Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05481


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Auno de"1848.
Ter$a:fera 9

n;
ll
c
ua
i.
le-
do
le,
rt-
tn
lle-
|U0
na
t-
16
I:
do
i-
r.
K
is
n nil'O i.ti'dici-setodosos nia' T" u!o
* 1* ""<:"' pre?0 d* ;!',S"Aur6-,hc de
6 re" l.,mwTtBl. W" idinnaitot. Os an-
^aSS-Swt O. quPn.;o for.ma.sia.-
PHASES DA LOA. NO MEA DE MA10)
l.o. gon, ** taose 54-min.d. anb.
Cscente I, aes 8 ajln. da maoh.
Lu eheia I. 'i*e rain, da manb.
M.ngoa.iM a .ai T-".jtatnh.
PARTrDA DOS COHRErO*. '
*
l oanos, Parahlba as secundas e srtasfeira.
Hio-(irunde-Jn- Norte quinta '. errasomeioHia
Cabo, Serinhem, P,ioForoso, Porto-Calvo e
UacaM. no 1.a, a II c II de cede raer.
Oaraiihuiis e Bonito. 8 t 21.
Bo-Vi>t e Klorej, ire2.
Victoria, as quinta.(eira\.
Olinda, tortol otdiai.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira, l lO horas e 8 minutos da mantila.
Segunda, Illas hor* e 10 minutos da larde.
le ftfafo
AnnoXXV.4 JM.H
DAS D* SEMANA.
8 Setrunda, S. Heladio. AuJ.do J. do orph.
doJ. doc. d 2. edoM.dal. v.
S Terra. S. (ireeorio Naanienn. Aud. do J.
do civcl. e do j de oaz do 2 dist; de t.
10 Qurt. S. Filsdlfo. Aul db J. do civ. e
do 1. de pai do 2 dist de t.
11 O""1'"- 1- Anastacio. Aud. no J.dos orph.
edo J.m da l. vara.
12 Sai la. S. Pancracio. And. do J. do civ. e
do J. de pai rto I rut. de t.
Il Sahliado. S Pedro Hegalndo. Aud.do J. do
"tv.e do J. de pat do I dist. det.
14 Domingo. 5. Bonifacio.
CAMBIOS NO DA 8 DE AIO.
SobreLondres 27 d. por UOOOri. a d
Pars li a '50 ra. por franco.
Lislioa 10' por 100 de premio.
Dse, de lell ras de hoal firma s a I '/, Va o m
0rooeal r-aipaiihnlai.... SSO" a
Mocrtasde I nn val. 16*100 a
, daOfiOO no.. lOfono a
dalfooo..... >#"*>
Prta-P.lae6M.......... I"'
a Pajoscolu-nares... IIMO a
Ditos mexicanos.,.. I|800
. Huida...'.......... '*
JMoO
l'2Cfl
isfioi
0(200
Ifnll
lili
IJMI
|92
Accfies daoomp.d Hebeeibe da SOfOOO ra. ao par
DIARIO DE
PARTE OFFICIaU*
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA DO COItRKNTE.
i -
s-
en-
(Bl-
51-
Bil-
lli
es,
o
nm
dis
-se
cl-
vi-1
I-
10
iri
ino
u-
bo-
he
be-
ho-
m
he
illo
de
ne-
to,
!
bu
o
do
.de
fU-
OS.
Al-
fio
o
e-
c-
is
di
is,
ni
Si,
li-
d<
,
>o-
lo
Officio. Ao commaudantc dai armas interino, re-
cntnmeodando, mande dar biiu aorecruta Ceraldo Jo-
%t Felli vis harer elle prorado documeutalmente
que nlo etti oas circuoncenctosde servir na primeira
'luto. Ao director do monte po eral ctos servido-
res-do estado, transmlttindo urna letlra de72Wl, pela
importancia do saldo existente, at o ultimo de abril
proii.no Indo, na calxa destinada as contrlbulcdes que,
>or conu do mestno monte po, se arrecadam pela tbe-
souraria de Taxenda desta provincia. -Pailic.pou.se ao
inspector da referida thesourarla, em resposta ao seu of-
ficlo de 5 do cprrente.
Dito. Ao administrador das obras publicas, decla-
rando que S. Me. obrou multo em pro do servico, quan-
do leBundoconsU do seu officio de honleui, mandou
examinar eoraar Immediatamcntc os concertos deque
arecisa o forte do Buraco; e autorisatido-o a proceder
5a mesma maneira, sempre que as clrcumsunclas o exl-
8 Dito. Ao inesmo, approvando a proposta dosenge-
nheiro Feliciano Hodrigues daSilva, e Joo Lu.i Vctor
Lieulhier, para dlrlglrem: este as obras do forte do Bu-
raco e aquellc as do arsenal de guerra.
no Ao inesmo, autorisando a compra de diversos
inateri'aes, requisltados pelormestreg de pedrc.io e car-
pina da.epartltao a seu cargo para o concert do pala-
cio da presidencia.
Portarla. Declarando sem effeito a que nomeara pro-
motor publico do termo de Oolanna ao bacharel Hono-
rio Fiel de Simarlnga Vaes Curado, e reinovendo para
esse termo o promotor publico dos de Olinda e Iguaras-
. Jos Tl.eodoro Cordeiro. por assim o haver pedido.
_ Noineou se o bacharel Jos Cardozo de Que.ro. Fon-
dea para substituir o removido, efizeram-se as precisas
""Dita"iNomeando luto municipal e d*erptrao do ter-
mo de Flores ao bacharel Estevao de Mello Albuquer-
que Montenegro, e declarando que .e.nclhante Domea-
co fie d.podnte de pt>r.veco Imperial.-Com-
nunicou-se a. presidente da relac3o, ao Inspector da
thesouraria da fiieada. cmara e rieres, ao_respec-
tivo juis dedlreito e ao ..orneado. _____rA.nm
Dita. -Coacedtndo un. meide licenca, como.dena
G0MAND0 DAS ARMAS.
Qmrttl da commando das armas na cidadi do Rte[e, 1."
de mato di 1848.
ORDEM DO DA N." *.
O cowmandante das armas interino faz constar guar-
igaoTu. o Exm. Sr. presidente da provincia, cmd.ta
il.- M do mez passado, Ihe communicou: ,,.,. .
l" que por aviso Imperial expejlidei pela sec e aria de
e,Udoqdo, negociosda,g,erra e 10 -e^J^'Jj*
^'^AotZL^o dasPar.nas d^s.a provine^,
ao Sr unente-coronel Manoel Ignacio de Carvall.o Men-
d02a'que por aviso daines.na repartlcao, e, da mesma
data houve S. M. o Imperador por bem, po'" df eto
tl'do mes.no mea, conceder a demissao que pedir de-
co.nmado do 6. batalho de candores o Sr. coronel
irrarl.iado Feliciano Jos Ncves Gonzaga.
g 3, que po aviso do 1. de abril se determinara que
fotW servir na provincia dcSergipe o Sr. capilao Ma-
noel Aeostlnbo da Silva Morria.
4 que por aviso de Igual data se communicara ha-
ver S. M. o Imperador mandado servir, na qua idade de
aSdido no6.balalhao de ccadores.aoSr.cap.taQ do 8
batalho da mesma ir.ua, Francisco Antonio da Fonseca
Galvo, que seacha nacortc. '
5..? analmente, haver o Exm..Sr. vice.pres.dente da
provincia, emdata de28do passado, ?*"?,? s.rf!:
into do I.s baulhao da guarda nacional }"'"
ment Ladislao Jos Ferreira, que sera nesta data ex-
'o'uto^Tterminaaue amanha (2) corno, exls-
lentes na guartilcao pasen. revista geral de mostra pe-
la maneUaVguinte: o 6. batalhao de ejeadoref. a.
II horas do da: a companb.a de artiOces, s 6 e meia ,
a com^nhia de eavallaris, s 7, o 1. batalhac.da..rda
nacioiml. s7 e mela; o 2. batalhao de an.lha. a. as 8
o5. de futileiros, soito e mela; e o contingente do 7.
de cacadores, s U.
' Sol domo Jos Antonio Pereira do Lago.
Idcrosa", e que foi sempre nossa fiel alliada[apofo-
I Esta allanca commercial e poltica ha tantos an- ^,<=*. -pico Vorei'um cogo fa-
nosem vigor com Inglaterra nao he um problema* "", J/^ nosso Xi w do reprovar o mei das
rcwlver. He !mil ezes sabido que o noso mwr, "JU. SWo rmso '^r ppo.icflo. Por
' mas sim a per.la da libertado (a-
> m.in ,1o 1RA6 Teve-se o laclo com suc- istia honra, temi le lucro annual quarenla mil li-
uiiutoiubii ,___ __Ai, .oral um COBO fa- OOf Ultl intejeSSC tal. _..
a nossa independencia nem a nossa industria : nSo
de certo; e os Tactos team demonstrado que- nem
urna nem outra corre perigo, tendo o governo o bom
sonso necessario para zelr os interesses do paiz.
A nossa independencia Nilo a sacrifiquemos a
ninguem. Eu j fui oncarregado do um tratado com
ogovernpbritaniiic, que dieti at ao lim, e que
acQ,ntecimeBtosestranhosa.olle impediram ser as-
signado entilo; e longe de sacrificar a independen-
cia o os interesses tle Portugal, algumas condiefles
vantajasas a uns e outros obtive com indefossa dili-
gencia: appollo para o testomunho do digno par
o Sr. conde do Tojal, cujo auxilio petli muilas vozes^
e que foi parte em muilas discussfies. (9 Sr. Conde
de Tojar Apoiado ) Elle pode dizer so nfio vio
sempre om mimo maiorempenho cm obter vanta-
gens para o nosso paiz. [0 Sr. Conde do Tojal \pa\n-
do. ] E depois disto he duroouvir clamar que nstou
vendido aos interesses de Inglaterra mais que
recebo urna pensfio do governo ingles! Sr. presi-
donte, imputacOestaes s3oa vergonha do quem as
az. Se esta fosse verdadeira, cu ordenara a meu
fillio quo se nfio doshonrassechamando-me seu pal;
cu teria perdido a qualidadede cidadflo portuguez ,
eu iria esconder-me dos liomens longe da patria
que trahira. Aqui nilo ha escrpulo em calum-
niar: o lim he calumniar:inda ha pouco,talve?
honlem, se repiti que eu,-para sor ministro, acon-
selhra o dosembarquo de seis mil Inglezes indig-
na falsidado He outra calumnia alroz .' Quando
iissiin fallo bem sei que esta toz chegar aonde se
sabe quo digo a puro vejnisMte'.
8r. presdante, o estado da Europa he gravo : -*e
algurtwH* essa allianca com a Inglaterra nos fui ne-
cessaria, enteiulo que nunca o formis do que as
circumslancias presentes. Em toda n parte apparo-
cein svmptomasde grandes aconlecimentos prxi-
mos. Nsdevcmos'empenhar-nosna guarda o sus-
tenlacaodo governo constitucrWial da dynastia rei-
._.k nHM[.n^..nrt>na BO RAOUS IIW I i' llU't (S CU18
no constitucional,
poiados). Querer-S9-lia quo urna opposic-lo formad
liojo triumpho amanhfia? Ten.o receip do perder
tempo ? Quo impaciencia hoesla? Quo in oleranc.a
Mal? He esle o meio do mostrar qua leudes rasSo
Eser por ello quo provenios o nosso amor a lier-
Jade.'M/w/ado). ....,
A conviccSo em quo estou de quo sustonto os ver-
dadeiros principios, as verdadeira* theor.as -leve
inspirar-me firmeza para persistir, paciencia para
esperar e esperane no triumpho.
Aqui estilo os meus principios: diga-se anda que
sou fautor de revolucoes. .,...;
Sa eco a um lado esto sacrificio impaciencia
dos que nHo p.lom esperar, tamben, poco enr-
elos ao outro. (O Sr. Conde de Thomar apoiado.)
Peco o caquecimento de verdadeiras ou supposlas
oflensas quo se suffoquo o ardento desojo das vm-
gancu, e que seja banido para sempre esse exclusi-
vismo, que appareco com toda a sua hediondez, lato
peco, isto dosejo : nao mo dirijo individualmente *
ninguem, notando um defeito quo he commum a
tanta gente. ...
N<1o he a favor do um partido que requoiro o sa-
crificio do outro partido : he a bem da paz o da li-
berdade de todos, dcsta nacao, que tanto nos mere-
ce Nem considero que seja difllcil o esforz que exi-
jo. Pretendo eu urna devocao semellianto a de F,gas
Moniz, dequemdissco poeta.
.'oo'ro nem Curdo, outidos com espanto,
Nem os Decios leaes fiseram lano ?
Pertenco sobretodo ao governo dirigir a admi
nistracSo do paiz conformo esles principio* de le-
raneia a conciliagao ; o que assim obrar^sera o olyec
to da minha vci.eroc.5o i tc-lo-hei como divindade
tutelar desle paiz.
Juronda que futs per nomen ponimus aras.
por um inte/esse tal.
Parece-me comtudo que o nobre conde do Tojal
dissero que todo o governo linha tentado sempre
tornar favoravel, por moio de alguna obsoquios n
correspondencia do Times: eu declaro a S. Exc. real-
mente que nunca procurei tal, nHo obstante desojar
quo se escrevesse em favor dos principios da admi-
nistradlo cm quo servia, por isso que ou devia en-
tender que os meus principios eram os memores.
Mas ninguem me podor provar que eu para isso mo
dirigisso a jornal algum. Faco esta declaradlo, e
peco ii cmara me dcsculpe de haver-lhc tomado os-
le tompo a pedido do moribundo, quo julg nao
merecidas as mputncoes feitas contra ello. NSoquiz,
pois, dcixar de dar esta explicado.
INTERIOR.
niiielconservenvoa as nossa* instiluiqOes, cuja ; -h.j. i.
"ndoS he o progressocaulelosoej.rudenle: maanao ^^^^1^ Uem^ |?oee ^$2.
Mvn.r., ^ rtrograi*arf e, ftrograataaadi* )*jRiir
RIODE-J.4MFJRO.
CMARA DOS SRS. DEFTADOS.
2.' SESSAO PREPARATORIA EM 2ti DE ARRIL DE 1848.
Presidencia do Sr. Diat de Carvalho.
A's 10 c meia horas da manbaa abre-sc a sessao, lVse
e appova-se a acta da antecedente.
EX HEDIENTE.
Saoremettldosicommissao de podares os dlnlomas
dosSrs. Francisco de Sou.a Martina e Jicl.,. A OOe.
c Vasconcelos, e uinarepreaenUaq, do Sr. Dr. *.
do Sebastian Das da Molla, reclamando o lugar de ac
potado pela psovinciado Rlo-dc-Janeiro.
Nao ha mais expediente.
O Sr. Presidie dizque, nao havendo sobre *
narecer algum da com.nissao de poderes, convida os I-
rustresnicmbros da commisso a declarare... se hoje he
nossivel apresc.tarem algum parecer a respelW.
" O Sr. ^nlo. como relator da commisso, declara que
nao he possivel apresenlar hoje parecer algum.
Nao havendo mais nada a tra ttr.'o Sr. presidente le-
vanta a sessao. _______^*^- -
PARLAMENTO IH3RTUGUEZ.
ansio BA cmara o -ab, k x i_Vr-
BEIHO BZ 1***.
(Continuaclo do numero 101.)
OSenhor Fenuea Maoalhes [ prosegnindo ] : --
Olhando para o nossoaMerdadeiro jnteresse, deve-
nios considerara nossa si^uacao europea continen-
tal, aailhts que nos ostfl0 vizinhas, porcao impor-
tante, e que 13o mal Unios avaliado, as colonias
que possuimos, muitsdellas invejaveis, e das quaes
grandissmo interesse poderemos tirar, sem em-
bargo de que pouco dellas tem resultado al- agora.
Para sustenta-las carecemos de frca naval, que pro-
teja ocommercio, e.a seguranca das possessOes.
Nfloatemos; eapo/ar de todos os esforcos, nSo
teremos trio breve. Bstfio diminutos os rendimentos
do estado, he preciso longo tempo para crearmos
urna man o ha apropriada As nossas necessidados :
- precisamos da allianca de um* nasflo martima po-
paremos *_Q*raTi; ,tt r^*ive., ~~~i~
contra a frca das caas viremos a dar tug8""
movimentos de reaccao violenta, que tambem pode
ter em resultado final a perda da liberdade.
Entendamo-nos: a opiniflo nacional nao lio a de
nenhum extremo: estes devem desislir de surtpre-
toncoes impqssiveis e convencer-so da nccessida-
de que a nacao tem de quo o governo soja para lo-
Os principios da liberdade nvancam com o.passo
segur em toda a Europa. Elle* Mo de triumphar,
ou o dospotismoquo os contraria a eties. A victoria
ndecustar ainda muitos combates, mas nilo me
parece duvidosa. Felizmente nao sao entre nos no-
cessariasessasiidesjnaobede ternero reinado do
absolutismo, nem o seu sceptro do ferro. ( ir.
Coude de Thomar Apoiado. )Ma*. sena no menor
calamdadequealicenca e a anarchia dcstruissom
as instituicOes da monarchia constitucional, e a*,
seus santos principios; qoe as turbas. deseufreadM
fizessein calar as leis, e diclaasem i
seus caprichos, as suas pa.xoes; e ""*e",ii"
monarchia o a liberdade. Houve um tempo em que
urna e outra se tiveram por incompativeis : as so-
ciedades modernas teem demonstrado o contrario o
e o milagro que entre os anligos foi exclusivo dos
Titos, dos Trajanos e dos Marcos Aurelios, tornou-se
a cond"cno natural das inslituicfl consl.luc.o.iaos.
Dos permita que as saibamos conservar; que vamos
progressivanienlfl marchando com a c.vilacao do
seculo o que mondamos ser este o nico mas
seguro meio de lar pazefelicidade. Nesta forma do
Kovemo Sr. presidente, tem a nacao grande parto
em toaos os;mu. negocios ;e pode dizor-so que se
governaa si mesma.
O novo eleee o* seus repr.oscntanles ao parlamen
loffi da .loria desles mg*^ ah-
tros- as leisso Te tas pelos elcilos do povo, a au
m nist"c municipal acidadnos eleitos oconfiada
O chefe do estado vela pela "la,'utc,,fl.0.rd^'
bro dos poderes polticos; o como poder modera-
dor, he a almo, a vida deste adm.ravel pierna- Eu
enlendo que, fielmente executada, a nl,"-
conal conim todos os elementos de libordade. {Vo-
zes -- he verdadej. He verdade Sim, executemo-
la fielmente; porque.se o goverw representativo
sincero o leal, he o melhor dos governos, Umbem
he ceno que sophismado lio o peior do todos, {ro-
set-- muito bemj.
Sr. presidente, quando eu digo isto nem ponso
em lecer encomios revolusao, nem justiHcar os
erros da outra parte; nao vm aqu para isso, roa
sim P*ra expr os meus senlimentos easmmhas
opinioes. J se disse quo a alguem pareca ver em
mim um dos membros da junta do Porto, porque a
esse partido nao cessoi de fazer elogios : nflo os Hz
,le certo; o desle lado se pensa bem o contrario., |v
Sr Conde das Antas He verdade]. Attcnda-se a es-
te a Darte, he nobremenle, c eminentemente signi-
ficativo Sr. presidente, tao puco louve. a revolu-
cao lo Minho: menconei-a como um acto que fra
vY ._.-___-k-ia.u.in un ncvilavei. elido co-
muns _,eja^m'" eTPTimllemim^toT7TWnP
Juez e de amigo do meu paiz; e oipnmi-o.com a
franqueza que -levo a todos oo tl.rono. a n.g.lo, ao
''".te^ta-se pSi^cmara o favor de uns poneos do
m utos para umobjeclo querepulo do importan-
da'e. se a cmara aisim o nSojulg.r, olla me dcs-
?US?*Dr*oaidento, cu recebi urna carta antes dahon-
tem;ieuml,ome'm. que he esl.ange.ro, o que a.
no leito da morte: elle enten.le que a sua honra
o reni"ello estilo menoscabadas: he estrangeiro co-
mo do; mas a trra do Portugal vira a ser a patria
do seus ossos, se a nao foi do seu nascimcnto ; he o
S I uKhes ome que ainda aqui nao foi pronuncia-
So mas que iodos conlocem. 0 digno par 0 Sr. con-
de de IVvradio apresentou nesta cmara urnas pecas
l% quL se ^jsss^JSS:
:!.
SESSAO PHEPAIIATOnlA EM27 DE AHKIL UE 1848.
l-se
mi-
do venalidailft, por ter vendido ..sua pe.ins, con o
oresi o dente do jornal inglcz Times, eactevendo
le oc I modo em vantageu, do governo P W *
o certa poca. As pecas ofllci.e*, pOf J Jjajg
que o era.!., pareccram, do mu. a grviddo, o elle
reputa l.ave'r 'receido um ultrajo q. e "JJg*
Declara, pois. este homem no loito.da morte M
titio a estas lloras nao esta morto) que, cm corta oc
lo auorenSo fazer urna iransacco de compra do
rondado lo ll.c prestar esteservico, mas que de-
uois ir. repe o. comprando mais fundos em nome
So fe HugZ "oenunto- a agora, pela p imcira
ve e o soubora que semelhanle negocio linha sido
&0 oQlci.lm.nte, como se v das portara que
qtli soapresentara.n, porque de tal """" l,*
noticia e declara quo ello he incapaz de ser coi
muido que rojeitara todos os me.os que se om-
Sram'pora o tornar propicie.como escr.ptor e
at urna condecoracSo que o governo Ileotlereceid.
O Sr Conde de Thomar Nunca se Ihe oflereccu
**lh Sr. Conde de Laaradio: -Foi V. Exc. mesmo quem
lh'a oflereceu, edisso existe urna carta.
0 Orador : Disse eu que o governo ou un mem.
bro do gabinete Ihe olftreccra.una commenda-
n.. nuaiito ao favor quo recebra da parte do Sr.
Sn.leqSo Toia o recebra como um l.ror p.rl.cu-
2mL aleuma o aiunla este homem, que- o go-
verno nesl" parte esU innocente; e quq, quanlo a
veJ"n"' io Ihe zera, elle resistir, porque n3o
ffe .q. na necessid.ae do ser considerado com
A's 10 e meia horas da manbaa abre-se a sessao,
e approva-sc a acta da antecedente.
i'M'Kim'.vn
O Sr. 1. secretario l nistro do Imperio:
1. Enviando as actas da elelcao na provincia das Ala-
Bas A' primeira commisso de poderes.
2 o Rcincttendo a acta geral da eleicSo na provincia
da Parahlba. bem como as da oleicao primarla, faltando
a da freguctia da capital da provincia. A mesma rom-
"a Transmitlindo as actas da eleic.io primaria na pro-
vincia de San-Paulo. O mesmo destino. .
4 neinctteiidodousomcios das presidencias das pro-
vincias da Baha e Minas-Geracs, de 6 c 15 do crreme.
o nr Miro acompanhando a acia da clelco primaria da
Vecue/ia da villa de Olivenca e Trancoso, e o (gando
da f. cauezia do Carino da Escara.nuca e pertencenie ao
collrgio eleitoral das Caldas. Igual destino.
Remette-se mesma commisso o seguate:
O diplomados.-. Francisco de Assis Almclda, deputa-
do clcito pela provincia de Miuas-Geraes.
Urna re .rrsrniacao do padre Ignacio Rodr.gues Ber-
mude relativamente as clci^es pela provincia do F.spi-
" Um officio do juta de pal da fregue,ia di villa da Pu-
rilicacao de Campos de liara, proviucia da ahla-
Urna reprcsedaao do bacharel Joao tvanjfel.sU de
Neereiros Sayo Lobato, pediudo a annulla-o de tres
cofiealoi da provincia do RloGrande-4o Sol. e recla-
mando o lugar de depulado por aquella provincia.
Indico que a commisso de poderes, examinando as
acta da elelcao deSergipe, aprsenle seu parecer inde-
pendentc da'apresentac- do diploma de MT*
Reputados eleitos. Paco dacamara, 27 de abril de 1848.
- Mello Franco.
Nao ha mais expediente.
O Sr. presicenlc declara que a commisso de poderes
nao pode ainda hoje apresenlar um !'"" "'''vla
mente s elclces, cmcousequenc.a do que, levanta a
sessao.
j-----------
rM doToiiiOoo contrarias a revoluto, como o
digno condedeVinh.es; o at em outra como pro-
clamacao do lugar-tenente de S. M.
TllAHIO E PEiXMBDCO.
Somos Informados que, en. consequencl. das acera-
das providencias, adoptadas pelo Exm. Sr. presidente da
provincia, os termos de Naiareth e Po-do-Albo se achaiu
quasi tranquillos.
r^sXla'do ^UvS e^T^e-escriptres muito zeiosos da
"Correspondencia.
--------------------------------------------------------------- *"
Srs Redactores. -- Espalharam-se nesta praca. des-
de-a chceada da ultima barca de Liverpool, boatos
aterradores cerca-do estado fetual da Feanca; ha-
vendo ale quem dsse Paris como alagado em san-
guo e dilacerado pelos communistas, e representas-
te os membros do governo provisorio como desuni-
dos a poni de se desaliarem reciprocamente e se
smacarcm com pistolas na propria sala das sesses.
Talvez coubesse a outra pessoa, que alguem pode-
* I

ILEGIVEL


~n

TP
c*-
^^PP
mm
i

?
'*
NI
si-
ria considerar como representante do governo fran-
cez nesta praca, e nflo a mim que nflo sou reves-
tido de carcter algum ollicial, o trabalho de des-
mentir estas calumniosas impulacoes; mas, conslan-
do-me, que u S de Goossehcourt lie se nilo o autor,
ao menos o cho de semelhantes rumores, julgo
preencher o dever de hom cidadflo, rogando-lhes
que fagain chegar, por meio da sua bem conceitua-
da follia, aos ouviilosdas pessoas, que sedeixaram
persuadir da realidade desses boatos, a seguinle
diTlaraco, cuja veracida'de nao poder ser contes-
tada:
Nada ha menoi verdaieiro, que os boatos assuHn-
dores aqu propalados acerca dos negocios da Franca.
O governo provisorio vai proseguindo na sua tarefa sem
soffrer opposigo, e os nicos /actos polticos de altju-
ma importancia relativos a aquelle paiz que venham re-
latados no Times at a data de 29 de marco, so os
que sahiram noseu artigo do n. 102 do presente anuo,
e apias accrescentarei que a erise flnonceira he menos
terrivel que a de 1830, pois que de 30:000,000 />., im-
porta dos billieles descontados pelo banco de Franca,
at 27 de marco, apenas 2:704,274 frs. deixaram de
ser satisfeitos no din do vencimenlo, ao passo que pas-
tado igual periodo aps da revoluco de julho de 1830
4:115,000 frs. haoiam deixadode ser pagos em tempo.t
Com a publicado ilusias linhas obsequia rilo ao
seu constante leitor. IU. A. Mitet.
Kecife, 8 de maio de 1848.
==.
COWilMEBG.O.
Alfandega.
IIKNWMKNTO D(| |)|,\ 8 ........... 5:770,371
Descarregam hoje, 9 dt maio.
Mi.iii- Gil-Brlai mercaderas.
Barca Joaquina fariuha.
llana Espirito-Santo mercadorlas.
Rrigue Safiguard barricas vasias.
Ilriguc Brandytoine mercaduras.
Barca A'avarro familiar bolachinha.
lllate Tentador mercaduras.
Pereira, JoKo das C.hagas Christo, Jolo Gerardo Ef-
Trem, Jos Cilidonio Gomes Iteis, Jos Espirito
Santo Pnraliiba, Jos Goncalves da Silva, Jos Joa-
quim Moreira, Jos Pereira Silva Moraes, Jos Theo-
doro Souza Lobo. .
Luiz Antonio Pinto, Luiz de Franca Leite. "
- Mari Fausta Souza Pirn, Maria Ignacia Pinto da
Silva, Maria Joaquina Albuquerquo Espindola, ala-
noel Ferreira Souza Rarboza, Manuel Jos Alvos, Ma-
noel Jos yieira Silva Penna, Manoel Rodrigues das
Neves Manoel Vicente de Araujo.
Narcizo Jos Francisco.
Pi Xavier Garca Noronha.
Ra y mundo Jos dos Sanios.
Thomaz Tavares Bastos.
Existe nesta administrado do correio de Per-
nambuco urna carta segura para o Sr. I)r. Manoel
l.ibanio Porerra e Castro [em Goianna].
QSebdbbT
Os Srs. accionistas que nimia nao reslisaram
prestarlo de 4 por cento queiram Taze-lo, quanto
antes; certosdo quo a administrarlo vai dar cum-
primento ao artigo 9 dos estatutos.
O secretario,
B. J. Fernandes Barros.
IMPORTAGAO'.
Gil-Blas, hiate americano, vindo de Doston en-
trado no corrente me./., consignado a II. Forsler &
C., manifeslou o seguinte :
372 barricas fariuha de trigo, 150 ditas breu, 50
ditas pregos, 227 remos, 8 caixas rologios, 12 di-
tas chapeos de palha, 21 barricas crvilhas, 25 far-
dos o 13 caixas fazendas de algodQo, 16 caixas cha,
2 ditas drogas, 4 embrulhos ignora-so, 1 bote; aos
consignatarios.
CONSULADO GE BAL.
RENDIMENTO DO DIA 8.
('eral..........
Diversas provincias
. 1:609,928
, 79,818
1:689,746
CONSULADO PROVINCIAL.
RKNNMENTO DO DA 8 ... ....... 946,846
Movimento do Porto
Navios entrado* no dia 8.
Trieste ; 98 das, brigue austraco ial-SalmiHtr, de 218
toneladas, capitao Andre Palcovlch, equipageni 10,
caiga farinha de trigo, cartas, papel e mal* gneros do
paiz ; ao capitao.
Camaragibe ; 3 dias, hiate brasilciro San-Jm-lilorioio,
de 30 toneladas, capitao Hypolilo Jote da Silva, equi-
pagem 3, carga assucar ; ao capitao. Passageiros, Ma-
noel Roberto da Paixao, Manoel do Naseimento Marl-
nho, Rraseiroj.
ldMn ; 24 horas, hiate brasileiro Novo-Deslino, de 21 to-
neladas, capitao Estevao Ribeiro, cqulpagein 3, carga
assucar, arroz e couros ; a Jos Manoel Martina. Pas-
sageiros, Jos AlvesPereira, Jos Francisco Bello, An-
tonio Jonqnim, Bratilclros.
Liverpool 32 dias, barca ingleta Priscilla, de 218 tone-
ladas, capitao Richard Goble, equlpagein 13, carga fa-
zendas ; a Jonhston Pater Si GompanbTa.
A'aro sahido na mesmo dia.
I'ortoi do norte ; vapor brasileiro Imperador, cominan-
dante Ignacio F.ugenio Tavares. Passageiros, os mes-
inos que trouxe dos portos do sul.
dtal.
TH FATUO PUBLICO
\ Freir Sanguinaria*
Entre os dramas do Archivo-Thealral-lislonense he
sem duvida este um dos molhores e talvez o majs
dircultcso nodescmpenhnda decoraefio : comtudo,
o director do theatro. nflo s porque vai por om
grande peija em beneficio de sua senhora como por
mostrar o quanto deseja agradar aos Ilustres habi-
tantes desta capital, tem feito pintar as diiTerentes
vistas que pede o autor do drama. Principalmente
brilhara entre todas a das catacumbas de Roma, ven-
do-seas inmensas columnas que suslentam aquellos
subterrneos, desdo a bocea da scena at o fim do
theatro siiuiinilo-.se e reapparecendo os actores a
vista do publico, sem haverem sahido da scena,:
igualmente farflo parle do brilhanlismo do drama ,
o lago, o castello do Rudens e o conventa de Aarau.
Apresentara o lindo grupo das freirs no acto de ir
professar a joven Matilde conforme se descreve na
peca, com cnticos das freirs a orgo, brilhant
illuminacfloe decorares vistosas, anlogas ao ca-
rcter, e sobretudo o incendio final quo ser visi-
vel por todos os ngulos e tablado da scena; ufatian-
do-se o dilector em mostrar o quanto he capaz do
desempenhar om um pequeo e mesquinho thea-
tro sem proteeflo alguma mais que a do respoila-
vel publico. Espera, portento, que o mesmo publi-
co o coadjuve para o desempenjio de 13o grande
drama, e porque Ihe nflo he possivel, vista de
tanto mister.ir pessoalmente com sua senhora distri-
buir os bilhetes o camarotes, espera que lites serflo
procurados para o beneficio da mesma senhora, quo
ter lugar domingo, 14 do, cor.rente.
_.--------------
urna poreflo de barricas de bacallio por conta o
risco de quem protencor: hoje, 9 do corrente as 10
horas da manhfla, no armazem de Antonio Annes.
Avisos diversos.
LOTERA
Do Hospital Pedro II.
Grandecosmorama
MUDANZAS DE VISTAS.
Hoje estar.lo exposlas das 6 horas [da tarde em
dianie, no salan do Collcgio, as seguintes vistas :
1.a Pernambuco olhadoda igreja da Misericordia,
emOlinda.
2." A Sprra-dos-Orgfios, no llio-dc-Janciro.
3.* A cidade de afiles pelo lado do caes Novo.
%.' A entrada de llavana com suas grandes forta
lezas.
5* O ataque da tropa contra o povo no-boulevard
da Magdalena, em Pars, na revolucflo de fevereirb.
6.* A entrada da duqueza de Orleans com os dous
pequeos principes, na cmara dos deputados.
7.a A magestosa cidade de Lucerno, na Suissa.
8.a O interior .do tmulo do imperador Maxi-
miliano, na cidade de Inspruck, na Allemanha.
9 A cidado de Conslantinopla pelo mar de mar-
ina rn.
10. A cidade de Lima, na America Hespanhola.
11. O Tnel, gigante de Causiwavay, na Irlanda.
12. A aurora boreal do polo rtico.
13. A cscala em Tyrol.
14. A grande illumina;8o.
Os bilhetes vendem-so a entrada a 500 rs. gcral-
triente, sendo gratis para os meninos do 6 annos pa-
ra baxo.
Miguel Archanjo Monltiro de Aniraie official da im-
perial ordem da Rosa, cavalleiro da de Christo ins-
pector da alfandega de Pernambuco, por S. M. o
Imperador,- que Dos guarde, efe.
Faz saber que, no dia II do corrente, ao meio-dia
o na porta da alfandega, se nao do arrematar 18
barricas com cimento, no valor de 100,000 rs., im-
pugnadas pelo amanuense Goncalo Jos da Costa e
sa, no despacho por factura soh o n. 4552 : sendo
dita arrematarlo subjeita ao pagamento dos direi-
tos.
Alfandega,8 de maio de 1848.
Uiguel Archunjo Monteiro de Andrade.
i-------,.....4... ^.........
Deca raedes,
lista das cartas que ficatam por entregar, vinda do sul
pe vapor Imperador.
Augusto Ferreira Pinto & IrmUos. Antonio Corroa
Soares, Antonio Eustaquio Gerquora M., Antonio
Gomes da Cunha e Silva.
Rraz Antonio da Cunha.
Carlos da Costa R*eiro,D Carlos Doarte e Silva.
Cypriano Jos Velloso.
Domingos Antonio de Oliveira.
Frederco da Costa Ros, francisco Goncalves de
Moraes, Francisco de Paula Farias.
Goncalo Vieira Carvalho Mello.
Jacintho Silvestre Martina, Joaqum Roza Tavares
Lima M Joaquim Rodrigues Costa, JoBo Antonio
------(fe.
Avisos na ni irnos.
Para Lisboa segu com toda brevidado, por ter a
maior parle do carregamento prompto, o brlgue bra-
sileiro Espirito-Santo, forrado eencavilhado de co-
bro, deque he capitflo Alexandro Jos Alves : re-
cebe anula carga a frete o pissageiros, para osquas
tem bons commodos : trala-se com Francisco Mar-
tina Ferreira, na praca do Commercio, ou com Mon-
des & Tarrozo, na ra da Cruz, n. 49.
Freta-se(para qulquer porto da Europa, ou
para Angola, o brgue portuguez Bom-Succtsso, do
boa construcefio e prompto a seguir viageKt : os
pretendentes dirijam-se ao poleo do Carmo, n. 17,
i tratar com Gabriel Antonio.
Para o Porto sahe com brevidade a barca portu-
guesa EspiritO'Samto, por ter a maior parte de seu
carregamento prompta i quem na mesma quizer
carregar ou ir de passsgem, para o que tem bons
commodos, dirija-so ao consignatario Francisco
Alves da Cunha, na ruado Vigario, n. 11, oucomn
capitao Antonio Ferreira Leite Jnior, a bordo, .ou
na praca do Commercio.
Roga-se aos Srs. corregadores da barca portu-
gueza Flor-da-Maia, queiram levar seus conheci-
menlos a casa de seu consignatario Manoel Joaqun*}
Ramos o Silva a fin dse poder lugalisar os tnani-
fstos da mesma barca.
l'rceisa-sc de urna sala em alguma das ras so-
guintes : Nova, Cabug, estreita ou larga do Roza-
rio, Quci ruado, Cruzes, pateo do Carmo, Tfinchei-
ras o nuncie, ou dirija-so a esquina do Mundo-Novo, ven-
da do Sr. Nicolao. Adverte-se quo he indiferente
ser a da frente ou a do detrs, em primeiro ou se-
gundo andar.
Hoje de manhfla, depois da audiencia do Sr.
Dr.juiz do cirel, por ser a ultima praga, se ha de
arrematar a casa terrea, sita na ra Imperial n. 141,
por'execucSo de Manoel Joaquim Pinto Machado
CulmarHcs contra Francisco Xavier das Chagas Si-
cupira: quem nella quizer lancar dirija-so a dita
praca as horas indicadas, quo serlo recebidos seus
lances.
Pormuta-se urna casa na Ponte-Velha, que faz
esquina para a ra da Gloria da B6a-Vista, n. 68, a
qual toida finada Pelona Jovina do Sacramento, e
hoje de Maria dos Reis da Gonceicio, mSi o herdei-
radaquella finada: quem sejulgar com direito a
referida casa queira declarar no prszo d tres das.
Desapareqeu, om a noile do dia 28 de abril ulli-
nth, do primoiro andar da casa n. 67 da ra Nova,
urna cachorrinha preta, com as mflos e ps calcados
de pardo, e o pcito da mesma cor; tendo em cima de
cada um dos olhos urna pinta tambem parda, o as
costis falta do pello em duas parles: quem a levar a
mesma casa, ou ao monos der corteza aonde ella se
acha sera generosamente recompensado.
Manoel Ferreira Ramos embarca o sea escravo
Manoel, do Angola, para o Rio-de-Janeito.
los Manrique, subdito portuguez, faz sciente
quo por haver oulro nome igual, de hoje em diante
so assignar Jos Henriquo Carvalho.
Oabaixo assignado prop6e-se a ensinar parti-
cularmente primetras lottras e msica por um m-
dico pregoj' e promette empregar lodos os meios
que estivorem a sou alcance, afim do conseguir que
seus alumnos lenham adiantamento : quem do seu
prestimose quizer servir dirija-so a ra estreita do
Rozario, sobradan. 21, segundo andar.
Joaquim Lourival de Mello Astucina.
A pessoaque, no dia 6 do corrente maio, man-
dn protestara lettra de quinhontos mil ris, pas-
sada pelo fallecido Jos Antonio do Bomm que
muita duvida ha em semelhanle debito, todava a
deve apresontar aos herderos do referido, nfim do
ser reconhecida, o lan^ar-se mflo dos meios quo
faculta a lei.
Precisa-so de um bom trabalhador de padaria,
forro ou captivo: na rifa da Florentina, n. 3.
Aluga-se urna preta para todo o servco de urna
cesa : quem a precisar dirija-se a ra da Guia ,
n. 46.
PreCsa-so de alugar urna oscrava para o serv-
co de urna casa de punca familia, que saiba com-
prar, cosinhar e ensalmar, dando-se-lho o snstento
e 10/ rs. mensaes: na Soledade indo pela Trompe,
lado esquerdo, cata n. 42.
Moje, 9 do corrente, depois da audiencia do Sr.
Dr, juiz do civel, se ha de arrematar a casa da ra
de San-Jos n. 43, com 20 palmos e meo de frente,
e 68 e meio de fundo, com tres ou quatro quartos,
cozlftha fftra, quintal murado, cacimba e chaa pro-
pHo*, vaMadI''0mO0/rs.l por BX*U**> cVTinia-
noell Francisca MonUiro garJa contra Jo3o Ig-
nacio de A villar. .
Arrendarse o engenho Jardim de Paratibe, dis-
tartto desta praca tres legoas, moenle e crranle, o
qual mecom o mesmo rio de Paratibe, com des-
tilaQo, quo deslila 30 caadas deflo'ardente, cu-
jo enfcenho tem 3 quartos de legoa de varzea e um
bom pomar de larangeiras, que rende 300 a 400/000
rs. a mais: os pin ten lentes procuren! ao major Jos
Francisco de Faria Sales no mesmo engenho, ou no
seminario de Olinda, para tratar o negocio.
Caldino da Silva Martius, depositario judicial da
oscrava Maria Benedicta, pertencente ao casal de
Paulo Miguel e embargada pela niulher deste em
consequencia de tratarem de seu desquito, faz scien-
te aos interessados, e a quem mais conver, que a
dita oscrava fugio hontem a noite [5 do corrente],
tem que fosse persentida poralguem de casa, c para
isso concorresse motivo algum, mas tilo smente a
suspeita|de que ia ser removida do depsitos reque-
rimento 'do supplicante, levando comsigo alguma
roupae umannel de ouro que potide raptar; e at o
prsete -ignora o anunciante para onde mesma se-
guio, apezar das bravas diligencias que loin feito pa-
ra sou descobriment, o captura: pelo quo fazo pre-
sente aviso, e roga a todos os officiaes de campo, o
as autoridades de polica o favor do a apprehende-
rem e Ifvarem-na ao annunciante na ra do Livra-
ihenlo, sobrado do dous andares. 33, que gratifi-
car generosamente todo o trabalho edespezas, que
tal diligencia occasionar. Os signaos da referida es-
cravaso os seguintes: nacSo Congo, idade 25 an-
uos pouco ni ai ou menos, cor fula, haixa, grossa do
corpo, clieia de cicalrizcs de fgo e marca de sua
trra pelas cosas e bracos.
O abaixo assignado, tendo perdido, de Oiinda ,
pola estrada nova al a ra do Sol, urna lettra da
quantia de 400,000 rs. aceita pelo Sr. Jos Antonio
Bastos previno ao mesmo Sr. para quo nao faca
negocio algum nem pague no da do seu vencimen-
lo visto no verso da lellra haver um perlence ao
abaixo assignado, e um recibo de 150,000 rs. por
cotila da mesma le tira. Francisco de Astis Oliveira.
.r-Em virtude do annunco do Diario n. 99, contra
o Sr. Manoel da Silva Santos, em quo se diz que elle
tem em seu poder a maior parte da fortuna do fallecido
Leilao.
O thesoureiro marcar o dia em que devem correr as ro-
das da quinta quinta parte da mesma
julga que vista da concurrencia dos
compradores poder ser extrahida no
dia 37 de maio prximo vindouro.
Precisa-se de urna ama para urna casa de lio.
mcmsolteiro, para cozinhar e engommar : na rm
da Cruz, n. 43.
Aluga-se urna negra para ama de leite, a, qui|
tem bastante e muito bom : no botiqun) junto 10
theatro.
Precisa-se alugar urna escrava quo cozinha o
sirva a urna casa : na pracinha do Livramento, loj
de fazendas,n. 45.
~ Jos Rodrigues Coelho scientifica ao publico,
que tem, desde o dia 25 de abril, associado ao seu
estabeleci ment da esquinada ra do Raignl o&>.
Antonio Jos da Silva Chrispianno; polo que todas
as transaceOes que deste dia !em (liante se (izerem ,'
sonto sb a firma de,Jos Rodrigues Coelho & c.
a qual he obrigada ao pagamento nSo s dos dbi-
tos que contra hir, cmodo quo devia a anliga.firnu
de Jos Rodrigues Coelho.
s herderos do fallecido Joilo Lopes do Nit-'
cimento morador que foi no lugar denominado For-
iio-Ua-Cal, da cidade do Cunda queiram compare-
cor na ra do Livramento, tu 8, a negocio de seus
inleresses.
Madama Julia embarca para o Rio-de-Jagelri
sua escrava, de nome Rosa.
Pede-s ao autor da pergunta folla no Diario de
hontem aos administradores do casal do fallecida
Sr. Joaquim Antonio Ferreira de Vasconcellos, qu"'
tenha a liondade de firmar a mesma pergunta, alim
de se conhecer, se deve ou nSo ser satisfactoriamen-
te servido em sua exigencia.
O Sr. Luiz Antonio da Silva tem cartas, viudas
do Porto na ra da Cadea do Recife, n. 33. '
. OSc. Custodio Jos da Silva Meira Portuguez,
queira dirigr-se a ra da Cadeia-Velha, n. 56, par
negocio de seu interosse ,ou annuncie sua nioradi
para ser procurado.
O IRIS.
Os Srs. assignantes do Iris pdem ir buscar os n-
meros 3 o 4 do mesmo jornal, na ra do Trapiche,
n. 34, escriptoriodo Novaos & Companhia e na
ra da Gadeia do Recife, loj de lvros do Cardozo
'A y res.
Uilfloquefaz Jos Joaquim Dias Fernandes, de|com quem tratar.
ipo
ex-socio Manotjl Jos Machado Malhero,roga-se ao Sr.
testamenteiro do dito fallecido haja de reclamar o
direito que I lio compete nessas liquidacOes, para
cumprimento de sua obrigacSo, e juntamente satis-
fazer aos herderos do dito fallecido, oque por di-
roito Ihes partonee.
Urna parda muilo propri para ama de casa o*"
ferece os seus servicos a quem caridesamenle lhe
empresto 200,000 res, melado do valor pelo qual se
cha subjeita, obrigando-se a paga-Ios, segundo tra-
tarem : quem quizer annuncie. ,
O Sur. Jos BrandSo Jnior dei-
you de ter gerencia na casa de armacao
da run do Encantamento, n. 4 1 pela sua
m conducta : e ninguem que tiver nego-
cio com a dita casa se entender mais
com o dito Sr. Na mesma casa acha rao
CHAPEOS DE SOL $
Ra do Passciti-PubVtco, n, 5.
Jo fo l.oubot participa ao respeitavel publico, que
recebeu, por estes ltimos navios francezes, um cm-
plelo surt ment de chapeos de sol, do seda,-a mais
rica o superior qualidade; furta-cores e outras mili-
tas conhecdas, tanto par* homens, como para Sras.
o meninpa. No mesmo estabelecmento ha om sorti-
ment de chapos de sol de panninhb,'dos mais mo-
dernos; ditos muito grandes, proprios para homens
de campo : tambem lem chapeos de sol de panninho
para nreninoa#-maninas, pors.orem muito finos: pp-
rfun ju tiiaiiiar crnipdcjs qo ecnift"i"--oi mecim loj
ha sortimento de bengalas, ?jengalinhas o chicotes
muito modernos; cobre-se quslquur armaefio do cha-
peo de sol, com sedas ,de todas as cOres e quali-
dadea. Na.mesma casa ba um grande sortimento dt
panninhos trancados e liso;, imitando seda, pan
cobrir os mesmos : desta fazenda se vendea retalho.
Concerla-se todo qulquer chapeo de sol, por haver
um completo sortimento de todos os perlences para
os mesmos, com toda a perfecBo e brevidade.
.Em respostaao annunco publica*
do pelo n. mo deste Diario -ha simples-1
mente a dizer, que mais de urna vez se
teeiu pedido contas ao muito honrado Sr.
Manoel da Silva Santos daquillo que
emseu poder tem, perlencente a herao-
ca do finado Manoel Jos Machado la-
llieiio e se melhores esclarecimcntos
quizer o autor do annunco poder di-
rigir-se ao dito Sr. Santos que sem du-^
vida nao negar o que cima se alinna,
etc etc,, etc.
D-so um cont de ris a juros a um emeio
por cont sobro hypotheca de pfopriedades nesl* ci-
dade : na ra Duoita, n. 36, primeiro andar.
Aluga-se um preto de idade para o servco i
urna casa, dando-se-lho o sustento e pagando-ie
mensalmente ou por semana : na ra do Ilangel.
n. 17.
Aluga -se, por 9,000 rs., fl segundo ailar da casa
de sobrado da travessa da ra Bella : a fallar com Jo-
s Joaquim da Silva Maia. >
Aluga-se um preto velho, robusto, para o *'-
vico de algum sitio, ftor ser muito bom de cnx*
e entender do planla^Oes: na ra Nov, trmJm
n. 67.
~ Na ra de Agoas-Verdes, o. 26, dfio-se bolos do
vendaijem a80fs. a pataca : tambem se engomma
a 100 rs. cada pcQa ; e arqiam-se bandejas por menos
prego do que em outra qulquer paute.
~ Aluga-se o sobrado do dous andares, silo na
praca da Roa-Vista n. 6: a tratar na botica da mes-
ma casa.
-- Jos Joaquim Lopes Moreira & lrm3o fazem
sciente que Thomaz Jos Ferreira contina a w
caixeiro da sua loja de cera, e por isso continua na
cobranca como al agora.
Procisa-se de um roitor que sajba tratar de
horta, pomar e encherto : naAterre-da-Boi-Vist.
n. 43.
Precisa-se, para urna Inm venda no Monteiro, de
um caixeiro capaz eque d fiador a aua conducta,
o at interesse se lhe da rafe preciso fr e so sua ca-
pacidad o permittir a IrTUfllcocheira airas do
theatro.
Precisa-sa alugar urna preta paravondade
ra: na venda da esquina das Uarrelras, roa d
MonJego, n. 49.
-- Precisa-so de ,um trabalhador i)e masseira, q"
seja preto : na ra Direita, padaria n. 26.
Na ra do AragSo, r. 4, bairro da Bo-V*t*'
fazem -se quaesquor cortinados, Unto do cama co-i
mo para janellas, com a maior perfeicSo possivoi.



qpnv. 1IJIJ.W. .
Aterro-da-BoaVista, n. 6.
"Pommateau, culeiro e ar-
irieirp,
tem a honra de participar ao respeitavel publico
que recebeu de Franca, pelo ultimo navio, um sorti
monto de armas francezas, espingardas, pistolas de
montara e de algibcira, superiores espoletas de
marca 6; tudo quanto pertonce a cutilaria ; linas
navilhas, asquaes se garante; estojos com todos os
seus pertences para homem ; brides, esporas, chi-
cotes, bengalas, bandejas,.potes de banha prepara-
da para conservar o lustro do ac e prohibir quo se
enferruje : ludo por prego commodo. .
HUA DA CRUZ, N. 40, SEGUNDO ANDAR.
D. W. Raynon, cirurgiSo dentista dos Estados-Uni-
dos da America do-Norte, tando-S resolvido ficar
mais alguma lempo na cidade de Pernambuco, pe-
lo presento participa aos seus amigos e ao publico
em geral, que elle sempre se achar promptp a qual-
quer hora para fazer qualquer operaco que seja so-
bre os dentes corno saja chumbar, limpar, e extra-
hir, en forqjar denles sobre pislo o sobre chapa da
melhor maneira e com i maior pcrfeig.io, conformo
fls ultimas deseobertas, tanto na America como na
Eurupa.
MARGARIDA DO PIRY DO PARA'.
Pergunta-se quem he o plourinho da reputagfo
alheia, hoje no Para ?
Responde-se he aquello mesmo quo mandou era-
var o punhal no corado do seu virtuoso, honrado e
carinhoao pai; he aquello mesmo que escandalosa-
mente defendeu comodiiiheiro de seu pai aos as-
sassinosdeslo ; he aquella mesmo que est escan-
dalosamente concubinado com urna das cumpliros
na niorto .leseu pai, e que d'aiites j eslava assim
com elle; lio aquello mosmo que hoje sem pudor
osem vergonha atassalha a reputagfo do todos
aquellos que oram verdadeiros amigos de seu pai,
s porque nfo so Ihe louva o sim aborrece-so ao
aoinom de lo vil e infame procodimento ; e anda
ha de ser aquello mesmo que seu cumplice, anlos de
subir a forca, Ihe pora os podres no largo. O Ni-
colao & C.
Vai praga para, ser arrematado nos dias 18,
22 e 25 de maio, para pagamento dos credores do
fallecido Joaquim Antonio Ferreira de Vasconcellos,
o scguinlc:
Urna casa do sobrado de um andar esotro, com 35
palmos de frente e 85 de fundo, acabaa por fura,
com vidragas, e por dentro assoalhada o forrada,
com portas e onxiirneis; fallando apenas os lapa-
mentes; com'um viveiro de peixe, quintal em a-
herto com 292 palmos de fundo em ch5os de foro:
qutra dita, pegada, mesma, de iguaesdimensOes,
acabada por (ora com caixilhos e envidragada, e
por dentro rnente travejada, com camboa pelo
centr do quintal, com os mesnios fundos da nu-
tra, e um caixn do.alicoree para duas moradas do
casas de 62 palmos do frente e 72 de fundo, com
quintal em iberio que comprehende a mesma cam-
boa: e finalmente um terreno no mesmo aliuha-
menlo, com os competentes,fundos e camboa que
lica no centro do quintal em elisios do foro: ludo
situado na frente da estrada quo mi pota Mngj.i
lena,|fazendo esquina com a que vai para o Remedio:
as passoas que quizerem arrematar ditos predios
queiram "comparecer nos dias mencionados por-
ta do Sr. juiz dos orphlos na ra d'Aurora njfj
Ba-Vista.
Tendo-se perdido em um dos ltimos dias da
semana-santa, da igreja malriz S -Fr.-Pedro-Gon-
calves do Recife; ra dQVigario, urna carteira de
cor encarnada, contendo alguns papois, e no nu-
mero destes tres lottras e urna cdula de 20,000 rs.;
roga-so a pessoa que a acliou queremlo restituir,
dirija-so a ra do Queimado, luja de fazendas u. 57,
quesera recompensada com 10,000 rs. Advcrle-se
quo com esta gratifcacio gndara mais quem achou
a dita carteira, do que se ficar com ella, visto que
os aceitantes das lellras j se ada ni provenidos e
nilo pagarflo os seus importes a outra pessoa que
nao seja o annuncianto ; assiin como que, sendo a
cedulas/das da primeira srriu e de numero 31,505,
he falsa, s aoannuncianle podo servir por isso
que sabe de quem a recebeu, e a pode destrocar
com- a mesma pessoa.
~ Precisa-se alugar um preto padeiro : em Fofa
de-Portas, ra dos Guararapes, n. 4.
--0Terece-se um rapaz casado, com pouca fami-
lia, para caixeiro de algum engenho, ou mesmo
para caixeiro de cobrangas aqui ha praca, para, o
que dpessoas muito capazos pira Informaren) de
sua conducta : quem dos'eu presumo se quizer uti
lisardirija-se a ra de Hortas, junto a igreja do
Martyrios, n. 149, primeiro andar.
Para as pessoas que tenejo-
nam seguir viagem.
Na ra do Rangel, n. 9, eontinuam-se a tirar aas-
saportes para dentro e fra do imperio, despacham-
se escravos e correm-se folhas tudo com brevida-
de, e por prego multo o muito commodo!
A pessoa que souber desleiter vacas, equizer,
mediante o ajuste, oceupar-se nesle traba I lio, o tra-
zer o leite a entregar aos freguezes, dirija-so casa
dos expostos na ra da Roda, a tratar com Jos lior-
na rd i no de Sena.
Precisa-se de urna ama escrava para urna casa
de pouca familia : na ra Nova n. 7, primeiro an-
dar.
Sr. Bedactore.Em resposta ao annuncio In-
serto no Diario de Pernambuco n. 99, de 2 do crran-
te mez, m que so diz, que ou nSo tenho que-
rido prestar cuntas da liquidac.lo da xtincta
firma do Machado & Santos, e nem fa^er entrega do
que pertenceao finado Sr. Manoel Jos Machado Ma-
Iheiros; rofeo-lhede dar publicidade carta junta e
reposta que mo dirigi o testamenteiro, nica pos
sa em direito a quem devo prestar attencio a res.
peilo destes negocios.
Sou de Vmcs. ltenlo venorador e criado,
Manoel da Silva Santos.
Recrfe, 4 de maio de 1848.
Sr. Jote Joaquim Diai Fernandis. Para co-
nhecimenloda verdado, preciso que Vmc. na qua-
lidadede testamenteiro de mcu fallecido ex-socio o
Sr. Manuel Jos Macha do Malheiros, so sirva declarar
ao p desta* o quo ontre nos se passou logo que Vmc.
seapresentou para tomar conta do que pertencia a.
quello finado, relativo liquidoslo da xtincta so
ciedade que girou sflb a firma de Machado & Santos;
e se achou em mim alguma repugnancia em fazer-
Ihe entrega do quo o dito finado pertencia, segundo
o balanceo que existia em poder dolle, e do quo na
occasifio apreseiitoi a Vmc.: n quem pego licenca
para usar de sua resposta como mo convior.
Sou de Vmc. aliento venerador o criado
senhoras, do que eolhcu sempre bons resultados;
participa ao respeitavel publico desta provincia,
que, actiando-secm man estado de sade, tem sido
nconselhado por diversos facultativos a ompreh'on-
dor uma viagnm a America do sol, a(ln\ de mudar
de clima, e por consuguinte brevemente tencioju
visitar Pernambuco, Bahia e Rio-d-Janeiro, o ao
mesmo lempo aproveita esta occasio para fa'.or
publico, que elle dito professor tenciona demorar-
se, aquialgum lempo alim deladministrar nlgumas
ligOes na sua profissfo ; pelo quo espera encontrar
0 bom acolhimento e patrocinio do cima mencio-
nado respeitavel publico, e'com particujaridadees-
pera ser animado pelos entendedores da materia que
mais fcilmente poderfo avaliar o mrito do sobre-
dito insigne professor.
1 Antonio Duarto doOliveira Reg faz publico
quo Antonio'Jos Lisboa de Oliveira deixou de ser
seu caixeiro desde odia 6 do corrente, por querer
retirar-se para Portugal, agradecendo-lhe o seu
bom comportamento durante 8 annos e 6 me/.es que
bi seu caixeiro.
D-se cesa, comer e vestir u umz
parda ou crioula de idade, que seja capa,
para inorar com uma senhora* casada a
com pouca familia, e ajnda o servico de
port.1 dentro : na ra da Aurora na lo-
ja dp sobrad n. 4a
Antonio Jos Lisboa de Oliveira retira-so para
Portugal, pelo quo dcixa de ser caixeiro do Sr. An-
tonio Hilarte de Oliveira Reg agradecondo ao mes-
mo Sr. e a toda sua familia o bom tralamonto que
recebeu no spasso do 8 annos e 6 mezes que foi seu
caixeiro.
- Hoga-se ao Sr. que muido u entre-
gar uma carta na venda da esquina do
pateo do Carino, n. a, viuda do Cear ,
para Joaquim Esperidio d;i Silva Gui-
mares, tenlia a btindade de annunciara
sua morada ou dirigir-se a mesma
venda.
Compras.
Manoel da Silva Santo$.
Recife, 2 de maio de 1848.
CURSO DE PIIILOSOPHIA.
I'roi Jolo Capislrano do Mondonga lem aborto, no
convento de Santo-Antonio desta cidade, um curso
de philosophia ; as pessas que o quizerem frequen-
taro pdenlo alli procurar, a qualquer hora, excep-
tos da 10 as 12 da manhsla.
AOPUPLIGO.
Em 25 do outubro de 1845 ,falleceu neste cidade o
Sr. Manoel Jote Machado Valhiro, socio quo foi da
xtincta firma de Machaih & Sanio, e segundo
consta, t esta dala ilc, boje, a Sr. Manoel da Silva
Santo*, ex-socio daquelle fallecido,, mo lem pago,
nem ao testamenteiro e nem aos herdeirbs do mes-
mo Malheiro o que em seu poder lem, e qu per'
lenco aos herdeiros daquelle fallecido! I .He na
verdade para lamentar que o Sr. Sanio anda nao es-
teja satisfeilo dedesfriicfar a fortuna daquelle falle-
cido ; e que, segundo informam, os lucros daquella
quantia j pdem dar ao Jlluitre Sr.Shtoi para um
par de sapatos !!!... Tenho pois o Sr. Santo
CQinpaiXilo dos que existem poi os morios nao
precisam mais : isto I lio recommenda um seu afei-
cuado a com a sua resposta, so dir quem he a sua
pessoainha I i. .. apezar do nfo ser ucsta praga
muito desconhecida !I. Sou Si: Santo, um amigo
daquelle que deu a Vmc. principios na carreira com-
mereial e que tflo mal Vmc. Ihe pagou !!!..:
Precisa-se de poetas que vendam p9o pagan-
do-se vendagem : na' ruaWo Burgos, (Forte-do-Mat-
to) padaria que foi do AllemBo.
-- Belhar & Irmo, residipes na villa do Crato ,
remetleram para esta%ac1ro sea escravo, de nomo
Antonio que represen(P&8 annos; e he de estatura
regular ; cujo escrBvo veio. para ser vendido: e como
no dia 28 do prximo passadorugir, roga-se a ap-
SrehensAo do mesmo, levando-o ao Recie, a Jofio
ose de Carvalho Moraes, que recompensar.
A luga-se^im preto que saiba cozinhar e fazer
lodo o mais servico de uma casa : quem o liver an
nuncie, ou dirija-se a ra da Aurora, n. 20.
Precisa-se de uma ama para criar um menino,
que seja cuidadosa e que tenhabornyfeito : na ra
Nota, n. 67, primeiro andar. I
a Sr. Manoel da. Silva Sanios.Em virtudedo sua
oxigencia, cumpre-me responder-lhe na qulidaile
de testamenteiro do finado Manoel Jos Machado Ma-
lheiros, que, diasdepois do falleciruento aesto, me
dirig a Vmc. a lim do me dar conta do quo pertcn-
ee aquello finado; Vmc. respondou-me que qual-
qlier da apresentaria o balango, oque de facto fez,
apresontando'-me o balango da xtincta casa [sem
assignalura] demonstrando ser o capital da mesma
de rs. 37:631,146, dever o finado a sociedada ri.
12:142,000, o existir em dividas como fundes a
quanlia de rs. 18:021,603, cujas dividas me disse
Vmc. que melad loca va m ao finado; e como eu, jul-
ga-se as referidas dividas qoasi todas perdidas, e que
lomaixio ou cinta dcllas, .inda"teria de voltar di-
nbeiro. a Vmc. om pr'ejuizo iW* credores do fina-
do; assentei que nilo devia entrar riesen liquidnrjj0i
e quando eu quizesse proceder de outra maneir
exigindo essas cuntas em julzo, o n.lo poda fazer
por me ser vedado na verba testamentaria, ter com
Vmc. letigio judicial a lal.respeito ; devendocon-
fessar-lhe que Vmc, duvida neuhuma poz em entre-
gar as referidas dividas, se eu as quizesse recebar.
Pode fazer o uso que Ihe convicr desta minha fran-
ca dcclaracio.
Sou de Vmc amigo aliento venerador o criado
lote"Joaquim Dias Ferreira.
S. C. 5 de maio de 1848.
[Eslavam reconhecido.}
A parda que pede 200,000 rs. para sua alfnrria,
v a roa cstreita do Itozario, n. 12, luja de marcinei-
ro, quo se dir quem quer fazer este negocio. Na
mesma casa compra-se tambem prata em obras.
Flix Monteiro de Castro e sua senhora retiram-
se para o Aracaty, levando em sua companhia um
escravo.
Aluga-se, por 7,000 rs. niensacs ,
a um liomem soltciro o so'tao d) casa do
niebo, na esquina do Liiviamento : a tra-
tar na mesma casa.
Precisa-se alugar uma armazem e escriptorio ,
na ra da Cruz, no llecife: a tratar no largo do Cor-
po-Santo, n. 48, primeiro andar.
Aluga-soum preto proprio para armazem do
assucar, ou prensa do algodSo por ser muito ro
busto : no Atterro-da-Boa-Vista n. 29.
Ensaboa-se e lava-so roupa de varrella e tam-
bem se ongomma : tudo com pe feigio responsa-
bilisando-se pelas fallas: no Atorro -da-Boa- Vista ,
n. 29.
Procisa-se alugar um sobrado de um andar ou
mesmo de dbus que tenha bons commodos e quin-
tal em qualquer das ras seguidles Terco, Li-
vramento, Queirnado, Cruzes, Collegio, Cadeia lio
S.-Antonio, Nova e Carino garaule-se o arrenda-
menlo'do tres annos, con viudo o proprictario a
tratar com o Burgos, no sitio da cscala ou avisar
na rtia do Queimado loja da esquinado hecco do
Peixe-Frito ao Sr. Manoel Jos Gunca*>;os.
Rodblpho J0H0 Barata de Almeida se acha mu-
dado para a ra deS -Francisco sobrado n. 7, onde
pode ser procurado as horas do costme.
-- Precisa-se alugar um boin prelo : paga-se-lhe
bem : na rna de S.-Amaro, n. 32.
-- Uma senhora viuva contina a ensillar meninas
a lor, escrever, as qualrpoperacoes de arillimlica ,
grammalica porlugueza', coser, bordar e fazer flo-
res : quem de seu prestimose quizor ulilisar dirija-1
sea ra de Hortas, n. 116.
Precisa-se de uma preta forra ou captiva para
o servigo do urna casa de porta fra : na ra larga
do Itozario, n. 32, se dir quem precisa.
Priman Cervuno, Italiano de nago e professor
retratista em miniatura, a oleo e daguerreotypo co'-
loridoem urna maneira realmente invariavel, (,11o
parece perleilamente natural, havendo habitado uas
Estados-Unidos pejo espago de 17 annos, e merecido
sempre a gcral approvacflo de lodos os habitantes
dcl'hiladelphiii, Nova-York oSvaiiB, em cuja ci-
dades ello oxerceu as TuncgOes do seu ofllcip com
lesela de desenlio, tanto para honieus como para
' Compra-se uma escrava que seja perfeila on-
gnmmadeira ecozinheira, e afiance no ter vicios
nem molestia : no Aterro-da-Boa-Vista, n. 42, 2r"
andar. '
Compra-se uma macuca viva: nesta typogra-
phia se dir quem compra.
Compra-so una padaria quo seja em boa ra
no bairro de Santo-Antonio ou Recife, e que esteja
bem afreguezada, livre e desembaracada : quem a
tiver o quicr vender, dirija-se a ra Dircita, n. 54
Compra-se a tragedia de Vollaro ~ Aliira, ou
O americanos, em portugus: quem a liver annun-
cio.
Compram-se macucas mesmo moras Ou sec-
cas : na ra do Collegio, terceiro andar da casa,
n. 25.
Compra-se, para uma cncommenda, um preto
ca pina, o um dito pedreiro : no paleo da matriz de
S.-Antonio, sobrado n. 4.
Coinpram-sedous ornamentos re aamasuo F....-
tuguez ,em bom uso sendo um hranco e encarna-
do e o oulro rxo e verde c na fulla todo branen ou
encarnado, rxo ou verde; duaststolas do pregar
--'"'inislrar o Sacramento sendo rxa o branca;
a Voz do JMMiv* )r.nmidos da mili do Dos alhicta ;
Mstica cidade de Dos ; um par de (velas do ouro,
para sapatos de padre ; urna anglica de fio drt ou-
ro lino, para roquete; um par de mangas Uu idro la-
vradas : no arco da Conceigilo por cima da loja 11.
2-, do mesmo arco.
Vendas.
Vcnde-se urna prcta de 22 annos, perita ongom-
madeira ; urna dita de 24 annos que cozmha o dia-
rio de um casa o lava de sabslo e varrulla ; urna di-
ta quo vende na ra, por ter disto bastante pralica ;
um dita para o servigo do enxada, por ter sido
criada no trabalho do campo; um preto de 22 an-
hos, de muito linda figura e robusto; um moleque
de40anues, muito lindo,- proprio para dagem : na
ra de S.-Rita, n. 44.
Vende-se para fra da provincia, uma escra-
va crioula do 25 annos, engommadeira, costureira,
cozinheira, e que lava muito bem ; um lindo mole
mi de 7 annos, proprio para aprender ollicio:
ra das Cruzes, n. 22, segundo andar.
na
UWti&MM
.tJENEZES.
Praga da I ndepcndcn-
cia, 11. 17,
loja de cirgticjro
Vendem-so uniformes militares pa-
ra todas as patentes, tanto de legi.to
como de cavallaria e infantaria ; gal3o
de ouro ; chapos para pagens. Na
mesma loja se faz qualquer obra per-
tencente a mesma arte : tudo pelo me-
nor prego possivel.
Xff MK jNR WK WW K WK t
vende-se, na loja de ronpas foitas, n. 2, ao la-
do do arco de N. S. da ConceicHo no Recife, rap
orinceza de Lisboa a retalho : os amantes da boa
pitada se devenafreguezar na dita loja visto que
no dito bairro ningiiem mais o vende a relaliio.
___Vendem-se, por prego commodo, 2 babus gran-
des, quasi novos sendo um delles cobertos do sola,
e com fechadura de segredo : na ra larga do Roza-
: "vend'e-se o vinlio genuino da companhia geral
la agricultura das vinl.as do Alto-Douro, muito
Iropno para mesa em pipas, metas ditas e barris
de quarto : a tratar no armazem de Joo Tavares
Coniciro, ou com Antonio Francisco de Moraes,
agenle da mesma companhia.
Vende-se assucar refinado em pues de 10 a 11
libras : na rpa do Trapiche-Novo, n. 22, armazem
de Hebrard & Companhia.
MEDICINA UNIVERSAL.
Ptalas vegpla.es de James
Morison.
A medicina vegetal universal he o resultado,d 20
anuos de invostigagdes do clebre James Morison.
Por meio dcstas pilulas consegio seu autor inn-
meras eadmiraveis curas desde as affecges que
atacam as criangas do poito al as molestias chroni-
cas do anc'ulo.
A Europa saudou este Pemodio como remedio uni-
versal para todas as doengas, e al hoje ainda nSo
foi desmentido tal titulo.
Est medicina vom acoinpanhada de urna receita
que ensina o lcillita a sua applicagljo. Consiste em
tres preparagOes, a saber : duas qualidades de pilu-
las distinctas por nmeros, eum p : cadaqual goza
de modos eacgOes diversas.
As pilulas n. 1 sito aperitivas ; purgam sem abalo
os humores biliosos e vicosos, o os oxpulsam. com
efllcacia.
As do n. 2 expulsam com csses humores, [igual-
mente com grahde frga os humores serosos, acres
e ptridos, de que o sangue so acha a miudo infecta-
do; percorrem todas as partes do corpo, eso ces-
sam de obrar quando toem expulsado todas as im-
purezas.
A terceira preparagflo consisto oro uma limonada
vegetal sedativa : lio aperativa temperante e ado-
gante : torna-seom commum com as pilulas e facil-
lila-lhes os melhores cfleitos.
A posiglo social do Sr. Morison, a sua fortuna in-
dependente, repellem toda a idela do charlatanis-
mo ; e as ni mira veis curas, operadas com o seu
systema no collegio desande do Londres, silo mais
quo garantes da efficacia do seu remedio.
Recommenda-se esta medicina, que uo pede nem
resguardo de tempo, nem de posigfto da parl do
doente, a lodosos que, atacados de molestias Jul-
gadas incuravois, se quizerem desengar da sua
virlude.
Oxal que humanidadn feche os ouvidos aos in-
teressarlos em desacreditar estes remedios tilo sim-
glcs lito conimodos e tilo verdadeiros.
Vcnde-se smento om casa do nico o verdadoiro
agente J O. Elster na ra da Cadcia-Velha, n. 29.
I.oja de '. a>-a!li.ries iSa Irmo,
na ra do Queimado,
n. 46.
Nesta loja vendom-se cortes de cassss de cores, a
3,000 rs.; ditos de cambraia branca lisa, a 3,200 e
4,000 rs ; longos de setim do cores, para grvala, a
3,260 rs.;- meios ditos, a 1,600 rs ; cambraias abar-
las, a 4,200 o 4,500 rs. o corte; ditas brancas a her-
as, a 4,600 rs.; muito superior panno para loalhas
de mesa, do 4 palmos e meio do largura, a 640 rs. a
vara ; lengos brancos do cambraia com beira aborta,
a 300 rs.; chita de coberta, a 200 rs, o covado ; dita
para vestido, de cor lisa, a 160 rs.; lengos bordados,
a 320 rs.; cortes do vestido de lilazinha, a 3,200 rs ;
camisas de mein. muito superiores,a 1,400rs.; chales
de seda, a 10,000 rs.; mantas de dita, a 8,500 rs.;
chales de 13a e seda, a 4,500 rs.; setim prolo. a 2,200
rs.; bicos de varias qualidades; e alm disto, um
completo sortimenlo de fzotidas, proprias para esta
praga e provincia.
jHSBIBlJat^.VM\VjJJiA!B^WiWuiiwiULiJiieiiir^
k
M6.EQ83A8N0'**
Nesta loja vendem-so chitas de cores fixas ,
a 140 rs. o covado ; luvas de pellica, para ho-
mem e senhora, a 400 e 640 rs. ; e outras
multas fazendas por barato prego.
l'<
es-
Venile-se nm sitio na estrada
A (Hielos, com 1)04 casa de vivenda,
pedra ecal, com sotao, cozinha fra
tribal a para nm cavallo, bom poco, o
qual admitte ora, todo cheio de arvo-
reilo novo : na mesma estrada, a fallar
com Joaquim de Oliveira e Souza.
MEZ MARIANO,
vende-se a mil rs. : na praga da Independencia,
ns. 6 e 8.
Quadros.
Na loja de miudrzas, de 4 portas,
ra do Calmea, n. 1 C, vendem-sec
dros de Santos
douradas
na
qua-
e Santas com molduras
de 80 rs. ate 48o rs,
Botoes.
Na loja de miudezas, de 4 qualro por-
tas, na ra do Cal ug, n 1 C, vendem-
se botdes Pedro II grandes e pequeos,
os mais bem dourad >s que teem appare-
cido ; ditos ovados para cavallaria da
guarda nacional 1 ditos para infantaria/
ditos para libr* de pagens, de bftnitos pn-
dres e chegados ltimamente de Fran-
ca ; ditos para casacas, domados e pre-
tos; ditos para vestidos de meninas e
ruupio de senhora ; ditos de uadre-pe-
roh, para palitos e camisas, de boa qu-
lidade ; e outras muitas qualidades quo
se acliaro patentes aos compradores.
Vendem-se, na ra do Cabuga, n.
i C, loja de miudezas de l\ portas, do
Francisco Joaquim Duarle, lencos- de
garca a 1,000 rs. de bonitas cores j
ditos iie cores, para gravata a i,oo
rs. ditos pretos a i,4ooe 1,800 rs.



"^-
vT-
k


rrw
m

Vende-se uma correnta da ouro para senhora ;
oma <)U para homem ; um trancelim ; e mais ou-
tras obras de ouro na ra do Rangel, n. 10. .
Farinha de mandioca.
No armazem da ra lo Collegio, n. 31, ha farinha
em saccas, de boa qualidada, a prego commodo, e
tambem alguma farinha avariada propria para cria-
cSo.
--Vonde-se t40 couros de cabra do boa qualidada :
no Aterro-da-Boa-Vista, armazem de louga Bahia,
n.47.
Vende-so urna bonita escrava reco- ^B
|tiida.de nagSo, de idads de 20 anuos, *
de pnmeira barriga, com uma cria de
dousmezes, com mu.tn e bom leite :
na ra das Larangeiras, n. 14, 2. an-
dar.
M
ioula
Vende-se uma bonita preta de
nacao, de 20 annos, que engom-
ma, cose e cozinha ; uma dita
de legante figura ; \ mulati-
mmmmmm
__ Vende-se uma linda iiulalinha de 11 a 12 an-
nos; umacrioulada mosma idade: ambas sabem
fa7cr lavarinto com porfeigflo, cosem chSo e leem
principios de engommado : na ra do I.ivramenlo,
Vende-seuma venda sita na ra largado Ro-
zario, n. 2S, sortida bem afroguezada para trra e
tambem vende para o matto o motivo por que se
vende, he por nao se querer usar mais d?ste nego-
cio e se querer liquidar com a praca : a tratar na
mesma venda ou na ra Formosa, n. 5 que todo o
negocio se far. .....
Vende-se uma cadcira do balango, com muito
pouco uso: quem a pretender annuncio.
Vende-se urna negrinha de 8 annos, muitolinda
eesperta, oque he propria para se educar ; uma
dita de 10unos multa lirias ; um cabra de "22 an-
nos muito robusto, de bonita ligura e que he
proprio para pagem na ra de S.-Hita, 5.44.
cr
nho9 de 8, 10, f e i4 anuos ; um pardo
de 20 annos, de minio boa conducta
que he ptimo para pagem *, um dito de>
aa annos bom marinheiro ; um bonito
preto de ao annos de naco Costa', vin-
do da Bahia um pardo de 35 annos, por
a8o.s rs.; um preto de a5 annos, por
35ojf rs. : na ra das Larangeiras n.
>4> segundo andar.
Vendem-se travs de 40 palmos de comprimen-
to, de boas qualidades : na ra da l'raia, serrara de
Silva Cardial.
-* Vendem-se 7 osera vos, sendo um negro da
Costa, nroprio para todo servico; duas protas, uma
ha qutlandeira, que cozinha o lava bem roupa; duas
mulatas nrogas.com habilidades, cuma mulatinha
de 6 a 7 annos: no pateo da Santa-Cruz, 11. 14.
Milho.
Vende-se millio, a 2,000rs. a sacca : no caes di
Alfandega, armazem de Antonio Annes.
Potassa e cal virgem.
Vende-se muito superior potassa, a
poucos das desembarcada, e cal de Lis-
boa : no armazem de Baltar & Oliveira,
na ra da Gadeia no Kecife, n. la.
Chitas pretas assetinadas.
Vendem-se superiores chitas pretas asselinadas,
muito acreditadas pea sua quaiidade, a 240 rs. o co-
vado : na loja da ra do Collegio, n. 1.
les de couro de lustro, a 3,000 rs. ; sapatOes, a 1,800
rs.; botins, a 2,800 rs.; bonetes de varias qualida-
des, tanto para homem como para meninos; bahs
de madeira envflrnizados pincel proprios para
guardar roupa de criancas ou 'para outra qualquer
coiisa a 1,000 e 2,560 rs.; frocos do todas as cores e
grossuras a 240 rs. i vara.
. Vende-se uma parda do 22 annos sein vicios
nem achaques, e que engomla o cozinha soffrival-
mente: a tratar com Jos Clemente dos Santos Si-
queira, na ra estroitado Rotarlo, n.8, ou na c-
mara municipal.
Vende-se o Recrtio, jornal das familias, obra de
inslruccfio ornado com rouitas estampas, por pre-
vi; commodo : no &terro-da-Boa-ViU, o. S.
Vende-se uma preta de 30a 40 annos com al-
gumas habilidades: na ra Uireita n. 93 segundo
andar, na esquina do becco do Serigado.
Rio-Formoso.
Tranceln.* para relogios,
fcitosde cabellos, com passadores o encaixes da
ouro : tambem servem para senhora, e sfld da moda,
chegados da Europa : vendem-se na loja de livros
da esquina do Collegio.
A pessoa que acnou uma lettra da quanlia de
400,000 rs., aceita por Jos Antonio Bastos, perlen-
ceuto a Francisco de Assia Oliveira queira metler
por haixo da porta da loja do Passeio-Publico. n. 21,
visto de nada. I he servir; pois que estilo dadas todas
as providencias.
g-: Vende-se Oireito mercantil, por Silva Lisboa,
6 livros encadernados em 2 volumes : na ra do
Crespo, n. It.
Vende-se, para fra da provincia ou para on-
genho, um moleque crioulo de 15 anuos de idade e
de boa figura, que cozinha o diario de uma casa e
tem principio do offlcio de pedreiro: a tratar na ra
do Crespo, n. 12, com Jos Joaquim da Silvn Maia.
-"Vendem-se 14. rolos de fumo, vindos do Rio-do-
Janeiro : na ra do l.ingoenta, n. 10, a vontade do
comprador.
Vende-so o engenho Sari/jy.-'*** ?,
junto a N. S. do (r, na comarca de Goianna : a tra-
tar com o seu proprietario, no dito engenho, ou com
Manoel Gongalves da Silva na ra da Cadeia do Ite-
cife.
Continuam-soa vender bichas ltimamente che-
ga Jas de Hamhurgo, grandes, a 800 rs. cada uma :
tambem se alugam por prego commodo: na ra do
Collegio, loja do miudezas, n. 9.
Cli-cgaram as verdadei-
ras pilulas vegetaes do Dr.
Brandreth, viudas no brigue
rutwim,(\n Phitadelphia, as
quacs se vendem na botica
de Bartholomeu Francisco de
Souza, na ra larga do Roza-
rio, 11. 56.
Vendem-se saccas com farinha de mandioca,
a 3,200 rs o alqueire velho: na ra da Cadeia do
Recife toja n. 51, do Sr. Jofo da Cunlia Magalhffes.
Vendem-se lengos encarnados linos para taba-
co, a 3,200 rs. a duza : na ra do Queimado, n. 8. '
Vende-se uma bonita preta crtoula qtie cozi-
nha bem o diario de uma casa, cose, engomma liso,
ensaboa mui bem e faz todo omaisservigo tanto de
casa como de roa : na ra do Hospicio, n. 4.
Precisa-se de um homem que entenda /le horta,
para um pequeo sitio : quem estiver nestas cir-
cunstancias di rija-sea ra do Trapiche, n. 13, para
tratar do ajuste.
CABELLOS PRETOS.
ContiQa-se a vender agoa de tingir cabellos e
suissas : na ra do Queimado, n, 31. O methodo de
applicar ac ni pan lia os vidros.
Sarja hespanhola.
No novo armazem de fazendas, de Raymundo Car-
los Leite, na ra do Queimado, n. 27, ha chegado
nm ptimo sortimento da verdadora sarja hespa-
nhola, a 3,200 rs. o covado ; tambem ha de 2,200,
2,500, 9,800 e 3,000 rs.; panno Gno, prova de li-
mflo, a 3,800, 5,000. 7*000,8,000, 9,000 e 10,000 ra.;
chapeos francezes finos, do ultimo gosto de *aris ,
com aba maior, conforme a nova moda, a 7,000 e
8,000 rs. ffcste armazem tambem se vendem fazen-
das por atacado o mais barato possi re.
Sarja mais barata nao he
possivel.
^ ~ Vende-se superior sarja preta hespanhola, pe-
% barato prego de 2,000 rs. o Covado : a sua rjuali-
14 annos que cose, engomma liso e he muito di-
ligente para todo o arranjo de urna casa : na ra do
Hospicio casa terrea com sitio defrontn do sobra-
do grande que esta fechado.'
Vende-se uma preta orioula de 27 annos, bem
augurada e de boa conducta, a qual mo tem vicios
nem achaques cozinha solTrivelmente Je tem
principios de engommado : na ra da Gula, por ci-
ma do marceneiro, n.~7.
Vendem-se ps do nogueira da Persi ,.e um ca-
sal de urubs reis : defronte de S.-Ji do Mangui-
nho, venda da esquina.
Vndem^se dus linhas de camassary, com 55
palmos de comprimanto : emS.-Anna; a fallar com
Joo Venancio. *
Vende-se um bonito preto de 22 a 24 afinos,
bem corpolento, e quo he muito hbil para todo o
servico; um pardo bom carnicero, e que heperfeito
carroiro e muito humilde: na ruado Vigario, n.
24, se dir quem vendo.
Vende-se uma preta da Costa, de 20 annos, de
bonita figura, que cozinha bom o diario de urna ca-
sa .compra e enlende de venderna roa; urna pr-
deia do Itecife, n.8.
Loja de cirgueiro.
jfftiiadoQuemarlo,n. 10.
Lima.
Vcndem-so uniformes militaros pa-
ra todas as patentes de legi&o, caval-
laria e infantera da guarda nacional, a
saber : chapeos armados; barretinas ;
dragonas; bandas ; fiadores; galSo de
ouro, para caigas; talins; caninas; pai-
tas ; espadas prateadas, com roca e
sem ella, e ludo quanlo pertcnce ao
completo dos ditos uniformes : tam-
bem aprompta|uniformes,para msicas
para o que pode mostrar os (laurinos
do ultimo gosto da erte,
FA HELO NOVO,
a 4^500 rs.
Saccas grandes de 3 arrobas com farelos: no a rm-
zcrfl de J. J. Tasso Jnior, na ra do Amorim, n. 35.
Vende-se, ou arrenda-so um grande sitio na ra
imperial, com duas moradas do casas, uma para
grande familia, na frente da ra e'outra mais pe-
quena dentro do mesnio sitio com bons parreiraes
e mnitas fruteiras de boas qualidades todas novas
e j dando fruto, com um grande viveiro no lundo :
na ra Uireita, n. 135, loja do cera onde se fara
qualquer dos negocios, por seu dono ter de retirar-
so por molestia.
-- Vendem-se aCQes da ex
tiricia companbia de Pernambuco
e Paraliiba: no escriptorio de O-
liveira lrm&os & C, ra da Cruz,
n. 9.
- Vendem-se ancorctas de
diversos tamanhos, com vinbo da
Madeira, tinto e branco, de *upc-
rior quaiidade s na escriptorio de
Oliveira Irmos & C, na ra da
Cruz, n. 9.
JEJfr Vendem-se chapeos de superior
^SR castor, brancose pretos, por preto
mu'lo barato : na ra do Crespo, n. la,
loja de Jos Joaquim da Silva Maya.
A 1 #600 rs o covado.
Vende-se merino preto de 7 palmos de largura ,
pelo barato preco de 1,600 rs. o covado : na loja da
esquina que volts para a ra do Collegio, n. 5, de
GuimarSes & Companhia.
Vendc-se um moleque de bonita figura, de 20
annos, sem vicios com cilicio de sapalciro: na ra
Nova, armazem n. 67.
. Vendem-se saccas com arroz de casca, a 3,200
rs. ; ditas com mlho a 3,200 rs. : na ra da Cadoia
de S.-Antonio, n. 21.
Vende-se, no largo do Carmo, n. 18, um mo-
leque do 18 annos que he 0llici.1l de sapateiro.
Vende-se um lindo moleque de 12 a 13 annos ,
sadio ; 3 pretas de bonitas figuras, com habilidades ;
2 pretos de elegantes fignras ; uma parda de 20 an-
nos', engommadeira e coslureira : no pateo da ma-
triz de S.-Antonio sobrado n 4
Ricos tapetes
dado he suflciente para chamar os compradores:
na ra do Collegio, loja nova da estrella, n. 1.
Novos gambreoes.
JVendem-se cortes de cateas da excellenle e supe-
rior fazenda denominada gamhreio, pelo barato
prego de 1,800 rs. o corle : esta fazenda tanto em
gosto como em quaiidade, rivalisa com as mlho-
res casimiras : na ra do Coiiegio, nova loja da es-
trella, n. 1.
para ornar salas, mesas, candilros, lanlernas, cas-
tictes o campainhas, redondos, quadrados -o trian-
Sulares, bordados e de oleado com lindas franjas
e Ifla de todas as cores; luvas de torga), proprias
para a Quaresma, ao ultimo gosto do Pars, pretas e
I brancas com dedos e sem clles, a 1,600 ts. o par;
alpaca dolinbo, a 64e800rS. o covado : na ra do
Queimado, n. 27, novo armazem de fazendas, de
Raymundo Carlos Leite.
Brins trancados de listras e
quadros.
Vendem-se superiores cortes de brim trancado de
(istras e quadros, para caigas, de lindos gestos
de 'a qualidado, pelo prego de 2,000 rs. o corte
na .ua do Collegio, loja nova da estrella n. 1.
Casimira elstica, a 7*10 rs.
covado.
Na loja da esquina que volta para a ra do Colle-
gio n. 5, vende-se casimira elstica de Ifia e algo-
iiao de lindos padrOes e muito cncorpada pelo
barato prego de 720 rs. o covado, e que se, torna
recom metida vel para a esta gao presunto.
Couro de lustro.
No Aterro-da-oa-VisU,loja n. 78, vandem-se pel-
Vendem-se!superiores luvas para mertihase
senhora, de muito bomgosto por serem de seda ,
e sem dedos a 560 rs.; frocos de todas as cores
grossuras : no Aterro-da-Boa-Vista, loja n. 78.
ifarroquim.
No Aterro-da-Boa-Vista, loja n. 78, vende-se mar-
roqu m de varias cores, a 2,000 rs. a pelle, e 500
rs. o quarto.
Vende-se uma parda de 18 a 20 annos, da boni-
ta figura, com dous filnos mulatinhos, umde 4 an-
nos e a outro de 2: a parda engomma muito bem,
cozinha, cose e lava de sahSo e varrella nilo tem
vicios nom achaques i o motivo da venda se dir ao
comprador : uma preta de 20 annos, de bonita figu-
ra que cozinha o diario de uma casa, lava mui bem
desaboe varrella, e cose alguma cousa : na ra
da Concordia passando a pontezinha a direita ,
segunda casa terrea, se dir quem vende.
Cha superior.
Vende-so clin superior: no pateo do Collegio, lo-
ja nova de livros n. 6.
Vende-se uma das melliores vendas, sita no
bairro da Boa-Vista, por detrs da igreja da S.-Cruz,
n. 1, na esquina que volta para a ra da Alegra : a
tratar com o seu proprietario, Firmino Jos Flix da
Rosa.
Vende-se na ra do Collegio, n. 6, mllho bom,
a 2,400 rs. o alqueire.
Vende-se um moleque de 18 annos, de bonita
figura : na Boa-Vista, ra Velha, n. 18.
Vende-se um diccionario francez para porlu-
guez por COsta eS ou Manoel de Souza, por pre-
go commodo : no Aterro-da-ltoa-Vista, n. 84.
Vende-se um jogo de diccionarios portuguez e
francez e francez para portuguez ; Rui, o escadeiro;
Vida de D. JoQo do Castro : no Aterro-da-Boa-Vista,
0.84.
Vendem-se presuntos, baldes e tinas propria
para lavar roupa ; vassoura para varrer salas e ta-
petes : tudo ltimamente chogado dos Estados-Uni-
dos : na ra da Cruz, n. 7, armazem do Davis & C.
Novo panno para lenco es.
Vende-so superior panno para lengoes, com 2 J
varas de largura pelo barato prego de 3,000 rs. a
vara : esta fazenda lie melhor do que a bretanha de
Irlanda, da mesma largura,que ltimamente se ven-
deu ncsla mesma loja por aer de puro linho : ha
ra do Collegio, loja nova da ostrella, n. 1.
A 1,000 rs. o par.
Na loja de CuimarSes 5c Companhia confronte a
arco de S.-Antonio n. 5, vendem-se meias de seda
preta curtas, pelo barato prego de 1,000 rs. o par.
Vendem-se postillas da analyse do constit uigo
para o segundo annoda academia de Olinda ; ditas,
do direito publico para o primeiro anno : na ra da
Madre-de-lieos loja n. 36.
Vendem-se, na loja da ra do Crespo, n. 11,
livros de direito comosejam : Principios e direi-
to mercantil e leis de marinha, 2 v.; Cdigo bra-
sliense, ou collecgfto das leis ,alvaraes,decretos,car-
tas regias, 1 t.; Principes de economa politique.por
M. T. R. Mathcus traduzdo do iaglez por Cons-
tancio, 2 v. ; des Pmivoirs etdes obligationsdes Ju-
ila 1 v.; Defence de l'usure, 1 v.; Tratado theo-
rico sobre os tombos, 1 v. ; Formularios de libellos,
por Corris Telles, 1 v ; 1 nstiiugocs de direito ci-
vil lusitano, 1 v. ; primeiros elementos praticos do
foro civil, 1 v. ; Geometra deEudides; Algebrada
Lacroi* ; Tratado da navegagSo, 1 v.; e outros mui-
pos livros que Se fardo patentes aos compradores, e
se vendem muito baratas.
Vendom-se, na loja da ra do Crespo, n. 11 ,
Oragoes de Cicero em portuguez 3 v. em bom es-
tado ; e outros muitos livros de aulas, por prego
commodo.
FARINHA DE MII.HO.
Vende-so, as libras*, superior farinha de milho,
excellenle para pfjo cangicas bolos, elo., por
da de 82annos,que cozinha o diario de um casa,
e entende dos mais arranjos da mesma : na ra do
Crespo, n. 12, a fallar com Jos Joaquim da Silva
Maya.
Vende-se um mulatinhode14a 15 annos, mui-
to lindo ; uma mulatinha de 13 annos; um esoravo
pardo, de bonita ligura e que lio optirno para pa-
gem ; um preto bom cozinheiro, de 30 annos; um
dito perito sapateiro ; um dito pedreiro f um dito de
bonita figura ptimo para palanquim ; 6 escrav
mogas de bonitas figuras, com varias habilidades:
ua ra Uireita, n. 3.
Vendem-se dous lindos moleques de 18 annos
dous pretos de 25 annos, proprios para lodo o ser-
vido ; dous pardos de 16 a 24 annos, sendo um del-
les bom carreiro; 3 mulatinhos do. 14 annos; uma
negrinha de 10 annos com principios de habilida-
des ; 4 pretas de 16 a 25 annos, entre as quaes al-^
gumas com habilidades; um casal de escravos, pro-
prios para o servico de campo; uma negra de idade,
por 160,000 rs. : na ra do Collegio, n. 3, se dlra
quem vende.
Vendem-se 9 escravos, sendo : 3 pardos e 9 par-
das ; uma preta e 3 pretos, vindos do Aracaly : ao
p da Corpo-Santo, loja de cabos, n. 25.
Vendem-se enchertos de laranja selecta ; ditos
de dita doembigo; ditos de lima de ombigo; ps
de laranja da China; ditos de fructa-pSo ; ditos de
sapoty : na estrada dos Afllictos, stimo sitio depois
da igreja o do mesmo lado.
Cha|os de sol, de seda,
a &0OO rs.
Na esquina do Livrainento, loja do ni-
cho, vendem-se chapeos de sol de seda,
a 4>8oo rs
Tendem-se superiores luvas para meninas e se-
nhora, de muito bom gosto por serem de seda e
sem dedos a 560 rs, o par; frocos de todas as co-
res o grossuras : no Aterro-da-Boa-Vista, toja n. 78.
Vende-so uma negrinha de O a 11 annos.com
bons principios de cpslura ; um moleque de bonita
figura de 14 annog; 2 pretos bem robustos: no pa-
teo da matriz de S -Antonio, sobrado n. 4.
Vendem-se, na ra Nova, fabrica do caldcireiro
n. 27 cadinhos de lapis, de todos os tamanbot,
para rundir metaes.
.Escravos Fgidos.
Fugio, no dia 18 de Janeiro, um cabra, de nome
Joaquim, alto, reforjado, de idade, coma barb
branca cabellos corridos e bem pretos; levou um
sumi de pelle de carneiro chapeo da bata usa-
do, caigas de algodilo de listras rotas no assonto;
temostornozellosdosps um tartto inchados. Es-
te escravoj foi preso em S.-Lourengo-da-Matta ,e
tornou a fuglr junto aos- Remedios do nodr de
uma pessoa que o conduzia para esta cdade ; vcio
do Maranho 6 diz ser de Casias: quem alegar le-
ve-oa ruado Vigario, n. 24, que ser" peompen-
sado.
Fugiram, do engenho Salgadinho oreguintes
escravos: Manoel Barauna e seu innflo Antonio,
crioulos.e uma mulata: o Manoel he alto e meiofulo,
nariz tronzo do uma gomma : o Antonio he alto el
fulo : a mulata puna por uma perna por ter o er de]
vento : todos ellessQo dosertao.econduziram malar
e mais ferramenlas de carpina. Roga-se as autorida-
des policiaes o capitSes de campo, que os appre-l
bendam e levem-os ao dito engenho Salgadinho, ou
na ra d Agoas-Verdes, n. 44, que serfio recom-
pensados.
Fugiram, do engenho Sibir, na noile fe 26 para
27 de abril prximo passado,o escravo Manoel An-
tonio preto, de nago Angola, de 20 annos pouco
mais ou menos do estatura regular, com princi-
pio de barba pernas finase tortas, ps grandes: a
preta Bertholeza, crioula da mesma. jdade ,'all>(
nariz chalo, com uma baixa em cima da caliega
marcas de chiclo as costas, cujos escravos sao
casados. Quem os pegar leve-osao dito engenho Si-1
bir, ou ao engenho Crauss ou nesta praga a Jo-I
s l'ereira Vianna no seu escriptorio, n ra di f
Guia, n. 5, que ter por cada um dos escravos 25,000
rs. de gratihcagSo.
Fugio, no dia 12 de taveroiro prximo pass'10-
urna preta, de nome Francisca alta o magra, de
annos pouco mais ou menos; tem as sobranselnas
carregadas, e falla-lhe um denlo na frente; tem ama
nodoa bem preta por baixo de um olho ; veio uoi
Aracaty, e foi vendida para o Rio-Formoso, de onu
fugio ; costu ma dizer que he forra, quando anda
u-
iHO cangicaa uuiu, .,. poi
prego commodo : em Fra-de-Portas, ra dos Cua-
rarapes, n. 28. Tambem s vende, na mesma casa ,
milho moldo, proprio para passaros. 1 =
- Vende-se umanegrinba de bonita figura', ^delrUN. : N^ ttp. db h. r. DBFARIA
gida. Quem a pegar leve-a a ma da Madre-de-Dcos,
n. 34, ouao Rio-Formoso a Luiz Cardozo de Al-
meida que recompensar.
40,?000 rs. de gratificacao.
Fugio, no dia 14 dobrH prximo passado do
poder do Manoel Antonio do Carmo, morador na
Barra-Grande, provincia das. Alegoas o seu escra-
vo de nagflo, de nomo Manoel, de altura regular,
secco dp corpo cOr no preta com todos os den-
tes ; tem om um dos ps dous dedos pegados mul"
to curtos olhos meio alravessados de 25 a 50 an-
uos ; nilo tem barba ; levou camisa e algas de es-
lopa ; foi escravo, nesta praga, do Sr. Francisco Joe
Ruarle a quem foi comprado : qnertT o pegar leve-o
a ra de Hortas, n. 48.
i84
/


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQVKKD4FH_0C1Q4Y INGEST_TIME 2013-04-12T22:26:18Z PACKAGE AA00011611_05481
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES