Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05824


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-A.
*- T-

ANNO DE 1838. SEXTA FE1RA
23 DE FEVEREIRO. N: 44;
PERN. ha TYP. oa M. F. o PARIA. IH3.S
;
D1A8 DA SBMANA
I ffrnnd i. Conrado. Audiencia do Juis
crime de tarde fes da T. P.
I Ve rea 8. Eleuterio u. Al. Rcl. de m. e aud. do
J, dos Orf.de larde.
Quarta S. vaximino n. MUSO Pnb. j
Quinta Cadcirade 8. Pedro cm Antq. Relaf.de
><-xi (jejum) S. Laaaro Mon:. Sesao da The-
..... riac Md- aha<4of S. Malinas *l>. /.ua nova as 9 hor. e
32min. .ia man-
Uofmnjro da Citinqiia?cssima. S. Cosario.
Mare'oheia para odia do Fevcrciro
loras e IB m. da m 5 h. 42 m. da tard.
Tudo aeora depende de nos mesmos da nossa
prudencia, moderaco, e energa, continuemos
como principiamos^ e seremos apontados com admi.
;iCio entre as Nacoes mais cu tas.
Proclamacao d'Assemblea Gcral do Brasil.
Suhscrcvese a 1,000 reismencaes pagos adinntados
nesta TipogTafia, ra das CrUM n. 3, e na Praca
da independencia I). 37 c 38. onde se receben cor*
respondeneias leg-alisadas, e annuncios inserindo-se
estes gratis sendo dos proprios assignantcs, e viudo
assignados.
CAMBIOS-
Fevcreiro 22.
AiOndre 32 1 2 Os. 8t. por 1,000 cea-
Lisboa65 poroio premio, por nieial, Notn<
Franca 315 a 320 Rs. por franco
Rio de Jan. 6 p. c- de desc.
Moedas de 6.400 13,600 as velhas, novas 13,400
4,000 ".400 > 7.500
Pe ios Colimares :,;>(i t I >70
ditto Mexicanos 1,560 a IV 5
Patacoes Brasileiros i,565 a 1570
Premio das lettras, por mas i l|l por np9
Cobre a par das aedulas
PARTIDA DOS CORKKIOS.
OliodaTodos os das ao meio da.
Goiaoa, Albandra, Paraiha, Villa do Cond, ftfa-
maafnape, Pilar, Real de 8. Joao, Drejo d rea
rlainha, Pombal, Nova da Soma, Cidida do Na'
Villa de Qoianninba, e Nova da Prineaaa, Cidada
la Fortalesa, Filias do Aquiris, Monte mor novo
Aracatr Cascsvel, Canind, Granja, Imperatri
S Bernardo, S. Joao do Principe, Sobral, Novada
SlRev, Ico, 8. Matheas, Reacbodosangac., 8
tutumo do Jardim, Quexeramobim. Parnahihe
~ Segundase Sextas (iras ao meio dia por va da
Paraiba. Santo Antlo-Todas as quintas feirasao
meio dia. Garanbuns, a Bonito-nos das 10
le cada mea ao meio da. Flores-no dia ITa
cada mes ao meio dia- Cabo.Serinhaem, Rio oi-
moao, a Porto Calvo-nos dias 1* II o 91 de c.idn
mea- _
PERNAMBUCO.
DIVERSAS REFARTigOENS.
ALFANDCOA DAS FAZENDAS.
EDITAL.
O Jrupector dosta Alfandega faz pa-
blieo a quera convier qu-- as mercado-
jis abuso transcritas nos termo9 do art.
272 do Rigularucnto devero ser despacha-
os dentro do piano de 3o dias conta-
ii9 desta dita sobra pena de soram ar-
rematadas ero basta publica por coala de
i|uern pertenceren lena qae fique aos
dono, a dircito de reclamaren a tal res-
peito.
Alfandega de Pernambuco 2i de Feve-
roiro Ce i838.
3 Barra com dflrent3 marcas 55
I runbetts ao/ gras da pedre, la eaixas
y sacos cara oifjreules marcaj 3/f *
Manocl Z.-firino dos Santo*.
EZA DAS DIVERSAS RENDAS.
Patita -lo pieco corrente dos gneros pelo
uual se (a um osduspaxos na Mesa das
Diversas Rendas desta Provincia de
'ernamhuco, na semana deas de Ft-
'-r'j n, di Mareo de 1838.
Novo Velho.
A'. B, 1. sort. a$55o a$i5o
,, *$45 2$.5a
3.
4.
5.,,
. ,,
25aoo l58-o
a)o5o l$65o
iJ9jo 1^5oo
So
Novo Veibo.
A9. M. r. sorte iJ)35o ^q5o
2. ,, i$a5o ^85o
1 >s

Algodio 1 Gorto 7^000
2. ,, 6$000
Monteiro.
Joao Pinto de Lemoa.
PREFEITRA.

Parta do dia 22 de Feverajro t838.
lllm. e Exm. Sr. Fora5 praios hon-
tim aootnbaordem e ti vare difieren-
'es destinos: M.^noei Antonio, braaoo ,
marujo pe!o Sub Pieleiu do Reaite ,
forst fingir eber piw iniultas quem
passava pelo lugar da Lingaata ; Paulo,
preto escravo de Joa de Queiroz palo
Sub Prefaito de S pancado a urna preta na ruado Rangel ;
Jo9e Antonio da Siqueira branco, Mara
TVre8i de Je.us parda e Jos preto ,
escravo daJoaquim Josa da Conceica ,
aste por furto de 10 barricas de assucar
ao Capita Francisco Jos da Silveira, e
aquellas por conivencia no mismo furto;
Luiz Jos Coalho, branco, por igual
motivo; Antonio Luiz, a Flix Josa da
Silva pardos pela Guarda da Ribeira da
Boa-vista esta soldado de Polioia, a am
nos por briga e Jos Luiz Poreira pardo
pe'o SubPrefeito de Jaboata por ter
deixado fugir um preso, que Ihe foi con-
fiado.
E' o que consta das partas boje rec,bi-
elas n'esta Secretaria.
Dos Guarde a V. Exa. Prefeiturada
Comarca do Recife 22 de Fevereiro de
i838. Illm. e Exm. Snr. Francisco do
HegoBarron, Presidente da Provincia.
Franciseo Antonio da Sa' Brrelo, Pre-
feito da Comarca.
CAMBRA MUNICIPAL DA CIDADE
DO RECIFE.
Sessa de 7 de Desembro de i837.
Presidencia do Snr. Silva.
Compareceraos Snrj. Barros, Dou-
ctores Cintra Paes d'Andrade, Chaves,
Soima e Mameda ; 1.liando com causa
os Snre. Pessoa e Deudor Peretti.
Abena a Sessii e lida a Acta da ante-
cedente foi approvada.
O Secretario menciooou 09 seguintes
oficios.
Um do Exm. Snr. Presidente da Pro-
vincia communicando tar approvado as
arrematacoens, qua esta Cmara Pedos
contractos, e mais bens pertentes a seo
patrimonio, pela quantia de 9:473too :
intoirada.
Outro do oiesmo Exm. Snr. conceden-
do licenca para ter aforado o Beco estra-
to da ra dos Martirios contiguo a casa
de Joanna Xivier da Punha prehenxi;
das as formalidades legaes : inteirada.
Outro do inaamo Exm. Presidente en-
viando um exampiar do Peridico mensal
publicado na Corle do Ria de Janeiro pe-
la Sociedade auxiliadora de Industria Na-
cional para ser archivado facilitando a
sua leitura aos Lavradores, qua qni-
zerem consaltar os importantes artigos ,
de que alie se compoem intairads.
Outro do Tenante-Coronel do Corpo de
Engnbfliros, exigindo } que esta Cmara
baja de declarar qual a largura que
juiga convir a estrada offerecida pela
propriataria do litio do Mondego D.
Francisca Maria da Silva, para substi-
tuir a denominada do Chora-Menino: da*
liberou a Cmara que sa officiaste diseca-
do que a estrada adoptada deve ter a
roeiina laigura, que a do Mondeeo.
Outro do Snr. Inspector do Tbesouro
remettpndo um officio do Inspector das
Obras Publicas relativo ao terreno d'um
e outro lado do Arco da S. Antonio at
o Arsenal de Guerra que esta Cmara
requisitou para logradouro publioo pa-
ra que depois de visto se sirva devolver-
Ihe com os esclarecimentos qua se pa-
dem.
Outro do mesmo Snr. Inspector parte-
cipando qua faz duvida medir o terre-
no de Marinha que diz respeito ao isdo
do Oeste da casa d'Assemblea Provincial,
visto que a letra da raquisicad o lado que
serve de Estaleiro Poblico ao Oeste de-
Hgna um terreno que est fora dos le-
mitssdo de Marinha, qua Ihe confronta;
faz pois neotssario, que esta Cmara re-
forme eata parta da t>ua requisica, se
por ventura quer que seja reservado pa-
ra logradouro publico a parte do terreno
de Marinha confrontante, pelo lado do
Oeste a casa d'Assemblea Provincial, de-
signado so he toda a extenca comprehen-
dida entre < noToTrapixe do Algoda a
armasen dos Erdeiros de J-.se Fernandes
Gama.ou somante a porc.. correspon-
dente a frente da menciooada casa ; sobre
cujos olicioi resolvao a Cmara, que fos-
sem a Cnmmiss.' encarregada de marcar
oa tei ranos de Marinha para dar os es-
clarecimentos precisos.
Outro do Jniz de Paz d<> Bairro da Bos
vista, communicando ter nomeado a
Francisao de Birros Corraia Eicrivada
Paz do dito B-irro por sa haver derreti-
do do mencionado Cargo o Cidada Jo-
s Albino da Hollanda Chacn : a Cansa-
ra deliberou, queseofficiasse dfsendo ,
que se conformava coma nomeaca ; e
que isso mesmo ti-esse constar ao nomea-
do, a fim de poder solicitar o seo titu-
lo.
Outro do Procurador partaripando,
que o terreno de Marinha, exegidopor
ata Cmara e que ja se acha demarcado ,
do lugar da Ribeira continua a ser aber-
rado por pessoas particulares : resol Veo
Cmara que sa remetiere ao Fiscal respe-
ctivo o officio do Procurador afim de in-
formar a respeito do seo contheudo, visto
ja Ihe ter sido ordenado quefi-esse in-
timar aos proprietarios de taes terrenos
para qua nao continuasse era os aterrar.
.^JOutro do Fiscal desta Bairro, exegindo
que se Ihe manda passar mandado da I
quantia de l4#8oo res q' despendeo com I
os concartos de algamas ras do do Bair-
ro .' que se passe mandado.
Outro do mesmo Fiscal exigindo
quantia da 35oo res que despendeo com
o en tt era manto Ida 2 esda veres, como
aonsiava dos documentos, que juntou ;
que sa passe mandado.
Outro do mesmo Fical padindo que
asta Cmara ordene ao Procurudor, para
que Ihe de a quantia de 3oo$ reis para
pagamento dos materiaes a comprados *
e suprimenio da outras despesas que tera
a fa-er com os reparos do aasogue das &
Pontas: que se pacasse mandado da quan-
tia de exigida.
Outro do Fiscal do Recife pedindo q
se Ihe mande dar a quantia de 2800 reis ,
que despendeo com o enterramento d'um
cadver como se v do documento que
juntou : qua se pacasse mandada.
Outro do Fiscal remetiendo 2 termos
de exames fritos as casas citas na ra
do Encantamento pertencantes a Manoal
Alves Guerra, e a Francisco de Paula
Corroa d'Araujo, por eslarem ambn ern
mo estado o exigindo a quantia da 8$
rs* que despondao com ditos examas;
resolveos Cmara qoequanto ademoJi-
cao dos predios se procedesse, como mar-
ca as Posturas, a fim de que, caso os pro-
prietarios nao dessera principio a demo-
lica t 10 do corrente, posa ella no dia
seguate ser requeiida palo seo Procura-
dor nos termos das mesmas Posturas ,
quanto a quantia p*ra pagamento dos pe-
ritos que se pacasse mandado.
Outio do Fiscal da Bairro da Bos vista ,
remetiendo a conta da despeas feila com
os reparos do Assougue daquelle Bairro
que emportou na qusn'ia da 9i,8.{o rs;
Outro do Fiscal da Freguezia dos Affo-
gados exigindo a quantia de 7,68o r. qae
dispendeo com a limpesa das pontea da-
quella Freguezia nos mezes de Outubro ,
Novembro e Dezembro corrente : que se
passtsse mandado
Eotrou em diicnsslo a saguinU Propos-
ta do Sr. Drumond que esteva adiada
Preponho qua esta {Ilustre Cmara suste a
arramstass da Csdaia em altenca ao
ha 1x0 preso, que ofterecem oa licitantes^
e que sobre aste negocio se represente i
Assembla Provinaial, pondaraodo-ihe,
qua iulgs provaitojo esta Provincia que
se nao faca a venda deste edificio, dalle
se lance mi para edificar em seo '"gf
outro quilqoar psra Estacei Publicas ,
que houver urgente precislo; cuja Pro-
posta foi approvada com a secute emenj
da de Sr. Vereador Silra E mesmo pa-
ra a caza desta Cmara, que em tal aso
na6 tara duvida em entrar com a sua quo<
ta pela indemnissga do valor ara que fot
araad"-
Foi repxoriio e seguinte reqoernnento


2
I A I IIPIINIMIDCO:


do Sr. Vareador Souz. Na5 lando hav-
do liaiiaota, que eobrsie a avalacaS que
tere a Cadeia, ou que ao manos alia se
aproximaste : requeiro que se partecipe
isso meemo ao Exm. Presidente da Pro*
vincia na conformdade do que propoz o
Sr. Vareador Menezcs : juntando essa
partecipaead i copia da avalacaS da mea-
Di Cadeia representande qua ella pode
aar reedificada asusta doThesouro, a
nella tarererose osarranjos precisos para a
casa da R ala cao, pira a de Jurados*, o pa-
ra a da Cmara, que na6 ter duvida em
entrar com a sua quola para a dispeza ,
appcando se caza qae ora serva para a
Relaco para a d'Assembla, pois qae bum
deseos Membrosj requereo 6obre a inca-
pacidadedo leoal, em que ora se aclis a
casa d'Assembla, para ser paasada para
ontro edificio; pedi ndo-se ao mesmoExm.
Presidente, qoe se digna de levar con
sideracio d'Assembla qoe se annuir ,
ter enta esta Provineia teiceira do
Imperio nm Edificio Publico, e magni-
fico no raelhor local desta Cidade, aon-
de se poden) arraojar 3 Estaedes ; poe pe-
na que a Cmara (e oatras Este3e*) es-
teja residi do em casas patticolares Rom
lucoovemeDtes bem pouco decorosos.
O Sr. Vereador Jo- de Barros foi no-
meado para servir interinamente o cargo
de P to o Sr. Vereador Dr. Cintra se demora em
seo ooganho.
A Cmara deberou, qae em virtude
do que dispoem a Le, se partecipase a
Cmaras da Capital, ter tomado as redeas
do Governo u Exm. Sr. Presidente Fran-
cisco do Reg Barios.
Maodouse passar maridado da quaotia
de i34,3-jo que se despeadeo com a fac-
tura da Torca a vista da coata a presenta -
da pelo Almoxarife do Arsenal de Guerra.
Mandouse passar mandado ao Escrivio
do Crime Francisco Ignacio de Atbahyde
da quanlia de i3i,908 rs., proveniente
da diferentes Procesaos fazendo-se o a-
balimento para pagamento dos diferentes
Escrives.
A Cmara resolveo que se officiasse
Commissio encarroada de presentar o
Reletorio, o o Balaceo da Receita e Des-
pera do crrente auuo fiaaucero, para
que quanto antes o apresentasce.
DespacharaS-se alguns requurmentos.
E por ser dada a bora levantou-se a Sea-
afo ; e maudarsO fazer a presente em que
aasignsrad. E eu Fulgencio Infante de
Albuquerque a Mello Secretario a esc re-
vi. Suva Pro P., Barros Dr. Cintra ,
Dr. Paes d'Andrade, Chaves, Souza e
Mamede.
EDITAL.
Feliz Biserra de Mello Leitad Fiscal do
Bairro do Recifo etc.
Faz sciente por meio do presente aos
habitantes daquellc Bairro ou a quom
rooriar que do primeiro de Marco em
diaote principia as correiedea nos pesos ,
e medidas ; e para que nao baja engao,
ou dunda a respeito do te mu designado
pelas Posturas ,
o que concorreremos para este inconve-
niente : esperemos os etclareeimentoe do
tempo a dos factos. Se pessoas do Minis-
terio cabalaS para desacreditar o Regenta
Interino o roubar-lbe os sufragios da
prxima eleicad, se apparecem abi ambi-
cSes Ara empolgaro mando supremo sa
por isso o Ministerio o partida da or-
dem se fraeciona, a outros ganhaS terre-
no sao em verdade arguiedes mu pon-
derosas que nao merceos ser ta6 traquea-
das em quaesquer papeluxoa ; qua nad
devem ser ventiladas ae nad quando pra-
vas exuberantes depanbafi a verdade.
Oissemos tambem boma vez qua as
Provincias aonda a liberdada da imprensa
tomava o ti qua reapiraS os partidos,
buma revolucad era cooiequencia prxi-
ma. Em varios pontos os factos verifica-
ra5 nossa asserclo ; o D< os permita que
nos engaemos a respeito do Minas Ge-
raes Mas o artigo do Astro qoe bai-
xo transcrevemoa pode fundamentar a ra-
slo porque o racismos. Rogamos a Pro-
videncia que sejad Ilusorias nossas previ-
sdes: porem.... Lea-se, a ajuizem. O
Sr. Redactor do Astro he iodisculpsvel
quando propondo-se a defender a Lber-
dada, a ConstituiqaS o Acto Addicioaal,
(como se esta aaS est na ConstitaicaS !
Forte mana deamontoar palavras) usa de
huma lingoagem ta propria para infirmar
partidos qae por ventura talvez a aa8
ser por elle e por outros, estarad ador-
mecidos. Que, teme o Asrro alguma
outra restaui aiaS Na5 sa5 Brasileiros os
que na revoluead de 22 de Marco pagoa-
rad por hum partido poltico ? Os cri-
mes polticos irrogad infamia pessoal ? co-
mo pois o R. do Astro be ta prodigo de
epithetos vilipendiosos contra os mesmoa
principios por elle sustentados em outras
ocoesioes sobre os compromettimeatos po-
lticos ? Por ventura he isso privativo u-
nicameote aos exaltados, aos republiquei-
roa etc. etc. Outro tanto ni5 tem elle
dito contra os Goncalvistas nen o diese
com tanta bilis contra a Sahiniaoa da Ba-
bia. Reflicta o R. do Astro jolgue-se
alguma vez vencido e ponba as oousaa
em s. Fergiinta-8a mais huma consa :
reoeia-^c perico a respeito da Independen-
cia do Imperia, para que o Astro acreecen-
te sua epgrafe a legenda seguate i-
Independencia Lei ou Morte ? De-
via-a ter abracado des que o Rio Grande
abalou os fundamentos da Integridad* .'
Na5 be desenvolver e acular as mais sr-
didas desconfianoas ? O Astro est rom
seu capital inraigo pela proa, qoer-lhe
fazer a guerra com a Provincia de Mi-
nas. taes afio os horneas quando o des-
petoe o psrtidoVis deslumhrad.
Temos por outro lado a satisfagad de en-
nunciar aos leitorea, que S. M. I. gosava
de feliz saude igualmente SS. AA. II.
Huma expediead do mais de a o homens
estava embarcada para seguir de tino ao
Rio Grande do Sul. No lugar competen-
te damos o extracto das ultimas noticias,
que aloanead o da ig de Janeiro.
tivo eemeea a reutir-se a G. N. em Pala-
cio sem que para isso tiveaae ordam do
seu ebefe; cppareeeu o molequo esparto,
commandando bum grupo da negros, e
mais gen tal ha, e acora pan hade da Sssslo
de Cavallaria da G. N.; reunida igual-
mente sem ordem da obefe respectivo,
postou-se am Palacio at amaabecer. Na5
faltou o beroa Jos Correia Theobaldo
Sanche com a ana tarap da oelderio e
bum jaca de pistolas, e foi no meio dease
motim que se deorotarad as demisa5es, de
que ja demos noticia na Astro extraordi-
nario ; e assevera-se-aos qoe outras vio
apparecar porque ha preciso acomodar as
toda a genta de 22 de Marco,
se previnirera.
Bairro do Racife 22
os adrarte sfim
de Fevereiro
de
de
iS38.
Felis Biserra de Mello Laitad.
Fiacal.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
A nossa correspondencia do Sul cbsga
at 19 de Janeiro pp.: pouco adianta em
factos edmioistrativus, mas am compensa-
cad abra nos a coi tino do immease thee-
tro das intrigas e do despeito dos partidos.
Mas quanto nao hedifficl sobre ente es-
aumpto dar bum relatorio estatistico pela
impossibilidade da contar com a singeleza
dos peridicos i Nao, na5 abandonare-
moa bm maior exame, sem mais calmosa
meditaca as restricefies de nossa aatiga
prudencia ; j huma vez dissamos, qae
da pracipitaoa5 dos esoriptoras de sua
ancia am querer cada bum ser o primeiro
que figure 00 campo das navidades re-
sulta o enleio e desconfianca em que ax-
tem 01 Pavos5 por iiao oa seremos as
MINAS.
Nova sediea na Capital da Proviaeia.
*
Nao pedemos dar outro uorae ao ajun-
tamenio Ilcito, que na aei pausado (evo lugar no OTo Preto pois
que elle teve por fim coagir o Exm. Presi-
dente da Proviaeia a dimit ir empr. gados,
que nenhuma falta havia commettido no
exercico de seos empregos. Referiremos
sem e menor al teraaa os factos como el-
las se pasta red e como nos forafi trans-
mitidos por peasoa imparcial, e que au-
tos pode ser suspeita de algum affecto ao
governo. Desde muito tempo qua os se-
diciosos de, 2a de Marco cercad ao Exm.
Presidente, sfo ellas os que continuamen-
te Ihe faeera salle a que o tem prevenido
contra os poneos liberaea que existem no
Oaro Preto ; enes merav*8 que fize-
rad a Sediea de 22 de Marco para se apo-
deraren) dos empregos, e que lucrara em
premio de seos fetos catinga ou cadsia ,
principiarada insinuar que oaefficiaes per-
manentes traraavad contra a vida de S.
.xc., e i-.to' para se fazerem aecessa-
rios, e se neulcarem os deffensores de Pa-
lacio. Na noite de 19 (pena foi que oad
esperasgem para a da %i) lem alguoi mo9
Reflexe8.
Pelo que acabamos de expor so oonhece
que o partido sedicioso, contra o qual se
armou a Provincia inteira e que nanea
se podar lavar da mancha de ae haver Ta-
bellado contra as autoridades legtimamen-
te constituidas ae aoredita agora cora di-
reito de dar lea e ruesma Provincia ; jul-
gad siles que com a apostasia do infame
Protkeo triumpharad os seus principios de
destruicad, e tudo se ha de curvar dante
delles. Misera vais.' como sa eogana !
He crivel qae os hroes G. N., qoe com
tantos sacrificios de sangue e de dioheiro
se prestaras para bater a Aaarcba pos-
sad ver sem iodignacad elevados egalar-
deados os autores de tantos males? A
Provincia vio sem romoead amnistiados
oa revoltosos, alegrou-se mesmo em sua
msioria vendo restituidos e comunhio ge-
ral homens, que hum delirio ou outras
cousas haviad arrancado da sociadade ; e
podar ver agora com indiferenea galar-
deados oses me-mos homens, es autores
de tantos males i Quem be que po-
da acreditar que o governo queira de tal
sorte acinteiuente oppor-ae ao seotimento
da Provincia inteira ? Fazeraos justifa
anda a prudencia do Exm. Sr. Presiden-
te ; estamos convencido que a gente que
o ceroa o est illodindo : mas he hum er-
ro se S. Exc. cuida que a Provincia pode
ser indiferente a hum tal proeedimento;
muguam pegar em armas para tomar sa-
tisfaQes ao governo, que alias pode de-
raitlir e comear os empregados como
e quando Ihe aprouver ; mas se he buma
mxima evidente que os erapregado de-
vem ser da coofiaaca publica como se
la rica mi de homens extigmatisados na 0-
pinio geral dos Mineiros? S. Exc. tem
hum termmetro seguro para medir o cr-
dito que goza temelbante genta oa Pro-
viaeia ; as eleices em todos os paizes li-
vres sao as que decidem do crdito e o-
piniio dos individuos. A sincera aTeiea,
qua consagramos ao Sr. Jos Cezario pelo
bem que constantemente ouvimo* dizer
delle ; outras rasdes igualmente pondero-
sas nos forgad a rogar a S. Exc-, que
medite na sua posicad e nada seria de ma-
ior prazer para nos do que podermos te-
cer elogios a S. Exc. Se S. Exc. quizesse
por hum pouco a Hender as circun-tanc iis,
em que se acha para com os Mioeiros se-
ria como Ibe cumpre Presidenta da Pro-
vincia e nad Presdante de hum partido,
e partido desacreditado e infamado oa
opinifo geral. S. Exc. acaba de ser eleito
Deputado a Assemhla Geral pela Provin-
cia de Minas com buma grande maoria
de votos ; donde se colse qae a eleicf o
do Sr. Jo' Cezario nad foi huma eleie-
de partido, foi o resultado da coovicead ,
e da coosciencia da grande maioria dos E-
leitoree Mioeiros e maior numero de vo-
tos terie anda S. Exc., se por ventura
oad constasse as vesporas da eleica q'
S. Exc. seria aomeado por S. Paulo. Se
pois he evidente qae mais da metade dos
votos recahidos sobre S. Ex., farad votos
dos liberaos dos inimigos dos sediciosos,
elaro e.-t que esses mesmoa homens sa5
os que hlo de sustentar o governo do Sr.
Jos Cezario se por ventura a justiea e
nad o espirite de partido o dirigir oa sua
administrarlo. Conhece S. Exc. que a
sua nomeacad para Presidente de Minas ,
feita pelo Sr. Vasco n ce I los s foi hum
meio, que elle procurou para compro-
mette-lo com a maioria dos Mineiros. Vio
essa homem em tudo avaro qua o Sr. Jos
Cezerio ihe havie cado de cima na eiei-
em alguma nomescad de Senador foase 0'i
primeiro votado, mandou-o para Preii.
dente, e de l est dando asordens a seo
bando para illudirem a S. Exc., a o eonu '
prometieran). Nem huma occasiio p0.
rem he mais propria para oSr. Jos Cesu
rio firmar a merecida estima, de qae at
agora tem gozado em a Provincia de Mi.
as. Nad queremos qua S. Exc. sustente
o partido a que partesemos ; os homens
li vi es justen ta-se por si mssmo 5 mas nao
persigo, nad se cerque exlusivsmeote de
sediciosos; que homem da honra pode
ver sem indignacad hum reo nomeado of-
(icial de Permanentes; hum molequo es-
perto com en tranca em Palacio ; hum Ma-
noel Al ves feito braco direito de S. Exc.
hum Soares de Couto elevado a seo se-
cretario particular, e o que be mais, hum
Oteas o faccinoroso Ozess dorminde em
Palacio?! Eitamoe convencido qae S.
Exe. oad aabe quem he Otees e que a
frouxidio das Autoridades coasenta t-ju
hum homem criminoso de taotas mortej
passeie pelas mas da Cidade. Mas cnsul.
te S. Exc. e Secretaria ah achara or-
dens, mandadas passr por todos os seos
antecessores cootre esse malvado, mata-
dor do profisso. Esperamos pelos acn-
teciraentos que devem continuar na Ca-
pital para os analysarmos.
Noticia do Rio Grande.
De huma carta vinda da Provin-
cia do Rio Grande fasemos o seguinteexr
tracto que oio he despido de interesas.
Norte 2a de Desembro da 1&73.
Chegou e terceira expedicio que d'b
veio, com parto de 200 humeas que ss-
guem para porto alegre : es ultimas no-
ticias d'ali vindas sio que o inimigo ten
reunido grande porco deescravatuia, e
que tora' 2,000 homens no citio daqual-
la Cidade; nodoNoite i4o ; em Pirali-
nim l,5oo ; no centro da campanha pe.
quenas partidas de Polica as povoaces,
100 que deixon Canavarro para segaran-
c* de Antero em S.Gabriel, e perto da
200 com que anda Beuto Maooel. Vamos
no estado de nossas foi cas. Em Porto A-
Icgia os que podem sabir para o caropu
Meando a Cidade guaroecidada, i,4"0 *
1,600: DO Sul, ficando tambara guarne-
cido, 1,410, no Norte na5 podara' sa-
hir eua guarnicio que anda por 25o, a-
lam de Estraogeiros, era Cassapava ha o
teoente Coronel Carlos cora 100 legalistas
ao abrigo das matas. Medeiros, e o Co-
ronel Jos Rodrigues anda os supponus
am Taqusremh com ioo a 600 Louiei-
ro e o Major Mingte em Misadas com
pertode3oo, asdileienles reunidas qus
ha pela Vareara, F*linal, eSerra 1,000;
ainda se ignorad as forcas qae ha as
Torres, Sem qoe se laca junceo de to-
das as nossas forcas, o venha de fora mais
alguma, julgo se nao entiara' em opera-
ces. ... Eu considero o nosso estado de-
peadeale das outras P.ovincia-, e da
Cisplatns. Disera qoe Antero veto para
Piratiaim d'onde escreveo .1 sua familia,
e amigos.
(Diaiio do Rio.)
A terem exactas as inforraaces do cor-
respondent do Diaiio, tem apenas os
rebeldes, apeser do Recrutamento fi*a
do na escravatura 3,84o homens ; em
quaato que as loreas imperiaei andicr
por 5,l5o, nio entrando em lioha dn
conta a gente necessaria para a Guarn
co da Gidade do Porto Alegre e do !>ul
(Correio ilicial de i'J de Janeiro de-
1838.
Noticias da Radia.
Nao se verifcar5 as professias dos su*
cios do Parlamentar ; la esto surtas P
Bahia a fragata Principe Imperial coffl
suas 60 pacas es barca de vapor portado
ra de maito armamento v lUUuifcs C
fo conheceo que S. Exc. tinha opiniio I Guerra para o exercite da Legalidade : es-
am ambas os partidos, s paveado que tio pois desmantidos oa infames dejegado.*


lAflie O puma Mnoeo

>do9 nossos parlamentares, qae espalha-
vo por toda esta Cidade ter-se incendi-
ado a barca da vapor atarantado a bor-
do da fragata a tripulacio que, depos
dapoisda marta o espillo, seguir rumo
da Lisboi. OIbam todos para as caras
d'esses nimigos do aocgo publico e da
patria, a verlo q' o menor signal da pejo
ah Ihes ola asaama, bam que apanhados
em flagrante mentira.
Tem os taes Snrs. de lamentar breve a
deagraca do sea consocio-Sabino, porque
em oGoverns actual o Ge ver no de i9
de Setembro he o mais popular qaa tem
lvido ao Brasil ; e isto nos o podamos
mostrar ale cora a mesma opiaiio do
Parlamentar. Quando chegario a qui ai
noticias da revolta da Bahia exclamou
elle ; Eia hura dos resultados do Go-
varno de 19 de Setembro odiado em
toda a parte, nio era provaval qua a
Provincia da Babia o tolerarse ; e ponsso,
lego que teve a oertasa, levantou-se em
massa a provincia da Babia contra tal
governo. Assitn justificavEo os taes
parlamentaras o procadimento do patri-
ota Sabino, praguejlo o Governo e pre-
tendiio revoltar todas as outras provin-
cia do Brasil.
Oque aeonteceu porem?... Sabino,
com rneia dusia de militares indiscipli-
nados, levanten o estandarte da Rebeb-
i na Cidade da Bihia, prometiendo mil
venturas a Provincia e sobretudo sacu-
dir o jago da Corte que tanto tem procu-
rado tornar odiosa ; mais todos osempre-
gados pblicos da todas as ordens, todos
os proprietarios, todos os negociantes ,
em urna palavra, toda a gente limpa
(nao de bro, meu Parlamentar), talos
desampararas a cidade e se foro encor-
porar ios briosos cidadlos do Raconcavo,
qua repelliro com borrar o convite
do Sabino, a empunharlo as arma para
vingar o ultrage feito as leis a a honra d'a-
quella briosa Provincia. Inda se nio
vio urna emigracio igual! Um ( hornero
de fortuna, ara s hornera de oonsdssa-
cio nio 61 ou na Cidtde : que mais con-
vincente demonstracio da adhesio poda
reeeber o Governo de 19 de Setembro ?
Que mais manifest desmentido poda o
l'ovo da Bahia dar ao infernal Parlamen-
tar ? Nio, o Povo da Bahia marcha
voz do Governo de i9 de Setembro ; va i,
guiado pelo si u digno agente o Sur. Br-
relo Pedroso, sugeitar os rebaldes a aua
legima autordade. Assim fcastes inda
mais urna ves desmentidos 5 e, bem qae
nio envergonbados recebei os nossos pe*
same por terem sido completamente i-lu-
didas vossas esperanzas.
Chegoa a Monte-Video, no dia ii do
mez p. p. o Snr. Dr. Pedro Rodrigues
Fernandes Chaves nosso encarroado
de Negocios junto ao Goveruo daqaelte
Estado. Do patriotismos talentos do jo-
ven diplmala Brasleiro grandes e im-
portantes sio os soivicos que a patria a-
guarda : elle que era Poito-Alegre foi o
terror dos rebaldesedos encapotados a-
uarquistas, por cerlo qua, no eminente
cargo que liie foi commeltido pelo Gabi-
nete de 19 de Setembro, ha-de, rom pru-
dt-ucia, energa edignidade, sustentaros
dir iio-i de S. M. I. e faser conhecer ao
Gabinete da Repblica Oriental que os
lirosileiroe nio se deixa embar por pala-
vras e promessas sera cumplimento, e
queconseguintemeote campre-lhe obstar
todo e qaalquer auxilio da parte d'a-
quelle paii pi ;.-t d > a fe ocio armada que
no Kio ciaodc tem quebrado todos os
vnculos sociaes.
A tiansacta Administracio qaa vio
constantemente desle to* os seos planos de-
maggicos a cerca do Ra Grande pela
decidida opposicio 1 que Ihe 1*2 n Snr.
Pedro Chaves, votava-lbe um odio tanto
roai'enlranhavel, quanto mais apreciados
era5 pelos Brasileiro* sensatos os bem su-
cedidos estorcos do digno Juiz de Oireilo
de Porto- Alegre d'ah a sua remogo pa-
ra a Comarca de Missoss, onde teria sido
victima dos rebeldes ; d'ahi a intriga q'
anda hoje ardem os homens do partido
Vencido de que essa remoca anda oa5
ro revogada, s que as vistas da actual
Adrjin8tr&e dro Chaves nosso Ministro em Monte Vi-
des, fsraS nicamente os da arrodsr do
Rio Grande oade o considsravaS peii-
goso. Ta5 infames sao os autores d estas
calumnias que nao core do mentir com
tamanho despejo : essa reraeea, digna
llha do Ministro apantojado, s que foi
sastentada pela Snr. Montasuma em des-
peitodas representares de todas as Auto-
ridades de Porto-Alegre, foi revogada pa-
lo aetual Governo 8 dias depou do lOde
7br. ;ese Governo nomeou o Sr. Or.
P. Chaves para nosso Ministra em Mou-
te-Vid<-o y teve com iaso em vista aprovei-
tar um javem Brasileiro -,ue est' em
circunstancias de des empenhir faneces
melindrosas qaaes as qae hoje sxerce
e em qoe tem de auxiliar poderosamente
as Gabinete no prebenximento de sua ar-
dua edifficaltosa mim a paciricaee
da Provincia do Rio Grande do Sul,
Tiamem moito embor* oe .'nipos da
bro, mente-zarras et reliqua garimpeiro-
nim eatei va,por desacreditar o Governo de
i9 da Setembro eintrigal o com os bons
Braslairos qae saag roncas se ra} infruc-
tferas suas calumnias deemascarndas a
elles cobertosde ignomiaie e do p qae
sempre e nicamente Ibas convaio.
i
(Ssts d'Abril de 10 de Janeiro).
VARIEDADES.
ContinuacaS do n. li.
Neste interim o Director da Livraria
vaio a'entrar na sala se dispon ha a
ir tomar seu assento costumado qoando
Nipelea, cornos sobr'olhoe miis car re-
gados anda do qae ateenta5 o faz pa-
rar com bum gesto e Ibe disse com voz
terrivel Alto Sr. fcai onde estaes !
E enta aeus olbires perscratadoras pare*
ceraS penetrar na alma do Conselheiro
d'Estado para nella surprender seu pensa-
mento em quanto qus o terror se apode
ra do desgranado a quera urna 6ubita re-
cordacad veni dar a axplioagad desta soe-
na seos joelhos dobrad-ee trmulos el-
la quer aproximar.se de urna cadeira pa-
ra nella apoiar-se; Napels*5 qua ade-
vinhou-lha a inteoci ,' continua Em
pe', Snr. ; em p .' Talvez devesse ser
em postura anda mais humilde qoe voz
apreteotasseis hoja antemim Ousa5 in-
vectivar-me ultrajar-me um libello in-
fame se destribue v O sabis .* respon-
da 1 : aabieis o que se havia passado noi-
ta na Igreja de Nossa Senbsra Vamos!
Nada ds jesuticos subterfugios, respon-
dei. Sur. 1 Balbuciou o Director da
Livraria ea na5 ignorava ... he ver-
dada que Ah .' VOS na5 o
ignora veis, continuou o Imperador a
gitado por movimentos convulsivos ; vos
o sabieis e na5 mo-lo vinheis declarar .
observa veis o mais profundo silencia !
Mas qaaes era5 voseos motivos Senhor ?
Seriad por ventara vossos principios re-
ligiosos ? Mas oesse caso porque
be qae vos aches aqui p Faco eu violen-
cia a oonsciencia de alguera ? Fui agar-
rar-vos pela gola da casaca para feser-vos
Goaselheiio d'Estado ? Foi aui favor in-
signe que vos conced importunado por
vossas solicitaeoens poique lembrai-vos
qua sois omai* moco dos que aqui se a-
cha e o nico qae nao tinbeis dirsito
adquirido por voasosse vicos.
Os Conselheiros de Estado para quem
era inesperado esse incidente observavaS
o mais profoodo silencio; o Imperador
calou-se um instante: Mr. de Poitalis
sstava como aniquilado .- Napolaa5 qas
o vio continuou com menos furor e com
esss tora de dignidade que era taes casos
sabia tomar1 Sor., vos me pisstastes
um juramento pessoal, como podis con-
ciliar eu o quinera saber voseos senti-
mentos religiosos coma violaca5 desse ju-
ramento? A obediencia, que me be devi-
da cede por acaso a essas suppostas cou-
sideraeoens ? Qual he vosso Soberauo ?
O Papa, no su ? Vejamob Si. res-
pindei, estamos aqui por assimdiseruo
meio de noss* femilie vossos collejas
sarao tccjoc laiaej ipondci I Senhofj
eutinha pensado qae mostrando publica-
mentg severidad^ pontea uta harnea, '<
tiuha ,ugado desempenhar sua missi5,
so' obtioha chamar era sea favor o inle-
resse que de ordinario se tem para com
um martyr. Conheco toda de meas deveres, s lembro-ms de meu
juramento. Vossos deveres, Sr., vos-
sos deveres Era o principal dalles vir
consultar-me a vos o 010 Bsestes. Vos-
so juramente Vos o straigoasts, sim,
atraicoastes su vo-lo repito. Como '
Tem-se o arroja de repetir de cima da
ara pulpito o nome do vosso Imperador,
applicando-lhe qualiGcacoens infames, e
vos consents que isto sa ice des
anda adunte se davo dar crdito a pes-
soas queesta5 ptimamente informadas ,
vos niesmo toraastes o cuidado de espa-
Ibar essa virulenta diatriba 1 E disei-me
porque porqus segundo o rigor de volaos
juramentos, e de vossos de vares nao
viestej denunciar-me o criminoso. Nao
son eu aecessival pira v >i todos em qual
quer instante ? Snr., ura mau pri-
mo, disse em vos baixa o Conselheiro,
inclinando a sebeen Pois p >r sso mes-
ru rasan era mais forte, replicou o
Imperador com vivaoidade sabis que
tenho perdoens para todos os rros, ex-
cepto para os da naturesa do vosso Td
vrz devesse eu castigar-vos com o sap-
plicio dos traidoras : mas quero mostrar-
vos que son elemento, soments, Snr.,
ja nao sois Conselheiros de Estado. Ide
Snr. nunca tornis a apparecer diante
de mim ni5 quero mais v^r-vos .
Retirai-vos, Sor., retirai vos !
A estas palacras tendo encostado a mesa
eus bracos, e descansan do a cabera em
suas mos, o Imperador fiooa como ab-
soitoem seas pensares. O ex-C'-n-cIhei-
10 da Estado teve apenas forca suSiciente
para retirar se da sala do Couselbo. Ta
visiveis era seu terror e eua conster-
oa<;io que o Imperador, cajo concia ge-
neroso esquecia fcilmente as oll-nsai ,
quando huma vez as tnba exprobado ,
tevedelle compaixi e com urna voz me-
nos irritada sera todava mudar da po-
zica Snr. ; disse-lhe, muito sioto
tudo isse por atlcnco a memoria de vos-
so pii cujos servaos na esquaci. _
Quando o banido sabio da sala apo-
Isio levantoa a cabeca s depois de al-
gum sileneio disse rom mn tora coromo-
vidos: espero Snrs. que scena orne-
ha ule nunca miis se reprodaza ; que es-
a muito ms all gio. Nasou desconfi-
o Snrs. e poderia vraselo e in-
linndo-se para Mr. Loc qae es-
ava tranquillemente oceupado aredirigir a
acta dasesaS, bateo-lhe da leve no hom-
bro a disse Ibe ha veis de por atraico-
ado oavstes atreiceado airaicoado 1
Fcil bode sentir que o cesto desta ses-
saemnada se ansemelbou as outras em
que de ordinario rninava urna fimiliari
dade extraordinaaia- Cada bum dos Con-
selheiros ouvia retumbar a su> ouvidos as
terriveis palavris dirigidas ao desgrasado
Conselheiro de Estado, cujo infortunio
foi completo; elle perdeu seusempregos
suas d gnidades e recebeo urna oidora
de desterro que o mandava para 4o legoa*
distiote a Pifia. O Sor. da Pom-
meruil foi nomeado Director da livra-
ria-
( Conlinuar-se-ha. )
CAMBIOS.
Itio de Janeiro ii de Janeiro de lS.i'.
Londres...........
Pariz.............
Ouroem barras.....
Dobres Hespanhoes.
",, da Patria......
Pesos Hespanhoes...
da Patria......
Moedasde640Oelnas
ovas
de 455000
Prata..............
A plices de juro 6 pe,
Ditas oe S p- c. -
l
X") i/4
345
15b p. c.
7$8oo
a7^J65o
l.*J8oo a l#8io
i37"o a i^77
15,55500
15#400
8&550 a8(^tiJ0
Sa a 83 p. c.
87 a 57 i/2
Do Cbrornsta- )
AVIZOR DIVERSOS
P Quim pracis2i 4 joi criado pot;
toguez i pera copeira, ou ooheiio di--
rija-sa a esta Typagrafe;
a/eja* Precisa-ss de alngir um sobrado
para pouca familia por i ou 4 mszes,
pagando-se bem o ssu aluguel s prefe*
se uo Bairro de S. Antonio ou Recite
qoeai o tiver annun<:ie.
ajajaa> Pricisa se de loc$ooo e mros,
e da-se de liyputheca urna inorada e casa
quem os qui>er dar annuneie.
jrjjp" Preoisi-se de aluger urna cas
terrea, que tenba quarto, a commodoj
suilicieutes para urna familia ou sobra-
do sendo as ras seguintes : das Cru-
zas (jeiruado pucioha do Liv aman-
to ,Direita Agois veidas, Horta. a
patee do Csrmo- qaem a tiver annancie.
= Pelo Juizo do Civel da segunda
Vara, asorivio Cunha se ha de arrema-
tar uo dia primairo de Odarqo, urna Su-
maca velleira denominada S. Jote Viajan-
te fuodiade defronte ds estaleiro de Jo-
a i tiouiaz Pereira avadada por 8oo-j
a requei amento ds Miechael Sislall.
Jqy* No engeobo Giqui ha um sitio de
lavrador eom casa de vivenda sanzalla
es' ibaria e casa para vacias com currat
ladriihado e pasto .;. qaam o pretender
drija-seao mesmo sngenho a fallar cora
o piopru tirio Manoel Cavalcan'i da Al-
buqaerijue.
faJT" Quem tiv^r c quiser alugar urna
casa terrea ou sobrado de nui andar
as ras principis do bairro de Saato
Antonio dirija->a a ra das agoas ver-
des sobrado D. 2y.
orejee Mo dia i2 pata |3 do cnenla
mez de Fsvereiro lurMra'o do itio deno-
minado boca demar junte do lorno da
cal em Olindaonde mora Eiancsco dts
ChagasSilgusiro, a Cavallos um pre-
to, bastante novo e mag>o, com os p 9
calstdos, cimas aparadas e tem um s Ijr-j
ro na peina dreiti. Outre alazio com
a frente aberta um p calcado c sam
ferro algum clima rnivas a cahidn :
qaem delles souber ou tiver noticia di-
rija-se ao mesrao sitio 011 a ra larga do
Kozaiio na quina qoe volta para a sstroita
primeiro andar i5 ou a ra da Boa
hora em Olinda n. ,'j, qus em qualqner
parte serio recompensados.
arjaai No di 20 do corren te furtarfl
daalfandega 5 volumss de Paleys moral o
Potical Philosopby um tomes llustnw
tious os mytbology um tomes natural
bistoiy, euui tomes Greck vocabalarv
quem delles souber ou sendo okreoiuos
poderio levar na ra dos birbeiros casa
n. 8, que serio recompeosadoi;'
ap^k Quem precisar da urna mulher
branca viuva para ama de urna casa de om
humero salteiro que sabe coser lavar ,s
engoramar, dirija-ss a ra de (iortis i'n-
cimaGJ.
K9 Precza-se de um caxeiro Portu-
guez capas de tornar urna vsoda por ba-
taneo e uue escieva sofrivelmcnte o Se-
nhor que estiver nesta circontancias poda
procurar na ru i larga do Rozai 10 D. 7 qut
a hi t>e dir quem o perende.
ajeap O Si. quedeixou empeuhadoum
relogio pela quautia de 6<&72o rs. qaei-.
rn hit tira-lo at o da aS do correte;
do contrarise vender pela dita quantia,
na ra doLivrameeto D. 3.
sraaB Precisarse allugtr urna prcta qua
saiba enseboar a pnceito, e tutenda de
vendec na ra : quam a tiver dirija-si.
nesta Tvpuprafii ou annuneie.
ejefjp Ut. rapaz que tem todos es pre
paratorios, a de baiis costumas se propj -
smaensinar as- Primeiraa Letras Gra-
mtica Portunaeza Arithimetica
Lugoa Francs : quem quiser servif-i
do seo prastimo dirija-se a ru? Direi
D. 34 a ndar que s dir qutit. be
Sjss ArreD!-sea loja doobrido M
lo na roa Direiia U. 53 com coraodoi
para negocio e lamilla : quea a preten-
der dando bom tiador, sntenda-se com
seu proprietano no pnmeirc- andar do
memo sobrado o ua Ail-odege on'.
hesmpregade.
irajr Precisi-se de hum homem ,
entend ds aohaf bum terreuo pan mi
dar hun* pende fruelM da diver.is qdal
dad: qMemastivec acatas circn*tacciat
nucir appareoar para tratar de apaste na
esquim da F.nmaba do Liv^ttiettu, ffi|
JoBurgofl; ^


DI A IIO DSFRftNAMBCCO
i

t
[Sa loja de cera da ra do cabug
recebirn s er'eo,xmtuudis de maderas
para con-trucc s de raes, bem como
travs enehimes de quatquer compri-
monto e qo
sS3* Desej ss fallar oso a Senhcra D.
toza Mina pelo naturil da Ba-
ha, vii nelJapara esta p ovincia a
' metes poucc ratis ou metros, e como
se ignora, as ua morada queira annuu-
cia-la.
tjjpp a-seas chaves da loja D.
'>5 no atierro da Boa-vista a ijusm com-
prar a competente a meci i pelo mdi-
co preeo de ta jj oo, a fallar na loja de
sendas vizil
jSJ* OsCri lores i'asa do Sr. Joo
los a coru-
pu de -'i.i ni 'ciii i., ra
fa D. ai do correo-
ultimar.
W* i- ios .' f-,j.assignadoi
{'ora deita
nrovinci Ceveroo,
i sogra Anoa
'oequioa da I iue be fiel de-
lim do Espirito
> fas o presenta
pun icimeoto
que sendo
ridenciaea.
irx Jnior.
W&* f or para um
i na ra do
ns prafa pu-
Vera no pno-
i, te in de arre-
por -er fin do es
.. ea ultimadas 3 pr>cs rmis
i. ru i do lien Suces-
Olin ia cooi 83 palmus de
'. ha de pedra
'si rJ ii '..irobtta lo pod'a
pe ga poi i lo de Jo-
tra JoSo Pinto dos
sraliedi :; a ooon.
iamnte as pe-
sil o si has polica e mes-
ili o de sppre-
o crioulo de
y de No-
ijoa sigoaes sao
ir, cb o do cor-
' m I f.ito dp ps e
pouco inclinados para
'"* i to do qual tem
uma queda em
sicatri-
o marca no
1 de que
a p^s-apur-
ppi eh inderem
provincia de
eir de Araujo
[ i sta prn-
- n na-tu
'' na re-
A L'AkG.-
r
iila
. bordo porefo de
oarga c lbe faite outn porfo para seu
templete : qui ra oella quiaei c u gar ,
Hirija-se uo i 'ri-
ge Freir, .- i Coro*
oel V1 jul-7';-: na roa d > Vigario n, i
.,
atare carga do 3r-
: ,| re-
roblB j bar ir-as f.i!ir com oa
. L Compeohia.
'.'asa o fcio tic Janeiro
i todo brevidade o beta conna-
>om Jb3js Capillo Joo Ro-
Maro, forrado de cobre ,' c ve-
no raesmn quiser carregar
laceen j para oque lera ex-
iste* corara .Jos dirjase ao Capillo,
00 atrs -orpo Sanio O- 67.
iflsjp 3ao.ua core toda i brevidado o
.rn condecido Patacho Paqueite do f.ic

Capillo Msnoe] Francisco da Silva; quem
no raosroo qui-er carregar ou hir de pas
ugena dinjj -> a pracinba do Corpo S.
1). 67, ou ao Capillo.
Pura o Asu
*Jt^** Segu por astea S das o Brigue
Nacional Amparo forrado e pregado de
cobre e de boa marcha para oarga ou
passaguiros por lar hona commodos e
ign^l tratameuto ; trata-sc com o Propri
etario Santn Braga ra da moeda uu-
ruero i4'2-
para Humborgo,
Sai rom i rnaior brevidada possivel por
lr parte d sna carg promta o muito val-
leiro Brigue Escuna Hamburgus Fortu-
na, Capita P. Petersen : quem quiser
carregar ou ir da passagem dirjase aoa
seus Consignatarios N. O. Bieber o Comp.
nt ra da Cruz n. 63
NAVIOS AFRETE.
/J1 Para qualquer porto, os moito
sup?rioros Brigue Ingl-z llelen c Pata-
cho Siirpr7.e; a tratar em da.st d M. Cal-
mont e Componbia.
COMPRAS.
KJk> Umpilanquimcm bom utoj quera
o tiver anouncie.
99" A obra intitulada o feliz indepen-
dente : na ra da Conceico da Boa vista
D. 5.
(9* Looa canoa que peguo ero um mi-
Iheiro de lijlos de alvenana e que seja
bem constru di querendo vende-la para
so pagar ero lijlos que quieer lser este
uegocio anouncie.
VENDAS.
vitV" Na praoa da Iudcjn'mlencia loja de
livros n. 37 a 38 existe urn grande sor-
tmenla de pipci pintado de difiranles
mdelos, Ios lanados, a rnarroqui-
nados, dourados, pialiados, ojapel de
cores Sim Ju-.lro.
p On, 39 do ECHO da Betigiio
o do Imnirio : ua praca da ndependeo-
ca n. 37 e 38
rT2r* Urna negra do gento qua sabe en*
gomrnar bero cosinhar, e lavar de va-
rella no Atierro dos Afogados de fronte
do viveiro do Munis em um armasem
de s^l de Jo'nna Maiia dos Prazeres.
6^ Uma prcta que cosinha lava e en-
gomuia e que (rala do arianjo de urna
casa e juntamente iuas canoas de carrei-
ra: no Rehile ra da Cadeia loja n. 29.
l^s* Un armasem de sal na cinco
P< n'as por proco commodo D. 45 com
cummod'- par falilia-
5#"^ Un esrrava que lava e coiinha
m ilo boa para vender na ra por pie
cjcomrnolo: na 1 ua do Collegio na casa
onde to ----- Um '-iliro ja uzado por prego com-
modo : atrs da Matriz da Boa-vista na
fabrica do rap que lhe dir quem o pen-
de.
H2a^ Um rinde sitio Da estiada do
Arraial com casa de sobrado com fru
ttiras de diverca^qualidadei, e uma por-
ci g ande de cafft.'-eiros, teco pasto-au-
to de enverno como de veio para por
co da vacas tem biixa para plantelo
de cap'to este sitio perlance aoi Hardei
ros do Finado Manuel Gonsalves Rodrigues
o annunciante vende a parte de um do er-
iJciros e os mais berdeiros tambero vea-
dem a suas partes, trata-sa com 5ntos
Brsga ra da Moeda n. i4a.
lWS9m SiaUma da instiuc^o para a in-
fantera por Bernado Antonio Zagado
Corontl da rnesma ; na ra do Collegio
D, 3. 6
/3^ Lima farda uma barretina e
roais utenciiios de um Guarda Nacional
em f 'ra de portas n. a i4.
8^. Rap muito auparior immitsndoo
piiocexa da I-isboa : em ctaa de M. Cal-
mont e CoLL.pnbia.
- W? Uma vende na r a Conceico
da Boa-vista D 3o cuja venda tem casa do
ricso ls aesDa, troca ;e um escravo
que tem mmta p< alia |dc- f do o aervipo
de sitio por uma enera va de 13 annosa >.>,
de aotolla ua metma venda.
V9* Umrenovo, todo envernjado
faixes azulillos com seucompetente traea-
do to-lo burnido : na ra do Collegio
botica I). 5.
WW Panno finos pratos e chapaos de
castor pretose bramos ludo de superi-
or qualidade e por preeo commodo : ni
praciohi do Livramenle loja de fasandas
U. a5.
v> Uma escrava de angolla bonita
figura moca, oozioha o diario da ama
casa eugomma ,- e em saboa com prefei-
clo : nos quatro cantos da Boa vista na
segunda casa de pois do sobrado a qual-
quer hora do dia.
W^* Um muleque de naci angola com
idada de 8 a 9 annos propio para servir a
urna casa $ as-im como uma escrava de
bonita figura ptima eogommadeira co-
zinba o diario de uma casa lava brn de
sabio e boa boseiteira : na ra Direita
quem vai pera cinco Pontas lado equerdo
D. ao.
YSP Um escravo crioulo de a5 para 96
annos de idade bom page e ptimo of-
licialda sipateiro : na ra do Apollo no
armasem do Lobo ou no pateo da Matrir
de S. Antonio que dir quem o vende.
/P*1 Uma escrava crioula de idade de
2a annos, cosinha, engomma eostu-
reira e rendeira : na ra do Arago Oo
cima 18.
tjtp" Uma negra de naga5 moca sa-
be cosinhar snfrivelmeote e intende de
forno refina assucar e intende alguma
coisa de doces engomma perfeitameote
lisa, e faz todo o serviea da uma casa : na
ra deHortas D. lo, casa terret junio ao
sobrado do Sr. Agostinho.
W Bixis grandes e piqnenas por
preco commodo, troca-seis quensope-
girom : na pracs da Boa vista D. 9.
0^ 3 moradas de casas sitas na Cida-
da deOlinda na ra de Mathias Faneira
uma ieita a moderna com 46 palmos de
frente, eaaduascomos mismos palmos ,
todas anexas com seos quintaes bastantes
grandes enxons propnos: tambem ven-
de-se um sitio confronte o Jardim botni-
co de nominado Mangaban a comumagrl-
de caa de sobrado tendo ensi bastante ter-
reno x5espropio : na ra larga do Roza-
rio botica D. 10 que ahi se dirn' quem
vende.
W^* Uma escrava, que cosinha o quote
diano de uma casa engoma, rnsiboa, e
refina assucar e faz qu..lquer doce : na
Ponte velha casi da quinua do lado do
taDque.
Ha? Dous Escravoa muito lindoc, na-
ci raocambique idade 19 annos. pro-
prios para cadeirinha : passando a Ig'eja
dos Martirios no primeiro andar do So-
brado pegado a Igreja do lado do Sul.
Ws** Huma porcio de cordas propria
para andemei de casa a liser se em mui-
to bom uzo no armasem da casa nu-
mero 5. na ra da cacimba.
9> Urna escrava de naca" moca,
muito sadia cozinba lava roupa e faz
todo o sci vico fie urna casa : n'esta Typ.
se dii (juem a vende.
Uma canoa que pega mais de mil
tijolloa, e mais bem construida possive! ,
com 8t mejis de servico pelo preco de
4oo^9 is., e o preco be muito rasoavel,
ltenla sus co-istrucco : na ra da Pra
ia serrara de Fraocisco Vicente Valirn ,
ou na ra do Livramento venda do Car-
deal. Na mesma venda cima se dir
quem vende tresoitavas de ouio, e a mil
rs. a oitava.
- Bixas ebegadas ultimamen'e do
Porto, prttas, grandes e pequeas, e
por pre<;o muito commodo, trocanda-se as
que nao pegaram e tambem se vende eos
centos por muito commodo preco.- na ra
e-treeita do Rosario Botica de Jlo Pereira
daSilvtira, pintada a frente de amarello.
tj9* Uma escrava de naca, boa Ja-
vadeira muito fial, e sidia : na ra d< ,
Mirtyrioi lado esquerdo fallir com o Sr.
Gama.
|t9* Huma escrava crioala moito mo-
ca sem vicios, de bonita figura, coso
chio sabe vender bem na ra cozinba
o diario de huma case iav ade sabio mui-
to bem, e engoma iizo : 00 boteqoim do
Albaquerqqe ao ra do Fozario Ui ga.
ssBawsawBaMMBSseessaaisjSjsseEM
-i Leitepuroa quem queira afreg
zir-se, mandando-ee lie levar a*
dos tregeles, pelo preeo de 5o ra* a no
dida oujo leite afinca-st ser puro 1
que vem trencadoue vatilba ovitor;dc s<
sim algumi especulaci dos portadores
o pretenderles dirja5 so 1 casa doFrar
risco Jos dos Prazeres Camboim a da
rem seus nomos, e a poroaS de que cit
hum precisar para logo quecbegue a fre
gueziaa 4 eu 5 caadas, pr-se o negvci,
em pratica por isso que sendo meo
consumo, na5 compona o tribalfa
conduelo, e a qualidade da pureza.
ESCRAVOS FGIDOS,
aas Antonio de necio maeetobiqui
muleque que tara 18 a 20 annos de idade
estatura biixa cor filia com marcas a\
gntio pela testa e nariz fugio err. ai de
Janeiro p.p., levando cami a e celas de
brim e su->pensur lequea lempos fugira ese intitulara forro
e se faz certo quem o deuunciar viste
bever dosconvianca de estar furtade ga.
ardando-se segredo ao denunciante a u
r de gratilicacc loo^aoo, que c; dita
seu Senhor Santos Braga ra d.- tuoedi
n. i4a.
1J5^" Fjgio no dia \\ de ['everoirc. Q ,
mulata da nomo Maria do poeo da parid-
la da casa de Jos lexrinde Ferrein
magra e peijada cun cabello, levou ves.
tido de chita chales de 11 de car. qae(r
aprehender levem-a a ra do faguudo cast
D. 7 ou no poaso da panela ru ser
recompensado.
tras Fugio de um sitio do Mscgmr-L .
no ultimo de Dezemliro do anno pronm.
passado, uma preta da Costa ja de idade
de nome Citharina alta, algum tind
socca quando anda deita os pnito par.'
fora quebrad! ambas a rerilhes li-
bio com um tabolciro de (ructas a ven
der o costuma intitular-se por (un; ,
quem a echar dirija-se a Boa-vista rui to
Araglo D. 37 que ser btm recompensado,
tt^ Na noite 16 para i7 do correle
mee fugio urn preto enfilo por nomi
B.nadicto com ossignae* seguintos,- idade
pouco mais ou menos 24 annos f alte i
nita figura com o naris groco cor pre-
to, muito talador toi algum tempo car. ai-
ro, e que tem de cu tumequande foge
corta carne em um dosnaongues d rui do
Rangelalhaa Ribeira : quem cappraben-
der o leve ao seu Senhor ni ra da Cn
U. 48 quesera bem lecomputidc do s?m
trabalho.
W Fn a5 do mes de Novenbro do
anno passado logio um negro de nome
Francisco offi i.! tie sipateiro de > en-
BOS de naci loanda, oa trajas de jaque-
la de xit* emrella caba de ^azimir
preta chapeo de sed 1 preto tem es p l
a palheUidoi naris grande de boa altu-
ra foi comprado ao S-jnhor Joio Ribeira
de Coito .- oiepprebendedores dirijio-se
a ra de Hor tas ao lirada D. 53, seu S'~n'
he Francisco Jo=< Ufarle que
seu tratialho 5..jooo r:;.
^7 Pedro naca5 Bengue s estatura
regular, idade pouco maia ou menos
anuos lavou vestido clen brinco ? jaque
ta branca de risoado e cbapi elo
preto imbarci'li;; ; olhar a revesado,
com pequeo bjgo d' brba naris chato
boiejs gromos com alguus s'gaaoi de bexi
gas queai o pegar ou dello soober d
ja se ao seu p opi ietario Jozo Lu'u Para-
des no foito do uuttoou no armiue5i da
caza o. 5 roa d.i ceiinli 1 cj .e- gratilicai "
eu trabalho,
f9^ No uie 28 de Se'ombro p. p. fo-
gio um negro -_- rame Ja 5 de ?i ic- "
Camundongo com os sigues seguiol
boa estatura, um tanto oorpolemo, mui-
to preto, bem parecido, posto quo car-
lancudo, beicos e sobruneelhas grossa ,
orelbas a cabtca pequeua tem uma sica*
trises no rosto da parte direita provani-
eote de um talho ; este ne^ro foi comprado
em Meceid a Joaqun, Jos de Asevedo qa
o vtndeo nesta pracs de Peroimbuco ao-
Ajudante Francisco Joaquina Pereira Lobo
c qual offerece ioo,j' reis de gratificarlo w
quem o trocer a casa de sua residencia d^
fronte di matriz do Sacramento do Burro
de Santa Antonio ua esajuina da ra da
Triuxeiras I. andar.
Febs, ka Tp. dk te.

I

ME1
HOR
EXE


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5V7H2Z3Y_IAKYY5 INGEST_TIME 2013-04-12T22:16:44Z PACKAGE AA00011611_05824
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES