Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05831


This item is only available as the following downloads:


Full Text
BMH
Hnnode 1848.

Tcr^a fclra S
ananaa^a w"i' i'Wii'ii
IIDIMIIO publica-se Iodos os dios (nc
-. ibiriii de guarda: o preco da .issigna-
ra lie le ^''S. puriywilPr pojw ad.anl
i', Os aoiiuitjfao do asignanles ao ins-
os a raiioT '''* I101' "'"ha, 40 em
"o .iir.-rfrite, c as rep-tlces l.ela tade.
;,.' ,.,ip o forem asi;noiitc pagSW.Ru rs.
' /ni,,,,. iBQcml)Pilillei-cntc.
PIFASES DALUA NO MIV. DE ACOST.
i nova a Ha Sh. e 5 ruin, da uunliija.
ftLcrntir#'W.,P*l minutos da tard.
nn ilicia a 17 a lOIior. e 57 mu. da man.
..0autc a 21 ai 4 bor. e 7 ni. da tarde.
PARTIDAS DOS COIOIKIOS.
Coiauua. PaiMhvha, c Kio Granda do Rorle
Segundas e Senas friras.
Cabo, Srriuhacm, Dio l-'m-moso, Porto ('al-
vo, i po 1." 11 e 21 de cada inri.
Cnronturiis e'Motiiio a 1U c 21.
!loa-Vistac ores a 13 V28.
\ itloria has Quintas l'tiras.
Oliuda todos os da.
PRKAMAK Uh HJfc
Piinicira as lili, c 54 niin damanlia.
Segundar a 7 h. e 18 minutos da tarde.
DIARIO
do Agosto.
DAS DA Sl'M W\.
4 Segunda S. DOmlngo and. do J. ) D.
.la 2. v. e lo I. M. la 2 v .
.' Terca N. S. las Nevajaud. lo J. de D.
da 1. v. : do J.. dos Keitos.
(i Omita S. Xlsto, and. do J. de D.
lia 3. vara.
7 Quinta S. Cnetano. aud. do Jim de D.
do 2. vara, e lo J. M. la 1. c 2. v.
R Sexta S. Cvriaco, aud. do J. le IX da 1.
v. do tivel. < do I. doi Filloa,
ii Ssbbado S. Roinao. aud. do J. de D
da 1. vara.
10 Domingo S. Lourenco.
Auno XX N. V\.
nmi^jjjun "*ao*"c:r?*StW
CAMMOS NO DI A. i DI" '.COSTO.
Cambio sobre Londres. 85 d. por Ijawa.
' Parta JWO ris por (raneo.
u Lisboa 120 a 125t>-c. in". p. ni.
Dc*c. de le. de boas liruvts l '/, I
Oturo-Oueai hcspinhol i 3l?(ut) .
\
. .! fiattO" nov. I7,-S00 .i IS''i>Hi
i) ., ,le (AHKI 9;W a '
Prau-Pata.i. s .... II70, a 'I*11
,. Peso lolitmnarcs. "'"
Ditas Mexicano- I.f'91" a tfffO
Moedns de 2 patn. I80 a IfHIR.
Acode ib C." do Iicberibc de fXyul)it un par.
\*:'**iiz
.^-^C.^
*.T.-i -.-i j**"**^?fi!E!B- ^?
PARTE-C?FF!CIAL.
(averno Kx'rEDirOTR DO DA 31 DO PS8ADO.
Oflteio.4o presidente do concellio geral le salulu i-
Jadr. declarando, pie, ((liando dcrein, entre o re
pertivo accretarii o n niedieo dn inuiuui| io, o eiinflic
tns.dequc. me. e niostraretean,ao providenciar
a'speit".
iluAochofe drt polica interino, nieando, que
nio Icom direilo vencimentns a jirafa da guarda nn-
rinnal d" Cabo, que guarnecern a reapei-liva endea;
urque, a frnia da lei de 14 de Aguato do 18.11, Su rl
)o!>rl*n!aa -:!- ^rn!'ii'-riv"~'e dentro do cit-
' ''
adatfinbSaduuic.iu :.,:.:..-
preientar ao engenhi'irn rm chote, para o acooipar.uar
lo Limneirn, una urdonanja de oavallaria. Partici-
iiou-c o engenbeiru cni oiwfa.
DitoAo ins'pcrtor da tlieaonraria da renda pronn.
ciaea, oriienandu, faca por em arremntacao a factura d-
mu baldo na camb da Tararuna, e de duaa rroafeii
pira nei'Hrarem aa tra*ea ooiupuitaa da rctpectira pon-
te. Parlioipou ao ao engenhoiro ein chefe e ao inipec-
tnr-fical ib obra publica.
DitoA oilminialraeln dua estalielceimcntna do cari-
dado, dclrrininnndo, que, ein estecufio do artigo 31 da
lei provincial n. l'j'l de 11 do lunio prjimo paaaado,
pane lomar cunta daa cana jiara pobre, ou Ibcrga
ria dcata cidado.
DitoA cmara municipal do Limoeiro, exigindo co-
pia do lermo dearrcmataoau do impoato do "*po o cur-
rll na respectiva villa, enj npprovac5o ella solioitou.
[DEM DO DA l.*DO CORREMTP..
OllicioAu engenhoiro oin cliefe da obraa publica,
niandando nrganiaar a clauaula capaniac para o arre-
mataco da ubrs de tima barreira na ponte pensil do Ca-
xan;.
PiloAo prcidenlc da relaco, pedin la o cu pare,
cern cerca de um requeriincntu do dontor Joo Ferreir.i
da Silva.
l)ili._ Ai. director di aracnal sguotru, ordenando.
i-....... |i'.loij tiiaes, empreileiroH para dirarana con
erroa do quarlel do Uoapioin, avniiudiia era oOOjOOO r
e recoinmcnilandti franqueo ao commiaaariu pagador
exanie da obraa mililareii, que e hou verem de fazer no
mesiuo aracnal.Ollieiou'ii' respeito ro cominnirJante
d.is arma.
Dito A o delegado dd 1 iliitriclo do termo do Rcci-
fc, acnnaamli) remessa do una ola demonatratira do
lumpies da illuiiiiuacan publica, quo cativerftu apagado
etn diverra noutg do inrz de jolln ultimo.
PortaraMullicando para upplentea do juii munici-
pal da 1 vara dcata cidade, em 3 lugar a Mauoel Lo-
|iei Machado, eni 4." a .loaqum Jua da Cnata, e ein a.n
a Joa dia Santua Nunca de Ol i reir,Participou ae ao
presidente da re'.af n, ao juizca de direilo do crime da
entilara, e aos noiueado.
Dita Demittindo, em conaequencia do repreaenta-
efica da resperttva cmara municipal, ocirurgiio Ma-
nuel Jun doGuimar5ca Pcixoto do lugar de delegado
dn eoiicelho geral do aalubrulade na ciiludc de oiatina.
Ciimmuuicou ae no preaidento do concelho, c a enma-
ra municipal de Guianna.
Commando das Armas.
Quarlef general o eaW* do Htci/e, \. de agosto
de 1845.
OH DEM DO DA N. 45'
OSr. general commandante da* arma manda pu-
blicar, par c mbecimento da guarnicio o derida obaer-
ancia,oj avisos, abaixo tranacrtptoi.qao.por copia;,Ibes
(orlo transmitidos em oflBcio do Exm. Sr. presidente
da provincia de 30 do mezpassado.
Illm eExm.Sr.Sua Magestade o ImperaJor,
conformando-se com o parecer d secgao de guerra e
marinba do concelho de estado, exarado em consulta
de 18 de fulho cotrenle, cercados uncios de remover
oaembaracos.occasionadoi na marcha dos processos dos
concelho de guerra por impedimentos dos respectivos
auditores: Hojvo por bem determinar, por decreto de
21 do referido tnex, quo nos impedimentos do juizes
do direilo, quaodo se tivr de proceder a concelho de
guerra por erimes capitaes, o presidentes dos provin-
cias nomeem, para servir interinamente, algum outfo
ministro em idnticas circumstanci, e, na sua falta,
i^0advocjedo dotda rafllbrr opinlOi q.wm -
boasr \h i* **v:u, w '""
A : ;oid I
lh di :'-'- -." '
terminado, que os juizes do direito su perceiiem ena
grotifcac3o na proporcBo do lempo, durante o qual
servirein, quando nao tiverem titulo do auditor de
guerra, passado pela respectiva secretaria de estado. O
que enmmunico a V. Exc. para eu conbecimento e
execucao. Dos guardo a V. Exc. Palacio-do-Rio-
de-j8neiro em 27 do unho de 1815 Antonio Fran-
cisco de 'aula e [{ultanda Cavalcanti de Albuquer-
que.St. presidente da provincia Jo Pernambuco,
1845 Pinto Chicharro. Est conforme. nomo
Jote de Oliveira.
IIIo. e Exm.Sr.Sua Magestade o Imperador,con-
formando se com o parecer da seccao de guerra e roa-
rinha do conceibo de estado, exarado cm consultado
18 de junho correnle, a cerca dos moios de remover
as duvidas, que occorrem as dccisOes das untas de
juslica, e as nomeacOes dos seus mombros : Houve
por bem determinar, por decroto n. 4l9 de 20 dcsto
dito mez : i.*,, que o presidentes das ditas juntas
nSoteom voto de desempate, devendo lavr.u-sosnnlen-
ca pela pena menor, -quando houvor empate: 2.
que daiem ser memliros da junta tres ODciael dos de
uiaior talento, q'.ie exi-tirem na capital, quer perlciicao
as qualro cUsscs, que compoem o exorwlo e armad, c
corpo deartilbana do marinba, qur sc;o doSL'ii-
n lia ; ., que, na talla dos juizes de direilo da capital,
nao deve sor chamado para a junta o chefe de polica,
mas sim o juiz municipal respectivo, e em ultimo lu-
gar um bacharel com as quolidades rcconunendads na
caria regia de 29 de novembro de 180o. U que rom
tnunico a V. Exc. para seu conhecimento. Dos
guarde a V. Exo. Palacio do Rio de Janeiro. 28 de
unho de lSi.'i.Antonio Francisco de Paula e Hol-
tanda Cavalcanti de Albuquerque.Sr. presidente da
provincia do Pernambuco.Cumpra-se. Palacio de
Pernambuco, 29 de julbo de 181. Pinto Chichor-
to.Est conforme.O oflicial-maior, Antonio lote
de Oliveira-
Jos da Silva Guimara,
Ajudiinte de ordens.
CAROLINA NA SICILIA. (*)
TERCEIRA PARTE.
XXXVIII.
OS CONCIAPELLI.
F.i-nna de vulla A Barbara'; por quo do monte lnici
quima do cunda Allegr.ini, ao lio a planicie de Segcatu a
"raveanar. Dcpuia |>cienle a panaagcni dn Corlidoreub a guarda doren-
oeini Huaario. Ce vi- bem ciubaracado com o en
''"pede, nn luma dcixadti de ub.rrvar qiianln na auaa
tiKinciraa deamentiao-o veatuariu rualicu; tanto niaia
queaeu amo lhebavia dito io relirar-ae : Koaano, fa-
e indo n que elle te disssr, c vela r.ci; coki enj nim
P'uprio ; tu nie reiponde por elle com a tu cabe
v". Pnrtanto uo be um oamp.uic. Mu quena ho elle
eiitao: ci ahi o quo elle uo adevinbara ncm oitaava
PWgUlltar. Que me importa? diaae elle em fin cutre
i. O negocioa do conde alo aao oa iueu. Bala!
euitinuandu a turnar Fabio pelo que elle quera pa-
recer:
. ~ '" amigo lhc gritou, quo imnu bs faier n-
r* '"o almoc.ir, p ir abrir a rontade a n foaaemu
l'nsaannliar na campia1
'") Vide Caria n. 1fi0
INTCBIOR.
RIO DE JANEIRO.
O RELOGIO DA CAMA1IA DO DEPUTADOI.
[Corretpondenci'i reservada. Correio da corte.)
ftly dear SentineH Ni o reparo nn nglrzismo : o Re-
logio de urna enmara de deputadus tlcvu gaber i!c tuda;
e en ion eminente cm lifisroa vivaa e mora.
O Saldanlia uo leve remedio eno dizerme quanio
libia a respeito da siena quo entro o Ottuni e n Gabriel
te paou no aabbado. O maldito vclho, vendo que j.i
No catnu diapnatn, responden Fabio, quo nao
quera arricr-se a mo encontr, pelo prazer
do queimar a ua plvora com pardee; na nao Ib-
ir va iitu de empeeillio ao eu praxcr; eu o esperare!
aqui.
Oh! ae vosao nao quer ir, replicou Rosario, enjaa
inatrucces eran fortune, taiubeni eu nio ron ; ficare-
mos anillos. llavcino alo alniorar bem sein itto. Fica-
rao-ine de hunleni una lebre e alguinaa penli/e, que
afogudaa em nina boa guita deMaraulla dar-uoi-liau um
buin alnnico.
Aaiiiu teja! diae Fabio ; o nr da manbaa deaper-
ton-iiie o eatuiiiagn.
Oalmoco paaaou-ae alegremente, e prolongnn-ae baa-
tante : quo ae ha de fnzer em caaa, aeno ae comer? Ro-
aarin uio era liypocrita.
En un, dina elle, um franco ladifio de coa, nao
pono retislir a este gilo; be futen do aaugue que me
arrnslra. Sou cavador de rae.i como o ee ; meii pal
morreo escind" naa coutadn, e cu hei do uiorrer no
meamu ?yiuma; trato aoinente de alo acabar como elle,
que fui muri por um guardu na malta* do marque Ar-
;.ii, que diseiu, ieui luorio uuiru inuiiu. de aijjoin da
eu apaubar o tal marquc nn bocea da ininlia espingar-
da, clin fari bem de recninmendar a sua alma Madona
de Trapani. Por tanto Huberto! Ease tiro raler bem
qualquer antro.
Sim, niai de.poi '
-- Deput? se a justica o metter cora isa, oSr. con-
il Alli-groni lin o brafo numprido, e lirar-mc-ba do
apeno ; na ser a jirimeira vez, e ora imla oom mais
untado, que uio eata innito correnle coia Artuli. Em
quanlo uto tiro no marque, tiro aobre a sua caca, e
quando *e offerecc occaaio no cu guardas. Eiae que
matou mcu iai, accreaccntou elle, abriudo una grande*
eslavo O negocio divulgado, onlendon que rae devia fa-
zer o obsequio daonntal-ii Este Saldanba lem couaa,
que parecein de diplmala Ahi vaioqueae passou,
emoraenoracereccntiimetiln. Tinha o Gabriel ido
metter o narra nn queeslavfu, faxoilriu as eoinnnJe de
conatiluicio i! jiulica criminal, o nbondo quatn Uo de-
ejuilo reforma do proceso uriininal elavao astenia-
da, oque f.iltava pilil as, pedio a e.ommsaes ipie o
deta-em ver e paladar o trabnilio promplo; ollerecen
do se igualmente para coiniuiinicar. qualquer lembranca
que lile auggerisao a leilura e cttudu daquello trnbnlli...
Oa lionien da comniisse*. quo Mu labem como se Ii3"
de tirar da empreza, c que ilariao a alma ao iliabo, aecl-
loqnlsesaedar Ihe urna ojuda, acxurilfin-ootu.milito
gusto o rtfferocirnenio; c l se foi > Gabriel para eata
non MM ., gftratujaa daaoommliaoea. >'<> e relAo, e a
... -. '.....'. arwla : ': ""> apreven
. .' m: ... -. ""
....
o paji: : '..:; tt.: .;-...-.. '-'
inisoe So meus amigo, xnngo te, obravrjin contra
mim; ma nada dirn rm publico; oeu. n tccrcttrto da
rebclliao paulislana, oonquialo aem Iraballiu a immoila
lidad Em cuneluAi u Gabriel uopiuu o projecto. e
eitava preparado para aprescnlnl-o, quando n Oltuni le-
ve noticia da eslrangoirinlm du seu miiim digno alijado.
0 genealissiino de Santa Luzia fica nzondo; o pega aqu,
agarra all, esbarra oom o tlabrie!, toma-o pelo peito
da casaca, e pede-lhe conloa doten procediuienlo, pro-
lestando logo que, se ello hver o alrcyiincnln do npre
?ciliar cuino eu o projeclo da couimissi'ii', ha de rein-
vindicar n propiicdndc d'eslas, alcivosamento ruiib.nda.
O Gabriel detalou a rir, c promeltci que nao apresen-
taria o projeclo !Abi lem voas n chefe t\a maiuria da
enmara do dopulado de 1846. O Gabriel quo guarde
esto fucto para quando liver de fazer parullelo.
Na scxiti-leira ti vento t por oqui a historia dos boi-
xinbo-janciiiiai. Alropada independencia nao co.
merlo, como eu Ihcdistu na precedente, tmente 2,000
c tanto boia; forSo 7,000 c t.iutu.Quo cuinile Ab
mcu amigo quaudo'nie ponlm a balizar n'aquclle boi
de W000 rs. rada um; quando me (embrocio como crio
ordos e grandes, fien admirado do uatriotiama dfsrc-
Clomanle*. Olbo qUe eran una boi dignos de figurar no
li.iielieio ilesae feniom ma '.arelo eslr.iogeiro, P.i.ilo Clin-
rinnda, que ve se imlicin n sen li. 048. A alcatra era
urna delicia, nomo i Ibc dase; "';'* oa lingua, ol ranina
rada aa libgoaa r. ao um pratinho de anjoa;era comer
Le chorar por mais O* loe |iltucoa do bando que an-
iliflo pelo Maranlio, iraballiandii pela indepeiidenoa,
cro cmela cuusuiiiinados : malavo um doa taea Pai
Cariot [*J o para Ihe coincreni > lingo a Diz o Saldanba
que minen vio cuuaa nssni, pi tem visto milito, e ago-
ra meaino' o est vendo.
lloje (sabbado de Noaaa Seiihora) prnciplon o Jun-
queira jualitieaudu um rcqiiernicnlo, em que pretende
pedir iuforuiaceaogovcruo a rcspcilo do bnrena i\o-
ta-Granada, Imperador, e Uous-Amigos, tiesic cuine-
nos aqu apparece o Limpn O que vira fazer u Lm-
po'!.... (lio pergunta que fazem ludo). Nio ha nenliu-
ni.1 quclao iiU| orlnnto dada poro o o doui do da : cria
aviaado do rcqncrinenlo do Jouqueira Nao be pu-
ivel; irorquo enlau leria dado a ease deputado a expli
cacuea que deo a cmara.A que viria o I.mpo ? !...
O Merellra mancluu mea un projeclo oom prem-
bulo biatoriado : o dontor cleitou a livraria obaixo. Di-
ze:a-mc quo lie ouiiao guapa contra aa dcporlacoea.
Ale o Gavao fez n seu projectiuho !... Quis talin fan-
ito temperet a acrimis !
Diz-me o Saldanba que o Toldas falln; eu nio ouvi;
vi-oetu na iater caretas, o pensei que era algum ata-
que do ervo.
Contina o turramente da buiaila O Marinbo faz
mu retjuerimento, que uo be approrado. N3o lia ro
niodirt; eata n3o tom dilatoria pnstirol : hu de votar ae
ja como fi'ir.
Encerr o a diacoa*o : ha grande uiavincnto no sa-
ino.
O Janscn correa loda a partes, para.qie nao aocs-
capomo quo promettrad o vol.o favor.
Kltio OS ilepula loa preteiile : 30 votan contra o pa-
gamentii Est perdida a campaiilia Injustiea I trea
"ces iijualica !.... Algunai|uerera salvar l;;uiiia.c0u-
.i, e fasOfll s^ forte OKI una emenda que mandato 0
reelainanles l.i.:er exoenoSo; julga-ao a cmeiula niln prc.-
jlldcada, onai eitrjiiiduain.'tile !.. OoUado do Jos
Paco! naocluiclion !...E u ooern-i que lamli-m o per-
.Ico !'
Ora agota, digo-mo, n que YCnuLimp? 0 Salda-
nba fUnr-a ctuo fui 'l!e que fea perder ao a i:aua la
I
(*J Nomc du noi gurdo que matarn cm l'arix no car
naval deslc auno, de cuja alcatra (ambcni entibo um
grande naco ranilla do Inglaterra.
iiaiwiiawiMria|l,i'iJB!'"' waauaBsa iiii
votar, ja lian bavia cat...
de S. Paulo; c quanilu so qui
Por aqu me Reo h"j'i
Safa daa scsses, o le julbo de 1848.
O Rklooio da Casa.
olbo chelo de ferucidnde, ha moito lempo que nao ma-
ta mui iiinguciii.
Com que cutio, disse Fabio, acra mu airar reparo
na ultima pin use do c.icadur, vois osla furioianicnlc
de caca.'
A cac;a tem icu inercciinento; nio ho tanlu a caca
que me agrada, he o tiro quo a derruba. Ochciroda
plvora tem o quer que teja que vai an milo, o nado
lio nelle al a eipluro que nao me l'.-.c.i bater u coruco.
Tulvex Ihe parrea nina oaneira, ma o caso he que a cou-
ta he como Ihe digo. E depoia, a 1-09 lie o nico ofliciu
digno do homein ; ns lei que a prubibem, uu a liiuiliu
lio abuso do poder; lodo lecm o direilo de aa violar;
be como ae ae prohibase beber ou comer. Cafa-te assim
como ae respira ; uro Ufa l aem respirar! Eu .-norria,
ae uo cacasitr. Precia dcurlvro e grande malla;
precian aobre ludo de libcrdiidc. Dcxem-mc ao 110 nielo
de um busque deerto, com tanto que eu lenlia urna bo
espingarda commig'i, quo uo lento nem guarda tem
juanea ; ou re du mundo. S a neressidade me cun-
demna charra; deaprezo-a, e em quanlo estuu curva-
do aubre a relha como um mercenario, ahilo o coracau
bnter-iae com urna torga capa de romper. cda tea que
no p.ia unta are pela eabccu, un urna lebre pela extre-
nndacle do reg.
K\|iriuiia-se Kosario com urna esprcie de eiilhusias-
1110 brbaro, c Fabiu ouria com vivu in'.erCaie eale Neni-
rod mtico, cuja vucnco era tiu decidid. Em quanto
o colador fallava, o cao deitado ao aeua pea olhava pa-
ra elle cun iniclligenoia, o icalrniuuhava a aunapprn-
vnco pelu niovimento da cauda.
- mcu cadcllo nio he bonito, conlinuou Itotariu,
roa he fiel, e que nariz !
Ocio responden ao ciimprmculo de sea aenhor por
um gritoxinho alegro, e veio lamber-ihe a unios com
. mmmmmMB
ni0G-RANDE-DO-N0RTE.
Illm. Sr.Teoho presente o seu officio de 22 do
tnex pastado, em que ino comuiunica a prisao que
fez a Monoel da Suva Riheiro 00 dia 8 do mesmo mor,
e requisita o augmento d<> destacamento desia villa, o
muniQo para o mesmo destacamento; cumprindo-
ne responder ao mencionado officio, lenho por conve-
niente dizer a V. S. que, requerendo-mo dilu Ma-
.noel Riheiro a soltura, por se achar sonto do crituo, a
vista dus documentos quo juntou uo seu requerimeolo,
o mandei soltar, como ver V. S. do despacho qui Iho
ser apresentado ; por quanto, nao constando que ello
algum crime tenha cotnincllido, alm d'aquollo de quo
ji se livrou, s pelas suspoitas de elle pretonder com-
tnetterattontados contra a tranquillidado, ou mesmo
contra a seguranca individual da alguom dssa villa,
nio pJoaer conservado na prisao; pois que pora taes
casos lem a lei etlbelculo cerlis lgr.', que nio se
pdom inveiter, e ier motil I, MgUDIrb prs-
erevem o.- artigo! i I!, 112. e 113 do reguumeoo n.
120 de 31 de Janeiro do 1842 : entretanto o man des-
pacho autorisa a V. S. a conservar preso o dito Manoei
Ribeiro, quando algum outro crime exista contra elle,
ou ja estoja processado, urna vez que nao de lianfa,
sendo o crimo dcsta natureza. Quanlo porem a sua
requisieo: tendo cu levado o sou mencionado oOcio i
considerado do Exm. presidente da provincia, de
quem nicamente dependo a salisfar;So do sua exigen-
cia, aguardo a deliberaco do mesmo Sr. quo talvez
nao dovide satisfazel-a, quando 08" no todo ao menos
em parte, alienta a necessidado delta, conforme V.
S. o inanifosta Releva dizer-lhe, que o meu officio
reservado de 8 do mez passado, do qual V. S. se ser-
vio para a prisio do Manoei Ribeiro, nio devia ser en-
tendido Uo rigorosamente que o impellisse a praticar
csse acto do rigor, ecuja nocessidade eu desconbeco,
prendendo-o sein urna lei que autorisasse esse mesmo
acto; quando o meu moior cnpenho era que elle esti-
vesse debaixo das vistas da polica, atienta a perversi-
dade de qne o aecusavao, e anda o aecusao; para que
elle nao commeltesso erimes; usando se para com elle
de lodos os me ios legacs que as leis proscrevem, e s
sendo preso cm ultimo caso ; e quando a neces-
sidade, harmonisada com a Icgislacjao, assim o per-
mitlisse ; muilo principalmente para que nio- pa-
recesse acto de reaccio, ou vindicta, quo som-
pre ser repellido pelo bom senso e o deve ser
peles pessoas encarregadas da administracao da justica.
. ... _.
ternura. Mn do repente crguco na nrelhas; haviio reti-
ido no pateo a pizndus de um cavallo, e d'alli a punco
beou-se i porta um homdm rebullo, nindu queja ma-
duro.
Ah! bcVm., don Lazzaro? Dissc-lhc Rosario, le-
vanlando-se curteimcnle.
Para tervi-lo, responden o roiiaul dua eoneapell
cm tom que quera dizer ao contrario : Para ser servido.
11c V111. sein duvida, camaradn, contiuuou ello dirigin-
du-se u l'alnii com guac de iulelligcncia, de quem mo
falln S. exccllencia o Cunde Allegroni '
Sou eu mesiuo.
Ktitao quer Vni. aliatar-ic na corporaco de quo
tenho a hunra de cr consol ?
He nmiiilia intencu, teme quizerem aceitar.
Eu me encorrrgo du aeu api enditado, o furei que
uo aeja longo.
(.umo! exclamen Huaario com mal diifarcada in-
digii.ic,.iu, V 11). quer ser curlidur, quandu poda ser ca-
cador como en ? Kiiganei-iuo cura u Sr. Vm. nao be o
|iie cu auppunha. ,.
E entio, amigo, pergiinlou Lazxaro, qnm teni Hi-
ter contra us curtidores!'
Nada, responden Rosario, hegento honrada, bem
o i-ei. e bous atiradure na occasic. Mas parece-tuo
que me he permitidn preferir o mea ollicio au seo. Ca-
da 11111 temaeugustu, nio he aasiiu i1
Est bom, ealb'im, diaae Latzaru um pouco enfa-
dado, au tenho boje lempo para discutir. Partamos!
proaugiiio elle voltaud-ae para Fabio, ni eainraila cs-
pt-rau all emiaixu, vamoaler com ellea, e de l enroi-
nho para Palermo. He preciso r.hegar l esta tiolite.
No momento em que Fabio montara a cavallo, Kosa-
rio aproximau-se aurrateiraraente delle.
Quem quer que o Sr aeja, Ihe diste em voz baixa,


TenJn iisim respondido o seu sohre-mancinnado of-
flcio, espero que V. S., nos como cidadlo grado,
Mio o qutlidarie de autoridade, usar de tua reco-
nhecid* prudencia, nao s em referencia ao dito lii-
bern, como ao> que com este estilo identificados em
entimentos polticos ; pura que se nao exicerbem os
animo, ja de muilo irritados, e ao contrario te faga
por esquecer odiosidades, e rixas antigs, e assim se
ponha termo as reiccSes fataei.que tanto teem concor-
ridu para o desasocego, e oscilacio em que tem esta-
do a provincia, e especialmente etse lugar. Dos Guar-
de a V. S. Secretaria da polica 9 de junho de 1845.
Joan Pauto de Miranda lm. Sr. delegado do ter-
mo do A.s Conforme. O amanuense da polica,
Carlos Joaquim Pinheiro di Vasconcellot. Confor-
me.O secretario da presidencia, Jodo Carlos Wan-
dtrley.
PERNAMBUCO.
CORREIO.
CORtEirORDENCU DA CIDADE E PROVINCIA.
Contina a primeira vara municipal a andar gin-
daia; ninguem a quer, apezar das ultimas nomeacoes;
nao sei que diabo de morrinha deixou o Olioda nessa
riulfadada vara, que ninguem llio quer tocar : nao he-
veta por abi alguma agoa mysteriosa, que a purifique,
< que a torne dedesprezada.que est,desojada e estima-
da .' Grande desarac !
Correspondencias.
Srs. Redactores.Lendo o D.-novo n. 164, de
terQa-feita. 29 do andante julbo, nelle deparei com a
correspondencia assifioada por O \erdadeiro Sem-
phim, que aob o pretexto de responder a un an-
nuncio, (como elle mesmo o diz) inserto no Clumor
Publico n. 30, em vez de. como Ibecumpria, pulve-
risar, ou destruir quanto abi se diz, e que elle attr-
bue ser dirigido a seu irmao, ladeando mui de
proposito da questo, que o chainou ao cam-
po do joroalismo, e ao que parece, almejan-
do por demonstrar ao publico a acurada e mui-
to boa educaedo, que de seus pas receblra nos a-
coima, pens que a mim, e ao meu muito digno ami
go, o Sr. Vicente Ferreira de Siqneira Yareja, de
sevandijas, t de rasilhas II!
Quanto a mim, o meu primeiro pensamcnlo foi en-
tregar ao mais profundo despreio esse pequeo lihello,
parto da vileza, e da ingratiddo mais monstruosa ;
porm, rellcctindo que nao ea questo somonte de
iimiii, mas que lamliem se tralava do meu dito amigo,
resolv me a responder a esse mingante; polo que jul-
godo meu rigoroso dever declarar em primeiro lugar
ao publico, quenos por maneira alguma temos mu
corrido para o que tem publicado a iaiprensa da oppo-
sicao, relativamente ao provimento do Sr. Joaquim
Antonio de Castro Nunes; odepois ao muito bem edu
cada Sr. Verdadeiro Seraphim que ou elle be omito
estupido, ou eita em grande atraso a respeito da ver-
dadeira accepeo dos termos, ou vocabuos portugue-
ses ; por que, sendo seranilija synonymo de vil, bai-
lo, ridiculo, etc., elle mais que ninguem deve saber,
(poisnosconhecu afundoj, que semelhsntea epithetos
nos nao cabem; e que pur tanto poruiittir, que Ib'os
relribuamos, dando-nos licenca para dizer-lhe, que
lama com que S. me assim pretendeo emporcalhar-
nos, nao pudendo attingirao seu alvo, em razio da
incommensuravel distancia, que separa o bomem hon-
rado o probo, dessa desgravados outrora povoadore
debotiqutm, e de prostbulos, reveiloj sobre elle, e
tisnou Ibu a cara assegurando-lhc que, se quizessemos
fazer spplicaco dos pulidos termos, enm que a tuu
muito boa educaedo nos prcseola, ns Ibe diriamos,
que sevandija, vastlha, e mais alguma cousa anda
de infame, biixo, vil, e despresivet be o Sr. Verdadei
ro jeraphim; he aquello bisborria, que, quando ban-
darra, e consumido pela Tomo, la I vea ajoelbado, co-
mo um vil, aos ps do Sr. contador Francisco Ludjc-
to da Paz, Ibe pedio um cantmho em certa reparlico
publica, e que, apenas servido, apenas do barriga
ebeia, o seu primeiro cuidado fui, dcsconbocendu t.io
prestantes e officiosos ben (icios, maltratar a este an-
cio. Sevandijas, e vasilbas sio aquellos que, do
vendo innumeraveis favores, obsequios impagaveis ao
meu amigo, oSr. Vicente Ferreira do Siqueira Varc-
jo, o sendo at bem pouco tempo entbuiiastas delle,
boje tfio affronlosa e infamemente o dononnn3o, s
porque este julgou, que nio deva levar a condescen-
dencia e a ainitade ao ponto de coinprometter, ou
trahir a sua consciencia !!! O cpitlieto de sevandija e
de vasi ba s assenta, e cabe aquello que, ostentando
se alimentos polticos,que no iem--()cllcs so sorve pa
Jtl 1IM WTTfHT i
caniponei ou ato, lia de ver que agente nio be coca
apezar de ser cacadur.e que bom onhcceicni dar mustia
disso, que V ni. nio he o que parece, e tem sua rac pa-
ra se ilit'.ir( ar... Basta! o Ir.e perguiitu oecu aegredo,
mas aealguin da se aborrecer de "alcnun, e <:.....ar de
curtir uu ver curtir feiis pellc* de bol, vulte para a IJar-
bara, cu me encurrego de fazcr-lhc ohi pausar o Icmp
e (piando for preciso .eacunde-lo-lici ein cerloe b aqiies,
onde o dinbo eiu peasua o nao descubrir.
Obri;,id.i, rcupuuilco-lh Fabi.i apertando-llic af-
fectuoeamcntu a nio ; fien em imnha Icmbranca.
Quando elle quil deepedir-se du cadellu, cute moa-
trou-llie us denle, e vultou-llic a traieira com de-
preto.
Laisaro poda ter ni aeus cincuenta nunoa, mas ape-
zar dos cm cabellos grialboe ludo nelle denotava vi-
gor. A feoei, eran linas, e os ollios pardoi pinelr.tn-
tes. Traja va o vestuario do artfice ricos do Halermo
uioa js^uclii o.(>nipriHn rinz.Miln, calcio do velludo ami
:on livclla de prata, c chapeo redondo de grande aba.
Xraiia cinta una facha de ada encarnada, cmupridaa
polaina de oosiro, deetirwdi-e a caca e viagem, I he ajue-
tatio as pernal. cloasica faca vinba ulvcz na algibei-
r*, me de anuas e ee Ibe tia o oapmgarda de cafa iseit-
durada n rll i>'""'""ciapelli, uii.irima ponen
mata uu iiiciio*, trniiftu quasi o niesniu vestuario .ue os
mu coneul : jaquot, calato chapeo redondu; iodo o
acua veatidu* eriio cortadoa pelo meainu molde c o r
distinguido mis dos onlro pela cor da cima, lina mon-
ta vio cin cavalloa, ouirua cm muas, maa nenhum vinha
._, c todo tinhio a espingarda pndente dsella.
*A phvsionoiuia nio erlo daa mais tranquilliinaoras,
a licenca c toda a paize desurdeaada reapiravio-
Ihc na rrcld face! Inunia daa qisaea denolasao
singular energa. Deagracado do que Ihee cahia entre asi
ra tomprar barato, e vender can !!! Sevandija e va-
ilba, Sr. Verdadeiro Serapkim de anda aquelle, cu-
jo nome tem sido invocado pelos papis pblicos dos-
tacidade! Sevandjas e vasilbas sao finalmente a-
quelles, que, se bem que pertencentes a humana es-
pecie-, eslo todava lio degradados da digoidade de
bomens, que um abandonna miseria, e ao crime o
infeliz, de cuja oxistencia elle mesmo he a origem !/!
e ambos tio aquem eslao dos mesmos rraconaes, que
emseuscoracdes (apeiar da muita boa educaedo, que
receb'ao de $eus pats) no ba lugar para o doce e con-
solador sentimnnto da gratdSo; sontimonto uobre, e
digno das almas bem formadas; sentimento que ole-
va o bomem cima do si mesmo, e o transforma em be-
roe ; sentimento em lim at muitas vetes commum
aosanimacs !!! Decida agora o Sr. Verdadeiro Sera
pkim, a vista do que temos avancado, ediga, ae te
mos alguna jus aos seus aflrontosos epithetos, com que
a sua muita boa educaedo nos mimosea ?! Diga qual
de nt quatro os merece com justica, se nos, ou estes
dous miseraveis, a quera alludimos, e juigue em ulti-
ma instancia, no trilunal de sua consciencia, com
quanto orgulho recebemos a declararle, que S. me
fe, de que nao somos da sua laia, quaola honra
nao resulta para oi dessa ingenua verdadeira ,
e sincera confissio. A nossa vida, bem como um cam-
po aberto, est a disposico de S. me. : camnhe,entre
por ella, e depois de bem desfiada, compare a com a
dos seus, *e ver, quem levara a palma da primatia.
De passagem lembro. e assevoro ao Sr. Verdadeiro Se-
raphim, que as suas provocaedes, que assuas vcoife-
raeoe. e gritos de esquina nos irritao, nos exasperao,
beverdade, mas nao nos intimidan ; perturbio, e
interrooipem o nosso reposo, mas nao lanto qu nos
nSo dem o.vagar necessario para responder-lhe da ma-
neira, que S. me. o exigir.
Aos que me lerem, imploro desculpa do modo, por
que aqui m exprimo, recordando-lhes, que, innocen-
te, fui provocado com o maior desabrimento; e aos
Srs. Redactores, o favor da nsercto dastas linhas, com
o que muito obrigar aoaeu, &c.
Manuel Jo* Teixeira Bastos Jnior.
S. C, 29 de julbo de 1815.
Srs. Redactores. Segundo as noticias trazidas por
duas emarcacdes, chegadas do Rio-de-Janeiro, acre-
ditava-se geralmente, que o senado bavia rejeitado a
segunda instancia da cmara dos deputados, para a reu
niao da assembla geral, e em virtude disto eslava eu
to contente, como mcrencorios.e cabisbaitos os praiei-
ros, porque a queda desse satnico ministerio era o ne-
cessario resultado dessa resolucSo da cmara dos an-
ejaos. E vai senSo quando, contra lodos os principios
da boa razao, ahi chega o vapor inperatriz com a mais
desaforada forqulba para as nossas lo bem nascidus es-
peranzas 1 Bem disse o Sr. Hollanda Cavalcanti, na
cmara dos deputados, que nos estamos em um estado
anormal, quer dizer, fra doieixoi. CJuem driB, que os
tres totunquvs da commissao de constituicao do senado,
illudindo a questiovertonte de.s oart. Gl da const obri
gava o senado a obedecor semper el pro semper ao con-
vita da cmara dos deputados, bavia, depon do cansa-
dos das, apresentar um parecer, piopondo a nomea(&o
de urna commissao de cinco membros, para que, reu-
nida a oulra igual da cmara dos deputados, tratasso
dearranjar o negocio? Abra de ser islo fra da let-
tra, e do espirito do art. 61, nao passava de um cir-
culo vicioso, cujo objecto era ganhar lempo para en-
cerraren* as cmaras, deixando a questo no estalu quo,
o em suspensao de armas, para travar depois o combate,
talvezmaisencarnicado, e mais funesto, lie enm el-
feito extraordinario 1 !
Mas, como nao havia de ser assim, se esse infernal
gabinete por cousa nonbuma desle mundo quer largar
a preza? e nio bavia meio, de que nao lancasso mi
para impedir o desfavoravel desfecho da queslao ? !
(^ue ministerio Isto sim, be que be ser guapo As-
sim mesmo, reduzidoa molambos.como esta, boa na-
ta,e o modelo do todos os ministerios passados, presen-
tes, e tuturos. Ao menos a elle se dote urna invencio,
quo lora poca na historia dus prugressos das sciencias,
o artes. Atormentado pelos continuados, e violentos
solavancos, e mpuxes, que lite dava a opposicao consti-
tucional ; e vendo-se em perigo de saltar fra das deli-
ciosas poltrona, de que se havia de lembrar ? Uotou-
se todo em peso para a casa do engpnbeiro, introductor
dos pipos de rslolar, e encommendou Ibe com muita
uigeocia um machinismo de mais quebrar que torcer,
e que impedase o salto fura das poltronas, por mais tra-
tos quo Ibe dessem. O engenbeiro, que ja em oulras
occasiOos tem dado prova do seus cabaes conhecimenlos,
talento, e capocidade raro, apresonlou urna tarracliu
de nova iovenco, com duas ordens de roscas ; urna for-
mando o espiral para a direita, a oulra a esquerda, de
i:\llusa mios! Voltario ellei
maneira que, quando a oppoaicSo quitar destorcer por
Jiii lado, a tal tarracba torca para oootro ; e quizer
tirar pela esquerda, o ministerio fique atlarracbado pela
direita, viceversa. Os circunstantes, que assiillrio a
experiencia ( Santas Luxias, e praieiros ) gritrSo es-
pavoridos, a vista d'um de dous grandes inconvenientes.
que viru logo bastante perigosot, o de levarem os mi-
nistros as poltronas oomsigo penduradat ao fundo das
costas, eu de deiiarem com ellas attarrachadas as tripas,
e as entranba lodaa. 0 primeiro inconveniente, gri-
tou o Almeida Torres, he antea urna vantagem, fica-
remof mais airosos, e pareceremos ministros em toda
parte. Ao segundo perigo occorreo o sarcastico insig-
ne engenbeiro com o portentoso pipo, ditendo. que,
applicando-o ao lugar do maculo ministerial, e faien-
do-o trahalhar, nao s nada perderiio os ministros,
perdendo as tripas, maa al ficariao mais bellos, mais
estufados, e mais gordos do que un mandarins da Chi-
na. O Alves Branco, paitando a mi peto volumoto
bandulbo, diste = ou sei...... Porm, o Limpo, e
o Almeida Torres bradrio = ptimo = Os Santas
Cutas, e praieiros proclamirSo = Viva gran-tarra-
cha = Viva o ministerio. =
Quinto a mim. Srs. Redactores, digo, quo (quem
ellei gordos, estufados, e bellos, quanto quizerern, com
tinto que deixem as tripas attarrachadat na poltronas,
e vio-se ; e o irmio. *. do Cometa, que Ibes repique os
sinos muilo embori.
Asaegurao os passageiros do vapor, que os praieiros
eneommendarao muitis dessas tarracliai para o gran
partido nacional: que Ibes faca muito boro proveito !
O Pachorrento
Boa-Vista........... 527i00o
Os licitantes, detidamento habilitados, deverao com-
parecer na tala das leisOei de dita thetouraria nos din
e horas indicados. -4aV
E para que chogoe a noticia de tooWkj mandoa o
mesmo Illm. Sr. inspector publicar o presente.
Secretaria da thetouraria das rendas provinciaes je
Pernambuco. 31 de julbo de 1 S 5.0 secretario,Lui;
da Costa Poriocarreiro.
et iaragoes.
COMMERCIO.
Alfandega.
Rendimento do dia 4................4:786j377
DetcarregaG hoje 5. -
BarcaPaquete-de Triestelarinbi de trigo.
BrigueConceicoroloi de fumo.
RriguePolidor mercaduras.
(JaleraSword-Fishmachinismo, laxsi e canao.
Consulado.
RENDIMENTO DO DIA 1."
Geral925,761 Provincial11,514
dem do dia 2.
Geral1:545,923
Provincial357,937
a pe,
de offerecer Midoua de
Trnpani as ana devotas offerondaa; na n.iu o muslra-
vo na oc(;ca e nmito menos na pulavras, que una e
mira bavia a devocio muilo poweu santificado.
^ Caniarndai.diasc-Ihe Lazzoro.quundu cliegoncom
l'abiuoiide elle o aberavo, eisnqui um lionrau mogo,
cpie quer mirar na earporaCiu ; espero que por auiur do
iiiiiii loases o acllio bem.
Scju bem viudo! rxclaiu.irau em choro ui cuncia-
pelli.
Eafini de fazerem ama recepcio mais ruidosa, ii
lio, na i alegre na Sicilia nio lia alegra em ru i la
bulla dara em sou honra una descaiga geral. Ro-
sario, que ricarn a porta da ua quinta, soltou mneatron-
doao viva, abaorvendu cora latiafacio u fumu da plvora
|ne o vento impeda para o sen lado.
A tropa poz-se caiiiiulio. Laizaru inanliava sua tes-
ta com a dignidad de o ni general o deiuais f<*euilO
pa deiie aeili ordt-m i vuntnde doa ca vallo o daa mulaa,
pnrquo na liona eaeudciros crio inaia rarua que o bou
atirudorc, e quando mu conflicto se eatabelecia entre
um ea valleiro c a sua cuvalgadura, raras vezea ponencia
victoria ao primeiro. Em fin, bem ou mal avaucava-
e nio obstante alguma queda e iiiuim couce.
labio, que como militar deapreiava cale iiiuntiu de
alifioea, li coiu ig empregava elle termo iiieiius
pulidu, l-'abio, ditemoa lio, dciiava-sc ficar para-
do, ou quand.i niu, junto ou velho Lastujro, que riel a
rccoininendagoe du coudo Allegroni, velara nelle com
paternal aollicitude.
J ie havia pastado alea do templo de Seg.to nuia
de "na millia na direcclo do Aleam, pequea cidado
Arobe na estrada du Palermo. U oorpu do exurcitn bavia
tomado a dianteira c deixado atrai uu dci rmicciros nial
tuontades, ou peiores cavalleirua do que os outroa, e que
Alo t ment do Torio.
Navios entrados no dia 4 do torrente.
Rio-Grande-do-Sul; 25 diat.brigue-cscun bmileiro
Isabel, de 173 toneladas, capilio Joaquim Antonio
Gadre, equipagem 9, carga carne; ao mesmo capilio.
Alcobaca ; 17 das, biate brasileiro S. Jos Vencedor,
de 5't toneladas, capilio Joaquim deSouza Gomes,
equipagem 6, carga farinlia ; a Amorim IrmSos :
passageiros, Francisco Antonio de Sampavo, e An-
gelo Cuttodio da Cunba, lirasileiroi.
Navios sahidos no meimo dia.
Rio-de Janeiro, brigue himburguez Conrad, com a
niesniu cirg que trouxe.
S. Malheus, bate brasileiro Conceiclio, capilio Igna-
cio Bapiista de Souza, em lastro. liste biate sabio
bontein bocea da noute.
' '-------------- --'
O lllm. Sr. coronel director do arsenal de guerri,
em virtude di ordem do Exm. Sr. concelheiro presi.
dente desti provincia, manda aonunciar, que lem 0e
contratar o conce'to do quartel do Hospicio, const.
do dis obras leguintei: 1. feitun do Invejjmcnlo
edicoberla de dous quirtos terreo* ; 2. concert
geral da coberta, mi partes que deijio pisiar agoi;
3. tapamenlo de umi rachadura; para o que convi-
da a quem te queira incumbir de taes obrat, a compi-
recer na sala da directora at o dia 9 do corrente me*,
para.i vista do orgamento, fater-io o ajuste respectivo.
Directora do arsenal do guerra.2 do agosto de 1845
No impedimento do cscripturario.yoo Ricardo daSilra,
= Pelo lycco desla cidade se faz publico, que, em
consequencia do que ordenou o Exm. Sr. presidente di
I provincia,ra5 a concurso da dala desle 4 60 dias(boje),
ai seguintes cadeiras de primeiras ledras pino sexo mas-
culino : a de Ouricury na comarca da Boa-vista, a di
Fitenda-Urande na de Pojad, ai de Agoai-Bellas e S.
Bento na de Garanhuot. Os candidatos, que ii referi-
das cadeiras se quizerem oppdr, babililem-so nos termai
di lei.
Secretaria do lyceo, 6 de junln de 1845. No im-
pedimento do secretario, Hermenegildo Marcttlinok\
Miranda.
dilal.
O lllm. hr. inspector di tbcsourariadis renda* prn-
vinciaei manda fazer publico, que, cm cumprimento
do artigo 34 da lei provincial n. 144 do corrente an-
no perante a mesma thesounria nos din 1., 3 e
5 de selembro prximo vindouro ao meio dia, lerao
arrematadas, a quem mais der, pelo prego annual abai-
xo designado por tempo de 3 annoi, a contar do l.o
de outubro prximo futuro a 30 de selembro de
1848 as rendas provinciaos que se acliao a cargo
das collectoriss, em todos ot municipios da provincia ,
com excepcio dos de Ulinda, Goionna e S. Anto.o
saber:
Iguarassoltamanc ...... 579,000
Cabo............. 798*000
Po-d'Albo..........1:3*9*800
Natarelh...........1:699*600
Lmoeiro........... 518*400
.Vrinliucm........... 54..000
Rio-Formoso......... 1:900*000
Bonito............1:000*000
Drejo............ 339*000
Cimbres........... 278*000
Garanhuns.......... 420(000
Florea............ 951*000
nio crin, .a dizer a verdade a flor du tropa. Ner mo-
inento una liteira, quo desoa do monte lnici eicoltada
por qualrii camyinri n ca vallo, cruzou a rcclagunrda in-
discijiliiiada du conciapclli.
O' l! rapa-iola, .ruaran elle i;roeirainenlc ao
campiori; que caga levo voasc neaae ocalo ?
Audeiu l o aou cumiohu, reapundero o arreei-
roa; c deizein-noa paaaar o nosso.
Nos lia vemos de andar o muso caiuinbo, ac q ui ter-
mos luaa vuss dio todoa os rea do esculla de contra-
bando. He o que no vamos ver coiu ou sein a su* per-
tuisaio.
E proferidla estaa palavrai, ruderio liteira, que
traiia aa cortinas muito bem fechadas, c como ac diapu-
PtKLICACAO LITTERABIA
Acaba de publicaf-se a muito interessanto
RESPOSTA
do CENERAL J. I. de Abreu o Lima ao conego Ji-
nuaro da Cunha Barbosa, ou Analyse do primeiro
/triso de Francisco Adolpho Varnhagen cerca do
compendio da Historia do Brasil.
Um volume em 8. grande com 150 paginas, era
bom papel, edicilo ntida e feita com todo o cuidado
e esmero.
Esta obra he um dos mais interessanles trabalhos
sobre as cousas da nossa patria, porque nella silo
tratados pela primeira vez, de urna maneira Ulo
clara romo a luz meridiana, muitos factos impor-
tantes e contruversos da historia do Brasil. No cor-
po da obra, ntre oulras muitas noticias, prova-se
que o celebre Henrique Dios, governador dos bo-
mens prclos durante a guerra dos llollandezes, e cu-
ja naturaldado pz cm duvida o ignorante censor,
era filho da provincia de Pernambuco; assim como
prova-se igualmente que Americo Vespuccio nao foi
o primeiro explorador das costas do Brasil, como
assevera o mesmo critico, porque os Portugueses
no tintillo necessidade de pilotos estrangeiros,
quando os possui.to de sobra, e tilo excellentcs,
que crSo considerados naquella poca como os pri-
meiros emais habis do mundo.
Os Similores assignantes, que aiuda nfo recbe-
nlo os exemplarcs de suas assiguatuius, ler&o a blin-
dado de mandal-os buscar as lujas do Sr. Manoel
Figneiroa deFaria, praija da independencia, liviana
N." 6 e 8, e do Sr. capitao Antonio Ferreira da An-
nunciacSo, ra doQueimado N.*59. Aqnelles Senlio-
res que pagarSo logo as suas respectivas asigna-
turas, recebera os exemplares de mos das pes-
soas, a quem dcrlo u importancia del las.
O reslo dos exemplares da mesma obra acha-se
a venda as lujas cima indicadas. No lim do vo-
lume vem a lista completa e alphabetica dos Senho-
res assignantes de Pernambuco com dous supplo-
mentos.
Avisos martimos.
Para a Babia tai, nestes 10 dias, o lanebio Bom-
Fim, capito Joi Joaquim da Costa : quem no mes-
mo quizer csrregir, dirjase ra da,Cadeia do Re-
cife, arma/em n. 12
Ficar prompto a seguir para o Rio-de-Janeiro
no dia 5 do corrente o patacho Lastro Segundo : o que
se faz scierile aos Sn, passageiros e ca regadores da et-
ernos.
Vende-ie o brigue-escuna Fama, o lote de 9500
arrobas de carne.couslrucco americana de 6 a 7 annotde
leito, forrado de cobre,ba 2annos,noRio-do-Jaueiro,di
regular mircbi, prompto i navegar pira qualquer par-
te : quem o pretender dirija-te a Amorim limaos na
ra da Cadeia n. 4*>, e para o examinar na praia do
Collegio delronte do caes do palacio.
con umn palavra; follou-s som.nte com uaulhoi; ea
cortina loriidu-ac a fechar. Carolina havii-lbe explica-
do pur cenos que viajata ni n(iiil,i.
Urna niulher .' .niarao na conciujielli dando um
bravo brbaro. Una imilher! Por Sio Ituqoo e aeu ca-
chorriiiliu! Bem ditianiu ma que era coiilrabaiidu.
Arreda! cuininuniflo elle dirijrindo-so aos cainpieri.
Arreda quando nao talemos tugo sobre vusss,
Qae! diz Fabiu com vozcuuciliadora, porque le-
mia quo comeciido o cuiubate, ulguiua bala perdida na
toaie t'erir ti rainha, voaaea nu ac enterguubao do que
fazeui? Sao salteadores para atacaron us viandantes'
Ora, mena amigue, deixem paaaar eata liteira, ubrca
qual nenhum direito temos, o demos-no presea pur el-
nliau nabri-las pur torca, uppoicrao-e-lhee reaolulo jcancar us eompanlieiroa, que vao muito adianiadus.
arrceiroi: I Irml pregador ; reapundeo niu dos maia lugosus
Alto la! gritarlo elle puetaudo-io a. porlinhol.is j.lc rancho, guarda os teu coiiiclhoa para (inarc.nia ;
ooiii ejpiigarda ua mo. O plimuiru que dar um paa- aqu nio eatamoa na igrej
liua vai ella! du outro, j no falla couio lueilre,
quando anda nao be aprendiz '
4- Vio a ver, diz um terceiro gargnlhando, que he a
ua amante que ah val dentro,
lie nina iiiollicr que veMjslilo de respeitar, oa
commigo ac liio de lianr, reapoudeo Fabio, a quein a
culera Ouuiecava a fater eaqueccra prudencia de que el-
le prnueiro e havia armado.
Pouco eurlrcdor por naturexa havia-sc elle violeutadu
para tentar aa viae pacificas, e nio ri.mper b.gu. O aul-
iladu aj.parcceo sol. us habita du eaiuponei.
bij(io o aeu cainiiili.., coutiuuuu elle armando a
eepingarda ; paaaem, llies digo, ou nao o pa'eari) mai'-
Aiudarliu nao loma acubado a phraau, quuiidu um
ao, he un hninriu mono.
Era a luta desigual i ue aggreasures eran tre contra
um, i- alias ac.isluii.adoa a luda a violencia, indo
oeexecuo; os caiupicn, ncm pinino ee niuttravio
mais frios, e niu pareciio diapnato a desamparar o
poato sem rc.i.Unci.i. lim ref.irco inesperado lliea ao-
breveiu : labio que hara ticauo alraz chegou ao adjun-
to uu moiiieiitu em que i.io cumecar a hotilidadca. A'
p.iuieira vala d'olhua adeviuhon desque ae I rata va ; al-
guiuae palavrje doe campicn acubario de intorma-lo ; e
poz-ae do seu lado, sem eaber anida pur quem lio oava-
li.eiroio tomara a defeea, por que as ei.rtinai da liteira
eonlniuavao a atar fecliada. Nio calcve elle pur multo
lempo ua ignorancia a este reepeilo : primeiras pala-
vras que pronunciuu urna daa curt n a ae abrid mpou-J tiro saludo das tilleiias ininiiga lli'c atraves'soii o cha-
no, e elle vio a raiohi, que tendu-lliu reoonhectdu a voz, I peo.
e quia tater oonheeer delle, mu delicio; oiuactre-J Miseraveii! grlou de repente Coroliui siltand*


_ Vende-se o brigue FlorT America, do lote dt
jlOOO arrobas, promulo anavegnr: quem 8 pretender,
-dd fallir cnm Amofim Iroi3ns rus da Cedis o. 45,
par examinar deronte do Forte-do Matto.
' SegWreve para o Ass o bfiguo Conceipio-Ca-
hurlo : <|"em D0 rnMmo quizer carrear ou ir de passa-
ccm pode tratar com Amorim IrmJos, roa daCadeia
45.
' Para o Ass sai, nodia 9 do frrente, o brigue
Vero, capito Joaquina Pedro de S e Faria; recebe
carga' fret, oro coala : quero quizer carregar, enien
da-so com Leopoldo Jos da Costa Araujo, ra da Moo-
!_ O patacho Valente uhir para o Rio-de-Janeiro
no dia 8 do presente mez; anda receba alguma carga
miuJa, eetcravna afrete: ospretendentesdirijio-se a
Caudino Agostinbo de Barros, ilrat do Corpo Santo,
'_ Para o Araeaty o briguo Maa /., torrado de co-
bre e do superior marcha: quem no mcsmo quizer car-
regar, dirija-se a Gaudino Agostinho de Barros, atraz
do Corpo Santo, n. 66
_ Para o Rio-de-Janeiro segu com toda a brevida-
dea veleira e/orrada de oobresomaca Amizadi: quem
na mesma quizer carregar, ou ir de passagem, dirija -se
a Gaudino Agostinho de Barros, atraz do Corpo San-
to, n. 66.
Para oMaranhio sai com bretidade a barca Er-
melinda, capilio JuliSo Ferroira Nuoes: quem na
mesma quizer ir de passagem, e carregar por fretes mais
eommodos, dirija-se ao consignatarios Francisco Se-
,eriano Rabello 4 Filbo, ou a ra da Cadeia-velba,
armazem n. 12.
Leiloes.
_ |ames Crabtree & Gompaobia continuard, por
ntervencl do corretor Oliveira, o sou leilao, tanto de
mobilia nova, recentemente chegada, como de muito
mus com pouco uso, inclusive cadeiras, commodas,
toacidores, marquetas, mesas, bancas de jflgo, secre-
ta de patento, lanternas, redes do Para, espingardas
decaes, e de ar, quadros primorosos, edemuitosou-
Iros objectos uteis : quarta-leira, 6 do coirente, as 10
horas da manbaa, na casa do Exm. Manoel de Carra-
Ihe, ra do Amorim.
I.i'Mo. que faz J J. Tasso Jnior, por contado
quem portencer, de 32 saccas de leijlu mulatinbo,
vindo ila Babia as sumacas Ftln-Aurora, e Flor-de-
Moroim, em lotes, vontade dos compradores : quin-
ta-feira, 7 do correte, as 10 boras da manbaa, no
caesd'nlandega.
visos diversos.
= Recebem-se escravos para se venderem por com-
misso levando-se tao fomente dous por cento de
vender por ler o annunciante mullas Ireguezias, tan-
to para trra como para lora; na ra das Flores ,
d. 21.
Na ra daSenzalla-Nva, n. 4, se diz quem
precisa de um caixeiro, que tenba muita pralica do
negocio de venda, e afiance sua conducta.
Copi&o-se sentencas, traslados, e outros quaes-
quer papis jujiciarios, com boa lettra, presteza, e
pul proco que se convcneioriar : no pateo do Carmo,
segundo andar da casa n. 7.
DF.NIISTA.
= J. JrV. Vervalen cirurgiSo dentista retira-se
para a Baha no vapor, que est prximo a ebegar do
Norte ; o avisa a todas as pessoas que preeisarem de
seus serviros, que se aeba, ate a ebegada do dito vapor,
na ra da Cruz n. 3. -
Aluga-se um pequeo sitio, cujo terreno he mui-
to propno para bortalice e mais plantarios, com varias
aores de fructo, com boa casa de vivenda, cacimba do
boaagoa e cercado de hmio, no lugar da Capunga pr-
ximo ao Capibaribe : a entender-so com o proprietario
na ra do Mondego, botica' o. 64.
Antonio de Vasconcellos Menezes do Drumond
transferio a su residencia para a ra do. Atterro-da-
Boa-Visla, n. 36.
LOTERA DO THEATBO PPLICO.
Devendo esta lotera, peluadiantamento da ven-
da dcs'us btlbtlea, sera que primeiro tem de dar
inda ment as suas rodas; est o respectivo tbesourei-
loresolvido a fa/cl-a extrahir no prximo moz de agos-
to inlalliveluiente : para o que convida aos amadores
deste ogo a se prevenirem de bilbetea, osquees achio-
te nicamente a venda no Lairro de S. AnUnio na
loja do mesmo tbesoureiro ra doCJucimado n. 39
e na botica do Sr. Joao Moreira paleo da matriz ; e
no bairrodo Recife lojas de cambio dos Sra. Vieira,
e Manoel Gon.es. Escusado se fax lembrar ao respei-
J.i lilt-ii-.i c ji.u lindo pura iciinciapclli; que nimio vos-
(hit em 111 i nli presenta ? Betiremae, ana r-u quem
lh'11 ordeno, eu a....
la ella ditera ruinha, mas releve a palavn prestes a
eicapardliv. Na., loria prudusidu a descuberta da ana je-
rarrlm mata 1 fteiio d" que o seu geato e aua vui. Que
mullicr, n n3o arr nina rainha loria ordenado em lio nb
"lulo tiim, e tomado una aititude lo aubrrba o lu
mperinaa ? Por muito groneiros e milito iiiaiileiiieaque
foMcn oa niiriifl.ire, o acondclo da rainha dumiiiuu-
0. u elle recuoijii alguna pasma turnados de uiu reape-
o invi.luutariu. Man viii breve turnaran nuv acord;
onvergiuiliadoa da >ua flaqueza, excitario-se una ana ou-
tro para vultarem rar.....u curtir a rainha, man
Contra Fabio, que navin nllrnliido anbro ai n Bulara do
iiiunig,.. Algumaa espingardas ann-acarln ao mearon
lenipu. A' vala de Itu ilumnente perig Caroliua abr
a bucea |.arn ae descubrir, maa Faino lomii-llie a pa-
ljvra, mitra q-ie rll.i I'..llaaae; o v la ciiroproioetter-ac
|"t elle, pri'veniu nutu generoso designio tanto por
aniur prnprio cuino por chvntacao, quena nnlea aer en
eredortJu que devednr Fingindu sumpre nao a cunhe-
cer, I.iiic.mi ae entre ella e ua coiioiuprlli.
Sruhora, Jmae llie ello, f.neiiilu-llio una Irinchei-
radimavaii,,, nula trina; eatra .aallradorca nao bao dt-
|**araniclhor; i sua eai-olia e eu annu. mai duque
lie preiiao, ,;ura iibalc-loa. Aponiar connuon elle vol-
laiidu-ic para oa cainpicri, seiiipre iiuuiovei no leu
l'"*io....
la file iliirr Fugo! e Den sabe o que eValii se se-
G"ona, quand L.iiznro, cornudo a toda brida, >'
mellen de repente no moio do coinbatenies Verdmloi-
rn dcu$ ,x machino do drama mitigo, diaaolveo oom a
sua preaenen e ante* do effuaan do aanguc, cst.i couijili-
rada tragedia.
tavel pblico a confienea que mereco esla lo'eria, pe-
la regulacidade de ipa processo de extraccSo; prncesso
que passs a ser anda mais perleramente desempenhado;
porque as rodas teem de andar segundo o novo re
gulamento ; entretanto que as loteriss que bao an
nuociado, psrece nSo se quererem desaferrar do liti-
g systema de extraccio.
LOTERA do seminario.
= Devendo a lotera do seminario episcopal de Olio
da dar andamento s suas radas no dia 21 do corronte.
por se acbar urna grande parle dos bilhetes ja vendida,
roga se ao respeitavel publico que compre o resto
dos bilhetes a fim do se annum iar o dia impreterivel
do andamento das rodas que ser breve ; e alm dos
lugares annunciados, Ismbem se vendem na loja do
Meneze, na na do Collegio.
Claudio Dubeux roga a quem sou-
ber aonde est escondido o seu moleque
(inlherme o mande prender; pois que
est fgido desde o dia 3i do passado.
Frederico Fremont avisa ao respeitavel publico
desta cidade, que elle contina a afinar e concertar
pianos, e tambem tem em sua casa pianos muito bons,
para vender e alugar, tudo por um preco barato: no
Atterro-da-Bo&-Vsta, n. 5.
Fazem-se trancelins de cabellos de
qttalquer modelo, atinis, fitas, pulceiras,
&c, &c. ornis bem eito que be possivel,
por preco mdico ; na roa do (abug, loja
de iazendas n. 6.
D-se dinhero a premio sobre ouro, trancelins.
correntes e relogios d'algibeira, em segunda m3o, que
sejo obras Irancezas, e por preco cotnrnodo ; tambem
vende-se, e se faz troca a vontade dos compradores : na
ra das Flores, n. 18, casa de relojoeiro.
Ninguem compre, nem faca outro qualquer ne-
gocio com os bens deixados pelo tallecido Bento Anto-
nio Domingues; porque sua mulber, legitima berdeira
da meiapao, vai tratar, pelos meios competentes, da nul-
lidade do (estamento do dito fallecido ; visto ler elle
nceultado esta circunstancia, repartindo os bens a seu
bel-prazer : por tal razio be nuil e de nenbum vigor
qualquer trato que se fizer a respailo dos mencionados
Dens.
Aluga-so um grande armazem,proprio para qual-
quer estabelecimento, ou olicina de artistas na ra
da Concordia n. 4 : a tratar na mesma.
Na ausencia de H. D. Kalkmann, ficSo encarre-
gados da prucuiacio da casa Kalkmann & Rosemmund
Rud Sevfreld, e Agas'.o Tappenteck. -Pernambuco, em
4 de agosto de 1845. Kalkmann # Roiemmund.
Luis Gomes Ferroira embarca para o Rio-de-Ja-
neiro o seu escravo Jos, pedreiro.
Boga-se a um cabo de esquadra, que foi, ou be
perten ente ao corpo de polica desta cidade, que quei-
ra restituir umaunelao, e dous lencos a seu dono, que
-nao ignora quem be, e os est possuido contra a von-
tade desse dono ; icando certo, que, au os entregan-
do, passar pelo dissabor de ter de responder permite
o seu commandante.
Hoje lerca-feira, 5 do corrente, pelas 4 boras
da tarde, na ra Nova, aporta da casa do Sr. doutor
juiz municipal, e interino da primeira vara do civol
desta cidade, se ba de arrematar metade da casa de 4
andares e solio, onde tem mirante, sita na ra larga
do Rosario, n. 36 ; cuja casa tem de frente 51 palmos,
e de fundo 100 ditos, co>inha fra, no 1.', 2., e 3.'
andaros, quintal pequeo, e murado, cacimba propria,
chaos proprios, avahada dita metsde de casa em
10:000j000 rs., penhorada a Jos. Claudino Leite.
A pessoo.a quem pertencerem os chaos, em que se
edificou a casa n. 6, da ra do Aljube em Olinda, per-
tencente ao fallecido padre Joao Francisco da Cunba
Saldanba, annuncie a sua morada, para se Ihe pagarem
os respectivos foros verificandu-se a quanlia. que se Ihe
dever, a vista de seus titulos; ou dirija-se supradita
cidade, fallar com Antonio Nobre d'Almeida, mora-
dor na ladeira da S, ou a seu filho, do mesmo nome,
na ra Augusta da cidade do liedle.
Arrenda-se um sitio na estrada de Joao do Bar-
ros, com casa de vivenda para grande familia; tem dos
isla! na frente, copiar, 4quartos, sala de jantar, co-
tinbafra, estribara, e casa para pretos; temarvore-
dodeespinho, o nutras arvores, e baixa para capim :
quem o pretender, dirija-se a ra do Collegio, n. 10.
O Sr. Manoel Pereira da Costa Larangoira, ou
quem suas veres fizer, annuncie a sua morada, para
negocio, que Ihe diz* respeito.
Precisarse alugar urna escrava, para todo o ser-
vido de urna easa : na ra do Queimado, 0. 14, se-
gundo andar.
Manilos, diase elle aos aggreasnrca, quando aon-
badoque se tralava, quorem aaaim deshonrar a corpo-
raclo? Que quereiu voaaa que ao diga de nos na ici
lia, se se comportan de lal surte 1 Tealuluuga e Humano
eran mclliorea do que voaaa, apezar de serem saliendo
rra 1 ellos eiivergonlior-ae-hiio do attacar inulherea;
protegiSo-nas pelo contrario, evoasa... aniio d'aqui,
voaas sAo indignos du nome que teem, e nio fazem ver
g.inlia. Mais valia para raim ser chefo de ladrea, do
que nnnsul do gente dn aua eapecie. Oh I por san R
que I j qtio por forQa querem dar tiren, gnordem a sua
plvora para oa Ingleses; porm na a hilo de ter maia
juaiido cliegnr o dia de idea dar caca.
Laziaio dii Carolina, queso havia nproveilndo
da bareuga do vellio cnsul, para so tornar a menor na
liteira, onde a desgranada camarista a eaparava iraimida
de terror.
Admirado de ae ouiir chamar pelo seu nomo, Laizaru
approximuii-sc da portinhola. Quat foi u sou euleio ao
reoonhenT o rainba, lie imposaivel descrever.
Sunliora, clamou elle tirando o sou oliapo; poia
efa V. mag....
__ Sileneiu eu nao quorn aer ennhecida. Retira a
tua genio r vem fallar medrpuia
Niu leve elle o Irabalhu deexecutar a primeira parte-
da ..rdeiD de Carolina ; corridos de seren patinados em
flagrante polo seueuuaul, liuiinlliados da aua virulen-
ta auiuiadversio, o cotiniapelli ao haviio do motil prn-
prio rclu-adu sem replicar urna s palavra, lao baldos de
raiio seacbavao, o pondo os cavatina galope, em pou-
co lempo se reuuirao aos cainaradas. Laxaaro volluu en-
Un i rainba.
Nao ae adiuirem oa leitorea destoreconherimentu. Ca-
rolina, durante a sua residencia cin|Palermo litunjeava
as differentes corporacoeade ollicio as pessoas de seus
Troca-se por casas torres, que cstcjSo edificadas
em algum dos tres barros da Boa-Vista, Santo-Anto-
nio, ou Recife, o sitio da Passagem-da-Magdalena,
siluado entre o de JoSo Pin o do Lemos, e Jlo Fcr-
reira dos Santos: a quem convier o nogooio,entenda-e
com seu proprietan'o.na prscinhs do Livramonto.n. 48.
A CARRANCA.
Sabio o n. 19, e chs-se a venda na praca da Inde-
pendencia, n 6 e 8.
__ lllm. Sr. coronel Francisco Jos Martina, e a
Senbora Dionizia Lima Clemente, queirao mandar re-
eeber cartas, que Ihe forio dirigidas do MaranhSo, na
ra da Cruz, n. 37, segundo andar.
Ainda est por alugar a casa da Rua-Velha, n.
84, com 3quartos, e duas salas, coiinha fra, e bom
Juintal: lallar com Bernardino Francisco de Azeve-
0 Campos, no pateo do Carmo.
Na ra da Senzala-Velha, n. 68. precisa-se de
ama ama com bom leite, para eiiar.
f_ 'Do-se 200 a 800.000>. a juros sobre penhores
de ouro ou prata, ou hipotheca: no Aterro da Boa-
Vista ao peda ponte, da 1.* venda se dir quem os d.
__ D-se dinheiro a juros com penhores de ouro e
prata, mesmo em pequeas porcSes: na ra da Praia,
n. 22.
__Aluga-se urna casa terrea de duas portas e urna
janella.na ra de Santa Rita e com muitos eommodos:
tem ama sala* na frente com camarinba, aja com co-
zinha para tra, e um sotao com bastantes arranjo,
quintal com cacimba, &c.: quem a pretender, dirija-se
a ra do Crespo, loja n. 23.
=Manoel Jos Machsdo Malbeiros embarca para o
Rio-de-Janeiro, por conta doSr. Nicolao Jos Teixei-
ra, do Maranho, o escravo erioulo de nome Ignacio,
que pelo mesmo Ihe foi remedido.
=Aluga-se,por 10" rs mensaes.uma escrava hbil,
sem vicios, e com algumas habilida Jes: a tratar na ra
da Gloria da Boa-Vista, casa n. 37.
=Precisa-se doescravoi por aluguel: as Cinco-
Puntas, loja de fazendaa n. 50.
Que m quizer alugar urna parda boa ama de leito,
dirija-se a ra das Cruzes n. 18.
Claudio Dubeux, testamenteiro da-
tivo do finado Joao Antonio Martins de
Novaes, tendo acceitado esta testamenta-
ria, resolveo o embargo, que os credores
do mesmo Novaes haviSo verificado nos
bens da massa ; acba-se entregue da casa,
e por isso habilitado para receber, e pas-
sar quitaces aos devedores da testamen-
taria; aos quaes o annunciante roga, ve-
nhfio quanto antes remir seus crditos pa-
ra nao se ver na precisao de realisar a ar-
ecadacao por meios judiciaes. U annun-
ciante mora na ra das Larongeiras. n. 18
Cautellas contra as falsi-
ficacoes^
Constando a Mecron & C. que em al-
gumas lojas desta cidade se vende un
rap com a falsa denominacao de KA FE
AU&A PlllSTA e com astuciosa imita-
cao, nao s dos botes, rtulos e sellos de
sua fabrica, como do proprio nome dos
annunciantes, fazem sciente aos seus
freguezes e ao publico, que em resguar-
do de sua propriedade e dos seus direi-
tos, todos os botes e meios botes de seu
rap levao por extenso a firma dos an-
nunciantes Meup.on & C. : e rogo a seus
freguezes, nao confundao sua firma com
os nomes de Mouro & C. Muibom
&c C &c. &c, inventados para Iludir
o publico por este meio, digno de seus
autores. Fortanto qualquer outro rap
que se aprsente debaixo da denominacao
de RAPE' REA PBETA be urna fal-
sificacao dos productos da fabrica de
Meuron &: C, inventores, e nicos pro-
pietarios das fabricas de KA PE' AltE.\
FRETA, tanto no Rio de Janeiro, como
na Babia e nesta provincia ; e rogo aos
Srs. compradores, e com especialidade
onniulea, ou juisea, contali di arlinri, e istu na dupla
ntpiic,ai! de ae (iiipnlaritar, e ler no caso do necesaida-
de auxiliares contra os (nglezes. Na (tualidade decliefc
dos corlidores, a mais terrivel e maia temida dascorpo-
racSca do Palerino, Lazzaro ti vera aua parlo, e parte
larga, mu rcaea t'.ivorca; chamado luuitas vetea pala-
cio, elle aln va cinpre a rainba, que o havia honrado,
ero algunas circuiuatsnciaa, com urna particular at
lelo.
Lattaro, disse Caruna com severa e ainda trmu-
la vot, como juatifiearos tu a indisciplina c insolonuia
dos ten subordinados ? Attscaroin-mo a niiin !... Que
audacia!.... Heattim que tu os diriges?
E coran Laziaro procn'asae desoulj.ar a si e aoa seus :
__ Eu te prrdoo, o elle lamhoin, accrcacoiiluu ella,
inlerroiiipendoo, em consideradlo du odio que leudur
aos Ingleics; mnt sob oondico, que nao fioaieis em pa-
tarras.
O que temo dito, niagestade, fa-lo-bemna, eesse
dia ser u maia bello da iiiiuha vida. Oa seua liis cou
oi.ipelli sentirSo maia que ninguem na Sicilia o ultr.ige
que ti< Ingleses Hieran a V niagestade; a aua injuria jul-
u.mo la uoxsa, o nada temo umia peitu do quu vinga-
la i nos a vinguremo, por ian Roque! Moa a vingare-
mo* no tangue dai fardas encarnadas Em pouco lempo,
V. niagestade voltura, em triuiupho sua boa cidado du
Palermo, e Lauaro alo ser o ultimo a dar Ihe os pa-
ralen.
Acceilo os vossoa offerecimeatos, e assislencia.
ae for (ireoiaa, reapoiidoo Cnruliiui cum us ollioa radi
auiea de prater; maa por cmquanlo guarda um argredo
inviolavel deste iiusso i-ncontru. Aduoa Laizaro adeoa
11S0, ate logo Os bellos diaa da Sioilia em breve nos ae
ro restituidos.
Laztaro rctirava-sc, ca tornou a cbaina-lo.
aos do interior da provincia (para onde
consta aos annunciantes terem-se fei*o
grandes jemossas ) se acautellcm contra a
fraude, pois nfio trociio, e nem se res-
por.sabilisao pela qualidade dos botes que
nao tenbao a sua firma. O preco he de
isooo ris a libra, e nao se vende monos
de 5 libras.
MEURO\ & C.
= Arrenda-se por preco commodo um sitio no
lugar do Arraial, na esquina das estradas da Casi-
Forte Honteiro e Brejo, com casa de vivenda de pe-
dra e cal tendo 3 salas, G quartos, estribara para
4 cavallos, cozinba fra baixa para capim cercado
para duas vaecas e rio dentro do mesmo sitio ; quem
o pretender dirija-se ra da matriz da Boa-Vista ,
n. 19.
= Aluga-se a casada ra da Aurora, n. 38: a
tratar na ra da Cadeia do Recife n. 40.
No sitio do Hospicio do Eim. concelbeiro bario
dellamarac d-se gratuitamente leite de burra s
pessoas enfermas, que delle precisaren) e com es-
pecialidade a pobreza ; e isto se far alariamente, das
6 as 8 horas da manbaa e das 4 as 6 da larde.
= Desencaminbou-se urna cabra (bicho), preta ,
arrepiada sem cabrito no dia primeiro do orrente;
quem dola der noticia, dirija-se a ra larga do Roza-
rio venda do Lemos que sera gratificado.
= Arrenda-se ou vendo-se urna casa com grande
quintal, cacimba com boa agoa e algnns arvoredos
de fruto na povoaQaodo Monteiro logo adiante da
ponle indo para Apipucos com serventa para o rio
Capibaribe, e a beira delle; cujo arrendamento prin-
cipiar do primeiro de outubro do corrente anno : a
tratar em Fra-do-Portas ra do Pilar n. 6. de
manbaa al as 8 horas e de tarde das duas ero dianle.
= Alivrario da esquinado Collegio precisada um
moco del* a 17 annos, para caixeiro, devendo saber
ler, cscrevere contar, o olereoendo pessoa, que afian-
ce sua tiJelidada e bom porto.
Lava-se, e engomma-se com perfeicao e maia
barato do que em outra qualquer parte : na ra do Fu-
go, n. 16.
ITerece-sc urna parda, de meia idade, para ama
de leite, ou mesmo para servil em urna casa de peque-
a lamilia ; a qual lava, engomma, cose, o eozinba,
e subjeita-so por mdico pre^o, ou mesmo pelo sus-
tento, e algum vestuario : quem a pretender, dirija-se
i ra do Sebo, o. 51, ou annuncie.
= Precisa-se saber do morada do Sr. Vicente Jos
da Silva lavares que muito se Ihe deseja fallar ; na
ra de Apollo, n. 18, ou annuncie, para ser procurado.
= Arronda-so um sitio porto da praca, que tenba
solTrivel casa de vivenda proporcoes para duas ou 3
vaecas de leite terreno para plantar verduras e capim,
e que seu prego nio exceda a200/rs. annuaes: quem
tiver annuncie.
Hoje, b* do corrente, na porta do Sr. juix da pri-
meira vara do civel se ha de arrematar a quarta par-
te da casan. 127, aitaem Fra-de-Portas, penhora-
da a Kicardo Antonio Vianna por execucSo de Fran-
cisco Jos Alves Guimaries avaliada em 450,000 rs.;
os Srs. licitantes nao deixom de comparocer, pois be
a ultima praca.
= Os Srs. Jos Bezerra de Inagoga e Joaquim
Ignacio de Carvalho Mendonca dirijo-se a ra do
Itangel n. 3, primeiro anda, a negecio do interesse.
= Prrcisi-sedo 200$ rs. a premio de dous por
cento ao mez por lempo do 6 mezes; d-se boa fir-
ma ou hypotheca-se um escravo : quem quizer dar,
annuncie.
Compras.
es Comprio se escravos de ambo os sexos, por
commisso; pagao-se bem; agradando ; na ra das
Florea, n. 21.
:= Compr8o-se, para fra da provincia escravos
de 14 a 20 annos sendo do bonitas figuras pagao-se
bem; na ra da Cadeia de S. Antonio sobrado de
um andar de varanda de pao, n. 20.
as Comprio-se dous cicravos um pedreiro e ou-
tro carpios,para umaencommenda do Kio-Grande-do-
Sul ; sendo bonitas figuras, pagio-se bem : oa ra
do Collegio armazem o. 19.
- Compra-so um armario em bom uso ; na ra
Nova, n. 32 ou annuncie para ser procurado.
= Compra-se um braco de balance grande com
conchas e duas arrobas de pesos para baixo, em bom
uso; na ra do Vigario, n. 8, ou annuncie sua mora-
da para ser procurado.
Este moco aldeSo, que mo soccorreo, Ihe diste el-
a designando Fabio, esla comtigo ?
jra, leniore.
_ Pois bem Desde ajnra passa da la para a minba
campanilla. Lcvooconimigo.
Quem seaclinu eiubaracadn ? Foi Laziaro; pois que
havia pronsettido ao conde Allegroni nio deixa-lo. Q110
partido lomar eru tan critica ciroumslancin P
He que... responden elle balbuciendo, he que...
U que ?
lio que eu promctli velar noate rapaz.t
Reeeias quu no vele eu nclle tSo bem como tu ?
Rcapondi por ello com a minba cabera.
Sebe s Uso, respondo lo en por elle com a mi-
lla Katit coiiveni'ioiadn, continuou ella, dirigiudo >e
a Fabio, que vos me acninpaiihcit. Oefendeslea-nie lio
bem que nao podoria eseolber mellior escolta.
Fabio inclu.111 a cabrea em aignal de consenlimcnlo.
Fica entendido que era pro forma epara representar
seu papel 110 ntreme* iinproviaado por Carolina; sua
resiiluco de acompaolia la eatava tomada desde o mo-
mento em que elle a liavia reooubecido. Que faria o ve-
10 Laziaro contra duas vonladea lio determinadas c u-
nidua ? Reaigtiou ae ao que 11J0 poda impedir, c sen-
ilamlu profundamente a rainha, parti no alcance des
sous couipanlicii-oa, quo eucontrou j s portas d'Al.
carao.
Dijimos de passagem, que esta cidade he a patria de
Viucenzo, dito Ciullo d'Alcamo, u creador da puesia
italiana,- mas os coneipelli crio pouco sensiveis eata
illuatrafo litterori.r, como corlidores iroporlavjo-so
muito mais cora o sumagre, arvnie tic que abunda o or-
rilorio d'Aleamo, e cuja folha redolida i p, serve na
preparacu dos courns.
Contuuiar-y: ha.)


=3 ComprSo-ie dous Iraneelins de bom ouro 3 pi-
re*! dsP
40
= Comprio-se duus cendieiros de parede urna
balam/a e braceo para venda c todos os mnis utensilios
tendentes a pesos e muJi ia ludo junto ou em sepa-
rado ; na ra do Rangel, loja de cera n. 3.
= Compra-Je e paga-sc bem uma trave de p-
tia-marlim que sc|a limpa coin 30 p|irrosde com-
primento e Hm palmo do ti sta ; na ra larga do i!o-
xario junto aoquartel de polica n. 18.
Vendas.
Attenc.ao ao liom e barato !
:= Vendem-se superiores chitas para coberta, de tin-
tas fizase de bom panno a 180 rs. o covado superio-
res cortes de chita fina de novos padroes e chegados
ltimamente, de 15 covados, a 3500,3800 e 4800
rs. riscados Irancezes muilo linos a 300 rs. o cova-
do corles de cassa-ebitas transparentes de lindissimos
padrdes a 2100 e 2300 rs. chitas a 10, 140, 160 e
180 rs. o covado madapolao a 150, 160 e 180 rs. a
vara, dito fino a 200, 2201> '240 rs. dita, madraste
rauilo fino a 280 rs dita, pecas de msdapolio a 2800,
3200 e 3400 rs., dito fino a 4000, 4200 e 4600 rs. c
peca, madraste fino a 5200 e 5H)0 rs dita, chitas a
4500, 5200 6300 e 6000 rs. dilas escuras, chadrez
O;' linho para | .-i |uci,is a 20 rs. o covado, superioi
iclim preto de .'tiaco a 5300'o doOO rs. o covado ,
chales do laa e seda grandes, a 4-">00 o 4800 rs. cor-
tes de chits de 10 covados escuras, a i 000, 1800 e
2000 rs. ocorte, sendo enire-lin8S e de boas realida-
des superiores lusles hrancos a 1000 rs. o covado ,
zuarte aiul de vara da largura a 260 rs. o covado, mui-
l.-on hr.er.a para prelcs, algcdao azul mejelad
; -
-
nudc, ?r0 --. p i-~ric |
I -. i
;,


.-.
r -:.
: i
.- (ci'dsciro ,.j... iiafcc, maitc Sao, ala
a vara bretanha fina de puro linho de 6 varas a 2800
e 3200 rs. a peca, ditas de rolo a 1800 rs. a pesa, chita
a 140 rs. o covado, riscadinhos novos trancados mui-
to boa fazenda para meninos a 200 rs. o covado cas-
tores ou riscados de listras a 240 rs. o covado, brins de
bonitos padres de quadros a 500 rs. o covado ditos
finos muilo cncoipados e do listras a 640 rs. a vara ,
mua finas de algodio para bomem a 3600 rs. a duna,
sendo de muito boa qualidade cortes de chal ditos
de seda, e outras muitas fazendas j mencionadas oes-
te Diario ; adveitindo-se aos compradores, que todas
estas fazendas sao limpas c de boas qualidades: na ra
doCollegio loja n. 1, de Antonio de Aicvedo V i lia
rouco & Irmao.
= Yende-sc, por precisio, uma escrava de nsgio,
pelo commodo preco de 320j rs. ; oa ra estrella do
itozario n. 31, primoiro andar.
=- Vende-se um sobrado em Fra-de-Portas, ra
do Pilar n. 109 : a tratar Da ra do Agoas-Verdes,
o. 46.
= Vende-so um mulntinho do idade de 14 annos ,
muilo lindo e ptimo para pagem ; um dito de da-
da de 16 annos, oiu uonita figura ; outro dito de 50
sinos, bom trabalhador da eniadn ; u.'ii rnoleque de
nacao do idade do 14 annos; un ito da '0 pti-
mo para todo o servico ; uma negrinha de idade de 16
annos de naci coin bonita figura; lodos de mui-
to boa conducta : na ra Oircita n. 5.
= Vendem-se muito boas bichas chegadas lti-
mamente de Hamburgo ai melhores que ha na Ier-
ra muito grandes ; e tamhoiu se alugo, por prego
commodo e vio se se applicur para mais commodida
de dos preleodentes ; na ra cstreila do llozario de-
Irontc da ra das Larangeiras loja du harbeiro
n. 1!)
= Vendem-se c alugao-sc bichas d.s ultimas che-
gadas de Hamburgo de muito boa qualidade ; tam-
bero vende-se doce de guiaba de muito boa qualida-
de : na ra largado llozario n. .'2, venda confronte
a igreja que faz esquina para a ra cstrtta do lloza-
rio.
Charuto regala.
Na rua da Cadeia do Kecife n. 46, ha sempre um
grande sortimento dcstes afamados charutos; assim co -
ino grande sortimento dos melhores vinhos do Porto ,
muilo veliios, aladeira, Xerry, e agu'ardcnto de Fran-
ca que tecm vindo a este morcado; a preeos razoa-
veis.
= Vende so uma preta de naco, de elcgsnle fi-
gura propria para o servico de agricultura por tre-
balhar bem de emada, por ter (ido muito uso e mes-
mo para ganhar na ra, por ser corpolenta e he mui-
to boa tiradeira de marisco do toda a qualidade ; no
lenle ra de Apollo sobradiuho de um andar de
veranda de peo defronte do armau-m n. 34, das 10
lior.sda manlia os ida tarde dos das uteis.
= Vende-se potassa russiana, nova e superior e
cal virgem em pedra do Lisboa ; na ra du Apollo,
n. 13.
Alentelo !
= Vende-se panno de linho porluguoz sem mis-
tura alguinu pecas de 15 varas, a 520 rs. a vara, pan-
no azul fino a 1/, 2400 e 3000 rs, dito preto superior
a3600ri. o covado, merino de urna largura a 1000
rs. o covado sarja de duas larguras de algodio coin
lustro, propria para forro de chapeos a 240 rs. o co-
vado bros pardos de linho a 400 e 640 rt. a vara ,
ditobranco a 480 e 720 rs. a vara, chales du chita a
480 ra e escuros a 500 rs., brins de quadros do me-
Ibor gosto para calcas a 240 e 480 rs. lencos de teda
a 1 $ e 1600 rs. .ditos de algodio a 100 c 400 rs ,lar
ataas > mais modernas a 4600 rs o corte de 7 varas,
algodio americano de listras trancadas, em percas a 220
rs, ea retalho a 240 rs. o covado chila a 140 rs.
o covado fazenda muito forte para escravos algodio
cr trancado a 920 rs. a jarda lencos de grvala ,
moderno 400 r cassa de quadros a 3/rs. a peca
de 10 jardas bretanha a 1600 e 4200 rs. a peca, di-
ta de linho de 6 varas a 4600 rs. sendo muilo fina ,
tnadspolio muilo fino a 2800 e 5000 rs. chites linas
a 160, 200 e 240 rs. escuras cambraia lisa fina de
vara de largura com 8 jardas por 5600 rs. e outra
maitas fazendas por barato preco ; Atierro da lioa-
Vista, n. 14.
= Vende se uma escrava de 18 annos engomma-
deira, cosluieira e coxinheira ; no primeiro andar do
sobrado da esquina da ra do Collegio que volts para
o Passeio- Publico.
=iVendem-se lindos cortes de lazenda chineza, chc-
gada ltimamente para vestido de senhora pelo ba-
rato preco de 2400 rs. cada corte corte* de cambraia
do qjadros de cures e de bonitos padroes pelo preco
de 4000 rs. cada corte, ditas muito finas e de lindos
gostos a 5600 rs. ditos de lislras decores o bonitos
gostos a 5400 rs. cada corto tarlalana muito rica em
goslos a 4500 rs. cada corte couerlas do damasco pa-
ra cama a 6000 ra. cada uma cambraia para cortina-
dos de cama franja para o mesmo tudo por barato
preco ganga azul para roupa de pretos, por ser mui-
to larga e lorie a 260 rs. o covado mees de seda pin-
tadas para homem a 1600 rs. o par ditas prctas de
peso a 2000 rs. o par, assim como outras muitas la-
zendas que tudo se vender por preco muito barato:
na ra do Crespo m. 12 loja de Jos Joaquim da
Silva Mu ia.
= Vcndem-se lOaccoes da companhia de Bebiri-
be : a tratar com Manoel Gomes Viegts, na rus do
Crespo.
= Vende-se excellento gomma de malarana :
principio da ra Uireita botica do Sr. Brandio.
= Vende-se um rico annelo com 1 grande bri-
Ihaole e um relogio de ouro, de vidro e patente
suisso ; na ra Nova, loja n 21.
= Vende-se um pardo de 20 annos-. perfeilo pa-
gem e rnesmo para todo o servico ; duas prelas de
bonitas figuras engommiio. cozinhio e lavo muito
bem roupa ; uma dita recclhida du 20 annos ama
deleite, com um molequinbo muilo bonito, de 7a 8
mezes; uma negrinha de 10 annos muito bonita; um
preto de 20 annos : na ra larga do Rozario n. 46 ,
segundo andar.
Vende-se uma venda no .Manguinho com pou-
eoi fundo? e commodos para familia : a tratar ma
... venda da calcada "*dro. n.
i ;;j' -y- r)Rt tr : lc -i; '
=- t'eottsui-ca eharoos ^ regala iz oaperio
qualidade ; no armazem de Francisco Dias Ferreira ,
no caes da Alfindega.
= Vndese urna escrava engommadeira cozinha,
coso soUrivelmcnte trata bem de meninos e tem boa
conducta de idade de 18 annos, sem vicios ncm
achaques; no primeiro andar do sobrado da esquina
da ra de Collegio que tem venda na loja, a qual-
quer hora do dia.
= Venden? se casias-chitas de lindos padroes e du
cures hxas a 240 rs. o covado dita em corles a 2000
rs. cambraiss do listras com fiares do cor a 360 rs. o
covado dita em cortes a 300O rs. dilas largas fran-
cezas com assenlos escuros a 260 rs. o covado dilas do
quadros e listras de gostos muito moderno; a 520 rs.,
ditas finissimas a 440 rs. riscados finos e de cores li-
sas a 200 e 240 rs. cortes de chitas escuras a 1600
rs., dita em covados a 160, 180 e 200 rs. cassa isa
muilo larga a 400 rs. ditas de quadros o listras a
300e400rs. avara, cortes de cambraia adamascoda
branca e de cores a 400 rs. dita lisa fina a 600 rs. ,
corles de collctc do posto"! modernos a 2860 rs. fus
loes para collcle a 320 o 4S0 rs. o covado madraste
(ino muito largo a 260 r<. a vara dito em peca a OS
e 5*00 r. rraJiipolao culi t.ido fino a 5800 rs ,
brins de quadros :istras, trnceles p^ra eclees a 320 c
400 rs. o covado casimira de algodio para calcas a
180 rs. o covado, matedonia de listras a 600 rs. brins
de algodo entramados muito cncoipados a 480 rs. a
vara ditos escuros e breos todos de linho a 700,
800, 1000 c 1280 rs. a vara, meias para meninos a
200 rs. luvas de algodo a 200 rs., algodau mcsclado,
proprio para escravos a 240 is. o covado dilo liso
americano muilo encorpado a 220 is., lenfos du algo
dao e seda a 610 o 1000 rs. bretanha de rolo muilo
cncorpada com 10 varas a 2000 rs. .mantas do linho
grondes a 5000 rs. e outras muitas fazendas por ba-
rato preco ; na ra do Crespo loja n. 14 de Jos
Francisco Dias.
Vcndem-sc |> r preco commodo duas carro-
ras sendo uma de Ierro o outra do pao, ambas em
muilo bom uso ; como tamben? um exccllente boi de
carro muito manso c em boas carnes ; na ra da
Solcdadc casa n. 38
= Vende-se oleo de cupahiha em latas de 28 libras,
por preco commodo ; na ra da Cadeia-Vclha, n. 16.
= Vcndcm-se os primeiro segundo terceiro e
quinto tomos do Panorama untos ou avulsos por
preco commodo ; no largo do Collegio loja decnca-
defnaclo.
Vendo-se uma rede branca, batida, do (apuarana,
com verandas feila na Baliia-da-i'raicSo ; na ra
do Queimado, n. 7.
= Vende-se um escravo do boa figura ; sodio, bom
pescador do mar alto canoeiroe perfeilo padoiro ; na
ra da Cadeia do llecife n. 40.
= Yendcm se duas bonitas crioulas do 18 annos
de idade recolhidas, e de boas conductas; uma pre-
ta de Angola, mJi das ditas crioulas; na ra estrella
do Rosario, n. 10, terceiro andar.
=-. Vende-se uma canoa de 6 caixas de um so pao ,
propria paia o trafico do olaiia por preco commodo ;
na ra de >. Rila-Nova, n. 91
= \ endc-si; farinha do mandioca a 3800 rs. o al-
queire; a bordo da sumaca Terceiro- Andorinha, Tun-
deada defronte do l'asscio-Publico; por so precisar
desoca?par o navio.
= Vende-se potassa americana muito nova e do
superior qualidade em barris pequeos ; na ra da
Cadeia-Yelha armazem de assucM n. 12.
=Vcndo-se urna canoa em muito bom estado, que
carrege 800 lijlos; a tratar na ra do Hospicio, n. 4:
defronte da caa se cha dila canoa
= Vende-se um escravo do servico de ra, por pro
(o commodo; na ra dasTrincbeiras n. 48.
=x Vendem-se cadeirasde pinbo proprias para assrn
tos de tojas e vendas, por abrirem e lecbaiem ; taboas
de pinho costado, eostadinho, assualbo e forro para
iundos de barricas, ditas americanas at 3 palmos de
largura e do lodos os comprmanlos ; tudo por barato
preco : atraz do Ibealro velho armazens os. 16 e
18, a Miar com Joaquim Lopes de Almeida csixeiro
do Sr. Joio Malhcus.
== Vendem-se os seguintes litros ja usados, por pre-
(ionario thcologico, 5 v. ; Ideia de um perfeito paro-
cho 4 v. ; Compendio de Ideologa moral 4 v. ; His-
toria da igreja christia 4 v. ; Quadro do doutrina dos
padres e doutores da igreja 3 v. ;. Panegricos evan-
glicos 2 v. ; Orecdes sacras, 2 v. ; Compendio do
diccionario dos casos e pontos 4 v. ; Retiro espiri-
tual 2 v.; Conducta dos confessores, 2 v. Opsculo
Ibeologico, 1 v.; Diccionario potico portuguez ,1 v.;
dito Irancez e portugus I v. ; Kpithome dos princi-
pios do mural, 1 v.; dito da doutrina moral 1 v. ;
Calhccismo do ordenandos, 1 v,; Elementica moral e
philosophica 1 v.; InstrocfSaa de eirimoniu 1 v.;
LicSes do mat8phisica moral 1 v ; Sciencia dos eos-
turnes 1 v. ; Sagrado Concilio tridentino, 1 v. ; Ele-
mentos de philosophia : na ra do Crespo loja de
miudezas n. II.
es Vende se, ou troca-so por escravos uma casa
na ra da Alegra do bairro da Boa-Vista, que se cha
prompta at ao respaldo, com os oitoes dobradoi, quin-
tal todo murado e com todos os alicerces do repar-
limenlo e cozinha prompta : a tratar no becco do
Quiabo do Boa-Vista, a qualqucr hora do dia, ou na
ruado Collegio n. 17, segundo andar das 6 as 9
horas da manbia.
= Vendem-se 200 barricas vasias muito boas,
que forSo de farinha de trigo assim como 200 ditas
com algum defeito; na ra larga do Rozario junto ao
qoarlel de polica, n. 18.
= Venue-se um terreno, alagado com 120 e tan-
tos palmos de fronte para o rio Capibaribe, no Carino-
Velho, botando os fundos para Ierras anneas ao Sr
Joao Carneiro 11ios, loreiro aos religiosos do Carmo ,
por baralo preco ; na ra da Pa/ n 40.
Vendem-se uns terrenos com 50 palmos de fren-
te o 150 de fundo, sitos na ra da Concordia por de-
(razda ra Nova ; os quaes fazem frente para as tra-
veseas do fallecido Monteiro, e Caldeireiro: quem pre-
fannrelffl n "-"-:. <:::'- -. uclsrii ;' n
... ....
18
:
. -.
:.. rU3 non -o S. aSiO, -'
= Vende-se um rnoleque pec,a, de 18 anuos bom
oflicisl de pedreiro ; 4 escravos pecas para todo o
trabalho ; um preto do meia idade, por 2008 rs. bom
para trabalharc botar sentidos um sitio, por estar a
isto acestumado; um mulalinbo de 18 annos, de mui-
to boa conducta e he bom pagem ; 3 escravas de boas
figuras engommiio cozinhfio e lavao roupa ; urna
mulatinha de 16 annos recclhida, cose, engomma, e
las todo o servico de uma casa ; uma preta boa lava-
deira de varrella ; na ra do Crespo, n. 10, primeiro
andar.
= Vende-se um lindo rnoleque peca de 17 annos,
oflicial de sapateiro e de muita bonita figura sem
vicios ; uma parda de 22 annos, com habilidades ;
uma preta de 25 annos parida de dous mezes com
uma cria ; uma dita parida sem filho o com habi-
lidades mora de bonita figura : na ra das Flores,
n. 21.
= Vende-se cera do carnauba, pennas do orna e
uma porco de couros miudos; tudo chegado prxi-
mamente do Ass : na ra da Cadeia-Vclha n. 2.
= V.-ndem-se dous escravos de idade de 20 a 22 an-
nos sendo um pepio com principios de tlfaiBte c
outro pruto proprio para todo o servido con? boni-
to figura ambos sen: vicios nem a.olestias ; na ru do
Cruz, n. 37, segundo andar.
= Vende-se essucar refinado em pao, da labrica de
Navarro, a!40rs a libra ; na ra da Aurora, casa
de Angelo Francisco Carneiro.
= Vendem-se 5 relogios de ouro, dous pares do
brincos, um dilo para menina 3 pares de roslas
para dita 5 holoes do abertura um annelao, uma
porcao de pecinhas miudas proprias para pescoco de
menino leudo liga sino salmio, &c. ; na ra do
liangel n. 3, primeiro andar.
= Vende-te um bom carro de 4 rodas para um e
douscavallo para o que tem a coropelento lanca e
camhitos com arreios para um cavallo minio forte,
love e brando de molas ; na prac,a da Roa-vista co-
ebera de Prancois.
= Vende-se um exccllente cavallo ruco-pedrez, gran-
de o bem ensinado para carro tanlo su como em pare-
Iha ; na ra do Collegio, n. 10, primeiro andar. .
= Vende-se panno fino preto de superior qualida-
de a 3200 e 4000 rs. o covado dito azul a 2200
rs, casimiras de algouao, a 44o rs, o covado rucias
ditas de 13a de quadros, a 800 rs., ditas a 560 rs. o
covado, brim branco de listras decores a 720 rs. a va-
ra dito do quadros de palba e linho, proprio para so-
bre-casacas do montara a o rs. a vara damasco
de laa com G palmos da largura a 1800 rs. o covado ,
dito de 5 palmos, a 900 rs. as mais conbecidas pe-
cas de bretanha de rolo de 10 varas, a 1800 rs ditas
de puro linho com 6 varas, a 3400 rs. cortes de cassa
pintadas com 10 covados, a 1800 rs. dilas de as-
iento escuro, a 1440 rs. riscado de algodio e seda ,
a 320 rs. o covado, dito francez de duas larguras, a
280 rs dito de uma s largura a 120 is. o covado ,
cortes de chila patente com 15 covados, a 1600, 2/e 3>
rs. picle azul com 4 palmos du largura proprio
pora escravos a 240 rs o covado chitas do asiento
escuro e de cores, a 120, 140 e 160 rs. o covado pe-
cas de ganga azul da India com 14 covados, a 1440
rs. guardanapos de algodio a 2000 rs. a duzia ,
atoalhado de algodio com 5 palmos de largura a 520
rs. a vara soias alcochoadas e de cordao para senbo-
ra a 1600 rs. pecas de fil americano, proprio pa-
ra mosquiteiros a 2 rs., ditas cor de caf a 1500
n. corles de cambraia de quadros e da listras, a 4/
rs .corte de ditas brancas adamas ados,a 3000 rs.,csm
brai piolada com 4 palmos do largura, a 560 rs. a va-
ra oputras muitas fazendes por barato preco ; na ra
do Crespo, loja de fazendas, da viuva Cunba Gui-
maries, n. 10.
= \ endem-se duas esersvas, de 24 annos, debo
nitas figuras, engommio, cozuihao e Isvio de sabio ;
urna linda crioula de 20 annos, com algumas habilida-
des ; uma pirdinha do 20 annos engomma cose ,
cozinha e lava de sabio ; urna cabrinha de 13 annos,
cose chao, e faz renda ; uma negrinha crioula de 7
annos propria para ser educada ; 3 eicravis de na.-
<2o, mocas, proprias para lodo o servico; um mu-
lalinbo de 18 annos con? principios de oiTlcio do
90 commodo : doui jogos de Breviarios; Sermcs defpedreiro e he ptimo pagem ; dou< molccotes de 18
Massilon, 16 v. ; ditos do padre Antonio Vieira, 1 v. ; Janiioi um dito de 14 ; um escravo de naci car-
ditos de quaresma 1 v.; Compendio de theologia rao- fregador de palanqun?: na ra das Cruief, n. 2*2, se-
ral evanglica 6t. ; o Pastor evanglico, 4 v. ; ic-lgundoandar.
Vendo-se 00'arrenda-so una morada de casi
o sitio, uo lugar do Remedio, com bastantes coturno-
dos para grande familia e terrena para planlaco>s;o
duas caiinhas d>? tai pa dentro do rrmmo sitia,, por pre-
CO comnwdo : na ra des Plores. n. if",^
= Vonde-se urna porfi do assoaiho de louro e ou-
tra de forro do dito por preco commodo ; ni ra di
Concordia n. 15. que fica por delraz do Crmo-Ve-
Ibo ou na ra larga do Rozario, n. 21.
= 1 endem-se corles de lia para vestidos, com |.
covados a 3200 a 4000 rs. ditos de chila com 1.)
covado, a 1800 e 2000 rs. brins de quadros de lin-
dos padres, a 1400 e 1500 rs a vara, merino da
duas larguras, muito superior, a 1200 rs. algodio
azul com 4 palmos de largura proprio para escravos,
a 280 rs. o covado, chapeos de sol, de balis a 2*200
rs. chitas muito finas da ausento escuro a 280 rs.
covado, o outras muitas fazendas por preco muito
commodo : na ra da Queimado, loja n. 57.
Yende-se uma escrava de nacSo quitaodeira,
cozinha o diario de urna casa, e lava de sabio ; na rus
Direita, n. 18.
= Vende-se uma armaeao completado venda, com
todos os seus pertences; na ra de Agoas-Verdes,
n. 48.
Christopliers & Donaldson, ra rita
do Trapiche da alfandega velha, casa n.
-fo, tccn para vender cerveja cni barricas,
vinda de Londres, vinhos do Porto, Te-
nerife, o. ontros autores, ago'arilerite de
''ranea, tanto em cascos como em garra-
las, tudo das melhores qualidades que
vem esta provincia, e, tudo proprio
para-as pessoos de bom gosto.
on '*.= .Hussie. ti. o 3, f^B^H
'psql 1 ':.'.' .. '; .t-coai'i'
2VJ
as de rotipas, e outros usos semehantes:
vendem-se pelo baiso preco de cruzati
a vara ; ni loja n. 4 da praea da Imle-
pendendia.
Queijos do Alemtejo nmitofrescaes;
na ruada Cadeia Velha, n. ai e i\.
Vende-se vinagre superior a joo
res a caada ; na ra do Atierro dos A
logados 11. 7.
Vende-se farelo, pelo mdico pc-
eo de i .so00 c 2'56o rs. : na rua da
Senzalla Velha n. i38.
Escravos Fgidos
=> Fugio, em Gnsde junho p. p. um mulatiabo
de idec'e de 14 annos, pouco mssou menos; o qusl
consta andar pelo? erredores desta colado, intitlando-
su foiro de nome Manoel : quem o peg'r, leve a rua
da Cruz, o. 9, que ser generosamente recompensado.
Fugio do engjtiho Dous-Piius, no Ibo do correte um pardo de idade de 2o a 30 annos,
pouco maisou menos, de nomo Loiz, alto, ps gran-
des, pouca barba cabello pichaitn ; trabalha de car-
pina pedreiro, sapateiro e pintor : quem o pegar, la-
ve ao dito engenho Dous-Bios, que sera generasi-
rnenle gratificado pelo sunhor do dito pardo, o coro-
nel Juan da Costa Villar, ou a loja da esquina qua
vira para a Cadeia junto ao arco de 8. Antonio de
Gomes & Carvalbo.
=a Uo sobrado n. 7, na rua da Gloria fugio no
dia 24 de julbo passado urna escrava de Francisco da
Amonio Lima de nome Catharina da naci Costa ;
foi do Sr. Jos Joaquim deUesquila : a qual he secoa
docorpo, pernas linas, e na esquerda uma pequeaa
mancha loveira e'no lado esquerdo do nariz, |a perla
do olho um signal de carne que a torna bem conhe-
eida : roga-se a quem a vir o lavor de lvala no mea-
ciooado sobrado pelo que *er bem recompen-
sado.
Fugio, no dia 20 de julbo r a noute, um preto
crou'o de nome Christovio muito ladino, alta-
ra regular, cheio do corpo, scm barba bercos groi-
srs; julga se ter fgido para Macei, por ter sido
d'ahi deGuilhermeJosda Graca : quem o pegar,
leve a rua Uireita, padaria 11. 69, de Antonio Alveda
Miranda Guimaries*, quo gratificara generosamente:
advertindo-se que o dito escravo chegou a esta piafa
no dia 17 do ditomez.
sea Fugio, no dia 5 do passado ulho uma preta
da Costa, de nome Catharina estatura regular, cor
bem preta olbes grandes nariz chito bocea e pe-
tos grandes bracos e pernas grossas, ps apalheUdoi.
e bichentos uma eicalriz em uma das pis falta-loe
uma unha em um dos dedos da mi esquerda, em am-
bos os joelhos tem bastantes verrugas ; levou vestido de
chita branca com llores encarnadas e panno da Costa;
quem a pegar, leve ao largo do Carino n. 5, ou a
rua das Trinobeiras 11. 10.
= Em dias do mez passado ausenlou-se de casi o
cubra de Antonio de Sousn ngel, de nome Estanis-
lao muito conuecido aqu no Kecife onde pus*11
a toda hora ; quem o pegar levando-o na olaria do
Cotcvello sera bem recornpeniado.
__ Fugirio. no dia 2l do julbo os escravos: Cos-
me, crioulo de idade du 40 anuos, dasdantsdo ; tcB>
urna rotura na barriga ; ho casado con? urna parda,
que foi em sus companbia : Flix, alio, secco, cor fu-
la, pouca barba uma perna mais grotsa do que a ou-
tra ; lambem casado com uma cabra, que tambera h"
com ello : quem os pegar leve ao engenho MorJ<>-
de-Na/areth que ser gratificado.
__ Fugio a dous do correnre, pelas 7 horas a
noute uma escrava crioula de nome Hoza de es -
talara regular, cor fula ps epalheledoi, du id"8
de 28 anno ; too? o braco csqurrdo lorio por tef 1(l0
quebrado : quem a pegar, leve ao peda ponte da Roa-
Vista na l*a Nova, o. 71, que sera recompensado.
-"
H
PF.P.N. *, NA TYP PF TsT- F PF FATlI-
,8^5.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJMJTXR6K_1838GD INGEST_TIME 2013-04-13T02:30:13Z PACKAGE AA00011611_05831
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES