Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05494


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^-
------
" -'
\ nno fie 1848.
Quarta-feira 94
O p/ARIti puldicj-se todos os.dias que nao
,, I' 'i'fl'i n '""i 'I i'am tu tur. lie de
<|00fi rs.poa qimrte!. fagot adianta/ins. Os ara-
niincins do ssiitnunies i'm faift }* n. porlinha, 40 rs. ein lypo dulrrante, as
fcpeti;cj psla insude. Os que no fdre.m assig-
nantis pagaro 80 rs. por*linha, e 100 e> lypo
dilTerente, ppr cadi puAUcaco-.
PHASE9 DA LIK NO MEX DE MAIO.
I.ua oa, 2, < 4 boral c & t min. da man'i.
(jrefcente 10,. aoi 38 iniu. da maiili.
La cheil JS. 'i 4 H min. Mineoante a &, . partid, nos cor reos.
Ooianna, Paraliibassrjundas esexta] feiras
Hio-Grande-Jn* .Norte quinta feiras aooaeiodia
Caho, 3erinlite'nt, HioFormoso, Potto-Calvoe
Macelo, no I.*, a II e It de cada mez.
Garanlinnt e Bonito. i8e2l,
BoavVi*ta Flores, a IIeJ8.
Victoria, s quitiUs-leiras. ,
Olinda, todos os das.
PREAMAR DE HOJE.
Primeir, s 10 horas e 8 nroutos da manlia.
Segunda, I l.orai e >0 minutos da Urde.
de Waio
Anno XXV.
w. n*.
DAS DA SEM A 3 a.
I
21 Segunda. S. Rita de Casita, Aud. do J. dos
Orph do J. doc. da f.v. e do M.,U 2. v.
2J 'l'cn-a.'S.Bnsilin. \iil.dn I.iIkIit!. e co
J. ile paz do 2 dist. de t.
24 Ouarta. S. Afra. Au i. doJ. dociv. e do J.
de pai do 2 dist.de t.
24 Quinta. S. Gregorio. Aii.I. do 1. dos orpli.-
e do i. m. da I. vara.
20 S-ita. S. Filipp* Nery. Aud, do J.do civ.
e do J. de paz do I dist de I.
27 Sabliado. S. KanuU'o Aud.do J. dociv.e do
J. d* paz do I dist. del.
28 Domingo. S. Germano.
CAMBIOS NO DA 23 DE MAIO.
Sobre Londres 27 d por l| r*. a 0 das. Nom.
Paria J45 JSO rs. por franco. Non.
Lisboa 100 por 100 de premio.
Deic. de letl'ras'de boas firmas al'/, mea.
OairoOncs lespanhola.....20#00 a 9|60ii
Mocdasde|lOSvelli. lC/I0(fa I***
de 400 or.. I0|00 a I6I#0
.de 4 JOOo..... sf uno a 9*400
Prnla Patacas.......... l|*U0 a lfo
Pesos columnares... lili a lili*
Ditos mexicanos.... ifSOo a llo
Miud.............. I|M0 a ifao
Acota dacornp.do Beberibe de&OfOOO rs. ao par
DIARIO DE
EXTERIOR.
.LONDRES.
GRANDE MEETING CAP.TISTA, NA PIUCA DE
KENN1NGTON.
Por propost do Mr. Clark, apnisda por Mr. Adams,
fra Mr. Doyle elcto presidente do meeting no meio
de estrondosas acclamaajes.
Cidadilos de Londres, disso elle, o espectculo
a quo agora ssisto, he cortamente o mais.glo-
rioso db quintos lenho tido o prazer do pVosen-
ciar om minha vida. (AcclamacScs.) Um especla-
culo tal deVe lazer palpitar de alegra e exulls-
ts?Ro o corar/fo de todo o Verdadeiro demcrata, el-
le prova cotn evidencia a boa dispnsitjao do povo dos-
ta grande metropole, relativamente aos direitos com-
miint-da humanidade. i Estrondosas accIamacOct.)
Al hojo, ainda nflo presenciei nesla grande cidade
um espectculo igual. Amigos, vos mo liaveis eleilo
parapresidir-vosesla tarde, ceu, com a simplicidade
de um carlista, s vos ligo que agradoco-vs rauito
a conlianca que em mim liaveis depositado. Tenho
mais de una rasilo para dstar contente, porm a le-
gro-me principalmente por ver que ns classos ope-
raras cometjam. n conhecer quo (rodena por si mes-
mas promover os scus interesses. (Acclamacsa.) A-
iiigs,;riat>p"recisorecommendar-vos que sejaspa-
cilicos, c quo vos comportis com a maior discrQIo,
basta lemlirtf-vos que do vossa boa conducta, de
vosso" pacifico, porm, firmo, comportarhento, de-
pende o succcss.0 de urna das mais gloriosas causas,
que pelo, boinom teem sido agitadas. lAcclamaqBts.)
Mr. 'Connor e os otros senhores que estilo neste
magnifico carro, s cho de urna grandexlensSo outro carro quo est dianto de vos existe urna peti-
qSo assignada por perlo do 6,000,000 de pessoa;
ella prova a toda luz, que nos representamos as clas-
ses operarlas do palz. Os delegados do povo hSo de
cumprir os seus deveres, e esperam que cumprais os
vossos. [E$4rondoias acctamatOet, t gritos de nos o Ta-
remos.]
Mr. O'Connor ser quem primeiro vos ha de fal-
lar. Me vos communicar, nflo s a sua opinio
particular, Como lambem a dos senhores que Com-
i>oem a convenci nacional, esom vos roubar mais o
lempo, peQO-vosme permitais apresentar-vos o vos-
so verdadeiro amigo e camp'eao, o campeSo dos di-
reitos'da humanidade,Mr. Foargus O'Connor. [Es-
irondosas acelaii>a}ei.)
Mr. F. O'Connor M. P., apparcceu entilo no
meio de atroodores vivas, quo eram dados por
aquelles qu eslavam em redor do carro, o repe-
lidospela multd3o que se diffuiidia por toda praga.
Depois de repetidos acenos em signal de reconlio-
cimento, cada um dosquaes augmentavn ainda mais
o enthusiasmo popular, elle disse:
Mous Minos, disseram-vos de proposito, que eu no
estara hoje coaivosco, mas ou aqui estou. [Grandes
appImuotA lim'.minha vinda para aqui oceupei neste
carro OjMfbntO da lente, e comquanto mo livessem
'iineac^BrxcojJi a morte, so aqui Bpparecosse, como
i(joraapnart;c>, a minha inflo nflo treme. [Applausot.]
Todos vos sallis que por um quarto de seeulo te-
nho tomado parte tiesta agitatjflo democrtica ; na
Irlanda desde o anno de 1822, em Inglaterra desde o
inunde 33; e sabis tamben que nunca recueidian-
lede qualqucr responsabilidnde. [Estrondosas accla-
mafOes-} Quando no dia sexta-feira me perguntaram
na casa doscommuns, se pretenda ou nfloassistir ao
meeting do-hoje, respond que, como tinhasompre
(irocuradQ o ppularidadc, no recuara agora dian-
lo do perigo. [Grande applauso. Qu'r dentro, qur
fra do parlamento lenho sc'mpre contendido pelos
vossos direitos. Com o presupposlo de me atemori-
sarem, tenm-se-me escripto nflo menosde 100cartas,
comtTiunicanilii-se-me que'niorreria no caso do aqui
me apresentar boje A minha resposla, ei-la : Au-
tos quero ser apunhalada do quo' resignar lugar
que me compele afrente de meusfilhos. (Gritos de
oraqo/J
8m, vos sois mens filhos; estes cavados s5o vos-
sos e nSo meu; esle carro he vosso, elle he feito de
vossa madeiras; eu sou vosso pai c vosso njudantc,
porm, vosso ta ornis honrado, e vosso ajudante
gratuito- [Appsautos.] Nunca a nosso causa se achou
em ido Itoio p como no lempo presente, o se por
vossa indiscriQflo a n5o deita.rdes a perder, breve-
mente os ndssos esforcos ser2o coroados
Nenhum homem foi jamis lo ridicularisado co-
mo eu o tenho sido na casa dos cominuns, o em no-
me dosse grande e.bom Dos que hos tem mimosea-
do hoje com Iflo bello dia, petjo-vos, nconselho-vos,
ordeno-vos; nllO, nflo digoliem, quzcra supplicar-
vo de joelhos, que nflo destruais a cansa pela qual
lnlo lenho lulado em toda a minha vida. li/ron-
doio orrto efe attencln, atttnctiol] Naquclle carro [a-
pontando para a carruagem cm que apetitjflo havia
sido collocadft] vilo cori vosco as vozds do 5,700,000
do vossos compatriotw, elies, eu, o inundo inleiro
esperamos que a vossa conducta nesla occasiflo seja
roda deordem.e digna qVcidadaos inglezes. [Applau-
">.] Em a casa doicomruns eu disse aos ministros,
que cstivesseni certos qu nem eu havia deaconse-
lhar-vos para o mal, nem vos de vossa parle haviois
de praticar nenhuma loucura, e hem vedes^que, nflo
obstante ha.verem-nos amea^ado, eHes so'nflo leoin
oppoBlo ao meeting que agora celebramos aqui na
P.rCa de Kennington \Applau$oi.']0 passo que acaba-
mus de dar, he gratule e glorioso, o como eu sem-
jro vos tenho dito, o carlismo quando he abatido
.la lyrannia, s se levanta para piosredr com re- \
ovado, vigor. [Mmto applauso.) E-dizoi-mo, nflo he i
oilemaia iue nunca digno [de que o sustentemos, |
agora qoe para regenerac,fio do homem ou tenho le-
vado a iffeito pratico esse principio social, habili-
landp aquello -que nflo quer trabalhar om artefaclos
a obter torra, a qual possa lavrar para si e nflo para
oulros, som que uinguem so introtnetta entro elle e
os finctos de sua industria ? (Gritos desim, sim, sap-
plausos.) Vendo os resultados que vos hei proporcio-
nado, vendo as consecuencias quolnevitivelmento
hilo de seguir-se de urna demonstra^flo lal como os-
la, .pennilli que, chelo deorgulhopor haver preser-
vado a rdem, eu v esta noite casa dos communs,
oppr-me ao prfido projecto de sir Ceorge Grey, pe-
lo qual tenho declarado quo hoi de aecusar o gover-
no se oulra pessoa o nflo lizer. (Applauso.) Vos llies
mostrareis,aintgos,que somos carlistas o uflolailrOes.
Nos mostraremos quo va i milita ta a ladrflo, nos farem'os v ser cartistn sem ser ladrflo, e que nflo arriscaremos
a nossa causa por um acto de perversidad^ ou de lou-
cura. (Apptausos.) o governo tem oceupado todas as
pontos.
Vos sabis que sou homem do corajem, firmeza o
resolucflo; mas.como podeHa eu dormir esta noite,
sesoubesse qu ha viuvas quo a passam.cm claro
chorando a morte de seus maridos? (Silencio.) Qual
nflo sora a minha dor se pensasse que por algum
acto meu tinha arriscado as vidas de tantos milhares
de pessoas, e havia parausado assiin a nossa causa P
(Attencdo, atlerco'.) Uize-me, quanlonflo sentirieis
-vos- se livesseis a consciencia de'haver concorrido
para a triinha morle ? Qual nflo seria a vossa pertur-
bado, qual nflo seria a vossa tristeza, o quflo gran-
de nflo seria a npssa pona Taes sflo osseulimcnlos
de quo todos nos ochamos animados, e lie em virtu-
de delles qu a commissflo execuliva, considerando
a intimar/ilo que a convenc.no recebera de quo a poli-
ca nflo consentir que a procissflo passe pelas pon-
tes onde se icha postada, tem decidido que nflo so-
jais poslos cm collisflo com urna frca armada. A
polica nflo consentir que passem estes carros, olla
nflo peniiiltir que sejam desenroladas as nossas
bandeiras, a commissflo execuLiva, portanlo, lomara
a pelieflo o aconrpanha-la-ha como urna deputaeflo
Eu irei casa representar conlra esta prohibidlo.
Eu aprcsentare a petiQflo e farfli que vossa voz seja
ouvda em toda a extensflo da torra (Applauso.) Po-
dis ficar certos que, com o fayor de Dos, nflo des-
amparare! vossa causo cmquanlo me nflo desam-
parar a vida. (Estrondosos e prolongados applamos.)
Todava, deveis ter presente a grande responsabi-
idade quo impondes a um homem estrangeiro em
vosso paiz.
lima voz : Vos sois um de nos.
Nflo vos deveis esquuccr da carga que pesa sobre
mim. Em vosso servido tenho passado seis nuiles
sem dormir, meu pello neste momento esl como
urna braza, e cu poderia apresentar-vos o alteslado
do um mdico, o qual prova que seria muito melhor
para mim, quo ueste instante eslivesse deitado;
mas eu estou aqui porque hoi sei que esle he o meu
lugar. Levanten) agora as mflos tod*os aquellos que
estflo decididos' a seguir o meu cottselho, e a obrar
como homens prudentes e sensiveis, posto queoste-
jam determinados a nflo descansar, emquunto nflo
tiverem oblido sUas inmunidades, e livcrem visto a
carta feila a lei da trra.(0 convite foi promptamente
obedecido, e um especlacufo monstro de mflos appa-
reccu de todos os lados do orador.) .Podis ficar cer-
tos, continuou ello, que a petiQflo ser levada, bnm
que o nflo seja em procissflo, pois se resistisemos
ao governo, nflo fariamos mais qoe dar-lhe motivos
de censurar-nos, e com o favor de Dos espero q.ue
ou hei de morrer na casa dos communs, ou hei do
alcanzar para vos o gozo do vossos direitos. (Grande
applauo.) Eu combaterei pelas vossas immunidades
e pelos justos privilegios do povo; mas hei de sus-
tentar a paz, e posto que minha familia soja mui
grande, pois todos vos sois mous filhos, desojo que
nem um s seja excluido do banquete humano (Ap-
plaxisos.) Eu vos amo mais quo a propria vida, inn-
meras provas vos hei dado disso. Eu-dou-vosos
meus dase as minlias nuiles; em a passada semana
eslava a causa ameacada por falla de dinhciro, e cu
apresenlei-vos lodo o rndimento da Estrella do
Horte para que o movimenlo nflo parasse. (Applau-
sos.; Nflo queirais, pois, arruinar as vossas esperancas
pondo om perigo a vida de nenhum individuo; dai-
me antes pela vossa conducta fr?as para resistir ao
plano que, lia formado o governo, de def ranjar san-
gue humano Quando por amor do vos lenho lana
bonignidado, querercis-acaso serinois a vos mes-
mosp Vos vedes fdisse Mr. O'Connor cliamaud a al,-
loncflo pa/a os cavados que esiavam no carro) como
os cavallos tiram o seu sustento do trabulho que fa-
um. (Attencdo, alintase riso.) Os-capital islas, pois,
doviam sustentar os seus operarios, tilos estilo bas-
tante gordos, e sflo sustentados com o singu das
enancas. (Apptausos.) Esta uiaiilim live alguns re-
ceios de que cotnmellesscis desvarios, mas, vssus
vozus me tranquillisam agora; esse tumor ja nflo p-
prime o'meu cor^So; eu respio oulra vez lirre-
nieule, purquo confio cm vossos senlimen.los, uui
vossa sabedoria, e na resolucflo quo hayeis lomailo
de concluir cedo esta conteslagflo.
Quflo grande nflo ser o meu poder, amigos, quan-
do me levantar na casa para pergunlar onde esliio
os roubos ? (Applauso i riso.) Onde estove o peri-
go do vida.e do propriedade ? Direi u,ue nunca
houve em nenhum paiz debaixo de taes crcuntstan-
cis urna demonslracflo tflo pacifica como esta. [Im-
meno applauso.] Tenho receido innmeras carias
de lodas as partes da Inglaterra, rogando-me que
nflo consinta quo so arrisqueosuccessodo movimen-
lo porulguma loucura na metropole. Sequereis ma-
lar-me, a minha vida osla ao vosso dispor, u r;
cce.lurei a oulros sem luta.-(GrniiV applauso.) Ha
ainda oulra cousa que dosejo lembrar-vos. Pens
que nflo podis agora dispensar-me. (Applauso e riso.)
Eu conlinuarei com vosco, firme o pacifica, porcm
resolutamente. Eu irei apresentar esta noite a vos-
sa petiQflo; sexta-feira ollasor discutida; e se o
povo nflo so dostruir pela imtemperancn e loucura,
nada poder prevenir o nosso successo. Bem pdela
imaginar que eu, que tanto por vos tonho sofTrido--
que eu.quese frem minha velhice roduzido a po-
breza, contente irei mendigar por entre os mous fi-
lhos esta boleemos em suas torras, nflo hoi de deixar
agora de continuar aservir-vos. Todo o meu dia, a
melado de minha noito sflo a vos. sacrificados o
meu coracjTo se dilata, meu espirito so alegra por
encontrar tflo gloriosa recompensa como a queago-
ra me dais pela vossa obediencia o pela vossa confir
anga. (Applauso prolongado.) Aquelles do vos que
pensam que a convncelo obrou com sabodoria pre-
veniidooderramamentodo sanguo do povo, quoi-
rain levantar injbas as mflos. (O orador fot obedecido
com promptidao e enthusiasmo.) Eu folgo do ver-vos
tflo bem disciplinados.- Ouvi o vosso pai--ouvi o
vosso cheie so virdes um homom arrombando u-
ma loja nflo o prendis, matai-o logo. [ Gritos de --
nos b/aremos.) Nflo permitais quo se diga quo um
acto criminoso fra pfaticado por um carlista. [At-
tencto, attenco.) Odillon Barrol foi aecusado por ter
dispersado os mnctigs que convocara, eeu mcsmol
censurei ullima,mcnte a Mr. Cochrane por haver pos-
to o povo em perigo, e nflo o tor livrado dalle. Ha,
pois, um precedente, eeu vonho agora dispersar-
vos Vos nflo deveis ir em procissflo, doveis ir sim
pacificamente para vossas casas, e para as vossas
occupaQQes. as considerac/3es do hojo nflo me os-
quecereida Irlanda. Eu'olho para a Irlanda o para a
causa irlandeza, do mosnio modo quo olho para a
Inglaterra o para a causa ingleza, e lenho que, de-
pois da donionstracilo do boje, e da petiQflo quo de-
ve ser apresentada, nflo ser possivel recusar aos Ir-
loiKlc7.es seus justos direitos, justamente reclama-
dos. ( Etlrondosas acclamactes.] Agora peco-vos que
tiris os vossos chapeos o que volis ao eco que
nenhuma ma palavra sera por vos proferida, e que
nenhuma acQfloviolenla.sor por vos praticada (Es-
te juramento Toi dado smento por aquellos que es-
tavam junto do carro, que fram os nicos que po-
derain ouvir o orador.) Eu respiro outra voz livre-
mente, ese Dos me nflo desamparar, pretendo dar
urna liQflo ao goveruo, citaudo a vossa coragem e a
vossa resoluto, e fallando-lli lambem do vosso a-
mor ordem, e de vosso rospoito s lois, (Apptausos.)
I'cqo-vos por conclusflo que nflo deshonris o carta
do povo, e que continuis a combater at que ella
'selenita gloriosamente tornado a lei da trra. ( M.
O'Connor (inalisou o seu discurso no meio dos mais
entusisticos applausos. Ello pareca soffrer mui-
to, c eslava evidentemente fatigado com o csforQO
de fallar).
(C.onlinuar-st-ha.)
INTERIOR.______
HlU-lfk-lTNElRO.
CMARA DOS BS. DEPUTADOS.
PARECERES DA 'COBMISSA DB CCNSTITOigf> R
PJDBRES.
Provincia do Para.
Em 17 cotlegios elcitoracs da provincia do Crao-Pa-
ra a elcl9.n0 dos tresdrputados, que ella mandan assein-
blea geral legislativa, rol frita Icgalmente. como a coni-
missflo reconheceu, examinando as authenticas das ac:
tas lavradas perante os mesiiios coltegios e por clles as-
signadas.
Nos colleglos da capital, Igarapmerlm, Cacboeira-
dc-Maraj, Camela, Melgaco, llraganca, Turyau, Maca-
p, Pono-de-Moz, Gurupa, SanUtreni, Monte-Alegre,
Obidos, Itarra-do'Rlo-Negro, Manis e Ega apresentaram-
se 305 eleitores nertencentra a 82 parochias dos diversos
circuios elcitoracs da provincia.
a A' cominissao fdram presentes ais actas de todos ca-
ses collegins elcitoracs, das quari v-se que a cleicao
dos dcpulados, aqucnclles se procedeu, fez se, obser-
vadas todas as disposiedes que Ihe diicn respeito, da lei
.n. 378, de 19 de agosto d 1840. Rio fram reineltldus
"commissiio as acias das eleices das parochias da pro-
vincia ; como, porc'in, dos pareceres das commissocs dos
collrgios eleitoracs que examinaratii estas actas, se de-
dos que as eleicfies primarias se lizeram as respectivas
parochias, na forma da lei, a cominlssao se prevalece
desle mesmo nielo que llie accorre para prouunciar-se
nesta occaslao, pela legitimidade dos eleitores da provin-
cia do Grao-Par.
O collegio eleitoral de llarcrllos, segundo consta de
offlcio do presidente da provincia, de 21 de fevereiro do
correte auno, no se reuni, porque, apresen 'a itdo-ac
tres eleitores, sjjafnledc nove que poder dar o circu-
lo eleitoral, naoM possivel fonnar-se a mesa, que deve
ter cinco meinbros.
A coiiiiiilsso vio finaliiirntc a acia da ultima apuia-
9S0 dos votos fcita pela cmara municipal que cmnprio
o que determina a lei citada, no capitulo 3." do titulo
3.*, e della consta heverem sido eleitos drputados as-
sciubla gcral legislativa pela provincia do Grao-Para
otSrs. : llerculauo Ferrcira Pcnna, com 241 votos; Ber-
nardo de Souza Franco, com 201 votos; e Joao llaptista
de f'lguciredo Tenrciro Aranlia, com 150 votos. Uequer
todava a cojiiiiiissiic que se ollicie ao governo para fa-
/.ci K inelior casa as actas das clefeocs primarias da
provincia, c lie do pa*rcccr que seja recgphecido e de-
clarado drputado pela .provincia do Para oSr. Ur. Bcr-
najrdo le Souza Franco, cojo diploma foi presente com-
inissau.
Provincia do Maranhao.
Sendo nove os cnllrgius eleitoracs desia provincia,
saber: cidade de San-Luiz, Alcntara, (astas, Guimu-
pada, r.iltsm as actas dos de Caxias e Pastos-Bous; e co-
mo no* circuios cleltoraes deVianna, ltapicuru-Mcrio.
rejo c Chapada, hoaveram inais turmas de eleitores,
e conseguinteinente actas de cada urna dellas, e faiteen
igualmente as de llapicuru Mirlan, Chapada e Vianna,
que cmara municipal da capital parecerain mais legi-
timas nps termos do art. 87 da le de 19 de agosto de
1846, emende a commissao e he de parecer que por ago-
r nao pode tomar conhecimenlo da cleicao dos depu-
tados pela provincia do Maranhao e wriljcar seus pode-
res. Existo apenas urna acta de eleicao primaria. Requer
portento, a commissao que se ofcic au governo para
fazer enviar casa as actas e authenticas que faltam
Provincia di Gayas.
Esta provincia contin 16 colleglos eleitoracs, que
sao: cidade de Goyaz, Jaragua, Meia-Ponte, Bomflm,
Santa-Crin, Calalao, Farinosa da Imperalri'z, Cavalcauti,
Flores, S.uiia-l.u/.i 1, Trahiras, Arraias, San-Domingos,
Palma, Natlvidade c Carolina, exlstem aaouthenticas dos
!) primeiros e faltam os dos 7 ullinios, faltando lambeiu
todas as actas da eleico primarla, c dj prorogacao ge-
ral. Portanlo, lio acominissao de parecer que por ora
nao se tome vouhecimento da eleico da provincia de
Foyaz, c requer que se oxijam as actas e authenticas que
faltam.
Pretineia de San-Paulo.
Regulares fram as cleiedet primarias na provincia
de S.in-Paulo, como se ve das actas presentes eomtnia-
sao. Km duas frrguzias, purm, nao fram observadas
diversas disposicocs rssenciaes da le regulamcntar das
elcicocs. .
a .Va ji.ii mil ia do llio-Negro nao se lizeram ai tres Cha-
madas ni.'in se lavroii a acia especial, como dctrrmlnaiu
os artigos 48, 49 e 54 da lei, de 19 de agosto de 1846. Por
estas rasos o cleitor que deu aquella parochia, Joao
llaptista de Oliveira Ribas, nao foi julgao legitimo pe-
lo collegio eleitoral da villa do Principe, que mandou to-
mar o seu voto em separado, uo tendo chamado jup-
plentes para o substituir.
. Na parochia do Inquiry, quando se tralou da formaco
da mesa, como consta da respectiva acta," coinparcceran
quatro supplentcs, capilao Jos Dcrnardcs de Meneces,
capitio Francisco Calvan de Franja c capilao Antonio
Freir de Mcuczes tendo cada um delles sete votos, e
Flix Pcaeira da Silva cntn ura- Proccdendo-ae ao lar-
icio entre os tres igualados em votos, deu a sorte o uoiue
do capitio .lose Bernardo* de Menezes,. por isao foram
'postas fra os nomos dos outros dous cotiatateradoi des-
pi ciados, pela sorte ; e fram indicados para compr a
anesa o mesmo capito Menezes e Flix Pereira da Silva.
?indo a ser o opposto do que a lei tem deterininaeo, por-
3uan 10, ordenando o decreto n. 480, do 24 de outubru
c 1846, que nos casos de empate como este se recorra
sorte, precedendo oque sabir designado, devia o dito
capilao Mcuezes, depois de sorteado, ser considerado co-
mo o mais votado dos quatro, e assim elle e Flix Perei-
ra da Silva deviam ser considerados os extraaos da clas-
sc dos supplentcs, e portanlo Jamis deviam ser el,aina-
dos para orinar a mesa, conforme o artigo 8. da le, de
19 de agosto de 1846, e sim os outros dous que fram
des prez idos, que sao o capilao Francisco Galro de
Franca c capilao Antonio Freir do Menezes. Pelas ra-
sOes expostas fram reputados Ilegtimos os dous elei-
tores que deu' a parochia de Inquiry, o capitn francis-
co Galvn de Franca c capilao Antonio Freir de Mene-
zes, pelo collegio eleitoral da capital, que mandando to-
mar scus votos cm separado, nao cbainou os supplentcs.
A commissao acha digno de approva;3d o procedim/n-
to de um c outro collegio.
A commissao examinla as authenticas dos collegins
cleltoraes da provincia de Satt-Pauln, em numero de 26,
e a acta gcral da ultima apuracto loica pela cmara mu-
nicipal da capital, c pensa que a eleico para deputado .
assraublca gcral legislativa por aquella provincia foi
foita com toda a regularidade. Nao se reuni o collegio
de Guarapuava por ter apenas quatro eleitores da paro-
chia do mesmo nonio, que nem ao menos podiam for-
mar a mesa, o que consta do oflicio do presidente da pro-
vincia, dc28 de Janeiro do corrente anno. He, pois, a
commissao de parecer:
11 l." Que sejo declarados legilimos os eleitores da
provincia de San-Paulo, das parochias que vfem em rc-
laco, que acnmpanha um oRloio do presidente da pro-
vincia, de 19 de abril deste anno, visto que anda faltam
as actas das eleices' primarias de algumas freguezlas,
que a j oinniissau requer se exijan.
2." Que se deve olfkiar ao governo para mandar pro-
ceder eleico dos eleitores das parochias do Rio-Negro
e Inquiry.
.1." (le seja declarada legitima a eleico dos depu-
tados pela provincia de San-Paulo para a stima legis-
latura.
4. Que sejam reronhecldos e declarados deputados
pela iiirsnia provincia os Srs. Antonio Manoel de Mello,
Joo da Silva Carr e Trislo de Abreu Rangel, cujos
diplomas fraaai presentes cqinmisso.
o Sala das comtnisscs, 30 de abril de 1848. Costa
rinto. Silca Prannos. J. Antdo.
Protincia do Rio-Granis-ao-Stil,
A commissao de poderes, a que foram presentes a
acta geral da apuracao, as actas dos colleglos eleitoraes
das parochias da provincia do RioJGrande-do-Sul, esa-
nlnou-as c achou legaes, bem como os diplomas dos
Sis. drputados desemhargador Pedro Rodrigues Fernn-,
des Chaves, Dr. I.ulz Alvcs Leite - cclbeiro Jos Martins da Cruz Jotfti, Dr. Israel Rodri-
gues Barcellos, e Jos de Paiva de Magaihes Calvct, o*
quaes emende a commissao que sao os legtimos depu-
tados a esta assembla. por aquella provincia.
Nojulga a commissao attendivel a representacati
que tambein Ihe foi presente do Sr. Dr. Joao Evangelis-
ta de Negrelros Sayo Lobato, porque versa esta sobre
a illegitimidade do voto do eleitor do collegio da cidade
do Rio Grande tenentc-coronel los Borges Ribeiro da
Cosa, que, segundo diz o peticionario, se achava pro-
nunciado ; sobre a illegitimidade do voto taubem do
eleitor do collegio dcJaguaro, coronel Vicente Pauta
de Oliveira Villas-Boas, por nao ter sido qualilicado vo-
tante na respectiva freeuezia ; e linalmcnte sobre o aug-
mento de eleitores da freguezia dcTaquary, collegio do
l'iiiunpho. Quanto ao primeiro individuo, de nenhum
modo prova o peticionario a identidade da pessoa, e su
a idendadc do notne: quanto ao segundo, sumen le pro-
v nao ter stdo qualilicado pela junta que fuuccionou
no anea de Janeiro, entretanto que o podia ter sido de-
pois pela junta de revisao, ou pelo conocido municipal
de recurso e por estas rasSes prescinde a coinmissau

raes, Vianna, Itaplcuru-MIrim.Brejo-.Pastos-Bonse Cha-1 de entrar naanalyse da legatidade ou illegalldade do
MUTILADO
1
i\


I
I
collf gloj, anda que por ventura tlvesse provado 'a In-
competencia drsses eleitores, o que faria a commlssao
se o peticionario provaaac Identidade da pessoa do pri'
ineiro elritor, <<|ue o segundo absolutamente nao fdra-
qualificado.
O aviso de SI de dczcmbro de 1846 inteiramente des-
tru' ,1 prrtrn(ai) do peticionario acerca da illegalidadc
do collegio do Trimnphn, porque naotendo na provin-
cia do Rio-Grandc-do-Sul havldo eleices ciu 1842 nem
ein 1844, devra necessariamcnte o-numero de elelto-
res re'gnlar-se pela regra geral de um eleitor par 40 vo-
tantes.
A' vista do que, julga a commlsso que se devere-
conheeer denotados os senliors supranrencionados e le-
gtimos os eleitores que os elrgeram,
JIMliIH l)E 'inMHUCU.
J3'MJ)TJ-M 39 3)3 fllAQB 3)3 UOO
0 Eim. Sr. doutor Vicente Pires da Molta conti-
na a administrar a provincia de maneira a conten-
lar toda a gente sonsata, qoremos di7,er, a gente
que deseja, se acabe de restabclecer o imperio da
le, eq\ie est disposta a envidar os maiores esfor-
eos, alim que nao mais vigore entre nos o nunca as-
sazTeprovado principio do excluiiciimo.
He tal ahabilidade com que S. F.xe. ha dirigido
os negocios pblicos, que se acham restituidas ao
estado normal- quasi todas as comarcas do interior,
onde a desordem comeara a desenvolver-se, sem
que llie tenha sido mislor fazer queimar um s car-
tucho. O proprio termo de Iguarass, com que os
turbulentos contavam tanto, j se acha completa-
mente tranquillo. A torca armada, quo ah secn-
servava, foi debandada um (lestes das.
Mas tvflo he smente isso o que revela o tino ad-
ministrativo do Exm. Sr. doutor Piros da Motta : el-
lo ha sabido conquistar a amizade e a sympalhia dos
membros mais preeminentes dos partidos, em .que
est fraccionada a populacho da provincia, e temos
para nos; que, dentro em pouco, os conduzir a
um accordo, capaz de pdf termo a essa luta pessoa I e
pequenina, em quecstiveram empenhsdos por tanto
lempo.
Aopasso queassim so oceupa de pacificar e con-
ciliar os unimos, S. Exc. se nflo esqueco dos de-
ntis deveres que Ihe esto incumbidos: as obras
publicas, os eslabelecimentos do caridade, a fazen-
da geral e provincial, a polica civil e militar, a Jus-
tina, a guarda nacional, n inslrucqiio primaria se-
cundaria, o culto publico, a agricultura, o commer-
cio, as artes; ludo Ihe ha merecido particular at-
ienen o, de ludo se tom informado; o, no enlanto
que vai providenciando acerca daquillo quo exige
remedio mais prompto, prepara-se a adoptar me-
didas proprias n constituir-nos no estado de pros-
peridede e verdadeiro prqgresso a que temos di-
reitoinauferivel.
Craza a Dos, que o Exm. Sr. doutor Vicente Pi-
res da Motta .permanece na presidencia por tanto
tempo, quanto o necessario para realisar o seu pen-
samento.
Pelo vapor San-SebattiaO, chegado hojo dos por-
tos do norte, recebemos jornaes do Parat 7, do Ma-
janliSo al 13, do Ceara at 17 e da Parahiba at 19
do correte.
No Para nada occorrra extraordinario. O Doutri-
nario diz que a situarlo da provincia he excepcio-
nal e lamentavel. O contemporneo pode ao govor-
iio de S. M. o Imperador compadece-so dos I'ara-
enses, o se apresso em melhorar-lbcs a sorle.
No ultimo de abril havia nos cofres da tlicsoura-
ria provincial o saldo de 11:993#400 rs.
Durante o mez citado, a alfandega emesa do con-
sulado renderam 14:479/592 rs.; a recebedoria de
rendas internas goraes, 1:435/455 rs.; e a de rendas
provinciaes, 6:143/022 rs.
O estado da praca anda era pouco satisfatoro. A-
penas tinham havido algu ns saques sobro o Porto
ap premio de 100 por 0|o sobro metal.
O MaranhSo eslava a bracos com as diflkuldades
qu Ihe auguramos, quando noticiamos que se ia
proceder ahi eleicflo para um senador.
Os leiloresj sabem que essa eleicflo fra causa
para que corresse sangue em urna das ras da capi-
tal. I'nis bem: agora vSo ser informados de que
igual catastrophe se dera em Casias. IJm til Sil
Teira invadirn cidade comcento o tantos bomens :
travra-se hita entre essa gente o os ligaeiroi: o con-
flicto durara poralgumas horas, e, ao terminar, va-
rificra-se quo cstavam mortos tres individuos, e f-
lidos mais de vinte. He para notar qne o destacamen-
to assistio impassivel a essa scena de horror. Os par-
tidarios da liga doscafregavam sobre seus contrarios
aresponsabilidado desso lamenta, vel evento; cates,
porre, rejeitaram-na terminantemente, e devol-
viam-na aos aecusadores. Na falta de nformacOes
imparciaes, nflo seremos nos que nos arrisquemos a
proferir nosso juizo a semelhante respeto.
Como qur que sejs, he corto que oSr. Amaral
tratava de fazer punir os verdadeiros autores do at-
tentado, c tomara medidas tendentes aeritarque
Se elle reproduzisse, taes como a de substituir o
commandanle do destacamento pelo major Serra,
que, no senli fdo Cvrreio Maranhcnte, he incapaz do
fallar o cumpri monto da seus dnveres.
Confirmando as InforinacSes particulares que nos
reportamos n'outra occasiao, o Obicrvador assevera que
o Sr. Paulino Jos Soases de Souia sera o mais votado
dos candidatos cadeira que vagara no senado pelo pas-
samento do Sr. Patricio. Ao fater semelhante assevera-
cao, o collega refere que a liga ha recorrido a- duplca-
las mi todas as parageus, onde tem perdido a eleicio, e
que a ex-opposicao obtivera resultados favoravels epi
Vianna, Moncao, Miarim, Guimaraes, Alcntara, San-
Rento, San-Vicentc-Ferrcr, Santo-Antonio c Almas, IU-
picur-Mirini.Coraat, Alto-Miarlm, San-Benedicto, l're-
Jo, Durilv, San-Hrmardo e Chapadinha.
A 12 do crreme, o cambio sobra Londres fluctuava
entre 26 1/2 a 27 d. por 1/OQ0 rls..
Nessa mesma data, sacara-se sobre esta provincia e
sobre as do Rio-de-Janeiro e Babia, ao premio dela5
por cento.
O Cear anda persista nessa situacao, que tanta vez
hemos lamentado, queremos dizer, anda lutava com os
excessos dos partidos. Entretanto, he de presumir que
sala dessa poslcao perigosa, s6b, a administracao do Sr-
doutor Fausto Augusto d e Agular, que tomara posse da
presidencia a 12 deste mes, e a quem o Pedro II e o Cea-
reme fazem elogios mui honrosos, accrcsceutando o ul-
timo desses peridicos, que elle ha de ser imparcial e
conciliador.
No mesmo dia da ebrgada doSr. Agular, isto he, a II
do correntc, houvera lugar em Maranguape um desses
tactos que justlflcam os nossos recelos pelo futuro dos
Ccarenses, emquanto estiverem sb o dominio da intole-
francia poltica.
Desde milito opprimitlos pelos agentes policiaca
da povoagiTo, os habitantes de Maranguape accor-
daram em dar publico testemunho do prazerque
Ihoscausavaa vi ma do novo presidente, que con-
sideravam como o destinado a por termo aos males
que soffriam ; e, em consequencia reunirin-se
em essa do alferes Remigio, donde flzcram subir ao
ar alguns foguetes, e enlosram vivas ao ministerio
e ao mencionado presidente. Entretanto, as pracas
do destacamento dessa paragem dirigem-so casa,
indagam do motivo da reuniflo, e, apenas cabam
de ser informadas delle, disparam sobro os reunidos
as granadeiras, quo felizmente negaram fogo, ox-
cepeflo de urna. D'ahi um conflicto entre o povo e a
tropa ; d'ahi varios ferimentos / .. Informados dcs-
ta occnrrcncia, certos cidadflospsrtiram para a ca-
pital, alim do leva-la ao conhecimenlo do 'Sr. chefe
de polica. Logo quo soube do acontecido, S. S.
deu-se pressa em marchar para a povoaQffo, acompa-
nliado de um ofllcial c 8 soldados. Merc to Dios,
o magistrado anida chegou a tempo de evitar maiu-
res desgracns.
A Parahiba lenru tranquilla. A actual administra-
cao como que ia agradando a todos.
Deca raides.
COiV!V.aCiO.
Alfandega.
HENDIMF.NTO DO DIA 23 ...... .
9:252,030
Descarregam hoje, 24 de muio.
Brigue JoacHmb farinlia.
Brigue Midas idein.
Brigue Natadt pipas varias.
Brigue Plantin mercadorias.
Galera Cofumon dem.
Barca Norval bacalho.
Tendo o capitSo do porto de engajar, em cum-
primento d'ordeni do Exm, Sr. presidente, afgumas
pracas para o servido dos navios da armada, convi-
da a marinhagem que queira servir dessa forma, ou
aos individuos que quizercm inoumbir-se de agen-
cia-las para esse engajamento, a apresentarem-so
na capitana com toda a brovidade ; sendo o tempo
do engajamento de um a tres annos, como so con-
vencionar; oasgratilcagOes adarem-se na ordem
desses prazos, de 20, 30 e 40# rs a aquellos que fo-
rom marinheiros, e semelhantemenle de 10, 15 e 20/
rs. aos que frem grumetes. Alm destas grstiica-
gOes se dar mais 4,000 rs. aos que se engajarem di-
rectamente, sendo estrangeiros, e 5,000 rs., sendo
nacionaes; percebendo os individuos que os agen-
ciar para o engajamento, 4,000 rs. por cada um,
sendo eslrangeiro, de idade de 18 a 40 annos e 5/
rs., sendo nacionaes. '
Capitana do porto de Pernambuco, 22 d maio
de 1848.
Rodrigo Theooro de Freitai,
Capildo do ptorto.
Perante o concelho administrativo tem de se
arrematar no dia ,25 do correnre, as 10 horas do da,
para fornecimento dos navios armados e enferma-
ra de marjnha, os teneros seguinlcs : azeite doce,
ago'ardente, arroz, assucar branco, bacalho, caf
moido, carne verde, dka secca.dita de vacca salgada,
dita de horco dita, feijfio, farinha, sal, toucinho,
vinagre o medicamentos, sendo tudo da melhor
qualdade; pelo que sdo convidados todos aquellos
que estiverem no caso de forncer os mencionados
gneros para comparecercm no referido dia e hora
na sala de suas sessOes, na inspeceflo do arsenal,
com suas amostras e propostas, cm qne devem de-
clarar o menor prego por que se propOe a forncer
taes gneros, e quem seu fiador, para que o conce-
rno possa deliberar o tempo por que ha de ser feito o
fornecimento.
Sala das sessoes do concelho da admnistracSo,
20 de maio de 1848.
O secretario,.
ChriiionSo Santiago de Oliveira.
O vapor S,-Salvador principia fechar as
malas para os portos do sul, hoje, 24
do corrente, ao meio-dia : e receben!
cartas com o porte dobrado at as duas
horas.
v visos martimos.
Para o Rio-Grande-do-Sul sahir breve o pata-
cho Duut-de-Agosto. Quem no mesmo quizer embar-
car escravos ou ir de passagem, podo tratar com o
capitSo, Joaquim Jos Goncalves, ou com os corres-
pondentes, Amorim IrmSos, na ra da Cadeia, n. 45.
. Rara,o Rio-de-Janeiro segu viagem, em poucos
dias, a escuna nacional Curiosa, por ter a maior par-
lo da carga prompta : para o restante e passageiros,
trata-so com o mestre, Domingos Antonio de Azeve-
do, ou com l.uiz Jos de S Araujo, na ra da Cruz,
n. 26.
Vende-se o hate americano Gil-Rra; milito
liom veleiro, encavllhadoe forrado de cobre lti-
mamente, com capacidade de levar 830 barricas, e
prompto para seguir para qualquer viagem: a tra-
tar em casa dos consignatarios, Henry Fosler & C,
ra do Trapiche, casa n. 8.
Lelad..
Henry Forster & Companhia faro leilflo, por
intervencSo do corretor Oliveira de 138 barricas de
farinha de trigo a variada : hojo, 24 do corrente, as
10 horas da manhla no armazem denominado lla-
mos bairro de S.-Antonio.
KTACA.O*.
IMFOR
Norval, barca ingleza, qpida de Terra-Nova,' en-
trada no corrente mez, consignada a Johnston Patcr
& ('., oiiiiiifcslou o seguinte :
2,282 barricas bacalho, 35 toneladas carvSo do
pedra ; aos consignatarios. .
CONSULADO (,EUL.
RENDIMENT DO DIA 23.
eral.......
Diversas provincias
452,183
52,830
505,013
CONSULADO PROVINCIAL.
BENDIMENTO DO DIA 23. ......... 97,252
JvVpyinento |o Porto.
1 '.....' ~' i' iii. *
Navios entrados no dia 23.
Para* e mais portos do norte ; 13 dias e 12 horas e do ul-
timo porto 13 horas, vapor b'rasileiro San-Salvador, de
240 toneladas, cointnandante o prlmcirb lente Anto-
nio Carlos de Azeredo Cmitinlio, equlpagem 30. Pas-
sageiros: para esta provincia, Doinlatps Jos Flguei-
ra, Antonio Francisco de Oliveira, Orasileiros ; Lin-
son G. Frederlcks, Hamy Hall, Americanos. Ricardo,
Rogers, Ingles ; I recruta para a marinhn e4 escravos
a entregar ; para o sul, 6 coronel Francisco Jos Mar-
ti ns com sua familia c escravos ; Jos Francisco Vi-
eira 4 recrutas e 23 praras de prct.
Liverpool ; 41 dias, brigue ingle Hrdmorc/aaif, de 195
toneladas, capilo Nicols Cunnay, equipagein 11, em
Ustro : a Latham 8t Hibbei i.
New-Zealand ; 71 dias, tendo sabido de Nantucket ha 44
iiiezes, galera americana Omega, de 363, eapito Char-
les r. >lorton, equlpagem 26, carga azeite de peine ;
ao capullo.
A'aeoi taidos no mesmo dia.
Canal ; brigue Ingles Earlof-f.ticerler, capitao Samuel
Bullard, carga assucar.
ttahia ; brigue americano Kale-Pendtqvtt, capitSo Geor-
ge-F.. W. F.vans, carga a mesina que trouse.
Avises diversos.
Precisa-so do 120/rs. a juros peloprazododous
niezes, dio-se penhores de ouro: tiesta typographia.
l,Olf]lilA
Do Hospital Pedro II..
Correm infalivelmenle as rodas desta
lotera no dia 27 do corrente mez, e o res-
to dos bilheles s se vende, at o dia a6,
ao meio-dia, poique desta liora em dian-
te, se restarem alguns, iicarao perten-
cendo a urna sociedade.
Circo de New-York-
Hoje, 2* de maio, ter lugar o benellcio de S. Wel-
ser, palhaQo da companhia ; o qual confia na gene-
rosidadedo Ilustrado publico desta cidade e espera
delle apoio e proleajflo.
D-se 1:000,000 de rs. a premio, sobre penho-
res de ouro ou prata, hypolheca em casas-terreas ou
boas firmas: na ra do Rosario estreita, n. 30, se-
gundo andar, se dir quem d.
Agencia de oassaportcs.
Na ra do Collegio, n. 10, o no Aierro-da-Bo-
Vista, n. 48, conttnuam-se a tirar passaportes tan-
to para dentro, como para fra do imperio; assm
cmo despacham se escravos: tudo com brevidade
Atten?ao !
Na loja da ra do Qurimado, n. 30, de Jos Joa-
uim de Novaos, contina a haver um sorlimento
e obras feitas ; chapeos de todas as qualidades ;
Jilos para meninos e meninas;.ricos chales de seda;
maulas de seda ; lencos de todas as qualidades ; e
outros mutosobjeetos quo ha para vender.
-OSr. J. P. da Cutiba tenha a bondade de man-
dar pagar a quantia de 133,000 rs. de urna sua let-
tra que se venceu em Janeiro do anno prximo pas-
sadb, sondo 100,000 rs. do principal e 33,000 rs. de
juros; ficando corto, quo, se o 11S0 flzerde boje a 10
dias, se fara publico o seu nomo por iutoiro. Na ra
doCaldcr'eiro, n.86
Precisa-se alugar duas pretas para vendercm.
pSo-de-l: na ra da Cadeia do Recife, n.8.
Existo urna carta do Sr. Joaquini Ignacio Cle-
mente oVXlmeida Sariaho na ra Nova, n. 33.
Alugam-seol." e o 3."andares do sobrado da
roa d Prala, n. 43 : para ver, as chaves est no
segundo epara tratar, com o negocianto, o Sr.
Thomaz do Aquino Fonseca, na seu escriplorio di
rus doVigario.
Joaquim Jos da llama retira-so para fra di
provincia, levando e."n sua companhia sua mba Sa-
bina Candida Mara da Cama.
Alu'ga-se um moleque com 16 annos de idade,
que cozinha o diario de umacasa : na ra do Ito-
zario da Boa-Vista, casan. 16.
Dflo-se 200,000 rs. a premio a dous por cento
ao mez com penhores de ouro ou prata, e anda em
menor quantia, ou por (Irmas a contento: na loja do
sobrado n. 31, da ra estreita do Rozario, s dir
quem d.
J.L. Percira Jnior vai fazer urna viagem Eu-
ropa
Manol do. Amparo'Caj avisa ao respeitavol
corpo de commerco o aos sous freguezes, que.acei-
tou para seu caxeiro de cobranga a Antonio Jos da
Silva Brasil, e que este est autorisad a receber
qualquer conla de sua easa.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra
da Senzalla-Vclha, 11,70, com bons commodos : a
tratar no primeiro andar do mesmo sobrado.
OsSrs. assignantcs do Iris pdem ir buscar o
n. 6, no escriptorio de Novaes & ompauhia e na
loja de livros de Cardozo Ayres.
--Francisco Pereira da Silva, subdito purtuguez,
rclra-se para porlugal a iratar de sua sade.
Aluga-se tima escrava quo sabe bem cozinhar,
fazer doces, coser c engommar,.e inflo sahlndo a
ra : quem a precisar dirija-se a ra de S.-Jos, n.
49 : prefere-se casa eslrangeira : lambem se aluga
para ama secca de alguma crianca por estar acos-
tumada a lidar com meninas.
PROTESTO.
Eu, abaixo assignado, protesto contra o injusto
proced ment do Sr. M. A Guerra, em rcter, contra
id i tilia vontado o dinheiro qne me pertence ( tai-
vez encousequencia do umannuncio infundado que
appsreceu nos Diarios deputubro prximo passado,
em nomedo D. A. F. do R. Miranda ); igualmente
protesto pela melhor forma e va de direlto. cobrar
do mesmo Sr. G., nflo s o principal 936,383 rs ,
como os seus juros, conforme apraxe commercial,
at 1 presente data, e de hoje em vanle at final om-
boleo, o premio de dous por cento ao mez, porque
alto e claramente declaro que nflo quero e nem pos-
so concernir que o Sr. G. a seu arbitrio tenha sido e
contine a ser meu thesoureiro. Recife, 16 de
maio de 1848. A. M. de M. da Mesquita Pimentel.
Na ra Nova, loja n. 58, se dir que d 500 a
600,000 rs. a juros com h y potheca em casa terrea.
Francisco Jos da Cunta Vianna va,i a Portugal
tratar de sua sade.
Na ra Nova, loja de alfaiate de Manol do A.
Caj, ha um completo sortimento de toda e qual-
quer obra fcila em urna hora, em que lie um ho-
mem prompto, efaz-se qualquer obra com presteza,
etc. etc.
A Voz do Brasil n. 80 est a venda nos lugares
docostume. Esle numero dve agradar a muito
gonte.
O Sr. que mora na ruado Caldeireiro, n. 86, e
que annunciou por este Diaria (do hontem ]', dever-
se-llio urna letlra, cnfundindo-se o nome desse
devedor, com o do abaixo declado roga-se ao
mesmo Sr. que tenha a bondade de declarar so esle
aiinnncio se entendo com Jos Pereira da' Cufiba. .
* Declaro que nflo se entende com o Sr. Jos Pe-
reira da Cunna. M. L. Maeiel.
- Amaro Francisco dos Santos retira-se p'sra o
Rio-Crande-do-Sul.
Sobre a casa do becco dos Ferreiros, p 3, per-
tencehte a Jos Verjssimo do Azevedo la negocio a
tratar : se alguem tver qualquer obstculo a que
se conclua haja, de declarar por este Diario, no p'ra-
zo de 3 dias sb pena de nao ter depois a reclamar.
Deixou de vollar para a casa, no dia 30 do cor-
rente umS escrava que sahio para a ra com urna
por^fio de esleirs a vender, cuja escrava nunca fu-
gio chama-se. Barbara bastante preta ; tem um
signal bem saliente que he ter buco de barba o
cabellos nos peitos : quem della tiver noticia 011
apprebcnde-la leve-a a ra do Rangel, n. 46 segun-
do sudar, que ser bem recompensado. "...
Pelo juizo de orphflosse hilo de '0^malar, por
venda a ouem mais dor, qiiiitta-feirY, 25 do cor-
rente vanos trastes e dous escravos velhos ; assim
como na mesma iirrasifio, se h'flo de arrematar de
renda os predios seguintes : um sobradode um an-
dar no becco da Camba-do-Carmo; urna casa ter-
rea quo serve de armazem ao dito becco ; outra
dita terrea' na Casa-Forte : quem pretander arren-
ida-las, deve comparecer com seus fiadores: cujas
benssfo pertencenles aocasal do (Inado Bento Anto-
nio Domingos e v3o_ a praga a requerimenlo do
tutor dos orphfles, Jacinlho Silvestro Vicente.
~ Deseja-se fallar ao procurador do morgado do
engenho Tapacuri : a pessoa que disto tiver encar-
regado annuocie por esta folha o nome e moradia-
afm de se Ihe fallar a bem do interesse 'do seu com,
tituinte.
.Precisa-se alugar urna escrava para o servico de
urna casa de pequea familia, com tanto que seja
fiel : a tratar no Aterro-da Boa-Vista loja de fu-
nileiro, ao p da matriz. Na mesma casa tainbem
se precisa do 11111 prcto voltio para tratar de um ra-
vallo, u conduzi-lo diariamente da Boa-Vista ao
Manguind.
O secretario da irmandade de S. Bom Jesu das
Dores, cm S.-Concalo na Boa-Vista, faz scinlea
lodosos irinSos que no da 38 do correte, pelas
10 horas da manhSa so proceilerflo os votos do ne-
vos eleitores quo h3o de entrar na administraeflo de
48 e finalisar em 1849 : e para quecheg.ue ao coiihe-
cimento de todos taco'o presente annuncio.
Filieiano Primo de Souza,
Secretario da mesma.
-- Anna Franeisca CuimarSes avisa aos crodores do
seu casal, que ella est pro.cedendo a inventario
dos heos que ficarain por fallecimehlo de seu mari-
do. Sabino Itibeiro Guimartes, pelo cartorio 'lo
escriv3o Fransco Joaquim Percira de Carvalho:
e por isso tratom de justificar suas dividas.
--(-) Sr. Luiz Pereira Vianna,.
do engenho Moreno, queira Insudar pocurar urna
carta na livraria da esquina do Collegio.
Precisa-se de um menino porluguez, do lo
14 anuos, dos chegados prximamente : no Aterro-
da-Boa-Vista, 84. *
Aluga-se um moleque para o servieo de cas ,
o qual cozinha o diario de urna casa: quera o pre-
tender, dirija-se a.prac.ada Independencia, loj
n. 3. ^
-Napraga da Independemci, livraria ns. 6 e /
xisle nina carta para o Sr. Jos Antonio Branilflo
Cuimarfies.


t<---------;
-
- A peswa que tam para alugar urna casa torrea
na cldado deslinda atra do Amparo, annuncie
para so procuraremos chaves. .
Quem annunciou.pelo Otario ae Pemambuco de
e'xta-feira, 19 do corrente, ti 113, precisar de urna
nearinha de 13 a 13 annos, de bons coslmes-e lari-
, lhosa para cianeas, para andar com urna menina
desmamada : procure na Praga-da-Roa-Vista a casa
n. 32, segundo amlarrquo achara com quem tratar.
Precisa-se de um caixeiro que tenha
ortica de venda, ao qual nao ge duvida
t|ar bom ordenado,: annuncie, para ser
procurado.
.. Na ra Nova ;a. 58, aluga-so um pretq velh J
or prego commodo quo nao bebo e he fiel,
.. Arren4n-6 um sitio na entrada da estrada do,
liomedio com boa casa de vivenda bastantes ar-
voredos baixa para oapim, com muita plantagao
dehervilha, fajjflo e milho,"e eorri qm bom viveiro:
a tratar na ra do Codorniz, venda n. 1.
Quem precisar de um caixeiro portuguoz, de
idade de 30 annos, para venda, ou mosrao para lo-
mar conla porbalauco, o qual tem bastante pratica,
ed fiador a sua conducta,: dirija-se a tu Diroita,
venda, n. 23, ouannuncio.
precisa-se de um pequeo de 10 a 14 annos pa-
ra caixeiro de venda, preferindo-se destes chegados
ltimamente : ria ra Oireita, venda u 23.
precisa-se de. um caixeiro que escreva bem; e
ehtewla de-escripia, para fazer sua residencia om
Macelo: quem estiver neslas clrcumslancias e Ihe
cuiivenha dirija-se a rus do Amorim n. 44, ler-
ceiro anadar para se tratar do ajusto.
Alugam-se ou vendem-se 2 bons escravos ,
optrmoB cunoeiros, de bonitas figuras: a tratar nal
na do Yigarto, ri. 7,' on na ra do Amorim n. 7.
Manoel da Cunha GuimarfiesForrcira tem con-
cedido bastantes poderes a seu caixeiro Joaquim
Jos l'efeira da Motta, para continuar a receber o"
quo se Ihe deve.como at agora.ocomo tambem para
pajear qualquer debita quo'p annunciante tenha con-
nhido.
Alugam-se os primoiro e segundo andares da
casa n. 5, da rus do Vigario : a tratar na mesma
rui, n. 7.
FlllICAO'E FERRO.
Na fabrica de M.' Callun & Companliia enge-
nheiros machinistas e fundidores do ferro, na ra
do Brum, noRecife, continua haver um grande sor-
timentode taixsparaengenhos e moendasde cari-
na, de lodosos tamanhos o dos modolos os mais
modernos approvados. Na mesma fabrica conti-
nuam-se a construir de encommenda machinas de
vapor, rodas d'agoa, rodas dentadas e todos os mais
objectosde machinismo, com.a porfeicfloj conhe-
cida, por preg- cominodo.
M.e (iallum & Cornpanhia desejam chamar a alien:
Si o dos Srs. propietarios de engenhos as machinas
o vapor Construidas na sua fabrica visto screm el-
las de um modelo muito forte e seguro e todas as
pegas perfeitaniente adaptadas urnas as outras, por
ineio de.tornos automticos, machinas de aplainar
ferro;e outros apparelhos modernos: alm disto, as
machinas de sua construcgo teem as vanlagens so-
guintes: possuem urna cisterna do ferro, onde a agoa
destinad para a caldeira se deposita por mciode urna
bomba movida pela machina, o onde se acha aquen-
tada pet vapor superluo antes de ser por meio da
segunda bomba de l ihtroduzida na caldeira, allm
de nflo esfriar ,a agoa uclla existente, pola indroduc-
cS d'agoa fra [como he de costume em machinas
inferiores]e assiin produzir .grande economa de
combustivel.
Alm 'da supradta economa de combustivel na
produceflo de vapor, estas machinaspossuem urna
modificagao nova das vlvulas por onde o vapor en-
tra e sa[ie do cvlindro, pela qual a mesma quanti-
dade de vapor preduz maior eueilo do que as ma-
chinas de construcgo anliga augmentando assim
de urna maneira, nlo pequea, a economa do com
liustivel necessario para manter a machina om mo-
vimenlo.
As ditas machinas possuem tambom um appare-
llin pelojjual a quantidade d'agoa iutroduzida na
caldeirv* aaha regulada automticamente com a
maior certeza pela machina mesma, evitando des-
la nineira o grande perigo que existe as machi-
nas, onde por causa da mesq*uiuha economa dos
fabricantes o fornecimento d'agoa para a caldeira
ha de ser regulado por mo He negro.
Etes esclarecimentos silo, resfieilosamente offere-
cdos aos Srs. proprictarios de engenhos, que anda
perseveram em o methodo fraco, dispendioso e
insalsfactorio de moer com animaes, aQni de sa-
tisfaze-los que, no emprego destas machinas, nflo
existe b menor motivo para receio nem de explo-
sio, nem dequebra ,-nem de demasiado consumo
de cmbuslivel,' e M. Cllutn & Cornpanhia nflo
teem pequea satisfagioem assegurar-lhes que pe-
la pericia dos seus administradores e officiaes, pela
perfeigilo dosseus instrumentse apparelhos, e pe-
la abundancia o boa qualidade das suas materias
primas, So acham habilitados para construirem ma-
chinas de vapor de todos os tamaitos" e para iodos
os lins ; assim como toda especio de machinismo ,
corri'uma perfeigilo nlo inferior as, obras das melho-
menle importadas daquello paiz.
AVISO IMPOBTANT1SSUIO..
O auaixo assignado, agente do Dr. Brantrelh, faz
sciente ao respeilavel publico, que pelo hiate ame-
ricano GMtais,'vindo de Boston, entrado ueste por-
to no corrente mez do maio, ha rocebido novo pro-
vimenlo de pilulas vegotaes do Dr. Erandreth. Es-
quim Vieira de Barros' nenhuma ingerencia tem
mais em dito eatabelecmrito, desde o din 11 do
corrente.
MUDATVCA
DA
FUNDICAO
D'A vfion/i.
Este antigo estabelecimento acaba de ser mudado
paraos muito ospagosos edificios construidos de
proposito n cidade nova de S.-Amaro aonde exis-
tein Indas asproporgOes para a facturado qualquer
machinismo com a maior presteza e perfeigilo : e
pnra commodidade dos freguezes sera conservado
na anliga casa, junto a igreja dos Inglezes, um es-
criptno onde se reCeberflo todas as encommendas
e ordens a respeilo tendn toda hora urna barca de
ferro eoiprogada exclusivamente no transporte das
obras do escriptorio i fundigflo.
Compras.
r.ompra-se vara e quarta at vara e meia le
Irancelim do boa grossura, sendo de ouro de lei,
semfeitio: quem-tivrannuncie.
Compra-se um mothodopara violio, de Caru-
li, preferindo-se da sexta edigflo : na ra estreita do
Rozario n. 4.3
Compram-se, parafra.da provincia escravos
de ambos os sexos, com todos os defeitos, menos
molestias com tanto que tenqam boas figuras: na
ra estreita do Rozario, n. 10, terceiro andar.
-Compra-se um sellim uglez em bom estado, e
um avallo de sella novo : na ra larga do Rozario,
no segundo andar da casa n. 30.
Compram-se escravos de 6 a 16 annos, com
habilidades ou sem ellas quem tiver annuncie
Compra-se a obra de Gilbras : na Boa-Vista,
pateo da S.-Cruz, nadara n. 6, ou annuncie por es-
ta folba.
Compra-se urna cavallo rugo-claro, rodado ou
pombo, novo, sadio bom figurado e bom andador
baixo: quem tiver annuncie.
Compra-se um palanqun) novo, ou em bom
uso : na ra da Cadoia, n. 40, ou annuncie.
Vendas.
plicar-so al as criangas recem-nascidas: ultima-
mente s teem applicado Urna infinidade de moles-
tiasjulgffdas incuraveis, de Cuja applicagilo se teem
tiradotSo felizes resultados, resolvido o problema de um remedio universal: por
isso abaixo assignado dcixa de Ihe fazer a apologa
.devida, por ser un medicamento ha muilos annos
conliecido, nflos nesta provincia como em todo o
imperio, nflo havendo mais a esperar do seu bom
resultado. Vende-se na ra da Cadeia-Velha, boti-
ca-do agenten. 61.
Vicente Jos de Unto.
Antonio joaquim Vidal participa nos- freguezes
re mu venda da ra do Amorim, n. 36, outr'ora do
fallecido Antonio Vaz de Ollveira, que elle continua
a ler caf rnoido de-superior qualidade, o um cem-
/ pelo sortinenlo de gneros, que est vendendo por
.iodicos pregos : por isso convida a todos os fre-
Perro. ;
- Na ra NoVa, lpja.de ferragens, n. 25, de Teixeira
& Andrade, ha um completo sorlimonlo de ferro in-
glez, que se vende por prego commodo.
Vendem-se saccas de alqueire com arroz bran-
co, que nflo lera dfferenga de vapor, por prego
commodo : no becco da Lenha, venda n. 12, ou na
rus de Sarita-Tereza, venda n. 60.
Vende-se urna cadeira de arruar em ptimo
estado ; macacos para estivar algodao; c encerados,
por prego muilo commodo : na ra do Amorim ,
n.5.
Vende-se um pret de 20 annos por 250,000
rs. : paruada Praia-de-S.-Rta n. .25 primeiro
andar, se dir quem vende.
Vcnde-se por 10,000 rs. cada urna das obras
de Bergier, diccionario de Ideologa, e de Fritot,
sciencia do publicista : na praca da Independencia ,
livraria ns. fie 8.
Vede-so urna escrava de 14 a 16 annos, com
principios do eligommar e eozinhar, nflo tem vicios
nem achaques i na ra da Cadeia do Itecfo, n. 22 ,
segundo andar.
Vende-se, por precisflo, urna escrava boa qui-
landeira o quo he ptima .para todo o servigo de
urna casa : un ra Velha, u. 26.
Vende-se urna jangada nova prompta a traba-
Ihar em viagpm do ludo muito grossa e bem feita ,
por prego commodo : na ra do'llangol, venda n. 50
Superior carnauba
eseb do Bi'enos-Ayres em porgflo ou a retalho : na
ra do l.ivrainento, loja de calgado.ri. 27.
Lotera do Rio-de-Jane.ro.
Acaba de chegar pelo vapor Imptratris um com-
pleto sortimento de quartos, oitavos e vigsimos da
lotera da sociedde Amanto da instrucgflo, da pro-
vincia do Rio-de-Janeiro : as pessoas que quizerem
comprar dirjam-se a ra do Queimado, n. 16, loja
de Jos Dias Siroea & C. Adverte-se que o primei-
ro vapor que chegar trar a lista da extraegao.
Lotera do Aio-de-Jane'iro.
Vendem-so meios buhles da primeira lotera a
beneficio da imperial soejedado Amante da instruc-
gflo: na.ruada Cadeia, loja de cambio, n. 38, do
Manoel Gomes.
-Vende-se, para fra da provincia ou para al-
gum engenho, um esoravo de nag3o Angola, official
de ferreirb : na ra Nova, n. 16.
Vendem-so diversos terrenos, tanto com ali-
corees como sem elles, as ras : Augusta e Aterro-
dos-Afogados, em muito bons locaes, e porcommo-
dos pregos : a tratar na ra da Cadeia de Santo-
Anlonio, n. 14, primeiro andar.
Vendem-se cinco canoas, a saber: duas aber-
tas, que pegara om mais de 1,200 lijlos de alvena-
ria ; urna dita que pega em 500 ditos ; urna
Italaios de verguinha.
Vendem-se balaios de- todos os tamanhos ; muas
garrafas de agoa-ferrea chegada ltimamente de
Lisboa; surcas com feijflo'; ditas com farinha ; di-
tas com rniiho ; ditas com arroz pilado : na ra da
Cndea do Itecifc, n. 8.
Vende-se um pardo de 20 annos, de muito bo-
nita figura, e que he ptimo para pagem na ra
da Penha.,confronto atorro do l.ivramento n. 1,
primeiro andar.
Batatas,
vendem-se no caes da Alfandega armszem de 1".
Dias Forreira.,No mesmo annazem ha castanhas pi-
jadas a 2,560 rs. a arroba e sem barrica a 2,000
ris.
'Vende-se um preto de nagflo, muito bom mari-
ntieiro ,' o que faz todo o serviga de embarcagflo,
menos largar o ferrar, por ser j um tanto pesado
para esto fim por commodo prego: no principio da
ra Imperial, u. 63, ou annuncio.
Vendem-sequeijos do sertflo da melhor qua-
lidade : na ra da Conceigflo da Boa-Vista, n. 20.
Vende-se um bonita mucama de 17 annos; 2
mulalinhas com excedentes habilidades, para f-
ra da provincia ; um moleque pega de 19 annos ; e
outro escravos: na ra de Agoas-Verdes, n. 46.
Conlinuam-se a vender bichas., ltimamente
chegadas do Hnmburgo muito grandes a 800 rs.
cada urna: tambem sealugam^ por prego commo-
do : na ra daCollegio, loja de miudezas, n. 9.
Casimiras elsticas
Anas.

Vendem-se superiores e excedentes cortes de casi-
miras de superior qualidade o lindos gostos, pelo
diminuto prego de 5, 6 e 7f rs. o corto de calcas, sen-
do seus padroes tanto de gusto para o invern, como
ara o verti; a elles antes que se acabem : na ra
po Collegio, loja da estrella, n. 1.
Na ruado Amorim, n. 4t, tercoiroandar, ven-
dem-se, por prego rasoavei, duas camas de amarcll,
urna nova e a outra com pouco uso.
Na ra da Aurora, n. 62, vendem-so garrafas do
milagrosoxarope do bosque, para curar de tsica
em todos os seus dilTerenles graos qur motivada
porconstipagOes, tosso, asma, pleuris, escarros de
sanguo, dr de costado e poito palpitagflo no cora-,
gflo coquiluche, bronchite, dr na garganta e to-
das as molestias dos orgflos pulmonares. Na mesma
casa tambem se vendem hogias do Ro-de-Janeiro,
de 4 om libra, cora muito superior: bem como do-
ces de todas as qualidades, Unto seceos como de
calda; apromptam-sc podins e bolinhos superiores
para ch.elods as mais qualidades de bolos e espe-
cies ; ricos pratos de semedo, e aletria de ovo : tam-
bem se vendem em arrobas e as libras de ricas cas-
tanhas confeitdas.
Vende-se um escravo crioulo, mogo, sapatei-
ro eque tem boa conducta : na ra da Aurora,, a
fallar com coronel J. J. L. de Souza
Vendem-se tenas e lijlos do todos os tama-
itos e qualidades ; cal branca e preta; barro e areia;
mSoS travessas ; enchameis; caibros e ripas por
prego commodo no fim do Boceo-Largo, no Recite,
on,de foi tanque d'agoa : assim como se manda con-
duzir.
Ricos tapetes
para ornar salas, mesas, candieiro, 1"n.lern's'i""
ligaesecampainhas, redondos, quadrados ""
guiares bordados e de oleado, com litog
de Ifla de todas as cores; luvas deitorcal. propnas
para a Quaresraa, ao ultimo gosto de Pars, preas o
brancas cont dedos e sem elles, a 1,600 rs. o par,.
alpaca do linho, a 640e800 rs. o covado : na ra ao
Queimado, n. 27, novo armaxem de lazenda, ue
Raymundo Carlos Leite. #
Cliegaram as verdadei-
ras pilulas vegetaes do Dr.
Brandreth. viudas no brigue
Putuam,i\ Philadelphi, as
quacs se vcinlcm na botica
de Bartholomeu Francisco de
Souza, na ra larga do Rosa-
rio, n. 36.
Vande-seuma mulalinha do 13 annos, que faz
renda, cose o cozinlia ; he de bonita figura tadia r
e propria para dar a urna menina : na ra larga ao
Rozario, loja n. 35.
J8.ENEZES.
Praga daindependen-
cia,
n. 17,
loja de cirgtieiro
. Vendem-se uniormes militares pa-
ra todas as patentes, tanlo de legio
como de cavallaria e infanlaria ; galao
de ouro ; chapeos para pageos. Na
mesma loja se firz qualquer obra per-
tencente a mesma arte : ludo pelo me-
nor prego possivel.
Vende-se-se urna parda, bstanlo robusta e forte,
que cozinha, lava, engomma e com outras haoili-
dades : o motivo da vonda se dir ao comprador:
a fallar com o majorMayer. .
ptimas tesouras de Lisboa,
para alfaiate,
vendem se na ra da Cadeia do Recife,
n. S&.
- Vende-se urna linda escrava de 24 annos, com
habilidades, eque he ptima quitandelra : ua rue-
estreita do Rozario, n. 31, primeiro andar.
Cortes de calca a
.Nl\DOMVilAWj? ,,.:.
DEGRORTASN0^
Nesta loja vendem-se chitas de cores fixas ,
a 140 rs-. o covado ; luvas de pellica, para no-
mem e senhora a 400 e 640 rs.
muitas fazendas por barato prego.
dita
rande, propria^ pBr conducgflo de familia ; urna
dita de carrera, de um s pao ; duas taboasde ama-
relio de grossura drj costado reforgado com 40 o
tantos palmos de comprimento; duas ditas de 30 di-
tos proprias para falcas de canoas ; duas bombas de
sicpra-merim com seus competentes apparellios,
.urna com 20 palmos de comprimento o a outra
com 10 o caldeira do cobre : na ra Augusta, n. 60,
a fallar com Joaquim Marta de Camino.
._ Vcndem-so, para fra da provincia 3 escra-
vas. sendo.: urna crioula de 26 annos, oogomina-
deira costureira, o que cozinha e lava de sabflo ;
n outras para a torra; um elegante arrayo do na-
Z perito caaoeroo pedreiro ; um lindo, molt-
,nr<, para aprender ofiicio; na
",u""-"' i'^v P"' iw wimu. .... 'wl.infiiono' nroprio para aprenai
guezes a concorrerem a Comprar na frma do co^- que uc ^ ?"""''' & waaii0 ndar.
turne, assim como avisa ao publico que o Sr.Joa- ra da Criues, n. 5, segonuo auuar.
e outras
_Vende-se, na loja da ra do Crespo, n. 11, dic-
cionario Magnum Lexicn -edigflo da Pars ; diccio-
nFio classico, historico-geographico o mcthologi-
co por Francisco de Paula Jacou; OragOes do Cice-
ro em portuguez ; diccionario da fbula; Cousin,
philosophia ; Tratado da relgiSo ; Obras de Virgi-
lio ; Oracio ; Algebra de Lacroix ; Geometra le Lu-
didos ; Trignometra por lacroix; Algebra de iie-
zout; Historia natural de Bufn, completa; e ou
trosmuilos livrosde aulas tudo por prego cornmo-
do : tambem se trocara por outras quaesquer obras
sendo boas o estando em bom estado.
Vendem-se saccas de milho muito superior, i
2.560 rs. : na ra do Queimado, n. 44.
-Na ra Nova, loja u. 58, se diz quem vende 2
bonitos cavados rugos, para carro, mu proprios e
gordos; 2 ditos para sella, e2quartaos para carga :
ludo por prego commodo, por -
nheiro.
se precisar de di
Sapatdes de tres solas l# rs
- No Atcrro-da-Boa-Vista, loja n,
78, vendem-se estes sapatos pelo admi-
ravel preco de if rs. O par; sao lio bons
e baratos^ que quem os vir nao deixar
de comprar.
Vendem-se vniros para espelhos de todos os ta-
manhos : no aimazem do Kalkinann & Rosenmuml.
na ra da Cruz? n. 10.
Vendem-so panos inglezes da fabrica do Co-
lard : no armazem de Kalkmann & Rosenmund,
na ra da Cruz, n. 10. .
Vende-se rap de Lisboa e Mearon
as libras, meia librase quartas e o mer
lhor cha da India que neste mercado tem
apparecido: a pracioha do tivramenlo,
loja de Marcolino Jos de Moraes*_<.-,
"'-Ivendem-se edeiras de balanco muito boas e
commodas: no armazem Je Kalkmann & Rosen-
mund, na ra da Cruz, n. 10
__Vende-se vinho de Champagne, marca cometa:
no armazem de Kalkmann & Rosnmund, na ra da
Cruz, u. 10.
1# rs.
a 640 rs.
- Vendem-se casimiras elsticas de algodao e lfla;
pelo barato' prego de 640 rs. o covado: na loja nova
da estrella, n. 1, da ra do Collegio.
Na nova loja de livros no pa-
teo do Collegio, n. 6, de Joao
da Costa ourado vende-se
um diccionario inglez, grande, com um pequeo
uso. por prego commodo,
- Vende-se um cavallo rodado, bom carrogador
de baixo a meio, e um sellim inglez com cabegada :
tudo com pouco uso: na rna do Queimado loja do
ferragens, n. 10. ...
_ Vendem-se aeces do theatro de
Apollo, por metade de seu valor e com
aa quaes se pode entrar de socio : na ra
do Crespo, no.
- Vendem-se dous lindos moloques de 16 a 18
annos;douspretosde25 a 30 alios, para todo o
S duus pardos de le a 24 annos sendo uro
de le bom caPrreiro; dous mulatnhos de 9 11 11
annos; urna mulatiulia de 14 annos; urna negr..
nha do 10annos, com principios de habilidades;
duas protas de 20 a 25 annos tendo >""*-
hildades;um casal de escravos mogos, propio
para o servigo de campo; urna preta de idade, por,
150,000 rs. : na ruado Collegio, n. 3, se dir quem
vende
Vende-se um terreno coma tren-
tes e tendn 6o palmos de largura e mais
de 25o de fundo prompto para se edi-
ficar e tndo j 160 palmos de alicer-
ees : az-se todo o negocio ou da-se por
metade de seu valor : na ra do Cres-
po, o. 9, se daro as informacSes.
I
Vendem-se cortes de calca para hornera, da fazenda
denominada inesclo -de 3 i c 4 covados a If e
1/200 rs. o corte: esta fazenda he muito barata e de
muito boa qualidade, he escura e serve para a esta-
cilo presente, assim como tambem serve para jaque-
tas e palitos :na ra do Collegio, loja nova da estrel-
, n. 1 ,
Vendem-se sapates de couro de
lustro superiores, pelo baratissimo pre-
co de 9,56ors. : na rna do Cabug, loja
je miudezas, n. 4, de Manoel Joaquiux
Dias.
Vende-se um mulatinho de 13 annos, multo
lindo; urna mulalinha do 14 annos, ptima para
mucama ; um escravo pedreiro ; um dito sapateiro;
dous ditos de 22 annos de todo o servjgo ; oito -
cravas rao$as, sendo algumas de nagflo : na ra
Direita, n. 3.
Casimiras elsticas *
A A
/
MUTILADO


01.
Vendem-se diversos esclavos, che-
gados prximamente do Gear sendo
prelos, tirelas, pardos e pardas : todos
macos c do boas figuras, entre os quaes
ma preta com urna cria de mez e meio ,
coin milito boni leite ; um mulatinho de
8 anuos pouco inais ou menos, proprio
para andar com enancas em casa : na
ra do Crespo, loj. n. a A, se' dir quem
vende.
Vendem-se quatro mulatinhos de
idades do 8, 10, la e i4 a irnos ; dous
lindos mulatos de idade de aa annos, op
timos pagens ; urna negra de idade de
ao annos, que cose, engomma e cozinha;
urna dita de muito bonita figura,, com al-
gumas habilidades ; uiha pn.t d meia
idade, muito forte e sadia ptima lava-
deira, tanto de sabio como de varrella
um negro mogo, bom para trabalhar em
atgum sitio, por 35o,ooors., e mais ol-
guris escravos, que se mostrarSo aos com-
pradores : na xua das Larangeiras, n.
i4, segundo andar.
Vendem-se presuntos, baldes e tinas pro|>ri
par lavar roupa; vassoura para varrer salas e ta-
Seies : ludo ultima ment chegado dos Estados-Uni-
os : na ra da Cruz, n. 7, armazem do Davis & C.
Bolachiiiha regala, a libra. .
A exeellonte bolaehinha regala d'agoa o doce,
sse vende nos tres bairrosdesta cidado e as se-,
guintcs casas : Boa-Vista praga da S.-Cruz pada-
j ia de urna port, onde hn fabricada ; S.-Antonio ,
esquina da na do Collegio, venda do Jos Gomes do
Sobral Nascimento ; Recife, travessa da Madre-de-
Deos n. 13, deposito da mesma padnria. A boa qua-
l i dado e bom gosto qu-as mesmaa bolachiuhas
tcem encontrado os consumidores, leom levado a
sua exlracclo a ponto subido o que lem animado
o fabricantn a continuar a l-la sempre prompta e
das melbores qualidades que fazeip a sua eomposi-
cHo, e far todo o possivel de nSo desmerecer a fa-
ma que adequerio em tSo limitado tempo.
A 00 Rs O COVADO.
No novo armazem de fazendas
de Itaymuntio Carlos Leite,
na ra do Queimado, n. *27,
acha-seo mellior algodilo trancado azul, proprio
para roupa de escravos a 200 rs. o covado o em
pegas a 260 rs. a jarda o qual se torna recommen-
dampelo muito corpo n.fo ler gomma ser muito
largo e de cor fixa ; ptima cinta preta forte a
5,800 rs. a pega ; engranados pannos de mesa, de
algodilo encarnados # protos e grandes, a 3,200 rs.;
ptimos brins trancados do linlio, a 1,000 rs. a vara;
Jengos de cassa decores, grandes, para senliora a
480 rs.; ditos de seda para meninos, a 640 rs. ; ex-
eellonte alpaca de liuho ; chitas linas do ultimo gos-
to ; c todo (i soilidenlo de fazendas finas e grossas.
para vender por atacadoe a retalho o mais barato
possivel.
Na ra do Queimado, n. 30, lia pannos de boni-
tas coros,'proprios para-palitos csobrecasacas, as-
sim como chapeo de castor, pelo barat proco, de
5/000 rs.
. Na casa de modas francezas de madama Millo-
cliou, na ra do Atierro da Boa-Vista n. 1, primeiro
andar, lia para vender um grande soitimento de
chapeos de seda para senlioras, da ultima moda o de
todas as cores, os quaes so vndenlo por muito ba-
rato prego: na mesma casa fazem-so sempre chapos,
toueas e vestidos de senliora. com toda a prompli-
dfio c ao gosto quo desejaroni.
Va loja nova de livros, n. 6,
do ateo d Collegio, de Jflo da Costa Dourado, sem-
pre tfchar-se-ha apotmutas, prncuracoes e Ictlrasj
selladas, e a quatquer hora, at 8 da noile.
Vende-se urna porgSo de madeira de amarello,
vropria para rfueti liypr obras a fazor por ser assoa-
lho, costado e costaditio ; assim como 30 taboas de
louro, ludo de boa .qualidde: na ruada l'raia ,
n. 35.
-- Vendem-se baTrquinhas de pregos americanos
n. 4, com 100 Irbras Cada um barril, hrvrltias em
pequeas barriquinjias, com urna arroba e meia ; na
ra do Trapiche, casa n. 8.
Casimiras lisas, a $,400 rs.
cada covado, as melbores qoe tem vindo a est prca,
nTo s petas delrcadaB'coteB, como por ser porfeita
fazenda ; ditas do lislras, viudas ltimamente de
Frna os inellioresgostos o melhor fazenda que
na a 9,500 rs. o corlo; meias casimiras a 3,800 rs.
O1 corte : panno prelo o nial fino a 3,000 ra ; ditos
de cores, uer,4,000 at 5,000 rs.; dito preto a 6,000,
8,500,'7,900 t 11,000 rs. que nada desmo a dese-
jar ; e todo o sorli monto do fazendas finase grossas
que se vetidcm a retalho e pof atacado: na ra do
Queimado n. 27 no novo armazem de Muy inundo
Carlos Ir i le.
__ Na loja da ra do Queimado n. 5., vendefm-se
pegsido algcKoaaiericanocbm toque de avatia, a
/280 e 2/000 rs.
Vende-se charutos de llavana, de1 diversas qua-
lidades, ultimWment chegados: na ra da Cruz,
aHmazcm de Kalkmann A Rosenmnmf.
secretaria; papel de Hollanda para requer montos ;
tinta para marcar roupa; caivetes finissimos, do dif-
erentes pregos ; tinteiros do differontes quali-
dades, tanto no uraco como no variado gosto ; la-
cre muito fino, de dilTerentes cores,; papel de msi-
ca, e outros muitos objectos.
-Vendem-se presuntos de Weslplealia, superio-
res no armazem de Kalkmann & Rosenmtiud, na
ra da Cruz, n. 10.
Vendem-se vasos para jardim, de lindos mol-
des o pinturas chegados recen temen te da cidade do
Porto : no etcriptorio de Firmino Jos Flix da Ro-
sa na ra do Trapiche, n. 44.
pannos finos.
No Passeio-Publico, loja n. 19,
de lia noel Joaqun) Paseoai
llamos,
acaba dechegar de novamente um rico sorlimento
de pannos tinos prelos de todas as qualidades, pe-
lo barato prego de 2,800 3,200, 3,600, 3,800, 4,000 e
4,500 rs muito superior; sarja preta muito superior,
a 2,000 o 2,400 rs. ; setim preto a 800 rs. ; urna
porgflo de lanzinha e pelle do diabo a 200 rs. o co-
vado ; um riquissimo sorlimento de cassa-chila a
2,000, 2,400 o 3,000 rs ; pegas do cassa do liseras o
quadros, a 2,400 rs. ; pegas de tarlatana branca com
9 varas a 2,400 rs.
Vende-se um cavallo alazflo,) novo, gordo e be-
nito com muito bons andares : na ra do Quei-
mado, n 61.
colleccoes de vistas de Per-
ita mime,
sendo as da ponteda Boa-Vista,ponte do Recife, Hom-
Jesus, Olinda, Pogo-da-Panclla o Cachang, feitas ao
beneficio da sociedade da Reneficencia allemflaej
suissa : no armazem de Kalkmann & Rosenmund ,
nn hotel Pistar, as lojas dosSrsLuiz Antonio Si-
qiiira da Snra. viuva Cardozo Ayres & Fi I los na
ra da Cadeia do Recite; as lojas dos Sis. Santos
Nevcs-& Guimarfies na ra do Crespo ; do Sr. Jos
de Alenqucr SimOes do Ama ral, na ra Nova ; e do
Sr. J. Chantan no Aterro-da-ltaa-Visla.
- Vendem-se acedes da
c|a e temperadas em agoa que conten os mosmos
principios que se oncontram na muita afamada de
Cuimarffes o para provara sua superior qualidde,
bastar saber-se que sSo preferidas,.por quem urna
vezas experimentan, a quantas veem de Inglaterra,
Frange e outros paizes onde a arte do culeleria est
mquestionavelmenle em grande adiantamento
teom mais a supraditas navalhas a importante
circumstancia de conservarem por muito tempo a
adaguo, de cortaren) com rapidez o cabello da bar-
ba ,e finalmente do nao oiTenderem nem levanta-
rem a pelle, e para prora do sua boa qualidde,
nSse.duv/da dar para os ,compradores as experi-
mentarem. Vendem-se ncimente na ra do Cres-
po, loja n. 8, de Mayas Primos.
Agoa de Ungir cabello.
Continale a vender agoa de Ungir cabello e suis-
sas: na ra do Queimado, n. 31. O methododeap-
plicar a dita agoa acompanha os vidros.
Palitos de fogo.
Ra do Queimado, n. 16
Vende-se a melhor fqiialidade destes palitos ,
emporgffoca retalho, chogados recentemente de
Vienna.da. bem condecida fabrica de A. Bcjer de
cujosse aliangama superior qualidde.
Vctide-se um negro de nagflo, de meia idade, de
bonita figura, bomcanoeiro, e que trabalha bom de
enxada, por ter bastante pratica de sitio, por prego
commodo: no becco Tapado, junto ao pateo da ma-
triz de.S.-Antn o, casa terrea n. 13.
I.oja de Magalliaes# Irmo
na ra do Queimado,
n. 46.
JN'aloja de livros do pateo doCol-
legiO, n. 6, ,
vendem-se livros'emhranco, paulados, esemestraes
aeces da ex
tincta cornpaniiade Pernambuco
e Pa rali iba: no escriptorio de O-
liveira {rmos & C, ra da Cruz,
n. 9.
Vcnde-se um silio na estrada de S.-Amaro para
Belm passandoa ponto, o primeiro do lado di-
reito com muitos arvoredos de fruclo, pasto para 8
vaccas do leite 3 viveiros, baixa para capim, ter-
reno para plantar tamben) se vende outro mais
pequeo na mesma estrada : a "tratar np mesmo si-
lfo cima ou na ra Direita, n. 4.
JBfe V endem-se chapeos de superior
xW^castor, brancose protos, por preco
inu'to barato : na ra do Crespo, n. ii,
lojv de Jos Joaquim da Silva Maya.
VEM>tV-SK
estojoscom duas -navalhas in-
glezas, para barba,
fabricadas pelo melhor autor, chegadas prxima-
mente de Inglaterra., a 2,000 rs. cada estojo. Estas
navalhas sao garantidas porque, nflo s se trcam
as que porventura nao saiam boas, como tambem se
reslitueo.seu importe, quando o compraitbr por
acaso so lf agrade do nenbuma deltas, depoisdo
as experimentar, isloestando som. ferrugem e bem
tratadas : tambem existe anda para vender urna
pequea porg.lo das da China : na ra larga do Ro-
zaris, Inja de miu'lezasdo f.ody, n 35.
-- Vcndem-sc chitas limpas, muito cncorpadas o
muito fortes., a 120 o 160 rs. a retalho, o as pegas ,
a 4,800 e 5,500 rs.: na ra estreita do Rozara, n.
10, tereciro andar.
Vendem-se queijos londrinos; presuntas para
fiambre ; potes com sal refinado; latas com bolachi-
uhas de araruta ; ditas com marmelada com duas
e 4 libras ; massas rias ; conservas inglezas ; fras-
cos com doces de differenles qualidades ; latas com
sardinhas; ditas com hervilhas ; sag ; cevadinhn ;
passas superiores; bolaehinha do soda: ludo por
prego mais barata do que em outra qualqucr parte '
na ra da Cruz, no Recife, n. 46.
, i lo i a ova de livros-do paleo
do Collegio de Jo'o da
Costa Dourado,
vendem-se ricos o dilTerentes quadros de sanios e
santas, com moldura dourada, e por prego murta
commodo.
Vendem-se ceblas muito grandes, ceir el-
las algumas brancas, por'prego muito commodo :
lia na da l'raia, armazem n. 37.
Na loia da ru do Queimado, n. 5, vende-se pan-
no prlo lino, a 3,000 e 5,000 rs. o covado.
Vende-se, ou permuta-so por casas, ou por
escravos, um sitio de coqueiros, na' praia do Gua-
gii barra do Goianna leudo de 400 a 50O ps do
coqueiros do fruclo, e muitosdelles anda novo: a
tratar na ra dos Quarlis, n. 14, primeiro ,andar.
Vcndem-ao charutos de regala, chegados pr-
ximamente, para fechar' cotilas por prego commo-
do : na ra do Trapiche, n. 34.
Vendem-se esleirs para forrar salas por pre-
go commodo : lia ra do Trapiche, n. 31.
SSSF.
Nesta loja vendem-se cortes de cassas de cores, a
3,000 rs.; ditos de cambraia branca Usa, a 3,200 e
4,000 rs ; lengos de setim de cores, para grvala, a
3,200 rs.; ^moios ditos, a "1,600 rs ; cambraias abor-
tas, a 4,200 6 4,500 rs, o corte; ditas brancas'abor-
tas, a 4,600 rs ; muito superior panno para toalhas
de mesa, de 4 palmos e meio do largura, a 640 rs. a
vara ; lengos brancos de cambraia com beira aberla,
a 300 rs.; chita de coberta, a 206 rs. o covado : dita
para vestido, de cor (xa, a 160 rs.; Jengos bordados,
a 320 rs.; cortea de vestido de lilazinha, a 3,200 rs;
camisas de meia. muito superiores,a 1,400rs.; chales
de seda, a 10,000 rs.; mantas de dita, a 8,500 rs ;
chales de 13a e seda, a 4,500 rs.; selim prelo. a 2,200
rs.; bicos de varias qualidades; e almdisto, um
completo sortmento d fazendas, propras para esta
gapra e provincia.
FA RE LO NOVO,
a 4^500 rs.
Saccas grandes de 3 arrobas com farelos: no arma-
zem de J. J. Tasso Jnior, na ra do Amorim, n. 35.
Na nova taja da ra da Cadeia do Recife, n. 32,
de Claudho Salvador Pereira Braga, vendem-so
chita escuras, a 4,500 e 5,000 rs. a peca, o a reta-
lho. a 120 e 140 rs ; o covado ; cortes de mea-
casmirashamburguezas,a 3,50rs.; ditos de ca-
simiras escuras, de quadros, a 5,000 rs.; brim tran-
cado de linho e de coros a 800 rs.; cambraias fi-
nas e de cores, a 560 e 480 rs.; panno de inno fino,
de 12 palmos de largura a 3,000 rs.; algodSo lar-
go adamascado a 720 rs,; vestidos brancos de bar-
ra a 5,000 rs. o corto; lencos de seda de cores,
para hornero o senliora, a 1,000 rs. ; cobertores de
pepa a 1,800 rs. ; alpaca lisa do cores e do algod-lo,
a 200 rs. o covado; cassas prrlas a 320 rs. ; lanzi-
nhas de cores, a 400 rs. ; zuarte de vara' de largu-
riacados encorpados para caigas, a
ra a 200 rs.
240 rs.
Vende-se um preto de bonita figura, muito
bom sapateiro, e que cozinha o diario de urna casa -
dnus molequea de elegantes figuras; um preto bem
ioliusto ijiio entend! de resl.ilag.1o f um pardo de
20 anuos ptimo para pagem ; duas pretas de boas
figuras o com habilidades ; urna linda negrinha de
12 annos, com bons principios de costura : no pateo
da matriz do S.-Antonio, sobrado n. 4.
Bolaehinha de araruta,
recentementechegada do Rio-do-Janeiro, na barca
Commtrcio-do-Rto era latas de 6 libras pelo m-
dico prego de 2,000 rs. cada lata
dega, armazem n. f.
no caos da .Alfan-
Vende-se superior farinha de Trieste,
pat*ta, de'Hffcrenles tamaitas; livros proprios cacs ja A lfandega.no armazem do Ba-
ara caixeiros de descarga, por virern ja preparados o .
para este fim.-kalendarios proprios de escriptorios, cellar, Ol na na (lo \ igano, n. Q.
Xovas pechinchas.
Na riia rfd Livramento, n. ,i4 ven~
dem'-se chitas de cores futas, a 5,6oo rs.
a peca e a too rs. o covado, ditas de
coberta, a 5,4oo rs. a pee.? ; ruteados no-
vo9 e de bons padres ; chitas rtluito.fi
as ede todas as qualidades a 200 rs!
o covado : castas de quadros e listras a
a,f)oors, a peca ; cambraias muito linas;
e (nitros multas fazendas baratas qne se
escusam de annunciar.
Lotera do Rio-de-Jancir.>.
.Aos40:Oti0,?0<,Oders.
Vendem-se bilhtles e metas ditos do lotera a be-
necio d;r amante instrucgflo chegados ueste vapor :
na ra da Cadeia, n. "
Vicira & Filhos.
gem sem dafeito nem vicios; um moleque pega t
nagflo, do la'annos; 3 escravos para todo o servico
urna bonita moleca de 16 annos ; 3 esoravas, sendo
urna Helias para o servico de. ra, por 320,000 ra.
"Vendem-se as casas terreas na. 27, 29 e 31, iH,s
na ra Real prximo ao Manginho, com quintje
murados, terrenos fra dos quintaes, com porto d^
embarque e desembarque : lambom se vendem j.
guns chitos ou terrenos prximos aa mesmas casis
com bom comprimonto porto de embarque e jes!
embarque, ecom boas proporgOes para se edificar
a tratar com o sen dono, Manool Pereira Teixeiji '
ou na ra Nova, loja de Teixeira & Andrads.
-- Vende-so um escravo bom carrelro, de 20a 22
annos, de bonita figura ; urna negrinha de ti a 12
annos de linda figura, com algumas habilidades
nojpatoo de S.-Pedro, casa terrea, n. 7, se dir quem
vende.
Vende-se, por prego cammodo um ornamento
para missa, d damasco branco com sebastos en-
carnados, em muito bom uso : na ra da Cadeia do
Recife, taja do Jos Gomes Leal.
- i'endem-se lengos de cambraia de linho ,> rica-
mente bordados e com bico arroda por prego, mili-
to commodo : n ra Nova, n. 30, loja de Domin-
gos Antonio de Oliveira.
Vendem-so lengos de garga, de lindas cores, a
1,600 rs. cada um: na ra Nova, n. 30, loja de Do-
mingos Antonio de Oliveira.
Vendemrse manas de seda de bonitos gostos o
por preco commodo ; chales de seda'; creps de to-
das as cores ; luvas de seda de cores e pretas para
homeni c senliora ; ditas do pellica, lisas- eborda-
das para senliora ; ditas do pellica com ponto in-
gle/. para liotnem ; ramos de flores para chapeo de
senliora ; chapeos de massa franceza muito supe-
rior fazenda; ditos de seda para ca liega do senltora;
ditos de sol para liomem esenliora ; fitas de setim'
lavradas, largase estreitas tapetes paro, sala; cor-
les de cambraia de lislras para vestidos ; sapa tos do '
selim branco; ditos de couro de. lustro para se-
nliora o meninas : borzguins paira *senhora ; por-
fumarias de lodas as qualidades ; e outras' militas
fazendas : ludo por prego muito raso.avel: na-ra
Nova, loja n. 30, de Domingos Antonio de Oliveira.
Vende-se urna parda robusta sadia do servi-
50 ds campo : na Casa pegada a cadeia, n. 21, segun-
do andar.
, Vende-se um piano do muita boas vozes, com
pouco uso, e por prego muito commodo : na ra 4o,
Queimado, n. 17, segundo andar.
Vende-se urna armag.lo desfeita ordinaria,
propria para venda, contando balcSo e partilheras,
ealguns caixilhos de amarello e com vidros: ni
venda da esquina da ra do Rangel, de Jos Rodri-
gues C.oclho & Companliia, se dir quem vende.
Escravos Fgidos.
No
20, loja de'cambio da viuva
os piscados.
Un di fie re ules pregs; lapis muito finos c do mais or-
dinario; brelas; dita gomma-graxa ; tintas encar-
nada, azul e preta : aflanga-so'as qualiJades, e a
garrafa nenta Iw'a 400 rs.j papel uto p?so do Pcrlin,
muito barato, a 3,700 rs. a resma; peonas, o quar-
teirao,a2OO,S40e280rs., muito superiores, para
Finissimas liavalhas de barba,
fabricadas em Lisboa.
Estas navalhas ao feitas do mais fino ac da Sue-
Narua do Livranrento, n. 14, vendem-ss riscados
do novdapadrOes, a imitagSodo velludo por pre-
go barato. As amostras sSo flaneas, com penhores.
JNovas chitas.
Na rita do l.ivramonto, n. 14, vendem-se chitas de
a asento preta com flores encarnadas muito finas e
dricos padrOesrChcgucm, queso estilo acabando.
Na na diis Ag-oas-Verdes,
n. 40,
vende-se um oseravo d 30annos, perito ofllcial de
pedreiroemeitfefde assca ; ui. patdo bomp'a-
Contina a estar fgido, desde 9 de abril, o es-
cravo Alberto, que se intitula por ttanoet, de nagilo
Cabund, Iiaixo, secco, com pouca ou nenhuma'bar-
ba, rosta descarnado e com algumas marcas de bexi-
gas,falla mal portuguez;levou caigas de brim-anga-
do escuro, camisa de madapolilo, comease de ho-
ifioileouro nospnnhos, colleta de seda roxo'bor-
dado ainda novo: quem o pegar leve-o a ra do
Rozarlo da Boa-Vista, n. 48.
Kligio, nodia 8 do correte, o crioulo Jos, de
34 anos pouco mais ou monos cheio do copo, al-
tura regular pescogo curto cara larga testa de.i-
coberta olhos muito grandes que quando olha para
as pessoas parece majuco ou embriagado ; levou
camisa do madapolilo caigas de riscado j,dcsbota-
das. Esta escravo fni comprados JoSo Al ves deArau-
jo do lernionlePaja-de-Flores. Quem o pegar le-
ve-o a ra do Livaameuto loja n. 2, de Joaquim
Jos Perreira da Gama, que ser generosamente re-
compensado.
Fugiram, no dia 30 do moz passado, do ongenho
Martapagipe, da freguezia do Cabo e passaram
pelo engenlio Agoas-Claras do Uruc o fram
anarrados, ja com 60 legoas do caminho, para a
villa do Pon bal os escravos Flix O Liberato, es-
te podc-sc trazer o aquello tornou a fugir e lem
os signaes seguimos de nomo Flix, cabra ; repre-
senta 30 annos ; be gordo, de altura regular cara
redonda ar sempro alegro., denles limados, sem
barba com um peqtieno laho no nariz ; pscogo e
pernas grossns. Esta escravo tai do 8r. Jos.Alves,
morador na villa do Pombal, para onde parti, a
fo 1 comprado nesta ^raga ao Sr. Jos da Fonseca*
Silva. Quem o pegar leve-o ao dito engenho, ou
nesta praga ao Burgos Ponce de l.eiio quo ser rt- .
compensado.
Fugo, de bordo da barca Commercio-iu-Bi,
no dia 16 do correte, o escravo marinheiro de
nomeDamiSo, preto bem retinta ainda mogo, de
nagflo Mina muilo riscado no rosto, com um dedo
da mfio direita doenle falla pouco e-mal so exprs-
ai porm sempre com o semblante risonho ; Ipvou
caigas e camisa de riscado azul, chapeo de palhi
americana. Este escravo pertence ao Sr. Manoel Jos
de Araujo Costa, do Rlo-de-Jatieiro : quemo pegar
love-o a ra de Cadeia do Itecife, n. 45, qUo receba-
r generosa gratificagilo.
--Fugo, na noile do dia 21 para 22 do corronte, o
escravo Antonio, de nag.To Mina do 25 a 30 atino
pouco mais ou menos ainda novo pouco ou nada
sabe fallar; lem um poucrt tarto o quetxo para ola-
do esquerilo, denles alvos, estatura regular secco
do corpo, pouca barba, levou caigas de algodSo
azul e camisa de dita riscado : quem o pegar levo-o
ao largo da Alfandega, loja de ferragens, ao p do
atao da Conceicita, quesera recompensado.
Ainda contina a-estar rugido o preto Jos,
de nagilo de 40 anuos pouco mais Ou menos, de
estatura regular, rosto comprido e descarnado ,
olhos grandes o encarhigados ; lem olieigo inferior
grande, sem denles aparlo superior; lem no ros-
to umsignal de talho.ao p" do olhodireilo, bem
como um outro no meio do memoro', proveniente
de un cancaro, o outro na veilha, de ujn bonito ;
porque, quando o referido escravo fugio j seacna-
va quasi bom. Este escravo fgi comprado nesta pra-,
gaa Joaquim Lopes Raymundo. do Biltiar, queveio
ontre outros muitos da villa do Crato districlo do
i-eara, o qual o liouve de Ildefonso Moreira da Silva ,
morador em dito lugar, ou em Gariry ; e como o di-
to escravo dissera que pr la havia lomar',, roga-se
as autoridades policiaes.capitaes.de camp e pessoia
particulares; que o apprehendatn o leveoi-rio a ra
estrena doltaxario, n. 13, que serll recomponiados.
ta y
PttM. : NA fVP. M M. f. DBrAai. 1848
'*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAM3B05VF_POVAOB INGEST_TIME 2013-04-13T02:27:42Z PACKAGE AA00011611_05494
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES