Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05404


This item is only available as the following downloads:


Full Text
:
Anuo de 1848.
Sexa-fear M'
O DIARIO puMica-se todos os dias que nS'j
foremde guardi i o preco d auigfrttur lie i
PARTIDA DOS CORREI08.
nahtas pagario POf
diUercnte, por cada publicaoio
PHASES DA LA. NO ME'/, DE FEVEREIRO.
La nova, a 4, as II horas el mi- da tarde.
Ciescente a II, as 4 hora e min. d tarde.
La eheia a 18. ai 3 hoiaa e 38 mln. d manhia.
Mingoante a i, s horas e 1 rain, da mnhla.
Boa-ViU e Flores, alie 58.
Victoria, s quinUs-feiras.
Olinda, todos os dias.
PREAMArt DB HOJE.
Primeira, s 3 hora e 42 minutos da tarda.
Segunda, s 4 hora e 6 minutos da manilas.
de Ferereiro.
AnnoXXY. N. fT
DIAS DA SEMANA.
31 Segunda. S. Pedro Nolasco. Aud. rio '. dos
orph.edo J. doc. da 1 e.do J. M, da 2 v.
1 Teres. S. Ignacio. Aud. do i. do civ. da
I. e do i. de pai do.2 dist.de t.
2 Quarta. Puriticacode Nos4a Sen'.....
8 Quinta. S. Braz. Aud. do i. de orpli. e d .
J. municipal da I. r.
* Seiu.8, Adr Canino. Aud. do J. do civ.
da !. y., e do J. de pas do t. disl. de I.
6 Sabbado. S. gueda. Aud. do J. do civ. di
I. v. e do I. de pas do I. rlist. de t.
< Domingo. As Chagal de Chrillo.
CAMBIOS NO DA 3 DEJANEIRO.
Sobre Londres a 27 /, d. por I* rs. a 80
Pars 360 rs. por franco,
a Lisboa 96 por 100 de premio.
Desc. de leltras de boas firmas I a 1(4 /
OuroOncas i>espanholas.... 58J50O a
a Moedas de 6f 100 velb 16*20(1 a
* defico nov.. lOfnOn a
a dt 4/000..... Pli'00 a
Prate Pataco.......... a Pasos columnares... IJ930 a
Ditos mexicanos.... 1*88"
a Miuda............. IjllOOa
Acedes da comp. do Beberibe de io|ono rs
(I.
ao m.
58/800
IG|30P
16,10
BJIfO
iffaaa
IJ9S0
1J82*
lf!
.aopa.
DIARIO DE PERIV AM3UC0
PARTE OFFICIAl

GOVERN DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 21 DO PASSADO.
"'. Ao conunandonte das armas, declarando que
val sei".".iCu 'nhado ao Exm. ministro da guerra o offl-
clo piii que S. S. solicita nova decisao a respeito do sol-
dado decavallaria, Antonio Joaqulm da Silva.
Dito. Ao inspector da thesouraria das rendas pro-
vinciaes, prevenindo-ode ter resolvido qne sejam toma-
dla na mcsina thesouraria as contas da caixa da adminis-
tracao docorpo de policia; coinmunicando ter ordenado
que se Ihe remettain os livros, documentos e inais pa-
pis, a ellas relativos; exigindo, cmfim, parte circums-
taneiada do resultado do examc de semclhantes contas,
com declaracao do alcance que porventura houver, da
quantia em que importar esse alcance, e das pessoas que
lsein respoiuuvcio pe c!!c, T.,,, c se proceder a res-
pcito como convler. OtBciou-se a respeito ao coni-
mandante geral do corpo de policia, recommendando-
se-llie mande fazer cm livros novos a escripturaco du
mencionada caixa, prohiba a pratlca abusiva de se adian-
tar dinbeiro aoa ofticiaes por conta dos fundos della, e
determine satisfacain quanlo antes os seus dbitos aquel-
es aquem taes adiamntenlos se tenham fcito.
Dito. Ao referido inspector, ordenando faca pagar
ao carcerelro da cadela desta cidade a quantia de 429,$94
ris pelo que se despendeu com os presos da mesiua ca-
deia durante o mes de dezewbro prximo lindo. Tam-
beni seordenou ao commissariu-pagador indetnnisasse
o predito carcereiro de 84/920 res despendidos, no pre-
citado mez, com os sentenciados viudos do Maranhao,
Alagas e Rio-de-Janeiro ; e participou-se ao chefe de
policia.
Dito. Ao inspector do arsenal de inarinba, dando-sc
por inleirado de haver sido posta no estalciro, no da 21
leste mez (Janeiro), a quillia da barca de escavaco.
Dito. Ao comiuissarlo-pagador, autorisando o pa-
gamento de 15/000 ris a ernardino Jos Vieira, que
citorizra o concert do paiol do forte do Buraco.
Participou-sc ao commanUante das armas.
Dito. Aojuiz de paz de laboato, declarando que
marcar outro dia para reviso da qualilicacao daquella
freguezia. .
DEM DO DA 22.
Ofticio. Ao conimandantc das armas, significando
que se nao pode verificar a passagem do 2. cadete sar-
gento-ajudantc do 6." batalhao de cacadores, Jos dos
Santos Carias Jnior, por nao ter sido recebida a ordem
imperial que aautorisa.
Dito. Ao director do arsenal de guerra, determi-
nando faca apresentar ao ajudaute de ordens da presi-
dencia a praca da couipanliia de aprendizes menores,
Marcelino Mariins, para que se Ihe d o destino recom-
mendado pelo imperial aviso de 30 dedezembro ultimo,
que se Ihe enva por copia.
Dito. Ao presidente da junta qualilicadra da cida-
de da Victoria, dizendo que marcar novo dia paraarc-
visao da qualificaciio.
Dito. Ao conimaudantc geral do corpo de polica,
significando quedevem de ser examinadas pela thesou-
raria das rendas provinclaes as contas da despeza do
hospital regiuiental do inesmocorpo; ordenando rcniet
ta ao inspector da referida thesouraria os documentos
inais papis relativos a semelhantes contas; c declaran-
do que d'ora avante dev'e de ser fe i ta em livros novos a
escriplumco do mencionado hospital. Participou-se
ao inspector da thesouraria das rendas provinclaes.
Dito. Do secretario da provincia a .Manoel Nones de
Mello, scientificando-o dehavc-lo S. M. o Imperador Ho-
rneado para o lugar de continuo do colletio das artes do
curso jurdico de Olinda; e declarando solicite o respec-
tivo titulo na secretara de estado dos negocios do im-
perio.
Portara. Concedendo a Jos Thomai de Aguiar a
demisso que pedio do cargo de delegado do termo do
Cabo. Nomeou-se para case cargo ao tenenle-coroncl
Fernando Francisco de Aguiar Montarruyos, e partici-
pou-se ao chefe de polica.
Dita. Reformando o tenente-coronel commandantc
do batalhao da guarda nacional de I'na, Manuel Xavier
Paca Brrelo. Nomeou-se para substituir o deiuillido
ao major do batalhao doRio-Formoso, 'l'homaz Caval-
canli da Sllveira Lins; c para o posto, que vagou em
consequenca desta numeaeo, ao capio deste mesino
batalhao, Francisco de Gouveia eSouza.
OS SEWHOIES.
Ignacio Corroa de Mello
Antonio da Costa Reg Monteiro
Padre Joaquim Jos de Azevedo
Antonio Herculano de Souza Bandoira
Filippe Lopes Netto Jnior
Jos Mamede Alves Ferreira
Jos Severo Granja
Mnnoel Claro Concalves Ctierra
Tiburtino Pinto do Almoida
Antonio Carneiro Machado Rios
Joaquim Teixcira Peixoto de Abreu o Lima
Jos Carlos Tcixeira
Joo Clemente Pessoa de Mello
Vicente Ferreira Gomos
Jos Pedro da Silva
Bento Jos l.cmenha Lins
Francisco Camello Pessoa de Lacerda
Simplicio Antonio Mavignicr
Jos Theodoro Cordciro
Juaquin villel.i do Castro Tavares
Manoel Perora de Moraes
Francisco Elias do Reg Dantas
Joaquim Luiz de Mello Carioca
Bellarminode Arruda Cmara
Christovuo Xavier Lopes
Joaquim Higino da Molla Silveira
Jos Pacheco de Moraes
Joflo Baplista do Ainaral e Mello
Antonio TrislSo de Knrp Rrandio
Joaquim do Aquino Fonseca
Jos Francisco Arruda da Carpera
Francisco Carneiro Machado Rios
Luiz Correia de Queiroz Barros
J. P. do Albuquerque Maranhao
Urbano Sabino Pessoa de Mello
Zeferino da Cunha Bastos
Francisco do Paula Carneiro Lejo
Manoel Mendes da Cunta Azevedo
Pedro Dornellas Pessoa
Umbelino Ferreira Calilo
Francisco Honorio Bezerra de Meno/es
Francisco Joaquim de Barros Corroa
Francisco SmOes da Silva
Jofo Jos Pereira
Manoel Teixeira Peixolo
Padre Nemesio de S. Joo Cualbcrto
Virialoda Cunha Gouveia
Jos Bento da Cunha Figueiredo
Luiz Jos de Sampaio Jnior
Manoel Lopes Rodrigues de Barros
Manoel Florencio Alves de Moraes
Francisco Ferreira Brrelo
Caetano Alves de Souza Filguciras
VOTOS.
72
71
667
659
617
612
601
601
589
557
534
528
518
518
517
504
490
479
473
452
.414
4oe
394
380
368
299
296
277
o-t*
255
247
241
238
234
228
222
213
209
201
201
195
186
174
168
157
4 CK
153
146
132
126
124
122
105
aBRjcia>aj.-TTTTPai,tfri-
PENAMBUC.
ELEICAO PARA DEPUTADOS PROVINCIAES.
hi-sl-mo tia votafaO nos collegios do Recife ( exclusive
o votos dos eleilores' d JaboatUo e Muribeca),
Olinda, Iguarassu', Rio-Formoio ( presidido
pelo tupplentedo jai* de pat), Serinhdem, l'o-
d'Al/w, Limoeiro, Nasarelh, Bonito, Brejo,
Santo-Anido, Coianna, Roa-Vista Paja-
dt-t'lorts, Salgueiro e txu'.
OS SENHOKBS. VOTOS.
Jcronymo Villela de Castro Tavarea 864
Laurentino Antonio Pereira de Carvalho 857
Manuel de Souza Teixeira 846
l'adfe Joaquim Francisco do Faria 839
Antonio Aflbnso Ferreira 834
Loureiiso Trigo do Ixmreiro 834
Juaquin aues Machado 816
Antonio Teixeira de Uorba Jnior 782
Joaquim Jos .Nunes da Cunha Machado 749
Francisco Uarboza .Noguoira Paz 748
Antonia da Assumpgo Cabral 743
Padre Vicente Ferrer de Albuquerque 731
Joaquim Jos da Costa 725i
Filippe Carneiro de Olinda Campello 689
Herculano Concalves da Rocha 683
Luiz Duarte Pereira 683
Pedro Bezerra Pereira de Araujo BellrSo
Antonio Pereira Barroso
Luiz Jgnacio Ribeiro Roma 77:
RElNDIMENTO da recebedoria *de rendas in-
ternas GERAES, DA PROVINCIA DE PERNAM-
BUCO, 00 MEZ DE JANEIRO FINDO.
A SABER : ,
Foros do terrenos de marinha .
Ladennos ..........
Biza dos bens de raiz.....
Segunda decima de mlo-morla
8,057
5,000
1:888,100
2:455,722
Direitos novos evelhos......... 274,398
3,910
170,892
2:730,680
4,089
1:040,000
150,000
,320
4,000
1:288,400
22,800
110,400
562.000
Ditos de chanr.ollaria
Dizima da mesma..........
Sello fixo c porporcional........
Porccnlus de depsitos pblicos ....
Impostos de casas do modas, &c. ...
Dito dos despachantes da alfandega.
Emolumentos do certidfles.......
Cartas de hachareis.........
I inposlo de lojas abortas.......
Dito de seges e carriiihos.......
Dilodo barcos do interior.......
Taxas de escravos..........
Rs.
10:718,768
Recebedoria, 1. do feveieiro de 1848.
O escriv3o,
Estanislao Pereira de Oliveira.
CoiTesi>(*eiicas.
.AR ENCONTRADO
Sr. Redactor do Diario i Pertiambuco. Kal a fazer
des metes que soffro nesla cadeia a inais perlinas pre-
potencia. Sabem todos como e creou una coiiiinlsjo
especial para julgar-ine em agosto do auno pausado, a
aprazimento da doinina9ao actual; sabem todos o pro-
ceder da actualidade, em dezembro, quando se conven-
ceu que nao linba urna putra coinmisso para_ julgar-
ine : pois iguaes scenas se preparain. He aiuanua, 4 de
fevereiro,odia emi que se devrm reunir os jurados, e
como nao tenho a honra de conbecer a todos os senlio-
res jurados sorteados, e comosei dos esforcos que nieus
inimlgos eSto fazendo para que os bous abandoncm a
essao, e se possa crear nova commissao, vou por esta
pedir aos senliore juises sorteados, que coinparecan
para in faxerein jostlca : se me julgarem reo, coiHleni-j
ne ; se nao, absolvam-me. "
E como disto trato, devo declarar que, na pubhcar:io|
dos jurados .torteados houve engao em dous noines :
est em lugar do Sr. Ur. Joio Domingues da Silva, unl-
co sorteado com estenome, o de Jos lioiimigucs da Sil-
va c do inesmo modo, em lugar do Sr. Joo Mannlio
Falco, est Jos Marnho Falcao : e ja se ve que foi er-
ro uo escrever as cdulas que se mettcraui na urna.
Com a publlcacodesla omito obrigara ao seu amigo
Antonio BorgeidaPonseea.
Cadeia, 3 de fevereiro de 1848.
Srt. Redactores.-- Se elogios immerecidos qua-
si scnipro desagradan!, pelo contrario dados a quera
competen), aalisfazem, e muitas vezes estimulam,
e dirigem-nos virtude. Ha pouco evangelisou 9
dias, na freguezia de Taqaritinga do quo cstou
interinamente encarregado pelo Exm. e Rvm. Sr.
bispo diocesano, o Rvm. Sr. padre mestre frei llen-
rique do Castello de San Podro, misionario apost-
lico capuchinho ; dahi passou-se para esta do Bre-
jo, onde missionou 11 dias. Em ambas as freguozias
foi respeltosamente recebido, e com geral applau-
soouvido : em ambas portou-se da maneira a mais
louvavcl, conseguindo grandes fructos da sua santa
missOo, tanto pela sabedoria e unijio com que ex-
pozas verda Jes evanglicas, como por sua conduc-
ta no todo exemplar e odiflcantefno pulpito, auste-
ro na reprehenso dos vicios; e om particular, afa-
vel e atteucioso. Naquella freguezia houveram vio-
le casamentos na mor parlo do concubinados, vin-
le e dous baptisados o quatrocenlos conlessados ;
nesla setonla n cincq casamontos, sondo um grande
numero de mal encaminliados, noventa baptisados
o mais de mil confissOes: n'uma o n'outra muitas
reconciliacOes. Ficaram, einfim, os povos impres-
sipnados da santa doutrina, e sauJosos do digno
mlssionario, quo n3o deixou descontente a nenhuin
doa seus ouvintes, que segurainenle foram na pri-
meira freguezia mil, .e nesla seis mil; e todos fazem
votos pela sua voltn. Lauvadoe sobr'exaltado so-
ja N. S. Jesus-Chrislo, quo em lempo algum des-
ampara, edeixa do enviar vordadeiros operarios a
ua igreja, a qual apezar das Icrr.polaoa ser sem-
pro triumphanto. Porta infer non prasvalebunl ad-
versuseam. Tenham a bondade, Srs Redactores, do
dar publicidado estas toscas linhas em seu con-
ceituado Diario, com o quo muito obrigarDo ao viga-
rio do Urejo-da-Madr-de-Deos.
Pedro Uarinho Falco.
Variedatle.
OS DOL'S CASAMENTOS NO TEJIPO DE LUIZ XIII. [*]
V
Avancou acaneladamente pelo quarto nadirec-
eflo do um bah, onde sabia queestava o dinbeiro,
e, lendo-o encontrado, abrio-o, pois, para maior fe-
licidadc, a chave eslava na fechadura ; e, procurando
por todos os cantos, deparou com um saocode cou-
ro que tinha os duzentos dobrOos. Apodorou-se dol-
i ; e, caminhando com a maior cautela para no se
expr a urna nova degrada, sabio para o corredor,
uni a porta o molhor que pode, o correu para a ja-
nella.
Louvado seja Dos, ja c os tenho dizia ello
comsigo, procurando a escada com a mfio.
Mas a escada tinha desapparecido, e esta triste ver-
dade queduas minuciosas nvestigaces por toda a
varanda nao poderam destruir, deixou aterrado o
nnsBo maiquoz. Perder o fructo do uina expedicllo
tilo bem combinada, o pcrd-lo quando j eslava se-
nhor delle, era na ventado urna desgraca capaz de
fazer desesperar a qualqucr liomom ; era, tornamos
a repetir, naufragar no porto, depois do tor escapado
a urna perigosa viagem. _
Qucm desatara a escada ? (jueslSo ternvel, cuja
soluQflo assuslouo marque/, pois se Ihe ligurou lo-
go que algum ratoneiro ac tinha aproveitado della
para subir antes dea desatar, oque talvez eslaria
escondido em algum canto, esperando o momento
de poder roubar o nohre ladrSo. Preoscupado por es-
ta ideia, puxou da espada, o recorren com ella cm
guarda lodo o corredor, mas nao cucontrou nin-
guem. Tcvo a curiosidade de examinar so se loria
escondido na outra janella, e ao cltcgar a ella, oh !
prazer inesperado vio que a escada eslava dopendu-
rada da varanda ; palpou-a, c pouco faltn pura que
a heijasse cheio de alegra. Pouco acoslumadoa ex-
pedicOes daquella natureza, a perlurbac.lo o tinha
feito engaar, e linba tomado urna janella por ou-
tra ; masa alegra quo senlio ao encontrar o seu
meio de retirada, o compensou desobejo, polo des-
gosto quo tinha soffrido, julgando-o perdido. F.m-
bainhou a espada, metleu o laleigo na algibeira, e
desceu conlcntissimo pela sua escada ; porm, ao
ir por o p no chio, correu para elle, de urna ra
contigua, um bomem com urna lanlerna do furtafo-
go na niflo, e Ihe perguntou ao approximar-se :
Quem s ?
Quem a ti n3o importa, respondeu o marques
de um modo brutal, e mudando a voz.
Importa-me, e o saberci, disse o outro, din-
gindo ao rosto da marque/ a claridade da luz da sua
lanlerna.
Insolente disso o Sr. de Cauvelm, dando-lhe
com a espada embuinhada urna pranchada na lan-
lerna, que cabio no chao e so upugou.
J lio Urde, gritou o dcsconhecido. Mrquez, o
dia de anianhfla estar mais claro, eonlo nos vc-
romos. .
I sem dizer mais cousa alguma, o desconhecido
apanliou a sua lanlerna, o marquez desatou a sua
'escada, e cada um parti para seu lado.
No da seguinle, logo pola maiiliKa codo, achava-
ao proparada, eomo para urna grande festa, u sala da
Si a. de Cebrianl. As paredes esluvam coHertascom
urna magnifica tapecaria de Flandrcs, que represen-
lava asbatalhas deScipiflo, ejecutadas pelos dese-
nhos de Julio Romano, o o resto dos adornos era
correspondente tapetara, pois, entre ouiras cou-
sas preciosa, se va sobro o fugSo urna taca de
agallia entro dous magnficos copos do crystal de ro-
cha, Porm, uo meiu de todos aquellos adornos o
.. ....... .'
[*] Vide Diario n. 26.
daqncllcs vasos que perfumavam a sala, a mais bel-
la de tantas niaravilhas era a dona da casa, a.Sra. do
Guebrant.
Na hora a quo nos referimos achava-se ainda so ;
e emquanto no fallamos das pessoas quo forero, en-
trando, faremos urna breve resenta da sua pessoa.
Ainda quo ostava sentada, se conhecia que a sua es-
tatura era alta, mas ao mismo lempo muito elegan-
te. Um magnifico vestido de mangas compridas,
masapanhadas nos hombros, deixava ondear ricas
rendas sobro urna sia ricamente bordada ; urna coi-
fa tambem bordada, cujas ponas cahiam sobre dous
brancos e lindos hombros, sustontava com trabalho
seus bollos cabellos, atados junio nuca, e s dei-
xava cm liberdade dous caracs que adornavam as
suas faces. No alto da cabeca, entre um diadema de
perolas, tinha um laco de Ola de Inglaterra, quo en-
tilo so chamava o galante, e outros dous lacos de re-
res dilTerenles esta va m elegantemente col locados
sobre o peito e o corceo da senhnra, tomando, em
rasilo daque'.los lugares privilegiados, o primeiro o
nome do assassino (assassin), e o segundo o de queri-
do (mrjuon).
Se passarmos dos enfeites pessoa, era esta an-
da mais engranada. Um homem de talento, que n'ou-
tro lempo tinha adorado a Sra. de Guebrant, fazia
desta maneira o seu retrato :
He loura como a aurora ; mais alegre e form-
se que os mais bellos dias da primavera, que he a
mocidado do anno. Tem uns olhos, nos quaes parece
que est encerrada toda luz do mundo; urna.cutis
3Uo Oscurece toda a clsridado ; uina occa que -Xs-
as as do universo juntas nSo poderiam louvar de-
masiado, e que nunca se abre sem (?raga, nem se fe-
cha sem juizo. N3o se attribue a esta senhora senao
um defeito, o do ser muito ladra, porquo tem rou-
hado a brancura nev e ao raarfim, eo brilhantis-
nio luz o aos astros.
Soguramento aos nossos leitores modernos* nSo
agradaio estas loucuras, pfoprias du gusto Ja po-
ca-a que se refere a nossa historia; "porm, mesmo
^escariando dcllas ludo o quo pode ser exaggeraciTo,
ainda se deduz quo a Sra. de Cebrianl era muito
formosa. Urna fronte serena que dominava um rosto
terminado por um porfeilo contorno; urna bocea,
da qual a cor de rub ni sobresahia em seu alvo rosto,
e uns olhos lnguidos quo guarneciam espossas pes-
taas o bem tracadas sobrancelhas, que mais era
preciso para formar um conjuncto de fazer louco o
mais ajuizado dos cavalbelros da corte ? O Sr. de
Cbauvelin nao ora nem urna, nem outra cousa; po-
rm, al aquel le dia, tinha sido o mais feliz e o mais
bem admitlido.
A pritneira pessoa que seapresentou Sra. do Gue-
brant na sua sala foi seu primo oSr. de Laslic;
mas a prematura visita do coronel pareca motivada
o desculpada por alguma rasilo importante, que se
leixuvanolar em seu semblante, visivelmenle alte-
rado.
Quo tem, meu primo? Ihe perguntou a senhora,
que conhecou que o coronel eslava muito perturba-
do, pois csquecia a ceremonia preliminar e indispen-
savol do Ihe boijar a nulo.
Ah perde, minha prima; sou imperdoavel,
e para casligar-me deve a j retirar a sua linda
mfio ; disse ello beijando-lh'a; massei quo he gene-
rosa, e que antes querer ter compaixilo de mim, do
quecastgar-me.
Ter compaixio de vos! E porque? dissesorrin-
do-se a duqueza. Ah J sei; a Sra. de Farg'rs esta
talvez arrutada comvosco.....
Se fsse s sao, estara ou acaso tilo aQlicto?
Pois eutSo que ha mais ? 'IV-l o-lia mortificad
com algum innocente namoro 'i
NHo, senhora, com uina traicnoabominavel!
lie possivel! exelamou a Sra. doGuebriant, vi-
vamente commovida pelo toni de conviceflo com
que seu primo acalma de formular aquella terrivel
aecusaeo. Talvez os ciumes Ihe exaggeram o mal,
meu primo?
Ah Quo iio posso admitliressa grandf consola-
cao quo me quer dar Desgracadamcnle nao me he
pnssivel duvidar dopois do quo vi.
Parece que a cousa he seria, disse a senhora
com acento gravo, entre o qual se notava uina levo
curiosidade que em breve o coronel satisfaz.
Esta noite, conlinuou este, tinha eu ido de ser-
vico a rondar as guardas do meu rogimento, e volta-
va s para o meu quariel, trazendo na mSouma lan-
lerna do furtafogo quo me tinha servido para a mi-
nha ronda, quando ao passar pela ra dos Tres-Jar-
dins.....
Nessa ra rnra a Sra- o0 Fargis, observou a
Sra. de Guebrant.
0 coronel aprovetou osla jnlerrupco para dar
um profundo suspiro, o lmpar o rosto bandado de
suor, e proseguio:
Ao passar pela ra dos TrosWardins encontrei
um obstculo que penda do urna janella, eque, pal-
pando, conheci quo era urna escada de corda. NSo
vos posso dizer que sentimento foi maior em miro,
seadrou a clera, quaudo obsorvei que aquella
cxecravcl escada penda da janella que est contigua
ao quarto de Gabnella, o separado delle ta o somon-
te por un: corredor. Estremec, tremi, fugio-mo a
luz doa olhos, opprimio-se-me o cora^So, e qaasi
que perd o juizo, ticando insensivel a ludo o que so
passava, como so me visse privado de tuda a percep-
(5o; porm em brevo a luz dos zelos allumiou o
cruel abysmo em que tinha cabido, apoderaram-so
de mim peusamcnlos do raiva e dusejos do vingan-
;a, o cein vozes estivo para subir pelo infame catni-
iihu que pareca insultar a minha desgraca, chegar
a liabitaQuo doGabriolla, o matar a'inhel nos bracos
do seu amante. Quer que Ihe diga ? Faltou-me o va-
lor para o fazer, ou autos a frea physica, e perma-
nec alli mudo, aniquilado, o apenas com a frco^



ulBciehte par* occultar % minha linterna, afim de
nao chamar a attencfio do atrevido rival quem es-
perava. *
( Conlinumr-tt-ha. )
COMMEPiCIO.
Alfandega.
KEND1MENTO 1)0 DA 3.........
Detoarregam hoje, 4 Je fevereiro.
Brlgue Porcia bacalbo.
Polaca Ardilla mercadorlas.
8:800,143
eral. ..
Diversas
CONSULADO GERAL.
RENDIMFNTO DO DA 3.
provincias.
4:319,234
18,221
4:437,455
O interesante drama das pastoras, intervallos
escolhidos de ansa, e o granda duelo da Alvorada.
As 17 coreas s pastoras.
Foi tala soffreguidOo, ou pouca reflexSo com que
algumas pessoas quizoram encapellar as pastoras,
que urna rica e pesada capella ornada de (lias com
lettras dourados, dedicada ao Sr S.-Rosa na parr
to da velha. batendo om um candieiro de gaz,
I lie lancou fora o vidro, nueimando-sc as fitas da
capella! Porm, seo candieiro cahisseese inflam-
masse communicando o incendio aos maiscandiei-
ros que lhe estavam juntos, qual seria a sorlo das
encapelladas,etalvez dosencapelladros ? He por
isso que o director pede, recommenda e espera dos
inesmos senhores toda a moderacSo no lancar das
capellas, j nfio tanto para evitar que as pastoras
errem ascantorias; massim por este segundo ac-
cidente, que tilo funesto quadro poda apresentar
em prejuizo de tantas vidas.
avisos martimos.
CONSULADO PROVINCIAL.
BENDIMENTO DO DA 3........... 2:970,179
i
MovJmento do Porto
Naviot entrados no dia 3.
Assi ; 15 dias, hiatc braiileiro Duvidoio, de 43 touela-
das, capltao Jos Joaquim Ruarte, cquipagem 6, car-
Ka sal, couros c mais genero ; a Jos Manocl Martins.
I assageiros, Manoel da Cur.ha Percira, Jos da Cunha
Caval.-anie com um criado e um.eteravo, Custodio
Uoinuigues Codecelra Jnior, uina mana com um !i-
lno menor c dous escravos, e 4 eseravos a entregar.
Mar-Pacifico, lendo sabido de Ncw-Bedford ba 26 me-
zcs, palera americana Mclacnn, de 360 toneladas, capi-
tao 1.1.. Smlth, equipagem 76, carga aieitc de prixe
ao capltao.
Navio tahido no mesmo da.
Fall-Riyer barca americana Solomon-Saltu, cap (So Na-
tbaniel Talen, carga a inesma que trouie.
Rio-Grande-do-Sul; bilgue brasilelro Felii-Destino, ca-
pilao Manoel Luiz dos .Santos, carga assucar e duus
escravos a entregar.
Para o Cear pretende seguir viagem, at o
. ruciado do conente, por j ter parte do carregamen-
Jto engajada, o hiate Novo-Olinda, mestee, Antonio
I Jos Vianna-: quem nelle aiuda pretender carregare
ir de passagem, se entender com o mesmo mestre,
ou na ra da Cadcia-Velha, n. 17, 2 andar.
Para Lisboa pretende sahir, no dia 20 defeve-
reiro, por ler a maior parte da carga prompla, o br-
guo porluguez Coneeico-de-Maria : para frete e pas-
sagoiros, trala-se com o capilSo na praca do Com-
mercio, ou con o consignatario, Thomsz do Aquiuo
Fonscca, na ra do Vigario, n. 19.
ObservacaO.
Fundeou
no Lameiro, para acabar de carrejar,
barca austraca Pirtaono, capltao Frefolll Florio.
EDITA
A cantara municipal da cidade de Olinda e seu termo,
em virtude da lei, etc.
Faz saber que serfio arrematados por quem mais der,
no dia 4 de fevereiro prximo vindouro,. os contra-
tos do repeso dos acougues, dos mascatcs e boce-
teiras, afcricSo dos pesse medidas, c armazem
pequeo do Varadouro : quem nos inesmos contra-
tos quizer lancor, dever comparecer habilitado e
munido de fiadores, s 9 horas da manliSa.
E para constar mandamos publicar o presento pela
imprensa.
Cidade de Olinda, 29 de Janeiro de 1848.
Jos' Joaquim de Almeida Guedes,
Presidente da cmara.
Joo Paulo Ferreira,
Secretario.
Dcclaracoes
PAGADOIIIA MILITAR.
De ordem do Sr. coronel chefe di pagadoria, com-
missario-pagador, se faz publico, na conformidado
da ordem do Kxm. Sr. concelheiro presidente dn pro-
vincia, em oflicio do 1. dcste mez, que, no dia 9 do
corrento, teem de so vender em hasta publica, ante
esta pagadoria, os gneros que sobejaram do forne-
cimenlo que se tiavia foito para os presos que fram
para o presidio da ilha do Fernando e pracas que os
escolta rain no patacho Oliveira, cujos gneros se
acham recolhidos no ai seal de guerra, ondeas pes-
soas que os pretendercm os pdem ir ver, na confor-
midade da ordem do mesmo Exm. Sr. presidente a
respeilo, expedida ao respectivo director e commu-
nlcada ao Sr. coronel commissario-pagador em ofli-
cio do 19 de Janeiro prximo passado.
Pagadoria militar de Pcrnambuco, 3 do fevereiro
de 1848.
No impedimento do escrivflo,
Joo Arcenio Barboza.
Karatas apprehendidot pela polica.
Maria da Conceicflo, que se proclama livre, mas
que nilo presenta titulo que o comprove ; Sevc-
rino, preto, que declarou perlencer a Jos Caval-
canlc, morador em trras do engenho dos Patos, e
achar-se ausente de casa ha 15 dias; Henriques,
crioulo, que disse ser escravo do Relino Dias Cor-
reia, ontiado de Jos Venancio do Renevides, e resi-
dente em Mocdes, termo de Sambamhaia.Acham-
se recolhidos a cadeia desla cidade, e devem de
ser reclamados : os dous priineiros na subdelegada
da Roa-Vista, e o tereciro na dos Afogados.
Antonio, crioulo, quo confessou pertencer a D.
Ignez Thereza Gomes de Mello, viuva do alferes
Ignacio Jos.Acha-se na cadeia de Macei ; e he la
que deve de ser reclamado.
Animaes apprehendidot pela polica.
L'm cavallo castanho o gordo, tomado a Jos Pe-
rda Ta vares, preso fgido da cadeia, e oulro ruco-
pombo que vagava pelas ruas.-Est3o depositados,
e devem de ser reclamados : esto na subdelegada
das Afogados, e aquello no da Roa-Vista.
THKA IttO PUBLICO.
PRSELE.
[ ULTIMA NOITE. ]
SARRADO, 5 RE FEVEREIRO,
representa-se o tilo aplaudido drama
O FIAT LUX, COM DUAS ARIAS NOVAS.
Com todas as suib arias, coros e dantas dos (lia-
boa.
0 segundo e terceiro actos da ra ioha Esther.
Avsms diversos.
AFFONSO SAINT-MARTIN, com estabelecimento
do sedas no 1. andar da ruados Quartcis, n. 24,
tcm, almde oulros objeclos eartigos superiores,
cbapos dcscila para senhoras, do ultimo gosto, con-
forme aos mais recentes (igurins; igualmente os
tem de palniulia, aberios so os cascos, com orna-
dos a phanlasia ; mantas de sedo, sendo ellas riquis-
simas e de muito bom gosto, como cortes de seda pa-
ra vestidos de noivas.
E pare melhor commodidade das senhoras que
pretenderem qualquerdestesartigos, tcr.loa bonda-
do de mandar avisar ao annunciante, que se apres-
sar em Ibes levar.
Antonio da Silva Cusma.) Jnior e
Prxedes da Silva Gusmao fazem publico
que tecm contratado urna sociedade em
nome coliectivo, para estabelecerem uma
loja de fazendas na ra do Queimado, n.
39, cuja sociedade principiou no primei-
ro de Janeiro de 18^8 ; assim como que
sociedade gyrar sob a firma social
L/le Gusmao Jnior & IrmSo : afim de
que fique conhecida dita sociedade, e
srjam valiosas suas transaccSes. Recife,
3 de fevereiro de 18^9.
Gusmo Jnior V Irmilo.
OS AMANTES DO SORVETE.
No principio da ra do Rangel, 11.8, se acha
promptoum andar com boas commodidades para
servir os freguezes que gostam de bom sorvete de
frutas feito com todo o asseio. Os quo quizerem
trazer suas familias acharilo quem
o asseio.
acharilo quem as sirva com
toda a docencia, e com uma linda entrada. Prin-
cipia hoje, das 5 horas da tarde at as 9 da no i le;
"continuar lodosos dias, emquauto houver gelo,
a 200 rs. o copo, pagos a vista.
Dentista.
D. W. Baynon, cirurgifo dentista, acaba deche-
gar dos Estados-Unidos do Norte a esta provincia
de Pernambuco, e avisa aos scus amigos e ao res-
peitavel publico, que se acha prompto a exercer as
funcefies da sua arte om operacoos denlaos as mais
diflkultojas, com toda lacilidado possivel, confor-
me a moda mais moderna da arte; quem so qui-
zer niilis ir do seu prcslimo, dirija-se a sua mora-
da, na ra da Cruz, n. 40, 2. andar.
IRMAMMRE DE SAN-JOSE" DA AGONA.
Advortc-se a quem convier, quo se estSo demo-
lindo as catacumbas que pertcnceram a mesmu r-
mandade, no hospicio da Penhu, para que quem
pretender tirar ossosde seus finados prenles, alli
sepultados, baja de o fazer no prazo do tres (lias
depois ds publicac3o do presente; pois, do contra-
rio, serfio sepultados no lugar destinado pelo reve-
rendo vice-prefeito do mencionado hospicio.
KouaH,horticultor deLyon,
* lenco chegado ltimamente de hranca
ra) com um grande sorlimento do arvores
frucliferas, plantas do llores, semenles de
3,i ditasehortaliecs, avisa ao respeitavel pu-
Mico que o quizer honrar com a sua con-
S (anc,a, que elle abri uma loja na ra do
en Alerro-da Ba-Vista, n. 6, aonde achar.lo
^ d venda um sorlimento como al hoje nilo
O) ebegou em Pernambuco, lano pela qna-
^ lidade das plantas como pela boa qualida- j
^9! de das sementes, das batatas o das ceblas, ^y)
Osabaixo flssignados, negociantes e morado-
res na viiia do Grato, provincia do Cear, fazem sci-
cnte ao publico que nesta data reuniram seus pe-
queos fundos e contrahiram uma sociedade;. e po
isso d'ora em dianle seassignariio, no que pertencer
a seus negocios, porBilhar& IrniSo ; fleandoem
vigor suas assignaturas anteriores. Crato, 30 de
novembro de 1847. Joaquim I/tptt Haymundo do
Bilhar.Pedro Jote Goncalpet da Silva.
Perdeu-sc, no 1.do correte, nobairro de
Santo-Antonio, vindo do Recife, um quarto pe-
queo alasflo com uma orelha cortada e com a mar-
ca meaia-lua em um dos quartos : quem o livor
achado ou dclle der noticia, dirija-se a ra da Ca-
deia do Recife, n. 52, aonde sera generosamente
recompensado.
Quem precisar de uma ama muito capaz para o
servico de uma casa de pouca familia, dirija-se a
ra dasTrincheiras, n. 30, que achara com quem
tratar.
Precisa-se de uma ama para todo o servico de
uma casa de pouca familia : quem estiver nestas
circunstancias dirija-se a ra da S.-Cruz, n. 94.
--J0S0 Luiz dos Santos {pretende retrar-se para
o Rio-Grando- do-Sul, levando om sua companhia o
seu escravo, do nome Luiz.
Jos Goncalves da Silva, doutor em medicina
pela faculdade do Rio-do-Janoiro, ltimamente Rene-
gado daht, offerece o seu prestimo ao respeitavel
publico, na ra de S.-Goncalo, n. 29, sobrado ao la-
do da igreja : consulta gratit aos pobresa das 7 as 9
horas da manhila.
O mnibus sahir para o Poso-da-Panella domin-
go, as 9 horas o ai 5 horas da tardo e voltar as 7 e
as 10 horas da noite: a entrada ser na ra da Ca-
deia.
Precisa-se de um.pequeo de 19 a 15 annos,
para caixeiro de venda: na ra Direita, venda n. 23.
Arrenda-sea propriedade de S.-Anna, com gran-
de casa de vivenda, cavallarice, curraos para ga-
do, senzalla e oulras casas mais] que tem era si,
duas famosas olarias baixas plantadas de capim,
muitospsdecafezeiros j produzindo fruto, o to-
das as qualidades de fruto, pelo lempo que se con-
vencionar: tambem se vender so alguem a preten-
der comprar', para o que trata-so com o seu proprio-
lario Jos Francisco clm morador no Forlo-do-
Mattos, n. 12.
Aluga-se uma casa terrea no Corredor-do-Bis-
po, com com modos sufllcienles para uma familia:
a tratar na casa terrea contigua que (lea quasi de-
fronte do palacio do Sr. blspo.
Precisa-sede umofllcial do funileiro, que seja
perito : na entrada da ra do Rangel, n. 7.
Est para chegar da Europa um rapaz que tem
boa educaefio, e que sabe inglez, francez e allemo,
quequer seompregarem escriptorio : quem de seu
prestimo se quizer utilisar dirija-se a esta typogra-
phiu, que so dir com quem sedevo tratar.
--Pede-so preta forra, por nome Florinda, que
separou-se ba dias de seu marido que dirija-se
ra do Rozarlo da Roa-Vista, vonda da esquina, de-
fronte da igreja do Rozario, onde se entender com
o seu mesmo marido, as 9 horas da manhaa a ne-
gocio do seu interesse ; e se declara mesma preta
que neiiiium ma se pretende fazer; e s sim se
usar dos direitos que a lei concede, se ella so oc-
cultar e nSo apparecer.
Uma pessoa desoja arranjar-se de caixeiro em
qualquer padaria, ou para vender pilo na ra, ou
para servir em qualquer casa, para compras e man-
dados, o qual he muito (iol e d (ador a sua con-
ducta : quem de seu prestimo se quiznr utilisar, di-
rija so a ra Relia, n. 40.
Limpam-se imagens de podra, feitas na Rabia,
e concertam-se na melhor forma possivel, que ficam
taesquaes, ou niel hores dos que as veem da Rabia :
ludo por barato pceo : 11a iua du Alegra n. 42.
D-so)a premio um cont de ris, em maior ou
menor quanlia sobre penhores de ouro, ou prala ,
ou com hypotheca em casas no bairro de S.-Anto-
nio: na ra Direita loja de barbeiro, confronte a
travessa de S.-Pedro, u. 5.
Precisa-sede una ama preta ou parda,de meia
idade, e de boa conducta para uma casa de pouca
familia : na praca da Independencia, loja n. 3.
~ Precisa-se de um caixeiro que seja hbil para
negocio de venda, e d (ador a sua conducta : no
pateo da S.-Cruz, n. 106.
JoSo Texeira Soares, negociante estabelecido
na cidade de Macei, previne ao respeitavel publico
e particularmente a Senhora D. Philadclphia Padi-
llia, que, lendo-lhe sidoroubada a quanlia de 450/
rs., por seu caixeiro Antonio Ferreira Coilinho ,
agora tom a certeza que desse dinheiro esistem
350,000 rs. cm niiio de Anna Francisca Fortes mo-
radora nesta cidade, remetlidos pelo dito seu cai-
xeiro, paraalforria deuma parda da referida Se-
nOora D. Philadelphia, de nome Verianna : e para
que, pelos meics competentes, se possa arrecadar o
sobredito furto, se faz o presento, aflm do que nin-
guem contrato com a indicada Anna Francisca For-
tes nem dclla receba o mencionado dinheiro sob
pena [de ser considetado coniventc no mesmo
furto.
O abalxo assignado faz sciente aos Srs. arma-
zenarios compradores de assucar, e a quem mais
convier, que Francilino Augusto Xavier de Hollanda
deixou de ingerir-aena venda dos assucares que ao
abaixo assignado sao remetlidos; e para que chegue
ao conhecimento do todos, mandou publicar o pre-
sento aviso.
Francisco de Paula Pereira de Andrade.
Precisa-se alugar um escravo para carregar pSo
e fazer algum servico de casa : na padaria da ra
do Pires, ao p da eaixa d'agoa.
Precisa-so alugar duas pretas que vendam na
ra equesejam fiis, pagando-se-lhes uma pataca
e dando-se-llics comodona : na ra do Queimado,
n. 40.
Serventes de pedreiro,
pagam-se a 480 rs., no theatro volho, dinheiro
prompto : a fallar com o director do mesmo thea-
tro.
Precisa-se de uma boa ama do leile, forra ou
captiva : annuucie.
Cetrudes Maria da Gloria embarca para os por-
tos do sul o seu escravo do nacfto, de nomo Fran-
cisco.
O abaixo assignado tem estabelecido, desde j,
na ra de Apollo, casa n. 14, primeiro andar, sob a
inspeccHo do pessoas habilitadas, as seguinlosaulas:
primeiras lettras, latini, francez, lgica e geometra.
Os alumnos das duas primeiras aulas pagaro 3,000
rs., os de oulras 4,000 rs. Os quo quizerem frequen-
la-las com tui rece rilo a qualquer hora do dia na dita
casa.
Pedro Pereira da Silva Guimardet.
AOS PAS DE FAMILIA.
Ensina-se primeiras lotlras, arithmetica, gramma-
tica nacional e franceza, por casas particulares : na
ra Direita, 11. 119.
LOTERA
Do Hospital Pedro II.
Ao respeitavel publico assegur o tbe-
soureiro da lotera do hospital Pedro II,
que as rodas da segunda quinta parte
correm infallivelmente no dia marcado,
{ 24 do crlente rnez ) no mesmo lugar
da antecedente ; e pede aos Senhores que
apartaram bilhetes, que hajam de ir bus-
ca-Ios, pois que teem sido procurados al-
guns dos nmeros que fram escolhidos,
e n5o os pode vender, sem sua decis3o.
Precisa-se de um caixeiro nacional, 011 estran-
geiro, para um venda quetenhaas qualidades ne-
cessarias, e d (iador a sua conducta : na ra da C-
deia-Velha, n. 9, se dir quem pretendo.
Precisa-se arrendar um engenho perto desta
praca para o sul, moenle e corrente, com boas
trras do produceflo com alguma fabrica ou sem
ella : quem tiver dirija-se a ra do Cabug loja de
ourives, do Sr. Manoel Antonio Concalves, que se
dir quem pretende.
O abaixo assignado ensina om sua casa, no A-
terro-da-Boa-Vista, n. 82, geographia e francez, 0
ir dar licOes em casas particulares.
Dr. Joaquim de Oliveira e S<"
Acha-se estabelecido um deposito.fj? carvBo de
madeira da melhor qualjdade cm saccas de ciirco
palmos de alto e dous e mcio de largo, no primeiro
armazem de capim quo. (lea no fundo da venda da
esquina da ra Nova na ponte da Roa-Vista a ra-
sio de 500 rs. por cada sacco, levando o compra-
dor vasilha para mudar o carvSo. Alli achar.lo as
pessoas quo quizerem prover-se dcste genero, um
constante deposito nflo s da melhor qualidade,
como na quanlidade que neccssilcm pelo mdico
prego cima mencionado.
Precisa-se. de dous homens para
andarem vendendo elTeitos na ra: quem
estiver em tacaicircumstancias,dirija-se
ra do CamarSo, n. 5.
Precisa-sealugar, annualmcnle, um sitio cu-
ja casa de enda tenha commodos bastantes para
grande familia nos lugares da Ponte-de-Uchda, S.-
Anna, ou emoutro lugar prximo a estes: na ra
do Cabug, loja de miudezas 11.1 C.
Precisa--- de uma mulher branca, 011 semi-
branca de io am.^s pouco mais ou menos sadia
e de boa conducta capaz de tratar o zelar com
asseio e delicadeza a um homem velho cm um si-
tio distante desta cidade duas legoas quo seja s e
nilo tenha familia de cujo Irahalho ser sullcieii-
timent'e retribuida : na ra Direita, n. 119, se dir
quem precisa.
Agencia de passaportes.
Na ra do Collegio, n. 10, o no Aierro-da-Boa-
Vista, n. 48, continuam-se a tirar passaportes tan-
to para dentro, como para Pora do imperio; assim
como despacham se escravos: tudo com brevidade.
Denz, alfaiate francez,
faz sciente ao respeitavel publico que abri uma lo-
ja do alfaiate, na ra Nova, n. 34, e que elle encarre-
ga-se do confeccionar ou fornecer qualquer roupa
que lhe fr encommendada, com todo o gosto e
promptidilo desejavel, por preco rasoavel.
Attencao
?
AFER1CA.
O arrematante da afcric&o dos pesos e medidas
deste municipio principiou a aferir do dia 25 do
passado om diente na ra Direita, n. 114. das 7
Ijorns da manhfla s 6 da tarde. Na mesma casa se
vendem medidas do folha e de pao, pesos de ferro :
timbem fazem-se osconcertos do quo preoisarem
aquelles aue esliverem em uso.
O Sr. Manoel Gomes da Cruz tem uma carta na
ra do Rozario, padaria n. 9.
Jos Fernandos llhSo, por motivos de propria
conveniencia, faz publico, qne d'ora em diante se
assignar por Jos Fernandos da Costa Torres.
Alugam-se duas casas terreas, sitas na ra que
vai para a Trompe, com muilos commodos para
uma numerosa familia muilo frescas com gran-
dej ouintaes, cacimbas de boa agoa : a tratar no
pateo da S.-Cruz, sobrado n. 70.
Na loja da ra do Queimado, n. 30, de Jos Joa-
uim de Novaes, contina a haver um sorlimento
cobras feitas; chapeos do lodas as qualidades;
ditos para meninos e meninas; ricos chales de seda;
mantas de seda; lencos do todas as qualidades; e
oulros muilos objeclos que ha para vender.
Troca-se un muito rico e asseado
presepe do nascimento do Menino Dos,
chegado pelo ultimo navio de Portugal, e
por rom modo preco : na ra do Vigario,
armazem de assucar do Sr. Manocl Jos
de Souza Carneiro.
Precisa-sede uma ama forra, ou captiva, para
cozinhar o diario de uma casa de um homem sollei-
ro : na ra estrejta do Rozario, fabrica de charu-
tos n. 45.
Acha-se cm exercicio a aula de primeiras let-
tras do collegio S.-Antonio no puteo do Carmo, e
o respectivo professor emponha-se todo no cumprl-
menlo do seus doveros de modo que nada rosta a
desojar pelo bera do seus alumnos. O mesmo afian-
ce o director a respeito das oulras sote disciplinas
preparatorias para a academia.
Precisa-so de uma mulher capaz que se encar-
regue de todo o servico de uma casa de pouca fa-
milia : no paleo de S.-Pedro, n. 22.
Precisa-se de um caixeiro para tomar conla do
uma venda em Fra-do-Portas n. 56 : a tratar na
mesma venda.
Existe parase arrendar uma
muilo boa loja, no melhor lugar
da ra do Queimado, para qual-
qoer estabelecimento commer-
cial: dase seguranca do arren*
damento por tempo suiicientc.
Ospretetidenles dirijam-se a mes-
ma ra, n. 2.
No dia 30 de Janeiro dosappareceu urna vacen
rapoza.com uma malha branca por baixo da barriga,
que pastorava do lado do viveiro da Sra. Viuva Seve
& Fillio : quem della soubcr pode dirigir-se venda
do LeSo-de-Ouro, no Hospicio, onde ser gratificado.
No Alerro-da-Roa-Vista, n. 65, precisarse de
ofliciaes de funileiro, que sejam de boa conducta : a
tratar com Francisco Rodrigues dos Sanios,
Joao Pinto de Azevedo embarca para o Rip-de-Ja-
nelro a sua cscrava parda, de uoiuc Anua.
Urna ciioula intelligente, Zelosa e activa se offere-
ce para criada de una casa de familia ; sabe lavar, eu-
goinmar, cozinhar e tratar do arranjo de urna casa : na
ra de Santa-Rita, n. 64.


-
SE3BE
s
Nota dosbtlhetes e meios bilhetes da primeira parle da prinuira lotera concedida a favor da edieacOa do hos-
pital Pedro II, pertencentes sociedade que se dignoiiear com elle; e que fram premiados, os quaes fram
conferidos e examinados peto Htm. r. commndador kanoel Goncalves da Silva, em poder di quem se acha-
ram depositados: r
BILHETES INTUIROS.
Ps.
1006
1013
1015
16
10?O00
10WM)
35/000
Ns.
Transp.
1073
1080
1114
35*000
15/000
10/000
15/000
75/000
Ni.
Transp.
1464
1466
1540
75JO0O
10/000
10/000
10/000
105/000
Na.
Transp. 105/000
MEIOS BILHETES.
N
N.
900
709
718
720
722
735
736
737
743
745
750
400
709
364
39!
398
913
861
865
916
021
395
8
9
1254
1257
I Ni.
T.
6/000 1264
V000 1265
w
6/000
5/000
5/0OO
5/000
5>W0
VOOO
5/000
5/000
5/000
5/000
O"0
5/Oi.
5/D00
7500
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000
6/000
5/000
150/000
5/000
7/50
7^50
5/000
6/000
5/000
15/000
5J000
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000
6/000
N.
T. 2:645/000
5/000 16262:300/000
1635
1637
1642
5/000
5/noo
tS
5/000
5/000
5/000
50OO
7/5O0
5/000
30/000
16/000
5/O0O
150/000 2:845/000
214
214
213
217
220
225
230
232
136
238
239
240
241
245
253
266
261
262
272
288
289
290
296
991
987
976
830
790
785
5/000
5/000
5/000
5/000
o?O00
5/000
16/000
5/000
5000
6/000
5/000
5/000
rnoo
5/000
5/000
5/O00
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000
5jftK)0
5/000
5/000
15/000
5/000
5/000
5/000
5/000
N.
T. 2:810/000
2:810/000
781
781
769
698
687
684
666
661
623
620
615
358
353
313
343
331
331
33()
330
327
327
318
318
146
145
137
117
14
295
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000
7/500
5/000
5/000
5/OO0
15/000
5/000
N. '
T. 2:967/500
290
288
289
272
263
m
261
256
253
245
241
240
239
238
236
5/000
5/000 _.
5/000 23-2
5/000 230
5/000 225
220
217
214
213
2!0
209
204
203
201
401
406
6/000
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000;
5/000
6/000
6/000
5/000
5/000
5/000
6/000
Na.
T. 3:167/500
5/000
5/000
6/000
6/000
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000
5^000
5#000
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000
15/000
30/000
5/000 1219
5/000 1222
15/000 1226
407
412
4J0
428
439
442
447
450
455
463
465
469
470
477
478
481
484
492
498
499
600
1204
1205
1212
1213
1218
6/000
5/000
7/500
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000
5/U00
7/500
5/000
15/000
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000
5/O00
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000
5j00O
5/000
5/O00
1812
1847
1900
Nt.
T. 3:327/500
10/000
10/000
10/000
135/000
2:967#500] 3:lft7ftnn] 3:327*500
RESUMO.
1227
1228
1236
1238
1245
1248
1254
1357
1264
1265
1266
1271
1275
1276
1285
1286
1287
1288
1292
1294
1297
1300
501
506
507
500
511
512
515
51000
5/000
5/000
5/000
5/000
5#000
5/000
5/OO
5/000
7/500
5/000
7/500
5/000
5/00*
5/000
5/000
Ns.
T. 3:497/500
5/000 699
16/000
6/000
5/000
5*1100
8SSS
5/000
5/000
15/000
5/000
5/000
5/000
519
526
532
533
546
561
563
566
568
575
577
585
589
592
593
594
3:497*500
790
820
823
785
359
420
872
412
1248
873
870
1286
5/000
5/000
5*000
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000
5/000
30/000
5/000
5/000
5/O00
5/000
5/000
5/000
6/000
5O00
5/000
5/000
cuno, hidropesa expostos a urna vida extrava-
gante. Assim como chronicas desrdeos da cons-
tituicflo serflo curadas por esta Uto til appro-
vada medicina.
O extracto seguinte he de urna carta recebida do
Sr. Mace, poissua uiulher foi atacada de escrfu-
las no nariz, das quaes os melhores doutores em
Franca a n&o poderSo tratar.
I Itennes. departamento de Ule e Vilain.
i Franca, julho 17 de 1844.
.M.bIHnh8!nler0S....................... 13-VOOO
Meios bilhetea....... 9<%uvmivi
3meios bilhck-s 30/000. .......! I !,* *'......' 90#0O0
8,.; : ':........... :: ':: 8B
206 >
5/000.
82/500
1:030/000
--------------- 3:802/500
A sociedade llcou com os bilhetes na imporUncia de Rs...............4:750/000
Prejuizo havido cm toda sociedade, Rs. .*........... .
O mial dividido por 23 socios e uiiu, (*) foi o prejulso para cada mu de Rs. 40*3-20
Recife, 27 de Janeiro de 1848. = Manoel Florencio ilvti de Moran, theiourelro.
(*) Houveram socios que s se responsabilisaram pela metade da auignatura.
. Sr. Sande. A salso-parrilha mandada por Vm.
foi recebida com a raaior satisfac&o possivcl, minha
mulliera tomou, c em pouco lempo se achou me-
"hor; pelos grandes beneficios que recebeu desta
medicina, a considera como urna das melhores me-
dicinas do mundo para laes doencas, pois dou-
tores do alta sabedoria nunca a poderam tratar. Mi-
nha mulhor a contina a tomar at se achar in-
tciramente boa. Por favor nos queira obsequiar com
algumas garrafas o mais depressa possivel. Sr.,
nos teremos o gosto de fazer conhecer a sua medi-
cina entraos nossos amigos, assim como entre o
povo: semduvida ser usada aqu, bem como em
lodo o mundo como efltcaz medicina para alliviar
5/00|e trntar o corpo humano.Tenho a honra de ser o
5/0001 mais atiento venerador.
J. Mace.
N. 1, ru LouisPhiilppo.
(Legaco dos Estados-Unidos,
i Berln, Prussia, abril 8 de 1846.
Srs. A. f. & D. Sands. Srs., tendo-se a sua sal-
sa-parrilha usado nesta cidade. com grande effeto,
em casos mu severos de escrfulas, me pedem tres
duzias de garrafas da sua medicina as quaes as es-
pero sem falta que para isso rometto o pagamen-
to. Espero que Vms. fiquem de loda a corteza que
a eomposic.lo do salsa-parrilha he urna das melho-
res medicinas do mundo, assm como se va i.in-
troduzindo muilo entro opovo.Sou o mais stenlo.
TheodoreS. Fay
Prnr.i- c vendida por junto s a retamo as-
sim como se exporta por A. B. Y D. Ssnds, chim-
cos e droguistas, n. 100, Fullon-Strcet, esquina do
William, New-York.
Vende-se na botica do agente, Vicente Jos de
Brlo na ra da Cadeia-Velha, n. 61.
- Vendem-se aeces da ex-
tincta companhiade Pernambuco
e Parahiba: no escriptorio de O-
liveira Irmos & C. ra da Cruz,
d. 9.
admira veis navalhas de ac da china.
Na ra larga do Rozarlo, n. 35, laja do Lody.
947/5UO
947/520
O LlDADOR.
O n. 253 acha-se a venda no lugar do costmne.
Hojc, 4 do crtente, depoii da audiencia do Sr.
juii do civel, na sala da mesma, se liio de arre malar va-
rios sapatos e utensis de una tenda de sapatclro, por
execufo de Antonio Joaquim de Souza Kibeiro contra
D. Anna Joaquina Selvianna, representada por seu mari-
do : quein pretender corapareca, que he a ultima praca.
Antonio da Silva Pessoa embarca para as provin-
cias do sul a sua cscrava, de nome Leonor.
Precisa-sc de umaescrara pu ama, que saiba bem
cozinhar e faier todo o mais servico de urna casa de
iiouca familia : na ra larga do Roiario, n. 46, secundo
andar,
Perante o Sr. Dr.juiz municipal c Inlerlno do ci-
vel te ha de arrematar, hojc, 4 do crlente, a meiade
da caa de sobrado, sita na ra do Rangel desta cidade.
penhorada por execncao de Manocl Luii Goncalves
contra Jos Goncalves de Faria, cuja execucao perten-
ce hoje aos herdeiros do finado Francisco da Silva.
Os Srs. J. J. C. L. e J. E. O. queirain, no pruio de 3
dias, vlr ou mandar pagar seus dbitos na rrflnacao
da ra Dircita, n. 10, pola que o caixeiro nao ganha pa-
ra o calcado que J tcm gato e nao o fazendo, se pu-
blicaro seus numes por extenso, e se usar dos meios
da lei.
Acha-se a berta, na ra Augusta casa n. 72, una
aula de priineiras lettras, onde se ensinain principios de
grammatica portugueza, arithmetica e doutrina chris-
taa, por mdico estipendio.
U abaixo assignado faz saber aos Srs. commcrcian-
tes de assucar, que delxou de ter gerencia ius vendas
deste genero, viudo em commissao ao Sr. Francisco de
Paula Pereira de Andrade ; e agradece ao incauta Sr o
bom acolhlmento que recebeu durante o tempo que em-
pregou-se em seu servico : assim como tambem pede ao
' mesmo Sr. que faca o favor de declarar pelas folhas os
motivos que occorreram, para que o publico nao ajuize
mal de sua conducta.
Franeelino Augusto Xavier de Ollanda.
Aluga-se um preto para servico :
sendo bom e fiel, d-sc i5,ooo veis
e o sustento: no pateo do Ter-
decampo: tambem tem chapos de sol de paninho
para meninos e meninas, por serem muilo finos: po-
dem-se chamar chapeos de economa. Na mesma loja
ha sortimento de bengalas, bengalinhas e chicles
muilo modernos; cobre-se qifalquer armacHo de cha-
peos de sol, com sedas de todas as cores equalida-
des. Namosmacasa ha um grande sortimenlo de
pannnlios trancados e lisos, imitando seda, para
cobrir os mesmos: desta fazenda se vendo arctalho.
Conccrta-se todo qualquer chapeo de sol, por lia ver
um completo sortimento de todos os pertenecs para
os mesmos, com loda a perfeicilo e brevdade.
Na ra do Agoas-Verdes, n. 48, precisarse de
um caixeiro para venda que seja Portuguez, c que
do fiador a sua conducta.
Preciso-se de pretas quo vendam pilo pagan-
do-so-llics vendagem : no Forlc-do-Mullos, pada-
ria que foi do Allenio.
Aluga-so o segundo andar c sotflo da casada
ra do Amoriin n. 13, por barato preco : para ver, a
fallar na loja do dito sobrado, o paralratar do ajuste,
no caos da Alfandoga, armazem n. 5, com Manuel
l.uiz da Veiga.
Estas nnvalhas teem a vantagem de corlar o ca-
bello sem offender a pello, dexando a cara pa-
recendo estar na sua brilliante niocidado. Este ago
ho da China, e seu autor lio Sham.
Por todas as sociedades das sciencias medico-ci-
rurgicas tanto da Europa como da Amrica, Asa e
frica he reconhecidoo uso destos navalhas ma-
ravilhosas, n1o s para prevenir as molestias cu-
tneas, a que a humsnidade est subjeita mas
lanibem como um mcio de as curar.
Vendem-se as verdadeiras s na loja cima indi-
cada.
Compras.
de
por mez e o sustento: no pateo
<;o, venda n. 7.
Alugn-seum bom armazem para carno secca,
narua da l'raia, n. 43, com commodos para fami-
lia : n tratar no mesmo armazem.*
Tem-se justo com o Sr. Joflo Jos Alvos a arma-
os o e mais pertences da vonda do largo do Livrimen-
to,n. 3, (Icando o mesmo Sr. rosponsavel por qual-
quer divida que at esta data possa appareccr.
O abaixo ssignado faz scientc ao Sr. Francis-
co Lucio Coelho, que tenha a liomiade do^apresenlar-
Ihe a conla correnle que o abaixo assignndo Ihe exi-
ge ha mais de um mez em consequoncia do mesmo
Sr. Ihe exigir segunda vez urna conla j paga ha
muilo tempojassim comoque he falsoo queo niesnio
disse em publico, no sabhado prximo passado de
que 0 abaixo assignado Ibe era devodor de 400,000
rs. quanlia cssa quo o abaixo assignado nunca de-
veu aesse homem, durante o periodo de seis annos
quo so aclia eslabelecido. Das emitas apresentadas
at hoje pelo mesmo, o abaixo assignado resta-lhe
apenas a insignificante quanlia de 120,900 rs. Ou-
tro si m, tiqueo mesmo Sr. entendido que em sua
casa tilo receber vintem, sem que aprsenle a con-
la correnle o legal: ouvi Sr. Lucio Coelho.
Manoel Joaquim Goncaleee'c Silva.
51 em pisos de sol
lluu do i*asneio*Publico, n. 5.
JoSoLoubot participa aorcspeitavel publico, que
recebeu, por estes ullimosnsvios francezes, um com-
pleto sortimento do chapos de sol, de seda, amis
rica e superior qualidade; furta-cOrese outrss mni-
tasconhecidas, tanto para homens, como para Sras
e meninos. No mesmo estabolecimento ha um sorti-
mento uo CuipS de SOl 6 piii, us fni Qi-
deruos; ditos multo grandes, proprios para homens
Compra-se um par de brincos modernos
bom ouro e sem fettio : na ra de Hortas, 11. 62.
Compra-se urna preta moga quo sai lia perfeta-
mento cosor e ongommar: na ra da matriz da Boa-
Vista 11. 33, segundo andar.
Compra-so um cscravo doente sendo aleijado ,
e do 20 a 25annos : na run do Cabuya loja de Joa-
quim Jos da Costa Fajozo.
Compra-se urna espingarda de dous canos que
cstejs cm bom estado : quom liver annuncie.
Compram-se escravos de ambos os sexos, de 12
a 20 annos, com habilidades, ou sem ellas ; sendo de
bonitas figuras, pagam-se bem : na ra da Concor-
dia passando a pontezinha a dircita segunda
casa terrea.
Compra-se um carneiro gordo quo seja man-
so o acoslumado a ser montado por meninos : quem
tiver annuncie.
Compra-se um cavallinlio para menino : na ra
da Gloria, n. 18.
Compram-se 20 a 30 burros, a preco de 100/
rs. sendo grandes, mansos o gordos : na ra Di-
reita sobrado n. 121.
Vemlas.
AOS ESTUDA.NTES DE GEOGRAPIIIA.
Problemas degeographa pliysca e astronmica,
livrinho indisponsavel nos chindantes que ieem de
fazeresame nesta disciplina: urna linda brochura
i 12.*, por 1,000 rs. Vende-se na livraria de Santos
& C, ra da Cruz, no Rocifo.
Vende-se um sobrado de dous an-
dares e soto, silo no A terro-da-Boa-
Vista^: no mesmo Jugar,
dir quem vende.
venda n.- 8, s
SALSA-PARRILHA DE SANDS.
Este exccllonte remedio cura todas as enormi-
dades, as quaes silo originadas pela impureza do
sanguo,ou dosystema ; a saber:
. Escrfulas rlieumatismo erupces cutneas ,
brebuthas na cara, hemorrboides, dooncas clironi-
011, .rebullas, berloeija, tinlia, inchacOes, dores
110 ossos e juntas, uicar, doencas venreas, citica,
euferinidades que atacam pelo grande uso do mcr-
Vendem se deversos escravos, che-
gados proximatnenle do Cear, pelos
pretas, mulatos e mualas, de boas figu-
ras, proprios de todo o servico de casa e
campo ; entre os quaes duas mulatas, urna
muilo boa engommadeira e oulra padeira,
e um mulato perfeito olficial de carpina :
na ra do Crespo, loja n. 2 A, se dir
quem vende.
FOLHINHASPARA O ANNO DE 1848.
Vendem-se folhnhas de algibeira de porla e do
padre as mais correctas o mais regulares: na pra-
ca da Independencia, livraria ns. 6e8; na ruada
Cruz loja n. 50 ; na ra do Crespo loja n. 11; na
loja da esquina do Collegio ,0 na botica do Sr. Mo-
roira, defronte da matriz da Boa-Vista.
Obras histricas
CIIEGADAS DE NOVO A'LIVRARIA DA ESQUINA DO
COLLEGIO.
Piula reo Uraiileiro, con tendo as vidas dos Br-
slciros mais Ilustres e nolaveis por seus talentos,
virtudes e nobres feilos, polo doutor J. M. Pereira da
Silva.
O segundo o ultimo volume.chegado agora, com-
preliende entr'oulras, as biograpbias do Jos llo-
nfacio de Pizarro e Araujo de Lomos de Faria e
de Silva Lisboa. Esta obra tem lido na corte grande
aceitaco, eo jornalismo fluminense teceu-lhe pom-
posos elogios.
Historia dos aconteciinentns memoraveis do cer-
co do Porto, e da reslauracio do governo consti-
tucional escripia pelo almirante Carlos Napier,
conde do cabo do S.-Vicente, e traduzido em por-
tuguez porM. J. P Codina 2 tomos cm um volu-
me. Esla obra no pdcdeixar de ser lula com in-
teresso pelos admiradores do celebre almirante, a
cajos feilos heroicos se deve, cm grande parto, o
restabeleciroonto do governo constitucional em Por-
tugal.
Reeiitahistrica dos aconleciinentos de Portugal
desde a morte de D. Joflo VI at o fallecimenlo do
imperador D. Pedro obra muilo bem escripia, c
estimada em Portugal pela fidelidade e imparciali
dade que a distinguem nova edicilo. 1 v. cm oi-
tavo.
Historia de Inglaterra, por Goldsmilb, centinua-
da por Coot, e at nossos dias, por M. Aloxandrino
Aragn com importantes notas de M. M. Thierry,
de Barante de Norvins, o Thiers vertida em lin-
goagem classica portugueza 4 v. em formato de
oitavo francez com bellas estampas.
Contideraces sobre os principaes acontecimen-
tos darevolucSo franceza, obra posthuma de Ma-
dama de Stael, publicada pelo duque do Brogle, e
batSo do Stael, 3 v. em oitavo.
Biographiados contemporneos, ou diccionario
histrico dos homons nolaveis do todas as naces,
vivos o morios, desde 1788 at os nossos dias. pu-
blicado debaixo da dircccSo de M. M. Rabbe, Vielh
de Boisjolio, et Sainte-Prouve 1 grosso v.
Historia da administrarlo do marquez de Pombal,
ministro de el-rei D. Jos, em portuguez, 4 tomos
em 2 v., com varias estampas, representando o ge-
nero de supplicioque sofi'reram os fidalgos e oulros
individuos implicados na conspralo contra o mo-
narcha.
Historia de Cromuel, escripia por M. Villeinain,
par de 11 anca e traduzida em portuguez por M.
J. da C. Cornaca 1 v. em oitavo.
Historia do consulado e do imperio [ conlinuacao
da historia da rcvolucSo franceza ], por Mr. Thiers ,
bella edicto belga, com numerosas estampas, 9 v.
grandes em oitavo.
Appello ustira dos contemporneos do finado'
Luciano Bonaparte em refutacSo das asscrcOes de
Mr. Thiers na sua historia do consulado e do impe-
rio pela princeza do Canino, viuva de Luciano
Bonaparte, i r. brochado [ 1,000 rs. ].
Annats de D. Joo IIl, por Fr. Luiz de Souza, pu-
blicados por Alexandre Herculano. 1 v. [ livro pre-
cioso pela puroza de, lingoage? o originalidade do
estylo ].
Os ltimos momentos de Napoleo ; Memorias do
doutor Antomarchi, medico do imperador em S.-
Ilelena 2v. em oitavo.
Memorias histricas e secretas da imperatriz Jose-
phina, primeira esposa deNapoleflo porM. Le Nor-
man!, edc&o augmentada de mais de 300 notas
inditas, o seguida das ultimas recordacOes de Na-
poleSo em S.-Helena 3 v. em oitavo, com gravu-
ras retrato e fac-similn com o interior da inflo
do homem extraordinario, etc.
Memorias do marechal Ney duque de Elchingen ,
principe de Moskow, pubicadas por sua familia 2
v. om oitavo com cartas lythographadas.
Historia philosophica dosJudeus desdes decaden-
cia dosMachabeusat os nossos dias, porM. Ca-
peliguo 1 v. em oitavo [ premiada pelo instituto ].
Historia da restauraedo, por M. Capeligue. novis-
sima odieflo, corrigida e augmentada 4v. em 12.
Historia de Florenca por Machiave, traduccao
franceza do M. J. P. Peris, 1 v. em 19.
Historia de tranca por Nicbuhr, traduceflo fran-
ceza cGnffic a ierceira eiiii;ao aiema, por II.
Colbcry 4 v. grandes em oitavo.
Historia Romana do mesmo autor, tradcelo in-
glezado Philadelphia, por Julius Charles eConnop
Tliislwal, s tomos em 2 grossos voluntes.
Peregrinando de Fernflo Mondes Pinto nova edi-
cto conformo a primeira do 1614[obra de grande
oslima?fto pela pureza de lingoagom variedade de
noticias c successos quo contm, esobretudo pelo es-
tylo], 4 v.
Historia da revolucSo do Porto em 1828, seguida da
historia da restaurado de Portugal, pelo impera-
dor I). Pedro, 2 v. em oitavo, com retratos [ histo-
ria lele bom escripia dos aconlecmentos daquel-
la poca].
Historia da revoluco franee?o, por M. Miguel, tra-
duceflo portugueza pelo poeta Costa e Souza, 3 v.
Historia do captiveiro dos presos de S.-JuliSo no
lempo ,io governo desptico de 1>. Miguel, por J. B.
da Silva Lopes, 4 v.: contm tambem urna lista al-
phaLetica dosuomesdos presos entrados na torre-,
e pa nas das prsOes.
A franca Ilustrada por seus grandes homons 2
v. em 12, com estampas.
Chromca do imperador Clarimundo. dolido os
res do Portugal dcscendem tirada da lingoagom
hngara cm a nossa portugueza dirigida ao prin-
cipe D. Joflo lillm do rei D. Manoel, por J. de Bar-
ros sou criado, 3 v.
Muitas oulras obras histricas do merecimento so
enconlram na livraria, a dolas se darflo noticia aos
pretendentes.
Gaz.
NA C:\SA DE CAUMONT,
dourador, na rua > ova, n. Sl.
fabrica d candieiros,
tanto de gaz como de azeite, j se acba promplo um
grande sortimento dos mesmos, de muilo bom gos-
to. O mesmo fabricante avisa ao rcspeitavel publi-
co, que vonde os candieiros mais em conta do quo
em oulra qualquer parte pois que elle mesmo os
fabrica, e se respoiisabilisa pola sua boa qualidade:
tambem doura, prata o brouzca todos os melaes de
diversas cores ; concerta o torna a por de novo to-
dos os candieiros, tanto de gaz como de azeite;
poe os candieiros de azeite para gaz; colicorta tam-
bem qualquer objocto/le metal. Tambem tem pa-
ra vender um grande [sortimenlo de objectos do
metal para igrejas tanto dourados como prateado*
o bronzeedos. Aluga tambom para bailes candiei-
ros candelabrose lustros, por commodo preco;
compra todas as qualidades do melaes; o precisad
um aprendiz para o mesmo ollicio.
Vende-so um bom cavallo de carro, por preco
commodo : na rua Nova, u. 25.
.... Vendem-se ancorlas de
diversos tamanhos, com vinho da
Madeira, tinto e branco, de supe-
rior qualidade: no escriptorio de
Oliveira Irmos & C, na rua da
Cruz, n. 9.
Vendem-se 5 molccSes, de i3 a -a
annos, um dos quaes he perito carreiro ; a
pardos le boa conducta ; um negro de 35
annos, por 36o$ooo rs. ; um dito por
iSos'ooo rs. ; um moleque, de i3 annos ;
um
dito
do. nnrao,
de i a annos, que j
cozinlia soifrivelmenle ; urna negrinha de
ii
de
annos; urna negra boa quitandeira,
nacu Costa ; urna ruulatinha de 18
annos, que coze muito bem, engomma e
cozinba urna moleta de 19 annos, com
as mesmas liabilidades -, duas pardas de
ptima conducta ; duas negras mofas,
ptimas para o trabalho de campo : na rua
das Larangeiras, n. 14, 2." andar.
MUTILADO \
L-L


Vendem-se cabos de cairo em grandes ou pe-
Suenas porgOes : no trapiche do Ramos, armazem
a esquina.
Vendein-so 3 moleques de 14 a 20 anuos; 2 es-
cravos .sondo um carreiro e o outro cozinhoiro ;
um pardo de bonita fignra que he bom carreiro ;
* escravas sendo urna dellas boa engommadeira o
costurera ; 3 mulatinhasi na ra Dreita, n. 3.
Na ra do Crespo, loja n. 8,
de Hayas Primos,
vende-se superior alpaca preta, pel barato prego
de 6*0 rs. superior merino preto, polo commodo
preco de 2,500,3,200 e3,500 rs.; sarja de seda pro-
la lu-snanhola, muito superior por prego commo-
do ; princeza preta fina, a 800 rs. o corado ; e ou-
tras muitas fnzendas por menos prego do que em
utra qualquer loja.
Vendom-se duas escravas, sendo urna erioula,
de 14 annos, do bonita figura,, sem vicios e a ou-
tra com urna cria : na ra da Cadeia do Recite, loja
deJoffoda Cnnha Magalhflcs.
-- Vende-so um iiiuieuuede boa conducta, de 12
alios: na ra estreita do Rozario, n. 31, primeiro
andar.
Veodem-se 5 escravos, sendo: 3 pretas, urna
do 22 anuos do figura a mais elegante que po-
de liaver, quo cozinlia o lie boa quitandeira, som
vicios nem defoitos; oulra de muito elegante figura,
do 25 annos, e a outra de 28 annos boa quitandei-
ra, o quecozinha sofTrivcl; urna parda de 30 annos,
boa lavadeira, e que cozinha, cosee engomma
guma causa ; oulra dita aqui da praga, qno so vendo
por precisflo, u qual vende n i ra toda o qualquor
vemln, cozinha Dea o diario do una casa e pode-
sc-lho entregar o governo de qualquer casa do fami-
lia por disto ter pralica : no pateo da S.-Cruz, n.
14, se dir quem vende.
Vende-scum moleque de 10 annos; um preto
de Angola, de 28 annos ; urna parda da mesma ida-
do : na i na dos Tanoeiros, n. 5.
Vc:;dcn-3t) dous indos moleques de bonitas i-
guras sendo um do 14 annos com principios de
pedreiro e o outro de 10 annos j ambos muito sa-
ilii's; urna negrinha do 14annos, que cose, la/, la-
varinto, o be muito sadia : na ra Imperial, n. 39.
Vende-so um piano em bom estado, por pre-
go commodo : na ra Augusta, n. 72.
Os verdadeiros charutos de
S.-Felix.
Mano! Joaquim Conga veseSilva, na ruada Cruz,
n. 43, faz sciente a seus froguezes que, pelo ultimo
vapor, recebeu um completo sortimento de charu-
tos do S.-Fclx, dos verdadeiros: bem como de ou-
tras mullas qualidades : tudo do mais lino e cxcel-
lentcquese fabrica na provincia da Baha ; tambem
tem dos amarrados com rctroz aniarcllo na
ponta.
Vcndern-so pegas de chilas limpas, escuras
muilo encorpadas, a 4,600 rs., e a 120 rs. a retalho;
lilas cor do rosa, linas e muito bonitas, a 5,500
rs. e a 160 rs. a retallio : na ra estreita do Hoza-
ro, n. 10 terceiro andar.
Vende-se urna vistosa rapariga | de 17 annos ,
perfeita lavadeira de sablo o varrolla boa coznlie-
ra eengommadeira, excedente docoira que rose
chao, e he de conducta irreprehousivel: seu senhor
a vende porque se retira : na ra Nova, n. 14, segun-
do andar.
Vendem-se 6 lindos moleques de 15 a 20 an-
nos sondo um delles ptimo cozinbeiro ; um preto
de 25 annos sapaleiro ; dous pardos do 16 a 18 an-
nos sendo um propro para pagem e o outro bom
carreiro; urna mulalinlia e 3 negriuhasde 12 a 13
annos mui lindas com principios de habilidades;
3 pretas de 20 a 25 annos, oom habilidades : na
ra do Collegio, u. 3, segundo andar se dir quem
vende.
Vende-se una geometra de Lacroix : no Ater-
ro-da-Boa-Visla, n. 81.
Vcndem-aa meios-bolins francezes, a 2,500 rs.;
suspensorios finos de borracha a 1,000 rs. ; sapa-
tus do setim para senhora a 400 e 800 rs.; cartas
de allinele, a 20 rs.; papel al maco de boa qualida-
do, a 2,500 rs. a resma: no Atorro-da-Boa-Visla ,
n.84.
Vende-se urna armagflo do venda collocada em
muito boa casa propria para loja de fazendas, ou
outro qualquer cstabelecimonto, por ser em muito
boa ra na ra da Cadeia-Velha n. 9, se dir on-
de he.
-- Vendem-se, por imito diminuto prego, as
obras de Bergier, diccionario de (geologa; de Fri-
tot,sciencia do publicista; de Comle, tratado de
legisla?;); de Roste, diccionario universal ; do
Cuisot, pena de morte : na ra do Cabug, loja de
Jos Brandflo da Rocha, defronle da matriz
Vondem-se doces 'seceos de caj, sidrflo, li-
mfloe laranja, a 400 rs. a libra, e de abobra a 320
rs.: bem como das mesmas qualidades de calda a
520 rs. a libra, e o de abobra, a 280 rs. a libra : asse-
gura-so a boa qualidade, porserem muito bem (al-
tos : vendem-se em grandes o pequeas porgfles: na
ra da Gloria, n. 60.
Vende-se urna parda de 16 annos ; urna preta de
20 anuos, sendo esta para fra da provincia ou pa-
ra o mallo : ambas com habilidades : no becco do
Sarapalel, sobrado n. 12.
Vendem-se 3 lindos moleques de 12 a 18 annos ;
3 pardas com habilidades; um preto bom carreiro;
2 ditos para todo o sorvigo por seren bem robus-
tos e de bonitas figuras; 8 pretas mocas com habi-
lidades e de elegantes figuras ; 2 ditas de meia ida-
de, urna por .160,000 rs., e a outra por 300,000 rs.:
no pateo da matriz de S. -Antonio, sobrado n. 4.
Bichas de Ilninburgo.
Vendem-se as verdadeirasbichas de Hamburgo,
pelo preco de 640 rs. a retalho: na venda da Mauoel
Jos de S Araujo, na ra da Cruz, n. 24.
Vende-se o treseuario de S. Francisco de Paula,
obra tilaosdevotos do dito santo, as lojas de
livros dos Srs. Santos & Companhia, atrs do Cor-
po-Santo; Cardozo Ayres ra da Cadoia ; e em S.-
Anlonio, praga da Independencia ns. 6 o 8.
Milho.
da
Vende-se milho, a 2,000 rs. a sacca : no caes
Alfandcga, armazem de Antonio Annes.
Vende-se um terreno com 117 palmos de frn-
ico 89 ditos de fundo em estado do^o edificar,
por nllo precisar aterro em cujo toaglfMulem-se
tazer lies ptimas mei'agoas na ra do^Vr em
Fra-do-Portas, do lado da mar grande: nadita
ra, n II, no paleo da igreja do Pilar, das 6 horas
da mandila as H.
i.Uopn'm froguezes loja de
.11 i noc Joaqun) Priscoal
liamos, no r-asseio-puolico,
n. 19, que elle he o baratei-
ro que est vendendo por
todo dinhero:
lindos corles de cambraia alegra a 2,000 rs. ; cor-
tes de cassa-chila a napolitana, do muito lindos
go!n e cores mnito alegres pelo barato preco de
3,000 rs.; cortes de superiores casimiras, niuko
encorpadas e de muita dura e quo por isso se tor-
nam recommendaveis aos cavalleiros e homens do
compo pelo barato prego de 6,000 rs.; cortes de
Ifla para caigas, a 2,500 rs. ; esguiao flnssimo ; len-
gos de seda para grvala, a 400 rs. ; ditos de caga, a
200 rs.; pelle do diabo, a 200 rs. o covado ; lanzi-
nha, a 210,320,360 e 400 r,; lengos de cambraia,
de 3 ponas, a 240 rs.; riscados francezes, a 200 rs.;
chales de tarlatana a 880 rs.; ditos para meninas,
a 500 rs. ; um rico sortimento de madapoles, a
2,800, 3,500, 4,000 e 5,000 rs.; brim trangado bran-
co, a 400 rs. a vara ; chitas de todas as qualidades ,
a 160, soo e 320 rs. ; cassa preta para luto, a 320 rs.
o covado; chitas pretas, a 160 rs.; e tudo o mais
por prego commodo.
Fauno fino mesclado.
Vende-so superior panno fino mescla-
do de todas as corea; casimiras fran-
cozas, elsticas, pretas e do cores ; pan-
no fino preto o decores ; sarja de seda
hespanbola logitima ; cortes do cam-
braia do seda padrOes novos; alpaca
muilo fina ; chapeos de massa france-
zes da ultima moda ; toalhas ricas ;
guardanapos e aloalliados; e outras
muitas fazendas finas: tudo mais ba-
rato do que em outra qualquer loja : na
ra doQucimado nos qualro-cantos,
loja do sobrado amarcllo, n. 29
que cozinha bem o diario de urna casa e vende na
ra ; nuotem vciosnemdefoitoe Ma ra do Quei-*
nudo, n. 40.
Vendem-se ligOes de direito civil, por Lis
Tcxera paraos ostudantcs de terceiro e quarlo
anno, em 3 volumes : na ra da Cruz, n. 1, segundo
andar.
Vende-se um aderego de ouro moderno, com
brincos, allinele com diamantes, o gargantilha tam-
bem por prego muilo commodo: no pateo do Pa-
ra i zO, ri.14.
nova loja de cirgticiro.
Linaa
vende uniformes (militares, para todas ,\
as patentes de legiflo cavallaria e i li-
ra ntaria da guarda nacional ; gilOes de
ouroe prata ; espadas prateadas, com
roca e sem ella.
- Vendem-se, na loja de miudezas, na ra do
l.ivramenlo, ao p do nicho, (uvas Usas de pellica ,
para homem esenhora a 1,000 rs. o par; ditas en-
lejiadas ; ditas de palmas; ditas de seda preta en-
feitadas ; ditas de seda de todas as cores ; peo tes de
tartaruga para marrafa ; colletcs do gorgurilo de
seda ; ditos do fustao ; lengos para pescogo ; bicos
de linho do todas as larguras; couro de lustro; mar-
roquim do todas as cores ; fitas para cintoiro ; cui-
xaa de tartaruga ; uavallias de cabo preto y muito
finas: tudo por baralissimo prego.
MT______
iiuva
FejAo.
Nanoel Joaquim Congalves e Silva, na ra da Cruz,
n. 43 conMmia a vender em porgSo e a retalho ex-
cellenle feijSo mulatinho, fradinho macaga e preto,
bem como favas.
Vende-se urna escrava de nag.1o, de 25 annos,
quecozinha, lava, vende, e nOo foge, por. 360,000
ra.}; duas ditasque se vendem por precisao : na ra
de Agos-Verucs, n. 11.
Na ra Direita, n, 3,
vende-scum par de embonos do pao de cedro pa-
ra barcaga ; 2 travos o um pedago de pao de con-
duru;azeitedecarrapato, a 1,200 rs. n caada;
pomada, a 230 rs a duzia ; e lodosos mais genoros
pnrtenceni.es a venda por menos que em outra
qualquer parte, o de muito boa qualidade.
Vendem-se na ra da Cruz, n. 46 condegas
com peras ; ditas com figos ; ditas com pecegos ;
latas com figos ; ditas com hervilhas; ditas com
sardinhas; ditas com bolacbinhasdeararuta : mas-
sas finas em caixinlias; chocolate de canella de
lasboa; nieias Larris "com vinte e tantas libras de
manteiga iogleza de muito superior qualidade, e
propria para casas particulares : tudo ltimamen-
te chegado por diminuto prego,
i
As verdadeiras bichas de
Hamburgo.
No deposito de bichas do Joaquim Antonio Car-
noiro& Companhia, vendem-se as verdadeiras bi-
chas do Hamburgo, cliegadas pelo ultimo navio,
aos ceios e a retalho, por menos prego do que em
outra qualquer parte : tambem se alugam o se vSo
applicar a qualquer hora do da o da noite : na ra
dfl'Cruz, uo Recite, u, 43,
um' cadeado'de segredo o qual se C'* '' M da <,'JC"} "9,r com quem tra-
'ft -,> preJoTuito fclSn^" d"Se d,nbwro P'0 COm ^
Vendem-se caxas do cha liysson de 13 libras,
em porgflo ou a retalho: na ra da Alfandega-
Velba n. 3C, em casa deMalbeus Austin & C.
Vende-so salitre pardo a 7,000 rs. a arroba :
na ra do Itozai o, botica n. 36
-Vende-se
pode fechar em
commodo : no Aterr-da-Boa-Vstk, n. *84."
PRELOS.
Vendem-se saccascom laidos, chegadas ltima-
mente, a 3,500 rs.: no armazem de J. J. Tasso Jnior,
ra do Amorim, n. 35.
Vendem-se duas escravas recolhidas,sendo urna
erioula, de 16 annos de muito bonita figura que
cose muito bem, faz lavarinto e a outra parda da
mesma idade com habilidades : no becco do Sara-
patel, sobrado n. 12.
Vendem-se peanas do escrever, a milheiro por
3,000 rs., dinheiro contado : na ra da Cadeia, loja
de ferragens n. 53, de Jo3o Jos de Carvallio Moraes.
\a nova loja da na da Cadeia
do lieciie, n 5*2, de ( iautino
{Salvador l*creira Braga,
vendem-se chitas finas, cscuraSo decores fixas a
130 ra. o 4,800 rs. a peca.
Na ra do Trapiche, n. 17, con-
tina a liaver deposito da verdadeira cal
virgem de Lisboa, chegadd prximamen-
te ; advertindo-se aos compradores des-
te genero que o deposito he j"muito pe-
queo, e que da nova nao ha mais em
parte aJguma.
Vendendem-se, na ra do Trapiche, n. 6,9 escra-
vos, sendo : 4 niulatinhos do idadb de 6 a 10 anuos j
moleque de 12 annos; 2 mulatas, sendo urna cos-
lureira ; 2pretos de 35 anuos : tudo por prego com-
modo, pelo dono se retirar para fra da provin-
cia. r
14- Vemle-se.uBu preta. de Angola, 0etf M,uu,
alpaca,
de sete palmos de largura, na
loj idctiuimaracs Sera (i m
t)., ra do Crespo, n. 5.
Vende-se a nova alpaca, de se-
le palmos de largura pelo barato
prego de i^uu rs. o covado,-
assim como atochados de ricos
padroes, de 9 palmos de largura,
por mdico preco; e outras mui-
tas fazendas finas, de linho e se-
da, chegadas ltimamente esta
cidade, e tudo muilo barato.

Na ra do Trapiche, armazem
ii. 54,
vende-se assucar refinado, em p5o, a aoo
rs. a libra.
Na loja nova da ra do Quei-
inado, n. II A, de Itaymun-
do Carlos Leile,
acha-so um completo sortimento de pannos finos de
todas as cores, principalmente pretos: bem como
chapeos francezes ; los pretos, do soda e linho ; sar-
ja despalillla, verdadeira ; o todas as mais fazendas
j annunciadas, por progos mui rasoaveis : tambem
ha chapeos do Chili, viudos do Monle-Chrislo da
melhorqualidade, a 16,000 rs.; chitas francezas
muito largas a 240 rs. o covado; ptimas pegas de
lustrim.sem dcfeilo.cdr de'caf, verdee azul, a
6,400 rs '
Vende-se urna venda bem afreguezada para
a Ierra, com commodos para familia e com os g-
neros a contento do comprador, a dinheiro ou apra-
zocom boas (Irmas : o motivo por quo se vende es-
ta taberna tSo bom afreguezada se dir ao Compra-
dor : a tratar na mesma venda na ra Formosa .
n 5.
Vendem-se os effeitos, armago e caixSo, an-
da mesmo a retalho, de urna venda : na ra Velha ,
na esquinado becco de Joo-Francisco, na ultima
Vende-se taina, lijlo de ladnlho, alvenana ba-
tida e quadrada, alvenaria grossa, cal branca e pro-
la barro eareia : tambem se manda conduzir, sen-
do preciso: tudo muilo em conta : no Rccife, >no
iradoBecco-Largo.
Rap nacional JA ndarahy.
A e*lracgIo que tem tido o rap nacional Andara-
hy raostra o quantotom sido apreciado pelos ama-
dores da boa pitada; portanto, sem pro o acharo
fresco em liaras o meias ditas, e frascos de dito
vinjado, no deposito da ra do Trapiche, n. 34, on-
de se vende de 10 libras para cima, c a retalho as
lojas ja annunciadas.
ViuhodeBordeaux.
DEPOSITO
NA RA DA CRUZ, N. 20.
Na loja de Jfos Mauoel
Monteiro Braga, na ra
do Crespo, n. I6,esqui-
na que vira para a
ra das Cruzes. -
*
pi vende-sarja hespanhola, muito superior;
~ll dalos pretos de fil de linho, muito rios ;
chamalote preto de hstras ; panno preto do
todas as qualidades ; casimira preta supe-
rior; ditas de cores, de muilo lindos pa-
drOes; chapeos para senhora o meninas, Cl
muilo ricos; ditos de sol, de seda do muilo \
lindas cores; chapeos pretos francotes, pa- H
fra homem ; jilos de so, de seda |ueU a o m
cores ; fustfles para collele, amarello, bran- fj
en e de cores muito superiores o inoder- LU
jji] nos; luvas de pellica bordadas, para se- |
(w nhora; ditas de seda ; e outras muitas fa
MI zondas linas e de gosto.
Escravos Fgidos.
Vende-se, na ra das Cruzes,
!n. 41, primeiro andar, cal virgem
de Lisboa, para engenho; panno de
linho do Porto, e mar melada nova:
I linio em conta.
I
mamamam mammum -
Vende-se urna casa terrea
B*
, sita na ra Velha
do iNiirroda Btia-Vii ,.. 105; em chaos proprios
e com suflicientes commodos para familia : a tratar
no trapicho do pelournho, com Antonio Coellio de
Mello.
FAZENDA DO NORTE, A 640.
Xa laja nova da ra do Qne-
mado, n. II A, deRaymun-
do Carlos l^eite ,
acha-se um novo sortimento de alpaca de linho, ou
fazenda do norte, a 640 rs. o covado. Esta fazenda
loma-se recuiiiinendavel pola sua ba qualidade o
acertados padroes i seu principal uso he para colle-
les palitos e caigas.
Veiidem-sa duas boa* mtrsvBt crfoula.i, do
bonitas figuras e mogas, to bem e ungommam s3o sadias, e nBo se duvida
ar^a contento para erem experimentadas : na ra
o yueimado, loja.u, t,
-Fugio, de bordo do brigue Eiperattfa, no da
30 do mez passado, um escravo marinbeiro, do no-
mu 'edro de naglo ; representa tor 24 annos pouco
mais ou menos; levou caiga e camisa de brim branco,
chapeo do Chili, he alto, cor preta, magro, com bas-
tante barba e suissas. Quem o pegar leve a bordo do
dito brigue, ou a casa de Amorim irmos que re-
cebera 50,000 rs. de gratificagflo.
Fugio, de bordo do briguo Confianza no da 30
de novembro do anno passado o escravo marinhei-
ro, de nomo Jos, de nago CibSo; reprsenla trinta
c tantos annos, de estatura baixa, sem barba ; levou
caigas do brim, camisa de algdSo, bonete, e mais
um caiga de casimira amarellada, camisa de chita
e uns sapatos. Este escravo sabe todos os lugares da
provincia e tambem os de fra ; j foge por imbito ,
visto que em o apno de 184C tambom fugio de bordo
do brigue Mentor ,e foi capturado para ns parles do
Porto-Calvo aonde se inculcava por forro ; o qual
pertence ao Sr. Jos Mara de S, negociante do Rio-
de-Janiro. Roga-se a lodas as pessoas o as autori-
dades polces, que o apprehendam e levem-no a
ra da Cadeia, n. 45, casa de Amorim Irmflos, que
se recompensar con 60,000 rs. ou mais alguma
cousa.
Fugio, ao abaixoassignado, no da 23 do cor-
rento, o escravo Joao, oflicial de carpna ; represen-
ta 25 a 26 annos pouco mais ou menos de cor ca-
bra, estatura entre baixa o regular, cheio do corpo,
roslo redondo, mal parecido, olhos medianos na-
riz chato o grosso, pouca barba com lodos os den-
tes na frenle cabellos pegados, mas de presento
aparados rentes pernas grossas, ps curios, chatos
e descarnados ; tem um dedo de um p, o principal,
com urna grande cicatriz de um golpe de machado,
isto bem visivel; levou camisa velha do algodflo e
caigas de algodo j rolas; ho muito ladino efin-
ge-se soldado quando chega a ser preso. Quem o
pegar leve-o a casa do annuncianlo ou na d Sa-
cavem Barboza & Companhia,em Macei, ou nados
Srs. Amorim limaos, que ser Irecompensdo gene-
rosameiito.
Francisco das Chaijas Lima lista.
Fugio, do Pogo-da-I'anclla, una preta de ne-
me Luduvina alta, denlos limados com urna das
mflos foveiru um pouco barriguda : quem a pegar
I ovo-a a ra do Alecrim n. 1, que ser recompen-
Fugio, no dia no de Janeiro prximo passado ,
o preto Miguel, de nagflo ; representa 25 annos, de
estatura regular: levou caigas camisa jaqueta e
chapeo ; tom os bcgos encarnados o urna pequea
Taita em urna das orelhas; tem pouca barba e rosto
comprido. Quem o pegar leve-o a casa do seu se-
nhor, na ra Nova, n. 33, que ser gratificado.
Fugio, no (da 18 do passado, um cabra, de
nome Joaquim, alto, rctorgado de idade, com a
barba branca cabellos corridos ; levou um surrio
de pello de carneiro chapeo do baela usado caigas
do algodflo do listros, rolas no ussento; temos
lornozellos dos ps um lano nchados : que o
pogar leve-o a ra do Viga rio n. 24, que ser re-
compensado.
Fugio, no da 26 do passado, a parda Francis-
ca*; representa ter 28 a 30 annos; levou vestido do
cassa com listias miudase salpicos no centro, ca-
misa de madapolio c panno da Cosa ; lem falla de
denles na frente, e urna cicatriz por baixodoolho
esquerdo : quem a pegar leve-a a ra do Crespo,
loja ii. 11, quesera recompensado.
Fugio, no da 28 de dezemhro proxiwo "s--
Jdo do engenho Sauh, freguezia de Una 7 um pre-
to de nome Slm&o, oflicial de carpna de 25 a-
inos, altura regular, ps grandes, nariz chato; quan-
do est de p enverga muito as pernas para tris;
ho muilo disfargado quando conversa ; tem lodosos
denles perfeilos ; tem urna irmfla oeste praga, de
nome Francisca que foi escrava do fallecido padre
Francisco Das, e por esta (rasflo julga-se que aqui
seacha : quem o pegar leve-o ao referido engenho,
ou na ra da Cadeia do liedlo esenptorio de Ma-
uoel Gongalves da Silva.

PeRN, ; NA TT*. PE tt. t. PE rXRJA,' -*l4t J


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EODDWKRX4_7WLF9O INGEST_TIME 2013-04-13T01:17:29Z PACKAGE AA00011611_05404
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES