Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05493


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Armo de 1848.
O 0/V/ffOOlrtMa.^atodo o* diM nlo
,m da guarua t*preo d. inmter* he de
f6im
T
4|ft0f- r>. por. Jrtl, r**' ndiimttiUs* O -
nrracios dM aa**ntaai ifiserjilo i resto de
I jo r. por lioha, '40 r. em typo disecante, a
H rpet- pl metae. U qu nno frem mvg-
i ,9 I nonWt Pwo Pr ,inna' e ,B" l?P
diflereo, por di pobllaeio.
fflABSWf fcBi KO MC$ DE MAIO.
I.t* no. *>? oree e.S4 mis. d an'i.
C, asente IMMM mo. d. mapli.
I.iiacheiaa J8. Me ? min. daaiinh.
MutjoaiiUa S. t e J7 min. da ianb.
'
Terca-foira 515
PARTIDA OOS eORRElOfl.
C*>>aa, Paraliticas sajrtutdaseseitasfeira*
Ri.i; rnd*-dn- Mono (juiota eir% aomeiodia
Cali, Serintiiem, BioFonnoso, Poito-Culvo'
Macelo, no I.*, 11 e l'l de cada'mez.
Garaiilmiu e Bonito, a 8 e II.
Boa-VI*'. e Flores, a II e>.
VirAori, squintM-leira.
OHnda, lodos o* dial.
PHEAMAil DE BUJE.
Pritaclra, t 9 horas e 18 minuto da manir.
Segunda, a 0 horas e 4! minuto di tarda.
uV Ufaio
Anno XXV.
r. *ic

MAB DA "SEMANA.
21 Segunda. S. Mita de Cania. Aud. do J. dos
orph.dbJ.doc. da z.v. e do M/da 2,-v.
22 Terra. S.Bajillo. Aul. do J. docvfl. e do
J. He pnz do i dist. de t.
24 Quarta. S. Afra. Aud. do J. dociv. e do J.
de pi do 2 dist. de t.
2& Quinte, S. Gregorio. Aud. do" ). dos orpli.
e do I, m. da I. Tin.
26 Serta. S. Kilippe Nery. Aud. do ). do eiv.
e do J. de pa do l dist. de I.
27 !ado. S. Humillo Aud.do J. dociv.e do
J. de paz do I dist. del.
28 Ueating*. S. Germano.
CAMBIOS NO DA ? DE MAIO.
Solire Londret a t d. por II r. a S"S das. Nom .
P.ris 145 a JS""r. pa Trance. Wom.
Lisboa 10 por 100 deprenaio.
bese, de leltras de boas Tirinas a i V. ***
OttreO'icui'espanholas.... 2fM0 a I9f0i>
Moedasda<|0" rclh. 18(1200 a ItptaW
a de6|,40vnov.. ID|000 a lOlfO
de 4/POO..... dfOOO a Sil 0,0
Prnla Pataco........... I/B4 0 a l#50
Pelos columuares... I|f5t a I#I7
Ditos mexicano.... ifSOO a IfttO
Miada............. M!0 a #*>
Acede da comp.do Bebribede60jOOO r. ao par
1.'..' '
DIARIO DE

EXTERIOR.
1 '. ii. '".................""
AS bFJPBBAS m IWVOUIQAft HMrtCBZA..
U*+. U.m*rtoK 19**.
No. di 2 occupava-9e.toda.a populaco de Pari* im
exhumaefio e trasladacfo para o Pant|ieflt.4od mst
los dogr. Armand Cajjx<|. ps hompnatjens rendi-
das aos mortos, nunca fallaremos em lngnagem tfio
grosseira cpmo a fie/ qne a* .serrn. n Sosar luios
minUtrot e8u*MagjjtiUde, (inundo ridicul,tri.sou a
exbumMSo decente reenlerro dos restosdef.uiz
XVI o le Mara' Antolnella, qualcando-o da f nica do
do otaos; mas ser-nos-ha permittido perg^ntac
qu motivos plausivejs hoive para o solorrinRcare-
monifll. do da 9. O&r Carrol orn joroalista, ho-
mem habN prcerU), ampiel' e honrado.. F.xcopto,
porm, como jornalista ncnlnima influencia tintia, a
mesjno como jornalista potiriai era a q,ue possoia
S"us illas fortn cortados prpmaturmente, mas nflo
ic ps,vci CGoCiCr St Gv"u M^r^yrir su* .nr-
(c, pnig que morreu em mu duello, a que dou causa
urna disputa professionale no poltica, as mfo de
miro jornal isla, oSr. EmilioCirardin. Esto duello
tove lugar em meados de julho.de 1836. p o Sr. Car-
rol morreu-no dia 24 do mesmo mez da ferida que re-
cebra. NSo se faz pequeo elogio aos 17 anuos de
roinido de Luiz l'liilippofdizendo-se que un homem
que.morre em tacs circumstancias he o nico mar-
tj r politico, que se pode apontar.
Por dillicil, porm, que seja adiar motivos plausi-
veis gara o ceremonial do dia 2, he summamente
fcil explica-lo se attendernios aos principios da pn-
litica popular franceza. OsFrancezea, diz Voltaire,
silo, comparados com o rosto do genero humano,
como errancaa, turbulentos, se bem que amaveis, a
quem ho preciso ministrar divortimentos para n.lo
fzer alguma asneira.s Ora, os espectculos como ea-
ses ilo da 2, sSo justamente os brinquedOa que inais
os divertem.
Se liouve erro na poltica de Luiz l'hilippe, foi o de
n'io allender a esta peculiaridad da nagfio que go-
vernava. Utn reide Franca, para ser popular, ou ha
do andar seinpre om guerra, ou divertir o povo com
festas pomposas. I.uiz Philippe, talvez jior lar resi-
dido muito tetnpo na Suissa, Estados-Unidos e In-
glaterra, linha um gosto demasiado austero para o
povo que f^ra chamado a governar em 1830; onten-
deulujudiciosamerite que oase povo tinlia parte da
sua sobriedado e bomsenso, esquecido de que um
povo inconstante e leviano nfio se torna grave m
tuna geraeflo, embora solTra grandes desgranas, e
que aquello que Ihes da pito sem fu uceos pomposos
nanea ne circuuibui) n3o cumpre seno metade da
rondiclo com que se governa semelhante poyo. Na-
imleilo, que conoeca lem a nacito franceza, mar-
chou dfferentemcnto, pois que mesmo nos curios
inlervalos, que Ibc den de paz, tiotixe-a oonstan-
lemente oceupada com festas e commemoraedes e
toda a casta de diatracco.- Os bons ffitos desta po-
ltica no reinado de Napolefo induziram provavel-
mente ogoverno provisorio a imita-lo, o tifio he pe-
quea, pof cero, a tarefa que elle tem do cbnstn-var
a nacflo tranquilla. As revoluCOes, como todos os
majnceseos, pde.n ser agradavois na occasio,
mas as suas. coiisequencas sao quasi sempro o op-
posto de agradaveis. Os que vivem alegremente di-
zem que tomar urna bebedeira he a cousa melhor
que ha no mundo, mas quo a digestlo da embria-
guez lie cous insupporlavl. E mesmo, dopois de
pastada a noilo febril, traz a manhSa, segundo a ox-
presadodeftabelais, o momento mas triste da vida
liumana o momento do pagar a conia, e o gver-
no provisorio, como logo mostrronlos, tem urna
conta grande a ajtistar. Agora, porm, examinare-
mos as consecuencias immodiataa da rcvolucflo-
Nes rovolucOe os actores principaes para nos
servimos das palavras de lord llolingbroke, rulo
dvcrgem tanto, como querem fazercreT, a respeito
das medidas como'a respeito dos frns. Emquanto o
governo estabelecido nilose ada em grande aper-
to, nem prximo o dia do triumpho parece ter
um s llm, a reforma do governo. A doplsicflo do
soberano he. para os revolucionarios urna necessida-
dc preliminar, porm essencial e indisponsavel dea-
JEis-ahios vergonhosos triumphos da revolucSo
de 1818. Nfio dove,pois,causar sorpreza que nlngucm
.lrecf*mea'honi'a do commando.
Comtddo, posto tenham vergonhn de apresentar-
e qii teem justos direitos petle, nfio faltan re-
clamantes Jerilsalm renasco mais hrilhanto e
mis bella .' diz o Naticmal; comecou o saque
dos empregos, e ostenta-so immenso, offegante,
ardenla,iuiaciavel, pciordoqueom 1830! Can-
didato aos tfmpregos ha d haver militas, mas ar-
ninjar mpregos para tantos candidatos tari tarefa
diftlcil, para o governo provisorio. IVem mesmo a
deiuiasilodo lodosos ompregados satisfar os inn-
meros pedidos e como ha urna duzia de Iprtenden-
t : Poaeo, lim, Senlioi porque o homem infeliz
nao lem medode dizer o que Ihe acontece. Indo eu pela
ra daCrutacimn,cncontrei unstrcsniarinlieiios que an-
davnin iinpKcando com todo, e Uupllcaram lambem
conmigo, a ponto que (im dellcs me deu urna bofetada ;
e pegual-me ceuuelle; dcnaU, como vi qile se eslava
ajiintando urna multldao ao redor de mtm, e vi uns sol-
dados de guarda nacional que .vlnham para onde eu es
ta.ta, deltei a fngir, correram atrs de mlm, e me agar-
ran, derui-inc mulla pancada e me rasgarain urna cai-
fa branca toda, e esta Jaqueta. (O reo mottra ajaqtttla ttue
Irajav, qunl etava, totuffrita.ciriidatmatgun luqau.)
/mi':: Si be que houre um ferimento?
f : Ditem que ful cu qu* feri.
AteMas o Si-., quando levou a bofetada, correu?
Rio : Senhor, eupeguel-me com elle edepoisquevi
tosa cada emurego ter o governo de Tazer onzo muita gente be que corr
inimigos Implca'vcis porcada alilhado queservr. ,. i Juit: -Ouvio; porm, dlxer que tinha havldq um fe-
Vtamdopois'a conta qq ha a. pagar. 0 governo rmenlo? Ir.i ,. .s.
prvisorto prometi franco e meio por dia a cada fleo:-S.m.Sr., ouvi. logo que fu. nres ; Porn, eu
um dos seu ou, milHo* de guardas 'nacion.es, pois &-** f^S^^fiSSt
que, segundo rscala de alislamento que se propOe, "j|Urain di/.endo qne eu nao he quem Mnha fWto o fe-
nfio descera de dous milliOes o numero dos guardas rjme|lln e ,|Ue tlnha sido utn a\f to; poim depois me
uiiciiiiiHcs. Montar conscquctctriento o sold a tres premier.iin out'ra vez.
milhOes de francos ["1,080 contoslpor dia, o qne Jii Estbcm, sente-e. (Oniool>de.)
nao deixar de formar nma verba muito soffrivel no Kindas as allegaaes pro e contra o reo, .
ercamafttudo ministro da fazenda s6 no qtie diz O Sr. Ju* l'midnu faz o relatoro dai causa aos Sr.
respeito. gu.rda nacional. Tomos dopois a promes- ^^-ttffi^73 Set?.
InZfZZlT*^^^^ Sof" S-*~C01"rcsposlaaos -*
tantes.ou do sustentar custa do tnesouro publico o Sr. jui Prcidtnie, tejido em vista a decliao do jury
lodos os Operarios que nfio achrom trabalho. lie e conformando-se com ella, coudentna o reo no grao
urna contri bu iofio em favor dos pobres-em escala mximo do artigu 194 do. cdigo criminal, alo lie, -sete
realmente gigaslesca.e quo costar muit mais do annos de prisao simples e ascustas. .
quo os ** milbe do libras esterlinas por anno ( M5 f-evariu-se a essao sd e mcia horas da tarde.
mil eolitos) para a guarda nacional!" _____________
Eslai prouiossas absurdas o {extravagantes sbrio B
sagunanient violadas; maso povo que tantas es- SESSAU EM 20 DE MAIO DE 18*8.
pertncas nellas deposita, acquiescer pacificainento Vretidtncin di Sr. Dr. SHva Nfet.
a essa violacfio ? Parece-nos que os Franczcs nlo '
silo os liomens mais pacintese soffredores do ge- A II horas e tres quartos da manlia a, faz-e a cha-.
;r^^nne'rft,e.p,orcc;lo,,ues,Tia atssx^st ss? evcrifica'sc "taren,prc,co,os 38 to-j,,Mtete;q^^ilM:d%,s5^
la pacienciseabstencfio pera sonrer semelhante lo- rac'- cipe
gro. O apathico voluptuoso podo diz9r: comamos, OSr. J*' PreiitUnlt declara aberla a sessao. ib. instituico
bebamos e brinquemos, porque amabfia ser o dia Airceoam-eoros e a lesteinunhas. I
da noasa morte ; mas as nacrtes. por levisnasque Jui >raidinU dU qne val proceder aosortelo do
sejam nfio podem raciocinar assim, porque os ho- ,..celho ue un de julgar u reo Flix, escravo, accu-
mens morrem, mas as nacOes sfio irtmortaes, e o dia sado al. homicidio.
dp ajustes de contasa que os homens so esquivam, Feitooiorteio, os juizes sorteado preitaui ojura-
ou julgaril esquivar-se na escuridito ds sepultura, meuto que a lei exige
declarou na casa dos communs, que, tendo-se dado ao
trabalho de contadas, acbra que nao passavant de
l,i*749t, e reconliecra a commissiio que em multas t
multas paginas eram todas de una mesma lettra, e que
muilos dos noines que alli se liaiu, taes como o da rai-
nba, o do duque de Wellington e o de sir B. Peel, eram
evidenles i'alsii'.caccs.
< arlas de Vienna (Austria) annunciam que o impera-
dor resolver i econliecer a independencia da Lombar-
dla, e que no dia 5 partir para Milito o conde Hartig,
encarregado de propor a condijes de pacilicacao. No
estado de exaltaciio e enthusiasmo em que se acha a Ita-
lia, a questao lombardo-renetiana so era sutceptlvel de
duas suluctffs : ou toda a Lombardia seria convertida
em mu inont.-To de ruinas, ou (icaria iudependenle. A.
nosso ver o imperador tomou o partido niais prudente.
Os Polacos da Galicia flieram urna representafio ao
imperador, e declararam neliaque desrjavam ricar uni-
dos com a Austria, porm com as seguiutes condic^es :
i.' A remofaodns offlciactaustraco,.e sua substitui-
cao por naluraes do palz.
2.a A orgauisaco de uina guarda nacional.
3." A organisacao de um exercito polaco, conquisto de
naturaes do paiz, o daquelle eslrangeiros que se teem
sacrificado cauaa delie,
4.* O uso daliugoa poloneza em todas as caclas, tri-
bu unes e negocios publicode qualquer genero.
5.a A prompta convocacao de urna dieta, culo princi-
pal c inuegavel carcter seja a represcutacao de todo o
povo, sem aistinecao de elasses, nem de proiissoe reli-
g:osas.
6.a A llbcrdade de imprensa e a discusso illlmitada
dos negocios pblicos.
7.a Uina amnistia ye ral para todos os presos poltico,
assim civis, como militaros, com areatituicao de todas
as propriedades e lugares a que tinliam direito antes de
suas pristes, e a revogaco de todos os decretos de con-
fiscacao.
8.* A publicidade dos processo judlciaes e o julga-
mento por jurados.
9.a A igualdadc de todas as ordena, do povo peante
lei, a ilnli. ;io de todas aa desigualdades de impusieses
queopprimein os ldeos e todas as nutras pessoas de
differentes crenjas, a livre adtnissao de todos bs eida-
cedo ou tarde alcanca as nacOes a luz do dia o em
cima da trra. O dia do ajuste chega, mais hnjo mais
amanlif, para embaracar os governantes com o
maior dos problemas o problema finauceiro. Como
rcsolvei o governo provisorio esse probJcma ? Co-
mo far foco a todos osseus emponhos e oos eijjflo-
ulios que horda do governo transacto incluiudo o
emprestimo do Sr. Itothscliild pola quanlia de dez
miHioes de que Ihe damos os parabeus ? O governo
provisorio nflo pode faltar hoje oque fez um gover-
no revolucionario ha 55 annos, isto he, vender ot
0 Sr. Jui: Prndenle faz ao reo o seguinte
i 1NTEHI0GATOI10.
Jui'j: Como se chama?
US:-Flix
Jui:; Sabe a rasSo por que foi preto?
de adinluistrace parochiaes sobre
urna base tal que ataegure o livre deienvolvimeplo do
poder popular.
II. A abolicao do syslema de policia de espionagein
com toda as prisoes e perseguifCM arbitradas, e o esta-
lle leei ment do Uabeai-corpu*
laV A isencao de. trabalho Toreados de qualquer ge-
nero para todos os camponezes, e a concessao da plena
posse das trras que actualmente possuem.
A todas estas exigencias, aocreicentaram elle nutra
que he a principal. O ettabelecimentn de nina junta
provisoria de Polacos para o tui de determinar a manei-
ra por que a desojadas iniidanca deviam ser cffeitua-
das. Elle declararam que um tal oorpo poderla re-
Ro : Sei: por dizerem que linha dado uina panca- primir-aagitacoque lavrara por todo paiz, e prevenir
das em mu homem.
Jii: Como se'obamava esse homem?
/ufo : Antonio de Souia Lima.
Jiii'i: r. niio Ihe disterain os motivos daprisao?
Reo : lsseram-ine que linha dado unas pancadas
qualquer violencia que por sem duvida seria mui des-
tructiva em suas consequertcias.
Os ducados de Holslein e Schleswig pertencenles a
uioii.'irehia diiiamarqueza acabam de rebellar-se. O (lu-
3uc de Augustcnburg. neto de l lirisliano Vil, e cunha-
o de Chrisliario VIII (actual re de Dinamarca), fdra
direitos feudaes de lodo o .tolo da\I'ran(a para fazer face em um homem, na popte de .ilotocolombo
as exigencias. Como repelimos, ser paga a conta dos J>*:Kallaram-lhelainbem cm uns ferimenlos quo .quem oa instigara a dar esse paso, tendo previa e se-
cretamente obtido o apoio do re da Prussia. O conde
Plessen, ministro dinamarqus na corte de Berlim, de-
clarou por urna nota ao ministro dos negocios eslran-
geiros, que a Dinamarca considerar como urna viol-
ceo do direito das gentes a entrada de tropas prussiana*.
no ducado de Scnleswig-FIolsteiii, que ella nao permit-
se fin; mas, efTectuada-a desposigfio, 6 objeclo do
triumpho salta aos olhos de muilos, e a reforma do
governo deixa de ser o fim que so tem em vista. l)i-
vilem a polle antes mesmo de apanharom o ca^a, o
quando Ihe vai mSonfio se sallsfazcm com a parti-
llia.
Tornt-se isto mais notavelem urna revoluQfio co-
moets dodit24defevorero, revoluclo tilo pou-
fo glorioss nos sens meios, qu*vos principte actores
so tflo obscuros, iu estilo tau euVergonhados do
papel que representaran!, quo n3o querem appare-..
"er, edeixam quo a preza soja disputada por meros
intrigantes. Dizcmos que a revoluefio foi pouco glo-
rio8a em seumeies o quem imparcialmoule exa-
minaj.todas as-occurrencias conoordar. com nosco.
A aggresslo estove toda da parte da plebe) os Revo-
lucionarios nfio podero mostrar um s acto de vio-
lencia pralicado pelos defensores da monarchia,
salvo emdefesa propria. Na secretaria dos'ncgocios
eslrangeiros, ondeos nmeros dos morios foi maior,
eonrecou o conflicto pelo nfio provocado e traicoei-
roassassinolo do commandanle da guarda. Se os
seos soldados ttiMfam sobre os assassino, nfio li-
/eram mais que obedecer o inslincto de- homens de
valor e honrados, e ao dever militar. No Palais-
Boyal wmbem, que foi .outro nico lugar onde
liouve conflicto serio, nenhuma alternativa tinham
's soldados. Otihaviamde fazer fogo sobre os ag-
h'rossores, quo por muito tumpo os hostilisaram ,
sem quo Ihes respondestum com lm s tiro, ou se
lidviam deisar quoiaar Vivos.
divortimentos da semana passada ? Por nossa parto Uzaram nec homem?
nfio pretendemos responder a pergunta. Urna revo- lisa occatWo dos ferimentos, voa. estova pre
lucfio he um objecto grande e pittoresco como ho sen""? '"a""v"
o incendio de urna grande cidade, assim pensava /o :Nao Sr.
ero, que eraapaixonadodosespecttculos grandes e Jutil Conheciao offendido?
piltoroscos, quando mandou laucar fggo capital do Reo : Nao, Sr : i ouvi fallar deste mime, na casa do tira qile o sen direito de soberana seja assim atacado
mundo, para tero gosto de ver um conflagra^fio subdelegado. pelas forjas da Allemanba, e que o rei etava preparado
em ponto grande. As revolucOes o os incondios do. Jui:: Antede ser preso nao ouvio fallar dete acon: para em tal caso defender os leus dominios,
cidade sfio, porm, divertimentos demasiadamente' leclmenlo? Arnlm, ininittro do. negocio estraiigeiros da PriusU.
.ii*noii.ln*n* tiara seram roneliilna rom freiiunnrii Rio .--Nao, Sr.: s ouvi fallar ua casa do Sr. subde- responder por outra ola ao conde Plessen que poda
dispendiosos para strem repelidos com irequencia, m asegurai-lhc que a medida militar em querto, longe
como reconhecerfip antes do muito.lempo casua k11(i0 0 iuterrogatorlo, he feita a leitina das pecas do de ter um carcter hostil Dinamarca, s fora tomada
Custa s nossos vizinhos. A .guerra argelina j Ihes procMSO pc|0 rsenvao do.tribunal, c scguein-sc as alie- para o duplo lim de proteger os territorios da confedcT
nao tem CUStado pouco mas essas despezas, se nfio gacrspro contra o reo. raeo germnica contra um i violaran de que pareca
Teriiiiiiad.is esas allrgacdes, ameajada, e de guardar em favor de un estado allemao
O Sr. Jui: Presidente faz o relatorio da causa, centre- c federal aquelles direitos estabelecido que havlain si-
ga os queiito ao Srs. jurados, os quaes ge retiram para do tao violentamente atacados por um acto recente do
sala .das conferenciaste ao cubo de mais de urna hora gorerno dinamarqurz. Que o rei, movido por um senti-
vollam a do debates, om resposta aos incsnios que- ment do dever, que o espirito, assim como a lettra do
sitos. j pacto federal, Iheimpoe, eapoiado na adhesaoda vonta-
OSr.Juis Pretidenie, conformndose com a decisao de nacional, nfio poda em presencadeum perigo im-
| du jui y, eonileiiiiia ao reo em 14 niezes de pi sao simples, mnente hesitar em tomar de accordo com os scus allla-
a'imilia correspondente a metade do lempo e as cus- dos germnicos a iniciativa de tima posioao que sem
tas, grao mnimo do art. 202 do cdigo criminal; deca- duvida havia de receber proinptamente a formal anc-
raudo que senteiiciava assiin, por haver o advogado do c.io da eonfederajao germnica. Que a Prussia, assu-
n'o annunciado, depois de conhecido o verdict do con-
cellio, que seu cliente era liberto, e exhibido a carta de
alforrla passada pela senhora do condemnado.
Levanla-se a sessao s 4 e meia horas da tarde,
erramos muito cstartlo na rasu de utn penny para
urna libra comparadas com o-cusi da guerra da
ra dos Capuchinlios e da ra de S.-Honorato.
' [Si. Jamet't Chronicle. ]
(Jornal da Commer.cio).
PERNAMBC.
IIIAK1U UE PERWllIlliCO.
ss&rjiM; a'a>a ai-\'j* idoi aaua.
JKY DO UECIFE.
SESSAO DA ABEIITI'IIA DA 2.a ORDINARIA DE 1818.
Pretiientia do Sr. Dr. Silva Neta.
As II horas da manbaa, feita a chamada verifle-se ha-
ver numero legal de Srs. juizes de fado.
O Sr. Presidente declara abecU a teasao.
O Sr. juiz municipal supplente da segunda vara faz en-
trega de nove procesos que fram preparados no sen
juzo, para scrcm julgados na presente sessao.
Pouco depois ouve-sc a voz do porlero do tribunal,
que aprega 0 autores eo rol.
.lutord, a justica publica.
Reos, Jos Francisco Pereira da Silva.
Jos Mara da Cruz.
Flix (escra,voJ
- Matbeu Jos Gomes (reo aliancado.)
Joao Antonio.
Joaquiii Izidoro Ramo.
Francisco de Paula da Fonseca.
Jofio Lu da Gosia Guimare.
Escolhido um deste processo para entrar em Julga- que nesse da nao menos de 35.000 pessoas estweram em
ment, dccIaraoSr.juIZpretldente que e vai proceder dita, piafa pacificamente reunidas. O governo navio to-
an sorte o do concelho que fem de litigar o reo Jos Ma- .nado as medida, conteniente, para reprimir de pror^p-
riadaCm.,accusado de homicidio. Concluido o .orlero, to mialquer movimento revolucionario que' P""a
s iuizes sorteados presUm o juramento pre.ci ipto pe- pojesc apparecer ma o povo, aconaelhado pm .etis
iitPi chele, liouvera-* com a maior prudencia e diicricao,
e a ordem nao fra cm nenhuma parle perturbada.
Uina peticao seguida de grande numero de asignatu-
ras foi por elle dirigida casa do communs ; os rhefe
cartist disseram no nieetlng q\ie o numero dessas as-
" 13,000,000; mas Mr. Thor-
mindo essa atiiiude, nao atacava de sorte alguma o di-
reitos de soberana queS. M. o rei de Dinamarca possue
em qualraade de duque de Schleswig-flolstciu. Que e
se direitos nao eram menos sagrados aos olbo do go-
verno ptuiaiano do que" aos olhos dos proprio ducados
Que S. M. o rei da Prussia, alim de dar urna pro va
convincente de cus pacficos sentmentos, e de eu sin-
cero desojo de remover por urna amigavel intelligeneia
toda possibilidadede um rompmento, tinha ordenado
ao mijor \ mi Wildenbruch que paltisse immediata-
iiiente para Dinamarca alim de dar a S. 11. dinamarque-
sa, acerca dos motivos e do'objecto da poltica do gover-
no prussiano, todas as explicacesque pareCerem mais
propria a acalmar o receios da orte de Compenhgeui.
Dos jornaes que no trouxc a barca Colunbus, c que. i Entrelanlo, urna carta de Aliona, com data de 7 de abril.
eomoj emoutro-numero dissemos, alcancam at 14 de allnuntia uuc (j.OOO horneas de tropas pruuiaiuu j U-
abrll, consta que foda Inglaterra flera tranquilla, com-
quanto reiiiasse grande excilaincnto eexaltacao entre os
carlistas ingleze eosrepealer ii'landezc. No da 10 do
apraca de
re un ira m-
posstdo tinha-se celebrado ein Londres em
Kennlngton o to fallado meeting carlisla
se, segundo uns, perlo de 50,000 pcoa ; se8"ud 0,i-
tro, porm, esa rcuuiao nao pastara de 20,000. Se to-
nianuos o termo medio entre elcs dous extremos, nos
nue nao ionios nem carlista, nem anlcarlUU, teremos
. > _-_..____.... j l rtf.
OJuit PrelUtnte (ao rio). Lcvante-e. (O rio otudtte.)
Juii: Cuino se chamar*
Uo : Jo Mara da Cruz. .
Jai: Sabe porque esU preto ?
Reo : Sel, siin, Senhor.
Juit.K me pode dizer?
i4lattira andava jior perto de 6.. _
! nrly, como relator da coimniao depeUcde publicas-, mo tempo urna ameaca e urna calumnia, que ma
nhaui chegado aos dou ducado Oulra caria de Rends-
burgo, datada de 8 do mesmo mez, diz que algumas es-
caramuzas ja tinbam occo.rrido cutre os Dinamarquezes
e OS postos avancados ducaes, na quae de ambas as
partes tinliam licado quairo ou cinco pessoas moras e
ferida.
A Hollanda iicra tranquilla; mas reinava no povo
grande excitanientu, c as transaceoes mercantil ettavain
quasi iiiteiramrnle parausadas.
Correspondencia.

Senhore Hedacior'.t. Lendo a correspondencia
do tenonte-coronel Jos Cordeiro de Oarvalho Leite,
inserta no Diario-Novo de 12 do corrente, conliaci
qne ella contm utn protesto contra mitn, e aomes-
t
i
1L :

' [
^-
atratkta



I
*
a

I
T
cumpre repellir. Visto que- o tenente-croel Jo-
s Cordeiro se refere o testemunlio de pessoa fi-
dedigna para atacar. roinha reputa^So, preciso he
que declare formalmente, que cssa pessoa calum-
niou-me, e que, se o Sr. Cordelro acreditou e sus-
tenta o que se Ihedisse, he igualmente perverso ca-
lumniador.
Nunca saqueei a propriedade d'alguem, e muito
menos a do Sr. Jos Cordeiro: tenlio aempre vivido
de meu trabalho honesto, e forcejado para n8o ser
esmagado por mcus itiimigos, e se quizesse cotejar a
jninha conducta com a do Sr. Jos Cordeiro, cerlo
nlo temera o resultado, pois que at hojo anda me
n3o a ce usa a consciencia de ter roubado a vida i al-
gum pai de familia, nem tle ter gasto o dinheiro da-
quellesque em mim teemconfiado. Portanto.se, a-
pezar de minhas pacificas intenefles, o tenente-coro-
nelJos Cordeiro me calumnia publicamentee sede-
clara meu inimigo jurado, "fique cerlo de que tam-
bem tenho lilhos, tenho amigos, tnho correligiona-
rios, e, sobretudo, tenho a le para virigarem qual-
quer altentado que contra mim pralique
O tenante-coronel los Cordeiro de Carvalho Leite
flea d"ora avante sendo meu inimigo declarado, e
como tal carrejar com a rcsponsabiliado do que
me possa accontecor, dosprezando eu soberanamen-
te a sua foufa ameaca.
Queiram, Senhores Redactores, inserir estas bre-
ves litihas, com o que muito obrearflo ao seu vene-
rador e criado /&o do llego arros.
Buranhem, 20 de maio do 1848.
COMMERCIO.
Alfandega.
RKNDIMENTODO 0,\ 32........... 8:718,460
Auoarrevam hoje, 23 de maio.
Barca Priieillatrro.
BriRue Natait pipas yailai.
Galera Columbui mercadorlai.
Brigue Plontin dem.
IM'PORTACAO'.
P./antin, brigue belga, vindo de Anvers, entrado
no crrante mez, consignado a N. O. Bieber & C
manifestou o seguinle : '
150 caixas vidros para vidraca, 4 diUs e 1 fardo
fazendas de algodo, 3 caixas miudezas, 9 ditas es-
pingardas ; a J. Keller & C.
6 caixas fazendas ; a S. & Tobler.
165 barris pregos, 8 caixas facOes, 32 ditas pa-
pel, 126 ditas ferragens, 24 barricas ditas: a Bran-
uera Rrandis & C.
3 caixas e 1 fardo fazendas de algodflo, 2 caixas
agoa de Colonia, i barril bacas de lat8o: a Kalk-
iiiann & ItoscniDund.
79 barris pregos, 2 caixas aramo do latflo, I dita
follia, 3 ditas fazendas ; a l.uttkens.
52 caixas podra de marmorc. 14 ditos armas, 104
gnrrafesoloo de linhaca; a N. O. Bieber & C.
.COtNSULADO GERAL.
RENDIMENTO DO DA 22.
Geral........................ 9328i
Diversas provincias............... 53*406
985,487
CONSULADO PROVINCIAL.
RENDIMENTO 1)0 DA 22........... 760)45e
Mov me uto do Porto.
Navio entrado no din 2*2.
DaltimoreoilhadeSan-Thomas, 90 dias, e do ulti-
mo porto 45, brigue americano Kate-Pendergatt,ile
143 toneladas capitflo Ceorg E. W. Evanes, o-
quipagem9, carga farinha, manleiga de porco,
fazendae mnis gneros do paiz; a 1.. G. Ferreira
& C.
Navio sahido no mesmo dia.
Baha. Male brasileiro Tentador, capitflo Belchior
Jos dos Reis, carga varios gneros.
Silo convidados os Srs. accionistas da companhia
do Bebcribo para se reunirem em assembla geral
no dia 29 do crrante, pelas 10 horas da mandila,
no escrptorin da companhia, alim de elegerein no-
va administraeflo, tomaren cenias a actual e exer-
cerem as mais attribuicOes que Ibes competa pelo
artigo 19 doseslatutos.
Os Srs. accionistas que nito livcrem, al o'd.ia25,
realisado a entrada dos '4 porcento, pedidos desde
outubro, liquen na intelligencia dequoa adminis-
IracSo tom de a presentar os seus nomes e de propr
contra os.omissos a execueflo do artigo 9. dos esta-
tutos.
I Escriptorio da Companhia de lleberibe, 15 lo
maio de 1848.
O secretario,
/feno Jote Fernanadei frros.
EDITA L.
- Olllm, Sr. inspector f da lhesouraria| das rendas
provineiees, em comprimentn da ordem de 25 do a-
bil prximo flndy manda fazer publico, que pa-
rante a mesma thesouraria se ha de arrematar em
hasta publica, nos dias 26, 27 e 29 do crrante mez
de maio, a quem por menos fizer, o servico da ca-
palazia do algodflo, conforme dispoz o capitulo 6.*
do regula'mento provinciano 4 de junho de 1847 :
sendo a arrematado por lempo de tras annss, o os
das que decorrerem do em que o arrematante en-
trar nd oxercicio at o fin dn junho d 1851.
Os concurrentes comparacam competentemente
habilitados nos dias indicados, ao mcio-dia.
E para constar se mandou afiliar o presente c pu-
blicar pelos Diario.
Secretarkda thesouraria das rendas provincias
de PernamtoMB, 2 de maio de 1848. .
O secretario,
Antonio Ftrreirada Annunciacdo.
B**mmmBm*WmmmmmBi'i*ammmmmomtamaammmm
Declarndtfs.
PARA 08 PGRTOS DO SL.
0 paquele de vapor brasileiro S.-Salvador, com-
mnndante Antonio Carlos de Azorado CoutinhO, de-
ve estar aqu dos porto do norto at 24 do crrante,
e partir no dia seguidle.'
Foi entregue a esta subdelegada da Varzea, um
quartao, furiado, eoi os signae* seguintes: casta-
nho, pequeo, com guia estrella liranca na testa
a nido direita meia cahjada.e o casco branco : a nido
SE.".^ "S P pre,O' cim8 Jcos-
tellas de ambos os lados urna mancha branca ; no
quarlo direito tam o ferro da lettra v : portan o
quem o jolgaf com direito ao dilo cavallo, com-
prela riesta subdelegada,- para lh:fer entrague.
Subdelegada da Varzea, 12 de malo do 1848.
Jtaquim Canuto de Fioueire/To, -
Subdelegado supplente.
;0 abaixo assignado, 2.* tenente encarregado das
medi;fles e demarcoslos dos terrenos de marinha,
faz sciente aos'Srs. Rernardino Peroira Ramos, Jos
Joaqun da Cunta Teixeira Antonio Joaquim do
Souza Ribeiro, Manoel Goncalve l'ereira, JJanoel
Jos Chalaoa ios ..herdeiros dos fallecidos Antonio
Teixeira Lopes e Jos ManoeLFiuza.e administraeflo
do patrimor.o dos orplilns, q'ue-em seu poder p-
rm os seus requer meatos, relativos aos terrenos
de marinha de que se acham de posse, com des-
pacho da presidencia, para se proceder medeflo e
demarcaefio dos ditos terrenos : convida, portanto,
pela presente, aos mesmos Srs. a comparecerem na
cai da sua residencia, iia ra Dircit, n. 78, de m a-
nhSa, das 7 as 9 horas, e de tarde, das2a4, para
se Uies marcar u dia em que se ha de proceder i re-
ferida medievo e demsrcacflo.
Recfe, 19 de maio do 1848.
' Antonio Egidio da Silva.
O escrivflo chefe da segunda seecflo do consu-
lado provincial, do ordem dQ Sr. administrador da
mesmo, faz constar a todos os Srs. proprietaribs do
predios urbanos dos bairros desta cidade e da po-
vosefln dos Afogados, qu do dia i." do prximo
vindouro mez de junho se principia a contar os 30
dias uteis para o pagamento, A bocea do cofre.da res-
pectiva dcima do 2.* semestre de 1847 a 1848; e to-
dos os que deixarem de pagar nosse prazo, incorrem
nt multa de tras por cento sobre o valor de seus
dbitos, o serlo de prompto executados.
Recfe, em 15 de maio de 1848.
Theodoro Maohado Freir Pereira da Silva,
EscrvSo chefe da 2.* seecilo
Perante o concelho administrativo tem de so
arrematar no da 25 do correnre, as 10 horas do dia,
para fornecimento dos navios armados o enferma-
ra de marinha, os gneros seguintes : azeite doce,
ago'ardente, arroz, assucar branco, bacalho, caf
modo, carne verde, dita secca.dita de vacca salgada,
dita de porco dita, feijfto, farinha, sal, toucinho,
vinagre e medicamentos, sendo ludo da melhor
qualidade; pelo que sito convidados todos aquelles
que esliverem no caso de fornecer os mencionados
gneros para comparPcerem no referido dia o hora
na sala do suas sessfjes, no inspecclo do arsenal,
com suas amostras o proposlas, cm qne devem de-
clarar o menor prego por que se propOe a fornocer
taes gneros, e quem seu fiador, para que o conce-
lho possa deliberar o lempo por que ha de ser feilo o
fornecimento.
Sala das sssOes do concelho da adminislracSo,
20 de maio de 1848.
O secretario,
Chriitovdo Santiago de Oliveira.
Pela procuradora-fiscal da'fazenda publica
nacional se faz publico, que nenhum dos emprega-
dosdojuizo dos fe i tos tem legilimidade para roce-
ber dinherosou pagamentos dos devedores, eque
aquelles que Ihes fizerem pagamentos ou onlrcga-
remquaesquer dnheiros, nao ficam desonerados,
se effecti va mente nlo fOrem taes quantias recolhi-
das aos cofres pblicos, segundo a ordem do thosou-
ro, de II do abril de 1846, que so faz uma.cxcopc.iio
a respeilo do procurador dos feitos.

2
Oliveira. Francisco Jos Lopes Vianna, Francisco .Jo-
s de Paiva, Francisco Jos Pinto Oliveira, Francisco
Jos Rodrigues Bastos", Francisco Jos Silva, Fran-
'* cisco Jos Silva Culinarios, Francisco Machado C,,
Francisco Magalhflos M., Francisco Manoel Frailas,
Francisco Manoel Silva Mello, Francisco Pinto Costa
Julice, Francisco Paulo Fonseca, Francisco Regs
Leflo Carnciro, Francisco Zinno Iganeu.
Gabriel Antonio Alves, Cuilherme Pinto Uenrl-
ques. '-.-
Henriques Mara Pereira .Magalhfies..
(Coniinuar-tt-ka.)
THKATRO PUBLICO
Em consequencia de se ter despedido do thcatro
a dama Emilia, fica o beneficio da primeira dama,
para domingo, 28 de maio, com a grande peca a
- Freir Sanguinaria alim de a outra dama po-
der estudar seu papel.
Grandecosmorama
Tcndo de fazer-se mudancas das vistas, apresen-
tar-se-ha duas novas em diorama, e como se lenba
do apromplar o machinismo para esse lim, tica por
sso a casa fechada alguns das, t que seja vencido
esse trabalho, fazendo-se depois sciente ao respei-
lavel publico o dia da oxposicflo.
Publcngo Litteraria.
AMOR E MELANCOLA, OU A NOVISSIM A HELOISAS,'
0 SEGUIDA DA NOITE DO CASTELLO E DOS CIME
DO BARDO.
Os mais importantes poemas do Sr. Antonio Feli-
ciano de Caslilho, ornados com Iras estampas Boas
lythographadas. Vendem-se a 3,000 rs., na loja de
Joo da Cunha Magalhfles, na ra da Cadea do Re-
cfe.
Avisos na ni unos.
Litta das carta existentes na adminitlraco do correio,
entradas do i.' a 15 de maio de 1848, quat etto
por entregar. ^
Anua Joaquina Henriques, Aurelio da Cruz Barro-
zo, "Antonio Alves tirito, Antonio Azovedo, Antonio
Cavalcante Campos, Antonio Cavalcante Farias, An-
tonio Dias .Morena, Antonio Ferreira, Antonio Fran-
cisco Cordeiro, Antonio Francisco Corroa, Antonio
Francisco Santos Silva, Antonio Guilherme A. Silva,
Antonio Goiialves ou Costa, Antonio Conexivos San-
tos, Antonio Jai'iiitlio da Costa Cavalcante, Antonio
Joaquim Alves Teixeira, Antonio Joaquim Cavalcan-
te Silva, Antonio Joaqun Cavalcante, Antonio Joa-
quim Figueiredo Seabra, Antonio Joaquim Lelflo,
Antonio Joaquim Rodriguos, Antonio Jos Ferreira
Dias, Antonio Jos Martins, Antonio Jos Pereii a as-
ios, Antonio Luiz da Cunha, Antonio Luiz Pereira
Palma, Antonio Muniz Pereira, Antonio Moura Bas-
tos, Antonio Marques Nunes, Antonio Martins Penna,
Antonio Manoel liamos, Antonio Manoel l'ereira Vian-
na, Antonio Pereira Carvalho, Antonio Rodrigues
Ca va lea oto Campos, Antonio Santos Conceico, An-
tonio Silva Rjbeiro Maia.
Braz Antonio da Cunta, Bento Corroa de Mello,
Bernardo Jos Monteiro, Bernardino da Costa Sooza,
e Bornardino Souza Pili.
Dezderio Antonio M-, Dionizio Connives Mala,
Damiflo Martins Cavalcante, Domingos Barnizo, Do-
mingos Jorge de Oliveira, Domingos Joaquim Vinhas,
Domingos Jos Esleves e Domingos Jos Cavalcante
Braga.
Fiiippe Barros Waoderlcy.r'ilippe Jos Vaz Oliveira,
Florencio Martins S. TJago, Francisco Antonio Pe-
roira, Francisco Antonio l'ereira Pinto Lemos, Fran-
cisco Antonio Silva Cerqueira Francisco B. Buar-
que, Francisco C. Gumaraes, Francisco Crrela Viei-
Para o Rio-Grande-do-Sul sahir breve o pata-
cho Duus-de-Agotio. Quem no mesmo quizer embar-
car cscravos ou ir de passagem, pode tratar com o
capilSo, Joaquim Jos Goncalves, ou corii os corres-
pondentes, Amori'm Irruios, na ra da Cadeia, n. 45.
- Para o Rio-de-Janeiro segu vi.igem ateo dia
25 do crrante, o brigue Aitombro, de primeira mar-
cha por ter seu csrregamento prompto : para pas-
sagpros tem riquissimos comniodos: a tratar com
Joo Jos remandes Magalhfles na ra da Cadeia
do Recfe, botica n. 61.
Para o Rio-de-Janeiro segu viagem, em poucos
dias, a escuna nacional Curiosa, por ter a maior par-
le da carga prompta : para o restante e passageiros,
trata-so com o diestra, Domingos Antonio deAzeve-
do, ou com Luiz Jos de S Araujo, na ra da Cruz,
n. 26.
Venile-se. o ltale,americano Gil-lira; muito
boui veleiro, encavilhsdo e forrado de cobre lti-
mamente, com capacidade de levar 830 barricas, e
prompto para seguir para qualquer viagem: a tra-
tar em casa dos consignatarios, llenry Fuslor & C,
ra. do Trapiche, casa n. 8.
Leilao.
Henry ForsterA Companhia faro IcilRo, por
inlervencflo do correlor Oliveira., de 136 barricas de
farinha de trigo averiada : quara-feira 24 do cr-
ranle as 10 horas da mantilla no armazem deno-
minado Ramos bairro de S.-Antonio.
Avisos diversos.
-- Precisa-ae de 120/ra. a juros pelo prazo dedous
mozes, dflo-se penhores de ouro: nesla typographia.
lotera
I>o Hospital Pedro II.
Correm infalivelmenle as rodas desta
lotera no dia 17 do corrent mez, e o res-
to dos bilheles s se vende at o dia 26,
ao meio-dia, porque desta hora em dran-
te, se restarem alguns, icarSo perten-
cendo a urna sociedade.
Jos Teixeira liastos, embarca para o Ro-de-
Janeiro a escrava do nome Pelronilha.
-- O guarda da Concecflo dos-Militares lem b-
Ihele da lotera a veuder.
D-sc 1:000,000 de ra. a premio, sobra penho-
res de ourq ou prata, hypolheca em casas terreas ou
boas fionas: na ra do Rosario estreita, n: 30, se-
Igundn andar, se dir quem dn.
---Manoel Francisco da Silva faz publico que, tcn-
do um filho mMer de nome'Bernardo Francisco da
Silva, de que he padrinlio o Sr. Bernardo Fernandos
Gama, o tendo-o em poder do mesmo Sr. Gama, a-
conloco que este o Irouxcsse multo malarranja'do,
e passando pela ftindicSp do Sr. Slarr, onde Irabalha
-Precisa-so alugar duas pr'etas para vendereiti
pflo-de-l : na ruada Cadeia do Recfe, n. 8.
Existe urna carta do Sr. Joaquim Ignacio Cle-
mente de Almeida Sarnho na rus Nova, n. 33.
Alugam-se o I." e o 3. anaras do sobrado dB
ra da Prai, n. 43 : para vor, as chaves esta no
segundo epara tratar, com o negociante, o Sr.(
Thomaz de-Aquino Fonseca, na seu escriptorio -d
ruado Vigario.
Quem'tiver unta carta para Manoel da Cunha
GuimarSes Ferreira quelra ter bondade de entre-
ga-la a-seu caixeiro na loja de ferragons do 8f. Jo-
s Dias da Silva que la se ir buscar.
Precisa-se do um criado qu salba bein guiar
carros: na ra do Hospicio, n. 9.
Antonio de Vasconcllos Menezes.de DrumiJond
resido na rita do Hospicio, n. 9.
Joaquim Jos da Cama retira-so para. ora da
provincia, levando em sua companhia sua fllha Sa-
bina Candida Mara da Gama.
Quemannunciou.no D^n'o de sabliado, 2 do
crrante precisar de um caixeiro que tenha pratici
de venda, dirija-so as Goco-Ponlas', padari n. 30.
Aluga-se um molequc com 16 annos de idade,
que cozinha o diario de urna casa : na ra. do Ro-
zarlo da Roa-Vista, casan. 16.
Francisco Correia Jacome, ou Chico llrio, mo-
ra na ra das Cruzes, n. 35, onde deve ser procura-
do, ou na venda da esquina, do Araujo.
-Dflo-se 200,000 rs. a premio a dous por cento
o mez com penbores de ouro ou prata, e anda em
menor quantia, ou por firmase conteni : na loja.do
sobrado n. 31, da ra estreita do Rozario, se dir
quem di.
J. L. Pereira Jnior val fazer urna viagem a Eu-
ropa;
Manoel do Amparo Caj avisa, ao respeitavel
corpo de commercio o aos seus freguezes, que acei-
fou para seu caixeiro de cobranza a Antonio Jos da
Silva Brasil, e que este est auloriaado a receber
qualquer conta de sua easa. .
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra
da Senzalla-Velha, n. 70, com bons commodos : a
tratar no primeiro andar do mesmo sobrado.
Os Srs. assignantes do Iris pdem ir buscar o
n. 6, no escriptorio de Novios & Compauhia e na
loja de livros de Cardozo A y res.
:Quem precisar de um caixeiro portuguez, de
idade de 20 annos, para venda, ou mesmo para to-
mar conta por balaneo, o qua| lem bstanle pratica,
e d fiador a sua conducta : dirija-s a ra Direita,
venda, n. 23, ou annuncie. .
Precisa-se de um pequeo de' 10 a 14 annos pa-
ra caixeiro de venda', prafferindo-se destes ebegados
ltimamente: na ra Direita, venda n ."'83.
Precisa-so do un caixeiro que escrava bem e
entenda de escripia, para fazer sua residencia en
Macei : quem estiver nestas circumslancias e Ihe
cunvenha dirija-se a ru do. Aniorim o. 44, ter-
cciro aoadar para se tratar do ajuste.
Alugam-se, ou. vendem-se 2 bons escravos ,
ptimos cunoefros, de bonitas figuras: a tratar na
rna do Vigario, n. 7, on na ra do Amorim n. 7.
Oflerecc-so urna mulher para ama secca a qual
engomma o cozinha : quem descuprestimo se qui-
zer til sar, dirija-se ao pateo de S.-Jos, do lado
esquerdo, n. 33.
Manoel da Cunha GuimarSes Ferreira tem con-
cedido bastantes poderes a seu caixeiro Joaquim
Jos Pereira da Molla, para continuar a receber o
que se Ihe deve,como at agora,ecomo tambem para
pagar qualquer debito que o annunciante tenha con-
rahido.
Alugam-se os primeiro o segundo andares-da
casa n. 5, da ra do Vigaro : a tratar na mesma
ra, n. 7. -
Aluga-se urna casa terrea com grande sotflo, no
lugar da Capujiga com a Trente para o rio, e lem
todos os commodos para urna grande familia : a .tra-
tar na PaSsegem-da-Megdalena ao peda ponte, cu-
jo porlSo tem o n. 34, ou com Manoel Luiz da Velga,
no Recife. s
D-seum sitio de lavrador qua tem partidos
para 300 pites annuaes e terreno para tr algumas
vccas de leite no engenho Giqui, sitio do Bongy:
a tratar com Manoel Joaqun do llego e Albuquer-
que.
HIJA DA CRUZ, N. 40, SEGUNDO ANDAR.
D. W. Itaynon, cirurgiio dentista dos Estados-Uni-
dos da America do Norte, lendo-se resolvido ficar
mais algumi tempo na cidade de Panamhuco, pe-
lo presente participa aos" seus amigos e ao publico
em geraj, que elle sempre so achara prompto a qual-
quer hora, para fazer qualquer o-poraQflo que saja &o
bre os.denles como seja chumbar, liinpar, e extra-
hir;enformar denles sobro piflo o sobre chapa da
melhor maneira e com a maior perfeicflo conforme
fls ultimas desobertas, tanto na America como na
Europa.
Na ra nova loja n. 58, de Luiz da Costa Leite,
ha as seguidles couzas : quem raspe ou surre cou-
ros e sola; duas casinhas para soallugar; sendo,
uina no atierro do Afogado n. 103, olra na estrada
dasoledade para o Manguinlio 011 ra de JoSo-Fer-
nandos Vieira n. 22, e ha para vender sapalos de
(lillcrenles tamaitos, obra da trra, e sufrivel em
qualidade e prego ; bicos brhcos de tres a quatro
dedos de largo, linlias, couros de bode, do cabra e
bezerros surgidos, rezina paru grudar flores ou cou-
za semellia ule, e mais alguma couza.
- Precisa-sede um caixeiro para tomar conta de
o menino fugisso, o sendo encontrado por pessoas
conliecidas queriam conte-lo a titulo de escravo do
dilo Gama, piar assim ser conheciifo; por issooan-
nuncianle declara que dito seu filho nunca foi es-
cravo do Sr. Gama, o nem de outro algum; e pro-
testa usar de seu direito contra qualquer aggressflo
quo posea sofTrer.
OSr. J. P. da Cunha tenha a bondade de man-
dar pagar a quantia de 133,000 rs. de uina sua let-
tra que se venCeu em Janeiro do anuo prximo, pas-
aado, sendo 100,000 rs. do principal e 83,000 rs. de
juros; (cando cerlo, quo, se o nOo fizer de hoje a 10
dias, se fara publico o seu nomo por iirteiro. Na ra
duCaldorajiro, n. 86,
Ter(a-feira, 23 do crrante maio [hoje], na sa-
la dusau,deiicas,.yeranteoSr. doulor juizdocivel,
se ha da arrematar urna cata com pequeo sitio e
baixa de capira, no lugar dos Apipucos, pentiorada
a Florencio Jos Carneiro Monteiro, por execeflo de
Francisco Manoel da Silva Tavares.
Na ra Nova loja de alfaiate de Manoel do A.
.v, 1 imiviaiu v.. uumiuiacs, rraiiciscu uurrea viei- Caj, ha um completo sortimento do tolao qual-
ra.franciBCo Domingos AlTnnso, Francisco Goncal- o/uer obra leila em urna hora, em que" Io um ho-
ves Costa, Francisco Gomes Ferreira, Franciaw Jos I inem prompto, efaz-se qualquer o*ra com presteza,
Cardozo, Francisco Jos Dias, Francisco Jo* Comes |etc. etc. .
o annunciante, mandou-o chamar, aconteceu que|-Uma ve,n,k \^ lendof "*t"fll,l necessariaa,
nflo seduvidara pagar bom ordenado: em Olindi
nos Qua tro-Canlos, venda da esquina
para a ra do Coxo. '
com
porta
CHAPEOS DE SOL Jg
Ra do Passeio-Publica n. f>.
Nestu loja ha presentemente um completo sort-
menio do chapeos de sol modernos, tanto de panni-
nho como'de seda furla-cOres o de mais jcre co-
nliecidas; ditos para homein, senhora, meninos e
meninas ; guarda-chuva para o tempo de invern ; e
guarda-sol. Estes chapeos fo tilo bem construidos,
que se aljanca a qualidade ; sio de marca grande,
com 32 pollogadas e prop ios para este aempo., por
serem de seda e de panniuho trancado. Nesla fa-
brica ha sedas de cores e panninhos trancados e
lisos de todas as cores para cobrir qualquer arnia-
?8o de chapeo de sol : tambem se coucrta qualquer
chapeo de sol, o vendem-se baleiaa para vestidos.
Oh"erece-su. urna pesso, que tem pratica do
commercio e boa lettra, para caixeiro de algum -
criplorio ou cobra ticas, para o que dar fiador : na
rus do Cabug n. 5.
a ai 1 ,- .
:__ -'-


*'
1P

Precisa-se de um menino porluguez, de loa
, anuos, dos chegados prximamente np Aterro-
da-Boa-Vista, 8*. '
luga-se um molequeparao servido de casa ,
oaualcozinlao'diariode uina casi: auem o pre-
tender, dirija-se a praca da Independencia, loja
."' Eflfommi-n roupa eora perfeigH, tanto de
hometn como de sanhora ,. vindo j layada : na ao-
ra'la da ruadg Pires, n. 68, priroeira casa.. terrea,
imito ao sobrado do Sn. Piretti.
_Na praca da Indepondi-mcia, livraria ns. 6 e 8,
existe urna carta para o Sr. Jos Antonio Brand.lo
Guimarfles.
Dentista.
M s. Mawson clrurgiflo dentista, bem conhecido
c acreditado neata cidade, tem. a honra de fazer
cente ao respeitavel publico queja tem regressa-
jo da sua rtagem Macei onde a urgcnto neces-
siJade de muits familias respeitaveis tjaquella pro-
vincia o chamou para o exercicie da sua arte. Na
ruadoTrapiolw-Nofo, n. 8, aonde estar, scmpre
nromptopara fazer todas as operacOes dentilicas,
com aquella habilidad* e conhecimentos scientifi-
cos que o adianlamenloeprogresso da arle Ihe tem'
feito conhecer.
_ precisa -se de um menino de 10 a 19 annos,
para cixeirode venda: ta ra larga do Rozario,
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 82 da
ra relia, com bons commodos para familia: tra-
ta-se no pri metro andar do mesmo sobrado.
-Oflereci-seum homem soltoiro j>ara_ criado de
quilqueroasaestrahgeira, ou nacional, para cozi-
nhart fazeras compras e.mais servico decente: na
ra da Craz, renda n. 32.
-Furtaram, nodia 16 do corrente, um cavallo
voco-apalcadt?, que est fazendo a uHima muda,
he grosso do corpo, pernas finas, carrega bem e
puxando-gepor elle csquipa de carretilha ; tem a
eiudf-curta 8 enriada de votta tesoilra, as dinas
meia alvas.ecomprias : quem 0 pogar leve-o a ra
da Trerop,sobrado n. I, que recebera 20,000 rs. de
gratificis*. -
-Precisa-so de urna ama que lenha bom leite : no
Aterro-d-Boa-Visla, loja n. 78.
-- Alugam-se os segundo o tercoiro andares da
casa da traressa da Lapa, n. 13 no bairro do Reci-
re.por preco mnito coramodo.o com que lodo o nego-
1 ci "se far : adverte-se que tem sot3o com visla pa-
ra o mar, do lado do sul, e sa"o muito frescos : pi-
ra ver, no primeiro andar da mesma casa, e para
Iratar, na praija d oa-Vista, n. 7.
- Precisa-se de pretas que vendam pilo deren-
dajm, aob a responsabilidsde de seus senhores ; na
ra Direta, padaria n. 26.
-- Pieoisa-se de urna preta captiva para o servico
de urna casa do/amilia; na ruada Alegra, casa n
11, acharSo com queu tratar.
Arrenda-se um sitio com arvorodos de Tructo,
por commodoprego, coco casa de pedra e cal, no
lugar do Bom-Sucesso, em Olinda. adiantando-se
metade do arrendamenlo : quem o-prcten3er dirija-
se n ra do S. Francisco, casa terrea que rolla para
a ra da Florentina.
I'recisa-se lugar um prelo padeiro; na ra
Dirqita, padaria n. 26. *
Precisa-se de um pequeo para caixejro de
venda, preferindo-se ser dos ltimos chegados, an-
da mesmo sem pratica, porm, quesaiba 1er e ei-
rrever: na ra do t'.otovcllo, vonda, ir. 31.
Precisa-se de um bom olcial encadernador
quequeira trabalhar a jornal: no Aerr-o-da-Boa-
Vista, n. 42,segundo andar.
' Precisa-se, para um epgcnho distante pracn doze legoas, um feitor que seja estrangeiro :
quem so quizer ajustar, appareca na ra do Quei-
mado, loja do ferragensn. 4. -.
Kntregaram-se duas casacas pretas j principia-
das fazer, no' lia 17 do corrente, com todos os seus
uviamentos, e o portador deitou-se a dormir no tan-
que d'agoa da-Boa-Vista, e dahi Ih'as'tiraran) : roga-
se a todos os Srs. mestres de alfaiate, ou a quein Id-
re m o(Ter8Cidas, de as tomar e entonder-so na loja
doSr. Escacio alfaiate, na ra Nova, que ser-recom-
pensado. '
O coronel director do arsenal de guerra desla
provincia, Trejano Cezar Burlamaque, commumeo
ios seus amigos o as pessous com quem Um rclac0es:
que se mudou parea rua-do San-Francisco, sobrada
te um andar n. 6, aonde resido e espera as suas or-
des.
lili) ,ii j mu
Nal
.la ra do Vigarjo, n. 9; ha urna raulher'do meia
dado, naturald ilha de S.-Mlguel para : ge.ar.ru-
mar de ama em aiguma casa de familia capaz.
' Arrenda-se urna casa terrea, no becco do Car-
c#reiro, por 6/0*00 rs. raensaes; trata-se no Alterro-
da-Boa-Vista, sobrado n. 44.
Do-se 250/000 rs. a premio, sobce ponhores de
ouro ou prala;. na ra Imperial, n. 37, das dez horaf
em dianto.
Compras.
Vende-se rap de Lisboa e Meorort
as libras, meias libras e qilartis, c o me -
Ibor cha da India que ueste mercado tem
apparecido : na pracinba do Livramento,
loja de Marcolino Jos de Moraesftt (.,
n. 4q.
-- Vendem-so duas duziasdo laboas deassoalho,
j preparadas: duas" travs, sendo urna de linha, tu-
do de boaniadeira; tres caiiilhos para janellas; urna
porta grande; urnas grades de janellas; duas ditas de
portas e urna janella: todas novas e promptas e por
- riunon-w mi a miarla" lA vara e melada precocommodo, o queconvem ipuito aquemesti-
tar. "
No Passeio-Punlico, n. .8, lo-
ja de urna so porta, parede
e meia a fabrica de chapeos
deso,
vendem-se chapeos de sol, de seda com armacSo
de aio e cabos do marfim de muito bom gosio, pe-
lo barato prego de 5,500 rs. Na mesma loja ha um
sortimentode lodas as fazendas por preco muito
commodo.
Sapa toes de tres solas 1# rs.
No Aterro-da-Boa-Vista, loja n.
78, vendem-se estes sapatos pelo admi-
ravel prefo de i^ rs. o par ; sao 15o bons
e baratos, que quem os vir n5o deixar
de comprar.
tra
sem feitio : quem tiverannuncia.
Compra-se im methodo para violflo, de Caru-
ii, preferindo-se da sexta edi^So : na ra estreita do
Roza rio n. *3.
Compra-sa urna escrava que cozinho e engom-
me bem : na ra do llosdicio, n. 9.
Compram-se, parafra da provincia, escravos
de ambos os sexos, coro todos os defeitos, menos
molestias com tanto que tenham boas figuras : na
ra eslreita do Roz.ario, n. 10, terbeiro andar.
Compra-se um sellim iuglez em bom estado, e
um cavallo de sella novo: na ra larga do Rozario,
no segundo Andar da casa n, 30.
Compram-se escravos da 6 a *6 annos, com
habilidades ou sem ollas : quem tiver annncio.
Compram-se, para urna eneommenda, escravos
il ambos os sexos at 40 annos de idade: agradando,
pagam-se bem: na ra estreita do Rosario, primoiro
andar, n. 31.
Vendas.
*-. Pugi, nmrccniro francez,
na ra Nova, n. 45, acaba de receber, pelo navio Zi-
lia, um' sorlimcnto do trastos de mogno, domis
moderno goslo; bem como Tolhas de Jacaranda,
mogno e'oulras madeiras do folear ; ferramentas
propriasd marconeiro ; e papel de licha. O mesmo
se pncarrega de fazer toda a qualidade de mobilia,
que se poder dosejnr, por ter recebidodesenlios das
inobilias modernas que agora se usam em Franca.
Na ra da Cruz, n. 26, precisa-so de um meni-
no para ca i xeiro de urna loja de fazendas, nacidade
do Cear, de idade de'12 a 15 annos : quem estiver
neslas circumsiancias dirija-se a mesma, a tratar
com l.ui* Jos de Si Aroujo.
- -Precisa-se de 300,000 rs. a premio com hypo-
theca m urna casa terrea na roa Velha da Boa-Vista,
livre e desembaracada : quem'os quizer dar dirija-se
a ra do Se6o, n. 17, ou annncio.
-Precisa-sede-um homem que queira assenlar
praca pqr outrono 6.balalhAo'do caoadores do pri-
meira linha: quem quizer e esliver as circuns-
tancias que a le marca., apresenle-se na ra da Ca-
deia, *. 40, primeiro andar.
Precisa-se de um trabalhador de massoira, pa-
gmlo-e bom ordenado: na ra da Florentina
n.3.
Superior carnauba
esebo do Buenos-A y res em porreo ou a retallio : na
ra do Livramenlo, loja de .calcado,!). 27.
Lotera do t\iode~Janeiro/
Acaba de chegar pelo vapor Imperatris um com-
pleto sortimento de quarlos, oitavos e vigsimos da
lotera da sociedade Amante da instruegilo, da pro-
vincia do Rio-de-Jancirn : as pessoas que quizerem
comprar dlrijam-se a ruado Queimado, n. 16, loja
de Jos Das SiinOes ro vapor que'chegar trar a lista da extracglo.
Lotera do Rio-de-Jaueiro.
Vendem-se mcios hilhetes da primeira Ioleria a
beneficio da imperial sociedade Amante da instruc-
cao: na ra da Cadcia, loja de cambio, n. 38, de
Manuel Comes. 4 ,
Vende-se, para fra da provincia ou para al-
5um engenho, um escravo de na^lo Angola, olcial
e ferreiro : ha ra Nova, n. 16.
Vc"ndem-se diversos terrenos, lano com ali-
ccrces como sem eJIes, as ras Augusta e Ateno-
dos-Afogados, em muito bons locaes, e por commo-
dos precos : a tratar na ra da Cadeia de Santo-
Antonio, n. 14,primeiro andar.
Vendem-se cinco canoas, a saber : duas aber-
las/que pegam em mais de 1,200 .lijlos de alvena-
ria ; urna dita que pega em 500 ditos ; urna dita
grande, propria para conduccilo de familia; urna
dita de carreira, de um s pao ; duas taboas de ama-.
relio de grossura le costado reforjado, com. 40 e
tantos palmos de comprmanlo; duas ditas de 30 d i-
los,' proprias para falcas de canoas ; duas bombas de
sicupiru-merim com seus competentes apparelhos,
urna com 20 palmos do comprimento o a butra
com 10, o caldeira do cobre : na ra Augusta, n. 60,
a fallar com Joaquim Hara de Carvalho.
__Vendem-se, para fra da provincia, 3 escra-
vas, sendo : urna crioula,- de 26 annos, ongomma-
deira ooslureira, oque cozihhae lava de sabSo;
e outraspar a torra; um elegante escravo de na-
Co, perito canoeiro e pedreiro ; um lindo niolu-
que de 7 annos, proprio para aprender olciu : -na
ra das Cruzes, n. 22, segundo andar.
B'alaios de verguinha.
Vendem-se balaios de todos os tamanhos; meias
garrafas de agoa-ferrea chegada ltimamente de
Lisboa; saccascom feijSo; ditas cun familia ; di-
las com ni i I ti u ; ditas com arroz pilado : na ra da
Cadeia do Hecifo, n. 8.
Na ra da Aurora, n. 62, vendem-se garrafas do
milagroso xarope do bosque para curar de tsica
em todos os seus dierenles graos qur motivada
por conslipactes, tosse, asma, pleuris, escafros de
sangue dOr de coslado e peilo palpjlacao no cora-
gao coquiluche, bronchite, dr na garganta v. lo-
das as molestias dosorgfios pulmonares. Na mesma
casa tambero se vend ni Iwgias do llio-de-Janeiro,
de4em libra cera muito superior: bem como do-
ces de todas as qualidades, tanto seceos como de
calda; apromptain-sc podios e bolinhos superiores
para chd.e todas as mais qualidades de bolos e espe-
cies ; ricos pralos de semedo, e aletria de ovo : lam-
bo m se vendem em arrobas e as libras de ricas cas-
lanhasconfeitadas.
~ Vende-s um escra ,o crioulo moco, sapatei-
ro equelem boa conducta : na ra da Aurora,'a
fallar com o cirurgi&o J. II. de Siqueira.
,._ Vendem-se le has e lijlos de lodos os tama-
itos e qualidades ; cal branca c pTcta; barroe aroia;
rofioS Iravessas ; enchameis; caibros e ripas por
preco commodo: no fim do Becco-Largo, no Racife,
onde foi'tanque d'agoa : assiin como se manda con-
duzir.
Vende-se urna escrava parda ; prxima a pa-
rir de 22 annos muito boa criadeira o que cozi-
ii ha bem o diario do uina casa cose, e da qual se
VE\DG-SE
Chd muito superior
fabricado no Rin-de-Janeiro,i
Denominada Brasileiro,
o melhorquo temapparecido neste mor-1
cado, pela sua qualidade ser mais supe- V
riur ilo que a do mesmo cha hysson de
urna libra para cima, por preco com-
modo : no fim da ra da Aurora n. 4, a
fallar com Jos de Almeida Brrelo Bas-
tos, das 6 as 9 horas da manha, e de 1
as 2 da tarde. No mesmo lugar tambero
se vende cha familia, da mosma provin-
cia com as mesmascondicOos.
nja-sJ a fu uircj^t:
dir quem lie.
Precisa-se de urna pssoa que queira estar em
urna casa lo urna senhora ,- sendo de meia idailo ,
parda,oo preta dando-ae Ihe p sustento e vestir:
na praca da Independencia, loja n. 18.
Pracisa-aede um homem capaz e entendido ,
paawfcitordjB um sitio: n fallar eom Jos Francisco
Balea, no Forte-do-Hattos.
4 di rectoras da com pan I ra' do circo de New-
Yorck desejamcomprar um muito superior caval-
lo : a passoaque o tiver para vender dirija-se a ra
ta Florentina cocltaira do Sr. capilSo Scbasliflo ,
das 9 as 11 horas da man
Precisa-so alugar urna negrinlta do 12 a fS an-
nos, de,bonscostumes e carinhosa para criancas,
que he para andar com urna menina desmamada :
qucuitivei aiinuncie.
.
nario classico, hislorico-geographico e metholugi-
co, por Francisco de Paula Jacou; OracOes de Cice-
ro em porluguez ; diccionario da fbula ; Cousin ,
philosophia ; Tratado da religiOo; Obras de Virgi-
lio ; Oracio j Algebra de Lacroix; Geometra do Ku-
clidesi lrignoinetria por l.acroix ; Algebra de Be-
zout; Historia natural de Rufo*n completa ; e ou-.
iros inuitos livros de aulas: ludo por preco commo-
do : tamben) s irocam por outraa quaesquer obras,
aendo boas o estando em bom estado.
.- Vendem-se saccas de milho muito superior, a
2.560.rs. ; na ra do Queimado, n. 44.
'Na ra Nova, loja n. 58, se diz quem vende 2
bonitos cavallos rucos, para carro, mu proprios e
gordos;2 ditos para sella, e2 quartos para carga :
ludo por preco commodo, por ie precisar de di-
niteiro.
Vendem-se vidros para espelhos de todos osla-
manlios: no arroazem doKalkmann& Rosoumud,
na ruada Cruz, u. 1.0.
Vendem-so pianos nglezes da fabrica de Co-
lard: no armazem de Kalkmann & Rosenmund,
na ra da Cruz, u. 10.
Vende-se viiiho de Champagne, marca cometa.:
no armazem de Kalkmann & llosenmund, na ra da
Cruz, n. 10.
Ricos tapetes
para ornar salas, mesas, candieiros, lanternas, cas-
tieas ecampainhas, redondos, quadrado.se trian-
gulares bordados1 e de oleado, com lindas franjas
de lila de todas as cores; luvas do toros I, proprias
para aQuaresma, ao ultimo gosto de Paris, pretas e
brancasS com dqdos e sem ellos, a 1,600 rs. o par ;
alpaca de linho, a 640e800rs o covadd : na ruado
Queimado, n. 27, novo armazem do fazendas, de
Hay mundo Carlos l.eite.
. -- Chegaram as verdadei*
ras pulas vegeaes do J)r.
Ilrai reth, viudas no briguc
Ptttuam, (la Philadelphia, as
quaes se vendem na botica
de Bartholomeu francisco de
Souza, na ra larga do loza-
no, n. 56.
-Vende-se urna mulatinha do 13 annos, que faz
renda, cose ec'ozinha ; he de bonita figura sadia ,
e propria para dar a urna menina : na ra larga do
Hozario, loja n. 35.
Casimiras elsticas
a 640 rs.
-- Vondem-so casimiras elsticas de algodfloejaa,
pelo barato preco de 640 rs. o corado : na loja ora
da estrella, n. 1, da ru do Collegio.
Cheguem, freguezes, a loja de
IManoel Joaquim Pascoal lla-
mos no Passeio-Pnblico,
n. 19,
aos cortes do cambraia de todas as qualidades, a
1,20 ,3.000, 2,400, 2,500 e 3,000 rs.; ditos de lar-
lalana branca* a 2,400 rs. com 9 varas; cambraia
de quadros, com 9 varas, 2,400 rs,; lencos dd soda
para mAo, a 1,000 rs.; ditos para gravata, a 400 rs^;
ditos de cassa, a 200 rs. ; chitas para coberta a 200
rs o covad; pello do diabd e castores, a 200 rs. .o
rovado ; chitas, a 140,140, 160 o 200 rs ; riscados
francezes a 200 rs o corado ; pecas de algodao, a
2 000-rs. ; ditas de mad.ipol.1o do todas as quali-
dades a 3,000, 3,500 4,000, 4,500, 5,000 o 5,200 rs. ;
chapeos do sol, a 5.500 6,500 rs.; cortes do Illa a
2,500 r* ^ ditos q>casimira, a 6/rs.; o oulras muitas
fazendas por pr*<>0 mdico. '
Vendcm-se duas mulatas muito bonitas, sendo
una de dado de 16 a 18 annos, e a outra de 20 a '2J
anuos: veudem-so, pelas pessoas que a trouxoram
do malto tercio de se retirar muito breve: os pre-J
Na nova loja de livros no pa-
teo do Collegio, n. 6, de Joao
da Costa Honrado, "vende-se
um diccionario ing.lez, grande, com.um pequeo
uso, por preco commodo,
Veiirkm-se wpat3ee de -couro de
lustro superiores, relo baratUsimo pr'e-
50 de a,5Cors. : na rna Jo Cabug, loj*
de miudezas, n. 4> d Manoel Joaquim
Utas.
Vendem-se ca'deiras debalanco muito boas e
commodas : no armazem de Kalkmann & Rosen-
mund, na ra da Cruz, n. 10,
Cortes de calca a
I#rs. -
Vendem-se crle9 de calca para homem, da fazenda
denominada' mselo -de 3^0 4 covados a 1# e
1/200 rs. o corte: esta fazenda he muito barata e de
muito boa qualidade, he escura e serr para a esta-
Cdo presente, assim como tambem serve para jaque-
tas e palitos: na ra do Collegio, loja nova da estrel-
la, n. 1 ,
Vendem-se 10 escraros, sendo pretas com ha-
bilidades ; 2 pretos, sendo um delleade nacfio Cos-
ta ; um bonito moleque de 16 annos; duas pardas
com habilidades ; urna mulatinha de 6 annos : todos
sem defeKosnom achaques : no pateo da S.-Cruz,
n. 14, so dir quem vende.
Vende-se um terreno com 3 fren-
tes e tendo 6o palmos de largura e mais
de 25o de fundo prompto para se edi-
ficar e tendo j 16o palmos de alicer-
ees : faz-se todo o negocio ou d,-se por
metade de seu valor : na rui do Cres-
po, n.. q, se darSo as informacbes
Vendem-se dous lindos moleques de 16 a 18
annos ; dous pelos de 25 a 30 annos, para todo o
servico ; dous pardos de 16 a 24 annos sendo un
delles boi carreiro ; dous mulatinhos de 9 a 11
annos; urna mulatinha de 14 annos; urna negri-
nha do 10 annos, com principiosr.de habilidades;
duas pretas de 20 a 25 annos tendo urna dolas ha-
hlidadosjum casal de escravos mocos, proprios
para o servico le campo; urna preta de idade, por
150,000 rs.; na ra do Collegio, n. 3, se dir quem
vende.
Casimiras elsticas
finas*
Vendem-se superiores eexcellentes cortes de casi-
miras de superior qualidade e lindos goslos, pelo
diminuto preco de 5,6 e 7# rs. o corto de calcas, sen-
do seus padrOes tanto de gosloipara o invern, como
ara ver'm; a ellos antes que se acabem : na.ra
po Collegio, loja da estrella, n. 1.
-- Na ra do Amorim, n. 44 tercoiro andar, ven-
dem-se, por preco rasoavol, duas camas de amarello,
urna nova e a outra cora poco uso.
Vende-se urna Jinda escrava de 24 annos, com
habilidades, equo*lio ptima quitandeira: na ra
estreita do Kozario, n. 31,-primeiro aadar.
Vende-se um mulalinho de 13 annos, muilo
lindo; urna mulatinha do 14 annos ptima para
mucama ; um escravo pedreiro ; um dito sapateiro;
dous ditos de 22 annos de todo lo servico ; oito es-
cravas mocas, sendo algumas de ncelo : ua ra
Direita, n.3.
Continuam'-sea vender,
na ra da Cadeia do lie
cife, r. 37, caixaa com
cera em velas c mais
brandues fabricados
no Rio-de-Janeiro, e em
Lisboa: sorlimentos ao
gosto to comprador, e
por niais commodo pre-
go do que em outra
qualquer parte.
mmmam
Vendem-sosapatOes brancas, p"or preco com-
modo : na praca da lnde.pendonoia,,n. 3.
Vende-se um cavallo rodado, bom carregador
de baixo a meio, e um sellim inglez com cabecada :
ludo com pouco uso : na rna do Queimado loje de
ferragns, n. 10.
Vendem-se acedes do tneatro de
Apollo, por metade.de seu valor e.com
as quaes se pode ntrar de socio : na ra
do Cr.espo, n 9.
Vendc-se-se urna parda, bstanlo robusta e forte,
que cozlnha, lava, eiigomma, ecom outras habili-
dades ; o motivo da venda se dir ao comprador-.
a fallar com o'major Mayer.
ptimas lesouras de Lisboa,
para alfaiate,
vendem se na ra da Cadeia do Hecile,
n. 56.
Vende-se um pardo de 20 annoi, de muito bo-
nita figura, e que he ptimo para pagem : na ra
da Penna confronte torre do l.irramento n. t
primoiro andar.
Vendem-se duas escra vas de meia idade, sent
1
(vU


11-
tendentes dirjanle a loja deLuiz doOlireira Urna, I vicios pot preco commodo : na ra do t.irramen-
na ra da Cadeia db Recife', o. 55. \to, n. 27.
w-
=2C
-m
--_




***m



1

Vendem-se presuntos, baldes e tinas proprias
para lavar roupa; vassoura para varrer salas e ta-
Seles : ludo ltimamente chegado dos Estados-Uni-
os : na ra da Cruz, a. 7, armazem de Davis & C.
Bolachinha regala, a 55O rs.
libra.
A excedente bolachinha regala d'agoa o doce ,
fi se vende nos tres bairros desla cidade e das se-
guintcs casas : Boa-Vista praga da S.-Cruz, pada-
ria da urna porta, onde be fabricada; S.-Antonio ,
esquina da rua do Collegio, venda de Jos Comes do
Sobral Nascimento Recife, travessa da Madre-do-
Deos n. 13, deposito da mesma padaria. A boa qua-
lidnde e born gosto que as mesmas bolachinhas
tcentencontrado os consumidores, leem levado.a
sua extracgSo a ponto subido o quo tem animado
o faurirante a continuar a l-la smpre prompta e
das melhores qualidades que fzern a sua compsi-
(So, o far todo o possivel de na"o desmerecer a fa-
ma que ailequeriu era tilo limitado lempo.
Charutos de S -Flix, os ver-
dadeiros.
Manool Joaqim Gongalves c Silva, na ruada Cruz,
n. 43 faz cente a seus freguezes, que, pela ultima
embarcagSo, viuda da Rahia recebeu um sortimen-
ta dos imiis superiores charutos all fabricados ,. in-
clusive os amarrados na ponta com retroz amarello,
e quo tem por titulo quem fumar sabera,
A !00 Rs O COVADO. I
No novo armazem de fazcndasl
de KaymHiitlo Carlos Leite,
na rua do Queimado, n. 27,
echa-seo melhor algodflo trancado azul, proprio
pnra roupa de escravos a 200 rs. o covado e em
pecas a 2*0 rs. a jarda o qual se torna recommen-
davcl pelo muito oorpo no tergomma ser muito
Jargo e de cor fiza ; ptima chita prota forte a
5,800 rs. n pega ; engranados pannos de mesa, de
algodflo encarnados pretos grandes, a 3,200 rs.;
ptimos brins trancados do linho, a 1,000 rs. a vara ;
lencos de cassa de corea, grandes, para senhora a
480 rs.; ditos de seda para meninos, a 640 rs. ; es-
colenlo alpaca de linho ; chitas finas do ultimo gos-
to : e todo o sorlimento de fazendas finas e grossas,
para vender por atacado e a relalho o mais barato
possivel.
Vendem-se diversos escravos. che-
gados prximamente do Cear sendo :
prelos, preta, pardos e pardas : todos
mocos e de boas figuras, entre os quaes
urna preta com urna cria de mez e meio ,
com muito bom leite ; um mnlatinlio de
8 annos pouco mais ou menos, proprio
para andar com criancas em casa : na
rua do Crespo, loj n. a A, se dir quem
vende.
Vendo-se um preto cozinheiro e que ho pro-
prio para outra qualquer oceupago, por ser pos-
sante e robusto : na casa da destilado, defronte da
ribeira do peixo.
Vendem-se quatro mulatinhos de
idades de 8, 10, n e 14 annos; dous
lindos mulatos de idade de 22 annos, p-
timos pagers ; urna negra de idade de
20 annos, que cose, engomma e cozinha;
urna dita de muito bonita figura, comal-
gumas (labilidades; una pr la de meia
idade, muiloforte e sadia ptima lav-
deira, tanto de sabSo como de varrella ;
um, negro moco, bom para trabalbar em
algttm sitio, por 35o,ooors., c mais i-
gaos eserflvos, que se mostrarao aos com-
pradores : na rua das Larangeiras, n.
defactura,4ancorsdo3 a 7 quintaes : no arma-
zem do Araujo, no becco do Concalves, ou em casa
de Adamsen Howie & Companhia, na rua do Tra-
piche, n. 49.
Vende-se um ptimo piano horizontal, de mui
linda .onstrucgo o de excedentes' vozeS : na rua
do Trapiche, n.42, em casa de Adamson Howie &
Companhia.
--- Vende-se, por todo o prego, para liquidago
de factura, um pequeo restante de vinhos de cham-
panha o clarete sendo este em caixinhas de urna
duzia e aquelle em mais ou menos porgflo a von-
tade do comprador : na rua do Trapiche, n. 42, em
casa do Adamson Howie & Companhia.
Vendem-se 6 escravos, sondo: 2 pretos de ria-
cfto sendo um driles muito bom cozinheiro ; urna
parda moca do bonita figura, que engomma bem
o cose chito : urna preta com as mosmas habilidades;
urna mulalinha de Sannfs; um molequo da mesma
idade : na rua da Penha, n. 21. Na mesma casa alu-
ga-se urna preta para o servido de casa, ou de rua.
Casimiras lisas, a '2,400 rs.
cada covado, as' melhores que tem vindo a esta praca,
nflo s pelas delicadas cores, como por ser portada
hienda ; ditas de listras, vindas ltimamente de
Franca os melhores gestos e melhor .fazenda que
ha a 9,500 rs. o corte; meias casimiras a 3,500 rs.
o corte : panno preto e azul Bno a 3,000 rs; ditos
de cores, de 4,000 at 5,000 rs.; dito proto a 6,000,
6,500,7,000 al 11,000 rs. que nada deixam.a deso-
jar ; etoilo o sorlimento de fazendas finas o "grossas
que se vendem a rcta|ho e por atacado : na rua do
Queimado, n. 2T, no novo armazem do Raymundo
Carlos leite.
Na loja da rua do Queimado n. 5., vendem-se
petas de algodflo americano com toque do avaria, a
1/280 e 2/000 rs.
Vende-se charutos de davina, de diversas qua-
lidades, ltimamente chegados": na rua da Cruz,
armazom de Kalkmann & Rosenmund.
mu to ba
a$, segundo andar.
Cera de Lisboa.
Na rua da Cruz, n. 60, vendem-se caixOes com 50
luirs de velas de cera de Lisboa, muito superior, e
com bom sorlimento, o o mais barato que ha no
mercado.
Na rua do Queimado, n. 30, ha pannos de boni-
tas corea, proprios para palitos e sobrecasacas, as-
sim como chapeo de castor, pelo barato preco de
5/000 rs.
Na casa de modas francezas de madama Millo-
chou, na rua do Atierro da Boa-Vista n. 1, primeiro
andar, ha para vender um grande sorlimento do
chapeos de seda para senhoras, da ultima moda ede
todas as cures, os quaes se vndenlo por muito ba-
rato prego: na mesma casa fazem-se sempre chapeos,
foucas e vestidos de senhora, com toda a-prompti-
dflo e ao gosto que desejarem.
Na loja nova de'livros, n. 6,
do pateo do Collegio, de Jflo da Costa Dourado, sem-
pre achar-se-ha apudautas, procurares e lellrasj
Selladas, e a qualquer hora, at 8 da noile.
Vende-se urna porgflo de madeira de amarello,
rropciu para quem tiver obras a fazer por ser ussoa-
jbo, costado ecostadinho ; assim como 30 taboas de
louro, tudo de boa qualidade na rua da l'raia
n. 35.
Vende-se urna corren te deouro, para senhora
luna dita para relogio; 6 pegas para cinteiro ; 2 cor-
des; 4 relogios; e outras obras de ouro : na rua do
l'.angel, n. 10.
Vende-se urna vacca muito mansa com das
crias, sendo.uma bezerra e um garrote quo deita
5 arrobas: na rua da Cadeia do Recife loja de fa-
zendas, n. 54, ou nos Afogados, no sitio de Joaqun)
Jos de f.ima.
' Vende-aoa vendan. 12, na rua da Lingota ,
bem afreguezada a qual vende-so per sou dono re-
lirar-se para Portugal.
Vende-se Unta em oleo era latas do folha de
28 libras sendo branca, verde-clara e escura pre-
ta o amarel la .sendo esta em latas de 3 libras: bem
Como vermelhflo muito em conla em macos de
uina libra : na rua do Trapiche, n. 42, em casa de
Adamson Howie & C.
Vendem-se, inulto em cuota, para liquidagflo
Na loja de livros do pateo do Col-
legio, n. 6,
vendem-se livros em branco, pautados, e semeslraes
pautado.de dlerenles tamaitos ; livros proprios
para caixeiros do descarga, por virern j preparados
para este flm ; kalendarios proprios do escriptorios,
do di floren tes pregos; lapis muito finos e do mais or-
dinario; ohreias; dita gomma-graxa ; tintas encar-
nada, azul o preta : affianga-se as qualidades, o a
garrafa dcsta he a 400 rs.; papel de peso do Perlin,
muito barato, a 3,700 rs a resma; peonas, o quar-
teimo, a 20o, 240 e280rs., muito superiores,, para
secretaria; papel de Hollanda paraj-equermcntos ;
tinta para marcar roupa; caivetes Irnissimos, dedif-
lerentes precos ; tinteiros do diferentes quali-
dades, tanto no prego como no variado goslo ; la-
cre muito fino, do differentes cores ; papel de msi-
ca, e outros muitos objectos.
;Vendem-se presuntos de Weslplealia, superio-
res ; no armazem de Kalkmann & Rosenmund, na
rua da Cruz, n. 10.
Vendem-se barriquinhas de pregos americanos
n. 4, com 100 libras cada um barril, e horvilhas em
pequeas barriquinhas, com urna arroba e meia ; na
ua do Trapiche, casa n. 8.
Vendem-se vasos para jardim, de lindos ml-
dese pinturas, chegados recntenteme da cidade do
Porto : no escriplorio do Firmino Jos Flix da Ro-
sa na rua do Trapiche, n. 44.
Vendem-se chapeos de superior
castor, brancos e pretos, por preco
. barato : na rua do Crespo, n. 12,
lo];, de Jos Joaquim da Silva Maya.
VNDENSE
esto jos com duas navalhas i'
glezas, para barba,
fabricadas pelo melhor autor, chegadas prxima-
mente de Inglaterra a 2,000 rs. cada estojo. stas
navalhass3o garantidas porque, nflo s se trooam
as quo porventura nflo saiam boas, como tmbense
restitueo seu importe, quando o comprador por
acaso so nito agrado de nenhuma del las depois de
as experimentar, isto estando sem ferrugem e bem
tratadas : tambera existe anda para vedder urna
pequea porgflo das da China > na rua larga do Ho-
zara, loja de miudezas do Lody, 11. :).,.
Vendem-se chitas limpas, muito encornadas o
mujto fortes, a 120 e 160 rs. a retalho e as pegas ,
a 4,800 e 5,500 rs.: na rua estrella do llozario, n.
10, terceiro andar.
Vendem-se queijos lundrinos; presunto para
fiambre ; potes com sal refinado; latas com bolachi-
nhas de araruta ; ditas com marmleda com dual
o 4 libras; massas finas ; conservas inglezas ; fric-
eos com doces do difieren les qualidades ; latas com
sardinha; ditas com hervilhas; sag ; cevadinha ;
passas Superiores ; bolachinha de soda : tudo por
prego mais barato do qo em outra qualquer parta :
na rua da Cruz, no Recife, 11.46.
\ loja nova de livros do paleo
do Collegio de Joo da
Costa Dourado,
vendem-se ricos o dfTerentes quadros de santos
santas, com moldura dourada, e por preg muito
commodo.
Vendem-se ceblas muito grandes e entre el-
las algumas brancas, por prego muito commodo :
na rua da l'raia, armazem n. 37.
-- Na loja da rua do Queimado, n. 5, vende-se pan-
no preto lino, a 3,000 c 5,000 rs. o covado.
- Yende-so, ou permuta-se por casas, ou por
escravos um sitio de coqueiros na praia do Oua-
gir barra de Goianna, leudo de 400 a 560 ps de
coqueiros de fructo, e muitos delles anda novos: a
tratar na rua dos Quarteis, n. 14, primeiro andar.
Vendem-se charutos de regala, chegados pr-
ximamente, para fechar contas por prego commo-
do : na rua do Trapiche, n. 34.
Vendem-se esleirs para forrar salas por pre-
go commodo : na rua do Trapiche, ti. 34.
- Na n ova loja da rua da Cadeia do Recife, "u
de Ct.udino Salvador Perelr Braga, vendem-
chita escuras a 4,500 e 5,000 rs. pega o a reiT
Ino ,a 120 e 140 rs { o, covado ; cortes de me
casimiras hamburguezas a 3,500 rs.; ditos de ca"
simiras escuras, de quadros, a 5,000 rs. ; brlm tran.
gado de linho e de cores a 800 rs.; caaibra'is l^
as e de cores a 560 e 480 rs.; panno de lnho Qno*
de 12 palmos de largura a3,000.rs.; algodflo Ur'
go adamascado, a 7> rs,; vestidos brancas "de Mr
ra a 5,000 rs. o corte; lehgs de seda da cores
pira homem e senhora, a 1,000 rs. ; cobertoreifle
pipa a f,8W rs. ; alpaca lisa de cores e doalgodio
a 200 rs. o covado; cassas prrtas a 80 rs. ; lanzi'-
n has de coros, a 400 ra".; loarte de vara de lareu.
ra a 900 rs. ; rucados encorpados para calcas
24r. ,'
Vende-ae um preto de bonita leon, mnito
bom sapateiro, e quo cozinha o diario de H*a casa
dou* moleqoea de elegantes figuras: um'preto berri
robusto, quoentende derettilagflo; um pardo de
20 annos, ptimo para pagem; duas preta* de boas
figuras o com habilidades ; umn linda negrihha de
12 annos, rom bons principios de costura : no pateo
da matriz de S.-Antonio, sobrado t. 4.
Bolachinha de araruta,
reccntomenle chegada do lio-ile-Janeiro, na barca
Commercio-do-Kw em latas de 6 libras, palo m-
dico prego de 2,000 rs. cada lita : no caes da Alfan-
dega, armazem n. 1.
INovaspcchinchas.
Ha rua do Liv-ramento, n. t4 ren-
dem-.se chitas de cores fixas, a 5,6oo rs.
a peca e a 160 rs. o cor,>do, ditas di
coberta, o 5,4oo rs. a pecrf i rincados no-
vos e de bons padroes ; chitas miiiro fi-
nas ede todas as qualidades a 260 rs.
o covado : cassas de quadros e listras a
a,Goo rs, a peca ; cambrais muito finas;
e outras muitas fazendas baratas qne se
escusam de annurfciar.
PANNOS finos;
o Passeio-Publico, lojan. 19,
de Ala noel Joaquim Pascoal
Hamos,
acaba dechegarde novameiite um rico sorlimento
de pannos linos pretos de todas as qualidades, pe-
lo barato prego de 2,800 3,200, 3,600, 3,800, 4,000 o
4,500 rs muito superior; sarja preta muito superior,
a2,000 e 2,400 rs. ; setim preto, a 800 rs.; urna
porgilodelanzinha e pelledo diabo a non rs. o co-
vado ; um riquissimo sorlimenlo do cassa-chila, a
2,000, 2,400 o 3,000 rs ; pegas de cassa do listras o
quadros, a 2,400 es. ; pega? de tarlatana branca com
9 varas a 2,400 rs.
- Vende-se um cavallo alazSo.j novo, gordo e bo-
nito com muito bons andares na rua do Quei-
mado, n. 51.
Vende-se banha de porco sem sal ,
a3ao rs. a libra : na rua do Rangel, n
46, segundo andar.
Aos agentes debatalhocs.
vSapatOes de bezerro, proprios para
tropa por precio commodo : vendem-
se na praca da Independencia, n. 5.
VENDIM-SE
colieccOes de vistas de Per-
nambuco,
sendo as da ponteda lioa-Vista,ponto do Recife,Bom-
Jesus, Olmda, l'ogo-da-Panellae Cachang, feitasao
beneficio da sociedade da Beneficencia alleinSao
suissa : no armazom do Kalkmann & Roaennujnd ,
no hotel Pistor, naslojas -JosSis. Luiz AntonioSi-
quira da Snra. viuva Cardojo Ayres ot Filhos \ na
rua da Cadeia do Recife; as lojas dos Srs. Santos
Heves & CuimarUes-, na rua do Crespo ; d Sr. Jos
do AlenquerSimOes do Amoral, na rua Vuva ; e do
Sr. J. Chardon no Aterro-da-lloa-Vista.
- Vendem-se acedes da ex-
mela companhia de Pernambnco
e Parahiba: no escriplorio de O-
liveira Irmos & C, rua da'Cruz,
n. 9.
-- Vende-se um sitio na estrada Uo S.-Amaro para
Belm passandoa ponte, primeiro do lado di-
reito com muitos arvoredos de fructo, pasto para 8
vaccas de leite 3 viveirM, baixa para cpm ter-
reno para plantar.' laiubsm se vende oulro mais
pequeo na mesma estrada .- a tratar no inusmo si-
tio acuna ou na rua Direlta, n. 4.
Vende-se urna morada do casa terrea, de taipa,
muito grande o com muitos coinmodos, na povoacSo
de Santo-Amaro-Jaboatao ? a tratar no largo de S.-
Jose, n. 49.
SSSF.
. S.SF.
Vende-3e superior farinha de Trieste,
no caes da Alfandega,no armazem doBa-
cellar, ou na rua do Vigario, n. 9.
Finissimas navalhas de barba,
fabricadas em Lisboa.
Fstas navalhas silo fetas do mais fino ago da Sue-
cia o temperadas em agoa que conten os mesmos
principios que se encofitram na muita afamada de
CuimarRes e para provur a sua superior qualidade,
bastar saber-seques3o preferidas, por quom urna
vez as experimentou a quantas vecm de Inglaterra.
Franga e nutres paizes onde a arte de cuteloria esta
inquestionavelmcnlo em grande adiantamento ;
teem mais a supraditas navalhas a importante
circumstancia de conservarem por muito tempo a
aliacn, de cortaren) com rapidez o cabello da bar-
ba e nalmcnlo de nlo ofTenderem nem levanta-
rem a pclle, e para prova do sua boa qualidade ,
mo se llovida dar para os compradores as experi-
mentaren!. Vendem-seunicamonte na ruado Cres-
po, loja n. 8, de Mayas Primos.
Agoa de Ungir cabello.
Contina-se a vender agoa do Ungir cabello e sus-
sas : na rua do Queimado n. 31. O melhodo de ap-
plicar a dita agoa acompanha os vidros.
Palitos de fogo.
Rua do Queimado, n. 16
Vende-se a (nejhor [qualidade deates palitos,
em porgflo e a retalho,, chegados recentcmenle de
\ lenna da bem condecida fabrica de A. Bejer, d
cujos se aliangam a superior qualidade.
- Vqnde-se um negro do nago, de meia idado, de
bonita figura, bom canoeirq, c que trabadla bem de
enxada, por ter bastante pralica de sitio, por prego
commodo: no becco Tapado, junio ao pateo da ma-
triz de S.-Antonio, casa terrea n. 13.
toja d Magallies# Irniao
na rua do Queimado,
n. 46.
Nesla loja vendem-se cortes de cassas de cores, a
3,000 rs.; ditos do cambraia branca lisa, a 3.00 e
4,000 rs ; lengoa de selim do cores, para grvala, a
3,200 rs.; meios ditos, a 1,600 rs ; cambraias aber-
Escravos Fgidos.
tas, a 4,200 e 4,500 rs. o corte; di tas brancas ber-
tas, a 4,600 rs ; muito superior panno para loaihas
de mesa, de 4 palmos e meio-de largura, a 640 rs. a
vara ; lengps brancos de cambraia com beira aberla,
a 300 rs.; chita de coberta, a 200 rs. o covado; dita
para vestido, de cor lisa, a leo rs.; lengos bordados,
a 320 rs. cortes de vestido de liiazinha,' a 3,200 rs ;
camisas de meia. muito superioros.a 1,400rs.; chales
de soda, a 10,000 rs.; mantas de dita, a 8,500 rs.;
chales de IMe seda, a 4,500 rs.; setim pelo, a 2,200
rs.; bicos de varias qualidades; e aliu dist, uro
completo sortjmenlo de fazendas, proprias para esta
capia e provincia,
FARELi>NOVO,
a
rs.
Saccas grandes de 3 arribas com fardos: no'arma-
zem de J.i. Tasao Jnior, na rua do Amorim, n, 35.
- Fugio, no dia 14 para 15 do corrcnle do enre-
nhoS.-Andr o escravo Joaquim, bem preto, bai-
xi, testa pequea olhos afumagados, pernas finas-
lem no dedo ndice de urna das mflos una pequea
tortura de um penaricio; tem de idade 20 annt.s
pouco mais ou menos; levou chapeo de palha olea-
do de branco: quem o pegar leve-o o dito enge-
nho a casa de Anna Clara de' Jess, qu ser re-
compensado.
- Contina a estar fgido, desde 9 de abril, o es-
cravo Alberto, que se intitula por Manoel, de nago
Cabunda, bailo, secco, com pouce ou nenhuma'bar-
ba, rosto descarnado e com algumas marcas de bexi-
gas.falla mal portugueaj hsvou caigas de brim Iranga-
doescuro, camisa de madaporuo, com casa de bo-
taodeouro nqspnnhos; collete de sedarOxo bor-
dado anda novo: quem o pegar leve-o a roa do
Rozarlo da Boa-Vista, n., 48.
- Fugio, no dia 8 do correnle, o crioulo Jos. de
34 annos pouco maisou menos-, cheio do corno, al-
tura regular, pescogo curto cara larga testa des-
coberta olhos multo grandes que quando ollia para
as pessoas parece maluco, ou embriagado ; levou
camisa de madSplflo calcas de Viseado j desbola-
das. Este escravo foi comprado? JofloAlves de Arau-
jo do termo de Pajau-de-Flores. Quem o pegar le-
ve-oaruado l.ivaamenlo, loja n. 2, de Joaquni
Jos Ferreira da Gama, que ser generosamente re-
compensado.
- Fugiram, no da 30 domezpaaapdo, do engenho
Martapagipe da freguozia do Cabo e passaram
pelo engenho Agoas-Qlaras do U.ruc e fram
aparrados, ja com 60 legoas do caminho para a
villa do Pombal, os escravos Flix o Liberato es-
te pde-se trazer, o aquello tornou a fugir c lem
os signaes seguintes de nomo f senta 30 annos ; he gordq, de altura regular cra
redonda ar sempre alegre, denles limados, sem
Da roa cora um peqneno lalho no nariz ; ppgcoco a
pernas grossos. Kste escravo foi do Sr. Jos Alves
morador na villa do Pombal, para ond parti,
ro comprado nesla praga ao Sr. Jos da Fonsec e
Silva. Quem o pegar leve-o ao dild engenho ou
nesta praca ao Burgos Punce de LeSo que sera re-
compensado. H re
-Fugio, de bordo da barca Commercio-dv-Ko
no da 16 do corrente, o escravo marinlreiro de'
525r^,\?,ao veto bem retinto .n.U mogo,' do
nago Mina muito riscado no resto, com um dedo
da mloiwu doenle falla pouco 'e mal s^Txprcs-
sa porem sempre com o semblante risonho; levoa
caigas e camisa de riscado azul, chapeo d palha
americana Esle escravo pertence aoSr,lanoeUos
de Araujo Costa do Rio-de-Janoro : queTper
leve-o a rua da Cadeia do Itecife, n. 45, que reffi
r generosa g_rallficacflo. q
- Fugio, na noite do da 21 para 32 do cammte o
escravo Antonio, de nagio u\U -d.' a s^nos
pouco mais ou menos, anda novo, pouco ou nada
sabe fallar; lora um pouco torio o queixo para o la-
do esquerdo, denles alvos, estatur regX mo
docorpo, pouca barba, levou calcas de lodflo
lVnTcJalf,.ndt!ea, loja de rerragens, ao p do
arco da Conceicuo, que sera recompensad.
- Anda continua a estar rugido o oreto Jos
de nago, de 40 annos pouco mais ou menos de
estatura regular, rosto comprido' deearSo
o hos grandes e encarnados ; tem o beiTKo
grande sem denles ua parto superior Sni no.ros-
to umsignal de lalho ao n do qjho JireTo 1
como u,n oulro no meio do memb?ol; proveniente
de um caneare, e oulro na verillia d um Ko
c JoSr ,nt[euSCmo of comprado nesla pra-
ga a Joaquim Lopes Raymundo do liilllar uimveio
Cerrrotoua.TlOSdVl,a d *** "oJSSTdo
morador 1 ?Uy* de "MMo Morlra da Silva,
rear-rrtid luar' 0u e"" rirj ; e como odi-
as autorl.i-,i ra.(,Ufi *""'" l **'" oiwr, roga-*e
parllare, 'I. ;ClaC'8'CP'l?eS'lJo cm'' PB0M
c*tr,h,lL'nAq 0apprenenda,nu ievem-no a rua
estrella do Rozano, n. 13, que sero recompensados.
PEav.
m
NA TTP. l)K M. F, DErABIA. w ^9^9
'.:


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXYHC7ZYK_8QWOF3 INGEST_TIME 2013-04-13T02:49:32Z PACKAGE AA00011611_05493
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES