Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05393


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1848.
Sexta-feira ti
i
O DIARIO pul>lica-se todos os dia* rem de RU 4J00H rs.porquaitel, pn^m adbtnlnilni. Oj an-
nuncios do asignantes r,a inseridos i rasio de
JO ra. porlioha, 0 rs. ern tvpo differente, a as
repensos pela ntetade. Os ou. no forem assig-
n.nte.pagario 80 rs por Unta, a 180 e diuerenU, por cad* publicado
PARTIDA DOS CORREIOS.
PI1ASES DA LOA NO MEZ DE JANEIRO.
I na nova, a 6, i lloras c 11 min. da manilla.
eacenU a 13, s hora e 17 min. da manira.
j.u ebala > s da """Ma.
MiuioauM a I, s Hora a 9 ma. da aaauhia.
foianna ePaialiiha s segundas escitas fen
Rio-Oraade-dn- Norte quintas feiratao meio-dia
Caboj Serinhem, Rio-Kormoso.Porto-Calvoe
Maceio, no I.*, a II e 21 de cada mex.
Oarantiutisa Bonito, a 8 a 53.
Boa-Veta Plores, a 13 e 58.
Victoria, s quiutas-teirai.
(inda, todos os dial.
PREAMAR DE HOJE.
Prlmeira, as horas a 18 minuloi da tarde.
Segunda, as 4 horas a 6t minutos da manba.
j-Ljd----.
txjiajA-igp
de Janeiro.
Anno XXV.
N. 16.
DAS DA SEMANA.
Segunda. S. Anto. Aud. do J. dos orpti. c
do J. doc. da 5 v. r do J. M. da 3 v.
Terca. S. Prisca. Aud. do J. do el, da
v. e rio J. de pat do 5 disi. da t.
Quarla. S. Canuto tud. do J. do cir. dil.
1.e do J. de pax do 2. disl de t.
Quinta. S. Sebastio. Aud. do J.de orpli. e
I i J. municipal da I. v.
Sexta. S. Ignes. Aud. do J. do cir. da !. v.,
e do 1. de pax do i. dist. de t.
Sabbado. S. Gaudcnrio. Aud. do J. civ.da I.
v. edo J. de pax do I. dist. de t.
Domingo. Os Desposorios de N. Sra.
CAMBIOS NO DA JO DEJANEMO.
Sobre Londres a 27 Pars 360 rs. por franco.
Lisboa 95 or 100 de premio.
Desc. de ledras de boas firmis I a tl Va
OaroOncas l-espanholas.... JSfooft a
Moedas de ofioo velb icMoii a
de 8/400 iiov.. i Ufano a
> de 4/000..... 9#"00
/ra< Paiacoes.......... I|M '
Pesos colunwares... l*910
Ditos mexicanos.... I|800 .
Miuda............. IJ900 a
Acedes da comp. do Beueribede 50|000 r*.
ii" ni
?0O
io|aoo
|6#|00
lOinii
IfMO
l#950
IS920
If920
aopar.
uco.
PARTE OFFICtAL.
GOVEP.NO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA DO COMIENTE.
Officio Ao commandante das armas, recominen-
danilo faca desembarcar e recolher a quarteis certas
pracat do quinto batlho de fuzileiros, que chegaram
do l.'i'.ir, coni os desertores Joo Fernandas dos Santos
c Cleinentlno Perelra; e transmittlndo a gula dessas
pracas, assim como osconcelhoa de disciplina), forma-
dos a dex dcllas. Participou-se ao presidente do Cear.
Dito ~ Ao Inspector da thesouraria da fazenda, de-
clarando que, ein cuinprlmento do aviso de 11 de Julho
do anno lindo, d'ora ein diante se nao devem abonar
etapes e forrageus aos cornetas e clarins da guarda na-
cional da provincia. Fizeram-se as precisas coiniiiu-
nicaedes.
Dito Ao director do arsenal de guerra, significando
que o aventarlo dos objectos que estavam a cargo do
er-^haeSaHfe *Ip de ser feltn ante n H*l me aerve
sb su* responsabilidade, visto ter elle declarado que
uo podia assistlr a semclhante Inventario.
Iiitos A o commandante superior da guarda nacio-
nal dos municipios de Olinda e Iguarass e ao inspec-
tor da thesouraria da fazenda, dixendo que o capitao
Joao Baptista do Amaral e Mello Ac dispensado do lu-
gar de Instructor geral da referida guarda nacional, por
isso que esse lugar deve de ser exlincto eni obediencia
ao disposto no imperial aviso de la de julho da> anno
jiroxhuo pasudo.
DEM DO MA 5.
Officio Ao commandante das armas, recommen-
dando faca avisar os vogacs militares da junta dejusli-
ca para a scasa d* 12 desteunez.
DitoAo coronel Jos Cario*Teixeirsn dfcodo-sr por
inleirado de haver S. me. tomado posse do coinmando
geral do corpo de polica.
DEM DO DA 7.
Officio Ao inspector da thesouraria da fazenda, sci-
cnliflcande-o ** haver arbitrado um como e duxentos
mil ris para ajuda de custa de ida e v illa aos depuia-
dos assembla geral na legislatura prxima ; e decla-
rando que esta quantia deve de ser abonada quelles
dos supplentes que, em qualquer poca da mencionada
legislatura, houverem de ir tomar asiento.
Dito Ao commandante geral do corpo de polica,
intelligenclando-o de ter mandado concertar os calla-
boucos do respectivo quartel, e orear a despeza do que
S. me. entende deve de ser construido.
Dito Ao tenente-coronel da guarda nacional do Ca-
bo, Jos Tlinmaz de Aguiar Pires Ferrelra, desgnando-o
para substituir o comiuandante superior da inesina
guarda, nacional emquanlo se elle adiar impedido.
PERNAMBUCO.
' i
Lisia geral dos cidadot residentes no I. e 2.' dislriclo
do termo do fecife, que teem at qualidadei exigidas
por lei para terem jurados, organisada pela junta
revisara em 10 de Janeiro de 1848.
(Contnua?ao Jo numero 15.)
Dr. JoSo Capisl'ino BaniJeira ce Mol lo.
Jos Pereira da Cunta.
Jos Das da Silva.
Jos dos Santos Nunes deOKveira.
Jos Thomas de Freitas.
Jos de A mor ni Lima.
Josquim Rufino do Rcgo.
Jos Marques da Cosa Soares.
Jos Joaquim Bezerra Cavalcante.
Jos Ignacio da Costa Monteiro.
JoSo Pacheco de Queiroga.
Jos Marinho Pcreira dos Santos.
Joaquim de Oliveira Souza.
Joa Pires Ferreira.
Tenente-coronel Jo8o de Pinho Borgea.
Capito Joo Monteiro de Andrade Malvinas.
Coronel Jos d e Barros Falcilo de Lacerda.
JoOo de Freitas Barboza.
O OIJQIJI' DE GUISE. (*)
por rjffeDcttco ^>oulie'.
SEGUNDA PARTE.
I.
Tlnha-sc j passado um mez depols da ebegad de
Henrlque de Lorena a aples, e ja os Hespanhdes ti-
uham sido expellidos dos postos ayancados que oceupa-
vam entrada dos arrab.ildrs ; esjieiava-se a cada mo-
mento o auxilio de urna frota mandada pelo cardeal Mj-
arino para njudar a cmprrza do duque. Haviani-se in-
troduzido alguna vveres, e tomado medidas enrgicas;
de maAeira que, havendo os roubos cessado em fiarte,
ia renascendo a conflanca dos habitantes ricos da cfdade.
Mas, medida que os negocios da repblica melhora-
vam, a posico pessoal do duque de Guise se tornava ca-
da vez mais perigosa.
Era noite fechada, quando mu honiem de alto porte,
embucado n'uma comprlda capa, bateu pona de urna
casioba isolada.
Jeronymo,Jes Ferrqira.
Jos Pacheco de Queiroga-
TenentoJos C.ougalves da Silva.
JoSo da Costa Monteiro.
CapilSo Jos Concnlves de Miranda.
JoSo Antonio da Veiga.
JoSo Pinto de Lomos.
Jos Baiboza de Miranda Santiago.
Tenenlo JoSo dcS 1-eilSo.
Jos Ignacio da AssumpcSo.
CapitfloJos Francisco Pires.
Dr. Jos Bento da Cuha Figueiredo.
Tenento.Joao Arcenio Barboza.
Joaquim Rodrigues Pinheiro.
JoSq Cancio Comes de Silva.
Jos Joaquim Xavier Sonreir.
JoSo Xavier Cameiroda Cunha.
Jos Antonio dos Santos e Silva.
Jos Francisco Pinto Guimarfles.
Jos Narcizo Camello.
Jnft/j \nlr,nin VillosApn
Major Jos Egidio Ferreira.
Jos Bento da Costa.
Teento JoSo Cavalcante de Mello e Albuquerque.
Major Justino Pereira de Parias.
Jos Jeronymo de Souza Limoeiro,
Joaquim Claudio Monteiro.
Joaquim dos Santos.
Jeronymo Cesar Marinho FalcSo.
Dr. Joaquim Jos da Fonseca.
Jos Jeronymo Rodrigues Chavea.
Dr. Jos Francisco de Paiva.
Coronel Jos do Btit* Mrgtex.
Jos UaMstmo Eefte.
Terrenle Jos Pedro da Silva.
JoSo Morcira Marques.
Jos Joaquim do Almeida.
Dr. Jos Bernardo Gal vilo Alcanforado.
Jos Luiz Pereira.
Jocomc Gerardo Mara Lumachi de Mello.
Dr. JoSo Jos Ferreira de Aguiar.
Dr. Joaquim do Aquino Fonseca.
JoSo Fernandos da Cruz.
Jos Joaquim deMisquila.
Joaquim Jos Pinto GuimarSee.
Jos Fcrnandes Eiras.
Jos Gabriel da Silva Loureiro.
JoSo Bcrnardino de Vasconcellos.
Jos da Itocba Prannos.
Dr. Jos Mamedo Alvcs Ferreira.
Coronel Jos Peres Campcllo.
Joaquim Antonio de Faria Abreu Lima.
Jorge Vctor Ferreira Lopes.
Major Joaquim Caetanode Souza Coussero.
Joaquim 0a Silva Pereira.
JoSo Jos de CiirvalhoMoras.
Joaquim Luiz do Mello Carioca.
Joaquim Carneiro Machado Ros.
Jos Machado Freir Pereira da Silva.
Jos Lourenco Bastos.
JoSo Alvos deCarvatho Porto.
Ignacio de Barros Barreto.
Coronel Joaquim Canuto d Figueiredo.
Joaquim Jos da Costa.
JoSo Ribeiro Pcssa de Lacerda.'
Jos Lopes Roza.
Jos Xavier Faustino Ramos.
CapilSo Jos Ignaci o Soares de Macedo.
Jos Alvcs Guerra.
CapitSo Jos Joaquim de Sa nl'Anna FrazSo.
Dr. Jos Eustaquio Gomes.
Tenente Jbs Ignacio do Reg Monleiro.
Major Jos da Silva CuimarSes.
Jos Maria Cesar do Amaral.
Jos Mariano de Albuquerquc.
Jos Ignacio da Cosa Monteiro.
Jos Baptista lliboiro de Farias.
JoSo Nuns da Fonseca GalvSo.
Joaquim do Pontea Marinho.
JoSo da Malla de Miranda Castro.
JoSo Manoel Miguis.
Jos Iligino de Souza Peixe.
JoSo Manool Ribeiro de Couto.
'*) Vlde Piarlo .* 12,
Quem est abi? perguntaram de dentro dessacasa.
Sou en, Miguel Santis.
A quem procura ?
Procuro a Carnlule Scoppa; no he aqu que elle
inora?
Aqu beque elle morava antes de Irassistirpara o
palacio do duque de Guise, respondeuum rapaz; mas,
presentemente, bciu poucas vezes c vcni, e agora nao
est ein casa.
Poisbem! respondeu Miguel Santis, elle hade vir
esta noite..... ndala, abre, patife, se nao queres que
arrombe a porta. .
, Abre-lhe a porta, Francesco, dlsse de dentro a voz
quasi extincla da urna moca ; mas dize-lhe que a doen-
Ica e. a morle morara nesta casa.
" Francesco (era,elle esse rapaz) abri aporta aocar-
niceiro, e irausmiltiu-lbc as palavras dk enferma.
Bem sei, disse o carniceiro entrando, que a sobri-
nlia de Carniole esticom urna icrrivtl moleslia; mas os
signaes que tu me vis' por esta cara lambeta te pro vam
que eu nodevo temer as bexigas. Ali! conlinuuu o car-
niceiro, appioxlinaiido-seda cama em que padeca a in-
feliz Apila, somos uiocos, bellos, ainados, eramos na fe-
Ilcidade que nos sorrl, e d'ahi vea um da ciu que uta I
hlito envenenado nos passa pelos labios durante o sola-
na, e no diaseguinle acordamos coin afronte calva co-
ma um vclbo, cota os olbos escorchados, o rosto crivado
de horriveis cicatrizes, e quelles que brlncavam com-
nosco na'vespcra se desviara de mis cout tedio; quelles
que nos amavain nSo nos rcconbecem piis; c enliiu
lornamo-nos raaos, crueis, vingallvos ; clao.....
Enliio, disse Aila coin voz melga e triste, inorre-
uios cperdoainos
Santis approxiroou urna lux da cama, e olbou para
A ni la, a qual fez um esfurco para se esconder.
Coin os diabos! disse elle brutalmente, Isso val
JoSo Joaquim de Figueiredo.
CapilSo JoSo do Reg Barros FalcSo.
Jos Feliciano Portella.
Jos Lourenco da Silva Jnior.
Jos AfTonso Ferreira.
Joaquim Marinho Cavalcante do Albuquerque.
Jos Victorino de Lemos.
Joaquim Coelho Cintra.
Justino Martyr Corroa de Mello.
Ignacio Francisco,Pereira da Silva.
Joaquim Jos doaiiriida Jnior.
JoSo Evangelista Nery da Fonseca.
JoSo Manoel Rodrigues Valenrja.
Jos Maria Ildefonso Jacomoda Veiga Pessa.
Jos Maria de Castro Nunes.
(Conntwr-ss-Ao.)
MARIS IIE PUMIIUCO.
iunajUJ au jjm i/4iiiiLn'i_i iU, 28<13a
Em rasSo de havermos recbido mui lardo as ga-
zetas que hontem trouxera o paquete inglez, nSo
nos foi possivel por os nossos leitores no alcance
de toda* as noticias interessantcs que colhmos
nelhrs ; e por isso preeneberemos hojo semelbante
larefa.
As demonstrares patriticas sempro eslSo na
ordem do da, nos diffarentes estados da Italia. Re-
ferimos honlom as manifesta^fes publicas que, em
Roma e Lime, ocolheram a noticia da queda do
Sunderbund ; accrescenlaremos boje que, nos prin-
cipios de Janeiro, o povo de Genova celebrara com o
mais fervoroso entbiisiasmo o anniversario do tri-
umpbo alcanzado contra os Austracos pela rep-
blica ile Crtiova, no anno de 1716. Dcpois do />-
Heum, queso celebrara com grande magnifcencin
na calbedral, asruasfram esplndidamente illu-
minadas, c una brilhanta mocidade a percorrra,
cantando o hymno palriulico i Sorgite, Ualiani ,
e dando vivas independencia de Italia.
As noticias de Franca chegavam'a 16 de dozombro;
mas nada importante occorrra nesse paiz. Os ban-
quetes reformistas mulliplicavam-so c a propria
magistratura tornava parlo no movimento ; o que
parece indicar completa unanimidade na opniSo
desse paiz, a respailo da necessidade de urna re-
forma eleiloral.
Guizot anda conlinuava no ministerio, e falla-
va-se em grande mudanca nu pessoal dos agentes
diplomticos do gabineto das Tulberias. Entro mi-
tins remoldes dava-se como certa a do conde de
Bois lo Comte, cujas relacOes com o governo da Suis-
s* setinham difticullado pelo papel que represen-
tara nos acontecimentos que ltimamente pertur-
baran! esse paiz.
Do Madrid baviam noticias at o da 11 do dezem-
bro. O senado, no da 9, autorisra o duque da Vic-
toria, I). Baldomcro Espartero, a tomar assonto em
seu aeio. Na mesma scssSo, o novo marquez do
Douro, o general I). Manoel de la Concha, aprovei-
tou a discussSo da resposla a falla do tbrono para
reclamar contra a omissSo que so notava na dita
falla acerca da intervencSo em Portugal.
Ao passo quo o marquez do Douro procurava dcs-
l'arle atlrabir a atlenrSo publica sobre os louros
facis que colhra na Ierra lusa, o duque de Soulo-
Mnior, na camina dos depulndos, dava*as precisas
explicacOes ;sobro o papel que o gabinete de S-
lldefonso representara na questSo porlugucza. De-
clarara elle que o motivo da inlervcn^So frn a al-
lianca dosselembristascom os partidarios de 1(. Mi-
guel, o o designio, confessado pela coallisuo, de
desthronisarS. M., a rainha de Portugal. Accrescen-
tou, cunta loda a evidencia, que lodos os artigos
do protocollo e da convenci de Granudo linham
sido integralmente executados, e que as elci^Oes
que so eslava procedendo proporcionariam a rainha
omeiode cscolher, na maioria das cmaras, um
ministerio conforme aos volos manifestados pela
nacSo.
a ni laaiiiiiiiaism-iMiiiiaaaBSfaaaaaaaaasaxaMaaaaaMaaaaaa
mal; e tu, accrescentou elle voltando-se para Frances-
co, tu, que nada ainda te ha preservado desta molestia,
vicste allronta-lu ?
Vlm, respondeu Francesco, e se cu devo cahir do-
ente, permita Dos queseja eu quem fiquei desfigura-
do, porque a bcllexa de um hoiiiem nao est no tost ;
est ai|iii..... c aqui, accresccnlou elle levando succes-
sivameule a mao cabeca c ao pello Altai disso, con-
tintiou elle depois de um profundo suspiro, eu nao sou
amado.
Pobre Francesco! murmuren Auila, quanta bon-
dade tu tena!
Nao ; respondeu elle, eu te amo, Anita ; nao sou
como Borgla que, quando Ihe eu disse a la niulAlia,
respondeu-me dando-me seoslas: He pena, porque
era uina bonita rapariga.
Pouco rae importara as palavras e os entntenlos
do conde de orgia, disse Anita. Dos me perdc' nao
era por elle que eu gostava de ser bella.
E entu por qaent era? perguntou Santis chaca
teando.
Por quem ?....... acudi Francesco coin clera,
Vc-se, pois, quo o governo hesponho! se acha pou-
co disposto a apoiar as rccIamaQOcs do Inglaterra,
acerca da violacSo, pelo governo portuguez, dcslo
mesmo protocollo, cujas disposicOcs hSo sido ISo
escandalosamente Iludidas, oque o Ilegal o san-
grento Iriumpho do partido cabralista encontrara
apoio em Madrid. Fcil he reconhecer ahi a influen-
cia do actual governo francez, que, apezar de sor fi-
Iho do urna revolucSo popular, sempre esH prompi
a apoiar a oppresso, onde qur que ella elisia.
No mesmo dia 9 de dezembro, recobra a rainha
a depulafSo encarregada do apreseiiUr-lhe a respos-
la da cmara temporaria falla do Himno ; e na sa-
bida do correio recebra-se da Catalunha a partici-
padlo de alguns reconlros havidos entre as tropas
constitucionaes c as guerrilhas carlistas, cuja, mor
parle j hadesnpparccido.
As gazetas de Calsrhuc, na data de 10 de dezem-
bro, annunciavam a abertura da cmara logislativa
do grSo-ducado do Badn. OgrSo-duque, no discur-
so que recitara nesta occasiSo, annunciava queoes-
tado linanceiro deasu pui/. fa iisuiigi rc-aySo
criso actual, e promettia apresentar cmara di-
versos projectos de lei, relativos abolicSo do al-
guns direitos foudacs ainda existentes, a adopco
dosystema prussiano para o recrulamento doexer-
cito, e diminuicSo de alguns dircilos do alfande-
ga. Ao rematar o discurso, ogrSo-duque participou
a cmara, que, cedendo s roclamacOcs dos seus
subditos, adoptara convenientes medidas para re-
freara liberdado de imprensa, e pedio-lhe qseu con-
curso para reprimiros principios communistasque
iam grabando pelo territorio de Badn.
P.csenlc se o discurso do grSo-dnque d influen-
cia franceza, c do terror quo Ihe inspira as recentes
revolucOes dos principaos cantOes da Suissa .elle
receia-se que as mesmas causas impillam tambem,
no sentido compressivo, ao novo eleitor de llesse-
Cassel, que, na sua resposla s felicitac,Ocs dos esta-
dos, aiinuncira a inteucSo de propor breve algumas
inoiiilicaces na constituicSo exislenlo.
Cartas de Amsterdam to dia 15 de lc7mbro rn-
feriam quo liouverain ltimamente frequenles reu-
niOes do concclho dos ministros, sOb a prosidcncia
de cl-rei de llollanda, e que a presenca do principo
deOrange e do principe l'rederico, nestas reunios,
occasionara que so easialliasscm novos boatos de ab-
dicacSo. -
As noticias dos (dos-Unidos chegavam ao 1.0
de dezembro, dia |Hue vapor Acadia satura de
New-York para LivURl. Ocongresso cderal devia
rounir-se em Wahsington, no din 6 do dezembro, o
julgava-sc, que, se 11S0 bouvesse demora na escoma
do presidente, o congresso seria constituido no da
7,o receberia nesse dia a costumada mensagom do
presidonle da repblica.
Ainda nSo se sabia quacs baviam de sor os princi-
paes tpicos desle imprtame documento; entre-
tanto, julgava-so queo presidente pedira mais tropa
e mais dinheiro para a guerra do Mxico; pedido que
seria enrgicamente combatido por M. Clay o pelos
outros oradores do parlido wbig.
Do Mxico nSo baviam noticias posteriores s que
j demos aos nossos loilores em o n. 29i do anno
prximo passado, o julgava-seque a lula ainda du-
rara por muitotempo.
No Canad o parlamento fora prorogado ate*de
Janeiro, e cornam boatos de dissolucSo.
Na Nova-Escocia, a cmara fura convocada para o
dia 22 do corroute mez.
Eis, pois, o resumo de todos os factos polticos de
alguma importancia quo encontramos as gazetas
inglezas. Finalisaremos este artigo com urna noti-
cia de outro genero.
O Olvbe de Londres annuncira que S. M. a rainha
Vicloria se achava novamenlo n'uma interessante po-
sigSo, cujo desfecho era esperado para o mez de mar-
c,o prximo futuro.
Com mu nica do.
Parti hontem, no brigue brasileiro Aero, o Sr. ma-
jor Jos da Silva Cuimares para, a provincia do Rlo-
wtmgm^sesa^BMswsisaeu^is'UJaMzttsswse&ssttsKeswstswgM
um grande nome! exclamou repentinamenle urna voz
irritada que interrompeu sbito a Santis.
Era Carniole que cutrava, e lancava com furor o cha-
peo para um canto e a espada para outro.
Ah disse Santis cun riso cruel e alegre, tambera
tu?..... tambera te chegou a tua vez como aos outros'.'
Fei o duque de Guise que te enchotou como fez ao velho
Genuino, ou quebrou-te elle a bengala na cabeca?.....
Como te fez a ti no mel dos teus, na praca do Mer-
cado-Novo, respondeu Carniole, para te castigar pelas
tuas insolencias. Nao, meslre Santis, o Guise, principe
eduque como he, nao me fez semclhante injuria; nao
era preciso tanto para que na rainha espada bouvesse
mais uina carnada de sanguc real.
Francesco sordo, baiendn palmas cexclamando:
brava.' Isso he que heser liomeui!..... nada de ve-
nenos! a espada! a espada.' aluda bem !
Oh I nieu Dos! que he que Vin. dlx, inca lio? per-
Iguntoa Anita asscntanilo-se na cama. -
. I Pola que! disse Santis abaixando a voz eincliuan-
do-se para Carniole, como quem eslava sorpreso e arre-
batado, tu te atreva a mala-lo?
por.,
Cala-ic, Francesco, disse Anita como quem suppli-
cava; isso seria trahir o segredo que tu sorpreudeste
nos delirios de meus amibo. Nao he por miaba culpa,
que eu o amo..... Eu nao o quera ; foi Dos que me ins-
pirou esta fatal paixao, para me punir da miaba vaidade
paasada; foi elle quem me enviou este mal lian i ve I pa-
ra castigar as miabas loucas esperanzas.
Tambem esta estar como todas as tnulheres de
aples? perguntou Santis em toni brutal; estar ella
apaixonaila por case malvado Frauces, por esse princi-
pe insolente, por esaa...?
A morle e maldicao caiam sobre esae infame Lo-
rena, sobre esse farcola atrevido, resiu degenerado de
Carniole poz-sc a olhar para Santis com ar de despre-
zo, e d'ahi accrescentou encarando-o fixo:
Vamos l, pata que rae mandaste tu dlierque vles-
se aqui? que me queres tu .'
Pde-se Tallar? perguntou Santis assignalando con
o canto do olbo a Anita ca Fraiicc&co.
Aila nao pode ser indiscreta, respondeu triste
Carniole; coltada! accresccnlou elle baixinbo; ter sido
lo bella! e agora!..... Oh! se ella fsse oque j foi,
seria eu agora mestre-dc-canipo-gcneral..... Quauto a
Francesco, contlnuou elle n'um lotu spero, guardar
segredo..... o odio he discreto, e nao sel porque he que
elle detesta o duque, talvez mais do que tu.
I
\
MUTILADO




gundo de cacadgres. Tendo se- vido desasis annos con-
sr utivos nesta provincia, e sempre tnerecrndo a confi-
anca e elogio* dos sens superiores, o Sr. inajor Gnima-
ra.s-irm direito a que lamntenlo a ausencia d'um mi-
li mr honesto, embora v prestar seua servicos em outro
lugar. Nem mrsiiio o* violentos abalns por que apol-
tica tcm feito passar a provincia de Pcraainbuco, fize-
nm com que ese digoo cidadao adquirase um s ini-
mlgr : nossos adeoses e nossas saudades o acompanheni,
e o mar Ibe seja bonaucio.
Varicdade.
OS DOUS CASAMENTOS NOTEMPO DEIAJ1Z XIII. [?]
II
Com mil demonios, murmurou entre denles o
marquez.nunca esperei urna cousa somelhante. Ter-
ye-ha visto nunca urna sorto peior do que a minha !
Leve o diabo os criados honrados Talvez nSo exista
senSo um no mundo, e esse desgraciadamente he o
que me serve. Antes mil vezes eu quizera que La
lerrisse fosse um maroto, um desavergonhado, um
Jadrao, como todos os outros... ao menos osses se
roubam os amos, n8o Ihcs d9o conselhos, nfio Ihes
razom sermes, sBo verdaderamente criados, e n3o
se atreven, a tomaras manciras de mentor, nem a
. .sv uc {..^wpiuici.... ijuu !1G qS pec mira:
JJe certo que nenhum favor, nenhuma cousa extraor-
dinaria; pelo contrario, ho a cousa mais simples e
vulgar, a mais comnium, a que toda a gente pos-
euo....,Uu1 criado maroto, a quem possa por no meio
la ra quaa.lo me parecer. Certamente que nao foi
vontado rt que lioje me fallou ; mas sim o poder,
espedir l.a TerrisM seria um crime imperdoavel no
tribunal da minha familia: antes eu me passasse pa-
la o inimigo, ou fabricasse moda falsa, o que me
seria muito til, nao a tendo verdadeira. At os
meus amigos grtariam taoalto, que seouviria no
ceo ; mou pai me desbordara...pois foi elle que me
aeu La Terrisse para me servir; e Dos me faria urna
grande merc, se fizesse com que elle voltasse para
casa de ineu pai Velho radiador, que nada entende
ua vida de um rapaz, que n3o sabe serillo resmuiigar
quando perco, resmungar quando ganho, resmun-
gar e pregar quando estou enamorado. Levo-o o dia-
bo : aeem seu lugar eu iivesso um criado, como lo-
dos os criados do mundo, amanhSa poderia fazer fi-
gura nos saldes da Sra. de Guebriant, amanhaa po-
ueria ievar-lhe o leque, emquanto que agora terei
que ir com as mflos abanando.
Talvez nunca amo algum fizesse um soliloquio
semelhante sobre a demasiada virtude do seu cria-
do; e he por isso que o animado monologo do Sr.
de Chauvelin podia passar por urna peca curiosa.
Anda teria continuado com elle, se n3o fosso inter-
rompido por tres fortes argoladas que deram na por-
ta. Um quem est ahi? se apresenlou naturalmente
na bocea do marquez, c diminuto alguma cousa a
colera que o dominava.
Eu, respondern! de fra.
Este pronome vago, que mu i tas vezes se costuma
dizor em semelliantes occasiOos, equivale a um no-
me, que nem sempre se adivinha, e que nos ignora-
mos completamente a respeito da pessoa que bata
porta do marquez ; porm este devia conheccr mili-
to bem o individuo donde tinha sabido a voz, pois
abri a porta inmediatamente.
O' l boas noiles compadro Basilio, disse elle
a um velho, que ficou collocado, em p o com o cha-
peo na m9o, porta do quarlo.
O compadre Basilio era um dos ourives da corte;
porm, apezar da sua profissSi costumava vender
cm muilas occasioes ouro e prata, sem outro feilio
quo o que Ihe tinham dado na casa da moda, o ga-
nliava mais naquell negocio clandestino, do que no
commercio appaiente com que acobertava a sua in-
dustria de usurario. Era um vedijudo, cujo rosto
leria ficado escondido dentro do chapeo, se o tivesse
posto na caliera, e quo tiulia a inesma cor arrochada
que o seu pescoco, quo nao fazia menos pregas do
que rugas se viam na sua cara.
Um gibBo bastante curto, de panuo pardo, Iho
ajuslava o corpo, e, segundo a moda daquelle lempo,
deixava ver a camisa antes de chegar aos ampios
calcos queserviam a Basilio de armazem porttil.
A sua humilde posicSo, conservada ainda depois quo
o toin do familiaridade do marquez pareca que o
dispensava della, indicava suUicientemente que a-
quele homem suba medir as distancias, e que, so as
obsorvava quando Iho eram desvantajosas, era para
adquirir o direito de as fazer respeilar tamben),
quando em algum outro terreno podessem aprove-
tar-lhe.
Com que, senhor marquez, disse o velho, de-
pois de apagar urna lanterna que tratia accesa, ama-
nhSa he o grande dia ; e no fazemos negocio a res-
peito daquelle leque?
Ainda o tem .' disse o Sr. de Chauvelin, como
para recordar ao ourives os poucos compradores que
tinha encontrado para aquello atavio.
o ourives condecen a inlencSo da marquez, e dis-
su-lbe com serendade.
Tenho-o, porque o hei guardado para V. Ex.,
. i .. *"_*. i u
senhor marquez, porque de outro modo ha j multo
tempo.....Agora mesmoo leve quasi ajustado umfi-
ualgo da corle.
Pois n8o deixe de o vender por minha causa,
porque agora nao Ih'o possso comprar.
Tanlo peior, disso o ourives, e ajuntou logo :
tanto peior para V. Ex., porque emquanto a mitn,
isso nfo me incommoda. Vale cem dobres, como
um escudo.
Nao digo o contrario, masJk.
--Oh diabo! murmurou por entro os dentcs o
ourives, cocande-se atrs daorelha. Ter-me-hSo
engaado ? n8o tere recebido o qoe me disseram ? E
depois ajuntou em alta voz : ah! j sei o que he. V.
Ex. fixou a sua altencfio n'outro objecto.
N3o, por certo, disse o marquez, interrompen-
do-o.
EntSo nio-o en tendo, disse comsigo o velho; e,
como para experimentar qual das contradicefles de-
via acreditar, fez como que se retirava, dizendo:
~ Tenha felizes noites, senhor marquez; V. Ex.
bem sabe que estou sempre s suas ordens, e perdoa-
r se o incommodei. E accendeu a sua lanterna para
ir-se.
O Sr. de Chauvelin acompanhou-o at porta, e
i no caminho Ihe disse :
1 Confesse, compadre, que tem bom faro; ao me-
I nos inclina-so sempre para aparte onde ha dinhei-
ro.
Esta palavra produzio um effeito mgico e instan-
tneo no ourives, que se detevo e apagou a sua lan-
terna, para n8o gastar a vela, durante a conversa-
rlo quo se ia enlabolar. Feito isto, voltou-se, e por
conseguinto achou-sc de frenlo com o marquez, que
Ihe pz a m.to no hombro, repclindo :
He preciso quo tenha o faro muito fino, a 1180
ser que alguem o pz ao fado da remessa de duzen-
los dobres que tive.
Duzentos dobres! exclamou Basilio com urna
admiracffo hypocrita. Asseguro a V- Ex. que ainda
ninguem m'o tinha dito. Porm, entretanto, dizia
comsigo:
Nao me tinham engaado.
Duzentos dobres continuou em voz alta, e
n8o quer V. Ex. comprar um objecto sem igual,
summamente rico, e feito com o maior primor! Pois
su 1 lia que he urna occasiSoexcedente, eque se dou
18o barato o leque, he porque ha taita do dinheiro, e
os lempos estilo mos.
E tambem ha poucos compradores, respondeu
o marquez, emquanto o ourives tirava do boleo dos
caigo es una caixa de marroquim, e della o leque, o
qual abra e mostrava por todos os lados, para exci-
tar os desejos e fazer vontade de comprar ao mar-
quez.
Veja V. Ex. como he lindo este relevo! dizia
Bazilio, mostrando-lhe as varetas principaes, consi-
dere com que graca pende este cordSo, que as senho-
ras chamam tremente.
Dizendo isto trata va de imitaras maneiras das se-
nhoras da corte, maneando o leque, e dizendo com
voz affectada:
Que Ihe pareceu, minha chara amiga, o ultimo
baile do cardeal? ~ Brilhantissimo IEu dancei
um minuele com o Sr. to Avaux, superintendente
geral da fazonda. E eu urna pavana [t], com o ma-
rocha! de Schomberg. Havia umitas rebecas.
Mudos astuciosos era o que havia.
Por mais grottesca que paraca a grosseira parodia
de Bazilio, n8o deixava de produzir no especta-
dor o effeito que se desejava; pois o marquez, allu-
cinado pea sua imagnacBo, collocava a m8o branca
e delicada da Sra. de Guebriant no lugar que oceu-
pavava a grosseira nio de Bazilio. Quando este co-
nheceu que o seu comprador eslava sullicientemen-
te excitado, fechou o leque, e foi-o guardando, di-
zendo :
Na verdade, uo sei porque estou incommodati-
do V. Ex., com estas impertinencias; porque, como
diz o rifao, em gostos e em cores.......J vejo que o
meu leque uo Ihe agrada
Asseguro-lho que se engaita completamente.
Pois que, parece-lhe muito caro '!
N8o digo isso.
Entao be porque nflo Ihe agrada ?
Pelo contrario, agrada-me muito.
Pois nesse caso lique V. Ex. com elle, o tudo es-
t acabildo.
O! eu uo desejo oulra cousa!
E quem impede quo V. Ex. faca isso? Julga
que sou homem sem palavra Cem dobres, e o le-
que heseu.
Cem dobres! se eu os tivesse I respondeu o
marquez.
(Qmtina.)
[*] Vide Diario n. 7.
Crelo que sabes o que succedeu esta manhaa em
palacio.
Esta manhaa eu introduziaum combo! de trigo pe-
lo arrabalde de Chiaya, disse Carniole; mas sei o que
acaba de suceder-me; sei que, quando fui pedir ao du-
que de Ouise una recompensa, elle iri'a recusou, como
se recusa a um lacaio ; porm eu te prometi, meu du-
que, que in'obas de pagar bem duro 1 Mas vmosla,
dize-uie o que tens a ditcr-ine.
Creio que tambem sabes a historia da marqueza
d'Attavianna.
Sei, disse Scoppa, e sei que a despeito dos passa-
porte* que Ihe dera o duque, prenderau-na ao pastar
pela porta d'A verse; que tu Ihe maltrataste os tcalos,
roubaste a carruageni, limpasie as ca rojas de quanto
levavain.....
Tinha o direito de o fazer, respondeu brutalmente
Santis, e be uina traicao do Franccz dar passaportes aos
nobret para que possara carregar as riquesas que d'ora
ni diaote perteneca ao povo.
Se tu roe tivesses dito isso ba tres horas, replicou
Scoppa em tom de desprezo, ter-te-hia dado com um
pao no lombo para te ensinar a unir palavra traicao ao
iiome do duque de Guise. Mas agora podes fallar. Con-
liua. Eque succedeu dessa aventura da marquesa de
Attaviauna ?
Succedeu que o duque me inandou chamar amiga-
velincute esta mauliaa por Cerisaote, que he um dos
Franceze* que vieram com elle. Fui casa do duque de
Guise com alguna dos meus' inelliores coinpanhciros pa-
ra Ihe testeinunhar-mos o nosso descontentamente e
d-se maiur traicao ? I Apenas chegiuos a palacio, fe-
nos cercar e desarmar pelas suas guardas i quiz atener-
nos medo; eo que nos valcu foi mostrarinc-nos Armes
c (esos, coui o que nos inandou soltar.....e.....
COMMEFtCIO.
Alaadega.
IIENDIMENTO DO DIA SO............2:932,469
[1] Danca antiga.
=
Detcarrtgam hoje, 21 de Janeiro.
Brigue Coitceicaa-dt-i] aria- mercado ras.
Brigue aruf'y-B'iru!farinha.
Patacho San-Joi-Azuricsr.s fumo.
IMPOUTACAO*.
Hrandy-Wim, brigue americano, vindo de Ricbmond,
entrado no corrente mes, consignado a Malheus Auttin
& Companhia, inanifestou o srguinte :
1,540 barricas farinha de trigo, 2 fardo* algodaozi-
nho ; aos consignatarios.
CONSULADO GERAL.
HENDIMFNTO DO DIA 20.
fieral......................... 3:290,980
Diversas provincias........
177,517
3:468,497
CONSULADO PROVINCIAL.
RENMMENTO DO ni A 90........... <:IA7.7il
Mentes com quantos deutes tens na bocea, patife,
disse Carniole interrompendo arrebatadamente a Santis.
O duque ordenou-le que Toases ter com elle, e tu obede-
ceste, com o terror na alma e a insolencia na bocea......
Entraste livre no seu palacio, e gritaste como um desa-
vergonhado. Elle poi-te em cima os olhos fascinantes, e
tu le perturbaste; disse-te que tu eras um infame la-
dran, c tu abaixaste a cabeca ; ameacou-te que te faria
pendurar por um p, supplicio inteirameute do leu gos-
to para os outros, c tu te poicsle de joelhos, desculpas-
te-le, juraste por todos os santos, nos quacs nocrs, de
nao tornar mais a faier das tuas; entao o duque, que de
fraco parece s vezes louco, que he generoso at s ve-
zes ser imprudente, perdoou-te, e consentlo que te vies-
ses embora. *
He verdade, disse Sanli* chelo de clera, mas de-
pois de me ler feito restituir tudo o que cu havia tirado
a marqueta.....
He isso que eu ia accresccnlar.
Entao tu eslavas em palacio?
Nao ; mas conheco o duque e te conheco a ti tam-
bem, que s o velbaco mais cobarde de toda a cidade de
aples. Anda l, anda l, continuou Scoppa em tom de
despreio, nao herase* o bigode, 11:0 re torcas os olhos
como um furioso; isso he uoin para enganar a Peppe-
Palombo, e ao Pioooe; os quacs, porque sao valentes,
julgain que o* outroa tambem o sao ; mas eu conheco o*
patife* da tua laia, e para t'o provar, vou poupar-te o
reto da confidencia que me queres fuer. Tu vieste aqu
parame proprque traa o duque, e que conspire con-
tra elle.
Santis nao retpondeu nada; eslava chelo de medo,
sem saber de que modo acolberia Scoppa as suas propo-
siede* ; ladeou, pois. a ditficuidade, dizendo:
Entao o duque te insullou tambem t
A que vciu itao o caso ? disse Scoppa.
Movimenlo do Porto.
Navios enlradoi no dia 20.
Ilha-Branca ; 30diaa, barca ingleza Mtrgmt-SktlUr, de
426 tonelada*, capito D. Topping, equipagem 19, em
laatro ; a Me. Calmont S Companhla.
Sumatra; 33 das, galera americana Sooloo, de 440 tone-
ladas, capitao athoniel Rravrn, equipagem 17, carga
plmenta ; ao capitao. Velo para receber orden*.
Parahiba ; 3 dias, hiate brasileiro Sautt-Crui, de 22 to-
neladadas, capitao Antonio Manoel Alfonso, equipa-
Srin 4, carga toros de mangue. Passageiro, Cypriauo
ntonio Rodrigues, Brasileiro.
Terra-Nova; 34 dias, brigue ingle* Uary-Houniil, de 187
toneladas, capitao John Baker, equipagem 12, carga
2,286 barrica* de bacalbo ; a N. O. Hiebcr It Com-
panhla'
Havre ; 36 dia*, barca franceza Jalla, de 170 tonelada*,
capitao Beduchand, equipagem II, carga fazendaa ; a
I.asserre & Coinpanhia. Passageiro*, Mr*. Alie Four-
nier, Rouard, Alphonse Garnier, Joseph Bordeaux,
ndame ltidoux, Franceze* ; Jean Jaque* Merki, Su-
isso ; Herculano da Silva, Brasileiro.
Navios sahidos no metme dia.
Genova ; barca sarda Calharina, capillo Pedro L.
Navarro, carga assucar.
Itio-de-Janeiro ; brigue-escuna brasileiro Filit-
Ytntura, capitao Joo Concalves l.eite, carga as-
sucar, ago'ardente ornis gneros.
Rio-Grande-do-Sul; brigue brasileiro Ntro, capi-
tao Pedro de S Faria, carga vinhu, assucar e mais
gneros. Passageiros, inajor Jos da Silva Cui-
maraes e sua familia, o soldado Manoel Ferreira
de Jess, e 2 escravos a entregar.
Falmoulh ; brigue inglez C.-T.-Huiln, napilSo Jo.lo
Pattot, carga assucar.
Philadelphia ; barca americana Navarrs, capitSo Ja-
mes Viacock, carga assucar e couros.
EDITA ES.
Rodriga Thtodorod Freitas, oficial da imperial ordem
da liosa, cavalleiro da de San.-Bento-d'Avi*, condeco-
rado com a mtdalha da restaurarn da llahia, por 00-
casido da independencia, capildo de mar e guerra gra-
duado d armada nacional e imperial, inspector do ar-
senal de marinha desta provincia e capitao do porto
da mesma, por S. M. o Imperador, que Dos guar-
de, etc.
Faz saber a quem convier, que est autorisado pe-
lo Exm. Sr. ministro da marinha, em aviso de 23 do
novembro do anno prximo passado, a engatar o
maior numero possivel de individuos para servirem
nos corpos de imperiacs marinhoros e de fuzilei-
ros navaes, de idade de 16 a 25 annos, de boa ap-
parencia e sadios, dando-se a cada um, como pre-
meio de engaj amento, a quantia de 6,000 rs. ; pu-
dendo os que quizerem servir assim em ditos cor-
pos apresenlar-se nesla capitana em qualquer
dia til da semana, durante as horas do seu expe-
diente.
Capitana do porto de Pernambuco, 13 de Janeiro
de 1848.
Rodrigo Ikeodoro de Freitas,
CapitSo do porto.
CURSO JURDICO.
Em esclarecimonto ao edita! de 29 de novembro
prximo passado faz-se saber a quem convier, que
a matrcula dos esludantes de preparatorios nesta
secretaria uo os isenta de rom malricular-se nos
livros dos respectivos professores, comecando dous
dias antes do raez prximo futuro, para o que os
inesmos professores farSo previamente os seus an-
O que be que elle te fes?
Pergunlo-te o que vieste fater aqu.
Dar-se-ha que elle Ihe recusasse o lugar de mestre-
de campo, que Vine. Ihe pedio t perguntou Francesco.
Cala a bocea, rapazola, disse Scoppa. Tambem
elle le Insullou, a ti valente Francesco ? Em verdade,
nao sei que ha n'aquelle homem, mas todos o odciam,
e todos consprala contra elle.
E tu fars como lodos, nao he assim ? perguntou
Santis.
Eu havia jurado aer-lhe fiel, dl**e Scoppa em tom
sombro ; mas a sua ingraUdio me detobriga do jura-
mento que lit. Vamos l, santis, vejamos quaes sao os
teus planos ?
Amanhaa, respondeu este em voi balza, rebentar
uina Insurrelcao no Mercado-Novo.....J que conhe-
ces tambem o duque, abes o que elle far.
Montar a cavado, e vos dispersar s bengala-
das, como j o fez.
Pois que v; que todos os meus horneas l esta-
rao ; leva tu o* leu* para o atacarmos, e.....
Quantos hoinen* pode* tu apresentar ? disse S-
coppa.
Tenho duzentos descernidos, que nao temeiii nem
a Dos nem ao diabo.
E qual ser a gente do duque ?
I'rovavelinente a mesma que o acompaiiha sem
pre urna meia-dutia de lidalgos e outros tantos
guarda*.
E com duzentos homens, que nSo teniem a Deo*
uem ao diabo, tu pede* um subsidiario para atacar um
bando de qulnze horneo* ?
Santis abalxou a cabeca, e reipondeu hesitando :
NSo sao qulnze homens.....emendes ... que *e tra-
ta de atacar ; he elle, he o duque de Guise.... he
um principe.....he.....Nao o viste tu as ultimas es-
nuncios, tudo de conformdade com o artigo 8.*, ca-
pitulo 2.', dos ostatutos.
Oulro sim, n8o so podendo ontender que o impe-
rial aviso de 23 de agosto passado quz conceder o
privilegio de prioridado nos esames preparatorios
dos esludantes s pelo fado de estarem matricula-
dos no collegio das artos, porm, alm disto, e mui-
to principalmente pela frequencia o applicacao; ad-
verte-se que. em paridado o harmona com os arti-
gse e 8, capitulo 11, dos eslatutos, o continuo do
collegio das artes de aecrdo com os professores a-
pontarSo as fallas dos esludantes. Dez fallas, sem
causa, e quarenta, ainda que justificadas, bastam
para fazer perder o anuo, isto he para perder a
prioridado nos exames. A respeito dos esludantes
dos lyceus e aulas publicas nenhum gozar do dito
privilegio sem appresntar atlestadodo seu direc-
tor, ou do respectivo profeasor, de ter frequeitado a
aula e aproveitado.
Olinda, 8 de Janeiro de 1848.
Paire Miguel do Sacramento Lopes Gama,
Direelor.
Declarares.
A cardara municipal desta cidado faz sesso
extraordinaria (hoje) 21 do correnlo._______.
, ^% paivjtI
BBBBBDBBo
O caixa da companlua de Beberibe, tendo de pros-
tar conlas administrado no da primero de fe-
vereiro lembra aos Srs. accionistas em atraso a
entrada dos quatro por cento da nona prestacto.
Itccife, 13 de Janeiro de 1848. M. G. da Silva.
THE A TRO PUBLICO.
FRESEPE.
DOMINGO, 23 .DEJANEIRO.
O grande drama novo,
O TRIDMPBO DB MARO0CBI0,
coma soberba vista dos jardins Iluminados do rei
Assuero, preparados para o grande banquete. A
linda scena das Odaliskas, nos Toucadores, eapu-
nic8o do soberbo Aman, que ser enforcado. Os
internados serSo preenchidos com lindas dances, e
entre ellas um lindo terceto dancado por tres pas-
tora,
Rematar todo o diverlimento com o Uto applau-
dido acto das pastoras.
( Principiara as horas do costume.)
Publicacao commerciaL
Sahio luz no Rio-de-Janeiro, e acha-so venda
nesta cidade na loja de Cardozo Ayres, ra da Ca-
deia-Velha, n. 31, Arithmetica Commtrcial, por J. C.
Kottngor, 1 vol. em 4.', 2,000 rs.
avisos martimos.
Vende-se o hiate nacional San-Joo, e tambem
se Treta para qualquer porto do norte ou sul: quem
pretender fazer qualquer destes negocios, dirija-se
a loja do cabos de Caetano da Costa Moreira, ou a
bordo do mesmo.
Para o Itio-de-janeiro sane no dia 30 do cor-
renle, o brigue nacional Despique: pode receber al-
guma vaqueta passageiros eescravos a fete: Ira-
ta-se com Machado & Pinheiro na ra da Cadcia ,
n. 37, ou com o capitao, Joaquim Jos dos Sanios.
Para o Ro-do-Janeiro salte, com brevidade ,
por ter parte de seu carregamenlo prompta o bri-
gue nacional Minerva : anda recebe alguma carga
a frete e escra vos : a tratar com o consignatario,
Francisco Alves da Cimba na ru do' Vigariu n.
11, ou com o capitao do me smo navio.
Para Hamburgo sabe a barca ingleza Martka-
Skallcross : tem excedentes commodos para passa-
geiros : quem nella quizer ir de passagem dirija-se
aos Srs. consignatarios. James Crabtreo if ., ruada
Cruz, 11. 43.
0 brigue-escuna JJenriqueta saldr impreteri-
velmente para o Arocaly, no da 28 do crrante, com
a carga que livor abordo: quem nelle ainda pre-
tender carregar, se enlenda com o mestre do mesmo,
Jos Joaquim Alves da Silva, no Trapiche-Novo, ou
na ra da Cadeia-Vclha, n. 17, 2 andar.
Para o Itio-de-Janeiro saldr, brove o brigue
Santa-Maria-Boa-Sorte, capitao Jos Joaquim Das
dos Prazeres. Quem no mesmo quizer carregar, em-
barcar escravos ou ir de passagem, pode entender-
se cojn Amorim IrmSos, na ra da Cadcia, n. 45, ou
com o sobredito capitSo Prazeres.
caramillas, quando elle acutilava os Hespanhes ?.....el-
le nao se bate como os outros.....dir-se-hia que o seu
odiar lu- como um alfange que val caminliando adianle1
adame Bem vJs que para descarregar o primeiro gol-
pe, he necessario um homem que se tenha atrevido a
encarar de frente os pritneiros principes da Europa.
Creio que me emendes, Carniole..... tu j matastes va-
rios.....Mas eu, eu osinto.....quando pens que a mi-
nha uiao se ha de alear sobre um fidalgo, sobre um
principe de saugue real.... nao sel que teubo; a nio
treme-me..... o sanguc gla-se-me..... Nao o ousarci ...
Tu, pelo contrario, ests acosiumado a isso.
Cobarde!.....murmurou Scoppa. Que Importa que
o langue que Ihe gyra na* vela* seja saugue real, seo
machado o pode fater correr com tanta t'aciildade co-
mo > dos carneiros que tu degolavas amigamente ?
Isso he possivel, mas nunca.....nunca o farei.
E be a miui que tu reservas a honra de o ferir ?
Eu aqui nao sou mais que um inensageiro.....re-
plicou Santis em vozbais. Ha dez mil escudos (13:800/
rls) para aquede que o matar.....oSereccrain-m'os, e
eu venlio propdr-te que os repartamos.
E quem he que paga com tanta generosidade a ca-
beca do duque dr Guise I
Se tu me quizeres acoinoanhar casa do cardeal
Filomarinl, ainda le poderei dizer mais alguma cousa.
A'casa de Filomarini?.....replicou Scoppa com
Voz terrivel ; em casa do cardeal..... em caa do.....
E calou-se, e licou pensativo.
Bem v que seja..... disse Scoppa repentinamen-
te ; qur assim qur asssado, sempre me viogarei.
E sabirain ambos.
(Con(inur-M-n.) 1


^r
==
3*
*--
yendo-se urna linda bareaga de24caixs, mili-
to veleiraedo boa construcgflo: as Cinco-Pootas,
n. SO. '
Para o Porto sane, com muita brevidade a
barca DeUa-Pernambucana por ter a maior pariedo
scu carga prompla : quem nella quizar carregnr, ou
ir do passagom, para o quo offeroce os mais asseia-
dos commodos dirija-se 10 consignatario, Anto-
nio Francisco de Moraos, na ra da Cadeia do lte-
cife, loj n. 51, ou ao capito na praga do Com-
mercio.
Avisos diversos.
D. Mara Marroqaina de Jess
Nazareno faz ver ao respeitavel publico,
que o mu genio,JoSo Baptista Rodrigues
da Silva Cabral, deixou de ser seu pro-
curador desde o ultimo de novembro
prximo passado; e lodo e qualquer
negocio, queappareca depois daqulla da-
ta, be nullo. ngenho Novo da l'arahi-
ba, fo dejaneiro de 1848.
JS ui HUtrs Vciiutu uuvin ousaeua CF6-
dores para que Iho aprcsenteui s suas cuntas den-
tro de 3 dias, cm cata de Firmino J. F. da Kosa, para
aerem examinadas e satisfoilas visto que vendeu o
estabelccimento quo tinha na praca da Boa-Vista.
Aluga-se urna boa sala com urna alcova gran-
de um quarto pequeo na ra do Queimado p.
30, primeiro andar.
^ CH A P BOS DE SOL $
Rua to 1* asmo-Publico, n. 5.
JoSo Loubot participa ao respeitavel publico, que
recebeu, por estes ltimos navios francezes, um com-
pleto sortimento do chapeo djesol.de soda, amis
rica e superior qualidade; furt'a-cres e outras nim-
ias conhecidas, tanto para homens, como para Sras
o mriinos. So mesmo estahelecimonto lia um soiii-
mento de chapeos de sol de paninho, dos mais mo-
dernos; ditos muito grandes, proprios para homens
decampo: tambem tem chapos de sol do paninho
para meninos o meninas, por serum muito Finos: po-
dem-se chamar chapeos de economia. Na mcsina ioja
ha aortimenlo do bengalas, bengalinhas e chicotes
multo modernos; cobre-se qualquer armago de cha-
peos de sol, com sodas de todas as cores equsda-
des. Namesmacasa ha um grande sortimento de
panninlios trancados e lisos, imitando seda, para
cobrr os mesmos: desta fazenda se vende arelalho,
Concerta-se todo qualquer chapeo de so!, por haver
um completo sortimento do todos os pertenecs para
os mesmos, com toda a perfoic.no o brevidade.
Attencao !
Na loia da ra o Queimado, n. 30, de jo Jua-
3uim de Novaos, contina a tiaver um sortimento
e obras feitas ; chapeos de todas as qualidades ;
ditos para meninos e meninas ; ricos chales de seda;
mantas de seda; lencos de ludas as qualidades; e
outroa mu i tos objectos que ha para vender.
Precisa-so alugnr um preto para agricultura,
e urna preta para vender : na estrada de Jofo-de-
Barro, siti que fica defronte do de Julio Manoel
tiendes da Cunta Azevcdo.
Quom annunciou querer comprar um espadn),
querendo pode dirigir-se casa n. 16, do becco do
Sarapatel: na mesma casa so vende um par de ata-
cas de brilhantcs e urna porcSo de perolas linas, por
commodo prego.
Manoel Joaquim de Gouveia relira-so para
ilha de S.-Miguel.
Vendo-so um bonito moleque do 15
annos muito esperto n hbil ; um di-
to de22nnnos, queeozinha muito bem
o diario de urna casa, relina muito bem
assucar, he muito diligente, o nao
tem vicios ; dous protos ptimos para
todo o servigo ; dous mulatinhos do 10
a II annos, muitu lindos o espertos ;
urna bonita preta muito moga, perfoita
costureira e engommadeira que eo-
zinha o diario de urna casa e he muito
desembarazada para todo o mais arran-
jo do casa ; 3 ditas muito mocas com
algumas habilidades : na ra do Viga-
rio n. 24, e dir quem vende.
Joaquim Jos Pereira Borges, subdito portu-
guez, rotira-se para o Rio-de-Janeiro.
Precisa-se arrendar um engenho perto desta
praga para o sul moente e corrente, com boas
trras de produeglo com alguma fabrica ou sem
ella : quem liver dirija-se a ra do Cabug Ioja de
ourives, do Sr. Manoel Antonio Concalves, que se
dir quem pretende.
Precisa-se alugar urna escrava para o servigo
interno de urna casa de pouca familia, que sai 6a
ensahoar, comprar na ra e cozinliar, dando-se-lhe
o sustento e 10,000 rs. mensaes : na Soledade, indo
pela Trompe, lado esquerdo, casa n. 42.
D-se dinliciro 1 premio sobre penhores de
ouroe prata : tambem vendom-se varias obras dos
mesmos inelaes para liumem e senhora 1 na ra do
Bangel, 11. II.
P-s* dinheiro a juros cm pequeas quantias,
al 4:000,000 do rs., sobre penhores de ouro e
prala ou garantas a contento: na Soledade, siliu
da cscala.
-OTTcrece-se um liomcm portuguez, casado, com
pouca familia, para caixeiro do qualquer armazem
ou cobranca de ra, ou oulro qualquer oslabeleci-
111 en lo que se possa oceupar, o qual sabe lr c eacre-
ver, e da fiador a sua conducta : quem de seu pres-
t mo se quizer utilisar, annuncio paresia folha, ou
procure na ra da Cruz do Recife, n. 126.
Para as pessas que tencio
iiam seguir viagem.
Na ra do Bangel, n. 9, continuam-se a tirar pas?
cN ^aportes para dentro e fura do imperio, despacham-
se escravos ecorrem-se folhns tudo com brevida-
de, e por prego muito e muito commodo, do que
j se tem dado exuberante prova no decurso de sete
annos.
Oabaixo assignado ensina em sua casa, no A-
terro-da-Bpa-Vista, n. 82, goographia e francez, e
ir dar liges era casas particulares.
Dr. Joaquim de Otiveirae Sonsa.
Precisa-se decostureiras que saibam lazer coW
letes com perfeigo.: na ra da Cadeia-Volha, n. 41,
primeiro andar,
Aluga-se um armazem na ra larga do Rozi-
rio ; una Ioja no Aterro-da-Ba-Vist' ; o urna cesa
na ra da Conceigao : a tratar no Aterro-da-Boa-
Vista, n. 43.
Aluga-se urna casa terrea na Soledade, n. 17 ,
ao p doSr. Vicira cambista : a tratar no pateo do
Carmo, n. 17, com Gabriel Antonio.
Avisa-se aos freguezes o mais pessoas que gos-
tam do que he bom e bem feto quo na fabrica n.
62, na ra da Aurora se fazem doces seceos o de
cada bem cmo d'ovo de todas as qualidades ;
apromptam-se bandejas ricas, enfeitadas com fru-
tas ; ps de arvores de se tirar o fructo para comer e
toda qualidade de pegas para o moio de urna mesa ,
como : castellos columnas, palacios fortalezas e
do oulra qualquer maneira quo so quizer : tambom
se .ajiromptam superiores podios pastis de nata ,
lions bocearlos Innriiilm do con nnliln d obre!
o todas as qualidades de bolo i ngleze francez; se-
quilhos e bolinhos de lodosos modelse qualida-
des, o mais superior que se pdc fazer: ludo se
aprompta a conteni o por pregos rasoaveis, qur a
retalho, qur por atacado e sendo grandes cncom-
mendas haver modficaguo nos pregos, para con-
tentar aos freguezes, a quem so avisa bavor j
prbmpta grande porglo do caj novo j seceo, o
mais bonito o superior quelie possivcl; bom como
oulros muitos doces bem feitose com assucar fino
da nielhor qualidade.
Precisa-se alugar 4 osera vos bons trabajado-
res de enxada por espago de um a 2 mezes, pa-
gando-so 10,000 rs. mensaes por cada um e dando-
se-lhes o sustento : quem tiver annuncie.
Manoel de Souza Cordciro Rimos participa aos
pas de suus alumnos que abri sua aula particu-
lar do piimeirasleltras na ruado Cabug, 11. 12,
s contina a admiltir aquellas quo do seu prestala
so quizerem servir, prometiendo ser assiduo no
cumprimento de seus deveres.
Deseja-se saber so existe D. Quiteria Mara da
ConceigSo que foi casada com SimSo Jos Borges
de Araujo natural da llha-lercaira onde falleceu:
hefllha do Luizde Lomos Lobo e de sua mulher B.
Cabrelinda de Lcmos : muito se agradece a quem
desta senhora ou de seus herdeiros der noticia, nos
prmeiros andares das casas da ra Imperial, n. 67, e
da ra do Vigurio, n. 7.
~ Desappaseceu na noito do 1* do corrente, do
sitio de Henrique Jorge, no Monteiro, um quarto
j bastante velho, rugo, bem carnudo com a cau-
da aparada; tem urna sarnelha do lado esquerdo,
junto a urna pequea Jerida da cangalba com um
talho no p esquerdo, junto ao casco ; tem marca
de pea nos ps e com a mesma pea de ferro des-
appareceu : queg o tiver achado,ou der noticia, re-
cebera 10,000 rs. e gratificagflo ese guardara se-
gredo.
0 padre Leonardo Antunes Meira Henriques ,
bacharcl em direito, lem aborto o seu curso de Ideo-
loga em sua casa no ra Novo, n. 40, onde tambem
advoga no civcl e crime.
Quem precisar de um pardinhopara criado de
urna casa de homem soltero ou casa eslrangera,
dirija-so a ra do Bangel, n. 9.
Precisa-se alugar urna preta forra, ou captiva,
para o servigo interno o externo de urna casa de
pouca ramilla : na ra da Cadeia do Recife, Ioja n.
40, 011 na ra da Palma, n. 17.
Precisa-se alugar um preto captivo, para fazer
o servigo do urna casa de homem solteiro, menos
do cozinhar : quemo liver para alugar por prego
commodo, dirija-se a ra da Cadeia do Recife, Ioja
n.40.
Anna Joaquina Baptista Martins avisa ao res-
peitavel publico, que ninguom compre e nem em-
penhe as joias seguintes: duas correntes, ten do
urna 38 oilavas o tres qurtos, o a oulra com 20 oita-
vas, pouco mais ou menos, depeso ; urna caixa com
um aderego, lago, um par de atacas urna (vola de
cinto, um par de brincos, um alfinete do peito, ludo
perlcnccnte ao dito aderego, o mais urna ataca; pois
se acham em poder de seu marido Joo Gomes Mar-
tins por elle nlo as querer entregar quaudo a an-
nunciantofoi depositada por ordem dolllm. Sr. Dr.
vigarogeral; pois que na occasiao que sabio, elle
se oppozao mandado, nio querendo entregar na-
da como determnava o mandado sahndo so um
bah com sua roupa, revisto por elle duas vezes ,
napresengado escrivlo JoSo Gongalves Frangae
do meirinbo geral: e lendoa annunciante requeri-
do novo mandado para se prooeder busca como
se procedeu na casa do dito seu marido os mes-
mos odiciaes ccrtiicaram que nada encontraram.
Precisa-se fallar com o procurador
dos lici deiros do fallecido Jos da Silva
totelbo, residentes em Portugal, que
veio de l ueste ultimo navio, para nego-
cio de seu interesse: dirija-se ao paleo
do Carmo, n. 9, primeiro andar.
Oabaixo assignado remelle para o Rio-de-Ja-
nero, ou Bio-Grande-do-Sul, urna sua escrava mu-
lata, do nome Joaquina.
Antonio Joaquim de Sou Uibeiro.
Agencia depassaporles.
NaruadoColIegio, n. 10, c no Aierro-da-Boa-
Vsta, n. 48, contnuam-so a tirar passaportes tan-
to para dentro, como para tora do imperio; assim
orno despacham se escravos: tudo com brevidade.
I'recisa-se de pretas quo vendam pBo pasjaa-
do-se-lhes a vendagem e sendo quo seus senhores
so rospnabilisom : na roa Direita, padaria, n. 6.
Rudr Snyfrieda, subdito allomao, rctira-se para
fra do imperio.
O abaijo assignado comprou a venda sita na
ra do Camarao, 7, ao propietario da mesma,
i Francisco Marques de S. Mendos, e aquellesSra. cre-
doreaque venderam as Telendas para a mesma ven-
da, que se acharem inda pur saldar, queiram enten-
der-se com o comprador abaixo assinado.
Andr Nattztr.
Antonio Marques, subdito do S. M. F., d'ora om
dianle se assignar Antonio Jos Rodrigues Mar-
ques por motivo do haver outro com igual nome.
Engomma-se com muita perfego e empa-
Iham-secadeiras: ludo por muito commodo prego!
UruadBoda,. 1,M Ioja.
Os Srs. Antonio Jos Villar, Antonio deAzev-
do, Ventura Joaquim da Roza, Joaquim Poreira da
Silva, BernardinoPereira Ramos, Jos de Azovo-
do Silva, Bernardino Luiz da CosU, Joaquim Jos
do Souza, Antonio Fernandos Lima, Manoel Jos do
NascimentooSilva, queiram dirigir-se a praga da
Independencia, ns. 24 e 26, para receberom cartas,
que lhes serSo entregues.
-Aluga-se urna prota moga para o servigo de u-
ma casa, comprar, ote., ou um preto tambem mo-
co: na ra Nova, Sobrado n. 15, segundo an-
dar.
Dentista.
D. W. Baynon, cirtirgio dentista, acaba de che-
gar dos Estados-Unidos do norte a esta provinria de
Pernambuco, e avisa aos seus amigos e ao respeita-
vel publico, que se acha prompto a exercer as func-
gOes da sua arte, em operagoes dentaes mais didi-
cultosas, conforme a moda mais moderna da arte :
quem de seu prestimo se quizer utilsar, dirija-so
a sua moradia, ra da Cruz, n. 38, segundo andar.
Ir mandado deS. Jos da
Agona.
Domingo, 23 do corrente, polas 3 horas da tarde,
ser trasladada em procissSo do Hospicio de N. S.
da Panlia nnra o convento do f.rmo_ desta e.idadn .
a imagem'do glorioso S. Jos d'Agonia om direc-
go as ras da Penlia Livramonto, Queimado, pa-
teo e ra do Collcgio, ra da Cadeia ao enlrar pa-
ra a deS.-Francisco, o d*alii em soguimento pela
das Cruzes praga da Independencia Cabug, No-
va das Floros Camboa-do-Carmo at recolhcr-se
ao mesmo convento. Em consequencioj, os irmtos
da irmandade do mesmo pstriarcha rogam enca-
recidamente aos moradores do taes ras queiram
conservar limpas c desembaragadas as testadas das
casas do suas residencias.
Por execugSo de Jos Gongalves da Fonte se ha-
de arrematar, hoje, na praga do doutor juiz do ci-
vel, o escravo Jos.
Tem de ser arrematada, perante o juizo do ci-
vel, urna casa terrea na ra do Agoas-Verdes n.
11, por execugTo de Manool Jos Carneiro contra
Joanna Francisca do Menezes.
Preeisa-Ro alugar nm niolequo 011 preta para
o servigo interno e externo do urna casa de pouca
familia : 110 pateo de S.-Pedro, sobrado do um an-
dar de varandas de pao, n. 9.
Urna pessoa quo lem as necessarias bablita-
gOes propOc-se a cnsinar prmeiras lettras fran-
cez o goographia em casas particulares, o median-
te mdica retribugilo; quem'prelonder anuuncie.
Aluga-se un escravo quo seja fiel, para o ser-
vigo de um homem solleirb, em um sitio perto 'da
praga : na ra da Cruz, no Recife, 11. 2t.
-Estilo justase contratadas, com os Sis. Maximiano
Jos de Mello e seu irm.lo Manoel Candido de Mel-
lo as partes que os mesmos Srs. leem na casa ter
rea com travejamento para so poder levantar so-
brado sita na ra da Matriz 11. 13, do bairio da
Boa-Vista pur permuta com oulra casa na villa do
Po-do-Ailio : sealguem so julgar com dircilo a
embaragaresta permuta por qualquer titulo, quei-
111 fazer a sua doclaragSo por esta Tulla no prazo
de 8 dias a contar desta data ou dirigir-se .1 rus
do Crespo, n. 15, primeiro andar. Recife, 20 de
Janeiro de 1848.
JoSo Francisco dos Santos avisa ao respeitavel
publico, que ninguom contrate negocio algum com
sua mulher Maria Joaquina Remualda, visto que se
est Tratando de acg.lo do divorcio, pora que de-
pois n;1o se chamem ignorancia.
(> abaixo assignado, estudanle do quarto au-
no da academia jurdica, propOe-se a cnsinar
geographia, rholorica, pbilosophia o geometra ,
cm a casa de sua residencia na ra estrella do Ho-
zarlo sobrado de um andar n. 26 das 6 s 10 ho-
ras da manhfla e de tarde das 4 horas em dianto.
O mesmo abaixo assignado adverto aos Srs. estu-
danle, quo para aquellesque nilo lhe podrem gra-
lificarensinar gratit,e prometi se esforgar por
seus rogressos como so pago fossu.
Caelaiio Eilellila Caealcanti Pusoa.
Permutan) so duas grandes casas terreas, com 4
quarlos cada urna [silas nos Arrombados.com
grandes qiiinlaes plantados de parreirss, romeiras,
larangeiras, coqueiros pinbeiras condeceiras ,
mangueiras, figueiras/goiaboiras sapolis e oulros
mais arvoredos, todos novos ; e bem assim um
grande terreno, proprio para pantagflo do capini,
lauto do invern como de verSo para sustento de
mais de dous cavallos annualmenlo, por propie-
dades em qualquer dos bairros desta cidade, ou em
Portugal : quem este negocio quizer fazer annun-
cie por esia folha, ou dirija-se ao dito lugar dos
Arrombados, casa [terrea junto ao sobrado, defron-
te da igreja.
O Sr. Joto Xavier da Maya queira apparecer na
ra da Cadeia deS.-Antonio, n. 19, a negocio de
seu interesse.
Prccisa-se alugar um preto, 'ou preta para o
servigo de urna casa de familia : na ra da Cadeia
de S.-Antonio, n. 19.
Urna parda moga robusta, sem vicios, se of-
Terece para ser ama de qualquer casa de Tamilia ca-
paz para fazer o servigo interno mediante urna
paga rasoavel : quem a pretender dirija-se a ra do
Livramcnto n. 23, primeiro andar.
Precisa-so alugar um moleque para o servigo
do urna casa : na rua do Trapiche-Novo n. 20.
OSr. Domingos Pereira de Mendanba tem urna
carta na rua Nova, n. 8.
Bernardino Jos Leit&o declara ao respeitavel
publico, que inudou o scu estabelecimento da tra-
vessa das Cruzes, n. 4, desde o primeiro do corren-
te pura a rua da Florentina, n. 30.
Aluga-se um sobrado do andar e sotSo, no
pateo da matriz de S.-Antonio, n. 2, com a cocheiro
ou sem ella e juntamento 3 quarlos independanles
da cocheira I o sobrado tem 2 salas 3 gabinetes ,
una aicova dispensa 2 quarlos sendo um para
entornillado cacimba e lidlieiro para estribara ; i;
o slito tem smente 3 quarlos : a tratar na rua p-
reita, 11. 29, ou na rua da Cruz n. 40.
Quem annunciou querer comprar um moleque
crioulo, de 10a 14 anuos, querendo uro do 13 di-
rija-se a ruado Bangel, n. 36, das 6 as 8 horas da
iiiauhflii, edo meio-dia as 4 da larde.
Quem procura por Margarida do Jess Corris ,
dirija-se Ponle-de-tJclia a casa de Manoel Coe-
Iho Cintra.
Precisa-se de 2:000,000 de rs. a premio de um o
meio por cont ao mez, com hypolhcca em 4 casas
terreas. 110 bairro do S.-Jos, as quaes renden) 8,000
rs. mensaes cada urna : d-se o aluguel pelo pre-
mio ou paga-seo premio mensalmente : tambem
ao vendem as mesmas casas as quaes sBo em chSos
proprios o futas a moderna : quem quizer dar an-
uuncie.
LOTERA
DO
Hospital Pedro Secundo.
Continuam-se a vender, nos lugares j
annunciados, os billietes da segunda
quinta parte da primeira lotera a bene-
ficio do Hospital Pedro Segundo ; e o
thesoureiro, pela concurrencia qte tem
havido, espera brevemente anuunciar por
urna s vez o da em que devem correr as
rodas.
Compras..
Compra-so um viol3o em bom uso o de boas
vozes: quem liver annuncie.
Compram-so escravos do ambos os sexos ue
12 a 20 annos com habilidades e sem ellas; sendo
do bonitas finuras, nagam-sobem : na rua da Con-
cordia passando a ponteziuha, a direita segunda
casa terrea.
Compra-de um moleque que seja sadio o bom,
de 10 a 14 annos, preferindo-sc que seja erioulo :
quem tiver annuncio.
Compram-se e vendem-se es-
era vos, e recelicm-sc de coinmis-
c5es, olerecendo-se toda e qual-
quer garanta a respeilo do* mes-
mos : na rua d-s Larangeiras, n.
14, segundo andar-
Compram- se burros ou machos- na rua Direi-
ta, n. 121.
Compra-so um cabriol do duas rodas quo se-
ja novo 011 com pouco uso: 110 pateo da matriz
de S.-Antonio, n. 4, segundo andar.
Vendas.
FOLHINHASPARA 0 ASNO DE 1848.
Vendom-sc Tolliinhas de algibeira de porta ede
padre as mais correctas o mais regulares : na pra-
ga da Independencia, livraria ns. 6e8; na ruada
Cruz Ioja 11. 56 ; na rua do Crespo, Ioja n. 11; na
Ioja da esquina do Collcgio e na botica do Sr. Mo-
re ira, defronte da matriz da Coa-Vista.
Vendem-se ricas sodas brancas para noivado ;
sarja preta hespanhola, de mili superior qualidade e
mais ordinaria ; sedas cscocezas para vestido de se-
nhora ; setim preto maco ; setins lisos, decores;
seda para chapos de senhora; chapeos de palha,
aherlos o fechados, para senhora o meninas; mui ri-
cas lilas lavradas ; loques com pluma; capellas de
flor de laranja ; plumas brancas de passarinno; luyas
de seda cpellica ; jneias de seda ; sapatosde setim,
couro de lustro e mrroquim ; borzeguins de endu-
ra ; mantas e olalos de seda ; e oulros muitos objec-
tos de superior qualidade o por prego commodo : na
Ioja do Manoel Pinheiro de Mendonga, rua do Cabu-
g, junto a botica do Sr. Joo Moreira.
Feijo.
Manoel Joaquim Gongalves e Silva, na rua da Cruz
n. 43,tem para vender, cm porglo o a retalho, por
prego commodo, feijSo niulallulio, Tradinho, ama-
relio bi neo e preto, bem como avas : tudo novo
c muito superior, chegado ullimamcnlo da ilha de
Fernando.
Vendf-se urna escrava, cabra, de
i't annos de dade, de bonita figura, com
um lindo ilbinbo, mulatinbo, de dous
mezes de i dade ; tem muito bom leite, e
sube cozinliar o diario de urna casa; lava
bem de sabao, be muito fiel e nao tem vi-
cio de qualidade alguma : na rua do Cres-
po, n. La.
Vendem-sc 20 escravos sendo: 5 molecotes ,
muito lindos ; 4 mulatinhas de 14 a 15 annos re-
colhidas ; 5 escravos mogos, sendo um carreiro,
outro serrador, outro cozinheiro e dous do servigo
do campo ; um dito de meia dade ; 6 escravas de
18a 20 annos, quecosemo engommam bem: na
rua Direita n.#3.
Vendem-sc 12 cadeiras do Jacaranda com al-
gum uso, unijogo de bancas de dito, um sof do
dito, e mais alguna trastes novos, por prego mais
commodo do que cm oulra qualquer parle : na rua
da Cadeia do Santu-Anlonio, n. 18.
Xa rua do Trapiche, uriiiazem
n. 54,
vende-se assucar refinado, em p3o, a aoo
rs. a libra.
Vende-se um preto de nagilo, do bonita figura ,
muito cm-polenlo se 111 vicios nem achaques: ven-
de-se para so comprar urna preta ou lamben se
troca : na rua da Concordia, passando a ponlezinba,
a direita, segunda casa terrea, so dir quem vondn.
.Na fabrica de bebidas espirituosas na rua da
Senzalla-Velha, n. 114, vende-se genebra, reino,
Franca a ni/, licores, refrescos de varias qualida-
des ; vinagre feito na mesma fabrica : tuda de su-
perior qualidade. Na mesma fabrica lamben) so
compram botijas vasias, ou a troco dos mesmos g-
neros.
Vende-so, para liquidagilo de eontas e por pre-
go commodo um sobrado do 2 andares silo na
rua do Bangel; uina boa casa terrea na rua do
Padre-Floriauno ; um sitio na estrada dos Afilelos -.
estas propriedades frum do fallecido Francisco Fer-
reira da Annunciagfio : tambem so vende um terre-
no em Fra-de-Porlas da parte da mar pequea,
o' qual fui de J. Donelly : na rua da Cruz n. 43.
Vende-so una carroga nova e bem feila para
um cavallo : para ver o ajustar, dirigjam-se ao forte
de Quebra-Pratos, na estribara do Sr. Wholeiof,
a Ualar com o inesmo.
I


*m



m
^endcm-se muito superiores bichas das mis
prximas chegadas de Hamburgo por preco o mais
commodo possivel j assim como tambem se res-
ponde por qualquer que nUo pegar, trocando-se
por outra tambem se alugam por mais comrr.o-
gocio se far: no Aterro-da-Boa-Vista n. 44, ven-
da que foi do Maya.
Vende-so, '">. armazem do Bragucz ao p do
arco de S.-Antonio, cimento, por preco commodo.
Vcnde-se uin casal de escravos proprios para
um sitio de plantacSo, sem vicios, o que s3o muito
neis, o que se a llanca e bem assim sua boa con
duela : na praca da Indopendcucia loja n. 3.
"-Vende-.se um cavallo gordo, para 'carro: na
tonda de barbeiro na ra do Rozario da Boa-Vis-
*a em frente da ra do A-raglo.
Bichas de Hamburgo.
Vendem-seas verdadeiras bichas de Hamburgo,
pelo preco de 640 rs. a retalho : na venda de Manoel
Jos deSa Araujp na ra da Cruz, n. 24.
Vendem-ae chitas pretas linas, assetinadas :
na ra doQueimado. n. 5.
Vende-seumaescrava de nac3o, vistosa de
ir, i 18 .unios, propria para lodo o servico de urna
casa, por saber lavar bem de sabSo o varrella ro-
flnarassucar, eengommar liso : no se vende por
delcitos : na nu d SenxaMa-NOVa, venda n. 7.
--Vende-se cevadinhaehervilhasseccas : na ra
do Trapiche-Novo, n. 20.
Aos fumantes de bom posto.
Vendem-se os excellentes ebem conhecidos cha-
rutos rogalos do llavana diplmalas e primores
clie:milos ltimamente : no armazem grande do
Bacelar, defronto da escadiuha da alfandega, n. 3
Vendem-se os caixGcs e utensilios de socar s-
aucar do armazem da ruada Senzalla-Vellia, n. 110,
e traspassa-se o mesmo armazem e casa, ao gosto do
comprador a tratar no primeiro andar da mesma
casa.
Vende-se urna parte no engenho Jaguaribe ,
termo da villa Iguarass de 2:853/003 rs. perten-
cente a D. Antonia Francisca Cavalcante l.ins, que
Ihc tocou por morte de seu pai Frarcisco Xavier Ca-
viilciinli l.ins. comospverno formal de partilha :
na ra larga do Rozario, n. 32.
IN'a loja ele Ifanoel Joaqun)
Pascoal llamos, no Fasseio-
Publico, n. 19,
Vendem-se riquissimos cortes de cambraia ale-
gra, a 2,000 rs. 'chitas finas, a 320 rs. o covado;
cortes de superior lila para calcas, a 2,500 rs.; di-
tos de casimira do quadros, pelo barato preco de
6,000 "; panno fino prelo a 4,500 rs.; dito azul,
a 4,000 rs. ; pello do diabo, a 200 rs.; lanzinha
para calcas, a 240, 280, 320 e 360 rs.; madapolflo
de lodas as qualidades, a 3,200, 3,500, 4,000 e 5,000
rs. ; chapeos de palha hamburguezes, a 480 rs. ca-
da um brim brancodepuro linho, a 880rs.; di-
to com mistura a 400 rs.; hamburgo fino, a 480
rs. ; lencos de seda para gravata a 400 rs.; ditos do
caca a 200 rs.; lencos de seda para mflo, a 1,44o
rs. ; c outras muitas fazendas, por pre(o commodo.
Vende-se um molecflo de nacflo, de 20 annos,
quccozinha soffrivcl, e no he mo canoeiro ; 2
ditos de22annos; um moleque de 13 annos; um
preto de 26 annos tflicial de sepateiro o qual no
se duvida dar a experimentar; um preto, por 380/
rs., muito forte ; um dito, por 180,000 rs. ; urna
preta de naco de 20 annos que engomma o co-
zinha com urna cria de 3 annos muito linda; um
pardo do 20 anuos, por 450,000 rs. : na ruadas
l.arangeiras, n. 14, scguudo andar.
E
ilbo.
da
Vende-se milho, a 2,000 rs. a sacca : no caes
Alfandega, armazem de Antonio Annes.
Vendem-se na ra da Cruz, n. 46 condecas
com peras; ditas com figos; ditas com pecegos;
latas com figos ; ditas com hervilhas; ditas com
sardinhas; ditas com bolacbinhasdeararula : mas-
sas finas em caixinhas; chocolate de canella de
Lisboa; meias barris "com vinte e tantas libras de
manteiga iogleza, de muito superior qualidade, e
propria para casas particulares : tudo ltimamen-
te chegado por diminuto preco,
Vende-se urna preta perfeita engommadeira e
cozinheira, do 12a 20 annos; 5 ditas com habili-
dades ; duas pardas de 20 annos, de elegante figu-
ras : 5 moloques de 12 a 18 annos ; um preto bem
robusto e bom carreiro; um mulatinho do 12annos :
no paleo da matriz de S.-Antonio sobrado n. 4.
Vendem-so 5 escravos, sendo : urna mulati-
nho de9 annos; urna mui linda mulatinha de 6 an-
nos; duas pretas, urna de 20 annos, perfeita en-
gommadeira, e que cozinha o diario de urna casa, e
a outra que he boa quitandeira, e que tambem cozi-
nha e lava muito bem roupa ; um,bonito escravo
sen* vicio algum : no pateo da S.-Cruz n. 1* se-
gunda andar, se dir quem vende.
l\ova alpaca,
de sete palmos de largura, na
loja de Guirnares Serafn)
Sf ., roa do Crespo, n. 5.
Vende-se a nova alpaca, de se-
te palmos de largura pelo barat
preco de 1^000 rs. o covado;
assim como ato ilhados de ricos
padres, de 9 palmos de largura,
por mdico prego; eoutras mui
tas fazendas finas, de linho e se*
da, chegadas ltimamente esta
edade, e tudo muito barato.
No Aterro-da-Boa-Vista, lo-
ja t. 78,
vendem-se sapatoes de lustro, para homem a 3,000
rs. o.par; bahuszinhos para guardar costura rou-
pa dperiaufase meninas guardaren) costura na, es-
cola, de 1/rs. a 2,560 rs.; chapeos de sol, de seda,
para senhora, de muito bom gosto, a 4| rs.; chico-
tes para montara, a 2,000 rs.; bonetes para me-
ninos.
FARELOS.
Vendem-se saccascom farelos, chegadas ultima
mente, a 3,500 rs.: no armazem de J. J. Tasso Jnior,
ra do Amorim, n. 35.
--Vendem-so caixasde cha hysson de 13 libras,
em poreflo ou a rotalho : na ra da Alfandega-
Velha n. 36, em casa doMatheus Auslin & C.
Na ra Direita, n, 53,
vende-se um par de embonos de pao de cedro pa-
ra bareara ; a travs e um pedaco de pao de con-
dur ; azeile de carra pato a 1,200 rs. a caada ;
pomada, a 230 rs. a duzia ; e lodosos mais genoros
pertencentes a venda por menos que em outra
qualquer parte, e de muito boa qualidade.
Vende-se urna parda de bonita figura, de 30
annos, que corta e d prompto um vestido de se-
nhora corta e faz urna camisa de homem, ou de
senhora engomma com asseio he muito domes-
tica, no tom vicios nem achaques de qualidade
alguma he capaz de reger urna dispensa com toda
fidelidade oque tudo se afianca de baixo de pa-
lavra : na ra estreita do Rozario, n. tO, terceiro
andar.
Vende-so um violfo em muito bom uso e de
muito boas vozes por mdico prego : na ra da
Cruz, no Rocife, venda n. 59
Vende-se bom azeite de carrapato, a meia pa-
taca a garrafa: na ra da matriz da Boa-Vista,
n. 36.
Vende-se cal virgem em ancoretas, a mais
nova quo existe no mercido por preco m is com-
modo do que em outra qualquer parle : na ra da
Moda armazem n. 17.
Vendem-se, na ra da Gadeia do j-
3
Hi
!
H
i
9,
Recife, n. 3?, cera em velas, f- j
bricadas no Rio-de-Jnneiro, em j
urna das melhores fabricas, em cai- H
xas pequeas, de urna at dezaseis l\
, em libra ; c caixotes com ditas, la-
-\ bricadas em Lisboa, sorlimenlo ao
gosto do comprador : e tambem se
vendem branddes, fabricados no
Hio-de-Janeiro, e tudo por preco
mais commodo do que em outra
jl qualquer parte.
I

^arglgi^i^EEj 95^r^ricG3
Vendem-se duas casas terreas, sitas na tra-
vessa do Peixoto a prazo ou a troco de escravos :
na Soledade, sitio da cscala.
Vende-se a principal venda da ra Imperial,
n. 145, por seu dono ter de ir a Portlugal tratar de
negocios: a ti atar na mesma venda.
se
Cheguenj reguezes, que
eslao acabando
os sapatoes debezerro, para homem, a 1,280 rs. o
par e bengalinhas para passeio, a 320 rs.: no
Aterro-da-Boa-Boa-Vista, n. 78.
Vende-se urna commoda de Jacaranda duas
camas de armaeflo c duas mesas de sala : na ra
do Queimado, n 30.
Tresse, fabricante de orgflos e realejos, tem
para vender dous orgSos promptos para igreja ou
para qualquer outro lugar: tambem concerta os
ditos instrumentos, pOe marchas novas, e com-
pra realejos ja servidos : no Aterro-da-Boa-Visla,
n.2l.
Vende-se um sobrado novo, deum andar, so-
tilo todo corrido, c com trapeira feito a moder-
na, em chaos proprios, oilOes dobrados quintal
e cacimba : na ra estrella do Rozario, n. 10, ter-
ceiro andar.
He chegado um novo sortimenlo de
taboas de pinho da Suecia, de costado,
costadinho, assoalbo e forro, para fun-
dos de barricas, armacoes de loja e cai-
xoes pa.a assticar; assim como ditas ame-
ricanas, de todas as larguras, grossuras e
compiimentos: eo preco j lie barato: atrs
do ilieatro, aimazem de Joaquim Lopesde
Almeida, caixeiro do Sr. Joo Matbeos.
No Aterro-da-Boa-Vista, lo-
ja n. 78,
vendem-se ricos bonetes de merino, para meninos;
ditos de marroquim para hornero, de muito bom
gosto e dinucfio ; ditos para ir ao banho a 360 rs.
Cheguem freguezes ao Pas-
seio, loja do antigo bara-
teiro, ns. 9 e ll.de Firmian-
no Jos Rodrigues Ferreira,
que acharflo muitas fazendas de gosto e a preco
commodo como sejain : lindos cortes de casimi-
ra a 6,000 rs. ; cortes de gorgurflo de seda, de gos-
tos di Aeren tos, para colletes; fustOes Unos de cu-
res ; superiores lencos de seda para gravata; ditos
decores para algibeira fazenda de peso ; mantas
dosetiroIavrado, mui ricas cm gosto; ditas de
garca de 2,400 al 5,000 rs. cada urna ; mui liadas
chitas francezas largas, a 400 rs.; cambraias de
cores lixas, a 300 rs. o covado; corles de cassa-chi-
ta de cores (xas, a 2,800 rs. ; superiores casimiras
pretas; meias casimiras decores; panno lino pre-
to; bicos de linho; chitas finas de coberta, por ba-
rato pre^o; um completo sortimenlo de madapolflo
de todas as qualidades e por precos que muito agra-
dando aos compradores ; e outras muitas fazendas
encorpadas e de gosto para caigas. Na certeza de
que todos rilo bem servidos, tanto das fazendas,
como no agrado que sempre alh encontrarse
Loteria do Llio-de-Janeiro.
a beneficio das obras da imperial cida-
de de Pictheroy : na ra da Cadeia, lo-
ja de cambio n. 38, de Manoel Gomes da
Cunha e Silva.
Vende-sea taberna n. 86, narna do Pilar, DO
melhor lugar de Fra-de-Portas : est bem afre-
guezada e, com pnucos fundos ; tem quintal, com-
modos para familia, e outras conveniencias venta-
josas que se dirilo ao comprador e o motivo por
que se vende : a tratar na mesma venda.
Vcndm-se accos da ex-
tincta companhia de Pernambu-
co e Paratoiba: no scriptrio de
Oliveira limaos & C, na ra da
Cruz, n. 9.
Vende-se, para frada provincia, urna parda de
15 annos, com algumas habilidades ; no pateo da
matriz d S.-Antonio n. 4, segundo andar.
Vendem-sesemenles do hortalice de todas as
qualidades, chegadas prximamente do Porto, por
preco multo commodo: na ra estreita do Rozario,
venda n. 8.
Vende-se o tresenario do S. Francisco de Paula,
obra til aos devotos do dito santo as lojas de
livrosdosSrs. Santos & Companhia atrs do Cor-
po-Santo; Cardozo Ayres ruada Cadeia ; e em S.-
Antonio praca da Independencia ns. 6 e 8.
Vende-se um terreno com 117 palmos da fren-
te e 89 ditos de fundo em estado de se edificar,
por nao precisar aterro, em cujo terreno podem-se
fazer tres ptimas mei'agoas na ra do Pilar, em
Fra-do-Portas, do lado da mar grande: nadita
ra, n. 11, no pateo da igreja do Pilar, das6 horas
da manlina As 8.
Vcnde-se urna cama de armac3o,1 lavatorio com
bacia e jarro 1 meia-commoda de amarello, 3 mesi-
nhas de dito, 1 mesa dojantar : ludo por preco com-
modo : urna negrlnha de 12 anuos pouco mais ou
menos, de bonita figura-, por preco commodo: na
ra do Cabug, loja de Manool Piuheiro de Men-
donca, junto a botica do Sr. JoBo Moreira.
VendC-56 in venda Sti 60) uOTi i oca i
e bem afreguezada para a trra a dinheiro, ou a
prazo com boas firmas; a qual tem excellentes com-
m&Vos para familia : o motivo por que so vende se
dir ao comprador : na ra Formosa, n. 5.
cortes de crambria de seda de ricos gstos, por
preco muito commodo; cortes de.vostidos de cam-
braia ecassa-chitas de difierentcs qualidades por
precos baratos; ditos com urna pinta de m6fo e
som elle a 2,000 e2,500 rs. cada corta ; mantas de
seda e 1.1a para senhora, das mais modernas que
teem vindo a esta praca, a 5,000 rs. oada urna ;
mantas chales de seda de varias qualidades e ba-
ratos; alpaca prcta a 800 e 1,600 rs. o covado;
panno de linho a 400 rs. a vara ; casimiras fran-
cezas eelsticas para calcas, a5,000 rs. o corte;
fustOes; setins e velludos para collete por preco
muito em conta ; bem como um sortimento de ou-
tras muitas fazendas, que se vendem pelo barato.
Rap nacional Andarahy.
A extraceflo que tem tido o rap nacional Andara-
hv mostra o qUantotem sido apreciado pelos ama-
dores da boa pitada ; portante, sempre o aeharflo
fresco em libras o meias ditas, e frascos d dito
viajado no deposito da ra do Trapiche, n. 34, on-
de se vende de 10 libras para cima, e a retalho nis
lojas j annunciadas.
Vonde-se a bem conhecidae superior chim-
pariha dn marca cometa ;vinho d Madeira engar-
rafado ; cha hysson e porola em caixinhas do 7 a 10
libras cada urna ; bom papel de copiar em machina:
ludo chegado rcccntemenlo a esta praca : na ra
do Vigano, n. 4, armazem de Rothe & Bidoulao.
Vendem-se obras de direito civil, em 3 volu-
ntes para os esludantes do quarto anno : na ra da
Cruz, casa do consulado portuguez.
Vende-se 1 chapeo de mola, com pouco uso,
por 4,000 rs. : na ra do Queimado, loja de chapeos
n. 38.
Vende-se feijSo mulalinho de muito boa qua-
lidade : no armazem de Dias Ferreira, defronledi
escadinh a da alfandega.
\a nova loja da ra da Cadeia
do Recite, n. 5'i, de Claudmo
Salvador Percira Braga,
vendem-se ricos chapeos de cambraia lisa e de co-
res, o de escomilha, com flores e enfeilados, para
senhora e meninas, a 2,000 rs.
Vende-se a venda da ra do Rozario da Boa-
Vista n. 2, por seu dono querer fazer urna viagem
a Europa a tratar de sua sade: a tratar na mesma
venda.
Vendem-se, por barato preco, capotes de panno
azul em bom estado, a 1,000 rs.; calcas do mes-
mo panno a 640 rs.: na praca da Independencia ,
n. 19.
Vcnde-se galSo verdadeiro para divisa de
oTicial, de muito superior qualidade; dito entre-
fino proprio para chapeo de pagem : na praca da
Independencia, n. 19.
Vendem-se 600 inlhos de palha de carnauba ,
sendo muito nova: a tratar com Jos Dias da Silva ,
na ra da Cadeia-Velha, n. 59.
Vende-se gomma de malarana, da melhor que
existe presentemente, tanto (para engommar como
paro uso de papas: na ra do Rozario da Boa-Vis-
ta n. 22, se dir quem vende.
Vendem-se meias de linho de superior qualida-
de ; babados de panno de linho, lisos e bordados ,
de todas as larguras; ligas de seda para pernas de
senhora ; franja branca dealgodao, larga e estreita;
eoutras muitas miudezas, por preco muito com-
modo i na ra do Cabug, loja de miudezas, n. 4.
Vende-se um methodode flauta, em bom es-
tado por commodo preco : na ra de S.-Francis-
co, casa da esquina quo volta para a ra da Flo-
rentina.
Vende-se um resto de casaes de poinbos, muito
bons batedores, grandes e de boa rae, todos jun-
tos, ou a retalho, por preco muito commodo: na
ra da Florentina, n. 16.
Vendem-se saccas com milho ; ditas com ar-
roz de casca ; urna rica bandeja decasquinha, bor-
dada d prata com 18 casaes de chicaras e pires de
porcellaiia dourada ; urna cama de Jacaranda com
seus pertences; urna mesa redonda de dito para
meio de sala ; 12 cadeiras de amarello, obra pri-
ma ; 1 toucador de Jacaranda, o mais rico possivel ;
saccas vasias de estepa ; ditas de algodBo ; um rico
piano : na ra da Cadeia do S.-Antonio, n. 19.
Charutos de San-Fclix.
Joaquim Bernardo dos Reis avisa ao publico e
aos seus freguezes, qe acaba de receber pelo ul-
timo navio, vindo da Babia, um grande sortimenlo
de charutos de todas as qualidades, que heacostu-
mado a ter, conforme o gosto de seus freguezes,
sendo : os verdadeiros deSan-Felix, regala, marca
de fogo, frma-havana regalo de llavana, fabrica*,
todos da mesma marca : regala de diversas marcas,
moia-regalia marca estreita, traboquilhos, e mais
outras qualidades que sero patentes aos freguezes.
Adverte-seao publico que neste deposito da ra da
Cruz, n. 51, aeharflo sempre boas qualidades de
charutos por preco rasoavel.
"- Vendem-se ancoretas de
diversos lmannos, com vinho da
Madeira, tinto e branco, de supe
rior qualidade : no escriptorio de
Oliveira Irmos & C, na ra da
Cruz, n. 9.
Vende-se urna preta de 35 annos, muito boa
cozinheira eque vende na ra, por 220,000 rs.:
na ra de S.-liila, n. 44.
Na ra do Crespo, loja n. li,
de Jos Joaquim da Silva
Maya,
I vendem-se muito lindos chapeos para meninas-,
tanto de seda como d palhnha chegados ultima-
pieulede Pars; chapos (le seda par senhpra ;
Escravos Fgidos.
ATTEN-9A0.
rugi, no dia 31 de dezembro do anno pasudo ,
'escravo Manoel Gabiso, crioulo, de 28 a 30 annos,
bastante barbado as vozes costuma trszer suis-
sas por baixo. do queixo, de estatura, ordinaria,
grosso do corpo, olhos vcrmelhos e pequeos, ps
grossos que parecem incbados ; he perito oflicial
de sapateiro, e tambem entende doservigo da pa-
daria ; anda calcado, por se intitular forro,re de lu-
to (al com camisa de panninho preto), por Ihe ter
morrillo a mSi, que era a preta crioula Anninha,
que vendia fazendas na praia do Rio-Doce, Jang ,
Pao-Amarello Maria-Farinha, ect.; lugares estes
onde o dito escravo he muito conhecido, por andar
com a dita preta, e dopois que esta morreu elle
j ter andado fgido por estes lugares a cobrar di-
vidas sem para isto ter autonsac&o de seu se-
nhor: e como a pessoa encarroada desta cobranca
heoSr. (Elias Francisco da Conceicflo crioulo e
morador no Rio-Doce tendo-o visto neslo lugar o
mandou para o Recife no da 28 do dito mez, con-
forme as ordens que elle tinha recebido. Quem o
pegar leve-o a ra de Hortas, n.62,ou Iraga-o a esta
typographia que ser gratificado.
Fugiram, do poder de Jos Joaquim da Costa,
morador na ra doQueimado', n. 42, dous escravos
com ossignaes seguintes : Joaquim, do naco An-
gola cor fula baixo, corpo reforcado, com falta
de denles na frente, pes chatos e meio torios para
dentro, de 35 a 40 annos: Delfina, parda, alta f
bastante magra, cabello corlado quasi rente, da
vinte e tantos annos; he muito falladeira e cavilosa;
sahiram no dia 10 do correnle, pelas duas horas da
madrugada e tomaram o caminho do serbio cm di-
receflo ao Corrente, comarca de Caranhuns ; e jul-
ga-se levarem em sua companhia uro pardo do
Sr. Joito Cancio, segundo um annuncio deste : quem
os pegar leve-os a dita casa cima que ser grati-
ficado.
Fugio. no dia 19 do correnle na occasi&o quo
vinha de Iguarass na companhia de urna pessoa
que o conduzia para esta cidade, o moleque criou-
lo, de nome Felicianno, o qual se bavia lirado da
cadeia de Iguarass de 18 a 20 annos; nflo he mui-
to alto, bem feito de corpo ; tem os dedos dos ps
curtos; apenas tem buco de barba, rosto redondo;
levou camisa e calcas brancas bastante sujas de
suor, de cavallo, noassento, por ter vindo de an-
cas e bonete de panno com borla : quem n pegar
leve-o a ra do Vigario, n. 4.
Fugio, no dia 18 do corrente, um cabra, de no-
me Joaquim alto, reforcado de idade, com a bar-
ba branca cabellos corridos; levou um surrfo do
pelle de carneiro chapeo de baca usado o calca*
de algodio de lislras rota no assento; tem os
tornozollos dos ps um tanto incbados: quem o pe-
gar leve-o a ra do Vigario, a. 24, que ser recom-
pensado.
Fugio, no dia 8 do corrente, um mulatinho
acaboclado, de nome Martinho de 14 para 15 an-
nos, cabellos crespos e bem prelos, denles e*-
ponlados, falla algum tanto gaga, sem unha nos
dedos dos ps ; tem as costas da inflo direita mas
verrugas ; levou calcas de brim pardo jaqueta de
riscado azul-claro ; ha certeza que seguio para S.-
Antflo, de onde he natural, em companhia de dous
escravos do Costa, moradores nesta praca : quem o
pegar leve-o a seu senhor, Joflo Cancio Percira Frei-
r, que recompensar com 40,000 rs.
Desappareceu, na manhia do dia primeiro do
corrente, da casa do Sr. Joflo Comes Martina urna
preta do nomelgnez, de nacflo de 40 annos pouco
mais ou menos. Ksla preta heescrava da mulher do
mesmo Sr. Martina, por Iho ter sido doada por sua
mfli. Costuraava dita escrava vender fazenda na ra
em dous caixOes de (landres pintados de verde,
acompanhada, ora com um preto de nomo Joaquim,
ora com urna preta de nome Benedicta. Quando des-
appareceu levou urna Irouxa com sua roupa ; tem
alguns cabellosbrancos empinhados na lesta e um
carocona parle inferior de um dos bracos; expres-
sa-se muito bem quando falla ; (em os beicos mui-
to grossos e a bocea grande. Quem a pegar leve-a
a sua senhora, D. Anna Joaquina Baptista Marlns,
na ra larga do Rozario, n. 39, terceiro andar, que
recompensar.
Fugio, na noite de 20 do corronle, um escra-
vo crioulo de nome Custodio de 18 annos pouco
mais ou menos, de ieiooes miudas, rosto sobre o
comprido ; levou camisa e ceroulas brancas e cha-
peo de palha : quemo pegar leve-o ao seu senhor,
Cardozo dasalvarengas, que ser bem gratificado.
S
PjiBN, ; NA,P, DSM. ?. DKFAHU,. l8&Q*l
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBFF6HYBW_42NKTT INGEST_TIME 2013-04-13T01:07:29Z PACKAGE AA00011611_05393
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES