Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05423


This item is only available as the following downloads:


Full Text
p
r
fimo
. O .014RIO puMica-se todos o .lia que no
frcm |jflOf> rs.uot qmrtl, pagm aJ/anlmlnt. Os ati-
Duocios'dos 59iff""tes "slo iheriiti ranao'd'e
jorj. porlinhn, 10 rs. en typo d&renle; e as
rPp.|ire> p' motad. Os que n"o loron assg-
nn(es'pRw 80 rs. por linda, e 100 ein lypo
dillroiite, porcada puilioafj). .
PHASES DA LA.fUI7.l}E'FpVERERO.
I.ua nove, a l, 11 horas c 11 min. da larde.)
Creseente n II. liorus e 30 min. d tarde, j
tuacheiaal0. i fcnBe38 min. da maoliaa. (Primeir
PAUTDA DOS CORItEIOS.
'oi.iiina e Par.iliil.a s segundas eseitaj-feir
!iu '"aride-dn.JiortequintsTeirasa'onieio-rli
Cabo, Seiin'i'i-Mi, Uio-Pormoso, Poito-Calve
:_ Macai, no I., n | ( e Si de cada mez.
':ir.-i:iliuns e Bonito, a 8 e 55.
Boa-Vita c Flores, a 1 e J8.
Victoria, as quutas-feiras.
Olinda, todos os das.
PKEAHA3 DE HOJE,
l,uimi -------- "-------. |ri'inicira, ai in horas c 8 minutos da inanh&a
M.u*oauW a 28. s tt lloras e 2 ma. da m.uha. Segunda, s 10 lloras e 30 minutos da tarde.
IB1 !T- *Jf.'iVP^jiywyr-ii m mutm*-.imSi'SmJmmt*m*i*i+
de Feverero.
Armo XXV.
N. 46:
DAS DA SEMANA.
31 Segunda. S. Maximiano. Aud. do J. do*
orpn. cdo J.doc. da ? v. edo J. M. da 5 v.
!J Terra.S. Margarida de Corlonn. Aud. do J.
do civ. da I. t. e do J. de pardo Jdist. de I.
J Quarta. S. Laiaro. Aud. do J. do civ. da
2 v. e do_ J. de paz do 2 dist. de I.
4 yuinia. S. Pretxtate Aud. do J. de orpli.e
da J. municipal da I. r.
26 Seita, >X< S. Malinas Aud. do J. do cir. da
!. v., e do J. de par do I. dist. de t.
20 Sahlwdo. S. Cetario. A.->d. do J. do cir.
dil.v.edoJ de pas do I. i\H, de t.
27 Domingo. S. TorquatO.
CAMBIOS NO DA 24 DE FEVEREHIO.
Sobre Londres a 2T/,e27V2d. por IJ re\a 6" d.
i Paris 160 rs. por franco.
Lisboa 05 por 100 de premio.
Desc. de leltras de boas lirmis I a l|4 Vo <> m-
OuroOnrasl-espinliolaj.... 28j5on a ?/800
>, MoedasdeOlOOrelli. 1C?00 I6M0P
defisOO or.. laftlOO a K/lflC
d> tJOOO..... 9f '00 a OJir.O
ral* Patacos.'......... #<> a "l0
Pesos columnares... I*40 a IJ9.S0
Ditos mericauo ... l|460 a lj870
Hbufa............. 1*800 a l|920
Acjoes da comp. do MebaTiih. de S0/JO00 rs.aopa.
GOVEP.NO da provincia.
EXPEDIENTE DO DA 7 DO COMIENTE.
Officio. Ao director do monte-po, transuiitlindo a
conta dascorUribulecs arrecadadas durante o inca de
<..,.i;U iitmiio, com uuialcttra de 409/090 rdis, sacada
i V?or.v'cr,nt'7AlvM de Souza Carvalho sobre Bernardo
Jos Piulo. iC Particinou-se ao inspector da lliesou raiia
da faieiidj
DiiosrC Ao.inspector da tbesouraria das rendas pro.
.*""faes, ordenando faca entregar a Bento Jos Antitnrs
W'-ia a quanlia de 15.1/IGOreis, para indeinnisacao do
(?.c se ha despendido com o sustento dos presos pobres
da cadeia do Hio-Formoso; ca Porlirio da Silva Tavarrs
C'outinho a soinma de 18J000 res, para o aluguel da casa
que serve de quartel ao destacamento doPo-do-Alho.
vencido de20dejutbo iln annii lindo a'20 dejaneird
prximo passado. I'articipou-se ao chefe de policia.
Dito. Ao jnlz dedireilo do crlme da comarca do Rio-
Formoso, aecusando reerpefio de copias dassenleucas
porque foram despronunciados o professor de piin-i-
ras Intras daquella villa, Antonio dos Santos Vidal, ea
cmara municipal respectiva.
Dito. Ao mesmo, declarando que, nos termos do ar
tlgo30dalei de 3 de dezembro de I84l c do artigo 233 do
regulamento de 31 de Janeiro de 1842, deve de vigorar a
lista (feral dos jurados do anno passado, einqnantu sa
nao formularoutra.
DEM DO DA 8.
Officio. Ao director do curso jurdico de O inda,
scientifleando-o de haverS. M. o Imperador nomcado
continuo do collegio das artes a Manocl Nuncs de
Mello.
Dito. Ao chefe de polica, remetiendo cpia de utn
aviso da secretaria de estado dos negocios eatrangeiros,
recommendando que, depois de se ter entendido com o
Francez Brue Burle, e com o iriuao deste, informe se
ja houve noticia de quem fui o autor dos alternados
conimcUidos contra o mesmo Francez; ordenando que,
lio caso contrario, proceda a novas pesquizas, alimde
descobrlr o criminoso e faze-lo punir dcvidameule,- de-
terminando, emlim, que di1 conta de tildo presi-
dencia.
Portarla. Ordenando que se expeca titulo nomeando
a Jos Theodoro da Conceicao para o lugar de porteiro
interino do arsenal de guerra, rejeitadopor Filippe Jos1
de Souza.Commudicou-sc aodirictur do referido ar-
senal.
DEM DQ DA 9.
Ollirio. Ao presidente da rela$o, dando-sc por In-
teirado de haversido chamado, para tomar parte nojtil-
gemento de un processo, o juiz de dircito da comarca
de Santo-Aotao, Anselmo Francisco Peretti.
Dito. Ao inspector da thcsoufaria das rendas pro-
viuciacs, oraknando mande adiantar A adniinistracao
dos cslabeleciinentos de caridade o subsidio deste mez
o de marco prximo futuro. Participsu-sc adm-
nislrarao dos cslabeleciinentos de caridade.
Dito. Ao mesmo inspector, determinando o adan-
lamento de ris 2J00/0U0 ao administrador da obra do
Uieatro publico. Parlicipou-sc ao mencionado admi-
nistrador.
Dito. Ao mesmo inspector, ordenando fa^a pagar ao
carcereiro da cadeia desta cldade a quanlia do ruis
440/004 qne, durante o mez de Janeiro ultimo, se des-
pendeu com os presos pobres da mesma cadeia. Tam-
ben! se ordenen aocommissario-pagador indemnisasse
ocarecreiro de 76^520 ris. que. gastara com os presos
viudos de otilras provincias! e parlicipou-sc ao chefe de
policia.
Poriai a. Conccdcndo ao capitao Ignacio Correa d
Mello a demissfio que pedir do lugar de 4.supplente
dojuiz municipal e d'orphaos do termo do Pao do Alho.
:\omccu-se paia csse lugar aocidado Joo llaptista
Cabral; e parlicipou-sc ao presidente da relaco, ao juiz
de direilo c ao municipal do termo do Po-do-Alho, c
a respectiva municipalidade.
EXTERIOR.
A IRLANDA.
PARS, 9 DE DEZKMimO DE 1847.
A cmara dos commuus da Inglaterra discutio na ses-
tao do dia 7 o bil aprrsuutado pelo ministro do reino
para a repressao dos ci mes da Irlanda. Recordaremos
"lu que asprlnclpaes disposlcocs desse bil sao : pro-
lilbir a pnssc de armas em certos districtos, constiau-
ger os habitantes do lugar em que se fuer una mort a
auxiliar as autoridades na dcscoberta do ciimiuoso, c
obligar o distrlcto a pagar ns despezas octaslonadas ue-
lo augmento da fr9a armada ou da polica. O estado
clvagcui em que se acha a Irlanda exiga imperiosa-
ineuie urna le de protCOfao. Quando a jusilla popular
se exerce todos s'dias por ineio do assassinato, quando
lodos os dias novas victimas san oll'erecidas no altar des-
s sanguUo|en(a diviudade, poda cicr-s* quo una le
conio esta Seria volada unnimemente cm urna legisla-^
'ira elvilisada. bao acontecen, porm, asi lu: parece
"lie ha no parlamento inglezdciollo Irlandezes que ju-
i-irain conibatc-la por lodos os melos possivels. Todos
wbeiu que o regiment da cmara dos coinmuns da a
oina minora, por peqitena queseja, inultos lucios de
demorar por longo lempo a votacao de urna lei. Cada
un dos membros da cmara pode eteruisar una discus-
sao| apreseiitamlo mofoes reiteradas de adlaincnto." A
cada moco be oprguda a caniara'a Icvantar-se para
proceder divisio (I), o que leva lies quai tos de hora, e
assliu ie ada indeliuidainenle o enccrranieiito Ua dis-
CUuo. fyio artigo do rgimen lo he destinado a prote-
ger as !* :ras contra a Ivrannia possivel das maiorias ;
l'J Chama-se divisiio.ii votacao, porque quando aca-
mara tcm de volar sahciii da sala Iodos os nienibros pa-
ra saldes contiguos, onde se dividan ou'separaiu os que
''taiii pro dos que votain contra, voltaudo depois para
'"'nxo por portas opposlas. Ao cnlrarem na cmara
'aotontaaos uui por un por tilicrs ou verificador,
meados pelo presidente e escolnidos entre os inembius
de diflerentcs opluioes ^^a\T^i
N. da R.
mas o uso que dellc se faz pode degenerar em abuso, e
he o que acontecen oulro dia quando o Sr. Joo O' Con-
nell, c quinze dos seusamigos inipedirain por mcio de
divises reiteradas a segunda lcilura do bil de pro-
le^ao.
'I cuios as maiores .sympathias pela Irlanda ; manifes-
tamo-las militas vezes, mas vezes mesmo do que pare
ce convir aos nossos viiiuhos ingieres. Mas o que lie
ccrlo he que nao ha homens de bein que nao devam
considerar imperiosamente necessario que se ponha
termo carnicera que torna essa Ierra da Irlanda una
especie de nodoa encarnada no mappa do globo. Ora, a
conduela do .sr. John O' (.'onncH ilao pode ter oulro re-
sultado scno o de alienar para o seu pas, uo smente
as sympathias do povo inglez, mas lambein a de lodos
os povos civilisadbs. Quando era o oulro O' Connell, an-
da isso tino* lugar. Esso pelo menos punha ao servlco
da sua cansa faculdades poderosas ; servicos inmensos
Ihe davam quasi o direilo de ser faccioso, e poda inll-
tular-sc com justo orgulho, nao o representante desla
ou daquella cldade, mas ati o rrprrscnlanic da Irlan-
da, ntmber fer Ireland Mas o Sr. Joo O' Connell, oSr
Daniel O' Connell, o Sr. Mauricio O' Connell, o Sr. Mor-
gan O'tonnell. toda essa tribu de pequeos successn-
res de Alexandre, snbrcpostos uns aos outros, nSo chc-
gam aos calcanharcs desse grande vclho de quem se fa-
zem plagiarios, "lie como se meia duzia de I.illiputia-
nos quzessem marchar pelas pisadas que drixassem as
passadas de Gulllvcr I Nos que somos obligados a ler as
liradas desses grandes oradores, confessamns que nos
parece profundamente fastidioso para o publico e rid-
culo para elles o papel que representam em Concilialion-
hall e no pai lamento. De resto, na ultima discussao
houve sciso cutre osIrlandcr.es c amor parle deller,
comecando pelo Sr. Henriquc (i rallan, lilho de oulro tri-
buno Ilustre, que p.-oteslou contra a marcha seguida
pelos ii'mos O' Connell.
O que he verdade he que cumpre ter allbutrza para
procurar estorvar a aceito dajustca no meio do terror
que oppriinc actualpieulc todas as elasses da sociedade
na Irlanda. Quen'i ler. os Jornaes do pas, juigar-sc ha
transportado poca inais barbara da idade meda, em
que nao se andava seno de cota de malia, de espada
em punho c rodeado de amigos e de guardas. II.i das,
no enterro de un padre protestan te, assassinado un ves-
pera, assistiiaui todos os amigos da victima armados da
cabera aos ps, c escollados por soldados de policia.
Um dos'pareiitcs do morto, cuja existencia se sabia es-
tar tambem amracada, compareceu dentro de um qua-
drado de amigos, armados lodos de espingarda c pisto-
las. Odesgracado padre, a quem se fazia csse enterro
bellicoso, foi assassinado da maneira in.iisjcrucl. Volla-
va da igreja para sua casa, quando na estrada dous ho-
mens lizeram parar um cabriole!. Um seguioil Jcaval-
lo, c o oulro fez fogo sobre o ministro c fero-o. Vendo
que nao eslava morto, toinoii a carrrgar a espingarda c
acaliouile mata-lo. Entrcgou depois as redeas a um me-
nino que ia no cabriole!, e que era fllho do desventura-
do padre, in'iiiui socegadamente se foiembora como
seu cmplice.
As listas de pr0scrip9.no sao allividas nos campos e al-
deas ; ha familias inteiras condemnad&s morle. (Xer-
ror inmoii assento 110 lar domestico ; as mulherrs rece-
ben! carias uuonymas aiinunciaudo-lhes .1 morle prxi-
ma de seus maridos se exigirem suas rendas. Muilas ve-
zes aquelles que suecumbem a essa jusiica liorrvel sao
proprietaros generosos, humanos, cujo nico crlme he
ode possuirem tenas; porque cuiupre notar que em
muitos casos nao he a miseria iiem a fomc que faz com-
ini'tier esses crimes, he um iiislinclo de rcvolla cde vin-
ganca, O que he verdade he que a Irlanda est em esta-
do de guerra, de guerra social, de guerra servil: despe-
dacarau-sc todos os lafos da sociedade, a lei j uo he
all senio um lime vao. Os particulares sao obrigados
a fazeicui-sc justicaasi mesinos. Cta-scem um conda-
do um proprictaro milito rico e muito inllucntequc ar-
mn todos os seus criados c rendeiros, que organisou
palmillas, que manda montar guardas, .que se poz, em
urna palana, cm completo pe de guerra, Por poiico que-
isto continu, veremos renascer ua Irlanda a feudalda-
dc com os seus castellos, a lutada uionlanha c da plani-
cie, os saibores e os pedes, be, coino desfecho, a jac-
quera (2). ,
O guverno iuglc quer, como disscinos, abrigar a po-
pulaiio dos campos a auxiliar as autoridades na deseo-
berta dos assassinns, e que os dislriclos cm que freni
eoinmettidas as morios paguem as despezas das medidas
cxecpcouacs. Dcstes dous meios derepressao, ser pro-
vavcliiienic o segundo o inais elBcaz. Todos os que co-
nliecem a Irlanda teeni por Ilusoria a ideia de fazer do
povo dos campos auxiliares da jiislifa publica; porquan-
to a fci9.n0 que mas profundainenie distingue o povo
iilandcz do povo ingle/., he que ueste he In innato o
respeito lei como uaqucllc o odio insliuctivo. Que
acontecer, pos, se se exigir que os camponetes sirvain
de constables para acoinpaiiharcm a policia ua persegu-
cao dos assassinns ? Que ciu vez de encaminliarem bem
a polica Jarao ludo oquepoderem para Ihe fazer perder
a pista. Quem condece o genio ehocarreiro du Irlands.
puro, c a luexpiimivrl salislacao que sent quando pre-
ga um logro, pe' r j i- 1 : o prozer eao mesmo tcm-
po a apnaren;........, cum que esses Mo.cans le-
varo a policia a lodos u> lugares possiveis menos ajucl-
li'seinque se poderia encontrar alguma cottsa, Certo
dlaem que um lord chancella- da Irlanda quz armar e
por 11 campo essa milicia, um magistrado irlaudez que
conhecia linu os seus compatriotas, disse-lhc apenas:
i Oh. Mylord, nao vale a pen,1 ; liefousa leita. Ilstao to-
dos ua ra ; a dilrieuljade est cmVaz-los vollar para
casa. O mal profundo, quasi irremedavel do povo da
Irlanda he precisamente a iudillerciifa, ou lalvcisyiu-
patliia com qoe assiste exeCUcao do crinc. Todos le-
ram o terrivel juizo que sobre o.pnvo irlaudez cmitlio
o aruebispo protestante de liiibliu. Outro bspo, eliispo
catliolico, julgava-o laiubem nos seguintes termos, que
foram citados ha dias na cmara dos lords : a Se o povo
ina eousa: o da Joven Irlanda, o partido que zoinba dos
O'Connells edo sru charlatanismo; nas he o partido
inais fraco. K einquanto a Irlanda est a fogo e sangue,
emquanto nao resuscita, noseculodeeiiiio-nono, as de-
vassidocs sanguinarias da idade inedia, sainan os icilo-
res cm que se oceupom os seus representantes no parla-
mento? Lciaiii a sessao do da 7, everao o Sr. O'Connell
discorrrra perder de vista sobre a rcvngaco da unio I
Sim I graudcDeos.' esses philosophos divertein-seainda
a representar a comedia da rcvoga9ao! Ali! quando se
mnstrarao inais serios!
(Journal des Debis).
. {Do Jornal do Commercio).
Mensngciu Unidos ao coneresso respectivo.
:om'hu5iij DO N. 42.
1 poi
o deste piznau livessc cabido cui um estado de barba-
11 ria e de Seprayaco, se nao tivtssc csijuecdo cm seu
. vicios lodosos seus deveres cliristaos, cuino seria pos-
11 sivel que nesta Ierra dotada de tanta fe lllidu.de e tu
eheia de recursos, rhegassem as elasses pobres a sc-
. liielbante abysmo de miseria e de degradf.-lo A ter-
u est abandonada ao estado selragem, e aquelles que
u nella vivom eulregain-sc progui^a e conupSo.
Nesse paz nao ha seno uni.parlldo. que vallia algu-
...... ... ..... '------------------------------------------------
(2) Facfo que assolou a Franfa durante ocaptivejro
de el-rci Joo cm Inglaterra em 1308; compuuba-sc dos
camponezea rebelados contra os lidalgos.
N. do R.
Como os Mexicanos mostraran) tlesl'arto que no
oram capa/es de apreciar o nosso procodimento ge-
neroso o liberal, convm hojo adoplnr outro pro-
cesso nflcii(lo-llies os calamidades da guerra, co-
mo lie cosime entro as naces civilisadas, cm ana-
logas 'circu instancias
Em consequencia, assim que conte^aram as hosti-
lidades cm 22 de sclcmliro to 1816, u secretaria da
guerra ilclcnnlnou ao tnujor general Tuylor quu lo-
niassu suppt iiiicniis 11 pnra o nosso cxerciiono
territorio initnigo, sem pagu-Ios, quu impozesse
CDiiti-ibiiicOcs para sustentar as snas tropas a o quo,
so fosso bein succedido nesta tentativa, liouvesso de
empregareste mcio para supprir profusamente as
precisos da sua gente; todava deixra-sc aodito
general ampia liliordado para dirigir-se, como jul-
gasso conveniente, no ciimprimcnlo dessas inslruc-
r;0es, porque elle se achava melhor informado das
necessidades do exercilo, e du possibilitlado de cm-
pregar a medida cm toda a sua pleniluilc.
O general Tuylor rcs|ioinlcu de Monlercy, cm 26
de otitubro do 1846, que at entilo nilo 1 lie fon
possivel, o nimia nflo o era, sustentar o seu oxercilo
por meio do forzudos conlribulfOes, em dinheiro ou
vivires. Declarou que, vista daa rasos por ello
expendidas, nn podia adoptar a puliliea que 11)0
fOra proscripta cm les inslnicr;0es,"mas t|iie toda-
va eslava protnpto a p-ln cm pratica logo quo o
CMorcilo chogasso u um ponto do territorio, que o
podesse supprir ventajosamente Continnoii elle a
pagur os gneros quo lomara ao territorio iuiniigo
para inauler o seu exercilo.
Semcllrahtes instruccOos fram enviadas, cm 3 de
abril de 1817, ao major general Scolt, quo respon-
den de Jalapa, cm 20 de maio do mesmo anuo, que
abrigar o oxercilo a susteiitar-se por meio docontri-
buicOes forjadas, liradas ao initnigo, fura iirniinar
o exasperar os habitantes do Mxico, o suicidarle a
si pioprio, o, usando, como olizera o general Tayior,
da ampia liberdadc que Ihe duixaium as instriicgOes,
o general Scott, vista das rases por elle assigna-
das, conlinuou a pagar os gneros tomados ao ini-
migo para o supjjrimenlo das nossas tropas.
Depois que o nosso exercilo entrara no coraerto
das inais ricas provincias do Mcxico, suppo/.-so que
as citc'utnslancias quo at entilo havlam lomado im-
pralicavel o levantamentode contribul^Oes forcadns
para o sustento do nosso exercilo, deviam terdesap-
parecido, e em consequencia, nol." do setombro, e
inais para o diante, em 6 do oulubro do 18*7, a se-
crolaria da guerra chamou do novo a altcncio do
general Scolt sobro a necessidade de sobrera negar
o inimigo com o peso da guerra, obrigando-o a sus-
tentar o nosso oxercilo, o recommcndoii-lhe que 0-
brasse ueste sentido, a menos quo pela adoptlo de
scinelhante poltica os nossos soldados corressem o
risco do so vercm privados dos indispensaveis sup-
priraenlos. O go.veruo enviou copia desse despacho
ao general Tayior.
km 3 do murQo passado dei otdum aos nossos com-
mandantes, tanto do exercilo como du armada, para
iuiprem una conli iluin.-o militar sobre os navios
ti mercodorias, que cnlrassem nos porlos do Mxico,
oceupados pelas nossus forjas, c lambem exigiroill
Oulras conlribuiQes para o provimcnlo das despe-
zas da guerra. Em virtudo do dircito de conquista e
Icis da guerra, o conquistador, consultando a sua
soguranca ou conveniencia, podo prohibir que as 11a-
i,'es oslruhgenis commerciem nos porlos por elle
conquistados, ou permilti-lo sob corlas o determi-
nadas condiqOes. Antes quo os prncipaes portes do
Mxico fssoln bloqueados pelos nossos navios, os
rciiiliinunlos provenientesdosiinpostos sobre a itn-
pui laeao, csUbelecidos pelas leis do Mxico, cnlra-
varu para o thesouro desse paz. opois que nos a-
pussamos ilestes porlos, o bluqucio foi levantado, u
o commercio penniitidu sob cerUscondiges. Estes
porlos fOrain cnl.'ii) ubeilosao commercio do todas
as iiucus, iiiudianto o pagamento de direitos mais
moderados do que os unleriornicnto exigidos pelo
.Mxico, o esles ron d i m en los, em vez de entraren! pa-
ra o Uicsouro mexioaiio, passerain a ser arrecadados
pelos nossos olliciues, e applicados s despezas do
nosso exercilo earmada. Os objectos destinados aos
nossos oliciaos, soldados e marinheiros foram
isenlos desse imposto, e como elle recahisso ni-
ca metilo sobro as mercaderas consumidas pelos ci-
duil.ius mexicanos, upenas lirou urna parte dos rcu-
diinculos do Mxico para o provimcnlo-das nossas
uecessidades. O liut de semelhante medida foi obli-
gar o inimigo u contribuir, quanto fsse possivel,
para as despozas da guerra.
Dos 1 'datnos das secretarias da guerra e tnati-
uha, coiligiiois que a somma.das conlribuir.Oesur-
reeadadus, sb este titulo, orrou cm mais de 500,000
costa o interior as communicac-Oes indispensaveis
para habilitar os dones das mercailorias importadas
a transporta-las e vend-las aos habitantes do pai/.
Temos f que essa dllicultlade ser removida em
parlo pelos reforcos que j mandamos para o M-
xico.
Tomaram-so ltimamente as medidas necessarias
para queem lodosos logaros, militarmente oceupa-
dos por nos, os rcndimenlns externos e internos do
Mxico fssetii arrecadados cm proveito nosso, e ap-
plicados s precisOes do nosso exercilo c armada.
No meu entender, esls poltica, que consiste om
exigir do inimigo as contrihtiia'5cs do toda a espe-
cie, que possam ser arreradadas pelos commanilan-
tes das nossas frcas, e sejam ao nicsaio lempo com-
pativeis com o direilo das gentes, deve do ser ap-
plicado estricta mente, ej se dernm as ordens ne-
cessarias para este eneitn. Dcst'arlr, a'opDSsoqtte
o nosso thesouro ser alliviado de onerosos encar-
gos, o povo mexicano sentir o peso da guerra, o os
seus interesses o iuduzirilo mais promptumciile a
fazer com que os seus chefes aceitetn as nossas justas
propnsic,oes Depois do encerrament da ultima sessnodocon-
gresso, apresentaram-se na coulinuacno da guerra
certos acontec montos que, segundo a minha op-
niAo, exigen*mais tropas do que se hnvism previsto.
Em consequencia, o eil'ectlvo do nosso exercilo fui
augmentado pela aceilacfto dos oscorpos voluntarios, autorisados pelo decreto
de 3 de maio do 1846, sem interpretar os termos
desse acto, cujo verdadeiro sentido ha sido seria-
mente contestado. O numero dos voluntarios que
oa tomos no campo, junto ao daquelles que haviam
sido engajados, para servirn durante o espado do
12 mezes, o liveraiu baila depois tlesle lempo, cotn-
pletuva os 50,000 homens, votados por esta le. Te-
rium sido aceitas os serviros de um inaior humero
de voluntarios, se os termos da lei aulorisassem cla-
ramente a faze-lo; mus, como ap|vorerossem llovidas
sobro eslo ponto, os cngajumcnlos fram limitados
a osle numero.
Jalgo indispensavcl queo congresso, logo no prin-
cipio da sua sesslo, uutorise o engajamento do no-
vas tropas regulares para servirem durante a guer-
ra com o Mxico e lerein baixa assim que fr con-
cluido e nidificado o tratado do paz ; o chamo a
atteucuo do congresso sobre 9$ tCOpMtnf^tS apr-
sentelas norcllorio da secretaria da guerra, -
ccrca deste objecto.
Seria tambem necessario que urna le autorisasse
o governo a engajar, polo lempo que oxigisseni as
oceurrencias da guerra, o numero de voluntarios que
sejulgas.se.ii uocessai'os.
Vas operages da guerra com o Mxico, livemoso
maior cuidado cm evilurquc us nu(0es neutras t-
vessem justas causas do queixa da nossa parle, u
com clfeilo niioas houvcram, porque o seu coin-
mercio enconlrou garantas o liberal tralamento
nos porlos do inimigo, oceupados pelas nossas
frcas.
Cotillo quo as dilculdudcs com o governo bra.si-
Iciro, que por ulgum lempo ameaQarum urna inlcr-
rupftlo entre os dous paizes, serao cm brove remo-
vidas. Sau-informado que, dentro em pouco, 8.11.
I. nomcar um enviado extraordinario e ministro
plenipotenciario junio ao governo dosEstados-Uni'
dos, o so deve esperar que elle veuha munido das
instruccOos e podores necessarios para ajuslar to-
las as quesillos 1 oplenles cutio as duus naces, de
urna maneira aceitavcl e honrosa para as duas par-
tes. Eiilrelanto, toulio loda a rasilo para cror que
nada occorrer que intorrompa as nossas am'guvcis
i'elaciic-s com o Urusii.
Sempre llei procurado manter c cultivar as mais
intimas rclar;es doamizado com as nac<3es inde-
peinlcutes da America do Sul; o esta poltica gerou
os mais fclizcs resultados; todava a lixar;uo o o
pagamento das justas indemnidades, reclamadas
pelos nossos concilladnos aos governos desses po-
vos, Ii.lo sido mu demoradas. A siluaco peculiar
em quu cssas n.ices se acliavum enllocadas, o o de-
sojo, sempre manifestado pelos ineus preducessores
e por niini, do trata-Ios com indulgencia, fez#com quo
se nSo proseguase nossas roela macos com a solTre-
So exigida pela estricta justica ; mas, cmfim,
gnidii
cligou o lempo do lixar o liquidar cssas indemni-
dades, c ja so lomaran! medidas tendentes a esle
fina.
Compre informar-vos que, em cumprimontc do a-
juslo feto entre o governo do Per o o dos Ksludos-
Ijinlos, o cujas raciificaccs fram trocadas em Li-
ma, 0111 3L de oulubro de I8il, o governo daquella
repblica pagott lieltnonlo as duas primeiras presla-
cOes do 30,000 dollars cada innu, e grundo parto dos
juros Km agosto passad", procurador geral dos
Estados-Unidos complelou o inventario das rccla-
maces quo fram contempladas nesse ajuste, o fez
um relatorio a respeito, de conformdado com as
uisposic-Oes do decreto de 8 do agosto de 1846. A
su 111 ni a que locar a cada unidos reclamantes Ihe ser
paga no thesouro.
A actual siluaco dos nossos concidados na Chi-
na reclama os desvelos do congresso. Em virlude
dos nossos tratados com essa nacfio, os cidadilos
dos Kslados-Uni os nao estSo subjeilos jurisdc-
cao do governo chiuez, uein civil neni criminal-
mente, e sao julgados pelos nossos funecionarios
pblicos uaqucllc paiz. Esles sito os .nicos que p-
dem processar e punir *os nossos concidados quo
houverein coinmeilido algutn crime ; 53o os'uuicos
que pdem decidir as quesles suscitadas entre el-
les, e relativas aos direitos da pessoa o de proprie-
dade ; os nicos quo pdem obriga-los a cumprir
dollara. jos seus contratos, mesmo no caso desses contratos
Esta somma houvora sido indubitavaamente muito I lerein lugar com oscidadaos das oulras nagoes. Os
inaior, a no ser a didiculdade de cousorvar entre a I navios mercantis dos Estados-Unidos, ancorados as
MUTILADO
Hfltti



ngoas dos cinco nortos da China abortos ao com-
mercio estrangetro, silosubjeitos exclusiva juris-
dicgflo das nossas autoridades. Emquanto o congres-
so nlo 'stnbclccer um tribunal competente para
pmcesur o punir os criminosos, c excrcer a juris-
dicSo civil no territorio chinez, os cidadlos ame-
ricanos nito serlo subjeitosa loi alguma ; os cri-
mes scrilo commettidos impunemente, e os credores
nfie torno meio alguin para" obrigar os devedores a
satisfazorem os sous dbitos. Graves inconvenien-
tes hilo j resultado, em rasSo do congresso ainda
nfo tor legislado a este respeito, e recoia-sn que ap-
paregam oulros maiores. As autoridades britanni-
cas na China jaso queixaram da falta do provi-
dencias tomadas pelo nosso governo para puniros
crimes commettidos pelos nossos cicladnos nesse
paiz, o obriga-los a cumprirem os seus contratos,
no passo que o governo britannico estabeleceu tri-
bunaes, por meio dos quaes os cidados america-
nos pdem cobrar o que Ihes he dovido pelos subdi-
tos de S. M. II.
Costumndqs como estilo, os Chinezes jusliga
summaria, nlo pdem compri'hcnder quo so violo
os obrigacOes impostas pelos tratados, o quo o cri-
minoso fique impunido pelo nico Tacto do ser ci-
arpueiros [2] para se reunirem em dia corlo no lu-
gar prximo balea [3], e na vespera nomeiam um
individuod'entreellesfxinguilador], que tem acara
pintada de tacula !*] encarnada, e riscas brancas
de pemba (er), tendo por vestimenta pellas de on-
ga, e por cima dolas nina bata encarnada ; na mo
um machadinho, nacabega um muengue (divisa de
empacasseiro (5). Este individuo he collocado no
centro de todos, sentado om um pequeo banco, e
pela sua retaguarda est outro sentado no chSo, mu-
nido de duas pequeas cabacas que teem dentro di-
minuta porgilo de milho, as quaes servem de pan-
doiro, quando rompe o cntico, que consiste em
chamar o dolo quo todo o negro adora, (aoqual
dito o nome de Muta-Calombo) e depois de urna
porliada Icnga-lcnga, que faz o cantor, rosponde en-
tilo o xlnguilador s perguntas que Ihe drigem,
querendo fazer capacitar o povoque os cerca, que
he o dolo quem falla : ha mais outro individuo en-
viado polo Soba (6) das trras, a quom dflo o nome
de Quitme (cirurgiflo da trra), quo preside a toda
a assembla, e he este o individuo que falla ao dolo,
e Ihe diz quo todo o povo se acha reunido para que
Ihc mande darosc:tvallos quo estilo na haiga ; o de-
pois de oulros muitos ditos, bebom copos de ago'ar-
CONSULADO GERAL.
RENDMFNTO DO DU 25.
(eral ..........
Diversas provincias
2:900,395
77,8*7
2:978,242
CONSULADO PROVINCIAL.
........ l:tC7,802
RENDIMENTO DO DIA 25
Movimento do Porto,
dadflo dos Estados-Unidos, ao passoque um Chinez iilonte; respondendo o dolo entilo, que concede
que commctlessc algum crimo om prejuzo de algum I licenga pedida, para quo matem todos os cavallos
f 1(1 'I i! "i 11 -1 l^i.i- \ ii ii i. M.innl.i. mIh .. n .. I ........... I >. .. .- .... .~!__.___.^____1~ ~ ~ ft ~'. ~ .i .,____ -~~___' t _- !____
cidadfo amnricano receberia um castigo exemplar.
Se um ciilado americano commeltcsse um cri-
Hie flagranlo contra um Chinez, e nilo fosse imme-
diatamente punido como o tratado requer, dahi
poderiam resollar consequencias mili fataosaos nos-
sos concidados quo hahitam na China. Seinelhante
acontec monto perturbarla se nilo destruisso, as
nossas amiguveis relajos com esto imperio, o in-
torromperia as vanlajosas retaques commerciaes
quo mantcinns com ello.
Os nossos tratados com a sublimo porta, Trpoli,
Tunes, Marrocos o Maskalc, exigcm tanibom urna
mi'.lula legislativa do congresso para seren postas
om cxccugflo, ainda que a uocessidado de medidas
inimediatas niioscja tflo urgento nossos pazes como
na China.
A secretara do estado aprsenlo o ornamento
das despezas necessaras, para so encolarem relagOes
diplomticas com os estados da igreja ; e, no meu
entender, os importantes aconlccimentos polticos,
quehoje presoociamos nesses estados, assim como
os nossos inlercsses commerciaes loriiam esta me-
dida mui necessaria.
Apresentou-se-vos tainbcm o orgamenlo das des-
pesas o salarios dos nossos encarregados de nego-
cio junto s repblicas da Bolivia Quatemala e
Equador. O evidente interesso que temos em'culti-
var amigaveis relar/tes com os estados independen-
tes dcste Continente, me leva a recommendar-vos
as consignares iieccssai ias para se inaulcrem estas
commissOes.
Nilo posso doixar gualiiiento de recommondar ao
congresso que vote una consignagilo ilo fundos lia-
ra seren pagos ao governo hespanhol o por elle
distribuidos entre os reclamantes na questflo da
a amistado. Eslou convencido quo o tratado de 20
deontubrode 1795 nos obriga a fazer este paga-
mento a llespaiiha : c julgo tamhem, vista das re-
petidas reclamagoes que nos hilo sido feitas a osle
respeito, queeste'negocio, emquanto se nao liqui-
dar, sera urna fonlc perenne de irrtagflcs e dis-
cordia entro os dous paizes, o quo nilo deixa de sor
mu prejudicial aos intoiesscs dos Estados-Unidos.
A boa poltica, nilo monos que fiel cxecugiio das o-
brigagGes impostas pelos tratados, cxigo que se
vote a diminuta quantia quo nos he reclamada.
( Continuar-se-ha. )
VARIEDADES.
O Heraldo do Madrid, copia o seguinte do Obser-
vador Francs :
Existo agora cm Pars torrivol lula a que so po-
den;: dar o titulo do guerra das mulhoros. Esta lu-
la li'in lugar entre M Giisi e madama Montenegro.
Ambasqucrcmo lugar do prima donna no ttieatro
italiano o ambas silo bellas c possuem incoutesta-
vol talento, com a nica difTcrenga do quo urna re-
presenta o paitado en nutra o presente. Kis a ques-
illo : madama Montenegro, depois de lor alcancado
os maiorestriuniphos em Milflo, Vienna e oulros
primeiros thcatros, quiz juntar urna palma de ouro
s suas militas coras, islo he, um triufiplio em
Pars.
Puraconsegui-lo baslava fazer-se ouvr ; porm ,
fazer-se ouvir cm Caris, lio cousa das mais dlllceis,
porquantn cm parte alguma se pcm mais peas ao
talento. Nilo olistnilo, como mailama Montenegro
era efllcaxmontc apoiaila por diversasduquezascuma
princeza, foi-lhc fcil obter a insigne honra do dar
un a rcpresenlacffo da Norma na corle ; d'aqui gran-
de espanto no campo inimigu, islo he, em casa da
prima donna em exercicio. Tcvc ataques de norvos e
oulros milito.', males, o, gragas s molas que poz cm
inovimcnto.conseguio urna contra ordem qtiesubsli-
tuia a represenlagflo da Norma por um concert.
Porm esle termo medio nflo conlentou a nenliuma
das parles.
A Grisi jurga nada ganhar doixando cantar na
corte urna rival joven,bella e do reconhocido mrito,
e a Montenegro pede cm altos gritos Norma ou a
morie lio o triuinpho ncontestavel da Grisi, diz
ella, na Norma vencou a Jcnuy Liud e suppc-se
inviilncravel; quero pela minha vez cqmbatcr com
armas iguaes.
O director do thcatro permanece neutral nesta
contenda ; cruza os bracos, c observa de quo lado
sopra o vento. So a Montenegro obtem um trium-
pho na corte, segunto a aguarda no theatro italiano.
So pelo contrario a Grisi pOe-Uie embaracos, ludo
tica uoiralu quo. Veremos qual das duas canta vic-
toria.
Accresceuta o Heraldo que a celebre Despatillla
( a Montenegro) protegida por S. M. a infanta D.
Luiza Fernanda e seu augusto esposo o duque de
Montpcnsier, tem fundadas esperances de cantar
por fin toda Norma no pago.
[Trad )
[ O Correio da larde. ]
que cstivorcm na balga, fingindo em seguida rctirar-
so, edilo a assembla por acabada, ficando lodos
satisfoitos pelo hom presagio que Ihe anuunciou o
seu dolo, tendo todos olios estes embustes por ver-
dades, e sem os quaes nada fazem.
Principio da cagada. .
No dia seguidle ludo est munido do arpfles, fi-
cando mis e tendo apenas um pequeo farrapo em
roda da cintura que deixam cahr; formam-so
maneira de tropa na hcira do lugar da haiga; all
convocam de novo o dolo como na vespera, pe-
dindo-lho quo os ajude na batalha, o que os de-
fenda do perigo a quo vilo cxpdr-so, e depois da
resposta quo Ihes da, avangam com cnthusiasmo o
frmam um circulo no lugar onde so acham os ca-
vallos collocando nos (leos ompacasseiros com es-
pingardas ; e, avangandn os dearpOes pelo centro
para o local onde se acham os cavallos, principian!
a fisgar o capim que pisam al sentir o movimento
dos cavallos, quo, com a picada da ferro, so movem
para algum lado ; porm sem pro dcbaixo da haiga
que cobre porgilo doagoa, e que nlo excede a 15
palmos: o movimento queocavallo fazheconhe-
ci lo polo mecher do capim, e entilo todos correm
aquello lugar para lisga-lo; e o primeiro que tem
essa destreza he o dono da caga gritando a ai-
unos companhoiros que o ajudem, o com oste auxi-
lio fisgam ocavallo, licando-lhes na mlo um fiador
ou cabo que prende ao ferro, o qual tem o com-
primento do sete a oito bragas e urna pollegada de
grossura, e he nesta occasiiio quo cada individuo
puxa para seu lado colhondo os cabos, afim de se-
guraren! ocavallo, que com a dOr do fon monto pro-
cura escapar-se, acontecendo algumas vezes arras-
lar as pessoas que o seguram, rompendo entilo a
balgacom esteestrebuxar, ficando ao do cima, dan-
do bramidos horrorosos, e procurando com a e-
norme bocea destruir quanto se Iho aprsente. .Nos-
Navios entrados no dia 25.
Rlo-Grande-do-Sul; 22 das, barca frauceta Quatingui-
6a, de 231 toneladas, capilao Joao Biisll, equipagem
II, carga lastro e couros salgados; a Lenoir Puget te
Companhia.
Terra-Nova ; 36 dial, brigue Inglez Proleni, de 240 tone-
ladas, capltao Jolin Laird, equipagem 14, carga 2.645
barricas de bacalho ; a Jame Crablree fcCompanhia.
Mar-Pacifico, tendo ahido de New-lledford ha 29 nie-
zes, galera americana Abraham-H.-Howfoni, de 414 to-
neladas, capitSo Washington T. Warker, equipagem
32, carga azeite de peixe ; ao capitao.
Rio-de-Janairo e Baha ; 14 dial, paquete inglez Sia-
ful. coimnandante o teneote Lula. Segnia para
almouth, porm arribou aqu para refazer-ie de
man ti toen tas.
Macelo ; 3 dial, tramporte braiileiro Carioca, coimnan-
dante o capitao teoente Fillppe Joi Ferreira. Vem
em coimnissao.
Cainaragibe; 2dial, hiate braiileiro Novo-Dislino, de 21
tonelada!, capilao Kitevao Ribeiro, equipagem 4,
carga asiucar; a Jos Manoel Martim.
Navios sahidos no mtsme dia.
Canal ; brigue inglez Alary-Houniell, capitao J. Backer,
carga asiucar.
New-ledford ; galera americana j<6raaai-lf.-tfou>laii<,
capitao Waihlngton T. Warker, carga a meima que
trouze.
Kalinoutb ; paquete inglez Stagull, coimnandante o te-
ncute Lui.
Declara^oes.
Pela administragflo do correio geral se faz pu-
blica, para conhecmento do quem convier, a circu-
lar da directora geral dos correios, abaixo trans-
cripta :
Circular n. 3. Em consequencia das ordeus
communicadas a esta directora por aviso da secre-
taria d'estado dos negocios do imperio de 29 do pas-
sado, e em resultado do ajustes feitos como governo
de Sua Magestade Rritannica, determino a V. S.
que d as precisas ordens para que tanto nessa ad-
ministrag.lo, como as agencias martimas quo Ihc
silo subordinadas, sejam entregues os jornaes o ga-
Avfsos martimos.
Para o Porto sahe no dia 5 de margo imprein. I
rivclmente, a bem cenliecula barca portUguM, |
Bella-Pernambveana capito Manoel Francisco No.
geira : para passagoiros somonte trata-so com01
capitlo, na praga do Commercio.
Para a Babia sahe, no da 28 do corrente, 0 p,.
tacho S.-Crut : para o resto da carga e passageiros
trata-se ao lado do Corpo-Santo, loja da massames |
n. 28. .,
--Pal Lisboa partir, com a maior brevulailep0}. |
sivel onrigue portuguez Tarvio-Primeiro, forrada I
eencavilhadodecobre.ede boa m.roia, porter
a malor parte de seu carregamento prompta : par, |
o restante e passageiros, para o que offereco exce|. |
lentes asseiados com modos o tratatamento, trit. I
se com o consignatario, Firmino /. F. da Rosa, ni |
ra do Trapiche n. **, ou com o capilHo Manoel |
deOlivoira Foneco.
Para o Cear em escala pelo Aracaty tem de [
seguir breve o hiale Nooo-Olinda, sendo que pan I
este ultimo porto, s se tratar a receber carga, d. !
pois de para all ter sabido, ou ficar prompto de cn
fea o barco que se acha proposto; os prelondentei
seentenderflocom o mestre Antonio Jos Vianna,,
no Trapiche-Novo, ou na ra da C.adela-Velha, n. n,
segundo andar.
Para o Rio-Grande-do-Sul pretonde sahir, o
mais breve possivel, o brigue Juno, por ter parle I
de seu carregamenlo : qaem no mesmo quizercir-
regar ir de passagem ou embarejr cscravos, di-
Amo-
muito ve;
he capiun
er etrn-
lenles
rija-so a ra da Cadeia, n.5, a
rim lmulos.
Para Lisboa sahe com brevidad
leira barca portugueza Ligeira de q ^
Antonio Joaquim Rodrigues: quem q
gar, ou ir de passagem, para o que '
commodos dirja-se ao mesmo capitilo ni^^J,
do Commercio ou aos seus consignatarios, 'fi\.
cisco Severianno Rabello & Filho.
-- Os Srs. carrogadores da barca Bella-Pernamhx-
cana queiram mandar os seus conhecimentos i
m do consignatario, na ruada Cruz a. 3!, Ur-
ce i ro andar.
Leilao.
Jamos Crabtroe & Companhia farilo lelilo, por
intervengo do corretor Oliveira, de grande sort-
ment de fazendas inglezas todas proprias do mer-
cado : terga-feira, 29 do corrente s 10 boras dt
manhSa no seu armaiem da ra da Cruz.
zetas biitannicas, a contar do I "do corrente mez,
te estado ha negros atrevidos que Ihe saltamom ci- sem exigencia do porte algum, qur sejam viudas
ma, e com nm ferro do dous gumos, maneira das directamente dos portosdaquelle paiz, qur de ou-
> tros, urna voz que sejam br.tannicas; visto nSo pa-
antigas partazanas, Ihe cravam umitas vezes na
nuca, e oulros pela frente Ihe tiram os olhos e os
acah,mi de matar.
Acontece as vezes, quando o cavado he fisgado, rom-
per para trra, levando arpdes e ludo quanto Ihc appa-
reee, e he nesta occasiao que te empregatn os etnpca*-
leiros de espingardas collocadoi nai bordas da balea,
que com tiros a inatain ; mas quasl impre corre perigo
quando o cavallo rompe, porque procura uiua creatura
para destruir.
Felizmente nesta cacada nao houve estes desastres
(apc/.ar de haver cavallos que depoii de mui feridoi
rompern) para trra), porque pelo inmenso povo que
os cercava crain morios, cscapando-se apenas um, que
tevou onze arpdes e oito balas, o qual fuglndo procurou
0 rio, e mcrgitlhou.
NcstA cacada malarain-se cinco cavallos e um pelie-
iiiulher, tendo por fin o desgosto de vr ferido leve-
mente com um tiro de bala na perna, prximo aojoe-
1 lio, um cabo da companhia de linha dcste presidio, que
me acompanhava. Este feriuiento foi devido ao acaso :
na occasiao do tumulto que Itouve, quando um dos ca-
vallos saltou para trra e se Ihc l'a/.ia fogo, uina bala
perdida nos fez sentir aqurlle acornedme uto.
O sustento do cavallo uiarinho he capim, mi I lm e fei-
jao verde, e faz grande estrago nrstas lavrai; passa as
noiles no pasto c os dias no lugar que eicolhe para leu
repouso, onde faz criaco. sendo este lugar o dai bal-
eas, como est referido ; ao anoitecer atraveisa o rio. e
he perigosa a nuvcgavao de candas a esta hora pelo lu-
garel das beiradas onde mais frequentam.
O mcrgullio que razein nao he longo, e de espato a es-
pa{o veeiu ao de cima da agoa respirar, enoandain
continuamente no fundo como alguem .-illirma.
O lugar onde ha cavallo com cria he perigoso, c nin-
;;ni in se atreve a navegar prximo delle, porque acon-
tece vcsilr a cauda, c destruir as pessoas, como ha
pouco teve lugar.
He quanto vi, o que relato nesta pequea e simples
descripeu. (.ominando do presidio de Muxima, 1." de
novembro de 1847.Jos Joaquim Borralho, teuente coin-
inandante.
(tolelim de Angola.)
garem os jofnaes brasleiros porta algum alli. Por-
lanto recommendo a V. S. a oxacta observancia dos-
la ordem, para que assim baja rigorosa reciprocida-
de : fazendo publica esta dccisilo pelos jornaes mais
lidosdessa provincia.
Dos guarde a V. S. Directora geral dos correi-
os, 3 de fevereirode 1848. Scnhor Bruno Antonio
do Serpa Hrandlo, administrador do correio de l'er-
nambuco. Gabriel Gelulio Monteiro de Mendonen.
A administragflo geral dos estabelecimentos do
caridado manda fazer publico, que no dia 28 do
corrente pelas 4 horas da tarde, na sala das suas ses-
sfles, ir a praga, pelo lempo que decorrerdo dia da
arreniatagSo 30 de junho de 1851, a renda das casas
n. 3 da na da Roda, o 33 da ra do Hortas, sendo a-
quella terroa, eesta de hum andar e sotilo, ambas
rocentemento reedificadas.
AdmnistragSo geral dos estabelecimentos do ca-
ridado, 21 de fevereiro de 1848.
O cscripturario,
Francisco Antonio Cavalcante Cousseiro.
cohmmao.
AJandefja.
RENDIMENTO DO DIA 25............0:439,178
Descarregam hoje, 26 de fevereiro.
Barca Thomat-MeUnri car vilo.
Barca < Brigue Proltns -- bacallio.
Succinta descripedo de urna das cacadas annuaes dos
cavallos marinhos no l'.uanza [1] pelos pretos da ju-
risdiccao de Muxima, feita em 25 de outubro prximo
passado em presenca do ct-mmundante do presidio.
Preparativo paty a cagada.
So avisados om toda a jurisdiego do presidio os
(2) Arpueiros sao pretos munidos de fisgas do fer-
ro maneira dos usados na pesca da baleia, pren-
dando ao forro um cabo ou corda quo lie feita de
(los de licondo, sendo enrolada hasle de um pao
que tem ocumprimentode 15 a 16 palmos; nesto dia
ta cagada usam na cabega do um barrete afunilado,
feito de (ios de liconde enlrangado, linio em sau-
gue de cavallo a peixe-mulher; tendo cosidos al-
guna liuzios lirancos, o no citno um pennacho de
peonas de difTerentes aves.
(3) Italga heum lugar onde ha capim criado pela
naturc/a, enlrangado de tal maneira por cima da a-
goa, quo se anda por ello som perigo, sendo este
lugar pantanoso, com pouca quanlidade de agoa :
silo estes lugares que o cavallo marinho escolhe pa-
ra dormir durante o dia, e onde faz enaguo.
(4) Madoira da Ierra.
(5) Soldado do matto, quo traz na cabega urna ro-
fdella de couro com cabello : os cabellos licam tesos;
Publicares Litterarias.
NOVO DICCIONARIO DA LINGOA NACIONAL.
Em setemhroe ontubro do auno prximo passa-
do, annuiiciinos ao publico, que se a laucar ao
prlo um novo diccionario da lingoa nacional que
levo por base a ultima edieflo do diccionario do
muito digno litterato o Sr. Moracs, publicado cm
Lisboa no anno de 1844. Declaramos entilo quo se-
guimos em ludo o syslema daquellc eximio loxico-
grapho, porque sua auloridade, j por si so bs-
tanle respeilavel, accrescia a edigo sobre que fun-
damos nosso Irabalho, a dos Ilustres Fr. Francisco
deS. Luiz, Souza Monteiro o padre Castro. Obser-
vamos anda por aquella occasilo, que pequono
seria o resultado da existencia de urna obra tilo
til como a de quo se trata, se o seu prego nilo
fosse tal, quo habilitasse a lodos a poderem obl-
la. Glorimo-nos por ler conseguido a resolugo
tiesto problema, por isso que o i retm por assigna-
lura seria o de 20,000 rs., pagos um duas presta-
goeti Hoje raclificamos aquellos annuncios, accres-
centando que brevemente se achara prompta a 1.*
parle daquella, em que dividimos o nosso trabalho;
continuando a receber subscripges porcada una
dellas, a rasiode 1,000 rs., pagos adiauladamenle.
Subscrcvc-se na ra Formosa, u. 9.
(l) Cuanza he um dos ros principaos da frica Oc- para fra.
cidental. J (6) Regente de um dbltricto.
O primeiro volume do Cerco do Porto nos an-
uos de 1832o 1833 com urna descripguo historien
desde o principio da monarchia e entrada dos Fran-
cezos em Portugal, nos anuos de 1808 e 1809, obra
inlercssantissima e j annunciada ueste Diario ,
pelo prego de 3,000 rs na ra da Cruz, n. 1, se-
gundo andar. Na mosuia casa acham-so a venda :
KecordacOes histricas de Portugal do anno de 1842,
pelo principe Licknousky, traduzida do allemlo,
segunda edigo correla e augmentada, um vo-
lume de 220 paginas por 1,000 rs. ; o Musen l'it-
loreseo al o n. 21; Organon de llahiiumann ou ex-
posiges das doulrinas liomooopathicas e olas ao
mesmo dous folhetos ; Noticias elementaros da
liomceopathia ou manual dofazendeiro do capi-
lao de navio e dopai de familia, um folboto.
Avisos diversos.
0. p. -%.
0 primeiro secretario avisa aos Srs. socios om ge-1
ral para sua reunio, hoje, 26 do corronlo, as 6 e i/i
horas da tarde.
O LIDADOR N. 261.
I'or ser constante e conhocda de todos a palili-
cago tiesta folha deixou ella de ser annunciada;
mas este numero, que est muito importante pelas
noticias de que so oceupou recommendamos a sua
ieitura
O abaixo assignado faz scente ao rospeitavel ]
publico, que mngiiem contrate negocio sobre a ven-
da do sitio da Boa-Vtagem com Francisco do Pau-
la Albuquerque Maranhfo filho do mesmo abaixo
assignado, e juntamente suas duas ontiadas, at ser
decidido por um lbello e para que sejyio chamen |
a ignorancia, faz o presento anuuncio.
Francisco Jos dos Praseres Camboim.
Fazem-sejanlaros para fra com asseio, o por I
prego com modo a vontade dos prelendentcs : tam-l
hem so fazem doces de todas as qualidades ; pastis I
de nata podios, tortas, bandejas com doces di I
ovos ou soceos o bolinhos; presuntos de fiambre;
paslolOes de todas as qualidades, e ludo o mais ten-
dente a quizados cassados: tambem se fazom fies I
de canudo para o entrudo pratos de cremo que-
mado, etc.: no nrimoiro andar do sobrado da -I
quina do boceo da Pol, quo volta para a ra diil
Cruzes.
0 Sr. alferes Antonio Cencrozo da|Silva tem una I
cartana ra do Crespo, n. 19, loja de Cansino*]
Maya. '
Quem quizer do 500 a 1,000 caadas de mel d
furo novo, a 240 rs. indo so entregar a casa o-
comprador, dirija-so a venda do Leilo-dc-Ouro, MJ
Hospicio, ao p do quarlcl, ou annunco. 1
Do dia 14 at o dia 18 do correle moz de WH
reiro furtaram do dentro de um bah, na ra Di-1
rela n. 119, urna cdula verdo de 200,000 rs.. *l
porvciitura for vista om mlo do pessoa suspcila.Ml
diligencia de a trocar, muito favor faio se islono-T
liciarem na sobredta casa se ondo gratificar.
A VOZ DO BRASIL N. 17
esl a venda nos lugares do costume. ,
Manoel Francisco faz vorao respeilavel publico,!
que, por haver outrodo igual nome, de lioj eB|
dianto se assignar Manoel Francisco da Silva
cais.
IRMANDADE DO SS. SACRAMENTO DE S. JOS".
Nflo se tendo rennido, por diversas vezes, nurs
to legal de irmflos para a formago da mesa ojs
novamente convida o roga a lodosos irmiios paral
reunirem em mesa geral, no consistorio da >Snf
doN. S. do Tcrgo, domingo, 27 do coi rente, I1'1'1,
10 horas da mantilla alim de so proceder a cleiCao|
dos mesarios quo teem de servir esu auiio e I
iar-se de diversos assumptos do graude utilidadepa-l
ra a mesma irmandade.
Existo una pessoa que tem livres as tardes, I
que pode empregar-so em qualquer servigo, depn|
das 2 horas atanoite: quem de seu prestimo sel
quizer ulilsaraununce.
Perdeu-se, da ra estreita do Rozario at i nn|
de Apollo, um vale da quantia de 160,000 rs., P""
sadopeloSr. Frederco Chaves: e como o mesi"0
vine-se ao publico para que Iransacclo a.1
com o dito vale, pois valor algum tem.
in:
do'i
Sr. ja pagou o saldo da importancia do mesmo, P/H
vine-se ao publico narn mi inuuaio ,1 minia W |
Arremata-so por venda 7 no dia 29 d corroo-'
te, na porta do Sr. doutor juiz do civel, no ra For-
mosa um sobrado mci'agoa em 3 andares sito "'l
ra do Encantamento.
Roga-se a pessoa que souber onde existe'
crioulo Manoel Gabiso sapatero, de dar parle nes-
ta typographia, ou na ra de Hortas, n. 62, qu #\
ser gratificado.


Attenco !
Ol QUE BELLO RETIRO !
Jos tos Santos Torros, proprietario Jo bom co-
nhecitlo hotel ambulante, Oh que bello retiro
lem a honra de participar ao rospeitavel publico,
quo acaba de erigir um elegante e espacoso Sioskt,
eni o lugar da Estancia, onde os freguozes encontra-
rlo toda aqualidado de bebidas espirituosas e re-
frescos ; hem como champanba-comta, montebolloj
clmlcau-margo, atle, porter, verdadeiro marrasqui-
inodezara, limonadas gazozase sorvetes de todas
ai fructas da estadio. Haver tamben otim igual
profusiio; saa~.c, hsibre, rosbiffe. peras, gi;
nhas, peixe frito e de escabexo, nifio de vacca, o i-
padas, pastelOes, tortas e pudins, e todas as diversas
I guaras quo coiistiluem a boa mesa, o o deleite do
\gourmand. As pesadas que o honraron!, alm doas-
seio e proniptidflo do sorvigo, encontrarSo milito a-
colhimenlo e commodos probos. O annuncianto es-
. CURSO DE RHETQRICA E POTICA.
JosSoaresiFAzevedo lem aberlo em sua casa, ra do
Rangel, n. 59, segundo andar, um curso completo de
MIETORKU e potica. As peisoas que desejarem es-
tudar estas disciplinas pdem dirigirse Sindicada resi-
dencia, a qualquer hora.
- Aluga-se o segundo andar do sobrado defronte
da botica da ra do Rangel : a tratar na ra do Ca-
bug, lojademiudezas, de Joaquim Jos da Costa
Fajozes.
Joffo Hara de Souza e Almeida retira-se para
Torada provincia, com sua filha menor e um cs-
-- Um homem j de idade tendo um filho cm sua
companhia, se offereco para caixolro de engenho ,
ou outra qualquer oecupac3o desta ordem tanlo
dentro como fra da praga mosmo para ensinar a
ere eserever: quem de seu prestimo se quizer uti-
"isar annuncie sua morada.
pera, como sonipre,-encontrar toda proteccilo e am-' As pessoas que querem comprar os seguintes
[paro da numerosa classo de sous amigos o fre-
euezes.
Antonio J03 Alvos rctira-se para fra do im-
I p*ri-
j Quem annunciou no Diario de 24 do correte,
ter urna casa envidracada para hypothecar, ou para
vender, dirija-se a esta lyp'ographia, ou annuncie
I sua morada.
Nova fabrica de chapeos.
J. J. de Carias Forreiract C. fazem scientc ao res-
peitavel publico quo acabam Ge estahelecor no A-
terro-da-Ba-Visla, defronte da calunga, urna fabri-
ca de chapeos, aondo os freguozes os achario sem-
precom abundancia, de todas as qualidades, assim
como se fariio todos os concci los tendentes ao mes-
mo ollicio, o por menos que cm outra qualquor
parle.
Hypolbeca-se una casa do podra o cal loda en-
vidracada, pula quantia de 400,000 rs., e tamben
so vendo por 600,000 rs. : quem precisar annuucio.
Engenho.
Traspnssam-se ss oito safras de arrendnmcnto do
novo engenho Agoas-Ciaras, situado entro os ongo-
I nhos Uruc e Halmujuda : elle dista dez Icgoas des-
la praga, o tres da villa deSanto-Antflo, lie escollen'
ted'agoa, copeiro, a sua producefio be prodigiosa,
I vem-se all canoas de sris folhas, quasi lo boas
como as da planta, lem boas maltas, com ptimas
I madeiras de conslrucgo, etc. : quem o pretender
dirija-so a Boa-Vista, na Soledade, sitio da Cscala, a
, tratar com o Burgos.
Dentista.
D. W. Baynnn, cirurgiio dentista, rccenlemento
I chegado dos Estados-Unidos lo norte a este porto
de Pcrnambuco, avisa aos seus amigos cao respei-
tavel publico, quo so acha prompto o exercendo as
funcgOcs da sua arte, em operages dentacs as mais
ilillirullosas, conformo a modu mais moderna da ar-
le, e com destreza e facilidado un chumbar, limpar
|e lirar tientes por mais diflicultoso que soja: quem
j precisar do seu prestimo o so quizer ulilisar, diri-
| ja-so a ra da Cruz, n. 40, segundo andar.
--Na ra da Cruz, n. 1*, veslem-so anjos, por mo-
Idico prego ; lambem se ensinam meninas, a Icr, es-
erever, contar, coser e bordar, o recebem-se pen-
[sionutaa? ludo por menos prego do que em outra
qiiiiurn triarle.
ttoa-soao Sr. Salvador Corroa de S que quei-
raannunciar sua morada-, para negocio do seu in-
teresse.
BARCA DE RANIIOS.
Precisa-so de um caixeiro, quo seja porluguoz ,
de 15 a 20 anuos : quom cstiver nestas circumstan-
cias dirija-se a barca do banhos.
Aluga-so um bom armazem para carno socca ,
narua da l'raia, n. 43, com commodos para fami-
lia :alratar no mesmo armazem.
livros dirijam-sea ra de S-Francisco, outr'ora
Mundo-Novo n. 66 : Geogrphia do Vellez; Histo-
ria ntlga ogrega ; Atlas do differentcs qualidades;
Tito Livio ; Horacio ; Historia sagrada.
O abaiso asaignado avisa, em lempo quo o Sr.
Jos Fernandes Pcrcira no pude vender a padaria
de que outr'ora foi socio o abaixo assignado sem
Itio satlsfazcrprimciro a quantia de que o mosmo 1 lie
he devedor provoniento da parte que o abaixo as-
signado tinha em dita padaria a elle cedida con-
forme a clareza que o mosmo Fernandes ao abaixo
assignado passou i o para que ningucm so chame a
ignorancia, faz o presente annuucio.
Victorino da Rocha l'into.
Domingos Paulo rotira-se para fra da pro-
vincia.
O doulorem medicina Manocl Adria-
no da Silva Ponles contina a residir
na ra larga do Rozario, n. 30, se-
gundo andar, onde pode ser procura-
do a qualquer hora ; tambom trata
bomceopathicamente queiles quo se
quizerom subjeitar este melhodo
curativo, e receitar gratuitamente
das 6 as 8 horas da manhfla, e das 3
as 5 da tarde, aos pobres, quo tam-
ben terilo os remedios gratis forno-
cidos pelo boticario.

CHAPEOS DE SOL|g
Ba do I'asseio-Publico, n. 5.
Joilo Loubot participa ao rospeitavel publico, que
receben, por estes ultimosnavios francozes, um com-
pleto sortimento de chapeos deso, de seda, amis
rica c superior qualidade; furla-cres e nutras mul-
tas conhecidas. lano para bomens, como para Sras
fe meninos. No mesmo eslahelecimento ha um sorti-
mento de chapeos do sol do paninho, dos mais mo-
dernos; ditos muito grandes, proprios para bomens
decampo: tamben lem chapos de sol do paninho
para meninos o meninas, por sercm muito linos: po-
ilem-se chamar chapeos de economa. Na mesma loja
lia sortimento do bengalas, bengaliulias o chicotes
muito modernos; cobre-se qualquer armagilo de cha-
peos de sol, com sedas de todas as cores e qualida-
des. Na mesma casa ha um grande sortimento de
paniiinlios trangados o lisos, imitando seda, para
cobrr os mesmos: desta fazenda se vendo arelalho.
Conccrla-se todo qualquor chapeo do sol, por liavcr
um completo sortimento do todos os pertences para
os mesmos, com loda a perfeicilo o brevidade.
- Existe parase arrendar urna
muilo boa loja, no inelhor lugar
da ra do Qeimado, para qual-
quer estabelecimenlo cmnier-
ciul: d se seguranca do arren-
damenlo por empo sufficient.
Ospreetidenles dirijamse a mes-
ma ra, n. 2.
Na ra da Alegra, n. 11, precisa-so de urna a-
ma, forra ou captiva, para o servigo do una casa
de familia.
I'erdeu-se, no dia Hdocorrcnte, um cdula de
50,000 rs., do escriplorio do James Crabtree & C.
at r noria da alfandega : quem a achou o a quizer
restij-, dirija-se a travessa da Madrc-de-Deos,
sobraso n. 1, quo ser hem gratificado.
Aluga-sea casa novado beccoda Campia na
Bot-Viala, derronte do agouguo mui piopria para
venda : a tratar na na do Vigario n. 13, terceiro
. andar.
*K Aluga-so am segundo andar, na ra da Senzal-
la-Nova com commodos para familia por preco.
muilo mdico: na praga da Independencia, li-
vraria ns.6e8.
uusappareceu, nodia 23 do crrante, da ponte
pequenada Passagem-da-Magdalena, um eavallo
pedrez com ps pequeos e mitos grandes cauda
aparada,tirado do corlo para cima, e a dina lambem
aparada. Iloga-se.a quem o pegar que o leve ao
dilo lugar, silio que fui do Sr. Jos Joaquim Bozcr-
ra Cavalcanti.
-Jos Dernardino da Cunta Osorio, subdito por-
luguez, retira-se para fra do imperio a Ifatar de
sua siitiiie.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra
Diroita, n. 20 com bons commodos para familia,
por prego mdico : a tratar na mesma ra, sobrado
da esquina do beceo do Serigado, n. 93, primeiro
andar das 6 s 9 horas da mandila e das duas as 4
da tarde.
= Os Si. Joaquim da Silva Pereda, Justiniano Anto-
nio da Fouscca, U. Marta Ronerl e viuva beiro Giiiinarcs que (ccui sitios na Magdalena, c que
as extremas deitam para a travessa que faz serventia pa-
ra outros sitios, liajum de ter a bondade de nianilar es-
panar suas cercas e Itmpar as testadas das mesmas,
alini de facilitarem, c nao Itnpedlrcmo transito dos mo-
radores que se servem dessa iraveSsa, visto nto tercio
outra serventa, a qual, alm de ser bastante estreita,
tic niuilu iuconinioda aos que a frequentam.
MDANCA
DA
rNDICAO
n'A vnonn.
Eite anligo cstnbelecimonto acaba de ser mudado
paraos muito ospagosos cdilicios construidos de
proposito na cidado nova de S.-Amaro aondo exis-
loin todas as proporgOes para a factura de qualquer
macliinismo com a maior presteza e perfeigo i e
para commodidade dos fregu/es sera conservado
na anliga casa, junto a igreja dos Inglezcs, um es-
criplorio ondo se rcceberio todas as encommendas
e ordens a respeilo lendoa toda hora urna barca de
ferro empregada exclusivamente no transporto das
obras do.escriptorio a funtligao.
a .. y .
**i\

Ka loja da ra do Qeimado, n. 30, de Jos Joa-
quim do Novaos, contina a liaver um surlimento
de obras foi las ; chapeos de todas as qualidades ;
uilos para meninos e meninas; ricos diales de seda;
mantas de soda ; longos de ludas as qualidades; e
outros muitqs objeclos que ha para vender.
ment e aquella at 45 ditos: na ra do Vigario,
lia. 5 e 7.
Compra-so um ferro de fazer hostia, sendo de
duas grandes o duas pequeas do cada vez c que
tenha poucouso : quomotivere o quena vender,
annuncie a sua morada, ou dirija-se a ra da Ca-
deia de Santo-Antonio, casa de um andar, n. 18.
Compram-so 500 a 1,000 alqueires do sal do As-
s ,a doscarregarna Parahiha : quem Iho convier
dirija-se a loja do ferragens, junto ao arco da Con-
ceiclo.
vanmtBtmxm
Vendas.
VeiJem-se as mais ricas mantele-
tas pretas, de blond e seda ; n3o he pos-
sivel descrever seus lindos gostos : na
roa do Qeimado, n. 3p, esquina do
becco da Congregaco, loja de (lusmio
Jnior ck Irmao.
Vendem-se latas enm sardinhas fritas, vindas
do Lisboa pelo briguc Tarujo : no armazem do Sr.
Ilias Kcrreira, ao p d'alfandega.
Venda-se cha muito superior fabricado no
Rio-de-Janeiro, denominado Cha Brasiteiro ,
o melhor quo lem apparecido nesle morcado pela
sua qualidade ser anda mais superior do que a do
mesmo cha hysson do urna libra para cima, por
barato prego : no lim da ra da Aurora n. 4, a fal-
lar com Jos de Almeida Barrlo Bastos.
Novo deposito das verdadeiras bichas de Hamburgo ,
na praca da Independencia, n. 36.
Manoel Jos do Souza Favolla do novo avisa aos
seus freguezes quetcm para vender o alugar as
melhorcs bichas que tecm apparecido por prego
mais commodo do que em outra qualquor parte.
Vendem-se ricas fazendas pelas
proprias para a Quaresma ; pannos finos
de iuiiii.i as qualidades; casimiras ; se-
tiiis ; sedas ; sarjis hespinbla e alie-
m5a-, corles de colletesde gofgurao bor-
dados a agulliu, o mais rico possivel ; di-
tos de selim bordados e lavrados ; e to-
das c quaesquer fazendas que os fregue-
zes procuren), qur seja de seda, la-, li-
ndo e algodo, superiores e inferiores ;
assim como chapeos de massa muito finos
para liomem : na ra do Qucimatlo, n.
39, esquina do becco da Congregncao,
loja tie (insinu Jnior & Irmo.
Ei.ixirt TNICO
A N T I i 1. h L M A T I C O ,
pelo senhor doutor Guilli, medico da faculdade de Pa-
rs, membfo de varias sociedades medicas, assim no-
cionaes como estrangeiras, cavalleiro da real ordem da
legio de honra, etc.
(I)upont, pliarmaceutico, cm Pars, ra Ti-
quetonne, n. 14.)
O nico deposito verdadeiro deste elixir he esla-
belecido pelo mesmo aulor na botica do Sr. Jos da
Bocha Paraiihos, ra oslreita do Rozario, n. 10, em
Pemambuco.
O elixir anli-fleumalico heessoncialmonlo tnico,
reanima o principio vital e di forga s fibras, des-
tacaos humores viscosos, os precipita cm baixo, a-
viva o appetile e fortifica o estomago.^
Pde-se administrar na mais tenra infancia como
na velhice; nada he mais doce que cscu effeiio: fun-
de, dissolvo os humores cilios d sabida som algu-
ma agitngo, som suspender as oceupages, nem
mudar os hbitos: se pode tomar desle efllcazmente
umacolher domanhia em jejum, particularmenlo
no invern c nos tempos hmidos.
Os asmticos, gotosos, hydropicos, aquclles cuja
fibra he mullo, licain salis'fcitos do sou uso ; bem
como os que soiTrem defluxfo catarral do peilo, a-
zedumos do estomago, syncopes e palpilagOcs do
coragfio, clica, enipigeiis, catarro da boxiga, apo-
ploxia cerosa, reumatismo, fluxos alvos, doengas
do Icitcnasscnhoras, indigesUlo, vermes inteslitiacs
as criangas, c mitras militas enfermidades que se-
ria longo enumerar.
ICsle medicamento salutar ten produzido os mais
fsvoraveis elidios, hoscosos, para assim dizor, des-
esperados. Desta sortc, desde seis anuos foi pros-
cripto por lodos os mdicos Ilustres, o os successos
quotidianos que obtm, tanto em Franga como nos
paizes estrangeiros, forman o melhor elogio que
doste possa fazer-so, o a prova dosto he a grande sa-
bida que esto maravilhoso remedio lem tido as
provincias do Brasil, principalmente na Babia o
Rlo-de-Janoiro
dicas.
dente ; Taboas de reducglo para se aprender a pi-
loto ; Rhetorica do Marinho ; arithmetica ; geome-
tra o algebra de Lacrois; Ligos de eloquencta ,
por Lopes Gama : Nova Eioisa ; D. Joo de Castro ;
D. Joo da Falpura; Cont das pitadas ; Iiscola mer-
cantil ; Delroterro para os nuticos: narua do s.-
Francisco outr'ora Mundo-Novo, n. 66.
Ra: nacional Andarahy.
A extraegito que tem tido o rap nacional Andara-
hymostra o quanto tem sido apreciado pelos ama-
dores da boa pitada ; portante, sem pro o acharilo
fresco em libras o tneias ditas, e frasco* de dito
virado, no deposito da ra do Trapiche, n. 34, on-
de ao vende de 10 libras par* ciffiS, e rUlho na
tojas j annunciadas.
Vende-se urna escrava de idade de
aa anuos, de bonita figura, sabe cozi-
nhar o diario de urna casa, lava bem de
sabio, e faz todo o mais arranjo de urna
casa com muita perfeicao com um mui-
to lindo muiatinhode tres mezes e com
muito bom Ieiic, tanto que pode criar
otilro menino : lambem troca-se por li-
ma negrinha de lo a 12 annos, que sir-
va para andar com urna menina, volton-
do-se o resto ; na ra do Crespo, n. is.
Vendo-se urna prcta bom moga com boas ha-
bilidades com uma cria de 3 anuos ou som ella :
o motivo porque so vendo so dir ao comprador:
na ra de Agoas-Verdes, n. 44.
SALSA-PARRILIIA DESANDS.
Este excellente remedio cura todas as enfermi-
dades, as quacs s3o originadas pola impureza do
sangue, ou do systema ; a saber :
Escrfulas, rlicunialismo erupges cutneas,
brebuthas na cara, hcmorrhoidcs, doengas chroni-
cas, brebulhas, bertocija, linha, inchagOes, dores,
no nssos o jnntas. titear, doencus venreas, citica,
enfermdados que atacan pelo grande uso do mer-
curio, hidropesa expostos a uma vida oxtrava-
ganto Assim como chronicas desordena da cons-
lituigo serlo curadas por esta tilo til appro-
vada medicina.
O extracto segualo lio do una carta recebida do
Sr. Mace poissua niulher foi atacada de escrfu-
las no nariz, dasquaes os melhores doutores em.
Franga a nilo poderfio tratar.
I Bennes, depailamento de lile e Vilaiu.
i Franga, julho 17 de 18*4.
Sis. Sands. A salsa-parrilba mandada por Vm.
foi recebida com a maior salisfagilo possivel, inhiba.
niulher a tomou, eem pouco lempo se achou me-
lhor; pelos grandes beneficios que recebeu desta
medicina, a considera como una das melhores me-
dicinas do mundo para taes doengas, pois dou-
tores de ajta sabedoria nunca a poderam tratar. Mi-
nha mulhora contina a tomar at se achar in-
teiramente boa. Por favor nosqueira obsequiar com
algumas garraas o mais depressa possivel. Srs.,
nos teretnos o goslo de fazer conhecer a sua medi-
cina ntreos nossos amigos, assim como entre o
povo: sem duvida ser usada aqui, bem como cm
todo o mundo como eflicaz modicina para alliviar
e tratar o corpo humano.Tenho a honra de ser o
mais atiento venerador.
/. Mace.
N. 1, ru LouisPhilippe.
Il.egagilo dos Estados-Unidos,
Berln, Prussia, abril 8 de 1846.
Srs. A. B.& I). Sands. Srs., tendo-se a sua sal-
sa-parrilba usado neslacidade. com grande effeito,
cm casos mu severos de escrfulas, me pedom tres
duzias do garrafas da sua medicina as quaes as es-
pero som falta quo para isso remello o pagamen-
to. Espero que Vms fiquem do loda a certeza quo
a composiguo do salsa-parrilba he uma das melho-
res medicinas do mundo, assim como se vai in-
Iroduzndo muito entro opovo Sou ornis atiento.
TkeodoreS. t'ay.
Preparada e vendida porjuntooa retalho, assim
como se exporta, por A. II. V. I). Sands, chimicoso
Iiguistas, u. 100, Fulton-Slrect, esquina de Wil-
iam, New-York.
Vende-so na botica do agenle, Viccnto Joso do
Biito, na ra da Cadeia-Velha, n. 61.
Vende-se um sitio na estrada dos
Afilelos, com boa casa de v-enda, de
pedra ecal, com sol3o, cozinha fra, es-
tribara para um eavallo, bom poco, o
qual admitte ora, todo cheio de arvo-
mesma estrada, a fallar
AVISO ESSENCIAL.
Dcve-scsmentc inteira confianga s garrafas que
teem uma marca quo leva a firma do autor, seme-
Ihante aquella que se v em baixo. Emfim, para c-
vitar o perigo das falsificagOes, os accidentes quo
poderiam acontecer, e arrestar a cohiga dos falsa-
rios, o publico he provenido que cada garrafa deve
seracompanhada de urna instrucgSo impressa que
indica a maneira de emprogar osle medicamento,
compilado pelo Sr. Guilli, com a sua firma, eim-
presso em Pars por o Sr. Goetschy ; carcter esso-
senciaes para evitar a fraude
o pateo do 'l'erco, venda n. 7,
vende-se uma porcSo de bolacha da Ier-
ra, propria para embarque, a 2'56'o rs.
a arroba.
Vende-se urna negro de bonita figura, do 24 a
26 anuos de idade, muito sadia, boa lavadeira, que
: quem livor annuncie. cose o rnzinha sollrivel; un. molcque, >e 8n;
.-.Conmram-se diiiisloalhasdo lavarinlo cm ro- nos, |nu ilo bonito : na ra da (.adea do Recite, toja
redo novo: na
ondo ha tantas illustrages me- com Joaquim de Uliveira e Souza.
ADJIIBAVEIS NAVALHAS DE AC DA CHINA.
Na ra larga do Rosario, n. 35, loja do Lody.
Compras.
Compram-se barris do niel do quatro em pi-
da do esguiflo bui (no quosejain de muito bom
goslo o com os seus competentes bicos : na ra do
Codorniz n. 1 ...
-- Compram-so cabras [ bidio j: na ra Dircita ,
vi*ii11 'i II T'i.
-Coiiipiam-so.cfrcctivainente, garrafas, meias
dilas e botijas vasias : no Alerro-da-Boa-Vis.la ra-
brica de licores u. 17. ,''',
Compram-so duas canoas de um s pao sendo
- una de 4'palmos de largura o a outra de 2 i a 3
palmos, esta nao mais de 30 palmos d,o coinpr-
Eetaj navalhas teem a vantagem de cortar o ca-
bello semWTendcr apelle, deixando a cara pa-
recendo estar na sua brilhanle niocidado. Este ago
he da "China e.seu autor lio Sham.
Por todas as sociedades das sciencias medico-ci-
rurgicas lauto da Europa como da America, Asia e
frica he reconhecidoo uso dostas navalhas ma-
raviihosas.iios para prevenir as molestias cu-
tneas, a que a liumauidade est subjeita mas
lambem como um meio de as curar.
Vendem-se as verdadeiras s na loja cima Indi-
cada.
Plutarco Brasileiro,
con tendo as vidas dos Brasilei ros mais Ilustrase
notavois por seus talentos, virtudes e nobres feilos,
pelo doutor J. 14. Pereira da Silva.
O segundo e ultimo volume, chegado agora, com-
prehende entr'outras, as biographias de Jos Bo-
nifacio do Pizarro e Araujo de Lomos de Faria a
de Silva Lisboa. Esta obra lem tido na corle grande
aceitagflo, o o jornalsmo fluminense teceu-lhe pom-
posos elogios. Vende-se na lisiara da esquina do
Collegio.
Vende-se a bem condecida e superior cham-
panha da marca cometa ;vitho da Madeira engar-
rafado ; cha hysson e perola em caixiahasdo 7 a 10
1 libras cada uma ; bom papel de copiar em machina:
tudo chegado rccentemonle a esta praga : na ra,
do Vigario, n. 4, armazem de Rothe & Bidoulaa,
de /dito da Cunba Magalhaes.
Vende-se um balcitocom tres cvelas, um fitei-
ro proprio para guardar miudezas ou outra qual-
quer cousa, por prego commodo ; doce de caj secco
muito superior com castanha confeitada : na ra
das Trticheiras, sobrado de un andar, n. 16.
. Vendem-se os seguidles livros: Breviarios ro-
manos ; Ceremonial dito; Sinopsis do general Abreu
Lima ; Respsta do mesmo ao conego Januario ; o
MUTILADO



J-4-
^
A
.," Vende-se urna escrava moca, com algumas ha-
fiili(a;les,e que he ptima vendedeh-a do ra : na
ra Oircita n. 84, primeiro andar.
Vende-se um cava!lo de sella
-...---------VOB..O por preco com-
modo : nn cocheira da ra da Florentina.
Gaz.
NA CaSA de caumont,
dourador, na ra > ova, ti. H.
fabrica de candieiros,
tanto de gaz como de azcite.jse acba prompto um
grar.uG yriMiiuiiiu oa meamos, de inuiio bomgos-
to. O mesmo fabricante avisa ao rcspeitavel publi-
co, que vende os candieiros mais em conla do que
em mitra qualquer parte pois que elle mesmo os
fabrico, e se responsabilisa pola sua boa qualidade :
tambem doura, prata e bronzea todos os inetaes de
diversas cores; concerta e torna a por de novo to-
dos os candieiros, tanto de gaz cmodo azeite:
pOe os candieiros de azeile para gaz ; concerta tam-
ben) qualquer nbjecto ra vender um grande soitimcnto de objectos de
meta! para grrjas tanto dourados como prateados
ebronzeeuos. Aiugn tambem para bailes candiei-
ros, candelabrose lustros, por commodo preco;
compra todas as qualidades do melaes ; o precisa do
um aprendiz para o mesmo oflicio.
Vende-se doco de caj, tamarindos, grozolas ,
sidrlo laranja, secco c de cabla milito bom fcito.
em frascos de 8 libras: na ra da Senza I la-Nova ,
D.7.
Vendse um rico orna-
mentopira sala, conteiidoos
seguintrs objeclos : um lusv
tro de broiizc, com oito Idees muito bem feito e!
moderno ; 10 cortinados de cassa, com todos os scus
pertences ; 18 serpentinas, com as suas compe-
tentes mangas, jor proco commo.lo': na ra Nova,
ii. 35.
-- Vende-se, o peniiuia-su por predios nesla orn-
ea um terreno com 200 palmos do frente, e unidos
desde a ra da Aurora al ao Hospicio com urna
cacimba o otaria na ra doSeve com olicercesj
principiados para urna casa : tambem vende-se, ou
Dermota-se melado desle terreno : a tratar na larga
do Itozario, n. 26, primeiro andar. Na mesma casa
vende-se um estojo do engenharia por proco mui-
to commodo.
Vendem-se duas crcravas recolhidas sondo
urna parda de 1G anuos, e a oulra prota do 20 ali-
os, que sao de lindas figuras, c com habilidades:
no boceo do Sarapatel, sobrado n. 12.
S quem n"'o tirer mo
Deixura de ter luvat titila occatin.
Na loja nova n. 17, do Passcio-Publico, vendom-
se luvas dealgodflo do cores, para homcm e senho-
ra, a 160 rs. o par; ditas de seda, a 1,000 rs.
9.a lotera do ilio-dc Janeiro
a beneficio do thcatroda im-
perial cidade de Nictheroy.
Vendem-so bilhetes a mcios ditos desta lotera :
na ra da Cadeia-Velha, 11. 29, casa de J. O EI.STER.
A 70 rs a libra, bolacha, a 70 rs. a libra,
de larinlia de miiho muito saborosa propria para
a pobrcs.i, por sor barato ; na ra larga do Hoza-
rlo padaria n. 48.
-** Na na do Trapiche, n. 17, coti-
tiaa a Invcr deposita da verdadeira cal
virgem de Lisboa, chegada proximamen
le ; sdvertindo-se eos compradores des-
te genero que o deposito he j muito pe-
queo, e que da nova nao ha mais em
parle alguma.
- Vendem-se aeges da ex-
mela companhia de Pernambueo
e Parahiba : no escriptorio de O-
liveira limaos & C, ra da Citiz,
n. 9.
Vandem-sc chitas limpas para luto do bous
pannosy, a sele vintens o covado; ditas escuras a
120 rs.; Hitas cor de rosa muito bonitas, a 160 rs.;
um sobrado novo do um andar e sotilo, paredes do-
bradas chSos proprios, quintal pequeo o murado,
o qual sobrado tende 34,000 rs. mensalmento: tam-
bem se permuta por algum sitio pequono perlo do
Recite ou casa terrea : na ra estreita do llozario ,
11. 10, terceiro andar.
Cortes ce aleina.
tee 89 ditos de fundo em estado de se edificar,
ior nao precisar aterro em cujo terreno podem^se
azor tres ptimas mei'agoas na ra do Pilar, em
Fra-do-Portas, do lado da mar grande: nadita
ra, n. 11, no pateo da igreja do Pilar, das 6 horas
da mantilla s 8.
JHfe Vendem-se chapeos de superior
^^^ castor, brancose pretos, por preco
muito barato : na rtia do Crespo,n. la,
loja de Jos Joaquina da Silva Maya.
--Vendem-se 4 grandes depsitos de parafusos,
para assucar ; urna escolente balanza grande com
um braco de autor; 12arrobas de pesos; e outros
utensilios para armazem de assucar, muito baratos,
em rasloda muiiauea da casa : na ruada bonzana-
Vollia. n. 110.
Vendem-se cabos de cairo .em grandes ou pe,-
quenas porcOes : no trapiche do Ramos, armazem
da esquina.
Vendem-se ancorlas con cal virgem, a mais
nova que existe no mercado por preco mais com-
modo do que em outra qualquer parto: na ra da
Monla, armazem 11.17.
Aos amantes' da boa pitada
se eflorece o rapo prii\ceza Novo-Lisboa s acha-se
venda, om poreo e a retalho no deposito da ra
larga do Rozado, ti. 24.
FAREI.OS.
Vendem-so saccascom fareos, chegadas ltima-
mente, a 3,500 rs.: no armazem de J. J. Tasso Jnior,
ra do Amorim.n. 35.
Vende-seo engenho Bom-Jesus-da-Matta co-
marca do Po-do-Alho, com ptima casa de yivenda,
oulra dita mais ordinaria 1 3 para layradores, bom
I cercado de pasto campias que servem de sollaspa-
ra gado ptima destilacHo organisada de cobre,
moenda de forro, mito boas trras, tanto para can-
na como para oulra qualquer plantacfto', as quacs
ha ptimas varzoas c mallas contando cerca de
legoa e moia de fundo : rende de foros 700,000 rs.
annalmente com os veneimentos em o mez de Ja-
neiro : a tratar na ra do Concordia, n. 25, epm JoBr
quim Teixolra l'cixoto que se aelia autorisado para
ultimar o ajuste a dinheiro ou a przo.
Vendem-se chitas prelaa finas assulinadtts do
ultimo gosto : na ra doQuciinado, loja n. 5.
Vendem-so duas boas escravas; crioulas de
bonitas figuras o mocas, quo coznham, lavam mui-
to bem e engommam s3o sadias, e nfo se duvida
dar a contento para seren experimentadas : na ra
do Qneimado, loja n. 51.
Vende-se, ou arrendarse um grande sitio na ra
Imperial, com duas moradas de casas, urna para
grande familia, na frente da ru e outra mais |>r
quena dentro do mesmo sitio com bons parramos
o militas fruteiras de boas qualidades todas novas
0 j dando fruto com um grande viveiro no lundo :
na ra Direita, n. 135, loja de cera onde se lar a
qualquer dos negocios, p se por molestia.
Vende-se urna porcSo de sebo refinado muito
puro o alvo a tratar na arcada da at.fandcga, com
o preto Benedicto.
Fabrica de sanan.
NA RA IMPERIAL, N. 116,
vende-se sabilo amarcllo o preto, encaixado, em
poredes a vonlade do comprador, pelos precos se
guintes : amarello, a 100 rs.; preto, a 90 rs.; e sen-
do partidas de mais de com caixas sera menos 5 rs
em libra.
Vendem-se 5 escravos, sendo: um preto para
lodo o servico ; duas pardas o duas prelas sendo
una perfeila cozinheira o outra boa engommadei-
ra cque cozinha bem o diario de urna casa : no pa-
teo da S.-Cruz, n. 14, se dir quem vende.
torisados para esta venda, ppr conta de qUem per-
tencer.
Vende-se o engenho Timb, distante desta
praca 4 legoas, corrente e mponte com agoa, de
boa e regular prodcelo', com a safra do 2,500 p3es
pouco maisti menos, ou sem ella. Rsle engenho
he de consideravel importancia nflo no presen-
te como no futuro, por couler mais da 4 legoas de
terreno coberta de maLtas virgefls com capacidado
para se levantaren) eiigophos d/agp* de.beatas : a
tratar no mesmo engenho, ouno sobrado ao lado da
cadeia, n.,23.
Vende-so um escravo de nacSo, proprjp.para
todo o servico, principalmente para o de armazem
de assucar de que tem bastante ortica, e que l|e
de conducta afiancada : na ra Nova n. 71. so dir
quem1 vende. /,. .
- Vende-se um parda muito propna para se
me entregar a adminis.tracSo de urna casa ,. por ter
disto milita pralica, o saber bem cozinliar, coser e
engommar: em Fra-de-Portas, ra do Pilar,
Ven,dom-se sapales inglezos, de diCferentes
qualidades, para homcm ; ditos de lustro, para ho-
mem o menino; borzeguin para senhora ; sapatos
de lustro, marroquim o duraquo, para senhora; di-
tos de lustro, para meninos; horzegui'ns para ho-
mem a 3,oo rs. o par; cljinelas rasas do Porto; e
outras mu i las qualidades de calcado por preco com-
modo : na ra da Cadeia-Velha, n. 35, loja do Mo-
reira.
~ Vende-se urna commod do condur, quasi
nova obra moderna ; urna cajteira de urna s face,
com gaveta grande propria para homcm solteiro :
ludo por preco commodo : na ra da Calcada ven-
da n. 2.
ULTIMA MODA.
Vendem-se superiores chapeos francezes do
ultimo gosto de l'aris; chapeos para enancas a
moda de llenriquc IV, chegados na. barca fran-
ceza Ntlie-NuthUde; chapeos de castor preto, de ele-
gantes formas, ao barato preco, de 5,000 rs.; cha-
los de todas as qualidades, a precos que chegam a
lodos; bonetes para homem e meninos : na ra do
Queimado lojade chapos n. 38.
Venderse un) sopli .0 urna mesa de meio de
sala, de Jacaranda om muito bom estado : na ra
do Queimado, loja de chapos n. 38.
~ Na ra de Agoas-Verdes, 11. 4*, .vende-s.Q, de
urna senhora quo se retira para a Europa um. bo-
nito inoleqnc Je 18 anuos quo cozinha bem e faz
lodo o mais servico de una casa ; 2 ditos de 12 a 13
anuos; 5 escravas para todo o .servico; um preto
para o mesmo; urna bonita moleca de nacSo Mo-
Cambique de 16 annos.
Vende-se vinho tinto do Porto muito supe-
rior, em barris do quarto o oitavo ; panno de linbo;
coeiros do algod.to ; fio de vela ; linha roriz ; cera
du Lisboa em velas, em caixotes com bons sortimon-
tos; caljvirgem em barris: na ra da Cru/.,n. 49, casa
de Mendes ot Tarrozo.
Vende-se, na ra da Cadeia do Recife arma-
zem do Braguez, superior farelo de Lisboa, por m-
dico preco.
de Claudino Salvador Pereira Braga, vendem-se
novos e asseiadosls pretos da linho.com o bordado
das palmas e o a barra muito modernos para rno-
cinhas a 4,000 rs.; ditos de tres pon tas a 2,0
rs.; ditos para senhora a 3,000 rs.; ditos de qu&-
tro ponas, a 6,000 rs.; ricosedecentes veos pre-
sos de linho, proprios para confissto, a 4,000 rs.
sarja prpta fina para vestido, a 1,600 rs.; luvag
compridasde seda preta, a 1,500e 2,000 r, o par.
meias t|p;seda protas lisas para senhora a 2,000 rj
ditas bordadas, a 3,200 rs.
- Vendem--se12c*deiras ,um soph. um cana.
pe duas bancas e urna mesa redonda para meio da
sala : tudp de angico o em maito bom estado : yen-
de-se por seu dono retirar-se : na ra do Uangel
n. 42.
Vende-se urna bonita crioula, bailante refor-
caJa .cozinha optimumciile, cose e engomma : 0
motivo da venda se dir ao comprador a quera so
a (i anca o nao ler vicio algum : no Aterro-da-lloa-
Vista fabrica de licores o. 17.
Na casa de modas francezas doM. Millochau,ha
para luto e Quaresma, ricos filos de bico ;. ditos de
seda ; ditos de linho ; mantas; bareges ; tafets lar-
gos e encrespados ; ditos lisos ; fitas; luvas; trancas
do seda para manteletese vestidos; franjas; bicos
finos de todas as larguras ; creps largos, etc.
-r Vende-se uma prcta boa cngommsdeira, cos-
'tureira e cozinheira : na Iravessa da rita da Concor-
dia n. 17, se dir quom vendo.
Vendem-se, por preco muito commodo, duas
bandas um talim o canana um par.de dragonas
pan ofllcial do guarda nacional na ruXMova loj I
n.81.
... Vendem*se ancorctas de
diversos tamanhos, com vinlip da
Madeira, tinto e branco, de supo
rior qualidade: no escriptorio de
Oliveira limaos & C.t na ra da
Cruz, n. 9.
Farinha
de mandioca.
Vende-se colla" do superior qualidade, das fa-
e ca
Potassa e cal virgem.
Vende-se muito superior potassa
virgem de Lisboa, prximamente desem-
barcada : no deposito de Bailar & Olivei-
ro, na ra'd Cadeia do l\ecife, n. la.
Na nova loja da ra da Cadeia do Bccife, n. 32,
de Ciaudino Salvador Pereira Braga vendem-se pd-
i;as do chita do cures escuras o claras a 4,500 e
5,300 rs., o em covados, a 120 e 140 rs.; los pretos
com palmas, muito modernos, a 11,000 rs.
Caries Hardy, ourives, na ra
Nova o. 32t
acaba de recebar, pelo ullimo navio, um lindo sor-
timenlo de obras de 011ro do li; como sejam : au"c-
recos com pulseiras e sem ollas; ailerccos de.mo-
saiqne; garganlilhas solas ; alinetes para senliora ;
brincos; aunis; botos para camisa do homem:
bom romo ou tro sorti monto do obras da Ierra, tam-
bem de o uro do le. Na mcsina loja vendem-se lau-
case vestidos para baplisar meninos : ludo de bom
goslo e muito barato.
bricas do Rio-Grando-do-Sul: na ra da Moda ar-
mase ni n. 7.
Vendem-se 2 casas lerreas citas no largo de N-
S-da-I'az, na povoaefio dos Afogados, as quaes tem
coniniiinicaciio por dentro, sao novas e construidas
a moderna, com duas cacimbas e parrelral n quin-
tal : atratar na ra da Cadeia-do-Recife, casa n. 59 ;
tambem se trocam por outras 110 Becife, voltando-se
de parte a parlo, a difforcnca que bou ver
VcnJem-se ricas manas e vps de Tfl, pretos
o blancos ; luvas do p'llino ausio ; as mais lindas
fitas para cinteiro ; meias de seda ; loques ; sarja
de seda superior; bicos de seda o do blonda: tudo
prop io para a Quaresma: na praca da Indepen-
dencia 11. 39, loja de C. G- Breckenfeld.
Vendem-se pedras brancas de amolar, da mc-
Ihor qualidade quo tem vindo do rio de S.-Fran-
cisco om porcio o a retalho, por preco commodo :
na ra da Praia armazem n. 18. ,
Vendo-sosal do Lisboa, fino o alvo, a 1,600
rs. o alqueiro da medida velha: na ra da Praia ,
armazem n. 18.
Charutos Jama-va, de
Vende-se, por preco commpdo, para se fechorem
coritas urna porc&o deslcs afamados charutos che-
gados no ullimo navio : na ra da Cruz,'11. 46, pri-
meiro andar.
-- Vcnde-so um carrode 4 rodas em meio uso ,
No armazem de familia da ra do CoMegio, n. 21,
vendem-se saccas com familia a mais fina possirel,
por preco rasoavel.
Vendem-se O escravos sendo ; 2 lindos mo-
leques de 16 annos ; 3 pardas mocas, com habilida-
des ; 2 pretos bem robustos, sendo um dclics bom
carreiro ; 3 protas com habilidades sendo urna del-
tas por 180,000 rs.: no paleo da matriz de S.-An-
tonio, sobrado n. 4.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Vendem-se buhlos e moios ditos da nona lotera
imperial cidade de Nic-
loja do Manoel
n. 38
a beneficio do theatro da
tboroy : na ra da Cadeia ,
Gomes da Cunta Silva.
Vende-se um sitio, ou troca-so por casas tor-
reas ueste Recife em Santo-Amaro, na estrada que
vai para lielm, segundo sitio, a direita, onde se
achara com quem tratar, ou na ra do Cabug,
loja do ourivos, n. 3 : o dito sitio tem urna grande
casa, boa agoa e bastantes ps de fruteiras, quo
todas cirio fructos, boa baixa para plantaces de
meles, maccheira ou outra qualquer cousa.
Escravos Fgidos.
No dia 20 do corrente, ausentou-se da casa de
seu senhoro escravo Paulo de naclo Bacca de
18 annos; levou calcas de ganga azul, camisa bran-
ca o chapeo do pallia ; de altura media ps gran-
des e malfeitos ,olhospequeos, cor fula; tomos
cantos da bocea cicatriza dos de bobas que teve, ca-
bellos um tanto rucos; be muito condecido em F-
rn-dc-Porlas o julga-se oslar occuito as ras do
Mundo-Novo ribeira porto de Olinda e Abomba-
dos : quem o pegar leve o a senhor, na ra da Cruz,
no Rccifo n._56, ou em S.-Amaro venda por bai-
xo do sobrado do um andar, da parte da mar, qua
ser gratificado.
Ausentou-se, no dia 13,do corrente o escravo
Antonio cabra, baixo, grosso olhos um tanto en-
covados o amarcllados, lesta e canlos largos; hi
pouco tompo levou um caustico debaixo do braco
esquerdo; lio muito conversador, toma bstanle
rap ; foi boliciro ueste cidade andava calcado,
e inculca-so forro; foi vendido nesta pracn pelo Snr.
com mrboV'pVrcha drcavais:' n'a rua"da"s7n- yinunaode Araujo Lima,tendo sido escravo do ci-
A fazenda mais perfeita que tem appa-
lecido so os cortes de alcina, -para ves-
tidos de snnhora, nao s petas delicadas
cores, como pelos lindos padrdes, porbarr,|,
nao desbotarem, c por serem do ultimo
goslo de Pofs. Estes corles vem pti-
mamente arondicionados, ca^la' um em
stia capa, e sSo iits na principal fabrica
de Paris ; sendo de qua tro qualidades dif-
ferenles, c aos precos de 3,200, 3,6oo,
3,8oo e 4,000 rs.: na loja nova de Hay-
mundo Carlos Leile, na ra do Queima-
do, n. ti A.
Na ria'do Trapiche, n. 17
vendem*se barris com superior
cal virgem, chgad ullimamenle
de Lisboa, a cinco mil res cada
Manad da .Silva Sanios
coruinn a vender superior la-
rinha de trigo da marca SSftsF.
ifilho.
Vende-se milho, a 2,000 rs, a sacca : no caes da
Alfandoga, armazem do Antonio Annes.
r- Vende-se um ferrenq pop 117 palmos de ren-
- -Vende-se uma negrinha de 12 minos uuiilo
linda que coziuha o d,iario,dc urna casa, e com
principios d costura : na,rua do, S,,-Rit, n.r |l.
Vende-se um escravo de 20 annos, proprio para
qualquer servico : na roa da Cadla-Velh'a, n. 61.
>a ra do Trapiche, armazem
n. 54,
vende-se assucar refinado, em p2o, a aod
rs. a libra.
Vende-se cera para limas
tle cheiro, pelo preco de 880 rs.
a libra : na ruado Raiigel, so-
brido n. 51.
Vendem-so duaspropriedades de casas, sen-
do uma do sobrado, em Olind, na ra do Coxo:
urna dita de sobrado e suto, na ra da Senzalla-No-
va, n.37 : a tralar naruauaCruz, n. ?/ cutir Men-
do zalla-Nova, n. 42.
mW BE PERRO.
Na fabrica do M. Callum & Companhia, enge-
nheiros mnebinistas efundidores de ferro, na ra
do Rrum, no Recife, contina havnr um grande sor-
limontodo moendas de canna de todos os tama-
itos o dos modelos os mais modernos e approvados.
Na mosma fabricare continam a construir de on-
commenda machinas de vapor, rodas d'agoa, rodas
dentadas o todos os mais objectos do machinismo .
com a porfeiclo j conhecida por proco commodo,
AGENCIABA FU.NDICAO' DE LOW-MOOR.
Na ra de ,Scnza||a;Nova n. 49. contina haver
um completo sorlimentode mooudasu (iiachinas da
vapor, para engenho de assucar : bem como laixas
de ferro balidq.e coado, de todos os tamanhos : tu-
,do por prcijo commodo.
$a ra da Cadeia-Velha, t i
'29, loja de J. O. er,
vende-se vinho do Porto, de diversas qualidades ;
dito da Madeira ; dito de Malaga ; dito do Sherry ;
dito de Carcavcllos; dito de Lisboa ; dito de Graves;
dito Sauterne; dito San-Julien; dito de Itordcaux i
dito Clin tea u-la-llose'; dito de San-Ccorge; ago'ar-
dente de Franca, de diversas qualidades ; wbiskey;
cherry-cordial ; marraschino j llores finos ; punsch
da Suocia; xarope do l'ramboises; ptima cbampa-
nha em garrafas e meias ditas ; velas de composi-
C10 ; cll preto e verde,do superior quahdado pro-
sunlos e salames de llamhurgo ; sardinhas em latas
o vidrqs; pelits-pois em ditas; salmn cin ditas;
moslarda ingtezae franceza ; frutas eih vidros com
calda de assucar e espirito ;, agoa de flor do laranja;
Charutos,de flayau c d.a Baliii : ludo chogado re-
centcmeulo de superior qatidailo.
Para a Sania Qua reiste un
.Na t.ova^o)'d'ruraa,Cadla'domh/. 32,
rurgiao l.ourenco de Caslro e Silva do Cear : quem
q pogar leve a ra da Senzalla-Velha u. 138, a seu
senhor, R. Lasserre, quo gratificar generosamente.
Kugio, no dia 22 do corrente, a preta da Costs,
de nome Mariana ; representa 24 annos ; levou ves-
tido de chita parda com quadros c palmas azues;
be alta e reforcada bem parecida ; anda pelas ven-
das do Manguinho e em Beberibe por ser lavadei-
ra : quem a pegar leve-a a ra da Cadeia-Velha ,
n. 1.
Acha-se fgida, desde o dia 16 do jnlbo de 184",
a preta Joanna de nacfio Rengela de 30 a 35 an-
nos pouco mais ou menos; he bem conhecida por
usar de vender sapatos para senhora frutas, bolos,
etc.; he alta, secca do corpo, cor fula, rosto cooi-
prido, olhos fundos nariz um tanto afijado, lentes
limados, beieps grossos ; tem no lado csquenlo do
rosto uma marca anliga proveniente do urna den-
tadu que Ihe dernm ; bracos finos o compridos ps
seceos e tambem compridos, nenias ebeiasde veis
e enea rocadas; he bstanlo ladina. Esta preta, por
ter muitosconhecjmenlos, julga-so estar aeoilada :
por isso, protosta-se usar de todo o rigor da le coii-
Ira quem a tiver om sua casa e muitd!e recom-
nienda as aloridados policiaes, copitiles do campo,
e mais pessoss do n na ao Alerro-da- Boa-Vista n. 17, fabrica do lico-
res, de Frcderico Chaves, que promelle aos lti-
mos boa recompensa. ,
-- Auscntou-se, na noito do dia 8 de outubro Jo
1847, o escravo llorculano, crioulo, do cor Ific ful
quo parece cabra.cubeca pequena.cabello ralo.olho
pequeos, corpo grosso, punca barba, csUlura re-
gular ; tem uma cicatriz no hombro esquerdo quo
poda ter 3 a 4 pollegadas do comprimeiilo [; pstum
o embebodar-seo ueste caso se intitula poi^-lcrcu-
hino Jos dos Santos Tranca-Rua ; levou camisa e
calcas de algodio trancado azul c algymas camisas
de madapolo : quem o pegar leve-o a cidado de
Olinda, ra da Boa-Hora a seu senhor, Jos Fcr- yl
feira Marinho, que dar boa gralficac1o. I
Peni
n. ; na Txe. D6 m, r
B > .l I..
DEFAMA, r-*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJJM6K58Y_O92Q80 INGEST_TIME 2013-04-12T22:21:08Z PACKAGE AA00011611_05423
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES