Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05838


This item is only available as the following downloads:


Full Text
de IMS.
Unno
Quart.1 fcira 15
n / lii/O publica-sc todos os dias qne
. .Mi de guarda: n pceo da assigna-
1" ,'l, de Wrs. por quailel pagns titanla-
P" Osaiiriu'nrios dos assi^nantcs ao-inse-
L o ra5 dc 20 ,,'is 'T li"h"'140 '"
Efldilleri-nlf, c as repelieses pela niclade.
me na forcm asignantes pagao 80 ra.
Kf linha, o fiOcniipudUicrcnte.
Pll \SBS DA UU KO ^.Bg AGOSTO.
.,,., a 3 as 5h. e 5 min. da inanhaa.
, &m le a 10 a 8 he 21 ...autos da tard.
ll.lll
.liria a 17asl0hoi. c 5? mi... da man.
^oa.uea24aJ4hor,c7m.daUrde.
PARTIDAS DOS COIVREIOS.
Colanna, Parahvba, c Rio Grande do Norte
Segundas Sextas reirs.
Cabo, Scrinhac, Hio Farinoso, Porto Cal-
vo, c Mscry, no I." 11 e 21 de cada uiez.
Qaranhuus e ribnlto a 10 eM.
Boa-Vista e Flores a 13 e 28.
Victoria as Quintas frlras.
Oliuda todos os dias.
PREAMAR DF. HOJR.
Prlmeira a 1 h. 18 min da tarde.
Segunda a 1 li. 42 minuto da Msmhna.
de A roslo.
liHVMI&X'KKX'A
Anno XX N. I*.
DAS HA SEMANA.
11 Segunda S. Tiburrio, nnd. do J. del).
* da 2. v. c do J. M. da 2. v.
12 Terca S. Clara, aud. do J. de l>. da 1.
v. e do 1. dos Feitos.
: Ounrta S. Ilypolito, aud. do J. de 1).
da 3. vara.
14 Quinta S. Kiurbio. aud. do Jiu/. de IV
da 2. vara, e do I. M. da I. 0.9. f
i.i Sesaa >> Assuinpcao de Nossa Sc-
nliora.
11 Sabbado S. Roque, aud. do J. de I).
da 2. vara.
17 Domingo S. Mmede.
CAMBIOS NO DA II DE AGOSTO.
Cambio sobre opdres. 2.">d. por lj a60d.
,, Parte 370 ri'is por franco.
. .. Lisboa 160a 125p.c.pr.p.m.
Dcsc. de Irt. de boas Armas l '', I '/i I- *'
Oioo-Onca iicspanliolas HUMH) a 32*1(00
n Mocda de ,. de 0*400 n.iv. 17*800 a 180imi
, de 4f)00 9,j00 !,.*7"
Prato-Palacoes 1/070 a MWW
Peso Coluiniiare*. 1/980 a **TH'"
Ditos Mexicanos l#Mu a l/0'O
Moedas de 2 patac. 1#780 a 1#W>0
AecSW da C do beberibe de DOjJWOao par.
DIARIO DE PERIVAMBUCO.
PARTE QFF.C1AL.
Governo da provincia.
KXPEDIENTE DO IIIA 9 DO CbMENTK.
OflieioA< conimnudante superior da guarda naci'o-
lii.il d" municipio do Reoifo, declarando, que o segundo
Ibstalliao da referida guarda nacional devo ser dividido
lentre as fr*gieiias de Sanjo Antonio e S. Jos destn ci-
dide de maneira que cada um dos no vos fique cumqna
lira c'oinpsnl.ias; significando, qno estas dever-ae-hao
cumpor dos guardas ja qualifioados em cada una das
Imenrienada freguesias, o dos ndvdiins,.ncllas residen-
I,,., que ealivcrem as cireumslancias da o ser; pro
|tiiiiid-o, de que os nfticiaes dos companl.ias, que
jiiiarem para segunda das supraditas freguctia,
[lesea, ficar pertcnoendn ao batall.au della, nio obs-
JijiiIij moraron na outra, e vico-Tersa; ditendo, que
L commandanto do balaihao do SSo Jos, apenas se
Eipreseular fardado o titulado, deve ser rconnliecido e
mnossado em frente daa oompanl.ias existentes con.
Lundad.is pelo napitio n.nia antigo; e renanrando-o,
hmr liaver dado orgaiiisacSn esto iiliiinn batalhlo, an-
1(1 ile ter rceebido oa esclarecimentos, que respeito so-
Ijciira da presidencia.
T DitoAo inspector da llicsouraria das rendas prov.n-
Lian, ordenando, faca adiahter trea roetes de aoldo ao
Utulnoonicnlo policial da Boa-Vista.
J|)ioAo niesmo, npprovando contracto, pelo qnnl
|i Bernardo do Albuquerque Fernandes Gama se arron-
fdou gratuitsmenle o jardim botnico de Oliuda.
DitoAn director do orsenal de guerra, autonsando
la compra do 7 pares do dragonas paro inferiores.
I DitoAo mesmo, dando Ibo faculdade para deixar de
Ifner carregarao respectivo almojarife a plvora de 4220
Icirlum embolados, que, por virar n canoa, em que o
rio condolidos, moll.rSo-se e arrui.ro-s<\
Dito-Ao mesmo, facultando a admisslo, na oompa-
tliia dos aprendite menorbs, do menino Flix da Trin-
dade Torres, que, allegando sua orpl.andade, miseria e
doaui|iaru, ll.o pedir ama lal admisso.
Dilo-Ao mesmo, Recusando recepcio Ju balanoeto
Dcniniistrativii da plvora, que lili ao consumi, Ten-
deo efieou intatta em o mei de junlio prximo paa
lado; o das copias do livro-calxa do referido mes e
do inmediato; determinando, exija do alinoxarito a
raio, porque ainda nao aprcscnloii copia do livro-
cnixa do me do abril; e fatendo sentir, que roui censu
ravel se torna eisa oniistio.
DitoAo cngcuhciroera ohcfe, aulorisando-o para,
ilepois do salisfeilas as formalidades dos artigos 44 c la
da lei provincial n.u, 9 o artigo 48 capitulo 8 o da do
n.o 129, mandar extrahir do terreno, proxi.no ao lado
dircilo di primeiro lauco da estrada do Norte, o do pro-
priedade de Jos Joaqun, do Rogo Barros, o barro ne
crssario para coberta do empedrnuieiilo do largo do pa-
ifrioda presidencia.
DitoAo mcsn.o, ordenando, que. por oonla ta ver
UoAraiimpraeisfac, .ou pela das diveruu t timtuaet,
(piando aquella seja pequea, mando proceder aos ooo-
errtiisda cadein da villa do Cabo, oteados em 300/000
rs. Parlicipoii se no inspector da llicsouraria das rcu-
das provii.eii.es, ao inspector-fiscal das obras publicas,
ao i-l.efe de polica interino, e ao comniaiidanle superi-
or do Cabo, que a cerca de seiiielhanle concert havia
rrprehenladn.
PorlariaResolvendo, qno o Batalho do S. Fr. Pedio
Ga.icalves leuba a numernco del.6; o do Santo Aillo
nina de 2.0; o de S. Joso i. de 3. o da Boa-Vista a de
4."; o d.s Afuijadoe de 5.0; o do Poco da Ptnella a de
6.'; o d- S Lourenco a de 7.0; eo de Sanio Amaro Ja-
biiataoadeSO_Determinou-se que primeira legio
o conipiixcsso dos baialboes l.e2.o e do esquadrao
do cavallaria; a segnnda dos 3, 4. 5 ; o o lercelru
dui O.o, l.o o 8.0 : ordenou-se, que o coronel, mejor c
qusrtcl-meilre da tereeira legiao pnssRSsom a servir na
segunda, eos dcsla uaquelia : o fiterao so as precisas
l'iiiiiinniiieac(.es.
lina Noineandii par* delegado do concelho geral do
salubridade na cidade do Goianna ao doutor Francisco
de Arruda Cmara. s'arlicipou-se ao presidente do
" '^"liri
--------
CAROLINA NA SICILIA. (*)
TEKCE1KA PARTE.
XLV.
CATAJTIA.
Su casas nniforn.ei epouco elevadas, mas longas, lar-
8a, cordeadss constitucm urna bella cidade, Galania ho
amis linda da Europa, ten ella alguma couaa da pby-
ioi.omia de Turin. e Manlieim. Agora, se esse modo de
fon.lrmclo |lc o n.iis apropriado ao otisua, be iso on-
l'aqursiao. (Jiiaudo o sol do lelo dardeja ipru.uooa
bieanos raios sobre essas.espnr.osns ras, c Ibes nquece
te escandecer as iagea volcnica, escape quein poder,
" calor abrazador deisa tona trrida. Quinto so suspira
""So pelas ruasinbas de Genova, e pela sombra das alta*
casas de aples; mas sobre este ultimo ponto tero Ga-
Jania rasao; |,. van tai all casas de seis andares en. um
'"reno trmulo! Tao grande he o perigo, e tjo aJtig,
'lio um decreto do conde Rogcr prohiba aos arebitec-
o catanoies, nlii-.ipassarein o primeiro andar. O decre-
- VidciJiario n." 177.
ooncclho, ao nomeado, o ao inspector datbesouraria das
rendas provinciaes.
EXTERIOR.
GRAM-BRETANUA.
Ha algi.m lempo, qne O'Connoll marcha de contra-
diefio era cnnlradicSo. Depois do ter declarado, que nao
tornara inaia a poros ps na cmara dos cou.muns, ap-
pareceo de improviso cm scu lugar na mesmn cmara, e
isto, para tomar parlo na disoua>8o de um bil. scu. im-
portancia poltica nen. religiosa, o bil relativo aos kan
eos da Irlanda. He impnssivcl que alg.icn. fallo sua
palavra con mais soui-cerimoua.
Nunca se agilou O'Coniiell tanto como linjo, c nunca
produxio moons effeito. Dir so hia, que est acabado o
seu papel. Emqi.anto o ministerio dmxou gen.tr a Ir
lauda debaixo di sua sntign oppreasao, tinha O Co.incll
una grande causa para faier iriu.nphur, o servio-a no
brementn. Depoil que o ministerio mostrou-se ben-
volo e reformador, nlo sabe mais U't-onnell, que altilu-
de tome. Agora nlo ft mais do que erro obro erro.
Tambera tem baixado muitu a sua iufluencia.-
Na se* ao da cmara dus eommuus do 23 do junbu in-
torpellou M. Labouohero a S.r R. Peel crea da impor-
tadlo dos nssurarcs das colqnas licspanhulas. S.r R
Peel recusou responder, o que indica que o governo an-
da nlo linha lomado a sua dclibcraco M. I.aboiicl.ere
anniincieu, que no dia scguiulo relraria a sua nterpel-
lacJo.
As disciissi5e do patlamento ingle nlo presentavao
interesse as ultimas scsses. O bul sobre os unllegios
da Irlanda passou no oomiuissio da cmara do com-
inon, depois de um dbalo de punca importancia, ao
menos para leitures estrangeirus.
A cantara dos cnmmuu occu|ia.se ulliniainenlo com
un bil, aprosentado por indicelo do lord Lincoln, o
qual tinho porobjeolo ubrigar os fabricantes a absolver
uas sua nies.nas oilieina, por meio de apparelhos coii-
venieules, o fumo que escapava, c quq iueommodava as
circumvisiul.ancas de todas as ofliciuas.
Na ultima sessla da mosina cantara aprcscnlou M.
Rouvriiig urna peliclo assignada por 3,00(1 habitantes
de Liverpool contra a iinpoiicio da pena de ai;uutes no
exercto ingle. A rouuao da totlidado daque'.las assg-
ualuras fui devida so aos esforens do Mis Roscoe.
Os odio inveterados, que a Irlanda nutre, hn lano
leiupo.conlro a Inglaterra, anda nlo cederlo as medidas
conciliadora, reeenlen.eiilo adoptadas pelo governo
brilannico; e anda se manifeslo todos os dias por H-
toscoi.deinnaveis esses odio to naturacs no scu prin-
cipio. Assiui f assassi.udo en. pleno da, no condado de
Cavan, un. magistrado, por nome M. looth. Voltava el-
le do uflicio divino no seu oabriolet, acompanhado |io-
scus tres filhos; um homem approxiuou-se a elle reao-
lula.nenle, e maton-o.dcscarngando sobre elle una pis
tola d'arcflo. Lro 2 horas da tarde, inultos liumens po-
riilu ler sido Icstciiiuuhas da raorte : o assassiuo depois
do tiro etirou-te tranquillamcnlo. Algn oramjcmeii
puicrlo-so a cata delle;.porm debalde. Ao que pare-
ce, M. Booth linha recebido muilos avisos de qno sera
assassinado. Como magistrado o puro julgava-u mdis-
posto contra o catholic.o, e necusava-o denlo ser iin-
parcial na adoiiuiltraciu da juslica; cnlreUuto o Uublin
Evetiing Mail publicou a respe.lu daquelle rrinio unta
carta, escripta de Cavan, na qual se diia de M. Booth,
que era probo c benvolo.
O r*i Leopoldo partira para Londres no dia 20. A
soa ausencia seria de 15 dias. O gabinete interino du
raria, pois, pelo menos ale a sua rolla da Inglaterra; e
al enllo nlo ae podara tratar de nova cou.b.iiace ra
nistenses.
O rei da Hollanda era esperado em Londres dentro cm
15 das. Preparavio-so os seus aposentos no hotel Mi-
vart, onde elle esid.o muilas vetes, cmquanlocra prin-
cipe d'Orange. Acou.panlial o h.a una comitiva nume-
rosa, e a sua demora na Inglaterra seria, segundo se cu-
ta, de 15 dias a 3 semanas.
O rei o a rainha dos Belgas dcsen.barcro, no dia 2o
de tarde, cm Woolwich, indo de Ostende. Entraran lo-
to hoje seria escusado ; o instincto da coiiserraclo he
mais poderoso do quo todas as leis c decretos. O mais
que justificado temor dos terremotos, pasta o nivel so-
bre os edificios pblicos e particulares. Nlo era em Ca-
lani.. que appareceria a louca e osgulhoso ideia da torre
de Babel. Ouem selembraria de Babeis detijolo empre-
senta do Etna!
Como a fabulosa Phcnix, eaqui sen figura, renasce
Galana peridicamente desuas cimas ; seiu fallar no es-
Iragos parciacs, que se conllo por memoria, raro he o
seculo en. que un desastre geral nao ossole a antiga ci-
dade de Charondas: ora he o terreno, que se subverle,
ora he a lava que a cobre de ardente amortalha. Qucm
pedera contar acdades sohreposlas ninas sobre as ou-
tras, desde os bblicos Tyrios, que j vinillo traficar 6
Catania, o Aleibades, que a conquistou pelo encanto da
sua palatra, ale Vicento Belliui, que allnasceo, oque
no lempo do Carolina ainda era um menino meditativo e
melanclico? Por pouco que se cave, achSo-sc como
em Porlici, templos, Ihealrus, thermas, c ole luja; ca-
vc-se nait, e acbar-te-hu segunda carnada de monumen-
tos subterrneos, depois tereeira, c assm perdante ale
o tufo primitivo calcado pelo Cyclopea. La aohar-e-
hiio talvetosso de gigante, como nos cavernas doEru
e do monte Pollegriuo. Quem nos revelar jama.a o ae-
gredo desaos gernedes mj steriosas sepultadas na entra-
nhas do globo ? Quem rasgar o sello que a mortc impri-
mi sobreseas mudos labios '
V espera da oluoio dets problemas quo se nao po-
den resolvcr.es moderno CaUnetes nlomeditSo i.ellet,
e alegre danaAo, como o demai povo, sobro o p de
M n'u.na das icgl lacio do B.ickingham.
A ercr-se a Caseta d'Aitgtburgo, c a correspondencia
do Smaphorc, teria Sir Edwanl Lyoiit. representante
da Inglaterra em Athonas, coininuuioado a Colelt. nm
despacho do scu governo, relativo s queipas da Porta,
sobre as pretendidas ditposicOc aS,r<-ssiva da Grecia
para con. a Turqui.i Ainda que nlo havia delalho al-
,ii>ii a tal respeito, a mi voi.lodo do gabinete inglet pa
ro uom o minislero Culetti-Mclaxas aotorisava a consi-
derar esta milicia como mu provavel : por quanto era
certo, (po o governo inglcr. combata por Indos os
inc-ins, o con toda a forp da aun energa, un ministe-
rio, quo niolivesse sua frente Bsrrnoordato, ouaa
uas fileirosos hnmens maia devotos da Inglaterra.
Acnbava de cl.cgar a Liverpool o Vrea*-IVettorn con.
noticias mu recentes da America (de 12 de jui.ho). O
ministro inglet no Mxico oontinuava a aguar se para
impedir a annoxaclo do Texas aos Estados-Unido. Ape-
nas o senado mexicano adopten a proposU do governo,
tendento a rcconhccer a independencia, o que era um
meio de impedir a annexacao, ao mello no espirito do
governo metiOAOO e 110 M minslro inglet; apenas a
BUella proposla foi adoptada, ditemot, expedo-te um
despacho no liaren do vapor inglet injilicc,\>*rn levar
osla noiici.i a Texas e aos Estados-Unidos Poreni lila
parece, que toda esta diligencia lei.ha produiido o re-
sollado con. que se oo.itava. lien pelo contrario, esta
oniicrasin fcita pelo Mxico inextremis fo. recibida
e.om milita iiiliffcrcuca em Texas, e com inuilo desgostn
nos Estados Unidos, pela iutervencSo lia d.smsscarada
da diplomacia inglet. _
('retso.)
INTERIOR.
CEARA'.
ELGICBS 110 AQUIRaZ.
J quo no temos proposto provar, que as oleitocs
nesta provincia nao passSo Jo urna verdadeira o mons-
truosa designado de n.ister se torna, quo aprcser.lo-
mos os fados, em que nos baseamos para assim o afir-
ma rmos; pois so dcsl'arte poder-selia conheccr a ma-
noira revoltaolo por quo lomos expellidos do combato ;
que a maior das tyranuiaso iniquidad a al hojo co-
nbecidas nessas lucias eletoraes privou a opposicaocea-
renso de mostrar que tinha em scu favor os sympa-
tbias da grande maioria da provincia so ll.e fowe con-
cedida liberdade.as urnas ; .poren os nossus adversa-
rios, conbecendo a sua nullidado vendo que, respci-
tando os direitos dos cidadaos, nSo podio uhlor trium-
pbo dcixando do enviar os esbirros quo da cArto lo-
rao designados para representar o misero Cear in-
dispensavel era que recorressem jl quo queirSo os
lins, aos mcios mais subversivos, anarebicos, violentos,
e sobro modo iniquos de quo tem sido testetnunba
ocular a populacSointeira desla provincia. Parecer
alguem,que nenbuma vantageu.se colbcr na narra-
cao, que estamos fazendo, do? desalios commoltidos
nasbacbanais que os carripatosdenomiio elcivoes ,
mas bo um comploto engao, em que se acbo os que
assim pensao ; no systema representativo onde oliste
tribuna e imprensa, asopniSespdcm ser momen
taneamente sulTocadas porm nlo he possivel que
ellas desappareo, ao contrario vivificao se e adquitem
cada ve/ mais (orea quaudo so procura adrede extin-
guil-as. Ejl que fomos violento e infamemente priva-
dos da tribuna nullilicando-sc a eleic.5o mais legiti-
ma, regular e livre que appareceo no imperio, feliz
nenia nao podro ainda privar-nos da imprensa por
consejjuinte loicosu nos be recorrermos a ella para es-
Cignialisariiios as torpezas e Iraudcs do que se serviro
os cacelistas pora redutir a provincia um paiz con-
quistado e dest'arlc fazorcom que por ella saiSo elei-
tos de pulidos individuos cuja poltica a quaai una-
niniidalo de sua populaco repello. Os ollicios, e cor-
respondencias que losemos publicar u oslrio como
seus antepassados. Negligentes em excesso, c inteira-
nicnlc absortos no momento presento, nem doaseuspro-
pros perigoscuidao; como lasliii.ariio a calamidades
deaeuapais! Presente el o inimigo que oaameaca;
mas acostun.ados sua picsenca, e tiiroiliarisado con.
elle, nao o tcn.ein n.ai. Amanilla, hoje lalvct, serlo
incendiados, engolidos........... Que importa? por ora
rio dai.sando ao son doa violos, e sombra das laran-
ciras.
Entretanto, fai-so em Catania maia alguma cousa do
^ue dansor, Priiiiciraiiiente trabalha-sc all con. gosto
.o mbar do todas os cores, que o Symelho ll.o arrastra
lo alio dasroonlanhaa dePetralia; depois, c isto he a
principal industria da cidade, fabrica-sc sedacmgrande
buudancia. Todava longc est Catania do ser urna ci-
dade industriosa; seo principal recurso pecuniario, j
que nlo he iiilcllcctuol, he a sua Universidade; seos
professores derramlo pouca luic, oac.tudanlc, por
coiiipensaclo, derramlo uiuilus ducados, O o hurgues
sla persuadido que os ducados valeni muilO mais que
is Unes. A uohreta, que pulila na patria de Charondas,
ic muito altiva, ainda que tuuilo pobre otlenla-sc en.
earroagem, mas jaula runcho, eccia notes. A vaidado
genealogii a consola da magra sopa ; e para qne boa sopa
iiuando sedescende cu linha recia de Jpiter Olympico?
A igreja he igualmente org.ilhosa, porm muito mais ri-
e menos ubria. Os reverendos padrebei.ediclinos,
r exemplo, linhlo pela sua parte, u.ais de oitenla mil
cruiados de renda, que regaladamente gastaSo. O scu
"'"" "- f--o------ --------- l
invento, ea ia diter o seu palacio, com a sua magnih-
i escada de marmore branco, he feilo mais para rcis,
lorio feitss na (reguoia do Aquirsz ai eleic5es; es-
cusado he repelirmos as facanbas dessa gente, que.pro-
cedendo differentemente.perderirao todo o seu trabalko.
Illm. e Exm Sr. Desojando eu sempre, nio s
como juii do pez, como tambom na qualidade decida-
dio particular, cumprir com a lei, a ordena de V. Exe.,
vi-mo forcado ao contrario obrar na junta qualilicado-
ra dosta- villa, aondose n5o respeitou, nem o mrito,
qualidiide, emprego, e possuido do cidadio, e menos
as terminantes disposicGes de varias lois a respeito : por
(tuanto, vencondo dous votos a um, nao era possivel,
que minba autoridado podesso (opciar do muilos, e
brandos osforcos quo fiz) fa/er cumprir a loi, e respoi-
lar as ordenado V. lic : e assim qualificrSo o sub-
delegado, e parodio destu villa, como votantos e eleg-
veis, a quem inuilo quizero, tivesso ou nao direito
paca o ser Os quesitos que procuravo, pars qua-
hear o votantes, o olegiveia, erao nicamente esta-
rem cortos quo o qualificado votante, ou olegivel, vo-
lara cegamenle na chapa que ellos, o os de sua parcia-
lidade Ibe apresentassem.
..Ora, determinando o ort. 5. da instruccSes de 4 de
inaio de 184, que, para formscSo das listas, os para-
dlos, juites de paz, inspectores de quarteirio, e &c. ,
ice. devem ministrar junta todos os esclarecimentos
que ibo forcm pedidos, claro est, que, para se fazerem
taes listas, sao necessarios (quando n5o de todos os em-
pregados cima, mas de alguns) muilos esclarecimen-
tos, para bem desompenhar dita junta tSo ardua mis-
sSo ; mas, Exm. Sr., quando a boa fdeiapparecedos
empregos, e dos actos pblicos, em que deve ella bri-
Ihar, realfa cm seu logar o sic vo/o, siejubeo, como
no presente caso : pois que 6 autoridade alguma se pe-
diro quaesquer esclarecimentos; por existirem todos
os precisos as grandes cabecas dos subdelegado e pa-
racbo desla villa, que se recusro ao pedido de taes es-
clarecimentos. Eu, Exm. Sr. sou natural desta villa,
aonde tenho residido al o presente, c nSo conheco a
maior parte dos cidadSos alistados, e qualifioados pelos
ditos subdelegado e paracho, aperar de ler corrido por
vezes quasi todo esto municipio : maso reverendo pa-
rocho, que at agosto do anno p. p., em que se fes a
qualificacio que findou desconhecia um sen nu-
mero do cidadaos, a cujas moradas tinha ido desobrigar,
admira que j este anno, no decurso de dez mezes, o5o
houvcsse um s, quo elle ignnrasse quem fosse eom
tanto que apparecesso na mesa qualqucr nomo apresen-
lado polo subddegsdo ; querendo at impr-me o pre-
ceito de mandar qualilicar urna grande lista que apre-
sentou, sem que della cu conhecesse um s individuo,
e dizeodo Ibe que nao podia ser, por de todo eu nao
conbecer alguem, replicou-me com admiracao, que a-
quolles cidadSos estavao qualilicados na lista, que em
agosto do anno passado so tinba feito da qual elle fdra
um dos membros ( forlo lembranija be a do reverendo
parodio Pois a n5o aprosentar lio lorte reminis-
cencia, nao sei o que seria del le, em raiio da limitada
vista que tem ; e por isso nio tardar a diser missa de
cor, o a cantar o memento, se he que ludo isto j aa-
sim nao faz), maseu duvidaodode tsl, pela celebrida-
de dos nomea apreseotei dita lista ; e nella nio ea-
tava quolificado um s daquelles nomes-l Empre-
senta, pois, do tao manifest, e reconbecida contradi-
cao, deisrao de ser qualificados os nomes de tal lista :
mas afinal entrou, como ac.ma disse, para votantee
elegivd qualquer um que sem replica cumprisso suas
determinacoes, e de seus alliados, entrando at como
elegiveis pessoas miseraseis, e reconhecidamenle prole-
tarias I ao passo quo nao quizerio qualilicar como ele-
giris a um sem numere de cidadaos de muita capacida*
de ; e alguns com empregos, e que possuem cada um
de per si sitios, escravos, gados, e aoimaes ; eoutroa
muitos, que, nio possuindo tanto, com tudo teems ren-
da, que eiige a lei, para serem contemplados oa claa-
se dos elegiveis.
do que para monges. Verdade he que os mongos erlo oa
res de Catunia. Sen numero al., era, e anda he prodi-
gioso, sen. contar as freirs. A' vista disto, adiuirein-se
de que a herva crespa livrenieiitc nessas oompridat e lar-
gas mas votadas solido e ao silencio.
Na epocha da oecupaclu inglcta, Catania reproienla-
va na polilica, epassava, como no lo disse Caslron, por
o, centro do opposicao liberal; ainda que a qualidade
de cidade domii.ial o houvcsse preservado dus abusos
mais clamorosos da feudalidado, ella se havia pronuncia,
do enrgicamente e una das primeiras era favor das re-
formis mai cada o ni as entenda sua msneira: lodo
sainan o que nao iiuerilo, sen. se Recordaren bem no
que desejavlo. He a historia do oome;o de lodns as re-
vuluccs. Em geni os innovadores aburroeilo os Ingle-
tes, e adoravlo a Franca,onde alguna como Gaspar Vac-
taro, que dejiois presidio a cmara dos co.umun, e o
advogadu Manuel Rossi que foi o Mi rabea u della, havilo
encontrado refugn contra as |.crscgui{es sauguiurias
do pacsidentc Lojiet. Oulros, e dcsle numero era M*a>
noel lloqucccnse, de Catania, ohedeeilo A urna s pai-
\So, o odio nobreui. Kubespiarro e Thoraa Peyne
eio os dcoze de lodo ou qnasi todos, ea declaradlo
dos direilos do hornero o seu evangelho.
A nova consitnic.lo acabava de ser proclamada no
meio dos regosijos publico. O povo he por toda a par-
te lio desgrasado, quo sada cora ceg e sincero enlhu-
siasmu todas a mudancas, quao quer que sejo, cale
aquellas que slo ou devem lomar-so contra elle. Essa
constituidlo com lauta bulla promulgada, era un. pessi-
mo Arremedo da charla brlannica, con um rei niviola-


Finalmente, Eim. Sr., qualificirao al como elegi-
veis, nao s a filhns familias quo eslo om companhia
i'n cus pas, como lambetn a quem nao lem o r ndi-
mcnlo da lei, e at a quem isla pronunciado por crimu
Je responsabilidado, nicamente por csperaiem de tac
individuos inteira obediencia para a grande regularida-
de dai elecGes ; porque, a entender so o contrario, abi
'fslavfioojj2 do trl. 92 da constituieao do impeli, o
os 1. o i.do arl. 9i da mesma constituko, assim
tino o arl. 3. das nstrugoes ditas do 4 de inaio de
1842, que com toda a evidencia repellen) as mencionad
pessoasdas presentes eleicdca, o quo nenhum dos mem-
bros tal ignora, mas urna voz que o subdelegado e pa-
rodio s profercm queremos a lei- ho multo de admi-
rar o scu procedmenlo. Os rdados que, pela maiur
da injusdeas, deixar de ser inscriptos como elegi-
veis, nio ousSo requerer junta a devida qualilicrio
na respectiva lista, na forma que dispe o art. 7 das
supraditas instruccoes de 4 de maio de 1842 ; uns por
csiarem certos, que dita junta nao admiltir taes re-
cursos, porque, sendo slguns dclles dos principaes dea-
te municipio, em qualidade, bonra, c possuido, o bem
cunhecidos dosdous activos membros da mesa, estes, a
pezar de meus esforcos para aquellos sorem quali-
licados elegiveis, respondiao-mc depois de umitas
razoes de parle a parte ; ellos que requerio : o que
claramente a mim, e a li dos fezconhocer, que mui-
to de proposito os eliminaran de elegiveis, pura mais
os nao consideraron! como lacs ; o mesmo porque, sa-
bendo clles, que, tendo-me requerido o cidadao o re-
verendo Pedro Jos.de Castro e Silva por peticio, Ihe
mandasse passar por tertidio doze quesitos, relati-
vamente aos trabalbos da dita junta, eu por despacho
mandei passar dita cerlidSo ; mas o escrivSo nao obe-
decen ao meu dc*pa:ho, dizendo na ja, que re-
quera u certidio do supplicante eslava em scu poder,
e por isso nada passava do que se requera ; quando
em agosto do anno passado passou dilo escrivio urna
falsa ceilidSo a respeilo, sem nada (er em seu po-
der, e nem Ihe ser requerida por pet cao, e menos
ter despacho para a passar; o que nao acontece ago-
ra, ( a foi, Exm. Sr., pelas ra toes cima ditas, que o
celebre escrivao do juizo de paz deixou agora de passar
a certido requerida ;) e oulros cidados deixio lamliem
de requererem sobro a Ilegal climinaio de seus nomes
t respeito, por morarcm fura desta villa, e alguns em
grande distancia, como pela secta, quo lamliem tan-
to nos flagolla e os faz esmorecer de viajar para re-
querer oseudireilo, inlallivclmente incertn avistado
eiposto. Eu nao participara a V. Exc. rsla pouca
digna maneira d'obrar dos dous membros da junta, se
taes trabadlos nao lvessem acarretado contia mim urna
odiosidade liio grande, como acarretrio ; que qua-
ai os uielhores cidadios dcste municipio julgio ( no
que se enganio redondamente) ter cu concurrido
expontaneamente para lio falso, quairo abusivo alis-
lamento, ignorando ditos cidadaos que no final do
arl. 1.' das sobreditas instruct-Sos de 4 de muio do
1842 se diz as deliberaedes desta junta serio lo-
madas pluralidade de votos ; em prsenos do que,
sendo eu sempre obediente i lei, e as autoridades su-
periores, nio poda prohibir a injusta nscripcio ae
votante e elegivei, o quem quer quo os dous membros
da junta tenlarem assim qualific&r ; assim como lam-
beo me nao foi possivcl faier inscrever como elegiveis
a lanos cidadaos boje queixosos, que injuslissimamentu
de tal forao excluidos, nio obstante suas qualidades,
iiierecitiienlos, empregos, cilicios e possuidos ; porque
conbeoo que a rea maior attrabe a si a menor : e foi
por esta ra/io, que cima disse, que dous votos eio
superiores a um. Ora, o proprio vigario disse -me al,
quo a nimba lista havia sor a que no da da i-leu ao se
dospregasso da porta da igroja ; o dizendo-llio eu quo
nao, que a junU me devia dar una, por assim o de-
terminar o ailigo 9 das referidas in>lrurtOcs de 4 de
maio de 1842, replicou-me com altivez que nao !! que
eslava engaado !!! e que cu s recoberia aquella por
elle dita : cnlio, valendo-me da loica da lei li-a, e
dii-lb a para lr, o aos mais emprogadosda mesa ; di-
zendo-lhes, que so m'a nao dessem, eu mequeixavaa
V. Exc ombora ou passasse pelo dissabor de nio ser
por V. Exc. allendido; e fui enlio nesle puro, que
deliberou dar-me urna. E para que se nio diga, que]
eu nao respeilo a lei, deixando o cumprimento das pre-
ditas inslrucioes de 4 do maio do 1842, artigo 11, he
que levo aoconbocimenlo de V. Exc. lanos e lio es-
candalosos abusos, e Ilegalidades que vcnbo de dizer;
e que foi o real do que so passou em dita junta ; para
5lie V. Exe. do rs providencias que julgar acertadas,
enbo pois exposlo a V. Exc-, quanlo se fez do irre-
gular, e violento na quililicacio do volantes,o elegiveis
para as elcices primarias deste municipio : com o que
julgo ter saliste i tu um rigoroso dover.
Dos guarde a V. Exc. Aquiraz, 23dejunbode
1845. lllm. e Exm. Sr. coronel Ignacio Corris de
Vascoocellos, presidente e commandaule das aunas
desla provincia. Francisco Xavier Pereira Jnior,
juiz de paz.
&
llego Maia, 1. supplenle do juiz de paz do 2 distric-
to da freguezia do Poco-da-Panella, e o padre Miguel
Veira do liarros Marreca, professor removido para a
cadeira do primeirasteltrasda povoacao da lioa-Viagem.
Despachrao-se os requerimontos de Jacintho Helio-
doro Martyr de Qlivoira, do Joo Manoel Pinto Crmgas,
prohibe a quo'qucr cidaHSo do requerer o seu iliroito de Jos Carlos Marink da Silva FerraO, do Gaudino
por Ihe naoser possivcl ver so est ou nioqualificadoco-| Agostnho de Barros, de Anna Francisca das Chagas
mo volante ou elegivei. Ignoro inleirimento o que deol Araujo, de Joio Dias Martins, de Anglica Mario Cus
lllm. e Exm. Sr. Participo a V. Exc que
desde o dia ultimo do mez prximo lindo nao existi-m
as lisias que o subdelegado havia mandt.iL ir na
frente ila matriz desta villa, para a factura das p;..xi-
mas cleicues, nao ohstanto lor cu'cilio por tezes, dias
antes, guardas da polica ao ; das mesmas : cuja falta
ugar ao dcsapparecimento de taes listas: o corto he,que
ellas nio cxislnm, apezar de terem postado sentinellas.
V. Exc, poii, deliberar orno entender. Dos guarde
a V. Exc. por muitos annos. Aquiraz, 1. do julbo
da 1845.lllm. e Exm. Sr. coronel Ignacio C.nrreia
de Vasconceilos, presidente desla proviocia. Francisco
Xavier Pereira Jnior, juiz de par.
(Pedro II.)
PERNAIYIBCO.
vcl, nm iiiHsleriu rrsponanvel, nina enmara de paros
hereditaria, unir decnmmuns eleito pelo propricta-
rius: cmara alta coinpniiha->e dua duna ramoi ecelo-
liaitico, v baronal do unligo pnrlauonlo siciliano ; o
terceiro ramo, uduminial, burgus, u povo, dovia pela
torca das cousai invadir a dua cumniuiis pelo canae
aublcrrancoa, c tuuilas vezes impuros da eloicJu polo
ajitema ingle.
O que mua nulliaunrpliose liavla de uiuis claro era a
abolicao doi diroilui leudaos, que aculo aillo minea
man forlo rcitabclecdns; niaa luilu fui oin provrilo do
despotismo: o re pot-sc no logar di harcs, conovo
aada ganliou com isau; pelo contrario, onde elle em nu-
tro lempo pagavn dous, paga buju quatru.
Mas eiilto anida nao era ubtidu ente bello resultado,
e em quanlo nao chegava o desengao, que alias nao ie
fes esperar, fatia Catania a maia bella de ludas a tenias,
a da espe ranea. Em todo o dia tiuliau linvido iciiinuea
de aillos, salvas, descargas, e muila gritara, por que na
Sicilia quanlo mais bulla lia mais rcgoxiju, e liavlo-sc
lavado em procissao por ludas a. runa o en de Santa
gueda, rrliquia milagrosa que conjura as grandes cir-
cumstancias na furorea do I-1 na. A' nuulc linvia-ae a
feata reconconlrado 4 praca tu Klephnntc, mais ,j,u
e (requemada da ciliado.
eve esta praca o oorne a um enorme elrplianlc do la-
va, collocado aobre una t'unle, e que lem naa coalas
mi obelisco de granito egjpcio; imprudente irophcu
tan urna cidade expolia aoa Icrrcniotoa.' No deiuaia, fu
elle em i|uanto nio ca, um efteilo pittoreseo. A' un la-1
dnjda praca tica o palacio do senado, de todos o oais J
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE DORECIFE.
SESSAO I.MHAOlllilNAIII \ AOS 24 iik JDLHO DE 184S.
Presidencia do Sr. liego e Albuquerque.
Achando-se prsenles osSrs. Oliveira, Cintra, Car-
neiro Monleiro, barros e Mello Cavalcanti, faltando
com causa o Sr. Nery, e sem olla os oulros Srs.; o Sr.
presidente abri a sessio, sendo approvada a acta da
antecedente O secretario, dando conta do expediente,
mencionou :
Umofficio do secretrrio do conceibo de salubrdade
pblica, participando ter-se instalado o mesmo concelho
no dia 9 do correte Inleirada.
Um cilicio da cmara do Limocro, requisitando
d'esta cidade a bitola das medidas de comprimento para
rtgularisar as d'aijuclle municipio. Ficou adiado a
lequerimenlo do Sr. Cintra para a sessio futura.
Um do contador, remetiendo o balanco da receila o
despeza municipal no trimestre de abril junho. A'
commissao de polica.
Um de Antonio Fcrrcira d'Annunciacio, primeiro
supplenle do juiz de paz da fnguezia de S. Jos, parti-
cipando acbur-se doenle, e nio poder, por isso.funccio-
nar em urna caua em quo se deu do suspeito o juiz de
paz. Doliberou, que se convidasse o imuiedialo em
votos para prestar juramento.
Um do liscal de S. Jos, participando as oceurrencias
do mez, e pedindo se Ihe mande pagar o quo despen-
den em diligencias. Quo aprsenle conta formulada.
Outrodo liscal da Boa-Vista, representando o mo
eslado des trapiches em quo so fuzom despejos pblicos,
0 mostrando a necessidado, que ha, do socortarem al-
gumas arvores, que abslruem o centro da ra da Pas-
isgem da-Magdalena. Que o ongenheiro orce os con-
cerlos necessarios aos trapiches; c que o liscal se en-
tend com os propietarios das casas dianle das quaes
fie a i as arvores, para as mandarcm corlar.
Oulro do advogado da cmara, sobre a policio de
Manoel Figucta de Faria, em quo pede a importancia
da publicado dos edtaos do cunvoca(io do jury no
Diario de l'ernambuco. A' commissao de petices.
Oulro dofisral da ltoa-Vista, dando conta das oc-
currenciss do mez de junho, c pedindo o pagamento de
1 jGOO rs. que despendeo com a remocao de duas mu
Iheresenlermas, da ribeira para o hospital da Caridade,
o .'i.iOO rs. aocirurgiao Joio Domiiigucs da Silva.
Maudnu pagar.
Oulro do crurgiio de partido Francisco Jos da Sil-
w, aprcscnlando a cmara documentos comprobatorios
de exaccio no cumprimento de sius devores. (uese
responda, que a cmara, em virtude d'estar convencida
dslo, hic passou o ultestalo por elle requeiido
Fiao mandadas a commissao de idilcacio as peli-
i'Oes mandadas informar polo govorno da provincia, do
Felicianno Jos dol Iteil, capataz do porlo das canoas,
do Jos Joaquun Cavalcanti de Albuquerque, e o de
lenlo Jus da Silva Magalbaes; mandando-so informar
o requeiimento da viuva Mara Francisca do Almcida.
Lo-sc o parecer da commissao de sado pblica so
bre o requerimento de Eugenio Dupcrron, que licou
adiado
Foi lido oulro parecer da commissao de pelicocs so-
bro o requerimento lo Manoel Ignacio d'Avila. Ap
provado, c mandou-sc, que o contador informasse so-
bre a quota, por quo so eve ia fazer a despeza.
Oulro da mesma commissio sobre o requerimento do
dr. Joio Ferreirada Silva, mandado informar pelo go-
verno. Que se cilicio osle no sentido do paiecer.
O Sr. Oliveira requeroo, que se peditse ao governo
o resto da pedra quebrada tirada do recife, que se acba
em Fra-de-Portas para servir ao cslcainento das ras
da cidado Approvado.
O Sr. presidente nomcou urna commissio especial,
composla dos Srs. Cintra Barros e Oliveira, para tra-
tar deapresentar os unios conducentes execucao das
disposi(des extraordinarias da lei do orcamento muni-
cipal.
l'Orio juramentados os cidadaos Joio Franc seo do
todia, e de Manoel Lourenco Leal: o, lendo dado a ho-
ra, o Sr. presidente levantou i sessio. E en Joao Jos
Ferreira de Aguiar, secretario aescrev.Itego Alb*
alterque, presidente. Cintra. Oliveirc. Carneiro
Mnnttiro, Barros. Mello Cavalcanti.
PARECERES, A QUE SB REFERE A ACTA SVHRA.
c A commissio de petices, a quem foi presente o re-
querimento, que ao governo da provincia dirigi o dr.
Joio Ferreira da Silva, recorrendo do despacho, que
esta camira proferio em sua petico, negando lconca
para edificar no largo das Cinco-Pnnlas em um terre-
no, que so acha designado ni planta desla cidide pin
urna praca pblica, deixando de attender a msnira in-
slita, e pouco digna.com que o reeorrente, em menos
preco das regras do decoro, trata em sua policio a c-
mara municipal, a quem temerariamente altribue fal-
la de cumprimento de seus deveres, oque a commissio
julga se nao deve responder, porque cmara se rebal-
sara, igualando se a aquello, que quiz ostentar dcs-
respeito, e desacato a urna corporaeio rovestida deau-
toridade pblica ; he de parecer, que se responda ao
Exm. presidente da provincia, em cumprimento do des-
pacho do 16 de junho do correte anno, que a cma-
ra, recoohecendo de ha muito a necessidado de urna pra-
ca pblica no largo dai Cinco-Pontas ao poente da for-
taleza do mesmo nomo, maodou, quando se levantou a
planta desla cidade ( a qual su acba approvada pelo go-
verno da provincia desde 1843), consignar na mesma
plaa esse largo para logndouro publico, o qual desde
pocas memoriaes como tal serve. A falla quaii abso-
luta depravas nesta cidade, ja bastanto populosa, esi-
tuada em um paiz quenle, como ho o nosso ; a vanta-
josa localidade do terreno em queslio; sio vantageni,
que chegio ao alcance de lodos, e dispensan a commis-
sio do entrar em outras averiguacoes, que frio bem
attendidas, quando se discutio e approvou a planta da
cidade. A commissio julga nio dever tratar do direi-
to, que o recurrente lem ao mesmo terreno, porque os
tribunaescompetentes j decditio em seu favor a lide,
que esta cmara suslentou. com a qual nio foi mais
leliz, que com outras muitas, que tivrio igual sorle;
parecendo que um meo fado, ou urna falalidade bem
lamentavcl, resolv quasi sempre em favor de oulros, e
contri a municipalidade, todas as questes, queperan-
(easjusticas do paiz pleitoiio os agentes da cmara, a
quem nio lem valido todo o zelo e actividade. Pede
finalmente o reconcilie, que, no caso da cmara querer
converler a sua propriedade em praca pblica, indem-
nise o sou valor; ao que a commissio de boa mente anu-
ira j, so na lei do orcamento municipal cvtivcssc con
signada alguma quantia para esta despeta; indemnisa-
cao a que a commissio julga ter lodo o direito o recor-
runte, e quo nunca so Ihe negou. Hecife cm sessio
de 24 de julbo de 185. O vereador, Mello Caval-
canti.
polica, guarda nacional, empregadoi, ou ioflucol
ludo, tudn he gente sua; e entretanto quatro ass3s.
nos commcltcm um iltenlado horrivrl, a victima |n *
com elles, o nem soecorro, e nem nada, uida r '
efleito V
Entretanto, devo declarar-lhcs, que esse infeliz nt
linlia filnos. e vinha acompanhado de sua irmai, eni
como Ihcs disse no meu psssado Crrelo.
' Honlcm houve um caso bem eraordinario no bair
rodo Recife. Dous irmosque sodisputav.io, cheoj
rao as vias de faci, e um dtles, que eslava ar'mido
um chcete, deo no oulro, de modo que Ihe cortou lioi
rivelmente a cara e um pulso,
publicamente.
Iston.,!ou-!eij6a|1|(
. Correspondencia.
Inibnlliado, ato he, o mais carregado de contornos e por
cunaeguinte de man gusto. Galana nao lem um s edi-
ficio dcualylu aiiuplc c nevero. A nioama call.eilr.il, que
oceupa o tundo du praya nao lie maia do que um grande
eapauo inundado de luz inoominoda, cuino ludaa aaigie-
j do Meiudia, o ornada trate unalo! de miiiio
lilaos tjuadros. Bell.ii columna anligaa lUtliolio a lla-
ve, nial um bispo imitando o brbaro exomplo dos acua
oollogaa de (jacl.i e Salcrinu, as mandn lalliar c rebocar
cm turnia do pilares ; furto maia t'elizea as da fachada
anda que be'm mal ."daptudas un sen novo dealii.o, poia
oarapro ao vandalismo episcopal; nina escaparn ella
sempre aodovulo&o? Tiradla, nAu lia muito mais de
un acculo, do traleonipliilinlru, onde oa procunaulea
Unc.ilSu a foro os priineiroa chriatiu, anda ncilaa le
aeliariau lulve, viciaailudc singular! algumas guitas do
aligue dos uiarlyrca, cuju templo huje ornan.
. I'.r.i pnis all ipie a lihla e liavia eentraliaiio. O pala-
cio do seuadii e o obeliaco ealuvao illiuniiadoa, mas nio
igrej.:, cuja niasaa uhscura, anda maia lgubre jielo
contrasto doscaplcndurea viaiubos, ao deacubava negra
no catrelbido tirni.iiuouto.
Reinara na praca a mua tumultuosa e desordenada
cnnfiraV). Nobrca, burgueies cpnvn, padres c toldados,
ealiid.iuies o profcaaores, niagialradosti niendigoa, todaa
i" jerareliia, Indos na orden, acm erquecer a tripnlaco
dua navioi do porto, com auaa ciotna atura, eslavS reu-
ildaa, en o fu mi i da nessn turba lio variada. Al aa gran-
de damos nao liaviao deadenliado deaeer do alio do leu
Olympu aristocrtico ; euvvllas at os ollios nal largaa
dobrai do suas recaladas mintaa, ai Venus calaaetaa af-
A commissio de petices vio o requerimento de
Manoel Ignacio do Avila, no qual pcJe a quantia de
272,000 rs. : a saber: 200,000 rs., importancia do
accrescimo que fez na obra da ponte da ra da Aurora,
o 72,000 -rs. importancia de 3 canoas do areie para
o atierro da mesma obra ; a commissio, depois de exa-
minar os linos des acias, e oflicios do vereador enesr-
regado da inspeccio da obra, be de parecer, que o sup-
plicante (em direilo a quantia exigida, por isso quo
foi auloiisado pela cmara paia a leilura dessa obra.
Hecife, 24 de julbo de 1845. O vereador, ItlelloCa-
iaUanli.it
CORREI.
O'llilK.sl'DMlKM.IA OA CIUADE E eROVIMCI.
Em oulro lempo o mais insignificante acontecimen-
to.com lano que nao losso drsses que se esli vendo
lodos os dial, era para logo altribuido'em suas causas o
circunstancias ao governo e seus agentes pela insigne
opposicio : a secca mesmo, a caresta dos gneros, &c.
&c. ludo era motivado pelo governo, o muitas vezesse
repeli a essa gente a historia do frade com o guardio,
quo os miiiislerialistis do hojo, sem razio alguma, ja
acluvo applicavel na actalidade. Ora bem; o laclo
do assassinalo do inleliz Barata deOlinda, commellido
com lio sggravanles e borriveis circumstaociis nada de-
pura -contra o governo de boje contra a sua poli-
ca contra a forca publica i' A praia he capas de
mais, poim que importa que ella espemeie? Soba
lugar onde toda a auloridade esteja as mios de praiei-
ros, e praieiros rabudos ; se a praia tem um presidio
onde nio enlra p de individuo suspeito, be Olindt:
tronlavao, como simplea morlaes, as eoloveiadas pouco
respetutaa da mullidao; io por toda a parte, ludo vilo,
ludo ouviao, Indo sofTriao, c ale..... Silencio que pode
Vulcano uinir-iu.
Menos audazes. |iorm nao menos curiosas, segni&o
as burgueins distantes as pegada das fidalgaa.
A plobloa eslava all emana casa, c uaava com orgu-
llio de linios os privilegios da sua poticio. De tallie lon-
go o s.iia curta, loareiMva de cello erguido, c para rae-
I luir se deixar ver, deitava nadir com graca a maula so-
bre os liunibrns. Scu ar traveso o resoluto, sua oggrcs-
siva desenvoltura Ihe ubriflo lodos o circuios, todos os
i'oraeoe; dando de liugua e d'ollio, desafiava a esle,
i haaqui-av uqucllea, acm poupar ninguno. -Desgranado
do i|ui; cun ella enlra va em tula temeraria! A victoria
c os mutejadure erio sempre du leu lado.
Segua entretanto a testa a sua marcha : aqu dausaviu
uns no snin da gaita e do pandeiro ; all Amphycs do es-
quina caniavau ao bandolim coplas equivocas; nlem
Folicliiuello represenluva nio sei quo f.irea, unde oa
doutores das i|iiotro faouldadei nao dcsapicdadameulo
nninoladns ao inolejn tloa csludanlea. Durante cale
lempo nao cessavAu os fogos d'arliricio, que iliuruina-
vao o ar com seus fulgores fugitivos.
lito era para os nlhus couvidos: espeutaculua maia
subslanciaes crio offerecidos aos estmagos; ludo quan-
lo pude excitar o appetlte all se aeliava. Por todo a
Sfi. liedactores. Por mior quo teja a repugninci.
que tenho a deseer a polmica com o banca-roleiro
fraudulento J. E. Cliardon, a quem apenas depois d
sua primein correspondencia oOercci pin sua media-
cao a jurisprudencia, applicavel is suas circurnslanciss
de urna naci, cuja llustracto nio hetospeila a Din-
guem, e menos nos, sou com ludo Toreado a dr rei-
posta positiva as suas correspondencias, pois que jn.
sisle elle em Iludir o publico, e procurar prevenir em
eu favor os tiibooaos, lineando io mesmo lempo o
desir sobre o meu carcter e o de urna pessoa, que bm
merece o respeilo de lodos os seus compatriotas. A
impudencia, a mi f e a perfidia pleileiio i prinuin
nessas exposicoes lio asquerosas de insultos, e em quo
ser diflicil descobrir umi proposicio de alguma impor-
tancia, que nio seja urna lilsidade ou um erro.
He muito para rir a historia dos motivos, que d
Cbardon o conduxirio a Portugal sem pissapoile,
doi quo o (ornirio a esta cidade, que deixo ao publico
apreciar. He cerlo, e Cbardon nio o contesta, porqm
nio Ihe he possivel, que elle negocala nesti cidade
com o quo eu Ihe remetlia de Franca, o que para coro-
migo debitou-su na enorme quantia de is. 120:000];
sendo eu quasi o seu nico credor. Que Cbardon i| r
sentou-se insolvavel nenbuma duvida ba; poii desai
mesma escriplura que elle lano invoca consta que e serj
activo,segundo o que dava o seu balanco, era de oitentit
o lo coritos de ris para pagar a cenlo e vinta setcjqucem
consequencii, depois de ter quasi deixido por tres sa-
nos de fazer-me remesan em pegamento recusou pagar
urna conta corronle (que em commereio devo ser lia
ponlualmento salsfeita como urna leltra), reconheciili
por elle e apresentada por um meu mandatario, o Sr.
Cbmerler, do urna divida considerablissima, tambern
be cousa que acba-sc provada, e heda noloriedsda no
commereio desla prapa. Que circumilancia, poitinlo,
falta para a existencia da quebra de Cbardon, segundo
o direilo admittido em todas ai nijfs commercianles!
Nenbuaaa.a nflo ser em sua propria imaginaclo. Aptiri
accrescenle-so a -fuga de Cbardon, sem passaportes, sob
um nome supposto, e com boa sumoia de palacios ce
prejuizo do leu credor; de quem era ludo quo ello xi-
nba; a quem devia muilo mais do que a prese ota va pol-
suir, o cuja divida assim nio poda solver, e veja-u
se nio da-se o caso dos que se levantio e fogem con
fazeoda, e dinbeiro alheio, chamados na liogoageu
simples das leis deste paix pblicos ladrSes e roubadoni
De mais a convenci para cessio de be.is isiigoedi por
Chirdon be urna prova de reconhecimento de scu Vi-
tado de fluencia, que p6e termo a toda a queitio esto
respeilo; pois que o commercianto que nio est fallido
nio faz cessio de bens, nem concordata.
A fallencia de Cbardon be um fado pelo consc-
guinte real, embora nao bouvesse sido declarado pelos
tribunaes civis, de cuja verifieacao a sua existencia, ce-
rno a de qualquer oulro faci, he independen le. t
pois que ostriliuiiaosiriminaesiiaoo subordinados an
civis,e goteo de jurisdiccao plena para conbecsr dos Isc-
les quo Ibes sao subuieltidos com .todas as suas c i re u ins-
tancias, equea accau publica que odies sedesenvoln
nio pude ser obstada pela falle, defeito ou resultado do
serio privada da competencia doilribunaas civis, ne-
nhum embsrsco pode solter o processo de benca-rcA
fraudulenta, a que esta subjeito Cbardon. Estadoutii-
na abonada pela rizioe sanecionada pel jurisptudea-
cia, Gxada por muitos auslus em|Frinca,recibida cons-
lanloiiionto no (Oro da provincia, ja foi reconbeciik
por Cbardon em sua ultima correspondencia com re-
tractacio do que aflirmara oa prmeira; perm coin.u-
ma distincfio iiiinteligivel, com que fogo para oulra
queslio muilo diversa, e be; se, bavendo concrdala
(queluppSe fallencia ) pode proceder aceto crimi-
nal de banca-rola fraudulenta: e diz Cbirdon, oA
quer diter, que nio. Poderia contrariar a Cliardon
com o mesmo trecbo que tilo (rouxo em seu favor no
qual se (rala de concrdela homologada ou julgadi por
son tenga, a quo se deve toda u vonoragao; porcm quero
atacal-o de freote, e como elle nao cita os juriscon-
sultos franceses em que diz fundir sua opiniao, o
nio me resta muilo lempo para procu'ir o lugsr
BSU^HI
parlo se mprovisavlo mesas volantes, ale noa degraoajneraco.
dos palacios e igrejas, onde reina va o bom humor mo-f
derado por urna reaerva de boaa gosto: se alguiu bebadol
perturba va a fcala, era, cu usa sabida, um Ingles. Anda*
quo a oatliedral toja edificado no local'de um templa do
liacclio, o tropego Sile.no nio lie dos sieliaato.
De repente uuia proAiiiio na Sicilia nao lia feala
sem prucisaau deiemboctiu da ra Fcrdinandu, um
das duas maoiei arteria que viviheio Calania. Quem
diz prucissao diz devogio e penitencia, mas esta pt'l'i
cunlrarori sf.irnva a mai expansiva o boli'coia idcgria;
s bacclianaes pig5o nio eran mais travesaas, cruaiui
menos piuurcseas. Alln'das vclui de rigor, os rmSus
das ooufrarias trnziiu bnuilciras de cures vivas, iniagms
do barro na pona ale borde lirancus, ou ramos d'oli-
veira. Uns canlavlo, oulins dansuvao ; cio davio li-
ma, aquellea cunteutavSo de atirar ao r us acui bou-
netos, gritando com toda a furca dos pululos: Viva
santa gueda, nossa boa anta! Viva a nosaa amada
padpeira V'iva a cousiiluifao! ConilluivSn ou mir-
le Ea csla palavras redubravao as bombas e foguctea
du ar, e repicavau maia o maia ui sinos da tufado.
Oa liuiuens doacubrian-ae efi iinilliore ajueltiavlo: a
prncmSii doalitiiva em frente da cathedral. Nesle nn -
ment uiu frade de barba jireta e liubito de burcl appa-
rrciM no alto dai gradea, o tez signa I cun mu i-rucifi"
de iiiarflni qno quciia fallar.- imniodiala mente resiabt-li'-
ceo-so o silencio.
He fr. tirano, gi ilrao alguna vrzes.
Ealo nome re veroucijnio voou de bucea era bocea, c a
mullieWo don nio equvocos signaos do ayinpalliia e vc-
' (Continuar se-hu )


ll)
laJo b examinar a dnsintelligoocia que talvez por
-hiva imiUT-me-!iei a mostrar qoe essa dootrina lie
absurdo reje:tado por muiros e explcitos accordSot
do supremo tribunal de Franca, cuj autoridade nesta
i ii5o rocusar qucm mesmo cliama em seu abono
a'iurisprodencia fanca. principio capitel deque
' j publica nao podo ser dependente da privada rc-
ri-llo'tiuo o abanJono.leito pelo offeodido de seus direi-
0 satiifjcao ou mesmo a IranMccio com o delir-
nucute, projudique acySo para a punico desle. re*-
litu'cao dorouboouasu'a odemnisacio nao faz com que
naoVanha sido perpetrado o crime,, nem impede que o
seu autor aeja processadoe punido.
Ksto principio lio antigo, u consagrado em dire
tommuro, anda nao lo ii derogado senBo por Char
don Pirasuacoofulfbtrare uma "autoridade muito
arave nSo menos que o anligo procurador da corda, e
Lelheiro do supremo tribunal de Franca, Mangio,
M SUa obra elassica que intitula : De faction pM-
hliave el de l'aetion civi'e enmallen criminelle a
...os n 167 a 170, e 113 a 420 o remello conten-
undo-me de transcrever do o. 420 o seguinle : -a ho
maloqacao dt concordata, e a declaracdo de que o fal-
lid, he execuiavel, nSo ido inoculo ao ejercicio da
acete publica contra o falliio por accuiaco de banca-
roa impla ou fraudulenta,o que vem apoiado em
dou! artstos. e logo mai abaixo no texto de outro de
2de novembro 1827, 16-se- gu* ai decuto profe-
rida, na acedo civil dos credore ido deitituida de m-
fluencia lo'bre a acedo criminal, e que nem pdem a-
p,oveitar nem prejudicar ao aecutado. Ora, se assim
he ea: Franca, em que a accio criminal porexepcao de-
pendo em ligos caaos da aejao civil, que ser neste
imperio em que somenle a civil, nos termos do artigo
68 da lei de 3 de deiembro de 1841, esta dependente
da criminal ? E que dir-sa-ha do urna convenci para
celtio de bens rote e nao cumprida por Cbardon, a qual
-servio para elle dar maior latilude as suas fraudes e
contra a qual protestei no consulado de Franca ? Te-
nho destruido completamente os dous principaes pon-
i em que prolendeo Cbardonasienter a sua defexa.e ai
rbuicoes dirigidas contra mim
Um ptimo-recurso descabrio porm elle, que nio
contesto ser o nico, que Ihc^resta, e vem a ser, nio
adm.tlir a appcacao do art. 263 do cdigo(criminal do
brasil J mostrei, que a accao orimmal nao depen-
de di'decl.racao de falleocia. eda prevengo do fraude;
mis como Cbardon toma por grande Acblles as pala-
vras'desle art, que dei lrio quo sera punida a banca-
rota .lualificada fraudulenta na conformidade das leis
deeommercio. devo di.er-lbe, que qualificar be mar-
ca/ os caracteres, os elementos, ou circumstancias. do
slauma cousa; que por tanto a qual.ficecio de um de-
lito he uma preciegao abstracta, que s pode sel obra
da lei e nio dos tribunae, qu applicioa le. O
niesm art. 63 falla em leis de commercio. e nio
em tribunaes, e o cdigo di., desde o 1.' art que nao
ha'ver crime sem lei que o qual, fique. O turto lo.
uualificado no art. 257; o roubo no art. 269; o ec-
tclonato no art. 264; e deiiou-se no art. 26J a qui-
lificacao da banca-rota, as leis de commercio. Lera
mercanlis tem o Braiil, bem quo nio coordenada, em
cdigo, e em materia de banca-rote: abi eta o airara
de-13 de novembro de 1756. Mas em sua falla, ou
para cxplical-as, vem como legislado subsidiaria a das
nacdes commerciantes, e civilisadas; e assim osarla.
593 a 596 do cod. com. rancer nio so tio recebidos
no-Bra.il, como s bullas do papa na China, como fa-
cetamente diz Cbardon, que em tudo piieceter-ee
pro-posto a zombar do brim senso, e da benevolencia
publica. Certaniento. que, se Cbardon s podesse ser
pfocessado, quando bouvesse um nodigocommerciai
internacional, quo ainda Dio appareceo noste mundo,
" nem se coroprebende como posaa apparecer, nio osen,
elle, nem nenlium banc-rolairo amis: he justi-
atente o caso do sujeito, a cuja vontade so deixou a
escolha da arvore em que devi* morrer enlorcado.
No tem a mibima imporUncia aqu a queslio da ex
Iradiccio.que trouxe Chardon ; serve somenle para pa
tentea'r o alcance de sua alevosia, edas sinistras ten-
cOes, que leve em suas correspondencias; .pois que
nao supponho-o a ello mo legiita tao ignorante aledas
leis de seu proprio paii. A issercio de que nio poda
a sua aecusteio "W feita em Franca, quando all lo.se
conduxido. be contraria direito expresso no art. 7 do
cod. de instrucSo criminal da mesma oecio. iea
cxlradiccio obligatoria nio esli admitlida.no tratado
doBrasil com a Franca, o esti a obr.gacio de cxpellir
do territorio do imperio os reos de certos cfimes, em o
art. 8, quo be um dos perpetuos, muo grado toda a
opposirlo da philantropia de Cardn. Fra do trata-
do podo aexpulsao ter rugar, assim como veidadcira-
mente a extradiccao, quando m conceder governo im-
perial, que nessa concessio usa da sua soberana, e in-
dependencia, e nenhum obstculo tem na constituido
do estado, que nio garante aos eslraogeiros a liberda-
de civil. So a sanecao penal be moral, nio be a extra
dieflo, que a serve o auxilia, lio destituida, como a
Chardon se .figura, do moralidade; ponqu a moral
nao pode ser repugnante entre si mesmo. E permita
ainda leinbr.r-lhe o oxemplo da L'iaoca (oio obstante a
suipalavra em contrario), que depo da revolucao de
julho celebrou com a Blgica o tratado de 22 de no-
vembro de 183, em que Toi convencionada a extradic-
cio para a punicao do ceiloa mu, o delitos com-
meltidos em seus re.pectivos territorios; e por Jim apoo-
tar-lbe quenapropria legislacio mleroa do liracil, se
acba com assento o principio da cxlradiccio, em materia
iruilo delicada como de prejuixo 4 libeidade natural,
obre o que veia-se a le de 7 de novembro de 1831,
art 1.*$ 2." Mas uma negotiaco dulaordem poda ser
promovida por um agente consular, ou anda por um
agenle diplomtico, sem ordem de seu governo ? Heao
que se poda soceorrer a malignidade de Cbardon,
Ficarei aqu; nao bastava a utubomem sem I* nem
honra ter abusado do modo o mas indigno da mioaa
enerosidade para com elle, arrancai-me a nimba for-
tuna por uma fraude, grosseira. o que est provada no
respectivo proeesso por numerosos dosumonlo; dejia
inda nos jornaes de uma capital, em que todos conba-
cem o seu crime, deacarregar sobre mim seus ultrages,
una aiuecas. A ustiga que mu auiste, nio pdwscr
dniconbecida, ella-Jalla milo alto ; o a condemnaclo
du Chardon be a conseqoeBcia que deve seguir-se do
eu procedimento. BeoHc, 11 de agosto do 1845.
Suu, 4c. .'< .
I, Poudra.
Alfandega.
Rendimento 03 di 12*.............15:620*756
Deicarregad hoj 13
Briguc franeezBeanjeu merc.dorias.
BriguePolidora idem.
Consulado.
RENDWENTO 1)0 DA II.
Cersl1:373j450
Provincial517.776
Moviiuento do Porlo.
Navios sahidos ao da 12.
Babia ; lanchio braseiro Bom-Fim, capillo Jos* Joa-
quim da Coste, carga diverso.gneros.
Liverpool; galera inglea Sword-Fih, capilio Ri-
chard Creen, carga assucar: pasagoiro, CoorgeCba-
dwich, Ingle;.
Acarac ; patacho braseiro IVovo-Bmulacdo, capitio
" Antonio Gome Pereira, carga diversos genero.: pas-
ssgeiros, Manoel Colho Molla o sua senhora, Ber
nardino Januario, Ignacio Pereira da Silva, Joaquim
de Vasconcelloa Pinto, Brasileiroi; Francisco Ro-
drigues dos Santos, Portuguez.
Edities.
=A cmara municipal dosta cidade advorte eos do-
vedorea de impostosmunicipaes, quo os trinta dias.msr-
cadospora dita cmara para verificacio do pagamento
dos mumos impostos, e.tao a findar-se; depois dos
quaes se proceder na conformidade das posturas. E,
desejando a cmara evitar esse procedimento, mandou
faier o presente annuncio." Recife, 11 de agosto de
J815 1/anoe/ Joaquim do fego Albuquerque, fte-
lidenio.JodoJoic Partir de Aguiar, secretario.
= A cmara municipal deta cidade avisa aos seus
devedores de foros, paia os vir pagar at ao ultimo do
correle mez, sob pena de os fazer cobrar judicial-
mente. E, para constar aos respectivos foreiros, man-
dou publicar pela imprensa. Recife, U de agosto de
1845.Manoel Joaquim do llego Jlbuquerque, pre-
sidente. Judo Joc Ferreira de Aguiar, secretario.
Miguel Arckanjo Monteiro de Andrade.official da im-
pei tal ordem da liosa, cavaeiro da de Chruto e
intpector da alfandega de Pemambuco, por S. M.
Imperial, o yenhor O. Pedro II, que eo guarde,
. Fax saber quo, no da 13 do correle, se ha do arre-
matar em hasta publica ao meio da, na porta da al-
fandega, uma crrante do ouro, impugnada pelo guar-
da Francisco Antonio da Silva Cavalcanti. no valor de
60,000 rs., no despacho por factura de L Bruguiro,
sob o. 503; sendoarrematacaosubjeila a direilos. Al-
fandega, 12 de agosto de 18 i":
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade.
Detlaracoes.
-Olllm. Sr. director do lyco, manda faier publi-
co, em consequenca do que Ihe ordenou o Ex ni. pre-
sidente da provincia, que, da dala dcsle a 40 das, ira
a concurso a cadeira de primeiras letlras da freguena
do Bom Jardim : os candidatos, quo a dita cadeira se
quierem oppor, babilitem-se na forma das nstruccoes
que regalio os concuos. Secretaria do lyco, 13 de
agosto do 1845. Jodo facundo da Silva Guima-
rdti, secretorio.
=0 Illm. Sr. coronel director do arsenal de guerra
compra,para a companbia dos aprendizes menores, ris-
cados americanos, brm, g.nga atul trancada o lisa:
quem tees gneros tiver, mande as amostras e a propos-
ta com seus ullimos precos em carta lechada a esla di-
rectora alio da 14 do correrte mes; adverlicdo quo
ser paga a fajenda no acto da entrega. Directora do
arsenal de guerra, 11 de agosto de 1845.No impe-
dimento do esciipturaiio, o amanuense, Jitio Hicar-
do da Silva.
O delegado supplenteda audiencia todos os das u-
teis s9 horas da manbia em sua casa na ra da Penba
o. 3, 2. andar, e ouve as partes a qualquer hora.
Aiiociac&o commercial de Pemambuco.
A reuniao da asscinbla gcral da associacao com-
mercial desta praca, designada no artigo 5. do cap
tulo 3. dos estatutos para te proceder a eleicao da nova
mesa da direccio, e para a qual sio os Srs. socios pelo
presente convidados a comparecerom, ha de ter lugar
na quinte-feira prxima, 14 do correnle, ao meio da
em ponto, na sala das scssCes da mesma associacao na
praca do Commercio. Pemambuco, 11 de agosto de
1845. Manoel 'ereira Itotai, secretario.
A nova Companhia Italiana
avisa ao respeitavel publico, cjue sabbmlo
i6do correnteser a i/uarta representa-
Vao lyiica, na qual cantar pela primen a
vez o baixo profundo Sr. Gacorn Bonan-
ni; com os Diarios de sabbado se darao
os pormenores.
Avisos martimos.
Para a Babia o hiato S. Jodo, de que he mestre
Manoel Maiia, segu viagem nesles 4 das, com a carga
que tiver: quem no mesmo quiter esnegar, pode en-
tender-se com Amoiim lrmios, na rna da Cadaia
o. 45.
Para o Pari vai sabir, at 20 desle mei, o brigue
hanil uiguez Polidora, que tom bous commodos para
passageiros : quem no mesmo quizer ir de passagem,
dinjo-se aos consignatarios I. D. Wolpbopp & Couipa
nhia, na ra da Crux n, 10.
= Sai vpreterivelmente no da 14 do corrento
para o Aracaly o patacho nacional J\eptuno com ex-
eellentes commodos para passageiros: trata-se cuoi
Jos Bapliste oa Fonseca Jnior, na ra da Crui,
o. 37 ou na mesma ra, n. 51.
= Precisa-se (retar um navio de lote de 200 tone-
ladas para eooduiir gado, do porto do Cear para
Cayanna : a tratar na ra da Crus, o. 13, cata de
Ridguay Jamison & Companbia.
Para oMaranbio sai com brcvida.leabarca Er-
mendt, espitan JuliSo Ferreira Nuncs: quem na
uiesma quizer ir do passagem, o carregar por freles man
commodos, dirija-so aos consignalarios Francisco Se-
veriano Rabcllo & Filho, ou a ra da Csdoia-Nellia,
rmazeir n. 12.
Para a Babia vai sabir brevo o briguo nacional
Indiano : quem no mesmo quizer carregar, ou ir de
passagem, dinja-se ao seu consignatario Manoel Igna-
cio doOliveira, na ra do Apollo n. 18.
__ O hitlo Novo Olinda, do primeira marcha, for-
rado, eencvilbado de cobro, pretende seguir, coma
maior brevidade possivel, para o Atacaty : os pie'.en-
denjes a carregarem so poder5 entender com Anto-
nio Rodrignes Lima, na praca do commercio, ou na ra
da Cadeii-Velha n. 1. primeiro andar.
=. Segu viagem para oCoar com toda a brevida-
de, por ter a maior parte da carga prompta o hiale
Aguia-fraiileira mestre Antonio Jsnuario deCar-
valho : quem no mesmo quier carregar dirija-so a
ra da Cruz, n. 52
Avisos diversos.
Precisa-so de 400,000 rs. a premio, dando-so
em hypotbeca um predio de Irjplicado valor: a quem
convier, snnuncie.
__ A pessoa, que pretende comprar uma duzia de
leiras, e duas bancas, dirija-so a ra do Livramento
cmlci
n.
22.
__ Prccisa-so do uma ama, que tenlia bom leile,
para criar um menino de 4 mezes: atraz da matriz,
sobrado n. 14, ou annuncie para sor procurada.
J. B. C. Tresse, fabricante d'orgios de igreja,
avisa ao respeitavel publico, e particularmente aos Srs.
Ihesoureiros, ou pessoasencarregtdas das igrejas, que
elle la/, orgios para igreja de todos os lamanlios, com
clarim, trombeta, cromorno, voz humana, orouxinol,
ou qualquer outro jogo : oulroditoorjao, (que sendo
ouvido nao tem apparecido aqu) a duas finas, a cla-
vier, e a chave de realejo para falta d'organsta, ou por
falla de saber tocal-o ; enlio so loca com a chave, co-
mo so fosso um realejo, obtendo a mesma voz d'um
orgio de igreja, contendo, nos cylindros, a missa, os
hymnos, e os kyries, para quaesquor fostosdo anno ,
ludo reunido na momia obra; outros orgaos, forte-
piannos, com voi humana, o flauta, para cantar a mu-
ica vocal; realejos do todos os lamanbos, para igreja,
contendo, nos cylindros, a missi, os hymnos, o os ky-
ries, para quaesquer festas do anno (pioprio para qual
quer igreja, que nao tem organista) com a n.esma vos
d'um o.gao: outros ditos realejos pura recreio, conten-
do quadrilbas, contradanzas o.valcus, para dancar e
quaesquer marchas ao gosto do comprador ; conccrla
os ditos instrumentos, c poc marchas noves : em Sanio
Amaro, na entrada da estrada que vai para Belem, no
sitio de J. B. C. Trcsso. o-i no Allerro-da-Boa-Vista,
n. 20, a fallar com o Sr. F. Chaves.
Respondendoausannuncios do Sr. Claudio Du-
bcux, de !) e 11 do correle, inseridos ern o Diario
de Pemambuco, tenbo a.diier, que, summamente es-
crupuloso no cumprimento da vontado ultima de um
amigo, que deixou a companbia dos vivos, quero por
isso ser o executor do seu testamento, visto ter sido ins-
tituido por seu lestaincnlciro. As lois mandio respai-
lar as ultimas vonUdcs, como actos legislativos, in-
tumbindocom milita especialidade eos juizes o cuidado
de as fazer cumpnr: veja se a ord. liv. I tit. 62, 8,
e a li i de 25 de junho de 1706 5. Neslo sentido ja v
oSr Claudio Dubeu, que, sendo elle toslamenteiro
dativo, nomeado na minba ausencia temporaria, (em
cessado oseu officio con. a minba preseoca. em conse-
quenca da minliu acceitacao, decretada, e roduzida a
efleilo por despacho doju'O, edisposivio da le. A
sua reluctancia de combinadlo com oscredores do tal-
lecido Joio Antonio Martina Novaos, na entrega da
testamentaria, o bens desle, o torna refractario e de.o
hediente s leis : a vista do que o publico ajuio de que
parto eslarO as intentos puras e bja. ; e se com di-
reito leuho feilo os annuncios, pelos quaes mostra tan-
to agaslamenlo oSr. Claudio Dubeux, a quem alias
tributo afleclo e respeilo.
Joii Maria da Coito- Carxalho.
Aluga-se o lerceiro andar e solao
com grandes commodos, por prec,o coni-
inodo, e bstanle arejado; no mesmo so-
brado, primeiro andar, n. 4.T rua
Estrena do Uosario.
= Precisa-sede um borlclio, para trabalbar em
uma boita n'um cngenbo distante de.ia praga duas
leguas, genliando8/rs. mensaes, comer, e roupa la-
vada ; quem esliver nestas cireumslancias dirija-sea
rua larga do Rozario loja de miudezas, n. 35.
es Lmpa-se toda a qualidade do armamento ar-
rojos o lerragens com perfeic;ao, isseio e promptidO'
na rua atraz de S. (tita, n. 60.
LIQUR DA CUMA OU ESSfcNCIA DA fOlMOSURA.
O ebeiro dolicioso e suave desle precioso e bem co-
nliecido cosmtico o tornio digno de Ggurar nos
ninis elegantes toiletei Ello amacia, limpa, bran
queia o alisa a pelle; entrelem sua Irescura a brilho na-
turaes; tira as saldas, pannos, es, inbaa, eoutras alec-
i.-oes cutneas; laz desapparecer a caspa da cabeza e
previne a sua reprodcelo; fui tfica e di lustro aos ca-
bellos; lira o mi alito; conlorta as gengivas e previno
a dor dos denles: muilat o mu repelidas experiencias
loem confirmado a eflicacia desle cosmtico, em lodo, os
casos cima ditos: vende-se somenle na rua da Cadeia
n. 15.
POS ASITICO* C MININA DOS.
Estes pos teeni a propriedade de limpar, blanquear e
conservar os denles, sem produzir a menor alleracio
no ecu vidro ou esmalte., o qutl el'es endureccm ;
previncm a carie, e destiocm a pedra dos denles ;
consolido as gengivss ; dio i bocea uma cor, ebeiro
e frescura mui agiadaveis: affianca-se, que ellos nada
escarrio que possa ser nocivo aos denles: vendtui-se so-
menle na rua da Cadeia n. 15.
O abaixo assignado declara ao pu-
blico que ningucm contrate negocio al-
gum com Paulino da Silva iMindello sobre
os escravos Francisco de narao Costa, com
olicio de marinlieiro, e Jozepha crioula;
pois que se acbao penborados por execu-
lc5o de sentenca, escrivao Souza, e para
que ningueni se cUare o ignorancia se laz
o presente annuncio.
Elias Francisco Mindello.
= Di se'azcite de carro palo de vendagern, pagan-
do-se400rs. por caada: quem quizer dirija-.o a rua
do l'flgo n. 15 : na mesma casa aluga-se uma prota, ou
moleque, que seja gil.
Claudio Dubeux, testamenteiro da-
tivo do finado Joo Antonio Martins de
Novaes, tendo acceitdo esta testamenta-
ria, resolveo o embargo, que os credores
do mesmo Novaes haviSo verificado nos
bens da massa ; acba-se entregue da casa,
e por isso habilitado paro receber, e pas-
sar quitaces aos devedores da testamen-
lai a ; aos quaes o annunciante roga, ve-
nhao quanto antes remir seus crditos pa-
ra nio se ver na irecisao de realisar aar-
recadaco por meios judiciaes. U annun-
ciante mora na rua das Larangeiras, n. 18.
= Aluga-so o sobrado n. J9, da rua daa Trinchei-
ras. com bons commodos e gosto ; a tratar no mes-
mo sobrado.
Aluga-se o segundo andar da casa n. 4, da rua
doCodornir, no lorie-do-Matto: a tratar na mesma.
A quem Ihe fallar uma ancoreta de azeitonas,
dirija-se a rua Direila n. T2, que se dir.
Quem tiver, para alugar. um primeiro andar e ar-
mazern d'uma casa, com vista para o porto, e o mar,
dirija-se a este typogiaphia, para saber quem procura.
= Precisa-so saber onde mora o Sr. Francisco do
Moura Aceoli o a Senhora Francisca Candida ,
para Ibes serem entregues duas cartas de seus interes-
ses: annunciem por esta folba.
= Deseja-so saber aonde existe o Sr. Manoel Man-
ques Ribeiro patural da cidade do Porto,, a negocio
de seu interesse : na rua de S. Rita n. 30 on an-
nuncie sua morada.
= D-sedinh"iroa promo com penhores do ouro,
e prata, mesmo em pequeas quontias : na rua da
da Praia, n. 22. .
= Precisa-se de um oficial do babulciio ; na rua
Madre-de-Ueos n. 22.
= Um Portuguez bastante apto de 40 o tantos
annosdo idade, sem familia, que escreve bem, conta o
tem muita pratica do negocio e de padaria e
oflerece para caixeiro da mesma ou oulro qualquer
estebelccimento mesmo sendo para o mallo ; da
fiador a su conducta : quem de seu prestmo se qui-
zer utilisar, dirija-se a lojaao pedo arco de S. Anto-
nio n 2 ou annuncie.
= Pretcnde-se comprar a meia-agoa n. 6, ja hy-
polbecada desde outubro do anno passado (1844) ; a
qual dea nos fundos da casa terrean. 5 na rua dos
Pescadores : quem tiver alguma reclamaoio queira
laiel-a por este i'aro, a fin de se eviterem duvdas
para o futuro.
=Cjuem precisar de uma ama com muilo bom leite,
e desimpedida, dirija se a rua Bella, sobrado o. 37.
= Aluga se um segundo andar do sobrado da rua
larga do Rozario e urna casa terrea na rua da Coo-
ceicao da Boa-Vista com bastantes commodos: a
tratar no Atterro-da-Boa-Vi.ta n. 43.
= O abaixo assignado avisa aos Srs. negociantes
desta praca e particularmente aquees com quem
tem relaces de commercio que de ora em diante
fica acabada a firma Couto Vianna & L Ibo por
ja nao poder existir a sociedade, que o mesmo abaixo
assignado tinba com seu ilbo Jos Martins do Couto
Vianna; ficando por consequenca o nico nome do
abaixo assignado para figurar as transaccoos, que fi-
xer : oulro sim, ochando-se em andamento o inventa-
rio do seu casal por lallecimeoto de sua mulher,
cumpre que todos os seus credores legalisem suas di-
vidas para serem pagas, pelos bens existentes, uma
vez que be esta a sua vontade em tirtude da boa f,
com que sempre negociou. Amonio Martins do
Couto Vianna.
= Sr. Paulo Jos do Araujo quo veio do Por-
to para esta cidade, em julho de 1840. queira dirigir-
se a rua Direila n. 10, a negocio do seu interesse.
asa Precisa-se alugar uma preta, quesaibacoxinbar
para casa de pouca familia ; na rua da Aurora, loja do
sobrado n. 48.
= llerece-se para ama do casa de pequea familia,
ou do bomem solteiro uma parda com habilidades ;
quem de seu presumo se qoirer utilisar, dirija-so a rua
do Moronba loja do sobrado n. 1.
= Arrenda-se um sitio na Varzea oom arrorodos
de fruto e fundos no rio Capibarbe ; #ias casas tr-
ras pequeas, o uma olaria, sitas na Pass.gem-da-
Magdalcna junto a ponte graude : a tratar ni rua da
Gloria sobrado n. 59.
= Quem acbou um carneiroem grao lodo bran-
co com uma orelba corlada muito manco o gordo,
querendo restituir, dirija-ce a rua da Crux, n 54.
Precisa-se da quanlia de 200.000 rs. a premio
por lempo de 8 meies, pagando se o premio, que se
coovencirnar, monsalmonte al seu embolco; a quom
convier,annuncie para ser procurado.
__ Precia-se de um caixeiro para loja de faiendas,
o Rio-I'ormozo, de 12 a 15 annos; quem nestaccir-
cunstancias esliver, pode dirigirse a rua da Cadeia do
Recife loja de fazenda, de Jos Gomes Moreira.
Altencdo ao bom'.
Quem precisar, para pagem.de um mulatinho de
14 a 15 annos sem o menor vicio ou achaque, assim co-
mo de um escravo bom carpina, um dito bomcarreiro,
Ircs ditos para todo o servico.uma bon ila moleca de dado
15 annos, tabendo todo o servico, uma escrita de bonita
figura, engomma, coiinba, e cose muito bem; duu ditas
para lodo o servil o externo de urna ca.a ; dirija-se a
rua de Agoas-verdes, n. 46.
O Sr. Joio Gomes Jasmim, que no Diario de 12
do correle annunciou, convidando-me a remir penho-
res meus ou alheics quo esli em seu nome, esti obr-
gado.em satisfacio ao publioo.eao annunciante,* provar
no prefixo praio de 3 dias a verdadedo seu annuncio, do
contiarioseri tido por um impostor, sobre quem deve
recahir pleno desprezo.como autor de uma falsidade quo
pode compromeller o crdito daquelle que na lisura de
seu. trato, tem firmado o conecito publico deque goza.
I Recife 12 de agosto de 1845.
Joio Frederico d Abreu Pego.


Pode-sc ao Sr. F. X. C quo haja de compa-
decer ( com presteza ) eni casa do uro aoultalivo
lim de pagar os annos de partido que dove.
rgo (orte-piano.
J. B. C. Trosse participa ao publico quo elle
em de labricar um orgio forte piano com voz hu-
mana e flauta, proprio para msica vocal, que ven-
der por preco raroavel : quomoquizer comprar, di
rija-ie a ra Nova, n. 13 a fallar com os Srs. Didicr
RoLert & Companhia
O NAZARENO N. 117
estar i venda nos lugares do costumo ; o traz impor-
tantes arligos um dos quae prova quo o govcrno
actual do brasil he absoluto.
Parante o Sr. doutor juiz da orphos e ausentes,
no dia U do corrento moz, pelas II horas da manbaa,
se bo de arrematar urna porcio de barricas de farinha
de trigo e todos os mais bens movis o si movenles,
pertencentes a beranca do finado Benlo Antonio Do-
mingues no lugar da ra Nova ond foi a padaria
do mcsmo finado*, sondo presente, por parte da fazcnda
publica o doutor procurador-fiscal o pelo bordeiro
ausente o vice-consul respectivo.
Na ra de Horras, casa n. 88, ha urna Senhora ,
quo se doJica a ensignar meninas, de primeiras lettras,
contar, grammatica portugueza o francesa, coser, bor-
dar marcar, fazer lavarinto e flores : quem quizer
aprovoitar-se do seu prestimoa dever procurar me-
diaatea gratificarlo de2s rs mensacs.
O abaiio assignado faz sciente que no dia 10
do orrentn das 7 para as 8 horas da nouto Ihe loi
scduzido um seu oscravo do nome Malheos, por pessoa
boin conhecidn e que o conduzio para certa parte; a
qual sedut&o foi observada por pessoas, que se ochavan
prximas e quo tudo observrSo ; assitn como que o
dito e.'cravo eslava ebrio : roga-se a pessoa que o tom
oceulto, baja de o soltar do contario vera o seu nome
publicado por esta folha e se proceder com todo o
rigor da lei. Constantino Js ttapoto.
= Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra
Direita n. 3, bastarte fresco e com commodos pa-
ra familia : a tratar no primeiro andar do mesmo so-
brado.
= Tirrio, no sitio de Ponto-do Ucha de um
tanque de pedra urna torneira de metal ; quem a
descubrir, ou souber querendo restituil a dirija-so
aodito sitio de Mara Felicianna de liveira Ramos,
ou na ra Bella sobrado n. 37, quesera recompen-
sado.
= Julio Togelmeior, Hamburguez vai ao Para.
" Aluga-se, por preco cornmodo, um grando ar-
ma/om com porta de coebeira no largo da matriz de
S. Antonio : quem o pretender dirija-se a ra da
Aurora n. 56, segundo andar.
= Ensina-se grammatica latina com toda a perfei-
cao e em breve lempo ; da mesmu surte philosophia,
c rbetorica : na ra larga do Kozario n. 48. primei-
ro andar, por cima da padaria do Vallenca.
= Precisa se de um rapaz para caiseiro de venda ,
ainda mesmo tendo pouca pratica ou mesniode um pe-
queo de 12 annos, dando algum lempo para apren-
der : na ra doCotorello n. 31.
= Quem precisar de urna mulher espaz para ama
de urna casa de pouca familia ou de bomem solteiro ;
a qual engomma bem, e cornha o diario de urna casa,
c da prova da sua conducta pelo seu proprio amo que
tcm servido, dirija-se a ra do Caldeireiro, n. 88.
= Lavase, e engomma-se r upa do bomem e se-
nhora : na ra do Kangol, n. 58.
3
para fardamento de pagem a 2500 rs. ocovado supe-
riores lencos encarnados inuilo finos e grandes, a 440
ris e outraa muilas fazendus j mencionadas nos-
te Diario ; advertindo-se aos compradores, quo todas
estas fazendas sao limpas o de boas qualidades : na rus
do Collegio loja n. 1, do Antonio de Aicvedo Villa-
rouco & Irmio.
= Vende-te um preto crioulo moco o sadio, pro-
prio para agricultura por ter sido sua oceupacao e
he carreiro ; no Recile, loja do JoSo Jos de Carva-
Iho Moraes.
= Vendem te catss-chitas do lindos padroes e de
cores fizas a 240 rs. o covado dita em cortes a 2000
rt. cambraias de listras com flores do cor a 360 rs. o
covado dita em cortes a 31)00 rs. ditas largas fran-
cozas com assentos escuros a 260 rs. o covado ditas de
quadros e listras de gostos muito modernos a 320 rs.,
ditas finissinrius a 440 rs. riscados finos e de cores fi-
zas a 200 e 240 rs. cortes de chitas escuras a 1600
n., dita em covados a 160, 180 e 200 rs. cassa "lisa
muito larga a 400 rs. ditas do quadros o listras a
3G0 o 400 rs. a vara cortes de cambraia adamascada
branca e de cures a 400 rs. dita lisa fina a 600 rs. ,
cortes de collete de gostos modernos a 2500 rs. fut-
ios para collete a 320 a 480 rs. o covado medraste
fino muito largo a 260 rs. a vara dito em peca a ;">S
e 5400 rs. madapolio enfestado Gno a 6800 rt
brins de quadros e listras, francezes para calcas a 520 e
400 rs. o covado casimira do algodao para calcas a
180 rs. o covado, macedonia do listras a 600 rs. brins
de algodao cntrancados muito cncorpados a 480 rt a
vara ditos escuros e brancos todos de linho a 700 ,
800, 1000 e 1280 rs. a vara, meias para meninos a
20 rs. luvas de algodao a 200 rs., algodao mesclado,
proprio para cscravos a 240 rs. o covado dito liso
amoricano muito encorpado a 220 ib. lencos de algo-
dao e seda a 610 e 1(300 rs. bretanba de rolo muito
encorpada com 10 varas a 2000 rs., mantas do linho
grandos a 3000 rs. e outras muilas fazendas por ba-
rato preco; na ra do Grespo loja n. 14 de Jos
Francisco Das.
= Vcnde-se potassa americana muito nova e de
superior qualidado em barris pequeos ; na ra da
Csdcia-Yclha armazem de assucar n. 12.
Vende-se, a dinbeiro ou a prazo com boas firmas,
ou Iroca-scporprediosneslo praca.ou escravos,urna pro-
priedado de trras, que dista duas leguas da cidade da
Victoria
urna legua
co e vermelho pilado ditos de casca ditos de fari-
nha ditos de feij.lo mulatinho tudo do alqueire o
da mclhor qualidade, que boje apparoce na praca ,
por preco cornmodo ; na ra da Cadera do Recife ar-
mazem n. 8. '"
Vende-so um moleque tle 14 annot; na ra da
Cadeia de S. Antonio, n. 22 primeiro andar.
= Verjdu-se farinha do mandioca em saceos; na ra
da Gloria, n. 59.
= Vendo-so, por precisfio urna preta do naci ,
de bonita figura de idada de 26 annos, engomma ,
lava, cozinba o diario de urna casa ; na ra de Hortas,
sobrado n. 94.
as Vende-se superior cesada moida; na relinacao de
Bernardo Jos da Costa na rus Direita n. 10.
= Vende-se um cavallo bom carregador passeiro ,
o bastante gordo o u trocase por outro que tenba
bons andares ; a tratar no Salgadinbo em urna ven-
da com Joao Evangelista da Nascimcnlo.
=Vende-se urna alambique e urna bomba peque-
as ambos de cobre e 4 tonnis limpos arqueados
de ferro ; na ra da Gloria, n 59.
= Vendem-so duas duzias de camisas de madapolio,
bem trabalhadas, a KWH00 rs. a duzia,e alguns pares de
ceroulat de linho, a 1200 rt.; na ra da Cadeia do Re-
cife n C primeiro andar.
= Vende-se potassa da Russia, muito nova ; o ar-
cos de pao para barricas : no Recife, ra da Cruz ,
o. 45.
= Vcndo-so um cbronomelro inglez, novo ; na
ra da Cruz, n. 13 casa de li id un y Jamison & Com-
panhia.
= Vendem-se dous pretos ainda mocos, canoeiros
e marinheiros; na ra da Madre-de-Deos, n. 36, se-
gundo andar.
= Vendem-se, por preco cornmodo, 4 varandat de
ferro, novas e feilas com muilobom gosto para ja-
n el las de sacadas, tendo de frente urna II palmos
oulra 8 ditos e duas a 9 palmos cada urna edous
ditos do cada Isdo: a fallar na ferrara da ra do Brum,
n. 7, junto ao muro do arsenal.
= Vende-se um molequede 14 annos, de bonita
figura; um negrinba de 12 annos, muito linda, esem
achaque algum : no Atterro-da-Boa-Vista, n. 46.
= Vende-se, ou purmuta-se por casa terrea, o so-
brado de 3 andares da ra do Azeite-dc-Peixe, n. 18:
a tratar na ra do Fugo, n. 11.
denominada Aluga-das-Antas, com =Vende-se lona igual o da Russia, na sua qualida-
de terrino, propria para plantacCes, ou Jo largura e bondade para velas o encerados, por
gretso do Cruzado por Sir Valter Scolt, venida em
porluguez por E. P. da Cmara 1 v. ; na ra da
Alegra, n. 26. '
= Vendom-se saccas do farinha a 5600 rs. ; na
ra larga do Rozario na esquina da policio venda
n. 0.
= Na ra larga do Ronrio n. 35 primeiro an-
dar vendem-se obras de ouro, viudas do Rio-de-Ja.
neiro, de muito lindo gosto comoloquode 14 qui-
lates, e tambem algunas da Ierra, de ouro, com o to-
que de 18 quilates, bavendo, em ambas as (acturat
aderecos de muito bom gosto e meios aderecos, e
mais algumas obrat de diamantea e brilhantes; vco-
dem-se tambem fazendas de seda cambraias de linho
de muito bom gosto, lencos de cambraia de linho par
mfio rquisimos manteletes de bstanle fantasa par
-Compras.
= Comprao-se duas rotulas ou vcneiannat com
tuut postigos, sendo de 11 palmos de altura e 6 do lar-
go pouco mais ou menos e alguns caizilbos para
portas de varauda e alcova : na ra da Cadeia do Re-
cre n. 25.
= Compro-se barris vasios; na ra Direita, n 9.
= Compra-se um p>.o para tipoia novo ou que
csteja em bom eslado ; quem tiver annuncie.
= Compra-so urna coelba do casta grtnde do
qualquer cOr que seja ; na ra de Apollj, n. 12, ou
annuncie.
Compra se urna arto Irancoza de Sevene, usada ;
quom tiver annuncie.
Vendas.
t
Altenco ao bom e barato
= Vendem-so superiores chitas para coberta, de tin-
tas fizase de bom panno a 180 rs. o covado superio-
res cortes de j^ita fina do novos padroes e chegados
ltimamente, de 15 covados, a 3500,3800 e 4500
rt. riscados Irancezes muito finos a 500 rs. o cova-
do cortes do cassa-ebitas transparentes de lindistimos
padroes a 2400 e 2300 rt. chitas a 120, 140, IbO e
180 rs. ocovado, madapolo a 150, 160 e 180 rs. a
vara, dito fino a 200, 220 a 240 rs. dita, madrasto
muito fino a 280 rs. dita, pecas do madapolo a 2800,
3200 e 3400 rs. dito fino a 4000, 4200 e 4600 s. a
peca madrasta fino a 5200 e 5400 rs. dita chitas a
4500, 5200 5500 e 6000 rs. ditas escuras, cbadrez
de linbo para aquetas a 520 rs. o covado superior
selim preto de Maceo a 3200 e 4500 rt. o covado ,
chalet de lia e seda grandes, a 4500 e 4800 rs. cor-
tes de ebitct de 10 covados escuras, a 1(500, 1800 e
2000 rs. o corte sendo entre finas e de boas qualida-
de! superiores fusles brancos a 1000 rs. o covado ,
marte azul de vara de largura a 260 rs. o covado, mui-
to boa latenda para pretos, algodao azui mesclado
trancado, muilo encorpado, a 240 rs. o covado, algo-
dio americano largo e encorpado a 220 rs. a vara, dito
esireilo a 160 rs. a vara, esguiiode superior qualida-
de, do verdadeiro e puro linho, muilo lino, a 1500 rs.
a vara bretanba fina de puro linho de 6 vurss a 2800
c 3200 rs. a peca, ditas de rolo a 1800 rs. a pee, chila
a 140 rs. ocovado, riscadinbos novos Irancados mui-
to boa fazenda para meninos a 200.rs. o covado cas-
tores ou riscados de littras a 240 rs. o covado, brins de
bonito* padiOes do quadros a 300 rs. o covado ditos
finos muito encorpados e de listras a 640 rs. a vara ,
meias Goas de algodio para bomem a 3600 rs. a duzia
sendo de muito boa qualidade corle de ebali, ditos
de seda, pannos Gnot preto e azul tendo o primeiro
de uuia linda vista para pannos de pretal, e o segundo
criacio ; tom dentro dous grandes assudes, e recebe
de foros lodosos annos 200/ rs., quo Ihe pagao; lem
boa casa de vivendu, com bastantes commodos son-
zalla para pretos estribara, engenho para descaro-
car algodio prensa para farinha o trmazens para
depozitos : a fallar com Jos Das da -ilva na ra da
Cadeia-Velba n. 59 ou nosAfogados, com Lou-
lenc i Jos do Moraes Cervalho, na ra do Rozario.
= Vendem-se ricas caixas do tartaruga, botins e
meios ditos do Lisboa chegados no ultimo navio e
eslojos do navalhas ingieras a contento ; na ra dos
Quartois n. 24.
= Vendem-so rolos de chumbo coi lencol de todas
at grossuras proprio para canos e terrado por pre-
co cornmodo ; na ra do V gario armazem n. 8.
= Vende-se milho em sueca a 4500 rs. ; na ra
da Cadeia de S. Antonio, n. 19, depozito do farin
de mandioca.
= Vendo so urna parda de bonita figura de ida-
de de 20 annos, muito sadia engomma, laz renda
e cose chio ; um molequo de 18 annot de idade. mui-
to robusto proprio para lodo o servieo ; na ra da
Cadeia do Recife loja de Joao da Cunba Magalbies.
Vende-so urna morada de casa em chaos pro-
prios na ra Velha, n. 62 com bom quintal e ca-
cimba : a tratar no pateo do Cumio n. 5.
= \endcm-so duas esclavas, de bonitas figuras,
tendo urna de todo o servieo, e para lora da provincia
a oulra muito boa engommadeira, e cozinheira ', dous
bonitos escravos, do todo o snico, bons para enxadas,
sendo um perfeilocanoeiro ; e urna negrinba, de 12
annos : na ra larga do Rosario n. ili, segundo andar.
= Vendem-se muilo boas biches chegadas lti-
mamente de llamburgo as melbores que ba no paiz ,
e muito grandes; tambem se alugio e applicao-se
para mais commodidade dos pretndenos : na ra es-
tieita do Rozario, defronloda ra das Larangeiras, lo-
ja de barbeiro n. 17
= Vcnde-se um bonito pardo moco sem vicios ,
ptimo para pagem ou oulra qualquer occupac3o ,
por ser muito diligente ; urna bonita crioula muito
moca sem vicios, engomma muilo bem, cozinba, faz
bolinbos e refina assucar : alraz dos Martyrios ra
do Caldeireiro, n. 46.
Vende-se urna prensa do estampar resistes, com
8 capas o mais pertenecs novos; na ra do Livramcn-
to, ioja n. 13.
= Vendem-se ou troci so por ouro, ou prata quebra-
da, as seguintes obras de prata contrastada : um appa-
relho de cha ; um faqueiro ; un par de caslicaes; tres
copos ; seis salvas ; urna escrivaninha ; u.ma cafeleira;
um buledesirmanado e um palilciro : na ra da Ca-
deia do Recife, n 6, primeiro andar.
= No armazem de Fernando Jos Hieguei, ao p
do arco da Coocoitao, ba, para vender, por preco corn-
modo muilo bom oleo decupabiba em lata.
= Na ra do Trapiche n 34, segundo andar, ba ,
para vender, por preco cornmodo superiores charutos
regala chegados ltimamente da llahi
= Vcnde-se um guarda-louca pequeo, moderno, c
de amarello, em muilo bom uso ; urna mesa grande,
redonda de angico quasi nova para rucio de sala;
na ra da Cadeia-Velba, loja de Scve & Irn io.
= \ endem-sc dous escravos urna parda muilo
n>oc,d e robusta para lodo o servieo de una casa ,
sabe engonimar, lavar e cojinbsr com principios da
costura ; um moleque para lodo o servieo do casa e de
campo, ambos de bonitas figuras ; na ra da Cadeia
de S. Antonio, caa n. 25.
Vende-se muito superior fazenda escocesa, mui-
lo larga e ebegada ltimamente para vestido de
senbora pelo barato preco de 320 rt. o covado; ss-
sim como oulras muilas fazendas por barato preco : na
ra do Crespo n. 12, loja de Jos Jotquim dt Silva
Maia.
~ Vendem-se pennat de ema sola e bererros cou
ros de cabra, escolbidot, cera de carnauba por pro-
co cornmodo : na ra da Cruz, n. 51.
=-V'endcm-se saceos de milho, ditos de arroz bran-
ser muito encornada e toda de linbo pelo cornmo-
do preco do 24 rs. a peca ; na ra do Vigario, arma-
zem de tanoeiro n. 27. *
= Vende-se um peixe vulgarmente chamado Pura-
que ou Genoto-Eletrico apresentando os effeitos da
machina dedica ; no Atierro-da- Boa-Vista boti-
ca de Joaquim Jos Moreira n. 86.
= Vende-se potassa da Russia, muilo nova a ar-
cos do Porto para barricta; na rus do Trapiche, ar-
mazem n. 17.
= Vendem-se camafeos finos do ultimo gosto, en-
grasados em ouro ; na ra da Cruz, no Recife, arrna-
zom n. 45.
Vende-se potassa da Rusta nova, e superior, a
320 rs. a libra ecal virgom em pedra, de Lisboa; na
ra de Apollo, n. 18
= Vendo-se um armario com tua competente pe-
dra logareiro e os mais utensilios para te fa/er cho-
colate e 5 ou 6 arrobas do cacao de primeira quali-
dado para o fazer; e, no caso do comprador nio co-
nhecer a maneira de fazer o chocolate o vendedor Ibe
ensinara tudo quanlo pertence aquella aite ; no At-
lerro-da-lloa-Vista, fabrica do licores n. 26.
Vendem-se duas bonitas crioults recolbidat,
de idade de 18 annot, com bom comporlamento ; urna
preta de Angola mi dat ditat crioulat: na ra es-
trella do Rozario n. 10, terceiro andar.
= Vende-se azeite de carra palo a 400 rt. agir-
rafa ; na ra da Praia venda n. 46.
= Vende-se um par de malas em bom estado ; na
ra Direita n 9.
= Vendem se 12 (orneiras de metal, muito pro-
prias para venda ou qualquer oflicina, que tenha pi-
pas de liquido espolio em relallio por ser mu laeil o
eneber-te qualquer vasiiha, sem que derrame noebio.
por onde, bem feita a conta, lucra se muito a vista do
que com os de pao se esperdics ; na ra da Scnzalla-
Velba n. 132, das 8 boras da manbia lo meio dia, e
das 3 as 5 da tarde.
= Vende-se, no depozito de taboadode lonro e ama-
rello, de Antonio Domingos Piolo, defronle da Ordem
lerceira de S. Francisco tiboado de toda a qualidade
e grossura do superior qualidado e muito bem ser-
rado por ser serrado por machina movida por agoa ,
eslabelecida no Montciro, e por isso merece toda a
preferencia cm razio de poupar muita mo d'obra ,
por isso que o taboado esta muito desempeado ; e te
vende por preco cornmodo sendo em poredes mais
avultada : a tratar no mesmo depozito ; ou na ra No-
va n. 59.
= Vende-te toucinbo de Santos muilo novo, l-
timamente cbegsdo a 7500 rs, a arroba ; na venda
da esquina da Pcnha por baiio do sobrado do coro-
nel Joaquim liernardo de Figueiredo.
= Vende-se um cachorro grande, proprio para
sitio; na ra do Collegio n. 8.
\ ende-se 1 excedente terreno j alterrado.no lugar
da ra Augusta, e no centro de propriedadet, tendo 60
palmos de frente : a tratar na ra da Alegra can
o. 34.
Vendem-se duas escruvss do 24 annot, de bo-
nitas figuras ongomniio, co/inbo e lavio de sabio ;
urna dita crioula de 20 annos, engomma cose bem ,
o lava bim de varrella com um lilbo de dout annot,
muito lulrido; una dita da metma idade, com algumas
babilidadet; urna parda de 20 annos, engomma,
cose, cozinba e lava; urna cabrinhade 13 annot
cose chao e faz renda; una negrinba de 7 annos; 3
escravas de naci,e mocas, proprias para todo o servieo;
um mulatinho de 18 annot, com principios de officio
de prdreiro e he ptimo pugem ; um moleque de 14
annet ; 3 escravos do 181 22 annot, para o servieo
de campo, por j esUrem acoitumadoi: na ra dti Cru
o, n. 22, segundo andar.
= Vendem-te 4 escravos, bom para todo o servi-
eo e ptimos al para serradores por terem disto
Sratica; no beceo dtt Boiat, n. 14 ao Forte-do-
la los.
se Vende-te a obra intitulada Ivaoho ou re-
senhora ricos suspensorios e grvalas chapeos d
sol para senhora; tudo por preco raioavel, o miii
barato que nos lojts.
= Vende-te urna casa terrea na ra da Gloria n.
90 : a tratar na ra do Crespo, n. 10.
= Vende te lenha de mangue muito boa cinco
acbat por quatro vintens; na olaria da ra do Coto-
vello.
= Vende-te urna ferrara com todos oiteus perten-
ec tendentes a metma oflicina, bem assirn orna por-
cio de carvio de pedra e varias obrat fetas e outras
ainda por acabar de obrar, tanto a ratalbo como tuda
junto ; ou mesmo se Iraipassa o estabeleci ment com
mesma casa por aluguel pelo lempo que convier aoi
pretendentes; pois todo o qualquer negocio te faz,
muito commodamente : a fallar na mesma ferrara,
em Fra de Portas, ra do Brum n. 7 junto io
muro do arsenal de marinha.
Vende-te urna negrinba crioula de 12 annot
do idade as sem viciot ; na ruado Noguora, n."6, ou
no beceo que volla para a ra da Penha. n. 35.
Vende-te um rola branca (femea) ; na pra;a da
Independencia loja do canto que tai para a polica ,
o. 32.
Vendem-se panelldet vidradot para manteiga e
doce : na ra da Florentina, o 16
Vendem-se 8 escravos peets, bons para todo o
traba Iho, tanto da praga como de campo; um dito?
bom carreiro ; um dito bom official de podreiro de to-
da obra ; um mulatinho de 18 tnnot bom pagem;
3 pretal, que cozinbio engommio e lavao roupa ;
urna preta boa quitandeira : na ra do Crespo, n. LO,,
primeiro andar.
Vendr-se vinagre superior a 4
ris a caada ; na ra do Atierro dos A-
logados n. 7.
Vende-se farelo, pelo mdico pre-
co de 4/000 e 2s'56o rs. ; na ra da
Senzalla-Velba n'. i3,8.
Queijos do Alemtejo muito frescaes;
na ra da Cadeia Velba n. 21 e 24.
Vende-se um excedente terreno no
Monteiro j principiado para sitio, com
os alicei ees j promptos para caso, e mais
tima casinba dentro, e um armazem, tud
de lijlo, rujo terreno be todo cercado de
limao, com ?.5 bracas e ineia de frente
pela estrada, e o fundo a' a margem do
rio, logo passando a ponte de Apipucos;
os pretendentes poderd dirigir-se no a-
terro da Boa-vista n. 78, ou a ra do
Crespo, loja da esquina, ao p do arco
de Santo Antonio, que acharan cofn
quem tratar. ,
Vendem-se duas caixas ( juntas ou
separadas ) de ferros para cinirgia "com*
grande soitimento, urna novo, e a oulra
j usada, por preco cornmodo ; na ra
do Queimado n i4, segundo andar..
Vende-se um custureiro novo com
todos os pertences necessarios para Se-
nbora, um relogio de quadro com msica
grande, meio apparelbo completo de jan-
tar, c um dito de cha de louca da ludia
do melhor gosto, tudo chegado do lo
de Janeiro e por preco cm conta : na ra
Larga do Kosario n. 35, primeiro andar.
Escravos Fgidos
== No da 10 de agosto pelas 8 horas da noute,
fugio o preta Joanna ; levou roupa propria de coiinbs,
juntamente urna trousa com mais roupa e.comestivcs;
lem altura regular bstanlo prela olbos pequeos,
signaes de bechigat na cara eessa comprida, paitos sec-
eos representa ter para mais de 50 annos; suppoe-so
ter procurado a estrada do mallo para ai parles da
Una palos indicios que ha : roga-se a quem a pegar,
de a levar na ra Nova n. 41 segundo andar gue
ser gratificado.
= Fugio, na noute de i 1 do correte, um preto da
nome Antonio de naci Angola representa ter 28
annos, pouco mais ou menos cor preta, baiio, refor-
i/ado do corpo beicos um lano grossot, nariz cralo >
o signal mais [conbecdo he ter as costil duas quei-
madurat'de fogo assim como em ambas as mos,
na perna esquerda una chaga motivada de urna mor-
didura de cachorro ; levou camisa e ceroulas de estopa,
bastante sujas : rogase p r ii.uilj favor a quem o pe-
gar leval- o a Jos GoncalvesFerreira Costa na' ra
da Aurcra im S. Amaro.
= Fugio, 00 dia 8 do correle agosto, um molequo
de idade de 17 annos, pouco mais ou menos, de nacao
Angola, altura regular | esapalhelsdot e com bas-
tantes bichos peitoa grandes como mulber de nome
Francisco; quem o pegar, pode entregar no Porto-dai-
Canas no Hecile talbo de carne, quo tora genero-
samente recompensado.
PSBN. j NATYP. DE M. t DEt-AlUA----- lli>'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFB01V3SJ_MSEYAJ INGEST_TIME 2013-04-12T22:51:03Z PACKAGE AA00011611_05838
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES