Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05454


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1848.
Ter?a-fera 4
O DURO pu''lio-e todos ai dial que no
fretfi 'lo gunia i o proco da,aignilur Jic de
ajnof' rs.por quartel, 1>a%ot adiantaAnt. Os h-
ouorjos disi assigJIntS sin inseridos i raso Je
JO r't! por Indi. rt- el" lyP diH'rreiite, e as
repelices p?l in!-t*#f. t's fue n.'o fftrern
nuiles'pagsrSo 10 r. por liaba, e I6U ein"lypo
dlUereate, por ead. publicado.
PHASES DA LA. NO ME7. DE ABRIL.
I.ua'nova. a 4, 8 oras e 4 I rain, da Urda.
Ciejccnle a f, sos 3i> mu. da tarde.
La cheia a 17. aos i ruin. WioaoaulB a 26, os,5 min. da Urde.
PARTID* DOS CORRBIOS.
'IniTim e Paralilhat aegundas esextas feins
R(u-(> riode-Jo- Norte quinta feirasao meio-di
Ssri'olien, llio-Forinoso, Poito-Calvoe
* facet, ua I.*, o It e 11 de cada mez.
(iiraibinis o Bonito, a 8 e 3.
Boa-ViMa e Flores, a II e 58.
Victoria, as qninus-leirai.
Oliada, lodos os das.
PREAMAR DE HOJE.
I'riineira, s b lloras e 18 aiinulos da manliia.
Segunda, s 5 horas 42 minutos da lardr.
de Abril.
Anno XXV.
N.**
das da semana.
5 Secunda. S. Ricardo. Aud. do I. dos orpb.
cdo J.do c. da 1 edo J. M. da l r.
4 Terca. 9. Izidoro. Aud. do J. do civ. da
l. v. edo _J. df par do 2 dist. de t.
i (Juana. S. Vicente Fcrrer. Aud, do J. do
ir. da 2 r. a do J. de pat do 2 disl. de t.
6 Quinta, S. Marcellino. Aud. do J. de orpn.
e do 1. municipal da I. v.
7 Setla. S. Epdaoio. Aud. do J. do ci. da !.
v., e do J. de i hi do i. dltt. de t.
I Sabliado. S. Amaneo. \ud. do J. do cir. da
l. t. e do .1. de paz do t. dist. de t.
9 Domingo. S. Demetrio.
CAMBIOS NO DA 2 DB ABRIL.
Sobre Londres a lt/, e 27/4 d. por 11 rf. O d.
Pars 360 rs. por Tranco. i
Lisboa I0D por ion de premio.
Desc. de lettra de boas firma a I 3|8 Va m-
OuroOncaa Lespanholas-----78G0n a J9
ModosdeSlIOOrelli. lts.*O0 a I6/30O
, t (fe6|400 iiov.. itijann a 16/10*
de 41/000..... 000 a Mino
Prl Patace.......... I|40 a l#t>
a Pesos columna res... IJtiXO a l|84
a Ditos mexicano*.... Ijfaoo a 11820
Muida.............. laMO. I40
Acce da comp.do lleberilie de 0|000 ra. ao par
DE PERR AMBUCO
-.
EXTERIOR.
i
'""..... 1 1' 1
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PERNAMBCO.
Intfo, 16 de fevtmro de 1848.
Tem continuado na cmara dos pares a discussfo
da resposla ao tlirono, e un dos discorsos mais 110-
taveis, quo alli so teem proferido, he o do digno par
Kodrigo da Fonseca MagalhSes. Este cloqnenlo ora-
dor djsse quese espalhava que elle era hornero sem
partido, sem sequilo, sem conviccOes; mas que po-
da alirmar ser o homem da paz, da concordia o da
unido; equeni est ah, perguntot -o orador, quo
mo queira seguir esta bandoira? Urna explosflo go-
."^de applausos foi a nica resposta.
0 orador passou depois a tratar das quesloes quo
v tiiiliam ventilado, e mostro que, se O paiz est-
vessoprospero eflorescente, niioteria tido lugar
revolueflo do Mitilio, o, se rebensasse por suggestOes
mslovoiss, cahiria logo, porque nunca liulia visto
i|Uo iim paiz prospero o feliz se revoIUsse. Defondeo
osados da adminislracflo J'almella, mostrando que
mis cir.cuinstancias om que ella so linda adiado,
iioiihum'a outra poderla fa/.cr mais que a su a
missfl fra de pacificar o paiz, e que o conseguir
npplicando ao nial 6 mesmo mal, isto he, conservan-
do as juntas, cuja missilo, alinal, lambem ora paci-
iicadora.
Combaten a intervenefio pela manera que se fe,
posto que foi do opiniflo que, no oslado a que li-
nham chegado as cousas no nosso paiz, se tornava
necessaria urna interveneflo. Entretanto, pronutj-
ciou-sc pela nossa alliaiicacom a Hcspatiha e al
manifesteu desejos do quo dcsapparccossemas nos-
sis alfandegas arruinas.
tallando das ultimas clelQocs, manifestou quo no
suppunha que a actual cmara dos deputados repre-
sclitasse verdadoramenteo paiz. Entilo levo lugar
umu acea que tem sido geralmentu reprovada, ex-
cepto pelos jornaes cabralistas. Quando o Ilustre
orador emittia a sua opiniSo atal respeito, os de-
putados da maioria, que oceupvam diversos luga-
res na cmara dos pares, levautarain-su cm tropel,
o sahiram da sala. Avista do um procoilimento to
pouco cavallieim, o orador nao podo doixar do ex-
clamar : Oh I leleranciu !
O Sr. Fonseca Magallules concluio o seu discurso,
aprcseulando urna carta de Mr. Hughes, correspon-
dente do Times, que, achntido-soquasi a morle, mas
saliendo do que se dissern delle no parlamento por-
tuguz, ileClarava ser verdade o negocio das 20:000
libras, mandadas comprar cm seu nome pela admi-
nistracao Calnal; -que, alm disto, essa mesma
adininistract lite oTTerecera urna pcnsSo, e a com-
menda da oidom do Christo, se elle quizesso es-
crevera seu favor, corroborando assim o que disse-
raoSr. conde de Lavradio no seu discurso, sobro
a compra daquclles fundos, nos quacs o thesouro
perder, facto que o Sr. conde do Tojal quiz des-
mentir, mas nSo o conseguio.
O discurso do Sr. Fonseca Magalhfles tem *ido a-
quello de que mais se tem oceupado osjornaes, uns
par* o elogiar ooutros para o deprimir, segundo as
opiuis polticas que defendem. Esta prolongada
unalyse lio motivada, porque, perlencendo o orador
ao partido moderado, os seus ataques contra a ad-
iiiijstracso Cabial lram os mais vehementes, o os
quemis gravemente a lerirain, a ponto de fazercm
por cuitas vezcg mudar do cor o seu chefe, o conde
de Thomar. l'or isso os jornaes cabralistas alacam
desapiedadamenle o Sr. Fonseca Magalhfles, cha-
uiandu-lhe homem sem fe, falto de ludo do quo caro-
lo um homem publico; ao passo uue osjornaes oppo-
sicioiiisUs ucham que nunca o dito orador foi ni ais
cloquete, mais rasoavel o verdadeiro.
N'uma das ultimas sessAi'S, fallou o comiedas An-
tas, e defeudeu-se a si e junta do -Porto de que f-
ra presidente, manifestando que, se cntrasse em Lis-
boa cun a divisflo coin que sabio do Porto, ira de-
pr a sua espada aos ps do throno, porque nqnea
a junta nem elle tivera a idea de mudar de dy-
naslia.
Fallou lambem o visconde de S da Baudoira, pa-
ra mostrar que a junta do Porto tivera sempro as
iiiaioresaltencescom o Sr. duque da Tcrceira, o
xra de iucommudos o privacOes que snlIVO-
ra ua sua prisiio, no Porto. S. Exc. lambem, ten-
do Bidp chanido authoria pelo Sr. conde de
Lavradio, acerca do primeiros actos da Tidmi-
nistraeflo Palmella, assignados por olles, quizexi-
inir-sc da rcsponsabilidadc que dahi Ibe podesse
provir, liaendo que nos poucos dias que formara
parte daquella admfnistraciio, a sua missflo fon.
uicarhhteevitar que aaiiarchia predominasse. Este
procedimonlo pouco leal do duque da Tcrceira, tem
sido bastante censurado.
Nunca a discussflo da resposta ao discurso do
throuo se prolongou tanto no nosso parlamonto, o
muito menos na cmara dos paros. Hoje, porm, ja
vai perdendo grande pai le do seu inleresse, por--
iiele oceupam com as rplicas, que em
|,raljffl5rflrodc5fio do queja se disse, ou con-
tOem delensas peasoacs, que pouco ou nada impor-
tan!, salvo ao aggredido o aggressor.
Entretanto, a batallu parlamentar que se tem
pclcjadona cmara dos pares, ja nflo podo deixar
de ler grandes consequenciass pira o paiz. A' luz
que resulla do combales da lula, ja se tem visto,
e ha de continuar a ver muito erro, umita falta e
niuita torpeza ; mas tambem so vera quein sao
os homens que so teem conservado puros'o de-
dicados ao bem da sua patria, embora cercados das
maiores embarazos, embora arrasyados uos turbi-
llics da poltica Icios contrarios no seu corceo
frcsua intelligencia, embora induzidos a erro por
circumstancias dillicilimas de apreciar na occasiflo.
. Um campo immonso est aberto imprensa por es-
te combato; o, se lio til, se he indispensavel abran-
ge-lo eom vista largas e geraes, lambem he preci-
so contrahir as observacOes a certas especialidades
para melhor as trazera julgamento nacional.
A gerenciajinanceira he urna dossas especialida-
des; mas nio no possivel avalia-la dcvidamenle
pala, falla de cotilas, pela falta da publicaefle de
muitos documentos, sem os quaes anda por algum
lempo so poden, fazor trumphar o sophysma,
quando alias, com elles fra fcil aprosoiiUr a vor-
dado com toda a sua clareza, o confundir impos-
tura e a mentira.
Entretanto, ha alguns pontos a respoilo dos quaes
nfiose podo protrabir a manifestacllo de juizo.
Sr. conde do Lavradio apresonlou, por occa-
siflodoseu discurso, uns documentos^jue fizeram
profunda impressSo; o por elles so ficou sabondo
que ogovorno mandou comprar, por portaras Tie 1
de outubro e do novembro de 1845, por conla de
um particular, mas sem sua responsabldade, 20,000
libras de ttulos da nossa divida externa. Estes t-
tulos, assim comprados, deviam ficar servindo de
ponhor de um emproslinio cquivalniente ao seu
custo; e, como nflo he possivel obter tacs emprest-
mos sem quo a quantia do pcniur, avahada pelo
preco do mercado, valha muito mais quo a somma
emprestada, era preciso que aos ttulos comprados
so addicionas, sem oulros. A portara de -23 de on-
de 18)5 aulorisou, pois, a distrahr, tcncenlos fazonda publica, a lomtna necessaria pa-
ra complemento do penhor.
As portaras citadas ordenaram quo a agencia fi-
nancia! em Londres nflo comprcuendesse na sua
escrip^uraeflo nem a transac.lo da compra nem a
saluda dos ttulos da caixo.
Doconteudoas portaras, odas explicacoes da-
das pelo Sr. conde do Tojal, na sua resposta, con-
cIiictSo que as 20,000 libras do ttulos, compradas
como lica dito, deviam ser vendidas quando os fun-
dos eslivcsscni mais subidos, o que a diflerenc, no
preQo sena para a pessoa por conta de quein so li-
zer a compra, licando a cargo da fazendao juro
do eiiipresliuio, o nflo so sabe se as domis des-
pozas.
O quo acontcceti, porm, foi que os fundos, cm
vez-do subirem, baixaram, ocm lugar da dilTereji-
caa/avordo agraciado, houvc dilferenca contra a
fzcnda.
O Sr. conde de Tojal, nflo s nSo foi claro, mas
al foi contradictorio as explicacOos que deu so-
bro esto objeeto. Dlsse primeiro quo o governo nem
adiantra, nom pagara um real, o depois disse : -
O corretor heqae comprou os ttulos, c adiantou
o dinheiro, j se sabe medanlo o seu juro.
Embora esto o mais o conde de Thomar contcslas-
sem a carta do Mr. Hughes; por negaQflo.dssessem
que fra Mr. Hughes quem Ibes oll'ereccii a sua
peona, c chamassem em seu apoio o costume, que ha
em Inglaterra, do assallariar escriptores, ludo isto
nflo destroo o facto da corrupcflo,quo ficou evidente-
mente provado.
Ncste negocio ha tres circumstancias que preci-
sainscr mciicoflidas. A concepcSoquo se leve cm
vista, para obter elogios; o em prego illegal d.os di-
nheiros pblicos ; o as ordons, em no me da rumba
para so praticar urna fraudo inaudita.
Na cmara dos deputados, tem-so feilo una abun-
dancia de requerinentos, pedindo dociimcnlos ao
governo sobre o estado do paiz antes o depois da re-
volucio do Minho, sobre diversas bccurronclss quo
tivera ni entilo luytr, o sobro otros nssuinplos.
Quem vir islo.suppor quo na cmara electiva vai ler
lugar urna discussflo lauto ou mais renhida do que
essa que tem havido na cmara alta : mas por ceilo
que nflo acontecer assim; porque, na cmara dos de-
putados, n opposicflo hequasi uulla e faltam all
as capacidades, que hojeadornam a cmara dos pa-
res.
Em una das sessocs passadas, o deputado .Silva Cabral
intcrpellou o governo sobre o estado das nossas relaede
externas, sobretodo com as poUncias interventoras.
Todos catavan persuadidos que o governo manifestaria
tudo o que fosse conveniente, sobre as notas que teem
bavido eutreo novo governo e o ingle*, acerca de exi-
gencias, etc. Mas nao aconteccu assim : a nica respos-
ta que o duque de Saldauha deu intcipellacao foi ler
a nota de 3 de Janeiro, naqual elle, om nomc do gover-
no porluguea, coinmuiiicou aoj representantes das po-
tencias nterveiHoras, que se liuham aberto as c6rtes, e
por conseguintc que o governo Juigava cumprido o pro-
tocollo ; porm, nem sequr levemente, alludio nota
que, em resposta a esta, Ibe dirigi sir H. Seymour, e
qu j se publicou nos jomars, declarando que o gover-
no inglez nao /epulava legal a cmara dos deputados,
em vista dos precedentes eicitoracs.
O que anda lie mais para admirar he que o deputado
interpellantc (irmao do conde de Thomar, e leu curnpli-
ce em tudo) liimi multo sallsfelto com a resposta do mi-
nistro ; e, fazendo alarde de independencia nacional,
pedio que fosse laucada ua acta a resposta do ministro e
a nota que elle lera, como inostra dessa independencia.
Kessa mesma sesso houvcrain outras nterpellaces
ans diversos ministros. Interpeilou-se o da fateuda so-
bre ocurso dos notas e formas de pagamentos. U Sr. ral-
ea o respoudcu que se oceupava seriamente deste as-
auinpto, e que brevemente apresentaria s cmaras me-
didas que esperava remediaran! esses males. Interriel-
louse o ministro do reino sobre o estado da segurauca
do paiz, e sobre o assasslnio do administrador do con-
celbo de Valladares, Sr. Oorjiio respondeu que nio
ibe conslavaque csse crime loase poltico, mas confes-
ou que o estado do paiz uo era satisfactorio. Disse que
os anarchislas faziam tentativas para perturbarem no-
vamentea ordem, mas que o governo eslava preparado
para a guerra, qur Interna, qur ixlirna ', oue mor-
rrrio o uu pollo, mas morrena com honra /
Finalmente o Sr. Xavier da Silva renovou a sua Inter-
ccrca do tystcma dcmlworlo, seguido eipeclalmente,
pelo ministro do reino. Indigitava-se para substituir o
Sr. Quelroz, aoaSrs. Sa Vargas, vlieondc da Granja .Bar-
reto Ferraz). ou Perelra dos Rei.
A desconliam-a dos cabralistas para com o duque uc
Saldauha contina, sobretodo desde que elle assistio a
um dos ltimos jamare, dados pelo ministro inglez
aos corifeos progressistas. O Estandarte prgame cor
fervor, chaina-lhc agora o lioinein Indispensavel, ede
prestimo, istoquelle iiiesmo a quem ha tres metes pu-
lida pels ras d'amargura. l)iz-se que o inarecnal Sal-
danha espera faier sabir para os seus destinos os seus
dous rivaeso duque da Terceira e o conde de Tliomar,
e ganhar ttrea, orgauisando os baulbde*' naciouaes a
seu modo, reforcando-se coin o regiment de tnfantaria
n. 10, nuechegounoitc passada, procedente de Colm-
bra; para depois dissolver a cmara dos deputados, met-
uio porque j nao carece della, visto que o governo se
acha autorlsado para lancar c cobrar imposlos. Ajun-
tain, comtudo, que oscaoralistaa semostraiii socegadts
eiiiofam dos plano, do manchal. Contam que nem o
duque daTerceira, nem o conde de Thomar salurao pa-
ra lora de Lisboa: contam mais com urna intriga pala-
ciana, que fa subir ao ministerio estes dou Indivi-
duo, seudo expulsos Saldauha e (uclrot.
O banco de Portugal procedru a eleicao dasuaaircc-
efio, e nao elegeu o Sr. Jos Bernardo da Silva Cabral,
nem para presidente nem para director. Este, despena-
do, apresentou, segundo se di/., um artigo no Eittndarlr,
como communicado, aecusando os principaes accionistas,
e sobretudo o Sr. Carlos Morato Roma, de se opprcm
rcalisacao do cnipreslimo que se tinha ido negociar a
Franca, para que, augmentando as diluculdade finan-
c'eiras, guerreassem mais a seu salvo o goveruo.
A Caria sabio logo a campo, desmentindo oeommum-
cado do fe'tandarl, e mostrando que as condices coin
que era proposlo o empicstiiiio erain inadmissiveis; por
consegulute este nao se reabsar, por einquanto.
Segundo as correspondencias do Mlnbo, reina a inaior
agtaco naquella provincia, por causa da oceupacao
militar, e medidas de rigor all adoptadas. Einquanto
ospovo vireininipi decretos bayoneta, exigir tribu-
tos pela forca, e seren clicfci de columnas movis as
autoridades administrativas, nao pdein considerar o
goveruo como protector mas sim como oppressor. En-
tretanto, os jornaes progressistas rccomiuendam aoi seus
correligionarios polticos que nao se movam, porque
oque ogoveruoquer.be tuii pretexto parapersegui-
"comalgumas rasoe tndestruclivcls. Suslentou que. os soe. Dourodizciaque a novidade de 1847
batalbes naclonaea cuslavam ao estado inals caros do B cA raM poueo
que a tropa de linha ; porque, se eram de empregados | { >1"- us
pblicos, os dias em que estavam de serv? militar, e ">
que o governo Ibes pagara, eram perdidos para os nc-
pellacao sobre a extinceo da conservatoria inglesa, di-
zendu que, se nao houvessc ma prompta decisao des-
te negocio, nao hesitarla em aecusar um ministro pou-
co zeloso da dignidade nacional. O ministro da jiutica
nio eslava presente, por isso nao houve resposta. Vere-
mos, quaudo comparecer, o que dir.
Discutiram-se ultiinainentc nesta cmara dous pro-
vectos sobre fatenda : un autorisando o governo para
lancar a declina e imposto*, e outro para cobrar os Im-
posto at estar discutido o or;amento. O governo pro-
niclleu nesta discussao apresentar com brevidade os or-
V.unentos, e oflereccr nclles oquadro verdadeiro do nos-
o estado fnanceiro, assim como algumas medidas, ten-
dentes a minorar, nessa parte, o uossos males. Dos o
inspire.
.Uiscutiram-se tambem as elciedes de Mocambiquc, e
lorain anuull.id is, como paireo llic aniiuncici em una
das miulias ultimas. O pretexto coin que a respectiva
commissao propoz essa annulla9ao, fui que seis dos elei-
tores nao tiiibain residencia certa. Debalde os deputa-
dos elei tos, chamados barra, todos os deputados da
opposicao, e muitos da maioria, combateram o parecer
da commissao, mostrando a impossiblidade de se faze-
reni em Mocambiquc eleices regulares, pelas dillicul-
dades que ollereceiii as jornadas dos cleitores, que lecni
aatravessar grandes distancias de serlao, habitado por
gento bravo ; assim como que todas as cleiedes anterio-
res apresentavam os meamos- vicios que a actual; oque,
tendo as cmaras passadas approvado aquellas, a actual
cmara devia, por coherencia, approvar esta eleicao,
einquanto se nao provinha de remedio, para evitar ir-
regularidades futuras i a maioria cabralina, que nao
quera expulsar dous dos seus membros, nao-obstante
existircm na cmara ha nove anuos, nao por terem sido
iceleitos, mas por estas e mitras contcmplaces, appro-
vou o parecer da commissao pela maioria de 22 votos, c
os novos deputados tiveram de sahir. Esta decisao be
considerada como una das maioret injuslicas, que o es-
pirito de partido tem comineltido.
Disculio-se igualmente o projecto que autonsa o go-
veruo a conservar, augmentar ou diminuir os batalbes
naciouaes. O governo, pedindo esta aulorisacao, Uta-
dou-e na economa ; pois, tendo esses batalbes, dim-
nue a frca ellcctiva do excrcito ;e serve-se deste, ou
daquelles simultneamente para acudir onde a desor-
den) se manifestar, e reslabelecer a ordem e a segurau-
ca n paiz. Entretanto, o deputado Avila, chefe da op-
posicao na cmara dos deputados, combateu o projecto
.*__ __ ^ a. L____^ll__a I A blIJll All All lilil AC
gocios pblicos se eram de artistas, lavradores ou in-
dustrlaes, lesavain no servico os eus inlcresscs, o seu
rciidmento diminua, e com essa diniinuico perdia o
estado. Que, alm disso, urna monarchia rcpresentali-
va com batalbes milicianos is ordens do ministro da
guerra, tornava-se n'uina uionarcbla absoluta, acaban
va-se a lei do censo, e com ella a liberdade da urna,
pois que era o ministro da guerra quein fazia as elci-
coes, enviando aos coronis de milicias as listas eleilo-
raes. A nada se attendcu : o projecto foi approvado.
A discussao da resposta ao throno anda nao comecoii
ua cmara electiva, nem coniecar, einquanto nao ter-
minar na cmara alta.
Palla-sc de urna nota dirigida pelo governo inglet ao
nOsso, exigindo a dissolucao da cmara dos deputados,.
por nao lerciii sido legaea as ele cues, e o cuinprimenlo
das demas condices do protocollo. D/.-tc que o gover-
uo portuguez responder a esta nota negativamente, e
que se prepara para resistir. Para isto teem lido'lugar
frequentes rcunica, no governo civil, de deputados da
maioria, e all se tem dado parle dessas exigencias, pe-
dindo o governo o apoio da maioria, e decidiudo-se re-
sistir por todos os modos, al pela forca !.....Parece que
o governo manifestara que et-rei se oppunha resis-
tencia Inglaterra, e que se clamou que Ibe tirassemo
cumulando em chefe ; mas o governo declarou que nao
se atreva a tanto. Todava, para a resistencia Ja so teem
adoptado varias medidas,"como por cxemplo, mandando
lorlilicar o Porlo, Vianna, Valenca c oulros da costa do
Minho ; assim como as costas do lgarve. Anda lia pou-
co se mandou retirar de lodos esses pontos a arlilharia
para Lisboa e Elvas, atiin de nao estar merc dos re-
voltosos, no caso de reventar nova iusuireico no pai* ;
agora lorna-se a mandar para all a arlilharia. Quem a
guardar, se o paiz se insurgir?
Assegura-se que se vao crear mai oilobatalbes na-
cionaes em Lisboa, e diversos outros as provincia*.
O barao de Ourcm (Lapa) foi nomeado comtnandautc do
I. regiment de arlilharia, c dii-se que deixa o gover-
no civil dq Lisboa, e que volla para all o marquez de
Frontelra. A todas estas manifestaceshoslls, devem-se
ajuntar as bravatas cmltidas pelo actdal ministro do
reino, nasduas cmaras, de q do para a guerra, que ha de morrer no ru potlo, ele.
Metler-sc-lia'aesta gente na cabeca resistir com a for-
ca Inglaterra, uo caso della querer sustentar as suas
exigencias? Se teem talideia, s pode ser contando com
o apoio estrangeiro, e este so Ibe pode vir da Hespanha,
ou da Franca. Mas a Hespanha uao far senao o que a
Franca quizer; e estar a Franja em estado de intentar
urna guerra contra a Inglaterra, para susleular os capri-
chos do governo portuguez? Poder a Franca, tomo a
repetir, iulentar una guerra cstraugeira, quando o seu
goveruo est sofl'rendo as cmaras una opposicao vo-
leutissiina, quando fra do parlamento as ideias de re-
forma vao tomando um carcter assustador, a ponto do
goveruo nao ler forja para reprimir esses banquetes refor-
mistas, onde se fazeui exaltadas manifestace, nao obs-
tante slygma que, na falla do llirono c as respectivas
resposlas, se lanjou sobre essas manifestaces? quando
na Suissa, sua viilnba, predomina o partido liberal exal-
tado? quaudo a Italia, cat a LomVarda, se aeba cm
cc-utlagracoo? qando, finalmente, o povo da Suissia e
de aples se acaba de sublevar em massa, arrancando
concessses ao re Fernando, como urna constiluicao
com duas cmaras, guarda uaconal c liberdade de im-
prensa? Uc preciso ser muito miope, para nao ver a
dillieuldades desse auxilio.
Por oulro lado, quando nicsnio a Inglaterra nada qui-
csse cinprehender contra o nosso continente curopcu,
bastava ameacar-nos com a oceupacao das nossas pos-
sesses ultramarinas, para pagamento da sua divida
Por isso estas fanlarrouadas minsleriaes e cabialuias
sao aqui ciliadas como urna miseria.
Tein-se espalbado, esles das, rumores de mudan ja
ministerial, diicndo-se que sabia o ministro da justija
Quelroz, que parece nao se achar em boa Intelligencia
cora os en collega, cxccpjao do duque de Saldanha,
Falla-sc de que aesquadra ingleta, que se acha no
Tejo, vai a sabir, caue s licar aqui a nao Hotoard.
Dit-se que a dita esquadra se vai reunir a outra que sa
acha no canal da Mancha, eque ambas cruzarao uc-
cessivaiucnte as costas de Franja, Hespanha e Portu-
gal. Fazeiu montar a forja das duas esquadras reunidas
ein 50 navios, entre naos, fragatas c vapores.
O estado da fazenda publica contina a ser pouco li-
songero. O goveruo, alm de reduzir os seus emprega-
dos a meios ordegados e a nieos toldos, nao paga, ines-
mo regularmente, esses 50 por cento, demaneraque
com o atraso em que J esto, os servidores do estado
nao vencem hoje mais do que 30 ou 40 por cento.
Segundo um artigo da Carta, jornal competente na
materia, a administrajao do conde de Thomar receben,
em lGmczes, do banco de Lisboa e dacoinpanhiacou-
lianja a enorme quantia de :821 contos de res.
SS. MU. e AA. visitarain. no da 11 do crtente, a fa-
brica do tabaco, eslabclecida no ext'uicto convenio de
Uabrcgas. Os augustos visitantes percorreram todo o
edificio, e licaram suiutiiaiiientc satsfeitos pelo aper-
feicoamciito a que se acha erevada a fabrica, o que he
devdo aos esforjos dos acluaes coutratadores, e do m-
lelligenle director da inesnia. o Sr. Cambiano. fcl-re
e os principes fizeram alguns detenbos que, sendo litbo-
grapbadoi.na llthograpbia do estabeleclmento, licaram
para memoria da regia visita. SS. MM. mandaram dis-
tribuir vinte inodas pelos operarios mais necessi-
Na noitc do da 14 Wve logar, no palacio da marquty.a
d'Abrantis, um baile a favor dos amnistiados cmEvu-
ramonte. Esleve biilhaiiiissiino c multo coucorrido, rei-
nando a inaior cordialidade, apezar de se acharem reu-
nidos all individuos de todos os partidos polticos; po-
rm fin lodos dominava a ideia do acto de beneficencia
quepraticavaui a favor de victimas das nossas dissen-
ccs polticas, cujos soiVrlmcnlqs teem sido longos e cn-
iobrcdos por todas as virtudes do infortunio. O pro-
ducto do baile ha de ser distribuido -por unuvcommis-
sao, composla dos membros mais conspicuo do partido
realista.
A ABDICADO DE LUIZ PHILH'PE.
Luiz Filippe ataba de abddar a cora. Assaz ca-
racleisada pelos successos que a precederam, esta
abdicaeflo encerra gravissmos coronarios, o produ-
zir resultados da maisalta transcendencia.
O abuso monstruoso da poltica pessoal que con-
sagra a accumilaciio das funeges do reinado com as
do goveruo, recebeu o ultimo golpe. O principio da
resistencia legal sabio viclorioso do urna grande lu-
la. Eo dogma da soberana nacional, pelo qual so
lem ora erguido ora huinilhado Untas coras, tevo
urna nova saiiccSo. A Fratica era um feudo eleitoral
quedesrruclavam unas poucas do familias, e som-
bra d'clle viviain urna grande paite dos vicios e cor-
rupces quesflo proprios dos governos absolutos. A
opposicflo quera destruir este systema intoleravel,
alarganJo a arena eleitoral. Para esse Um promova
ajuntumonlos numerosos, o convidavao paiz a ae-
dilar sobre a su? situaeflo. O poder embargou-lhu
esto recurso. Dahi nasceu a resistencia, e da resis-
tencia nasceram acontecmeutos, que vio alterar
profundamente a poltica europea. Justo dcsl'orco do
um povo, que obrou tantas cousas grandes, dolou o
mundo do tantas deas fecundas, povoou a Europa do
coustiluices o governos representativos, e prodigo
de liberdade com os cslraulios, era iudigeulod'ella.
ua sua Ierra propria 1
As consequencias da abdicaeflo do Luiz Philippeex-
traordinarias para a Franca, serflo mmonsas para a
Europa. A Francia, pela sua grandeza, pela sua situa-
c,ao geographica, pela sua civilisacQo o commercio.
*
MUTILADO


^^



pela sna lingoa, fallada ou entendida em (oda a par-
to, exerce urna grande fluencia moral sobre os ou-
tros povos. Os s-1 livros completam a educaglo
constitucin il, Iliteraria e scientifica dos calados se-
cundarios ; e o contagio .los scus exomplos anda lie
maior que o dos seus escriptos.
Su a revnlugflo de 1830, aperar de Iho cortarem os
vitos, infllo tanto para que vingassc em Inglater-
ra a reforma parlamentar, disputada havia longos
minos, o para queem Portugal e llespanlia renasces-
sc a liberdade das suas ciuzas, quo era agora que
a experiencia, os desengaos, o os aggrnvos, enthe-
sourados durante 18 anuos, liflo de forzosamente
obrigar a uroa emenda profunda e a urna solemne
roparagflo?
Ja, romludo, urna grando parte da Italia possue ins
tituigoes liberaos. Ja :i Stiissa substituid a sin oli-
garchia territorial o imperio dos principios democr-
ticos. J a Dinamarca goza qs foros de nagflo livre.
Mesmo naquclla parte da Alemanha, onde prevale-
cen! as cloutrinas do poder Ilimitado e da obdiencia
passva.j seouve o trovflo subierraneo quo precede
asrevolugOesnacjonacs. Mas a Polonia, a Cracovia,
a Italia austriaca, a Austria e outros estados aindn
silo escravos, e esporam um libertador. A Franca
tom mu tos milhOes de homens que remir.
Saudmos, vai nm 18 annos, a acclamago de l.uiz | dado dar em suas paginas luga~r a estas linhas, que
rhilippe, o a realeza de julhn. Hojo saudmos a sua | leem por objecto reinleirar o respeitavel publico
queda. F, os nossos principios nilo mudaram En-
tilo viclorinvamos o grande triumplio, quo alcancava
n liberdade do inundo, o affagavamos a osperanga do
recobrara pairlt que perderemos. Agora applaudi-
mos a abdicaco de um monurcha,infiel aos scus jura-
mentos o ingrato nagflo que o levnnlou nos escudos
populares, c Ihc oflerccuu um Ihrono, conquistado
COI!) o SOtl san;.'lie.
Neslo seoulo, em quo a monarchia nilo he consi-
derada urna religilo, mas urna instiluigo ; em quo
todos sabem quo os povos precederm aos reis, e
quo M nnefles nflo silo patrimonio de meia duzia do
familias privilegiadas; estes castigos que a Provi-
dencia manda aos poderosos sao advertencias sa-
llarcs.
Possam ellas nilo ser esquecidas.
(/fivMf'o de Setembro.)
PERNAWIBJC
RKNPIMENTO DA MESA DA RECEBEOORIA DE REN-
DAS f.ERAES, DO MEZ DE MARCO PRXIMO
FINDO.
A SADEA :
Foros de terrenos de marinlia...... 17,620
Laudcmios............... 227,500
Sizadosbensdoraiz.......... 1:812,700
Segunda dcima do mflo-morta ". 1:370,097
Direitos novse velhos......... 268,194
Ditosdc chancellara.......... 7,290
Dizima da mesnia........... 15,583
Matriculas do curso jurdico........ 9:113,600
Sello lixp f............ 1:307,730
Dito porporcional............... 2:030,420
Premios dos depsitos pblicos..... 24,296
Imposto sobro casas de modas, roupas, &c. 200,000
Licenca dos despachantes da alfandega. 12,500
Emolumentos do certdos....... 320
Cartas do hachareis.......... 4,000
Imposto de lojas abortas........ 1:036,800
Dito de barcos do interior....... 4,800
Taxas de cscravos........... 644,000
Rs.....18:266,450
Recebedoria, 1. de abril do 1848.
No impedimento do cscrivflo, o 1." escripturario,
Viinoel Antonio SimOes do Amoral.
cumstancia no se podia elle soccorror para preju-
dicar a interessos de legtimos hordeiros ; quanto
mais que semelhante pretencilo he intolcravel ab-
surdo ; porque, sendo sua sogra casada, o assaz vir-
tuosa, e lendo aseuhora do Sr. Toledo, cortamente
no curso de su consorcio, claro est que nSo pJe
ser neta de minha mfli, que nSo tein outros senflo
os nieus fillins, todos anda menores. A'vista disto,
pois, conlenha-se o Sr. Toledo nos termos qu acon-
selliam o justo eo honesto, no queira promovercon-
leslacOes que pilem por em duvida osseus nobres
sentiaienloso a olovaeflo do seu carcter; nilo fomen-
te discordias e desgoslos entre urna virtuosa mili e
seu nico filho ; seje satisfeita a sua ambigflo pelos
actos de beneficencia queja tcm recobidu ; recorde-
se que para quem s possuia o dia e a noile, os bens
que receben da pessoa que o tein protegido sao suf-
(icientes para principiar os seus nogocios materiaes;
trabalhe se quizer. ver augmentar o seu peculio
trahalbo nunca deslustrou a ninguem : Dos aben-
t, i us esfoi gos lcitos do homein que quer vivor
honestamente, e langa sua maldigo sobre aquellos
qu quercm vivor a cusa da intriga o desunirlo das
familias.
Sra. Redactores, nflo he possivel ser desta voz tilo
lacnico como da primeira:rogo-lhes tenham a bon-
o meu protesto, pelo que mu i grato Ibes sera o
Seu atlencioso venerador,
Joo Florentino Cavalcantc dt Albuquerque.
i
COMMEHCi.
Alfandega
RKNDIMENTO DO DIA 3 .......... .
Descarrega hoje, 4 de abril.
Galera Stvord-Ftih taixai, ferro e lian leas.
Barca 7V/o mcrcadorias.
980,662
(?
lllaflIO lili l'KHAlBliCO.
j^sjaa 3 dh aajiJU 'j)a asas
Acha-se em perigo do vida o Sr. Manoel Eugenio
do Patrocinio, que, pelas 2 horas da madrugada de
:i iln correte, recohra urna punhalada no peito cs-
querdo, dada por um mendigo, a quem olla fura
accommodar em occasiio em quesodispunha a Ira-
varbriga com nutro, no largo do Collegio. Iii/ein-
nosqueo referido mendigo fura capturado pela po-
lica, e recolhido prisiio
Correspondencia.
Sra. Redactores.Nem sempre as nossas sinceras e
maissmplesexprossOessflo lomadas em son genuino
sentido. I'arece-mo que o meu aviso ao publico, in-
serto em seu Diario n. 42 nada tem de positivo a
pessoa alguma; pois que sem referencia nin-
guem stive por fim prevenir qualqucr fraude que'
me pudesse prejudicar : eu nelle disso que minha
mfli, por mera simplicidade, havia firmado alguns
papis em branco, oremettido-osao Sr. Monoel Das
de Toledo, para eflccluar certas vendas, o que, como
o extravio de scmclhanles papis poderia dar lugar
a abusos, proteslava contra os contratos que podes-
sem apparecer sb aquella firma ; pelo que eslou
milito persuadido que nm nada tenho offemlido no
decoro que devo a minha mili, a quem muilo res-
peito, a bem do cujos interesses me prnpnuho, o
ncni mesmo ao Sr. Toledo, a cujas suggeslOcs se at-
tribue com rasflo a correspondencia em resposta ao
meu annuncio, abusando naturalmente da boa fe
de quem a lirinou. Disse eu porventura que esse Sr.
era incapaz do conociloque minha mili del le fazia P
Nao, por certo; c porque tanto o imcommodam as
prevencOes que lomo ? Tal vez que nao ache a pro-
posito clizer-lho que quem se queima alhos como.
Perintla-me o Sr. Toledo que lhe diga que seja
mais comedido em suaspretencOes, que Icnha rnais
respeilo aos principios do juslica e equidade, e que,
nilo tendo direito alguin a puuca foituna de minha
niSi, que tem um filho com numerosa familia, lle-
ve conionlar-se com o que dola tem recebido. Pois
acha pouco os seto escravos, os qualrocentos mil
ris para urna eserava cozinheira, as cen cabegas de
gado de criar, o lolo de beslas o torras om Cariry,
a prala o ouro levrado que em casa havia ? o isso
sem que se tiVesso procedido parlilha legal dus pon-
eos bens do casal ? Quem tem culpa de quo csses
meios do vida que a extrema e pura bondade lhe
minislrou aehajam talvez evaporado como o fumo !
Anda mesmo quo a senliora do Sr. Toledo podosso
Muer-so neta de minha mDi, comtudu de lal cir-
Iitll'UTACAO'.
Sirord-Fih, galera inglcza, vinda de Liverpool, entrada
no corrate mea, consignada a Me. Calmont & Comp-
nliia, inanifestou o seguintc :
1 patole bonetei; a 1. D. Wolphopp & Coinpanhia.
I caixa fazenda de moda, 1 dita ferragens; a M. I.
Mawson.
29 fardos fazendas de algodo, 3 calzas meias de dito;
a Fox Brothers.
II caixas fazenda de algodo; all. Royle.
3 vnlunies 1 carrinho deduas rodas, 1 caixa arreios,
1 dita urna cmara obscura; a W. Raymund Jnior.
11 caixasAseada jellaho, i ditas lencos, 813 vulu-
inrs fundos, aduchas c arcos, 52 laixas de ferro, 9fardos
fazenda de linho, 04 caixas dita de algodao, 1 barril
manteiga, 1 caixa cha, 1 dita camisas e meias de algo-
dao, 2 v..Iiiiiics ealungas, I dito fazenda de moda, 1 ein-
lii-iiliio materiaes paraescrever; a Me. Calmont & Coin-
panhia.
1 barrica louca; a N. O. Bieberfc Coinpanhia.
2 fardos papel, 1 barril tonca, 3 barricas ferragens,
3caixas ditas; a F. Robiiiiard.-
1 barril vilibo, 1 dito agoardente de Franca, -ibarris
conservas, 1 dito sal, 1 dito mostarda, 2 caixas queijos,
56 prezuntos, 1 cesto escovas, 1 volume cabos, 6 cestos
batatas; a R. Grecn.
5 caixas fazenda de linho ; a Jones Patn.
25 ii.niis ferragens; a llrender a Brandis & Coinpa-
nhia.
1 fardo balita, 21 ditos fazenda de algodao, 14 caixas
dita de dito, 2 barr* manteiga, 2 caixas queijos, 2 barr s
ferragens; G. Kcneworlliy &Companhla.
50 gigos louca, 1 caixa fazenda de linho; a Johnstou
Pater & Companiia.
3 fardos fazenda de laa ; a Russell Mallors t Chompa
nhia.
4b fardos fazenda de algodao, 8 caixas dita de dito, l
dita dita de moda, 13 ditas lio de dito, 2 ditas miudezas ;
a II. Gibson.
14 caixas fazenda de algodao, 25barrilinhossalitre;
a Adamson Howie & Coinpanhia.
62 fardos fazenda de algodao, 36 caixas dita de dito, 1
ditafatos; a Deane Youle& Coinpanhia.
1 cmbrulho materiaes para escrever; a James Ryder
& Coinpanhia.
100 barris manteiga; a I. Cockshoth Se Coinpanhia.
43 arrobas, 24 libras ferro em arcos, 1 tonelada 43 ar-
robas e 11 libras folhas de ferro; a Tcixeira & An-
dl.lilr. *
1 caixa ferragens; a J. P. Adour & Coinpanhia.
32 barrilinhos, 12 barricas, 7 caixas c3 barris drogas;
aV Hravo.
4 barris ferragens; a C. Cox.
7 fardos fazenda de algodao, I caixa materiaes para
escrever; J.J. Montelro.
1 caixa ignora-se, 12 ditas'fazenda de algodao, 1 dita
dita de moda; a J. Crabtrect Coinpanhia.
5 caixas chales de algodao, 15 fardos dita de dito, 1
caixa conservas, 1 dita segeiria ; a Latham S Uibert.
1 caixa ferragens, 3 pacotes aro, 19 fardos fazenda de
algodao, 60 toneladas de carvo de pedia; aRidguay
JamcUon & Coinpanhia.
1 barrica cevadinha ; a R. Arbuckle.
CONSULADO GEKAI,.
RENDIMFNTO DO DIA 3.
(eral.........................3:007,997
Diversas provincias............... 51,630
3:059,627
CONSULADO PROVINCIAL.
HENDIMEMTO DO'DIA 3...........1:601,486
illovimciio do Porto.
A'atio entrado no da 3.
Bone ; 58 dias, barca sueca Siveo, de 295 toneladas, ca-
pitao Scte Wcrterbcrg, equipagem 12, em lastro ; ao
capitn.
Navio tahidoi no mesmo dia.
Rio-de-Janelro ; patacho brasileiro Flor-de-Maria, capi-
tao Joaquim t.'ardos\ carga assucar e ago'ardente.
Passageiros, o desembargador Joaquim Teixeira Per-
xoto de Muco e Lima com sua familia emu escravo
, a entregar.
Porto ; galera portugueza Tenladora, capito Koiigdio Jo-
s de Ollveira, carga assncar e mais gneros. Passa-
geiros, Vicente Alves de Souza Carvallio com sua fa-
milia, Antonio Jos de Souza, Scbasiifto Jos da Costa,
Jos Percira Teixeira com um criado, MlguOF'Ferrei-
ra, Duartc Vellozo, padre Jos Joaquim lestelra, pa-
dre Antonio Gon^alves Lopes, padre Francisco Perci-
ra Ferrelra da Sil". Antonio Teixeira Bacelar, Ante
nio Goncalves da Silva. Joao Das Morelra, Fran.. isco
Jos Fereira GuimarSes. Placido dos Sanios Maga-
lhf.es,, Jos da Silva Guimaraes, Jos Pires Ribetio
com dous filhos menores. Manuel l.uiz Ferrelra, Jos
Moteira de Souza, S. Donoaldson, Ingle .
Gibraltar ; polaca sarda carga assucar. .
Liverpool; barca Ingleza Crinor, capitao II. Satt, car-
ga assucar c algodao. _
Antuerpia ; brigue inglez FalKer-Malhews, capitao Geor-
ge Le Macquaud, carga assucar.
Observaco.
Fundeou no Lameirao abarca inglea Cum&Wana,
capitao James Ai ilicu.
ieclarayoes.
Oarsonal do guerra precisa de contratar o for-
necimeuto de carne verde de boa qUalidade no es-
paco de tros mezes, para o sustento dus aprendi-
zcs menores : quem dito fornocimento quizer con-
tratar poder comparecer na sala da directora do
mesmo arsenal, no dia 6 do corrento mez, ao melo-
da, munido de sua proposta, com sou ultimo pre-
go, em carta fechada,allin do, a vista dos concurren-
tes serem abertas as propostas e se fazerem os
convenientes ajustes. Arsenal de guerra, 3 de abril
de 1848 Joo Ricardo da Silva amanuense.
Avisos martimos.
0 brigue portuguez Oliveira pretende sahir
impreterivelmento para n ilha de S. -Miguel, no dia
9 de abril: anda pode receher alguma Carga miuda :
quem pretender carregar, entuma-so na ra do Vi-
gario, n. 8, ou com o capitto na praga do Commer-
cio.
Para Lisboa sahe, com a maior brevidado pos-
sivel, a barca portugueza Teo, capilAo Silverio Ma-
noel dos Reis por ter seu carregamento prompto :
quom no mesmo quizer carregar, ou ir de passa-
gem parto que tem escolenles com modos, dri-
ja-se ao referido capilo, ou aos consignatarios ,
Oliveira Irmflos & Compendia na ra da Cruz, n. 9.
~ Compra-se urna barcada do 16 a 20 caixas, que
seja nova e bem consliuida : na ra larga do Roza-
lio, n. 39.
Le loes.
OIII mi. Sr. desembargador Joaquim Teixeira Pei-
xolo d'Abroo Lima, tendo de retirar-se em breve pa-
ra acorte do Rio-do-Janoiro, far leilflo, por inler-
VCnjSo.do corretor Ovcira, do mobia da su ca-
sa, consislindo em um esplendido piano, jardinci-
ros, solas, marquezas, consolos, cadeiras de salas
o de balango, bancas de jogo, toucadores, mesa de
costura, conimodas, mesa do jantar clstica, arma-
rios, camas, lavatorios, apparelhos do porcellana
branca para mesa, caixa de chalilo com lisas para
voltaieto, o seu carro do quatro rodas ( sem airciosj
para seis pessoss, uflsiiius do cozinha, e muit
outros objectos uteis e nocessarios ; assim como de
varias obras de ouro, algumas de brilbanles, pero-
las e pratas : quinla-feira, 6 do corrcnle, s 10 horas
da inanbiia, ra do Aterro-da-Ra-Vista, n. 45, se-
gundo e tercoiro andares.
Schafheitlin & Tobler farflo leilflo, por inter-
vengflo do corretor Oliveiaa de um lindo sorlimon-
to do fazendas novas, todas proprias do mercado e
Ja presente estagflo : hojo, quatro docorronte, as
10 horas da mandila no seu armazein da ra da
Cruz. .
Avisos diversos.
AO PUBLICO.
(ihuRou o segundo volume que completa a obra 71
CONSELHE1RO FIEL DO l'OVO ou collecgSo de for-
mulas para qualquer pessoa saber irgular-so em
scus negocios; conheccr seus direitos o deveres ci-
vis ; proceder em todose quaesquer contratos; fazer
quaesquor escriptos particulares, apontamentos ,
memoriase minutas; o terminar Qualquer contcs-
tagflo sem que lhe seja preciso recorrer a advoca-
do, tahelliSo, ouofllcial publico : obra utilssima a
todos, colligida o organisada dos principios de di-
reito patrio, e estranho subsidiario : 1848. Vcnde-se
na liviana da esquina do Cnllegio.
Precsa-se alugar um sobrado de um andar, ou
1.'andar para pequea familia, as ras larga do
Itozario, (JueimuHo, Collegio, Cadeia.Cahug, Mova
e Livramenlu : quem livor dirija-se a praga da In-
dependencia, liviana ns. 6 o8, que so indicar o
prelendente.
OSr. morador em Olinda, que mandn fazer li-
ma casaca prela na ra Nova, ha mais de 8 mozos, o
anda nSo a mandou buscar, queira vir buscar dita
casaca, o pagar o feitio no prazo de 3 dias; do con-
trario, saliia seu iioiiie porexlengo nesla follia.
O autor do annuncio do Diario-Novo n. 60,
quechamiTemotheo Pinto Leal aloja do Passeio-
l'ublco, n. 11, sondo que tenha negocios com elle ,
dirija-se a ra do Vigario, n. 12.
Perdeu- so, desde a praga da Uoa-Vista at o Hos-
picio, uii veo preto dentro de um longo de cambraia
com renda da trra pela liona: quomochou o qui-
zer restiluir, levo ao corrcio, quo sera bem recom-
pensado.
Delllno Goncalves l'eroira Lima declara que seu
sobi iiilio menor. Jos Congalvcs Pereira Lima, reti-
ra-so para Londres.
No dia 11 do correnle mez, va praga, por ven-
da, a parle de um silio com casa earvoredos de fruc-
io, silo na ra doMondegO, cuja arromalagflo lera
lugar na sala das audiencias, o he pelo juizo do ci-
vel, as horas do cuslume.
Constando aos hordeiros do Sr. Joaquim Gon-
calves Bastos, que esl pretende vender urna mulali-
nha Anastacia, a qual portonce ao casal do mesmo,
emboca s diga pertenec- irmfla do mesmo, lia
dos hordeiros qu esto lirmam ; avisa-so ao publi-
co que tal venda lio nulla, e que ello nilo podo alli-
enar bens alguns; o protesU-se reivendica-la do-po-
dr de qualquer 11 lega I comprador o quaesquer ou-
tros bens que se venderem sem serem ouvidos os
herdeiros.
Aluga-se urna casa com sotflo, e com quintal
grande, com bastante planiagao, na ra da Suleda-
de, ii. 42, por 200,000 rs. animaos: a tratar na ra do
Queimado, n. 20.
Quem precisar d'uma ama parda, forra, que
tem muilo bom leile, dirija-se casa da esquina
do becco do l'eisoto.
* Fugio do engenho Novo do Cabo, no l.o j0 COr_
rento, o mulato Monoel, quo servia de pagem do
baixoassignado, e ccinssignacssiloos seguintes: mu"
lato claro, de estatura median*, algum lano gross
do corpo, cabellos hem prelos oannclladns.gui^
circulando o queixo, pouca barba; foi montadoern
um cavallorusso capado, sellado o onrfeiado. Quom
o pegor c o levar ao dilo engenho, ou no Atlerrc-dg.
Roa-Vista em casa do abaixo assignado, ser muilo
bem roconi pensado.
Francisco Jto da Cotia
No dia 2 do corronle, pelas 9 horas da noite
fugio do sitio de Paulino Augusto da Silva Freir'
no A i raa I, um cao galgo, decrpreta, compeqUe!
nos signaos, branco ao p das turnas o ros poitos
bastante grande, a sujo d'alcatrlo em alguma par-
tes do corpo : q uein o pegar, ou d'elle Souber. ja -se ao referido sitio, ou, nesla cidado, em casa u>
Charles Hardin, com loja de ourives na ra Nova-
que, alm dse pagar, se Iha finara obrigado .
Atteii$ao.
Ensina-se a arte de tachigrafehia, om 20 lices o
recebem-so em gcaiificagilo, palo ensino, 25,000 rs.
pagos andiantadanicnte.
As licoes comegam no dia lodo corrente mez, e
linda m no dia 6 do futuro mez de. maio ; e terlo lu-
gar lodos os dias nilo santificados, s 9 horas da nji-
uliila. As pessoas que quizerem aprender a arlo, hio
de inscrever-se desde o dia do hojo (4) ate ao dia 8 in-
clusive, na ra Formosa n. 2, aondetambem lerao
lugar as ligOes.
N. II. Sehouver maior numero cloqueo deii
alummos, quo na cidado de Olinda queiram apren-
der a mencionada arte, no*so duvida ir alli disimi-
la, ao mesmo lempo ; poroi om horas differeiitos.
O Sr. F. C. S. T. queira entregar, quanto antesj
pessoa que dilo Sr. bcmconhecc, os 150,000 rs.,
parte de maior quanlia de quo he devedor, a qual
j a devia tor pago-; alias ver o seu nome publica-
do por extenso, eo publicosaber a meneira garan-
to e delicada por que foi contrahida esta divida.
O qw i no pode esperar.
Quem precisar de-urna parda para ama de casa
do homem solteiro ou de pouca familia dirija-so
a travessa do Sarapatel, n. 7.
Joao Ferreira da Silva, doutor, em medicina
tendo recebido, pelo ultimo vapor, um mago de pe-
ridicos do Rio-de-Jnneiro e urna carta que os
acompanhava, pela loitura desta, vco ao cunheci-
mento que Ihos nao pertenciam : e por isso roga a
quem ti ver gual nome, o favor do os procurar na ra
Direita.n. 36.
A professoca substitua das cadeiras de primei-
ras letlras desta cidade cnsina particularmente em
sua casa e recebo pensionistas; assim como in-
cumbe-so de preparar qualquer qualidado de cos-
turas : na ra Diieita, n. 64 segundo andar.
I --Precisa-se lie um cauviu para venn, que soja
i capaz de a lomar por balango dando fiador a sua
. conducta : quem esliver neslas circurostanciss :i-
nuncio.
~ Vicenlo Jacintho de Souza relra-se para fura
do imperio.
Deseja-se fallar com o Sr. Francisco Antonio
do Sonza e Azevedoa negocio do seu interesse : na
ra da Cruz, n. 9 /casa de Oliveira Irmos & Com-
panhia.
Precisa-sede um Portuguez quo entonela do
tratamento de flores e arvores, para um engenho
distante daqui 8 legoas : apresentabdo atlestado
de sua boa conclua, poder se dirigir ao sitio di
cscala, na Soledado.
Precisa-so do urna ama de leite, que seja
desempedida, para tomar conta do urna criagSo in-
teira o quo tenha hoin o bstanlo leit novo : ua
ra das cruzes, n. 22, segundo andar.
Precisa-se do um mcujm) de 10 a 12 annos,
dos prximos chegados, par caixeiro : no pateo
do Hospital do Paraizo, n. 4.
D. Anna Procopia da Cruz Munz, viuva de
Jos Mara de Jess Muniz, vai proceder a inventario
do seu casal, por o juizo dos orphflos desta cidade;
por isso, convida aos credores do mesmo casal pi-
ra, no dito juizo, se habiliUirem, afim de se allon-
decem suas dividas e se Ibes dar pagamento'.
Da rampa da serrara do Joao da Motta Bol-
Iho, na ra da Praia, n. 47, dcsappareceu, na ma-
drugada do ).sde abril, um pranchflo de amarello :
quem do mesmo der noticia, ser generosamente
recompensado.
Precisa-se alugar urna casado um andar que
seja fresca, com quintal, no bairro de Santo-Anto-
nio, ou no do Ua-Vista : tiala-se com. o Burgos,
no sitio da cascata, ou participa-se as lojas dos |
Srs Viconle Cardozo Ayres, ra da Cadcia do Re-
cife, o Gabriel Gougalves Lomba, na esquina d/i-
ra do Livramento.
Na Boa-Vista, ra da Matriz n. 60, copi-se |
todo genero do escripiuragflo, liram-so passaportes
o coi rem-so folhas : ludo com ossciu prestesa e
commodidade.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra
da Senzalla-Volha, n.70 : a tratar no primeiro an-
dar do mesmo sobrado.
Alugam-so duas prctinhas escravas, bom edu-
cadas quecosem o fazem todo o mais servgo de
urna casa do familia menos o sahir a ra; as quaes
teein 14 a 15 annos : na praga da Boa-Vista, n. 32,
segundo andar.
1010*10 *\0 *\C *10 *\0 l#I#ttl9
i Houard, horticultor de
Lyoii,
tem a honra de participar ao respeitavel
publico, e principalmente aos amantes das
bellas flores, que lenciona demorar-so nesla
praga smenle at o fim do mez: por conse-
gu uto, convida o mesmo Rouard as pessOas
que quizerem aoroveitar-se da occasiio, a se
ilrigirem no Aterro-da-Ba-Vista, onde o a-
charflo vondondo as mesmas flores e semcnles
por lodo o prego.
>*?i%2To t9i% e>\% *i% em e><* tfm e>\%0fr
Dentista.
D.W. Baynon, cirurgio dentista dos Estados-Unidos
da Amrica do Nurle, recenteniente chegado a esl
cidade, participa ao respeitavel publico a aos seos
amigos que lenciona seguir, desta cidado para os
portos sul em breve lempo : assim iog ai
pessoas quo so quizerem utiIisar do seu presumo,
dirijam-sc a ra da Cruz, n. 40, segundo andqr.
Precisa-se de um rapaz du 14 a 15 annos, com
pratica de negotjio, ou sem olla, para ser caixeiro
em Nazarclh : na ra larga do Rozario, n. 39.
V.




3*
Alexandre Jos Gomes, negociante da cidado
de Lisboa, tenilo lido contas provenientes do transac-
cOes de comnrercio cotn seu QIIiq Jos Antonio Go-
mes Jnior, negociante om l'emambuco, rosultou
d'ellas ficar este a dever aquelle, pouco maispu me-
nos, desdo oanno anno, a quanlia decincoenla conloa de risem mo-
da do Brail; o nflo lendo podido aquelle credor
concluir amigavelmonlo o ajustamento do aoaa con-
tas por meio de pcYitos, porque a ludo se negou o
dito Comea Jnior, fez cesso desse crdito ao a-
baixo assignado, para cumprir obrigagOes, pelo cre-
dor contrarilas ; o por isso tem o mesmo demanda-
do ao sobredito devedor, para pajjar a referida quan-
tia : o porquanlo consta que se est procedendo a
inventario, tanto dos bensdo fallecido soero do dito
<0mi> Jnior, cfimo dos bens dnste.por failecimenlo
do sua muther 0. Maria Casimira de Sanl'Anna, e
possa iconteeor qne-alguem ignorando compre bens
do casal do referido Jos Antonio Gomes Jnior, em
prejuizo lo crdito cima referido, e d'pntro credita
mais na importancia de seis contos de ria, de conta
do abaixo assignado, e a que est responsavel o mes-
mo casal ; desde ja so previno a lodos aquellos a
quem interessar possn, que" ninguem faca algum
contrato com o referido devodor acerca dos bens
do scu casal, ou que a elle vierem por titulo do he-
ranga ou outro qualquor, porque os meamos estilo
subieitos ao pagamento Jos referidos dbitos.
Feliciano Jos Gome.
Jacinlha Maria da ConceicSo previne que nin-
guem faca negocio, ou qualquer transaego com
seu marido Paulo da Costa Miguois, a respoito da
escruva Maria Benedicta, do Angola, do estatura bai-
xa.de inanera que.nao representa a idade que tom,
do mais de vlnto annos, e que, por ordem da polica,
foi tirada hbnlem, 30 do marco, da casa daannunc-
anlo {'porque est reclamando o seu direito em juizo,
e certamonto a polica nfo tem competencia para se
ingerir ern queslOes ciyeis. Ksomclhanteinenle pre-
fino a reapeito d'outros quaesquer bens.
"'. abaixo assignado participa a lodos
os seus devedores, que tem constituido
por seu bastante procurador ao Sr. Joa-
qun* Candido da Crui Siqueira, para co-
brar suas dividas nesta praca e fra el-
la. IVecife, 31 de marco de i848. -
francisco Joaquim Duarte.
O abaixo assignado, professor substituto de phi-
lo.iophia e geometra no collego das arles d'Olinda, e
ah residente, na casa em que morou o capullo Pas-
sos, recebe anda aboletados sb sua diroceflo ; para I
o que pde-so tratar co:n ello em Olinda, e com seu
irmse, Miguel Arehanjo da Silva Costa, no Recife,
collego Santo Antonio.
Joo fcente da Silva Coila-,
Mr.-Caimoni & C. avisam aoa srs.u eueuiuo
seus agentes, quocontinuam a ter um completo sor-
timeirto de moeodas, taixas de ierro batido e coado,
de todas as dimcnsOes o varios modelos. Temos
principalmente a recommendar.a nossos freguezes
a boa eonslrucgao, tanto na sogui anga como no per-
feto acabamento de todos estos otjeclos, pois silo
feitos de ierra da mais superior qualdade, do modo
quo rivalisam como mais lino que lia nesie genero.
Tambem sevendem todos os utensilios necessanos
e indispensaveis nos fabricos flo assucar, a saber :
formas de ferro, espumadeiras, canecos, ropart-
deiras, etc.- etc., eito doflietal branco muilo du-
radouro, e por prego muito mais commodo do que o
desses que se usaram de cobro. Os pretendenlos dl-
rijam-se ao armzom da ra de Apollo, n. 6,ouao es-
criptorio, na praga do Corpo-Sanlo, n. 11.
-- Manoel de Almeida l.opcs roga ao autor do an-
nuncio, a reapeto de una cscrava do Sr. Manoel Xa-
vier Carnero de AJbuquerque, quo baja declarar
se s emende compile.
Olinlureiroque morou na ra das Agoas-ver-
des, mudou a sua residencia para o fun da ra de
Santa-TUoreza, travessa do l'ocinbo ondo esta
prompto pura lingir todas as qualidades do fazendas
de lia e seda, los de todas as qualidades, chapeos
doChili para se ror preto, porpieco commodo: na
casa n.7.
Agencia depassaporles.
NiruadoCollegio, n. 10, o no Aierro-da-Boa-
Vista, n. 48, continuam-se a tirar passaportes tan-
to para dentro, como para fra do imperio; assim
como despcham -se escravos: tudo com brevidae.
lU-traos do daguerrcotypo.
O abaixo assignado avisa as pessoas quo-oncom-
mendaram nedallias, queseaba do recebor um bel-
lo sortimento das mesmas ; como tenciona demo-
rar-so por uns poucos de dias mais nesta cidado,
scianlilica a aquellas que inda precisaren! dos seus
servcos, a aprovllarem o lempo com toda a brcvi-
dado possivel. *.,.'".
Carlos D. Irednck:
--OsSrs. doutores Miguel Ar-
ehanjo da SilvaCostaeJoSo Vicente da Silva Cosj>
queiram dirigir-so a ra do Crespo, n. 9.
Alegam-so os segundo e terceiro andares do so-
brado da ra da Lana, n. 13 por barato prego : o
terceiro andar tom sotao donde so avista o mar.e que
ho inuito fresco : a vista do prctendentc so far todo
o negocio : na pVaca da Boa-Nista, n. 7.
-Antonio Tires Ferrcira o oulros vondem por
preoorasoavol, as liarles quelites locarm na casa
da ra do Pires, onde morou o seu fallecido pai,
Gervasio Pires Ferreira : a tratar na ra da Aurora,
"82 .
--Roga-scao autor do annuncio a respeito da
escrava que perlenco ao Sr. Manoel Xavier Carne-
ro doAlbuquerque.que haja do ter a bondade de de-
clarar seo fica que foi passado, se entende com
BelaroiinoFirmino Bezerra do Mello.
-- l)a-se di-vheiro a premio com penhoros de ou-
ro. meamo em pcquouas quantias : na ra do Ran-
gel, n. 10.
-- Manoel Antonio Vicira Martins comprou, por
conta e ordem do Sr. Bento Joaquim do Azevcdc.
Passos, do Rio-do-Janeiro, o meio bilhele n. 696,
da terceira quinta parte da prmeira lotera a bene-
ficio da edificacAo do hospital decaridade, denomi-
nado Pedro II.
Precisa-sedatrabalhadores para a abertura de
um Talo no engenho S.-Anna, do S.-Amaro : a tra-
tardo ajusto a dias, ou empreilada com o coro-
nel Manoel Cavalcanli de Albuquerquo, em seu
gento do Giqui.
LOTERA
Do Hospital Pedro II.
Correm sem duvida nenhuma as rodas
desta ljtria no da 8 docorrente mez de
abril como se tem annunciado, e o di-
minuto numero de bilhetes que ainda
existemsnse venderao at as 6 boras da
larde do da 6, porque desta hora em
(liante, se restarem alguns, ficaro per-
tencendo a ma pessoa que os qner com-
prar.
DSo-so 400,000 rs. a premio sobre hipotheca
em casa terroa i na ra Nova, n. 58, so dir quom da.
-- Diio-se800,000 rs. a premio, com hypotheco
em predios livros, ou boas firmas: noAterro-da-
Roa-Vista, n. 78, se dir quem d.
Precisa-so de pretas quo vendam pao pagando-
se-lhes vondagem : no Forte-do-Maltos, ra do Bur-
gos padaria que foi do Allemilo.
~ Precisa-se de um monino de boa conducta, para
apronder o ollicio do cabellereiro : na na Nova ,
n. 39.
Jacntho Manoel do Chaves Senra relira-so para a
ilha do San-Miguel.

g ^^M -"^S 1 M i II *M
^ 'y, --.- / -^ ;f>j
primeiraslCltras
treita do Rozario ,
velo e-cuidado no mesmo ensino- Umlo L
Gama e Htllo,
M. S. Mawson, deulisla, recentemento ebegado da
luropa, acha-se residindo n6 Recife, ra do Tra-
piche-Novo, n. 8, segundo andar, aonde contina a
por denles minoraes, ficando incorrupliveis, e ap-
parecendo inleiramento como naturios : tambem
lira a podra, a qual, nfo sendo extrahida, em pou-
co lempo tanto arruina os dentcs : chumba com ou-
ro ou p'rat, para privar do augmentar a corrupco;
tambem tira, lima o faz todas as operaeoes donticaes
coma maior delicadeza possivel. Filo espera quo
os elogios, o o muilo patrocinio quo tem recebido
pelos beneficios que tem produzido na sua pratica,
durante 7 annos do residencia nesta cidade, scrilo
garantas sufllcentos para as pessoas que, precisan-
do de seu prestimo, nfo o deixem do procurar.
Offerece-so urna parda para ama do alguma
casa de pouca familia, para fazer todo o servico quo
pertonce a urna casa, a qual sabe cozinhar, engom-
mar o tomar conta de urna casa : quem a pretender,
dirija-seao aierro-da-Boa-Vsta, n.4*.
Desappareceu nodia 28 para 29, da ilha de Su-
assuna, una vacca raposa com o lombo vermelho,
est parida, o na mesma ilha deixou o bezerro : es-
ta marcada com o ferro dcgrolha no vaso. A pes-
aos que a pegar dirija-so as Cinco-I'ontas, casa de
Francisco das Chagas, que ser recompensado.
AO COMMF.RCIO.
No da 31 do marco desappareceu da ra da Ma-
dre-do-l)eos junto porta do arinazeni de Vicente
Ferrcira da Cosa um bail com manteiga fran-
ceza.tendo om una cabeca, a atarea do tinta,
223, quo era o peso, o eslava junto a um meio
barril da mesma e 2 barris de bacalho : e como
diase o dono do armazem, que l fra um preto pro-
curar por um barril do manteiga eclle responder
quo nao sabia, juiga-se o piolo ter carregado este
queso achavaao p da porta. Roga-so a qualquer
pessoa a quem o dito barril for entregue, ou offe-
recdo quo o mande entregar a ra da Cruz, n. 32,
a Felicio Jos VazdoOliveira quo ser recompen-
sada.
Compras.
~ Compram-se duas escravas mocas, quetenliam
algumas habilidades : no becco do Sarapatel so-
brado n. 12.
Compra-so um taixo do cobre, cm segunda m3o,
que tenba 3 a 4 palmos do largo na bocea : na ra da
S.-Cruz, venda n. 5.
Comprarse um sellm inglez com pouco uso :
na ra Nova n. 32, segundo andar.
Coinpra-se um diccionario inglez e portuguez,
grande, por Vioira: na ra Nova loja do ourives ,
n. 32.
-- Compra-seumoculo deverao longe, cm bom
uso, quem liver annuncie.
Compra-se o seguinlo fardamento para te-
nente-quarlel-mestre de legiSo : una barretina com
pluma e co/dOes ; canana de um ou dous apitos ,
sendo osteja no uso ; laltni com pasta do uso ; ban-
da de bacalliao ; espada do roca, como se usa ; es-
poras de latflo de salto e de mola, se competir.
Vendas.
ffl Aflenco aos chapeos ba- JJ
ralos.
Na nova fabrica de chapos do Alorro-da-Boa-Vis-
ta, confronlgcalunga, h chegado um sortimen-
to de chap francozes para liomom o para moni-
no; assim como brancos sem pollo, quo sordo ven-
didos do 1,000 a 4,000 rs., bom eomoum grande sor-
timento delles leitos na dita fabrica.
Lotera do -.Rio-de-Janeiro.
Aos Vende-so na ra da Cadeia do Recifo, loja do cam-
bio da Viuva Vieira &Fillos, bilhelese meios ditos
da 5." loteria extraordinaria a boneiicio do theatro
da imperial cidade da Nilheroy: a ellos que a lala
vem no primero Vapor.
Vondem-se saceos do familia, ditos de milho o
arroz do casca : na ra da Cadeia do Recifo, n. 8.
No Alerro-ia-Baa-Via, toja i. 24,
- vondom-so ricos cortes de cassa, a 3,000 rs.; Custllo
en- branco muito fino, a 50 rs. o covado; los brancos do
nno m. .H"'=- P"r0 linl10' 2'000."' ; toa"",d,,s; ll400 T*-
-0 abaixo assignado", professor provis.onario de vado; lencos de seda para. mBo,,a 1,44
... i,,_.>, ,ni;;,, n .......i,. n. *.< i, nri-iii nimio lino, a /,ooo rs.; pi(
Vendem-sc bauszinbosde tartaruga,
proprios para se guardar joias, pelo pre-
co de i,6oo a 4)Ooo rs. \ urna caixa de
prata. dournda, por8,ooors : na praca
da Independencia, n. 3.
Vendeni-.se duas boas escravas crioulas do
bonitas figuras o moQas, que cozmliam, lavam mui-
to bcn e engommam sSo sadias, o n!io se duvida
dar contento para serem experimentadas : na ra
do Qucimado, loja n. 51.
Bacalho !
AosSrs. de engcnlios e casas
de familias.
Acaba do ebegar para a Quarcsma urna porcSo de
bacalho de escama de qualidado muito superior
ao quo at aqui tem chegado a oslo mercado, o
qual he'prcferivel, nflo s pelo sou mdico preco
que lio de 9,000 rs. o quintal, mas tambem por ser
ila melhor cura podondo conservar-so urna barri-
ca aberta dous ou tres mozos sem bumidecer, ou
deteriorar-se. Vende-se no armazem de Antonio Au-
nes no caes da Alfandega n. 5, e em casa do J. J.
Tasso Jnior na ra do Amotiin n. 35.
Vende-se, ou arrenda-so um grande sitio na ra
Imperial, com duas moradas de casas urna para
grande familia, na frente da ra e outra mais pe-
quena dentro do mesmo sitio com bons parreiraoa
c mnitas fruleirns de boas qualidades todas novas
o j dando frulo com um grande viveiro no lundo
na ra Hiroita, n. 135, loja do cera onde so I ir
qualquor dos negocios, por scu dono ter de retirar-
so por molestia.
Vovos riscados
monstros.
Na loja confronte ao arco do s.-Antonio, n. 5,
chegou um novo sortimonto do riscados monstros,
decores lisas e lindos padrOes com urna vara do
largura pelo barato prego do 320 rs. cada um co-
vado
Vendetn-se aticorctas de
diversos tamaitos, com vinho da
Vladeiraf tinto e branco, de supe
rior qualidade: no eseriplorio de
Oliveira limaos & C., na ra da
Cruz, n. 9.
Veniiem-so sophas de Jacaranda ; ditos ao an-
alco ; bancas de Jacaranda ; ditas do meio do sala ;
ditas do angico ; marquezas de nngico; ditas de oleo;
camas de angico para solteiro com palhinha ; ca-
deiras de Jacaranda o de angico; ditas para meni-
nas ; o oulras muitas obras : tudo do melhor gosto,
e por prego mais commodo do que em .outra qual-
quer parte: ua Camboa-do-Carmo, n. 8, casa de
marcenciro.
Vende-se um bonito molcque do 19 annos, pro-
prio para qualquor servico : na ra Diroita, n. 36,
primeiroandar.
Potassa e cal virgem.
Vende-se muilo superior potassa,
poneos das desembarrada, e cal de Lis-
boa : no armazem de fialtar & Oliveira,
ry ra da Cadeia no Hecife, n. ia.
Ainda ha a sublimo banha franceza para con-
servar o cabello, pela sua frescura o bom aroma ,
cm potos do duas libras, pelo diminuto preco de
1,600 rs.: vende-se na ra larga do Rozario, n. 24.
i\ Henean.
Na loja n. 50, na ra da Cadeia, deCunha & Amo-
rim, ha um completo sortimento do fazendas pro-
prias para a Quarcsma como sejam : boas sarjas
prelas o veos ditos; luvas ; casimiras pretas ; selins
pretos ; pannos pretos linos e de superior qualida-
de: tudo so vendo por commodo prego o por me-
nos do quo em outra qualquer loja : outro sim, tam-
bem ha bous o baratos merinos ; bom panno preto
para 3,000 c 3,500 rs. ao covado ; dilo verde edr do
garrafa superior, a 3,500 rs. Dflo-se as amostras.
A tras do tbealro velbo nos antigos
a i-na /o iis de Joaquim Lopes de Almeida ,
caixeiro do Sr Joo Alatbeua acha-se
um grande sedimento de ti boas de pinho
da Suecia, proprias para annures de lo-
jas c vendas por se poder al enverni-
zar por ii5o ter nos : bem como costa-
do costadinho, assoalho torio e para
fundos de barricas por preco mais ba-
rato possivel Cbeguem freguezes, que
se queima por todo o preco ; assim co-
mo louro e forro do mesmo.
Vendem-so duas escravas, sondo urna crioula,
do 24 annos, de bonita figura queengomma, cose
chlo, cozinlia clavado sabao.e a oulra da Costa,
de 24annos, que he ptima quilandeira : na ra
das Cruzes, n. 22, segundo andar.
Vende-se um pardo de 16 annos, de muito boa
figura, que he bom coziuheiro : na Solodade, sitio
da cscala.
Vende-se urna preta de 24 annos, quo lava de
varrelia o faz todo o mais servigo de urna casa : no
boceo do Carcereiro, n. 14.
Vendo-se urna preta de 18 annos, de cioganto
figura, que coziuha o diario de una casa, lava o on-
gomma liso : ua ra do Amorim, n. 13, segundo
andar.
contina a csina-las na ra es- preto muilo fino, a7,0 rs '.Utak*""*""i2'|t
n 30; e prometi todo o des- 6,000 rs. Assim como mullas mas pech.nchas que
se eslflo torrando por mu diminuto prego, e que a
vista do comprador se farflo patentes.
Na ra do Trapiche, n. 17, con-
tina a haver deposito da verdadeira cal
virgem de Lisboa, chegada prximamen-
te ; advertindo-se aos compradores des-
le genero que o deposito he j muito pe-
queo, e que da nova no ha mais em
parte algoma.
T Vondc-se um cavallo castanlio, do bonita figu-
ra, novo, com bons andares, e muito forte : na ra
Augusta, n. 60.
PARTICIPA-SE
aos fregueses do bom e barato, que te vettdem
ceftesdocambraiasabertas,a 4,500 rs;ditqsdecassa
de cores, a 3,600 rs.; ditos de 19a o seda, a 7.000 rs.;
i>egas de bretanha do Franga, a 3,500- rs.; ditas na
madapolflo entestado, a 6,500 rs.; chales de soda do
14 quartas, a 10,000 rs.; ditos de 15a o soda, a 5,000
rs.; meiasde seda preta para senliora, 1,800 rs.; iu-
vasdo dita pretas para senliora, a 600 rs.; superior
sarja hospanhola, a 2,500 rs.; lengos bordados para
senhora, a 320 rs.; mantas do seda, a 8,500 rs.; casi-
mira preta elstica, o covado a 3,000 rs.; los pretos,
a 2,400 rs.; fazenda do caiga, o covado a 2*0 rs.;
setim preto; merino; esguiio fino; brins do linho, o
oulras muitas fazendas, muito baratas e semaerei-
to, rranqueando-seamostras aos compradores: na
ra do Qucimado, n. 46, loja fl agaiiiaes Ir-
mflo.
Na ra da Cadeia-Velha, loja n. 31,
ainda existe venda urna pequea
poreflo do msicas sondo : a es-
trella da noitc valsa para piano;
a parisiense polka para dito; a
mariposa modioha com acompa-
nhanicnto do dito 1 tudo por prego commodo.
Cortes, a SjTOOOrs.
Quem doixar de andar de vestido de csiibraia ,
de nadroes modernos e ptima fazenda pelo bara-
tsimo prego de 3,000 rs o corte? A ell^.frcguozns,
anl.'S quo so acabem. Na ra na da Cadcm do Reci-
fe confronto a ra da Madrc-dc-Deo 11. 50, loja
do barateiro.
Vcndom-se cortes do vestidos de seda
preta lavraJa ; verdadeira sarja de se-
da hcspanliola; los do linho preto, bor-
dados de seda; cortos do collctes do
velludo lavrado, pretos o brancos do
ricos costos; superiorselim preto de
Macnu, para vestido ; cliemalote do
*.vw lli a "'".!".".!'' S!r!" nreto muilo
:&'-':$ fino "a 3,500 rs. o'covado ; chapos do
S massa francezos os mais modornos ;
superiores chales e mantas do seda;
moias do soda do peso, brancas o pre-
tas ; lengos de seda para grvala, do
bom gosto; riscados Trancles pn-
drOes novos o muito finos para vesti-
dos; pannos do c6res e pretos, do todas
as qualidades ;e oulras muitas faen-
das de gosto por menos prego do quo
em nutra qualquer parte : na ra do
Oiieimado, loja do Jos Moreira Lo-
pes & Companhia qualro-cantos, ca-
sa amarella, n. 29.
^#
-- Vendo-se a venda defronto da matriz da Boa-
Vista n. 88. As pessoas que leem estado em nego-
cio com ella, dirijam-se a mesma, que se rara qual-
quer trato quo molhor .Ibes convenha ; bem co-
mo oulra qualquer pessoa quo a queira comprar.
Farelos
em barricas, chogados ultimamento : no armazem
do J. J. Tasso Jnior na ra do Amorim, n. 3j.
Vendo-so um sitio na Torre, com 600 palmos
de frente e 1,200 ditos do fundo pouco mais ou me-
nos, na margom do Capibaribo, com alguns psde
coquoiros : alm dos ditos, lia urna grande baixa
para capim, ou vivoiros : no ra da Cadeia do &.-
Antonio, armazem 11. 17.
Vende-se um cavallo preto, ptimo para carro :
na ra Nova, cocheira n. 54.
A/.cite de carrapato,
a 40 rs. a medida: na Camboa-do-Carmo, n.
SARH UESPANHOLA, A 2,500 Rs.
Na ra d l.ivramento, n. 14, vende-se sarja hes-
panbola, de duas larguras, a 2,500 rs. o covado; ca-
simira preta muito superior, a 3,000 rs.
33.
VELAS DE CERA.
Venderse na ra da Ca
I deiado Hecife, n.37, cera
I em velas, de superior aria-
I lidade, fabricada em Lis-
m bae 110 Kiode-Janeiro,
S em caixas pequen:ise sor-
tidas ao gosto do compra-
dor : tambem se vendeni
baraniloes, por prego mais
barato do que em oulra
qualquer parte.
.> 4r
Keceberam-se ordens para
se vender, muito em conta, 10
escravos queexistem na ra das
Larangeiras, n. 14, 2. andar, a
saber um mulalinhode 13annos, com um peque-
no principio do rrialdade; um dito muito esperto a
sadio do 10 anuos; um dilo de 8 annos, muito lin-
do um molcque muito forto e sadio, de bonita fi-
gura, do 8annos ; um pardo do 28 annos, de pti-
ma conduela ; um dilo de 22 annos, muilo forte a
sadio o que he proprio para o campo ; um dito da
35 annos, com urna pequea molestia quo lio mui-
to fcil do curar-se por 290,000 rs. ; duas pretas
do 20 annos ; urna dila de 19 annos, de bonita figu-
ra quo cozmlia e engomma com perfeicao, esta so
I so vende para fra da provincia.
r
MUTILADO
A
11 HIT



C V.en,,e,so nm Preta por 350,000 rs., que cozi-
na lava vende na ra o nolem falta alguma :
no pateo do Carmo loja n. 7.
Vende-so um crescente de cabellos louros: q1lem
o pretender annuncje por esta folha.
Vende-so na ra do Crespo, loja do miud-
zas, n. 11, rape de Lisboa, chogado no ultimo na-
vio : iamnem se vendo um cintciro de ouro do lei
para enanca, com6 pegas, de bonito goslo.
IVovo bramante,
de II palmos de largura.
Na loja da esquina que volta para a ra do Colle-
gio, n 5, yende-se o novo bramante do puro lindo.
com fi palmos de larcura neln barai" rir-rn d
2,800 re. a vara. "fi0 ae
Vende-se n venda da ra da Cruz, n. 66, a di-
nbeiro, ou a prazo : a tratar na mesma venda.
Ricos tapetes
para ornar salas, mesas, candieiros, lanteruas, ca
liaese campanillas, redondos, quadrados e triau-
Ru ares bordados e de oleado, com lindas, franjas
de lia de todas os cores ; luvas do torgal, proprias
para n Quaresma ao ultimo gosto de Pars, pretas e
n ancas.com dedososom elles, a 1,600 is. o par;
alpaca le hubo, a 6*0a 800 rs. o covado : na ra d
Uuciinado, n. 27, novo armazem do fazendas.de
Raymundo Carlos l.eite.
A o desengao do bom e
barato.
Vende-se superior sarja prela hespanhola, pelo
barato prego do 2,000 rs. o covado: a sua qualida-
dchelao excelientoquo n/Jo precisa de elogio al-
guin : na ra do Collegio, na nova loja da estrella,
-- Ven-Iem-se dous grandes hanheiros de ama-
relio : na rita de Apollo, armazem por baxo do
consulado provincial.
Vende-se um silio na estrada de S.-Amaro para
!.??*!!*.D.?.? Pon|0, pnmeiro do lado direito,
c_m B.s.H0 rviircns c mo jjusu para 8 vaccas
do lene 3 viveiros baisa para Capta o terreno pa-
ra plantar : tambom se vendo outro mais pequeo
na mesma estrada : a tratar no inesnio silio cima,
ou na ra Direito, n. 4. '
Vendcm-se 3 lindos moloques do 16 a 18 anuos-
3 prctos. sendo um delles olljciul de sapaleiio de to-
da obra um carreiro e otilro para todo o servico
le25 annos; 3 pardos de 16 a 2* anuos, sondo um
Dom carreiro e os outros proprios para lodo o ser-
vico ; urna mulatinba e urna nogrinlia do 13 anuos
nma dita de 10 annos, com principios de hahillda-
M**
a Cu ni ii.iii ;
biii-
dm ; 3 pretas, nntpp >< quaes a!'
dados, de20a 25 annos"; urna prela poH80,0D0rs
DI ra do Collegio, n. 3, se dir quem vende.
GALAO' DF OURO,
a 7<20 rs. a oilava.
Na pracs do Independencia, n. 19, loja de Oveira
llamos, vende-so galno de ouro, de todas as largu-
ras ; bemeomocanutao do ouro, de todos os n-
meros, a 720 rs. a oilava.
Sarja hespanhola.
No novo armazem de fazendas, de It'aymundo Car-
los Leite, na ra do Queimado, n.-27, lia chegado
um ptimo sortimenlo da verdadoira sarja hespa-
nliola, a 3,200 re. o covado ; tambem lia do 2.200.
2,500, 2 800 e 3,000 rs.; panno fino, piova de li-
mao, a 3,800, 5,000, 7,000,8,000, 9,000 c 10,000 rs. ;
chapeos francezes linos, do ultimo costo de Pars ,
com aba maior, confprmo a nova moda, a 7,000 e
8,000 rs. JVoste armazem tambem se vendem faen-
as por atacado o mais barato possivel.
Taunos para Iences.
Vende-se superior bretanlia de Irlanda, do puro
linho.com .las varas c meia de largura fazenda
le minia ulilidade para lencos a 3,000 rs. a vara ;
zuarte azul de vara de largura a 240 rs. o covado ;
ca.nbraias lisas a 640, 800 e 1,000 rs. a vara : len-
Vende-se umeannap o 6 cadeiras do palhi-
nna, de Jacaranda, em bom uso limpas enverni-
zadas : na ra estrella do Rozario, n. 10, terceiro
andar.
-O barateiro da ra Nova, n. 26, vende sarja pre-
la a 2,400 rs. milito boa ; casimira preta a 2,700
rs.; chitas, a 160 e 200 rs., finas ; merino preto; lu-
vas ; e outras muitas fazendas, por prego muilo
barato.
Vende-se estanho om verguinha.por proco com-
modo: emeasa do Jamos Ryder & Companbia na
ra da Cadeia, n. 48.
Vende-so o sobrado do dous andares slito,
sito na ra da Senzalla-Nova. n. 14, o qual rendo
menaalmente 39,000 rs.: a tratar na ra do Viga-
rio n. 19, com Thomazdo Aquino Fonsoca Jnior,
que se acha competentemente autorisado para effei-
uui a dila venda.
Vende-se o engenho Timb a 4 legoas distan-
te desla praca, corrento c moenlecoinagoa, de boa
e regular producco, com a safra do 2,500 pfles pou-
co mais ou menos, ou sem ella : este engenho he de
consideravel importancia, nao s no presente como
no futuro, por conter mais de qualro legoas de ler-
ronocoberlo de malta virgem o com capacidade
de levantar engenhos d'agoa e de bestas : a tratar
no mesmo engenho, ou no sobrado ao lado da ca-
deia n. 23.
Vendem-se presuntos o queijos americanos,
ltimamente chegados dos Eslados-tlnidos muilo
ficscars ; yassouras para variar salas o tpeles ; baU
des e balaios americanos, proprios para embarque;
eoiilrosobjeclospor preco commodo: na ra da
Cruz, n. 7, .armazem do Da vil & Companbia.
Mais barato nao he possivel-
Vendem-se cortes de calcas do casimira, do pa-
dres oscuros o claros a 3,000 e 3,500 rs. cada cor-
to ; o nutras militas fazendas muilo em con la : na
loja de Jos Moreira Lopes &. Companbia, na ra do
Queimado, qualro-canlos casa amarclla n. 29.

I! uber.
vcudc-so Klubcr, diroilo das gentes : na praca da
Independencia liviana DI 6e8.
ziuho azul, a 180 rs.; pello do diabo, a 200 rs.; cas-
tores do todas as qualidades, a 220, 280. 300 o 320
rs.; chapeos do sol, de seda, a 6,400 rs.; setim pre-
to a 880 rs. ; mudapoluo de todas as qualidades a
2,800, 3/, 3,200 3,500, 3,800, 4,000, *,;-0b, 4,800 e 5/,
rs.; e ludo o mais quo pertonce a loja de fazendas,
por menos preco do qu om bulra qualquer parto.
Milho.
Vende-se milho, a 2,000 rs. a sacca : no caes da
Alfandega, armazem de Antonio Annos.
Sapa tos para sen hora.
NoAterro-da-Boa-Vista, loja n. 78, vendem-se
sapatos parasenhora fazenda nova de n. 27 a 39.
Pannos finos.
Vendem-se sup'eriores pannos finos prova de li-
mito., preto e azul, a 3,000 rs. o covado; dito lino
azul o preto e 4,500 rs.; dito preto do supeiior qua-
lidade e j bem conhecido pela sua uraleza,a 5,000,
5,500, 6,500 e 7,000 rs.; casimira preta limiste da
mclhor qualidade, largusa de panno muilo lina a
11,000 o 12,000 rs. o corte do caiga : na ra do Col-
legio, loja nova da estrella, n. 1.
Bonetes de marroquim.
No Alerro-da-l(oa-Vista, loja n. 78, vendom-sc
bonetes de muito bom goslo o durucilo, para ho-
mom, a 3,500 rs. cada um.
f.isdu seda, dos mais modernose muito finos, do
melhor gosto, a 2,500 rs. ; rolos de brctanlia a
1 800 e 2,000 rs. ; Uta de linho muito lina a 720
800 rs. ; cassa para babados, a 2,600 e 2,800 rs. a
pecai; chales de lila, grandes e de muito bom goslo ,
a 2,000 c 2,500 rs.; riscados trancados, do muilo
rma qualidado para escravos por serem escuros o
de muila durado a 200 e 220 rs. o covado ; e ou-
tras multas azendas por preco muilo commodo : na
ra do Collegio, loja nova da estrella, n.1.
Marciana.
Vendem-se superiores cortes da fazenda denomi-
nada- Marciana-, assentada em chitas, os padrVs
os mais bonilos e de-melhor gosto que tem appa-
recido, pelo diminuto prego de 4,500 rs. cornil
covados: na ra do Collegio, loja u. 1.
Sapa tiles.
No Atcrro-da-Boa-Vista, loja n. 78, vendem-se sa-
patOes pelo baixo prego de 1,200 rs. o par.
Vende-so um terreno com 117 palmos Je frn-
ico. 89 ditos de fundo em eslado do so edificar
por nilo precisar aterro em cujo terreno podein-s
fazer tres ptimas mci'agoas na ra do Pilar, em
Kra-do-Portas, do lado da mar grande : na dila
ra, n, 11, no pateo da igreja do Pilar, das 6 horas
damanhua s8.
Panno-Couro.
Vendem-se superiores corles de caigas da fazenda
pauno-couro par ser de duragflo extraordinaria e
de padres oscuros, proprios para o trafico, pelo
diminuto prego de 1,600 rs. o corto : na ra do Col-
legio, loja nova da estrella, n. 1.
Casimiras finas e elsticas.
\endem-se superiores casimiras finase elsticas,
a 1,000 rs. o covado; cortes de ditas do cores, muilo
linas, a 6,000 rs.; superiores casimiras prelas da
melhor qualidade, a 6 c 9,000 rs. o corte na ra do
ollcgio,loja nova n. 1.
Vendeni-se chapeos de superior
^caslr, brancose prelos, por preco
muito barato : na ra do Crespo, n. l,
loja de Jos Joaquim da Silva Maya.
Bonetes para tiieniios.
No Aterro-da-loa-Vsta, loja n. 78, vendem-se bo-
netes do velludo e de panno, a 800 rs. ; ditos de
merino obra muilo delicada a 4,000 rs. cada um.
Na nova loja da ruada Cadeia
do Recife, n. 53, de Claudia
no Sal-ador Pereira Braga.
vende-se casimira encarnada fina e enfestada, para
capas dos irmSos doSS. Sacramento a 2,000 rs. o
covsdo.
F roe os.
No Atcrro-da-Boa-Vista loja n. 78, vendem-se
frocos de todas as cores o grossuras, por preco que
nlo desagradar a quem queira comprar.
. No Passen-Publico,
loja de urna soporta paro.de o mera da fabrica de
chapeos do sol, vendem-se chapeo* do sol, d* seda,
de armagio do ago, os mais linos mais modernos
que teemvindode Pars, a 5,500 rs. Roga-ae aos
amantes do bom goslo que os venham vor porque,
os vendo, no deixariio de os comprar. Na mesma
ra, n. 19 tambem ha os mosmos chapeos de sol.
Bonetes de riscados.
NoAtcrro-da-Boa-Vista, loja n. 78, vendom-se
boneles paca meninos os quaes so cslio acabando,
por cuslar cada um 320 rs.; bem como bengalinhas,
proprias para passeio pelo mesmo preco.
Vende-so urna preta da Costa de bonita figu-
ra boa boceteira com duas filhas muito lindas,
de 10 anuos; urna parda de 18 annos.com muito boas
habilidades e do bonita figura; urna preta por 700/,
por ter habilidados e ser de bonita figura, e perita
em governo de urna casa ; um preto pescador, mo-
go o de bonita ilgura : na ra das Flores, n. 17.
VENDEM-SE
riscados escocezes, com 5 pal-
mos de largura, a 520 rs. o
covado; cassa-chita de cor lixa, com 4 palmos de
largura, a 140 rs. o covado; cambrala de listras
le cores, a 200 rs. o covado ; c'ambraia franceza de
lindissiinos padrOcs pelo barato prego d 600 re. a
vara ; pegas de panninho com urna vara de largura,
ede 12jardas, a 2,000 e 2,400 rs., merino preto
enfestado.de pura laa, a 2,000 rs. o covado; dito
de crverde, com a mesma largura a 640 rs. o co-
vado ; o outras muitas fazendas proprias para a se-
mana sania, porbaratissimo progo : nil ra do Cres-
po, loja n. 10, d anligo baratoiro Jos Joaquim de
trollas GuimarSes.
Vende-se .um prc'.o da Costa, anda mogo e
bastante robusto; 2 sel I i ns novos com lodos os seus
pertences; 2 ricos apparelhos de metal branco, para
: ludo so vende por prego commodo, por seu
medicina, a considera como urna das melhores m
dicina* do mundo para taes doengas pois dou
tores de alta sabedoria nunca a poderam tratar. m"
nha mulhcra contina a tomar, at se achar jn
leiramenle boa. Por favor nos queira obsequiar coni
alKumas garrafas o mais depressa possivel. Sra
nos le emos o gosto de fazer conhecer a sua med'
cia entre os nossos amigo, assim como entren
povo : sem duvida ser usada aqui, bemeomoem
todo o inundo como eflicaz medicina para alljva!
e tratar o corpo humano. Tenho a honra de ser a
mais atiento venerador.
J- Mace.
N.l.rueLouisPbilippe.
ILegagSo dos Estados-Unidos,
j Berln, Prussia, abril 8 do 1846.
Sr$. A. B. D.Sunds. Srs., lendo-se a sua sal
sa-parrlha usado nesta cidade, com grande effeito
em casos mui severos de escrfulas, me pedem tres
duzias de garrafas da sua medicina as quaes as es-
pero sem falta que para isso remello o pagamen
lo. Espero que Vms. (quem de toda a certeza ciuc
a composigOodesalsa-parrillia he urna das memo-
res medicinas do mundo, assim como se vai in"
troduzindo muito entre opovo Sou o mais ltenlo
Theodore S. Fay.
Proparada e vendida porjuntoea reujlho, assim
como se exporta, por A. U. Y. I). Sanda, chiinicosa
droguistas, n. 100,Fulton-Street, esquina do Wil-
liam, New-York.
Vende-so na botica do agente, Viconto Jos da
Brito, na ra da Cadeia-Velha, n. 61.
Vendem- so postillas da analyso do constitucio
para o segundo anno da academia do (Minda ; ditas
do direito publico para o primeiro ailo : na ra da
Madre-do-Dos, loja n. 36.
Escravos Fgidos.
Fugio, no dia 24 de Janeiro do crrante anno
da cidade da Parahiba-do-Norte do poder do seu je-
nhor, JosPercira Guimorles um preto crioulo
do nome Jos Mara, j velho, de 40 a 50 anno*, !-'
lo c s.guma causa seseo do corpa, barbudo; le-
vou calcas o jaquelado algodilo riscado trancado,
camisa de madapolilo o chapeo de bata bransa;
quandoanda hesempro docabega baixa, o para me-
lhor signal tem um lobnho no cachaco, quo #em
a ser carne crescda sobre o mesmo cachago. Este
escravo he natural da Baha. Roga-sea todas as au-
toridades polclaeso capites de campo, queoap-
prehondam e levem-no a seu senhor, ou na ra da
CadCia-Velha, loja n. 22, de Jofio Percira Moutinho,
que recompensar.
100,000 rs. do gratiicagSd
a quem levar eaa da ra da Aurora, n. 36, ou ao
engenho Queluz da froguezia de Igojuca b p'rclo
Antonio, de nagito Benguela. escravo de Miguel Au-
gusto de Oliveira, quo o compro a Manoel de Al-
meida Lopes, dcsta praga ; fgido do dito engenho
no da J7desetembro do nnno prximo passado,
com os sgnaes seguntes : estatura alta o bom cor.
po olhos grandes eum tanto avermcltadosj ja tem
alguns cabellos brancos; levou camisa de chilar azul,
dequadrinhos, ceroulas de algoditoznho branco,
ou hamburgo, o mais alguma roupa em ama trou-
xa e urna enxada encavada. Este escraro comprou-o
o Sr. Manoel do Almeida Lopes a Ignacio Alves
Couto, da villa do Crato, na Barra-Grande.
Fugio, no dia 18 de Janeiro, un cabra, de nome
Joaquim, alto, rerorgado, de idado, coma barba
branca cabellos corridos o bom prctos; levou um
surriio de pello de carnero chapeo de bata usa-
-------r_. ,'il-^o ruiiiiiiuiiu por seu mii|<,in uc uniuciiu uiiapco ao oaoin usa-
donoterdo retirar-se para fra da provincia : de- {do- calQ dealgodao de listras rotas no assonto ;
Irontedolheatro novo, n. 11, ou na cocheira de!^"1 os tornozellos dosps um tanto Incitados. Es-
Jolo da Cunha liis por detrs do theatro velho. to escravo i foi nrn m s .-Um.a_.i.
-Vendem-se, na loja de sola e calgado, ao p do
nicho do l.ivramnlo tamancos inarroquihs, cou-
ro do luslro bezerro francez, chapeos do todas as
qualidades, bonetes, o um laixo de cobre, com o pe-
so do um arroba e libra o meia, em bom uso, e por
prego commodo.
Vendo-se cslanho em verguinha por preco
muito commodo.' na rua'do Vigario, 11. 23, casado
ItussellMellors & Companhia.
Vende-se un piano forte novo, da mais acre-
ditada fabrica de Collard And Collard do Londres :
na ra do Vigario, 11. 23, casa do Kussoll Mellors &
Companhia.
Vende-se urna iregrinhade 14anuos, que cose
e coznha : na ra de S.-Jos, n. 21 : a vista do com-
m
ii

H
A 5.;00 rs. o covado.
Veude-se merino preto muito fino que so jj
lora vendido a 5 e 6,000 rs. c boje vende-se t~s
a 3,500 rs o covado ; pannos finos pretos o de cures, de 4 at 10,000 rs. cada covado; cor- flj
tes de collelos de velludo bordados pretos M
c de cores ; o outras inuas fazendas do gos- v^
lo: na loja de Jos Moreira Lopes & Compa- <$
nha, na ra doyuoimado, qualro-canlos, $
*:i!i iminlli n oq
Chapeos de sol.
No Aterro-da-Boa-Vista, loja n. 78, vendem-se
chapeos de sol, de seda, para senhora, a 4,000 rs. ;
ditos-de panninho que iniitam seda, pura hornera,
por mais barato prego do que em outra qualquer
parle. ^
Vendera-se, na ra do Queimado, loja de miu-
dezas n. 24, luvas de pellica, para senhora e hornera;
ditas do seda coinpndus prelas e do cores ; los de
seda preta muilo linos ;couro do lustro muito bom
e barato; marroquim da cores; lengos de setim
preto; ditos de cores, dricos padros ; chapos de
palha lina le collete de gorgurao do seda ; bongalas finus ; co-
Iheres de casquinlia ; caixas de massa do tartaruga
n.easdo seda preta para senhora : ludo por preg
mais barato do qu0 om outra qualquer parle.
,; ,----------------1------ .-..v* .... nui/i. ua-
to escravo ja foi preso em S.-taurengo-da-Malta ,e
lornou a fugir junto eos Rerrfdios, do poder de
urna pessoa que o nonduzia para esta cida.le ; veio
do Maranhflo o diz ser do Caxias : quem pegar le-
ve-o a ra do Vigario, 11. 24, que ser recompen-
-- Fugio, no dia 19 do passado do engenho l'ai-
sssunga, o preto Benedicto, crioulo, alto, olhos
vivos, muito regrista ps cambados o cem algum
roldo do bichos nos calcanharcs; levou camisa e
caigas de algodflo azul, chapeo do palha ; hn toda
a piobabilidadequelenha fgido para o Reeife a
procurar um homem que o quera comprar, quandu
ha pouco aqui eslevo : quera o pegar leve-o a ra
do Queimado. n. 10, a Luiz Antonio Percira, que
recompensara.
No dia 21 do passado ausentou-se da casa do
- Vende-se, ou Iroea-se por tjlos do alvenaria iUPiIn,or Pardo1Va|e"t'm. Je 30 annos, esfalu-
grossa urna canooa nova ..de um pao com 43 pal- { l0UMr (fosso do corpo cabello bem pegado
mos do comprmenlo, nropria para abrir: na ra licasco. he claro, ponas arqueadas para fra, coni
do Coell.o, conlionlc ao hospital. 11. 13. arcas de vaPc,.a ."s -ragos ainda frescas. Esle
- Vendem-se, na loja de m udezas de qualro lTnh.m l,rimc,ren,1o. q.elevesl lloradores
portas, na ra ,|o Cabug de Francisco Joaquim Bar Ss eTsr^n"^.'1^'!"''''^' Sr- VClJr d
Duarte um completo sorlimeiilo do botOes pie- ,*,,,, n Uczcr,a;q'"!es ovonderam
los para casaca ; abotuaduras araarellas ricas, as navm. ,?^ r peS R.ayU,Uni1.0 do ,{,ll,ar> moruior
melhores que aqui tcem apparecido ; botOes do Pe- -r'.' l. 1i' h Ven,,c" osc Vieiri d
......H-r" Figueiredo, e esleao abauo assignado: o dito es-
piador so dir o motivo por que so vende.
dro II, proprios para militares, ricos; ditos ordi-
narios ; ditos com lettru A para alfandega ; ditos pa-
ra marinha ; ditos paia cavallaria da guarda nacio-
nal ; ditos do madre-pi rola para palitos, a 800 rs. a
duzia ; ditosde vidro e massa proprios para enfei-
tes de roupa de meninos e enfeites de montara;
ditos brancos e amarellos, de ricos padrOes para
libr de pgens tanto lisos como lavrados ; ditos
amarellos para nfanlaria de linha entre-linos ; o
outras muitas qualidades por prego mais commo-
do do quo em outra qualquer parte.
SALSA-PARRILIIA DESANDS.
*j asaamarella, n. 29.
Chitas pretas assetinadas-
Vendem-se as j bem acreditadas o superiores
chitas prelas assetinadas, do uitimo goslu u 240
rs o covado : na ra do Collegio, loja nova 11. I.
Vendem-se acees da ex-
mela companhia de Peraambuco
e Parahiba: no escriptorio de O-
liveira Irmos & C, ra da Cruz,
n. 9.
Lsa loja de Manoel Joaquim
Pascoal Hamos, no Passeio-
Publico, n. 19,
lia chegado nova mente ura sortimento de fazendas
linas e grossas bem como urna grande porgSo de
chitas escuras de pannos finse cores fixas, a 4,500
rs a pega eocovado a 120, 140, 160, 200, 210o 300
rs. ; corles de cambraia dequadrose lislras azues ,
Este escolente remedio cura todas as enfermi-
dades, as quaes silo- originadas pela impureza do
sangue, ou dosystema ; a saber :
Escrfulas, rheiimatismo erupgOes cutneas,
brebuthas ncara, hcmorrhoides, doengas chroni-
cas, brebulhas, bertooija, tinha, inchagOes, dores
nos ossos ejnntas, ulcar, doengas venreas, citica,
enfennidades que atacam pelo grande uso do mer-
curio, hidropesa exposlos a urna vida osl(ava-
gante. Assim como chronicas desrdeos da cons-
lluig3o serio curadas por esta tao til appro-
yada medicina.
ii O estrado segunlo he do urna carta recebida do
Sr. Mace, pois sua mulherfoi atacada de escroTu-
le minio bom gosto 1,920 rs.; ditos do muito su'f, Mace'.P0,S8
penorqualidade, a 3,000 rs. ; longos do seda del Ua?a.uaas os melhores doutores em
cores, muilu bonilla. i.Aftord .ifm. ..... ...'.... I ranga a nao poderfio tratar.
. ^__ f----- '^"v1" mw nuti ue
cores muilo bonitos, a 1,000rs. ; dilos para grva-
la 400 rs. ; ditos de caga, a 200 rs.; casimira fina,
a 6,000rs. o corte; dila de lita, a 2,500 rs.; panno
preto. a 4,500 e5,5U0rs. ; dito azul ; merino muito
lino a 3,200 rs. o covado; sarja hespanhola de duas
argas, muilo boa a 2/e 3,500 rs. ; dila de urna
largura, a 1,500 rs., esta sarja ho a melhor quolein
apparecido rucados raacea a aonra.- ajgodo-
I Rennes, departamento de Ule e Vlain.
<- Franga, julho 17 de 1844.
Su. Sandi. A salsa-parrilha mandada por Vm.
foi recebida com a maior salisfagfo poavel, minha
nulhera tomou, eem pouco tompo sff achou me
Ihor; pelos grandes beneficio quo receben desta
cravo levou caigas de ganga azul, camisa de risca-
do no corpo, e guardadas caigas brancas dits
de riscado azul em quadros camisa de madapolao
com pregas no peilo e jaqueta de riscado cor de
caf. Roga-se aos senbofes que fram desle escravo
e as mais pessous que o pegafera levem-noarua da
Mangueira, n. 4, que scrlo grncrosamenle gralili-
cados, Jote Joaquim Boiellto.
-- Fugio, no dia 28 do prosirao passado, unta pre-
i i Ar'?la' d0 ll0,ne la" de cor fula, nariz
chalo baisa, e magra ; levou vestido de chita pre--
ta cora pintas broncas ja usado, e panno'da Cosa,
com lislras azues: quem a pegar levo-a a ra da
Assumpgao, n. 24, que aera recompensado.
--Fugio, no dia 27 de margo prximo' passado,
do engenho Novo de Serinh3em, do sitio do abaixo
assignado o preto Feliciano, crioulo; representa
ter mais de 24 annos bem parecido pouca barba,
rosto secco beigos um tanto compridos bem pre-
io, pos pequeos, cabello cortado, montado em
um cavallo rugo-pedrez magro, muito passeiro e
esquiador, com os buracos por cima dos ollios mui-
lo unidos, com urna ferda no ospinhago : este ca-
vallo levou cangalha cora capa de estopa, e lalvez
a estopa tetilla as loltra's M I M, todas juntas cun
o ferro no quarto direito F M Eslo preto levou
camisa do raadapolo, jaqueta de bretanha, um
bonete e um surrao com mais roupa caigas de pan-
no, ou casimira prela. Iloga-sc as autoridades poli-
ciaca o capil.lcs de campo,"quo o apprehendame
levem-no aoRio-Formoso, ra do Macado, n 22,
ou na ra da Cadeia do Recife loja n. 55.
Manoel Josi di Miranda.
l'hN. : NA TYP, DE M= F; 0E>ARIA___1#48
-^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFATUQWBO_TUQ6JZ INGEST_TIME 2013-04-13T02:04:38Z PACKAGE AA00011611_05454
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES