Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05360


This item is only available as the following downloads:


Full Text
?r
Auno de IMS.
Sabkado 7
0 DIARIO publica-sc todos os dias que
nao fbrem de guarda: o pi-09.0 da atslgna-
turahe de4^rs. por quartel pagos adlmUHot.
Os annuiicins dos aisignautes sao inseridos
a raijo de 20 res por lnlii, 40 rs. em lypo
dilTerente, c as rcpetlcdet pela loetade.
Os que nao forein astignantes p.igao 80 rs.
por linlia, c. 1011 em lypo differente.
phaSes da la no mi:/, de Jh no.
I.ua nova a 4 as 10 li. c 4S min. da tarde.
Crescente a 13a 1 lior. e 2i min. da man.
Lna obela a 10 as 8 hor. e 58 min. da tarde.
Mingoante a2li a 1 lior. e 7 min. da tarde.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Goianna Parahyba, e Rio Grande do Norte
Segundas e Sextas Cairas.
Cabo, Seriuhaem, Rio I'ormoso, Porto Cal
^ vo, e alacry, no 1 11 e 21 de cada inez.
Garanliuus e ilouito a 10 e 24.
Boa-Vista c Flores a 13 c 2S.
Victoria Quintas fciras.
Oliuda todos os dias.
PREAMAR DE HOJE.
Primciraa0h. e 54 min. damanhaa.
Segunda a 7 li. c 42 minutos da tarde.
de Junho.
AnnoXXI N. 124.
naBjMHBMwnoranm
DAS DA SEMANA.
^JJ 2 Segunda S. Marcellino and. do J. de
ii. da2. v., e do J. M. da 2. v.
I*'// 3 Terca Paula, aud. do J de I) da 1. v,
/ edo J. dos Feltoa.
-/- 4 Quarta S. Querino, aud. do J. de Di-
relto da 3. vara.
5 Quinta S. Marciano aud. doJuiz de Dl-
retto da 2. vara, e dn J. M. da 1. e 2. v.
(i Sexta S. NobertO, aud. do I. de Direilo
da 1. vara, edo Juil dos KcitOS.
7 Sabbado S. Kobcrto, aud. do J. de DI-
reito da 2. vara.
8 Domingo S. Salustiano.
CAMBIOS NO DA C DE JIMIO.
Cambio sobre Londres.....2." '/.,.
" Paria 372 res por Trauco.
i) Lisboa 120 por 100 de prem.
hese, de lit. de boas llrinaa 1 '/, 1 '. p %
Uuro Olica bcspmliolas 3I#5(II) a 31^80(1
Moeda de B^iOO vel, 17,0500 a I7*00
.. deiiynoiiov. 17^100 a 17>.r)0it
i) de 4.^100 '.V.VI0 a !tu(H>
Prata Palacfle l/uli a IsIWi)
o Pcio Coluninare. i #980 a 2#IH),
Ditos Mexicanos 1/040 a ljrXiO
Moedas de 2 patac. 1/280 a 1/300
Aeros da C." do Bcberibc O/OOO
-
-----., tf. ..!
PARTE QFFIC3AL.
LE N." 142
Thomaz Xavier Carda de Almeida, presidente da pro-
vincia de I'crnumbuco. Fuco saber ti lodos os scus ha-
bitantes, que a assembla legislativa provincial decre-
tou e eu sanecionei a lei seguinte:
Artigo 1.0 O presidente d.i provincia lie autorisado a
comprar un apparclo de fabricar assucar pelo avalenta
du vaeuo < deefFeito duplo de Derosne c Cail.
Art. 2." O apparelliti nao coniprcliendera a moenda
para esprc-mer as calinas, nein o que portnos ao fabrico
do earvo animal.
Art. 3. Oapparelho tora as proporeSea para, cm vin-
tc e austro huras de Irabalho, produiir una quantida-
dc de assucar, qued, depois de purgado, cento c dez
arrobas.
Art. 'i." He tambera autorisado o presidente da pro-
vincia para contratar mu ou duus directores sullicicnlc-
mente habilitados para por em exenuefin o sssentauento
do nppnrelho,o novo processo do racimo, c todas as suas
dependencias.
Art. i." O presidente da provincia contratar a loca-
co do apparelo coni (|uein tnais vantagem ofereeer,
com as enndicoe; 1. de faior o locatario toda n despeza
neoeisaria para ser ostentado oapparelho, e para o sen
tervioo; 2. de facilitar a divulgarn do proOOSSO, ad-
iniltiudo as pessoas, que o qociro aprender, c dsndo
tuilos os etclareoiraentoi, que I lio forera exigidos.
Arl. (i. O contrato ser feito por tres anuos, c udos
cll", poder o presidente da provincia contratar a veti-
lla doapparelbn a quem uiais der, preferindo aquelle
que o livor ausentado, amia com viute por cento de dit-
ferenca.
Arl. 7." Para a locuelo do apparelho se publicarn pe-
las I'las publicas editaes por trifila dias: lindo csse pra
lo ternO apreieutailai n tliosouraria das rendas provin-
ciae* as propottaa esorlpt is o assi,nadas, com as babili-
tacoesdoa prupnnenles, na forma dasleii
Art. prorogSVoil, discutidas em una junta, formada do ins-
pector da thcsotiraria das rendas proviueiaes, do procu-
rador-fiscal da mesilla, e do engenlieiro em cliefe ; i; cle-
pois tersoreuietlidas presidencia com o relatoro eo
jilito da junta t o presidente di provineia preferir a
propista, que julgar mais v.uitajosa nos termos do ar-
tigo o."
Art. !)." Para a venda sern observadas as formas dos
duus artigo* precedentes, sendo OS editaes do sosenla
(lias.
Art. 10. O locatario (lever ter o maior cuidado o zc-
lo na conservarn du apparollm, c no fin do lempo do
contrato o apresentar pro rapto e eorrenle cuino o rece-
ln-i'.i, salva a ilutoriurocn inevitavel do uso.
Arl. II. O presidente da provincia poder despender
al viute c seis conloa de ris, com a compra e mais des-
pe/, is niin i> opparelhu de que trata esta lei.
Art. 12. Fieo revocadas todas OS dispusices cm con-
trario.
Mando por tanto todas as autoridades, quem o 00"
liliceiineiito e execuoao da referida lei pertenec*, que a
cumpro e f.-co ciiiuprir loo intoiraraontc como n ella
se chiuchi. O secretario dosta provincia a faca impri-
liii' publicar e correr. CidadO do |( cife de Pernanibu-
00 coi 20 de maio de IS'l.i; vi csiino quarln da indepen-
dencia e do imperio. Eslava o sello das armas impe-
ri es. Thomaz Xavier Curda de Almeida
Cada de lei pela qoal V. Ex. manda executar o decre
(o da sssoroulos. l"gitlallva provincial, que hotivoporl
bem saueeifinar.aiitorisaiido a presidencia a comprar un
,'ipparcllio de fabricar .-issucar pelo systema de vacuo,
derll'cito duplo de Derosne cCail,eomo cima sede-
clara.
Pera V. Ex. ver Jos /naci Soares de Matfdo
a fe.
Sellada e publicada nesta secretaria da provincia de
Periianibiiou em 21 de raaio de 1845. Vicente Thomaz
Vires de Figueirvdo Camargo.
Regulada a 11. 233 do I Tro 1." de loil proviueiaes.
Sien-lana da provincia de Peruaiubiico cm 23 de maio
de 1845. Domingos Jos Soares.
Porlaria Mandando pastar nomea^o ao cirurgio
Ignacio Alves da Silva Santos para o logar de delegado
do conceibo geral de salubridade publica na villa do
Rio-Formoso. Communicou se ao cirurgio Silva
Santos.
Dita Creando, na villa do Igurass, uma cadet-
ra de primeiras lettras para o seto leminino ; e deter-
minando, que se ella ponha logo concurso. Offici-
ou-se respeilo ao director do lycOo e ao inspector da
tbesouraria das rendas proviueiaes,
UIKM DO da 3.
OfficinAn director do arsenal de guerra, autorisan
do o comprar n ferramenta e mais iileusis proprios pa
ra montar a ollicina de sapateiros; c bem assira ulgum
cabcdal para se manufacturar parte dos sapatos c botins,
que se tcem de forneccr as coiupauliias do cavallaria e
artificos.
DitoAo delegado do termo de [guarasi, diicndo,
ficu scientc da viagem, que S. inc. vai faicr Lisboa pa-
ra tratar de ana saiide; e declarando-llie, que deve pas-
ara delegaeia ao respectivo su|iplenle.
PortaraOrdenando, que Manuel Tertuliano de
Sonsa Costa se passe patente para o posto de major da
tereeira legiSo da guarda nacional de Goianna, vago por
ni, baver tirado titulo no pa; i marcado no artigo 1
das instnicces da presidencia de 11 de outubro de i838
o cidado Joo Beicrra Civalcauli, que para clh baria
si o nomeado.
(OEM do da 4 no connnxTF.. "
Ollieio A' cantara municipal desta eidade, ordenan-
do, que se reuni amanilla o para ao ineio dia toma-
remo juramento do cstjlo ao Sr. Manuel de Sonsa Tei
xeira que se aollS nomeado 2." vice-presidcnle desta
provincia, c que auiauba mesnm deve turnar con
ta da udminiltrscSo da dila. Expediru-se as precisas
ordena, para que us eorpoi da guarda nacional da oaptisl,
reunidos a eompanbia deartifiees, c de guardas nacio-
naei dcstacadns, sob o conini indo era ebefo do r spee-
tivu coinoiunanle superior, foruiasscm em grande pa-
rada era frente da casa da cmara para faiereni ai conti-
nencias do cosime an viee-presidente, qiiaudo fosse
prestar n juramento, c depois virem pintar su no largo
do palacio do governo para assistirem ao acto da posse.
Dito Ao coiuiiiaiidante superior da guarda naoio-
ual da cidade da Victoria, declarando cm resposta ao
tea ollieio do 28 de maio ultimo, que deve considera r
como vagos us postos, cojos propostos bajan declara-
do, que os nao aeecito, e obrig.ir estes a servirem
como simples guardas nacionacs.
Dito Ao oommandanto das armas, couiniuuicando,
para que faca couslur au agraciado, baver 8. M. olinpo-
rador pruinovido ao posto de alfcret de inlaolaria o a|-
feres de comniissn, cadete dn l.balallio de fuiileiros,
Antonio Carlos Fredorico Sira.
Dito Ao mesmo, recounncoidaiido o cuniprioicnto
da urdem imperial, que maulla dar baixa do scivieo no
2 u targentu da eompanbia de cavallaria desta provineia
Marcolino Jos Forre ira, ao furriel da masilla Benedicto
Uves da Silva, .ios respectivos soldados Joo Joto dos
Santas, e Jouo Mendes, caos anillados do 2." batalo de
artilbaria Manuel Pereira de Sonsa o Modesto Auto
mandante das armas. Quartel generai na cidade do ampiaamnjstia na prxima aeasao do grande conrclbo,
Rccife G de junbo de 181.'i
.Inunio Correa Sidra.
Illm. c F.xiu. Sr. Se V Ex. entender, como eu, que
lia congruencia cm que tmente nos domingos preste a
guarda nacional o aeu contingente para a guarnien des-
ta eidade, ordenar neste senlido quem competir: c
leracihantoraento nossabbadns fornecor algumas pmoai
para csse servico a cumpa.iliia deartifiees, tirando exo-
nerada ili.s m.ti.s ih.is, bem como o corpo de polica da
continuarn de dar a guarda da cadeia
Deoa guarde a V. Ex. Quartel general na cidade do
Rccife G de junbo de 1843. Illm. c Eviu. Sr. Manuel
de Souia Teixeira, viee-presidente da provincia. An-
tonio Corrfa Sira.
- .*cFi^jga wii^^at 2
EXTE I
,
GoTerno da Provincia*
EXPEDIENTE DO DIA 2 u COBBENTE.
Ollieio Ao director do lyco, determinando, que,
em cunipriniento do art. 9.'da lei provincial n. 1 i de
22 de maio ultimo, laca reduzir a ensino simultaneo o
daaulad'csta cidade, em que era elle mutuo ; e exi-
gindo uma rclaco dos utensilios c Objectoi, i|ue, eoui
essa mudanca, teem do fiear inutilisudus, lim do se-
ren recolbidos ao arsenal de guorra.
Dito Ao direclor do arsenal do guerra, commu -
nicandii 1er concedido a demi-so,' que do lugar de pe
dagogo dos respectivos prendzei menores pedio Anto-
nio Jos de iiveiru Mirunda, o mondado passar no-
moacio para o dilo lugar l'clix Cavalcutiti do Albu
querque, por S. me. proposlo ; e significando que a dc-
mittio s so deve verilicor, depois que quem a obleve
bouvi-r por algun dias instruido o Humeado na mareba
regular do pslslieleciiuenlo,
Dito Ao director do lyco, ordenando, queman-
de | r concurso as cadeirat de primeiras lellrat, crea-
des pe art. 9," da lei provincial n 14 do 22 do maio
ultimo eoi as povoacOct de S liento, Agoas-Ueilus, Fa-
zcnda-Granilo euricuiy.
Dito Ao mesmo, delorminatido, indique um edi-
ficio, quo no bairro de 8. Antonio teulia os precisos
commodot, .'i lim de, em execucio do ^ 2. d i ari. 7.
da lei provincial n 144 de L de maio ultimo, para el-
lo trsnsferir-se o lyco d'esta cidado.
1110
Dito Ao niesnio, commiiueando ter fioneedido 3
motos de lieenea de favor, para r corle, ao ten oite de
primoira olasso do estado-uiaior do exoroito .lose Ber-
nardo Fernandes Gamo, Tamben eommuneoo-so ao
comuiissnro pagador.
Dilo Ao mesmo, scienlifieando-o de ter concedido
3 roetes deleenoa do favor, ao cabo da europanha do
Batallaria. de primoira liuba desta provnola Juaquim
(lomes de Amorim, o ao soldado da mesilla Francisco
Antonio Leite.
Porlaria Mandando passar patente de major da se-
gunda legin da guarda nacional dos muiiicipina de Se-
rinbein e Riu-Formoso ao cidado Francisco de San-
tiago Ramos. Ollieiou-se respeilo an Humeado, c
ao tiimmandanlc superior interino dos municipios de
Serinbem c Riu-Furinoso
Dita Determinando, que ana cirurgioca Francisco
Jote do Amoral o Antonio Zeterino de Punce Len,
p.i--cni uomeacoes para delegados do coiicelbo geral do
salubridade, o." uo municipio de Oliuda, e o 2." no
de 8. Anto. Communiuoii-se aus uomeados.
Ollieio Do secretario da provineia ao inspector da
tbesouraria da fazenda, Iransmillindii, para seren cun-
pridas, as ordena do tbesouro, de nmeros lili, lil, C2,
'i, (ij, e (i7.
Commando das Armas.
S. Ex. o Sr. general commandante das armas me
encarrega de devolver a \ m. o teu o/Iicio, nao s por
se nao poder ettingir a data, por ettar conspurcada, to
mi pelo uso que Vm. faz do verbo (exigir) ante este
commando das armas; mxime, quando nao sao de sua
competencia as substituicoes especialmente nominaos,
dos individuos que se aebao tubjeitos aos regultmentos
do exercilo.
Dos guardo a Vm. Quartel general na cidade do
"tile 4 de junbo de 1845. Sr. tonento-coronel
Francisco de Paula Sou'a Leo.
Jote da Silva GuimnrUtt,
Ajudante d'Ordens.
CIRCULAR.
Tcndo o Illm. e Lxm. Sr. vico presidente desta pro-
vincia, M,i noel do Sousa Teixcira, entrado no excrcicio
de suas lunecoes, o brigadeiro commandante dat armas
convida aos Srs olliciacs das qualro clas-es do exercilo,
existentes nesta cidade, para se spresentarem a compri-
nicht.ir a S E., amanbaa pelas 12 boros do dia,reunin
du-se antecipadamente na reiideucia^ do mesmo com-
CONTINDACA DO EXTRACTO nos fORNAEt IKGtEXRt.
Um despaebo tclegrapbiou de Resancon, recebido cm
Parii a .i do abril, cmifirmiiu a noticia da derrota dos
oorpot francos em Lucerna; os quaes se tinllSu posto
em fuga em todas as direceoes, deixando inuitos mor-
ios, feridos e pritionoirot no campo da batalha. Os dos*
trucos dettet corpos tiulio voltado aos tout respcelivna
quarteis; e na data.de 'i j nao so fallara cm mais mor
nclitos.
Dos jnrnaes sniisos e franeczes se va que os corpos
radoaea attaoantct epostarao-ia d'umt eroinenois, que
doininava a eidade de Lucerna; e que no momento, cm
que ellos se dispunbo a bunbeal-a, as Iripas do gover-
no, por um raotroento magistral, cortarn a rectagnar-
la da partida que to havia apoderada do ooicir ; assim
salvarn a praca do inneudio, o assegurarao a derrota
'-. insurgentes A sua perda, mu proporcllo do iiniue
ro dn linca, foi inmensa; lappunha se haverem perec
do (iio liomont pelo monoi, iuelusiramenlo us ebefes do
partido, ab'iii d'uin numero oonsidorarol dopritionei
rus. A derrota dos radicaos foi completa.
A dieta suiss.i rcunu-se a 5 era Zurieb, o noincou
iiinj enniiuisso de selle menibros para evaininar o cala
do actual dos liejrocot do paiz, e f.izcr as propostaa que
juigasse convenientes.
O Constilulionnel publoou urna segunda nota dirig
da por M Guitoi ao voi-urt da Snsta, em que expreses
umaamigavel ilitpoticlp para com a Soitsa, c sen pro-
fundo respailo pelaIndependonoia di oonfoderaclo.
A dieta belvelica cunsrguio,no dia 12 de abril, reunir
uma nuiuria sullieieiite c.n favor da quettil da amnys-
ta. A dieta pedio iiistanteniente au estado de Lucerna,
quecouc.eilesse nmnysli i a Indis as pessoas implicadas
nos Bucees >a de deze ubro e abril ultimo; e 110 caso que
j ae tivessem proferido s.-(llenis eapitaet, n3o as les
dsse exeeuen. Esta resolueilo da dieta foi intimida ao
governo de Lucerna pelos oninmitsarot federaos.
A mearan dicta remlreo, a 19, remetter a quettlo dos
jesiiitas dicta ordinaria, que e deve reunir cm julo
O depulado de Lucerna pedio depois, que todos os ulli
eiaes, que se linio unido a os corpos francos, fossem
iinmeiliatainenti; excluidos do exercilo federal Obj'-c-
tou-se que a adope'io d'uiua tal medida nao poda ser lo-
mada ab rato, o nesta oooasiau Iroero-te algumas ex
preioea milito picantes entre o depulado ultramontano,
e M. Brialte, raonibro par Vautl. No lim da totsAo, pro-
teatou o segundo em termos suiumameiiteeucrgicna con-
ira a ndcoorota apreolacio dos recentes aeontocinion
tus du Vaud, onnlldot no segundo despaebo de M. Oa-
zot, datado a 2i de marco Esta doclaraco, que foi in-
serida na acta da SOtlfo, produzio uma viva sensaco na
assembla, o entre os membros do corpo diplomtico. O
presidente nfbrmou a dicta,no decuraodo din,do que ii
ola recebido varias coramunicanea diplomticas, s
quars elle linlia tornado repastas accomiuodadas di"
nidade o independencia da Suisaa
A Nova ateta de'/.urich tnnunoiou, que a 23 d'a-
bril concluo te era Lnoorna um tratado entre oa com-
miltariot do gov.....o de Lucerna, c os dos eactet de
Borne, Soleare, Baslc-Camp.igiie o Argau, relativo sol-
tura dos prisioneiroa, sendo a iiidemnisaco, que deve
doaer paga pela sua libcrdade, estipulada em 350,000
francos, dos quaes Borne tero de pagar 70,000 francos
Soleare 20,000 franeoa, Rasle-Campagnc 30,000 fran
coa, Argau 200,000 francos o os oiitrns canles 2,l)0
francos As parles contraanles eaperavilo quo a dieta
|iagaria 130,000 francos, de modo que Lucerna recebe-
ria an ludo 500,000 franco Em retribuielo proractlia
Lucerna urna iwnyilla plena e completa.
O correspoudeuie da Preste escrevia de Reme a 23,
que a situacn dos negocios naquclle canlSo tornara-te
cada da mais ameacadra. Devia orgaoissr se, a 28, na
quella cidade uma assembla popular boslil ao governo,
e reputa.n se muilo jirovavcl, que f,ic seguida por
una rcvoluen acmelbantc de Vaud. Os bnbilautes li-
aban resolvido formar-su em guarda nacional para pro-
tegercm suas pessoat e propriodadet.
A Gaieta de Zurick annunoiou, que a 50 ralftoou o
grande cuncelbo do cantan de Lucerna, por un vol
unnime, o tratado concluido a viute e tres, relati-
vamente ao resgale dos pritionoirot, raaa .idilio ao
tratado un decreto, impondo ao governo dos qua
tro eantOet certas oblgacOet pelo que reapeila ana
parlicipacao no procodmento dos corpos francos O
eqibaixadoret calrangciros linbao partido paro Lu-
cerna, a fin do sustentaren! as exigencias dos com
miaaariit federaos em favor doa prisiuneirot Oa em-
baixadorea rccoinineudro ao goveru i do Lucerna,
que concedesac uma ainnvslia geral. .,
lina oorrespnndenoia particular do Timet, datada da
Uerne a 20, annuneiava que a tormenta, que amracava
u gov< mu daqi elle ranlo, eslava por einipianlo diasi
pada Aa auloridade linbo-so eafbrcadil para coiise-
guirciu esto resultado; e prometliio' proclamar urna
para todos aquellos que su tivottcm unido aos corpas
francos contra Lucerna. Tomro-se igualmente precau-
oSot mitares contra quaesquer disturbios populares.
Km coiisequeneia da forte posico que Uerne necupa no
nein da coiifederaco, ser ella semprc, pelo quo res
peila ao partido radical, o pomo a que se dirigir a sua
atlenco, o do resultado da deliberaeo do sen grando
Ooncelbo depender a tranquillidade do paiz.
RIO DE JANEIRO.
I.C-se no Jornal do ( ommercio o seguinte:
U Sr. Cerqaeira l.eiteaprcsentou bontcm na cma-
ra dos depulados o seguinto p"ojocto, que foijulgado
objecto do deliberaeo :
A assembla geral legislativa resolve quo na lei do
3 de dezembro do 1811 se faci as seguinlcs altera
cocs:
No artigo 4.' depois da palavracorlesuppri-
mSo-so (odas as mais ntao lim, excluindo-so a palavra
competo.
Supprima-se o ^ !. at ao lim.
No *i I. do aitiao A.", depois das palavrasvelar
em que os scus delegadosaccrescenlo-sepromoto-
reso o mais se siga at o lim como esta redigido.
O artigo 5" soja substituido pelo seguinte: ot
delegados, nosseus dislrictos, terao as attiibuieoos que
teseguem nos paragrapbosadditivos:
I. I ornar conbecimonto das pessoas que de novo
vierem habitar no s u districto, sendo desconbecidas
ou tutpeitas; o conceder passaportos s quo Ib os re-
t|uererem,
2 Obrigir a auignar termo do betn viver aos
vadlos, mendigos, prostitutas, bebados por bobilo o
aos turbulentos que por palavras ou ICCSel oflenderem
os boni costumes, a tran (uilliJaJc publica e a paz das
familias.
>J 3. Proceder aaul) de corpo de delicio e formar
culpa aot delinqueotet atasentonca do pronuncia cx-
ahiiira manto.
j 4." Prender os culpidos, ousejo no seu ou em
districto nlboiii; co-nprobendendo-te nesto caso os in-
diciados de criroet inafancavoit, umi voz qaodo pro-
cesso intentado resultem ind cios vobcuicntesdasuacul-
pabilidade.
5. dirigir 3 assignar termo de seguranca aos le-
galmcnto suspeitos di pretencao do commotter algum
irime, podemlo cominar neste cis), assim como nodo
' 2., multa at 30 n., prisao al 30 dias o tres mo-
/.es de casi de corren ao ou oflicinis publicas; porm
ettat leotencait terflo vigor dopoit do sustentadas po-
los juixet municipaes.
0. Jolgar pela maneiri proscripta no paragrapbo
antecedente: 1 o, as contravencoes das posturas das
camarat muaicipaet: 2.a, otcrimai a quo nao esteja
imposta pena maior quo a multa at lOUj rs., ptisio,
degredo o dest'rro at seis me/.es, com multa corras-
(einl :,: i met ido deste lempo ou sem ellj, e tros me-
zei do casa de correceio ou ofeinas publicas onde as
bouver.
^ 7. Exorcers.ibro as suciedades socrctas o ajunta-
mentoa illicitos as attribuicOet quj competiao os juizei
de paz, silva a disposico do >.
^ 8. \ igiar e providonciar, na forma das leis, so-
br lulo que diz respeilo provncSo dos dolidos, ma-
nutencao o seguranca da tranquillidade publica.
9. Exaininir.se as cmaras municipaes (eotn pro-
videnciad i sobro os objectos da polica que por lei estSo
a seu cargo, representando-Ibes com civilidade as me-
didas quo cnteiidorein convenientes, para que so con-
verto em posturas, e usando do recurso do artigo 73
di lei do 1 do outubro du 1828, quando nao (reui at-
tendidos.
10. Inspeccionar os llieatros e espectculos p-
blicos, fiscalisando a oxecuco dos seus rospectivos re-
giinenlos, podendo delegar esta inspeccao, no caso de
impossibildade de a oxcrcerem por si mesraos, na forma
Jos respectivos regulamenlos, us autoridados judiciarias
iu administrativas no lugar.
11. Inspeccionar as priscs na forma dot regu-
lamcnlos.
$ 12. Conceder mandados do buscas na forma dat
leis.
13. Volar que os subdelegados o mais subalter-
nos cumpro os seus regimcnlos, e dcsempeohem os
seus deveres a respailo da polica ; e dar-Ibes ai ins-
Iruccoes necessarias.
Art. addittvo. Os subdelegados ieom as mesina.ai-
tribuiedesdos delegados, oxceptuando-se as dos U 9.
e 10. 33
Supprima-so o art. (i. da lei.
O aitio 12 seja substituido pelo seguinte : todo
o cidado brasileiro pode viajar dentro do imperio lem
passaporte ; mas neste caso lica subjeito as indagacoes
das autoridades policiacs parccvndo suspoito.
Jui/e.s municipaes.
O artigo II substitua-so pelo seguinte : estes
juizes soro |ierpetuos; ina.s,passadoJ 4 annos e antes, o
governo os podor remover ptra outros logares, nos
casos marcados por esla lei.
<)'_,.). artigo 17. subslitua-se pelo seguinte :
pronunciar nos procesaos intentados pelos delegados o
subdelegados ; o sustentar ou revogar ai senten^as doi
meirooi, nos crimes coi que ellet julgio.
.ADO


I
Promotores.
Artigo additivo para se collocar depoil do artigo 22
ra li'i, no lu^ar em que convier.Os promotores, aleen
cla> attnbuicSes quo Ihu competen! pelo cdigo do pro-
cesso, devoras executar as ordens dos cheles de polica
a respailo das denumias, provas dos crimes e captura
dos culpados.
Juizes de direito.
No anigo 25$ l. dopnis das paluvrasquo peran-
to as mismas lerurem se accrcscentc salva adisposi-
ln ai ( .'i.
Additivos depois do art. 2G da lei.
Art. auditivo 1." Os juizes de direilo poder C ser
removidos rus seguintes casos :
' 1. Na scdioao, insurreirao, rebcllio e invaso
de niiiiiigo;.
$ 2. (guando o exercico da jursdiccao dos referi-
dos iiiagist ados as comarcas em que servirem for in-
ompstitel com a ordem publica e boa adminislracao
da justica.
Artigo addiliv.i. Para verificar so a remocao do juiz
de direito por ser ncompatvel a sua conservarlo na
comarca com a ordem pullica da mesma, dover prece-
der informacSo doeumenUda do presidente da reipeeli-
va provincia ; e para verificar-te por incompeliblida-
ili1 com a boa administrarlo da justica, preceder in-
formacio documentada do presidente da relarlo ac-
ondo em um e oulro ca>o ser ouvido o juiz de direito e
o concedi de estado.
$ 1!>. Nenhuma deats foroialidadca ser Docena-
ria ooa casos do art. I. j 1.
2. A rernoco nao dover durar por irais de 4 an-
nos, c o seu motivo ser especificado nu derreto que a
determinar.
'.i. Nenliiim jui7 de direito ser removido, sem
quo no decreto da sua remocBo se Ihe designe outro
lugar vago, que elle poSM immcdiatamento ir oc-
rupar.
, Ojiii/ de dircio removido nao tirar i nova
carta, e llie servir de titulo o decreto do remocSo, que
ser eomniuncado ao presidente da rolac&o ; o cunt
liuar.i ii vencer O seu ordenado, se dentro do seis me
res entrar om eiercicio do novo lugar.
% o O juiz de direito que for nomcado chile de
polica, cujo lugar, leudo sido piovulo na occasiao ou
depois da Illa nomeaeao, air.da e-liver prccnchido.quaii-
sen antigo lugar,at que nelle soja reintegrado.
^ 0. (guando o juiz de direilo nao fr evercer o lu-
gar, para o qual (iver sido nomeado, d-ntro de seis mo-
yos contados da intimaejo oflicial, O governo o provera
c mandar proccssal o pela rebujo, que I lie impura a
pena do perdimento do mesmo ; c quando leja ahsol
ido, o governo o em pregar! logo, sendo at enlao
luspi nao 0 seu ordenado.
^ 7. f) liacliarel que, sendo nomcado jui/. do direi-
to, nao tirar carta e tomar posso pessoalinenlo do lu-
gar dentro losis me/es, cantados da data da sua no
moacSo, perder por esse fado o m< sino lugar, quo
ser preench'do por oulro.
Artigo additiv.i. As dsposces do $ 8. sao applica-
veis aos desemhaigadores >|ue nao tirarem as cartas dos
lugares para onde lrcm noineados. ou que, tundo-as
tirad), nao entraron em ejercicio dos inesmos ; e ueste
caso a pena Mies sen imposta pelo tribunal compe-
tente.
Artigo additivo. s pra/os estabelecidos nos $ c 7. podero ser prorogados pelo governo, quando pa-
ra isso baja causa relevante ; e enlao, para o perdi-
mento dos logan s.s se contar o lempo,do lim da pro-
rogaio em diantc.
Artigo additivo. Os uiiei municipaes,antes de lin-
dar o quatrienio, s poder o ser removidos nos casos, e
pela mesma forma por (|un frem os juizes do direito.
Jurada.
O artigo 37 sul stitu-v se pelo seguinte : Sao ap
tos ; r.i serem jurados todos o cidadioa qu pdem
ser oleitores, comanlo quo saibio lOr o cscrover e tc-
nbao de renda annual por bens de ra/, industria ou
empreg) publico, 600. rs. ,nos termos das cidade do
Rio do Janeiro, Habi, BecifeeS. I.ui/ do Maranho-
/|00.) rs. nos termos das outras cidedes, c Ti00 em to;
dos os mail termos.
Supprima se o paragrapho dcste artigo, e substilua-
sc pelo seguinte : Exceptuio so os senadores, dopu-
trdos, eoDcelhairoa c ministros de estado, bispos, jui-
zes eclesisticos c mais magistrados, presidentes de
provincias, seiis secretarios, chelea de repartieses, com-
inandantes das armas e do corpos de I.' Iinba. vigarios,
clrigos do rdeos sacras delegados e subdelegados
em cxcrcicio.
O artigo 28 sulxlilua M pelo seguinte : Em cada
parochia.annualmente no dia 15 de deiembro,su forma-
r urna junta COmpnSta dn pai ocho, jui/. de paz, edo
cleitor mais votado, ou do seu iiiiinediato em seu im-
pedimento, o oigansara urna lisia de lodos os cida
daos que te nb a o as qualidades exigidas no artigo ante
.lento, a qual ser imincdialamento aflixaila na porta
da igreja, o publicada pela impicnsa.ondc bouver.
j 1. Esta lista iiiiprelcrivelinenle ser remedida,
adi o dia 15 de Janeiro.ao juiz municipal do termo d i
cidade ou vi la ondo bouver de reunir-so o jury, sol
penada multa de 100j rs. em cada um dos mombroi
la junta, quo ser imposta pelo mismo juiz munici-
pal com recurso para o presidente da provincia, e sen.
mais I h'iii il. !.i le alguma alm da audiencia das par-
tes.
0 artigo 2!) subslitua-se pelo seguinte : O juiz
municipal, logo que receber as listas ue todas as fre-
puezias, convocar o p'esidentc da cmara ejuil de pa/
do districto onde o jury bouver de reunir se, e forma-
rs urna junta revisra que tomara conhecimento ds
reclama) Oes, admittir as eliminados indevidamente
excluir os quo estiverem proi unciudos, ou liverem si
do condemnados pelos crimes o homicidio, roubo, lur-
li, Lanca rota, cslellionato, moeda falsa o falsidade.
O artigo 30 substitua-sc polo seguinte: Emquan
to nao organisar-so a lista geral, continuar em vigor
a do anno antecedente : o o juiz municipal e mais mam-
uros da junta revisra sao obrigadof a il,.r,i.o juiz de di-
reito da comarca, conla da nova organisacao al o lim
o 1. do artigo28, quo pela mesma frma sera imposta
pelo juiz de direito.
Flanea.
Os arts 37, 38 e paragraphos respectivos sejaosup-
primidos e substituidos pelo seguinte : Scao afian-
ce c i todos os crimes, excepcao dsquelles que se aibo
. lassifieados no cdigo criminal debaiio das seguintes
rubricas crimes contra a independencia, integridade
o dignidade da nacao ; crimes contra a constituido do
imperio e forma do governo ; crimes contra ochefe do
yoverno ; crimes contra o livro exercicio dos poderes
politicos, conspiraco, rebcllio, insurreico, sedicao,
moeda falsa, homicidio, infanticidio c polygamia ; e
crimes contra a pessoa c propnedade.
(Jueixa e furmac-u da culpa.
Artigo additivo para se collocar onde convier. S
as denuncias be necessario juramento da parte ; ex-
ceptuando-seos promotores.
O art. 49 seja supprimido e substituido pelo seguin-
te : Os delegados e subdelegados que houverem or-
inado algum processo o remetieras ioimudiatamenleao
juiz municipal para pronunciar,ou sustentar a sentenea,
conforme a nalureza do delicio.
0 art. 50 soja supprimido, e substituido pelo seguin-
te: Os juizes municipaes, nos casos do artigo antece-
dente, logo quo Ibes frem prsenles os processos, po-
dero proceder a todas as diligencias que julgarem pre-
cisas para a rcctificacao das queixas, denuncias, e emen-
das do quaerquer taitas que induzo nullidades, u cscla-
iei iinenlo do fado e suas circunstancias, ou seja a re-
|uerimento das parles, ou ix-offcio ; com tanto que
ludo se laca o mais breve e sumroariamente possivel.
Do julgamento das cautas peranle o cuncelho dos
jurados.
No art. 5-1 supprimao se as seguintes palavras: e
as dos delegados vsubdelegados quo forcm confirmadas
pelos juizes municipaes ficando ludo o mais como
esl.
liecursoi.
No art. 69, ^ 3. supprimao-se as palavras e que
sustenta, ou revoga a pronumia.
.No 7. do artigo antecedente, na ultima parte, sup
priino-se as palavras : He smente lompetente
at o lim, o sejo substituidas pulas seguintes : He
sement competente para conceder halieas-corpus o juiz
superior, ou igual ao que decretou a pristo.
Artigos additivos a este capitulo.
Art. Das nullidades do processo at a sua apresenta-
o ao jury condece o juiz de direito, que o presidir, e
as quo OCCorreretn depois desle termo conliecein as re-
la ces.
Ait Sera o processo evidentemente nullo, na forma
do3. do .rt 563doeodlgo do processo, quando Ihe
laltarein as lormulas essenciaes : e estas so verificaras.
1 Quando nao bouver a assi^nalura do queixoso, ou
denunciante.
2. A cilacao do reo, excepto se o crimo fr inafian-
cavel, e nao achar-se elle no districto da culpa.
3. Aulo do crpo de delicio.
4. O juramento do denunciante
6. A competencia io jui/o.
t." A a-signalura do juizo no depoimcnlo das leste-
munlias
7." O despacho da pronuncia cscripto e assignado pe
lo juiz.
8. O juramento e assignalura dos 12 jurados.
9. A declaraco inimeiliata da intciposico do re
curso, do que trata o art. 79, 1 da lei.
10 Aexbibicio do suspeitos por parte dos juizes e
jurados ni s casos do 8rt. Gl do cdigo do processo.
Artigo addit'vo, listes recursos podero ser internos-
Ios por procuradores nos crimes afiangaveis.
Artigo additivo. Quando os juizes denegaron) algum
Justes recursos, ou du appulla^ao, ser permittida as
parles tirarem carta lestemunhavel.
Das appellaecs e i evistat.
O art. 78 suhslilua se pi lo seguinte : He permit
tidoappcllar ; primeiro, para os juizes de direilo, das
sentemas dosjui/.es municipaes, nos casos em que Ibes
compele o julgamento final; segundo, para as relacoes,
dai lentenctii definitivas, ele. .etc., e o mais como esta
al o^4- do mesm art. 78
O art. 48 da lei tica revogado.
Dispusieres geraes e aitigos additicos.
O ai I. 93 seja substituido pelo seguinte: Fica abo-
lido o primeiro concclho dos jurados c juntas do paz ; e
as altnbui,oes destas serao excrcidas pelos juizes de di-
reito, na forma determinada por esta lei.
O art. 9") seja substiludo pelo seguinte : A desig-
nado dos termos, ou comarcas em quo dove ser julga
do o indiciado do crimo de edico, ou rcbelliao com-
pete ao juiz do direito da comarca onde cstivtr pronun
ciado, ou pieso o roo com recurso suspensivo para a re-
lic.3o ; e sendo a sedigio, ou rebcllio em toda a pro-
vincia, a desiip.;3o compete ao presidento da rclaco
lem maia recurso.
Artigo additivo. O recurso do 8rligo antecedente se-
r interposlo pela parte, dentro de 8 dias, seguindo-se
o dispi'tto no regulamento do 3 de Janeiro de 18J3.
O art. 91 substilua-so pelo seguinte : A pronuncia
nao suspende us direitos politicos, seno depois deirre-
c rrivel,
O art. 109 ica revogado.
Artigo additivo. Nos casos de responsabilidado por
abuso de oprimir o peiisamento, o editor, ou impros
sor nao he obrigado a exhibir em juizo o autographo,
ou responsabihdade subsidiaria, seno depois da pro-
nnncia.
Artigo additivo. Nos casos de revista dos accordfios
das relacScs, proferidos sobre appvllacao inlerposta por
heio do i rt 301 do cdigo do processo, o supremo tri-
bunal de justica s conhecera das nullidades coinmetli-
das depois da aprcsenlacao dos processos ao jury.
Art. nao revogadas as disposicoesem contrario. Sa-
la das sussoi's, 8 de maio do 1845. l'edro di Alcn-
tara Ctrqutia /.iiie.
Os Srs. ministros da marinha e da guerra apresenta
rao a< seguint s propostas do governo :
Augustosedignissimos !>rt, representantes da naco.
De ordem ic S ;.:. o Imper. dor, e na forma da lei,
venbo apresentar-vos a [.reposta delixacao de lrcas na
vaespora oanno financeiro de 4G47. Kntcnde o go
verno, que no dito anno he suflicicnte urna frga igual
a quo 6o aclia presentemente decretada, por eso que
subsistem as momias neci'Ssidades do servico naval
Art. nico. As lisposicoes da lei n. 342 de 6 de
marco de 1845, quo lixa as torcas de mar para o anno
financeiro que ha de correr de 1845 a 1846 continSo
em vigor para o anno financeiro de 1846 a 1817.
Augustos edignissimos Srs. representantes da nacao.
\enhocumprir o preceitoda lei, e, por ordem de S.
M, i Imperador, apresentar-vos a proposta da fixaco
las (reas do trra para 0 anno financeiro de 1846 a
1847. Attendondo ao atado de perfeita paz e Uanquil-
lidade em que aelualmonto se acha o imperio, e sendo
do presumir, que esse estado dure e se perpetu, pede
o governo nicamente a frca precisa para circumstan-
cias ordinarias, ecomo numero pedido do 15,000 pre-
ces de pret de linha, julga-so sulTicientemento habili-
tado paraoccorrer II indispensaveis urgencias dosorvi-
(o militar.
PH.0P0STA.
Art. 1." As funjas do trra para o anno financeiro de
1846 a 1847 constars :
1. Dos officiaes de linha de que se compSe o qua-
dro do exorcito e dos corpos fixos e compenbias fixas.
>; 2." De 15,000 pracaa de pret de linha, cm cir-
cumstancias ordinarias, comprehendidos oscorpoi, ou
companhias fixas as provincias em que fr necessana
esta especie de frca.
3. De 640 pracas de pret em companhias de pe-
destres.
Art. 2.' Para se complotar as (oreas, fixadas no art
| continuars em vigor as disposicScs da carta do lei de
29 de agosto de 1837, monos a parle em quo a mesma
lei exime o recrutado do servico, mediente a quanlia de
400 rs. Os novos alistados, sendo voluntarios, servi-
rs seis annos, e oilo se frem recrutados.
Art. 3. O governo poder abonar s pregas dos cor-
pos do exorcito, quo, podendo obtor baixa por lerem
completado o seu lempo de servico, quierem continuar
a servir, urna gratificado igual ao sold da primeiro
praga, em quanto frem pracas de pret.
Art. 4. A'gretificaco addicional doscepellacs o ci-
rurgioes do exercito ser de 408 rs. mensaes; quando,
porm.osmesmoscirurgiSes forem empregados em pro
vincias, que se acbarem em estado deguorra, na qua-
lidado de directores dos hospilaes militares em que bou-
ver mais do um facultativo, ou como cirurgiSus-mres
de brigada, divislo, ou frga de operacos, tero e gra-
tificacao de 70 rs.
Art. 5 No balando numero suiciento de cirur-
gies militares, poder o governu ajustar por contrato
os que frem necessarios, por tompolimitado e sem pre-
(ericao dos cirurgies eflectivos do exercito.
O Sr ministro da la/cnda apresentou a proposla e re-
latorio da sua repartic8o para o anno financeiro de 1846
a 1647 S.Exc. orea a despeza em rs 27,330:229,>785,
o a recoits, comprehendidas as rendas de applicacJo es
pecial (orgadas em rs. 4,036:000*) em 21,000:000*
S. Exc. computa em 4,000 contos o augmento dosdi-
reilos do iinportacao proveniente da nova lana
A cmara oceupou-se depois com a discuss3o sobro o
canal de ltaguahy. que anda ficou adiada, depois de
lomarcm parte no dbale os Srs. Souza eOlivcira, c
Dias da Motta
PERNAMBUCO.
HouverSo hontem muiros luminarias; os cinco mil
eslao muito escaldados, e querem primeiro ver para
crer: ainda assima casa de tabolagem do munbeca I-
luminou-so por dentro por fura, o olgumas mais.
Tambom bouverao suas bordoadas cm applauso da res
tauraedo: as Cinco-Pontas um pardo tanoeiro, que
he mulato por isso que nao he praieiro, foi grandemen-
te insultado e espancado l para a Boa-Vista outro
pardo foi levado a ccete, crcio que pelo mesmo mo-
Honlem depois,que Ibes escrovi, soubc.quc a fr. Co-
meta loi quem repicou o sino grande dos franciscanos,
na occasiao da posse do Exm. seu correligionario
Na occasiao des descargas, mandou o Antonio Csr-
.nciro soltar tres girndolas monslros; as quacs devem
ser exactamente pagas pelo homcm, quando nao, nao.
As cousas, como que nao ciarcharao boje satisfacto-
riamente para a praia. Entretanto dissolveo se a poli-
ca; beverdado quo ella como que se nao senta j,
mas emfim n8o estavamos inteiramenlo a discricSo do
qnalquer gueldiperio! boje est a praia refolgada; o
chelo de polica he o Arruda bom; o mais arranjar se-
be nestes das i tambem nao ha li essas pressas I Ucm
sq
real.
v quo essa historia do Cbicborro bo urna la hua, o
ui nSo ha vice-presdinlo, ha presidente clTeclivo e
CORRE10.
C"nBKSPONDF.NCIA lA CIOADE E PROVINCIA.
Cnntiniiarei boje a larefil, que o negocio de que hon-
tem liles ralle! me obrigou n suspender llmive na nou
la do S de maio, no l'.ieatro da curie, nin baile coma co
meaana obrigada, c havia que beber feriar quando o
gamba entrn ovio aquelle opparato baoliloo-bollioi,
eoaa lagrima osolucoi de prater exilamoo :Aqu me
malo Dos : dizciu.qiio fui um di illtlmos a retirar ec, 0
todo cm glorias, segnndn (ibaervou o corroio do iuiiii
lirio dn guerra, que uaiudou a mcllcr-se nacnrruagcni
O iiiiss.i reverendo solapador qiicr ser por torca his-
po : ainda do interno o seria elle do bia vonlade, e
anan mime Ihe dnsoin, em vez de mitra,carocha: nun
ca trouce cora abertal mas agora lano elle como u
oobra, cora quem est muito ligado, (odiabo que l o
njiuiiou na junte no aen reino) ja n trawm manifesta,
como OSOripto era Ma para ae lugar. O corto he que
muito obristao foi em outiai eran mimoteado com a tal
carocha, que, a vista deltas dual peeftas, devoriSo ter si-
do canonisados.
lia na ra do Lavradio da corle una sinagoga, ondo o
apostolado da endeia-velbii e da praia faz ns suas sabba-
linas: na nonte de Mde malo oitavfto prsenles algunt
visitantes, quando o Pcdrozo 1 n'um dos seos improv
sos, lempre ISo espumantes, crepilnsos, pliosphoricos,
rulilanles, foi-sc cnfiireccndo c j com a c.aheca por
sea setie coi fora dei larou.qno como o goierno no da-
ta as providencias i:\icioas por Permmbun\ elle, man
.lava ordem ao SEOS de laucaran mo das armas e rin-
garem offensas vclhas e modernas, etc ttc Unidos visi-
tantes du lano horror c indignara! so cuchen o ouvir
acnnflaatodo ministro, que o rebateo rigorosamente,
ditondo Ihe, qde agora ficava persuadido que era elle
um brbaro, ciiVj|mmlTomiiiava furocidadee nada mais,
ooomealaae ourfs raz>e>s'j retirou, no qaerendu
mais ouvil o.
II queixlo logo que rceeboo os seos amados jornaes
da praia, conteiido a calumnia de sociedades polticas
para a aeparagio, etc., apresentou se na cadeia vclha,ni-
dia '21 de mai, denunciando essas sociedades o fasen
lo grande cileiima cun a historia para faier crcr, que
aquelle que por tantos anuo tcom einpregado todos o
s.-ii esfurcos na manutenoao da ordem da monarebia,
querem agira arripiar a honrosa c brilbante carreira.
Aquello malvido bu capaz du ludo; mas lempo vir que
algiiein, que boje Ihe d cilor, o reconheca, pois a sua
forrada lealdade com ningoein atura.
Dizemque oCoelho da guerra, antis do embarque
do primeiro batalho de caca lores,que aqui chegou an
te-bontem, mandou chamar os officiaes 6 casa e Ihesdis-
se: os Srs. v8o para Pcrnambuco; espero que se por-
lem all como eu sempre me porlei, e que se no po-
nbao l contra o governo ; quando uso, hei de lazol-os
passar por concelhos do guerra, e mostrar- Ibes para
quanto presto. Ninguem me saher dizer qual das
duas partes desle discurso he mais digna de riso na boc-
ea do Coelho; se elle oflorocer o sou comporta ment
para modelo, seameacar officiaes quando sejo contra o
governo? Ora, o Coelho lem cousas impageveis! Nesse
mesmo batalbo encaixou ello algum desordeiros, que
d'aqui baviao sido enviados como taes, segundo teme
aflirma.
O que porin n8o be dito, e sim a pura verdade, be
que cortos militaiei, reas de polica, ando a melter-se
por entre os soldados desso batalho, easopmr entre el-
les intrigas c prevencocs, como se essa tropa n3o devesse
aqui fazer oolliciodella, que be m riler a ordem ese
guranca publica >os, os homens do partido ordeiro,
nao precisamos de tropa para couss alguma, u g verno
be que delta precisa, e precisa-a para conter os seus pro-
prios correligionarios, so nao be seu intento dar antes
apoio aos que querem a desordem de todo o modo e em
lodo o lempo. Tenho-os oceupado largamente como
que nao no da provincia: agora voltemos a attencu ca
para cass.
Dizem, que o mcia-patsca-lza podo agora topar
mais alguma couss, pois j foi despachado; quem at
hoje esteva com a passarinha na mo pela sua vida pu-
de dormir desesneado, pois o rapax, para acudir a um
aperto, ho o primeiro, be incomparavol.
Coiimiumcad'
/ 'm qemido expansivo de amizade, que servir de
NECROLOGA.
MANOKI. SILVESISE FF.BHEIRA.
A 22 de setemhro de 1S37, eu diasfl meni filhos,n-
poniando-llies assphltnra de Manoel Silvestre rerreira
(pai):Eis-aqoi, roana amigos, tos nlo oonhecereis mni-
tos homens to honrados como este foi!..... Ainda nlo
sao completos oito anuos, a Providencia giiardoii-mo
para vir boje, 31 du maio do 1841, laucar na sepultla a
minha ultima asnerso sobro o resto moraos do IdA-
miici. Silvestre 1'EanniiiA ,'filho), meu especial amigo,
hordeiro, e imitador completo dn honradas, da probida.
de, do civismo, dareligiostdade du cu pal, a quem u-
cedeo no desvcllo, na prole. c3', na guarda de sim nu-
merosa familia, com quanto nao toase ello o mai velho
entre seus irmoa. Ha menos de 30 anno eu me re-
cord que sobre o borcn o aoarieiei na rasas inran-
lis: boje Ihe digo o ultimo adons na sepnllura! Que es-
pero eu mais-' Qic devenios nos lodos esperar do inun-
do? Nio sao de todos os dias este exeuiplus7..... Vida!
Mundo! Sociedade! Ol! ha com tullo una cousa real
entre vai lio a rirtude. A vida que he urna iranaieto
du existencia, 0 mundo que he um monto de preconoc.
tos, a sociedade que he una cadeia de pensoes, bnllio
troves d'um espectculo quo tem indo de realidad,
porque ao refere ftDeos; voto consolador, o mais bello
afn do raciocinio, coinmiiiiorar a virtude do uosso
roximo Cunipra-SO SlO dever com M S Ferreira, o
se n linea mai o veremos, seja osen mereeimento nva-
liado alem do circulo dos seu amigos. Bis-aqui o que
efoi.
.N.o-eiilo nesta cidado entre a fortuna mais que medio-
cre de seus pni, receben a singla educarlo primal i a do
seu lempo, ina bobeo daqucllea inui tocantes examplos
de modestia, honradez, o beneSoenoia, que lian fori
perdidos no gormen d'um COraclo bem formado: nao,
lio foro perdido! Ainda nsss joven, elle linha rasgos
d'uma prudencia prematura. Destinado SO oslado eccle-
siaatioo para u que linha os necnasaiio predicado, mas
nao inteira VOOS^Io, elle dava os ostudo proparatorina,
quando os sciisdusvcllos, s lagrimas de sua mai, no am-
paro de niive irmaos, a morlc airohatou-lbc eu pai. A
subaistenein do lauta pessoas, assim como n sua propria,
a guarda de sote mana danzlas, a educaco do seu ma-
no menor, cis o encargo i,uc a Providencia Ihe consig-
nou o n seu mano, O nosso estimavel patricio o Sr. Fran-
cisco Loca Ferreira. Bnlio M S. Ferreira, desenga-
lo que no oslado ecclesiastico lito poda occorrer de
prompto ispreeisfies do sua familia, eeoadjuvar seu
charo irmao, teve de abandonar o antigo procutO, o
procurar recursos na carreira do empregos pblicos.
Foi prvido no lugar de guarda na alfaudegn da faseii-
las desln capital, empregu quo leseinpciihiiu cora intui-
r predlleeoo de seo superiores, acni| re uceupndo na
esciipturaco do expediente i obteve sopois o lugar de
amanuense na secretaria do guverno. Os devire pbli-
cos, a decencia de sua casa, o servico deten amigos,
resignaran em muito golpe sensiveis, taes como o fal-
lecimentO de sua mai, de unta sua mana, de sua avo, al-
tuuileiido ludo, providenciando a ludo, operando pro-
digios de economa sem esquecer a cdui-aco deaeu ma-
no, qualificro em M. S. tirreira o carcter de ptimo
cidadao, ptimo pai do familia, c Ihe granger.'u uro ex-
tenso circolo de amigos. A verdade falla, nao he o elo-
gio. Breve porem foi o periodo de tanta provas !
No dia 17 du maio, 10 horas da imite......... ueste
ponto o silencio he o nosso raciocinio. Deixcmos a me-
dicina dar a suas razos; liquc ella biag.os com o Fa-
talismo; confosse ou nao SCus engaos, ou sua impo-
lenris....... Em lo dias do onfermidado todo o recur-
sos dascienoia Ibooria medica forio innleis ; todo os
illicio dn amissde e de fraturnidado furto baldado ; o
Pornambuoano, digno Ico sor, rodeado de muito do
seus amigo que vectio lagrimas de pura estima, passou
gloria, ao lugar que aguarda a alma virtuosas. No
seu transito, no eu funeral, foi extensamente manifes-
tado o geral aprego d' sua pesaoa. Triiimplio estril,
pompa que se nao podegosar!! Nada pude consolar a
desolaran de sua lamilla |ue pordeo um dos seus arri-
mos. Prenlo: Deo o quiz!
Mobre a luisa que cobro o eadavor do fillio eu p'.sso;
escrever, como Kz na do pai, o verso do I y rico portu-
gus:
................a virtuae
- De jits nos almos Cos se galardoa.
J. II. 5.
coJvTmTIuo"
Alfandega.
lien di me uto do dia ................. 5:159,)519
Desnarrega hoj: 7.
Galera inglesaColumbasmercadorias.
UrigueJoseph Luwperthtwtitdem.
UPORTAIA.
Columbus, galera inglezu, vinda de Liverpool, en-
trada no correle uiez. a consignar;o de .Me. Calmont
& Companhia, manilestuu o seguinle :
i


OJ.
2 eaixas far.endas do algodao, 3 fardos ditas de liobo;
a Johnston & Companhio.
16 cuas ell fardos frondas de algodao. 1 fardo
ditas de linho. 4 ditos ditas de laa. 10 HI*I liaba de
algodao, 1 dita qumquelliaria, I gigo louca, 10 har-
neas corvej, 2 oaiui obras de couro ; a Ada
Hawie & Companhia
32 fardos e 53 eaixas fazondos de algodao, 2caixas
forragens ; a Deano Youle & Companhia.
95 volumes fazendas de algodao, 4 eaixas quinqu
Iharia, 1 dita cha, 1 dita couros 1 dita faxendas de
laa. I dita miudeas de Ierro, 1 volurno boloes d'osso,
1 caixa chapeos de pallia, 1 embrulbo calcado, 1 bar-
rica ferragens. 1 caixa loncos do seda, 1 dita obreias,
4 dilas fazendas de linho, 2 volumes sedas, 1 caixa re
logios de ouro e de prata, 2 vassouras ; a ordem.
(JO Larris manteiga, 20 eaixas linbas de algodao ; a
James Cocksbott& Conipanliia.
33 eaixas e 12 fardos laxendas de algodao, 2 barricas
comestiveis, i barril manleiga, 1 caixa conservas, l
ombrulbo joias. 1 ebrunometro ; a Ridgvay & C*
60 eaixas e 40 fardos (Vendas do algodo, 19 eaixas
ditas de linho, 1 dita chales de algodao, 3 fardos fazen-
da do laa, 2 ditos bafltas, 25 barricas abatidas, 2 eai-
xas fazendas de laa, 1 embrulbo luros; a Me. Calmont
& Companhia.
1 embrulbo livros ; a G. Patchet.
7 fardos e 30 eaixas far.endasdealgodSo, 7 ditas meias
de dito. 1 dita miudezas; a James Crablree & G*
3 barricas feragens ; a W. fox.
6 eaixas fazendas de algodao, 6 barricas toucinho, 2
chapeos; a l.alham & Companhia.
7 barricas lerragens, 58 fardse 15 eaixas fazendas
dealgodSo, 1 fardo fu, 1 barrica corvejn, 1 ombruiho
papfl, 1 caixa miudezas, 144 barras de chumbo ; aG.
Kcnworthy Companhia.
1 barril carnes, 1 cafeteira ; a C. C. Johnston.
7 embrulbos e 4 eaixas ignorase ; a diversos.
2caiias(a'endasdelSa, 22 lardse 2 eaixas ditas de
algodao, 1 lardo (atondas do soda e (ato feilo; a Russcll
.Mellors & Companhia.
2 barrislingoas, 1 caixa qaeijo ; a W. May.
10 eaixas e 5 fardos fazendas da algodao, 1 barril
inanteiga, I caixa louca, 2 barricas farinha d'ava ; a
Junes Paln & Compinhia.
2 e '/toneladas de Ierro, 15 ditas ditoem barra, 2
duzi s do ps do Ierro ; a Si- rr & Compinhia.
18 fardos e 2 eaixas fazendas do algod.o, 3 ditas di-
tas de linho ; a H. Gibson.
12 lardos la/.endasde algodao, t embrulbo meias de
dito, 1 dito fazendas de laa, 1 cesto ignora-se; a Itozas
liraga & Companhia.
42 kuos louca ; a Fox Brothers.
40quoijos, 25prezuntos, I caixa conservas, 1 dita
mostarda. 2 barricas ceneja, 3 eaixas biscuuto ; a Vi
uva !f Ar*ujo
36queijoi. 21 prezuntos, 1 caixa mostarda, 1 dita
conservas, 2 barricas biscoulo ; a Jos Goncalves da
Tonto.
16 queijos, 13 prezuntos, I caixa conservas, 1 dita
mostarda. 1 barrica ceneja ; a l-'. Cueca.
20 queijoi, 20 preiunt, 6 eaixas ignora se; a
Doxvsloy I*rits & Companhia.
1 emlirulbo tallado ; a Gustavo.
3 eaixas lampadas, castices, etc.; a N. O. lcber &
Companhia.
I cesto louca ; a Luttkens.
1 embrulbo ignora se ; a Soalhalo.
1 barril lingoas, 2 ditos inanteiga, 1 dito dita de por-
co, 2 embrulhos t ucinlio. 3 prezuntos, 1 barrica cer
veja. 1 caixa goora-fil ; m C. A Austin.
9 fenes do pas, 1 d to de garlos de ferio, 3 embru-
lhos ignora se, 1 chapeo ; ao Dr. Arbecekle.
i caixa I chapeo; a Miranda.
1 dita dito ; a A. Soares.
1 caixa I embrulbo chicotes, 1 dito ignorase
E Cninhcr,
ou valha SBm sello ex-cauta. Recife, 29 de maio de
1845. E eu Jote Juttitt" Fernanda de Somt, cs-
crivao o escrevi. Jote Thomaz Nabuco de Araujo J-
nior Ao sello 100 rs. V. S. S. ex cauta Nabuco
Deelaraces.
I ... Pelo juizo da fazenda desta provincia s- faz pu-
blico para conbecimonto do todos o officio do Sr. ins-
pector da Ibesouraria gcral--
Ufficio.
Nao podendo continuar a pratica de so darem.pelo
cartorio do juizo dos feitos da fazenda, guias asparles
para dieectament cnlrarem para os colres com sommas
deque sao devedores, porconvir & boa fiscal isagao quo
as entradas s se facao por intermedio do solicit idur,
cumpre que V. Me. .emconlormidade da diliberac,5o
tomada em sessao desta thesouraria, do as providencias
a osle respoito fazondo ver no mesmo cartorio, que o
solicitador he o nico competente para receber taes
guias, e das partes as sommas respectivas, quando estas
as nao quizerem acompanhar a lazor a entrega. Dos
guarde a V. Mmc. Thesouraria da provincia de Per
nambuco, 13 de fevoreiro de ISi.'j Sr. Clemente Jos
Forre ra Costa, procurador, fiscal desta thesouraria. O
Inspector, Juo Gonfalvet da Silva. (19
2 -Pelo lyceo desta cidade se faz publico, que, em
consequencia do que ordenou o Exm. Sr. presidente da
provincia, ir a concurso da data desto 40 dias a ca
deira de primeras letlras para o sexo fominino na villa
do Iguarass. Ascandidatas, que referida cadeira se
quizerem oppr, habilitem-sn nos termos da lei
Secrotaria do lycoo, 5 de unho do 1815. No im-
pedimento do secretario, Hermenegildo Marcellino de
Miranda. (9
2 Adminutraciio do patrimonio dot orphoi.
Peranle a administrarlo do patrimonio dos oipbaos
se ha de arrematar a quem mais der, e pelo lempo, que
ha de correr do da da arremataco ao fim de junbo
de 186, escasas n. 7 no largo da praca da Hoa-\ is-
la, n. 26 na ra da Madre de Dos, n. 41 na da Lipa,
e n. 43 na do Codorniz : as ppssoas que quizerem lici-
tar poderO comparecor ni casa das sos-os da mesma
administrarlo nos dias 9, 12, e 16 do corrente mez,
ao rucio dia com seus fiadores. Sala das sessas da ad-
ministraran do pitrimonio dos orphaos, 4 de junho de
1845.J. .'/. da Cruz, escripturario. (12
2=Tendo a mesma adniinistragao de mandar pro-
ceder a factura de tres camas para ocollegio dosorphaos
com a lrma e dimensSes das que IA existem, comida
as pessoss que se quizerem encarregar de semellianle o
hra a comparecerem na casa da dita administrarlo no
lia 16 do presente mez ao meio da para se tratar do
ajuste. Sala das srsses da administrarlo do patrimo-
nio dos orjiliiios.V de junho de 185.J. M. escripturario. (9
i Companhia de Rebiribe.
Os Sonbores accionistas da companhia do Rebiribo
li ijo de realisar urna prestaran da 4 por cento (2,>000
rs. por accioj sobre o valor desuas actes, dentro do
prazode 30 di.'S, contados de 5 de junho a Sdejulho
do corrente anno. Escriptori da companhia em ses-
sao do 2 de junho de 18i5. secretario, B.J. Fer-
nanda Rarrot. 8
O inspector do 7. quarteiro da Roa-Vista apre
liendeo a uin preto um balde do canegar agoa, que a:i -
dava vendendo; i|U0in fr seu dono, dirija su a ra do
Pires, casa n. 58, que,dando os signaes, 1 lie sera en
treguo.
2Segu viagein para o Cear, no dia 25 do corren-
te impreterivelmcnle, o brigue Feliz, por j ter a maior
parte do seu carrcgamenlo, podendo ainda receber al-
guma carga a Irete; assim como recebo pipas do ago'r-
danle, pelas quaes leva ofretearar, com a condicio
do seren carrejadas at o dia 0 do corrento : apessoa,
que Ilio convier, podo dirigirse a ra daCadciadcS.
Antonio casa n. 25, ou ao capitao do mesmo briguo Ma
noel Jos Ribeiro abordo, ou na ra doVigario casa
do Firmino Jos Feliz da Roza & Irmao. (10
asPara o Rio do Janeiro sal imprcterivelmente, boje
7 do corrento a tardi',opatacho5.^o. se avisa as possoas que teem a omharcar escravos para
all.
visos diversos.
O Sr., que, por brincadeira, (irou da porta, que
d entrada para a contadura da thesouraria de (azenda,
urna bengala de canna da India com cusan de prata, e
ponteira do lalao, baja de leval-u, ou mndala ra
Dircita, n. 120, Io andar: quan Jo nao, declarar se-
lla o seu nome, para que o publico o fique conhecendo
como capaz do praticar mais este acto, Lio honroso,
como os de mais em que he useiro c visciro.
Os sonhores credores do Ricardo Antonio Vian-
na sao convidados comparecer no dia 9 do corren-
teem Fra-de Portas. ra principal n. 127, as 11 ho-
ras da inanlia : roga se aos mesmos senhores, quo
naodeixem de o lazor, pois que so tem do tratar de seus
interesses.
'
H
S o .menlo do Porto.
Navio tullido no dia IJ.
Poitos do norte ; vapor braiileiro Imperalriz, com-
inandanlc Jos Mara Falclio.
Edital.
O Dr. Jos Thomaz Nabuco de Araujo Jnior, juiz de
dtrtilo do ci / desla comarca do /feo/i de Pernam
buco, pi.rS. Al. 1. C., que Heos guarde, ele.
l'aco sabei, aos que o prsenle virem quo o pro-
curador da i amara municipal desta cidade mo requereo
por peina i o seguinle : Diz o procurador da camera
municipal, quo, tendo sido pelo F.xm. presidente da
provincia reconbecida a desapropriaeao, porutilidade
municipal, d casa de Antonio da Costa Dourado, sita
na ra da Can boa do Carmo, na esquinado boceo, que
vai para amadas Flores des'.e liaiiro. depois do pre-
oncliidas as formalidades doail. 15 cap. 4. da lei pro-
vincial n. 129 de2de maio do18i4 ; o nao tendo o
supplicante a quem dirigir-so para ajuslar n compra da
dita casa, que alus he dn urgente necessidndo, por so
adiar amento da provincia o relcrido proprielcirio, e
igDorr*ie quem seja o seu procurador: requor o sup-
plicanle V. S., haja por beo mandar passar editara,
e publical-os por espaco de trinta dias, para notifica-
ro do siipplicado o seus procuradores, nos termos, p
dolan das clausulas do art 30 cap. 5." da citada lei
Pode a V. S. Sr. Dr. juiz do civel dn 2 var, seja ser-
vido assim o deferir. 1) esta E ncebera merc An-
tonio Joaquim de Mello Pacheco. z= E nao so conli
nha maiseni dita peticao ni qual dei e profer o mou
despacho da theor segu nte. ->irr. Uecife, 28 do maio
ilelSl-j Nabuco de Araujo JuniT. E sendo a-
presenlado ao escrivao, que loi distribuido, passou o
presente, pelo theor do qual mando aos pas, filhos, p-
renles, amigos e procuradores do ausento Antonio da
Cosa Dourado Ilie*dig3<> o deularom em como por es
te se cita e chama para o conteudo na polifila cima
copiada; o sabendo qualquer dos ditos, lugar eerto, on
dse aihe sente, venda declarar por temi, para se
proceder na f(> ma do pe.lido na policio ludo no ter-
mo do triol das da puhlicacio e filado desie. I.
para que cheque a noticia de ledos, mando ao porteiro
do auditorio Joto Januario Sorra Grande o publique
nos lugares pblicos desla cid .do, fixando o na prac,
d ella com os progO'S do eslylo. Dado o passado nesl
cidade do Recife de Pernambuco sob meu signal e sello,
CONCERT VOCAL E INSTRUMENTAL.
Eduardo dos Sanios Sclunitz, prolessor do piano o
canto, tendo oblido da Ilustre sociedado Apolliuea a go -
nerosa pcrmisso de lazer o seu encorio na sala da mes-
ma sociedado, ao passo que esta grandemente penhora-
do de gralidao para com esla, tem a honra de partici-
par ao respeitavel publico, o aos amadores a harmona,
que O dito concert, quo eslava destinado para o hotel
Francisco, lera lugar na referida casa hojo 7 do cor-
rente, pelas 8 horas da noute debaixo do seguinle
I'ltOGIl '.SIMA.
Primcia parir.
1. Terceto para piano, violonccllo, e rabeca por Mr.
Scbmitz, Mr. Grosdidier e Mr. Steubcr.
2 Fnntazia e variecocs de bravura, sobre a cavatina
d'Anna Bolena. cxeculadas no piano por Mr. Scbmitz.
j. Aria de Soprano, da favorita executnda por M.
Zo Popon.
4 Fantazia para violonccllo, com acompanliamtnlo
de piano, execulada por Mr. Grosdidier.
5. Duelo do Relisario Liben Sielte executado
por M. Zo Pojion c Toselli.
Segunda parte.
i.' VariacOes do rabeca executadas por Mr. Steuber.
2. Aria de baixo, executada por Mr. Toselli.
r>. Fantazia, Lucia du Lnmcmmor, execuluda no
piano por Mr. Sclunitz.
4. Romance, executado por M. Zoo Popnn.
5. Variacoes de piano sobro a Norma, cxeculadas
por Mr. Sclunitz.
Osbillielcs vendem-se na loja do Sr. Lodi, na ra
larua doRozario.
THEAIRO PUBLICO.
domingo 8 Do <: 'iiKiM,:.
Espectculo dedicado posse do Ex. Sr. vico-pre-
sidente da provincia.
Represenl.ir-sc-ha uin elogio,apparecendo os retra-
tos de S. M. L eC. e sua Augusta Esposa: cantando-se
o hymno nacional.
Ilepicscnlondo-se a peca nova
O FUGITIVO IlAS PntSOES
da
BAST1LHA.
E a farra
OPA1 VOBIS.
O thealro estar docenlemento armado e decorado.
Principiar chegada d S Ex.
Avisos manlinios.
3 Pgra o Porto, a seguir em puucos dias n briguo
poituguez Yeniwa /'e/ix.capitSo Antonio Francisco dos
Santos:quem quier carregar, U ii de passagem, para o
i|uc lem bonscommodos, dirija-se aos seus consignata-
rios Mondes & Oliveira na ra da Cruz n. 9, ou ao
referido eapilao. 6
Saino o n. 19, e acba-se a venda na praca da Indo
pendencia livrarii n. 6. e 8.
OCL'VMOIl PUBLICO
Sabio o n. 18, eaclia-so a venda na praca da Inde-
pendencia livraria n. 6 e 8.
= 0 abaixoassignado, procurador bastante do novo
propriolarii da ferrara n. 7, da ra d i Ilrum ( quo loi
da viuva Seve& Filhes), faz publico quo sob sua direc-
eao continuao os traliallios da mesma officina : promet-
i servir hcui as pnssoas, quo ao dignaren mandar alli
fa/cr miii enconi non las, quo sei exeoutada com
perfeiclo, opromptidao: leudo o aiinuncianto admit-
li lo por meitre da mesma Caetano JosCoclho, o qual
nao tem ingerencia alguma as compras o vendas de
lerra,',ens,nos recebiuienlos ou pagamentos de dinheiros,
avisa ao pubico, quo nSo so re-ponsabilisa por qual-
quer debito conlrahido pelo mesmo meitro anterior,
ou posten.menle i dr.-cc i do inosmo annunciante,
pois que na sua ausencia loin alli seu sogro.o Sr. Manuel
Alvos da Silva,quo est autorisadopara receber c pagar o
que fiir tendente mesma ferrara. Joiquim oufalcet
Vieira (luimaitlet.
Pede-so ao Sr. inajor da 1.* linha P. D. F. a
restiluicao da quaulia do 80. rs., sold que receben da
thesouraria das tropas,no dia 3 do corrente, pertoncen-
te ao mez de maio prximo passado, quoS. S. pedio
por olizequo ao abaixo ossignado, sem o mnimo in-
teresse, do que llie passou um recibo com data de 6
de corrente, para o respectivo embolso : espora sedo
iifosmo Sr. inajor u do.da pinlualidade, alias ter o
desgosto do ver suu nome por extenso nos peridico; des-
ta cidade, para qu i outros nao sejo 15o facis como
foi o abaixo assignado.Manoel Jote de Magalhet
faslos.
1Joaquim Raptisla Moroira, cnsul do Portuga
nesta provincia, c agenlu da companhia brasileira de
paquetes de vapor, tendo-so retirado temporariamente
para Lisboa, c nao Ibe sendo possivcl despedir-sede
iodos os seus a:nigos, e aloicoados, em razao do piuco
lempo que tere, pede-Ibes desculpa; e summamente a-
gradecido pelos favores e delicadeza com que sompre o
bonriao os Pernambucanos, os Rrasileiros em geral,
eos seus compatriotas, so despedo de todos com viva
saudade e grata leinbranca, ollerccendo Ibes o seu dimi-
nuto prest mo em Portugal. (II
MfITO IMPORTASTE PARA O POVO DE PERNAMBCO
lilie espantoso o numero dos nossos aeuielbautea,
que cada anuo siicciiinbo molestias quo, se lossciii
tratadas slmplesinentc, scriao ainda vivos! Entre mis
estas molestias sao geralmenteapbtbjraica, catharroa,
ndigostao dyapepsln apoplexfa lebrel do toda a
especie, assim" como intermitientes, bilis, escarlatina,
gntta molestia do ligado picurea!, Inflaiumaces ,
paralisia, hydropesla, beckigaa, sarainpo, lombrfgaa,
aysenteria, crjraipclaa, inchassoa de pos c peinas,
beniorrboidas, fra as molestias do acnboras.
Monas deat inoleatias sao radicalmente curadas o
todas aliviadas com aquella celebre medicina popular
do Dr. Sncll c as pilulas vegetara do Dr. Biandictb.
Itocomiiieiidamos a todos os doontcs pois nao ie-
quor resguardo algiim. Na Inglaterra r nos Kslados
Unidos estas pilotas liio sido o nico remedio de me1
tas familias por longo lempo, tirando sempre o desoja-
do fim, reatabelecendo a aaiide.
Na coito o nas provnolas teoni nina extraccaomomio,
r sao receitadas por nimios dos mdicos mais babeis do
Brasil.
Acalia do ebegar urna nova porfO destas inv.iliia
veis pillas, aos nicos agentes para l'ornainbuco J.
Keller &C. o vcndoin-so nicamente porautnriaaclo dos
diios agentes, na liqiica francesa dos Sis. Saissot & ;.
na ra da Cruz n. 22, ao proco de Isllllll rs. cada caixinba
de ainlias as ijiialidadcs, advirlindo-se ao publico que
as nicas vordadeiras Diluas \cgetacs sao ciiibrulliad.is
no seu receituarlo, fechado com o sello rm lacro preto
dos unios agentes pelo Brasil no Kio do Janeiro.
2 : Picisa-sc de um caixeiro para tomar contado
urna padaria por bal -neo, dando fiador de sua conduta;
na ra da Senzalla-Velba n.i)8 (3
2=-Nodio V do corrente a lardo aclnirao-se 2 cavallos
na ruada Florentina, um selado, e nutro cni cangalba;
quem fr seu dono, dirija-se a estribara na mesma ra,
que, dando os signaes cortos, Ibo sera entregues, sondo
obrigado as dospe/as quo lizerein. (g
O secretario da sociedado theatral Melpomenense
avisa aos socios quo anianha, 8do corrente, lera lugra
reunan na casa da sociedado (na Passagem) para se pro-
ceder cleicao da nova dircrco as 4 horas da tarde. (4
5Aluga-se o segundo andar do sobrado n 43 na
ra daPraa com grandes commodos: a tratar no mes-
mo. (3
1 Manoel Joaquim Silveia transferio a sua resi
dencia para a ra Velha n. 61. 3
LOTERA
DO GUAIIELUPE.
As rodas d'csla lotera correr
mprcterivclmentc na vespera de
S. Antonio, menos que noesrie
a devoco a to glorioso Sanio. O
reslo dos bilheles ahi te aeha
venda nos lugares annuncia-
dos : a elles, e viva S. Antonio !
6Jos Mara Gootjalves Ramos lem
a satisfaco de annnnciar ao respeitavel
publico, e especialmente a seus amigos e
conliecidos, tanto desta praca, como de
dentro e de fra da provincia, que 'elle
acaba de abrir urna nova botica c casa de
drogas em a ra larga do llozario n. 12,
junto ao quartel do polica ( antiga ra
dos Quarteis).0 annunciante protesta, no
iescmpenho deseus deveres, precncher
fielmente a expeclacao do respeitavel pu-
blico. (3
i Aluga se urna casa com bom quintal e bando
atraz sita na travessa da Passagom passando a pri-
meira ponto ; a tratar na praga Ja Uo-Vista venda
n. 18. *
2 SOCIKDADE THEATB \L TAUENSE.
O primeiro secretario avisa aos Snrs socios que os
buhles para a recita do dia 7 do crrenlo dislrbu-
cin-se nos dias 5, 6 e 7 om casa do respectivo tbesou-
reiro na ra do (Jueimado n. 67; o mesmo faz scien-
to aos mesmos Son socios, quo o concclho so rene
sexta reir 6 do corrento, para approvario do convida-
dos. 8
3= Precisa-te de i bons olliciacs charuleiros; cm
Fra-do-Portas casan. 109. de Luiz Gon/aga. 2
3 Precisa-so litigar duas ou 3 pretas para vende-
rom na ra ; a tratar na ra da Praia n. 66. 2
3 Francisco Joe da Cosa embarca para o Rio da
Janeiro o ssu cscra\o Ruymundn. 2
3 Precisa-so aiugar pretas para vendercm na rua;
na rua V0II11 n. 110. 2
3 O abaixo assignado roga aoSr. Jos da Silva
Pereira que, no praao de 8 dias. baja de Ibe pagar a
quantia de 49/720 rs, que ibe ficou restando em lfc
de Jullio de 1842, e advrrto quo so nao atemonsa
do suas antearas ; pois be disimo a Dos: o posto quo
sua mare me nao quiz passar una leltra, talvez j com
a malicia de negar de que boje se serve, quo me nao
levo nada antes que eu sou o dovedor ; mas sua nicr-
cC san' muilo |'i t.iiin nte que ha tcsteinunhas de
conducta milito difirante da do Sr. Pereira para eu
justificar o ao mesmo lempo lar 1 sciento a quem o Sr.
Pereira tem dito, quo o abaixi assignado he he llo-
vedor de certa quantia e o Sr. Pereira querer inti-
mar de grande o bom pagador, que nSo paga, por
quo Ibe nao pa.'fio e gora rogo ao Sr. Pereira, como
ne nilo quer responder por cartas nem fallar pessoal-
mente responda por esta folba. Manoel Ferreira
do Valle. 15
3= Aluga-se a loja do sobrado da rua do Nogueira,
com muilo bons commodos caiada e pintada de novo,
com quintal o cacimba; na rua da Cruz n. 6, prmei-
ro andar. 4
3= Quem precisar de una orna secca para o serviro
interinr do urna casa do familia capaz a qual abona
a sua conduila dirija-se a rua da cadeia do Kecife n.
13, tercero andar, onde achar-se-ha com quem tratar.
4Arrenda-se um sobrado de dous andares e loja ,
na rua do Nogueira n. 19 muilo fresco e com boa
vista o commodos bastantes minio bein pintado; a-
renla-se nao s'i cada 11111 dos andares como a urna s
pessoa ; a tratar no Atierro da Boa-N ista com Manoel
Rodrigues Anjo. 5
2 SEN 1INEI.LA DA MONARCHIA.
. : ubscreve-se para esto peridico da opposicao da cor-
te, na livraria da praca du Independencia a razao de seis
mil res por semestre, do 1 do abril por diante, fa-
zendo-se logo entrega das folbas at a ultima data : na
mesma livraria so entregaran as folbas, que lrem che-
gando nao su aos novos subscriptores, como tambem 6-
quelles Sr., que o sao desde o 1. de Janeiro desto
anno
Os Srs. subscriptores quem faltar algum dos uume-
ros de 610 a 614, c de 622 624, pdem reclamal-os na
mesina livraria, tend a li miado de restituir os nme-
ros, que houvciem recebido duplicados. [14
2=Arrcnda-se um sitio nosQuatro-Cantos da estra-
da do Beln)) Irontoiro ao do Exm. Visconde de Goian-
na pelo lempo dea' annos a 200/rs. annuaes, dan-
do-so ao r ndeiro o primriro anno do fogo morto, obri-
gando-se a fazer, lindo elle, a completar dous annos ,
as obias que faltan no mesmo sitio como sejiio ; estri-
barla coebeira <|uarto para prctos tudo de podra e
cal c alguns repaios na casa do vivenda e no portan ,
cujas obras enirar. o em ajuste no preto do arrendamen-
lo ; o dito sitio tem boa cusa de vivenda,com solao, boa
Ierra arvores de fruto cacimba com boa agoa, todo
cercado de limio, e porto; a quem convier dito arren-
damento, dirija-se a rua do Colirgio 11. 10. primeiro
andar 12
2Hoga-se ao Sr. Joo Joquim tabello queira ap-
parecer na rua Direita venda n. 72 para concluir o
negocio que n3o ignora. 3
2 Lava-so c engomma-so com asseio e por muilo
barato prego ; na rua de S. Rila da parto da ribeira .
n. 15, segundo andar. 3
as Na rua d s Trini-boiras casa terrea n. 25 f -
zem se bolos do S. Joao, com capellas de allinim, e I 0-
linhos do todas as qualidades ; tudo muilo bem feito ,
p r prego com modo.
Avisa-se ao Sr. Scrafiui Alves da Rocha Rocha ,
que venha buscar o seu chapeo boje al 6 horas da
larde do contrario sera vendido pela quanlia de 14A0
rs. para pagamento do que vmc nao ignora.
ss Precisa se de um caixeiro de 10 a 14 annos, pa-
ra urna venda na Soledade n 5 e na mesma precisa-
se de urna criada Portugueza.


wmmmmm
A
ttiEMIATICA
0 prmeiro secretarlo ovisa aos Srs. socios, que hoje,
pelas G lloras e meia ila tarde ha sessao cm lt';; r ib
|ue dcixou de baver no primeiro do crrente.
Quem aununcio'j querer comprar urna rolhor de
soupa u de arroi c urna Cunccicuu deuuro dirja-
se as Cinco-pontas n. 45.
Koga-se a quem compelir de I'atcr
clt'erlivo o scguinte arligo das posturas
nunicipaes.
O moradur da Hibcira.
Ar. 7. Nao s poder,.Oestabelcccr paitaras Jentro
da cidade e smente nosseus arrabaldcs excepto as
existentes, cujos Tornos forcm collocados as quintaos,
u moitrarem por exame da saude e fiscal do bairo ,
t|UO nao incommodSo a visinbanca com o calor e fumo;
as refinarias do assucar cdestilaccs do agoas-arden-
tes o outros espirito* ,* ficto em ludo subjeltas as mes-
illas disposirO s. Os contraventores sor multados en
20* n. aleui da demolicao dos fornos a sua custa.
O NAZARENO N 101.
Tendo deixado de sabir no da dous por faltar tin-
ta a qual agora hr que s' arranjou estar a venda
ai> iiicio dia inda com Biliaria do interesso ; mas ve
I lia. O n. Kguioto ira rr-flcioei sobre a actualdade.
1 Quein precisar deum oflicial de pliarmacia tn
nuncio para ser procurado. S
1 OlTcreco se lima ama com muito bom leite, para
triar; qiiem a precisar dirija-scu ra da Scnzalla-\e
Iba n. 70 3
1^ Prcrisa-se de un bomem que esteja habilita
do a fabricar fazsndli, pelo mostr metliodo que se
fabrieo nn Porto p pin Lisboa : o que se adiar nestas
rircumstaucioi dirjase a prara da Independencia n.
'i. para tratar de sen engaj i u.cnto. E
1= Rogase aos Sra deengenhose as autoridades
policiaes do Sul, Centro o Norte que apprebendao em
nlguns dos seas espectivos districtu um molequo de
nomo Gaspar com idade pouco mais ou menos de 20
unnos do nacao I.oanda assemolhamb.-se 0 crioulo ,
por ter viudo pequeo ; levou caifas de panno preto .
vellias cami-a do al^oilao azul aiiiericano ; ausentou-
se no da 2 do crranle; be d medisnna estatura tem
ofirTel figura sabe contar mutii historias : queiro
apprebcn lel-o e remelllo u Fortunato l'erera da
Fooscci IS.istos, na ra do Crespo dosta cidade; o
i;ual se obriga por esta declararlo a pagar qrjaewiuer
ilespzas, que se facSocom es-a npprcbencao de cu
jo obsequio protesta o aiinuncianle ser eternamente
agradecido. 12
1=0 Sr. cliee de polica desla provincia precisa fal-
lar ao Snr. Jos Alexandre da Costa que morou na
ra du 8. Hila Nova sobre negocio de sen inleresse.
1Aluga-se urna preta para o servico de uina casa ,
os.u'ia lava cpngomiiia muito em cont, com tan-
to quo nio saia a ra ; na ra das Cruzcs n. 30. 3
Compras.
escuras bretanba lina do puro linho a (510 rs. a va-
ra esguto da melhor qualdade do verdadeiro linho
lino a l.siiii rs. a vara c ssa do quadros para babados
a 3 rs. a peca cortes de vestidos de seda com flores a
:;(!./ i!,, ii c.irte mu rica lasenda sarja hespanhola
multoencorpada a aJIlO e 2500 rs. o covado, cambraias
lisas muito finas, de vara o tanto de largura a 600 e
800 rs. a vara riscadiuhns trancados a 20 rs. o cova-
do ; adverlindo aos compradores que todas estas la-
sendas sao limpas e de muito boas qualidados slm
do outras multas fasendas por barato preco ; na ra do
Collegio d. I, loja de Antonio de Azevedu Villarouco &
Irmio. 30
t.'i Vendem-sc lindos cortes de chal do mrlhor goi-
to a io^ rs. o corte, com listras de seda cambraias
de listras adamascadas a Su rs. a vara chitas france-
sas muito Anas do vara de largura e de bonitos pa-
drees a 4(0 rs. o covado, escocei de algodio para ves-
tido a 30U rs. o covado brim trancado de superior
qualidade muito encorpado sendo de puro linho, a
1400 rs. a vara ; na ra do Collegio n. 1, loja de Anto-
nio de Azevedo Villarouco A,' IrmSo. 9
GVonde-se muito bom milho um saccas por ba-
rato proco ; no deposito de farinha do mandioca, na
ra 5 Yende-se toda a qualidade do pedra de canta-
ra lavrada e de muito boa qualidade ; e bota-so cm
qualquer obra, que so ajusfar a 700 rs. o palmo ; na
ra Imperial n. (> I. ou na travessa do Lima n. 1. 4
4 Yuude-sesal de Lisboa, em grandes e pequea
portos; na ra da Moeda i armazem n. 7. 2
4 Veude-sefarelo em barricas vindo de Lisboa ,
ao ha roto preco de 4500 rs. ; nos armauoi do Bra-
guez ao p do arco da Conceiio e de Antonio A-
iles no largo da Alfandoga. -i
Nos armazens de Das Ferreir, ao p da Alfan-
dega e na ra da Moeda n. 7 conlinuao so a vender
barris de superior linho da Figueira. 3
4 Yende-sc cera de carnauba ; na ra da Madre
de Dos loja do Cunda. 2
3Yende-so urna escrava crioula recolhida,do boni-
ta figura boa ongommadeira cozinheira costure
ra tanto liso como la lavarinto c he lavadeira tan-
to de vunella como do sabao, o ptima para casa do
familia ; na ra estrella de losario n. 30, segundo
indar. 6
3 Vende-se umr, negrinbo de naci do Angola,
do 15 annos, de bonita figura, < ngomma liso,coso chao,
cozioha lava che ptima quitumleira ; urna negri-
nha de 12 annos, muito linda ; duas escravas de na-
1 as Compra-so lima casa terrr a com quintal sen-
do as ras seguintcs : Atierro da l$oa-\ista, praja
de da dita Arago, Conccicao e praca da S. Cruz ;
a tratar na ra do Arago n. 4 A
ICompra-sc n obra de Moral pelo hispo Monte;
quem tiver anuunci.1. 2
1 Conipra-se urna balam-a grande quo sirva para
padaria que teja usada e com seus competentes pe-
sos ; quem livor annuncie pira ser procurado. 2
1Na ruada Cud'.ia do Recito n. 4u compra-so e
paga-se bom una escrava da boa figura 0 que laja pe-
rila costurara e engomoiideira. 3
1 CompraO-se para fra da provincia cscravos do
1 i a 0 annos sendo bonitos, pag8o*se bem ; na rila
da Cadeia de S. Antonio sobrado de um andar de va-
iainla do pao n. 20 -1
Compra-so um casco de sellm ingle/ ou france/.
da mesiiia forma o estando em bom citado ; quem li-
vor annuncio.
Compra-se um mclliodo para piano composlo
por Joan Augosto 15 ihrrc ; na ra larga do lo/ario ,
junto ao quartel de polica, n. 18.
4 Compra-se nina colherdc prala de le de tirar
soupa, urna dita de tirar arroz o urna imagem pe
quena da GonceiclO, de ouro pura [escoro de me-
nino, ludo seni fetio ; quem livor annuncie para ser
procurado. 5
cao mocas c de boas figuras para lodo o servico ; 1
iiinlecotc de 16 annos, proprio para todo o servico ;
um uulatinbo do 10 annos ptimo para pagein ; um
escravo de Angola de Otoos, bom canoeiro ; um
jilo do 40 anuos para o servico de campo, por 350,000
rs. : na ra das Cruzcs n. 41, segundo andar. 8
3 Vende-sea obra de I hool giu Moral pelo bispo
Monte ; na ra do Passeio Publico n. 13, 2
3-= \ endom-so quartaos novel e bem carnudos; na
a da Conceicio da lioa vista n. CU 2
3Vendo-se por preoisio urna preta que paga
OOrs. por dia, pelop:ecodo 350,000 rs, ; na ru
daVell.an. 119. 3
V3 Vendem-se 01 seguntcs livros: Solela, fbu-
las de l'hedio ; Saluslio ; Horacio .'
-' v.
geogruphia
Vendas.
2=: \ endem-sc na livraria da praca da Indepen-
dencia ns. 0 o8 ossi'guiules livros: Sontencus es-
pirituses, 4 v. ; Historia abreviada da religiao i v. ;
Retrato da mor 1 v. ; Goso de si mesiiio 1 v. ;
Grande/a d'A'ma, 1 v. ; lt 1 v. ; Cliri-t i do lempo presente 1 v ; Carcter da
BBMSadPi 1 v.; \ eri'adeiros interesses da patria, 1 v. ;
Agricultura simplificada, 1 v.; Universo inigmatico, 1
v.; Liogoagem da religiio 1 v. ; L'nio da philoso-
phia com a moral, 1 v ; os Amores de Napobao com
eslampas, 1 v ; Mfabetoda malicia das mulberes I
v ; Sunimaro da [libliuleei Lusitana, A v. ; Dcadas
de Marros c Couto, 24 v 13
SO ATTBNCAOI
Vende sea 140 c JO rs. o covado docilita di-
tas Anas escuras a 220 rs o covado chila a 140 rs, o
covado. madapi.lo a 150 e 180 rs. a vara, ditos li-
nos a 200. S20 o 2'iO rs. pannos finos preios e azues a
2S00 rs. o covado de una linda vista, sertindo o pri-
meiro para pannos de prclas o o segundo para farda
ment de pauem netos dalos da eisia de quadros a
360 rs. ..corles de laminha de bonitos padroes a 3200
rs. de 15 corados, algoao trancado atul mesclado a
'IkO rs. o covado zuite azul de vara de largura a Si
rs. o covado muito boa (azenda para preios, lencos de
cassa pintada a )60 rs. algodo liso de muito bd
qualidade a 160 rs. a vara dito americano largo a asartl
rs. a rara mullo encorpado casimiras de quadros de
bom gnsto para calcas a 1200 rs. o covado castores,
ou riscados trancados de quadros a 210 rs. o covado de
muito bom gusto para calcas pecas de brtlanfia d
rolo a 1800 rs. ditas do madapoln a i800e 400 rs.,
lllos Unos a \#, 4200 e 4600 rs. aptea. medraste fino a
S- o 40O a peca, ditas de chitas a 50O,;5o00e fi/rs.,
do Gaulticr ; diccionario francez por Constancio, 2
v. ; historia sagrada ; as cartas geographicas em pon-
grande : no paleo do Carino n. 3. 6
3 \ ende-s urna venda em muito bom local o bom
afreguezada a dinbeiro, ou melado a prazo por mo-
tilo do dono ser ohrigado a sabir desla praca em ra
zau do man oslado do sua saude ; ou se d sociedade a
pessoa, que entre com algum lunde ; o ta nbem se en-
trega por balando a um caixeiro que di> fiador a sua
.mi Un t,i e d.i-se bom ordenado ; na ra de Agoas-
Yerd s n. 40, so dir 8
3 \ cride-so um mulatinbo de 14 annos do idade ,
muito proprio para pagein ou para oulra qualquer
occupaiao ; na ra da Cadcia-\ elha n. 29. 3
2Vendem se saccas com arroz de casca ditas com
milho, rotlos prop/ios para barbeiro, cera amarella;
na venda da esquina da ra larga do lio/ano quo vol
ta para a polica. 3
2 Yendcm-se dous barris com muito bom azeite
do coco por prcc;o commedo ; urna canfla nova do
carreira ; tambem se vendo barato : na ra do Cabllga,
loja que loi do Sr. liandeira A
3 fom e barato.
\cndem-se na ra do Queimado lujas de
niiudezas junto a ra do Ilangel, ns. 53 e 07 spa-
los de marroquim para meninos a 560 rs. ditos para
senhora a 1280rs. ditos decouro do lustro para meni-
nos a 720 e 800 rs.,-ditos maiores a 2j' rs. ditos pa-
ra senhora a 2100 rs., ditos de duraque a 800 rs. di-
tos do setim brancoe do cr a 2000 rs. dilos de pan-
no para homcm o senhora dilos do marroquim bor-
zeguim para senhora a 4000 rs., dilos para homem e
0100 e 7000 rs. carteiras para algibeira a 240 320,
400, 610 c 800 rs. luvasi'e seda curtas para senhora
a 660 e 1000 rs. ditas compridas a 1600 rs. ditas
de lio da Escocia para homem a 6i0 rs. ditas de algo-
do de ries para homem e senhora a 520, 400 e 640
rs., meias de algodo prelas para senhora a 440 rs. ,
ditas par padre a 610 rs, inoias de algodao aborta-
muito finas para senhora a S00 rs. luvas de pellica pa-
ra bomem o 1000 rs. ditas para senhora 1280 rs..
ditas compridas a 2000 rs ditas com onleites a 3600
rs. chapeos de coros pora senhora a 4i 5Se 6 rs. ,
caixos de flores para dilos o para cabeca fitas lisas e
lanadas de seda lencos de soda preios para grvala a
2560, 5/o 7500 n. ditos de cores a 5000 rs. bonos
para meninos a 1200, 1300 e 1400 rs., ditos para ho-
mem a 1760 rs. Icques muilo superiores do seda c
de papel a 'M, 3500 o 4000 rs pentes de marfim pa-
ro alisara 1200, 1400e 1600 rs, superiores bengalas de
canna a 2560 e 36d0 rs. aljofares, franja du relroz
do cores linba de carretel branca a 240 rs. a duzia
papel do machina a 2800 o 3500 rs. dito de peso a 3 rs. um complot) sortiinentode eslampas de papel pa
ra encaixlhar, quadros de papclo a 60, 80, 100. 150,
200, 300 e 500 rs. balaios para meninas, de diverso.
adroes a 200 rs. bons do palbinha piulados a 2000
rs. agulhas Irancezas cm caixinhas e carleiras u 320 e
400 rs. brin 'os o penles dourados perfumaras de
todas as qualidades, o um completo sortimento de miu-
peas por proco mais commodo do que cm oulra qual-
quer parle 36
2 Vcndcm-so dous escruvos que forao do cam-
po mui bons trabalbadores pesiantes e sem dofei-
'os; na ra do Yigario, armarem de assucar n. 22. (2
2 Vende se o sobrado n. 7, na Iravessa da Madre
de Dos de dous andares o sotao em chaos livros a
dinbeiro. ou a prar.o ; a tratar na ra da Cruz n. 50.
2 Yende-se urna porcio de saceos vasios novo.\
quoservem para farinha ou para assucar ; em casa de
II. Mebrtcns, na ra da Cruz n. 46, primeiro andar. (5
2- Vende so cera lavrada para grojas em cairas
do 180 libras cada urna e com um sortimento do velas
desdo meia libra at 16 om libra cada caixa ; no ar-
mazn) de assucar na ra da Senzalla-Vi llia n. 110.
2= Yende-se urna escrava crioula de 22 annos, mui-
to bonita (gura laz todo o servico de urna casa, Ira
bslliade enxada ; na ra da Senzalla-Velba n. 112 ,
primeiro andar. 4
2 Y ende-se urna cama de angico, moderna e bem
foita ; na ra das Larangeiraa n. 17. 3
^2Vondem-se, por mdico preco, as obras segun-
tcs dictionaire classique de bisloire nalurclle ; An-
glada traite de toxicologie genrale ; Guibourt, bis-
toiro abrego de drogues simples; Berzelius traite de
chimic publie cm 1839 par 15 Valerius; Rispail ,
iliimic organiquo ; Alpbonse Decandolle traite ele-
mentare de botanique ; Arsenno Thiebaut do Itor-
neaud traite olementaire de botanique el phyziologie
vegetale; R. ,Nouveauxelomens de botanique etde phy-
siologie vegetale ; Loureiro Flora Cocbinensis, princi-
pios elementares de botnica por Lindley traduzi-
dosdo inglez por A. J. Gomes; Magendie formuairc
manual do chimica divertida ; Porto Real gramma-
tica grega ; compendio do botnica por Serpa liudo-
re liourdon ; pbrcnologio et pbysiognomie ; Constan-
cio diccionario francez e portuguoz, e vico versa ;
Meral el elens, dictionaire universel do matiere me-
dcale el de tberapeutiquo genralo ; jomaos da socieda-
de pharmacoutica luzitana o segundo tolume com-
pleto, com mais alguns nmeros avulsos o parle do
terceiro volume : todas estas obras sao novissimas, con-
tento quasi todas bellissimas eslampas : na ra larga do
Roza rio botica n. 36. 20
2= Vende se urna escrava lavadeira quitandeirae
cozinba o diario do urna casa; na ra da Paz n. 8. (2
2 Narciso Jos da Costa anda tem alguns cortes do
eslamenha para habito de tere iro franciscano, para
vender. 3
2 Yendo se ums mulatinha do idade de 13 a 14
anuos muito ada e de bonita figura ; nt> ra do
Collegio n. 1, loja de Antonio de Azevedo Villarouco
& Irmao, 5
2 \ endem-se dous moloques de idade de 14 an-
nos cozinbao bem o diario de urna casa ; duas escra-
vas de 18 annos boasengommadeiras o cosem ; um
mulatinbo bom carri iro do dado do 18 annos; 4 cs-
cravos do nac3o ; duas escravas quitandeiras e co/.inbei-
ras de idade de 28 annos, na ru Direita n. 6
1 .--Vende se urna boa mesa de janlar o um apa-
rador por preco commodo ; na ra Nova loja de
Irastcsn 67. 3
1 Vendo se urna parda moca boa costurelra en-
gommadeJra c cosinlieira com um filho de tro/ annos
ile dedo ; na ra Nova n. 67 primeiro andar. 3
1 =.\ ende-se um preto da Costa de bonita figura ,
du idade do 25 annos ; \cnde-so por motivos que se di-
r.'ii ao comprador, para cngenbo ou para fra da pro-
vincia por preco muito barato ; as Cinco-Pontas
n. 154 5
1Vende-seam guarda-roupa um guarda louca,
um trem com espelho e urna cadeirinba de Jacaranda
para menina de escola ; na ra Imperial n 27. 3
las Vendo-so urna casa torrea de laipa muito bem
feita coberla do telha o ladrilhada na ra da Cobra
em Pedras-de-Fogo por prego commodo ; no Atier-
ro da Boa-Vista fabrica do licores n. 26. A
1= Vendo-so um torrador e um moinbo grande pa-
ra moer caf ; na ra do Amorim n. 36. 2
1 Attenso l
--Na ra do Quoimado loja do miudezas n. 24 ,
vendo-so marroquim encarnado o azul a 1600 rs. o
pille o verdo o emarello a 1550 rs., o outras muitas
miudezaspor mais cummodo preco do que om oulra
qualquer parlo, como os comprapores poderaG indagar
o preco cm qua!quor parte, so o proco da dita ser mais
barato ou nao. 8
>.1=A cnao-se um atlas geograpbco; historia univer-
sal por Uossuct; Virgilio em latim 3 v. ; pbilosophia
do (eruzez ; burro do .Salustio ; grammalica franceza
por Serene os Luziadas do Cainoes; nova grammali-
ca da lin.'Oa ingiera e portugueza ; novo methodo rio
Antonio Pcreirc; Horacio, I v. 500 rs ; no palco
do Carmo n. 3. 7
1 Vendo-so potassa russiana de superior qualida-
de em barris pequeos; na ra da Cadeia do Recifo ,
armszcm n. 12. 3
1 Yende-se urna preta ama de leite com urna
cria muilo bonita ; duas ditas de lodo o servico de
bonitas figuras; um preto canoeiro do 22 annos; um
preto muito reforjado o proprio para campo padaria
ou armazem do assucar ; urna preta por 200^ rs. : na
ra Dirrita n. 81. 6
1 Vendc-se urna cabra com muito bom leite por
preco commodo: no largo do N. S. do Terco n. 16. (2
1 \ ende-se mu molcco crioulo, do 18 annos, bo-
nita figura sem vicios nem achaques o he bom olfi-
cial de pedieiro ; com a condicao de sor embarcado pa-
ra fra da provincia : na ra da Aurora n. 42 segun-
do andar, se dir quem vende, g
1\ ende-se una venda com poucos fundos e bem
afreguezada para a Ierra ; a casa (om commodos pa-
ra familia ; a tratar na ra de S. Rila n. 7 ou na ra
Nova venda n. 65. A
1 Vende-se a venda da ra Nova n. 50, na esqui-
na da ra de S. Amaro ; a tratar na ra da Cruz n. 46
** A rica Iraducciio do Cliristo pe-
ra n le o secutopelo Ur. Lopes de Mou-
ra que lia lido tao copiosa extraeco
cSo atrasada ( a 5.' ou 6 *); e por isso ja nao podo ex-
primir (So fielmente as opinioes o senlimontos, que do-
minavio o autor ao lempo da edicao quo inculcamos.
Alguns ligeiroserros typngraphicos quo nom se quer
interrompem ocurso da lelura devem ser desculpa-
do* om impressSes oxeculidas no eslrangeiro. aes Pro-
co 48000 rs. 23
1 Vendo-se ums mulatinha do 14 annos, muito
linda cose bem ; duas prelas do 12 a 16 annos, com
habilidades; urna negrinha de 10 annos, tambem co-
se ; 3 moloques pecas de idade de 17 annos ; 2 pre-
ios de 22 annos proprios para padaria ; urna negri-
nha da Costa de 12 annos, mullo ladina ; urna pre-
ta de 30 annos por 3008 rs., quo sabe cozinhar bem;
na ra das Flores n. 21. 8
i Vende-se um escravo do nacao Baca de 38 an-
nos de idsde ; na ra dasCruzes n. 11. 2
1 Vendo-so salame de Uolonha, presuntos ingle-
zos, queijos londrinos muito frescaos mustarda ingle
ii, viuboXerry de superior qualidade vinbo branco
francez, Haut-barsae, Saulerncs, Precgnac, de diver-
sos precos, vinbo do Rheno superior vinbo do Por-
to e de (odas as qualidades, conservas inglezas e fran-
cezas, licor marraschino, o oulros objectos por pre-
co commodo, charutos regala e famaavOi, do 10- .-
358 rs. o mlbeiro o cm porco mais barato ; em ca-
sa de Fernando de Lueca ra do Trapiche n. 4. 8
Vende-se um cavallo pequeo bom carregador ,
e muilo novo ; na ra Novj, loja n. 28, de Antonio F.
(\ Braga.
Vondem-se duas codeiras de bracos, bem fcitai,
e de angico por preco commodo ; na ra de ylgoas-
Vcrdes n. 38 proprio para homem ou senhora.
Ve \ ende-se ums historia do Inglaterra o um dic-
cionario em francez em muito bom uso, por barato
preco; na praca da Independencia, livraria ns. 6o 8
Vende-se, por preco commodo no A (trro da
Boa-Vista, loja n 12, o seguinte : um guarda-louca
envidracado varas mesas, cadeiras um canap, um
banbeirn urna cama do armacao mangas de vidro ,
urna carteira de urna facH dous metbodos de rahece,
dous ditos de violao quadros, e frascos para licor, o
uina marqueza tudo em meio uso.
Vendem-se dous bicudos muilo cantadores, e 2
craveiros : na travessa da ra da Cadeia para a ra do
Vicario indo da esquina do Pitomba sobrado da
esquina da ra do Encantamento primeiro andar, por
cima de um barbeiro.
Vendem-se 40 apolices do encanamento das agoas,
tendo-so pago at 46 por cont : na loja ds esquina do
da ra do Crespo, que vira pora a do Quoimado, so
dir quem vende.
- Vende-se um excediente terreno na ra Augus-
ta com 60 palmos de fri nte junio a casa nova do
Sr. Andr : no Atierro da lioa-vsta loja do so-
leiro.
Vende-se urna bonita escrava de idade de 20 an-
nos boa engommadoira co/inhera o costuieira ; 'i
ditas para todo o servido por preco commi do ; um
pardo de idado de 18 annos por preciso, por seu do-
no se retirar he ofiiclal de pedreiro o bom mestre de
assucar tem bonita figura ; um bom escravo som o
menor defeilo o be offioial de,csrpna ; dous escravos
de naci Angola de bonitas/ figu-as de idade'de 20
a 22 annos ; na ra de Agoas 'Verdes n. 46.
Vende-se leile puro sem mistura a
Go n'is a garrafa ; na loja de tonca da es-
quina da ra da Aurora, das G horas em
vante do dia 8 do crente.
N Cliegou por esle ultimo vapor do
llio de Janeiro a muito rccominenduvel
obra intitulada o Jadeo Errante,
assini como tambem o muito interessan-
te folhetitn intitulado o Fadrasto :
vendem-se na roa da Cruz do Uecife\
n. ao, em casa de Avrial limaos.
Vende-se farelo, pelo mdico pre-
co de 3ooo e 5ooo rs. ; na ra da Sen-
zalla-Velha n. i38. 4
Escravos Fgidos
nostesdias continua a vender-se na livraria da esqui-
na da ra do Collegio cujo proprietan'o alludindo ao
annuncio inserto hontem nesle Diario declara que
esta (raduccao est restrictamente conforme com a XIV
recento cdicio de Parz: por lano os erros e saltos ,
que a ignorancia ou a malicia prelendeo enxergar na
lraducrio nao s8o sonio suppresscs o emendas feita*
pelo proprio autor nesla ultima edicto qual se elo-
gio como dovia o distinelo traductor Miura.
Adverte-so oulro aim aos assignantes da traduccao
Colafo que sobre nSo poder esta rompr-tir, debaiio
de respeito algum coma tradcelo Moma, (cm del
mais o deleito de baver sido Irabalb&da sobre urna edi
3Fugio ou furlarao o rnolequo Julio, em 25
do Agoslodo 1813, bem conbecido que venda can-
gica de nac3o Ucnguela secco do corpo, meio fulo ,
do 14 annos pouco mais ou menos, (em o embigo
muito grande com um taquinbo tirado na pona do
urna orelba ; quem o pegar leve a ra da Guia a seu
sonlior Manuel A ulero de Suu/a Ileis quesera recom-
pensado. 8
3 Ainda anda fgido, ou furtado o escravo do no-
mo Jacinto de nacao Itcbolo do 22 annos, de bonita
figura bem preto com urna marca no peito esquerdo
a imitacio do urna ancora falla meia descansada, to-
ma bastante tabaco ; fugio a 20 de Maio do 1811:
quem o pegar leve a ra da Guia asa de 3 andares
n. 53, quo recebera 100/ de gratificacao, do scu senhor
Manuel Antcro do Souza Res. 8
1 Fugio, ha 2 para 3 mezes, um preto do nome
Joo de nacao Cacange de idade de 36 annos, pou-
co mais ou monos, estatura regular grosso do corpo,
pernas meias arqueadas, os tornozelos dos ps fovoiros,
falto de um a dous denles na Irente da paito superior;
recommenda-sc a qualquer pessoa particular, ou au-
tordade policial do o pegar o levar a ra do Quoimado
n. 24 que ser recompensado. 8
1- No da primeiro de Junho do corrente desappa-
receo da casa do abaixo assignado um escravo do no-
nio Abraa ladino talla a lingoa portugueza de na
Cao Mocamhiquo de boa estatura, grossura regulcr,
prelo denles pequeos e esponlados ps grandes e
lanos e os signaos mais dislinclos quo lem sao os se-
guintos-------O oostos sobre os peitos ; O qual loi
sedujido porquo nunca fugio o nem huuvo molivos
para isso ; levou camisa e ceroulas de algodao inglez:
quem der noticias do dilo escravo eu o lovsr a seu se-
ndorna ra Nova casa da esquina que volta para a
ra do Sol, ou na sua prodriedade da (hura quo lea
HHWr. de gratificacao. = /)in/s Antonio de Moran
Jnior. 11
PF.RN.
NATTP- OE a. F. DE FAMA. ib/j.
MUTIL>


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHHHLONA7_ENTXVK INGEST_TIME 2013-04-13T03:18:37Z PACKAGE AA00011611_05360
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES