Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05475


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^
Anno de 1848.
Segn da-feira 1
DtARlQ pulilici-se todos o dia* que nto
Hictm 'le Rurda i o prero d aisignatura he de
(juno rs.poi qnurtel, J>i3"i adianladnt. Os an-
ouncioJ do assirnnt*s so inseridos rasie de
jors. porliolia, 10 rs. in tjpo'dift>reate, ai
r,peti=oe pela rnetade. Os que niio fftrcm assig-
nantes pagarSo r. por liaba, l0 tu tjpo
diflerente, porcada psiulicaclo.
PHASE3 DA LA. O MEZ.DE MAIO.
|,i nova, a 2, 4 horas e 54 ihin. da saan'i.
Creseente a 10, aos S8 rain, da maoti.
La chai a 18.s e tala, da manli.
Mineosntea JS, i* 9 eiTanin. da raauh.
PARTIDA DOS CORREIOS.
'", oianri, Paraliiba s segundas e sextas Cairas
Hiu-llrande-do-Morteqiotasfeirasaomeiodia
Cabo, Sernliem, Rior/ormoso, Porto-Cairo
Macelo, no I.*, a II e Sida cada mei.
(Jrn!uins a Bonito, a S e 21.
Boa: Vista e Plora, a I e8.
Victoria, s quinlas-felras.
Olinda, todos os das.
PUF.AMAR DE HOJE.
l'rimeir, s i horas e 64 niato* da tarde.
.Segunda, s 3 horas el 8 minute da manh.
de Mfaio
Anno XXV.
N. 98:
das da semana.
1 Segunda. ic Ss. Filippe eTiago. Aud. do J.
los oil'. ilu .1. il.ic da 2. v. e do M.d 2. T.
2 Terca. S. Athair.o. Aud. do J. do cirel.
do J. de paz do 2 ditt. de t.
I Quarta. i|i>{t Invenco da Santa Crut. S.
Rodojiikiij,
4 Ouinia. S. Flonano. Auit. do J. dos orph.
a do J. m. da l. vara.
6 Sen. S. Pi. Aud. do J. dociv. da t'v. e
do i. de pal do I rlist. de t.
C ^abluido. S. Joan Damasceno. Aud. do J. do
cir. do J. da pai do I dist. de t.
.1 Domingo. S. Estanislao.
CAMBIOS NO DA 20 DE ABRIL.
f
Sobre Londres a 27 d. por I0O0 rs. a 0 d
a Pars 145 a io rs. por Tranco.
Lisboa Iflo pnr 100 de premio.
_sc. deleltras de boas firmas a I '/i */ "
OuroOncas bespanholas.... *60O a fooO
Mocdasdeoliiii) vclii. lejlOO a leftCO
de BftOK nov.. I6f000 a ||in
detfoOO ..... n|dH0 a JI
Pralfl Pataces........... l|9i a li40
Pesos columna res... 1*820 a 1|ie
Ditos mexicanos.... 11800 a iitiO
Miuda............. U!0a l#40
Accoesdacomp.doBeberibadeSOlOOO rs. ao par
a.
DIARIO DE PERTAMBUCO
PARTE OFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 26 DO PASSADO.
Circular Aoi presidentes das provincias do Imperio,
participando haver lomado conta da adininistraco des-
la provincia.
DEM DO DA 87.
Omcio Ao Exm. vice-presidentc da Rahia, aecusan-
do recepefio deum cxemplar do regulamento dado ad-
ininlstracao das obras publicas dessa prdvineia, em ob-
servancia das lels piovinciaes, n. 91, de 26 da agosto de
1841, c n. 290, de 19 de junho de 1847.
Ditos Ao inspector do arsenal de inarinha e ao res-
pectivo contador, inteirandn-os de haver S. M. o Impe-
rador nonicado secretarlo do concelho deadininistracao,
que aqnl deve ser incumbido do fornecimenlo de vive-
res para o pessoal da armada, ao pratloante da contadu-
ra do ineinio arsenal, Christov.o Santiago de (Jliveira,
Dito Ao coinuiissario-pagador, coimnunicando-que
S. M. o Imperador oomeara o tenenle-coronel cominan-
dante do prlmeiro batalbao de aitilliai a a pe, Solidouio
Jos Antonio Pereira do Lago, para comiiiandar interi-
namente as armas desta provincia.
DEM DO DA 28.
Officio Ao Exm. vlce-presidente. do Cca'r, acensan-
do recebid a cellec(o do actos legislativos da asaent-
bla dessa provincia, promulgado* na sesso ordinaria
do anno prjimo lindo.
Dito Ao bacharel Francisco Xavier Pac Brrelo,
dando-se por intelrado de haver S. Me. entrado em exer-
elcio do cargo de promotor publico do termo do Reci-
fe, no da 27 deste mes (abril).
Dito Ao inspector da thesouraria da fazenda, decla-
rando, em consequencia de requisico do secretario do
monta pin geral dos servidores do estado, que a remessa
das contribuiedes para o mesuro monte pi, arrecadadas
pela referida thesouraria, deve.de ser frita os inezes
de fevereiro, marco, agosto e novembro de cada anno.
Partlcipou-se ao secretario do monte pfo geral dos
servidore* do estado.
Dito Ao agente da companliia das barcas de vapor,
duendo que, lindo o prazo do eslylo, pode fazer seguir
para o* portos do sul o vapor Parame, ebegado dos do
norte.
Dito Ao commandante das armas Interino, de-
terminando em cumplimento do imperial aviso do
prinieiru de abril : 1.*, que, segundo a nr'dcni da an-
tiguidade, d baixa aos soldados que bouverem con-
cluido o seu tempo de servico, proporco que se 10-
rein apurando recrutas, na rasao de tres destes por
urna balea; 2.a, que de cada tres recrutas faca as-
sentar praca a unt nesta provincia, c remetta dous
para o deposito da corte ; 3., emlim, que envi men-
salirtente presidencia a reracao nominal do inov-
menlo de uns e otros, com drelaracao do lempo de pra-
ca dos que tlverem baixa e da data desta, para ser trans-
nittida secretarla de estado dos negocios da guerra.
Dita Ao inspector da thesouraria das rendas pro-
vinclaes, scientificando-o de haver nomeado para o lu-
gar de porteiro daaecrelaria da provincia ao continuo
da inesnia secretaria, Rufino Jos Fernandesde Kiguel-
redo ; para substituir a este ao cidadSo Francisco de
Leinos Duarte.
Dito Ao administrador das obras publicas, ordenan-
do mande concertar os arrombamentos feitos na enxovla
da cadeia desta cidade, e na latrina da sala livre da nics-
uu cadeia. Participou-se ao chefe de polica, cuja re-
qulsico tlra lugar a expedicao desta ordeui.
SECRETARLA DA PROVINCIA.
EXPEDIBNVE DE 28 DO PASSADO.
Omcio Ao inspector da thesouraria da fazenda, de-
clarando que S. F.xc. o Sr. presidente da provincia val
encaminhar ao Exm. Sr. ministro da fazenda o officio de
S. S. sdb n. 33.
DUo Ao inesmo, transmlttindo, para ser executada,
a oroera do tribunal do thesouro publico nacional, sdb
n. 20.
Dito Ao mesmo, remetiendo, para sua intelligencia
e execucao, um oflicio do inspector geral do thesouro,
datado a 12 dcste mez (abril).
DEM DO DA 29.
Em consequencia de recommendacao da secretaria de-
estado dos negocios estrangeiros, S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia manda fazer publico, para conhecimen-
to daque'llcs aquempossa Interessar, que, tendo falle-
cido, na villa da Meda do reino de Portugal, o Dr. Jos
Placido Soares, declarou em testamento, feito eni24 de
julho de 1841, que constitua univeisaes berdeiros de
seus bens a seus sobrinbos residentes neste imperio do
brasil. Secretaria da provincia de Pernainbuco, 29 de
abril de 1848.
Ignacio Franciico Silvtira da Afola.
EXTERIOR.
FRANCA.
'REPBLICA FRANCEZA.
LIBRBADE, IQOALaUDE, FRaTF.^NIBAUE.
Pars, 9 do margo de 1848.
titktorio aprettntada o govtrno acerca da riluaedo /?-
naneara da repblica, pelo ministro da facnda
membro do goverlio provttorio.
O Rizdaeja saber qual lio o verdadeiroe peal es-
tado das suas (naneas. O goveruo provisorio da re-
pblica deseja salisfaze-lo, como he do seu dever e
interesse; palo queosovernu espora .toda s verdde
sem odio, sem mJo, o lambem seta reserva.
Isto posto, passarsi os factos.
I Divida publica.
{ No 1. de Janeiro de 1841. o capital da divida pu-
blica, deduzidas as apotices porlenccntes a caisa de
amortisac3o, orcava cm 4.267:315,402 Trancos. No
1.'de Janeiro do 1848, osle capital elevou-se a francos
5.179:W4,730. Donde se deprehemle que a admi-
nistracSo transada, em vez de aproveilar-se de urna
longa paz para reduzira importancia da nossa divi-
da, augmentou-a n'tim proporefto espantosa;
912:329,428 francos no decurso de seteannos!
Orcamentot.
Osorcamentos seguirama mesma progresso quo
a divida.
O de 1829 -1830 monlava a 1.014:914,000 francos,
ao passo que a aonima dos crditos concedidos ao
gOverno transado para o anno de' 1847 elevava-se
a l .712:979,639 Trancos e 62 el. Nflo obstante o aug-
ment sue.cessivodasreceitas, osorcamentos ap;e-
sentaram todos as annos um dficit considcravel.
sdespezas, desdo 1840 at o (im de 1847, excedem
s receitas de 604:125,000 francos. O dficit calcula-
do para o anno do 1818 he 48:000,000 francos, sem
entrar nesta quaolia o capitulo adiliciontil dos crdi-
tos suppleuicntarcs o extraordinarios; vindo a ser o
dficit total dos ornamentos, a cargo da transacta
administraefo, 6:5fl5,000 francos.
Otro* publicas.
As obras publicas, enceladas inconsiderada e si-
multneamente em lodos os pontos do territorial no
interesso da corrupto eleitoral, e nilo com a cau-
tela que a prudencia exiga imperiosamente, exce-
dern) aos Crditos na quantia de 1.081:000,000 fran-
cos. Deduzir-se-ha desta somma 160:000,000 fran-
cos, restituidos pelos companhias, e 82:000,000 pro-
ducidos pelo ultimo empresllmo, o que somma
242:000,000 francos que reduzcm a 839:000,000 fran-
cos o excesso das despozas dosle ramo do servico pu-
blico. Desta somma 435:000,000 francos fram des-
pendidos com os recursos da divida fluctuantc, e
404:000,000 francos deverflo ser despendidos para
completar estes trabalhos.
Divida fluctuantc.
A divida flucluante cresceu na mesma proporcffo.
No comeco de 1831, esta divida orcava em duzentos
e cincoenta milhOes de francos, ao passo que a 26 de
fevereiro prximo passado passava de 670:000,000
francos, aos quaes devomos accrascentar 202:000,000
pertencentes s caixas de economa, vindo a montar
o total da divida em 872.000,000 francos. Em taes
circumslncias, a siluaco da thesouraria central
no poderla ser satisfactoria. Durante os ltimos 268
das da sua existencia, despendeu o governo transac-
to mais de 294:800,000, ou 1:100,000 por dia, alm
dos recursos ordinarios. Para fazer face a estas des-
pe/as, o governo, do ox-rei recorreu a tres fontos:
os bilhetcs do thesouro, o emprestimo e as caixas de
economa. Desdo 12 de abril de 1847 al 26 de feve-
reiro de 1848, a emlsso dos bilhetcs do thesouro
elevou-se de 86:000,000 francos a 325:000,000 fran-
cos. As preslaqOes pagas do emprestimo contrahido
a 10do novembro do 1847 orcavam em 82:000,000
francos. Nflo se sabe quando o rosto do emprestimo
ser roalisado, mas o que he cerlo he que os bilhetes
do thesouro devenido ser pagos. Quanto s caixas
de economa, todos sabem a sua deploravel historia.
Do 355:000,000 pagos ao ex-governo, apenas 60 per-
manecern! no thesouro ; o resto despendeu-se na
compra de a plices do governo; dahi se v que o ex-
governo tornou impossivel o reembolco dos depsi-
tos. Tal he, cidadaos, a verdadefra siluaco inan-
ceira que a monarchia legou repblica. A repbli-
ca acoita-a, ms cumpro applicar um remedio a este
mal. Cqual ser este remedio? 10 como se poder
garantir o andamento dos diversos ramos do servico
publico, estaholecero crdito publico sobre urna ba-
se roal e solida, dar providencias oerca da conti-
nuaco das obras publicas principiadas, e melhorar
a coudicflodo povo .'Cumpro adoptarom-se medi-
das sabias, eneigicas epromptas. 10 lenho a honra
desubmetter approvacilo do governo provisorio as
seguintes decisOes :
Caixa de amonita fio.
A caixa do amorlisacSo ser mautida: he um con-
trato feito pelo estado cora os seus credores, o este
contrato deve ser respeitado; mas o ex-governo dis-
poz de antemo da reserva da caixa de amorlisacHo:
por isso,quando os fundos pblicos chegarom ao par,
licaremos reduzidos alternativa de suspender as
obras publicas para continuar as operacOos da caixa
de amorlisac&o, ou conservar as obras publicas, con-
tinuando, como se ha praticado al agora, dar
caixa de amortisacSo bilhetes do thesouro em lugar
de especies metlicas. O segundo expediento tem a
dupla vantagem do garantir pSo a aquellos que o nSo
tesm, e dcixa.no thesouro mais de 500,000 francos
por (lia era moeda metlica, lie este o comporta-
monto, exigido imperiosamente pelas circumsln-
cias : adoptei-o, e determine! que a caixa do araor-
lisacSq conlinuasse o receber bilhetes do thesouro
em lugar de moeda metlica.
Notas do thesouro.
. O total dos bilhetes emiltidos montava, em 24 do
fevereiro de 1848, a 329:886,000 francos. Alguns
destes bilhetes se devem vencer brevemente, mas o
maior numero se acba regularmente repartido entre
os diversos mezes dos annos de 1848 e 1849, e como
a cobraea dos impostosse vairealisandocom nnii-
la facilidado, o grande numero de cidadaos re-
putaran) um dever patritico pagar immediatamente
os seus impostos do auno corren te ; o pagamento
da iits do thesouro he fr de dnvid. Propathn
apenas que se lixe em 5 0/o, aem excepcao, o juro
que estas notas devom vencer.
Caixat de economa.
Apezar das mui enrgicas representar;5es que se
fizeram ao governo do cx-rei, elle se impossibilitou
de cumprir os seus contratos com os credores das
caixas de economa. Os fundos depositados, e que
devem ser restituidos em qualquer lempo, nao per-
manecern! por lempo em seu poder. Quando lomei
a direcco das finanzas do oslado, na tardo do dia 7
de marco, estes fundos eram empregados da manei-
ra seguinto: No thesouro a 4 0/o, 65:703,620 francos
40 ct; em apolices do governo a 5 0/0i 34:106,130
francos 25 ct; em apolices do governo a 4 0/o, fran-
cos 202:316,175; em apolices do governo a 3 0/o,
34:840,447 francos 92 ct.; em accOes dos qualro ca-
naes, 14:590,420 francos; em acedes dos tres canses,
4:818,218 francos 75 ct, quantia esta que prefaz o
lotal do 355:870,717 francos 32 ct. Taivez quo o no-
vo governo podesse dizer aos credores das caixas de
economa a eis-ahi a garanta que vos legou o gover-
no em que cnllocasles a vossa conllanca. Ileccbei-a.
Semolhante maneira de resolver a difiiculdade n.lo
fura injusta, e era fcil. Hegeitmo-la. Asapolcos
do governo se acham hoje depreciadas, e por isso os
proprictarios dos fundos depositados teriam de sof-
l'rer urna perda mais ou menos consideravel, ao pas-
so que nilo pretendomos prejuilicar a ninguem. En-
tretanto, depois de temos examinado rpida e mi-
nuciosamente a siluaco das pessoas que cllocluaran
os depsitos, vemos que cm geral as pequeas quan-
tias pertencem aos cidadfios necessitados ; ao passo
que as quantias niais consideraveis, particularmen-
te nos departamentos, pertoncem s familias mais
ou menos abastadas, as quaes muitas vezes h3o il-
ludiJ.o os limites lixados pela le, dividindo estas
quanliasenlre os diversos mombros da familia. Ve-
mos quo os primeiros ernm obrigados pela necessi-
dade a retiraren! o dinheiro que haviam depositado,
ao passo quo os uniros, obrando da mesma sorte,
davam prova de criminosos desejos ou de injuriosa
desconfianza para com o governo republicano. Para
remunerara aquellos que confiaram no governo, j
determinc que o juro das quantias depositadas as
caixas de economa fOsse elevado a5 0/o- Agora,
para conciliar ao mesmo tempo o quo o governo do-
ve aos infelizes quo llie conllaram as suas econo-
mas com a imperiosa necessidade de urna situaco
que n3o creramos, proponho quo o governo provi-
sorio determine o soguinte: 1., quo todos os depsi-
tos de 100 francos ou menos sejam pagos em nroeda
metlica; 2., que os depsitos desde 101 francos at
1,000 francos sejam pagos da maneira seguidle : 100
em moeda; melado do excedente, em bilhetes do
thesouro a mezes, vencendo o juro de 5 0/0, o o
resto seja convertido em apolices da divida publica
de 5 0/o ao par; 3., que os depsitos da mais da
1,000 francos sejam pagos da raanoira seguirUe :
1000 francos om mooda, metade doUCTedente em
bilhetes do Ihesouro a 6 mezes, voncendo o juro do
5 0/o, e a outra metade em apolices da divida de 5 0/o
ao par.
Empregos pblicos.
A extencia de empregos pblicos gratuitos he urna
instituicilo aristocrtica. Aadmissibilidade de to-
dos os cidadllos a todos os empregos implica a ideia
do justa cemuneraco.
A repblica querserbem servida, mas tambem
pretendo remunerar com equidade aquellas que Me
consagram o seu, tempo o intelligencia fia ora om
diante as funccOes publicas constituirlo urna carrei-
ra real, em que os empregados intelligentcs, zelo-
sos e honestos n;1o serfo precedidos pela patrona-
gem ; j nilo haverSo sinecuras, mas sra alguns ser-
vidores do estado, que roceberSo justa remunera-
cao : tal ser d'ora em diante o principio e compor-
tamenlo do governo republicano. Em consoquencia,
proponho ao governo provisorio quo decreto gran-
de rcducsSo no numero dos empregos. oque os or-
denados respectivos sejam fijados sobro nova base.
Tal he, cidadaos, o complexo das medidas que rao
parecem mais convenientes eelhcazes para vedar-se
que o dinheiro seja tirado do thesouro com pergosa
rapidez. Agora vos aprcsentarel urna nova sorio de
proposcOes, calculadas de maneira a encherom os
cofres do estado, o a facilitarem a circulacao da moe-
da.
Diamantes da cora.
Estas joa"s pertencem ao estado, o a realeza tinha
somonte uso-fructo dellas.
A baixela do prata, encontrada as Tulheras, e
as otitrns residencias reaes, pertencem igualmen-
to ao estado ; o qual rcm dirato de dispr dola ;
o os encargos, que a dynastia transacta legara a ro-
publica. reverto esta medida poltica com o carc-
ter de expiacao; em consequencia proponho-vos
que decretis quo o ministro da fazenda fique auto-
risado: l., a.vender os diamantes da cora polo pro-
co que Ibes fixarem os nvaliadores juramentados;
2., a converter immediatamente cm moeda cunhada
a prala encontrada tanto em barra como em baxela,
as Tulheras eoutras residencias, concedidas ex-
li ncla dynastia pela le de 1832, que fixou a dotaco
real. Fica entendido que todas as obras d'arte silo
exceptuadas desta medida.
Dominios da Hita civil.
Segundo os termos do decreto que baixasles, as
propiedades da antiga lista civil en ira rain de novo
para o dominio do oslado. Estas propiedades, que
fram precisamente avahadas, passaram sucesiva-
mente das nulos dos antigos res para as mos do im-
perador e das do imperador paia as nulos de Luiz
XVII!, de Carlos X e em fin para as do ex-rei Luiz
Philipe.
Em rasflo da sua origen), das tradiccOos quo se a
ellas prendero, e segundo a maneira por que fram
administradas, estas propiedades parecem esperar
um novo senhor; por.tanlo, afim de quebrar esta
longa e forte cadeia do propriedados publicas, e para
proporcionar ao estado os recursos que a extncta
dynastia tornou indispensaveis, proponho-vos quo
autorisciso ministro da fazenda a alhear, se elle jul-
gar necessario, e segundo a Trma estipulada pelo
decreto segunte, as matas, torras, &c. quo compOem
o dominio da antiga lista civil. Fica entendido quo
o dominio chamado privado, nao se aclis compre-
hondido nesla modida, e fica provisoriamente se-
qucslrado o disposicRo da assemblca nacional.
Florestas do estado.
A administraban das florestas do estado deixa
limito a desojar, sb o ponto do vista flnanceiro. Es-
tas magnificas propiedades produzem apenas, para
o thezouro, um rendimentode2 0/0. Eslou inda-
gando os meos par melhorar este ramo do servi-
co publico ; entrelauto, ho corto que di versas por-
Qfles destas florestas pdom sor vendidas com igual
vanlagem do thesouro e da riqueza geral quo aug-
mentara, com ura mais ntelligente aotsmioemnt.
Em consequencia, proponho-vos que auloriseis o
ministro da fazenda a examinar quaes silo as por-
cOes das florestas do estado que pdom ser vendidas
com vantagens, o doclarar quaes sao as que devem
ser alheadas, so elle julgar indispensavol, parapre-
fazerem a quantia de 100,000,000, do conformidade
com as disposi.cOesdo decreto que acompanba o ineu
rea torio
F.mprestimo.
Aim de provero dficit que o cercava por todos
os lados, o governo transacto obtivera das cmaras
aaulorisacao necessaria paracontrahir um empres-
timo de 350,000,000 rranens, dos quaes 250,000,000
francos fram arrematados a 10 de novembro prxi-
mo passado, o dos quaes o thesouro reoebeu francos
82,000,000. Ser possvol realisar o resto do empres-
timo? As diculdados quo nos logou o ex-rei no
ser3o porventura pretextadas polo arremataute pa-
ra n.locumprir o contrato ? Croioque nRo; mas,
vista do deprccatnenlo anida que transitorio, que se
manifostou nos fundos pblicos, aprudencia exige
quo se pro veja somclhanle evontualidade. Quaesquer
qiin sejam a iiteiica:), ou os moios do arrematante,
o thesouro devo ser collocado n'uma situaQSo inde-
pendento das prcstacOes ulteriores. O alvo das me-
didas que so soguom he providenciar esto caso; en-
tretanto a magnifica olfuso de patriotismo, devota-
c.lo, abnegarlo e esclarecido enlhusiasmo que a
proclamadlo da ropublica excitou por toda a parte,
aconselha urna empreza mais audauciosa. Grande
numero de cidadaos ofToreceram ao governo doacos
voluntarias de quantias o valores consideraveis. O
governo da ropublica, cheio do gratidRo para com
estas patriticas e honrosas olleras, comtudo nao
pretendo aceita-las. Deixomos dispr livromenta
da sua fortuna aquelles quo a empregam com lama-
nhagenerosidade. Mas ser-nos-ha permittido com-
binara olferta desses generosos cidadaos com as pre-
cisos do estado de urna maneira igualmente ven-
tajosa para ambos. Segundo os termos da loi de 8
de agosto de 1847. o Ihesouro anda tem de contra-
lor um emprestimo parcial do 100,000,000 francos
para completar a importancia do emprestimo total,
votado pela citada le. Em consequencia proponho-
vos quo decretis que esto emprestimo seja contra-
hido immodiatamoiite, sobo nomo deemprostimo
nacional. Todas as ofTertas foitas por esses ciddflos
em pi da prospcritladeda repblica sorao aceitas.
A subscripcao do emprestimo nacional permanecer,
aberta durante um mez ; o em cambio das suas of-
fertas, osses cidadaos recbenlo apolices da divida
publica5 0/0, e estas apolices I los ser3o dadas ao
par, anda sendo ellas catadas cima do par, antea
de se encerrar a lisia da subscripcao.
llavera nissouma triplico vantagem: por umlado
o emprestimo nacional ser contrahido directamen-
te pelos subscriptores, quo sorao inscriptos imme-
diatanionto ; por outro lado, se o emprestimo de 10
do novembro do 1847, fr abandonado pelo contra-
tador, elle j nSo pesar sobre o mercado; e se mais
para diante novas circunstancias obrigarem a rep-
blica a usar do sou crdito, ter diante de si o cam-
po livre e desembarazado, o a nossa liberdade do
acc3o nao encontrar obstculo algum do grando
peso.
Em um rolatoroquelencono a presentar-vos as-
sim que livor completado os clculos queencetei a
tal respeito, levarei ao conhecimento do governo,
traduzidos em algarismos, os resultados das medidas
que acabd de vos propr.
A gora, para remalar esta exposcRn, passaroi a
algumas observacOes do um carcter mais geral.
Este exame do-estado do thesouro he mui tranqui-
lisador. Em virtude das medidas que se hBo tomada
ou se estffo para tomar, os nosses negocios flnancei-
ro aprcsonlaro brevemente um carcter satisfacto-
rio. No primeiro momento de deseonianca que cos-
tuma acompanhar as grandes commoces polticas
abundaran* as oxigenciasdo dinheiro; muitosere-
dores das caixas do economa exigiram a restitu-
cao dos seus respectivos doposilos; mas o pnico -
J vai minorando. Todos comprehendem que a for-
tuna da Franca he hoje a mesma quo era hontem,
o que a nova forma de governo, que a nacSo conquis-
lou, deve, em ultimaanalyse, trazero augmento
da riqueza nacional. Entretanto, a dedicacSo dos
cidadaos se ostenta superior a todas as diculda-
dos. A rapidez com que vfo sendo satisfeitas as uu-
posicOes, nos assegnro que podemo*prever aem dif-
ficuldadenSos s necessidades dos servidos ordi^
narios seno tazer face a qualquer evontualidade,

sfesfc
.


i
Quantn ;i situacfo geral da repnblicn, sb a rcla-
gBo financial, julgo que. dentro om pouco, lodos os
symptomas assusladores hilo de desapparecer. A di-
vida nacional, deduzidas as apolices pertencentos
caixa de amortisagao, orea em 5:200,000,000 fran-
cos. Se se indagar o,que produzio esta massa do ca-
hedaes, o espirito pira sbito e pasmado ao ver a
enorme desproporcSo que so d entre os meios e os
resultados; mas, se se considerar o paiz, todos os
receios se desvanecerflo. A divida ingleza orga em
innis de 20.000:000,000 Trancos, e repoisa n'nma ba-
se variavel e frgil, a subjeicSo do globo supre-
maca manufacturera e com inercia I da Gr3a-Rreta-
nha. A nossa divida apenas chega a 5,000,000,000
francos, e repoisa n'uma base firme, e de da em dia
maisestavel : sobre todas as propriedados publi-
cas e particulares de Franca. Poucos annos de um
governo republicano, do urna administrarlo pru-
dente, firme e leal serSo bastantes para que o cr-
dito da Franca nQo lenha rival. Mas tonho a profun-
da convicgSo quo essas favoraveis previsOes s p-
dem realisar-sc com o progresso e fdrga da repbli-
ca. Coulribuam todos osbons cidad0os para este
abslondoVse de
Estas noticias cnegaram em Mllao a 18 de marco, e
causaran* grande agitac.no. O coude O'Donnell, v'ce"
presidente do governo Imperial na Lombardia, mandn
affixar no mesmo dia o egulntc despacho telegrapbico :
S. M. I. e R., o imperador, determinou abolir a
censura, publioar era breve uiua lei sobre ajiiiprensa
e convocar os estados dos seus reinos allentes e sla-
vos, assim como a congregaciio central do reino lom-
bardio-veneziano. A reunlao ter lugar a Id do prxi-
mo mei de julho.
A publicaco deste despacho, era vez detranquillisar
os Milanezes, auginentou a agitacao. Por tuda a parte se
ouvia o brado : E' troppo tardi I Jd he tarde. Cerca de
dous mil cldadaos se aplnlioaram em roda do palacio da
municipalidad-, exigindo armas para se constltuirem
em guardas cvicas. ,
O PodeIaCasatl apresentou-se a frente de dous rail no-
mens, porta da prsao ero que se achavam detldos os
presos polticos, exigindo queelles fosseui oltos inme-
diatamente ; a exigencia nao fol satisfeita, s-Casatl ret-
rou-se, deixando obrar o novo que comecou o ataque.
Chegaram as tropas, e dous regimentos de soldados
hngaros se passaram para o povo, e arvoraram a ban-
deira tricolor.
Outras cartas do mesmo dia annunciavam quo a
municipalidade havia organisado urna guarda na-
TransporU....... *t:577,079
Ancoragera para fra do im-
perio................
Dita para dentro do dito.....
4:146,221
161,625
Sello fixo. .
Dito de titulos
CertidOes.. .
Siza d 5 p. c. .
4:308,046
593,8*0
,200
20,640
465,000
46:969,799
Diversas provincia/.
Provincia das Alagas .
Dita da Parahiba.......
Dita do Rio-Grande-do-Norle..
1:945,279
302,902
29,269
2:277,450
resultado, abslond rades e do inuteis saudades O prestigio da monar-l pas, comtnandadas pelo general Radetzky. Na tarde
cha tinha certa ulilidade. Muilos homons sinceros
julgavam quo a manulenguodesta forma de governo
era indispensavel para a existencia da ordem e pro-
teegao de todos os interesses legtimos. Reputavam
tudo perdido, no momento em que a monarchia se
achasse comprometida : illudiram-se. A solemne
experiencia do que acabamos do presenciar deve
ter convencido a todos os homens sinceros; o pela
minhu parte, assevero con) luda a frca de urna con-
vicgio leal e esclarecida, que, se a dynastia de r-
lenos reinasso por mais lempo, era iuevtavel urna
banca-rota. Em verdade, podemos proclama-lo com
orgulho e satisfagao ; a todos os litlos que rfecom-
niendam a repblica ao amor da Franca e ao respeilo
to mundo, devemos accrescenlar,a repblica sal-
vou a Franjada banca-rota. ,
Garkier Paces.
DIARIO DE PERMVBUCO.
us'-Maia as m a .-jiu-jui a>a aoaa>
Dando mostras de quanto he justiceiro, o Exm. Sr.
doutor Vicente Pires da Molla dignou-se de attender
a representarlo que lhe fizera o proprietario desto
Diario, e autorisou-o a publicar gratuitamente o seu
expediente. D'hoje, comecamos nos essa publica-
do.
O Diario de Pernambuco era merecedor da ^raga
que S. Exc. acabado proporcionar-lho :--ha vinlo
tantos annos que insera em suas paginas os aetos do
governo provincial, sem que por isso percebesse
mnimo estipendio, e sem quo em tempo algum o
exigsse; ~ he, sem contradcc3o, o jornal mais lido
da provincia pos que conla, maior numero de as-
signantes do quo qualquer dos outros,'e por isso
muito concorrer para que sejam anda mais conho-
cidns a rectid3o e imparcialidade do S. Exc; qual-
quer que fsse, emfim, o individuo que oceupasse
a cadeira presidencial, a redaccSo desto peridico
nunca o atacou por si mestna ; porque, firme nos
seus principios de ordem, o convencida de que esta
poriga logo que a autoridade publica perde a frca
moral, sempre enlendeu que jamis devra coope-
rar para que se desse semelhante perda.
Gratos, sobremodo a S. Exc, por ter reparado, as-
sim, urna parle da injustica que pesava sobre esta
gazela, apresentamo-lhe os nossos protestos de e-
terno reconhccmenlo; protestos que tambem
depomos anlo o Exm. Sr. Manoel de Souza Tei-
xeira, vislo como j tnhamos recebido de S. Exc.
concessSo igual i essa com que nos lionrou o Exm.
Sr. doutor Vicento Pires da Motla.
49:247,249
Depsitos existentes
5:120,584
Ho mesinodia, o povo jase havia apoderado de seis
pecas o as enllocara na barricada, levantada na es-
trada de Profumieri, onde a peleja andava riiais san-
guinolenta.
Urna carta de Vigevano annunciava que as portas
de MilSo se achavam fechadas, e que dos arredores
se ouvia o rebombo das pecas. Ovico-re seachava
em Brescia, cujos habitantes o retinham preso.
A Concordia de 20 do marco annunciava que o po-
vo de Muflo havia triumphado, c quo as tropas alle-
maes so haviam retirado para a fortaleza. O povo se
apoderara das pocas que Radetzky mandara rollo-
car as pravas publicas, e destruir o palacio da po-
lica. Fallava-sodo urna deputaclo, enviada a Car-
los Alberto, offerecendo-lhe o tlirono da Lombardia.
A inesma gazcla annunciava no dia 21 que as
tropas, que oceupavam o castello, haviam capitula-
do ; e os joruaesde Nicc referam a 24 de margo que
a revolugao triumphra em toda a Lombardia, que
j se achava livrcda oceupago allema.
Annunciava-se tambem que a rcvolugSo rebentra
em Parata e Modena, e que os habitantes de M-Spcz-
zia e dos arredores marcharam sobre Massa-Gar-
rara.
A rcvolugto da Lombardia nSo podia deixarde
exercr grande influencia sobre o comportamento
de el-rei Garlos Alberto o dos seus subditos. El-rei
deu-se pressa em publicar, no dia 19, a lei eleitoral
e a amnista, assim como varias demissOes e no-
meages que erm reclamadas, de ha muito, pelo
parlido liberal; ea Concordia do mesmo dia contm
urna proclamagSo enderezada aos Pemontezes, con-
vidando-os a marcharem para Lombardia, allm de
coadjuvarem os seus irmSos a saecudirem o jugo
dos barbaros da anliga Germania.
Em Genova o enlhusiasmo e as sympalhias em fa-
vor dos Lombardos manifestaram-se do urna ma-
neira anda mais patente. As noticias chegaram a,hi
a 19, e no mesmo dia, os mancebos .mais ardentes
gritaram que era tempo de obrar, e parlram imme-
diatamento para a fronteira, uns a p, outros em
carros e outros a cavallo. A mor parte delles par-
tencia guarda cvica, e a quinta companhia desta
guarda deixou a cidade, levando em sua frente a
bandeira genoveza.
No dia 20 de margo o resto da mocidade sabio de
Genova, e um correio vindo de Turim trouxe ordem
paja que todos os voluntarios se dirigissem So-
mcllina, allm de ah completarem o seu armamento
c organisagSo.
A guarnigSo de Genova, o batalhSo de mannlia
pediam com instancia aautorisagSo de el-rei para
irem em soccorro dos seus irmius lombardos. Pela
sua parte, Carlos Alberto decrelou a formago de
tres acampamentos as fronteiras da Lombardia, e
a organisagao de tres legiOes de voluntarios.
Suppunba-se que Carlos Alberto aceitarla as offertas
dos Lombardos, mas as tropas plemontezas anda nao ba-
viam transposto as frontelras. Nao havia noticia de Ve-
neia nem das possesses austracas as margens do A-
driatico ; todava corria o boato que l tambem se havia
arvorado o estandarte revolucionarlo.
dem restituidos ........ 1:464,t>72
O administrador,
Joto Javier Carneiro da Cunha.
H
. CONSULADO PROVINCIAL.
RENDIMENTO DO DIA 29...........2:701,038
REVOI.UQAO EM VIENMA E NA LOMBARDIAi
PRACA DO RECIFE, 29 DE ABRIL DE 1848,
AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista temanal.
Cambios ----- Nilo houve transacg.lo alguma.
Algodflo ----- Entraram 281 saccas.-O de pr-
meira sorle vendeu-se a 4,400
rs. por arroba, e o de segunda a
3,900 rs,
Assucar ------ Apenas entraram 136 caixas. O
encaxado branco negociou-se
a 600 rs. por arroba sobre o for-
ro, e o mascavado a 500- rs.; en-
tretanto que o embarricado des-
ta qualidade vendeu-se de 1,000
a 1,050 rs. e o daquella, de 1,400
a 1,800 rs.
Couros ------ Continuaran)ofTerecidos aos pro-
cos de 90 95 rs. por libra.
Bacalho ----- Apellas venderm-se 200 barri-
^ cas.Existem no mercado 800.
Carne secca--------O deposito orga por 75,000 ar-
robas. Inclusive dous pequeos
carregamentbs entrados esta se-
mana.
Familia de trigo Chegou um carregamento de
Philadelphia, que se esl rela-
Ihando a 23,000 por barrica.
Entraram 9 embarcagOes e sahiram 3.Estilo an-
coradas no porto 45, a saber: 2 americanas, 21 bra-
sileras, 1 chilena, 3 francezas, 1 hespanhola, 1
hamburgueza, 7 inglezas, 5 portuguezas, 2 sardas
e 2 suecas.
Anastacio Javier de Couto.
Prxedes da Fonseca Coutmho.
Cap Uto Jos Rabello Padilha.
Tliom Correia de Araujo.
Manoel Jos da Silva Braga.
Goncalo Francisco Marlns. ,
Amaro Fernandas Daltro.
DelfinoGongalves Pereira Lima.
Adriano Xavier Pereira de Brito.
Francisco Sergio de Mallos.
Luiz Antonio Vieira.
Gabriel Morira llangel.
Joaquim Mendesda Cunha Azevedo.
Major Antonio Francisco de Moura.
Luiz Pedro das Nevos.
Dr. Antonio Francisco Pereira de Camino.
Antonio llenrique Mafra Jnior.
Antonio Gomes Tavares.
Francisco Antonio de Souza.
Francisco de Salles Cavalcaote.
Candido Jos de Salles.
Joflo Bernardo Diniz l'essoa.
Ignacio Alves Monteiro..
Smifto Crrela Cavalcanle Macambira.
Dr. Cosme de S Pereira.
Antonio Joaqalm de Souza Ribeiro.
Dr. Jos Rento da Cunha Figuciredo-
Augusto Carlos de linios l'achece.
Pedro Cavalcanle de Albuquerque.
Miguel Filicio da Silva. ,
Amaro Soares Mariz.
Francisco GongaluesGorjSo.
Anecilo Jos de Mendonga.
LuizVictor Licthier.
Thomaz de Carvalho Pereira Brand.lo.
Jos llenrique Machado.
Florianno Correia de Brito.
Joaquim Jos Alves de Albuquerque.
Pedro Jos Carneiro Monteiro.
Jos Antonio Gongalves de Mello.
Antonio Gongalues Kerreira.
Joaquim Lucio Monteiro da Franca.
Os quaes hilo de servir durante a referida'sesio.'j
para o que s3o pelo presente edital convidados; de-
vendo comparecor, assim como lodos os interesi-|
dos, no dia e hora designados, sb as penas da lei.
E para que chegue a noticia a todos mandei patsar 1
o presente, que ser publicado pela imprensa e altt- j
xado nos lugares do costumej
Recifo, 29 de abril de 1848. Eu, Jos Affonn Gw-
de* Alcanforado, escriv&o o escrevi.
ufano/ Jo$i Pereira dt Mello.
COitiMEltaO.
Alfandega.
RENDIMENTO DO DA 29......
Obsequiaratn-nos hoje com algumas gazetas taliaas-
trazidas pelo navio Dina, procedente de Genova, entrado
hontem neste porto, com 41 dias de viagem ; e assim,
chamo-nos habilitados a communicar aos nossos leito-
res alguns pormenores acerca da lerribtle rivoluxtoiM que
acaba de desmoronar o formidavel Imperio d'Austria. .
Nos primeiios dias de inarjo, foi presentada ao gabi-
nete de Vicnna urna pelicao, assignada por trila mil
individuos, de entre os mais distinctos cidados e dos
notaveisfeegociantes da Kaixa-Atistria, os quaes recla-
mavain urna ciinstituicao, e ditiam que o estado actual
nao poda durar por mais tempo.
Entre os signatarios dessa peticao notavam-se alguns
alumnos da escola polylechnica de Vicnna. O director
deste estabelecimento quiz obriga-los a retirarcm as
auas firmas, mas os mancebos se recusaran! a com-
metter semelhante acto ; nblevaram-se, e sahiram
armados da escola. Este primelro luovlmento teve lu-
gar no da 12 de marco ; c tarde, a tropa conse
culra embargar a sublevaran, ao menos em apparencia.
Entretanto, no dia seguinte, tres mil estudantcs se reu-
jiiram a alguns milliares de cidudaos, c se dirigiram ao
. arsenal de guerra, do qual se apoderaram, aps de bre-
ve lua ; e com pouca dilliculdade, porque os soldados
nngaros e italianos entregaran) voluntariamente as ar
mas ao povo. .
La Concordia, gaieta de Turim, da qual colligimos es-
tes pormenores, refere que quarenta mil homens se ar-
luaraui no arsenal, e marcharam para o palacio de Met-
terntch, e atacaram-no com os repetidos gritos ; Fra
MeUernich morra Mttternieh I
O infame ministro di a Cotifonfia, conseguio es-
capar pe* proteceo dos granadeiros italianos, que to-
dava recusaram atirar sobre o povo ; e como se orde-
nasse aum tr*{o de Hngaros que fizessera fogo sobre
os granadeiros italianos, estes nobres soldadas desean-
aaram as armas, e bradaram ; Viva a Italia I Ytva a Hun-
gra 1 Na tarde do mesmo dia 13, o palacio de Mtter-
nicli, e outro de um dos ministros, ardiam em chamas ;
no dia 14, a nsurrecao ae havia tornado geral.
Eis-ahi as noticias positivas que haviam em Turim,
acerca da revoluefio de Vienna, at 19 de marco. Anda
se nao sabia dos pormenores da lula que provavelmen-
te devia de continuar nos dias 15 el6 ; entretanto, urna
carta de Trieste annunciava que o imperador Fernan-
do abdicara em favor de seu irinao Francisco, que ce-
der a cora ao seu lilhc, Francisco Ciuseppe, sb a re-
...
etcarregam hoje, 1 de mato.
4:227,254
Brigue Safiguard barricas vaslas.
PatachoChrtXina mercadorias c cimento.
Escuna Oalanle-.Mara barricas e pipas vaslas.
RENMMENTO NO MEZ DE ABRIL DE 1848.
Rendimento total................ 98:189,666
Restituigfles................... 325,823
Liquido .
97:863,843
Direitos de consumo.............. 95:524,332
Reexportago do 1 por cento........ 5,452
Expodiente dos gneros do paiz, i por c 58,029
Expediente dos gneros estrangeiros com
carta de guia, 5 por cento........ 279,647
Armazenagemde mercadorias....... 430,164
Premio dos assignados............ 1:190,523
Multas...............-........ 372,176
Emolumentos de certidOes......... 3,520
Movimcnio do Porto,
Naviot entrados no dia 29.
Rlo-de-Janeiro 25 dias, brigue americano Frtitrieo, de
228 toneladas, capitao Charles Faulkum, equpagem
9, em lastro ; a Amorim 1 raos.
Baha por Macelo ; 14 dias e do ultimo porto 4, brigue de
guerra braslleiro Caparibe, commandantc o capitao-
tenente Joao Neporauceno de Menezea.
Macelo ; 3 alas, hiate brasileiro Nareito, de 61 toneladas,
capitao Matblas de Avelar, equpagem 7, carga carne;
a Amorim Irmaos. Pasagelro, Jos-Goncalves Torres
Jnior, Brasileiro.
Rio-de-Janelro ; 19 das, brigue brasileiro nombro, de
257 toneladas, capitao Joaquim de Asevedo, equipa-,
geni 15, carga carne ; a Joao Jos Fernandes Maga-
lliaes. Passageiros, Dr. Francisco Pereira Freir com
1 escravo, Brasileiro Joaquim Goncalves Cajcao, An-
tonio Jos Dias Braga, Portuguezes.
Genova ; 41 das, polaca sarda Dina, de 252 toneladas,
capitao Francisco Dodero, equipagem 14, em lastro ;
a ordem'.
Naviot sahidoi no mesmo dia.
Maranhao ; brigue-escuna brasileiro aura, capitao An-
tonio Ferrelra da Silva Santos, carga assucar e caf.
Passageiros, Salomao Lrvy, Jame Aver Marroquinos,
Lourenc.0 Antonio Mclloiii, bardos ; Baldulno de Sou-
za Teixeira com 1 escravo.
Portoa do sul ; vapor brasileiro Paraense, comniandan-
te o capitao de fragata Manoel Francisco da Costa Pe-
reira. Alm dos passageiros que trouxe dos nonos
do norte para os do sul leva a seu bordo : para Macei,
padre Manoel Antonio do Valle, tt. Jacob de Santa
Maria Magdalena, N. S. Mowaon com sua seohora e 1
escravo a entregar ; para a Babia, o brigadeiro Jos
Joaquim Coelho com sua familia e 6 escravos ; para o
Rio-de-Janeiro, o Exm. senador Francisco de Paula
Cavalcanti de Albuquerque, Carlos Duarte e Silva,
Francisco Jos" Pimcnta, o cadete Carlos Augusto de
Olivelra e 4 escravo* a entregar. |
Naviot entrado* no dia 30.
Rio-de-Janeiro ; 18 dia*, patacho brasileiro Laurtntina,
de 110 toneladas, capitao Jos Martina do* Santo* lar-
doso, equpagem 11, carga carne ; ao proprietario
Lourenfo Jos da* Neves.
Rio-Grande-do-Sut; 25 dias, patacho brasileiro Doim-
de-Marco, de 116 toneladas, capitao Antonio Monteiro
de Alineida, equipagem 10, carga carne : a Amorim
Irmaos.
Genova ; 65 dias, polaca sarda Conde-di-Corvela, de 247
toneladas, capitao Mareo Hevello, equpagem 15, em
lastro : a N. O. Bleber.
r rw* K /*. niu JJ-j
BEBBBDBGo
Os Srs. accionistas que ainda nfo realisaram i
prestagSo de4 por cento queiram faze-lo, quanlo |
antes; cer los de que a administragao vai dar cum-
primento ao artigo 9 dos estatutos.
O secretario,
0. J. Fernanda Barro*.
THEATRO PUBLICO
QUARTA-FEIRA, 3 DE MAIO.
a beneficio da joven Felismina se representara o be-
lissimo drama
Amor e Philoiophia.
A linda farga
Antes a filha q.ie o vinho,
sendo a falta da cantona supprida por lindas dan-I
gas executadas pela beneficiada e outra menina.
A beneficiada espera obter do respeitavel publico I
aquella protecg9o e sympathias que em tantas occt-|
siOes lhe tem manifestado.
Principiar as horas do costume.
Rs.
97:863,843
OescrivSo da alfandega,
Jacome Gerardo Maria Lumachi da Mello.
eral ..
Diversas
CONSULADO GERAL.
RENDIMENTO DO DIA 29.
.......................5:050,209
provincias,............... 31,005
5:081,214
RENDIMENTO NO MEZ DE ABRIL DE 1848.
gencla do archidnque..... Annunciava-se tambem quel>,M,.uj Am _. .h. ii^idat
Colloredo Mansfeld assumlra a pasta dos ncgoolo*He,l??n8uldo P '
_ trangeiros, ese e'ncarregara deorgnar um "novo asl-i ~-
nisterio e propr um plano de quatro constituicOes pa-IDitO de 4
ra as diversas partes do imperio.
61,688
41:577,073
Publicacoes Litterarias.
Ckronica iliteraria, jornal de instrucgflo e recreioJ
publicado no Rio-de-Janeiro, semana I monto, por u-f
ma associagSo de litteratos brasileiros. 0 prego da asJ
signatura he de 6,000 rs. por anno, pagos adianli-l
dos por 52 nmeros. Recebem-se assignaturas, p"
este interessante jornal, na ra da Cadeia doTlecie,
loja de Joao da Cunha Magalhfies, aonde j se en-|
contrar3o os ns. 1 a 15.
Na mesma loja se vendem as poesas de JoSo de I
mos de Seixas Caslolbranco, 1 volume por 1,500 rs.l
Revista Universal Braiileira, jornal de instruc-|
g9o e recreio, 1 volume, 5,000 rs.
O AMOR E MELANCOLA, OU A NOVISSIMA HELOISA,!
SEGUIDA DA NOITE 1)0 CASTELLO E DOS CIUME5I
DO BARDO. [
Os oais importantes poemas do Sr. Antonio FciH
ciano de Castilho, ornados com tres estampas nnl
lythographadas. Vendem-se a 3,000 rs. na loja I
JoSo da Cunha MagalhSes, na ra da Cadeia do Kc-|
cife.
EDITA L.
O Dr. Manoel Joti Pereira de Mello, jai* municipal
supplente da segunda vara dette termo, em exercicio,
preparador do* procettot que teem de ser tubmtttido*
ao jury, por S. M. 1. e C, que Deot guarde, etc.
Faco saber que, pelo Dr. juiz de direito interino
da primeir vara docrime, Jos Flix de Brito Ma-
cedo, me fbi feila a participagao de haver neste ter-
mo convocado para o dia ISdomez prximo vindou-
ro, pelas 9 horas da mantilla, a segunda sesslo ordi-
naria deste termo, para a qual sahiram sorteados
os 48 senhores jurados que se seguem :
Marcolino Gongalves da Silva.
Jos Antonio Pinto.
Luiz da Veiga Pessa.
Jos uiiliu us Sauus o -Silva.
Manoel Antero de Souza Res.
TenenteJoBo Arsenio Barboza.
MEMORIAS HISTRICAS DA PROVINCIA DE
PERNAMBUCO
js Esto promptos o 3," e 4o tomos d'estas memorii I
os Srs. que j receberam os 1,* e2* e anda nao
receberam os outros, pdem mandar prag d i"
dependencia livraria ns. 6 e 8, onde pdem receba-
remos livros. e pagar, i
0 4 tomo chega ale 1799, e n'elle se v enC'n \
mente descripla a guerra dos Palmare, ""
Mscales em 1710, &c, &c,
Tanto o 3.* como o 4." cada um d'ellea tem um e*
lampa, onde se v a planta d'esta cidade em du>
pocas: 1654 e 1844.
Neste ultimo vapor, chegado do Rio-da-Jane'^J
veio o folhetim muito conhecido intitulado oGU^n*l
GONNEem quatro volumes pequeos, itidamenwi
impresso ns tfpographis do Jornal do Cssn>!tfe,<1 !
vende-so nicamente na ra da Cruz o. 20.
-.
. -- -




Publica^ao jurdica.
Acha-se sb o prto o 2o e 3 vol u mes do Direio ci-
vil lusitano, por Mello Freir, augmentado com nota
dos melhores praxistas o icios, o legislacffo brasi-
lera, atoo presefite publicada. Subjcreve-se para
este volume na praca da Independencia, livraria, ns.
ce8, onde se irSo entregando aos Srs. acadmicos
as folhasque se frem publicando.
Avisos martimos.
-- Para Lisboa pretende sahir, at o dia 7 de majo,
o brigue portuguez Carlota & Amelia, de que he ca-
p trio Manoel Joaquim dos Santos: pBra o resto da
carga ou passagelros para o que tem excellentes
commodos, trata-se com o capilao, ou com os con-
signatarios, Francisco Severiano Rabello & Flho.
Para o Rio-de-Janeiro sahiri, breve, o. brigue
Minuano, o qual lera lions commodos para passa-
ceiros e oscravos : quom no mesmoquzer ir de pas-
sagem ou embarcar escravos dirija-se aos consig-
natarios, Amorim Irmlos, na ra da Cadeia, n. 43,
ouaocapitao a bordo.
Vonde-se o hiate San-Joio, chegado ltima-
mente noda Costa. MorejraS ou na ra do Queimado, lo-
ja n. 7-. ..
-- Para o Rio-de-Janeiro segu, cm poucos das ,
a veleira escuna Galante-Mara forrada e pregada
de cobre; recebe nicamente passageiros e escra-
vos a'.rrele, para oque tem excellentes commodos :
trata-se com Silva & Grillo, na ra da Moda, n. 11.
Avisos diversos.
O abaixo assignado,nimiamente gra-
to aos seus amigos e especialmente aos
pas de seus alumnos julga deseu rigo-
roso d*ver declarar-lhes que tem toma-
do as convenientes providencias para que
a sua aula, establecida no Aterro-da-
Boa-Vista, contine regularmente em to-
dos os seus exercicios, e sem a menor al-
teracao, nao obstante ter sido o mesmo
abaixo assignado reintegrado no empre-
go que anteriormente occupava
Jos Xavier Faustino Ramos.
OTorece-se um rapaz casado, com pouca fami-
lia para caixeiro de algum engenho, ou mesmo
para caixeiro de cobrancas aqu na praca, para o
queda pessoas muito capaze para ihformarom de
sua conducta : quem do seu presumo se quizcr titi-
lisar dirija-se a ra de Hortas, junto a igreja dos
Martyrios, n. 142, primeiro andar.
--G. M. Robinson, subdito inglez, retira-se para
inglaterra.
CURSO 1)E PHILOSOPHIA.
Frei JoSo Capislrano do Mendonca tem aberto, no
convento de Santo-Antonio desta cidade, um curso
de philosophia ; as pessoas que o quizerem frequen-
taro podero all procurar, a qualquer hora, excep-
tos da 10 as 12 da manala.
OsSrs. academicosjnandem procurar a obra de
Liz Teixeira, que encommendaram na livraria da
esquina do Collegio.
A
Attencao
DemarcacSo do engenho Bom-Jesus; dita do on-
genlio Novo dita do engenho Curado ; dita do en-
genho Maciape, e a sesmaria do mesmo ; escritu-
ra de venda do engonho [Pirapama feita em 1586, a
JoBo Pites.; domarcacBo das trras da capella da
Boa-Vista de que foi administrador JoBo Marinho ;
sesmariasdo engento Larapgeiras; esoriptura de
yenda doVigenho S.-Autonio na frogueza de Una :
quem precisar de quaesquer dos ttulos cima, pro-
cure na ra Direita, n. 112.
Aterro-da-BoaVsta, n. 16.
Pommateau, culeiroe ar-
meiro,
tem a honra de participar ao respeitavel publico
que recebeu de Franca, pelo ultimo navio, um sorti -
ment de armas francezas, espingardas, pistolas de
montara e do algibeira, superiores espoletas de
marca G ; tudo quanto perlence a cutilaria; finas
navalhas, as quaes se garante; eslojos com todos os
seus pertences para homem; brides, esporas, chi-
cotes, bengalas, bandejas, potes de banha prepara-
da para conservar o lustro do ac e prohibir que se
enferruje : tudo por prego commodo.
Os devotos do N. S. do bairro do Re-
cife, que teem estabelecido a missa
do todos os sabbados em honra da
mesmaSenhora, na igreja da Madre-
de-Deos estBo determinados a cele-
brar tambom, na mesma-igreja, os ex-
cercicios do mez Mariano, como o an-
no passado presidido pelo reverendo
Sr. vigariodo dito bairro; convidara,
pofs, a todos os liis para que concor-
ram a estes piedosose 13o interessan-
tcs excorcicios, em todos os das de
nianha cedo, no primeiro do mez de
maio e a sua abertura sera no ultimo
ueste corren'., que he no domingo.
&
O gerente do contrato do rap princeza do Lis-
boa contina a vender o mesmo rap pelo preco ja
estipulado; advertindo que este genero, nao son-
do fazenda do gerente, s so vende a dinheiro con-
tado, o nao se na a pessa alguma, pois nfio tem cai-
xeiro* para ir recber.
A commissao administrativa da sociedado Apol-
linea recebe as propostas para convidodos partida
de 13 de rrraio no dia 2 do dito mez, pelase horas da
tardo, na sala da mesma sociedade; scienlificando
niais que, passado esse dia, nao dar inais convi-
tes.
Precisa-se alugar um bom negro, o qual enten-
d do tratamento de cavallos emais algum servico,
o qual se pagar bem: na ra de Santo-Amaro,
n. 32.
Na loja da ra do Queimado, n. 30, de Jos Joa-
quim de Novaes, contina a haver um sortimento
de obras feitas ; chapeos de todas as qualidades ;
ditos para meninos e meninas; ricos chales de seda;
mantas de seda ; lencos de todas as qualidades ; e
outros muilos ohjectw que ha para vender.
O Sr. Inimigo da impostura olhe bem o que
llio digo : Vmc. disse em 19 de'abril doannocor-
rente, pelo Diario-Novo n. 89, quo Jos Gomes Vil-
lar estava sentenciado a 16 anuos de gales; pois;dc-
via saber que Villar foi mandado pelo tribunal da
relacBo a novo julgamenlo no jury, e por isso
tem Vmc incurrido as penas de calumnia e in-
juria, e como este descrdito ho cousa seria, tenha
Vmc. a precisa catella, pois lhe pode sahir o anno
bissexto.
Jote Gomei Villar.
Para as pessoas que tencio-
naui seguir viagem.
Na ra do Rangel, n. 9, continuam-se a tirar pas-
saportes para dentro e fra do imperio, despacham-
se escravos e correm-se folbas tudo com brevida-
de i e por prego muito e muito commodo.
Vende-se urna escrava, perfeita costu-
reira, engommadeira o sem vicio, o
quo se affianga ; um bonito e corpolen-
lento mulecote de 22 annos, sem vi-
cio, ptimo para faze parellia para pa-
lanquim; um pardo permito cortador
de carne ecarreiro, que ho muito hu-
milde : na ra do Vigario, n. 24, se
dir quem vende.
-Joaquim Seabra da AssumpgSo retira-se para
fra da provincia. ,,' a_-
- Precisa-se de urna mulher de meia idade, des-
impedida pwTama de urna casa de pouca familia :
na roa Direita n 63.
--Paulo Solari, capitSo do brigue sardo Ernestina,
que soffreu grande avaria da galera portugueza Ten-
tadora, na sua sabida deste porto, com destino pa-
ra Gibraltar, precisa a risco mritimo, urna quan-
tia de austro ou cinco contos de ris sobre casco,
frete do sobredito brigue Ernestina, e carregamen-
to de assucar que tem a seu bordo : e para este lim
convida aos preten Jen tes a entregaren as suas ofler-
tas, em carta fechada no vice consulado de Sarde-
nha em a ra do Trapiche, n. 19.
Manoel Carneiro Leal remelle para o Rio-de-Ja-
neiro a sua escrava Leonor, parda.
i'recisa-sc s'.ugar una boa urcta para o prvco
de urna casa de familia i na ra ua Cruz, no Recife,
n. 46, primeiro andar, ou anuuncie.
ItUA DA CRUZ, N. 40, SEGUNDO ANDAR.
D. W. Baynon, cirurgiBo dontista dos Estados-Uni-
dos da America do Norte, tando-s resolvido ficar
mais alguma tempo na cidade do Peroambuco, pe-
lo presento participa aos seus amigos e ao publico
em geral, que elle sempre se achara prompto a qual-
quer hora para fazer qualquer operacBo que seja so-
bre os dentes como seja chumbar, limpar, o extra-
hirjenformar denles sobre piSo e sobre chapa da
melhor maneira e com a maior perfeicao, conforme
as ultimas descobertas, Unto na America como na
Europa. ,
Na ra do Rangel, n. 10, primeiro andar, se dis-
tribuem -gratis, do domingo por diante, exemplarcs
deoraces a Santissima Trindade, polas quaes Sua
Santidade concedeu indulgencia plenaria.ao que to-
das as pessoas tem direito, feom particnlaridade
aquellas que se dispozerem acolher osfructosdo
mez Marianno.
Precisa-se de pretal que vendara pSo pagan-
do-se vendagem : na ra do Burgos, (Forle-do-Mat-
to) padaria que foi do Allemfo.
MARGAR1DA DO PIRY DO PARA'.
Pergunta- se quem he o peluirinho da reputado
alheia, hoje no Para?
Responde-se he aquelle mesmo que mandn cra-
var o punhal no corac3o de seu virtuoso, honrado o
cariohoso pai ; he aquello mesmo que escandalosa-
mente dofendeu com o dinheiro deseu pai aos as-
sassinos desto ; he aquello mesmo que esl escan-
dalosamente concubinado com urna das cumplices
namortedesou pai,' equed'antes j estava assim
com elle; he aquello mesmo que hojo sem pudor
esem vergonha atassalha a reputacBo de todos
aquellesqueeram verdadeiros amigos de seu pai ,
so porque n3o se lhe louva e sim aborrece-so ao
homem de lo vil e infame proced ment ; e anda
ha de seraquelle mesmo queseu cumplice, antes do
subir a forca, lhe pora os podres no largo. O Ni-
colao & C.
Belhar & Irmao, residentes na villa do Crato,
remetteram para esla praca o seu escravo, de nome
Antonio que representa 28annos; e he de estatura
regular ; cujo escravo veio para ser vendido: e como
no dia 28 do prximo passado fugira, roga-se a ap-
prehensBo do mesmo levando-o ao Recite, a JoBo
Jos de Carvalho Moraes, que recompensar.
-Aluga-seuma casa terrea, sita nos Coolhqs,
n. 7 : a tratar na ra de S.-Gongalo, n. 29.
Deseja-se saber da moradia do Sr. Joaquim An-
ionio, o qual j morou na Ba-Visis, para negocio
de seu interesse.
O Sr_Jos Antonio BrandBo GuimarBes tem urna
carta, do sert&o, na pra?a da Independencia, livra-
ria ns. 6 e 8.
DBo-se 200,000 rs. a premio pelo tempo que
se convencional, sendo a seguranca do mesmo di-
nheiro em penhores de ouro ou prata: na Boa-Vis-
ta, ra Velha, asa de tres portas n. 56.
Precisa-se muito fallar com o Sr.
Dr. Galdino Ferreira Gomes,' morador
na comarca do Cabo, a negocio que lhe
diz respeito, ou com pessoa que suas ve-
les faca : na ra das Cinco Pontas, pa-
daria, n. 38.
Prccisa-se do urna mtjlhor forra ou captiva que
seja perfeita na costura e no engoramauo, para ser-
vido de urna senhora: na ra Bell, n. 87.
LOTERA
Do Hospital Pedro II.
O tbesoureiro desta lotera, tendo de
marcar o dia em que devem correr as ro-
das da quarla quinta parte da mesma,
julga que vista da concurrencia dos
compradores poder ser extrahida no
dia ti de maio prximo vindouro.
Jos Gonqalve* Curado retira-se para Portugal,
a tratar de sua saade, e deixa por seus bastantes
procuradores, em i.' lugar, o Sr. Jos dos Santos
Noves, e em 2., o Sr. Fortunato Cardozo de Go-
veia.
Precisa-se de duzentos mil res a premio com
hypotheca em urna escrava : quem livor e lhe con-
vier este nogocio annuncie.para ser procurado.
Precisa-se alugar um cozinheiro ou cozinhera:
na ra da Cadeia de Santo-Antonio, n. 22.
Na noite de 16 do corrente abril," fugio o es-
cravo Bento, levando com sigo um cavallo sellado
com osellimom bom uso, urna maca de couro de
lustro usada, estando nella duas caigas de casimira,
algumas camisas demadapoiao o jaquetas brancas :J
o escravo tem os seguintes signaos : he muito cla-
ro, baixo, tem bons cabellos, foijOes regulares, den-
tes limados com ponas agudas, pouca barba e fi-
na, queixo lino, pemas grossas, cabelludas e um
pouco tortas, ps e mBos proporcionados, unhas das
mfios compridas e as dos ps rodondas: he um pouco
canhoto, inclinado ao furto; he mo sapaleiro, po-
rm he mui vivo e dcil; representa ter 24 annos, e
he de tBo boa cor e#cabellos, que se n3o presumo
captivo, e parece Portuguez; foi escravo de Jos Pe-
reiro Capi,do Brejo-da-Areia ; foi vestido dejaquo-
ta de panno azul com vivos encarnados em roda,
collete encarnado, grvala, chapeo de pollo preto,
botas de pagem com canhOes brancos e esporas : he
provavel que tenha mudado de roupa para n3o ser
condecido, e por goslar de andar limpo ; o cavallo
he caslanho claro, gordo, c*irdn, tem um signal
branco na testa e um nico ferro na perna esquer-
da, que be uro O, circulo: quom o apprender con-
duza a ra Nova, n. 21, ou aos engenhos Matto-Gros-
so o Marlapagipo, quo ser generosamente recom-
pensado.
Francisco Eduardo Alves Vianna vai a Europa ,
e deixa com procuradlo ao Sr. Man-.el Joaquim Ra-
mos e Silva.
Francisco Jos dos Santos o Albuquerque de-
clara que, d'ora em diante, assignar-sc-ha Francis-
co Jos Alves de Albuquerque.
O Sr.... mande entregar, na administrarlo do
correio, o chapeo preto novo, que no dia 26 do
correnle mez, tirou de cima da m-isa do lllm. Sr. An-
tonio Jos Gomes o receber outro velbo, que com
cerlos papis debaixo do forro, deixou era cima de
urna caixa ; alias, ter de comparecer perante a po-
lica para desfazer o engao.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 64, na
ra da Guia, pelo preco de oilo mil rs. mensaes ,
dando q pretendenlo fiador : a tratar com Victori-
no & GuimarSes, na ra larga do Rozario, n. 22
Precisa-se de urna pessoa que eiitenda de todo
o servico de padaria para a cidade da Fortaleza ,
provincia do Cear: na ra larga do Rozario,
n. 27.
-- Na cocheira de JoSo da Cunha Reis, por detrs
do theatro, mo s ha bons cavallos para passeo ,
como tambem ptimos quartos para viagens, tanto
porserem bons carregadoies como poreslarem bem
descansados, pela reforma que se tem feito dos
mesmos, Na mesma cocheira compram-sc, vendem-
se e trocam-se cavallos.
Precisa-se de um homem robusto, que se sub-
jeitea trabalhar em um sitio perto da pra?a : a tra-
tar com JoBo da. Cunha Reis, na sua cocheira ou no
Monteiro, em sua casa junto a ponte.
Aluga-se urna loja na roa da l'raia do lado da
sombra a qual serve para negocio e moradia por
pre?o commodo : naprac.ada Independencia, livra-
ria n. 6 e 8.
-Mara ChriStina va! a Suissa, levando cm sua
companhia seusdous filhos menores JoSo Eduardo
e Mara Elisabetb.
Aq respeitavel publico.
O abaixo assignado avisa que se retira impreteri-
velmente desta cidade ao fim de 4 a 5 das o em ra-
sBo de estar muito oceupado na sua mesma casa, na
vespera de sua sabida ,.n3o lhe he possivel ir mais
em casas particulares : tambom roga as pessoas que
teem tirado retratos que hajam de os ir buscar ate
o lim do presente mez. O abaixo assignado aproveita
esta occasiBo para despedir-se dos seus amigos e do
publico geralmente.a quom s podo dizer.quo lhe fica
muito agradecido pelo bom tratamento e amizado
que tem recebido nesla cidade. Carlos D. Fredri-
cb.professor do daguerreotypo.
Avisa-se aos Srs. estudantes que compraram
compendios de philosophia por Charm no colle-
gio S.-Antonio para que mandem all receber as
ultjmas formas que completam o compendio ; as-
sm.como roga-se-lhes o favor denessa occasiSo sa-
tisfazerem a importancia respectiva.
Fabrica de pianos, na ra do
lueimado, n. 12.
-Compf-se urna macuca vlTa: nesta typogra-
phia se dir quem compra. .
.-Compra-seumbotedequatro remos, quo se,a
fortee bom: na ra da Liogoeta venda n. 8, ao
Manoel Goncalves Pereira.
Vendas.
Q
Joo Vignes, tendo.dirigido urna das prlmelras fa-
bricas de pianos de Pars, e tendo residido quatro
annos nesla cidade, pela quantidade de pianos do
todos autores e de todas as naces que tem con-
certado e afinado, acha-se habilitado para apreciar
os defeitos destes ; por sso fez fabricar pianos do
proposito para este paiz, os quaes fferecem todas
as vantagens reunidas, que vem a ser : seguranca,
boniteza, voz superior ; sSo riquissimos o de mode-
los novos, como nBo teem apparecido ; por isto con-
vida a todos os apreciadores a verem e experimenta-
remos ditos instrumentos, que soafianca aos com-
pradores. Tambem tem um grande sortimento de
aviamentos para os ditos instrumentos, de primet-
ra qualdade, e vende cordas, em porcBo e a rc-
talbo.
Compras.
Corapra-seum Vigario, lvro inglez, que ste-
ja cm bom estado : na ra do Queimado, n. 30.
Compra-se cura amarclla : na fu da Cadeia de
Recife, botica n-. 3.
Compra-se um calis o urna ambula dourados,
ainda que antigos a usados : na ru dos Tanoeiros,
n. 5,ou annuncio.
ito publico.
Chegou da Europa a Cllecco de verdadtina r-
ceme -, publicada recentemente por JoBo B. Lucio,
para fabricar, com facilldade e economa, cerveja
branca e^reta. cidra, agoardente do diversas frutas
e de assucar. jeropiga, genebra, deliciosos licores
aromticos de todas as qualidadeS, agoa de Colonia.
0 outros aromticos, ps, pomadas, otos essenciaes,
e outras preparares com uso particular nos toutfi-
doros das sonhoras, romodios eflicazo para fazer
nascer e crescer o cabollo, e para o tornar preto,
outras mais de grande importancia; t vol 8,5 : n*
livraria da esquina do Collegio. .v
Vendem-se duas redes do MaranhBo, muito bern
foitas por prei;o commodo : na ra da Prala, veft-
Vendem-se saccas com farinha de mandioca
a 3,200 rs. o alqueiro volho: na na da Cadeia do
Recife loja n. 51, do Sr. JoBo da Cunha MagalhSes.
ChegarUm as verdadei-
ras pilulas vegetaes do Dr.
Brandreth, viudas no brigue
Putuam, da iMiiladclphia, as
quaes se vendeni na botica
de Bartholomeu Francisco de
Souza, na ra larga do Roza-
rio, n. 36.
MIZ MARIANO,
vende-se a mil rs. : na praca da Independencia^
ns. 6 e 8. .
Vende-se urna ptima fechadura com segreao,
para porta do algum ostabelecmento. por preqo-
commodo : na loja da ra do Queimado, n. 2.
Vende-se um carro de 4 rodas em bom estado :
na Ponte-de-Ucha, casa do Sr. Brender Brandis,
quasi defronte doSr. Francisco Antonio Oliveira.
Vende-so urna preta efioula, bonita figura, cora
18 annos do idade, quo sabe engommar liso, ensa-
boar, cozinhar o dianode urna casa e vender na ra:
vende-se por necessidado -. na ra Oiroita, n. 97.
-Vendem-so espadas ricas para ofllciaesda guar-
da nacional: na ra Nova, loja de ferragens, n. 16.
Finissimas navalhas de barba
fabricadas em Lisboa.
listas navalhas sBo feitas do mais fino ac da Sue-
na o temporadas cm agoa que contm os mesmos
principios que se cncontram na muito afamada do
GuimarBes, o para provar a sua superior qualdade,
bastar saber-se que sBo preferidas por quem urna
vez asoxperimenlou a quantas vem de Inglaterra,
Franqa e outros paizes, onde a arle de cutelaria est
inquestionavelmente em grando adiantamento; teem.
mais as sobreditas navalhas a importanto circums-
tancia de conservarem por multo tempo a afiacBo a
cortarcm com rapidez o cabello da barba, o final-
mente nflo ofTenderoui nem levantaron a pelle : pa-
ra provar a sua boa qual idade nBo se duvida dar
para os compradores as expori menta rom. Vondem-sa
nicamente na ra do Crespo, loja n. de Maia
Primos.
Vendem-so 7 escravos, sendo um negro da
Costa, proprio para lodo servico; duaspretas, urna
in'ia quitandeira, que cozinha o lava bem roupa; duas
mulatas mocas com habilidades, cuma mulatinha
de 6 a 7 annos: no pateo da Santa-Cruz, n. 14.
Vende-so um casal de pretos cora 4]filhos, do
qual o preto lio de nagBo e a preta crioula, que saba
engommar, cozer, cozinhar, de bonita figura osa-
da: o preto sabe bolear, tratar de carros e de ani-
maos : quem quieer fazer negocio tora este famoso
casal e filhos, quo voude-so por motivos que si
dirBo ao comprador, dirja-se ao Recife, ra da Ca-
deia, casan. 14. ?-
Vende-se o sobrado de dos andares do pateo
de N. S. do Terco, que faz esquina para o becco do
Lobato em chaos proprios, lvres o desembarazados
de hyp'olhoca e qualquer questBojudicial: a tratar
na ra Direita, loja n. 65.
Vende-se urna escrava crioula, boa coznheirn,
que lava, engomma, he muito boa figura e ainda
moca : em Fra-de-Portas, sobrado, n. 85, segundo
andar.
Vende-se um molequede 8 annos, de bonita
figura e quo he proprio para apronder algum ofli-
cio : na ra do Livramonto, n. 30.
Lotera do lio de-Janeiro.
Vendem-se bilbetes e meios ditos da oitava lote-
ra a beneficio das casas de caridade, a 11,000 a
22,000 rs.: na ra da Cadeia n. 38, loja de cambio,
de Manoel Gomes.
Vendem-se ps de noguei rada Persia ; um ca-
sal de urubs res: defronte deS.-Jos do Mangui-
nho, na venda da esquina.
Vendem-se dnas lnhas de camarassary cora
55 palmos de comprmento: em S.-Auna, a fallar
com JoBo Venancio.
Vende-se una venda na ra larga do Rozario ,
n. 23, sortida e bem afreguozada,quo tambera .venda
para o matto : o motivo por que se vende ; he por
nBo se querer usar mais deste negocio, e se querer,
liquidar com a nraca a tratar na mesma venda.
FARINHA DE MILHO.
Vende-se, as libras superior farinha de millio,
excellento para pao, rangicas-, bolos', etc., por
preco commodo: em Fra-de-Portas, ra dos Gua-
rarapes, n. 28. Tambem se vende, na mesma casa '
milho raoido, proprio para passaros.
Vendo-so.o vinho genuino da companhia gerat.
da agricultura das vinhas do Alto-Douro, muito
proprio para mosa em pipas, meias ditas e barril
de quarto: a tratar no armazem de JoBo Tavarea
Cordeiro, ou cora Antonio Francisco de Moraes
agente da mesma companhia.
Deposito de vinagre da fabrica
da ra Imperial, n. 7.
na fabricado licores, de Frederico Chaves, no Ater-i
Iro-da-Roa-Vista, n. 17, onde se acharasempra^
1 grande porc.&o e por pre^o commodo.
...,


Mm
.?'
Vendem-se 50 latas com doce de calda, com 7>
librase meia cada urna a saber: caj, grozela ,
maulaba, matarino, laranja o sidra, proprio para
embarca: nofim do DeccO'Largo, noRecife, onde
temcanoasd'agoa, ouajastarcom Manoel Antonio
da Silva Molla.
Vendem-se saccas do alquoire de boa familia a
4,000 rs. ; ditas con millio novo, a 2,500 rs. : na
ra do Queimado, n. 4 1.,'
Vendem-s chales de'
m-s chales de seda, de muito boro, gosto :
mantas diu, para senhora ; chapeos de seda para
senhora ; crope de todas as' coros; fitas do setim la-
vrado; lengos de seda para mo; ditos de garca
para senhora ; chapos de-sol, para horaem e senho-
ra ; ditos de maasafranceza, para' homem : cortes
de cambraia para vestido; pannos para cima de me-
sa ; tapetes para sala, sapatos de lustro e setim para
senhora e menininas; boraeguins para senhora :
Jengosde cambraia de linho, bordados; um com-
pleto sortimentode perfumaras, e outras fazendas
por prego mais barato possivel: na ra Nova, n. 30,
loja de Domingos Antonio de Oliveira.
Vendem-se postillas da analyse do constituido
para o segundo anno da academia de Olinda; ditas
de direito publico para o primeiro anno : na ra da
Wadrerde-eos, loja n. 36.
Vendem-se riscados francezes, a 320 rs. o
do de vara de largura e os seus padrOcs e
dades silo os melhores que se pdem desojar: na
ra do Collegio, loja nova da|estrolla, n. 1.
cova-
quali-
lrins trancados de listras e
quadros.
Vendem-se superiores cortes de brim trancado de
listras e quadros, para calcas, de lindos gostos e
oc'ioaqualidado, pelo prego de 3,000 ra. o corte Al
lia .ua do Collegio, loja nova da estrella, n. i. M Vendem-se superiores pannos finos, prora de li-
_ k mito azul, a 3,000 rs. o covado; ditos pretos j
Casimira elstica, a 720 rs. o '
covado.
nhola, a 3,900 rs. o covado ; tambom ha de 2,200,
2,500, 1300 e 3,000 rs.; panno fino, prova de li-
mito, a 3,800, 5.000, 7^000,8,000, 9,000 e. 10,000 r.
chapeos franortes firrOs. do ultimo gosto de Pars
com aba maior, conforme a^nova moda, a 7,000 e
8,000 rs. Naate armazn tambom se vendem fazen-
das por tacado mais barato possivel.
Sarja mas barata nao he
possivel.
Vende-se superior sarja preta hespanhola pe-
lo barato prego de 2,000 rs. o covado : a sua quali-
dade he sufficiente para chamar os compradores:
na ra do Collegio, loja nova da estrella, n. 1.
Poassa *e cal virgem.
Vende-se muito superior potassa,
poucos dias desembarcada, e cal de Lia-
boa : no armazem de Baltar & Oliveira,
na ra da Gadeia no Recife, n. la.
Riscados monstros.
Pannos finos.
Na loja da esquina que volta pana a ra do Colle-
gio n. 5,-vende-se casimira clstica de lia e algo-
dno de lindos padrdes e muito oncorpada pelo
barato proco de 720 rs. o covado, e que se torna
recoramendavel para a estagao presente.
Ricos tapetes
para ornar-salas, mesas/candieiros,' lanteruas, cas-
tigese campainhas, redondos, quadrados o trian-
gulares bordados e de oleado, com lindas franjas
beni condecidos pola sua harateza o qualidad, a
?,500, 5,000,6,000,6,500 e TJIOO rs. o covado; casi-
mira preta de boa qaalidado, a 6,000 rs. o corte;
dita limste, de largura de panno, de superior qua-
lidado, o niais fino queda a (1,000 e 12,000 rs. o
corle : na ra do Collegio leja nova do ostrella ,
n. 1.
Vende-se, ou arrenda-so um grande sitio na ra
Imperial, com' duas moradas de casas, urna para
grande familia, na frente da ra e [oulra mais pe-
quena dentro do mesmo sitio, com bons parreiraos
e muuas fruieiras de boas quaiidades todas novas
e j dando fruto, com um grande vivero no lundo :
na ra Direita, n. 135, loja de cera ondo se far
oualquor dos negocios, por sou dono ter de retirar-
7,000 ra., e de cores Usas; cambraias de cores fi-
zas e-padrees modernos, a 40 rs. a vara; sarja
hespanhola, a 2,400 rs.; lencos de seda d peso, a
2,000 rs.; camisas de meia, das melhores que eppa-
recem no mercado, a 1,400 rs.; brim brancVde pu-
ro linho, a 1,400 rs. rara; dito trangado pardo, de
lipho, a 640 rs. a vara; bicosde todas y quaiida-
des ; merino ; esguillo fino; cambraiasf cassas ; e
outras mu i tas fazendas, por precos mdicos, e sem
dafeitos: franqueiam-se amostras aosuompradores :
na ra do Queimado, n. 46, loja do MagalhSes e Ir-
mfio.
Vende-so urna armago, 2 Dragos de balanga ro-
mana urna balanga grande e. pesos, ternos de me-
didas, o outros utensilios da venda da ra da Cruz ,
n. 66 : a tratar com Miguel Joaquim da Costa, na ra
m uviiuiia-nuia, ii. *.
ora, todo cheio de arvo-
na mesma estrada, a fallar
qual admitte
redo novo
com Joaquim de Oliveira e Souza.
MEDICINA UNIVERSAL.
Pil ulas vegeta es de James
Morison.
A medicina vegetal universal he o resultado de M
aoBoede investigagOes do clebre James Morison
Por meio destas pilulas consegio seu autor nnu
meras eadmiraveis curas desde as affeccoes nu
tlintm US |>rini>K il noiln aln ... _~i_t.: ^uo
cas doancilo.
A Europa saudou este remedio como remedio un
veraa! para todas as doengas, e at hoje anda nao
ha na Europa, e dos primeiros mestres. q ?"! 'n' I"1""". ? sua pp,,Ci?"- ACon^ m
- Vende-se o engenho Timb, distanto desta praga tres Pr<:Parac0es. SD" : dus quaiidades de pi|u-
4 legoas.oorrente I moente com agoa, de boa e EJS l^^L^^! e um P6 : cada ou
lar producgSo, com a safra de 2,500-paes pouco mais
Msicas para pianos.
ou menos, ou sem ella. Este engenho he de consi-
deravel importancia, n.!o so no presente como no
futuro,-por conter maisde 4 legoas de terreno co-
berto de mattas virgens, e com capacidade de se le-
vantarem engeridos d'agoa e de beatas. A tratar no
mesmo engenho, ou no sobrado aolado da cadeia.
n. 23.
Vendem-se, a tres do l dea tro velho, pranchfies
d'oloo, outras madeiras propriaspara marceneiro,
por prego muito barato.
de 13a de todas as coros; luvas de torga!, propriai n?"H*
rara a Quaresraa. ao ultimo gosto de Paria, pretas e Pr molestia.
brancas com dedos e sem elles, a 1,600 ra. o par; Vendem-Se aCCOes da ex-
alpaca do linho, a 640e800rs. o covado : na ruado) l* j n t
Queimado, n. 27, novo armazem de fazendas, del linda COmpanllia UC Y eriiamoUCO
Kaymundo Carlos Leite. I r> ll -3 t t 7i
e Farahiba: no esenptono de O-
liveira lrmos & C, rua da Cruz,
n. 9.
Estojos com duas navalhasin-
glczas, para barba,
fabricadas pelo melhor autor, chegadas no ultimo
navio de Inglaterra por 2.000 rs. cada estojo. Es-
tas navalhas s5o garantidas, porque nSosse tro-
camas que porventura nao saiam boas, como tam-
ben so restitueo seu importe, qmuido o compra-
dor por acaso se nao agrade de nenhuma dellas
depois de experimenta-las, isto estando sem ferru-
gem e bem tratadas: vendem-se na rua larga do
Rozarlo, loja de miudezas do Lody, n. 35.
IV ovos gambreoes.
I Vendem-se cortes de caigas da excellente e supe-
rior fazenda denominada gambreSo, pelo barato
prego de 1,800 rs. o corte: 'esta fazenda, tanto em
gosto como em qualidad, rivalisa com as melho-
res casimiras : na rua do Collegio, nova loja da es-
trella, n. 1.
Vende-se doce de guiaba e araga, muito fino ,
por prego commodo: no pateo do Terco, venda
n. 139.
Vende-se, na rua do Crespo, loja n. 11; Historia
natural de Buflbn ; Novo diccionario porttil das
lingoas hespanhola e alloman, 2 v.; diccienario in-
glez de Vieira, 2 v.;" Chefs d'ceuvre de Voltaire 5
v. por 3,000 rs.; obras de Virgilio, por 4,000 rs.:
todos estos livros tambom se trocam por outras
obras estando em bom uso e completas.
Vcnde-se urna negrinha de 14 annos, muito sa-
dia que cose o cozinha : na rua eslreita do Roza-
rio, n. 4, defrontoda groja.
Vende-se urna preta de 16 annos, muito linda,
que cose e engomma ; urna negrinha de 8 Bnnos,
muito esperto e lindissima ; um cabra de 20 annos,
muito robusta e de bonita figura : na rua de S.-Ri-
ta n. 44.
^Vende-so um lindo moleque de 12 a 13 annos,
sadio ; 3 prctasde bonitas figuras, com habilidades ;
2 pretos do elegantes fignras; urna parda do 20 an-
nos, engommadeira e costureira : no pateo da ma-
triz de S.-Antonio sobrado n 4.
Vendem-se os superiores quejjos
londrinos, muito frescaes, a 64o rs. a li-
bra ; presuntos para fiambre, a 56o rs. a
libra ; vassouras-para vorrer casa ; ditas
para espanar, por preco muito commo-
do : na rua do Trapiche, arnmera n. 44.
Vende-se sal de Lisboa, fino e alvo, a 1,600
rs. o alqueire da medida velba na rua da Praa '
armazem n. 18.
- VencJem-se ancorctas de
diversos tamanhos, com vinho da
Madeira, tinto e branco, de supe-
rior qualidad: no escriptorio de
Oliveira lrmos & C, na rua da
Cruz, n, 9.
W^M Vendem-se chapeos de superior
^^^castor, brancose pretos, por preco
mulo barato : na rua do Crespo, n. ta,
lojdc Jos Joaquim da Silva Maya.
Loja de cirgtieiro.
I Rua do Queimado, n. 10.
Lima.
Vpndpm-.o
nirn.M.. -;-
intaiva pu-
ra todas as patentes de legiSo, caval-
laria e infantaria da guarda nacional,*
saber ; chapeos armados ; barretinas ;
dragonas ; bandas; fiadores; galOo de
ouro, para caigas; talins; cananas; pas-
tas ; espadas praleadas, com roea e
sem ella, e tudo quanto pertcnce ao
completo dos ditos uniformes : tam-
ben) aprompta|uniformes,para msicas
para o que pode mostrar os figurines
do ultimo gosto da corte,
de modos e acgOes diversas.
As pilulas n. l silo aperitivas; purgam sem abalo
Os humores biliosos evlcosos, e os expulsara com
efflcacia.
As don.2 expulsam com esses humores,(igual-
mente com grande frgai os humores serosos, acres
e ptridos, de que o sangue se acha a miudo infecta-
do; percorrem todas as partes do corpo, eso ces-
sam de obrar quandoteem expulsado todas as im-
purezas.
A terceira preparagSo consiste era urna limonada
vegetal sedativa : he aperativa, temperante e edu-
cante : torna-se em commum com as pilulas e facil-
lita-lhesos melhores efleitos.
A posigSo social do Sr. Morison, a sua fortuna in-
dependente, repellem toda a ideia do charlatanis-
mo; eas *dmiraveis curas, operadas com o seu
systema no collegio de sade de Londres, silo ma
que garantes da eficocia do seu remedio.
Recoramenda-se esta medicina, que nfio pede nem
resguardo de tempo, nem do posigo da parte do
doente a todos os aue. alaoarin h,< molestiis *a'.
^gadas incuraveis, se jjuizerem desengar daVua
virtude.
Oxal que a hunfanidade feche os ouvidos aos in-
teressados em desacreditar estes remedios 1.1o sim-
gles ISocommodos e.tSo verdadeiros.
Vende-se smenle em casa do nico e verdadeiro
agente J. O. Elster, na rua da Cadeia-Velha, n. 90.
i
Vende-se cevadinha de Franca, gomtna de
araruta tapioca do Maraiaho, cevada por prego
commodo : na rua das Cruzes, n. 40.
Casimiras elsticas, a 640
rs. o covado.
Vendem-se casimiras elsticas do ISa e algodSo ,
pelo diminuto prego de 640 rs. o covado : esta fazen-
da torna-se muito recommendavel para a estagSo
presente, por ser muito encorpada e os seus pa-
drees o melhor possivel: na ruado Collegio, loja
nova da estrella, n. 1.
FARELONOVO,
a 4^500 rs.
Saccas grandes de 3 arrobas com farelos: no arma-
zem de J. J. Tasso Jnior, na rua-do Amorim,n. 35.
Vende-se na rua da Cruz, n. 26, venda de S
Araujo, cera de carnauba muito superior; sapa-
tos e abotins, feitos no Aracatjr,,obra muito boa;
um grande porgo de saceos vasios, que ainda nHo
serviram, propriospara farinha por levarem um
alqueire raso da medida velha ; superiores pennas
de ema ; sola ; couros miudos ; o bezerros.
Miiho.
Vende-se milho, a 2,000 rs. a sacc : no caes da
Alfandega, armazem de Antonio Annes.
Cambraia
cortinados e
A 1^600 rs o covado.
Vende-se merino preto de 7 palmos de largura
pelo barato prego de 1,600 rs. o covado : na loja da
esquina que volta para a rua do Collegio, n. 5. de
Uuimaraes & Companhia.
m
Sarja hespanhola.
No novo armazem de fazendas, de Raymundo Car-
los Leite, na rua do Queimado, n. 27, ha chegado
um ptimo sortimento da verdadeira sarja hespa-
para
mosquiteiros.
Vendem-se superiores cambraias de ramagens ,
mais fino e de sublime gosto que teem apparecido
dar cortinadose mosquiteiros, pelo barato prego
pe 1,000e 1,200rs. a vara :na ruado Collegio, loj
nova da estrella, n. 1.
Vende-se urna preta de 20 annos, de bonita fi-
gura que ongomma, cozinha e faz todo o servigo
de urna casa ; um preto mogo, bom para todo o ser-
vigo tanto da praga como do campo : na rua do
Passeio, loja n. 19, se dir quem vendo.
Chitas pretas asselinadas.
Vendem-se superiores chitas pretas assetinadaa,
muito acreditadas pela sua qualidad, a 240 rs. o co-
vado : na loja da rua do Collegio, n. 1^
Vende-se um pardo de 22 a
24 annos, ptimo bolieiro : na
rua da Cadeia-Velha, n. 37.
Vendem-se superiores luyas para meninas e
senhora, de muito bom gosto por serem de seda ,
e sem dedos a 560 rs.; frocos de todas as cores e
grossuras : no Aterro-da.Boa-Vista, loja n. 78.
Na loja nova do livros do pa-
teo do Collegio, ii- 6, acaba
de receber os seguintes
livros:
dicionario do bom gosto, ou linguagem das flores",
em verso rimado, acrescentado com jogos do flores,
poesas do secretario de cupido, ou novissirao cor-
reiodos amantes pelo qual, com duas florea fruc-
tas, etc., poder qiihlquor pessou enviar um reca-
do completo a qnem amar, rica encadernagSo, o
cada um em seu estojo que se pode mandar de pre-
sente a urna apaixonada ; Arte de dausa de aocie-
dado ensinada em ligOes claramente explicadas,
pormciode32 figuras, conlendo alera de contra-
dansas geraese donlradansas provnlciaes e de varias outras inteira-
mento novas ; Arte da cultura e preparacSo do ca-
f compreendendo a cultura dos cafeseiros, seus
melhoramcntos, modo de cultivaras trras frias,
causas de abundancia e falhas alternativas sua pre-
parago por um novo systema dePeito do systema
do uso construegao das estufas machinas, con-
siderago sobre o seu cominercio, offerecida aoa
cultivadores brasileiros por Agostinho Rodrigues
da Cunha ; Doutrina das acgOes, por Correia Telles,
Iquartaedigfiodo Itio-de-Janoiro, consideravelmen-
tecexpressamente accommodada ao foro do Brasil,
por Jos Maria Frederico de Souza Pinto; Cdigo do
processo ; dito criminal; Constituigilo. do imperio
do Brasil; Cathecisrao de Montplier; Thesouro de
meninos; dito de meninas, com ricas estampas co-
loridas edicilo do Rio-de'-Janeiro; Manual enci-
clopdico ; Geometra de Euclides; Crammatica ;
Doutrina rhaisl&a por Salvador Henriquee Albu-
querque; Methodo facillimo; Coltecgflo do ejem-
plares de escripta por 1,000 rs.; lloras Marianas,
muito rica encadernagSo; dita com encademago
mais ordinaria ; e outros muitos livros por prego
mais commodo do que em outra qualquer parte.
Vendem-se presuntos, baldes e linas preprias
para lavar roupa; vassoura para varrer salas e ta-
petes : ludo ltimamente chegado dos Estadbs-Uni-
dos : na rua da Cruz, n. 7, armazem de Davis & C.
Escravos Fgidos.
Fugio, no da 18 de Janeiro, um cabra, de nome
Joaquim, alto, reforgado, de idade, coma barba
branca cabellos corridos o bem pretos; levou um
SjrrSo de pellj de carneiro chapeo de bata usa-
t>, caigas dealgodiio de' listras rotas no assonto ;
temos tornozellos dos ps um tanto inchados. Es-
te escravo f foi preso em S.-Lourengc daitts s
tornou a fugir junto aos Remedios, do poder de
urna pessoa que o conduzia para esta cidade; veio
do MaranhSo e diz ser de Casias: quem o pegar le-
ve-o a rua do Vigario, n. 24, que ser recompen-
sado.
30#000 rs.
Fugio, no dia 22 de margo prximo passado, do
engenho S.-Francisco, em S.-Antonio-Grande, pro-
vincia das Alagas. a escrava Benedicta, parda, bem
parecida clara cabellos corridos, olho's pretos,
beigos grossos, denles -timados, peitos grandes, ps
seceos; tem no barago direilo um sino salamfio, e
no outro um corago desles feitos de agulha com
tinta azul ; tem 20 annos do idade. Esta escrava he
de Congalo Rodrigues Marinho, morador em o dito
engenho aonde pode ser entregue, que receber
a gratificacilo cima ou tiesta praga a J. O. Campos,
na rua do Queimado, n. 4.
Fogo.
Na fabrica de licores do Aterro-da-Boa-Vista, n.
17, de Frederico Chaves, ha sempro porgSo de pali-
tos de fago em magos grandes a 2,000 rs. o cento ,
os quaes sao feitos com toda a perfeigo, e nSo de-
generara no invern.
I'articipa-se
aos freguezes do bom e barato, que se vendem cha-
les de balzurioa, a 2,000 rs.; setim preto maceo, a
2,200 rs.; cambraias de seda, a 10,000 rs.; chapeos
de sol, de seda, a 5,500; cortes de cambraia abor-
ta, a 4,500 rs.; pegas do bretanha de Franca, a 8,500
ra.; chales de seda, a 10,000 ra.; ditos de ISa e seda,
a 5,000 rs.; meias de seda preta, para senhora, a
1,800 rs.; luvas de dita, a 600 ra.; lengos bordados,
para senhora, a 320 rs.; mantas de seda, a 8,500 r*.:
casimira preta clstica, a 3,000 rs. o covado; los pre-
tos, 9,400 rs.; fazenda de caiga, a 240 rs. o cova-
ao; chitas de coberta, a 200 ra. o corado, e a pega a
Vovo panno para leuces.
Vende-se superior panp para lenges* com 2 \
varas de largura pelo barato prego de 3,000 rs. o
vara : esta fazenda he melhor do que a bretanha de
Irlanda, da rnesma largura,que ltimamente se ven-
dea nesta mesma loja por ser de puro linho : na
rua do Collegio, loja nova da estrella, n. 1.
A 1,000 rs. o par.
Ka loja de OarimarHes c Companhia confronte ao
arco de S.-Antonio n. 5, vendem-se meias de seda'
preta curtas pelo barato prego de 1,000 rs. o par.
Vende-se cha hysson de muito superior quali-
dad, por prego commodo : na nova loja de livros
do pateo do Collegio, n. 6.
Vende-se urna casa terrea com frente de pedra
e cale o mais de taipa com grande quintal pro-
prio sita na biquinha dos Qua tro-Can toa, em Olin-
da n. 11 : a tratar na rna da Guia, n. 10, ou na So-
ledado, n. 53.
Veode-se um sitio na estrada dos
Aliclos, com boa casa de vivenda, de
pedra e cal, com sotao, cozinha fra es-1
rifia para um cavallb, bom poco, oJPern.
- Fugio, na noite do dia24 do passado, de bor-
do do patacho Dous-Irmos um preto, de nome Joa-
quim de nago Angola de 28- annos, de estatura
baixa, cor bom preta ; levou camisa de riscado ame-
ricano caigas de brim chapeo de palha, tudo sujo
dealcatro quem pegar !eve-o a rua do trapi-
che, n. 6, que ser bem recompensado.
-- Fugio, no dia 20 do passado, a preta Luiza ,
de nagSo Mogambique; he cega do olhd esquerdo, e
bemfeonhecida por ser lavadeira ; levou urna por-
gfio de roupa; tem sido vista para as bandas da So-
ledade Manguinho e Reberibe : quem a pegar le-
vo-a a rua da Cadeia-Velha n. 1, que ser gratill-
ficado.
Fugio, no dia 26 do passado, a preta Leonor,
do 26 annos pouco mais ou menos ; levou vestido
de riscado, panno da Costa novo, com matames e
franjas; he baixa ; tem o rosto redondo e o olho
esquerdo meio vesgo, com um emplasto no peito;
e he de nagSo Angola. Roga-so as autoridades po-
liciaes ecapilSes de campo, quo a apprehendam o
levem-na ao neceo do Sarapatol, n. 14, queserSo re-
compensados.
Fugio, no dia 31 do dezembro do anno prxi-
mo passado, da freguezia dos Afogados o escravo
cabra, de nome Innocencio, alto, secco, cabello pe-
gado, olhos lira neos, nariz afilado, desdentado,
pouca barca; tem urna cicatriz no peito.de um talho,
pernas linas e pos pequeos ; foi visto no engenho
JJassangana procurando o senhor do dito engVnho
para o comprar, e dalli desappareceu at o presen-
te. Roga-se as autoridades policiaese pessoaa par-
ticulares, que o apprehendam e levem-no ao enge-
nho Giqui que serflo generosamente recompensa-
dos.
- Desappareceu, no dia 28 do prximo passado,
das 7 para as 8 horas da noite, um escravo, de no-
mo Manoel, de 25 a 30 annos, de cor fula, estatura
baixa, cheio do corpo; levou camisa e caigas azues,
e conduzindo da rua do Rozario"^a Roa-Vista para
S.-Antonio, urna caixadefolba com doua ou tres
pratos travessosde louga amarella e um sacco de
estopa com 25,000 rs. em moda de cobre. Este es-
cravo pertenceu o Manoel Fcrreira dos Santos e a.
Andr Nauzcz, propietarios da padaria n. 66, do
Aterro-da-lloa-Visla, e era do costume, quasi dia-
riamente ir as tardes, do hotel Gommercio a 'dita
rua do Rozario, sempre conduzindo urna caita-de
folha : quem o pegar leve-o a seu senhor, o propie-
tario do dito hotel Commercio,-na rua da Cadeia do
S.-Anlonio, junto ao theatro publico, que retom-
ponsar.
NA
TYP. DEM. F. DEFAMA. 1848
9
5''
V


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZROWYQ8K_330CA5 INGEST_TIME 2013-04-12T23:12:15Z PACKAGE AA00011611_05475
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES