Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05443


This item is only available as the following downloads:


Full Text
nno de 1848.
Ter$a-fera 21
n OI/tKIO Dulilic-e todos 'S dias que no
frem '! R
ir i t o proco dk asignatura be de
i.n(ir! rs.por quirtel, pago, adianladot. Os .o-
Ho .siioanles s m uiseridoi a rosjode
I T'TJV" rs. e. tvpo dioVente, a,
\,0 'VSprf -net.de. Os que 3o forem assig-
PliASES DA LA Nl>MEi DE MAftgO.
,,w ,o.. a .. hore M o. da m.nhi..
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goianna Paralilb as secundas e sextas feirs
Hio-Grande-dn- Norte quiotasfeirasaoineio-dia
Cabo, Seriolem, llio-Kormoso, Porto-Calvoe
Macelo, no I.*, a II e 2i de cada mn
Garaiiliunse ouilo. a 8 e 2J.
Boa-Vi"ta e flores, a U e ?8.
Victoria, as quintas-leu as.
Olinda, todos os dias.
PREAMAR DE HOJE.
: Jrnte a U l"*" a mi, d. manliia.
i rheut ill,s)l o' bl ''" <* Urde- ll'nmeira, s b horas e 18 minutos da manba.
M ouute a 21,10lioras e 58 miu. da Urde. Segunda, > Loras e J minutos d Urd.
de Marco.
Anno XXV.
N.66.
das oa semana.
20 Segunda. S. Martlnho. Aud. do J.dos erpb.
o do J.do c. da 1 v. edo J. M. da! Y.
II Terra. 9. liento. Aud. do J. dociv. da I.
v. edo i. de pardo 2 dist. de t.
22 Quarta. S. Emygrfio. Aud. do J. docir. da
2 t. e do i. le pal do 2 dist. de t.
23 (Quinta. S. Flix. Aud. do J. de orpli.e do
J. muuicipal da I. v.
21 Sexta. S. Agapilo. Aud. do J. do civ. da !.
v., e do J. de ai do i. dlst. de l.
2& Sahliado. >I<>I< Annuiiciar.'.o de Nossa Se-
nhora.
26 Domingo. S. Ludgero.
CAMBIOS NO DA 20 DE MAHQO.
Sobre Londres a 27/, e27/,d. por IJn
a Pars 180 rs. por franco.
Lisboa 100 por 100 de premio.
Dse.le leltrai do boas firmis I a J|8 /o
OuroOnras liespanholas.... ISfOOO a
u Morcas do 100 velb. 10(1200 a
. deSflOOnoT.. I6JO0O a
a de 4/000..... 9f <'00 a
Prala P.Uees.......... l|M0 a
Pesos columnare... 14820 a
Ditos mexicanos.... l|780 a
, Miuda............. 14020 a
Aceesdaeonip.do HeberiUede 40^000 rs.
i 60 d.
ao m.
SOfOOO
I63'I0
16/101
JI0O
l#70
IJ40
1**0
1/830
aopar
DIARIO DE
BUCO
EXTERIOR.
\
OS INGLEZES E O PORTO DE SAN-JOAo'-DE-
NICARAGUA.
Nim-Tork, 18 dt dttmbro de 1847.
Reproduzimos ltimamente, nas sem qiicrermog dar-
llir crdito, a noticia da occopaeo da cidade de San-
Joao-de-Pilcaragita pelos Infreles. He constante hoje,
porm, que, se o laclo nao ett J ronsummado, cedo o
estar. Temos vista documentos offlciaes que pmvam
de una mrneira positiva as inlences da Inglaterra a
este respeIto, c que denunciam ao mesiiiu lempo a poli-
lica que inspira o seu proeedimento.
i'.-n nova invasao nao he leno utn passo inais nesse
,-irina de vida hypocrisia que occutla a usurparlo
bb o \o da protrecao. A Inglaterra, que toiiiou sb o
scu protectorado o reino indiano dos Mosquitos, decla-
rou ao (averno de Nicarugua que o governo inglcz
eslava decidido a inanter oa limites a que tein direlto
el-rei dos Mosquitos, e que esses limites comprehen-
(U-im o rio de San-Joo. O governo espoliado respon-
den que de lempos iminemoriaes perlence o porto de
S.in-Joao ao estado de Nicaragua ; que esse. porto era o
nico que tinha o estado ; que, privandu-o delle, tira-
vant-lhe o seu principal recurso e todos os meios de pa-
gar a sua divida: ludo Col baldado, porque a cibica bri-
tannica he stirda como o egosmo, e desapiadada como
a ambicio. A desventurada repblica de Nicarrgua a-
mca(a a Inglaterra coin urna banca rola, ameaca-a
inesmo com urna guerra na qual ter o apoio do estado
de San-Salvador, mas anda assim devenios contar que
antes de pouco lempo se ejecutar esse novo acto de
nnllaran.
Um jornal de New-York declarou, sim a que halo-
dos os luotivos para cror que o governo americano man-
tera o principio eslabelecldo ein 1817 pelo Sr. Monroe,
de nao permillir que nenliuina potencia faca novos es-
tabrlecimentos coloniars neste continente *. mas, como
multo bem disse o Iniled Statei Gatelle de Philadelpbia,
obrar eltt de contbnnidade com esse principio ? O es-
pirito do grao 54 (na quesillo do OregonJ, accrcscenla a
Gattllt, poder dictar talvcz urna pergunta, qua! Jliu
l'ull, se estiver de bem humor, responder polidamenle
que nao faz. um ovo estabelecimento colonial, que
augmenta um j existente, que eslende o dominio da li-
berdade. que incorpora, que cumpre o seu destino,
etc.....Teni vinte desculpas a dar aein que o Sr. l'olk
possa responder paiavra, e no entretanto oceupara o rio
e o territorio de Nicaragua. Mas que acontecera te a
Inglaterra nSo se dlgnasse dar a menor desculpa? Terla-
mus entilo o rugido do leiio britannico para acompa-
nli.ir o brado da aguia mexicana ? He mnito provavcl
que a (iaitlle lenlia raso. Os Estados-Unidos estn re-
almente ein posiclio demasiado embarazosa para prega-
ren! Inglaterra o dcsinleresse s o respeilo para com os
direitos dos seu vizinboi.
(Coiiirier Atl Etati-l'nis )
AMORTE DAPRINCEZA ADELAIDE EORENDIMEN-
TO DE AHD-EL-KADE.
LOtlDRKS, 4 DB JANRIHO DB 1818.
Duas oceurrencias, sbitas, porm hflo impre-
vista* quo merecerSo um lugar nos armaos da
Franca, assignalaram os ltimos dias do anno que
acaba tle terminar: a morlo de madama Adelaida,
irinfia de el-rei e o rcudimtnlo do AbJ-el-Kadci'
s forcas francozHS em frica. A piimeira dostasoe-
currencias completa a ttrica clironica de 1817, pe-
la tnorto de urna princoza, cuja perda lio profunda-
O DUQUE DE GUISE. (*)
por frecrtco $>oule'.
SEGUNDA PARTE.
XXI
Para que os notsos Ititores possam bem compreben-
der asceoa que se possou na porta d'Averse, he uceessa-
rinque Ihea demos dclla urna dcsciipfSo succinta.
A porta d'Averse fechava, do lado da estrada de Roma,
a parte das murallias interiores que cercavair. proprla-
in.me rallando, a cidade di'Napoleg; mas, alein dessa
porta, se estendia anda um povoado bastante conside-
ravel, Coulia o ordinario, as casas de semellianle povoa-
do, edificadas deambos os lados da estrada, deixavam
entre SI nina rua mui longa e pcrfeilamente dircita ; de
surte que, aepor um lado esta dlsposico penniltia aos
llrspanhct, que oceupavam urna parte do povoado, o
fazerem abi um largo desenvolviinento de tropas, tain-
bem por autro lado~tornava a defesa desse ponto mullo
luais fcil. "
Desde os ptimeiros dias da sua chegada, Guise se ti-
nliaoccupado ein l'ortilicar essa parte do contorno; ha-
vla elle releo levantar oante da porta um reduto, arma-
do de quiltro pecas de artilharia, que scnboreavain, por
conicgiiintc, a larga c longa passagem pela qual se cn-
trava. Porsa ordetn as casas prximas desse reduto ti-
nliam sido arrasadas na mesmapoaa, alim de que a
iiiianlariase uo podesse eslabelecer nos edilicios, ncm
embaratar, pelo fogu de fuzilaria, o servico do reducto;
comludo, ti|ilia elle ainda previsto o caso eiu juc essa
priineraFbriiflcacaq Ibc fosse lomada; eporcouseguin-
te duas petas, eollocadas sb a propria porta que fecha-
va a cidade, estavam promptas a bater os inimigos que
livessem lomado o primen o reduto; e, suppondo que
esses dous fogos os nao fizessein parar, om momento
s era bastante para fazer cahir a porta-levadiza e fe-
char toda a communicacao entre a cidade o o povoado.
Assim que Guise abi chegon, scompanhado por mis
trinta caYalleiros-lidalgos, recoubcccu qtte o aviso que
" (*) Vlde DUirio .'64.
mente sentida pela familia real de Franca, e parece
approximar para o povofrancez presagio do oulro
acontecimento inevitavel o assustador, alm do qual
ninguem podo olhar com confianza paro o futuro.
Estes symplomas do um reinado quo com passos
graduaos ecertos chega ao seu termo natural, nilo
pdodeixar de influenciar o estado poltico da no-
cno ; porquanto modama Aiielnido totn andado to
intimamento ligada a todos os acontecimentos da
vida de seu irmlio, tanto pela energa varonil da sua
iulclligencia, como pela dodicactio do sou_cor.ic.1o,
quo a sua morlc resa aos ouvidos do publico como
o anunucio solemne de urna mudanca prxima.
A historia ainda nodivulgou a narrac3o verda-
deira o authentica dos sucessos em quo o duque de
Orlcans tomou urna parte indefinida, logo ontcs da
revolucftode 1830, deaecrdocom o partido que o
clevou ao throno. Resultados como esse nunca silo
devidos a impulso espontaneo, e a posteridade acha-
ra i.i'ivi.-/. nss Ssssior!* ''" una epecs, sinds miiio
recente para nos, a rdacotte factos quo hoje se nos
occullam. Maso procedimonto do madama Adelaide
iicssu periodo mcinoravcl de lotto lio saltillo, n a
sua dccis.lo, no momento mestno cm que l.uiz I'hi-
lippe matiifeslava apparenle irresoliiQo, c a duqueza
Je Orlcans decidida repugnancia, podo dizer-sc quo
collocou a corda de Franca sobro a cabera de seu ir-
inilo. No dia 30dejulho de 1830, os Srs. Tliicrs o
Scheffer, homens entaodepuco peso no paiz para
ofTerecerem una cora, parliram pura Ncuilly alim
do communicarem familia do Orlcans os desejos
Jo partido que exercia o poder supremo cm Pars.
Luiz l'luli ppi! linlia-se retirado para Itaincy, o os e-
missarios do Hotel Laflito fram recebidos pela du-
queza. Apenas o Sr. Scheler declarou oobjectoda
sua inissiio, foi interrompido pula generosa o de-
licada recusada futura rainha,quc desdenhava cingir
una cora quoacabava de ser arrancada a scus man
prximos prenles. Mudou, porm, a scena, mal
uitrou na sala madama Adelaide. Pazei de nos o quo
quizerdos, disse a ousada o um tatito ambiciosa,
princeza, comliirto que nao sejamos prosciiptos,
porquo em presenca dessas scenas revolucionarias
as lerrivcrs recordarles de 1792 eram acompanhadas
do sonhos de um futuro niais augusto. Madama Adc-
laido prcsiuu a maior atlencfio sos argumentos de
que se servio o Sr. Tfiiers para apoiar a sua missSo;
declarou que eslava prompta u entrar em Paris, ein
podr entilo da plebe, e acetou, em nomo de scu
irmfo, a offerla que punha em suas mlos os desti-
nos da Franga.
Em todas assubsequentcs deliboracOcs do reina-
do de Luiz Philippc, tevo madama Adelaide a maior
influencia. Conlribuio para dar corle de Franga
esse Ifio pronunciado carcter domestico que lem
governado no so as suas maneiras como a sua po-
ltica. Sua sagacidado olidelidado davam-lhe dirci-
lo conlianca do el-rei e a deferencia dos scus mi-
nistros, o sua grande riqueza, avffliada, segundo se
diz, em sessenta inilhocs do francos, permitlia-lhe
prover s iiecessitlades dos locmbros da familia real,
a quem a demora dos depulados nao lem querido a-
inda dolar.
O rcnditnenlo de Abd-el-Kader chama-nos outra
vez para a poltica do dia. Se esse acontecimenlo
fosse sabioo em Paris alguns dias antes, leria ligu-
rado conspicuamente no discurso da cora, o dado
rrf-:*~^^^^-jSAViaKiinwiTrfian'TeE:
se llie liuha dado era exacto; osHespauhoes se forma-
vatn com c'rito intrpidos na estrada de Roma, c o du-
que pode entilo perceber que ellcs estavam decididos a
tentar uudalaquc desesperado, vendo que o duque de
Arcos tinha, por assim dizer, concentrado todas as suas
Torcas nesse poni*
O duque sabira de IVapoles c parara no cume do re-
duto exterior, de uianeira que se acbou enllocado cu-
tre as pecas que iam dirritas pela estrada de liorna c as
que, eollocadas por tras delle, estavam promptas a ba-
ter os inimigos que toniasscui esse primeiro reduto.
Quem coiuinaiidaaquii' pergunlou Guise, depois
de ler notado que as pecas eram servidas por urna com-
panhla de/as>aroni.
Eu, dlsse oPionneaprcsentando-sc; c espero que
V. Alteza reconheca dentro em pouco que no sou in-
digno de cummaudar um posto tao importante.
Ko careco de tnals provas da tua coragem, mcu
bravo capilao, Ihe toruou Guise; c vejo que Dos me
protege neste dia perigoso, j que le poz no jioslo que
pertencia ao infaiue Sanlis.
A'f! senhor duque, exclamou de repente < eri-
sante, que agora, segundo me parece, he lempo de dcs-
embainharmos as nos,as espadas: olhe como as pri-
meias liabas dos llespanhes se inoveiu : ei-los que
marchan! para nos resolutamente.
He preciso que o duque d'Arcos e Dotn Joo esle-
jam cruelmente desesperados pelo uio xito do scu co-
barde designio, para mandar assim como quem manda
a un acougue as suas melborcs tropas, l'alavra de hon-
ra, que ellcs estao loncos; repare, Cerisante, ncm ao
menos trazein una pefa, para responder s nossas.
Espere, disse Rochefort; provavel mente essas pri-
meiras liubas de infamara se vilo abrir, e deixar-nos
ver algutuas bateras eerrlveis que iro travar o ataque
de una maueira inais seria, porque he impossivcl'que
hajam boineus que venbatn laocar-sc com semelhautc
imprudencia na bocea dos canbes.
UCo que poderemos saber u'um momento, disse
Cerisante ; porque elles j estao a una distancia regu-
lar; e nao seria mao que Ihes arrojassemos a nossa pa-
nuira descarga, para snennos oque esl escondido por,
irs daquella companbla de granadelros que avancam
um passo tao resoluto.
_ ixc-os approximar, respoudcu Guise Irangindo
assobraucelhas; elles uo trazcm artilharia, e este nea-
ue deve oceultar algu.n lacoqueeunao comprehendo.
Sesembainheiuos as nossas espadas, meus kbIi.k,
norque be provavcl que tenhamos precuuo de nos scr-
Tiru os dellas inais cedo do que peusam.
_ Se os Hespanhes, responden Censante, liverem
de apoderar deste reduto, ser cousa Intil, sendo
nstrinea, o tentar defendo-lo com a espada na mao
nesse caso, he necessatiamente preciao reurar-noa para
grando intoresse ao paragrapho relativo aos nogo-
cios da Arica. Do ha mezes se tornara evidento que
o mallogro da ultima insurrciQo geral das tribus
rabes ora um golpe decisivo para as esperances da
independencia nocional que ainda nutria a popula-
co musulmana da frica, o que ora alimentada fe-
la actividado do scu ousado chufe. As promessas quo
lovaram multas das Iribus a alistarem-so as Ule iras
do emir tinhain sido cruelmonto quebradas, e essas
tribus .liveram de expiar com a mais horrivel deyas-
las.1i> a'sua qubra de fe para com os Francezcs, ba
confianzaquedeposilaramem urna ititcrvcncao mila-
grosa que oni vilo invocaran! Quando o mareclialBu-
gcatid deixou a frica, eslava terminada a guerra ;
Abd-el-Kader.pairava anda sobro as fronteiras de
Marrocos, mas seus recursos estavam exhaustos e sua
influencia, como soldado da f musulmaua, quasi
cxtincla. Reiluzido a osla oxtremidade, capitulou a
umolllcial francez, o foi mandado para Toulon no
mesnio vssor aue (nvou a noticia do sou rendi-
mento. .
Comquanto nunca deixassomos de exprimir cm
Icrflios i'oi ics u oc que nos causava a sanguino-
lenta guerra que, por espaco Je de/aseto annos,
aiigmcutou os horrores dos deserlos da frica sep-
tentrional, e poslo admirassemos no chefo arabo as
qualidadesintiopidasoitidependentes quo JSo re-
lime a todo o hotnem que as emprega na defensa
do scu paiz, dola muito so tornara obvio que, no
actual estado de cousas na Europa, a nica termina-
cio possivcl do conflicto era a submissfio dos ind-
genas. S, restabclccida a paz, conseguir o joven go-
vernador geral da Argelia ostabelccer em toda a cx-
lensSo dos dominios rraneczes urna administraQo
inais regular e urna colonia mais florcsconte; so
poder arrancar csso paiz ao barbarismo quo con-
demnou suas otr'ora feriis planicies a comparativa
eslerilidade, e suas outr'ora igrejas christas ao
luto o dcslruicilo; se, om urna paiavra, o governo
francez fr tilo bem succedido nos traballios dn go-
verno pacifico, como foi bem succedido nos de urna
guerra incessante c devastadora, no recusaremos a
umtal mel hora ment da poltica franceza na A fri-
ca o louvora quo tr direlo. Emquanto durou a
guerra, servio ella do pretexto a acgOes'repugnan-
lea humanidade eu verdadera poltica, ealmen-
lou em Franga projectos de colonisago que deviam
rciilisai-sc cm periodos indefinidos. Moje poder re-
conhecor-so o verdadeiro valor do paiz para fina de
colonisaco sem novos sacrificios de vidas, e sem
fazer solTrcr aos indgenas severidades atrozes.
Nosiuterosses geraesda humanidade e da civili-
saco lio para desejar quo esses sacrificios passados
iiHo fossem feitos cm vSo. Folgaremos de saber quo
a adminislragao do duquo do Aumale langou os ali-
corees do um estado de cousas mais florescento o
mais pacifico, e queos indigonas quo fram subju-
gados pelas armas da Franga leein ein compensagao,
polo menos, os beneficios Jo seu governo civil o das
suas leis. He muito possivcl quo osla pacilicagilo do
paiz nao soja permanente, o que, a se-lo, a nalure-
za do paiz o aausencia de espirito emprehendedor
cutre os Francezes mallogro as esperangas daqtiellcs
que proinovcram esla nolavel empreza. Mas, sem
urriscarmos um vaticinio sobro osles resultados t3o
distantes e incertos, estamos porsuadidos que a oc-
cupagfo da Argelia por parte da Franga podo ser
irs da trinebeira depois de, comludo, Ibes lemos des-
earregado as duas peca* que eslo atrs de nos. .
Com mil diabos disse Rochefort, aquelles dainna-
dos Hespanhes vcem com ar de quem anda a passeio ;
avancam para esla batera como se nao bouvesse aqu
ningnem que a defendesseI Aiuda uiio he tempo de
inoslrar-lhes que estamos aqui?
__ J! bradou Guise, dirigindo-sc ao Pionne.
Scipio fez um signal aos seus soldados: tocou-sc fogo
s quali'o pe^as assestadas sobre os Hespanhes, as es
corvas atderaiu, masas pecas naoderam fogo.
.\csie momento passou-sc urna scena de desordem in-
disivel. De umlado os Hespanhes, aljando um grito
unisono de alegra, edeixando o passo lento e medido
com que at abi tinham marchado, precipitain-se a
correr a toda a frca para o redulo. Por oulro lado, c
no inesmo instante, todos os fidalgos que rodeiam a
Guise recuam ein desordem ale porta em que se acua
asegunda batera; e emquanto uns avancam c oulros
fogein to prccipieadanienlc, o Pionne e os seus luzzaro-
n se deitam todos por Ierra como venire para baixo, de
modo que o duque, c s o duque, he que se vi cm pe,
como una estatua, no alto do reduto abandonado.
Gritos de: Uespanha! Hespanha! resoam dianee delle;
gritos de: Traico! Traicao! resoam por Irs delle. Fu-
rioso e allonito, corre o duque para a porta da cidade,
e j se ocho apenas a uns vinte passos dclla, quando v
junto das duas pecas, que defendein essa entrada, Car-
mole Scoppa, que bavia levantado o capuz de frade que
considerada pola Europa mais como um penbor do
paz do que como nova Tonto do guerra, o que allan-
to mais floresccr a colonia, tanto mais esscncial se-
r a Franga ovitar um rompimonto com qualquor po-
tencia que tonda meios de interceptar as commu-
nicagfles entro a Argelia e as costas francezas. Por
estas rasOes, n5o do com grande pozar que recebe-
mos a noticia dos acontecimentos quo pozoram ter-
mo, por emquanto. guerra africana, e Molamos
que Abd-cl-Kader rcccbcr dos Francezes 0 11-
menLo dovido a um inimigo valenlo o desventurado.
(7'iniM.)
(Jornal do Commereio.)
ii ani.i.....mu ii-ll '"
PERNAMBCO.'
Scoppa, que
llu' colina o rosto,
e liuha na mao urna mecha ac-
Espera, espera, Ihe bradou Guise; potip cssculli-
no recurso a menos que essas pejas cslejm tambem
enclavadas como as oulras.
Estas nao o cstao, e tu j o vais ver
E inmediatamente locou elle propro fogo as peca
delimite das quaesse achava apessoa do duque dedui-
se; mas essas pee, a Varam tao mudas como asile redu-
to! Guise, que parara por um momento o ver Scoppa
tocar fogo s pecas sem sua ordcui, arrojou-se com fu-
ror para o lado da porta; mas no iiiesuio listante cabio
a levadica, e elle se acbou fura das muralhas, cnlrc essa
porta fechada e o reduto que os Hespanhes estavam
prestes Invadir. Ento levantou elle 09 puuhos lecha-
dos para o co, e, volundo-sc para o lado do reduto, ar-
remessou-sc a todo o galope, bradaudo:
Guise, Guise, avanca!
Eutrava elle apenas no reduio quando vio o Pionne
e os seus ajoelbados ao lado das suas pecas.
Alt! exclamouGuise aliraudo-se sobre o Pionne,
eu me desobligas da paiavra que ee del cm casa do Gu-
curullo: punirei ao menos um.dos traidores pue em
vcuderam aos meus inimigos.
M1SSA0' APOSTLICA.
Exm. e Itvm. Sr. Cdeio do maior prazer o con-
teiitamonto. londo a honra o satisagilo do lovar ao
cutiliociinenio da V. Exe. llvtua. quo grando o u-
bundante foi o fruclo que, para a sulvago das almas
dos meus paroedianos, rcsultoudas sanias missoes,
quo nesla freguozia da Moribeca, no curente mez,
so prestou a fazer o llvm. capucdinlio Fr. Sebastiuo
da Messina.
Sim, Exm. Sr.. a Divina Misericordia parece ter
sido prodiga para com esto rebanho desdeo momen-
to, em que esso incansavel e virtuoso vorao apost-
lico aqui ebegmi. Com efl'eitn. nrvnrando o estan-
darte do Grti'xificado, o pregando a penitencia aos
peccadores, estos obedeccram logo voz poderosa
ta trotnlnHa evanglica, do lrma quo calcula-so
provavolinenle tor-so reunido nesta poquona povoa-
go o numero do duas a tros mil possas, quo com
o maior rospeito e altengilo o ouviam.
Cortamente o sacramonto do baptismo era repe-
lidas vezes no dia administrado tanto a prvulos,
como a adultos em grando numero i o tribunal da
penitencia era e contina a ser bandado com as la-
grimas do arrepundiniento e compung5o, o com tal
allluoncia de penitentes, que nao poucos confessoros,
a quem Ibes agradego sua coadjuvagSo, apenas po-
diam cnedugar as lagrimas d'amctadc dos que a seus
ps diariamentoso prostravam, para d'adi passarom
sagrada mesa da Eucharistia; o matrimonio (gran-
de sacramento na prdaso do Apostlo) nflo continua a
ser dosprezado por aquelles qnie, da 10, 20, 30 o mais
annos, viviam nosta lieguezia publicamente adorme-
cidos no liodiondo cpncubinato, o oscandaloso aman-
cebamenlo! Pelo contrario, summamenle arropen-
didos procuram o seu remedio, achando-se j casa-
dos 73, afora *0 batidos corridos, o por so correr.
tragas a Divina Providencia, que, depois do um an-
uo do miiili.1 residencia nesta rroguezia, ja o mcu co-
rago so ufana o oxulta por contar con um robando
penitente, religioso c pi.
E ao inesmo lempo lovoros e mil bens sejam da-
dos ao zeloso missionai io Fr. Sebaslitlo, quo a prol
dareligiaodo Josus-Cdristo n3o poupou nosta fre-
guozia os seus cuidados, o seu descanso inesmo.
J v, pois, V. Exc. Itvma., que a peligao, quo
respetosamente submetlo ao veneravcl despacito uo
V. Exc., merece aquello iavOravelacolhimonto quo
espero.
yaTTai.'P"-*' "^^ ciM^y^g^^ij]jBjSMiTnasa*aBtssMsaMa6*wszsSB
Fogo! bradou o Plou ne, sem fazer o menor movi-
incnio contra o ataque de Guise.
As qualro pecas de arlilbaria. deram fogo ao inesmo
lempo com um estrondocspanto'so ; os Hespanhes es-
tavam s a vinK passos do reduto; o cUcito dcsla des-
carga foi horrivel: ncm um s homem hcot em pe
al a distancia de mais de cem passos por tras dos pn-
meiros; a estrada licou vanida de Hespanhes, por esse
furacao de ferro, que Ibes acabava de passar por entre
as lucirs. Todos os mais que se seguiam rugirain u urna
("desorden! incxplicavel.
Garregar pc{as, disse tranquillo o Pionne, que, to-
do coheteo de sangue com a ferida que o duque ihe aca-
bava de fazer, licra assim inesmo em pe, eucoseado ao
cumplido basto branco.
Gomo! exclamou Guise approximando se delle,
com a voz trmula e as lagrimal uos oluo, cuas pecas
nao estavam eucravadas? I
^o, respoudeuo Pionne com a coslumada voz se-
rena emontona; mas as que eslao atrs de ti sb a
porla.e que Scoppa tinha destinado para lc*jialar, o es-
tilo verdaderamente ; s, oque ha he que aquellas de-
viam estar aqui, c estas deviam estar acola; inudci-as
de lugar, e cis tudo.
hl tucsomeusalvadoi! exclamou Guise, tu o es
hroe dcsla cidade, tu es digno de ser-scnbor dclla; per-
da-me por quem s,o ler acreditado u'uina traicao da
la paite. ..,
O Pionne lornou-se paludo c as peruas vacillarain-
Ihe.
Senhor duque, ihe disse elle com uma^voz mais
fraca, V. Alteza mandara dizer Casia, porque ella me
nrometeeu nao lomar mais a ver V. Alleza, que cu cu.u-
pri a niinha paiavra, c que be nccessarlo que ella cum-
Pt?-Vque ee promceeeu ella, mcu lilho? Ihe perguntou
o duque, suslentando-o nos scus brajos, c banhando-o
de lagrimas. ,.
Piomcllcu-mc, respondeu o Pioune cnlraqucccn-
do coda vez mais, iiiaudar-me enterrar ao pe de miuba
uuii, que foi a nica pessoa que ineautou neste mundo !
E, dizendo estas palavras, cahio o mancebo desfalleci-
do nos bracos dos scus liis lafsaroni, que se haviam
approximado delle, chcios de constcjnacao.
Oh salvem-no, salvem-no! Ihes bradou Guise:
levein-uo i casado i ucurullo, dlgam-lhe que compro-
mello a minlia paiavra de principe fraueez de Ihe dar
tudo o que elle me pedir, se salvar este nobre man-
cebo. .
Ela levaraiix.09 lazsaront o Pionne. x-
(Cowlrir-v->io).
MUTILADO
H

I


Dees guarde a V. Exc. Rvroa. >< longos a'.r.os
Povoacao da Moribeca, om 22 de fen, ir .!e 1848.
Exm. eRvm. Sr. Don Jofio da Purificacao Margues
Perdiglio, dignissimo piolado diocesano.
O yigario,
Jos Marques de Castilha.
N. B. Ateo ultimo deslomes, contam-se 153
bapliaados, afora alguns nssentos da capella curada
do l.oroto, 90 casamontos e tres mil pessoas de con-
hssao e coiiiniunhlo.
Concvspondciica.
Sr. Redactor. Rogo-lhe o obsequio do dar pu-
blicidadeao incluso aviso, para que cheguo no co-
nhecimento dos que iteressarem em mo sofTre-
rem a duplcate do imposto do sello, como ja tem
solFrido o Seu comanle leitor.
Illm. e Exm. Sr. Km soluc.to aos quesitos
propnstos no ofliciodo substituto do juiz municipnl
de Campos, que por copia acompanliou o otllcio de
V. Exc. n. 49, de24deseteinhro prximo passado ,
a saber : 1.*, se as leltras de cambio, ou da trra,
passadas, ou emittidas antes da lei de 21 de ontubro
de 18*3 ou mesmo entes da sua execuc.to, mas
venciveis, ou pagaveis depoisdesla niln tendo si-
do selladas dentro dos 30 dias, e sim depois do ven-
cimenlo, cstflo, para seren. accionadas o attendidas
emjizo, subjoilas rcvalidacHo; e porlanto, ao
sollo nerescido quo aeompanlia as revalidaces ou
siniplesinentc ao sello convenicnlo sem aquclle
accresclmo : 2", so as ditas ledras passadas ou
emittidas depois da execueflo dnquolla lei c regula-
mento respectivo est.to subjoilas somonte ao sello
proporcionaldecrelado no!.' artigo 12 da citada
lei, ou tanibcm e simultneamente ao sello fixo de
que (rala o 2* do mesmo artigo : 3 ", se as qui-
Ucoes judiciaes delegados csl.to suhjeitas simulln-
lieamento aquello sello proporcional o ao fixo, ou
somonte ao primoiro; cumpre-me responper : -
1., que as leltras de cambio, etc., do que trata o
artigo 12 1. da lei de 21 de outubro do 1S43, pas-
Mitius, ou L'iniitidas, eic., imU-sdc enmelar a exe-
cueflo do regulamento de 26 de abril do 1844, quan-
do ajuizadas, pagam o mesmo sello a que estilo
suhjeitas as que sflo passadas, ou omittidns depois
da execucao do dito regulamento : 2., que as lel-
tras do que se traa, smenle csl.to suhjeilas ao sel-
lo proporcional; pnis que ho ha disposicao al-
guma na lei, que mande que um titulo, qualquerque
seja a sua natureza, pague dous sellos, proporcio-
nal e fixo : 3.", que, do mesmo modo, os legados,
as quitacOesjudiciarias, ele., deque trata o referi-
do artigo 12 1 smenle esto subjeitos ao sello
proporcional, nos termos da laheiia do artigo 6."
do mesmo regulamento.
Dos guarde a V. Exc. Palacio do Rio-de-Janei-
ro, 30 do novembro de 1846 Antonio Francisco de
Paula Holanda Cavalcanti. Sr. presidente da pro-
vincia do Hio-de-Janeiro
---jl.. .i_n;
sageiros, Antonio da Silva lalheiro, Antonio Goncal-
vc8 da Silva, Portugueze.
A'aeio sahido no mismo dia.
Genova ; brigue sardo Rimac, capitao A. Demon, carga
assucar. Passageiros, Jos Depcrini com sua senhora
e .Idus fllhos menores.
Obsjrvacao.
Fuudrou no l.amelrao, para acabar de carregar,
brigue austraco Conte-Harlig, cap tilo Aul Perslch.
Dcclaracoes.
- O fijcal da freguezin de santo-Antonio do lleci-
fe faz pblicos os 1, 4 e 5 das posturas de 19 do fe-
voreirodo1833, oosarligos4 e 5 das de 3 de abril
do 1840, para que tonham a devida execuefio :
1. Ninguom jioder matar o esquartejar re-
zos para o consumo dos povos scnflo nos acougues
pblicos, ou particulares com liconca da cmara,
sb pena de serem multados em 6,000 rs., o no per-
dimenlo da carne.
4." Sse poder vender carnes frescas de publi-
co, em casas abertas, participando-so cmara, pa-
ra fiscalisar sua limpeza, salubridade e fidclidade
dos pesos o bataneas; o os quo venderem particular-
mente ou sem a dita participadlo escripia sonto
multados em 4,000 rs., c havcntlo inlidelidado nos
pesos pagarSo 12,000 rs., o tres dias de cadeia.
o 5.* Ninguem podera pendurar carnes nosa-
Qougues pblicos ou particulares, em paredes ou
portas, sentencostadas em pannos brancose lini-
pos, quo deveriio ser mudados todos os dias para a
conservacto do devido assoio ; nssim mais scr.to
cortadas com faca o sorra, Meando suspenso o uso
do machado, applicado esto smente nos ossos das
artieulaces, alim de nSo macerar as carnes : os
comprehendidosem qualquer destas infraeces pa-
ga rilo 1,000 rs.
Art,4. A rez ser bptn sangrada, eemqtianto
n.to estiver exange nflo ser esfolada, o csqnarla-
jada; o fiscal o o vodor assistente vigiarilo sobre a
fiel oxecucio do presente artigo : os contravento-
res solTrerilo a pena nstabclecida o artigo antece-
dente.
k Art. 5." Todos os agougues se fechar.to as 6 ho-
ras da Urde, sb pena de 4,000 rs. de multa o 4 dias
do rTrisfo: o lento em lugar deportas inteirigas,
portas de grades.

O.
3:892,314
Alfandega.
ItKMHMENTO BODIA 20............
escarregam hoje, 21 de marco.
Brigue Lticii merendonas.
Ilri^uc ~h'inigktil carvo.
lliatc San-Otnediclo charutos.
Brigue Jo/o/incrcadorias.
IMl'OitTACAO'.
Xotn-Lus, patacho brasilciro, vindo de Huenos-Ayrcs,
entrado no corrente mea, consigailo a Manoel Ignacio de
Oliveira, inanifestou o seguinte :
2,020 quintaes carne secca, 146 couros seceos, 20 inor-
qucls sebo, 38 caixas velas de dito ; ao consignatario.
inris, brigue americano, vindo de Philadclpliia, en-
trado no corrente inez, consignado a Mathcus Austin Si
Companhia, inanifestou o seguinte :
1,250 barricas farinha, 32 caixas canella, 32 ditas al-
godiio azul. 500 barrirjuinhas bolaeliinhas, 954 barricas
abatidas, 40ditas com fundos, 334 caixas cha, 4 cadei-
ras de balanco, i rspelho, 5 caixas com pertenec para
desenho ; aos consignatarios.
CONSULADO GERAL.
RENDIMFNTO DO DA 2o*.
Gem.........................1:650,78O
Diversas provincias............... 120,759
1:771,539
CONSULADO PROVINCIAL.
ItENDIMENTO DO DIA 20............1:216,620
TjH^ATRO PUBLICO.
Madama Emilia Malhildo Vallenca agradece mui-
to o muito, do todo o seu cornc.to, ao rcspeitavel pu-1
hlico desta capital, pela atlenc.to que se dignou
prcstar-lhe na difllcultosissima parlo do Catharina
Huteard lio incompativel com as suas diminuas
frcas.c principalmente na cantona da aria, om
que, infelizmente, so tevo um nico ensaio de or-
cheslra : por esta especial benevolencia com que foi
dcsculpada porum publico Uto brioso, protesta um
eterno rccouhccimento, esmerando-se ornis que
Ihefor possivel no desempenhe dos papis quo Ihc
frcm distribuidos na presenta empreza desto titea-
tro-. _________
Granclecosmorama
Hoje estarSo expostas, das 6 horas da larde em
diante, no saino do Collcgio, junto a Congregac.to,
as seguintes vistas:
1.' A coracio do Sr. D. Pedro II. Esta allegoria
representa o imperador sobro urna esphera rece-
bendoas felicilacesdas provincias, em commis-
sio, tendo dos lados dous indgenas, do sul e do
norte ; e na base, a juslca e a virludc : representan-
do o resto do quadro muito povo o tropa o alguns
pedamos de paisagens do Brasil.
2." O interior dn matriz do S-Jos que aqui sn
esta edificando, delineado por A. II Willmer.
3." A ciiladc do llio-dc-Janeiro pelo lado da igreja
de I, 8. da Gloria.
4.* A cidado de Lisboa pelo lado da Almada.
5." A ra d'Alealla em Madrid.
C A psssagem de Napoleo sobre os Alpes, em o
anuo do 1800 na estaco invernosa.
7." O interior de um convento na Blgica.
8.* A cidado de Tunis, em Argel, pelo lado do pa-
lacio do governo.
9." A cidade do Zurich na Suissa pelo lado rio.
10. A cidade de Mcssina na Italia.
11. O palacio do rei em Stockholmo, pelo lado do
mar.
12. A cidade de aples.
13. lima casa decampo, na Polonia, em urna noi-
le do la.
14. Um Bazar na cidado de Florenca.
15. Urna cascata em Tyrol, n'AusIria.
Adverte-se que os bilheles vondem-se na porta da
entrada a 1,000 rs. para homem e a 500 rs. para
as senhoras e meninos e s pdenlo ter enlrada as
pessoas que ttem decentemente vestidas.
Avisos martimos.
O* Srs. carregadores da galera portuguea Ten
tadora queiram levar os seus conhecimentos casa
de Manoel Joaquim Ramose|Silvp,alim dse podrom
legalisaros manifestos da mesma galera.
J?ara a il ta de San-Miguel tem de seguir viafem
com multa brovidadu o brigue porluguez Olireira,
rapitilo Antonio Francisco de Rezende, por j ter
parte de sua carga a bordo e oulra tratada : quem
anda pretender carregar ou ir de passsgem se en-
tender com o mesmo capilfo, ou com Joto Tavares
Cordeiro, na ra do Vigario, n. 8.
-Para a Babia salir em poucos dias, por ter a maior
parte de sua carga prompla, o hiato Flor-do-Recife,
forrado o pregado de cobre : para o resto da carga e
passageiros, dirijam-se a ra do Vigario, n, 5.
--Para l.isbna saldr, em poneos dias, O patacho
portuguez Clemenlina, capitSo Izidro Ayres de Son-
xa ; tem parte da carga prompla : para o resto da
carga e passageiros trata-so com Jos Alfonso Mo-
reira na ra do Apollo, n. 14, ou com o capitao.
Avisos diversos.
>!ovimcnio do Porto.
Ptihlicagdes Litterarias.
Sabio a luz o exccllenlo Tratado de Rhetorica, do
I Augusto Ilusson, traduzido pelo padre Joao Barbo-
' za Cordeiro, e acba-se a venda na loja de livros da
1 praca da Independencia, lis. 6 o 8, o na da ra da
Cruz, n. 56, a 2,000 cada cxemplar.
Navioi entrados no dia 20.
Jlo-dc-Janciro ; (Odias, brigue sueco Preciosa, de 378
toneladas, capitao C. F. Kanl, cquipagciu 12, em las-
tro ; a N. O Bicber.
Bio-Giande-do-Sul ; 42 das, brigue sueco Agita, de
231 mudadas, capilao J. O. Bevns, cipuipagem 9, em
lastro a Botbe WdovlM,
Mar-l'acilico, tendo saludo de fte>r-I,ondon ha 20 mc-
7,cs, galera americana tieorge, de 344 toneladas, capi-
tao (,. Ilull, equipagem 28, carga aicite de peixc ao
capitao.
P,io-dc Janeiro ; 32 dias, patacho brasileiro FloY-de-Ma-
ria, de 119 toneladas, capitao Joaquim Gardoso, equi-
pagem 10, carga caf, fumo c mais gneros ; a Joo
Uoutley.
ilias de Faulkland, tendo sahido de Kciv-lledford ha
23 niezos, galera americana Copia, de 2i5 toneladas,
capitao Daniel II. Taber, equipagem 22, carga ateilc
de peize ; ao capilao.
C.illiau de Lima ; ^0 dias, galera ingleza Thomas-h'ing,
de 340 toneladas, capitao Tbomas Itobbius, equipa-
gem 19, carga guaco ; ao capitao. Vcm refrescar e
segu para l owres, para receber ordens.
ltio-Grandc-do-Sul ; 20 dias, brigue brasilciro Victoria,
de 189 toneladas, capitao .lose Monteiro de Alenla,
equipagem 15, carga carne ; a Amoriin Irmaos.
dem ; 29 dias. brigue brasilciro 'spirio-SaiKo, de 200
lonciadas, capitn Aiexandre Jos Alves, equipagem jas l'olhas que se fdrem publicando
17, carga carne; a Firraino Jos Flix da Roa. Paa-I-------
VS- OS CINCO MIL.
Aos cinco mil correi ei-los cantados
.Vuui pulula, chamando as alineles
Dos amigos das musas Ilustrados,
Em lingoagem, que toca os coracOes ;
Mas, nao podendo ser de graca dados,
Gusta cada exemplar cinco tuslOes :
A olios, lions leitoros so os queris,
Da Independencia praca os acharis.
Publicacao jurdica.
Acha-se sb o prlo o 2." volme do Direito ci-
vil lusitano, por Mello Freir, augmonlado com olas
dos mclhores praxstas o icios, e IcgislaQo brasi-
lera, aleo presente publicada. Subscreve-se para
este volume na praca da Independencia, livraria, ns.
6 es, onde se i rilo entregando aos Srs. Acadmicos
LOTERA
Do Hospital Pedro II.
Corren) infallvelmente as rodas da ter-
ceira quinta parte desta bteria no dia 8
de abril prximo, pelo que o thesonrei-
ro convida a compra re ni o resto dos bi-
Iheles.
I'rccisa-so de 2 feitores para um engenho, sen-
do Porttiguczcs ou lbeos, que nSo tenham fami-
lia o sejam robustos : na na da Cruz, n. 43.
Precisa-so do urna ama de leilc que seja des-
impedida e capaz para lomar conta de urna cria-
c.to inteira, cquetenlia bom e bastante lcite: na
ra das Cruzes, n. 22,2.a andar.
= Antonio Pedro Cavalcantc Albuquerque faz ver ao
respeilavcl publico, que comprou a Antonio Jos Antu-
ne. Guiuiares, morador na ra do Livramento, duas
pardas, sendo urna de nomc Archanja e outra de nome
Quiteria ; tambem comprou ao Allem.tu Augusto, mo-
rador na ra da Guia, um cavallo foveiro ; a Frederico
outro prcto; c a Antonio Jos Martina, morador em
Agoa-Comprida, outro caitanho : e que tudo foi condu-
zido para o engenho de Una, onde he sua residencia.
ES- INQUF.RITO. ,ffij
Gomo me amrman que faz diligencias fortei o ex-
carecreiro Manoel Thoinaz dos Santos para substituir ao
actual Joaquim Jos Anuncio, que vai ser mudado, se-
gundo ailirmam, deseja-se saber, se j est absolvido
do proersso que se fez a dito Manoel Thomaz por amor
de recebimentos de dinheiro de sala ; porquanlo, a nao
estar, parece-uic nao poder ser einpregado.
Quem precisar do urna ama de loite, forra, di-
rija-so a Olinda, na ladeira do Varadouro, n. 13.
~ l'rccisa-sede um caixeiro portuguez, del2a
16 annos, oqual d fiador sua conducta: em F-
ra-de-Porlas, largo do Pilar, n 17.
I'recisa-se do um caixeiro : na venda confronte
a matriz da Boa-Vista, n. 2.
Aluga-so o primeiro andar do sobrado atrs da
matriz da Boa-Vista, n. 26 : a tratar na loja do
mesmo sobrado.
A pesson que annunciou querer comprar urna
cama do armaran, dirija-so a ra da S.-Cruz, n.66.
Agencia depassaporles.
Na ra do Collegio, n. 10, o no Aierro-da-Boa-
Vista, n. 48, continuam-so a tirar passaportes tan-
to para dentro, como parafra do imperio; assim
como despacham-se escravos: tudo com brevidade.
OSr. J. R. O. queira mandar pagar o aluguel
da casa da ra do Caldeireiro, do anno prximo
passado.
Hoje, 21 do correle, linda a audiencia do Sr.
juiz do .civel, bao de ser arrematadas algumas
obras d miro, por execucao puis lie a ultima
praci.
-- Perdcu-sc, no dia 17 do corrente um relogio
sa bonete de prala, com os dous vivos da lampa dou-
rados c a argola : quem o achou, dirija-se a ra da
Moda aruiazem n. 17, que ser gratificado com
20,000 rs. O dito relogio foi perdido na malanga das
Gitico-Pontas alinhamonto do forle, ra do Manoel-
Coco, dilado Nogueira, travessa da dita, ate s-
Rita.
ATTENCAO'.
D3o-se 20,000 rs. de gratiicacao a quem pegar o
crioulo Silvano, ofilcial de pedreiro o q4ial anda
fgido desde outubro do anno prximo passado;
triibalhou as casas quo est construindo oSr. Pon-
tes, na Passagem-da-Magdalena, a titulo de forro
ccomo fosse perseguido pelo polica, oceultou-so
pela malla da Torre, ondo esl trabalhando pelo
officio nos diflerontes edificios quo se estro cons-
truindo no mesmo lugar da Torre, margen) do
Gupibaribe. Elle he bom conbecido, o temos sig-
naes seguintes : estatura regular, bastante secco do
corpo, bem prelo, olbos muito vivos pouca bar-
ba o com al guns cabellos j brancos, suissas finas e
compridas, mui lo fallo de denles, s lem um den-
le canino nn frente, na bandibula superior, pcitos
cabelludos cj tambem com alguns cabellos bran-
cos muito caohoto ; lano Irabalha coma direila
como com a esquerda, com a qual toca bem viola ;
ponas linas, com urna cicatriz avcrmelhada na ca-
nda o outra no peilo do p da oulra perna. Quem o
pegar love-o ao sitio das Roseiras, defroute da ca-
pella do Rozarinho, do major Joaquim Elias de
seu senhor, que receher
Prccisa-se de dous officiaes do marceneiro
de dous ou tres aprondizes : na ra da Cadeia j
S.-Antonio, n. 18.
QWJ9WW0 W ^1^ +0 ^1* ^W
Boaard, horticultor de
Lyon,
% tem a honra de participar ao respeilavel I
? publico, e principalmente aos amantes ilas Qi
* bellas flores, que lenciona demorar-se nesta ^
z! praca smente at o (im do mez: por consc-
5 guinlo, convida o mesmo Rotiard as pesA.s i
g que quizerem aproveitar-se da occasiao, a ae 'S
2 dirigirein no Aterro-da-Bda-Vista, onde o a- 9
a chanto vendendo as mesmas flores o sementes v
por todo o proco.
tierna* m% 0ia *"% 01% @i* ef* 0%^
Preci*a-se de urna canoa do lenha por mez n
quarenta mil ris, sendo lenha da Ibura : o'di
nheiro lie logo pago a vista : a tratar na Santa-Cruz
padaria de una pnrta.
Quem procurm ser caixeiro, na padaria di
Santa-Cruz, de urna porta, baja de apparecer ti'
mesma, para ver se preencho os quesitos que sSo in.
dispensaveis, sondo no dia 23, para tomar conti no
dia 24 do corrento; na mesma padaria anda se pro-
csa de forneiro.
Antonio Faustino de Miranda e Ignacio Fra-
cisco Martinsdeclaram quosua m.li e av, Filipni
Mara da Exallacao, nao podo vender os bens que
Ihecouheram na parlilha que se procedou do sen
casal ; por isso quo anda estao, com outros, litigan-
do sobre a mesma partilha.
Na maiiha do da 19 do corrente, furtaram ilt
cocheira do Sr. Jo.to Pinto de l.emos Jnior, na rui
da Aurora, um cavallo alasDo cachito, pequeo, csj.
Irado, e proprio para menino; bastante gordeV u J
a cauda cortada de pouco lempo, o algunus sica/
trizes nos pci tes, por ter sido de toda: quem o ais
prender, ou souber onde elle existe, levc-o, ou <*
parte a seu dono, Gustavo Jos do Reg, n j*
Seve, quo sera bem gratificado.
Joaquim de Oliveira Main relira-so desta pro,
vinca, a fazer urna viagem a Europa.
Deseja-se fallar ao Sr. Jo.to do Allem.to Cisneiro
parase lhcentregar urna carta do importancia: na'
ra da Cadeia, n. 59, ou annuncie a sua morada pa-
ra ser procurado.
--Precisa-sede ofiiciaes de alfajate, que sejam
peritos para obra muida e grauda: na ra Nova
n.19.
Urna mulber de boa conducta que eotendo Ue
costuras de alfaiate, so offerece para ama de nunl.
quer casa : na travessa de S.-Jos, n. 16.
Um prcto, levando um bnhu para o pateo de S.-
Pedro, e chegando no becco do Padre, evadio-se
com o dito habi. Roga-so o qualquer pessoa que
delle souber, que avise a Francisco X. de Moracs
no mesmo pateo de S.'-Podro, n. 30, que sera re-
compensado.
Urna pessoa com nuila pralica de despachar ca-
vos nacionaes ceslraiigeros so offerece para cai-
xeiro fazendo outro qualquer servco alm di-
quelles : na ra do Itangel, sobrado n. 9, ou an-
nuncie.
I'elojuizodo civel desta cidade se ha de ar-
rematar hoje, 21 do corrente, na sala das au-l
dioncias as horas do costume, urna morada de ca-
sa por execucao de Caetano Pereira Concalves di
Cunlia contra Francisco Jos Dias da Costa escri-
v3o Santos.
A pessoa que quer comprar urrra venda com o
fundos de 400/a 500/ rs. dirija-so a Fra-do-l'or-
tas ra do Pilar, n. 84.
Alugam-80 3 casas terreas de prximo aca-
badas do construir com bastantes com modos,
cacimbas c quintaos murados, na ra do Hospicio ,
defronle da casa da moradia do Sr. Arcenio : a Ira-
lar com Francisco X. M. Bastos, na ra da Unao ou
no Itecife, ra do encantamento, ormazcm de mo-
lliados n. 11.
Desapparcceu, no dia 17 do correte, a escriva
Marn, crioula do altura regular; tem um panno
na face : quem a pegar leve-a a ra do Rangel, n. 3.
A aula de educa*Ho primara para meninas, que
se chava cstebelecida na ra da Soledade adia-
se mudada p:)ra a ra do Roznrio da Boa-YisU t.
44, aonde se contina n receber meninas, tifio j
para o ensino como pensionistas e meias-pensio-
nistns. Esle cstahclecimento lie dirigido por tima
senhora casada, cujos desvelos no tratunienlA *v
adiantameuto de suas discipulas leem-se turnado
notorio, polas pessoas que se teein dignado entre-
gar-lhesuas lllhas.
-- Tiram-se passaportes correm-se folhas e co-
pia-so qualquer genero do escripia tudo com
presteza asseio ecommodidade : na ra da matriz
da Boa-Vista n. 60.
Retratos-
do dagucrreolyoo coloridos e
ixos. pelos ltimos deseo*
brimentos.
Oabaixo assignado lem a honra de participar to
rcspeitavel publico o aos seos amigos gcrhloicnle,
quo acaba de receber dos Estados-Unidos por es-
cala do Para, no vapor Imptratriz um bello sorli-
mento do objectos para retratos : e como tencin
demorar-se pouco lempo ncsla praca, e seguir bre-
ve para a Baha convida a todas as pessoBS quo an-
da precisan) dosseusservicosa oprovoitarein a occa-
siao presente. Como ha militas pessoas de opinilo
.Moma; seu senhor, que receher a gratiicacao
cima ofierecida.
No oit3o da matriz de S.-Antonio, n. 14, engom- errnea, quo estcsrotralosi somonte como emp"
ma- se com o maior asseio q ue be possivel, por pre- se acabam o abaixo assignado n1o pod deixar de
cocomtnodo. direr que esta opiniflo s podo ser applicada nos
-- I'recisa-se de um Portuguez que entenda do
trata ment do arvores o flores para um engenho,
distante desta praca 8 leguas: quem pretender, apro-
sentandoattestadode sua boa conducta dirija-se
a Soledade, silio da cascata.
Quem precisar do urna ama do leite, parda,
forra e quo lem muito bom leite dirija-so a ulti-
ma das tres casas, no silio mesmo do Cajueiro.
Offerece-se urna mulher parda, quo sabe reger
bom urna casa para ama de urna casa do pouea fa-
milia ou de alguma senhora viuva : no Alerro-da-
Boa-Vista, n. 54.
Qoum precisar do um caixeiro portuguez, de
16 aiinos., com implica de venda mesmo para o
mallo, dirija-se a ra da Praia armazem n. 43. No
(neutro armazem vende-se urna canoa de Iriiila e
lautos palmos do compiimento, por proco muito
commodo.
retratos de fumaca quo so tiraran) anteriormente,
quo os retratos (ixos o coloridos nflo sflo capa"
de sumir-so nunca e que esl prompto a mos-
trar a qualquer pessoa a differenc quu existe en-
tro um retrato do fumaca o um fixo e colorido P*;
lo novo dcscobriuiento. As horas mais propruis
para tirar estes retratos sflo das 9 horas da manhW
as duas da tarde, principiando de bojo em diante,
na ra da Cadeia deS.-Antonio, n. 26.
Carlos D. Fredrick.
SOCIEDADE EU^ERPINENSE. |
Convida-se a lodos os socios om goral, para boje,
21 do correnlo : sua rcuniflo he a inleresse da mesma
sociedade, pelas 6 horas da tafde. ,-j
-Precisa-sede um forneiro} que seja ponto '
ra Direita, padaria n. 26.
r
I


e

<
Aluga-se um sobrado do um andar, no pateo
do Torco ; umn casa terrea na trnvessa da Florenti-
na defronte do theatro novo ; ambas com muito
bons commodos e muito frescas : na rua da Cadeia
jo-S.-Antonio, armazem de laboas, n. 13.
Recebem-so escravos para se venderom em
c .mniissfo tanto para a trra como para fra por
Icro annunciante muila freguezia : s se leva des-
le trabnlbo urna pequea commissflo e so promet-
te toda aso;?urania para os escravos : na rua das
Floree, n. 17.
&CHAPEOS DE SOL #
Rua do Fosseio-Pnblico, n. 5.
jolto Loubet participa ao rcspeitavel publico, que
recebou, por estes ultimosnavios francezcs, um com-
pleto sortimento de chapeos de sol, do soda, amis
rica e superior qualidade; furta-cres e outras mui-
tigeonhecidas, tanto para homens, como para Sras
e meninos. No mesmo estanelecimento ha um sorti-
mento de chapeos de sol de paninho, dos hiais mo-
dernos; ditos muito grandes, proprios para homens
decampo: tambem tem chapeos do sol de paninho
para meninos o meninas, por sercm muito Finos: po-
dein-se chamar chapeos de economa. Na mesma loja
ha sortimento de bengalas, bengalinhas o chicotes
muito modernos; cobro-so qualquer armag.lo de cha-
peos deso, com sedas de todas as cores equalida-
des. Na mesma casa ha um grande sortimento do
pauniihos trancados e lisos, imitando seda, para
cobrir os mesmos: desta fazenda se vende aretalbo.
Concorta-se todo qualquer chapeo de sol, por haver
um completo sortimento de todos os pertences para
os mesmos, com toda a perfeicHo e brevidade.
Furtaram do engenho Fragozo, termo da cida-
dodcOlinda, um cavnllo rugo-sujo, novo, inteiro,
(jordo, e com a marca Fragozo feito com fer-
'.';|uente na anca. Os animaos assim ferrados so
nlo veudom, uom trocam-so o ncm se d.lo para se
poder toma-Ios em qualquer parte que sejam en-
contrados, o judicialmente perseguidos os autoros
dosemelh-ntes furtos. Ser gratiP.cxdo quem ievar
o dito cavallo ou delle der noticia na rua da Auro-
seu proprie-
lunlia.
--Furtaram um cavallo caslanho, do ambas as
sellas, comossignaes seguintes : o pdiieilo bran-
co urna pequea estrella na testa, de 6 para 7 an-
nos, muito ardigo, estradoiro dobaixoe moio ; tem
um s ferro da fazenda do serto do llio-do-Peixe,
sellado eenfreado com sellim inglez, cm rucio uso:
quam o dcscobrir o o levar aoseu dono.ler 50/rs. de
gratificado de sou traballio : foi furtado no dia 4
do rorrete do sitio de S.-\:raro, de Elias Coelho
C'inlra, morador no Aterro-da-Hoa-Vista n. 18 ou
em casa do Arcenio Fortunato da Silva, no Hospicio,
n. *.
Urna pessoa quo tem ensinad o com facilidade a
Iraduzir, fallare escrever cprrcclamenle o inglez e
francoz, assim como gcographia, grammatica por-
tugueza, oalgunssegrodos de cbimica, deseja pres-
tarse em algumas casas particulares : na rua do
Collegio, botica do Sur. Cypriano, ou na na de
Agoas-Verdes, n *, na loja, so dir quem he o
ni estro.
Placido dos Santos Magalhaes rctira-se par
Portugai, a tratar de sua sado e quem se julgar
seu credor aprsenlo suas contas no prazo do 8dias,
para serem pagas
Dentista.
D.W. Rayiiou, cirurgiaodentista dos Estados-Unidos
da America do Norte, recontomente chegadp a esta
cidade, participa ao respeilavel publico 8 aossous
amigos, que tenciona seguir desta cidado para os
portos sul em breve tempo : assim, roga as
pessoasque se quizerem utilisar do scu preslimo ,
dirijam-se a rua da Cruz, n. 40, segundo andar.
Manoel Jos Barboza Braga avisa a todos os
seuscredores que, no prazo de 8 dias contados da
da data deste, lho apresentem todas as suas contas
para sorem inmediatamente pagas; na certesa de
que, depois doste prazo, nSo annuir qualquertre-
clamaco que se lhe faca por julgar nada dever.
Recife, 13 do margo do 1848.
Compras.
ra n. 10, ou no engenho Fragozo a
taria Joaquim Manoel Carneiro da Cu
Compra-se em segunda mito urna armac.no de
louro ou amarello, envornizada, ou por envernizar
quem tiver dirija-se a rua do Queimado, n. 21.
--('.ompram-se, effectivamcnle, para urna cneom-
menda, escravos de ambos os sexos de 10 a 40 an-
uos : na ruaeslrcita do Rozario, n. 31, primeiro
andar.
--Compram-se, cffcctivamenlo botijas e garra-
fas vasias : na rua de S.-ltita, restilacio n. 85 o na
venda atrs da matriz da Boa-Vista n. 2, que lira
na esquina da praga.
-- Compra-se urna prcta de 40 annos, boa cozi-
abeira sein vicios nem achaques : na rua da Sen-
zella-Velha n. 110 das 9 horas as 3 da tarde.
--Compram-se, para urna pessoa de frn duas es-
cravas mogas, que tenham algumas habilidades:
no becco do Sarapatel, n. 12, Se dir quem compra.
lomprain-se, effectivamente, todas
asqualidades de garrafas e botijas vasias
no Aterro-da-Boa-Vista,- fabrica de li-
cores n. 17.
Compra-se urna espada do ferro, estando em
bom estado na praga da independencia n. 17.
Compra-so meioalqueirc, da medida volha.de
gomma de mandioca : na rua do Crespo, loja n. 16.
Compra-so a historia da revolugSo de l'ernam-
buco em 1817, por Barroto : na rua do Apollo, arma-
zem n. 2, de Comes & Irmiio.
Vendas.
Voiiilo-sn um bom cscravo muilo
corpolento, de nagiio, perfeito carre-
gador de cadeira, oqual he jardinei-
ro, por ter dlsso muita pratica o
tambem he muilo geitoso para todo
o mais servigo: lio de boa conducta o
nlo tem vicio nem molestia : ao
comprador se dir o motivo por quo
se vende; assim como outros escra-
vos muito mogos, por pregos com-
moilos: na ruado Vigario, n. 21,
se dir quem vendo.
\MUM

-Jos f'ercira Toixeira rctira-se para Europa a tra-
tar de sua sade, levando em sua companhoia o seu
escravo Malhias, o dcixa encarroado de sous ne-
gocios em primeiro lugar a seu genro oSr. Joaquim
Antonio dos Sanios Andrado. em segundo ao Sr.
Antonio Botclho Pinto do Mosquita: e quem se jul-
gar seu credor apresento suas contas 110 prazo de,
is uias, contados desta data. Ilecife, 17 de margo
de 1848.
Miguel Ferreira Duarto Velloso vai a Europa.
Ainda ha a sublime banba frnnceza para con-
servar o cabello, pela sua frescura e bom aroma ,
em potes de duas libras, polo diminuto prego de
1,600 rs.: vende-sc na rua larga do Rozario, n. 24.
Precisa-sedo um caixeiro que onlenda de toda
a cscripturagio precisa para urna casa commercial ,
saliendo perfeilamenlo o inglez : quem osliver nes-
tas circumslancias dirija-so a Matheus Austm &
Comranhia na rua da Alfandcga-Velha, n. 38.
OSr. Joo Baplisla Du Cortil tem una carta
vinda de Lisboa na rua do Queimado, n. 20.
Aluga-se a casa da rua da Solcdadef n. 42, que
tem um grande quintal, e com bstanlo planlagOo :
a tratar na rua do Queimado, n. 20.
Descja-sefallar com o Sr. capito do patacho
Enulatao', Antonio Gomes Pereira a negocio de
seu inlercsso : na rua das Cinco-Ponas, n. 65. As-
sim como a pessoa quo annunciou na rua do Rangol
querer comprar ouro, niesmo cm obras quebradas ,
de dirigir-se a casa cima mencionada.
i'recisa-se de prclas para venderom pflo sb
responsabilidade da scus scnbores, pagarido-se-lhes
a vendagein s na rua Direita, padrria, n. 26.
Quem precisar do urna ama de leile, moga e
em lillioa, dirija-se a praga da Boa-Vista, sobrado
n. 30.
Domingas Manada Conceigo participa ao res-
peitivel publico, que conslando-lbe que Joaquim
Jos Quirino procura vender o sitio cm quo elle
mora na estrada de Bclem tem de prevenir que o
dito sitio e maia bens que elle possue seacbam em
liligio : e por isso todo u qualquer negocio que ello
fi'-eracr nollo, por elle no poder [vender nem
hypolhecar.
I'iecisa-se de um menino para caixeiro para
estar debaixo do dominio de outro caixeiro mais ve-
Iho: em Fra-dc-Portas venda n. 92.
No juizo do civel desta cidade, por execugSo de
Miguel Joaquim Pinto Machado Guimaraes contra
seu devedor Francisco Xavier das Chagas Sicupira ,
se acha om praga publica a casa terrea sita na rua
Imperial desta cidade e lindos os dias da le,
v-badeser arrematada a quem mais der : quem nel-
la quier langar pode comparecer no dia, para s
aeceber o seu lance.
Ainda contina venda de duas casas terreas
novas, ns. 90e92, sitas na povoagilo dos Allegados,
no largo da Matriz, devendo-se tratar a compra das
mesmas na rua da Cadeia do Recife, casa n. 59 :
tambem se trocam por oulfas ou outra no Recife,
voltando-so o quo. Wr rasoavel. Na inosma casa su
vendem 500 mullios de pallia nova, du carnauba.
Vndele urna mulata muito linda, de 16 anuos
pouco mais mi menos, que coz cozinlia o rngoimna
liso: vciije-se por .precisao : no pateo do Carino,
n. 7? '
Vende-se ou troca-sc por casa terrea, ou escra-
vos o sitio do Arraial, com urna grande casa do pe-
dra e cal, o esta nova, grande terreno bem plantado
dofiuteiras: vende-semuito em conla, por haver
precisiio : no palco da Sanla-Cruz, I). 14.
__ Vendem-se seto escravos, sondo : um bonito
mulato do 20 annos ; um negro de 28 anuos; duas
mulatas mogas; urna negra de 20 annos, com ele-
gante ligura ; assim como duas boas quitandeiras :
todos sern vicios ncm achaques : 110 patoo da Santa-
Cruz, n. 14, se dir quem vende.
Vendem-se 3 oscravos, sendo um molecote de
20 annos*, proprio para todu o servigo ; urna crioula
de 20 annos, do bonita figura, que ongomma coso
clio, cozinba e lava desabito, u urna negrinha da
Costa, de 16 anuos, de bonita figura; que cozinba,
lava o vende na rua: na ruadasCriizcs, n. 22, 2,
andar.
Vendem-se pus decoqueiros om bom estado de
plantar, a 200 rs. cada um : na rua do Queimado,
11. 57.
PARTICIPA-SE
ao$ fregueses do bom e barato, que te vendem
cortes do cambraias abertas, a 4,500 rs; ditos de cassa
de cores, a 3,600 rs.; ditos de lila o seda, a 7,000 rs.;
jegas de bretanha do Franga, a 3,500 rs.; ditas do
madapolSo entestado, a 6,500 rs.; chales de seda do
14 quarlas, a 10,000 rs.; dilos de lila e seda, a 5,000
rs.; meinsleseda prcta para senbora, 1,800rs.; lu-
yas de lila pretas para senbora, a 600 rs.; superior
sarja hcspanbola, a 2,500 rs.; lengos bordados para
senbora, a 320 rs.; mantas do seda, a 8,500 rs.; casi-
mira preta elstica, o covario a 3,000 rs.; los prctos,
a 2,400 rs.; fazenda decaiga, o covado a 240 rs.;
setim preto; merino; esguilo lino; brins do linho, re
oulras muitas fuzendas, muito baratas e sem defei-
lo, franqueando-se amostras aos compradores: na
rua do Queimado, n. 46, loja do Magalhfes & Ir-
mao.
Vende-se genebr de Hollanda :
no armazem da rua do Trapiche, n. 34.
N? pracinha do Livraincnto, loja
5i, ale'tn de ler um completo sorti-
mento de lazendas inglezas, que se ven-
lem por precos commodos, tem as seguin-
tes Irancezas, do ultimo gosto, e proprias
para o presente tempo da Quaresma, as
quacs se vendem muito baratas, ltenlas
suas qualidades : sarjas pretas, ver-
daderamente hespanholas da primeira
ultima qualidade ; setim de Maco, liso
lavrado dito com flores ; los prctos e
brancos, grandes e pequeos, para meni-
nas i chales de seda e casimira, com ricos
bordados, c de lia, bordados de seda; len-
cos prctos, de sarja c setim, para pescoco
de homens- ditos para senhora e para al-
gibeira, de lindos e variados gestos lu-
yas de seda preta, bordadas de matiz, e
de pellica de differentes cores ; chapeos
franeczes, da ultima moda ; lapim preto
e de cor, liso e de cordo, proprio para
vestidos de montara de senhora e vesti-
menta de ciiancas casimira preta, mui-
to fina ; pannos pretose de cores, os mais
indos queal hojeleemapparecido, e por
preco menos de /-O por cento do que
em outra qualquer parte cassas ; cahraias ;
piscados em cassas e om linho, tan lindos
queso a vista desengaar ; e outras mili-
tas fazendas que seria fastidioso enumear.
Vcndc-sesaccascom arroz do casca a 3,200
rs.; ditas com milho a 2,500 r.: na rua da Cadeia
deS.-Antonio, n. 21.
Vendc-so urna preta moga quo sabe cosor, en-
gommar e cozinbar : na rua da matriz da Boa-Vista,
n. 33, segundo andar.
-- Vendem-se ancorlas de
diversos tamaitos, com vinho da
Vladeira, tinto e branco, de supe-
rior qualidade: no escriptorio de
Oliveira limaos & C, na rua da
Cruz, n. 9.
Vendc-sc.uma muito linda mulatinha de 11
annos, que cose, c lio muito propria para so dar a
nina menina ; urna negrinha de 14 annos, quo co-
so e cozinba tambem he propria para casa de fa-
milia : isto porque sen dono por doeote, retira-se
para o serillo ; na rua larga do Hozario, loja de miu-
dezas ti. 35, se dir quem vende.
Clieguem ao borne barato
NaruadoLivramento, n. 14. vendc-so casimira
preta da mclhor que tom apparccnlo presentemente;
sarja liospanhola, do duas larguras, do superior
qualidado ; longos prctos do setim para grvala ,
de grandissimo tamaito ; merino preto do boa qua-
lidade ; cortes de cassa prcta para luto; madapo-
1:1o muito lino a 4,000 rs.; e outras muitas fazen-
das que silo pecbinclias presentemente e ludo mais
barato do que em outra qualquer parle.
Va rua das Agoas-Verdes,
n. 46,
lia um bonito escravo do 22 anuos, bom carreiro
um mulatinliodo 18 annos, bom pagem ; um lindo
moloque; urna boa cscrava, por 220,000 rs ; tros di-
tas para todo o servigo ; urna dita boa quitandeire,
por 320,000 rs.
Atrs do theatro vclho, nos antigos
armazens de Joaquim Lopes de Almeida ,
caixeiro do Sr Joao Matheus acha-se
um grande sortimento de taboas de pinho
da uecia, proprias para armaces de lo-
jas c vendas por se poder at enverni-
ar por n3o ter nos : bem como costa-
do costadinlio, assoalho fono e para
fundos de barricas por preco mais ba-
rato possivel, Cheguem freguezes,
se queima por todo o preco ; assim
mo louro c forro do mesmo.
Vendc-seum cabriolet de muito bom gosto o
com pouco uso : para ver o tratar, na cocheira do
Miguol, no Aterro-da-Boa-Vista.
No Passeio-Publico, loja nova n.
17, de Ricardo Jos de
Freita",
vendem-se riscados franeczes azues-escuros, do lis-
tras equadros, muito proprios para jaquetas, caigas
c vestidos do negros, por seren muilo fortes, a 160
rs. o covado; urna porgo do algodilozinho, pegas
de 20 jardas, com Iguma avaria, a 1,280 rs.; sarja
de seda prcta larga, a 2,000 rs ; dita estreita, a 1,440
rs. o covado; corles de !ia transparente, a 4,000
rs. ; ditos 1c caga, a 2,240, 2,560, 3,200, 4,000 e
5,000 rs. ; ditos do barra, todos brancos o muito li-
nos, a 5,000 rs.; pannos para cobrir mesa, a 1,280
rs.; cortes de larlatana, a 3,200 rs.; cortes de pclle
do diabo, do muito lindos padrOcs, a 1,410 rs. ;
urna porgSo le chitas (xas, a 120,140,160,180 e 200
rs. ao covado; chapos de sol do seda, a 6,000 is.;
ditos de hastoa de ferro muito linos,a 7,000 rs.; cortes
docambraia branca lisa, a 2,000 rs. ; chitas do co-
berta, a 160 rs. ao covado ; casimira do duas largu-
ras, preta, azul-escura e rouxa, a 2,200 rs. ao cova-
do ; o outras muitas fazendas, que vista do com-
prador deverlo agradar em prego.
Lotera do Rio-de-
Janeiro.
Vendem-so bilheteso meios ditos da primeira lo-
tera concedida a beneficio do theatro de S.-Pedro
do Alcntara : na rua da Cadeia n. 38, loja do Ma-
noel Gomes Cunba Silva.
Vende-se una capa de gorguro
com sua competente cruz de ouro fino
ao lado,prompta para qualquer procissao:
na rua do Hospicio, casa n. 1.
Vendem-se diversos escra-
vos, chegados prximamente do
Cear, mogos e de boas figuras ,
entre os cjuaes um pardo, com
officio de alfaiate e que he pro-
prio para pagem ; urna parda boa
padeira; um pelo peca, por 250$
rs., por ser derTeituozo dos ollios:
na rua do Crespo, loja n. 2 A;
se dir quem vende*
que
co-
Potssa.
Chegou, no dia ao docoi rente, urna pe-
queo porco de barr com superior po-
tassa, e avisa-se aos freguezes deste gene-
ro, que a venham comprar na rua Ja Ca-
deia-Velha, armazem n. ia, antes que
se acabe
AOS ESTUDANTES.
Na rua da Cadeia do tecifo, n- 57, primeiro andar,
na sala de detrs, vende-se o atlas geographico do
Semencourt; compendio do geographia por Caul-
tur: de historia sagrada por U. Freir, e de historia
antiga polo mesmo ; arithmetica por Hesout; o mais
alguns livros para os ostudautes de preparatorios,
todos novos, pelo mais barato prego possivel.
No Aterro-da-Boa-Vista, loja
nova, n.21,
chegou, polo ultimo navio vindo do Franca, urna
porQilo do fazondas como sejam as seguintes : lu-
vas de pellica, de meio braco, com ricas guarniqes,
para senhora ; ditas curias de seda c do pellica, pa-
ra bomem ; ditas de algodilo com borracha: ricos
ramos de flores para chapos e cabera ; chapos do
pallia entraados de cabello, ultima moda para se-
nbora ; ditos de pallia para meninos o meninas; lo-
ques de seda, c do papel, muito ricos; meias pretas
de seda para senhora ; o muitas outras fazendas quo
se venderlo por prego commodo.
Baealho
?
AosSrs. de cngciilios e casas
de familias.
Acaba de chegar para a Quaresma urna porcjlo de
baealho do escama de quatldad* muilo superior
ao que at aqui lom chegado a oslo mercado, o
qual be preforivel, n:1o s pelo seu mdico preco
quo he do 9,000 rs. o quintal mas tambem por ser
da mclhor cura pudendo conservar-so urna barri-
ca abc.rla dous ou tres mezes sem bumideccr, ou
deteriorar-so. Vendo-so no armazem de Antonio Au-
nes no caes da Alfandcga n. 5, e em casa de J. J.
Tasso Jnior, na rua do Amorim n. 35.
Milho.
Vende-se milho, a 2,000 rs. a sacca : no caes da
Alfandcga, armazem de Antonio Annes.
iVovos riscados
i
monstros.
Na loja confronte ao arco rdo S.-Antonio, n. 5,
chegou um novo sortimento de riscados monstros,
decores lisas e lindos padrOes com urna vara de
largura pelo barato prego do 320 rs. cada um co-
vado.
Vende-se, ou arrenda-so um grande sitio na rua
Imperial, com duas moradas do casas urna para
grande familia, na frente da rua e outra mais pe-
quena dentro do mesmo silio com bons parroiracs
e muitas fruteiras de boas qualidades, todas novas
e j dando frulo com um grande viveiro no lundo :
na rua Krreila, n. 135, loja de cera onde se far
qualquer dos negocios, pojBseu dono ter do retirar-
se por molestia.
Vende-so urna poreflo do enchameis o taboas;
duas portadas de caixilhos com vidros para alcova ;
urna grade para port;1o; urna dita do almofadas o
vcrgalhOcs para escada ; um par de ananazes de
chumbo para sacada : na rua da Concordia sobra-
do da esquina passando a pontezinba.
m[ Proca da Independencia^ n. 17,
Wj
LOJA DK SIRGUEIRO.

I
m
9
Vendem-se uniformes para todas
as patentes tanto para guarda
nacional como para primeira h- ^
nha, e chapeos envernizados e de
seda para pagem, gulfio de ouro
e prata, espadas pratcadas de ro-
ca o sem eila, e outros mais ob-
jeclos pertencentes a mesma ar- /
te: ludo por preco mais comino- }
do possivel.
--Vende-so urna espingarda de caga eos iivros
seguintes : umjogo do diccionarios do Moracs; o
citador; Arithmetica por Lacroi*; Historia do Elo-
sa o Abeilar.l ; Grammatica nacional, por Jerony-
mo Soares e mais livros: na rua Imperial, n. 65.
a rua do Trapiche, n. 17, con-
tina a haver deposito da verdadeira cal
virgem de Lisboa, chegada prximamen-
te 5 advertindo-se aos compradores des-
c genero que o deposito be j muito pe-
queo, e que da nova nao ha mais em
parte algumo.
Vende-so um alambiquo de cobro de carga de
3o caadas, com serpentina de estauho ludo em
bom estado por prego commodo : na rua de S.-Ri-
ta, n. 85.
As admira veis uavalkias de ac
da China, para barba,
vendem-so na loja do l.ody, r.a rua larga do Rozario,
n. 35. EslOo se acabando e por isso quem se quizer
aproveitar noso descuido, e venham emquanto
he tempo.
Vendem-sc duas boas ecravas crioulas de
bonitas figuras e mogas, quo cozinbam. lavam mui-
to bem e ongommam sao sadias, e nSo se duvidat
dar a contento para serem experimentadas : na rua
do Queimado. loja n. 51,
MUTILADO
.....
. -.



Vendem-so 8 escravos, sendo : urna boa cozi-
nheira e engommadeira ; 3 mitlatinhas muito lin-
das; urna negrinha do 13 annos; um molecote;
um escravo bom cozinheiro ; 3 ditos de todo o ser-
vido : na ra ireit, n. 3.
Cabellos p'retos.
Contina-se a vender a a;ioa de tingir cabellos e
suissas : na ra do Queimado, n. 31. O metltodo de
pplicara dita agoa, acompanha os vidros.
Vendem-se ricas trancado seda para enfeitos
de vestidos, chegadas ltimamente de Pars de to-
das as cores e larguras; rico bicos de blondo, bran-
oa, da largura de cinco pollogadas para vestidos
de noivados; sedas mui lindas para vestidos; cre-
p de todas as cores ; lanlernas muito ricas ; sarja
hespanholu, muito superior: na ra Nova n. 8, lo-
ja do Amaral.
Vonde-se o engenlio Timb a 4 legoas distan-
te desta praca, corrento e moente coni agoa de boa
e regular produceflo, com a safra de 2,500 pues pou-
co mais ou menos, ou sem ella : este engenho lie de
considcravel importancia, n3o so no presente como
no futuro, por conter mais de quatro legoas do ter-
rcuo roberlo de matta virgem, o com capacidade
de levantar engenhos d'agoa o do bestis: a tratar
no mesmo engenho ,ou no sobrado ao lado da ca-
deia n. 23.
Vendem-se quartirrhas, tanto cm porco como
a retalho, por preco commodo : bein como alguida-
res grandes, do gomos e vidrados a 2,560 rs., pro-
prospara lavar meninos: na ra Augusta, venda
i). 1, so dir quom vendo.
-- Vcnde-se urna esclava anda moca do bonita
fipura que cozinha soffiivelmento, e fai doces de
varias qualidades; sem vicios ncm achaques- na
ra doQuiimado, n. 10.
Vende-se, por prego cominoilo, ou permuta-so
por una casa torrea um terco duim sobrado ricuin
andar, noAairro do S.-Antonio : quem o pretender
aiinuncio.
Vende-.se urna carteira do amarello, de duas
faces com algurn uso e om segunda rno : na ruu
da Cadeia dn S.-Antonio, n. i9.
Vende-se um preto do nacITo, do 27 a 28 an-
nos, canooiro, bem reforcado do corpo, muito sa-
dio, o que ho proprio para engenho para onde se
preferoa venda: o motivo por .juc so vende, lio
porquo nao quer mais andar em canoa : lambem se
troca poroutroque soja bom canociro e moco: na
ra da Praia-do-S.-Rita ns. 25 o 37.
Americanas.
Vendem-se as superiores meias cruas americanas,
a 4,800 e 5,200 rs. a duzia : esta fazenda torna-se
recommendavel 'por rSer muito elstica : na ra
do Collegio, loja nova n. 3.
Attencao a pcchinclia.
Na nova loja de barbeiro, na ra da Cruz, n. 58 .
vendem-seealugam-SA bichas, ltimamente che-
gadas de llamburgo. Adverte-so que se vender a*320
rs. cada una.
Vendem-se presnntos o queijos americanos ,
ltimamente chegados dos Estados-Unidos muito
frescaes ; vassouras para varrer salase tapetes; bal-
des e balaios americanos proprios para embarque;
e o o tros objectos por preco commodo: na ra da
Cruz, n 7, armazem de Uavis & Compendia.
Vcndem-se aderecos de pedras finas, de varias
qualidades, do ultimo gosto da Europa ; brincos de
bnlhantes, do muito bom gosto; aunis de dito :
tudo per preco muito commodo : no Aterro-da-Boa-
Vista loja d Joaquim do Olrveira e Souza.
Vende-se Curso do philosophia de Cousin ,
traduzido em portuguez por preco mais commodo
doqueem outra qualquer parte: na ra deS.-Fran-
cisco, antigamente Mundo -Novo, n. 66.
Vendem-se bocotas de pinho, pintadas de 3
palmos de comprimenlo, com eslampas, para guar-
dar roupa de meninos, a 1,000 rs. cada urna: no
Alterro-da-Boa-Vista, loja n. *8.
Vende-se um sitio na ra do Bora-Sucesso, em
Olinda junto ao sitio do Sr. Crispim com urna ca-
sa de regular tamanho, o unido a esta um caixflo
para nuda casa maior., tudo de lijlo, com alegro-
te grande para flores muitaslarangeiras, mauguci-
ras,jamhrejros pinhoiras ligueiras ele. tudo
ja dando fruto e em chitos proprios : lambem se
arrenda, ou aluga-so, por preco commodo: no
pateo do Carmo n. 18, segundo andar.
Vende-se urna bonita escrava cri-
oula, de i9 annos, sem vicios ncm acha-
ques, que cose, engomma e cozinha: tudo
com peisicao : vende-se emeonta, sefor
para fra da provincia. Na ra das La-
rangeiras, n. 14, segundo andar.
a
Marciana.
>
fc!
a Na loja de Jos Manoel
Monte!ro Braga, na. rna
do Crespo, n. I6,esqui
na que vira para a
ra das Cruzes,
TU vcndem-se cortes de vestidos do ciainaloto
] pelo de soda, do mais asseiado gosto possi-
U vel; ditos de cores divorsas o brancas, o que
-n pode haver de melhor gosto.
Vende-se um pardo de 30 annos, perito ollcal
de sopateiro ; umi prcta de nacad da Costa de 22
anuos, por400,000 rs.; urna parda de 25 annos,
que cozinha e vende ni. ra ; um preto ptimo co-
ziuheiro, equo he proprio para um liomem soltoi-
ro.doqualse afianca a boa conducta: na ruado
S.-Rita n. 44.
Na
Na loja do nicho ha outra pe*
chincha melhor.
Na loja do nicho, na pracinha do livramento,!
vendem-se chitas escuras, do pannos finos o tintas'
seguras, a 4,400 rs,. a peca, e a 120 rs. o covado; bi- '
eos pretos do seda de todas as larguras, muito ba-
ratos
Vendem-se hervilhas novas o boas, proprias pa-
ra samear ; na ra da Praia, n. 22,
Vendcm-se pecas de chitas pardas, lmgas, e
muito fortes a 5,000 rs., c seto vintens a retalho ;
ditas cor do rosa, muito bonitas o do tintas (ixas a
5,500 rs., e a 160 rs. a retalho ; sarja prcta limpa ,
a 1,280 rs. : na ra estrella do Rozario, n. lo, ter-
ceiro andar.
Vendcm-se as obras de Bergier, diccionario de
Ihoologia 9 v. por 10,000 rs.; o de Fritot, scien-
cia do publicista, 11 v., por 12,000 rs.: na praca
da Independencia, livraria ns. 6 c 8.
ra
de Agoas-Verdes,
n m,
vendem-se duas cscravas do nacito por necessida-
dc de 20 a 22 annos por 680,000 rs.; um bonito
moleque do 12 anuos ; e oulros escravos que se fa-
rovcrao comprador.
Vende-so um par de dragonas para ofllcial de
guarda nacional, ainda nao servidas; duas bandas,
sendo urna rica, por preco commodo : na ra da Ca-
doia, n. 30, por cima da guarda.
Vende-so una grande poreflo do fog'o do ar,
vindo de fra de 4 o Chombas, todo por junto,
a 1.800 t. a duzia na ra das Trincheiras, n. 50.
Vende-se urna Crammatica franceza do Hamonire;
urna Grammatica philosophicadoJ.S. Barboza; o Re-
pertorio dramtico; o llecreio, jornal das familias;
Rui, o escudoiro ; a ExposicSo da vida chrsta"a, em
bom estaklo por prego commodo : no Aterro-da-
l'.n.i-Vist.-V, n. 84.
-Veiidfem-se bichas de llamburgo, a 10,000 rs. o
cento : lambem se alugam por preco commodo : no
Alerro-da-Boa-Vista, n. 44, venda que foi do Maya.
Mais barato nao he (ossivel-
Vndem-se cortes de calcas do casimira, de pa-
drees oscuros c claros a 3,000 c 3,500 rs. cada cor-
to ; e oulras muitas fazendas muito cm conta : na
loja do Jos Moreira Lopes & Companhia, na ra do
Queimado, quatro-canlos casa amarella n. 29.
Vende-se o Tratado das acedes, por Pascoa I Jo-
s de Mello Freir, traduzido em portuguez pelo
bacbarel Itegueira Costa a 3,000 rs. cada volunto :
na roa do Cabug, loja n. 18.
Vende-se um bol muito gordo, proprio para
cairoca : na praca da Boa-Vista, venda n. 13, de
Antonio Jos de Magalhites: os pretendentes dirijam-
se a toda hora do dia para verem o ditoboi.
Na loja nova de Ferrao $ C,
na ra do Collegio, n. 5,
vcnde-se superior merino preto da melhor qualida-
de que lem apparecido, a 3.300, 3,600 e 4,000 rs. o
sarja hespanhola verdadeira, a 2,560 e
oulras muitas fazendas por
sarja do
rs. ; du-
,'a 1,100
rs. ; la-
; dito de
covado _
2,650 rs'. o covado
prego commodo.
Alte i) gao.
Vcndin-sc superiores mantas de seda com lin-
dos desenlias, pelo diminuto preco de 11,000
diales de lilu o seda ; ditos de la a 2,000 rs.
ros de seda dos iftais
rs.;
, len-
modernos, muito linos e de
bonitas euros, a 2,500 rs.; corles de parisienses,
com lindos o variados desenhos polo diminuto
prego de 4,000 rs. o corte ; esguiao de puro Jnlio
a 1,600 rs. a vara ; riscados francezes do bonim
ostos a z*o e:W rs. o covado ; |oncoa preios a
1,280 o 1,600 rs ; ditos de gorgurflo, a 2,800 rs,; 6
oulras muitas fazendas por menos de seu valor : na
ra do Collegio, n. 9.
Novo e esplendido sortimento de faien-
das pretas, proprias para a presente
Quaresma.
Na nova loja da ra da Cadeia do Rccfe numero
Irinta e dous, de Claudino Salvador Pcreira Braga
vendem-so sarjas largas hcspanhol.ns, a 2,240,
2,560 e 2,760 rs. ; ditas mais estreitas, a 1,500 'e
1,760 rs. ; dita lavrada a 1,000 rs. ;
lila, a 800 rs. ; niacedonia, a 1,000
raque, a 800, 950 e 1,000 rs. ; alpaca
c 1,300 rs. ; dita de cordilo a 1,280
pimmuilissimo lino, a 1,300 o 1,600 rs.
cordSo, a 1,000 rs.; panno fino para casaca, a 4, 5
e 6,000 rs ; casimira franceza, a 2,800 o 3,200 rs
setim macu a 2,240 3,500 e 4,200 rs. ; dito fran-
cez fino a 1,000 rs. ; cortes do colleles de velludo
lavrado, a 4,000 rs.; ditos bordados, a 6,000 rs.; di-
tos de gorgurSo bordados, a 7,500 rs.; longos do so-
da com franja a 800 rs.; ditos linos sem franja a
1,200, 1,500 o 1,800 rs. ; ditos do setim macu com
barra larga,'a 4,500 rs.; meias de soda, lisas, para
senhora,.a 2,400 rs.; di tas bordadas, a 3,200 rs ;
ditas para liomem, a 1,200 rs. ; ditas do ulgodilo ,
para homem a 240, 280 e 320 rs.; ditas para se-
nhora a 440, 500, 560 o 640 rs.; luvas curtas de
seda o sem dedos para senhora, a 1,000 o 1,200 rs. ;
ditas compridas com dedos o som ellcs a 1,000 c
1,500 rs. ; los do todos os tamaitos a 2, 3, 4, 5, 6,
7,8 e 10,000 rs.; veos, a C.OOOrs.: luvas do seda
para liomem, e 1,000 rs.
Vende-se a venda defronlo da matriz da Boa-
Vista n. 88. As pessoas que lecni estado em nego-
cio com ella, dirijam-sea inesma, que se far qual-
quer trato que melhor Ibes convenha; bem co-
mo outra qualquer pessoa que a queira comprar.
Vendem-se, por conta o risco do seu dono
afiaitcando-seserouro de lci, is obras novas so'
guintes : 1 cordSo com 24 oilavas um tranceliml
com 22 oilavas e mua, urna crrenlo lindissima com
35 oilavas o ineia um cordSo com 5 oilavas, um
annellao com 3 oilavas, um par de brincos de lila-
grana com duas oilavas um lago com brincos de
pedras com 5 oilavas dous cncaatores de coraos
um passador de Irauceliui com dous ricos bi lian-
tes, urna bandeja de piala moderna com 177 oila-
vas ; na ra lurga do llozario, ao u dos quartes
ns. 6 e 8.
BOM E BARATO.
Longos brancos do cassa, a 200 rs. ; ditos de seda
pretos para grvala, a 1,280 rs. ; setim preto para
collete, a 2,400 e 5,000 rs. o covado; sarja de seda
preta hespanhola, a 2,400 rs. ; panno preto de supe-
rior qualidade, prova de limao, do 4,000 a 10,000 rs
o covado; alm destas, um completo sortimento de
fazendas por barato prego : na loja dos quatro can-
tos da ra do Queimado, n. 20, de Francisco Jos
Tetxeira Bastos.
Vende-se urna parda quo lava cozinha o tem
outras habilidades : o motivo por que se vende so
dir ao comprador : na ruada Cadeia de S. -Antonio,
sobrado de um andar n. 20, junto do Sr. doutor Tei-
xetra.
Vendem-se pelles de bezerro frail-
ee, de superior qualidade, a 2,oo e
a,5oo rs. no Attrro-da-Bo4-Vista, lo-
j n. 78.
Vendem-se superiores cortes da fazenda denomi-
nadaMarciana, assentada em chitas os padrOes
os mais bonitos e de'melhor gosto que tem appa-
recido, pelo diminuto prego de 4,500 rs. com 14
covados: na ra do Collegio, loja 11. 1.
Vendem-se ancoretas com cal virgem a mais
nova quo existe no mercado, por prego mais com-
modo doqueem outra qualquer parte; urna por-
eflo de pesos do duas arrobas de ferro e algunas ser-
ras grandes para serrarom madeiras : na ra di
Moda, armazem u. 17.
Pannos finos.
Vendem-se superiores pannos Anos, prova do li-
mito preto e azul, a 3,000 rs. o covado; dito fino
azul e preto e 4,500 rs.; dito preto de superior qua-
lidade e ja bem ronhocido pela sua harateza.a 5,000,
5,500, 6,500 e 7,000 rs.; casimira preta 1 i miste da
melhor qualidade, largusa de panno, muito fina, a
11,000 e 12,000 rs. o corte de caiga : na ra do Col-
legio, loja nova da estrella, ti. 1.
Potassa e cal virgem.
Vende-se muito superior potassa e cal
virgem de Lisboa, prximamente desem-
barcada: no deposito de Hallar & Ulivei-
roy na ra d-t Cadeia do Uecilc, n. la.
Na ra da Cadeia-Velha, n.
!9, loja de J. O. Elstcr,
vende-so vinho do Porto, do divorsas qualidades ;
ilito da Madeira ; dito do Malaga; dito do Sherry ;
dito de Carcavellos; dito de Lisboa ; dito de Graves;
dito Sautcrno; dito San-Julien ; ditodo Bordcaux ;
dito Chatcau-la-Rose; dtSde San-Goorge: ago'ar-
dente de Franga, de diversas qualidades ; whiskey;
cherry-cordial ; marraschino; licores finos ; punsch
da Succia ; xaropc de framboises ; ptima champa-
nha em.garrafas e. meias ditas; velas de composi-
gilo ; da prelo c verde do superior qualidade; pre-
suntos e salames de llamburgo sardinhas em latas
o vidros ; pelits-pois cm ditas; salmn em ditas;
niostarda inglezae franceza ; frutas cm vidros com
5 Ida de assucar o espirito; agoa de fior do laranja;
charutos de Havana o da Bahia : ludo chegado re-
cenlenienteo de superior qualidade.
Pannos para lences.
Vende-se superior bretanha de Irlanda, de puro
linho, com duas varas e meiade largura fazenda
do milita ulilidade para lenges a 3,000 rs. a vara ;
zuarte azul de vara de largura, a 240 rs. o covado;
cambraias lisas, a 010,800 e 1,000 rs. a vara ; len-
gosde seda, dos mais modernose muito finos, do
melhor gosto a 2,500 rs.; rolos de bretanha, i
1,800 o 2,000 rs.; dita de linho muito fina a 720
c800 rs. ; cassa para baados, a 2,600 e 2,800 rs. a
pega; chales de 15a, grandes e de muito bom gosto
a 2,000 o 2,500 rs.; riscados trangidos, do muito
boa qualidaoe vara escravos, por seren oscuros e
do muila duragflo ,-aMO-e220 rs. o covado; e ou>
tras muitas fazendas por prego mu Un conyno4o : na
rs. ; sarja larga, a 2,000 rs.; alpaca de cordSo
800 rs.
Panno-Couro.
Vendem-se superiores cortes d caigas da fazenjt
panno-couro, par ser do duragflo extraordinaria
de padres escuros proprios para o trafico, pe|0
diminuto prego de 1,600 rs. o corte.: na ruado Col-
legio, loja nova da estrella, n. 1.
Casimiras finas e elsticas.
Vendem-se superiores casimiras finase clsticas
a 1,000 rs. o covado; cortes de ditas do cores, muit
finas, a 6,000 rs.; superiores casimiras pretis di
melhor qualidade, a 6 o 9,000 rs. o corta : na ra do
Collegio,loja nova n. 1.
Novo bramante,
de i 1 palmos de largura.
Na loja da esquina que volta para a ra do Colle-
gio n. 5, vende-se o novo bramante de puro linlio
com 11 palmos do largura, pelo barato preco d
2,800 rs. a vara.
Vende-se um preto de 22 annos, de boa figun
bom marinheiro de governo ; unta parda que co-
zinha, engomma, e lio oplima para ama de umaca-
sa ; una preta do 18 anuos, quo cozinha, lava rou-
pa;e vondo na ra por 350/ rs,: na ra doPasstio
n. 19.
Vende-se um terreno com 117 palmos do fren-
te e 89 ditos do fundo em oslado de so edificar
por nflo precisar aterro em cujo torreno podent-w
fazer tres ptimas mci'agoas na ra do Pilar, em
Fora-do-Portas, do lado da atar grande : na dita
ra, n. I|, no pateo da igreja do Pilar, das 6 horis
da man haa s8.
BS Vendem-sc chapos de supeiifc^l
^ra^ castor, brancose pretos, por preco J
uiuiio barato : na ra do Crespo,n. ij^i
loja de Jos Joaquim da Silva Maya.
---VenJem-se duas bonitas escravas sendo umi
de 15annos, e a outra de 20, com algumas habili-
dades : no boceo do Sarapalcl, sobrado n. 12.
O/hem, freguezes, que ha pechinchas na
nova loja da ra do Collegio, n. il,
de Firmiano Jos Rodrigues Ferreira,
como sejam : chitas (inissimas, por preco barato, na
certeza de que esta loja vender todas as fazendas,
qurde gosto, qurordinarias, por menos sempre
que em outra qualquer loja visto ser um eatabe-
lecimento novo.
ra do Collegio, loja nova da estrella, n ,.
Chitas pretas assetinadas.
Vendem-sc as j bem acreditadas o superiores
chitas prelasassetinadas, do ultimo gosto, a 240
rs. o covado : na ra do Collegio, loja nova n. 1.
Para pagens.
Vendem-se chapos invernizados, gslflo de 011ro
o prata ; na ra do Queimado loja de cirgueiro,
Na ra do Trapiche, n. 17
vendem*se barris com superior
cal virgem, chegada ltimamente
de Lisboa, a cinco mil reis cada
barril.
Vendem-sc, para a guarda na-
cional, fardas de panno fino, a 6l
rs. ; assim como talins proprios
para inspectores de quarteirap, a
i,500 rs.: na praca da Indepen-
dencia, n. 19
I
WSKSK
VELAS DE CERA.
Vende-se na ra da Ca.
deiado Kecife, n.37, cera
em velas, de superior qua-
lidade, fabricada em Lis-
boa e no Kio-de-Janeiro,
em caixas pequen tse sor-
das ao gosto do compra-
dor : tambem se vendem
barandoes, por prego mais
barato do que em outra
qualquer parte.
Vendent-so caixas com passas, de superior
qualidado; meias dilaso quartosdas mesmas, por
commodo prego : no armazem de Das Forreira, de-
fronte da cscadinha da alfandega.
I Na fabrica de chapos da ra do Queimado,
I n. 22, conlina-sea vender chapos de cas-
^m^-tor branco, lauto com pello como sem elle,
de 2,500 al 5,000 rs. ; bem como pretos de todas n
qualidades c baratos.
Fardos
em barricas, chegados ultimamcnto : no armazem
de J. i. Tasso Jnior na ra do Amorini, n. 95.
Advertencia.
Chegou no vapor San-Sebaftiao' urna romessi do
superior e estimadissinto rapgrosso e meio-gros-
so, da fabrica de Gasse do Kio-de-Janciro: vcnde-
se em porcio, no deposito da ra da Cruz, n. S8, e
a retalho nos lugares do costume.
Vende-se a venda da ra da Cruz, n. 6, "d-
nheiro, ou prazo, a vontade do comprador: a hi-
tar na ra da Senzalla-Nova, n. 4.
Vendem-se duas casinhas do pedra e cal, e ali-
corees foitos para mais tres ou quatro, conteni
dentro do terreno duas cacimbas oalguns psdeco-
queiros, a dinheiro ou a prazo com firmas a conten-
to, assim como tambem so permutam por umu venda
nesta cidade, em bom lugar, sendo as casinhas nos
Afogados: no becco dalJngoeta, n. 3, casu de Manoel
Joaquim da Silva.
*scravos Fgidos.
*-
.
Na nova loja da ra da Cadeia
do Kecife, n. 52, de Claudi
no Salvador Pcreira Braga,
vcndem-se pecas do chilis escuras, a 4,200, 4,700o
5,200 rs., e o covado, a 120, 130 o 140 rs.; cortes do
fustflo fino de cores, a 320 rs. ; casimira franceza.
preta, a 2,240 rs. o covado; panno fino para casaca,
azul, cor do azeitona e verde-escuro u 2,000 rs. ;
zuarte de vara de largura, muilo cncorpado a 180
rs. o covado ; cassas do flores entrefinas, a 320 rs. a
vara; ditas de listras o quadros a 320 rs.; lencos
grandes de setim maco, finos, para grvala, a 2,000
rs.; ditos do tres ponas, a 1,000 rs.; chitas largas
francezas, a ano rs. o ovado ; ditas de quadros c
listras, a 320 rs.; luvas de seda para senhora e mc-
jgio, no dia 18 de Janeiro, um cabra, de nomc
Joaquim, alto, reforcBdo, do dado, coma barba
branca cabellos corridos o bom pretos; levou um
surro de pelle de carneiro chapeo do bata us*"
do, calcas do algodflo de listras rotas no assento ;
temos tornozellos dns pea tim tanto inchados. Es-
te escravo j foi preso em S.-l.ourcnco-da-MatU
lornou a fuglr junto sos llcmedios, do poclr (Jo
urna pessoa que o conduzia para esta cidade ; 90
do Maranhflo e diz ser de Caxias: quem o pegar le-
ve-o a ra do Vigario, n. 24, qua ser recompen-
sado.
Fugio, no dia 11 do correte urna preta. &
nonio l.uiza, crioula.de 40 annos pouco mais ou
monos cor lula ; luvou vestido amarello de chil
com flores encarnadas ; tem o roslo comprido, test
larga, olhos fundos nariz comprido, bocea grande,
falle de denles na frenlo juntamente urna islul"
dcbaixodo queixo, por causa dos. meamos dent's;
lio haixa c grossodo corpo, barriga graodo, |*r"
as arqueadas no andar. Itoga-so as autoridades po-
liciaes e capilaea de campo que a approhondant o
love-a a ra da Cadeia de S.-Antonio, n- 21, primoi- .
ro andar.
Ainda anda fgido o cabra Egidio, escravo do
Sr. A. do V. M. deftiuiiimoiid: quemo pegar, lcve-
o a ra da Cruz, u. 40.
.-*, vfw mo. iui uc acut yata acuilma c luc-l
utas, da diversas quaiidstfes, a 500, 600, 700 e 800 1 ERN. : NA. TYP. DK U. F. DBFASU. jto+
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPCQTAKL1_NGN1XE INGEST_TIME 2013-04-12T22:26:36Z PACKAGE AA00011611_05443
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES