Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05389


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-*
Aiino ce 184a
_
Segunda-feira. 17
O DIARIO pul.liea.se todos os dias que nSoj
rem de guarda i o preco da aisignaturiihc de
4f000 ra. por qusrtel, pago adiantadot. Os an-
nuncios do> aulenantes sie inseridos a rasnode
10 ,5. por lint, < rs. IVP difirante, as
repelifes pal. melada. O que nao forem asi-g-
nantes pg.r.o,aO r.- porl.n>a, e 160 e,n lypo
difireme, por ead publica^ o
PARTIDA DOS CORREIOS.
PHABES DI MU NO M DE JANEIRO.
La ova, a a horal e SI min. da manha.
Creeeeaet a 13, as hora e 27 min. da reinuha.
La ckeia a 10, i> hoies e 4S.min. da inanba.
MnMoauta a H, a lioru e J9 min. da mauhSa.
Goianna eParahiba ssegundas e sextas (ein.
Hio-Graode-dn-Norte quintas feiral no melo-dia
Cabo, Serioliom, Uio-Formse, Porto-Calvo e
Maeei, no I.', a I! e 21 d cada mez.
Garaiihiin* e llonilo, i 1 i II,
Boa-Vista e Plores, illt.
Victoria, s cjuintas-feitai.
Olinda, todos os das.
PRAMAR DE HOJE.
Primelra, a* > lioras e 18 minutoi da Urda.
Segunda, aa I llorase 42 minutos da inanba.
tic Janeiro.
Anno XXV.
K.f*.
MAS DA SEMANA.
10 Segunda. S. Anto. Aud. do I. dos orph. o
do J. doc. dk t v. edo J. M. da 2 v.
11 Terca. 9. Pnse. Aud. doJ. dociv.da
v. o do J. de paz do 2 dial, de t.
12 Quarta. S. Canuto 4ud. doJ. dociv. da2.
v. a do J. de pat do 2. dist de t.
13 (tunta. S. ebastio. Aud. do J. de orph. e
do J. municipal da I. v.
14 SeiU. S. Ignex. Aud. do J. do civ. da !. v.(
e do 1. de paz do >. disl. de I.
Ib Sabhado. S. Gaudencio. Aud.do J.civ.di I.
v. edoJ.de pat do I. dist. de t.
18 Domingo. Os Deapotorios de N. Sra.
CAMBIOS NO DA 16 DE JANEIRO.
Sobre Londres a 27 '/, d. por l# r$. a 60 d.
> Pars 360 rs. por franco.
a Lisboa 95 por 16ft de premio.
Dese.deleUrasdeboaslirm.s I a lia/ ao m.
OuroOneaa L-aspanholas.... Snnft a ISfJOO
Moedasde6|t00velli. 16J00 a itfMO.
. de Cito nov.. lii#niin a 16/10
* de 41000..... 9#U00 a ti'""
Prala l'aUces.......... l|0 a l|8t>
Pesos colaainares... IjM a i*9M>
a Ditos meiicauos.... I|80 a IJ820
Miuda..............IM 'I9'"
Aerees da comp. do Beberibe de 0/000 ra.ao par.
DIARIO DE
UCO.
*#'
PARTE OFFICIAL.
\
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 17 DO PASSADO.
Orflcio Ao coinmandante superior da guarda nacio-
nal dos municipios de Scrlnhem e Rio-Formosb, intel-
Ilgenciando-o da nomeacao de bebas lio da Cunha Ac-
cloli Lina par* o posto de tenente-coroncl do quarlo ba-
talliio da inesma guarda nacional.
PortarlasDeterminando que se passetn as srguin-
tes notneaccies : par ajudante do corpo de polica ao
segundo comniandante da respectiva segunda campa-
nbia, Jos Cunegundes da Silva; para o lugar que
pqr esta nomeacao vagn ao lercelro coinmandante da
referida companhia, Joo Lucio da Costa Monteiro ;
para substituir a este aocidadao (autillo Delinques da
"Silva Favora Communicou-se ao inspector da the-
souraria daa rendas .nrovlnclaea. ao eoiniviandan g?-
ral do corpo de polica e ao ultimo dos noineadOS.
DEM DO DA 18.
Officio -- Ao coinmandante das armas, participando
ter resolvido que. sob direccSo do engeaheiro militar
que orea .^JasO ra. a factaa da* dmaa> parta* de
que carene o palol fortaleza do Brum, seja effeltuada
acinelhante obra ; e prrvruindo-o de baver expedido
ordem para que o arsenal de guerra forneca o macbo
de dobradica, requlsltado pelo referido engenheiro.
Tambem Se omclou ao commissario-pagador.
Dito Ao director do monte-pio, traiismittindo uina
ledra de 589/W2 rs., pela importancia das contribui-
ces arrecadadas pelo inspector da thesouraria desta
provincia, do I.* daoulubro a 17 de dezembro de 1847.
Communicou-se ao inspector da thesouraria da fa-
iteada.
Dito--Ao commissario-pagador, dando-ac por intei-
rado de Iiavcri'in-se comprado 10 cavallos para a com-
panhia de cavallai ia de primeira liiiha pela quantia de
770/000 rs.
Ditos Ao mesmo e ao director do arsenal de guer-
ra, remetiendo copia do aviso de 22 de norembro ulti-
mo, que manda deinittir do lugar de portelro do mesmo
arsenal a Francisco de Paula Primo Barata.
Dito Ao coinmandante geral do corpo de polica,
autorisando-o a fazer recolher ao corno, anu de pres-
tar contas da agencia, o omcial Jos Cunegundes da
Silva que se aclia destacado ein Olinda.
Portara Demittlndo a Semino Fcrrcira Leite do car-
go de subdelegado da freguexia do Brejo-da-Madre-de
Dos. Noincou-sc o cidaduo Antonio Aires Campos pa-
ra substituir o deinittido e partlcipou-se ao chele de
polica.
DEM DO DA 80.
Officio Ao Inspector da thesouraria das rendas pro-
vinciaes, ordenando faca pagar a Luis Cae tao Ferreira
Chaves 24/000 rs. pelo aluguel da casa que serve de
quartel ao destacamento policial do Bonito, vencido do
l. de abril ao ultimo de noveinbro de 1847. Particl-
pou-se ao chefe de polica.
Portarla Demittlndo o primeiro e o tercelro aup-
plentcs do delegado do termo do Po-d'Alho. Fdrain
substituidos: este, por Francisco Jos de Albuqucr-
que Pinto ; aquelle, pela capitao Manoel Crrela de A-
raujo Vasconcellos ; e partlcipou-se ao ebefe de polica.
DEM DO DA 22.
Officio. Ao cnsul de S. M. Fidelissima remet-
iendo copia da nformarfo do chefe de polica so-
breo espancsmeiilo sofTrido ulliniamente por al-
gui.s subditos de sua nac3o. No mesmo sentido se
ofijciou ao cnsul de S. M. Britannica acerca do es-
pancameuto do subdito inglcz John Roberto.
Portara. Demillindo a Luiz Hispo Bezerra Ca-
vilcanti do cargo de subdelegado do quarto distric-
todo Altinlio. Noraeou-se o capitao Francisco
Rodrigues de Mello para substituir o deiniltido ; u
particpou-se ao chefe de polica.
Dita. Nomoando suplientes do subdelegado da
freguezia do l'ao-do-Alho : cni segundo lugar ao
lente Joflo Correia de Araujo ; o ein quarto, ao
Iferes Antonio do Reg Accioli. Participou-io ao
cliefe de polica.
DEM DO l)IA 23.
Officio. Ao inspector da thesouraria da fazenda,
designando-o para assistir na pagadora militar,
O DUQUE DE GUISE. (*)
pon frcDcvico $>oulic'.
PBIMEIRA parte.
XXV.
Perdoar-nos-liao, sem duvlda, os nossos leitores o ter-
mos dado a todas as particularidades que precedem tao
estenso lugar nesta narracao, se attenderein a que ellas
inostram, melhor do que o podra fazer a mais exacta
critica, a mlseravei empreza cni que se metiera o duque
de Guise, e que contraste extravagante havia ahi nos cos-
tumes altivos e regios desse descendente de una das
maiores familias da Europa, e a situacao grutesca epe-
rigosa ein que elle se lancra.
Mas nao era bastante o acolbimento que elle recebera
de manha, o singular banquete jue llie acabavam de
dar, a apparicao Se um embaixador tal como Luigi del
Ferro, a chegada de um governador de cidade tal como
Pappone, e a presenta de uin chefe de jgoverno da laia
de Cennaro Annese; era preciso tambem que o deltar
tivesse a sua parte de ridiculo, a qual terlamos, comtu-
(?; Ylde Divio n.* 9.
em o dia 3 de Janeiro prximo futuro, ao oxamo
recommendadopelo imperial aviso de 10 de feye-
reiro de 1845. Communicou-se ao commissario-
pagador.
Dito__Ao director to curso jurdico de Olinda,
significando que, em cumprimento do imperial avi-
so de 26 do fvereiro de 18M Toram suppnmidos
pela presidencia-os dous lugares de guarda da bt-
bliotheca do mesmo curso um dos quacs he soli-
citado por Joflo Baptista da Silva Oliveira no reque-
rmenlo informado por S.S.em oITlcio de 16 desto
mor (dezembro); e que, por isso nflo potlem ser
preenchidossem nOva ordem do governo imperial.
Dito. Ao capitilo do porto, inteirando-o de
haver expedido ordem para se proceder ao concer-
t deque Smc. diz precisar o istlimodo Olinda.
Dito. Ao commandante superior da guarda na-
cional do municipio do Recito, ordenando faca dis-
pensar do servico do respectivo quarto batalhflo
os guardas Delinque Salles de Aimeiua e Lino An-
tonio SaraiVa, quo se aeham nomendos inspectores
dequartorSo. Particpou-se a* chefe de poli-
ca.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PERNAMBUCO.
I.iiba.W denovembrode 1847.
A ordem do dia pela qual el-rel, como coinmandante
em chefe do exercilo, estranha que os militares se le-
nhain ingerido as eleiedes, e prometi castigar aquel-
les que para o futuro pialiqueiu taes actos, da qual Ihc
taUei na mioha ultima, continua a ser o objecto da.cen-
sura dh imprensa cabralisla. O Bland/ir( nao hesita em
repetir que a tal ordem he una aflronta que se faz ao
exercito, o qual nao deve faier caso d'ella, porque os
fundamentos em que se basa sao Inexactos. Costa a
crer que diga, que escreva isto um jornal que se intitu-
la eminentemente inouarchico, e que negu factos evi-
dentemente demonstrados, como he a reprchensivel in-
gerencia que alguns corpos do exercito toniaram as
eleiedes municipaes. U que he urna verdade hc_quc os
jornacs moderados, quando se aeham na opposicao, tor-
nam-se mais virulentos do que os progressistaa.
. A crisc ministerial terminnu aqu como terminan! ou-
tras inuitas cousas. O ministerio Mello-Ferro continua
no poder, e confia sustentar-se nelle at reuniao das
curtes. Persuade-se, que, mudando alguns governado-
res clvls como acaba de verificar era Lisboa, substitu-
indoobarao de Ourm ao marque/ de Fronteira, no-
meando para Braga Mcolodo Arrochclla, elevado lti-
mamente ao paralo, mudando para o Porto o barao de
Vallango, e substituido este em Coimbra pelo Dr. Lou-
renco Jos Moniz, vencer as elelcOrs, nao Se lenihian-
do que estas priuclpacs autoridades nada podero faier,
sem haver mudanza das autoridades administrativas su-
balternas ; que estas eslao de aecrdo cun o centro
da Calcada-da-Kstrelia (casa de Costa Cabial), e que sem
essa mudanca as eleiedes danto iiicoiitcstavelinentc o
triumpho aos Cabracs, se as elelydes nao se espafarem,
o que nada parece indicar, mesmo porque devem ter
lugar no dia 28, cstauos a 28, c nada transpira a tal
respeito.
Esta tendencia do ministerio para o cabrahsmo reve-
la graves successos para o futuro. Pareee-me tcr-lbc ja
fallado de uui projeclo de tratado ofl'eusivo entre Portu-
gal e Hespanha, tratado que se diz estar confeccionado
entre Narvaez e o conde de Thomar, e que se levara_a
rile i to, logo que este ultimo suba ao poder, o que nao
soflVe duvida, ein vista do gyro que teem tomado as e-
leicdes. Segundo se di, a Hespanha c Portugal se obri-
gam, pelo dito tratado, a entrar coin tropas em qual-
quer dos reinos, logo que emalguin delles se manifes-
t algum inovinienio popular. Ora,como nos somos ini-
mensamente mais pequeos do que a Uespanha, ha
inulto quein recele, e nao sem raso, que n'uina dessas
Invasoes que as tropas bespanholas facaiu, e para a qual
selhes pude inuilo bem fomentar pretexto, os Hespa-
nhes oceupem militarmente lodo o palz, c depois di-
gam = isto he meo = ; e adeos Independencia de Por-
tugal. ,
O ministro inglez parece participar destes recelos ; po-
rm a sua guerra be por emquanto de penna, a qual f-
cilmente se Ilude. Dz-se que dirigir una nota ao go-
verno, exlgindo a dissolucao dos batalhdes e o esnaca-
mcnio das elelces, ao que parece que o Sr. Barreiros,
nosso ministro dos negocios estrangeiros, responder :
do, deixado passar em silencio, se algumas de suas cir-
cumstancias ae nao ligassein a acontecimentos poste-
riores.
Gennaro, sem respeito algum a presenca do duque, e
sobre ludo de Aila, comefava a despir-sc, quandp
Guise Ihe fez a observafo que ihe pareceu necessana a
semelbante respeito. Entao, assentou-se elle na cania-
e aqu quizeramos nos antes, que fallasse o proprio du-
que de Guise, para nao aceitarmos para cora nossos Ici;
tores aresponsabilidade dos torpes detalhes de que o
bello llenriquc de Lorcna devia ser testemunba.
Vamos l; donuirei todo vestido, dase Geuuaro ;
maseu sott'io horrivelmente desta perna ; e tu vens cu-
rar-m'a uo he assira, ininha Rouda?
Ronda obedeceu; e, approxiinando-se do marido.fol-
llie desatacando os calcdes, emquanto o duque de Gui-
se dizia a Gennaro: '
EnUio, o seuhor foi ferido em algum reconlro /
Ful ferido, disse Gennaro, se se pode chamar fert-
da a um buraco feito pelo escalpello de uui cii urgiao pa-
ra aqu metter..... '
Ncstc momento Ronda desenrolou urna grande lacha
de panno de linbo, e tlrou de una caixinba um compri-
do collar, cujas perola nio tiiiham iiem o valor iiem o
brllho das que ella trazia ao pescoco. O duque vollou a
caboen coin tedio. ... ,
He este um remedio que o hespanhol Antonio Ma-
osutiodulo emNapoles, disse Gennaro em Ion satis-
cito, e coin p qual me dou muilo bem.
O duque seutio o estomago revolto, e quasi que vomi-
ta ao leiubrar-sc que tiha beijado aquellas maos que se
oceupavam em semelbante inlsler. Voltouse eulao para
Anita, que, assentada n'um escabello, o observava eui
muda conteuiplacao. Honda percebeu que os ollios do
duque repousavain coin prazer sobre as alvas maos de
Anlt. grilou-lhe enfadada;
que o governo portuguez nao eslava disposto a cur-
rarse a diplomacia Ingleza, e que s procedera dls-
soluco dos balalhdes nacionaes, quando a reclaiuacao
fosse feita por todas as potencias siguatarias do proto-
eolio. Ora, como a Franca c a Hespanha j declararan!
este cuniprldo, o Sr. Barreiros nao recela esta recla-
macao.
Tem-se suscitado grande polmica entre a Carla c o
Eilandarte sobre, a gerencia dos Cabracs, e a Carla de-
clarou ltimamente que o Sr. Carlos Morato Roma fra
amcacado de inorte, se deelarasse alguma cousa relati-
vamente s transacefies entre os Cabracs e as compa-
nhias linauceiras, de que liorna ten sido principal a-
gente e director. Coin esta polmica tein-se sabido
queni sao os redactores da Carta e do estandarte. Na
Carla escreve Roma, Ferrao e Rebollo (anligo redactor
do Diario, no teinpo dos Cabraes) bo Kilandarle, Jos
Gabral, Lopes de Lima, D. Jos Mara Crrela de Lacer-
da, Antonio da Cunha Souto-Maior e Jos Carlos Jaconio
Freitas.
No dia 17, annlversario do duque de Saldanha, foraio
as minien* ilna rnrt, d* llnha e batalbes naeinnaea
tocar debaixo das jmilas do palacio de S. Exc. ; e de-
pois a ofncialidade de primelra e segunda llnha foi cum-
primentar o marechai. Eaudemouslrrcao fez logo sus-
peilar que o duque de Saldanha se havia passado para
os Cabracs. Con ettrtn, soubc-se depois, que estas
susneitas se tinhain tomado em realidades, e que o ma-
rechai, no concelho da estado que teve lugar sobre a
mudanca de ministerio, entrada para a nova admiuis-
traciio ae Rodrigo da Fonseca Magalhes, e dissolucao
dos batalhdes, suslcntou que isto nao se devia levar a
efl'cito, porque acairelarla uina oernarda em Lisboa,
qual elle nao se opporia. Parece que el-rei estranhra
o procediineitto do duque, dizendo-lhe que elle nem
seir.prc pensara asslin ; ao que o marechai responder,
coin o maior sangue-fro, que iilllmanicnie mudara de
opinio em vista das circunstancias!
Diz-se tambem que el-rei he objecto da nenhuma al-
inelo dos ulicos, em consequencia de continuar a
moslrar-se opposto poltica que se segu.
Assegura-se que, logo que sir II. Seymour soube da
Humearan do barao de Ourm (Lapa) para governador
civil de Lisboa, dirigir ao governo urna enrgica nota,
pediudo a sua exoncraco, em consequencia do seguiute
hielo. Parece que, por occasio da ultima lula civil,
Lapa quando cntrou em Cintra frente da columna que
cummaiidava, maltratou cruelmente um criado de lord
Hovvard de Waldeu, que all se achava. Em consequen-
cia de queixas sobre este attentado, o vice-consul in-
gles foi Cintra informar-se do caso; e, ioquerindo
testemunhas, reconheceu que era exacto. Era vista dis-
to, forinou-se processo, o qual anda est pendente, c
he em resultado disto, que sir H. Seymour acaba de di-
rigir a sua nota ao governo portuguez, a qual, prova-
velmentc, licara sem eilcito como teem icado oulras
militas.
Os jornacs progressstas teem publicado a biographia
do novo governador civil de Lisboa, l.apa servio no Brasil
ainda depois de declarada a Independencia, e velo dalli
fgido para Portugal, por ler maltratado um Brasilciro,
tra/endo cartas de recoinmendacao do imperador I).
Pedro para sua m.ii a ralnha Carlota. Depois seguio o
partido de D. Miguel, esteve empregado no arsenal do
exercito, c no deposito de Braga, onde inventoii unas
balas ardentespara destruir o Porto quando cntrarain
t-in Lisboa as tropas liberaes, Lapa foi apresentar-se a
D. Pedro, que, conhecendo-o do Brasil, o mandn en-
trar em servico. Desde entao tornou-se um grande car-
lista, e boje he um exaltado cabralista.
Tem-se publicado nos jornacs a correspondencia
liavida entro o duque de Palmella e D Manoel de
Portugal, sobre as oceurrencias de 6 le outubro e
anteriores, de cuja correspondencia Ihe fallei na mi-
nha anteror. Por ella so v a menos boa fe coin que
obrou o ministerio quo sulistiluio ao do tiuque de
Palmella, c do que fez parte D. Manoel do Portugal,
para Iludir ns potencias eslningciras, justificar a
emboscada de 6 de outubro e reclamar a inlcr-
vcnQlo.
O ministro da justiga acaba de dirigir urna circu-
lar a todas as autoridades judiciacs, prohibndo-lhcs
o ingeriiein-senasoleicOes, como autoridades.
Terminou a quesillo entre a Revolufo tle Selembro
o a Mico, acerca do general Povoas, com una de-
claracflo feila por esle general em ambos os jornaes
dizendo : -- que a sua poltica he a da colliga^iio, e
que reconhece como legitima rainlia destes reinos
a ftnhora D. Maria II. --Or, a Ka(do quo na vespe-
ra ti i lu passado em resenta a vida poltica doyelho
general, o dola tinha deduzdo que elle era migue-
J que nao ha remedio senao dcixar-te aqui licar,
v se ao menos podes prestar para alguma oousai vai
embalar essa chanca, cujos gritos nao nos deixarao dor-
mir toda a noite, se nao thegartnos a adomiec-lo.
Anita levantou-se toda corada, c caminhou pira o ber-
b em que haviam posto o hediondo negrinho de que
onda se fi/cra protect.ra; e j Aila ia por as maos
uesse berco todo impreguado da molestia pestilente,
quando Guise, queja havia observado a mlseravei enan-
ca, correu para Anita, e a releve precipitado, disen*
do-lhe:
Nao toque nisso.
E porque nao ha de ella locar? perguntou Ronda;
nao pode eita fazer oque eu faco?
__ A senhora pode arriscar a sua existencia, Ihe disse
Guise, oupelo menos a sua belleza; mas veja que eu li-
quel por dador da vida desta menina aseu pal.
Entao, quem ha de embalar a crianca emquanto
eu estou oceupada em pensar uicu marido? replicou
Ronda speramente.
Eu, respondeu llenrlque.
E eis o valeroso duque de Guise embalando o iinmun-
do berco de tao hedionda creatura, emquanto Anita com
... .... ..-_ .-----.... *.*... ....i-., is-
as
e
lista licou dttapponlada com tal declaraclo, e as
poucas refiexOes quo faz carta do general Povoal,
diz quecessa to o considerar como realista, e quo
oeste partido a falta do utn homcm, por grande que
letiha sido o sen nomo, nofaz differenca alguma.
Ha quetn jutgtic imprudencia ta parte a Recoluc&o de
Selembro ler suscitado esta quesillo, que extreroou o
general Povoas do partido realista; porque o go-
tieral, at agora considerado pelos realistas, deixou
tle o ser, e por ecrlo que niio acarrolar a pos si, so
fr preciso, mais nenhum dos memhros desse parti-
do quo cada voz pareco mais aferrado aos scus
principios, ou levar muilo poucos.
' Agora o homcm dos realistas he o conde de Bar-
bacana, presidente da conimisalo cleitoral realista,
que rejeitou o convito feito pela cotntnissHo cleito-
ral septembrista, dando a entender quo titilia fica-
do reiicido, mas nt> convencido. He este o hornero, a
quem boje chamam deum $ querer e de um t pa-
-Cl .
Appareccram mais dous jornaes, um progressisla,
e outro realista. O progressisla, que se publica ein
Coimbra, denomina-so Observador; o realista, quo
se publica em Braga, chama-so o ReaiUta Indepen-
de te. Diz-se que he redigido pelo padre Alvilo A-
liuela, bem conhecido pelos seus escriptos no tempo
de I). Miguel. Esto jornal he de optiSo que os rea-
listas nflo devem ir urna ; mas, indo, devem vo-
tar com o governo. Ha quem julguo ver insto influ-
encia cabralisla.
O governo determinou quo os administradores
dos bairros tomcm qusnto antes contas aos recc-
bedores geraes, tanto as atrasadas, como as pr-
senles.
Publicaram-se as instruyos para o concurso das
igrejas vagas, segundo o programla do actual go-
verno. _
O marquez de Fronteira foi agraciado com a grfia-
cruz da Torre-Espada do valor, Icaldade o mrito,
em teslemunbo do apreco que S. M. faz da sua pes-
soa, pelos valiosos o relevantes sorvicos prestados a
causa do tlirono o da caria constitucional, navio-
lenta crise por que o paiz passou. O marquez ja era
grlo-cruz do Chrislo.
Na despedida que o marquez faz aos seus entre-
gados, depois da sua exonoragao de governador ci-
vil, di/.: -- Que ignora os motivos quo tlcram lugar
sua exoneracilo, mas quo nflo Ihe cumpre aven
gtia-ios. Depois congralula-se com a nomeacao do
barao de uurm para seu sussessor, dizendo sor um
objecto do satisfaeflo para os verdadeiros carlistas.
O Estandarte tambem se congratula com esta nomea-
Cfio, dizendo quo o governo seguio as inspiracOes
do bom senio !
0 barao do Ourm j pulilicou urna circular, dan-
do parle ta commissao de que fra encarregado, o
pro melle azet mantera obediercia ao governo, o
respeito i lei, osocego elranquillidade; fazer jusli-
ra a todos ; proteger os homens pacficos de to-
dos os partidos.e ser inexoravel.com os anarclnslas.
O governo mandou admltir no pagamento das al-
fa ndegas; desdo o dia 20 do corrento em diante,
os bilholes ltimamente creados, que s deviam ser
admitlidos de dezembro cm diantc.
O agio das notas mclliorou osles das, e seba-se a
1,850 rs. A Carta, orgilo da direccao do banco, diz
que a probabilidadedo um grande emprestimo con-
traludo pelo banco no estrangeiro, a edicacia das
amortisacOes c oulras medid, tudo concorrera
para que ns notas venham no par, ou tenhara um
MlMUIil" IIIUH"H.......-*f ------
(a, e em breve, poique a siluac
ila que a
;o do pa
iz he preca-
descont muilo diminuto. Oxafa que assim acnte-
la, e cm
rissimn.
Consta que fra preso em Londres, por dividas, o
bard de I jigos (llenriquc Marlins Pcrcira). Este in-
dividuo podin ler tuna boa fortuna, se tifio fosse a
sua mana do especular nos fundos para a aug-
mentar, o em lugar do ter ganho, tem perdido lu-
do. O nosso ministro om Londres quiz valer ao ba-
rao, mas nao llio foi possivel.
Segundo as correspondencias publicadas no Ti-
mes, parece que o novo correspondente desto jornal
esta do aecrdo com os Cabracs.
mmstisTrri'wf'rvm'"
s maos juntas diante delle o contemplava por entre la:
rimas de reconhecimenlo e admiracSo. C'omtudo', a
vista dos olhos que Honda laucara sobre Anita, coinpre-
heodeu o duque que tinha coininettido uina grande im-
prudencia, nao s contra si, mas contra a filba de Pap
pone, e cpmecou a travar conversa coin Geunaro sobre o
estado da cidade, procurando faier coin que Ronda lo-
WUM parte nessa conferencia, como una conselbeira
cujas luxes e julzo elle mullo prciava; mas a mulhcr do
Annese mo respondeu palavra a nenhum desses galan-
teios, e guardn o mais obstinado silencio.
Fot durante semelbante conversa que o duque e Gen-
naro ierara entre si a partllba da suprema autorldadc,
da qual o primeiro era o nico investido, se cointudo o
titulo e as atlribiiicOes tivessem alguma signiticacao no
neio da desorden que reiiiava em aples. Guise to-
inou para si o coiiimantlo das tropas, a promocao a to-
dos os poslos c o castigo dos delictos que pertencessem
ao servico militar; Gennaro ficou com a adininistra-
ciio dos impostse a da justlca. O primeiro coulava ebe-
gar por ineio da victoria nina popularidadc que Ihe
pcrinilliria dentro em pouco submetter us suas ordena
todos os que tinhain por si a allelco do povo ; o segun-
do nao via mais que contratos-de grande proveito a con-
cluir con os arrematantes de impostos, um dlrcito de
pilbagem a exercer sb pretexto de perseguir os inim-
bos do povo ; ou uii.iu, segundo as cIreUBattaMta, al-
guna resgatcs que obter e algumas graf as que vender.
O negrinho adormecer con efleito; Aila bavia-se
laucado em cima do culcho estendido ao pe do fogo ;
c Gennaro ordenou mulher que se aceouiodassc coin
Anita, e pedio ao duque que se fosse deitar ao p delle
no leito magnifico do duque Matelone.
Gennaro ficoudeilado do lado da parede ; e o duque
deitou-sc todo-vestido na beira do leito, com o rosto
voltado para a chamln, de maneira que podesse ver
Ronda; licra ella immovel n'outro escabello em que
se havia assenlado, esperando que todos adorinecesscm.
Dahl a pouco os roncos de Gennaro provavam que elle
ja eslava dormindo. Aila nao se bulia; e Guise poz-se
a imitar brandamentc o resonar de Gennaro, para fater
crer que tambem "dorma. Cointudo Ronda, ainda espe-
lou, como paladar aosque dormiam lempo de ferra-
ren ben no soinno; smente o que fez foi voltar-se
para Anita; e Guise vi a-1 lie os grandes olhos negros bri-
Ihareu com um fogo sombro aoclarao de urna candeia-
zinba, suspensa pelo gancho ao varo de ferro que sus-.
tcntava o panno da cbamin.


.2.
t
==i~
BI
As noticias das provincias continuam a ser pouco
tisiactorias, etn consequencia dos excessos com-
n.ettidos |>cIos militares e caccteiros as eleices,
msmo n outras occasiOes. O que ho para lamen-
tar, he que as autoridades nilo tenham frea para
nipnmiroscrirnes, eos criminosos sejam absolvi-
os, como acontocou emWiiles com os assassinos
j|ojuiz daquelle districto e outras pessoas, os quaes
icaram impunes.
Consta que em Vizou o regiment n. 14 dra vi-
vas ao conJe de Thomar.
As commissOes elciloraes de parochia comecam a
razer, nos jornaes, os seus convites aos eleitores.
Chegaram aqu, viudos do Rio-de-Janeiro, o con-
de da Ponte o o visconde e viscondessa do Asseca,
quo foram ao Brasil fazer a venda de urna proprie-
dade que la tinham, c que parece lealisaram por
600 contos, dinheiro fraco. Estes Gdalgos fazom os
maiores elogios as pessoas distinctas daquella cor-
te, pela maneira benvola por que os trataram.
Succedeu ultimamento um assassinio as ras
tiesta capital, queencheu a todos de indicnacSo.
Indo pela ra da Prata um individuo, que era liel
do cominissario de ura navio de guerra, fra com-
rneltido por um co, do qual se defender com urna
Dcngala. Esla defensa foi etlicaz, pois parece auo
matara o cBo. Odonodeste, que era um bolioiro,
tomou satisfacSo ao individuo, e das rasOes passou
o va de fado, dando-lhe urna facada no peito de
que resultou a morte do individuo cima citado. O
l'r. Domingos'de Souza LeSo.
Domingos Affonso Ferroira.
Domingos Jos Ramos.
Emilio Xavier Sobreira de Mello.
Elias Iiaptista da Silva.
Evaristo Mondes da Cunha Azevedo.
lenle EduardoFirmino da Silva.
Eugenio Norberto Alves Ferreira.
Estanislao l'ereira de Oliveira.
Eloy da Cunha l'ereira.
(Continuar-te-ha.)
-T--------------_-------r. t
COMWERCIO.
A lan (lega.
HEND1MENTO DO DA 15............3:887,852
Descarregam hoje, 17 de Janeiro.
Calera Columbus mercaderas.
Escuna Maria-Firmina dem.
Brigue llunnymede bacalho.
Ilrigue Nordem taboado e ferro.
Iliate Flor-do-Recife charutos.
-------------- 'vviiVj V IUIUIU"
se-ihe processo, o qual ter em resultado, pelo me-
nos, o degredo por toda a vida para a frica.
PERNAMB'JCO.
TRIBUNAL DA RELACAO'.
JtLGAMENTO NO DA 15 DE JANEIRO DE 1848.
Dttembargador de semana o Sr. Vatios.
Na Bprje!!a;5c civeS entre Jos Juquin Venoso,
Manoel Feliciano da Silva e o juizo, mandaram no-
va mente descer os autos para concluir-se o accor-
uam.
Na dita dita entre Antonio Ribeiro Guimariles
como administrador do patrimonio de N. S. do Ro-
zarlo e o doutor promotor dojuizo, mandaram dar
vistas s parles.
Na dita dita entre Jos Feij de Mello e o major
Jos Gabriel de MoraesMayer, mandaram dar vista
s partea.
Lillageral dos cidadiloi rendentes no i." 2. districto
do termo do fecife, que leem as quididades exigidas
por lei para serem jurados, organisada pela junta
misara etn 10 de Janeiro de 1847.
(Continuando do numero antecedente)
Bento Jos Fernandos Barros.
Rarlholomen Francisco de Souza.
Bento Francisco de Farias Torres.
Bernardo Damiilo Franco.
Bento da Rocha Wanderley.
Bento Jos da Costa.
Bento dos Santos Ramos.
Ren'o Botelho Pinto do Mesquita.
Capitao Braz Ramos Chavier.
Bornardino Jos Monloiro.
Bellarmino de Arruda Camera.
Bento Bandeira de Mello.
Bernardo Antonio de Miranda.
Bernardino l'ereira de Brito.
Bruno Antonio de Serpa BrandSo.
Bellarmino dos Santos BolcSo.
Dr. Clemente Jos Ferreira da Costa.
Candido Jos de Salles.
Major Carlos Martinsde Almeida.
Canuto Jos Vello/o da Silveira.
Caetano Jos dn Silva.
Christov3o de Santiago de Oliveira.
Dr. Candido Autran na Malta Albuquerque.
Claudino Benicio Machado.
Caetano Comes de Sa.
Candido Thomaz l'ereira Dutra
Dr. Cosme deS Pereira do Carmo.
i andido Jos Lisboa.
Custodio Jos Alves.
ClirislovSo Vieira de Mello.
Cyprianno Luiz da Paz.
Coronel Cypriano Jos de Almeida.
Caetano Pinto de Veras.
Caetano Duarte Pereira.
Tenente-coronel Domingos Affonso Nery Ferreira.
Domingos Anlunes Villaca.
Diniz Antonio de Moraes e Silva.
DelfinoGoncalves Pereira Lima.
Domingos Jos da Costa.
Domingos das Neves Teixeira Bastos.
Domingos Caldas Pires Ferreira.
Domingos Malaquiasde Aguiar Pires Ferreira.
Domingos da Silva Gumar"es.
CQNSULADO GERAL.
RENDIMFNTO DO DA 15.
Geral. .
Diversas
provincial.
2:770,614
81,040
2:851,654
CONSULADO PROVINCIAL.
RENDIMENTO DO DA 15........... 1:695,425
PIUCA DO IIECIFE, 15 DE JANEIRO DE 1848,
AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambio ------ llouve trnnsaccfles a 27 1/4 d. p.
1,000 rs.
Algodflo- ----- Entrarairr!81 saccas. Vendeu-
8e a 5,200 rs. a arroba de pri-
meira aorte, e a 4,70o rs. a de se-
gunda
Assucar- ---------Entraram 371 caixas e grande
poreflo de cargas. Os precos re-
gularam assim : -- assucar brin-
co encaixado, 900 rs. por arro-
ba sobre o ferro; assucar mas-
cavado cncaixado, 800 rs. por
arroba sobre o forro assucar
branco, ensaccado e embarrica-
do, de 1,700 a 2,000 rs. por arro-
ba ; assucar masen vado, ensa-
cado e embarricado, a 1,300 rs.
por arroba.
Couros ------ Venderam-se de 100 a 105 rs. a
libra.
Arroz......- dem de 8,800 a 9,200 rs. o quin-
tal do pilado a vapor.
Bacalho O deposito orea por 10:500 bar-
ricas, inclusive um carregamen-
to de 2:400,enlrado esta semana,
o qual vendeu-se a 10,300 rs. por
barrica, pouco mais ou menos.
Carne secca- Na semana linda, chegaram tres
carregamentos da nova.O pre-
go fluctuou entre 3,200 a 3,600
rs. ~ O deposito he de 35:000 ar-
roba, inclusive a velha.
Farinha de trigo Exislem no mercado 6:000 barri-
cas.Relalhou-se de 19,000 a
22,000 rs., conforme a quali-
dado.
Paios de Lisboa Venderam-se a 2,300 rs. a du-
zia.
Toncinho dito dem de 8,500 a 9,000rs. a arroba.
Vitiho de Sette dem do 62,000 a 64,000 rs. a
pipa do tinto.
Espermacete------dem a 700 rs. a libra de velas.
Entraram na semana (inda 14 embarcares, e sa-
hiram 6.Estfio no porto 53, a saber : 1 america-
na, 1 austraca, 29 brasileiras, 1 dinamarqueza, 1
fraoceza, 1 hespanhola, 6 inglezas, 5 portuguesas,
4 sardas e 4 suecas.
Porto; brigue porluguez Primavera, capitao Rodrigo
Joaqulm Crrela, carga assucar. Passageiro, Jos da
Costa e Silva, Brasileiro.
EDITA L.
Rodrigo Theodorode Freitas, official da imperial ordem
da llosa, cavalleiro da de San.-Bento-d' Avi; condeco-
rado com a medalha da restauraeda da Rahia, por oa-
casiSo da independencia, capltdo de mar e guerra gra-
duado d'armada nacional e imperial, inspector do ar-
senal de marinha dala provincia e capitdo do porto
da mesma, por S o Imperador, que Dos guar-
de, ele.
Faz saber a quem convier, que esta autorisado pe-
lo Exm. Sr. ministro da marinha, em aviso de 23 de
noYcmbro do anno prximo passado, a engajar o
maior numero possivel de individuos para servirem
nos cornos de imperiaes marinheiros e de fuzilei-
ros navaes, de dado de 16 a 25 annos, de boa ap-
parencia e sadios, dando-se a cada um, como prc-
meio de engaj amento, a quantia de 6,000 rs.; po-
dendoos quequizerem servir assim em ditos cor-
pos apresentar-se nesta capitana em qualquer
dia til da semana, durante as horas doseu expe-
diente.
Capitana do porto de Pornambuco, 13 de Janeiro
de 1848.
Rodrigo Theodoro de Freitas,
CapilSo do porto.
Deca racoes
.ti o vintenio do Porto*
Quando Ronda julgou eslar bem certa do sonino das
pessoas que a cercavam, levantou-se devagarinho, foi
ajoelbar-se ao lado de. Aila e ahi fcou a contemplar
por inulto tempu este tenro e fresco rosto. A luz incerta
e mesqulnha da candeia nao permittia a Guise o deseo-
luir a exprrsso das felccs de Ronda, cujo rosto, incli-
nado para Auita, eatava intelrainente uo escuro. Nao
obstaute. Guise julgou ver que Ronda levava devagar a
man acintura: e arrancava um punlial..... K j.i o duque
ia gritar, quando um gemidu doloroso que partir do
biTfu deievc repentinamente Ronda. Levantou-se ella
com terror; e Aila tendo-se inechido nocolcbo, Run-
da, para disfarcar a sua presenta, poz-se em *r de quem
se quera drspir.... Depots. dcsacolcheuu o vestido,
e o deixoa cahir aos p*. Pode en! o duque admirar
agraca ea riqueza desemelha'it..' cintura, que os hbi-
tos rediculos to disforme tornavam. Apropria RVnda
pareceu arrebatada ao vr-se assim ; e fui collocar-se an-
te uin riquiwiino espelbo de Veneza, que fazia parte do
magnifico espolio que entulhava essa cmara; e ahi,
vufiando-se e iiicliuando-sc de todos os lados, pareceu
certiflear-se de que a sua beilea era capaz de I mar com
a de Anita.
O duque de Guise era um homein terrivel; mui bravo,
inui ambicioso, e mui altivo; mas nao pudia ver um ros-
to provocante, um corpo engranado, sein que alguna
pcnsamenlos de amor, aiguns desejos de senauatidade,
Ihe viessem apagar logo do espirito todos os grandes pro-
jeclos com que elle souliava, c toda a prudencia que
prometiera guardar para os levar a efifeito.
Ao ver, pois, Ronda ostentar assim, diante delle, esses
encantos que Ihe haviain alcancado a admiraco de ao-
brea e plebeus, esleve a ponto de esquecer-ae da con-
quista do reino de aples e dos artigos Importantes do
tratado que assignra com o irm.o de Luigi; esquecia-
Navio entrado no dia 15.
Rio-Grande-do-Sul; 26 das, brigue brasileiro Juno, de
190 toneladas, capitao Jos Francisco dos Sanios, c-
quipagem 12, carga caiuc sebo ; a Amorim Irmaos.
Navios sahidos no dia (6.
Pbiladclpbia; patacho americano R.-F.-Loper, capitao
Thomas J. Waison, carga assucar e cauros.
OII m. Sr. administrador do consulado (provin-
cial manda fazer publico, que, no dia 21 do corren-
te ao meio-dia em hasta publica na porta do
consulado. se ha"o de arrematar 7 caixas, conlendo
cem charutos cada urna fabricados com fumo da
provincia, avaliados em 29,400 rs., e apprehendidos
sem despacho peio fieida inspeccSo do algodflo e
assucar, Manoel Ferreira Chaves Jnior sendo a
arrematadlo livre dn de;pe
Mesa do consulado provincial, 15 de Janeiro de
1848.
JsSs Ignacio do Reg,
Escrivbo da 1.' sccqSo.
A ndmmistracSo geral dos estabelecimentos de
candado contrata, pelo lempo que decorrer do dia
da arrematado a 30 de junlio do corrento anno, o
fornecimento das drogas de quo precisar a botica
do mesmo estabelecimento. Os pretendentes diri-
ja m-sc a sala das sessoes da mesma administradlo,
no dia 17 (qoje) do corrente, pelas 4 horas da tarde,
aonde se lites apresentar a notadas referidas dro-
gas, afim de organisarem as suas propostas.
Administracilo geral dos estabelecimentos de ca
rioade, 10 de Janeiro de 1848.'
F. A. Car aleante Cousseiro,
Escripturario.
A administrado geral dos estabelecimentos de
caridade contrata, pelo lempo que decorrer donaia
da arrematara a 30 d* jun+io do corrente anno, o
fornecimento dos vveres seguintes: carne verde do
segunda sorte, gallinhas, capOcs oufrangas, pflo e
bolacha de boa farinha, assucar refinado de prime-
ra sorte, dito branco redondo, manteiga franceza
boa, aletria, mascarrfio ou talliarim, cha hysson,
loucinho de Santos, caf em grflo, azeito de carra-
pato, dito doce, arroz pilado branco, vinagre de Lis-
boa, sabSo preto, lenha de mangue de axas regula-
res, farinha de mandioca boa, vinho branco borne
dito tinto. Os pretendentes dirijam-se ala das
sessOesda mesma administrarlo, no dia 17lhoje}do
corrente,pelas 4 horas da tardo,muni Jos de suas pro-
postas. Administrado geral dos estabelecimentos
de caridade, 10 de Janeiro de 1848.
O escripturario,
F. A. Cttoalcante Cousteiro.
tes, a flm de agradar n8o s aos senhores que a hon-
rarem com a sua a9Sgnatura, como a um publico
a quem niais grata so confessa.
0 importe das seis represontacocs ser pago quan-
do se entregar ao assignante o camarote enectivo.
As pessoas que quzerom assignar torno a vanta-
gem dapagar os camarotes de 1.* ordem, por5,ooo
rs., em lugar de 6,000 rs.; frente, 9,000 rs., em lu-
gar de 10,000 rs.; 2. ordem, 7,000 rs., om lugar du
8,000 rs.; frente, 11,000 rs.. om lugar de 12,000 rs,
o 3.' ordem, 2,000 rs., em lugar de 3,000 rs.; frente,
3,000 r*^ om lugar de 4,000 rs.
As pesoas que a quizorem honrar com a sua s-
signatura, dirijo-sea ruado Queimado, n^ 16,m
n ~! ~ *m ,.11 n* .im I
casa ua uuni.-m.iuu-, -- ..- .--
n. 35, loja de mindetas.
uu a.vi.,iu,
se de Geonaroque roncava ao p delle; esquecia-sedos
cuidados nauseabundos que ella liavia prestado ao ma-
rido; e at te uvera esquecido de Anita, se Ronda nao fi-
jara toda a sua alten;ao sobre ella de um modo bem
singular. Satisfeita de si mesma, quiz comparar a sua
belleza com a da rival adormecida. Voltou, pois, para
ao p de Anita e iuclinando-se outra ves sobre ella, des-
eobrio subtitlente esse seio infantil; d'alii, otilando so-
berna para si, como que pareceu dar-se a preferencia :
pozopjunto doda donzella; e, levantando de leve o
scu vestido e o d'Auita, deixou ver ao duque dous ps
deliciosamente torneados e de urna elegancia que tor-
nara bem difficil o juizo. Aperna de Anita era inaia
suave e mais arredondada a de Ronda era mais ci-
game e mais albita.
Este extravagante exaine conservava Cuise tao acor-
dado, que tinha toda a difficuldade possivel em fazer
crr que dorma; era, porcm, lempo que essa compara-
cao cessasse, porque o duque, bem convencido do pro-
fundo somno de Gennaro e do de Anita, eslava quasl a
levantar-se para dar a palma bella que eslava acorda-
da, ainda que no outro dia, depois que acordasse a for-
mosadormenlc.elic livessedeannullarsenelbanlejuizo,
quando vio Ronda parar sbito, e lomar a candeia: coin
o rosto agora mais Iluminado, deixava ella vr urna
sombra expressao de despeito; approximou a luz do
roslo de Anita, e ficou de novo na sua muda contempla-
cao. De repente apagou a candeia, e o duque nao vio
mais nada, mas ouvioque Ronda caminhava ainda pela
coslnha; e pareceu-lhe que ia at ao berco donegriuho,
d ahi que voltava para junto d'Anlta. Depois, houve um
silencio completo que durou perto de um minuto, ao
cabo do qual, um grito espantoso dado por Auita re-
tumbou na camera: Guise lancou-sc abaiio do leita,
Gennaro acordou gritando ab que del-rei, e quasl que
O caixa da companhia de Beberilie, tendo de pres-
tar conlas a administracSo no dia primeiro de fe-
vereiro lembra aos Srs. accionistas em atraso a
entrada dos austro por cento da nona preslacao.
Recfe, 13 ue Janeiro de 1848. itf. G. da Silva.
THE A TRO FuBLICO.
Margarida Deperni animada por muitos senho-
res amantes de muzica loma a liberdade de offere-
cer a este Ilustre publico urna assignatura de seis
representarles vocaes e instrumentaes, que dar de
15 era 15 das, comeenndo a primeira no lim de Ja-
neiro do corrente anno. Cada espectculo ser di-
vidido em 3 partes com qualro pecas de cantor ia e
instrumental para cada parte. A mesma assegura
que da sua parte far todos os esforcos possves pa-
ra serem os espectculos os mais variados e brilhan-
Publicacues LitteraritM*.
COMPENDIO
da ortftographia da Ungoa nacional, pelo profenor An-
tonio Alvares l'ereira Curuja membn do instituto
histrico e geographieo bratiltiro a tuttural do
Porto-Alegre capital ia provincia dt Stn-Pedro
do Rio-Granie-de-Sul, etc. ''
O prologo que se segu e que sahir impreaso
com esta orthographia, d a conhecer que ella nSo
he urna obra semelhauto smuilas|das que diaria-
mente se publicam.equeparece nao terem autro lim
que o de augmentar o numero de livros,; vfr*e que
he urna obra de immenso traba I lio, e que ser de
urna utilidade incalculavel. Leia-se,pois,
PROG0LO.
Animado pelo bom successo de aiguns compen-
dios que tenho organisado para o ensino da moci-
dade de que ha vlnle annos me oceupo, emprehendi
o presente Compendio da orthographia da lingoa na-
cional de que tanto carecamos.
Depois que o padre Joo de Moraes de Madurtira
Feij om 1734 fez imprimir a sua orthographia, en
grande parte fundada nos principios do padre U
Rafael Bluteau, nenhuma outra tem apparecido que
pesss Siii'azer ss desojes ios sstudiosos : maa as-
sim como antes delle Jodode Barros o licenciado
Duarte unes de LeSo Alvaro Ferreira de Vera e ou-
tros lizeram neste genero exceiientea composicOes,
algumas das quaes pelo volver dos lempos eahiram
em desuso; assim tamban padre Madurera, de-
pois quo appareceram os diccionarios de Antonio
Maraes e Silva e Francisco Solano Costando, tem per-
dido aquello interesse que inspirara- na poca da
suaedicSo. Porm o grande vulto daquellcs diccio-
narios a cuja leitura por olevado preco nSo podetn
ehegar todas atfclasses principalmente a daquel-
lcs quo, r,3o tendo em yista procurar signiGcavoa
de palavras contentam-so com bem escrev-las, faz
que suas doutrinas no possam ehegar a todos:
julguei, porUnto, fazer um servico apresentando
compendiadamente a presente orthographia que,
contendo a mesma ordem as doutrinas de que
traten o padre Madurera, encerr todava expli-
cacOes minuciosas, claras e concisa das materias
que fazeiii u seu objecto.
Neslo compendio encontrara o Wtor explica-
gOes obre as letlras do alphabeto, seu uso e pro-
nuncia, esobre os ditongos : os diversos sons de
algumas consoantes as lingoas vivas, com que es-
tamos mais em relaco ; observaQOes ceres do uso
de a, a>, tu, k, ph, th, y, autorisadas com explica-
cOes dojdilfereutes autores ; regras sobre as con-
soantes dobradas ; formagSo dos pluraes dos no-
mes e diversas inflexOes dos mesmog. tanto nos
substantivos como nos adjectivos ; uso das abrevia-
turas dos nomes, tanto na pratica commum e na
commercial, como na scientifica ; regras de pon-
tuaefio acompanhadas de exemplos apropriados, e
ex pl i caces dos difieren tes signaes orthographcos
eaccentos prosdicos; conjugacOes dos verbos re-
gulares e irregulares, e as diversas inOexoes em
suas differenles vozes; nomes proprios de homens
e mulhercs e aiguns fsobrenomes de escriptura
duvidosa em ordem al phabetica; nomes dss cidades
e villas notaveia do Brasil, tambem em ordem al-
phabetica, e escrlptos da maneira porque leem ap-
parecido as pegas ofllciaes.
Segur-se-ha um extenso vocabulario, que, alm
de mencionar as palavras mal pronunciadas entre
o vulgo, constar em geral de todas as palavras de
nossa lingoa que apresentarem duvida na pronun-
cia, ou na eseripta : os nomes em cuja pronuncia ,
ou modo de escrever houver duvida IrSo com ella
oxplicada ; os pluraes duvidosos rilo por estenso;
os superlativos irregulares e aiguns comparativos
irffo unidos a seus positivos ; iro tambem por ex-
tenso as terminares feminnas de adjectivos em
que possa baver duvida ; os verbos irregulares te-
rflo referencia pagina em que se echar a sua res-
pectiva conjugado ; os participios irregulares irSo
juntos de seus respectivos verbos. Enconlrar-se-
hSo neste vocabulario as palavras que teeme com
som de q as de x com suas differenles pronuncias ;
asdesom ambiguo entre eef, e entre o e u ; as
que tiverem de escrever-secom com c ess, g e i, s
ea, chex; as que tem u liquido as syllabas gue,
e gui, queequi; as que se houvorem de escrever
com th, e em geral as de consoanlo dobradas; ex-
!
no mesmo instante se ouvirain terriveis pancadas por-
ta de Candle, o qual berrava desesperado como ura fu-
rioso.
Guise percorrla a cmara s apalpadellas, emquauto
Aila gritava:
- MeuDeos! meuDeos! que be que mesuccedeu? !
Entretanto, Ronda perguntava tambem a todos qual
era o motivo de semclhante confuso. Guise abri a por-
ta para pedir lu, e Caruiole e Angelo entraram (inme-
diatamente, traiendo cada um um archote acceso. Gen-
naro havia-se escondido entre a cama e a parede; Anita
eslava de joelhos sobre o colcho, com o rosto alterado
por Lm indizivel terror : e Ronda, em p no mel da ce
sinha, repetiaa cada instante toda chaceira :
Que he que tem esta rapariga para gritar assim ?!
Que tens tu, Anita?! que te lizeram ?! diz! a Car-
uiole em tom ameafador.
Que tem a menina? Ihe perguntou o duque: oque
foi que a amedrontou desse modo ?
Anita lan(ou em torno de si um olhar vago e aterrado
e respondeu arquejando:
Nao sel..... mas, no meio do meu smno, pareceu-
me que um anao disforme se me haviadeitado sobre o
peito..... depois pareceu-me que me passava as mos
calosas pelo seio; depois, que me suba at ao roslo, e
pareceu-uie sentir como que labios enrugados e ftidos
que seinc collavaiu bocea..... ed'abi acordei.
Angelo sorrio cruelmente, em ar de triunipho.
Guise olhou immediatamente para Ronda, e rssa rau-
Iher supportou altiva o olhar Indignado que Ihe laucava
o duque.
Ambos haviain comprehendido que o sonbo de Antta
era real, e que esse anao hediondo era o miseravel oe-
giinlio empesudo que berrava no berco!
Anda l, toleirona, dase Scoppa sobrinba, deisa-
nos dormir em paz, que bem precioso temos.
t E dlse-lbe iimbmi, accrescentou Gennaro sahindo
detrs da cama onde se havia acocorado, que, se ella
comeca outra algazarra como esta, mando-a por na ra.
A sade do homem mais robusto nao poderia resistir a
medos como os que eu hoje tenho agoentado.
Nao quero incommodar a uinguem. disse Anita ;
vaino-nos embora, ineu to, vamu-not embora.
Depois voltou-se para o.duque d Guise e disse-lbe :
Adeos, senhor duque !
Porque se val embora .' Ihe perguntou Guise ; seu
pal a luuiiu a ii.cu cuidad, e eu uevo responder-Ule
pela sua vida.
Equevaleamlnhavlda?! respondeu Anita chela
de tristeza ; alm disso, accrescentou ella, eu sei que
nao hei de morrer moca, foi Cucurullo quem m'o disse;
diase-me tambem que eu havia de ser infeliz e bem me
parece que j o comeco a ser.
E sahio ella com Caruiole. Ronda reelinou-ae sobre o
colchfio; Gennaro poz-se de novo a roncar; e Guise
perguntou a si mesmo se com etfelto era elle o mais ele-
gante gentil-boinein da corte, o representante de una
familia que por pouco se nao apoderara d cora de
Franca, o que eslava deltado hombro a hombro com un
miseravel cheio de ulceras, e nesse immuudo couto, to-
do a tra vaneado com os despojos dos nobres assassina-
dos e roubadoa por semelhante miseravel.
FUI DA PRIMEIRA PARTE.
(Contimr-tfha.)
J
\


m _________g
plicagfles das palavras de pronuncia semelhante.
que se escrevem diversamente segundo a diflercn-
ga de suas significagoes; muitos nomes estrangei-
rs ntrenos introduzldos, com os nossos corres-
pondentes ao lado aflm de so fazer delles bom uso
e evitar o seu abuso; muitos nomes irflo com a ex-
plica^rso de sua pronuncia o que a tornar mais
fcil aos estrangolros; om geral todos os nomes do
vocabularios irlo acompanhados da classificagio a
que pertencem entre as partes da oragflo o que
muito facilitar aos que so derem ao estudo da ana-
iyse grammalical.
Nflo he esto llivroeseripto para os sabios e Ili-
teratos, que, alm da opiniSo queja devcm tcr for-
mado sobre a materia terflo sem duviila cxcellen-
tes autores a consultar; desses espero eu em lem-
po a devida critica para melhor perfegflo da obra
em alguma futura edicSo : escrevo sim para aquel-
los que, n.fo podendo dar-se ao estudo da lingos ,
se contentam com escrev-la sem erros.
Perdeu-se, na noite de quinta-foira, 13 do cor-
rente, umacartoira usada; de mnrroqum verde,
desde a praga da Independencia at a pracinha do
Livramento, contendo cinco cdulas de 5,000 rs. ,
dous pataces urnas (tratas miudas diversos as-
sentos e papis quede todos se nlo lembra o do-
no-, e entre elles duaslettras sacadas pelo Sr. Ga-
briel Soares Rapozo da Cmara e aceitas pelo lllm.
Sr/coronel Jos Carlos Teixeira com o pague-so a
Manoel Lucas de Araujo Pinheiro ambas do valor
de seiscentose tantos mil ris, ou de um conloe
tanto. Roga-seao aceitante, que as nflo pague se-
nSo ao propriodono; e pessoa alguma faca transac-
c3o com ellas visto se terem perdido. Quem as li-
ver achado, quorendo dosencarregar sua conscien-
cia, podera ou mandar entregar, para que senflo
venha a saber quem actiou, na ra das Cruzes n.
40, que receber de gratificagflo todo o dinheiro que
havia entro da dita carteira.
Antonio Ferreira Braga embarca para o Rio-de-
nos til e enrgico he para desfazer' as cataratas,
destruirs nevoas e de prompto debelar qualquer
inflammagilo ou vermelhidflo dos olhos NSo causa
dr, nom estimulo na parte.
Ooutro liquido rcstilue a faculdadc do ouvir os
sons ao ouvido tocado de surdez, ainda que invete-
rada, urna vez que o mal nflo seja de nascenca, sem
causar em lempo algum o menor incomniodo ao do-
nto, o sem priva-lo de cuidar em seus negocios.
9 contena m com escreve-ia sem erros. aihuiiiq rerreira uraga enmarca para o
Est aberta a subscrpgflo para esta interessantis-1 Janeiro o seu escravo de nome Christovflo.
sima obra at meiado do prximo fevereiro( lemo
po em que serflo remettidas para o Rio-de-Jancira
as listas dos Srs. subscriptores), na livraria da ru
da Cruz no Kecifo, n. 56. O prego da subscripto.
ser em urochura 3,000 rs. e oncadernado 3,500 rs.
j'.
Vendem-ae, na loja de J. Chardon, no Aterro-da-
Boa-Visla n. 3, as seguintes publicares :
Annuario poltico e histrico do Brasil (1846).
Curso da historia da philosopha de V. Cousin ,
traduzido por A. P. de Figueredo.
O Progresso tomo primoiro (1846),
As sete cordas da. lyra 1'., 8., 3.*, 4.* 5.1 1-
vracOes.
Memorias sobre o melhoramento do porto de
Pernambuco, por L. L. Vauthier.
Na mema loja assigna-se Folhitinitta do Rio-
do-Janeiro.
Publicaco commercial.
Sahio luz no Rio-de-Janeiro, e acha-se venda
n es la eidade na loja do Cardzo Ayres, ra da Ca-
deia-Velha, n. 31, Aritlimetica Commercial, por J. G,
Kottinger, 1 vol. em 4.*, 3,000 rs.
Avisos martimos.
Est a chegar'muitp brevo do Rio-de-Janeiro
o brigue porluguez Oliveira, que lem de seguir
viagem desta para a ilha de San-Miguel, por todo
o vindouro moz : pelo que se previne aos que para
all pretendem carregar e ir do passagem, de
se entendrem com o consignatario Jo mesmo bri-
guo, Joflo Tavares Corder, na ra do Vigario,
n. 8.
Para a Baha segu, no da 19, a sumaca Santo-
Antonio-de-'adua, por ler sua carga prompla : Ira-
ta-se na ra do Vigario, n. 5.
Para o Rio-de-Janeiro sahir, al o fim do cor-
rente mez, o brigue nacional Despique, por ter a
maior part e de seu ca rregamento engajada : para o
resto passageiros, e escravos a frete, trata-so com
Machado & Pinheiro, na ra da Cadeia, n. 37, ou com
o capitao, Joaquim Jos dos Santos. .
-- Vende-se o hiato nacional San-Joo: tambom
se frea para qualquer porto do norte ou sul quem
pretender fazer qualquer destes negocios, dirija-se
a loja'de cabos de Caetano da Cosa Moreira ou a
bordo do mesmo hiato.
Para Lisboa com escala" pela ilha de S.-Miguel
sabe, no fim do corrento, mez, o brigue porluguez
S.-Domingos; ainda recebe urna pouca de carga e
passageiros : a tralar com os consignatarios,'Men-
t es & Tarrozo, ou com o capitflo, Manoel Concalves
Vianna, na praga do Commcrcio.
Para o Ro-dc-Janeiro sabe, uestes das, por s
Ihe fallar un: pequeo resto de carga para abarro-
tar, o brigue nacional Sociedade : para carga, passa-
geiro ou escravos a frete, a fallar com Jos Francis-
co Collares as escadihas, ou na loja de ferragens
da esquina da ra da Cadeia, com ocapitlo, ,Je-
ronyino Jos Telles.
Para o Porto, sane imprelerlvclmente no dia
20 do corrente, o bergantim porluguez Ventura-Fe-
liz, porseachar quasi promplo : recebo um resto de
carga o passageiros, para os quaes offereco bons
commodos : trata-se com os consignatarios, Mcndes
& Tarrozo, na ra da Cruz, n. 49, ou com o capitflo,
Zeferino Ventura dos Santos, na praca do Commcr-
cio.
Para o Rio-de-Janeiro sahir breve o brigue
Santa-Varia-Boa-Sor te, capitflo Jos Joaquim Dias
dos l'razeres. Quem no mesmo quizer carregar, em-
barcar escravos ou ir de passagem, pode entender-
se com Amorim Irmflos, narua da Cadeia, n. 45, ou
com osobredito capitflo Prazeres.
Para o Porto sahe, com muita brevidade a
barca Bella-Pernambucana por ler a maior parte de
seu carga prompla : quem neila quizer carregar, ou
ir de passagem, para o que offerece os mais asseia-
dos commodos dirija-se ao consignatario Anto-
nio Francisco de Moraes, na ra da Cadeia do Re-
cife, loja n. 51, ou ao capitflo na praga do Com-
mercio.
Para o Rio-Grande-do-Sul pretende sahir, no
dia 15 do corrente, o brigue Dos-te-Guarde, capitio
Manoel Jos de Azevedo Santos : pode receber al-
guna eicravos frete, para o que trata-sc com odi-
*lo capitflo, ou com Bailar a Oliveira, na ra da
Cadeia-Velha, n. 19.
Avisos diversos.
Quem annunciou precisar de urna pessoa que
entenda de escripU do trapiche, dirija-se a ra do
Livramento n. 25, segundo andar.
Precisa-so de um caixeiro Porluguez que te-
lina alguma pratica de venda, sendo mesmo dos
chegados prximos de Portugal, de 12 al 14 annos :
na ra d Agoas-Vcrdes, n. 48. Na mesma eaaa pre-
cisa-se de um olicial de charuleiro.
A luga-se urna boa usa terrea na ra Bella, com
duas salas, 3 quarlos, cozinha fra, quintal e cacim-
ba : a Uatar na ra do Collegio, n. 15, segundo
andar.
--Na ra Formosa, esquina da ra da Uniflo, pre-
cisa-sede duas criadas para o servico interno do
urna casa.
~ Alugarc-se os segundo e terceiro andares do
sobrado da ra da Lapa, n. 13 por muito commo-
do prego : para ver, no primeiro andar do mesmo
.sobrade, e para tratar, na praga da Boa-Vista, n. 7.
D. Mara Marroquina de Jess
Nazareno faz ver ao respeitavel publico,
que o seu genio, JoSo Baptista Uodrigues
da Silva Cahral, deixou de ser seu pro-
curador desde o ultimo de novernbro
prximo passado j e lodo e qualquer
negocio, que appareea depois daqulla da-
ta, he millo. ngenho Novo da Farahi-
ba, lo dejaneiro de iH'|8.
-- O Sr. que lirou um raix.lo com caranguejos,
vindoda ilha de Fernando para Antonio Dorges da
Fonseca poda levar tambem o caixflo com areia :
deixa-se de publicar o seu nome por ser cousa in-
significante, mas, fazendo oulra, nflo ficar em
segredo.
Precisa-so de um homem para feitor de um
sitio peito da praga quesalba tratar de arvoredos
e de vaccas: e bem assim,que queira vir vender fru-
tas na praga em um cavado ; quem quizer annun-
cio.
Quem precisar de 100,000 ra. a premio de 2
por cento, sobre pinhores de curo ou prata, dirija
se a ra Imperial, n- 37, do meio-dia em tiante.
Vende-se um bonito moleque do 15
annos, muito esperto e hbil; um di-
to de 22 annos, que cozinha muito bem
o diario de urna casa, refina muito bem
assucar, he muilo diligente, e nfio
lem vicios ; dous pretos ptimos para
todo o servico; dous mulatinhos de 10
a 11 annos, muito lindos o espertos;
urna bonita preta muito moga, perfeita
costureira e engommadeira, que co-
zinha o diario de urna casa e he muito
desenlia lacada para todo omaisarran- vHJ
jo de casa ; 8 ditas muito mogas com
algumas habilidades : na ra do Viga-
rio, n. 24, se dir quem vonde.
Quem annunciou precisar do l homem que on-
lenda do escripia dp trapiche da alfandega diri-
ja-so a ra Nova loia n. 58, que se dir quem he.
Constantino Jes Filppe Santiago retira-se, at
o dia 31 dejaneiro deste anno de I848,para fra des-
ta provincia de Pernambuco, por isso faz publico
por esla folha para que as pessoas que lvcrem pe-
nhores, os venham tirarom at o dia 20 do mez de
Janeiro e as que nflo os tirar al esle dia os perde-
nlojpor isso que silo avisadas para que nflo ignorein,
ficando o mesmo empenhante sem nenliumi res-
ponsabilidadcjcm taes penhores. O mesmo lambem
vendo a armagflo de loja, propria para fazenda ;
urna escrava de 13 annos, recolhida propria para
mucama : lambem vendo a mobili.i de sua casa :
tudo por prego rasoavel: no pateo de N. S. do Ter-
go, n. 28.
AO PUBLICO.
Em mui crescido numoro contavam os mdicos
al agora molestias incuravos, contra as quaes s
era permiltido ao paciente resgnagflo para soffrer
um mal de queja nflo havia esperangas de poder li-
berta-lo, e ao medico phlantropco a dr de ver
muitode soussemelhantes victimas de enfermida-
des, contra as quaes se dcclarava impotonte, po-
dendo apenas lamentar a fraqueza da inteligencia
humana. Mas, gragas aos progressos da medicina,
gragas ao zelo de homens incansaveis, que, nflo des-
esperando da perfectibildade da sciencia, se teem
dedicado inveslgagflo de remedios que possam
alliviar humauidado dealguns males que a aflli-
gem, o numero das molestias reputadas incuraveia
vai de dia em da diminuindo. Assim, achar depois
msTtiucgOES rxiu o uso dos rmboios.
O dos olkot emprega-se do modo seguir.!':
O detente, paja manhfla, em jejum, urna hora pou-
co mais ou menos depois que erguer-se do Ieito,
tomar sobre a palma da mflu pequea porgflo da-
quollaagoa; o com ella moldara bem os olhos, fa-
zendo que algumas gottas caiam sobre o globo oc-
cular: sem os limpar, os conservar molhados at
que naturalmente enxuguem : ao deitar-so noite
praticaro mesmo: durante o tempo que usar do
remedio evitar o calor, acgflo de fumaga e o vento;
far abstinencia de comidas salgadas, azedas e adu-
nadas com especiaras.
Oremedio dos ouvidos ser applicado do modo que segu:
O doer.tc, pela manhfla, urna hora pouco mais ou
menos depois de erguer-se, ainda em jejum, far
derramar dentro dos ouvidos quatro ou cinco got-
tas do liquido, tapando-os depois com algodflo em
rama ; a noite ao deitar-se repetir a mesma ope-
rago. Durante o uso do remedio evitar expr, os
ouvidos principalmente, acgfl do calor e do.ven-
to, aflm de evitar grande transpirsgflo, havendo cui-
dado em nflo molhar os ps em agoa fra ; finalmcnlo
deve abster-se de comidas salgadas, azedas e ado-
badas.
Estes remedios esto a venda na botica de Bar-
tholameo Francisco de Souza, na ra larga do Ro-
zarlo, n. 36, nico deposito em Pernambuco, pelo
prego de 2,240 rs. cada vidro.
Alugam-se os seguintes casas : urna casa ter-
rea, com duas salas, gabinete, seis quarlos, quintal
e cacimba, na ra Formosa, n. 4, por 200,000 rs an-
nuaes; duas ditas, com commodos para grande fa-
milia, na ra do Seve, ns. 3 e 4, por 14,000 rs. men-
saes; duas ditas pequeas, caialas e pintadas de no-
vo, na i ua do Sebo, ns. 52 c 54, por 8,000 mensaes; e
urna mei.i agoa, na ra da Soledade, n. 37, por5,0o
rs. mensaes quem pretender dirjase ao oscripte-
rio de F. A. de Oliveira, ra da Aurora, n. 26.
Tem-se contratado com os Srs. Jos Francisco
do Souza Lima e Manoel Francisco Ramos a compra
da casa torrea da rus daCloria, n. 114 : se alguem se
julgar com algum direito ou livor de fazer alguma
icclamagflo, queira annunciarnoprazodeO dias.
Aluga-se o segundo andar do sobrado silo na
ra da Guia, n. 64, por prego commodo : quem o pre-
tender dirija-se ao Sr. Jos Pereira, com venda na
mesma ra, casan. 7, ou a loja deniiudezas n. 22,
da ra larga do Rozario.
Precisa-se contratar um individuo que tenha a
precisa capacidade para ensnar os tambores do 2.a
batalliflo to artilharia a p : no mesmo batalhflo
vende-se um zabumba, muito bem feilo e novo, tuas
trompas, tuas cmelas de chaves, c outros instru-
mentos quo, concertados, inda pdem servir; a Ira
lar no quartel to Hospicio, das 8 horas to da at s
3 da tarde.
- O secretario da irmaiiflade
de San-Jos-d'Agonia, d'ordem
da respecliva mesa regedora, con-
vida a todos os irmos da mesma
a se reunirem em mesa geral em
o dia 18 do correnl, pelas \ lio-
ras da tarde, no convento do Car-
ino; afim de se assignar o con-
trato celebrado entre a mesma ir-
mandade e o reverendo provincial
e capitulo do dito comvento, pa-
raatrasladagodaimagemde San-
Jos.
Aluga-se urna boa sala com urna alcova gran-
de e um quarlo pequeo : na ra do Qucimado n.
30, primeiro andar.
Precisa-so de pretas que vendam pflo pagan-
do-se-lhes a ventagem e sendo quo seus senhores
se rcsponsaltilisein : na ra Dircita, padaria, n. 26.
Antonio Ricardo to Reg e Manoel Dias Fer-
nandes tissol veram amigavelmcnte a sociedade que
tinlia ni na venda de molhados, sita na esquina da
ra larga do Rozario, n. 39 ; ficando a cargo do ex-
cocio Dias remandes a liquidarlo dola lano no
que diz respeito a receber o activo como a solver
o passivo a que (lea obrigado ; visto que o ex-so-
cio Ricardo do llego cetcu aoex-soco Fernamlesa
a
obrigando-so a assignarem escriptura publica, quan-
do pela annunciante Itiea fsse exigida; e havendo a
mesma annunciante pago a competonto cza nacio-
nal, nSopde deixar de admirar a sorpreza do an-
nunciododito Barbozau sua mulher, publicado por
esto Diario, em data de 11 do corrente, o estranha
como os ditos vendedores, tendo recobido a impor-
tancia de tal venda, apparcgam agora allegando nuj-
lidade do negocio, sem que at o presento communi-
cassemcousa alguma annunciante, a qual faz a
prsenle declaragflo, para que O publico nSo fiquo
em iluvda com aquello annuncio ; e protesta a mes-
ma annnuucianto pela firmoza da compra que fez da
parto da referida casa, e a nnllldade inculcada pelos
vendedores em seu annuncio, em iuio competento
podcriio a presentar, porque nello a annunciaulo
disputar o seu direito.
LOTERA
d;o
Hospital Pedro Segundo.
Continuam-se a vender, nos logares j
annunciadns, os bilhetes da segunda
quinta parte da primeira lotera a bene-
ficio do Hospital Pedro (Segundo ; e o
thesoureiro, pela concurrencia que tem
havido, espera brevemente annunciar por
urna s vez o dia em que devem correr as
rodas.
O major Jos da Silva Cumarfles retira-se com
sua familia para a provincia do San-Pedro-do-6u!
Precisa-sc alugar urna preta ou moloque, para
o servico do urna casa de pouca familia : a tratar na
ra estreita do Rozario, n. 23,primeiro andar, do
manh.la at 9 horas e larde das 3 horas em dian-
te : nflo desagradar o trato.
Precisa-se alugar tuas pretas que sejam fiis e
saibam vender na ra: quem as livor dirija-se a
ra de llortas, n.64.
Quem annunciou quorer urna ama de lete, quo-
rendo urna parida de 15 das, c sem lillio dirja-
se a Oiinda ra de S.-Bento casa junto uo alfaia-
te n. 64, de Lourcngo dos Santos Fradique.
Terga-feira, 18do corrente, vilo a praga, por
venda : a grande propriedado de sobrado de 4 anda-
res sita na ra do Crespo ; nm sobrado de um an-
dar sito na ra do Collegio ; um sitio muito bom,
na estrada de Ponte-de-Ucha ; cujas proprieJades
sao iln casal do fallecido Antonio Baptista Ribciro
de Fara : parece deverem dar intercsse,c por isso se
convida aquellas pessoas que quizercm indias tan-
car, para que comparegam no dia indicado. A praga
ter lugar a tardo na porta do Sr. Dr. GervasioGon-
galves da Silva, na ra Formosa.
-- Acha-se contratada a compra da taberna sita
no pateo da S.-Cruz, n. 4, pertencente ao Sr. Jos
Mailins da Silva a pessoa que so adiar com di-
reito sobre a dita taberna, pode comparacer no pra-
zo de 3 das; do contraro, perder o seu direito.
Tresse, fabricante de orgflos e realejos, tem
para vender dous orgflos promptos para igreja ou
para oulro qualquer lugar : tambem concerla os di-
tos instrumentos po marchas novas, o compra
realejos j servidos.
Agencia de passaportes*
de longos trabadlos, de profunda medilagflo e rclo- parle que em dita venda linha. Rccife, 2 deja-
radas experiencias, medicamentos quo nos rcslituam 1|0ro je 18j8
o uso dos dous mais importantes sentidos de que
he dotado o homem, quando estes j se achavam no
supposlo estado de incurabilidad e integramente
perdidos, he por certo um dos maiores sorvigos, que
se podia preslar humantade; cis o que eslava re-
servado um homem philnntropo da cidado de Dra-
ga, em Portugal, cuja sciencia, cujo amor de seus
semolhantes se lem feitogeralmenteconhecer. Os
remedios que ora fferecemos ao publico, nflo en-
tram na classo daquelles quo o vido e ousado char-
latanismo inculca com roucos o dcscompassados
lirados, oque o crdulo vulgo, por ignorancia, rece-
be na boa f e sem discernirnonto, achando-se de-
pois Iludido; tom, porm, deoecupar mu distincto
lugar entre os medicamentos, que maturos benefi-
cios prestam ao homem : constam elles da dissolu-
gfloaquosa to extractos de .plantas medicinaos, de
virtudes mui reconhecidas o voricadas. O longo u-
so, as continuadas e severas experiencias, a quo por
toda a parte teem elles sido submetlidos, sem que
umas vez hajam falhato em seus bons cffeilos, o
desmentido as osporanoas que sobre ellos havia fun-
dado o seu inventor, Ihe teem grangeado constan-
tes o repelidos elogios tos mais sabios e respeita-
ves mdicos, assim da Europa, como da America,
que unsonos abonam e proclamam su acgflo som-
pre certa e benigna. Um destes licores he destinado
acombateras molestias de olhos, etem porpnaci-
pal virtudo restituir aos orgflos da visflo suas func-
gOes: reanimar e fazer reapparecerem sua natural
perfegflo vista, quando esta estiver fraca ou quasi
extincta, com tanto, porm, que nflo haja cegueira
absoluta com tesorganisago das partes ; n8o me-
ltoga-se ao Sr. Manoel Joaquim
Brando (que leve botica na ra estreita
do Rozario) que, por obsequio, queira di-
rigir-se ollicina de Manuel Antonio Al-
vares de firito, na rua Nova, n. 38, visto
nao se saber sua residencia.
Lcmbra-se ao Sr. Vicente Teixeira Coimbra de
tnandar pagar a quanlia de 10,000 rs., que pedio
emprestado ha sete me/es na rua do Crespo ; fi-
cando certo que, em quanto nflo pagar, tem do sa-
hir o seu nomo neste Diario.
-- Aiugam-se e vondem-se tanto a retadlo como
aos ceios, muilo grandes e boas bichas, cliega-
tas te Ilamburgo : tambem se vflo applicar para
mais commotitade dos prelcudcntes: na rua es-
treita do Rozario loja de barbeiro, n. 19, dofronte|
da rua das Larangeras.
~ Precisa-se de um caixeiro para tomar cunta de
urna venda em Fra-do-PorU u. 56 : a tralar na
mesma vonda.
Arrouda-se, ou tambem se vende um sitio com
casa to viventa na eidade de Oiinda no lugar de-
nominado Mara-Simplicia com planta de,
capim : a tratar no mesmo sitio, com o seu propie-
tario Vicente Jos de Carvalho.
D. Claudina Fausta de Oliveira, tendo compra-
do aos Srs. Joaquim Bsrboza de Souza e sua mulher
D. Joanna Baplista Branca a parle de 555,000 rs. que
os mesmos tinliam na casa terrea da rua da Alegra,
n. I, e deque Ihe passaram escriptura particular,
Na rua do Collegio, n. 10, o no Aierro-da-loa-
Vista, n. 48, continuam-se a tirar passaportes tan-
to para dentro, como para fra do imperio; assim
coino.tespachani-se escravos: tudo com brevidade.
ahaixo assignado ensina em sua casa, no A-
terro-da-Boa-Vista, n. 82, geographia o francez, 8
ir dar liges em casas particulares.
Dr. Joaquim de Oliveira e Souza.
Aluga-se urna casa terrea na Soledade, n. 17 ,
ao p do Sr. Vieira cambista : a tratar no pateo to
Carmo, n. 17, com Gabriel Antonio.
Offcrece-se urna mulher forra para ama de ca-
sa de homem soltciro para todo o servico inter-
no : quem do seu presumo se quizer utilisar, diri-
ja-se a Camboa-do-Carmo, n. 16.
Precisa-se de um rapaz porluguez, de 12 a 14
annos, para urna loja no Rio-Formoso, preferindo-
se dos chegados agora do Porto : a tralar na rua da
Cadeia do Recife, loja n. 55.
Antonio Luiz dos Santos & Companhia teem
incumbido ao Sr. Rufino Jos Correia de Almeida a
cobrnga as suas dividas, para o quo est o mes-
mo Sr. competentemente autorisado.
Precisa-se de costurciras que saibam lazer rol-
letes rom perfegflo : na rua da Cadeia-Velha, n. 41
primeiro andar.
Precisa-so do urna ama para ir tratar de um
mogo soltciro que vai tomar agoa-ferrea no Ca-
chang : na rua estreita do Rozario venda n. 47.
Precisa-sede um caixeiro preferindo-se dos
chegados ltimamente do Porto : na esquina da
rua do Caldeirciro n. 94.
Quein quizer dar 700,000 rs. a premio sobre hy-
potheca em urna prnpriedade que rende 12,000 rs.
mensaes, livre edesembaragada, annuncio.
D-se dinheiro a premio sobre penhores de ou-
ro, ou prata mesmo em pequeas quantias i na
rua do Ranger, n. 11.
Jos Pradines, cutileiro, avisa aos seus fregu-
zes que contina a fazer qualquer obra do seu olli-
cio, como freios para cavados, esporas de lodas as
qualidates : tambem concerta espingardas pisto-
las o oulrasquaesquer armas,e amla s tercas,
quintas e subbatos : na rua dos Quarleis, hoje lar-
ga do Rozario, n. 14.
~ Perteu-se, depois das 5 horas.da larde do dia
de festa, 25 do corrente, desde o recolhimento de
N. S. taCoiiceigflodeOlinta, pela ladeira ta Mise-
ricordia, ala rua de Mathias-Ferreira, um saqui-
tel, ou tispensavel de contas francezas, decrian-
ga, sustentado por difTereidus voilas de cordiio gros-
so do ouro, com clcheles grandes, de molde dos de
vestido, levando dentro um lenco de seda pequeo,
proprio de menino. Roga-se a quem acliou de resti-
tui-lo na mesma rua ao Mathias-Ferreira, sobrado
grande de varanda de ferro, quo receber boa gra-
lilicacflo.
-Na rua do Ai-agao, n 4, bairro da Boa-Vista,
fazem-se quaesquer'cortinados, tanto de cama como
para janellas, com a maior perfeicSo possivol.
Aos pas de familia.
Ensinam-se meninas com toda a perfegflo, a sa-
ber : primeiras letlras. grammatica portugueza.ari-
thmelica, doulrina ehristfla coser marcar, bor-
dar de diversas qualidates ; na rua da Alegra n.
42. Adverle-se que so ensina com lodo o cuidado
zelo.
MUTILADO


A

s
-JosAntonio de Magalhes Basto, seguindo a
ma viagem aondo pretende demorar-se poucos
oas deixa encarregado para roceber de sens de-
Teuores aqu ao Sr. Antonio Correia Cabral.
-- Quem tiver alguma casa que quizer dar gratis
a urna senhora viuva muito capaz, para nella mo-
rar ter todo cuidado era dita casa, annuncie.
O Sr. Amaro Jos Gomes faca o favor de diri-
gir-se a ra do Pires, n. 23. aflm de remir o sou pe-
nhor; do contrario, ser vendido para pagamento
uo principal e juros vencidos; e sto no prazo de 4
das, contados desta data.
-- Quem annunciou precisar do um bomem para
escnpturacfio da alfandega dirija-se a ruaVelha,
sobrado n. 49.
- Precisa-se lugar urna escrava que cozinhe e
compre o diario de urna asa de poucas pessoas ;
pugando-se-lhe por isso 10,000 rs. mensaes edan-
Jo-se-lhe o sustento: confronte ao theatro novo ,
n. 5.
--Pretende-se hypoUiecar um mulatinlio, de no-
mo JoSo, aprendiz de sapateiro, quereprcsenta ter!4
para ir anuos, pcrtenceute ao Sr. Gregorio da Cos-
ta Monteiro, e mais herdeiros, Bernardino de Al-
rneida Ferreira, Sabino Henrques Luis, Joaquim
Solerio de Farias, Jorge da Costi Monteiro : quem
bu julgaroom alguma outra hypotheca ou mesmo
dinto de o impedir, annuncio por este 3 dias, ou
dirija-se ao Aterro-Boa-Vista n. 58.
Vende-se um sobrado novo; de um andar, so-
13o todo corrido, o com trapeira feito a moder-
na em chaos proprios, oitOes dobrados quintal
e cacimba : na ra estreita do Rozario, n. 10, ter-
ceiro andar.
Vende-se urna commoda de Jacaranda duas
camas de armac9o, e duas mesas de sala : na ra
doQueimado, n. 30.
Vende-se urna parda de bonita figura; de20
annos que corta e d prompto um vestido de se-
nhora cortae faz urna camisa do homein ou de
senhora engomma com asseio, he muito domes-
tica nSo tem vicios era achaques de qualidade
alguma he capaz do reger urna dispensa com toda
fidelidade o que tudo se afianca de baizo de na-
lavra : na ra estreita do Rozario, n. 10, terceiro
andar.
Vende-se um moleque de 8 para 9 annos, mui-
to fiel e bonito : na ra da Senzalla-Vclha n. 110,
se dir quem vende.
Vehde-se, ou troca-sopor urnapreta que saiba
coser ch9o, urna parda moga, costureira cozinhei-
ra e boa engommadeira : na ra da matriz da Boa-
Vista, n. 33, primeiro andar.
Compras.
Comprain-se e vendem-se es-
cravos, e recebcm-se de commis-
coes, ofterecendo-se toda e qual-
quer garanta a respeito dos mes-
los : na ra das Larangeiras, o.
14, segundo andar-
No Aterro-da-Boa-Vista, lo-
ja n. 78,
vendem-se ricos bonetes de merino, para meninos;
ditos de marroquim para homem, de muito |l>om
gosto e durado ; ditos para ir ao banho, a 360 rs.
O
Compra-se urna canoa meia aberta e em bom
estado : na ra de Apollo n. 27, primeiro andar.
- Compra-.se umfole defolear
frmicas : na ra do Cr
12.
respo, n.
Vendas.
FOLHINHASPARA O ANNO DE 1848.
Vendem-se folhinhas de algibeira de porta e de
padre aa mais correctas e mais regulares: na pra-
ca da Independencia, livraria ns. 6e8; na ruada
Cruz, loja n. 56 ; na ra do Crespo, loja n. 11; na
loja da esquina do Collegio e na botica do Sr. Mo-
reira, defronte da matriz da Boa-Vista.
Vende-se um molecao do nnco, de 20 anuos,
que cozinha soffrivel, e nio he mo canoeiro ; 2
ditos de 22 annos ; um moleque de 13 annos; um
preto de 26 annos (.Ricial de sepateiro o qual nfio
se duvida dar a experimentar ; um preto, por 380/
rs. muito forte ; umdito, por 180,000 rs. ; urna
preta de uacio de 20' annos que engomma e co-
zinha com urna cria de 3 annos muito linda ; um
pardo de 20 annos, por 450,000 rs.: na ruadas
larangeiras,n. 14,seguudo andar.
Vende-se um negro perito ofilcial de sapateiro,
de idado do 20 annos, e urna negra cozinheira, cos-
tureira, lavadira e engommadeira. deidadele 22
annos pouco mais ou menos : na ra estreita do Ro-
zario, n. 43, secundo andar.
Vende-se sal do Assu o palha de carnauba a
bordo da sumaca Carlota, fundeada defronte do
trapiche novo: a tratar na ra da Cruz, n. 26,com
Luiz Jos de S Araujo.
?f^352335^ 59^95^5353
Vendem-se, na ruada Cadeia do
ijj Recite, n. 37, cera em velas, fa-
I; bricadas no Rio-de-Janeiro, em
{I* urna das melhores fabricas, emeai-
,jl xas pequeas, de orna at dezaseis
[7J em libra ; e caixotes com ditas, la-
p bricadas em Lisboa, sortimento ao
[^1 gosto do comprador : e tambem se
jl vendem brAnddes, fabricados no
[|*| Rio-de-Janeiro, e tudo por preco
[j mais commodo do que em outra
7M qualquer parle.
Loleria do Rio-de-Janeiro.
Bilhetes e meios ditos da 5.* loleria
a beneficio das obras da imperial cida-
de de Nictheroy : na ra da Cadeia, lo-
ja de cambio n. 38, de Manocl Gomes da
Cunha e Silva.
Vende.se um cavallo, mui-
to bom andador baixo at meio,
que est extraordinariamente gor-
do, e he o mais bonito que appa-
rece nesta praca; na ra da Con
ceico da Boa-Vis (a, n. 60.
Vendem-se pecas de talagagem, de
linho, abertas e arrendadas, porprias pa-
ra babados de qualquer obra, pelo ba-
rato preco de 3sooo a 4 sooo rs. a peca,
com 3o varas', e a vara a 120 e 160 rs: na
ra do Crespo, n. 6.
- Na ra da Sanzal la-No va, n.
42, vendem-se relogios d'ouro,
patente inglez.
barateiro do Passeio-Pu
buco.
A nova loja do Passeio-Publico n. 17, do bem
conhecido barateiro Ricardo Jos de Frcitas Rbei-
ro, annuncia novamente aos seus freguezes da
economa e pechnchas, que sempre as encontraba
nesta loja, como sejam : cortos de cambraia branco
com barra adamascada, finas eos mais bonitos que
leem apparecido, a 5,000 rs.; ditos de 19a. transpa-
rente, com duas larguras e lOcovados, a 4.000 rs ;
ditos de cambraia de cores, a 2,240 e 2,560 rs., com
6 varase meia cada um corle e urna vara de largu-
ra ; cortes de chita fina escura e com 14 covados ,
a 3,000 rs. ; ditos com 10 covados, de cores (xas,
a 1,000 e 1,760 rs. ; cortes de tarlatana, a 3,000 rs.;
cassa lisa de vara de largura a 240 rs. a vara ;
cambraia lisa a (00 ,560 e 64o rs. a vara ; pecas
de bretanha de rolo a 2,000rs. ; panno de linho,
proprio para lences, a 9,000 rs. a peca de 28 va-
ras; dito muito lino, a500rs. a vara; brim bran-
co de linho trancado, a 1.000 rs. a vara ; dito de
cores, a 640 rs. a vara ; cortes de calcas de pello do
diabo, a 1,280 rs.; cortes de colletes de algodSo e
seda a 320 rs ; ditos de fustfio, a 480 rs.; pecas
de algodQozInho, sem defeilo, a 2,000 rs. ; chitas
de cubera, a 160 rs. o covado, e 5,500 rs. a peca;
chapeos de massa muito finos, a 7,000 rs.; casi-
miras de filies e enfestadas a 2,200 rs. o covado ;
e outras muitas fazendas, que avista se animarSo
os freguezes a comprar.
Cingue m freguezes, que se
estilo acabando
ossapales debezerro, para homem a 1,280 rs. o
par, e bengalinhas para passeio,a 320 rs. : no
Aterro-da-Boa-Boa-Vista, n. 78.
No Aterroda-Boa-Yisla, lo-
ja n. 78,
vendem-se sapatoes de lustro, para homem a 3,000
rs. o par; bahuszinhos para guardar costura, rou-
pa deenancase meninas guardarem costura na es-
cola, de 1/ rs. a 2,560 rs.; chapeos de sol, de seda,
para senhora, de muito bom gosto, a 4/rs.; chico-
tes para montara a 2,000 rs.; bonetes para me-
ninos.
Vende-se urna preta de 12 a 14 annos, de boni-
ta figura na ra da Cadeia-Velha n. 33, se dir
quem vende.
Vende-se urna parte no engenho Jaguaribe,
termo da villa Iguarass de 2:853/003 rs., perten-
conte a I). Antonia Francisca Cavalcante I.ins, que
Ihc tocou por morte de scu pa Frarcisco Xavier Ca-
va leu n ti Lins como se ver no formal de partilha :
na ra larga do Rozario, n. 32.
Na loja de Mmoel Joaquim
Pascoal Hamos, no l'asseio-
Publico, n. 19,
Vendem-se riquissimos cortes de cambraia ale-
gra, a 2,000 rs. chitas finas, a 320 rs. o covado;
cortes de superior 19a para calcas, a 2,500 rs.; di-
tos de casimira de quadros, pelo barato preco de
6,000 rs.; panno fino preto a 4,500 rs.; dito azul,
a 4,000 rs. ; pello do diabo, a 200 rs.; lanzinha
para calcas, a 240, 280, 320 e 360 rs.; madapolao
de todas as qualidades, a 3,200, 3,500, 4,000 e 5,000
rs. ; chapeos de palha hamburguezes, a 480 rs. ca-
da um ; lirini branco depuro linho, a 880rs.; di-
to com mistura a 400 rs.; hamburgo fino, a 480
rs. ; lencos de seda para grvala a 400 rs.; ditos do
ca$a a 200 rs.; lencos de seda para mflo, a 1,44o
rs. ; c outras muitas fazendas, por preco commodo.
Nova alpaca,
de sete palmos de largura, na
loja de Guniares Serafim
#<;., rtia do Crespo, n. 5.
Vende-se a nova alpaea, de se-
te palmos de largura pelo barato
preco de 1^000 rs. o covado y
assim como atoilhados de ricos
p a di oes, de 9 palmos de largura,
por mdico preco; eoutras mili-
tas fazendas tinas, de linho e se
da, chegadas ltimamente esta
edade, e tudo muito barato.
- Vendem-se os caixOes e utensilios de socar ss-
sucar do armazem da ra da Senzalla-Velha, n. 110,
e traspassa-se o mesmo armazem e casa, ao gosto do
comprador a tratar no primeiro andar da mesma
casa.
Vende-se sag de primeira sorte, sevadinha
de Franca, gomma doararuta, tapioca doMaranhflo,
sevada e mais gneros, por prego commodo: na
ra das Cruzes, n. 40.
FARELOS.
Vendem- se saccas com faro los, chegadas ltima-
mente, a 3,500 rs.: no armazem de J. J. Tasto Jnior,
ra do Ainorim, n. 35.
Vendem-se caixas de cha liysson de 13 libras ,
em porcSo, ou a retalho i na ra da Alfandega-
Velha n. 36, em casa deMatheus Austin & C.
Na ra Direita, n, o*5,
vende-se um par de embonos de pao de cedro pa-
ra barcaca ; 2 travs e um pedaco de pi de con-
dur; azeile de carrapato, a 1,200 rs. a caada;
pomada, a 230 rs. a duzia; e todos os mais gneros
pertencentes a venda por menos que em outra
qualquer parte, o de muito boa qualidade.
REFRESCOS.
Vendem-se xaropes do frutas de todas as qualida-
des e de orchata e flor de laranja, muito bem pre-
parados : na ra estreita do Rozario padaria n.
38, e na ra das Larangeiras, n. 7, ao p do so-
brado de varandas encarnadas.
Vcndc-se urna oscrava de naci Benguela de
28annos, de bonita figura, que cozinha bem o
diario de urna casa e forno, lava de varrella cose
chao, faz renda de toda a largura, e engomma liso :
na ra da Cadeia do Recife, n. 53, terceiro andar.
Milho.
Vende-se milho, a 2,000 rs. a sacca : no caes da
Alfandega, armazem de Antonio Annes.
Vende-se um cavallo muito bom andador baixo
al meio, que est extraordinariamente gordo
he o mais bonito que pparece nesta praca : na re
da Con ce i en o da Boa-Vista, n. 60.
Vende-se urna balanca grande, com suas com-
petentes conchas. o uma porcRo de ntans : turln
por preco muito um cunta, por seu dono se retirar
para fra da proviucia : na ra do Collegio arma-
zem n. 19.
Vende-se um. relogo horizontal, sabonete de
ouro mostrador dito de segundos, por baratissimo
preco : as Cinco-I'onlas, n. 128.
Vende-se uma preta de 18 a 20 a unos, de bo-
nita figura : na ra de Hortas, n. 60.
ATUM.
Vende-se aturo, ebegado ha pouco de Lisboa
feito de escabeche a 240 rs. a libra na ra estrei-
ta do Rozario, venda n. 47.
Vende-se bom azeite de carrapato, a meia pa-
taca a garrafa: na ra da matriz da Boa-Vista,
n. 36.
Vendem-se, na livraria da ra do Crespo, n.
11, Elementos de analyso por Itesont; D8CUSs9o que
na assembla provincial de Pernambuco se travou
acerca da queslo ; Historia da Blgica, 7 volumes,
por 4,000 rs.; Diccionario de francez para inglez e
inglez para francez, por 5,000 rs.; obras de Pan-
te lo por 2,000 rs. ; taboadas e cartas a 80 rs.
folhinhas de porta e algibeira; conhecimentos, a 10
rs. cada um.
*3- Vende-se um sobrado de dous an-
dares e sotSo, sito no A tterro-da- Boa-
Vista: quem o pretender, dinja-se a es-
ta lypografia.
-- Vendem-se saccas com milho ; ditas com ar-
roz de casca ; uma rica bandeja de casquinha, bor-
dada de prata com 18 casaos de chicaras e pires de
porccllana dourada ; uma cama de Jacaranda, com
seus pertenecs; uma mesa redonda de dito para
meio desala ; 12 cadeiras de amarollo, obra pri-
ma ; 1 toucador de Jacaranda, o mais rico possivel ;
saccas vasas de estopa ; ditas de algodSo ; um rico
piano : na ra da Cadeia do S.-Antonio, n. 19.
Charutos de San-Felix.
Joaquim Bernardo dos Res avisa ao publico e
aos seus freguezes, que acaba de receber pelo ul-
timo navio, vindo da Bahia, um grande sortimento
de charutos de todas as qualidades, que heacostu-
mado a ter, conforme o gosto de seus freguezes,
sendo: os verdadeiros de San-Felx, regala, marca
de fogo, frma-havana, regalo de Havana, fabrica:
todos da mesma marca : regala de diversas marcas,
moia-regalia marca estreita, trabuquilhos, e mais
outras qualidades que serSo patentes aos freguezes.
Adverte-se ao publico que neste deposito da ra da
Cruz, n. 51, acharfio sempre boas qualidades do
charutos por preco resoavel.
Na ra do Crespo, loja n. 12,
de Jos Joaquim da .Silva
Maya,
vendem-so multo lindos chapeos para meninas ,
tanto de seda como de palhinha chegados ultima-
mente de Pars ; chapeos de seda para senhora ;
cortes de crambraia de seda de ricos gostos, por
Ereco muito commodo; cortes de vestidos de cam-
raia ecassa-chitasde difieren tes qualidades, por
pregosbaratos; ditos com uma pinta de mofo e
sem elle a 2,000 e 2,500 rs. cada corte; mantas de
seda e 19a para senhora, das mais modernas que
leem vindo a esta praca, a 5,000 rs. cada uma ;
mantas e chales de seda de varias qualidades e ba-
ratos; alpaca prota a 800 e 1,600 rs. o covado;
panno de linho, a 400 r. a vara; casimiras fran-
cezas eelsticas para calcas, a5,000 rs. o corte;
fustOes; selins o velludos para cohete, por preco
muito em conta ; bem como um sortimento de ou-
tras muitas fazendas, que se vendem oelo barato.
assssssBBssmsammasssssmmB^a
e de cores; trancas de algodSo de diversas corea ;
dita branca de todos os nmeros; fita de linho ; di-
la de algodflo lustroso; dita de perealo lustroso do
todas as larguras ; agulhas francezas de qualida-
de superior; fitas de seda estreitinhas de todas as
cores ; retroz para cosor e bordar, do todas aa co-
res : estas miudezas se venderflo por preco muito
barato em porco e a retalho.
Vendem-se 4 lindos moloques, de 16 a 20 an-
nos ; 2 pretos Je 25 annos, sendo um delles oQcial
de sapateiro ; 2 pardos de 16 a 18 annos, sendo um
ptimo pagem e o outro bom carreiro; uma mula-
tinlia e 3 negrinhas de 11 a 13 annos, com princi-
pios de habilidades; duas pretas para todo o ser-
vico : na rna do Collegio, n. 3, segundo andar, so
dir quem vonde.
Vendem-se 7 escravos, sendo: uma linda par-
do de 18 annos, que engomma cose o cozinha ;
uma linda negrinha de 10 annos, com principios
de costura; uma preta de nac.1o, de 28 annos, mu
da dita negrinha, queso se vende junto com a 11-
Iha ; um molecote de 18 annos; duas pretas de 28 a
40 annos; um escravo do 40 annos, para o servico
de campo].- na rna das Cruzes, n. 22, segundo an-
dar.
Vendem-se, na ra da Crnz, n. 46 condecas
com peras; ditas com figos ditas com pecegos
latas com figos; ditas com hervilhas; ditas.com
sardinhas; ditas com bolachinhasdeararuta : anas-
sas finas em caixinhas ; chocolate de canella de
Lisboa; barris com manteiga : tudo ltimamen-
te chegado y por diminuto preco.
Vendem-se 5 escravos, sendo : uma mulati-
nho de 9 annos ; uma raui linda mulatinha de 6 an-
uos; duas pretas, uma de 20 annos, perfeita en-
gommadeira, e que cozinha o diario de uma casa, e
a outra que he boa quitandeira, e que tambem cozi-
nha e lava muito bem roupa ; um bonito escravo
sem vicio algum : no pateo da S.-Cruz, n. 14 se-
gundo andar, se dir quem vende.
Deposito de vinagro da fabrica
da ra Imperial, n. 7.
--#.!.-!-. J- I!-..... J-W---..-- *i-l --____.-
n iaui ii> ug iiluim, ito i-1 euencu uuavcs, uo Aier-
ro-da-Boa-Vista, n. 17, onde se achara sempre
grande porcSo e por preco commodo.
Vende-se um sitio na estrada dos
AlTIictos, com boa casa de vivenda, de
pedra e cal, com soto, cozinha fra, es-<
tribaria para um cavallo, muito bom po-
co, o qual admitte ora, todo ebeio de ar-
voredos novos: a tratar' na mesma estra-
da com Joaquim de Oliveira e Ssuza.
Vende-se cal virgem cm ancorlas, a mais
nova quo existe no mercado por preco mais com-t
modo do que em outra qualquer parte : na ra da
Moda armazem n. 17.
Escravos Fgidos.
Desappsreceu, da casa de Joflo Cando Percira
Freir ns ra do Mondego, no da 8 do corrente ,
um mulatnho de nome Marlinho, acaboclado, de
12 para 14 annos de cabellos corridos ; levou cal-
cas de brim pardo j usadas jaqueta c]e riscadinho
azul chapeo de pello novo; he um tanto gago no
fallar: quem o pegar Icvo-o ao dilo senhor que
gratificar.
Fugio, no dia 25 do prximo passado, o cabra
Innocencio, de 30 annos, alio, secco do corpo ca-
bellos pegados olhos hrancos, pouca barba; tem
no peito uma cicatriz de uma cutilada ; foi visto
com-roupa branca e chapeo de seda : quem o pegar
leve-o a ra larga do Rozario, n. 29, ou ao enge-
nho do Ciqui, que se recompensar generosa-
mente.
Fugio, ao amanhecer do da 29 do prximo pas-
sado do engenho Utinga-de-Cima, da freguezia do
Cabo um escravo do nac9o Angola, de nome Pau-
lo de estatura alta cheio do corpo, de boa figura;
representa 40 annos ; quando lhe cresce a barba ap-
parecem-llie alguna cabellos brancos no queixo; ex-
pressa-se mal e costuma embriagar-so; tem pouco
cima das cadeiras cm linha do espinhaco uma pe-
quena cicatriz que parece ter sido o resultado de
alguma ferida ou quemadura e soflre de una
hernia-carnosa, que fez com que um escroto tenba
augmentado de volume, Este escravo nto pode con-
servar-se por muito lempo fgido, a menos que se- '
ja acoitado por alguem. Quem o pegar leve-o ao di-
to engenho ou nesta praca a casa Manocl Igna-
cio do Oliveira, na ra da Cadeia, n. 40, que Se gra-
tificar generosamente.
-- Desappsreceu, no 6 do corrento, uma preta ,
de nome Joanna, denac.lo Mocambiquo, de idaJe
de 30 annos baixa, cheia do corpo ; tem um olho
vasadoeooutrocom belida, cor fula, caboca ras-
pada; levou vestido branco, saia preta, panno lino
preto e um taboleiro de louca vidrada que andava
vendendo ; julga-so acoilada e por isto protesta-so
contra quem a tiver. Quem a pegar leve-a a ra da
lladre-de-Deos n. 9, que ser gratilicado.
--Fugio, no dia 12 do corrente, pelar 9 hars da
noite, um preto canoeiro, de nome Pedro, de 36
annos cheio do corpo rosto chupado, com uma
cicatriz em um braco ao p do h ombro: quem o pe-
gar leve-o a ra da Praia de S.-RiU, n. 25.
Fugiram, do poder de Jos Joaquim da Costa,
morador-na ra doQueimado', n. 42, dous escravos
com ossiguaes seguintes : Joaquim, de nac9o An-
5ola cor fula baixo, corpo reforjado com falta
e dentes na frente, ps chatos e meio torios para
dentro, de35 a 40 annos: UelQna, parda, alta,
bastante magra, cabello corlado quasi rente, de
vintee tantos annos; he muito falladeira e cavilosa;
sahiram no dia 10 do corrento, pelas duas horas da
madrugada e tomaram o caminhodo sertSo em di-
receo ao Corrente, comarca de Garanliuns; e jul-
ga-ae levarem em sua companhia um pardo do
Sr. JoSo Cancio, segundo um annuncio deste : quem
os pegar leve-os a dita casa cima que ser grati-
ficado.
Na casa de modas francezas
de Madama Millochau,
no Aterro-da-Boa-Vista, n. 1, primeiro andar, alm
dos objectos do modas ha chapos para senhuras
emeninas, fitas, bicos, luvas, carabraias, tarla-
tanas, filos, collarinhos, flores, de: bom como rc-
cebeu-se, pelo ultimo navio vindo de Franca um
sortimento de miudezas para coatura que so ven-
der9o om porc.loou retalho, como sejam: linho
branco e preto, de qualidade superior e de todos os
nmeros; linho de Escocia branco, preto e de co-
res ; linho muito fino para fazerlavarnto ou bico ;
uo branco e de cures paraLB
bordar; cordflo branco preto; novellos brancoilrERN. : Kk TTP, DBM, F< MFBU, --i8 f
Fugio, no dia 13 do corrente, uma preta de na-
c9o Rebolu, com a marca*a testa da mesma naCQo,
baixa, bem parecida, de 20 annos ; tem algumas
marcas deferidas as pernas entre ollas uma bem
visivel no peito do p direilo : quem a pegar leve-a
a praca da Boa-Vista a seu senhor com loja de ou-
rives, que recompensar.
MUTILADO 1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3Q5UCBIA_LEJXW6 INGEST_TIME 2013-04-12T23:30:46Z PACKAGE AA00011611_05389
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES