de
maio de 1845. Ur. Casimiro Jos di Moraet Sarmen-
t. Sr. inspector ioturioo da tbesouraria de lazenda
desta provincia.
r,._14._Communico a V. S. para sua indiligen-
cia, quo por portara de 3 do mez ultimo dispeosei
Manoel da Silva Ribeiro do cargo de promotor publico
da comarca do Ass, e nomeei para o incsmo lugar a
Bernardo Eugenio Peixoto. Dos guarde a V. S Pa-
lacio do governo do Rio-Grande-do-Morle, 9 de maio
prantn c cborou todu a noulc. A viaao de toda a sua vi-
da liavin-se*esvaecido pura semprc. O nasceute do sol a
nehou no incsino lugar o uo mesino estado, em que a
deixra o pocote, a robeco inclinada sobro o seio, as
mos cruzadas sobre os joelhos, no attitude do desfalle-
ciineiito. Vagucavao-lhe hmidos os graudes ollioa pelo
mar, cujo infinito solitario c triste llie utt'erecia entao a
iinagciu do seu proprio futuro. lio mal recompensada,
tao cruelmente engaada na alleieo nica, exclusiva de
toda a sua vida, ella sopergunlava o que taris d'alli em
diaute sobro a ierra, e media horrorisada os longos ali-
os quo Ihc rcitavuo a viver, pis q\ie s linha dcsa-
novo!
Ai de iiiim dilia entre suspiros, foi nesla cida-
de que miiiho mai morreo; uto puder cu murrer cuino
ella!
Os genios opaixouados slo absolutos; ludo levo as
extremidades e Se Inicio uo primeiro iiiovimento aos li-
mites do sotTi imeulo : ebegadus esse ponto, nao seque-
rem urredur d'alli, como que ubi so fortificio por assim
dizer, com o desesperado estoicismo do irrevocavcl, e
aem compaixao por si meamos repellen! cuino una iin-
po6sibilidadc, nina fraqui ia, quaji que como um sacri-
legio, todaaesperanca de consobeao. Tal era justamen-
te Haladla :. bem longo de querer ser consolada, e de
procurar urna distraalo sua dor, nella secomprazia
pelo contrario, c ucbitva nao ici que triste goato ciu ain-
de 1845. Dr. Casimiro Jos dt Moraet Sarment
Sr. inspector interioo da Ibesouraria de fazenda desta
provincia. .
N. 15.'Pendo por portara da 6 do correnle, oxo-
nerado a Leandro Francisco Cavalcant de Albuquer-
quar do cargo de promotor publico da Maioridade:
assim o communictf a V. S. para sua intelligencia. Deo
guarde a V. S. Palacio do governo do Rio-Grande-do
Norte, 9 de maio de 1845. Dr. Casimiro Jos de
Moraet Sarment.Sr. inspector interioo da tbeou-
raria de faienda desla provincia.
Dia 10.
N. 16Tendo por portara desta data nomeado ao
lenlo Joao da Gama Lobo Bcnles instructor do bi-
(albo da guarda nacional desla capital com o venci-
menlo ente Manoel Ferreira Nobre para inspector do bata-
lhao da villa de S. Goncalo com o mesmo rencimenlo,
que percebia : atsim o communico a V. S., para que
Ibes mande abriros competentesaasonlarnentoi, a fim
de Iho serem pagos os respectivo* vencimentos no* de-
vido* lempos. Dos guardo a V. S. Palacio do go-
verno do Rio-Giande-do Norte, 10 de maio do 1845.
Dr. Casimiro Joti de Moris Sarment.&r. ins-
pector da tbosouraria de fazenda desta provincia.
N. 17. Ollicio, participando ter nomeado ao alteres
docrpo de polica, Miguel Poriro de Sonsa Caldaa,
instructor do batalhao da guarda nacional da villa da
Maioridade, com a gratilicaco mensal de 168000 n.
N. 18.Officio, communicando que teve o destino
do coslume o aviso de uma leltra da quant.a de 600
rs., saccada a favor de Jos Gomes da Silva, e contra
a Ihesouraria de Pernambuco.
Dia 13.
N. 19.Ao inspector da alfandega, mandando en-
tregar a cas de farinha de mandioca, das dusentas que vierto da
corte, para serem, em conforrnidade das ordeos im-
pvrises, distribuidas pela pobreza desta cidade, o seus
suburbios.
DiaU.
N. 21.Transmiti a V. S. ,para seu cooheeimento,
a inclusa guia do 2. lente do engenbeiros Manoel
da Silva Pereira, a fim de que nessa repartilo so Iba
abra o seu assentamento,para Ibe serem pagos o* sidos
de sua patente, nos devidos lempos. Daos sjuarde a
Y. S. Palacio do governo do Rio-Grande do-Norte,
13 maio de 1845. z9r. Casimiro Jos de Moraet
Sarment.Sr. inspector interino da tbesouraria da
laienda desta provincia.
N. 22. Communicando achar-se encarregado das
obras militares, segundo as ordens do governo impe-
rial, o 2.' lenle de eogenbeiros Manoel da Silva Pe-
reira.
N. 23.Accusando o recebimnnto do officio do ins-
pector, datado de boje seb n. 92, e dizeodo que eslava
sciente de ter elle entrado no eurcicio do seu em-
prego.
N. 24.OIicio, participando que foi transmilltda
ao Exm. Sr. ministro da guerrs a conta da despoza mi-
litar effecluada no mez prximo passado, pertenconta
ao exercicio de 1814 a 1845.
Dia 15.
N. 25. TransmiUindo as ordens do tribunal do tbe-
souro publico nacional de ns 19 e 20.
N. 26.Communicando ter enviado ao Exm. mi-
niatro da faieoda o officio n. 18, que veio acompanbs-
do do do inspeclor, sob n. 94.
Dia 16.
N. 27. Mandando ajustar as coalas do tenla do
imperial corpo de engenbeiros Manoel da Silva Pereira,
cuja guia foi inclusa no officio n. 21 ,de 14 do correte.
* Dia 17.
N. 29,Participando ter enviado ao Exm. minis-
tro da marinba o balancete dasoperaedes de debito o
crdito, bavida no mez de abril ultimo.
N. 50.Reapondendo ao officio do V. S.,sobn.
97, em que me communica nio baver quota, pela qual
possa ser aalsfeita a despeza com os vencimentos do te-
da exagera-la. No mais, nada do manirestorus estron-
dosos, nada de rumoras externos. Qiiondo cessou decho-
rar, o"oi lagrimas so llie enchugrio, porque nao a*
tiuha m/is a derramar, abtorveu-ie, abiimou-so oni
silencio inerte; lo completa era a sua iinmubilidadoque
a dissereis murta, a au serem os nio violentos intermit-
ientes do seio repleto de suspiros c solucos abofados.
De repente ctlremeceo: tiuha-te aberto violentsmcn-
le a porta, o um frade apparecra, era Fabio A trra
tremen sob Katitclla ; tornoii-se paluda como ojnarmore,
moa conlevo o grito prestes a escapar-lhe, o na sua dig-
uidailede niulher, cuuplacavel irona de dunzella, aobou
bastante forca para recebe-lo com calma e friexa.
Corra Fabio a ella com a erluso de ama ternura por
tanto lempo combatida, o exaltada pela ausencia. No
transporte que para ella o arrastava, abeii90iva o rompi-
iin uto com a ranilla, porquo a la posicao era mais ho-
nesto, o ao menos seu* combates haviao cessado. O que
linvia perdido neiihiim valor mais tiuha a seus olhos,
ipian.lo peusava no que Iho ficava. E demais, afora ae-
tiincntoa maia vivos, que faziao bater-lbe o coracao, as-
ta va na efferveacencia de uma gratidao que anda s au
liavia manifestado ; por quinto salvo o triste o cuito e-
pisodio de Si gesto, do que ao nao poda lembrar, ai
tornara a ver Rafaella, deide que ella Iho quebrara os
ferros. Api-zar do todas as suas fraquexas, do toda* as
soat incertetat, nAu era homem que esquocesse tao no-
ILADO L


.0 do imperial corpo de eogenheiros Manoel da Sil -
i. ..''reir, que por viso de H de marco deste anno
foi mandado para dirigir ai obras militares da provin-
cia, das quaes j se acha encarregado ; cumpre di-
ter a V. S., que.com quantu nao baja quota para o pa-
gamento dos venciuientos do referido lente, com lu-
do 11Tos dcver V. S. mandar satisfazer sol) minha rus
ponsabilidade, por qualquor das rubricas do crdito do
ministerio da guerra, un que por ventura bjo sobras,
alqueogoiorno imperial, a cujo conheciment vou
ja levar esto negocia, resolva sobre elle definitivamente.
Dos guarde a V. S. Palacio do governo do Rio-Gran
dc-do-Norto, 17 de maio de 1845.l>r Catimiro Jo-
s ae Muran Sarment Sr. inspector da thosouraria
de Iffienda desta provincia.
Dio 19.
"N. 51. Tendo bontom concedido demisso de pro-
curador-fiscal interino dessa thesouraria ao bacharel
Octaviaoo Cabral lapozo da Cmara, por assim m'o
havor ello requerido ; communico a V. S. para sua in-
telligeocia. eos guarde a V. S. Palacio do govor-
no do Rio-Crande-do-Norte, 19 de maio de 1815.
t)r. Catimiro Jos de Moraet Sarment. Sr. ins-
pector da tbesouraria de lazenda desta provincia.
CORRESPONDENCIA i>ARTIC.Ul!AB.
Meu bom amigo.
Cid.lde do Natul, '-"i do agosto de 1845.
Hontem Ibc escrevi, c posln que mu cilensamcnlo,
lite nao iluso, com tudo, o que desejava; tem mesmo o
poderei f.iter agora, que chega o vapor, o qual, no aei
]>or quo fatalidude, nSo te quer demorar as seis luir*,
quo Ibe estilo ninrcnd.is, j que nao lemoa o ventura de
tbter, que enlrcm ua vapores neste porto, onde tudas a
coimnodididc se Ibes o riere ce ni. Torc, por tanto, de
llio dtter niui puncas cousas.
Dizoin-inc agor, que o talOctaviano de que Ibc f.illti
na minha anteeedente carta, arge ncsle uieiino vapor
para o Riu a dir tnlvcx rnntn do resultado da coniroisiSn
de que fui cncarrpgnHo. Pobre tulu e pensar elle, que
o Ernesto acreditar que Ihefet algum aervico na olei-
ca, quaiiducllo, oinmcnle ello foi acuna de nAo en-
trar o mcsinu Ernesto na lisia trplice ? Anula pensar,
que .lignina nutra recuiupensa Ibc esl preparada ais
seus bons trricos, a nao ser a procuradura riscal dealn
provincia, que lu antecipadumenle Ibe foi arraujadu ? !
Nunca pensci, meu charo amigo, que n Octaviaiio ISu
estulto, cuino lio, pintease engaar ao Ernesto; mas un-
fin, como o enganou n primoira ves, lenta inda a se-
gunda, posto qtie.nu meu fraeu entender, supponbu quo
desta fieari mamado, nuil j niu han de pegar as suas bi-
sas! Saltera que grande bocharel Luis Frane.iicu,depuis
de fazer actos valumosos no Ass.de compuubin com o sen
perverso es-proinotur Manoel Kibciro, processaudunlli
a todu o inundo, sem Iho escapar mesmo u scu collegs
o duuiiir Luit.Goniaga de Drito Guerra, que alias lie
un completo magistrado, e mneo multa honesto e de
bem, ruoaco para o Rio, o I est 11(0 aei lanudo o que.
Senipre cuntei, que as duas iulcmpeslivas nuiucaces,
que re o bello, lo Luis Francisco para juit de direitu in
terina do As, c do fanon huso l'.ibeiro para promotor,
trariao o resultado que iruuxrro; tuliiuieute, poriu, u
Ass est buje livre desses duus saiiliu los uorlistas, por-
que um fui, cuino disse, para o llio, e o uutro fui cun
toda a justica c acert demittidn de prumulnr julo ac-
tual presidente, cun u que sucegou logu aquella cu-
marca.
O Ribeiroeslava all pronunciado em duus ciimcs ina-
fianca veis, e por elle ehegnu aira enileia; mas oume-
cirao logo os seus correligionarios, c elle inesinu, o fa-
zer tal gritara de que tudo era vncanfa, que o presi-
dente, iinezar de faicr bull conecilu das autoridades du
Asr, julguu dever recoinmcudor Ibes, que admiuistras-
seui iniparcial juttica a Indos, au ee prestando a rcic
(.Oes, o vendilas contra qupm quer que fusse.
O presidente tem dado pruvidenoiassubrea rclaxofo da
thesouraria ge ral, n que o bello ileixun du fazer,bavendu
necetsidade urgente;entretanto a thesouraria agor j nao
he o lugar do reniiet vous dos prrguic so.<. linin ar-
menio, Dos te fade bem I Meu amigo, o estado em qno
estova aquia thesouraria geral, entregue a um Pedro de
Alcntara, e a um ltonifacio, era digno de lastima, mas
pouoo lempo dura a alegra cm casa do pobre : ehegnu
u Sr. Sarniento, e j aquella repartirlo vui lomando gei-
to Tcinu que a mala se feche, cj nao quero man, ra-
bisca)'; gunrdarci para nutra vei. Continu a rciuettei-
iuo o sen Diario. Acccito u adeus de scu, etc.
Multa de 3 p. c. sobre a divida provincial de
18U a 1845
18,030
l->:488,504
Mesa de rendas internas provinciacs, t. de setembro
do 1845. Ucscrivo o administrador,
Luis Francisco de Mello Catalcanti.
CORRF.IO.
CORRESPONDENCIA DA CIDAIIF. E PROVINCIA.
Em continuacSo ao que bontem disse, tenbo aaccres-
centar que a queslSo sobre o espolio do galego liento
padeiro, que se di/ia casado na Hespaoha, iicou em
agoa de arrolla : eu logo vi, que os Santinhos do scu
rico oratorio haviio de obrar o milagre Deixemos essa
hernnea que nSo falta quem Ibetenha boa vontsdeo va-
mos ao que importa. Ditem que em o primeiro vapor
que esl a ebegar do Rio" chegaro os (re hroes,
Brito, Alfonso e Varrello, e mais dizemquese sdiantSo
para aplanar os eamiobos, e abrandar os artistas, que
com razSo estao dando odiabo acarrada com a forqui-
Iba. Ora o qu. poder fazer o Flix, que, protestando
como rhristao quo o seu voto seria empregado em prol
do Brasil e principalmenle contra imposlos vexalorios,
mlico por l a viola no sacco, e s cuidou de relaefies ?
Que poder conseguir AITonso, dos artistas que conbe-
cem a sua nullidade, o que, sendo o primeiro deputado,
ainda est a espera da primeira palavra? E que do
Varrella i' Os artistas bem Ibe pdem repetir estes ver-
si n los
Escriplor quo por tres pesos
Calhandros nao enfastia,
No pode da libcrdado
Servir-nos de garanta.
_________ (Extrah.)
Assim, pois, se pasiou a eleiclo sempre acompanhada
de um estado bonancoio, e sem que a menor alteracSo
bouvesse nosocgo, a na pblica tranquillidade. 'Natal,
1J> de agosto do 1845. Um liio-Grandense.
mwsmsmsmstisasmmsimsasM
Variedade.
(Jom municado.
PERNAMBCO.
Rendimento da meta de rindas internas provinciaes no
miz de agotto prximo patsado.
A SABER :
Decima dos predios urbanos
Sello de beranca e legados
Meta siza dos escravos
Cinco mil ris por escravos despachados
Passaportea do polica
Notos e velbos direitoi
Matriculas de aulaa de grammalica latina
1 mposto de 12*800 rs. sobre fabricas de tabaco
(erraras
> olarias
Juros da divida activa provincial
,lm im,-mfgTain
o primeiro
10:787,406
30,583
1:046,150
50,000
1,800
250,000
10,000
12,800
51,200
25,600
200,129
jajataimjj 11 i i>-
niovinientu todo
bre beneficio, e assim toi
dedicado gratulan.
Kin Em, elaniou elle lancando-se aos pes da snn
libertadora, ionio a encontrar-vos e duplo ho u meu rc-
<'uiiliccimento, porque vos devn cum a ventura* do ser
livre esta ainda maiur de vos turnar a ver.
Cuino quera tumar-lhe a mito para leva-la aos labios,
ella resoluta ainda qne sem violencia u relir.ni. Ignora-I Ftibio se naodoosse: subo-lhe o rubor ao insto, lev-
Fabo o falal encontr de Boncevinu, c asecna que|tuu-se de npeiile, o laucn Rafaellu inquieto albur;
A KLEI5 if) DE ITSJ SENADOR PULO RIO-GR ANDK-DO-NORTK.
Ouundu no meio da poca em que vivemos se nao
movem os negocios eleiloraes, sem grande bulicio, sem
quo mesmo re ponbao em pralica as paiies mas desor-
denadas, e muitas vetes se utanfestem as maiores vio
Icncias da parte de alguns agentes do poder; quando,em
litn, um longo campse almo no Rio-Grande-do-Nor-
te, em quo deveriao apparecer csses manejos escanda-
losos do da, essas innumeravois querellas, que de to-
das as partes se ouvem em tacs occasioes, e por um tal
motivo, temos a salislaco do annunciar, que o Rio-
Grande-do-Norte foiporesla vez'sento desses vrti-
ces da ambicio, do emprego desses meios, que o bom
senso reprova, c que as leis nao au,torisio. Reaiisou-se
li nal mente, no da 20 do j u 1 ho, a eleicao do senador por
esta provincia, o com tul calma, liberdade e serenida-
de, que nada dcixou a desejar. Nao bouve a menor ir-
regularidado em nenbum dos cullcgios da provincia;
ludo se fez, tudo se praticou asombra das leis, e no
pleno exercicio da mais perfeita litierdade.
Assim o baviamos previsto, desde que tivemos occa-
siio de observar a maneiA nobro, cbea de dignidade, e
por cerlo nao vulgar, com que no curso dessa eleit/o
se portou o actual presidente da provincia, o Sr. doutor
Moraes Sarment; o qual levo certamenle maisconsi-
ilerneai) s luis que ao respeito dos bomens, desem-
peohando assim o dever de um consciencioso adminis-
trador, que, de mais, sabe respailar a nberdade do voto,
esse direito irMuferivel, concedido pela le fundamental
aos escolludos du povo.
Oblivero a maioria de votos nessa cleicio trez cida-
ilaos respeitateis; u veador 1'..tilo Jos de Mello Azeve-
doeBrito, o conego Manoel Jos Fernandus, o o co-
ronel Joo de Oliveira Mondes ; e apezar de saber-
mos, quo o Sr. doutor Moraes Sarniento apresentou
como candidato do governo o concelbeiro Ernesto Fer-
reira I' ranea, por cuja eleico so mostrou asss inte-
ressado, lambem nao ignoramos, que para este lim nao
lancou maoS. Exc., senao de meios mui justifcaveis
e deceotcs, valendo-se nicamente da arma da persua-
sfio, e de toJos aquollcs meios honestos, quo, eslavio a
sua disposi(io. Nao conseguio certamenle S. Exc. o
seu fin ; poique o sou recummendado candidato pode
apenas alcancar o quarto lugar na ordem dos votados.
Ninguem ha, poim, que dusconbtea a razo de ba-
ver isto succedido, esabe-se geralmenle, que, estando
todus as cousas bem dispostas para ver V. Etc. realza-
dos os seus desejos, na proximidade da eleicao, apre-
senla-se na capital um bacharel de nome Octavianno,
dizendo-se encarregado de piomovcr a elcico dofnesnio
candidato. Este moco, que na provincia he asss aborre-
cido, e que demais pe lente ao partido da minora de-
nominadonoitsta, pela sua necidade, e pelo afa
com que se apresentou por toda a parte, como que que-
rendo impr obriga(ao aos proprios eleitores do partido
sulista de votarem no sou candidato, desaliou de tal sor
lea indisposieao dcstes contra o seu candidato, que j
com grandecusto, o a forca de muitas diligencias, po-
de o presidente obler, que fichase ocandidado do go-
verno em quarto lugar, o qte nao teria cm verdade a-
contecido, a no ser o referido bacharel, que grandes
tropecos creou consecucSo dos fins, que o presidente]
levo em vista.
para qne bediier quo tudo entre nos est acabado, qnan-
du nada havia eoiin c.ulo.' Eris livre em voseas acedes
ciu mnu affeicoes, CUIDO en o era nns niiiilias; ritstes
da vossa liberdade o uso quo vus conveio fazer; podioia
(uniente puu|iar-vua meu respeitu urna mentira gra-
tuita, O umitas falsidades iuutcis,
Eslas acres reprahenses feriao muito certas, para que
OSEMPENHOS. .
Ainda nan ha muito, ouvioios, au nos leiubra a quem
nciu aonde, quu o nsso paiz lie o pai% dosempenhos I Es-
se pcnsamenlo nos indutioa algninas rcfleidea, c di lias
culliemos resultadns muito comprabaloi ios Acbn-se
apenas do esperanraa n Sra, R Peciosa, que nu niRri-
do vai rmpenhar-ie com n Sr. Agencia, nil eutro qual-
qucralugador ou vendedor de eseravos, para que lance
as vistas para algunia boa ana do loite, que seja da pri-
meira barriga, e que se venda livre de todus us vicios :
com i'lleito, median le muitos es forros c s para servir ao
sea nuiiyo, ageita-sc nin.i boa ama do loite, a qual ae ven-
do sincnto por certas quijilas quo a Sra. levo eoiu seu
mando, a respeito do tillio da cscravn ir ou nao para a
roda : X Sra. D. PregiusA nSoolha a isto, una vez que
a osera va lenlia bom leite. Nascc o menino; o u carinhu-
so pai, depuis de o ver baptisado, Irata do empeuhar-to
com o Sr. doutor Cura-sempre, para ir a sua casa vac-
cinar o recem-nascido, afm do livral-a da macada de
ir cmara municipal rcsiituir a vacoina aos outrosqe
a careocrem. Sr. doutor CuRA-SEMPRE,que nao he era-
pregado no repartirn da fascina, empenba-se com nu-
tro Sr. doutor para ter algumas laminas; o nbtidas estas,
tai com toda a gravidado vaccinar o menino, Chega este
menino idadu du ir pnra a escola, o cnlAo u pai vmpe-
iiha-sccom o Sr. PalavriAdo-ciiociio, professur de pri-
niciros lellras, para quo pune muito pelo ineninu; mas
quo o nlocastigue, porque he elle muito frontino : te
purein o pai he rieasso, vai enlao Mu. UmverSEL, di-
rector de collegiu, que a truco de grande suiuma mcnaal
eniiipromeltc-se a ensillar.ao pobre pequeo aquillo
nesmo que csqurceu ao diabo Mas qual! lim menino
demais, he s demais um pensionista, vale 50/U00 rs.
mensalmeute Sai o menino das suas primeiras lettras
bem mal alinhavadas, c ja ento ho anas uonteatafes
entre o marido e iiiulber, sobro o destino que cumpre
Jar a lio ntervssanto enanca. Ello tem muita propen-
sdopara dcputailo, dizn earinhnsa mai. Du com tanta
grata. Apoiado, apoiadissimo !.... devo ser junde
direiui, deve ir para S, Paulo. Va pora o collegiu de
Pedro II, diz-lhu o bom marido.E, ueste dte tu, dire
cu, sepassa bastante tempo, ote que por tiui se llio pre-
paro u enxoval, e o pequeo vai ultimar os seus estudus
no cullegii) do Pedro II, porque, emliiii, a senhora sua
mu houve por bem consentir.
Eisquo o pai so vai eiupcnliar com todos os professores,
com o reilor.o vicc-reitor.oate mesmo rom os inspecto-
res,aKui do que sen filhureja bem suncedido. Seonicuinu
be vailio da primeira claasi-, v leu umilaa faltas, che-
ga-se o lim do anuo, e o bom pai vai empenhar se com
us ouiigus iios profess.ires. Acaba-sc pur Km o lempo
do eollegio, e u menino, que ruido j he moco,' e oha-
ina-so o Sr. Sabe-tudu, e ja passeiu pelas ras da eida
de cum scu enurmo o indispensavst charuto, eumeea a
manifestar ardeutes desejus de nada fazer; mas, como he
indispensavcl que de alguma cousa se oecupr, ou vai pa-
ra a aula du cummerciu para seguir carreira du em-
pregado publeo; e neste caso o pai empenha-se em
lentes e iim explicodorcs para conseguir u diploma no
hm dus duus anuos; ou vai para a academia de marmita,
e enlao o pobre pai empenlia se para que elle seja ail
mttido; empenlm se para u exame preparaturio; erupe-
nba-80 para que ello entre no numero; e pelo lempo ad-
ame vai-se empeiihando para quo tenba elle licenfas pa-
ra vir o Ierra; e muito mais anda so empellita para que
seja approvado nos fins dos anuos. So vai paro a ac
deiiiia militar, a misma lula de empenhos : oiupenha-se
nos exames preparatorios; einpcnha-iu us exames do
arilbmetica; euipeuhn-sc nos exames dus fus de anuos;
cuipciiha-se para que periclita a engolillara; empatilla-
se paro a classificaco aunuiil; empellita se paro os excr
cielos praticos; empellita se us exames de oppusiclo;
euipenlia-se cura os purteirus para quolhe tirein os pon-
tos; eiupeuha-so Cum na medios para que Iho passem
attesi.idos de molcslia, para tirar as tallas ISo vai para
S. Paulo, empenba-se com nlgucm aqu da corto, rela-
eionado nlli, para Ibc dar agasalbo e ulhar para elle; o
all empeiibo-se em sen favor cum o dircetor c demais
empregadus do curso jurdico !Se vai pora a escola du
medicina, ciupciibos nu cuso; o setnpre, o mesmo no
lim de tudo, depuis de sustentada a lliesc, einpenba-so
para cum os princi|iacs mdicos para o ir metiendo
caro Se, porcm, dovo o joven Su. Sare-tudo seguir a
cari eir do entpreg do pblico, ai meu Dos! nunca
mais o pal deixa os imigoa dos uuigus dos ministros, e
qunsi sempre he eunuulradu lurgus huras nts cochoiraa
de SS. Excj., espera do um olhar benvolo, do' urna
palavra menos dosaloiiladro (Jumera u boru do pai pur
pedir para seu filho um lugar de ollioial de secretaria,
pan o qual protesta que seu lhu tem todas as habilita
COea; e acabo pur contentar-sc com o lugar de guarda da
alfandoga, uu do cuusiilado.
(jein ae pode entender com ns empenhos, quando se
trola do decidir uiua causa na relac.au P Pobres dos de-
senibargadores au se pdem niuver pora, nenliuin la-
do, que nau encoiilrciu uui compadre, um amigo, um
empeuhu!
Se se vai a julgar algum processo no jury, principal-
mente uestes uue cheiro a prelot nonos, apenas sortea-
dos os juizes, logo su acbao encuiraladoa por tantos em-
penhos, pur (antas cartas, que be um nunca acabar I
t'mpsnhao-st os interessados com este ou aquelle indi-
^mssststmMmaiastsaBstamsmstismss^asasMmmismm^^^m^s
triduo de boa feiclo, i fim do apparecer por acaso nos
lio do jury, para ser chamado em falta <)'algum doen
te, ou algum pertinaz jranoo, que 1em declarad"
que, te r torteado, ha de votar contra o pretend"
te: neste caso os empenhos so, para que o sujeifn li
naov, o o sujeito que quer art>tVao luimigo, L\ "
xe-se (car em casa.. .
Tem o Sr. Incansayel da CoNvewiKNc \l\tt
tenciozinha na cmara dos doputados ; quer umsl_
lorias, ou privilegios: abi vsi elle e seus amigos- ',
interesados, por casa de todos osdeputados, e tl
todas ai manbas na cmara, esperando pela Ii0fa
sabida, i fim de nneaeanar-llm nsr. A JestsUd,, i .-, *
a^^sslF ~,~s**imtj I 1 iii
mortificantes que Ibe to todos 01 discursos depoii-^T
tocar duas horas.!
Da aoa diabos o luxo de patarras, e ai tcticas parla
mentares, e todas as questSes de cmaras, minitterj'
dic. : o triste he cOndemnado a ouvir discursos furc 1 i
porm, quando se twla de dar o seu negocio par or-
dem do da, eil-o que espera por esse instante
como o culpado pela sua sentenca ; e devora cada um
palavra dosoradores que tornan parte na disequj
Ibe diz respeito E o marlyrio que passa a ouiir qID'
to diz o orador, que desconbece vanlagens em tuai
peculacio !....
Tudo por quanto pissa um deitei sujeitos ni eimsra I
deve passar igualmente no senado.-'*'
Quer o Sr. Descobre-hel-db-fao ir habitar un
casa que Ibe faz muita coota ; empenha-se com o pi0.
prietario para laier o inquilino despejar,- paraoncai-
xar-ie elle em leu lugar.
Quer o Sr. Lkau ir ao baile dos eilrangeiroi; n.
penha*se com os seus amigos para obtereru-lhe un
cartSo!
Empenhos para ter urna janella para ver urna proc-
so f empenhos pira ter um bilbete do camarote em dii
de gala, ou da a Norma ; empenhoa pan ter um lu-
gar no mnibus depoii de completo ; 1180 faltara <|om
se empepbaue para ter entrada na barca de vinnrqui
supportou a explosio o anno panado.
Vejamos agora qual he resultado de tantos ompenhoi.
Se o Sr. Abrania-vida quor ser servido na sus prelen-'
cao, abi o tomos perguntando a quantos encontri: ,
Quem ser um bom empenho para o Sr. Gravidadi?
At que depara com o oflicioso Sr. Vida-alubia, eia-
tio tem lugar pouco mais ou menos o dijogo seguate:
Abranja-vida : Conhece algum empenho auto
Sr. Gbavidadb?
\ ida-ALiitu ; Sim ; o Sr. Abblbodo muito com elle.
Nao le quer isso, quer-ie pesioa que mande ne|.
lo a quem elle nao pona diier: -, No.
Isso beoutracousa : olhe, elle deve, enlape-
quena quantia, a umcertoSr. Cehto-por-cinco : eu
se isto, porque este sujeito contou a um compadre teu,
que lambem be meu compadre.
Por abi j nio vamos mal; mas quem diabo Iti
de empenbar-iu com o Sr. Cbnto-pob-cinco ?
Oh I la isto nio Ibe d cuidado : elle tem abi na
ra dos Ferradores urna certa amitade, onde vai muilo
oceultamente : he urna cousa de meu oonheciminto, be j
unha com carm enm es sujeita ; e se voss quier, I
dndose algum presenlinbu a....
L por isso.... o que eu quero he ser servido,
custe o custar.
Eii portento um grande meio de saber o que hi de
mais oceulto as vidas privadas! Eia urna da> codm-
quencias dos empenhos. Urna oulra, e nao menos pie-
judicial, eque, finalmente, anda-so por aqu, endite
por all, com estas atracados continuas; enuncu
justica ae faz inteiramente I .Qual he o que si nao tor- ,
ce?.... As senboras, essas, consideradas como meio
de ae realisarem os empenhos, aSo muito mais temiveii;
porque nao entendem de raciocinios para provar que n
pedido he muitas vetes absurdo Ped, i quero ir
unida e quando urna senbora se chega a persua-
dir, que bo attendida e procurada para conseguir-sets-,
(a ou aquella cousa diflicil, entdo quem pode com ella ?'
Longo vai j este artigo, e como todas as cousas datera
terminar, o terminaremos aqui.
(t9o Daguerrolypo).
COMMEBCIO.
Alfandega.
Henmhento do da 2.................I:963/
Detcarregad hoj 3.
Patacho/ame/carvo.
SumacaS. Annamassa.
Consulado.
Bendimento do da 1.'
Geral1:426j9S3 ProvincialBS0j03i
Aiovimento do Torio.
ae Iho seguir; mas no gesto de Haladla, c oo cncara-la
cun ullcnotu, percebeo que ella eslava na defensiva c
que alguma cousa havia occorrido. Mas u que, nao nde-
vinbava ainda.
Haladla, disio-lhe, he assim que me recebis?
Erguei-vos, reapondeo ella cum frieza ; ludo esl
acbndu; ludo.
A'estas palavra Fobio tere urna rapid i iutuieau da
verdade; mas a sua ideia fui do qjie linha havidu urna
del.icio e que o delator era Caslron. O perigo pois I he
iiareceu muito menor do que na rcalidade era; c ainda
que abalado deile acolbimciitu inesperado, julguu fcil
conjurar a tormenta.
Acabado! disse elle sempro aoa ps de Rafael-
la. Que palavra meu Dcoa! Pronuuciastc-a com ef-
teilo P
Na verdade, replicou ella com a niesma firmeza e
quasi agnsladu, contra s mesmo, porque em tudu
quanto se pastara o sen maior inmigo Imita sidu elle
mesmo.
Un, falso! replicn elle; cu, mentiroso.'.......
Sim, rabio, vos! Nio ensaiei muamo juslificar-
vot, que o farieis a expensa da verdade, e isto seria su-
perlloo. Nada prevalece cuntra o evidencia, iodos us
voasus protestos serian vaos d'ura em diaule : quando ae
abusa du direito do sor acreditado pela palavra, acaba-
se por pcrde-lu, c vos o pcrdcsles.
I', como Pablo tizetto urna exelamafao do aorpreza cun
getlu doloroso.
He triste para um hornera, prosegu ella, bem o
sinto, oo vir em face lo duras verdades, mis he mala
trillo anda merece-las, e ter a cunscienuia do que a-.
merece.
da sua vida fizera no corelo de Itafaelln horriveis ca-
tragus. Eogura, cuiuo recunquislor o torno amor que
por sua culpa havia perdidu ? Pur algum tompo estere
sem responder ; alurdidu du golpe que o ferira nu sa-
bia deliberar se dovia negar affuuto'ludo, uu' se com
sinceridade stigeilar-iu s penas merecidas. Duranlo a
delibcracAu interna, proeurava encarar com Rafaella
poro do seus ulhos lirar resulucSo, mas nao podo encon-
lia-los, que para evitar iaso o tinba ella poatoa na vas-
ta cxlcuaau du mor.
Rafaella, disse ello obedeoendu ao eu primeiro
impulso que era sempre bom, he possivel que me tratis
assim? Se cominetli urna falla, nao deva adiar em vos
indulgencia, generosidade?
Nao contis cum isio ; icen quiten perduar-voi,
neo Uvera o poder de faic-lo; meu genu isso so recu-
lar, e comu tonlio peilo mitrar-me com voieu mais
tranca do que o fustes cuinmigo, declaro-vua que nln
pudendo perdoar-vu nao o quiten. Pora que rae enga-
nastes? Nada vuiobrigova isio. Vuiia duplicidade he
tuda v uluntarin, lie sem desculpa.
Mas era fim qual he esse grande crime uue com-
melti?
Vos m'o pcrguiilai? He provavelmenlo una al-
inda para saber al que ponto e.luu infurmada. Saboi
A'aeioi entrados no dia 2.
Aricaty ; li diai, sumaca brasileira Perola, de 1
tonoleda, capillo Francisco Nicolao deAraujo.equi-
pagem 13, carga couros e mais gneros; aMsnoel
~n*smsi^simsmmmnmsssmsamtus^sM_i^mt^mm'iii> Ti Tr
n.nprebcndeo Fabio enlao que o mal era multo ina.or pi. (|e nada ignoro. Nem a vu.sa intriga com o Ntoha
come.furSo .obre humano par. con.erv.r-se .ere...,|do que. principio pensara, e que a dc.coberia do leor|Carolina, que eumo a mira engauailea, nem^o"o..upa.-j
leio com ella em Segcito, onde indignamente nos KC~
gaitei a niim e a meu to, nu meimu lugar cm que al
gu.il dia antea to msgniicoi protesto me hivicii hi-
to. Oh! quito depreivel vos dev.cil entJ" julgar.
Ulba, Fubio, esse nico instante seringa de lods
vussai mentiras. NSo sou vingotiva, mas so u lora, alo
pudora infligir-vos coingo mais severo, du que ene a
que o acaso, en digo acaso?..... que Dos uicsiuu val
ooiideniuou.
De veras, 'disse Fabio, oscilante entre a colera el
vergonba, folies maravilliosaiiiento servida, nunca lie""
ve delac-o mais circumslauciada.
NSo houve delacao nem delatorca, n n3o querer-
dea aecusar a priipria raiulia.......
A rainha ?
Sim, della he que cu soube, o que sempre qoiaera
ignorar. *
Vos fallaste, rainha .' exclemoii Fabio confu0 *
admirado. Expliear-oie-beii esse enigma?]
Nao cstuu do humor, crede-o, propor-vosciug*
mas; fallo da rainha pur que a encoutrri em BuicevnWH
onde fura coiumoutio procurar noticias vossa, CP"
cerlo nao ron la va sabe-las d> ua bocea, Betnachl-'M
em vossa cas. E inaia nio admiruu o encontr, do qu0
ella e du quo vtis mesiuo.
(Continuar-si-ko,'
y MUTIL


Ignacio do -.i-ira : passigeirns, Joanna da Silva
B elisia, Francisca da Cbagns de Jczus, 1 filho me-
nor oa'escravos a entregar.
. i.-r,ncisco-do-Ciil; 26di.s, patacho brasileiro Nooo-
Smica, de lil tonelada, capillo Mtnoal Rodri-
gues Rmenla, equipasen l, carga farinha; ao ca-
bI3o: passageiro, Crispim Anlonio do-Mirenda.
J.'. |*2 dia, briguo braiiloiro Flix, de 187 tonela-
das' capilao Manool Jos'Ribeiro, cquipagem 16,
cara sal ; a Firmino Jos Flix da Roa.
fx'avio lakido no meimo dia.
RiLia; brjguc brasileiro Indiano, capilao SilveilreAn-
lonio uu oilvs, esrgs .-. a,
Obiervaca.
Arribou o biate brttleiro S; Joi, que ahio, no l.'
Jo correnle. para o Aii.__________.
Eclital.
film. sr. intpoctor da thcsorariidat rendas pro-
viociaes manda fazer publico, que, cm cutnprimento
do artigo 34 da Ih provincial n. 14* do correnle au-
no perante a mesma thesooraria, nos dia 3 (hojo) *
Sd'oietembro prximo vindouro ao meio da, erSo
rematadas, a quem mais'der, pelo preso annual abai-
,o doiignado por tempo de 3 anno, a contar do l.
deoutubro proxino futuro a 30 de elembro de
1818 as rendas prorinciaes que se ochSo a cargo
i collcctorias, em todos os municipio da provincia ,
com exceptu d de Olinde, Goianna e S. AntSo.a
" \ojrassioltsmaraca...... 579*000
rh........... 798*000
fim lio quu rccebcrS na porta do tino tro motado do
bi 1 hote (onde ter marcado oassento) que devoras guar-
dar al o fim da representaco para mostrar, so Ibes fr
pedido.
Os bilhcle acbSo-se venda om casa do director,
na ra Nova n 7, segundo andar, o, no dia da recita,
no botiquirp do tbeatro.
A peca Os successos, ou escola da
advogacia e Iliteratos, tjue, a beneficio
de dous particulares, devia ser represen-
tada a 3 i do pulsado, subir sceua
quinta feira l\ do correnle. Us benefi-
ciados pedem aos seus benvolos protec-
tores, digneni-se de desculpar essa mu-
danca a que por circusmtancias imprevis-
tas for3o forrados.
avisos martimos.
Furlrio urna carleira, no din i.* d* correnle o-
teuibro, com urna cdula do cincoonlo mil r., urna
d.i cinco, e cinco cm miudat; um titulo do residencia
de Joaquim Pinto M reir, e mai algn papis; um
cruzado novo, e doie vintn mai, em prata ; doscon-
fia-se que foi um ganliador: quem a descobrir, dirija-sc
ao largo da Ribcira, n. 1, que ter gratificado.
A quem fr oflerecida, para comprar, urna bocio
grande d'arame, propria de tomar banbo, quo foi ur-
tada no dia sabbado, 20 d'agoslo p. p., pela manhSa,
por volla de 10 hora do dia, da escoda da cosa n. 18,
que cusIr8o a 3 mil c linio res: peile-ie iq
ditos lencos lurem uflerecidos, d'os aprehender, c t,
parle a quem pertenecr.
No sitio do hospicio do Exm. concclheiro baro do
Itamarac, d-sn graluitamcnle o planta denomina-
dalinaria a pessoas quo padecorem de relencSo
Je orinss, batanlemento especifica, e propria para
taes padccimcnlo : quem a quizer, quelle sitio so de-
ve dirigir, a qualquer hora do dia.
Precisa so de una pessoa para vender po, dan-
do-so bom ordenado : na podara de Fra-de-Porta,
na Iravcssa da Madro-de leos, queira Icr a bondadojo. 122.
de a tomar, o azei-a condutir mesine ca.a, quesera! L'm rapaz uraseiro le clTerece para caixeiro
bailante recompensado. 'de ra, dando fiador da sua conduela : o animo
tem tres preparatorio, latirc, francei, e geometra :
1:329*800
1:699*600
618*400
251.000
. Cabo
Pao-d'Alho
Nazarclh .
I.impeiro .
.SerinhSem.
Hio-Formoso.........1:900*000
Bonito............1:000*000
lireio............. 339*000
Cimbre............ 278*000
Goranbun........... 4f000
Flore. ....'........ WlOOO
Bo.-Vila....... 527*000
Os licitante, devidamente habilitados, deveraS com-
parecer na sala das sessSes da dita Ihetouraria nol das
le hora indicados.
E para que ohegue a noticia de lodo, mandou o
Imesmolllm. Sr. intpcclor publicar o presente.
Secretara da thesourara da ronda provinciae de
IPernambuco, 31 de julho do 1845.O secretario.u
da Coila Porlocarreiro.
i
Detlaracoes.
Brevemente e bo de allxar editae de concur
to s freguezias vaga deata diocese. Recife, 26 do
agosto do 1845. O padre Francisco Jote 'lavara da
Cama, secretario de S. Exc. Revm.
CoMPANUU DO Bf.BERIBE.
A conipanhia do Beberibe vende agoa do Prata, junio
ao caes da Ponto-d'Uoboa : os dono das canoas que al-
l a mandarem receber, pagars o mesmo que coslu-
biSo pagar no Monteiro.
Os Sr. accionistas liajao de realisar a entrada de
seis p rcento, ltimamente pedida, at o dia 20 do
correnle. Escriptorio da companhia, 1." desetembro
do 1845. ^) secielario, f. J. Fernandes Barroi.
O abano asaigoado, procurador da cmara mu-
nicipal da cidade de Olioda,avisa a todo o foreiros da
mesma cmara que ello o acha prompto a receber o
foros, notta cdadu na ra do Cabug loja de Pe-
reira & Guedei, lodo a lettai-loira da 9 horas al
as duas da tarde onde o deversS procurar.
Antonio /sunes de Mello.
TIIEATItO PUBLICO.
NOVA COMPANHIA ITALIANA.
A .cita representaco lyrioa ser hoje 3 do corren -
la s 8 horas; distribuida pela maneira seuinle :
1. Symphonia.
2. Duelo applaudidifsimodo Marino Fallieropolos
Srs. Frencbi o Toselli
7'rema io Iremale o superbi.
3. Duelo -do Pirata pela ira. Marietta e o Sr. Ma-
rinangeli.
'on la la bell' anima guallier cambala.
4. Ariada Somnmbula, pelo Sr. Giacomo 13o-
nanni
Viravviio oh', luoghiameni.
5. Duelo jocosodi operaColumellapelo Sr.
Franchi e Toselli.
A scena reprsenla o amo de Columella que voita
doutorado para o seu paiz; e dando com a casa da tua
promcltida esposa, regozija te de ter ebegado om ins-
tante to desojado; n'este momento ebega Columella
que iinha licado no caminho, e o amo pergunta-lbe
porque o (inba deixado; cale em responder ,
contina urna conversa com ligo mesmo diz.cn-
do inu;tos insulto e nomes: o amo, zangado, o-
1 briga-o a responder-lhe, enlao elle declara que dous
remendoes t&pateiros quiterao paitar por Iliteratos com
elle, aflirmando que o queijo he genitivo,oulro dadivo;
'He dizia que nao, elle que sim; e entre o sim o o
nao lir. u-lhe um prato de carne ( que elle ti.iliao ad-
ente para almocar) e comeo-a, no enlanlo quo os re-
nicndei derao I lio muitas bordoadas e um soco na ca-
" que anda a conserva incbada.
ntervaUo de 20 minuloi.
6. Symphonia.
7. Cavatinada Normapelo Sr, Marinangeli
A/e prolegge, me di/ende.
8. Ariado Marino 'aliero, pelo Sr. Toselli
Oh! patritj.
9- Cavatinada Norma, pela Sra. Marietta Mar-
nanjfli
Caita diva che inargenli.
Inlenallo de 20 minuto.
10. Symphonia,
11. 'Juailelio purilani. pela cotnplliuia lodo.
No bilhetc da platea uperior ettao marcado, por
nmeros, os bancos e os essentos, que o Sr. eipecla-
dore deiem oceupar.
O director roga-lbel que nlo inverlao etta diipoii-
C'o, a fim de que o mesmo Srs. poiaio contar com
os seu lugaiei, quando houverem de sabir; e para eite
Para o Rio-de-Janeiro pretende seguirbreveobriguc
escuna Fama, por (er parto do carregamento protnpta;
pudendo inda receber alguma carga, mormente miuda:
quom no mesmo quizer carregar, embarcar cscravos.
ou ir de pissagem, pode convencionar com Amorioi
Irmios, ra da Cadeia n. 45.
Para-o Rio-Grande-do-Sul e Porto-Alegre segui-
r com brevtdade o brigue Flor-da-F: quem no mes-
mo quizer carregar, e embarcar escravos, podo onten-
der-se com Amorim Irmios, ra da Cadeia, n. 45.
Para o Rio-de-Janero segu com toda a brev-
dade a sumaca Amizade, capito Manocl Antonio do
Sousa Guerra : para, carga, possageiros o escravos a
frele, ajusta-so com Gaudino Agostinbo de Barros,
pracinha do Curpo-Santo, n..66,
Vende-se o brigue nacional Phedro, forrado de
cobre, ba pouco lempo, mostreado de novo.promplo do
ludo a oavogar para qualquer especulado, do construc-
cao sarda, de loto de 8,000 arrobas: para se examinar
no ancoradouro da descarga, e para seajustar com A-
morim lrmo na ra da Cadeia, o. 45.
= Vendo so o patacho Francelina, de loto do 107
toneladas, chegado ltimamente de S. Matheus, novo,
e prompto do ludo navogar : quem pretender, di ri-
ja-aro bordo, defronto do cae do Cullegio, quo ocha-
r com quem tratar, ou loja co cabos do Caetono
da Costa Moreira.
Le loes.
..;________________----------------------------------
(Quinta-feira, \ do correnle, ao tneio dia om
ponto, .se proceder a venda pblica, na chancellara
do consulado de Frange nusta praca, por conta o risco
de quem perloncor, e por intervencaodo correlor Oli-
voira, do casco, apparelhos, c mais perlencet do na-
vio fruicez es Jumeaux, capilo Digard, de lote de
cerca de 100 toneladas, arribado a este porto, onde
foi legalmenlo condemnado na viagem que lazia do
Babia, com destino ao Havre : o respectivo inventaro
de ludo acha-se na dita chancellara, onde os pretn-
danles pdeni examinal-o, e recorrer para quaesquer
esclarecimoiitos, issim como paia taberem da cundi-
eses da vei.da.
Kalkmann & Rosemund lario leiliiu, por ioter-
voncio do correlor Olivcra, de um completo sortiinen-
to de (azendas de todos as qualidadet, importadas pr-
ximamente : hoje, 3 do correnle, s 10 horas da ma-
nhSa, noseu arinazom, ra da Cruz.
Avisos diversos.
Desment tto.
He urna falsidade, urna calumnia premeditada, que
o doulor juiz dos feitos da fazenda na provincia, (endo-
se averbado de suspeito em causas de prenlo seu, por
allinidado, liaja advogrdo e requerido na mesma cau-
ta perante o juiz, que o substituio, como parece incul-
car o annunco do D.-novo de hontein, n. 193. So
provas do contrario (em o calumniador, aprsente as
ao pblico.
O CLAMOR PUBLICO.
Sabio o n. 40, e acha-se ;' venda na praca da Indepen
denca livraria ns. 6 e 8. >
A CARRANCA.
Sabio o n. 25, e cha-se a venda na praca da Indepen-
dencia livraria ni 6 e 8.
Lotera
INo dia 10 do mez de setenibro andao
mpreterivclmente as rodas desla lotera
ou antes, se continuar a alluencia
i
da
venda dos bilhetes que lem havido estes
das: o restante dos bilhetes est a venda
nos lugares j annunciados.
Responde-se ao autor do annuncio, firmado
Curado i cerca do alambique que le esl as-
sentando na ma da Praia, contra as disposi(es ex-
presan dos arls. de posturas : que os agentes da cmaro
municipal cumprrao seus deveres, multando, e em-
bargando a continuagio da obra; limite t onde chega
a autoridade da camera. Se a obra contina, be a
exemplo de oulrai muitas infrac'oos de lemelbanle na-
(ureza, decahindo quati sempre a cmara municipal
peraole os (ribunaes judiciarios, etriumphando, assim,
a mais requintada maldade. Eis como se explica a exi-
tencia d'um grande n. de padaria, renacSe, e ou-
lro eslabelecimen'.os da mesma classe, em ai ras mais
pblicas desta cMadr, apezar das diligencias, edespe-
zas, que de continuo se fazem por parte da cmara, S
fim de obter o deiaggravo da violacao de tua posturas.
Queira o autor do annuncio inlormar-to. inelbor ; e
bem certo eitou, que, so continuar com suas censuras,
de certo se dirigirs outras autoridades, e nao a
cmara municipal desta cidade : assim penia
O Anailacio.
A pessoa, que em algum lempo leve negocios
com o fallecido Jos Pedro SimSes, morador na Lagqa-
Grando, e este Iho licou deve.ndo queira dirigir-se no
armaiem do sal, prmeiro quarlo, quo acharo pewoa,
que (em do tratar .obre seu nteresse, sendo at hoje ao
meio dia.
JoSo Baptista da Fonseca, alforesdo 1 "liatalho
de cassadore do linba, temi de retirar-so desta pro-
vincia, para a das A logos, por isso laz sciente ao rei-
peitavel publico, que, se o mesmodeve a alguma pes-
soa nesta cidade, dirija-so quanto antes na ra d'Ale-
gria, n 38, para ser indemnisado ; .pois o mesmo sup-
pSe nSo dever a pestoa alguma nesta provincia.
Alugo se asacguintescaiaa: o sobrado de 2 an-
dares, na ra da Aurora, n. 22, com porta de cochei-
ra, cavallarico, e cacimba ; os 2 terceiros#ndares dos
sobrados ns. 4 o 6, do.Alterro-da-Boa-Vista ; a casa
terrea, na ra da Soledade, n. 35, comqun(al, ca-
cimba, e mais commodos, por 12*000 rs. mensaes;
duas ditas pequeas no mesma ra, ns. 27 e 37, por 6
7 mil r>. mensaes ; o sogundo andar do sobrado, ra
do Rosario do Santo Antonio, n. 20 : quom as pre-
tender, dirija-te ao escriptorio de F. A. d'Oliveira, na
ra d'Aurora, n. 2.
e Jeronymo Fernandes da Silva deixou de ser cai-
xeiro do Sr. Girilherme Purcoll, desde o dia 28 do
prximo passadu agosto.
= Aluga-se unta prela para o servido de urna casa ,
que engomma e lava do sabo ; na ra Velha, n. 83.
= Tirou-se urna caria do correio, por engao ,, pa-
ra Francisco Jos de Sousa ; quem for seu dopo d.ri
ja-se a Soledade, n. 7.
= Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 19, da
ra das Trinchoiras com solio e bastantes comino
dos, e bonita vista porpreco commodo : a tratar no
mesmo sobrado.
O abaixo assignado faz scicnto aus seus fregue-
zes e aquelles que l'cin transacc,ocs com o mesmo
abaixo assignado que o Sr. Jeronymo Fernandes da
Silva deixou de sor seu caixeiro. uherm l'urce/l.
Lina senliora solicita
propoe-so a" ensinar meninas a ler escrever con-
tar, grammalica porlugueza bordar de ouro de ma-
tiz de froco de seda de lacada, de susto, a mar-
car de 4 qualidades fazer cacund, lavarinto patLado
e cheio costure c! S vestidos da moda chapeos c
toucados para senliora (ouquinhas para meninas ; as-
sim como se lomar algumas meninas que morarem
longe para assistirem cm casa por prego ratoavel ; tm-
belo so cuso para lora tuda a qualidade de costura por
preco commodo : quem de seu prestimo se quizer ut-
lisar dirija-se a ra da Mangueira n. 9.
Na ra das Cruzes loja de encadernador n. 55,
se riscao livrus do (odas as manctras quo se precisa-
ren! com multa perfeicao e por preco commodo.
A agencia de passaportes, oslabelecida na ra do
Ransel, n. 31, translerio-so para a mesma ra, sobra-
do n. 9.
Aluga-se um piano, para quem quizer aprender,
pelo lempo, e preco que so convencionar: annuncie.
Quem quizer comprar, ou arrendar a proprieda-
de Casa-Caiada no lugar do rio Doce, falle com o
proprietario Jos Francisco Belem ; cuja propriedade
principia no riu Tapado, at o sitio do AllemSo, pe-
gado a capella do Santa-Aona.
= Um rapaz Por(ugucz de idade d 14 anno,
chegado ha pouco tempo, prctende-se arrumar em lo-
ja de fazendas do que ja tem pratica : quem de seu
prestimo se quizer udlisar, dirija-tea ra doQueima-
do, n. 52.
= Manoel Pereira Teixeira embarca para os portos
do Sul a sua escrava Anna de nacao Angola.
ss O abaixo assignado declara ao publico, ou a
quem cqnver que nao deve nada a cmara municipal
do Recife ; porque, tendo o mesmo abaixo assignado
rematado a loja da praca da Independencia, n. 5, per-
(encenle ao patrimonio desa cmara passou o mesmo
no acto da remataco ledras endonadas a vencer at 30
de setembro de 1847. Jodo Chriioilomo Fernandes
Vianna. ,
A pessoa,a quem de urna otaria desapparecrSo dous
escravos, dirija-te a ra de S. Rita, n. 91, que dan-
do os signaes, se Iho dir onde existem.
O abaixo assignado contina, de boje em dianto,
a dedicar-so a ensinar a lingoa ingiera por casas parti-
culares : as pessoa que quirerem aprender a fallar e
escrever esta lingoa (So necessaria no mundo commer-
cial sirvo-se procural-o na barca dos banbo, ou
em ua residencia na ra Formosa, n. 2.
Joi da Maya.
Casa da Fe9.
Ra eslreilado Rozario c. 43.
a O abaixo attignado (endo ettabelecido, na for-
ma da lei e decreten. 357, de 27 de abril de 1844,
artigo 35 urna cata do vender bilhetc e cautella
de todas ss loteras detta provincia prestando por ca-
la venda fiama como marca o mesmo artigo 35; con-
vida a todos os quo gosISo desle jogo a compraren)
as suas cautellas ; cujas se achao garantidas com a tua
fianca a fim de que o premio que cada um liver
de tirar, sejaS no dia marcado pago a vista das mes-
mas cautellas e na mesma casa.
Presentemente as cautella quo te achSo a venda
So as do tbeatro publico por ser a primeira lotera ,
qut est garantida com a lei cima na qual nao lla-
vera nullidade por ser o seu tbesoureiro responsavel
por qualquer abuso ou falta que bouver de ai parecer.
Brevemente se annunciar o dia em que devem andar
ai rodas, pela grande eitracc,So,que eslao (endo a cau-
tellas pur erew do diminuto pieeo que a todos
convida a su- compra. Os precos deslas cautellas sao :
decimos a 1/000 i. o vigsimos a 500 r.
Lourenco Jai llomdo de Lunna.
Furlrao, no dia 30 d'agoslo prximo passado,
pe 7 hora da noute, da loja de Hypolilo St. Martin,
na ra Nova, vinte loncos de seda, pouco mais ou mo-
no, com flore, de padres e de urna qualidade mul-
lo superior aquelles,queso vendrao dianamento, auim
quem quizer, annuncie.
Hoje 3 do corrento, ni ra do Sol, em citado
Sr. doulor juiz do civel da segunda vara, ai i borai do
referido dia,' se bao do arrematar oiiervicosda iscriva,
de rime Juliannu, a razSo de 200 rs. por di, ; cuja
arrcmalacSo be por execu<;So de D. Hara d'Aprcsenta-
cSo Arantes Nodin contra Jos Mara de Amorim
Jnior.
= D-se dinheiio a premio sobre penbores de ou-
ro, prata ou bypotheca om predioi neila praca ; na
ra das Trincheiras, n. 40, prmeiro andar.
Hoje 3desolembro, porta doSr.dr. juiz da2.*va-
ra ducivel, irSo praca, para seremarrematados, a louca,
e utensilios e alguns medicamento, da botica ds
Francisco de Paula Pires Ramos Jnior, porexecucSo
de seu. credores.
Na ra Nq/a, loja d'allaiale, n. 32, precisis
de officiaes do mesmo cilicio.
= Avisa-so ao Sr. Luiz de Franca morador na
comarca do Rio-Formoso que nesta praca do Recife
o acha una escrava de nomo Joaquina crioula que
diz Ihe pertoncer; por isso sendo assim apretentando
documentos por onde a possue, dirija-se a ra de S.
Rita caa o. 69 quo Iho ser entregue pagando
as despezas, que so (eem (ello cqm a mesma.
=2 Prccisa-se de um caixeiro Porluguez de idade do
16 a 20 annos, que lenha pratica de venda e d fia-
dor a sua conduela ; na ra da Aurora, n. 48
= Aluga-se o segundo andar e solio do tobrado da
ra Nova, n. 65: a tralar com Antonio l'errera Lima,
ou na venda por baixo do mesmo.
= D-se dinheiro a juros com penhores de ouro a
prata meimo em pequea quantias; na ra da Praia,
n. 22.
Aluga se urna casa torrea na ra da Conceicio
da Roa-Vista e o segundo andar da cata da ra lar-
ga do Rozario: a tralar no Alieno da-Boa-Vila,n.43.
Verdadeiro est a venda hojo nSo lendo sa-
bido segunda-feira, como se annuncou, por inconveni-
ente. Est inleressante, o a 40 rs. cada um : como j
se disse demonstra evidentemente a perfidia praieira.
= Aluga te um prmeiro andar no largo de N. S.
do Terco muito asseiado, com quintal e cacimba ,
da parlo da sombra : a tratar no mesmo n. 20.
i. abaixo assignado, a vista do annuncio de Fran-
cisco Duarie Coelho, avisa a quem convier que lem
bypotheca na parte que tem o mesmo Duafte no
extincto vinculo do Porto-de-Gillinbat, pela qoantia
do 197,000 n., e juro de dou por canto deeorridoi
de udo marco do 1844; e que o comprador icar obri-
gado a pagar-lhe esla quantia. Joaquim Fernandes
Gama.
Um pardo moco chegado, ha pouco da Ra-
bia donde he nJural offerece se para criado de al-
guma casa. Ello he bom copeiro e muito diligente.
(v)uem dos seus servco so quizer utilisar proeure-o
na ra de S. Rila Nova cata do Sr. capitSo Franca ,
que informar da conducta do annuncianle.
A semana passada appareceo um catal de escra-
vos no engenho Paulisla sendo o preto fulo e a
prela de Angola e dizerrl serem etcravoi de um Snr.
Hypolilo morador no paleo do Carino ; e como te
lenha procurado o dito Snr. a nSo te tenba achado ,
o annuncianle faz certo que te nao responiibilita pe-
la fuga dos ditos eteravo.
Na ra da Triocbeiras, caa n. 25 engom-
ma-se e lava-se lano de tabSo como de varrella ;
apromplo-se jantares e almocos ; fazem-e bolinho
do toda as qualidade ; e armSo-se bandeja! com o
mesmos; ludo por preco commodo.
= Alugao-se dous andares da cat n. 9, da ra do
Amorim com frente para a ra da Moeda com bom
commodoi : a tralar na mesma cata.
OiTerece-e, para ama de leile, urna mulber, cha-
nada, ha poucut dia, do mallo ; quem de seu presti-
mo precisar, dirija-te a ra das Cruzes, n. 39.
__ Aluga-se um preto das 6 borai da manhaa ai
G da tarde pira qualquer tervco; na ra dai Cru-
zes
r, ,oja de encadernador n. 39.
()uem annuncou, no Diario de 30 da agotto.
precisar do um moleque para o tervco de um hoinem
oltero dirija-se a ruado Quemado, n. 7.
Em respoita ao annuncio do Sr. loavenlura da
Mello Castello-Branco declara o abaixo issignado ,
que por 3 sentcncas, confirmada! pelo datembargo do
paco aojulgou perlencer o engenbo, de que se trata,
aos herdeiros de D. Mara Magdalena de Barros Pi-
menlel entre osquie figura o abaixo atiignado, ten-
do-ejulgado nullo o vinculo emvirtudedo qual es-
lava o pai do Sr. Boaventura na pone do dito engenbo:
e o abaixo assignado protesta uiar de ten direlo e ba-
ver o que legtimamente Ihe perlcnce.
Jo.i de Barroi Fakao de Laeerdu.
Rap vinagrinho.
Elle superior rap torna invariavel a tua qualidade,
por nSo mofar, nem icccar; nSo I re o nariz, nem pro-
duz irritacSe vertiginosas, porque a tua compoticSo he
a mait simples potsivel. A geral estima que lem tido
este rap pelos apreciadores de urna boa pitada, e a ap-
pruvac/So que a respeitavel tociedade da medicina Ibe
roncedeo, remalSo o sou mais completo elogio.
Nova fornadas desle excellenle rafe, com a eflr mu
escura, se achao venda noi deposito d ra da Ca-
deia do Recife, n. 50 ; praca da Independencia n. 28;
Atierro da Boa-Vista n. 10, a Atierro do A logados 0.
209, aonde se vende a 1,000 r., a libra, de 5 libras
para cima. O ebrulho deste rap be azul, e os rolu-
os brancos. _____.__.
Compras.
Compra-se urna imprensa de copiar cartas; ni
ra do Vigario, o. 11.
LADO


ComprSo-se efectivamente botijos genebra e garrafas pretas; na ra do Rangcl, n.
fabrica do licores. do Victorino Francisco do*
Santos.
= Compra-sea Listona darevu.'rrao de Minas, pilo
eonego Jos Antonio Marinho ; na praca da Indepen-
dencia, li\raria i.s. 6 e 8
= Compifio-se pesos de dos arrobas; na ra das
Cinco Ponas, n. 08.
= Compra-se urna bomba do pao, de 15, a 17 pul-
iros ; quem tiver, annuncie.
Compra-se Doulrina das acgOis e Escudos ad-
mir.ivuis cm qualquer estado quecsteja ; na ra es-
treita do Horario, fabrica de chapeos.
Vendas.
AttencSo ao bom e barato !
= Veodem-se superiores chitas para coborta, de tin-
tas (xas e de botn panno a 180 rs. o covado : supe-
riores cortes de chita fina de novos padrees o chegados
ltimamente de 13 corados, a 3500, 3800 o 4300
ra.; riseados francezestnuito fiaos, a 300 rs. o cova-
do ; cortes de cassa-cliilas transparent), de lindissiroos
padres a 2400 e 2500 rs.; chitas, a 120, l-JO, 1G0
e 180 rs. o corado ; medepuio a 50, 160 e 180 rs
a vara ; dito fino, a 200, 220 e240 rs. dita ; madias-
to muito fino a280is. dita; pecas de madapolfio ,
a 2800, 3200 e 3400 rs.; dito fino a 4000 4200 e
4(iOO rs. a peca; madraste fino,a 5200 e 5400 rs. dita ;
ditas, a 4500, 5200, 5500e 6000 rs.* ditas escuras;
chadfpz de linho para aqueta a 520 rs. o covado
supericr setini preto de Maeo a 3200 e 4500 rs. o
covado ; chales de lia e seda, grandes, a 4500 e 4800
rs. ; cortes de chitas de 10 corados escuras a 1600,
1800 e 2000 rs. o corte sendo entre-linas e de boas
qualidades; superiores fustdes brancos, a 1000 rs. o
covado; ruarte azul de vara de largura a 260 rs. o
covado muito boa lazendapara pretos; algodao azul
mustiado trancado muito encorpado, a 240 rs. o ro-
tado ; algodao americano largo e encorpado a 220
rs. a vara ; dito eslreito, a 160 rs. a vara ; esguiao de
superior qualidade, do verdadeiro e puro linho muito
lino a 1500 rs. a vara ; bietanha lina de puro linbo,
do 6 varas a 2800 e 3200 rs. a peca ; ditas de rolo ,
a 1800 rs. a peca ; cbila a 140 rs. o covado ; risca-
dinhos noos trancados, nmito boa fazenda para meni-
nos a 200 rs. o covado ; castores ou riseados do lis-
tras a 240 rs. o covado ; biins de bonitos padrees du
quadros, a 500 rs. o covado ditos Unos muito en-
corpados o de listras, a 640 rs. a vara ; muas finas de
algodio para homem a 3600 rs. a duzia sendo de
muito boa qualidade ; cortes de cbali ; ditos de seda ;
pannos finos preto e aiul, sendo o primeiro de urna
linda vista para pannos de pelas, o o segundo para
pagem a 2500 rs. o covado; superiores lencos encar-
nados muito finos e grandes, a 440 rs.; e outras umi-
tas laxendas j mencionadas neste Diarto ; sdver-
tindo-se tos compradores que todas estas fazendas
sao hmpas u du boas quididades: na ra do Collegio,
loja n. 1, de Antonio Villaroucoc* Irmao.
= Vendem so meios bilbetes da lotera do Semina-
rio, a 4,500 rs., que corro impreterivulmente no da
10 do correte : na ra do Collegio, loja n. 1.
== No escriptorio de Francisco Sevenanno Rabello
& Filho no largo da Assembla, vende-se cal virgen),
cliegada prximamente do Lisboa cm caixas pe-
quenas.
= Vende-se urna mulanha de 18 annos, reco-
lliida cose, eogomma, e laz todo o mais servico de
urna casa; urna negrinha de 14 annos, rccolbida ,
com bons principios de habilidades ; 5cscravas, que
1 ( zinliao, engommao e lavao roupa ; 8 escravos pecas,
bons para todo o trabalho tanto do campo como da
praca ; um preto de40annosmui;o forte, por250s
rs. bom para o servico de urna casa e botar sentido
o Irabalbar em um sitio,por a isto estar acostumado; um
dito bom carreiro ; um mulalinbude 18 annos, bom
pagem ; um dito de 10 annos : na ra ao Crespo ,
n. 10, primeiro ambir;
=Vendcm-se corte de ebitts francezas muito finas.de
essectos oscuros, de quadros e listras, cores (xas, de 4
palmse meio de largura e de goslo muito moderno,
a 3200 rs. ditos com 13 corados a 5000 rs., ditos
de csssa-chilas de cures fixss a 2000 rs. e em co-
vados, a 240 rs., ditos de chitas com assenlo escuro, a
1600 rs. bietanha de rolo com 10 varas, muito en-
corpada, a 2000 rs., camisa de meia, a 1280 rs., brins
trancados de linbo purocr de ganga e escuro, a 720
n., ditos brancos, a 1000 e 1280 rs. niadupolao en-
festado a 5800 rs. muas casimiras de algodao mui-
to encorpadas, a 460 rs. o covado, brins francezes de
quadros e listras a 400 rs. o covado fusles pa'u
collete a 320 e 480 rs. mcias para meninos e me-
ninas a 200 rs. o par; chitas do ramagens muito fi-
nas de lindos padroes e do cores fixas, a 200 rs.;
e outras muitas fazendas por prego commodo ; na ra
do Crespo loja o. 14 de Jos Francisco bies.
= Vende-se no armazem de porta larga do caes
do Collegio farioha de mandioca grossa e fina, por
menor preco do que a bordo visto que nao se lem de
pagar o enorme tributo da intitulada mandinga aos
pretos canoeiros; tambem se mede pela medida ve Iba ,
ou em saccas orno melbor agradar aos afreguezes.
= Vende-se urna bonita negrinha de 12 annos ,
propria para se educar; um escravo de 20 annos da
bonita figura proprio pura o servigo de campo ; dous
sendo um canoeiro de 20 a 22 annos : urna
ditos
preta mofa pirfeitacosinbeira que se dar acon-
tento ; na ra larga do Rozario n. 40, segundo an-
dar.
= Vendem-se saccas com milbo novo a 4500 rs.;
no armazem do caes da alfandega de Vieira Cuima-
raes e na ma da Cudeia de S. Antonio deposito d
fannba o. 19.
=V ende-se um piano muito bom para aprender, <
por commodo preco : na ra do Crespo, loja n. 10.
= Vende-se urna escrava crioula de idado de 18
annos sem vicios nem achaques; na ra de S. Rita
n. 111.
- Vende-se cha hysion em caiias.de 15 libras, em
porcese aretalbo; em casa de Matheus Auiiu & C. na
ra da alfandega Velhan. 36.
= Vendem-se grammalicas portuguesas, da quinta
e ultima edico, pelo prolessor Salvador Henriquo d'Al-
buquerque : no Rccie, loja de Santos & Companbia ;
praca da Independencia, loja os. C e 8, e esquina do
Cojlegio, luja do Sr. Coutinho:
prego 640 res.
= Vende-se um moleque, do muito bonita figura,
proprio para todo o servirlo d'uma casa, e de campo
assim como urna poreo de cura do carnauba : na ra
da Cadeia de Santo Antonio, n. 25.'
= Vondc-so ceia de carnauba, couros salgados,
sola couros de cabra o bezerros; ludo por preco
commodo : naruadaCrux, n. 51.
=Vende-so colla do Rio-(Jrande-do-Sul, de su-
perior qualidado e sebo em rama ; a bordo do briguo
l'aquctt de-Pemambuco fuodeado ao p do trapi-
che do algodao.
= Vende-se mtodo para violio por 2500 rr. ;
Telemaco cm inglot e portuguez 2 v ; as Tentati-
vas Poticas ; o Liberal Animoso; e tinta deescrever,
a 400 rs. a garrafa : na ra das Cru;.cs loja de enca-
dernador n. 35.
= Vende-se urna linda parda de idade de 22 annos,
cose, bem, engomma liso faz renda cozinha o dia-
rio de urna casa, lavo de sabo e varrella e he pro-
pria para mucama ; na loja de Manoel Ferreira Ramos,
na esquina da ra do Crespo, que volta para o Quci-
mado.
= Vende-se um sitio na estrada de S. Amaro pora
Belem com muito boa casa a moderna para grande
familia tendo bastantes arvoredos de Iruto Ierras
para piando fus luna para bortalica e pasto para 4
vaccas do leito : a tratar na inusma estrada no pri-
meiro sitio passando a ponto ou na ra do liangel,
n 17.
=Vende se um armario d amarcllo proprio para
louca roupa, ou hvros na ra do Queimado loja
n. 7.
= Vcndo-se um moleque do Angola, do idado de
10 a 12 annos; vende-so por precisav: na ra da S.
Cruz n. 28.
Vende-se azeite du carrapato, de meia caada pa-
ra cima a 2240 rs. : na prava ds Bou-Vista n. 13
\endcm-se 10 escravos, sendo (i pelas de 18
a 20 annos, de bonitas figuras engoinmo, cosem e
cozinhao bem ; um preto official do pedreiro, de idade
de 28 annos, de boa figura e conducta ; um moleque
de 14 annos proprio para todo o s mo ; um prclo
de idade du 50 annos, proprio para sitio por 140/
rs. ; duas pretas de meia idade ,sboas quitaodeiras e
cozinlii-iras : 1 ra das Flores n. 21.
= Vende-se um palanquim cm muito bom uso;
urna mesa redonda do meio de sala de Jacaranda ; um
jogo de bancas de Jacaranda : na [iraca da Independen-
cia livraria ns. 6 e 8, se dir.
s= Continua-se a vender chocolate novo chegado
ltimamente, a 7500 rs. a ai roba, e a 240 is. a li-
bra ; cevada nova a 100 rs. ; caf cm grao a 140
rs. ; dito inoido a 180 rs. ; espermacete de 6 em libra,
a800rs. : no palco do Carmo esquina da ra de
llorli'S lado direilo 11. 2.
= Vende-se um moleque de bonita figura sem vi-
cio algum de idade de 15 annos, ou troca-se por nina
picta que entenda de vender na ra ; na ra da Ala-
noel-Coco, venda n. 20.
= Vende-se vinbo do Porto de boa qualidade ,
em barris de oitavo por preco commodo; no largo do
Coipo Santo, n. 17, casa de Rosas Draga & Coinpa-
nhia.
= Vende-se urna pardinha de 20 annos de bonita
figura, engomma, cose, faz renda, cozinha e lava ; urna
escrava de 24 annos de boa figura com algunias ha-
bilidades com um lillio moleque de 7 annos,; duas es-
rravas do 20 snno? de boas figuras, e com habilida-
des ; urna cabrinha de 13 annos cose, o faz renda ;
una negrinha de 7 annos; duas escravas mocas para
todo o servico; um escravo para todo o servico ; um
escravo de 20^nnos, du bonita figura, ptimo canoei-
ro; dous moloques de 12 a 15 annos; duus escravas de
22 annos, para o sen u_o de campo ; na ra da- Cruzes,
n. 22, segundo andar.
= \ ende-se laa de canna muito boa; na ra da
Concejero da Boa-Vista, n. 58.
= Vende-se muito boa cera para ignja cliegada
ltimamente do Hio-de-Janeiro ; na la da Senzella-
Velha n. 110.
= Vende-se o engenho Jardiin cm Paralibe ,
moento e corrente, distante desta praca 3 leguas, mui-
to bom de agoa por moer com o grande rio Paralibe ;
tendo 3 quailos de legua de vaizea de Mscenle ao
Pornlc aonde sao a maior parte de suas plantas e
meia legua de frente, deSul a Norte aonde ten bons
partidos de alto e corgos de muito boas mallas com
bastante madeira de obras, mulo bom larangciral ,
quo rende 500 a 400^000 rs. annuaes conlorme oes-
lado do lempo ; advrrte-se que o engenho loi levanta-
do ha poneos annos c que por falta do bracos, o seu
proprictario resolve-se a vender, ou trocar por oulro
qualquer engenho, que seja d'egoa ainda que seja
bastante distante desta praca com tanto que se resol-
vio a vollar; tambem vende-se ou troca-se a safra ,
nao s a criada, como a que se est lindando : os pre-
tendentcs dirijao-se ao uiesmo engenbo a tratar com
o major Jos Francisco de Farias Salles.
= Vendem-se chapeos de massa a 1800 rs. e
outras muitss fazendas, por commodo preco ; na ra
da Cadeia n. 54. loja de Antonio Monleiru Pereira.
= Vendem-se muito boas bichas do Lisboa, por
preco muito commodo ; tambem se alugao; muito su-
perior vinho engarrafado muito velbo a 560 ra. a
garrala ; dilo mais novo, a 480 rs. ; dito da Madeira ,
otiiOis.; dito leitoria a 800 rs. ; licores finos de
todas as qualidades a 800 rs. a garrala ; presuntos de
Lisboa, muito superiores, a 400 rs. a libra ; dito in-
glez para fiambro a 520 rs. a libra ; muito boa man-
leiga ingleza a 800 rs a libia; dita francesa, a 640 rs.
dila ; muito superior cha hysson, a 2880, 2560, 2400,
2240 o 2) rs ; lutria muito boa e nova a 320 rs.; 01a-
carrao a 240 rs. ; cevada, a 160 rs. ; cevadinba* a
160 ra. ; larinha de tapioca a 140 rs. ; caf cm grao,
a 120 rs.; espermacete americano a 880 rs.; dito fran-
cs, a 800 is.; azeite doce de Lisboa, a 440 rs. a gar-
rala o em caada a 5520 rs. ; muito boa bolaxinba in-
gleza a 240 rs. a libra ; muito superior cerveja boc-
ea de prala, a 480 rs. a garrafa e em dtzias, a 5500
rs.; muito bonsqueijos ffamengos al 560 rs. ; e lo-
dosos mais gneros de venda mais barato do que em
outra qualquer parte : na venda defronto da matriz da
Boa-Vista que volta para o Hospicio n. 88.
es Na loja do bom baraleiro na ra Nova n. 11,
acba-se venda o seguinle : ricos cortes do sedas para
meia cnctdernacao, lodosas qualidades, longos de gsrea seda o fil de li-
nho luvase mcias do seda linho c algodao, para se-
nhora menina o homem ricos chales e mantas de
seda e fil do linho para senhra e menina sapalos
de selim liso e lavrado duraque e marroquim pa-
ra senhora c menina cbinellas de marroquim e iSa
para homem sellins promptos marroquins perfu-
maras galanteras um completo sortimenlo do pa-
pel de todas ss cores e qualidades para forr guar
nielo e barras de sala instrumentos de todas as quali-
dades para bandas de msica marcial um. sortimento
completo do msicas para todos os instrumentos, robe-
cos (lautas violtos clarinetes de todas as qualida-
des e diflerentes precos livros em branco pautados o
riseados de todas as qualidades e formas, e de diversos
precos candieiroi de todas as formas para salas lojas
e estudantes, lanternas e casticaes de vidro o casquinha,
mangas de vidro Usase lavradas, ricos jarros com flores
e sem ellas oleados imitando madeira o do difleren-
tes cores, para cima de mesas, pianitos &c. realejos
e accordios, de todas as qualidades e tamanhos, calun
gas de vidro, cera porcelana e madeira e outros
muilos objectosdo melhor goslo e qualidade para ho-
mem e senhora &c. ; tudo por preco muito commodo.
Vendem-se, por preco commodo, os passaros se-
guinles, todos mui bons cantadores; sendo um bicu-
do, urna pataliva da Perabiba, e um bigode : na ra
da Florentina, n. 10.
= Vende-se um carrinho de duas rodas, e um ca-
vallo muilo bom para carro ; na ra eslreila do Roza-
rio n. 43, segundo andar das 6 as 9 horas da ma-
nila a.
= Vende-se agoa a 20 rs. o caneco : no tanque do
Atterro-da-Boa-Vista muito fresca, supeiior a qual-
quer outra, que se vende em canoas a beira das praias,
por estarci as canoas do' dito tanque em um sombro ,
desde que cliegao do llonteiro.
Vende-se um precioso sitio na ilha de Itamaraca,
denominado Jasnnm-do-Bom-Jess ao p da
praia com 90 bracas de frente e 190 de lundo em
um exdente teireno com urna grande e famosa casa,
ainda nao acabada, lendo 300 pus decoqueiros sendo
a maior parte de fruto 28 ps de excedientes mangas,
ananazes da terraje bacaxi,um novo parreral ja de fru-
to bananciras de varias qualidades bons cajueiros ,
janbreiros planta de canna e de capim vasante de
n.eloes o melancias 4 sitios de bons curraes de peine ,
tudo comprehendido em dila venda: a tratar com Fran-
cisco GoncBlves da Silva Pereira, na ruada Cadeia,
loja n. 48.
= Vende-se caf moido, cevada, assucar refinado de
diflerentes qualidades, peneirasde rame novas, e um
lorrador de cafe em bom ufo; na ra da Cadeia do
Rccile venda n. 1.
= \ ende-se una escrava de naci, de idade de
18annos, muilo linda engomma, cose e cozinhao
diario de unta casa ; urna dila de idade de 13 annos,
cose bem ; um moleque do 14 annos; um mulatinbo
de 13 annos ; um dito de 18 ; um escravo de naci ,
de idade de 20 annos; um moleque de 16 annos, pti-
mo para todo oservigo : na ra Direila n. 3.
Vende-se um ou dous |taresde rodas para carro-
ga proprias para carregar canas, por serum grandes
e fortes ; na ra de apollo o. 34, ou a tratar com
iVIanoel Antonio da Silva Molla.
==\ endem-se corles de cassa pintada de muito lin
dos padroes com 10 corados, a 1600 rs. ; ditos do
cambraia de quadios, a 4000 rs. ; ditos do listras de
cores, a 5200 rs. ; superiorescambrrias pintadas com
4 palmos de largura a 560 rs. a vara ; pecas de cam-
braia lisa si ni confeieao de goimna e com 10 varas,
a2600rs. ; ditas de panninho fino do 12 /finias, a
3000 rs.; corles de chita de cores, a 1500 e 2000 rs. ;
ditas de quadros e listras de 13 covados, a 3000 rs. :
pecas de chitas com 59 covados de moderno gosto a
4500 rs. ; chitas de assento escuro a 120, 140 e 160
rs. o covado; as mais ricas mantas de fil de linho bor-
dado a egulba, a VOOO, 3000 e 5500 rs.; ditas de cam-
braia bordada, a 5000 rs. ; os melbores chales de palha
e seda de 12 e 14/i a 3500 e 4500 rs. ; golas do
cambraia bordada a 32b rs. ; ditas de fil de linbo a
1200 rs. ; os mais finse lindos lencos de cassa com
ceicadura de cor, a 2000 rs. a duzia ; ditos de cam-
braia de quadros, a 2400 rs. ; zuarte mesclado com 4
palmos e n.cio de largura a 220 is. o covado ; risea-
dos de quadros e listras, a 100 c 120 rs. ; vetlidinbos
de cambraia boidada a 640 rs.; camisas de'meia para
enancas, a .'120 rs. ; filas de seda e garca, a 100 rs
vara; ditas de gorgurio, proprias para cinteiro, a 320
rs. ; luvas cuitas pelas de seda e sem dedos, a 640
o par ; ditas com palmas de tres, a 320 rs. ; pe
cas de fil cor de caf com 10 varas a 1280 rs., pro-
prio para mosquuteiros; pegas do ganga azul da India,
com 14 covados a 1440 rs.; e outras muitas fazen-
das de bom goslo lano de linho como de seda : na
loja da viuva Cunha Guimaraes, na ra do Crespo ,
n. 10.
= Vende-se um silio em Bebiribe-de-Baixo, no
becco que entra para o Fundi com bastantes arvo-
redos de fruto tena para plantar, com una parte de
capoeira em ser : a tratar na ra de S. Francisco ar-
mazem de taboado.
= Vende-se urna rica flautado quatro chaves, por
prego commodo ; na ra Nova n. 57.
= Vende-se azeile de carrapalo a 2240 rs. a cana-
da e a retalho a 2560 rs.; manleiga ingleza superior,
a 880 rs., e franceza, a 720 rs ; sag a 520 rs. ; ta-
pioca a 120 rs. ; chocolate novo, a 320 rs. a libra;
ainendoas, a 320 rs. ; messas finas para soupa; ienlilha;
bervilhas a 60 rs. a libra ; cha superior, a 2560 rs.;
resmas de papel de machina de cem cedernos a 5000
rs. ; urna poicio de arrobas de chumbo a 2560 rs. a
arroba; arroz branco superior,a 11,000 rs. o aiqueiie;
e todos os mais gneros de venda : na ra Nova, ven-
da n. 65.
Ainda exisiem, para se venderem, 12 camisas de
madapolio pelo diminuto prego de 16,800 rs. ; e se
vende mais urna carteira muito boa, e em conta pro-
prio para escriptorio loja, ou casa particular : na ra
da Cadeia do lecife o. 6, primeiro andar.
Yendem-se duas corriles de bom gosto um
adereco de pedras pretas guarnecidas deouro, obra mo-
derna : na ra das Trincbeiras, n. 18. Na mesma
casa roga sea todas as pessoas que ahi liverem pe-
nbores bajo de mandar pagar os juros, ou desem-
penbal-tis; do contrario serio vendidos e menciona-
dos sous donos pelo Diario.
minal, 1 vol., por Josino do Nascimento Silva; coru.
tiluigo do imperio, por F. L. de Carvalho ^oraa"
diccionario do Moraes, da quarla odicio, 2 vul.
ru* dos Cruzes, loja do cncudcrnacio, n. ,1!).
= Vpndcm-se chapeos de ma?so fina Irancezes
melbor possivel ditos mais obaixo do lindas lrma'i
do bom gosto, a 5000 o 6000 rs., ditos de outras mui.
las qualidades o do todos os pregos chapeos de castor
branco do ultimo gosto a 7500 rs. bonetes de ,livtr.
sos moldes e de muilo boa qualidade ditos Irancrz
bordados e de brim para meninoj pellucia para cha-
peos, de seda pura a 1000 rs. o covado dita d-JE
ras qualidades a 1500 e 2700 rs. dita branca
800 e 1500 rs., messas francesas, Iramburguezss enr_
tuguezas papelio, laLoainhaa bem sortijas fin je
muitas qualidad.es e larguras, gomma laca 'o outros
inuitosobjcctos para labricar chapeos, sedas Uvradu
de diversas cores e bom gosto lafet rouxo de quni 3
palmos de largura e de boa qualidade, proprio pira
forro de casacas o outras obras do alfaiate linhas pu>ti,
muito finas que fazem o mesmo efeitoque relroz ai-
ra coser; estes e outros mui tos objectos por preco mi
ommodo do que em outra qualquor parte: na prsc
da Independencia labrica de chapeos, ns. 24 a 26
de Juaqum de Oliveira lYIaiar
= Vende-se a posse de un lereno de cento etint
palmos, no lugar do Manguinho com coqueiros, i
viveiros cajueiros e tambem alguma trra propria"
na ra da Penha n. 6, segundo andar.
= Vende-se urna escrava de nagio, com Labili-
dades; e um prelo de nagjp ; ambos du" bonitas figu-
ras : na ra Augusta n. 3.
= Vendem-se chapeos de pasta do ultimo'goslo
tanto para particulares com para ofliciaes generan
na ra Nora n. 7, loja da Amazona.
= Vendem-se 18 voluntes do jornal da sociedad*
das sciencias medicas de Lisboa ; 6 ditos do Archive
Popular ; a n\ Naval ; o novo Bulln ; FormuUrio
de Magendie ; e o curso elementar de Pb. por Sall;
na ra do Cabug&, botica n. 11.
" JUtncBo ao bom e barato I
=Vende-se, na travessa da matriz, n. 14, em biiro,
obras de ouro rindas do Rio de-Janeiro, com o to-
que de 14 16 quilates-, brincos annois aderecos o
meios ditos trancelins cordoes, coragocs flores,
alfioeles, e outros mais objectos todos de bom gosto,
ejde diflerentes modelos ; tambem troci-se por odio
e prata velha ; tudo se vende por prego commodo, pa-
ra liquidaglo de contas.
Vende-se, na propriedade de N. S. das Cndeiis,
cal lina branca para caiar e mismo para labricar tem-
peros de assucar nos engenhos, a melhorque ha, e por
u'eno prego de que outra qualquer peisoa possa dir:
a tratar com Miguel Pereira de Carvalho na mesma
propriedade ou no engenho Pilimh, cem o Sr. Ma-
noel do Reg Barros."
Vende-se urna elegante pardinhu de dada de 18
annos, sem vicios nem achaques, ptima mucama,
com boas habilidades ; 6 escravos para lodo o servico ;
urna boa lavadeira e quitandeira por 300 000 rs.;
um dita por 350,000 rs. ; urna parda de 25 annos, boi
cezinbeira cose chao; um escravo bom carpina; dous
ditos de bonitas (guras ; um dito proprio para sitio ,
por 350.000 rs.; um dito por 400.000 rs. : na ra Je
Agoas-V'erdcs, n. 46.
Vendem su superiores espadas prateadas com ro-
ca e sem ella, proprias parr ofliciaes da guarda nacio-
nal ; na ra Nova, loja de ferregens n. 10.
Vende-se urna ptima escrava de bonita figura,
com bistanto leite ; a qual lem duas crias e sabe en-
gommar, cozinbar e lavar de sabios varrella : ns ra
do Livramento n. 22. .
= Vende-se milho novo a 5500 is. a secca sr-
roz com casca a4500rr. asarca, e farir.badenm-
dioca por prego commodo ; em casa de Merec Jos
Go ncslves Braga ao p do arco de S. Antonio.
= Vendem-se barricas rom farello de Lisios pe-
lo ba ralo prego de 4500 rs.; nosarmarens do Ilrauuet
e Antonio Annes.
= Vende-se a loja na ra Nova, n. 18, com os fun-
dos de 12 contos de ris, pouco mais ou menos, ou com
os fundos que agradaren) so comprador: tambem vnde-
se fiado com firmas contento, ou permuta-se por
predios nesta prage, ou arrsbaldes; faz-se todo o ne-
gocio a vista do comprador : i tratar na mesma ru,
n. 32.
Na ra do Queimado n. !\, loja,
tem para vender travs de lonro e de cama-
ca y de 35 a 4o palmos de com|>rido,e sac-
cas de faiinha inade alqueirc medida
velha.
Yendem-se velinlias e argaihas de
gomma elstica de todas as grcssiiius, |",r
preco commodo: na roa d Queimado
d. 14, segundo andar.
Vendem-se barris com polassa, da
mais nova que ha no mercado ; na ra do
Vigario n. u.
Escravos Fgidos
= Em o dia segunda-feira do Espirito Santo do
anno paseado, firgio a prela Calharina de nagio An-
gola, ladina, alta, bastante secca do corpo seio pe-
queo cor muito preta bem feit de rosto olbe
grande evermelbos, com todos os dentes na frcnle.
pus grandes e um tanto meltidot para dentro muito
conversadera e ri&onba de idade, pouco mais ou ma-
nos, de 22 annos ; lem sido encontrada na estrada non
daMegdalena.e no Atterro-dos-Afogados vendendover-
duras e aos domiogos be quasi constante no mara-
ca t dos coqueiros em dito Alterro-dos-Afogados : '"
poucos dias loi ella vista por possoa cotilleada^"
bindo da casa, que algum lempo foi palacio do goffruo
em linda para onde lornou a entrar; lio muilef'0'
vavel que por all calejo oxculta vislo estor devoluto o
dito palacio : a dila escrava porleuce a Manoel l',D'
cisco da Silva morador na ra estrella do Hozan >
n. 10, terceiro^ndar, ou em seu sitio em S. Amaio.
junto a igreja ;. o qual gratificar generosamente
quem Ibe spresentar dita escrava.
vestido de senhora, telins, sarjas litase lavndw deJ s= Vende-se cdigo do processo, 2 voL ; dilocri-J pern. j na tvp de m. f djs faiiu I&45
rMUTIL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E98CHQTAZ_LRKG0V INGEST_TIME 2013-04-13T01:55:41Z PACKAGE AA00011611_05855
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES