Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05384


This item is only available as the following downloads:


Full Text
LAnQO de 1848.
. O 0I4HI0 pul)lica-se todos os dial que nJo
orom ds guarda o preco da asignatura ha de
49flf> rs.poi quartel, pagos adinnlxdnt. Os an-
Bimcios dos auignantei sao inseridos i raso de
20rs. pnrlinlia, 4 0 rs. em trpo djtfcrante, a as
rnpeti^Ses pula metade. Os qa no farem ai* nanles pagaro 0 n. por linha, e 180 em typo
diflereule, poicad publicaeJo.
PHASES DA LA NO ME! DE JAKBiaO.
tu nota, a C, a 8 horas e i I min. da manhSa.
i Crescente a ti, as liora e 17 iflin. da fnauhia.
La elisia a 0, as 9 horas a 4S min. da mantia.
MiuEOauta a 2t, s horas 9 in.o. 4a raauhia.
Ter$a-feira 11
PARTIDA DOS CORREIOS.
(oianna eParahlha i(s segundas escitas fein
Rio-Urande-dn. Norte quintas feirasao melo-dia
Cabo, SerlnliSom, Rio-Formoso,Poito-Calvoe
Maceid. no l.*, a 11 e 21 de cada mas.
Garanhunse Bonito, a 8*21.
Boa-VL'ta e Flores, a 13 e 28.
Victoria, as quiutas-feiras.
Diinda, todos os dias.
PRRAMAR DE HOJE.
I'rimeira, as 8 horas e 0 aaioutos da aiaoh.
Segunda, as 8 horas e 54 minutos da tarde.
de Janeiro.
***
Anno XXV.
n. r:
das da semana.
10 Segunda. S. Paulo. Aud. do J. dos orpli.
do J. doc. da v. edo J. M, da 2 .
> I Terca. 9. rlygino. Aud. do J. do civ. da
V. ede) J. de par do 2 lis!. de t.
11 Ouarta. S. Saiyro. Aud. do), do cir. da
v. e do J. de pai do 2. dist da t.
13 Oninta. S. Hilario. Aud. do J. deorpii,
di) J. rnuuicipal da I. v.
14 Seala. S. FelU. Aud. do J. do'cir. da
V., e do J. dr paz do >. dist. del.
61 SabUado. 5. Amaro Aud. do J. eiv.da I.
edo i. de paz do I. dist. de t.
18 Domingo. O SS. Nome de Jess.
2.
T.
CAMBIOS NO DA 10 DE JANEIRO.
Sobre Londres a 27 e 27 /, d. por I Jrs.
a Para 260 rs. por franco.
LisbAa 05 por 100 de premio.
Dcsc. de lettras ce boas firmas I a 11> '/a
OwroOlios hespanholas.... 28|0Dft a
Moedas de flOO varita. iBfJOO a
deeltnonov.. )noo a
a da 4/000..... BfiOO a
Prala Palaces.......... 1/900 a
Pesos columnares... IJ9.' o a
Ditos mexicanos.... I|70 a
Muida............. IjOOa
Acetes dacomp. do Beberibe de 50/000 rs
afta d.
ao ns.
29fflOO
IO30D
16/101)
9JI60
1/D80
l#970
IJ860
l'.(r
aopar.

DIARIO DE PERKTAMBUCO
PARTE OFFICIAL.
I
COMMANDO DAS ARMAS.
Qvartel do cotnmando das arma* na cidade do Rcci-
ft,7 de Janeiro de 1848.
OltDEM DO DA N. 45.
Para ciencia dos corpos da gunrnigio, declaro
o conimandaute das orinas, que o Exm. Sr. eon.ee-;
.iheiro presidente da provincia lhe participou, em of-
icio de5 do corronle, ler dado a ma approvagflo
mporaria i tabella da avaliaco das etapes e for-
.ens, que tom de regular no presento semestre,
orgatiisada pela pagadoria, segundo a disposgflo do
imperial aviso de 4 de maio de 1848, Jslo Fie; a elapo
SOOrs., o pilo substitutivo da farinlia de mandioca
para oa doentea em tralamenlo no hospital a 75 rs..
e a forragem a 480 rs.
manad guaci e Carvalho Hendonca.
EXTERIOR.
LISBOA, 19 DE DEZEMBRO.
Quando exprobrmos ao marocha! Soldanlia a pu
sillanimidadecom que elle consenlla quo urna facen o.
pctulanlo se assenborossc por meio cavillosos do u-
nia siluagflo, sobre a qual elle devia ter legitima-'
mente muitos meios do influencia, julgaram que as
nossas censuras eram excitagos disfargadas ao a-
Dior proprio do marechal, e urna traca para o cm-
penhar na salvagflo publica, que toda eslava na sua
mfio.
Explicamos entilo scni demora o sentido das nos-
sas palovras, defendemo-nosdo ter pedido auxilio
a urna personagem, que nunca he obstculo para os
mos propsitos, tem coadjovagflo para fins verda-
deiramente uteis. Anda bom que asiim procedi-
mos. A experiencia pode maisom nos do que o en-
godo das intrigas polticas. Ha caracteres com
quem toda a intelligoncia he fmpossivcl, e com os
Juaes he melhor partido urna hoslilidade perenne
o que os compromettimenloa de combiuaOe
transitorias.
Quando nos disseram por um modo quasi offlelel
que o duque de Saldanha ia apoiar com a sua influ-
encia a pofitica, que poreonscnlimenlo universal he
a propria e nica as circunstancias acluaes, es-
tremecemos s com a pro mea dos setis servidos,
pedmos-Ilie que se conservasso cslranho em unta
quesillo, em que niio poda fazer bom.
Desgragadamenle o marechal, cuja vontado polti-
ca nSo"passa de urna iuquicUgflo incossante e es-
tril, langou-sc logo com as suas conversas, com
as suas combinares, com os seus conloios no meio
dos arranjos ministeriaes, e tez dosfechar uina eri-
ge declarada de gveruo na mudanca de urnas pou-
cas do pessoas, arraigando em todas as consciencias
a suspeila do quo todos estes trabalhos de organi-
sacau ministerial fOram momices polticas e velha-
carias ridiculas para realisar o peusamento funesto,
que tQ churo tem de costar ao paiz, de falsificar a
; represcntagflo nacional.
O marechal anda porahi a fazer declamaofics a-
nmadas contra os partidos extremos, c a repetir
mil relatnos das fadigas quo tem litio para atalhar
a torrente das paixOes, que eslava d cahir sobre o
FOLHETIBf.
O DUQUE DE GUISE. (*)
yon ffrc&enco ^>oirtieJ.
PRIME1RA PARTE.
XXII!.
O quo haremos narrado aos nossos leitores a res-
Seito de Cennaro e da chegada do duque o\eve-lhes
>zer prosentir do que dovia constar a rcfeicSo
qual Guise rraobrgadp a assfstir. Annese no ti-
nha outro cosinheiro senSo sua mulher, tanto tema
elle qu os seus nimgos o envenenassem : dema-
neira que o elegante e magnifico Henrique de Lore-
ia aj'o^se OD.fig.ado a contentar-ge cnm o deteslave!
guisado que fervia na panella desdemanhSa. (du-
que, humilh'ado a principio pela poslcao em que se
acbava, decdio-se por lim a rir multo. Par come-
car, Ronda toda vestida de brocado e sedas, toda
coberla de diamantes e pcrolas Anas, arrogacoii o
TesHdoe as mangas, e poz-se em estado de servir o
duque isla fez com que Honriqne lhe podesse vr
os ps encantadores, o o principio das prnas agels c
feitas ao torno, quo podiam dar urna dansarina con-
sumniada nessas donosas latlarellas, que 13o alegre-
mente animam osamore napolKanos.
A,nita fez a inesmo que sua madrinha, e deixotJ di-
visar premicias do bolfzas ainda mais seductoras,
cuberas, comtudo, anda com essa graca infantil,
quedesperta suare sentimento apar dedesejo. Os
Vi8e Diario n.* 5.
govenio do estado. Parece a quem o ouve que os
destinos do paiz estavam pendentes de algum mys-
terio horrivel, o que foi elle quem quebrou a virlu-
de nos. E ao cabo lestes; terrores estudados tifio
houve mais do que urna tentativa de organisar um
ministerio, o qual nflo podo levar-se a effeito pela
opposicflo do duque de Saldanha. Esta he a verdade
nua ecrua.
A maior contradicc^o poltico, que tem entrado na
cabera de homens, he de certo a pertinacia de ligar
urna poltica conciliadora, que s pode assenlar so-
bre a uiinullaefo de todas.as dalas antipa'.hcas, com
a consagracSo solcmno de mi... .;'poca reaccionaria,
com a f usleiilacilo de todos os exossos desse lempo,
e com a influencia dos homens, quo por files se
tornaram repugnantessopinies transigentes.
Se o duque do Saldanha eatendesse que t..l pre-
ciso comecar com franqueza urna poltica de ve.nla-
deira concilia^lo, e so para isto era indispcnsavcl
quetodos sacrilicasscm algumas das suas tradicfOes,
quo seapagassein u iuuu iQiUs epocas iiistoricas,
como poderia elle pretender que a mais moderna,
aquella cojos rescntimcnlos cslflo mais vivos, a-
quella que a ras.to e o suceesso juslilicaram menos,
licassp como um escndalo privilegiado no meio
desta immensa subjeigo do vontades, como um esti-
mulo perenne vergonha o ao odio de tantas opi-
nioes honestas, que so n1o podiam calar senao
quando o silencio fosse de todos f Como quera o
duque de Saldanha dobrar as mais velhas repug-
nancias polticas a urna concordata patritica, se el-
le se recusava a aulorisar esta grande obra com o
seu exemplo, sd propunha salvar do esquecioiento
geral as recordoces, que fra melhor para seu bein
nflo podessem ser lembradas? 0 6 de oulubro com
os seus homens, com as suas medidas, rom as suas
londencos, nflo pode ser ncleo para nenhunfa con-
ciliagflo, nfio podo ser bandeir de nenhuma poli-
tica moderada. I'oi a maior, ea menosjustilicada
exaggeracuo quo apparcccu na historia das nossas
revolugOes.
Uduque de Saldanha quera ser ministro, e que-
ra que o fossem com elle as pessoas, que nfio po-
diam dar de barato as regalas da sua absleneflo
poltica nesles ltimos tempes, o ir partilhar com
elle, sem provetto publico, as responsabilidades
que lhe pesan), eque se nfio podiam altenuarpor
este modo. Foi esta ambicfio intempestiva do du-
que de Saldanha, quo embaracou a solucBo racio-
nal da quesillo do poder, e queentrrgou nnvaitienle
o paiz a um futuro cheio om perigosas aventuras.
[Hnoltclo de Selembro.)
Varicdade.
OS DOUS CASAMEMOS NO TEMPO DEI.UIZ XIII.
1."
O cardeal Richeleu governava a Franca, e o seu
rei l.uiz XIII se qilelxava de se ver reduzido ao poder
de curar as alporcas. Comtudo, nem por isso
iam peior os negocios daquelle paiz; pois, se nos rc-
montar-mos a poca da nossa liatoria, ao anffo de
do 1636, encontraremos um anno dos mais gloriosos,
sobre ludo pela reconquista da praga de Corbie, de-
fendida pelas tropas allemSaso liespanholas. Aquel-
le.+rilhante feito de armas foi decisivo, porquanto
os ltimos revezes liaviam consternado completa-
mente a Franga. Naquelle apuro commum, Pars
proporcionou a toda a pressa rinte mil homens para
olhos, os labios, o porto da moga annunciavam urna
petulancia e ardor extremos; mas estas viva appa-
rencias oram conldas por um embarago deligioso,
por urna timidez quasi penosa, que encanlavam tan-
to mais o duque quanto elle conhecia que era a cau-
sa de semclhanlo estado. Ronda havia j posto na
mesa o terrivel guisado que ella preparara ; e Aila,
lendo as niflos uina bacia de prata, o um jarro do
mosmo metal dourado, a dar agoa s m.Tios ao du-
quo, quando Luigi del Ferro, desviando-a brutal-
mente, exclamou :.'
Soueuquem devo servir oserenissimo duque;
Jj um direto do meu cargo.
O senhor 3o he da minha casa, lhe disse Hen-
rique, e eu no deixarei abaixar-se um ttoiueiii da
sua importancia a fazer um servigu que me nao de-
ve ser TeilosciiSo por lidolgosque me peitengam.
Dixe-0 jervir, disse Cennaro; elle osla costu-
mado a isto. Teria inuilo que ver seo palife se niio
apressasse a Scrvi-lo mesa, quando eu al lhe
dou licenga para rae, tirar as alparcatas hora, do,
deilar.
Comoquizer, senhor embaixodor, disse Guiso
lavando as nulos na bacia quo Luigi del ierro !he
lapresentava. ,, .,.
Comtudo tomou o duque a loaiha das miios da
Anita ; e. ou por desaso ou de proposito, tocou as
lindas toos da moga oapcitou-lhehrandamenteas
pontas dos dedos; mas, para que ning'uem fleasse
descontente, eulregou a loalha a Honda com um aoi-
riso e olliar que ilie izerain subir u cor ao rosto, co-
mo ja havia aconlecido a Aila, quando sentio apor-
tar-lhe o duque a mflo.
Gennaro com 0 nariz inclinado para a mesn, o co-
tnendo como um alarve, nflo (sjfccbcu a pcrturbag3o
dasduas mulheres; mas corapreheadeu-a bem Lui-
gi; porque, chegndo-a ao ouvido de Guise, le
disse baixinnq:
Veja V. Alteza que ni convengao quo lhe foi
entregue por meu raijo To.nti, so a cha expressa-
mente declarado que o*'Frocezes nSo scduzrSo mu-
lheres nem donzella amk.
reforgar o exercito francez, que tinha qua comhater
as frgas colligadasdos imperiaes e dos Hespanhes,
pois os mais valcnles generaos e a melhor cavalla-
ria do imperador se linham reunido s aguerridas
tropas do exercito del'landres.
Retomar Corbie, defendida por vnte o cinco mil
cavados, quinzo mil infantes e quarenta pegas de
artilharia, era urna lemeridadoda parle da exhaus-
ta Franga; e os seus nimgos Unto sabiam disto, que
nao faziam escrpulo de escarnecer das valorosas
prelencoes dos Francezes. Affectavam sempre lomar
um tom de conquistadores ; e, se osacredtassem,
iam de um golpe do maochegara Pars, saquc-la e
apprchonder, na igreja de Nossa-Senliora, as baudei-
ras quo linhaiu perdido na batalha de Avoin. O seu
gcnealissimoPiceolomini, alm das bravatas com-
muns, rostumava ter algumas jactancias ridiculas,
com o objecto do mortificar os Francezes. Ora Ihes
mandava lizer por um trombela que desejava Ihes
ebegasse a plvora quo Ihes faltava, ora que senta
muito nao Ibes haverchegado a cavallana quo os
duvu aoccorrer; o do certo nao pensava o dizer is-
to, que aquella cavallana o aquella plvora o liaviam
ohrigar bom depressa a abandonar a praga dn Cor-
bie, e enlrcga-la aos Francezes com urna contra-es-
carpa, tres baluartes e tres mcas las, que nflo ti-
nha quando estes a perderam, o que fcr. dizer a al-
gn* graciosos de Franga, que, para interesse des-
ta, os seus nimgos deviam epoderar-se de todas as
pragas fronleiras, seashavian do fortificar melhor
do quo estavam, para es entregar depos.
0 marquez de Cbauvclin. que va representar o
prmeiro papel na nossa bisloiia, nflo fez o ultimo
no sillo daquella praga ; e, sem o adular demasiado,
pode dizer-se que conlribuio muito para que ella
fosse tomada.
0 exercito francez gozava, havia alguns dias, da
sua nova conquista ; poim.se a fortuna da "Franga
era florecente, a do marquez achava-so em muito
differento caso. O seu estado era tal, que, cutre
mil e mil inconvenientes, nflo apresentava mais que
una vanlagem, a saber : que nflo poda peiorar.
Como he possivel explicar a terrivel situaeflo a
que o Sr. de Cbauvclin se va redir/idn '! Tinha licado
sem o seu ultimo escudo, c al a sua bagagem e equ-
pagem, que asvicissiiudes da guerra titibam respei-
tado, nflo linham encontrado a mesma indulgencia
as do jogo, do inmoderado jogo, que naquella po-
ca devora vu a nobreza, e que i a com ella toda a
parle, aos acampamentos e alaos sitios. O nosso
bom Jharquez tinha no jogo o inesmo ardor que nos
amores, se bem be verdade que ncsla ultima paixiio
acbava os compensagOes que o sabido rifao promet-
i aos jogadores infeli/es. (I Sr. de Cbauvclin diri-
ga as suas vistas para a Sra. de Guebriant, viuva de
um enviado de Franga na corle do re deSuccia, o
tinha motivo para pensar que as sitas homenagens,
puras e respeilosas, seriam mais larde ou mais codo
recompensados. A Sra do Guebriant, que acompa-
nhava a corle, enlrou com o exercito francez em
Corbie ; e, no meio da confuso que naquolle caso
era ndispensavcl, pode conseguir para ella e seus
criados um alojamento decenio, que doveu mais
influencia de seus encantos, que deaeu primo, o
coronel de Liislie. Este, comtudo, nflo deixou do so
aprovelar da boa surte e do alojamento provisorio'
de sua prima, aquartelando-se no-segundo andar da
casa quo olla habilava.
O marquez de Cbauvclin, pela sua parte, nflo se)
vio tilo favorecido da fortuna. J diasemos que se
achara fallo de recursos, oassim pode conseguir
comlrabalho, n'uma travessa suja o tortuosa, as qtia-
tro paredes de um s quarto. Elle, na verdade, nflo
Guise ia responder a esla importinento observa-
efio, quando Gennaro o interrompeu brutalmente :
Oue lhe diz elle, que lhe diz elle? exclamou
Annese, devorando Guise com os olhos; heiilguma
accujagflo contra mira, alguma conjuragflo.....quer
arrastra-lo ao partido dos meus nimgos..... Se eu
o soubera....-
Fique socegado, lhe respondeu Guise, mestre
Luigi medizaque, alm desta excellento vianda,
o senhor me poda mandar servir algumas boas
frutas.
E como sabe elle queeuastenho? disse Gen-
naro; para que se quer ello fazei liberal com o que
nflo be seu i'...... Senhor duque, accrescentou elle
arrebatadamente, V. Alteza nflo. esl aqu na corte
d'el-ret de Franga, nema mesa de um cardeal roma-
no ; est em casa de um pobre o mi sera ve J fabricante
do espingardas, que o recebe como pude..... nflo le-
lil o com que ser prdigo.
A' f que eis-ah o quo he ser grande o nobre,
lhe disse o duque; porque, se o senhor he tflo eco-
nmico no cinprego dasrquozns quo ocercam, lie
sem duvida porque as nflo considera como suas, e
teneioua etnprega-las na defesa oabasteeimento da
cidade, como urna cousaque be do publico.
Gennaro lovantou a cabega, olbou para o duque,
depos. para Luigi del Ferro, depos para a mulher,
depos para Aila.
Que be quo elle diz.....? perguntou Gennaro
quasi suffocado.
Que o senhor general fara muito bem, respon-
deu Luigi, se oservisso do que tem de melliQr om
vinbos e frutas, e se mandasse metter no peto, pa-
ra car sta emite, umi dessas excedentes pegas de
viacfl que ah apodrccein, penduradas pelas pare-
des desta cosinha.
Gennaro nflo leve lempo de ordenar quo fizessem
a vontade ao duque, porque j Ronda sacava a rolha
a urna garrafa devinho delicioso,e Anta trazia Ilu-
tas magulicas em um agafate do hlugrana.
Meu Ucos exclamou Gennaro, com que vive-
remos nos so a fomo entrar tiesta cidade ?
necessitava mais, porque o jogo o tinha desombara-
cado, havia muito lempo, dos seus cavados de baga-
gem e tambem desta; porm ficra-lho o velho de
La Terrisse, seu escudeiro, seu mordomo, ou mais
depressa seu mentor, um daquelles criados que as
antigs familias passavam de paisa filhos, o qual,
menos ingrato quo a fortuna, nflo se tinha afTastado
com-ella de seu amo. Era, pois, preciso procurar-lhe
alojamento, O 0 mancebo marquez se inquietara
mus pelo bom commodo do seu criado, do que po-
lo seu proprio; de mancira que, nfloopodendo ler
coinsigo, lhe tinha franjado um pequeo quarto,
"a ra dos Tres-Jardlns, \w prmeiro o nico andar
de urna casa que habilava mademoiselle Gabriclla
do Fargis, dama de honor da duqueza de Saboya.
Para quo um escudeiro, anda que fosse um La
Terrisse, cstivesse alojado no mosmo andar que
urna dama de honor, eram ncoessarias todas as li-
cengas odesordens quo traz comsigo a guerra; o
seguramente era a- primeira vez da sua vida, j bs-
tanle loiiRa, que o escudeiro tinha a sua habitado
aolado do urna senhora de tflo alta jerarchia. Um
simples corredor em quo havia duas janellas que
deilavam para o ra, e para o quslabriam as portas
das duas habitages, una entre si as diversas par-
tes da casa, das quaes era urna pequea fracgOo a
destinada La Terrisse.
Finalmente, seja como fr, o marquez tinha adia-
do meio de so alojar a s o ao seu escudeiro, na pra-
ga que tinha conquistado; porm aquello cuidado
queja nflo o affligia, era muito diminuto em com-
paragflo dos que dio licavam Nunca a mi serle ti*
ulia viudo mais fra do lempo opprmir um enamo-
rado, tirando-lhe ao mesmo tempo o dinbeiro e o
crdito, isto he, o dinbeiro real o o dinheiro pos-
sivel.
No da seguiuto, era o dos anuos da senhora do
C'.ichriniil, c todos os senhores da curte iriam offe-
reccr a seus ps homenagens e mimos, emquantoo
senhor deCbauvelin, o mais enamorado, o acciden-
talmente o mais pobro de todos, nflo tinha senflo a
boa vontade para offerecer sua senhora. Esto cruel
peusamento o alormenlava. Havia pouco tempo,
quando o jogo o favoreca, quo tinha pensado em
comprar para aquella solemne occasifio um magni-
fico leque que tinha em venda o ourivos ta corle;
mas.desgragadamente nflo tinha passado do projec-
to cxecugflo, falla consideravelj quo j lhe nflo era
possivel reparar, porque nflo possuia um s dobrflo
doscem que precisava para o comprar, prego que
nflo era demasiado subido, se se allendosse ao Ira-
ballio, natureza, e materia do objecto em ques-
illo, porque era un daquelles loques arrendados,
que depos se chamaran! era Franga lorfntUet, (*;
porque as scnboras que os usavam, em voz de fazer
dedos um abrigo para o pudor, os convertiain em
observatorio dissimulado.
As duas varetas principaes, que os loqueiros cha-
mam guias, eram do marfim, com adornos em rele-
vo o um filete dourado, as demais vreles erara da
modreperola, de um trabadlo Jelcadissimo, e o
panno representava um assumpto mylhologico : Sa-
turno, com a fronte eorugada, os olhos pardos, o
nariz aquilino, apoiando-se com a mfloesquerda na
fouce, o pegando com a direila n'um de seus filhos
para o devorar. N'uma pslavra, podia dizer-se do
ronjuncto como do carro do sol, que o trabalho vslia
muito mais do que a materia.
Era, pois, um presente digno de oflerecer-se
duqueza de Guebriant, porm esta nflo era a que-
tflo ; a queslflo eram os cem dobroos que faltavati
(*) Oculode theatro.
Eis-aqui, segundo me parece, disse o duquo
mostrando os thesouros amontoados na cosinha,
eis-aqui com que comprarmos vveres por muito
lempo.
lie verdade, disse Gennaro, se oshouvesso;
masoscamponezes nflo pdoni fazer entrar om a-
ples nem trigo, nem carne, nem legumes.
Urna vez queaqui ha com que os pagar, disse
Guise dando um ponta-p n'umsacco dequro, qua
so arrombou no meio da cosinha, aqu osla tambem
com que Ihes abrir passagem, accrescentou ello ha-
tendo na espada.
Gamillo, dando um ponta-pe com desdem na
concha da balauca em quo o insolente Brenno havia
posto espada, nflo disse palavras mais notares do
que as que V. Alteza acaba de pronunciar, exclamou.
Luigi, pondo-se do joelhos dante do duque.
Sem duvida, sem duvida, disse Ronda, que s3
palavras t\fi mui intrpido cavalheiro.
De um hroe, accrescentou Anita.
Guise agradoceu sduas mulheres com umolhar
que so dividi por ambos ; porm Gennaro, a quem
Una admiragflo desagradava, ia porahi azeralgu-
ma grosseira advertencia, quando outra vez se ouvo
urna horrivel algazarra na sala quo preceda aco-
b"<;en'naro poz-so logo a lastimar, e Rondaatirou
para longo de s com um prato precioso, gritando
Virgcm Ruxiaaima que existencial nem sequr
uuia hora de socego !
E he sempre assim? perguntou Guise.
Sempre, respondeu Luigi.
Guise devia conhecer nesse da em que empreza.
perigosa se embarcara.
Entretanto Luigi del Ferro ia abrir a porta para
reconhecer a causa da violenta contestagflo quo con-
tinuava na sala vizinha, quando AnUa o detove do
repente, dizendo-lhe com voz quasi extracta pelo
lerror.
Misericordia! he meu pai t
I
MUTILADO |



i
3
.


I







m
aomrf|uez quando va em perspectiva o bello uso
que tern podido fazordellos para o dia seguate, e
quando nflo poda perder lempo o muito monos di-
nneiro : a sua desesperarlo era extrema. Passcava
s pelo seu quarto. tondo dotim lado pendiiradas
n um cahideas suos armas e o seu uniformo de ca-
vnllana ligeira, o do outro, sobre urna grande e ve-
nia mesa, urna lamparilla, cuja existencia compro-
mana com o vento que causava a rapidez do seu
andar, e a emoc.no da sua clera.
{Contina.
g-iuy]
COMMERCIO.
Alfandega.
llENDIMgNTO DO DIA 10............9:125,111
Detcarregam hoje, 11 de Janeiro.
Itrigue Nordem taboado.
1 Kriguo Raltler farinha.
nrigue Westemorland bacalho.
liUl'ORTACAO'.
Rattler; brigue americano, vindo de Salem, en-
trado no corrento mez, por franqua, consignado a
L. G. Ferrcira & C manifestou o seguinte ;
5 fardos algodflozinho de cores, 10 ditos rispados,
caixas algodozinho azul, 50 fardos dito liso, 51
caixasch, 2200 ps de taboado, 800 barricas fari-
--2duzias de assoalho de louro; 100 canoas de
area;48 estacas de 12 palmos decomprimento;
1 madre de 36 palmos de comprimonto e 12 polle-
gadas em quadro; --10 linhas de 16 palmos de com-
primento.com 11 pos e 12 pollegadas ; 70 ostivas
de 35 palmos de comprimento; 8 ditas do mflo de
34 palmos de comprimento e 7 em quadro; 4 va-
ras de 38 palmos de comprimento e 8 pollegadas
em quadro ; -- 36 corrmflos de 10 palmos de com-
primento e 4 pollegadas em quadro;4 frechaes
de 40 palmos decomprimento e 10 pollegadas em
quadro; 5osleiosde36 palmos de comprimento
e 12 pollegadas em quadro; 37 pas de ferro; 16
enxadas ; 425 alqueires de cal preta; 800 de
areia; 2300 lijlos de alvenara grossa ; 750 de
ladrilho; louo telhas; --1 caneco para agoa ;
1 canoa; 1 barraca; 1 caibro; 6 carrnbos
de mTo.
Cadexra vaga.
A de grammntica latina da villa de Nazarelh, cujo
concurso teri lugar a 20 do corren te Janeiro.
a vea, 1 caixmha pares de botina e fio, 2 barrs bo-
lachinha, 1 dito manleiga, 50 barricas abatidas, 8
barra bauha Je porco ; aos consignatarios.
CONSULADO GERAL.
RENDIMFNTO DO DIA 10.
<,le^",......::........... 1.993,464
Diversas provincias............... 46,243
2:039,707
Animan apprehmdidot pela plida.
Dous qjiaraos rucos. -- Serflo entregues, na sub-
delegacia-do segundo districto da comarca de Na-
zarelh, a quem def os signaes delles.
Objectos apprehendidos pila polica.
Duas cartas cqm algum dinheiro em cdulas, en-
dercelas no desembargador Joaquim Avres de Al-
meida Freitas e ao harSo de Suassuna. -- Devem de
ser procuradas na dolegacia do primeiro districto do
termo do Itecife.
Eieravot apprehendidos pela policio.
Antonio Joaquim de Oliveira, pardo, que confes-
sou pertencer a Francisco Alves de Macodo. ~ Esl
recolhido cadeia desta cidade, e deve de ser re-
clama Jo na secretaria de polica.
!Vii>, Qiueque, que disse perlenccr a Jos Peros
de Albuquorque Maranhfio. Deve ser reclamado
na subdelegada de Santo-Antonio.
O juiz do orphiios do termo despacha das 9 ho-
ras da manliila at as duas da tarde, na ra do Hos-
picio, n. 56.
CONSULADO PROVINCIAL.
ItENDIMENTO DO DIA 10........... 4:807,601
^m
Movnienio do Porto.
Navio entrado no dia 10.
Cibraltar; 31 das, barca sarda Prudencia, de 205 to-
neladas, capitflo Pedro Putranera, equipagem 13,
em lastro; a ordem.
Navio sahido no mesmo dia.
ltahia ; patacho brasilciro Santa-Cru; capitSo Joa-
quim Antonio Goncalvcs dos Santos, carga farinha
de trigo e bacalho.
Declarado. S
O escrivilo chefe da segunda seccSo do consula-
do provincial, de ordem do lllm. Sr. administrador
do mesmo consulado, faz constar aos Srs. propricta-
rios do predios urbanos, dos bairros desla cidade
que, no dia 12 do corrente, expira o prazo dos 30
dias uteis que a lei tem estabelecido para o paga-
mento, bocea do cofre, da respectiva dcima de
suas propiedades, do 1.* semestre do auno finan-
ceiro do 1847 a 1848, lindo no ultimo de dezembro
do auno prximo passado ; e quo todos os quo nflo
pagarem ate esse dia, incorrem na multa de 3 por
cento sobre o valor de seus respectivos dbitos.
Itecife, 3 de Janeiro de 1848.
Clorindo Ferreira Caldo.
Objectos que a reparlicdo das obras publicas qutr
comprar.
Quatro enchamis de 25 palmos de comprimento ;
-6 de 20;-16 caibros do 30;-- 20 duzias do ri-
pas;- 800 pregos ripaes ; 100 ditos caibraes ; ~
100 ditos de batel grande; 150 ditos de assoalho :
A estas palavras, l.uigi del Ferro recuou al ao
fundo da cosinha, e Gennaro poz-se a procurar com
s olhos espavoridos algum cauto em que se podes-
se esconder; a propria Ronda, que nfio pareca fcil
em assustar-se, perturbou-se visivelmenlc. Guise
vio que nao havia ahi ningucm seniloellc quepo-
deste irao encontr ilcsse terrivel cidadflo ; abri a
porta e quasi que he lancado por trra por um ho-
rnea quo so precipilava na sala, gritando:
Onde estfio elles?! onda est ella?!
E dizendo isto, Pappono que era o tal homem)
quizatirar-se como um leilo em cima de Luigi del
Ferro, que so havia agarrado com Gennaro, e o pu-
nha dianta de si, em guisa de escudo. Felizmente
para esses dous miseraveis, o duque, pegando viva-
mente em Papponc pela gola, Ihe fez dar urnas pou-
eas de vollas sobre si mesmo, o o lancou por trra
com tal frca, que o nobre descendente de Hercules
ficou por um momento aturdido com a pancada.
Quem se atreve a entrar assim, disse o duque,
no lugar em que cu eslou'! Pela paixflo de Christo !
mcus senhores, accrescentou elle voltando-se para
urna multidflo de bandidos que urravam porta da
cosinha lanzando aterradores olhos de cubica sobre
as riquezas expostas diante dalles, pela paixflo do
Ctiristo, que hei de ensinar a lodo aquelle que se
esquocer do respeito que me he devido.
VivaS. Alteza osenhorduque de Guise! gri-
tou Luig del Fejrro, sempre arachapado por tras de
Gennaro. .<-'"'
O duque de Guise.'!..... vossa merc lieodu-
que de Guise.'! disse Pappone ievantando-se com
olera. Poisbem! se vossa inerce he alguma cousa
aqui, venuo i.edir-lbe a cabeca desle traidor, accres-
centou elle, apoulano para Luigi del Ferro.
Apeasoa do um ombaixador he sagrada, res-
poudeu Guise, o nflo consenlirei que se Ihe faca a
menor violencia.
Nflo importa com todos os diabos! hei de ar-
'fancar-lho a lngoa fra.
0 duque ia ser obrigado a lutar corpo a corpo com
p carniceiro, a be pfovTol, qqe deaU ve* no fosse
THFATRO PUBLICO.
PRESE l.
Nflopdehaver espectculo na quints-foira, por se
estar apromptando a segunda parto do presepe, pro-
mettidaao respeitavol publico, a qual consta do re-
pudio da rainha Vastlii --soberba de Aman tri-
umpho do Mardocheo escolha do rei Assuero
da Israelita Esther, entre todas as damas do reu im-
perioo grande banquete nos jardins deste sobe-
rano: os quaes aparecerSo vistosamente Ilumina-
dos, e com toda pompa, fazendo as lindas paslo-
rinhas a mais interessanle parte desle novo pre-
sepe.
Publicarlo Luterana.
Vendem-se, na toja de J. Chardon, no Aterro-da-
Boa-Vista, n. 3, as seguidles publicaeocs :
A nnuario poltico e histrico do Brasil (1846).
Curso da historia da philosophia de V. Cousin ,
traduzido por A. P. de Figueiredo.
O Progrosso r tomo primeiro (1846),
As sele cordas da lyra,l'., 2., 3.', .* e 5.* li-
vracoes.
Memorias sobre o melhoramento do porto de
Pernambuco, porL. L. Vaulbier.
Na mesma loja assigna-se Folhilinila do Ro-
do-Janeiro.
AVISOS na III irnos.
Para o Rio-de-Janeiro sabe, uestes dias, por s
Iho fallar um pequeo resto de carga para abarro-
tar, o brigue nacional Sociedad* t para carga, passa-
geiro ou cscravos a frete, a fallar com Jos Francis-
co Collares as escadinhas, ou na loja de forragens
~"."~~~7v:" -::~-~~~ r~ Ti"
tflo bem succedido, quando repentinamente Aila
se lancou diante dos seus passos, exclamando :
Perde-lhc por quem he, que elle nflo he cul-
pado!
Como nflo be culpado.'I nflo foi ello que me
metteu em cabeca que viesse atacar os Hespanhes
emquanto o conde Borgia, eleito capitlo-general
dos Napolitanos, os atacara polo seu lado ?
Guise, Gennaro o todas as pessoas presentes na sa-
la Picaram estupefactas ao ouvir semelhantes pala-
vras. 0 duque poz-se a olhar para Luigi del Ferro,
o qual, sacudiudo immedialamenle a juba, se poz
a herrar:
Paternster, qui es in calis.....
Silencio! disse Guise com clera; responda,
senlior Luigi, como he possivel que o senhor, que
me cscreveu em Roma a carta que me trouxe aqui,
dissesse ao mesmo lempo ao senhor Pappone quo o
conde Borgia seria eleito chefe da repblica?
Credo in unum Deum Patrem omnipotentem, se
poz a cantar Luigi, com toda a frca dos pulmes.
Responde-me ou nflo responde ?..... Iho per-
guntou Guite colrico.
V. Alteza agora nflo obtem nada dello, disse
Ronda ; o pobre diabo esl n'um dos seus accessos
de loucura.....
Guise achou que semelhanto accesso tjnha viudo
tflo a proposito, que se poda mu bem suspeilar que
a sua rcalidade nflo fosse sincera ; Pappone. porom,
2ue era da mesma opiniflo, nflo imitou a prudencia
o duque, o qual so conlenlou com cncolher os
hombros.
Pois entilo eu quero ver de que cor lio o sao-
gue de um doudo, exetamou Pappono desemba-
nhando a espada, e laucando-se para Luigi.
E ergueu o ferro sobre a cabeca do grotesco em-
baixador, bradsndo-lhe :
Toma ti, traidor I.....
Mas parou inmediatamente ao ver o rosto de Lui-
gi ficar impassivel, e quaponnuava a cantar com
urna voz fonnidavei,
da esquina da ra da Cadeia, com o capitflo, Je-
ronymo Jos Telles.
Para o Rio-de-Janeiro sahir o brigue nacional
Despique: para carga e passageiros, trata-se com
Machado & Pinheiro, na ra da Cadeia, n. 37, ou com
o capitflo, Joaquim Jos dos Santos.
Para o Porto, sahe impreterivelmente no dia
20 do corrente, o bergantim portuguez Ventura-Fe-
liz, por se achar quasi promplo: recebe um resto de
carga e passageiro, para os quaes ofTerece bons
commodos: trata-se com os consignatarios, Mcndes
& Tarrozo, na ra da Cruz, n. 54, ou com o capitflo,
Zeferino Ventura dos Santos, na praca do Comraer-
cio.
Para a Baha segu vlagem o hiate San-Bene-
dicto, por ter parte de sua carga proinpta : para o
resto ou passageiros, trata-se na ra do Amorim, n.
19.
Para o Aracaly pretende seguir viagem, at 15
do corrente, o brigue-escuna Enriqueta, mostr
Jos Joaquim Alves da Silva : recebe carga para o
Ass e Touros. Quem nelle quizer carregar se en-
tender com o mesmo mestre no Trapiche-Novo,
ou na ra de Cadoia Velha, n. 17, segundo andar.
Para o Rio-de-Janeiro sahir breve o brigue
Sania-Maria-Boa-Sorie, capitflo Jos Joaquim Das
dos Prazeres. Queui no mesmo quizer carregar, em-
barcar escravos ou ir de passagem, pode entender-
se com Amorim Irmflos, na ra da Cadeia, n. 45, ou
com o sobredito capitSo Prazeres.
Para o Porlo sahe, com muita brevidade a
barca Helia-Pernambueana, por ter a maior parte de
seu carga prompta: quem nella quizer carregar, ou
ir de passagem, para o quo ofTerece os mais asseia-
dos commodos dirija-se ao consignatario', Anto-
nio Francisco de Moraos, na rus da Cadeia do Re-
cito loja n. 51, ou ao capitSo na prai;a do Cora-
mercio.
Para o Maran>/fa ,. com a maior brevida-
de possivel, porf, pfl) da carga prompta, o bem
conhecido brigtfe-escuna Laura: quem do mesmo
quizer carregar /bu ir de passagem, para o que tem
exceden tes com modos, dirija-se ao caeiUona pra-
ca ou a Nove & Companlua na ra do Trapiche,
n 3.
Viie-i o bcrganliiii niepenenu, de lote de
onze mil arrobas de carno, de conttrucc,no de
carvallio o pregado de cobro cora f retos marl-
nheiros ou sem ellos, islo em consequencia de ha-
verem contas a liquidar : quem o pretender pode ir
v-lo a bordo.
Para o Ass seguo, em poneos das, o brigue
brasilciro Sagitario: para carga ou passageiros tra-
ta-se no armazem ao lado da cadeia, n. 23.
Para a Babia sahe, em poucos das, o hiate na-
cional Tentador, forrado e pregado de cobre : para
o resto da carga e passageiros, Irata-se com Silva &
Grillo, n.'i rus oa iGcda, i.! .
Para o Rio-Grande-do-Sul pretende sahir, no
dia 15 do corrente, o brigue Deos-te-Guarde, capitflo
Manocl Jos de Azevedo Santos : pode receber al-
guna eicravos frete, para o que trata-se com o di-
to capitflo, ou com Bailar & Oliveira, na ra da
Cadea-Velha, n. 12.
Para Lisboa sahe, com a maior brevidade, o
brigue portuguez San-Domingos, por ter a maior
parte do sou carregamento prompta : quem no mes-!
mo quizer carregar ou ir do passagem, para oque,
offerece bons commodos, dirija-so aos consgnala-;
ros, Mcndes & Tarroso, na rus da Cruz n. 54, ou ao
capitflo, Mauoel Goncalves Vianna, na pracs do
Commercio.
-Para a Bahia sabe, em poucos dias, por ji ter par-
te de seu carregamento prompta, a sumaca Sonlo-.ln-
tonio-de-Padua, forrada o pregada de cobro : para car.
ga e passageiros, trala-se na ra do Vkgario, n. 5.
Avisos diversos.
Jos .Soarcs'do Azevedo, professor de lingoa
franceza nolyceu lem abert em sua casa ra do
Rangel, n. 59, segundo andar, um curso de rbelo-
rica e oulrodc. goographia o historia. As pessoas
que desejarem seguir urna ou outra destas discipli-
nas, podem dirigir-se indicada residencia a qual-
quer hora.
O TRIBUNO N. 66.
Tf ndo sido annunciado para hontem, nflo so pode
concluir sua impressflo se nflo j muito pela tarde,
pelo quo s agora se pode distribuir: est como se
disse muito interessanle, na praca da Independen-
cia, ns. 6 e 8.
Francisco Rodrigues da Silva Moreira relira-se
para o Rio-de-Janeiro.
Vossa merc bem v que elle est doudo, disse
Ronda.
He verdade, murmurou Pappone, mas de nos
ambos eu he que sou o mais doudo, por ter acredi-
tado no que este mseravel me propunha.
Agora nflo medir o senhor deque se trata?
perguntou Guise.
Serei eu quem Ihe direi, meu senhor, disse
Anita dirigindo-se ao duque.
Antes de responderes ao senhor duque, excla-
mou Pappone, supponho que has deexplicar-me o
quo significa a remessa dcstes dous anneis.
Era urna esperance louca cm que nflo cuidare-
mos mais, respondeu Anita.
Comoseentende isso?!... perguntoo l'appo-
ne abaixando a voz, e o meu ducado d'lschia?eo
teu casamento com Melchior Borgia ?.....
Nunca, meu pai, respondeu Anita ; nunca /
Tal vez que elle te recusasse...., disse Pappone
todo furias.
Nflo, meu pai, repllcou Anita brandamente
fui euqno o noquz mais.....
Tu?.....
O meu corceo nSo bato mais por elle, accres-
centou Anita com muita humldado, escondendo o
rosto as mflos do pai.
Ronda frangi as sobrancelhas negras, e doi-
xou escapar um sorriso de desprezo.
Pappono lancou os olhos em torno de si com o ar
deum homem que pede a todos expiicacflo do que
acaba do ouvir, e encontrou-so com os olhos do du-
que de Guise cravados em Anita e n'uma expressflo
cheia de amor.
Ah !.... disse elle quasi a nflo ouvir-se. Ah!...
Oh !.... Com mil diabos! accrescentou elle um mo-
mento depois.
D'ahi oliiou para Guise e para a (Una, e poz-se a
cocar as orelbas, como quem eslava combinando to-
dos os pensamentos que Ihe acudiam de chofre;
mas o duque que o comprehendra, teniendo algu-
Jos Romflo Goncalves Muniz avisa ao publico,
que Jos Fernandes Vianna, conhecido por Jos
Ba-Visla, so aprsenla como senhor de duas es-
cravas pertencentes a Isabel Goncalves do Ungria,
a qual, simuladamente, assim as faz vendidas para
nflo pagar oque deve ao annunciante. Os credores
do dito Vianna j tem duas oscravas.
Nos abaixo assignados protestamos, pelo pro*
sonte, sobre a parto da casa da ra. da Alogria, n.
I, que negocio algum temos feito cora a senho-
ra D. Claudio do Oliveira, sobro 555,000 rs. que
nos locou da dita casa, e o papel de trato que por
oraexiatena roflo da dita aenhora he millo. Ilecifa,
9 de Janeiro de t8W.~Jo*qum Barbosa de Sousa__
Joanna Baplista tranca.
Precisa-so de um caixeiro para tomar conti de
urna padarla por balanco, o qua I (enha alguma pra-
tica desto negocio e saiba bem Ier e escrever para
seempregar as horas vagas em fazer alguma es-
cripta, dando fiador a sua conducta: quem se a-
char nostas circumstaneias, pode dirigir-se praca
da Independencia, loja n. 24, onde so dir que
precisa.
Kngomma-se roupa de homem e senliora com
muita perfeicflo : no oitflo da matriz de Santo-An-
tonio, n. 14.
Os abaixo assignados fazem sciene ao carpo
de commercio desta praca, e a quem comicr, quo
dissnlveram amigavclmente a socedade que linMm
na loja de fazendas da ra do Crespo, n. 8, desde o
dia 1.* do correlo. Picando o socio Campos desone-
rado de todas as transaeces toitas ilebaixo da. firma
Campos & Maya.-Recito, 10 de janeirocfo 1848.
Jos da Silva Campos,Antonio Joaquim da Silva
Maga.
Os abaixo assignados leienlificam ao corpo
comtuercial desta praca, o a quem inteiessar, que
contradirn* urna socedade na loja de fazendas da
ra do Crespo, n. 8, dcbaixoda tirina de Maya Pr
mos, obrigando-se por todas as transaeces effe
tuadis pela exlincla firma de Campos & Maya, m
cife, 10 de Janeiro de 1848.Antonio Joaquim da Sil-
va Maga.Joaquim Lopes da Costa Maya.
Precisa-se de 2:000,000 de rs a premio de um
e meio por cento ao mez, com hypotheca em 4 car
saa terreas no nairro de San-jose, as quaes reudem
8,000 rs. mensal mente cada urna: d-se o aluguel
pelo premio, ou paga-se o premio mensal : tamben.
M vendem as mesmas casas, cujas silo em cliflos
proprios c feitas a moderna: quem as pretender,
por hypotheca ou por venda, annunce para ser
procurado.
Precisa-se de um Portuguez doscliegadosa
pouco, para trabalhar em u sitio porto desta pra-
ca, dando-seo sustento o alguma mensalidado: ha
tratar na ra d Florentina, n. 16.
Carlos D. Frederick, nrotosaor de daguerreoty-
po, avisa ao respeiiavei publico, que se relira da ci-
dade at a chegada do seu novo sortimento, quando
teri o gosto de principiar novamente osseustraba-
Ihos : e quem tiver algum negocio com elle, pode di-
rigir-se aos Srs. Davls &C, ruada Cruz, n. 7.
Noengenho Ouleiro, da cidado da Paraliiba-do-
Norle, em casa do tenente-coronel Jos Narciso da
Carvalho, foi apprehendido um mulatinho, de dado
de 20 annos, pouco mais ou menos, que diz ser es-
cravo do Sr. Francisco Eslevflo de Mello, do ngenho
Gindahi, junto a povoacflo deUnna, cujo mulatinho
be baixo e chama-se Pedro, o qual (lea em poder da-
quelle senhor de engenho, que o comprara, visto o
querer servir; entretanto que se nflo responsabilisa
pela fuga ou morte delle. O senhor que fr do dito
mulatindo se pder entender nesta praca com o Sr.
JofloTavare* Gordeiro, na ra do Vigario ; e na ci-
dade da Parahiba, com Jacinlho Jos de Mcdeiros
Correia.
Precisa-se de urna mulher branca ou simi-
Iiranca, de quarenla annos de idade. pouco mais ou
menos, sadia e de boa conducta, capaz de tratar com
zelo, asscio e delicadeza a um homem velho, em um
sitio distante desta cidade duas legoas, que seja s
c nflo tenha familia, do cujo trabalho ser suPPicien-
temenle retribuida : na ra Dircita, casa n. 119, ao
dir quem a pretende para o dito iim.
I'erderam-sc, na noito de 7 do corrente, desde o
Recito at a ra Nova, quaronla e cinco mil rs. em
cdulas, sendo duas de vinte mil rs. o urna de cinco,
as quaes se acliavam dentro de urna caita, vinda do
Ico, escripia por Joaquim Luiz Alves Vianna -. a pes-
soa que achou dita quaula, sendo de consciencia e
queirendo reslitui-la, a poder entregar na ra da
Sonzalla-Velha, n. 138.
No botiquim da ra larga do llozario, n. 27,
precisa-se do um cozinhoiro, branco ou preto, que
saiba bem desempenhar o seu lugar.
Na ra de Hortas, n. 64, precisa-se alugar urna
preta escrava, para vender na ra.
ma pergunla indiscreta,
se-lhe;
apressou-so em dirigir-
I'orm o que Ihe succedeu no seu ataque con-
tra OS 11 es pa lili oes i'
Succedeu queeu avancei com a con llanca de
um homem que. se julga auxiliado.....Suppiioba os
tres qtiarlos das tropas hespanholas oceupadas em
combaler contra a cidade; e a artilharia que rebum-
bava de todos os lados m'o devia fazer acreditar.....
T.udo falhou ; esse, estrondo infernal nflo era dirigi-
do senflo contra una miseravel barca ; tanto que,
quando eu mo laneel atrevidamente aos porlos hes-
panhes achei-os pertoilamnte occupndos. Ao cabo
do una hora 'de combate, urna multidflo de caval-
leirns cahia sobre a miuha retaguarda, de tal modo
quo me acliei encerrado entre a cidado o os postos
hespanhes- Nflo ora muito quo a cidado pela qual
eu acaba va de combaler me desso um asylo, mas eu
eslava do lado doquarleirflo em que commandava
esso traidor de Poppc Palombo, que me deixou acu-
tilar at o momento em que dos dous mil homens
que eu havia trazido mo nflo rostavam mais que qui-
nhenlos!.....Sanlflo-ho que eiieabaixou as tran-
queiras e abri as portas. Foi elle quo mo na.rrou a
chegada de V. Alteza o a desto miseravel Luigi, quo
nflo lio tflo doudo como quer parecer; porque repa-
re com que ar ello nos ouve, desde quo vio quo po-
da colhor aqui algumas noticias boas para vender
aos Hespanhes.....
Te Deum laudamus, te Domine confitemur, cnloou
inmediatamente Luigi del Ferro.
Cala a bocea Ihe bradou o duquo em tom de
desprezo.
Luigi conlinuou : Te Deum laudamus.....
Ponham esle desgranado na ra, disse o duque.
Dous estfeles do Gennaro iam obedecers ordens
do duque de Guise; porm o capi tilo-general achou
mo queseexecutasse cm sua casa urna ordem que
Jue elle nflo havia dado, o mandou-llies quo se re-
rassem.
(Continuar-u-Aa,)
\
MUTILADO


^
Aula
no
Este
de primeiras Icttras
Aterio-da-Ba-Vhla n. 5.
cstabelecmento, collocal
m^L
em
ATTENCAO.
Fugio, no da SI dodezorobro do anno pissado ,
o escravo Manoel Gabiso, criotilo, do 28 a 30annos.
bstanla barbado, as vezes costuma trazer suis-
sas por baixo do quoixo de estatura ordinaria ,
\
rento mezj e nelle So rccebidos alumnos
externos, pensionistas e meio-pensionis-
tas, aiancando-se todo o zelo'e desvelo
no ensino e Iratamento dos mesmos.
Esiste, na ra do Cnbug, toja de miudezas n
4, umacarla, vinda da cidade do Porto, para ser
entregue aoSr. Joaqun Domingos Caltiao, ou, em
sui ausencia, a Senhora Dona Josepha Callian.
Jos Nicacio da Silva ostabelee.ou sua aula par-
ticular na ra da Roda, sobrado n. 35, pertencente
bo patrimonio dos expostos, onde mora o Sr. pro-
fessor Jos Bernnrdino de Sena, o contina a ensi-
nargrammatica latina, e tambem seoffereoe a en-
snar primeiras lettras. As possoas que do seu pres-
t mo se quizercm utllisar, o podem procurar na so-
brodita casa a qualquer hora.
O abaixo assignado cnsina cm sua casa, no A-
terro-da-Boa-Vista, n. 82, gcographia e francez, e
ra dar licOesem casas particulares.
Dr. Joaquim de Oliteira i Sonta. '
Aterro da.Bua*Vista ii. 16.
Pommateau, cutileiro,
tora a honra de participar ao rcspeilavol publico ,
quorecebeu, pelo ultimo navio francez, um rico
ortimento de fazendas de primeira qualidado, bom
como : ostojos de viagem apparelhados do prata e
demstal; carteras de algibeira de todos os l-
mannos; um .grande sortimonlo de brides de ac
uniente* nnro nn.. ~ *...._:.. /.,._ .._ '
iatao polido; Tacase caivetes do todas as quali-
dades ; tesouras de costura unlia e de alfaiale; na-
val!^ Jo iyiia primeira sorio, e de que se garante a
qiiatidade; polvarinhos ; chuinbeiras ; espoletas ;
chaminese saca-trapos. '
Francisco Jos de Freitas CumarHes declara
que vende a sua venda ao Sr. Joaquim Antonio de
Oliveira, por se adiar justa e contratada com o mes-
moSr., sita no paleo de San-Jos, n. 2 : so alguma
pessoa so achar com direito a olla, baja de declarar
oestes 3 das, ou entender-so na mesma cima.
-- O iiadr Vpnoncio 'jni iques de Rezende con
tina a dar I icOee de lalim,' fraeezViggloz, na sua
casa, n. 32, da ra do Bozaiio da Boa-Vista.
la.. Y. Desenclos mudot o seu es-
critorio e jrmazem de fazendas, da ra
da Cruz, n. i3, para a mesma ra, n
46, primeiro andar.
COLLEGIO S.-ANTONIO.
No dia 7 do correle abrram-se todas as aulas
desle collegio.
Jos Mara de Figueiredo professor particu-
lar de primeiras lettras do bairro do Recife, faz
scicntc ao respeitavol publico, que, no 7 do cor-
rente abri a sua aula e contina a teceber
alumnos do primeiras lettras, grammalica portu-
guesa o flauta. Quem de seu presumo so quizer
ulilisar dinja-se ao becco de Jos-da-Costa n. 2.
segundo andar.
Aula le navegaco.
Agostinho Fernandes Catanho do Vasconcellos
abre a. sua aula de navegaco no dia 7 do corrente,
leccionando os diversos problemas que se empre-
gam na pralica da navegagflo e theoria em que se
baseiam Dcando por este niethodo os seus alum-
nos habilitados para responderem ao necessario
examo
Tambem se encarrega do medgflo de terrenos e
levantamiento de plantas fra dcsta cidade para o
queofferece aos Srs. negociantes q propietarios do
engenhos os setls conheci montos do, agrimensura,
a ra da Praia, n. 55, primeiro andar.
Preciso-se do um caixeiro quo tenha alguma
pralica de venda, e que d fiador a sua conducta :
na Lingueta, venda n. 1.
U'ia depassaporlcs.
Na ra do Collegio, n.10, o no Aterro-da-Boa-
visla, n. 48, continuam-so a tirar passaportes tan-
to para dentro, como para fra do imperio: assim
como despacham so oscravos: tudo com brevidado.
--'Precisa-sede urna senhora j de idade para
fazer comoanhia a urnas meninas do menor idado ,
fra desta praga o que tenha as qualidades ne-
cesarias paravducagilo : quem esliver neslas cir-
cunstancias dirlja-se a tub da Cadeia de S-Anto-
nio, a primeira casa passando a cadeia, n. 21, se-
gundo andar.
D-se dinheiro a premio sobre penhores de ou
ro e prata, cm maior c menor quantia al um cont
de rs., ou qualquer negocio quo faca i ulerease : na
ra Dircita, n. 5, confronte a travessa do S.-Pedro ,
lojadebarbeiro.de liernardino de Sena.
A semana passada fugio do urna gaiqla ,um ca-
nario de imperio, muilo cantador e novo, cujo
maior slgiial he ter sobre a cabeca as pennas
crespas : quem o pegar leve-o ao Atcrro-da-Boa-
? ista sobrado n. 24, segundo andar, que ser re-
compensado.
D-se dinheiro a premio sobre ponhores do
ouro o praia mesmo em pequeas porgeos : v.a ra
Dlreita, n. 2, se dir quem d.
Lembra-se ao Sr. V. T. C- que queira quanto
antes pagar a quantia do 10,000 rs. que pedio em-
prestada ha sele mezes na ra do Crespo, n. 9, so
nlo quizer ver o seu nome poroxtenso.
-- Precisa-se do um rapaz pura caixeiro de venda,
que saiba lera escrever, sondo dos chegados l-
timamente do Porto mellior: as Cinco-I'ontas ,
n. 71. .Na mesma casa vende-se panno de linho pu-
ro da llha multo fino e niais grosso.
Descja-se arrumar de caixeiro do qualquer ea-
tab'ilccimenlo um pequono brasileiro de 14 ali-
os, de mu i to ba conducta e que daraliador,
se o exigirem : quem delle precisar annuncie.
Qualquer pessoa que quizer fazor sociedadeom
urna venda, entrando com algum fundo, dirija-so
a Fra-de-Portas, venda n. 84, ou annuncie.
-- Prccisa-se de um caixeiro para tomar conta de
una venda em Fru-dc-Portas n. 58 ; a tratar na
' *e#m* venda.
, p<>< i
morrillo a mu, que era a prcta criiila Anninha-,
que vendia fazendas na praia do Bio-Doce, Jang
Pan-Amarello Maria-Farinha.ect.; lugares estes
onde o dito escravo he muito conhecldo, por andar
com a dita preta, e dopois que esta morreu ello
j ler andado fgido por estes lugares cobrar di-
vidas, sem para isto ter autorisacjlo de seu se-
nhor: e como a pessoa encarregada desta cobranca
he o Sr. (Elias Francisco da ConceicRo, crioulo e
morador no Rio-Doco tendo-o visto nest lugar o
inandou para o Recife no dia 28 do ditomez, con-
forme as ordens que elle' tlnha recebido. Quemo
pegar leve-o a ra de Hortas, n. 62, ou tragaa esta
typographia que seT gratificado.
Aluga-so o primeiro andar do sobrado n. 26 ,
airas da matriz da lloa-vista, com muilos commo-
dos para familia, o que he muito fresco por, ser da
parte da sombra ;',o urna casa na ra da (loria, n.
*3, por 8,000 rs mensaes : a tratar atrs da mut-iz
da Boa-Vista, n. 22.
Ausentou-se, na Ponte-de-Ucha, da casado*,
O. Elster, urna cscrava crioula, do nome Joseplia,
bastanto cheia do corpo e qne n.lo m parecida, a
qual suppe- se estar oceulta em cerlo lugar, do quo
so fardo serias pesquizas para saber-se, e enlOo pro-
cedor-se-ha contra a pessoa que occultou-a; tambem
se gratificar bem a quem dor exactas informacOos
do lugar onde ella se acba escondida na ra da Ca-
dia-Vlha, n. 29, or-J'onte-dc-Ucha, cm casa de
i. O Elster. >i
Offerece-so urna mulher de meia idade para ama
do casa de homcm solteiro ou casado de pouca fa-
milia, a qual cozinlia e engomma : na ra das Fi-
res, n. 7.
Quem quizer dar 600,000 rs. a juros do 1 o moio
por cento ao mez, dando-se para garanta do dinhei-
ro pcfthores, dirija-so ao talgo do Paraizo, 0, ?0,
que se dir quem quer.
O abaixo assignado, com aula de primeiras let-
tras na Passagom-da-Magdalcna, avisa aos Ilustres
pas de familia, que Mo confiaram a educaQilo de
seus filhos o ao respeitavel publico, que designou e
dia 10 do corrente, para continuar seus trabalhos:
e propc-so a cnsinar em casas particulares das 6
horas da manhfla as8,e das 4 da lardeas 6, por
4,00 rs. mensaes porcada alumno ; tambem rece-
be pensionistas e meio-ponsionistas; e compro-
mette-se, por um trato, a ensinar a ler, escrever e
contar, no curto espaco de 365 das uteis : quem se
quizer utilisar do seu preslimo eactividade, diri-
ja-se ao sitio confronte ao do Sr. Mauoel Joaquim Ra-
mos e Silva.
LOTERA
DO
Hospital Pedro Segundo.
Continuatn se a vender, nos lugares j
annunciudos, os bilhetes da segunda
quinta parte da primeira lotera a bone-
hcio do Hospital Pedro Segundo ; e o
thesooreiro, pela concurrencia que tem
havido, espera brevemente annunciar por
uma s vez o dia em que devem correr as
rodas.
Remedio froiifioto para u> embriagados.
Esto remetio torna-se mui apreciavel, por sua
con-.poai^flo ser muito simples ;n3o arruina a sa-
de do individuo e faz aborrecer para sempre a be-
bida : vende-se smente na ra Velha, n. 54.
t Aluga-se uma boa sala com uma alcova gran-
6 um quailu pequeo : na ra do Quemado n.
30, primeiro andar.
D-se um cont al dous con tos de ris a pre-
mio de um emeio por cont, sobre penhores de
ouro o praia : quem precisar annuncie.
Precisa-se de um menino porluguoz do 12 a
Uannos, dos chogados ltimamente, para uma
venda : na ra do Amoriro, n. 17.
10$ rs. de gratifi-
cado.
Desemcaminhou-se, desde a
Passaftern-da-Magdalena at a rita
Vende-se uma taberna bem afreguezada com
poucos fundos, com quintal, commodos bstan-
les para familia e outrns conveniencias quo se farilo
ver ao comprador, e o motivo por que so vonde ; em
Fra-de-Portas, ra do Pilar, n. 86.
Na ra das Cinco-Ponas, n. 65, contina-se a
vender ouro o prata sem feltio e lamben se ven-
de uma rede do dormir, feita no norte.
Sementcs de hortace
de todas as qualidades homilas tortas 0 diroitas,
feijSo carrapato : ludo muito novo, ivindo de Lis-
boa : na ra da Cruz, n. 62.
Vende-so um mothodo do flauta em bon*
estado, por preco com modo: na ra de S.-Fran-
o seo, casa da esquina que volta para a ra da Flo-
rentina.
Vendo-so uma morada de casa terrea sita na
ruadas C i neo-Pon tas, n. 78: a tratar na mesma
ra, n. 112.
Vende-se cal virgen em ancorlas, a mais
nova quo existo no mercado por preco mais com-
modo do que em oulra qualquer parle: na ra da
Mufila armazem n. 17.
Fumoem oiha
para capas de charutos, de muilo boa quslidade.e
cera amarclla do sertlio quo se vender por preco
mais barato possivcl, por ser pequea porcSo : oa
ra da Cruz, n. 55.
Dous pianos fortes de Jaca-
randa,
chegados nllimamente, quc.almdc serem um
magnifico ornato de uma salla teem excellentes
vozes, sondo o machanismo do muito approvada
nova invencSo, chamada repetidor patente di Collard:
vendem-so na ra da Cruz, n. 55.
nervudas e sardinhas

MU KCCIIC,
uma
Francisco Maluquios Soares desleir.
Roubaram, nanoile do 3 para 4 do correnlc,
um cavallo pedrez, do quintal da casa da ra Bella,
n. 40 : he muito bem felo, carrega baixo, est gor-
do, muito ardigo o tem um sigual na milo dircita,
na primeira junta ao pedo casco, doum talho que
leyou, cujo signal se torne muito visivcl por nilo ter
criado cabellos. Quem pegar o ladro e o cavallo se-
r bem recompensado na casa cima mencionada
-Na ra do Aragflo, n 4, bairro da Boa-Vista,
fazem-se quaes'quor cortinados, tanto de cama como
para janenas, com a maior perfuico possivcl.
AOS pas de familia.
Ensinam-se meninas com toda a pcrfeicio, a sa-
ber : primeiras ledras, grammalica portugtieza.ari-
Ihmlica, doutrina christta coser marear, bor-
dar de diversas qualidades : na roa da Alegra n
42. Adverte-so que so cnsina com todo o cuidado e
zelo.
Aluga-se uma casa terrea com bons commodos,
na ra do l'eixoto n. 36 : a Iratar na ra do Sara-
palcl, sobrado n. 16.
Manoel Goncalvos Vianna, capililo do bergan-
tn! porlugucz an-Domingost precisa fallar com o
Sr. Francisco Rodrigues Lima, natural da freguezia
do Santa-Maiinlia-iie-Arcozello, termo da villa de
l'onlo-de-Lima, em Portugal, casado com a Sra. I).
Anua Mara ; c se j nfo existir, com algum de seus
descendentes, para o que Ihcsroga o favor de o pro-
curaron nesta cidade em casa do Sr. Jos Francisco
Beln, no Forle-do-Mattos, casa n. 12.
Nodia8docorronto, roubaram do becco do Pa-
dre, loja dcalfaialcp^a, oseguinta: um brinco de
ouro com duas podras de diamante, um dito de ourd
francez, uns aljofares com uma cornalinda eneas-
toada de prata, um sapatinlio de couro do lustro,
um frasquinlu de ollio odog o mais cousas miudas :
a quem or offorecidx qualquer destes objectos haj.i
de apprelicnd-lo e leva-lo a casa cima.
1. Anna Claudina Roza pretendo abrir a sua
aula lio dia 17 do corrente, onde se cnsina a ler. es-
crever, contar, grammalica portugueza, cospr, bor-
dar, lavaiinto, marcar, costura chfla o msico. Os
paisdo familia que sequizerem utlisnrdo seu pres-
timo, dirijam-se ra da I'enha, casa n. 9;
Tendo de proender-se a inventaro dos bons que
icaram por faileciiucnlo de Manoel Porcira de S,
ourves de praia, roga-so aos crodores do mesmo,
que queirain.apresentar os ttulos probatorios dos
seuscroditos, na ra estreita do Itozario, u. t'.l, a
fin de seren descrpos.
Precisa-se de urna ama para criar um menino,
que tenha bom e bastante leite : na ra da Praia, n.
, lorcero andar.
Precisa-se do um caixeiro porlugucz, prefe-
i indo-se dos chegados prximamente do Perlo : no
pateo da S.-Crua, padaria n. fl, defronte da igreja.
Prccisa-sc de una mulher para o servico de
una casa de pouca tamilia ; na ma da Cruz, n. 18,
primeiro audar. -
Os abaixo assignados declaran! que da-
solvcram amigavclmcnte a sociedado que linham
na loja de fazendas, sita na ra' da Cadeia do Reci-
fe, numero 40, que gyrava debaixo da firma de
l'eruia & Sanios, dsdo o i.' de Janeiro corren-
te; icaudo o socio Puroira com o dito eslabe-
leciincnto, o obrigado a liquidaclo da exlincta
firma; e o socio Santos sem mais responsalidade
alguma, por assim lerom concordado com os credo-
res, francisco onfatves du Silva l'rretra. Anto-
nio Soares Ftrrtira dos Santos.
Bernardo Jos Rodrigues Pinberoembarca pa-
ra o llio-de-Janeiro a sua escrava parda, de nome
Antonia.
Dflo-se 260,000 rs. a promio sobre penhores
deouro oprata, a pro rasoavei e premio mdico;
a ru do Caldeirejro, n. 68, Wf9- '
nha de raca ingleza, de apanhar
ratos, preto, ps, mos e peitos
amare!los, e sobre os olhos dous
signaes ditos ; acode pelo nome
de alpaka, e he cm-extiemo pe-
quena : d-sc a mesma gralifica-
eo a quem der noticias onde el-
la existe, verifica :do-se. Na ra
da Cruz do Recife, n. 9, se pede-
r fallar a semelhante respeito.
Compras.
~ Compra-so o primeiro lomo do resumo cstn-
tisto-histrico dos Estados-Unidos da America Sep-
tentrional Iraduzido porF. B., cidadfto brasileiro,
ou vende-se o segundo to-no : quem tver o pri-
meiro dirija-se a praca da Independencia, lirraria
ns,6e9.
Compra-se una grammalica franceza, por Se-
vne;um diccionario, por Fonseca : na ra No-
va, n. 16.
-- Na olaria da ra do Colovello a primeira de-
pois do becco das Barreiras compra-so um quar-
to bom ; taboas usadas que sirvam para estacada, c
algumas estas do emberiba do 8 palmos pouco
maisou menos para a mesma obra.
Compra-se toda a porefio de botijas que bou-
ver, a 80 rs.,, o tamhum garrafas.- na venda da es-
quina da ra larga do Rozario n. 39.
Compram-se e vendem-se es-
cravos, e recebem-se de commis-
coes, oTerecendo-se toda e qual-
quer garanlia a respeilo dos mes-
mos : na rua das Larangeiras, n.
14, segundo andar-
Compram-se garrafas e bo-
tijas vasias : na brica de licores
do Aterro da I$a-Vista, n. 17.
- Compra-se, em segunda inflo, 1 folo de caixflo,
1 laminador, I arrioira, I taz 2 caixfies de our-
ves, I gamella de areia de moldar e seus perlenccs:
na praca da Independencia, n. 19.
Vendas.
FOLHINHASPARA 0 ANNO DR 1848.
Vendem-se folliinlias de algiboira, de porta e de
padre as mais correctas o mais regularos : na pra-
ta da Independencia, livraria ns. 6e8; na ruada
Cruz loja n. 56 : na rua do Crespo loja n II; na
loja da esquina do Collegio ,e na botica do Sr. Mo-
reira, defronte da matriz da Boa-Vista.
Vendem-se os vordadeiros charutos da fabrica
de San-Flix : na rua da Cadeia do Recife, n I.
Vende-se urna ferramenta completa para our-
ves, inclusive I torno com todos os ferros o banca
moderna com com modo para trabalharem 3 oflieijos
no curio espaco de 10 palmos: quum a pretender
dirija-se a rua da Cruz, venda n. 32.
--' Vcndeui-se, por preco commodo, osseguintcs
trastes feitos em Hamburgo: um sof, seis cadoiras
almofadodas do crina, urna jardineira, duas ban-
qniihas dojogo, um guarda-louQa o uma secreta-
ria ; assim como toda 'a ferramenta precisa para um
segeiro : na rua do Itozario du loa* Vista, n. 35, em
frente da rua do Aragilo.
Na rua de Aguas-Verdes, n. 46, vendein-so di-
versos escravos mocos, cujos vicios o bondades se
dirao aos compradores c entro clles 3 molecoles
pai ,i lodo o servico.
' iVende-e, nd lim da rua da Aurora, o. 4, uma
canoa de um s pao, de largura de 4 palmos ; uma
dita quo couduz mil lijlos ; uma escrava .de iiic jo,
ptimaengommadira, tavadeiraocstureir.
, Jomlatas,chegadas do Franga peto ultimo navio,
caaeill-j" l,r,;?osmuiio em conta: vendem-se na rua da
Cruz, n. 55.
AO BOM CORTO.
Na rua larga do Rozario, lja de miudezas n. 20,
vcnilc-se uma toalha do osguiflo toda aborta do
lindo lavarinto muilo cm coala.
Vendem-se sophs de Jacaranda bancas
de meio de san, ditas de jogo, camas de
angico, marquozas, bancas do meio de
sala ditas do jogo ramas deamarello ,
ditas de angico para solteiro, com lastro
de palhiiiliu cadoiras de angico c oieo, ditas de an-
gico o conduru para meninas, ditas para meninos
comerem mesa, commodas de oleo, meias ditas de
amarello marque/as de dito, banquinhas de qua-
tro pos carteiras do dito : tudo de muito bom gos-
to e por prego commodo: na rua da Camboa-do-
Carmn n. 8, casa de marceneiro. Na mesma casa
lamben yende-so uma cabra (bicho) com 9 cabri-
tos.
Vendem-sc, na loja do miudezas, na rua do Li-
vramento.nop do nicho luvas de pellica enfei-
tadas e lisas, para senhora c liomem; ditas pretas
e comprdas enfeitadas com palmas ; cortea de col-
Iclc du'fuslao de varios padres ; caixas de massa
de tartaruga ; marroquim de todas as cores ; bone-
tes de velludo para meninos; navalhas do cabo pre-
to, muilo linas, para barba: ludo por baralissimo
preco.
--Na fabrica do charutos, no largo do Carino,
n. 43, vende-se fumo em folha a retalho o em por-
eflo; charutos da Bahia, S.-Fclix e da trra de to-
das as qualidades ; bem como regala,regalos, ca-
ladores, traliiiquillios e cigarros : tudo de Havana
e ltimamente chegado por procos rssoaveis. Es-
peru-sc que os amantes dos bons charutos venham
apreciar a deliciosa fumaga.
Vende-se um deposito de assuear, em muito
bom lugar, afreguezado, o com muilos commo-
dos para familia silo na rua Direila, n. 101: a
tratar na mesma rua, n. 78.
Vende-se urna cabrinha de 13 a 14 annos que
cozinha,ensaboa, tem principios de costura, elio
recolliiila : defronte do thealro novo, n. 5
Vende-so a venda da praga da S.-Cruz, a. 4,
bom afreguezada para a torra e para o mallo mui-
to propria para um principiante por ser o seu alu-
gucl barato I vende-se mesmo a prazo com boa Or-
ina c com os fundos a voutado : a tratar na mesma
11 venda.
Vende-so um terreno excedente para se fa-
zer um pequeno sitio ou mesmo para edificar,
com 122 paimos de frente o cerca de 500 do fundo;
leni boa agoa de beber; na estrada nova, aborto nos
terrenos de Herculano Alvcs da Silva : vende-so
mesmo a prazo agradando as firmas : na rua de
S.-llita, n. 85, ou atrs dn matriz da Boa-Vista, n. a.
Vendcm-se 6 moloques de 12 a 18 annos son-
do um dcllos bolieiro e sapateiro ; 2 pretos de ho-
ndas figuras; urna mulatinha de 4 annos; uma
parda com habilidades ; 2 pretas quo cozinham a
engommam; um iiKilatiuli do 12 annos : no pateo
da Matriz do S.-Antonio, sobrado n. *.
Para quem livor bom gosto.
Vendem-se duas ricas molduras douradas da Pa-
rs para retratos, de 30 a 34 pollegadas de altura ,
o24 a 26 de largura o mellior que pode haver nes-
loohjccto : na rua do Vigario n. 25, primeiro an-
dar.
Vcndc-se um prclo official de chapeleiro, o
compram-se*Oscrnvos de ambos os sexos : uo Ater-
ro-da-Boa-Vista, n. 55.
Farinha de mandioca,
em saccas da mclhnr qualidadequ ha iguala de
Mag : vende-se no armazem do Braguez, junto ao
arco da Concegffo ou a Iratar com Jos B. da Fon-
seca Jnior, na rua do Vigario, n. 25.
Vende-so um molec.lo do nagflo, de 90 annos,
quo cozinha soffrivcl, o nfio he mo cnoeiro; 2
ditos de 22 annos ; um moleque do 13 anuos; um
preto de 26 anuos ollinal de sepalciro o qual nilo
seduv'da dra experimentar; um preto, por 380/
rs. muito forte; um dito, por 180,000 rs. ; uma
preta de nagflo de 20 anuos que engomma e co-
zinha com urna cria de 3 annos muito linda; um
pardo de 20 anuos, por 450,000 rs. : na ruadas
l.arangeiras, n. 14, seguudo andar.
Vende-se uma ferramenta completa para mar-
ceneiro, sendo a maior parte das pecas com pou-
co uso; urna pequea mobilia de ricos trastes qua-
si novos, feitos em Hamburgo ; ealguma roupa de
liomem : na frente da rua do AragSo casa torre,
sen numero, junto de numero56,


=A
i

Vende-se urna preta que cozinhi so ffrivel men-
ta he bailante moga, sadia e de bonita figura : na
Tua da Cadeia do Recite, n. 53, terceiro andar.
Na loji nova da ra do Quei-
mado, n. 11 A, de Itaymun-
do Carlos Leite, a 4,400 rs. o
covado.
Alm de ter un completo sortimcnto de fazendas
Unas e grossas, pelos pregos mais rasoaveis possi-
veis ha casimira lisas e elsticas da melhor qua-
lidade que tem vindo a este mercado, a 9,400 rs. o
ovado bein como de listras, a 4/, 8/ e 10/000 rs.
O corte.
Vende-so urna Tarramenta completa para mar
eeneiro, edous baleos grandes: na ra do Ro-
nzarlo defronte da ra do Aragfo n, 58.
^-53S3^3^5-S 53i@^^^^P
Vendem-se, na ruada Cadeia do
Recife, n. 37, cera ein velas, fa-
bricadas n Rio-de-Janeiro, em
urna das mclbores fabricas, em cai-
xas pequeas, de una al dezaseis

em libra ; e caixotes com ditas, fa-
bricadas em Lisboa, sorlimenlo ao
goslo do comprador : c tambcm se
vendem brandoes, fabricados no
ltio-de-Janeiro, e tildo por preco
mais commodo do que em outra
qualqner parle.
1

I
mercado por prego commodo: na ra do Trapi-
che, n. 31, terceiro andar.
Na loja nova da ra do Quei-
mado, n. 11 A, de Raymun-
do Carlos Leite, venae*se a
1,000 e 1,500 rs.
a vara de un excellente panno de linlio que che-
gou ltimamente de Portugal, cujas pecass 9o de 21
varas : tambem se vende a relalho: assim como che-
gou novo sortimcnto do de 800 rs. a vara, e as pe-
cas com 18 varas e meia : ainda contina haver
do de 600 rs., e hamburgos finos : estilo se aca-
bando os guardanaposde linho a 800 rs.
Lotera
do Rio-do-Janeiro a beneficio
da S. Casa da Misericordia
da corle.
Vendem-se bilhetes e meios ditos desta lotera,
na ra da Cadeia-Velha loja n. 39, de J. O. Elster.
Vendem-se duas casas terreas, sendo urna del-
tas nova na Boa-Vista; cujo valor se deixar a ju-
ros por 6 mezes com boa (Irma : no pateo da S.-
Cruz, n. 14.
Vendem-se, na ra da Cruz n. 46, condecas
com peras; ditas com figos; ditas com pecegos;
latas com figos; ditas com hervilhas; ditas com.sar-
dinhas; ditas com bolactiinha de ara ruta ; maesas
finas em caixinhas; chocolate de canella, de Lisboa:
ludo novo o chegado ltimamente por {diminuto
Vende-se um forte carrinho de 4 rodas, prorffp-
to de novo : na Ponte-de-Uchda casa do Sr. Uren-
p der a Brandis, que fie a quasi defronte do Sr. Fran-
cisco Antonio de Olivoir*. ou na ra do Trapiche,
n. 16, primeiro andar. Na mesma casa precisa-se
lugar urna osera va que saiba tratar de meninos de
8a 4annos.
IV a ra do Crespo, loja n. 12,
de Jos Joaquim da .Silva
Maya,
vendem-se muito lindos chapeos para meninas,
tanto de se.la como de palhinha chegados ultima-
mente de Pars ; chapeos de seda para senhora
cortes de crambraia de seda de ricos gostos, por
Ereco muito commodo; cortes do vestidos de cam-
rafa ecassa-chilasde difieren tes qualidades, por
precosbaratos; ditos com urna pinta de mofo e
sem elle a 2,000 e 2,500 rs. cada corte; mantas de
seda e lila para senhora das mais modernas que
teem vindo a esta praga a 5,000 rs. cada urna ;
mantas chales de seda de varias qualidades e ba-
ratos ; alpaca preta a 800 e 1,600 rs. o covado;
panno de linho, a 400 rs. a vara; casimiras fran-
rezas o clsticas para calcas a 5,000 rs. o corte;
instiles; selinse velludos para collete, por prego
muito em conta ; bem como um sortimento de ou-
I ras militas fazendas, que se vendem pelo barato.
Na ra Direita, n, 55,
vende-se um par de embonos de pao de cedro pa-
ra barcaga ; 2 travos e um pedaco de pao de con-
dur;azeitedecarrapato, a 1,200 rs. a caada;
pomada, a 230 rs a duzia ; e lodosos mais gneros
pertenccnles a venda por menos que em outra
qualquer parte, o de muito boa qualidade.
Vendem-se caixas de cha hysson de 13 libras',
em porcilo, ou a retalho: na ra da Alfandega-
Veilia n. 36, em casa de Matheus Austin & C.
A 4#20O Rs.
Na loja de Guimares Serafim &
Companhia ra do Cres-
po, n. 5,
vendem-se chapeos de sol de se-
da para honiem, pelo barato pre
(o de 4^200 rs, cada um.
Vendem-se 5 propriedades de casas sendo :
urna de sobrado, sita em Olinda na ra do Coxo ;
um dita de sobrado e sotflo.na ra da Senzalla-No-
va n. 37 ; urna dita terrea no becco dos Marly-
io,n. 4; urna: dita na ra dos Pescadores do
bairru de S.-Antonio n. 7; urna dita dita mei'agoa
nos fundos desla a cima, n. 8: a tratar na ra ua
Cruz,n. 54, com Mcdesi Tarrozo, que se acham
competentemente autorizados para esta venda, por
conta de quem pertencer.
saj
-oijuad o.u|us siMjsoiue se os-oyp
ruin peo *sj QO^^ P o5ajd )BJ
-cq o|9(l 'apppio B)S3uopioajedde
njoaj onb sodijsieui sojsoS a saojp
-ed sop ujsa epuazej 'saujacJtin
sesseo ap sai.io.i sooij os-tuapiiOA
'5 #u 'od
-sajf) op Bn.i 'eiquuduio^
2g iuijcjos' satMcmiiK) ap efo|
'saeiJdduii sesseo sbaou ?y
prego.
Vende-se um negro perio ofiicial de sapateiro,
de idade de 20 annos, e urna negra cozinbeira, cos-
tureira, lavadeira e engommadeira. de idade de 22
annos pouco mais ou menos: na ra eslreita do Ro-
zario, n. 43, secundo andar.
ra Crespo, loja n. a A se dir, quem
vende.
Vende-se urna rede feita em MaranhSo obra
muito boa: na ra do Cabug, loja de miudezas de
Joaquim Jos da Costa Fajoles.
Na ra de Agoas-Verdes,
n. 46 ,
vendem-se diversos escravos e escravas com habi-
lidades que fielmente se torito ver aos comprado-
res assim como as boas e ms qualidades. Tam-
bem se recebem para se venderem de commisso ,
sendo do pessoas de reconhecida]probi*ade,|e agen-
cia-sea compra dos meamos, proineltendo-sc to-
do esmero o cuidado no cumprimento de taes de-
voris.
Vende-se um sobrado novo, deum andar, s-
lito todo corrido, o com trapeira feto a moder-
na em chit proprios, OitOes dobrads quintal
e cacimba: na ra eslreita do Rozado n. 10, ter-
ceiro andar.
. Vendem-so 18 escravos sendo : 3 molcques do
12 a 16 annos; 5escravos mogos, sendo um del fes
oBcial de pedreiro, outro curreiro e 3 do servigo
decampo;4mulatinhas de 14 annos, recolhidas ,
e com principios de costura ; 2 escravas de 22 an-
nos que engommaru e cosem; 4 escravas de todo
o servigo : na ra Direita, n. 3.
Vende-se urna venda sortida com exceden-
tes coraraodos para grande familia e que lio bem
afreguezda para a trra: vende-se a dinheiro, ou
com melade a prazo e melado a vista: ao compra-
dor se dir o motivo por que se vende: na ra For-
mosa, n. 5. Tambem se vende com os gneros a
vontadedos compradores.
Vende-se urna parda de bonita figura, de 20
annos que corta e da promutoum vestido de se-
- Vende-se, para fra da provincia, urna crioja
de bonita figura, por ser muito rapariga, que co-
zinha, coscflava o engomma ptimamente: o motivo
d. venda se dir ao comprador : no Aterro-da-Boa-
Vista sobrado do um andar confronte ao boceo
do Ferreiio, de manhfla at as 9 horas, o das 2 as 5
da larde.
Escravos Fgidos.
ISVaiiaSS ucyu
Adruiravei
da China.
Na ra larga do Rosario, n. 35, loja do Lody.
Estas navalhas teem a vantagem de cortar o ca-
bello sem olendcr a pelle, deixando a cara parecen-
do estar na sua brilhante mocidade. Este ac he da
China, e seu autor he Shan. Por todas as socieda-
des das sciencias medico-cirurgicas, tanto da Eu-
ropa como da America, Asia e frica, he reconhe-
eido o uso deslas navalhas maravillosas, nlfo so
para prevenir as molestias cutneas a que a huma-
nidadoostsubjoita mas Uuibem como um meio
de escurar.
Vendem-se as verdadeiras s na loja cima indi-
cada.
Vendem-se pegas de chitas escuras; ditas co-
res de rosa, muito encorpadas e fortes: todas de
cores fixas a 5,500 rs. e a meia pataca a retalho j
madapolOes finos ; e cambraia do differentes cores :
na ra estreila do Rozarlo, n. 10, terceiro andar'.
Loleria do Rio-de-Janeiro.
Bilhetes e meios ditos da a4-* lotera
a beneficio do ihealro de S. Pedro de Al-
cantara : na ra da Cadeia, loja de edm-
bion. 38, de Manoel Comeada Cunta e
Silva.
Vende-se um pro to de naglo de meia- idade,
bastante forte o proprio para lodo o servigo, por
prego commodo : na ra eslreita do Rozario pri-
meiro andar, defronte da groja do Rozario, por
cima da loja de barbeiro.
A le la o luda nles !
( Hlicm que os livros baratos se estao
acabando.
Nalivraria da ra do Crespo, n. 11', vendem-se
livros muito baratos bem como : obras do Virgi-
lio em muito bom uso por 3,200 rs ; dita de Sa-
luslio, por 1,000rs.; dita de Cornelio, por 1,000
rs.; Selecta, por 1,000 rs.; Diccionario de Fonseca,
por 3,000 rs. ; Arilhmetica de Besout, por 1,200
rs. ; Historia de Inglaterra por 3,000 rs.; Prime-
ros elementos praticos do foro civil, com o seu
appendice, por 3,000 rs.; Telemaco, por 1,280 rs.;
Diccionario de Roquete, 2 v., por 12,000 rs.; gram-
matica franceza, por 1,280 rs.; e outros muitos li-
vroe de aulas para cstudantes pobres e ricos : bem
como m grande sortimento de folhetos francezes,
para os principiantes desta lingoa, e outros mui-
tos folhetos em portugus : ludo se vende pelo me-
nor prego possivel. Cheguem que se estilo acaban-
do. Na mesma loja tambem se
nhora cortae faz urna je^Rdo homem ou de
senhora engomma coni asseio, he muito domes-
tica nSo tem vicios nem achaques de qualidade
alguma he capaz de reger urna dispensa com toda
fidelidade, oque ludo se afianga de baixo de pa-
lavra : na ra eslreita do Rozario, n. 10, terceiro
andar.
Vende-se urna armagSo de venda com todos
os seus perlences, por prego commodo : na tra-
vessa da ra das Cruzes a. i.
O
BN
Vende-se um sitio em Macci provincia daa
Alagas, sem casa de rivenda com 95 bragas de
frente o 175 de fundo, com 215 pos de coqueiro
de fructo : a tratar no Manguiulio n. 21, com Ds
Thereza de Jess do'Espirilo-Santo, ou em Macei ,
com Jos Ja Silva Ramos.
Vende-se superior farinha do mandioca, de su-
perior qualidade, em saccas, por prego commodo :
no arn.ii7em de Fernando Jos Bragucz ao p do
arco da Conccigo.
Vendem-se charutos ragalia langeiros e bons
cachoeirtnos os molhores que teem vindo a este |
mentos a 10 rs. cada um ; e folhinhas de porta e
vendem conheci-
de
de agibira das mais approvadas.
Vendem-se 2mulatinhos ; 2 pretos ; urna par-
da ; sola ; couros muidos; bezerros; esteiras; cai-
xas para rap; botins e sapatos : na ra da Cruz ,
no Rocife n. 26.
Vendcm-se7a 10 arrobas de sebo superior, a
4,160 rs. a arroba : na ra larga do Rozario n. 6.
Salsa-parrilha,
de boa qualidade por prego commodo: vende-se
no armazem do Bragucz, junto ao arco da Concei-
gao, ou a tratar com Jos naptista da Fonseca J-
nior na ra do Vigario, n. 25.
Vende-se una commoda de Jacaranda duas
camas de armagfto c duas mesas de sala : na ra
do Queimado, n 30.
Agoa de fingir cabellos.
Contina-se a vender agoa de tingir cabellos
sussas : na ra do Queimado, n. 31.0 methodo de
applicar a dita'agoa acompanha os vidros.
Vende-se o verdadeiro melhodo de
Rodolpho para piano, com acompanba-
menlos de solejos : na praca da Inde-
pendencia, n. i.
"Vendem-se diversos eserdvos, che-
gados prximamente do Cear, moc;os e
de muito boas figuras, sendo negras,
mulatas, negros e mulatos, e entre e
tes um bom ofiicial de carpiqa :_ ua
baratero do Passeio-Pu-
blico.
A nova loja do Passeio-Pubtico, n. VI, do bem
conheeido baratero Ricardo Jos de Frcitas Ribei-
ro, annuncia novamento aos seus freguozes da
economa e pechinchas, que sempre as encontrarlo
iesa loja, como aejam ; crb de cambraia branca
com barra adamascada, filaseos mais bonitos que
teem apparecido a 5,000 rs.; ditos de I9a transpa-
rente, com duas larguras e tOcovados, a 4.000 rs ;
ditos de cambraia de cores, a 2,240 e 2,560 rs., com
6 varase meia cada um corte e urna vara de largu-
ra ; cortes do chita fina oscura e com 14 covados ,
a 3,000 rs. ; ditos com 10 covados, de cures fixas,
a 1,000 e 1,760 rs.; cortes de larlalana, a 3,000 rs.;
cassa lisa de vara de largura a 240 rs. a vara ;
cambraia lisa a 400 ,560 e 64o rs. a vara ; pegas
do bretaiiha de rolo. a 2,000 rs.; panno de linho,
proprio para lenges, a 9,000 rs. a pega de 28 va-
ras; dito muito filio, a500rs. a vara; brim bran-
code linho irangado a 1,000 rs. a vara; dito de
cores, a 640 rs. a vara; cortes de caigas do -pelle do
diabo, a 1,280 rs.; crles de colletes de algodffo e
seda, a 320 rs ; ditos de fustao a 480 rs.; pegas
de algodaozlnho, sem defeilo, a 2,000 rs. ; chitas
de coberta, a 160 rs. o covado, e 5,500 rs. a pega;
chapeos de massa muito linos, a 7,000 rs.; casi-
miras de cores e entestadas a 2,200 rs. o covado;
e oulras muitas fazendas, que a Vista se animarSo
os freguezes a comprar.
Vendem-se lijlos de todos os lmannos, te-
Ihasecal branca e preta : tudo muito em conta i
uina bomba de ferro com 21 palmos de comprimen-
to boa para cacimba : uo Becco-l.argo, uo Recife,
junto as laixas de ferro.
Cheguem freguezes, que se
estao acabando
ossapatOes debezerro, para homem, a,l,280 rs. o
par, e bengalinhas para passio,a 320 rs.: no
Aterro-da-Boa-Boa-Vista, o. 78.
No A Ierro -da-Boa-V isla, lo-
ja ti. 78,
vendem-se sapatOes de lustro, para homem a 3,000
rs. o par; habuszinhos para guardar costura, roo-
pa de crangas e meninas guardarem costura ,na es-
cola, de 1/ rs. a 2,560 rs.; chapeos de sol, de seda,
para senhora, de muilo bom goslo, a 4/ rs.; chico-
tes para montara a 2,000 rs.; bonetes para me-
ninos.
Vendem-se e alugam-se superiores bichas de
Hamburgo : no Aterro-da-Boa-Vista venda que fo
do Maya. a mesma venda furtaram 1 papagaio com
urna gaiola decaixilo desabito amarello, com urna
correte : quem for offeiecido farft o favor de o
tomar e levar a dita venda, que ser gratificado.
No Aterro-da-Boa-Vista, lo
ja n. 78,
vendem-se ricos bonetes de merino, para meninos;
ditos de marroqum para homem, de mullo bom
goslo e duragfo ; ditoa para ir ao banho a 360 rs.
Vende-se um moleque de 8 para 9 annos, mu i
lo fiel e bonito: na ra da Senzalla-Veiha n. 110,
se dir quem vende.
Vendem-se espadas prateadas para olliciaes
da guarda nacional ,e tambem douradas para ofii-
ciaes superiores : na ra Nova, toja de ferragens
n. 16.
Vendem-se 3 lindos moleques de 18 a 20 an-
nos; 2 pretos de 25 annos, sendo um delles pti-
mo ofiicial de sapateiro ; um preto de meia idade,
robusto e proprio para ido o servigo ; doua par-
dos de 16 a 18 annos, sendo um bom pagem e o ou-
tro bom carreiro; urna mulatinha; urna negrinha
de 13annos, com principios de habilidades ; duas
pretas para lodo o servigo : na ra. do Collogio, n
3, segundo andar, se dir quem vende.
- Vendem-se 4 escravos, sendo: um moleque
de 16 annos ; um mulatinho de 8 annos ; duas pre-
tas de 25 a 28 annos, muito boas quitandeiras, e
que lavara bem ; urna mulatinha da c annos mui-
- Fogio, na madrugada do da primeiro do cor-
rente anno, um prelo de nagflo do nomo Jos, de
40 annos pouco mais ou menos, do estatura regu-
lar rosto eomprido e descarnado', olnos grandos
e encarnicados beico inferior graodo, sen) don-
tes na parte superior; tem no rosto um signal de
talho ao pe do lado do olhodireito ; botou ha pon-
eos dias um emplastro no peito ; levou alcas de
brimtrangado pardo j bastante desbotad. .ca-
misa de madapoiao, o chapeo preto do ?pello ,
de soda j velho. Este escravo fot comprado nes-
U praca a Joaquim Lopes Raymundo Bilhar, que
vol entre outros muitos da villa do Crato distric-
to do Cear, o qual o houve de Ildefonso Moreira da
ISilva, morador no dito lugar: c como se suppOe
que o dito escravo para l tornara, roga-ae as au-
toridades policaes capitaes de campo o possoas
particulares que o apprehendam e lovem-noa. ra
estrellado Rozario,sobradon. 13, que sertto ge-
nerosamente recompensados.
Do-se ,00^000 rs. de gratifi.
cacao
a quem levar k casa da ra da Aurora, n. 26, ou ao
engenho Queluz na freguezia de Ipojuca, o pardo ,
Joaquim, escravo de Miguel Augusto de Oliveira >
que o comprou a Antonio Joaquim de Almeida, des-
ta praga ; fugio do dito engenho no din 30 do de-
zembro do anno prximo passado com os signaes
seguinles : de estatura alta, reforgado d corno,
claro, barbado porm raspado, cabellos corridigos
c snr.csdss; he carreiro Je proissao; ievou vesti-
do camisa de algodSozinho coroulas de algodSo,
urna vara de carrear, urna trouxa com urna camisa
de bata encarnada dous cobertores de algodffo,
aplagatas nos ps e um faeflo novo de carreiro na
cintura. Este escravo foi do Sr. Bernardino Jos da
Rocha da villa do Pombal da provincia da Par-
hiba.
Fugiram, do poder do abalxo assignado, em
26 para amanhecor do dia 27 de dezembro do anno
prximo passado, os',4 escravos segulntes : Sjluslia-
no pardo, de 18 a 20 annos, pouco mais ou menos,
alto cabellos crespos, pouca barba, pouco scCCudo
corp'o. Este escravo veio remettido da Serra-do-Tei-
xeira provincia da Parahiba-do-Norte, pelo Ulm.
Sr. major subdelegado Ignacio Dantas Correia de
Goes Manoel, pardo do 30 annos pouco mais ou
menos alto, cheio do corpo, pouca barba, cabel-
los crespos ; remedido pelofr. Manoel Jos Salga-
do, do Cear. juliflo pardo, acaboclado de 30
annos, altura regular, cabellos pretos e corridos;
tem bastante barba; remettido pelos Srs. Manoel
('.aciano Gouveia & C., do Cear. Benedicto, cabra
oscuro de 18 annos poco mais ou menos, de al-
tura regular, eheio do corpo cabellos crespos;
remettido pelo Sr Jofo l.uiz Gongslves Vianna da
cidade do Ico. O mosnio abaixo assignado roga a
teda eq>ialquer pessoa onde os ditos escravos pos-
sam ser encontrados,que os apprehendam e con-
duzam a esta praga, na ra da Cadeia de S.-Antohio,
n. 25. FraneiKo loafuim Cardoso.
Fugio, no dia 6 para 7 do corren-
te, o preto Joaquim, de nacao Angola ;
reprsenla 35 a jtfnnos de idade, de cor-
po e estatura regulares, roslo largo, olbos
upados e barbado j tem o dedo grande
do p direito desmentido, e forma um*
bolao de carne por baixo da junta do m es-
trio dedo : ainda nao se explica bem no
fallar ; levou camisa de algodo azul de
mangas curtas, e calca do mesmo algodo
azul tranca*do : este preto foi de Manoel
Antonio Fereira, morador na Lapa, ao
pe* de Goianna. Boga-se s autoridades
policiaes, capitSesde campo, o apprehen-
dam e levem ao Recife, ra da Alfande-
ga-VpIha, n. 36.
Desappareceu, da casa de Jofio Canoio Pereira
Freir, na ra do Mondego, no da 8 do corrente,
um mulatinho de nome Marlnho, acaboclado, de
12 para 14 annos de cabellos corridos ; levou cal-
gas de brim pardo j usadas jaqueta de riscadinho
azul, chapeo de pello novo ; he um tanto gago no
fallar: quem o pegar levo-o ao dito senhor que
gratificar.
Roga-se as autoridades policiaes o capitSes de
campo, que apprehendam o escravo Joaquim, de
nagflo Congo, de 40 anuos pouco mais ou menos,
de estatura baixa, bastante preto; tem falta de den-
tes na frente, malhas brancas pelas pernas e pes
grossos; levou camisa o ceroulas de algodaoznho
bastante suias e chapeo prclo velho. Este escravo
pertence a Francisco Anacido de Mello Lins, da
ilha das Flores e fugio no dia 7 do corrente, da
ra da l'roia casa de J0S0 da Moltn P.otelho ond
se achava para ser vendido. Quem dello der noticia
na referida casa, ou a seu senhor ser generosa-
mente'recompensado.
Fugio, no dia 5 do corrente, um escravo criou-
lo de nomo Manoel, natural do sertffo; lio baixo
e grosso do corpo ; lem os ps apaihvtados eduus
ossos na nuca sabidos para fura ; levou calcas o
camisa branca chapeo de palha novo. Roga-se as
autoridades policiaes o cap i tiles de campo que o
apprehendam e |evem-no a Fra-de-Portas,n. 95,que
sorflo recompensados.
Fugio, no dia 6 do corrento, as 5 horas da ma-
nliaa, urna prelajde nagflo Angola do nome Jose-
pha, de 30 annos, com osps e pernas grossas o
feias, por ter tido bobas, e os ps radiados; h o
maiorsignal que tem ; levou vestido de chita pre-
ta um dito do riscado azul, panno da Costa com
franja branca : quem a pegar leve-a ao Aterro-da-
boa-Vista, loja de Joaquim Carueiro Leal, que re-
compensar.
lo liada e perfeiU en sade : no palee da S.-Cruz, tv '... .a^a
u. 14, se dir quem vende. i F*RN.: NA TYP. DE M. F. DE FAMA, i**
i MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E42B49KWN_052L1W INGEST_TIME 2013-04-13T03:21:49Z PACKAGE AA00011611_05384
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES