Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05453


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1848.
Segrunda-feira 3
O DIARIO palilica-ie todo os din que, nlo
(rem de.gqirda preeo da iusign>tr .lie de
4jD0f> rs.por quartel, pago* adiantailot, Os an-
nu.icios dos asaltantes So iusariiios ns.ioile
10 n. porliona, 40 rs. ei typo diferente, < as
t,,priicej p?la metads. querido firem assij.-
ule pagarlo 80 rt. por linba, iffl) id fypo
(liirertnW, por ead*. publicado.
PHASE3 DA LA. KO ME'/, DE ABRIL.
|,u flora, a a, horas e 41 rain, da Urde.
Creicente a 10, >u 0 mo. da larde.
La cheia a i7. o 3 rain, da tarde.
Mingoxuto a 26, aos 2 min. da Urda.
rWlND.\ 005 COAREIOS.
'oiauna e Paralilbas segundas escitas feiras
11' .i-Grande-Jn-\or lo quiut?*irsao meio-dia
Cabo, SennuSem, Kio-Kormojo, Poito-Calvoe
Macci, no I.', a II e.2l de cada mcz.
Uaranliuiis e lonito. a 8 e 23.
Bo-ViU e flores, a le S.
Victoria, squntas-fetias.
Olinda, todos os das.
PREAMAR DE HJE.
Primeirn, s 2 lior.i e 42 minutos da Urde.
Segunda, s 4 hora e 8 minutos ds manla.
Abril.
Anno XXV.
N. ;76.
DAS DA SEMANA.
1 Segunda. S. Ricardo. \nt). do J. dos orph.
cdo J.do c. da J v. ido J. M. ra 2 v.
4 Terra. lzidoro. Aud. do i, docivvd*
I. V. do I. de pai do 2 dist.de t.
o guana. S. Vicente Ferrer. Aud. do J. do
civ. da 2 v. e do J. de pa do 2 dist. de t.
8 (Quinta. S. Marcellinfl. Aud. do J. de orph.
e do J. municipal da l.r.
7 Seito. S.Epifanio. Aud. do J. do c. da '..
v., e do J. de paz do I. dist. de l.
8 Rabilado. S. Amn.ro. A mi. do J. do civ. d
. v. e do J. de paz do I. dist. de t.
0 Domingo. S. Demetrio.
CAMBIOS NO DA I DE ABR1X.
Sobre Londres a IT'/, e 17'/ d. por IJ ri.a 0 d;
Paris 880 rs. por franco.
LisbAa 100 por 100 do premio.
Desc. de leitras de boas firmas a I l|l '/ m-
OuroOnrasbespanboUs.... JIflOO a 9/0O
Mocdas de 00100 velh. Io,20l) a 16/100
. de64O0 nov.. 18/000 a l6|iOC
de 4/000..... 9(i00 a Jifll
Prala I'aUcdes........... 1/940 a 1/980
> Pesos columuares... MOJO a Hita
Ditos mesicanos.... 1/800 a IJ20
Miuda............. UtIOa l/40
A croes da eomp.do Bebsribede &0/000 rs. ao par
!
viBueo
PIRTE OFFICIL.
COMMANDO DAS ARMAS.
Qunrlel do commando das armas na cidade do Recite,
31 mar (o de IHiS.
OI1DRM DO DA N. 80.
Determina o commandanle das armas, que os cor-
pos de linha existentes na guarnido passem, na ma-
nliia do die1.* da abril, revista geral de mostra nos
scus respectivos quarleis pela maneira seguinto:
o sexto balolhfodecagadoress6horas; a compa-
a de artifices, s 64 ; a de cavollaria s7; o se-
indo batnlhflo do arliilioria a p, s7$ ; o do fuzi-
, iros, s 8; p finalmente o contingente do stimo
.italhilo de cacadores, s 8 .
0 loque de rccolher scr.'de amanliSa cm diante'
dado as 8 horas em ponto.
ilanoel Ignacio de Carvalho Mendonca.
ijuartei do commundo das arma na cidade do Ueoife, i.
de abril de 1818.
OltDEM DO DA N. 81.
Ocommandante das armas faz corto, para quo le-
nha divido eircito, que b Exm. Sr. concollieiro pre-
sidente da provincia concedeu, na dala do houtem,
dous mezes de licenca, na forma da lei [ mcio sol-
do], para ir a provincia do Rio-Grandc-do-Norto,
aosr. segundo cadete sargento'-ajudante do sexto
batalhilo de cacadores, Jos dos Sanios Caria Jnior.
No dia.* do correlo, pelas 9 horas da inanhfla ,
tem nih,.. u nipsCyv ltiilo sexto principiando pelo sen archivo.
Ocommandante desarmas julgu conveniente,
para bem da disciplina autorisar aos Srs comman-
dants de corpos, rondarom as guardas da guarni-
efio, que forera compostas de pacaa dos scus res-
pectivos commaiulos, fazendo corrigir no dia se-
guinto, independente do parte as faltas que hou-
vereiu encontrar.
Manoel Ignacio de Cartalho Mendonca.
EXTERIOR.
Correspondencia do diauio de pernambuco.
I.iiba, 2 de marco de 1848.
Contina na cmara dos depuiados a discussito da
resposta ao discurso dothrono. Depois do luminoso
discurso do Sr. Avila, principalmente sobre a ques-
tilo finaeeira, noque he j'ulgado um chele d'ohra,
fallou o ministro da marinha, o Sr. Alhano, que em
tudas as pocas o legislaturas tem querido sempro
attenuar impress.lo causada pelo Sr. Avila, sobro
materias de fazenda; porm S. Exc., comquanto se
lenha dado ao esludo econmico, abandonando a
hygene, nunca conseguo o seu intento. Entintan-
te, o Sr. ministro fez urna declarado que oxal so
cu m pra, c he que so a presentar cmara um or-
camenlo real, e nflo cphemoro, mostrando qual he o
nosso verdadeiro estado-linaneciro. Sassim sedis-
siparo muilas illusOes, poique anda ha quem sup-
pnnha'que o noso dficit he muilo menor do que
realmente he.
AoSr. ministro da marinha seguio-so a fallar o
Sr. Antonio Augusto Corroa de I.accrda, irmflodo
conego Lacerda, tamhem deputado, e redactor da
Unito. O Sr. Lcenla ( Antonio ) ho a primeir vez
3ue sesenta na cmara dos depulados, o, como ora-
or novel, bem se conhecia o scu acanhaincnlo. O
seu digcurso, posto que fosse um additamento ao
do Sr. Silva Cabral, na parto poltica apresejitou
muito mais belleza deesty.ro.
Teem fallado depois os- depulados Carlos Bento
c Rebollo da Silva. Como o Sr. Avila, estes dous dc-
putailos teem presentado emendas a u.n dos do
prpjectoJe resposta, ande so lem as seguintes
lores da desordem o daanarchia. Esta especie de
sligma ultima amnista, esta contradiccilo com as
palaVras de paz o conciliago, proferidas do alto do
tlirono, na abertura do parlamento, eslc-conse-
Iho, por assim dizor, para que do futuro nao baja
pcrdSo, mis um castigo para os crimes polticos,
loom sido tenazmente combalidos pela opposicHo ;
mas lodosos si-us esforcos teem sido inuleis, o a
niaoria ha rejeilado todas as emendas. \ discussilo
da resposta ao thiono anda levar algumas-ses-
SOflS.
Ogoverno, falto completamente de recuraos, aca-
ba do crear a-somma de 200 cotilos de bilheles, ad-
missivois oas alfardegas desde 15 do oorrelo em
liante, entrando na soxta parte dos pagamentos dos
diroitoa, pelo seu valor nominal, bem como na quar-
U parlo de quaesquer decimas o impostes aiinexos
vencidos, e que se cobrarom at 30 du junlio do cor-
re ule M*4|isles billieles fo podero entrar nos
paganienloT'simultaiieamonlo com os creados em
30 deoutubro ultimo, podendo os despachantes op-
tar por una ou por outros. *
A emisaSotlesles bilheles ser por series de 50 con-
tos, o pela quantias do 1,250 res, 2,500 res, 5,000,
10,000 e 29,000 re i s. I.ogo que cutrem as reuarti-
<;es publicasserlo golpeados.
Esta nova emisslo de bilhetes tem sido altamen-
te impugnada pela lmprcnsa opposicionisla, a qual
dizque o goterno quer continuar no mesmo sis-
tema de Ilegalidades, seguido at boje, e que mo
.tem nenbum proposito de regular as Dntncas.
Parece que ho certa a noticia, dada pelo JJilaarfar-
f o mas jornaes cabralislas, relativamenle' ordem
enviada pelo governoinglozao scu representante ties-
ta corte, para nflo. reclamar mais conlra aseleicQes.
NasessflodciS do passado, Mr. Humo interpcllou
o governo ce.'ca-dos nogocios de Portugal, o lord
Palmerston-respontlcu : que o prOttJcollo se com-
punha de quatrocondicOcs; que tresfram logo
cumpridas, e a que dizia respeito reunlSo das c-
maras tamhem o fora ultimamonto, porque as elel-
cni>s tnham-sc fo i lo, e as cmaras estavam abertas;
e que por consegunte, estando cumprido o pro-
locollo, a Inglaterra nada linha a inlervir nos nego-
cios Jo Portugal.
lito parece corroborar plenamente a noticia dada
pela imprensa cahralisla. Veremos agora o que di-
zem os opposicionistas.
Entretanto, parece quo os cabralinos nflo estflo
muito contentes como marechal Saldanha, e tcmern
que, em vista dos acontecimentos de Franca, aondo
a reforma vai adquirindo grande frca, o marechal
mude do poltica e os sacrifiques elles.
Ja se falla da dcmlssflo do novo ministro da justi-
cia. Diz-so que S. I.x. nao concorda em muitos punios
com a poltica dasCabracs, c que nfloquer despachar
cilo individuo por elles protegido, o qual, sondo
processado em 1832 por ladrflo, fugra para Ingla-
terra, dizendo que fura perseguido por poltica. Ou-
tros dizein quo o ministro est disposlo a conceder o
despacho.
O contrato, apresonlado, s cortes pelo ministro
do reino, sobro a navegaeflo a vapor para as litas,
tem sido opugnado pela iinprensa da opposicflo; nao
combatendoa utilidade dossa navegacao, mas sima
maneirn de fazer o conlrato sem concursoy visto
queja quaiiu niinistarios antei ioir> Uu icuuaado
dar esso passo ; mas que o Sr. Corj.lo nflo recusou
d-to. Alguns jornaes exaltados lancam itioinuaOes
pouco honrosas contra o ministro do reino.
Corre que se vo augmentar nos direilos das al-
fandegas vinte por cento em notas, para a umortisa-
Qflo dcstas. Quosevflo por decimas aos otnprega-
dos, pela seguinte escala. At tresentfjs mil rcis, nc-
nhuma ; de tresentos mil risa qualrocenj.os, u-
nia decima; de quatrocentos a quinhenlos, duas ;
e de quinhenlos para cima, tres decimas.
Nflo se i at que ponto islo he exacto ; porm o quo
possoalrmarhe que, quandoo doputado Avila ad-
'vogou na cmara o lancamonto das duas decimas em
tiiaio du 1846, e dista que agora lalvez fosse preciso
lancar Ircsou qualro uacimas, Vislo os apuros to-
rem augmentado, do banco dos ministros foi isto
apoiado.
Diz-se que se tem proseguido no examo dascontas
dos recebedoros das contribuices pubteas na capi-
tal ; que alguns alcances s teem descobcrlo ; o que,
em consequeucia, alguns rccobcdorcs leein sido.de-
mittidos. Este procedimenlo, seja do quem fr, "me-
rece sinceros louvores.
Segundo as not.icias receblas do Fayal, consta te-
rcio sido elitos depulados pelo collegio da Hurta os|
Srs. Joaquim Honorato Ferrera e Luiz d'Alincida
MCnezes o Vasconcellos.
A nossa academia das sciencias publicou o sou
nrogramma para o* anuos de 1849 e 50. So muito
desanimadras as reflexOes que inspira a loilura
desso programma. Na poca om quo estamos, quan-
do ludo vive, so dcsetivolveo prog de, a academia re-
das sciencias, apegada s recordares da sua pas-
sada glora, fica immovel o queda, como se para
ella os lempos livessem parado, o o progresso fsso
impossive!.
Acabou o jornal A Carta que era um dos me-
lhorcs dcsta capital, e que mais liavia elucidado a
questflo fnanceira. Esto jornal era suhsiadado pelo
Sr. Carlos Norato Roma, ca sua desappaiico da are-
na periodstica faz suppr a algucm que houve .nis-
to transaceflo poltica, e talvez finaeeira. 0 lempo
clarar o negocio.
dem, 4.
Boje concluio na cmara dos depulados a discusso da
Acousaainda eslava pa-
de hontein, houve
larasse lioje a sesso
permanente at se volar a incnsagcm, e assim se veri-
licou.
He escusado diser que seapprovou, tal qual fol apre-
sentada, indo nella incluido o stigina contra as amnis-
tas, tao combatido pelaopposir.o. Diz-se, comtudo,
que esta sbita detcriuiuajao da maioria da nossa Cama-
i .i .liM liva fui motivada pelas noticias pouco agradareis,
que hontenrsc souberam pelo correio de Hespanha
pols que icmeraiii que, alongando-se mais a discussao,
peidcsscni o seu tiaballio, e ge approvasse alguina mo-
cao supprimindo o dito sligma.
As noticias a que alindo sao us seguintes, e teem a
inaior importancia, nao so para os nossot negocios, mas
tainbcm para os da EafopS em geral.
Em consequeucia do voto da cmara dos depulados de
Prauca contra'os banquetes refraiistas, a opppsic.ao de-
cidi dar um banquete monstro, ao qual nu s concor-
reriain os depulados da opposico, mas os parta', os mal-
rt$ coa guardas nacionac desle partido. O gosjerno to-
mn medidas para obstar a esta demoiislrac", e o ban-
quete, que de^i. ter lugar a 22 do passado, nao se veri
lieou. Porm o povo, talrcz instigado, amulinou-sc, lu -
marm-se grupos, que frain augmentando nos dias 23
e 24 ; levantaram-se barricadas, e a revolucao reben-
tou. Aa noticias sao anda telrgraphlcas e confusas, e s
as que virrein pelo paquete do norte, que deve aqui
cliegar boje ouainanliaa, aclararao o negocio. Entretan-
to, sabe-se oue nos combates, murreram e ficaram fli-
dos para mal de 11,000 lioincna que o rei l.uiz Fi-
llppe ."ilnlicc.il no scu neto, e relirou-se das Tulbeiias
que o povo nao qulz' aceitar romo regente o duque
de Nemours ; que. nomeada a duquesa-de Orlcans
para esse cargo, tainbein ftio fra aceita ; que Mr.' 0-
dlllon flarroteraocliefedogabinetej c finalmente que
o povo anda eslava em armas, c rcinava confuso.
Este aconiecimciito be da inaior tramcendencia, e faz
mudar completamente o aspecto do negocios da Euro-
pa. Oxal que os excelsos uo progrldam, e que a ino-
derarao e a prudencia pres'nl.im ao eslabeleciiiientn do
novo governo de Franca.
O coronel Cesar de Vasconcellos declarou nos jornaes
da opposi(o que era falso o que dissera o marechal Sal-
danha na cmara dos pares, relativamente a elle estar
de aecrdo, em 1830 e. 1837, para restabeler a carta cons-
titucional ; assim como que nao era-elle a pessua a quem
alludlra o conde de Thomar, ditendo que llie pedir um
baronato, pols que nunca pedir merec alguma. '
Para mostrar a tolerancia dos nossos tempos, bastar
diz>rque a aro, jornal legitimista, tem aiinuciado re-
petidas veies que se acha venda, as lojas do costume,
o retrato de D. Miguel, ltimamente tirado em Londres.
O retrato nao se acha vista, mas sabe-sc onde se ha de
ir procurar. Custa 720 ris.
Diz-se que o coiiiinandante de um dos corpos da Boira
oflk'iara ao governo, que, achando-sc a sua officiaUda-
de sem meios, dlipoicra por couta dos sidos em divida
do que tinha nacaixa regimeutal, e que, se o governo
nao mandasse providencias, elle Cntrcgava o cominan-
do, porque nao era possivel faier guardar a disciplina
com aulliei ilidade em semclhantes faltas. Tambrm se
a M'n'i na que a guarnicao da capital est com atraso de
cinco prets.
O contrabando de aaautai filio pelo norte de Portu-
gal, he de tal maguitude, que os mercados de Vicua,
Ponte-de-Llma, Barcellos, Braga e outros, es tao chelos
daquelle genero, Ullcltamente importado. Este contra-
bando torna-se anda oais escandaloso ; porque, sendo
objecto de grosso volme, ultrapassa a raa com uina
facilldade espantosa O governo, por utilidade propria,
deve mandar iuformar-sc das avultadissimas porcocs de
assucar que agora existem nos mercados cima referi-
dos; assim como de quem seemprega ueste criminoso
trafico, o que Ihe nao ser dirTicultoso, e lalvez descubra,
segundo ili/.em, conveniencias vcrgouhosissimas, c que
de niniul i ni um exemplar c prompto castigo.
.A inda lia auem sonlic com thesonros enterrados. Uina
mulher deCoimbra sonliou que, debii.vo dos arcos das
agoas livres daquella cidade, existia um avultada poaco
de ilioheii o. Fez-sc esta dcclaraciio cmara municipal,
que leve a bonhomia ou a ignorancia de acreditar uo so-
nho, e de mandar fazer aescavaco; mas s encontrn
a sapata dos arcos!
Os esludantes da escola polytecbnica nronunciarain-se
contra os cabos de viga c regedor da freguezia de San-
Paulo, q"" i.s nao deixavam divertir sua vontade uo
pateo da Maeda, como elles queriam por estarmos no en-
trlo; Agarraram o*pobre regeder, fecharam-no o'moa
loja de bebidas, e viva loica o obrigaram a assiguar
com osseus chefes um prolorotlo, pelo qual eram man-
dados retirar os cabos de viga, com promessa de nao
voltarcui mais ao pateo da Mocita antes de principiar a
qiiaresm.i. Veremos se cumprem os artlgos deste pro-
locollo, como os clebres do de 21 de inaio.
Os bailes particulares se succedem quasi todos os dias
utis aos outros, e teem sido brilhantissimos. l'orni.em-
qiiaiitu a bailes de mascaras, s teremos este anno um
no da de entrudo, supprlmlndo-sc os de domingo gor-
do c o de seguuda-fcia. Iguora-se o motivo destasup-
pressao, a uo ser o temer aeinprcza de San-Carlos per
dci adespeta que faz por falta de concurrencia.
Estava o throuo cm poder dos sublevados ? Fol Impos-
ta a abdicacao Estava-se formando o ministerio sera o
beneplcito do re ?
Taes so as perguntas que naturalmente occorreni, e
a que o tempospoder responder. ___
(Supplmmlo no n. 314 da L Praio.)
(flittlurodSUiisoM.J
DIARIO DE PERNAMBUCO.
jsjjfl'jsjij a a>j ASBaaal aaaa^
NOTICIAS DIVERSAS.
Pelo correio de Hespanha acabamos do receber
as seguintes importantsimas noticias :
Madrid, 26 tio fevereiro.-Parte thelegraphica.Pa-
ris, 2-2, s 8 horas e moia (Ja manhfla. Km conse-
quencia das disposcOos repressivas adoptadas pelo
governo, a commissSo do banquetq publicou um
annuncio declarando quo mo se verificara a reu-
n fio.
Danui restiltou que a capital se commoveu e s?
tem formado rcuniOes.
dem, 22, is3 da tarde.Esta manhfla teem havi-
do alguns grupos> mas soin desordens graves.
dem, 23, as 9 da manhfa. Desdo a meia-noitc
que se rcstabeloeu completamente a tranquilli-
dado.
Adoptarain-se todas as medidas neccssanas para
impedir que se repitam as desordens.
Os amotinados construiram hontem do tarde bar-
ricadas numerosas.
A-guarda nacional o a tropa dclinha destruiram-
nas immediatatnenle.
0 correio que trazia estas noticias foi detidocm
Burgos por urna parto thelegraphica viuda de Bayo-
na, o all o alcancou qutro correio, portador das
seguintes participacOes':
O minitiv do inletior aolubprefeito de Bayona.
Paris, 2-1 de fevereiro. A' una da madrugada.
Mr. Odillon Barrot me annuncia que o ministerio
constituc com a sua coopcrac.no.
O geueial I.amoricicrc foi nomcado commandantc ge-
neral da guarda nacioual de Paris.
'lodo aqui se cncuminha ao rcstabclcciineuto da trau-
quillidadc c da moderaco.
dem, 24 de fevereiro, A' uina c meia da madrugada.
O r abdicou.
A duqueza de Orlcans foi nomeada regente.
I pi oposito deste grande acontccimenlo, eis o que diz
o Heraldo, que trasladamos sem coinmcntarlo de nen-
huma especie.
So estos todas as noticias que bavemos recebido, c a
falta de pormenores dcixa-nos cm una completa obscu-
ridade pelo que respeila aos tramites que seguiram es-
tes gravissiuius successos, que mudam completamente
o aspecto da polilica europea.
Desde o dia 22 s duas horas da tai de at 23s9da
manh.a devem ter occorrido grandes desordens, como
se deduz do comeco da terceira parlicipajao
Desde essa dau at 1 da madrugada nada sabemos ;
v-se, porm, que tinha havido mutlanca de ministerio,
e que Mr. Odillon llirrot era o ministro do interior.
Provavelnieiilc o chefe do gabinete ser Mr. Thiers,'
he ao menos oque parece mais natural.
Meia hora depois o re abdica, c contra o disposto por
urna lei vigente, he confiada a regencia duqueza de
Orleans.
Que ocrorreu ueste breve inlcrvallo, cujas circums-
taucias sao tao singulares ?!
Abarca Tejo trouxo-nos jornaes do Lisboa quo
alcangam o 4 de marco prximo lindo, o as duas car-
tas do nosso correspondentenessa capital, qued-
ramos sb a rubrica compelenlc.
Km primeiro lugar oceupar-nos-hetnos do desre-
chodessepronunciamento do povo parisiense, que
se verificara a 22 c 23 do fevereiro ultimo, e que nar-
ramos aos Icitores cm um dos nossos nmeros da
semana passada.
Depois de se haver retirado do gabinete o Sr. Gui-
zot, cuja pertinacia cm recalcitrar cunta as ten
delicias reformistas provocara,.por somduvula, se-
melhante pronuncia ment; depois de organisado
peloSr. Odillon Barrot mu novo ministerio, queiin-
medialamculo commellOra ao genaral Lamoncoro
o commando geral da guarda nacional do Pars, co-
mo quo pareca quo ludo so encaminhava para o
socego etranquillidade.oosthelegraphos assim. o
annunciavani. Kntretanlo, & 1 horada madruga-
da do 21, el-rei l.uiz Pbilippo abdica em seu neto, e,
de encontr disposiglodo lei escrita, a duqueza
de Orleans he nomeada regente, depois do ropellida
pPu povo a nomeac,ao Uu du4;c ds Nmni.rc ?:!ra
semelnante cargo; como se vo do um dos tro-
chos da segunda .las predilas cartas, e do arti-
go traduzido do supplemento ao n. 314 de La PrtTt-
sa, que copiamos na parle exterior. O homem qua
subir ao throno por via de urna revolucao, acabava
de descer desse mesmo throno recuando ante outra
revolueflo, quo jase suppunha como prestes a lin-
dar :... .
listo evento, muitissimo importante na verdado,
foi seguido do outro que o nao hmenos; mas nao
poderamos noticia-loaos subscriptores dess Diario,
se nos no obsequiassem com um dos ejemplares
do Estandarte, que ora temos 6 vista, e do qual fa-
remos alguns extractos.
Ao dar conta dos acontecimentos que precederam
abdicaco, esse peridico tachra-a de ficticia ;
dissera quo l.uiz Pbilippo san ira de Paris para Neul-
ly, levado pelo deseo intimo de poupar o ffiuao do
s'angu fraiicez ; annuricira que os duques do Ne-
mours c Montpensicr achavam-se as fortiicaces
frente dequarentae tantos mil homens de tropa da
linha ; allirmra quo igual frca de guardas na-
cwnacs seguia o partido do rci; asseverra, em-
fim, uto somonte seis departamentos tinham adheri-
do ao inovimento da capital. Entremenles; na co-
lumna inmediata a essa em que assim so exprime,
estampa as linhas que vamos trasladar para a-
qui : _
Do supplemento aon. 1131 do jornal ElEsjiag-
nal copiamos osegninlu .'
ii l'roclamac'Jo da repblica em Franca.
Por despacho thclegraphico, dirigido pelo delo-
gado do governo provisional ao sub-prefeito do
Bayona, c transmitido [hontem 26J embaixada
de Franca, sabe-so quo'no dia 25 foi proclamad
a repblica em Paris.
O governo hccomposlo da forma seguinto. Da*
pon de l'Eure, Arago, general Bodeau,
Lcdru Bollin, Crcmieux, Lamartine, Csr-
nicr Pagos.
Bolelim do thelegrapho d'hlvas, 10 horis, 4
de marco.
Paris, 't de fevereiro s 10 horas da noite.
ProclamacSo da repblica em Franca.
a Dupouldo l'Eure, presidente.
Arago, ministro da marinha.
i Lamartine, dos negocios eslrangeiros.
(jrcmicux, justiga.
Bodeau, guerra,
a Ledru Boln, interior.
Mario, commercio.
A vista dislo, pois, j so nffo pode duvidar de qua
a quest&o Ouizot .acabou de um modo anda mais
fatal para a realeza, do ano so termiuasso pela abdi-
cacao de el-rci Luiz Phiippe, na qual, ao revz do
contemporneo do Estandarte, acreditamos pamen-
te. De fet'o, d'ora a vante a patria dos Bourbons se-
ra governada segundo o syslema republicano, a me-
nos que tima contra-revolucao fa^a desabar o edi-
ficio, cuja construcQflo he attestada por dous docu-
mentos, que apenas discordara na data da erecco
delle, o no noine do um dos funccionarios destina-
dos a curar do sua conservac3o.
Agora que os leilores ji se achara ab corrente de
3uanin sabemos acerca do successo tilo transcen-
ei,te, e que. oceupa sobremodo a attencflo publica
desd'hontem pela nianha ; releva que Ibes diga-
mos alguma cousa a respeito de Portugal.
As circunstancias desso paiz eram bem pouco li-
songeiras, conformo o atiesta o quo vamos extrahir
das gazetas cuja teoepcfio acensamos mais cima.
A ser exacto o quo refero o Estandarte, logo que
conslou em Lisboa a abdicado de Luir Filippe,
opposic,3o encareceu pelas ras e pracas a necessida-
de d'a Sonhora l>. Marta II abdicar tambera. Ao tq
car nesto ponto, o contemporneo se nflo pC
futtar s seguate eolsiderac.o'es : -
'
Asfc.
MUTILADO


2-

^==1
t Pedmos atiendo do governo sobre a nosss
gravissima situacfio. A tormenta ronca alerta
pois : ho necessnrio conjura-la cmquanto helem-
po. Qunndo um governo cahe, ninguem qucr sa-
* ber riorque elle cabio. A brigagSo do governo
be sustentar-se. Sustente-se. Quando se quer u-
surpar com violencia, res'ste-se com grandeza.
A energa deve redobrar com o.perigo. He urna
* cobarda mais que infame cnjeitar urna situadlo
esses suicidios polticos aviltam. Nilo he na po-
dridSo da paz, quo se rovelnm os grandes ho-
mrns; he lias crises arriscadas que clles sobresa-
hem, e avultam gigantemente.
< Se nos provocarem para a guerra, tonham a
guerra ; mas guerra sem quartel; guerra para
flrmarmos a paz ; guerra para, urna vez por to-
" das, acabarmos com essas malditas evoluges,
que tecm completamente estragado o paiz, e cor-
- rompido a sociedade.
Cuidado-: Nilo so agita impumente um grande
partido romo o carlista; nflo se escarneco com essa
* impiedadea desgraga de um povo, que clama do-
Idiosamente pela ordem e trnnquillidado; no se
arrastra, sem os gravissimos p'engos do urna reac-
ello impacavel, urna nacerlo inrelz para as bor-
das de um precipicio seui fundo.
As nacOe nao morrem .'Mentira Aonde est
mente por este motivo retirira-se sem cumprir a
misso.
ncgressri a Madrid o Sr. conde de Mirasol, ex-
capitSo-general de Porto-Rico, havendo deixado o
Sr. conde de Reos no exercicio do cargo que occu-
pra.
Verflcra-se quo o capilflo-general da Catalunha
Iludir ao governopiando Ibe asseverou que as guer-
rillas se ecliavam extinctes. Ellas reappareceram
mais fortes o audazes do que nunca.
Em tins de Janeiro, Caetolls, em frente do 200 ban-
didos, invadir Almenar, e dah tomara cami-
iito de Moutsech, levando como prisioneiros o se-
cretario da inuiiiripalidade, o respectivo alcaide, e
mais tres individuos; por cujo resgate exigir 500
oncas e mais a importancia de um trimestre de
contribuigfo. A povoacSo quotisra-se para o pa-
pamente doresgste, sb sc:'.'ino de er indemni-
zada pelas familias daquelles a 'quem elle a apro-
veitar.
A 17, houvera acgHo renhida o sanguinolenta en-
tre urna columna das tropas legaes e o bando do
caudlho Margal.
A 20, vagaran) pelas montanhas de Salsona al-
gumas partidas de facciosos.
A 22, apresontra-se em Barcelona o cabecilha
Roquica com avultadissima porclo de dLnheiro e
a nncionalidade polaca? A dynastia dos seusi200tiomens,que trouxera das fronteiras da Franga.
reis ? Querem, como o Can de Byron, dar-nos
o esqueleto de um reino, e cuspir sobre ocada-
ver de urna ncelo O momento besolomne. Dos
o a lei, os a nossa divisa.
Ao passo que o collega invectiva dest'arte a opposi-
$o, osla, pela sua parte, se nao cansa declamar contra
n actualidad!*, com toda a (orea dos pulindes. A cornio-
la o pala i'.iminlia a passos agigantados para esse abys-
iim deque o collega searreceia tanto.
A seguranza individual c de propriedade ia desappa-
recendo de da paradla; tanto que os assassiuatos, os
rspancanienlos eosroubos succediam-se de urna ma-
nrira espantosa. Diversoseram osfaclosallegadasem pro-
va dr si ii ir i ha ii ic asaereo; mas apenas registraremos
aqui o assassinip do padre Mauoel de Souza, abbade da
Jirgimja de Paos, concelhc de I aniego no Porto o de
um individuo que procurara evadir-se das unios dos ro-
er indures, commettido prlo proptio rogedor das Pou-
sartas, em Draga; c, finalmente, o extremoso receio de
ladrees, que se manifestava nos habitantes dcMathosl-
nlios e Leca, ao ponto de nao haver familia que, possuin-
do alguma cousa, se animasse a cntregar-se ao semino
sem deixar urna pessoa de scntinclla ; entretanto que
um tiro, solt a deshoras por qualqucr gracejador de
mo gosto, era motivo mais que surnciente para que se
travasse cmtoda a povoac,So um tiroteio, que transfr-
mava-se, para logo, em confuso alarma.
As eleicOes mabifestavam lao pouco a vontade nacio-
nal, que, na ilha Terccira, o governador civil dissera em
certa reuna: Qu rilas tinham cammhado regularmente,
porque haviam sido entregues a urna commissdo compos-
i /a dot cavalleiros mais conspicuos e mais influentes da
rrru. >
A fniendapublica era defraudada por tal forma, que
todas as gazetas portuenses chamavam, una toe, a at-
enefc '1" gcvcn.o para o coiili-av.uo uc sc-, me
se estava fazendo, cm grande escala, as provincias do
norte.
As linancas empcioiavain tanto.'que na precitada ilha
e em Cabo-Verde, os cofres pblicos como que estavam
exhaustos, e inteiramente baldos de recursos
O que fiea escriplo, e oque refere o nosio correspon-
dente, quasi que nos habilita a dar por nda a nossa
revista quato aos negocios de Portugal; mas nao o ta-
remos, sem mencionariuos a morte do padre Jeronymo
Morera de Andrade, cominissario dos esludos c rcitor
do lycu de Angra; pois que este sacerdote tinha trio
boas qualidades,que o seu trespasso era gerallnente cho-
rado, e o governador civil do lugar expedir um alvar,
couvniando seus concidados a concorrerem para a
erer.cao de um modesto monumento memoria do fi-
nado. ,
Pornios fim a este nosso trabadlo,- resumindo as no-
ticias de llcspanha'quc odiemosas folhas portuguezas,
c que alcancan a 2f> de fevereiro.
Apenas corro-a ahi a nova dos ltimos acontecimen-
tos de Paris, o gabinete hespanhol pedir autorisac.no s
cmaras, para suspender as garantas, caso o governo
rntendesse conveniente, e para conlrahir um empresti-
nio de duzentos milhes de reales. Scinclhante passo
do gabinete denuuca que se elle arreceia inulto dos ef-
cilus da referida noticia.
Sabi-se do que se pasira no congresso ate 21.
Fra rejeilada una proposta do Sr. laen, para que o
servico militar perdesse o carcter de Toreado e obliga-
torio, e ae creasse urna contribuicao, com o producto da
qual se pagaaie aos Individuos que se proniptificassem
para semclhante servico.
O governo apresentara o novo projecto de m de liber-
dade de Imprenta, restabelecendo a intervehcao do jury
no julgamcnto dos delictos commeltidos contra ella.
Este jury ha de compr-se de 300 julzes de facto cm
Jladiid ; de 150, as capitaes de provincias de pri-
incirac segunda ordem ; e de 100, as de tcrcelra. Os
jnuesde facto serao elcitos por urna junta, que se or-
g.inisra, em Madrid, com os membros de ambos os cor-
pos collegisladres.
Na srssao de 14, o Sr. Borrego intcrpellra o ministe-
rio acerca do procedimentodus gentes hespanjides nos
estados onde se haviam manifestado sympalhlas, mais
cu minos sinceras, a favor da liberdade da llalla, ^durante
os ultimo eventos desse paiz. Na mesma sessao, o Sr.
Sanches Silva apresentara urna proposta autorlsando. os
povos a pagarem em ttulos de tres por cento ascoutri-
blccs atrasadas ; mas resolver se a retira-la, por ter
o Sr. ministro da faienda declarado que, dentro em
pouco, subjeitaria ao conliecimento da casa urna pro-
posta anloga.
O ministril Bertraud de I.iz apresentara ao concilio
un projecto sobre pautas.
Snppunha-se que o ministerio revogra o degredo do
general Alaix.
O Sr. Artela depozera um voto as maos do presiden-
te do congresso, para que se formulasse acensara con-
tra os gabinetes presididos ptlos Sis. Pacheco eGarca
Goyena, e mais contra o ministro Portillo.
tora aecusado e ia ser defendido pelo Sr. Salustiano
Olozaga o numero do Siglo, em que se apreciara a ques-
to relativa a Maria Christina e ao duque da Victoria.
Rcferindo-sc a cartas de Lisboa o Faro annuncra que
o Sr. Aylon retirai-sc-hia dessa capital, c cncarregaria
'interinamente"ao.^r. Giimyn os despachos da legaciio.
Fallecer o Sr. deputado Quiroga.
A queda de nevos ou de copiosas chovas tinha sido
causa para que inclhorasse consideravelmente o es lado
sanitario de algumas povoaces das provincias.
A 5 de fevereiro, pelas 10 horas da manha, o
Sr. general Espartero passraem lluitrago, decarni-
nlio para Logronho. O coronel do regiinonto da rai-
nba fro rep'rehondido severamente, por se n;lo ter
apresentadoao general, quando elle pansou porSan-
SebasliSn.
Em Malilla, houvera um horrivel terremoto, que
estragara por demais os edificios, sem que, todava,
occasionasse morte alguma ; c os Mouros, em gran-
de numero, commantladospclo imperador Abderra-
nianii, tentaram sorprender a guurnico; mas nilo
o conseguirn).
O general Serrano j se tinha recolhdo da sua ex-
pedicao e ilhas Chafarinai. Se a Hespanha se nilo
apressra em mandar tomar posse dessas ilhas, ellas
portenceriam hoje a Franca ; porquanlo o general-
Cavaignac fra occupa-las, poucosdias depoisdese
ucliarem guarnecida por tropas hespanholas; e s-
A27, predito Margal assalUra Grauellers, com o
fim deextorquir contnbuicOes; mas nno o conse-
guir, e retirra-se dopois de haver resistido con-
tumazmente a urna columna do exercito, que Iho
sahira ao encontr.
A 6 de fevereiro, fra capturado em Malaga um
criminoso celebre, do nome Francisco Caulizano,
vulgarmente conhecido por Antonio, ecompBnhei-
ro do foragido Andrs Careison.
Tinha sido morto por um ollcial do 8.' balalho
docagadoros, destacado em Serral, o facinora Griset,
que, por muito tompo, derramara o terror na Cata-
lunha.
Eis-ahi, pois, a situagllo da Hespanha, no tocante
tranquillidade publica; a qual, de cerlo, se nilo pe-
der considerar como restabeleeida, en.quanto es-
liverem em acg3o as guerrilhas que infestam aquella
trra.
Consta-nos q6 se aclia ravoBivus i0*t.o c .or-
tuguez Bernardino Jos, vendein* em Santo-Amaro,
sobre o qual destecharan) um tiro, dentro da propria
taberna, as 8 */i hpras da noilo de 31 do passado.
COItiltiEftCiO.
Alfandega.
RF.NDIMENTO DO DA 1.*. ........ ... .
Deicarrega hoje, 3 de abril.
Galera Swori-Fitk mcrcadorias.
CONSULADO GERA-la.
RENDIMFNTO DO DA 1.
1:789,944
Geral..........
Diversas provincias.
2:765,278
147,523
2:912,801
hojo h de 5:090 barritas. To-
cou no porto um carregamento
que seguio para-o sul.
Carne secca--------Venderam-se 12:000 arrobas pou-
co mais ou menos, aos precos
de 3,200 a 2,80o rs. por arroba,
sendo do Rio-Grande, ea 2,300
rs., deBuenos-Ayres.Odeposilo
he de 28:000 arrobas.
Farinha de trigo Existem no mercado 2:000 barri-
cas e venderam-se 1:200 do
22,000 a 23,000 rs.
Manto iga.....Vende-sede700a750rs. a libra
da ingleza.
Toncinho.....dem a 4,000 a arroba do de San-
tos, e de 7,500 a 8,000 do de Lis-
boa.
Vinhos.......!<3em 3 9<,000 a 95,000 r, pipa
dodal-'igueira.
Apenas entraram 6 embarcacOes, e sahiram 7, fican-
do ancoradas no porto 30, sendo 11 brasileiras, 3
francozas,7 inglezas, 1 kiuipUausiana, 5 portugue-
zas, 1 russiana e 2 suecas.
NOTICIAS COMMERCIAES,
A nlfandega do Porto randera, no atino prximo
(indo, 1.506:660,811 rs.
A 18 defovereiro, as notas comparavam-se, nes-
sa praca, a40|, o vendlain-se a 39"/,.
Na mesma lata os pregos dos cereaes regulavam
assim :
Trigo........ 800 a
MilhO...........410 a
Centeio..........430 a
Gevada...........320 a
900
420
440
340
Movimenio do Porto.
Navio entrado no dia 31 do patsada.
Terra-Nova 31 das, brigue inglez Herald, de 202 tone-
ladas, capitao John Warren, equipagein 13, carga
2,540 barricas com bacalho ; a Le Bretn Schrainm.
Navio sahido no mamo dia.
Bahia ; brigue inglez Herald, capitn John Warren, car-
ga a mesma que trouxe.
. Navioe entrados no dia \J> do corrente.
Ass ; 9 das, patacho brasileiro Dous-Irmiot, de 144 to-
neladas, capitao Vicente Ferreira Lopes, equipagein
11, carga sal, carnauba e palha ; a Antonio Francisco
da Silva Carrisso. Passageiros, Flix Pereira da Silva,
Jos Januario de Carvalho com um escravo.
Lisboa ; 23 dias, barca portugueza Tejo, de 312 tonela-
das, capitao Silverio Manuel dos liis, equipagein 24,
carga violto, vinagre, azeite e mal gneros do paiz ;
a Oliveira limaos. Passageiros, Clemente Jos de Men-
UUUCa, JOSC l/u.llv uovi.*wl.
Navioe lahidoe to mamo dia. m
Bahia'; hiato brasileiro San-Benedicto, capitao Joaquiut
Jos da Silvcira, carga varios gneros.
Boston ; barca americana Carotina, capitao Oliver G. La-
e, carga assucar.
Kalinouth ; brigue inglez Afary, capitao James trame,
carga ssticsa-.
Navio entrado no dia 2.
Bahia ;-l-3 dias, escuna sarda <*frxa, de 84 toneladas,
capitao G. B. Bafico, equipagein 12, carga cacu, cou-
ros salgados c seceos ; a Jos Saporlti.Veio arribado
e segu para Genova.
13. A aurora boreal do polo rtico.
14. A cidade de Hamburgo o Altona, pela janoll
da torre da igreja Ottensen.
15. Urna cascata emTyrol, n'Austria.
Adverte-se que ps bilhetes vendem-se na porta da
entrada a 1,000 re. para hornero, e a 500 rs. para
as senhoras o meninos.
Publicares Littrariat.
GIUMMATICA LATINA.
Brevemente satura luz o Manual novissimo
dos esludanlcs do latim exlrahido dos melhores
compendios de grammatica latina, at agora publi-
cados e organisado do modo mais conveniente, pi.
ra so ensinar. Conten, em menor espago do que a
o d" psfire Antonio Pereira, quanto he esencini
saber-sede cor, serulo acompanhado em cada pa-
gina de copiosas notas explicativas das regras e ex-
cepgOes mais precisas que se no usam dar de cor.
As quatro partes da grammatica s3o tratadas com
ordem e clareza ; a syntaxe he seguida de modelos
deanalyse grammatical, para guiar a' fraca com-
prehensflo dos principiantes: Contm, alm disso,
a arle mtrica, a roylhologia, o un bravo tratado
dos costumes e eremonias tanto ciyis com religio-
sas dos antigos Romanos, materia ulilissima para a
intellrgcncia dos ctassicos latinos. O sobredito ma-
nual formar um volume do cerca do 300 paginas
em oitavo. O prego paraos assignanteshc 3,000 rs,
cada exemplar; dopois da dislribuigfio ser elevado
a 5,000 rs. A subscripgSo est aberta na ra do Quci-
mado, loja n. 17 e no terceiro andar por cima da
dita loja e as lojas do livros da praga da lude-
pendencia e da ra da Cruz, no Rccife.
IRIS,
jornal do sciencias, letlras, conhecimentos uti
noticiase variedades, publicado no Rio-de-Janeiro,
eredigido pelo Sr. Jos Feliciano de Castilho llar-
reto e Noronha.
Esta publicacSo (em por fin a instruego, reoreio
e interesse dasduas nagOes hrasileira e portugue-
za, vulgarisando com especialidado nocOes donde a
umaou a outra possa resultar proveito, esforgarK
du-su por ioiimi'aiuda mais conliRcidos na lOuropa
a natureza e o progresso do Brasil, mais condecidos
a i ma no Brasil os adianta montos da sociedade eu-
ropea. O Iris sabe a luz nos dias 1. e 45 de cada
mez, em folio, cada numero contera 32 paginas de
impressQo. NAO se tomam assignaturas seiiilo por
semestre oanno; porm, o primeiro semestre do
1848 oncorra nove nmeros. A attignatura he paga
adiantada, por semestre 8,000 rs. e por anuo 10,000
r, na ra da Cadeia do Recife, loja de livros de
Cardozo Ayres, onde os Srs. que j assignaram,
podem ir buscar o.* numero.
CONSULADO PROVINCIAL.
HKNDIMENTO DO DIA 1.*............ 76i,5t7
NO MEZ DE MARGO DE 1848.
27:863,548
3:629,969
2:231,820
1:043,200
RENDIMIENTO
Diretosde 3 por cento......
Ditos de 5 por cento.......
Taxn.............
Gapatazia
Decima urbana .......
Mein siza de cscravos. ......
Sello de herangas o legados.....
Vivos c velhos direitos ..
Emolumentos do passaportes de polica.
Cinco mil ris por escravos despacha-
dos.............
Meio sold e sello de patentes da guarda
nacional..........
Matricula das aulas de latim .
Ditas do lyccu e seminario.....
Serraras .........
Multas .... ....
Juros.........-4 :
3:461,461
978,100
254,854
60,000
28,200
15,000
302,800
310,000
700,000
12,800
* 26,134
20,351
l>eclaraoes.
40:938,237
Mesa do consulado provincial, 31 de margo de
1848.
i O escrivfio da primeira secgao,
yodo Ignacio do Reg.
PRAfA DO RECIFE J.* DEABRIL DE 1848,
AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambio ----- Fizeram-se -transacgOes regula-
res, de 27 i/4 a 27 3/4 d. p. 1,000
ruis.
Algodo.....Como qur que entrassem 962
saccas, baxaram os pregos ao
ponto de vender-se a.4,900 rs. a
arroba del.*sorte, ea 4,400 rs.
a de 2."
Assucar A entrada do ensacado foi mu
grande, o o deposito he avulta-
dissimo; em vrtude disso sof-
freu baixa, e passou-se a vender
de 1,550 a 1,950 rs. a arroba do
branco, e de 1,200 a 1,260 do
niascavado.O encaixado cpn-
servou o prego do 800 rs. a arro-
ba sobre o forro do branco de
I." sorte, 700 rs. por dita do
mascavado, tamben! de 1.' sor-
' te, e 600 rs. de 2.'; mas nos l-
timos dias faltaram comprado-
res.-- Vieram ao mercado 451
caixas.
Amendoa.....N8o ha.
Azeite de peixe- Vendeu-se a 1,1 a0 re. o gaiao.
Bacalho As vendas de semana regularan)
por 1:500 barricas, aos pregos de
9,000 a 12,000 rs.O deposito
CAPITANA DO PORTO.
Estando innda por serom arroladas o numeradas
multas embarcagOes empregadas nesta cidade na
pescara, cem diversos oulrosservigos do mar, in-
clusive as de servigo particular, nilo obstante os e-
ditaes marcando os prazosem quo deveriamser a-
presentadas para esse lim; faz-se public aos res-
pectivos proprielarios, que, nSo subjeitando-as a mi-
so no de 15 dias, contados da data deste, se pratica-
ra contra elles na conformidade do disposto no aviso
imperial do 22 de fovereiro (indo, cujo contexto de-
clara'o edital dcsta capitana de 3 do coi rente mez,
publicado nos Diarios desla cidade.
Capitana do porto de Pernambuco, 24 de margo
de 1848.
Rodrigo Theodoro de rtitae,
Capilo do porto.
Acamara municipal desta cidade principia a fazer
sessOes ordinarias^do dia 3 do correte por (liante.
DGnEBDtBBa
Os Srs. accionistas que ainda nfio realisaram a
prcslagfio de 4 por cento queiram faze-lo, quanto
antes ; certos do qnq|aadrr.inistragfio.vai dar cum-
primento ao artigo ffdos estatudos..
O secretario,
B. J. remandes Barros.
Chronica Luterana, jornal de instruegilo e recreio,
publicado no Rio-de-Janeiro, semanalmento, por u-
ma a ssociigfio do litteralos brasilei ros. O prego da as-
signatura tro de 6,000 rs. por anno, pagos adianta-
dos por 52 nmeros. Recebcm-seaasignaturas, para
este inleressanto jornal, na ra da Cadeia do Rccife,
loja de Joiloda Cunba MagalhSes, aonde j seett-
cuntrarfio oa ns. 1 a 8.
Na mesma loja se vendem as poesas do Jofio de Lc-
mos deSeixas Castolbranco, 1 volume por 1,500 rs.
Revista Universal Brasileira, jornal de instruc-
gfio e recreio, 1 volume, 5,000 rs..
Sahiram luz as Qucstoes de .philosophia,
contedas no programma adoptado para o examo
do bachareladp em lottras da universidade.de Pars,
por A. Charm Iraduzidas do francez da terccira,
edigfio, pOr Antonio lloren la no de jtouza Bandeira,
bacbarelem direito, o profaapr e philosophia no
collegio das arles d'acadeam jurdica de Olir.da.
-Approvadd O adoptado pela cougregagDo dos Srs.
lentes para servir de texto s ligOes e examespre-
paraloriosda respectiva disciplina na mesma aca-
demia.
Veude-se na praga da Independencia, llvraria ns.
6 e 8, a 5,000 rs., brochado, a 5,500 rs., meia enca-
dernagfio, e a 6,000 rs. encadernagSo intoira.
Grandecosmorama
IHIIIF i><;AS DE VISTAS.
Publicado jurdica.
Acha-se sb o prlo o 2o e 3" volumes do Direilp ci-
vil lusitano, por Mello Freir, augmentado cora nota*
dos melhores praxistas e icios, e logislagflo brasi-
leira, al o presente publicada. SHbscrove-se'para
esle.volume na praga da Independencia, livraria, ns.
e 8, onde se irfio entregando aos Srs. acadmicos
S foihasq ue seforem publicando.
Avisos iiiacifnuos.
Fret-se ou carrega-se a volumes para qual-
quer dos portos do norte at o Cear a barcaga San-
Joo-Baptista : quem a pretender dirija-se a ra da
Cruz no Recife, n. 36. ^ .
O brigue portuguez Olitera pretende sahir
impretcrivelmento Tpara a ilha de S.-Miguel, no da
9 do abril: ainda pode recober alguma Carga' miuda :
quem pretender carregar, entenoa-se na ra do Vi-
gario, o. 8, ou eom o cauitflo na praga do Commer-
cio.
Le i loes.
5 -- O lllm. Sr. desembargador Joaquim Teixeira Pei-
xoto d'Abroo Lima, leudo de retirar-se em breve pa-
ra a cOrle do Rio-do-Janeiro, far leilflo, por inler-
1 vongHo do corretor Oliveira, da mobiiia da sua ca-
Hoje estarfio expostas, das 6 horas da tarde em ;sa> COnsi8lindo em um esplendido piano, jardinei-
ros, sofs, marquezas, consolos, cadeiras de salas
o de balaugo, bancas de jogo, toueadores, mesa de
costura, commodas, mesa do jantar elstica, arma-
dianio, no saino do Collegio, junto CongregagSo,
as segtiintes vistas:
1.' Pernambuco, polo lado dajortaleza do Brum.
2.' Bota-Fogo, suburbios do Rio-de-Janeiro.
3.a O palacio dasTulbcrias, om Paris.
4.a A cidade de Coimbra.
5.' A cidade Hillah, ruinas de Bobilonia.
6.a A entrada da rainlia Victoria em Golta, cida-
de da Allemanha.
7.' A ga d'Oconncll, na capella do Marlbqru/.na
Inglaterra.
8.a O jantar dos frades norofeitono do convento,
na Blgica.
9.a A cidade de. Vera-Cruz, pelo lado do mar.
10. O Pico de Tenerife, pelo lado do mar.
11. A cidade de Urna, capital do Per.
12. A grande praga d'Ei-Ppolo [do povo] em
Roma.
nos, camas, lavatorios, apparelhos do porccllana
branca para mesa, caixa do oharo cosy-flxas para
voltai ele, o seu carro de quatro rodas ; sm arreios)
para seis possoas, utensilios de cozinha, e muitos
outrosobjectos umis e necessarios Tassim como de
varias obras de ouro, algumas de biillianles, pero-
lase pratas :quila-feira, 6 da manbfla, ra do Aterro-dx-Ba-Vista, n. 45, se-
gundo e terceiro andares.
Scliafbeillin&Tobler farfio lelo, pqr intw-
vcngHo do corretor Oliveiaa, de um lindo sortime'1-
lo de fazendas novas todas proprias do mercado o
da presente estagfio : lerga-foira, 4 docorrente as
10 horas da manhaa no seu rnwzein- da ra da.
Cruz.
MUTILADO


Eduardo Bolli far leilSo, por intervencSo do
correlor Olivcira d.o muitas fazendas, das quas
dependen, liquldacoes de facturas : hoja, 3 do
correte., as 10 horas da manha no sou armazem
ja ra da Cruz.
Ij.------------l _.. __j_____________u__J-~
Avisos diversos.
3
O LIDADOR N. 272,
icha-se a venda no lugar do costume. A sui-publica-
cio, as quartas e aos sabbados, ho inalteravel ; a-
chando-se, porm ,a venda nos das emmediatos.
Precisa-se de urna leja com armago ou sem
ella : dflo-se 300,000 rs. ou mus de luvas pela cha-
ve sendo us segujnte* ras : Cadeia do Recife
Nova, Csbuga, Livramcnto o Queimado : quem a ti-
vere quizer alugar dirija-se a ra larga-do Rozario,
loja n. 35, a fallar com o dono, que elle dir quem
precisa, ou annuncio por esta folha.
AO PUBLICO.
Chogou o segundo volumo q"ue completa a obra
C0NSELHE1R0 FIEL DO l>OVO ou collecgSo de Tor-
mulas para qualquer pessoa saber regular-so em
sous negocios couhecer seusdireitos o deveres ai-
vis; proceder em todos c quaesquer contratos; fazer
quaesquer cscriptos particulares, apontamentos ,
memoriaso minutas e terminar qualquer contes-
ta^to .semquelhescja preciso recorrer a advoga-
do, tabeinilOjOUofllcial publico : obrr utilissima a
todos, cotligid o organisada dos prir.cinios do di-
rcito patrio, e strauho subsidiario : 1848. Vcnde-se
na linaria da esquinado Collegio.
10!0i0 10 0 K0 0 l#*i*10
& Itouard, horticultor d
a
Lyon,
i
1
fe
1
; lem a honra de participar ao respeilavel
' publico, e principalmente aos amantes das
bellas flora, que tenciona demorar-isa nesta
praga smenle al o fim do mez: por cpnse-
guinto, convida o mesmo Rouard as pessas
que quizerem aoroveiUr-se da occasiflo.-a so
(lingirem no Aterro-da-Ba-Vista, onde o a-
cliaio vendendo os mesmas flores e semontes
por todo o prego.
O0~fr&\% 0* 0pa l% 0*0fa 0Tft 0I*0la
Desappareceu da estribara da ra da Cadeia do
bairro de Santo-Antonio, casa n. 30, un cavallo
castanho, carregador baixo al moio, ba'stanle gor-
do, o com os signaos soguintes : ho capado, leve mal
de bosta no lado direitu da pa, buscando ao pesed-
co, e lem urna pequea pelladura no poscco. do la-
do esquerdo; a pessoa que Irouxer o dilo cavallo ou
dr noticia exacta do lugar aonde estoja, ser bem
recompensada, na lojadesapatos da.mesmarua.
Dentista.
;
D.W, Baynon, cirurgiflo dentista dos Estados-Unidos
da America do Norte, rccetomcnle chegado o esta
cidode, participa ao respeilavel publico o aos sous
amigo, quo tenciona seguir desta cidade para os
portos sul em breve lempo : assim, roga as
pessoaaque ge quizerem utilisar do seu preslimo,
dirijam-se a ra da Cruz, n. 40, segundo andar.
H CHAPEOS DE SOL jg
Ra do Passeio*Publico, n. 5.
Joo l.oubct participa ao respeitavei publico, que
reeabeu, por estes ltimos navios francezes, um com-
plelosortimrnto de chapeos deso, de seda, amis
rica esuperiqr qualidade; furta-cres e oulras mui-
tas conhecidas, tanto para homens, como para Sras
e meninos. No mesmo eetaboleci ment ha um sorti-
menlo de ohapos de sol de paninhb, dos mais mo-
dernos; dilos muito grandes, proprios para homens
decampo : tambem lem chapos do sol de paninho
para meninos o meninas, por serem muito finos: po-
dem-se chamar chapos de economa. Na mesma loja
ha sortimento de bengalas, bengalinhas e chicotes
muito modernos; cobre-se qualquer aniiac.no de cha-
pos deso, com sedas de todas as cores equalida-
des. Na mesma casa ha um grande sortimento de
panuiihos trangailos e lisos, imitando seda, para
cobrir os meamos: desta fazenda Se vende aretalho.
Cohcorla-se todo qualquer chapeo de sol, por lia ver
um completo sortimento de todos os pertenecs para
os mesmos, com toda a perfeigao e brevidade.
VSo comegar no collegio de Santo-Antonio os
cursos de pliilosopliia c geometra ; e o respectivo
professor, o Sr. Antonio Pedro de Figinfiredo, coni-
proinette-se a esforzar-so, para que os seut alum-
nos aprbvcitem-no o mais possivel:. os que quizo-
rom ostudar estas disciplinas, apressem-.se, quanto
antes, para nflo perderem as prjmeiras ligOas.
< O abaixo assignado partici-
pa ao respeitavei publico aos
seus freguezes e amigos, que ha
CaSA DE MODAS FRAN-
- CEZAS.
M. M1LLOCI1AU,
no Aterro-da-Boa-Vista,n. I,
primeiro andar,
com a entrada pelo portlo do oiti.o, acaba de rece-
ber, pe(o ultimo-navio vindo de Franga. um rico
sortimento do modas e de objectos para a Quaresma,
a saber : lindse escolhidos chapos de senhora',
do todas as cores e do ultimo gosto : sedas prctas
achamalotadas, para vestidos e man tlalas; grs de
aple prcto e encorpado, para os ditos ; trancas e
franjas protas, muito ricas, para en fe i tos de ves-
tidos e manteletas ; ricos bareges pretos, sem mis-
tura de algodo e com listras assetinadas; mantas
e mantilhas para a cahega de rico bien preto, para
senhora o meninas ; veos ; bicos pretos verdadeiros,
de muito lindos desenhos e de todas as larguras;
[.tilos do bico preto; dito de linho preto, muito lar-
go ; luvas prelas com dodos e som elles, compridas
ecurias, lisase bordadas, de todas as qualidades ;
Icncinhos de garga para gravatir.has de senhora ;
ditos do rede do relroz; ricas litas prelas largas o
estreitaa; um lindo sortimento de camisinhas, col-
larinhos a bordados ; cainliraia ile linlm ; lencos do
mflo etc Fazom-se sempre na mesma casa vesti-
dos para casamento* e para a Quaresma mantelo-
tas, chapos, toucas, e, em geral, ludo o mais do
toilette das senhoras : ludo por prego muito em
conta o com promptidflo.
Na Boa-Vista, ra da Matriz n. 60, copia-so
todo genero de escripturagilo, tiram-se passaportes
e corrom-se folhas : ludo com asscio, prestesa e
commodidado.
Aluga'-se o segundo andar do sobrado da ra
da Senzalla-Velha, n. 70 : a tratar no primeiro an-
dar do mesmo sobrado.
Alugam-se duas pretinhasescravas, bem edu-
cadas quecosem e fazem todo*o mais- sorvigo de
urna casa do familia menos o sahirarua; as quaes
teem 14 a 15 anuos: na praca da Boa-Vista, n. :i_ ,
segundar.
-- Hoja, 3 do crrante, halo de sor arrematados 2
escravos pertencenles a casa do finado Jos Manoel
Fiuza requerimento do inventarente, a heno-,
(icio dos orphflos, na ra da Aurora. .
Oaba'xoassignado, professor provisionariodo
primeiras lettras contina a cnsina-las na ra es-
Ireita do Rozario n. 30 ; e prometi lodo o des-
velo e cuidado no mesmo ensino- fenlo Lui da
Gama e Mello,
--Dilo-se 400,000 rs. a premio sobre hipolheca
em casa terroa : na ra Nova, n. 58, so dir quem d.
Dilo-io 800,000 rs a promio, com hypotheca
em predios livres, ou boas firmas : noAterro-da-
Hoa- Vista, u. 78, se dir quem d.
Precisa-so de pretasquo.vendam pilo pagando-
se-lli'es vondagem : no Forte-do-Mallos, ra do Bur-
gos padaria quo foi do Alloman.
Precisa-so de um menino de boa conducta, para
aprender o oflcio du- cabellereiro : na ra Nova ,
p. 39.
mudado
M. S. Mawson, dentista, rocentemenlo chegado da
Europa, acha-se residindo no Recifo, ra do Tra-
piche-Novo, n. 8, segundo andar, aonde contina a
por dentos minoraos, (cando inc'orrupliveis, o ap-
parecendp inteiramento como naturacs : tambem
tira a pedra, a qual, mo sendo extrabida, em pou-
co lempo tanto arruina os dontes ; chumbacom ou-
ro ou prata, para privar do augmentar a corrupgflo;
tambem tira, lima o faz todas as operagOesdenticaes
coma maior delicadeza possivol. Elle espera que
os elogios, e o muito patrocinio que tem recebido
pelos beneficios que tcm produzido na sua pratica,
durante 7 annos de residencia nesta cidade, scrilo
gnrantiassulllcientes para as pessoas quo, precisan-
do do seu preslimo, nSo o deixcm de procurar.
Oflerece-so urna parda para ama do alguma
casa de pouca familia, para fazer todo o servlgo que
pcrteiice a urna casa, a qual sabo cozinhar, ongom-
mar o tomar conta de urna casa: quem a pretender,
dirja-seao Aterro-da-Boa-Vista, n. 44.
Desappareceu no da 28 para 29, da ilha de Sul
assuna, urna vacca raposa com o lombo" vermolho,
est parida, e na mesma ilha deixou o bezorro : es-
t marcada com o forro de grolha n vasio. A pes-
soa que a pgar dirija-se as Cinco-Pontas, casa de
Francisco das Chagas, quesera recompensado. .
Jacinlho Manoel do Chaves Senra retira-se para a
ilha de Sn-Miguel. .
LOTERA
Do Hospital Pedro II.
Gorrem sem duvida nealiuma as rodas
desta bteria no dia 8 do brrente mez de
abril como se tem annunciado, e o di-
minuto numero de bilhetes que anda
existen) s se venderao at as 6 horas da
tarde do dia 6, porque desta hora em
dianle, se restaetn alguns, ficarao per-
tencendo a urna pessoa que os quer com-
prar.
-Arrenda-se um sitio na ostrada do S.-Amaro,"
com casa terrea de vivenda, de podra a cal, cacim-
ba do boa agoa, diversas rruteiras, larangeiras, man-
gueiras, coqueiros e outras : no Aterro-da-Boa-Vis-
ta;'n. 42, segundo andar.
'Arrenda-se um sobrado de dous andaros, na
ra da Sonzalla-Velha, n. 110, com dous aritiazens,
e junto ao porto do embarque, com ptimos com-
modos o arranjOs para urna grande familia : a tratar
na ra do Moras n. 140.
O Sr. Martina, que mora no Rio-Formoso, e que
soquizencarrogar da uns papis, naquella comar-
ca, a podido do Sr. lenle Joaquim Jos de Souza ,
sendo que se acho nesta praga, dirija-se a ra do
Rangel, n. 36, primeiro andar, que se lhe desoja
fallar a negocio do seu interosse.
A mesa rogedora da irmandado do Sr. dos Pas-
aos da matriz do S.-Fr.-Podro-Gongalves, tendo de
expr aos fiis o mesmo Scnhor om solemne procis-
silo no dia,7 do correte mez do abril, previne
aos moradores das ras, desdo a matriz da Boa-Vis-
ta em direilura at a ra da Cruz, e daln pelas dos
Tanoeiros e Trapicbc, para quo tenham as mesmas
ras limpas e asseiadas para maior decencia do um
acto de tanta religiosidade : tambem roga aos Srs.
sacerdotes o minoristas que se dignarem acompa-
nbara mesma procissilo, so apresentarom com
sous coquetos afim do quo possam receber o bran-
do da iiinandade o lornar-se desl'arlo mais pom-
posa e brilhantoa mosma procissSo.
Precisa-so alugar una prcta, ou um moleque,
que seja fiel e esperto, para vender na ra azeilo de
arrpalo o oulras vendas : na ra Direitu, n 78.
Licocs de tal i ni.
D3o-se ligos de latim duas vezas ao dia, das 6
horas da manhila at as8 : e das 4 da tarde al as G,
na ra do Queimado, n. 17, torceiro andar : a tratar
com embolino Guedcs do Mello, uesso lugar a cs-
sas horas o na Ihesuuraria da fazenda entro as 9
da manha e as duas larde.
O doHO da padaria do urna porta, na praga da
S.-Gruz dosejando que sous bous freguezes sojam
bem servidos, o achem sompro o que so faz em
outra qualquer padaria quando nflo possa s-r me-
Ibor, ao monos igual, rosolveu fazer bolachinbas
que chamam do aramia, menos ello, o podo asse-
vorar aos sous froguezes que alli a acbario sempre
fresquinhas a 320 rs. a libra, e que as vendo de
baixo do titulo de regala para no confundir com
outras que tcm.
A sociedade de GuimarSos Seralim & Compa-
nliia (ico cstincla no dia 7 do p. passado por
so tordella desligado o socio Serafim l'ereira da
Fonsoca Bastos. Os liquidatarios da dita sociedade,
no activo e passivo silo Guimarles & Gompanbia ,
que cotinuam com esta firma. Recife, 23 de mar-
go do 1848. Guimarars & Companhia.
Aloya-so. um sitio na estrada do Remedio,
com soflYivcl casa, bastantes arvoredos de fruto ,
boa agoa urna exccllcnte baixa para capm, ou
outra qualquer plantagilo : a Iratar na ra do Pires,
n. 27.
Pjccisa-se alugar urna escrava quo saiba cozi-
nhar c engommar, para urna casa de pouca familia :
quem a tiver annuucie.
Compras.
b -
o seu eslabelecimento da ra do Queimado, n. lt A,
para o grande armazem da esquina da mesma ra, n.
glk tg aonde se cncoiilrar.1o,n1o s as fazendas
^1/ j annunciadas, como um grande sorli-
^^ M 9' ment cJugado pelos ltimos navios ,
para vender por atacWo e a rctalho o mais barato
possivel. Neslo novo armazem' encontrarito os con-
currentes molhor commodo para as suas compras ,
nflo speloespagsoarmazem como polos precog
baratissimos, o completo sortimento.
faymundt Carlm J.eilc.
Agenceiam-se as cooupras e vendas
de quaesquer objectos serios, com aquel-
la promplidao e intelligencia de uina pes-
soa que tem \l\ annos de protica de com-
mercio fha ra d^s Larangeiraa, n. i4,
segundo andar.
llojo 3 do corrente hilo do ser arre-
matados i portado Sr. doutor juz do orphflos ,
pelas 4 horas da larde os bons portcnceiilos a he-
ranga jacenl de Jos Poreira Cardozo GuimarSes.
Perdeu-se, na noije de 31 do passado, na occa-
siilo do se rio fio da ordem 3.' do Carino, um annel
do brilhantes, que, desarmado, forma umapulsoira:
quem tive'r achado o quizer restituir, podara dirigir-
lo ao pateo do Cumio, n. 17, ou ao sitio do Mondago,
a Joflo Baptista Accioli Lius; quo ser.beta rocoin-
pajtMO.
Vendc-soum bonito moleque de nag3o
de 18 annos com principios de cozinha X
sem vicios ncm achaques o que se alian- '
ga ao comprador; urna prela de najflo, (h
quo cozinha muito bem, ongomma, cose .
-chfio Uva muito bem e vendo na ra ; l$]
urna dita com as mesmas habilidades : na ;r
ra do Vigaro, n..24, se dir que vende, ^j
Precisa-so do um Portuguez para tenor do cn-
genho Carah preferindo-so casado e de pouca fa-
milia : quem estivor nostas circunstancias .dirija-
so n ru"a da Moda n. 9, seguiTdo andar, ou uo re-
ferido cngonlio.
AO COMMERC10.
No dia 31 de margo desappareceu da ra da Ma-
dre-de-Deos junto porta do armazem do Vicenta
Ferrcira da Costa um barril com mantig fran-
ce.za tendo om una cubeta, a marca de tinta ,
223, quo era o peso, e eslava junto a um nicio
barril da mesma e 2 barris de bacalho : o como
disse o dono do armazem, que l fra um preto pro-
curar por um barril do manteiga e elle respondra
que n5o sabia, julga-se o preto ter carregado esto
iiucsc-achavauo p da porta, Roga-se a qualquer
pessoa a quem o dito barril for entregue, ou offe-
recdo quo o mande entregar a ra da Cruz, n. 32,
Felicioos Vazdelivoira quo ser recompen-
sada.
* Precisa-se da um rapaz do 14 a 15 aunos, com
pratica to negocio, ou, sem ella, para ser caixeiro
em Nareth na rt larB do Roxario, n, 39.
Compram-se duasescravas mogas, que tenham
algumas habilidades : no becco do Sarapatcl, so-
brado n. 12.
Compra-so urna mesa de jantar, sondo de ama-
rollo o quo csteja em bom uso : na ra do Cabug,
loja de Joaquim Jos ua Costa Fajozes.
Compra-so um taixo do cobre, em segunda m.lo,
qua tenha 3 a 4 palmos do largo na bocea : na ra da
S.-Cruz, venda n. 5.
Compra-se um sellim inglcz com pouco uso :
na rus (Nova n. 32, segundo andar.
-- Compra-se um diccionario ingloz c portuguez,
grando, por Vieira : na ra Nova loja de ourves ,
n. 32.
Compra-se umoc'ulo doverao longo, einbom
uso, quem livor annuncie.
Vendas.
-- Receberam-se ordens para
se vender, muito em con la, 10
escravos que existem na ra das
Larangeiras, n. 14, 2. andar, a
^* ii'tlrt | **.W iii.iiu, i.'l.iiiin iiv mil" lUUUX/a >fUH weiUHVI*
: um mulalinbo do 13 annos, com u.n peque- (|ario dc uma cas muit0 ,n |8Vadeira o insigne
"i^fiji'^U."!!.0.!!!?^^^-0 engoinmadeira do roupa de liomem ; uma dila do
26 annos, que ho quitandoira e muito fiel, por 320/
saber
no pri
sadio do 10 annos; um dito do 8 annos, muito lin-
do ; um moleque muito forto e sado, do bonita fi-
gura, de 8 annos; um pardo de 28 annos, do pti-
ma conducta ; um dito de 22annos, muitp foitc o
sadio e quehepropro para o campo ; um ditodo
35 annos com urna pequea molestia que be mui-
to fcil de curar-se por 290,000 rs. ; duas preas
do 20 annos ; unta dita de 19 annos, de bonila figu-
ra que cozinha e engomma com perfeigto, esta s
se vende para fra da provincia.
Charutos fama va de S-Fe-
iix.
No deposito de charutos da ra larga do Rozario,
n. 32, acha-se um sortimento do charutos da Babia
de diversas qualidades, como sejam os verdadeiros
Sai-Felix, forma llavana, soberanos da llavana, a-
vistaTfaz-f, (rabuquilhos, os apreciaveis ; sigarros
le lallavana ; ditos de la fama o os afamados marca
ile fogo: todas estas qualidades de charutos sao fabri-
cadas du melliur fumo ; so vendem por menos do que
em outra. qualquer parte, a se responsabilisa por
ellas.
Vendo-so muito bom capim pelo diminuto
prego de 240 rs.. o regular de um preto carregar -.
tambem se vende boa verdura : ao entrar da Pas-
sageni para a Torre, primeiro sitio pertencento as
Ierras da mesma, do lado direito, com casa na boi-
ra da estrada, cora quatro pilares na frente.
Vendem-se 520 meios de sola a 1,400 :'na ra
dos Tanoeiros, n. 5.
PARA ESCRAVOS.
Cobertores de algodo ameri-
cana ,a 7Ors;
pegas de zuarte da India, com 24 covados, a 4,800
rs. ; dita de algodo trangado azul, do chadrez, com.
40 covados, a 7,000 rs.; diuM".* ganga azul cem 13
covados, a 960 rs.; algod.lozinho com um pequeo
toque a 100 rs. u vara : na na do Crespo loja n.
10, do antigo baratoiro, Jos joaquim de Freitas.
Guimar.las.
Vcnde-se um cavallo castanho, de bonita figu-
ra, novo, com bons andares, a muito forte : na ra
Augusta, n. 60.
Travs.
Vendem-se travs de boas qualidades ,
de 3o, 35 e 4<> palmos de comprimento :
na ra da Praia, serrara de Silva Car-
dial.
Vende-so, na loja de miudezas, do quatro por-
tas na ra do Cabug, do Francisco Joaquim Duar-
te, um sortimento do bicos largos e ostreilos ;
litas ordinarias, a 80 rs. s vara; luvas de pellica,
para.senhora enfoiladase bordadas de seda ; ditas
pretas, de diversas qualidades ; ditas ordinarias a
320 rs. o par; lencos de gargu to bonitas cores a
l.OOOrs.; meiasdo algodilo, proprias para padres,
a 800 rs. o par; caivetes, finos, do cabos de madre-
pcrola o viado de urna a tres folhas, para pinnas ;
castigaos do video, de bonitos padres, a 9,600 rs.
o par; frocos do todas us cores ; litas do velludo a
l0 a vara ; bengalas linas a 320 rs.; chiclos do
pratu a 3,500 rs.; dilos ordinarios, a800 rs. ; espe-#
Ihos redondos, do augmento, a 640 rs ; tintoiros
de porcollana n 960 rs.; c outras muitas miudezas,
por prego mais commodo do que em outra qualquer
parto.
BOM E BARATO.
Longos broncos do cassa, a 200 rs. ; ditos de seda
pretos para grvala, a 1,280 rs. ; setim preto para
collete, a 2,400 o 5,000 rs. o covado ; sarja de seda
prota hespanhola, a 2,400 rs. ; panno preto do supe-
rior qualidade, prova do Nimio, do 4,000 a 10,000 rs.
trovado; olm doslas, um completo sortimento da
fazondus por barato prego: na lojn dos quatro can-
tos da ra do Queimado, n. 20, de Francisco Jos
Tcixeira Bastos.
Cheguem as novas pechin*
chas.
Na ra do l.ivrhmento, n. 14, vendem-se chitas da
coberla a 160 rs. o covado, o a pega a 5,400 rs.; di-
las para vestido rxas e de cores, a 160 rs.; mada-
polao fino, a 4,000 rs. a pega ; casimira prota supe-
rior ; sarja hespanhola, a 2,500 rs. o covado ; lon-
gos brancos, a 240 rs ; o oulras muitas fazendas ba-
ratas.
-~ Vende-se assucar refinado, em pSes
dea io ti libras, de superior qualidade :
na ra do Trapicbc-Novo, n. "]i, arma-
zem de Hebrard & t.
Vende-sosal grosso doAss, a bordo do Pata-
cho Doi Irmaos : a tratar uo armazem do Sr. Anto-
nio de Araujo no becco do Manoel Luiz Cuugalves.
Veudem-.se pipas abatidas, por pre-
co muito commodo : na ra do Crespo ,
loja n. ->. a.
Na padaria da ra estrella do Rozario, n. 13,
ha um sortimento de cestas d'arcos ; balaios de cos-
tura do diversos modelos e lamanhos ; condecs ;
bichas deHamburgo, para alugar o vender; peneiras
do rame ; pillas do familia ; fechaduras grandes
proprias para porta de armazem; bolacha para escra-
vos, por 2,560 rs. a arroba ; tdo por menos prego
do que em outra qualquer parle.
OH QUE CAVALLO I
Vonde-se um ptimo cavallo castanho, e-
quipador, passeiro, ele, por diminuto
prego, por o dono estara embarcar: a
tratar no nico sobrado defronlo da ri-
beira da Bou-Vista
Vendo-so um sitio na Torre, com 600 palmos
de frente o 1,200 ditos de fundo pouco mais ou mo-
nos na margem do Gapibaribo, com alguns pos do
coqueiros: alm dos ditos, ha uma grande baixa
para capim, ou vivoiros: na ra da Cadeia de S.-
Anlonio, armazem n. 17.
Vendem-se cabos do linho, de patente: tramo
de lullo, de dilTorontes grossuras; pesos de ferro
sorlidos: tinta verdo om latas; bigornis para fer- -
reiro; escovons de ferro, de todos os lamanhos ; li-
mas do ago : tudo por prego muito commodo: em
casa de Me. Calmont & Companhia, na praga do
Corpo-Sanlo.n. II.
Na ra de Agoflts Verdes, n. 46
vende-se, pelo commodo prego de 250,000 rs. uma
escolente escrava de mcia idade, boa cozinhoira do
rs.; um parda com habilidades, o quo nilo tem vi-
cios por 400,000 rs. ; dous bonitos escravos o um
ptimo molequo ; umescravo bom carreiro ; uma
escrava muito habilidosa, com nma filha mulatiuha,
muito linda, com 5 annos.
Azeite de carrapato,
a 40 rs. a medida: na Camboa-do-C'armo, n. 33.
SARJA HESPANHOLA, A 2,500 Rs.
Na ruadol.ivramenlo, n. 14, vcnde-se sarja hes-
panhola, de duas larguras, a 2,500 rs. o covado; ca-
simira prela muito superior, a 3,000 rs.
Vendem-so 2 mulalinhos o 2 moloques,do bonitas
figuras; uma.prcta moga de nagilo que cose bem,
faz lavarinlo o engomma tudo com perfeig&o com
urna cria de 5 anuos: na ra da Penha, n. 21.
Vende-se uma banda, um talim e uma cana-
na : tudo novo : no Atorro-da-Boa-Vista, n. 49, pri-
meiro andar.
Vende-se um cavallo proto, ptimo para carro
na ra Nova, ccueira a. 54.
MUTILADO


Vendem-se dous molecotos de 16 annos, sen-
o uin do||escozinbeiro;um escravo de meia idade,
com muito boa pratica de sitio; dous escravos mo-
cos do todo oscrvgo ; 3 mulatinhas muita lindas;
lima escrnva boa cozinheira e engommadeira ; 4 di-
tas com varias habilidades: ns roa Dreita, n. 3.
Vendem-se sapatSes de couro de
lustro a 2,400 rs. o par ; ditos de be-
cerro, a 1,200 rs. e superiores, a 1,600
rs. Nao pode haver nada mais barato a
elJes, freguezes: na praca da indepen-
dencia, leja n. 5.
- Vende-se uma escrava de 1* annos, que cozi-
nna o diario de urna casa o engoqima alguma cou-
aliso, propria para dentro de urna casa, para se
acabar deensinar: na Camboa-do-Carmo, n. 33.
IVovo bramante/
de i 1 palmos de largura.
Na loja da esquina que volta para a ra do Collo-
gio, 11. 5, vendo-seo novo bramante de puro linho,
com II palmos do largura, pelo barato preco de
2,800 rs. a vara.
Vende-se a venda da ra da Cruz, n. 66, a di-
nlioiro, 011 a prazo : a tratar na mesma venda.
*

Ricos tapetes
para ornar salas, mosas, candiciros, lanlcruas, cas-
tigaos o campanillas, redondos, quadrados o trian-
gulares bordados o de oleado, com lindas franjas
de lila de todas as cores ; luvas do torga I, proprias
para a Quaresma. ao ultimo gosto do Puris, protas e
brancas com dodos e snm ollcs, a 1,600 is. o par ;
alpaca Uo linho, a 6*0o 800 rs. o covado : na ra do
Quennudo, n. 27, novo armazem de fazendas, de
Rayniundo Carlos l.eite.
Ao desengao do bom e
barato.
Vende-so superior sarja prcta liespanhola. pelo
barato prego de 2,000 rs. o covado : a sua qualida-
dc lie to escolente que no precisa de elogio al-
gum: na ra doCollegio, na nova loja da estrella.
n.l. '
Vendem-se superiores bichas a 10,000 rs o
cento, tambem a 6,000 e 8,000 rs. conforme a
qualldade : a vista do comprador se fara todo o ne-
gocio : tambora se alugam por prego commodo : no
Aterro-da-Iioa-Visia, vonda que foi do Maya.
GALAO'DF OURO,
a 720 rs. a oitava.
Napraga da Independencia, n. 19, loja de Olivoira
Ramos, vende-se gallodcouro, de todas as largu-
ras ; bemeomocanutfio do ouro, do todos os n-
meros a 720 rs. a oitava.
Vende-se urna muito linda mulatinha do 11 an-
nos ; urna negrinha de 14 anuos: ambas cosem bem
slo por scu sonhor se retirar para fura : na ra lar-
ga do Hozarlo, loja n. 35.
Sarja hespanbola.
No novo armazem de fazendas, do Raymundo Car-
los Le te, na ra do Queimado, n. 27, ha chegado
U!n ptimo sortimento da verdadoira sarja hespa-
nhola, a 3,200 rs. o covado ; tambem ha de 2,200.
2,500, 2,800 e 3,000 rs.; panno fino, prova de I-
*>; 3.800, 5,000, 7,000, 8,000, 9,000 c 10,000 rs. :
chapeos frnncezes linos, do ultimo costo do Pars ,
com aba rnaior, conformo u nova moda, a 7,000 e
8,000 rs. Ncste armazom tambera se vendem razon-
as por atacado o mais barato possivel.-
Paunos para lences.
Vende-so superior bretanha de Irlanda, de puro
luiho.com duas varase meiade largura fazenda
de muita utilidade para lengcs, a 3,000 rs. a vara ;
zuarte azul do vara de largura a 240 rs. o covado ;
cambraias lisas, a 640,800 o 1,000 rs. a vara : len-
cos do seda dos mais modernos o muito linos, do
merlior costo a 2,500 rs.; rolos de bretanha a
1,800 e 2,000 rs. ; dita de linho muito fina a 720
c 800 rs. ; cassa para babados, a 2,600 e 2,800 rs. a
pega ; chales de Ifla, grandes e do muito bom goslo ,
a a.noo o 2,500 rs.; riscados trancados, do muito
boa qualidado para escravos, por serum escurse
. tfe muita duracilo a 200 c 220 rs. o covado ; e 011-
tras militas fazendas por prego muito commodo : na
ra doCollegio, loja nova da estrella, n.l.
Marciana.
Vendem-so superiores cortes da fazenda denomi-
nadaMarciana, assentada cm chitas os padres
os mais bonitos e de) mclhor goslo quo tem appa-
recido, pelo diminuto prego de 4,500 rs. com 14
covados : na ra do Collr-gio, loja 11. 1.
proprio para quera vende caf modo : na ra Nova,
lijan. 41.
"- Vende-se o engenho Timb a 4 legoas distan-
to desta praga, correto o moente com agoa, do boa
e regular produego, com a safra de 2,500 pSes pou-
co mais ou menos, ou sem ella : este ongenho he de
consideravel Importancia, nSo s no presente como
no futuro, por contar mais.de quatro legoas do ter-
reno coberto de matta virgom o com capacidade
de levantar ongenhos d'agoa e de bastas : a tratar
no mesmo ongenho, u no sobrado ao lado da ca-
deia n. 23.
Vendem-se presuntos o queijos americanos,
ltimamente chogados dos Estados-Unidos, muito
frescaes yassouras para varra/ salas e tapetes; bal-
des e balaios americanos, proprios para embarque;
e outros objeclos por prego commodo: na ra da
Cruz, n.7, armazem de Davis&Companhia.
Mais barato nao he possivel-
Vendem-se cortes de caigas de casimira, do pa-
drees cscuros e claros a 3,000 e 3,500 ra. cada cor-
to ; e outras muilus fazendas muito em conta : na
loja de Jos Moreira Lopos ct Companhia, na ra'do
Queimado, quatro-canlos casa amarclla n. 29.
KI lber.
vende-so Klubcr, direlo das gentes: na praca da
Independencia livraria ns 608.
Pannos linos.
Vendem-se superiores pannos finos, prova de li-
milo, proto e azul, a 3,000 rs. o covado; dito fino
azul e preto o 4,500 rs.; dito proto de superior qua-
lidade o ja bem condecido pela-sua haralcza.a 5,000,
5,500, 6,500 e 7,000 rs.; casimira prcta I i miste da
mclhor qualidade, largusa de panno muito lina a
11,000 o 12,000 rs. o corte de caiga : na ra do Col-
Icgio, loja nova da estrella, 11.1.
Mondes ric marrequim.
NoAterro-da-Boa-Vsta, loja n. 78, vendem-so
bonetes demuito bom goslo o duracilo, para ho-
mem a 3,500 rs. cada um.
-- Vende-se urna loja do miudezas, com boa ar-
mago, com bastantes commodos, anda mesmo
para outro qualquer cslabclecimento cornos fun-
dos do 40,000 rs. pouco mais ou menos a qual pa-
ga do alugucl 4,000 rs. mensaes sita em Olind, na
ra do Baldo, 11.24: a tratar com Joiio Estoves da
Silva.
Panno-Couro.
Vcndem-se superiores cortes de caigas da fazenda
panno-couro par ser de duragflo extraordinaria e
de padres escu ros, proprios para o trafico, pelo
diminuto prego de 1,600 rs. o corto : na ra do Col-
egio, loja nova da estrella, n. 1.
Casimiras finas e elsticas.
Vendem-se superiores casimiras linas e-elsticas,
a 1,000 rs. o covado; cortes de ditas do cores, muito
unas, a 6,000 rs.; superiores casimiras protas da
melhor qualidado, a 6 o 9,000 rs. o corte : na ra do
Collegio.loja nova n. 1.
Vendein-sefarelos da melhor qua-
lidade que ten apparecido, pelo dimi-
nuto preco de 5,000 rs. : no armazem de
Antonio xnnes, defronte da escadinha
na travessa da Madre-de-Deos. n. 12.
i- '
oxcellento qualidado a 6,400 rs/; sedas o setins de
todas as qualidades, tanto para vestidos como para
rolletes; merino preto ; alpaca da melhor qualida-
do possivel: alm disto, ha um sortimento de fa-
zendas de pregos haixos, como sejam : chitas finas ,
c de c6resfiras,a 120,140,160,180 e 200 rs. o cova-
do ; riscados fracozes, azues, de xadrezes, cores fi-
xas o bastante encorpados, a 160 rs.; luvas de al-
godilo de cores a 160 rs. o par; loncos de soda a
1,600 rs.; ditos unos, a 2,500 rs.; e finalmente tudo
quanto for concrnente a este estabeleciment se
vender o mais commodo possivel, para chamara
altengSo de sua freguezia.
.Na loja de Manoel Joaquim
Pascoal Ramos, no Passeio-
P11 buco, n. 19,
ha chegado novamento un sortimento de fazendas
finas egrossas bem como urna grando porgto de
chitas escuras de pannos linos e cores llxas, a 4,500
rs. a pega, e o covado a 120,140,160, 200, 240 e 300
rs.; cortes de cambra a dequadrose listras azuos,
de muito bom gosto, 1,920rs.; ditos de muito su-
perior qualidade, a 3,000 rs. ,- longos d seda de
Duarta um completo sortimento do botos pre-
tos para casaca ; abotuaduras amarillas ricas, t%
melhores que aqui teem apparecido ; botes de Pe-
dro II, proprios para militares, ricos; ditos- ordi-
narios ; ditos cora leltra Ampara alfandoga ; ditos pa-
ra marinha ditos para cavallaria da guarda nacio-
nal ; ditos de madre-pfrola, para palitos, a 8&0 rs. 1
duzia ; ditos de vidro e massa-, proprios para efei-
tesderoupa de meninos e en faites de montara
ditos brancas e amareljos, de ricos padrOes para'
libr de pagen, tanto lisos como lavrados; ditos
omarollos para infantaria de linha, entre-linos; 0
outras rfiuilas qualidades, por prego mala omino-
do do que em oulra qualquer parte.
Escravos Fgidos.
la 400 rs. ; ditos do caga, a 200 rs.; casimira flna7
a 6,000 rs. o corte; dita de 13a, a 2,500 rs.; panno
preto, a 4^500 o5,500 rs.; dito azul ; merino muito
fino a 3,200 rs. o covado; sarja hespaohola de duas
larguras, limito boa a 2/o 2,500 rs. ; dita de urna
largura, a 1,500 rs., esta sarja he a melhor que tem
apparecido; ciscados francezes a 200 rs.; algodilo-
zinho feul, a 180 rs.; pclle do dabo, a 200 rs.; cas-
tores de todas ns qualidades, a 220, 280, 300 e 320
rs.; cnapos de sol, de seda, a 6,400 rs.; setim pre-
to a 880 rs. ; madapoto do todas as qualidades a
2,800, 3/, 3,200 3,500, 3,800, 4,000, 4,50b, 4,800 e 5^,
rs.; e tudo o mRs que pertence a loja de fazendas,
por menos prego do que em outra qualquer parte.
Milho.
Vende-se milho, a 2,000 rs. a sacca : no caes da
Alfandoga, armazem de Antonio Annes.
Me. Cplment & Companhia, na qualidade de
nicos agentes, vendem os melhores pianos do bem
conhecidoe acreditado autor Broadwood, os quaes
silo feilos com urna construcgQo propria para os
climas quentese hmidos, lendo seus autores re-
cebidodo governo britannicoas patentes, pormeio
das quaes so teem lomado tilo clebres nos mclho-
ramontoa destes instrumentos. Adverte-se que
um grando numero de pianos teem vindo a este paiz,
e silo vendidos por baixos o diminutos pregos, com
o falso nomo dcste autor; engaando o publico o
servindo-sodeste artista respeitavel para illdir os
incautos edarcra crdito ao que vendem. Na pra-
ga do Corpo-Sauto, n. II, se vendem os verdadeiros,
por um prego o mais commodo e rasoavel possivel,
em rol aguo a sua ptima e superior qtinlidade.
Frocos.
NoAterro-da-Boa-Visla loja n. 78, vendem-se
frocos do todasascres o grossuras, por preco que
nilo desagradar a quem quoira comprar.
A:@&:e:e:s:@:6;e!@26363s:e:@i
ti
m
M
I
PQ
A r*>O> rs. o covado.
Vcndc-so merino preto muito fino que se il
tem vendido a 5 o 6,000 rs. c boje rende-so
3,500 rs o covado; pannos finos pretos o S?
do cores, de 4 alo 10,000 rs. cada covado; cor- l'Q
(jj tes de colletes de velludo bordados pretos m
gs e do cores ; c outras muitas fazendas do gos- ^
IS lo: na loja de Jos Moreira Lopes & Compa- B?
CG nliia, na-ruado Uueiuiado, quatro-canlos, &)
.y casaamarella, n. 29. s
Chitas pretas assetinadas.
Vendem-se as j bom acreditadas o superiores
chitas pretas assetinadas do ultimo gosto a 240
rs. o covado: na ra do Collegio, loja aova n.l.
* Vendem-se aeges da ex-
mela companhia de Pernambuco
e ParaUiba: no escriptorio de O-
liyeira lrmoa & C, ra da Cruz,
um monho grande, com duas rodas,
Sapa toes
No Atcrro-da-Boa-Vista, loja n. 78, vendem-se sa-
patOcs, polo baixo prego de 1,200 rs. o par.
Vende-se um terreno com 117 palmos de fren-
toe 89 dilos do fundo em oslado do so edificar
por nao precisar aterro em cujo terreno pdem-se
fazer tres ptimas mci"agoas na rUa do Pilar, em
Fora-do-Portas, do lado da mar grande : na dita
ra, n. 11, no pateo da igreja do Pilar, das 6 horas
da man hila s8.
4N Vendem-se chapeos de superior
fljJKcastdr, brancose pretos, por preco
muito barato : na ra do Crespo, n. la,
loja do Jos Joaquim da Silva Maya.
Bonetes para me nios.
No Aterro-da-Boa-Vista, loja n. 78, vendem-se bo-
netes do velludo o de panno, a 800 rs. ; ditos de
morin obra muito delicada a 4,000 rs. cada um.
Chapeos deso
No Atcrro-da-Boa-V'sta, toja n. 78, vendom-so
chapeos de sol, de seda, para senhora, a 4,000 rs.;
ditos de panninhoque imitam seda, para hornera,
por mais barato prego do que em outra qualquer
parto.
Vendem-se bichas grandes chegadas prxi-
mamente, por commodo prego: no becco da Lin-
No Passeio-Publico,
loja de \ima s porta paredo p meia da fabrica de
chapeos do so| ,Vndom-sc chapeos de sol, do seda,
de armago do ago os mais finos o mais modernos
que teem vindo de Pars, a 6,200 rs. Itoga-se aos
amantes do bom gosto que os venham ver porque,
os vendo, nilo dcixarflo de os comprar. Na meama
ra, 11.19, tambem ha os meamos chapos de sol.
gota n. 8.
- Vcndc-se urna escrava
crioula, anda moga
propria para toJo o servico do campo e quo tem
principios de costura o cuzinlia : na ra do Queima-
do, loja do fazendas n.-46, de Azovedo & Irmilo.
Zapatos para senhora,
NoAterro-da-Boa-Vista, loja n. 78, vendem-so
sapalos para senhora fazenda nova do n."27 a 3*.
O baratero.
' Na nova loja n. 4 da ra do Crespo, ao p da es-
quina do arco do S.-Antonio, de llicardo Jos do
Freitas Itiboiro, ha, novamente chegado, um bel-
lo o rice sortimento de fazendas de todas as quali-
pades, o muito principalmente das mais apropia-
das a prosonte estaglo penitenciaria, como sejam :
excellcntes sarjas pretas do seda Iiespaiihola,a2,500,
2,800o 3,000 rs. o melhor possivel nesto genero;
luvas pretas de seda, de todas as qualidades; los
pretos de linho e de seda, a 9,000 11,000 e 15,000
rs. ; ditos pequeos de algodilo, a'2.000 rs.; pan-
nos linos de todas as cores e principalmente pretos,
um riti sortiincnlo por prego mais commodo do qc
om outra qualquer partq ; cortes de colletes de fus-J
tilo, de*00,rs. at 3,000 rs.; ditos de velludo e gor-
guro de seda, lavrados e lisos, a 3,C0O e 6,000 rs.;;
cortes de colletes de gorgurSo de algodao, a 320 rs.:
corles de casimira de urna acr lvadia, da mais
Fuglo, no da 24 de Janeiro do correte auno ,
da cidade da Parahiba-do-Norto do poder do seu se-
nhor Jos Pereira Cuimariles um preto crioulo,
de nome Jos Mara, ja velho, de 40 a 50 annos, .al-
to ealguma consa soco do corpo, barbado; lo-
vou caigas o jaquela de algodflo riscado trangado,
camisa de madapolilo o chapeo de bata branca'
cores, muito bonitos, a 1,000rs.; ditos para gravad quando anda hesempre decabaca baixa, c para me-
lhor signal tem um lobinho no cachago, quo vom
a ser carne orescida sobre o mesmo cachago. Este
escravo lie natural da Baha. Itoga-sea todasas au-
toridades policiaese captfies d campo, queoap-
prehendam elevem-no a snu senhor* ou na rnj da
Cadoia-Velha, loja n. 22, de Joo Pereira Moutinho,
que recompensar.
100,000 rs. do gratificago
a quem levar a casa da ra da Aurora, n. 26, ou 10
ciiL'enho Quoluz da freguezia de Igojuca opret".
Antonio, de nagflo Benguela, escravo de Miguel Au-
gusto de Oliveira, quo o comprou'- a Manoel do Al-
meida Lopes, desta praga ; fgido do dito engen v
nodia 17 de selembro do anno prximo passatlo,
com os signaes seguintes : estatura alta e bom cor-
po olhos grandes e um tanto avermelhados ; ja tem
aiguns cabellos brancos; levou camisa de chila azul,
de quadrinhos, ceroulas de algodilozinho branco ,
ou hamburgo, c mais alguma roupa em urna trou-
xa e urna enxada encavada. Este escravo comprou-o
oSr. Manoel do Almeida Lopes a Ignacio Alves
Couto, da villa do Crato, na Barra-Crande.
Fugio, nodia 18 de Janeiro, um cabra, donme
Joaquim, alto, reforcado, de idade, cora a barba
branca cabellos corridose bem pretos; levou um
surrflo de pollo de carnciro chapeo de bata usa-
do, caigas de algodao de listras rotas no assonlo ;
tem os tornozellos dos pos um tanto inchados. 'Es-
te escravo j foi preso cm S.-Lourengo-da-Matta ,e
tornou a fugir junto aos Remedios do poder de
urna pessoa que o conduzia para sta" cidade ; vcio
do Maranho e diz ser de Caxias : quem o pegar le-
ve-oaruado Vigaro, n. 24, que ser recompen-
sado.
Fugio, nodia 19 do passadp do engenho Pas-
sassunga, o preto Benedicto, oriolo, alto, olhos.
vivos, muito regrsta ps cambados e com lgum
rodo do buhos nos calcanhares; lovou camisa o
caigas de algodilo azul, chapeo do palha ; hn toda
a probabilidade que tenha fgido para o Heclfa a
procurar um homem que o quera comprar, quando
lia pouco aqui esleve : quemo pegar lere-o a ra
do Queimado, n. 10, a Luiz Antonio Pereira, que
recompensar.
--esappareceui nodia 12 do passaoo a 'parda
Luiza, baixa e gorda, cabello pequeo, por'm amar-
rado cara larga bastante feia ; tem cicatrizes as
costas, de chicote, por ter sido comprada assim, o
-tambem um buraquinho nas costas, que diz ella ser
de um antras; levou vestido de chita' com listras
azues o um diales de chila ; a qual dizero que lora
desencaminhada por um soldado de policia, que a
levara para-o Rio-Formoso, ou,.para Una: quema
pegar leya-a a casa de Claudio Dubeux na ra dts
Larangeiras, que ser generosamente recompen-
opus
Nodia 21 do passado ausentou-so da casa de
seu senhor o pardo Valeutim, de 30 anuos, estatu-
ra regular grosso do corpo, cabello trem pegado
no casco; he claro, pernas arqueadas para fra, com
marcas de vaccina nos bragos, anda frescas. Este
escravo os primoiro senhores que|eve silo moradores
em Inliainus, fazenda do Figueirodo, o Sr. Viclor do
Barros e a Snra. I). Hita Bczorra; os quaes o vonderam
ao Sr. Joaquim Lopes Itaymundo do Billiar, morador
na villa do Crato e esto o vendeu a Jos Vieira do
Figueircdo, eesleao abaixo assignado; o dito es-
cravo levou caigas de ganga azul, camisa de mea-
do, no corpo, e guardadas, caigas brancas, ditas
do riscado azul em quadros camisa de madapoiao
com pregas no peito e jaquela de riscado cor d
cal. Itoga'se aos senhores que fram desle escravo
e as mais pessoas que o pegarem lovem-no a ra da
Mangueua, n. 4, que serao generosamente gratifi-
cados, Jote Joaquim folelho.
--Ainda contina j estar fgido o escravo criou-
lo, de nome Patricio desde o dia 5do passado mez,
pelas 10 horas do dia lendo signaes sunicientes
para so poder pegar ; lem urna fstula era um dado
Tda cara^mu visivel, com falta do denles na frente,
secco do corpo, falla muito explicado ; lafou caigas
do riscado largo americano camisa do algodilo.
Este escravo veio do serlilo do Crato, provincia do
Ceara.Quem o pegar leve-o a ruada Cruz, no Re-
cif ,'n. 26, quo sera gratificado generosamente,
' ""FuB10 crioula, do nomo rsula, vermelha,
de jO annos, pouco mais ou monos rosto descar-
nado e j um pouco rugozo olhos papudos, m-
pa o mal falla do pos ; tem oandar.mui faioe eVpe-
cialniento ali.ressado ; tem a#)Yius signaes de relho
nas costas. Esta escrava perlenco a Antonio Luiz Pc-
roira I ilniH, edesappareceu no principio do prxi-
mo passado. Quem a pegar leve-a ao Sr. Manoel Ig-
nacio de Oliveira, que recompensar genorosa-

Bonetcs de riscados.
NoAterro-da-Boa-Vsta, loja n. 78,-vendem-se
bonetes para meninos os quaes so estilo acabando,
por costar cada um 320 rs.; bem como bengaliulias,
proprias para passeio, pelo mesmo progo.
-- Vende-se urna prela da Costa de bonita figu-
ra boa boecteira com duas lilhas muito lindas,
do 10 annos; urna parda de 18annos,'com muito boas
habilidades e do bonita figura; urna preta por 700/ ,
"por ter habilidades e ser de bonita figura, e perita
cm governo do una casa ; um proto pescador, mo-
go e de bonita figura : na ra das Floros, n. 17.
VENDEM-SE
riscados escocezes, com 5 pal-
mos de largura, a 520 rs. o
covado; cassa-chila de cor flxa, com. 4 palmos de
largura, alto rs. o covado; canibrata de listras
decores, a 200 rs. o covado ; cambraiu franceza de
lindissiinos padrOos pelo barato prego de 600 rs. a
vara; pegas de panninho com urna vara do largura;
ede 12 jardas, a 2,000 e 2,400 rs., merio preto
onfstado do pura lila, a 2,000 rs. o covado ; .dilo
de cor verde, com a mesma largura a 640 rs. o co-
vado ; e outras muitas fazendas proprias para a se-
mana santa, por baralissimo prego : na ra do Cres-
po, loja ii. 10, do antigo baratero Jos Joaquim de
Freitas Cuimariles.
Vehdc-se um pro'.o da Costa, anda mogo e
bastante robusto; 2sellins novos com lodosos sous
porlencos ; 9 ricos apparelhs de melal branco, para
cha : ludo se vendo por prego commodo, por seu
dono ter de retirar-se para lora da provincia : rto-
frorrte d llieatro novo, n. 11, ou na cocheira do
Juflo da Cuuha liis por detrs do Iheatio vollio.
-VonJom-se, na loja do sola o calgado, ao p do
nicho do Livramenlo lamancos marrouuins, cou-
ro de lustro bererro francez chapeos do todas as
qualidades, bonetes, o um taixo do cobre, com o pe-
so de um arroba e libra o meia era bom uso, o por
prego commodo.
Vende-se urna excoltente escrava do' gonlio ,
que cozinha o diario do, uma casa: na 11:3 do Hos-
picio 48.
Vende-se estando em verguinha por preco
muito commodo : na ra do Vigaro, n. 23, casa do
liussell Mei ors & Companhia.
Vende-se.um piano forte novo, da mais acro-
ditada fabrica de Collard And Collard de Londres :
na ra do Vigaro, n. 23, casa do Hussell MellorsA;
Companhia.
- Fugio do bordo do brigue Victoria, na noito de
11 do margo o escravo marinheiro "
, do nome Pa-
tricio, crioulo e uatural da Parahiba cor preta,
sem barba, do estatura regular, ebeio do corpo;
representa 28 anuos pouco mais ou menos; levou
caigas o camisa branca chapeo de paHia com uma
correte de ferro no p direito : reid>>mnda-s
fcaptura do mesmo, e qom p levar a^rdo do di-
to briguo, 011 a casa de Amorim rmAos na ra da
Cadea n. 45, que dar boa gratificagiio.
Fugio, no dia 25 do- prximo passado do en-
lll.rt I '-I.'* 1 rtft .ln t.'.. -.. .._______
- Vende-se uma negrinha de u annos, -que cose Leho Carauna do s^C,,nilfWi V^Jal
ecozinha:naruadeS.-Jos,n.21 : a vista do com- do Sourai X, '. lill,eni'?,>11 om">*o
prador se dir o motivo porque se vende. t^tlalL^T -I' filV. """1
1 porqi
Vcnde-sc, ou troca-se por lijlos do alvenaria
grossa, uma canooa nova de um pao com 42 pal-
mos de eomprimento, propria para abrir : na ra
do Coclho, confronte ao hospital, 11. 13.
Vendem-se, na loja de miudezas de quatro
portas, ua ra do Cabugi de Francisco Joaquim
a cabra, do 30 annos do .mediana estatura secca
do corpo, cara comprida c secca denles abortos ,
o muito castigada de relho nas costa : quera a pe-
gar leve-a ao dito engenho, qua ser gratificado.
tJEB.>
X.
NA TVP. DEM. r, DEFAMA. j84
ObsBlBB


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENP4PQFNL_ZDQ59R INGEST_TIME 2013-04-13T01:11:18Z PACKAGE AA00011611_05453
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES