Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05445


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-I &pr\o de 1848.
Quinta-feira 95
O DIARIO poMlea-a* tiHos os dia ijne iiSol
frixn ''c guards : o preso da Signatura he de
iil.Of. rs.iiorqiltrttl, paffo adianta.int. "
nunc;o dos piante o useriJa. i i
PARTIDA DOS CORREIOS.
J-r. O. n-
... rasSods
50 porliaii. ton.eiulynadiiferonle, 11
r,n-tifes Pala ">',de- Ul T" u' iram ,!S"
nanleirpg-5o 80 Pr ''"'"' ,0" e'n 'yP
dinerente, ir cada pubhcacEo.
PJASF.S DA LA. NO MEZ, DE SURQO.
Lu> nova, "> hora e 47 min. da manhJa.
Crcente a 12, s 2 dorase 1 min. da manlia.
Luacueiaal. 6 hora e 61 min. da tarde.
,..-,.aic a 37. s 10 bou e 58 u,iu. da Urde.
Goiannae Parahibas segundas escitas feirn
Riu-Urande-dn- Norte quinta feirasaomeio-dia
Cabo, Serinliem, Rlo-Pormosn, Poito-Calvoe
Mani, no I.*, n I ( e 21 de enda mes.
'lar.i.iliuns e Boiiilo. a 8 e 3.
Bm-Vi-ta e Flores, alie J8.
Victoria, i qtinUs-leia.
Olinda, lodos os dias.
PrRWARSBUCO.
de Vfarco.
Auno XXV.
N. 8.
PIlEAMArf DE HOJE.
Priineira, s 6 I,oras e 54 aiinulos da manliaa.
Segunda, as 7 horas' e 18 miuulos da tarda,
Dli.% D\ SEMANA.
20 Segunda. S. Martinho. Aud. do J.dos orph.
cdo J.do c. da ? v. edo i. M. da2 Y.
21 Terra. 9. Bento. Aud. do J. do civ. da I.
v. edo S.c p io dist. de t.
22 Quarta. S. Einyg lio. Aud, do J. dociv. da
2 v. e do J. de p*x do 2 disl. de t.
23 Quinta, S. Flix. Aud. do i. de orph. e da
J. municipal da I, v.
21 Sexta. S. Agapito. Aud. do J. do cir. da '..
V., e do J. de pax do i. dUt. de t.
25 Saliliado. SB Anounciaro de Nossa Se-
nhoia.
2t Domingo. S. Ludgcro.
CAMBIOS NO DA 22 DE MARCO.
Sobre Londres a 27'/( e 27'/, d. por 1$ rs
a Pars ISO rs. por Tranco,
a Lisboa I0>) por ion de premio.
Desc. de lettras de boas firmas I a S|8 '/a
'JuroOiiras l'espauliolas.... }8'6nn
a MocdasdeOOO velli. 16*200 a
* deaflOO no.. IBiOOO a
t de **00..... a#oo a
/'rala l'atacoes.......... If0 a
Pesos columnares... lP2i> n
a Ditos mexicanos.... ifMO
a Miuda............. I*0a
\croas da comp.do Beberie de SOfOOO rs.
.a C0 d.
ao m.
MfOOO
lutoa
IS^IOI
*K.O
l|70
1J40
I180O
I#t30
ao par
TilESOtUIUA DAFAZENDA.
CIRCULAR N. 3.
i Manoel Alves Brinco, presidenta do tribunal do
tiiesouro publico nacional, dando a devilla alienlo
s reclamacOes quoseteem presentado por parte do
enviado extraordinario e ministro plenipotenciario
deS. M. Fidelissimn contra o procediinento dosjuf-
zos dos orphSos casenles, que, pelo motivo de ha-
ver doixado de vigorar o ortigo 5.* do tratado de 29
' de agostado 1825 com Portugal, tratan do arreca-
dr geral, indislinrta c violentamente as lieranc.is
dos subditos portugueses, como eni exocurfio dos
rogulamentos de fi-de maio de 18*2 e 97 de j un to de
1845, o certificado ile que o ditos juizes, fazendo es-
tas arrecaiiacoes, consideran! >u uoiiiiuiii vigor,,co-
mo nSo existentes, os actos tUqucllas arrocadarfles
c administracOetem quo d'antes linham intervindo
os respectivos cnsules sem conlradico alguma,
| annullamquanto acham feiloe concluido, ein pre-
' juizo do terceiros com manifeelos inconvenientes a
que b preciso occorrer, declara que os referidos
juizes a que ora compete arrecada'r os bons oashe-
rancas dos subditos portiiKiiezes na forma dos su-
pra-mencionados regulamentos pelo quo perlenco a
aquellas que j d'antes tivorem sido feitas pelos oon-
sulesein quanto j,ara issosc julgavam antorisados.e
a nloi veneno lites r.Sooi cont;stada,ssdevemliiitar
a toma-las no estado oiu quo estiverem, e a exigir
entrega do que existir apurado em dinbeiro, ou ein
behs, som uuullarem os actos que os cnsules pra-
ticaram na conformidade de scu regiment, om-
quanlo Ibes era coiisontida essa nttribuieflo. The-
souro publico nacional, em 31 de Janeiro do 1848.
Manuel Alves Braneo.--Conformo. Joio Marta Ja-
cobina.*
Conformo. Ignacio dos Santo da Fonseca.
DEM N. 5.
Manoel Alves Braneo, presidente do tribunal do
tliesouro publico nacional, de conformidade com o
aviso do tuinislcrio da juslica, de 3 dojanoiro, orde-
n,i que o atestado do preferencia que dovetn apre-
scnlar os juizes de diroitopara receberom scus or-
denados mensalmciile, seja unta ccrtid.lo passada
pelo escrivflodo seu juizo, certificando que o juiz es-
tuve rm exercicio etTeclivo do seu emptego durante
o mez. Oque assim so cumplir. Tbcsouro publi-
co nacional, cm 10 do fovereiro de 1848.Manoel
Alces Branca.Conforme. Joo MariaJacobina.
Conformo. Ignacio dos Santos da Fonseca.
.'..! ... I.'-
tt.
Ill.ll) 1)15 PBXilIBCll.
era! e aprisionar o estxlo-maior do exercito. O
commandanle em chefe foi avisado na vespera do
dia assigntdo para orompimcnlo, o tomou as medi-
das necessarias para prcvenl-lo e suft"oca-lo, no
casodeappareccr. Anoile.es patrulhas apprehen-
deram varios carros de armamentos e munir)oes; o
povo, amcilrontado pela attitude das tropas ameri-
canas, deixnu-so ficar em casa, o as guerrilbas, volido
|iie no podiam rcalisarn sorpreza projeetada, niio
ousaram apparecer.
Dava-so como concluido, entre Mr. Trist e os pie-'fostra-se una baixa no preco dos vveres.
nipotonciarios mexicanos, o projeclado tratado do
naz, segundo as bases offerecidas pelo gabinete de
Washington, dopois das batalbas do Sierro-Gordo e
Contreras. Julgava-so quo o congresso mexicano,
reunido no Cuoretaro, sedara prossa em ractifica-
lo; pois queso ochava tilo desanimado, quo apenas
quatro ostados votavain pela continuacilo da guerra.
Entretanto, cartas do Buea-Vista annunciavam
augmento da populacho dosses estados, desde o ul-
timo censo. Entretanto, be provnvel quo as propos-
tas do governo oblenham maioria ; e qualquer que
seja a decisBo do congresso, Mr. Polk, vista da sua
opini.1o claramciilo manifestada na sua mensagem,
nlo pode deixar do levar avanlo as operaQOos da
guerra.
As noticias conintercacs c financoiras erain satis-
factorias. Cretoia a procura do assucar e do algo-
(fffo : bnvia mais abundancia de dinbeiro, e niani-
(^(H'rSJiniKleiKi:-!.
'jmsaif Jt> sa aj 'idJlg' aa aaooi
(tecebdnios gazetas dos Estados-Unidos, de 9 a 12
do fovereiro, o dellas collegimos quo desde 15 do Ja-
neiro, ultima data das noticias que extrabirnos dos
jornaes de Inglaterra, trazidos pela galera Express,
> .voUra-se na cmara dos representantes do congresso
I de Washington o bil dos dez regimentos, o publi-
ca ra-se urna carta do general Taylor, enderecada ao
general Caines, a qual censurava a'tlireccflo dada pe-
lo presidente ilos_Estados-Unidos s operasoes mili-
tares doxorcilo'da uniito no Mxico.
As ultitMs noticias la capital da repblica mexi-
cana ebegavam a 15 de Janeiro, o referiam que a 10
do inesnio mez estivera em termoi do vorilicar-se
una sedicilo nessa cidado.
Varias guerrilbas mexicanas deviam invadir a ci-
dado, o coadjuvadas pelo povo atlacar o qtiartel-gc-
''H't
O llUQUl DE 6UISE. (*)
pon f reDenco ^oule'.
SEGUNDA PAUTE.
XXII.
N'n entanto, as portas de aples se bavi.iin tornado
a abrir; Cerisnnte, Rouhefort, Md.-na c os outros lidal-
Sos que se refugiaran! na ridade no uioiiienlu <-iu que
\n i rim "a "aiciio do Plonne, haviain vollado para
enr Gu,se- Algui.s, vergonhosos pelo terror de que
uto seopoasarain, arrenirssavam-sc agora a perseguir
,,... planh0M> <|ue conliiiuaraiii a fugir, acm que fosse
I'ossivcl p-los de novo en. ordem.
t,ir 5 populacao de aple, advertida das vic-
iihV ? ^uc de Guic ul)a alcancado de nia-
,?,C''1 H''panhes, se tinlia dirigido para a por-
,. 4. ,,id,sI>eraa-caterrada un, luoiiicuto pelos grl-
hrc.*1 f'??,Jl"c tin''"' partido deglc lado, fra em
ri.. i "'u,llt|ao attrahlda de novo por aquelles que de
i, . "60. Dentro cu. pouco, Guise foi cercado por urna
>2 "'""*' giilosdeeulUusiasiiio rebentavam
oaas a panes; os bomcus, as mulbeies, os iucuu
C Vlde ft-.no o. 66.
to, em frente do 6,000 bomens ; Urrca, om Dtiran-
eo, com S.OOO, o oulro tanto ein Sau-I.uiz, i espera
de um refrco de 10,000 liomeus, quo se haviam or-
ganisado no estado Zacatecas, para atacaremos Ame-
ricanos.
Sant'Anna havia embarcado om Acapulcocoma
ai'p.irente intencao de abandonar o Mxico; mas,
alguns dias depois, desembarcara om San-Blas, e
stippunba-30 que ello fsse juntar-so com as tropas
do Bustamontes, para do novo tentar a fortuna das
batalbas. Os Americanos apenas linham, nessa por-
efio de territorio mexicano, tima frca do quatro a
cinco mil homens; mas, todava, contavam desbara-
tar os Mexicanos.
Nos Estados-Unidos a atton^io publica eslava di-
vidida entre o projecto do tratado com a repblica
do'Mcxico, a carta do general Taylor, os meelings
dos candidatos presidencia da tinino, c a discussHo
no congresso e pela imprensa sobre as medidas re-
Jucridus por Mr. i'olk pura a continuagu da guerra
o Mxico.
A Carla do general Taylor ao general Caincs, a
qual motivou severa reprohensSo da. parlo do gover-
no, aconselbava que se retirasso o excrcito para den-
tro da linb'a da Sicrra-Madra, c quo so tomasso una
attitude defensiva
Esta linb'a, quo o proprio general repula du fcil
defoso, abrangea baca do lo-Grando, o granito ox-
(ensflo da costa do orcoano Pacfico; todava he
mui provavel se nio adopte esto nlvtre, porque, se-
gundo o actual estado das cousas, a rostluico, fei-
ta ao Mxico, do territorio, portos o cidades, oceu-
pados pelas tropas americanas, ministrara aos Me-
xicanos novas frgas para a continuacao da guerra,
e perpetuara as hostilidades. Entretanto, a reprc-
hensiio, dirigida por Mr. Polk ao sou futuro compe-
tidor, excitara extremamente o odio do partido
wibg, cujas gazetas andavum choias do violentos
ataques ao presidente da repblica, e do transpa-
rentes allcgorias, ein que Mr. Polk he representado
como um lobo roubador, eo general Taylor como
um pacifico cordeiro.
Quanto ao congresso, oceupava-se o senado com
o bil dos dez regimentos, o a cmara dos represen-
tantes com o projecto do oniprestimo, os diroitos so-
breo cha o o cafe, e o imposto directo,, quo havia
sido leinbrado para substituir esta imposicilo.
Os wibgssc oppunbam com todas as veras a oslas
medidas, e pugnavam para que as tarifas do allan-
degas, votadas cm 184G, fOssem revistas o modifica-
das no sentido protector das tarifas do 4842. Prelen-
(liam elles quo os diroitos sobro o cha eocaforam
contraros a constitui?lo, porque pesam quusi igual-
monte sobro tojos os cidadilos, ao passo que o pacto
federal exige quo os impostos pagos por cada indi-
viduo seja m proporcionados com os sous ha veres. E
quanto ao imposto directo, ellos lambcni reputa-
vam-no injusto, porque esta taxa, devendo ser re-
partida entro os ostados proporcionalineiito sua
respectiva pepulacSo, viria a onerar mais a uns quo
a outros, visto lerliavido grande desigualdad no
mmamiBmt&rj'i-'-* i^spv^n ^vr<**"HB5'#^.i-^aesiioasBi
se ajiiiiho.iv.ini ein tomo dollc, fazendo retumbaros ares
com alegres declauaces.
Entrando de novo pela porta das niuralbas, cncontrou
-He all o cavado que linlia deixado para subir para o
reduto: alguns bomens se ajoelharam ante o principe
e curvado Ihc apresentaram as costas, para que elle se
nao servisse do estribo; d'abi, quando elle se po/. de nu-
lo cm marcha para voltarao seu palacio, era como urna
chu va de flores atiradas de todas as janellas, que seder-
ramavan pela sua passagem; era,,, inulhcres que cor-
ran cuiu ricas alcatifas e as eslemban, por toda a estra-
da si'ib os pea du cavallo do duque.
Passou o principe por defronte de nina igreja: os sa-
cerdote, ao vi'-lu ao longe, sahiram do templo, c cami-
,,l,aian, ao seu encontr, de cruz alead.! c Unirbulos
na inos, para o insencar como ao deus salvador do po-
vo de aples. Era por toda a parte una alegra, uina
embriague*, um cntliusiasmo fantico; e assim atreves-
son o duque gravemente a cidade, recebendo de todos
os lados as felicitaces do povo ein delirio. Tin ha ello
combatido desde manhaa com acabeca dcscoberta, sem
couraca, sem oulra arma seno a sua espada. Ao vlo-
assim, contavam os homens uns aos outros quautus
iiiiiiigos elle havia derribado, c exclamavam: a Viva o
biavo Frauccz! As mullieres o applaudiam graciosas,
egritavam: Viva o bello Francezl E assim entrn
elle no scu palacio com o ultimo crepsculo da tarde,
sempre precedido de urna multidu immeusa, seuiprc
.iconipanhado desses gritos oiithuslastas e alegres. As-
sim que cliegou ao luiniar da porta do palacio, parou
por um momento, e voltou-se para a niullldao; foi bas-
tante um signal seu para que um silencio profundo suc-
cedesae ao ruidoso uurrar dessas accIainacOcs.
Povo! exclamou elle cm vo/. que doininou tudo,
ainaiihaa, ao romper d'alva, estarc eu no Mercado-No-
vo e li espero os liis habitantes dcla cidade.
Novo gritos mais animados, mais esiroudosos, res-
pondern a semelbante convite. Guise pode ouvi-los
Srs. Redactores.Mo (o\ som grando pesar que,
chegandoat mim o acinloso n.|19 do papelucho
intitulado A Fos do Brasil, vi quo ubi eram atroz-
menlo calumniados alguns cidadilos quo, a pozar do
terem provado a maior Ibaneza odcsinleresse em to-
dos os cargos queoceuparam o oceupam, qurci-
vis. qur religiosos, uflo teem pnlidn escapar ma-
lodicencia de individuos a quem nunca olTenderam.
Entre essas victimas ila aleivosia, e atravs do mu i
fraco e transparente veo, divisa-so a iniulia pessoa,
como alvo da calumnia mais atroz do quo boi tido
noticia.
Diversos sfto os tpicos da accusaino que se mo
faz ; mas todos cites se esentoin do reconhecida
falsidade.
Accusam-me ilo delapidador da irmandado das
aimas da frc^uozia de Santo-Antonio, de quo no
son juiz, cscrivilo, thcsourero, ou procurador, o de
cujos negocios curo a pedido do outrem, como o de-
monstra o documento sOb n. 1 ; o aecusam-mo som
se Icmbrarem das grandes despezas a que a inesma
irmandado esta obrigada, limitada ao diminuto pa-
trimonio ilo tres casinhas, o do um sitio em Santo-
Amaro, como se pode ver nos respectivos lvros. O
rotulmonto animal desto patrimonio, quasi millo,
no monta amis de 532,800 rs.; quanlia quo a-
penas chega, com grande economa, para a celebra-
ndo das l'esias, o puraocumpriinetito dos legados
quaa confwria est subjeita.
Quanto a irmandade do SS. Sacramento, esta res-
peitavel corporaQito ja so dignou do manifestar
verdado em o Diario-Noto n. 63, e por isso nada di-
rei a semelbante respoilo.
Cumpro-mc, porcm, fallar acerca da ordom (er-
coira (Jo San-Francisco. Se o mou aecusador se quer
iuteirar do tudo quanto ubi se ha passado commigo,
recorra, mesa actual, que a no sendo suspoita, se
nao negar a loinecor-lho lodos os esclarccimentos
de quo Sinc. precisar para fazer-mo cargo.
O meu detiator cabio em palpavel conlradic(ilo,
quando, ao passo que mo aecusa do ludria, aniiun-
cia que, om 1817, dopositei om mitos do um sacer-
dote velbo a quanlia de 600,000 rs., para certas res-
liluieOs ; porquauto he sabido que aquello a quem
bom asienta tilo afl'rontoso epilheto, jamis reslitue
oqucum dia podo colhor, sejam ques frcm as
circumstaucas dadas. Entretanto, comoesta con-
li'.idii'c.io nlo basta para vingar a iiiinbaTbpulaQio
ultrajada, desafio o meu gratuito inimigo a demons-
trar documentadamente quaos as ladroeiras quo hci
commellido; corlo elle deque, so assim o no II-
zcr, licar considerado como o mais vil dos calum-
niadores.
Quanto aos meas possuidos, declaro ante Dos o
o mundo, quo nao sou millionario ; que a pouca
fortuna quo tonho, ha sido adquirida custa de mul-
tas fadigas ; que a conservo c trato do au^monta-
la com o (lu de assegurgr um futuro, se nao pros-
pero, ao menos commodo, a duas filbas hrasileiras,
as quaes ja me hilo dudo alguns netos, tambem bra-
sileiros.
Ilcsla-mo tratar do mou comporlumento na boti-
ca do Ventura, este anciilo icspeitavel cujas cinzas
l'iiram rovolvidas pelo meu aecusador. Se elle vivOra
desmontiria mui loamalinente ludo quanto csso fal-
sario disso contra mim : mas, felizmente, anda oxis-
aaaati_aaE5',;.-.. .
tea viuva do homem a cuja memoria devo as maio-
res attencoes; e o documonto quo rcmetto sb o n.
2, e que Vmcs. tent a bondade de transcrever com o
outro em seguida dosta carta, mais que muito pro-
va que a minha conducta nessa botica foi mui diver-
sa da que se mo emprostou. Esto valioso documento
sera, som duvida, reforcado pelo testemunbo dos
meus coevos ; pois que, nessa poca, a cidade do Ite-
cifo anda era mui pouco populosa, o todos os seus
habitantes quasi quo seconheciam uns aos outros.
Rodera (indar aqui, ontregando ao merecido des-
piezo as demais datribes do papelucho ; mas obser-
varei de passagom : 1.*, que as nacOes mais Ilus-
tradas conlam marinbeiros entre os seus subditos ;
2., que a sociedado he composla de bons e mos,
o que o homem lio fllio de suas accOes; S." quo
me no envergonho de haver nascido Portuguez, as-
sim como me no deshonro do ser Brasileiro adop-
tivo ; ~ ", que, no meu coraC.no, amo Unto Por-
lugai cerno ao Brasil, pois que so alunase?, aqu: vivo
lia quasi quarenla anuos, aqu achci espose, aqu
lenbo descendentes quo mo so summamento cha-
ros ;., finalmente, quo nlo fram smonto la-
dros o prostitutas os quo viento da antiga metropolo
estabelecer-se nesta Ierra ; pois quo entro as diver-
sas pessoas, quo de laso passaram paraca, viam-so
senhores o senhoras da primeira nobreza, do quo
descendem muitas familias rospeitaveis, que indi
se ufanatn do nome do scus distinctos antepassa-
dos.
Insirom, Srs..ltcdacloics, oslas linhas mal traca-
ilw. du que se n.to podo dispensar
O ofendido.
DOCUMENTOS.
N. 1. Sr. F..... Como os mous afazores s3o mul-
los, c cu tenha aceitado a thesouraria das almas, po-
co-llie por favor, como mais pratico nesias cousas,
queso cncarreguodo roceber todos osreudimentos
das mesmas almas; assim como quo paguo com es-
serendimento todas as despezas quo livor de salis-
fazor, pois dou ludo por bem feilo. Do seu criado e
obrigado/o>l ^nlonio aVi S/.
N. 2. Atiesto, ojuroso necossario Mr, quo cssa
possa quo so diz haver-so comportado mal, quando
foi offlcial do meu marido, o finado Jos Bornardo
Ventura, estove na minha botica, por espaco do tlotis
aunse moio, o om todo esto lempo se coraportou
com honra probidade o linipo do milos, c no litn
doslo lempo sabio como oflicial para urna das boti-
cas do Rccifc, nio por vontade nossa, mais sim pe-
los seus interossos; o para constar a probidade do
inesnio Sr., aonde lhe convier, mandei passar o pro-
sente por minha lilha Mara Folca Ventura, sendo
s por mim asignado. Boa-Vista, 11 do marco do
1848. Como toslomunha quo oslo llz a rogo do Ma-
ra Filicia Ventura, Delfina Jacintha da Fonseca
SiIva.
[Estavam reconhecidos.]
CO^MERCIO.
Aiandeja.
rtENDIMENTO DO DIA 22............
Descarregam hoje, 23 de marco.
7:794,369
atravs das portas fechadas do seu palacio, at ao ino-
ii,en i,, cm que se relirou para urna cmara interior, on-
de o seguiram Ce risa ule, Mdfna c llochefort.
Eeuto! meus senhores, llies disseeile assim que
ficaraiii sus, julgam que cu possa fazer amauha com
que este povo grite: Viva o duque de aples? a
Ksle reino llie pertence j, seulior duque, disseCc-
risaute com calor, e as mos de V. Alteza est o lazc-
los gritar o Viva el-rci de aples!
. I .i l ve /. que isso seja andar um pouco depiessa,
responden o duque, C.....
Parou elle de repente, c approximoti-sc de nina j-
mila abena.
Que vem a ser, pergunlou o principe com voz per-
turbada, aquello claro verinellio c ensauguentado que
apparecc acola lio horizonte?
He algum resto do incendio que V. Alteza atcou
para defesa da alfandega.
lie verdade, diste Guise n'um tom triste, ha de ser
isso; e com ludo, murmurou elle baixinbo, he mo
signal que appareca um claro cor de taugue no hori-
zonte, juslamciile no lugar ein que ha de nascer o sol
que deve amauba Iluminar o meu triumpho '. 1 uf
nuiles, meus senhores, accrescentou elle como quem se
senta oppriinido, at amanha, uo Mercado-Novo.
Os omciaes ahiram, e Guise, licandoi, dcixou-e
eslar ininiovcl dame da j.mella, com o olllos cravados
uesse claro siuislru, at ao momento ein que elle se
extingui totalmente ; at ahora em que aples to-
da emrou na obscuridade c uo silencio.
fio dia seguiute, a igreja de Nossa-Seubora-do-Carmo
resplandeca com inmensas IttZMI lodo o clero da ci-
dade, leudo sua frente o cardeal Filouiariui, cachava
asseutado no recinto do baixo coro dessa ampia baslica.
A multidu de burguezes e de olliciacs, ac appinboa-
va dentro; o cardume do povo se accumulava da par-
te de fura; una grande ceremonia acaba va de ter lugar.
Guie havia apparecido pela manhaa no Mercado-Novo ;
Uriguc Einigkeil carvo.
Barca Carolint bacalho. .
Brigue Liwie familia, bolachinha c barricas aba-
tidas.
Briguc Yolof mercaderas.
fcaanaiBgasaTOyTITIMI^aaaBatBaMaaBjB^^
mili, denunciado ao povo a traco deGennaro-Annese,
de Peppe-Palombo, de Genuino e de Santis, e explic-
i a-1 lie o ni vsleriii da infama elada a que Scoppa o tinha
arrastrado na porta d'Avcrse. Succcdcu o quo elle ha-
via previsto: todo esse povo, indignado pela traico
dos seus eliel'es, indo embriagado com os triumphos da
vespera, lhe conferir todos os poderes at ah reparti-
dos pelas diversas autoridades da cidade.
Cerisante fra o primeiro que dra o grito de Viva
o duque de aples.' e todo o povo responder upe
lindo este grito e acompanhaudo-o com estrepitosos ap-
plausos. Um momento depois, se dirigir Guise para a,
igreja deNossa-Seuhora-do-Caruio; Filomarini l o cs-
perava; tudo eslava preparado por urdem do cardeai
para a pomposa ceremouia que iacelebrar-se. L lam-
ben, o esperavam Censare, Peppe-Palombo, Genuino e
Santis, prisioncii os, a mor parte dos magistrado e to-
do os e.ipites de quarteiro.
Assim que o duque de Guise chegou aporta principal
da igreja, Filomarini parti da capella mor e o foi rece-
ber aporta. Aluda que o prelado ubedecesse ordens
do duque, oqual Ihcuo tinha deixado ignorar que se
acliava instruido da sua traico, ncui por isso mostrou
a menor perturba..au no animo ; antes a Guitc lhe pare-
cen dbse var-llie los olhos um como relmpago de ale-
gra cruel c ameacadra.
Seuhiir cardeal, lhe disse o duque em voz baixa,
V. Eminencia ve que eu entro debaixo dos scus auspi-
cios no templo de Dos, que manda perdoar a oll'cnsas:
nao me esquecerei desle preceito.
O Dos que perda, respondeu Filomarini com voz
lirme, he tambem o Dos rcuiunerador c vingador i
nao me esquecerei deste ponto de f.
Entretanto, o cardeal conauzo o duque at ao espal-
dar que lhe eslava preparado do lado do Evangelho,
debaixo de um magnifico occl. O principe asscnlou-sr,
ea ceremonia coniecou pela missa pontifical, cantada
peto prelado. Depois, lodo o clero eutoou o l'c-Dcum

4

V


JJI'JIUIJLL-. _____j_j. ..!.j f^!L.'^JB^iJ^B|

CONSULADO PROVINCIAL. .
RENftIMENTO DO DA'22............1:520,643
iMumi
Movmeno do Porto,
vil lusitano, por Mello Froire, augmentado com nota*
dos mcihores prsxistas o ictoa, o legislac.to brasi-
lera, aleo prosente publicada. Subscrevc-se para
oslo volume na pwca da Independencia, livririn, ns.
>e 8, onde se iriJo entregando aosSrs. acadmicos
as follias que se frem publicando.
Navios tahidoi a* dia 22.
Trieste ; brigue austraco Conde-Harlig, capitn Anto-
nio Pcrsich, carga assucar.
Liverpool cun escala pela Parahiba ; barca ingleza Ho-
p$welt, capitao James Newton, carga ossucar.
New-hrdford; galera americana Pacific, capital) Lu-
ther I.ittlp, carga a mesina que trouxe. F.sta galera
se fe a vela du Lamcirao, c den costa sobre o Arre-
cife, drfroote da liarrela.
Hio-Grande-o-Sul ; brigue-escuna brasilelro Henri-
qntu, capitao Ignacio daFouscca Marques, carga as-
sucar, sal e mais gneros. Passageiros, Jos Unptista
Soa.es, Saturno Facundo Masoni, Austracos. -
Caiial; briguc Ingles Elisa, capitao W. Stable, carga as-
sucar.
Capcnhagein ; brlgue dinamarquez Iliram, capitao J.
W. K inumcstalcn, carga assucar.
WUW/UIl
a visos martimos.
Deca raides.
C0RREI0.
OSr. Josu de Jess Jartlim queira dirigir-se id-
tninistiacln do corroio desta ridado, pura rereber
(como segurador) urna caria que dirigi a Jo.lo Pro-
copio Lupos Mouloiro no Kio-de-Janoiro, visto eslo
ter tallecido.
CAUTAS SEGURAS EXISTENTES NO COP.REIO*
('.ERAL.
Urna para o Sr. Joio Paulo Ramos Chavos, oulra
para o Sr. Manoel Antonio da Silva, o oulra para o
Sr. JoHquim Goncalves da Silva, om Coianna.
Grandeeosmorama
Hoje cstarfo espostas, das 6 horas da tarde om
(liante, no sabio do Collcgio, junio a Congregarlo,
as seguintes vistas:
1.* A corceo do Sr. D. Pedro II. F.sta allegoria
reprsenla o imperador sobre urna osphera rece-
bando aa fclicitacocsdas provincias em cominis-
: ni, tendo dos lados dous* indgenas, do sul e do
norte; c na baso, ajUStica ea virtudo : representan-
do o reslo do quadro muilo povo o tropa, o alguns
pedacos do paisagens do Brasil.
->.' 0 interior da matriz de S -Jos quo aqu su
est edificando, delineado por A. II. YYillmcr.
3." A cidade do Rio-de-Jaueiro pelo lado da igreja
de N. S. da Gloria.
4.a A cidade de Lisboa pelo lado da .Minada.
5.1 A ra d'Alcalla em Madrid.
6.* A passageru de Napolcio sobre os Alpes, em o
annodc 1800 na estacan invernosa.
7.a 0 interior de um convento na Blgica.
8.a A cidado de Tunis, em Argel, pelo lado do pa-
lacio do governo.
9.* A cidade do Zurich ua Suissa pelo lado do
rio.
10. A cidade do Mcssina na Italia.
11. O palacio do rei em Stockholmo, pelo lado do
mar.
12. A cidade do aples.
13. Urna casa decampo, na Polonia, em urna noi-
te do lua.
14. Um Bazar na cidade de Florenca.
15. Uina cscala em Tyrol, n'Austria.
Adverlc-se que os bilhetcs vondem-sc na porta da
cidrada a 1,C00rs. para homem c a 500 rs. para
assculioras o meninos os podero ter entrada as
nossoai que frem decentemente vestidas.
TIUATRO PUBLICO.
SABBADO, 25 DE MARCO, GRANDE GALA, ANI-
VERSARIO DO JURAMENTO DA
CONSTITUICA.
A beneficio da joven l'rsulina Esmeralda da Luz
e Silva, se representara a brilhante peca
A LEGITIMA IIERDEIRA DO TIIRONO,
canlaudo a joven beneficiada o liymno nacional pc-
runle o retrato de S. M. Imperial.
Cantar urna aria maisa beneficiada.
Principiar as horas docoslume.
- A barraca Conceicao-de-Maria, fundeada no
caos d'Alfandega, ainda recebo alguma carga para a
Parahiba : quem na mesma quizer carregar ou ir do
passagom, entenda-se com o mestre Luiz de Franca,
a bordo da mesma.
Os Srs. carregadores da galera portugueza Ten
adora queiram levar os scus conhncimentos casa
de Manoel Joaquim Ramos eSilva,aflm dse poderem
legalisar os inanifcstos da mesma galera.
Para a 11 lia de San-Miguel tem do seguir viagem
com muita bruvidade o brigue portuguez OUveira,
capito Antonio Francisco de Rezonde, por ja ter
parte de sua carga a bordo e oulra tratada : quem
ainda pretender carregar ou ir de passagem se en-
tender com o mesmo capitao, ou com Joflo Tavares
Cordeiro, na ra do Vigario, n. 8.
Para a Babiasabirem poucos das, por lera maior
parto do sua carga prompla, o hiate Flor-do-Recife,
forrado o pregado de cobre : para o resto da carga e
passageiros, dirijam-so a ra do Vigario, n. 5.
---Sogue viagem para o Maranho, at o dia pri-
meiro de abril, o patacho hmulacao : quem quizer
carregar ou ir de passagem dirija-se ao capiUo a
bordo, ou a Manoel Goncalvos da Silva, na ra da
Cadcia do liecifo.
Para Sloltin ou Elseneur sabe n barca russa
Wolga: oll'ereco milito assoiados commodos para pas-
sageiros : n tratar com os consignatarios, N. O. Bie-
ber & C na ra da Cruz, n. 4.
A visos diversos.
O abaixo assignado partici-
pa ao respeitavel publico aos
seus fi-eguezes e amigos, que ha
mudado
fin a <> ^mi
27,
oseu estabelccimenloda ra doQueimado, n. 11 A,
para o grande armazemda esquina da mesma ra, n.
aonde se encontrarlo, mo s as fuzendas
j annunciadas, como um grando sorli-
menlo chegado pelos ullimos navios ,
para vender por atacado e a rctalho, o mais barato
possivcl. Neste novo armazem encontraran os con-
currentes melhor commodo para as suas compras
n3o s pelo espacoso armazem como pelos presos
baralissimos c comple to sortimciito.
fat/mundo Carlos Leile.
SOCIEDADE EUTERP1NENSE.
Transiere o annuncio dos socios em gcral, mar-
cando para o dia 21 do corrento, e para o dia 27, por
nao apparecor a chave da mesma sociedado ; rogan-
do-se ao inosmo tompo aquello socio em# particular,
quo a tiver em sen poder, a entregue no* lugar aon-
de pedio.
-- Arbam-sc a venda, na praca da Independencia ,
loja n. 34, os apreciaveis retralos'de Cousin e Royer-
Collard e dous grandes estudos para desenlio : lu-
do por proco commodo.
Lava-se e engomma-se roupa muito bem, liso,
crespo e.de prega : sendo suja, o prego lio 80 rs e
lavada, 60 rs.: na ra das Larangeiras, n. 13.
Joilo Jos de Lima remelle para o Ceara o es-
cravo Luiz, a entregar a seu senhor, Jos Mara Eus-
taquio Vieira.
Aluga-se um cscravo padeiro e fiel quem o
pretender dirija-se a ra da Senzalla-Velha, n 95.
Quem annunciou querer comprar uina espin-
garda de dous canos, dirija-so a ra Imperial, n. 63.
-- Quem precisar de urna ama para o servido in-
terno do urna casa a qual sube bem cozinhar, co-
ser e o uajiinmar sendo para homem solleiro, ou do
pouca familia, dirija-sou travessa da ruada Pal-
ma, n. 13.
Prccisa-sealugar urna escrava quo tenba bom
leile, sejacarinhosa para meninos, c que nao te-
nba lilbo, para servir de ama em urna casa de fami-
lia : na na estrella do llozario, n. 31, segundo
andar.
Jos Pires Ferreira, liquidatario da extincta
companhia do Iheatro publico desta ciliado, avisa
aos Srs. accionistas que boje, 23 do corrento, ven-
ce-se a pi imeira leltru do >5:586,503 rs. aceita pelo
thesoureiro da thesouraria provincial em 23 de
margo do anuo prximo passado, importancia da
primeira parle da presLicuo por conU da indemni-
saeo dos odiantamentos feilos pela extincta compa-
nhia do thcalro, para as obras do mesmo : assim
como, que lambem hoje, as 4jhoras da larde, em sua
casa n. 64, Aierro-du-Boa-Vista paga aos Srs. ac-
Publicaco jurdica.
Acha-se sb o prlo o 2. volumo do Dircitoci-
n'.gw a, ii > m>iiM q. 11 iiminia
lautlamu*, ao qual se uuiam lodas as pessoas que podc-
ram penetrar na igreja, assiin como tudas aquellas que
i i i. lia ni fiendo da pnrtodc fra. Acabado o Tr-Ueam, foi
(.c n n un 11, ii ilu/i du nos ps do duque, e depoi. ante elle o
bastan de prata, que era o signal do coinmnndo de que
at cnlo linh.i estado revestido. No inonienlo, poreiu,: tambem, necrescentou elle ciu voz alta c sonora que re-
t-iii i]un Gemalo se Icvantnva, Mdeua fez um signal n|'luiubou lortemente pelas abobodas da igreja, juro vi-
dous soldados scus. que se apoderaran) delle.
smiisi) amargo; e, apresentando a Guise um Fvange-
tlio aberty, dissc-lhc em tom irnico:
Esta cora Impe grandes obrigaedes, senhor
duque.
Ilein niel, senlior eardeal, responden Guise;
cionistasaslettras que Ihos entregou do ratoio di
mesma lettra que dove receber hoje.
Francisco Eduardo Alves Vianna roga as pes-
soas que Iho devem, que tenliam a bondado de lhe
m-ndarem pagarat o dia 31 do correte mez de
marco ; assim como aquelles Srs. que delle tenham
areceber.de apresentarem suas conlas na ruada
Senzalla-Velha ir. H0, das 9 horas da inanha s 3
da lardo para serem pagos.
No dia 24 do corronte, pelas 4 horas da tarde, A
porla do Sr. Dr. juiz do civel, se hSo de arremalar
algumas obras de ouro por execugSo, pois he a
ultima praca.
l)esoja-se fallar com o Sr. JoSo Florentino Ca-
valcanto de Alhuquerquo, a negocio do seu interes-
se : na ra da Cadeia do Recife, loja n. 34.
Antonio Concalves de Moraes vai fazer urna
viagem a provincia do Cear, a tratar de sua sado,
levando em sua companhia o seu escravo pardo de
nomo Antonio ; ficando encarregado do seus nego-
cios, como procuradores bastantes, JoSo Jos de Mo-
raes e Jos Dias da Silva.
A. deMornay retira-so psra fra da provin-
cia.
Para urna casa do pequea familia, necessita-
se de urna escrava que seja muilo boa cozinheira,
para ser ocrupada nicamente nos respectivos mis-
teres ; dando-so por isso, alm do sustento, o que
vestir oito mil ris mensaes-. na ruada Florenti-
na, casa da osifuiua, defronte do theatro novo.
Offcrece-se urna mulher portugueza, para ama
de pouca familia, a qual sabe ongoinmar p cozer :
quem de sen preslimoso quizar utilisar, dirija-se ao
becco do Callabouco, casa n. 34.
- Aluga-se tuna casa de um andar com grande
quintal, cacimba e commodos para grande familia,
sendo na ra das Trincheiras : os pretende ules diri-
ja m-se a ra da Cadein do Recife, n. 25.
Apparcccu, no da 12 do corrento, a dormir pelo
telheirodo porto da ra Nova, um mulalinho que
diz ser forro, por nome Honorato, filho do pardo Bar-
tholoineu, morador em Carirys-Velbo, o como ti-
vesse vindo a tanger gado, e tivesse adoecido, os
seus companheiros o deixaram cm casa de urna se-
nliora chamada Auna, moradora na ponte, do Man-
guinho, e como o dito mulato queira trabalhar no
ollcio de pescador de rede de tres maias, por isso o
a bu i xo assignado declara que, se houver alguma
pessa que se julgue com direilo a elle, pde-o pro-
curar fe travessa da ra da Concordia, casa n. 7.
Nlo ficando o abaixo assignado com responsabilida-
do alguma sobre qualquercousu quo possa haver, o
ni'in mesmo pela fuga do escravo.
Manoel de Brito.
D. Aurelia Umbelina do Carvalho retira-se pa-
ra Portugal.
Arrmata-se hoje, porsera ultima praca, pe-
rantoo doutor juiz d'orphilos, u parto da casa de 2
andaros do lado da igreja do Corpo-Sanlo, a reque-
r ment da viuva invenlarante D. Marianos Ferroi-
ra Duarte liis.
- Os herdeiros do casal do fallecido coronel Joa-
quim de Almcida Calando provinem ao respeitavel
publico, para que ningunm negocie ou compro por
qualqucr forma a casa de dous and nos e sol9o n. 43
sita na ra Dircita, ora pertoncenle a Antonio Ma-
nuel do Nascimento o sua mulher Atina Felicia
Monleiro, porquanlo a dila casa se acha compre-
hendida na ponhora e execucSo, que procedeu
companhia geral exlincla desta provincia nos bens
du Manoel Claudio Lirio, como fiador o principal
pagador de seu cimbado Juilo Pedro do Amaral Cor-
roa, ambos j fallecidos, cuja peuhnra existe no car-
torio do escrivao Cunda. E como olios herdeiros
loiMii de mover execueflo contra os ora possuidores
da referida casa, para dav-la au casal do que sao
durdeiros; porlersidoo dito seu avo, o coronel
Calando, condemnado pelos tribunaes o oxeculado
cm seus bens pelo pagamento dessa divida de JoDo
Pedro do Amaral, de quem c do seu cimbado Manoel
Claudiiio Lirio elle se conslituio fiador e principal
pagador; manda m fazer o presento annuncio, pura
que ninguom se chamo ao engao.
O TRIBUNO N. 93,
est venda na praca da Independencia, linaria ns.
6 o 8 : Irnz urna exfolenlo pocsia. A elle, emquan-
to bo cedo.
Prccisa-se de urna loja com pequea annacilo,
ou sem ella as seguinles ras : Cadeia do Recife,
Queimado, I iviamonio, Cabug, ra Nova, Alerro-
da-Ba-Visla, lado direilo : quem a liver e quizer
alugar annuncio, ou dirija-se a praca da Indepen-
dencia, loja n. 5.
Prccsa-so de 2 felores para um engenho, son-
do Portuguezes ou lbeos, que nilo tenham lam
lia e sejain robustos : na i na da Cruz, n. 43.
Deseja-sc fallar ao Sr. Antonio da Cruz Silva,
a negocio de seu interesse.
- Tendo o abaixo assignado, visto neste Diario,
alguns a ii nu ocios cm que so diz que lhe querem fallar
a negocio de seu interesse; o mesmo abaixo assignado
.loriara que o patacho Emulaco est tundeado de-
fronte do Trapiche-Novo, aonde o pdem procurar,
ou na ra do Amorim, casa n. 31, Inrcoiro andar.
Antonio Gomes l'ereira.
LOTERA
Do Hospital Pedro II.
Correm infallivelmente as rodas da ter,
ceira quinta parte desta lotera no da 3
de abril prximo, pelo que o tbesoure.
ro convida a comprarcm o resto dos bi-
1hetes.
Jacob Tobler rclira-se para a Bahia.
. FOGO.
Fredorico Chaves participa ao respeitavel publico
quecomproua fabricado palitos do fogo sos Srj'
Meuron & Companhia, assim como quo achaiflo s(n.
pre grande porc.Ho de macos grandes do muilo bi
qualidade, a 2,000 rs. ocento, na fabricade licores do
Alerro-da-Ba-Visla, n. 17.
Sexta-feira, 17 do correte margo, perdeu-js
um tengo do cambraia, e um colarinho de cassa lisa
ambos abertos de lavarnlo : quem os liver achad
leve-osa ruadas Cinco-PonUs, do lado esquerdo
casan. 83, quo se lhe dar o achado, ou annunci
por esta folha, para ser procurado.
Manoel Luiz Ferreira vai n Portugal, e deiu
para seus procuradores o seu irmflo Jos Luiz Fer-
reira da Costa, eos Srs. Guilherme Soares Bolollio
e Jos Antonio Marques.
- Jos Jacinthi) dos Reise Mello vai a Portugal:
julga nao dever nada a ninguem ; todava quero 10
jlgar seu credor, aprsenlo suas conlas no praio
de oito dias, para serem immediatamenle pagas.
Jos Carvalho de Oliveira, Portuguez, vai pan
a Iba de San-Miguel, a tratar do sua sade.
Antonio Julio de Medeiros retira-se para frt
da provincia.
Vicente Ferreira da Costa roga a pessa que*
por engao lhe lirou urna carta viuda da Bahia, que
queira lera bondade de a entregar no corroio, ou
no seu armazem da ra da Madro-Deos.
Aluga-se urna casa torrea na Soledade, n. i;,
aopdoSr. Vieira Cambista : os pretendemos diri-
jam-seao paleo do Carino, n. 17, a tratar com Ga-
briel Antonio. f
I'recisa-so d,c umcozinbeiro para bordo do pa-
tacho Clemenlina, que segu por estes dias para Lis-
boa : a fallar coin o capitao, ou com Jos AlTonso
Morelra na ra do Apollo, n. 14.
Frecisa-se de urna canoa delenha por mez, al
quarenta mil ris, sendo tenba da Ibura : o di-
nheiro he logo pago a vista : a tratar na Santa-Crui,
padaria de urna porta.
OSr. Jo,1o Baptisla Du Cortil tem urna carli
vinda de Lisboa na ra doQueimado, n. 20.
Precisa-se de prclas para venderem pflo sb
rcsponsabilidade da seus senhores, pagando-se-lbes
a vendagem : na ra Direita, padaria, n. 26.
Olhe l, dissr Ccrisantc baixinbo aRorhefort, co-
mo o ikxso Mnima est com pressa da sua viuva : na
saeriMia ha mu sacerdote que espera aGennaro, c l f-
ra est o ale/.
Os guardas queriam arrastrara Gennaro, mas nao po-
deram romper a mullidao que os cercava; o Filomarini
mandou-lhes advertir por um sacerdote que mo era
pn iiiiimlii a ninguem perturbar tao santa ceremonia.
ll:in|iianto isto se pasiava, tinba-sc adjuntado Genuino
/rente dos membros da junta, o, pondo-se por sua vei
Je joelhos ante n duque de Guise, entregou-lhe ns cha-
ves da cidade; d'abi vieram vindo os capitaes de quar-
irirao, os qnaes fra ni todos depositando as suas espa-
da aos ps de Guise, dizendo-lhe que nao queriam con-
tinuar nos seus commandos senao recebendo-os de no-
vo das mos do priucipe. Quaudo todos se acbarnm as-
sim piostrados, entregando ao duque todos os poderes
que elle ambicionara, Filomarini ;e levantou por ulti-
mo, eeaiuinlinu para o duque, sustentando as mos
urna cora fechada; Guise ajoelhou-se diante do ear-
deal para que elle Ih'a pozesse sobre a cabeca; mas Fi-
lomarini parou apresentando-lh'a, c dixendu-llic em vos
batea:
Tome-a V. Alteza mesmo, Senlior duque; tome-a.
Tem rasiio, disse Guise levantando-se ar/ebatada-
luenle e arrancando a cora das maos do eardeal; tciu
xasau, porque uao a devu a ninguem senao a inim !
E p-ta na cabeca iinmediataincnte, no meio das ac-
clauia(es de todo o povo. O eardeal dcixeu escapar um
I ver c mu 1.1 pela liberdade c felicidade do jiuvo de a-
ple.
Mil gritos de: Viva o duque de aples .' respon-
I ilrr.un a scmclliante juramento; e esses gritos que sa-
hiram da igreja, e que frain repetidos da parle de fra,
se tornaran! empouco n'iin 1 immensa c universal ac-
clamacao,. que devia cliegar ate ao campo dos despa-
lillos.
De repente, c como se o acaso quizesse juntar a sua
voa de tiovo a cssa foriuidavcl voz do povo, ouvio-
se ao longo o suido mugido de una numerosa arti-
l.'iaria.
Os nnssns soldados, exclamou Kocliefort chein de ju-
bilo, annunciain a exaltajao de V. Alteza aos nossos ini-
uigoi.
< crisaiite. disse severamente o duque, a quem cs-
Se estrondo parecer perturbar, eu lliehavia ordenado
que nao consenlisse nossa gente o gastar assim em
vias fanforriecs as munifes de que temos to urgente
uecessidade.
As minlias ordens a esse rospeito fram precisas,
responden ficrisantc, c nao posso coinprohender que
tiros repelidos sejam aquelles, c que parecen) approxi-
inar-se.
Vo-ie informar do que se passa, disse o duque,
emquanto o povo ltenlo c iminovel escutava o rebom-
lin dos i-anliiio.i que continuaran) a rebramar.
Apoiias liarla Guise dado esta nrdem. comeen o povo
angitar-sc, c ve-sc entrar pela porta principal urna mul-
tid.io de mnriiibeiros que traziam os barretes na exlre-
inidadc superior dos remos, todos ornados com largas
filas Aos primeiros passos que ellos dao na igreja, a ex-
pectativa inquieta em que estava todo esse povo se mu-
da cm novos transportes. Ouvcni-se mil acclainaccs
de prazer, mil gritos de triumplio que, partlndo da por-
ta, correm por todos os lados e acabam por se reunir em
um lirado unnime c alegre :
u \ esquadra franceza .'
t om cilcito, nesse mesmo dia. hora em que o duque
de Guise 1 Cecilia o titulo de duque de aples, a esqua-
dra promcllida por Luis XIV a Hcniiquc de Lorena, e
commandada por Mr. de Richelicu, entrara no golpho de
aples. Todas as felicidades cliegavam ao mesmo lem-
po ao intrpido avenlureiro que liulia ido conquistar
una cora frente de viulc dous hoiuens.
Kinfiii, os inariiiliciros napolitanos poderaui romper
por entre o povo, porque o povo tambem abaudonou a
igreja para correr ao porto a saudar a esquadra france-
za com mil acclamaces.
Vao, Ibes disse Guise lancando-ilies algum ouro,
v.o e saudcn a boa chegada de seus iruios.
Vossa Alteza nao vai esquadra ? pergunlou Con-
muto.
1
OW*10*i0 l# J47 W0 Q]i9 10 1*7^1^
I Kouar.l,horticultor de
I Lyon,
tem a honra de participar ao respeitavel
publico, e principalmente aos amantes das
bellas flores, que lenciona demorar-so nesta
praca smenlo atoo finido mez: por conse-
guinto, convida o mesmo Ronard as pssas
que quizercm aDroveitar-se da occasifio, a se
dirigirem no Alerro-da-Ba-Visla, onde o a-
charilo vendendo as mesmas flores e semontos
3 por todo o prego.
&#F%aVr% *m 0\% #l afr%#( 0r% 0*0*Q \
Offerece-se urna mulher parda, que sabe reger
bem urna casa para ama de urna casa de pouca fa-
milia ou de alguma senhora viuva : no Alerro-da-
Boa-Visla, n. 54.
Precisa-se de um Portuguez que ciitemla do
tralamento do arvoros e llores para um engonho ,
distante desta praca 8 leguas: quem pretender, apre-
sentando attestado de sua boa conducta dirija-se
a Suledade, sitio da cscala.
Quem precisar do urna ama do leite, parda,
forra e quo tem muito bom leile dirija-se a ulti-
ma das tres casas, no silio mesmo do Cajueiro.
Precisa-sede ofliciaes do alfaiale que sejam
peritos para obra raiuda e grada: na ra Nova
n. 19.
Precisa-se de dous ofliciaes do marcenoiro, e
do dous ou tres aprendizes: na ra da Cideii-ils. I
S.-Amonio, n. 18. .
Perdeu-so, no dia 17 do cor rente um relogio/|
sa bonete de prata, com os dous vivos da lampa dou-
rados e a argola : quem oacbou, dirija-se s ra di
Mocda armazem n. 17, que ser gratificado com
20,000 rs. O dito relogio foi perdido na matanca das
Cinco-Poutas alinhamento do forte, ra do Manoel-
Coco, dita do Mogueirs, travessa da dita, ale S -
Rita.
Precisa-se do um caixoiro : na venda confronte
a matriz da Boa-Vista, n. 2.
ha multo lempo lhe consagro ; e o senhor eardeal, com
a con vieran, segundo ocio, de que entre as virtudes d
uin soberano eu colloco a indulgencia a (rente de todas.
A indulgencia lio un dever para aquellos que i"'
cessit.ini ic-la para com os outros, disse Filomarini.
J que o Sr. cvrdcal considera isso como un) de-
ver, responden Guise severamente, espero que o pre-
encher.
Nao s esse como todos os que me impe o nteu ca-
rcter, replicn o prelado.
E inmediatamente fez um signal. e da profundeza das
capellas uceulus as naves lalcraes da igreja, vio o du-
que sabir um grande prestito, de carpideiras, que se eu-
cu111nl.ar.11n para os canccllo da capclla-uir.
Que he lato? pergunlou elle vivamente ao eardeal
Ucpois de termos exaltado e lomado dianlc "c
eos os poderes desle mundo, disse Filomarini, he uin
dos nossos deveres orar pelos humildes e Traeos.
Como: cortejos de morios?/ disse Guise cmpalli-
decendo.
He vordade, senhor duque, replicou o eardeal. El"
les estilo acola desde o momento em nue V. Alteza cu-
Ksperarei os enviados d'el rei enimeii palacio, res-'trou nesta igreja, mas he acora nue llica chcaa a "
pnndeu o duque. vez de se apprroximarem do aliar
Nao accompanhar V. Alteza ao meiios todo este Vamo-nos embora, disse baixinho Mdena aadu-
povo que corre para o porto / que de Guise, j be lempo de nos ocenparmos do <)"'
Se cu llie mostrasse a alegra que unto, respondeu se deve fazer de Guunaro-Amese porque V Alteza na
Guise, seria provar-lhe que uao coulava mais com as deve esqueccr-se da promesas qu nos fez
promessasde Mazarino. Fiqueinns socegadas, Ccrisan- | Nao, respondeu Guise com voz breve e acomp'
te. Agora j uao me devo admirar de nada, e be da boa ; nbaudo com os odios cheios de anciedade uina loogn
poltica accolhcr os relances felizes como outros tantos la de carpideiras que, detenroiaodu-se lenta cproces-
rcsultados deque cu estava certo. sionalmenle cm torno da igreja, tinham ido depositar
Kmquanioo duque se cnirelinha assim com um dos varios alliades ao-p dos deeros onde comecava o c-
seus omclaet, a igreja ae tornara quasi que de todo va- 'rese levantava o altar-mr )
sia. O duque approxlinou se cutao de Filomarini, e dia- | Guise licra em p 110 ihroiio e sb o doce!: um P<:
se-"le.:, l |dr sobrenatural o tinba eomd cravado a essa estancia
NOS vamos retirar-nos, nao be assim, senlior car- emquanto Filomarini, no meio da Igreja, recebia lods
deal, eu com os scotimentos derespeito e affeicao que eases fretros em uome do Dos de misericordia. Do la-
)
J


Aluge-se a casa di rua da Soledade, n. 42, que) Compra-se o primeiro tomo de la Dmocratie
rti um grande auintal, ecom bastante plantaclo:
tratar na ra do Queimndo, n. 20.
y.-.nool Jos Barboza Braga avisa a todos os
seus credores que, no prazo de 8 das contados da
da data deste, lhe presentem todas assuascontas
para screm ii.mediatamento pagas ; na cortesa de* Roa-Vista, loja n 41.
mi>, dnnois doste prazo, nSo amuiir qualqucr re-
clanwv'o quo se lhe faga por julgar nada dever.
Recife, 13 de marco de 1848.
Precisa-se alugar um sobrado de um andar,
ou casa terrea, que tetina quintal e cacimba, no
bairro de Santo-Antonio, naa seguintes ras : de S.
Francisco, Cruzcs, do Rozario dos Quarteis, Nova
o das Flores, nflo excedoiido o aluguel a 10,000 rs.:
quem tiver dirija-se a praja da Independencia,
loja n. 3.
Vao comecar no collegio de Santo-Antonio os
cursos do philosophia o geomotria ; e o respectivo
prorussor, oSr. Antonio Pedro deFigueiredo, com-
prometle-se a esforear-se, para que os seus alum-
nos aproveitom-no o mais possivel : os que quize-
rem cstudar estas disciplinas, apressem-se, quanto
antes, para niio parderem as primeiras lieOos.
Alugam-se os dous primeiros andares dos so-
brados ns. S e 31, da ra da Praia, por prego com-
modo : a tratar na' Iravessa do Arsenal-de-guerra,
n. 5.
-Aluga-se o grande armazem do Forle-do-Mattos,
largo da Assombla, n. 7 : a tratar na ra do Viga-
rio, ns. 5 e 7, primeiro andar.
O abaxo assignado Taz sciente ao publico, que
tinha oni poder do scu procurador, o solicitador
Juio Gomes Martins, duas lellras assignadas por Jofio
FreJorico de Abreu Rogo, sacadas pelo annuncian-
te, sendo escripias' polo mcsmo Martins a quem
Wram entregue* para tratar de sua cobranca as-
sim como uus ponhores do ouro o dous relogios
lambem de ouro': e procurando-os o annunciante,
antea que o dito Martins fallecesse, levo em respos-
la (| lib os tinha em casa c que ciislia em sua casa
urna carta quo por olla so saberia ondo ellos se
achavam : e agora, procurando o annunciante as let-
tras e os pentiores n.lo apparecem o a mulhcr do
mesmo respondo que tifio sabe de taes cousas. Por-
tante, ninguem faja nogcio a respeito das duas
Icttras, o o annunciante gratificar a quem lhe der
ei Ameriqne, om francez; o o terceiro tomo da C.eo-
grapbia de Urcullu ; assiin como a Historia Romana,
em inglez : na ra do Queimado, loja n. 7.
Compra-so um diccionario do Constancio, em
porluguez, estando em bom ostado ; no Atorro-da-
Compraiii-se, para urna eucommenda, dous mo-
loques u duas pretas mogas : no pateo da matriz de
Santo-Antonio, sobrado n. 4.
Compra-se urna cadeira para menina de esco-
la mesmo com uso na praca da Independencia ,
n. 19.
Compra-se urna preta de 40 annos, boa cozi-
abeira sem vicios nem achaques: na ra da Seu-
zella-Velha n. 110 das 9 horas as 3 da tarde.
(lompram-se, efectivamente, todas
as qualidades de garrafas e botijas yasias :
no Alerro-da-Boa-Vista, fabrica de li-
cores n. 17.
Compra-se urna espada de ferro, estando em
bom estado : na praca da Independencia n. 17.
Compra-se urna espingarda de dous canos em
bom uso: quero tiverannuncie.
Compra-se um sellim inglez com seus perten-
cos ou feilo no paiz que esteja em bom estado
na ra do Rozario, botica n. 36.
Vendas.
V 9^400 rs.
Vcndem-se ricas trancas
de seda pira enfeiles de vesti-
dos, ebegadas ltimamente de Paris, de todas as co-
res e larguras; ricos bicos de blonde braucos do
cinco poilegadasde largura, sondo para vestidos de
noivados; ditos pretos ; sedas mui lindas, para ves-
tidos; ricas grinaldas de flor de laranja ; ricos ca-
chos do flores, para enfeitar vestidos do noivas; cre-
p de todas as cores; lanterna limito ricas; sarja
preta hespanhla; superiores vos pretos, para a
Quaresma; ludo isto por preco muito commodo :
noticia onde so acham ditos peuhoros, o no caso dt 18 rua NoV8 8' l0Ja 0 ^marai.
estareni ompeoliados por alguma quantia o annun-
ciante se responsabilisa a pagar, paro os receber.
Jote da Silva Moreira.
Precisa-se do urna ama de leite quo seja dcs-
impedida o capaz para lomar conta de una cria-
eflo nteira, equelenha bom e bastante leite: na
ruadas Cruzes, n. 22, 2. andar.
Aluga-sc o primeiro andar do sobrado airas da
matriz da Boa-Vista, n. 26 : a tratar na loja do
mcsmo sobrado.
ATTENCAO'.
D3o-so 20,000 rs.de gratificado a quem pegar o
crioulo Silvano, ofllcial de podreiro, o qual anda
fgido desde outubro do auno prximo passado ;
trsbalhou as casas quo est construindo o Sr. Pon-
tos na l'assagem-da-Magdalena, a titulo de forro ,
ecomo fosso perseguido celo polica, oceultou-se
pela malla da Torre> ondo esl trabalhando pelo
odlcio nos diflerentcs edificios que se estilo cons-
truindo no mesmo lugar da Torre, margem do
l'.apibaribo. Ello he bom conbecido o temos sig-
naes seguintes : estatura regular, bstanlo secco do
rorpo, bom prelo, olbos muito vivos, pouca bar-
ba o com alguns cabellos j brancos suissas finas e
compridas, muito falto de denles, s lem um den-
te canino in frente, na bandibula superior peitos
cabelludos ej tambem com alguns cabellos braji-
cos, muito cachlo ; tanto trabalha com a dircita
como com a esquerda, com a qual toca bem viola ;
pernasfinns, coro urna cicatriz avermelbada na ca-
nda e outra no peito do p da oulra prrna. Quem o
pegar leve-o ao sitio das Hoseiras, dcfronle da ca-
pclla do Rozarinho do major Joaquim Elias de
Moura; seu senhor, quo receher n gratilicacno
cima offerecida.
'FHILOrDRAMATICA
O primeiro secretario avisa aos Srs. socios, que
os bilheles para a recita do dia 24 do corrente prin-
cipian! a ser distribuidos boje, em casa do thc-
soureiro. Outro sim, que a commissflo administra-
tiva se achara reunida pelas 7 horas da noite dos
ilias22o23, para a approvacflo do convidados, para
o que deverflo os Srs. socios remetter as suas pro-
postas com os competentes bilheles, dentro daquelle
prazo, por isso quo depois delle nenhuma proposla
mais ser aceita, e nem bilhete algum substituido.
Compras.
Compram-se, effectivamento botijas e garra-
fas vastas : na rua de S.-Rita, reslilaco n. 85 e na
venda atrs da matriz da Boa-Vista 2, que flca
na esquina da praca.
do npposto c o? nutro conspiradores, que esper.ivam o que se de-
cidirla a scu rejpelto ; e, te o duque de Guise livesse po-
dido tirar os olhos de cima desses esquifes cobertos com
longos sudarlos brancos, terla observado no nielo do
pequeo grupo de homens que ficarain na igreja o 11-
miue sustentado pelo t'.ucurullo, c Carniole-Scoppa que
se encostara a Francesco.
Vamos, senhor duque, vamos, disseram a Guise os
ofuciaes que o ccrcavBm e que tlnham notado a palli-
(lc/. mortal que se lhe derramara nas felees.
Nao, repello Guise com a mesma vo/. breve,-nao.
Kntretanto, Filomarini iinha comecado o omcio dos
l'nmdos, e os proprios oinciaes so admiravam de ver um
prelado como elle prestar a sua assistencia a tao humil-
des funeraes. Chegou bem depressa o iiioinenlo cm (|ue
o ca deal tomando j ogoa-bcnla que lhe apresentava
un sacerdote, camiiihou para o atliaude que eslava
mais prximo a si : a um acno do prelado, as carpidei-
rss levantaran! o veo que cobria o primeiro cadver, e
Guise, eslremcccndo sbito, alcou um grilo dc ,crror
ao reconhecer a Qlympia.
Murta! ciclamou elle com a voz loda alterada c
npproximando-se de Filomarini.
He verdade, lhe respondeu o cardeal em voz bal-
xa, morta por te ter amado; mora por ter trahldo por
amor de ti aqucllc que tlnlia sido stu bemfellor ; mor-
ta por ter sabido que tu a trahias por amor de sua lilha
Casta 1
O rpido movlinento que tlhha impellido Guise a se-
.uir o cardeal at ao p desaa slnistra ftleira de esqu-
es, pareca ter determinado um mbvimenlu aeinelhan-
tc entre todas as pessoas que haviam ticado na Igreja
de Nossa-Senbora-do-Carmo. O grupo dos pritioueirns
tinha caminhado por um lado em(|uanlo os orAciaes se
approiimavam por outro ; daqul resultou que o duque
se Guise e Nloinarini se acbaram juntos dos athades,
Vondem-se cortes de cassas do cores, pannos fi-
nos do tintas fixas, pelo barato preco do seto pata-
cas e meia ao corto, sendo de seto varas ; assiin co-
mo um bom sortimentodo fazondas, que so vendem
atacado o a rctalho pelos mais commodos precos ;
cortes do fustiio, a 640, 800 o 1,120 rs., do boa
qualidado; chitas boas, a 140, 150, 160, 180 e 200
rs. ao covado ; ditas superiores, a 2:20 e 240 rs. ao
covado ; ditas cm peca, a 5,200, 5,500, 6,000, 6,400
e 7,000 ris; madapoles boas, a 3,000, 3,200,
3,600, 3,800 e 4,000 rs. ; ditos superiores, do 4,500 a
5,500 rs. a peca ; e outras umitas fazendas quo seriio
patentes aos freguozos < na rua da Cadoia, loja n.
50, do Cunha & Amorim.
Vende-se cora de carnauba de superior qua-
lidade, porpresjo commodo : na rua da Madrc-Dcos,
n. 9.
Vcndo-se urna cscrava crioula quo reprsenla
ter 25 atinas, propria para quitandeira, ou paran
servico de campo no que est acostumada o que
tem principios de engommar : em Fra-de-Portas,
rua Principal, n. 108.
Cal vrgem.
Cunha & Amorim vendem ancoras com 4 arrobas de
cal virgom viuda no ultimo navio do Lisboa as-
sevorando ser de superior qualidade, porj so terJ
experimentado : na ruada Cadeia do Recife, 11. 50.
in Ka fabrica de chapeos da rua do Queimado,
n. 22, contina-so a vender chapeos de cas-
-*^*Wior branco, lauto com pello como sem elle,
de 2,500 at 5.O0O rs. ; bem como pretos de todas as
qualidades c baratos.
Fa reos
em barricas, chegados ltimamente: no armazem
de J. J. Tasso Jnior na ruado Amorim, n. 35.
Advertencia.
Chegou no vapor San-Sebattiao' urna remessa do
superior e estimadissimo rap grosso e mcio-gros-
so da fabrica do Gasso do Rio-de-Janeiro: vnde-
se em porco no deposito da rua da Cruz, n. 38, e
a retalha nos lugares do costume.
Vendem-se, por conta o risco do seu dono,
afiancando-se ser ouro de loi, as obras novas se-
guintes : 1 cordtlo com 24 oitavas um trancelim
com 22 oilavas o moia, urna corrente lindissima com
35 oitavas o meia um cordfo com 5 oitavas, um
anncllo com 3 oitavas um par do brincos do fila-
grana com duas oitavas um laco com brincos de
podras com 5 oitavas dous encastores de coraes ,
um passador do tranceln! com dous ricos bullan-
les, urna bandeja 1I0 prata moderna com 177 oita-
vas: na rua larga do Rozario, ao p dos quarteis,
ns. 6 e 8.
Vonde-se r.ma bonita nserava da 20 annos, quo
cozinha.cose, engomtna elava desaba o varrella :
na rua do Sol, n. 13.
Hilho.
Vende-se milho, a 2,000 rs. a sacca : no caes da
Alfandega, armazem de Antonio Annes.
Vovos riscados
nionstros.
Na loja confronte ao arco Me S.-Antonio, 11. 5,
chogou 11 m novo sorti ment do riscados monstros,
decores fixas e lindos padres com urna vara do
largura pelo barato preco de 320 rs. cada um co-
vado.
Na rua do Trapiche, n. 17, con-
tina a liaver deposito da verdadeira cal
vrgem de Lisboa, chegada prximamen-
te ; 8ilvcrtindo-.se aos compradores des-
(e genero que o deposito he j muito pe-
queno,' e que da nova nao ha mais em
parle alguma.
Vende-se um alambiquo de cobre de carga de
3ocanadas.com serpentina de estanto : ludo em
bom estado por prcc,o commodo : na rua do S.-Ri-
ta, n. 85.
-- Ainda ha a sublime banba franceza para con-
servar o cabello, pela sua frescura o bom aroma,
cm putos do duas libras, pelo diminuto preco de
1,600 rs.: vcndo-se na rua larga do Rozario, n. 24.
f^i
MENEZES.
' Praca da Independencia, n. 17,

>rtt\
LOJA DK SIltCUEIRO.
M Vendem-se uniformes para lodas
(gy\ as patentes tanto para guarda
nacional como para primeira Ii-
nha, e chapeos envernizados e de
seda para pagem, gal-So de ouro
e prata, espadas prateadas de ro- (^
ca e sem ella, e outros mais ob-
i jectos pcrlencenUs a mesma ar-
^ te: Indo por preco maiscommo-
9' do possivel.
I
cercados por duas alas de homens que laneavam olhos
curiosas e ameacadores sobre esse triste c inslito es-
pectculo.
Olympia murta I dlia Guise com voz profunda,
emquanto Filomarini passava ao segundo atliaude c fa-
zla levantar-lhe o sudarlo.
Ronda! exclamou Guise recuando de espanto;
tambem inorta? !
He verdade, repeli Filoinaiiui com voz sombra e
medonha, inorta por sen marido, a quem tu vais man-
dar ao cadafalso ; morta por ter trahido os sens devo-
res de esposa por amor de ti, que a traillas por amor de
outra :
Guise, fra de si, duvidando da sua propria raso, e
adivinhando a desgraca que o esperava naquillo que el-
le acabava de saber, se inclinou aterrado para os outros
athades, e. apoiitando para clles com o dedo, excla-
mou com a voz visivclmente sull'ocada :
F. aquelles, aquelles ? I
Levantarain-se os sudarios, e Guise, fcrldo por um
novo raio, vacilou e calilo de joelhos, pronuncindoos
nomes de Anitae Casta'
Oh! Anita! Casta! tambem mortal! dlssc elle
com a voz quasi extincta.
He verdade, inortas, lhe respondeu o cardeal;
moras ambas no Incendio que tu aleaste com tuas pro-
pria* iiios na Cellarla ; inortas ambas por te terem a-
mado, e por terem n aludo o seu dever de donzcllas por
amor de ti, que as trahias por ainof de outra I
_ Sim, dsse de repente urna voz amarga, mortas
em que eu as podesse arrancar'ao incendio, donde nao
nude salvar senao este rapas.
A essa voz. Guise se levanlou, pallido, attonito e fu-
J"bh' s tu, exclamou elle, iniseravel Scoppa I tu
que qulzeste assassiiiar-me ?! tu ao menos pagaras ca-
ro a Ul traicao.
Vendo-se, 011 arrenda-so um grande sitio na rua
Imperial, com duas moradas do casas, una para
granito familia, na frente da rua e oulra mais pe-
quena dentro do mcsmo sitio com bons parreiracs
o muilas fruteiras de boas qualidades lodas novas
e j dando fruto com um grande viveiro no lundo :
na rua Ilireita, 11. 135, loja de cera onde se far
qualqucr dos negocios, por seu dono ter de retirar-
so por molestia.
Vcndcm-se duas casinhas do pedra o cal, e ali-
corees fcitos para mais tres ou quatro, contendo
dentro do terreno duas cacimbas e alguns ps de co-
liieii'ns, a dinlioiro ou a prazo com firmas a conten-
to, assim como tambem se pormutam por umavenda
tiesta cidade, em bom lugar, sendo as casinhas nos
Alegados: no becco da Lingola, n. 3, casa de Manoel
Joaquim da Silva.
-- Vcnde-sc a venda dcfronle da matriz da lloa-
Vlsta 11. 88. As pessoas que tcem ostado cm nego-
cio com ella, dirijam-sea mesma, quo so far qual-
quer trato que melhor Ibes coiivonha; bem co-
mo outra qualqucr pessoa quo a queira comprar.
Ao desengao do bom e
barato.
Vende-se superior sarja preta hespanhla, pelo
barato preco de 2,000 rs. o covado : a sua qualida-
de he to oxcellente quo mo precisa de elogio al-
gum : na rua do Collegio, na nova loja da estrella,
11.1.
Na nova loja da rua da Cadeia
do Re 110 Salvador Fereira Braa,
vendem-so pecas do chitas escuras, a 4,200, 4,700 o
5,200 rs., e o covado, a 120,130 o 140 rs.; cortes de
fustiio fino do cOres, a 320 rs.; casimira franceza,
preta, a 2,240 rs. o covado; panno fino para casaca,
azul, cor do azeitona o vordo-escuro a 2,600 rs. ;
Manda-me conduzir ao algoz, respondeu Scoppa,
porque nao posso ir por mim mesmo ; o Incendio quei-
mou-mc estes olhos : a nao ser isso, podes Mear errto.
Guise, que a bala do uicu mosquete te ira alravessar
mesmo sobre o throno cm que acabas de sentar-tc ;
porque, se eu procure! a tua mor le, he porque tu fuste
ingrato e iusolcnte para com todas as pessoas que te
serviram.
K dizendo estas palavras fez um moviinento d'arre-
messo para retirar-sc.
F.spcra por mim, Scoppa, lhe disse o Pionnc ; o
que o duque devia f.ucr era mandar-mc ao paUbulo co-
mo te manda a ti, porque juro ao co sobre estes atha-
des que qulllo que eu nao liz, fa-lo-bei agora se elle
me deixar viver.
Guise eslava totalmente aniquilado. Um silencio de
norte rclnava ora nessa igreja, tilo bullante c tao ale
;re alguns momentos antes. Guise fez um violento cs-
orco sobre si mcsmo.
Basta de morios, disse elle einlim com a voz entre-
cortada de solucos : levcni todos estes homens, c que
dentro de una hora deixcm ellos todos a cidade.
Como quizeres I disse Camiolc ; lic.i lu, aqui com
este* esquifes e mais coin a maldicao de todos os ho-
men que u ni rain a sua fortuna tua,"c cuja ruina tu
causaste. .
E tein rasao, disse baixinho Modena a Censante ;
porque aqui uestes fretros se acham caucellados os
nossos principados de Fondi e de Ucncvento, e o teu du-
cado da Cailabria tambem, Rochefort.
O' meu Dos I munnurou Guise levantando os olhos
para o co, que me queris vos anuunciar por este tao
singular e cruel encontr ?!
F. quando o duque eslava pronunciando estas pala-
vras, entrn precipitado um gcniil-lioincm na igreja, e
correu para esse grupo numeroso no inelo do qual o
duque de Guise permaneca anda mniovel.
zuarte d vara de largura, muito encorpado a \\69
rs o covado ; cassasde llores entrefinas, a 320 rs. 1
vara ; ditas de listras e quadros a 320 rs.; leaos
grandes de setim macAo, ino3, para grvala, a 2,000
rs.; ditos do ires poutas, a 1,000 re.; r-lnlas largas
franeezas, a 300 rs. o covado ; ditas de quadros o
listras, a 320 rs. ; luvas de soda para senhora e me-
ninas do diversas qualidades, a 500, 600, 700 o 800
rs.; sarja larga, a2,000rs.; alpaca de cordao
800 rs.
ROM E BARATO.
Loncos brancos de cassa, a S10O rs. ,; ditos de seda
pretos para grvate, a 1,280 rs. ; setim preto para
collele, a 2,400 e 5,000 rs. o covado; sarja tle seda
preta hespanhla, a 2,400 rs. ; panno preto do supe-
rior qualidade, prova d limo, de 4,000 a 10,000 rs.
o covado; alm destas, um completo sortitnento do
fazendas por barato preco: na loja dos quatro can-
tos da rua do Queimado, n. 20, do Francisco Jos
Teiseira Bastos.
V ende-se a venda da rua da Cruz, n. 66, a di-
nheiro, ou prazo, a vontade do comprador : a tra-
tar na rua da Senzalla-Nova, n. 4. <
Vende-se um moleque crioulo do 10 annos, de
bonita figura, sem vicios tiem achaques: na rua
Oireila, n. 53.
Vendem-se cebolaB do Rio-Grande-
do-Sul, muito grandes, entre asquses ha
muitas brancas ; em porc5cs e a retalbo,
por preco commodo : na rua da Praia,
armazem n. 37.
Vende-se ou troca-se por casa terrea, 011 escla-
vos o silio do Arraial, com urna grande casa do pe-
dra e cal, o esta nova, grande terreno bein plantado
do fiuteiras: vendo-se muito om conta, por liaver
piecisSo : no pateo da Santa-Cruz, 11. 14.
Vendem-se 3 oscravos, sondo um molecote de
20 annos, proprio para todo o servico ; urna crioula
de 20 annos, do bonita figura, que ongomma cose
chao,cozinha elava desabao, o urna iiegrinlia da
Costa.de 16 annos, de bonita figura, que cozinha,
lava e vende na rua : na rua das Cruzcs, 11. 22, 2"
andar.
Vendem-so ps de coqueiros em bom ostado de
plantar, a 200 rs. cada um : na rua do Queimado,
n. 57.
PARTK.1PA-SE
aos fregu: es do bom e barato, que te vendem
cortos do cambraias abortas, a 4,500 rs; dilosde cassa
de cores, a 3,600 rs.; diCosde La e soda, a 7,000 rs.;
i'eQas de brotatiha de Franca, a 3,500 rs.; dilas do
madapoiaoenfestado, a ,500 rs.; ctalos do seda do
14 quartas, a 10,000 rs.; ditos de lila e seda, a 5,000
rs.; meiasdoseda preta para senhora, 1,800rs.;lu-
vas do dita pretas para senhora, n 600 rs.; superior
sarja hespanhla, a 2,500 rs.; lencos bordados para
senhora, a 320 rs,; manas de seda,a 8,500 rs. casi-
mira prota elstica, o covado a 3,000 rs.; los protos,
a 2,400 rs.; fazenda do caiga, o covado a 240 rs.;
setim preto; merino; esguiOo lino; brins do linho, e
outras muilas fazendas, muito baratas e somdefei-
to, franquoatulo-se amostras aos compradores : na
rua do Queimado, n. 46, loja de Magalh8es& Ir-
mao.
Vende-se genebra de Hollanda:
no armazem da rua do Trapiche, n. 34
Vende-se saceas com arroz do casca a 3,200
rs.; dilas com milito a 2,500 r. : na rua da Cadeia
do S.-Antonio, ti. 21.
t Vendem-se sete escravos, sendo : um bonito
mulato de 20 annos; um negro de 28 annos; djias
mulatas mocas; una negra de 20 annos, com ele-
ganto figura ; assim como duas boas quitandeiras :
todos sem vicios nem achaques : no pateo da Santa-
Cruz, n. 14, se dir quem vendo.
[Sj
Rg Vendem-sc, para a guarda no-
*|j cional, fardas de panno fino, a 6s'
rs, ; assim como talins proprios
para inspectores de quarteirSo, a
9,500 rs.: na praca da Indepen-
dencia, n 19
^rvy-
... Vendem-se ancorlas de
diversos tamaitos, com vinho da
Madeira, tinto e branco, de supe-
rior qualidade: no escriptorio de
Oliveira Irmos & C.y na rua da
Cruz, n. 9.
>-SeiirsJ! si-ja .oat, kiit >; .'K-aa3i.aiii4i*fl|
Tilly ?! exclamaran) ao mcsmo tempo todos os fi-
dalgos do duque de Guise.
Muito obrigado, lhe disse Guise, muito obrlgado,
meu Tilly, vena anniinciar-mc a chegada da frota, nao
he assim ?
Julgava, respondeu Tilly, que V. Alteza ja a sabia ;
mas vcnlio dai-lhc urna nolieia muito mais feliz
Que noticia feliz me pode chegar agora ? pergun-
lou Guise, _,
Mademoisella de Pons esta ah, respondeu nily
alegremente.
Ella I exelainou Guise com urna vos que retumbou
por toda a abobada
Nesse mesmo momento as carpideiras lornaram a lau-
car os brancos sudarios por cima do roslo da tinadas, e
relogio da Igreja deu a hora cm que se termlnava lao
inslito acontecimenlo.
Klla est ahi ? repeli Guise levaulando-sc altivo,
sem se dignar ao menos laucar os olhos por obre esses
esquifes pousados a seus ps. Dos, ao cnviar-ro'a me
anuiincia a felicidade, a victoria e o trliiuipho.
E iiiimedialamente fez um signal aos seus fidalgos, e
se dirigi rpido para o lado da porta da igreja 1 ahi cn-
controu elle o Cucurullo, para o p de quem se chegou,
pcrgunlando-lbc arrogante e soberbo :
Que horas deram agora, scuhor Cucurullo ?
Meio-dia, scuhor duque, respondeu o astrlogo,
inclo-dia, hora em que o sol chega ao seu apogeo ;
hora ein que elle comeca a declinar para se sumir cm
breve por entre as trevas dessa noite dentro.
FIM.
*


Lff.VH
Vcnde-se urna marquezade po-d'oeo, anda
nno servida, por prego commodo : na ra da Ca-
dea-Velha, n. 13, primeiro andar.
--Vende-se a rhetorica deQuintiliano, redigida
pelo reve.-ondo Jos Marinho Falc3o Padilha : na ra
de S.-Franoisco, oulr.'ora Mundo-Novo n. 66.
Vende-se a obra Moral do hispo Monto e bre-
viarios romanos : ludo ricamenlo encaderna.lo : na
ra de S.-Frnnciseo, outr'ora Mundo-Novo, n. 66.
- Vendem-se 2 escravos sendo um lindo.prcto de
nac;1o Angola, de 20 annos, o urna ptima pretil,'
tambcjn e n agito Angola de 28 anuos, boa lavaddi-
ra oquilandeira-ambos de boa conducta : na ra
estreila do Rozaaio, o. 31, priraeiro andar.
Marciana.
Vendem-se superiores cortes da fazenda denomi-
nadaMarciana, ussentada om Chitas, os padres
os maishonitosede. melhor gosto que tem appa-
rccido, pelo diminuto prego de 4,500 rs. com 14
covados: na ra do Collegio, loja n. 1.
Vendem-se ancoretas com cal virgem a mais
nova que existe no mercado, por prego mais com-
modo doqueom outra qualquer parle; urna por-
fo de pesos de duas arrobas de ferro o algumns sor-
ras grandes para serraren! madeirus : na ra da
Moeda, arniazem n. 17.
Vende-se lenha docajueiro, para olaria posta
no Campo-Grande na camboa da Tacaruna : iu na
du llanpel, venda n. 9.
--Vcnde-se urna armago de loja de sapatos: na
praga da Boa-Vista n 3.
-- Vende-se una preta de nagito que representa
16 annos milito sadia, sem vicios neni achaques, o
que se aiianguaoconiprailor, e quo tom habilida-
des proprias para casa do familia: lainbem serve
para ama de leite, porter hn poucosdias acabado de
criar: o motivo por que se vende, nada inilue para
com outras pessoas que a queirain comprar : na ra
de.S.-lita, n. 85.
Vendem-se poslillas de direito publico para o
pruneiro anuo, e analyse do conslituiglto para o
segundo anno : na ra da Madro-do-Deos n. 36.
Cabellos pre tos.
Contina-se a vender a a?oa de tingir cabellos e
suissas : na ra do Queimado, n. 31. O motliodo de
applicar a dita agoa, acompanha os vidros. .
Pannos para lences.
Tendc-so superior hretanha do Irlanda, do puro
linho.com duas varas e meia de largura fazenda
de umita ulilidadepara Icuccs a 3,000 rs. avara ;
zuarte azul de vara de largura a 240 rs. o corado ;
cambraias lisas, a640,800e 1,000 rs. a vara ; lon-
gos de seda, dos mais modernos e muito finos, do
melhor gosto, a 8,500 rs.; rolos do bretanha a
1,800 e 2,000 rs.; dita de hubo muito lina a 720
O80O rs. ; cassa para babados, a 2,600 e 2,800 rs. a
pega ; chales de la, grandes e do muito bom gosto ,
a 2,000 o 2,500 rs.; riscados trangados, de muito
boa qualidado para escravos, por seren escurse
de muila duragilo a 200 e 220 rs. o covado; e ou-
tras muitas fazendas por prego muito commodo : na
nua doCollegio, loja nova da estrella, n.t.
Chitas pretas assetinadas-
Vondom-se as ja bem acreditadas o superiores
chitas pretas assetinadas, do ultimo gosto a 240
rs. o covado : na ra do Collegio, loja nova n. 1.
H'se:-6:g:s:e:e!e:G5e:g:g:@ffl
Calcado.
Vondcm-so sapates do bezerro, para homcm, a
1,000, 1,280, 2,000 e 3,000 rs.; ditos inglczes o de
Naiiles, a 4,000 rs. ; ditos lacheados, a 4,500 rs.;
borzeguins de brim a 3,000 rs.; dilos de duraque ,
a 7,000rs; sapates de lustro, a 5,000 o 6,000 rs. ;
dilos de entrada baixa o salto alto, a 5,500 rs. ;
ditos do una sola, a 2,500 o 3,200 rs. ; sapatos de
bezerro para meninos, de lodos os laman los; ditos
de lustro chiquitos do lustro e marroquim ; bor-
zeguins para senhora a 2,560 rs. ; ditos relos e do
cores, a 4,000 rs. ;sapalosde couro do lustro, para
senhora ; ditos do duraque ; ditos do Lisboa ; ditos
de cjirduvuo ; ditos de panno; ditos do tapete, para
lioiriem ; dogde marroquim : e outras muitas qua-
lidades de calgados por prego rasoavel : na praga
da Independencia, ns. 13 e 15, loja do Arantes.
Pannos finos.
Vendem-se superiores pannos finos prova do li-
mito, pretoe azul, a 3,000 rs. o cdvado; dito fino
azul epreto e 4,500 rs.; dito prcto desuporior qua-
lidade e j bem condecido pela sua baraloza,a 5,000,
5,500, 6,500 o 7,000 rs.; casimira preta limiste da
melhor qualidade, largusa de panno, muito fina a
11,000 e 12,000 rs. o corte do calca : na ra do Col-
legio, loja nova da estrella, n. 1.
Vendem-se corles de vestidos de seda
preta lavraJa ; verdadeira sarja de se-
da despatillla; los de lindo preto, bor- ^
dados de seda ; cortes do colletes do
y3c velludo lavrado, pretos o brancos do
; ricos gustos; superiorsetiin pelo do
&'fK Macu para vestido; chamalolo do
Jvv.'aC lislras o ondeado ; merino preto muito
?^* fino a 3,500 rs. o covado ; chapos do
j massa francezes os mais modernos ;
. superiores chulos e mantas de seda;
^ moias ile seda de peso, brancas o pre-
v-j^ tas ; longos de seda para grvala do
Jc'5| bom gosto; riscados francezes, pa-
>*?*?\ drOes novos o muilo finos para vesti-
\fci"4 dos; pannos de cores e prelos, de lodas
*&fcj as qualiilades ; c outras muitas fazcu-
35 ('8S *'" Ros^ n"r ""nos l'i'ego do que
em nutra qualquer parte : na ra do
||Ss Queimado, loja do Jos Moreira Lo-
tfyf pes sa amarella, n 29.
Vendem-se 8 lindos moloques de 12 a 18 annos;
4 pretos ile 24 a 30 annos sendo um bom canoeiro,
oulro ptimo ollieiil de sapateiro e os outr os para
lodo o servigo ; 4 pardos de 16 a 24 annos, sendo 2
bous canoeiros ,c os outros ptimos para pageos
un iiiulnlinlio de 10 annos e una inulaliulia de 13.
una negrinha do 10 anuos, com principios do babi-
dadei; 5 piolas do 20 a 30 anuos entro as quacs
algumas com habilidades ; una preta de idade, por
200,000 rs. : na ra do Collegio, n. 3, segundo an-
dar, se dir 1,110111 vendo.
Vcnde-se una grande lechadunwinglcza, de sc-
gredo para porta de armazcm loja ou sitio a
qual he muito segura e bem l'eitu : na ruado Quei-
mado, loja do Ierra ge ns 11. 35.
Na ra da Cndcia-Vcfha, u.
29, loja deJ. O. Elster,
vende-so vinbo do Torio, de diversas quolidades ;
dito da Madcira; dito de Malaga; dito do Sherry ;
dito de, Carcavullos; dito de Lisboa ; dito de Graves;
dito Saulcruo; dito San-Julicu ; dito de Uordoaux ;
ditu Chiileau-la-ltose ; dito de Sun-Georgo; ago'ar-
dentede Frangs, de diversas quulidades ; wbiskey;
clierry-uordial ; marrasedino ; licores linos ; punsch
da Suceia ; xaropc de framboises ; oplimu chaupa-
iiha em garrafas o meias ditas; velas do composi-
go ; cha pretoe verde do superior qualidado ; pre-
suntos e salames de llamburgo; sardinhescn latas
o vidros ; petits-poie em dilas; salmn em dilas;
nioslarda inglezae IVanceza ; frutas em vidros com
calda de assucar o espirito ; agoa de flor do laranja;
charutos de Ilavana e da Baha : ludo chegado re-
cen tomen lee de superior qualidade.
n
n
8
U
K
ti
I

3
&Mm:mi* *s;g;@i@ :gis;s.!g.!g:saSS
Vcnde-se o engenho Timb, a 4 legoas distan-
A 5.?500 rs. o covado. K
Vcnde-se merino prelo nuilo fino quo so '
tom vendido a 5 o 6,000 rs. o luye voudo-se se
a 3,500rs o covado; pannos linos pelos o M
de cores, de 4 at 10,000 rs. cada covado; cor- (O
tes do colletes de velludo bordados pelos
e do cores ; e outras muitas fazendas de gos- sS
lo : nu loja de Jos Moreira Lopes & Compa- 51
tibia, na ra do Queimado, qualro-cantos (S
casa amarella, 11. 29. X
boa
te desla praga, coi rento o inoente com agoa do
e regular producgiio, com a safra do 2,500 pues pou-
Co mais 011 menos, ou sem ella : osle engenho he do
considoravel importancia, nQo s no prsenle como
no futuro, por canter mais de quatro legoas do ter-
reno coberlo de matta virgem, e com capacidade
de levantar engeridos d'agoa e do beslas : a tratar
no niesmo engenho, ou no sobrado ao lado da ca-
deia 11. 23.
Vendem-soduas pretas mogas som vicios ncm
achaque algum : na ra do Gollegio n. 15, segun-
do andar : prefere-se para fra da provincia.
Vendem-se quartintias, tanto om porgo como
a rotalho, por prego commodo : bom como alguida-
res grandes, le gomos evidrados a 2,560 rs., pro-
prios para lavar meninos: na ra Augusta, venda
n. 1, se dir quom vende.
--Vende-so urna escrava anda moga, do bonita
figura que cozinha sofTYivelmente, e faz doces do
varias qualidados; sem vicios iiem achaques- na
ra do Quo.imado n. 10.
Vende-so, por prego commodo, ou pormula-so
por urna casa terrea um terco do um sobrado deum
andar.no bairro de S.-Antonio : quom o pretender
aiiuunclo.
Vende-se urna carteira do amarello de duas
faces com algum uso e cm segunda mlo : na ra
da Gadeia de S.-Antonio, n. 18.
Vende-se um preto de nago, de 27 a 28 mi-
nos, canoeiro, bem reforgado do corpo muito sa-
dio, oque he proprio para engenho, para onde so
prefere a venda : o motivo por que se vende lio
porquo nao quer mais andar em canoa : tambem se
troca por oulro que seja bom canoeiro e mogo; na
ra da l'raia-do-S.-llita, ns. 25 e 37.
Na ra de Agoas-Verdes,
11 46
vondem-sc duas cscravas de nacto por necessida-
de, de 20 a 22 anuos
molcque de 12 anuos ;
rilo ver ao comprador.
*
nagilo
por 680,000 rs. ; um bonito
e outros escravos que so fa-
IIala tas novas.
Vendem-se btalas novas, chegadas agora, por
prego commodo : no armazem doSr. Francisco Oas
Ferrara defronto do guindaste da alfandega e na
Iravossa da Madrc-de-l)eos, n. 9.
Vende-se, cm casa dcAdamson llowie & Com-
panhia na ra do Trapiche, n. 42, ancoras do 3 al
9 quintaos ; bem como um restante do vinhos do
Bordeaux o Champanha por prego muito em con-
ta para liquidago de fallirs.
Vende-so o engenho Perajuhy, silo na freguo-
zia do Iguarass : a tratar no dito engenho com o
seu proprietario.
Vende-se, o lambem so aluga um prelo da Cos-
ta anda mogo : defronte do oitfld do llieatro novo
ii.11.
Vendem-so ponnas do orna saceos vasios em
porgo couros de cabra sola sapatos e bolins :
na ra da Cruz, 11. 26.
Vcnde-se um pardo de 30 annos, perito ofllcial
de sapateiro ; una preta do nagilo da Costa de 22
anuos, por400,000 rs.; urna parda de 25 annos,
que cozinha e vende na ra ; um prelo ptimo co-
Zinlleiro, eque he proprio para um bomem soltei-
ro, do qual so alianga a boa conducta: na ra de
S.-Hita n. 44.
rit^Et s 33 m^^^^m
jpj Na loja de Jos Manuel
lontciro Braga, na ra
do Crespo, n. O,esqu
na que vira para a
ra das Cruzes,


lii
I

Ipj vendem-so corles do vestidos de chamalolo
jj prelo de sodu, do mais asseiado gosto possi-
{A vel; dilos do cores diversas e brancas, o que W
fn (iodo haver de melhor gosto. !hr
SI----------------------- ____________
3C
Vende-se urna preta cozinboira coslurcra e
que engomma liso vende na ra e faz todoomais
servigo do urna casa, com una cria que se vende
cometa, ou som ella; um preto crioulo, do bonita
ligura, para todo o servigo, o qual tom andado em-
barcado de mariuheiro : vende-so com preferencia
para fra da provincia : na ra do Hospicio, n. 4 ,
al as 9 horas da manli-Ja.
Na 1 jado nicho ha outra pe-
chincha melhor. *
Na loja do nicho, na praciuha do livramento ,
vendem-se chitas oscuras, do pannos linos e tintas
seguras, a 4,400 rs. a pega, e a 120 rs. o covado ; lu-
cos preos de seda de todas as larguras, muito ba-
ratos
Vendem-so pecas de chitas pardas, limpas, e
muito fortes a 5,000 rs., e sete vintcns a retadlo ;
ditas cor de rosa, muito bonitas o do tintas fixas a
5,500 rs. ea 160 rs. a rotalho ; sarja prota liuipa,
a 1,280 rs.: a ra ostreita do Rozado, n. 10, ter-
coiro andar.
|Vende-se urna Crammatica franceza de Hamonire;
una Grammatica philosophica deJ.S. Barboza; o Ito-
pertorio dramtico; o Recreio, jornal das familias ;
Kui, o escudoiro ; a ExposigBo da vida christa, em <*
bom estado por prego commodo : no Atorro-da- I5S
Boa-Vista n. 84. h
Vende-se um terreno com 117 palmos de fren,
ioe 89 dilos de fundo em estado do se edificar
por n2o precisar aterro em cujo terreno podem-s
fazer tres ptimas mei"aas na roa do Pilar, env
Fra-do-Portas do lado da mar grande: nadita
ru, n. 11, no pateo da igreja do Pilar, dase hor
da manhSa s8.
Americanas.
Vendem-se superiores meias croas americanas
a 4,800 c 5,200 rs. a duzia : esta fazonda torna-so
reconimoiidarel por ser muilo olastica : na ra do
Collegio, loja nova n. 3.
Attencao a pechincha.
Na nova loja dobarbeiro, na ra da Cruz, n. 58 ,
vondem-soo alugamso bichas, ltimamente che-
gadas de llamburgo. Advorlu-se quo se vendetn a
320 rs. cada una.
Vendem-so presuntos e queijos americanos,
ultimaiDontochegados dos Estados-Unidos, muito
froscaes ; yassouras para varrar salas e tpelos ; bal-
des e bala ios americanos proprios para embarque;
c oiitrusobjectospor prego commodo: na ra da
Cruz, n. 7, armazem de !}jvi>5r Goinnanh:-,
Vendem-se aderegos de pedias finas, de varias
qualidades, du ultimo gosto da Europa ; brincos do
brilhantes, de muilo bom gosto; aunis de dito:
ludo por prego muito commodo: no Atterro-da-lloa-
Vista, toja de Joaquim de Oliveira o Souza.
Semen tes de horlalice
do todas as qualidados muito novas ; feijSo carra-
pato; hervidlas tortas e direitas: na ruada Cruz,
II 62.
Vende-so Curso de philosophia de Cousin, tra-
duzco cm portuguez, por prego mais commodo do
quo om outra qualquer parte : na ra de S -Fran-
cisco anligamenlc Mundo-Novo, n. 66.
Mais barato nao he possivel*
Vendem-se cortes do caigas do casimira, do pa-
dres oscuros e claros a 3,000 e 3,500 rs. cada cor-
te ; o outras muitas fazendas muito em conta : na
loja de Jos Moreira Lopes & Conipanhin, na ra do
Queimado, qualro-cantos, casa amarella n. 29.
Vende-so um bo muito gordo, proprio para
carroga : na praga da Bga-Vista, venda n. 13, de
Antonio Jos doMagalh3es: os prelondontes dirija m-
se a toda hora do da para verem o dito boi.
VELAS DE CERA.
Vende-se na ra da Ca.
deiado Recife, n.3T, cera
em velas, de superior qua-
lidade, fabricada em Lis-
boa e fo Rio-de-Janeiro,
em caixas pequeas e sor-
tidas ao gosto do compra-
dor : tambem se venclem
,@) baranddes, por prego mais

barato do que em outra
qualquer parte.
Na loja nova de Ferro Sf C,
na ra do Collegio, n. 5,
vende-se superior merino preto da melhor qualida-
de quo tom apparecido a 3,300, 3,600 e 4,000 rs. o
covado ; sarja despalillla verdadeira, a 2,560 o
2,650 rs. o covado; e outras muitas fazendas por
prego commodo.
Alte 11 cao.
Vcudom-so superiores mantas de seda com lin-
dos deseo los, pelo diminuto prego de 11,000 rs.;
chales de lila e seda ; ditos de lila a 2,000 rs. ; len-
ros de seda dos mais modernos, muilo linos e de
bonitas cores, a 2,500 rs. ; corles de parisienses,
com lindos o variados descnlios pelo diminuto
prego do 4,000 rs. o corte; esguiflo de puro linho,
a 1,600 rs. a vara; riscados francezes, do bonitos
gostos a 240 e 280 rs. o covado; longos pretos a
1,280 e 1,600 rs ; ditos de gorguriio, a 2,800 rs,; e
outras muitas fazendas por menos de seu valor : na
ra do Collegio, n. 3.
Vendem-se sapatos de bezerro, de sola o vira
ditos de coorode lustro em porcSo ; sebo em bar-
ris ; esleirs do plha do carnauba; caslanlws de
caj em saccas : na venda por detrs Jo Corpa-
Santo,, n. 62, ou uyiraga da Independencia n. 3.
-28 si:*! fngn!! de cslgaio, na ra i-
reitan. 100 : a tratar aa naesma loja.
Vondem-se duas prata, urna das quaes cozi-
nha, lava o vende na ra por 850,000 rs. ; urna di-
ta com aS mesmas habilidades por 250,000 rs.: n*.
paWodo Carme, Toja do sobrado n. 7.
Vende-se um sobrado do um andar com quin-
tal na ra do Amparo cm Olmla em cliBos pro-
prios : na ra da Senzalla-Velha, notefeeiro andar
do sobrado quo confronta com os fundos do sobrado
de Jos Antonio Bastos.
Vendem-se 9 escravos, sendo : 1 moleque de 17
annos; I preto bom carreiro ; I dito bem robusto,
para o servigo de campo; duas pardas de 23 annos,
com habilidades; urna preta de 20annos, com ha-
lilidades ; 3 ditas quitandeiras ; urna dita boa do-
cena
n. *.
no pateada matriz de S.-Antonio sobrado
Vendem-se superiores redes, de muito lindas
cores chegadas ltimamente do Para : na ra do
Queimado loja n. 23.
Escravos Fgidos.
Para pageos.
Vendem-so chapeos nvernizados, galilo do ouro
o prata : na ra do Queimado loja de cirgueiro ,
Na ra do Trapiche, n. 17
vendem-se barris com superior
cal virgem, chegada ltimamente
de Lisboa, a cinco mil reis cada
barril.
Panno-Coiiro.
Vendem-se superiores cortes de Caigas da fazenda
panuo-couro par ser do durag.lo extraordinaria e
de padres oscuros proprios para o trafico pelo
diminuto prego de 1,600 rs. o corto : na ra do Col-
legio, loja nova da estrella, n. 1.
Casimiras finas e elsticas.
Vendem-se superiores casimiras finase clsticas,
1,000 rs. o covado; corles de ditas de cores, muito
linas, a 6,000 rs.; superiores casimiras pretas da
melhor qualidade, a 6 e 9,000 rs. o corto : na ra do
Collegio,loja nova n. 1.
-Vendem-se duas bonitas escravas sendo urna
de 15annos, o a outra de 20, com algumas habili-
dades : no beceo do Sarapalel, sobrado n. 12.
O/hem, freguezesj que ha pechinchns na
nova loja da ra do Collegio, n. 11 ,
de 'inniano Jos Rodrigues Ferreira,
como sejam ; chitas finissimas, por prego barato na
certeza do que esta loja vender todas as fazendas,
quer de gosto, qur ordinarias por menos sempre
quo cm outra qualquer loja visto ser um calabe-
lecimciilo novo.
Vendem-se chapeos de superior
castor, brancos e pretos, por preco
muito barato : na ra do Crespo,. 12,!
loja de Jos Joaquim da Silva Maya.
Fugio, no dia 18 do Janeiro, um cabra, da nome
Joaquim, alio, reorgado, do idade, com a barba
branca cabellos corridos o bom pretos; levou um
sin rao de pede de carneiro chapeo do baeta usa-
do, raigas do aigodiio do lislras rotas no assento;
temos tornozellos dos ps 11 m tanto incitados. Es-
to escravoj foi preso em S.-l.ourengo-da-Malta ,e
tornou a fuglr junto nos Ri-tnodios, do poder do
urna pessoa que o conduzia para esta cidade ; veio
do Maranhflo c diz ser de Canias : quem o pegar l-
ve-o a ra do Vigario, n. 24, que ser recompen-
sado.
Anda anda fgido o cabra Egidio, escravo do
Sr. A. do V. M. do l)rummond(: quom o pegar, lev-
o a ra da Cruz, n. 40.
No dia 21 do corrente,'pelas 7 horas da noite, di
casa do S. P. Johnston, na Ponte-de-Udida, furiram i
prelas urna de nome Florinda de nagfo Cabinda,
do 22 annos, de baixa estatura corpo franzino, cor
fula, feiges regulares ; e a outra de nome There-
za du nagilo baixa, grossa do corpo, deicos gros-
sos odios pequeos com algumas cicatrizes no
pesceco; representa ler 24 a 26 annos : quem as pe-
gar leve-as ao referido sitio ou na ra da Senzal-
la-Nova, n. 42, quesera recompensado.
Fugio, no dia 14 do correte, do lugar Csjab*-
guzinho, comarca do Cabo, um escravo crioulo do
nome Pedro, de 30 annos, alto, secco bastante, ei- <
ipadaudo, fulo, com una marca do ferida as costas;
levou camisa azul, ceroulas do algodo, chapeo da
couro. Esto escravo fui comprado ao Sr. Francisco
Hathlas, morador na rui das l.arangeiras, o qual
diz tor porlencido ao Sr. Jolo Barboza Maciel, mo-
rador no lugar Curralinho de Una. Quem o pegar
leve-o ao mesino (lugar Cajabuguzinho, a Manoel
Gregorio do Vasconcellos ou ao mesino Sr. Fran-
cisco Alalinas, quo ser gratificado.
Fugio, no dia 18 do correnle, o preto Jos de
nagilo llenguela, de 25 annos, estatura regular,
rosto um pouco comprido, odios afugueados, pen-
ca barba deicos grossos; levou camisa da algoJao
trancado, caigas de ciscado azul: quom o pegar lo-
vo-o a ra larga do llzano, padaria do Manoel An:
Ionio de Jess.
Fugio, no|dia 18 do torrente n escrava Hil
crioula do cr fula eslalura regular, cabega e Ci-
ro redondas testa pequea bous denles, odos
vivissimos; tem alguns signaos do relho cm volla
do pescogo ; levou vestido de chita encamado-escu-
ra com lislras veides panno da Costo com mala-
mes orniicos : quem a pegar leve-a a ra ds Madre
de-l)eos, 11. 34, o a ra do Ainorim, n. 13.
--Fugio, no dia 18 do corrento, a prcla Mari,
crioula do altura regular, rosto rodondo ; tem um
dente quebrado adiante, e na faco diroitaum panno;
falla depressa ; levou vestido de riscado encarnado.
dequadros, e pao liiino. Esta escrava foi da Sr.'
Maria Candida da Cunda Vianna e dojo pertenca*
Jos Leonardo morador na ra da Praia. Roga-0
a todas as autoridades policiaes capitSc do cam-
po e pessoas quo a con liega m, quo a apprelieniiam
o levem-na aodito seu senlior que serilo g"1''
ficados.
Fugio, no dia 0do concillo, pelas 9 horas do
dia o prelo Simplicio crioulo, bastante alto, bem
fuito de figura ; tem urna fstula j fechada, proce-
dida do um denlo quo estorou por fra, e gagui'ja
um pouco no fallar : quem o pegar leve-o a ra Ve-
Iba da Boa-Vista h. 91, que sera recompensado.
PeJIN. : KA TYP. DE AI. F. DEFAMA. 1840


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOEQW3MO7_D7P18N INGEST_TIME 2013-04-12T23:25:21Z PACKAGE AA00011611_05445
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES