Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05842


This item is only available as the following downloads:


Full Text
nnode *** Tei^a reir l)
n nnnlO publca-sc lodos os das qnc
' -.,."111 ti.' suarda: o preco da asilgna-
, ,. a : r. por qaartel pi";oj adianto-
1 ." ,,, anuncios dos .issii.haia.-s o insr-
,,.) d.' 20 r.'i-s por linli.i, U rs. cui
',.,,,,., sis rrpclicOcS pelafoetede.
., roreinaisignantes pne,ao 80 rs.
; ..,;,, e 160 ')i"- (licioiuo.
..,, vsj.s i).\ MJA no mi:/, de agosto.
, nftva a 3 as 5li. e 5 min. da manhaa,
'" Pille a !0as S li. e 21 minutos da tard.
1 '?rU. il a 17 as lOhor. e 57 min. da man.
PARTIDAS DOS OIIUI IOS.
Goianoa, Parahybaj fe Rio Grande do Norte
Segunda* c Sextas Wm.
Caho, Scriiihaciii, ltio Fonr.osn, Porto Cal-
vo, e.Macej, no 1." 11 e21 de cada nicz.
Gnraiiliuns e "onitn a I()o24.
Boa-A isla e Flores a 13 eK
Victoria as Quintas l'eiras.
Olinda todos os lias.
^ *
PRKAMAR DF. 1IOJK.
Primciraas (i li. cG min. da manliaa.
Segunda as (j li. c 30 minutos da larde.
I ARIO DE
de Agosto.
'An.no XX N. !*.
r-srwm^*r*v*&svt**zmi2.\*J>.**smfm> -rrr.i^.K.y'^aimarmrv^;- ^--m**'**:
DI\S DA SEMANA.
1S Secunda S. Chrlspo, and. do J. de D.
do.l.
M. da 2. v.
do I. (1
1). da
lo J. de n.
1:1 Trr.;a S. Lili* and.
v. e do .1. dos fritos.
20 Qtiarta S. Bernardo, atid.
ca 3. vara.
21 Quinta S. Joinn.i, aud. do JuU de I).
d'a 2. vara, r 'lo .1. \1. da 1. fl 2. v.
22 Sexta S. TIinolDco *ud. do J. de D.
da 1. v. do civel, e do I. dos Pellos.
23 Sabuado S. Dorio*, aud. do .1. de D.
da 2. vari.
21 Domingo S. Bartliolomeo.
CAM IOS NO lil \ IS DE AGOSTO.
Cambio sobre Londres. 2d. por 1j aGO d.
Paril 370 iris por franeo.
Lisboa 120 a ttS p. O. pr. p. m.
Desc. de 1,1. de boas lirmas 1 V, 1 '/,p. "/.
fl'iro Oiu-as hespanliolas SMtf.VK) a 31^0(1
Mocdadf (.00 vel. IWiWO a 18^200
de 6#*00 nov. I7#800 a ISOOfl
de 4W00 0/flO i a !>#70!)
rVta-PaUc5ei 1/XiO a 2*00
Pesos Cblamnarcs. losn ( 2#ooo
Ditos Mexicanos IfkVt a 1.IH0
Moedas de 1 pata. 1.7K0 a l/Ki
Acedes da C." do Ueberibe de 50/100 ao par.
. .
AIVBUCO
PAUTE QFFICW
DECRETO N. DE 12 DEJULHO DE 184.
Cria un corto urna conladoria gerol de marinha indepen-
,}.! da intendencia, o manda observar provisoria-
mente o regalamento para a mesma repartiedo, no qual
iv designio os empregados deque ella se deve compr,
e s'iis respectivos vencimentos.
Hei pr be ni, para exrcucSo da le n. 357 de 17 de j ti
llin de IS'ii, erenr na corte urna rcpartioo eoiu o tltul
de contador! geral da nurinha, iodopendoote da inten-
dencia; o ordenar que na mesina reparticao se observe
previ unamente o regulamento que toin eato liaixu, no
qual se designio os empreado de rjoe ella so deve cnin-
,r e seos respectivos vencimentos, aasigmido por An-
I,iiii.i l'r.uicisco de Paula e llnllaiidn Cav.ilc.inii do Al-
li'iiiiniqiie, do mcu eonccllio, ministro e secretario de
cilidn doi negocios du marinha, que nssim o tculia cu-
tendido efaca executar eoni os despachos ncccssario.<:.
Palacio do Ule de Janeiro, era 12 dejulbo de 1845,
vicsimo ijuarto da iudepeuiicueia e do imperio, Com
i rubrica do S. M. o Imperador. Antonio Francisco
Jr l'au'a e Hollando Cavalcanti c(V Albaqwrque.
HEGULAWBNTO PnOVISOIO PAR* A CoNTADOntA r.ERAL DA
MARINHA, A QUE SE REFERE O DECRETO DESTA DATA.
Artigo 1. A contadura eral da marinha, destinada
para cwutnr os trabalhos do que tr.ita o art. 3.a da le
n. ;>.0 de 17 de junlio de 1845, ser composla proviso-
riamente:
J 1. Dos nlficises c amanuenses da secretaria do es-
tado dos negocios da mariuhn que portenciao extincta
tct'fo de conlaliilidadc da mesma secretaria.
2. Dos einprcgados da extincta contadoria da in-
Irodencia da marinha da rrte.
Art. 2. Todos estes empreg.idos continuSo a perec-
ler is mesmn8 vencimentos de que actualmente goi&o,
fin quanto nlu for definitivaniente organilsrda a inene.io-
nada repartidlo.
Art. 3. A contadura gcral da marinha ser dirigida
por un dos empreados, que o governu noincar, das re-
parlicdes que pela citada le ficiij extinutus.
Art. 4. Este empregado, que se denominar proviso-
riamente cimlador-geral da marinha, ser privativamen-
te incumbido do cstabelceer a referida repartico, clas-
sificar o servic.o por seer^oes, regular a sua marcha o dis-
tribuir oseuipregadus conforme julg.ir mais convenien-
te para o bom desempenho eccricia do todos os traba-
lhos, em perfeita harmona cern a le ; para cujo liui
dar a* precisas instrueces, precedendu approTacfto do
governo,
Art ti.0 As altribuiees que detem competir ao conln-
dor-geral caos do mais einpregadus, sern por ora re-
guladas |ielos airars de 3 de jimlio de 1793 e 13 de raaio
ile 1608, le de 4 de outubrn de 1831, decreto c regula-
ramio do 13 de Janeiro de 1834, o ordena posteriores,
cm tiidu quanto Ihe fr npplieaval, c que se nao oppn-
nha liileral nxeciicao da Ici n. 350 de 17 dejunho
de 184$,
Art. 0. O conlador-gcral ser substituido nos scus
impedimentos pelo prinroiro ollicial da contadura, em
quanto o guverno nao designar nutra qualqiicr pessoa.
Art, 7." O oootador-geral inforiiiar ao guverno,
medida que a praiica lhe fr suggerindo, sobre as provi-
dencias que serao coiivenicnles adoptaruin-so para har-
inonisar a marcha do servico das dJFerontes rupartijes
emii os trabalhos da conladoria geral, lenJo cm vista o
rt'gnlamento e ordena em vigor; devnndo poriu execu-
tar-se desde j as seguinics lis|iosii,6es :
S 1. Neiihuiiia portara ou ordem ser expedida pela
intendencia para fater carga ao thesourciro-pagador da
marinha, de qualquer quauliu que ctc receber du tbc-
souro publico nacional, ou de outra qualquer reparti-
rn h individuo, sein que as guias un documentos res-1
patitos lenliio sido apresentados na contadura geral
oflicio.c dellcs conste a verba assignada ou rubricada
(tos rniprrg.idog da mesma contadura a que competir,
relativamente competente eseripturacuo.
2." Tamben! se nao dar despacho, pela referida in-
tendencia, para pagamento, aeja elle de que uaiui iza fr,
riu ser cm folha processada na conladoria geral ou em
documento iiella liquidado. Tanto estes documentos
cuino aquellas folln* serio, por intermedio du enntadur-
geral, enviadas oflieialuicnto ao rcspcelivo intendente
para ordenar os competentes pagamento nos devidoa
teiiipug.
$3. Nrnhiima letlra ser acceta pela intendencia da
'mirinlia, ai-m preceder ordem da reapectivu secretaria
de estado, ilevendo.ni cccaaiao do aeeeile, registar-sn a
letlra iiaqiiell.i reparlican, bein como a carta do crenca
qno i aeonipauliar, dsndo-so depois ronhcciiuento dalo
a conladoria geral.
respectivos clicfei, guardadas as formalidades do es.
(yin.
Art. 0. O intendente ser substituido nos seus impe-
dimentos pelo inspector do arsenal, cmquanto nJo fr
pelo governo namenda outra qualquer pessoa para esse
fim.
Art. 10. Em quanto scnlio eslabcleccm as contadu-
ras de marinha das provincia, na cunformidade da le
n. 350 de 17 de junho de 1845, o contador-gcral pro-
por ao governo o providencias que freni precisa
para so obter, tanto das repartienes da marinha da pro-
vincias onde leem arsenaea.oomo daqucllas emque a lia
patrcs-inres, as cuntas, balancn, e mais esclurcci-
inentos necessarios para o deaeuipenho dos trabalhos a
cargo da contadura geral.
Art. H. Ficfio siipprimdn desde j.i olugares den-
jndantes dos almuxarinidoa da marinha do Rio-de-Janei-
ro e Baha, passando estes einpregadus a ter exercicio
as respectiva eontadorias com os iiieaiiio veneiinen-
li>8 que percobiao, em quanto nao so Ibes der outro dc-
Bf.
Art. 12. FieSo alterados os arts. 3." e'.." do ttulos
1.0 o 2. do decreto de II do Janeiro de 1834, e oa cap.
o., 0. e 7. do ttulo I. do decreto do 13 do Janeiro
du nicsnio anno, cm harmona com este regulamento,
continuando em vigor toda as ma dspoaicea do di-
tos decretos que por elle nao forera substituidas ou cx-
presa.imente alteradas.
Palacio do Ro-de-Janeiro, cm 12 dejulbo de 1S45.
Antonio Francisco de Paula e Hollando- Cavalcanti
do Albitquerque.
Portara.Ao loiiento-noroncl reformado du primeiro
batalbao de Olinda. ordenando,fac entrega ao sen subs-
tilutii do armamento, cqnipamcniu crois nbjeotos ao
mermo batalbao |iortcucentes. l'arteipnu-so ao e.befe
da legiiin do Olinda, que a aoinelbante respeilo baviaufi
licado presidencia.
EXTEilJn.
MINISTERIO DA FAZENDA.
extracto do expediente do dia 1. da julhode 1845.
i' tbesouraria do Para, e cm vala do cilicio dojuia
S 4." Oa conheeimentos em forma, prets o guias, ou
entro quaesqurr iluciinicntos, que ale agora erioupre-
sruladua na intendencia para obter o despacho de liqui-
de-se e pagiii'-sc, Bero d'ora cm dunto levados pelas
propriai parto cx-ollicio conladoria geral, atiin de se-
remoesta reparlicao liquidadp* e convertidos cm fallas
pela leccSo a que competir, eveeplo poroin o dlusco-
ilieriiniiitos em forma e nrela; segiindo-ac depois, lan-
o o respeito distes donomcntoi romo daqucllas folha,
"que acacha dispostu no 2." do arl. 6." dcslc regul-
ronlo.
S 5. Nenbuma remesia de gneros ser feita para as
provincias ou pare as divisoes navacs surta em porto
eslrangciro, uom suppi imeiilo i ueuliuma cstacio ou
individuo, ainda mesma que eja por emprestimo, sera
"juopobj nieiidencia da marinha sejao enviadas conta-
uuria ger.d as cuntas desses t'orneeiuientos, para ser ludo
'aneado iu competente escripturacao.
Ari. S.f A correspondencia, entro o coutador-gcral
' intendencia, inspeecao c maia repartices de mari-
"hl da corle, aerjeta por oflicios assiguados pelos
de orphos relativo arrecadaeo que inaudou faicr do
ben do fallecido Joo da Folicea Frcta, Dio obstante
existir na provincia osen lestaiuentero.fondando-BC para
isu cm estar a herdeira instituida cm Portugal, contra
o que requeren o testasnenteiro, a quem iudereriu; su
ordena que tara constar aqucllejnix que a arrecaclacao
dusbens, no caso du que se trata, nao tem lugar, vista
do proprio arl. 11 do regulamento de 8 du uiaio de
1842, que ello cita em seu apoio, pois nesc mesino,
alcdi de nutras, ac estipula a clausula du lur fallecido o
testador ou intestado no districto do juis, quandu he
cerlo qno o da quesillo morreo cm Portugal cura lesla-
nienteiro instituido no imperio, que o representa, cque
tem de saliafaier as sua disposices.
dem, do dia 8.
A' tbesouraria da Babia, respondc-so ao ofllcio de II
do dcicuibro, n.2(il, que cm rigor s se devera cobrar '2
e4 por eruto as habililaces para ha ver heranca de eu-
sentes, como eal eatabelecdo no 42 da tabella anne-
xa le de 30 denovembro de 1841, c que dispoaiofiu
do 5 da tabella de 1838 caducou face do art. 24 da
referida le de 1841.
A'da Parahyba, cm resposta ao ofllcio do 2ti de
maio n. ?8, sobredever ou nao ab"nirconirois5n pela
quantia que ciitrarcni pora os cofres em pagamento de
dmdas da faxends, cujus dovcdcire, leudo sidoinanda-
dos executar, e.unaeguein depois falCf O pagamento em
prcstaecs por nteiu do titiras, se declara que, segundo a
lettra e mente da le o do regulamento, as coraiuilsdcs de
que se trata mnente ao dcvidas no acto de entraren!
eft'eclivanicnte para o cofres a (juantias provenicntei
das execuees, daiido-sc por ella a quilaees aoexe-
cutado, elic.ndi nssim extiiictiis as proprMS execu-
re.. antes di.-so, iicnhum lugar ha a deducJo alguma,
e milito menos ciuaudo a cobranza se effectua, nao pelas
uxceuces, mas em cunsequencia de trausaccfici que as
inlcrroinpeni. Nao procede a allegarlo que em contra-
rio se fa paro tumi..mentar presumidos direto, no caso
de que se trata i a diligencia c irabalho que opplico
o empregado du juizo dos feitu s.io de 8ua rigoroao
ubrigacu, c para iasu pcreebem ordenados e cusa da
partea, no paaau que a cummisie ao puramente gra-
ciosss, e teem por lm estimular o aeu zrlo c cmpcnbo no
andsmeiitc das execuf oca.
Governo da provincia,
EXPEDIENTE DO DIA 14 DO CBRENTE.
OfficosAo director do lyccio, ao inspector da IlC-
souraria das rendas proviiiciacs o a cmaro niuiiiii-
pacs do lirejo e Cimbres, parlicijiaudo tur revogado o
despacho, por que outiiritoii a permuta requerida pelos
prnleasorca do primeirns leltra da dua siipraciladas
Villas; c sto por lila bover le, cm que se bose a prati-
ca de so conerderem loe permutas.
DiloAo coiiimaudaiito superior da guarda nacional
de municipio do Becife, loicntiflcando-o de bayer con
cedido a reforma requerida pelo alferesdaiirimcra com-
panhia do respectivo caquadrao, Antonio Flix dos San
tos.
DiloAojui relator da junta dejiislica, enviando,
para screm levados ao conbccineuto desla, os proces-
aos do anidado da eoinpanbia prmisora Joo Paula
lean Gome e Elias Francisco.
Dito__Ao chefe de polica interino, ordenando, man-
de rccolher cadeia desla cidade, emquaiito se repara a
prieao, cm que seacho, o condemusdos a trabalhos
publico, recluso em um dos calaboucos do coipo do
polica. Participou so ao coinmandanto geral deste
oorpo.
DitoAo director do arsenal de guerra, autorsando-
o faxcr oiimecar.unia hora antes da marcada para o res-
pectivo espediente, o inventario do differentes arligos
all existentes, a que se cl procedendo, e quo o ai
breve poasivel cumpro terminar.
DitoAo eonimiasario pagador, declarando, que, de
conformidade cora o artigo 27 da instrutces do 14 de
agosto do 1844, odevo morcar dia para o pagamento
dos pravas du prct.
NOTICIAS DIVERSAS.
IRLANDA.
N'uma reunio particular quo levo lugar cm Dublin,
linlia O'ConnelInnnunciado que parta para Londres,
com o liin Je tomar assento DI cainora dos coininuns, e
parte na discussSo dos billi submollidos enlij ao parla-
mento, e concernentes o; l."questo do ensino ; o
2. I dos propietarios o rendoiros ; e o 3. a do banco
da Irlanda.
A cmara dos communs.na sua sesso Jo 23de junho,
discutio o bil relulivo ao estabelecimento dos collegios
soculares ni Irlanda. Os membros irlanJciea pronun-
cirao-se contra esta medida qual allribuiao a prcten-
can de subir, hir a mocidade catholica ao ensino religio-
so da sua communhio. O'Connell predisso aos mi-
nistros quo toda a Irlanda repelliria o seu systoma de
educai;ao. Urna emenda de lord Manon, que tinha
per lim o estabelecimento do cursos especiis para o
ensino religioso nos collegios, o cujas detpezai o go-
vemo faria, em quanto os pus dos discpulos n5o pro-
vessem a elle por urna retribuicao particular, tA rejei-
tada por urna maioria de 140 volos.
BOMA.
Segundo urna carta de Roma, datada a 7 dejunho,
corra n'aquclla capital o boato deque M. Itossi aca-
bava de ter urna audiencia do papa, na qual tratou-se
das medidas quo o governo franca/, julgava dever tomar
contra os jesutas. Dizia-so que o papa, subir da sua
calma ordinaria, e dera a entender quo rosisliria Fran-
ca, assim como resiste Frussia e Russa. Aquella
carta accrcscentava quo M. Rossi tambera tinha por
minio aconsclbar ao governo papal reformase urna am-
nista. Porm, segundo as explicarei de que acaba-
mos de fallar, c;mprebcnde-se que o enviado extraor -
dinario nenhutna proposta linba podido lazer sobro es-
tes dous pontos. AlTirma-s quo M. Rossi nao larda-
ra a rclirar-se do Honur.
O cardeal Capaccini morreo em Boma a li/de ju-
nho.
SLISSA.
icZuricfl,20 boato do quo o doulor Stciger cvadio-se da pristi de
Lucerna. Esta inunbaa, asidoras e moia loria elle
cbcgsdo sao o salvo a Kiiuuuu, o a G iioras eslava em
llonsteltcn. Fra acompanbudo por 3 cacadores lucer-
nezes, c por alguns amigos que bavio lavorecido a sua
luga. A's 8 horae^e-ayi acabava do entrar o doutor
Sleigcr na nossa cidade, no meio-de um enlliusiasmo
geral. Vinha n'uma seg puchada por dous cbvIIos. O
caf de la Tour-Ilouge, ondo so clleapoou, eslava
lao apinboado de genio, que ningucm mais podia l en-
trar. A mullidao alropollava-se para \l-o
[Nouvel/e (Jazetle de Zurich.
Lfl-se no Jelvelie da mesma data :
a Espalbou-se por diversas parles que o vorort, a-
perar do termo assaz prximo da reunio da dieta or-
dinaria, eslava resolvido a antecipar aquella leunio e
onvocsr urna dieta extraordinaria Segundo uns, esle
posso do vorort ora motivado pelas conferencias feitas
om Parir relativamente aos negocios suissos enlre os
representantes das grandes potencias; segundo oulros,
o directorio linba, da sua parto, dados inquietadores so-
bre os planos e as disposices dosi partidos na Suissa
durante o esli quo comecava. Roproduiimos esta no-
ticia publicada por urna folba de Lau/anna, sem lhe
dar crdito.
borlrSo completamente, lista docidido : o miniate-
rio continuar a dirigir os negocios, no mesmo esta-
do a quo o roduzio a ro.lirada do seu ebefe Nolhom. O
rei parti para a Inglaterra. A crise ministerial tornou-
se permanente.
Kis-aqui os nicos dados que a respeito da erise mi-
nisterial na Blgica lornccio osjornaes de Bruxellas a
25 dejunho.
Os tormos do quo se sorvio a Emaneipation pira
annunciar o adiatncnto de qualquer novo passo rela-
tivo re-'oinposicSo do ministerio, sao de tal natarea
que fazom crer que o gabinete tinha tomado a resolu-
cao de apresentar-se peranlo as cmaras, tal qual hoja
se acba, i s quaes serio convocadas antes da poca or>
diara da sua reunio.
As nossas inlorcaces particulares nos permittem
assignalar a inexacliddo desla versSo. CrCnios, que com
< lleilo a deia de siafu fijo a'. a reuna) das cmaras
loi aventurada por alguns membros do gabinete ; mil
nao foi acolhida polos sous collegas menos compromet-
tidoi do quo ellos perantc o pai/.
(Independanee.)
O roi e a rainha dos lielgas embarcrio a 25 da
junho em stondo para a Inglaterra.
PRUSSIA.
O rei da Prussia quo tinha ido fa/er urna visita a
Copenhague, embarcou neste porto na noute de 21
para 22,de volta a Sleltin, onde bavia chegsdo no mes-
mo dia 22.
Escreviao de Berln naquella data :
h O boato da retirada do ministerio do interior, na
Frussia, o conde d'Arnim, toma consistencia. No-
mea-so para substituil o a M. do Meding, presidente
em ebefo actual da provincia de Brandebourg. Dizem
que a mudanca lera lugar na volta do rei.
INGLATERRA;
O roi da llollanJa era prximamente esporado ni
Inglaterra. A rainha Victoria voltou a 25 da la ex-
curso Iba de W'ight para Londres.
As noticias da Guyana-Inglota cro muito favoraveis;
a iinpoilaco do 350 Indios Coolies, levados de Calcu-
ta, assim como a emigragao de 280 oscravos Africanos,
capturados pelos cruieiros inglezcs, augmentando o
numero dos trabalbadorcs, drSo urna nova actividaJu
colonia, cuja produeco crescia lodosos das.
Osjornaes da Jamaica annunciavSo a chegada de um
navio do Calcuta com Indios Coolies, que forio im-
modiatamente repartidos por diflereoles bahitaeOes.
Apozar de terem o semblante algum tanto macilento,
parerem ser bons trabalbadores, e esto primeiro ensaio
satisfaz completamente os plantadores.
(Commeru.)
i a i iiiiiii mi Mi tul "'mil' himm^
INTERIOR.
U ESP AMIA.
Urna carta de Madrid continha a noticia soguiote
que damos sem garanlil-a :
CJuinbentos homens do regimcnlo de Mario-Lui-
za-Fernanda, que ia do guarnicao para as ilhas Cana-
rias, revoltrSo-se cm Alcala-del-Rio (pello de Scvi-
Iba); recusarn continuar a marchar, e o capilo-ge-
ncral muto iuquielo consultou o governo sobre a con-
ducta que devia ter ; porque tema desguarnecer Sevi-
llia das suas tropas, e por outra parte nao ousava por
outras lrtras em contado com os revoltosos, que toda-
va acauprao-io as margens do Guadalquivir e pare-
cio resolvidos a defender-se.
__ Constava que no dia 25 de junbo frio nssigna-
dos e expedidos pasaportes a l). Carlos em Bourges,
para Greloux, departamento do Gard, cujas agoss lo-
rio aconselbadas pelos mdicos piinceza da Beira.
Lia-se n'um jornal francez o seguinle :
ce Dizem que se recebeo boje (27,. de aples o aviso
de que pela noticia da abdicacao do D. Carlos tinha o
rei de aplos renunciado a todo o projecto de uniu
enlre o conde deTrappaoi ea rainha D. Isabel.
BLGICA.
Lia-se no OLstrrateur do Bruxellas:
ic Sabemos de urna mancira positiva que os ensaio
ou as falsas appatencias de recomposicao ministerial a-
ItlO-DE-JANElRO.
Trecho do discurso do Sr. deputado Rodrigues dos
Santos a cerca dos padres do Corara.
Principiemos por investigar o quo quer casa miaao
calabeleciila em Minas. A iiusao, segundu ditera as nu-
brea eommissues no seu parieer, qurr que se lhe permit-
a prestar obediencia ao seu superior geral em Parii,
com o tini de reslabcleccr o vinculo, quo a elle a ligara,
e que actualmente auppio diianlvido, na esperanto de
que aaaiin deixaudo du cunaidrral u acisiaatics, I lie envi
cooperadores de quo necessita para restaurar casa deca-
denio corporaco.
He, pois, claro que o Bm ultimo da missao be do ob-
ter do corpo legislativo a fuculdadu de augmentar o nu-
mero de niissiouarios, maullando os vir du Franca, para
o que pede que e dijienseiu os artlgos 79 o 80 do cdi-
go criminal, quo nlu permitiera o reeonhecimento de
superior rslraiigeiro. lUa n4u lio sem nutro fim que a
muslo exige esta dispensa; ella declara estar persuadi-
da, e a coinuiiaao reconhece, do quo, para poder ira-
purtar niaior numero de padres, nada mais lio preciso,
que a dispen.-a da execucao deates arligos do cdigo cri-
minal. Deade j protesto contra esta concluslo, que a
niiaao parece tirar, e que lio de algum modo autoriaa-
ila pelo parecer da nubre conunUaocs. Quando inesmo
na perniiitissenios a esta missao o recoiihecimeulo do
om superior eatrangeiroi quando mesmo dispensssse-
moa a le a este respeito; esta perinissSo, osla dispensa,
nao cnvolvijii a l.u.uldadu de chamar mnior numero de
padres eatrangeir. s; porque todos sabera que nlo hepor-
iiillido formarem se eongregaci3cs religiosas no pail
sem iiolori-aeao do corpo legialalivo, lauto assim qno
em raso ni ni lo menos grave, qnerendo o governo man-
dar buscar niissionariu capuchinhos para empregar na
catccheie dos indgenas, fui preciso queso babililassa
com a autorisscao do corpo legislativo. Se acaso, Sr.
presidente, tal cioutrina se seguase, o resultado final era
converter-ao esta miss.'io, que tem uro fim especial (a ca-
leehese dos indgenas), em una eongregaoo religiosa,
regular, o por consequencia a queato j cresee de im-
portancia, j adquiro urna elevacao nimio roaior, por-
que he necesaario que disctamela se he conveniente, se
nao pode prejudiear aos interessea do paix creacao de
mais una nova congregaclo religiosa no imperio.
Mas, Sr. presidente, ditera a ilobres corainisscs, quo
na convem era quo se conceda a esta raisso un privi-
legio odioso; que nao he conveniente quo se dispensen)
as clsposices do cdigo criminal para que ella possa
reconhecer o superior estraugeiro. F.u concordo com-
pletamente cora a nubre cumiuisses; nao julgo con-
veniente que ae dispense a nosia legislaran para que a
missao posta recunherer um superior cstrangoiro c man-


s
dar vir mnit padre eatrangcirot; 111:13 o que inc-inaravi
lha i: inrjirciiila he que m nohret commiaaoes, condo-
lidas por oles principien, podewtm chogar a una con-
clui.'io nomo aquella a quo ihogrfio, Aa nubrra com-
miaot, to pumo que rrcoiihcveiu que u noaaa leginla-
cftu prohibo ijue qunumjuur corpuracc rdigioaoi pon
to proalar obediencia a superior cstrnnneiro, laii.i,cm
confesas ((110 a i nlrai ,""><' desta dispoaicno da noss.i logia
lacio cata constituida cm una especie de direito, pelo
laclo ijub epunl&u ile hr.vcrcm nutras corpornrca reli-
iua.i 110 imperio que rccnnhccciu auperior cstrutqjei-
ru. Mua quando este lactu exilia, quaiido aoja ncotupa-
iihado de toda nacircuuialaiiciaa para quopdoue aer
concluilenlo, por venlura podo crear 11111 di re I o ? A Con
vluaJu 1I11 oniiiiuinaeK dena aer oulra : ae lia ditpoli
(Do de egielacau que nao lie cuniprida, deviso indicar
que se solicitassc a necio do (jovorno para que Uzease
cestar cate abuso.
PROJECTO UE COI.OMfACA.
A aasciubjej eral legislativa roaolve:
Artigo l.u l'ioa approvado, aparte que depende da
atacniblca geral legislativa, o contrato a que ae refere o
(Jecreto de 10 do aguato de 1S42, com ex.copc.ao dos
1., 2. e 3." do art. 8." e art. do cap. 1., e feilaa
ein ontroa aa aeguinlca alleracoea :
4.' Quoaaeoiiceaaiea da lurraa serio repaitidamenlc
ras provincia do Iiiu-(jrande-do-Sul, Santa Catharina,
S. Paulo e Baha.
2.a Que smente uniu qoarta parle do terreno aera no
lilloral daa aupradiue paoviuciaa, e o una no interiore
aerifica.
3." Quea propriedade daatrros eoueedidaa aera re-
gulada pela lejjislaejo do imperio c em iguuldade aos
dircitoa doa nneioiaca.
4," Que de Forma alguma, para rcalis.ic.io deata con-
C0M|f scdcixar de reapeilar aa poaaea legtimamente
adquirida.
i." Que a conipaiihia s adquirir a propriedade ple-
na o perfeita doa terrenoa que lier demarcar, c no*.
tlUMa eatabeleccr colono na pruporc.o do eeui por le-
gua quadrada, ealvo 01 terrenoa de oriuclo de gado.
0.* Quo nunca a propriedade deatea terrenoa podera
caber a eora e aoberauia ealrangeira, nein a ordem al-
g'una ou cuilimuuidade religioaa.
7.a Que, aoja qual for o rontracto fcilo entre a enm-
panliia c colono*, aero ua terreno dentro em 20 auiioa
de ana propriedade.
8.* Que o governu fura dar poste companhia dentro
doa acia motea da data cm que pedir a demarcar 10 e
po8c dos terrenoa, ubrigada noreni a companhia ana 00-
cupar, c faicr Irabulhar dentro le trea iiiuoa da posso.
aem o que n3o fica o governo inhibida de dltpr delloi
nomo mclhor convicr.
Art. 3, A isenclp doa direilos de anooragein a favor
da companhia lera na r.iao de uin colono por tro tone-
ludas, coiulaiilo que no docouieiitna exigidos no con-
trato se couiprehenda attcalacao da moralidade doa co-
lono. Y. todo catee docunientoa c na maia que na colo-
no preeiaarem daa legacoe e COllluladoa brutileiroi na
Europa acr-lbca-hao ruriieuidoa gratuitamente.
Art. 3.u 0 premio fUndo pelo artigo 10 capitulo!."
do Contrato Ac reduiido a 20,000 ra. por colono inaior
de 20 annoa, e coiu o de 10,000 ra. pelo uiaiore du3
auno, aera entregue .10 agente da conipaiihia no len sil,
para aer immediatau.enle applieadu a cciMstruec.no daa
miradas, pnnlca, canaca c edificio publicoa da co-
lonia.
Art. 4. Fica elevado ao duplo o numero doacnloni>8,
(pa a companliia he ohrigada a Irniiaporlar para aa Illa
colunia, iata he, 4,000 familias, ou 16,000 iiiditiiluua
era 20 annoa, e a coniccar da data da naaiguatura do
contrato,
;, 1." Lates colono transportado pela cunipanbia se-
rio conaideradoa cidadoa braaileiroa naturalisados, rin-
do 3 annoa de residencia 110 imperio.
Art. 8.a A multa igual no valor do escravo, a que se
refere o artigo 3.* do capitulo 2.* do contrato, reca-
bira sobre o colono que o livcr einpregado, e tmenle
sobro a cumpanhia, quando fr adiado em seu servico
oapeeial,
i, i Art. .O ()a auxilios preatadoa pelo governo para 1110-
lhoramento dos porto daa colunias, aeran Bltentivul tu
de todas quatro provincia, cujo melhoramciito oinprc-
liender n companliia, com approvaco do governo im-
periala
Art. 7." A exigencia do inapeclor, ou inapcecao que
n ooropanliia tora ohrigada a tatitfator, ato as que dis-
Mcrcm respailo catlarcciineiitua lobre a inesuia o loaa
coloniaa ou calnbelecimenloa.
Art. S.O Na rcoliaacao do fundo social lie perniitlido
coiupaiihia o fail-o em |ireatacca e proporco que o
fr, exigindo a directoria da rolnnisacio na blgica.
Art. i).0 So a compaiibia nao satisfuer, por culpa ana,
nlgum doa encargo do cap. 1. art. 1." earl. 7.u do cap.
2.0, explicado segundo a prsenlo retulucau, reputar-
se-ba ler caducado o contrato, aciu que poa a conipa-
iihia pedir indcuiniaaco algunia, por qoalquer titulo
que ai'ja, nao ae devendo com ludo eonaiderar como in-
euraaa ncata annullaeo aa conccsse de Ierras que ae
bouvrrem feito ana colonos, comtanto que elle tuinrm
poise della, dentro de I rea annoa n contar da data da
declnracao de nullidaife 011 cadueidade do contrato,
Art. 10. U governo far alterar o contrato feito com
a eoinpnuliia, tegundo as basea da presente reaolueio.
Art. 11. Ficau revogndaa todas asdispusire cm con-
trario.
Paco da cmara doa deputadoa, 19 de junho de 1845
iS'ouso Franco. /tares Machado. Franca Loite.
liltorou a cmara, cm virtude da proposta, que fez o Sr.
creador Mello .Cavalcanti, v. que vei tambem abuixu
mencionada, que se toniBssu sepBradamento a votncu
do collegio do Cab '.
a Itequeiro, que na acta geral se faga ola separada
do numero dos votos dos ilous collegio creados pelo
Kxm. presidente l'apacaca e Sania Mara. l'aco da
cmara, 13 de abril do 184S. Dr. Nery dq, I'onscca:
Approvado; volando contra os Srs. vereador presi-
donlo, o Carnciro Monteiro.
a 1 Tuponlio, que se inclo, em separado na acta da
apuraco gcrul, o resultado da apuracao do collegio do
Cabo, para sur prsenle ao governo de S. H. o Impera
dor, e a cmara dos senhore senadores. O vereador
Mello t'avalcunli: Approvado; volando contra osSrs.
Ur. Nery, Carneiro Monteiro e Ramos e, empelando,o
Sr. presidente decidi a favor.
Tendo-se concluido dita apuracao pelas duas c nicio
doras da tarde deliberou a cmara, que logo se lizesso
a acta respectiva e, para constar, mandou lazara pr-
senlo cm que assignou. E eu Luiz de Franca e Mell-
Junior, secretario interino a escrevi. liego e 4\buo
querque, presidente. Mello Cavalcantillamos
Carneiro Monteiro. Oliteira. Ur. Nery da Fon-
seca.
sencalliar. Deste proccdimenlo infiro, que o axioma-
favor aos amigosnaJ est sanecionado la pela ola
do Itio;istohec para ns= Oque causa ou deve
causar maiszanguinba lio odespreio com que em lal
prctencao se falla Nem ao menos terem os artistas,
aquellos rnesmos, que tanto conconrao com os seus
sullragios para elevarem os Urbanos,os Nunes, os la-
vares, os Costas, os Carvalhos e oulros, nem ao menos
lerom a bonta de quo o seu requerimento loissc levado
a respirar o ar puro do salo; e quo o secrotario.ubnndo
a sua bocea, proerisse all os nomes dos artistas, anda
que depois ficasso em cima da mesa, ou embaixo della .
Vede-vos nesle espolbo.
Vamos agora ao que por c vai. A queslao enlro
Chardon e Poudra vai sendo acalorada, e sobre ella pa-
recc-me so tem ja escripto oais do que sobre as dispu-
ta entro oAbyrim o a Mangeirona : veremos quem
leva a palma, pois quanto ao martyrio, sabem todos,
sonroja oCbardon Aos bonsapalpa Dos.
J que encelamos o capitulo das perseguicoes, occor-
ro porguntara quem quizer responder; em que para-
ra, o que fim levara aquello pobre moQO, quo o provi-
sor de S. Josquii jungir, atar, e amarrar em osante
matrimonio ? Cazar emtempo de furinba cara? Isto
nem ao diabo lembra ?
PERNAMBUCO.
CMARA MUNICIPAL DACIDADE DO RECIPE.
SESSA KXTHAimiHSAHIA 11F. 13 DE AU1I1I. DE 18i'i.
Presidencia do Sr. liego Albuqucrque.
Reunidos os Srs. Mello Cavalcanti, Humos, Carneiro
Monteiro, Oliveira e Dr.Nery da Fonseca, faltando com
causa os oais Srs., o Sr. presidente declarou aberla a
sesso, e fez ver a cmara ser ol jecto della a ultima e
geral apuracSo dos votos para un sonador, conforme dra
ltimamente designado pelo Exm.presidente da provin-
cia em oflicio de i do correnle; visto que nao se pode
realisar a referida apuracao nos dias anterioimenlo mar-
cados pelo mesmo Eim. Sr., em consequoncia das oc-
currenciat mencionadas na tela da sessiio de (ido pre-
sente ine/;e, pastando a verificar o numero das autlion-
tiets receidas, conbeceo ser de vinte, as quaes estan-
do intactas, deo principio a referida apuracao, sem
com tudo acbar-se presente t acta de Cabrob. Entran-
do em duvida, se se devia contar conjunctamenle rom os
demais cullegios os velos de Papaceca e Santa Mara da
comarca ds Ba-Yista ; foi deliberado, em vrlude do
requerimento do Sr vereador Nery da Ponseca, que
vai abaixo transcripto, que ftsem separadamente inclui-
dos na aila geral o numero desses volus. Igualmente do-
CIIRON1CA JUDICIARIA.
Urna questao relativa d desherdaedo deumafilha: li-
ello do A. F. lili. 01 filhos legtimos do falle-
cido Antonio Jos Muni.
BBHTRNCA.
Vistos cslcs aulos : allega a autora, que ella lio Giba
natural do fallecido Antonio Jos Mu/, pai dos reos,
que a bouve de F.... inullier sollcira, bem reputada,
u sem impedimento : quo Muniz reconheceo sempro a
aulora por (Iba, e como tul a creou e educou cm sua
companhia : que, por fallecimenlo de Muniz. e na par
lilha a que se procedeo, nao foi ella autora contemplada
como berdeira (documento olbas dizuseto); porque os
reos a repellirAu sob protesto do ler sido ella aulora dcs-
berduda por Muniz pula escriplura publica folbas deza-
novo : que o fundamento da dtsberdacao, o qual con-
sisto em ter ella aulora saludo du companhia de Muniz
para vivor em prostituido, Lo falso; pois quo ella nao
deixou a casa paternal espontneamente seno por tor
sidoespancada e expulsa por sua madrasta ( a inulher
do.Munizl, sendo que, assim desamparada, procurou a
compunbiu de sua inSi o lio, e ahi viveo sempre bo-
neslamenlo : quo Muniz foi vel-o em casa dosuamai
e lis, o Ibo prestou soccorros, c Ibe doou umuescrava:
quo Muniz desherdou a ella autora, induzdo pelas sug-
gestes do sua madrasta : que Muniz, por cuiiliecer a
verdade, deixou decorrer o espaco de trinta annos (do-
cumento folbas vinte e urna a vinte e cinco)sem intentar
a competente aeco para conlirmaco da desherdaco :
pedo, (|ueseja ella autora liavida e reconbecida por li-
iba o berdeira de Muniz, si u pai natural, e que so de-
claro sem i lleiio a escriptura de desherdaco, e cusUs :
os ros delendcrao-.su com a malciia da sua contrarie-
dade folbas vinte sele, em a qual, lecoubecundo a lilia-
cao da autora, allegao que be expresso, legal e verda-
deiro o fundamento da desbeidacao : que a autora se
prostituio antes da idodc de vinte o cinco annos, o anda
boje nao vive honestamente : t,uo Muniz nunca se ro-
concilou com a autora, nunca Ibo perJoou a injuria
O que tudo visto, comis quo dos aulos consta, pro-
vas produzdas, e razfies lnaos: altendendo, quo o lun-
daiiieiito da desherdaco foi expresso, documento ludias
dezunovo : que lio legal, urdenacio, livro quarlo titulo
o,tenia o oito, parographo piimeiro, Mclio Irene, livro
terteiio titulo quinto paragiaphu quarenta o tres : que
be verdadeiro em razo deprova, quo resulta dos de-
poimeiitos do lollias letaenta e quatro A olbas setenta e
oilo, os quaes, por contestos, individuaes e positivos, va-
lora mais, que os de olbas trinla e oilo, que sao gen-
ricos, vagos c negativos, sendo que un fado, porque
lio visto e sabido por dous individuos, e ignorado pe-
lo iinnor numero, nao deixa de sor verdadeiro: que nao
iie jusiilicavel.scnao contraproducente, a ra/.ao pela qual
a autora deixou acasa paternal; por quanto se, como de-
pnein as teslemunliasdo folbas trinta e oilo, seu pai nao
eslava em casa, quando sua madasla a maltralou c ex-
pellio, e por elle uo estar em casa, be que esso laclo
succedeo, cumpria quo a autora esperasso por seu pai
para qucixar-se, e nao arriscaste sua boneslidado o seu
pudor, SMidoqocoseu procodimcnto revela predispo-
sico, c indu/ a presumpcao do fundumouto da desher-
daco : que o furto de sobroviver Muniz por mais de
trinla anuos i desherdaco sem icvogal-u o desdier-so
induz tambem presumpcao du quea autora pciseverou
no seu miio proceder: altendendo, que, segundo o di-
loilo consuetudinario, c piaxe alteslada por Lobao (no-
tas a Mello livro tercoiro titulo quinto puragrapho qua-
renta e tres) e conformo a doulrina do assento de vinte
de Jullio de mil sclecenlos e oliente, be legitima a for-
ma do desherdaco por escriptura pblica,sendo queaos
herdeiros he que incumbe a prova das causas da mesma
desherdaco, como sededu/, por analoga esemelhan-
ca, da ordenaco livro quarlo titulo oitenta edous pa-
ragrapho segundo: altendendo, que, quando mesmo a
autora nao fsse expressamente desbordada por sou pai,
poda alias ser desherdada pola justica em ruzao do es-
pecial fundamento da desherdaco olbas desanuve, co-
mo he expresso na ordenaco livro quailo titulo oitenta
e oilo paragrapho primeiro : atlondendo, quo nada
importa a hora da autora (quando mesmo provado) o
faci da doatjao da escrava, o presiaco de soccorros lej-
os por Muniz depois da desheroaco ; porque nema
tacita, nem a expressa reBMKlo do pai eprovoita na
hypolheso dos aulos, em razao do especial lundamento
da desherdaco, vista da ordenaco livro quarto titulo
oitenla o oito paragraplios primeiro e segundo, assento
de vinte de jultio de mil seto contuso oitenta, palavras
quando o pai pode remitlir a injuria opinio inm-
mum do doutor Lobao notasa Mello,livro terceiro titulo
quinto paragrapho qusrenta o tres : julgo nio compe-
tir autora a aejao intentada, eacondemnu as cus-
tas. Hecife, dezuseii do julho de mil oitocentus e qua-
renta o cinco. Jos 'J'homaz Nubuco de Araujo J-
nior.
CORREIO.
CORKEPONUENCIA UA CIOAOE B PROVINCIA.
Os artistas frao, como era de esperar da diligencia,
aclividadec patriotismo de seus procuradores na corte,
enforquilbados I O seu requerimento licou encalhado
no p docorreio do Hio; e apozar de ir, porte pago,
nem assim bouve caritativo patriota, que o lizesso de-
DIARIO M PEnXABKCO.
Ao vermos defendidos os principios de ordem e lber-
dado, manifestado o voto da provincia, desaflrontado o
pondonor do partido quo nos gloriantes de perlencer,
por 15o habis pennas, por lao esforcados o briosos
campiocs, assenlaramos que podiamoi sem dezar guar-
dar silencio, o conservar-nos na espeelotiva como teste-
munlia inleressuda e prestes a dar apoio e soccorro, se
ello losso necessario, se assim mesmo minguado podes-
se ser de alguma utilidade.
Como porm o papel, que escolhemos por lal raiao,
podo pof nossa mofina ser atlribuido a motivos menos
nobres, como indillerencs, ou hesitacSo, sohiremos do
posto de reserva, para cntrarmos na fileira combstente,
e partilhar com os nossos dislinctos collegas os traba-
Ihos de honra em que se acbao empenbados, emhora
nao nos caiba a mesma gloria, nem sejamos os primea-
ros a montar V incheira do inimigo. A longa carrei-
ra, que o Diario tem seguido com mais, ou monos
gloria, e ondo por rauitos vezes tem luctado com lero-
zes inimigos, o releva da trela de justificar o sou pro-
cedimcnlo Para darmos urna especie de inlroduccao
aos nossos labores passsremos urna rpida vista d olhos
a administro! io desta provincia.
lluvia un anuo, quo o partido desorganisador ; o
partido praieiro bavia cantado urna victoria, que proce-
der de ciicumstancias por elle mesmo imprevistas, ines-
peradas : cm julho de -I i a provincia havia sido posta
sua uispusicao, e os liomen- da ordem espersrao resig-
nados o quasi impassiveis os resultados da ambirAo in-
frene, da sede de vinganco, que ralavao os seus adver-
sarios. Apresentou-se o primeiro presidente do gabi
neto do t de feveroiro, e o coineco da sua administra-
co nao davu lugar a esperanets de que Pernambuco
fdssc mais feliz do que as provincias visinhas: algumas
comarcas frao quftisi inteiramcnle revolvidas na parte
policial; mas tantas frao as pretences, tao exigentes
so mostriio os dominadores, que esse cidadao hcneslo,
posto que delegado de um ministerio infame entondeo,
quo ora de sua honra nao levar a cabo a obra vergo-
nhosa, que enruecara: esse partido, que s se satisfazla
com a ai.iquilacfio, com o exterminio dos seus adversa-
rios, cujosanguu e exilio tantas vezes ello bavia podi-
do, nao podia ficarsalisfeito, com meias inversoes, que
a final ibe nao havifio assrgurado urna victoria '.ao com-
pleta como aspirava, oassiin os mais vis o infames mane-
jos, a calumnia e a intriga se pozrao em accao para
conseguir-se a demissao desse delegado, quo nao se
prestava aos planos sanguinolentos, e olrozes desso par-
tiiln desorganisador, e as sua: exigencias exorbitantes.
Em consequonciu novo delegado enviou o ministe-
rio sompre prompto prostar-sc a lodas as exigencias
dos amigos quo as circunstancias Ihe haviao imposto ;
mas esle agrudou ainda menos, nao porque cm cousa
alguma nos favorecesse particularmente; mss s porque
entendia que nao devia abuixar-so a ser commissario de
um puitido, nem favonear pretences exageradas, nem
a final oxecutar urna inveisu goral sem tora nem som:
todas as nomeaces a que es circunstancias ordinarias
dro lugar rcculiirao em memhros do p. rlido desorga-
nisador ; mas as circunstancias ordinarias nao aconte-
ciao a medida do desojo, nao allluio de pancada ; pa-
ra que ludo do pancada Ihe fsse ter as maos, e o se-
gundo curro o primeiro delegado foi ludiluiado, insul-
tado, calumniado por csses ministerialistas de nova
especie.
Enlao o ministerio assentando que oro lempo dele
var esla provincia ultima degradacao e dusordem,
entregou a sua administrarlo a um inepto, capaz de se
deixar guiar a feicao do sou partido, c cssa ISo desojada
invorso geral comecou com vigor, e continuou sem re-
missao duronte 3G das. Nao ca possivol, e nos o dis-
sciiius, quo o Sr. Manuel de Souza podesse administrar
justica; os seus actos o provaro (Juo justicu se pode
esperar do um governo que se apoit em um partido ex-
tei minador, e obra pelos seus dictamos ? Um governo
quo est cm guerra com asociidade? Poi esso u jus-
tica do Sr. Manoel de Souza.
A viuda de S. Ex. o Sr. Cbichorro, quo muita
gente acredilou com sobrada ra/ao que nunca se
eflccluaria, verifcou-se 110 fim dos 3(5 das de infame
recorda ao. Todos os homens do partido da ordem cs-
perrfio nao favor de S.Exc ,que favores do governo nao
precisa, nem quer urna opposicao de principios, de
convicioes, porm imparciulidade o justica ; o esta
esperanca proceda de duas razos; a primeira nao ter
S. Exc. compromisso com o partido dominador ; a
segunda ter'estado S. Exc. fra da secna poltica por
muilos annos, e nao dever ter por eszao, nem odiosa
salisfazer, nem vingancas a praticar. Que foi feito
porm dessa Ilusoria esperanca ? S. Exc. ligou-secom
o seu antecessor, quo o cercou da sua gente, quem
souve, acreditou e recebeo como provadts todas as
calumnias qua um partido por longo hthito nao podia
deixar de lancar sobre o oulro ; rrilou se com as con-
cuioi, talvez acres, masdesculpaveii, que a opposicao
Ihe fez, quando vio quo elle prosegua na carreira ence-
lada pelo inepto vice-presidente. e cada vez mais Ihe
segu as pegadas, o que tambem cada vez mais irrita
a opposico ; e deste modo j nao he pussivel que os
acto de S. Exc. fcil a irritar-, dexem da res^n.
tir-so do parcalidode.
Nisto tudo o que qa de mais deploravel, h(o qUe (J
novas autoridad s conliadas em quo S. Exc. Ibes en.
provar tudo, o s ver justica e razao do seu lado
vao commottendo pcrscguicons do todo o genero, a
gumas us quaes tero ufalivelmentd ebegado aocn-
nhecimento de S. Exc. lalve/. desfigurados e justifica,
das com aleivosas c falsas insinuaces, quo ninguenj
conlesla, o deste modo se verifica o pretendido oxtei.
minio do um partido, como so de conquistados e con-
quistadores se compozesse esta provincia.
E (al bo o quilate da amizado que estes bemens que
se rommuncao com S. Exc. Ihe tributa quo algunt
delles, ousao dizer as suas estonteadas jactancias,que t%
bSode commeltor lies e taes attentados.taesetaescrme!,
porque sso messo querS. Exc. eludo approva, etudo
apoia. Esses boinens sao os qne mais mal fazsm a S,
Exc que nSoosconhcce, oque talvez algum da sear-
rependa de Ibes dar tanta cabida; se he quo elle como
nos acreditamos erra por inexperiencias, por illusao, e
nao por maldade.
Quantos malanos leminflgidoesse.nefandogahinDlo
quo quer frca e cm nomo do Monarcha reduiiro
lirasil a dous acampamentos de inimigos estranhos, e
implacaveis.' O que era esla bolla provincia sob a influ-
encia da poltica decabida e o que he boje, minada pelo
espirito revolucionario, agitada, estremecida continua-
mente, retalhada por odios profundos e entrsnhadoi,
dividida em opprcssores, e opprimidos, estacionada en
sua industria, em seus melhoramentos materiaet, do-
minada pclosdesorderos I Neste estado calamitoso,)
apurado, be forca erguer a voz em prol da Patria,
bradaT contra os oppressores, quo nos esbulhruo de
todas as garantas civis c polticas.
Publicado a pedido.
Illm. Sr. Recebi o oflicio de V. S. datado de i> do
correnle, em o qual V. S. inquire, se cu eslou promp.
lo a entrar em servico, ou se a minha molestia me im-
possibilila do servico da guarda nacional; porque,estan-
do,ha tanto lempo,com parle de doer.te, tenho com tu-
do exercido o omprego do subdelegado o uiz de paz,
uando assim mo exemplo aos meus subditos: em res-
posta cumpre-mesignificar a V. S., quea minha con-
ducta e minha dodicacao ao servico publico, ao qual
nunca me forroi as crses as mais arriscados, mede-
fendem do desar, que V.S. me quer lancar, pondo em
duvida a minha palavra, como hornera de honra, e com
o brio, que deve caracterisar a un cfliciol superior,
torno a oflirmar, quo ainda estou doente; que a minha
molestia nao be ebronica e desesperada, de modo que
exija a reforma, com que V. S. me amosca; que bre-
vemente, segundo prognoslico os mdicos, e eu sinto,
assumireio commando da legiao, sendo que nonhunia
inverosemeluanca e inconipalibldade ha om quo a mo-
lestia, que me impossibilila do servico da suarda na-
cional, quo he activo o subjeilo'aos inconvenientes do
soledacbuva, me nao prive todava do servico da ma-
gistratura de paz e subdelegada, empregos, quo tenho
exercido dentro do minha casa. O oflicio do V. S. f
ressumbra o desejo de minha reforma, para quo o posto,
quo oceupo seja, conferido a oulro, que mereca as sym-
patias de V. S., e precncha as suas vistas polticas;
mas cu nio posso salisfazer ao dcsi jo de V. S., pedindo
reforma; porque a minha consciencia me diz, que cu
devo servir ao meupaiz. Keileroos pro ostos de estima o
consideraco a pessoa deV. S. Dos guarde a V. S. En-
genbu S. Barlholomeo, \) do agosto de 1845. Illm. S,
liento Jos Lemenha Lint, commandante superior do
Cabo. Agoslinho Beierra da 'i/io 6'ara/cani, co-
ronel da 1.* Icgiao.
COMMEiCIO,
Alfandega.
Renmmento D3 da io................5:085>258
Descarrega hoje 19.
Briguc francezNelit-Mathilde mercadoras.
Consulado.
III MHMI.NiO no da 16.
Geral17*462 Provincial82^091
Al o\ i ment do 1*0 rio.
Navios entrados no dia 18*.
New-Bcdford ; (io dias. galera americana folerls-
. Edwardt, do 3'>o toneladas, capilao Nathaniel Men-
gos, equipagem 2i, carga pc(rc:hos para pescara; so
capilSo.
S. Catharina; 14 dias, brguo brasilciro Novo-Bom-
Fim. de 147 toneladas, capilao Joaquim Fernandes
Culho, equipagom 10, carga farinba ; ao capilao.
Rio-Grande-do-Sul; 35 dias, b'rigue brasleira Jud-
iar, de 248 toneladas, capilao Jos Xavier Vianni,
equipagem 11, carga carne ; socapitio.
Lisboa ; 42 das, briguo portuguez liobim, de 190 to-
neladas, capilao Antonio Pireir liorges, equipa-
gem 13, carga vinho e mais gneros ; aThomazda
Aquino Fonseca : possa^eios, Guilherme Augusto
Rodrigues Selle, Antonio Jos Alves, Portugueies.
Ubseroaco,
Suhio, para acabar decarregar no lameirao, a hares
austraca Paquete-de-Trieste, capilao MarcoSirovick.
Cdtaes.
Perantea tbesouraria do azenda desta provincia
lem de ser arrendada, por lempo de tres aunos, cm bai-
la pblica, nos das 19, 22 e do correnle nei, a i-a-
sa de dous andares e loja, sita na ra Direita desta enlo-
de n. 11, pettencentea lozenda pblica.
E para constar so ftz publico pelo presente, de ordem
do Illm. Sr. inspector do misma tbesouraria; devendo
os pretendentes habilitarem-se no formo da lei.
Secretaria da tbesouraria do la/enda do Pernambuco,
12 de agosto de 184o. O ulicial-maior interino,
Ignacio dos Santos da Fonseca.
Como bojo graves motivos para se desconfiar d
legitimidade de olgumas certidoes de baptismo, quede
certos annos a esta parle leem entrado na secretaria desto
curso jurdico ; so declara, que d'aqui emdiantcnao
ser mais receida alguma ceitidSo de baptismo, <|",)
nao traga todos os signaos de aulhtnticidade ; sto nei
aquellas, que virem deoulras provincias, ou dos ser-


-.trir acertidao detcrpago o ello, a c r'jnaes
"jntrecoaheeidoi pelos labolliacs dessas comarcas, con.
1 t i deque, sem eslas formalidades, nao serpaiao
^macceita certi'dio Iguma do baplismo: o que se
HSaa coin lempo, para que cadaum possa tomaras
medida! na conloriudade desta doclaracao.manda-
.' ,,, Ma directora do mesmo curso.
:1 'relana do curso jurdico de Olinda, 12 de agosto
1845 O bacbrc\ Eduardo Soares de Albergana,
:'L,,\ interino, scrvimlo de secretario
!_ lara verse he possivel evitar a conlusSo, que cos-
n"ia haver nos exames dos preparatorios; por ordem
directora se declara, que daqui em diante estes exa-
C\ aero leitos na furnia littcral dos estatutos; obser-
o de que serio lazoavelmente exceptuados em du-
"?o do lempo s os que apresentarem attestarSo dos
Tefes dos estabelecimentos Iliterarios, ou dos profes-
ores das aulas particulares, om que tiverem estudado ;
uanaes podera mandar a esta secretaria urna lista por
"'i' jssignada, conlendo os nomes dos estudantes, que
lies iulgarem em termos de podercm vir expflr-se ao
me do cada urna das faculdades, que tiverem apren-
dido. Todos os outros serao examinados com o rigor
"secretaria do curso jurdico de Olinda, 12 de agosto
i .cjsl5.__ O bacharel, Eduardo Soares d'Alberga-
r,a official interino, servindo de secretario.
0 doutor Jos Raymundo da Costa Menezes, jui* muni-
ciual supplente da segunda tara do termo do Reeif, e
pr, parador dos procseos, que teem do ser tnbmtttid
ao couheoimento do jury, por S. M. 1. C que eos
quarde,etc. ..,., ni
Foco saber, que pelo dnutnr Jos Nicolao Kigueira
Cusa, jniz. le lireito uterino da segunda vara do cn-
'. ,|enta comarca, me fra feita n parlicionC.au de haver
petlotermo convocado para odia i. de demoro do
luc vindoum, pela novo boros da manilla, a qunria os-
lan ordinaria dojurydeste mino, pora aqual sahirao
I jaleados os quarenln e oito Senhorea, que : scg.ieni !
Joao Frauciaoo Regia Quintelle, Manuel Eugenio da
I Silva, Joao Carnciro Rodrigue Campello, Anlonino Ju-
ne de Miranda Falca.., Joaquim Mana de Carvullio, ma-
tar Patricio Jos do Suma, doutor Pedro Iktorra de A-
raoio Itrio, Francisco Serfico de Ausis Carvnllio, me-
jor Franciteo de Assls Campos Coadcm, Jote Gomo, I.c-
al donlor Vicente Jcronyinu Wauderley, Urano AntO-
liii de Serpa Brandan, Juo Manuel Mendei da Cuul.a,
Manocl Correia do Mirando, Amonio Cario Pereira Bur-
go Punce, JuSo Hermenegildo Borgos Dinis, lis Pa-
checo de Queirug.i, general Jo0 Ignacio do AL'o Li-
ma, dr, Jos EustaquioGomes,doutor Franciacu d-; Pau-
la Baptiata, Caetano Jobo da Silva, Juo Ignacio do Re-
g, doutor Victoriano do S c Albiiquerquo, Alexendre
Rodrigue do Anjoa, Ignacio do Rria Cnmpcllo, Anto-
iiii.deVasconcello de Mnete de Druuimid, Antonio
Pedro Soarea BrandSo, Junquin Joc da Cesta, doutor
Joaquiui JuaooSouM, inajor Francisco Cetario do Mel-
lo, Jas Ignacio na Aasumpcio Jnior, Miguel Arclianjo
Honteiro de Audrade, Jos Marquca da Colo Soarc,
doutor Antonio Joaquinr de Muraos e Silva, Canuto Jo-
te Velloao da Silveiro, Jos Pedro Jorge Goncalvc, Du-
miogo da Silva Guimaraea, Luis Antonio Vieira, Jos
Francisco de Barro Reg, Joaquim Elias do Moura,
Jos Tiloma de Fretai, Jequini du Soma Lalo, Joao
Evangelista Ncry da Fonscoa, doutor Manocl uar-
te deFarja, Manuel Figuein'.a de Fnria, JoSo Bcrnar-
dino de Vaiconcclloa Cimbra, Pedro Cavolcanli de Al-
huquerque, Guatavo Jos do Reg.
U quae bao de servir durante a referida eao, pa-
va o que sao pelo presente cdit.d convocados; devendo
comparecer, asaim corno o ntereatadua, no dio e hora
dciiguada, aoba pena da lei te faltaren*, li para qoe
rl.cguo a milicia de lodo niaudei paasar o preteuto, que
era publicado pela inureuaae alluado una lugare rnaii
publiooa delo termo. Recite, 1S .le agosto de 5845. -
tu Jos Af'ouso Guedet Alcanforado, eserivo, o escro-
>.- Jos Rjijmundo da Costa Me ai*:
=0 engenlieiro em ebefe da provincia, competen-
temente uutorisado, manda leicr publico, que llavera
concurso para um lugar de BJudante dos engenbeiros
no da 21 do mei de agosto prximo lutuio : em eon-
lequencia convida as pessoas que se quizaren* propr
ao dito concurso, para se alistaren!, at o da 18 desse
mez, n'esta rcparticao, onde lhes ser declarado o lu-
gar, borase mais circunstancias do dito concurso, lle-
partico das obras publicas, 21 de ulho de 1845.
Yauthier.
cuja hora so terminar a recopco dos propostas, que'
houverem de ser ^presentadas.
O bacharel I.uiz Jos de Sampeio Jnior, promo-
tor publico do termo do Kecile, transfoiio a sua residen-
cia para a ra larga do Kozario no secundo andar do
sobrado, em quo lem botica o Sr. Bartholomen.
A mala para L'"almoulb pelo paquete ioflez /'
ieul ser fechada as 7> oras da tardo de boje 19 do
corrento, no consulado britannico, na ra da Cruz
n. 40, segundo andar. ,.
CMPANIHADEBEBIBIliE.
Os Srs. accionistas da companhia de liebiribe
bajaode entrar cern unja prestacao del) por cento, no
prazo de 30 das quo se bao de lindar a 20 de setem-
bro prximo. Escriptorio, 19 de agosto de 1845.
0 secretario Binto Jote Ftrnandet Barro:
THF.ATRO PUBLICO.
Domingo, 24,so representara, a benificiode Jos An-
tonio MaximianodasNeves e Francisco Ludugero Ro-
drigues Cancella, a oxcellente pecaO Catato de Lis-
boa a farca com msica Um noitado em triellaf.--
Avisos martimos.
= Freta-se, parB qualquer porto do Norte ouSul ,
0 briguo Marta I, capitao Anselmo Marques Vieira :
os pretendenles dirijao-se a pracinha do Cmpo San-
to n. GG residencia deGaudino Agostinho de Bar-
= Para o Rio-de-Janeiro segu com todi a bro-
vidado a sumaca Amatie do que he capitSo Manocl
Antonio Sousa Gueira ; para carga passageiros e es-
cravosa frete 8Jusla-se com Gaudino Agostinho de
Barros, pracinha do Corpa Santo, n GG.
Para o Maranho sai, no dia 2 do corrento, a
barca brasileira YmeW,capita> Juli3o Ferreira Nu-
nes: para o resto da carga e passageiros tratase na ra
da Cadeia do Recile armazem n. 12.
Vende-se por preco commodo a lancha Especu-
ladla de muilo boa construccSo e boa marcha : quem
quizar oxaminal-a, podo dirigir-se a scu bordo, que se
acha fondeada delronte do caes do Callcgio. e all mes
mo acharocom quem tintar, ou no csciiptono de Ma-
noel Joaquim llamos o Silva.
Avisos diversos.
Dei-laraces.
O Illm. Sr. inspector do arsenal do marinua manda
azor pu'ilico pela 5." vez, que contrtala o lornccimen-
ti da carne para asen:barcagoes daarmada, pelo lempo,
qucsetonvcncionar.a contar desde odia posterior aquel-
lo em que se lixar o contrato; e cenvida as pessoas, que
comn.erelao com semclhanto ohjecto, e queiro fazer o
contrato, a aprsenla!em as tuas proposta n'esta secre-
taria, em caitas lechadas, em qualquer dos das de Ira-
balho, d'esdeas9 horas da manbSaal as 2 da tarde.
Secretaria da inspeccSo do arsenal de n.arinha de Per-
namhuco, H de agosto do 1815. 0 secretario, Ale-
jandre Rodrigues dos Anjos.
-O Illm. Sr. director do lyico manda fazer publi-
co, em consequencia do que llie orJenou o Enn. pre-
sidente da provincia, que, da dala desle a 40 diaa, ira
a concurso a cadeira de prmeiras lellras da freguezia
do Boin Jaidim : os candidatos, que a dita cadeira se
qoiierem oppOr, habiliteirf-se na forma das instrueves
que regalo os concursos. Secretaria do lyco, 13 de
agosto de 1845. Jo mus, secretario.
Pelo Ivco desta cidade se faz publico, que, em
consequencia do que ordenou o Exm. Sr. presidente da
provincia directora do ii.esmo lyco, em. oflicio de
21 do correte, ir a concurso, da dhta desle a quaren-
ta dias, a cadeira de laliin da fregueiia de Jos
dista cidade, que se acha vaga, pela demissao do proles-
sor, que a exereco. Os candidatos, que referida
cudoira so quitaren) oppor, habililem-se na conlormi-
dade das inslruccoes, quo regem os concursos Secre-
laria do lyrfio desta cidade, 25 de julho do 1848.
Joao Facundo da Silva GuitnaiUes, secretario.
Companhiabrasileia de paquetes de vapor.
Tendo de ser contratado pela agencia nesla cidade,
por parte da dita componhia, o servico do embarque de
canao de pedra para bordo dos seus paquetes, e do des-
embarque d'aquellc, quo vicr do Inglaterra por sua
conta ; annuncio-se a quem convier, que ascondicOes
pera este contrato eslao patentes todos os dias n'agencia
dos ditos paquetes ( 2 "andar da casa n. 7 da la da
Cruz) at 21 do corrente, pelas 11 horas da manbaa; a
LOTERA DO SEMINARIO.
As rodas desta lotera correm improterivelnionte no
dia 21 do correlo, por j se achar muio adiantada as
vendas dos hilheles, o o restante acha-se venda nos
ugares ja annunciados. .
= Acceta-se um pequono que seja Brasilciro, o
qual nao tenho pas, para se Ihe dar do vestir, comer,
casa, e mandar-so ensinar scu oflicio : quem se adiar
nestas circunstancias, anunncie.
= Aluga-se o primeiro andar do sobrado n. 1 do
Atierro da Boa-Vista, e o primeiro andar de outro n.
3 da mesma ra : a fallar com scu proprietano Joaquim
de Olivera eSouta.
= Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra do
Queimado n. 24, por commodo prego : os pretendenles
dirijo-se a ra do Cabug, loja do ourives de Jlo Pe-
reira Lago.
= Lava-se. engomma-se e coze-se com perleidio lo
da a qualidade de roupa, e por muito barato preco : na
ra das Trincberas n. 20.
- Pelo juito da segunda vara do civcl so bSo de ar-
rematar, na tarde do dia 20 do correle, varios objectos,
perlencentes a odicina de ferrara, penborados por exe
cucao de Mesquita Dulra & Companbia, contra Do-
mingos Jos Pereira da Costa.
= Manoel Ignacio da Silva Teixeira participa que
continua a labricar excediente pao o bolaxa da melbor
farinha que he possivel, em sua padaria na praca da
Santa Cruz# unto ao sobrado da esquina da ra Ve-
Iba, e da mesma forma e qualidade na travessa da Ma
dro-de-I)eos n. 11, assim como caf moido da melbor
qualidade, e preco muito em contJ, om qualquer das
sobredi tas casas.
__Ainda se nao concluio o traspseo da padaria da ra
da Gloria n.55; quem quiter aproveitar so da occaso,
procure na padaria da praca da Santa Cruz, junto ao
sobrado da esquina da ra Velba, a tratar com Manoe1
Ignacio da Silva Teixeira.
=0 vigario Sehastiio Jos de Moraes Bello, por ter
fallecido seu pai o capitao Jos Francisco Bello, roga
ao credores do mesmo fallecido, compareci na ra
doRangeln. 26, 2." andar, com os seus documentos
authenticos para tratarem como annunciante sobre seus
pagamentos. ....
__Aluga se urna casa terrea n. 3 no [principio da
ra do Sebo, com bom quintal, o a ra propria para
commcrcio c aluga-se por preco commodo; a trat do
theatro publico, arma/ens ns. 2G o 18, a fallara Joa-
quim Lopes de Almeida, caixoiro do Sr. Joao Ma
theus.
=Precisa-se de urna ama forra ou escrava; queu
estier nestas circunstancias, dirija-so a ra da Gloria
=Pergunla-se a quem souber, se ja foi derogada a
postura da cmara municipal, que prohibe os eslabeli-
cimentos de fgos activos dentro da cidade; visto que
acaba do ser assento, e acha-se em trabalbo ,um appa
rclho destilatorio de Derosne, no armazem junto ao
tanque d'agoa do Sr. Cerdea!, na ribeira de Santo
Antonio; pois que tambem deseja estabececer urna pa-
daria no mesmo lugar o Pcrguntador.
__ Urna mulher de bons costumes se ollerece para
amadeessa de bomcm solleiro, ou de pouca familia:
quem precisar dirija se ao bteco do Sarapatel n. 11
= Aluga-seo armazem aondo tem prensa o Sr.
Mendonca : a tratar na ra do Vigario n. 10 com
Thomax de Aquino Fonseca Jnior.
= Ensina-se grammalica latina com loda a perfei-
cio eem breve lempo ; da mesma sorte philosophia,
erhelorica: na ra Nova, n. 52, segundo andar.
= Um rapaz Portuguez de idade de 14 annos ,
to ao arsenal de marinha coni muitos commodos para
familia e muito fresco : a tratar na loja da esquina t
do becco da Congregacao, n. 41.
= o-se 1008". a premio ; na ra do Noguei-
ra, o. 27.
= Jos Goncalvcs Ferrcira c Silva embarca para a
Babia os escravos Jacob Delfina o Antonia para so-
rom entregues a seu senhor, o doutr Casimiro de Se-
na Madureira.
__Precisa-so de engajer, para a provincia do Mara-
nbao dous bomens, sendo um perfeit') mostr de as-
suca., e outro perfeilo purgador, e quo deem conheci-
mento de sua conducta : quem estiver nestas circuns-
tancias, dirjase a ra larg do Rozario junto ao
quartel de polica padaria n. 18.
- Quem precisar de um homem para adn ilustra-
dor docngenho ou mesmo para caixeiro dinja-se
a pragada Independencia, livraria ni. 6o 8.
r= Aluga-se urna tasa terrea com commodos para
familia na ra da Gloria, n. 4.">, da parle do reco-
Ihmento das freirs : a tratar na loja de fazendas, ao
pedo arco de N. S. da Concec,So com Francisco
Goncalves.
__ Bartholomeo Auhe vai ao Rio-de-Janero.
C. Starr&C. ainda que oao infado o publico
lodosos dias com vaos annuncios, continuao realmen-
to a fabricar na sua fundigao de ferro na ra da Au-
rora, com a maior presteza o perfekao, loda a qualida-
de de machinismo de ferro o broozo, por maiores e
mais complicados que sejao. Na mesma labrica achao
so machinas de vapor proprias para engenbos, as quaes
n3o demandSo outro fogo senao o doassentamento;
moendas do canna de urna conslrucco original e muito
superiores; moinhos da mandioca, tambem originaese
j muito afamados; arados de ferro; carros de mo;
ditos do duas rodas para barricas; serras para serraras;
paral'usos e porcas, e muitas oulras obras desta nalu-
reta.
=Aluga-se a loja do sobrado da travessa dos Expos-
los, por delraz da matriz de Santo Antonio n. 18; um
armazem proprio para qualquer estabelecimento, por
ser muito grande com seu quintal e cacimba ; quem
o pretender procure na ra larga do Rosario, a Joo
Manoel Rodrigues Valenca.
Antonio Jos do Olivera Castro retira-se para
fra da provincia, levando em sua companbia um
caixeiro e um cscravo.
__ Aluga-se um sobrado de um andar esot8o.com
commodos para grande familia, na ra Formo/a: a tra-
tar no Alterro-da-Boa-Vista n. 38.
Aluga-se um sitio animal perlo da praga, que to-
nha arvoredo, boa agoa, planta do capim e casa de so-
brado : quem liver, annuncie.
__Troci se duas imagens, sendo urna de N. Sr *
daConceico, do pedra da Babia, eaoulra do N. Sr."
d'Agrella do madeira e muito perleta: na ra da Son-
zalla- Velba n. 112, no segundo andar.
Alugao-soos l.e 2."tndares da casa da ra larga
do Rozario n. 48, com suficientes commodos para la-
milla, ou separados, ou juntos : quem os pretender,
pode dirigir-so a padaria existente na misma loja, que
abi achara as chaves para os ver c tratar.
__ O abaixo assignado, senbor o possuidor do criou-
lo do nomo Antonio, idade, quo representa 28 annos,
estatura regular, ebeio do cOrpo, barbado, cantos na ca-
beca, tem lallanle, rosto redondo e com um calombo
em um dos dedos da mi direita, por compra, que del-
Ic (iza cu. G de junho do correnle anno a Jos Leo-
nardo desta praca, que ohavia comprado aJoao Fer-
rcira de Almeida Callado, morador no Altinho, onde
dizem achar -so acollado o dito scravo roga a todas as
autoridades policiacs, e capitaes de mallo a apprahen-
sao do mesmo rscravo, c a sua conducfio ra Direita
sobrado n. 40, ou ao engento Pintos; prometiendo o
mesmo abaixo assignado a gratificscio de 50 rs. a
quem quer que Ihe lizer entrega do mesmo cscravo.
1 J. /'. da Crux.
Vicente Tliomaz dos Santos retira-so para fra
desta provincia por algum lempo.
BOTICA CENTRAL DO INSTITUTO
Uomeopathico do Brasil.
Possue todas as sulistancias nr-rimenUdas na Eu-
ropa, nos Estados-Unidos e ullimamento no Brasil e as
dynamisacoos feitas pelos processos mecanicosdodr. Mure.
Distribue gratuiU mente a vaccina dynamisada e lo-
dos os outros preservativos necessarios as epidemias
reinantes, o responde a qualquer consulta, que a res-
peito de livios, medicaies, remedios 9 rgimen Ihe
lor dirigida.
Pratica elementar da homeopalhia pelos Srs., Mure
o Marleus. ,
Enriquecida das prmeiras e*penencias puras feitas
no Brasil.
Prego 8*000 rs e 10 rs. com urna boa cncader-
nacao.
Folbona homcopathica, 2. anno, contendo noticias
sobre o estado actual da homeopalhia, o rgimen, eos
estatutos do instituto homeopalhico.
Prego 320 rs. com grande abatimento a quem com-
prar porgSes maiores.
Dirigir-se por correspondencia agencia do instituto
homeopatbico no Kio-de-Janeiro.
O autor dos iG dramas c duas traduc-
coes abaixo designadas,sendo instado pelos
seus amigos para a impresso do drama
Do/.E AlsrSOS DA VIDA DE HTJM DEPUTADO
vai fazelo imprimir no decurso do cor-
renle mez ein excellenle papel e nti-
da impresso, com a lista alpbabtlica dos
Srs. assignantes ; as pessoas que para
esta obra ainda |.relenderem assignar o
podero fazer: no Uairro do Ltecie,
as lojas dos Senbores Jourgard, Cardo-
so A y res e botica do Senlior Antonio
Pedio das Seves : em Santo Antonio, as
livrarias da praca da Independencia e
ra do Collegio ; loja do Senbor Lodi,
c botica do Senbor Bartliolorneu, ra do
Hosario Larga : na Boa-Vista na botica
Iiclt/to das peras CQtnpOitm e datnizi-
dm pelo autor do di ama J)oze an-
uos da vida de de um Deputado. '
A sentinella bespanbola em i8a3.
S. Goncalo de Amarante em 1824.
As fortunas da Cruz do Patrao em
182G.
O imperio da verdade em i83o.
Morle de Telles JordAo em 183.1.
Marlviio de S. Engracia em t83G.
Sopbia de Nassau em 1837.
U macaco sensivel em i8.'58.
<). Hodolpbo e Polisca em i838.
10. A Cifra de Milord Rusbem em 1839
11. A pianista em i83q.
i a. Os lies viciosos em 1839.
i3. S. Jiailbolomeu em 1840.
de Pariz (tradueco)
i5.
Prelende-se arrumar em loja de lazendas, do quej do Senhor Uameiro no largo de Santa
em pratica; quem o pretender, dirija-se a ra do (Jruz. consideravel numero de pessoas
Queimado, o2. lem assignado, faz com rjue o autor
= A nase o segundo andar da casan. 147, un- luv J o -lft,u
'"o" *~ b ,. ____.j______ ..,,,... ,,,,,,,, ai n n (Icci'clit tul mivrpssiirt lies-
mpreguc todo o desvelo na impresso des
.a obra cuja assignatura ser smente
paga na occasio da entrega dos dramas ,
le at vista da belltza da impiessao.
(Juinze annos
em 1840.
CoroacSo de O. Alaria 11 em 1841.
iO Doze annos da vida de um depu-
tado em tiS'i '|.
n. Os successos, (traducrio) em 1845.
18. balalba de Guara rapes ein 1833.
k Aluga-se, ou vende se por preco commodo, urna
canOa aborta construida de novo que poga em dOO
lijlos de alvenaria ; na ra da Praia de S. Bita, so-
brado n. 1, ou alraz do Carnio no eslaloiro do Mo-
raes.
J.endo no Diario Novo, de 10 do correnle,
um annuncio, que tinba por epgrafe bellezasorato-
r.asdo Proto-nutano apostlico, e assignado pe-
lo Caraiba selvagem ja bem condecido ; e na
cunviccao de que o tal sendeiro mordido de mortal
inveja procura ferir o mrito do orador, a quem
se dirige mpulando-lho o emprego das Irazes pvru
de milagrts', subis meus irmos aot cot, e recebe-
reis o premio, que est utervado aos justos, em um
sroslo pregado em S. Bita de que lu ouvinte c
sein que todava ouvisse semelhanles phrases; porque
realmento o orador dolas se nao servio releva pois
advertir ao tal animalejo arvorado em critico que o
maior correctivo de bellezas, oratorias sao bellezas mo-
rats, essasque tanto fenecem na pessoado srdido mal-
sm de sutaina cuja maledicencia 'ser amordacada
com todo vigor, se por ventura continuar com seus in-
sultos : ouviosenAor pao de vira-tripas ? Pois bem ,
assim o adveste Um dos ouvintes.
__ Vicente Tbotnaz dos Sanlosembarca par o Bio-
dc-Janeiroassuas escravasCalharina Eugenia e Ma-
ra com sua cria.
= Trocao-se G imagens, e vende-se um quaito
novo, muito carregador: as Cinco-Pontas, n. 160.
O abaixo assignado pela segunda vez roga a pes-
soa, que ibeseduzio o seu escravo de nomo Matheus ,
baja do o soltar, ou enlregal-o ao abaiio assignado ;
quo reccher urna graliicaeo ventajosa, ese promet-
i guardar todo o segredo : do contrario ser o seu no-
mo publicadopor esta folha e se proceder com lodo
o rigor da lei. Constantino Josa Raposo.
= Em poder de Claudio ubcuz, morador na ra
dasLarangciras, n. 18, existe, desde o dia 1C do cor-
rente ummolequecrioulo.de idade de 14 annos ,
pouco mais ou menos ; o qual diz ser de Lampina-
Orando, e que o senhor cbama-so Jo5o Pereira: quem
for scu dono podo o mandar buscar; adveitiodo-se ,
que nao se responsabilisa pela fuga do mesmo.
= A casa de sobrado em Fra-de-Portas, ra do
Pilar, n. 198, que o Sr. Antonio de Aguiar e Albu-
querquo annunciou para vcnder.noZJiari'urf Ptrnam-
iue, de 4 do crtente a abaixo assiguau* liwilaM ,
que Ihe esta hvpolhecada, em metade pelo mesmo
Sr. Albuquerqe e faz este aviso para bem de todos,
.oniraniina Jacinlha da Motta.
AltencdoW.
- Sabio boje a luz o Echo da Verdade mpresso
na lypographia Nazarena. As suas doulrinas so as da
liberdadee ordem. A sua lingoagem forte mas decen-
te Eis, na nossa arena poltica mais um baluarte da
monarchia liberdadee ordem. Eis rapazes da praia
mais um lorte antagonista ; a elle Cbovio os vossoa
improperios sobro elle &c. Estar as 8 horas do dia
venda na livraria da praca da Independencia, ns. 6 e
8 a 40 rs.
LOTERA DO THEATRO PUPL1CO.
Devendo esta lotera, pelo adiantamento da ren-
da de seus bilhctes, sera que primeiro tem de dar
andamento as suas rodas ; est o respectivo tbesourei-
roresolvido a fazel-a extrahir no presente meide ago-
to inlallivelmente : para o que convida aos amadora
desle jogo a se provenirem de bilbetes, os quaes achio-
se unicamentoa venda no Lairro de S. AnUnio na
loja do mesmo tbesoureiro ra do (Queimado o. 39,
e na bolica do Sr. Joao Moreira paleo da matriz; e
no bairrodo Becife lojas de cambio dos Srs. Vieira,
e Manoel Gomes. Escusado se faz lembrar ao respei-
tavel publico a confianca que mereco esta lotera, pe-
la regularidade de scu processo do extraegio; processo ,
que passa a ser ainda mais perleramente desempenbado;
porque as rodas teem de andar segundo o novo re-
gulamento ; entretanto que as loteras, que bo an-
nuncado, parece n&o se quererem desaferrar do enli-
go systewa de extraeco.
LIQUOR DA CHlN.t OU KSSLNCtA DA FOBMOSURA.
O cheiro delicioso o suave desto precioso e bem co-
nhecido cosmtico o torneo digno de figurar nos
mais elegantes /oi'/eli Ello amacia, limps, bran-
quea e alisaa pelle; entreten) sua frescura e brilho na-
turacs; tira as sardas, pannos, es, inhas, eoulrasalec-
ces cutneas; las dosapparocei a caspa da cabeca e
previne a sua reproduccao; foi tilica a da lustro aos ca-
bellos; tira o mao alito; conforta a geogivas e previne
a dor dos denles: muitas e mu repetidas experiencias
teem confirmado a efficacia desle cosmtico, em todos os
caso8cma ditos: vende-se someole na ra da Cadeia
n. 15.
O Sr. Candido Severino de Ayilla
dirija-se ra do Crespo, loja da viuva
de Alonso &: C, para negocio que nao
ignora.


I'S ASITICOS CMl.MINADOS.
Elle* posteos a propricdado du lmpar, franquear a
conservar os Jcntcs, ion prodir/.ir a menor altcragiio
no seu viJro ou esmalto, o qual cl'es cndurcccm ;
prc vinem a carie, o dcstrocm a pedra dos den tos ;
coi sohdo as gengivas; dio bocea uina cor, chairo
o frescura mu agradaveis: affianga-so, que ellos nad.
cncerrio que possa ser nocivo aos dentcstvendem-se so-
mente na ra da (lideia n. 15.
JJJ-so .ihciroa juros coin penhores do ouro e
prala, niciino em pequeas quanlias; na ra da Pitia,
n. 22.
=^=< AliiL'3-se a casa terrea na na do Pilar, em
Fra-de Portal, o i; umadita na ra dosGuara-
rapes no mesmo bairro n. 13: os pretendentos di-
rija-se a Antonio Joaquim de Soun Riboiro na ra
daCadeia do Kccife, n. 18.
= Troca-se dinbeiro de cobre por cdulas com o
rebate d urn por cento cm gran les o pequeas por-
ss A pessoa, quo annunciou querer comprar la de
recha do eanna dirija-so a ra do (Jueiinado, n. 28,
segundo andar.
Compras.
Compr5o-se barris vasios; na ma Direila, n
= Comprio-se dous machos, ou nulas ; um falo de
(olear forinigas; dous quartos : no principio do Al
terro-dos-Afugados n. 31.
as Comprase um banhuiro de fe I lia com eclindro,
que esteja cm bom estado ; quoin livor, annuncie por
esta folha.
= Comprio-so dous candieiros de paredo o todos
os posos, medidas o balangas do venda ; nu ra do
Rangel, loja do cera, n. 3.
= Compra-so una preta quotonba liabilidados ,
c boa conducta ; quem tiver annuncie por esta folba.
= Compra-se lia de frecba Jo canna c do outras
qualidades, que sirvi para eneber cok-bao ; paga-se
liem : na ra Nova delronte Ja igreja da Conceicfio,
ii. 28.
Compro-se urna escrava moca que saiba co-
zinhar o vonder na ra, o quo seja fiel; na ra das Cru-
/cs, n. 30, primeiro andar, so dir quem compra.
Comprao e o stimo e oitavo volumes do Pa-
norama ; no Alterro-da-)oa-Vsta, n. 3i.
Vendas.
= Sihioa luz, e vende-se por 320 rs. na praca da
Independencia, livruria ns. e 8 o Alpbabeto da
malicia das mulbcres seguido do alguns versos sobre
a crcacio da inulbcr.
- N'i'inleiii-se cortes do cbit s frunce/as muito finas.de
assootos escuros do ijuadros e listras, cures lixas du 4
palmos e nieio de largura e de gojto muito moderno,
a 3200 ri. ditos com 13 corados a 5000 rs., ditos
de cassa-ebitas do cores lisas a 2000 rs e em co-
vados, o 240 rs., ditos do cbitascom assento escuro, a
ItiOOrs. lucan lia de rolo com 10 varas, muito en-
corpada, a 2000 rs., camisa de meia, a 1280 rs., brins
trancados de linbopurocr de ganga e escuro, a 72U
rs., ditos brincos, a 1000 o 1280 rs. madupolio en-
festado a 5800 rs meias casimiras do algodo mui-
to cncorpadas a 4&0rs. o covado, brins francezes de
quadros o listras a 400 rs. o covado fustoos pa'a
eollte a 320 e 480 rs. meias para meninos e me-
ninas b 200 rs. o par, e nutras muitas lazendas por
prego commodo ; na ra do Crespo loja n. 14, de
Jos Francisco Dias.
=Vcndem-se, ou trocio-so por ouroveliio ou prata
quebrada, as seguintos obras de prala contrastada: um
apparelbo de cha, urna cafeteira, um bule desirmana-
nado pequeo, algumas salvas pequeas, urna escrita -
ninba, um par de caslieaes, um laquciro, praloso
thesouras para vela, dous copos, varias colheres pura
cha, cun par de brincos de ouro di'20 iiilales:na mi
da Cadeia do Recifo n. l.o andar.
= Vendc-io potassa americana muito nova c de
superior ijii lidile cm barris pequeos; na la da
Cadcia-\elba armaiem do assucar n. 12.
==; Vende-se, a dinbeiro ou a prazo com boas firmas,
ou troca-se por predios nes'.a praca,ou escravos.uma pro-
^riedade do trras, que dista duas leguas da tidade da
simos da presente lotera do Ihcatro publico destacidade;
ujasrodas deveni tero seu andamentojmuitobrovemente,
ainda mail pela rpida exlracgio, i|uo vio tendn
caOtellai, que, pelo seu diminuto valor,a lodos ehcgo:
os amadores deto interressante jogo concorrao a com-
prar anda mais as mencionadas cautcllus, a lim do qun
dcllas se provinio em lempo antes que andem as ;o-
das da relerida lotera, o que esta mui prximo. Os
procos das caulellas sao: decimos, a IgOOOrs. o vi-
gsimos, a 500 rs O pagamento do que por sorlo sabir
na exlraccao da lotera sera promptamenlo realisado na
mesma casa cima.
--Vendo-so urna escrava moca de bonita figura c
sem achaques ; no Mundo-Novo, n. 17.
= Vende-se um escravo do '0 annos do bonita
figura bom para pagem, e mesmo para o ser viro de
Campo; duas pretas, sendo urna para lora da provincia;
umadita engommadeira, coiinbeira, cose e faz todo o
mais servieo de uina casa; urna negrinba muito bonita,
propria para mucama de alguma menina : na ra lar-
ga do RoArio n. 46, segundo andar.
as Vende-se potassa da Itussia, cm barris peque-
nos ; na ra da Senzalla-Velba, armazeui n. G.
= Yendo se potafsa da Itussia, muito nova o ar-
cos do Porlo para barricas ; na ra do Trapicho, ar-
II!a/em n. 17,
Vende-se polassa da Itussia nova, o superior a
320 rs. a libra ecal virgom em pedra, do [Lisboa; nu
ra de Apollo, n. 18
= \endo-so una escrava de 20 anuos, bonita fi-
gura cose, engomma o corintia ; dous moloques de
lia 15 annos muito bonitos, um Jeitos bu cano-
eiro c muito habilidoso ; una parda de 22 anuos, cun
habilidades; duas pretas du 2,'i anuos, bous quitan-
cleiras e lavadeiras; dous pretos du 28 anuos, proprios
para cnxada por lerem pratica ; um molecoto de 20
annos, bom pagem ; urna preta do 27 annos, que
cozinba muito bem de Ionio, masSi's, fogio, e engom-
ma liso com perfeigio ; na ra da Floros n. 21.
c= Vende-se assucar refinado caf e cevada moida,
o todos os mais gneros de venda por preco commo-
do ; ludo de boa qualidado : na ra da Cadeia do Re-
cifo venda n 1.
= Vende selenha de manguo muito boa, cinco
achas por quutro vintens; na olera da ra do Coto-
vello.
VcnJem-se8 escravos pecas, bons para todo o
trabalbo tanto da prnga como de campo ; um dilo
bom carreiro ; um dito bom official de pedreiro de to-
da obra ; um mulalinho do 18 annos, bom pagem;
3 pretas, quo co/inh3o engommio o lavo ruupa ;
urna preta boa quitandeira : na ra do Crespo, n. 10,
primeiro andar.
= \ eudem-se dous escravos de bonitas figuras, pro-
lirios para todo o servieo do campo o um padeiro, ca-
noeiro e pescador : na ra da Cadeia, n. 40.
= Vendem se 4 caixilb s pora janellas do sacada;
na loja da esquina dobeccoda Congrcguiio, n. 41.
i= Veiidem-su prunchocs do po d'oleo, por pre-
go commodo; na travissa do Cjueimado n. 3.
= Vendo-so um proto moco proprio para lodo o
servieo; na ra das Larangeiras, n. 18.
= Vende-so una escrava de naci quitandeira ,
cozinbao diario de urna casa e lava de sabio; na
ra Direila, n. 12.
Vcndom-se lindos corles de cambraias do cores e
de lindos padrdes a 5800 o 4200 rs. o corto supe-
riores cortes de riscados do novos padioes ebegados
ltimamente a 5200 o 4000 rs. com 13 covados ,
linissimos cortes du cassa-clntas du quadros e listras de
cores a .j rs. macedunia do quadros para cabs, a t O
rs. o covado,casimira franccza.do listras do cures a HO
rs. o covado, lencos Jo cassa-chitas para grualas, a 180
rs. linissimos cortos de cambraia lisa a 4500 rs
finissiiiio madupolao enfcsludo a 7000 o lOsOl rs
meias de algodio c du superior qualidado a 2800 e
300 rs. superiores pegas do bretanha do rolo
10011 rs. corles do cintas oscuras polo diminuto pro-
co de lO rs., e outras muitas fazeiidas por barato pro-
co ; na rui. do Crespo loja n. 8, de Campos ik Mail,
Vendem-se muito boas bichas ebegadas lti-
mamente de Humburgo os inclliores que lia no paiz ,
e muito grandes; tambom so aluguo o applicio-sc
para mais commodidude dos prcleiidciilcs : na ra es-
treita do liozario, defiontoda ra das Larangeiras, lo-
ja do burbeiro n. 17.
ss Vende so, no depozito do taboadodo louro o ama
larvico ; na ra da Cadeia do Recifo I ja n. 21. de
l.uiz Antonio do Squcira.
= Vende-so urna escrava parda, com uina cria me-
nor ; sola; couros miudos; caixasdo tartaruga foilas no
Aracaty ; na ra da Cruz, no I!e:ifo por baixo do
depotito do rap Mcuron o Companhia, n. 2C.
= Vende-so uin cario de duas rodas, com cavallo ;
na praca da lioa-Visla, n. 30 .
= Vondem-sosophs do angco, mesas do moio
desala do jogo bancas, camas de arinagio cin-
moilas dcangicoodo amarcllo marquetas, cadoiras
doangico, ditas para meninas, toucadoures bancas
para cozinba junco a rctalho ; tudo do mais moder-
no goslo por preco commodo : na ra da Cambo-do-
Carmo n. 8.
= Vendo-so um molouuo crioulo do 11 a 10 an-
nos de dado de boniti figura e he cozinheiro ; no
caes da alfandega armazein dolronloda oscadinha.
s= Vendein-se dous escravos do bonitas figuras ,
proprios para qualqucr servieo; ni ra da Sonzalla-
Vclha, n. 10G.
= Vende-so a Historia universal por Mlot 10 v. ;
Distroccao instructiva cm bom estado: no Alterro-
da-Boa-Visla n. 34.
= Vcndo-se uina bonita crioulinha rceolhida de
boa conducta de idudo do 18 annos ; urna preta ido -
sa mui da dita crioulinha ; cuja conducta, tanto da
mai como da (Iba so afiam/a : na ra estreita do Ro n. 10, lorcoiro andar.
Vendem-se Inriis com polassa, <]a
mais noi'a que ha no mercado j ni ma Jo
Vigaiio n. ii,
mtmyy -f i "ii 7fca*riMKjr'jjiti*umrCt^Kwy ~ r
Escravos Fgidos.
Victoria denominada Aluga-das-Antas com ,
... i relUt, de Antonio Domingos Pinto, delimito da rdem
urna Ic^ua do terrino, propria para plantaioes, oul. c i > i i i ,
i r j' i i leiccua do S, francisco laboado do toda a qualidado
criacio ; (cm dentro doui grandes assudos, e recebe
do foros todos os annos 200/ rs., quo Ibe pagao; tcm
boa casa de vivenda, com bastantes commodos sen-
zalla para pretos estribara, engenho para descaro-
car a Igodfio prensa para farinba o arinazcns para
depozitos : a fallar com Jos Dias da : ilva na ra da
Cadeia-Velba n. fi9 ou nos Afogados, com Lou-
renco Jos do Moracs Carvalho, na ra do Itozario.
= Vende-so millio em sacca a 4500 rs. ; na ra
da Cadeia de S. Antonio, n. 19, depozito do farinba
de mandioca.
= Vende-se milho novo, a 5500 rs. a sacca ar-
roz com casca a 4500 rs. a sacca o familia de man-
dioca por preco commodo ; em casa de Manool Jos
(oncalves Braga ao p do arco de S. Antonio.
= Vendem-se dous lindos moloques de 16 annos,
poueo mais ou menos; na ra estreita do Itozario ,
n. 31, primeiro andar.
== \ endem-so dous pares do brincos do ultimo os-
lo 3 cordoes, urna cruz dous pares de botoes do
punho 5 ditos do abertura 5 paros de rosetas para
meninos, i relogios tudo do ouro; e obras novas :
na ra doRangel, o. 3, prmoiro andar.
= Vende-so urna ou duai pretas para o servieo de
caa ou mesmo para venderem na ra ; em quanto
u'nflnl.D^
ao servieo do caa, engomma, liso, cuzinbao, cnsaboao
o fazem o mais inico que se precito; na ra do Colle-
gio, n. 15, segundo andar.
Vende-se um cabra serrador, e bom trabalhador
de enxada e do mais servieo de campo moco, sadio,
forte, e bem conduzido ; o igualmente um mulatinho
de 12 annos bem parecido muito vivo, bonito pa-
gem esadio ; na ra das Flores segundo andar do
sobrado da esquina que olha para o rio ou no Mn-
teiro casa do Maciel.
Casa da F.
Ra estreita do Rozario n. 43.
Vendem-se bilbele? o eaulcllus em decimos e vigo-
e grossura de superior qualidado e muito bom ser-
rado por ser serrado por iiiacbina movida por agoa ,
C'lal'clei ida no Mouteiro o por isso mereco toda a
preferencia, em razio do poupar muita mao d'obra ,
por isso quo o taboado osla muito desempeado ; e se
vendu por prego commodo sendo em porcocs mais
avulladas: a tratar no mesmo depozito ; ou na ra No-
va n. 59.
= \ endom-so duas escravas de -24 annos, bonitas
figuras, engomma, cozinbao e lavao de sabio; urna
crioula de 22 annos, engomma, cose bem, cozinba e
lava do varrclla, com um filbo muito nutrido de 2 an-
nos; una escrava do 20 annos, boa figura, cosinha e
lava de varrclla; urna pirainba do 20 annos, engom-
ma, cose, cozinha clava de sabio; urna cabrinba do
13 annos, coto e faz ronda ; urna negrinba do 7 annos;
um moleque de 14 annos, com principio do saputeiro;
um mulat nlio de 18 aunos com principios de pedrei-
ro; 2 escravos do 20 annos para o servieo do campo:
na ra das Cruzus n. 22, segundo andar.
ss Vcndem-sc anda 18 camisas de madapolio bem
trabalhadas a 16,800 rs. a duzia; nlguns pares do ce-
roulus de linlio a 1,200 rs. ; um lencol novo de linbo
fino, com grande babado; um pardo banquinhas para
cabec ira de cama,novas o com podra: urna papeleira do
Sra. em bom uso ; e um apparelbo do cb do porcelana
dourado, (udoemeonta: ra daCadeia do llecife n.
6, 1." andar.
- Vondc-io urna negrinba de idade de 15 annos
muito linda, com principios do varias habilidades; um
moleque do n8cao,dc 14 annos; oulro dito do 16 annos;
um mulatinho de 14 annos ptimo pura pa-
gem ; outio dito de idado de 18 anuos ; um es-
cravo do idado/de 20 annos, do nac,io ; urna es-
crava do nagao do 18 annos do idado,cozinha o diario de
urna casa e engomma; tres escravos de necio com bo-
nitas figuras, cozinbao e lavao bem do varrclla, todas d
muito boa conducta : na ra Direila n. 3.
=Vende-se um preto mojo proprio para qualqucr
= Vcndc-io fazenda estoceza de muito bonitos pa-
dioes o larga pelo barato prego de 520 rs. o corado,
ricos cortes do cambraia do quadros de cores e de mui-
to delicados gostlo para vestidos do senhora a 5500
rs. ditos com listras muito boa fazenda a 3800
rs. cortes de chita do muilo bons pannos, a 1900,
e 1500 rs. cbales do lia de bonitos padrdes a 2000
n. algodio azul muito largo a 220 rs. o covado ,
cortes do rollete de veludo do cores, a 3500 rs. frun-
jas para cortinados, de bonitos padrocs, a 4000, 45o0,
5000 e 6000 rs. dannsco de lia com duas larguras ,
muito proprio para colchas do cama a 2000 rs. o co-
vado o outras muitas fazondas queso venderlo por
monos do que cm nutra qualquer parto ; na ra do
Ciespo, lujan. 12 de Jos Joaquim da Silva Maia.
=Vendo se urna bonita escrava com habilidades,
rceolhida, do 16 annos de idade e de ptimo conducta:
na ra estreita do Rozario, venda n. 31.
Vende so nina crnica que Irabalba COm cavallo :
na praca da Boa-Vista, loja de se.ciro por baixo da ca-
sa do Sr. brigadeiro Almcnla
Vendem-se saceos do milho ditos do arroz de
de casca ditos de arroz pilado, dili s de feijio mulati-
nho ; ludo do alqueiro da medida volba : na ra da
Cadeia do Recifo, n. 8.
= Vende-so um rico annolio de brilbanto por
preco commodo; na ra Nova, n. 21.
=Vende-se lona da Russia com um pequeo to-
que do ovario muito recomniendavel para camas de
vento encerados o outre applicacio, pelo barato pre-
co de 400 rs. a vara; na praca da Independencia,
loja n. 4.
= \ en de-so sola, couros do cabras, bezerros, cera de
carnauba dita amarolla pennas de orna por prego
commodo ; na ra da Cruz, n. 51.
= Vendem-se cortes do chitas finas com 12 covados,
a 2000 rs., mcios chales de cambraia bordados de cor,
a 610 rs. corles de cassa bordada do cor, a 3200 rs.,
cassa amarella propria para vestido, a 2i<) rs. a
vara, chitas oscuras final altiOrs. o covado, len-
cos de gorgurao preto para poscogo a 5000 rs. gan-
gas azuus a 00 rs. o covado, pannos de quadros pa-
ra mesas, a 600 rs. mursolinas adamascadas muito fi-
nas a 8C0 rs. a vara, aventaesde cassa paro senhora,
a 2j n. pescocinhos de cassa a 500 rs. o outras
fazendas baratis ; na ra do Cabugti loja do Anto-
nio llodrigues da Cruz.
Vemle-ie carne do serlao do muilo boa qua
lidaJu tanto cm porcao como a rotollio ; na ra da
Conceicio da lloa-\ isla n. 24
Vende-se um escravo do Angola, de idade do
17 annos bonita figura sadio o seiu vicios; no At-
terro-da Roa-V'iila loja de ferragens n. 46.
Vendem-sooculos do dous ei vidroi purgan-
las o vomitorios do la Roy loitos por o mclhor au-
tor meias do algodio, brancas c lisas para senhora,
papel almoQo e de peso blanco e a/ul e outras mu
las cousas por pn co baralo ; na ra larga do Rozario ,
loja do miudezas, n. 55.
Vende-se cha hvsson em caixas do 13 libras, em
porcocs o a retalbo; em casa do MatheuijAulin & C. na
ra da alfandega Velha n. 36.
- Vende-se um costtueiio novo com
lodos os pertenecs necessarios para Se-
nhora, um relogio de quadio com msica
grande, meio appareilio completo de jun-
tar, e um dito de cli de louc-a da India
do mcllior gosto, ludo cliegado do liio
de Janeiro e por preco em cunta : na ra
Larga do Rosario n. 35, primeiro andar
Vende-se l'arelo, pelo mdico pre-
co de 4-sooo c 2s'56o rs. j na ra da
Senzalla Velha n. i38.
Vendem-se Goo palmos de terreno
as mallas que foro do engenho da Torre,
com fioo de fundo, a preco muito commo-
do de ?..sooo ris o palmo, e tambem se
vende em pequeas poicocs; tem boa
vista, por dcscohrir quasi lodo (ordeiro,
e icar muito perto da heira do rio com
pouca distancia: quem os pretender diri-
ja-se ao Coelho, ra dos l'razeres n. io,
das 6 as 9 horas da manha, e das a as 6
da tarde
Vende-se vinagre superior a 4o
ris a caada j na ra do Atierro dos A-
logados n. 7.
= Vendem-se rieai caixai de tartaruga botini o
meios ditos de Lisboa chegados no ultimo navio e
eitojos do navalbas inglezas, a contento ; na ra dos
Cjuarteig n. 34.
= Nodia 17 do corrente, a ncute (u-io u.:i Pi_
cravo do Angola do nonio Jo3o do idade do olan-
nos ; o qual ho bem conhecido nesta praca. por ser
olicial do marcinciro o (er trsbolhado em diverias
tondas, j tcm bastantes cabellos bransos bom bar-
bado denles limados, estatura regular, ha chcio do corpo pos apalhetados; levou camisa de ri.
cadoazul, Caigas de casimira esbranquigarla, aquclj
branca : quem o pegar levo no bairro da Boa -Vista
lefronto da matriz por cima da botica da viuva Cu-
nta Forreira legundo andar qu ser ricompen
sado.
= Fugio, no dia 5 do corrente mez de agosto, urna
escrava de nomo Marcellina de nagao bstanlo alia
secca do corpo ps bastantes grandes, cara comprida,
de idade de 30 a 40 annoi; levou vestido oe riscado
encarnado cor de saogue de boi, com listras encarna-
das c pretas, urna toalba, e sem panno: quem a pegar
leve a ra larga do Rozario, n. 46, tegundo andar,
que ser recompensado.
= Fugirio, no dia 6 do corrente agosto, 2 escravos,
sendo um crioulo de nome Cyprianno de idade du
16 annos estatura regular; este fugio do engenbo
Pedreiras, comarca do Goianna : o oulro de Angola
de nome Joan estatura ordinaria, chcio do corpo,
com urna cicatriz na lisia de idade do 20 anuos, be
official de tanoeiro e trabolha de carpira; ausontou-
te no dia 14 rJo corrente : quem os pegar, leve a lina-
Villa cisa cm que mora o Sr. doutor Gomes pr.
inoiro andar quesera bem gratificado.
= l-'ugio, no dia 14 do corrento, um preto do no-
me Joio de nagao Angola representa 30 annos de
dado, cor fula, baixo, pernas e ps poquenos, den-
les limados; levou calcas e camisa de estopa grossa;
quem o pegar leve a ra Direila refinacio n. 10 ,
quesera bem recompensado.
Na madrugada do dia 17 do cor-
rente mez fugio, desta cidnde do llecife .
urna escrava de nome Tbonfazia quo representa ter
20 a 25 annos de idade, com os signaos seguintes:
baixa secca, cor fula com falta de um ou dous len-
les da parle do cima ; levou vestido de chita de qua-
dros escuros panno da Costa cordao de ouro ao
poscoco com um annel cufiado no mesmo ; consta
ter ido para a cidade de Olinda : por isso roga-se a
pessoa, quo a vir, de a mandar pegar e levar na rui do
Crespo, n. 11, bairro de S. Antonio, que ser bem
recompensado.
= No dia 14 do corrento agosto fugio um preto do
nariio M i-ambique do nomo Benedicto, alto, tdr
preta, rosto unilo falla fin, olbos vermelhos ; lem
urna orelba furada ropresenta lor 30 annos do idade,
ho canoei ro; levou camisa do algodio da trra e cha-
peo preto de pello j usado : adverte-so a pi ssoa quo
o desencaminbou c o lem oceulto em casa do o pr
quanto antes em liberdado, do contrario se proceder
com o rigor da Ici contra o autor e leus seductores, para
0 quo ba provas bastantes : quem o pegar, leve a ra da
Cruz, no Recifo, n. 52, que ser recompensado ge-
nerosamente.
= Fugiro: um preto de nagao Cacange do nomo
Jacinlho de idade de 40 annos. pouco mais ou no-
nos ; tem urna orclha furada rosto um tanto lorgo,
01 dous dedoi polegares dos ps torios, estatura regular,
barbado; suppSe-se lor ido para o malto : um mole-
que de nomo Flix de nagao Cagange de idado de
18 annos pouco mais ou menos, sem barba mudo
ladino; tem cravos nos ps, costuma a vender caina-
res quandoanda lugido. Quem os pegar, levo a rui
da Madre-do-Deos n. 36, segundo andar, quesera'
recompensado.
= No dia lo do corrente fugio um preto do nago
Congo de nome Domingos est tura regular, ca-
bellos grandes rosto comprido pouca barba suis-
sasgrossas denles abertos, com algumas marcas do
bechigos ; levou caigas e camisa de algodio da trra,
chapeo de palha ; lem officio de caranguogeiro falla
bastante grossa, o be bas'anlo civilisado : roga-se 1
todas as autoridades, que dello tiicrem noticias, ou
outra qualquer pessoa, o faci remeltor a ra do Ca-
bug sobrado n. 3, casa de Antonio Rodrigues da
Cruz, que generosamente gratificar a qualquer pes-
soa que oconduzir.
= Fugio no dia 29 do setemhro do 1841 a pre-
ta Margarida crioula, de idade do 22 annos, pouco
mais ou monos com os signas seguintes : estatura re-
gular peitos grandes com tolla do denles na frente,
e alguns podres cintura fina, muito bem fllenlo,
nariz chato ps pequeos e apalbetados um lalbo
em um dos joelbos ; consta andar vendendo mludens
para as bandas do Norte alcPedras-de-Fogo, em titulo
do forra,e dizem ter mudado o nomo para Maria; quem
pegar, leve no bairro do Rocife venda da esquina,
que vofta para a ra dos Tanoeiros que receber
IOOOOO rs. de gratilicacio, de Jos Antonio da Costa
Braga.
= No dia 11 do corrente mez, dosapparecco o es-
cravo Joaquim official do saputeiro pardo claro,
muito baixo que parece anao e po: isso nao se con-
funde com outros crpoe pernas gressus bom ca-
bello, quandoanda pucha por urna perna por ter que-
brado a cocha cm pequeo ; tem muito pouca barba ;
de idade de 27 annos, mas pareco tor 18 a 20 annos;
julga-se que ter marcas as costas e nadega de chico-
te por sor muito velhaco : quem o pegar, ou der no-
ticias dille a iniz Antonio do Moiaes Silva no Me-
c fe casa da esquina da ra Nova ou no seu sitio di
lbura, ser recompensado.
No dia dia 17 do trrenlo fugio um niohquodo
niQ?o Angola do nome Benedicto do idado do 14
a 16 annos cor bem preta bocea giandc beicos
grossos, barriga grande ; levou calcas de brim bramo
de listras e camisa do algodozinho : quem o pcg*T
eve a ra estreita do Rozario n. 45, logundo andar,
quesera pago de seu trabalbo por seu senhor Manocl
Pereira Magaihes.
PERN. : NATYP. DE H. F.DEFAKIA *^i5'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKFOICIBL_36VBTR INGEST_TIME 2013-04-13T03:09:06Z PACKAGE AA00011611_05842
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES