Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05854


This item is only available as the following downloads:


Full Text
nn ilc 1045.
Tcrtja feira 9
i gfft&'i'7^*^
-se lucios os das qne
n ni ARIO pubwa-sc tocios os atas qne
Srem de piana : o preco da assfcna-
" he de Wr- l'or 'l'"rlel ',a3s "'""'o-
VL Os aiiWios dos asslgnantes sao inse-
', i imo de 20 ris por linha, 40 rs. en
TO'15 .. _~ .ASaKaAn t.ol<\ iiiiiImIii
frid
itpo
llrrciile, c as repelieses pela motado
.. ao forem a%nanles pago 80 rs.
J, i..li--i. e ICOciiyu'l
Ihiasf.s'da LA NO HEZ DESETEMHRO.
., -, I as 7 h. e 15 inin. da inanfcaa.
1 ""V. ,,,.,3 1, r, 4 minutos da tard.
;'.;.',:;,,,' ij as7hor. e 51 nim, da inan.
M.uc..23asl0hor. ebm. da tarde.
PARTIDAS DOS CORUEIOS.
Coianoa. Parahvba, e Rio Grande do Norte
Segundas o Sextas fciras.
Cabo, Soiinliaoiii, Rio Formoso, Porto Cal-
vo, o Mac \o, nnl., 11 e21 de cada me.
Garanhuus c "onito a 10 c 24.
Boa-Vista e Flores a 13 e28.
Victoria na Quintas fmas.
Olinda todos os da
PREAMAR DE HOJE.
Priincira as5 h. e 18 inln. da nianhua.
Segunda as 5 h. c 42 minutos da tarde.
de Scterobro.
Ai.no XX
194.
DAS DA SEMANA.
1 Segunda S. Egydlo, aud. do J. de D.
da 2. v., c do J. M. da 2. v.
2 Terca S. Estevfio, aud. do J. de D.
da 1. v. e do J. dos fritos.
3 Quarta S. Eufemia, aud do J. de D.
da 3. vara.
4 {tilinta S. Candida, aud. do Jtiiz de D.
da 2. vara, e do J. M, da 1. e 2. v
5 Sexta S. Gentil aud. do J. de D. da
1. v. do civel, e do J. dos Fctos.
6 Sanbado S. Llbanea. aud. do de D.
da 2. vara.
7 Domingo S. Clodoaldo
CAMUIOS NO DA 1." DESKTEMBR(
Cambio sobre Londres. 25'/, d. porl# a(50 d.'
i, Parir. 370 ris por (Vaneo.
., Ljsboa 120 a 125p. c. pr. p. m.
Doso. do let. de boas firma 1 '/ '.'tP-lJ*-
Ouro-Oncas hesp.inholas 31#500 a 31*801)
Mocdade o>'400 vel. 18*000 a 18*100
ii de 0/400 nov. 7.*OO0 a,17f800
de 4OO0 0/OO a 0*700
7'raa-Patac.es .... 1/WM 1/980
Pesos Columnares. 1/080 a 2*000
Ditos Mexicanos .1/950 a 1/960
. Moedas de % patac. 1/780 a i/800
Acedes da C do lleberibc de 50^)00 ao par.
i- "<_MlriJtf **i* '.. -*.
IARIO DE PERH. AMBUCO
PARTE GFF.CIL
Governo da provincia,
EXPEDIENTE DO DA 28 DO TIMADO.
QnlcinAo commandanle superior da guarda nacio-
nll denle municipio, iccntinoando n, de qno os rei-
pfctivos baialhOc do nmeros 1.2, 3, 4, 5 o t, reuni-
|j,i 'imdiiadearlifiecs, oa tropa de primoirtiinli.i, hciib o-
dade eiislentc, o snb osen coiiimaudo em ehcfe, dovem
formar oin grande parada no dia 7 de letcmbro (presen
IfV prevenindu-o, de que s 12 huras deiso dia far-se-ha
conejo ao busto de S. M. o Impemdnr; declarando-He,
que, finilu este acto, dever a tropa fuer as continencias
do 'cusime; e delerminando, que sobro o dotallio da
linencinuada parada cntcnila-ie oom o vomiuandanlo das
Lsrniat.__Oflioiou-se reipeto ao coniniandanln das ur-
ina, o director do arsenal de guerra, au cominaudanto
[(eral do corpo do polica, e ao obelo di legiao de O-
linoa.
j Dito-Ao meiroo, determinando, taca oom qne pelas
[hars da manhaa dodjio 31 deato mea (agosto) es teji
no lugar, emquese vai erigir a inatrii da ora fregue-
fx.i do S. Jos, fim do assitirom cllocacio da raspeo
jti priincira pedra, os balalhea 4, o 2. da guarda na-
nn.il lab seo cominando superior.
iituAo sexto suppleulo do jui municipal de Igua
pc, cliamanilo-o a vir prestar juramento.Parlieipou-
[seau juit municipal de iguarac.
||, iloAo director do lyco, ordenando, qua, de con-
f furmidade cun o 3.a do artigo 7. da Ici n. 140, man-
Ideouvir o profestur de primeiras lettras de Guiauna
I corea do abandono, que, ha raais de um auno, d* respec-
[tiva cadeira ficra.
DiluAo juii relator da jimia de juslica, (ransmitlin-
lilii, para ter. o deslino do conmino, o procosso do suida
do da companliia provisoria Manuel joaquim da Cosa.
1 DitoAo chefeda legiiude OliinJl, iutelligcncjando-
de liaver coneeili.lo a reforma, qUO no respectivo poe-
i solicitara i, alteres do priiueiro balallijo da nicnoio-
jiada legifio, Antonio Gen jal ves da Silva.
DiloAojuitde direito interino,da 1.* vora.acousondo
lerocisado una 2 via da reprcsenlaco, que contra ello
hiera o procurad,,r-hucal interino da lliesnuraria da fa-
lenda, por liaver ollioiado no juio dos feitos, sem que
Ntivosae impedido o respectivo |ui/, ueui to punco o
Uu eivel e exigindo, que informo a senielliante rc-
hlt'ile.
DitoAo cumniaadante das armas, para que faca dar
lliaiva ao soldado do deposito Manuel Francisco Ferreira.
DitosAo director do arsenal deguerra, ordenando,
I manilo prunipliRcar lodosos medicamentos para a ilha
I de Fernando, iiiruuiuuadnt nin reFice, que, coborUs
Ida portaria da presidencia de 20 deste uiet (agosto) se
1 Ihedirigirao; o aiitoriaando a uompra do aicito do cur-
Mp.iiu e do eco, e do fo do algodo, do que dit carecer
I para tnrnccer as estacos militares.
I PortarasDeclarando sem effeito as de 20 de julho o
12 de ngosto deslo auno, pelas quaes forSu rcforiiiados o
itcncuto coronel do U'rceiro baiallilo da guarda nacional
da Una-Vista, Pacifco Lopes de Siqucira, o respectivo
I niaj i Heni.-rdo Lopes Kibeim, e o nmjor de logia o de
IHuits Francisco Miguel do Siquoiri; por nlo tcrein es-
les ollieiaes direito laes reformas, cin coiisequenoio
Idc liavercm perdido os posto, por nao havcrciu tirado
las na, patentes dentro do praio nureado pela portara
[u H de uululiru de 1S8.
^oanKasaanj
INTEHIO.
Incluso
l'.IU-GRANDE-DO-NORTI.
GOVEBN0 DA PBOVINCI V.
retr.elto a Vmc. o olTici.por copia, d chefo
polica da provincia, sob numero 69, bojo datado,
( "qual iUnsta que.slm do oUtro, Jos de S Uezerr,
""pregado publico no Rio-de-Janeiro, e ora aqu li-
neiado, pflde liciar os praieiros de Pirangy, e illudil-
01 a llm Je "'regar-Ibesfurtivamente urna porco dos
P'elosi|ucvicraod'Afiica no palhabole, que naufra-
S"i no dito lugar; tendo-ie, para levar aedeitooseu
t-AIlLINA NA SICILIA. (*)
QUARTA PARTE.
LV.
dexa^Io.
' noulc Fechada qumido Castreo deixou a rainlia, o
,,,,"'"'" CMielvetraiio, para voltor & Catania, onde o
I' ravio, sen, saherem da ana viag'cm, Requeccnsc,
,'" ." ,c amigo d'alma c peifo, esse Gaspar Vaccaro,
, ""uro primeiro ministro. O lempo eslava oal-
5,' ? celestes excrcitos n-splundecentes; as estrellas
netas n*' '"''*" "" *"""' Pr"f""d'dadc do vacuo ; os pla-
?" coi,""" *'"'" mcit"<1 schitilariief gravitavao noespa-
ien'tu" ^'^ ,eriI,idade o via lai-tea cortase o firma-
lliav C """ "ma f*ona lu"''"ui o crcsccnte da la hr-
coiii,', ,, "1l'|r",M',nc"U) "l"'n ascollinas de Santa Ninfa,
A eitr!u \du l'rol,l,e,a obregigautosco minareto.
"" e,,ava deserta ; Castreo sosnl.o, co.u os olhos
l8J Vide Z/ias n. 193.
criminoso intento, munido de ronpa feite, e dinhoiro,
por meio do qual ja havia conseguido apoderar-ie de
vinte dos infelir.es Africanos, que cortamente seriio re-
duzidos a escravidao, se lio depreisa nioebega o hon-
rado cholo de polica, quo Iho transtornou todos os pla-
nos, como ver Vmc. do citado oficio : e porquo este
procedimento do preditojos de Sa Beierra be crimi-
noso, nos termos do artigo 4.', combinado com o 1 e
2." da le de 7 de novembro de l83t, ordeno a Vmc.,
que proceda na conformidade das loil contra aquello
individuo e contra todos os mais, que Ihe derao apoio
e prcstro lavor para a perpetra trato, que he o previsto polo artigo 179 do cdigo cri-
minal : devendo adverlir-lho, que o inspector de quar
terreo do Pirangy,o ajudante da guarda nacional Anto-
nio Bento da Costa,o sargento do polica Manoel Onolre
de Andrade, Domingos Henriquo de Oliveira, e seu
irmo J0S0 Honrique do Oliveira Rigueira, sao teste-
munhas presenciaos do fado relorido pelo chefo de po-
lica; o quil pode inculcar, tnuitas outras que dover
Vmc. fazer notificar, a fim de que em juio venhodi-
zer o que souberem a aemelhinto respeito.
Finalmente dotermino-lbeque me d conta circums-
tanciada do resultado das diligencias que houver de fa-
zor por bem da juslica,de que Vmc. he orgSo; esperando
que Vmc., nesto melindroso negocio, dtsenvolva todo o
zelo e solicitude, que Ibe supponho. Dos guarde a
Vmc. Palacio do governo de Rio-Grande-do-Norte,
25deagoilodel84i?.r. Catimiro Jote de 31 o-
raes Sarment. =Sr. Barlholamoo da Rocha Fagun-
dea, promotor publico desta comarca.
Um. e Exm.Sr.Cmpae-me dar conta da com-
misso de que me lez cargo V. Exc. Como V. Ezc.
aabo, aahi daqui hontem pelas novo horas do dia, doi
lando ainda a tropa de trinta pracas, quo Ihe requisi-
toi.em consequoncia do aviso quotivedo ter antes do
hontem naufragado na praia do Pirangy, ais leguas
distante desta capital, um palhabote, cuja carga era u
nicamentede Africanos; e, all chegando a. urna hora
da Urde, achei sob a guardado inspector de quarteirao
vinloe nove Africanos; mas, me constando que os A-
fricanos erio quarenta e nove, por o tor declarado o
capillo oa occasiio da prisio, da qual evadise no
mesmo momento, logo passei a dar todas as convenien
tos providencias, e at polas cinco boras da tardo pude
capturar os.vinte Africanos eilraviados, ou, melhor-
mente fallando, furtadoas som com tudo en,pregar vio-
lencia contra alguem, bastando unioamenlo a frca de
minlia autoridade. No posso occultar a V. Exc. ,que o
principal agente do extravio dos Alricanos, quo,por fe-
licidade o por cu chegar no lugar com tanta rapidoz,
pude ainda apprehender. foi Jos do S Bezorra,
ompregado publico do Rio-de-Janeiro, com licenca
nosta capital; o qual, chegando poucos momentos antes
da ri.inha chegada, pOde aluciar os praieiros e illudil-
os a Ih'os entregar furtivamente, indo elle d'aqui pro-
parado com roupa (cita e dinliejro, que.tendo j.i des-
pendido algum, o bouvo depois a si, quando pelas
minias providencias foro presas os refelidos Africanos;
mas,como mou proposito era principalmente faier que
nio liouvesoin extravos, nem fossem os Africanos in-
Iroduzidos na provincia por contrabando, tonto conse-
guido a apprehenco do todos, me satisliz com sso; dei-
xando regretsar livre o dito Jos du .*>, quo nio obs-
tante recebeo de mi ir. o melbor tratamento. Fiz o com-
petente termo de apprebenco dos Africanos e de al-
guna papis que achei n'um bah aberto, e tudo en-
treguei hontem ao ajudante Antonio Bento da Costa, a
quem entroguei o commando da tropa, para boje vir
tudo embarcado n'uma barcaca quo fretei por vinlo mil
ris; tendo, de mais, gasto algum dinbeiro para comida
dos Africanos, afora slgumaa despeas quo diz o inspec-
tor fuera para salvar a vida dos Africanos, na occasio
do naufragio do barco; as quaes se devem Icgalisar po-
rante V. Exc. Ao fazer deste, chegou a barcaca com
os Africanos O a tropa, e logo que tomo o porto,o des-
embarquem clles, os farei presentar a V. Ex.
Dos
s*sir
na immensidado, caiuiihavn ligciro, nomo arrebatado ao
seo tormo pelo sopro impetuoso do seus pensamoiltoa,
De reponte cmparelliou com ello um desconhecidu, ves-
tido do frade, que havia algum lempo o oeUuia acautela-
do, e que em breve fui conhecido.
Mcn padre, disse-lhe o novo compaiiluiro, eu sou
o capillo Fubio ; esperei-o ahina de casa da raiuha,
e o segu alqui para ciiinUaler ns prcvciiccs injustas,
que contra mim Ihe devem ter inspirado.
Quo Ihe importa a ininho opiniao, se n5o noa co-
uheocinos ?
E in'o pergunta? Que liomem digno desln nomo so
pode resignar ao dospnzo do oulreinr' A honra lio o pri-
meiro dos heus; he o nico, ai do mim! que hnje me
resta; permuta, mcu padre, quo soja della cioso, mais
oioao do que du propria vida: a vida sem honra he urna
norte do todos os instantes.
Mas em fim que quer de mim?
Quero que me restitua a sua estima, por quaiuo pe-
lo modo com que meollion cala tarde, vi claramente que
a nao tinha. U seu desdem, se V111. he na verdado Cast-
reo, he duplicada affronta.
Quer eu aeja Castreo, quer nao, nao poeso ter pe-
lo Sr. oulro senlimenlo fra do uditferenca, puis que
ucili sei quem he.
Sabe-fo-h raais lar Je, com pouoo lompo; uiascm
quanlo uraaaccao brilliaiilo II.o nao rccoiuiueuda o meu
uome, como o de um bom Siciliano, conjuro-o, rogo-
b que suspenda o sou juiso meu respeito, e au crea
guarde a V. Exc. Secretaria da polica, 2 de agoa-
todo 1845.Illm. eExm. Sr. doulor Casimiro Jos
de Moraes Sarment, prosidento dosta provincia.
J0B.0 Paulo de Miranda.
Tenho vista o sou officio numero 69, hoje da-
tado, dando-me conta do resultado da sua ida a Piran-
gy, a fim de apprehendor os Africanos, vindos n'um pa-
lhabote, que all naufragara no da anterior; e, louvan-
do summamento o zelo, aclividade e solicitude, que
Vmc. desonvolveo nesta melindrosa commissio, e que
alias tom sempre mostrado no exercicio do seu omprogo
durante o lempo da minba ad'minislracSo, cumpre-me
signifcar-lho em respoata : l., que ficosejontede se
havorenj mallogrado as prelenoes reprehensivoise cri-
minosas de Jos de S Beierra, o do lodos os mais in-
dividuos, quo ja linlio occullado vinte dos quarenta o
novo mencionados Alricanos; os quaes todos dei
xou y me. guardados pela forca quo mandoi marchar
pira o apoiar, e que aqui chegro agora mesmo na
barcarja, qdo Vmc. frelou por vinte e seis mil ris para
os conduzir: 2 ", que nenhuma uvida tenho cm man-
dar Ihosatisfazer, vista da sua conta, nao so esta dea-
pezo, como as oulras que mo diz ter feito hontem com
o sustento dos mesmus Africanos, e com osdclatorce,
que Ihe revelrao onde alguos dolles eslnvo escondi-
dos : 3 fico entondido do que mo serd appresenta-
dosaquolles infelizes, apones dosembarcarom : 4., du-
vo orJonar-lhe quo mando prender ao dito Jos do
S Bezerra, a fim do que seja processado, pois nao
ignora Vmc. que, nos termos do artigo 4." da lei do
7 do novombro do 1831, sao considerados como impor-
tadores os que scicntcmento tomprarem como escravos
os Africanos quo sao declarados livres no artigo 1. da
citada lei. e como taes ocursos na pena corporal do
artigo 179 do cdigo criminal, que oSo admille flan-
ea; doveodo haver toda a severidade com taea indivi-
duos, a fim de escarmentar nao so ellos,[mas a todos,
que, postergando as leis humanas o divinas,exorcem o
horroroso trafico da escrtvatura. Finalmente releva
dizer-lheque devo Vmc. fazer ai maiores diligencias
e esforcos, a fim do ver, se podo copturar o mestre do
dito palhabote, que me consta acbar-so bomisiado em
urna das casas da ribeir desta cidade; para que se Ihe
possao impr as penes da lei. Dos guardo a Vmc. Pa -
lacio do governo do Rio-Grande do-Norte, 25 de a-
gosto de 1845. Ur. Casimiro Jos de Moraes Sar-
niento Sr. doutor Jc3o Paulo de Miranda, juii de
direito dosta comarca, e chele do polica da provincia.
Nao havendo nesta capital lugar algum em que
se possio acommodar os quarenta e nove Alricanos,
que hontem Jorao aprehendido} no Pirangy, equoa-
cabao de chegar; ordeno a Vmc., quo os faca recolbor
na companhia quo nesse Jquartcl est devoluta, e que
Vmc. informa ler suliciento espaco para agasalhar os
ditos infelizes; aos quo Vmc. mandar fornecer comida
de carne fresca o familia, duas vo/es por dia, esleirs
em que se deitem, agoa, o tudo o mais que Ibes for
absolutamente ndispensavel ; devendo de todas as des-
pezas, que fizer com a maior cconomra, apprcsentar-mo
a conta,a fim do Ibo mandar salisfazer. Outro sim, re-
commendo que os faga conduzir ao banlio, e os (onba
com seguranga, para que so neo evadao; autorisando-o
a que Ihn ministro roupa grosseira, o restrictamente
necessaria, pare o* tirar do estado do nudez em quo se
aclio: cumprindo que igualmente mo transmita a con-
ta do que despender com este arligo, para Ihe mandar
satislazer. Dos guarde a Vmc. Palacio do gover-
no doRio-Grando-do-Norte, 25 de agosto de 1845.
r. Casimiro Jos de Moraes Sarment.Sr. capi-
llo Francisco Finio de S, commandanto da compa-
nhia provisoria de cacadores da 1.' linua desta pro-
vincia.
Autorisado pelo arligo 11 das alteracOes quo
baixrao com o decreto de 19 do novembro de 1836, e
que approvou, e mandou, que so executassem as ios-
trucroes de 29 de oulubro de 1835, relativamente a ar-
remataefio dos servicos dos Alricanos Ilcitamente in-
s regas e sem oxaino o mal que de mim Ihe diasc urna
inull,ei- irritada. Essas cousas nenhuma rebelo tciu cun
a poltica, n alom disto.......
Dispense-mu da aua justfie:c5u, nterroinpco Cas-
treo, estas eousas nao sao da mjnlia competencia, pre-
fin nao ouvi-las; adevinho quanto basta para qao que-
rer saber mis.
Todava he impussivel quo Vm. mo dexe em me
diicr orna palavra quo me tranquillite, o me relevo
incua olhos. Diga-mo someiitc qne rao nilo deapreza.
Kepilo-lhc que o nao conhecu, c accroscenlo quo
depois que se relirou S. inogestado nem pronunoion o
seu nomo ; 11,10 lunho porlaiitn nem poaso ter a seu res-
peito opnio alguma. Mas Vm. he moco oj que lauto
tem a peito a sua consideracao, quero dar-lhe urna pro-
va dd meo intercale, com dizer-lhe toda a verdode. Sei-
ba do mim, se o Ignora, que contra si tem todas as nppa-
renciai: para rom a raiuha est Viu, na mais falsa o me-
nos uoLre pisima em quo um liomem so puna avhar ;
porque cm fim quem he Vni? Un ofllcial deiniltido ao
que pudo entender; sonto vivo do beneficios da rai-
uha, parece viver.'
Me pussivel, mou padre !.....
He cerlo. U mundo, fique-llio isto, dcsprcia 01 fa-
voritos, logo quo us nao teme. Cmu rasau 011 som ella,
so v nellos voluptuosos mercenario, iustruiuciitos.....
porcm nada mais direi s'ubru isto para o nao uftendur. j
Entio sou tira homcm deshonrado E todava, meu
padre, so toubciie a minba historia.......
troduzidos no imperio, encarrego a Vmc. da execu.io
das citadisTnslruccoes, viato que dos juizea desta cida-
de be o que me merece maior confianca. Dos guar
da a Vmc. Palacio do governo do Rio-Grande-do-Nor-
te, 26 de agosto de 1845. Dr. Casimiro Jos d$ Mo-
raes Sarment Sr doutor Joo Paulo de Miranda
juiz de dreiro da comarca do Natal.
Devendo arremalar-se quanto antes os servicos
dos quarenta e nove Africanos, que forio por Vmc.
apprehrodidos anteado hontem em Pirangy, visto qao
esto fazondo despezas nio pequeas;cumpre que Vmc.
trato do annunciar a distribufio d'aquelles individuos
por moio do editaos, j qao aqui nio ba olhas publi-
cas, e que em tudo o mais procoda na conformidade
das nslrucQfles do 29 de oulubro do 1831, das altera-
cOes & ollas feitas em 19 do novembro de 183S, o das
inslrucces da 7 demarco de 18'tf!. Dos guardo a
Vmc. Palacio do governo do Rio-Grande-do-Norte,
26 de p,oJta dolSVo. Dr. Caiimiio Jos de Mo-
raes SarmentSr. doutor J0S0 Paulo do Miranda,
jui/ de direito desta comarca do Natal
CunillSSPUNDBXCU PARTICULAR.
A7ei bom amigo.
Cidade do Natal, *23 do i;nsln do 184.
Ha multo, quo estuu privado de reeeber mal iuteres-
santos noticias, dando tul vez a lo causa as sutil conti-
nuas oncupaces, as quaes em verdado o relova de qual#
quer oulpabllidade em quo por ventura tifcneosi in-
vorridu part ooiuraigo, por urna semelhaiilu falla.
Ainanliaa deve por aqui passar o vapor Imperatris,
cuja opporlnoidado deseju aprovitar para Ihe dar uuit-
cias iiuiilia, e dp quo.se passa nesta provincia, oudo
cerlamcnte so podoria hoje habitar, a nao icr a devasta-
dora suia, quo tanto nos tem flagellado, e arruinado
do una maiu'ira espantosa as fortunas pblica e part-
cula i-ch; por tutlo, porem, damni grava Providencia,
porque e por este lado temos sido, o conliuiiiimoi a ler
flagelladua, por nutro achanio-no consolado por liaver
a meiiua Diviua Prosidviiuia pertnitlido, quo, nesta las-
timosa quadra, nos dsse o governo imperial um admi-
nistrador, quu voio si ri ir de lenitivo aos iiosioi maio-
res padecinientos; puis nao so possuo em alto gran o es-
pirito do jmtica, imparcialidaduo rectidSo, mundo a tu-
do isto a mais consuinmada boiiratlet, senio tambera les
seriamente uncinado para as mais palpitantes nucessida-
dei da provincia, pelo que so ha turnado o Sr. Muraos
Sarment credor de toda a estima e coiiiidcracao do
|uai lodos os habitantes desta provincia, quo nao oes-
sao do o bemdi/.er o elogiar.
Nu dia 20 do mes passado concluio-so aqui a eleicao
de senador, para a qual nao poneos caudidatoi appare
crao.
O prcsdenlo aprcscnlou, cuma candidato do gover-
no, 11 ICi nuslo Vranca, c fes ai pnssivois diligencia pa-
ra quo eutraiso na lisia trpliuo a sou oanddalu; o oerto
o liria conseguido, se, alora de outrai r.izei quo oc-
corrro, nao bouvesse aqu chogado antes da eleicao o
Uclavano, dizendo-se encarregado de promover aquella
candidatura. Esto a razio, que, em meu eotendar,
mais contribuiopara qua o presi Jante nio conseguiste
o seu fim, e viessu o Ernesto a (car om quartn lugar
com 176 votos. Seria longo descrever-llie aqui ludo
quanto occorreo a este respoito, e smente dir-lho-hei
quo o proprio Sr. Ernesto muilo concorreo para o re-
sultado que leve a sua eleicio ; por quanto a foi, tem
talvez pensar, confiar de um bomom, como o Octavia-
no, que, alm de ser um extremado nortista, e ter por
isso as maiores anlipathias do lado do sul, na provincia
nada be, o por conseguate nada vale A demissio do
Ernesto do ministerio lambom muito cootribuio para o
resultado quo teve a sua eleica); por quanto, havendo j
alguna eleitoressulistaa dado promessa ao presidente de
volarem no candidatodogoveroo, logo qao constou-lhes
aquella demissio, desvirao s da prometa dada, d-
sendo que jamis deveriio votar em um candidato, de
quem o Mooarcha havia retirado a "ia conanca, e que
o contrario procedimento importara um intuito, e o
maior dosrospeito pessoa du mesmo Uoaaroua. Mas
de tudo o que sobremodo me maravilbou loi vr a fofice
sssm 1 tmmiSmma 11 mliiwpiin7 MVifi 1 li FiSM TFi 1 ssa sss
. A na historia? Eu a sei sera quo Vm. tomo o ira-
baiho de ouiilar-m'a. luia cirvu'mitancia, qualqucr quo
fusse, o acasu Ulvet, fez que o Sr.encunlrasse Carolina;
deslumhrado pelo esplendor do diadema, toniou Vm,
por amor o t|uo s era amur-proprio, o vollon-ie-lho a
eabeca. Ser amante da raiuha lite pereceo o primeiro doi
ttulos; julguu-io lugo outro Guihir, oulro Acton a
que nio attiugo um huiucm quo loma por pedeilal mu.i
raiuha? Fui isto sem duvida o quo Vm. ditio entren'.
O maii, fcil he duadeviuh.ir.'lwiu lio s sonho, aqui tom
agora a renlidedo. O soculo doi Godoii, doi Acto 119 j
passou : Vm. eiigonou-so 110 lompo o no cainmhe; a sen-
da quo cioolheo nio cunduz mus aondo o 8r. quera ir,
o aleiu disto o lugar esl lomado, prVIOO-o disto; a
niesina raiuha dispoi del le, cscVi. ama a Sicilia, sera
o primeiro a beiudiier a sua escolha. Aproxima-se o dia
digti-lll'o eu, em que a patria teri necessidado de lodoi
os seus filhos, o a lodos ol unir em derredor do si. Esso
lia ser terrivel, ma decisivo i oquo inagnificos das so
Ihe seguiro! Nio liaver mail cstraugeiros, nem umr-
padorca, nem favoritoi Os ministros serlo a genio do
puvo, o nao.a grille dorei. Todo o liomem tera osen
valor intrnseco o outro nao lera; cada um existir por
si mesmo. Prepare-so pois, se quer merecer a mnlia
estima, a desempenhar o leu desee du cidadlo ; porquo
nao tardar 1 soar a hora mareada pelo con, eu o sei; o
nunca mais nubro earroro ser aborta, acredte-rae, ai
ambires legtimas o aos hmeos do boa vootado. Apro-
veite-10 della para ic rebobillar seu proprios olbui,


ss
X
on/f*e o estulto Oclavianoaquise apresonlou.dizendo-
ncarregado da elcicio do Ernesto, e acodo poitador
do muiUi carias, que da curte (razia sobre o inesmo ob-
jectu Entre outras, diium-me, que trouxora uma do
ministro da fazcnda para o inspector da tbesouraria, que
aqui apellidad de Pedroca, e que nao be mi rolha : o
rapaz ficou com efTeito lio enlbusiasmado, com esta su
liida honra, e tao incbado, que pouco lite faltou para
tur sort) da ran da fbula. A carta su (altou ser lida,
publicada e editada a som do tambores ; emlim bou-
vero a osle respe i lo as rnaii galantes cousss, ou, para
molbbr dizer, aa maiores parvoiecs, que se pdem ima-
ginar. Deixemos, porun, a eleigSo, que he j caso jal-
gado ; nao torminarei coro tudo sem que le diga, que
o presidente be digno de todo o elogio, pelo modo gra-
ve, coro que ae portou na clec/io; porque smenle lan-
i'ou mao de meios brarfdose suasorios, praticando ni-
camente aquillo, quo ai leis lho no probibiSo, esem
que una vexaclo, um acto arbitrario tivesse lugar: em
fim, meu amigo, eu nio conbecia o doutor Sarment,
e o vi pintado no Lidador, como um homem de metler
medo ; porm estou lioje convencido, de que o da-
dor Ihe nio soube lazer justica, e apear do naodesco-
nhrcer, que elle he enrgico, com tudo tenho observa-
do, que t uierco essa energa nos casos cm que a le a
pede, e a razio a aconselha. Por fallar de energa, vou
referir-lhe o que, ba poucos dias, aqui so possou.
Foi mandado da corte um tenente de engenbeiros pa-
ra vir ompregar-so na directo das obras militares da
provincia.
O Sarment,(ratando-o com bondade, bavia-o encar-
regado de dirigir o concert da obra da fortaleza dos
Santos-Res Magos, quo exiga promptos reparos, e pa-
rece, que nutria esperances de o aproveitar para mais
algumas obras; visto que aqui nao havia outro offcial
de engenbeiros. Comerou.poi tanto,o homem a dirigir
a obra da fortaleza, encarregando-o o presidente de fa-
zer elle a compra de alguns malcriis, que se fizessem
precisos; e dizom mesmo, que Ihe recommendira enca-
recidamente toda a economa possivol neste dispendio.
O tal ongenheiro, tirando-se de seus cuidados, dizem
os ms liugoas, foi-so pagando honestamente da commis -
so das compras, e impondo urna contribuidlo extraor-
dinaria nos salarios dos oflic es e sorvontes, sem que
lsse applicada om beneficio do estado. Os curiosos co-
merrao logo a rosnar, e, tanto que isto ebegou aos ou-
>idos do Sarment, tornou-so -o homem furioso contra
o tal engvnlieiro, porque um verdade he o Sarment o
mais acrrimo inimigo do ladros : immediatamente
quo a verdade destes Lalos calarlo em seu animo, la-
vrn urna tremenda portara dispensando ocngenheiru
do pagar a folba dos ofGciaes e serventes, e de a/cr qual
quer compra, passando, de mais, uma descalcadeira ao
tal engenbeiro, que o deixou de profundi$. E vio l
brincar com o Sarment nesla parte! lie teso, som du-
vida, para os ladroes, e tssassinos, e de tal sorte queoscu
nomo se tum feito respeitado ; e tristes de nos se assim
nio fora, pois em nenbum lempo os ladroes se mostra-
ra o mais ousados, apadrinhando-se com a fome e cala-
midade ; mas nada Ibes tem valido, porque o presi-
dente os tem acossado por toda a parte, enviando desta-
camentos para diTerentes lugares, o recrutando os qu
nio tem em seu favor isencio alguma. Assim se
vai a cousa tornando em melbor estado, eje muiros lu-
gares esto dfsassombrados das incurtues desses ladroes.
Dos queira dar muitos annos de vida ao Sarment pelo
grandioso beneficio que ba feito a esta pobre provincia.
Muitas outras cousas tinba que referir-lbe, mas i
me transputdos limites do uma caita, parecendo antes
esta um rclatorio ; portento terminaiei por agora
guardando o mais para outra occasiio. Mande suas or-
den ao seu amigo, e muito obrigado.
do-Norte 8.613
Dita do algodao do dito 2,445
Dito do dito da Parahiba 5,545
Dito do dito do Ccar i ,327
Provincial.
Disimo de assucor 4:096,338
Dlodoalgodio 1:530,677
Dito do caf 15,760
Dito do fumo 17,640
'laxa de 40 rs. por caceo de
olgodio 52,120
Dita rj* 160 r. por caos de
assucar 16,160
Dita de 40 rs. por fecho de
dito ,360
Dita de 20 rs. por ia:co com
dito 72,120
Mesa do consulado de Pernamhuco, I." de setembro
de 1845. U administrador,
Joo Xavier Carneiro da Cunha.
CORRF.IO.
CORRESPONnEISCIA DA CIDADR E PROVINCIA,
Se nio appareci bontcm, appareco hoje, e neste co-
so sera purgada esta falta com dobrada dose, e o quan-
toieiabivai ese nao vai com grava vai com juslira
tecla. D>zem, que la pelas bandas do Poco-da Pa-
nella certo inspector, ou cousa quo o valba, faz suas
corridas nocturnas, andado de facha, espada e'palma-
toria. Kis,pois,om um so homem representadas duas
grandes e antigs personagens o Onca o o Feijio-
de-Cocoaquello representado pela espada, e estpela
palmatoria 1 Viva o figurio I
A appsricio de dous vapores no mesmo dia de do-
mingo passado causou seus sustos a alguns; porque, nio
sendo esperado anda o do Sul, era para suppr seria
extraordinario, e enti. as noticias seriao taiiibefh ex-
traordinarias nao houvo porm novidade : uma co
lica he o diabo .' .
Um Musir sujuitinho foi atacado nio s'i do que, o
sendo chamado o facultativo, este o apalpou, bateo-lbe
aqui, all e acola (experiencias da moda) e a final foi
a receita a seguinte:RecipoNio leia periodicos.que
engrossio o sangue, exallio a biles, inflama j os milos,
e tirio ao lonl- do estado normal.Malditos peridicos
que entorpecetn a mesma justica recta, o nioquerem
favor e grasa.
ella tomo. Constante leitor do sua folha, nio tenho
podido doixar de estranhar a ovidente preferencia de
quo goza o Corsaire-Salan no conceito de Vmcs. ,trans-
8jr>,6!ii crevendo seus artigos, tanto a miudo, as suas impar-
------------ciaes columnas; e a razio deslo meu reparo se tornar
3:567,092 nlellifjivel, londo, Vmci., o extracto, que junto o fie/e-
co dos Guipes, obra satyrica d'Affonso Karr, autor in-
minente, goxando boje entro os Iliteratos da Europa de
uma reputacio colossal.
a Quando o Sr. Duprez (primeiro tenor) cantou pe-
Ja primeira vez no tbeatro real d'acadeniia de msica da
Franca, nio ousou ser assignante dos diversos jornaes,
que vivom a eusta da vaidade dos actores. Um destes
jornaes, mais exigente que os outios, tinha porcostu-
mejtratar smigavelmonte com os artistas ; para esse fim
tipba uma tarifa com os precos lisos. Por uma assigna-
lura obtinha o actor o silencio sobre a sua vida privada
e as suas enfermidades, atacavio-no t como actor. Por
duas, nao fallavaq dalle absolutamente* por trexani-
mavio-no; por quatroapregoavio os seus progressos,
uma vea por semana, e animavlo no a proseguir na
mesma trilha. Por dez assignaturas trio lisonjeados i
todo o panno. Quando a occasiio o permittia, para
aquellas, que se nio contentavio com to pouco, tinliao
iguarias reservadas para Ibes oflerecer: l., lazio-lbes
todasasmonhias um elogio novo,equeainda a ninguem
tivesse servido : 2.*, osmagsvio-lhes os competidores e
5:881,175
29:248,867
Navio taidos no mesmo dia.
Alcobaca ; biate brasileiro S. Jos^fenttdor, capilar,
Joaquim do Souza Gomes, carga t
Macei. Babia e Rio-de-Janciro; vapor brasiTT>iro n.
peratrit, commandante Jezuino Lamego Costa: as"
sagoiros: para Macei, Azaraj Carlos de Canj||,j |
Guerra, Joio Jos do Miranda,"Brasileios; Itonne- i
foBd. Francez: para a'Jtabia, frei0rofiro de CamsrJ
no, Italiano ; frei Joio das Morcet, fre Joaquim i
Puriicscio, frei Francisco deSaola Mari.mna, fre^
Jlo de SantafEmilianna, Hrasileiros; \V m (ibjp-
man. Inglez; el cscravo a entregar: para o Rie.d^j
Janeiro, Francisco I'aques Alvim, o conde iinR:-il
Pardo, com 4 escravos, seu ajudaote Eduardo PertDI
ra de Olivoira, e 3 escravos (Teste, o tenente de J
genbeiros Antonio Joio Campos de Oliveira Bello ]
Brasileiros; 26 recrutas de mainba. 10 ditos pin i
exercito, e 21 escravos a entregar.
Deelaragoes.
O Exm. eRevm. Sr. hispo diocesano mandil
communicar a todos os Srs. membros dascommunida
des religiosas, e irmandades, magistrados, ompre^
dos pblicos, ecclesiasticos, judicises, civiz, e milita-
res, ao corpo de commercio, lodos os Reverendos
sacerdotes e clrigos, e mais pessoas desta prarB, qu, i
primeira pedra da nova igrea matriz de S. Jos do B-
cie, no dia 31 d'agosto p p., como tencin
tem de novo designado o dia 8 do crrante, pelas 8 b!
ras da manbia, para esta religiosa funtQio ; e reitera* i
todos em geral, ota cada um em particular o seu con
DIARIO DE I'EII:M1BUC0.
PERNAMBCO.
Jitndi/neiito arrecadado pela meta do consulado no mtz
de agosto prximo passado.
a sauhi :
Despachos martimos.
Ancoragem para fura do im-
peno 3:673,012
Dita pira dentro do dito .197.836 4:070,848
Exportaco.
Direitos du 7 p. c. 16:894,273
, x> 2 2,048
> '/ de ouro e
prata amoedado 22,651
Emolumentos de cerlides 24,800
Multas decididas 15,802 10:959,574
Interior.
Sello fixo do papel 516.320
Dito proporcional 490,936 1:007,256
Consta-nos que o Exm. Sr. dr. Zacaras chegou
capital do Piauhy no dia 27 de junho, e tomou posse
a 28. Muitas pessoas gradas daquella provincia, ancio-
sas por verem o termo louca o desastrosa adminslra-
Vio do Rio-Pardo, frio esperor a S. Ex. a Casias, e
d'ahi at Oeiras forio-lbe saliindo ao encontr e acom-
panbando o outras muitas, todas cheias de regosijo pe-
la esperance de um goterno, de que nunca baviao go-
zado. Com a noticia smenlo de sua ebegada, tian-
quillisra-se inteiramcole os espuilos (sem duvida pelo
concoito que de S. Ex. corra) e a salisfacao era geral.
A abertura da assembla provincial que devia ter lugar
|^io l. dejulho, liaba sido adiada para o I. d'agosto
pelo conde do Rio-Pardo, cujas arbitrariedades tinhad
levado exisperacio um povo quesofliCra tranquillo as
do baro da l'arnabiba. A nomeaciu do Sr. Zacaras
he um desses acasos, que escapao algumas vezes ma
vontade de governos perversos, como esse de 2 de feve-
reiro, o quo sao dadivas do eco ne meio de suas ras :
nio nomearia por certo esse inlando gabincto um ho-
mem do mrito do Sr. Zacaras para urna das provin-
cias condemnadss a solTrer lodo <> peso do seu jugo de-
teslavcl; mas emlim muilo valeo ao Piauuy ler repre-
sentantes do sua escolba, e nao harpyas noineadas pela
polica, cuja nica missio he trocar.m a sua condes-
cendencia pelos flagellos Jas provincias a que p( r des-
graca pertencem, e escolher para as governarem entes
ineptos, que em paizos bem constituidos nioserviriio
para empreges anda os de menos importancia. Assim
goze o Piauhy por muito lempo da ventura qie a sorte
Ibe deparou.
Correspondencia.
Imposto de ;'i p.c. na compra
o venda das embarcaces
Diversas provincias.
Disimo do assucar das Alagoas
Dito do dito do Ido f.rande-
496,530
813,736
o dar aa siis provns. Se abjura germen prestimoso ba
na sua alma vcr-ie-ba ; ale la nada saboiuoa.
A' ralas pala vi as Casloru continupu sua viagem, c
deixou F.ibio no meio du cuminlio a medilar nua duros
auliaclboi que aealia va rli;iin ni estilo niyllioliigicu, n verdadu ma. Nada di;
irliotnci'a; nada de periphrasrs. A pro>an(a era cruel
iiiash.ilnl.ir. Aosgrande malva, grande remedio. Qunn-
do a cliaga be profunda o o doontc bem eonalituido, a
opplieaco du ferro e d.> fi>u lio maii cllicaz, du que o
ji.iilialive que nada palliio.
lialeve Fgbio por algum lempo a cunsuliar ae ,|,vi/i
ilar-se por ftomlidii liourado da su* franqueza; o ulcerado curacu vaclam-
lliuenlre a colera e i;ralidio. Nio era que a sua con-
cirneia Ihe nio fizcaae niema inorepaccs; algumua
bora ames, linvio elle dito do ni ni'esmu, un |>reseiicu da
rainli,ooua igiinliiiciile duras; mas que dillorenca nflo
ha lii fin uuvi-las? Na conQtalo volunlaria ue|h.iiianea
lia |ielo menus ao proprioa vllioao inerit.i da liiiuoridadc
o islu lie uma roni|ienacSu do mal que a genio dii de ai!
liilrnmetla-se outro na questio, anda quo soja ., nara
faxer eubo, e logo eale echo se torna Ucni iiinoniniudo ;
nimia gente du de bom grado mal de si, c o fax al com
ostentarn, na nub condifo du Ihe diterem o contra-
rio; e ili'o uSo dizom, irrila-so, e nao duvidar couirn-
der com nqucllc que Ihe lomarcm a palavra, o enire-
roin por ella.
1 odavia os bons srntimenlos triumpbrio no coradlo
Srs. Redactores. A sympatbia, que nutro pelas
doutrinas luminosas, quo em poltica sao sustentadas e
delendidaspola isenlinella da Monarchia, me impfio
o dever de submeller ao sou criterio as segnintcs obser-
vacOes, que servira, so menos em parte, para por em
guarda os Ilustres Hedaclores desta interessante folha
contra algumas doutrinas cuntidas em uma das mais
suspeilas redaccoes da Franca. Dirigindo-me, pois
Srs. Redactores, para tal fim a sua estimavel lolha, jub
go dar-lhe a prova, a mais valiosa, do interesse quo por
to para fallar do seu talento; tanto para fallar da sua
belleza; e tanto para m'gar, ou a belleza, ou o talento
de uma mula. O Sr. Duprez dirigio-se, pois, a um
destes jornalislas, e depois dn Ibe ter pedido trez assig-
naturas do seu r.Wimare/jornal, poz sobre a mrsa um bi-
Ihetede mil francos. O aristarco tomou o bilhete, mirou-
o,virou-o, e, sorrindo se, disse:Ora, Sr. Duprez, o
Sr. poda fazer muito mais.... Tem o Sr. razio, res-
ponden o Sr. Duprez, coibendo o bilhct\ mettendo-o
na algbera, e retirando se. No dia seguinte eslava
guerra declarada ; durante uns poucos de mezes Du-
prez foi pequeo, feio, horrendo, cantor detestavel ;
depois de passado algum tempo tornou-se grande, bel-
lo, noSre, heroico, om fin o nosso grande cantor. Pa
ra ganhar tanta gloria, nao Ibe foi preciso senao per-
der uma simples qualidade ; isto bo o animo, que ma-
nfostou na sua primeira visita, guardando aquello pe-
dacnbo do papel quadrado. O mesmo aconteca quan-
d-.> urna actriz vinha pagar o tributo, quo o autcrata
exigia.
Eis, Srs. Redactores,o fiel retrato do Corsaire-Salan
ea causa da minba admiracaa, encontrando as blasphe-
mias do mais vil ontre os mais vis jornaes, transcriptas
aa sua to jusliceira fulhs. A cruel guerra que o infame
Florentino, rodador d-> dito jornal, faz a M.MGrizi, e
ao Sr. Mario, provm destes admiraveis artistas niote-
rem annuido is exigencias que Ihesqueria impr essa
nogenta creatura. A gratdio, Srs. Redsctores, e o a-
mor que consagro i verdade e i justica me impoem o
dever sagrado d go o admirador destes insignes artistas rompo o veo que
protege osla vbora, e ao sol do nosso bello Rrasil ex-
poobo as suas torpezas. Oucio agora, Srs., o que o
grando Rossini diz de M "'Grizi cbsma-lhe ellos
sua fIba predilecta.
Hellini (aynonimod'olma elevada) cbamava-lhe a Di-
va Vctor Hugo diz, que nella encontrou a Lucrecia
Borgia, que tinha sonbado. Lamartine poticamente a
baptisou d'Estro. As lagrimas, que esta sublime actriz
faz derramar ao seu auditorio em Franca e Inglaterra,
coufirmio o que estes grandes homens dejlo disserio.
Em qusnto aoSr. Mario basta dizer, que'em muitas
operas eclipsa Rubini. Digio-me, Srs Redactores, ser
digno de algum crdito o que escreve este jornal ? De-
verio osartigns do poltica, que ello publica, merecer
nossa alinelo? de corlo, que nio. O mrito no mais
remoto canto do mundo acha defensor: a gralidio nun-
ca dorme no peto, que a sabe sentir. Animo Grizi I
Animo Mario! Avante! nada temis; a posteridade con-
servar vosso nomo. O amigo dos artistas.
COMMECIO,
Alfandega.
Bendiuento do da |................. 499j482
Descarrega hoje 2.
SumacaS. Annarolos de fumo.
IIovment o Torio.
de r'alir
.---_ ,------------_.------------. ,HB .,.,,, h,ii,I UM'! l'IIUI vil
iialcheo tan bem iiifnrlnadu ? li he quo te nao poda
plicor, c no momelo F'abio iibandunuu liWa a Inda-
Se o mal uiluva ft-ilo, jiara que era saber a uj
que a Anal reconlieceo quo o ercniila tinba ru-
sio. Qiiantu a rainlia, como elle iguorava O sea encon-
tr com Halladla, procuravn 'porquo fulalidnde ao llic
liavia revelado o seu aegredo, o nixo otlnaVa com ouiro
delator, senau Caslron. Maa uomu eslava cato genio vil
e ma' c
ii
gaclo.
cama?
Aind.i nao cita ludo perdido, disso enlre ai
mando ooragem. Para lodo lia remedio; bei de forca-
Im a meesiimaroni, ou pela ininlia vida, ou pela miaba
morie. Anda que oaliveise muito prximo de llouecvi-
no, no julgou prudente, apezar do seu novo dialaree,
irla passar o resto da nonle, o apruveitou o escuro para
aproximar-: doTrapani, para onde o oliain.ua a execu-
eiO do iforeto designio que liavia concebido, e que de-
via rebabila-lo non ollioa du Carolina e de Cii.toro.
Apena* liavia caiuinliado olgumai millio, OUCoilirou-M
faeu a faco con. a Zngara.
b! vclbal grilou-lhe irreflecldn, enUo cscu-
lliestc para domicilio do tudn ai nuiles n c.lradu de
Manara P
li Ve. meu bello capillo rnoputado?
Harece-me quo naa tuaa viagens faxes piis oolli-
Uiodeeipilu du que do foiliceia!

Navios entrados no dia i.'
Walewich Bay ; 21 das, brgue inglez Tuo-Fiends,
de 206 toneladas, capillo William Pajn, equipa-
gem 12, em lastro; a M.cCalmonl& Companbia.
Vlaranbio ; 15dias, brigue-escuna brasileiro Laura,
de 143 toneladas, capitio Antonio Ferreira da Silva
Santos, iquipagem 11, carga larinha, arroz e mais
gneros; a Novaes & Companbia : passsgeiro, Jos
AflonsoPereirs, com 1 cscravo e 5 ditos a entregar.
i iiihi, n |.|MPM ^^^^^m
para assistencia em o dito dia, e a mencionada hora.'
CoMPANIlIA DO BKBERIBE.
A companhia do Reboribe vende agoa do Prata,
ao caes da Ponte-d'Ucboa : os donos das canoas quail- !
li a mandaren) receber, pagars o mesmo que coslu-
mo pagar no Monteiro. ,
Os Srs. accionistas hajio de realisar a enlradidi
seis por cento, ltimamente pedida, at o dia
eorreoU. Escriptorio da companhia, 1.' dsele
de 1845. O secietsrio, f. J. Fernandes Bai
O arsenal de guerra compra azete docarrap.w
dito de coco.e fio de algodio: quem estes gneros quief
fornecer mandar sua proposta, com os ltimos pre-
cos, eni carta (echada, a directora do mesmo arsenal,
at o da 2 do prximo futuro mez(bojc).
Directora do arsenal de guerra 29 de agosto
f846. No impedimento do xscripturario Joo lliS
cafdo da Silva.
=-- O abaiio assignado, procurador da cmara mu-
nicipal da cidade de Olioda,avisa a todos os foreirosdi*
mesma cmara que elle se aeba prompto s receber os i
foros nesta cidadu na ra do Csbug luja de Pe-
reir & Guedes, todas as sextas-feirsa das 9 horis at'
as duas da tarde onde o devertd procurar.
Antonio Aunes de Mello.
pois auppe que
JTaJ: i'ina,,denan,urJo duque de prudente, rea- le na roalid.de, que dep.-i. de liaver foi
pondeo a vullia sera ic mostrar ofteudiU i.,jurioi ao-|vult. p.ra evitar o exeroitoiniraigo, i. 0
CUSaCU.
Que quero tu dizer? perguntuii FaJiio diitrabido
dai aivu iiispeitaspor easa hbil divenao.
Que cuino a pnmba se rceolbeo ao niolio, para
vai o poiubo a ludo o vo. *
Nio to enlentlo.
O poiore urdo rio os que nio querero uuvir,
fcxpliear-lc-haa lu om Bm?
Oro oita nicu joven ofllcial!
ninguoin o sabe?
Que sabes tu rula, falla, icnao.......
.Si n.iii o que?
Sibylla du inferno! lu snmbas da minlia paciencia?
Sua pocienria!..... He buu cun efleilo.
Jo c.l era Mazznra a bario Scbinilia ? Responde.
Ja lli'o teria dito, e Viu. fome maii Iraneo ; mas
tem um nomo nos labios e outro no cora^ao. Aa o.nrlae
qnorcm primeiro que ludo aiuceridade j senlo.......
Sonoo que?
Sculo aau mudas.
Vi pun o diabo com as toas cartas,
Tenba Cuidado quo os caaacas venuellioi o nio
mandem para l auloi de niiin.
Por san Oologaro quem falla aqui de casacas ver-
niel lia:' disse du repente, alguns passns d'alli, rude
voz. de Calabrot. .
Fabio reconlieceo immediatamente Parafauli. Era el-
ito uma grande
com a tua banda
tomar policio as pedroiras de Seliuontc.
THEATKO PUBLICO.
NOVA COMPAN H1A ITALIANA.
A sexta representarlo lyrica ser quarta-feira 5do
torrente s 8 horas; distribuida pela maneira seguinte:
1. Symphonia.
2. Dueto applaudidissimodo Marino Fallierapcln
Srs. Francbi e Toselli
Trema slsno tremole o superbi.
3. Dueto do Pirata pela Sra. Marietta o o Sr. Mi-
rinangeli.
A'or i la la bel anima gualtier cambala.
4. Ariada Somnmbula, pelo Sr. Giaeomo Bo-
nanni
Vi ravviso ok! luoghi ameni.
6. Duelo jocosoda operaColumella pelos Sn.
Francbi e Toselli.
A scena representa o amo de Columella que volts,
doutorado para o seu psiz; e dando com a rasa da sua
promeltida esposa, regozija se de ter chegado em ins-
tante lio desojado; n'este momento chega Columella
que tinba ficado no camiobo, e o amo pcrgunla-lhe
porque o tinba dcixado; este sem responder ,
contina uma conversa com sigo mesma dizen-
do muitos insultos e comea: o amo, zangado, o-
briga-o a rcspondor-lhe. entio elle declara que dous
remondflps sapateirot quizerio passar por litteratos com
elle, affirmando que o queijo he genitivo,outro dadiva;
ello dizia que nio, elles que sim; e entre os sim e os
nio (irou-lbe um prato de carne ( que ellos tinliao adi-
anto para almocar) e comeo-a, no cnlanto que os re-
mendos dorio Ibes muitas bordoadas e um soco na ei-
r que ainda a conserva inebsda.
IntervaUo de 20 minutos.
6. Symphonia.
7. Cavatinada Noiwa pelo Sr. Marinangcli
A/e protegge, me di/ende.
8. Ariado Marino l'.iliero, pelo Sr. Toselli
Oh! palrij.
9. Cavatinada Norma, pela Sra. Marietta Msri-
nangel
Casta diva che inargenti.



Coiuu! ainda uSr! exclamou ovingalivo Calubrri
ao roconbeocr Fabio. o levando por inaliuctu a rula u
punbu do eslyleic.
E porque ulo seria cu ?
Porque esperava, oorpo di Dio, n.iinea mais lomar
a v-lu.
procurci ? Siga a
ILFGIVFI
E eu cutan, perno acaso qn'e o
seu caminhn, quo cu aeguiroi o meu.
He u quo o Sr. pode fazer do mellinr.
Eaccu nio quiesso fize-lo, quem me lomara
cuntas clisan?
Quem?....... Olbo, meu ofllcio'l, eu nio me quera
gastar; mas. por san Bologarw nio abuso dai tua van-
lageiis.
~ Miuliai vanlagcns!....... Sao seu duvida eilariu
contra lanos. *
Efqiieeo-ao cnlo do quo llic salvei a vida? Tirar-
Ib'a agnij seria um vordadeiro parricidio. Se \ ni. w"0
Calabrox s.-beria, que a sua posiua lio aigrada pura HISSi
ino grado meu, e que s.iu nbngado a suppoitar da l"1
parto o que nao suportara dn ninguoin. Nio le lr.il"11
o Sr. ja uma vex de salteador, sle nssassiiio ? Que respun-
dieuaisto? Nada; cnlrelanlo, corpo di Dio o 5oiuj0 i
soava-mc furiosanicnto aoi oirvidoi. Ando l, pode nt-
lorecor uma ola a Madnna om atoan dograca! '""*
iiiuguein vio lo de porlo a uiorto. Crcia-me, lliuinsj'*.
pane o sen caminho e deiie-me seguir u meu; I'0 "
mais seguro para Vm. o para mira ; ja lie do mais u-r-u"1
Vm. obrigado a lembrar-lbe o servio que Ibe fis, Por


Intercilio de 20 mtnu/oi.
10. Sytnpbonia.
]1 Qumeltopuritan, pela companhia (oda.
\,, bilhetei ila pintea superior estao marcados, poi
nmeros, os bancos" o os assenlos, quo os Sr. especta-
dores devrm orcupor.
O director roga-lhes que nlo lavcilio^esta dispost-
co afimdcqde* mesmos Srs. possd contar com
o, scus luna-es; quando liouverera de sabir; e para este
fim be <11IL' recebcrS na porta do theatro metade do
hjlhete (onde ter marcado oassento) cffce devorad guar-
ir ate o lim da rcpreseotacSo para mostrar, so Ibes fr
rts'do.
Oj bilbcle acb5o-sa i tanda em casa do director,
na ra Nova n 7, segundo andar, o, no dia da recita,
Do botiquim do tbeatro.
A peca Os suc'ccssos, ou escola da
advosacia e Iliteratos, que, a beneficio
de dous particulares, ilevia ser represen-
tada a 31 do passado, subir scena
quinta l'eira 4 do correle, s benefi-
ciados pedem aos seus benvolos protec-
tores di^nem-se de desculpar essa mu-
denca a que por circusmlancias-imprevis-
tas loro Toreados.
PUBLICACES LITTEKARIAS.
AO8'8ENH0RES SACERDOTES.
As obras completas do ubbade La Mtnnais em 12
voluaics, chegada ltimamente de Franca, e eneader-
nadas cm beierro com o retrato do autor. Vcndem-ie
na ra do Crespo d. 8, loja do Campos & Maya.
Acba-iesobo prelo, na corle do Rio de-Janeiro, tra-
duzida por Jacintho Aires Branco IVIunU Barreto, a se-
guinte obra :
l'ni granadeiro da guarda-imperial sobre o sepulcro
deNapuleio Bonaparte ; historia da vida pblica e pri-
vada do niesmo.
r Subscrevese na praja da Independencia, livraria n. 6
t8, aj 100 rs., pagos na occaaiao da entrega da obra.
Avisos martimos.
= Tirou-se urna carta do corroio, por engao pa-
ra Francisco Jos de Sousa ; quem for seu dono d.ri
a se a Solcdude, n. 7.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 19, da
ra dasTfinclioiras com sollo o bastantes comino
doa o bonita vista porpreco commodo: a tralirno
mcsoio sobrado.
= O abaixo assignado fez sciente aos seus I regu-
zes oaquolles que toem transaejdes com o inesmo
abuixo assignado ,_ que o Sr. Jeronymo Fernandes da
Silva deixou de ser seu caixefro. (uilhirme l'urcell.
Urna sehhora solteira
pipe-au a ensinar meninas a Ier escrever con-
tar, grammatica portugueza bordar do'ouro, de ma-
tiz de Iroco de seda de lacada, de susto, a mar-
car de 4 qualidadea fazer cacunde, lavarinto passado
e cheio costura cha vestidos da moda chapeos e
toucaJos para seobora toaquinhas para meninas ; as-
sim como se tomar algumas meninas que morarem
longo pira assistirem em casa por prego ravoavel ; tam-
ben so cose para ra toda a qualidade de costura por
preco commodo : quem de seu prestimo se quizer uti-
lisar dirija-se a ra da Mangueira', n. 9
Na ra das Cruzes loja de encadernador o. 55,
se riscio litros do todas as maneiras queje precisa-
ren! com muito perfeicao e por prego commodo.
prestimo so quizer ulilisar, dirija so ao pateo do Terco,
n. 2G, segundo andar: na merma casa vende-se un
bir.'o, anda om bom uso, com sous cortinados.
AluRa-6e um piano, para quem quier aprender,
pilo lempo, e preco quo so convencignar: annuocie.
= O abaixo assignado, tendo do fazer urna liagem
a Europa, a tratar da saudo do sua Senhora e como
antes dse retirar pretendo saldar suas contascom esta
prac,a o o nlo pode faier ja, como dse ja seni
um sacrificio; tem resolvido vender 3 predios novos de
dousandares, e dous armazens sitos na travessa o
por (letra/ do theatro publico um sobrado com frente J
por qualquer abuso ou falta quo buuter do ai pai.
Brevemente se annunciar odia em que devein anu-
as rodas, pela grande extrecco.que eslotendoas cau-
tellas por sercm de diminuto preco que a todos
convida a sua compra. Os precos destas caulellas sio :
decimos a 1/000 rs. o vigsimos a 500 n.
Louren'o Jote liomod Lunna.
O abaiio assignado faz publico, quo vendo a par-
te que (em no engenho Buraroms, em Serinhem, 4 le-
guas distanto do porto do Rio-Formoso, com urna mui-
to Loa estilacio, a qual vendo para o Sertio annual-
mente 4 cootos de rs. d'ago'ardente, vendida na porta:
para o uiia iravessa o com os aima/ens para o rio ; jiem muito toas trras de cenna lavradias, e regadas pe-
Parao Rio-de-Janeiro pretendo seguir breve o brigue
[escuna Fama, por ter parte do oariegamento prompta;
[podendo inda receber alguma carga, mormente iniuda:
[quem no mesmo quizer carregar, embarcar escravos,
ou ir de pssssgem, pode convencionar com Amoriin
lrtnaos, ra da Cadeia n. 45.
Para o liio-Gronde-do Sul e Porto-Alegre segui-
r com brevidade o brigue Flor-da-F: quem no mes-
mo quizer carregar, e embarcar escravos, pode entcn-
dor-se com Amorim Jrmioi, ra da Codeie, n. 45.
Para o Rio-de-Janeiro segu com toda a brevi-
dade a sumaca Amizadt, capitao Manuel Antonio de
Sou-i Guerra: para carga, passageiros e escravos a
Irete, ajusla-se com Gaudino Agostinbo de Barros,
pracinha do Corpo-Santo, n. 66.
Vcndu-se o briguo nacional Pkedro, forrado de
cobro, ba pouco tempo, mastreudo denovo.promptodo
ludo a navegar para qualquer especuladlo, de construc-
cao sarda, de lote de 8,000 arrobas: para se examinar
no ancoradouro da descarga, e para se justar com A-
morim Irmios na ra da Cadeia, n. i.*>.
O berganlim nacional Fiel, capitao Manoel
Marcimno Ferreira sai para o Ass no principio do
presente me/, de selenibro ; anda recebe carga e passa
g'iros: a tratar coro o capillo ou com os consigna-
tarios Ffrmino J. F. da Rosa & Irmio, na ra do
Vigario, n. 25.
Para a Babia segu viagem com muita brevidadeo
patacho brasileiro Velo*, capillo Antonio Jos de O-
liteira: quem ncllo quizer carregar, dirija-so ao mes-
mo capitao, ou a seu consignatario Manoel Joaquim
Humos o Silva.
Leila.
Jlo Keller & Compaohia arO leilo de grandes
[sorlimentos do fa/endas suhnsa, francezas e allemias,
i tanto de la, seda, e linhu como de algodio, e assim
Iniai* de urna caixa de casimira! avariadas, vindas do
Hairo, pelo navio francs Ztlia, capillo Boucber, en-
trado neste porto em novembro do anno prximo passa-
do: boje, 2 do corrente as 10 horas da manbia, no
mu armazem, ra da Cruz.
Avisos diversos.
Jeronymo Fernandes da Silva deixou de ser cai-
xeirodoSr. Gulberme Purcell, desde o dia 28 do
prximo passado agosto.
= Aluga-se urna prela para o aervico de urna casa ,
que engomma e lava de labio ; na ra Velba, o. 83.
que luda niais v.ile: um obsequio lancndu em rosto dei-
Itadcoscr; srin fallar em quanlo tul procedinienlo lie
i iiiili,;ni) il um Cnlabret. Se o oubesaein mis nussas mon-
lUnbas, cu n-ia um hoinem deshunradn. Mas Vm. he a
[ ""'' 'listo ; recaa a vergonlin sobre sua cabeca e nao
[Sobren miiiia.
tula luclu extravaganto entre o inalinclo fcrn da vin-
j'iicn e o cacrupulua de nina devotac,3' forjado nSu
ijleiiava de ler certa mignaninidnde barbara, queaba-
f u ''''bin nia| nao levo sempo de responder : Parafanti
| l'or tumor lalvci de ancciiiubir icnt.iyao deitou-o de
! "'peuto, ccoulinuou en cuiuinho frente da sua banda.
res nulru lano Fabio da sua parle. Satiifuilo do la-
l"'' '|i-e ci-iavn iikis periii de Rafaella duque liana es-
yr-ulo, fui direito a Manara, resol vido, para v-la a af-
ronUr todo os perigoa.
A Zngara havn-se escapado npparicn dos Cla-
meles, lira alto da quando alcancou a caa. A priinei-
ra Milu que ella vio ao ebegar foi ocirp inanimado
d seu infclis galo. Que espectculo! O fiel oompa-
'ilieiro du tua aulidAo, icu unicn amigo, all..... mor-
.....a seus pe!.....Julguc-ac do seu desespero To-
inoii-i) lernaiueuio cm scus dcsc arnidos^racos, o so ca-
or 'J ''e inicias; va esperanca! nbracava um cadver.
Juantas lagrima II,c alagarlo asTit;uM Faces.
las nai, larduu a colera a fazer dvoralo aua dor :
" apcrcvber us destruyo* da bengala que servir ao cri-
". rrcuiiheoeo a de l'ipo. Eeta pe?a de conviceSb ae-
Precisa-se, para 14 leguas distante desta cdade,
de um moco quesaba bem ler, escrever, contar,
grammatica portuguesa, latim, e francez, o que seja
mui morigerado e apto para servir de proessor des-
las materias a alguna neninos: quem estiver nestas
circumstancias, dirija-se ao Atlerro-da Itoa-Vista ,
n. 36.
Bernardina Felicia Aranha avisa a quem convier,
que tem constituido a Manoel Pereira Magalhaes seu
bastante procurador para tratar de seus negocios, ar-
recadar e receber seus bens; (cando revogada oulra
qualquer procuradlo, e sendo nullo qualquer negocio ,
ou tmnsaccao, que em seu nomo for (eita por outro
qualquer procurador.
Precisa-se alugar urna ama de lele sem filho
no Alterro-da-i)oa-Vists, o. 36.
-- O abaixo assignado, respondendo ao annunciu
deste Diario, de quinta-feira, 28 do corrento, d el
ra ao Sr. Jos de Barros 1'alelo de Lacerda, que o en-
genho Ubaquinlia do termo de Serinbaem, per-
tence smente elle abaixo assignado. quo em sua pus-
so e dominio tem sempre estado, depois do fallecimen-
lo de seu pai, Jos Manoel do Vasconccllos o Mello, na
qualidade de seu nico bjerdeiro Declara mais, que o
dito engenho foi julgado do referido reu pai, por sen-
tenca em juizo contencioso, quo passou em julgado,
proferida contra o pai do mesmo Sr. Jos de Barros, c
isto ba trinla annos, pouco mais ou menos; o portan-
to intil o ocioso be o referido annuncio, que nenhum
valor tem : o sa adverle, que do exposto existem docu-
mentos authenticos. Bocife, 30 d'agoslode 1815.
foaventura de MelloCaslel-Branco.
A agencia de passaportes, estabelecida na ra do
Remiel, n. 34, transferio-se para a mesma ra, sobra-
do n. 9.
> Manoel Joaquim da Silva Ribero transforio de
novo a sua residencia, para a mesma ra do llangel,
sobrado n. 9.
O abaixo assignado, contestando a resposta, ou
annuncio do Sr. Pommateau, no Diario do dia 29 do
corrente mez, diz, que o Sr. Frederco Frcmont foi
sim autorsado por sua mli, a senhora viuva Fremont,
para execular os Srs. Bover e l.amaix, pelo debito em
quo eslavSo para com dita viuva ; mas, quando essa
procurariio ebegou, ja se tinha dissolvido a sociedad,
que antes exista entro Boyer e Lamaix ; e como estes
erlo tsmbom dovedores ao Sr. Frederico Fremont, de
certa quanlia, que este Ibes confiou, derlo aquelles
Boyer o Lamaix, em pagamento, ao Sr. Frederico Fre-
mont a machina de fazer lijlos; e a machina de vapr,
serrara, e de raspar, foi entregue com osseuspertences,
ao Sr. Frederico Fremont, como autorsado por sua
mli, dita senhora viuva, para pagamento desta, e nio
para o Sr. Frederico Fremont. Por esta fiel exposigio,
conbecera o publico, que a machina de fazer lijlos be
do Sr. Frederico Fremont, o qual pude disprdella ;
e a respeito della o abaixo assignado nlo tratou no pri-
meiro annuncio que fez: mas da machina de vapr,
serrara, de raspar, e seus utensilios, nlo pode o Sr.
Frederico Fremont dispr, o nom sobre estes objectos
lem direito algum o Sr. Pommateau ; porque esses
objectos pertcncem a propriedadeda sonhora viuva Fro-
ntn!, a qual nenhum contrato celebrou com o Sr.
Pommateau : e nem o mesrno Sr. Frederico Fremont
pode dispr delles ; porque aquella senhora viuva tem
dado ordena em contrario ao abaixo assignado, o qual
por isto he quo fez ditos annuncios, e procura segurar
o direito da mesma senhora viuva.
Jodo Vignei.
Urna senhora de bons coslumes se encarrega da
criacao de meninos de peito, impedidos, o desimpedi-
dos; e tambem recebem-se meninos para so desmama-
ron no que promeltem esmerarse: quem do seu
aaaisszMB
cuadora, tormidavel, nao deixava mais duvidaa accrea
do autor do assaxsiuato'. A Zngara comprebendoo ludo,
o o furor o a vinganca aeccrau-lbe as lagrimas quo o pe-
sar Ibe liavia arrancado.
No raeaino linimento ouvio alguma distancia o tro-
pel decavallus, ergueu a cabefa e vio a vanear galopo
para o pardieiro urna oavalgada de ollleiaca ingleses.
tra o iiujoi Dudley, que o coronel monda va a Maizara,
com boa escolia, dar cunta da expedicao de Seliuonte ao
general Mac-Farlaiio.
V la dilia ello um dos ofllciaes quo o aconipu-
nliavao, isto nos divertir por mu momento, porque
quaiilo a tirar .lignina oouia dessa velba lytiiouissa....
Pythnnissa ou nao, iuterroiupeo o olliuial, os anas
iniormace por mais do tuno ves nos tem sido uleis.
Por templo, foi por ella quo so soubeda intriga da rai-
ulia Carolina com esso capitn Fahio, que ella liavia en-
viado n Trapaui, sobo Uros para 'que. E anda no outro
dia, lambeui por inforiuacus suas quasi quo llie poiuus
a man eni cima.
. t tal ve tambem por inloriiiaces lie que elle es-
oapou. lisia gente recebo de todas as mine.
Iloprovavel; mas, anda ueste caso, como a nioc-
da inglcza em o uro lite agradou mais do quo a indgena
de onbro, sempre a balanca pendo para o noaso lado.
E assim conversando rhegarlo ao pardieiro.
O' l velba grituu ndloy Zngara, laucando
lliu uina moeda d'ouro, pega na luaa cartas, e prova-
nos quo es feiticeira.
tambem se vendo a casa quosory de theatro publico ,
so, ou englobada com os predios; assim como 80 ter-
renos de 50 palmos de frente, e 150 de fundo, na
iinba da ra da Concordia entre as duas travessasdo
Monteiro e Calderoro; cujos terrenos tcem parle at-
lerrada e parte alagada, e dlo-se por preco muito com-
modo a dinheiro ou a prazo : os pretndanles a taes
objectos piidem-so dirigir a ra larga do liozario ,
n. 18, ondo echarlo com quem tratar.
O abaixo assignado logo que lenba lugar sua re-
lirada e (indos seus negocios, seus estabolecimentos
felo no mesmo p om que so achio, debaixo da admi-
nslracio de seu lilhoe socio estando j na posse de
um dos estabelecimentos. Manoel Amonio de
Jess.
Quem quizer comprar, ou arrendar a proprieda-
de Casa-Caiada no lugar do rio Doce, fallo coro u|
proprictano Jos Francisco Belm ; cuja propriedade
principia no rio Tapado, at o sitio do Allcmlo, pe-
gado a capella de Santa-Aona.
= Lm rapaz Portugus de idade de 14 annos,
ebegado ha pouco tempo, prolende-se arrumar om lo-
ja de fa/endas, do queja tem pratca : quem de seu
prestimo so quizer ulilisar, dirija-se a ra do Queima-
do, n. 52.
= Manoel Pereira Teixeira embarca para os portos
do Sul a sua cscrava A-nna de naci Angola.
= Precisa-se de um bom allaate para contra-mes
(rede urna lija., dndose bom ordenado, desempe-
rnando bem a sua arte ; na ra dos Quartois, loja de
Victorino de Castro Moura se dir quem quer.
- O abaixo assignado declara ao publico, ou a
quem convier, que nao deve nada a cmara municipal
do Recifo ; porque, tendo o mesmo abaixo assignado
rematado a loja da praca da Independencia, n. 5, per-
lenccnle ao patrimonio desta cmara passou o mesmo
no acto da remalaclo lettras endorsadas a vencer at 30
de selombro do 1847. Jodo Chrisostomo Fernandei
Fianna.
=A pessoa.a quem de urna alaria desapparecrio dous
escravos, dirija-se a ra de S. Rita, n. DI, que, dan-
do os signaes, se 1 lio dir onde existem,
O abaixo assignado contina, de boje em diante,
a dedirar-so a ensinar a lingoa inglcza por casas parti-
culares : as pessoas quo qui/crein aprender a fallar e
escrever esta lingoa lio necessaria no mundo commer-
cial, sirvio-se procural-o na barca dos hanhos, ou
em sua residencia na la Formse, n. 2.
Jos da Maya.
= Quem precisar de um hornero Poituguez, para
armazem, venda, ou padaria dirija-so a venda da es-
quina da polica n. 21.
Aluga-se o terceiro andardo sobrado n. 10 da
ra do Queimado : a tratar na mesma ra, loja n. 9.
Precisa-se d'uma ama secca de bons coslumes ,
que saiba cozinbar e engommar, para urna casa de
pouca familia. Dirigir-so ra estreila do lio/ario n.
30, terceiro andar.
= Aluga-se urna escrava para fazer o servico de
urna casa, pelo preco do 10$ rs. merfsaes ; na ra do
Collegio, n. 16.
Arrenda-so o sirio denominado Torre, na
estrada du Bel. m com casa de sobrado, muita trra
para pastagom de vaccas e planlacoes e muilos e di-
versos arvoredos de frulo : na ra da Gloria sobrado
o. 59.
as Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia, que saiba cozinbar o engommar; na ra das
Cruzes, n. 37, segundo andar.
Casa da Fe9.
Ra estreila do Rozario r. 43.
= O abaixo assignado tendo cstabelecido, na for-
ma da lei e decreto n. 357, de 27 de. abril de 1844,
artigo 35 urna casa de vender bilbetcs o caulellas
de todas as loteras desta provincia prestando por es-
ta venda flanea como marca o mesmo artigo 35; con-
vida a todos os quo gostlo deste jogo a comprarem
as suas caulellas; cujas so achao garantidas com a sua
fianfa a fim de que os premios que cada um tiver
de tirar, sejao no dia marcado pagos a vista das mes-
mas cautel'js e na mesma casa.
Presentemente as caulellas, que se acbio a venda
sio as do tbeatro publico por ser a primeira lotera ,
que est garantida com a lei cima na qual nio ba-
ver nullidade por ser o seu tbesoureiro responsatel
A Zngara lrnu do aeio as cartas, seo dar urna pala-
\ ra, seiu levantar inesmo acbela, o pnx-se o barallia-
las com aquello or grave o serio, que ostentara senipro
no oxereicio de suas tuneces cabalstica. .
Antes, pareo! comunin Oudley, do consultar o
futuro, vejamos su cambures o patsudo. Que lo diiero as
cartas da Spagnola ?
tita huuieni mnrto, um ferelo, c outro que foge!
Paro adiar isto nlo be preciso ser feiticeira. Mas
quem lie o liuiucm qno foge ?
Um militar unjo posto ouueca por C, o ctijo no-
nio principia pnr F.
__ l>,,r minlio honra, disaoum dos uflioiaes, seria en-
granado quo toase esso mesmo capillo Fabio; as iniciaos
concordan.
O goncral diz, que loui militas razos para o aus-
peitar, rcspi ndeo Dudley; so cu lite potar us olbos,
lioi du cunhcue-lo. Mas as cartas nao dizcm oulrn
cuusa ?
De lempo quo ec cnnibiiium aa cores eat figu-
ras. Tudo u que a* cartas dizciu a respeito detso a quem
os lenbores eliamo capitao Fabio, he que elle eslava no
lugar do crine quando ello so cummcttci',
E onde est agora ?
A Zngara estovo por algum lempo cm silencio; depois
como quem fallava entre si :
1. ni Irado, murmuroii ella, urna duiizella li.ura, mu
casamento O que quer diser, prosuguio com vut alta,
que o capillo de que to Unta, disfar$bn-to em Irado, o
lo rio de Serinbiem, excedente sobrado doa melhores,
emtodo o Serinbiem e Una, esobre todas as bonda-
des quo tem este engenho, tem mais a seu favor ter
muito bons Sis. visinhos: quem disto se quizer infor-
mar, o saber! do Sr..Manoel tloncalves da Silta. Bu-
rarerna, 20 d agosto de 1845. Carlos Frtdtrico da
Silva Pinto.
No sitio do hospicio do Fim. concelheiro bario do
Itamarac, d-se gratuitamente a planta denomina-
dalinaria as pessoas que padecerem de retenclo
de orinas, baslantemento especifica, e propria para
taes padecimentos : quem a quiter, quelle sitio le de-
ve dirigir, a qualquer hora do dia.
Furtrio, no dia 30 d'sgosto prximo passado,
pelas 7 horas da noute, da loja de Hypolito St. Martin,
na ra Nova, vinte lencos de seda, pouco mais ou me-
nos, com flores, de padres e de urna qualidade mui-
to superior aquelles, quo so venderlo diariamente, assim
que custrio a 3 mil e tantos ris: pede-se a quem
ditos lencos frem oflerccidos, d'os aprehender, o dar
parte a quem pertenece.
Amanhaa, 3 do corrente, pelas 4 horas da tarde,
na porta do Sr. doutor juiz do civol da segunda tara,
por execucio de Avrial & Irmaos, se ba de arrematar
um escravo, pcnboradoa Antonio Jos Pinto.
Precisa so de urna pessna para vender pi, dan-
do-so bom ordenado: na padaria de Fra-do Portal,
o. 122.
(uem tiver recdlhido em sua casa um mulati-
nbo, de nomo Jos, que representa ter de idada 11 a
lannos, bastaute fcio, com olbos glandes, e na flor
do roslo, amarello, e opado, por ter tido o vicio Jo co-
mer Ierra, cambado, e bstanlo regrista ; queira mn-
dalo entregar a B. J. Fernandes Barros, no ultimo so-
brado, dtefronte de S. Francisco : acha-se fgido desdo
o dia 25 d'agosto p. p. ; o advertu-so, que costuma in-
titular-so forro e orphio.
Um rapaz Brasileiro so cITerece ptra caixeiro
do ra, dando fiador da sua conducta : o mesmo
tem tres preparatorios, latim, francez, e geometra :
quem quizer, aonuncie.
Uesappareceo.oodia !.? do corrente,um prelo ga-
nhador, com um sellim ingles, de molla, j usado, com
um lado do suador desapretado, e n urna dai abas pe-
quenas tem um papelzinho com estas palavrassellim
da casa : roga-se a quem o tiver comprado, ou quo
llie fr ofTerecido, do tomar e levar pra(a da Boa-
Vista, n. 8, que ter 5000 rs. de gratificarlo.
No da 3 do corrente, na ra do Sol, em caa do
Sr. doutor juix do civel da segunda vara, as 4 horas do
referido dia, so bao de arrematar os servidos da cicrava,
de nome Julianna, a razio da 200 rs. por dia, ; cuja
arrematacio be por execuQlo de D. Mara d'Apreseota-
cao Aranles Nodin contra Jos Maria de Amorim
Jnior.
0 Sr. Joaquim Diogo Milla, no dia 30 do paisa-
do u noute, vespera da sua sabida para a Babia, den a
Jos d'Almeida Vasconcellos urna cdula de -iOOOO n.,
para esle se pagar do 6a66 n. : por isso roga
fal
ao dito Sr., tenba a bondade de mandar deslazar o uu
engao, logo que dclle tenba conhecimento.
Tendo-se desencaminbado urna lellra da quan-
lia de cento e cincoenta mil e quinbeotos ri. do abaixo
assignado; elle por esse motivo roga oo garanta da
mesma lellra, o Sr. Antonio Jos Fernandes do Carva-
Iho, quo baja de nlo pagar senio ao proprio dono; cuja
leltra j loi aponlada e protestada.
ValtnUm Jos Coma.
O Sr. Joio Gualberlo B. da Cunha, antea de se
retirar para Lisboa, v na ra da Cadeia, n. 15, ou
ser incommdado na sua viagem. s
Agencias de passaportes.
Na ra do Collegio,botica n. l.e no Atterro-da-
Boa-Vista loja n. 48, tirio-se passaportes para dentro e
forado imperio,assim como despacbio-seescravos: ludo
com bretidade.
LOTERA DO SEMINARIO.
No dia 10 do mez de tetembro aodio impreterivel-
menle as redas delta lotera, 014 antei, le continuar a
affluencia da venda doi bilhetei que tem batido estes
das : o restante dos bilbetes est venda nos luga-
res j annunciadoi.
= D-ie dinheiro a premio sobre penhorea do ou-
ro, prata ou hypolheca em predios nesta araca ; na
ra das Trincheiras, n. 4G, primeiro andar.
quo so aclia agor junto a una pessoa que elle dte es-
posar.
Mas quem lio essa pessoa quo elle deve esposar ?
pcrgunlou o ollicisl.
Ilu Haladla, i espondeo Dudley, a subiiulia do ba-
rao Scliinina. Ao menos foi o que me disse om Trapaui
o pintor Errante.
Que! Essa bella rapariga que encontramos i ca-
vallo no camiuho do Manara '
Justamente. Mas esso casamento anda nao est
le to. Eu hci do por llio ordem Nlo se ha de diter que
um criminoso inniboii iinpunomenlo da Justina britni-
ca. Nao se passar muito lempo quo ocnuuelho de guerra
nao ajusto caso* con la. Estes misera veis Sicilianos pre-
cisan do nina lieio, te-la lian boa. Que ingratidlu Pro
tcgeino-los, tiistentaino-los, o osle aobe.-bos mendigos
mnslrjo-nna u seu reconliccmeuto ossnssiiando-nos !
Dito isto picou o cavalln, o parti como tiub.i vindo
com a sua oavalgada. Ao v-la lomar a galope oaaini-
nliii ile Maitorn, os nllios cimentes da Zngara brilliavlo
nom minira lus, o o sorriao da viugaiica satisfeita cou-
irabio llio os linfl o lividoa labios. Acabava do vingar
110 amo o attentado do criado, pnis esperava que a sua
delacio nlo floaria estril, antea em brevo produiiria
seus fructos. Por mais siispeita o impura, quo ruase
tonto, Dudley nlo era lioinem que despresasae coma
que pudessu aervir a seus seiitimento, e finer-lhe dosco-
brr 11 seu uiysierioso adversario da Spagnola.
(ContHuar-te-ka.)
MUTILADO
--


A
i Si. coronel Francisco Jos Martins queira ir
.tandar recebar tima cuta, vinda do Rio-Formoso,
.1.1 ra do Crespo loja da nina de AITooio.
O Sr. du engenho que precisar de um homem
Portuguo; solloiro de idade de 40 anno?, para cai-
xeiro du casa de purgar, o mesmo para tratar do cu-
rativo deesersvos, doquo he bastante enlcndido an-
nuncie.
- Ni ra das Trincbeiras, casa n. 25 engom-
ma-se e lava-so lano do sabao como do varrella ;
promptio se jantaros e almufos ; fa/.cm-su bolinhos
do todas as qualidades ; o arm3o-so bandejas com os
niosmos; ludo por preco commodo.
Compras.
Comprio se os nmeros do Mercantil do Rio-
do-Janeiro era que vem publicadas as sessSes do se-
nado do me de jalho prximo passado, principalmen-
te as de 16,18, 21 e 22 do referido mez ; quom tiver,
annuncie.
Compra-sea historia darevolucao de Minas, pe-
conego Jos Antonio Marinbo ; na praca da Indepen-
dencia, livraria os. 6 e 8. #
= Compro-se pesos do duai arrobas; na ra das
Cinco-Pontai, n. 98. .
cifo, n. 11.
= Compro-so cITectivamento botijas que forSo
de genebra e garrafas pretas; na ru| do Rangel, n.
51 fabrica de licores, de Victorino Francisco dos
Santos.
Compra se uin burro, e um fulo de folear for-
migas; na ra Imperial, n. 31.
Vendas.
vados, a 2-iO n., ditos do chitas com asiento escuro, a
1G00 rs. bietanba do rolo com 10 varas, muito en-
corpada, a 2000 rs., camisa do meia, a 1280 rs., biini
trancados do linho purocr do g8nga e escuro, a 720
rs., ditos brincos, a 1000 e 1280 rs. madopolfio en-
costado a S800 rs. mcias casimires do algodao mui-
to cncorpadas, a 480 rs. o covado, brins francezes de
quadros o listras a 400 rs. o covado fustocs pa'8
cocte a 320 e 480 rs. mcias para meninos e me-
ninas a 200 rs. o par; chitas de ramagens muito fi-
nas do lindos ptdroos e de cores fixas, a 200 rs ;
ooutras muitas lazendas por. preco commodo ; na rus
do Crespo loja n. 14 de Jos Francisco Das.
== Vende se no srnj8zeru do porta larga du cae*
do Collegio farinlia de mandioca grassa e fina, por
menor preco do que a bordo visto que nlo so tem de
pagar o enorme tributo da intitulada mandinga, aos
preloscanoeiros; tambemse mede pela medida ve Iba ,
ou era saccas, como melhor agradar aos afreguezes.
= Vende-ie urna bonita negrinha de 12 annoi,
propria para se educar; um escravo de 20 annos de
bonita figura proprio para o servico de campo ; dous
ditos sendo um canoeiro, de 20 a 22 annoi; uina
preta moca pcrCeita cozinbeira que le dar a con-
tento ; na ra larga do Rozario n. 40, segundo an-
dar.
=r Vendcm-se adragonas ricas, chegada do Rio-
do-Janeiro ; na praca da Independencia loja n. 11.
= Vendc-se una escrava 'crioula de idade -de 18
ajines, sem vicios nem achaques -. na ra de S. Hita,
n.
91.
t
Attencao ao bom e barato
= Vendem-se superiores chitas para coberlo, de tin-
tas fixas o de botn panno a 180 rs. o covado : supe-
riores corles do chita lina do novos padrOos o chogados
ltimamente de 13 covados, a 3*500, 3800 o 4uO
rs. ; riscados Crancezcs muito linos, a 300 rs. o cova-
do ; cortes do cassa-ebitas transparentes de lindissimos
padrues a 2400 e 2500 rs.; cintas, a 120, l.jO, 100
e i 80 rs. o covado ; madapolo a 160, 160 e 180 n
a vara ; dito fino, a 200, 220 e 240 rs. dila ; madras-
te muito fino a280rs. dita; pecas do modopolao ,
a 2800, 3200 e 3400 rs.; dito fino a 4000 4200 e
4000 rs. a poca; madrasta lino,a 5200 o 5400 rs. dita ;
ditas, a 4500. 5200, 5500 o G00O rs.; ditas escuras;
chadrez do linho para jaqueta a 520 rs. o covado;
supcriirsetim preto de Maco a 3200 o 4500 rs. o
covado ; cbales de laa e seda, grandes, a 4500 e 4800
rs. cortes de chitas de 10 covados, escuras a 1600,
1800o 2000 rs. o corte sendo entre-linas o do boas
qualidades; superiores fustocs brancos a 1000 rs. o
covado ; zuarto azul de vara de largura a 260 rs. o
covado muito boa iazenda para protos; algodao azul
mesclado trancado muito encorpado, a 240 rs. o co-
vado ; algodao americano largo o cncurpado a 220
n. a vara ; dito estreito, a 160 rs. a vara ; esguiaode
auperior qualidade, do verdadeiro e puro linbo muito
lino a 1500 rs. a vara ; bietanba fina de puro linbo,
de 6 varas a 2800 e 3200 rs. a peca; ditas du rulo ,
a 1800 rs. a peca ; cbila a 140 rs. o covado ; risca-
dinhos novos trancados, muito boa Iazenda para meni-
nos a 200 rs. o covado ; castores ou riscados de lis-
tres a 240 rs. o covado ; brins de bonitos padioes de
quadros, a 500 rs. o covado ditos finos muito cn-
corpadus u de listras a GiO rs. a vara ; mcias finas de
algodio para homem a 3600 rs. a duzia sendo de
muito boa qualidade ; coi tes de chali ; ditos de sedn ;
pannos finos preto e azul sendo o primeiro de urea
linda vista para pannos de pretal, o o segundo para
pagem a 2500 rs. o covado ; superiores lencos encar-
nados muito finos e grandes, a 440 rs.; o oulras mui-
tas lazendas j mencionadas inste Diario ; adver-
tindo-so os compradores que todas estas fazundas
sao linipas e de boas quididades : na ra do Collegio,
loja n. 1, do Antonio Villarouco Irmio.
= Vendem se meios bilbetcs da lotera do Semina-
rio, a 4,500 rs., que corre imprclerivelmente no dia
10 di) correte : na ra do Collegio, loja n. 1.
Vende-ce um violo novo sem tor ainda servi-
do cout regra inteira do muito superior qualidade,
do madeira de Caia do Hollando, por pnco muito com-
modo ; no Allerro-da-lioa-Y'ista n. 72.
= No escriptorio do Francisco Sevcrianno Rabello
& Filhu no largo da Assembla, vende-so cal virgem,
chegada prximamente de Lisboa em caixas pe-
quenas.
= Vendc-se urna mulalinha de 18 annos, reco-
lliida cose, engomma, c faz todo o mais servico de
urna casa ; urna negrinba do 14 annos recolbida
com bons principios de habilidades; 5 cscravas, que
cozinl o, ongommo e lavao roupa ; 8 escrotos peces,
bons para todo o trabalbo tanto do campo como da
praca; um preto de 40 annos, muito Corlo, por250i'
rs. bom para o servico de urna casa e botar sentido
e trabalbar em um sitio,por a islo estar acostumado; um
dito bom carreiro ; um mulalinhode 18 orino; bom
pagem ; um dito de 10 annos: na ra ao Crespo
n. 10, primeiro andar.
# = Vende se sal de Lisboa, em porcScs, al 200 al -
queires, al440rs. c a reUbo, de alqueire para bai-
xo a 1600 rs. pela medida velba ; arroz de casca a
3200 rs. o alqueire pela mesnia medida ; dito bran-
coevermelho pilado pelo preco mais como'odo, que
ee poder ajusfar ; urna poni de garralss e botijas va-
siai; urna duzia de couros espichados, por preco com
modo ; uina dita de ditos salgados; ludo se vende pe-
lo menos que se poder ajustar : na ra da Praia, bec-
co do Carioca por baixo da sociedade Thaliense ou
Ir'ora l'bilo-Thalia venda ao entrar do dito becco.
= Vcndo-se urna carroca em bom uso apparclha-
il j para cavollo ; um banbeiro novo de folha ; una
porco do taboas de pinbo, proprias para fechos de
assuear e para fabrico de bahus : Do sitio do Mondego,
junto ao do Sr. Luiz Gomes Ferreira.
\cnde-se uina preta moca com habilidades; e
um preto de naco : na ra Augusta n. 3.
= Vendcm-se cortes de chilta franeezai muito finas.de
assentos escuros, de quadros e listraa, cores fixas, de 4
palmos e meio de largura e de gosto muito moderno,
a 3200 rs. ditos com 13 covados, a 3000 n., ditos
de caisa-cbitai de cores fixas, 2000. e em co-
= Vcnde-se sola, couros de vacca, espichados, pen-
nas de cio, e cera amarella ; ludo de boa qualidade :
na ra da Conceicao da-Boa-Visla n. 8.
=Vcnde-se um piano muilo bom para aprender, e
por commodo preco : na ra do Crespo, loja n. l.
= Vendem-se grammoticas portuguezas, da quinta
e ultima edicao, pelo prolessor Salvador Hcnnque d'Al-
buquerque : no llecile, loja de Santos & Companhia ;
praca da Independencia, loja ns. 6 e 8, e esquina do
Collegio, loja do Sr. Coutinbo: mcia oncadernacSo.
prego GiO ris.
= Vende-se um moleque, de muilo bonita figura,
proprio para todo o servico d'uma casa, e decampo ;
assim como urna porcao de cera de carnauba : na ra
da Cadcia do Sanio Antonio, n. 25.
=Vendem-se dos ptimas cscravas, uina de naci,
e a nutra crioula ambas muito mocas; sabem en-
gommar, coser, o cozinbar; todas de escolenle con-
ducta : na ra cstreita do Rosario, n. 31, primeiro
andar.
= Vcnde-socea de carnauba, couros salgados,
sola couros de cobra e bezerros; ludo por preco
commodo : na ra da Cruz, n. 51.
Vende-so urna muito linda mucama de 15 a 17
annos, Loa engommadeira lava de sabSo e coso no
tem vicios ncni molestias olgumas; um moleco do
nacSo, proprio para qualquurservico nao tei.i vicios
nem molestias o que se afianza ao comprador: no
Attcrro-da-oa-Vitta, n. 26, primeiro andar.
=Vende-so colla do Rio-Grande-do-Sul, de su-
perior qualidade e seboem rama ; a bordo do brigue
Paquete de-Pernambuco, Tundeado ao p do trapi-
che do algodao.
= Vendem-se soceos com milbo novo a 4500 rs.;
no armazem do caes da olfandega do \ ieira Cuima-
rei e na tua da Cadcia de S. Antonio deposito de
farioha n. 19.
= Vcndem-se borricos com farello de Lisboa pe-
lo baralo preto de 4500 rs.; nos armazens do Bregue/
e Antonio Annes.
= Vende-se urna preta crioula de idade de 22 an-
nos cozinba be o diario de urna casa, engomma
liso muito bem lava de sabao e varrella cose e faz
bem renda ; ao comprador se dir o motivo da venda :
na ra do lUondego o. 107.
- Vende-se cha bvsson em caixas de 15 libras, em
poredese a retalho; em casa de Matheus Auliu & C. na
ra da 4lfandega Vclha n. 36.
= Vcnde-se milbo novo, a 5500 rs. a sscca ar-
roz com cosca a 4500 rs. a sacco e forinha de man-
dioca por preco commodo ; em cosa de Manuel Jos
Goncolves tiraga ao p do arco do S. Antonio.
\ enileui-se saccas com faiinha a 3600rs. ; na
venda da esquina, que vai para a polica n. 21.
= Na loja do bom barateiro na ra Nova n. 11,
acha-se venda osguinlc : ricos cortes de sedas para
vestidos de senhoraj sctini, sarjas lisas e lovrodas de
todas as qualidades lenijos de garca seda e fil do li-
nbo luvas e meios de seda linho e algodio para se-
ihora menina e bcmeui ricoa cbales e manas do
seda e fil de linho para senbora e menina tpalos
de st-ti ni liso o lavrado duraque o marroquim pa-
ra senbora c menina cbinellas de marroquim e laa
para homem sellins proinptos marroquins perfu-
marias galanteras um completo sorlimeolo du pa-
pel de todas as cores e qualidades para forro guar
nieo o barras desala insliumentus de todas as quali-
dades para bandas de msica marcial, um soilimenlo
completo de msicos para todos o instrumentos rebe-
cas Maulas violos clarinetes de todas as qualida-
des c dilTerenles precos livros em branco pautados e
riscados le lodas as qualidades e frmos o de diversos
precos, condieirosde todas si formas para solos lojas
e eitudanles, lanternas e caslicaes de vidro o cosquinba,
mangas de vidro lisas e lavrad.is, ricos jai ros com flores
e sem ellas oleados imitando madeia e de difieren-
tes cores para cima de mesai, pianitos &c. realejos
e accordios, de lodas as qualidades e tamaitos, calun -
gas de vidro cera porcelana e madeira e oulros
muilos objectos do melhor gosto e qualidade para ho-
mem e senbora &c. ; ludo por preco muito commodo.
Vendem-se, por preco commodo, os passaros se-
guintes, todos mu bons cantadores; sendo um Lleu-
do, urna patativa da 1'arahiLa, o um bigodo : na rus
da Florentina, n. 16
= Acaba de chegar do Rio-de-Janeiro o Appcndix
lachigraphia ou arte de cscreier lio depressa como
se Calla com meppos dos sigoaes, inclusive um, pelo
qual ae aprende cita arle sem meslre pela simples
indicacoo dse cnsinor a formaros caracteres do sl-
phabelo e mais ligaces pelos pontos e linhas tremidas,
preco 2000 rs. ; Bibliotbeca dos jovens, que so dodicao
ao commcrcio contendo explicacoes de arithmetica ,
operaeoes mercanlis os cambios, a cscripturacio dos
ivros em partidas simples e dobradas, taboas das moe
das estrangeiras, de ouro e piala com o scu toque e
petos u contal correles de juros recprocos as uni-
dades dc. ; Novo Divertimiento, contendo a proprie-
dade dos nmeros, fazendo-se, por estes, diversas e di-
vertidas adivinhaces, o jogo das damas, emuitosou-
tros intrelenimcntos proprios para as rounioes de Ca-
milla por 400 rs. : lenderr.-e na livraria da esquina
do Collegio ; na ra cstreile do Rozario casa da F ,
n. 43; na prava da Independencia livraria ns. 6 08 ;
no pateo do Collegio, n. 2 ; na ra. do Collegio ,
n. 13.
= Vende-se um carrinhn de duas rodas, e um ca-
vado muito bom para carro'; na ra tstcila do Roza-
rio n. 43, segundo andar, das 6 as 9 horas da ma-
nhSa.
= Vende-se sgoa a 20 rs. o caneco: no tanque do
Atte/ro-da-Boa-Vista muilo fresca, superior qoal-
quer oulra, que se vende em canoas a beira das praias,
por eslarem as canoas do dito tanque em um sombro ,
desde que ebegao do Monteiro.
= Vendem se chapeos de massa a 1800 rs. e
outrss muitas Cazendas por commodo preco ; na ra
da Cadeia n. 54, loja de Antonio Monteiro l'ereira.
m Vendem-se muito boas bichas de Lisboa, por
preco muito commodo ; tambem se alugio; muito su-
perior vinho engarraCado muito velho a 560 rs. a
garrafa ; dito mais novo, a 480 rs. ; dito da Madeira ,
a 10 rs.; Uto eitoria a 800 rs. ; licores finos de
todas as qualidades, a 800 rs. a garrafa ; presuntos de
Lisboa, muito superiores, a 400 rs. a libra ; dito in-
glez para fiambro a 320 rs. a libra ; muito boa man
leiga inglesa a 800 rs a libra; dita francesa, a 640 rs.
dia ; muito superior cha hysson, a 2880, 2500, 2400,
2240 o i} rs; letria muito boa e nova a 320 rs ; ma-
carrio, a 210 rs. ; cevada, a 160 rs. ; cevajlinba a
160 rs. ; familia de tapioca a 140 rs. ; caf em grao,
a 120 rs.; espermacete americano a 880 rs.; dito fran-
cs, a 800 is.; azeite doce de Lisboa, a 440 rs. a gar-
rafa o em caada a 3520 rs.; muito boa bolaxinba in-
glesa a 240 rs. a libra; muito superior cerveja boc-
ea de prata, a 480 rs. a garrafa e em duzias, a 5500
rs.; muito bons queijos flamengos, a 1360 rs. ; e to-
dos os mais gneros de venda mais barato do que om
oulra qualquer parte : na venda defronto da matriz da
Uoa-Vista que volto pora o Hospicio n. 88.
= Vende-se o e.ngenbo Jardim em Paralibe,"'
moente e correnle, distante desla praca 3 leguas, mui-
lo bom de agoa por moer rom o grande rio Paratibe ;
tendo 3 quartos de legua de vorzea dcNascenteao
I'oente sonde sio a maior parte de suas plantas e
meia legUB do frente, deSul a Norte sonde tem bons
partidos de alto e corgos de muito boas maltas com
bstanle madeira de obras, milito bom larangciral ,
que ronde 500 a 4()0j00() rs. annuaes conlorme o es-
tado do lempo; adverte-se que o engenho fui levanta-
do ha poneos annos e que por falla do bracos, o seu
proprietario resolve-se a vender, ou trocar por outro
qualquer engenho, que seja d'agoa ainda quo seja
bastante distante desla praca com tanto que se resol-
vi a vollar; tambem vende-se, ou Iroca-se a safra',
nao s a criada, como a que se est lindando: os pre-
tendentos dirijio-se so uiesmo engenho a tratar com
o major Jos Francisco de Furias Salles.
= Vende-so urna pardinba de 20 annos de bonita
figura, engomma, cose, faz renda, cozinba e lava; urna
escrava de 24 annos de boa figura com algumas ha-
bilidades com um lillio moleque de 7 annos,; duas es-
cravas de 20 anno;, de boas guras e com habilida-
des ; urna cabrinha de 13 annos, cose, e faz renda;
uina negrinba de 7 annos; duas escravas mocas para
todo o servico ; um escravo para lodo o servico ; um
escravo de 20 annos, de bonita figura, ptimo canoei-
ro; dous moleques de 12 al annos ; dufs escravas de
22 annos, para o servico de cami o ; na ra das Cruzes,
n. 22, segundo andar.
= Vende se lia decanna muilo boa; na ra do
Conceicao da Boa-Vista, n. 58.
= Vende-se muilo boa cera para igreja chegada
ltimamente do Rio-de-Janciro ; na ra da Senzella-
Velba n. 110.
Vende-se um palanquim em muito bom uso;
urna mesa redunda do meio de sala de Jacaranda ; um
jogo do bancas de Jacaranda : na praca da Independen-
cia livraria ns. 6 e 8, su dir.
= Continua-sea vender chocolate novo, chegado
ltimamente a 7500 rs. a arroba e a 240 rs. a li-
bra ; cevada nova a ICO rs. ; caf em grio a 140
rs. ; ditu moido u 180 rs. ; espermacete de 6 em libra,
a800rs, : no paleo do Caruio esquina da ra do
llorl-s lado direilo n. 2.
= Vcnde-se um moleque de bonita figura sem vi-
cio algum do idade de 15 annos, ou troca-so por urna
pela que entenda de vendvr ns ra ; na ra da Ma-
nuel-Cuco, venda n. 20.
= Veade-se vinbo do Porte, de boa qualidado ,
em Larris de oitavo por preco commodo; no largo do
Coipo Sanio n. 17, casa de Rosas Rraga He Compa-
nhia.
= Vende-se um moleque de Angola, de idade de
10 a 12 annos; vende-so por precisao: na ra da S.
Cruz n. 28.
=.Vcnde-se azeite du carrapalo, de mcia caada pa-
ra cima a 2240 rs. : na pruyo ds Roa-Vista n. 13
\ endem-so 10 escravos, sendo 6 piulas de 18
a 20 annos, de bonitas figuras i engommio, cseme
cozinhio bem ; um preto official de pedreiro, deidadd
de 28 annos, de boa figura e conducta ; um moleque
de 14 annos, proprio pora lodo o servico ; um preto
de idade de 50 annos, proprio para sitio por 140/
rs. ; duas pieles de meia idade boas quitandeiras e
cozinbeiras : na ra das Mores, n. 21.
>= \ ende-se um silio na estrada de S. Amaro para
Bclcm com muilo boa casa a moderna para grande
familia lendo bstanles arvoredos de (rulo Ierras
para plantocoes haixa para bortalica e pasto para 4
vaccas de le le : a tratar na mesms estrada no pri-
meiro sitio passsndo a ponto ou na ra do Rangel,
n 17.
Vende se um armario de amsrello proprio para
louca roupa, ou hvros ; na ra do Queimado loja
n. 17
= Vende-se urna < sersva de naci Cambioda lava
roupa de varrella e sabio, he boa ven Jedeira de riiiude-
zas, e cozinba o diario de urna casa ; na ra da Sen-
zalla-Velha casa terrea n. 7.
= Vende-se metbodo para violao, por 2500 r>. ;
Telemaco em ingles e porluguez, 2v ; as Tentati-
vas Poticas ; o Liberal Animoso; e lints de escrever ,
a 400 rs. a garrafa : ns la das Cruzes loja de enca-
derotdor n. 36.
= Vendc-so urna liada parda de idade de 22 annos
coso, bem, engomma liso fa* renda rozinha o dia-
rio de urna rasa, lava do sabao e varrella fo he pro.
pria para mucama ; na loja do Manocl Ferreira Ramos
na esquina da ra do Crespo, quo volta para o <)uci!
mado.
Vendem se superiores espadas pritcadas com ro-
ca e sem ella, proprias parr officiacjSkla- guarda nacio-
nal ; na ra Nova, lojo de ferragens n, 1.6.
.Vende-se um silio em Bebiribe-de-fioiio .
becco que entra para o Fundi com bastantes ariore
dos de fruto, trra para plantar, com urna parlad
capoeira em ser: a tratar na ra de S. Francisco, [2
mazern de taboado.
Vende-se um bom escravo crioulo de idade de
18 annos, bem parecido; urna preta do gento,di
mesma idade ; na ra Imperial n. 31.
Vende-se urna escrava boa engommadeira' co-
zinba o diario de urna casa, e vende na ra pir pre-
go commodo : na Iravessa ds Concordia, n. 3.
Vende se urna ptima escrava de bonita figura
com Instante leite ; a qual tem duas crias, e sabe en-
gommar, cozinbar e lavar de sabio e varrella : ni ra
do l.ivrsmento n. 22.
Vendem-se ricas toalhas de linho
adamascadas de a 7 varas" de cotnprda, J
com os competentes guardanapos atoalha.
dos da mesma iazenda de 1 3 varas de Un
go, ludo da melhor qualidade e gosto a
mais moderno que se tem visto neste gene-
ro: na roa do Crespo n. 11, loja de !! J,
S. Magalhaes.
Na ra do Queimado n. !\, \d\i.\
tem para vender travs de lomo e de cauta.
cary de 35 a 4o palmos de coui|>rido,e sac-
cas de .luinlia filiarle alqueire medida
velha.
Vendem-se bichas de llamburgo,J
e de Lisboa, e tambem se alugSo, e appli- J
cao-se; tildo por preco mdico: no liecie, |
becco do Abren n. 4*
Para os amadores da historia natural, j
Vende-se ttma pequea, mas inters*
sante colleccSo de objectos da histoiia na-
tural em exquisitos exemplares e con-
servada em espirito, muilo propria pata
mandar para Europa j igualmente rece-
bem-se encommendas para oulras seme-
Ihantes colleccoes: na ra da Gloria
n. 5q, entrando pelo portao.
Vendem-se velinhas e aigalhas de
goturna elstica de todas as grossuras, por
preco commodo: na roa do Queimado
n. 94, segundo andar.
Na fabrica de vinagre e espirilos^
da ra da Gloria n. 5g vende-se vinagre
tinto e branco de superior qualidade,
em pipas e quartolas; espirito de vinho,
agoardente e licores de dilTerenles pa-'
lidades, ludo por preco muito commodo. l
Escravos
Fgidos
= Em o dia segunda-Ceira do Espirito Santo do
anno passado, fugio a preta Calhatina de nago An-
gola, ladina, alta, bstanlo sueca do corpo, seio pe-
queo cor muito preta bem Cuita du rosto u I los
grandes o vermelhos com todos 01 denles na frente [
ps grandes, e um tanto meltidos para dentro muilo
conversadeira e lisonba de idade, pouco mais ou me-'
nos, de 22 annos ; (em sido encontrada na estrada non
do Magdalena,e no Atlerro-dos-Aogados vendando tJ
durss. e aos demingos be quasi constante no mofi-
cat dos coqueiros em dito Atterro-dos-Afogados: bi
poucos dias loi ella vista por pessoa conbecida, sa-
hindodo casa, que algum lempo foi palacio do goierno
em Olinda para onde tornou a entrar; hu muilo po-
vavel que por all esteja oceulta visto estar devolulo 0
dito palacio : a dita escrava pertence a Manoel Fiiaj
cisco da Silva morador na ra estreila do lozsrio,
n. 10, lorceiro andar, ou em seu sitio em S. Amaio, |
junto a igreja ; o qual gratificar gcnerosamenlo a
quem Ihe apresentar djta escrava.
Galificacao de 100/000 rs.
Fugio, no dia 31 do passado agosto um travo
de nomo Luis, de naci Cassange do idade do 20
22 annos com oflicio decatruieiro, secco do corpo,
roslo comprido pouca barba; levou roupa branca:
roga-se a todas as autoridades policiaes e capitiei ds
campo que o poderem spprebender, o faci, que se-
rio recompensados com a gratfioac,ao cima dita no
armazem de inolhados, na ra do Encantamento don
= Desappareceo o prelo Jos, crioulo, de idade ds
20 annos baixo, com urna cicatriz na parlo deits d
roslo, junto ao queixo ; tem algum ombaraco ni hW
la coterto qussi todo o corpo de uns pannos, oDicm
de carpina ; Coi eso'avo do Sr. Velles marchante em
Olinda, o por isso o dito escravo he multo conhecido
nos lugares de feiras do gado, principalmente em lgua~
rac e Pedras-de-Fego; cabello grande, e anda lie'"
vestido : quem o pegar, leve ao sou senbor o deo
da s de O.inda o doutor Cbsgas que ser ge-
nerosamente recompensado : assim como se persogui-
r como rigor da iui todo aquello quo II10 der aun-^
lio ou o acoitar.
= Desde o dia 18 de maio desleanno anda susenlo |
o moleque f.uiz, crioulo, de estatura pequea, olhol I
vesgos: quem o pegar, ou souber onde existo dnja-
S3 ao sobrado n.j, da ra do Cabug ondo mora Jo-
s Lopes Rosa ,'senbor do dito escravo, que recom-
pensara" generosamente o seu trabalbo.
PEIl5. : KA Ti'P DE M, F. ULIAUU
- l8.'|5.
MUT


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKATX1HNL_M34CDF INGEST_TIME 2013-04-12T22:56:11Z PACKAGE AA00011611_05854
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES