Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05452


This item is only available as the following downloads:


Full Text
m*
fcnvo de 1848.
Sabbado I
o om.?i sw>-%tji sardina. frcn le guarda i o proco di assignaturi. he rio!
4 ,r 0'' rs. pai-.qiurtol, pegos aiiaiitaj i. Os ui,
niiri :lof Ho.4 ass'ntn'ntes fo inserirlo*-* ros.io de
?o rs. pnri'i, <9 rf. em lp itlflWultf, e as
repiuifs o! BMtHa. Oa queno lAren anig-
nniue pirl-rw* 6* rl- Pr u"''"" e ,8" "a lTP
deferente. I' :;,,i, publica.
PHASES DrLT(7MH'uE AB
I u ii'Jv.i, a S, lft liorm o 57 min. da manilla,
("tcscenta a 11, a horas e 2 min. La cufia a i*. *s 6 hoiai alAnin. Miinijanle a 7, s 10 lloras e 58'saiu. da urde.
PAnrro\ dos cnfiEs.
'oianiM c VtraMha ai secundas e antas fairat
'u-'r';t:icte-il > Norte quiqt as elrasao rucio-di a
Gho, S.iriu't'ient, Rio-Formoso, Porto-Calvo*
Macelo, ii't i .*, a 11 o 1i de cada me.
(*r.T iliuiia e Bonito, i le 33.
B-Vta e Plores, a |S e 8.
Victoria, im quintns-leiras,
Oliurta, toos os (lias.
PREAMArt lE HOJE.
l'rimeirn, s 2 asliora e .i.iquloi da tarde.
Segunda, s 3 hora el" luiuutos da manli*
de Abril.
Anno XXV.
TV. 75.
DIA- o;. SEMANA.
27 Segunda. Si llolierto. Aud. do J.dos drph.
, i do' J.do c. da ? edo J. M. da5 .
8 Teres. S. Alejandre. Aud. iloJ. do c. I. V. edo I. de pat do 2 disl. de t.
IS Quart. S. (forthonlo. Aud. do J. dociv. da
2 v. e do J. de pai do J dial, re t.
30 (Jubila. S. Joao Climaxo. Aud. do J. de
orpti. e d > J. inuuicipal da I. v.
31 Seala. S. Ilalliina. Aud. do J. .lo el, da !.
v., e do J. de pai do l. dlst. de t.
1 Sabbado. S. M .cario. Aud. do J. do cir. da
. v. e'do ). de p.u do I. dlst, de t.
2 Domingo. S. Fraucisco de Paula.
CAMBIOS NOOIV SI DE MARQO.
Sobre Londres 27'/, e J7% d. por 1} r.e d.
Piris JS! rs. por Trinco.
n Lisboa ICO pir 100 rjcppaniio.
hele, de intr.n rio i>oas irm*s a I 3|8 '/ ao m.
lluroOrieis l'iupoti'inlas.... fBan a 20|non
a Morta de }) elh. 16*500 a UMai
a a de f|0,> no.. iti'ono a lJlO
a detfOOA'..... ojtnon a 9|K>f>
Praa Pataco*.......... l|00 a l*o
a Pesos columnares... 1*920 a 1*8**
a Ditos mejicanos... i00a l#820
a Viuda...........-. l|K0a I#M0
cces da comp.do lleberibe de SO/000 ri. ao par
DIARIO l!E PS1N1IBDC0.
i3'jj>ai*jijaa a>j saaues idu noas.
As gatetns Ingieras tmidas pela galera Stoorit-,
nos dao noticias de Lisboa al 16 de reverfro.
Assoalliou-scque sir H. Seyuour recebra inst.ncciJes
de lord l'alnirrston parsjenntostar a ri"clar?.c;7o do du-
que de Saklanlia, no tocante cxccucao do piotocollo ;
mas, a|c a ultima data, nada liuvi.-i inicial a este rcspel-
to ; rntretanto, a opposico pareca eontar intiiin coiu o
apoio do gabinete de S. James, e fallavase em nova su-
Mi'v.ir.'K). O que lie cerM lie que1 o governo parece re-
celar novo inovimeiito no Minti ; e que o denotado Fa-
ias Marbnza, perslstindn em attrlbtiir a motivos poli-
ticos o assassinato do administrados do concrlh de Val-
idares, requereu que o ministro dajuslica loase cha-
mado a dar novas ejqilicaces acerca (leste aeonleciinen-
to. O sr. Farias llarlioza prelenile i\\u: un club, exis-
tente em Poiitc-de-Lima, decrrtou a.tnnrte de grande
numero de Ir/eVibros influentes do partido cartista, c
que o administrador do concelho de Valladares era un
1 das incluidos na lista das prosenpces.
' .\a>-aniar.i dns.parea, o conne de Lavradin, o viscon-
de FcTutc-Arcada, o visconde de S da llandeira, o con-
de das Antas e o Fooseca Magalhes, responderam ao
conde deTliouiai, que replicou ua sessno.de 9 de feve-
relro, Tazendo um novo panegyricu stia adiniislracao.
Ao sabir do vapor que levou estas uolicias a Inglaterra,
anda rolav.i adlscussiTo acerca da resnosta Talla do
throno. Alen: dos pares, cujos nomes ja citamos, toilia-
ram parte Ueste debate o duque da Terceira, o conde
do lloinlim, o duque do Saldanlia e o Souia Azcvedo.
Nao se poda prever qual seria u termo desta discuasao,
que havia tomado um carcter mui prssoal cada um
enumerando as perseguiees que suiliera : Costa Cabial
em Madrid, Hoinlim em Angola e-Terceira no .Porto.
Ncsta occasiiio deelarou o conde das Aulas, que Costa
(abra! calumniara a junta do Porto e o partido acieni-
brista, aecusaudo-os de se haverem alllailo aos luiguc-
listas para derrubarcm o Ihrono da rainha. O presiden-
te da junta doPurto sustrntou que, pelo contrario, o l'o
voas e'outros generara migi^rlislasse liaviam alliado de
boa f aos constilucionaes do ('orto para restabelecerem
averdade do goveroo represeulalivo. .,
Na oainnra dos drpulados apresentntt-se o pfojcto
de rrsposta i falla do trouo, e se acba concebido em
termos tooftcnsivos para com a Inglaterra, que niu-
guem pensara, ao ler este docuniemo, que elle tenha
emanado de urna cmara, cujus membius, por ceno,
la no estariain, a nao ser a interveucao da esquadra
inglea.
Km consequencia do lequerimento de Silva Cabral, o
Saldanha enviou cantara s explicaefies eligidas acer-
ca do estado dos uegocios relativos a execuvo do proto-
eollo; mas esta eiplicacu consista apeuas na reuiessa
(le urna copia da nola collecliva, enderezada pelo gabi-
in'li-aos minjstras de Inglaterra, Franca e IIcs|ianlu, e
tanibeni dadeelaracao felta jirlomesmo gabinete, qu o
protocolio luva sido fielmente cumplido em todas as
bins disposres.
O drpulado Xavier da Silva fez novas inlerpellacocs
ao miiiistei io acerva do juiu da conservatoria brtanui-
ii, e ni'islrou inuito empculio em pi d anppresso
(leste julio, peante o qual varias casas inglezas iuleu-
taram impurlaules demSndas contra o banco, cuja d-
reccao se acliava em inaos do mrsiiio Sr. Xavier.
A cmara discutir tainbein o parecer da eouuiiisso
de poderes, acerca daelelcao deMoeainbiqne, c oprojec-
to apresetilado pelo ministerio para que se autoi isasse o
gnve no u conservar, augmentar ou diminuir "s bala-
lliues nacionaes.
O parecer conclua pela.anuM_.
porque fsa felta p?lo prucesso da
breo ftindainento que os eleilores, noineados para o
di amado coilegio de Mozambique pelos dislrictus Qull-
liinane, Sena, Tete e Sofala nao resldlam nestes distrlc-
a'"s. Ciaooenla e dous votos contra triiila e dous deler-
ininarain a adopeo do parecer, e os Srs. J. Pinto de Ma-
Kaihaes el. Alachado tU Mor.ics, em balde caminliaram
4,000 legoas para represcularem osseus coinniitentes.
Aapprovaco deste parecer lie devida nicamente s
opInlOes polticas dos don de pinados da colonia africa-
na, porqu a impossibllidddc que se d na execucao lit-
teral da lei, nesses paites longinquos. ja foi reconbecida
pela cantara por diversas vezes, e lodas as eleifdcs fei-
iiio vicio que a dos Sr. Magalbles e Huan.
Passaremoa agora a cominuiiicar aus uossos leitofes
os prineipaes eventos da, tuli|e.vau popular que arre-
bento a 10 de leverciro na cidade, df Mll'cl, e amca-
{a Baviera com nova tevolt^o.
Ao pano qlle todos os povos da Europa se agitairi em
pro dos direitos dn liiimem e pido liiumplio das ideias
liberaes, o povo 4e lloviera delxou-se embair pelos ar-
diz.do partido jesuta, a ponto de sublevar-se contra a
bciiifaiuja dciiladc que o libertara rio ominoso jugo da
laccSo regressista, c llie liavia proporcionado toda a H-
berdade couipalivel cen as-insliluifiJes da confcdeiaeao
germnica.
Os cstiidantes da uiiiversdade de Munich, ha milito
teinp'6, se acbavaui divididos em cinco associa{<5es, s6b
os nomes de: PlatteT, Sthiribtn, Franit, Bavarcn e ha-
r'n, nomes que designan! as cinco provincias que cons-
tilueui o reino de ilavlera.
A condes- be Landsfeld (Lola Montes), que sempre
leve muita predilgccao pelos mancebos, prouioveu um
elisysina na uiilvcrsidade, e, sob a sua immediala pro-
teceo, inltallon uiia scxla assoclajoci com o nomo de
-IminonsVi. s esliulantes da Allemania adoplaraur s
' ores favoritas da sua protectora i eram mui bem acco-
Ihidos no salilo da condessa, o em breve excitarain os
eiuines e odios do seus collegas.
iNos firininiros dios do janoiro, os prolegios do Lo-
la Montes fura ni apunados e insultados dentro da u-
niversidade, o o projosor do ihreitu natural, Ljeber,
vlo-se'oUrigaif'a iispen.ler as SliWficOfs. Nos das
Sloica, nao
\1, mas so.
seguifrtes, o reit'or da universidade, o culebro profes
sor Tllierscli, ucouselliou aoicsliidantes que so alisli-
lessein de taes demoiislracOiis, o aiinuncioii-llius que,
[l^or ordeiii,su|ioiior, ia proceder urna averigueeflo
ubre s dusoidenS dodia precedente. Nu obstante,
osdislurbios so reproJuziiuin ii iW,ea pro-
senca do ministro, principo dfl Wnllerstcln, fol capaa
de restaIjelccel'n ui.iuui ; ontrianio, apunas S. A.
saturada univcisiUado, tresom qualro dos iHutogidos da quo
pela condessn fram perseguidos pelos outros estu-
ilanles com assobios e gritos de paral, ateas Teni-
das dos pacos roses.
No di 9 os mesmos gritos o insultos so reproduzi-
rnm contra os esludautes da Allemania queso refu-
ginram n> casadas suas reunios. Ao entraron)
nesta casa, ocondeHirschliorg, que fazia psrledes-
In associircllo, irritado polos gritos daquclles que o
porseguiam, puxou porum punhal o lancou-se s-
breos ggrossores. Felizmonle, um gendarme o iles-
arnioii, mas n3o nsou prond-lo, ecomo os mem-
bros da Allemania vissom a casa cercada polos inem-
bros das associacflos Vivaos e oessoasdo povo, escre-
veram sua protectora, pedindo-llie o sen auxilio.
Ao rece he r esta carta, a desternilla cortdessa de
Lanclsfeld deixou oseu palacio, ointontou varar a
multidffo i mas fot'rcconliecida, o, pvrsoguida pelas
vaias o insultos ifo rulgaclin, procurou icfugiar-se
as casas vizinlias ; mas (odas as portas, inclusive
as da Icgaclo austraca, so Iho focha'ram. Felizmen-
to, cl-re', informado do queso passava, sabio para
a na, oliereceu o brago denodada condessa, o con-
dtizio-a A groja dos Theatinos.
No-dia 10-, ptiblicou-so um dijprcio, suspentlendo
as lices da universidade, e ordenando a lodosos
escudantes, que uHn eram naturaos do Munich, hou-
vassom de se rotirar dentro do 48 horas ; mas jis os-
tiiilantes recusaran) obedecer aodecreto, e dirigirain-
saqumultuariainote casa do roitor da universidad
^le,pie>m baldo Ibosacoiisriio so conformassem
cotn as ordens das autoridades : dahi scencainjnlia-
imiii para na de Bar, ondq reside a condessa do
J.an.lsl'i'lil, gritando : vamos para casa de Lula mas,
a instancias dos ostudanles mais prudentes, abanrio-
naram o intento e si dirigirn! ao ministerio da ins-
trucQIo publica. Nesta occasiTo voiilicou-so umon
Hielo que transformou este molinillo mancebos o,n
una insurreiglo gral. Do feilo, quando os estudan-
tcs ebegaram ao p do palacio da inslrucgilo publi-
ca, l'or.nn acommettiJos por dous IroQos de munici-
paes,-quo os dispersaran, (canto uili inqrto o dous
(bridos.
Era urna hora da tarde, toda a gente se acliava
possuida de grande exasperadlo c.mtra os'aggresso-
res. Os iiii'iiibros da municipalidariu se re un ira m
incontinente, e nomearam tuna depu'.aoTio para ir
reclamar justica contra os autores do lanionlavol
aconlecimenlo que acabavam de presenciar. S. M.,
apezar da pertinacia da doputaco, ncgou-lhe audi-
encia, o ola se vio obligada a oxpr us snas queixas
ao principe eprinceza I.uitpold, que se dignarnm rc-
ceh-la, e communicaram 8, M. as reclamacAcs da
municipalidade, acerca da suspensao dos traballios
universitariosedos iicoulecinienlos ileplo'ravcis, oc-
corridos pela mahhila ; mas ul-roi fui iuexoravol, o
a doputacUo relirou-se com a seguinto respusta :
blica a minha defiBeracSo.
O povo, que so apin'nora as portas o avenidas
dos pago* reaes,. indignou-Se, ,io sabor da rosposta
doel-rci ; e, insudado pelos agentes do partido je-
suta, innundou a prara Coroliua, a qu vuin ler a
ma (lo Bar, ondo habita a conJossa do l.ainlsfel I.
A entrada dtSla i ua era ''guardada por alsuns troQos
do iiifiitilaria ; o aguarda municipal se acliava for-
mada del'rontu da casa da condessa. U pov, que vi-
era desarmado, domolio entilo a gradado jardim rio
indo Uassciiheim, armou-so com os varOcs de ferro
da dita grado, e, prepnrava-se para atacar a tropa,
quando chogou a guarda miinioipal a cavailo, acoin-
uietleu o po*o, e ferio perig'osamonte grande nume-
ro do possoas. ICntretanto, upparqcou um trogo de
couraceiros, quo coadjuvou a guarda municipal, o,
depois de dispersar o povo, toinou-as avenidas da
praga. -
llepcliidos por este lado, os rebeldes so dirigir m
ariiiiiuistrae.ui da polica, e qiiebrariiin rom pcdl'Ss
todas as viril ,ii;as, depois du lia voroni lo nado a pre-
ealcfio de levantarom barricadas com couipridas car-
rogas dos fabricantes do cerveja. Ja eram novo ho-
ras da iioite, o todos se retiiaiain para sua casas.
No otitro da repeliratn-se as scenas da vespera ; o
paco real achava-sc cercado do tropa, e S, M. manda-
ra buscar a toda prossi um re lo ico Je cavallaria,
que ebegou de Augsburg peto caininho do ferro.
El-fCl pareca determinado a nada ceder ; mas. Voli-
do n hesilc;fW) dus tropas' quo reccavain .aggredir o
peto, cedeu as instancias dos seuslh'os, uiinistros
e floucelheiros de estado, i]U0 Ihe'deinonstravaui perigu a que expunba a sua cor^a ; e, coiiceileinlo o
pcijido, que llie i'/era a deputaciio cpmposla rio mais
de "2,000 pessoa, dentro os mais distinctos cidadilos
do Munich, rnvogou o decreto que SUpprimra u
universidade, o ordenou a condessa do Laudsfobl se
relirasso da cidado
. Na tardo dodia 41, a elTervescencia popular anda
nfuiliavia riesapparecido, porque so cspalhara o boato
rio que Lola Montes pretenda deixar u pequen pa-
lacio le llluleuiburg, para onde se havia rolirado, a
lim de voltar para .Munich. O povo quebrou rie novo
as viriracas da secretaria da polica que liaviam sido
concertadas pela nianha. Os soldados da guarda
municipal quo so enconlravain as ras eram insul-
tados o acommcltidus pelo vulgacho, c (o) mister
subsllttii-los pela tropa do linha.
Kntroianto, a condessarrde'Ijudsfl I yoltou com
el'eito, no dia 12, para Munich, cscollaila por urna
iluzia rie estudaiiles da Allemania, e einpregou todos
os sens esforcos para ter igresso nos pacos reaes;
mas o principo de Wallerstoin a niandou prender
por um tniro de tropa; metteu-a n'uina canuayein,
iiianriou-a para Suissa. Na tarde do mosmo da,
chegou olIrfUui Augsburg, acompaada por tres es-
tudaiilus e dous olliciaes de polica. Ao rieixar Mu-
nich diseefla : El-rei abdicar, e me teouir no exi-
lio, jtailteenta o correspondente do Timtt, que, ain-
At, >e uche indi apaixonado pela cncau-
IndOra condessa, anda deve estar mais pela sua co-
rOa.
O partido rctrograilo levantou grande celetima
por occasiiio desta vergoubosa victoria, nlcaneada por
milhares do homons sobre tuna niulhorqtio s Ibes
lia prestado serviros ; o, fulminando, em nomo da
moral, a eUrei Luiz o a sua morganalien consorte, pre-
tendo que, so el-rei niio cedosse, perdera a corrta, o
quo o povo da llaviora, apezar da sua ndole pacifi-
ca, est determinado a laucar mo das armas para
derrubaro thronn, antes que solrer aor mais lomno
quo tuna danzarina ostrangoira conservo as snas
mansas rodeas do governo, deinilla e niiine os mi-
nistros de oslado, o disponba a sen bel-prazer dos
uniprogos pblicos etlos rendimontosda naeilo.
I'ela nossa parte, estamos longe do partilhar esta
crenc. O povo do Baviera Hito he ISo destituido de
juizoquo prolira o despotismo moral do partido je-
suta a liherdade e garantas que Ihe propociona-
r un os amores i l ley i limos do S. M.
Silo houve revolue.Ho om Munich, mas sim man-
festac.1o artiheial, insuflada pelu ultrainoutanisnio,
o sustentada por alg-umas duzas de devotos, quo ex-
citaran! a plebe, sempre prompla a commoller ox-.
cessos. S. M. se acliava cercado pelos intnigos da
condessa, os qtiaes iirocuravam aniedrouta-lo, aliin
Ueobtorem a oxpulsada sua rival, ojulgamos que
elle nlu tardara em vingar-se daquelles quo o illurii-
ram, o quo em breva a condessa do Lan Isfeld, cha-
mada ainda hontoin o genio protector da lloviera,
voltaia para Munich por ontre as acelainacoc3 do
mesino povo quo a expulsara.
A barca porlugueta' Ltal, entrada hoje, troiixe-nos
carias do uosso correspondente ro Lisboa, que alcancam
a i'.i rie leven ir prximo passado, o algun peridicos,
os ulliuios cMiiiplares dos quai s chcgain a l do caden-
te marco.
Como os trabalbos desla ga/.cla se acham por demais
adiantados, liiuitar-nos-heinos, por agora, a noticiar aos
leitores o que ha de suniinainenle curioso as cartas c
peridicos, j.i citados.
O estado linanceiro do reino de Portugal ero muitissi-
ino la'sliiuavel: os sidos dos militare e os ordenados
dos empregadus civis liaviam sido rcduzidos a melade ,
e, aiuria assim, liavia Unta demora no pagamento, que
se pi'idc allirmar que os miseros funecionavios pblicos
acliavain-se rrduzidos triste condico de servirem ao
estado qunsi pelo terco das qtiantias que danles perce-
uiain. Kntretaiil, corra geralmente que os depurados,
dando urna prova mu valente de sua philanlhropiti, iu-
sisliam em receber os subsidios por intrlro, ao pasio
que gran'de parte de seus commiltenles soili i.i a penu-
ria em que acabauuis de fallar.
A arippe, que acoinmcltra quasi toda a pupulacao,
como ijoe ja desapparecendo.
llouvera modilica(o ministerial. O F.xm. Sr. Joaquim
Jun de Quciroi solcilra e oblivera ileniissao do cargo
de in inistro e secretario de estado dos negocios da jus-
tifa. S. l-.xe. fura substituido p.elo Exin. l-r. hispo de Vi-
sen, e retirrase do gabinete por nfio ter podido conse-
guir que seus collegas dessciil de nio ao syslema de-
inlsiionario, Antes de ririxar a pasla, abolir a conser-
vatoria brllaunica, cuja cpntinuacSo Ihe valcia mu for-
te censura da parle de um dos depurados opposicionis-
ias, como se diz no artigo que a este precede.
Km discurso, proferido i.a cmara dos pares, declara
ra o Sr. duque de Saldanha que o govciuo nclual, niio
si> qtier o progresso e as reformas, mas tainbein, e so-
bnrtudo, a uniio da familia portugalesa. Permita Daos,
3ue o nobre duque e os que o coarijuvam ua dreccao
.os negocios da sua patria jamis mtldeiii de oblnlflo.
Peisistain nell.i, c verao como Portugal p.issa a repre-
sentar uielboi- papel en I re as nacca civilisadas da Bu-
ropa. ,
A (Minara dos deputados autorisra o governo a crear
at 30 balalhoes nacionaes, e a conserva-Ios eiiiquaulo
se nao luir a forja de Ierra para o anuo de 1849 ; e ap-
pi'ovara nina proposla rio Sr. Silva l.'ahral para que se
rii'sse um voto de agiadeciinenlo ao exercilo, aos bala-
IhOes nacionaesc aguarda municipal, pelos relevante
serviros que preslaiam durante a ultima lula.
Couiecar nessa cmara, c terminar nados pares a
diSCUSMo da rcsposla falla do Ihrono.
Horneado commandante do primeiro regiment de ar-
tilbaria, o Sr. harn de Ourt'in dispuiiha-se a delxar o
governo civil de Lisboa, para o qual seria nomeado o
Sr. marque/, da l-'roiiteira.
A provincia do Minho eslava um pouco agitada : seus
habitantes malsollriaui a oecupaco militare as medi-
das rigorosas a qilf.U subjeitivam todos os dias. Scien-
les disto, os jirogrissistas se nao cansavam de rl'cmn-
inenriar pelos jornacsaos correligionarios dahi, que se
nao movessem, poripianto, vexando-os por semclhante
uiody, o governo nada menos levava em mira do que
provoca-los a um rouipmcnto, para podc-los perseguir
com motivo justificado.
l)ila-se. que I!. Miguel sablra de Londres com drec-
cao lllia da Madelra, e desembarcara ah, O proprio
governo dera tanta importancia a este boato, que se
aprensara a expedir urna portara, asseverando constar-
Ihe que se tratavade restabelecer,ciu algniis ponto*, o
dominio do principe proscripto, e rceoinmcndaudo a
malor vigilancia sobre o partidarios do uiesmo prin-
cipe.
As datas de Paris eram mais antigs do que as aecu-
sad.is por nos.
puUfao, he do meu dever romper o silencio c resRou-
der-lhe pela seguiute l.iriua.
Principia o Sr./oiio Roma o eu libcllo famoso, a sua
catilinaria infame, declarando que eu, e o ineu falleci-
do irinao o tcuenlc-carouel Frauoisco d* Rocha Paes
I.o i et.,. aimiveil couseiiliores dapi'opricdadc Apipucos. pessoas uilsera-
veis, uos baviinios apropriado de mais de urna legoa
quadrada de trras, levantando engenho, fa/end cerca-
do, partidos o sitios, dispondo da* mattas em nosso pro-
veito, c aliual arrogando-nos o senhorio absoluto de
toda a propriedade, sen) conseiilimcnto dos ditos conse-
nhores, juc alias liearam privados das partes que Ibes
pertenciain. Miseravel! para que ments lao grosseira-
menleaocefe de polica, vossosupcripi? Paja que ca-
lumniis com tanta lorpcia, com infamia tan inaudita
a nomes, que se nao acliain salpicados e cobcros de in-
dignidades como o vosso? Se a assercao que avancais
fosse verri.ideir.i, se eu e o meu fallecido irniao liouve-
semos usurpado o dominio das trras da propriedade
Apipucos, sem tliirida j loriamos sido demandados pe-
anle os tribunaes, quando niio por esses consenhores
pobr, de queui fallis, ao menos por vos que ostentis
riqiio/.i, e que hoje vos adiis collocado ua posijao de
poderdes perseguir-mc a vosso salvo, como o estis f j-
zendo; assim lambeui cu me nao subjeUarl.i apagar,
curta pago aiinualniente, a quantia-de 30OJOU0 res de
renda do sitio Agoa-Frla Um dos consenhores, que leiu
a possede lie.
Sou coherdeiro da propriedade referida, e assim co-
mo torios os demais eslaheleci-mc em um ponto della,
e abi, por unnime conscnliinculo dusoutros coherdei-
ros, levanlci um engenho de aocirdade com inen falleci-
do iruiao, scuique aislo uinguem se oppozesso, pul*
3ue nao oll'enriia direilos allieios, visto que o menciona-
o engenho 1'ra edificado em torras, que nos foram da-
das em posse, e sobre us quaes uenhum outro coher-
deiro liavia feilo beneficio. Oque, pois, ha de extraordi-
nario e condemnavel uesie procedluieuto meu, ede meu
fallecido iriiio? O que ha uellc que possa merecer cen-
sura, c que deva ser repiovado aos olhos da jusnr i c da
moral? S o Sr. Roma, s esse liouiem emincnleiuenje
Ingrato c trahidor se arrojara a deprimir a minha repu-
layao, c mesmo aggredir a memoria de meu tinado Ir-
ma, por um fado de seinelliaiite-natureza, em que nada
ha de reprehensivel, e antes hetodojuslo, legitimo c
legal. Perdis vosso lempo, homem prfido i-trahidor!
ti.ib ilh.iis em vi porque nao conseguiris obscure-
cer o mou crdito e lisnar a niiuha rcpulacao por ini-
putaes de scmelhante genero. Nao! os herdeiros de
Apipucos, os consenhores dessa grande propriedade ah
existciu; o seu numero excede a vinte; c todos elle
lauto se acham em boa harmona comuiigo, tanto con-
li.uu na minha probidade, lauto sabem do meu desin-
leresse, que,por conunum aecrdo, me unmes.-an admi-
uistradoi da mesiua pi-opricdade, e gercnlc dos nego-
cios relativos a ella, como te v do documento u. 1, que
abaixo vai transcripto. I. seria possivel que elles assim
obrassem, que me escolhcssem para representar oiin-
teresset de todos, relativamente a indicada proprieda-
de, se cu mehoiivcsse arrogado o senhorio exclusivo
della, c os tivesse privado de usufruir a parte que a ca-
da um perlcncesse?!! Seriapossitl que fossem tito mi-
**--------,-~^-r.
CiiiesjnniciKiia.
Sn. Rinclores. Chegando por acaso ao meu io(Ur
o Diario Sovo de segunda l'eira, 27 do correte, Huelle
com sorpre/a o olhoio que osr. Joo Ignacio Ribeiro lio-
rna, subdelegado da freguew.i do I'090-ria-Panella, diri-
gir ao Sr. I)r. elude de polica, informando a quena
per luiui dadaaoExm. presidente da provincu. cui con-
sequencia da invasao praticada pelo eaesino Sr. Roma
nogaatu engenho, r rio emprrgoda l.irca policial,por cl-
lMto onira direilO de propricdadedos consenhores
flai trras'dos A|>lpucos, de que sou administrador.
(.onlesso que, ao lanyar as isias sobre esse monumeu-
l d insolencia e nuaadia do Sr. Joao Ruma, eu sent
%wo;des bem uVsagra.daveis : e como o seu autor leve
por principal oijjeciu ferir profundamente a minha rc-
seraveis que se cm vassem diante daquelle inesino que
liies eslava usurpaudo o que legtimamente ibes per-
tencia?! I N;lu, eerlainenlc: elles obraram rie outra tur-
nia -. nao so nao depos.lariam cm iiiiui lo plena csnli-
anea, como iiiviJarian todos os Hielos para rcpcllir a
minla usurpacao. K nrm se diga que por seren pobres
elles deixaiam de assim obrar; porquanlo alguna sao
abastados, c todos accurdeincntc aunuiram a ser cu o
administrador: todos.....sim lodos; at vos, Sr. Roma 1
que lioje lio vilmente me calumniis em urna peca of-
licial; vos laubcm asslgnasles com a malor volunla-
1 iedade esse papel que me autoris.iv.i a ser o admiuis-
ir.iitar da piopriedadc Apipucos, vos, cobarde! assislis-
les aos dividendos, rccebesles o quiuhao que nellc voa
locava (documcnlo 11. i, uao articulaste una palavrs
em opposlco ao que havia sido estabclecldo ; e como
agora vos levantis contra o vosso proprio fado?! tomo
uusais arguir-ine damaiieira que .se conten em vosso
olliciu, assacaudo-uic calumnias de urna natureza liiu
atroz? So a volubllidade.do vosso .carcter, s essa ver-
satilidadc que om vos parece unta inolcslii.vos dara co-
r.igei.i p:o a tanto; mas o tes le,111111 lio dos lacios, e a evi-
dencia das rasos at aqu expendidas, sao bastantes
para confundir-ros: eir liio fallare! mais Sobre este
punto, porque enleiido que o publico ja se acba assaz
esclarecido a .'speito dollc, passarei aos oulros de que.
se cnmpiic o precitadoofiicio.
Continuando no seu libcllo,o Sr. .loao Roma, com pro-
tervia inciivel, de que cu armara um 1 quadrllha de
qti.ilr homons rio el i\ imites, pistolas e facas, e ciu lu-
gar timo lila' 1 assaltar os Allenics Joio llistra, /os
Moor, Antonio llistia, Nicolao Moor c Pedro Uoor, mu-
bando Ibes riezauovc cargas decaivao, que depositara
no meu engenho, e accioscctila que ludo isto fura feito
pai.i dos\ irlti.i-l 1 e poder eu desfruelar auieusalvoa
propriedade Apipucos, como oulr'ora o lizera, prevale-
cendo-nie da polica e do coinniando da guarda nacio-
nal, que se achavt.111 em minhas mos : cunta o fado da
resistencia por elle feita ao mandato do Dr. julz doci-
vcl, que a requeiimento meu ordenara que se fioste
embargo 110 referido earvao, mas accrescenla que tal
resistencia scuodera, e por ultimo, derramando toda
a sua atrabili contra uiini, qtialifica-me como iadrtio,
e o meu engenho como ocovil decelerados, a cova de
Caco cmliiii; concluindo que eu comcciira.a nimba vida
por incios indecorosos, e que hoje ostento-me, nao
s como senhor do alhcio, mas tambeui como fac-
cioso, &c., &c. "
m verdade he mister ser o Sr. Joao Roma, he neces-
sario ter a ousadia desse grande facinoroso, conforme
he publico, desse homein coberto da maldico gcral,
desse miseravel por mai de urna vez expostu a irrisao
eaoescarueo, para alever-sr a tanto, paraqualificar-
meconioladro! Miulia vida he assaz conhecida nesta
provincia, e ella na 1.oliente me 11.10 deshonra, porque
uinguem ha que ignore que lenho vivida do l'ructo do
incus trabadlos, c dos lucros bouestos que dos lueimo
hei rccolhido; porcui, se se olbar para vida do Sr.
Joao Roma, se se attender ao que a couscicucia publica
tem pronunciado a seu respello, vcr-c-ha" que de seu
lado s existe urna serie de ciimes atrotet e de perver-
sidades que fariain assustar 6 covacao mais gelado.
Com ell'ciio, mo he sobre a vossa cabeca.sr. Joao Ro-
ma I que recabe a horrorosa imputaco do assassinato
do infeliz Jos Paulino? K Nao be sobre ella, que est
pi miente ,1 argir, nao menos horrorosa, de haverdes
lomado parte nasclciubiisada, c ahi roubado voisa
voniadc no nielo da carnificina da nones de seteinbro
rio lo31 ?' Taubciu nao sois argido de lerdos lunario


-=52
inultos civnllos e negros na Casa-Forte desde osprimcl-
Js 3ias de vossa vi Ja ? Nao se vos imputa o haverdes
filo urna orgia no Airaial, c a'il repartido com os vos-
* sonos o fiucto Je vossa rapia, ditas ms nJica-
usa Miera de setembro d.c 1831 ? I Nao sois igualmente
consignado cono o maior assassino da freguezia, ein
que Jegrafadsmeiite figuris de subdelegado porenVto
oa lu.na do lempo, e desencideaimiito das puixes
;>ot?:ca;! .\aii di que atrancaste* vossa sogra, a
's, tavel Seniora D. Mara Elena, abusando da con-
aaya c,ue ella em vshavia depositado, para venderdes
na causa, rmiu" ella tlnha o meltior direito, aolSr.
Joaquim da Silva Pereira. que com ella Uligava? Nao
je publico, que, lendoogoverno da provincia vos man-
u*" Para guerra dos rbanos, na periuasio de que
yo eris un ortirial honrado, ahi vos comportaste co
roo mu vil tiahidor, vendendo plvora aos inimigos do
estado, deque rtsultou se vos formar um procco, e
aerdt mandado retirar como uin Infame?! Agite da
iiaioriotorcdadeque seniprc foste um revolucisna-
II, um acciuo de pessimo carcter, de conducta a inais
eapretlvel, rhrgando por causa duuo a erde degre-
oauoparaoRio-lNrgro?! Rao est na Irtnl ranea de to-
nos o papel imaeravel e trististiuioque lizeite naques-
tao que suscitastes contra o Sr. Dr Filippe Lopes Net-
lo. h..je voso correligionario, ohcgandu a vo-.a infa-
mia a ponto de aeeitardeg o perdfto que por elle vos foi
i'ti'n i. .... .1 ._________ m F
.9.
uauo (lacoiidemnacao do jury, aceitando alm disto
rcrao daquantia que havicis recebi lo para deixard<
firo-me ao voto cima.- Ignoz Britos de Mello.Re -
iiro-Dieaovotoacitna.-Vanool Joaauimdo Reg Bar-
ros.\otn om o Sr. Anlonio Lins Caldas-Francisco
Jacinlhol'ereira.Convonho no.mesmoSr. rcima.
Igoei Mana do Moli.Befiro-me aos mearnos Srs.
herdoiros.-Francisco Cezariode Mello.-Renro-me
ao mesmo herdeiro.-JooSeverno do llego Barros
O meu voto ho para o Sr. Antonio I.ins Caldas.Ber-
nardo Anlonio de Miranda.Concordo com a vota-
co.Jos Candido de Barros.Concordo em o Sr.
Antonio Lins Caldas. Pedro Jos Carneiro Montei-
roVoto em o Sr. tenente-coronel Antonio Lins
Caldas.Joo Ignaoio Ribeiro Roma.-Rellro-meao
mesmo Sr. Antonio Lins Caldas Antonia Florinda
Pessoa de Mello.Concordo em que seja adminis-
trador o Sr. Antonio Lins Caldas.Jos Alfonso Fer-
roira.Concordo com a-volacAo.-ThomCorreia de
Araujo.Voto em o Sr. Antonio Litis Caldas.--Se-
baslio Lopes Cumiarnos.
". 2. Francisco Joi vel, nesla cdade do Hecife de l'erntmbuco, por S.
M. o Imperador, &C.
Certifico quo pelo supplicante me fOram apresen-
nos ou industria de marcenarla, 1 dita objectea diveno
de industria, t dka modas, i ditas tecidos diversos, 1
dita perfumara, 1 dita vidros, 2 caixa cidos ; a J. P.
Adour & Compauhia.
CONSULADO GER'AL.
BEKDIMFNTO DO DIA 31.
Coral..........
Diversas provincias
V 5 44,8-16
passar o cncanameiito pelo sitio da Casa-Forte, de
ardesilado* lres vros, o Jelles consta o seguinte :Divi-
equei'Jasdos herdeiros de Apipucos, livro primeiro.
E.. i. hacia I ,., ,, ......... .^.t.^.~______ i.
10 horas da manhSa
Cruz.
, no scu armazem da ra da
Avisas diversos.
RENDIMENTO NO MEZ DE MARCO DE 1848.
Consumo de 7 por ceoto...
Dito de 2............
Dito de i ..........
70.006,925
448,716
24,547 70:480,188
Ancoragem para fra do im-
perio.............. 5:557,835
Dila para dentro do dito. .... 201,720 5:759,555
.- -----.wm.w.w .... ......y prximo pn--
saao.' Sun, tudo Uto se dii, t ido he publico, tudo he
sabido; c como vos atrevis n aggredir-mc, fatendo re-
ahir sobre mim a (juati/iesrrao que s a vos quadra,
que sO a vos pertence ? Sr. Joto Roma! para cu ser sal-
t'.v or, para me caber oepitlicto que vjiuedais, era
liilslerque eu tivesseo vossocoracao apodrecido no cri-
i"<", a vossa alma cevada na nialdade; mas nao! estas
Jiheccm mefaran justica.
He verdade que no dia 28 de fcvereiro do presente
anuo, sahindo os procuradores da propri.idade Api-
pucos, Joaquim Jos Cavalcante e Francisco de Sa-
les Cavalcante, n saber, o primeiro tambem conse-
iinor da mesma propriedade, a correr as maltas, nes-
sa occasio enconlrarara-se com urna porco de car-
ias d< carvo que dellas iam sahindo, sem haverem
os porladores oem pessoa alguma pago o preco osta-
bclecido pela sua extracto, e indagando os dilos
procuradores, por ordem de quem era ni conduzidas
aquellas cargas de carv.lo, respondoram-llies os por-
tadores qiie por ordem do inspector de quarteirSo,
Alt'XujIUreJjos Pereira Barboza. A visla disto en-
tendern! os sobreditos procuradores, o entonde-
ram muilo bem, que deviam fazer encaininhar o
mencionado carvflo para a minha casa, visto ir
sahindo furtivamente, afim de quo en, na quali-
dade de administrador, tralasso de providenciar,
como o caso exiga ; e sendo-mo aprosentado o car-
vio referido, i inmediatamente requer autonda-
dn competente um mandado de embargo, para ser
elle apprehendido em forma, e dopois ventilar-se a
materia competentemente. Nesla occasiSo cheguei
a sabel quo o Sr. Joo Roma lizra convertor o ins-
pector de -quarteiro do Ferraes em agente, para
receber o pre^o das cargas de carvo quo hotives-
sem de ser d'allieitlrahiilas Kmquanto, porm, eu
assim proceda, e procurava os mcios legaes para
obstar invasfo da polica sobre a propriedade, o
Sr. Jo3o Boma, com as hespanholadas que sao de seu
genio, reuna frga, o invada o meu engenho, a li-
tlo dn fazer termo de adiada, como fez, deisando
por ultimo urna guarda do senlinella ao carvHo ; e
no mesmo dia viudo os ofliciacs de' justiga fazer o
embargo, encontraran! resistencia da parle da indi-
cada guarda, e mesmo doSr. JoHo Roma que, figu-
rando de inleressadono negocio, recusara prostar o
seu consenliinento para que o dilo embargo fsse
realisado : entretanto, no segundo dia, 29 de feve-
reiro, S. S. mandara ordem para quo o carvo .fsse
entregue aos proprios que o vinham furtivamente
conduzindo dasmaltat; cfTectuou-se com efTeilo a
entrega, porm fui nessa occasiSo pago ao lliesou-
reiro da administradlo o pre^o devido por cada car-
ga, c nada tnais houve ; no enlanto o Sr. Boma,in-
vcilcndo o facto, faz desaliar contra mim um chu-
vefro de injurias o calumnias, como se com ellas po-
riesse fundamentar o direilo quo se quer arrogar.
Nn colliois cousa alguma, Sr. subdelegado .' todo o
mundo sabe que vos ja fostes condemtiado pelo Ju-
ry do Becife como calumniador! lie alm disto no-
torio e sabido em toda a freguezla, que vos estis pre-
valeccndo da ft'Qa publica, dos soldados quo devem
S'T reservados a mnnler a seguanla dos cidados*
para com cllcs pdenles usurpar lodosos lucros da
propriedade, de que apenas leudes urna pequea
fracco, e islo he (ajilo verdade que deslaciisles
urna porqn dos ditos soldados para o lugar d'Agoa-
l'ria, afm de podirdes intimidaros moradoros, e as
sim oliriga-los a rocouliecur-vos como senhor ex-
clusivo e nico de todas as lenas dos Apipucos. E
nflo sera islo roubar?! Nflo ser constiloir-su saltea-
dor peior do (jue aquellos que e escondem nos sub-
terrneos e as mallas!". Na -venlade.quesim. I'orlan-
f to a vsc uo a mim, Sr. Jo.lo Roma! lie quo compele
esse cpitkcto infamante de ladro ; a vos, sim, a
vos, porque os Tactos vos dcnunciain como tal, e no
a mim, porque a miiiba coitdncla o meu procedi-
mcnlo repellem semelhauto idea ; o emquanlo
i|'ualillca(8o que dais ho meu engolillo de cova do
Caco, devo dizer-vos que verdadeira cova de Caco e
asylo de assassinos he a vossa casa, que alias se aclia
setnpre frequentada pelos facinorosos Ignacio de
Loiola Catila, o cabocolo Manoel de tal, e outros quo-
jandos que constilueiu a vossa suciedade, a vossa
bella companliia.
.Nada mais diroi, e apenas appellarci fiara os lio-
mens honestos do paiz, a cujo juizo stibmelto a mi-
rilla conducta o a do Sr. Joo Boma : clles que deci-
da n qual de nos dous lio urna existencia prostituida,
vil c infame ; qual de mu dous be ladi.io eassas-
sino.
Tenham, Sis. Bedaclores, a liondade de-publicar
estas lindas do seu assignaute
Anlonio Lins Caldas.
Becife, 29 de marco de 1848.
parlilhasao mesmo Roma, 122/932 rs.j ea folhas46,
parllha ao mesmo Boma, 94^149 rs. Livro segun-
do dos laticamontos das rendas dos terrenos e casas
de que cstao do posse os herdeiros do engenho Api-
pucosDeste livro n folhas 28, solimo dividendo ao
inosmo Boma, 104/726rs.: as mnsmas folhas, oitavo
dividendo ao mesmo Boma, 83/948 rs.: as mesmas
folhas, nono dividendo ao mesmo Roma, 90/716 rs..'
as mesmas folhas verso, 166/024 rs., dcimo divi-
dendo ao mesmo Roma : as mesmas folhas verso
undcimo ao mesmo Boma, 114/233 rs.: as folhas
29, dcimo-segundo dividendo ao mesmo Roma,
140/137 rs. : as mesmas folhas, decimo-lerceiro
dividendo ao mesmo Roma, 1M/444rs.: as mes-
mas folhas, decimo-quarto dividendo ao mesmo
Boma, 294/118 rs.: as mesmas folhas verso, deci-
mo-quinlo dividendo ao mesmo Boma, 111/839 rs.:
as mesmas folhas verso, decimo-sexto dividendo
ao mesmo Boma, 168/510 rs.: as mesmas folhas ver-
so, decimo-setimo dividendo ao mesmo Roma,
294/118 rs.: as folhas 30, decimo-oitavo dividendo
ao mesmo Boma, 132/253 rs.: as mesmas folhas, de-
cimo-notio dividendo ao mesmo Boma, 127/824 rs.:
as mesmas folhas, vigsimo dividendo ao mesmo 11o-
n a, 107/154 rs : as mesillas folhas verso, vigesimo-
primeiro dividendo ao mesmo Roma,97/080 rs.: as
mesmas folhas verso, vigsimo-segundo dividendo
ao mesmo Boma, 130/333 rs.: Livro terceiro dos
lancamenlos das rendas dos terrenos, sitios o casas
do engenho Apipucos, a cargo dos herdeiros do mes-
mo engenho.Deste livro, a folhas 62, vigesimo-ter-
cciro dividendo ao mesmo Boma, 111/167 rs : asmes-
mas folhas, vigesiino-quarto dividendo ao mesmo
Boma, 123/194 rs.: as mesmas folhas, vigsimo-quin-
to dividendo ao mesmo Boma, 115/329 rs. Certifico
mais que no fin de cada un lancamento dos men-
cionados dividendos se acham recibos coma assig-
nalura Joo Ignacio Bibeiro Roma, nos quaes lanc^a-
mentospuz a minha rubrica llego -, sendo o ulti-
mo recibo passado a 16 de agosto de 1847 ; e ncslo
recibo reclama o mesmo Boma 5/000 rs. que diz Ihe
foi largado em emita, de lenha, que no havia lira-
do. He o que consta dos lancamenlos nos ditos li-
uros, queos lornei a entregar ao supplicanlo, o aos
quaes me reporto.
Becife, 30 de marco de 1848. Subscrevi e assignei.
Em f de verdade.
Franeiuo Jote do fego.
Estavant reconhecidos. ]
Sello fixo.....
CertidOes. .
Siza d 15 p. c.
Multas........
778,560
27,800
4,500
1:129,304
Di venas provincial.
Dizimo do assucr das Alagoas 3:901,329
Heslituico feita....... 2,713 2:808,616
Dizimo do algodiio da Para-
hiba.........
Dito do assucar da dila .
COWtf.fcfiC.0.
Alrandega.
RUDIMENTO DO DIA 31............5:377,789
Detcarrtga Aoje, 1. de abril.
Galera Sword- h'iih mcrcadorias.
BE.NDIMENTO NO MEZ
Reiidiincnlo total.......
RestituiQdes..........
Liquido
DE MARCO DE 1848.
......... 174:694,004
...... 22,400
.........174:671,604
Direitos de consumo..............171:837,044
Expediente dos gneros do paiz. i por c 58,686
Expedientedos gneros com carta de guia. 188,452
Armazcnagcm de mercaduras....... 454,393
Premio dos assignados, 1/2 p. c...... 2:124,831
Multas....................... 4,358
Emolumentos de cerlidoes .'..... 3,840
Rs.
174:671,604
Bestiluic.lo feita
630,135
9,992
640,127
11,630
Dizimo do algodo do Rio-
Grande-do-Norle........
Dito do assucar do
dito
Dito do algodo do Cetra ..
Depsitos existontos.
dem restituidos. .
17,949
41,550
4:515,799
1:073,177
O administrador,
Joto Xavier Carneiro da Cunka.
CONSULADO PROVINCIAL.
RENDIMENTO DO Dr 31............1:932,900
jVIovimeiito clt Porto*
Navios entrados no dia 31.
Talcuhan 90 das, leudo sabido de New-Bcdford lia 29
iiiezea, galera americana bed-Mitchtll, de 355 tonela-
da, caplto P. S. Wing, equipagem 24, carga azeitc
de peixe ; ao capitn.
Lisboa ; 26 das, barca portugueza Leal, de 317 tonela-
das, capitao Manoel Alves da Cunha, equipagem 22,
em lastro ; a Manoel Joaquim Ramos e .Silva.
Navios sahidoi no mesmo dia.
tina ; hiatebrasileiro.-Jo-G/orioo, capitao Hypolito
Jos da Silva, ein lastro. Passageiro, Manoel Joaquim
de Mendonca, Rraiileiro.
New-Brdford ; galera americana Obtd-NUckell, capitao
P.8. Wing, carga a mesma que trouxe.
Observacio:
Sahio a cruzar o brigue de guerra ingles Orrefa,
coiuinandante.o teneute Tendal.
THtfATRO
DOMINGO
PUBLICO.
2 DE Altllll.,
Alexandre. Jos Gomes, negociante da cidado
do Lisboa, tendo.lido cotilas provenientes-de transoc-
4:502,488 CIe8 de commorcio com scu lillio Jos Anlonio Go-
42^3(0 mes Jnior, negociante em Pernambuco, rosultou
d'ellas ficar esle a dever quelle, pouco mais ou me-
nos, desde o auno do 1822 al Janeiro do cor.-ente
anno, a quanlia de cincopnla conlosde ris em mo-
da do Brasil; e nflo leudo podido 'aquello credor
concluir atnigavclmcnte o ajnslamentodo suas con-
tas por meio.de peritos, porque a tudo se negou o
dito Gomes Jnior, fez cessSo dosse crdito ao a-
baixo assignado, para cumprir obriga^Oes, pelo cra-
dor coutrahidas ; e por isso tem o mesmo demanda-,
do ao sobredito devedor, para pafear a referida quan-
lia : e porquanto consta que se esta procedendo
inventario, tanto dos bensdo fallecido sogro do dito
Gomos Jnior, como dos bens deste,por fallecimento
de sua mulher D. Mara Casimira de Sanf Auna, e
possa acontecer qne alguem ignorando compre bens
do casal do referido Jos Antonio Gomes Jnior, em
prejuizo do crdito cima referido, e d'outro credita
mais na importancia de seis cotilos de ris, de conta
do abaixo assignado, e a que esl responsavel o mes-
--------------mo casal ; desde j so previne a-todos aquellos a
78:179,907 quem inleressar possa, que ninguem faca algum
onirato com-o referido devedor acerca dos bens
Lcasal, ou que a elle viorem por titulo de he-
rsnflrou outro qualquor, porque os mesmos estilo
subjeilos ao pagamento dos referidos dbitos.
Feliciano Jos Gomes.
Jacintha Mara da Conceicflo previne que* nin-
guem faca negocio, ou qualqucr transaccflo com
seu marido Paulo da Costa Miguis, a respeito da
escrava Hara Benedicta, do Angola, do estatura baj-
xa, de maneira que no reprsenla a idade que tem,
de tnais de vinle annos, oque, por ordem da polica, ,
foi tirada honlem, 30 de marco, da asa daanunci-
ante; porque est reclamando o seu lireito em juizo,
e certa mente a polica no tem competencia parase
ngerr em questOes civeis. E semelhanteinonte pre-
vine a respeito d'outros quaesquer bens.
Os Srs. Jos Goncalvos Curado, Bernardlno
Maya da Silva, Joaquim d'Oliveira Maya Junir,
queiram djigjr-se ra da Solcdado, n. 2, ao p do
sitio da cscala, para Ibes serem entregues pesoal-
menlB urnas-cartas vindas do Bus-GraBdo-dc-Sul,
pelo brigue Dous-d' Agosto.
O Sr. Francisco Martins do Amorim queira man-
dar buscar urna encommonda viuda do Par : em
I'ra-de-l'ortas, casa de Antonio Heorique ilafra.
Agencia depassaportes.
Na ra do Collegio, n. 10^ o no Aterro-da-Boa-
Vista, n. 48, continuam-so a tirar passaportes tan-
to para dentro, como para fra do imperio; assim
como despacham-se escraros: tudo com brevidada,
U abaixo a.ssignsdo participa a lodos
os seuB devedores, que tem constituido
por scu bastante procurador ao Sr. Joa-
quim Candido da Cruz Siqueira, para co-
brar suas dividas tiesta praca e fra del-
la. Hecife, 3 de marco de i848.
Francisco Joaquim Duarte.
O abaixo assignado, professor substituto d phi-
losopha e geometra no collegio das artes d'Olinda, e
ahi residente, na casa em que morou o capitflo Pas-
sos, recebe anda abolelados sb sua direcco ; para
o que pde-so tratar com elle em 01 inda, a com.seu
irmflo, Miguel Archanjo da Silva Costa, no Becife,
collegio Santo Antonio.
iodo f ioente da Silva Costa.
Alugam-se as seguintes casas : um sobrado
com solflo, lujas e quintal, na ra do Sebo, n. 50,
por 300,000 rs. anuuaes ; duas cssas terreas com
quintal, cacimba e mais commodos para grande fa-
milia, na ra da llniflo, por 14,000 rs. mensaes;
dussditascom iguacs commodos, na Trompe, ra
da Solcdado, ns. 3a o 33, por 10,000 rs. mensaes;
duas ditas pequeas, na ra do Sebo, ns. 52 o 54, por
628,497
59,499
,203
81:766,522
O escrivo da alfandega,
Jacorn Gerardo Maria Lumachi de Mello.
IMFOI.TACAO'.
DOCUMENTOS.
N.I. lllms. Srs. herdeiros do engenho Ajiipu-
Cos. Tundo fallecido, no dia 19 do crrante; o Sr.
Francisco da Rocha Paes Brrelo, quo servia de ad-
ministrador derta propriedade, os membros da ud-
minislracJtoa*aixo assignados assim o fazem cons-
tar aosScaurfaerdeiros da mesnia propriedade, rogan-
do-ihes.ae airvam de declarar, ao p desta, om quem
votam para servir o referido lugar, visto que no
deven wlminislracSo estar incompleta. Apipucos,
22 de abril de 1847. Joo Francisco da Reg Main, o
thesoureiro. O procurador, Joaquim Joii Caval-
cante. O mnu voto he para o Sr. Antonio Lins
Caldas.Pedro Francisco do Paula Cavalcante. Ilo-
Y, barca francera, viuda do Havre, entrada no corren-
te me/., consignada a Mauvernry 8c Gompanhia, manl-
festou o seguinte :
(ii) barril c 10 meios ditos manleiga ; a N. O. Iliebcr Sr
Companhia.
1 caixa tecidos de laa c nlgodao, 1 dita ditos de algo-
do, I dita estofos de laa ; a J. Keller.
3 caixas tecidos de algodo ; a R Oolli.
1 eaixa sedas, 1 dita fazendas de algodao ; a Sch. &
Toler.
2 caitas sedas, lOditas tecidos de algodao, 1 dita fa-
lo, 1 dita bonetes de algodao, 1 dita miudezas, I dila te-
cidos de laa ; a Kalkiiianu & Kosenmund.
1 caixa calcado, 1 dita chapeo de palba, dito deso,
modas e sedas ; a il. St. Martiu & Companhia.
9 caixas c-i bariis papel, livros e drogas ; a II. F. de
Sousa.
3 caixas tecidos de algodo, 1 dita Utas de seda e algo-
dao, 6 ditas chapeos para hoinem, 1 dita calcados, 2 di
tas perfumaras, 1 dita chapeos de sol de algodao, 1 dita
titas, 1 dita tecido9 de seda c algodo, 1 dita chapeos pa-
ra menino, 1 dita porcellaua e miudezas, 1 dita pannos,
1 dita sedas e miudaz is ; a Uedier Lolombieg S Coiu-
pa'nliia.
1 caixa candieiros de brome ; a Dedier Robert.
1 caixa tecidos de laa, dita seda, 1 dila perfumarlas,
I dita lima. 2 ditas cartees de vidro, 1 dila artigo de
Pars ....1, ni.
3 caixas calcada c mala, 1 dita chapeos, 1 dita arti-
a beneficio da joven Jesuina, se representa o grande
drama
A verdade ira D. Ignez de Castro,
a qual seraMecorada com a linda visla da fonle dos
amores de Ignez, denominada dopois a Cont das
Lagrimas : ser ornada com o repuso e o mesmo
brilhanlismo com quo em 1836 foi em beneficio
da primeira dama, que foi (al a concurrencia que,
no caliendo o povo na platea, nurs de 50 pessoas go-
zaram o espectculo da caixa do tbeatro.
No estando mais em uso na corte deste Imperio
os dramas sacros no lempo da Quaresma, mas os ro-
mn lieos, a beneficiada iancou mflo do tflo Intcres-
sante drama A verdadeira D. Ignes de composi-
co do immortal Ferreira, que as aceas palheii-
cas da infanta de Navarra com Ignez, os meninos
Alfonso e Diniz com o re seu av, e outras passa-
gens lindas e agradaveis, Unta difTeronca faz da tra-
gedia de Joo.Baptisia.
[Princl piar as horas do costume.i
7,000 rs. mensHft
criplorio de Fj
da Aurora, n.
Me. Calm
seus agentes, q
lmenlo de moe
pretender dirija-se ao es-
tonio deOliveira, na ra
avisos martimos.
Frela-se ou carrega-se a voluntes para qual-
quor dos portos do norte at o Cear a barcaca San-
Juo-liapiista : quema pretender dirija-se a ra da
Cruz no Becife, n. 36.
O brigue po.rtuguez Olivtira pretende sabir
impretcrivelmente para a ilha de S. -Miguel, no dia
9 de abril: anda pode receber alguma carga miuda :
quem pretender carregar, entenda-se na rus do Vi-
gario, n. 8, ou com o capilffo na praca do Commer-
cio.
Isam aos Srs. do engenho e
iiiuam a ter um completo sor-
. laixas de ferro batido e coado,
de todas as dimcnsOes c varios modelos. Tomos
principalmente a recommendar a aossos freguezes
a boa conslrucco, tanto na seguranca como no per-
feitoacabamenlo de todos estes objeplos, pois so
fritos de Ierro da mais superior qualidado, do modo
que rivalisun com o mais lino que ha nesle genero.
Tambem se ventlem todos os utensilios neceasaros
e indispensaveis nos fabucos do assucar, a saber:
formas de ferro, espumadeiras, canecos, reparti-
deras, ele. etc., feito Je metal branco muilo du-
radouro, o por preco muito mais com modo do que o
desses que se usara m de cobre. Os pretenden les di-
rija ni-se ao ai mazcm da ra de Apollo, n.6,ouao es-
criptorio, na praca do Corpo-Santo, II. 11.
Manoel de Alenla Lopes roga ao autor do an-
nunci,"a respeito de una escrava do Sr. Manoel Xa-
vier Carneiro de Albuquerque, quo baja declarar
se emende com elle.
O i intu cito que morou na ru das Agoas-Ver-
des, mudou a sua residencia para o fim da ra de
Santa-Tbereza, travessa do l'ocinho onde est
prometo para tingir todas as qualidades do fazendas
de laa e seda, los do todas as qualidades, chapees
do Chili para se f or preto, por preco cotumodo na
casa n. 7.
Leiiots.
Eduardo Bolli far leilo por interveuco do
correlor Olivetra de muitas fazendas das quaes
dependem liquidacoes de facturas: segunda-foiru 3 do
correte as 10 horas da manhSa no scu armazem
|tla ra da Cruz.
~ Scbafheillin & Tobler Taro leilo, por inter-
veuco do corretor oiiveiaaj de um lindo sortmen-
to de fazendas novas, todas proprias do mercado, e
da prsenle estaeflo : lersa-feira, 4 docorronte ,' m\ 50 de 1848.
Retratos do daguerrcotyp.
O abaixo assignado avisa as pessoas que oncom-
mendaram tnedalhas, que acaba de receber um bel-
lo sorlimento das mesmas ; o como tenciona demo-
rar-so por uns poucos do das mais nesta cidade,
scienlifica a aquellas que anda precisaren) dos seus
servicos, a aproveitarem o lempo com toda abrev-
dado possivol.
Carlos D. Fredricks.
-OsSrs. doulores Miguel Ar-
chanjo da Silva Costa o Joo Vicente da Silva Cosa
queiram dirigir-so a ra do Crespo, 11. 9.
Manoel Jos de Aguiar faz sciente ao respeila-
vel publico que comprou venda do Si\ Francisco
Vaz Pereira, sitana ra duVgano, n. 13, desde o tila
13 defeveroiro de 1848 : flcando ceitos de quo a dila
firma no fica responsavel por divida alguma,conlra-
Jiida 110 lempo do dito Pereira. *-Bectfe, 28 do mar-


LOTERA
Do Hospital Pedro II.
Correm sem duvida.nenhuma as rocas
desta loteria ne da 8 docorrente mez de
abril como se tem annunciado, e o di-
minuto numero de bilhetes que ainda
existem sse venderao at as 6 horas da
tarde do da 6, porque desta hora em
diante, se restarem algn s, (carao per-
lenceudo a urna pessoa que os quer com-
prar.
Que.-n innunciou querer lomar 100,000 rs. a ju-
ros sobrepenhores Je ouro, dirija-so ao Aterro-Ja-
Boa-Vista loja de Leal & Irmilo.
Alugam-se os segundo e terce iro andares do so-
brado da ra da Lapa, n. 13, por barato proco- o
terceiro andar tem sotfio donde se avista o mar.e que
he muito fresco : a vista do pretondente s Tara todo
o negocio : na praca da Boa-.\iit.a, n. 7.
-Antonio Pires Ferreira o oulros- vender por
proco rasoavel, as partes queches tocaram na casa
da ra do Pires, onde morou o seu fallecido pai
Gervasio Pires Ferreira a tratar na ra da Aurora'
11.22. '
Roga-se ao autor do annurtcio a rcsnnitn d*
escrnva que perteuco ao Sr. Manoel Xavier Caitifl
rodoAlbuquerque.que hajo de lera bondade de de-
clarar seo tica que foi passado, se entonde com
Belarmino Firmino Oezerra de Mello.
O Sr. Antonio Martins do Amorim queira man-
dar buscar urna encomniemla, vinda do Para : em
Kra-de-Porlas casa de Antonio Henrique Mafra.
Roga-se ao autor do aun unci a respeito da es-
'/va-que-pertence ao Sr. Manoel Xavier Carneiro
'Albuquerque. quo tenba a bondade do declarar
o tica que foi passado, se entendocom Jos da
l'onsoca e Silva.
D-aediiheM a premio com penhores depu-
ro mesmo em pequeas quanlias na ra do Rai-
pel, u. 10.
Manoel Antonio Martins.comprou, por conta o
I'orden) doSr. liento Jnaquim de Azevcdo Passos, do
llio-de-Janeiro, o meio bilhete n. 696, da terc'cira
quinta parle da primeira lotera a beneficio da edifi-
cacHo do hospital de caridade Pedro II.
Precisa-sede trabalhadores para n abertura de
mi) valo oo engenlio S.-Anna, de S.-Amaro : a tra-
lar do ajusto adas, Ou empreada com o coro-
nel Maqoal Cavalcanti de Albuquerqun, em son en-
h'onhodo Ciquia.
--O8r venda na praca da Independencia, n, 1*.
-Segotida-reir, 3 do corrento, hilo do ser ar-
rematados porta doSr. doutor juiz do orphos ,
pilas? horas da tarde os bens porlcncentes a he-
langa jacente de Jos l'erera Cardozo Guimares.
Precisa-sedoum Portuguoz para feitor do on-
geiihoCarahu, preferindo-se casado e de pouca fa-
milia : quenTcslivor mistas circunstancias dirija-
so a ra daMda n. 9, segundo andar, ou ao re-
ferido engen lio.
-3
AO PUBLICO.
CheKOU o segundo volumo que completa a obra
C0.VSEI.HEIRO FIEL 00 POVO ou colleccfl de for-
mulas para qualquer pessoa saber regular-so em
m'us negocios ; conhecer seus direitos o deveres ci-
vis; proceder em todos e quaestjuer contratos; fazer
quaesquer cscriptos particulares, apontamentos ,
memoriase minutas ;e terminar qualquer contes-
tadlo sem que llie seja preciso recorror a advoga-
do, tabelliao, ou official publico : obra utilissma a
lodos, colligidn e organisada dos principios do d-
reito patrio, e estranho subsidiarlo : 1848. Yendo-so
na livraria dn esquina do Collcgio.
A0C0MMERC10. '
No dia 31 de marco desapparecou da ra da Ma-
ilro-de-Doos junio porta do armazn) do Vicente
Ferreira da Costa um barril com manteiga fran-
ceza tendo om urna cabeca, a marca de tinta ,
2 23, que era o peso, o estva junto a um meio
barril da mesara e 2 barris do liaajUio : e como
dii.se o dono do armazein, quelfoig Btjl preto pro-
curar por um barril de manteiga e responder
que nilosabia, julga-se o pretiPlH (Rogado este
queso achava no p da porta. Itoga^sV a qualquor
roas lur.pase alaciadas para maior decencia de um
acto de tanta religiosidade :lambem roga aos-Srs.
sacerdotes e minoristas, que so dignarem acompa-
sara mesma procissn, se apresentarem com
seus roquetes afim do que possam receber o hran-
uao da irmandade e tornar-so. desforle mais pom-
posa e brilbnutoa mesma procisso.-
i h""''?3'.' Vasa.uei, Ilospanhol, roliro-so para a ci-
< aae do Porto; levando em sua companliia scu cria-
do, de uome Manoel Concalves da Silva.
Manoel Corroa dos Santos, Portuguez, retira-
se para a ilha de San-Miguel.
SOCIEDADE H. THEATRAL.
0 primeiro secretario, emeumprimento do artigo
10 dos estatutos, scienliflea aos Srs. socios, quo no
da 2docorrente abril, pelas 10 horas da manhfla,
navera reuniflo, no saino do theatro de Apollo, da
assembla geral, para execugilo do disposto no 1."
do artigo 13 do mesmo estatuto.
SobastiiloJos da Costa e Antonio Jos de Sou-
za retiram-stfpara Portugal.
O Sr. Ilenriquo Poroira da Silva baja de procu-
rar urna carta vinda do Porto, na tenda de empa-
Inadur-, ra da Cadeia de Santo-Antonio, n. 14.
-T-Guilberme Antonio Saborido e Jos Antonio
Branco rotirain-so para fra da provincia.
--Precisa-se alugar urna preta, ou um moleque,
que seja fiel eosperto, para vender na ra azeite de
arrpalo e oulras vendas : na ra Oireita, n 78.
. Precisa-se de um bom refinador de
assucar, cd-se bom ordenado: na na
da Cadeia do Kecife, loja n. 5o
Licesde la fin.
03o-se licOos dclatim duas vezes ao dia, das 6
horas da man hila al as 8 : e das 4 da tarde al as 6,
na ra do Queimado, n. 17, torceiro andar : a tratar
com UmbelinoGuedesle Mello, nosso lugar a ca-
sas horas ; e na tbesouraria da fazenda entre as 9
da mandila e as duas larde.
---0 dono da padaria de urna porla, na praca da
S.-Cruz desejando que seus bons freguez* sejam
bom servidos, o acbom sompre o que se faz'cm
outra qualquor padaria quandonflo possa s >r me-
lhor, ao menos igual, resolvcu fazer bolachinhas
que cliamam do araruta, menos elle, e podo asse-
verar aos seus froguozes que alli a achario sempre
fresqunbas a 320 rs. a libro o que as vendo de
baixodo titulo de regala para nlo confundir com
outrasquo tem.
-- Aluga-se um prclo, ou prcta para vender fazon-
das com outra pessoa : quem a tiver annuncio, no
dirija-so a ra do Viga rio, n. 19.
Precisa-so do um caixeiro para venda, com
pratica ou sem ella, que d Fiador a sua conducta :
na ra da Santa-Cruz, n. 3.
-Atrs do theatro, na cocheira de Joloda Cuiiha
Res, alugam-se bonscavallos para passcios c via-
gens, e lembam compram-so, vondem-so e troca m-
se : na mesma lia para se alugar nina preta, scudr.
boa cozinheira, compradeira, muito liel o sem vi-
cios.
. SARJA HESPANHOLA, A 2.500 Rs.
Na ra do Livramento, n. 14, vende-se sarja hes-
panliola, de duas larguras, a 2,500 rs. o covado ; ca-
simira preta muito superior, a 3,000 rs.
. Vciidem-so 2 mulalinhos e 2 molocnes.de bonitas
figuras ; una prela moca de nacSo, quo cose bom,
faz lavai-into e engomma ludo com pcrfeigffo com
urna cria du 5 anuos : na ra da Peulia, n. 21.
Vendo-se urna banda, um talim c urna cana-
na ; ludo novo : no Aterro-da-Boa-Vista, n. 49, pri-
meiro andar.
Venderse um cavallo preto, ptimo para carro :
na ra Nova, cocheira n. 54.
Vendem-se cabos do liuho, de patente; rame
de lalo, de difireme* grossuras; pesos de ferro
sortidbs : tinta verdo em latas ; bigornss para fer-
reiro; escovens de ferro, de todos os tamaitos ; li-
mas de *co : ludo por prego muito commodo : em
casa de Me. Calmont & Companhia, na praca' do
Corpo-Santo.n. 11.
5iu ruado iffos Verdes, 11. 46,
vende-sc, pelo commodo prego de 250,000 rs. Urna
escolente oscrava de mnia idade boa cozinheira do
diario de urna casa, muito limpa, lavadeira o insigne
engominadoira de roupa do homem ; urna dita do
26 anuos que lio quitandoira o muito fiel, por 320-
rs.; um parda com habilidades, oque nlo tem vi-
cios, por 400,000 rs. ; dous bonitos esoravos o um
ptimo moleque ; om escravo bom carreiro ; urna
oscrava muito habilidosa, com urna (Iba mulatinha,
muilolirida, coinSannos.
.-- O abaso assignado faz scentc 00 publico, que
tinha em poder de seu procurador o solicitador
Joflo Gomes Martins, duas lettras assignadas por Joflo
Frederico de Abren Reg, sacadas pelo annuneian-
to, sendo escripias pelo mesmo Martins a,quem
fAram entreguei para tratar do sua cobranca as-
si.m como uns penhores de ouro e dous rclogios
tambera de ouro : o procurando-os o annuricante ,
antes que o dito Martins fallecesse, tovocm respos-
ta que os tiulia ein casa o quo exista em sita casa
urna caria que por olla se saberia ondo ellos se
achavam : e agora, procurando o aniiunciantuas let-
tras e os penhores nilo apparecem c a mnlber do
mesmo responde quo nlo sabe do laes cousas. Por-
tante, ninguem faca negocio a respeito das duas
lottras, o ojinnuncianto gratificar a quem llie der
noticia onde se acham ditos penhores o no caso de
estarem empenhados por alguma quanlia o annun-
ciunteso responsabilisa a pagar, para os receber.
Josi du tiilva Moreira.
A sociedade de Guimanles Sralim & Compa-
nhia ficou estincla no dia 7 do p. passado por
se tordella desligado o socio Serafim Percha da
Fonseca Bastos. Os liquidatarios da dita sociedade,
no activo e passivo silo Guimares & Companhia ,
que conlinain com esta firma Itccife, 23 de mat-
QO do 1848. Guiwaret & Companhia
Keceberam-se ordens
Baealbo!
Aos Srs, de cngciilios coalas
de familias.
Acaba de chegar para a Quarosma urna porciTo de
bacalho de escama de qualidado muito superior
ao quo at aqui lom chegado a esto mercado, o
qual he prcfervel, nao s pelo seu mdico prego
que he do 9,000 rs. o quintal mas tambem por sor
da melhor cura pudendo conservar-se urna barri-
ca aberta dous ou tres mezes sem humideccr, ou
deteriorar-se. Vende-se no armazein do Anlonio Au-
nes no caes da Alfandega n. 5, e em casa de J. J.
Jasso Jnior, na ra do Amorim 11. 35. .
No Passeio-Publico, loja nova n.
17, de Ricardo Jos de
Freitas,
vendem-se riscados franeczes azues-escuros, do lis-
tras e quadros, muito proprios para jaquetas, caigas
c vestidos de negros, por sercm muito fortes, a 160
rs. o covado; urna porcilo de algodflozinho, pegas
de 20 jardas, com alguma avaria, a 1,280 rs. ; sarja
de soda preta larga, a 2,000 rs ; dita eslreita, a 1,440
rs. o covado; cortos do lila transparente, a 4,000
rs.; ditos de caga, a 2,240, 2,560, 3,200, 4,000 ti
5,000 rs. ; ditos do barra, lodos blancos o muito li-
nos, a 5,000 rs. ; pannos para cobrir mesa, a 1,280
rs. ; corles do larlatana, a 3,200 rs. ; cortes do 1 elle
Jo Uiabo, do muitoiJindos padrOes, a 1,440 rs. ;
urna porgo de chitas fixas, a 120,140,160, 180 e 200
rs. ao covado ; chapeos deso do sedo, a 6,000 rs.;
ditos de bastea de ferro muito linos.a 7,000 rs.; cortes
do canihraia branca lisa, a 2,000 rs. ; chitas de co-
borta, a 160 rs. ao covado; casimira de duas largu-
ras, prela, azul-escura e rous, a 2,200 rs. ao cova-
do ; e outrasmuilas fazemlas, que vista do com-
prador dever3o agradar em prego.
-- Vendem-se diversos escra-
tfencao.,
Na loja n. 50, na ra da Cadeia, do f.unha & Amo-
rim, ha um completo sorlMiieoto de fazendas pro-'
prias para a Quaresm como sejam : boas sarjas
pretas evos ditos; luvas ; casimiras pretas ; sol na
pilos ; pannos protos finos 3 de superior quaida-
dc: tudo se vende por commodo preco, e por mo-
nos do que em outra qualquer loja : oulro sim, tam-
bem ha ho-ns e baratos merinos ; bom panno preto
para 3,000 e 3,500 rs.ao covado ; dito verde cor de
garrafa, superior, a 3,500 rs. OSo-se as amostras.
PARTICIPA-SE
aos fregueses do bom e barato, que se vendem
cortes de cambraias abertas, a 4,500 rs; ditos de cassa
de cores, a 3,600 rs.; ditos do 13a c seja, a 7.000 rs.;
i'egas de bretanha do Franga, a 3,500 rs.; ditas do
madapoliloenfestado, a 6,500 rs.; chales de sedo do
14 quai tas, a 10,000 rs.; ditos de l.la e seda, a 5,000
rs.; meiasdeseda preta para sonhora, 1,800rs.;lu-
vasdodila pretas para senhora, a 600 rs.; superior
sarja hospanhola, a 2,500 rs.; iengos bordados para
senhora, a 320 rs.; mantas do soda, a 8,500 rs. ; casi-
mira prela elaslica, o covado a 3,000 rs.; los pretos,
a 2,400 rs.; fazenda do calca, o covado a 240 rs.;
setim preto; merino; esguS<> lino; brins do linho, o
oulras muitas f .zondas, muito baratas e sem delei-
to, franqueando-se amostras aos compradores : na
ra do Queimado, n. 46, loja de MagalhSes & Ir-
mflo.
Na ra do Trapiche, n. 17, con-
tina a ha ver deposito da verdadeira cal
virgem de Lisboa, chegada prximamen-
te ; odvertindo-se aos compradores (les-
te genero que o deposito he j muito pe-
queo, e que da nova n3o ha mais em
paite alguma.
Cortes, a 5,?000 rs.
Quem deixar do andar de vestido do camhraia ,
de nadres modornos e ptima fazenda pelo barn-
tissimo prego de 3,000 rs o crle1 A olios,ficanezas,
antes que so acaben). Na ra ra da Cadeia do lloci-'
fo confronto a ra Ja Madrc-de-Deos 11. 50, loja
do ha rale iro.

para
pessoaaquemodilobarrilfor enTregue, bu ffe-lse Vender. muitO em COlila 10
iecido quo o mande ontregar a ra da Cruz, n. 33, "*"\ v ""** vw**a 1 \j
JFclicioJos VazdeOliveira, que ser recompen- eSCraVOS (IIIO CXISlCJU na ra das
Larangeiras, n. 14, 2. andar, a
saber: um1 mulatinbodo 13 anuos, com um peque-
no principio do frialdade; um dito muito esperto o
sadio de 10 anuos ; um dito do 8 anuos, muito lin-
do ; um moleque muito forte e sadio, de bonita fi-
gura, do 8 anuos ; um pardo de 28 annos, de pti-
ma conducta ; um dito de 22 annos, muito forte e
sadio e que he proprio para o campo ; um dito de
35 annos com urna pequea molestia que he mui-
lo fcil de curar-so, por 290,000 rs. ; duas pretas
id
Precisa-se de um rapaz do 14 a 15 aunos, com
pratica de nogocio, ou sem ella, para ser caiseiro
cmNazareth : na ra larga do Rozario, n. 39.
-Arrendare um sitio na estrada do S.-Amaro,
comease torrea de vivenda, depedra o cal, cacira-
lio de bqa agoa, diversas frute i ras, larangeiras, man-
gueras, coqueiros o oulras : no Atcrro-da-Roa-Vis-
|d. nr48, segundo andar.
--Arrenda-se um sobrado de dous andares, na
ra daSeuzalla-Velha, n. 110, com dous armazens,
e junto soporto de embarque, com ptimos com- do 20 annos ; urna dita de 19 annos, d bonita figu-
n!,0.d.?f *.'.T'^ii l,8faiuvm8'8ra",Je familia : a tralarj ra quo cotinha e engomma com perreigilo, esta a
da provincia.
ni ruadoHorlaa n. 140.
-O Sr. MaTtins, que mora no Rio-Formoso, e quo
sequizencarregar de uns papis, naquella comar-
c>, a podido do Sr. tcnenle Jsaquim Jos do Souza ,
sendo queseche tiesta praga, dirja-se a ra do
Kangol, n. 3, primeiro andar que so Ihe desoja
''llar a negocib de seu interosse.
Francisco Jos Ferreira Guimares retira-so pa-
'a Portugal. ,
~ Manoel Luiz da Veiga protesta nao
pagar as iettras-que assiguou, pela com-
pm que tez de parte da heranca de Mi-
guel Archunjo Feroandes Vianna, visto
"mo, pelas duVidas por elle "suscitadas ,
!ie de presumir que Ihe caihi o objeclo
vendido j e pois, previne a qualquer pes-
soa para que coui elle nao laca negocio
sobre as ditas lettras visto nao ser o an-
nunciante avista da ord. liy. 4.0 K 5 ,
obrjgado a esse pagamento.
A mesa regedora da irmandade doSr. dos Pas-
m da matriz de S.-Fr.-Podro-Gongalves 4endo de
ex por aos fiis o mesmo Senhor em solemne proeis-
s3o no dia 7 do correle mez de abril, previne
aos moradores das ras, desde a matriz da Boa-Vis-i
'a em direitura at a ra da Cruz, e dahi pela dos I
lanoeiros eTrapiche, para que tenham as mesnula 40
se vende para fra
Aluga-se um sitio na estrada do Remedio
com soffrivel casa, bastantes arvorodos de fruto
boa agua una excedente baisa para capim ou
outra qualquer plaiitaco: a tratar na ra do Pires
n. 27.
. -- Precisa-se alugar urna escrava que saiba cozi-
nliar e engommar, para urna casa de pouca familia
quem a tiver annuncie.
Compras.
Compram-se, para urna encommeiida, dous mo-
loques e iims pretas mogas ; no pateo.ds matriz de
Santo-Antonio, sobrado n. 4.
Compra-so um moleque de 16 a 20 annos que
n3otenlia vicios, ainda mesmo sem habilidades: em
Fra-de-Portas, n. 95.
Compram-se duas escrayas mogas, que tenham
algumas habilidades : no boceo do Sarapatel, so-
brado n. 12.
Cmpra-se urna mesa dejantar, sendo de ama-
nillo e que esteja em bom uso na ra do Cabuga,
loja de Joaquim Jos ua Gusta Fajozes.
IKUI31I2W ""---^-^--- 1 ~-~-. i.
Vendas.
Azeite de carra pato,
rs. a medida: na Cauboa-do-Carmo, n.
33.
vos, clie^ados prximamente do
Cear, mogos e de boas figuras ,
enlre os tjuaes um pardo, com
officiode alfaiate e tjue he pro
prio par pagem ; urna parda boa
padeira; umprelopeca, por 250,^
rs., por ser defTeiluozo dos ollios:
na ra do Crespo, loja n. 2 A,
sedircjuem vende*
Vcnde-so, OU arrenda-so um grande sitio na ra
Imperial, rom 'duas moradas de. casas, urna pan
grando familia, na frente da ra o outra mais pe-
quena dentro do mesmo sitio com bons parreiraos
o muitas fruteinis do boas qualidades todas novas
e j dando fruto com um grande viveiro no lundo :
na ra Direita, n. 135, loja do cora onde se lar
qualquer dos negocios, por scu dono ter de retirar-
so por molestia.
Vovos riscados
monstros.
Na loja confronte ao arco 'de S.-Anlonio, 11. 5,
chegou um novo sortimento de riscados monstros,
decores lisas e lindos padrOes com urna vara de
largura ," pelo barato prego do 320 rs. cada un co-
vado.
.... Vendem-se ancore-tas de
diversos tamaitos, com vinlio da
iVIadeira, tinto e branco, de supe-
rior qualidade : no cscriptorio de
Oliveira limaos & C, na ra da
Cruz, n. 9.
Vendom-se seinenles de bortaligas de todas as
qualidades, chegadas prximamente do Poil'u, por
piego muito commodo : na ra estreita do Rozario,
venda n. 8.
Potussa e cal virgem.
Vende-se muito supeiior potassa, a
poneos das desembarrada, e cal de Lis-
boa : no armazein de fialtar ck Oliveira,
nu-iu.i da Cadeia no Keci'r, n. 11.
Ainda ha a sublime banha franceza para con-
servarlo cabello, pola sua frescura e bom aroma .
em potes do duas libras, polo diminuto prego de
1,600 rs.: vende-se na ra larga do Rozario, n. 24.
Vende-se urna cadeira de balango de Jacaranda,
em pouco uso : quem a pretender annuncie por esta
folha.
Vendem-se corles do vestidos de leda
prcta lavra.la ; verdadeira sarja do se-
da hospanhola; los de linho preto, bor-
dados de sftda ; cortos de colletes do
velludo lavrado, pretos o brancos de
ricos gostos ; superior setim preto do
Maou para vestido ; chamaloto de
listras e ondeado ; merino preto muito
fino a 3,500 rs. o covado ; chapos de
inassa franeczes os mais modernos ;
superiores chales o mantas de seda;
meias do seda do poso, brancas o pre-
tas ; longos de seda para gravla, do
bom gusto; riscados francezes', pa-
diOes novse muito finos para vesti-
dos; pannos do cores e prelos, de todas
as qualidades ; e oulras muitas fazon-
das de goslo por menos prego do que
em outra qualquor parle : na ra do
Queimado, loja do Jos Moreira Lo-
pes & Companhia quatro-cantos, ca-
sa amarella, n. 29.
Vende-sc a venda defronto da matriz da Boa-
Vista n.' 88. As pessoas que teom ostado em nego-
cio com ella, dirijam-sea mesma, quo se far qual-
quor trato que melhor Ibes convenha; bem co-
mo outra qualquor pessoa quo a queira comprar.
Atrs do tbeatro velho nos antigos
armazens de Joaquim Lopes de Almeida ,
caixeiro do Si Joo Mntheus acha-se
um grande sortimento de t a boas de pinho
da Suecia, proprias para ormuces de lo-
jas e vendas por se podar al everqj.-
zar por nao ter nos : bem como costa-
do c >i.iliiilio, ussoalbo lorio e para
fundos de barricas por preco mais ba- "
rato possivel (jheguem 'reguezes, que
se queima por todo o preco ; assim co-
mo lomo e forro do mesmo.
Vendem-se duas boas escravas crioulas de
bonitas figuras o mogas, que cozmliam, lavam mui-
to bem e engommam so sadias, e nao se duvidw
dar a contento para seretn experimentadas : na ra
dp Queimado, loja n. 51.
VELAS DE CERA.
Vende-se na ra da Ca.
deldo Kecife, n.37, cera
0 em velas, de superior qua-
Q: lidade, fabricada em Lis-
^ bae no Kio.-de-Janeiro,
^ em caixas pequen 'se sor-
|> tidas a o gost do compra*
g) dr : tambem Se vendem
) barandoes, por preco mais
P barato do que em outra
g) qualquer parte.
\
Prelos
em barricas, chegados ltimamente : no armazein
de i. Tasso Jnior na ra do Amorim, n. 35.
MUTILADO


"J

^^"
J.
Rluber.
vende-so Kluber, dreito da .gentes
independencia
>
na i .'-.ir;! da
. livrarU'm 6e8.
Vendem-se 9 escravn, sendo : 1 morque do 17
: **. *0'7* carreiro ; 1 dito bem robusto,
annos,
coin ha-
boa do-
sobrado
para o eryio da campo; duas [.ardas de 2S
eoy labilidades ; amo rela de 20 annos, c
miniados; 3 ditas quitandeiras; urna dita I
caira: no pateo da matriz de S.-Antoiiio
n. 4-
Vende-se uma escrava de 14 annos, que cozi-
una o diario de urna casa c engomma alguma coli-
sa liso, propria para dentro do urna casa, para se
acabar de ensinar: na Camboa-do-Carmo, n. 33.
iYovo bramante,
de i 1 palmos fie largura.
Na loja da esquina que volt para a ra do Collo-
gio n. 5, vendo-se o novo bramante de puro linho,
com ft palmos de largura, pelo barato prego de
2,800 rs. a vara.
Vcnde-se vendada ra da Cruz, n. 66, a di-
nheiro, ou a prazo i a tratar na mesma. vonda.
Reos tapetes
para ornar salas, mesas, candeiros, lanteruas, cas-
tigaes o campainhas, redondos, quadrados o trian-
gulares borlados e de oleado com lindas franjas
de lia .le todas os cores; luvas do torca I, propri.is
jinra n Quaresma, ao ultimo gusto do l'aris, prelas o
brencas com dedososm ellos, a 1,600 is. o par ;
alpaca Queiinado, n. 27, novo armazem do fazendas, do
Raymundo Carlos Leite.
Ao desengao do .bom
barato.
Vende-se superior sarja prela bespanhola, pelo
barato preco de 2,030 rs. o covado : a sua qualida-
de he 1.1o escolente que nto precisa de elogio al-
gn : na ra do Coiiogio, na nova loja da estrella,
n. 1.
Vondem-se 5 lindos moleques, do 16 a 20 annos|;
3 pretos, sondo um ptimo sapateiro.e os outros
propriosparatodooservico.de 24 a 30 annos ; 4
pardos de 16 a 25 annos sendo dous bons carreiros,
eos outros proprios para pagens ; urna mulalinliii
de 14annos ; urna negrinha de 10 annos, com prin-
cipios de habilidades; 3 pretas de 20 a 25 annos,
entre as quaes algtim.-is com habilidades; una pre-
ta de idade, por 180,000 rs. : na ra do Coiiogio n.
3, segundo andar, se dir quem vende.
. GALAO' DF OURO,
a 7510 rs. a oilava.
Na praca da Independencia, n. 19, loja de Oliveira
Hamos, vendo-se guillo de ouro, do todas as largu-
ras ; bem como ennutito do ouro, de todos os n-
meros a 720 rs. a oitava.
Vende-se urna muilo linda mulatinha do 11 an-
nos ; urna negrinha de 14 annos : ambas cosem bem
isto porseu sonhor se retirar para fra : na ra lar-
ga do Rozario loja n. 35
-----Vendem-se os apparelhos completos de fazor
velas de carnauba: na ra Augusta, n. 54.
Sarja hespanliola.
No novo armazem do fazendas, de Itaymundo Car-
los Leite, na ra do Queiinado, n. 27, ha chegado
um ptimo sortimenlo da verdadoira sarja bespa-
nhola, a 3,200 rs. o covado ; tambem ha do 2,200,
2,500, 2,800 e 3,000 ra.; panno fino, prova de li-
mito, a 3,800, 5,000, 7,000, 8.000, 9,000 o 10,000 rg.;
chapeos franeczes linos, do ultimo gosto do Paria ,
com aba inaior, conformo a nova moda, a 7,000 e
8,000 rs. Ncste armazem tambem se vcudem lazcn-
as por lacado o n>as barato possivel.
Pannos para lences.
Vende-so superior bretanha de Irlanda, do puro
linho, com duas varas e meia de largura fazenda
de milita utifidade para lenges a 3,000 rs. a vara ;
zuarte azul de vara do largura a 240 rs. o covado ;
cambraias lisas, a 640,800 e 1,000 rs. a vara ; len-
cos de seda dos ma is modernos o muito finos, du
molhor gosto a 2,500 rs. ; rolos de bretanha a
1,800 e 2,00ttr*.; dita de linho muito lina a 720
e800 rs. ;cassa para bailados, a 2,600 o 2,800 rs. a
peca ; chales de lila, grandes 'd muito bom gosto ,
a 2,000 c 2,500 rs. ; riscados trancados, do muito
boa qualidade para eschivo*, por serem escurse
de multa durac.to a 200 e 220 rs. o covado; e ou-
tras inuitas fazendas por prego muito couilnodo : na
ra doCollegio, loja nova da estrella, n.l.
e Parahiba: no escriptorio ce O-
veira IrrMos & C, ra da Cruz,
n. 9.
Vende-se umi casa terrea ni cidado de Olinda ,
ladeira da bica doS.-Pedro-Martrr, do lado da som-
bra por proco comino lo e que servo para quem
qiiixer passar u fasta : tambem se vondm uns chaos
da ra da Bica-dos-Quatro-Cantos : a tratar na mes-
ma cidade ra deS.-Bento loju do couros, envi-
dracada.
Vonde-se o engenlw Timb a 4 legoas distan-
te desta praca, corrente e moente com agoa, de boa
e regular produeco, com a safra de 2,500 pSes pou-
co mais ou menos, ou sem ella esteongenho he de
considoravel importaneia.nSo s no presente come
no futuro, por cvnter mais dequatro legoas de ter-
reno coberlo de malta vlrgem, o com capaoidade
de levantar engenhos d'agoa e de bestas : a tratar
no mosmo engenho, ou no sobrado ao lado da ca-
deia,n.23.
Vendem-se presuntos o queijos americanos,
ltimamentechegados dos Estados-Unidos, muito
frescaes; yassouras para varrar salas e tapetes ; bal-
des e balaios americanos, proprios para embarque;
e outros objeclos por preco commodo: na ra da
Cruz, n. 7, armazem de Davis & Companhia.
Mais barato nao he possivel-
Vehderti-sc cortes de caigas do casimira, do pa-
itrOs oscuros o claros a 3,000 e 3,500 rs. cada cor-
to ; o oiilras militas fazendas muito cin corita ; na
loja do Jos Moreira Lopes & Companhia, na ra do
Queimado, qua tro-can tos casa ainarella n. 29.
Na ra da Cadeia-Velha, n.
29; loja de J. O. hlsler,
vendo-se vinho do I'orio, de diversas qualidades ;
dito da Madeira ; dito de Malaga ; dito do Shorrv ;
dtodeCarcavcllos; dito de Lisboa ; dito do Graves;
dijo Sauterno ; dito San-Julien ; dito de Itordeaux ;
dito Chateau-la-IJoso; dito de San-Goorge; ago'ar-
dento do Franca, de diversas qualidades; whiskey;
chcrry-cordiai ; marraschino; licores finps ; punsch
da Suecia; xaropo de framboises ; ptima champa-
uha ein garrafas e meias ditas; velas de eomposi-
gito ; cha pretoe verde do superior qualidade'; pre-
suntos- c salames de llamburgo; sardinhas em latas
e vidros ; pelits-pois em ditas; salmn em ditas;
mostarda ingleza u francez ; frutas em vidros com
calda de assucar o espirito ; agoa do flor do laranja;
charutos de llavana e da Baha : ludo chogado re-
centomente e de superior qualidade.
opamente, por commodo prego: no becco da Lln-
gota, n. 8.
Vende-se* urna escrava ciioula, aiuda moga ,
propri" para todo o servico do campo e que ten
principios de costura 0 cozinha : na m do Queima-
do, loja de fazendas n. 46, de Azevodo & lrmflo.
Sapa tos para sen hora,
No Aterro-da-Boa-Vistn loja n. 78, Vendem-se
sapatoi para senhora fazenda nova de n. 27 a 39.
O barateiro.
Na nova loja n. 4 da na do Crespo, ao p da es-
quina do arco de S,-Antonio, do fiicsrdo Jos de
Frailas Ribeiro, ha, novamente chegado, um bel-
lo o rico sortiment de fazendas de todas as quali-
pades, o muilo prinr.ipalmonto das mais apropia-
das presento esta gao penitenciaria, como sejam :
expelientes sarjas pretas desuda hosp.inhola, b-2,500,
2,800 e 3,000 rs. o molhor possivel neste genero;
luvas pretas de seda, de todas as qualidades; los
pretos de linho e de seda, a 9,000 11,000 e I5,ooo
rs.; ditos pequeos, de algodSo, a 2,000 rs.; pan-
nos finos de todas as cores e principalmente pretos ,-f
um rico sortimenlo por preco mais commodo do que
em outra qualquer parto ; cortes de cuteles de fus-
t3o, de 500 rs, at 3,000 rs. ; ditos de velludo e gor-
gurlto do seda, lavrados e lisos, a 3,000 e 6,000 rs. ;
cortes do cohetea de gorgurflo de algodSo, a 320 rs.;
corles de casimira de urna sror alvadia da mais
excellente qualidade a 6,400 rs. ; sedas e setins de
todas as qualidades tanto para vestidos como para
colleles; merino preto ; alpaca la molhor qualida-
de possivel : alem disto, ha um sortimenlo de fa-
zendas de preoos baixos, como sejam : ehitas finas ,
c de cores fixas, a 120,140, 160,180 o 200 rs. o pra-
do ; riscados francezes azuos, d xadrezes",'crS Ti-
xase bstanlo ncorpados a 160 fs.; luvas de al-
godilo de coras a 160 rs. o par; lencos de soda ', a
1,600 rs. ; ditos finos, a 2,500 rs.; e finalmente ludo
qoanto for concernente a esto estabelocilnento se
vender o mais commodo possivel, para chamara
attencSo do sua freguozia.
com muito boa pra'.icade sitio; dousescravos rao.
eos, de todo o servico ; 3mulatinhas muita lindas-
nina escrava boa cozinhoira e engommndnira ; 4 di-
tas com varias habilidades : na ra Direita, n. 3
-- Vonde-se un> moinlio grande, com duas rodas,
proprio para quem vende caf modo : na ra Nova
loja n. 41.
Vendem-se superiores bichas a 10,000 rs n
eento, lambam a 6,000. e 8,000 rs. conformo a
qualidade :a vista do comprador se far .todo o ne-
gocio : tambem se alugam por preco commodo : no
Atorro-da-JIoa-Visia, venda que fof do Maya.
V?ndem-se sapalOes de conro de
lustro a -*t,4oor9. o par } ditos de be-
zerro a i,aoo rs. e superiores, a 1,600
rs. Nao pode ha ver nada mais batato a
elles freguezes ; na praca da Indepen-
dencia, loja n. 5.
.
Marciana.
Vendem-se superiores corles da fazenda denomi-
nadaMarciana, assentada em chitas, os padres
os mais bonitos e de] melhor gosto que tem appa-
recido, pelo diminuto preco do 4,500 rs., com 14
corados: na ra datoilegio, loja ir. 1.
VendenMc caixas, meias ditas o quarlos com
pasaas de superior qualidade por preco commodo :
no armazem do.Sr. Das Ferreira, defronlo do guin-
daste da alfandega.
m
0
A Sf^SOO rs. o covado. g
Vende-se merino preto muito lino, que se jj
tem vs.o a 5 e 6,000 rs. e Imje rende-su u
a 3,500 rs o covado ; pannos linos pretos p ffl
de cores, de 4 al 10,000 rs. cada covado; cor- 3
te* de culletcs de velludo bordados pretos jfjj
ede cores ; e outras inuitas fazendas de gos- m
lo : na loja de Jos Moreira Inopes & Cumpa- C
HS nhia na ra do Queimado, qualro-canlos 03
H{- casaaniarrlla u. 29. *K
Chitas pretas assetinadas.
Veodem-se as j bom acreditadas o superiores
chitas pretas assetinadas do ultimo gosto, a 240
rs. o covado : na ra do Collegio, loja nova n. 1.
- Vendem-se acc-des da ex*"
tela companhia de Fernambuco
faunos finos.
Vendem-se superiores pannos finos, prova de li-
mito, pretoe azul, a 3,000 rs. o covado; dito fino
azul o preto o 4,500 rs.; dito preto de superior qua-
lidade e j bem conhecido pela sua baraleza.a 5,000,
5,500, 6,500 e"7,000 rs.; casimira prela limislo da
mclhor qualidade largusa de panno muito fina a
11,000 o 12,000 rs. o corte de calcha : na ra do Col-
legio, loja nova da estrella, n. 1.
Bonetes de mai>requm.
No Aterro-da-Boa-Vista loja n. 78, vendem-se
bonetes de muito bom gos lo .e duraclo, para ho-
mem a 3,500 rs. cada um.
Vende-se urna loja do miudezas, com boa ar-
maefio com bastantes commodos, ainda mesino
para outro qualquer eslabelecimento cornos fun-
dos de 40,000 rs. pouco mais ou menos a qual pa-
ga de alugucl 4,000 rs. mensaes sita em Oliuda, na
ra do Baldo, u.24: a tratar com Jo3o Estevesda
Silva.
Panno-Coiiro.
Vendem-se superiores corles de calcas da fazenda
panno-couio, par sor de durucio extraordinaria e
de padroesescuros proprios para o trafico, pelo
diminuto preco do 1,600 rs. o corto : na rua.do Col-
legio, loja nova da estrella, n. I. *
Casimiras finas e elsticas.
Vendem-se superiores casimiras linas o clsticas,
a 1,000 rs. o covado; cortes de ditas dc'cres, muito
linas, a 6,000 rs. ; superiores casimiras pretas da
melhor qualidado a 6 c 9,000 rs. o corte : na ra do
Collegio, loja nova n. I.
-- Veudeni-sci'ureos da melhor qua-
lidade que ten apparecido, pelo dimi-
nuto preco de 5,ooo rs. : no armazem de
Aiilonio Atines, defronle da eseadinha e
na travessa da Madre-de-Deos, n. la.
Sapa toes.
No Aterro-ila-Boa-Visia, loja n. 78, vondem-se sa-
patOes, pelo baixo preco de 1,200 rs. o par.
Passas de ameixas
ede peras, em latas de 5 libras asmis superiores
que teem vindo a este mercado, nilos pela sua su-
perioridadecomo por virem muilo bem acondicio-
nadas : vendem-sc no cues da Alfandega armazem
n. I, por preco muilo mdico.
Vende-se um terreno com 117 palmos de fren-
toe 89 ditos de fundo em oslado de se edificar,
4>or no precisar aterro em cujo terreno podem-so
fazer tres opiuas rtiol'agoiis na ra do Pilar, em
Fora-do-Portas,, do lado da mar grande : na dita
na, n. 11, no pateo da igreja do Pilar das 6 horas
da man lina as 8.
\ ndem-sc chapeos de superior
castor, brancose pretos, por preco
muito barato : na ra do Crespo,n. ra,
Joji de Jos Joaqoim du Sil va Vla\\i.
Bonetes para m en i nos.
No Aterro-da-Boa-Vista, loja u. 78, vondem-se bo-
de panno,'a 800 rs. ; ditos de
a 4,000 rs. cada um.
neles do velludo e
merino obra muito delicada
Chapeos de sol.
No Aterro-da-Boa-Vista, loja n. 78, vendom-sc
chapeos do sol, de soda, para senhora, a 4,000 rs. ;
ditos de paiininho que iiiiitam seda, para homem ,
por mais barato proc-o do que em outra qualquer
parte.
Veudem-se bicltas raudos, chegadas proxi-
'. j. :
>a loja de Manoel Joaquim
Pascoal liamos, no I'asseio-
l'iiblico, n. 19,
ha chegado novamente um sortimenlo de fazendas
tinas e grossas bem como urna grande porefo de
chitas escuras do pannos linos e cores fixas, a 4,500
rs a peca o o covado a 120, 140, 160,200, 240 e 300
rs. ; cortes de cambraia de quadrose listras azues,
de muilo bom gosto, 1,920 rs.; ditos de muito su-
perior qualidade a 3,000 rs. n,v,, do .-.,..;,! de
cores muito bonitos, a l,00<)is. ; ditos para grtfva-
ta 400 rs. ; ditos de caca, a 200 rs. ; casimira fina,
a 6,000 rs. o corte ; dita de ISa, a 2,500 rs. ; panno
preto a 4,500 e 5,500 rs. ; dito azul ; merino muito
fino a 3,200 rs. o covado; sarja hespanhola de duas
larguras, muito boa ,a2/e 2,500 rs.-; dita de urna
largura, a 1,500 rs., esta sarja he a melhor que tem
apparecido; riscados franoezes a 200 rs.-; algo,1o;
zinho azul, a 180 rs.; pelle do diabo, a 200 rs.; cas-
tores do todas as qualidades, a 220, 280, 300 e 320
rs.; chapeos de sol, de seda, a 6,400 rs.; setim pro-
le a880rs. ; madapolode todas as qualidades a
2,800, 3/, 3,2003,500, 3.-800, 4,000, 4,50b, 4,800 e 5/,
rs.; e ludo o mais que perlence a loja de fazendas,
por menos prego do que em outra qualquer parle.
llilho.
Vende-se milito, a 2,000 rs a sacca : no caes da
Alfandcga^Jrmazem de Antonio Aunes.
--Me. Oilmont & Companhia, na qualidade de
tnicos agentes, vendem os melhores pianos do bem
conhecido e acreditado autor Broadwood os quaes
sSo feilos com urna conslruccSo propria para os
Climas qiicnles e hmidos, tendo seus autores re-
cebido do governo britannico as.patentes, pormeio
das quaes so teem tornado IflO clebres nos melho-
ramentos dcstes instrumentos. Advcrte-se que
um grande numero de pianos teem vindo a este paiz,
e sflo vendidos por baixos e diminutos pregos, com
o falso uome dcste autor ; engaando o publico e
siTvindo-sedeslo artista respeilavcl para Iludir os
incautos edarcm crdito ao que rendem. Na pra-
ca do Corpo-Santo, n. 11, se vendem os rerdadeiros,
por um prego o mais commodo e rasoarel possivel,
em relaeo a sua ptima e superior quilrdade.
F roe os,
NoAterro-da-Boa-Visla loja n. 78, vendem-se
fnii-os de todas as cores o grossuras por prego que
nao desagradar a quem queira comprar. '
No Passcio-iMiblico,
loju de urna s porta parede e meia da fabrica de
chapos de sol,.vendem-se chapeos de sol, de seda,
ile armacHo de ac os mais linos e mais modernos
que'teem vindo de l'aris, u 6,200 rs. Roga-se aos
amantes do bom gofio que os venham vor porque,
os vendo, nOo dcixar"lo de os comprar. Na mesma
ra, n. 19 la'mbem lia os mesmos chapeos do sol.
.
Bonetes de rispados.
No Aterro-da-Boa-Vista loja i. 78, vendem-se
bonetes para meninos os quaes soosUlo acabando,
por costar cada um 320 rs.; bom como bcngalinhas,
proprias para passeio pelo mesmo preco.
Veudc-ae una tirela da Costa de bonita 'figu-
ra boa bocolcira com duas lillias multo lindas,
de 10 annos; una parda de ISaniioSiCom milito boas
habilidades e do bonita figura; urna prela por 700/,
por ler habilidades o ser do bonita figura, e perita
em governo o urna casa ; um prato pescador, mo-
co e de bonita figura : na ra das Flores, n. 17.
Vendo-so um pro<.o da C>slu,-aind moco o
bastante robusto;2aelus novos com lodosos seus
perlences ;2ricosapparelhosdo metal lnanco, para
cha : tudo so vende por prego oonunodo por seu
dono le de retirar-se para fra da provincia : do-
fronte do llieatro novo, n. 11, ou na coclieira do
Joao ija Conlia Iteis por delra do llieatro volito.
-VcnJem-se, na toja de sola o calcado, ao p do
nicho doLivramento lmancos marroquins, cou-:
ro de lustro bezerro francez chapeos o- to.lufas
qualidades, bonetes, o um taixo de cobre, com e pe-
so do um arroba e libra o meia em bom uso, e por
prego commodo.
Vende-se uma excellente escrava, do gento ,
que cozinha o diario do urna casa: na, ra do Hos-
picio ,-U. 48.
-?- Vendem-se dous molcula* de. 16 anuos, sen-
do um delles coauhairej um arayo de meia idade,
Escravo* rugidos.
..... ,.,> icaji : ':---------:_._______

Fugio, no dia 24 dn Janeiro do corrftnte anno ,
da cidade da Parahiba-do-Norto do poder doscu se-
nhor Jos Pereira f.uimanles um proto crioulo,
dn nome los Mara, ja relho, de 40 a 50 annos, al-
t e alguma cousa senco do corpo barbado; Ic-
ru caigas e jaquela doalgodflo riscado trangado,
camisa de madapolSo o chapeo de baeta brah'a;
qfaodo anda he sompre de cabga baixa, o para me-
lhor signal tom um lobinho no cachago, que re ni
a ser carne crescida sobre o mesmo cachago. Esto
escravo he natural da Bahia. Roga-soa todas as au-
toridades policiaese capiles de campo, queoap-
prebondain e levum-noa bhu senhor ou na ra dn
Cadeia-Volha, loja n. 21, de Joo Pereira Moutinho.
que recompensar.
100,000 rs. do gratificagflo
aTquem levirja casa da roa da Aurora, n. 26, ou n
engenho Queluz da freguezia do Igojuca o preto
Antonio, de nagilo Rengela, escravo de Miguel Au-
gusUp de Oliveira, que o comprou Manoel da Al.
neid Lopes, dests prsg ; rugido do ditn'MMwhs
no dia 17 de setembro do anno prximo passndo ,
com os signaes seguintes : estatura alta e bom cor-
po olhos grandes e um tanto uvermelliados ; ja tem
alguns cabellos brancos; levou camisa de chita azul,
dequadrinhoa,.ceroulas de algodilozinho branco ,
ou hamhurgo, o mais alguma roupa em uma trou-
xa o uma onxada encavada. Este escrato cemprou-o
oSr. Manoel de Alenla i.opos a Ignacio Alves
Couto, da villa do Crato na Barra-Crande.
Fugiram, do engenho Taquary, dous ecravos,
sendo um preto crioulo, de nomo Luciano quo re-
presenta ler 2.r> annos da estatura baixA f crosjn ,
nariz chato, ps grossos ; e o outro cabrinha de
nomo Bazilio,. de 16 annos pouco maia ou aienos;
tem os beigos grossos, pernas finas e pea graodes;
sahiram do di lo engenho com urna mulatinha forra,
a qual fiirtaram, c se suppOe que o dito, eabrinha
quer casar, e lia noticias que so achamnesta pnca.
Quem os pegarleye-osa ruado Queimado., loja n.
7, de Manool Pereira Lamego que recompensara.
Fugio,, no dia 18 de Janeiro, um cabra, de nome
Joaquim, alt, reforgado, de idade, coto a barba
branca cabellos corridos o bom pretos ; levoU um
Burrito de pelle de carneiro chapeo de baeta usa-
do, calcas de algodao de listras rotas no aconto ;
tem os tornozellos dos ps um lauto nchados. Es-
te escravo j foi preso ort S.-l.ourengo-da-MaUa ,e
tornou a fnglr junto aos' Remedios, do poder de
urna pessoa que o conduzia para esta cidade ; vcio
do Maranblo e diz ser de Caxias : quem o pegar le-
ve-oaruado Vigario, n. 24, que ser recompen-
sado.
--Fugio, no dia 19do corrente_, do engenho l'as-
sassunga o preto Bonedicto, crioulo alto, olhos
vivos, muito regrisla, ps cambados e com algura
rodo de bichos no* calcanhares; levou camisa e
caigas de algodio azul, chapeo do palha ; ha toda
a probabilidade que tenlia fgido para o Recife a
procurar un homem que o quera comprar( quaudo
lia pouco aqu estovo : quemo pegar leye-o a tua
dn Quejmado, n. 10, a Luiz Antonio Pereira, que
recompensar.
--hesappareceu, nodia 12 do corrente, a .parda
Luza, baixa e gorda, cabello pequeo, porm amar-
rado cara larga. tasta/ito feia ; tem cicalrizes nos
costas, de chicote, por ler sitio comprada assim, o
tambem um burquihho nas costas, que dizellaser
tleumanlrs; levou vestido de chita com listras
azues e un chales de chita ; a, qual'dizcm qua fra
desencaminhada por um soldado da polica, e que a
levara para o Rio-Formoso, ou 4>ana Una : quem a
pegar leyea-a a casa de Claudio Dubeux na ra das
Larangeiras que ser; generosamente>recompen-
opas
No dia 21 do corrente ausentou-se daoau de
seu senhor o pardo Valenlim, de 30 annos, estatu-
ra regular, grossodo corpo, cabello bem pegado
no casco; he claro, pernas arqueadas para fra, com
marcas d vaccina nosbragua, ainda frescas, Esto
escravo os primeirosenhores que leve sflo moradores
em Ihhamus, fazonda do Figuercdo, oSr. Victol de
Barros e a.Snra. I). Rita Uezerra; os quaes o vonderam
ao Sr. Jdaquim Lopes llayinuiiilo do Bilhar, morador
na villa do Crato e estu'o vendeu Jos Vieia do
Figuoiredo e ostoao abaixo assignado; o dito es-
cravo levou caigas de ganga azul camisa de risca-
do no corpo, e guardadas caigas brancas flita
du riscado azul em quadros camisa de madapoliio
coni pregas o peito o jaquelado riscado r de
cafe. Itoga-s aos senhores que frain deste, escravo
e as mais pessoas que o pegaroni levom-no.a ra da
Mangueira, n. 4, que seriio generosamente grali-
cados, Jui Joaquim liuielhu.
Anda contina a estar fgido o escravo criou-
lo, denome Patricio ; desde o dia 5 d crrenle mez,
potasio horas do da tendo signaes euflieientes
para se poder pegar t;:n uma fstula em um lado
da cara, mu visivcl, com. falta do denles na frente,
seccodo corpo, falla muito explicado ; Jerou caigas
do riscado largo americano camisa de algoihlu.
Esle escravo veto do seitilo do Crato provincia do
"Cear. Quem o pegar love-o a ra da Cr%, no lle-
cifo ,n. 26, que ser gratificado generosamente.
-- Fugio |a fcrioula de nonvi rsula yermelha ,
de 50 annos, pouco mais bu menos, resto descar-
nado e ja um pouco rugoso olhos papudos, lim-
pa o mal fcila Je pos ; tem o andar uiui feto e espe-
cialmente apressad ; tehi'-'algt/iis sgliies de relho
nas costas. Esta escrava perteoce a Antonio Luiz P*-
reira Palma, e dpsappareceu uo principio do proxi-.'
mo passdo. Quem a pegar.leve-ii'ao'sr. Manoel Ig-
nacio'd Oliveira, que recouipciisi- genorosa-
mciile.
SE
i
iJZ&Hi : NA XP. DKM. l. EFAHU. ib^jj,,-
..H... .i? i \ ..-K'|t-OW"


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIS61G6S0_95X9GJ INGEST_TIME 2013-04-13T01:19:22Z PACKAGE AA00011611_05452
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES