Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05407


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1848.
Terca-feira &
O DI4R10 pu'iiica-se todos os das que u3oj
freiti de guarda i o prec.o da asignatura he do
4JOCO rs.poi quartel, P"k"' atliantttdat. Os n-
nuncios dos assignantes s^o inseridos i r;is.1o de
?u t. porlinlm, 10 rs. in typo dillerente, e as
repelijej pela metad. Os que nio fitrem asig-
nantes pagario SO rs. por liuha, e 160 en typo
diferente, por cad puIblicac.io.
PARTIDA.DOS CORREIOS.
PHASES DA LA. NO MEZ DE FEVEttESUO.
'ioiarinaeParaliiba as segundas esextas fein,,
Rio-G.-ande-do-Noru. j iotas feirasao meio-dia
Cabo, Serioliaem, Rio-t'ormoso,Porto-Calvo e
_ Macelo, no I.', a II e 21 de cada mez.
(iaraaliuns e ftonito. a 8 e 21.
Boa-Vi.'ta e Flores, a U e J8.
Victoria, as quintas-feirii.
Oliuda, todos os diat.
I.ga nova, I, 11 horas e i J rain, da tarde. I poir.u.n nc u/ic
Crcente a II, ai a hora e 6 min. da tarde. [ r-nbAHAM Dh ilUJi..
La cheia a 1. s hoias e 38 min. da manliJa. jl'rimelra, a 1 hora e 41 minutos da inauhia
Mingoants a 58, s 0 horas e 1 min. da mxuiia.jegunria, s 6 tora e 8 minutos da rds.
de Fevereiro.

Anno XXV. N- Sfc!
DUS D.\ SEMAS A.
Tmrm
I Secunda. S. Romualdo. Aud. do J.
orph.cdo J. doc. da ? v. do J. M. da5 v.
8 Te;,a. .'olo da Mata Aud. do J. do riv.
da 1.v. c do i. de paz do 2 diat. de t.
9 Quarta. S. Apoilonia. Aud. do J. do civ
da 2 v. e do J. de paz do 2 disl. de t.
10 ','uinla. S. Escolstica. Aud. doJ. de orph.
e do J. municipal da l. v.
II Sexta. 8, Lzaro. Aud. do J. do el, da !.
v., e do J. de paz rio I. dist. de t.
12 Sabbado. S. Eulalia. Aud. do J. do civ. da
I. v. edo i. de paz do I. tisl. de t.
3 Dominen flregorio.
CAMBIOS NO DA 7 DEJANEIUO.
dos Sobre Londrea 17'/, e J7'/,d.por|l# ri.a (0 d;
Pars 160 rs. por franco.
Lisboa 05 por 100 de premio.
Desc. de lettras de boas firmas I a l|4 '/ M-
I.IO*.. -- .... ~ -w-........... .,- ,W------
OuroOnr- i bespanhol......28*500 a 291800
Moedasdejt00velli. lt?300 a lOlO
de #400 uov.. lfioo a l/lO
da 4000..... lOOO a 91101
1'tMla Patacoe.......... iftMO a lf98D
Pesos columna res... ia*0 a 1*950
Ditos mexicanos.... I|80 a 1|82
Miuda............. l|900a !#=
Acedes da comp. do Bebaribe de 60|000 rs.ao per.
LiJLLL-LLf-?
LL-i-, i-, .'1!." ..'
DIARIO
R1MMBUCO.
^PIRTE OFFICAL.
i
DFXHETO
N. 548, DE 10 DR JANEIRO DE 1848.
Declarando que direito teem as vivras, filhot menores de
18 annoj, filhas solleiras e mais dos nfficiaes militares
reformados em virlude da lei de 20 de setembro de
1838.
Tendo entrado ora duvidn so as viuvas, filhos me-
nores de dezoito annos, filhas solleiras e milis dos
ofllciaos militares reformados em virtudodasdispo-
sices da lei do 20 de setembro de 1838, teem direito
ao meiosold, nio obstante a falta de lempo de ser-
vio eligido pela lei de 6 de novembro de 1827; o
navendo eu ouvido as seccoes de fazenda e da mari-
nua e guerra do concelho do estado : hei por bom,
conformando-nie com o parecer da secciio de fazon-
da, declarar que as viuvas, filhos menores de 18 an-
uos, filhas solleiras e mis dosofficiaes mililares re-
formados em consoquencia da sobredita lei de 20 de
setembro de 1838 s teem direito percepgilo do meio
sold quando se acharem as eiicumstancias exigi-
das pelo artigo 1. da de 6 de novembro de 1827.
Manoel Alves lirapco, do concelho do estado, sena-
dor do imperio, ministro e secretario do estado dos
negocios da fazenda e prosidento do tribunal do the-
souro publico nacional, o tcnba assim entendido e
f'C* executar com os despachos necessarios.
Palacio de Rio-de-Janeiro, em 10 de Janeiro de
1848,27." da independencia o do imperio. Com
a rubrica de S. M. o Imperador. Manoel Alce*
llraneo.
um s dia, se porventura a morte do deste anno sel be. facultando a construccjlo do un cbafariz na pro-
tivesse verificado no fim do anno, e nilo em abril co-1 jeclada praa da ra do Rrum.
mo succedeu. Fique pois, Vmc. entendendn queso
pode entrar em ejercicio no impedimento do actual,
e como seu supplente, sem o poder, excluir durantn o
anno que Ihe competo servir como proprietario, nio
obstanlo ter elle servido parte do anno anterior co-
mo supplente. Taes teem sido as decisoos do governo.
imperial, as quacs Ihe competa obedecer, o be mili-
to do estranbar que, sem as consultar, Vmc. do seu
proprio arbitrio se declarasse o juiz competente c
passassoa annunciar que eslava em exercicio, sa-
liendo que o proprietario do anno o eslava tamliem
e Ihe recusava passar a jiirisdiecflo. O que Ihe com-
muiiico, para sua inteJIigencia o cxecucSo. Dos
guarde a Vmc. Saturnino de Sguza e Oliveira.
Sr. Francisco Ribeiro da Silva Quciroz.
Rio-dc-Janeiro. Ministerio dos negocios da jus-
tica, em 11 de Janeiro de 1848.
Foi presente a S. M. o Imperador urna ropresenta-
c3o do juiz de paz do 2. districlo da freguezia de San-
Jos, actualmenle em exercicio, Antonio Ribeiro
Campos, da qual consta quo Vmc., tendo sido jura-
mentado pela cmara municipal para Ocar um dos
quiltro juizes de paz do mesmo districto, visto havor
fallecido o lerceiro, na orden da votarlo, em con-
formidade do artigo 6. das instruyos de 13 de-do-
zembrotle 1832, pretende que llio competo servir
este anno corrento o dito cargo, visto quo o referido
Campos servio em parte do anno antecedente pela
morte do que nelle servio. Deordem do mesmo au-
gusto scnlior tenho a declarar-ltie que a quesillo por
Vmc. suscitada lom sido muilas vezes decidida pelo
governo imperial do confnrmidado com o artigo 10
do cdigo do processo criminal. Por aviso do 1.* e
de 19 de fevereiro de 1836 foi declarado quo o juiz de
paz a quem compete servir em um anno determina-
do nio flea inhibido de exercer o emprego nesso an-
no como proprietario delle, por ter servido na qua-
lidade de supplente em qualquer outro. Por outro
aviso'doUde maiode 1836 foi declarado que o juiz
de paft* que serve um anno como supplente, ou seja
por impedimento, ou seja por escusa do proprieta-
rio, nio perde o direito m servir em outro anno co-
mo proprietario. O mesmo foi declarado por aviso
do 5 de maio de 1840. A cmara municipal, quando
juratnentoua Vmc., 1180 o classificou nem podia
classilicar juiz do quarlo anuo; saliste/, ao preceito
do artigo 6." das instruecos de 13 de dezembro do
1832 para haver sempre nesle juizo os quatro juizes
-'de paz que a lei exige; devia jiiranienta-lo tanto
entilo como agora so fallecesse algum dos qualro
primeiros juramentados, e o facto de ser Vmc. jura-
mentado, quando o quarlo votado se achava serviu-
do no lugar do lerceiro vago, mo Ihe confero mais
direito a servir no quarto anuo do que se o proprie-
tario (leste anno nunca livesse servido em anuos an-
teriores como supplente. O artigo 10 do cdigo do
processo criminal ordena cxprcssaniente que prece-
da sempre aos outros aquello quo livor maior nu-
mero devotos, o por neulium motivo podo Vmc. ex-
cluir o actual, quo, polo seu modo de entender, viria
a nflo servir nem um anno completo, apezar de ser
mais votado, e viria al exclui-lo por ter servido .se-
ment alguns das no 3. anuo, ou mesmo sem servir
GOVERNO DA PKOIVNC1A.
EXPEDIENTE DO DIA 26 DO PASSADO.
bctum m i iiingLat. .
rW*
OdlcioAo commandante das armas, determi-
nando faga promptilicar um trro do 5.' balalbflo do
fuzileros, ora em servico nesta provincia, am do
seguir para a do Maranhfo no primeiro vapor que
passar para o norte; e prevenindo-o do que, em
lempo opportuno, ordonar a partida do resto do
mesmo batalhSo.
Dito Ao inspector da thesuuraria das rendas
provinciaes, ordenando faga entregar pessa suto-
risada pelo de a quanlia de tu 90 ris, para pagamento do alu-
guel de duas casas que servom de quartcl ao destaca-
mento do mesmo termo. Participou-se ao chafe de
polica.
CircularAo commanJanle superior da guarda
nacional do Itecife, ao de Olinda o Iguarass, o ao
commandante gorai do curpo do polica, determi-
nando rccolham ao arsenal de guerra os objectos
quo esta reparlc3o lom fornecido por cmpresiimo
aos corpos queso achamsobo mando de.Ss. Ss.
Tamliem se detcrmuou ao 2.* teneute Antonio Egi-
dio da Silva resliluissc o correle que Ihe empros-
lra o arsenal de guerra; e communicou-se ao res-
pectivo director.
Dito Ao major Joaquim Ignacio de Carvalho
Mendonca, recommcnd.mdo preste ao engenhiro
Jos Bazileu Neves Gunzaga os esclarecimentos do
que ello precisar para proceder ao exame da obra do
palacio do Olinda, que foi administrada por Smc.
Participou-se ao engonhoirosupramencionado.
Dito Ao presidente do concelho gcral de salu-
bridado, dizendo mande remetter no coiiiina.ndaulu
do 2.a balalhao de artilliaria algumas laminas de puz
vaccinieo. Communicou-so ao commandante das
armas.
Dito A Francisco Rodrigues Pinheiro, declaran-
do que, segundo informara o chefe de polica o o de-
logado do termo a que pertenco o seu districlo, nao
so llio pude conceder disponsa do tugar do primeiro
supplente do subdelegado d'Alaga-dos-Gctos.
Portara Removendoo bacharel Estevo do Mel-
lo Monte-Negro do lugar do promotor publico do
termo de Coianna pura oilo Recite, o dcsto para a-
queile ao bacharel Joaquim Jos Nunes da Cunta
Machado Participou-se an presidente da reanlo,
ao inspector da lliosouraria Ha fazenda, as cmaras
municipaes do Rocife o Coianna, aos respectivos juizes
de direito e aos removidos.
Dita Deuiittiudo o profossor de lingoa franceza
no lyco desta cidade, Jos Soares do Azevedo.
Nomeou-so para substituir ao deiniltido a Uelarmi-
nodeArruda Cmara ; o lizeram-soas convenientes
participacOes.
DEM DO DA 27.
DEM DO DIA 28.
Odlcio Ao commandanto das armas, instando
pela infnrmaclo que, cm consequoncia do dispostn
no imperial avisn de nutubro do anno ultimo, Ihe foi
exigida pela presidencia em ofiicio de 29 deste mez,
a respailo da liquidaQo das coutas prestadas polo
quarli-l-mestredo 2. batalhuo de artilliaria a p,
Manoel Lopes Maciel.
Dito Ao juiz relator da junta de juslica, trans-
miltindo o processo do Josc Florencio, soldado do
6." batalhUo de cacadores.
DEM DO DIA 29.
Oftlcio Ao Exm. o Rvm. hispo diocesano, decla-
rando quo he do governo imperial que o padre Tho-
maz Pompeo do Souza Brasil deve do soiieiiai a de-
(iiissao da substituirlo das aulas Iheologicas do se-
minario de Olinda, porquanto he ao mesmo governo
que competo o provimento de semelhante substi-
tuirn.
Dito Ao director do arsenal de guorra, signifi-
cando devem do ser carregadas ao lenente-coronel
do 5." batalhilo da guarda nacional do Cabo as cem
armas que se forneceram por emprestimoao corpo
do polica, pois que o commandante desto corpo
lh'as ontrogou, por assim o haver determinado a pre-
sidencia ; o exigindo a conta do correiame que so
emprestara ao mencionuo corpo, aiim de ser paga a
respectiva importancia pela thesouraria das rendas
provinciaes.
DIARIO H I'KMBIUICII.
jiiiris-jt v 3)J aa-yaJi'jaDBa aaaa,
Recodemos tres exemplares do Noticiador Para-
hibano, que alcamjam a 4 do correte.
A Paralaba gozava de tranquilldado.
Importara em 205,660 ris o rendimento da repar-
lico do correio em todo o mez do Janeiro prximo
iludo.
No ancoradouro n.lo havia mais do que um navio
aue eslava recebando algodOo, e destina va-so a um
os portos de Inglaterra.
Tinham baixado os procos dos gneros em que
innis abunda o mercado; e porissoas transaeces
commerciacs haviam parausado um pouco.
Certo correspondente do Noticiador lamentava que
o Sr. coronel Joflo Colho Bastos n3o tivesse sido
reeloito deputado : passava em resenha os servicos
prestados por este cidadflo aos sous compatriotas ;
e conclua qualificando ingratos todos que concor-
reram para que so nao verilicasse a sua reeleiglo.
sua casa o ello se presta mais por um rasgo de ca-
ndado do que polo inloresse, porque mnha pe-
quena fortuna niiochega para retribuir, ou compen-
sar esse trabadlo, quo s pode ser bem apreciado
por quem sontio o mal : de feito, no dia 95 de de-
zembro do anno prximo passado, esse hbil fa-
cultativo, ajudado pelos Srs. doutores Carmo, Fir-
mino c Pontos, pralicou, pelo meihodo de Mr. Del-
pek o dentro em 5 minutos, essa operaeSo que
eu livo por milagro, o em 15 dios me vi livre do mal
que mo havia de leverou acompanhar sepultura :
para avaliar-so o que sofiTri, basta dizer que a por-
Q"o do tecido exlrahido foi calculada em tres libras,
e o sangue perdido em 6 oncas: cada um quo se
[colloquo em raeu lugar o diga se nSo tenho rasiio
para bemdizer o nomo desse Ilustrado operador,
para beijar urna e mil vezes a inflo hbil que me
remio do urna molestia que mo tirava todo o prazer
da vida: afamado que elle goza tilo consolidada
est, que nflo carece uesia prova, purera a humar,;
dado deve conhecer cada vez mais um dos sous bem-
feitorns, e eu nflo teria satisfago completa com essa
cura so mo nflo fosso dado ronder este tributo de
gratidfloao hahilissimo professor que a praticou.
Antonio Joaquim de Sousa Araujo.
COMMERCIO.
Alfandega.
RENDIMENTO DO DIA 7............8:26*,0
Descarregam hoje, 8 de fevereiro.
Rrigue BcUa-Virginio ~ mercadorias.
Barca Ei(her-nn -- dem.
Ili-igue Porcia bacalho. m
Officios A's cmaras municipaes do Recife, Ca-
bo, Ex, Caranhuns, Seriiihliem e A.goa-1'reta, exi-
gindo copias aullionlicas das actas da eleicao do c-
luitores, a que se procedeu no da 7 >ie novembro do
anno prximo lindo, alira du lereiii o desliuo indi-
cado no artigo 121 da lei n. 387, du 19 de agosto do
1846.
Dito A' adminislracflo da coinpanliia de Beberi-
Coi'i'e$)|)0!i(icn(;ia.
Que bella vocacao essa que
trabalha para alliviar os
snlfriinentos da humani-
dad e.
Weiss.
CONSULADO GEBAL.
IIENDIMFNTO DO DIA 7.
Ceral......................... 4:163,028
Diversas provincias.....,......... 182,158
4:355,184.
CONSULADO PROVINCIAL.
RENDIMENTO DO DIA 7........... 1:839,009
Movmcnio do Porto.
r,
O DL'QlJI2 DE GUISE. (*)
pon jfKDerico $>oulie'.
SEGUNDA PARTE.
IX.
Quando o Pionne deixou o palacio do duque de Guise?
foi inmediatamente ra du Annunciada, c nao parou
s.-nao quando chegou defronte da casa dovrlho Ccnuino.
At ease momento, o andar do moco Imarune Unba sido
rpido, como o de um homem que he impellido por uina
rrsolucao violenta ; mas, apenas chegra ao p flesaaja-
nella onde liaba o costume de passar todas as noites, ca-
bio assentado o Pionne cm um dus bancos de podra que
cercavam por todos os lados a morada de Casta.
Se alguem portease obervar por entre a noite que o
envolva, o infeliz Scipio, lioai i.iseui duvida assombra-
doeattonito ao reparar na inslita cxpresiao quelite
dominava o rosto; era ao mesmo lempo urna coutracejo
cruel e'.-xiqv-acadora em todas as feicOes e urna especie de
(*; Vide Diario u. 20.
estupidez no olhar. Este desgranado liuba ido ahi para
executar um crime mas dissercis que ueui se Icuibrava
mais disso. O veo que obscureca de ordinario alntelli-
(jencia do Pionne, mas que se levautava quasi sempre
quaudo o seu coraciio quera por euj pratica alguma ac-
cu nubre, esse veo pareca ter tornado a cabir mais es-
pesso c obscuro sobre o espirito vacilante do infeliz.
Algumas palavras sem nexo se Ibe escapavam dos la-
bios.
Cas.a, dizia rile, sim..... ella he um anjo..... nao;
ella trahio.....
D'ahi, passado um niomento, continua va:
Nao he ella; he Genuino que trahio..... Genuino,
dizia elle, nao pode aer; elle he de bom coraciio e quer
que cu ame a Casta.
E depois:
Sao he Gasta; he Guise; nas o duqilp he generoso ;
be nobre; permilliii-inc que me vingasae..... Villgar-
iue de uueiu? d'Anita..... k quf 4i4fi.*niu?
Depois dcstas palavras confusas, o Pionne poz-se a cho-
rar como urna crianca; d'ahi, apellando a cabeca entra
as unios, cntrou a exclamar com una voz que rasgava
as eiiuanbas:
Ob que dor, que dr, que dr I
Ecborava, dando lilslissiiuos gemidos, quando sentio
quelUebatiam uoliuinbio ; Icvanlou-se de um sallo e
acbou-sedefronle de Genuino.
Visto isso, ineutitho, Ibe diaie o velho em lom al-
fectuoso.'eiii vci de lres para o palacio de Guise, voltas-
te a sentar-te aqu no leu lugar coatumado?
Para o palacio deGuisc, respoudeu o pobre idiota,
se en fui ao palacio de Guise 1..... Elu, onde foste?
Ful onde tu me nao quixesie acompanhar ; fui ca-
sa de Gcuiuvo, c volio do turreao do Cariuo.
He penetrado de um sentimonto indisivel do sa-
tisfcelo qne venho hoje, por meio do seu jornal, ren-
der urna homenagem ao mrito, o pasar um trbulo
de gratidlo : ha milito que cu solfria no escroto
urna oscheochalazin, e temeroso da operaco que so
me indicava como o nico recurso,ja me Unba resig-
nado a passar urna vida de incommodos e afllicces,
ou soll'ier urna morte lenta : mas em um dia a
Providencia Divina lombrada do mim me advertc,
e me inspira a resolucTo do por termo ao meu mal,
o pata logo inquiro ile todos qual llovera ser o o-
perador, e lodos me indicara como bom hbil e
pralico ao Sr. Dr. Ignacio Nory da l'onseca ; corro
Ah! dsse Ponue com essa voz de espanto, que tan-
ta compaixao faz a quem a ouve, Gcnnaro..... o torrean
do Carino..... Guise..... Nao sci..... nao he isso.
E inmediatamente se tornou adcitar cm cima dapc-
dra, e poz-se de novo a chorar, apenando a cabera en-
tre as uios, e gritando dolorosainente:
Oh meu Lieos! que dor, qne ddr.....
O velho Genuino o cucaron em silencio.
Pobre rapaz, murinurou elle, alma incompleta, es-
pirito ebeio de luz e de ti evas, se Dos, quaudo te creou,
livesse acabado a sua obra, nos nao andaramos agora
a cata de quem deve ser o senhor e soberano de ap-
les; mas talvez accrescentou elle em tom triste, talvez
que a loucura que te acompanha desde a tua infancia se
apoderaste iiiieiraiueiile de ti quando subisses ao poder,
[como seapoderou de Masanirllo, innao e amigo do leu
coraciio.
Masanirllo, murmurou o Pionne aooavir esse no-
me sempre poderoso em sua memoria; he felix, morreu ;
eru!..... oh..... que dor,que dr, que dr!
Anda l, Scipiao, tornou o velho tomando-o pela
mao, ja he bem tarde, e tu anda nao descansaste. En-
tra em inlnha casa, cid dormirs sequizeres; se nao,
como te acontece multas vezes passar o dia a combater
c a noite a chorar, sem tomar alimento algum, mis nos
aisentaremos inesma mesa, e Casta nos servir; Casta,
uves tu?
O Pionne levantou-ie lento, e, pondo o dedo na fron-
te, como se cnxergasse na obseuridade algum principio
de luz, repeli pausado :
He verdade; Casta.....Casta..... tena rasao; tu vais
l'azer com que eu a veja, nao he assim?
Vou eu mesmo cbama-la, respoudeu o velho abrin-
do a porta ; porque nao be preciso que nenhum dos cria-
Navio entrado no dia 7.
Waterford; 93 das, barca austraca Mary, de 300 tonela-
das, capitao Glovanni Bovatlsh, cqulpagem II, em
lastro ; ao capitao.
Lisboa ; 24 dias, barca portuguexa Ligrra, de 361 tone-
ladas, capitao Antonio Joaquim Rodrigues, equipagein
19, carga vinho, pedias o oais gneros dopalz; a
Francisco Scveriano Rabello.
Navios sabidos no mesmo dia.
Trieste ; barca austraca Frtianha, capitao Ti cfolli Fio-
_ carga assucar.
Porto-Alegrc pelo Rio-Grande-do-Sul ; patachobrasllel-
ro Oliveira, capitao Jos Dias Crrela, carga assucar e
sal. Passageiros, 1 escrava com nina cria a entregar.
Slockolm; brigue sueco Enigketon, capitao D. Fragen, car-
ga assucar c couros.
Gil"altar ; barca sarda ueppina, capitao Andre Prev,
carga assncar.
Parahiba; hiaie brasileiro Concti(iio-Flor-das-VirtHilt,
capitao Elias do Rozarlo, carga varios gneros.
dos desta casa salba que vieste c nina hora tao adian-
tada da noite.
E entraram ambos em una salazinha baixa das lojas;
c Genuino, dclxando ah o Pionne, subi ao andar supe-
rior, donde trouxe urna candela accesa, depois de ter
balido porla da cmara de Casta c de haver ordenado
neta que dcscesse.
Quando elle voltou, c appareeeu assim s<5 ante o Pion-
ne, dsse-llie este inmediatamente em tom sentido
amargo:
Olha lasecave.'
Ella j vem, respoudeuGennino; mas acrediu-me,
iik ii lillio, niio Ihe inostres iniiiio a dr que te causa a.
sua pretendida Indilterciica; olha quo as raparigas so>
todas assim, desprezam o amaine que chora e geme
por ellas no luiuiar da sua porla, c guardan! o mais mel-
go sorriso para aquelles que teem a coragem de fingir
que as noestimam.
A estas palavras do velho Genuino, o Pionne eraron
nelle taes olhos, que desferiam ehaininas; e d'ahi repli-
cn com voz trmula:
lie verdade; para esses he que ellas teem um sor-
riso meigo, nao he assim ? para esses be que de noite s
abre com toda a cautela a gelosia dos seus aposentos?
velho Genuino eslremeceu. Casta entrou osase me
mo niomento, e disse-lbe com voz branda esoceg&da:
Aqulcslou, meu pal.
Genuino examinou successivamente a Casta e ao Pin*
ne, mas o ralo deintelllgenelaque brilbranos olhos da
pobre mancebo se havia inleiramenle extinguido, e o,
velho o ouvio murmurar ein voz surda:
Ah ella est sozlcha.'!
Genuino eslava acostmnado s divagaces do Pionne.
Para a maior partf das pestoas que o conbeciam, as pala.
?
MUTILADO
^



EDITA ES.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade oficial da im-
perial ordem da Rota, cavalleiro da de Christo e ins-
pector da alfandega de Pernambuce, por S. M. o
Imperador, que heos guarde, etc.
Fajo saber que no (lia 11 do corrente, ao meio-
lia, na porta da mesma, e;n liasta publica, se hilo
de arrematar 1,440 massas para chapeos, no valor de
240,000 rs., impugnadas pelo guarda Filippe An-
tonio Teixeiru do Albuquerque, no despacho por
fuctura n. 3.333 : sendo a arrematadlo subicita a Ui-
reitos.
Alfandega, 7 de fevereiro de 1848.
Miguel Arch'injo Monteiro de Andrade.
Francisco d Paula Lopes Reis, l. escriturario da
mesa do consuiad) desla provincia, ser viudo no im-
pedimento do administrador da mesma, etc., etc.
Faz sabor que no lia iodo corrente, a urna hora
da lardo, so bao de arrematar em praca, na porta
tiesta repartido, 2 caifas som marca, de ns. 6 e 8,
co.ii assucar iiiiiscHvuu, pesando !q;;o 03 arro-
bas e 16 libras, a 1,300 rs. arroba, o 1 dita don. 7
com assurar branco pesando liquido 54 arrobas c
13 libras, de 2.* qualidade, a 2,000 rs., consignadas
a Victorino de Castro Moura, eapprohondidas pelo
guarda Joo Baplista do Araujo por falsiiicagio
de taras: sendo a crrematagilo livro de despezas
ao ari'ematanto.
Mesa do consulado de Pernambuco, 7 de feverei-
ro do 1848.
Pelo administrador,
Francisco de Paula Lopes Res.
Francisco de Paula Lopes Reis, etc.
Faz saber que no dia 10 do corrcnle, a urna hora
la tardo, se ha de arrematar em praca, na porta des-
ta repartirlo, nina caixa do marca An. 2, coni as-
suca! branco do primeira qualidade, doengenho Ca-
cnoeira, da provincia das Alagdas, consignada a Ti-
iureio Valerianno Raptista, nprehendida, por fal-
sificag.lo da lara, pelo guarda Jos Correia Leal: sen-
do a arrematadlo livro de despezas ao arrema-
tante.
Mesa do consulado do Pernambuco, 5 de fevereiro
de 1848.
Pelo administrador,
Francisco de Paulu Lopes Reis.
Filho, ou com o capitSo na praca do Commorcio,
ou a bordo.
Para o Cear pretende sahir, at o melado do
presente, o hiate Tiovo-Olinda, mestre Antonio Jos
Vianna; os prelendentes a carregarem, ea irem de
passagem, se entendero com o mesmo metre no
Trapiche-Novo, ou na ra da Cadeia-Velha, n. 17,
2. andar.
Para Marselha a barca franceza Jula, prxima
a sahir; recebe passageiros, para o quo tem excel-
entes commodos : a tratar com o capit.fo. a bordo,
ou em casa dos consignatarios, B. Lasserre & Com-
panhia na ra da Senzalla-Velha, u. 138.
Le i les.
Jones Patn & Companhia farflo leilflo, por in-
tervenga do corretor Oliveira, de um completo sor-
timento de fazendas inglezas limpas, e outras mui-
las averiadas, que so vndenlo por conta e risco de
quetn pertoncer: hoje, 8 do correte, s 10
horas da manliSa no son armazem da ra do Tar-
piche-Novo.
Adour & C. f a rilo leilSo por ntervenco do cor-
retor Oiveira, de peol t Suiiuiitu do fszcndss
francezasdeseda, 1.1a e algod.lo, todas propriasdo
mercado : quinta-feira, 10 do corrente, s 10 horas
da rnanha, no seu armazem, ra da Cruz.
Avis' is diversos.
O TRIBUNO N. 77,
Trazum bom artigo sobre o jury de boje, a quo
(em de comparecer o redactor, e oulros do igual m-
leresso ; as 9 horas est venda na praca da Inde-
pendencia, n. 6 o 8; o povo que o procure logo, em-
quanto so nSo acaba.
Dcclaracdi'S
O eserivinda |.a seccilo do consulado provin-
cial faz publico, do ordem lo lili. Sr. administra-
dor do mesmo, que no dia II do corrente, ao meio-
dia, na porta do consulado se tifio de arromatar em
basta publica las latas com meia arroba de assu-
car branco, e 4 libras de caf moido, no valor de
1,740 rs., aprehendidas som despacho em um bolo
quo so apartava da Sacada do Forlc-do-Mattos para
una la cmbarcacOes ancoradas no porto : sondo a
arrematarlo livre de despeta.
Primeira seecao do consulado provincial, 7 do fe-
vereiro de 1848.
Joo Ignacio do Reg.
Pela subdelegacia dos Afogados se faz publico
que se acha recolhiJo cadeia do Recife o preto Jo-
s, que declaran r escravo de Antonio Jorge:
quom se julgar com dlne.to ao mesmo escravo com-
parecn na mesma subdclAgocia, que, apresenlando
os ttulos competentes, Iheser entregue
Afogados, 6 de fevereiro de 1848.
Lima.
Leonor CaroliniCatanho de Vasconcellos, pro-
fessora publica de primeiras letlras da cadeira do
bairro da Ba-Vista, avisa ao rospcitavel publico
quejase acha no exercicio do seu magisterio., na
casa da sua residencia, na ra do Alerro-da-BOa-
Vista, l."andar, n.86.
visa-se quem convier, que a matricula de
geometra do collegio das artes se acha aborta no
mesmo lugar do anno passado, islo he, ra de Ma-
thias-Ferreira, lercciro sobrado do lado do norte.
Avisos martimos.
-Para a Bahia sahe, no dia 10 do corrento, a su-
maca Carlota: s recebe miudezas e passageiros :
para urna c outra cousa, trata-so com o propieta-
rio, Jos Gongalves Simas, ou com LuizJosdeS
Araujo, rua da Cruz, n. 26.
Para o Rio-de-Janeiro segu viagem em poneos
das o brigue-oscuna lella-Virginia, por ter sen
carregamento quasi prompto : para o resto da car-
?a e passageiros, trata-sc na rua da Cadeia do Reci-
5, botica n% 61, de V. Jos de Brito.
-Pura o Itio-de-Janeiro pretende largar no dia
9, nflo havendo inconveniente, o brigue F.spsranca,
capitao Jos Alvcs Csrneiro, o qual pdoreceber es-
clavos a frote : quom pretonder pode contratar com
Annirim IrinHos, rua da Cadeia, n. 45.
Para l.o.ima sahe com bacvidado o brigue por-
tuguez Roza: de que he capilio Jos Francisco da
Costa Rocho, para carga iniuda ou passageiros, pa-
ra o que em excellentes commodos, Irala-se com
os consignatarios, Francisco Scveriano Babcllo A
~-aM^3i--jor*ilfmi*lt I Mi IIIII
viatique escaparan! ao infeliz. Scipiao durante esses ino-
ineniiis de idiotismo, nao tinhain senso algum: mas para
Genuino, que por muiissiinas vexes tinha notado que as
su as palavras incoherentes se rrferiam sempre a algu-
inas li'inhi .-un, as confusas de que o niisrravrl j nao ti-
nha coiiscicncia, nao podiam ellas deixar de ferl-lo vi-
vamente agora que sercfeiiam a doiuell.is que abrem
eclosias de noite ; e limito mais o ficou elle aoouvir di-
ZT-Ilie assim qne a moca apparcccu: n Ah! ella est
srninli*?!
Ra obscura confusao dos seus prnsamentos, haviaahi
alguma cousa i|ue, sein que elle mesmo o soubesse,
leinlnava ao I'ionue que a doniclla poda estar com al-
guno.
Coiutudo Genuino nao deu mostra alguma da suspeita
Stic concebera; beijouaneta, pedio-llie alguma carne
ra, vlnlio e pao, c dlsse-lhe depois que ella obedecer
s suasorde ns:
licaalli, miiilia lillia, lenbo que conversar com o
Pionne coasas que te pdem interessar, e a respeito das
quacs quero o teu parecer.
Ol'lfnne e Genuino se assentaram mesa que acaba-
Vade ser posta por Casta, a qual aecollocou alguma
distancia, depois de haver recusado tomar parte na re-
fel{So.
P.issou-te bastante tempo antes que Genuino encetas-
sc a palestra que .innunclra Casta ser de lao grande
importancia; mas a don/ella uem por so ficou aorpre-
ia, iiuniu'labia inelhor que ninguem in.into era dirS-
cll arrancar o Plonne do dcploravel estado em que se
acliaVa.'
Ento 1 mcu filho, disse etnflm Genuino com o tom
ifmis brando c paternal poiivel, contina a eatar con-
AOPUDMCO.
Margarida Beporini declara.aos senhores que so
dignaram sttbscrever para as representacOes, an-
nunciadns por ella, que cssas representacOes nilo
tcrlo mais lugar no Ihealro publico ; 'porquanto
augmentou-se-ihe por tal forma o prego do alugucl
do mesmo thcatro o o da orchestra, que llie nHo se-
ria possivcl deixar de soffrer mui sonsivcl prejuizo.
Entretanto, desejosa de demonstrar aos dignos habi-
tantes desta capital quanto se acha penhorado do
bom acolhimento com queelles a teoin honrada, a
declarante tem resolvido dar las representacOes
no titea tro do Apollo, cujo programma ser publi-
cado dentro em breve.
Alugam-se pretos possantes, pagando-so 800 rs.
por dia a cada um : quem os Uver o quizer alugar,
dirija-so a rua da Penha, n. 5,1. andar.
Moje ir a praca a metade da casa da rua do
Bangel, penhorada a Jos Goncalvos de Faria, depois
da audiencia do Sr. I)r. juiz do civel interino. A ar-
rematarlo j foi annunciada, e mo levo lugar, por
nlo ler havido praca na audiencia passada.
Um rapaz portugiicz, do 18annos, com bastan-
te pratica de negocio, so olTarece para caixeiro do
qualquer eslabelecimento, excepto venda: quem
precisar dirija-se a rua da Senzalla-Nova, n. 26, ou
annuncie.
.... O sSr. Joo Gavalcante de
Albuquerquo empregado na Th. Prov. queira, por
favor, dirigir-se livraria da esquina do Collegio.
Pcrdeti-so no dia 5 do corrrente, do bairro do
Recife at o de San-Jos, um alfenete de ouro esmal-
tado, com pedras de diamante: Toga-so encareci
damenlea quem o adiar que, por sua consciencia, o
leve na rua da Senzalla- Velha, n. 24, que ser ge-
nerosamente recompensado ; e tamboril so roga
aos Srs. ourives e mais pessoa a quem seja ofierc-
cido, liajain de o tomare participar na mesma casa
cima.
O Sr. Joo Xavier da Maia tenha a bondade do
apparecer na rua da Cadeia de Santo-Antonio, n. 19:
pela segunda vez sclhepede, a negocio deseuin-
teresse.
Na rua do S.-Thereza n. 20, lavn-se e engom-
ma-se com toda a pcrfcictlo e asscio por prego
commodo, tanto roupa de homom como de senhora.
Pergunta-se do novamento ao Sr. Antonio de
Faria llrandflo Cordciro se quer ou nao mandar
as 9 oitavasc meia doouro quo recebeu do Sr. B.
F. do F. T. om pagamento do urna leltra quo se I lio
conliou para cobrar; pois parece que a demora ho
sudiciente de esperar na fabrica de licores do Ator-
ro-da-Boa-Vista, n. 17.
Aluga-se o prmeiro andar do sobrado n. 10 da
travessa das Cruzes : a tratar na praga da Indepen-
dencia, ns. 24, 26 c 28.
OFerece-se, para ama le unta casa, urna parda
forra,que cozinha, lava do sabSo e trata de meni-
nos : quem do seu pretimo so quizer utilisar dirja-
se a rua da Guia, casa terrea n. 47.
Roga-se ao Sr. Joaquim Bernardo dos Reis, que
haja do publicar por osla folha os pregos e condi-
gOes de 317 caixinhas com charutos quo comprou.
eni7de outubro de 1847, a Antonio Jos Sitares',
sendo asseguintes com di Hrcules marcas, como so
v, a saber: marca B. & 1, 107 caixinhas de rega-
la ; idem 115 ditas com ditos de meia-rogalia ; c 95
ditas com ditos de marca C &M, de regala.
tente com u partido que tomaste, e o duque de Guise
contina a ser para ti um protector generoso ?
Guise tem um bom curaran, icplicou o Pionne;
Guise nao escarnece de inim, c disse-me esta imite incl-
ina, agora me record eu...... disse-me : Ka/es beni,
vinga-te !
Guise te disse isso? perguntou Genuino deitando
vinho no copo de Pionne com o ar da maior indiH'crcn-
ca, lu-iu que semethante palavra Ihe despertasse viv.t-
i'iieiitc a aid'ucau ; foi un coiiseiiio acertado c pru-
dente que elle te deu, porque a vingauf a be boa; e t
fars bein se te vingares.
O Pionne nao respondeu; mas encostou a cabeca
niao, compriinindo a fronte, como te quizesse desviar
algum obstculo, por tras do qual se esconda urna lem-
branra. Ora, Genuino era paciente, como todos os que
lian aprendido com os anuos quanto poder tem o tempo
em todas as cousas; uem elle procurou apressar a volta
iles.sas leinbrancas, em que tiuhaulvez, iiiaisintercssce
curiosidadeque o proprio Pionne; antes, a tacando-o por
dillerentc lado, Ihe disse:
Kstavas tu em palacio quando o duque recusou a
Carniole-Scoppa o posto de mestre-de-cainpo-general ?
Nao sei, respondeu o Plonne agitando blandamen-
te a cabeca-
Genuino conheceu que case noine nao despertava Icin-
branca alguma na cabeca de Scipiao, ecouiinuou i
tic provavel que o duque de Guise <1 este lugar a
algum dos Hdalgos que trouxe comsigo, talvcz ao baro
de Mdena, talvez ao conde de Rochclortou a Mr. de Ce-
risante.
Ccrisante! repiicou o Pionne levantando vivamen-
te a cabeca: sim, ccritante eslava l; quera Impedir
que ella entrasse, e que fallasse ao duque.
Precisa-sedenm Brasileiro, ou Portuguez, que
entenda de agricultura, e se subjeite a feitorisar es-
cravos: na rua Nova, por cima da botica do Sr
Pinto.
A abaixo assignada faz publico, por meio do
presente annuncio, que quantia alguma deve, por
pequea que seja a peisoa alguma seja debaixo
de que titulo for: todava se alguem so julgar seu
credor pode, no prazo de 13 das, contados da pu-
blicaco deste, dirigir-se sua casa no boceo do
Abrc, n. 6, segundo andar, com os seus ttulos le-
galizados, para serem resgalados. Recife, 7 de
fevereiro de 1848. D. Anna Rita Airosa.
Msssy Browfi", subdito inglez. retira-se par
a Bahia.
-Hoje,. 8 do corrente, tem de ser arrematada ,
linda a audiencia toda a mobilla da casa do finado
AntonioLuiz Kibeiro de Brito, um escravo e um
palanquim em bom uso, a requerimento de sua
viuva ; e ser a ultima fraga.
Roga-se ao Sr. thesoureiro da lotera do hospi-
tal Pedro II haja de nSo pagar o meio bllhote do n.
1872 da segunda parte da primeira lotera, por se
ter perdido, caso saia premiado, se ti3o aos Srs. Ma-
noel Ferreira da Luz e Alfredo Jos Antunes Guima-
lda.
Precisa-se alugar um preto para cozinhar e fa-
zer lodo o mais servigo de urna casa de homens sol-
toiros o qual seja fiel e capaz: na rua da Cadeia do
Recife loja n. 40.
-- Precisa-se de urna ama capaz para casa de um
homom solteiro: a tratar com Valentim Jos Corroa,
no Recife, com tema de barbeiro.
' Quem precisar de urna ama que sabe bem co-
ser o engommar, dirija-se a rua de Agoas-Verdes,
n. 92.
0 Sr. Honorato Jos de Oliveira Figueiredo quei-
ra annunciar sua morada ou dirigir-se a praca da
Independencia, livraria ns. 6 e 8, que se Ihe desoja
fallar.
Joo Telxeira Soares, negociante estabelecido
na cidade de Macei, previne ao respeitavel publico
e particularmente a Senhora D. Philadelpha Padi-
Iha, quo, tondo-lh sido roubada a quantia de 450/
rs, por seu caixeiro Antonio Ferreira Coiiinho,
agora tem |a certeza que desse dinheiro existom
350,000 rs. em mSo de Anna Francisca Fortes, mo-
radora nesla cidade, remetttdos pelo dito tea cai-
xeiro, para alforria do urna parda da referida Se-
nhora I). Philadelpha, de nomo Verianna; e para
que, pelos meioscompetentes, so possa arrecadar o
sohredito furto, se faz o presente, afim de que nin-
guem contrate com a indicada Anna Francisca For-
tes, nem della receba o mencionado dinheiro, sb
pena de ser considerado conivente no mesmo furto.
Deseja-se fallar com o Sr. Pedro Martina da Sil-
veira n negocio de seu intoresse i na rua do Cres-
po, n. 3, ao p do arco de S.-Antonio.
Hojo, oito lo corrente, na sala das audien-
cias, depois destas, peranle o Sr. Dr juiz do civel, se
ha de arrematar por venda, a requerimento da res-
pectiva testamenteira, a terga parte de um sobrado
de um andar, sito na rua da Cadeia de Santo-Anto-
nio, n. 11, perteuconte ao fallecido conego Francis-
co Antonio Pinto.
SOCIEDADE AI'III.I l.\K\.
A commissao administrativa convida laos Srs. so-
cios para, hoje, 8'do corrente, pelas 5 horas da lar-
de so reunirem em assembla geral da sociedade,
afim de se proceder elcig&o da commisso que tem
de administrar a mesma, para o prximo futuro an-
no ; nesta occasiSo ella recebar as propostas que
os ditos Srs. socios houverem de apresentar para
convidados partida de 4 de margo anniversario
de SUa nstallaeao,
Jos Valentim da Silva [ bem conhecido por en-
snar ha'12 annos]avisa a quem convier que a sua au-
la de lalim acha-se em exercicio, na rua da Alegra ,
n. 40; e-qiio recebe alumnos.
--Na rua do Agoas-Verdes, n.-48, precisa-se de
um caixeiro para venda que seja Portuguez, oque
d fiadora sua conducta.
Precisa-se de prctas quo vendam pilo, pagan-
do-se-lhcs vendagem : no Forte-do-Matlos, palla-
ra que foi do Alloman.
Precisa-so de um caixeiro portuguez, de 14 a
15 anuos, sendo dos chogados ltimamente : no pa-
teo da S.rCruz, n. 1"4.
Aluga-se urna ama para uina casa capaz, de pou-
ca familia : na rua de Manuel-Coco, n. 16.
Quem livor alguma casa que queira dar gratis a
urna senhora viuva carregada de lilhos, para nol-
la morar e ter todo o cuidado e zetoem dita casa
annuncie.
Casimir Garnier retira-se para a Franga e por
isso roga as pessoas quo tiverem cotila cun elle de
Ih'as apresentar nestes 15 das.
Perderam-se, no dia sexta-feira, pelas 2 horas e
meia da tarde 250,000 rs. cm duas cdulas [sen-
do urna do 2(10,000 rs. de estampa branca e a
outra de 50,000 rs., pelas ras seguintes: Nova,
Cahug,Queimado, Livramento, na volta pela mes-
ma pateo do Collegio, na rcparligao do.correio ,
Passeio-Publico, ponte, Cadea-Vclha e Vigurio.
Boga-sc a pessoa que achou qtierendo restituir ,
d rija-sea piuca da Independencia livraria n. 6 e
8 que receher 50,000 rs. de gralilicagflo.
Manoel Joaquim de Oliveira Portuguez, reti-
ra-so para o Itio-Grande-do-Sul.
Quem foi esaa ? perguntou Casta toda animada.
Genuino olliou para a aobrlnha, que abaixou os olhoa
eempallidetcu inte rase aapeclo ameacador.
K como se a voz de Casta fosse la o poderosa no espirito
perturbado do pobre laiarone quanto a harpa de David
o era nos furores de Sal, o rosto de Pionne se illumlnou
com uina expreasao feliz, e se voltou para Casta, como
para Implorar outra palavra; mas Casta se tornara
muda, e fui Genuino quem conlinuou com vos inul
branda :
Ella te pegunia qual era amullier que Censante
nao queda deixar chegar ao p do duque de Guise.
Ah! be verdade, be verilade, disse o Pionne, cujo
eusaiucnto lornou a cahlr na costuinada incerteza ; ella
i tinha sido repellida d'outra casa; e isla, accrescentou
elle com um soniso de pateta, porque tu bem sabes,
ineu pal, a lux illumina pela sombra, e ento ellcs appa-
garain-na.
Emquanto o Pionne assim fallava, mais e mais trmu-
la se la tornando Casta ; o peito arfava-lhe violento, e
a pallidez Ihe descrou sbito o rosto: Genuino ater-
ro u-se com semelhanle elleito, mas uem por isso a aus-
tera tranquillidade das feicdcs se lhc desconcertou ;
nem se Ihe percebeu alteraco na. voz quando contl-
nuou, diriglndo-se a Scipiao :
Tu acabas de dizer uina cousa que excede a ininlia
intelllgeucia, ineu filho ; mas, como a atilado e sensa-
to, peniiue-iiie que te pega uina cxpticaco o, que di-
zea, porque lie bom instruirmo-nos em toda a idade.
Nao uissL'ste tu que a luz llluiiiina pela sombra ?.....En-
sina-me como Isso pode acontecer.
As pvthonissaa que os sacerdotes da antiguidade obri-
gavam fallar pela influencia dealguns filtros yiolen-
I toa, rangiam oa denles, volvalo o olhos espantados, Casta ?
Por execuglo' da fazenda provincia!, na sala
das audiencias do Sr. doutor juiz do civel boje, 8
do corrento se h8o de arromatar, de rendo ar.nual,
os predios seguintos: a casa de sobrado do 3 anda-
res n. 29, na rua lo Amorim avallada por 300,000
rs. ; a casa n. 100, na rua da Gloria avahada por
72,000 rs.; dita n. 3, na travessa do Hospital, ava-
liada por 48,000 rs. ; dita n. 43, na rua do Motoco-
lomh, nos Afogados avahada por 24,000 rs. ; dita
n. 38, na rua do Quisto, avaliada por 34,000 rs.; um
sobrado mei'agoa na rua do Forte-do-Maltos, n. 34,
avadado por 96,000 rs.; um dito de um andar n. 74,
na ruadoS.-Miguel dos Afogados, avallado por 120/
rs. : a casa n. 4, na rua da Alegra, avaliada por 96/
. i .T.a dita na tnesma rus. n 1* ; aballada por
60,000 rs.; urna dita n. 16, na rua da Mangueira ,
avaliada por 96,000 rs.; urna dila n. 62 na rua doj
Motocolomb, avaliada por 38,000 rs.; as casas daV
praga da Independencia penhoradas cmara mu-
nicipal desta cidade : n. 1, avalida por 16,000K.;
n. 2, por 160,000 rs. ; n. 3, por 120,000 rs.; n 4, por
110,000 rs.; n. 5, por 120.000 rs.; n. 6, por 90,000
rs.; n. 7, por 120,000 rs.; n. 8, por 90,000'rs. ; n. 9,
por 60,000 rs. ; n. 10, por 50,000 rs.; n. 11, por 50/
rs.; n. 12, por 60,000 rs. ; ns. 13,14,15, 16, 17, 18,
19, 20,21, 22, 23, 24, 25, 27 e 28, por lOO.^^s.
cada una ; n. 29, por50,uo0is.; i. 35, por 1W,000
rs.; n. 36, por 140,000 rs.; n. 37, por 140,000 rs. ;
n. 38, por 140,000 rs.; n. 39, por 160,000 rs. ; n. 40,
por 160,000 rs.; n. 30, por 50,000rs.; n. 34, por
120,000 rs.; urna olaria na Capunga, n. 5, avahada
por 30,000 rs.
Por venda as seguintes casas : a casa terrea da
rua Imperial, n. 89, avahada por 2:000,000 de rs.,
penhorada a Manoel Joaquift da Cosa ; a casa ter-
rea na rua Velha, n. 23, vahada por 800,000 rs. ,
penhorada a.Antonio Nobre de Almeida; um sobra-
Jo de um aturar com slito e trapcira na. rua do
Quartel, n. 13, avahado por 1:200,000 rs., "penhora-
do a viuva do Manoel Vital d'Assumpgo. Tamben .
oor venda vao a praga os escravos seguintes: Joan- V
na, de 40 aqfios, avallada por 300,000 rs.; Julianna,
do 25 aimoav^valiada por 350,000 rs.', penhoradas a
Jos-Maria fitrriQrirn Jnior; a escrava Iria, criotl-
la, de 37 annos avaliada por 200,000 rs., penhora-
da a Francisco "Xa vi?r das Chagas: tudo poroxecu-
eflo da mesma fazenda provincial.
Joaquim Jos&jdc S.-Anna Barros participa a
todos os pais de seus alumnos e igualmente ao res-
peitavel publico, quemudou sua aula de Fra-de-
Portas pareo segundo andar do sobrado n_ 30, da
rua da Maire-de-l)eos : quem de seu preslimo so
quizer utilisar dirija-se ao lugar cima declarado ;
advertndo-se que a entrada do dito sobrado he pe-
lo lado da cacimba porta quo fica defronte da mes-
ma no meio de duas cancellas.
CHAPJSOSDfiSOL j|
Rua do Passeio-Publico, n. 5.
JLofio Loubct participa ao respeitavel publico, que
recebeu, por estes ltimos navios francezes, um com-
pleto sorlimento de chapeos le sol, de seda, amis
rica e superior qualidade; furla-cres e outras nim-
ias couhecidas, tanto para homens, como para Sras.
e meninos. No mesmo estabolecimento ha um sorti-
mento de chapeos de sol de paninho, dos mais mo-
dernos; ditos muitograndes, proprios para homens
decampo: Umbem tom chapos de sol de paninho
para meninos o meninas, por serem muito linos: po-
dem-se chamar chapeos de economa. Na mesma loja
lia sorlimento de bengalas, bengalirihas e chicotes
inulto modernos; cobre-sc qualquer armagfio <1 hi-
pos de sol, com sedas de todas as cores equalida-
des. Na mesma casa ha um grande sortimento de
panninhos trangados e lisos, imitando seda, para
cobrirosmesmos: desta fazenda se vende aretalho.
Conccrla-se todo qualquer chapeo de sol, por haver
um completo sortimento de todos os pertences para
os mesmos, com toda a perfeigao e brevdade.
Antonio da Silva Gusmao Jnior e
Prxedes da Silva Gu^mo fazem publico
que leem contratado urna sociedsde cm
iioinc col lectivo, para eslanclecerem urna
loja de fazendas na rua do Queimado, n.
3q, cuja sociedade principio no prmei-
ro de Janeiro de 1848 ; assim como que
a sociedade gyrar sob a firma social
de Gusmao Jnior & limito : afim de
que fique conhecida dila sociedade, e
sejan valiosas suas tiansaccoe.s. Recife,
3 de fevereiro de 1849.
Gusmao Jnior &; Jrmo.
OS AMANTES DO SOKVETE.
No principio' da rua do Itangel, n.8, se acha
prompto um nndar com boas commodidades para
servir os freguezes que goslam de bom sorvete de
frutas feito com lodo o assaio. Os que quizerem
trazer suas familias, achanto quem as sirva com
toda a docencia o com urna linda entrada. Prin-
cipia hoje, das 5 horas da lardo al as 9 da noite ;
9 continuar lodosos das, emquanto houvergelo,
a 200 rs. o copo, pagos a vista.
estorclam os bracos, como se quicssem livrar-ae furio-
sas do Dos que as possuia ; comecavam por sana inar-
ticulados, depois vinliain palavras sem sentido, at o
momento cm que o orculo soara repentino, pronun-
ciado com voz ti rute e inspirada.
Assim o Pionne se agitou um, momento sobre a cadei-
ra ; depois pareceu despedaca'r a fronte com os dedos
contrahidos, csteudeii os olhos inquietos cm torno du^
sala ii:iixa em iiuc eslava, e murmuruu priiiiciraiuente :
Como?.....Mas foi isto.....a luz.....depois a som-
bra, emquanto ella horava.....he verdade, he isiu.....
entendes tu 1.....ella chorava ao p da janella.
O Pionne deu um grito, balendo na testa com umita
forja, e conlinuou inmediatamente coro voi terrivel,
mas ciara :
Como a luz desenhava na vidraca da janella a som-
bra do cavalleiro que cstava na cmara, apagaram a
l^iz emquanto a outra chorava na rua.
K quem era esaa que chorava na rua? perguntou
Genuino com voz profundamente alterada. ,
Era Aila, respondeu o Pionne, cjo peito entu-
meca com est'orco.
E quem era essa, conlinuou-Genuino,-na cmara
da qual a luz se apagn assim ?
O Plonne nao respondeu ao vellio, mas, voltando-se
inmediatamente para Casta, caininliou para ella preci-
pitado, exclamando feroz ;
Casta : dizc-me o noine do hoineni que recebeile .
cala noite na tua cmara I
Genuino levantou-se igualmente, e a donzella ca-
hio de joellios aos ps do Pionne.
^ Isso nao he verdade, disse o velho, nao he astim,
MUTILADO
i
y


%
LOTEttlA
Do Hospital Pedro II.
Ao respsitavel publico assegura o ihe-
soureiro da loteria do hospital Pedro II,
que as rodas da segunda quinta parte
correm infallivelmente no da marcado,
(2+ do corrcnte mez ) no mesmo lugar
da antecedente j e pede aos Senhoresque
apartaran bilhetes, que haiam de ir bus-
ca-Ios, pois que teein sido procurados al-
fcguns dos nmeros quefram escollados,
fe nao os pode vender, sem sua decisao.
f N. B.-- Alm dos lugares j ciados para a venda dos bilhetes, acham-
se tambern de prximo na loja de cambio
do Sr. Manoel Comes da Cunlia e Silva,
naV a da Cadeia do bairro do Recife.
--lolo l.uiz dos Santos Jprelondo retirar-so para
o Rio-Grando- do-Sul, levando om sua companhia o
eu escravo, do nome l.uiz....
--Jos Gongal ves da Silva, doutor em medicina
pela faculdade do Rio-de-Janciro, ltimamente che-
gado dah, ofleroce o seu presumo ao respcitavel
publico, na ruu de S.-Congalo, n. 29, sobrado ao la-
do da igrcja : consulta gratis aos pobresa das 7 as 9
horas da manliAa.
-- Est para chegar da Europa um rapaz quo tem
boa educado, e que sabe inglez, franccz e allomlo,
quequer seompregarem escriptorio: quom de seu
presumo se quizer utilisar dirija-se a esta typogra-
phia que so dir com quem se deve tratar.
-- Ezequiel d ligOes de dansa, das 7 s 9 horas da
noite.nas segundase quartas-feiras, na ra do
Kangel, n. 47, primeiro andar, ou em qualquer ou-
tra parto para que for chamado.e hora que melhor
conviorao alumno.
Aluga-se urna casa torrea sem repartimento,
propria para recolher gneros da alfandegn, e por
aluguel muito barato, na ra do Amorini, n. 32, que
levo armazem de socar assucar : quwn a pretender
dirija-se a ra da Cadeia de S.-Antonio, cas de um
so andar n. 18, ou ra da Cadeia do Recife, lojo
de ferragens, do Antonio Jos Vidal.
umsuia-se em casas particulares,
nesta cidade e seus suburbios, a
ler, escrever, contar, doutrina
cliristaa egrammatica portugueza,
com perfeico e zeloso cuidado,
por mdico preco: na ra da hi-
beira da Boa-Vista, n.35, se dir
quem pretende.
Os abaixo assignados, negociantes e morado-
res na villa do Crato, provincia do Ceari, fazem sci-
ente ao publico que nesta data reuniram seus pe-
queos lundos e contraliiram urna sociedade; e por
Precisa-so de um caixeiro que seja hbil par
negocio de venda, e d fiador a sua conducta : no
pateo da S.-Cruz, n. 106.
Compras.
O doutor em medioi:in Marioei Adria-
no da Silva Pontcs contina a residir
na ra larga do Rozario, n. 30, se-
gundo andar, onde pode acr procura-
do a qualquer hora ; tambem traa
homcBopathicamenle quclles quo so
quizerom subjeitar este mctliodo
curativo, o receitar gratuilamenlo
das 6 as 8 horas da manhfla, o das 3
as 5 da tarde, aos pobres, quo tam-
bem terfo os remedios gratii forne-
cidos pelo boticario.
mpam-so imagens do podra, feitas na Rabia
e concertam-se na melhor forma possivcl, quo fican
taos quaes, ou melhones do que as quo veem da Ra-
bia: ludo por barato preco: na ra da Alegra, n. 42.
D-so a premio um cont de ris em maior ou
monor quanlia sobre pei)horss de ouro, ou piala
ou com bypothocaoin casas no bairro de S.-Anto-
nio: na ra Direita loja de barboiro, confronte a
travessa de S.-Pedro, n. 5.
-Arrenda-sea propriedade de S.-Anna, com gran-
de casa de vivenda, cavallarice, corraes para ga-
do, senzalla e oulras casas mais' quo tem om si
duas famosas olarias baixas plantadas de capini'
muitos pes de cafezoiros j produzindo fruto, e to-
das as qualidados de fruto pelo lempo quo se eon-
vencionnr : tambem se vender so algnem a preten-
der comprar, para o que trata-se com o seu proprie-
iino, Jos Francisco Rclm morador no Forte-do
Mallos, n. 12.
Atlencao !
isso d'ora em diante se assignarflo, no que Dortencer
a seus negocios, porRilhar & IrtnSo- ; (cando em
vigor suas assignaturas anteriores. Grato, 30 de
novembro de 1847. -- Joaquim f>pes Uaymundo do
Miliar.Pedro Jos Gontalves da Silva.
D-se dinheiro a premio com penhores do ou-
Compra-so um oratorio do tres faces, oh/a mo-
derna : serve mesmo com algum uso, e se fr do
Jacaranda he melhor: na ra da Santa-Cruz, venda
n. 5.
Compra-se a historiados presos da torro deS -
Juliio da barrado Lisboa : quem a tiver annuncio.
Compra-se urna rann snm erihartii. me negu
em 6 caixas de assucar inda que seja em bom' uso:
na ra Nova, n. 21, primeiro andar.
--Compram-se dous bois do carro, ainda quese-
jam magros : na praca da Independencia, livraria
ns. 6*8.
Compra-se urna escrava que seja perfeita cozi-
nheira, engommadeira e costureira, nilo se olha
o prego : na ra do Vigario, n. 24.
~Compram-se cavallos ainda estando magros,
mas leudo bons andares e sellins usados: no lar-
go do Livramento, n. 20.
Compram-se 20 a 30 burros, a preco de 100/
ra. .sendo grandes, mansos e gordos: na ra D-
reila, sobrado n. 121.
Vendas.
Antes que se acabem!
Vendem-se muito bons sapatOes de pa-
rermeeSdae,iiPeqUe"aSqUanlaS: "* '"* doRa""j'ns de bezerro francez, a sete patacas ; e
Para as pessas que tencio-
--Vendem-se casimiras novasv
despachadas hontem, mais bara-
tas do que emoutra qualquer par-
le; na loja de Gusmo Jnior &
lrmao, ra do Queimado, n. 39.
Vende-se ou aluga-se una escrava para todo
servico de urna casa : na ra da Cadeia de Santo-
Antonio, n. 19.
Vende-so urna parda muito civilisada, pro-
pria para se llie entregara administradlo de urna
nut%i nor ter disso bsstst* n,,SlC9 ** fthrtr multo
bemeozinhar e coser cuja exemplar conducta se
afianga : o motivo por quo se vende se dir ao com-
prador : na ra de S.-IUla, n. 44.
Vende-se urna bonita escrava mofa ,
que vende fazendas e miudeza cc-
zinha, engomma soffrivel, he multo,
fiel e hbil; 3 ditas com algumas ha-
bilidades, sendo urna deltas perfeita
cozinheira ; 4escravos, muito mogos,
bons para todo (o sorvico,! dos quaes
cozinba bem; um pretodo meia idade,
muito robusto, desembarazado o que
rozinha bem o diario do urna casa e
sabo vender bem frutas : na ra do Vi-
gario, n. 24, se dir quem vende
nara seguir viagem.
Na ra do Rangel, n. 9, continuam-se a tirar pas-
aportes psrs: dentro fOrs do imperio, despacham-
so esclavos e coi rom -se folhas ludo com brevida-
de, e por prego muito e muito commodo, do quo
ja so ieiu dado exuberante pruva nu decurso de oiio
annos.
Precisa-so de um caixeiro brasiloiro com pra-
tica do loja de fazendas; na ra do Queimado, n 8.
Alugam-se os segundo e terceiro andares da ca-
sa da ra do Queimado, n. 17: a tratar na loja da
mesma.
O arrematante do imposlo do 2,500 rs. rs. por
cabeca de gado do consumo das freguezias da Vamea
o lodos Os suburbios do Afogsdn e frnguo/ias de S.-
i.ourongo-da-Matla, leudo de rctirar-se para fra "da
provincia, faz venda do mesmo imposto a quem pre-
tender, fazendo ver que em ditos lugares leom-se
consumido semanariamente do 23 a 25 bois, como
consta do seus assenlos : os prclendenles dirijam-se
a ra larga do Rozario; venda n. 33.
FABI1ICA RE CHAPEOS FRANCEZivS SO ATERRO-
DA-liOA-VISTA, N. 5.
Viclor Dehys, chapeleiro francez, havendu eslabc-
lecido uiiiii fabrica do chapeos no Alorio-da-lloa-
Visla, loja n. 5, tem a honra de convidar aquellas
pessas que aprecian) o quo lie bom, u visitaron! o
botins de dito a a,5oo rs.: no terro-da-
Vista, loja de calcado, n. 74 junto bo-
tica do Sr. Braulio.
Vende-so urna barcaca do 24 caixas: no Forte-
do-Maltos, a tratar com Joaquim Francisco de
J
Na loja da ra do Queimado, n. 30, de Jos Joa-
Uini de Novaos, contina a haver um sorlimento
cobras feitas; chapeos do todas as qualidades;
ditos para meninos e meninas; ricos chales de seda;
mantas de seda; lencos do todas as qualidades ; e
outros muitos objectos que ha para vender.
-- Hoje, 8 do corrente, peranto oSr. doutor juiz
no cive, na sala das audiencias, depois destas se
hilo de arrematar varios pares do calcado e perten-
ces do urna tendu desapaleiro, penliorados por exe-
cucflo de Antonio Joaquim de Souza Ribeiro contra
D. Anua Joaquina Silvianna hojo representada por
seu marido : quem pretender compaicca, mo boa
ultima praca.
Tendo apparecido, no Diario n. 25, um com-
municado, em que sou elogiado 1 or um amigo, que
por modestia nao dignou-so;declarar o seu nomoj ul-
o do meu dever ja que 11S0 llie posso agradecer
em particular, leslemunbar em publico o quanto
mepenhorou o seu procedimento.
Iiurgot Pona de Ledo,
Aluga-soosegundo andar do sobrado da ra
)ireua n. 20, com bons commodos para familia : a
tratar na mesma ra, n. 93, 1." andar, esquina do
nepco do Serigodo das 6 as 9 horas da manhSa e
Ij wm.ihjj iinuf iiwiw a lut^uuii iiuiiuimi, a ijiun cata
--1 recisa-se ue dous redores, e de um caixeiro paga esatisfoita, cujos recibos existom na mito do
ra um i'iir'i'ii ir 1 Ki-ini ,i^i ,..,., 411 i..... .,,. ___ _._ ...
seu estabelecimento, onde cncontrarflo sompre, poi
um preco rasoavcl, um bello o variado sorlimento
de chapeos do mais apurado gostoe ultima moda de
l'eris. Elle previne ao respeitavel publico desta capi-
U'l, que fabrica e prepara chapeos das mais superio-
res niassas, em ludo semelhantes aos que veem de
Fiango, e ao goslo e volitado das pessas que Ih'os
encomincndarem ; arma chapeos para padres, o faz
lodo o genero deconcerlos; recebe chapeos usados
em troca de outros novos, mediante urna commoda
iidemnsac3o; e finalmente faz lodas as obras con-
cernontes 110 seu ollicio com a mesma perfeico e de-
licadeza com quese trabalba em I'aris, esperangan-
do que as pessas que o honraren! com a sua con-
fianga hilo de licar completamente salisfeilas.
lltMAMURE DE SAN-JOSE' DA AGONA.
Advcrte-se a quem convier, que se estilo demo-
lindo as catacumbas que pertcnceram a mesma ir-
mandade, no hospicio da Penha, para que quem
pretender lirar ossosdo seus finados prenles, all
sepultados, baja de o fazer no prazo de lies dias
depois da publicagao do presente; pois, do conlia-
1 i, ifitfl sepultados no lugar destinado pelo reve-
rendo vice-prefeilo do mencionado hospicio.
~ l'rccisa-se de una ama preta ou parda, de meia
idado, e de boa conducta para urna casa do pouca
familia : na praga da Independencia, loja n. 3.
A obra da nova igreja matriz de
San-Jos do Hecife precisa de srven-
les, escravus ou forros.
Jos Fernandos Povoas faz publico, quo a loja
da ra do Amorim, 11. 29, annunciadn para ir a pra-
ga pela fazenda publica, em rasSo do so adiar a do-
ver as decimas, declara que foi um completo en-
gaada paite de quem fez o annuncio, porquantu
a referida casa, hoje da posse e dominio do annun-
ciaute, nada deve a fazenda nacional, a qual esta
para um engenho distante desta praca 10 iegoas : no
largo do Livramento, n. 20.
He verdade, ivplicou o l'ionoe cow furor, he ver-
dae; e agora me Iruibro bem do que me disse Guiae.
Guise repeli Casta loda asgo mitrada, que te pode-
rla elle ditrr?
Dissc-iiir, rrtpondeu o Pionne mi toni sombro :
Arranca a vida a esse iiomem se o descobrires. F-
|,lre-o no rora;ao como elle te ferio ; be acto Viiislip ;
e desde j;i te abiolvo dessa morte.
Guise te disse isso ? perguntou Genuino com voz
profunda c admnda.
O' Henrique i Uenriquc I inurmurou Casta com
Voz imperceptivel.
Di/.e-mc o seu nome, Casta, accrcscentou o Pion-
ne, porque esse hoincm me pertence, e lie preciso que
elle morra.
Genuino lornou a cahir assrntado, e a adiniraro que
pareca ter sentida ao principio den agora lugar a um
completo abatimento.
Diie-meo seu nome, continuou Sclpiio com vos
ainda mais amca(adra.
- Nunca respoudcu Casta levanlando-sa cheia de
altivez.
O seu nome! czclamou o Pionne fra de si, e ti-
rando um punlial da cintura.
O nome dellc est aqu, disse Casta encostando a
mo no corafao, ea ponta do ten punhal nao o fara sa-
bir do meu pcito.
O seu nome! repeli ainda o Pionne, cujos olhos
ferozes pareciam amcacar a (-asta com um desses mo-
mentos de loucura em que o desgracado Idiota nao ti-
nia conscieucia do que.faza.
Nunca o sabers* respondeu Casta aflVontando-o
resoluta^
annunciante
lempo.
o quem laugar na dita casa perde o
aaajM apiapsjjiiTiiiiii !>! m 1111 miiii un
O Piounc levantou o punhal sobre ella, e la feri-la,
3uando Genuino llie arrancou o ferro das nios e Ihe
isse, repellindo a Casta com despiezo :
l>eixa-a, meu ilho, deixa-a r o que devia aconte-
cer, acontecen ; o que a mi fez devia fazc-lo a lillia ;
mas o que eu Hz sua mi, ftrcl tambem agora lidia ;
Olympia tambem tinha um noivo, o qual, quando sou-
Alm.
Vcndem-so 25 pipas vasias casco a portugue-
, sendo lodas despejadas rcccntcmonto polo ba-
tpquo : na ra do Trapiche, n. 44, ou a fallar com
Firmino Jos Flix da Rosa.
Na loja de Maga lmese lrmao,
na ra do Queimado, n. 46,
vendem-so cortes das bellas princezinas, a 11/ rs.;
ditos do cambraia berta,a 5/ rs.; ditos de cambraia
de difieren tes qualidades a 4,000 c 4,800 rs.; ditos
de dita do barra a 4,200 rs ; lengos de seda de pe-
so, muilo finos, a 1,600 o 2,000 rs. ; ditos do setim
para grvala, a 4,000 rs.; chales do seda do 14 quar-
las, a 11,000 rs., manas de dito a 9,000 rs. ; cha-
les de balzurina, a 2,000 rs.; ditos mais ordinarios,
a 800 rs.; lustrim rxo sem defeito, a 4,800 rs a
pega ; brim branco trangado, de puro linbo, a 1,400
rs. a vara ; dito, dito, a 1,120 rs.; corles de colle-
le do casimira o seda a 4,000 rs. ; dilos de setim
prcto do listras a 4,500 rs.; ditos de fustilo, a S00
rs.; brim de algodo para caigas, a 240 rs. o cova-
do ; riscados francezes a 220 rs. o covado; bicos de
differentes qualidades ; cassa de quadros muito li-
na, de 10 varas, a 3,200 rs. ; meiasde homem se-
nhora e meninas : o oulras muilas fazendas quo pe-
lo seu mdico prego dovem agradar aos freguezes.
l);io-se amostras a qualquer casa que as pedir.
Vende-se um sitio na estrada dos
Afllictos, com boa casa de vivenda, de
pedra ecal, com sotao, cozinba fra, es-
tribara para um cavallo, bom poco, o
qual edmitte ora, todo ebeio de arvo-
redonovo: na mesma estrada, a fallar
cotn Jo.iquim de Oliveira e Souza.
No boliquimCova-da-Onga--, ra largado
Rozario.n. 34, vendem-se bixas de Hamburgo de su-
perior qualidade, pequeas, a 100 rs.; inmediatas,
a 160 rs.; o maiores, a 240 rs. por, se querer concluir
esto negocio, por o sou dono ter do seguir para a
Europa a tratar do sua sailde.
Vcndem se palitos de fogodos me-
lhores que teem apparecido ueste mer-
cado, muito em conta: na ra deAgo^s^
Verdes, n. l\6
Vende-se um sobrado de um an-
dar e sotao, sito no Alerro-da-Boa-Vis-
ta ; na mesma ra venda n. 8, ou a Ciliar
com Joaquim de Oliveira e Souza.
Vendem-se aeges da ex-
tincla companhia de Pernambueo
e Parali iba: no escriptorio de O-
liveira Irmos & C, ra da Cruz,
9.
n.
A infeliz ficou aniquilada ao ouvir uto terriveis e
solemnes palavras, masjulgou ter perdido de todo a
rasao quando srntio repetir junto a si a fatal palavra :
Am.ildic.oada I
Casta voltouse, e achou-se face a face coui uin ho-
meni de alta estatura.
Alfol um grito de terror, c ainda pode ouvir a voz do
be que ella se dra a outrein, tambem a quiz matar ; Pionne que supplicava ao; vcllio que perdoasse neta ;
cntao couio hoje eu llie detive o braco ; mas, continuou mas quasi que inmediatamente Carnlole Scoppa { era
ADMIRAVEISNAVALHASDE ACODA CHINA.
Ata ra larga do Rozario, n. 35, loja do Lody.
Estas navalhas teem a vantagem de cortar o ca-
bello sem offender a pello, deixando a cara pa-
recendo estar na sua brilhante mocidade. Esto ago>
he da China, e sou autor he Sham.
Por lodas as sociedades das sciencias medicn-ci-
rurgicas tanto da Europa como da America, Asia e
frica he reconhecido o uso destus navalhas ma-
ravilhosas hOo s para provenir as molestias cu-
tneas, a que a humanidade est subjeita mas
tambem como um meio de as curar.
Vendem-se as verdadoiras s na loja cima indi-
cada.
Vendern se diversos osera vos, che-
gados prximamente do Cear, pretos,
pretas. mulatos e mulatas, de boas figu-
ras, proprios de todo o servico de casa e
campo ; entre os quaes duas mulatas, urna
muito boa engommadeira c oulra padeira,
e mi) mulato perfeito offoial de carpina :
na ra do Crespo, loja n. 2 A, se dir
quem vende.
FOLHINHASPARA O ANNO DE 1848.
Vendem-se folhinhas de algibeira de porta ede
padre ,as mais correctas o mais regularos: na pra-
ga da Independencia, livraria ns. 6 c 8 ; na ruada
Cruz loja n. 56 ; na ra do Crespo loja n. II; na
loja da esquina do Collegro e na botica do Sr. Mo-
rcira, defronle da matriz da Boa-Vista.
Gaz.
NACaSADE caumont,
dourador, na ra .\ ova, n. 516.
fabrica de candieiros,
tanto do gaz como de azeite, j se acba prompto um
grande sorlimento dos inesmos, do muito bomgos-
to. O mesmo fabricante avisa ao respeitavel publi-
co, que vende os candieiros mais em conta do qua
em oulra qualquer parte pois que ello mesmo os
fabrica, e se responsabilisa pela sua boa qualidade:
tambem doura, prala c bronza todos os metaes de
diversas cores ; concerta e torna a por de novo to-
dos os candieiros, tanto do gaz como de azeite;
po os candieiros de azeite para gaz ; concerta tam-
bem qualquer objecto de metal. Tambem tem pa-
ra vender um grande [sortimonto de objectos do
metal para igrejas tanto dourados como prateados
o bronzesdos. Aluga tambem para bailes candiei-
ros, candelabrose lustros, por commodo prego;
compra lodas as qualidades de metaes ; 0 precisada
um aprendiz para o mesmo ollicio,
Vendem-se ancorctas de
diversos tamanhos, com vinlio da
M a de ira, tinto e branco, de supe-
rior qualidade: no escriptorio de
Oliveira Irmos & C, na ra da
Cru
z, n.
9.
o vellio iudo para a porta da sal.t, "tomei pela mao a-
quclla cuja vida proteger.....
ti tomou a lasta pela mao.
Arrastei-a at esta porta, apeiar da sua resistencia
e gritos.
Casta cborava e gritava : Pcrdoe-ine .... perde-
me !..... *
Chamei sobre ella, conUnuou Genuino, a maldicao
do co, e expulse! a lha perdida desta casa que ella t-1
nlia deshonrado.
Oh exclamou de repente o Pionne, perdi pie-
dade! pledadc l
Giuseppe ( oles! pedia tambem piedade e perd.o
para Olympia, e eu fui surdo aos seus rogos.
Mas para onde quere tu que ella v agora pelo
ineio da noite, replicn o Pionne, nesta cidade entre-
gue a todas as desordens ? ?'
__ Ma i ara como sua mi fez : ir esconder-se na
morada daquelle que a seduiio, e tambem como ella l
vivera no meio da vergonha c do crlme.
K iiuiiediataiueule arrojou a Infeliz Casta para fra
da casa, e fechou lentamente a porta, dlrendo desgra-
eada rapariga :
Vai.ieamaldioaclai
elle esse Iiomem alto) continuou em toin arrebatado :
Audava em tua procura, Casta.
Oeinim I deuiim disse ella como attonita.
Sil, procurava-le para te entregar esta carta de
tua mai.
De infnha mai repello Casta ; de minha mi I amal-
dicoada e expulsa por amor de ti, como cu sou agora a-
maldicoada c expulsa por amor do Pionne !
Que talves te perdc, como eu acabo de perdoar-
Ihc, disse Carniole entregando-Ihe a carta de Olympia
Oh I meu Dos murmurou ella, como he possivcl
que aquella que nunca peusou em uiiii al hoje me en-
ve esta carta, precisamente na hora em que a porta de
meu av se me l'eclia para sempre ? .- .ibera ella j o meu
ciime ? e abrir ella s,ua filha criminosa os bracos e o
coraco que bavia fechado a ua filha innocente?.....
Ob continuou Casta desesperada, conduia-me ao p
della, porque nao tenlio outro atylo seno a sua casa.
A casa em que tua mi habita lie d'ora em diante
para ella urna priso. De balde Ihe baterias porta,
porque a porta se nao abrira para ti, ncm para ninguem. i punhal que Ronda Ibc dora
Mas que ser demim? meu Dco! que ser de'
wlin? exclamou Casta consternada.
Em ni i n ha pobre casa ha uina infeliz rapariga qua
foi tua amiga e que tu amaste.
Anita I disse Casta com terror.
Ella mesma.
Oh nao ; en repelli-a, esqueci-a.....
Nao temas nada, Casta, Anita he mais para lasti-
mar do que tu, c sao de ordinario os infelizes que teem
piedade dos que padeccin. Segue-mc : poupcl a mil
e proteger! a filha.
I: d'ahi, tomou a Casta pela mao, e a levou coinsigo,
dizendo com iimi >u< bi-iu coiiimuvia :
Meu Dos, por que i asan a perfidia me tornou mi
c sem piedade.'
Casta eguo-o machinaiiiicnte, e dentro era pouco
cliegarain ao |ic da casa de Carnlole. Um Iiomem vela-
va porta.
Ks tu, Miguel Sanlis ? disse Carniole, ji de volta*
Kiieontre o vice-rei as primeiras guardas avaa-
cadas, respondeu 'antis em voz baixa, e elle te espera.
K-.i.i bem, replicou Scoppa. Minha menina, dista
elle, dirigindo-se a Casia, entra em casa, que ahi du-
ras a Anita ; tmente, j te vuu prevenindo, nao tea"
ntedo do que vais ver.
Scoppa quera fallar da terrivei inudanca que uto*
leslia tinha fcito no rosto da tobrinha. Casta obedeceu.
c enlrou tem perguutar o que sigaificava semelhantc
advertencia. A um canto da sala em que penetrara, vio
com eil'eito Casta urna mulber asscnlada sobre um mi-
teravel cscabello ; era Anita : e ainda tinha na mao oj
(Conli'mw--.}


BHB
^^^
"*
A-
n reja ue siaya liamos Companlua un lindo
lmenlo de mascaras de Voiicza, c outros costur
tanto do quoixo fixo como movedigo, viudo e
ellas algiimas de lindos fcostos, proprias para
i- Vendem-se cabos do cairo em grandes, ou pe-
3uenas porgoes : no trapiche do Ramos, armazem
a esquina.
--Vendem-se pegas de chitas limpas, escuras e
muito encorpadas, a 4,600 rs., e a 120 rs. a retalho;
ditas cor do rosa, (xas e muito bonitas, a 5,500
rs. o a 160 rs. a retalho : na ra estreita do Roza-
rlo, n. 10, tereciro andar.
-- Va ra do Trapiche, cscriptorio do Firmino
Jos Flix da Rosa, n. 34, vende-so alcatr.to da
fcuecia de superior quaiidade, o reconteroenle
chegadoaesto mercado, em lotes at do, um barril.
Na ra lreita, 11, o5,
vende-se um par de embonos do pao de cedro pa-
ra barcaca ; atraves um pedaco do pao do con-
duru;azcitedecarrapato, a 1,200 rs. a caada;
pomada, a 230 rs a duzia ; o lodosos mais gneros
pertenecaos a venda por menos que em outra
qualquer parto, e de muito boa quaiidade.
Vendom-sc, na ra da Cruz, n. 46 condegas
com peras ; ditas com (lgos ; ditas com pecegos ;
Jalas com figos; ditas com hervilhas; ditas com
sardinhas; ditas com bolachinhasde araruta : mas-
sas linas em caixinhas ; chocolato do canda de
Lisboa; meias barris^com vinto e tantas libras de
manteiga inglcza de muito superior quaiidade o
propria para casas particulares : ludo ltimamen-
te chegado, por diminuto prego,
Para o carnaval.
Hechegado, pelo ultimo navio vindo de Franca,
a loja de Maya Ramos & Companliia um lindo sor-
amos
entro
r_ra se-
nhora por prego rasoavcl: na ra Nova, n. 6.
Vendem-so doces seceos de caj, sidrilo, li-
mito o laranja, a 400 rs. a libra o de abobra a 320
rs. : bem como das mismas qualidades do calda a
280 rs. n libra, o o de abobra, a 240 rs. a libra : asse-
gura-so a boa quaiidade por sorem muito bem fei-
tos : vondem-soem grandes e pequeas porcOcs: na
ra da (loria, n. 60.
Vende-se urna parda de 16 annos ; urna preta de
20 anuos sendo esta para lora da provincia ou pa-
ra o mallo : ambas com habilidades: no becco do
Sarapalel, sobrado n. 12.
Vcndem-se3lndosmolcquesde12a 18 annos ;
3 pardas com habilidades; um preto bom carreiro;
2 ditos para todo o servigo por sorem bem robus-
tos c de bonitas (guras; 3 prclas mogas com habi-
lidades e do elegantes (guras ; 2 dilas de meia ida-
do urna por 160,000 rs e a outra por 300,000 rs.:
lio paleo da matriz do S -Antonio, sobrado n. .
Bichas de Hamburgo.
Vendein-se as verdadeiras bichas do Hamburgo,
pelo prego de 640 rs. a retalho na venda de Ma noel
Jos de S Araujo na ra da Cruz, n. 24.
llillio.
Vende-so milho, a 2,000 rs. a sacca : no caes da
Alfandega, armazem do Antonio Annes.
Vendc-se um terreno com 117 palmos do fren-
te o 80 ditos de fundo em estado de se edificar,
por nao precisar aterro em cujo terreno podem-se
l.izer tres ptimas mci'agoas na ra do Pilar cm
I ora-ilo-Portas, do lado da inar grande: nadita
rus, n. 11, no pateo da igreja do Pilar das 6 horas
da mandila s 8.
Vende-sc o tresenario de S. Francisco de Paula,
obra u til aos devotos do dilo santo, as lojas do
livros dos Srs. Santos & Companlua atrs do Cor-
po-Santo ; Cardozo Ayres ruada Cadeia ; e em S.-
Antonio praga da Independencia ns. 6 c8.
Panno fino mese lado.
Vende-se suporior panno fino mescla-
do de todas as cores; casimiras fran-
cezas, elsticas, pretas e de cores ; pan -
no fino prclo u de cores ; sarja de seda
hespanhola legitima ; cortes de cam-
braia de soda ,.padres novos ; alpaca
muito fina ; chapos de massa france-
zes da ultima moda ; toalhas ricas ;
guardanapos e sloalhados; o miras
muilas fazendas finas: tudo mais ba-
rato do que em outra qualquer toja : na
na do Qucimado nos qualro-canlos,
loja do sobrado amarello, n. 29.
Vendem-se, na livrariada ra do Crespo, II. 11,
cxcellenles livros, muilo baratos bem como : Dic-
cionario do Roquet, 2 v. por 10,000 rs. ; Chefs
d'ceuvro de Voltaire, por 3.000 rs.; Diccionario fran-
'ez de Constancio, por 4,000 rs.; Cours de mitho-
logio par M. Chapsal, por 300 rs.; Exercices de
analise grammatcalo, por 300 rs.; Algebra por
Itesout; compendio de geographia universal, por
1,600rs.; Trtalo do direito das gentes, por 2,000
rs.; grainmalica italiana, por 2,800 rs.; Historia da
America por 3,200 rs. ; lustituigOes oratorias de
M. F. Quintliano por 3,000 rs. ; l.eltres sur Italio ,
por 1,300 rs. ; obras do Virgilio, por 3,200 rs. ; Ou-
vidii Mineili, por 1,000 rs. ; e outras obras que serlo
patentes aos compradores.
Vendem-se caixasdecha hyssor, de 13 libras,!
em porglo, ou a retalho: na'ra da Alfandega-
Velha n. 36, em casa de Mathous Auslin & C.
Vende-so salitre pardo a 7,000 rs. a arroba :
na ruado llozario, botica n. 36
FARELOS.
Vendem-so saccascom farelos, chegadas ullima-
iiiente, a 3,500 rs.: no armazem de J. J. Tasso Jnior,
ra do Amoi im, n. 35.
Vendem-so 6 lindos moleques, de 15 a 20 an-
uos, sendo um delles ptimo cozinheiro e canoeiro;
dous pretos sendo uui cozinheiro, o o uulro olli-
omI de sapateiro de 25 annos ; 2 pardos, sendo um
proprio para pagem e o oulro bom carreiro ; urna
imilalinha e 3 negrinhas de 12 a 13 annos mu lin-
das e com principios de habilidades ; 5 pretas do 20
25 anuos, entre as quaes algunas com habilida-
: mi ra do Collegio n. 3, segundo andar, se
dir quem vende.
Vende-se bom capim a 200 rs. a arroba e do
mais ordinario, a 160 rs. : em Olinda ra da Boa-
llora, casa de muro novo, que vai ter ao ro. .
Vende-se urna mobilia de Jacaranda, completa;
3 pares de mangas'de vidro.sendo 2 pares com flores;
urna escrvaninha; um globo; um oratorio com ima-
ens ; umacommoda : na ra das Flores, n. 17 se
ir quem vende.
Vende-se um cavallo alazSo andador baixo
at esquipar, bem gordo e novo, com sollim ou sem
elle : na ra das Flores, n. 17.
Vande-se um moleque de 10 annos ; um proto de
Angola de 28 anuos; urna parda de 28 annos i na
ra dos Tanoeiros, n 5.
Vende-se um pardo de bonita figura de 25 an-
nos he bom canoeiro e tem principios de sapatei-
ro ; fia i ua do Coiiegio, venda n. 12.
Vendem-se 6 escravos, sendo : 4 pretas e duas
pardas, muito mocase com elegantes figuras; um
mulato de 26 annos, bom carreiro : vende-se por
precisao o se aflanga a sua conducta : no pateo da
S.-Cruz, n. 14, se dir quem vende.
Vende-se a loja de sapatos da praga da Boa-Vis-
ta : a tratar na mesma loja.
Vendem-se chitas pretas finas assotinadas do
ultimo gesto : na ra do Queimado, loja n. 5.
Vende-se urna preta de 20 annos de bonita
figura, que cozinha o diario de urna casa, lava
bem do sabSo e varrella e nilo tem vicios nem
achaques : na ra da Concordia passando a ponte-
zinha a direita, segunda casa terrea, se dir quem
vende.
Vende-se urna venda bem afreguezada para a
(erra com commodos para familia o com os fun-
dos a contento do comprador a dinheiro, ou pra-
zo com boas firmas : o motivo por quo se vendo es-
ta taberna, lito bom afreguezada so dir ao com-
prador : a tratar na mesma venda, na ra Formosa,
n. 5.
Vcndem-sc, na loja de miudezas da ra do l.i-
vi ,iinenio ao p do nicho, luvas lisas de pellica pa-
ra homom esenhora, 1,000 rs. o par; ditas com-
prlas enfeitadas ; ditas com palmas ; ditas do seda
piala enfeitadas; dilas de seda de todas as cores;
pentes do la ra ruga para mamilas; cortes decolle-
te do gorgurlo do seda ; ditos do fustfio ; lengos pa-
ra grvala ; bicos de linho de todas a larguras:
muro de lustro ; marroquim de todas as cores ; fi-
tas para cintoiro ; linas caixas de massa de tartaru-
ga ; navalhas de barba muilo finas: tudo por ba-
ratissimo prego.
Vendem-so dous caixes envidragados pro-
prios para venda por menos de seu valor : no pa-
teo do'Paraizo, n. 20.
Vende-so urna venda na ra da Aurora n. 48,
com os fundos do 300 a 500,000 rs., oua vontado
do comprador; a qiial tem commodos para familia :
a tratar na ra da Cuia, n. :s(, com Bernardino Jos
da .Silva.
Vendem-se 7 escravos, sendo : 1 parda de 18
annos, de muilo bonita figura que engomma, co-
se chfio, cozinha e ensaboa ; urna linda negrinha
de 10 annos, com bons principios do costura; urna
preta (le 28 annos, mili da dita negrinha para o
servigo de ra o quo se vendo junto com a dita fi-
Iba ; urna i.egrolade 14 annos de linda figura; que
cozinha o diario do urna casa engomma liso, cose
chito, he recolhida e por isso ptima para mu-
cama ; um molecolede 18 anuos proprio para lo-
do o servigo ; urna preta de nagilo Angola de 40
annos, quo cozinha bem o lava dosabilo; urna dita
crioula do 26 annos, quo engomma, coso, cozinha
e ensaboa, esta para fra da provincia: na ruadas
Cruzes, n. 22,segundo andar.
4Vende-so um cavallo rugo, muito carnudo,
bom carregador e muito novo, por prego commodo :
na ra do Hospicio, sitio do Lefio.
Vendc-se urna prela ptima cozinheira', engom-
madeira e lavadoira : na ra da Cadeia-Velha, n. 29.
Vendem-se pennas do escrever, a milheiro por
3,000 rs., dinheiro contadoj na ra da Cadeia, loja
de ferragens n. 53, de Joo Jos de Carvalho Muraos.
Potassa.
Vendc-se muito nova e superior potassa chega-
da ha poucos das do Rio-de-Janeiro : na ra da Ca-
dcia-Velha, armazem n. 12, de Baltar& Oliveira.
46.a lotera da S. Casa da Mi*
seiicordia da corte.
Vendoin-sebilhetese moios ditos desta lotera:
na ra da Cadeia-Velha, n. 29.
Na loja nova da ra do Quei-
mado, n. 11 A, de Itaymun-
d o "Carlos Le le,
acha-so um completo sorlimcnlo de pannos finos de
todas as cores principalmente pretos : bem como
chapos fraucezes ; los pretos, de seda e linho ; sar-
ja hespanhola verdadeira ; o todas as mais fazendas
j annunciadas por procos mui rasoaveis : tambem
ha chapos do Chili, viudos do Monte-Chrislo da
molhor qualidado a 16,000 rs.; chitas francezas
muito largas a 240 rs. ocovado ; ptimas pegas de
luslrim sem dffeilo cor de caf, verilee azu"
6,400 rs
Na ra do Trapiche, n. 17, con-
tina.a haver deposito da verdadeira ca
virgem de Lisboa, chegada prximamen-
te ; odvertindo-.se aos compradores des-
te genero que o deposito lie j muito pe-
queo, e que da nova nao ha mais em
parle aiguma.
Vendem-se duas boas escravasj crioulas de
bonitas figuras o mogas, que coznham, lavam mui-
lo bem e engommam silo adias, e nilo se duvida
dar a contento para seren experimentadas : na ra
do Queimado, loja n. 51.
FAZENDA DO NORTE, A 640.
Xa I ja nova da ra do Quei-
mado, ii. II A, de Uaymiiu-
do Carlos Leite,
acha-se um iiovosorlimenlo de alpaca de linho, ou
fazenda do norte, a 640 rs. o covado. Esta fazenda
torna-se recoinmendavel pela sua boa quaiidade e
acertados padrOes : seu principal uso he para colle-
tes palitos e caigas.
Vendc-se um prelu de 18a 20 annos, perfeito
para qualquer emprego : na ra da Cadeig-Velha ,
botica n. 61.
-Vendem-se 3 molecoles de 20 annos i 2 escra-
vos mogos, do bonitas figuras, sendo ambos carrei-
ros ; um dito de meia idade que he cozinheiro ; 4
mulatinhas ; 2 escravas mogas, que cosem o engom-
mam bem ; 5 ditas para todo o sorvigo : na ra Di-
reita n. 3.
Vende-sc um fiteiro do amarello, em muito
bom uso e mais urna taboleta : na ra do Cabug,
loja de ourives n, 7.
Torra-se por todo dinheiro.
Joaquim Bernardo dos Res, com deposito de cha-
rutos na ra da Cruz, n. 51, avisa ao publico, que
tem de parausar comoseugyro de negocio, por
causa do dono da casa ter de fazer obra na dita e
por este motivo ter de mudar-se, pelo que l'ar um
abate nos progos de seus charutos para cabar com
el les a saber : regala de boa quaiidade, a 1,280 ,
1,600,1,800 e 2,000 rs. ; trabuquilhs a 1,500 e
1,600 rs.; fabrica e marca de fogo, a 2,500 e 3,20o
rs. ; e outras muilas qualidades do charutos que 86
venderSo al pelo cusi, conforme a porgilo : tam-
bem vendo-se um grande baldo de volta o almufa-
da com tampo de amarello com 19 a 20 palmos de
comprimenlo ,e 10 a 12 de frente, proprio para
qualquer estabelecimento, por sor forrado por den- 0 V jn-ario, n. a3.
tro; umeandieiro de duas luzes, queso tem um _
inez de servigo. Os pretendentes podem ir ver e
a justar.
Vende-se a vonda de Andr Nauzer, da ra do
Camarflo, n. 7, na Boa-Vista indo para o Hospicio:
a tratar na mesma venda.
Vende-se a pratica elementar da homceopathia,
precedida de um discurso contendo a historia da
homceopathia e as principacs regras para a sua ap-
plicagfio, por f). B. Muro, por prego de 10,000 rs.:
na ra larga do Rozario, n. 52, segundo andar.
a 220 e 240 rs. o covado, e a pega a 7,500 rs.; dita, a
260e 280, o a pega a 8,000 e 8,500 rs.; o melhorque
ha em chita-cassas para babado, muito boas, a 2,600
rs. a pega, o a 320 rs. a vara; cassa lisa muito fina ;
madapolo de todas as qualidades; lengos de seda
muito finos, a 1,280 rs.; pannos para caiga, a 320 rs.
ocovado; fazenda do linho; e outras muitas fazen-
das que, vista do comprador, darao muito mais ba-
rato do qOeem outra qualquer parle, assim como
cortes de Urlatana, a 3,200 rs.; ditos de cassa de co-
res, a 3,200 rs.; e lengos de seda para pescogo.
Vendem-se dous excellentes pianos
fortes, sendo um orizontal e outro per-
pendicular, da mais acreditada fabrica de
Collard and CoIIard de Londres. He des"-
necessario tecer-Ihe elogios, por sererJM
bem conbeerdos os fabricados na dita fa-
brica; certificando-se smente que quem
desejar dous bons pianos, os encontrar
em casa de Russell Mellors & C, na roa
Nova alpaca,
de sele palmos de largura, na
loja de Guimares Sera lira
..y %}., na do Crespo, n. 5.
Vende-se a nova alpaca, de se*
te palmos de largura pelo barato
prego de 1$000 rs. o covado,-
assim como atoilhados de ricos
padroes, de 9 palmos de largura,
pQr mdico prego; eoutras mui
tas fazendas finas, de linho e se*
da, chegadas ltimamente esta
cidatle, e tudo muito barato.
Na ra do Trapiche, armazem
n. 54,
vende-se assucar refinado, em pao, a 200
rs. a libra.
Vendem-se saccas com milho; ditas com ar-
roz do casca ; urna bandeja de casquinha praleada ,
com 18 casaes de chicaras e pires de porcellanadou-
rada ; una cama de Jacaranda com todos os seus
perlences; 18 cadeiras do amarello; um rico tou-
cador de Jacaranda ; 10 quadros em ponto grande ,
para estampas; urna mesa redonda do Jacaranda:
na ra da Cadeia de S.-Antonio, n. 19.
Vende-so urna escrava de pouca idade, com
todas as habilidades : o motivo por que se vende se
dir ao comprador : a fallar com o major Mayer.
Vende-se um methodo de flauta com pouco
uso, por barato prego: na ra de S.-Francisco, ca-
sa da esquina que volta para a ra da Florentina.
-- Na nova loja da ra da Cadeia do Recife n. 32,
de Claudino Salvador Pereira Braga, vendem-so cha-
peos do Chili a 2,300 rs.; ditos mclhores a 3,000
rs.; chitas escuras, de cores -lisas e padres liu-
dos a 5,500 rs. a pega, e a 160 rs. o covado; dilas
de cores claras a 5,500 rs. a pega e a 160 rs. o
covado ; corles de tarlalana para vestido a 2,880
ris.
-VonJe-se umacommoda, urna secretaria ,uma
marqueza 6 cadeiras de palhinha, 4 dilas ameri-
canas ,|4 bancas urna cama de arniagQo o oulros
objoctosj, por prego commodo: na ra da Cadeia-
Velha, n. 20.
Kua do Qucimado,ii.lO,{
nova loja decirgueiro.
Lima
vendo uniformes I mi litares, para todas,
as patentes de legiilo cavallaria e in-
fantera da guarda nacional ; gales de
ouroe prata ; espadas pralcadas com
rocae sem ella.
Na ra de Agoas-Vcrdes,
11 46 ,
vende-se urna escrava recolhida de 24 annos, mui-
lo sadia, tem bons costumes, sabe com perfeigSo
apromplar uii jantar coser, cortar urna camisa de
homom faz bem lavarinlo, marca e engomma com
lodo asseio ; duas ditas ptimas quitandeiras; urna
dita de 20 annos boa lavadeira o cozinheira ; 2 bo-
nitos mulatinhos ; urna negrinha do 12 annos ; um
prelo de todo o servigo; urna morada da casa na
ra Vclha bem construida.
Cheguem, freguezes, ao novo ba
rateiro da nova loja da
Escravos Fgidos.
Fugio, no da 3 do corrente, urna escrava de
nomeThereza, indo vender frutas do um sitio cm
S. -Anna de 40 a 50 annos ; levou saia de lila pre-
la vestido de 13a, panno preto; be de estatura
baixa cheia do corpo, cara redonda, com todos o
denles da frente lhos abotuados falla groasa ,
dragos curtos : j tem bastantes cabellos brancos :
quem a pegar leve-a a ra da Cadoia do S.-Antonio,
n. 19 ou em S.-Anna-da-Torre casa defronte do
Joio Venancio, que ser recompensado.
Fugiram, no dia 17 para 18 de novembro de
1847 do cngenlio Cuiambuca comarca do Rio-For-
moso os escravos seguidles: Jos Caipora de na-
c:1o Rebolo, falla gaga baixo, cheio de corno, ii
pinta do branoo; tem dous dedos da mio direita
aleijados, e he bastante ladino : Agostinho, de na-
gilo Cabinda, mogo, baixo pernas finas falla fina,
bem preto, perfeito dos denles ; he ladino : Cy-
priano, crioulo natural do mesmo engenho, mo-
leque muito magro, cor fula ps cambados, bra-
gos compridos tornozellos grossos que Iho emba-
ragam ofandar: Martinho, clmelo, fgido em (ns do
Janeiro de 1848; he baixo ; tem os cabellos espicha-
dos cheio] do corpo, bem empernado, ladino, bons
dentes, mogo, com muilo pouca barba. Roga-se as
autoridades policiaes, capitcsdc campo e pessoas
particulares, que os apprehendam e levem-nos ao
Atterro-da-Boa-Vista n. 80, a Jos Candido de Car-
valho Medeiros, quo serlo gratificados.
Fugio, no da 26 do passado, a parda Francis-
ca; representa ter 28 a 30 annos; levou vestido de
cassa com 1 istias miudase salpicosno centro, ca-
misa do inadapoliio o panno da Costa ; tem falla de
denles na frente, e urna cicatriz por baixodoolbo
esquerdo : quem a pegar leve-a a ra do Crespo,
loja n. II, que ser recompensado.
Fugio, de bordo do brigue Esperanza, no dia
30 do mez passado, um escravo marinheiro, de no-
mo :'edro de nagilo ; representa ter 24 annos*pouco
mais ou menos; levou caiga e camisa de brim branco,
chapeo do Chili, he alto, cor preta, magro, com bas-
tante barba e suissas. Quem o pegar leve a bordo do
dito brigue ou a casa de Amorim rmSos quere-
ceber 50,000 rs. de gratificagSo.
Fugio, de boido do brigue Con/tanca no dia 30
do novembro do anuo passado o escravo marinhoi-
ro, de nome Jos, de nagflo Ctho; representa trinta
e tantos annos, de estatura baixa, sem barba ; levou
caigas do brim, camisa de algodo bonete, e mais
um caiga de casimira amarcllada camisa de chita
e mis sapatos. Este escravo sabe todos os lugares da
provincia e tambem os de fra ; j foge por habito,
visto que em o anno de 1846 tambem fugio de bordo
do brigue Mentor, e fui capturado para as partos do
l'orto-Culvo aonde se inculca va por forro; oqual
pertence ao Sr. Jos Mara de S, negociante do Rio-
de-Janeiro. Roga-so a (odas as pessoas o as autori-
dades policies, que o apprehendam e levom-no a
ra da Cadeia, n. 45,casa do Amorim limaos, que
se recompensar com 60,000 rs., ou mais aiguma
cousa.
Fugio, ao abaixoassignado, no dia 23 do cor-
rente, o escravo JoSo, oflicial de carpina ; represen-
la 25 a 26 annos pouco mais ou menos de cor ca-
bra, estatura entre baixa o regular, cheio do corpo,
rosto redondo, mal parecido, odos medianos na-
riz chato e grosso, pouca barba com todos os den-
les na frente cabellos pegados mas do presento
aparados rentes pernas grossas, ps curios, chatos
e descarnados ; tem um dedo do um p, o principal,
com urna grande cicatriz de um golpe de machado,
islo bem visivo! ; levou camisa velha de algodfio e
caigas de algodilo ja rotas; he muito ladino e fln-
ge-se soldado quando ehega a ser preso. Quem o
pegar leve-o a casa do annunciantc ou na de S-
cavem Barboza & Companlua,em Macci, ou nados
Srs. Amorim Irmiios, quo ser {recompensdo gene-
rosamente.
Francisco das Cha/jas Lima l.esia.
-Fugio, no dia 18 de Janeiro, o preto Jos, do
cor vermelha muilo mogo, alto e secco do corpo,
rosto descarnado, ps grandes e mal feitos; anda
mui banzoiro ; suppOe-se ser quem ao amanhecer
deante-hontem roubou em urna lavagem algumas
pegas de roupa, entre ellas 4 lengos encamados de
tabaco 4 camisas de madapolao, do homem duas
ditas de senhora 3 ceroulas de brim muilo filio;
tanto que, bavendo fgido com roupa de algodflo
suja e aiguma coiisa trapilho, foi encontrado ness-
mesmo dia 110 lugar Corla-Largo, duas legoas do'
Olinda, com roups fina c mui alva. Roga-se a qual-
quer pessoa do povo, especialmente a polica, que
o apprehenda e love-o a ra da Cadeia do Recife,
n. 40, aoSr. Manoel Ignacio de Oliveira ou neste
engenho Fragoso, a seu senhor, Antonio Luiz Pe-
reira Palma que gratificar generosamente.
Fugio, noplia 18 .do passado, um cabra, de
nome Joaquim, alto, reforcado, de idade, com a
barba branca cabellos corridos; levou um surrio
de pello de carneiro chapeo de bata usado, caigas
doalgodlodo lislras, rotas no assento; tem os
tornozellos dos ps um tanto inchados : queln o
rua do Qucimifflo, 11. 39, do (.usiaSo Jnior & Irmilo, j^f"'^vc" a rua do Viettrio "' 24' 1ue 8er re"
que teem novas pechincbas de fazendas finas e gros-
sas, como seja : madapolao muito bom, a 2,600 rs. a
pega, e a vara a 140 rs.; dilo muito bom, a 3,200 rs.;
dito mais cima, a 3,600 rs.; dilo muito fino, a 4,500
rs.; algodilo muilo bom, a 2,240 rs., o a 140 rs. a '.va-
ra ; dito inellior, a 2,600 rs. a pega, e a vara a 180 rs.;
dito muito bom, a 200 rs. a vara, e a pega a 3,200 ran-
chitas linas, a 160 rs. o covado, e a 5,500 rs. a pega ; ,
dila raelbor, al80e200rs., e a peca a 6,500 rs.; dita, jt tH.vi. : Na xyp. DE si. F. defaiua. li^8
compensado.
- Fugio o escravo Francisco, de nagSo ; represen-
la 20 annos, de altura regular, secco do corpo, fal-
la como crioulo ; he bem couhecidoporser oflicial
depedreiroe ter trabalhado com o Sr. Theolonio
Joaquim da Costa : quem o pegar leve-o a Trcmrc
ii. 50, quo ser recompensado.
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOJMZZLMJ_5X87RN INGEST_TIME 2013-04-12T22:48:35Z PACKAGE AA00011611_05407
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES