Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05439


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1848.
Qninta-feira 16
O RUMO pu'ib'sa-se todos os das que no_
forem de guarda i o preco da signatura he de!
PARTIDA DOS CORREIQ8.
41COO rs.por quartel, pagos adianladot. Os nn-lfioiannae ParaMba as segundas e sextas fein.)
nuncios dos asignantes s*o inseridos i rasfio de l^o-Orande-dn-.Nortequintaaeirasaorneio-dia
jo rj. porhob. 40 rs. era tvpo diliVrentc, e asjCabo, SerinliSem, Rio-Kormoso, Porto-Calvoe
repetir pela metede. Os que niio frein asiig-j Maceio, no l.\ a II e 2! de cada mei.
nnntes pagars 80 ri. por linha, e IUU ein typolOaranhuus e Bonito, a 8 e 23.
diferente, porcada publicaco. Bo-Vit.a e Flores, a II e 28.
_, [Victoria, as quintas-eir -
PHASES DA LA. O ME' DE MARCO. [Olinda, todos o dias.
I.ua nova, a 5, i* 10 horas e o7 min. da manba.
C.cscente a 12. as 2 Lona e 21 min. da manl.a. PREAMAR DE HOJE.
La cheia a I*, s 8 horas e SI min. da tarde, jl'rimeira, a 1 hora e II minuto* da tarde.
m.-..nauta a 27. s 10 horas ti ma. da tardo. I.Wundi a i lim. 42 autos da manha.
de Marco.
Anno XXV.
N. 6.
DAS DA SEMANA.
13 Segunda. S. Eufrasia. Aud. do J.dos orph.
edo J.do c. da 2 edo J. M. da2 v.
It Terca. S. Mathildes. Aud. do J. do civ. da
I.T. edo I. de pardo 2 dilt. de L
15 Quarta. S. Henrique. Aud.do J. docir. da
J r. e do J. de pai do 2 dist. de t.
10 Quinte. S. Cyriaco. Aud. doJ.de orph.e
do J. municipal da 1. y.
17 Sexta. S. Patricio. Aud. do J. do civ. da !,
v., e do J.de pai do I. dlst. de t.
18 Sabbado. S. Gabriel. A-id. do J. docir. da
I. r. e do J. de paz do I. din. de t.
19 Domingo. S. Jos Esposo de N. Senbora
CAMBIOS NO DA li DE MAHQO.
obre Londres a 27 Pars 1S0 rs. por franco.
Lisboa 95 por 100 de pre
Dase, do Ultras de boas firmas I
OuroOnfas bespanholas....
* ModasdeC/Jinn velh.
* de IfiOO nov..
de 4/000.....
Prala Patacde*..........
Pesos columna res...
Ditos mexicanos....
kliuda.... .........
Accas da comp. do Beboribodo
por l|n.afld.
io.
l|4 /, aom.
JgfCOO a
IGfzqO a
lOJOBO a
9J000 a
IfMO a
1*920 a
llTSOa
11920
sof ooo rs aopar.
DIARIO DE P
==^-_LUl_l_=5TTr- ......I i iii_L_'IIi. il- ir .. l., i i, I____I______
EXTERIOR.
NOTICIAS DO RIO DA PRATA.
WOS-AWKS, 7 DE FBTBIIIHO BE 1848.
Aclarou-se a nuvem que obscurecia o estado do
Ideve, pois, causar admiracSo que tomasse tilo gran-
des precauges.
O patacho Argot fo abandonado. He menos um
vaso de guerra que tem o Brasil.
[Carta Particular.)
interior, para ondo havia dous mezes nio se dospa-
chiram correios. Acabamos de saber a rasSo. Em
MondozH estalou urna rcvoluclr contra o actual go-
vernador, ene*becada por um coronel Rodrguez,
commnndanto da fronteira, o qnal ia por diante
reunlndoa simuitosdescontentesquej faziam mon-
lar a sua frca a mais de dous mil homens, nSo obs-
tante o soccorros que iam prestar ao gobernador as
tropa das provincias de San-Juan e San-Luiz. Em
Crdoba lambem rebentou otitra, porm parece que
foi a lempo sufTocada pelo brigadeiro Ixipez, e que
laviam siuo priaa ciiiuva e lanas possas com-
plicada no motlm, entre as qtiaes se conlam o Dr.
D. Mariano Lozano e um tal Fragueiro, ao mesmo
tompo que outras haviam levado 30Q acoutes nos
callabougos do carcere!
Mal principiou o anno para Rosas, que bem com a
cabega quente deve estar com o que acaba de lite
succeder, e he o seguinto : Na ra de Belgrano n.
97, casa contigua do Claudio Stegmaem, ha uns
Allamfics, cujo oITlcio hedar de comer e beber aos
pefles e correios : protenderam fazer um pogo d'agoa
para o servico, e estando nesta obra, como a 5 varas
de profondidade encontraran! a trra fofa, e suseep-
tivel dedosmoronamento, deliboraram immediata-
mente parar com o trabalho e dar parto a polica do
occorrido Emquantoisto safazinquizoram uns cu-
riosos sabor o que aquillo 8ignificava, o moliendo
mflos obra doram logo com uns subterrneos abo-
badados, quo conleem sufficiente cavidade para dar
passagem franca a duas ou tres pessas, coA duas
dircccCcs (lifferentes, urna para cusa du governador
coutra para o convento dos Franciscanos. Na pri-
meiraentraram at a distancia de 8a 9 varas e na
segunda cerca de 22, reconhecendo logo qua nfio era
construceflo antiga por nto haver signal de hum.la-
dc as paredes nem na abobada. O que he do admi-
rar he o calculo matheraalico do scu constructor,
que nfla s corlou em ambas as direeges, evitando
o encontr de pocos, ole.; mas anda lovou sempre
em proporcSo urna linha parallela que d em rosul-
ladocslar cinco varas de distancia da supercie,
pora nao abalar alicerces o deixar trabalhar em que
de fra se presenlisse.
Mal tinham acabado os curiosos o seu apressado
exame, veio a polica o pz logo scntinellas porta
para queninguem entrasse. O chefe procedeu a svc-
nguacOes; nflososabeo resultado, mas o que he
corto he que cessaram as diligencias, c que contina
a obra do poco. Esta descoberla leve lugarnodia3
a tarde.
O facto do 8char-so tal mina em semclhanto posi-
clto basta para fazer crer que he obra de Rosas ; mas
alm disso os dados o antecedentes quo se team co-
lindo pOem a cousa Tora da menor duvida. Assogura-
se que o aichilecto Santos Sartorio, quo morreu
tloudo ha cousa do um anno, foi o mestre da obra, e
que a sua loticura proveiodas muitas amcacas que
Ihe faziam sempre quo em publico Ihe escapava al-
guma palavru acerca daquelle assumplo como seja :
Que ninguem agarrara a Rosas, que isso asse-
-gurava elle com a sua cabega. Di/.-se que alm de
Sartorio s o Mazza, presidente da sala de represen-
I tantos, sabia doegrodo, mas Mazza ja l vai ha an-
uos. Todos se lembraro da sua morte trgica.
He certo que Rosas por muitas vezos quiz com-
prar, por intermedio do seu corielor Saulillana, a
casa de Stegman, om que so foz agora esta desco-
cerla, mas nunca o conseguio. Depos disso, nenbu-
ma das casas que formam as quatro casas fez obra,
a niio ser a de Rosas, quo podosso absorver a trra
que sahio desses subterrneos. Em' concluso, to-
do sabem os riscos que correu Rosas em 18*0 e
'812, o os planos quo havia de sorprend-lo. N3o
Polo vapor de guerra inglez Firehrand, entrado
antc-hontem L15 to fevereiro] de noito do Rio la
l'rata, recebemos fallas e cartas de Montovido al
9 do corrente.
Nada de importante tinha occorrido, qur na pra-
ca, qur na campanil.
A correspondencia geraI de Montevideo annuncia
que no vapor iVeorand vinha do passagem oSr. D.
Antonio Diez com carcter publico de ministro
plenipotenciario do general Oribe para esta corle.
Urna das cartas que recebemos diz :
D. Antonio Daz, minialro da guerra do general
Oribe, devia seguir para cssa corle neste vapor como
carcter de agente publico do mesmo Oribo. A noti-
cia, que trouxeo Alecto, da sahida doSr. Saturnino
do ministerio, fez adiar, porm, esla viagem.
Os Francezes tinham apartado ltimamente o blo-
queio de Buenos-Ayres. A Ensenada eslava j blo-
queada pela corveta Aitrolabe, o para bloquear o Bu-
seo tinha sahido de Montevideo no dia 9 do corrento
o vapor Orondeur. Aos navios que se achavam na En-
senada seria permittida a sahida al o dia 10, e aos
que estivessem no Buseo a' o dia 17.
No dia s, urna commisso de negociantes de Mon-
tevideo dirigi urna representacao ao almirante
francez, pedindo que aos navios Tundeados om Bue-
nos-Ayres concedesse para sahir o mesmo prazo que
linha concedido aos da Ensenada. O almirante re-
cusou annuir, fundando-se em que om Buenos-Ayres
havia bloqueio o na Ensenada nQo.
O paluclio brasileo Eduardo, sahido de ISucnos-
Ayrcs para o Kiu-e-Janeiro com carga do couros,
foi tomado pelo cruzeiro francez e iulgado bOa
preza.
De Buenos-Ayres alcancam as datas a 5 do corren-
te. No dia 23de Janeiro principiaran! do novo os
ejercicio militares, e fram presas muitas pessas
que, leudo faltado a esses ejercicios, andavam passe-
ando fra da cidade. Havia nlro o* presos alguns
cstrangeros.
A sublevacfio que se annuncir em Mendoza pa-
rece ser mais seria do quo a principio se suppz.
Noticias de Valparaso at 28 de dezembro referem
que o niajor Rodrguez, chefe dessa sublevacao, ti-
nha derrotado asfrcasdo goveruador da provincia
e so tinha apoderado do goveroo.
Osjornaes de Valparaso noticiam igualmente que
a revolueo de Bolivia fora sufTocada depois de urna
batalha ronhida em que correu muilo sangue. O
exercito coiiservou-se llcl s autoridades constitui-
das, c o presiJenlo pondo-so sua frento foi ao en-
contr dos rebeldes, que conlavam j 2,000 bomens,
e derrotou-os completamente no dia 7 de uovembro
no sitio denominado Lava.
A repblica de Bolivia celebran um tratado de
paz com a do Per, que, porm, n3o estava ainda ra-
lilicado pelo presidente Castilla.
No dia 11 de dezembro iustallou-se em Lima o
congresso dos eslados da America meridional com
os plenipotenciarios que se acdavam naquella capi-
tal, a saber; D. Jos Ballivian por Bolivia, D. Diogo
Benavento polo Cdili, D. Manoel Forroyrs pelo Pe-
r, I). Paulo Merino pelo Equador e D. JoDo Fran-
cisco Martin pela Nova-Granada.
[Jornal do Commercio.]
taa
INTERIOR.
oordia, o Sr. Dr. Manoel Feliciano applicou a inha-
lacBo do chloroforme a um molequo de 15 a 16 n-
nos ilo isn de, em quem praticou a amputaban da ro-
sa esquerda em consequencia de tumor branco do
joelho.
Situado o doente convenientemente na mesadas
operaces, comecou o Sr. Dr. Manoel Feliciano a
applicar o bocal do apparelho de Simpson bocea do
'lenle, <>, leniln-ilie previamente tapado as venias
com a pinga compressora de Charire, o obrigou a
respirar o chloroTorme. Passados 3 minutos, o (len-
te apenas apresentava mais acceleragSo do pulso e
da respirac3o. Seis minutos depois da operac>1o,
vendo-so que nao se maniTestava phenomeno algum
mais, o rcconliecendo-so que as ventas nao estavam
bem comprimidas, nem o bocal do instrumentse
adaptava perTeitamenle bocea do doente, o quo
elle respirava ar nao impregado de chloroforme, o
operador abandonou este apparolho e annlicon um
iengo delgado aberto sobre o nariz o bocea do d-
onte e sobre este lenco urna esnonja embebida em
cliloroTormo, gastando nislo 2 minutos. Immcdiata-
mente o doente so mostrou incommodado e a respira-
cao se accelerou; dous minutos dopois socegou
Ncsletempo as pupillas estavam dilatadas e immo-
veis, a respirarlo se accelerou muito e o doente pro-
curou tirar a esponja do nariz : responda as per-
guntase conservava toda a sensibilidade. Aos 14
minutos depos de comecada a operaeflo, cnsopou-so
novamento a esponja de chloroTorme, e o doente
mostrou-se oulra vez incommodado, apresentando.
porm, mais resignarlo. Aos 16 minutos foi pela
tercoira vez molhada a esponja no chloroforme, o
enlfto o doente procurou oulra vez tira-la do nariz
e agitou os bracos com frca : todava, vellscando-
se a pelle dos bracos, elle tiSo mostrou sentir. As
palpebras superiores estavam cahdas e immoveis,
as pupillas dilatadas o tambem immoveis; o pulso
pequeo o concentrado, a respirarlofarga c lenla.
A physionomia era estpida.
Neste estado se achava o doente quando o Sr. Dr.
Manoel Feliciano principiou a amputarlo da coxa,
que durou 9 minutos, incluindo o lempo quo em-
pregou para ligar arterias, sendo 3 do mu peque-
no calibro, as quaes se achavam retrahidas na espes-
sura das carnes. Em uenhum dos lempos da ope-
rac3o o doento fez o menor mov ment, n3o deu uro
s gemido, nem manifestou o mais equivoco signal
de <''"_ nRo obstante ser muito pusilnime e estar
com o>- olhos desvendados.
Terminada a operagao, ainda se mostrou insensi-
vel a todas as provancas, quo seempregaram al
40 ininuios depois que principiou a inhalag3o.
Al as 5 da tarde linha passado mui tranquilla-
ment.
Esta noticia Toi extradida das notas que tomou o
Sr. Dr. Feij.
O operador desenvolveu em lodo o lempo da ope-
ragao a pericia e prudencia que Ido sao condecidas.
I'resenciaram a experiencia e a operagao varios
mdicos e esti/dantcs da escola de medicina.
O cliloroTormo fui preparado pelo Sr. Ezequiel
Crrela dos Sanios.
brea mesa, l'.nto oprofessor embeben iip,,chloro-
Torme urna esponja de quatro dedos transversos de
largura e de meia pollegada de 'espetitura, e ap-
plicou-a sobre a bocea o nariz do doente: marca-
va o relogio 9 horas c 20 minutos.
Apenas o operado sorveu alguns vaporos do chlo-
roTorme, Tez grande resistencia forcejando por tirar
de sobre a bocea a esponja, que Ido fra appcada
com um pat ie lindo lino ; masosajudantescon-
tveram-lh ..s mSos e seguraram-lbc a cabega; desta
sorto pode a operagao continuar, apezar dos mov-
mentos do doente, qne fram substituidos por gritos
ile tu morro.
A's 9 horas o 29 minutos, levantou-so o apparelho
para snr do novo applicado um minuto depois (9
horas o 30 minutos), (inmediatamente succedeu-so
grandeagitagSo; o doente clava signaos deque niTo
o clilroTorm
!*elxou-*fl-ldo entrin vre o nariz par- ***** ->?!?**
quera mais continuar a respirar o chlrororm.
O UUQUE DE GUISE. (*)
.pon frcDertco ^oule'.
SEGUNDA PARTE.
XVIII.
No da seguinte de inanha eslava Guise mesa: tinha
ie posto o capacete, a cou^a e as armas o p de si,
porque voltava de urna longa revista, fcia a todos os
postas ayancados da cidade. Em ioda a parte achira
i. i? ufBI e sc8uranfa- flonne velava Aporta d'Avcr-
n qUC era um dosolliciaes particulares da sua
NOVAS KXPEAIENCUS ACERCA DOS KFFEITOS DO CHLOFOtlMB.
Rio-de-laneiro, t8 de fevereiro.
Moje s 9lloras da mandria no hospital da Miseri-
aaaMaTa*aaiiaMs*^^ laiaasuiii
nao se admirou deisa apparente tranqulllidade de seus
ioiinigo8. Com ell'eito, elle tinha raso de jui
("la* 41 s ------------- j |'ui in-iiiiiiii m
casa llcara junto de Peppe-Palonibo Domiuico-Bello-
dirt. i l,eC.\,?q' e'nd* maijalguns. com a fideli-
neln. \ <,U*e* 1C pdia con(a''- estavam distribuidos
icios p,os ,,, facis de atacar. Quanto ao mais, pa-
'^ 1^ nMC.'\ie deTla,Pa"a'- c> mu profunao su-
*.-> Os Hcspanhes, retirados dentro dos seus acam-
pamentos e nos fortes que oceupavam em torno da ci-
aae, naopareciam deforma alguma dispostos a sahir
,jus lugares cmquese haviam entrinebeirado.
I i, .,nd;1,1ue de ordinario se nao passasse um s da seui
| na\cr atguuia tscaramuca mais ou menos grave, Guise
(*) Vlde Diario n.* 09.
Igar que o
duque d'Arcos, advertido por Medina e llorgia da serna
que se passra ceia, havia renunciado s esperanzas
que fundara na traico dos "principacs cheles da ci-
dade.
J dissemos que o duque de Guise estava mesa: ti-
uha elle ahi chamado aquelles luesmos orflciaes a quem
lu forte li(o dera na vespera erain Rncbefurt, Ccrl-
sante e Mdena; tinham elleicbegado todos tres, com a
froute iuiiuicta, e mui pouco dispostos a accolher as
graciosaspalavras com que o duque quera reparara
liumiliacau que riles tinham soffrido; mas Guise Tez
lu pouco caso do scu ino humor d'agora, quo pouco
j tinha feito das suas pretencoes da vespera: tratou-os,
pois, com essa corleiia familiar que desarmava, as mais
das ve/.i's, aquelles que elle havia mais cruelmente oT-
Tendido cada vez que se deixava arrastrar, ou pelo scu
o guillo, ou pela fatal mana dcinUigir a seus Inferiores
bumilhaotes lices.
A refeicau anida niio eslava concluida, ej os obse-
quios de Guise haviam derretido a frieza glacial dos seus
convivas. No lim da ultima coberta ordenou elle aos
criados que servjam, que se retirassem: foi ein pesaba
iinmi'diaiaiiiruie l'celiar com cuidado as ponas da sala,
voltou para o seu lugar, c, encootraudo-sc lamiMar-
inriiie mesa, disse aos convidados:
Agora, mcus senhores, tratemos de cousas serias.
Os offlciaes se nclinaraui, las nenbumdcllrs mos-
trou, ao ouvir seuvelhantes palavras, a solicitude que
mereca semelhaute appello confidencial.
Guise pareceu nao reparar nisso, e proseguio no mes-
mo tom ollicioso:
J devein tercomprehendido, ineus senhores, que
nao foi srin um lim inlportaote qne cu represeniei aco-
meda de houtcn a iioite; cra-me precito ferir de eslu-
Idem, 21 de fevereiro.
Sa libado fez o Sr. Dr. Manoel Feliciano mais duas
experiencias com o chloroforme em doenlos do hos-
pital da Santa Casa da Misericordia, que prccisavaiu
sor operados.
A sala das operages eslava apinhada do especta-
dores. Entre esses distinguiam-se varios mdicos,
alguns membros respeilaveis da adminislracflo do
hospital e muitos alumnos da escola de medicina.
Em presenga deste auditorio procedeu o Sr. Dr. Ma-
noel Feliciano aocmprego da inliulagHo do cdloro-
forme pela maueira seguinte :
O priineiro operado era um domem branco, de 40
anuos de idade, do grande robustez e coragem, que
j sofTrra, em 1817, ampulagao do pollogarda m8o
esquerda. Actualmente ia ser operado de um tumor
sflnrrosu da mama esquerda que apresonlava o
volumo de urna grande pora. doento veio desem-
baragadamente, por seu proprio p, o doilou-su so-
por os cabecas dos populares, de modo que os podesse
arrastrar, com o socorro do unido, a servir-me no pro-
jecto que medito ha muito tempo; a estas lloras, sabem
ellcs que cu os tenho na mito, c seja o que fr que cu
Ihcs ordene que facam ou que digam, clleso farao c di-
tflo. Ajudem-me com todas as T6r;as, que dentro de al-
guns dias terei chegado ao que quero, e os senhores
chexaro a mais duque nunca sonharam.
Um sorrlso iruiro de Cerisantc foi a nica resposta
dos tres lidalgos.
Duvtda da minlia palavra, senhor Cerisante? Ibc
disse Guise, lomando de novo a ordinaria scvcridade:
nao tenho o coslumc de faltar s minhas promessas.
Por certo, respoudeu Mdena, mas l.e-nos permit-
lido duvidar de que a recompensa que V. Alteza quer
attribuir aos nossos servicos eiceda a ainbico que te-
mos, visto que j nos recusou a todos tres o posto de
mcslre-de-campo-general, ao qual cada um de nos ti-
nha srin duvida o direito de aspirar.
He mesmo porque os senhores tinham muito di-
reito a ello, respoudeu Guise torrindo, que cu o no
quiz dar a uenhum. Quero aer franco com os senhores,
na esperai^a de que tambem o sejam coinmigo. Se eu
licar senhor da cidade de aples, nao quero a meu la-
do neulium homem cuja auloridade possa um dia ba-
lancar a minha. Um exercito subjeito s ordens de um
mestre-de-campo-general acostuma-se dentro em pou-
co a esquecer-sc do chefe superior que o com manda,
para se lembrar smenle do chefe com quem est de
continuo em contacto. Kuiquanlo eu poder blandir
urna espada c montar acavallo, ninguem oceupar em
aples o posto de mestre-de-cainpo-gencral; nunca
porei todo o mcu exercito as inos de um s homem;
he esta a minha poltica, a minha resoluciio inllexi-
vei: nunca porel outro em meu lugar.
Pode ser, ruplicou Cerisante mal-contente; masV.
Alteza conlessara que be bem duro para nos, o serillos
respirar o ardo mistura com o vapor do chlorofor-
me : desta sorte cessaram a reluctancia c angustias
do operando ; ello mostrava-so resignado; mas ntto
se notava nonlium eTeilo de pertla do sehsibili-
dado.
A's 9 horas o 31 minutos tlcrramou-se sobre a es-
ponja nova dose do chloroTorme, que Toi ainda ap-
plicada, deixando-se o nariz livre. O puls dsen-
volveu-so e bata apressado. A's 9 horas e 331 mi-
nutos applicou-se a esponja sobre o nariz o a bocea:
seguio-s logo grande agtagSo com a cabega e com
os membros; o doente soltou sons mais bu ments
articulados, entro os quaes porcebiam-so estas pala-
vras niomemntem.n A's9 horas o 35 minutos di-
minuio esla agitag5o : embebeti-se de novo a es-
ponja no chloroTormo e applicou-se sobre o nariz e
torca. O doento uprescntou, porm, urna grande a-
gitagao o signacs ae angustias, muito pronunciado
uo cedeiulo |ior nimio neiiduui indaliigo do cdlo-
roTormo.
Com este desongano c vista de taes resultados,
o Sr. Dr. Manoel Feliciano procedeu a opcragflo, sem
mais oulra applicagSo de chloroTorme. A's 9 "horas
e 35 mi nulos comegou aoperacSo o ficou terminada
s 9 horas c 44 minutos, inclusive o tompo da liga-
dura de tres pequeuas arterias. O doente orgueu-s.i
entao e Toi para o sou leito, dizendo que pouco sen-
tira a operagao, mas que muito o atormentara o tal
remedio. Apezar desta declarag, nolou-se quo ello
sentir bastante a operagSo.
Veio entao outro operando passar pelas experien-
cias. Era um proto, do 40 a 45 annos, ainda robusto,
bastante ignorante ou antes estupido : viuda operar-
se do um volumoso oscroto, resultado da dogene-
recencia da tnica vaginal e testculo : o voluma
deslo tumor era comparavel ao da cabega de um a-
dulto. A's 10 horas menos 4 minutos, oSr. Dr. Ma-
noel Feliciano applicou a esponja embebida em chlo-
roTorme sobre a bocea e nariz do operando : mar-
cava o pulso 96 pulsagcs.
A's 10 horas menos 3 minutos nenhuma agtagSo,
nem resistencia da parte do doente dlalagaoas
pupillas; elle conservava-so sereno, sem fuero
mnimoesTorgo para evitara inspirago dos vapo-
res do chloroTorme. Esto estado dava esperanzas do
quo se obleria a nsensibilidado.
A's 10 doras menos 1 minuto levantou-so o ppa-
reldo ; o pulso dava 93 pulsagflos e era pequeo.
I. ni he de 'ii -se as esponjas no chloroTorme e faz-so
nova applicagao. l)irigom-se varias perguntas ao
enfermo, as quaes todas responde allirmativamentu
sem prestar-Ibes attengao. A sensibilidade ainda
nao se ihe havia aniquilado: ello senta ligeiras
picadas de alfinete, etc.
A's 10 horas e 3 { minutos o professor embebeu de
novo es esponjas : o pulso dava 93 pulsagOes :
as pupillas estavam contrahidas|: fizeram-se-lhe no-
vase diversas pcrgunlas, as quaes ainda o doente
respondeu m'i/i.
A's 10 horas e 6 minutos espremeram-se as espon-
jas; fram do novo embebidas o tornaram-se a ap-
plicar.
A's 10 horas e 7 minutos arrefecem-se as extremi-
dades senlcm-se suores frios.
Toreados a permanecer nos poslos inferiores que oceup-
pamos com os miscravris desta cidade.
Devo dizcr-lhe, Cerisante, replicn o duque, qije
os miseraveis desta cidade se cntendem tnelhor do que
o senbor em ambicScs. Sabe que em Sessa ha um carui-
cciro cujo souho diurno lie nada menos que vir a ser
conde de Sessa, duque d'ischia e principe de Foudi'
Ora isto que um miseravel carniceiro sonha, nunca o
sonhou o senhor Cerisante.
Cerisante olhou para o duque de Guise como para se
certificar da slnceridade das suas palavras.
Oraeis-ahi as minhas intences quanto sua pes-
soa, proseguio o duque ; talvcz que o nao consiga \m-
mediatamentc, a menos que o senhor consinta cm caj-
pregar um mel, que pela inhiba parte aceitarla e. _ae
estivera na sua posicao. Este carniceiro tem auia 04M>
queja foi muito bonita, "las que ora est desfigurada
por una tcrrivel molestia; o Cucurullo prouict'utu res-
titulr-lhe a belleza; mas, a fallar a verdade, ,*ii(> pouco
mais o un pouco menos dessa frivola vantageuj, nao
me deteria etn scmelhanle. oecaslao; o que espero fa-
zer-lhc cm alguns mezes seria obra de alguna dias ie o
sjiihnr consentisse em esposar a liiha do Pappoue.
Qucira perdoar-me, disse Cerisante, mas, descon-
fo muito das nonas recomiucudadas por V. Altesa.
Pela minha alma! respoudeu Guise, que ella est
tao innocente como o pode estar urna douzella, ao me-
nos pelo que me diz respeito. ,.
Cerisante poz-sc a refllectlr, e respondeu um moinen-
to depois:
Ocoudado de Sessa, o ducado d'ischia, c o princi-
pado de Fondi, he muita cousa, seubor duque, para que
V. Alteza nao tenba algum intereue occuito em teine-
Ihautes proposiedes.
Por certo que tenho um lnteresse nisso, respon-
den Guise no tom mais franco, tenho interesse em que
um dos meu offlciaes oceupe as inelhores cidade a
MUTILADO



A's 10 horas o 11 minutos derramou-se miis chlo-
roforme; nenhuma diminuigSo houve de sensi-
bilidade; pulsagOes 110. O Sr. Dr. Manoel Feliciano
tirou o panno intermediario entro a bocea e a es-
ponja, jnlgandoquo os vapores do ohloroformo fos-
seni entfio mais promptamonte inspirados.
Mas o doente continuava a mostrar-so refractario
accilo insenstbilisadOra do chloroforme. Por isso o
professor levantou onpparelho e renunciou sua
applicagio. As 10 horas e 20 minutos procedeu o-
peragSo, que ficou terminada s 10 horas e 30 minu-
tos, tendo lia vi,lo ligadura de 4 pequeas arterias.
Ha a notar-so que osle segundo doente fez um
perfoito constrastecom o primeiro. O primeiro mos-
trou-so sempre agitado, indcil, setn querer subjei-
tar-se. O segundo esteve sempre tranquillo, condes-
eendenle, resignado a ponto de nSo se queixar de
angustia, nem de incommodo ; porm, ao primeiro
golpe de bestur, deu signaes de grandes dores, e at
o lim da operario manifostou extrema sensibilida-
dc, procurando com movimontos desordenados sub-
trabir-so operagSo.
As notas pira este artigo fram tomas pelo Sr. Dr.
noves.
Deixamosaos homens da sciencia a apreciago
dos resultados das tres experiencias, que fez com
tanto desvelo e habilidado o Sr. Dr. Manoel Feli-
ciano.
[Gateta Oficial.)
CONSULADO PROVINCIAL.
REGIMENT DO DA 15............ 3:87M32
DIARIO III PBBNA1BDCU.
ajsm&M, aa aj aiAuos u._ roaa*
Nossosleitorcs terSo notado, sem duvida, o si-
lencio que hemos guardado acerca desses aconteci-
mcnlos desagrada veis que, segundo certos boatos que
por ahi correm, hilo tido lugar om algumas daspo-
voacOescentraesda provincia : mas, judiciosos como
sio, devem do ter comprobondido que tratavamos
de colher informacOcs, que nos habilitassem a nar-
rar os fados approximando-nos da verdade, o mais
possivol. Estas informages, conseguimo-las agora
mesmo ; e, guiados por ellas, vamos satisfazer a
curiosidade dos subscriptores.
A 5 do corrente, os Aloraes esses facinoras de
cujas atrocidades, commettidas as Alagas, ralla-
mos nos em um dos nmeros anteriores, assaltaram
a povoacSo de Panellas-de-Miranda, acompanhados
le urna forga, composta, pela mor parte, dos mal-
fcitoresqnoinfestam as maltas dessa paragem; e,
depois de um tirotcio em que suecumbiram para
mais de 20 pessoas, dcsarmaram o destacamento, e
saquearam a povoagSo. Dahi passaram-se para Pi-
mentoiras, onde entraram sem a mnima resistencia,
onde niio pralicaram nenhum dos actos que costu-
mam denunciara sua presongaemqualquer estancia,
o onde se denioraram pouco lempo.
N3o se sabia o deslino quo tomaram os facciosos,
no retirarem-sn dePinenteiras. Entretanto, julga-
nios que se recolhram aoquurlel-general[ns maltas],
alim do descansarem das fadigas, e prepararem-se
para novas facanhas; tanto mais, quanto nos cons-
ta que, no dia 6, um truco de gente, me n.1o pode
deisarde pertencer quadrilha que ellos comman-
dam, atacara Agoa-Preta, e travara com a frca de
Jinlia, quo ahi se acha estacionada, urna luta
que terminou pela roortede tres individuos.
Este troco desappareceu tambein, e he de presu-
mir que fosse acantonar-so na mesma praga-forte, a
que suppmos haver-se rccolhiJo o'grosso da na-
tilha devastra.
Navio entrado no dia 15.
Baha ; 16 das, hiate brasileiro Flor-do-Recife. de 36 to-
nelada!, cap lo Antonio Duarlc Rodrigues, equipa-
gein 7, carga tumo e inanias a Lufa Borgei de Cer-
queira. Passageiros, Fr. Antonio da Divina Pastora,
Juitinlano Franca, Brasileiros.
Navios sahidot no mesmo dia.
Porto do norte; vapor brasileiro San-SibattiSo, com-
mandante o primeiro teen te Antonio Xavier de No-
ronlia Torreio. Alcn dos pasaageiros que trouxe dos
portos do sul para os do norte leva a seu bordo : pa-
ra a Bahia, Manuel Morcira Guerra, Pedro Antonio
Bcrnardino com um escravo ; para o ("rara, Luiz Tau-
maturgo da Guerra Machado. Brasileiros e ln es-
cravo a entregar ; para o Para, Stfano Marchiccvlch,
Italiano.
Rio-Graude-do-Sul ; brlgue brasileiro Leo, capitao An-
tonio Rodrigues Garcia, carga assucar. sal e ago'ar-
dente. Passageiro, Uerculano Alves Peretti, Brasi-
leiro. >
Reclara^oes
coMME'j.o.
lfaiutega.
HKMlMENTO 1)0 DIA 15............12:644,132
Hescarregam hoje, 16 de marco.
Hiale Flor-do-Rtcife fumo c charutos.
Brlgne Einigktit carvao.
Galera Impcratrit talas e inaquinismo.
Ilrigae F.-Mallhcwi bacalh.io.
Biigue Rival dem.
Pj|aclio-67cm Patacho-- l'altnlc idem.
lliate Tentador idem.
CONSULADO GERAL.
RENOIMFNT DO DIA 15.
Geral.........................5:752,476
Diversas provincias............... 236,522
5:988,998
Terra de Labor, de maneira que coiumandc todo ogol-
pho de fiarle, donde os Hespauhes tiran os seus prln-
cipaes recursos. Julgain os senhores, accrescentou elle
voltando-se para Rocheforte Mdena, que eu nao seria
capaz de por em accao todos os ineus ineios para que
um dos senhores se apoderasse do principado de Bene-
vento, de maneira que me abrisse o caminho do Capita-
nato, e que eu nao estara prompto a restabelecer em
brncflcio de algucm o titulo do duque de Calabria, se
elle quizesse arrojar-sc nesse pas para o insurgir ? Hi
somos os senhores de \apoles, meus amigos; mas,
excepcao de algumas cidades que sacudiram ojugo,
sao o Hcspanhes que estao de posse do reino.
Todos esses jirojectos sao mu bellos, disse Mde-
na, mas V. Alteza sabe que Kenevento est debaixo do
coinmando de um tal Arnold de Crombacb, capitao
suisso, que guarda rssa cidade em nomc do duque de
Arcos, com mil soldados da sua naco.
Quanto Ibes paga o vice-rei ? perguntou Guise.
Duas mil pistolas pormez (8:000>X)0 de ruis), res-
pondeu Mdena.
Que elle tira mu fcilmente do dircito de porta-
geni que llie pagam as mercadorias que se transpor-
tan du Adritico para o Mediterrneo, accrescentou o
duque, prometa tres mil pistolas por mes a Arnold de
Croinbach para os seui soldados; faca-llie uin presente
Sessoal de cem mil libras (32:000#0O0 de ris), e o chele
nisso, seus soldados e o principado de Benevento sero
eus.
Julgo que isso se poderia executar, disse Mdena
sorrtndo, mas tomare! a liberdade de perguntar a V.
Alteza onde espera adiar o primeiro escudo necessario
para aemelhantc expedicao?
Todo o dinheiro necessario para seinelhante expe-
dicSo, respondeuGuise, est no trrelo do Carino.
Tome V. Altetacautela! exelamou vivamente Mo-
dena; ainda que 03 thcsourosamonloados porGennaro-
O arsenal do guerra precisa comprar as seguin-
tes drogas : aniz duas libras ; ameixas quatro li-
bras ; agoa de louro cerejo quatro libras ; agoa de
hortelila-pimonta duas libras; agoa de hortela vul-
gar duas libras; agoa de colonia quatro vidros ;
balsamo-peruviano urna libra; balsamo de flor urna
libra; balsamo-traquilloduas libras; cabecadepa-
pnulas oito libras-; carbonato de potasas qualro li-
bras; bicarbonato de soda quatro libras; bicarbo-
nato do potussa quatro libras; biclorureto du mer-
curio duas ongas; ducloclorureto de mercurio duas
oncas ; errrplastro de achiluo-gommado doze libras;
dito estendido dozo varas; emplastro de cicuta
quatro libras; emf lastro-mercurial quatro libras ;
emplastro-confortativo qualro libras; emplastro de
vigo quatro libras; farinha de trigo austro libras;
farinha de mostarda doze libras; gomma-gutta qua-
lro ongas; azevre succotrino quatro ongas; gomma-
assafetida duas oncas; gomma-adragauho quatro
ongas ; gomma-arabia oito libras ; gomma-quino
quatro oncas; gomma de batata quatro libras;
gomma de ararula oito libras; hydriodato do po-
fechada, das 9 horas da manhSa as duas da tarde
dos das 16,17 e 18 do corrente mez.
Arsenal de guerra, 15de marco de 1848.
J0S0 Ricardo da Silva,
y Amanuense.
"- Otabelliodo registro geral das hypothecas,
abaixoassignado, fazseicnte que, so tendo passado
setenta e cinco escripturas de hypothecas depois da
creagao do respectivo registro nesta comarca, ape-
nas so toem registrado mui poucas: o como, vista do
artigo 14 do regulamento do registro, s principia
a vencer-se o prazo estabelecido as mesmas escrip-
turas depois deltas registradas, por isso faz o presen-
to annuncio para conhecimento dos interessados,
que talvez gnorem a disposigSo cima mencio-
nada.
Fulgencio Infante de Albuquergue e Mello.
O arsenal de guerra precisa comprar sola cs-
colhida, quo sirva para manufacturacSo de corroa-
mes; chumbo em barras da molluir qualidade, e
papel cartuxinho : quetn taes gneros tiver dirija-se
directora do mesmo arsenal at o dia 17 do cor-
rente, das 9 horas da manhila at as 2 da tarde le-
vando suas propostas em carta fechada, A as com-
petentes amostras.
Francisco Seraneo de Astil Cttnalho,
Escripturario.
0 arsenal de guerra precisa de oflciaes dese-
pingardeiros, coronheiros, corriciros e serralheiros:
quem em taescircumstancias estiver e quizer traba-
lliar as oficinas do mesmo arsenal, dirija-se di-
rectora, das9 horas da manh> as 2 da tardo alim
de ser examinado e admittido.
Francisco Serfico de Astil Catvalho,
Escripturario.
OescrivSo Alcanforado teni o seu cartorio na
ra da Aurora, na luja do sobrado de dous andares
n. 46.
THKATRO PUBLICO.
Em consequencia de madama Vallenca haver tor-
cido um p, n8o pode ter lugar o seu aenehcio ho-
je [ segundo ordena o Sr. doutor Pinto],Tica trans-
ferido para domingo, 19 do corrento, com a grande
peca Catharina Howard : o a inesma beneficiada can-
tara urna aria em obsequio ao respeitavel publico.
Avisos martimos.
Para o Cear, Acarac, ou MaranhSo preferin-
sMoito oncas; .odurelo de chumbo quatro oncas; do.sc 0 porto para que tiver mais carga, segu
sulfato do ferro oito ongas; carbonato do ferro qua- viagom 0 ptUcn0 Emulacdo : os pretendentes d.ri-
Iro ongas; oxiio rbeo de ferro duas oncas; folhas
de malvas quatro libras ; sement de linhaca meia
arroba ; dedaleira em p duas (incas ; alcags qua-
tro libras ; althea oito libras ; p de alcacs duas
libras ; cevada oito libras; ruibarbo em p urna
libra ; canella em p meia libra ; extracto de rui-
barbo quatro oncas; extracto de coloquinlhidos
quatro ongas; extracto de salsa-parrilna oito ongas;
extracto de alcags oito ongas ; extracto gommoso
de opio quatro ongas ; esseucia de mostarda oito on-
gas ; essencia de salsa-parrilha dous vidros ; esseu-
cia de rosa meia onga ; ossencia de hortelfia una on-
ga ; essencia de canella urna onga ; crmor do tr-
taro quatro libras ; sulfato de magnezia oito libras;
precepitado branco de mercurio quatro ongas ; pre-
eipitado rbeo de mercurio oito ongas; sulfato de
quinina oito ongas ; quina om p duas libras; quina
contusa quatro libras; camphora qualro libras;
agoa do labarraque seis garrafas; extracto de quina
qualro ongas; colomelanos duas ongas ; nitrato de
prata fundido duas ongas ; nitrato oiystalisado urna
onga; triilacio duas ongas; tinctura de cantharidas
oito ongas; tintura anti-escorbutica uma libra; xa-
ropo de napte da Arabia sois vidros; xarope de gro-
zcllas seis garrafas ; xarope de gomma seis garra-
fas ; xarope de tamarindos seis garrafas ; folliculos
desenlie oito libras; man meia arroba; trtaro
emtico duas ongas; ipecacuanhaem p duas libras;
kermes mineral duas ongas; opio purificado una
onga; linimento anodino quatro libras; ludano
liquido de sydenha oito ongas; amoniaco liquido
quatro ongas ; sablo medicinal qualro ongas; sal
de salurno quatro libras ; salsa-parrilha meia arro-
ba ; cagarola do l'ollia de flandres de qualro libra,
numero duas; dita de duas libras, numero duas.
gral de porcelana de uma libra, numero um ; dito
de meia libra, numero um; dito de meia libra de
vidro, numero um; esptulas de ferro sortidas, nu-
mero quatro; balanga pequea, numero uma ; dita
granitaria, numero uma ; copos grandes de uma li-
bra, numero dous; ditos de meia libra, numero
dous. Precisa o mesmo arsenal comprar os instru-
mentos cirurgicos abaixo declarados : uma caixa
com instrumentos de ampulsges; uma dita com
ferros de tirar denles; uma dita com ventosas, e
searifteadores; um trocarte de hydrocelle ; umdito
de paracentes aldorminal: quem ditos gneros ti-
ver, quesejam da melhor qualidade, e quiaer forne-
cer poder comparecer na sala da directora, trazan-
do sua proposta com seus ltimos pregos em carta
viagom o patacho Emulacdo : os preterid
jam-sn a bordo do mesmo, ou ao escriptorio de Ma-
noel Gongalves da Silva na ra da Cadeia do Ite-
cife. Tambcm recebe passageiros.
Para Lisboa sal ir, em poucosdias, o patacho
portuguez Clementina, capitSo Izidro Ayres deSou-
za ; tem parte.da carga prompta : para o resto da
carga e passageiros trala-se com Jos AlTonso Mo-
roira na ra do Apollo, n. 14, ou com o capitao.
-- Para o Rio-de-Janeiro sane, em poucos dias, o
patacho nacional f'atente, forrado de cobre, por ter
parle de seu carregamenlo prompta : quem no mes-
mo quizer carregar dar escravos a froto e ir de
passagem, para o que tem excellenles commodos ,
dirija-se aos consignatarios, Novaes & Companhia,
na ra do Trapiche, n. 34, terceiro andar.
Le loes.
Olllm.Sr. cnsul H. A. Cowper, lencionando
continuar a residir permanentemente no campo, fa-
r leilSo, porintervcngilodo corretor Oliveira de
parte da mobilia, pratas e maisobjoctos da casa na
ciJade, onde tem morado, consistindo em mesas do
sala, de janlar edejogo, cadeiras, sophs, armario
para livros, aparador, guarda-vestidos, lavatorios,
toiicadores, lanternas, lampeos, cama de ferro,
cortinados, relogio de pndula vasos com flores e
muitos artigos mais, inclusive um carrinho inglezde
duas rodas com arreios, etc., para um cavado: sex-
ta-foira, 17 do corrente, as 10 horas da manha, na
ra do Trapiche-Novo, n. 12, terceiro andar.
L. 0. Ferrara t Companhia farSo leilSo, por
inlervengflo do corretor Oliveira de 200 barricas
com farinha do trigo pouco mais ou menos ro-
cen teniente chegadasde Philadelphia no brigue Me-
tra, as quaosserio vendidas por conta e risco de
quem pretoncer, hoje, 16 do corrente, as 10 horas
da nianhiia no seu armazuin do becco do Cncavos.
Avisos diversos.
Annese sejam o fructo do roubo c do saque, seria em
extremo perigoso apoderar-sc del les: uma medida se-
inellian te sublevarla toda a cidade ; porque V. Alteza sa-
be tanto como eu, senhor duque, que nao lia um s
chele dos que coimnandaiii a populaca napolitana, cuja
fortuna nao tenha a mcsina origem que adeGcnuaro.
Nopodcrian clles acaso recelar que a espoliaco feita
aGcnnaio fsse dcsceudo bein depressa do mais rico
ao menos rico? Nao faca isso, senhor duque. Qualquer
que seja a magnifica esperanca que V. Alteza olfereca
a niinha ambico. e postoque V. Alteza j tenha pare-
cido duvidar da minlia delidade, eu nao a aceitare!.
Nunca levantare a minlia fortuna sobre aquillo que
possa vir a ser causa da perda de V. Alteza.
Multo obrigado, Mdena^ disse Guise cstendendo-
Ihe amo, reconheco uo que me dizes a tua lealdade;
nas acredita-me, nao tenho vontade nenhuma de meal-
licnar os chefes desta cidade no momento em que Ibes
vou pedir o titulo que me deve assegurar a autoridade
sem partilba. Gcnnaro-Annese he uin trahidor, acbei na
pessoa de Medina as proras escripias da sua traico;
Gciinaro-Annese comparecer auianhaa diante do povo
reunido, c nao precisaremos de mais nada que entrga-
lo ao odio da populaca, para que elle seja lmuiediata-
mente cundemnado e executado.
Mas nesse' caso, replicou Mdena, e segundo a pro
elamacuque V. Alteza mesmo publicara, lodos os bens
dos condeiunados devem cnlrar para o thesouro.
Por certo, disse Guise, todas as vezes que n.o liou-
ver herdeiro legitimo que tome coata dclles ; mas Geu-
naro-Annese, morrendo, deixar urna viuva; essa viu-
va, cuja belleza os senhores todos conbecem, ser por
conseguale amanha a mais rica herdeira de todo o rei-
no de aples; eo que a desposar ter vinte veses mais
dinheiro do que seria preciso para comprar todos os
Suissos que guardam o principado de Benevento, anda
que fssein dez mil.
A lypographia Brasiltira, na ra da Gloria, n.
7, precisa de um compositor.
Precisa-sede uma ama de leite, que seja de
boa conduela : na ra da Cruz, n. 19, terceiro an-
dar.
LOTERA
Do Hospital Pedro II.
Correm infallivelmente as rodas d ter-
ceira quinta parte desta bteria no dia. 8
de abril prximo, pelo que o thesour/yi*'
ro convida a comprarem o resto dos bi-
lhetes.
D. Mara Roza Selestina, com aula na Ba-vis. I
ta, onde ensina ha bastantes annos, offerece-seaos
pais de familia que a queiram encarregar do eiv
sino de suas fllhas; pois l, escreve, conla, costa
borda com toda a perfeiglo. Suas ligos serio dadas
a prego commodo. Ella reside na ra do Rozaroda
lia-Vista.n. 16, e ahi mesmo exerco seu magis-
terio.
A senhora Claudina de tal, que mora na ru
da Florentina, confronte cochoira do Sr. mnjor
Sebastiilo, queira rosgatar o seu pequeo par de
brincos, no prazo de 8 dias: isto so Ihe faz ver por
ter excedido ao seu valor, como j se lho fez ver.
Na ra larga doRozario, n. 17.
Precisa-sede um caixoiro que cnlenda de toda
a escripturagao precisa para uma casa commerciil,
sabendo perfeilamente maisolnglez: quem estiver
nestascircumstancia8, dirija-se a Mslheas Austin
C, ra do Apollo, n 36,
Roga-se ao Sr. Jos Gomes de Lima, chegido
no vapor San-Sebastio, de vir ou mandar entregar
uma carta, e a quantia que recebeu, om Macei, de
Manoel Francisco da Silva Carrigo para Jos Francis-
co da Silva, morador na ra do Trapiche, n. 6.
Aluga-se um primeiro andar muito proprio
para m escriptorio: na ra do Trapiche, n. i.
O S. C. O. queira mandar pagar os 24,000 n.
que fcou de dar no primeiro deste mez, e pelo que
se tem mandado mais de quarenta vezes sua casi,
Aluga-se um segundo andar e sotilo com coli-
nda bonita vista o muito fresco na ra do Trapi-
che-Novo : a tratar na mesma ra, armazem n. 28.
Precisa-se alugar um moleque ou negra para
servir em casa e vender azeile de larde na ra
quem tiver dirija-se a ra da Praia, armazem n.iy-l
Lava-se e engomma-se com muito asseio e pres-
teza : defronte dooitlo da matriz de S,-Antonio,
n. 1*.
--Offerece-se um mogo brasileiro para caixeiro,
o qnal salie 1er, eserever o contar e da fiador iui
conducta: quem do seu prest mo se quizer utilisir
dirija-se a ra Direita, n. 30, terceiro andar.
Quem annunciou querer comprar os Diariti
dejulho de 1846 ateo presente, dirija-so a loja da
esquina do passo da ra do Collegto.
Adverle-seaomeirinho que, indo executar um
mandado deprislo, por parto da fazenda provincial,
a uma pobre mulher, aquallhe deu um conlode
ouro, para que elle demorasse a execugdo, que hi-
ja de o ir restituir, alias se publicar o seu nome,
bem como outras muitas velhacadas ; pois que foi
tilo maroto, que deu o mandado a outro meirinho,
o qual levou a mulher cadeia, pelo que no devil,
e por tifio ter outro cordio para dar.
--Furtaram, do engenho Fragozo, um caviflo I
rugo-sujo inteiro, com a marca Fragozo sobre
a anca em lettras feitas com ferro quente : quem
o pegar, ou delleder noticia na ra da Aurora n. |
10 ou no mesmo engenho, ser gratificado.
O Sr. Jos Francisco de Araujo Guimaros tem
uma carta viuda do Rio-de-do-Janeiro, pelo vapor
S. Sebaslido, na ra do Trapiche, n. 44.
Roga-se a pesssoa que levou, por engao, um I
retrato de daguerreotypo da casa do artista, no dia
terga-feira, qnando elle estava muito oceupado,
quedevolva o mesmo.
Precisarse alugar um preto, mensalmente, pin
Irahalliar na fabrica do licores do Aterro-da-Boi- j
Vista, n. 17.
-- O distribuidor das capas da irmandade doDjri-l
no Espirito Santo responde ao i'rm assigne o seu nome, para so Ihe respondor em
forma
-- Deseja-se fallar ao Sr. capitSo do patacho Em-
lacHo, Antonio Gomos Pereira a negocio do seu in-
teresse : na ra das Cinco-Pon tas n 65;; bem como
a pessoa quo na ra do Rangel annunciou querer
comprar ouro mesmo em obras quebradas.
-Precisa-se alugar uma casa torrea rou sobrulo |
do um andar, que tenha duas salas e pelo menos tres
quartose coz i 11 Ira fra, as seguinles ras : prac
ou Atorro-da-Ra-Visla ; em Santo-Antonio, rui
Nova, largado Rozario, do Queimado, Crespo, Ctu '
zes, Cadeia e Collegio : quem livsre quizer alugar,
annuncio por esta fnlha : paga-se um anno adianta-
do, se agradar.
Deseja-se fallar ao Sr. Antonio Jos Pinto, em
negocio quo estando delle lembrado, pode mui bem-
conhec'erque, se nao pode tratar delle em lojas:
pede-se declare > casa de sua residencia, ra, nu-
mero e a que hora devo ser encontrado.
Pede-se a Sr.'Candida Carolina que v tiraros
seus penhores, que tem na ra da Conceigilo, n.
45, no prazo de ,0110 dias; do contrario, se passiri
a vende-los.
Mdena poz-se a cocar a orelha, e olhou para Ceri-
sanle.
Principe deFondi, duque d'Ischia, conde de Sessa,
Ihe disse elle rlndo-se, que pensa V. Excelleucia a este
respeito ? O que V. F.xccllencia fizer eu lamben farel.
O senhor duque de Guise me deu a sua palavra de
Tem ouvido fallar da senhora Olvmpia? nercualou
Guise a Rochefnrt.
E domis! senhor duque, respondeu Roclieforl,
se he essa a companlicira obrigada que me deve trai"
o titulo de duque da Calabria, desde j declaro que M" I
cuso formalmente. Ain^a pflde passar que se despo* J
-Senhor duque, disse Mdena olliando para Guise, \ vezes expulsa por Filomarini e dez vezes tornada acha-
, -,.' a"" r~-----------------Mi*.%ajiuiJBlll I MUilI.lilil _
podr-me-ha V. Alteza dar a reapelto de Ronda a mes- | mar por elle, que Ihe tem adquirido, segundo se diz, 11
qual o teria felto ele|fr I
ina seguranca que deu a Cerisante a tespelto de Anlta ? amizade e favores do duque d'A reos' nue Ihe assegurou
""JA80,ra'r,-,edeu>nviu". senhor Mdena, rea- a benevolencia de D, Joao, o oual terii
pon deu Guise trala-se de urna mulher que foi casada ;
e o casamento he uin manto que pode esconder tantas
cousas, que nao posso comprometter a minha palavra
a este respeito.
A' f, exelamou rindo Rocheforl, que at enlao tl-
nba guardado silencio, f que, se Anita est innocen-
te, Ronda he bem bonita ; e ha nisso compensaco.
Vossa Merc falla com bem pouco respeito ueste
negocio, senhor Rochefort, disse ( erisante; pensa Vos-
sa Merc que eu e Mr. de Mdena aceitassemos seme-
ntantes proposiedes, se ellas nao interessassein em ex-
tremo ao senhor duque de Guise?
" E anda mais propria fortuna de cada um dos se-
nhores, respondeu Rochefort, porque o dote he magni-
fico ; os principados de Fund e de Benevento pucm
disfarcar alguma fealdadc e algum namoro.
Mas Vossa Merc, senhor Rochefort, d menos va-
lor, perguntou Guise, ao titulo de duque da Calabria ?
Por certo que nao, responden Rochefort ; mas cou-
fesso que nao sei onde o genio de V. Alteza poder a-
cbar nirio de me por testa dessa proviocla, tao com-
pletamente separada de n*.
papa se o sacro-collegin nao fosse tao velho, c que todoi
os dias alcanca Filomarini algum novo favor de V. Al-
teza ; isso serla deshonrar-me por minha vontade,'
tornar a deshonra tanto mais estrondosa, quanto el
me poria n'uma posicao mais elevada. Nao, senhor du-
que, nao aceito.
Meu charo Rocheforl, disse o duque rindo, ul"
excelleute prgador, masas vezes vale mais ser boinou-
vinte. Supprlina-sc a sua pomposa tirada a respeil de
Olympia ; nao tratamos della para a fazer sua inulber,
mas d'uma menina que he a graca, a belleza, a ing-
nuidade em pessoa; trata-se da lilha deJIa. d seduc-
tora Casta. /
u Ko,
A neta do velho genuino ? perguntou JtorV^01
com admiracao, acompanhada de alegra ; essa do *'
sa creatura que os Jaisuroni adorain como uma iinag"".-
He verdade, disse Guise, adivinhou ; e v que nao
foi o que ficou de pelor partido.
Mas come lie possivel que essa pequea, ou sr /I
av, possa ter na Calabria uma tal influencia, que o meu [
casamento com ella me lome senhor desse palz ?
Vossa Merc te esquece de Filomarini, que be P" ,

MUTILADO



Rentista.
para
D.VV. Baynon/cirurgino dentista dos Estados-Unidos
l America do Norte, recentomonte chegado a esta
[ilude, participa ao respeitavel publico a aos seus
amigos, que tenciona seguir tiesta cidade para os
Iportos .su! ern-breve tompo : assim, roga as
[pessoasqiio se qni/orem utilisar do seu prestimo,
Idirijam-se a ra da Cruz, n. 40, Segundo andar.
_Precsa-sedo um cozinheiro a bordo do pata-
cho Clemsntina: quem estiver nestas circumstancias
I Jiriji'-se aocapiUlo a burdo, ou ao consignatario
Jos Alfonso Moreira, na ra do Apollo.
Dionizio Goncalves Maia retira-so para fra do
I imperio.
Theatro de \pollo.
A dirccco avisa aos Srs. socios em geral, que tem
I marcado o dia 18 do correte para a sua recita, e
que, portanlo, queiram mandar receber os bilhetes
nos das 15,16 o 17 do mesmo mez, em casa do the-
soureiro, na ra do Trapiche, n, 17, de moio-dia
laicas 4 horas da tarde ; servindo-so mandar as pro-
postas em carta fechada, para convidados, ao se-
cretario, na ra do Apollo, o. 23, at o mesmo dia
18, as 10 horas da manhia e procura-las at a urna
horada tarde, do.salSo do mesmo theatro; certos
os mesmos Srs. socios que depois dessahora nflo|tera
inais lugar proposta alguma, seja qual for o pretex-
to que se aprsente, c isto para se evilarem os mu-
tos abusos que se tcom commetlido a semelhante
respailo.
Jos Pereira embarca para fra da provincia o
seu escrnvo Lzaro, crioulo.
Manoel Jos Barboza Braga avisa a todos os
leus credores que, uo prazo de 8 dias contados da
da dala deste, lite apresentem todas assuasconlas
para sercm inmediatamente pagas ; na certesa de
que, dopois dcsle prazo, nio annuir qualquer re-
clamncffo que se llie faca por julgar nada dever.
Itecife, 13 de maico de 1848.
-- Precisa-Sc de um caixeiro. de 13 a 14 annos, pa-
ra urna venda dando-se-lho bom ordenado: quem
estiver nestas circumstancias anntincio.
Vicente Alves de Souza Camino retira-so
f/ra do imperio com sua familia.
Jos Deperini retira-se para fra do imperio
[com sua familia.
Arrenda-se um pequeo sitio, junto a igreja
[ de San-Jos do Manguinho, com arvores de fructo,
cacimba de boa agoa de beber, casa de vivenda para
grande familia, e estribara para dous cavallos :
quem o pretender, dirija-se Boa-Vista, ra Velha,
casa n. 55.
Precisa-so de urna pessoa com capacdade para
cobrar fra da praca urnas dividas, dando-se-lhe
porcenlagem para o que dar fiador a sua con-
duela : na Soledade, sitio da cascata.
Deseja-so saber se tiesta provincia exisle Fer-
nando Barata da Silva, afim de se Ihe entregar una
carta, vnda de Portugal : na ra da Cadea do Re-
cife, n. 38.
Precsa-se de urna mulher forra para ama de
urna casa de pouca familia : na ra da Cruz, n. 33,
priiqeiro andar.
Uoga-seao Sr. queentregou no escriptoro da
vluva Pereira da Cunta urna carta, vnda de Sobral,
o obsequio de annunciar a sua morada, ou mandar
entregar em o dito escriptoro a encommenda que
acompanhou a carta.
Offerece-se um moco de idade de 15 annos para
caixeiro de loja de fazendas, do que j tem pralica:
lie Brasileiro e d dador a sua conducta : quem o
pretender dirija-so a travessa do Ilozario, venda
d. 1.
Aluga-se urna casa de dous andares, ou um an-
dar com bastantes commodos, e-que seja na ra
do Collegio ou ra Nova e Aterro-da-Boa-Vista :
quem o tiver dirija-se a ra do Collegio, n. 4, ou
annuncie.
Offereco-se, para caixeiro de ra, um rapaz
brasileiro de 20 annos, o qual d liador a sua con-
ducta : quem de sou prestimo se quizer utilar diri-
ja-se a ra de S.-Hita, n. 40, ou annuncie
Precisa-so de um criado forro, ou captivo : na
ra da Cadeia do Hacife, armazom n. 57.
-- Na iua de Apollo, n. 1, existe urna carta vinda
do Lisboa para Sr. Manoel de Souza Paz.
Offerece-se um rapaz que tem pratica de onge-
nho, para administrador ou empregado do outro
qualquer servico, pois que tem pratica, e mesmo
ara caixeiro aqu na praca, ou fra della : quem
e seu prestimo se quizer utilisar dirija-so a ra Im-
perial, n. 3, junto a nova matriz.
Aluga-soo grande armazom do Forte-do-Mat-
los, largo da Assembla, n. 7: a tratar na ra do
Vigaro, ns. 5 e 7 primeiro andar.
Arronda-se urna olaria nos Remedios, com bar-
ro para toda a qualdado do obra, grando terreno
que sustenta 10 vaccas annualmente: tambom ar-
renda-se mettde do sitio que fol do tinado Cunha
Machado com duas casas e urna olaria com barro,
e duas canoas abertas para conducglo do mesmo
barro : a tratar na ra da Cadeia do S.-Antonio, ar-
mazem n. 17.
Urna pessoa habilitada para despachar navio3
se offerece para caixeiro de alguma casa do com-
inercio: quem de seu prestimo se quizer utilisar
annuncie. .
Aluga-se a casa de tres andares, n 5, da ra do
Vigario, propria para qualquer senhor estrangeiro:
a tratar na mesma, ou na inmediata, n. 7, 1. an-
dar.
Aluga-se um segundo andar, na ra da Senzal-
la-Nova com commodos para familia por proco
muilo mdico: na praca da Independencia, li-
vraria ns. 6 o 8.
Anda ha a sublime banha franceza para con-
servar o cabello, pela sua frescura e bom aroma ,
em polos de duas libras, pelo diminuto preco de
1,600 rs.: vende-se na ra larga do Rozario, n. 24.
Precisa-se de um amassador entendido : na ra
larga do Rozario, padaria n. 48.
Aluga-se urna prela para o servico interno do
urna casa : quem a pretender dirija-se a Antonio
Jos Comes do Correo.
Precisa-se a lugar um preto trahalhador de mas-
soira : quem tiver dirija-se s Cinco-Ponas, n. 6 .
Bernardino Antonio Ramos retira-se para f3
do imperio.
delta, dase o duque ; de Flloinarini, que llnha manda-
do propr a Borgla o titulo de duque de aples se elle
quiesse esposar sua lillia Casta ; ora o que elle poda
aqu, anda o pude uielhor na Calabria.
Com cffeito, disse Sedea, elle possue as mals ri-
cas abbadas de la; a maior parte dos camponezes sao
seus rendeirosou seu vassallos, e j me tealio admira-
do por uiaii vale vezes, que a Calabria se nao tcnlia le-
vantado em peso contra os Hespanhes, visto que ril-
inarnj.quelic iiiiinigo dilles, a tem, por assim dizer,
fechada ua mao.
r-Me porque elle espera occasio, respondeu Guise,
de IHc dar um clicfe que salisfaca a sua priineira ambi-
cio, que vem a ser dar lillia um marido de alta no-
bresa.
Portanto..... disse Bachefort.
Hoi unto, repeli Guise inlerrompendoo vivamen-
te, cad um dos senlioics tem a sua parte, se se atrever
a anear mo dclla; agora quero dizer-llic a minba. A-
maiihaa farci cu reunir o povo no Mercado-Novo; aina-
nhaa lhe denunciarei a conjuraco de Gcnnaro-Annese,
de Genuino, de I'eppe-Palombo c de Carulole. A aulo-
ridade de Gennaro-Annete me prenda anda ; a sua
coiidemnacau c morte inclivrarao de um collega in-
supportavel c inliel. Opodir da junta me causa obst-
culo ; provaudo eu a traicau daquelle que diclou todas
as su as resolucea, aniquilo semclbante poder. Peppc-
Jlouiv"o lie o mais rdeme defensor do direito, que os
[ ;^>pU5es de quartelro se arrogan), de obrar como se-
riiores despticos nos seus bairros ; o negocio que elle
fez com Medina, e do qual eu leulio provas, mostrar
ao povo os perlgos de senielhante independencia, e far
submeltcr todo os outros capitaes ao meu commaudu
directo ; emm, urna das cbagas da nossa poslcio, he a
existencia desses bandos de Udres, alguus dos quaes
esli ao suido de Sanlis e outios ao de Carniole ; ser
Compras.
que sejam pa-
-- Compram-se duas boas vaccas,
ridas ha dias : na ra da Roda, casa dos Expostos ,
ou na malta da Torre no sitio do Sr. Villaca.
~ Compra-se urna canoa enteirca sem costura ,
de 33 a 35 palmos de camprimenlo, e de 3 a 4 ditos
de bocea : no Aterro-da-Boa-Vista, armazem de
louca vidrada n. 47.
Compra-se um palileiro e duas duzias de colhe-
res pequeas : ludo de prata e sem feitio, pagndo-
se mais alguma cousa : na ra da Florentina, casa
da esquina confronte ao theatro novo.
Compram-se os Diariot do primeiro de julho de
1846 at esta data : quem tiver annuncie.
Compram-se diarios para embrulho a 120 rs
a libra : ua ra larga do Rozario, n. 17, defrontc da
leuda de latueiro.
Compra-so um cordSo que tenha do palmo e
meio a dous palmos de comprmanlo, sendo de Du-
ro de le, e no sendo multo fino : quem tiver an-
nuncie.
-- Compra-se urna preta de 40 annos, boa cozi-
aheira sem vicios nem achaques: na ra da Sen-
zella-Velha n. 110 das 9 horas as 3 da tarde.
Compram-se, effeclivamenle botijas e garra-
fas vastas : na ra do S.-Rta, reslilaclo n. 85 e na
venda atrs da matriz da Boa-Vista n. 2, que lien
na esquina da praca.
Compram-se, para urna encommenda, dous mo-
loques e duas negrinhas do 12 a 14 annos : uo pateo
da matriz deS.-Antonio, sobrade n. 4.
Compram-se, e Afectivamente, todas
as (j na I i (Lides de garrafas e botijas vasias :
no Aterro-da-Boa-Vista, fabrica de li-
cores n. 17.
Vendas.
Na pracinha do Livramento, loja
o. 5i, alrn de ler um completo sorti-
mento de azendas nglezas, que se ven-
dem por precos commodos, tem as seguin-
tes irancezas, Jo ultimo gosto, e proprias
para o presente tempo da Quaresma, as
quaes se vendem muito baratas, ltenlas
suas qualidades : sarjas pretas, ver-
daderamente bespanholas da primeira
ultima qualidade ; setim de Maco, liso
e lavrado ; dito com flores ; los prctos e
luancos, grandese pequeos, para meni-
nas ; diales de seda e casimira, com ricos
bordados, e de lia, bordados de seda; len-
cos pretos, de sarja e setim, para pescoco
de homeus; ditos para senbora e para ol-
gibeira, de lindos e variados gestos; lu-
vas de seda preta, bordad .s de matiz, c
de pellica de dii'fei-entes cores ; chapeos
franeczes, da ultima moda ; lapim preto
de' cor, liso e de cordao, proprio para
vestidos de montara de senbora e vesti-
menta de ci aneas ; casimira preta, mui-
to fina ; pannos pretos e de cores, os mais
lindos que at hojeteemapparecido, e por
preco menos de ^0 por cento do que
em outra qualquer parte : cassas : cabraias : 1 -Vendem-se duas escravas, ua de ^"Tc^
, *.'... ,. '| muilo boa engommadeira ocostureira, o outra cu-
nscados em cassas e em linho, tao lindosj zinhera e doceira : vendem-se por seu senhor ro-
que s a vista desengaar ; e outras mui-|tirar-se: no ptaeo da matriz de S.-Antonio, sobrado
las fazendas que seria fastidioso enumear. "' *' ____.---. u1
fpj Vendem-se, para a guarda na- jjfjj
51 cional, fardas de panno fino, a 6
rs. ; assim como talins proprios
para inspectores de quarteiro, a
,5u0 rs.: na pra9a da Indepen-
dencia, n. 19
raM&AmsMii
nnmmw:-
batante que eu denuncie os prnjectos desses dous mi-
seraveis. para obter o liecnceameuto de todos os bandos
indisciplinados: os dous chefes expiaran no patbulo
a traicao que meditaran!, c 0$ soldados chamados por
inin formarao companhias de fuzilelros commandados
por capitaes da micha esculla. Felto islo, meus seulio-
res, disse o duque cujos ollios brilbavam com ardor ca-
thusiasta, pedirei ao povo um titulo, que concentre na
mlnha pessoa a autoridade judiciaria arrancada a Ccn-
naio, (i poder administrativo tirado junta, e o (.'om-
inando militar tomado aos capitaes de quartelro e aos
chefes de bandidos ; e pedirei ao povo que nie nomeic
duque de aples ajudar-me-hao 01 senhores nlsto I
Sem duvida, responderam transportados os tres li-
dalgos.
-- Pois ento, mena senhores, he preciso que laso se
faca amanha ; amanhaserei duque de aples, c de-
pois d'amanhaa cada um dos senhores partir para a
empreza que o deve tornar um dos mais poderosos e ri-
cos senhores deste reino.
__ Por ininha espada I aeuhor duque, exclamou Cen-
sante, isso he que he obrar e fallar como principe ; c eu
cstou inteiramente ao seu dispor.
__ K eu tambem, disse Mdena.
K eu ila inesiua mancira, exclamou Rocbefort.
__ p0j i,,in 1 entao, disse Guise tomando nin copo,
nossa fortuna coininuii), meus senhores!
A.'de V. Alteza, senhor duque, de aples! res-
pondern! ellei.
A' sua sade, senhor principe de Fondi I
A' sua, seuhor duque da Calabria I
A' sua, senhor principe de llcneveuto!
R os copos dos quatro fldalgos se eotre-tocaram com
IeS lio mesmo instante, um tumulto espantoso rebentou
pa anie-cawara do palacio ourUm-se de todas as pai-
Vende-se urna preta de naco de 28 annos
pouco mais ou menos, que cose chao, faz lavarin-
to lava de sab3o e varrella, engomma liso, e lio
ptima coznheira (anto do diario de urna casa co-
mo do forno: na ra da Cadeia do Recife, n. 53,
terceiro andar.
Vendem-se as obras de Bergier diccionario de
ideologa 9 v., por 10,000 rs.; o de Fritot, scien-
cia do publicista, 11 v., por 12,000 rs. na praca
da Independencia, livraria ns. 6 e 8.
Vendem-so pentes de tartaruga de toda a moda
e de marrata: tambom se fazem quaesquer obras des-
te genero, tanto novas como de concert; desmn-
cham-se pentes velhos e fazem-se novos: no pateo
do Carmo loja de tartaruguero do sobrado da es-
quina quo volta para a ra das Trincheiras, n. 2.
Vende-se, ou aluga-se um preto da Costa, an-
da moco: defronte do oitSo do theatro novo, n. 11.
Na pracinha do Livramento, lojan.
5i, vende-se panno fino escarale, pro-
prio para capas das irmandades do San-
tsimo, 011 para golas das fardas do cor-
po de polica : recommenda-se aos pre-
tendentes tiesta i/.cnd > que a comprcm
qnanto antes, porque be raro apparecer
no nosso mercado panno dcsta qualidade.
Vende -se espirito de vinbo : na
restilacSo da ra de Santa-Hita.
Venile-se capim de planta secco para embar-
que : 110 porlo das Canoas, na ra Nova, armazem
n. 17.
Vende-se umjogo de diccionarios inglezesem
formato grando e novos, por um proco muilo em
conta no Aterro da Ba-Vista, loja, 11. 78.
Vende-se urna capa de gorguro
com sua competente cruz de ouro fino
ao lado,prompta para qiihlquer prociss3o:
na ra do Hospicio, casa n. 1.
Vendem-se hervilhas novas o boas, proprias pa-
ra samenr : na ra dn Praia, 11. 22.
Vende-se feijflo brando por preco com modo
na ra do Apollo, n. 15.
Vendcm-so pecas de chitas pardas, limgas, o
muito fortes a 5,000 rs., c seto vinlcns a retalho ;
ditas cor de rosa, muito bonitas ede tintas (ixas a
5,500 rs. e a 160 rs. a retalho ; sarja preta limpa ,
a 1,280 rs. : na ra estrella do Rozario, 11. 10, ter-
ceiro andar.
.'i I le lilil!
Acaba do chegar, pelo ultimo navio vindo de Lis-
boa um grande sortimenlo de livros bem como :
Historia de Napolelo em portuguoz ; dita do Ingla-
terra 4 v.: obras do Gil Braz ; o Gaiato do Terreiro
d o Paco 2 v. ; Administradlo do marquez de Pom-
bal, 4 lomos ; o Rochedo dos amarores, 2 v.; Retra-
tos de D. Alfonso, 1) Podro e Camoes ; e grande va-
r iedade de novellas e de romances do autor P. Kock :
todas estas obras vendem-so na ra do Crespo, loja
n. 11.
Na ma de Agoas-Vcrdcs,
n46,
veude-so, por urgente precislo, urna mulalinha ,
mu bem educada de 14 annos ; um bonito mole-
quede 12anuos ; 4 escravas por comniodo preco;
um bonito mulatinho de 18 aunos bom pagem ; 2
escravos para todo o servico.
Vende-se una bonita escrava cn-
oul.i, de 1!) annos, sem vicios nemacba
ques, que cose, engomma e cozinha: ludo
com perfeicSo : vende-se emeonta, sefor
paia fra da provincia. Na ra das Lu-
rangeiras, n. 14, segundo andar.
No Aterro-da-lta-Vista, loja ;nova 11. 21, [ha
ara vender I uvas do pellicas, do meo-braco, com
ricas guarnices, para scnliora ; ditas curtas e de
pellica, para homcm; ditas do algodo com borra-
cha; flores muito ricas para chapeos ecabega ; cha-
peos de pal lia arrendados; leques do papel e seda, e
mcias, fazendas de gosto : tudo chegado pelo ultimo
navio,
Vendem-se ricas manas de blon-
do, brancas eprelas, as mais superiores e
appropriadas para as solemnidades da
Quaresma: na praca da Independencia,
n. 39.
AOS ESTUDANTES.
Vende-se o diccionario de theologia moral de
Borgier da ultima edico ; Curso do direito natu-
ral de Th. Jouflroi : na ra Nova, 11. 38.

[ tes votes que grtavam : s armas 1 c clamavam pelo du-
que de Guise. Rochcfort corren a abrir a porta.
Iin primeiro incnsageiro se precipitou na sala gri-
tando :
Senhor duque, os Hespanhes atacam a alfande-
ga ; c dentro em pouco estarao dentro della.
Guise levantou-se to arrebatadamente, que deitou a
mesa por tena.
F.utrou un segundo mensageiro :
Senhor duque, bradou elle tambem, os Hespa-
nhes atacam Visita-dcl-Pover.
Guise coi reo espada.
Chegou um terceiro mensageiro, paludo, e arfaudo-
llii' o pcito, a nao poder mais :
A Iba de San-Bartholomcu est quasi a ser oceu-
pada pelos Hespanhes!
Guise dcsembainbou rpipo a espada, e alirou com a
baiulia pelos ares.
Chega um quarto mensageiro.
Senhor duque, disse elle cahindo exhausto de for-
jas, os Hespanhes eslao J senhores das primeiras ca-
sas do suburbio da Cellaria !
A cavalio I bradou Guise com urna voz fortissi-
ina, que retumbou por todo o palacio.
E Imincdiatauenle se arrojou cavallarica onde sem-
pre tinlia arreado um bello gincte de bataiba.
Senhor duque, lhe disse Rochcfort correado atrs
delle, aqui tem a sua couraca.
Nao tenho fri, senhor Rochefotr, respondeu Guise
pondo o p uo estribo.
Seobor duque, lhe disse Cerisanle, tome ao me-
nos o seu capacete.
-- Nao fa* sol, senhor Ceriaante, respondeu Guise
montando a cavalio. .
Ua tres dalgo* e alguma* oulraa peaaoaj que habita-
Vendem-so duas pretas do 18 a 80 annos que
cozinham muito bom o diario de urna casa, engom-
mamsoffrivel, lavam mu beme cosem chSo ; um
mulatinho de 15 annos; um caboclinho do 9 a 10
annos muito esperto ; dous pretos muito mocos ,
bot.s para todo o servico : na ra do Vigario, n. 84,
se dir que vende.
Pannos para lenges.
Vende-so superior bretanha de Irlanda, de paro
linho, com duas varas e mcia do largura fazenda
do muita utilidade para lenccs a 3,000 rs. a vara ;
zuarto azul de vara de largura a 240 rs. o covado;
cambraias lisas a 640, 800 e 1,000 rs. a vara ; len-
cos do seda dos mais modernos o muito linos, do
mclhor gosto a 2,500 rs.; rolos de bretanha a
1,800 e 2,000 rs. ; dita de linho muito fina a 720
e 80O rs. ; cassa para babados, a 2,600 e 2,800 rs. a
peca ; chales de l.la, grandos e de muito bom gosto ,
a-2,000 o 2,500 rs.; riscados trancados, de muito
boa qualidade para escravos, por serom oscuros o
de muila duraclo a 200 o 220 rs. o covado; e ou-
tras muitas fazendas por preco muito commodo : na
ra do Collegio, loja nova da estrella, n.l.
Na ra doCabug, junio a bo-
tica, loja de llanoel Pinhei-
ro de Mendonca,
vendom-se as mais superiores sarjas pretas que ha
no mercado; veos pretos muito finos, de diversos
tamaitos; mu ricas maulas de seda; um lindo
sorlimento do luvas de soda o de pellica, tanto para
senhoras como para homens; moias de seda pelas
o brancas; borzeguins para senhora; sapa tos de
couro de lustro para senhoras e meninas ; mu lin-
dos lencos de seda [loulard] de padrOes mui pro-
prios para pesclo de scnhoias; superior merino
preto ; chapos prctos francezes de superior quali-
dade ; e oulras muitas fazendas, por precos com-
modos.
Vende-se um bonilo moleque pro-
prio para pagem ou para aprender qual-
quer oflicio-: tem a idade de a ou i3
annos : na ra do Crespo, loja n. 10.
Vende-se superior panno de algodBo da Ierra,
muito largo e oncorpado: na ra do Crespo, n. 83.
depreciacaO.
Antonio LuizdosSantos & C, na sua loja de fa-
zendas, na ra do Crespo, n. 11, vendem cassas pin-
tadas a 200 rs. o covado; chitas de 160 a 200 rs.; ma-
dapolOes do 160 a 200 rs. avara; fazendas de gosto
de muitas qualidades, o outras proprias para a qua-
rosma, como sarjas lisas o lavradas; cortos ricos de
solim preto lavrado; ditos do cores; meias pretas e
brancas, patentes nglezas; chales de fil preto; lu-
cos pretos; chales e mantas de seda : tudo por menos
do seu valor.
i> o pode ser mais barato.
Vendem -se corles de fusto branco, amarelio e de
outras cores a 480 ; mursulinas muito largas a 240
rs. a vara; ditas escuras, a 4,500 e 4,800 rs- a peca :
na ra da Cadeia dojRecife, n. 32.
No Aterro-da-Boa-Vista, loja
11. 78,
vendem-se sapatOes de bezerro, para hornera, a
1,280 rs. ; bahus para costura do 1,000 rs. a 2,560
rs. ; bonetes de velludo o panno, para meninos ;
ditos de merino de muito bom gosto ; ditos de
marroquim para homcm obra de muito bom,
gosto, e dos quaes s resta urna pequea quantidade.
Na loja do nicho ha outra pe-
chincha melhor.
Na loja do nicho, na pracinha do livramento ,
vendem-se chitas escuras, de pannos linos e tintas
seguras, a 4,400 rs. a peca, e a 120 rs. o covado; b-
cos pretos do seda de todas as larguras, muito ba-
ratos.
vaiu o paco do duque o imilaram, e Mdena pergun-
tou-lhe:
Aoude vamos nos, seuhor duque ?
Vamos a toda a parte, respondeu Guise, j que em
toda parte ha inimigos.
E Immediatmuenie parti a galope, Alguus minutos
dcpols ebegava elle aoii da Cellaria. Diante delle, o
segundo regiment de fuiilciros marchava em direc-
V ao Coate das Scrpentes, onde j se postavam alguma
companhias hespauholas. Mas o duque, impaciente pe-
lo obstculo que lhe causavain as suas proprias tropas,
deia precipitado a larga estrada que ellea seguiam, e
se cntranha pelo meio de ras estreilai; dani, de re-
pente, no momento em que os Napolitanos se coitoca-
vam defronte dos Hespanhes, no instante ena que ae a-
briam os arcabuies, em que as mechas csuvamacce-
sas ; no momento em que ia romper o fogo de ambas
as partes, Guise, desembocando por urna ra lateral.
surge entre as duas hostes, e he o primeiro que se atina
aos Hespanhes com a cabeca descoberta, a espada no
denles, e um par de pistolas as mos ; mas.... quasi im>-
iiiedia lamen te desapparece por entre as fllelras iniuii-
gas, seguido apenas de uosvinte cavalleiro* .'
Nao se baviam passado aluda dez minutos, e j a ra,
que os Hespanhes oceupavam eslava varrida de urna,
extremidade outra, c o regiment napolitano, lascan-
do se a inarclie-marche na direccao que O duque de
Guise acabava de tomar, nao acbava seno armas aban-
donadas, bandeiras calcadas aos ps, morios e feridos.
Antonio de Calco, que commaudava esse regiment, e
que, sorprendido como todos pelo ataque imprevisto do*
Hespanhes, acabava apenas de chegar, poi-se i testa
das suas tropas, bradando alegremente.:
Vamos, rapaies, u caiuiuliu he fcil, o duque de
Guise passou por aqui.
(C

*f| !\a fabrica de chipos da ra do Queimado,
mSk ". 2, contina-se a vender chapeos de cas-
-^"^lor branco, tanto com pello como sem elle,
de 2,500 at 5,000 rs. ; bem como pretos do todos as
qualidades e baratos.
Vende-se um molcquede 18 annos; dous es-
cravos carreiros; um dito cozinheiro ; 4 mulati-
nhas de 14 anDos ; 5 escravas mogas, que cosem, en-
gommam beme cozinham ; l dita* ptimas para
todo o servigo; um escravode meia idade : na ra
Direila, n. 3.
Vende-se o Rtcrtio, jornal das familias obra
de muita instruccSo com muitas'estampas: Rui o
escudeiro, cont, por L. da S. MousinhoJ de Albu-
Juerque, novo, por preso commodo : noAterro-
a-Boa-Vista, n. 8*.
-- Vende-se meia duzia de cadeiras, um cannap
de jacranda urna mesa pequea, tudo cm bom
uso; um reloglo horizontal, de se pendurar na pa-
reda o quai d horas o meias horas muito bom e
em corte: na ra largado Rozario, n. 3.
Lotera do Ro-de-
Janeiro.
Vendem-se bilhetos e meios ditos da primoira lo-
tera concedida a beneficio do thoatro de S.-Pedro
de Alcntara : na ra da Cadeia n. 38, loja de Ma-
noel Gomes Cunda Silva.
Vendcm-se abanos, a 9,000 rs. o milheiro, e a
1,000 rs. o cenlo ; arroz branco a 10,500,11,500 o
12,000 rs. do superior ; dito vermelho; dito do cas-
ca : tudo por prego muito barato : na ra da I'raia,
n. 39.
Vende-se um moleque crioulo, de 12 annos,
bastante robusto, sadio o esporto : na pracinhn do
Livramento, n. *5.
LIVROS BARATOS.
Diccionario porluguez de Constancio ; Historia da
philosophia porCousin ; Curso de Philosophia, por
Damiron ; Uireito natural odas gentes por Ilour-
lamsque; Revero do homem e do cidado, por
1'unTendorf; Geometra e mecnica applicada as
artes, porDoupin ; Curso de mathematicas puras ,
por Besout; Jesus-Christo parante o seculo tra-
dcelo do Sr. Colago ; Chryplographia revelada ou
arte de 1er asescripturas obscuras quaesquer que se-
jam os signaes empregados ; Dos perante o seculo;
Gil BrazdeSantillana ; Obras espirituaes de Fene-
Jon : todos estes livros se acham em bom estado, c
sevendem na esquina do Mundo-Novo, vendado
Sr. Nicolao.
Vondcm-se superiores pannos pretos prova
de Hm3o; casimira prela, do largura de pa nno (es-
ta superior fazonda torua-se recommendavel por ser
muito elstica j; setimpreto; e outras muitas fa-
zendas por prego muito cm conta : na ra do Colle-
gio, loja n. 3, dcFerrao& Companhia.
*rNo pato do Terco, venda
i
tinhp : na ra larga do Rozario, n. 33J, primeiro
an-
AHfc Vendem-se chapeos de superior
muito barato : na ra do Crespo,n. ta,
loja de Jos Joaquim da Silva Maya.
Bacalbo!
Aos Srs. de engenhos e casas
de familias.
Acaba de chegar para a Quaresma urna porcSo do
bacalho de escama de qualidade muito superior
ib que at aqu tom chegado a este mercado, o
qual he preferv"'. nJo so pelo seu mdico preco
3 uc he do 9,0001 a quintal, mas tambem por ser
a melhor cura, podendo conservar-se urna barri-
ca berta dous ou tres mezes sem humdecer, ou
deteriorar-se. Vende-se no armazem de Antonio Au-
nes no caes da Alfandega, n. 5, e em casa de J. J.
Tasso Jnior, na ra do Amorim n. 35.
Milho. /
Vende-se milho, a 2,600 rs. a sacca : no caes da
Alfandega, armazem de Antonio Annes.
JVovos riscados
monstros.
n. v, vehde-se bolacha muito superior, a
libra; lombos de Minas; toucinho sem
100 rs. a
carne, a
200 rs. a libra ; carne propria para feijoadas, a 60 e
80 rs..
Vende-se um preto da Costa, inda moco, bas-
tante reforjado ; tres solns novos, de superior qua-
lidade, com todos os pertences ; dous ricos appa-
relhosde metal branco, para cha; dous relogios
ue prata sabonetes, patente inglez sendo um del-
lesdourado tudo por preco commodo por seu do-
no relirar-se para fra da provincia: defronte do
oi(3o do theatro novo, n. 11.
Vende-se um armazem deseceos, proprio para
urna venda, por sor cm bom lugar, e ter pouoos fun-
dos na ra Direta, n. 27 : a tratar no mesmo ar-
mazem.
Vendcm-se pennas do orna; saceos vasios, em
porco; couros de cabra; sola; sapatos e botins:
na ra da Cruz, n. 26.
Vende-so urna muiatnha de 11 annos; urna
negrinha de 13annos, que cose e cozinha : na ra
rslreita do Rozario n. 11, segundo andar.
Na loja nova de. FerrSo # U.,
na ra do Collcgio, n. 5,
vende-se merino muito superior, a 3,300, 3,600 e
4,000 rs. o covado ; sarja preta hespanhola muito
superior a 2,560 e 2,7000 rs. o covado; e outras
muitas fazendas por preco commodo.
Fardos
cm barricas, chegados ltimamente : no armazem
de J.J. Tasso Jnior na ra do Amorim, n. 35.
VELAS DE CERA.
Vende-se lia ra da Ca.
deiado Kecife, ni87, Cora
em velas, de superior qua-
lidade, fabricada em Lis-
boa e r/o Hio-de-Janeiro,
em caixas pequeas e sor-
das ao gosto do compra-
dor : tambem se vendem
bararides, por preco mais
barato do que em outra
1er parte.
Na loja confronte ao arco de s.-Antonio, n. 5,
chegou um novo sortimento de riscados monstros,
de cores filas e lindos padrOes com urna vara de
largura pelo barato preco de 320 rs. cada um co-
vado.
Vende-se um sitio na Torre, com 600 palmos
do frente e 1,200 ditos de fundo pouco mais ou me-
nos na margem do Capibarihn, mm nlgnns n. coqueiros : alm dos palmos ditos ha urna grande
haixa para capim ou viveiros : na ra da Cadeia
de S;-Antonio, armizen. n. 17,
Vende-se, oti arrenda-so um grande sitio na ra
Imperial, com duas moradas de casas, urna para
grande familia, na frente da ra e outra mais pe-
quena dentro do mesmo sitio com bons parreiraes
e muitas fruteiras de boas qualidades todas novas
o j dando fruto, com um grande viveiro no lundo i
na ra Direta, n. 135, loja de cera onde se l'ar
qualquer dos negocios, por seu dono ter do retirar-
se por molestia.
Vende-se um terreno com 117 palmos de fren- I n
tee 89 ditos de fundo em estado de se edificar,
por nao precisar aterro em cujo terreno podem-se
fazer tres ptimas mei'agoas na ra do Pilar, em
Fra-do-Portas, do lado da mar grande : na dita
ra, n. 11, no pateo da igreja do Pilar, das 6 horas
da man hila s8.
IVovo bramante,
de 11 palmos de largura.
Na loja da esquina que volta para a ra do Collo-
gio, n. 5, vende-se o novo bramante de puro linho,
com 11 palmos de largura, pelo barato preco de
2,800 rs. a vara.
Vende-se a armagSo da venda do pateo da S.-
Cruz por preco multo rasoavel: na ra do Sebo ,
n.3.
Vende-se urna balanga de columna, muito ele-
gante propria para padaria, ou outro qualquer ne-
gocio : na ra Nova, n. 56.
Vendem-se superiores meias cruas americanas ,
a 4,800 e 5,200 rs. a duzia : na ra do Collcgio,
n. 3.
Vendcm-se saccas com farinha; ditas com ar-
roz de casca c com milho : na ra da Cadeia do Ke-
cife, n. 8.
Vende-se um preto de 22 annos, de boa figura ,
bom marinheiro de governo; urna parda que co-
zinha, engomma, eho ptima para ama de urna ca-
sa ; urna preta de 18 annos, que cozinha, lava rou-
pa'e vendo na ra por 350/ rs.: na ra do Passeio,
n. 19.
Vende-se a venda defronto da matriz da Boa-
Vista n. 88. As pessoas que teem estado em nego-
cio com ella, dirijam-sea mesma, que se fara qual-
quer trato que melhor lhes convenha; bem co-
mo outra qualquer pessoa que a queira comprar.
18 annos, muito boa engommadeira cozinheira ;
urna dita de 20 annos, de bonita figura; urna par-
da de 20 annos; 3 prelascom habilidades; 2 molo-
ques de 18 annos ; um mulatinho de 10 annos; 2
pretos bem robustos ; um dito carreiro : no pateo
da matriz de S.-Antonio, sobrado n. 4.
Na ru do Trapiche, n. 17, con-
tina a haver deposito da verdadeira cal
virgem de Lisboa, ch'gada prximamen-
te ; advertindo-se aos compradores des-
te genero que o deposito he j muito pe-
queo, e que da nova nSo ha mais em
parte alguma.
Vende-so urna porco de enchameis e taboas;
duas portadas do pajxilhs com vidros para alcova ;
urna grade para portilo; urna dita de almofadas e
vergalhfles para oseada ; um par de ananazes de
chumbo, para sacada : na ra da Concordia sobra-
do da esquina passando a ponlczinha.
Cortes de aciaa.
A fazenda mais perfeita que tem appa-
recido sao os cortes de alcina, para ves-
tidos de senhora, nao s pelas delicadas
cores, como pelos lindos padrocs, por
nao desbotarem, e por serem do ultimo
goslo de Paris. Estes cortes vem pti-
mamente acondicionados., cada um em
sita capa, e sao Jeitos na principal fabrica
de Paris ; sendo de quatro qualidades dif-
iere n t e s, e aos precos de 3,200, 3,6oo,
3,8oo e 4)000 rs.: na loja nova de Ray-
mundo Garlos Leite, na ra do Queima-
do, n. 11 A.
chSos proprios, sita cm Olnda, na fu das Manan.-1
ras : a tratar na ra da Cadeia do Recife, n. u I
No Aterro-da-Boa-Vsta l0j,
n. 78, *
vendem-se sapatos de couro de lustro, para m 1
" 1 3 a 14 annos ; ditos do marroquim, para m1"I
de 1 a 5 annos; bem como sapatos de lust I
as de
nios
para senhora.
- Vende-se a venda da ra da Cruz, n. 66
uheiro, ou prazo, a vontade do comprador
lar na ra da Senzalla-Nova, n. 4.
tra.1
Vende-se um alambique de cobre de carga de
3o caadas, com serpentina de estando : tudo em
bom estado por prego commodo : na ra de S.-Ri-
ta, n. 85.
- Vendem-se aeges da ex-
mela companhia de Pernambuco
e Parahiba: no escriptorio de O*
liveira Irmos & C, ra da Cruz/
9.
Vendem-se sapates de sola e vira; ditos de cou-
ro de lustro om porcAo ; saccas de rera de carna-
* ; esler de pelha de carnauba; sebo em barri-
cas : tras do Corpo-Santo, venda n. 62.
Advertencia.
Chegou np vapof San-8tba$Uao' urna remessa do
superior e estimadissimo rap grosso e meio-gros-
80, da fabrica de (lasse do Ro-de-JanCiro: vnde-
se em porgSo, 110 deposito da ra da Cruz, n. 38, e
a retal lio nos lugares do costume.
Vende-se urna porcSo de fijSo branco o mla-
Panno-Couro.
Vendem-se superiores cortes de caigas da fazenda
panno-couro par ser do duracilo extraordinaria e
de padrOes escuros proprios para o trafico pelo
diminuto prego de 1,600 rs. o corte : na ra do Col-
legio, loja nova da estrella, n. 1.
Casimiras finas e elsticas.
Vendem-se superiores casimiras finase elsticas,
a 1,000 rs. o covado; cortes de ditas de cores, muito
linas, a 6,000 rs.; superiores casimiras prelas da
melhor qualidade, a 6 o 9,000 rs. o corte : na ra do
Collcgio,loja nova n. 1.
Los pretos,
a '$440 rs. cada um.
Na loja n. 5, confronte ao arco do S.-Antonio,
vendem-so los pretos, grandes, a 1,4*0 rs. cada um
Vendem-se ancoretas com cal virgem a mais
nova que existe no mercado, por prego mais com-
modo do que em outra qualquer parte; urna por-
cilo de pesos do duas arrobas de ferro e algumas ser-
ras grandes para serrarem madeiras : na ra da
Moda. armazem n. 17.
Vendem-se, na ra da Cadeia do Recife arma-
zem do Braguez, saccas com superior farinha do
mandioca ditas do arroz de vapor p da fabrica ,
vi tulas prximamente do.MuranhSo, pelo brigue-es-
cuna Laura : tudo por mdico prego.
Pannos finos.
Vendem-se superiores pannos finos, prova deli-
mSo, pretoe azul, a 3,000 rs. o covado; dito fino
azul o preto o 4,500 rs.; dito preto de superior Qua-
lidade e j bem conhecido pela SUS baraleza.a 5,000,
5,500, 6,500 e 7,000 rs.; casimira preta I i miste da
melhor qualidade, largusa de panno muito (loa a
11,000 e 12,000 r, o fiarte de calca : na ra do Col-
legio, loja nova da estrella, n. 1.
Vendem-se 12 aeraros, sendo: urna preta de
Nosta loja acha-se um completo sortimento de
obrasfoitas, de todas as qualidades: bem como
pannos finos pretos, merino ricos cortes de col-
Icte de gorgurfio bordados, por prego commodo.
Vendem-se ancoretas de
diversos tamanhos, com vinlio da
Madeira, tinto e branco, de supe-
rior qualidade: no escriptorio de
Oliveira Irmos & C, na ra da
Cruz, n. 9.
Vendem-se duas boas escravas crioulas, de
bonitas figuras e mogas, que cozinham, lavam mui-
to bem e engommam silo sadias, e nfo se duvida
dar a contento para serem experimentadas : ha ra
do Queimado, loja n. 51.
Potassa e cal -virgem.
Vende-se muito superior potassa e cal
virgem de Lisboa, prximamente desem-
barcada: no deposito de fialtar& livei-
10, na ra d> Cadeia do llecie, n. 12.
Na ra da Cadeia-Ycllia, n.
!0, loja de J. O. lsier,
vende-se vinho do Porto, de diversas qualidades ;
dito da Madeira: dito de Malaga; dito de Sherry ;
dito de Carcavellos ; dito de Lisboa ; dito de Graves;
dito Sauterno ; dito San-Julien ; dito de Rordcaux ;
dito Chateau-la-Hosei; dito de San-Goorge; ag'ar-
dente de Franca, de diversas qualidades ; whiskey;
cherry-eordial; marraschino; licores finos; punsch
da Succia ; xaropo de framboises ; ptima champa-
nha em garrafas e meias ditas; velas de composi-
gSo ; cha preto e verde do superior qualidado; pre-
suntos e salames de Ilrhburgo; sardinhas em latas
e vidros; pelits-pois em ditas; salmn em ditas;
mostarda inglezae franceza frutas em vidros, com
3 Ida de assucar e espirito; agoa de flor de laranja;
charutos de Havana e da Uahia : ludo chegado re-
centementee de superior qualidade.
Charutos cacad ores,
estes superiores charutos tornam-se recommenda-
veis pela sua escolente qualidado e por serom de
urna das melhores fabricas da Baha : vendem-se na
ra do Trapiche-Novo, n. 18, em casa de Frederico
Robilliard por prego commodo.
Na ra do Trapiche, n. 1 7
vendem-se barris com superior
cal virgem, chegatla ltimamente
de Lisboa, a cinco mil reis cada
barril.
Vemie-se urna morada de casa terrea em'
Olhem,freguezes, que ha pechinchat m
nova loja da ra do Coilegio. 11 f
He firmiano Jos Rodrigues Ferreir
como sejam.: chitas finissimas, por prego barato "'I
certeza de que esta loja vender todas as fazend"'I
qurde gosto, qur ordinarias por menos sanM
que em outra qualquer loja, Visto ser um aSS?
Iccimento novo. !
-Vende-se um baixo de harmona, ean,
m8o, com muito boas vozes e muito doce n.
do Rozario da Boa-Vista, n. 24.
No Aterro-da Boa-Vista, foja
nova, n.21,
chegou, pelo ultimo navio vndo de Franca ur
porgao do fazendas, como sejam as seguinteslT
vas de pellica, de meio brago, com ricas BuarnieoM
para senhora; ditas curtas de seda e do pellica D,'
rahomem; ditas de algodlto com borracha 'riL
ramos de flores para chapeos e cabega ; chapeos de
palha entrangados de cabello, ultima moda pan se
nhora ; ditos de palha para meninos e meninas I.
ques de seda, e de papel, muito ricos; meias pnu'
de seda para senhora ; e muitas outras fazendaion,
se vndenlo por prego commodo.
-- VcJcin-se 5 muieques de 17 a ao annos 2 prt-
tos de 25 annos, sendo um carreiro e o outro oV
cial do sapateiro de toda obra ; 3 phrdos de 16 a
annos sendo um bom carreiro, e os outro's pn
prios para todo o servigo; um mulatinho do lOin
nos; urna muiatnha de 13 annos; urna negrinhade
10 annos; ambas com principios do habilidades-4
pretasde20a25 annos, entre ellas algumas com
habilidades ; urna preta de idade, por 200,000 rs.
na ra do Collegio, n. 3, segundo andar, sedir
quem o vende.
Vende-se um sobrado em Olinda, na frenteii
S n. 10, on 11, em ch(Ios proprios, sem onusil.
gum : vende-se para se pagarem decimas atrasadisi
repartir com os herdeiros : a tratar na roa d Guii
n. 56, com Alexandre Jos de S Pegado, ou em 0\\i
da no mesmo sobrado, com Francisco los de Si,

i
l/l'l
Escravos Fgidos.
Fugio, nO da 15 do corrente, o preto Joaqun,
de nagHo Cagange, de 20 annos, estatura rogulir,
sem pona de barba, cor um pouco fula, cara redoa-
da, nariz bastante chato e todo arapanhado om rodi,
parecendo ter sido queimado; tem os ps um pou-
co grandes; tcvou camisa de bata verde ceroulis
echanco de palha. Roga-se aos cap tiles de cumao
e pessoas particulares, queo apprehendam e leven'-
a ra larga do Rozario, nadarla le Manoel Antonio
de Jess que gratificar generosamente.
Fugio, no da 18 de Janeiro, um cabra, de nona
Joaquim, alto, reforcado, de idade, coma Inri
branca .cabellos corridos o bem pretos; lvou un
surrio de pello-do carneiro chapeo de bata UM-
do, caigas dealgodilo de listras rotas no ssento;
tem os tornozellos dos ps um tanto ochados, li-
te escravoj foi preso em S.-Lourengo-da-Malta ,e
tornou a fugir junto aos Remedios do poder di
urna pessoa queo nonduzia para esta cidade; reio
do Maranhflo e diz ser de Caxias : quem o pegar le-
ve-o a ra do Vigario, n. 24, que ser recompen-
sado.
Fugio, no domingo, 12 do corrente, um preto,
de nome Joo, de nagSo Angola de cstatnra sita,
bem parecido ; he trepador de coqueiros, o bemeo-
nhecido ; falla bem, por ter vindo pequeo; lemo
olharpor baixo; foi oulr'oraescravo do padre Tor-
res., ja fallecido : quem o pegar leve-o ao sitio dos
Afnelos que ser gratificado generosamente AsJtV
sim como se protesta contra quem o tiver occuU
nSo s proceder com todo o rigor, como haverdi
de servigo.
Desappareceu, no da 12 do corrente, urna pi>
da baixa, gorda bastante, fel de cara com caW
lo amarrado muflo pequeo; eslava criando di
Inte em casado Sr. doutor Alejandre Pereira do
Carino ; a qual dizern que foi deseucaminliada por
um soldado do polica : q'om a pegar leve-a a cim
de Claudio Duheux na ra das Larangfras, n. I*,
que ser recompensado.
Fugio, no da 10 do corrente o preto Paulo,
por alcunha Papagaio ; he baixo, de 50 annos pou-
co mais ou menos ; tem urna cova na cara ; levou
camisa do madapolSo caigas de estopa : quemo
pegar leve-o n ruado Pires, na Boa-Vista, n. 3, qu<
ser recompensado.
ATTEWIAO.
Dao-so 20,000 rs. de graTificagSo a quem pegiro
crioulo Silvano, ofllcial de pedreiro, o qual anda f-
gido desdo outubro do anno prximo passado ; l"'
ha I bou as casas que est construindoo Sr. Ponte)
na Passagem-tla-Magdalena, a titulo de forro, e co-
mo fosse perseguido pela polica, Occultoi-so pe*
malta da Torre, onde est trabalhando pelo olicio
nos dffereiiles edificios que se estilo construindo no
mesmo lugar da Torre, margem do Capibaribe. El-
le he bem conhecido, e tem os signaos seguales
estatura regular, bastante secco do corpo, bem pre-
to, olhos muito vivos, pouca barba e com algo1"
cabellos j brancos, suissns finas ecompridas, muito
Tall do denles, s tem um dente'canino na frente,
na bandibula superinr.peitos cabelludos ej tamben
com alguns cabellos brancos, muito canhoto; tanto
trabalha com a direta como com a esquerdn, cora
a qual toca bem viola ; pomas finas com uma sicJ;
triz arermelhada na canella e outra no pe todo pe
da outra poma. Qrtem o pegar leve-o ao siljo o'5
Itozoiras, defronto da capelta do Rozarinho, do 1 C
C- Joaquim Elias de Moura, sou senlior, que rece>
r a gralificagilo cima offerecida.
Per-
N. : NA TTfP. OB M. F. DE FARIA
x648

MUTILADO
*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUXZAM3N9_CN2W8U INGEST_TIME 2013-04-13T02:07:11Z PACKAGE AA00011611_05439
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES