Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05741


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*

tNNO DE 1837. QUARTA FfilRA
10 DE MAO. N. 10!,
aBJJUUH--L I 'I Vf I I -S-MM
PERN. n\TYP. iM. F. i>r FARIA. 1837,
D1A8 DA SEMANA-
8 Seennda Aparicao de S. Mipiel arcnnjo aud. dos
juizes do Cr. de m. e de t. es. da Titea. Pub. e
Chae- de t.
9 Terca Gregorio Naziaz. Re. de m. e aud. do J.
de O. de t.
10 Uarla ? Antonio Arel). Sea. da Th souraria.
11 Quinta S. Aiiastacio M. Re. de ni. aud. do J.
do C. de m- e Ch. de t.
12 Sexta S. Joanna Princesa scs. da Th. Pul),
aud. do J. de O. de (. Uuart. niing. as 3. h. e
m. da t
13 Sbado S. (jejiim) N. enhora dos Mrtires. Re.
14 Domingo de Pascoa do Espirito Sessao.
Tl.io agora depende de no mesmoi da iiomi prn-
ilencia, muderacao, e euergia>coniinuenion enm*
principiamos. < itremoi apontadot com admira
gao onire ai Nacoei rnati culta*.
Pmclamif do jitumblta ttral Mraiil
8uiiscreve*tea lOOOra.mcnsaea pajrosadiantadoi
nema Ti-pografla, na das Cruzcs D. 3, e na Pra-
i,' da Independencia N. 37 e 38 ; onde ae recetirn
correspondencias legalisadas.e annuicoi insera-
do se et* livll> HSiftaadoi.
LA MU I OS.
Maio 9.
JLlOndreii 32 a 33 Ds. St. poi lced. ou prata a
.')ii|i ir reni.i de premio Nomina.
Lisboa 66 por u|o premio, por metal, Nora.
Franc,a29'"> Ks. por franco
Rio de Jan. 6 p.c- de prem.
Alcedas de 640 'hOO as velhas, novas I2,,000
40O0 6700a 6,.6
Pezos 1440
Premio da prata 5(1 p. c
,, dan lettras, por mea 1 3 por o|0
Cobre 23 purcento de descont
PERNAMBCO.
GQVERNO DA PROVINCIA!
Expediente do da 8 de Maio.
OFFICIOS.
Ao Comniaridints das Armas, com-
municando-lbe vista do qae partecipa
cm seo olioio de 5 do coi reate de preten-
der o Ainanuence Joaquim Mauoel de
Castro permanecer neste Empiego anda
sem g'atines qua ae por ventura os
Amanuenses da Secretaria do Consolando
das Armas alo Soldados cu Inferiles do
Corpo Policial n podem vencer por
esse exercicio gratGcacad alguma como
he expressouo Art. 5 do Decreto de %% Je
Oulubio de i8ii e porque he mu to
matssuavo o servico ques_> faz na dita So-
cietaria do qae aquellas que faziaft ae
estives em no Corpo.
Ao nusmi), reipondendo-lhe que
Antonio da Costi Chaves, de que trata
o seo oicio de 5 do con ente vio re-
mettido por ordem do Exm. Presidente do
Rio Grande do Sul, como rebelde e in-
fluente dos anarchistas no Oistricto de
Mo.lardas d'aquella Provincia e como
tal et recluso na Fortaleza do Brum d'oti-
de em lempo, e convenientemente tero o
competidla destino } que na5 dere ser con-
siderado como recmta para o Para por oa
motivos da sua pris5 por ser velbo e
doeute ; e na5 pode tambero ser solt co-
mo pretende.
Ao mssmo partee pando-Iha que
foi expedida ordem ao Director do Arse-
nal de Guerra para fenecer ao Hospital
Regimcntal do Batalhe 7. oa gneros
declarados na ielac,<5 que acompanhou o
seo oicio dtsta data.
Ao Inspector di Tlieiouraria, par*
tecipnndo-lbe qae foraS expedidas as no-
miaces das orae pcasots que lembrou em
seo oficio de 3ode Abril ando, pira As-
siuataros das Notas de novo padra.
Ao mesmo, para enviar a Secreta-
ria do Govemo o moiello da que ti ata
o seu officio de. 39 do mez p. p. sobre ,
descripcao, avaliaca daa Fortalezas
Foi t ns e Balaras visto na5 ter como
devia a Ao u.esino, auctorisando-o para
mandar pagar ao Negociante Adollo
Schramm a importancia dos trila e um
sellins quelbo lora6 encommendados pa-
ra o Corpo Policial, vistos os esclarec-
rnentos qae deu ao officio da Presidencia
de a do crrante.
Ao mesmo, declarando-Ihe em vicj
tude do Avio de 18 da Abiil desto aono
txpedid pela Serretaria da Mtrinba, qua
o augmento de Sold concedido pela Ra-
miIu.v da Assembea Geral Legislativa ae
l5 deOutubio de t836 deve someti a'nn-
IMf-se oeOdiciaes d Patente da A ima-
da e Arl'ihtri. de M-uitiba, ao Pilo-
tos, Co Igual dtclaratjaSfoi fita ao Inspec-
tor do Aistnal de Marinha.
Ao Inspector da Thezoariria par-
tecipan lo Ihe que o Patacho Conceica
ebegado a este Porto, por od m do Re-
gente em Noin" do Imperador vena ser-
vir de Barca de Viga na orm do art.
127 do Regulimenlo das Alfaodegas, sen-
do porcontadj Reprtica5 da Fazenda a
despeta que cpm el'e so lizer em quatito
s achtr ueste sarv c>, devendo a espei-
lo de desi-iplma a boi to do tutsoo Patacbo
observarse o Regiment provisioaal.
Paitecipafud semilhanta f diiigi
da ao Iri-ji-.cior d> Arsenal de Mannlia.
Ao Frel-it 1 da Commarca d Nata-
reth pira iopo>sar no Com*ndi do I.
Batalh- da.^G. i\. ti'aquelle Municipio
Ignat i > Xavier Carnero da Cunta no-
meado 'Ponente Cjvooel Cu tira.m.laiae
do inesniu 15 il.'.llu.
Ao Cemmandan'e Superior dasG.
N. do Recite para infurinar sobre o que
representa o Piefeiio da Comadrea no of-
ficio que se Ihe enva sobre Commissarios
de Polica que petteacem as- irm.-in is G.
Ao mesmo par* intormar com os
motivos porque n.o t'.m sidocumpridasas
ordens da Presideucia sobre a di-pens do
ser vico das G, N. cooeodida aos individa-
os nomiadosCommissarios de Polica, h-
vendo si lo ja pn.os trez pertencentes ao
Ksqoadra de Cavallari'a e ltimamente
Joaquim Pedro da Silva, da que trata o
officio do Prefeito da Comarca, que se
Ihe envia.
Ao Coronel Che/e da Legia5 das G.
N. d; Nazaretb communirando-ihe que
foi expedida ordem para ser impossado o
Tonenie Coronel Commaudante do i.
Bttiltirt da masma LegiaS o qual ha-
vendo aceitado a nomeacao deste Posto ,
deve soiicittr a su* Patente pela Secreta-
ria da Presidencia.
Ao Dazembargador Juiz Relactor da
Junta da Justica p.^rtecipafido-lbe que
a sessad da m< srna Junta nca Uauafaiida
para o da 12 do crrante.
Jguaei p*i te> ijiaces foraS dirigidas
aos mais ezem.bargadores Vogaes da refu-
nda Junta.1-
A Cmara Municipal do R?cife, en-
viando Ihe a lista dos 36 Dcputados o36
Supplentes que r. quisitou em officio de 6
do correte da qual de vatio mandar ti:-
trair orna copia para ficar no Archivo, re-
ver teudo o original a Secretaria da Pri;
dencia.
A mesma commuoicando-lhe, q'
na5 pode ser satisfeita a requiseaS que
fau em ofticio de 26 de mez p. p. por
3so que a Lei Provincial n. 2i de 8 de
Janho de i836 no Artigo 10 denigoon reo-
diiueuto paia a edificaqa da nova Cada
desta Cidade.
-- A Cmara Municipal da Flores,
respoodondo'lhe que manie novamente
por em praca o D.simos de miunsas de
eeun juicipio, t slo na5 terem silo arre-
inalados com aa tormal\dades ltgaea co-
mo as id vera em seo officio do i3 de marc >
desteanno ; elouvando Ihe o zelo, e ener-
ga com qua se porta no Sorvico Publi-
co.
-- A Ignacio Xavier Carneiro da Cu>
nba communicando-lhe que vi litera-
ceitado o Pofto de Tente Coronel Com-
mmlanie do Batalha6 das G. N. de N-i-
zirelh para o qual lora pela Pre.-i lancia no-
miado ; cumpre solicite pela Secretaria a
sua Patente a se aprsente desde j ao res
pectivo Pr.faito para lomar a necesiaiia
po-sa eentiar ivgoeai exercicio.
Ao Inspector do Arsenal de Miri-
Dba ; pirtecipando-lha que Tendo o
Regente em ame do Imperador turneado
a Alexandre Ridrigues dos Anjos par"
Secretario da IaspeccaS do mesmo Arse-
nal comooi oommunicadopor Aviso da
S-Ciotaria da \lariuha de 18 do mez pas-
sado ; cumpre que assiru lb'o faca cons-
tar a fzi de solicitar pela mesma Seoreta-
ria o respectivo Titulo.
PORTARAS.
Ao* Director do Arsenal da Guerra,
ordenando que mande ap^omptar e
entregar a pesoa competteotemeole auio-
lisada os gneros mencionados na relacio
que se Ihe enva asignada polo c.rurgiad
Mor da Artilheria, Francisco lvxan-
drino de Siqueira Caneca, para uso-do
Hospital Regimental do Bat.IhaS 7.
Ao Reverendo Prior do Convento
do Carmo doRecife, enviando para aaa
inittlligeneia un exemplar da Li Provin-
cial N. 37 de a9 da Ab' il deste nno, pe-
la qual be mandado restituir aos seus Re-
ligiosos o Edificio do mesmo Convenio.
A Ad'xiinistraca5 dos Estabellt-ci.
meotos deCaridade enviando para seu 00-
nhecimento um ejemplar da Lei, qua
menciona a Portara anterior.
Ao CidadaS Joze Liad de Castro ,
nomcar do-o Assinatario das No'as do no-
vo Padre.
Iguaes Portaras de nomeagt fora
expedidas aos cidadios, Jos Diogo da
Silva Manoel do Nascimento da costa
Monteiro itaooel Felis Nunas de castro ,
Antonio. Josa TcUeira Bjsto, Jos do*
PARTIDA DOS CORRBIOS.
Olinda _Ti>d.n oa da ao mei 'da.
Usiana, Alhandra, farailia. Villa do Conde, Ma-
maifcuape. Pilar, lleai de S. J080, Brejo d'Arra,
Hainha. Pnmbal. Nova de Souia.Cirtade do Nati I.
Vil'a de Qoianuinha', e Nova da Priiieeaa, Cidade
da Fortaleza, VillaB do A quirs. Monte mor noTO.
Aracatr Cascavcl, Canind. Granja, Imperatris.
S. Bernardo, S. JnSo do Prm'ipe, Sobrar, Noa d*
Elltcy. Ico, S. Matheus, Heacho dusaiiRue, S,
Antonio do Jardim, Qneieramoliim. Parnahib
Segundan e Sexlas leiras ao nieio dia por va da
Puraiba. Santn Anio Todas as quiot feiraia>
roein dia. Qaranliung, e Bonitonos di' '0 '4
de cada mei ao meio dia. Calm.Serinliaeni, Rio ror-
mozo, e Porto Calvo- nos dia* 1, 11, c 21 de cada
mez.____________^_^_
Santos Nunea de Oliveira, Joaquim clau-
dio loptairo % Mauoel Joaqun Ferrcira 5
Manotl Gi.nsalves Ferreira e Silva, Jo 5
Mauofl Perera de Abreu e Antonio Jo-
ze da cuuba Gnimires.
Oficios do Secretario doGoverno.
Ao primeiro Seorelaro da Assemblea
Legislativa Piovincial enviando para ser
presenta a mesnn Asserable urna repro-
sentatio da Cmara Municipal da llama-
iaca sobre as precii5es de seu Muuici-
po.
Ao mesmo, remitiendo trez oli-
1 03 das Cmaras Municipaes do fiecife,
Iguarassu' o Garanbuns, sobre a arre-
caasio das rendas de seus Patrimonios,
Ao mesmo enviaudo a 1 espesia que
deu a Cmara Municipal de Onda, e ma-
ispapis que compinba sobre es terre-
nos de tiiarinha, e alagados do Muni-
cipio do Recite .
Ao mesmo, enviando O Compro-
miso da Irmandade de S. Reoedicto, ere-
cta no Couveulo 09 S. Francisco de Olin-
da, com a exigida approvacad do Exm
Sr. Bispo Diocesano.
Ao mesmo, remetiendo, um officio
do Inspector da Tuezouraria em que par-
teoipa nno haverem apparecidj licitantes;
que qu-in cobrir os pre9os da ultima
airematafad dos Impostos Provinciaes ,
meacionadoi na Tabella que acampanha
marcada com a letra -- A fim de que
a Assemblea baja de resolver o qua oais
conveniente Ihe parecer.
Ao mesmo enviando,' para ser pre-
sente a Asseutblea os authografos das Lea
Provinciaes de o. 35 a n. 33, que
fora ultiaumeuie sauccianados.
DIVERSAS REPARTKJOKNS.
Alfandega das Fasendat.
O Brigue Ingles Mara, Rainha da Es-
cocia vmdo de Liverpool entrado em 2
do coneule Cap. Rellyrmi consignado a
M.' Calment C.
Manifestou o eeguinte :
l45 Caixas com fasendas 164 fardos
com ditas 1 caixa com selins 9 ditas
com Un .jens, i25 gios com lousa 6
barricas com dita a7 meios gigos coru
dita, i cesto com amostras de dita, ipj
bar ic<>s com ferrajem lo5 barra cora
manteiga 189 b taxas de ferro 7 cestos com quaijos 6
embtulbos com amostras lo caixas com
chapeos to caixas com queijoj, 3 bar;


s
DIARIO Dft HRMAMBUCO.
-*-r
,is com 6'gos 9 barricas com farinha i
. eirilinho com peixe 20 piesuntus 1
aixacim dito, 4 meiascoui agoardeote,
4 P'pas e mu* cotu vinho.
Fora do- Manifest.
s Fardos com fa-eodas 3 caixas rom
ditas, 2 barris com presuntos, 4 testos
rom queij >s.
MRSA DAS DIVERSAS RENDAS.'
A pauta he a mesma do N. 89.
ARCENAL DE GUERRA.
O Arcenal de Gueira tem para vender
guampos era porca qutm os pe tender,
comparta na Salla do mesmo para seo a-
juste.
O Ar.enel di Guerra compra a quena
por menos vender, lataS tm chapa, fo-
lh.' de (laudes, hrim branco., papel d'O-
Janda papel ala co, papel de pezo, pie-
gos de guaiuiciS grande, pregos de for-
ro desala arcos da ferro surtidos.
Arceual de Guerra 5 de Maio 1837.
Joa Nepomuceno da Costa Monteiro.
hoje me foraS dadas, con ta que fora pre-
sos roinha ordem e recolhidos aocalla-
bouco do corpo de Polica, para terem des-
tino : Francisco Luiz da Cuaba, re rae t-
tido pelo ommandaote da 1. Patratha ,
que rondou o di.-tiii to das 5 Ponas, por
estar embriagado e batendoem diffeien-
tes portas tendo-lbe sido apprehendidos
doisantieloens d'oiro um outro. dito an-
da ero obra e duas carrancas de puta de
corrtnte d'esporas cujas pessos me fo-
r6 iotregues e Serafm Sones pardo,
remando peloSub Prcftito de Marangua-
pe, por furto de cavalloj e ser conducta
pessima.
Nada raa consta.
D. os Guarde a V. Exa. Secretaria da
r rele tura da comarca do Recife ..9 de
Maiode 1837. Illm. e Exm. Sr. Vicen-
te Tilomas Pires de Figueiredo Caro go.
Presidente da Proyincia. Jos Canos
Teixeira Prefeito da comarca.
PREFEITO R 4 DA COMARCA DO RECIIE.
Parte do dia 7 de Maio.
Illm. e Exm. Snr.
MititKi prender, e recelber ao Calla-
bouco dv> Corpo de Polio a, para tarem
destino ; Manoel Francisco indio escuro,
e Luizpreto, escravode A. da S. e C ,
por os ter enconlradoem desordena ; Mar-
co fino do Carino, pardo, e Manoel Al-
'ves, ciionio remanidos pelo Sub-Pre-
feito do Rrife pelo mesrao motivo ;
Joio Benlo.de Lages, branco, remettido
pelo Commandanie da Patrulha, que ron-
dou o dislricto (11 Sacramento da lija-vis-
ta por falta de execucaS d'urdens.
Nada mais COUotsi
Dos Guarde a V. Ex. Secretaria da
Ptefeitura da Comarca do Rt-cife 7 de
Maio da 1837. Illm. a Exm. Snr.
Vicente Tbom.u P,es deFigueiedo Ci-
nsargo, Presdante da Provincia Jo-
xe Carlos Teixeira, Prefeito da Coro mar-
go-
Dia 8.
Illm. e Exm. Sr.
Das Pai tes, que acabo de receber, cons-
ta que lora5 presos minha Ordem a
recolhidos ao Callab ugo de Polica, pa-
ra terem destino : Francisco Lopes, par-
do remettido pelo Sob-Pr.Lito do Re-
cife por estar em desordem em urna es-
taUgem e ter resistido orsa6; Jote da
Silva Amaral, aoldado do 4. Corpo de
Artilheria remettido pelo c m mandante
da Guarda dn Ribeira da Boa-vista tam-
bera por desordem ; Francisca, preta, es-
crava de Antonio de tal, entregue por um
soldado do Corpo de Polica, por a ter en-
contrado ebria, com urna trouxa de rou-
pa, contando setenta esetepessas, entre
grandes e pequeoas e suppol-a fgida;
Antonio do Roza rio, cabra e alaria da
Penha preta, remettidos pelo Sub-Pre-
ftito de S. Pedro Mai tir d'Olinda por
estarem em desordem e mutuamente se
terem ferido.
Na6 occorreo mais novidade.
Dos Guarde V. Ex. Secretaria da
Prefeitura, da Commarca do Recife'8 de
Maio de 1837 Illm. e Exm. Seobor
Vicente Tbomax Pires de Figueredo
Camargo, Presidente da Provincia Jo-
te Carlos Teixeira, Prefeito da Gom-
marca.
Di 9
Illm. Exm. Sor.
Participo V. En. que das partas, q
Illm. eExm. Sr.
Tando recebido ontem.o Cilicio de V.
Exa. com data de 29 do m deoando-me, que Gque de nenhum effei-
to o de 3j de M.irco, que mandou allegar
por conta da Fazenda Pnblica uma cata
cita na Povoaca dos Affogados para nella
s-iLiii recolhidos os individuos, que all
lojsea pre04 e que, por quaesquer
circunstancias r>5 podessem *er remet-
idos immediatameote para a Cadeia d'es-
ta Cidade cumpre-me responder V.
Exa. que sommte hoje he que pude dar
cumprimento a dita ordem de V. Exa. ,
officiando oeste sentido ao Sub-Prefeilo
da respectiva Fiegoesia mandraJo com-
ludo conservar no mesmo destino a dita
Caza a qu.J d'hoje em diaute lica cor-
rendo por minha cunta visto que ainda
subastemos motivos, que d r<-5 lugar
minha requisigaS sobae a menciouadi Ca-
za.
Dos Guarde a V. Ex. Secretara da
Pitintura da Commarca do Recife 6 de
Maio de i837. Illm. e Exm.
Senbor Vicente Thornax Pires de Figuei-
redo Camargo, Presidente da Provm a
Jos Carlos Teixeira, Prefeito dista
Commarca.
EDITAL.
A Cmara Muri pal da Cidade de Recife.
Faz saber que em virtude das u'tari-
cres ordens do Exm. Pie dente da Pro
vinria a le-peito da elic<\5 do Senador
no dia 4 de Junbo prox. futuro j pub'i-
cada pelo Edital de 19 do mi passado
tei de si r proiedida dita el. iga pelos
Elcitoie^ feitos noanno de 1835 q' sao
os da actual I.egi-latura os quaes se de-
vtra reunir uos Collfgoa de que si m-
pre nesta mesma Legislatura fiserad pai te,
ainda que per tan 9a 5 hoje a outros Munici-
pios.
Pelo que em virtude do presente s5
convocados os Elei< tores da Fregocza de
Nossa Senhora do Rosaiio de Muribsca e
o i de N. Senhora da Smie do P090 da Pa-
nella para comparecerem no dia designa-
do com os de mais Elaitores que clevem
fazer parte do Collegio deala Cidade a
que n deveraS peitencer emtal Elei
cao emhoia convocados lossem pelo so-
bredito Edital que fiVa ne--sa parte re-
rogado os da Fnguezia de S. Loureuco
da Matta eos da deN. S. da Luz, por
deverem fazer parte d'aquelles Colltgios,
a que sempie na Legislatura actual tem
elles pertencide.
E para que conste, aepassouo presen-
te, quesei publicado.
Paco da Cmara Municipal da Cidade
do Recife 6 de Maio de 1837.
buco, e para cnhecimenlo dos inte-
ressados se publicad as seguintes circu-
lares racebi'hs n'aste Con-ulado, da
Secretaria d'Estado dos Negocios Es-
trangeiros em Lisboa.
N. 3. Sua Excellenciao Vsconde
de S da Bandeira me incumbe deremet-
ter a Vrn. para sua inteligencia e para
que Ihe d a npcessaria poblicidsde um
ejemplar do Relatoro e Decreto dea do
corrente, que able as visitas a que es-
tavaS sujeitos por entrada e sa'bida n<>s
portes d'estes Reinos, os Navios Nacio"
nase Fstiangeiros queso' firara obri-
gados aos actos absolutamente indi-ppnsa"
veis para bem da s;ude publica, fiz cal"
ui>5 da F.seoda, P. !,, preventva e
Cornspondencia Commercial.
Dos Guarde a Vm. Secreta, a d'Esta-
do dos Negocies E-ti:angeiros em 18 de
Janeiro de 1837. Pai.lo Midosi. Snr.
Joaquim B'ptista More ira.
DECRETO.
Tomando enconsderneaS o Relatoro do
Secret. d'Estado dos Negocios do Reino, in-
tennamentente.nrarregadoda Pasta d s
Negocios da Fa.enda : be: por bem decla-
rar o seguioie:
Arl. nico. A risita chamada de
Guepa que se fz os Navios e que te-
ve ongem no Regiment de dou'de Junho
de mile setecentos e trez a vigila orfle-
nada por. Alear de vintee sete de Setera.
bro de mil e setecentog e rncoenta e seis,
e todos os outros simlhantes encargos q'
pes'm ubre os Navios nacionaes eestran-
geiros assim por entrada como por sa-
bida ficam axtinctos com exerueiS do
Art-gf> doze do Decreto d* quatorze de
Novenhro ultimo. SnfwstirS porem a
cargo dos Chefes das Afandeg8, de ac-
cordo com os respectivos Administradores
Geraes e Dalegados das R- particoens da
saudc, edoCorreioGerad, aquelles actos
que s6 hslumente indispensaveis a bem
da saudt Publica da llscalisflc. da Fa-
zenda da Pilicia preventiva, e da corres-
pondencia commrrcial o* quaes sera
de tal foima combinados pelas Tesp di-
vas AulhaiHades, que >em demorao ,
nem despeas seja5 as Alfandega* habita-
Irtadaa pra exactan ente cumprirem o
arl. doze do menci nado Decreto, com-
petindo aos Chefes ds mesmas Alfandegas
pedir m-Me as providencias que f rem co
venientes para tfttar aqualquer emba-
rago, quando inesperad mente fe effere-
ca. O dito Secretario d'Estado o tenha
assim eutendido, e faca execntar com os
Despachos necesario?.
Paco das Necesidades, em dons de
Janeiro de mil oito centos e trinta e sete.
: declarando a quantidade de volumes
qualidade da carga marca, e numero!
: e esta declaracaS ser sellada e assinadal
I pelo Cnsul, recebendo este pela traduc
i caS'e trabdlho centoe sessenta re9, ou o
seu.equivalente em moeda do paiz.
3.* Que ao manifest se anoexe, co.
roo al agora um conhecimento de cada
carregador o cert lic, sul remetta officialojet'ti- por ma do ca>
pita do Navio estes documentos ao Ad.
roini trador da Alfaudega do porto ondo
o Navio se diiige. O que tudo Sua Ex-
celencia o Vi-conde de .S da Raodeira
me incumbe de com ni nica r a Vm. par
sua intelligeocia e execuccaS.
Dos Guarde a Vm.' Secretaria d'Estado
dos Negocios Esrtangeiros em 3 de Ja.
neiro de i837. Paulo Midosi. Sr, Joa-
quim Raptista Moreira.
N. 5. Sua Excedencia o Visconde de
S da Randeira me incumbe de remetter
a Vm. o incluso exemphr do Decreto de
I7 de Dezembro ultimo que regula a ma-
n ira porque devem >r feitoa os Regis-
tro* e matriculas das Emb.ircacoeHs mer-
cantis Portuguesas; a da execuca deste
Decreto fica Vm. responsavel, devendo
ao mesmo tempo dar-lhe a publicidade
que julgarnecesaria.
Dos Guarde a vm. Secretaria d'Esta-
do dos Negocios Estrangeiros em ar de
Janeiro de 1837. Paula Mindosi. Snr.
Joaquim Baptista- Moieira.
DECRETO. ,
RAINHA.
Manoel da Silva Passos.
Joze Mubado Freir pereira da Silva.
Pro-P 1 endent.
Fulgencio Infante d'Albuquarque Mello.
Secretario.
CONSULADO DE PORTUGAL.
De ordem do Snr. Caniol de Portugal
n'cita Cidade e Provincia da Pernim-
N.* 4 Conbecendo se por experi-
encia que a pratica at* agora adoptada pe-
los Cocoles e Vice C nsules Portoguezes
na legialac-6 do* documentos de carga
dos navios que se de tioaro aoj portos
desles Rtinosesuas dependencias, na
aquella que mai^pode evitar a introduc-
en de contrabandos tanto nos roesmos
poitos como ero todo o litoral Portaguez
por se consintir que nos coohecimentos e
Manile-t sda rrg se declare nnmerica-
mente aqoanlidade de volumes qoe car-
regam o que be susreptivel dVterar-se
quando o Cipit.5 00 Mestre assim o qoei-
ra ; e] compriodo fixar de uma vez o
modo pelo qual se previna (oda a fraude
qoe sempre retulta em p'ejoiso da Fa-
zeuda Pubjica o Coverno de sua anges-
tade Fidelsima dtterm;na :
1.' Qoe os Cnsules ou Vice-Consoles
Portugue-es nao Ivgalisem documentos
que Ih-sfoiem apresentades para carg
de Navios, sem a epresa condic'S de
ser relacionada por extenso no corpo dos
conherimeoTos a Manifest a quantidade
de volumes seudo confrontado este com
aqual'es dosumentes afm de que echan-
do-se conformes seja coberto com o com-
petente certificado.
a. Que as cosas dos conhecimeotos
seje pelo respectivo Cnsul cosiado o con.
teudo no corpo do mesmo covhecimeiito
Tomando em consideracaS o q' me ex-
por. em seu ReUtori i o Secie. tario d'Es-
tado dos Negocios da Marinba e do Ultra-
mar : bei porb Art i. Para te vtiilicar o Rtgisto
das ErabarcabacSes Portuizas esUbeleci-
do nos arts. mil trrsentse desesseis a mil
trpenlos e vinte'do Cdigo Martimo Por-
tu^uz, baver as Intendencias de ida-
rinha de P01 tugal, e seos dominios um
1 vi o 1 m que s> ra5 laucados o* Autos do
Registo das Embarracoens, com todas as
designaQocns xpiessadas no Cod.
Ar. 2. Uma certi t6 authentica do
Auto respectivo a cadi Navio, seientre-
gue ao don-i, ou dooos delle, ou ao Mes-
tre legtimamente au'b'irisado, e esta Cer-
tidaser o Documento de bordo intitu-
lado Registo.
Ait. 3. As Matriculas dos Navios
meicne*s Portagu-s.s. eostviros e de
longo curso seraSleitas d'ora era dianle
pelo Intendente de Maiinha do Poito de
sabid, ou pelo espectivo Delegado nos
Portos em que nao houverem Intenden-
cias.
Art. 4. A Mitiicula romprehende o
Rol da Equipagem e as Regulaooens do
Cdigo reat. vas, nos termos do modelo
junto.
Art. 5. llavera em cada Intenden-
cia e sua Delegacao' um livro ou serie
destes modelos encaderoados, que ser
cheio conformemente, e assegnado pelo
respectr.o Capita5.
Art. 6. Uma copia authentica da
Matricula a Rol da Equipagem exarada
n'este livro, ser entregue ao c.pita
para seu documento de bordo.
Art, 7. A Intendencia, ou sua De-
IrgacaS, vence em ves do que at agora
sepagava porcade Matricula, a certida5
que entrega a quantia de setecentos e
cincoenta reis sem direito mais emo-
lumento algum ; e pelo Auto de Registo
e ceitidoS que delle entrega a quantia da
dous mil a quinhentosrei? sem direito a
outra alguma soronu aej qu.lquer que
for o titulo porque se peitenda exigir.
E pela averbacaS de qoalquer alteraca
dusentos e cincoenta reis ; e do-tes emolu-
mentos sahirS as despesas do livros^emais
objectos necesarios a este fim.
Art. 8. As Authortdades e Tribus
naes de Commercio, os Intendentes de
Marmbaoaeos De'egados, eos Cnsules
Portague:es, sa6 espectivameote res-
ponsavais pela tiscalisacaS eexecucaSdo
presente D.creto.
Art. 9. Fica revogada toda a Legis-
lac*5 em contrario,.
O Secretaiio d'Estado dos Negocios da
Marioha e Ultramar o tenha assim en-
tendido e faca execntar.
Paco das Necjsidtdes, em ajesesaete de


M
DIARIO BB PEINA M BUCO
Desembro de mil oitocentos trinta e seis.
RANHIA.
Antonio Manoel L-pes Vieira de Castro.
Esta conformes. Copulado fe Por-
tugal em Pernambuco, aos 8 de Maio de
Miguel Joze Alves.
Chanceller.
CORRESPONDENCIAS.
Snrs. Redactores.
Li no seu Diario numero p4 : urna
correspondencia do Senhor Framisco Jo
sa Martins onde esquecendo-se ioteira-
menle dos fictos praticado9 pelo seu Cu-
nbado : Francisco Jos Marrana o defen-
dedesairosamente disendo que este moco
vivia p*ssifico em sua casa eporissoSo-
nbot es Redactores, he precisa que eu fa-
ca lembrar ao Senhor M-.rtins os fados q'
constantemente cammetlia seo cunbado.
Seobores Redactores este Senbor Marinho
logo que se mudou para o lugar da Casa
Forte fo fasendo desnrdens cujas eu aa
ipentarci. Deo am formidavel bofetio
em Jos Gomes Porlelia morador na Po-
voacio do Monteiro, hum'belissiroo ho-
rnera como poder5 firmar os seus visi-
nbos: no mesmo Ingar dea com hum
xicote de dia a fKt'i de todos em Fi ancu-
co de tal, forroofficialde Pafdiei.o por
este Ihe nao querer mais tr.balhar (e nio
sei poique...) Na Casa forte elle, hum
seu mano, e mais ootro foiam esperar a
Manoel Antonio quando ese viaba pa-
cificamente dohanho, e Ihe deram bs-
tante que al le qoebraivro a cabeca,
e finalmente at huns pon b >s do seu
visiubo Eu/ebo por Ihe voiiem por den-
tro do cilio os nialou &c.
fuii Sniores Reactores be esle o Ci-
dadio pes itioo que vivia tranquilo sa sua
Casa era Cmpanha de aua Joven espo-
za oorao dia o S nbor (Vlartin>, en mi-
Ihor que o deffendesse nicamente dos-.
sa>sn<> frito ao'desgra?ad:i Capillo Chiis-
tiano (lisera ter sido elle) e nao querer
dar-lbequalidade que elle uunca as pos-
aui.
Agora he preciso que tambera redon-
da ao Senhor Marlios, sobre o que diz
na mesma conespondtracia de quererera
tirar Tida a sed cunliado mssmo de dia
&c. Senhores Redacto.es he falcissimo,
nuncaacunttce semeltuntecouza he me-
Ihor di-er o Senhor Martina queseucu-
nliadofugio cora receio do Prof880 9,u8
su hia formar que pelo depoimento dos
testemuohas em despensa.Imente havia
sabir criminoso, e jor isso era-lhe mais
conveniente observar de parle o trocadi-
Iho.
Da Vm. seu constante leitor.
O amigo da Ver da de.
Sis. Redactores.
Quando se l nos Peridicos do Rio de
Janeiro a extensa relicaS dos nomes das
pessoas, que tem sido agraciadas com
tengas e peacoens, e se observa que oe-
ohma d'ti-as pessoas peiteoce as Pro-
vincias do Norte ; quando --e considera oa
onus, qu sobre estas pesa5 ero quanto
que para as Provincias do aul cbovem as
grecas, ese movem fcs sympathi-s ; nao
pode o coracaS do Bra-iieiro Norlibta dei-
xar de cont< ista-se e ser chocado em
bea amor propiio, e dignidad. Na3 me
sendo possivel e era dezejldc impar
tia a fastidiosa historia das injoslkas','
que se tem platicado cora os Brasileros
do Norte ; porq' cara os me os principios,
e ero o meu fira sa6 agora dividir os Bra-
sileros, e indispor o Governojtractarei s-
cente de omadWas inju ticas, q' por ser
praticada contra um noaso Benemrito
Patricio e mea migo, muito me ha ma-
coado e aos homcus probos, e verda-
deramente patriotas, que aabem stimer
' a virtude, honrar o merecimento tanto
mais quanto que honesto elle se tem con-
servado no silencio p rcsignacaS. Vanaos
ao facto. O Coronel Joze de Barros Fal-
rio de L'cerda conta 48 annos de praga ,
e 46 de servico ; tem 3 destacamento de
mais d'anno cada um no presidio de Fer-
rando; era i8l5 foi mandado cora urna
Forca para asAlagoas contra os pretos ,
que se havii ou queriao insurgir e
ali esteve anno, e meio serapre sepa-
rado de sua familia ; em 18I7 tsteve per-
to de 4 annos preso as Cadeias da Bi-
hia por seu pairiotismos a na5 tersido
a'ievolucaS doPortoem l8ao, teria per-
dido a cabeca n'um cadafalso ; em 1821
foi novameote preso pelo General Reg ,
e mandado para Lisboa onde estere 6
meses, pelocrime de ser affecto a Goos-
titaicio Portuguesa ; em 1882 foi nonae-
ado pelo G'.ve no d'esta Provincia Chefe
Geral da Policia e n'essa ocrasia muito
cooperou por sua influancia, e sci tos
para que o Principe Real licasse no B a-il,
o que se pode considerar como o prmei-
ro passo para a Independencia. Honra-
do sempre com a estima confiang das
primeiras Anthoridade foi em dito anno
nomeado para marchar para a campanha
da Independencia na Baha, onde, che-
gando com um Batalha5 se cobrio de
gloria immortal por haver no dia 8 de
Novembro do mermo anno salvado aquella
Provincia, ganhindoa memora re ccio
contra triplicadas Forcas Portuguesas, q'
n'es^e dia o at^caraera Piraj Cornman-
dante d 1. Dvisa d'aquelle Eserct>>J',
ella o Comraandoq tambera interinamen-
te recusando depois generosamente
aciveitar a nomeagao de Commandmte
em Chefe que co'ii in-tancias Ihe offere-
cep o Gove-no d'aqu*-IIa Proyiajjpia ro-
mo he ali notorio. Na capital da Bahia
fora se"S8Prico< ainda mais proficuos.
Por mais de una ve, elle sa' confitdo
em sua influencia e m genero,ida le Ba-
bianna a salvou do furor da anarqua
popular ea restituio ordem e obe-
diencia. I to foi l< pub'ico eapplau-
dido, queoGoverno Provincial o Urou
ao eonhecimento do Governo Geotral,
que, desejoso de recompensal rfo excel-
I.Tites e relventeles nrvio<<8, elevou a
Joze de Barros (eniaTenente Coronel )
CoroAel Govemador das Armas dVsta
provin4ia e a Oficial da Imperial ordem
do crustiro. l'oi entad que a sua fortu-
na ja t-.5 elevada fomecnu a declinar;
pois de volta ^ua pati ia na qual esteve
apartado anno ,e m^io; ellaachou forma-
da orna revolugo(a de i8a3 e a4 )
naqu.lVi impellido forga de circuns-
tancias, que nao he dado prever.
Fial so seu juramento a Constituido,
sua palavra dada gnus amigos, como
e>le comprometido*, de nunca o; aban-
donar ; el'e resisti sempre as insinuares
da Coite, e as vantajozas propo>-i?5e8, qu
se Iha fueram paia abandoear o Cam-
po da revoluefo como elle bem pode--
lia provar, se menos modesto fo6S3. Sua
firmesa foi pois o seu cri& : srevolugZo
leve o fim que tara quasi todas as rcvo>
lugSes, ainda as mais bem combinsdaa ,
e com milhores ellementos; e urna Com-
missio Militar o forcea r. emigrar para os
Estados Uuidos, dopois de ver saqueada a
sua casa e em perigrinacSo a sua fami-
lia. De re*>resso a sua Patria pedio a
a confirmacio do Porto ds Coronel, e
esta Ihe foi duramente negada.
Recorren a As.-emb!i a, e quando na
Cam-ra dos Depucados quasi tod> s os vo-
tos eram era ssu favor, no Senado dois
Parnambucanos fse2i decidirle con
tra elle o psriengSo da confirmado. Em
um momento pois forana esquecidos por
ai:jeto*motivos talvez tantos servicos, tan-
to hsroisrao, o leme, e a. numerosa
familia do Coronel Birroi deste Cida-
do, que- lia tifio tanta esl bridade em
tres Provincias do I m pe lo, -.que, a Jar
menos honrado, estara hve rico, e po-
der ia talvez dav-so urna importancia, rj'
tanta gen.'e H noga; entretanto, que
nem urna Tenca elle poude ainda oier do
Governo: mais elle vive nos coracOes dos
bomens justo, e is'o deve saptisfsler z
ac sandia imbcio. Basta teno sido Se-
nhores K dictoies assaz prolixo, parten-
nand ser breve : um tributo que pa-
go ao merecimento, e a amisade; e V:;,3.
a quera tambem julgo amigos ua Justina I
devem n'esta cojisideraco, relevar as fallas
do
Seu amigo, e constante leitor
-O Justiceiro.
LOTERA DO LIVRiMENTO.
A venda que ne-tes das prximos sa
tem feito de u.n crescido numero de b-
lhetes, e as medidas que a Meza da Irman-
dade de N. S. do Livramento tem adopta-
do paia a prompta extraego da sua Lo-
tera induz annum-iar que as respec-
tivas rodas andarad al o Gm do mez cor-
rente e que brevemente se publicar o
dia impetirivel em que esse andamento
deve conaecar.
AVIZOS DIVERSOS.
OSnr. Autor das Decantadas Carta
Brasileiras, que com boas eant gas e al-
tas promtssas tem illudido os subscripto-
res que tiverio a boa f de cahiiem com
seu dinheiro ; qutira declarar por esta
f'Iba quando pretende dar cumprimento
sua palavra para assira desengaar a
Um dos Padccentes.
ACommisso Liqu dadora do extincto
Banco do Brasil creada no Rio de Janeiro
pela Caita de L-i de 23 de S.tembro de
i8a9, estando emprogresso de liquida-
iodeste E-.labalecimento, e existindo nos
seus Cofres quanliasperiencentes a diver-
sos Srs. Accionistas de devidendos antigua
e modernos das accSesque se aehioetcrip
tas nos nomes abaixo declarados residentes
na Provincia dePernmbuco : faz saber aos
mesmoi Sis. ou a seus herdsiros ou a
quaesquer pessoas que por qutl quer tran-
zado legal tenhio dominio as mesmas
A.cc5as que devem qdanto antes compa-
recer por si ou por procuradores compe-
tentemente habilitados e com as suas p-
lices na casa do Banco desta Cidade para
serem pagos do que se Ihe dever evitando
AStn o prejuiso qoe Ibes possa resultar de
qu ilqutr ivsolucao que ae baja de tomar
sobreests fundos parausados a muitos an-
nos. Rio de 1 neno 3 de Marcode 1837.
Snr^. Antonio dos Santos Coelho Jos
de Mendonca de Mattos Moreira, Mitra
Episrip.l, MiuoelRodrigues de Aguiar.
O3 Memb'ros da Corara i-sao Liquidadora
do Banco do Brasil. Jjsii Miria V. da
SI va Jos Maria B. Manoel Gomes de
Ohreira Couto, Jos Goncalves Pereira
uarte.
ajtj?" O abaiso assignado lendo o an-
nuncio feito no Diario n. 98, que fez 0
Sr. Jernimo da Gosta Guimarese Silva,
parece ter sido desnsces-ario visto que o
dito Snr. teve um terco (particularmen-
te ) nos enterfisses da miaba Hoja guan-
do 3emp ile mmiia firma e nunca esteve o mesmo
Sr. responsavel para com o publico; as-
itu como pela liquidacio que annunci?,
visto qua do ba'.anco eodiante acho mo de
coalas justas com o m-sno Snr.
Simplicio Xavier da Fonceca.
a/y Quera precifai- de 1 caixeiro brasi
leiro}, para qualquer oecupaco qu para
administrador de Engenhodo que bacante
pratica tem por sao da fiador a sua con
ducta: annuntie.
aj3P" Aluga-o'o i. andar da casa da
ra dt Cmboa do oarmo com commodos
para pequea familia: a tratar co segundo
andar da mssme. a
tgjp !ug-5e o itio quo pe teaceo ao
fillevido Padr6 Jos Basilio, ao lugar do
Roscrinho, s. ia plantaco de capim e
arvoredos de frnct*: assim como vnde-
se um molatoda |5 a 16 anuos da idade ,
e um molatinho de ir. para 13 aonc3 de
idade : na ra da cadoiavei laja n. 44-
yp Qum precisar de ama ama do
leiie p>rda idlteira. e sam cranfa d-
tla-sea pracada Boa-vista loja D. 5.
C^> pessoa queannunciou no Diario
n. 90' de 2 d ; crrante querer alugar um
sitio, oa uma ca pe toda praja diri-
ja-sea raadoRiagel D. a5.
Quem precisar de am caixeiro
pertugez de idade de 18 a ao annos para
loje de ferragem ou meudezasdo que tem
bastante pratica : dirja-sa a iua Nova
sobrado por baixo do Sur ooutor Paula..
GK5 A pessoa qoe qaiter arrendar um
sitio perto desta praca com boa casa da
vvenla, eduas baixas para capim: di-
rija se ra Velba D. 27.
Jtjr Quem precizar de um Caxeifo
para Escriptorio ou para armazem des-
tacados oa mesmo para outra qaalquer
( upaga nesta cidade ou Cara dola dando
fiador a sua conducta : annancie.
y Joze Femandesd'Oliveira Santos
atualmente errpregado na Thesouraria da
provincia ds Al^goas, servio perto de
7 annos o ofiicio de Escriva da Oavedo-
ra d'aquella provincia sem que pagasse
um so' real aopreprietariodo menciona-
do ofiicio tendo muitos recursos para o
faser j pelos avultados ioteresses que ti-
roudest* serventa, e j pelos buns de ra-
z que possus |alem do seu ordenado t
3uem poia quizer comprar esta divida
iiija-se ao proprietario Antonio Joxe Gas-
par, no Rio de Janeiro oa avise por
iste Diario;
f3y Aloga-se a cisa terrea em Ooda
ladeira do Varadouro, d. 14 com maitos
commodos, e por bom pre?o: quem a per-
tender dirija-se a Fora de partas casa ter-
rea dt fronte do Nracho de N- S. Mii dos
homens.
^ A pessos qpe innunciou dar 3oo
mil res ajaros: dirija se a esta Typogra-
fia.
ffl^ Quemannunciouno Diario de Sa-
bado queier comprar am sel ira spsrelfaa-
do e em bom estado dirija se a ra do
Queimado D. 4-
Wk* Alaga-ie duas escravas mocis com
algumas b na ra das Flores D. 6.
t& O abaixo assignado julgou que
com sua ultima resposia ao anuuncio do
Sor. Jos Maria de Amorim Jnior inca-,
1 ido no Diario, n. 28 de mez paesado ,
fosas bastante para se convencer do mea
modo de pencar, como porem, terna-'
maaioquetar; soa a diaer-lhe, a este
S .que desnecessario me e* responder-Ibe*
sobiea pintura do sobrado, que diz ea
fisera para meu lausplende, a diz mais
di'conteinof alogueis, isso nio Ihe per-
tence; porque com elle nada tratei aja
sea lempo ser diferido, quando fjr com-
petido apresentar a authonsacao que pa
1 a tanto tira.
Francisco Jos dos Prazercs CamboimJ
fcp" Arrenda-se orna casa na ra da
Cruz n. 43, aonde presentemente resi-
de os Srs. Jones Wynne e ,Eduards tcado
principio o srrendamento em o primare
de Julhodo crrante anno : na pracinba
do Livramsnlo sobrado D. ai.
sjqp Prtcisa-se arrendar ao sitio da
parte do Montero prximo ae rio, com
boa casada viveuda, fnteiras, e algum
terreno de ortilice j qusm o tiver annuu-
cie.
4 covoJos de panno fino preta em casa
do Sr. Luis de Franca na ra de Livra-
mento queii a vir p-gar is$000rs. de
resto, alias ser cbamado perante o Juia
dePa^.
OCiy" Avisa-:e as pessoas que tem pi-
nboros, na venda da ra Direita que
loi o Jos da Penha, venhio remil-os no
prasode oito das, alias, sea vendi-
dcs.
tsrjp Urna ama parda, qoe cosinha -
engomraa o fez todo arraoju de urna ca-
sa se offorsce .i servir em cait de ura bo-
mem solteiro : quem a precisar drija-o
a ra da cadeia veJba n. 4o.
tQ Precisa-sede alagar pretos serven-
tes ds predeiro a 5C0 rs. diarios: quem
ostivar, dinja-sea ra da Aurora se-
gundo obrado de trez andares.
ap> A pessoa que annuocou querer
dar capim de plaa diariamente povto a
porto dinja-se a ra da Santa Cruz De-
cima i9.
%&* Qaem precisar de*uma ama com
bom ieite, dinja-ge a ra da Guia oai lo-
jds do sobrado D. li.
^ Quem quiacr dar a50^000 rs*
a p-emiwdeum e meio per ceato, cora
piahoresdeoaroou prataj uonunci^

1?,


BExa
DIARIO DE PEBMAMBUCO
Da-se boas lufas sn prata pelas
chavea de urna foja oa iriDiiea seo do
nts ras segrate*: caaeia do Recifa, cies-
po, queiraado e Livraanenu : quem a
liver anuoncie.
W Preci*a-se alagar un sitio paito
da praca q te ni* pane do menguhibo ,
oq Solidado oa nesno ana rasa terrea
uestes legaros, o qae tenha bom quintal ;
na ra da Cruz armasen de trsates n- 31 ,
o^nnnncie.
9ar O Sr. que quiser dar cavaliol pira
se tratar recolhidosen ealn baria em um
titio perto da praei, p*lo preco de 6 0 rs.
por da dirija.se a roa velha D. 37.
# 1RP* Na roa dos Quarteis o. 6 casa em
que mora a fiara do tinado Joan Antonio
ce Mirando % e< ba-se aborta urna escola
para meninas onde se nsioa a ier es-
rever, contar, e Crammtica po< tugue-
zi assim como tudas as qualidades de
cu.turas : os S s. Pues do familia que qui-
zo r era confiar as sus ti I has, ao cuidado
de ama tmilia que se v na preci-o de
didcar-se a tio penoso encargo para pa-
ctar subsistir, podemdirigir-sea inencio*.
liada casa na ceittza que.as Meslras te-
rS o maior cuidado uo adiantamtnto das
suasjovens alumnos o entuno da Rel'g u
Clin, lie de quinto possa insprar-lbe o
gosto da decencia o da virludey oceupar
com prefei enca toda a altenciodas mea-
tra*.
NAVIOS A CARGA.
Para o Rio de Janeiro
ap Sihe ate o fin do mez presente o
Brigue Brasileiro Carolina, forrado de
cobra, e muito velleiro : quem quiser
carregar ou bir de passagem diiija-se ao
consiguaurio A^Schramm.
Para a B.ihia
A Galera Sarda Aurora deq' i Capi-
tio r rancisco Risao, com a maior p rto
de sua carga pretende sahir por todo o
mez de Maio : quero na mesma quiste car-
regar ou ir de passegam dinja-sea L. A.
Duuicq, ouaomesoio CapjtaS.
COMPRAS.
Un ferreiro que seja mestre no f-
ficio muco e de boas costames : anouu-
ce.
WW Urna eanoa absrta de 400 a 500
lijlos de atronara e que esteja em meio
aso : no attiro da Boa vista sobrado De-
cima 16.
W Urna balance qae sirva para pesar
somos: aonuncie.
\fV Urna oitava de oiro : nesta Ty-
pografia.
VW Cma casa terrea pequea que nio
exceda o seu valor de 4<>0$000 a L00000
em qoalquer la desia cicada : na ru <<
sanzalia velha padaria n. 31 ou no hio
da Trempa a fallar com Joanna dos Pas-
aos,
VENDAS.
_ "Compendio de Doutrina Chisl!, Ari-
tbmetica e Geografa Ecooomia ua vi
da Humana, oa mximas motaos Coas
tituifiodo Imperio en formato de 4^
e pequeo, Cdigo do Pro< ato e Cdigo
Criminal, us luesmos formatos, enb o-
xura, e encardernados. Historia de Si-
znio de Nantua Espo>itor Portugus ou
prmeiros rudimentos da lingos MaJayca ,
Alfabeto Portugus pira aso pFesco-
la com estampa elegantes, Collncso de
Traslados, cartas de silabas, Taboldas,
Peruree Souza Primeiras Lionas im-
preco eeucadernacioirancea, Magnum
Lexicn Coi neus, Salustins Virgi-
liua, Horatius, Tito Livio Tereacio ,
Arta de Dantas, Fbula do Phedro Lo-
gica Etbica, Methafizica, Dicciona-
rio da Liogoa Portugueza por Fonceca
dito dito muito augmentado sobre a quar-
tsedico de Muraos, por Constancio
No vos Diccionarios Francs e Portugnez
por Fonceca rnuilo rico e*o milhor que
tem apparecido, Grammatica Portogue
sa por' Constancio dita Francesa pelo
mesino dita Portuguesa por [Salvador
HeorijuedeAlbuquerque, ditadita por Lo-
bato dita dita por Figueiredo Lusiadas
daCames, Quiotiliano por Soaie* Bar-
bosa impressao e encadernecio franceza,
Fbulas de La-Fontne em Foitoguez ,
e Francs lloras Marianas encadena-
das de divercos modos ditas Portuguesas,
ditas LastaoAs AHthmetica de Bezout,
Dcscobriinento e Historia da America ,
Grammatica Latina de Antonio Pereia,
Novo methodo do iris mo, Guilerme
Teli, Izabelou os Desterrados daSibeia,
Clara a'Alba D. Quexote do La Man-
cha, o Cambi>U UniveYsal por Kely,
Martes D.reito das Gente-, Vatlel Diitito
das Gentes, Kluber Direilo dasGents,
Le fage Sciencia te Direito Burla ma-
que Direito natural, Tororcbete Dirtito
Poltico Felice Licia de Diriito Natnr'al
e das Gentes, fcooglvi anase do Cdigo
Comercio, Bavoux Dtsconflites Aygoau,
Historado Juiy, Rosci Direito s-enal,
Holbac Moral Uuiversal, Ganille Econo-
ma poltica Flora Errada Economa
Poltica, Dutens Economa Poltica,
Jefioua Direito natural, Caitas de Ecoo
e Narria, N0ite do Cabello, Tbesouro
de meninos, Historia de Gil Braz e outrus
muitos livros, e impressos avulso delu-
da a quslidade : na praca da Independen-
cia loja de livros n. ij e 38.
f/9" Papel de pezo coroinba de ni ni
superior qualidade branco a a zul; dito
dito em furmato de mea olanda nropiio
para requerimento o tacturas &c. : dita
alnia9o azul i. e a. sorte aparato e por
aparar, edito braneo ( em temase a re-
talbo ) ; piutas; regoaa do differenles raa-
deiras etamauhos; pennas ; lapes; Tin-
ta d'esciever j areia preta ; obreias ; 1
vros em branco ; e papel mata-borrio. E
I va assim superior cha Isson; e rap Priu-
ctsade Li-boa dito Pernambucano e
Areia.prtta da Bahia : na Travesa do Ro-
sario para oQaeimado loja n. 7.
WT Nobscriptorio de Angelo Fran-
cisco Carneiro uo largo da praca do cS
mercion. i vende se champagoe da pri-
meira quslidade em cestos de dusia por
13^000 rs. cada um.
ic|r Urna negra mo?a e de bonita fi-
gura, tem piincipios de costureira, en-
gomma, ensaboa, cosinha o diario de um
caza, e boa vendedeira de ra : nesta
Typografia.
*& Sapatos de duraque de todas sa
cores e tamaos, tanto para Senhoras
como para meninss, chiquitos e botins de
cordavio para manios de todos os lma-
nnos tudo de superior qaalidade e
chegadoprximamente de Lisboa : na ra
da 'Jollegio no primeiro andar do sobrado
de 4 andares que Ui quina para o pato.
rtT Botijn de dous gales, com oleo
de linhaca a 3#84o a botija: na ra do
Livramentj U. lo, loja defanileiro e
ah tamqem assenta-se vidroe em caixi-
^hu P"31' preso commodo.
**" Du^9 c,a3 grandes em bom u-
zo huma de Jacaranda, e outra dean-
gico, comosseus eoxerg5es, buma ban-
ca de mero de salla tambera de anuico,
hnm armario grande de Jou. o da canto de
salla, commuitosbonscommodos, boma
cmoda deamarelio, huma meza gran-
d dejantar tambara de amarello, iscat
deiraa Aneucana8, huma caixinlu d
costura de amarello, e huma banquioha
de eonduiu : atrs da Matiiz da B.a-vis-
ta n. 10.
tflr* Boa cal de caiir, taboado de pi-
nho e dirarsas, larguras, e comprcneu-
to meio de sola, e faiinba de mandio-
ca ordiasra deCravellas, por prejo c-
modo : no armassm de sal qae fot do f-
Jecido Beoto Jos da Costa.
/ir Agurdente do Reino, sniz,
tnuilo soperior e por preco cmodo, tan-
to em grandes porcSes, como pequeas:
as ra do Rosario estreita D. a4.
^ Urna Venda com poneos fondos,
ciUoarua da Cacimba, e vende sollrivej-
mente : mesma a cima n. 109.
rUm negro de 18 a 2oannos, bo-
nita ligara com officio ds sapateiro,' e
oanoeiro ; a esquina do beso do Lobato
D. i.
Seis canoas de carreirs, aqual se
tcha em bote, dtfront'..- do Tre'm ; ra
do Cabugal leja de miadesas, pe' do Se
Bandeira.
Y9* Urna ptima escrava, com todas
*s habelidndss eem vicio: ra d'agoas
Verdes, s brido D. 10.
lEP* (Jm ptimo oculo de ver so lon-
ja : loja de linos defronte do Cole-
gio.
VS1* Em Fora de portas venda N. ai4
bs para venper em poiso grande ou pe-
quena charutos de superior qualidade,
chela los ltimamente da Balii-.
Itjp Uro jneg o mepo, boniti figura,
ebom ofHcial de sapateiro; proprio para
oatro qoalquer seivico: ra de Santa
Tnrresa a.
HV Um maleque crioulo deidad de
leisannos, bonita lisura, e muito esper-
to : abiico ao p da matiiz 1). 4'-
ICM Um negro ciioulo, idade ue 3)
annos, olfciul de orives, e bom coidu*
ti' o eem vicio algum : anaun,'im a mu-
radia.
fcjn" No arruazem de sec s, da ra. do
Colegio D. 13, !) i na vender bacas do
farinha fina doRio deJeneiro, ditas de
milho, ditas de leijio, e de ai coz de cas-
ca e pilado, e tambera pelo miudo miu-
do todo^ es'cs g-eros, por preco como- .
dos e commodo, e boas medidas.
fl^ Um escravo pasante, para todo
e qual quer servigo, de riaco idade de
2a a 24 annos ; a' Boa vista atrs da Ma
tris t u falar com Manuel Elias de M.ai-
ra.
\fW Bixas pretts de superior qualida-
de, grandes e pequeas, chegtdas pro-
ximamentedo do porto por commodo
preco: aoaterioda Bcavista D. 19.
ffl^ U.#a venda na rus do Araga D.
5, com poucos fundos, e commodo pee*
90, para grande familia, e bmu glande
quintal, que serve para a raocliar malu
lo-, ou a plantar oitalices, a diuheiro
ou a prazo com qoas firmas: a mesma a
cima ti atar.
*y Sacas com arroz branco da trra
pipas com .'gurdente branca, ditas com
vinhotinto, bariscom azeitooss, ft-i*es
d'alhos e lodos os raais genero de venda
menos bebidas espirituosas a retallio tu-
do por preco commodo e se vende por to-
da a qualidade de moeda de cobre que a
vista sefr o ajtnle : naquina do aima-
zem de sal venda D. 4--
flp" Urna ebra u e ida do de ao ai
anoos oxcelleute eogomadei.a muito
boa rendeira cose sofrivelraeote cho ,
Coainha o diario de urna casa : na ra da
Alegra casa 4 entrando pelo beco da ra
velba.
VW Rap Princesa de Lisboa om 1 bras
e oitavas dito Princesa da Bahia dito
areia preta Cha Ison da primaira soite
dito perola,dito Imperial, em caxinha
de duas librase meia tinta de e>cre~ver
em garrafas ricos estojos do duas na va.
Ibas finas loglezai thesourapara huchas ,
grasa de dar lu.tro sera caco va, plalas de
familia em frascos de 5o ditos de 100 com
o seo Competente folbeto, bixas grandes e
pequea, por preco commodo : na praca
da Iadepeudenca loj n- 2j.
VW O hvroEspietadoc do mundo no-
vo um realejo de cordas que toca co-
mo piano, outro dito Amburguez mtii-
topioprio paraum presepio e de muito
bonita madeia e construfao unco pipas
vastas que foro d'agoardeote, e bum
canteiro pura as ditas, e gigos com gar-
rafas vasias : ua mesma casa cima.
*& Um aparclhode prata para cb ,
composto de bum Bulle, urna Caftteira ,
um Assuxareiro ,e um Ltileiro a peso
sem iitio: na ra Nova ai-masera de
louca casa D. 12.
fc* Urna go por commodo preco urna ancora de
ferro de 3 quintaesem bom ujo, liamme
para bote: om Fora de Portas casa terrea
defronte do Nracho da JN. S. Mai dos ho-
e buma Esarivaninha de prata obra do
Porto; na ra do queimado L ja D. 11,
S^> Bixas de boas qualidades: na
prsya da Boa vitta botica D. 10.
W&" Chopees de palinba finos de Su-
perior qualidade para e para meninas,
chegados ltimamente de Pars do rae-
lhor gusto e ultima moda : na roa nova
loja D. aa
8^ As bemfeitorias e lavouras da um
sitio itudeiro cujo tem mu boas rom-
munidades para ter 8 a 10 vacas de
leite ou faser-se grandes plaotaces tem
ai vored' s biixa para capim, casa scfriwl
de taipa urna venda rom seus pertence-i
e esfrib-ria para tiez cavatios a sua
renda lie mui oimiuota : os pertendenlej
dirija se a ruado Lvrameulo D. i3 na
loja de ce uros ou a seu propietaiio no
lugar do Lucas E-teva Joze p.es Bar',
reto.
ESCRAVOS FGIDOS.
Mara Rita naca5 eabinda com
idade de 28 anuos e com os tignaes se-
{uintey: altuia regular, cor fulla olbns
pequ.nos bsicosgius-os duites liudos,
lememum braco da^ riu.aci.ma outra e quand> falla ga-
gueija : quem a pprebeoder ter de grs<
tlttpaCxS 30^000 rj. entregando a na
roa da cacimoa 11. 5.
6^> No da ntiino deAb il fugio'io
silio-oo cajueiro, um escravo por nome
Antonio e de napaS cacange levou ves-
tiJocamuade -lgidas da trra siloma
rota chipio de castor branco e ja velho,
idade de 60 annos beiyo oe b3xo o.mido,
barb. piolada de brauco b.ixo do tur-
po com urna marca de leuda na pe. ua
esquerda pes chato*, eos deJos grandes
a lebitados paia fora, os apprehen Je lores
Jevem-o ao pateo do car rao sobrado da
quina onde tem um tatarugueiro que se-
i lecompensados.
t %9^ ^ abaixo assigntdo recompenca-
r a quem Ilie pegar utn nrgro por nome
3oa5 angola na6 omito baixo, barba-
do pouta det nariz xto na5 he muito
p'reto, emuma dasorelhas a carosso se-
melhante ao um lobnho oom falta de
d.ntes de cima com 30 annos de idade ,
vestido de camisa de algodad e outra de
bseta encarnada basiante curta e siroula
do raesroo panno de algoda ; quem o
pegar Ievando-o a 1. ja do abaixo assigna-
do oas 5 pontea D. ai ser bera recompeu-
fado.
Sima5 Gorreia Cavalcante Macarribiri.
Jo- Joaquim da Silva Araujo, faz sc-
enle que tem fgido a seis annos urna pe-
la de nome Lnzia naci angola alta,
rosto comprdo- e picado de becbigas, na-
riz um tanto afilado, olhos grandes, e
tem em urna das pe ras ama grande seca-
trz de um form^ueiro : um moleque de
nome Vlauoel iiicao angico, cara alanhada
bei^os grossos, naiiz chalo, e ps grandes:
oda e qualquerpessoa que souber de taes
esuravus apenas sejio apprehendidos se
da 1 a dita pessoa a quantia de 60^000 rs.
por cada um escravo e 08 ricebera em cata
do meu procurador Joaquira Rodrigues
de Almeida em fora de portas n. 199.
Erhatas.
roens.
*%> Urna prata de servifo de casa, de
ida jo de id annos, e preto da me,mi cora
principio do officio de de Alfaiate, eacos-
tumado ao servico do Campo : na ros do
Cosp.D. 9.
%W Brincos com bi ilhintes, e sera si-
les, medalhas de rosetas e coraodes, tudo
de filigrana, a ioaetas de psdias braneas^
O Diario n. 99 O rendimento da Meza
deiveisa9 Rendas a somma la-se Res
u3:i6i$68. Diario n. zOO A lei Pro-
vincial u.: 38art. 1 linhas 5 vio domar
J.t-se do mar &c. art. 4 linhas 2 Rao
lea se Pau do Albo. Nomesmoart. linhas
5 Mu8surpe Mussurepi &c, Prtfei-
1 ura da C de Goianna &o. na cerdJo
I-se passe Certidio de verbum id ver-
bum ; provincia Pronuncia, no fim -
e!Puio desta Villa ia-se e a Eaio desta
V.&c.
PBRN. HA TlP, PK V. F. FARIAJ l837^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQI2QS95E_GZK49J INGEST_TIME 2013-04-13T01:01:16Z PACKAGE AA00011611_05741
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES