Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05415


This item is only available as the following downloads:


Full Text
nno de
1848.
i i
m
Qunta-fera 15?
OOIAttIO poMic-se todos o da q.i n.;o| PAflTID\ DOS COB'ftElOS.
fgrrm de gura i o preco d atsigiMturi. lie-fie!
41000 rs. por quartel, pago* aHiantatins. Os n-Kloi>nna'e Paraliib* as segundas sextas fe i ni
nuncios dos ssignantes IJo injeridas i rasaodelrtiO-trande-dn-Norteqnin'.asfeirs-ameio-dio
SPrs. porlmh f rs. em lypo diuerente, e asfCabn, Serinhem, {lio-Formoso, Poito-Calvoe
reoeli^e pd melad. O que uAo foremassig.-) Macelo, do I.*, a I t e Jl de cada raez.
nantes pagarn 80 rs. por lioha, e IBOeiu typo '.araaliutij e Bonito, a 8-e S.
dflerenle, oread* publicado. Boa-Vi.ta e flores, a I e *8.
PHASE3 DA LU. NO ME'/, DE FEVERE !RO.
I u no, a a M horas e 51 min. da tar.le.
Crescem* a 11, ts 1 liorsj e min. da taraje.
La chai* a II. a>3 botas e 38 rain, da inanlia.
lUingoaote a 28, as 6 doras e 2 min. da maiinSa.
Victoria, s quintas-foira.
Olinda, todos osdias.
PKEAMAR DE BOJE.
Primcira, s 2 horas e 5* minutos da tarde.
Segunda, s I horas e 18 minutos da ramilla
de Jhevereiro.
AnnoXXY.
a.SS.
">
DIAS DA SEMANA.
14 Segunda. S. Valentn.'Aud. do J. dos
orpfi. e do i. do c. da ? e do ). M. da 2 .
15 Terca. 5. Faustino. Aud. do J, do civ. da
I. v. e do 1. de pai do 2 dist. de t.
16 Quarta. S. Porfirio. Aud. do J. do civ. da
1 v. e do J. de pni do I digt..de t.
17 Ouints. S. Slivino. Aud. doJ.de orph. e
do J. municipal da I. v.
18 Seita. S. Throtonio. Aud. do J. do civ. da
!. *., e do- J. de pas do l. dist. de t.
19 Sabbado. S. Conrado. A'id. do J.do civ.
da I. t. edo i. de pat do l.d-JU de t.
20 Domingo. S. Eleuterio.
CAMBIOS NO DA 18 DE FRVEREMO.'
Sobre landres a 27'/, e 27'/, d. por l# rs
Pars 360 rs. po-franco,
a Lisboa OS por 100 de premio.
bese, de ledras uo boas firmas I a l|4 */a
OuroOncas liespanholas.... >8jon a
Moedas de eioo velh I6fl00 a
> de 4 fono..... ofnoo a
Prala Patacoes.......... l|0 a
M- Pesos columnares... 1JS30 a
Ditos mexicanos.... I#460
Miuda............. ljODOa
Acrjies dacomp. do Beberihe de 50/060 rs
a Co d.
ao ni.
28/800
1630C
16/101
IIO0
l/80
1*950
1187
l/u
sopar.
ERKTAMBUCO.
PARTE OFFIC1AL
_________..-._.. _.' ___
COMMANDO DAS ARMAS.
{[itarfel do commando das armas na ciiade do flecife, 27
de Janeiro de 1818.
omem no da n. 52.
Havcndo por bein S. M. o Imperador, em aviso cpedl-
do pela repartlco dos negocios da guerra na data de 21)
dedereinbro ultimo, mandar regressar provincia do
Maranhfio o5. hutlhao de Tuiileiros, revertendo para
esta a parte do 6. batalhao tente; determina o comusanelante das armas, eiuvirtiide
das ordens recebidas da presidencia a seinelbante ros-
pcito, que o-Sr. tenente-coronel commandante do refe-
rido, baijrhao 5. tenha prompto, aembarcar no priiuei-
iu vapfcfbue vier do sul, um terco da fdrea que aaut
permanece, flenndo na intelllgenda que aremessado'
restante da mesma torca sera opnoi'tunamente Olla.
Ufancel. Ignacio de Carvalho Mendonca.
I Quartel do commando das armat na cidade do Reci-
te, 31 de faneiro de 1848.
0RDF.M DO DA N. 53.
Determina o commandante das arihas que amanha,
l." de fevcreiro.passemoscorpos delinhadesla guarnl-
cao revista gctal de mostra, nos seus respectivos qu.ir-
teis. pelo detallie seguinte: s 6 horas da inanhaa, o ba-
laumO v. do CdyuOrcs j as o c ncia, .** coiiijitlnit de ar-
tilicos; s 7,o 2."batalhao de artilharia ap( s 8e ineia,
o 6. batalhao de fuzileiros; > 0, o contingente do 7. ba-
taliao de cacadores.
laniel Ignacio de Carvalho Uendonca.

Quartel do commando 4at armas i ciii'h do Reci/e,
de fevereiro de 18*8.
OIIDE.M 1)0 1)I.\ >'." 54.
O commandante das armas nbineou, e o Exm. Sr con-
^i Wn r^i" .^fr' apilro,VOU' Por S,eu m" 5M"abraei subfrlam em breve aopoder, ocupando
&-&^"-^^J??l}?* A os ^os de ministro do reinoe da faienda. Hoje 'asse-
exercito, Quintiliano Heoriquo da Silva Primavera, para
servir interinamente o emprego de ajudante da fortaleza
de Tamandar.
OineimoExii!. Sr.,por despacho do l.'do crreme, foi
servido conceder Iteeuca (sb a mesma clausula das an-
teriores) para continuarem os seus cstudos preparato-
rios particularmente, ou ns aulas publicas desta cida-
de, aos soldados voluntarios do2." batalhao de artilharia
a pe, CloriudO Olindense I'essa de Mello e Bcllarmino
Brasilicnse Pessa de Mello.
Manoel Ignacio de Carvalho Mendonca,
Quartel do commando das armas na cidade do Red fe,
de fevereiro de 1848.
0111)15 M DO DA N. 55.
O coinmapdantc das armas faz cerlo que o Exm. Sr.
concelhciro presidente da provincia houveppr bem no-
mear, tro dia 3 do crrenle,ao Sr. teen te da quarta cas-
s do excrcito, Francisco de Paula Metra Lima, para o
lugar de instructor parcial da guarda nacional desta ci-
datle.
Contina no gozo da licenca que frua,para estudar os
preparatorios, o Sr. 1. cadedo 2. batalhao de artilha-
ria a pe, Manoel de AicvcdoWo Nascimento, liceiica que
loi interrompida durante as ferias, por ter sido chama-
do ao scrvlpo do batalhao ; c por conseguate, lica desde
ja dispensado de fater na guarnlcao o servlco como ol-
desaecrdo com o ministro brltatinlco-, e parece qu*Vm
relac.To com os Cabraes.
Estas noticias tcem animado bstante os progresslslas,
e parece que dado algum cuidado ao governo, de ma-
ncira que ste lomou algumas providencias retirando de
varios pontos regimentos que nao Ihe inspiravam con-
fianfa, e mandando pata l oulios toda a prov. He
asslm que o batalhao de cacado re n. I marcliou para
santarem, e o n. 4 da mesma arma para Setubal. U re-
giment de Infamarla 7, que eslava em Marra, e perten-
ceu revolta, e o batalhao de cacadores 2 quj eslava
em Cascacs, veem para Lisboa, onde pdein ser melhor
vigiados, e Iiciiieus fcil qualqer movimento.
As prises tcem conllnuado, e nellas se bao commet-1
tido bastantes arbitrariedades, como, por cxemplo. man-
dar para o Limoeiro todos os individuos que apresenta-
vam baixa, por tcreiu servido no excrcito da iunta do
Porto.
Amanhia devem abrir-se as cortes de 1848, e muito
terian ellas a fazer se se possuisscm verdadeiramenle
da suamissao ; pordm duvidamos multo que o facam,
mesmo porque, segundo os rumores que correm, nao
._?.--------u.. t____.... .-._
A maneira, por que se proeedeu as eleiees em Portu-
?al, chainou a attencao da iiprensn tngleza, e todos os
ornacs se oceupam dcsic assumpto. rcfarlado zuals u
iiicnus Tactos, na verdad'e lamentaveis, que se coinmel-
terant ncIHs. Al o mesmo correspondente do Times,
que tem advogado abertamente a causa do Cabraes, a-
cha que as eleices nao Idram legaes.
Os nosios jornaes setemb islas tcem-se oceupado l-
timamente com um fncio vcrdaderainenlo lamenuvel.
Parece que, fallando recursos ao thesouro do governo
de Macan, o governador, Joao Mara do *,maral, lancou
alguns tributos. Os negociantes porluguetes cchii.s, a
quein isso nao agradou, piibllcaram c amxaram alguns
iniuiojoj convidando os seus collegas, para represcnia-
rcm ao governo contra as medidas que julgaram injus-
ta. O governador porluguez, logo que soubc disto,
expedio urna ordem impondo rigorosas penas, al a de
arcabuzeamento, aos autores dos impressos, que deiig-
nou sediciosos. Pela sua parte, o mandarn] chine/, di-
rigi aos seus compatriotas una proclaiuacilo, cliaman-
do-os a conclliacio e obediencia ; c empregando nica-
mente palavras de pai. Este singular contraste tem ser
vldo de luema aos nossos periodistas da opposifno para
fazerem terriveis cargos ao governador de Macu.
A marcha da nossa.poltica he geraluicntc contradic-
toria, chela de peripecias e impossivcl de subjeitar-se a
qualqer criterio Anda ha pouco se diia que os ir-
Hoj
gura-sc que o conde deThouiarseri noineado emhai-
xador, junto acorte das Tulherias, e que seu Irmo Jo-
s Bernardo da Silva Cabial ir com igual cargo repre-
sentar Portugal ua corte do Rio-de-Janciro. I iz-sc que
esta resoluco foi adoptada para satisfacer, em parte, as
exigencias da luglalerru, cuja Kuflueucia, tarde ou cedo,
vira a predominar em Portugal.
A esqtiadra lligleza, que (inha sal,ido a crinar, voliou
outra vez ao Tejo onde se acha.
Os jornaes cabralislas aiiiiuiiciam a morir de D. Fran-
cisca Victoria Rebollo da Costa Cabial, mi dos Cabraes,
os quars frain mandados desanojar por S. M. a raiitha,
sendo o encarroado dessa. misario o csinuicimor, .
Marcos.
Agora he a estaeo dos bailes, e j teem havido al-
gnns milito brllhantes, enlre os quaes se teem tornado
mais notaveis, pela grande concurrencia c brilhantis-
mo, tanto das salas, como dos aHliientes, o da marque/.
de Viauna, o do inarquez de Fromcira e o do club lis-
bonense. .
M anoel Ignacio de Carvalho Mendonca.
Quartel do commando das armas na cidade do Rccife, 7
de fevereiro 1848.
ORDEM DO DIA N." 56.
Dou sciencla guarnlcao, que o governo imperial, em
aviso expedido prla.rr-pauicao da guerra ua dala de 12
>c Janeiro prximo lindo, reerldo cm oflicio da presi-
dencia desta provincia, de 5 do crreme inez, houve por
pem mandar passar o I. sargento LaMreniino Ellas de
'ima, do l. batalhao de artilharia a p para" o 2 da
inclina arma, aqu existente: e como rjiir que esta praca
ainaa naofizesseasuaapresentaco, deve por isso ser
contada em diligencia na corte.
Manoel Ignacio de Carvalho Mendonca.
EXTEmOR.
(ORRESP0SDENCIA DO DIARIO DE PERNAMBUCO.
LISBOA, 1 DB JAKKlaO DB 1848.
Assegura-se quesr II. Srynoiir, ministro de luglater
ra, nesta corle, recebera ohcios do sen governo, nos
quaes este approva a sua conducta a respeito dos negoci-
as de l'ortugali esobre tullo, o seu protesto contra a ma-
neira porque se lueaiii as eloicocs. Ao uiesmo lempo,
dii-sa que. lord Paimerston dirigir notas aos govcrnns
tranoeaencspaiihol, dizendo-llies que, se elles entcn-
diam queoi(OvernoppriuB.iozbavla oxecutado fiolinen-
te o proloeollo, elle nao eslava do mesmo accordo.cquc
farla da sua parte com que o prolocojlo fusse executa-
do plenamente.
-?.-?-!C_ ver no
o seu
icm
noticias, nain mesmo, sendo vrdadeiras, se o ev
inglez as levar a cffello com todo o rigor, porque o
proccdimeiito alo agora, se nao tem sido anilibio,
sido, pelo menos, muito moroso.
Dfi-se tambem que ser rendida o commandaiiic da
csquadrajoglcza, lr. Corles_Naple, por e atar cm
ASSASSINIO DA DUQUEZA DE PI1ASI.IN.
lia inultos annos que os cnsangnentados an-
naes do crimo nlo apresontam au niundo, cspantailo
do pena e honor, un fado (lo atroz como oassas-
sinio da infeliz tluqur-za do l'raalin .' Relove-se-me
insistir hoje neslo trgico acoiilecimcnlo, de queja
dei noticia ios te-Horas o Corri Estrangeiro dos
dous precdanles nmeros ilu Revista. Este drama
cruento tem lauto de imporlauto para o sent ment
e para a moral, que he talvcz conveniente desaliar
alguraas lagrimas sobre o lamcntavel successo, que,
anda depois de fechado em dous tmulos, oceupa
liojeconi tantointeressea imprensa de Franca c da
Europa.
Alguns jomaos infclezes, sem duvida com linssi-
nistroa, liveram a infamia de especular no horror,
8 illi'lbuir aos amores de um lilhn do l.uiz Eilippo a
funesta tragedia parisiense do ultimo mciado de a-
gosto. Nada ha sequr do verosmil em urna tal ca-
lumnia. Aduqueza (iol'raslin ora urna sonhora vir-
tuosa, amavol um todo o sentido, caridusa em ex-
tremo. O processb a que so tem procedido tem es-
clarecido do lodo o poni estas circunstancias, o
que urna publicidad?, exigida i oin avidez por lodo o
po.voem massa do l'aris, tem dado o maiur inleresse.
e irrecusavel certeza.
NIIO conlieso uaila do mais pallietico, de mais sen-
timental, de mais nobre, Uo mais sublimemente fl-
lliu de um cofacSodo mullier... de una niiii... que
as cartas da duqueza a seu marido, appeusasao pro-
cesso e que os jornaes Irancozes teem A porfa pu-
blicado, l'esa-me julo as poder transcrever intoiras
pela sua muita extensflo ; mus no (im da inelanclio-
lica ecuriosa Darraco que vou Tuzer, extrahida dos
jornaes, que incessatitemento so toom oceupado dii-
to lastimoso successo, daici tambem alguns extrac-
tos doslus cartas 13o pungentes como admiruveis,
que tfiem de nunca mais sercm esquecidas no
mundo.
Depois ilc vinle edous annos de consorcio, depois
do uascimento do dezlilhos, quo odio infernal, quo
conflictos do interesses, que desvario de coraeflo,
IMjderaiu fazer de un lioinem, tido at alii por indo-
lente e de genio apatiico, um algoz, um assassino
aboiuiiavel '.' (jual seria a causa, por que o chefe de
urna das mais illustres familias de Franca, prente
da casa reinante, alliao com todas as casas histri-
cas do reino, cavalheiro de lonor da duquoza do Or-
leans, criado, amigo, confidente dos principas reaes,
seqlivr de upia fortuna iaimonsa, herijciro'oulia
daquclle asylo se urna carta -da duqueza Ihe nio ds-
se a certeza de que ella havia sabido da sua casa sem
que para isso houvesse dado motivo que Ihe fosse
dosairoso, e que o seu modo do proceder em casa do
duque linha sido se ni pro irreprehcnsivel. 0 duque
sahio, jurando que esta caria havia do ser mandada
forcosamente regente.
Atlribe-se esta ultima circunstancia o horro-
roso desfecho doste drama. He natural quo o duque
exigisse a carta do sua mullier rogonte nossa mes-
ma noite. He do crer que a dttqueza por ciume so
recusasse a er,crev-la, no instante mesmoom que os
seus zeios era ni exasperados pela noticia o avidez
da visita do duque mullier quo t3o justamento
Ih'os provocava. Como qur que fosse, nosta mesma
noite, ao rasgar da madrugada, um feito horrivol he
praticado noquartodo dormir da duqueza. Um ti-
gre de forma hnmana, ou antes um demonio, entra
na alcouva da mili do seus novo illhos, emquauto
queosomnalhocerra as palpcbras, armado do um
puniiai aliado, de um cordilo do retroz e de um par
de pistolas. Tiraaluzt]uo alumeia o quarlo, que-
hra a fita da oampainh que vi ao quafto msts pr-
ximo dos criados, fecha por dentro a porta da al-
couva por ondo poderia entrar algum soccorro, e
perpetra o crhne mais espantoso, atroz, execravel
dos lempos modernos.
As indagagoos minuciosas o intelligcnles a que so
lem procedido, d1o todas as circunstancias, tiradas
dos seus vestigios, deste fado abominavul, quasi
como so Tora presenciado. A infeliz sonhora recebou
as primeiras frulas estando adormir: quatro f-
raiii oiias e ioiias no pcito. Precipiou-so depois do
seu leito, dirigio-se porta que eslava fechada, urna
cadeirao urna mesa fram derrubadas nesta passa-
gem. D'alicaminliou jaitellii do jardim, onde a
lula parece ter sido mais incamicada. Foi nesse lu-
gar sem duvida, que a duqueza pode agarrar o pu-
nhal do assassino com a man osquerda, que appa-
receu toda cortada e com o dedo mnimo quasi deca-
pado ; a lamina do punial quebrou-se, lalvez nesta
uccasiiio, porque assim appareceu separada do cabo;
seria enlito tambem quo o moslro abominando se
servio das pistolas, ferindo com ellas o rosto e o
corpo da sua lastimosa victima, que ao cabo veio
expirar esgolada om sanguo no meio da alcouva.
Trijita frulas se Ihe achnram no corpo : as do pet-
toe garganta eram formidaveis.
Os criados que correrara ao ostrondo da segunda
campa in lia. que, pelo lugar em que eslava o conl.o,
s poderia sor tocada no momento da duqueza cahir
exange, tiveram de tornear o jardim para virem a
entrar por os mesmos quartos que o duquo segua
para tornar a entrar na sua alcouva. Todas estas ca-
que a duqueza de I'rasliu ihe escreVesse" descunai- *i,sestavani sujas do sanguo marcando o itinerario
fortuna anda maibr, marido da filha do nm mare-
chal de Franca, pal de novo lilhos vivos ; qual seria,
a causa, dizia eu, por que este liomerji assassinou sua
osposa, o du llm corn um suicidio a seas dius assim
oohertos do lucio o de horror?
O casamento ilo duque de Praslin com a filha do
general Sebastfani havia sido feliz, lima paixo mu-
tuai os uni, e o seu amor reciproco existi puro
i|iiii)/a annos rom penhores numerosos da sua terna
alIViclo. O daque era homem lhano, do espirito li-
[ mitado, sem energa d'animo, com urna dessas inlel-
ligenciasacanhadas, incapazes do hom.e do mal,
mas s qaes, mijilas vezes, um impulso exterior
pode arremegar aum dessos dous oxtremos. Adu-
queza era rdeme, apaixonada, esposa amarfto, mili
extremosa, 6 linda por consequencia os defeitos do
lodosuscoragflos com estas qualidailos. Infelizmen-
te era ciosa, e o co a tlnha predestinado para sof-
frer todos os tormentos do ciume, c.ujo ful corrom-
po a mais bella vida I Era altiva o fogosa quando a
suspeita Ihe entrava n'alma.
Em 1841, urna rapariga de 21 annos, mademoiselle
Ijtizzy, foi recpbi'la em casa.do duque para aia de
seus-lilhos. Bonita, muito instruida e habilidosa,
genio lenaz, espirito brilhante, saliendo bem msi-
ca, bem pinlare bem escrovor, de figura elegante c
physionomia graciola, esta rapariga soube adquirir
um ascendente quasi absoluto em todos quantosa
ti a la va ui Oduque concebou nina forte paixo por
madomoisolle l.uzzy, c a perspicacidade da duqueza
couheceu-o logo.
Dosdo cntflo rebentou a discordia no palacio du-
oai as dcsavemas muiliplicaram-se, e muitas vezes
al a mesa A dona da casa rctirava-se para o seu
quarlo, e l, fechada, desaogava om lagrimas os seus
desgostos. Ahnal podio ella quo fosse despedida do
sua casa aquella quo Ihe roubava os direilos de es-
posa, o socego d'alma e at o amor do seus lilhos. E
com elleilo, estes oram os primeiros a exclamar que
porreram de pona so os soparassem da sua querida
Luzrjr. Tamanha era a lascinacao quecsla rapariga
Ibes soubera insinuar em seu espirito! O duque ro-
cusou-se a despedi-la com o nretoxto de que ella era
innocente, indispensavel educaQilo de sous lilhos
e do que no devla coder a ciumos loucos nem ca-
prichos.
Esta recusa foz desesperar a duqueza. Mandou
chamar o seu procurador, e quiz intontar um pro-
cesso de desquite. Os rogos de seu pai, os do um cc-
clesiastico, cuma intervongao poderosa, podoram.
infelizmente, mas poderam, fa/e-la renunciar este
projecto. Aljirina-se quo urna dhs prii.cezas [a du-
queza do rleans talvezj estava tilo convencida da
nnoecncia de mademoiselle Luzzy, que p le obter
do-se do liaver injustamente desconfiado dola. Esta
carta foi adiada com effeito entre os domis papis
a cuja busca a Justina proceden.
As dcsconancas da infeliz duqueza, serenadas
ut pouco assim, romperam de novo com maisforcu
um rasfiode urna viagem que seu marido fez Italia
com iresde seusfilhosea aia lestes. A duqueza por
mais quo fez nflo pode embaracar esta viagem. Quz
outra vez desquitar-Be; mas aehou os mesmos obs-
tculos, na repugnancia da sua familia o as instan-
cias do paco, conlra sanielhanle escndalo.
Dousannosdepois desta viagem Italia leve lugar
u cuUalroplie fatal- O quo nesle intervallo aconlc-
ceu no pode bem dizer-se; sabe-so, porm, que
tres luezet antes do assassinio o procedimenlo do
duque para com sua mullier so havia tornado lio a-
curlio, que a pobre duqueza, conversando um dia
coma rainha, supplicou-lhe que in'.erviessc a seu
favor para com sen marido. Alguns dias depois a
ranilla dirigi ao duque palavras do exprobraclo a
osle respeito, o recoinuiendou-lhe quo mudasse de
procedimauto. Oduque protestou que eslava inno-
conto, oque tudoera urna desconlianca injusta de
sua mullier. Mas, entrando cm casa furioso, os seus
ralh us loran osuondosos. Chamou a duqueza de-
nunciante, covarde, infame, o declarou-lhe por
muitas vezes, quo cedo se arrependcria das suas
queixas a rainha.
Mudemoisello Luzzy foi onto mandada rccolher a
um convento, o restabeleceu-se no palacio do du-
que de I'rasliu um curto simulacro de paz, que a-
quiolou os nimos.
I'oucos dias depois, os duques fram ambos para,
a sua casa do campo deVaux. Masa rebentou de
novo a trovoada com mais furia anda. A duqueza
interceptou urna carta do um de sous lilhos de'oito a
ilta anuos, escripia a Luzzy com tanta saudade e ter-
nura, sentiinentos tilo vivos,' protestos Uio ardentes,
que a desgracada senhora no Uio custou a adivi-
nhar, que embora fosse lenra a uiSoquoa escrev.ra
era de sobra varonil o corceo que a dictara. Verili-
cou-se a exactidlo de ludo isto.
D'aqui nasccram, como he bem do suppr, novas
origens de rccrimitiacOes, ameagas de separago.e
dcsavangas unir os dous esposos. O duque inter-
preta as phrases que elle havia dictado, como meras
palavras do gratidiio a urna pessa a quem sous li-
llios eram llovedores de una solida o virtuosa edil-
caco. Suppr outra cousa era croar urna chimera
monstruosa, de proposito, para angustia do animo e
perpetuo ilesgoslo seria urna tyrannia da suspeita
quo a.duqueza ostentava nicamente para Iho ser
pretexto a poder desconsiderar seu esposo. Estas ra-
sos, se uo satislizeram a duqueza, pelo menos pa-
rece que Ihe inspiraran! prudencia ; e os dous espo-
sos vollaran para Pars.
,0 duquo apenas chegou, correu logo a visitar ma-
domoisolle Luzzy com dous do sous lilhos. Esta ra-
pariga queixou-se amargamente do quo* a sua re-
cntc, orcteltaiiil os rumores pblicos que Uio...
eram desfavoraveis, linlu rcsolvido faw-la sabirlgao do horroroso drama! EamulliOflo com do
do assassino.
Quero poupar o leitor k discripglo pungente da
cepa ptujUca passada no qusrto da duquoza de-
pois do assassinio. Aquello cadver do urna mulher
bonita, instruida, moca, espirituosa, somi-nu, co-
berto de ferdas, cm cima do um lago do sanguo,
que de ludas as paredes e movis era gotejadotam-
bem ; os criados consternados ; os mdicos s mu-
dos espectadores; a juslica investigando; um ve-
nerando militar octogenario, pai da victima, recu-
andn ante oslo espectculo pavoroso; o marido as-
sassino de bragos-cruzados com estupida impassbi-
flldade, encarando ludo isto, sem lalvez vor nada
doque se passava ; o tudo ao clarilo de velas, que
lornava mais lgubre toda esta scena hedionda;
sflio circunstancias que impressionam demais o es-
pirito para que se deva insistir nellas.
Depois de retirado ao seu quarlo, o duquo, tondo
fingido alguns signaos do mu disfargado espanto o
consternagilo, foi logo seguido pelajustiga.
Knlo Senliui es diz-lho o duque e par de
Franga,leudes dcscoberto alguns signaos dos as-
sassnos?
l'arecc-nos quo sim."
a Foi alguem de fra, do cerlo ?
Julgamos que mo, Sr. duque.
o Pois em casa.... quem se atrevera.....
, 0 assassino, exelamou entao um dos ma-
gistrados, sois vos, Sr. duque.
Eu .'....
Vos mesmo.
E o duque dcixou-se cahir sobre urna marqueza,
colirio a cabega com as inios, ecalou-se.
O assassino ficou guardado vista ; mas assim
mesmo podo envenenar-se, ignora-se do quo modo.
Depois de manifestos os primeiros symptomas do
veneno, o duque foi conduzido prisSo do Luxem-
bourg onde foi tratado. Parece que os mdicos he-
silaram a principio sobre a na tu reza da onfermida-
do. Ocaso he queodoente morreu no fim do quatro
dias. Sera isto um suiciJio voluntario e promed-
Udo, ou um meio de salvar da infamia do um pa-
tbulo um menibro do urna familia oriunda dos
compaiihclros cruzados do Godofredo do BuIhSo?
He o que ainda he myslerio.
A noticia dWe horroroso successo lovou a cons-
ternago ao pago, e toda a familia real. Aduque-
za de Orloans conservou-se dous dias fechada no seu
quarto, chorando; c o reisuspenJou urna festa quo
esjava para dar essos dias.
I'or ultimo, urna scena dolorosa se passava anda
no palacio da duqueza mi de I'rasliu. Eslavene-
ravel senhora, cega e cercada de seus (Hitos, e O
niacecbalSohasliani, outro volho respoitavel, cho-
ravam nos bracos um do outro a perda mutua do
sous lilhos, ISo trgica e horrorosamente filiados.
Ao mesmo lempo, unta irmaa do duque, que orava,
na capella, vai ser encontrada sem sentidos dos de-
gros do altar, julga-se quo desmaiada ao grito dos
pregoeiros quo vcuuiam os impressos com a narra-
I
k


f
""BU"""-
aVal
^

^S
todos os lados tastrophc, o a imprecar contra o assassino .'
"Direi agora algiima cousa sobro as cartas da vic-
tima ao scu algoz; monumento doloroso do urna
loriga'agonia, quadro inleressanto e compunjenle
. das dores de una desgranada, que tanto as senta
como tambem sabia pinta-las, o.com ellas com;:.o-
vcr. Enconlraram-.sc tambem entro os papis da
duque/a, as memorial da sua villa de -quo mais tar*
de aimprousa ter que occupar-secertamenlo.
(Continuar-te-ha. )
EDITA ES.
coiviMEacio.
Alfandega.
IIENDIMENTO 1)0 DA 16............8:812,183
Descarrega hoje, if de fevereiro.
Brlgue Tarujo-I inercadoriai.
dem galera americana Kut-no/f, capltao VT. Stockley, I Joo Jos Pinto Joio Luiz Machado Guimares ,
carga a mestna que trouxe. Joflo Milito Honriqnes Joo Martin Cruz ,. Joo
Olivera Mello, JoSo Rufino Silva R., JoOo Silva Lo-
bo, Jos Alves, Jos Antonio Caita F.. Jos Anto-
nio S Guimares, Jos Antonio Santos M.-, Josa An-
tonio Suva F., Jos Baltazar, Jos Cardozo Silva ,
Jos Costa Silva, Jos Ferreira Mallo, Jos Fernan-
desFerreira, Jog Ferreira Alves, Jos Francisco
Androde Jos Francisco da Costa Jos Francisco
Santos M., Jos Connives Gu'imarae, Jos Henr-
ques Olivera, Jos Jacintho Carvalho, Jos Ignacio
Costa los Joaquim Dutrt, Jos Joaquiro Gomes B.,
JosJoaquim Marques B., Jos" Joaquim Peixoto
Guimares, Jos Joo Dias, Jos Munteiro Almeida,
Jos Monteiro Sequeira, .Jos Martina Olivera, Jos
Mara Ferreira Jos Miqunino auuiu, Jim G-
veira Silva, Jos Pires Miranda, Jos Pinto Costa,
Jos Passos Santos,, Jos Pedro Moreira Jos Pe-
reira Silva, Jos Rosa Renovato, Jos Rocha Estoves,
Jos Rodrigues Poixoto.
(Continuar-it-ha.l
i cmara municipal da cidade de linda 'e ten termo,
em virtude da lei, etc.
Faz saber que sorSo arremalados.no dia 17 (hoje] do
corrente mez, os oonlralos seguales : o reparo dos
acougues, dos mscales o boceteiras.; a afericSo dos
posos o medidas, e armazom pequeo do Varadou-
ro : os licitantes comprelam habilitados e muni-
dos dos competentes fiadores. /
E 'ni .i que eiie&u ou uiniociincutO un lumia,
mandamos publicar o prsenle pela mprensa.
Ciilade de Olinda, 11 de fevereiro de 1848.
JosJoaquim de Almeida Guedes,
., Presidente
Joo6 Paulo Ferreira,
Secretario.
MPOLVTAGAO'.
Nelie-Malhild briguo francez, vindo do Havre,
entrado neste mez, consignado a Adour&C, ma-
nifcstnu o soguinte :
2 caixas chapeos de seda, 1 caixa perfumara e
botos, 1 dita chapeos de palha, 1 dita fitas o cs-
. comilha do seda, penteso suspensorios, 1 dita ton-
lhas, veos, chpeoslo bijoterias ; a Rernel.
1 caita diversos objeelos ; ao Dr. Sarniento.
1 fardo fazoiidosdo la ; a Koller & C. .
2 caixas chapeos de seda, 80 barra e 40 meios di-
tos manteiga 1 caixa papis, 1 barril productos
chimicns, 1 caixa perfumaras, 200 gigos batatas, 8
caixasquincalharias, raerecarias o objectos domo-
da, 2 barricas rame de I a tilo ; A ordem.
1 caixa fazendns, luvasdcseda e ditas de pellica,
1 dita fazendas do algodo 3 ditas ditas de dito e
La ; a J. Keller C.
90 bnrris" e 20 meios ditos mnloi**".; a Jos Jcro-
nymo Monleir>.
90 barris o 20 meios ditos manteiga, 2 caixas fa-
zendas de la e seda, I dita funilaria, 4 ditas vi-
dros, 1 dita papel, 1 dita cspelhos, 11 ditas tecidos
diversos, 7 ditas industrias parisienses, 1 dita per-
fumarias, 1 dita castgaos, 1 dita porcellana, 1 dita
movis, 2 ditas obras domeias, 2 ditas bijqterias de
miro, 1 dita couros, 2 ditas calcados, 3 ditas tecidos
entranQatlos ; a J, P. Adour& C.
3 caitas fazendas de algodo* 2 ineias quarlolas
vinho branco, 8 ineias ditas dito tinto ; a E.'ltolli.
1S barris e 10 moins ditos manteiga, 22 caixas e 7
lardos fazendas de nlgodilo,7 ditas porcellana,5 ditas
fazendas de la, 3 ditas calcados, 2 ditas papel, li-
tas chapeos, 1 dita objeotos do sellos, 5 ditas per-
fumarias, 1 dita bejoterios, 1 dita tapetes 1 dita v>-
dros, 1 dita suspensorios, bijoterias c estojos, 2 cai-
xas mcrcenrias, quincalharias, luvas, etc., 2 ditas
flores, escovas, marcearas c msicas, 1 dita boce-
tas de papelo, 1 dita bonetes, carteiras, etc., r dita
fazendas de seda, 1 dita chapeos de palha, J dita di-
versas niiudczas, 1 dita obras do ineias, fitas de se-
da, etc.;' a DidierColombicz & C
2 caixas vidros para gaz,- 1 dita xarope de naf,
60 barris e 40 meios ditos-manteiga, 1 caixa conser-
vas; a Regord o Caucanns.
75 barris c 50 meios ditas manteiga, 1 caixa man-
gas do crystal; a I.. G Ferreira.
1 cnixa bijoterias, 7 ditas fazendas do algodo 1
dita ditas de dito e 15a ; a Schaflieitien & Tubler.
1 caixa papis, 60 barris manteiga; a N. O. Bic-
ber & C.
1 caixa plumas para chapeos ; a A. S. Strauss.
7 caixas lvros cm branco, 1 dita porcellana, 17
fardos papel, 2 caixas armas de fogo ; a l.enoir Pu-
gel & fi.
5 caixas porcellana, 1 dita lvros cm branco, 1
dita luvas o mais objectos, 3 ditas vidros, 1 dita pan-
no encerado, 1 dita tecidos de scila c du 1 i 11 lio,
luvas, etc.; a Didicr Robcrt & C.
'i caixa porcellana,. 2 ditas perfumaras, 1 dita
tecidos de seda e algodo botOcs etc.; a Colom-
biez.
2 caixas fazendas de seda, 4 ditas ditas de la ; a
Kalkmann c Rosen mund.
12caixas papel, 3 barris tintas, 9 caixas fazendas,
de la, 1 dita papel e Carlas- topographieas, 3 ditas
ralbados, 8 ditas fazendas do algodo, 2 ditas pel-
los preparadas, -> ditas morrearas., 1 dita objectos
de papel, 2 ditas novidades. 2 ditas chapeos, 3 ditas
vidros, 2 ditas perfumaras, 3 ditas lvros ; a Avrial
Frres.
1 caixa pannos, gales, redeas, livroi egazetas;
aThomaz do Aqtiino Fonsecu.
200 raizesde betarraba ; ao capito. -
3 caixas plantas e se mentes, 2 ditas envidiadas
com flores na tinaos ; no lir. Fonseca.
50 cestos chaiiipanlia ; a-ltollio & Bidoulac.
1 caixa instrumentos para ourives ; a I). Diez.
CAPITANA DO PORTO.
O capito do porto desta provincia, lendo de en-
gajar, em cumprimento d'ordem do Exm. Sr. pre-
sidente, n qtiirtorze pracas para o completo da guar-
nicfto da corveta D.-Francisca, sendo 8 marinhoiros
de primoira classc, 2 do segunda e 4 grumetes :
convida a marinhagem que quera servir dessa for-
ma, ou aos individuos que quizerem incunibir-se
de agenciar esso engajamonto, a apresentarem-se na
capitana com toda a brevidde : sendo o lempo do
engajamentode um a tresannos, como se convon-
conar, e as.grntficagcs a dorem-se s ditas pracas,
na ordem desses prazis, de vintc, trinta o quarenta
mil ris, aquellos que frem mtrinheros ; ose-
melhanlemente, de dez, qiiinze evini mil ris, os
que frem grumetes.
Alm dostasgratificaces se Ihos dar mais, como
premio, aos que so engajarem directamente quatro
mil ris, -sendo estrangeiros, o cinco mil ris, sen-
do nacionaes ; percebendo os indiciduos que se
propozerem aengaia-las ; quatro mil res porcada
urna da dado do is" a 40 anuos, sendo cslrangeira,
o cinco.mil ris, sendo nacional.
Capitana do porto do Pornambuco, 15 defeverero
de 1848.
Rodrigo Theodorp de FreUai,
Capito do porlo.
Ileclaracoes
Escravos apprehendidot pela polica.
Bernab, Ludgero o Joaquim, que confessam per-
lencer: o i.' a Antonio Leite Pereira Dutra, com-
rnereiantoem Rio-Fonr.so; -c2. s Gonzalo Ma-
rinlio Falcfio, lavrador uo onaenho Cncheira, termo
de Porto-Gelvo ; -- o 3 a Manuol Pereira Guimares.
Acham-se rccolhidos Cade.ia desta cidade, e
dovem do. ser reclamados na subdelegacia do Re-
cife.
Animaes apprehendidot pela policio.
Un quarto que se suppfle sordo engonho Paulists,
ooutro com cangalha o dous cassuaes.Devem de
ser reclamados na subdelegacia do Recife.
COiNSLLADOJKUL.
RENDIMFNTO DO DIA 16.
Ceral....................... ., 3:486,609
Divenas provincias............... 226,660
3:713,269
COiNSULADl> PROVINCIAL.
REND MENT DODFA 16...........1:730,596-]
AfovJmcnlo do Porto
._______%_______
Navio* entrado/ no dia 16.
Alar- Pacifico, tendo sabido de Nrw-Bedford lia 31 me-
?.cs, p.-ilrr.-i aniericana Kutusuff, de 415 toneladas, ca-
pllao W. Shoktey, eqiiipagein 27, carga aieite de pei-
se : .ni capilo:
dem idem lia 20 metes, galera americana Mercury, ir.
30.") toneladas, copitao (Uis Peirdlelun, equipagem 26,
carga axrite de peixe ; ao capilo.
' tlahia; 8 das, patacho brasilciro Sanla-Cruz, de 101 to-
neladas, capilo Joaquim Antonio Goncalves dos San-
tos. rc|uipagem 12, carga filmo, caf e mais generol;
a Cartano Cyriaco da Costa Moreira. l'assageiio An>-
lonio Moniz de Almeida, Braiilelro.
Navioi 'fahidos no meimt dia.
A adminislraco geral dos estabeloermentos
de cardado manda fazer publico, que no dia 21 do
corrontn polas 4 horas da tardo, na sala Jassuasses-
sOos. ir a prngii, pelo tempo que decorrer do dia da
arrematadlo a 30 do jiinhu du 1851, a renda das casas-]
ns. 33 da ra de Moras, e 118 das Cinco-Ponas,
ambas ratilii-.nl.is do novo ; sendo aquella de um a-
il,ir o soto, o esta lerrea.
Adminislraco geral dos cstabolecmontos do ca-
rdado, 14 de fevereiro do 1848.
O escriturario,
F. A: Cavalcunte Coutlrro.
O Illui. Sr. inspector desle arsenal manda fazci
publico, que no dia 18 do corrente, pelas II lioi'as da
inanhaa, contratar a compra de azeite de peixe, pre-
gns de costado de 0 poltegadas, ditos de batel pequeo e
ditos ripaes da trra, sendo a quanlidade de cada um
desses objectos a que se convenclonar: devendo os prc-
tendentcs venda apresentar as suas propostas nes-
ta secretarla, acompanliadas das competentes amostras,
al o indicado dia e hora.
Secretaria da inspecfo do arsenal de marinha de Pe
nambuco, 1( de ievereiro de 1848.
O secretario,
- Ak.mnilrc Itodriguel doi Anjot.
Litta da cartas rindat cm iodo o mes dr Janei-
ro de 1848.
Abliado, Alfonso Caminlio, Alexandro Maclou T.,
Agoslnho.Rogguere, Amelio F/ineelino Silva C.,
Antonio Augusto Corroa, Antonio Augusto Abreu M.,
Antonio Alves Coelho, Antonio Carvalho Almeida,
Antonio Carlos F. Silva, Antonio Fernandos Silva,
Antonio Francisco Dorncllas, Antonio Francisco Pe-
reira, Antonio Goncalves Silva, Antonio Gomes licito,
Antonio Joaquim Abreu C, Antonio Joaquim Gon-
calves Guimarcs, Antonio Joaquim Marques Sil-
va, Antonio Joaquim Souza, Antonio Jos Alves V.,
Antonio Jos Costa Silva, Antonio Jos Das, Anto-
nio Jos Frelas, Anlonio Jos Lopes Silva, Anto-
nio Jos Rebollo Guimares, Antonio Lopes Braga,
Antonio Moreira, Antonio Alarqucs Nevos, Antonio
Monteiro Almeida, Antonio Olivera Rocha, Antonio
Pereira Pinto, Antonio Rocha, Antonio Ramos, An-
tonio Rogo Soares, Antonio Ribeiro Lcz, Antonio
Soaros Olivera, Anlonio Sanios, Antonio Silva No-
ves, Anlonio Xavier Marques C. A., Anlonio Vieira
Silva, Antonio Villana.
Bebianc Despem C. M., Benjamim F. R. Vieira
Bernardo Jos Pacheco, llernardo Jos Rocha, Ben-
lo Candido II. A., lenlo Cougalvcs.
C. Gumer, Calhcrine Augusto C Catharina Fran-
cisca Espirito-Santo, Calliurinu Mara du Concoi(o,
Claudno Jos Pereira Pcxotd L, Custodio Jos Sil-
va G.
Dcogracias do Amaral Domingos Barros Leal,
Domingos llcnriquos Gomes Domingos Lito Mes-
tjuila Domingos Silva Teixcira.
Firmiuo Jos Rodrigues, Florencio Silva Marques
R. Francisco Augusto Silva'*;., -Francisco Antonio
Paulino Francisco Costa Barcelar, Francisco Gon-
calves Moracs, Francisco Ferreira Rocha, Francisco
Ignacio, Francisco Jos Almeida, Francisco Jos
Lira, FranciscoI.uiz Pessoa, Francisco Manoel Silva
M., Francisco Paula Suza L., Francisco Regio Loo
C., Francisco Rodrigues Silva, Francisco Santos Nc-
ves.
Guilhcrme Jos Pereira C., Guilhermo Pinto Hen-
riques Gustavo A. Ramos F.
Jeronymu Fernandos Silva Joaquim Alfonso Res,
Joaquim Candido Ferreira .Joaquim Cardozo. Joa-
quim Flix Rosa, Joaquim Fernandas Azevedo,
Joaquim Francisco Santos S., Joaquim Francisco
Silva Joaquim Jos Barros, Joaquim Jos Forroira
Almeida Joaquim Jos Baptista Joaquim Jos
Sanios Joaquim Pinto de Azevedo, Joaquim Pinto
Meirelles, Joaquim Rafael Valle, Joaquim Rodrigues
Maya Joaquim Torres., Joaquim Silva Santos, Joa-
quim Vieira Barros, Joaquim Viegas, Joo Aluxan-
dre Vieira Joo Arruda Cabra!, Joo Antonio Pa-
checlio, JoSo llulliOos Costa, Joo. Rento Alvares,
Joo Baptista Espirito-Santo Joyo Bautista Passos,
Joflo Cruz Pires, Joo Furtado, Joflo Francisco Arau-
ijo L., Joo Goncalves Pereira, Joo Goncalves Ro-
Publicacoes Lter^rias.
AS SETE GORDAS DA I.YRA,
or C,tarar Sand,
A quarta livracflo acha-se a venda nos lugares do
cosluino : no Itecife, loja do Sr. Cardozo Ayres ; em
S.-Antonio, praca da Independencia livraria ns. 6
o 8; na Boa-Visla, loja do Sr. J. E. Chardou.
Historia do cerco do Porto, nosannos de 1832 e
1833, precedida de urna extensa noticia das diffe-
rentes phases polticas porque lom passado a mo-
narchia portugueza, desdo as mais romolas eras at
o anno do 1820 : bem como dos principaes aconte-
cimentos, que dosde aquello anno tiveram lugar
at ocomeco do sobreuito cerco. No corpo dcsta
obra, se achara tambem urna descripco da cidade
do Porto, soas aiitiguidades, edificios notaveis,
estabelecimentoi litterarios e o mais que nella ha
de onriosii ; sendo tudo isto acompanhado do um
resumo his'to'ricp dos acontecimentos que na*refe-
lid.i cidade livoraui lugar contra os Francezes nos
annosde :808 c 1809, com que so completa urna
verdadoira liisluria de Portugal desde o principio do
presento seculo al a reslaurago do governo legi-
timo. Os Srs. assignantcs podom manijar buscar o'portugaf, a tratar de suasade.
LUIGI PLASSA previne ao respeitnvel o bondo-
so publico dasta capital, quo quinta-feira, 2\m0
corronlo, ter lugar o espectculo qOe orle havi-vin-
nunciado para dezembro prximo passado, o qiie
por circumslancias, rra transfondo. O mosmo Lui-
g Plassa espera que o ro/orido publico o htmrar,
anda esta vez, com a concurrencia com quo Iho ha
manifestado a>ympnthin que llie vota; e protesta um
etorno reconliecimnto ao assignalado favor.
--AntonioJacintho do Amaral Arago, morador
nacdaddaParahiba com eslabelecimentode nc-.
gocio, declara que, a requenmento de.Jose Das (|a
Suva fci citado hontem, 15 do corrente mex.de fe-
vereiro, para comparecer perante o Sr. jflgrde p,z
do primeiro distrcto do S.-Fr-Pcdro-GoBc^lve,
lettra de 2:800,000 ;rs. que ie diz sacada por Jos
AntonioeMagalhes Bastos, ha 3'mezcs precises,
emSde marco de 1847, sobre Manoel Francisco
Ang." cuja garanta he falsa : ecomo oannuncian-
to te retira- hoje mesrao para, aquello seu domici-
lio faz o presente aonuncio para obstar a|-
guma ciUclo falsa e esta prompto no dito se do-
miclio para ser citado quando o referido Disida
Silva quizer apurar a verdadedo qu expOe o an-
nuncanto. Recife, 16 de fevereiro do 1848. Aa-
tonio Jacintho do Amaral Aragdo.
AOS SRS. DE ENGENHO.
Qualquer senhor de engonho que precisar do quem
ensine primeiras Hetlras, doutrina christa, gr..].
matica nacional, artlimetca o francez dirija-sos
ra irireita 119.
~ Aluga-se urna casa terrea no Corredor-do-Bii-
po : a tratar na casa contigua, quasi defronte do
palacio do Sr. bispo.
Antonio Jos Pimenta da GoneegOo enibare
pira o Rio-de-Janero a sua oscrara Genoveva.
Affonso Saint-Marln.com estabeleclmento d
sedaa no primoro andar dasobrado n. 24 da rus
dosQuarteis, hoje larga do Rozario, por cima da
loja de miudezas, de Victorino de Cstro Moura, tem,
alm de outros objoctos de seus artigos, superiores I
haposdeseda para senhora conforme os mais '
recentes figurines os quaes veem estampados nos
cartees dos mesmos chapeos, o juntamente os tem
depaijiinhaabortos, ja eneitwio ouirusa os
cascos; mantas do seda ,* muto ricas e de eaeolhi-
do gosto ; cortes de seda para vestidos do noivas.
Para melhor commodldade dos senhores que preei-.
sarem de quaesquor desses objectos, tero a bon-
dade de mandar avjsar ao annuncante que te
apressar em Ihes levar.
Alugam-so a algumas familias capazos tres
excellentesescravas. cuja conducta so afunqa : urna
ptima engommadeira olavadeira, que enlende do
cozinha ; outra porfeita cozinheiw, que tambem la-
va e he propria para se encarregar de qualquer casa;
e urna que lava e coze, o he boa quilandra : ueste
typogrsphia so indicar a pessoa com quom se de-
vem entender os pretendentes.
- Faz-se publico a todos os senhores e sanhurn
que precisarem do urna pcssa para enslnar primei-
ras ledras, coritas eg'rammatica portugueza, dodiri-
girem-soa rasa da ra da Calcada, n. a, a tratar com
a dita pessoa ; advertindo-sc que se ensina particu-
larmente om suas proprias casas.
Antonio Ayres de Castro (tabello faz viagomi
primeiro volume a ra da Cruz, casa, n.1, c segundo
andar. O seu preco he de 3,000 rs.: he em oitavo
francez, o'tcm 600 paginas.
zWisos martimos.
J, w-Bedfo'rd, galera americana L.-C.-Wckmud, capi- j drigues, Joo Graca Torres JoSo Ignacio Coelho,
< iao RichardID \Vood. carga assuear. | Joflo Jos l'uarlc Guimares, Joo Jos Olivera,
Para a cidade do Porto segu viagem com mui-
ta brevidde a galera portugueza Tentadora, capito
Kmidio Jos de Olivera: quem nella quizer carre-
gar ou ir de passagem, para oque tem deliciosos
commodos, dirija-so ao mesmo capito, ou a Ma-
noel Joaquim Ramosa Silva.
Para o Rio-de-Janciro sahir brevo o brgue
Mercantil, capito Antonio Ferreira Lima Fogaco, o
qual tem bous commodos para passageiros, o assim
tambem para escravos : quem pretender podo enten-
dor-se com o capito,ou com Amonio Irmos, ra da
Cadeia, n. 45.
O briguc portuguczY'oncefio-rfe-Wara saho pa-
ra Lisboa, impretcrivelinente, no dia 2o do corronte.
Para Lisboa saho rom hrevidade, amuitove-
leira barca portugueza Ligeira de que he capito
Anlonio Joaquim "Rodrigues : quem quizer carre-
gar ota ir de passagem para o que tem excellentes
commodos dirija-so ao mesmo capito na praca
do Commcrcio ou aos seus consignatarios, Fran-
cisco Severianno Rabollo & Filho.
A vis/ s diversos.
de manhft., tarde e noite.
Jos Soares "Azevedo tem aberlo em sua casa, ra do
Rangcl, n. 59, segundo andar, um curso completo de
LINGOA franceza. As petsoas que desejarem esludar
Cuta lingoa, podem dirigirse indicada residencia, a
qualquer hora.
Um menino lirnsileiro de 12 a 13 annos se offe-
rece para calxeiro de loja, venda ou oulro qualquer
negocio, e dfiador a sua conducta: na ru da
Mddre-de-Deos, loja n. 9.
Perdeu-so da praca do Cnn-rruirreo a ruado
Vigario, antes de hontem, u;.i.. caita pequea diri-
gida a Mr. Arkwright, Pcrnamliuco, anda fechada:
pedo-so a quem a tiver adiado, de entregar na ra
do Vigario, n. 23, que so ficar agradecido, por ser
urna cartu de familia, que nenhum presumo tema
uslraiiho, senflo a pessoa diiigida: ainda mesmo
vindo aberla so receber.
Relalos coloridos ci daguer-
rotypq.
O ahaixo assignado tem a honra de annunciar ao
respeitavcl publico que tem recebido urnas pou-
cas dexaixinhas para retratos : quem quizer ulili-
sar-se dos seus servicos,pdedirigir-sc a sua residen-
cia, na ra da Cadoia-Nova, n. 26, das 9 horas da
manlia al-as 2 da tarde, .." .
Cario* D. Fredritk.
__Aluga-se urna cscrava que sabe fazortodo o"
servigo de urna casi", que coze, engommo, cnsnboa
e cozinha : na ra do Collogio, n. 23, primeiro an-
dar.
Desoj-se saber orido mora Ildefonso de tal,
exposto e criado no engeiilio Algodoaes, d fregue-
sa do Cabo, para negoci do scu interesse : declara-
sa quo annunefe sua moradia, para ser procurado.
Quom precisar do um llcspanhol para cozinhei-
ro ou caix.ciro de urna casa particular, ou- tambera
para o servico de alguma cocheira, dirija-se ao cql-
legio Santo-Antonio, nopnteo do Carmo, a fallar
com'o mesmo..
Aluga-se urna boa casa no lugar da Soleilado,
com um grande quintal, alm tic muitos Duelos quo
possue ; tem urna grande ramada de uvas Indas
moscateis, por preco rasoavel: quem a pretender
dirija-se venda em frente do oito da. matriz di
Boa-Vista, n. 2.
Aluga-se unja ama preta que tenha bastante e
muito bom leite, sendo captiva, e que possa sahir i
ra para fazer algumas. compras, sendo preciso:
quema tiver e tjuizer alugar, dirlja-se Trempe,
n. 50, ou annuncio.
Francisco de Paula Souza Lefio, tendo de re-
tirar-se para o Cear, no prximo vapor, a tratarde
sua sade, o no podendo despedir-so pessoalmente
das pessossque o honram com sua amizade, roga-
Ihes se dignem aceitar suas despodidas, e offerece-
se no lugar de seu destino para o que fr do seu ser-
vido.
Jos Gomes Moreira remctle, jicla primeira cm-
barcacao, para o Rio-Grande-do-Sul a sua escrm
crioula, de nome Joanna..
Precisa-se de um moco para mandados e rece-
bimontodedinhoiro, o qual d fiador a sua con-
ducta e saiba ler e esenever: na ra da Praii-de-
S -Rita, n. 25.
Arrenda-so o sitio dos TorrOos na fregoezia d
Varzea com casa fruteiras c pasto para 12 a II
vaceas : a tratar na ra estrellado *ozario n. *3|
primeiro andar.
-Deseja-so follar com o Sr. Anlonio Germano di
Veiga casado com D. Mara Gandida Marques u
Vega ,ou a pessoa de sua familia para negocio a
sou interesse : na ra da Cadeia do Recife n- 63>
ou niiniiucie sua morada.
Frcdcrico Fremonl rctra-se para Franca neslf
8 dias:qucm tiver contas c.om elle, apresente-s
na ra larga do Rozario antigamento dos Quarteis,
n. 14, loja de culileiro francez.
Um moco porluguez, qtie tem bastante pralic
do negocio de venda se olferece para caixeiro, oa
mesmo para lomar conta por balando : quem da scu
prestimo sequ*izer ulilisar anniiiicic.
Urna pardo com todas as habilidades se oflere-1
capara ama de casa do lioniem solteiro : quem ui,
seu prestimo se quizer ulilisar dirija-se ra Au-
gusta; n. 40, a qualquer hora do dia.
Roga-so-ao Sr. Silvestre dos Rios que quoira
apparecor na ra larga do Rozario, loja de culileiro
francez para negocio de seu intoies.). *
Como a msica do quarto balalho lonha sido
dissolvida, em consequencia de alguna Srs. oillciaes
no terom jugo suas mensalidades, a ponto do o"*"
rem devendo grande somma caixa do mesmo bata-1
Iho.o abaix'p assignado declara que nada devo cai-
xa.e se deve.o Sr. capito.carxa do mesmo batarW,
podo declarar, para ser pago, sendo a divida justa.
Joaquim Francisco Franco-
ti- JooOzorio de Caslro Maciel Montok.o,.liln0
do barode llamarac, vai para Lisboa .continua'
com os seus estutlos ; levando em sua companlu
dous escravos pardos do nome Andr,, o Florentin";
Antouio Concia Mua, pardo casado, vai a Lis-
boa, a negocio. I
JosMartins de Caslro, Portugus fetira-sei
para fra do provincia.
Preeija-sc de um amassador : nflo se olhi
preco : na ra larga do Rozario, venda n. $3,
MUTILADO


'
1
3,
LOTERA
DO Hospital Pedro II.
Achando-se marcado o dia iA do cor-
renlc mcz para a exlraccao da segunda
quinta parte da nova lotera do novo
hospital j respectivo thesourciro convi-
da fl<> respeitavel publico para que haja
de concorrer ao restante dos bilhetes ;
pois qe s estarSo a venda at",o dia a3:
nasporurn me he impreterivpl o Anda-
mento das rodas tiaquelle di, fiquem ou
nao alguns.bilhetes.
Domingo, 23 do mez passndu s Jl horas da
noito,perdou-se amiento branco com lavarinlo o
bico a roda, tendo no centro as iniciaos J. V. S. C. ,
desde o pateodaS.-Cruzat a I'assagem-da-Magda-
ne. Roga-so a pessoaque o achou ou que o tonha
em seu poder o favor de o mandar lovar ao segun-
do andar do sobrado onde mora o Sr. doutor Pireti,
no pateo da S -Cruz que ser generosamente re-
compensada e muito se agradecer.
Precisa-se de urna rnullier idos* de bons eos-!
turnes, que entenda perfeitamento de coger, bordar
e fazor lavarinto : quem osltver nestas circunstan-
cias, dirija-se a ra da Praia, n. 55 primeiro andar,
que achara com quem trotar.
Precisa-se arrendar, anualmente,
um sitio que seja no Passagem, Mondego,
Trempe, ou em outro lugar proxinio a
estes, cuja casa de vivenda tenha bons
commodos para familia : na ra do A ra
gao, sobradom ta, se dir quem precisj.
OSr. Manool JosSoaresannuncio sua residen-
cia, parase Ihe fallar a negocio que llie diz res-
peito.
--Precisa-sede um feitofr para a propriodadeS -
iiiii, O quai lieye sabor tratar do arvorus : a fal-
lar com Jos Francisco Beln), na ra do Codorniz,
ou na mesma propriedade.
O-Sr. JooCavalcante de
Mello o Albuqucrquc, empregado na Th; Prov.,
queira, por favor, dirigir-se livraria da esquina
do Collogio.
--Aluga-se um bom armazem para carno secca
na ra da Praia, n. 43, cpm commodos para fami-
lia ; atratar no mesmo armazem.
Jos Pradincs, cuiieiro
francez
avisa aos seus freguezes que o acharfio sempre
prompto para fazer q'nalqucr obra concernente ao
seu oflicio, como esporas.de Tirelas c do outro qual-
quer modelo : tambem faz freios para cavados; con-
certa todas as qualidades dearmas : tudo com bre-
vidado e por prego commodo : amla navalhas as
tercas quintas-feras esabbados: na rajarga do
Jtozai o, outr'ora dos Quai teis," n. 14.
--Precisa-se fallar ao Sur. Gregorio Francisco
Torres para negocio de seu interesse : na livraria
da (iraca da Independencia.
wM-m w w w( t
J|Rouarrl,horticultqr deLyon,
^** tenoo chegado ltimamente de Franca
cheg
com um grando sorlimento de arvoros
fructireras, plantas do flores, sementes de
ditase hoitaliees, avisa ao respeitavel pu-
blico que o quizer honrar com a sua con-
lianga, que olio abri urna loja na ra do
(gfe Aterro-da Ba-Visla, n. G, aondo acharfio
** venda um sorlimento como at hoje nfio
tjj) chegou em Pernambuco, tanto pela qnav
S? lidade das plantas como pela boa qualida-
() do das sementes, das batutas c das ceblas.

m bbb o a-
Quem precisar de urna ama de boa conduela,
para todo osorvico interno de urna casa ; isto lio
cozinhar, cnsaboar e engontmar, dirija-se a traves-
sa de S.-Jos, n. 16, *
Izidoro l.uiz de Souza Monteiro o sua familia
retiram-se destd provincia e durante a sua ausen-
cia deixa encurregado dos seus negocios ao Sr. Jos
Antonio Lopes Guimaraes.
Na ra Ua Caueia-Velha, n. 41, primeiro andar,
precisa-se de urna ama quesaiba.lavar, coziirtiar, en-
gommar c fazor as compras de urna casa do pouca
familia.
|gCH \ PEOS DE SOL-jj
Rua do l* asseio* Publico, n. 5.
Jofiol.oubct participa ao respeitavel publico, qu
recebeu, por estes ltimos na vios francezes, um com-
pleto sorlimento do" chapos de sol, do seda, amis
rica e superior qualidade; furta-cres e oulras mul-
tas conhecldas, Ionio para honiens, como para Sras
e meninos. No mesmo estnbelccimento ha um srti-
. ment de chapeos de sol de paninho, dos mais mo-
dernos; ditos muito grandes, proprios para homens
decampo : tambem lem chapeos do sol de paninho
para meninos o meninas, por sercm mu lo linos: po-
dem-se chamar chapeos de economa. No mesma loja
ha sorlimento do bengalas, bengalinhas o chicolea
mu i lo modernos; colire-sequalquorarutagfio de cha-
peos deso, com sodas do todas as cores equalida-
des. Na mesma casa ha. um grando sorti monto de
paniuulios trancados e lisos, imitando soda, para
cobrir os mesmos: desta fazenda se vondo arela I ho.
Conccrta-se lodo qualqucr chapeo do sol, por baver
um completo sorlimento de lodosos pertonecs para
os mesmos, com toda a perfcigfio e brevidde.
-'- Existe parase arrendar urna
muilo boa loja, no inelhor lugar
da ra do Queimado, para qual-
quer estabelecimento commcr-
cial : dase seguranza do arfeo*
damenlo por lempo sufficiente.
Ospreteudenles dirijam-se a mes-
ma-rua, n. 2,
Perden-sc,
desde a ra do Queimado at a ra Direita, um em-
brAo com tres cartas, uma.dellas dirigida aos Srs.
Tdms & Castro, com botica na ra Direita, n. 131,
defronte de N. S. do Terco: quem o achou o quizer
restituir, dirija-se a dila botica que se lhe lcar
obrigado.
Aluga-seum sobrado de um andar o sotao, com
muito bons commodos sitio narua Augusta, ti. 9 :
a tratar na ra do Collegio, n. 8.
Perante o juiz substituto do civel, o 9r. Vicen-
te Ferrnira Gomes J se tifio de arrematar do renda
triennal o engenho Curado e o sitio Cumbo, sitos na
freguezia da Varzea sendo a ultima praga no dia
18 do correnle, das ires oras da tarde em dianio,
em casa da residencia do mesmo juiz, no pateo do
Carmo: as condigoes da arremataefio constam do
edital nosaulos, escrivfio Rego,edo escriplu em mfio
do porleiro Serra-Grande.
--Joaquim Jos de S.-Anna Barros, professor de
primeiras lettras o francez, participa ao respeitavel
publico e aos pais de familia que se achara abor-
tas as suas aulas, desde o dia 3 do correte na ra
da Madre-de-Ueos segundo andar do Sobrada n.
30, aondo oacbarfio os Srs. quo, desojando ver leus
lilhos dar principio a urna tiio bullante carreira ,
queiFain de seu preatimo utilisar-se : adverte,porm,
aos mesmos Srs. cima que nilo ha alteragfio a-
guma as mensalidades do seus alumnos conti-
nuando sempreconio d'antes : a aula do primuiras
leltras compreendendo a doulrina christila, 2,000
rs., a de francez 3,000 rs. A entrada do, dito so-
brado lio pelo hecco da Cacimba, porta qu ica do
fronte da mesma. "
Aluga-se um primeiro andar na ra do Quei-
mado, n. 37, sendo a entrada pelo pateo do Colle-
gio.
Aviso religioso.
ra
Os devotos encarregados da festividade da Senho-
._ das Fronteiras na sua imperial capella da Ks-
laiicia, leem a salisfa^ilo do annunciar aos fiis,
que a mesma festividad tr lugar com todoes-
plcndor no dia 27 do correnle, sendo o leviiiiucn-
lo da bandeiraao amanhicor do dia 18,e principian-
do a novena nesso dia. Ila.yer Te-Dum no diada
festa.
Os mesmos devotos avisam igualmente quo o
Exm. e Revm. Sr. hispo diocesano, accedendo benig-
namente ao pedido, quo llio fizeram, so digna de
do abrir chrysma na mesma imperial capeil no
dia 25 do correnle, de manha.
Na ra da Cadoia-Velha n. 41, primeiro an-
dar, tomam-seaprendizes para oflicio de alfaiate ,
dando-sc-lhcs o sustento.
~ Da-se dinheiro a juros sobre penborcs deouro,
ou prata : no Alerro-da-Boa-Vsta,n.58.
Aluga-se um preto, ou prcto para vender fa-
zendas com oulra nessoa :. no ra do Vigario, n. 19.
-O Sr. Francez, L. V. bESENCI.OS, POR DEVER SEO
E MELINDRE! SE HE QUE O TEM), mando pagr ao-
aliaixo assignado os 1,115 rs. do engaito o excosso de
sua factura de 56,885 rs. ( esla importancia e aquello
excesso prefazcm os CO^rs.), queduaitnuncianlo
recebeu em nos do 20,000 rs.: isto por no hover
troco que so fizesse na occasifio r a vista, do que ,
emquanlonfio pagar, se far ver o seu nome por
esla folha. Co*m Joti do Santos Callado.
Compras.
Compra-sc um palanquim ou cadeirinha om
boni uso : na Solcdde, sitio da cscala, ou a nnun-
cio.
Compram-so diarios velhos: na ra largado
Itozarib, botiquimdaCova-da-Onqa n. 34.'J
Vendas.
--r Mannel da Silva Santos
contina a vender superior la-
rnha de Irigo da marca S^8F.
f.-- Vendo-so um liteiro de porta para miudezas;
uma tina nova, de madeira de pipa pintada fa-
mosissimapara banho por ser grande : txlo mui-
lo em conta na ra do Moncfego, h. 31.
Nao ha cousa mais barata !
Na ra da Cadeia, defronte da na da
Aladre-dc-Deos, lojan. 50,je Cun.'ia
& Amorim,
vendcni-sc superiores cortes de cambraiado listras
o quadros pelo haratissimo prego de 3,200 rs. o
corte; cortes do cassas pintadas, fazenda que tifio
desbola a 2,560 rs. o corte; lsdelinhosuperiores,
pelos, a 12,000 rs.; pannos linos (Ib todas as qua-
lidades por baratissimo prego; sarja preta de se-
da do todas as qualidades ; selins prelos para colle-
to; merino prcto de todas as qualidades, por ba-
ratissimo prego; casimiras pretas o de cores ; chi-
tas escuras, propriis para casas, a 140 rs.r o cova-
do ; o outras militas fazendas, por baratissimo pre-
go, quo vista dos compradores so moslrarfio.
Lotera do ilio-(e-Janeiro.
Vcndem-se bilheles o meios ditos da 46." lotera
da S. Casa da Misericordia : na ra du Cadeia-Vclhn ,
ti. 38, loja de Manoel Gomes.
Charutos fama-va, de
S.-Feli\.
Vende-se, por prego commodo, para se fecharenvj
contas urna porgfio destes afamados charutos clto-
gads no ultimo navios narua da Cruz, n. 46, pri-
meiro andar.
Vcudem-se duas moradas do casas de dous
andares e solfio cada urna, sitas as ras do Amo-
rim e Moda, no Forto-du-Maltos : quem as quizer
comprar dirija-se ao oaes do Ramos, na casa nova
da esquina, por cima da venda.
Vendcm-se80 meibs de sola de muito boa
qualidade, o bastante alva na ra da Conceigfio da
Boa-Vista, n. 4.
Vende-se urna venda bem afreguezada para a
trra e com commodos pora familia, a dinheiro,
ou a prazo com boas firmas : vende-so por seu do-
no e adiar molesto e querer tratar de sua saude :
a fallar na mesma yenda, na ra Formosa, n. 5.
Vende-se um burro bastanto gordo e mansb :
para ver, na ra do Sol, em casa de Elias Baptista
da Silva e para ajustar, na ra da Unirlo ao p da
typographia ou na ra da Aurora, n. 41.
Deposito de vinagre da labrica
da ra Imperial, n. 7.
na fabrica de licores, de Frederico Chaves, no Ater-
ro-da-Boa-Vista, n. 17, onde se achara sempre
grando porgfio e por prego commodo.
CaSA de modas fran-
CEZAS.
A. MILLOCHA,
no Aterro-da-Boa-Vista, n. 1,
primeiro andaf,
recebeu, pelo ultimo navio vindo de Franga um
lindo sorlimento de bordados; collarinhos; camizi-
nhas; cabegOes; conezes; pelerinas ; enlremoios;
tiras, etc. ; cortes de vestidos do |lfia do todas as co-
res ; cambraiasbordadas e lisas; tarlatanas; filos
bratteos lisos e bordados; ricas fitas largas o estrel-
las ; gravaliuhas de fitas para senhara ; bicos va-
lenciennes; ditos de liolio e de imilagfio ; rendas li-
sas o hordaijas ; lencos do cambraia de linlto, lisos,
bordadose imprimidos, para mfio; flores finas
cambraia do linho muito fina; sedas de todas as
cores para chapos de sen hora ; luvas de pellica,
brancas e do cores, curtas o compridas; chapeos de
palha da Italia ,e outros, para senhota o meninos
cambraia bordada para cortinados; ernpes largse
de cores; um grande sorlimento de linhos, fitas de
linho trancas, etc. ; um sorlimento variado de ob-
jecto para luto; barego de listras de setim preto;
dito de quadros ; mantas ; filos de bico ; ditos do
seda; ditos de algodfio de ni u i tos padrOes ; crep
largo e fino ; tafeta preto largo o encorpado ; (ran-
gas e franjas proprios para armar qualquer objec-
lodo luto, ou ila Quaresma. Na mesma casa conti-
na-sea fazer chapeos o vestidos, como tambem
minias coarinhos inauieieias, visitas o qualquer
outra cousa do toilette das senltoras com promp-
lidfio gosto, o por prego commodo.
Vcndem-se cartos alphabeticas com
dtTereutes despulios, para as meninas a-
prenderem a marcar; assim como tam-
bem estampas granules com modelos para
se bordar em tapetes, sapatos e suspen-
sorios : na loja da ra larga do Kozario,
n. 22, no segnimenlo do quartel de po-
lica.
Vende-s,e urna mesa de Jacaranda de meio de
sala; urna cama de armaefio ; um chapeo armado
de pello : tudo em botn eslado : no Alerro-da-Boa-
Vista loja n. 48.
Vcndem-se 3 inoleques do 14 a 15 annos bo-
nitas pegas ; duas pardas de 20 annos com lodas
as habilidades j_com crias do annos e de bonitas fi-
guras : na rua'das Flores, n. 17. *
Cortes de aldna.
A fazenda mais perfeita que tem'appa-
recido so os cortes de alcina, para ves-
tidos de senhera, no's pelas delicadas
cores, como pelos lindos padrSes, por
nao desbotarem, e por serem do ultimo
goslo de Paris. Estes cortes vem pti-
mamente acondicionados, cada um em
sua capa, e sao leitos na principal fabrica
de Pars ; sendo de qualro qualidades dif-
ferenles, e aos precos de 3,200, 3,6oo,
3,8oo e 4,000 rs : oq loja nova d Kay-
nundo Car-Ios Leite, na ra do Queima-
do, n. 11 A.
nha e lava do sabfio, para fra da provincia ; uip
dita de nagfio que cozinha e lava ; um molecote de
18 annos : na ra das Cruzes, n. 22, segundo an-
dar.
Na ra do Trapiche, armazem,
n. 54,
vende-se assuc,ar refinado, em p3, a aoo
rs. a libra.
Vende-se urna parda porfetta om iodo o sen-
tido cujas prendas e boas qualidados preencherfio
o desejo de qualquer comprador : na ra nova,
n. 33.
Gaz.
NA CaSA de caumont,
dourador, na ra > ova, n. 52.
fabrica df? candiel ros,
tanto do gaz como de azeite, j se acba prompto um
grande sorlimento dos mesmos, de muito bom gos-
to. O mesmo fabricante avisa ao respeitavel publi-
co, que vende os candioiros mais em conta do que
em outra qualquer parle pois que elle mesmo os
fabrica, e se responsabilisa pela sua boa qualidade :
tambem oura, prala e bronzea todos os metaos do
diversas cores ; con certa o torna a por de novo to-
dos os candieiros, tanto de gaz como de azeito;
pbe os candieiros de azeite para gaz; concerta tam-
bem qualquer objocto do metal. Tambem tem pa-
ra vender um grando sorlimento do objectos de
metal para igrejas tanto dourados como prateados
ebronzados. Muga tambem para bailes candiei-
ros, candelabros e lustros, por commodo prego;
compra todas as qualidades dmelas; o precisare
um aprendiz para o mesmo oflicio.
Vendem-se 5 molecSes, de 18 a a
annos, um dos quaeshe perito carreiro^ a
pardos de boa conducta j um negro de 35
annos, por 36o'ooo rs. ; um dito por
i8osooo rs. ; um inolequf, de i3 annos;
um dito de naciio,- de ia annos, queja
cozinlia solFrivlmente urna negrinha de
11 annos; urna negra boa quitandeira,
de nacao Costa ; una mulatinba -de 18
annos, que coze muito bem, engomma e
cozinba ; unta moleca de 19 annos, com
as mesmas habilidades ; duas pardas de
ptima conducta ; duas negras mocas,
ptimas pura o trabalho de campo : na ra
das Larangeiras, n. 14, 2."andar.
Vende-se urna cscrava do gento de Angola, de
nagfio Congo, boa mariscadeira a quitandeira, quo
paga urna pataca por dia e que tambem cozinha o
diarto de urna casa : se dir o motivo porque so
vendo : quem.a pretender, dirija-se a ra da Cadeia
do Santo-Antonio, sobrado de um andar n. 18.
Vende-se all'azcma, chegada ha
pouco de Lisboa, de milito boa qualidade,
em ineias barricas e barricas : no arma-
zem de Farnando Jos Braguez, ao p
do arco da Cooceico.
Vende-so muito superior cera refinada, om pfio,
para limas do cheiro, muito om conta: na ruado
Collegio, venda 11. 5.
Na rua de Agoas-Vcrdes,
11 46 ,
vendem-se diversos escravos entro os quaes urna
esccllente escrava boa engommadeira, cozinhei-
ra e lavadeira.
Vende-se um molequede 14 annos, do bonita
(gura ; unta negrinha da mesma idade, que cose a
faz lavarinto : na rua Imperial, n. 39.
Vende-se, 011 permuta-se um engenho distanto
dcsta praga 4 a 5 legoas, com grande casa de viven-
da escellentes trras para canna o mais lavouras ,
com maislres grandes casas de pedra e cal, sitios
para lavradores, porto de embarque o desembar-
que, na porta dous grandes Tornos de queimar cal r
pedra branca o preta para cal, com boa destilagfio,
bons cercados, com plantas para mais de 1,300 pfies,
com mais do 30 captivos, 30 bestas, 14 quarlos ,
20 bois para carro e carros com todas as propor-
gOes que a vista dos compradores se dirfio : tambem
so arronda : no principio da rua Imperial, sobrado
n. 39.
ADJIIRAVKIS NAVALHAS DE AC DA CHINA.
Na rua larga do Rosario, n. 35, loja do M\j.
Eslas navalhas teem a vaittagem de cortar-o ca-
bello sein offnder a pello doixando a cara pa-
recendo estar na sua brilhaitte mondado. Esto ago
he da China e seu autor lio Sham.
Por lodas as sociedades das sciencias medico-ci-
rurgicas tanto da Europa como da America, Asia e
frica he reconhecido o uso dostas navalhas ma-
revilhosas.nfios para prevenir as molestias cu-
tneas, que a humanidade est subjeita mas
tambem como um meio de as curar.
Vendem-se as verdadeiras s na loja cima indi-
cada.
; Vendem-se aegoes da ex-
tincta companhiade Pernambuco
e Parahiba: no escriptorio de O-
liveira Irmos & C, rua da Cruz,
n. 9.
Vendem-se ancorctas de
diversos tamanhos, com vinho da
Madeira, tinto e branco, de supe-
rior qualidade: no escriptorio de
Vendem-se chapeos de superior,
castor, brancose p re tos, por preco
muilobarato : na rua do Crespo,n. 12,
loja de Jos Joaquim da Silva Maya.
Vendem se cinco escravos,
sendo urna preta perfeita engom-
madeira, costureira, e cozinheira,
muilo moga e de elegante figura;
um lindo moleque de doze annos;
e tres pretos mogos e de muito
boas figuras: narua do Crespo,
loja n. 2 A, se dir quem vende
Vende-so um sitio com casa de taipa passan-
do o engenho Giqui do lado esquerdo com bas-
tante arvores defructo, como sejam coqueiros, la-
rangeiras, mangueiras, romeiras, pinheiras, jam-
breirose jaqueiras : a tratar no dito sitio, que com
a vista se far negocio.
Na fabrica de licores, na rua Direita,
n. 17 ,
Vcndem-se licores do todas as qualidades; ago'ar-
denle do reino ; genebra ; aniz, por precos que nao
desagradarlo ao comprador.
Vcnde-a um casal de escravos, proprios para o
scrvigo de campo, por commodo prego: na ruadlas
Cruzes, n. 41.
He muilo proprio.
No Aterro-da-fia-Vista, loja n. 78,
ainda existe um restinho de bonetes de
marroquim, de_superior qualidade egos-
to, proprios para ir-se s novenas em
Santo-Amaro.
, Vendom-so 6 escravos, sendo : urna linda par-
da do 18 annos, que engomma, coso, cozinha e
Uva de sabfio; urna linda negrinha de 10 annos,|fvi. v_____ o ,, : 1
com principios de costura; urna preta do 30 annos lUUvejra lrmaOS Ot U, na TU8 O
mfii da dita negrinha que a se vende com a ulna ,lp Q
urna crioqla de 28annos, que engomma, cose, coiH^1"*) "_ ".
i ^
H



Vendem-se ir^ias de liolio"; babados de panno
delinho, lisose bordados e de todas as largura;
ligas de seda para amarrar meias de senhoras ; fran-
jas brancas e todas as- larguras tanto portuguesas
como hamburguezas ; e outras muitas miudezas ,
j>orprec.o commodo : na ra do Cabuga, loja ci
miudezas, n. 4
Vende-se 1 boa c bem en toada clarinela de be-
fa por prego commodo : na ra do Cabug loja
n. 12.
Vendem-se chitas limpas para luto, debons
pannos a sete vintens o covado; ditas escuras a
120 rs.; ditas cor de rosa muito bonitas, a 160 rs.;
um sobrado novo do um andar ..oSo, paredos do-
nradas chaos proprios, quintal pequeo c murado,
o qual sobrado rende 34,000 rs. mensalmente : (am-
bem se permuta por nlgum sitio pequeo per lo do
Itecifo ou casa terrea : na rtin estreita do Rozariol,
n. 10, terceiro andar.
^Rua do Qiieimado.n.lO,,
nova loja decirgneiro.
Lima
vendo uniformes militares, para todas
aspalcntesdc legilo cavallaria o h-
Tahlaria da guarda nacional; aloes de
ouro e prat ; spadas praleadas com
roen o sem ella ; chapeos de couro do
lustro para pagens; couro branco de
lustro para canhOcs de botas dos ditos.
Vendem-se 6 lindos moleques de 15 a 20 an-
nos sendo um delles oplimo cozinheiro e cauociro;
dous pretos sendo um. cozinheiro o o oulro ofil-
cial do sapateiro do 25 annos ; dous pardos, sendo
um proprio para pagem e o oulro hom carreiro;
urna niulatinha e 3 negrinhas de 12 a 13 annos com
principios dAh.hnj.Ja.ics; 5 prelas dr 20 a 25 an-
nos entre as quaes algumns com boas habilidades :
na ra do Collegio, n. 3, segundo andar, se dir
quem vende.
Vcndem-se, na ra da Cruz, n. 46 condecas
com peras; ditas com figos; dilas com pecegos;
latas com figos; dilas com liervilhas; ditas com
sardmhas; ditas com bolachinhasdeararula : mas-
sas linas cm caixinhas ; chocolate do canclla do
J.isba; meias barrisjVom vinte o lanas libras de
manleiga inglezn de muito superior qualidade c
propna para casas particulares : ludo ltimamen-
te chogado por diminuto prego,
llilho.
Vende-se milho,a 2,000 rs. a sacca : no caes d
Alfandego, armazcm de Antonio Annes.
Vende-se um terreno com 117 palmos de fren-
te c 89 ditos de fundo cm estado de se edificar,
por no precisar aterro em cuja terreno podem-so
fazer tres ptimas mci'agoas na ra do Pilar, em
Fra-do-Portas do lado da maro grande: nadita
ra, n. II, no paleo da igreja do Pilar, das 6 horas
da mandila as 8. *
Vendc-sc o tresenario de S. Francisco de Paula ,
obra 11I1I nos devotos do dito santo, as lojas de
IivrpsdosSrs. Santos & Companhia atrs do Cor-
jio-banlo ; Cardozo Ayres ra da Cadcia ; c em S -

A
*


lo bem c ongommaro sSo sadias, e nSo se duvida
dar a contento para serem experimentadas : Da ra
do Queimado, loja n. 51.
FAZFJNTDA )0 NORTE, A 640.
Xa laja nova da rua do Que-
mado, ii. II A, de Raymmi-
do Carlos Le te ,
acha-se um novo sortiment de alpaca de linho, ou
fazenda do norte a 640 rs. o covado. Esta fazenda
torna-se rccommendavel pela sua boa qualidade e
acertados padrOos : seu principal uso he para colle-
tes, palMs e caigas.
Vendem-se ancore tas con cal virgom.a mais
novaquo existe no mercado por prego mais com-
modo do queem outra qualquer parto : na rua da
Jfoda, armazcm n. 17.
Vendem-se cabos de cairo ,em grandes ou pe-
quenasporgos : no trapiche do Ramos, armazem
da esquina.
Aos ama ules da boa pitada
se offereceoT-ap princeza Novo-Lisboa : acha-se a
venda, em porco e a retalho, no deposito da rua
larga do Hozarlo, n. 24.
Vende-se, ou arrenda-so um grande sitio nj> rua
Imperial,com duas moradas de casas, urna para
grande familia, na frente da rua e outra mais pe-
quena, dentro do mesnio silio ,< com bons parreiracs.
c muiias fr Hierras de boas qualidades todas novas
ej dando fruto com um grande viveiro no lundo :
na rua Direita, n. 135, loja do cera onde so far
qualquer dos nogocios,|pqr seu dono ter do retirar*
se por molestia..
Vendem-se 4 grandes depsitos de parafusos,
para assucar; uiiiii cxcellcite balanga grande com
um brago de autor ; 12arrobas do pesos; e outros*
utensilios para armazcm
cm raaito da inudanga da
Velha, D. 110.
Antonio [iraga da Independencia ns. C e 8.
FARELOS.
Vcndem-sosaccascom fardos, chegadus ltima-
mente, u 3,500 rs.: no armazcm de J J. Tasso Jnior
ruu do Amoiim, n. 35.
-Vcfidcm-so espadas pratnadas muilo ricas ,
para ulliciacs superiores e subalternos: na run Nova
lojadcfeiragens, n. 16.
Pola^sa.
Vcndc-so muito nova e superior potassa chega-
da lia poucos dias do Itio-dc-Janeiro : na rua da Ca-
deia-Velha, armazem n. 12, de Hallar & Olivciru.
46.a lotera da S. Casa da Mi*
serieorelia da corte.
Vendom-se bilheles e mcios ditos desta lotera:
na rua da Cadeia-Vellia, n. 29.
-Vende-seo engenho Bom-Jesus-da-Malta, co-
marca do Po-do-Alho, com ptima casa de vivenda,
oulra dita mais ordinaria o 3 para lavradores, bom
cercado de pasto campias que servem de soltaspa-
ra godo, ptima destilagilo organisada de cobre ,
moendo de ferro, muito boas Ierras, Unto para cali-
na como para outra qualquer plantaglo?, as quaes1
lia ptimas vaizcas c maltas contendo corea do"
li'goo e mcia do fundo : rende de foros 700,000 rs.
animalmente enm os vencimentos em o mez de Ja-
neiro : a tratar na rua do Concordia, n. 25, com Joa-
quim Teixcira l'eixolo, que se acha au'.orisado para
ullisnar o ajuste a dinheiro ou a prazo.
Na loja nova da rua do Quei-
mado, n. 11 A, de linyu) lin-
do Carlos Leitc,
acha-so um completo sortiment de pannos finos de
todas as cores, principalmente pretos: bem como
chapeos franeczes ; los pretos-, de seda e linho ; sor-
ja hespanholu verctadeira ; c todas as mais fazendas
ja annunciadas por piegos mui rasnavers : tambem
ha chapeos do Chili, vindos do Monle-Christo da
mcJiorqualidade. a 16,000 rs.; chitas francezas
mito largas 210 rs. o covado ; ptimas pegas det
Jiistnm.sera deleito, cor de caf, verdee azul, a
6,400 rs
Cheguem fregne/cs loja de
Ufaiioel Joaqun) PasCoal
Hamos, lio Passeio-Publico,
n. 19, as novas pechiitchas :
chitas finas de cores fixas, a 120, 140, 160 e 200
rs. o muito linas, a 240 o 320 rs. ; corles do cassa-
chita n 2,000 rs. ; ditas muilo finas, a 2,600 e 3,000
rs.; lencos de seda para alpibeira de bonitos pa-
drOes a 1,000 rs. ; ditos para grvala, a 400 rs.;
ditos do cassa a 200 rs. ; pclle do diabo, a 200 rs. ;
lanzinlia para caigas Ja 240, 280 0 390 rs.; cortes d
Ifln para caigas, a 2,500 rs.; ditos de casimira a
6,000 rs. ; csguiilo, a 2,000 rs.; panno pelo, a 4,500
rs. ; dito azul, a 4,000 rs. .
IVova alpaca,
de sele palmos de largura, na
loja de Guiniares Serafn
Sf Vi., rua do Crespo, n. 5.
Vende-se a nova alpaea, de se-
le palmos de largura pelo barato
prego de I $000 rs. o covado;
assim como aloilhados de ricos
padioes, de 9 palmos de largura,
por mdico prego; e outras mui-
tas fazendas finas, de linho e se*
da, chegadas ltimamente esta
cidade, e ludo muilo barato.
ovas pechindias
Vende-se um preto mogo, bom ofiicial de sapa-
teiro de toda obra, eque he muito bom copeiro :
na rua do Passeio, loja n. 19.
Vende-se um escravo de nacfto, de SO annos,
sem defeitos nem achaques e que lie bom ofiicial
depedreiro: vende-so por seu dono se retirar para
fra do imperio : na Trempe sobrado n. 50.
Vende-se urna preta cozinheira e que cose e
engomma bem : na travessa da rua da Concordia ,
n. 1T, se dir quem vende.
--Vende-se um proto de bonita figura de 22 a
24 annos bom serrador e que he proprio para to-
do o servico decampo ; na rua do Queimado, loja
n. 23.
AI.CATRAp' DA SUECIA ,
a 14,000 rs. por barrica ,
recentemente chegado vende-se em lotes de urna'
barrica para cima par prego mais commodo do que
nos armaons de m a sames; no escriptorio de l ir-
mino Jos Flix da Rosa na rua do Trapiche, n. 44.
Ricas mascaras
PARA O CARNAVAL
Na rua Nova, loja n. 6, de
Haya llamos & Com panliia,
ha um bello e variado sortiment de mascaras tan-
to jocosas como serias da mclhor qualidade que
ate o presento lem afpai'cido, enconlrando-se al-
gumas propriamente para seuhora ; bem como urna
collecgflo de narizes com higodes, que muito des
figurar.lojas pessoas que os botarem: vcndem-.sc,tan-
to as mascaras como os narizes, por prego muilo
commodo.
Vende-se, de una familia que se retira, unta!
s excollente con-
da venda a qual
. costureir, cozi-
nheira de forno e fogflo e boa docora : na rua No-
va, n. 14, segundo andar.
M^n ..n..v- B..= vende-se, de una familia que
rrobas do pesos; o ou ros' ar(]a clara mogae bonita, da mais
de assucar, mu. I o baratos, du u 0 'e S0Vg,,rBnte no papel d
casa: na ruada &onzalla-Jhe b a engommaceira lavadei, c
Vende-se 1.5J- de sspatos vT*\*i
---- j. _. .-
Nol'asseio-publico, lojas ns. fle 11, de Firmiano
Jos Rodrigues Fcrreira vendem-se merinos pre-
tos pelo barato prego de 4,000 rs., asseverande-se
ser a melhor fazenda quo prcsentemcnlc so acha no
mercado; gorgui-lo do seda para collcto ; panno fi-
no prclo; chitas de ricos padrOes goslos c do cores
seguras ; e outras muitas diversidades do fazendas.
de todas as qualidades' o procos commodos visto
sejvendercm etas fazendas por menos prego do quo
em oulra qualquer parte.
la : a Iratar na rua do Col vello, com Joaquim Pe-
reira Camello.
-- Vende-so um mulatinho de 12 annos, proprio"
para pagem por ser muito esperto : no Hospicio,
n#4, al as 9 horas da manhffa.
Vende-se urna casa terrea com 3 quarlos, 2
salas, quintal grande murado-e cacimba, sita na
rua Velha n. 83: a'tratar na rua de Agoas-Ver-
dos, n. 42.
Vendem-so boas laranjas da China, voltios :
na estrado do Monleiro sitio grande envidragado.
Vende-se urna porgSo de ptimos casacs de
pombos, grandes, bous baledorcs e de boa raga,
por prego commodo : .na rua da Florentina, n. 16.
Vende-se umbergo muito bem fcilo, novo c de
ptima madeira : na rua da Florentina, n. 16.
'Vende-so urna porg3o do sebo refinado muito
puro e alvo 'a tratar na arcada da alfandega, com
o preto Benedicto.
Vende-se urna preta da Costa, de 22 anuos,
por 420,000 rs. : na rua de S.-Rita r^. 44.
Vende-se urna preta de 40 annos por 220,000
rs que cozinha muito bem C vendo na rua : o mo-
tivo por que se vndese dir o comprador: na rua
de S.-Rita n. 44.
m Vendem-se saccas com com farinlia de man-
dioca : na rua do Queimado loja n. 44.
Vendem-so as obras de Boiste diccionario unl-1
versal, 1 v., por 7,000 rs. ; do llergior, diccionario
d> theologia, 9v., por 12,000 rs. ; de Conte, tra-
tado de legislagSo, 4 v., por 6,000 rs. ; de Fritot,
ciencia do publicista II v. por 12,000 rs. : na rua
do Cabug loja de Jos Brando da Rocha, defron-
te da matriz,
Bonito, nodia 30 de Janeiro do corronle annno
um escravo com os signaos seguintes: crioulo.d
nome JoSo, de 26 snnos alto, bom preto da cor
nm lantocambito da pernas, que se divulga no an-
dar ; tem um signal muito visivel do urna fstula em
um queizo procedida de dores de denles; tem pon.
ca barba, com oOIcq de carreiro; he tocador de
gaita. Esto escravo foi comprado nosta praga emo
mez do Agosto 40 anno prximo passado a Sera,
fim I.eile Pereira morador no silio Emberibeira
lendo sido anteriormente escravo do finado Anto-
nio Cavalcanto, que foi morador em Pedra-dorUai-
que. Roga-se aos capilSes decampo e-pessoag par.
ticulares quo o apprehendm e levem-n aodito
engenho, a seu senhor, Manoel Teixeira de Cam-
Iho,oh no Recife, a seu correspondente, Rodrigo
da Costa Camino, que serSo recompensados gene-
rosamente.
~ Fugio, do eflgenho Matar)-, um escravo criou-
lo, de nome Alexandro de 18 a 20 annos, baizoe
grosso do corno muito feioso dos ps;* tem un
signal muito visivel as costas e urna marea do ti-
mando de um patacto ; he bastante embigudo e foi
daqui da praga : ouem o pegar leve-oao dito en-
genho jou na rua da Cruz, no Recife, n. 26, que
se gratificar generosamente.
Acha-se fgida, desde o dia 16 de julho de 1817,
a prela Joanna de nagSo Benguela de 80 a 35an-
nos pouco mais ou menos; he bem conhecida por
usardevendersapatosps.ra senhora frutas, bolos,
etc.; healta.secca do co'rpo, cor fula, rosloconi-
prido, oihos fundos nariz um lanto afilado, denles
limados, beigos grossos; tem no lado esquerdo do
roslo nina mane antiga proveniente d uraa den-
tada que Ihe deram ; hragos finos o compridos ps
seceos e la m bem compridos, pernas cheias de veas
e encarogadas; he bstanlo ladina. Esta preta,por
termuitoscoiiheementos, julga-so estar acollada:
por isso, protesta-se usar de todo o rigor da lei con-
Ira quem a liverem sua casa e muilo so recom-
mcudaas autoridades policiaes, cnpites de campo,
e mais pessoas do povo.quc a apprehendam e lovem-
naao Aterro-da-Boa-Visla ,n. 17, fabrica de lico-
res, de Frederico Chaves, quo prometi aos lti-
mos boa recompensa.
^Fugio. no dia 13 do onrront*. n pn|nj5*l s
nag.lo Benguela, do 25 annos, estatura rogular; lera
a cacrum pouco coinprida oihos afugueados pou-
Cmm bcigosgrossjis; TWo caigas de riscado
azul,camisa do algoulo.trancado; consta andar
pelas [HfUt do l'ogo-da-Panella. Roga-se a lodos os
lo campo e pessoas particulares, que
Na loja de ferragens
r
da rua da Cadeia do Recife, n 44?
vcndem-se ps de forro, muito fortes, proprias para
abrircm levadas e fazerem alrros, por prego com-
modo.
Vende-se urna pequea casa Ierren do lijlo,
toda concerta, sita nos Afogadoe na na do Moto-
colomb por prego muito commodo : na rua da
concordia loja deirtrceneir, do Sr. Schroeder, a
fallar com Lucas Evangelista- Soares de Brilo,
Vonde-se urna casa em chSos proprios, pare-
des dobradas com 2 salas 2 quarlos, quintal c ca-
cimba, sita fia rua do Nascente: na rua da Concordia,
no ultimo armazem de madeiras.
Na rua do Trapiche, n. 17, con-
tiiiia a liavcr deposito da verdadeira col
virgem de Lisboa, cliegada proximamen
t$ ; odvcrtindo-se aos compradores des-
1c genero cj/ie o deposito he j muito pe-
queflo, e que da nova nao ha mais em
porle algutna.
Vendem-se chitas prelas finas assetinadas do
ultimo gost : na rua do Queimado, loja n! 5.
Vciidcui-so duas boas cscravas crioulas,-dc
Jjonitas figuras o 010933, que eozinham, lavam ii-
Oplimas navalhas teDjnefafltis
pelo processo de Caumares,
chegadas ui lanamente de las-
boa.
Estas navalhas.to feitas do mcsm'o fino ago da
Suecia o temperadas em agoa que contm os mea-
mos principios qne se encontrara na muito afamada
deCuimarfies ,epara provar a sua superior quali-
dade bastar salier-se quo sao preferidas por quem
urna vez as esperimenlou a1 qantas vecm do In-
glaterra Franga o outros paizes onde a arto de cu-
tilaria est inquestionavclmenlc cm grande adian-
laniento. Teem maisas sobredilas navalhas a im-
portantccircumslancia do conservarem por muito
ti'inpo aliago, decortarem com rapidez o cabello
dabi^rbac linalmenlo de no offemlerem nem le-
vantaren! a pelle. Vendem-se nicamente na rua do
Crespo, loja 11. 8
-Vende-so um moleque perfeito para qualquer
emprego : na run da Cadeia-Velha, n. 61.
Semeules de hortaiiee
muilo novns de lodosas qualidades liervilhas tor-
tas e direitas feijSo-carrapato e coentro de toceira :
na rua Cruz, 11. 62.
Vendem-se a 8,000 rs. o cont, bixas prelas de
Lisboa .muilosuperiores : na rua da Cruz, no Re-
cife ,n fe
Vchdem-se os livros seguintes: 1 grammatica
franceza, por 3,000 rs.; um Tclemaquo, por 1,000
rs. ; um diccionario, 2-v., porluguez e franeez,
por 3,000 rs.; o Descobrimenlo da America 2 v. ,
por 2,000 rs.; os Incos, 2 v., por 3,000 rs.: na rua
lia Cadeia y Recife, 0j> ue bastos $ UitUo,
Ah\(f\R V8, ALVICARAS!
He chegado novumente o anfi-
go baraleiro a frente e con-
tinuaiido a vender por to-
do o diiilieiro.
O antigo barateiro contina a vender na sua bem
conhecida loja da rua do Collegio, n. 9, papel alma-
go, a resma a 2,600, 3,000 o 3,200 r.: dito de peso,
a 2,700 e 3,200 rs.; muito finos chapeos de sol parn
senhora de seda a sete patacas cada um ; caixi-
nhas rom ngulhas inglezas cantofas a pataca ; di-
tas francezas, 280 rs.; travessas de tartaruga,
para marrafa a 960 rs. o par ; ra\Us do tartaruga
para rap a 1,600 rs grandes ; ditas pequenas a
1,200 rs.; caiiinhas com linhas de marcar, a 120
rs. cada urna ; cscovas de denles, a 80rs. ; dilas para
falo, a 320 rs. cada urna ; luvas do seda, curtas e
sem dodos, a 400 rs. o par,; dilas compridos com de-
dos a 800 rs. o par; torcidas-para oahdieiro de lo-
dos os nmeros, a 100 rs. a duzla ; Ijnha de carre-
tel ,cm duzia.a 820 rs., branca e de cores ; tosou-
ras com toque de ferntgem a 120 rs.; caivetes de
una folha, a 200 rs. cada um ; ditos de duas folhas ,
i 480 rs.; e outrasimuilasmiudeZasquo ninguom dei-
xaro do comprar pelo seu diminuto- progo pois lio
para fechar contas.
Vende-se cera para limas de cheiro.a 880 rs.
u libra: na ruado Rangel, sobrado 11. 51.
**- Vnede-so um brago do balatlga grande aulor
Rom3o : na ruada Senzalla-Nova, n. 4.
Vende-se uia scrava de uagto boa ongorn-
niadeira e que cozinha bom o diario de urda casa :
na rua do Ainurim, n. 50.
apprefienilam e evem-o a rua larga do RoznoVnT
18, quo sera-o recompensados.
Fugo, nanoiledolS para 14 do corrente o
preto Antonio que reprsenla 30 a 34 annos, do es-
tatura regular, bastante barbado, bem preto; o
quallie marinheirodo patacho Livrameno, que se
acha vendemlo carne no caes do Collegio. lisie pre-
to j aqu fez outra fgida o foi pegado aqui mes-
mo na cidade; porm he natural que fosse passear
at o engenho do Urum, dpSr. Bernardo Antonio de
Miranda;, por onde, ando da outra vez qde fugio.
Quem o pegar leve-o a Manoel Ignacio de Oliveira .
na rua daCadeia, n. 40.
Desappareceu, no dia 14 do corrente o preto
Tiburcio, cnoulo, de altura rogular, grosso do cor-
po barrigudo, alguma cousa calvo; lem o ps pe-
queos a os dedos delles quasi sem unhas ; levou
caigas de panno, jaquetae colleto; costuma andar
clgado e do sobre-casaca de merino ; em provlsa da
de forro : quem 9 pegar leve-o a sen senhor, ni
rua Nova 11. 33, que gratificar.
Ainda continua a estar fgido desde o dia pri-
meiro do corrente o preto Jos, de nagao, de 40 an-
nos pouco mais ou menos, de estatura'regular,
rosto compridoe descarnado, olhbs grandes e en-
emigados ; lem o beigo inferior grande, sem den-
les na parto superior ; tem no rosto um signal de ta-
ino ao pe do olho direito, bem como um oulro no
meio do membro, proveniente de um eancaro, e ou-
tro na venilla ()e Um bohflo pois quo quandoo re-
ferido escravo fugio j se achara quasi bom. Este
escravo foi comprado nesta pracfl a Joaquim Lopes
Hay inundo Bilhar que veio entre oulrqs muitos da
viliadoCrato, dislriclo do Cear o qual o houvo
de Ildefonso Morcira da Silva : morador em o dito
lugar, ou cm Cariry ; e como o dito escravo dissera
que para la Itavia lornar roga-se as autoridades po-
liciaes capiiies decampo e pessoas particulares,
que o apprehendam e leve.m-no a rua estreita do
Itozano, sobrado n. 13, que serio generosamente
recompensados.
Fugio, no domingo, 13 do corrente, o preto
Francisco de nagio Rebolo, estatura regular, cheio
docorpo ; levou camisa azul, caigas de [risciido,
chapeo de castor: quem o pegar levo-o ao patcodo
Panizo, n. 20,
fcscravos Fgidos.
- Fugio, do engenho Agn-Claras, WWW fio
res.

Diio-se 5o,ooo ris de gratificacSo a
quem pegar o escravo pardo, de nome
Faustino, de 28 a 3o annos, estatura re-
gular, roslo descarnado, oihose faces en-
covadas, falla hranda, pouca barba,, ca-
bellos encarapinhados,*ignal deja ter si-
do acoutado ; levou um Ierro ao pescoco,
mas he de suppi* queja o lenha tirado, e
(em o ofTiciode carreiro : esle escravo fu-
gio do logar denominado Jffonso-Pereira,
011 Tiriri, junio ao engenho Algodones,
termo do (abo, em nove m bro prximo pas-
sad.): c foi comprado ao Sr. Galdino Jo-
s de A guiar, lavrador do engenho Bue-
nos-Ayres, do curato do Bom-Jardim.
Henaturdl que se intitule por forro ; por
isso pede-se aos senhoces de engenho, no
caso que se Iheoffereca paro trabajar, a
sua apprcttensao ; e aos ca pitaes de cani-^"
po que facam toda a diligencia, -dando-se
acuantia cima, e mais ainda conforme a
distancia em que fr pegado : dirigindo-
se para osle fim ao Tiriri, ou nesta pra-
ca ao senhor do dilo escravo, Gaspar da '
Silva Froes, na rua Bella n. ^o.
-T-r-
PBRN, ; NA TVP. PE f. P^ARIA^ 4


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E32KX30ZO_GRBYLV INGEST_TIME 2013-04-13T01:04:03Z PACKAGE AA00011611_05415
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES