Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05835


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Sabbado 9
0 DI iMO publca-sc lodos 09 das que
o lurm do guarda.: o preco da assigua-
i'ira he Vr- I""" 1nai'''' r"!/'" '*"''"-
Os aiiiuin'ios do assitfnanles ano inse-
^dos raio d'''-" r'''', l'ur ,l"ll!' ls-''"'
,vu dillerente.c as repetices pela motado.
.,' ,!( nao forcn assi^nanles pagSo SO rs.
!. ftnha, KW om typo dill'ei-cntc.
PHASES DA LA NO MEZ DE AGOSTO.
tu nova a .'las Oh. e 5 ral), da manlia.
escciitea lOas 8 h. e 21 minutos da lard.
.ni chela a 17 as D hor. c J7 lilla, da Man
ilongoantc a 24 as i hor. e 7 111. da tarde.
. PARTIDAS DOS CORSEIOS.
Coiannn. Paraliyba, e. Rio Grande do Norte
Segundas B Sextas (Viras.
Cabo, Serinlinem, Ulo Formoso, Porto ("al-
vo, e Mace'} o, no I." lio 21 de cada mea.
Curanliuus cHonitp a IU fc24.
Boa-Vista e Flores a 13 e2.S. "
Victoria as Quintas fciras.
Olinda todos os dias.
PREAMAR DE HOJE
Prfmefri as Oh. e6 tala, d maim.i.i.
Segunda as 10 h. c 110 minutos da tarde.
de Agosto.
Anno XX N. I7S-
a-.ijjWM^iJ
MAS DA SI.MANA.
i Srimda S. Domingos, aud. do J. de D.
iU-2. v., edo'J. M. da 2. v.
5 Terca N. S. das Noves, aud. do J. de 1).
da i. v. e do 1. dos Kilos.
( Omina S. Xisto, aud do J. de 1.
lii 3. vara.
7 Quinte S. Cactano. aud. do Jim de D.
da 2. vara, e do J. M. da lo 2. v
8 Sexta S. C.yriaco, aud. do J. de D. da 1.
v. do cive'l, e do J. dos Kcitos.
!l Sabbado 6 Romiio. aud. dn I. de D-
da 2. vara.
10 Domingo S. I,ourenco.
CAMMOS NO DA 8 DE AGOSTO.
Cambio sobre Londres. 25d. por U a 60 d.
11 Part 370 rfla por franco.
' Lisboa 120 b 125 p. c. pr. p. in.
Dse, de let. de boas urinas 1 '', I '/3p. ",.
Orno Oncas liesp.-inliol.is WiBO a 32aW0
11 Moi-dade ('.'.M vel. ISftWO a IS,*I0()
.. de (VMon no*. 17/OO a l8*00(i
i. de ifWlOO ttMNi a
f'raia-Patacn .... 1/970 a
Pesos i'uluinnarc*. !
Ditos Mpst-anos V'S'.G a
Moedas de 2 patac. 1/780 a
Acces da C* do Uebcribe de 50/000 ao par.
11*700
2*000
i*o?n
/8)0
-Tjr..-j*-*ns*- -.'A.i;u.,^r*Pi* DIARIO DE PERlt AMBUCO.
tabStraMBira
rrtuftr, tu n"'MMMr^-"T'^-'-~i*MMJ**>1'*fy*'CTI>,w>*':1*^y"^'
Goverito EXPEDIENTE DO III* DI) COIIBENTE.
OllieinAo inspector da thesnuraria das rendas pro-
rinciae, ordenando, mando, ndemnitar o arsenal de
guerra da quanli de 297/200 rs., que despondeo rom
concert du armamento do corpo do polica. Partici-
pou- ao onmmiisapio pagador militar e ao commau-
uanlegeral do qorpo de pnlieia.
DitoAO inspector da theinuraria da fazendn, deter-
minando, iitdouinise a pagador! militar, por oont.i do
ministerio da jnitiga, da 1111 j>oit.-111 1.1 Jo 1600 cartuxns,
urnecido, para salvas, & guarda nacional deste muni-
cipio, emjulho ultimo.Comiiiunicou-to ao oommissa-
rio pagador.
Dito Ao oommandante geral do corpo de polica,
ordenando, faca recelher, u substituir por nutro, o
destacamento deGoianna.
Portara Dividindo entre as freguezias de S. Jos
Santo Antonio o 2. batalbo da guurda nacional do
municipio do llocife. Nouieou-se para corntnailante
do batalhu de S. Jos a Jote Hachado Freir Poreira
da Silva, e para tnajor a Manuel Antonio Viegas ; e
officiou-se respeito ao. commaadante superior da su-
pramencionada guarda nacional.
|)ta Reformando o roajor commandantu do es-
quadrao decavallaria da guarda-nacional deste muni-
cipio, Antonio Clemente Estetes da Lsrraz Nome-
ou-se para o posto, por esta reforma vago, a J0S0 Ig-
nacio Ribeiro Roma ; e participou-se ao commandantu
luporior da guarda nacional do llocife.
Dita Creando urna legiaqje guardas nacionaes
10 municipio du Pao-d'Albo 6 resolvendo, que ella
te componba do batalhi de infantaria, que all existo,
do esquadrao do cavallaria da freguesa da villa, da com-
panbia, que nesta le creara, edalMcgao do batalbio
da Gloria do Goit.Norneou-sc para coronel ebefe da
legiao a Francisco Jos de llar ro Silva, e para rnajor ao
hcharel Louronco Becerra Carneiroda Cunha: foro
reformados: o lente-coronel obele do batalba do Po-
il Allio, l.'iiirenco Cavalcanti d'Albubuerque ; o res-
istivo inajor Francisco do Rcgoe Albuquerque ; eo
inajor commandanle do esquadrSo, Francisco Caval-
canti d'Albuquerque; sendo substituidos : oprimiiro
por Joao Carneiro da Silva li.'ltrao ; o segundo, por
Antonio Poreira da Lu Borba, e o tercoiro por Clau-
dino Correia do Mello ; e olTiciou -se respeito cma-
ra municipal de Pao-d'Albo, e aos nomeadoi.
Uita. Reformando o mejor commandanle do es-
quadrao decavallaria da guarda-nacional de Serinhaem,
Francisco da Rocha Wanderley, e o major do respec-
tivo balalho, Jo> Marcellino de Barros Franco FO
r 1 nomeados : para o primeiro dos supramencionados
postos Cactano Francisco de Barros Wanderley ; para
o segn Jo, Manuel Antonio Duarte Cunha; e para
nnjor do corpo de artilharia do lilloral de Una, Fran-
ciico da Bocha Barros Wanderley : creou-se uui
novo batalbo na fraccao da freguezia de Ipojuca, e
pule de Serinhaem, que fica ao Norte do rio Sibir :
nn.'iiuou-su para tenente-coronel deste batalnao, que se
determinou licasse pertcncendo a primeira legiao do So-
rinbaem e Riot'ormoso, Bernardo Jos da Cmara ,
apara inajor a Jos F. lix da Cmara Pimental: e fi-
zerfio-so as convenientes participaies.
L*--------** -'-----' "-J-fff*
BIO DE JANEIRO.
O 1.1 1 111.ni Di 1 AMALA DOS DISPUTADOS.
(Corresponr/enciii reservada. Crrelo da crli.)
j. ^ent'n'Ha. Viva 0 Junqueira Tres vezas vi-
va o difjnissimo representante da primognita de Cabral,
que boje nos deo aqui um alegro, e, o que be mais,
11111 iiiim.
CAROLINA NA SICILIA. (*)
TERCEIBA PARTE.
XL1I.
VOlTA.
Ao vr-su s na estrada, Fabio leve mil acnliuieutoa
ntraditorioa e complir.adoa como a mu posifio. De
m" l""',e "ngndo eom a rainha por bave-lo dcixado to
Ihe un
nnta-
rccii
wr
menle pura seguir a Castrte, que faiendo-lli
4|ca, que elle nao podern, li.ivia tomado uiua
j."-1 notnvel, e era Uso,o que anda rauia o irritava. Por
" parte senlia-t imniensaaienle aliviado, e aben-
vsuscu abandono. Eiu Km perlencia-se Enifiuipo-
er quen. era, eatavn livre! I. Jungo dia de cons-
"girnento, do auxiedado, de imposturas, tinba sido
elle lio cruel tortura, que a >us ,|,ua cxullava de
muo peiuteu livrameiit a liberdade. gisypho liber-
u du ,eu c|ncu roehedo, o os Tillo da monlaulM
me pe ubre o peilo nao pudrriio refolgr mais
oniade, IIP,,, ,,ntr nlior ventura pobro amonte a-
1 ) Vido Diaria n. 174.
com consejoncia do que faiia .'! Elle quer ver todos os
seus collegas contentes esatisfeitos, e conseguio reali-
sar sua vontade: he-lbe ato to fcil basta fal-
lar.
Na iri'iio de quinta-leira appareceo nesta casa a re-
solucao mandando pagar a nao sei quem 106,000 rs.,
em virtude d : senleneu : ja Ibe disse como algUDS de-
putados pretenJfiro desabafar a raiva com que fcrao,
pela votacSo contra os boittinhot comidos no Mara-
nhao ; efoi o Junqueira quem proporcionou occasi5o
para o desabafo, offerecendo um requerimenlo para
que a sentenga fosso commissSo de justicu civil, a fm
de que esta examinasse se ainda liavia recurso contra
a mesma sentenca. O Nunes Machado tinha-se oppos-
to ao requerimento, o, sem que nem para que, na-
vegou oom vento em popa pela consciencia e intencOes
de seu autor, dizendo que o requerimenlo fura apre-
sentado em arde chufa, como graca ; e para logo de-
clarou quo se diriga ao Junqueira, uqnal o alalhou
asseverando- Ibe que fazia muito mal n'isso. Com elid-
i o Nunes ha de estar arrependido do que disse ; por-
que o Junqueira mostrou-lbe que chufa nao era parla-
mentar, do mesmo modo que tnexerico, palavra que
por vezes tem sido empre gaita nesta casa ; e discorren-
do sobreest tbema, declarou tambem que nao be li-
cito usar das palavras ehocarrice e chocarreiro, econ-
fessou que era faceto. .. Meu camarada, nao Ihe digo
nada ; o exordio deste discurso foi umpratinbo seleclo:
a cmara ria-so perdidamente, e o gaiato do Junqueira
dixia : Assim be quo gostj do vcl-os, satisfeitos,
contentes O SaUanha teve tal frouxo de riso que
fui doenle para casa.
Depois disto continuou a dUcussSo do projocto de
colonisacfio belga. Se Doos me ajudar ba de vir dia
em que eu Ihe d o meu parecer sobre esta questo; e
se Ih'o nao der, nada so perder com isto ; porque,
em l'un, nesta materia sei tanto, como ocb.'fe da ma-
mitao Gabriel de Sorocaba quo, em verdade o
fura toda a modestia, nao be muito.
O dia de boje, sabbado, nSo foi mauzinho. O Wan-
derley iinh,i,lia lempos,promeltido averiguar os neg
cios da provincia de Alagas, e bojo cumprio a pro-
messa. Principiou por dar algumas tambadas no Sou -
sa Franco ; mas deixou-o logo, para todo se oceupsr
da presidencia do Copes Gima, que nao s6 amnistiou
os sediciosos de Alagas extemporneamente, quando
ainda cstavo armados, como tambem enlregou-liies o
poder, demittindo a perseguindo os quo linbao sus-
tentado a ordem publica, gravemente amoacada. In-
felices provincias do Brasil Esta he a mesma historia
de Minas e S. Paulo, e Dos queira nao seja tambem
do Rio-Grande OSousa Franco quiz designar depu-
dos, efezodiaho: o partido excluido entende que o
melbor remedio ora tomar armas ; e o mais he que os
(actos posteriores sSo a prova do quo julgrao bem :
vai o Lopes Gama; leva a amnista, que be odesfecho
obrigado das resoltas ca pelo Brasil (assim como o ca
samonto he o remate das uoinodias e onlroruezes); es-
lende-a al ao facinoroso Viconte de Paula; entrega
aos sediciosos a (rea publica, ao mesmo passo que
desarma os que os combatrSo ; e embarca paru a
cOrle, deixando a seu succossor o cuidado de acabar
toda esta patuscada pela conquista eleitoral / O suecos-
sor do Lopes Gama, um tal Lisboa, contina o mesmo
systema, espalba a forca pela provi ncia o dea'gna de-
butados, quo j nao sao os quo desgnala o Sousa
Franco. E assim andao os lirasleiros do lloro les pa-
ra Plalos.'...
O Wanderley cootou todas estas proezas do governe
conciliador, provando-as com documentos, oenlresa-
cbando-lbes factos horrorosos, praticados as Alagas.
O documento om que ache mais graca loi o uki
por bemdo presidente actual adiando a asseinblca
provincial, com o motivo de nao estarem calmos os cs-
piritos, ao mesmo lempo quejulgou, n'esse estado de
fortunado! de veras, erao csaa as sondadas felicidade
de urna real conquista? Que expiaco que deicngiino !
A mesma nmbirao, casa paixo solitaria, rgoitla, que el-
le bavi lomado por amor, 011 ao mono confundido com
ello, e qunl liavia aerificado seu repouso, aua since-
ridade, a ambicSo niu o suatinba mai eiitao cunlra seo
pungente remoraos.
EiitSo, disse-lhe Rosario, salando pela primeira
vez da reserva que tinba observado em todo o dia, a da-
ma plantou-nos aqui '
Plantou-nos aqui, 1:0111 cli'eito como dil Yin. res-
iondeo Fabio, cabindo em fiui no scnlimeiito da rea-
ldades.
E que tatemo nos agora?
He o que Ihe eu ia perguntor.
Creio, ii que me fax a honra do consultar-nie, que
nao eria eouau iiidifFcrenie cuidar na ccia. Tcuho no
meu sacoo com quo reparar a ror^a.
Tao boa meparcoo a lembranca, que a subsorero
aem obaervacSe. S aobo urna dilliouldade : ond irc-
mua no cearr Csla lio a questao. Entraremos ou nao em
Caalelvetroiiii ?
A este respeito uio (enho opinu, dcoida Yin.
mesmo. C por niiiii logottei nunca da cidade, nem
ainda para ah e.ear 011 dormir. Quando me tajo la den-
tro, parece-mu que vni faltar-me oar, e que a paredes
se apruximau para mo at'ogarcm. No ha nada como os
bosque*. La niu ha nem paredes, neiu barreir, alii
rcapira-se em eheio oar livro doeeo, bi dorme-so em-
balado obre grandes arrore* pelo fresco da aoite.
Eis a verdadeira alcoba do eajador.
agilacSo, dever mandar proceder as eleicoes na pro-
vincia Se isto nao oscandalisa o mais grosseiro bom
sonso, nao ba'verdado as cartas.
Servio este discurso do prembulo a um requeri-
menlo que fez o Wanderley pedindo informales ao
governo.Ho provavel que nao se Bpprove o re-
querimento, porque aa informacoes revelares ma-
ganeiras de conta peso e medida. He pena
que osle Wanderley ande sempre mettido na concha ;
elle bem quer assentar praca na patrulba ; mas alguma
cousa o prende, de sorto que d sua bordoada.e escon-
do logo a mSo. E esta > lanos mocos de talento jungi-
dos-ao cirro do governo conciliador '... .
Abi esta o Manoel Alves, quo vem apresentar pro-
postas!.' DgSo agora que o govorno nS> toma a ini-
ciativa : o troco dos desanimado* deve reconciliar-so, e
a entente cordtak va brilhar com um fulgor nunca
visto. Nada menos de quatro proposlas Ico o Manoel
do Ibesouro; appareceo o to desejado o promoltido
projecto de melboramento do iibio circixmvte D-
zem j por aqui que he couss primorosa. O Manoel
quer metter o ccete na organisacao do Ibesouro ; pre-
tende que Ihe dem novosempregos para daraossous
prenles e afilhados em um tribunal de contas que en-
gendrou ; e quer quo so estabeleca o estanco das cartas
de jogar. Dzem quo o Junqueiro se prepara para con-
tratar esse monopolio.
1,4 se vai o ministro da laienda.Espere, Sr. Ma-
noel Alves, espere, venhac, discuta o uogocio do rn-
co que o seu amigo Candido Baptista quer para si no
Rio Grande -do-Sol; lembre-se que foi convidado pa-
ra esse fin.Qual !... Abiil, excessil, evasil, eru-
pil ; amolou as candas,- estandeo as gambias, deo s
trancas, foi-se com lodos os diabos Alguns depu-
tados forSo ceroal-o la fra ; disse a todos quo os bavia
deservir, e nao bou ve mais bispal-o. Urincaofez
nelle o mesmo effeito quo a cruz produz no diabo.
O que valeo foi que so pedio urgencia para lr o
projecto de relrma do cdigo do processo, quo as
commissos de constituico e de justica criminal apre-
sentarSo ; e depois outra urgencia pedida pelo Coelbo
Bastos para se discutir o requerimenlo do Wanderloy.
()ppot-se a esto requerimenlo, alm do Fcrraz. o Al-
vares Machado, queentrou a fallir e foi fallando, fal-
lando at que chegou a boro : bo um fallador da pri-
meira ordem A Alvares nSo queria a urgencia, por-
que no podia ainda declarar-se a respeito do reque-
rimento ; queria ouvir o governo, a quem o Wander-
ley tinba feito accusacOes vehementes, incisivas, eate
sanguinolentas: podio ao Wanderley quo retirasse o
requerimenlo, o armasso laco a algum dos ministros
para pilhal-o na casa, eento inleipellal-o ;i cerca dos
negocios de Alagas.
Com effeito andio to ariscos os ministros, que
nao ba apanbal-os pora us discusses ; e s a laco po-
dero ser colhidos: quando aqui epparecem, como
hojo aqui appareceo o Manoel do Ihesouro, he de re-
lance ; e se os querem rotor, mirro-se por entre os
dedos com maravilboso ropidez. O Alvares Machado
comparou as mesas ministoriacs a tmulos; pedio ao
Coelbo Bastos que nao insislisse na urgencia para bem
preparar suas eompoii'cM, que se nao devem confun-
dir com inienfoe; e foi diluindo ludo isto em agoa,,
que me pareceo ter esteallopatha adoptado o systema
homoaopatbico. Tornou a pedir que o arregimentem,
porque s assim haver maioria, que actualmente nao
existe. Nesto ponto (iquei um tanto confuso ; mas o
ex-presidente lirou mo todas as dundas declarando
que os deputados que apoio o governo s o faiom pe-
la attraccio elctrica das molculas; pela sympatbia dos
principios e da gralido Desde que o apoio ao go-
verno se explica pela attraccio e sympatbia ligadas en-
tre si pela electricidade das molculas, est ludo dito,
e nao ba mais que desojar. Entretanto nao sei como
os patrilas tomarao a nova designaeio que Ibe deo
m~msmSmfwm*^*~ 1 inn*i*nin mirT^^n^"
Esla consulta tinha lugar i porta da cidade, onde am-
bos erao peifeitumeutoealranboa. Que iriio elle fazer
neji.ii prisao? Eiu quanlo Roanrio fulla va, rolara na oar
beca de Fabio o maii perigoso o louco projecto.
__ Rosario, dase ello depois do alguns momentos de
silenciu, eu lambem nogoto da residencia da cidade,
em fallir no quanlo he nolla mais provavel o perigo
do mu encontr. Por lano, o me quer acreditar,
o melhar que poduiuo tazer, he d'aqni mesmo deixar
Castel vetrano que tanto tem comnnaco como nos com
elle.......
E irmoa ceor?.......
A'um casino do ineuconhociraento, onde sere-
mos recebido como em nosa oai; mas para aso lie
preciso quo u seu ppetitu tenba paciencia, e os nossos
ca vallo perna paru anda cia milbaa.
__ Vamos la ao easiuo tanto mai nao havendo por
aqui um boiqae, onde acampemos. Seis milii.is nio to
o fiu do mundo. Os nnimaes n5o ho de inorrer por i-
o, nem n tao pouco, 11 com a inrdoncn ir melbor a
eia.
Servio-me voss de guia todo o dia, agora denoi-
te pagar-lbc-bei na mesma inoeda.
Uilo Uta, duran costa cidado seiu mai acrimonial,
e reaniman Jo oom Irabalb o extinolo valor doi ca val-
Ios, que Kirejando a talribaria ofundac, le julgavlo
nu termo de sua fldigas, conlinuarau o ieu raminho nu
meio de profunda mu lercna noute. Urna hora depois
pirateo elle em tremo da enferri.jda grado de Bon-
covino.
Ficou admirado Fabio de a adiar techada ; ordiuaria-
este pliysico : moloculas, aos representantes da na
co molculas I ...Qub pona nao ter vindo hoje o Sal-
danha para explicarme as taes molculas Ficou
diada a urgencia.
Sala das sesioes, 13deju!ho de 1815.
P. S. Ainda nao apparecao c at hojeo/uis de
pax.
O R elogio tu Casa.
CEA R.V.
O QUE OS CAnRAPATOS CHAMA KLF.ICrs DO CASCAVEL.
A vista dos incios subversivo, e auarnhico que nes-
ta proviunia emj'regou a fan^fio cocetisl* para conqui-
laracleico, nio eunoilivel que \ npposiuao podoae
pleitear a ana ean. K-iin nao Foi "ella legitmenle ven-
cida, ma lyranuioaiuente violentada, o expedida du
urnas. I'' para que e nio diga <|uo,, a unssa asiorcei
nio passio de deel.iin.iroes.us iremoa,cm documentos,
iutlinenndo, e mostrando a veraeidado do que lem 00-
conido iiessas banehanae
Se aos amigos do governo constitucional no he
permitilo o triuinpho ue suas ideias, na urna livro-
mento ennunciadas, ao menos compro que se autben-
tiquem as infamias, e torpezas d'aquellos que a pros-
lituemcom perseguicoes, violencia, e derramamento
do sangue brasileiro: este he o nico recurso quo Ihes
rosta ; delle, pois.-nos servimos j que tomamos a 00-
broompreza de defender os direitos do nossos conci-
dadis como escriptor publico, eorgSo do grande par-
tido ordeiro nesta provincia, coja maioria' incolas-
(a vel monte o segu e adopta por conviego. Bem sa-
hemos que de nada valo para os conquistadores a nar-
rae,io de seus iniquos fetos; porque sao olles incapa-
zos de emenda, e corrocQo ; nossos escriptos por sem
duvida nao se dirigem a ootcs qua desconhocem os,
direitos mais quo sagrados de um povo que professa
principios livros ; nao escrevemos para esses sycophan-
les, qua, tendo em visla onicamente a preza de seus
srdidos interesses, nada respeito, tudo invadem e
prostiluein ; porque s dest'arte poderO segurar sou
ul lo desejado ; escrevemos, pois, para os horoensimi-
gos do seu paiz, quo nao encao os objectos pela pris-
ma dos seus privados interesses ; para a naci que ob-
serva o esproita os passos revolucionarios dos nossos ad-
versarios : cm lim para a vontade irresponsavel que ;
sendo lio esclarecida, nao deixar de reconbecer a pre-
cipitacao quo totnao os negocios sob a direccao des-
ses quo tantos dainos teem foito ao imperio, e que de
novo anieaco as institui^es que nos legoa o nosso
principo infeliz, porm o mais magnnimo, mais cons-
titucional e generoso que nos offerece a historia ; o
maior amigo em lim que tem tido o Brasil ; oxal
quo os seus filhos fossem tao amigos delle !!
Hu tal o jui/o que formamos do Monaroba, que
boje sabiamente presido nossos destinos, que conta-
mos como certo que esse epbomero triumpbo, quo ora
csligmatisatnos, em nada aproveitar aos vencedores;
porque esperamos que,antes de serem approvadot 01 di-
plomas que a violencia, a fraude, e dio aos 8
designados do cobra, estar por Ierra esse ministerio
perseguidor, que ha ensanguentado com a sua polti-
ca o paiz, e que outro de principios mais liberaos vir,
que faca dissolver o oonveoticulo da cadeia-velba, in-
capaz de 'cousa boa ; e cutio os verdadeiros amigos da
inonarebia constitucional, seraO os que pelo livrovo-
to dos cidadaos tomarao a dianteira dos negocios p-
blicos. Isto posto vejamos o que os homens da pa-
tria e liberdade cbamao eleicio legitima e regular;
esses carrapatos sio ptimos soldados do omnipotente
cobra ; elles virio o que este fez em 1840 e 41 para
conquistar a eteigao nesti provincia, o exemplo eslava
dado, e como amigos do instincto aproveitariO 1 li-
co, e eil-os em 45 pondo em execucio o mesmo pla-
no de ataque, queter.ide dar igual triumpbo, posto
que to ephemero como aquello ; assim o esperamos ;
j deviio saber disto.
nwrwa>.s
nenie so nao tomavo lacs precauces, o seu pateo era
occesaivcl lodo o mundo. Sem duvida, peusou elle.
Pipo leve i*eio dculguiun visita inoppurluno. Chama-o
un ve*, dos, tre...... nuda de rcipnita. Turna a cha-
mar....... raeimo silencio.
Maldito dorminhoco! cxclamou elle impacienta-
do, e tentando torear a grade.
Nio aeja l pur iaio, disse Roiario apeando-se, ol-
la nio me parece dai mais segura.
E com vigorlo punla-p fes saltar a enl'errujad fc-
badura e u grade abriu-se.
Ora bem, continuou ello puchando o cavallu pola
i-edea, he preciso ber bem com quem e lula para en-
trar em ana cnn por inancira todpunda, o ainda mai
.1 tal linr.-i; poi que se no he meia noute, nao est
longe.
Futremos, entremos sempre, cu mo encarrego da
acomroodar o dono da casa
Neto momento um grande galgo precipitoo-so no pa-
teo a ladrar furioso, o parti para o perdigueiro de Roia-
rio, que lho fcx'face: os doiisinimmireroi contiver&o-te
em respeito rosnando e moilrando os dente om ao ou-
tro ; pouco a pouco todava apazignriu-se, e parece at
que se nao desagradario, e qua ajas physiunomiai aym-
pathiirio, porque lepoiero a jogar oom a cauda, em
vez de jugaron! a dentada, e ie farejtro oom lodo 01
lignse do una recente amiade.
lie bum aigna!, dine Rosario; quando os caes se
enteudem, he por que us amo eitiu de accordo.
Falla toc com mais certeza do que peusa, res-
pendeo Fabio.


A carta, que ora publicamoi, moatra como orio fe
tas aa eleiccs do Caaca\el: he um vnrdadeiro escarneo
das leis, e da opiniio publica; quem, a vala do in-
qualicavel procodimento do louco e furioso vigario Sa-
lioia e do seu adjunto subdelegado nos trabolhos da
junta, dir, que alli houve o que se chama eleicio ? I
He urna completa burla : essa gente est caaauando da
provincia, quando procede de semelbinte maneira;
melhor seria, que dccretassem logo os eleitores por um
edilI, o nlo detsem lio fataesexemplosde deareipeito
u li'i e a moral, decorrupcio e immoralidade.
O municipio do Cascavel decent e tantos jurados;
dcstes mais da 80 sao tirados do Seiu da uppusicao;
no cntanto s se qualilicSo como elegiveis 3 cidadios !
Camaristas, juizes de pax, proprietarios, agricultores,
fazendeiros, &c, sio privados do direito da elegibili-
dado !! Un muito abusar e escarnecer do bom sen-
so O decreto de 4 de maio determina, que a junta
se considere extincla 8 dias antes de proceder-ie a elei-
;ao ; e tendo esta lugar a 6, anda no primeiro nao se
linha affixado na porta da igreja matriz a lista dos vo-
tante*, e elegiveis I E vista de todo esse abuso,
de toda essa violencia, de (oda essa fraude e torpeza, se
alrevwiO os nosios adversarios contestar o que temos
dito, islo be, que noCear nao houve eleicio porm
sim urna monstruosa designado ?! FarG garbo an-
da do seo tnumpho ? I!
Os imparcaes que decidi : t ellos entregamos a
causa, que delendemos, easentcnca sera inallivol-
rneote em nosso favor. Sirva ella de opprobiio para
os nossos conquistadores, se capazos ainda sao du some
Ihante pena.
Caicavtl, 1." dejulho de 1845.
Ainda nao Ihe bavia esposto o que occorreo no arro-
bnenlo para votantes e elegiveis desta freguezia, por-
que nio hei adiado occaaiio de portador seguro para
essa; e havendoagora aproveito p ensejo, a fim de
succintamente contar-lhe o modo com que se portara
a junta em seus augustos trsbalhos ; ojuitdepax, a-
cbando-se em minora, nada pode obstar os desvarios
do vigario c subdelegado, que commetlerio njuslicss,
as mais clamorosas e revoltantes; ao passo que clsssfi-
crio como elegiveis immensBS pessoas da sua parcial i -
dade, que nem votantes podiSo ser, deixrio de o fa-
zer para com os cidadios que teem ptimas qualidades,
possuem consideravel renda, e sio jurados, como se-
jio, oscapilies Luiz Antonio de Freitas, e Anastacio,
o major Antonio Jos Pereira, o juiz de pai de Suca tin-
ga, Simio Correia Lima, o alferes Manoel Luiz Rabel-
lo Vicira, o capitio Jeronymo Vieira da Silva, o len-
te Antonio Ferreira Nobre ; em fim, para evitar mais
delonga, basta dizer-lbe, que ludo quanto pertenceo
ao lado caranguejo foi excluido, i excepcio de 3 pa-
ra de todo nio ir a finca, be que frio o ex-coronel de
leglio, ex-delegado, e actual presidente da cmara,
Joaquim Jos Pereira, Joio Firmino Bastos, e juiz de
paz, que fazia parte da junta. Pelas listas dos inspec-
tores de quarteirio apresentadas pelo subdelegado d
esta freguezia 37 eleitores, 10 mais do que o anno pas-
tado : dixem-me, que o subdelegado mandou notificar
pelos inspectores a todos os votantes para virem no dia
t receberem auas listas! at boje ainda se nio publi-
co u na porta da igreja esse mooslruoso alistamenlo ;
em fim tudo vai assim, fazendo elles ludo quanto que-
rero, e nada do mugir porque.. Adeos, dtc, &c.
{Pedro II.)
PERNAMBUCO.
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE DORECIFE.
SESSAO EXTRAOltUINAMA DE 9 DE FEVEBEIRO DE 1845.
Presidencia do Sr. liego e Albuquerque.
Reunid" oa Srs. Mello Carnlennli, Ranina, doutor
Nery da Foniecar Cintra Manuel, tallando coro csusa oa
ni,o Senhorc, foi abertn atseaaln.
Sr. presidente fez ver sor a presente eltlo, nica-
mente para se proceder a una nova apurarlo dos votos
para deputsdoi geraei, cun cxclusio dos collegoi clei-
turaes do Cabo, Otiricury e tinrauhuns, em virtude de
ler ido designado o di de buje pelo E\m. presidente
da piovincia.em seu oflicio de 28 de Janeiro prximo fiu-
do, em cunformidade da resoluto da asaemblea gera
legislativa, mandada comprir por aviso de 8 du ja cita
do rnet.de Janeiro.
Tendo u concluidu dita apuraco, foi asiignada a ac-
ta respectiva, e retolveo acamara, que se mediste o
competente diploma ana deputado donior Francisco
Miiniz Tarares, e doutor Filippe Lupes Nelto. li para
constar mauduu a cmara fazer a presente que aasignuu
Eu Fulgeuuio Infante de Albuquerque Mello, secretario
1 eicrcvi. Rejo Albuquerque. Mello Catalcanti.
J)r. Nery da Fonieca.Romo*. finir Manoel.
Correspondencia.
Sr*. Redactores. Acaba de chi-gar-mc as rolo a
respusU do meu obstinado perseguidor L. Pondr
sueointa espolilo, que fimo publico da miiilia violen-
ta o illegal prisio, por ello promovida sol os auspicios
M.................11 wmuwK.n*m.um
MVel
Apenas acabara de fallar, que o galgo lancati-ie subre
elle, aullando huivos de alegra ; acibara de o rconnhc-
cer, e deilandu ai patat aoa hombroi, o colijo de cari-
ciaa as ruis lernas c apaixouada. Argos, o vcllin cao do
vellio l'lystet nao mostrou maisprazer a vulta de seu
roo.
Aposto, replican Rosario enternecido pelos trans-
portes do galgo, que este bello cao llie perlencr, eque
V111. est 11a sua casa. S ao senlior lie quo se recebe
assim.
He verdado, meu charo hospede, estou em ininha
casa e vuts tambero. Quiz reccbe-lo no meu casino,
ainda que ueste momento uko es teja aqu em segnranca,
e retrihuir-lhe em Boncevino a sua cordial huspilalda-
Je da Barbara.
Nesse instante ouvio-te resoar as lages do vestbulo
a urna de pao do invalido; abrio-sea porta, e Pipo ap-
pereceo con urna lanterna na inlo.
Ora ches;*, obstinado dormidor, grtou-llio Fabio
contrafairiido a voz, cutio aqui he a casa do tonino?
Devagar, devagar, respundeo Pipo demo humor,
acabando de abotoar a tarda, <' de ageilar u bunnet. Aqu
he a cata de gente honrada; e Vins. quem sao para acor-
dar o uutrus a etUt horas, c arrumbar as portas? Que
prounrlo?
Procuramos o capillo Fabio.
Que ihe qocrero?
Qoe Ihe importa ? Qucremot ve-Jo.
Por Santa Rotalir.! que o nio rio. Ninguem se
opresenta detta maneira em casa de ara hoiuem como
tile. Saolo que o capitio he amigo da rainha, sim Sn.,
do gerente do consulado de Franca; e por ella observo,
quo o lioiiiem, alera de malvado, he ignorante das leis
nlo do seu propiio paii, mas tambero daqnello em
que habita.
- Antes de entrar na refutaelo dot fundamentos de sua
aecnsaclo, e da applicaclo do direito francs, ero que a
pretende apoar, lenho a ponderar, que nio mu dere
dor de um s real ao ditu l'oudra, de capital seu, quo me
cunfiasse; por quanto tudo que foi capital, ji o meaiuo
e ncha delle embolsado, e alero disto de mais de vinle
cont de res de premios, coimnissfiee, etc. : o reato
que boje Ihe dev.i he proveniente deo premios e com-
inisses, que montarlo, pela sua conta, em mni do oi-
tentN cunto de res ; logo nao poseo ter concorrido pa
ra coinpromettiniento de ana fortuna : rouito pouca era
ella, u limito pequeo o acu crdito, enliiidu abaloe
racilacln, com alguma demora no recebimento de parle
desses premioso excessivas cornraisif.es, etc. ele.
Deixemo istu, e vamos as bases de sua accusaeSu,
falsas e de puro invento; por quanto, tendo eu pago a
lodo os meu (redores nlta pracn coro a roaiur pun-
tual i dade, como he publico, nio se podo dizer, sem in-
juria, que exlraviei fundoa em prejuito dclles : c tendo
por nico credor L. Poudra; conveucionando com elle
a maneira de sor indemniaado, u que foi operado pur
ineio de urna concordata reduzida a escrptura publica
nas notas do tnbelllo Rezerra, nao he licito allirroar,
que extraviei, ero prrjuizo delle, alguma coma, pur isso
que Ihe fiz entrega fiel de todo, os meas bens, que men-
cionados frSo era a dita escriplurn : alero disto entre
guei-lhe na melhor boa fe ludus o meu livros de con-
tabilidade, onde talvcz petalo appnreccr alguroas irre-
gularidades, roas nao fraudo, o retirei, a aua vista e fa-
ce, da casa om queeu habitara, de minha propriedade,
e para onde ello so passou, toda a miuha roobilia, rclo-
gios de mesa o de algibeira, prcta do meu uso, e diver-
sa joias quo roo pertenciau, c que uo entrarlo na con
vi-ueo : depoia disso, para mostrar a l'oudra, que neo
huns credores eu tiuha, tii os aununnius, quo so enoon
trio ero algn Diario* de Pcrnambuco, o designada-
mente em o de 29 de 111,110 de 1844, e cnifiro pruliquei
tudo quanto custuui.i praticar um nr; ociante honrado e
infeliz.
Entretanto Poudra j do m fe recusuu entregtr-mo
recibo do que eu Ihe liavia dado em pagamento ; cha-
roei-o por isso 00 juizo da paz, o oonstitui procurador
para o oliaroaraojuizo contencioso ero quanto eu ia a
Franca evultara: niu tendo navio para all, c sim para
Lisbuacom passagero de suniuia coiumodidade, aprove
tei-me daso, c, fazendo venda dos puncos lien quo me
resiavo, eque nao haviio entrado na convenci, redu-
zi tudo a patacoe, e segu para Lisboa : t'ui cm pnisa-
porte, na nao fgido, coiuo por dupliuidade ullinua
l'oudra, porque eolio uln regressaria a esta cidsdr; e
aio pur au haver lempo de fazer o tres aiinunciui e
tirar patsaporte, o principalmente por aproveitar-
1110 da commodidade da passagciu; nao leudo iieeessi-
dade de f'ugir, quero, cnuo cu, au tinlia credores que
Ihe podesaem embarazar.
Prescinda e, porm, de tudo iito, e d se de baratu
a existencia das arguices de Puudra, oque neg : que
da.i pain sua prutenco P Gastasse eu bero ou inal fosse
feliz ou infeliz; nio ecnpturase ua meu livrutcoiu
clareza; deixatte do nienciunar nelle tae c tae traus-
ae^es; exlravasse qualquer vilur; que me perleucesse,
dejiois de estar lelo praticado, apoando-o Poudra do
activo e pasaivo, que me pertenuia, aecurdaudo couuui-
goem que, fazeudo-lhe cu a entrega duque pussuia u-
qui, ello nio dara, para Ihe pagar o que restasse, 6, 8 e
10 anuos, nio linha mais direito algum de csmerilliar
niinlia conducta paitada por virtude du accordadu entre
na, quando niiiitu podena dar-te este direito a oulro
credor, mas nao a Pondr, que fez a concordata : e niu
cxitlindo nutro alero delle, claru he nao ler lugar sua
aecusaco contra miro.
E j que Poudra me lenibra a leilura e meditacio do
cdigo commercial da Franca, em os artigo 593 at
59, e 402 do cdigo penal da mes ni a Dacio, quo sao
lio recebidos no Brasil, nesta porte, como as bullas
pontificios Do imperio da Cbina ; eu Ibe direi, que to-
dos esses artigos sio a meu favor, porquanto, para ba-
ver banca-rota fraudulenta, na lumia do artigo 593, ci-
tado he necessario: -1.- que o aecusadoseja negociante;
2."-quo esteja em MUmvalo = Sera drelaribanque-
roulxer frauduleux loul commcrcanl failli, &c. =:
ora, nio estando eu fallido, nio pude a disposicio do
mesmo artigo comprebender-me. Uevo a Poudra, e
nio neg; posso ler bens em lodas as cinco partes do
mundo coobecido; mas, Icndo convenc.onado com
elle' a forma do seu pagamente, nao pode ello sem in-
juria, pela qual protesto haver pardas e dainos, ac-
cusar-me como banca-roteiro fraudulento : elle por ora
nada tem com os meus bens, e smente Ihe compele
pedir oque lbe devo, em os lempos ajustados.
A decisio do tribunal de cassscio em Pariz, de 9 de
marco de 1811, sobre nio sor necessaria a declaracio
do lallimento, para proceder-sc peia banca-rota, be es-
pecial, e limitada a os casos erpressos no artigo 595 do
dito cod. com., islo he; quando a banca-rola be de
noloriedade publica, ou, quando be denunciada por
syndicos, -- ou por algum ciedor; ms Dio, quando
bouve entre o devedor e credor concrdala cerca do
pagameolo, por Dio poder esse credor ir contra o seu
cu amigo ; S. mageatade nos tem visiladu umita vezea ;
c at um dia roe dissu ella, cite que Ihcs falla : .. Pipo
estou satisfeita cura ligo! '
Purroiuhafe, dase de repente Fabiu cm sua voz
natural, nao direi eu outro tanto; pur que ha una hura
que conversamos e nao reconhecoito u teu capillo. An-
da l, n meu galgu tem melliur nariz que lu.
Hcpuitivcl! exclamou o invalido, deixando eahir
a lanterna.
- Mo he este o ineio de uut vermot melhor, diste
Rosario apanhando-a.
Nunca passara de lolo, continuou Pipo, ceniu-
rando-te u si ineimu, de verdadeiro idiota. Poisque?
Tens u teu capitio diaute dos cilios, e nio o ree.onheces!
Perdoe, meu capillo, perdoe! Tambero V. seuhuria est
cora uro exquisito vestuario. A Zngara nlo roe havia
dito que o Sr. linha mudado de pelle.
O nosso invalido foi fechar a grade, e arranjou como
pode por prudencia a (echadura deslocada pelo tocador,
leruu us catalina para a eatribaria, correo ua fcrrolhos
a todas as perla da cata, e denota de haver preenchido
cunscienoiosaroente us duus ullicios de nuneira e escu-
dero, vcio deseiupenhar ai tuas fuucge de guarda-
roupa e cusinheiru achou porein o lugar oocupado;
quanto a ultimas, Hoaario a iiavia usurpado, e de mo-
do tul as satisfazla que legitimara a uaurpaclo.
l'\n;a o que quizer, ainda que seja o mundo aa a-
venai, diiia-ihe Fabio afagando o galgo deilado en-
tre as suas pernas, em quanto o perdig ueiro eslendido
sem cerimuiiia ao p do foge segua cum os olbo totlo
oa uiuvimentos de teu amo u cacador tem o amiquiiu-
proprio facto : he esta a opiniio de insignes oriscon-
sullos Iranceze, que assim se exprimen = .oriqv'u*
concorda! al intervtnu dan* le* forme dlerminies pa
la lu, et li homologu enjuttice, le minlere pu-
btic peut-tl-encore, tur la demande o"ti* creaneier, ou
ifolJice, dirigir del pounutle contri un fali comme
pivenu de banqueroule limpie ou rudulenee ? La n-
gative marchi eicorle de preique lom / principa en
moliere di concorda!, la loi ayant exige disforme* el
ayanl mil en garde le creanceri contri det traitii
frauduleux. A' vista disto jl se v, que o mesmo
direito francs me favorece ; e se existe crime, o que
neg, epoisa delle conbecer-se, nio o aeri certamen -
te por denucia do meu nico credor, ligado j por urna
escriptura de composicio e concordata commigo : nada
mais concluirei, recummnndando tambem a Poudra a
leilura e meditacio dos artigos 21, 22, 26, 32, e 235
do cdigo penal brosileiro; e esperemos ambos, que as
autoridades do paix nos facojuitica. Sou, &c.
____________________________ J. Ckardon.
Publica$cs a pedido.
Illm. Sr. Recebi o odieio de V. S., em que me
participa, que o vice-preaidente da provincia me re-
lorroou no posto de tenonte-coronel de guarda nacio-
nal : he de mea dever agradecer V. S. os esforcos,
que empregou para este lim, os quaos linhio sido bal-
dados durante as administracoos dos F.xms. Srs. Joa-
quim Marcellino de Brito, e Thomax Xavier ; agrade-
co essa reforma, porque ella me constiluio compaohei*
ro de tantos outros cidadios, que teem soflrdo o mes-
mo accinte e violencia, em razio da sua dedicarlo
monarchia, e ordem publica.
Dos guarde a V. S. (uartel, no eogonbo Boa-
Esperanca, SI dejulbode 1845, Illm. Sr. Bento
Jos l.einenht Lint, commandante superior da guarda
nacional do Cabo. Joaquim Manoel do fego Bar-
reto,
fefutaco documentada ao* impremido Sr.cirur-
giilo Jos Lourenvo de Catiro e Silva.
(Continuado do n, 170).
Para ainda palentear ao publico de todo o imperio a
aleivosia, com que se me lere na honra de magistrado,
publicamos o seguinte:
Illm.* Sr.* D. Florencia de Andrade Bezerra e Cat-
iro Tendo smenle me avistado com V. S., quando,
como ebele de polica interino, astistia a inspeccio me-
dica, que se procedflra sobre a molestia allegada por V.
S.; invoco a honra de sua viuvez, fim de que, sob sua
palavra, declare ao p desta, quaes aa injurias, e ul-
Irages de mim recebidos, ou n'outra occasiio. Com
resposta, e pura verdade obrigar ao de V. S. respei-
ladore criado Fortaleza, 2 de ulbo de 1845.
Illm. S. Jos Vieira Rodrigues de Carvalho e Sil-
va Kespondeodo a carta de V. S., em que me per-
(unta, quaea as injurias, e ullrages pralicados por V.
S. contra mim, quando ebefe de polica interino desta
cidade sou a dizer a V. S., que os resentimentos,
que anda me acompanbio, me fazem rogar a V. S. me
dispense de os recordar, desejando antes esquecer-me
del les. Tenbo assim respondido a caria de V, \, de quem
sou respeitadora, e criada Florencia de Andrade Be-
ierra e Catiro. Cidade da Fortaleza, 2 de julho de
1845.
A respesta duvidota, que d a senbora D. Florencia
i minba carta, produxiria seu efloito, se nio tivesse os
seis primeiros documentos de pessoas presenciaes, que
affirmao nio terem havido injurias, ou ullrages. Se a
senbora D. Florencia se sents aggravada pelo cumpri-
menlo de meus deveres, por ter qualifcado sua propria
casa do prisio, e Ihe posto gusrda, para assim ser co-
mo tal julgada ; muito me satisfara, apontando estes
fsetos, que confesso, e pelos quaes, como magistrado,
nio temo a responsabilidade ; mas a aleivosia de quem
lbe insinuou a resposlajhe um requinte de falta de ver-
dade com offeosa da honra alheia. Nio quero, que a
senbora D. Florencia me agradeca a bondade batida para
com ella; narrarei o fado de que tanto aedoestou, tal
qual houve, e todos o sabem nesta cidade ; os officios
seguinles provio, que urna requisicio legal havia, do
juiz de direito para o chefe de polica, meu antecessor,
a lim derecolbera senbora D.Florencia, queaeacbava
pronunciada por crime inafiancavel, e em sua casa,
como qualquer oulro cidadio sem crimes.
a Illm. Sr. A' vista do expendido no oflicio do di-
rector da casa de corrcccio, que incluso passo as mios
de V. S., entendo que tem desapparecido o motivo, por
que V. S. permiltia, que D. Florencia de Andrade
Bezerra e Castro, pronunciada em crime de tentativa
de morte estivesse em sua casa. O quarlo, que o
mesmo director diz em seu oflicio, que esl protnpto,
be limpo e arejado. Espero, pois, que V S., haven-
do, como ha, prisio publica, faca recoli.er a ella a men-
cionada r, no que obrar com a justica e imparciali-
dade, que caracterisio lodos os seus actos, dignndo-
se comoiuoicar-me a prisio referida, fim de fazer en-
iiiu direito de preparar peasoalmenle a caca quo raatou ;
mas en tenbo direito do humedec -la, o delle uso.
Pipo comprehendeo o que isto significara. Suuiio-ie
sera tfizer palavra, e um instante depui lornou a appare-
uer coro tre garrafas de Syracusa, luaa pulverulentas,
que pozna mesa com precauco.
Eite he do famoso, dissu elle, e soberbamente ro-
lliado! Tambero uio he a este que se applicar o pro-
verbio :
() Amor di meretrice a tino di fiasco.
La mattina i buono e la lera A* guaito.
Boro era elle ella manhla, e osla noule........... ot Sra.
m'o lo diriu.
Tudo eslava promptoi Rosario dco o tigntfl. Uro gran-
de mulho de sarment aeccoa laucado no foglo njuntuu
ao prazer da boa oodea e du buin vinhu, o encanto de um
fogu claro e crepitan,e.
Agora, disse Fabio aoseu hospede,abe V ni. quem
eu sou.
Sera me gibar, desconfiara um pouco; ignorava o
seu uome, he verdade, roas adevinhava a aua pruliiiio,
e eii-ahi porque, indepeiidento daa rcooiuraeudacdi do
Sr. conde AUcgrooi, ayropatbiaei iramedialaiueule com
u Sr.: o militar he irrolo do caoadur. Sabia bero que o
Sr. uio era feito para seguir a Palerino essea porcoa cun-
i-inpelli. Mas guardara commigo ai minhas obterva-
fea; lodo o roundu turo osseus legrados. Os negocios
(") Amar de mcretrit e vioho em garrafa he bom de
manhla, edetarde estragado.
trar em julgsmenlo o processo da mesma D. Florencia.
Dos guarde a V. S Fortaleza, 1. de oulubrog,
1842. Illm. Sr. doutor Miguel Fernandos Vieira,
chele d polica interino. Pedro Peuira da Si/a
Gutmtrdti, preiidente do jury (*j
Este conflicto existia, quando ontrei no ezerriciodo
ebefe de polica interino: fiel cumpridor das leis, ,
vista daa em. vigor, coofessei, que eu nao me reconheca
com direito de conservar, em aua casa c livre, a senbori
D. Florencia : se o seu processo era illegal, injusto
artefacto do partidos da provincia a le oio me ing<,'
ria, como chefe de polica', no conhecimenln d-ste: rm.
nejes; aos juizee, que a pronunciaras, esuttentsrtrji
pronuncia, so deve de imputar a perseguicio; i mi
competa observar o regoltmeoto das prisOes, esuait.
guranca, Seo. Nio desojando, porm, nem violar(
lei, nem mostrar-me menos humano qua meu anta,
cessor, e antea por a r em estado de poder entrar era
julgamento, ao que senegava au juiz de direito, ten,
estsr presa ; forcoso me foi procurar um meo honesto,
e mais legal, para, sem appartal-a de sui morada, 0|-
ficiar ao juiz de direito, qoe a r eslava recolhidt. 4
soobora 1). Florencia sabe de tudo, quanto loi pasudo;
o Sr. Antonio Tollei de Mezes sabe dos sentimento
do meu amigo e honrado general Jos Jotquira Cs-
ico ene respeito, e o que houve de conforme 1 dij.
odade do juiz e mais quanta proleccio se empregou:
coofesso que se alguma (alta, ou erro de oflicio comtl-
ti, foi para protegel-a, e pl-a em estado de tratar dt
seu litrameolo no jury: todos quantos intervierto netle
acto da inspeccio mdica sabem o meio, o lim por que
ella foi empregada. Nio quero, torno a dizer, r,
me agradeci, e antea desojo que, como juiz, mett
pellidem sempre de restricto cm deveres; porm a i*,
putacio de faltas nio praticadas he iniquidade, h>
pratica anti-social, e anti-ehrista: ltimamente di-
rei: o homem honrado que, quando v imputar a ou-
tro lacios, que oio praticou, ae cala, eossvoluow,
ainda sendo este aleive a seu favor, deimente este ci-
ractr; he perleitamente um cordeiro na lorma, com o
coracio de tigre. Urna senbora, a quem se invoc sui
honra de viuvez, para dizer a pura verdade, e a poea
duvida em auai respostas, he digna de justa censura.
Ets-aqui porque as vetes a Mo da Providencia noi
pune, e nlo atinamos com o motivo'! Ests eondocti
manifest contri os principios de justic/ clarissima re*
vela.actos anteriores, eos pidecimeotos soflridoa, se nio
sio a pena das culpas em lembranca, o sio das esque-
cidas. A perda e males da senbora vio va Facn
doos ncommodos do Sr. captlio-mr Barloza, noi
parecem puoiedes desta ordem... pelos aleives contri
mim a Mi da Omnipotencia oio cansa, e quinde
fulmina he de prompto...
Ceari, 12 de julho de 1845. Jote Vieira Rori.
guet de Carvalho 1 Silva.
COfMERCIO.
.. 6:B>32o5
Alfandega.
Rendimento do dia 8...........
Detcarregao hoje 9.
UarcaPaquete-de-Trteslc larinha de trigo, e ac.
BriguePo/dora botijas vasias.
Geni
REuDIMENTO
648,534
Consulado.
do da 7.
Provincial188,18o
JUoviiuento do Porto.
Navioi entrado! no da 8 do torrente.
S. Malheus; 10 dias, sumaca brasilcira S. Benedicto,
de 74 toneladas, meslre Manoel Antonio do Cooto,
equipagem 9, carga farinba ; i Caetauo da Costa
Moreira.
Rio-de-Conlss ; 8 dias, hiato b'rssileiro ?. Jete,
mestre Manoel Jos de AraujoPaiva, equipagem 5,
carga farinba ; ao mesmo mestre.
Vacio laAido no memo dia.
Genova, brigue americano Lucelia, capitao Heniy W,
Perkini, a mesma carga que trouxe.
Editaes.
O Illm. Sr. inspector da tbesouraria das rendas pro-
vinciaes manda fazer publico, que, em cumprmento di
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia, de 31 de
julbo ultimo, irlo praca no dia 18 do crrenle, ao
meio dia, para aerem arrematados quem pur menos
fizer, e sob as lormalidades do regulamento de 11 de
julbo de 1845, os accrescimos s obras da ponte da T-
caruoa, constantes das clausulas especiaos abaiio trans-
criptas ; sendo a construccio e collocagao de duas ar-
maedes de ierro para segurar estraves composlaiDOi
(') Ainda temos outro ollicio mais terminante.
du Sr. coude nlo mcprriciierm, nem oideVm. lia pen-
co. Bastsrl....... Capillo, Vm. teinuinSyrecuia queo
nlo detgotla. {
A' laude de tanto Huberto e dot seut derolo
diiie Fabio enchendo o copo ao cacador.
lato nlo 10 recun! rcipundeu Rotara unindu u
acto palavra.
Intil he dizer quo eite toatt linha lido precedidi>>
foi acompanbado de outros niuitot.
E eu meu capitn, (liase Pipo com a familiaridad'
do relbo criado, uio tere a aaliafaclo de beber a iui
laudo, e de festejar a tua feliz vultaP
Bebe, meu velho, bebe otpo ebeio. Bata noi'
boa da liberdado; aproveilemo-la, porque amnnhiatt-
be Qeo onde eataremna.
Poit V. scnboria malcheguu, ji cuida M)tsr**
ir-te? Mi eal enlio iiteiramenle livre?
lnteiraroeute uio, tu |iara melhor diter, nlu citan
oada. Amanhaa meimo, be precio pr-nie em camp1'-
Ai de mim! diste 11 invalido bate*! na P*r*5*
pin, que 11S0 tenbo como otnulrua duas perna! Coa'
elle cabo de vatsonra ao joeiho nlo presto para nioi
aera postu mesmo acuinpanhar u meu capillo.
Tona-roo sido mais otil no caaino. (Juera o go
daria era miuha amencia ?
Com effeitu neicetiidado tero elle de 1er gutrdsu'-
Nlo ha dia quo eu no veja rodar por ah algnnia bj""
r suapeila ; e be por isao que eu fecho grado ao por
aol, e at anlet. O eipifle furmiglo, apparecem
tudas a corea; ainda esta inenlila dei en cafa a um gran-
de uariola, que quera por forja entrar no catino.

...rol de encost da dita ponle, orjaJi tmiOOl rs. .
I eonitroecio de um baldo pira .apagara de urna cam-
I L, ..arto da dita ponte, oreada em 500| rs.
I m lieinntei.devidameDtd hablitados,devera5 compa-
r ni sala da scssBes da thesouraria, no da e hora
I "w,. Secretaria da thesourar.a di rend.i pro-
1 es de Pernambuco. de agoito de 185. -O se-
cretario, Luit da Costa Portocarrtiro.
PONTE E ARCOS.
Accrescimo a$ obras da ponle do val da Tacamos.
Con'truccSo o collocacBo de da armacSe de ferro
rategurar ai Uy ustos da d.tl ponte.
Clausulas especiis da arrtmatacao.
1 A duai armares de ferro ler feita poli for-
m e dimeoces indicadas no complante risco, e no
I -amento approvado pelo Exm. Sr. preiidooto, em 28
docorrente "V A eollocacao ser feita sob a direccaV immeda-
do cngenhero eocarregado da obra, e do modoe
cio preterir o andamento o trabalhos da obra da
'"S^A primeira armaco estar prompta para ser
enllocada no praio do lSdia, o asegunda no de um
mez; contadoi os dous prazos conforme o artigo 10
d0 reglamento daarrematac5es.
4 0 pasamento da arremataco realisar-se-ha em
trospreitacoe iguaei. pagaodo-se uccessivamente as
duas primoirai, log que cada armaco fr recebida, o
i lerceira, logo que a eollocacao completa fr effec-
U*5' Para ludo o maii que nao est determinado as
presente clausula. seguir-se-bo o que dip5e ore-
Kulamento dai arrematac5ei.de 11 dejulbo de 18.
Beparticio das obras publicas. 29 de julbo de 1SI8.
O engeoheiro em chele,
Vauthitr.
Approw. Palacio de Pernambuco, 31 de julbo
de 1845.Pinto Cni'ehorro.
POSTES E ARCOS.
Aocrescimoi s obra da ponte do val da Tacaruna.
Conitructo do um baldo para tapagem de urna cra-
bos perto da dita ponte.
Clausulas especiad da arremalaco.
1 Os trabalboo o obras do dito baldo seri feitos
pelalorma e modo indicado no respectivo orcamento e
Unta da obra, epprovados om 28 do crrante mea pe-
lo Eim. Sr. preiidonto, e pelo proco de quinhentos
mil ris. .
2 A obra principiara no prazo de um roer, e linda-
r no de tre dias; ambo os prazos contados emeon-
formidadedo artiglo do regulamento das arremata -
c5es. ... ,
3 0 pagamento da arremato realisar se-ha em
quatro prestaeoes, na forma e Sis pocas indicadas no
artigo 15 do precitado regulamento; endo de oito
me/eso prazo de respooaabilidade.
Para tudo o mais que nao est determinado pelas
presentes clausulas, seguir-se-ba n tetramente o que
dispoe o regulamento das arrematarle, de 11 de julbo
de 1843. j o
Reparticio das obraa publicas, 29 de |Ulho de lWo.
Oingeoheiro em chele,
Xauthier.
Approvo. Palacio de. Pernambuco 31 de ulho
de 1845.Pinto Chichorro.
O Illm. Sr. ioipector da tbosouraria da rende pro-
vincia manda fazer publico, que, em comprmanlo da
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia, desta data,
ir praca, no dia 18 do eorrento, ao meio di, para
ser arrematada a quem por moooi fizer, osobasfor-
malidadea do regulamento de 11 dejuobodo 1843, a
obra da barreira da ponte do Caxeog. e a casa respec-
tiva, oreada na uaotia de 1:804*332 r.; devendo
dita obra ser execulada ob a clausulas especiaes abaixo
transcripta.
Os licitantes devidamente habilitadoi deer5 com-
parecer na sala das sessoes da thesouraria, no dia e hora
indicados. Secretaria da thesouraria daa renda pro-
vinciaes, 4 de agosto de 1845. O aecretano, vis
da Cotia Portocarrtiro.
ESTRADA DR PAO-BO-1LHO.
Barreira da ponte do Cachang, o caaa respectiva
para se perceber a taia.
Clausulas especiis da arremataedo.
1. Ai obrase trabalhos da barreira ecaa respectiva
far-se-hao de conformidad com os risco e orcainen-
to, approvados no i.' de agosto do 1845 pelo Exm.
Sr. presidente da provincia, pelo proco de um cont
oitocentose quatro mil trezentos o trinta o dou ri.
2. Asubrai principalo no pnxo de um me, e
lindarse no de quatro meze. ambos contados de con-
lormidade com o artigo 10 do regulamento dasarre-
malacCes.
Miguel Tchanjo Monteiro dt Andradt,oJJicial da im-
perial ordem da Rota, cavalltiro da de Chrtsto e
istipicfor da alfandega dt Pernambuco, por S. M.
Imperial, o Stnhor D. Pedro II, que Dtot guarde,
Faz saber, que boje 0 do corrate, ao meio dia, na
porta da alfandega, le ha de arrematar em, hasta pu-
blica, urna eaixaoom 216 eorlc do oaisaa lstradaide
seda, no valor de 580.000 r., impugnada pelo guar-
da desta alfandega Joio Cancio' Gomes da Silva, no
despacho por factura de J. Keller: lendo a arrematacio
subjeita a direitos
Miguel Archanjo Monltiro de Andrade.
3. O pagamento do importe da arrematacio reali-
sar se ha da forma, e as poca determinadas polo ar-
tigo lo Jo respectivo regulamento; lendo de um anno
o prazo de responsabilidade.
4. Para tu Jo o mais que noest determinado pe-
las presen tea clausulas, seguir- se-lia inteiramento o que
determina o regulamento das arrematares, de 11 de
iulliode 1843.
BeparticSo da obrai publica, 2 da.agosto de 1845.
O engenheiro em chafe,
FauAiir.
Approvo. Palacio de Pernambuco, 4 de agesto
de 1845.Pinto Chichorrt).
Derlaracoes.
Pelo Ivceo desta cidade se lai publico, que. em
consequenci do que ordenou o Exm. Sr. preaidente da
provincia directora do mesmo lyci, em officio de
21 do correte, ir a concurso, da data deste a qtiaren-
ta dias. a cadoira de lalim da freguezia de S. Jos
desta cidade. que se acha vaga, pola demiiso do proles-
aor, que a exercoo. Os candidato, que referida
cadeira se quizerem oppr, babilitem-se na conlormi-
dade das nstrucc3es. que regem os concursos Secre-
taria do lyrCo desta cidade, 23 de julho de 1845.
JoSo Facundo da Silva Guimardet, secretario.
Companhia da Ponte-pensil.
accoes de i5s'ooo.
Resto apenas cjualrocentas acces:
qnem as quizer subscrever entenda-se,
quanto antes, com o secretario da res-
pectiva companlna.
O Secretario
B. J. Fernandes Barros.
= A aula de linga nacional do lyco contina de
hoje em diento (11 de igosto) em auas Iic5es sem
nterrupcSo; o queso declara para conhecimento dos
Srs. pais do familias a fim de que os seus fillios, que
forem alumnos, n8o alleguem a lalta d'aula a qual
entra as 11 horas do dia.
PUBLlCAgES Ll ITERARAS.
Est cuidadosamente traduzida, e vai a imprimirse
em bom papel a expeliente obra
DIRETO DO BOUKH.
O crdito de seu autor, odistincto Tbomaz Paine,
he to geralmente estabelecido, que nos dispensa de
dar urna synopse da obra : seu titulo diz tudo : trata-
se do direito do homem, e o homem sompro ter ne-
cessidade de estudar o que mai loe interessa saber na
sociedade civil,isto heso perdeo ou adquiri mais di-
reitos, quando se associou a teussemelbante.
Dar um volume em oitavo francez de quasi 300 pa-
Subscrevose pra esta importante obra a 2,000
rs. cada exemplar brochado.e a 2,800 rs. encadernado,
no lugares abaixo declarado. ....
Nesta cidade. na ra cstreila do Rosario, botica do
Sr. Prannos, e loja do Sr. Bandeira pai; na ra do
Cabug. lojodo Sr. Bandeira filho ; praca da Inde-
pendencia, loja ns. 6 e 8.
Na villa de Iguaras. caa do Sr. advogado Ale-
xandrino Jos do Amaral.
Em Nazareth, casa do Sr. padre Luu Ignacio de An-
drade Lima. .
Em Pedras-de-Fogo, casa do Sr. Ignacio Beoto
Luir Ferrar.
Na cidade da Parahiba, no Varadouro, casa do Sr.
Antonio Vicente de Magalhes.
Na vitado Pilar, casa do Sr. dr Jos BentoMoira
de Vasconcellos. _.
No Brejo-d'Ara, casa do Sr. advogado Luu Vicen-
No Brejo-de-Bananeiras, casa do Sr. Gregorio Plag-
oo Borges da Fonseca.
Para os nSo assignantes cuftar cad exemplar, em
brochura 3,000 ra., encadernado 4,000 r.
A ubscripcao lechar-se-ha em dezembro.
Acba-se aob o prelo, na corte do Rio-de-Janeiro, tra-
Juzida por Jacinllio Alves Branco Mus Brrelo, a se-
guinte obra :
Um granadeiro da guarda-imperial sobre osepulcro
deNapoleaoBonaparte ; historia da vida pblica o pri-
vada do mesmo.
Suhscrevese ns praca da Independencia, livraria n. 6
o 8, 2*000 rs. .pagos na occasiio da entrega da obra.
Avisos martimos.
\ tuu'o-ie o brigue-escuna Fama, do lote de 9500
arrobas de carne,coostruccio americana de Ga7 annoa de
feito, forrado de cobre,ha 2 annos.noBio-de-Jaoeiro,de
regular mareba, prorapto a navegar para qualquer par-
te : quem o pretendor dirija-ie a Ainorim Irinoi na
roa da Cadeia n. 4'-, o para o examinar na praia do
Collegio delronte do cae do palacio.
Vende-ie o brigue Flr-d'America, do lote de
15000 arrobas, promplo a navegar: quem pretender,
pode fallar com Amorim Irmios roa da Cadeia n. 45,
e para o examinar defronte do Forte-do Mallo.
Segu breve para o Ass o brigue L'onceicSo Cu-
barlo : quem no mesmo quizer carregar ou ir de passa-
gem.pde tratar com Amorim Irs., ra da Cadeian. 45.
Para o Maranhao sai com brevidade a barca Er-
melinda, capitao JuliSo Ferreira Nunes: quem na
mesma quizer ir de passagem, o carregar por freles mais
commodos, dirija-so aos consignatarios Francisco Se-
voriano Rabello & Filho, ou a ra da Cadeia-Vclba,
armazem n. 12.
Para a Bahia vai sabir breve o brigue nacional
Indiano: quem no mesmo quizer carregar, ou ir de
passagem, dirija-se ao seu consignatario Manoel Igna-
cio deOliveira, na ra de Apollo n. 18.
Precisa-se retar um navio, de lote de 200 tone-
ladas, para conduzir gado, do porto do Cear para
Cayonna : na ra da Cruz n. 13, casa de Rdgway Ja-
mison Se. Compsnhia.
O hiato iVooo Olinda, de primeira marcha, for-
rado, e encavilhado de cobro, pretende seguir, com a
maior brevidade possivel, para o Aracaty : os preten-
den tes a carregarera se podero entender com Anto-
nio Rodrignes Lima, na praca do commurcio, ou na ra
da Cadeia-Velha n. 1, primeiro andar.
Vendem-se, por junto ou a relalho, os seguintes
objeclos, salvados do patacho Carlos \ll, por conta de
quem perteneer:7 velasde boa lona,em muito bom es-
tado, sondo traquete, vela grande, gavia, velachos,
mesena, bojarrom, o giba, tic.; duas porcOes de cor-
rentes de ferro; 9 cadernaes de 2 gomes, e l.'i moi-
toes; amarrilhas, conleodo enxarcias, bandees de
joanete, 3 pedacos de cabo de Cairo, o 5 pedacos de ca-
bo de linho; varios moitoes, amantilbas, e oulros objec-
los propnos para navios: quem pretender qualquer quer outra pessoa
destes objectos, dirija-se a ra do Vigano, n. 23, es-
criptorio de Firmino Jos Flix da Rosa & Irmao; que
se vendem por precos mui razoaveis.
= Frela-so a sumaca S. Maa Hoa-Sorte, antiga
7rcei/a-i4ndorina do lote de 80 toneladas para
os porto do Norte al o Cear; acha-so prompta no
dia 15ducorrente, para receber carga : trata-se com
Victorino Teixeira Leite na venda da esquina da ra
larga do Rozario que vai para a polica, n. 21.
io eu ia entregar a praca um nao ci que.! Maa eilo foi
Lem eieqvado, oom u adjutorio do galgu foi de mudo que
nio lera vontnde de c voller to cedo.
- Mas virO oulros, cuja visita er-rae-ha igualmen-
te tletagradavel.
De repente ouvio-se uina vos no pnrto.
Falla no mo, propar-ihe o pao, diiso Pipo.
- Prouvera a Deus, di.so Rowriu. que cootccesac
o com a labres e perdiics, quo leropre ae tallara
nellaa.
- Euaou mesmo um pedaco d'asno! exclamou Pipo
dando urna punhada na testa, eaqueoeo-me pendurar a
janella um capoto, j que nao tein oorliuasi n clanade
da lampada e do f..go cbainuu a atlenco ; nao he pre-
ci.o roaia para faier clioverera aqui todo oa oapiaM do
|"i, que acodvm lu como inaripoia.
A vi ceuliiiuava-se a ouvir, mais supplicanlo d que
imperativa. n,
- Pipo, dixia ella. .Vi-me a porta, meu bom Pipo.
Ho ,ei porque broxaria todo catea tratante -
l*oi do meu nomo, e tcm todo oita vininh ou sein-
pre o seu bou Pipo < axoellcnie Pipo- Permuta,
meu C.piau, que eu mando o galgo a eiploracao-
O galgo leguidu do eu novo amigo o perdiguciro,
lancuu-ae no pateo ladrando; maa ao ebegar a grade
calou-e de repente.
Aiiuillo pruoa, di* o invalido, qne he cara oonne-
cida. Ku vu l ver.
E eu tambero, diiie o prudente caoadnr tomando
espingarda.
Por caulella, Fablopreparou a .u, o entermu o cha-
peo para eaeondor a cara Estes preparativo crio bero
innleis, porque l.omcn.e ce. entrarlo logo aco.npa-
nhado de urna velha, que nao era outra ^eno a Zm-
*"- Meu bom e t-haro Pipo, dizia ella ao invalido, co
.no vi lu, co frime regel.mao vollar do Manar, lem
brei-me de vos pedir u.u dedo de viuho, olicenoo para
aqui mo aquecer um pouco. Em pagamento t.rar-voa
hei as carta, e dar vos-bei noticias do capiuo.
E dito isto foi se acocorar ao podo Fog, dcpoi le
ha ver bebido um copo de yracu.a, tal qual como ae
fra um copo d'agua.
_ Que bomba! dase o mval.do.
Quanto mai tecco he o mugo, ajuntoo Knrio,
melhorembeto a chuv.
A Zinra responde. a esto cnmprimcnto por um
olbar feros; doii abaixou os olho, e ficou como
se cuidaste de aquecer .cu. volito o gelados mem-
r O l velha! disse Fabio, que se embrava deja a
ter encontrado alguma. emana, ontqa, de madrugada,
o. ,^>nte do Delia, l ento corre, o mundo a no-ito co-
mo a corujas; reoeias que falte feiticeiras no cunci-
'a- Saiba, K> m lingna, responden a Zngara sem le
vantar a c.bcca, ma. nto ,cm olhar de trave. para o .eu
interlocutor, que aou to boa chri.ta, como quem quer
que aqui o fbr, SH.oo do diabo sao os que diiem o con
trario: So viajo tsouto, be porque i.o provavolraeoto
avisos diversos.
= Aluga-s, pelo lempo da festa, urna casa terrea,
grande, com muitos commodos, no Pcoda-Panello,
junto ao sobrado do Sr. Joao Pires; a tratar na ra
do Collegio, n. 4.
= O Sr. JoSo Ludgero de Paula Freir quera
apparecer noAtterro-da-Boa-Vsta loja de olfaiate na
esquina do becco que se Ihe deseja fallar.
eva. Na travesa de S. Theiea becco do Padre Lo
bato, casa n. 4 coso-se toda a qualidade de costu-
ra, eengomma-se; ludo por proco muito barato.
__ Claudio Dubeux, testamenteiro da-
tivo do finado Joo Antonio Martins de
Novaes, tendo acceitado esta testamenta-
ria, resol veo o embargo, que os credores
do mesmo Novaes l;avi5o verificado nos
bens da massa ; acha-se entregue da casa,
e por isto habilitado para receber, e pas-
sar ([uitaces aos devedores da testamen-
taria ; aos quaes o annunciante roga, ve-
nhao quanto antes remir seus crditos pa-
ra n3o se ver na precisao de realisar aar-
.ecadacao por meios judiciaeS. U annun-
ciante mora na ra das Larangeiras, n. 18.
BOTICA CENTRAL D INSTITUTO
Ilomtopathico do Brasil.
Pouoe todas as substancias experimentadas na Eu-
ropa, nos Estados-l)nidos e ltimamente no Brasil e as
dynamisacdesfeitaspelosprocMsosmecanicosdodr.Mure.
Distribuo graluitemente a vaccina djnamisada e to-
dos os outro preservativos neresiarios as epidemiaa
reinantes, e responde a qualquer consulta, que a res-
peito de livros, medicares, remedios e rgimen Ibo
lor dirigids.
Pratica elementar da homeopothia pelo Srs., Mure
e Marteus.
Enriquecida da primeira experiencia puras felas
no Brasil.
Preco 8*000 r. e 10s' rs. com urna boa encador-
8s?So.
Folhona homcopatbica. 2,'aono, contendo noticia
sobre o estado actual da homeopatliia, o rgimen, o os
estatuto do instituto homeopatliico.
Preco 320 rs. comgrando abatiraonto a quem com-
prar porcCes maiofes.
Dirigir-se por correspondencia agencia do instituto
homeopalhico no Rio-de-Jneiro.
LOTERA DO THEATRU PUPLlCO.
Devendo esta lotera, pelo adiantemento do ven-
da de eu bilhete ser a quo primeiro loan de dar
andamento a la roda; est o respectivo thoaourei-
ro resolvido a fazel-a extrahir no presente me do agos-
to inlallvelmenlo : para o que convida aoa amadores
deste jogo a se prevenirem de bilheles, os quaes achSo-
se nicamente a venda no tairro de S. Antonio na
loja do mesmo Ihesoureiro ra do Queimado n. 39,
e na botica do Sr. Joao Moreira pateo da niatrii; e
no bairro do Recio lojas de cambio dos Sr. Vioira,
e Manoel Gorr.e. Eicusado se faz lembrar ao respei-
tavel publico a confianca que mereco esta lotera, pe-
la regularidade de seu procedo de extraegio; procosso ,
que passa a ser anda mais perleitaoiente desempenhado;
porque as rodas teem de andar segundo o novo re-
gulamento ; entretanto que as loteras, que blo an-
nuncado, parece nao se quererem desaferrar do miti-
go systema de extraccao.
__ Alugao-se tres armazem no fim da ra da Guia,
aope do arsenal de marinba, proprios para recolher,
com bastantes commodos, por seren periodo embar-
que : quem os pretender, dirija-se ra da Cruz,
junto ao arco do Bom-Jezus. no segundo andar das
casas n. 6, que achara com quero tratar.
Precisa-se de urna ama de leite, sem filho ; no
Atterro-da-Boa-Vista, n. 36.
= O abaixo assignado terceiro testamenteiro e
nico,poi naolerem acceitadp o 1." e o segundo.dofal-
lecido Joo Antonio Martn Novaes, faz publico a
todos os devedores nao so do dito fallecido Novaes ,
como dasua extncta firma social de Novae & Basto .
que nao paguen., e nem lsao negocio nom IransaccSo
alguma coui o testamenteiro dativo nem con. qual-
atqueo abaixo assignado acabe
com a questo que corre em juizo. Jote Miria da
Costa Canalho.
a Manoel Joaqum Ramo e Silva embarca para o
Ro-Grande-do-Sul a sua mulata Rita.
Agencia de pattaporttt.
Na ra do Rangel, sobrado n. 20, segundo andar,
contnua-se a tirar passaportes para dentro, e forado
imperio e despachar escravos; tudo por proco muito
commodo e com brevidade.
LOTER1A D SEMINARIO.
= Devendo a lotera do seminario episcopal de Olin-
da dar andamento as suas rodas no dia 21 do-correte,
por se achar urna grande parto dos bilbete j vendida,
roga se ao respeitavel publico que compre o resto
dos bilbetes a fim de que no dia marcado se eflectue
o andamento das rodas, como lanto convem : o alera
dos logares annunciados, tarnbem e vendem na loja do
Menezcs, na ra do Collegio.
=Os annunciosnasfolhas publicas oaodio.nem tirio
direito a ningoem; ma, como algn devedore o-
missos da testamentaria de JoSo Antonio Martina No-
vaes lalvez pretextem oo annuncio do Sr. Jos
Mara da Costa Carvalho, o motivo de no paga-
rem, por isso em resposta a esse annuncio e faz
publico, que.co obstante a muila voutade que dito
Sr. Costa Carvalho tem de reassumir orna testamen-
taria, que bem esprimida talvez no rcaliie 60 por
cento do debito piaca, tem de ver perdida a diligen-
cia pela opposicao do tutor dos menore que ficrao, o
dos credores da testamentara; cujos interesies lio mis
attendiveis e positivas do que o capricho do Sr. Costa
Carvalho: entretanto o abaixo assignado declara do
novo aos devedores da testamentaria que yenhio pagar
quanto antes, alia lem de usar dos meios judiciaes por
conta da mesma testamentaria, embora o annuncio in-
cosiderado do Sr. Costa Carvalho que s poder* lor
algum presumo para prejudicar a liquidacio da casa;
pois, quando bouvesse o Sr. Carvalho de vir a tomar
contada testamentaria, quanto o annunciante n0""
cobrado, de certo nSo he para seu proveito, o delle
tem de dar contas; com o que muito bem sedivulgo
a boas intencSes do Sr. Carvalho, a (avor da testamen-
tsr8 Claudio Dubtux.
me convem; creio que o.lou no mon direito, o que nlo
tenho que dar contas a nngiiein.
__ Excepto mim, dase Pipo : prometteste-nie noti-
ciaa do capitao, e nao ahir. daqui em tere nuroprido
a tu pniioa.
Por nica repoa, tirou a Pythoni.sa do seio o bara
Iho de cartas, que ella nunca deixava, e poi-.o a enib
ralha-ln com inperliirbavel teriedade,- depois do que
armn obre as perna. um jogo oabaliatou re.iniiugai.do
palavra. iiiintellegivei.
__ Ycjo tempro na. oartas a mesmo nrisSo, dissn ella
emfira; maa desta vese.t fa.a; poiin mais ao louge,
re um home.n em viagem, e anda mais longo urna ca
io iaolada. Aqui as carias embrulhio-sc, e nada mais
E tudo .o, pergiintou Pipo, significo ?...
__ Quo Toas amo est livre, e a e.ta hora era com
nhoparaa.ua caa. Agora queja me aqueci, dcejo-
||ies boa nonio.
Ter-nfe-ba recouliecdo e.ta felii-eira? Di.o Fa-
bio, quando c ella retiron. Recro o bom. Ello lan-
:ou-me a furu, emquonto barall.ava as caria., una o
iiiiiuo *|%- r-.-Y i w--------------------------- ------
oariciai do meu galgo. Ma. emfim que me importa ?
O Sr. conhece esta mulher ? perguntou Koaario
preoecupodo.
He ama ctpecie de cigana, que mora aqui perlo, o
qne ganha a na vida a discr a buonadiclia.
Nao so fie ui.tn, urna denuncia depre.sa se faz.
Aciiiileca o quo acontecer Sempre durroo esta
noute na ininha cama, o que provnvclracnte mo no a-
conlecert to cedo. He um capricho deque me dco
voutade. Amanilla pcnsarcmo. Para un da batn uina
cna. Boa nontc, roen amigo, imitvm o meu exem-
iilo; tudo n. temo neccs.idade de repouso.
E dito i.to, foi dcilar-.e mui tranquillo, como ae nnn-
u houvera do mu fugitivo, e como o na Sicilia non-
a hnuverao exi.lido Ingleso e Carolina.
To dcacancado nao catara Rosario. Primeiraroente
deitou o c5e para o paleo, aHm de nao aer em coto al-
gum colhido de mprov.o; depoi dirigindo-.o Pipo :
A inin pertenoe, doe-lhe, guardar o capiUo,
reSponaabiltaoi por ellea luinlia cabeca ao Sr. conde Al-
legruni, e e Ihe acontecease alguma de.graoa leria de
roohaver comS. excellencia. Va deiiar-e, queeufica-
rei de entinello o redo da noute.
Houve eni.ici um combato de gcnennidado, o decid-
ro aa partea para ao poreni de auordo, que velario al*
Ui iiaiiameniu e ao renderiu de bora em hora; o quo
cxecutoii com militar ponlualidade alo o romper do dia.
Nflo importa, diiia entre ai o prudente cacador ao
cou-me a turu, cmquanto Haralliava aa caria, una o i*ao impon, oui eniro u piuovnw ..,
Ihadella. muito equivoca.. Pode er qne a niinha vos, faier a aun entinello, aquella Zngara nao mo agrd.
anda que dfrrcada, me tenha trahido, e anda mais a Oitae ulhinlioede gato aoaunuiicio nada de boio.
r iav um liaiiissj uw ," -----------
Seu doaiooego leria ido juaiiir e mai legitimo, ie
elle podeise ter abido quo em ves de ir para o aeu apo-
sento ao ahir do oaiino, essa velba su.pcta havia to-
mado occultamculo o caminho de Manara.
(Cona ha.)


SOCIEDADE
P'HILO-DR APTICA
O primeiro secretario avisa aos Srs. tocios que
lioju polas 7 boras da noule ba sestfo extraordi-
nana para so trelar de um urgente negocio.
= Aluga-se o sobrado n. J9, do ra das Trinchei-
ras. com bons comrr.odos e gusto ; a tratar no mes-
iiio sobrado.
= Domingos Jos da Silva, capitio da sumaca bra
silcira Nova Auroia como tenha encontrado outros
pessoas com igual nuuie de boje em diante
nara Domingos Jos da Silva Papafina.
- Toma-sea premio de 3 a 4:000 de ris
pora seguranca bypolbcca-so um predio n'uma das
pnncipaetruas detta eidade : quem quier o negocio
annuncie.
Independencia ,
D. 9 so Jira
se assig-
tp-
Precisa so engajar dous bomens, sendo um per-
toito mestre de assucar, e outro perfeito purgador e
quedeemconhecimetoasua conducta: quem estiver
nestas ciroumsUncits, dirija se a ra larga do Rozarlo,
junto aoquartel de polica n. 18.
ociedade iheatral V'haliense.
*= O primeiro secretario avisa aos Srs. socios, que
os biliietes para a recita do da 14 do corrente distri-
liuuui-se nos das 11, 12. loe 14, em casa do lliesou-
reiro na ra do Queimado, n. C7. O conceibo ad-
ministrativo reune-sc no dia do IScorronto, para
provacao de convidados pelas 7 horas da noute.
O NAZARENO N. 116
estar a venda nos lugares do coslumo ao moio dia ;
conten diflorentes artigos, proprios e osrahidos, de
muito interesse e urna interessante ebrooica de Fr.
Francisco de 8. Luii, que ltimamente fallecora em
Lisboa sendo j patriarca.
= Precisa-sede urna ama secca que sailia co/i-
nhare engommar ; na ra do Crespo, n. II.
Roga-se aos Srs. Antonio Gaspar da Rocha, e
Jos Anastacio do Monte e Silva que queirio pagar
as quanlias, que nao ignorio dever desde 1834. de
efleitos que comprarlo na loja de Joio Mara Ponchet,
na ra Nova ; pois sabem mui bam quo quom rece-
be as contat do dito Ponchet he Miguel Amante Cha-
vea no Atierro da-Boa-Vista, n. 20.
Nesles oito dios, ha carne de carneiro muito
gorda no acougue Irancez da ra dos Quarteis ,
n. II.
Precisase de urna ama de leite ; na ra do Ran-
gel, n. 47, segnndo andar.
Precisa-se saber onde mora o Sr. Francisco de
Moura Accioli e a Senhora D. Francisca Candida ,
para Ibes serem entregues duas cartas deseus interesses:
annunciem por esta folba.
Precisa-ae de urna ama, que engorme,cozinhe e
lave para urna casa de 3 pessoas dando-seo susten-
to, vestuario eumquarto a vontade : quem estiver
nestas circunstancias, dirija-se a rus da Lapa casa
n 3, das 0 as 7 horas da manhaa e das 4 as 7 da
tardo.
= Aluga-se urna casa com bons commodos para fa-
milia com quintal e cacimba sita na ra Augusta;
e urna meia-agoa sita na travessa do Dique : a tra-
tar na ra da Cruz, venda n. 51.
fiador a soa conducta : na praca da
Imaria ns. 6 e 8, ou na ra Direita
quom precisa.
Na ra da Conceicio o. 40. preciss-sede urna
pessoa para o.servo de criada, forra ou escrava, fiel
e diligente.
Alugio-seas seguinles casas; o segundo andar do
sobrado da ra do Rosario n. 20; a casa terrea na ra
de Santo Amaro n. 30. no bairro de Santo Antonio; os
primeiro e lerceiro andares do sobrado n. 6. e o terceiro
andar do sobrado n. 6 do Atierro da Boa-Vista;as casas
terreas na ra Forraosa n. 7, e ra do Seve n. 2 prxi-
mamente acabadas, com quintal, cacimba e lodos os
commodos para graide familia; a casa terrea n. 35 da
ra da Soledade, por doze mil ris mensaes, com quin-
tal, cacimba, o commodos para familia; e mais duas ca-
sas terreas na niosma ra na. 27 e 57, por teis e sete mil
ris mensaes: quem as pretender dirija se ao escripto-
ro de Francisco Antonio de Oliveira & Filho, ra da
Aurora n. 2G. Tambero aluga-se o sobrado de dous
andares da ra da Aurora n. 22, com porta de coebei-
ra, estribara, quintal e cacimba : quem o pretender,
dirija-ae ao mesmo escriptorio cima.
rs. cambraiasdodistras com flores de cora 360 rs. o de muito bom gorto, lencos de cambraia
covado dita em cortes a 3U00 rs. ditas largas fran-
cezas com assenlos escaros a 260 rs. o covado ditas de
Compras.
sea Comprao-se, para fra da provincia escravos
de 14 a 20 annos sendo de bonitas figuras pagio-se
bem ; na ra da Csdeia de S. Antonio sobrado de
um andar do varanda de pao, n, 20.
= Comprao-se dous escravos um pedreiro e ou-
tro carpina.para umaencommenda do Rio-Gran Jc-do-
Sul ; sendo bonitas figuras, pag3o-so bem : na ra
do Collegio armazem n. 19.
= Compra-se urna commoda ou meia dita, por
preco razoavel; quem tiver, annuncie.
- Compra-se um Guarda-livros em meio uso; na
ra dos Quarteis n. 11, ou annuncie.
Compra-so urna escrava 'tura que saiba cozi-
nbar vender na ra e seja fiel ; na ra das Cruzes,
n. 36, primoiro andar.
= Compra-se urna rola branca (macho); na praca
da Independencia, loja do canto, n. 32, te dir quem
pretende.
sss Compro se duas rotulas, ou tcneziannas com
scus postigos, sendo de 11 palmos de altura e 6 do lar-
ga pouco mais on menos, e alguns caixilhos para
portas de varanda e tico va : na ra da Cadeia do Re-
cito n. 25.
Vendas.
Attenco ao bom e barato !
= Vendom-se superiores chitas para coberta, de tin-
tas lisas e do bom panno a 180 rs. o covado superio-
res cortes de chita fina do novos padres e chegados
ltimamente, de lcovados, a 3500,3800 e 4500
rt. riscados Irancezes muito finos a 300 rs. o cova-
do, cortes do cassa chitas transparentes de lindissimos
padrees a 2400 e 2500 rs. chitas a 120, 140, 160 e
180 rs. o covado madapoln a 150, 160 e 180 rs. a
vara dito fino a 200, 220 e 240 rs. dita madraste
muito fino a 280 rs. dita, pecas de madapolio a 2800,
3200 e 3400 rs. dito fino a 4000, 4200 e 4600 rs. &
itas a
adrez
de linbo para aquetas a 520 rs. o covado, superior
setim preto de Maco a 5200 e 4500 rs. o covado ,
chales de lia e seda grandes, a 4'>00 o 4800 rs. cor-
tes de cbitS de 10 covados, escutas, a 1000, 1800 e
2000 rs. o corte sendo enire -finas e de boas qualida -
des i superiores lustoes brancos a 1000 rs. o covado ,
zuarte azul de vara de largura a 260 rs. o covado, mui-
to boa fasenda para pretos algodao azul mesclado
trancado, muito encorpado, a 240 rs. o covado, algo-
dao americano largo e encorpaJo a 220 rs, a vara, dito
eslreito a 160 rs. a vara, esguiode superior qualida-
do, do verdadeiro e puro linbo, muito fino, a 1500 rs.
a vara bretanba fina de puro linbo de 6 varas a 2800
c 3200 rs. a peca, ditas de rolo a 1800 rs. a peca, cbila
a 140 rs. o covado riscadiobos novos trancados mui-
to boa fazenda para meninos a 200 rs. o covado cas-
tores ou riscados de listras a 240 rs. o covado, brins de
bonitos padres de quadrosa 500 rs. o covado ditos
finos muito cncoipados e de listras a 640 rs. a vara
meias finas de algodio para bomem a 3600 rs. a duzia,
sendo de muito boa qualidade cortes de chali, ditos
de seda, pannos finos preto e azul sendo o primeiro
de una linda vista para pannos de prelas, e o segundo
para fardamento de pagem a 2500 rs. o covado supe-
riores lencos encarnados muito finos e grandes, a 440
ris e outras muitas fazendas j mencionadas nos-
te Diario ; advortindo-se aos compradores, que todas
estas fazendas sao limpas e de boas qualidades : na ra
do Collegio loja n. 1, de Antonio de Aievedo Villa-
rouco & lrmo.
= Vendem-so caitas de cb bysson de 13 libras ,
om porcio e a retalbo : em casa de Matheus Austins &
Companbia na ra da Alfandega-Velba, 36.
= Vcnde-seum preto crioulo mocoe sadio, pro
prio para agricultura por ter sido sua oceupacao e
be carreiro ; no Recite, loja de Joio Jos de Carva-
llo Moraes.
= Vende se um chronometro inglez, novo; na ra
da Cruz a. 13, casa de Riduay Jamisun & Compa-
nbia.
Vendom-se 200 saceos de farinha ; a bordo da
sumaca Terceira-Anderinha fundeada defroote do
caet do Collegio : por se precisar do navio he que ven-
der-so-ha por muito commodo preco.
Vende-se para fra da provincia um escravo
crioulo, com bonita figura de idade de 22 annos ;
na ra Direita n. 20, primeiro andar casa de Ma-
noel Lucas dos Santos Oliveira, se dir quem vende.
Vende-te urna escrava de naci cozinba e la-
va de sabio toflrivelmente; na ra estreita do Roiario,
n. 12
= Vende-se galio-fino para divisa de officites, dito
largo tranca para farda ; na praca da Independen-
cia n. 19.
= Vende se um terreno com 56 palmos de frente,
e 200 de fundo, j atterrado, com bom porto de
= Precisa-sede 1:600 rs. a |uros, por espaco
deumanno, sobro hypotheca em una casa terrea na I peca", madraste fino a 5200 75400 rt"."duTcb
Hoa-Vuta |lvre 0 desembarecada ; na ra Velba 4500, 5200 5500 e 6000 rs., ditas escuras, cha
venda n. 65.
A pessoa, quo annunciou por este Diario ter
urna escrava com leite para alugar mediante 250 ira.
adiantados, dirija se ao AJterro-da-Boa-Vista n. 30.
= Um moco Brasileiro, de muito boa lettra se
oflerecc aos Srs. negociante! para caixeiro de escripia,
ou de ra, aiada mesmo prestando dous mezes de ser-
vieo gralit : quem de seu prestimose qui-ter utilisar,
dirija-se ra Direita n. 18, segundo andar.
= Fugio, antes das 0 horas da manbaa urna ro-
la branca para as partes do quintal do Sr. Jos Mar-
quot da CostaSoares atraz da matriz da Boa-Vista ,
e outros quintaos pegados ao dito Sr. Marques: quem
a pegar, leve a praca da Boa-Vista n. 7, que so dar
o valor, que ella pode valer, em razio de (car desca-
sada a outra
= O bacharel Vicente Pereira do Reg transferio
a sua residencia e o seu escriptorio de advogado para
a ra larga do Rozarlo n. 30, primeiro andar.
= Na ra de S. Rita n. 91, eiisteuma carta pa-
ra o Sr. Francisco de Paula Souza I.cao, senhor do
engenbo Paratibe ; e tambem se deseja fallar ao mes-
mo Sr. a certo negocio do manbia at as 9 horas,
e das duaa as 5 da tarde.
= Anda se precisa de urna ama, preta ou parda ,
para pessoa solteira ; no pateo do Collegio junto da
casa amarella.
No sitio do Hospicio do Exm. concelhciro bario
deltamarac, di-te gratuitamente leito do burra iis
pessoas enfermas, que delle precisarem e com es-
pecialidade a pobreza ; e isto se far diariamente, das
G as 8 boras da manhia e das 4 as 6 da tarde.
Offerece-se um moco, para caixeiro de molha-
dos, fazendas, ou padaria, das quacs tero alguma
pratica : em Fra-de-Portas, n. J35.
Aluga-se o primeiro andar da casa n. 1, no Atier-
ro da Boa-Vista ; outro dito, unto ao mesmo, com as
fojas: a tratar com o seu proprietario, no Atierro da
Boa-Vista, Joaquim de Oliveira e Souza, das 9 boras
at ao meio dia, e das 3 at as 5 da tarde.
Acaba de chegar do Rio de Janeiro,
no brigue ConceicSo Caboclo, o muito
superior rap denominado Princeza Novo
Lisboa, da fabrica de N. C de Schuelcr
& C, que pela sua boa qualidade torna-se
desnecessario todo e qualquer elogio; as
pessoas que quizerem comprar dirijo-se
as tojas dos Sis. Guilherme Augusto Ro-
drigues Sette, ra do Queiaudo; Victo-
rino & Guimaraes, ra dos Quarteis; ou
no deposito na ra d'Apollon. 18.
Um rapaa Brasileiro, que aabeler, e escrevr,
semf.mil., te olfcraM para administrador, oueai-lezw oe lunoo. ja aiierrano, com .
xeirodealgumoogenho, prometiendo ser muito com- [embarque por detraz de S. Rita,: a tratar na ra da J toque do 18 quilates havendo, em ambas as facturas
modo em seus tratos : qoem pretender, annuncie. I Madre de Dos loja do Conha. jaderecos do amito bom gosto e meios aderecos e'
= Precisa-ae de um bomem brinco pardo oul = Vendemsecesss-chitas de lindos padroes e definis algumas obras de diamantes e brilhanles- ven-
preto para o tervifo de um bomem solteiro ; dando! cores fisas a 240 rs. o covado, dita eta cortea a 2000dem se tambem fazendas de teda cambraias de inho pbkn.
quadrose listras da gostos muito modernos a 320 rs.,
ditas finissimasa440rs. risoados finos e de cores fi-
tas a 200 e 240 rs. corles de chitas escuras a 1600
rs., dita em covados a 160, 180 a 200 rs. casta isa
muito larga a 400 rs. ditas do quadrns o listras a
360 e 400 rs. a vara cortes de cambraia adamascada
branca e do cores a 400 ra. dita lisa fina a 600 rs. ,
cortes de collete de gostos moderos a 2560 rs. tos-
tos para colleto a 320 e 480 rs. o ovado madraste
lino muito largo a 260 rs. a vara dito em peca a 5J}
e 5400 rs. madapolio entestado fino a 5800 rs. ,
brins de qudros e listras, franceses para calvas a 520 e
400 rs. o covado oasimira de algodio para calcas a
180 rs. o covado, macedonia de listras a 600 rs. brins
de algodao entraneados muito encorpados a 480 rs. a
vara ditos escurot e brancos todos de linbo a 700 ,
800,1000 e 1280 r. a vara, meiat para meninos a
200 rs. luvas da algodio a 200 rs., algodio mesclado.
proprio para escravos a 240 rs. o covado dito liso
americano muito encorpado a 220 rt., lencos de algo-
dao e seda a 640 e 1600 rs. bretanba de rolo muito
cncorpada com 10 varas a 2000 rs. .mantas do linbo
grandes a 3000 rs. e outras muitas fazendas por ba-
rato preco ; na ra do Crespo, loja n. 14, de Jos
Francisco Das.
= Vende-se um escravo do boa figura ; sadio, bom
pescador do mar alto canoeiro e perfeito padeiro ; na
ra da Cadeia do Recito n. 40.
== Vendem-so duas bonitas crioulas de 18 annos
de idade recolbidas e de boas conductas; urna pe-
la de Ang la mi i das ditas crioulas; na ra estreita
do Rosario, n. 10, terceiro andar.
=_ Vende-se potassa americana muito nova e de
superior qualidade em barris pequeos ; na ra da
Cadeia-Yelba armazem de assucar o. 12.
Vende-se, a dinbeiro ou a prazo com boas firmas,
ou troca-sepor predios nosta praca,ou escravos,urna pro-
priedade de tenas, que dista duas leguas da eidade da
Victoria, denominada Alaga-das-Antas, com
urna legua de terreno propria para plantacdes ou
criacao ; tem dentro dous grandes assudes, o recebe
de toros todos os annos 200/ rs., quo loo pagio; tem
boa casa de vivenda, com bastantes commodos seo-
zalla para pretos estribara, engenbo para descaro-
car algodio prensa para farinba e armazens para
depozitos : a fallar com Jos Dias da Silva na ra da
Cadeia-\ elha n. 59 ou nos Afogados, com Lou-
renco Jos do Moraes Carvalbo, na ra do Rozario.
= Vendem-se ricas caitas de tartaruga botina e
meios ditos de Lisboa chegados no ultimo navio e
estojosde navalhasinglezas a cootento ; na ruados
CJuartms n. 24.
=Vende-se um raoleque pega, de 18 annos bom
official de pedreiro ; 4 escravos pecas para todo o
trabslho ; um preto de meia idade, por 2008 rs. bom
para trabalbar e botar sentido a um sitio, por estar a
isto acoslumado; um inulatinho de 18 annos, de mui-
to boa conducta e be bom pagem ; 3 escrhvas de boas
figuras engommio cozinbio e lavio roupa ; urna
mulalinha de 1S annos recolbida, cose, engorama, e
laz todo o ser vico de urna casa ; urna preta boa lava-
deira de varrella ; na ra do Crespo, n. 10, primeiro
andar.
= Vendse muito superior fazenda escoceza,
muito larga e ebegada ltimamente, pata vestidos de
senbora, pelo barato preco de 320 rs. o covado; assim
como outras muitas fazendas por barato preco : na ra
do Crespo loja o. 12 \iie Jos Joaquim da Silva
Maia.
= Vcndem-te rolos de chumbo eui lenco! de todas
as grossuras proprio para canos e terrado por pro-
co commodo ; na ra do Y igario armazem n. 8.
= Vende-se, ou troca-se urna rola branca ( tomes)
por outra da mesma cor, sendo macho ; no Atteiro-da-
Itoa-Vista, fabrica do licores n. 26.
Vendem-se 25 mil lijlos dealvenaria, de Ham-
burgo ; em casa de J. D. Wolfbopp& Companbia.
= Vende-se um preto bom trabalhador de enxada,
muito barato ; ao comprador se dir o motivo da ven-
da ; na ra Nova, n. 69, junto a ponte.
= Vende-se uma grande casa do pedra e cal na ci
dado de Olinda na ra do Amparo con) commodos
para grande familia e encllente quintal: a tratar
na ra do Crespo, n. 10.
= Vendem-se oculos de 2 e 4 vidros, brancos e de
cores para todas as idades por preco commodo ;
urna preta engommadeira : na ra larga do Rozario
loja de miudetas n. 55.
= Vende-se uma sabia da malta muito cantadei-
ra e manca por preco commodo ; na travessa de S
Tbereza, becco do Padre Lobato casa n. 4.
=Vende-se, ou arrenda-se um sitio na estrada dos
Afilelos, com casa de pedra e cal, solio estribara
para cavallos e cacimba com boa agoa : a tratar com o
seu proprietario Joaquim de Oliveira e Sousa no si-
tio junto.
-= Vende-te uma sobre-casaca de panno preto fino,
nova e uma farda, tambem nova ; na ra da Cadeia
do Recito loja de fazendas n. 60.
= Vende-se milho em sacca a 4500 rs.; na ra
da Cadeia de S. Antonio o. 19, depozito de farinha
de mandioca.
=\ ende-se um banbeirode folba com carro em
bom uso e muito barato : na ra do Crespo n. 21.
= Vendem-se saccat de farinha mais birato do
que a bordo com sacca ; na ra larga do Roiario ,
n. 24, primeiro andar.
= Vendem-so dous tobradinuos nesta praca em
muito bom local de um andar em cbios proprios ,
e tambem se recebe em conta algum moleque : a tra-
tar as Cinco-Pontas, n. 160.
as Vende-se um bonito escravo de 20 annos mui-
to relorcado bom para pagem ; uma preta cozinbei-
ra e engommadeira de bonita figura ; uma negri-
nba muito bonita ; propria para mucama de slguma
tonina : na ra larga do Bozario n. 46 segundo
, Jrnbo par,
mi, nquisssimos manteletes de bstanle fantezia par.
senboia ricos suspensorios e Rravaias, chapeosd
sol para senhora ; ludo por preco razoavel ,# m,s
barato que as lojas.
== Vandeiii-se bonitos pombos, por mais barato
preco que em outra qualquer parle e borrachos
*2*0rs. : no pateo do S. Pedro, n. 3.
-=* Vendom-aeduas escravasde 24 annos, de bo-
nitaa figuras angommio, ccinhio e lavip de sabio
uma linda crioula de 20 annos, com algunas habilida-
dcs; uma muianba de 20 annos, engomma. eoi
cozinba lava de sabio; umaoabrinha de Id aonoi'
cose chao e faz renda ; uma negrinba de 7 annos; 3
escravas de naci, mocas proprias para todo o tervito-
um mulatinho de 18 annos, com principios de ofOci
de pedreiro e be ptimo pagem ; um moleque de t|
annos, com principios de officio de sapatoiro ; 4 ti.
cravos de 18 a 22 annos, para o servicu de campo n,
rus das Cruzes, n. 22, seguodo andar.
=a Vende-se aceite de csrrapato de caada par
cima a 7 patacas : na Soledado indo pela Trampa
do lado direito quasi atYftda igreja casa o. 7. '
= Vende-so um pretende bonita figura sadioe
sem vicios muito gil, cozinba o diario de uma ta-
ta e be muito destro em talbar carne em acougue; ai
ra da Cruz, n. 3, segundo andar.
= Vende se cacao de primeira qualidade, chagado,
ha pouco, do Par em libras e arrobas, por preco
commodo ; no AUerro-da-Boa-Vifta, fabrica de lito.
res n. 26.
,= Vende-se uma .rica armacio toda de amarella
onvidracada feita a moderna e com todo asseio''
seguranca ; a qual serve para qualquer negocio ptr
preco muito commodo : no Alturro-da-Boa- Vista
fabrica de licores n. 26.
= Vende-se um moleque de idade de 15 annos,
official de sapateiro de bonita figura e he ptimo
pagem ; duas negrotas de 18 annos de bonitas figu.
ras e com habilidades ; duas pretal paridat de 2 metes
com habilidades e mocas ; uma dita de 25 annos,
que trabalha bem de enxada e ho boa quitandeira 1
lavadeira ; um preto de 28 ancos por 5208 rs. tra-
balhador de eniada, por ter pratica; uma parda de 25
annos com habilidades, ptima para ama d casa
por ser muito diligente : na ra da Flores n. 21.
Vendem-se os seguintes livrot: a Galera Pitlo-
resca ornada com 54 estampas representando os acon-
tecimentos mais celebres, e gloriosos da historia da
Portugal e do Brasil; Arte potica, por J. J Valle;
esta interessante obra se torna muito apreciavel pelo
esmiro com que seu autor eipenda as necessarias re-
gras, e preceitos respectivos a mesma arte ; as Aven-
turas de Talemaco ; os primeiro segundo e terceiro
volumes de Invanbo ou o regresso do Cruzado por
Walter Scolt; tudo em bom estado, e por mdico pre-
co : na ra do Queimado 0. 10.
Vende-se por preco commodo uma casa da
taipa mui bem construida na roa da Casa-Forte,
onde mora Cbristovio de S. Thiago propria pan
qualquer negocio ; quem a pretender annuncie.
Vendem-se carros de 01S0, muito fortes, oculoi
de ver ao longe elogios de ouro o prata, patente io-
glez ; na Diaca do Corpo Ssnlc armazem de Joio
Carroll 8c Companbia.
Vende-se vinagre superior a l\oo
ris a caada ; n ra do Atierro dos A-
Togados n. 7.
Vende-se fardo, pelo mdico pre-
co de 4,s'ooo e 2'56o rs. ; na rua da
Senzalla Velha n" i3o\
Vendem-se lonas da Russia
n. 1.,
com um pequeo toque de avaria, muito
recommendaveis para camas de vento, e
entretelas de roupas, e outros usos seme-
Ihantes, pelo baixo preco de 400 ris a va-
ra : na praca da Independencia, loja n. l\.
Escravos Fgidos.
andar.
= Na rua larga do Rozario, n. 35, primeiro an-
dar vendem-se obras de ouro vindas do Rio-de-Ja-
neiro de muito lindo gosto, eom o toque de 14 qui-
e tambem algumas da Ierra de ouro com o
Ules
Fugio, no dia 3 docorrente uma preta de na-
ci Mocambique de nome Lourenca estatura re-
gular um pouco magia meia vrsga de ambos os
olhos de idade de 26 a 30 annoa pouco mais ou me-
nos costuma vender agoa e lava tambem em l'cbi-
ribe ou eidade de Olinda; quem a pegar, leve a rua
da Madre de Dos casa n. 3 que sera recompen-
sado.
Anda anda fgido, ou furtado, o escravo do no-
me Jacintbo de naci Reboto de idade de 22 an-
nos bonita figura, bam preto com uma marca no
peito esquerdo a imitaco de um ancora, que laliw
j estoja apagada falla meia descansado toma bas-
tante tabaco; desappareceo 00 dia 20 de maio de 1841:
quem o pegar, leve a rua da Guia casa de 3 andares
0. 65, que ser generosamente recompensado com
100,000 rs., por seu senhor Manoel Antero de ta-
te Rea.
Fugio, ou furtrio o moleque Julio em 25 d*
agosto de 1843, bem condecido por vender cangica;
da naci Benguela secco do corpo meio fulo idade de 14 annot, pouco mait ou menos ; tem o em-
bigo quebrado e um pouco grande com um taquinbo
tirado na ponta de uma orelba : quem o pegar leve a
rua da Guia a seu senhor Manuel Antero de Souza
liis que aera recompensado com 50,1)00rs.
= Desappareceo, no dia i7 de julbo um pralo de
nome Feliz que representa ter 25 annos pouco mtii
ou menos or preta, baiso, reforvado do corpo, ba-
eos grossos hila grossa loi visto naa Cinco-Pontas,
ribeira e Boa-Vista; levou calcas azues de algodiozi-
nbo trancado : roga-se por muito lavor as pessoas,
que o conbecerem ou o deacobrirem, de o mandarem
pegar, e conduail-o a casa de Rozas Braga & Coin-
panbia no largo do Corpo Santo n. 17, que serio
recompensadas.
= Fugio um preto de nome Joaquim, j doto i
lam um p com deleito de bobas, que leve e be que-
brado ; quem o pegar, leve ao Recito loja n. 20,1"9
ser gratificado.
NATYP. PE M. F.PE FAMA i846'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWHA6EEKB_2QDQ72 INGEST_TIME 2013-04-13T00:26:45Z PACKAGE AA00011611_05835
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES