Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05426


This item is only available as the following downloads:


Full Text
s I jnno de 1848.
Quarta-feira 1
O DIARIO |)u'lici-J todos 05 dias que n!o
fArrm '! guard i o preco da signatura lie ce
iiOO" rs.potcrurul,p iineios d ssignantes sao inserido, ro de
porl.ni.a. 10 1*. e typo ajurente, as
",-6e pela mrtad.. Os quemo orem ass.-g-
r'CVp,,ro 10 rs. por linha, 100 em lypo
diercot.; por afa poblicacio.
PI1ASKS DA LOA. NO ME2. DE MARQO.
1 u. no. & l0 b9n* e 57 min" ''* n,1"n!l-
r'ieseenn '* ** 2 1,ome '* min- da m'l,aa-
1 ,sehi 1. 6 ">' c Sl "'" d t,rde-
M. wuU I i?, i: 10 ""'** e 6S min. d Urde.
PAflTID.l DOS CORREIOS.
>>oianna e Paradina s segundase sextas feirt.
Itio^lrande-dn- Norte quintasfcirnsaomeio-dia
Cabo, Serlohent, Rio-Formoso, Poi ^1 iqbo, no I.*, a M c 2t de cada mez.
(ar.iiiliiiui e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vina e Plores, a IS e J.
Victoria, s quintas-feiras.
Oliuda, todos os dias.
PREAMAR DE BOJE.
Primelra, a I hora 18 minutos da larde
Secunda, a I bora e 4i minutos dimanhia.
de Ufarco
Anno XXV.
ni .______.....
IV. 49.
DAS DA SEMANA.
38 Segunda. S. Jandr. Aud. do J. dosorph.
edo J.do c. da v. *do J. M. dal .
29 Terra, 9. Rorn'o. Aud. do J. dociv. dal.
r. e do 1. de pardo dist. re
1 Quarta. S. Adiio. Aud. do J. dociv. da
2 V. e do J. de paz do 2 dist. de t.
2 Quinta. S. Simplicio. Aud. do J. de orpli.e
da J. municipal da l.v.
S Sesta. S. Ueinelero. Aud. do J. docitr. da
!. v., e do J. de pas do 1. dist. de 1.
4 ^atibado. S, Casimiro. A"d. do J. dociv.
d.i I.T. edo i. de pas do l.iit. de t.
i Domingo. S. Tueopuilo.
CAMBIOS NO DA 2 DEFEVEREIIIO.
Sobre Londres. 27'/, e 17*/, d. por tf ri.i o d.
* Pars 861) rs. por Franco.
Lisboa 95 por 100 de premio.
Desc. de Ultras de boas firmas I a l|4 '/* ao
OuroOnras I'e-sp.nholas-----I8|500 7.JS00
Modasde6|i00velh isjioa
. de6#10no.. I6#0on
-de 4/000..... i>f i'OO a
Prate Pataces.......... I 1900 a
Pesos coluranares... 119*0 a
Ditos mexicanos.... 1|800 *
Miuda............. 1#00 a
icinop
16)101
Bjtr.o
IfMO
IJ&0
I |I20
l|02
Acedas da comp. do Uaberibe de iO/000 rs .ao pe.

PARTE OFFICIAL.
GORMANDO DAS ARMAS.
Qunrtel do caminando das armas na cidade do Recipe, 29
ilefcvereiro da 1848.
ORDEN DO DA N.* 63.
O commandanlc das armas, aegundo prevento na or-
den) dodia n. 37, declara que nodia I." do vindouro
mes, pelas 10 horas da manlia, dar principio a inspeo-
c5<> dos corpoa de linha existentes nesta guarnirlo, pelo
batalhSo 2.* deartilharia a p, eneste pelo leu archivo,
cal xa de adininlstracao. Se., tc., seguindo 01 domis
batalhdr i conforme o detalhe que previamente far co-
ndecir.
Convindo que se tetilla couhe cimento da residencia
de todos os Srs. oMclaes dasquatro classes doexercito,
que nao seacliam gado aoscorpos da guaruyaO, di-
trriniua que esses Srs. officiaes se di rija 111 secretarla
militar para fazerem essa declara;ao, c aquelles que, por
ncommodo desadc au poderein lai UiWiptliliCBto 3
esta ordem,que o Cacara ofncialmente,declarando as fre-
guciias onde inorain, as ras eo numero das casas, de-
rl.irafa, que todos deverao fazer, semprc que le houve-
ri'iu de mudar.
O cun mandan te das armas chama a alteiifao dos Srs.
commanoantes de corpos sbreos uniformes dos solda-
dos, vigiando, por si e porseus olliciacs, que files nao
saiam para fura dos seus quarteis coni as fardas desabo-
toadas c scni grvalas, 81c; o que, alm de ser contrario
.-1 ili que deve seinpre achar-se em estado de comparecer de-
centemente diante dos seus superiores e do publico.
Manoel Ignacio de Carvalho Mendonca.
INTERIOR.
PA HA'.
HISTORIA DE QUATRO NORPHETICOS QUE
TEEN TOMADO O ASSAC'.
1.* Antonio Hilario Martins, bronco, solloiro,
nascido em Monte-Alegre, villa pertoncenle co-
marca do Baito-Amazbnas, fillio de Hilario Mar-
tins, com vinloannos do idade: foi soldado da 6.
companhiaJo*.9batnlli3ode caendores ; diz j lar
sofrido de todos os exanlhcmas proprios da infan-
cia, de febres intermiltentcs, e nito so lembra sej
padoceu de molestias aiphililicas; foi vaccinado e
tevevaccina regular; principiou a soflYer da mo-
lestia, do quoora lio victima, no anno de 1842; foi
inspeccionado c declarado morphetico, c como tal
mandnrom-o rccolher ao lazareto do Tucumltiba a
cargo da Santa Casa do Misericordia, no da 16 do ou-
luhro do 1843 ; sabe-se que alguns membros da stia
familia silo participes do mesmo mal. He do tempe-
ramento limphatico ; tem o rosto incitado, fusco,
rugoso, e causa repugnancia pela deformidado do
stias foicoes; tem ascartilagnns e os lobos dasore-
Ihas tumefacas, e cobertas lo tubrculos sem alte-
mqSo ; a pello da regifio malar, dos supercilios, do
ment, das alas do nariz o dos labios he grossa, de
un branco escuro c do aspecto lusidio ; a do anti-
lira co, da mflo, das pernos, o dos dedos est engor-
| Rilada, pouco sensivel, monos floxivcl o atrigueira-
da ; as cabegasdos dedos, qur das inflos, qur tos
ps, comceam a perder a sua forma ; as unhas estilo
alteradas, e o dedo mnimo da milo esquerda existe
contrahido, principiando a atrophlar-soa sua torceira
pltalangc; os cilios e os cabellos da barba j teem ca-
bido ; os olhos estilo avernielhadns o semi-oceultos
pelo relovu das rugosidades ; a membrana mucosa
das fossas nasaes e a do laringe ost engorgitada,
ligeiramonlo rubra, o ulcerada em alguns pontos ; a
voz lio fanhosa, o a respiraeflo scibillante; notam-se
sobro o malleolo interno do lado esquerdo o as
pernasalgumas ulceras, das quacs sali pus-sangui-
nolento, que te desseca promptamente, e forma cros-
tas ennegrecidas; existem finalmonto estabelecendo
urna especio de complicacflo com a terrivel enfur-
midadealgumaspiistulas sarnosas espalhadas pelas
costas, venlre, palma tas milos, o entro os dedos.
Diagnostico. Lepra tuberculosa. [Lepra leontina do
Alibcrt]
2." Raymundo Goncalves da Cunha, branco,
solloiro, nascido tiesta cidade, li I lio do Jos ta Cu-
nta d'Assumpco, com vinte e dous tinos do idade :
Icinhra-seque ja ooUVcti do todos os oxanthemas pro-
prios da infancia, do bu lides, do cancros venreos, o
lo gunotrhca, dos quaes foi impiricamente tratado ;
fui vaccinudo c leve vaccina regular; apparoceu-llio
a enfermidado no anno do 1843, o por isso foi reco-
Ihido ao lazareto, de quo cima taller, no da 24 de
dezctnbro do mesmoanno; uo consta que maisal-
gircm de sua familia soja victima do mal que o ator-
menta, lio do temperamento sanguneo, e aprsenla
pouco maisou menos o mesmo aspecto inedonlio
que o pi imeiro, com a di (fe renca do que nosle a mo-
lestia temcaininliado com inais rapidez, patentoan-
do seus Icrrivcis estragos; tem o hlito ftido, a
voz rouca, a rcspiracAo dilllcullosa, porquo a mem-
brana mucosa das fossas nangos o a das amygdalas
cslflo tumefactas, 11 em alguns pontos ulcoradas ; as
millas todas so acham alteradas, partidas e recurvas;
e nos dedos atitiullar da rnOo direita, pollegar e in-
dicador da inflo esquerda nflo oxislem, e em seus lu-
gares observam-so ulceras de bordos levantados, du-
ros e desiguaes, com a supeilicie do um vermollto
^oscuro, e com suporar^flo fotida c scinelhanto la-
vadura docarno; as ponas exislom indiadas tendo
a pella quo as guarnece dura, relevada, cinzonla,
Insensivcl e rugosa com pregas trausveisaos o venue-
tiiAs; a superficie dnrsal dos pstambem er.ta india-
da, o coborla de innnmeraveis crostas, quo se des-
tacam e renovam com multa facilidade ; lambem
pontos existem ulcerados no bordo externo do pe
esquerdo, e em quasi todas ns caberas dos dedos
cornos mesmns caracteres ja descriptos; finalmente
enconlram-se innmeras sarnas espalhadas com pro-
fusflo tal polas differentes partes do corpo, que ellas
s bastoriam para amargurar por longo lempo os
dias do infeliz.
Diagnostico Lepra tuberculoso. [Lepra leontina do
Aliberl.]
3.** Domingos Manoel,1 prelo, crioulo, ocscravo
de Jollo Henriquos da Silva Lavareda, fillio de Catha-
rina Mara do Kspirito-Snnto, e do pai incgnito,
com trinta annos do idade: j padecou de lodosos
cxanllicmas proprios da infancia, do febres intenni-
tenles, e por diversas vezes do hobes, gonorrhea, o
do cancros venreos; j love boxigas venladeiras ;
no anno lie tuio ppareceram-lho por dTerenU
partos do corpo manchas avormelhndas, com calor,
o prurido insupportavol; deltas foi competentemenlo
tratado e considerado iiom, no anno de (845; depois
do ter novamento soffridotle bohfleso do gonorrhea
desenvolveram-so-lho vegetacoes siphiliticas naso-
relhas, as alas do nariz, o no labio superior; foi
tratado por longo lempo pelos meios anti-siphilili-
cos ; nflo ceileram, antes se multiplicaran), o alinal
leve do recolher-so ao lazareto, no tlia 4 do fovereiro
do 1847. He do temperamento hilio-nervoso ; temas
orclhas muito grossas o cobertas do botos puslitlo-
Srredoda'.ios ednaiguacs, uns npproximados e
confundidos, o outros intoiramente separados;
iguaes, porcm do menor tamaito, se observam as
alas do nariz, no labio superior o 110 ment; apr-
senla urna larga mancha negra, que envolve todo o
pescoco, o muitas oulras amarelladas e hronzoadas,
irregulares o elliplicas, confluentes sobre o tronco
e extremidade, com tliminuicoou extincejio da sen-
siliiiidauo pcc, principalmente na do antibraQO
e pernas ; aprsenla mais na mamma direita, na fa-
ce exterha do brago do mesmo lado, e no anlibraco
esquerdo pstulas cobertas de croslas rugosas, as-
peras, durase negras, debaixo das quaes existem
focos purulentos, contendo um ichor ftido ; os do
dos das milos e as unhas perntanecom intactos, o
mesmo, porcm, nflo se poder tlizer dos dedos c 0-
nhas dos ps, que j comceam a senlir os estragos do
msl.
Diagnostico. Lepra tuberculosa siphiiitica.
4." Maria do Rozario, preta, nascida na fregue-
zia do Rio-Acar, cscrava do Manoel Henriques li-
niz, filha deMich.iella Francisca, edo pai incgnito,
com quarenta annos de idado: lembra-so quojsof-
freu de todos os exanthemas proprios ta infancia, e
que foi vaccinada o leve vaccina regular ; ncAinno
do 1838 apparcceram-lhe algumas manchas pelas
cosas e pelos bracos, que fram impiricamente tra-
tadas, e por nflo cedorem trouxeiam-na para a capital,
para ser vista e tratada por um facultativo, o apezar
do a subjeitarem a rigoroso trntamento anlisiphili-
tico, e depois a diversos medicamentos considerados
especficos, as manchas permanecer 111 refractarias,
pelo que foi rccolhida ao lazareto, no dia 3 dejunho
do correnle anno. lio do temperamento bilio-ner-
voso, ede conslituicffo robusta, cuja onergia ainda
nflo tetn podido sor nteiramente esgotada pela en-
fermidado; tema orelha direita perfeila, c, so me
nflo engao, est conlrahida ; a esquerda est tim
pouco grossa, e principalmente no sou lobo ; tem
urna larga mancha, quo Iheoccupa quasi lodo o ros-
to, e estendeudo-sc orellia esquerda ; bastante
grossa, o mais do lati esquerdo que do dlreito;
nollaa pello he rugosa, inscusivel, avermelhada em
uiis pontos, e esbranquigada em oulros, o escama-so
fcilmente ; muitas oulras com os mesmos caracte-
res o de formas irregulares existem oceupando, j a
parle anterioi do lliorax desde a clavicula esquerda
al a axilla do mesmo lado, dirigida do cima para
baixo, o do dentro para fra, j a parto posterior do
poscogo c costas, cj finalmente lodo o anlihrago e
palma da mflo esquerda ; a faco posterior e parte-da
faco externa do anlibraco direito ; o dedo pollegar
da mflodesse lado; as nadegas, as coxas o as per-
nas, onde lambem so euconlram pustulns cobertas
do crostas duras e negras : sarnas c ulceras psoricas
nos colovellos e entre os dedos das milos liinbem
fazem companliia aos j referidos padecimcnlos.
Diagnoslico. Lepra de Cayenna.
OBWMVAQA0.
Os qtiatro individuos cima historiados fram
transferidos do lazareto do Tucundubs, ondo resi-
dan), para una casa na ra da A tala a n. 59, desti-
nada pela mesa da Santa Casa da Misericordia para
os receber, o ubi tomaron) o assac [Hura Brasiiicn-
sis Willd) remedio considerado na villa de Sonta
rom, cabeoa do comarca do .llaixo-Air.uzouas, como
efiicaz para curar a morpbea, ou mal de S. Lzaro ;
effeituou-so a passagem 110 dia Irinta do setcuibro
pelas sete horas da noitc, e nodia dous de outubro
tomaram as seis horas da manhila o primeiro vomi-
torio do assac, cuja formula adianto indicarei (1),
logo depois que o tomaram, sentirn) abalo gcral a-
companhado de cslromecimenlo ligeiro, scnsagflo
de fri as exlremidades, calor eslendendo-so ao
pe lo o ao rosto, alguma anxiodadc e Vonlade de
vomitar ; pas9ados cinco minutos, comegaram os
vmitos, o llzeram cada uui entre dez a quipzo v-
mitos, sendo estes ajudados com agoa morna, que
(1) R. Casca contusa do ns9ac, meia pnga. Agoa
commum, urna libra.- K. cosimenso ate ficar meia
libra ; depois deooado ajuntc letto de assac, dze
gotas. Mislure.-Parii, 2de dczembto de 18*7.
Dr. Jos da Gama Maicher.
Ihes foi dada por quatro vozes, o durante olios os
tres primeiros individuos langaram aiguma quanti-
dado de sangue pelo nariz ; as oito horas dou -se-lhes
caldo simples do galinha, e at ao meio-dia tinham
foito entro seis a oito ovacuaguos alvinas, misturadas
com algum sanguo negro ; as tres horas da tarde
tomaram algum alimento, que constou de galinha
cosida com arroz ; o durante o dia apenas sentirn
algum ahatinionlo gcral, ligora ruhefagfio no rosto,
cephablgia tnmbem ligeira, e o pulso estevo um
pouco frequentc; durante a noito nflo podoram con-
ciliar o sotnno, porque os ntormentava urna sonsa-
Cflo desagradavol assemelhando-se a dentadas de
formigas, quo Ihes percorriam todo o corpo, e sobre
ludo as orclhas, o rosto, as pernas, os ps e as mitos:
nosseguntes das nada mais senlira'm quo more-
cesse ser mencionado. No dia 6, o mesmo vomitorio
Uies foj dado, e oxperimontaram os mesmos incom-
modos, porm j monos intensos : outro lanto Ihes
acontece com o terceiro que o tomaram no da 10,
menos o primoiro enfermo dosta historia, que gran-
de abalo experimenlau, o lito apparecoram lodosos
symplomasdcuma gastro-enteriti aguda; foi tra-
tado anlipliogisticamento tomando do preferencia o
cosimontodo vagourinha (Scopera dulcs L.j adoga-
do com xaropo de laranja; durou este incommo-
do at o dia 20 : os oulros tres continuaran) tma-
lo sem alteragflo notavel nos dias 15, 20o 27doou-
tubro, o 1. e 7 de novembro, acompanhando-os nos
dous dias ltimos o quo linha parado polo incom-
modo j referido : do dia 9 al 18 tomaram pela ma-
nltfla una pilula composta do um grflo de leilo do
assac com q. s. de farinlia de trigo, fazondo dos
al tres dejocgOes alvinas nos primeiros dias, tima
o as vezes nenliuma nos ltimos; e por isso de 19
a 30 passaram a tomar duas pela manhfla, e s seis
horas da tarde, produzindo pouco mais ou menos os
mesmos eiTeitos; tomavam lambem, o interpolada-
metilo do tres em tres dias banlios goraes do cosi-
mento das folhas do carrapalciro branco (Ricinus
communis)e tinham do dicta meia galinha cosida
para jantar, o douspfles pequeos com agoa morna
adngada com assucar paraalmogo e coa. Logo no
segundo vomitorio os doentes conheccram quo o
remedio Ihes ora proveitoso, porque fez desaparecer
como por encantamento o grande peso quo sen-
tan) no rosto; os fossas nasaes resfolgaram me-
Ihor; as pernas e as mflos executaram mais. fa-
cilmonto os movimentos, que d'antus eram tardos
e lnguidos ; os tubrculos anresenlaram-o mais
deprimidos, o que faz presumir que o agente em-
pregado aclva acgflo dos vasos absorventes, fazondo
desappareccr os fluidos breos estagnados no le-
edo cellulur sub-cutaueo, sem todava tornara pel-
lo erysipelatosa, como rofero o tloutor Sigaud f l)u-
climat, el des tnaladies du Brasil, pagina 392), que
observou em Mananto Jos Machado mordido pola
cobra cascavel. Pelaconlinuagflo do tratamenlo, os
luborculos mais deprimidos se mostraran!, o alguns
completamente desaparecern), como se pode veri-
ficar en Antonio Hilario Marlins, o qual aprsenla
ascartilagensdas orellias quasi perfetas, a pello
do rosto o das parles j moncionadas muito abati-
da na grossura, que d'antcslinlia ; o dedo mnimo da
mflo esquerda goza j da aculdadc do contrahir-se o
estetider-se com facilidade, as cahegas dos dedos
e as unhas das mflos hoje estilo perfetas, o no sou
estado normal; inrelizmento nos ps nflo se obser-
van) as mosmas mellioras, o as ulecraedes estilo mais
largas, e mais algumas teem apparocido.
Em llayinundo Congulves da Cunha, as mellioras
no rosto silo bastante sensivos, porque inuilo lem
abatido a grossura da pello, o grande numero do
tubrculos tom-se sumido, e as suas fegOes ja so
vflo tornando mais regulares, e menor repugnancia
causain ; as ulceragOes dos dedos das mflos ja vai
apparecendo alguma ccatrisagflo ; das pernas o ps
nflo direi outro tanto, ahi a molestia coiicentrou-se,
e prometi resistir mais tompo. estilo tumefactas
como d'anlos, nenliuma dTcreiiga apresentam as
altcraeOes i descriptas, c as ulceras alm do aug-
mentadas 0111 numero estilo mais largas e mais pro-
fundas.
No prcto Domingos Manoel, mellioras lambem so
oncontram, e estas consisten) no desapparecimento
da maior parte dos tubrculos das cartilagens das
orolhas, das alas do nariz, do labio superior o do
ment; e muitas das manchas amarellas espalhadas
pelas costas j nflo existem, cas quo existem estilo
mais apagadas.
Na prcla Maria do Itozario, alarga mancha quooc-
cupa o rosto existe mu i lo abatida, o quasi nenliu-
ma clovago tem ao nivel da pelle, o isto mesmo so
moslra em todas as mais que fram notadas pelas
diflerontes partes do corpo, c em algumas pareco
quo a pello j vai reassumindo a sua primitiva cor.
I'eio quo tenho oxpondido, parecc-me que nflo so-
rei leviano om esputar que, so progrediretn as me-
llioras, os qualro infeles poderflo licar habilitados
para de novo pcrtoncereui sociodade, d'onde vi-
viatn proscriptos. Ese tal consigo, quo glora para
a minha provincia .' Quanlos beneficios para a hu-
manidade E que triumplio para a medicina.'
{Dr. Jos da Gama Malchcr.)
{Trese de Ua.)
VIRIEUADE.
A FAMILIA TGGS EM RAMSGATE.
(Sovella inglesa de coumti.)
N'uma ra estrella ao p do rio de Surrey, a tres mi-
nuto da ponte de landres, nioiava iiiiulro tempo um
hoiiiein lialxo c trigueiro, chamado mlster Jos Tuggs.
Cabellos lisos e tuiidlos Ihe cubriaiu o casco ; dous
olhos pequeninos mas mnito vivos Ihe brllhavam na ca-
ra, c as suas nornus curtas ustenlavam trlumphalmen-
tc urna atentada pansa.
A figura daamavcl inistreis Tnggs, sem ser perreii-
mente regular, apresentava comtudo um cerlo todo
muito agradavel. *
Sua filha, a perdla mlss Carlota Tuggs, linha Ja o ai
e esse todo engranado, que tinha valido a mlstress Tnggs
o coracao de seu esposo, o sobredilo Jos Tuggs.
Master Slmao Tuggs, o filho, completava o complexo
tiesta boa familia, tanto 110 physico como no moral.
No compridlsslmo corpo deste rapaz, em toda a sua
pliTslonomla pensativa, c ate' mesmo no esguio de suas
pernas d'aranbico, bavia o qur que era de intcressante
c rra do commum, que flava curiosidade de indagar,
se acaso esta indigesta crcatura se teria assim desfigu-
rado pela meditacacs c vigilias de um espirito-forte,
ou atrs dos dourados snnhos de una iinaginac.10 roma -
s menores movimentos, as acefles mais simple, do
p-.ssoas taes, ollercccm semprc inui curioso assumplo
de cstudo ao observador.
No apparecla em publico senao com nielas de algn-
dao preto, grandes sapatoes de quaker : c todos repaia-
vam que elle era particularmente afTeicoado a um pes-
rocinho pretn, velho e lustroso. do inverrugado frca de sustentar a barba meditabun-
da de master Simio Tuggs.
I'oucas prolisscs, por mais utels que ellas sejam, po-
deni escapar aos dilinhos e sarcasmos do populacho ;
Jos Tuggs era n este pomposo titulo era de suppr que podesse estar ao
abrigo das mis lingoas; mas nada. ,
Os vizinhos davam Ihe o modesto epithcto de Mereici-
ro, c a voz lnvenenada da invejaat as vezes Ihe enrga-
va a chamar Imdsiro, e berrava por toda a parle que el-
le xiavu a sua fazcada, que furlava no peso do cha. do
caf e do assucar, no queijo, na mantcigo.....em ludo.
Ainda beni que os Tuggs nao prestavam grande atten-
cao a taes inalqucrencas, e iam cuidando prudentemen-
te da sua vida. __, .___
Mlster Tuggs oceupava-sc do seu commerclo, mistress
Tunes dos seus ipieijos. miss Tuggs da sua educacao, c
master Siinao Tuggs fazia a escripluracao dos llvros de
seu pal.
Nuin bello dia, o paludo Slmao eattykw*ncntesen-
tado em cima de unta barrica de foMedorut (I) atrs de
una pequea carteira com gradluha de pao, que esta
va a um canto do escrlptorio de seu pal. quaudo um cs-
trangeiro, apeando-se de um cabriolee enlrou com ti.
varillado na loja. .
Este personagem, todo vestido de preto da. cabeca aos
ps, trazia um chapeo de chtiva verde debaixo do bra-
co, e um grande sacco azul (2) na inao.
Mr. Tnggs pergunlou o estrangeuo. .,
_ H o meo nome, responden master Slmao.
_ He o outro Mr. Tuggs a quem en qaero fallar, re-
plica o cstrangeiro virando a cara para a porta de nan-
ea do fundo da tola, por onde se via atrav. dos vidros
aprasentelrangiirademistcrTuggspai. a quem mas-
ter Simao fes slgnal que viesse, agitando graciosamente
a penna.
Mr. Jos Tuggs alirou ao chao com duas ou Ires ca-
dclras, com a pressa com quecntrou no armazeiii, com
una agllidadc bem pouco commum na sua Idade e na
sua gordura.
Venho do Templo, (3) disse o homem do sacco
Da Templo I exelamou mistress Tuggs, abrlndo a
porta de par em par, c deixando ver miss Tuggs.
Do Templo! repetiram ao mesmo lempo mlss
Tuggs e master Tuggs.
DoTemplo! balbuciou lambem mr. Tuggs ama-
relio como una cidra.
__Sim, do Templo, respondeu o homem do sacco, e
de casa de Mr. Coldor, procurador. Dou-vos os para-
bais Mr. Tuggs. Minlias senhoras, igualmente me con-
gratulo cotnvosco : vencemos a demanda.
E, desembaracando-se entaodoseu chapeo de chuva.
o hmciii de preto descalcou a luva, e preparou-se pa-
ra apertar a mao a Mr. Jos Tuggs.
Apenas estas palavras : ine*moi a dniando, sahiram da
bocea dourada do advogado, Slmao Tuggs letanlou-se
todo trmulo de cima da sua barrica de queljos, arrrg-
lou os olhos, agltou mullo a sua penna no ar, e foi ca-
hlr e desinaiar-sc nos bracos de sua mal.
Agoa I agoa gritou mistress Tuggs.
__Tomai cuidado em meu tilho ordenou Mr. Tuggs.
Slmao, mt/dfarSlmaoI suspirou miss Tuggs com
voz lacrymosa.
__ Estou melhor, disse dahi a um instante o nervoso
Slmao, wnremo a demanda! R para provar que eslava
mcliior, tornou a desinaiar de novo, e foi entao levado
para o fundo da loja a poder de diligencias do homem
do sacco e de toda a familia.
Qualquer que all se achasse, por acaso, sem aaber a
posif So dos Tuggs, nao podrria de certo acbar a raso
deste dcsuiaio 611; mas para quem soubesse a importan-
cia da noticia do hnmein do sacco ea irritabilidadc dos
ervos de Mr. Tuggs, esta syncope-dupla eslava perfei-
tamentc explicada. Urna demanda a rrsprito de um tes-
tamento, que ha muito tempo andar em litigio, tinha
sido ganha alinal, eMr. Jos Tuggs nchava-se agora sc-
ulior das suas vinte mil libras sterlinas.
Um conselho de familia foi logo convocado nessa mes-
ma noite, depois de fechado o ariiiazein, para se deci-
dir dos deslinos dos Tuggs. A porta foi fechada mal
cedo, c os frrguezes que viuhan comprar mel. pimen-
ta, assucar, caf, queijo, etc., e que deram debalde un
poucos de pon tapes na porla, fram-se grandcincule
dcsapontados.
A fortuna tinha resolvido qne os fregueses de Mr.
Tuggs se fossem dahi por diante prove- a outra parte.
O que se deve fazer he deixar a loja : opinava miss
Tuggs.
Oh I isso por frca : apoiou mistress Tuggs.
Siinao ser empregado publico: plansava inister
Tuggs.
E cu de hoje em diantc he! de assignar-mc Cymon,
concluto master Tuggs.
E cu, disse miss Tuggs, farei cora que me chame 111
miss Carilo.
E vos, meus filhos, recoinmendou mistress Tuggs,
(I) Eipeeie dequtijo.
(i) Qtioii lodo o* advogadot em Inglaterra leen o coilumc
de meiursm otaulot emiaccoi ozuj, iju tratem eomiiyo.
(3J He um lugar onde te reunem lodos os homem do foro, e
onde loinifm te ora favor de certas causas.


Mk

nunca mais me chamareis senao ma, e a vosso nal
p. w
Pois 9im : e pa deixar o scus costumei inglezcs.
Dase misa Carlota.
Tere! todo o cuidado nijjo. Respondeu patriarchal-
nenle o pa Tuggs, que eslava comeado o seu salino de
escabeche.
Tambcm devemos dentar iminedlataraentc esta cl-
dade. Observou master Cymon.
E fram todos de voto que era preciso comecar por se
mostrarem gente de Importancia.
Seguia-se naturalmente saber para onde iriam?
Para Gravesend. Lembrou Mr. Tuggs.
Esta proposta Ib i unanimemeute rejeitada ; por-
que Gravesend nao tem scniio gente cominum.
Para Maryet. Opinou a ma Tuggs.
Aluda pelor, ina, l nao ha senao negociantes.
Hr!S!cr.?
Cymon, achou nisto o terrivel inconveniente dse te-
rem virado todas as carruagens, que ha tres semanas a
esta parte tinbam fcito este transito. F.m cada urna des-
tas carruagens tinliam morrido dous viajantes, c tl-
nliain i'n-ailo seis feridos ; c os jornaes tinham declarado
expressamente que a culpa nao era dos coxeiros.
Ramsgate. Dissc cntao scolimcntalraente master
Cymon.
Esta lembranca foi apoiada em curo por toda a in-
teressante familia Tuggs.E o tempo que nos estive-
uios sem nos lembrar de tal! Vamos para Ramsgate.
Pnucos dias depols desta grande resolucao, o paquete
de Ramsgate, chamado a Cidade-de-Londres, desda ale-
gremente pelo rio. A sua bandelra iluctuava ao grado
da brisa, a sua msica echoava no meio da multidao de
passagclros que conversavam, ou se extasiavam vista
das lindas margens inovcdlcas que apresentava o rio.
Tudo a seu bordo eslava animado c silisfeito.
.Vio era de admiiar, a familia Tuggs ia nesta embar-
caeao.
One linda cousa! nao he assim? Exclamou de re-
pente Mr. Josc1 Tuggs, ao sahir de urna longa e muda
contcmplacto. OnossoTuggs iaembrulhado n'uin so-
bretudo verde-garrafa, e tinha na cabeca um bonete de
vlagem azul com galo de ouro.
Islo tudo faz meditar : isto inspira. Respondcu
Cymon.
Que magnifica manha, disse um homcm grosso,
de aspecto militar, sobrecasaca abotoada at ao pescoco,
c calca branca com pequeas prezilhas.
Cymon Tuggs julgou que dcvla tomar sobre si ares-
ponsabilidadc da resposta, e dissc com entliusiasmo :
eleste! celeste!
Pelo que velo, tornnn o militar rom toda n ai ton-
can, sois admirador das bellezas da natureza.
Sesoul redarguio Cymon.
Tendes viajado multo? Porgiintou o militar.
Milito nao. Respondeu Cymon
.Naturalmente tendes viajado pelo continente ?
Nao he tanto assim : balbuclou Cymon, com certo
tom equivoco, de modo a fazer acreditar que tinha feito
inetade do caminho; mas que tinha suas rasos parti-
culares para nao continuar.
1'rovavi luiente ti vestes vossas tincos de fazer via-
jar vosso fillio. Disse o militar dlrlglndo-se ao Tuggs
pai.
Pois que duvida ? responileu este multo senhor de
si, como se rcalmeule fosse essa urna resolucao tomada
ha multo.
Apenas elle liaba pronunciado estas palavras, vio lo-
go vil para elle, uas ponas dos ps, uuia mulhcr ainda
noca, cubera com urna capa dcsctlm cor de pulga e
botinbas da incsma cor, salas curtas e o inais magano
rosta do mundo.
Walter, meu querido. Dissc esta mulhcr ao mi-
litar.
Qucqucrcs, iiclinda? Rcspondeu-lhe este.
Porque me deixaste tu sozinha tanto tempo. Esta
gente mal -criada tem-me estado a mirar tanto, que at
me tem feito corar de vergonha.
Que he isso! Pois atreveu-sc algucm a olhor licto
para ti. Gritou o militar, com tom colrico e tao impha-
tico que o pobre Cymon, que eslava tambem olhan-
do, lirouimilicdiatainenle osolhos da mulhcr da capa
detetim.
Qiiem fram esses atrevidos? onde eslao elles?
Continen o militar atezando os bracos, e parecendo
olhar com furor a todos quanlo.s fumistas all havi.i.
Est quieto, Walter, que t'o peco eu.
Nao quero, uo quero.
Eu ajunto os meus rogos aos desta senhora, disse
entilo Cymon Tuggs. He gente que nao merece conside-
rncio.
lie verdade, he ; nao merece. Dcu-sc pressa a a Afir-
mar Iiclinda.
Pois est boni, deixa-los; respondeu o militar, pa-
reec-ine que tendes raso, c al vos agradeco a vossa re-
floxSo, que me evitou de fazer alguma grande desgraca
E, aquiclando-se no niesnio inslaule, aportou multoa
lun do joven Tuggs.
Tcnlio ahorna de vos apresenlar minha irmaa. Dis-
sc i > -iiidii. ao ver que o militar del lava para niiss Tuggs
uns ullios deadmiracSo.
E ru ininli i mulher, madama, madama a capitaa
Walter. Dissc o militar apresen lando tambcm a senhora
da capa de setim.
Minha niiii, madama, slr. Tuggs. Disse entao Cymon
aj re sentando scus pais.
0 militar e sua mulher corresponderam a esta civili-
dad <, com alguns cumprinicntos dos inais delicados,
a que os Tuggs se viram bciu confusos para responder.
Walter, meu querido, diese Iiclinda depois de
mcia-hora de conversa com os Tuggs.
Que queros, incu amor. Kcspondeu o militar.
Nao vos parece que aqui o senhor (e olhou para Cy-
mon Tuggs) se parece multo com o marque/, de... de...?
He verdade Com efteito, nao ha nada inais pare-
cido; allirmou Walter.
U Logo me deu dos olhos, assim que o vi, continuou
Relinda licitando uns olhos melanclicos para a caraver-
melha de Cymon, que olhava para todos, c vendo que
iodos olhavam para elle, nao sabia que lia vi \ de farcr
deenvergonbado de urna parenca tao honrosa.
At tem os Vicsinos modos do marquez. Accres-
centou Walter.
Que simultanea tao extraordinaria! Disse e suspi-
rn madama Belinda.
Nao conheceis o marquez? perguntou o militar.
Cymon balbuclou um nao.
Se o conliocessois, continuou o capitao Walter J
Waters, terieis presumpeo de urna parcccnca assim:
he um dos homens inais elegantes c de inais agradavol,
:
se; nos haremos de vir todas as manhaas paiseiar aqui
a praia, e assim que tivermos alugado casa, espero que
nos tornaremos a ver, c seremos inseparavels.
_ Oh i sao etses os meus desejos : respondeu misa
Carlota com Interesse.
Os vossos bilhetes, senhores? Disse um homem
collocado cm cima das rodas do paquete.
Quem quer moco? gritaram todos juntos ao mes-
nio tempo, cousa dcuina duzia de homens de frete.
Vamos, minha querida. Diste o capitao Waters a
sua mulher.
Adeos, madama capitaa Waters.
Adeos, Mr. Cymon. E Belinda estendeu-llie a nio
que elle apertou com bein terna aflelcao.
O capitao e a capitaa desappareeeram pelo trelo da
multidao.
D'abi a pouco vlo-se uinas botinhas cor-de-pulga
3ui>iiii!uo5 degros lia oseada,c agitar-: um cuyu blan-
co ; e Cymon Taggs deixou cahlr a cabeca melancli-
camente.
Este nervoso rapaz srguio silencioso a sua eslima-
vcl familia, profundamente absorto era suas medita-
efles at que o bllelo da cidade o despertou do seu
cismar.
(Continuarse- ka.)
rT5
Fonseca de Araujo Luna:, sendo as arremataQOes
subjeltas a diroitos.
Alfandega, 29 de fevereiro de 1848.
Migue! Archano Monteiro de Andrade.
m
COMERCIO.
Alfandega.
HENDIMENTO 1)0 DA 29............9:850,149
De$carrepam hoje, 1. de marco.
Harca Creamore bacalho.
Rriguc H'.-J'uHfoii dem.
Rrlglic Protcni de ni.
Barca Thomai-Mellori carvao.
RENDIMENTO NO MEZ DE FEVEREIRO DE 1848, '
Itendimonto total................159:820,952
Hcstituicoes................... 85,943
Liquido.............159:735,009
Direitos de consumo..............156:578,611
Rccspuracflo, 1 por c............. 14,000
Expediente dos gneros do paiz, $porc. 17,543
Expediente dos gneros com carta de guia. 262,880
Armazenagem de mercadorias....... 753,019
Premio dos assignados........... 1:941,837
Multas....................... 154,239
Emolumentos de certides......... 12,880
Rs. 159:735,009
O escrivflo da alfandega,
Jacome Gerardo Mara Lumachi de Mello.
CONSULADO GERAL.
RENDIMFNTO DO DIA 29.
fiera!.........................2:611,838
Diversas provincias............... 148,502
2:760,340
RENDIMENTO NO MEZ DE FEVEREIRO DE 1848.
Consulado de 7 por corito .. 73:443,290
Dito de 2............... 64,497
Dito de \ ............. 142,266 73:650,053
Ancoragcm para fra do im-
perio................ 5:296,507
Dita para dentro do dito..... 353,363 5:649,870
Sello ixo------
Dito de ttulos
Certides. ,
Biza do 5p. c.
Depsitos existentes.......
Divenas provincias.
Dizimo ilu ossucar das Alagas
Restituicoes...........
Dizimo* do algodflo da provin-
cia .........
Dito do tunear da dita .
Dito do dito do Rio-Grande-do-
Norte................
Dito do algodo do dito .
612,560 500 39,880 40,000
r9:992,863 3:884,269
2:766,254 1,736 2:764,518
'-- .
406,253 7,683 413,936 51,371
50,225 1,156
87:106,957
Depsitos restituidos
659,873
O administrador
7odo Xavier Carneiro da Cunha.
CONSULADO PROVINCIAL.
RENDIMENTO DO DA 29
1:265,003
physionomia
Isso he verdade, he verdade! Exclamou enrgica-
mente a capitaa Belinda Waters: c os scus olhos quando
se cnconlravaiii com os de Cymon, crampostos logo no
chao, suiindo-lho a cor ao roslo.
Esta coincidencia singular de modos c physionomia
com os de um (dalgo, iisonjciava sobremodo os Tuggs ;
e quando depois, pelo andar da conversarlo, vierain a
saber que miss Carila era o rrlralu de urna senhora
nobre, prente de Kelinda, e que al mistross Tuggs da-
va seus ares da duqueza mi de Doblcion, a sua satisfa-
rn uo leve limites: elles se davam por iiiuitofeliz.es de
harerem tomado coiiueciinenlo, nesta suaviagem, coni
gente tao delicada e cavalhelra como sir Walter c mada-
ma Waters.
Adlgnldade do capitao se foi rebaixando a ponto de
levar a bem fazer companhia aojantar a sir Jos Tuggs,
coilendo com a inaior bondade s suas muilas ins-
tancias ; e Waters e Tuggs jantarain juntos familiar-
mente.
lima impada de frangos fra, humedecida com ex-
cellente vi uno de Sherry, foi o estimulante de urna con-
versacao prolongada ate chegada da embarcacao
liugoa do Kamsgate.
Adeos, minha querida, disse. o capilo a miss Car-
lota, antes que a cpnfusSo do desembarque os teparas-
(41 Abreviaturas de papa e maman, usadas na boa socie-
dad*.
f
Mov.mcnlo do Porto,
Navios sahidos no dia 29.
Trieste por Parahiba ; brigue sueco llapid, capilo G.
Daunberg, carga assuoar.
Una ; hiato brasileo Novo-Deslino, capito Estevo Ri-
lioirn, carga varios gneros.
EDITA L
Miguel Archanjo Monleiro de Andr.ade offlcial da im-
perial ordem da losa, eavalleiro da de Christo e ins-
pector da alfandega de Pernambuco, por S. M. o
Imperador, que Dos guarde, etc.
Faco saber que, no dia 3 de marco do correle an-
uo, ao meio-dia, e na porta da mesma, se ho de
arrematar, em hasta publica, 400 massas para cha-
peos, no valor de 48,000 rs impugnadas pelo guar-
da Candido Eustaquio Gezar de Mello, no despacho
por factura n. 3:651 ; 20 cortes de seda para Golle-
tes, no valor de 80,000 rs., e 17 grvalas de seda, no
valor de 40,000 rs., impugnados pelo dito guarda,
no despacho por factura n. 3:640; e dcsto mesmo
despacho; 183 varas singlas de seda, no valor de
381,000 rs., impugnadas polo guarda Manoel da
Declarado,
Escravos apprehendidos pela policio.
Carlos, do Florencia Gomes de Jess moradora
no Rio-Grande-do-Norlo ; Paulo, da JoSo Jos,
residente na comarca do Limoriro ; Domingos, de
Jos Pedro de Mello, morador e/n Matapo.Eslflo na
cadeia desta cidade, e derem de ser reclamados na
subdelegacia da freguezia da ROa-Visla.
Publcacao LiIterara.
O primeiro volumedoCercodo Porto nos an-
nos de 1832 e 1833 com urna descripc3o historien
desde o principio da monarchia e entrada dos Fran-
cezes em Portugal, nos annos de 1808 e 1809 obra
interessantissima e j annunciada neste Piano ,
pelo preco de 3,000 rs., na ra da Cruz, n. 1, se-
gundo andar. a mesma casa acham-so a venda :
Recordarnos histricas de Portugal do anno de 1842,
pelo principe l.icknousky, traduzida do allemflo,
sogunda ediclo correctn e augmentada um vo-
lume de 220 paginas por 1,000 rs.; o Museu Pit-
torescoal o n. 21; Organon de Hahnemann ou ex-
posices das doutrinas homceopathicas e notas ao
mesmo, dous folhetos; Noticias elementares da
homceopalhia ou manual do fazendoiro do capi-
tao de navio e do pai de familia, um folheto.
Avisos martimos.
Paran Cear, tocando no Ass, sahir impretc-
rivelmente no fin da presente semana, com a carga
que tiver a bordo, o hiato Novo-Olinda, mostr An-
tonio Jos Vianna : os que nctle pretenderen! car-
regar e ir de passagem, so entendern logo cotn o
mesmo mestre, ou na ra da Cadoia-Velha, n. 17,
2 "andar.
Para o Rio-de-Janeiro sahira.cm poucosdias, o
briguo Paquete-de-Pernambuco: recebe um resto do
carga que Ihe falla para seu completo carregamento,
e escravos*: tem bons ommodos para passageiros :
trata-se com Novaos & C, ra do Trapiche, n. 34.
Para o Porto saho no dia 5 de marco imprete-
rivelmente, a bem cenhecida barca portugueza
Bclta-Prrnambucana capilflo Manoel Francisco No-
gueira : para passageiros smenle trata-se como
capitao, na iraca do Commercio.
Para Lisboa partir, coma maiorbrevidadopos-
sivel o brigue portuguoz Tarvfo-Primeiro, forrado
e onra vil liado de cobre e de boa marcha por ter
a maior parte de seu carregamento prompta : para
o restante c passageiros para o que offereco excel-
entes asseindoscommodos e tratatamento trata-
so com o consignatario, Firmino J. F. da Rosa, na
ra do Trapicho n. 44, ou com o capitSo k Manoel
de Oliveira Fancco.
Os Srs. carregadores da barca Bella-Pernambu-
cana queiram mandar os seus conbecimentos
casa do consignatario, na ra da Cruz n. 34, ter-
cciro andar.
Le i lites.
N. O. Ricbcr&Companbia far.lo leilQo por in-
lcrvcnc{io do corretor Oliveira do bom sortimento
de pannos de 13a pertos superfinos, ditos de linho
deHamburgo, diales ooutrasfazendas: boje, pri-
meiro de marco prximo, s 10 horas da nianhiia,
no sen armazem da na da Cruz.
Kalkmann Rosenmund far3o Ieil3o, prin-
tervcncflo do corretor Oliveira, de grande sorti-
mento de fazendas franeczas, inglezas e allcroaas,
pioprias do mercado e da estacflo : quinta-feira, 2
de marco, as 10 horas da manhua, no seu,armazem,
ra da Cruz.
Firmino Jos Flix da Roza fari leillo, boje 1.
de morco, de urna pequea partida de vinho da Fi-
gueira, do salvado do lnate llom-Succcsso, naufraga-
do cm Cabo-Branco, em lotes de urna pipa, e por
conta de quem pertencer, no largo da Alfandega, a-
onde se poro patente as condigOcs.
Henry Cibson far leiliio, por inlcrvencflo do
c orretor Oliveira, de um perfeito sortimento do fa-
z ondas inglezas, todas proprias do mercado : sexla-
feira, 3 do correte, s 10 horasda inanlia, no seu
armazem, ra da Cadeia.
Avisos diversos.
CURSO DE PHILOSOPHIA.
Jos Soares d'Azevedo tem aberlo em sita casa, ra do
fangel, n. 59, segundo andar, um curso completo de
PHILOSOPHIA. As pessoas que desejarem estudar esta dis-
ciplina, pdem dirigirse indicada residencia, a
qualquer hora.
O Sr. F. J. F. da Roza ainda nilo so resolveu a
responder ao annuncio de M. II. Percira, inserto no
Diario de 20 do passado, esquecido, sem duvida, do
que no desee de sua dignidade aquello que se re-
solve a reparar daino tflo sencivel, como esse que
cansn ao mesmo M. II. P., fazendo-o passarpor
capaz de subtrahir, da primen casa em que ser-
vio nesta praca, algumas pobres cadeiras que, alies,
cortamente llm nilo faltam. Nflo lie, poim, para
admirar este proccdimi-nto do Sr.F. J. F. da Roza
porquanto, segundo corre, nito he esta a primoia
farra dessa especie, cm queS. Me. se digna de re-
presentar o principal papel. Entretanto, baja o res-
peilavel publico de suspender o seu juizo acerca
desle negocio, oniquanto, pelos meios legaes, vai
elle ser levado evidencia por quem esta persua-
dido que a necessidade do servir a oulrem nilo de-
grada dos sentimentos de homcm de honra a um in-
dividuo qualquer.
Alugam-se tres prctos possanles para lodo o
servQo : quom os pretender dirija-sc ra do Li-
vramento, n. 16.
--Na ra Nova, loja do alfaiate, n. 18, de M. A.
Caj, ha um sortimento de roupa de todas as qua-
lidadcs, e fazendas para se fazer qualquer obra.
Na-mesma vendom-se dous jaqus para polica, por
8,000/s. ; um nutro, por 10,000 rs., do panno imiito
fino : silo por esto prego por j tercm um pequeo
uso.
Joaquim Rodrigues Ozorio relira-so para fra.|
do imperio.
Precisa-sede um caixeiro de 12a 16 annos de
idade, que tenha pratica do loja de fazendas, o quaj
deve dar fiador a sua conducta : na ra do Quo.
mado, loja n. 46.
A mesa regedra da veneravel ordem torceira
de San-Francisco tem de solemnisar a procissSo
de cinza com todo o esplendor e brilhantismo, na
tardo do dia 8 do correnle, a qual llover percorrer
asruasseguintes : travessa de San-Francisco, ra
das Cruzos, om seguimenlo a ra do Qoeimado, Li-
vramento, Direita, at a igreja do Torgo, voltando
para a de Agoas-Vordes, a sahir na travessa de San-
Pedro, para o jiateo do Carmo, o d'abi seguir a
Camboa do mesmo, ra das Flores, Nova, Cabug
nrac da Independencia, Crespo, seguindo para0'
iioeife neias ruas da Cadeia, Cruz, al o areodo rt0
Jess, rua do Trapicho, praca do Corpo-Santo, ru
do Vigario, Encantamento, Modre-de-Deos, o ,10
voltar a rua da Cadeia de Santo-Antonio, ge reco-
Iher. Iloga-se, por isso, aos moradores da mencio-
nadas mas, que tenbam a bondade de limpar as tos-
tadas de suas casas. Outro sim, pelo presente con-
vida aos irmflos om geral, para comparecerem no re.
feridodia, tendo em vista o quo determina o artigo
208 dos nossos estatutos.
O abaixo assignado avisa ao Sr. Faancisco Ca.
valcante, morador no Rozarinho, que v ou mande
pessua competentemente autorisada, ao seu enge
nbo Novo do Cabo, recebor um preto que, l appare-
ceu procurando sonlior para o comprar, que, dando
os signaes certos, Ihe sor entregue ; certo do qua
se nSo responsabilisa pela ana seguranca.
Francisco Jos da Costa.
Teemde ira praca, aarremalarem-se de venda,
os bens penhorados heranca jaconto do fallecido
padre Jos Gomes Flores, na porta doDr. juiz d'or-
phfios a ausentos, na rua do Hospicio, por execu-
C.lo do Bernardo Henriques, cojos bens sKo : urna
parte de um sobrado na rua do Amorim ; urna casa
terrea na rua da Senzalln- Velha ; um sitio na estra-
da do Salgadinho. em soguimento para Olinda ; as-
sim como varios trastes.
~ Previne-su a quem convier, que existo no filo-
de-Janeiro o padre JoSo Guilherme Ferroira Pinto ,
que he filho legitimo dos fallecidos Jos Vital For-
re! ra Pinto, que foi professor do primeiras lttras
nesta cidade, e de sua muiher D. Anna Joaquina
de Mello Vital irnifa bilateral do fallecido Cyprian-
no Jos Vital Ferroira Pinto, o que a heranca dos
ditos pais do referido, ainda est pro-indiviso : e
por isso a senhora viuva do mencionado Cyprianno
Jos Vital Ferreira [Pinto nada pode dispor.
Precisa-se de um homem forro e casado, ou mes-
mo solleiro/quo queira ir para o mallo fazer compa-
nhia a um offlcial reformado casado e sem filho,
e prostar-lne algum servico de portas fra dando-
sc-lho o sustento alguma roupa precisa para o
diario ose Ihe proporcionando algum irabalhoeni
proveito seu smente ; admiuitido-se igualmente
sua mulher se a tiver, no servico interno da casa,
ganbando 3,000 rs. mensaes: na rua de S.-Rila,
n. 91.
-A viuva do Joaquim Marlins Ramos convida a todos
os seus credores para quo hajam de apparecer no dii
2 do frrente as 10 horas da manhia, por cima da
venda do Sr. Alm afim de satisfazer todos os seui
dbitos.
Magalhes da Silva Irmflos fazem sciento i
3uem convier, que mudaram o seu eslabeleciment
a praca da Independencia para rua do Cabug'
n. 6.
Precisa-se fallar ao Sr. Jos Ribeiro Ribas, ir-
mSo do fallecido Jofio Ribeiro Ribas, que mora on
morou nos Afogados : na rua da Aurora, n. 44.
Precisa-se de um caixeiro capaz para urna von-
da ; na rua da Praia n. 82, se dir quem precisa.
- Offerece-se urna mulher de idado erobusta para
tomar sentido em algum sitio perto desta praca ou
fazer companhia a alguma senhora a qual d co-
uhecimento do sua conducta : na rua do Pires,
n. 38.
O padre Antonio Goncalves Lopes relira-se pan
fra do imperio, a tintar de sua sade.
Quem annunciou querer fallar com o Sr. doutor
Francisco Zuzarque Bahiense.a negocio do serl9o,di-
rija-sc a Baha, a rua da Lapa, n. 112.
OSr. provedor da irmantladc dos Marlyrios di
igreja nova queira quanto antes, pagar a pessoa,
que nflo ignora, os 23,000 rs. do resto dos anjos que
so vestiram para a procissflo do anno prximo pas-
sado.
Aluga-sc a casa terrea sita na rua da Alegra,
n. 38, no bairtoda Boa-Vista com commodos suf-
iicientes para familia : a tratar na rua da Cadeia do
Recife.n. 44.
Precisa-se de um andar de sobrado em una das
principacs ras da Boa-Vista: quem o livor para alu-
gar dirija-so a rua da Cruz n. 40.
Precisa-se de urna boa lavadeira, que, sondo
captiva, seja afianzada por seu aenbor o sendo for-
ra d fiador: pode procurar a Jos Bernardina do
Scena na casa que foi dos expostos na rua di
Roda. H
Um rapaz portuguoz do 1-8 annos, que tem pra-
tica de negocio,e d conhecimento de sua conducta,
so offerece para caixeiro do qualquer eslabeleci;
ment, excepto venda : quom precisar dirija-sa
rua do Trapiche, armazem n. 34, ou annuncie.
A pessa quo annunciou tor tres escravos pan
alugar, dasquacs urna lava o ho quitandeira, sondo
3uo ainda queiru a poder mandar ao l'oco-
a-Pauella, casa do padre-meslie fre Mavignior,
quo l adiar com quem tratar; ou annuncie onde
se deve procurar, para se ajustar.
Jos DiasMoreira Jnior relira-se para fra do
imperio.
Precisa-se alugar urna casa ainda que seja pe-1
quena, dos Arioinbados al a cidade do Olinda,
mas qno seja siluada do lado da sombra a quo tenha
banheiro : na rua do Rangel, n. 36, segundo andar.
Precisa-se do um fcilor para um sitio perto
desta praca equeenlonda de jardiin : na rua do
Amorim n. 15.
Precisa-se do um mogo portuguoz, de 12 a 14
annos que enlenda de venda, o mesmo dos chega-
dos ha pouco : na rua da Cruz, n. 32. Na mesma ca-
sa compra-se um po de caima do Angola pin
rede.
Francisco Domingues Tavares, Joaquim do
Santos cAulonio Francisco Correia Porluguozcs,
retiram-su para fra do imperio.
Domingos Jos Tavares, subdito do S. M. F., re-
tira-se para fra do imperio.
Dao-se 200,000 n. at 400,000 rs. a premio, so-
bre penhores de ouro, ou prata : no hecco da Lio-
gola n. 8, so dir quem d.
Aluga-se un segundo andar, na rua da Senzal-
la-Nova com commodos para familia por proco
inuilo mdico: na praga da Independencia l'-j
vraria ns. 6 o 8. S
- O padre Francisco Pcreira da Silva relira-so p''
ra fra do imperio, a tratar do sua sade.



*3
LOTERA
Do Hospital Pedro II.
O thesoureiro desta lotera
principia a pagar, do dia 2 de mar*
go em diante, a qualquer hora do
dia, os premios sabidos na extrae-
gao da segunda quinta parte, ean-
nuncia ao re peitavel publico,que
os bheies da erceira parte, em
cnformidade do mesmo plano,
ja se acham venda nos lugares
que teem sido annunciados.
~ Acha-so justo por compra o sitio denomina-
do Meia-Dobla pcrtenccnte ao Sr. Francisco
Scverino Cavalcanto de Albuquerquo, com o Sr.
Herculano Jos do Frcilas : oaso haja algum em-
barazo, pdenlo annunciar por esta folha no prazo
de 3 dias.
MODAS FRANCEZA8.
A tata de madama Thtard, ra /Vora.-n. 32,1." andar,
acaba do recebor, pelo ultimo navio yindo do
Franca, um escolhido sortimenlo do chapeos do se-
tim, degros-ile-naples muito ricos, sedas de todas as
cures para chapeos, fitas desetim de coros para di-
tos, flores linas, cropesde todas as cores, chapos
de palha, lucos de seda, luvas do dita protus, para
, senhora, riquissimos cortes de vestidos, innlmenle
'mo 4uanto podo haver do mais moderno gosto. Na
mesma casa se fazem chapeos o vestidos da ultima
moda de Paris, por prego muito commodo.
Aluga-se um escravo padeiro que he muito
fiel: quem o pretender dii ija-sc a ra da Senzulla-
Vellia, n. 98.
--Oabaixo assignadoroga ao Sr. Chnstovflo do
ii'!! cm Porlo-Calvo, quo haju de doclarar por esta fo-
llhaque-m llmvondeu o sitio denominado Pimenta ,
na Barra-Grande, que fo do Tallecido Ignacio Po-
reira Freir c sua raullier Calharina Vieira do Mello.
Jodo Rodrigues Bandeira.
Ausenlou-se, no dia 25 do corrento ,o molc-
quo Jos, crioulo, de 14annos ; levou calcas do ca-
siiiota parda, camisa doalgodao com quadrosazucs;
julga-so andar vadiando por esta cidade : quem o
pegar leve-o a ru da Cruz, no llccife n. 55 que
ser gratificado.
"iopCc-se urna pessos, dando fianga idnea,
a cobrar dividas nesta praca mediante urna peque-
a porcentngem : quem precisar annuncie.
--O Sr. Dr. Francisco Zuzarque Baiense queira
annunciar sua morada, que se llie precisu fallar pa-
ra um negocio do sertlo.
Existo urna pessoa que tem livres as tardes, e
quo pode empregar-se em qualquer servigo depois
das 2 horas alauuitu quem de seu prestimo se
quizer ulilisar annuncie.
Eiigenho.
Traspassam-se as oito safras da arrendamonto do
novo ongenho Agoas-Claras, situado entro os oogo-
nhos Uruc e ilalmniuda : elle dista dez legoas des-
ta praca, tres da villa deSanto-Antlo, he excedien-
te d'agoa, copeiro, a sua producgfo he prodigiosa,
vccm-sealli cannas de seis fallas, quasf tilo boas
como as da planta, tem boas mallas, com ptimas
miideirasde construego, etc.: quem o pretender
dirija-so a Boa-Vista, naSolodade, sitio da Cscala, a
tratar com o Burgos.
Aluga-so um bomarmazem para carne secca ,
narua da Prain, n. 43, com commodos para fami-
lia : atratar no mesmo armazem.
-Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra
Direita, n. 20 com bons commodos para familia,
por prego mdico : a tratnr na mesma ra, sobrado
dn esquina do beceo do Serigado, n. 93, primeiro
andar, das 6 as 9 horas da mantilla e das (Idas s 4
da tarde.
Aluga-se a casa nova do becco da Campia na
Boa-Vista, defronte do acougue mui piopria para
venda : a tratar na ra do Vigario n. 13, terceiro
andar,
Quem -dentar de
comprar
borzeguins para homem, muilo bons,
pelo diminuto preco de 3s'6oo rs. ; assim
como spalos de marroquim, franeczes,
para senhora, a dez tustocs o par, tudo
quo pedio a ospera de seis mezes para o fazer; e Fl*OCOS.
sendo protestada por falta de pagamento ; porque
no respondeu ao escrivo dos protestos, em sua
mesma residencia, o para quo offereceu ao abaixo
assignado outras lettras em pagamento ; enfio .sen-
do aceita esta transaego, para quo se foi valer de
un seu paionte, e alias pessoa do recorfhecida pro-
bidade, para que este se ompenhasse com o. abai-
xo assignado, aliiude que concluisse essa transac-
Qo, de cujo empenho foi o mesmo Sr. Arago o
portador; omfini, Sr. Aragflo, lembre-se que no he
com tal procedimenlo que se adquire crdito, e
nem tito pouco se podo proseguir na carreira com-
mercial quo segu: pague, pois, a referida lettra co-
mo Ihu eumpre, pois quo dessa maneira evita ques-
tfles iudiciaes sempre precarias.c pagar maior quan-
tla, devendo saber que no basta a sua negativa,
Suando existo a sua firma na lettra e os Tactos q ue
cam ponderados, e quo nomhuma duvida devem
deixer acerca de sua veracidade: o o abaixo assig- j
nado, por amor de seu crdito, so apressa om fazer a
presente exposigo, para mostrar a falsidado do an-
nuncioa quo responde.
Joti Antonio de Magalhiei Bailo.
Agencia de passaporlcs.
Na ra do Collegio, n. 10, o no Aierro-da-Boa- Ca de bari'O, n. 4"/.
Vista, n. 48, continuam-so a tirar passaportes tan-
to para dentro, como para fra do imperio; assi m
como despachan! -so escravos: tudo com brevidade.
CHAPEOS DE SOL
Rua do Passeio* Publico,
Jolo Loubet participa ao respeitavel publico, que
receben, por estes ultimosnavios francezes, um com-
pleto sortimenlo de chapeos de sol, de seda, a mais
rica e superior qualidade; furta-cres e outras mili-
tas conhecidas, tanto para homens, como para Sras
e meninos. No mesmo estabolecimento haum sorti-
menlo de chapeos de sol de paninho, dos mais mo-
dernos; ditos muilo grandes, proprios para homens
decampo : tambem tem chapeos do sol do paninho
rara meninos o meninas, por seren muito finos: po-
dem-se chamar chapeos de economa. Na mesma loja
ha sortimenlo do bengalas, bengalinhas e chicotes
muito modernos; colirc-se qualquer armag.to de cha-
peos de sol, com sedas de todas as cores e qualida-
des. Na mesma casa ha um grande sortimento de
panninhos trancados e lisos, imitando seda, para
cobrir os mesmos: desta fazenda se vende aretalho.
Concorta-se todo qualquer chapeo de sol, por haver
um completo sortimento de todos os pertencos para
os mesmos, com toda a perfeico o brevidade.
Precisa-so do m bom ofllcial do lanoeiro que
Sueira ir para um engenho nu provincia do Rio-
o-Grande-do-Norte, ao qual so offerece alguma
vanlagcm : quem estiver nostas circumslancias di-
rija-so a ra da Cadeia do Hecife n. 38.
-- Precisa-se alugar um preto, por mez dando-
so-lhe o sustento e o aluguel queso trotar, para o
servigo ordinaria de urna pndaria : no pateo da S.-
Cruz, padaria de urna sjporla.
Frocos sortidos par) fazer capellas; flores de pen-
nas de todas s qualidades ; capellas de flor de la-
ranja muito lindas ; meias de seda brancas e pretas;
luvas de dita; ditas do sarja preta hespanhola mui-
to lina ; los de seda preta ; bicosde linlio, de soda e
de rotroz preto e branco; luvas de pellica, para se-
nhora o homem ; sapatos de couro de lustro, de d u-
raquo francoz e de cordovo ; ditos do inarroquim,
a 1,120 rs.; sapatinbos do couro do lustro e corda-
v.To, para meninas; fil de linho, liso e lavrado ;
borzeguins para senhora ; bonetes do panno, forra-
dos de seda, para homem; ditos para meninos; bo-
necas de massa ; pentes de tartaruga para prender
cabellos; ditos do marrafas; o outras militas fazen-
das: tudo por preco commodo : assim como mantas
c chales ricos, etc. : narua Nova, n. 10, loja de Hi-
plito Saint. Martin & Companhia.
*- Vendemse, a 1,400 rs., cai-
xas com charutos muito bons,
vindos ltimamente da Bahia: no
Aterro-da*BoaVista, loja de lou-
s.-
Compras.
No Recife, ra de Apollo, sobrado n. 6, com-
pra m-se 2 Icnces grandes urna toalha, urna fro-
nda grande para travesseiro duas ditas pequeas ,
4camisas de mulher, 2 vestidos: tudo com lava-
rinloe bico : sendo obra bem feita o que agrade,
paga-so bom.
Compra-se urna ou duas vaccas quo deem bs-
tanlo Icite : no Aterro-da-Boa-Visla, n. 17.
-- Compra-se urna commodo de Jacaranda sen-
do moderna ; urna marquezaou canap; duas ban-
quinhase algumas cadeiras : sendo Indo cm bom
uso : na esquina do Livramento loja do 6 portas.
Compram-sc pedras para enfeites de anjos : na
ra do Cabug, n. 9, terceiro andar. Na mesma ca-
sa vcslem-so anjos com lodo asseio e por preco com-
modo.
~ Compram-se cabras [ bicho ]: na ra Direita
venda n. 72.
Vendas.
Chitas pretas assetinadas-
Vendem-se as j bem acreditadas o suporiores
chitas pretas asselinadas, do ultimo gosto a 240
rs. o covado : na ra do Collegio, loja nova n. 1.
Pannos para Icnces.
Vende-se superior bretanha de Irlanda, de puro
linho, com duas varas e meiado largura fazenda
de milita utilidade para Icnces, a 3,000rs. a vara|;
zuarlc azul de vara de largura, a 240 rs. o covado;
cambraias lisas, a 640, 800 e 1,000 rs. a vara ; len-
h cniiuiains naos, -., .,..- "-> --
egado de novo r Vende-se na ra ao COgdo seda, dos mais modernose muito finos, do
Cadeia Velha, n. 35, loja do Moreira. molhor gosto
- O padre Jos Joaquim Martins Cestcirn retira-
se pora fra do imperio.
liornardo Jos da Costo, subdito porluguez,
retira-se para Lisboa.
M8ii4SbXgitSb iTS. ,m.\ St&MSi fe
Faz-se publico a todos os senhores o Re-
nhoras quo morarnm nos arrnboldes des-
ta cidade, como bem Cnpunga, Mangui-
nho, Passagem, Estancia, etc. ooutros lu-
gares somelhnntes, e mesmo dentro da ci-
dade, quo precisaren! de urna pessoa pa-
la cnsinur purcularmculc e;n suas casas,
n lr, escrever, contar, doutrina chrisla
o grammalica porluguoza com cxpliea-
gCcs, dirijam-se a casa sita na ra dn
CBIgada, n. 2, a tratar com a dita pessoa.
Oabaixo assignado, compromettido por o seu
annuncio, publicado no Mario de Vtrnambuco n. 40,
a responder ao do Sr. Antonio Jacinlbo do Amaral
Arago, publicado no mesmo Diario, em que leve
a fraquezn de negar sua firma, na lettra queiriilos-
sou, sacada pelo abaixo assignado, do rs 2.800,000,
e aceita pelo Sr. Manoel Francisco Angeiras, persua-
dindo-se quo lalvcz fosse bstanle o referido an-
nuncio para se sublrahir a pagar; o abaixo assigna-
do pergunta aodilo Sr. Arago, qual o motivo por
1,800 e 2,000 rs.
2,500 rs.; rolos de bretanha a
dita de linho muito lina a 720
e 800 rs. ; cassa para bailados, a 2,600 e 2,800 rs. a
pe?a ; chales do lila, grandes e do muito bom gosto ,
a 2,000 o 2,500 rs. ; riscados trancados, do muilo
boa qualidado para escravos, por sercm oscuros e
de muita durado a 200 e 220 rs. o covado ; e ou-
tras niuilas fazendas por preco-muito commodo : na
ra do Collegio, loja nova da estrella, n.l.
3* Fregueses!
No pateo-do Terco, vendan. 7, ven-
dem-se bolachas da Ierra, de muito supe-
rior qualidade, a 100 rs. a libra : o an
nunciante se responsabilisa pela quali-
dade.
Vendem-se 6 caixilhos grandes envidracados ,
proprios para armaco de loja todos juntos, 011 se-
parados, por prego commodo: no Aterro-da-Boa-
Vista, n. 14. ,".".,
Vendem-se formas para sapateiro por todo o
proco : no Aterro-da-BOa-Vista n. 14.
__Vende-so urna morada de cosa terrea sita na
ra do San-Jos, por preco commodo: quem quizor
dirija-se ra de Santa-Hita, n. 18.
__Vende-se urna preta do 20 annos, que cozo,
ongomma ecozinha : na rua do l.ivramonlo, n. 38,
at as 9 horas.
__Vende-so boincapim, a 200 rs. a arroba, ea
do pergunta aodilo Sr. Arago, qual o motivo por ? ". m ni ndV a. nn lin.
quenSo fez tal declarado quando llie foi exigido o 160 rs. do ordinario : em Olinda rua da Boa-Ho-
pagamenlo da referida lettra no vencimento, e para 'ra, na casa do muro noy.
Vende-se urna casa terrea sita na bica do
Pcdro-Martyr, n. 26: a tratar na mesma casa.
Vende-so urna cadeira de arruar, usada :\ na
rua Direita, n. 112.
Vende-se arroz branco, dito vormelho, tanlo
o rctalho comocmalqucires da medida velha, por
prego muito commodo : na rua da Praia, n. 39.
Vcndc-se umanegrinha do 12a 14 annos, quo
cozinha e tem principios de costura : vende-se por
necossidade o por preco commodo : na rua de S.-
Rita, n. 44.
Vcndc-se urna preta de naco, de 30 annos
que cozinha o diario do urna casa e sabe vender
narua, portorj alguma pratica disso por 300/
rs., porseusonhor ler de retirar-so para fra da
provincia : na rua de S.-Rita, 11. 4t.
Na la Nova, loja n 6, de
.11 aya liamos & i ompanhii,
continuam-so a vender ricas e cxcellenlcs mascaras
para o carnaval; narizes com bigodes proprios
para o divertimcnio do entrudo: ludo por prego
moderado.
MEDICINA UNIVERSAL.
Punas vegetaes de James
Morison.
A medicina vegetal universal neo resultado do 20
annos de investigaces do clebre James Morison.
Por mcio destas pilulas ronsegio seu autor inn-
meros eadmiraveis curas desde as afTecccs que
ataca ni as mangas des peitoat as molestias eliruni-
cas do ancio.
A Europa saudou esto remedio como remedio uni-
versal para todas as doengas, c at hoje anda no
foi desmentido tal titulo.
Esta medicina vom acompanhada do urna receila
que onsina e lacillita a sua applicago. Consisto cm
tres preparagOes, a saber-.duasqualidades de pilu-
las distinctas por nmeros, o um p : cada qual goza
de modos o acedes diversas.
As pillas n. 1 so aperitivas; purgam som abalo
os humores biliosos e vicosos, e os cxpulsam com
eflicaeia.
As do n. 2 .expulsam com esses humores, igual-
mente com grande frga os humores serosos, acres
e ptridos, de que o saugue se ocha a miudo infecta-
do; percorrem todas as partes do corpo, os ces-
sam de obrar quando teem expulsado todas as im-
purezas.
A terceiro preparagilo consisto em urna limonada
vegetal sedativa : lio aperaliva lemperanto o adu-
gante : torna-sc em commum com as pillas o facil-
Iita-Ihes os melhores elcitos.
A posigo social do Sr. Morison, a sua fortuna in-
dependenle, repcllem loda a ideia do charlatanis-
mo ; eas admiraveis curas, operadas com o sou
systoma no collegio de sadc de Londres, so mais
que garantes da cllcscia do seu remedio.
Itecommenda-so esta medicina, que no pede nem
resguardo de tempo, nem do posigo da parte do
(lenle, a todos os que, atacados As molestias jul-
gadas incuravois, se quizercm desengar da sua
virtude-
Oxal que a humanidade feche os ouvidos aos in-
teressadosem desacreditar estes remedios lao si in-
gles 13ocommodos e to verdadeiros.
Vende-se smenle em casa do nico o verdadeiro
agente J O. Elster, na rua da Cadcia-Velha, n. 29.
Venilem-se fitas de velludo,pretas e
[argos, para cinteiro ultima moda de
Paris : na praca da Independencia, n. 3).
Vendem-se as mais ricas mantele-
tes pretas, de blond e seda ; nao he pos-
sivel descrever sens lindos goslos : na
rua do Queimado, n. 3q, esquina do
neceo da Congregacao, loja de Giismao
Jnior & Irmo.
Vcndc-se um molcquo de 15 annos, muito bom
cozinheiro proprio para algum homem solleiro ;
alianga-sc a suu boa conduela : na rua do S.-llita ,
n.44.
Na rua de Agoas-Verde<, n. 4C,
vendem-se duas lindas mucamas de 16 a 18 annos;
duas escravas pegas ; um bonito molcquo ; um per-
feito pagem do 18 annos; 6 escravos para todo o
servigo.
Vendem-se ricas fazendas pretas
proprias para a Quaresma ; pannos finos
de todas as qualidades; casimiras ; se-
tins ; sedas ; sarjas hespinlila e alte-
rnan ; cortes de colletes de gorguio bor-
dados a agulha, o mais rico possivel ; di-
tos de selim bordados e lavrados e to-
das e quaesquer fazendas que os fregue-
ies procuren, qnr seja de seda, 13a, li-
nho e algodo, superiores e inferiores \
assim como chapeos de massa muito finos
para homem : na rua do Queimado, n.
39, esquina do becco da Congregacao,
loja de GusmSo Jnior & Irmo.
Vende-se um carro novo e moderno de 4 asT
sontos, com seus portences e arreios para dous ca-
villos : na rua Nova, n. 54.
Vende-se ura moloque de 10 annos muito es-
perto por prego commodo : na rua do S.-llita ,
n.44.
Vende-se rstanho em verguinhas:
em casa de Russell Mellors&C, na rua
do Vigario, n. 23. '
Vende-se um piano forte de Col-
lard and Gollard de Londres, por preco
commodo, em casa de Russell Mellors Se
C, na rua do Vigario, n. a3.
Vendem-se as verdadeiras pilulas da familia ,
vindas ha pouco do Porto : he cscusado tccer-lhes
elogios por seren bom conhecidas: na rua do Col-
legio, botica do 4 portas, de Cypriano I.uiz da
Paz, n, 6.
Vendem-se ceblas brancas muito
grandes e muito midicinaes, e tmbem
vermelhas, muito grandes, e por preco
muilo commodo, em grandes e peque-
as poi c5es : na rua da Praia, arma-
zem, n. 37.
Vendem-se linhas om cairelis, de 200 jardas ,
de n. 13 a 130, da melhor qualidado que tem violo
a osla cidade; libras do retroz preto e azul-ferrete
de primeira qualidade ; bicos 1I3 fil de linho, do
1a8dedosdc largura; caixinhas de ogullias in-
glezasde suporior qualidado: na praga da Inde-
pendencia, n. 4.
SALSA-PARRILIIA DESANDS.
Este excollcnte remedio cura todas as onfermi-
dades, as quaes so originadas pela impureza do
sanguc, ou do systcma ; a saber :
Escrfulas, rheumalismo crupgOes cutneas,
brebuthas na cara, homorrnoides, doengas ctaroni-
cas, brebulhas, hertoeija, tinha, nchagOes, dores
nos ossos e jnntas, ulcar, doengas venreas, cialica,
enfermidadesque atacam pelo grande uso do mer-
curio, hidropesa expostos a urna vida extrava-
gante. Assim como chronicasdesordens da cons-
tiluigo sero curadas por esta to til appro-
vada medicina.
O extracto seguinlo he do urna caria recebida do
Sr. Mace, pois sua mulher foi atacada do escrfu-
las no nariz, dasquaos os melhores doutores em
Franca a no pdenlo tratar.
I Rennes, departamento de Ule e Vilain.
I Franga, julho 17 de 1844.
Su. Sandi. A salsa-parrilha mandada por Vm.
foi recobida com a maior salisfago possivel, minha
mulher a tomou, e em pouco lempo se achou me
Ihor; pelos grandes beneficios que recebeu desla
medicina, a considera como umadas melhores me-
dicinas do mundo para laes doengas, pois dou-
tores de alta sabedoria nunca a poderam tratar. Mi-
nha mulliur a contina a lomar at se ochar in-
teiramenle boa. Por favor nos queira obsequiar com
algumas garrafas o mais deprossa possivel. Srs.,
nos teremos o gosto de tazer conhecera sua medi-
cina entro os nossos amigos, assim como entro o
povo : sem duvida ser usada aqui, bem como em
lodo o mundo, como eflicaz medicina para alliviar
o tratar o corpo humano. Tcnho a honra de ser o
mais atiento venerador.
/. Mace.
N. 1, ru LouisPhilippe.
I LegagSo dos Estados-Unidos,
i Berln, Prussia, abril 8 de 1846.
Sr$. A. B.& D. Sands. Srs., lendo-se a sua sal-
sa-parrilha usado nesta cidado, com grande effeilo,
em casos mui severos do escrfulas, me pedem tres
duzias de garrafas da sua medicina as quaes as es-
pero som falta que para isso remeti o pagamen-
to. Espero que Vms. fiquom do loda a certeza quo
a composigo do salsa-parrilha he una das melho-
res medicinas do mundo, assim como so vai in-
troduzndo muito entro opovo.Sou o mais ltenlo.
Theodore S. Fay.
Preparada e vendida por junto e a retal lio, assim
como se exporta, por A. K. Y. n. Sands, chimicose
droguistas, n. 100, Fulton-Street, esquina de Wil-
liam, New-York.
Vendo-se na botica do agente Viconto Jos do
Brito, na rua da Cadeia-Velha, n. 61.
^ LOJA 'O
DEG PORTAS NJ& ?
Esta loja acha-se surtida de novo com boas
pecliinchas encommendadas de proposito,
a (i 111 de queosfreguezes sejam bem servi-
dos, na forma do costume ; e como as di-
tas pecliinchas sejam muilase de dmoren-
tes qualidades smento so annuncium as
seguintos : chitas de cores fixas o de bons
pannos a 5,000, 5,500 o 6,000 rs. a pega, o
o covado a 140, 160 o 180 rs.; madapolo li-
no, a 2,000, 2,500, 3,000 e 3,500 rs. e mul-
lo superior, a 4,000 rs. ; pannos linos, a
2,500, 3,000 0 3,500 rs., e mullo lino, a ?/
rs.; mantas de seda de cores para homem ,
a 1,800 e 2,000 rs.; ditas de cambraia, para
senhora, a 1,000 e 1,500 rs.; novos chales
de garga a 1,50o o 2,000 rs.; ditos de la ,
de differentes qualidades e tamaitos a 21
e 2,500 rs. ; ditos de lila o seda muito su-
periores a 3,000, 4,000, 5,000 c 6,000 rs.
VinhodeBordeaux.
DEPOSITO
NA RUA DA CRUZ, N. 20.


Vende-se, o permula-se por predios nesta pra-
ca um terreno com 200 palmos do frente, e fundos
desde n ra da Aurora at ao Hospicio com urna
cacimba e olaria na ra doSeve com alicerces j
principiados para urna casa : tambem vende-se, ou
permuta-se metade deslo terreno : a tratar na larga
do Itozario, n. 26, primeiro andar. Na mesraa casa
vende-se um estojo do engenharia, por preco mui-
to commodo.
Na ra do Trapiche, n. 17, con-
tina a haver deposito da verdadeira cal
virgem de Lisboa, chegada prximamen-
te ; advertindo-se eos compradores des-
te genero que o deposito he j muito pe-
queo, e que da nova nao ha mais era
parte algurua.
Vende-se um terreno com 117 palmos do fren-
te e 89 ditos de fundo em estado de se edificar,
por nSo precisar aterro em cujo terreno podem-se
fazer tres ptimas mei'agoas na ra do Pilar, em
l'ora-do-Portas, do lado da mar grande: nadita
ra, n 11, no pateo da igreja do Pilar, das 6 horas
da manlifla as 8.
JE) Vendem-se chapeos de superior
^^ castor, brancos e pie tos, por preco
muito barato : na ra do Crespo,n. 12,
loja de Jos Joaquim da Silva Maya.
FAREI.OS.
Vendem-so saccascom fardos, chegadas ullima-
/ni'iite, a 3,500 rs.: no armazem deJ. J. Tasso Jnior,
ra do Amorim, 11. 35.
Uanoel da .Silva Santos
contina a vender superior fa-
rinha de trigo da marca SSSF.
Milito.
Vende-se milho, a 2,000 rs a sacca : no caes da
Alfandega, armazem de Antonio Annes.
to bem e engommam s3o sadias, e- n3o se duvida
dar a contento para serem experimentadas : na ra
do Queimado, loja n. 51.
Potassa e cal virgem.
Vende-se muito superior potassa e cal
virgem de Lisboa, prximamente desem-
barcada: no deposito de Baltar& Olivei-
ro, na ra d* Cadeia do Recife., n. 12.
Aos amantes da boa pitada
se offerece o rap princeza Novo-Lisboa acha-se
venda, em porgflo o a retalho, no deposito da ra
larga do Rozario, 11. 2*.
Vendem-se cabos de cairo em grandes, ou pe-
Suenas porgOes : no trapiche do Ramos, armazem
a esquina.
Na ra do Trapiche, n. 17
vendem-se barris com superior
cal virgem, chegada ltimamente
de Lisboa, a cinco mil res cada
barrd.
Vende-se um casal de pombos', rabo de leque,
muito grandes e bonitos : na ra da Florentina ,
n. 16..
Bom e barato.
Vendem-se superiores los pretos de
seda bordados, do lodos os lmannos ;
legitima sarja preta hespanhola; ri-
cos cortos de seda preta lavrada; cha-
malote do soda, ondeado o de listras;
meias de seda preta de peso ; supe-
rior setim preto para vestido, panno
preto de todas as qualidades; casimi-
ra preta o clstica muito superior;
chapeos francezes da ultima moda; e
outras muitas fazendas : tudo muito
em conta, e com granda sortimento
para escolhor: na nova loja do Jos
Moreira Lopes & Companhia na ra
do Queimado,, nos quatro-cantos, ca-
sa amarellla n. 29.
Gaz.
ISA CaSA DE CAUMONT,
dourador,na ra j> ova, n. Si.
fabrica de candieiros,
tanto de gaz como de azeite, jn se acba promplo um
grande sortimento dos mesmos, de muito bom gos-
lo. O mesmo fabricante avisa ao rcspeitavel publi-
co, que vende os candieiros mais em conta do que
cin nutra qualquer p.arte poisquo ello mesmo os
fabrica, e so responsabilisa pela sua boa qualidade :
tambem doma, prata c bronza todos os melaes de
diversas cores ; concerta e torna a por de novo to-
dos os candieiros, tanto de gaz cmodo azeite;
pOe os candieiros de azeito para gaz; concerla tam-
bem qualquer objecto de metal. Tambem tem pa-
ra vender um grande sortimento de objectos de
metal para igrejas tanto dourados como praleados
ebronzeados. Aluga tambem para bailes candiei-
ros, candelabros e lustros, por commodo prego;
compra todas as qualidades de melaes ; e precisa de
um aprendiz para o mesmo ofilcio.
9.a lotera do Rio-de Janeiro
a beneficio do tbealroda im-
perial cidade de Niclheroy.
Vendem-se bilhetes e mcios ditos dcsla lotera:
lia ra da Cadcia-Velha, n. 29, casa de J. O ELSTEII.
Cortes de alema.
A fazenda mais perfeita que tcm appa-
iccido sao os cortes de alcina, para ves-
tidos de senhora, nao s pelas delicadas
cores, como pelos lindos padioes, por
nao desbotarcm, c por serem do ultimo
gusto de Faris. Estes cortes vem pti-
mamente acondicionado, cada um em
sua capa, e sao leitos na principal fabrico
de Pars ; sendo de quatro qualidades dif-
ferentes, e nos precos de 3,aoo, 3,6oo,
3,8oo e 4iOOo rs.: na loja nova de Hay-
mundo Garlos Leite, na ra do Queima-
do, n. 11 A.
VE.\DE-SE
Cha mxto superior
1'abriendo no Rio-de-Janeiro,
Denominado BrasileirO)
o melhorquo tem apparecido neste mer-
cado, pela sua qualidade ser mais supe-
rior do quo n do mesmo cha hysson do
urna libra para cima, por prego com-
modo : no lim da ra da Aurora n. 4, a
fallar com Jos de Alnieida Brrelo Bas-
tos das 6 us 9 horas da mandila, e do 1
as 2 da tarde.
Vende-so urna porgSo de sebo refinado muito
puro e alvo i a tratar na arcada da alfandega, com
o preto Benedicto.
- Vende-se, ou arieiida-.se um grande sitio na ru
Imperial com duas moradas de casas urna para
grande familia, na frente da ra e outra mais pe-
quea dentro do mesmo sitio com bons parreires
e multas fruteiras de boas cualidades todas novas
e ja dando fruto com un grande viveiro no lundo :
a ra Inreita, n. 1SS, loja de cera onde se Tara
qualquer dos negocios, por seu dono ter de retirar-
se por molestia.
---Vendom-so duas boas escravasj crioulas de
bonitas figuras e mogas, que cozinbam, lavam inui-
Vende-se o' engenho Timb, distante desta
praga 4 legoas, corrento e moente com agoa de
boa e regular producgiTo com a safra do 2,500 piles
pouco mais ou menos, ou sem ella. Este engenho
lie de cousideravel importancia nilos no presen-
te como no futuro, por conter mais do 4 legoas de
terreno cobo." to de maltas virgens com capacidade
para se levantarcm engenhos d'agoa e de beslas : a
tratar no mesmo engenho, ou no sobrado ao lado da
cadeia n. 23.
- Vendem-se aeces da ex-
mela companhia de Pernambuco
e Parahiba: no escriplorio de O-
liveira limaos & C, ra da Cruz,
n. 9.
Vende-se vinho linio do Porto muito supe-
rior cm barris de q uarlo o oitavo ; raimo de linho;
cornos do algodo ; fio de vela ; linna roriz; cera
do Lisboa em velas, em caixoles com bons sortimen-
tos; cal.virgem em barris: na r,ua da Cruz,n. 49, casa
de Mendcs & Tarrozo.
Vende-se, na ra da Cadeia do Itccifc arma-
zem do Braguez, superior farelo de Lisboa, por m-
dico prego.
Vende-se colla do superior qualidade, das fa-
bricas do Hio-Grande-do-Sul na ra da Moda ar-
mazem u. 7.
Para a Sania Quarentena,
>'a nova loja da ra da Cadeia do P.ccife, n. 32,
de Claudino Salvador Percira Itraga, vendem-so
hoyos e assciados los pretos de linho,com o bordado
das palmas o o da barra muito modernos para mo-
cinlias a 4,000 rs. ; ditos de tres pontas a 2,000
rs.; ditos para senhora a 3,000 rs.; ditos de qua-
tro pontas, a 6,000 rs. ; ricos o decentes veos pre-
tos de linho, proprios para confissflo a 4,000 rs. ;
sarja preta fina para vestido, a 1,600 rs. ; linas
compridas de seda preta, a 1,500 e 2,000 rs. o par;
meias de seda pretas lisas para senhora, a 2,000 rs.;
ditas bordadas, a 3,200 rs.
Vende-se urna preta boa engommadeira, cos-
tureira ecozinheira : na travessa da ra da Concor-
dia n. 17, so dir quera vendo.
Na ra da Cadeia-Velha, n.
9, loja dcJ.O. Elslcr,
vende-sc vinho do Porto, de diversas qualidades ;
dito da Madeira; dilo de Malaga; dito de Shcrry ;
dito de Carcavellos; dilo de Lisboa ; dito do Graves;
dito Sauterne; dito San-Julien ; dito de Bordcaux ;
dito Chatcau-la-ltose; dilo de San-Goorge; ago'ar-
dente do Franga, de diversas qualidades ; whiskey;
cherry-eordial ; marraschino ; licores finos ; punsch
da Succia ; xaropc de framlioises ; oplima champa-
una cm garrafas e meias ditas; velas de composi-
g8o ; cha prelo e verde do superior qualidado; pre-
suntos e salames de llamburgo; sardinhas cm latas
c vidros ; pctils-pois em ditas; salmn em ditas;
moslarda ingleza c franceza ; frutas cm vidros com
calda de assucar c espirito; agoa do flor de laranja;
charutos de Havana c da Babia : tudo chegado ro-
centcuiciilee de superior qualidado.
Na ra do Ira piche, armazem
n. 54,
vende-se assucar refinado, em p5o, a aoo
rs. o libra.
Vendem-se ancorlas de
diversos tamaitos, coni vinho da
Vlacleira, linio e branco, de supe-
rior qualidade : no escriplorio de
Oliveira Irmos & C, na ra da
Cruz, n. 9.
Vendem-se 10 escravos sendo : 2 lindos mo-
leques de 16 anuos; 3 pardas mogas, com habilida-
des ; 2 pretos bem robustos, sendo un delles bom
caneiro ; 3 pretas com habilidades sendo urna del-
tas por 180,000 rs.: no pateo da matriz do S.-An-
I tomo, sobrado n. 4.
Vende-se um lindo pagem quo he copeiro c
bolieiro, ejdeexcellento conduela : na ra estreita
do Rozario, II. 31.
Vende-se um bom cava I lo carregador at meio,
muito gordo por prego commodo; na ra larga do
Rozario, n. 29.
Vcndem-so4 lindos moleques de 16 a 20 an-
Vende-se um pardo ptimo para pagem ,
que cozinlia o diario de urna casa, o tem principios
de alfaito : na ra Direita n, 45.
Vende-se urna cscrava crioula, de nome Mara,
que representa 20 annos he quitandeira lava de
sabflo e he muito propria para o servigo de enxa-
da por estar a isto acostumada : om Fra-de-Por-
las ruado Pilar, n. 108.
~ Vendem-se 4 moradas de casas de taipa na
Cabanga; urna canoa de conduzir agoa : tudo por
prego commodo : na ra Imperial, n. 2, venda da>
esquina, defronte da matriz nova.
Vendem-se duas escravas recolhidas de bo-,
nitas figuras do 20 a 22 annos, muito sadias e ro-
bustas, quo fazem todo o servigo de urna casa : a
vista dos compradores so dirito as habilidades: no
Alerro-da-Boa-Vista, n. 86, segundo andar, ou na
ra da Cadeia do Recife, casa de cambio h. 34.
Vende-so a venda sita na ra do Fogo n. 20,
bem afreguezada para a trra, com poucos fundos:
vende-se por seu dono no poder continuar com
ella por ter outro negocio em que se occapa : a
tratar na esquina da Camboa-do-Carmo, n. 46.
Vende-so urna bonita mulatinha recolhida, do
13 a 14annos que coso muito bem marca faz
lavarinto, engomma soFrivel, lio muito desemba-
rgada para o arranjo de urna casa e carinhosa pa-
ra mangas; urna dila de 22 annos, que cose,engom-
ma, cozinha ,enlo tem vicios; duas pretas de 18
a 26 anuos quo cozinbam engommam fazem o
mais servigo de urna casa e vendem na ra ; um ca-
bocli nho de 9 annos,muito lindo e esperto; um pre-
to mogo, ptimo para todo o servigo: na ra do
Vigario, n.24, so dir quem vende.
Vendem-se espingardas de dous canos, finas om
qualidado,o pistolas de differenles tamanhos : na
ra Nova, loja n. 16.
-- Vcndo-se um carrinho para criangas, com
o seu competente carneiro, ou sem olio: na Boa-Vis-
ta, ra do Pires, n. 3.
- Vende-se urna carroga de dous bois do carre-
gar pipas por baixo comsuas correntes e promp-
ta do um tudo, a qual he nova : na Boa-Vista, ra do
Pires, n. 3.
Vende-so urna olaria no lugar da Torre jun-
to aosilio do fallecido Marcolino Antonio Pereira ,
com o terreno que o comprador quizer para plan-
lag.to com muito bom barro cescolente banho : na
ra do Itangel, n. 8.
Vendom-seOescravos, sendo urna linda parda
do 18 annos que engomma, cose, cozinha e lava de
sabSo; um molecoto crioulo, do 18 annos, proprio
para todo o servigo; urna crioula de 24 annos, quo
engomma, cose, cozinha clava para fra da pro-
vincia ; urna linda negrinha de 11 annos, e a mili
da dita quo he de nagflo, de 28 annos, que s
vendem ambas ; urna prela do naglo de 40 annos,
que cozinha c lava: na ra Gas Cruzcs, n. 22,seguu-
do andar.
Ka loja-de Manoel Pinheiro de Mendonga na
ra do Calinga junio a botica do Sr. Joilo Moreira,
vende-so escolenle sarja preta; chamalote de lis-
tras ; veos pretos ; meias pretas ; luvas de seda e de
pollica ; sapatos de lustro setim, marroquim o cor-
dovito para senhora e meninas; borzeguins muito
novos; sedas brancas para noivados ; capellas de flor
do laranja ; pennas brancas muito ricas; mantas;
longos de seda, boa fazenda o de lindos padrOes ;
chapeos francezes para homem ; e outros muitos
objectos de moda ; bem como mascaras para o on-
trudo, doraricacturas asmis exquisitas, por pro-
go commodo.
Vende-se um escravo de bonita figura muito
mogo .[na ra dos Martyrios sobrado n. 2, pegado a
igroja.
Vendem-se os seguintes livros, em muito bom
estado, por prego commodo, no pateo do Carmo ,
n. 17 : Universo Pittorosco 3 v., cncadornados ;
Museu Pittoresco, 1 v.; Jesus-Gliristo perante ose-
culo, 1 v.; diccionario jurdico, I v. ; Historia de
Nnpoleao, 2 v. ; Reslauragao do Portugal, 1 v. ; Sir
WalterScott, 2* v.; Almocrevede Petas 3 v.; An-
na de Goiersteins ou a donzela do novooiro 4 v.;
os Natchcz, 4 v. ; o Derradeiro Mohicano ,4 v. ; His-
toria do Gilbraz de Santilhana,4 v.; Historia de
D. Affonso Braz 2 v ; Viagens do Antenor 4 v.;
Descobriment da America 2 v. ; Historia romana,
1 v. ; Corina ou a Italia, 2 v. ; os Puritanos da
Escocia, 4 v. ; I). Quixole do La Mancha 8 v. ; o
Quixotc do seculo XVIII, 4 v.; Historia do Estevinho
Gongalves 2 v.; o Biabo coxo, 2 v. ; Lazarilho do
Tormos ,-1 v.; a Noito do Castello 1 v. ; Viagens do
Vondo-se um cavallo de estribara, com bon,
andares : na ra das Cruzes, n. 42.
Vende-se urna rede muito superior, vnda do
Maranhao : na ra do Cabug, loja do Joaquim Jos
da Costa Fajozes.
Vende-se marmelada do Rio-Grande da encir-
nada, propria para doentes em pequeas latas'
por prego commodo : na ra da Praia, n. 20.
Casimiras finas e elsticas.
Vendem-se superiores casimiras finase elsticas
a 1,000 rs. o covado; cortes de ditas do cores, muit
finas, a 6,000 rs.; superiores casimiras preta da
molhor qualidade, a 6 o 9,000 rs. o corte : na ra do
Collegio, loja nova n. 1. ve*
Vondem-se, na ra da "Cadeia do Recife, trat-
zem do Braguez, saccas com superior farinlia de
mandioca ditas do arroz de vapor e da fabrica
viudas prximamente do MnranhRo,' pelo brigue-ti!
cuna Laura : tudo por mdico prego.
-- Na ra Direita sobrado de um andar n. 33, t0
p de dous de verandas douradas yendem-se 3 bo-
^ celas grandes de doce secco de caj, rlcamentoen-
fetadas, pronrias para algum presento : tambem
so fazem filhes do seringa c de outras qualidades
bolinhos, pastis do carne e de nata pto-de-l en-
feitado de alfinim arroz de leite, o tudo o mais
quanto he de sobre-mesa.com perfeiglio o por proco
commodo.
-- Vendem-se, na ra do Crospo, loja do miude-
zasn. 11, charutos finos da Baha denominados
a fama n prego do mil rs. a caixa.
Vende-se um cavallo melado do dinas pretas
baslantogrande o gordo, proprio par* carro, por
j ter sido experimentado o trotar muito bem; na
ra da Aurora, n. 50.
Pannos finos.
Vendem-se superiores pannos finos prova da li-
mito, preto e azul, a 3,000 rs. o covado; dito fino
azul o preto, o 4,500 rs.; dito preto do su porior qua-
lidade o j bem condecido pela sua baratoza,a 5,000,
5,500,6,500 e 7,000 rs.; casimira preta imisie da
melhorqualidade, largusade panno muito fina,
t1,000e 12,000 rs. o corte de caiga : na ra do Col-
legio, loja nova da estrella, n. 1.
Panno-Couro.
Vendem-se superiores corles de caigas da fazenda
panno-couro par ser do duragilo extraordinaria,
de padrOes cscu ros proprios para o trafico pelo
diminuto preco do 1,600 rs. o corto : na ra do Col
legio, loja nova da estrella, n. 1.
Escravos Fgidos.
Gulliver, 4 v. ; Aventuras de Robnson Cruso 6
tro ptimo sapaleiro ; 2 pardos um ptimo carroiro,
e o outro proprio para todo o servigo de 16 a 18
annos; una inulalinlia de 13 anuos, com princi-
pios do habilidades ; 4 pretas do 20 a 25 annos on-
l_re as quaes algumas com habilidades: na ruado
Collegio u 3, segundo andar, so dir quem vendo.
I ai i,da de mandioci.
No armazem de farinha da ru! do Collegio, n. 21,
vendom-sesaccascom farnha a mais lina possivel,
por prego rasoavel.
v,; Numa Pomuilio, 2.'v,; Guilherme Tell, 1 v.; No-
vellas e coulos, 2 v. ; Gustavo 3 v.; o Filho do mi-
rilla mulhcr 3 v. ; Carlas de- Hcloiza o Abailard 2
v. ; Orlando amoroso 3 v. ; Thesouro da mocida-
de, 1 v.; o Robinsonde 12 annos, 2 v. ; llarbarinski,
2 v. ; Belizario, 1 v.; Henriquinho, 1 v. ; Elogio de
Marcos Aurelio 1 v ; Cyprianno, 1 v.; os Itccreios
do Eugenia, 1 v.; Isabel, 1 v. ; a Caverna do Slrozzi,
1 v.; Galatea, 1 v. ; slella, 1 v. ; tala, 1 v ; Li-
gOes de Fenclon 1 v. ; Vcrdadciras Bernardices 1
v. ; os LuziadasdoCainus, 1 v. ; Juliilo o postala,
2 v. ; vida de I). Joao de Castro, 1 v.; Manual Eucy-
clopedico, 1 v ; a ItedempQiTo poema pico, 1 v. ;
Nov llasescolhidas, 3 v.; l). Igncz de Castro, 1 v. ;
Viagem a roda do mundo ,1 v. ; o Tratado da ty-
ranuia 1 v.; Mez de Mara, 1 v.; Horas Marianas,
l v. ; Dos he todo puro amor 1 v.; Galera l'ilto-
rpsea 1 v.; a Mytologia, 1 v.; o Castello do Gras-
villo, 4 v.; o Sepulcliro, 3 v.; Lavaler, 8 v.; lloras da
somana sauta, 1 v.; Poesas de J. B. F. A- Maranhao.
No da 20 de fevereiro do corrente anno, des-
appareceu o crioulo Manoel Gabiso do 28 a 30 an-
nos, altura ordinaria chcio do corpo olhos pe-
queos, e vermellios, e em um delles pareco ter urna
buida ps grossos que parecem lidiados ; quando
fugio tinha em ambas as pernas duas pequeas Pe-
rillas que tal vez ja nao as tenha, mas ha de leras
cicatrizes ; levou caigas de agdao azul, aqueta
branca .chapeo de seda velho ; anda calgado, por
so intitular forro; he sapaleiro o intendo do serri-
go de padaria): quem o pegar traga-o a esta tyrn-
Sraphia ou a ra de Hortas, n. 62, que se grad-
eara.
Acha-se fgida, desde o da 16 de julho de 1817,
a preta Joannn de nagBo llcngucla, de 30 35 an-
nos pouco mais ou menos; he bem condecida por
usar de vender sapatos para senhora, frutas, bolos,
etc.; he alta, secca do corpo, edr fula, rosto com-
prido, ulhos fundos nariz um tanto afilado, denles
limados, beigos grossos ; tem no lado esquerdo do
rosto urna marca antiga provenienlc de urna den-
tada que Ihe deram ; hragos linos o compridos ps
seceos e tambem compridos, pernas cheiasde veas
e encarogadas; ho bstanlo ladina. Esta preta, por
ler muitos conhecimcnlos, julga-so estar acollada:
por isso, prolcsta-sc usar de todo o rigor da Ici con-
tra quem a tiverem sua casa e muito se recorn-
menda as autoridades policiacs, capiles do campe,
e mais pessoss do | ovo,quc a apprehendam e levcai-
na ao A!erro-da-Boa-Vista ,n. 17, fabrica de lico-
res, de Frederico Chaves, que prometi aos lti-
mos boa recompensa.
Fugio, no da 22 do prximo pausado do ev
geuho Campo-Alegre ,'frcguozia do S.-Antno o es-
cravo Antonio de nag.lo alto, secco falla um tan-
to embaragada ; tem urna belida no olho direito;
levou camisa e ceroulas do algodaozinho ; suppfle-
sc andar nesta praga : quem o pegar leve-o ao Ater-
ro-da-Boa-Vla n. 8, ou ao dito engenho, que ser
gratificado.
Fugio, no da 21 do prximo passado da villa
do Rio-Formoso, o cabra Agoslinho acaboclado
escuro, cabellos um tanto corridos baixo, chelo
do corpo, olhos pequeos e avormelhados fH
branda, sem barba, ou com muito pouca, do 25 a 30
annos: quem o pegar leve-o ao engenho Cuca ,
termo do Rio-Formoso, que ser generosamente
recompensado o nesta praga ao Snr. Manoel Gon
galvos da Silva na ra da Cadeia do Recife.
Fugio, no da primeiro de fevereiro, a prela
Benedicta crioula, de 40 annos pouco mais ou me-
nos, estatura rogular secca do corpo olhos aver-
molhados, rosto descarnado desdentada ; tem os
ps apapagaiados com urna cicatriz na cabeca e
algumas no pescogo, de escrfulas que leve : quem
a pegar leve-a ao sitio de Paulino Augusto da Sil'"
Freir na travessa quo vai do Arraial para a Casa-
Forte quesera pagodesei trabalho.
Fugio, noda 20 do corrento, do engonlio F.s-
trella no Rio-Formoso, um cubrinha de neme
Manoel, de 12 a 14 anuos os olhos vivos, beigos
virados ; tem a falla um* pouco descansada ; conita
mular pela Estancia, Passagem-da-Magdalena cl-:
quem o pegar leve-o ao escriplorio de Manoel *>n"
galvcc da Silva que ser recompensado. *
Auscntou-se, no dia 13 do fevereiro o escra-
vo Antonio, cabra, baixo, grosso, olhos um la"10
encovados e amanillados, testa c cantos largos;
ha pouco lempo levou um causlico dcbaixo do bra-
co esquerdo; ho muito conversador o toma bastan-
te rap ; foi boiieiro nesta cidade andava calgado
e inculcava-so forro; foi vendido nesta praga pelo Sr.
Itaymundo de Araujo Lima tendo j* sido escravo
do cirurgiilo Lourcngo do Castro e Silva, do Cear 'j
quem o pegar lovc-o a ra da Senzalla-Velha,
138, casa do Sr. B. Lassorro quo gratificar.
Ett.Si.
NA TY1>. DE M. F. DEFAMA. l%$


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAAP00HXW_VWYKCC INGEST_TIME 2013-04-13T02:17:54Z PACKAGE AA00011611_05426
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES