Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05832


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Mniio de IMS.
*.
feira 0
n DIARIO publica-se lodos os Ji
-..rem de guarda o preco q OTgna-
SK V. por quaIel#PFM.ua-
lu a(J nnunciotcltyjg^*. *ao "."-.
;, ,.ato d*Wli"F l,,,lia' '* e.m
'" rt^rcnl^asrrpctivocs pela matado.
|Sr liulia,'' 1 CIW liflfcr&te. ,
VIUSF.S DA I.CA NO MF.7. OE ACOST.
, i :iai Oh. e 5inn. da inaiihaa,
..MiterOas 8 h. e 21 minutos da tard.
t "te a 17 ai 10 hor. e 5? iniu. da man
Mengo
lante a 24 as 4 bor. e / m. da Urde
l'ARTIDAS DOS COIUIF.IOS.
Goianna, P.ualiyb, c Rio Grande do Norte
Segundas e-Seites feivat.
Cabo, St'riiiliaem, Kk> Furiuoto, Porto Cal-
vo, e Macej, 110 I." 11 e 21 de cada niez.
Caranlnuis e bonito a lll c 24.
Boa-Vista p Flores a 13 e2R.
Viirturia as Quiotes feiras.
Olinda todos os dias.
PREAMAtt DE HOJE
Primeira as 7Ji. et mi. damanha.
Segunda a 8 h. e 6 minutoi da tarde.
do Agosto.
-
r~m
DAS DA SEUAftA.
4 Secunda S. Domingos, and. do J. de n.
,la 2. v.. esJoJ. SI. da 2. v.
;"> Terca ft. S. das Ncvca, aud-, do i. de D.
da 1. V. edo J. dos Frito.
li Quatl* S. Xisto, ud do J. le D.
da 3. vara. .... ,;
7 Quinta S. Cadmio, atid. do Jm de 1).
da i. vara, c do J. M. da I 6 2. v
8 Sexta S. Cirineo, aud. do J. de D. da 1.
v. do clvel, e do J. dos Fciloa.
. Sabbado S. Romo. aud. do J. de D.
da 1. vara.
10 Domingo S. I.ouicuco.
CAMtlOSt>0 DA a DK, AGOSTO.
Cambio sobre Londres. 25 d. porlj aUOd.
11 .. Paria 370 m< por franco.
' 11 I.iil)naiat)al26p. e. pr. p. 111.
Dse, de le. de boas Orillas 1 '/i 1 '.'. P- V-
Ouro-Oncns hcspaulKiIat 31/QtJO a 32^1)00
Moedade (iyOil vel. lSflWO a I8/|0H
11 de 0/400 nov. i7W a 1BP00O
- ,. do 4 #000 0.'00 a /70>i
I'rala Palacoe .... l./i)70 a 1/"all
Posos CuimniuiTS. l.flHO a a*"0**
Dilos Mcxlcnuos 1/940 a 1./970
Moedas de 2 patee. 1/780 a 1/*
Acedes da C* do ueberibe de 60/000 ao par.
a-*~ C^U-ggT:'--.Lg
DIARIO DE PERN AMBUCO
PART OFFCIAL.
Goverrio da provincia,
KXPKDtEKTE DO DI* DO CBRENTE.
OflicioAo onnimaodante do brigno-etoHna Caliopt,
|iutorisandnatua sabida pira o Ro-Grande-do-Norto;
determinando, que couduza par aquella provincia,
onde pura diipaiijio do Exm. preildenle respectivo,
no bandeira imperial, que lhe era entregue no arse
Ide guerra. Expcdirln-se as precisas ordrns para
Ucoiutr-se a entrego da bandeira; o ooromunionu se ao
Etn. presMent do Rio-Grande-do Norte.
DitoA cmara municipal de Goianna, iuteirando-a
\? se lurer providenciado i respeito das obras da ponte,
i cidria daquell oidade.
DitoAo delegado de Garanliuns, declarando, queja
laehio dcniittidot os 3 subdelegados, contra qtieni s.
no. repreteniou eni oflloio de 21 do junho Rudo.
Ditoo chcfo de pulira interino, procurando saber
jdia, ni que foi capturado, pe'.o delegado de Goianna,
1 desertor da coiopaiibia de artfices Scveriano Isidoro
s Silva.
DitosAo inspeWur do arsenal de marinha, aocusnu-
0 reeepclo das relaeSe dos objoetus comprados para o
Lpeotivo almourifodoj 4o20 a 31 de jullio prximo
kisiado; do nitppn deroonitrotivo da qiianlidadc do -
'ia, extrahida pelo barcada eteavaca eut o referido
aei.cdu loutu doo empregadot de siia repartilo, em
i nicinio mei.
PnrtariaOrdenando, qno a primeira logiio da guar-
a) nacional do municipio de Floros compnnlis-so'do i."
llstalhSn, ja creado as frcgociias de Flores, Ingoteira
eSerra-Talhada, do primeiro etqundro de avallara da
siencionndafreguciia d Ingoteira, edo segundo da de
Flores; e o segunda do segundo bajathlo, que so ada
creado nas rVcgiiezat de Taoarate Faxenda-rande, do
carpo decavallora, quo 10 hade crear na segunda das
luasfregurtias iillimamenle citadas, edo terociro es-
luadrao da de Serra Talliaibi. Fy/io reformado : o
imaj.irnjudoiilc d'nrdens do nominando s-iperior do su-
||.i jiliio municipio, Francisco Ferreira Cavnloanti; o co
|runel chefo de legiio Manuel Pereira da Silva; o nOrjor
e Irgiau Francisco Miguel de Siqueira; o tenenle-coro-
el du priineiru balolliiu Simplicio Pereira da Silva; o
de segundo Antonio Jos de Campos Barbota; 11 luajor
11 primeiro csquadr&o de cavallaria Antonio Bernardo
plisla de A'.evedo; e do o segundo Manuel Domingues
Ide Andradu : orSo nuuiuadut : para coronel obele da
Ipriinrira legiao o canitin Francisco ISarboza Nogiicira,
lu para niajor Manocl Nunes .da Souta; pura coronel da
Isrguuda o major Vicloriiui Lope de Barros; par teucn-
lie coronel do 1." balalliao Amonio Xavier de Moraes; para
lmeme coronel do segundo o capillo Luis Jos Cor
Ireia ile S, e para major Manuel Gomes de S para
llnenlo coronel do corpo do cavallaria o tenente-co-
[rmu-l Seraphnn doSouza Ferrai, e para major o ajudante
ll'raiieisco de Barros lo Nacimonlo por majorca do
li., segundo c terceiro esquadres h Laurino Angolo
Ide AI muida Silva, Manuel Vioento da Cunlia, e Jos Pi
Ins ltilcito .-deo-sc parlo da nova orgnnisscSo a ca-
lmara municipal de Flores, eofliciou-se i respailo do
luais mi respectivo oommandante superior.
I Dita Determinando, qucao major Tlieodorn Macba-
Ido Freir Pereira da Silva so passo palate para o posto
Ide major do primeiro balalb&u da guardo nocional do
Imgnicipiodn Kecife C""miniinicou-o 00 commandan-
lis superior reapcolivo, intelligenciondii-o de linver si
Ido concedida a reforma que no soprainenciouodo pos
lia pedir o major Julo Pinto de Leaos Jnior.
Dita- Coiiceilciido a Manuel Lopes Maohado a esou
I, que pedio, du lugar de terceiro suppleulo dojuii
luiuiucipal da primeira vara deslu oWade. Participuu-ao
pudilo Machado.
-- ------------------
INTERIOR.
RIOG RANDE-O-NORTE.
ELEICAd DB CM SENiDOB.
Resoltado daeleicao dos illegios da capital, S. Jo-
s, Extremoz, Touros, Gpianniba, Aas, Principo,
Angicoi. Santa-Anna, Acary, Haioridade, Portale-
gre, e Apodv.
Oa Srs. ~ Paulo Jos de Mello 270 oh>.
Padre M a noel Jos Fernandos 237
Jlo de Oliveira Mendos 214
CEARA'.
J intjniicn mesquiiha.
Acaba o Sr. Correa de Vasconcellos do praticar un
acloque nada podo honrar o son gnverno, ao contrario
6 serve para mostrar quo S. Ex. nao administra ju.tica
com imparcialidudc; o que nao lio possivel, sabendo lu-
do lodo mundo, o os tocios tcom exuberantemente pro-
vado, quo foi elle cscolhido pelo monstruoso cobra como
o instrumcBlo o mais asado a cuauprir sitas ordena, e
salisraiiT ao mcamo lempo todo* os caprichos, luucas
reten^es, e inveterados odios dn faecao, quo nesta pru-
tincia constiluo o tirosso do gran partido nocional, de
que be director o referido cobra. Mas ainda quo o 111a-
nivella tenliu dcseinpenhado fielmeuto sua niissao, trans-
turnaudo e inverlendo ludo quanto dcordera achou edi-
floado pelos seos dignos antecessores, com tudo nunoa
no* persuadimos que tivesso urna olmo tio pequenita,
Mroo mosquinha e.... qno, pora saciar baix'as o vis vin-
ganoas dos cicofanlas, comoictesse uiua violencia contra
u01 seu collega, que neuhun orine bavia praticado;
contra um'oflleiul cuja obediencia lic.iuconleatarel, e
quo bous servicos tcm prestado em favor do governo,
o da ordena mesino no Ceor: sim era muito do suppr
que S. Et., por umor do classe, nSo se prestara lio vio-
lentamente a urna vinganca que os seos turbulentos pre-
teiidesscm exigir do S. Ex, contra un sen collcga ; lauto
mais quoniu iienlium motivo plausitel se podero apre-
sentar, que justieasso csse odio, csse desejo do exter-
minio; raas o homeiu quer mostrar que ello he dcil
m.inivella da facco, eprorapto oemprcestar para,como
toldado submisso, cumprir ceganicnle a> insinuacoes e
ordena de eusscnbores; Ueos nos livre, que os libera-
lcs se lembreni do pedir foroas, que o tal do caivete
nao ter duvida de moiidal-as levantar, o far que subdo
ellas os mclhores e mais distnctoa Cearcnsea; quo pre-
sidente teinos ua oh se elle julga que tudo iato lio ill-
dispenaavel para facilitar a repblica, que he o governo
quecnlendu ser adaptado ascircurastancias do Brasil i
governo na sua opiuiao que ha muito se deveria ter es-
tabalecido J! que delegado do Imperador! Porin de"i-
xnudo departe essaa miserias correaticas tratemos do
faci, que fax o objecto das censuras quo por este ortigo
dirigimos ao actual administradjr il.iCc.ira. 'feudo
Sr. major liaudeira sido destituido do coinmaiido dus
destacamentos do interior ; porque nao ounsentin que a
sua for^s se salpcasso com o sanguo do honestos e pac-
ficos cidadSos, criiue mperdoavcl aos olbos da faecao
que apoia a odron8troco Correa; o ha vendo chegado
ueota cidadea 6 do oorrento julho; recebe ordem pelas
7 horas da noufe de 4 para seguir no vapor, que sabia
no da segunto para o Haranliao; c reflexionando o Sr.
Bandeira que anda nao Jiuvia prestado suas cuntas na
tbesourario, segundo he de lei, e S. Ex. tinha ordenado,
ulo se ochando prompla sua gua, o sendo domingo, a
inesourari nao se abria para inandal-a pasar ; n5o pa-
reca dejuslica que S. Ex. desprexasse todas estas raiea
para comiuettcr urna baxa o mesquiiha vinganca ; urna
violencia c lyranuia rcvoltantc, e que, ottendendo para
o lugar que occopo, cumpria ser mais circuinapcciu, e
servir quanto menos fosse possivel de manivella de urna
(00910 que s trata de chuchar, o perseguir; porcina
MgMtnagmimT-- saunsai iiiiisrari^oarri-i
CAROLINA NA SICILIA. (*)
TERCE1RA PARTE.
XXXIX.
A FAZENBA
Depois do enibar.110 do que nos ocoopamos no pastado
I capitulo, proseguio a rainlia a sua viogero sem outro
I srcense Ncnhum dos quatro arreeiros tinba ouvido a
I sua conversa com Lauaro, iicnhuin bavia suapoitado a
jsiu jcrsrehi. Fabio caininliava io lado do lilrir, sem
judiar para dentro; um signal de Carolina Iho havia im-
Ipoalo esto reserva; oiubaracada pela sua eainarisla, ella
l'.'iiilii.'in s a furto ulhava-par.i o falso componoz, eso Iho
Idiiia o.uutas confurmes ao sou dfrce.(Por muito insig-
InilictHies porin que fossem as suas palavras, havia na
l'ua voi o que quer que foasC de vibrante, que revelava
ll'"'fnnda emoclo; cnat furtivas olhadcllas tratluiia nina
liernura combatida, mas rietoriusa. inimevel a fafdo
Ida liteira, com scuo bellos bracoo cruzados sobre opeito,
luntpie tiloncioaa, poasova largo lempo en perfeito or-
Iruuu, e mostrava que Jhe rolara no espirito olgura secre-
|lu designio.
Que designio ero esse?
-- Dizei-mo, diste ella de repente a FobiqaBjjeitando
I calmea, fura da liteira, cooheceis por aqu olgUt m n
A excepcS 1 dvsse cnendor, que paro nos seen-
(*) Vide Diario n.* 171.
caniinha com sua espingarda e scu cao, mais nn-
guoiu.
Rosario chegou, mal que elle acabara de proferir es-
tas patarras.
Etito! camarad, disse elle Fobio, Vro. orre-
pendeo-sc da sua viogem do Palermo? Por miiha fo,
fcx niuitu. Lcin. Eu no estova oontento do o ver no mcio
desaes raspadores de pellos. Cii por mim, como ouvi um
liro de espingarda, corri ao lugar. Os bous cacadorct e
os bons ces ao como os bous gencraes, vio direitu ao
fogo. Quehunve? Vm. reoebeo una bolla no chapeo,
00 que rae parece? Por Santo Huborlo! he feliz : com
dna polegtdae mais abaixo ter-lhe-hiu ella dilo ao ou-
vido daos patarras, quenfio-tcriSo resposta.
' E foi por uiim, disse Fabio o raiua enternecido,
que Uo de perto offrontssles a morte!
Kotpondco Fabio esto grito de sensibildade com um
lorriso, que pareca diser: Que nio affrontarei cu por
Vos? A paixflo de Carolina tomn ueste momento for-
mas giganleacas. Toda a aun airo," dirigi a Fabio por
um laucar d'olhos. Depois vollando sua primeira i-
det:
__ Etlocoador mora longcd'aqui? pergontou-Ihe
ella btixiuho.
Muito perto, naquello quinte que d aqu tero na
encasta do oileiro. 1,",,
vi.non al l.
0 cacador prestou-se da raelhor vontade .visite, oom
qne o honrav*o, e po-se testo do cararaoo. que em bre-
te chegou Barbara. A rainh opeou-so e despeda os
eampicri depo de pogo com o sua ordinaria magnifi-
cencia. .
Mea amigo, dise ella ao rendero, sinto-roe ton-
gada, desejo repousar, dar-me-ha Yra. hospedagem at
amanli '
Era lembrsr-se um pouco Urde da pcrmisso, depois
de haver despedido a liteira e oa eampicri. Todava Ro-
ada te morco oinalromcnto, orJcnoa quo o Sr. Ban-
deira so enbaroasse oeni prcslar cuntes, e fosse para o
Moranho sem guial!
Basto o simples cxposico dctlo acto quo oeabo S. Kx.
de pratioar cem digno Sr. major Bandeira pora se mus
trar, que oSr. Vascnncclloa tem una alma mu pequeni-
ta, eque he um vil instrumento da faecao: Cllof SO por Si
reveloj o pensaraento asqueroso, e lyrannico do governo
da provincia. .
Embarcondo-so o Sr. Bandoira para o Maranhao dci-
xo vivas saudade aos amigos da ordem, quo tabem opre-
ciar as qualidades que tornao reoommenduvcl um mili-
tar pelos seos principios de monarchmo, ordem, e obe-
diencia; ludo islo possuoo.Sr. Bandeira accroacendo ser
humano; arva de unitivo a dr que o compunge, a vio-
lencia que se Ihe'prndigalisa, oso reconhcciuento de
gratidio que se manifest no documento que ora publi-
camos; va! mais a estima dos boniens de bem, dd que
os favores de ama odiniilrncJ<' monstruosa e iniqua.
lllm. Sr. A cmara municipal dn cidadu do Ico fal-
luria aoimperioto dever, oque eslsubjeits para coin
V. S., so dexasse de lhe dirigir, por mcio desto.um les-
tcmunho do scu intimo rccoubeciiocnlo c gralidio pelo
civil, ebom comportamenlo do V. S., durante otempo,
que commandou as torcas destocadas ueste cidndo, cou-
tros pontos; c lano isso he mais d'agradeccr, quanto he
fra de duvi.la, quo foi V. S. exonerado doditocom-
mando por nao oonsontr, que ncaia cidade so reprodu-
zissem contra oscidadaos da inesma as scenas de t.Vil.
V. S.; sinceramente desejoso de faier ttiumpbar nas
uroas eleitoraes cssas ideias politicai. quo boje domi-
nio, com as quaes tem seguido constantemente a cusa
dos maioresacrificios, qual o da propria vida, que por
vetea ba arriscado, com tudo recuou disote do omprego
de moios iniquos, e criminosos, que inister so faria para
supplaotar o voto livre dessa numerosa miioria. que se
nao compadece com a poltica actual; foi isw bastante
para logo os corifeos dclla o qualifiearem reo dalla trai-
cio, e sem mais it-floxao destiluil-o do coinmaodo da
forca.
Esta cmara sent profundamente eisa demtssao dada
a V. S., nSo s por que a nobrex do carcter de V. S.,
os estmulos do honra, esentimentos de bumanidade,
que lormio o ossencial do seu coraco, oerociao aos ci-
dadSos do Ic um garante as suas pessoas; como por-
que feae a V. S. revoltanlo injustica: eseodoesteum
mal, deve sempre sentir-so o mal; mas pela gloria que
dabi resulta osla cmara se regosija, o dirige a V. S. os
devidos parbaos por mais esse titulo de gloria, .que va-
ennobrecer o nomo de V. S.
Urna demisso quo tem por causa a probtdade, a jui-
Iqb, e honradez do demiltido he mais um brilbo a estes
predicados. Sao estes os puros senlimenlos, deque se
acba penetrada esta cmara, a qual dosejara ter expres-
ses, cotnque podesse significar o quanto lera V. S. pe-
nborado o amor e gralidio, nao s dcsta corporaco,
mas de todos Icenses fiis as leis, o ao throno.
Dos guarde a V. S. Paco da cmara municipal da
cidade do Ico emsessao do23 dejunbo de 1844.
lllm. Sr. mejor Jos Flix Bandeira. Joaquim Pin-
to Nogutira, presidente. Manoel Filippe da Suva.
__Franciioo Antonio h$ttvu. Leandro Jffonio de
Albuquerque e Mello. Lauriano Jugust de No-
ronha.
O Sr. Soare annullando eleicdti.
Basta attcnlar para o modo desrespeitoso, e oftenoe
reveltante dos leis com quo forSo fetas as elcices pri-
marias n'esla Lapital, para quo se posto formar um juixo
seguro do que ira pelo centro. ChcgrSo-nos noticias
de que no Perciro oSr. Soares no cscrupulisro annular,
ob tua respnnsabclidade, a olcicio feita parajuixesde
nos no da competente, em nnnaequenda de afta 1er vin-
gado 11 sou plano de o mqusta, o mandara prooeder ira-
mediatamenle A oulra,segundo aa tuat inslrucoSe, e de
conforiuidado com a sua vistes!!. Ji nlo s oa presi-
dentes, mas ot juizos ninncipiiea!... vio oonverleitao
seu bel praier, c segundo lliot falliu o ntereoaea do
momento, e*o direito descommunal, o deaconheoido
por todat ai lei, de so ingerircm n'< A aquello, como
estos na apreciacao das raines do validade, ou niillidadu
de quaesquer clcicaes.
0 descaro, e espirito invasor quo tem acorameltido,
faecao chega o tal ponto, que nada ha que tenha douado
de or polloido, o locado da aua vorax ambicio: aiim
peder obtor osse epliemero iriumphn, trlhido enm o
seu vilipendio, e 0111 menoscabo do inaiori da provin-
cia tirva ello para confundir esta fuer io nbjecto, e at-
lestnr em todo o lempo uo vergnnha.
NSo hepoaaivcl, villa de tanta protervia, c lae gen-
tileza, que poasa o partido da ordom pleitear ooin olgu-
ma esperanca de bom resultado oom rasa farciii infame,
que tudo subordina ao scu capricho, esua vontade om-
nipotente. ,-
1 (Do Pedro II)
aarionio lhe fez esta observacao, c pos a casa i dispo-
sco da desconhecido oom rustica cortesa do raelhor
gosto.
_ Ella be pouco digna de gnu bella dama como a
Sru., responden elle, mas tal qual be est o tua orden.
A criado lhe arranjara o raelhor possivel o quarto quo u
Sr. conde oceupa quaudo vin Barbar. Entretanto cu
vou, com sua permissio, malar olgunios nerdiic para a
ccia. Senccetar de mim, disse elle a Fabio tomando
o seus arranjos de caja, he dar um tiro que eu acodire
inmediatamente ao reclamo.
Elle retirava-se por discricio : cu laclo natural, que
Iho navio tello detcobrr no falo compones um amigo
docondoAllegroni, lhofaxin igualmeuto comprchender
que eU viaila feminino cncobrioalguro ravsterio. e qoc
elle devio dcixar o campo livre ao incgnito.
Elles bao de eitimar aeharcm-e s, porque he
impossivel que te nao conhecessem de mais lempo, o se
ncontrasteru agora pe primeira ve; maisto nio be
da mnba conta ; oa negocios do conde e do seus amigos
uao silo os nicus. Basta!.......
- E com ito foi-se, chamando o co, que coinecava o
reconcilar-te com Fabio, Em breve dcppreeeo elle,
e logo depoi comecirto o tiro. A cantrtela foi pas-
tear no paleo.
A caa j not nio deve dar cuidado, disse a ratona
orrndo-ie: nutro tanto ulo posto dizer sobre a vossa
teguranea. V me deveia a historio das voua aven-
tura.
Ao dixer-lhe estes pala ira eiilou-te em urna poltro-
na de couro, em outro lempo dourada, o nico atiento
coramodo que havia no quarto: no deraai esta peca era
bastantemente astuiada para um quarto do tatenda rut-
rico. Verdade ho que era o do dono, que todava raras
vetes all viuba e ainda mai rara* l dorma, mas estova
sempre proniptu o rccebe-lo, e na tua ausenoia ninguein
ousava hebita-lo. Nesse da nlo dcscia elle de cathego-
PERNAMBUCO.
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE DRECIFE.
PRIMEIR V SESSAO ORUINARIA DE G DE FEVEREItlO
DK 18.
'renitencia do Sr. liego e Albuquerqiu. '
ComparccfiraoosSrs. Mello Cuvalcanl', Ramos,Bar-
ros, edr. Nery da Fonscca, fallando com causa os
mais Srs. Aberla a sossio, foi lid, e opprovadaa io-
ta dt anteccote. O secretario, dando conta do eipedt-
entc, mencionou os seguintes ofiicios:
UmdoEim. presidente da provincia,communican
do Imver a cmara dos deputados declarado nullas as
eleices do eleitores nas Iregueiiai de Ourieury, Gara-
nhun, Cabo, e Afogados, reconbecendo que nada
Taquaritinga te nlo fizara elogio'primaria; eque,da-
tando proceder-se outras de noto nas ditas freguziit,
tinha para esse fin designado o dio 30 de marco futuro;
cumprindo i esta cmara expedir as necessarias parlici-
pecoct quanto a freguetia dos AfogadosDeliberou a
cmara que se fisosso o que em casos laos so pratica.
Outro do mosmo Exm. presidente, declarando, que
tendo a cmara dos deputados resolvido. que nesta pro-
vincia se procedesse a urna nota apuracio geral das
actas dos colle^ios eleitoraes, excluindo-se os do Cabo,
Ourieury, e Garanbuns.que hatiio sido declarados nul-
los, cuja resolucio lora por S. M. o Imperador manda-
da cumprir por atiso do 8 do Janeiro passado, ordena-
ta quo esta cmara lizesse dita apuracio em o dia 9 do
corrente, a fim de regular a ordem dos supplentes, que
bouvessem de ter chamados a tomar asiento na sobre-
dita cmara dos deputados; (cando na indiligencia,
que,na apuragao das actas dos collegios eleitoraes para
senador, detiio do ser excluidos os referidos collegios,
declarados nulloiQuanto a 1* parte, que se publi-
casse por editaes o dia designado para a apuracio; o
quanto a 2.', inteiradi.
Outro do mesmo presidente, ditedo, que, determi-
nando S. M. o Imperador, em aviso de 10 do Janeiro
passado, que,por ter sido alterada a apuracio geral dos
deputados por esta provincia, pela deliberado da c-
mara temporaria, que julgou nullos os collegios cima
declarados, detiio ser chamados os cidadios Francisco
Moniz Tavarea, o Filippe Lopes Nelto, cumpria que
esta cmara Ibes rometlcsse quinto antas os competea-
fo. Uin ampio loilo com oortinaa de aorjo verde como
os das jmila oceupa va o fundo da peca ; bata no meio
urna grande meta redonda de rat de nogueira; codeiria
de asiento de conro complelavid a mobilia. As paredes
ero caiada segundo o uto siciliano, ma um Watean
campnnex as havia ornado do grioaldas do flores mpos-
siveis o do amores estropeados.
Se no fra esta raagoificeuca rafoolioo, disse Fa-
bio olegromcnle, podra julgar-me em Bonccvino. A
minhaa cadeiras da palha volem quaii tanto como estas.
V. magostado faz-mc u honro do se lembror della?
A ininha magettade vos fat esta honra; mas v
fnzei-ine o de votlembrnrde qno nio ha aqu roinha,
aism como nio est aqu o capitio. S vejo em v um
oldeio, vede em mim una viajante desconhecido. Sus-
lente o vosto papel, que cu uslrnterei o mcu; deiln
maaeira o nossu tegredo ser bem guardado.
.Nao temos a temer iudiscrifocs ; o muso hospedo
nio he otsado, a criada he lurda, ou couta que o ralbo,
o camarista onda l por fra.......
Mas vm fin, a cautella om nado prejudieo. Porcm
vos nio me contareis as vossas aventuros r Eu quero sn-
be-la pelo raudo.
Fabio satisl'ez o desejo da rainha, c contou-lhc o quo
j ttbemot. sua viogem Trapan, o duelo em que lie
bavia servido de tcitcmunha, a priiio que e lhe egai-
ra, teu oaptivuiro. sua uvasao. Indo em uro pslsvra ex-
cepto o aaorifioo de Rafaclla, O orne da tua libertadora
nio foi mesmo pronunciado, e o pintor Errante leve to-
das a honra* do teu lirramento.
A final, continen elle paiaando por alto tudo ot
tuccetios que lhe crio pctioac,;se nio pude preeneber
senao em parta o misaao que V. magaalade me havia con-
fiado, vi quinto bosta poro poder alrmar que as diapo-
sicoei da gutrniclo de Trapan tio lae quae V. inaget-
Ude a poda desojar.
Eutio vl mo retpondeit pelo vosso rgimen-


&*
tes diplomas, pan rea tomar assenlo na iisembla
geral legislativa.Inteiroda.
Outro do mesm i Exm. presidente, participando ler
creado maisum collegio eleitoral na freguezia de Santa
Mafia da tillada Boa-Vista, ontro na povosrio de
Pupa-Cuca da villi de Garanhuns, e Outro na da Sorra-
Talhnda da villa de Florea.Ioteirada.
Outro do secretario do mesmo Exm. Sr., remetien-
do,d'ordem do mesmo,os ejemplares dos decretos dens
356 e3~l do anno de 18H. lntcirada.
Outro do riscal da fregueiia de S. Jos do Recita,
participando, que aa multas por infracefies de.poituras
no irn-z pasudo importrio na quantia de 102,000 rs.,
c pedindc.so msndae pagar ao cirurgilo JoSo Domin-
uos da Silva a de 6,400 rs. ,de duas corridas de ude.
que com lie (i/era em oa dias 28 e 31 do referido
mez Quanto al.* parte ioteirada,e quanto a 2.' que
s' pisaasse mandado.
Outro do fiscal do Poco-da-Panella, participando,
que as multas du mei passado.por infracraodc posturas,
importrio na quantia de 12j rs. Intcirada.
Outro do cidadio Joaquim Bernardo de Figueiredo,
otnmunicando, que, por adiar -so fra da cidad.', nao
llie era possivel, por em quanto, prestar juramento pa-
ra esercer as fu nccSes de juii de pazsupplentedo 2.
districto desta freguezia, para o que] fura convidado.
Oue se chamasse o immediato.
Outro do cidadio Manoel Lucas de Araujo Pinheiro,
significando, que no da 5 do correte foi que recebra
o convite dosta cmara para prestar, nodia 1.' do mes-
mo, juramento,na qualidade de juiz de paz do 2." dis-
tricto da freguezia de S. Lourengo-da-Malta, e que
outro convite nao recebra ; mas que,nao obstanto ii-
to, por se acbar doente e em us > de remedios ,
j bavia mandado procuracio ao Sr. Jos Francisco
.Mamado de Almeida para en; sou lugar o faier.Io-
teirada.
Outro do vice-preidenle Lidro Francisco de Paula
Misquita e Silva, aecusando a recepcio do cilicio desta
enmara de 28 do mez passado, em que o convidara a
prestar juramento, na qualidado de juit de paz do 1
districto da freguezia de Jaboatio, e ponderando,que
i or se acbar dotnte, e impossibilitado de montar a ca-
vado, baria autorisado ao tenente-coronel Domingos
Alfonso Nery Ferreira para o fazer em seu lugar. Io-
teirada.
Outro do cladao Joaquim Mauricio Wanderley,
communicando baver recebido o cilicio desta cmara,
convidando-o a prestar juramento,nodia 1.* do corren
te, como juiz da pazsupplentedo 2." districto da fre-
guetio do S. I.ouroofo-da-Malta, om o dia 4 do mes
u o, c que por esto motivo e pelo de molestia Ihe era
impossivel comparecer.Inteirada.
Outro do contador desta cmara, queixando -se de
nao ler sido completamente ezocutada a medida de Ibe
terotii semanalmeote remettidos os tormos do acbada de
infraccoos; porque de alguns dislrictos tem ebegados
passar-se mezes.em que ero uro i termo tem sido re-
cebido, ou soja por descuido, ou por descocaminlia -
rem-so, oj em lim por no os baverem; eque, deven-
do elle estar sompre ao alcance dos motivos, que para
semelhante falta possao ter occorrido, se digoasse a ca-
ntara recommendar a exacta observancia da indicada
disposicio, determinando maisaos fiscaes, que, quando
na semana no bouverem infracroei, assim o partici-
pen! a contadura, logo no principio da semana soguin-
te.Que se fiesse constar aos fiscaes o expendido em o
referido cilicio, exigindo o cumprimento da medida
deque elle trata.
Outro do mesmo contador, disendo que, compeli-
do Ihe pelo artigo 33 do regulamento da crcaco da
contadoria um previo conhecimento de todos os paga-
mmlos, que liverem de fater-se, aconteca frequente-
incnle serem-lbe apresentados, para everbar, manda-
dos de pagamentos aos profossores, que acompanua-
vioaos fiscaes as visitas de sade, sem ter a conta-
doria conhecido dasrequisicOcs e ordens, ero virtudo
das quacs taes mandados sepassavio; e porque de su-
Dielbanlc pratica podia resultar alguma duplicarlo do
despe/a, prcpunha: l..que nonbum mandado de paga-
mento se passasso lora daquella estacao, sendo subs-
cripto por elle, e n3o pelo secretario, por nao er ius
to torna!-o responsavel por actos, que Ibe ero estra-
nhos; 2., quo uusma fossem remettidos sempre com
despetas da cmara os cilicios, em que os fiscaes pai li-
cipafsem as visitas,qu6 (i/csem,e pedissem parase pagar
aos prolessores, que os acompanbarem. Adiado.
Outro do cordeador, pedindo.lbo mandasse a cama-
ma ra flanquear a planta da ra da Cadeia, onde se a-
cliava marcado o predio de Jos Antonio iiaslos, para
apresentar o desenho respectivo, como se Ihe ordenara.
Que se Ih'a franqueasse.
Outro do mesmo cerdeador, pedindo, que a cmara
autorisasso ao contador para averbar as folhas dos ser-
ventes, e outras despczss, que eslava ohrigado a fa?er;
para que assim podetse cobral-as. Resolvee a cmara
que o contador averbstse ditas folhas, sondo primeiro
rubricadas pelo Sr. presidente.
Outro do mosmo cordeador, mostrando ter inspec-
cionad > apunte da ra da Aurora, e achado-a com
grande ruina ; indicando os ineios de a jnelliorar, no
que dovoria, quanto antes, a ornara cuidar ; e apo-
sentando o desenho, que se llie peilira; e orcamonto
para o reparo da mesma. Adiado at a primeira ses-
sao.
Outro do dr. Antonio Jos Alves Ferreira, commu-
nicando que, por ora, nao poda tomar assenlo como
vereador suppleote; por Uso que tinha de entrar em
uso de remedios, em razio de estar doente.Adiado a
requerimento do vereador MelloCavalcanti.
A cooimissio de sade apreseotou os tros seguintes
pareceres, que forio approvados:
Examinando commissAo de sade o terreno, ero que
quer edificar um forno de pao Antonio Joaquim Ferrax,
nos fundos da casa da ruadosPiresn.AA.quedeitapara o
Corredor-do.-Itispo, entende, quo, nio obstante existir a
favor da parte o lugar marcado, com ludo s pode ter
lugar,subjeitando-sc ao esboco marcado por esta cmara.
Paco d cmara municipal, 6 de fevereiro de 1845.
Dr. Nery da Fornica. Uarros.
Entonde a commissao de sade, que o forno, que
pretende rectificar, nos lundos da casa n. 12 da ra do
Caldeireiro.Policarpo Jos Ferroira, s pode ter lugar,
subjeitando-so ao disposto as leis muoicipaes, nio
obstante se acbar situado em urna praia pouco habitada
Paco da cmara municipal, 1.' de fevoreiro de 1S45.
Dr. Sery da Fornica.Barrot
A cominissio de sade,examinando a pretendi de Jos
Simio de Magalbies, entende, que a pequea fabrica,
que quer eslabelecer na ra de S. Amaro, nio pude
ter lugar, altendendo ao lugar, em que deve ser col -
locada,pelos males, que ccarretao aos visiones mais
prximos. Paco da cmara municipal, em 27 de Janei-
ro de 1845. Dr. naci Aery da Fonieca. Bar-
rota
Entrando em discussio o officio do engenheiro em
ebefe, feito ao governo da provincia, e por despacho
deste mandado informar a esta cmara, em que com-
municava o mesmo engenheiro a S. Exc., que o fiscal
do Recito Ibe pedir, mandasse sustar a extracio de po
dra nos arrecifes, at ser dissolvida urna duvida pro-
posta pela cmara, soque ello nao annura, em virtu-
de da ordero que de S. Exo. tinha; resolvee a cambra,
que se oficiasse ao Exm. presidente, dando as razoes,
por que o fiscal assim baria obrado.
A requerimento do Sr. vereador Mello Cavalcanti,
forio propostos o nomeadospara a commissao deca-
me das prisoes civis, militares, o ccclcsiasticas, do que
trata o artigo 86 da le do 1/ de oulubrode 1828, os
seguintes cidados, aquem mandou a cmara se ofi-
ciasse a respailo : dr. Casimiro de Scent Madureira ,
dr. Antonio CoelbodeSe Alhuquerque dr. Joao
Ferreira da Silva,dr.Sos Joaquim de MoracsSarment,
engenheiro em ebefe, L. L. Vaulbier, coronel Joaquim
los Luiz deSousa, dr. Pedro Dbrnellas Pessoa.
Remelleo-se a commissio de edifiuacio o requeri-
mento de Joio Piolo dos Santos, e a planta da parte
da Capunga, que representa a situsj&o da camba da
ponte do Maoguinho, e a de sade os de Jos Joaquim
Uezerra Cavalcanti, e dr. Joaquim Antio de Sena :
despachario-se os de Antonio Joaquim I'erraz, Fran-
cisco Xavier da FonsecaCoutinho, 2 do Franco & Ir-
mao, Jos Simos de Magalbies, Joao Manoel de Si-
queira, Jos Machado Siwoes, Mara Francisca do
Nastimeoto Neves, Manoel Rodrigues de Carvalho, e
Policarpo Luiz Goncalvcs Ferreira.
O Sr. presidenlo fez ver a cmara, que bavia rece-
bido um cilicio do porteiro da mesma, em que parti-
cipa v a, que,por doente, nio podia comparecer a repar-
ticiolnleirada.
E por ser dada a hora levantou se a sessao, marcan-
do o Sr presidente para ordem do dia : 1. leitura de
cilicios o pareceres de commisses; 2. despachos de
tarifas; 3. requerimeotos, indicajcs, e propostas
dos Srs. vereadores; 4. requerimentos e mais pa-
pois adiados. E para constar mandou a cmara fazer
a prsenle, em que asiigoou. Eu Fulgencio. Infante de
Albuquerquee Mello, secretario a escrevi. Reg Al-
buqutrqut.Carneiri Monltiro.Ramos.Dr. Ne-
ry da Fonseca.
to, qnero dizr, o regiment de quo suis curouci inpctto9
A julgar os soldados pelos olllrjaea, respondo por
toiln o exercito. Ao primcjro tiro dado nos Iiiglctcs, a
cxplosAu sera gcral.
V acreditis?
Estou cerlo disto.
Dos vos ouja!
Carolina prununciou catas palavras com bstanlo
frea; ella tinha mesmo onvidn com urna indifterenja,
iiue Ihe nio era ordinaria, qunudo se Ira tu va dos seus
interesses politices, a uai rajao de Fabio, com quant
sin lisonjuasse os suas paxes, c servase ana seu pro-
ieetns. Ha pouco saltara rila como una lea f'Tida, su
uvir rnenle o nomo do Ingle-tes, < agora n fundada
esperanc. de lomar v inyanr.i delira, espantosa o prxi-
ma, apena llie fazia bater o coruja.
Que revuluein se bavia nella operado?
Depoi de ianios esfurco o vigor da alma se Ihe ia
afroxando; dos sciitiHientoa violentos passra a culros
mais tornos; medida que se desviava de Oaslorcu, ti-
proiimava-sedu Fabn, cuja iinsgeni s se Ihe bavia a-
jii escolado ns furlndellai, vm toda etsa vingem, ao mes-
jno lempo to longa c to curta, na sohreludo lao
ebeia. 6o apparirao inesperada e quasi miraculosa no
momento en que rila o julgav preso nio podia deixar
de produxir, e baria com cfteito produsido nella una im-
presaio profunda, quati uperstioota.
__ He a volitado de Dios! Iiavia ella dito bem no in-
hm/ do peito.
Quol he n niulhcr qnc nSoAsinlervir o co nal sua
paixes? Qual a quo nao v cmplice ou iuimigoa no
accidentes, nu fores ceg da natureaa ?
O [lerigos pr que rorrra, e os que anda corra Pa-
ble, haran exaltado anda mais o en ti meato que a ar-
rastra va para olio; al o eu dufaroc Ihe dar* a seus u-
Iho nova graca. Quando elle fallava de si propno, ella
v cscutava coiu a oais profunda aitencao ; mas alguma
utilas do Norte, n naber : do Para al 19, do Maranhlo
nt23, di Cear al 30 do passadn, o do Ro Grande
al 3 du oorronte : o estado las primeiraa era n mesmo :
un Ccar oontimiavao ns nasaasnatos e a clcice o
bayoneta;' no Rio Grande haviao-se ooneluido em paz
asjekices de senador e depulados provincae : tnhlo
all aji|>arecidu, em diveraus pontos, quadrilhas de la
drucs, quo vierao aggravar os apuros a que a fomo tem
reduxido a provincia i a prcsidrnoa em prega todos o*
seus esfurco para minorar este malo, o tem consegui-
do conservar a pai, '
UlAHIu DE l'KnWAHIHC.
Trouce-noa o vapor S. Saltador, nitrado houtcui,
vetes, como se reccasso ser limito, mi muilo cedo com-
prcheudida, desviava dello os cilios, e os distrahia pelo
campo.
Uan ella aproximado a sua poltrona de una jancll.i
ornada de plantas trepadeira, v doude so descubra toda
a planicie; planicie iiitiramentc deserta c limitada ao
norte pelas lndeiras mal cuberas do momo linci, njai
que dos uutros dnus lado se dcscnrola como um larg
nulo de verdura ; debaldo e |iroc.urra ah, uu j mua
cirvore, lila um arbusto; n rclva, seiueada de algn Dar-
do, era todo o seu rnalo, ma que ornato Nada tinlia
do pitloresca esso paisagciu uua o muda; sumen tu se
descubra do protii o templo de Segeslo, que eora com
potica aureola essas tristes solidu. O ar eslava tejudo
e iiDpreguadu do aroma do pastos; o da meiu cobcrlo
de grandes nuven branca, que giraviu no espado, t-
uba niioBoi que de languidr melanclica quo Cuilvidava
mediacao, e o sol escondido por Iras da nuven,
vaucava vagaroso para as moiitaubas d'Alcamo, para ah
so invrgulber no vapores undulautes do puente.
Heinava o silencio nu iialureza; e tonibem reinara na
quinta. Carolina nao pareca disposla arorope-lu; na
aua atlilude havia o quequer que fusse de abandono, e
no rosto so ni cetra vu ossignaet de urna prcuunupac.ao
interior que ella nao procurava dissimular. I-'abio mu
.ill'outo por so ver a sos cun ella, apruxiiuou-se e euoa-
rou-a fixamente.
Acabei deeontar as miiihas aventuras, Ihe dase el-
le i nao mu contar V. luagetlado a sua P Porque mi-
lagro a encontr em Segesto, quando todos a uppeiu
enferma em Catelvetranof
Entao Cattron coiitou-vos a mesma fbula que ao
uniros' Admiro a sua disorieao. .Miaba molestia fui
urna viagem iBysterioaa.......
Ilysleriusa?
Sim, e inysleriud'Estado. NSu me pcrguuteis mais
pur agora i u'outro dia vos contarei quanlu quiterdes.
Correspondencia.
,Jr. Redactores.Nos gurernos represenialivoa a l-
berdade de imprensa he unta de tuaa garantas tao es
acncial, quo,deixando de existir,tooiariSo os meamos ge
sernos a forma de lyraimo, e degeneraran cm despo-
tismo. Sirva, poia, esta garanta'do unitivo aoabaixo at-
signado, victima da maior naolenria c calumnia; o ve-
ja o publico como a perseguirn mais escandalosa, len-
do-o condutido a pristo, ondo existo, sem culpa for-
mada, e sem criuie, anda lho prepara um genero de ruar
luhciu nao conlii'cido na Ierra da Santa Crot, istu he,
urna ambicionada exiradicio 11 !
Viva cu do modesto e licito giro do meo negocio,
mandando v,r, por minha conta, de Pars, faxendas para
aqu ai vender, a rctolho, em tima luja, que tive na ra
Nova desta cidade, sondo remetiente dellns L. Poudra .'
pos primeiro anuo foi o negocio favorvel, o por tso
fazia sempre com pontualdade remessa para Pars a or
dem de Poudra, para amorlisar a fazenda por elle re-
mellida.
Coniprei una casa ierre, o sobre ella erig um sobra-
do de tres andares, necessario para o meu cstnbeleci
monto, e finalmente eutrelive a crescida dspota deste,
o de seu nianein. Entretanto com o volver dos auno o
comiaercio ao lornou mesquinho; punca conou'rreneia
de compradores, deteriorado de fatciida, e venda del
la por baixo pre(o; dep recia na u Je moeda, c exorbitan-
te iuiposiccies', alta de cambios, eiuHin outras ntuitas
i-ousa bem ooiibecida, que toda 'imluxirao alguma
demora do reniessis t Poudra : o quo les, que, quando
a nimba divida foi reconhecida cm malo de 1844, S o
juros e cumiuissocs ebegirao n una quantia do mais do
oiieuta conloa do ris.
Fingiudo elle ignorar todas essas cousas, vem de Pa-
i a esta cidade, para saldar suas cuntas cummigo, o
leudo en, cm fazenda o valores diversos, oitcnla e tan-
tos de ron, coiu os quee, ero pouoi tvmpo, podara sal-
dar miiibas conlas com elle, mtlburaiido o comineroio,
todava nio quie o mesmo rsporar, e propos-mo, que
Ibe eutrogasac ludo que eu poiauia, que elle me dara o
espaco de G, 8, ou 10 anuos para pagar llie o quo restas-
te, obrigando-ae onucedrr-me, pela boa f que recu-
nheceu cm minha Iransaeces, 12 por centu do valor
do ttulos de crdito em lettras e cuntas de livroa. Po
to que cala proposla me veste privar dos meiu, que l-
ulia para saldar minhas conta, acm usar do artificio de
fingir di vidu, como algn teem feito, para obrigar o
l'oudra a uina moratoria, o talvez indercctamenlo um
rebato'em seu crdito de metade, ou menos do seu va
lor nomina], cerrei os cilio aos ineus interesses, acce-
d a proposla, cuma ideia de arredar du uiim u menoj
vislumbro do sutpela, e eutreguei ludo o quo possuia
a Poudra, medante uiu balance,cm 11 do maio de 1844;
verificada asm cala voluntaria cessio du beus, por aini-
gavel composicio, redutida a cscriptura publica em as
notas do labelliao liczerra, eiilrou Poudra na |.oeo do-
minio do ludo que me perlcnci, o depoi do empossa-
ilc, cuino o seu plano era fumado em occulta mi fe,
negou-se a ludo quanto havia ooiivcuciouadii, at mes-
mo de dar una quitadlo, duque de niini havia recebi-
do, para conbcciiuciito do que lho (cara a restar. Cha
uieiu-o pur isso ao juizu, mas esle meiu anda fui ufruo
luoso : iictte apuro, nao podeudo ostentar um pleito,
vendo me sem recurso para vi ver, equercndu-iue II-
vrar do deigoslo, que uhreiuaueirn alteetavAo meu es-
prilo, projectei passar-me a Franca, a fin de solicitar
abi alguui genero de vida, quo me subminislratse moioi
du subsistencia, e do pagar a Poudra : nao Itavendo na
vio para all, b offereccndo-iue um amigo passogem
para Lisboa, porque d'alli podiu me transportar com fa-
uilidade para Franja, por va do vapore ingleso, que
sempre andao de Lisboa para o llavrc-dc-Grace, apro-
veitci-rao da oocaaiio u utlorccimenlo; mas, nao ha ven-
do lempo para fazer o tro annum ios da minha sabida,
e tirar passaiiorte, segu snu elle para Lisboa.
Esta circiiinslancia da iiiinba sabida sem paisaporta
diqi.ii uu a Poudra a opportuuidadu du perseguir me :
unido oo cuiisiil fraucet tiesta cidade, u Sr. Gausseii-
cuurt, fizerao contra niim uina conjuracu, o solicita
rao do ministre francs eiu I.i.boo o meu arresto,
com o prcsuppoilo do ser eu banca ruteiro fraudulento:
o miuistru frailera, illudido coiu Falsas e ealmuniosas in-
foruiaccs, que d'nqut mandaro os Conjurado, solici-
luu do governo |,ortuguCt uiinlia priso c cxtradiclo;
mu o goveruo porluguet, que 6o ntanter aua inde-
pendencia e nacionalidade, iiegou-so to podido, e nciu
mesmo Ihe (leooseU^aaentimonln por deferencia, nao
sopor no ter eu eVmnieitiJo o orimo indicado em
Franja, como por ser istn rollar ao lempos debarbir.
dade, revivendo o contrato deLepidu e Antonio casi
Augu-to.e por nio poder faior-so eatai Jj| icnl0
na existencia da tratados, en que estoja HWexpresii.
mente estipulado.
Nesteestado ped passaporleem Lisboa para virn-
Ira vet esta cidado, o que ino foi concedido : e medi-
auto osnoorro de amigo, para oqui aegoi, cun ofim
de jiislifioar-mo da airte calumnia, quo contra m,m
ba.vao aasacado os Srs. Poudra Goussenctiiirt, e pe-
dir reparagn do dnsjann. Vendo estes domv digno 8m:.
go o meu deiignio, o que eu de corto os dcstuaacararia,
cuidiao de mpodir minha jubtifitaoao o do einprc
gar para case fiu aqu os meamos muios, de quo so lij.
viao servido em Lisboa, e que all decorosa ai oberaiu.
ment frBo repelldos. para conseguir Minha prista;
servndo sempre Sr. Goussencourt de mrdianciro c ina-
trumento de peraegiiicao. O Sr, ebefe de polica, dia-
do, netle caao, impurlannia urna roquUielu do dito
cnsul, em quo solicitara minha prlloj eecredUndo
na expuaicto de Poudra com censurayel oooultacao di
verdad", e acm ter mais dados preco, mandou roe
prender como indiciado de orimo do banca-rota fraudu-
lenta. Com esto acto violento do Sr. che de polica,
firmado cm calumniosas d<-nunojas, he amstame, que o
Sr. Goussencourt solicitar do Sr ministro ftancei, n.
dente em o Ro-do Janeiro, o Sr Saint Gcorgee, pan
ele tsmbem snlioitar do governo brasileiro miaba ei.
tradiciio para Franca.
Milhares de considerscQes acodom de tropel sobr0
que ha occorrido i meu respeito; entretanto lmealt
observare!: 1., que nSo ha lanca-roteiem jallencis,
que nio quebrei; que o crime de banca-rota fraudulen-
ta, queso roe arge, quando eu, o tivesse comtnettido,
o que'oego com todas as minhas lrcas, nio me po.
dia subjeitar um procesto criminal, porquanto, pos-
to que delle se faca mencio em o artigo 263 do codig
criminal, todava, estando dependendo a sua qualilici.
cSo di publicacio de um eodigo commercial interna/-
ciooal, nao pode, por isso, opersr-se cous alguma valj.
Jmente a tal respeito: at porque lal qualificacio, como
se pratica entre as nacoes aullas, he previumeute fsiti
perante um tribunal civil, e levada depois ao uixo cri-
minal.
Secundo, que, havendo Poudra consentido celtio,
que se Ibe fez, tomando conta dos beos, e dando espers,
nu respiro, de G, 8, e 10 annos, para ser pago, ni
forma estipulada na escriplura nio podia caber-lbe
mais a accio criminal, porm tmenle a civil, para
exigir o cumprimento do ajustado por nova accio ; lies
ser proceder contra o seu proprio facto, e dar por va-
lida a escriptura spelo lado do recebimento, e nulli,
quinto as mais, o quo envolve absurdo.
Tertio, quo a oscripturaciod'um logistanunca he co-
mo a d'um negociante de grosso trato, e, tendoeu con la-
do rnous livroa diarios, edocontabilidade i Poudra, as
melhor boa f, cerlo do que nenfauma prova el les conti-
nhio de fraude, aliit ellas desapparecenao, he coniequeii-
le, senio com certeza, ao menos com probabilidade,
que qualquer genero de (alsificaco, lacerscoes, ou un-
iros vicios, que ellos contenbio, be obra de Poudra,
que nio me pode ser imputada ; por isso que os osa-
mes, procedidos por elle nos ditos livros, ferio opera-
dos na minba ausencia, edepois de mais deum mexde
estar elle de potse dos mesmo livros, e quando j, pel
escriptura de compoticio, bavia approvado a ininln
boa f.
Nesta consideracio, estou coovonoido, queoSr. che-
fe de polica, entrando melhor nest trama infame,
nio me pronunciar, assim como, que o governo impe-
rial nio te prestar a conceder minha extradirao; por-
que, dala bypotbese de ter eu criminoso, edeuoi
crime, que so diz commettido no Brasil, o que neg;
no Brasil, be onde devem existir at proras deste crime;
no Brasil be onde devo ter protestado; e pelt leis do
Brasil, be que devo ser julgsdo, e nio pelas leis de
Franca ; porque nio sou contraventor dellas: ean-
gumenttr so pelo lado da reciprocidade entre as naccei,
mesmo assim, nio procede a argumi-nUeio; porque
ella nio he nette caso permitlidt em Franca naci
alguma, como relere de Martins no seu compendio de
direito das gentet, liv. 3, ctp. 3, 101 ; e quando
be direito univerttlmente recebido, que o estrangeiro
be tuteladj, e castigado pelas leis do paiz em que habi-
ta; sendo urna verdadeira injuria a independencia das
nacoes a admisslo de taes reclamacoes o exigencia;
porque iuppGe-se, que no paiz nio ha a precisa mors-
lidade para fazer-te |ustica, como convm. Tranquillo,
poit, aguardo minba orle, e espero, quo o infame ct-
lumnisdor nio triumpbe de sua iniquidade.
J. Chardo*.
Para amanlii oa negocio serio. Deinorei-iue aqu com
vosco para furtar-tue por alguinas boras poltica ; nao
me fscai recahir nella mo grado meu. eixai, deixai-
uie guiar, ou ante, Fabio, guzeruua amboa do curios
instante de liberdcdo que o acaso me offerece. Esque-
jamos o vossos c os iikus perigo, para t cuiduriuos
ua ventura do no lornurmu a ver, e detuo graca ao
dealiuo pelu aiaignalado farur que no concede, e que
deve ser tanto mais charo quanto lie inesperado. A truu-
quillidade duatc campestre retiro paatou minha alma.
Nunca me culi com o corajao ISu sereno e calmo, O
muus da da minha etiilencio c me varrro da memo-
ria por encanto, e dir-vu-hei, Fabio? parece-meque
nio lia mais Ingleses na Sicilia, que nunca mesmo
bouve.
Certo era essa metamorpliose estr.inh e lio inaravi-
Ihosa como o eucuntru que a produzira. Sem ser muito
presuiiipcoso, podia Fabio, com ruaao, bunrar-se della.
Quo iiiudeaa teria triumphadu de emellianie etperi-
L-iicia? E depois, no ponto em que as cuusas estavlo,
queiu se lembruvu abi de modestia P
Ab! ra.j exclamou ello pegando ua mo de Ca-
rolina, que Ih'a deixou, coiiduiio-no o destino veu-
lura por cainiiilics bem inystenoso, e eu abencuc o
meu perigo, tpor quo elle dore ele enooiitru ino-
perado. E pot que lornu a acba-la, permita quenunoa
mais a done,
Uh! e quem vo falla de deixac-me? O oeo noa
reuni por um prodigio, para logo no separar? Nio,
Fabio, nio, eu nio auu nein esquecida neiu ingrata.
Que ingralidio ? V. magestade ho que tem direi-
to ao meu reounliecinierlo. Eu iienlium lenhu ao seu.
Crea-me V. magetlado, ou nio lenho illute, cunbejo
tuda a minha indignidade, e ei al quo ponto desmere-
rejo a bondades de V. magetade. Dentis quem seu!
eu? Um desgrajado que neru familia, neia fortuna, uem
posicio tem; e enjo futuro mesmo he um souho. I
Poit bem! cubemos juntos, dsaoCarolina cos
uto desses sur risos encantadores, cujo tegredu ella eo-
nhecia, oque nos aeu labio cr.'io irresislivc; d'
noito souho ambos talvet nascera uina realidade. I- df
osis, jnniun ella em tum acro, mo vos die j que
nada no mundo me he mait profundamenlc indierruia
do qne acondijlo do lioinco? Que me importa a j-
rarcha. miin herdeira do Ceare,filha de Mara The-
reta? Sympaihiocom vosco tal qual auia;'iiio Vu bas-
ta ito? Talves aympalhisra eu menos aforis nica
igual. E quando eja Uto um capricho, sou mullier, u-
nho o direito de os ler, e deate no tendea raso de vo
queitar.
Fabio deixou ao rslir de joelhos o cobrio Ihe a ni"
de beijos apaixonadot sim, mas rcspeitoio; ma '"'
cur.i(,e concluirio Itcitamenlo ueaae momento un
pacto de amor.
Nessa niemn occaiio a camarilla e o cjador enira-
rioemoasa. Nunca a rainha so sentir lio iiisliuada a
gotnr dol ennanto di iiaturcza, e a vir.ljlo e jierf imes
da tsrdc cnimdaviono paselo Em quanto o rendi'o
dava ordem ceia ahio ella a dar Urna volta pelo rani-
no acumpanliada da camarilla e de Fabio. pelo qual ca-
li via todos o objeclot, que por isao mesinu Ibe par**
ciio mai preciosos : o amor, mgico sublime trana'
gurava seu ullioa n crcaco.
Kahio irotava da an conquista cora a embriagos *
triunipho o do amor que Ihe uceupavao o coro jio; era a
meinio lempo victorioso e subjugadu.
Quando voio a uoulo recoluerio-se : a neia eta
prutnplt, a cacada tinha ldo feliz, o rendeiro ui,cr'!
ni seus bospedes eoin as tuaa rusticas sabidas, e qm"
e levantarlo dn mesa, ondo eslivcrSo por longo lerop^
a rainha foi para o npinento que le Ihe destinara co'
ana camarista, o Fabio arranjou se cuino pode no qr
do oajador.
(Ceninuar-*';


Atfandega.
n,ndi ment-do (liar,............
DetcarregaO aoje &,
a|er,~5icord-tt4-carvo.
1!srca_/>a9ue [3,gue/'o/irfora -mercadoria.
Brigue
Hrigue
ConcHtdotal* de fumo.
eltt-Veilinodem.
1MPO8TACA0.
PAQUBTE-DE-TMESTE barca austraca,
inda de Trieste, entrada no crranle oez, consigna-
ci de N. O. Biober & Companhia, maofstoa o se-
8U;,20 birrica com faria* de trigo, 150 ctiai
com' ac ; aos eoniignaUrioi.
Consulado.
BESDIMBUTO U0 DA 4.
Gerai-992,087 Provincial-159,959
MARANBAS. 23 BE K'I.IIO.
Camilo.
Sobre Londres a 25 efTe
Portugal 125
* Franca 380 por franco
Rio-de Janeiro Sp.cent des.
Premio de lelttaapor moil V
a 2 por ceoto
OL'RO. MoedM de 6.400
PRATA. Compra. Venda
Petoibras. 100 a 103
i) mexicano* 100 a 103
hespanbes 102a 105
PraU miuda 80 a 85
Cobre3a4p-100depr.
. 17,400 a 17,600
Ditas de 4.000 6,600 a 9,600
Oncia htapanholas.......a 31,500
Dilai meieana* 31,000 a 31,300
[PuUicador Maranhennt.)
lloviiucnto (lo Porto.
Pfavin mirado no da 5 do crranle.
Pra, Maranblo.Cear, Rio Grande-do-Norte e Para-
biba; 14 dia*. e 15 horat.vapOr brasileiro S. Salvador,
de 300 toneladas,commandante 62.* lente Antonio
Carlos de Aieredo Coutiobo, equipagem 33 : pas-
ssgeirot: para Pernaoibuco, Domingo Jos Pereire
Pacheco, com aua familia, e8 escravos, D. Anna
Albuquerque e Mello. Aprigio Jos Cear, Brasile-
ros; Franceco Alve, Joa dos Santoa Tarare, Por-
tuguew; Albort Waruiok, P. Norelui, P. A.
Joan, Frederico Holbi. Jacob Wnip, Joteph Boia-
crt, Warel Guflave, Hollndoles, que, tendo nau-
fragado no Penedo de S Pedro, embarcarlo no Ma-
ranbio; e tre escravos para entregar; major Fa-
bricio Gome Pedroxa, e Jos Rodrigue Pinheiro,
brasileiro; 8 recrutai para a mariuba nacional da
corte do Riode-Janeifo; ir. Saturnino de Santa
Clara, Moura Borget, Pedro Antonio Bernardino,
Joio Dia llarboza, e 1 eecravo, Victorino Ferreira
Maia, e eu eseravo, Braaileiro; para a Babia, D.
Ignacia Joaquina Prata, urna filo, e 2 netos, Bra-
sileiro, e 3 cicraro; para Rio-de-Ja-neiro, ca-
pito-lenenle da armada nacional, Rafael Lope
Anjo, e aua senhora, Brasileiro, com 6 escravos,
u mais 7 ditos para.enlregar a diverso.
Navion tahidot no mttmo dia.
Rio-Grande-do-Norte, e Perabibe. en commisslo,
brigue-cscuna de guerra brasileiro Caliope, com-
mandante o capillo-tenante Eluiario Antonio doi
Santos.
Palermo, brigue napolitano Gabtiel, capillo Paulo
Imerilla, carga estucar e couro.
Cear, brigue brasileiro Empreza, capillo Francisco
Ferreira Borgea, carga diversos genero* : passagei-
ros, Manoel Joaquim de Avelar, Manuel Jos Salga-
do. Antonio de Lentos, Agoslinho Fernandos Lio*,
Jos Barboza Cordeiro e 3 escravos Joaquim Fe-
lis do Souza e 1 criado, Uraaileiros.
Canal, brigue francs Malhilde, capillo Legonedic,
carga assucar: pastageire Jacintbo Dumercy.Frencez.
Idital.
O 111 tu. Sr. inspector da thesourariadas rendas pro-
tinciaes manda faxer publico, que, em cuinprimento
do artigo 34 da lei provincial n. 144 do crrenle an-
co pirante a unsina tbesouraru nos das 1., 3 o
5desetembro prximo vindouto ao meio dia, serio
arrematadas, a quem mais der, pelo precio annual abai-
xo designado por lempo-de 3 annos, a contar do !.
de oulubro prximo futuro a 30 de Miembro de
1818 as rendas provinciaes que se aebio a cargo
dascollectorias, em lodosos municipios da provincia ,
com exccpco dos de linda, Goianna e S. Antio a
saber :
Iguarass o llamarse*...... S79000
Cabo............. 798*000
Pao-d'Albo..........1:3-29*800
Nazareth...........1:699*600
Limoeiro .......... 518*400
herinhiem........... 254,000
Rio-Formoso.........1:900*000
Bonito............1:000*000
Brejo............. 359*000
Cimbre*..........> 278*000
Garanhuns.........." 426f000
Flores............. 951*000
Boa-ViU...........' 527*000
Os licitantes, devdaraenle habilitados, deverad com-
parecer na sala das tetsdes da dita Ihesouraria nos dias
e horas indicados.
L' para que chegue a noticia de lodos mandou o
mesino lllm. Sr. inspector publicar o preaeole.
Secretaria da Ibeaouraria da* lendat provinciics de
Pernambuco. 31 de julbo de 1845. O secretario,Lutz
j? < otla Poriocaneiro.
NOVA COMPANHIA ITALIANA.
THBATKO rUBLICO.
A terceira representicio lyrica sera quinta-feira, 7
de gosto, as 8 horas; distribuida pela maneira se-
gu nte :
1. Symphonia.
2. AriaLungi daW ido! mi do Talismano, de
Tornaghi. Para voz de bartono.
3. Pueto__ Max pi la twrxo per amore, de CoppolaSoprano o tonor.
4. Duelo Sfoni la (rombaat opera Purjtani,
de Bcini. Bartono e bao.
nlervallo de 20 minuto*.
- 5. Ouvertura. .
i. DueloColti Sofronia do Torqualo Tanto, de
DonitzeltiSoprsno e bartono.
7. AriaOAI guante lagrime da opera Tebaida
e Itolina, de Rossine. Tenor.
8. Quarteto a grande acera ate carodt opera
l'wriVadi, da Bellioi. Soprano, lenor, bartono e
baix'o.
Intertallo dt 20 mnutot.
9. Symphonia.
10. DueloApparvi alia luce tul campo gutrritr
--da operaFilha do Regiment. Soprano e bixo bullo.
N. B. O espectculo principiar improterivelmenle
a bors aonuneiada.
Nos bilbetes de platea suporior eslo marcado* por
nmeros, oshsncos e o sseeotos, que os Srs. especta-
dores devem oceupar.
O director roga-lhes que nlo ioverlo esta ditposi
cao, a fim de que os mesmo Srs. possio coatar com
os seus lugares, quando houverem de sabir; e para este
fim be que receber na porta do theatro melade do
bilhete (onde lera marcado o alenlo) que devero guar-
dar at o fim da representado para mostrar, so Ibes fr
pedido.
Preeo por cada.noute.
Camsrotes de frente, ordem nobre 12,000
Ditos laterae......... 7.00C
Ditos de frente, primeira ordem .... 8,001
Ditus Isleraes....... 8.000
Platea superior......... 2,000
Dita geral.......'. j,
Achio-se i venda em casa do director, na ruaJNova
n. 7. segundo andar, e, no dia da recita, no boto-
quim do theatro.
Avisos martimos.
__ Pin a Baha sai, oeste 10 dias, o lanchio liom-
Fim, espillo Jos Joaquim da Costa : quem no mes-
mo quixer carregar, dirija se i ra da Cadeiado Re-
cife, armatem n. 12
Ficar prompto a seguir psra o Rio-de-Janoiro
no dia 5 do correte o patacho Castro Segundo : o que
se fax scienle aos Srs. passageiros e carregadores de es-
cravos.
__Vende-M o brigue-escuna Fama, do lole de 9500
arrobas de carne.cooslruccio americana de 6 a 7 annos de
leito, forrado de cobre.ha 2 annos.no Rio-de-Janeiro,do
regular marcha, prompto a navegar para qualquer par-
te : quem o pretender dirija-te a Amorim Irmios na
ruadaCadeia n. 4*>, e para o examinar na praia do
Collegio delronle do caes do palacio.
Vende-se o brigue Fldr-d'America, do lote de
15000arrobas, prompto a navegar: quem o pretender,
pode fallar com Amorim Irmaos ra da Cadeia n.45,
e para o examinar defronte do Forte-do Mallo.
Segu breve para o Ass o brigue Conceicao-Ca-
borlo : quem no mesmo quizer carregar ou ir de pasia-
gem, pode tratar com Amorim IrmSos, ra daCdeia
n.45.
Para o Ass sai, no dia 9 do corrente, o brigue
tfero, capillo Joaquim Pedro de S e Faria; recebe
carga a frete, em conta : quem quizer carregar, enten-
da-se com Leopoldo Joa du Corta Araujo, ra da Moe-
da, n. 7.
0 patacho Valentt sabir* para o Rio-de-Janeiro
no dia 8 do presenteymez; ainda recebe alguma carga
miuda, e esc/avos a frete: os pretendentesdirijlo-se a
Gaudino Agostinho de Barros, atrax do Corpo Sanio,
o. 66.
Para o Aracaty o brigue Mara I., loriado de co-
bro e de superior marclta: quem no mesmo quixer car-
regar, dirija-se a Gaudino Agostinho de Barros, atraz
do Corpo Sanio, n. 66.
Para o Rio-de-Janeiro segu com toda a brevida-
de a veteira o forrada de cobresumsca Jmizade: quem
na mesm quizer carregar, ou ir de passagom, dirija se
a Gaudino Agostinho do Barroa, atraz do Corpo San-
io, n. 66. ,
Par* o Maranhio sai com brevidade a Darca ar-
melinda, capillo Juliio Ferreira Nunes: quem na
meama quizer ir de passagem, e carregar por freles mais
commodo, dirija-se aos consignatarios Francisco be-
veriano Ribelio & Filho, ou a ra da Cadea-vclba,
armaxem n. 12. _, ,
Freta-se para a Parahiba a lancha N. S. da
Penna: na ra do Vigario, n. 8, ou a bordo, ao
meslro.
0 brigue ero sai para o Ass. no da 9 do cor-
rente; recebe carga tambem para Pitilinga, Caissara,
eTouro: qmm pretender, enteoda-se com Leopoldo
Jos da Cusa Araujo, na ra da Vloeda, n. 7.
__ Para a Babia vai sabir breve o brigue nacional
ndiano: quem no mesmo quizer carregar, ou ir de
passagem, dirija-se ao seu consignatario Manoel Igna-
oio deOlivoira, n ra do Apollo n. 18.
Leiles.
Uet laracao.
O arsenal de guerra compra plvora para servico
das fortalezas: quem tal genero tiver, mande sua pro-
posta em carta lechada, acompanhada conjt,.* amostra,
eta directora, at o dia 8 do corrente mez. Direc-
tora do aisenal de guerra, 5 de agosto de 1846. No
impedimento do aaeripturario, Jodo Ricardo da Silva.
Jame Crabtree & Companhia continuars, por
intervenclo do correlor Oliveira, oaeuleilio, tanto de
moliilia nova, recenlemente ebegada, como de muito
maia com pouco u*o, incluiive cadeir**, commodas,
toucadores, marquezas, meas, baocas de jogo, aecre-
ta de patento, lanternas, redes do Par, espingardas
de caca, e de ar, quadro* primoroo*, e de muito* ou-
trosobj'ectos uteis : boje, 6 do coi rente, as 10 horas
da meobie, na casa do Exm. Manoel de Carvalbo,
ra do Amorim.
Leillo. quef*z J. i. Taiso Jnior, por conta de
quem pertencer. de 32 ssccas de foijlo mulatinbo,
vindo da Babia, as sumacas Flix-Aurora, e Flor-de-
Moroim, envite*, I vootade dos compradorea: quin-
U-feira, 7 do corrente, a* 10 boraa da manhaa, no
caes d'alfandaga.
Avisos diversos.
DENTISTA.
*e= J. W. Vervalen cirurgilo dentista retira-se
para a Baha no vapor, quoesl prximo a chegar do
Norte; o avisa a todas as pessoas que proeisarem de
scus servicos, que se acba, at a cltegada do dito vapor,
na ra da ('ruz n. 3.
LOTERA DO THEATRO PUPL1C0.
Devendo esta lotera, pelo adiantamenlo da ven-
da desrus bilble, ser s que primriro tem de dar
andamento as suas rodos ; est o respectivo thesourei-
ro resolvido a fszol-a exlrahir no prximo mexde agos-
to nfallivelmente : para o que convida aos amadores
dste jogo a se prevenirem de bilbetes, os quaes achio-
te nicamente a venda no bairro de S. Antonio na
loja do mesmo thesoureiro ra do Queimado n. 39,
e na botica do Sr. Jlo Moreira pateo da matriz; o
no bairro do Recife tojas de cambio dos Sr*. Vieira,
e Manoel Goor.es. Escusado se faz lembrar ao respei-
tavel publico a confianca que mereeo esta loreria, pe-
la regulardade do sen processo de exlrscgio; procesto ,
que paisa a ser ainda mais perfeitamente desempenhado;
porque rodas teem de andar segundo u novo re-
gulamento ; entretanto que as lotera, que hSo an-
nuncido, parece nlo su quererem desaferrar do enli-
go syttema de etlraccao.
LOTERA DO SEMINARIO,
= Devendo a lotera do seminario episcopal de Olin
da dar andamento as suas rodas no dia 21 do corrento,
por se acbar urna grande parte dos bilbetes ja vendida,
roga se ao respeitavel publico que compre o resto
dos bilbetes a fim de que no da marcado se eflectue
o andamento das rodas, como tanto convem : e alm
dos lugares aonunciaJos, tambem se vndem na loja do
Menezes, na ra do Collegio.
Frederico Fremont avisa ao reapeitavel publ.ieo
detlacidade, que elle contina a afinar e concertar
piano*, e tambem tem em ua casa pianos muito bon*.
para vender e alugar, tudo por um preeo barato : no
Attorro-da-Boi-Yista, n. 5.
O Sr. Manool Hilario, que morou no becco da
Astumpclo, em cass do Sr. padre Andr, e que tem a-
mirade com o Sr. loioQuelmbra, do engenho da Te-
Iba, dirija-so a ra das Cruzes, n. 41, ou ao trapiche
novo, negocio de seu inlcretse.
Pela ultima vex, e para serem adjudicadas, na
falta de lancador, eslaoem praca, para serem arrema-
tadas a porta do lllm. Sr. doulor ui* da primeira vara
docivel, urna parle do sitio grande, silo as Sallnas,
pertencente aos dou orphaos, filhos de Miguel Ferrei-
ra de Millo, e mais duas pequeas partes da casa de
dous andares e solio, sita na ra do Vigario, tambem
pertencentos aos dito dous orphios, por exocucio do
conego Gurjio. como testamenteiro do podro Francis-
co Nunes da Cosa.
Pela primeira vara docivel, cscrivlo Reg, val a
praca, para ser arrematado, um sitio com cesa de so-
brado de vivenda, e um terreno, tudo sito na Mag-
dalena, e pertencente a massa dos bens do finado Jlo
Raphael Cordeiro.
Alugio-so a seguinles casas; o segundo andar do
sobrado da ra do Roxario n. 20; a casa terrea na ra
de Santo Amaro n. 30, no bairro de Santo Antonio; os
primeiro e lerceiro andaresdo sobrado n. 6. e o tercero
andar do sobrado n. 6 do Atierro da Boa-Vista; as estas
terrea na ra Formosa n. 7, e ra do Seve n.2 prxi-
mamente acabadas, com quintal, cacimba e todo os
commodos para grande familia; a casa terrea n. 35 da
rus da Soledade, por doze mil res mensaes, com quin-
tal, cacimba, o commodos para lamilla; e mais duas ca-
sas terreas na mesma ra ns. 27 e 37, por seis e sele mil
ris mensaes: quem as pretender dilija se ao escripto-
rio de Francisco Antonio de Oliveira & Filho, ra da
Aurora n. 26. Tambem aluga-se o sobrado de dous
andares da ra da Aurora n. 22, com porla decochei-
ra, estribara, quintal e cacimba: quem o pretender
dirija-se ao mesmo escriptorio cima.
Porgunta-se aoSr. Amaial, delegado do conee-
Iho de salubridade no municipio de Olinda, em que
lugar est registada a sua caria de cirurga ; pois ha
lingoas lio malvadas, que assegurio, que S. S. a nlo
tem.
= Para evitar duvida para o futuro declara-se
pelo presento a pessos, que bouver de arrematar a casa
de 4 andares sita na ra larga do Rosario do bair-
ro de S-Antonio pertencente ao Snr. Jos Claudio
Leite que be foreira ao morgado daa Alaga.
= O abaixo asignado faz sciente ao respeitavel pu-
blico, e aos Srs. administrador da mesa da diversas ren-
das internas, e arrematantes do cousumo das agoas-*r-
dentes brasileiras que vendeo a sua venda sita na
travessa da ra Bella n. 8, no dia 30 do me passado,
ao Sr Francisco Pereira da Silva ; ficando o abaixo
atsignado desonerado, tanto do novo imposto do banco,
como da collecta do contumo d'ago'agoardente.
Juntia Amonio Baptitta.
= O abaixo atsignado fax publico pelo presente an-
nuncio que he nullo todo e qualquer Ululo, que ap-
tcer possa de doacio, cartas de alforria bypothe-
cas ou vendas passadas e assignadas por Antonia Joa-
quina Bezerra. com a dala alrazada a sua demencia ,
visto que todos os ben* que de presente possue se
acbio livres e desembaracados.
Raymundo Pinto de Abreo.
Acaba d chegar do Rio de Janeiro,
no brigue Conceico Caboclo, o muilo
superior rap denominado Piinceza Novo
Lisboa, da fabrica de N. G. de Schueler
& C, que pela sua boa qualidade torna-sc
desnecessario todo e qualquer elogio; a
pessoas que (uuerem comprar dirijo-se
as tojas dos Srs. Gilherme Augusto Ro-
drigues Selle, ra do Queimado; Victo-
rino & Gnimaraes, ra dos Quarteis; ni
oo deposito na ra d'Apollon. 18.
i'azem-se trancelins de cabellos de
qualquer modelo, anneis, filas, pulceiras,
&c, kc. o mais bem eito que he possivel,
por preeo mdico j na ra do Cabug, loja
de iazendas n. 6.
Di-te dioheiro a premio sobre ouro, trancelins,
correntei erelogios d'algibeira, em segunda mi, qao
sejio obras francozs*. e por preeo commodo ; tambem
vende-so, e se faz troca a vontade do compradores : na
ra da Flores, n. 18, cata de relojoeiro.
Ninguem compre, nem faca ootro qualquer ne-
gocio com o* ben* deixadot pilo fallecido Rento Anto-
nio Dominguet; porque sua mulber, legitima herdeira
da meiaclo, vai tratar, pelos ineios competente?, da nul
lidade do testamento do dito fallecido ; visto ter elle
oceultado osla circunstancia, reparlindo os hens a seu
bel-prazer : por tal razio lio nullo e de nenhum visor
qualquer trtto que se fizer s respei!" do mnnrmrtados
Den.
I Naauenciade H. D. Kallcmann, felo encarro-
ados da procuradlo da cata. Kallcmann & Rosemmund,
Rud Seyfrield, e Agasto Tappenteclc.-Pernarabueo, em
4 de agosto de 1845 a/4mani $ Rmtmmund.
Luiz Gomes Ferreira embarca para o Rio-de-Ja-
neiro o eu. eicravo Jos, pedreiro.
Roga-se a um cr.bo de esquadra, que foi, ou he
perlenrente ao corpo de polica desta cidade. que quei-
ra restituir um annelio, dous lencos a seu dono, que
nlo ignora quem be, e os ett possuindo contra a von-
tade dette dono ; ficando eerlo, que, nio oa entregan-
do, pastar pelo dissabor de ter de responder pente
o seu commandanle.
A pessoa.a quem pertencerem os cbios, em que so
edificou a casa n. 6, da ra do Aljubo em Olinda, per-
toncente ao fallecido padre Jlo Francisco da Cunha
Saldanba, annunce a sua morada, para se Ibe pagarem
o* respectivo Toros, verilicando-se a quanlia. que e Ihe
dever, vista de seus ttulos; oo dirija-so asupradita
cidade, fallar com Antonio Nubre d'Almeida, mora-
dor na ladeira da S, ou a seu filho, do mesmo nonae,
na ra Augusta da cidade do Recite.
0 Sr. Manoel Pereira da Costa La'rangeira, ou,
quem sua vezes fizer, annuncie a sua morada, para
negocio, que Ibe diz retpeilo.
Precisa-te alugar urna oscrava, para todo o ser-
vijo de urna easa : oa ra do Queimado, n. 14, se-
gundo andar.
Troca-*e por casas terreas, quo estejio edificadas
em algum dos tres bairro da Boa-Visla, Santo-Anto-
nio, ou Reoife, o sitio da Passagem-da-Magdalena,
situado entro ode Jlo Po o de Lemos, e Julo Fer-
reira dos Santos: a quem conver o negocio, eotenda-se
com seu proprietaiio.na pracinha do Livramento.n. 48.
Ainda est por alugar a casa da Rua-Velba, n.
84, com 3quarto, e duas salas, coxinha fra, c bom
quintal: i lallar com Bernardino Francisco doA/eve-
do Campos, no paleo doCarmo.
Na ra da Senzala-Velha, n. 68. precisa-ie de
urna ama com bom leite, para ciiar.
Dio-so 200 a 500,000, rs. a juros sobr penbores
de ouro ou prata, ou bipotlieca: no Alerro da Boa-
Vista ao p da ponte, na 1.' venda se dir quem os d.
D-se dinheiro a juros com penhores de ouro e
prata, mesmo em pequeas porcoes: na ra da Praia,
22'
=Aluga-se,por 10* rs mensaes.uma escrava naoii,
sem vicios, e cos aigumas habilidades: a tiatar na ra
da Gloria da Boa-Vitla, casa n. 37.
Claudio Dubeux, testamenteiro da-
tivo do finado Joo Antonio Martins de
Novaes, tendo acceitsdo esta testamenta-
ria, resotveo o embargo, que os credores
do mesmo Novaes haviSo verificado nos
bens da massa ; acha-se entregue da casa,
e por isso habilitado para receber, e pas-
sar quitacbes aos deyedores da testamen-
taria ; aos quaes o annnnciante roga, ve-
nho quanto antes remir scus crditos pa-
ra nao se ver na precisao de realisar a ar-
recadacao por meios judiciaes. O annnn-
ciante mora na ra das Larangeiras, n. 18.
= Arrenda-se por preeo commodo um sitio no
lugar do Arraial, na esquina daa estradas da Casa-
Forte Monterro e Brejo, com caa do vivenda de pe-
dra e cal tendo 3 salas 6 quartos, estribara para
4 cavillos, cozinha fra baixa para capim cercado
para duas vaccas ,e rio dentro do mesmo sitio ; quem o
pretender, dirija-se a ra da matriz da Boa-Vista, n. 19.
= Desoncaminbou-so urna cabra (bicho), preta ,
arripiada, sem cabrito, no dia primeiro do orrente;
quem dalla der noticia, dirija-te a ra larga do Roza-
rio venda do Lemos que ser gratificado.
= Arrenda-to ou vende-sa urna casa com grande
quintal cacimba com boa agoa e algn* arvoredo
de fruto na povoacio do Monlejro logo adianto da
ponte indo para Apipucos com serventa para o rio
Capbaribe e a beira delle; cujo arrendamento prin-
cipiar do primeiro de outubro do correte anuo: a
tratar em Fra-de-Porlas, ra do Pilar, n. 6, de
manhaa al as 8 horas e de tarde das dual em disnte.
= Alivraria da esquina do Collegio precua de um
moco de 14 a 17 annos, para caixeiro, deveodo saber
ler, escrever e contar, e oflerecendo pessoa, que afian-
ce sua fidelidade e bom porte.
__ Lava-ia, e engomma-*e com perfecjio e man
arato do que em oulra qualquer parle : na ra do Fu-
go, n. 15.
__ OlTerece-e urna parda, de meia idade, para ama
de leite, ou mesmo para servir em urna casa de peque-
a familia ; aquel lava, engomma, cose, e cozinha,
e subjeita-se por mdico pre^o, ou mesmo pelo sus-
tento, e algum vwtuario : quem a pretender, dirija-se
a ra do Sebo, n. 31, ou annuocie.
=a Precita-se saber da morada do Sr. Vicente Jos
da Silva Tetaros, que muito se Ihe desoja fallar ; na
ruada Apollo, n. 18, ou annuncie, para ser procurado.
= Precisase de 200s rs. a premio de dous poi
cento ao mex por lempo de 6 mezes; d-so boa fir
ma ou hypotbeca-se um escravo : quem quizer dax,
annuncie.
t= Arrenda-se um sitio perto da pra.ca qao tcss
sorivel casado vivenda proporces para dual ou 3
vaccas de leite terreno para plantar verdura e capim,
e que leu preeo nio exceda 200/ rs. annuae*: qu#m
tiver annuncie.
agencias de passaportes.
Na roa do Collegio.botiea n. 10,o no Alterro-da-
Boa-Visia loja o. 48, tirio-te passaporles para dentro e
forado imperio,assim como despacbio-se escravos: tudo
com brevidade.


1
&
^ AlogaS se eicravoi pira serente! da obra da
nova matri-. de S. Jos: na ra das Ctnco-Pontas ,
" 27 *
* Aluga-se, ou ven !i -59 um pasria, montada
coro todos os seuj pertenc. s, dufroota da igreja dos
Apipucos: a tratar na niesmi padaria, com Jacintho
Jost de Souza.
=S Precita se de um cont de ris a premio pa-
gando-se 40 premio mentalmente, e do-se por segu-
ra nca duas casas terreas sitas no bairro de S. Anto-
io( quem quizar dar annuncie
= Aluga-se o sobrado n. 19. da ra das Trinchei-
ras com bons eoasnsodo e gesto : a tratar no mes-
11) sobrado.
Orgo forte-piano.
J. B. C Trease participa ao publico que elle
vi-in de lobricar um orgio forte piano, com voz hu-
mana e flauta proprio para msica vocal, que ven-
der por preco raroavel : quem o quiter comprar, di
rija-so a ra Nova, o. 15 a fallar com os Srs. Didier
lobert & Companhia
OSr. Manoel Joaquim Antunet Correia queira
fazer 0 favor de dirigir- se a ra do Agoat-Verdes,
n. 46, a negocio de seu particular interesse.
ArOga-se, por preso commodo o terceiro an-
dar do obrado n. 41 na ra estrella do Rosario, com
couimodos para grande lamilia ; igualmente duas casas
para se pastar a festa no sitio do Arco da Ponto de-
Ucha urna grande e outra pequea : a tratar na ra
da Cadeia-Velha n. 45.
Aluga-se tnetade de urna casa a pouca familia ,
sendo capas ; quem pretender, dirija-so ao becco do
Sarspatel boje traversa do Carmo, n. 4-
Compras.
= Comprao se, para fra da provincia escravos
de 14 a 20 aonos sendo de bonitas figuras pagSo-se
bem ; na roa da Cadeia de S. Antonio sobrado de
um andar de varandade pao, n. 20.
= Cooipr5o-se doos escravos um pedreiro e ou-
tro carpina.para umaencommenda do Rio-Gran Je-do-
Sul ; sendo bonitas figuras, pagSo-se bem : na ra
do Collegio armazem n. 19.
= Compra-se um braco de balanca grande com
conchas e duas arrobas de pesos para baixo, em bom
uso ; na ra do Vigario, n. 8, ou annuncie sua mora-
da para ser procurado.
= Compro-se dous trancelins de bom ouro 3 pa-
res de brincos pequeos, do uto sem feitio; na ruu
daPa, n. 40.
= Comprao-se dous candiciros de paredo urna
balanca e brego para venda e todos os mais utensilios
tendentes a pesos e medidas, ludo junto ou em sepa-
rado ; na ra do Rangel, loja de cera n. 3.
= Compra-se e paga-te bem urna trave de >-
tia-marfim que seja limpa com 50 palmotde com-
prmanlo e um palmo de tuta ; na ra larga do Bo-
zario junto aoquartel de polica n. 18.
= Comprase urna canoa de 400 a 600 lijlos : na
ra do Crespo, 0. 11, acharad com quem tratar.
= Compra-se urna rola branca (femea)'; quem ti-
liver annuncie.
Vendas.
Attencao ao bom e barato !
= Vendem-ie superiores chitas para coberta, de tin-
tas fizas e de bom panno a 180 rs. o covado luporio-
res cortes de chita fina de novos padrdes e chegados
ltimamente, de IScovsdos, a 3500.3800 e 4500
rs. riscadot francezes muito (nos a 500 rs. o cora-
do cortes do catsa-chitat transparentes de lindistimos
padrees a 2400 e 2300 rt. cbitat a 120, 140, 160 e
180 rs. o covado madapolio a 150, 160 e 180 rs. a
vara, dito fino a 200, 220 e 240 rs. dita, medraste
muito fino a 280 rs dita, pecas do madapolao a 2800,
3200 e 3400 rs. dito lino a 4000, 4200 e 4600 rs. a
peca madrasta fino a 5200 e 5400 rt dita cbitat a
4500, 5200 5500 o 6000 rs. ditas escura!, ehadrez
de linho para ja.|uetat 520 rs. o covado superior
setim preto de Macao a 5200 o 4300 rs. o covado ,
chales do 15a e seda grandes, a 4600 e 4800 rt., cor-
les de chitas do 10 covados eteuras, a 1600, 1800 e
2000 rt. o corte sendo entre -fina e de boas qualida-
des superiores fusloes brancos a 1000 rs. o covado ,
zuarte azul de vara de largura a 260 rs. o covado, mui-
lo boa fazenda para prelos algodio azul mesclado
trancado, muilo encorpado, a 240 rs. o covado, algo-
dio americano largo e encorpado a 220 rs, a vara, dito
estreito a 160 rs. a vara, esguiaodo superior qualida-
de, do verdadeiro e puro linbo, muito lino, a 1500 rt.
a vara bretaoha fina de puro linho de 6 varal a 2800
e 3200 rs. a peca, ditas do rolo a 1800 rs. a peca, chita
a 140 rs. o covado ritcadinhoa novos transados mui-
to boa fazenda para meninos a 200 rs. o covado cas-
tores ou ritcados de littras a 240 rt. o covado, brins de
bonitot padies de quadroaa 500 rs. o covado ditot
finos muito eocoi pados o de lislras a 640 rt. a vara,
meias finas de algodio para homem a 3600 rs. a duzia,
sendo de muito boa qualidade cortes de chali, ditos
de seda, e outras muitas fazendas ja mencionadas oet-
le Diario ; adveitindo-se aoscompradores, que todas
estat fazendas sao limpas e de boas qualidades: na ra
do Collegio loja n. 1, de Antonio de Azevedo Villa-
rouco & Irmo.
= Vende-se um sobrado em Fra-de-Portss, ra
do Pilar n. 109 : a tratar na ra de Agoas-Verdes
o. 46.
= Vendem-see alagio-se bichas dea ultimas che-
ajadas de Uamburgo de muito boa qualidade ; lam-
bn) veode-se doce de goiaba de muito boa qualida-
de: na ra largado Rosario n. 62, venda confronte
a igreja que faz esquina para a ra ettreita do Roaa-
Charuto regala.
Na ra da Cadeia do Recife n. .46, ha sempre um
rssde sortimeoto deeiee afamados charutos; assim co
mo grande sortimento dosmelhore vinhot do Porto ,
muito vellios, Madeira, Xerry, e ago'ardente de Fran-
ca que teero vindo a este mercado ; a presos razoa-
H Vende se urna preta de necio de elegante fi-
gora propria para o trrico de agricultura por tra-
balhar bem do enzada, por ter tldo muito aso e mot-
mo para ganhar na ra, por" corpolenta e be mul-
t boa tiradeira da marisco de toda a qualidade; no
Recife, ra de Apollo, sobradiohe do um andar de
randa de pi defronte do armazem n. 34, das 10
liona da manhia as 4 da tardo dos dias ulcis.
Attenfo!
= Vende-se panno ate linho porluguez sem mis-
tura alguma petas de 15 varas a 520 rs. a vara, pan-
no azul fino a 1/, 2400 e 3600 rs,, dito preto superior
a 3600 rs. o covado merino de urna largara a 1000
rs. o covado urja de duaa larguras de algodio com
lustro, propria para forro de cbapeoa a 240 rs. o co-
vado brins pardos de linho a 400 e fiio r, a vara ,
dito branco a 480 e 720 rs. a vara, chales de chita a
480 rt e oscuros a 500 rt., brins de quadros do we-
Ihor gosto para calcas a 240 o 480 rs. leos Se seda
a 13 e 1600 rs., ditot de algodio 160 e 400 rt. ,lar-
latanai es mais modernas a 4600 rt o corte de 7 varal,
algodio americano de lislras transadas, em pecas a 220
rs. ea relalbo 240 rs. o covado chila a 140 rs.
o corado, fazenda muito forte para escravos, algodio
cr trancado a. 220 rs. a jarda lencos de grvala ,
modernos a 400 rs. cassa de quadros a 3frs. a peca
de 10 jardas. bretanha a 1600 e 4200 rs. a peca, di-
ta de linbo de 6 varas a 4500 rt. seodo muito fina ,
madapolio muito fino a 2800 e 5000 rs., chitas Gnu
a 160, 200 e 240 rs. escuras, cambraia lisa fina de
vara de largura com 8 jardas por 5(300 rs. e outras
muitai fazendas por barato preco ; 00 Atierro da Boa-
Vista, n. 14.
Vende se urna escrava cngommadeira, cozinha,
cote sofTrivelmenlo trata bem de meninos, e tem boa
conducta, de idade de 18 annos sem vicios nem
achaques; no primeiro andar do sobrado da esquina
da ra de Collegio que tem venda na loja a qual-
quer hora do dia.
= Vendem secasss-chitas de lindos padrdes e de
cret fizas a 240 rs. o covado dita em cortes a 2000
rs. cambraias do listras com llores do cora 360 rs. o
covado, dita em corles a 3000 rs., ditas largas fran-
cezat com assentos escuros a 260 rs. o covado ditas do
quadros e listras de gostos muito modernos a 520 rs.,
tas finissimas a 440 rs. ritcados fines e de cores fi-
zas a 200 e 240 rs. cortes de chitas escuras a 1600
rs., dita em covados a 160, 180 e 200 rs. cassa lisa
muito larga a 400 rs. ditaa de quadros e littras a
360 e 400 rs. a vara cortes de cambraia adamascada
branca e de cores a 400 rs. dita lisa fina a 600 rt. ,
corles de cuitlo do gostos modernos a 2560 rt. fus-
loes para rollete a 320 e 480 rt. o covado madraste
fino muito largo a 260 rt. a vara dito em pesa a &g
e 6400 rs. madapolio entestado fino a 5800 rt ,
brins de quadros e listras, franceiei para cateas a 520 e
400 rs. o covado casimira de algodio para calyas a
480 rt. o covado, macedonia de listras a 600 rs., brins
de algodio entrancados muito encorpados a 480 rs a
vara ditos eicuroi o brancos todos de linbo a 700 ,
800,1000 e 1280 rs. a vara, meias para meninos a
200 rt. luvas de algodio a 200 rs., algodio mesclado.
proprio para escravos a 240 rs. o covado dito liso
americano muito encorpado a 220 is., tensos de algo -
dio aseda a 610e 1600 rs. bretanha de rolo muilo
encorpada com 10 varas a 2000 rs., mantas de linbo
grandos a 5000 rs. e outras muitas fazendas por ba-
rato preso; na ra do Crespo, loja n. 14, de Jote
Francisco Dias.
= Vendem-se os primeiro, segundo terceiro o
quinto tomos do Panorama juntos ou avulsos por
preso commodo ; no largo do Collegio loja de enea-
demasi.
=Vende-ie urna rede branca, batida, do tapuaraua,
om verandas feita na Bahia-da-Traicio ; na ra
do Queimado, n. 7.
= Vende-se um escravo do boa figura ; sadio, bom
pescador do mar alto caooeiro e perfeilo padciro;na
ra da Cadeia do Recife n. 40.
= Vendem se duas bonitas crioulas de 18 annos
de idade recolhidas, e de boas conductas; urna pre-
ta de Angola mil das ditas cru olas; na ra estrella
do Rozarlo, n. 10, terceiro andar.
=r. Vende-se urna canoa de 6 caitas de um so pao ,
propria para o trafico do otaria, por preco commodo ;
na ra de >. Rita-Nova, n. 91
an Vende-se farinha de mandioca a 3800 rs. o al-
quoirc; abordo da sumaca Ttrcwa-Andorinha, tun-
deada defronte do Patseio-Publico; por te precitar
desoecupar o navio.
= Yendo-se potatta americana muito nova e do
uperior qualidade em barril pequenot; na ra da
Cadeia-Velba armazem de assucar n. 12.
=Vende-se urna canoa em muito bom estado, que
carrega 800 lijlos; a tratar na ra do Hospicio, n. 4:
defronte da casa se aclia a dita canoa
= Vende-se um escravo do servico de ra, por pre
SO commodo ; na ra das Trincbeiras n. 48.
=Vendem-se cadeirat de pinito propriat para asten
tot de tojas e vendas, por abrircm e fecbarem ; taboas
de pinho costado, costadinho, assualbo e forro para
lundos de barricas, ditas americanas al 3 palmos de
largura e do todos o; comprimentos ; ludo por barato
preso : atrai do thealro velho armazens ns. 1G e
18, a fallar com Joaquim Lopes de Almeida caizeire
do Sr. Joio Malheut.
Vendem-se os seguintes livrosj usados, por pre-
so commodo : dous jogos de Breviarios; SermOet de
Massiloo, 16 v.; ditot do padre Antonio Vieira, 1 v.
ditot do quaretma 1 v.; Compendio de Iheologia mo-
ral evanglica 6 v. ; o Pastor evanglico, 4 v. ; Dic-
cionario theologico, 5 v. ; Ideia de um perfeito paro-
dio 4 v. ; Compendio de tocologa moral 4 v. ; His-
toria da igreja christia 4 v. ;Quadro dedoutrina dos
padres e doutoresda igreja 3 v. ; Panegricos evan
gelicos, 2 v. ; Gravos sacras, 2 v. ; Compendio do
diccionario dos casos e pontos 4 v. ; Retiro espiri-
tual 2 v.; Conducta dos confessores, 2 v. ; Opsculo
theologico, 1 v.; Diccionario potico porluguez I v.;
dito francez e porluguez 1 v. ; Epitbomedos princi-
pios do moral, 1 v. ; dito da doulrina moral 1 v. ;
Cathecismo de ordenandos, 1 v,; Elemenlica moral e
pbiiotophica 1 v.; Iostrucses de cirimontas 1 v.;
l.icds de mataphisica moral 1 1 ; Sciencia dos coa-
lumes 1 v. ; Sagrado Concilio tridentino, 1 v. ; Ele-
mentos de philotopbia : na ra do Crespo loja de
miudezatn. 11.
= Vndete, ou troca-te por escravos, urna casa
na ra da Alegra do bairro da Boa-Vista, que se aeba
prompta al ao respaldo, com 01 oitSes dobradoi, quin-
tal todo murado e com todot os alicorees do repar-
limento e cozinha prompta : a tratar no becco do
Quiabo do Boa-Vista, a qualqucr hora do dia, ou na
ra do Collegio o 17, segundo andar dai 6 as 9
horas da manhia.
se Vendem-se 200 barricas V3sias muito boa*,
que torio de farinha de trigo assim como 200 ditas
com algum deleito; na ra larga do Rozario junto ao
qusrlel de polica, o. 18.
= Vende-se um terreno, alagado com 120 o tan-
tos palmos de frente para o rio Ctpibaribe, no Carmo -
Velho, botando 01 fundot para torras annezaa ao Sr.
Joio Caroeiro Rioa foreiro aot religiosos do Carato.
por barato preso ; na ra da Paz n 40.
-=* Vendem-se um terrenos com 50 palmos de fren-
te, o 150 de fundo, sitos na ra da Concordia, por de-
traz da roa Nora ; os quaet fazem frente para ai tra-
vesas do fallecido Monteiro, e Caldeireiro: quem pre-
tender algum delles, dirija-so a ra larga do Rozario,
junto ao quartel de polica n. 18.
= Vende-te um carro pequeo de 4 rodas, inglei;
na roa nova de S. Amaro, n. 6. .
= Vendo-te um moleque peca, de 18 annos, bom
oflieial de pedreiro ; 4 escravos pesas para todo o
trabalho ; um preto de roeia idade, por 2008 rs. bom
para trabalhare botar sentido a um sitio, por estar
isto acoslumado ; um mulatinbo de 18 annot, de mui-
to boa conducta, e he bom pagem ; 3 eceravat de boas
ligurat engommio, cozinbo e lavio roupa ; urna
mulatinbado 1S annot reeolhida, cose, engomma, e
fas todo o trrico de urna cata'; urna preta boa lava-
deira de varrellt ; na ra do Crespo, n. 10, primeiro
andar.
= Vende-se um lindo moleque peca de 17 annos,
oflieial de aapateiro e de muita bonita figura sem
vicios; orna parda de 22 annos, com habilidades ;
urna preta de 25 annos, parida de dous mere* com
urna cria ; urna dita parida sem filbo e com habi-
lidades moqa de bonita figura : na ra daa Flores,
n. 21.
= Vende-se cera de carnauba, peona* de eme ,
um* porsao de couros miudos ; ludo chegado prozi-
mamente do Ass : na ra da Cadeia-Velba n. 2.
=Vende-se atsucar refinado em po, da fabrica de
Navarro a 140 rs. a libra ; na ra da Aurora casa
de Angelo Francisco Caroeiro.
= Vendem-te 3 rologiot de ouro dout pare* de
brincot um dito para menina 3 parea do roslas
pira dita 5 botOes de abertura um annelSo urna
porcio de pecinbas roiudss propriaspara peacoso de
menino leudo liga sino salamio, &c ; na ra do
Rangel, n. 3, primeiro andar.
= Vende-se potassa rusaiaoa, nova e superior
cal virgom em podra de Litboa ; na ra de Apollo,
n. 18.
= Vende-se um bom carro de 4 rodas, para um e
dout cavallos, para o que tem a competente lansa e
cambilot, com arreios para um cavallo muito forte,
leve e brando de molas; na praca da Roa-vista co-
ebeira de Francois.
= Venda-te um ezcellente cavallo ruco-pedrez, gran-
de e bem entinado para carro tanto t como em pare-
Iba ; na rea do Collegio, n. 10, primeiro andar.
= Vende-te panno fino preto de tuperior qualida-
de a 3200 e 4000 rt. o covado dito azul a 2200
n, casimiras de algoaio, a 44o rs. o covado meias
ditas de lia de quadios, a 800 rs., ditss 560 rs. o
covado, briin branco de listras de cores a 720 rs. a va-
ra / dito do quadrot de palba e linho, proprio para so
bre-catacas de montara a 56o n. a vara damasco
de lia com 6 palmos de largura a 1800 rs. o covado ,
dito de 3 palmos a 900 rs. as mais conhecidas pe-
sas de bretanha de rolo de 10 varas a 1800 rs. ditas
de puro linbo com G varas, a 3400,rs. cortes de cassa
pintadas com 10 covados, a 1800 rs. ditas de B-
senlo escuro, a 1440 rt. riscado de algodio o seda,
a 320 rt o covado dito francs de duas largurai, a
280 rs dito de urna s largura a 120 11. o covado ,
cortet de chila patente com 15 covadot, a 1600, 2/e 3
rt. picote azul com 4 palmos de largura, proprio
para eteravoa a 240 rs o covado cbitat de assento
escuro e de cores, a 120, 140 e 100 rs. o covado pe-
cas de ganga azul da India com 14 covados, a 1440
rs. guardanapos de algodio a 2000 rt. a duzia ,
atoalbado de algodiocom 5 palmos de largura a 520
rs. a vara saiasalcochoadas e de cordao para senho-
ra t 1600 rs. pesas de fil americano, proprio pa-
ra mosquiteros a 2/ rt., ditat cor de caf a 1500
rt. corlet do cambraia de quadrot e de. listras, a 4/
rs ,cortes de ditas brancas adamascadss,a3000 rs.,cam-
braia pintada com 4 palmos do largura, a 500 rs. a va-
ra eoutras muitas fazendes por barato preso; na ra
do Crespo, loja de fazendas, da viuva Cunha Gui-
maries, n. 10.
= Vcndem-te duas escravas, de 24 annot, de bo-
nitas (guras engommio, cozinhio e lavio de labio ;
urna linda crioula de 20 annoi, com algumas habilida-
des ; urna pardinba do 20 annot, engomma cote,
cozinha e lava de tabio ; urna cabrioba de 13 annos,
cose cbio, e taz renda ; urna negrinba crioula de 7
ann.s, propria para ser educada ; 3 eteravat de na-
ci, mocas, propriat para lodo o serviso ; um mu-
l'aiinbo de 18 annot com principio! de offJcio de
pedreiro e be ptimo pagem ; dou moleeoteade 18
annot, e um dito de 14 ; um eteravo de naci, car-
rega Jor do palanquiui: na ra dat Cruies, n. 22, se-
gundo andar.
1= Vende-se ou trrenda-te urna morada da cata
e litio no lugar do Remedio, com bastantes comino-
dos para grande familia e terreno para plantaccs ; o
duat casinhai de taina dentro do raesino litio por pre-
so commodo : na ra daa Florea, n. 21.
= Vende-se urna porcio de atsualbo de louro e ou-
tra de forro de dito por preso commodo ; na ra da
Concordia n. 15, que tica por detrs do Carmo-Ve-
lho ou na roa larga do Rozario, n. 91.
= Vendem-te cortet de lia para vestidos, com 14
covadot, a 3200 e 4000 rs. ditos de chita com 13
covados, a 1800 o 2000 rs. brins de quadros de lin-
dos padrdes, a 1400o 1500 rt a vara, merino de
duat largurai, muito tuperior, 1 4200 rt. algodio
azul com 4 palmos de largura proprio para escravos
a 280 rs. o covado, chapeo* do sol, de baleia a 2200
rs. chitas muito finas de assento escuro a 280 rs. o
covado, o outras muitas fszeodas por preso muito
commodo: na ra do Queimado, loja n. 27.
= Vende-te ama escrava d navio, qoitandeira,
cozinha o diario de urna casa, o lava de sabio ; ni ra
Direita, n. 18.
= Vendo-so urna frmacio completado venda, com
todos os teus pertenc**-; na ra de Agoat-Verdes,
n. 48. vjL
=. Vende-te. na tra.ve*t* daVa/ire da D os.o so-
brado o. 7. proziraamente rectificar ,
a prazo : a tratar na ra da Cruz n. MT^^'P^s^r"
=Venda-se a Vida de S. Francisco Xavier, 4 v.; >1.
la da Fr. Bartbolomeo des Marlyrcs', 2 v. ; ludo no-,
vo epelo barato praco de I8j000rs. : na travesa da
Madre de asa** o. 9.
=3 Na veadt da esquina defronte do Rozario, por
baizod sobrado de 3 anJaren n 39. *d-e sup-
rior eapprovido chi hvsson, a 2000, 2310 o 2880
rs. a libra manteiga iagleza nova superior a 880
rs. a libra dita franceva, a7i0 rs. di, ijneijos do
Alentejo, muito novo* e (reteses, -sendo grandes a pe-
quenot ditot do reino, novos, a 1440 rs., lat* con
sardinheaem oooaerva, franeezi* sendo de diversos
lamanhot, fraseos grande* com conservas de Lisboa ,
a 2400 rs. dito* pequeos em ewehovas a 720 rs. ,
doce de goiaba muito fino o claro de assucar branco ,
presunto de Lisboa muilo aovo a 440 rs. a libra,
e em quartos 1 400 rt. a librt. dito inglez pin fiam-
bre a retalho a 360 rs. a libra e ero quartos a 320
rt. dit* lingaieaa novas, 440 rs a libra vinbe do
Porto, engarralado, muilo velho, proprio para do?n-
tes a 500 e 6*0 rs dito empipa, a 400 rs. a gar-
rafa dito da Figueira muito bom, a 240 rs. e em
casada a 1760 rs., charutos regala muilo superior,
a 2500 rs. a caizinha e todos os mais genero bom
e b ara los.
= Vendem-se ricas caizsi de tartaruga, botins e
meiot ditoi do Liaboa chegados 00 ultimo navio o
ettojos de navalhas ingieras a contento ; na ra dos
Quartais n. 24.
= Vendem-se 3 livrosem branco, ja riscadps, pa-
pel pautado feitos em Inglaterra, proprios para qual-
quer caa de commercio ; ni ra da Cadeia loja de,
ferragens n 59. ,
Vende-ie, a dinbeiro ou a prazo com boaifirmai,
ou troca-se por predios nesta praca,ou eteravo*,urna pro-
priedade de terral, que dista dua* legan da eidade da
Victoria, denominada Alaga-das-Anlat, con
urna legua de torreno propria para plantices, ou
criacio ; tem dentro dout grandes assudet, a recebe
de foros todos os annos 200/ rs., que Ihe pagio; tem
boa casa de vivenda, coro bailantes commodoi seo-
zalla para prelos estribara, engenbo para descaro-
car algodio prema para farinha e armazent pira
depozitot : fallar com Jos Dia* da Silva na ra da
Cadeia-Velha n. 59 ou nos Afogados. com Lou-
renvo Jos de Moraes Cervalbo, na ra do Rozario.
= Vende-se fazenda muito em conta, tanto em pe-
cas como a retalho ; na ra do Queimado, segunda
loja do sobrado n. 18.
=Vende-te um relogio da cima do mesa, autor in-
glez muito regulador ; o qual ae acha em caa do
Sr. Claudio relojoeiro na ra do Cabuga.
Vende-te, por ettar vencida a hypotheca urna
eterava de Angola de boa fign representa 30 an-
nos boa cozinheira engommadeira coslureira, la-
vadeira o quilandeira por preco commodo; na ra
larga do Rozario a. 46, primeiro andar.
Vende-se urna moieci rooolbida do idade de
15 annos, sem dofeito algum; urna escrava de met
idade por 2B08 rt. tem molestia alguma nem defei-
to, engomma, cozinha bem o diario de urna cata, a
lava ptimamente deiabin e varrella ; urna dita dito;
um bonito mulatinlio de 18 annos ptimo pagem ,0
carreiro sem vicio algum pois se vende por preci-
sao ; urn escravo aem dofeito bom carpina tanto
do mallo, como da praca ; um dito bom carreiro ; um
dito para o servico de campo, por 360, rs. ; dout di-
tot : na roa do Agoai-Verdet, n. 46.
Vende-ie um* bonita caer va de naci proprit
para lodo o trrico e nio lom vicio algum ; na rut
dat Trincbeiras, o. 25.
Vende-se urna morquen de condur njia,
camal de vento e um btreo; na ra do Aragio ,
o. 33.
Lonas da Russia, n. 1 e 2, com um
peque no toque de avaria, muito recom-
mendaveis para camas de vento, entrete-
las de roupas, e ontros usos semeHianles:
vendem-se pelo baixo preco de cruzado
vara; oa loja n. 4 da praca da Inde-
pendendia.
VenJe-se vinagre superior a 4oo
is a caada ; na ra do Atierro dos A*
fogados n. 7.
Vende-se farelo, pelo mdico pre-
co de 4ooo e 2s56o rs. ; na rta da
Senzalla Velha n. i38.
Queijos do A le 111 tejo muito rescaes;
na ruada adeia Velha, n. ai e a4-
Escravos Fgidos
= Em diat do mez pastad o ausenlou-te de (*
cabra de Antonio de Souta R ngel, de nome Estanis-
lao muilo coahecido aqu no Recife ; aoode pasiei
a tuda hora; quem o pegar levando-o na olaria ao
Cotovello ter* bem recompensado.
de idade de 14 annot, poucomaitou menot ; o qu>
coma andar pelos arred ores delta eidade, intitulndo-
te forro de nome Maooel: quem o pegar, leve a ra
da Cruz, n. 9, que seri generosamente recompensado.
_ Fugio do eogenho Dous-Ros no dia 30 doju-
Iho do correte um pardo de idade de 25 a 30 annos,
pouca mais ou menos, de nome J.uiz, alto, pes gris-
des, pouca barba cabello piebaim ; trabalba de car-
pina pedreiro, sapaleiroe pintor : quem o pegar,
ve ao dito engeoho Dous-Rios, que lera generen-
mente gratificado pelo senbor do dito pardo, o coro-
nel Joio da Costa Villar, ou a loja da esquina uu"
vira para a Cadeia junto ao arco de S. Antonio <
Gomes & Carvalho.
PKRN.
NA TYP.
DE M. F DEFAMA-- 845.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EC6FKC5TZ_J9JRQ7 INGEST_TIME 2013-04-13T03:22:52Z PACKAGE AA00011611_05832
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES