Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05827


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO DE 1838: QUAKTA FE1RA

28 E FEVEREIRO. N. 47.
PEKN. n TYP. X. i. or EAJIU. W38
O! DA SRIMA*
2(1 Seernnda s. Trocnto Are. Audiencia do Juis
enme de Urde ses da T. f-
_: Terca S. Leandro Are. Re. de m. c aud. do
" J. dos Orf. de tarde.
2 (Harta de <'in-a(jr.|mn alea Paacoa, excepto O*
Domingo) Proc. de lar. dos tere, de s. ronceo
Nao ha despaXO.
I. de Marqo (ninta S. Aiidnao M. Al.ertura da a.
I,. P. Nao ha de|.
S V-xin S. Simplicio m. Ses!io da Thesourana
" e aud. do dos orf. de tarde.
I aliados. Ilerineterio m. Kelac- de manli- c aud-
do V. G. era Olinda de tard. Quat. creso, as 3
hor. e 54Illin. da man-
1 DomiiiRo l. da (iiaresma S; Casimiro Kei
ware'clM'i para odia 38 de hevereiro
as S hora> e .'0 m- da m 8 h- "> I in. da tard.
Tildo agora depende de nos mesmos da nossa
pmdccia, moderado, e energa : continuemos
CODIO principiamos, e seremos apontados com adini.
acao erntre as Macoes mais cu.tas.
Proclamacuo d'Assemblca Gcral do nrasil.
Siihserevesp a 1,000 reis mencacs pagos adiantados
nesta Tipografa, na das Cruses i>. 3, e na Praca
da independencia I). 37 c 3S, onde se recehem cir.
respomleneias legalisadas. e annuncios nserindo-se
estes gratis sendo dos proprios asignantes, e rindo
assignudos.
CAMBIOS.
Fevereiro 27.
JLiOndrea 32 1|2 Ds. Si. poi 1,000. si
Lisboa f5 poroio premio, por metal, Noni'
Franca 315 a 30 Ra. por franco
Rio de Jan. 6 p.e- de dt'sc.
Moeda de 6.400 13,000 as velha, novaa 13,400
4,(1(10 7.400 a 7.500
Pezo Colimares !,565 a 1570
ditlo Mexicanos ,5A0 a 1505
Pataeoes Braiileiroi ,565 a 1570
Premio Hat letira, po mei i l| por o|0
Cobre a par das seduUs
PERNAMBUCO.
COMMA.NDO DAS ARMAS.
Expediente do dia a3 de Fevereiro.
i838.
OIRcio A Exm. Presidente, signi-
5cando-lhe que o Cipitio Antonio Jo*e
Crrela de Lira, do terceiro Batallia da
Guarda Nacional da Municipio de Oiinda
norneado por portara de 8 deste mei pa-
ra servir no Corpu destacado oio tiuba
.-io presente se api asentado talve por
iio tar tido commuuieacao alguma pela
Legiao a que partencia lasendo-ae por
tanto aecassario activar a aua apieaentato, expedindoa
case rim suas oruens.
Dito Ao Blasmo F.xm. Sr. ponde-
rando-ihe, que a medida apontada em
sea olli io du uonteiu a cerca do engaja-
mento da Corneta para o liat-lua dea-
tacado apreseutava incoaveoicDle, e que
l trido oquaito atalbid da Versea i Cor-
nelia mor, a quatro cornettas, seria mi-
thor que eatcs sa lurriecessem dous ao
Corpo destacado, urna vez que nesta sen-
tido se expeditse ra pr-cisaa 01 daos.
Dito Ao Doutor Franci.co Xatiar
Persira de Brilto diseudo-lha, quasen-
do indispensavul que uo dia 27 se pro-
cedesse inspeccio tomo anteriormente se
liavia ordenado nao se podendo esta
verificar sem que elle comparecesse por
estar a junta dislalcada de membros ;
rogava-lhe houvesse de comparecer, nao
obstante as raides que ponderara em sea
mc:o atlendendo que os trabalhos da
Juula poderia somonte durar ama ho-
ra.
Dito Ao Capilio Commandante in-
teriao do qaarto Corpo de A tilheria ,
cimmunicando Uie que a<> In-pector das
obras publicas se havia ordenado mandas-
ie por novas gradas as j mellas do Ca'la-
bouao do Hospital Ruguueutal, confor-
me tinha requisitado.
Dito Ao Major Commandanta in-
terino do segando Batalha aquarteliado
znandaudo apresentar com mgencia um
corneta ao segundo Commandanie da
Companbia Motilada do Corpo de Folie.
Severino Hanrique de Castro Pimentel,
e previnindo que dito Cornetta deveria
ser considerado em deligencia.
Portara Ao Commandanta do De-
posito, mandando demitlir ao recruta Ja-
cinto Barbosa Maciel, por estar isempto
doserviao Militar em vista das iustme-
Vusde 10 de Julliu Uc i8-/2t
Expediente do dia 26.
IIlui. Sur. Reiterando ainda os lou-
vores, que em meu oflicio de a6 de Ja-
neiro ultimo teci a Brigada sob seu cora-
mndo, pelo coinporlamento, e laitos
gloriosos qua continua a apresentar nos
di Tarsos ataques em que *e tem empenha
do, cumpra-me manifestar-llie a magoa do
mei! caci pelo ferimento que recebeu
no dia 16 do mesmo o Tenonte do Bala-
Ibio stimo de Casssadores Antonio Bene-
dicto de Araujo Pernambuco, doqual re-
sul'ou-liie a perda do Braeo Direito
a total inutilidade da euapassoa em occa-
siio mais precisa.
Os servico* e estado deste bravo, e fiel
servidor do Eitado, foi por mira lavado
ao coabacimento do Exrn. Senbor Presi-
dente da Provincia qne movido de sen-
timenlos degratidfo, ehumanidade, so-
licitou do Governo de S. M. o Impera-
dor para este oillcial, e para o Tenante
Manoel Francisco Alves gravimentaferido
noattque do dia 7, urna recompensa e-
quivalenle a^ seus ser vicos, e em tudo
propiii da Dignidade da Naci, por
quem acabf o de verter sea sangue, e mu-
tilar seus membros,
Eu noouso reconimendar a V. S. o
iioin tralamerito desles offi^iaca, e de to-
das aa Prcas da Brigada faridas uos deffe-
rentes attiqaes por que conbego seu zelo
e (jujnto se empenhi neslas occasiSas em
soconer aqaelles, que menos felices par-
lilh <5 a soi te da Guerra.
O destacamento do Rio Grande do Nor-
te e mais Higamas pravas era numero
de 4i, seguirlo com o Capillo Minoel r"a-
valcaote de Mello no dia 31 do referalo
mez de Janeiro, e levando elle 3oo e-ping.
do adar-me i7, 4(>ooo cartuxo embalados
do mesmo adarme, e 4oo tiros d'Arli-
Iharia, pens que estes objetos a os lio-
mena que conduzio chegaro muito a
lempo de seren com vantagem empre-
gados.
E' quinto se mi olTai tea responder ao
oIHcio de V. 5. de 17 de Janeiro, recora-
rnendaudo-lbe, quenosesie de enviar-
me connnuuicaces do estado da Brigada,
e de suas operaceu.
Deus Guarde a V. S. Qnartel do
Commando das Armas de Pernambuco
26 de Fevereio de i838. Antonio
Pedro de Sa' Barretto,-- Illra. Senbor
JoseJoaquim Coelho, Tenente Coronel
Commaudante da Brigada expedicionaria
a Babia.
Dito Ao Major Commandante do se-
gundo Batalhad q ai telado para que
mandasse appreseutar ao Commindanle
interino do Corpo destacado um corneta
que devia ser considerado em dciigencia
cin quinto ali ettivesse.
Dito -. Ao Major Commandante do
Corpo destacado, commuoicando-lhe ter
o Exra. Senhor Presidente expedido or-
dem para que o qaarto Batalha do Mu-
nicipio fornecesse ao do seu comando
dou* cornetas e que em quinto elles ae
m apre.sentassem, lhe aeria remettido
um do segando Bstalba aquartelado ,
que devia ser considerado addido.
Dito Ao Capita5Comindaot interino
do quarto corpo da Artilheria, orden.m-
do-ltie enviaste com urgencia urna reta-
cad das p rae as do Batillu stimo de cis-
sadores addidos ao seu corpo, que pela
celeridade da marcha do mesmo Batalhad
para a Bahia ficarad sem Raias, e preve-
niudoo sobre a licenc,a do sargento An-
tonio Jos Rodrigues.
DIVERSAS REFARTigOKNS.
THESOURARIA DA PROVINCIA.
EDITAES.
Joa5 Coelho da Carvaio, Presidente
do troco da moeda de cobre faz publi-
co aPottaria do iheor seguinte :
O Sur. Presdante do troco da moeda
de cobre ficando na inte ligencia da que
no ultimo do correle mez finda em
em!)' n.idade da Lei o troco da moeda
de cohre por Njtas e deslas pela roe ma
moeda com ja Foi annanciado por Edital
de a3 de Dcscmbro prozimo pissado ,
ter igualmente em vista que ate' esse dia
deve efjctuar-se quanto or poasivel o
troco de todas as quanliaa que se offere-
reiu eque por tanto, se m houvar
mo' da Mingada suliciente para salisfaser
aos portadores pode dar-lhes cautellas
para seren depois resgatadas pela ordem
das datase numerect com q'tora pas-
sidas.
Tbesouraria da Fasenda de Pernambu-
co a3 de Favareiro de 1838. Joap Gon-
calves da Silva. Parnambuco ai de Fe-
vareiro de i838,
Joa Coelho de Carvalho.
Praaideule.
MEZA DAS DIVERSAS RENDAS.-
' A pauta lio a mesma do n. a6.
OBRAS PUBLICAS.
ISa silla d'Administrafi Fiscal dan O- (
PARTIDA 008 CORHRIO.
Olinda_Todoa oa dia o meio dia.
Ooiana, Alhaadra, Paralba, filia do Cond*, Mi
iiiirii|)i;. Filar, Real de S. Jobo, Hrejo d"Aiea
iiainlia. Pon!.al, Nora de Sun. Cidade do Nal
ViMat de Goianninha, e Nova da Prineeia, Cidada
la fortaleza. Villa* do Aijnirm.. Monte mor novo
AracatT Cascarel, Canind, Oranja, lmperatriv
S. Bernardo, 8. Jnito do Principe, Sobral, Notada
Blller.lc. S. Matlieu, Reaeho doaantrue, S
Antonio do Jardim, Quexeramoliim. e Parnahil)*
- Seeriindaa e Sextas teiras ao meio dia por a da
Parailia. Santo AntSo-Todat t quinlat feiraa ao
mei o dia. (laranliuna, e Bonito-no diat 10 e U
Je rada rr.e ao malo dia. Flore-no dia n dt
:.di mea ao meio dia- Calm.Sfrlnl.aem, Rio V"f-
moio. e Porto Caito- no dia. \, M,e4l ecadl
mei-________________ ----
bias Publicas se hade vender em basta
publica a quem mais dar la bois man-
sos de carro muilo bons ; os quaes e-
xiatem na Coxia do Corpo Policial pa-
ra quem os pretender comprar, hir ali
.vellos: os da* 1,3, e 5, de Marco
prosimo vindouro sa5 os das ipra-ado
para a dita arremataQa5 : quem os quiser,
comprar, adiar se ha na sobredita silla
a hora do mtio da pra lanzar.
Amaro Francisoo de Moma
Administrador Fiscal,
PREFEITURA.
Parta do dia a5 de Fererairo l838.
Illm. eExm.Sr. Consta das partea
hoja recebidas n'esta Secretaria terem si-
do presos bootem a rninha ordem os in-
dividuos segainles os qaaes tivera o
competente deslino : Manoel Gomes da
Paz pardo desertor do Batalha 7.
de Cassadores pelo Sub-Preleito da Fre-
gaesia da Gaolo Antonio ; Jt-se da Silva ,
branco, pela I. patrulna daRibaira por
estar baatante ebrio s Carlos Ancelmo ,
Indio, e Manoel de Ueo pardo, pala
1. pa'.rulha do districto do Carino, por
eerena enconti adosameia noilo e tere ni
resistido a mesma ; Fifmioo Antonio Al-
ves branao, pela a. pairlos do mea-
reo districto por estar de.tado junto a
porta di Igraja e faser-se suspeito aquel-
la hora; Jos prelo escravo da Joa-
quim Jos de Minada, e Faustino Kioei-
ro pardo pelo Sob-Prefailo da Fra-
guesia da Boa-vista este por ter a
cedo cruelmente a um preto fono de^q
resaltou feril-o na cabeCa no braco, e
nama5; Joaquim, prelo, eacravo da
JoseEginiode Miranda, porum Guirda
Nacional por estar em comeco de de-
zordemeom ootro Benedicta Mana ,
timbem prata, por outro G. N. por
furto detre* mil reis a Manoel Mana do
Rosirio j eJoa da Costa, br.nco, pelo
Sub-Prefe.to da Fregueaia do Recite, poc
contravencadan ordens. _
E' o que consta das partes boje receb,
das n'eata Secretaria.
Dos GuardeaV.Exe. PrefeitoraaU
Comarca do Recif. 25 de Feaereiro de
,838. i-&--Sar-/r;nro:s0?
Reg Barros, Presidente da Pw,
Francisco Antonio da Sa' Brrelo, Pt,
leito da Comarca,
Parte do dia a6:
Illm. e E.m. Snr. ForaS preaoa hon-
tam a minha ordem a Uerao difieren-,
tes destino BTaio Ui* /oboros



91 A1I0
iipiinmid C O.
stnxua
retos e^te escravo de Manuel Ignacio,
Pedro Co'er,ao da Fondee Pino.k fo-
*eph e Lavjie brinco e Jos, e Jmo-
nimo, pelos, aquella esciavo de Jo5
Thomuz, pelo Sob Preleilo da Freguesia
deSautu Antonio, o I.Vi, por brig.i no
Jjgar da Rtbeira ; o 5. por andar ar-
mado de pedras. e utiriudo-as sobre quem
encontrara ; o 4. e 5. por cstarem
bastant' ebios ; o 6. por upol o lu-
cido ; a a ultima tio.lmente, pelo mis-
ino motivo e estar em desorden) ; Anas-
tacioda Coat bmneo ptla Guarda da
Ribcira por ter faiilo m cabeon a um
minino ein a roa do Nognrira j Venancio
Cavalleiro tambero branco pilo Sub-
Piefaito da Fremnsiada Boa vist,a e-
qqisica do Cnsul deHrsjianha ; e R*y
mundo Jernimo Indio pelo S ib P;e-
feto da Fieguesia de Muriheea p >r Ihe
tec sido spprehendida urna fei itt poota
com a qul Ferira a Policiano Antonio.
He o qoe onsta das partes boje rece-
ludas Beata Secretara.
Dio Guarde a V. E*c. Preleitnra da
Corasica -lo Reril'e 26 de Feveieii de
i838. Illm. e Exm. Sur. Francisco do
Reg Birroa Presidente da Provincia.
Francisco Antonio de S Brrelo Pie-
feito da Comarca.
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE
DO RECIFE.
Sessa5 de a5 de Dsembro de i838.
Presidencia do Sur. Silva.
Comparereraos Sor. Pessoa Soma,
Chaves, e Douctor Cintra e Mamede ;
filiando com causa es mais Saris
Aber'a a SessaS e lida o Acta da ante-
cedente fui approvad.
O Secntaiio rneucionou os seguintes
officios.
UradoExra. Sor. Presidente da Pro-
vincia ordenando qua a Cmara facilite
tcos despachos e coadjuve o Cnsul de
Saa Magitade Britnica em todo o que
e9tiver ao seo alcance para aprompta ,
final conclusa do Edificio, que est
ronstruiodo na ra d'Auora 6ro forma
exterior de Templo para a Celebraca
dos Actos Religiosos dos Subditos de su
Nac6, segundo a planta, que foi p-
proTtda pelo Goveroo Imperial : a C-
mara resolao que se ofllciasae ao Exm*
Presidente iostiuiudo-o do que ella ha-
via prosseguido a respeito ; bem como He
sa achar de acord de exigir a Planta da
projectada obra ; para que caso se a-
chaase em armouia com a Constituia5,
e suai Posturas rolesse satisfaser o que
le era recommeu'iado.
Eotroa em discu-sa o officio d Te-
nente Coronel de Engenheiros que havia
fiando addiado na SossaS passada ; e de-
pois de alguma discucaS ; re iDaia qu a estrada deque trarta o mes
rciiiffi io fobSt consideada como ra,
pariecipin lo-sa iiso mesmo ao Tenente
Coronel ; mandt-U se pa-sar mandado da
quantia de 48$ ittis ao medidor dos ter-
renos de Marinha Rodolfo Jo5 Barata
d'Almeida provenieute dos joroaes da9
pessoas, que trabalbaraS oo servico da
medi^aS dos ditos terrenos.
Comparezco o Sor. Doutor Joa5 Jo^e
Pmto Guimaraen e prestou juramento
a tomou pose du Cargo de Variador Siip-
p'.ente.
Entrou am discuisa saa obra que o
Cidadad Guerra estiva procedendo na ra
do Vigario era ou nao legal. avista dos
ttulos do terreno vendido pla Irm*nda-
de do SS. : a Cmara decenio pela firma-
lira votando contra o Snr. Venador
Chavas.
Despacharlo se alguns requeriraonto,
e por ter dad* a hora levaotou-se a sessa
e m*ad*ra5 f<,ser Presufe '" 1ue as-
Btgnara5. E eu Fulgencio Inf-n'e de
Albuquerqua e Mello Serr. tario a etefi-
?i. Silva, Po Prssidente. Pessoa,
Sousa, Chavas, Doutor Cintra, Mime-
de. _____
ARTIGO COMMUNlCaDO.
ro ha duvida que tra quaJqqer piis
a ciasse mais oppuleota que mais tem
que perder, dee inleressar-se mais qua
as (Mira* na ordem, a tranquilidade Pu-
blica ; pois que quilquer alleacio que
a menina soffa importa Iba grave
prujuio e fax-lhe parthir rmaior parte
d iulei quo sao coasequeocias da rnes-
roa ;a0gavel que entra as classes in-
dustriosas, aque esta' neta ordem sm
duvida a cotnmercial por tent deve
por carta forma cooperar pra que
se promovo os meios de st>guranca inter-
na, ja pelo principio de ulilidado ja pelo
amor Naoiorid ; pois quo e'la bam reco-
(iheee, q-ie qulquer diataibio, qual-
quer dessens.i entestina me^mo utn
loornento da motim produz dias de pa
lalisieo, a atrasos em suas ti nsares ;
pois que girando a m*s na claese com pe
aadas, a dellatadas maquines, "ina ve
enterempidas, a muito costo pode tar no-
vo andamento.
Portento .epelimos, o corpo cotnmer-
cial deveprocuiar a inaltarabelidade das
couaas, a ordem na sociedade, porque a
sua prospe.idade ^aoha amalgamada com
a d^qoella. E*lre Ol o contraro s'obser-
va, o nosiocommercio eexime de cer-
ra forma para so conseguir taes neios.
As icienaaa, os suatentaculoa d* ordem Publica da
tnnqnilidade inierm d'am pas, que ins-
inspra a moral, e a Rebgiao que
fat com que o inferior recite ao
seu superior, que obnga ao Cidadiocou-
ter-^a na rbita de seui deveres, final-
mente que fracterniso os bomenssio por
o meMU .preteridas ; aquella classe prece
que entre n* e ntilisa cr n a escurida-
de Brasileira, e abemos quies sejio os que
nella figura. Nao vemos o nosso corpo do
commercio contribuir annualmente algu-
ma prestecio para que Naturaes desta
Provincia e^tu lemera nos^e oa estrau.
geiras Acrademiaq, s sciancins Natura
lido, ecapacidaHe, que desejo cultivar
as suas faculdades ictelectuaes, e qoe por
(alta de meios nao o podcOI cnieguir,
e ser por essa forma til a ai, e a N^qo.
O corpo do Coramerrio da Babia tem
nessa parte dado bastante prova da amor
a naug'nento das sciancias, e por coase-
guiote da felicidade Brasileira. Antes
da hivar Academias no Brasil, minda-
va annualmente cinco ou seis Exudan-
tes para Coimbra, e os soppro a ana
costa ; e ainda hoje a nossa receba al-
guns por alies enviados. E o nosso Com-
mercio tem faito o mesmo ? Respondi
os Negociantes Julgio qua com o sa-
tisfaser os ropo9tos, que Ihe marca a Na-
ga > devern eximir-se de concorrer para
o au^m^nto dos raeioi de c'vilisar, e ios
truir o Paiz. Tras ou quatro Estndantes,
nrja annualmente mandassem estudar, u-
tilisavio muito ao p'U; pois alem do
proveito pessoal deqaem saba tinhamos
mais po>sibalidade de puder conter os
malvados, e inspirar o t>.m >r daa Leis, a a
Moral ; alem do qua cabia grande glo-
ria a j mesmo Commercio, p la demons-
tradlo d'amor ao paiz. He veidade, que
nao julgamos isso urna obrigaco per-
frita, nena a sanelo popular infine mu
em alroaa, qu? poucosimpatisfo ao Po-
vo ; ima obiigaoquasi moral urna
piova prosperar o nosso paiz.
Talvez ouee'gom Sor. Negociante a
que,ti nao Ihe faca boa sonancia es*a Tar-
dado diga; iso ssm duvida e cantada
dequem quer alcmcar alloma sobscrip-
q, para i ou algum seo prente que
pretende estudar sa tal euposer enga-
na-se ; p>rque quem e-a advertencia faz,
acba-se boje graduado sern qua implo-
rasse o auxilio do Commercio nem delle
o recebes- nem tem pareotea qua
quera mandar para a Accademia d'O'inda,
ou outr qaalquer ; ta5 somente f lia pe-
lo amor as lu-es paia o bem do Estado,
e por censurar a imprestabdidadedo Co-
mercio de Peruanuihuco ; p>rem notem
os mesrios a quem se referrm as nossus
increpapoens que oa hmeos acha mi-
is apurados conhecem qoaes o^quii a-
roa fuaes '>S que nao querem verpro-
gredir as amencias em Pernambuco. He
precita afiai de iauaa ns leaai "s ear-
dade dascripta com mais animc?ia. qua
promoviS tamoem por esa forma a ali-
cidade do nosso Paiz. Huma pequea
cota que eu destinaba annualmente para
instruir as Accadamias a alguna jovans
babeis, ni damnifica as suas possas*5es;
nem quem tal adverte, pretende politi-
camente coagir o Direito de suas propi-
edades. Alguns dsem quando safi fal-
lidos para asse fim que os mande tra-
halbsr spprender ol ios e deixem os
estudos para quem ped* ; porem essa res-
posta alem de incivil injusta ; PorQ/
nem sempre as sciencias cotupatibeli-
za5 se com as riquesas ; pelo contrario
parece, que os que estaS privados de
bens ( n^5 tendo meios., em que se confi-
ar forcejarse por faser perf. i a anlica-
Qa5 e tirar das sciencias afructo q' el-
las produsem ; outro tantos nao se poda
diser a respeito do filho do rico porque
fiados as riquesas de feos Pas olhlo para
om pergaminho Accademico como umti-
tolo para mais innobrecer as suas pessso-
*s e delle quasi nunca fazem uzo. A-
lem disto podemos tambem mostrar a
injustiqa, e indescripca daquelle diser
com sprova do perigoem que se corre na
Bccumulacafi da sciencias e ri ini^as na
ordem social. Portanto n*5 s'allegue ja
mais tal musa ante confessam os Snrs.
Negociantes. que avista da suas naturali-
dades muito deseja que Pernambuco vi-
va as trevas, e tenha sempre as vistas
vendadas para na5onhecer a oriuem dos
seos malas, e nao conseguir afel.cidade
Publica. (**)
RELATORIO.
Illm. e Exm. Sr. A Congreg'?a5 do
Liceo em observancia do Paragrapho 4.*,
Artigo 4 das InstroccSes Reglamenta-
res de iS da Outubro do anno p. p. da-
das por o Antecessor de V. Exc. para as
Escholas da Instrucco primaria e Hurr a-
nidadas mij. las ao Governo Provincial,
tem a honra da levar presenca de V. Ex.
oQuairo eguinte do Lyceo e de todas
as Aulas Publicas a pai liculares da Pro-
vincia com o Relatorio do Estado actual
da Iustrucea Publica da roes ma Provin-
cia.
No Lyceo desta Cidnde existen! provi-
das, e com exarcicio s Aulas de Latim ,
Rhetorica, e Potica, Philosopbia Racio-
nal, e Moral, Desenho, Francez, In-
gles, Geographia e Historia Aritbme-
tica, a Geometra, Calculo, Frooomia ,
e Phy-ioa ; Aulas estas mandadas subsis-
tir por a Lei Provincial de io de Junbe
do anno p. p., faltando a de Commer-
cio, que ainda na5 taveOppositores. Dig-
ne-se V. Exc. de uzar da authorisa<;a5,
qua Iba concede o Artigo 8. do Crpitu-
lo i. da referida Lei para sr provida
esta Aula lio neeessaria e ui.il nossa
Moridade a Industria do Paii. Tambem
existem prvidos cinco Profesores substi-
tutos: hum de Latim do Lyceo a Cida-
de, outro de Rhetorica, e Geographia ,
o terceiro de Lgica e Gaometria o
quarto de Francez, e Inglez e o ultimo
de Primeiras Letras da CidaJe.
Fora do Lyceo esto em exercicio duas
Cadeir.'S de Latim huma no Hairro do
Recife a outra no da Boavista. Tambera
existem nenia Cidade cinco Aulas de Pri-
meiras Letras e tres para Meninas. Ha
no Seminario Episcopal de Olinda tres
Aulas Tbeologicas com hum eubstituto ,
huma de Canto chao a outra de Botni-
ca no Jardira Botnico da mesma Cidade.
Pelas differentes Villas da Provincia haviio
onze Cadeiras de Latim, Nio consta
Coogregacad, gi j forsS extinctas as da-
quillaa Villas, que oio sao Cabeca de
Comarca, como o determina a Lei Pro
vincial achaudo-se rm Concorso por
ordem da V. Exc. a Cadeira do Liraoei-
ro, quea meiras Lftras disseminadas pelas Pova-
^5as da Provincia mootaS a cincoenta e
quatro; de Concurso. De menina ha quatro, duas
prvidas am Olioda eGoiaua, euou-
tras duasem Concurso pata Santo Aullo ,
e iVlsranguape.
Fiequenlra5 as diferentai Aulas do
Ly.-eo no anno lindo duzentos e tres alom-
os ; as de Latim do Recife a Boa vista
ceuto o tunta hum ; as du Primeiras Le-
tras desta Gidade tresentos e noventa e
tres ; as de meninas sattenta a sete. Das
Cadeiras de fora apenas con-ta Congre-
gacio que a Escola de Nazareth da [\la.
ta tem trinta e sais discpulos; a de Paa-
raado vinte oito 5 a dos Afiogados quaren*
ta 5 e Poco da Panella 65. Tambem cons-
ta ha varem nesta Gidade, e Provincia
militas Aulas particulares de Primeiras Le-
tras e Humanidades, mais, ou menos
IVeqnentadas, segundo o mrito queaos
Profesores de taes Aulas attribuem os
Paia dos alumnos.
O metbodo de Leneastar he s oeguido
n'Aula de Primeiras Letras estabslecid no
antigo templo do Collegio Jesutico pe|
cemmodidade que oflerece aquelle edifi.
ci. Mas este metbodo nao tem medrado ,
e nem to pouco produzidoos bons resul-
tados qua se ha observado mitra os Es-
trangeiros : tal ve/, porque o primeiro ios-
truotor enviado da Corte pareca bastante
hospede nete ensino. Entretanto si a
Assembl Provincial como esta Congre-
gaca5 faz votos adoptar o parecer do En-
viado Brasileiro em Londres deeretaado,
que o Governo manda com vantagens pro-
porcionadas habis a j desenvolvidos
Mocos Pernarabucanos para aqaelle Paiz
aprender esse metbodo, e tambem o me-
tbodo de encino de Jacotot, e que venba
amastrar no patrio solo os tiossos Profes-
sores, prestar em verdade muito mais
relevantes, e assignalados servidos Pro-
vincia que nella depositou suas esperan-
fas e que Ihe saber ser grata.
as outras Aulas de primeiras letras
continua6 a ensinar-se as materias dan'g.
nadas na Lei da 15 de Outubro de I827,
porem pelo metbodo antigo, a pode tal-
vez dizer-se que sem utilidade bero seasi-
vel para o Pobco.
A Aulas de Huminadades pnuco se lia
desviado da antiga rotina : faltava-lhes>n.
tre outr>s muitas causas, huma Coipora-.
cao Litleraria que as orientaste e po-
desse coopeiar para o seo progresso, a
progppridtde que toda reverter ia ara u-
lilidade da Provincia. Esta falta arada
naSse acha sanada per aquella Lei Pro-
vincial porquanto ahi percebe-se, e
sente-se a ausencia de outros elemeut09,
que lera tanta influencia nos resultados.
Todava antes de.-ta epocha j alguns Pro-
tire ScieDcias, na5 deixai-5 de dar alguns
passos no melhoramtnto de metbodo e
Compendios : o qua parece haver dado
algum impulso, ainda que mni pequeo,
Instruoso presente.
Do Quadro xposto descobrir V. Exc.
que a Instrucco da Piovineia apenas in-
dica j que hum dia podei prosperar, si
todavia eurar-se de materia to importan-
te. A Instrncead publica esteva em com-
pleto abandono antes da Independencia,
poisasaim couvinha apoltica deeuto,
porque s a igiorancia pJa assegarar o
sceptro tyrannia. Mas nem por s>ocom
a|nossa regenerafaS poltica esta foote das
prosperidades publicas merecen todas as
attenees que Ihe ecaO devidas: aasira
nao fo para admirar que habis Professo-
res na5 estivessam leta da InstruceO
publica. Metqunhos ordenados bem pen-
co poderiad convidar a Professores de m-
rito real; e si algum sedesoobiia este
pbauomeno era devido causas que nos
iiio cumpra referir aqu.
Nao ta muito, que os ordenados fo-
ra5 algum tauto augmentados pe* a A>sem-
bli Garal; a este faoto produziu o etttlto
desejado ; convidou Mesire. mais habis,
e animou os existentes. Mas por oulro la-
do a roenciouada Le.i Proviocal acaba ds
dar golpe mortal nos Profts.ores actuaes,
e desanimar as pessoas que possaS querer
o magisterio, diminuindo esses mesmos
ordenados (que j se acbavaS as-s min-
goados por a diffcieu;a de moeda) mm-
dando perder huma parte dellea as occa-
sies em qne os Prof. ssore mesmo por
imposibilidade provada dm-O de exerctr
omigi-ierio/ O que faz, que o orde-
nados de hoje s< 5 menores que os Mit
ligos, os quaes j ua6 terva de incenti-
vo qoem iive83e algum mrito litera-
rio.
A Instrucco publica nunca leve syite-
ma nem coordenado harmona,
liu.u fim. Aljumaa oadeiraa laucadas
esmo poc Provincia, u em hum de-


Jf
1F=3

(terminado local, ril podern convidara
Mocidade estudiosa qaa entra nos he l-
vida de iristruecio masque infelizmente
para ella naO lera o que estndur nada
tem a colher, nao \ (pois o nio ha) hum
fitn s suas fsdigas, seus sacrificios : por
quanto Estudos nao organisdos syste-
meticamenle nao tem hum fiuu determi-
nado.
A citada Lei na5 havendo desenvolvido,
augmentado oquadro dos Estudos, na5
formando hora tystema regular, e melho-
dico de Iostrucsao nio Jhe dando hum
fitn, nao prometiendo, aUm destes cau-
sas, vantagens, e preferencias, que em
todos os paizes civilisados se dio a quem
procura a Iastrucco, a Lei por certo a-
cuida nad anima a estudiosa Mocidadea
vir as Aulas receber lazes augmentar a
esphera de seu conhecimeutos; e daqui
vem talvez o pouao progresso, qae a c-
vilisaca a iudustria, a moral tem lei
to entra nos.
As osclacSes polticas era que at a-
gora havemos laborado ttlvez que sejs
huma das causas de tal ell'oiio : e em vr-
dade as Latirs a uo regaco da paz se po-
den) bem cuitirar. Estes causas to mais
que suficientes para explicar o faci que
se observa : Qae a Mocidade nao tem cor-
respondido a esperances, eeiforcos dos
Professores. Saja o que for a falta de
applicaco cora mui raras excepces,
tem sido espantosa e escandalosa uies-
10 naquelles que necassita5 esses Prepa-
ratorios para Guiso Jurdico, ondea
quas totalidade tsm entrado palpando lie-
vas.
A Congregaco sent nao poder apre-
ssntar V. Eso. hum Rlatorio cir< uos-
tanaiadoda inslrucca publica do restante
da Piovincia por falta de dados sufici-
entes para emitlir o seu juizo; por quan-
lo dalerminando o Artigo na das referi-
das In-tiuces Rogolamentares, que as
Cmaras, e Prefeitos de fora do Recite re-
meltaao Director do Lyceo Mappas cir-
cunstanciados lodos os respeitos al o
presente essas Autboridades nada tem fei-
to. Espera por tanto a CoogregeeaO que
no curente anno se communiquaui com
o Director e cumpra5 aquella determina-
cao regulamentir.
Ha cousa de tres annos porem a maior
prta das Aulas de fora da Capital da Pro-
vincia e alguuirs det>ta inesma Capital
fora encontradas m grande relaxaco
pelos Violadores que enviou o Presiden-
te em Conselho por causa de queixes par-i
ticulares que formigava de todas as par*
tes ; entretanto que o Governo descancava
na confianca das Authoridades locaes
quem a Lei incumba a vigilancia de tara
abusos. Assim aquelles Professores pre-
sentaras sera p re attestados dassas Autbori-
dades de haverem bem cumplido uas o-
brigaedes !
Parece, que as Aulas parliculares tem
cbtido maior vantagera que as Publica.
Aquelles, que frequenta taes Aulas, o-
lli.io com nma siso e circumspecco pa-
ra seas Professores, lembrando-se, qae
estes ni eslo agrilhoados pelas contem-
ponsaedes Legaas da E-tatatos ceremooio-
8os, que al hoja tem regido as Aulas pu-
blicas. Assim aquellas mestres tem sido
mnis tem dos e respetados da seus alro-
nos os quaes por isso msis se applicaS ;
e daqui vem que os Cbefes de familias ,
que podem inaisgasiar, procurem antes
as Aulas particulares para seus lilhoa.
A Cougregaco, attendeodo todas es-
tas consideracei, et de animo a ernpre-
gar lodosos meios, qua estiverem seu
alcance, e faser os estorbos poesiveis para
obviar sirailhante damno to prejadicial
soaGovernos livres, oude as Lnzes sao o
susieutacnlo e hum genero de primeira
neceasidade para o Cidado conhecer nio
s seus Dadlos, mas os seus Deveres e
Obrigaoes. Braza a Dos que seja co-
roados lo bous deiejos. Dos Guaide a
V. E*o. Uiloa. e Exm. Sr. Francisco do
Reg Barros, Presdante da Provincia.
Laureuliuo Antonio Momea-a de Carva-
Ibo, Diiector. O Padro Francisco do
Usgo Barios, Secretario.
VARIEDADES.
Conouaca do a. 4*-
Depon deste discurso, repetido com }
DIARIO ft S M 1 ,-U M R D C
O
3
wswwwwiimanwtin
'.! ^Trw-'^fnr-r;
tom tranquillo bem que tevero Napo-
leio levantou se deo|guns passeios por
seu gabinete, eveiode novo sentar-se ,
como que esperando que alguna dos assis-
tentes tomaase a palavra : maa oeulium
dellos pareca ter muita prossa de come-
car com elle semelhante discussSo. O
Cardeal Mauy dirigridose ao Bi-po de
Digne, Iba dtsse Por mui(o|tempo ,
Sr. estudatesas leis da Igreja Gallicana;
vossa opinio deve ser mais du que pr*i-
osa para sua Manestade. Porem o Bispo
Miollis, que era muito atildo, resjoa-
dendo inmediatamente : Dos nio per-
mita Sr. Cardeal, qua eu leriha o ar-
rojo de fallar antes de V. Eraioeucia a
menos que S. M. expressamente mo-lo or-
dene. Eu nao tenbo como vos, discu-
tido na Tribuna Nacional com a euergia e
o talento qne tanto vos distinguen) as
mais importantes qaestes de poltica a
organisacio social.
A estas palavras umsurrisoalgum tanto
sardnico animou temblante do Arce-
bispo de Melines; o Imperador, adevi-
nbando as disposigSes dos tres prelados ,
eortou a questo dizendo ao Cardeal :
Vamos Sor. Arcepispo deParis t-de
o primairo que assim o querem. Seu-
tindo a impossibilidada de recuar esle
n II ctio um instante, e depois propoz
ao Imperador, como meio termo, ofiare-
cer ao Papa o Departamento de Vaucluse,
prometiendo restituir-lhe os estados Ro-
manos quanto o futuro houver provado
que he sincera sua reconoilaco. Ao ou
viresla opinio a imperador carregou
o sobr'olbo, e cruzando ns bracos :
Eisaqu, exclamon nm exc-.llent modo
de desatar as difficulda es .. Mas vos
uio relectites no qne dizeis Sanbor Car-
deal hum menino de io annos respon-
dera com mais acorto. Meu Departa-
mento de Vaucluse para o Papa .' E por
que roa nad propusasles antes ceder-lhes
lodo o meu bello Reino da Italia J .
Certamente elle o nao recusara Mas
vos Snr. de Malinas que pensaes de
ludo isso ? ._ Vossa Magesiadenos poem
em muito delicada posiga ; so* podero-
mos dar-lhe opnioeos inceitissimas a-
lem de que ignoramos o que tem ella re-
sol vido o que pretende faser Abl Ah!
Vos tambera di-se rindo-se o Imperador
vos tambem queris faser papel de diplo-
mtico para comigo, naS vos lembraes
que na5gosto diaso. E vos. Sor. de Di-
gne dir-ms-liL-is tambem vossa opiniaS
de algum modo evasivo ? Nao Sanbor
f.ilUrei a V. M. segundo a impalsaS de
meu coraca5 e nad Ihe dixsimulareiquo
me parece inteiramente impossvel resta-
belecei* qualquer harmona entre ella e
o Sumtnoj Pontfice. Impossvel.' Dis-
60 o Imperador daado hum salto em sua
cadoira ; posso pelo menos reunir o Cle-
ro em Concilio Nacional Desobedecer-
me-ha por acaso ? Nao, Sanbor ex-
clamon calorosamente Mr. de Pradt, en-
cantado por ter adiado mi i> de tomar de
novo a palavra. E eu admiro a fel.z ideia
que veio inspirar V. M. Mas tornou
Mr. de Miollis fallando para o Arcebia-
po de Malines ; mas nad queris lembrar-
vos que o primeiro acto dos Padres do
Concilio aera reconber a sopremasia do
Papa Esmagarei qualquer que tenba
easa audacia iutarrompeo NapoleaS com
hum tom terrivel e batendo com (oda
a torca de ambos os saus paubos sobre a
mesa que estava diante Holl. Ao demais,
contiouou com tom mais tranquillo, uem
hum de entre vos, Srs. ter eu o es
pero tamanba temeridade, _
E levantando-se de sua cadeira ter-
minou NapoleaS a conferencia ajuatan
do com aumma urbanidade_ Snrs., ti-
co vos muito agradecido podis retirar-
vos. Os Prelados sahira ficando ao
M. de Pradt a quem Napolea pedio q'
espera-se, dando-lheassim uma preferen-
cia quo o encheo da orgulbo a julgar-ae
ao menos pelo ar de protecca com que
saudou seus collegas.
O que bavia sido previ.to pelo estima-
val Bispo Miollis iealisou-se: o Concilio
foi convocado ; reuno-sa om 11 de Ju-
teguinte mas logo na primeira SessaS ju-
rara seus Mambes cega cbsdieucia ao
Papa : Napolea o dipensoude r.uuir-sc
nutra vai disaolveo om tsnto rsi,
poderoaojmotivo q' acabara de aabar j>'
have-lo descoberto Rtal cjue os Bi^pos,
e Arcebispos do Conoilio acabav^ de re-
reber iatriiceoens secretas do Papa: O
Imperador mostrou de prompto sua sevee
rdadetiontrn os mais uspeilos : ui de
Gaud de Troyes deTournay, de Tou-
louse foraS pr*sos e igualmente alguna
otaros Sacerdotes a todos como o Padr
d'Asiros condiisidoe para Vincennes -
onde se exigi que de-ssam aus demis,o-
eus.
Foi ntssas circun^hocias qua tove lu-
gr aexpedicada Russia antes de sa-
bir du pa,i3 f fez NapolesSciamar o Du-
que do Ilovigo e conferencian muito
tempo com eHes sobre suas intermiuaveis
dasarncascom o Sumrao PontiBce 5 de*
poisde haver-lrie tracado da seguir em
quanto estivesse ausente ajuutou. __ Na-
da faaaas de importaute sem consultar-
me e parti para resde. Apenas che
gado a Capital da Saxonia soobe que hu-
ma Esquadraluglesa tinba vindo crsar
diante de Genova. A resid-mcia de Savo-
ua na5 Ihe parneeo bastante segura ere-
ceando que os Ingleses nao uitsse tirar
dellao Papa, escreveo ao Duque de Ro-
vigo afim do que trausferisse sua Sn-
tidade p.ra Ponlaioeblem : reoommen-
dou-lbe qua nada poupasse para tornar a
viagem coromoda e agradavel, nao que-
rendo par nenhum modo ao que disia ,
violentar sua Sanlidade, a desojando so-
rnente arrancal-o a influencias pernicio-
sas tanto para a Franca como para a I-
lalia. O SutoPapa ni mostiou diffi
culdade alguma para deixar Savona.
Passaodo pelo monte CJOfl elle caho
gravemente enfermo. O OTicial Superior
da Polica que diriga a viagem estava lo
receoso da responsabilidade que tinha as-
sumido, que sa o Papa viesse a morrer
entregue suas mos, elle ttido j linba
disposto para matar-se. Felizmente o
Papa milhorou e no tim de tres das po-
de continuar sua viagem para Fontaine-
hleau aonde chegnu em fim em iq de
JauhodeiBia. He a esta chegada que
se refere e-se recibe to divertidamente
singelo o ,.;e bem que muito conhecido,
nao develos dezar de repet l> coma emi-
neutemvnte crc(eristco. To satsfeito
estava o Oili.-iaJ da Pulicia de que acaba-
mos de fallar, de ver-se em fim livre de
sua i:ouimi->ao que exigi do guarda do
Castello de Fontainebleau hnm recibo que
o desonerasso d I oda a >espoQ3abiIidade
futura i foi-ihe este recibo passado nestes
termos, se devemos dar crdito a'Chro-
nica Becebi bum Papa em boa e>tado,
e para clareza passu o presente quo assig-
no, etc., etc.
Todo o tempo que o Papa demorou-se
em Foutaineblesu foi constantemente tra-
tado como Soberano; assim ja' havia a-
oontacido quando leio paro sagrar o Im-
perador, Eotreos Ornoiaes de sus Casa
que o Imperador linba posto ao serviso
do illostre pri?ior>ero ;i qualidade de
Camaiiiias, enntava-se Mr. Denon, a
quem lomou o Papa graude 8T.ica5 bem
depressa elle acostumou-ae a trata-lo por
tu, a a chama lo erepre -meu tilho.
Hum di Pi Vil hnveodo gestado BUrrma-
meats de huma oonveraacaS que (riba ti
do com aeu Ctmarnts sobre a nx; Egypto, pedio-lhti ol>r qoe elle havia
publicado sobre as antiguidades Egypci. Muitos trechos desle Jivro na5 cetva5
conformes com alguns p .ritos do Gena.-is.
relativos a' creaga do mundo; Po Vil
biveudo-lbe dicto alguos oas aaies *]Ue
essa leitura o toha muito interessado ,
procurou Daooo desoaljMr alguus pontos
delicados ; Nao importa nao impor-
ta meu filho, di'se muitas vezes o Pa-
pa ; tudo isso he muito curioso e ua ver-
dade eu o nio saba. O Camarista jul-
gou que devia declarar a sua Santidade
que alia fiava exuommuu>ad(i o livro e
seu autor. Excommungado .' Tu meu
6lbo toruou o Papa com a maior honda-
da eu te assegujo que nem o suspeitava^
e eis aqu a prava. e o Santo Padre a-
presentou a Uenou seu anel Pastoral para
que o beijasie.
No meio dos graves aconteciraeotos de
qaa foi tbeatro a Europa depois do im-
rnenso desastre da Campauha da Rassa ,
o Imperador de volta a Pars, considera-
V" nomo do uegoeins Mj*a nrg8if("i nne
liaba de conclaii, dafioJlivos arraojos
coro o Sanio Padtc, e cor o Clero. a
Nunca bavie existido entre elle Pin
VII iuiroisade pe^soal. O Papa ira fanm
dos qne mais gostosos recoobeciaS o genio
lo Imperador, e os aatvicos poi elle pres.
tadosa' PuligiaS, aat roesmo pode se af-
firmar qoe Ihe era affeicoado. Pagava-lbu
Napolea esos sentimentos can sumnu
e sincera eslima. D<>vo-lhe grande o-
bii;.>uoes, elle me sagrou dizia Napo-
lea; lie alias bum modelo dedopura,
pena lie qua se acbo (a mal rodeiado, e
por gente (a indigna.
Nos primeiro 1 das rio Janeiro de 1813 ,
dvpoii de ter tido longa conversaca coro
M. do Talleytand em seu gabinete, o
imperador disieao seu Cama lis la quando
sabio Decididamente vejo que me he
preciso metter-me directamente uestes no-
gocios e ir penalmente surprender
Pepa em Fontainebleau.
( Continuar,so-ha. )

i
AVIZOH DIVERSOS.
eflr O >r. MaiM'.'l Jos Luna mora-
dor uj fiegocsu de Ipojuca e que ja foi
etorivfo na V illa do '.'abo queira ter l-
hoadade aparecer uesta praca na ra do
Itaiig 1 casa D. 6 do lado do mar que be
para se tratar sobre a letra que o dito Sr.
aceitou ao Sr. Reverendo Vigario do Cabo
JoioCavalcanli dd Albuquerque a qaBl
boje pertence ao auuuucianle, e esla a
pootada e protestada.
WW Pieuisa-je de um ceixea-o Por-
luguez capaz de tomar tonta de oro venda
por halando e que escrevj sofrivelmen-
te ; o Sr. que esliver tiestas circunstan-
cias dirija-se a ra larga do Rozario D.
7, que ah sabara quem o pretende.
tipa* A Caza de Pasto e Botequim da
ra dosQuarteis D. 8 de hoja em diente
tera' torvetes de difsreotes qualidades o
tem destinado as horas seguintes, em qae
o dvera' procuiar, de manhau das il
boras at as a da Urde, e das 5 al as 8
da noite.
---- O Depozito do Galo establecido
na roa dos T aoaeiros, bairro do Recife
acba-se aberto, e ali se vende o mesmo a
cem res a libra, em porceus grandes ou
pequeas, como conver aos compradores
- Hypcnheca se ham sitio no lugar
da Piranga cora b>as trras para planta-
coens, por 250$ rs. por hnm anno, a
2 pr canto ou por fazendas queche-
gaem a e>aa quaotia; quem quiser faser
este negocio dirija-so a roa d'Agoas verdes
coai'ioute n tribunas da Igreja na caza
no^a \>- du; portas pintadas de verde.
Precisa-so de alugar o primeirc
andar de hum sobrado nu casa terrea
com quintal ucs bairros de Santo Antonio
ou Boa vista tio sendo em ras exqi-i-
tas, pi'.ferindo-se em Santo Antonio em
ras de prorissas, pagaudo-se seis me-
zas adiautados ou fiador codtento :
quem a tiver annancie, na di/ije-se a
Boa-vista na rua nova da L'aampu na
casa pintada de amarello ao p de hjm
porto quo achara com quem tratar.
~ Piecisa-se aluper uma ama que
tenba bom Uiteptra crier, querst ja for-
ra ou captiva queo e.'tiver nrssas cir-
cur.itincias dirija-se ru di Paz qaaria
oasa viudo pela Boavista que se dir
quem pretende.
a/y. Um rapaz que tem todos os pre-
paratorios, e de b">u costames se propu-
era e ensinar as Primcims Letras Gra-
rustica Portugaena, Aiitliimetica
Lingoa Francs : qi'.'-m quiser servir-se
do seo pi6stimo dirija-se a rua Direita
D. 34 a. andar que se dir'quem be.
39* Precisa-se ailugar uma prcla qua
saiba ensaboar a preceito e enttnda de
vender na raa : quura a tiver dirija-se
nesta Typografia ou anuuncie.
frtT Alhlga-ae huma caza terrea cons-
troida a moderna e cora rouitos como-
dos para ama numerosa familia sita na
rua oova que va 1 para a Trempe ; a|la-
lar com JoiSebahtia Peretti m .u- ca-
za no pateo da Santa Crue.
J9> Precisa-se de bum homem que
enteada de alinbar bum terreno para mu-
dar huna ps de fructai de diversas quali-j
dades: quem estiver nestas ciparjsta'icias
queira apparecor para tratar do ajaste na
esonina d Pracioha do LivrimralD, loJ4|
doBurgor


(

DIAB10 Ot fREHAMBUCO.
*
j JPflP" Quem nnunciou do Diario de
27 do conente querer comprar urna casa
teirea no Bairro de S. Antonio, dirija-se
atraz do Hozado sobrado de um audar
D. 25.
> Entrega-seas chatres da loja da
casa onde niorou o falecido Baplista no
atierro da Boa-vsia a quera comprar a
iirmacao que se d por manos de 120$
res : a fallar na luja de fazendas vesiaha.
*K> A luga se um audar do sobrado :
na la nova O. il.
W Desapaieoeu no dia 26 do crran-
le palas 7 horas da noite do pateo de Sauta
Theiesa um eavallo pedrez algumacou-
Ka magro, corn alguna signaes, quem o
achar drija-sa a ca enfraila do Roza-
ra no sobrado U. 22 n > sagundo audar,
que ser recompensado do sea trabalho.
ty Ouerece-se i;da uilbar para ama
da urna casa que sabe engommar, e 00-
zinbar o diario de urna ca.-a para qualquer
bomem solu-iro a pessoa que precisar de
seu prefino, dirija-s a ra de S. The-
rcM D. 8.
9* Preciea-se de um Sr. Sacerdote
para Captlio de ura engeoho distanta des-
ia pr.-ca ib legoas, cbrigando-se a ensinar
os til.ios do Sr. de togiuho as pi menas
letres, e graminatca (atioa percebendo
por isso urna boa pa;>a na ra do Viga-
rio defronte da Igrej do Corpo Santo uu-
UtO 3.
jty Quera aummciou no Diario n.
4b querer comprar urna casa tarrea di
1 -i-sa o pateo do Hospital do paraso D-
cima 16.
WiaV" Precisa-se de urna molher capaz ,
para tratar de urna Senhora : no sobrado
da ra co Livramento contiguo ao Sr. Jo-
io Garlos Perora de burgos.
gP* Precisa sedealug.r urna negra ,
qce efilenda de cozinhar o comprar ;
quemativer. uiriji-se a ra nova D. 29
por cima da ioja de lelojoiiro.
fC^r l'ricisa sede cem rs. a premio so-
bra um moleqae ; quem quiser tazar este
negocia Bonuucie.
> O Sr. que quer trocar ama casa
na roa do Rangel pe urna casa teirea ,
soto miiaule e que nao exceda de 6 a
7 mil rs., dirija-se a ra do Livramento
Lio sobrado contiguo ao Sr. Joio Carlos
Pereiro de Burgos.
V9* U Sr. Carlos Francisco Soares,
quena aununciar a sua morada para ss
L.e fallar sobre negocio >e tu intcresse.
fl^8 O Sr. Mauoel Francisco dos San-
tos natural da Gid.
procurar urna caita queseaba) tirou do
coueio por engao por ser do mesmo
nome na ra das Cruzas D. 9.
VW Quemperdeu instada oeama flau-
ta apartihada do praii procure Da lo
)i de livros, na prac da Iudependaocia ,
que dir qaem tem.
W&* A pessua que annunciou querer
urna casa que nao exceda o seu aluguel
de8 a io$>co queieudo urna atraz da
lgrtja de a. Jo i-, um bjus coramodos e
q OJO tal, enleod.t-se com o distribuidor
to Diario em Oltnda.
XeT' A pes'soa que annunciou ter urna
casaca preta para vender anuuncie a sua
morada.
ejcy Quem precisar de um rapaz por-
tugus de idade de ijar-Dos o qual Ha-
be bem 1er, eesorever para venda ou
rmasem, do qje tem bastante pra-
lca edi iadora sua conduca dirija-
se a i ua das Gruzes D. i4.
s Ar.auda-se um sitiio na estrada do
I.ozariuho com pequea casa de madeira,
cercado iit.a vascas baila para capim ,
3oo pos de laraujeirjs sendo parte de em
Ligas 2oc mao'beiras, cquairos, man-
gaeiras j >qaeiras, temariueiros e bas-
?ntescajUuiros, e vonde-se dois terrenos
anexos ao mesmo sitiu ; os pretendeotes ,
d;rijo-tc aus E leves na estrada do Bellem
on no forte do matto, gao esu5 para isso
hutborissdos.
j^i ]\a padaria da Rus do Florenti-
;.a percizase de un pruto forro ou eap-
ii^o para carregar pi e vendsllo fora
ta ptaca : quem qaizer dando fiador : na
mesma padaria a juntar con o dono*
sj9^ Rogt-seaos Srs. Sub-Pre'eitos,
Jaeta e maia Comarcas; e Authoridades
Policiaes i pessoa part ion lares ,* que sou-
Jjerem, ouviremum moleque de nome
V^fBtirn, nicipCostadeidji.de;7 18
annos e com os seguiutes : cor preta ,
corpo seceo altura proporcionada a
idade cabeca o ourelhas ptquenas,
olbos abugalhadcs meios vesgos nariz
mais ablado do que chato boca abicn-
da pescoco comprido peito ouvado ,
mise ps proporcional peinas finas,
levou vestido seroula de algodio intransa-
do, ejaquetede escadinho, supp5e-se
estar fartado o qual desapareceu em 10
de Atril do anuo de 1837, o mande pren-
der e levar atraz da Matriz da Uoa-viata
segunda casa, a entregar a nanoel Elias
de Moura ou noergeubo Concoicao de
Maria termo de Seriubaem a Antonio
Joaquira de Moma, que gratifcala seu
trabalho com cineoeota mil reii, alom
da despesa daconduco.
q^" No dia 7 de Marco nio vai a
praca publica do Juizo da teicena vara no
ptiucioio do atterro da Boa-viata a casa de
sobrado, na ra do Bom Sacesso na Ci-
dade de Oiinda cora 33 palmos de fundos
e 46 defrente, cacimba de pedra e cal, com
tanque, muro tambem de pedra; por
que a execucio de Jote Francisco Bdlem,
contra Joio Pinto dos Santos depende de
termos, sbreos quaes tem de bavar de-
cisio final nio sendo a avaliatio a 5:5ou^
res; mas que a seu tempo se far ver.
=f Pelo Juiz.) do Ctvel da segundb
Vara, escrivio Cu"ha se ha de airema-
tar do dia primeiro de Marco, orna Su
maca velleira denominada S. Jo^ Viajaa-
ta fuudiada dafronte do estaleiro de Jo-
a Tbomaz Pereira avaliada por 8oc$
a requerimento de Miechael Sielalf.
W?* Quem precisar de urna mulber
de meia idade para ama de casa de bo-
rne m soltfiro, ou casado com pequea
familia; aqual serve para tudo o servido
tauto iutenor oomo exterior de urna ca
xa : annunoie.
8^ Quem precisar de hum pequeo
Portugus para Caixeire : auuuucie;
LEILAO.
etaT* Que fazem Leuoir B.'ssochet &
Buget de 5o caixas de 32 queijos vindos na
galera franceza Athalia em lotes grandes
ou pequeos a voutade dos compradores ,
por coola e risco de quem preteucer no
caes da Allandega defioote da escadinha ,
no dia Quinta feira primeiro de Marcoj,
as lo horas da maub.
ggP De fazeodas Inglezas sexta feira
2 de Marco as 10 horas da manbi, em ca-
sa de Luttkens & Compaubia, roa da Cruz
n. 1.
NAVIOS A CARGA.
Para o Araealy
GJT Sabir com toda a brevidade a
muito veleira Sumaca Conceigo Flor do
mar, Me-tre Silveira ; quem na mesma
quiser carregar ou hir de passagem, di-
rija-se a Antonio Rodrigues Lima, ou
a Antonio Jotiquim de Souza Ribeirv.
COMPRAS.
t^ Duas canoas de carreira que es-
ttjie em bo^m uzo : ua ra de S. Beato
em Oiinda / ou anuuncie.
yjs> Duas canoas a bertas ja azadas,
que sirvi para carregar eutulno : na ra
do Vigario defronte da lg Santo n. 5.
WJT Daas tazas de ferro coado que
eitio no caes da Alfandega com marca B.
e nmeros 22 e 24 a saber a marca a
nmeros he nprimido do mesmo ferro
por dentro da taixa quem tor seu dono,
queira anounciar.
f^P* Um ref que esteja em bom Juzo :
quem o tiver dirija-se a prafa da IndepeD-
dsncia a. 33 que dir quera quer.
VENDAS.
O Numero 10 do CARAPucciao : na
pra^a da Independencia loja de livros nu
meros 37 38.
aj^ Um cazal de caxoros de fila novos
na rus da Gloria n. i33 junto ao Conven-
to.
19" A loja da roa da Midre de ,Deos
o. 36 : a tratar ua. meimi.
8^3 Rap muio superior immitando o
piiucesi da Lisboa : em Casa de M. Cal-
mont e Companhia.
fxy Toucinho de superior qualidade ,
chrga.lo ltimamente de Santos arroba
a 2:88o, a retalho 120 rs. a libra: em
fora de Portas, de fronte do beco laigo
venda j. 21.
VW Rap princeza de Lioboa de su-
perior qualidade em libias e oitavas ,
com a vautagem de darse a mostra aos
compradores.* na pracinha do Livramen-
to loja de fazendas D. 25.
JCflT* Taboas de pinbo costado eos-
tadinho assoalbo e forro tanto da Sue-
cia como d'Ameriea tudo por puco
milito cominoio por se querer desacu-
p.ir o armi-em : no armasem atraz da
casa da opera.
t^/r Bichas prximamente chegadas
do Porto tauto os centos como a reta-
lho, de 60 a 3oo rs. : na loja de relojoeiio
junto a do Sr. Bandeira.
fJBp" Superiores chapeos de castor bra-
co ditos de nnca Inglezes ditos de cas-
tor branco, e pardos, para menino, to-
dos da ultima moda : na roa nova loja
Franceza D. 5 de Frederico Chaves.
19* Urna negra de naciu rngomma
e cozinba o diaiio de urna casa e lava da
sabio u van ella s urna nigriuha de 11
anuos ) propio para todo o servico : na
ra de S. Thoreza D. 27.
fjy Urna venda de poucos fundos
na rus do Rosario da Boa-vista n. Sao : a
tratar na mesma.
^ Rap princeza de Lisboa em libras
e oitavas, do superior qualidade chegado
u timamente por preco commodo, e tem-
se a vautagem de dar-se a mostra ao com-
prador na loja de fazeudas na praciuba
de Livramento D. 26.
t#9** Aparalhos de barritina para G.
N. coiza superior a prego de 5$ rs. na ra
do Cabug loja de miudezas junto a loja
do Seiibor Bandeira.
tfy m escravo de naci boa figu-
ra e ptimo oflicial de ferreiro : na ra
da Cadeia velha loja de ferragem n. 15 e
na mesma loja se vende mui boas bixas e
u>uito em cunta.
%-aV Um pelo do gento de anguila ,
propio para servente de pedreiro por ter
bastante pratica : na ra da Madre de
Dees n. 29.
9W Umrauleque de naci angola com
idade de 8 a 9 anuos propio para servir a
urna casa ; assim como ama c-crava de
bonita figura ptima engommadeira co-
zinba o diario de urna casa, Java bem de
sabio e boa boseiteira : na ra Direita
quem vai para cinco Pcntas lado esquerdo
D. 20.
/JT Um escravo crioulode a5 para 26
annos de idade bom page e ptimo of-
ficial de sopateiro : na ra do Apollo no
armassm do Lobo ou no paieo da Matriz
da S. Antonio, que dir quemo vende.
U* Qjatro cabras bixo todas pie-
nba e um bode tudo por preco commo-
do : na ra de S/Thereta D. 27.
IV Duas escravas de naci mocas ,
I '/.< m todo o servigo de urna casa c ama
he boa vendedeira de fazenda : na ruado
Fogo D. 11.
x^T Os seguintes livros em Portuguez
li-tiiuices O ratorias do Quintliaoo ,
Ensaio de Retorica segundo o methodoe
doutrina de Qientiliano a pentura
poema em 3 cantos por Jos da Fonceca :
Colleicio de leis Provinciaes de i837, Ex-
plicages de Nominativos Gneros e
Verbos e Syataxe Latina tralado por um
melbodo novo e fcil em Latm Lo-
g ca de Genrense Horacio tito Livio ,"
Oraces de Cicero S.illustio Virgilio ,
Frero Gornelio Selecta, novo melbo-
do, todos em milito bom aso : no beco
do peixe frito D. 4 no segando andar.
fS Urna crioula bonita figura com
l5 a 16 annos cose costura cha, fas
renda e tem principio delavarinlo, co-
siuba o diario de ama casa, em saboa ,
vender por nao querer servir aosSnrs. :
em Fora de Portas n. 54-
___ Um mulato de dese.eis anuos, bo<
nita figura, com officio de capatsiro,
8em vicios, e rnuito fiel, proprio para
pagem e a vista do comprador se dir a
rasio por que se vende : nesta Typ, se di-
r quem o vende.
P Huma prets ge naci que sabe
cozinhar o diario de buma caza lavar di 1
sabio, e vai relia, euU-nde do servico de
campo e he boa quitandeira san vicio
nem achaques: no beco da Pol sobrado
D. 1 no primeiro andar.
Va^Uraa venda tita nos qualros can.
tos do Bairra da Boa-vista cum os lu...
dos de 700^5 res; quem a pe leudar di-
rija-se a mesma venda advarliudo que tem
excelleutes commodos para familia.
ESCRAVOS FGIDOS.
t^> Na noite 16 para i7 do correte
mez fugio um preto crioullo por o'oin.
Benedicto com os signaos seguintes, idadi.
pouco mais ou menos 24 annos, alto bo-
nita figura como naris groco cor prc-
ta, muilo talador fui algum lempo canutri.
ro, e que tem de cu^tumequaudo luge
corta carne em um dos assougues da ra ..
Rangel alba a Ribeira : queiu oapprelieu-
der o leve ao seu Seuhor na ra da Ciuz
. 48 quesera bem 1 compensado do seu
trabalho.
t^: Antonio de nago raucambique.
muleque que tura 18 a 20 annos do idade.
estatura bu* cor folia com marcas do
gento pela testa e naiiz fugio em 21 de
Janeiro p. p., levando camisa e calsa de
briui e suspensorios de couro ete mu-
Jeque a lempos fugira ese intitulara forro,
e se faz cei lo a quem o denunciar, visto
ha Ver dosconviaiiQa de estar furtado gu-
ardaudo-sa segredo ao denunciante e te-
r de gratilicacio ioo^juo que es dai
seu Seuhor Santos Braga ra da moeda
n. 1 i',..
Fugio de um sitio do Manguinbo
no ultimo de Dezemtiro do auno prximo
panado urna prot* da Costa ja de idade
de nomo Cathanna alta algum tanto
socea quando anda deita os paitos para
fora, quebrada de ambas a venillas sa-
bio com um ttholairo de fructas a ven-
der e eosiuma ntitolsr-se por forra t
quem a adiar dirija-se a Boa-vista ra do
Aragio D. 37 que ser bem recompensadn.
|TJP Dezapareceu da fabiiea do Fun-
dao uu dia 2t do coi rente 2 escravos um
por nome Joaquira naci congo alto
choio do corpo pernas tortas para den-
tro eos pi a palhetedos com camisa de
algudio znboc calsa de ganga j velha,
tudo muito sujo e outro por nome Tbo-
maz naci congo muito fulo, cara redon-
da naris chato baixocbeio do corpo,
ca^gn urna marca de ferida na perna esquer-
da ja sicatrizada de pouco : qaem d'elle
souber, ou os pegar lvetelos a n>ema fa-
brica, quesera b.wn recompeusaJodo seu
trabalho.
W^ No dia 28 de Setembro p. p. fu-
gio um negro de nome Joa de EfaoaS
Camundongo com os sigaaes snguintes:
boa estatura, um tanto corpulento, mui-
to preto, bem parecido, postoque car-
rancudo, beicos e sobrancelhas grosia ,
orelhas ecab>ca pequea tem urna sica-
trises no rosto da parte direita proveni-
ente Je um talbo ; este negro foi comprado
em Marei a Joaquina Jos de Asevedo <\'
o vendeo nesta praca de Peroambaco ao
Ajudante Francisco Joaquina Pereira Lobo
c qual offerece iooj' res de giaticac. a
quem o tiocer a casa de sua residencia de
fronte da matriz do Sacramento do Bairro
de Santo Antonio na esquinada ra das
Trioxeiras 1." andar.
tv> No da 2i do corrento fugio do
casa de Antonio Joe Gomes do Correio
o escravo da Francisco AlFonco de Mel-
lo da nome Bruno crioulo : quem d I
le tver noticia avise ao dito Gomes que
sera' recompengado.
W Pedro naca Benguela estatura
regalar, idade pouco mais ou menos 20
annos levou vestido caiga branca e jaqae-
ta branca de riscado e chapeo de pelo
preto imbareadico ao olbar a revessado ,
com pequeo buco de barba naris chato
beiaos grocos com alguns signaos de bexi-
gas quem o pegar ou dalle) soober deii-
ja se ao seu proprietario Joze Luis Pare-
des no forte do matto ou no armasem da
caza n. 5 ra da casimba que gratifican! o
eu trabalho,
PBB*. WA TiPj BEH, F| U kVKU. BT85S


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETTOZKHRD_NN0UG5 INGEST_TIME 2013-04-13T02:42:43Z PACKAGE AA00011611_05827
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES