Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05795


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO DE 1837. SEXTA FElRA

17 DE NOVEMBRO: N. 249.
i
PERN. naTYP. dM. F. dp PARIA. 1837.
DAS DA SEMANA-
).? Sepnnda S. Eugenio B. And. do juiz do
Cr. de det.net. da T. Publica.
II Terca S. Clementlno e Filomeno Mm. Re- Je m.
e aun. do J. dos O. de l.
15 Ol>i&rta s. G.ciruelo-, teosn da Thesonria.
K Quima s. (i nuil.s V. Relami de mandil
ele.
J7 >fxta S. Gregorio Tbanmaturgo. Ses. da Tlics.
Pub. and. do J. de O. de t.
IH Satia.1i. lloini M. K.-biC- de manh. c and.
do Vig, G. de Urde cm Olinila.. <
!! Domingo S. Jeabel Haiulia d Ungira.
Mare'cheia para odia 17 de Novembro
as 10 horas e .'!0 ni. da m 10 h* 54 m. da tarde.
Tudo agora depende de nos mc?mes da nossa
prudencia, moderaCaOi e energa i continuemo8
como principiamos, e -rivmos apuntados com aduii-
raeo entre as Nacocs mais cu tas.
Proclamarlo d'Asscmblea Geral do Brasil.
SnbscTOVe'M a 1.000 res menQacs pagos adiantados
nesta Tipografa, ra das Ciuses u. 3, e na PraCa
da independencia 1). 37 e 38. onde se receben cor*
ivspoinlencias legalisadas. c aoDOltcios i inserind'i.c
i-lis ralis sendo dos proprios assignantcs, e viudo
assignados.
CAMBIOS-
Novembro 16.
1-atOndre 30 0. 8t. poi 1,000 eed.
Lisboa65 por o|0 preniin, por inelal, Nora.
Franca 315 a 320 Ha. por franco
Ro de Jan. 6 p. c- de desc.
Mueda rie 6.400 13,800 as velhas, novas 13,100
4,000 7.4)0 a 7.600
Peaoa Colimare) 1.560
ditto Mexicanos 1,555 1,560
Patacoee Braaileirea 1.56o
Premio dai ictiras. por uie> I 1|? por o|o
Cobre apar das scdulag
PARTIDA D(S CORK RIO.
Olinda _Ti ... o| riia* ao mei di.
Qoiana, Altiandr*, Paraiba, Villa do Conde, Mt-
maiguape, Pilar, Real de 8. Jlo, Hrejo d'Arra.
Halaba, Pombal, Nova de ouza. (,'irtade do Natal,
ViMa de Gn entila ha, e Noa da Pnneeaa, Cidade
da Fortaleza, Villas do Anuirs, Monte mor noto
Aracatt Cacavel, Caniod, Granja, Imperatriz
S- Ueruardo, S. Jlo do Principe, Sobral, Novado
Klller.Jc, S. Matbra, Reaeho doaangue, S,
Amonio do Jardim, Qne*eraniobim. e Parnabilia
- Segundas e Sextas f ei ras ao meio dia por via da
Paraiba. Santo Anteo Todas a quinta feirasao
meio dia. (araiiluin, e Bonitono dia 10 e 14
de rada mes ao meio di. Floreano da II d
oada me* o nielo dia- Cabo.Seriohem, Rio For-
.....lo, e Potlo Calvo- nos dia I, 11, e 21 de cada
n-, i--/.- ______________
-L
PARTE OFFICIAL.
RIO DE JANEIRO.
CMARA DOS SENADORES.
Sesso do dia i desetembro de iS3j.
Presidencia do Sr. Mrquez de Baependy.
A's horas do costume, abre-se a aessic>:
le-.se e approva-se a acta da auteceden-
te.
O Sor 1. Secretario d coala do expe
diente.
Ordem do dia.
He epprovada, a fim dse remetiera
( a ni -ii a o os senhoies deputados, a reso
lucio AA-- sobre oa emolumentos que
competen] ao secretario da academia di
marinba
Entra ero segunda discusso a esolocio
-- AR --declarando competir ao aecreta
rio ii > academia militar a graduecio de
capito e o sold conemon lente a este
po>to, a qual se ollaieceiu as seguinUs e
meadas:
Sopprima-se a concessio do sold
c conceda-se, como graiihcacio, a quau-
tia de 36 ) reis cada anuo, tu lo duran-
te o exeieciO do empiego, salva a ieda-
cefo. J. I. B.
k Q e a giaduacio e o sold corres-
pondente subsista eui quaato xeiccr o
cm prego de secretario. Mrquez de
jParanagtia.
Additamento a emenda do Sor. Ror-
ges. Nao accumiilaudo sold no cato de
o ter. ~ Vergueiro,
Sao apoiada-s, e, julgida discutirla a
materia approva-se a resoluio para
p.-bsjr a tereira discus-o com a en.eo-
lia do Sinhor Rorges, e o aditamento do
Se nitor Vergueiro, Brando prejadicada
a emenda do Seuhor marques de Para-
nagua.
Segue-se a segunda discusso da reso-
lucao AG coniedendo gratificares
oos lentes esubstitutos doi cursos jur-
dicos.
Remeltem-se a mesa as segualesemen
das:
O director, os lente* e os substitutos
das fatuidades de aieiicina do Rio de
Janeiro e da Bahia tem direiro ordena-
dos e grttiHcacdes iguaes aos que se cou-
Mgnarem aos dos cursor Jurdicos de S.
I'au'o e O nvia. Paco do Senado, 2 de
Setea bro de i837. Salva a redcpo,
.Viscondc de S. Leopoldo.
Aagmriilando se o ordenado aos lan-
as e substitutos dos cursos jurdicos ,
angrt er-te-se i^iulmi-iite aos dua acede
mias militar e de marinba, fiendo os
sidos que tiverem parte do ordena-
de. C. de L>ages.
Depois deapoiadas, faz-so e-tereque-
rmenlo.
Adiado o projecto at passar a ki do
ornamento. J. I. Rorges.
Hi lambam apoiado, e, entrando em
dicus'o, suspensa a materia principal ,
lica a niD.m.t discusso adiada pela tio-
ia.
- O S'-. Presidente) marca para ordem do
dia at o meio di : tiabalhos da com-
.iiis-.ao o depois lorceira discusso da re-
soluefo AC sobre o grao de Dr. em
medicina ; primeira discu^sio da re^olu-
--AH sobre estudiles djs Cursos jo-
tidicos: !-egun la di-.cu.sin do projttcto
Alsobie o corpo de engenheiros ;
primeira discu^sio do projecto AJ --
sobre destacamentos da guarde nacional.
Levanta a Kaaio depois das duas hora
da tarle.
CMARA DOSDEPUTADOS,
Sesso em a de seternbro de i837.
Presidencia do Senhor Araujo Lima.
Palas 10 hoiMs da manh, procede-se
a chamada e logo que se retine numero
leg'l de Depotaiios abre-se a soio:
la se e approva se a acta da anteceden-
te.
O Senhor primeiro Secretario fez o
expediente.
Ordem do dia.
Continua a discussio da propoata da
Asamblea legislativa de Mm.is Geraes.
sobre a extinco do vinculo de J^guaia',
Entrando em discussio o artigo 4*
ha anoiada a seguinte emenda substiluiti-,
va doSnr. ViconJe de G'ianna.
Ojoiz municipal do respectivo ter-
mo, log que G/.er arrematar, e pai tilhar
os buns pela maneira ja indicada, rema-
tar o producto dis tres quintas par-
tes dsstinaJo para obras pias a thesou-
raria da provincia, para o empregac'as
sob-aditas apolces 00jo rf>dimento
sera' repartido na forme da presente
lei.
Discutido o artigo, offerece se a tota-
cao o he i egeitado, e a emenda he ap-
prova le.
Entra am dscusIo o artigo 5, e o Se
nhor Viscoude de Goianna offerece hu-
ma emenda de supresso que he apoia-
da.
A emenda de suppressio he approvada.
Pass.i te ci diat utir o ortigo 6. que he i-
gmlmeute approvado, e a proposta sen-
do adoptada pasaa a commtsso de re-
darco.
Entra em dheussio a resoluco que
diz : H concedida huma prestaco an-
imal de cincoenta cont* da reis a S. VI.
Impetial a Seohora D. Amelia Augusta
Eugenia duquesa de Bragnc, viuva do
Senhor D. Pedro I. Lnperador do Bra
sil, daqnal gosara' a titulo de apani-
uio de ora em diente, e eoi quanto vi-
ver.
O Senhor Rasende declara que nao he
contrario, entoa de sea voto, que se con-
aigns algama quantia a vinva do ex Im-
perador, po4 acha i-to digno do Brasil
e nao porque jolgue nisto harer direito,
era cuja opinio tam a seu fivor o voto
de jurisconsultos da Franca. A ->u< du-
vid< porem, esta'e a^ta quant< deve
sef dada p>r huma vei o j aonualuien-
le. Njta que, pir hum artigo da com
tittiico manda se dar as princesas hum
dolo logo que se cao, com o quil
cessio oa alim.'ntoi que percebi-
ao. Quisera que o artigo da reao-
luco foa>e concebirlo de modo que por
huiaa .' vez. recebesse a Seuhora D. A-
malia urna quantia do the.touro do Brasil,
Como he materia que depeude de algucn
Hesenvolvimento, mandara' a mesa emen-
da, para que em lugar de resalvo se diga
decreta.
Heapoiadi a emenda do Snr. Re-end-.i
para que em lugar du resolve diga-se de
ceta.
D se por discutida esta questa de
ordem e approva-se a ideia do Senhor
e-ende. Em coiiseqt\ancia entra em
irimeira discusso o p. oj.-ctj couvetli 11
era fiecrito.
O Sar. Alclb ades ei-tende que esta dia-
cu^io deve Ccar adiada para o auno se-
-eguinte.
O a liaraento he apoiado e entra em
discQasio
O Senhor Resende oppe-se ao adia-
mento. Ob erva que como a cmara
decide quo o negocio se tratarse por meio
de dactelo, he natural que pela ordem
d.-s cou-as, no fique decidido este au-
no.
Q-se par discutido o adiamento q
he qnasi unnimemente regeilado. O
Projecto he approvado em primain dia
eoMfo c passa para a segunda.
O S r. Piesidento : Sao i horas e
meia : vamos entrar na discus-au do Pro-
jecto sobre o meio circulante.
Entra e-te projecto em primeira dis-
cussio, e passa s.ra debate para a segua
da.
Segunilo-se a discuti do projecto do
senado sobre importadlo de africanos, o
Senhor Reseode pede a urgencia pata
quo entre eco primeira discusso o projec-
to da com mis-fin sobre oterprftaqo da
algum arligos do feto addicional,
Lembra que o auno paasado fmSo adi-
adas propostas do governo, reformando
o cdigo do procesio cobre pretextos de
que taes reformas se nao podan fser em
quanto o acto ad licional n> soflVesse a
iuterp.etaco que as nocassidadea publicas
reolamlo. Em sua opiniio julga esta lei
vit 1 para o Brasil.
A urgeucia pedida heapoiada e entra
em discus>io.
Dag por discutida a urgencia pedida
pelo Senhor Resende que nao he appro-
vada .
ii apoada a urg'ouia pedida pelo Sr.'
Vaaotel Afonteiro, para qu." entre einse-
gundi disoussio o projecto do mclbora-
lueuto do meio circulante.
O Senhor Maciel Monteiro m idifioa s^a
i-eqii-cimento da urgencia equerend
que 84 decila t urgn ia boje, para entrar
opiojacto em dioutelo, aeguoda f-ira.
Esta Va persuadid? que o proj-c'o ja ti-
nha sido meditado : noentanto seaiguns
Senhores julgio que he uucessario medi-
tar-e mais na materia deixe se aioda es-
le tKpjQO.
Depois de fallrem o Senhores Viscon-
dedeGoiam e II.lana Cavalcanti, ex-
plioaodo*e fobra o que i avian dito
dase por discutida a ucencia, e he ap-
prov.la no senlido em q' ltimamente a
propot o Sur. Mtciel Mooieho.
Entra em diseuaslo o projecto do sana-
do DO seguinte artigo i.
\rt. i. Ha prohibida a importaco
do tscravoo e pretns livrea no 1er-
rilorio do Brasil, na quul soenteuda cora-
pejasheudida a pas:ag"iu de huma para ou-
tra provincia.
O Snr. Sebastio do Reg declara ter
da offerecor oooao emenda o projecto do
Snr. Vascorire los.
O Senhor Raboneas offerece a seguinte
eui?Q'ifl, que he a miada.
Prohiba-ao aimpjitaci no Brasileo
seu leiritorio de lodo o commercio de
cativos, ou escrovos Afi icarios bucae .
ou uovos, livres ou forros ou liberto*.
A discussi Gca adiada pela hora.
O Snr. Presidente, marca para ordem
do dia at II hora-, discusso do projecto
s.-bro melhotaniento do meio circulante,
aDtes dechtgaro Sr. ministro da lazeurJe,-
a mesni' de lioje, couiecaudo pelas emen-
das do teuado lei de lixaeio de forcaa de
lena.
Levantou-se a Sessio as doas horaa
da tarde.
0
i


DIARIO BR PIIUA
!

PERNAMBUCO.
OVKRNO DA. PROVINCIA.
Expediente do (Ha i 5 de NoTembro.
Officio Ao Cormrundinte du Armas,
i tbpuu Jendo-lhe que foi expedida a con-
vemnte ordena paia que os Navios, que
conduscm a ExpedicaS para o Rio Grande
do Sul nv tluem juntes e cbeguem a
o seu destino uo mesino ternpo.
Dito Ao Juii de Diieito da i. Vara
do Crime Joaquim Nuues Machado, no-
meando o para presidir ao andamento das
rodas da i. partid* a. Lotera a favor das
Ohrai da Igreja do Livrameuto o qoa te-
i a' lagar no dia 25 do corrate ao Con-
sistorio da re fe i ida Igreja.
Dito Ao Director do Arsenal de Guer-
ra respoodeado lhe que deve praticar
cora as requisicoens de que trata em seo
cilicio de i4 do correle o tnesmo que
sepra'icou com a de Cornetas e bombas
feilas pelo Comniaudante do 2. Bitalha
de Olind.
Portara Ao In-pector do Arsenal de
Marioha para ordenar aos Capules dos
Navios que coudu e.i. a TrOpa para o Rio
Giande do Sal, qae devem navegar jun-
tos, e cbegrrem aosea destn i ao mes ni o
lempo, fornecenlo-lhes para esle fim os
aprestos e regiment desinaesque foreni
utcassaiios.
DECRETO.
1837. N. 62.
Jota Joaquina Machado d'C* vera Pre-
sidente da Provincia de Santa Calha-
riaa.
Faco saber a todos os seas HSityites,
qae a Assernblea Legislativa Provincial
Decretou e eu sanecionei a ResolocaS
aegainte :
Art. i. As Aulas publicas se est?be-
lecaia no3 ediOcius pblicos, que pos-a
haver na Cidade as Villas Fregus!,
e curatos s que sej5 ou se posa5 tor-
nar para isso aptos.
Ait. 2. oslug-res em q'na5 hou-
Ter t.es edificios tica o Presidente da P.
authoiisado para mandar abonar por mea
ns Profes ores da Cidade 4$ ,e' *os das
Villas 3& res eaos das Freguesiae a Cu
ratos a# reis para alluguer da casa em
que ae estabelecer a Aula.
Art. 3. Para ter direito a prestacaS a
cima deveraS provsr o P,rofessor da La-
tim queensioa effecti va mente io disc-
pulos ; os de Primeiras Letras d Cid de,
e Villas 4'i ,e os dasFregueias e Cura-
toa 3 o.
Art. 4. A prestaeaS para aluguer
Mfaf augmentada na rasaS do i$ rs. por
cada 3 discpulo, que de mais houver na
Aula da Litim a io as de P.aieiras le-
tra?.
Art. 5. Fca revogado o Decreto n."
48 de 15 deJunhode 1836, e tod^s as
mais Leis ; e Disposcoens em contrario.
Mando por tanto a todas as Autorida-
des a quem o couhecimeolo a execucaS
da referida ResolucaS pertencer, que a
campraS e facaScumprir taS inteiramaj-
te como aella se conte/n.
O Secretario desta Provincia a faca
imprimir publicar e correr.
Dada no Palacio do Governo da Provin-
cia de Santa Catharina aos 8 dia do'roez
de Abiir de 1837 .dcimo ,exl0 d* Inde"
pene a e de Imperio.
Jos Joaqoim Machado d'Oliveir.
Registada a fii. i3a do lvro 1. de Re-
gistode Les Pioviuciaes.
Secretaria do Governo da Provincia em
ii de Abril de i837.
M.-noel da Costa Pereira.
Pubicada e Sellada uesta Secretaria do
Governo da Provincia de Santa Calfaarioa
em l de Abril de 1837.
Antonio Ignacio Cario e Silva.
DIVERSAS REPARTigOENS.
desta cidade Escriv6 Rehallo appel-
lautea Irmandadede S. Josa, e appel-
ladosFr. Gabiiel da Malla e outros; se
MandaraS dascer os aaios para o Juiso.
Na appelIacaS Civel do Juiso do Civel
deta cidade EscrvaS Chavase que op-
poz embargos Jos Fernando da Cruz
contra Luisa Mana da ConceicaS ; f n-aS
os niesmos despresados mandando-se cum-
prir o accordaS embargado.
Na appelIacaS Civel do Juiso do Civel
de-ta cidade appellante Diogo Bourn &
Comp. a appellado Francisco Ludgero
da Paz Tutor da menor Paulina Escri-
va5 Bandeira ; fowa Bentenca reformada.
Na appelIacaS Civel do Juiso do Civel de
Goianiuha Provincia do Rio Grande do
Noite, appllanle Manoel Antonio da
Albuquerque esua mulher, a appellados
Antonio de Andrade Viera esua mulher
c mfirmada foi a seateoca recorrida Es-
ci'iva Bandeira.
Na appellagaS Civel do Juiso do Civel
desta cidade de Angela Mara Francisca
da Rosario e appellsda a Viuva e herdei
ros de JoaS Nepomoreno Paz e Mendoo-
ca foi a senlenca continuada EsciivaS
Bandeira.
THEZORARIA DA PROVINCIA.
EQITAES.
O Presidenta do troco da moeda da cobre
dfsta Provincia faz publico a Poitaria
do Sor. Inspector da Ttiesourai ia da
Fasenda do theor seguiule;
Tendo o Exm. Sor. Presdante da Pro-
vincia marcado o dia a) de Janeiro prxi-
mo futuro para fiodar e troco da moeda
de cobr: o Snr. Presidente do mesmo
troco assirn o fara' contar por Edita es en
siiidos nos Jomaes Pblicos, e aGxados
em todos os lugares da Proviuria prev-
niudo aos pos uidores, a depositarios da
enliga moeda de q' a devem trocar com a-
necessaria antecipacaS poique em con-
formidade do artigo 10 da Carta de L-i
de 6 de Outubro de 1835 Godo aquelle
praso so' correr* a moeda novamente
marcada, ficando todas as mais de ne-
uhum valor.
Tlieioui aria da Fasenda de Pernambu-
co 6 deNovembrode i837. JoaS Gon-
calves da Silva. Pernambuco 6 da No-
vembrode 1837.
O Presidente do troco.
JoaS Cotillo de Carvalho.
Peraote a Thesouria da Fasenda desta
Provincia se ha de vender em hasta pu-
blica, a quem maior preco offerecer, no
dia ii\ do correte mez ama porctS de
1,000 a a.aoo arii-b'S de sisalhtsdecobie
existentes nesta ReparticaS.
As Pessoas, que se ptoposerem a lici-
tar deveraS comparecer no referido da
na dita Tnesoararia a horas do seu expe-
dient.
Thesouraria da Fasenda de Pernambu-
co 16 de N >vem,bro de 1837.
Jo-quirn Francisco Bastos.
Oflicial Maior.
TRIBUNAL DA RELLAQAO'.
SessaS da 16 de Novembro da i837.
Na appallictS Cirei do Ja/se do .Cirtl
MEZA DAS DIVERSAS RENDAS.
A pauta he a mesma do N. aa7.
PREFETURA.
Parte do dia 16 de Novembro.
Illti. e Exm. Snr. TiveraS de-tino
por 'Sia Prefetura os injivduos, que
hontem foraS presos ecoostaSda pars
hoja recebdas os quaes saS os seguiotes:
Andie, pardo, escravo, pelo Sub Prefei
to do Recite, a raquisicaS de sea Sr.; Lu-
cio Jo-e da Silva pardo e L'onardo ,
ciioulo scrsTo de Joaqoim Machado
Oas, pelo Sub-Prefeito de Santo Antonio,
este por se arhar criminoso a tar da res-
ponder ao Jui y e aquello por se ter in-
trodusido em casa da urna mulher a-
brindo'lbe a port com urna chava Ll-.a, [
causando-lhe varios prejuisos; Boa ven-
tora tambero crioulo, escravo de Joa-
qu"m Jos de Miranda, pelo Sub-Prefeito
da Boa vista requiscaS de sru Senbor ,
por haver ferdo a outro Pedro Gomes,
tambero crioulo, pelo Sub Piefeito de S.
Pedro Martyr de Onda por ser vaga-
bundo esuspeito ; e Jos Refino do Es-
p rito Santo, pardo, pelo Sub Piefeito dos
Aifogados por ser de m conduca.
NaS consta que occorresse miis nov*
dades.
Dos Guarde a V. Ex. Prefetura da
Comarca do Reciiel6 de Novemb.de 1837.
- Illm. e Eim. Senhor Vicente Tilo-
mas Pires de Figueredo Carnargo Pre-
sidente da Provincia Francisco Anto-
nio de S B ireto, Prefei to da Comar-
ca.
TRIBUNAL DOS JURADOS.
SessaS da dia 15 de Novembro de 1837.
Jury de sentenca.
Jos Theodoro dos Santos, aecusado
p r parte da Justica por ter sido am
oomlrado tarde da noite em o quintal de
JoaS Thoraaz Pereiraroubando-lhe rou-
pa e gallinbas: fji condemnado a 38
metes e a5 das de prisaS.
Feliz Jos Tavares acensado por parte
da Justina por uso de faca da ponta ;
foi condemnado a las das de prizaS.
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE
DO RECIFE.
SessaS de 5 de Outubro de i837.
Presidencia do S ir. Silva.
Comparecers os Snrs. Barros Sonsa,
Chaves, a Mamede a quem o Snr. Pie*
zidente diferio o juramento do estillo,
em consequencia do q'abrio a S \s. elida
a acta antecedente foi approvada.
O Secretario dando conta do expedi-
ente mencionou os seguintes oficios.
Uin do Exm. Sor. Presidente orde-
derun lo que esta Cmara mande con-
certar eapromptar a forca o ludo o
mais que for preciso para ss cumprir a
pern capital imposta ao escravo Matheus:
a l'ama 1 a fi ou inteirada e em conse-
quencia resolveo, que fossa o Fiscal des
te Btirro encorregado de faser os precisos
rncenos na forca ou urna outra se so
liser necess 1 ia e qua esta fosse tirada e
guarda logo la sentenca a Gm de naS estar exposta a
o terapo; e igualmente delberou, que
se ordenasse ao Procarador para q' hou-
vesse da faser as dispe-as necessinas que
fo>sem exigidas p lo dito Fiscal, eCar-
cerairo da Carfea.
O .tro do Prefeito desta Comarca pe-
diado qae esta Cmara indique quando
podira' Gcar prompta a fo>ca assirn co-
mo o mais que se fi-cr misto- pira cum
primento da pena imposta ao escravo
Matheus : a Cmara deliberen que sa
olicias-a diseodo qae logo qae se aclus
se prompto o conceiLo, que se hade fa-
str na forca e tudo mais que for ntces-
saiio para execueaS da entua lhe seria
partecipado.
Outro do mesmo Prifeito remedando
um in >i e dos noraes dot Juises de Facto,
com os dedaracoeus de suas moradias, u -
nicas que tem podido oblea, vi-'o anda
nao lhe ter cllegado todos os arrolamen-
tos,qae exigi dos Sub-Prefeitos as-
s-m como urna relIacaS dos Juises de Fa-
cto, que foraS illiminados por deffei en-
tes motivos : em quantoa' 1. p.Tte Gcou
a Cmara inteirada em quanto a a. que se
fisi-ssem a notas precisas no lvro com-
petente para serena eliminados os Juises
de Faci constantes da relacaS ;extrabio-
do-se tambero as cdulas da uin> no oc-
csa5 que for aberta,
Outro do Veiiador Sapiente Luiz de
Carvalho partacip n I", que pelo fallesci-
mento de seo Cunhido, naS pode compa-
recer na SessaS d'eje para prster jura-
meuto, t tomar p* do cargo de
Veiiador porem logo que lhe for possi-
vel se presentara': inteirada.
Outro do Collector da Freguesia dos
Aifogados exgindo, qaa esta Cmara ba-
ja de esclarecer, seas casas situados na
passagem da Magdalena pertencem a dita
Fngueaia, vi-to estar esta Cmara aulho-
risada pelo artig 4 do Decreto de 7
Outubro de 1831 : deliberou a Cam-ra,
que se oflicia-se diseodo que passa a
dar as providencias necessarias ; e deli-
roa igualmeote qae se li-es.se a nova de-
marcacaS sendo para isso encarregado o
Sr. Veriador Soi'Sa.
Outro do Procurador informando a C-
mara v>to nao podar comparecer na Ses-
saS de hoje por falescimento deseo Cunha-
do e Primo e tac a Praca do meicado do
Bairro daS. Antonio 4o casas rndenlo
cada urna i$6 -o reis por mez, e que
se achaS quasi todas ocupa Has p >r pretaa
quitandeiras ; a Riheira do Peixe com 3o
casas sendo 17 a3^)5ao reis, 9 a i't o
reis e qua tro das esquinas por 39$ >oo
reis cujas se achiS ocupadas por pombei-
ras, menos as d < esquinas que a muito
ex'Stem com vendas e urna tenda de Fer-
reiro ; a Pnca do mercado da Boa-visia
tem 4 i casas nao incluindo a que se a-
cha com a guarda da Polica as mais q'
se achaS allegadas cada urna por i^Oa*
reis por mez sendo nella incluidas seis
que se achaS ocrupadaN por ama taberna
desda a edificaeaS da R beira e urna pe-
quea venda aberta o auno passado ; e as
mais oceupadas por pombeiras, qurntan-
deiras, fateiras, e urna grande parte por
pessoas particulares. Igualmente informa*
va a Cmara q'a ultima letra da arrema ta-
ca 6 das afl-.Ticoeus se echa apuntada
protestada por diser o asseitante ter ni-
camente a quantia de 9jo^ioo reis promr
ptos ; e ja hava requerido pata ser cha-
mado a Juiso : inteirada.
Outro do Fi-cit desle Bairro parteci-
pando estar a Irmandade da ConceicaO dos
Militares fasendo urnas catacumbas mui
contiguas a visnhaca ao lado Direito da-
quella Igreja por ser no corredor da en-
trada para a mesma, prximamente a por-
ta da ra o que Ibe paiecendo competir
a Camera embrrassar um tamuo sema-
Ihante que se causa ao publico patenti*
ava semalhante facto, a Gm de ser toma-
das as medidas convenientes : deliberou a
Cmara compararer pessoalmente na refe-
rida Igreja pataahi como Fiscal respe-
ctivo, proceder umexame com a asisten-
cia dos Professores de Saude o Doutor Fe-
lippe Ner Rjdiigues de Carvalho e o
Doutor Pedro Dornelles Peesoa que para
iseo seraS chamados pelo mesmo Fiscal.
Outro do Fiscal do Recife remetiendo
a cootadas despesas fetas, Coma limpe 1
za da Ponte daquelle Bairro nos meses de J
Jullio Agosto, e Setembro do rorrente
armo empollando na quantia da i4 3ao
reii; que se pacasse mandado. O Sr. Ve-
riador Chavesfoinomeadoprra Membroda
ComibSiS encarregada de dar ioforruaedes
circunstanciadas, aceica dos lugares des-
te Municipio em que so deveraS criar au-
las do Primeiras Litras em lugar do Sr.
Veriador Doator Cmtia por se haver re-
tirado para Goianna. Conlinuou se coro
arrematacaS dos bens pertencentes ao pa-
trimonio da Cunara.
Despicharas se alguns requerimentos ,
e por ser dada a hora levantou-se a Ses-
saS a maodaraS f-ser a presente em que
a-signara6. E eu Fulgencio Iafaote de
Albaquerqu e Mello ,.Secretario a iscre-
vi. Silva, Pro Presidente. Barros. Sou-
za. Chaves. Mamede.
C0V1MUNICAD0.
Publico Testemunho de GratidaS.
Vimos mpressa a Rasposta do Revm.
Pad-e Provincial dos Fiancisoanos sobro
asQjestSes de que ti ata a Memoria que
Coma Portara do Governo lhe foi dirigi-
da cosi ao Illm. Cabido da Cathedral e
Capel la* Imperial e a urna Commissf. de
ti es Letrados Seculares para darem o seu
Parecer: a sua leitura encheo nos de sa-
tifacaS t de jubilo (


DIARIO & I? PRRWAMBCO.
t
1
Funda se a Resposta noi mais solidos e
orthodoxos principio, de Di. eito Cannico,
que desenvolve resumid.menle com urna
mode,t, simplicidade, clareza na diccaS
e elegancia, qa.alo.na5 merecedora dos
ruaiores elogios. E,t, pe<;a ao nosso ver,
honra o seu autor, a Corporacad Religio-
sa o no^o Clero a nos* Litteratura
cUsiioa. Parabeng pois, parabeni ao mais
digno Prelado !------Maa a Igreja, mor-
meute a Igreja Fluminense e o Brasil in-
teno, deve um grande tributo de grati-
dadelouvorao Revm. Padre Provincial
dos Franciscanos do Rio da Janeiro e ao
IMm. Cabido da Igreja Cathedral e Capella
Iooperial da Corte cujos Pareceres sao fe-
lizmente em tado concordes na orlhodoxia
dos principios anda que o ni5 seja na
Conclusa5 de urna da* tres Q usIm relati-
vas a poderem ou na6 os Viganos C-pitu-
lares e Governadores do Rapado sede va-
cante, dispensar aquellos impedimentos
mitrimoni.es dos quaes os Exeas, e Rms;
Sis. Bispos do Brasil dispensad, em vir-
tudedas faculdades que especialmente Ibes
sa5 concedidas pelos Breves da Santa S
Apostlica. Nad cabe nos limites deste
escriptoo discutir esta qaestid, na verda-
de muito importante: para outro lagar
reservamo-. easa discussio se outraa pan-
as mais habis nad a emprehen lerem e
dos parecer necessario prestar esse servifo
a b m da Santa Igreja.
O nosso objecto presentemente s loi e
manifestar que estamos altamente conven-
cido de que o Ulna. Cabido e o Revm. Pa-
dre Provincial com as suas reipostas or-
tbodoxas, cheias de lealdade, franqueza,
modeaca e sabedoria, prestarse rele-
van! i r-itnus servicos ao Paiz, Igreja eao
Throno do nosso Augusto Imperador o
Sr. O.Pedro a.*, e nos eximin e livra-
ra de incalculaveis e horrorosos males. E
como, e em que circunstancias?!....
Quando boatos e prevenees talvez inex-
actas e injustas mas infelizmente muito
fundadas, faziad suppr I recear que o
entido das Respostas ira de encontio aos
principio), designios e vontada do Poder !
E' verdade que o Governo com as anas
Portaras de ai de Novembro- de 183b e
de 18 de Abril d'este auno, dirigida ao
lllm. Cabido a primeira e a segunda ao
Revm. Padre Provincial, louaodo ea-
gradecendo a um e outro, justificou de
alguma soi te a rectidad das suas inteneSes
desvaneceo as preveuces contraras;
mas i-to na6 tira que o acto praticado
pelo Llm. Cabiao e pelo Revm. Padre
Padre Provincial, seje revejido do nobre
carcter de guarosa dedicecad verdade e
mereca a cousideracad de herosmo catbo-
lioo. Honra pois e Ion vor Ibes seja5 da-
dos.'.....
Porem.. .oh! quanto nos aflligae pena-
lisa de nad podermos tributar igual qui-
nha de bem merecidos louvores Com-
Duelo dos tres Letrados Saculares, que,
desviando-se manifestamente no sea Pa-
recer das bases sobre as quaes devia nica-
mente elevar-ae o mesmo Parecer, e en-
tranhando se em estranhas quest5es est
mesmo em mataras e pontoa ultra patita ,
vancou proposites e doulrinas ja cou-
demnadas e declaradas herticas pela Igre-
ja ; e, com o seu Folheto das famosas
TRES THESE5 de pretendido Direito
Publico Eccleraaiico Brasiliense escrito
em esiilo spero e summameote offensivo
da S nt.i Igreja Catholica laneou no ineio
dos Brasiluiros am monumento de escn-
dalo um instrumento de ixasperaca5 e
de irritacad o mais acrimonioso, no mo-
mento em que mais precisavamos de leni-
tivos para acalmar as paix5es exaltadas l
Mas, felizmente, o bom senso do Gover-
no e do Publico Brasileiro e as sias e dig-
nas Respostas do lllm Cabido e do Revm.
Padre Provincial nos salva.ao d'aquelles
niales que aos ameaeavad, e em que a
duutrina das TRES TUESES nos iria
precipitar.
Noi agora vemos ?o longe os males que
nos a.uaacara de mu p rio e i espiramos,
mrmente tendo vista a lsongeira pers-
pectiva que oflerece a nova attitude do
nosso Governo os catliolicos nentimento9
do 9> U Illuslre C'iele o Exm. Regente
Interino, e os talentos e virtudes chrialiis
dos Mi i-tros da Estado, eto, Gom effei*
to o petigo fo muito grave; nos corre-
moa o risco do aeruioa otrajtados pac um
K": ^.^a
funestissimoScisma, que, as actuaos cir-
cunstancias taria poderosamente concor-
rido pira acabar cora todo o elemento da
Ordeni Poltica e Religiosa no Brasil. A
Historia est ebeia das terriveis consequen-
cas d'estes Scismas fataes : poderiamos re-
latar muitissmosexemplos; limitar-nos-
hemos porem a transcrever aqui, que
vem muito a proposito um artigo lirado
de um Jornal Calholico Ioglez rl'e-te an-
uo conhecido pelo titulo de The Loo-
don and Dublin Orlbodox Journal, A-
piil i.8 1837.
(Continua.)
(Do Sete de Abril.)
EXTERIOR.
Porto a3 de Setembro.
Acaba de ebegar a esta CiJade oSr. S
Ozorio chafe d'Estado maior que vo-
luntan mante se bavia oderecido para a-
companhar a Divisio d'Operacdes e por-
tador da parte official da convenca feita
em Chaves da sua leara rer o Publico
o modo como os rvoltososos se eutregarad
as mos do governo legitimo.
Chegou a hora do desengauo para os II-
ladidot, a demonstro?'5 eos chefes da re-
provacad do povo s suas tramas e o des-
mentido imprensa das falsidades, qae
assoalhiu aoabem de buma vez as intri-
gas departido, abracem-sa os Portugue-
ses e para s.-mpre unidos sustentem Ra-
nha e Constituiaao com as uecessarias re-
formas.
Todo o colorido dos elogios indereca Jos
aos dous Viscondes seria dbil bastar
diser que o Sr. S Baodeira todo entregue
causa Nacional nad repousou at ao mo -
ment do triunfo a o Si. Visconde das
Antas veio abreviar e coroar com a sua fi-
delidad*, e aforeos a desejada victoria.
Consta-nos que o Bario deLeiria havia
fgido com a Caixa Militar, e que Joa5
Carlos (e Ganeral Saldanha) e o Noronba
(Oaque da Terceira) havia5 pedido ao
Exm. Visconde de S pasaportes para i-
rem para Vigo e que se occullavad da
sua fjccaS poique erad insultados.
Artigo Official.
Em consequencia da declaraead enviada
esta mandan ao General Vizconde das Ao-
tesCommandanto da Divisad d'Operaades
do Norte pelo Duque da Terceira e Mr-
quez de Saldanba, Commandantes das
forcas reunidas em Chaves, e desojando o
referido General Visconde das Antas que
termine iramediatamente o flagello da
Guerra Civil, forad commissionados para
ultimar as negocaedes a este respeito por
pule do mesmo General o Coronel do
Corpo d'Engeobeiros Jos Feliciano da Sil-
va Co-ta, e Seoretario do Visconde de S
da Bindeii a Lugar-Tente de Sua Mages-
tade a Rainba as Provincias do Norte de
Portugal, e por parte dos sobreditos Du -
que e Mrquez o Brgadeiro Martinho Jo-
t Dias Azevedo, os quaes concordara
nos seguintes artgos:
Art. 1. Todas as foreas que se acha5
as ordens do Duque da Terceira e Mr-
quez de Saldanha fica5 desde j disposi-
Cf do Governo de Sua Magestado a Rai-
nha, e isto te entende nao s a respeito
da orc. reunida em Chaves mas igual-
mente das de Valenea ou outras forcas ,
ou individuos qae se tanda5 revoltado ,
em qualqaer parle do Reino de Portugal
eseus Dominios.
Art. a. Oa Officiaes Porluguezes de
qualqaer graduaga que nao forad Chafes
da revolia consai vario as honras e postes
legalmeute adquiridos ereceberio os seas
sidos pagos segundo a Tarifa de 179 j ,
mas estes Olfiuaes nad fcario perteucen-
do ao quadroeffeclivo do Exercito.
Art. 3. OsOficiaesque forad conbe-
cidamenle Chefes da revolta ou se poze-
rad em qualqaer parte testa do tnovi-
mento contra as Institoifdas proclamadas
em Setembro serio obligados a sabir de
Portogal. No caso que. o Gorerno nid
queira conservar a estes OfficiaeaosPostos
legalmente adquiridos, Ibes dar com tu-
fo os sidos da referida Tarifa que Ibes
perteociad pelos mesmos Posto.
nico. Sad considerados no numero
dos Chefes da revolta os Officaes Supario-
res e os Commandantes de Corp s da
S. Brigada da Divisfo Auxil'ar Hespa-
nba bem como os Officaes dos mesmos
Corpos que publica e decididamente con-
correrad para a revolta da Brigada.
Art. 4> O que se acha estadelecido
nos Aitigos antecedentes e extensivo aos
Officaes aprisionados.
Art. 5. Os Chefes dos Corpos nome-
ario logo urn Official por Corpo para faser
entrega dos objectos perteocente> Fasto-
da Nacional qua ae actu respousabili-
dade dos mesmos Chefes.
Art. 6. Todos osOfficiaes dos Cor-
pos reunidos em Chaves sahirio boje mes-
mo para as Puvoices circumvisinhas
excepcad daquelles que forem nomeados
em virtude do Artig antecedente.
nico. H >je mesmo pelas sois horas
da tarde os Officaes Inferiores, Soldados,
e mais praeas de pret das referidas tropas ,
se achara> formados lora das portas da
Praca e ahi esperario as ordens do Ge-
neral Visconde das Antas, estando aellas
unidos os Officaes nomeados segundo o ar-
tigo 5. Campo junto Casas-Nova 20
de Setembro de 1837 (AssigoadoJ Jos Fe-
liciano da Silva Cunta. (Assignado) Mar-
tinho Jos Dias Azeved. (Assignado) A-
provo Visconde das Antas. (Assignido)
visto Saldanha. (Assignado) vi.to Duque
da Terceira.
Em nome de S. M. a Rainba como sea
Lugar-Teuente as Provincias do Norte
do Reino approvo a transaccad ajustada
entre o Visconde das Antas e o Duque
da Teicaira, e Mrquez de Saldanha,
oom a declaraeaS deque os Officaes que
quiserem gozar do favor concedido, o de-
vei io assirn declarar, por eeoripto at o
dia al d'Outubro do correte auno aos
Commandantes das Divisds Militares, a
qae pe tencerem as povoac3es da sua re-i-
doneia. Chaves ao de Setembro de 1837.
(Assignado) 5 da fiandeira.
Est conforme. Chaves ai de Setara
bro de 1837Jos Feliciano da Silva
Costa.
Eit conforme. Secretaria da Terceira
Divisio Militar no Porto 23 de Setembro
de 1837. Antonio Marques Nogueira
Lima, Archivista da 3. D.visio Militar.
(Suplemento a Vedeta da Liberdade.)
VARIEDADE.
Os Canibaes da India.
O Athoeneuso jornal Ingles, transcre-
ve o seguiute:
A muito que se tem fallado dos Thugs,
horda de selvagens adoradores da deusa
Bbavani, queencara como hum sacrifi-
cio assaz agrada val a sua divindade o ex-
trangularera todos os viandantes que en-
contrad as caravanas. A cncoeala le-
goas distante de Calcuta, metropole das
possessdes inglesas na ludia exista huma
populaaad quesera o menor escrpulo ,
rnostra o apetite pela caroe humana e
devorad ssm piedade todos os viandantes
que por desgraca Ihe ohegad a oahir as
mos sera serem condusdos por alguma
idea religiosa como osThugs, raca de cani-
baesestabelecidos uas florestas de Chitta-
gong, districto da provincia de Bengala ,
escolhido pela companhia Ingleza para o
estabalecimento e deposito destinado para
domesticaren! oa Elefantes que se caasad
as cordilheiraa daa mootanhas que circu-
lad a provincia era toda direcead d'Ava.
as excursdes qae asta quali Jade de cas-
sa ai ge be que se descobijo semalhante
horda de selvagens antropfagos e nad
se reunem em acampamentos ou em alde-
as como oatras povoaedes iudias, e lubit o
sobre os ramos de arvorrs cituadas as flo-
restas, coostiuindo com canicos giraos
onde edifica paquenas cabanas sugeilas ao
acoile dos ventos para babitacad de toda
familia. Ellas tem o cuidado de cortarem
toda r^nugeuj. infetiora posijad dogirao
paraevitarem odsmno de animaes f^ro-
zes, que como elle habitad as florestas.
O major Gardner director do deposi-
to, poa em pa tica alguna ensaios de va
OVltaar, e forad baldados seus eaforco.
Hum desa^s chafa, engajado por elle para
o servido do deposito uad pode nunca
perder a inclinacad que tinha ce comer
carne humana per laso fo julgado e ex-
ecutado. Desde entad nad se pode mais
penetrarnos bosques e fl..restas sem huru
acompauli unenlo de 10 homeoa bem ar-
ma dot. Hum dos caladores que por a-
caso elles supreenderad foi logo prezue
estrangulado tem que houvease teoopo
de o bo.correrem. Esta raeu d- bomeus,
he conhecida pelo nome de Koukes; o
major Gardner os discreve do pequeoa
estatura, ventre muito crescido, meni-
bros musculosos e movimeutos rpidos,
e tallad hum dialecto particular. A cor-
dbeira das montanhas azues cituada em
Chittagong, est infestada por estes ani-
maes ferozes e de especie humana, pare-
oe-nos ser mui difli.il a *ua extiatCsfa por
que nad tem domicilio certo e cora
facilidade mudad de 1 -igr no centro da
fl nenas a matas impenetra veis.
(L'E,tafate.)
THEATRO.
S-tbbiJo 18 do crrante Despedida do
Sr. L .di
Urn novo cantor chegado de Lisboa vai
coadjuvaroSr. Lodi oeata ultima repre-
zeatacio ; o. Profaisores daorchostra de-
zempenhario a nova overturaOs dois F-
garos seg lir-se-ha a represen tapia da
mui iudl u j pufd O T.ez Irmios Gemios;
no fim do primero acto o Sr. Lo Ji e o Sr.
Paula cantar > o mji agradivel e brilhin-
ta Djeto Cruel S pulcro, dapois do qua
oSr. Lidi ex.'cut.r no Puno forte O
Giprichada Hiurik arson seguir-te-ha
o granjj D i-to He b'u Vero da psea Eli-
za e Claudio cantado pelo Sr. L>di, o o
Sr Paulo: s-'g iic-se-hiO seg'.iu la acto da
pica depois deste o Sr. Lodi cantar a
grande Aria Ecoo R.Jeiitada pea d Ro>-
sini o Barbeiro de Sevilba, e cantando
depois urna nova ra j Juina de sua oomposi-
co ; seguiodo outra modiuha denjmiua-
da A andada Peruambucana, eomposi-
90 doSr. Lodi; remataodo este sgunio
entervallo cora o novo Ouato das bomba*
maiado peloSi-. Loai, a executado por
Mad hu Luiza e oSr. L lia.
Nesta noito se executarao as 4 overtarai
aovas que o Sr. Lodi trouxe da Corte ,
e das quaes fez rai.no a este Tueatro as-
simeomodo dueto das bombas, para des-
ea arte mostrar o seu agradecimeoto f en-
riquecendo de alguma orte os nossos ex-
p-.-ctaculos a beuuticio do Thettro e re-
creiode ara pub:ico to b.'aiguo, de quera
se aparta saudozo levando gravados no
seucoracao m udeleveis oaractares qua
testerau-jhaoem ou ras pirtesoseu reco-
nhacimento para com oa briosos Pernara-
bucaoos.
A V120S DI VERSOS.
# Curapre advertir a alguna dos Se.-. As-
signautes que embirra em pagar no fim
do mas, que essa nad a coudica da sub-
ScrippadexaraJa 110 titulo da Foliu ge-
ralmente sabida e de praxe coramum :
es.i pratencad lie inadmissivel, porque
democando-se a oabranga pira o fim do
nuez esses mesmos Srs. que assim o pre-
tendemnanc sad t5 exactos, qus logo
a satisfaced, a eis aqat a cobrauca a entrac
por outro raez a complicar-se, e dar tra-
ballio a prejuizo. Se a duvida desses Srs.
he o recei> le que se Ihes falte com algum
dos encargos d* pubdcaija, cu que Ihe
(atem folnas estad designados es lagares
para suas reoiamaces. Por tanto reitera-
se a advertencia de que a sabscrip9ad do
Diario se paga adiaotada ; isto be, no
principio do mez ou ex idamente quan-
do o cobrador bate a porta para que nad
volte des e tinte veses no fim do mez.
W^ Quem lonunciou querer comprar
um reffa como competente ti ajado dirja-
se a ra do Pires casa de 2 porgas confron-
te* Mneuiia.


*&
DIARIO DE PBRMMBCO

&




OSr. Jo.-Feneira da Silva fi-
nancie a sua morada para su Ihe fallar.
^y A pesaos que se retira para fora da
provincia 0 que vende e-craros de ambo*
.is seceos, e at crias, rfirija-se aoesnrilo-
jio de Manoel Joaquim Ramos e Silva,
1 ua da Madre de U.os.
|qy Antonio Alves da Fonseca Jnior,
\'*z sciente a todos os mju.i credores que
jiajfo de api sentar as suaacontas legalisa-
das e laras vencidas e pur vencer no
di* 3o do correte e todo aquella que
]>o presentar em dito dia perdei todo o
diieilo na casa de sua residencia ra das
Cruzes D. 5.
VJF A pessoa que convier dar na-ta
praca a quantia da 110,000 para receber
na Villa do Podo Calvo a quanlia de
i28,S29, dirija-tea praca da Iodepeu-
dencif o. 33.
jcy Quera precisar de do portuguez
para ser empregad fora da praca em qual
quer oceupaco dir'ja-se a ra du Livia-
jnento loja deferragem D. 35.
8^> Aireoda.se um sitio no lagar de
5. Amaro ate o H suital dos Lazaros, quw
ttnba pasto para duas vaccas e que o
sen aluguel ufo exceda a i5oJ)ooo rs. ;
quero o litar annuucie.
S^> Aluga-se para passar a festa urna
casa sita no lugar da asa forte muilo
rasca e da parta da sombra quem a p. e-
leuder dirija-se a Antonio Aires Vetlo,
no trapiche da Companhia, ou em ssu
sitio na raba tule.
Jflfcv* Precisa-se da um cont de rs. a
premio, ou rebate-se letraa da mesma
quantia por tempo de 8 a nova me/.ea ,
quem cjuvier dirija-se a ra da Gloria
D. 24.
tjqjr- Quem precisar de um Hespsnbol
paraacompaaburqualquer Sr. q'ae queira
traospoitar pira quabjuer parle que seja
dirija-se a 1 ua da saoaala velba n. 4g, ou
anuoncie a sua morada.
tjcy A pessoa que annunciou querer
cemiuil ti. a premio, dirija se a casa do
admiuistiador dos lampies a fallar com
Antonio Peira de Mianda.
W A pessoa quequiser tomar diohei-
rosajuiosa razo de um por cento ao
mez sobre firmas conteni, diiija-se a
ruada Cadeia do Bairro de S. Antonio
uo piitneiro andar do sobrado que tem
iaoqUe 'agoa ou na ra de S. Goncalo
. 10.
SP> Roga-sa ao Seohor Aotonio Lean-
dro da Silva dirija-se a ra do Crespo loja
D. 5 lado do ooite a tratar da negocio.
|ty Precisa-sede aoo,coo a juros com
livpoLluc em urna escrava a quem cci-
vir, diiija-se a ra por detraz da Ignja
dos Alai luios D. 6.
1f2fr Joaquim Rodrigues d'Almeida ,
faz scieute as petsoos que tem pinhore da
curo e prala euu mo do auuunciante os
vio lirai [110 praso de 60 dias da data deste,
do contrario serio vendidos para o seu pa-
gamento.
Ejr Precisa.se de alugar urna oegra ,
do o ni. i servico de uma casa : na ra
do Amorim sobiado da quina do beco, no
segundo andar ou anuuncie a sua mo-
rada.
8^ Manoei Francisco Ponles, com-
prou por conta das pes-oas soguiutes
residentes 00 Maianbo seis bilhetes in- f
. teiios e3j muios ditos da primaira par-
te da segunda Lotera a favor das obras da
Igreja deN. S. do Livramento cojos n-
meros >o os segrales : um bilbete intei-
j-o de Custodio Dias de Oliveira l59>. 1
dito de Joi Aotonio Ribciro Puca 598,
1 dito de Jor Pareira da Silva Gunna-
zaes 1G8, 1 dito de Luiz Ribeiro de Man
doea 83o, 1 dito de Job Antonio da Sil-
\ Gu maiiis 812 1 dito da Custodio e
Francisco l8't, e 4 meios bilhetes de
Custodio & Jos Luiz Pareira 4. 91, 4183,
3165, 517a, 3t8o 3i86, a63>, 3187 ,
3a3i, 4242 *ioo 494 679 37i5 ,
3?a3, 2Bi6, 476a. 53i i53H 1418 ,
aa66, a3a8, 2559, a549, e 4 meios dit a
de Custodio, Auoa, Fianusca & Theo-
dora 373j, 2638, 4a9a, 49a6 e a meios
ditos 2600, e 37i7.
ty Precisa-sede um criado para ca-
sa da um bomem solieiro : na ra de S.
Goncalo lado direito D- i4-
9* AloA-se eneraros de ambos os
lexua para vendettas ama, arlht pa-
ga 12,ooo munsaes quem os quisvr sin-
gar du ija-se a ra de Hortas sourado De-
cuta 65.
tjrja A luga se para se passar a fejta
urna moradi de casa terrea no lugar da
casa foite : na ra do Padre Fioiiuoo
D. 11.
8^> Nodiail do corrente detapare-
ceu um i riouliiilio foro de ueme Jerooi-
090, de id.de de oto anoos vertido de
calsa azul ejaqueta ; quem o adiar, oa
tiverem su? compaubia auuuucie a sua
morada.
WT A Inga sa uma casa terrea nova,
e construida a moderna com muitos com-
roodos, na roa nova, que vai para a trem-
pu : aullar com Joa SebutiSo Pcielti
em sua casa no pateo da S. Cruz.
%W Troca-se bum sobrado de luim an-
dar com sotad, a chaos propiiot-, bastante
largo, e bum grande qointal, livree de-
sembarazado na ra Direit.i defioote da
torre do Terco, por huma ou duas mora-
das de casas tei rea-, que seji5 tambero livres
e desembarazadas: quem esto negocio
quizer fazer Voltando-se o que for de ra-
j5 dirija-se ra Direita loj^ de Ouri-
ves D. 54, que se dir quem taz este ne-
gocio ; e tambem se vende dita Oaat
a/9" Precisa-se de huma rasa peque-
que para alugir ou andar da sobrado,
aunuocie.
a> Precisa-se de 3ac^ rs, a premn
sobre hypolheca em escravos, iicaodo
ob mesmoj em poder do dono : annuDc.e
a moradia.
\a3p O Senbor Jos Ferreira da Silva
quena annunciar a sua morada para se
Ihe falar a negocie.
a/y A pebSoa que annunciou ler uma
leja para allogar, propria para negocio;
diuja-se a venda do beco da Gloiia.
LEILAO.
Que pielende fiter George Kenworthy
eCompanhia, 110 dia i7 do .orrenieas lo
turas da mauba de fazeudas Iugiczas.
KAVIOS A CARGA.
Para a Babia
t^> Segu viagera no dia ao do corren-
de a Sumaca Nacional INova Flor Metre
Francisco Mendes da Silva anda recabe
alguma carga, e p< tem txcellentes commodos'; quem pre-
tender dinji-se a VI. J. R. o Silva ou ao
Gepito ao bordo.
COMPRAS.
Vy MjeJa de prata tanto Mexicana
com hrasileira ; na ra da Gruz n. 56 ,
em casa da Joo Mail>eus e Companbia.
QGJP Um sobrado de um andar em boa
ra no Bairro da Boa-vista ou S. Anto-
nio tendo quintal e cacimba e nao
precisando de concei tos ou mesmo uma
casa le rea, que seja grande ; quein a ti-
ver annoncie.
8^5* Uma barretina para Guarda Na-
cin! com todos oj neus psrtenc.s que es-
teja em botn estado : auuucie.
VENDAS.
i^ Oo. 26 do ECHO de Relcgia'o
e do Imperio: na pra cia n. 37 e 38
XJT" Uma moleque de ao annos : na
ra do Cabug opc da loja do Si. Ban-
deira.
t^9> Potasss Americana de piiroeira
qoalitlade ebegada prximamente: em casa
de Henrique Forster t Companhia ma
da Sandalia velba D. 1.
* tqr 2cavallus, um ruco gordo bom
earregador t meio, nova: e oulrocastanbo
propr>o para o san ico de campo no at-
ierro dos AlFjg'dos D. a5.
-w- Uma farda buui corrame de
lustro, e um boo para G. N.: na ra do
Clolegio D. 4.
3T Uma preta creoula comalgumas
habelidades moca, e de bonita figura,
a qual se vende por precisa : nesta Typ.
se dii quem vende.
S- tte graudes canoas da amtelo
bastante gross.^, o com se-senta a setenta
e cinco palmos de coa>priinento, prop ias
para baicissas : a falar com Mauoal Frin-
oiaeo da Silva, eio tua loja na Pracinba
do Livraineoto, sobrados novos de 3 an-
dares.
Wja" Uma cabra, cosinha o diario e
engoma : na ra das Ti imbeiras sobrado
D. 18.
>ry Sccas com farinha do Rio de Ja-
neiro, a de Sorui superior a de Muiibeca :
no armazem de Sanios Braga, ra da mo-
da.
ejqp/" Um reffe com o seu tracado : so-
brado junto Matriz de S. Antonio,
JGP Uma venda em bom lunar e pou-
cosfuodo^, a fallar na ru Direita D. 2o.
e/y TJma mulata boa, cozinbeira ,
e engommadeira : nn ra da Gloiia ,na
terttira casa confronte o sobrado do Se-
nhor Adrifo, e a tratar do seu ajuste oa
roa da Cruz n. 6 '
1X3T Urna canoa que canega 800 lij-
los e urna duzia de tabo.s de costado de
amarello ja servidas boas para laicos de
canoas : em fora de Porla no lado da
Jg-ej primeira casa do lado esqueido athe
as 9 da manhai e de tarde das 4 endiante.
y Um Diccionario Maguom Lexi-
cn ; uma fbula de Phedro a um cor-
nelioad usura Desphini : oa ra do No-
gyeira lado diieito D. i9.
Jfiy Urna duzia de garfos de prata ,
meta duzia de facas com cabos e meia
duiia de cabos someote uma salva um
( 01 .*co de ouro com duas vollas de col-
lar fino e um Rosario tambera de ouro ,
tudo por preco comraodo: na roa dos
Martirios lado da Igreja D. 6.
jty Uma olaria no lugar do Monteiro
amargemdo Capibaribe, cora bom porto
de em barque, e barro perto, com alguns
ptlmos r"e terreno na roa do Palacete D. -
23 das 6 horas as 9 da raaoba a das 2
as 5 da tarde.
jy Uma escrava moca bonita figura ,
deiJadede 16 anoos, boa cozmheia e
rose fz renda apriocipiode engoman-
do e roais duas libras de tataruga de
muito boa qualidade, na pracinha do Li-
vramenle loja de Uerculano Jos de Fre-
tus.
Hy Um bom moleque, do gento de
angola, milito robusto e forte, proprio
piraqulquer servipo : na mado Colegio
de pozito de cbapeo D. 4.
jty Uma mulata de boa figura en-
gomina, cose e faz renda, e todo qu>lquer
servic.0 de uma casa : na ra dos Quarle*
is primeiro sobrado da casa de Joj Anto-
nio de Carvalho Siqueira.
Uma escrava engorama lava ,
loja da Fredirico Chaves, na ra nova
D. 5.
^^5 Farinha do Riode Janeirp em s^-
cas dita de Maj milito fioa por preco
comiiodo : Tabo*s de pinbo le forro
propras para bsh o fundoide barricas ,
arcos de pu para levantar barricas de
asquear, e ferrameata de tanoeiro; na ra
do Vigarioarmasern o. 18.
ty Vinho Bordeux emgarrafado por
preco cmodo e uma porga de fateos
vastos de bocaestreita epor prego cmodo:
na ra Nova vcoda D. 33.
fKi Potassa Americma deroui superi-
or qualidade: na ra da Cruz u. 5t en:
Casa dcJoaS Matheos & Comp.
g^ Explicacoens de nominativos ; c
Synuxe acccmodad>s ao tsarotcio'das
Aulas, pelo preco de lOO reis cada e-
xempl eocadtrnador D. 6.
e cozioha de idade de 18 a 20 anoos;
era Olinda casa de fronte de S. Sebastio ,
que bot ooito para o embarque.
jcy Um escravo de nacfo, de idade
17 a 18 anuos, <.uk1 de sapateiio : na
ra e-treita do Rosario loja U. 16 que l
achara com quem tratar.
jqaj Uma escrava de 9 annos, na ra
edreta do R-zaria sobrado do Saboia no
segunlo .ndar.
&&* Uma negra de 2a annos de da-
rle e com uma cria de a rmz.es mulaliuho
com bisante leile engomma e coziutia
o di to de umt Cosa: as cinco Ponas De-
cima 5.
/y Urna cama de amarello com arraa-
cio euma p-quena meza'de amarell> ,
ion uma gaveta : todo por preco comino-
do : no beco do Lobato D. 3i.
gy 3 vaocas mancas uraa j parida, e
duas preoh'S, e a parida d meia c nida
de lei'e: nos AfFogados sitio, que foi do fi-
uud'> J-..-('' Louienco.
^y Utna negra crioula de ao annos
de idade, cozinha aogomma, o cose
alt>nraacouza : na ra estieita do Rozario
D. 26.
ty Uma preta que sabe f.zer o serv-
coda uma casa na ra doCaldereiro junto
a casa de Manoei Lucas'
tty Bilhetes da Lotera doSeminaiio
de Olinda, prximo a correr: na ra
do crespo D. 8.
e/y Fejfo mulalioho novo a saca
4SJooo rs.no armazem da Aotonio Joa-
quim Pe eir de fronte da Escadinha.
y Flautas de ibano g.tnadilbe boxo
de uma a 5 chaves violOes de mui boas
votes e de todos os precos 1 ebecas de boa
quadads 1'Indo por pieso commodo na
ESCRAVOS FGIDOS.
6^P Domingos de nacfo Masangana ,
de uma estatura baixi gioco do corno o
bera barbado com urna cicatriz sobre o
peito esquerdo do tumanho d/; um pilma
pouco raais ou menos, e outra miis abai-
xo um pouco menor : fngio no di-i 29 da
Ouiubro com uma cauisa e scrouias de
riscado encarnado: a pe-soa iju.1 o encon-
trar poder pega-lo, e leva-lo a ra is-
treita do Rozado no piimeiro andar do
sobrado D. 18 por cima de uma padarii.
tjy INo dia 1 a do Norembro fogio um
rug o, de estatura ordinaria ueio fulo,
em alguns dentes fora de nomo lYlanoel
Musambiijue ps grocos com calsa de
cor preta, e chapeo de palha ; desconfia-
se lose para o Corato do bom Jai dim pur
ter sido ja de la : os^pprehendedores cou-
duzo a ruada Gloria sob ado junio da
Fabrica do finado Sjahor Gei vatio.
jry Uma preta ro oia 12 dorjorrenta
por nome Izabal cor fula que parece
mulata, cheia do corpo, cara redunia ,
ecostuma andar calsada quando falU
atrapdha-se muilo que algumas pessoas
nao entendem : a peisoa que a pegar ,
levem-a a 1 Ua do cabug luje de raiude- ,
zas ao p do Bandoira.
e/y No lira doraez deJJullio do anno
de i855 fugio om negro por nome Anto-
nio de nacfo camuoi cor fulla de al-
tura regular e tem acabeca de um dedo
da mu direita cortado a pessoa qui; o
pegir levem-o a ra do vigario na quina
do beco da loronha 00 segundo audar quo
recebar degralificagfo 5 v jty No dia 4 de Setembro fugio um
prelo por nome IMatheus, naci Loanda ,
com os signaes seguiutes : altura propor-
cional grosso do corpo ps gianJes ,
fallante a marinheiio e birbado : es
apprehendedores que o pegar levem-o ao
atierro da Boa-vista toja de Joaquim de
Oliveira e Souza que receber 80,000
de giatificacao : assim como outro pur no
meFelippe, c'ra os eciotos iorhades .
uma negra ja velba por nome Mai ia p i-
xa por uma perna quem os pfgar loce-
bes 3o,000 porcada um.
J^ No dia g do corrente fugio urca
negra crioula de (nome Casimira, lepre-
ta 6 anuos de idade olhos grandes e a
boagalbdos, 1.11a desean^da cand-
as finas, haixa e xeia de corpo tem
as estas sicatrizes antigs de reilho : le-
vou ve.-tiJo de xita deshelada de jistias a
mareilas verdes e azuis babido no ta-
lio saia de xita azul com palmas a ma-
relias, cpanno da costa de litrasazuis e
brancas: queai a pegar ou d'clla livec
noticia dirija-se a ra Direita primen
andar per cima da b itica de Ignacio Neri,
que ser bem recompensadu.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio entrado no dia i5.
BENNI; 4odii, Hiate Epeculador, M.
Joaquim Jo-d Maitios, em lastro: a
Jos Francisco de Azevedo Lisboa.
Ubscivacoes.
Fondiou no lameira a Fragata Ameri-
cana Independencia viuda da Inglaterra
pela Madura e segu paia o Rio de Ja-
neiro.
Pn, ma, Tip. ub mr r. ni fiua. ib3"


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ES3OGXY3P_HHZ6Y8 INGEST_TIME 2013-04-13T01:10:15Z PACKAGE AA00011611_05795
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES