Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05359


This item is only available as the following downloads:


Full Text
T
Anno de l&fft
Sexta fera A
O DIAHIO publica-so todos os das que
uo forcm de guarda: o piejo da assigna-
turahe dcdy rs. por quartel pago adiantados.
Os nnniincios dos assignantes sao inseridos
.-i raiffu di: 2<) res por linha, 40 rs. cm typo
diiTerente, o as repetido n pela metade.
O qaenSo forero assignantet pagao 80 rs.
por Unlia, c l(i) cm typo dlfferente.
PIUSKS DA. UTA NO MEZ DE JUM10.
I.ua nova a \ as 10 li. c S min. da larde.
Crescente a 13 a 1 lior. o 2-1 min. da man.
Iiiia obela a lOasShor. c 5S min. di tarde.
JMingoantc a 2'i a 1 hor. e 7 min. da tarde.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Goianna Paraliyba, e Rio Grande do Norte
Segundas < Sextas feiraa.
Cabo, Serinharin, Itio Formoso, Porto Cal-
va, e Maccy, no 1 11 c 21 de cada mcz.,
Garauliiins c Honito a 10 e 24.
Boa-Vista c Flores a 13 e 28.
Victoria Quintas feiras.
01 inda todos os dias.
de Jim ho.
Anno XXI N. 125.
PREAMARDEHOJE.
Primcira a (i li. e min. da inaiilia.
Segunda aG li. e 30 minutos da tarde.
DAS DA SEMANA.
M,1 8 Segunda S. Marcrllino aud. do J. de
V/^ D. da 2. v., e do J. M. da 2. v.
[}]/' 3 Terca o. Paula, aud. do J. de 1>. da 1. v,
edo J. dos l'eitos.
\ Quarta S. Querlno, aud. do J. de Di-
reito da 3. vara.
5 Quinta S. Marciano aud. doJui/. de Di-
rcito da 2. vara, e do J. M. da 1. e 2. v.
G Sexta S. Noberlo, aud. do J. de Dircito
da 1. vara, e do Juit dos Fritos.
7 Sabbado S. Roberto, aud. do J. de Di-
rcito da 2. vara.
8 Domingo S. Salusliauo.
CAMBIOS NO DA 5 DE JUSTO.
Cambio sobre Londres.....25 '/
Parta 372 ria por Tranco.
i> Lisboa 120 por 100 de preni.
Dse, de let. de boas firmas 1 '/, I '/. p */.
Oiiro Ornas hesmiiholaa 31/500 a "31/800
Moed i do (tylOI) vel. 17^500 a 17^800
de 0/400 uov. 17^100 a 17/500
de 4/000 WJ'IO a 9/690
Prala Palaccs .... 1%0 a l/!t80
Petos Colomnaret. I #080 a 2#OOo
Ditos Mexicanos 1/940 a 1/MiO
Mocdas de 2 patac. 1/280 a 1/300
Acedes da C do Bcberibe 50/000
._ -. ...
-
_____PARTE OFFIC3AL. _
Governo da Provincia.
Illm. c Exm. Sr. Sendo informado pelos fabricantes
Pcrkins Baoon & C." que cm suaa naos pararan dnas
ola falsa, do valor de 20,000 o 100,000 rs. respecti-
vamente, cncarrcguci-us de sobre ellas ilar-me o seu pa-
recer; c prcslando-sc obsequiosameiite fiesta min lia ru-
galira dirigirn-inca carta deque tenho ora n honra de
transiiiitlir a V. Ex. a tradcelo inclusa para que delta
j>os8a V. Ex. ratero oso quo jolgar conveniente.
Dos guarde a V. Ex. Londres ero 27 de marco de
IS'lS. Illm. e Exm. Sr. presidcnlo da provincia de
Pernanibuco. Jos Marques Liiboa.
N. G0 Fleet Street, 12 de narco de IS'i.
Scnlior Ja vos informamos que Mr. Mow, respei-
tavel COmineroiaote de Liverpool, nos enviara iluas no-
tas do 100,000 rs., e duuH do 20,000 rs. peguntndo-
nos acalguma, va todas ellas erto falsas: agora, eoino
nos pedio o secretario de V. Ex. temos a honra de fuer
sobre ellas o seguintu relatarlo.
Quanto s notas de 100,000 rs. a de O. 16334 he gc-
iiuinn, o a de ii. S94G, marcada enm um sello seceo, que
conlcn aspalavras Decreto de23 deOutubro de 1839,"
be falsa.
Observamos i." Que a npparencia geral da ultima
be fracs, paluda, sem osracter, nem aniraao&o.
2. As partes pretas ou preeminentes, como as le-
tras insiusculas pretas da tarja 'shadovv sides), sao na i
raras na nota falsa do que na verdadeira, c muito defui-
tuosas.
3. A vinheta na nota original lio forte eanimada,
nmostra bsm os claros eescures; mas na falsa hefracae
sem relevo.
A. As lettras da assignatura nesta nota san mata re-
gulares, encor|iadiis, e uiiiiorcs do que iiaquella. Todos
estes f.ictns sao colllidos do una inspeceo geral da nota
mas, f.uendu-se um exnine minucioso dola, apparcccm
uniros, que pruvu siin filsidade: mencionaremos al-
guns deltas.
b\" Os pontos pretos formados pela interscpclo das
linhas do torneado (lalheworkj as tarjas (borders; do
rimo o base alo senipre mata pequeos na nota falsa do
que na outra.
0.0 O nesta he geralmento dcssoiiiclhante do da-
quells.
7. r-Ooo da vinhela na nota falsa termina sbita-
mente, c quasi eni linha recia, mas na verdadeira em
curva, c nao de subito.
S." A" janellas dos doiis edificios, no extremo d-
reito, slo defbituosas cm numero o apparenoin na nota
falsa.
9. Na monlanlia do lado dircilo e esquerda da
arvoro ha cm o nots falsa urna oondeiisac&o muito mait
saliente do que na original.
10. Os cachos de uvas lio mu o res nesta do que
naquclla,
11. A escripia miuda do fundo siennp writing),
onde l"i retocada pido buril, he muito irregular < ai-
iiinisa, e, do mais dissu, he no todo mata pequea en
appari neis na notS falsa do que na verdadeira.
12. Ncnhnms das letras dapalavra Decretos ho,
na iniilaclo, igual s da unta boa, e o II he muito dille-
rente, o menor.
43. A nota fulja he mais pequea, mas nao muito,
du que a vi iilailcira.
Quanto asile 20,000 rs. u imitaran he niclbur do que
lias de 100,000 rs mas a nota u. 3031 he verdadeira,
es n. 23397 falsa. Observaremos ueste casu :
i." Que i mita stslsa lie mais cumplida do que a ver-
dadeira, puta, dubruudu se o papel nu sen comprman-
lo polo moiods tarja superior, o depota oallucnnde-se os
nlgarlsmos 20 da exlreinidado de urna nota sobre u outra
de modo que coincidan, ellos na casara' un outra ex-
tremidad!-, cuino devein fuer mu aproximadamente cm
tollas is boas notas.
2." O papel da nota falsa lie limito frunzino, cuan
< OOOrpado e firme como O bom papel de notas do banco,
e um entendedor o descubrira aplpando-n anda as es-
curas.
3. A escripia miuda no centro da nota falsa he
muito mais irregular e menor do que a da nula verdadei-
ra ; e enm elleilu lia nesta una igiialdudo de cor que se
nao nudo acbar na outra, o quo urna lente dcsoobririi
instantneamente.
4 o No t em Thcsouro s be visivel um traen dos
lettras do fundo 'slump lellers mais na boa unta ha dous
no centro dai|iiellu lellra.
5. As lettras do fundo que fico entre o lt eo A em
Pagar sao na nota falsa dessemelliantes dos da verda-
deira.
G. O centro do ultimo A em Pagar he na bot nu-
la dnas Vetes niaior do que na outra.
7." O ciiuo du rf cm devinto lie nesta muito mais
agudo d que iiaqnr lia. Os limos de umitas outras bi-
lla tem este niesmo d-feito, linda que nao to sali-
ente.
X." Na falla interior (da vinhela) paralella c por
irai do pctcoQo do Imperador, ha, na nota original jifum
libras perpendiculares, que falli na falsa. f
M. Na cairel
nota; mas sabendo nos agora o quo o falsificador tem
conseguido faier, eremos poder anda desnfial-n para o
futuro, combinando um proeesso novo cun oantigu.
Tcria sido conveniente applicar, no dorso das notas i
cojos valores se descubrir a falsificarlo, as chapas de
verso (Unck Piales), e essa applicaco, sendo feita com
cuidado, as j emiltidas, tcria coudo em boto os lu-
erus do falsificador; c, como estamos certos de que se
despenden avallada quantia nos Estados Unidos para
prodiizir estas i mi lacen:, tcria o negocio sido ruinoso.
I ara o futuro recommendaremos que as notas lenlia'o
impressoes no dorso oom variedade das mais beni aca-
badas vinheUs, combinadas com nutro proeesso para o
qual tennis patente. E anda que aconselhemos o uso de
objectos, que ho de exigir grandes despezas, trabaja-
remos por prodiizir as novas olas [que torio os princi-
pos caracteres das antigs, so assiin so desojar, sem aug-
mento do preco.
Temos a honra de ser &c. (Assignadoa] Perkins, Ha
con, ec Petch. AS. Ex. o Sr. Marques Lisboa
O secretario da leg.icio
Augusto de Patea.
astas "r.isT^crT^^xavjBuacss.^.
INTERIOR.
RIO DE JANEIRO.
Continuaco dos despachos publicados na corte pela se-
cretaria de estado dos negozios do imperio, porocca-
sido do baptisado do Serenissimo Principe Imperial o
Sr. Afonso. '
ORDEM DF. COaiSTO,
Cavalleiros
Jos Alexan.lre Sociro de l'aria, Estovan Cavalnauli
de Albuqiierquo, ocoininandante superior Joaqiiim Bap-
lista Avundaiio, O lencnte-coronel Flix Rodrigues dos
Santos, a coronel Jos Lins Cavule.inti do .Vlbuquerijuc,
o dito Manuel Gomes du Silveira, o conego Jos da Sil
va Praga, vigarla geral da eidado do Matlo-Grosso; u
padr Francisco da AnnunciaeauTehteira Coclbo,vigario
da villa da Formiga, em Minas Geraes; o padre Francia
co Jos Nogneira, vigario da freguetia de Notsa Sen lio
ra do O', na protineia do Piauhf; o vigario oollado Tra
tao Gomes S. Tingo, na provincia da Parahvba; o viga
rio Jos Antonio Marques da Silva Guimaroes, na d'ia
provincia; o majur do Corpo de munieipaea permanen-
tes da corte Jos Antonio da Fonseos GalvUo; Juaqnim
Alvos Ferreira, da Provincia de Malao Grnsso; o ollieial-
maior da thesuuraria da provincia de S. Pedro du Rio
Grande do Sul Antonio Jos Pedrozo; Francisoo da Cu-
iha Caslollo-Branoo, da provincia do Piauhy; JoSo An-
tonio Vai Portella, da inesnia provincia; o thesonreiro
lo cofre dos orphos d.i curte Julo do AI incida Hrito; u
ehefe de legisla Francisco Xavier Lopes de Araujo, o
juiz de direitu da comarca dos lbeos, da proviueia da
Babia, Francisco Maria do Freitas Albuqiierquo, o alfe-
res Joaquiui Ignaoiode Carvalbo Ifendonca, o lenle
Fraiu too de Paula Nogneira de Mello e Gama, o Iciien-
to-corunel Albino dos Santos Pereira,
0BDBII ni-: 8 di:nt.) de Avia.
Cavalleiros.
0 capillo lente Jos Rodrigues Freir Cardoto c
dito Fernando Lzaro de Lima.
onnF.M da ROSA.
Commendador.
O gentil hornera da cmara de S. M 0 Imperador, Jo.
s Maria Curris de Sa Vicente Jos Fialho, da proviu-
eia do Rio Grande do Sul.
Uljiciaes,
Ocliof dalegio da guarda nacional da provincia do
Maranhao Augusto Cesar da Rocha; Joaquim Jos dos
Santos Silva, o padreLuiz Antonio Muniz dos Sanios Lo
bo, o ehofe da logifln da guarda nacional da provincia
de Periiambiieo Jos Gomes dos Sanios Pereira de lias
tos; Isidro Francisco de Paula de Mcsquila, n coronel
onmmandantedo corpo de permanentes da corte Manuel
Monis 'lavares, o doutur Caclauo Alborto Soares, u co-
ronel Antonio Jo.'io Vicira, o inspector da thctourarta
das rendas da provincia de Pernambuco JoAo ll.ipliata
Pereira Lobo, o euroncl de legio Jola Hilario de Me
notes Vaseoncellos Drumond, o dito Antonio Garca da
Rosa Terra, o administrador da mesa do consulado da
forte, Theoduro Lzaro de S, o vieo presidente da pro-
vincia de Sergipe Jos Francisco do Meueie Sobral.
Cavalleiros.
O inspector da lliesouraria do Piauhy Jos Nicolao da
Cosa Frolro; Francisco Antonio Marinhii, n capitn d
guarda n. bernardo du Miranda Ribeiro, dito Diogo Jos
Leile GiiimarSes, o capitn Jos Gucdes Monteiro, l-
enle coronel Pedro Marinho Falco, da provincia da
Parahvba; dito Amaro Victorino da Gama, da mesilla
provincia; dito lira/ l'crrcirn Maciel Pinheiro, da mes-
illa provincia ; dito Antonio Pereira de Castro, da mes-
illa provnola ; o juiz de paz Antonio Ilenriquc du Aluiei
da, da mesilla provincia; o capilao Vicente do Reg
Toscauo dcBrito,dilo Manuel Antonio Marinho Falco,
ioutor Victorino do Reg Toscano de linio, o capilla
lo corpo de permanentes Antonio Jos da Silva, dito
JoCoJus Ctrino da Rosa, dito Jos Maria Rabello, o
lente ib': mesiiio corpu Jos de linio uOliveia, Gui
Lheme Benjainim Wcintobcnt, o tcneiitc coronel da
asida nacional Joan .lose Teixeira, u coronel Manuel
I
IMarUo dos despachos publicados pela secretaria de es
iado dos negocios da guerra, pir occosiao do reronhe-
cimento deS. A. o Serenissimo Principe Imperial.
Pararaarecbal dooampo graduado, o brlgadoiro lien-
to Manuel Ribeiro.
Para primeiros tenentcs de artilhari.i o segundo len-
le addido ao corpo de aniliiaria a oavallo FroJcrico A-
dolplio Pereira. o segundo lenlo de segundo batalhau
de arlilharia Francisco da Costa Reg Monteiro, en se
aanda tenante da mesina arma Jlo de Sonsa Mello c
AI vi m.
Para leiieulcs do estad i m.iior da primeira ciaste, o
segundo lente do corpo de engenlieiros Sehistiao Jo-
s Basilio Pyrrho, c o,dieres do inesmo estado maior
fliomaz lleraelito de Oliveira Fontoura.
Para lenle do estado maior da segunda ciaste, o
alferes do mesin i estado maior I! min Jos de Barros.
Para alferes de inf.iiitari.i, O altores de commi.-so,
cadeie de fuzileiros Antonio Carlos Frcderlou Sora.
Para capitn cirurgiao mor do segundo regiment de
(avallara ligeira 0 lente cirorgilo mor do uiesmo n:
gimciito Manuel Joaqnini du Sousa.
Para lenle cirurgio mor do stimo bitalho de ca-
rdadores, o airitrglo sjudsnto do mesmo batalbto Igna-
cio Manuel Domiugues.
Para teiicntc cirurgiau mor doseliiun de fuzileiros, o
cirurgio aldante do mesmu balalhn Jnaquim Jusr
Galvo.
Para lente cirurgio unir do corpo fixo do Piauhy,
o cirurgio ajndanle do mesmo corpo Tbomat Carduso
le Almcida.
Para lente cirurgio mor da primeiro regiment de
eavallara ligeira o oirurglo ajudis'nte do mesmo regi-
ment Jos Cuslodio da Fonseca Paes.
Para lente cirurgio mor do terceiro regiment de
ra vallara ligeira, o cirurgio ajudaiite Jos Joaquim de
Olivoira Goniide.
Para teueiite cirurgio mor do iiuarto balalho de fu
luciros, o cirurgio ajudante do quintil batalhau da
mesilla arma Jos Antonio Teixeira Pinto.
Para lente cirurgio mor do sexto balilho de 08-
Cj lores, u cirurgio ajudante do primeiro b.italho de
lisliiaria a p Manuel Pinto Portella.
Para cirurgio ajudante do segundo regiment de ea-
v.dlaria ligeira, o cirurgiau ajndanle de coniniissu II la-
ventura Rodrigues de Vaseoncellos.
Para oirurglo ajudante dotereeira batalhlo doea-
cadores, o doutur Pedro de Alhahydc Lobo Moscoso.
Para cirurgiau ajudante do setiino batalhlo de otea-
dores, o doutur Candido Aprigio da Fonseca Galvo.
Para curonil honorario, o coronel de guardas nacio-
naes Jlo Propicio Menna Brrelo.
Seorelaria do estado dos negocios da guerra, 8 de
niaio de 1833. Francisco de Paula Vieia de Aie-
redo.
(Diario do Rio..
oimonto desses senliinentos. Essa ennlianea reciproca'
Senbor, he a base mais firme das nossat instituic/lcs c da
prnsperidade publica.
Nu poda o senado deixar de comparlilhar o jubilo
Je V M 1. oom a pacificarn da provincia do S. Pedro
do Rio Grande do Sul, ficando coiu este fausto aconteci-
mcnio reunidos juntos .inihrouu du V. M. I. todos os
membros da familia brasileira, e firmada a ordem pu-
blica em ludo o imperio. Nestc fausto acuntcciinenln,
Senbor, reoonllOCO o senado a alta sabedoria du V. M.
i quo inspiren a merecida confiauca na juslica, ele.
inonola o virtudes que orno o coraco de V. M. I., c sao
as mais poderosas garantas da urdem publica
Senbor, o taado aprecia o estado do nutsas rcla-
cues pacificas c amigareis oom as naees cslrangciras, c
tem tuda a oonfianca na Sabedoria du V. M. I., que, me-
diante'os auxilios da Divina Providencia, noscro alto-
radas; c que nos graves mullirlos entre as repblicas do
Rio da Prala, o governo de V. M. I. sustentar a digni-
daJc e ulereases naeionuo, sem oRensas dos direilos
daquollas repblicas.
O senado se congratula de baver merecido a appro-
vacilo du V. M I pelo sen zelo polo bem publico, e nao
allrouxara no empeiilio de cooperar com o governo de
V. M. 1. a promover cllicainicnto os inlcrcsses moracs
e matoriacs do imperio; c para este fim examinar enm
toda a alinelo os relatnos dos ministros c secretarios
de eslado.
Digne-se V. M. I. doaeccilar benigno os protestos
do mais puro amor, e da mais inabalavcl lualdadc du se-
nado.
Rio, 10 de maio de IS'ij. Paula Souza.Verguei-
ro.Aureliano.
.0. Na estrella no lado esquerda c por nit da ciy gOS'da nacional Joo Jos Teixeira, o coronel Manue
ri, lia iniia falla de buril, que fui nmiitida ua nioJnl Fcr'-'^a de Sousa, o cirurgio mor da guarda naciona
falsa. \^ \. lpon,:''-o Jos da Rocha, o lenle r.ocoucl da gusrdn
Nos piideruhao8 multiplicar O numero dos defeitug e\|nscSO""DelBno de Sousa Lima, o tciicnle da for^a po-
varinrOes cxistcnfCfcmiirc as notas, mas julgamos su||-
cienle o que havemosvaponlado I) todo do ibeor da
ola sobre a escripia iiiiudaN'.uMiiuito luenus cheio na fal-
sa do que un original, ea sombra "flus leltras [menos as
dos grandes ligaramos 20 nao t* distincliis naquella
como nesta. /
Observaremos em coneluso isjne de todas as imitSCoes
de obra nossa ijuc temos vistor, estas sao as mais perfei-
tas c iiiciius subjeitas a ubjecj3^ quanto ao lamanhu da
it.Y.'.V'da provincia do Piauhy Anfrisu Jos Avelino, oso
erelario do governo la lucarna provincia Manuel Marlins
de i Sousa, o cnpilo-leiicntu Joo Cuslodio d'llou-
i| ,n, o lenle Joo Marciano de Santa Auna.
de esiadu dos negocios do imperio, cm S
II"
.ecrctaria tic esluu Oos negocios do imperio
di maio do 1845. Antonio Josi de Paiva Guedes de
Jmradt.
a. II. Por esta reparlico honra mais algn* des-
pachos para a corporar.Ao du muriiiha.
L se nu Jornal do Commercio :
Recebemos bonlem(ll dmalo) folhas de Buenos
Ayres, n Gaceta at 7, o <> Diario ale 19 de abril.
A imprenta argentina anda alo detmentia o seu ca-
rcter ni.Mimoso o virulento; c o seu thema contnda a
ser n governo brasileiro, que he docstado desmesurada-
menle por essus folhas.
Cuino j tivomos ocoasiio de diter, as aecusaees, as
dialribes, a lingoagrm asquerosa da iniprensa argentina
nao merecer senlu o mais profundo detpreto. Se rever*
temos a cato assumpto, he smenla para Iransorever as
ultimas linhas de nina das ultimas phlppieat da Gaceta
:onlra o gabinete imperial, porque essas linhas nao con
lem s insultos, pareccm canter liuubem urna auieaca :
i O governo argentino, tendo esgotndo j todas as
provas do moderauio e de amizade que su possiveis en
treos estados, lllu pode ser indifterente por mais lempo
& njusticn O m fe com que um gabinete sem IV-, sem
reelidu, c mesmo sem coiirianra na opinio publica do
seu paiz, o injuria, viola a neulralidade, descouhecu os
direilos du eoofedi'-raco, promnve premcdiladus desig-
nios de torpe o sanguinaria ambicio o atraica os inlc-
rcsses geraes da America Estamos Intimamente persua
ddosqueas dclerniinafics du iiosso governo corres-
poiuleri gravidade deslcs factos 0 circunstancias, o
SUStOlllarnd os direilos, seguranca e honra da cuulede
rac'io com a nobre dlgnidadc njuitica que ciracleriso
todos os seos actos.
Por decreta de 10 do mez pnssado fui prohibida cm
Buenos A y rus a introdcelo de todos os gneros do Pa-
raguay, anda que levados de portes ostrangeiros, o or-
deuuu se capitana do porto que nao dssu entrada s
embarcacoes que livessem a seu bordo os referidos g-
neros, nem mesmo para descarregar arligos de uulrn
procedencia.
Concluio c ante- honlcm ;10 de maio) no senado a se
gunda discusso do projecto quo cria novas relaofos,
sendo regeilados os arligos ndditivos quu su aehavo em
disciitsu, c approvado o mesmo projecto para patsar a
lerceira.
Knlruu depois em segunda discusso a resolugo que
cria capitanas de porlus uas provincias marilimns do
imperio onde esses eslnbelecimenlos pareccrcm necea
aroS, e fui approvado o artigo 1 0
A couniiissJo da respostn falla do thronn aprcsciilou
o seguinlu projecto :
Senbor.O senado aprecia devida o reipeitotamcn
te as emococs de |irazcr que euchro de delicias n pa-
ternal corceo de V. M 1. com o nascimentn do Sere-
nissimo Principe o Senbor D AITunso, primeiro fructo
o thalamo imperial. Estas omooSes, Senbor, desceran
do llu ono, esc reproduziro no senado c na nacAo, que,
tributando a V M 1. o mais puro amor, c fiis a seus
jiiranicntn8, dcaejau cordialincntu a perpetuidndo da dv.
naalia imperial, e recrcscro ao soni da voz do V. M
I., quando ae diguuu de manifestar o solemne recouhe-
Ciiiitiniiou liiintcm 13 de maio) na cmara dos depu-
tados a discusso do projecto do Sr. Alvares Machado,
creando um bispado na provincia do Rio Grande do Sul,
e nutro na do Ceari Tundo o Sr. Souza Martin*, apru-
sontado um projsctu offorecida pela commisso ecclu-
siaslica du 1838, o suscilaiidn-su una questo de prefe-
rencia cnlro os dous projeelos, o Sr. Alvares Machado
relirou o sen. O prejeoto que esta agora em disrus-o
diz assiin
A atseinbls legeral legislativa decreta :
Artigo 1." Fico creados um arcebispadu no (lio do
Janeiro e ireabitpados as provincias do Piauhy, Cea-
ri e Rio Grande du Sul. Para esins creaeus he o go-
verno autorisado a impetrar da Santa Se ss necessarias
bullas.
I. A sede do novo nrcebispado, assiin como a sua
extonsio o lmites, serio us meamos do antigo bispado
do Rio du Janeiro, desmembrada a provincia do Rio
Grande do Sul.
2. Serlo luftraganoot do arcebispadu do Rio do
Janeiro os bispados du S. Paulo, Rio Grande do Sul,
Minas Geraes, Govat u do Cnyb. Os bispados do Par,
Maranhu, Cear, Pcrnambiicu o do Piauhy ficSo per-
lencendo metrooolc da Babia.
3. As S8 dos tres novnt bispados, assira como a
sua exlcnsu u limites,scro ns mesinus ipie ora teem ci-
vilmente as respectivas provincias.
a Art. 2. Ilavcro nosuovoa bispados, cabidos e se-
minarios. As assemlilr.is legislativas das provincias, on-
de se crian na nnvos bispados, tomarn na devida con-
sideradlo laes estabelecimcntus, para prover a cerca
dos meamos, de una maneira cuncenlnnea ncecssidado
e deoro das fanooSea religiosas, a initracolo e murali-
Inde do clero.
l'iiico. A ili.-posico do arligo antecedente ho ex-
tensiva quclles dos bispados existentes que earoccm do
cabidos r seminarios.
Art. 3 Crear-se-ha no bispado do Rio de Janeiro
nina relae i ecclrsiastica para julgar em segunda ins-
tancia as causas ospirituacs. O numero de scusdesom-
bargadiires, veneimentot e o mais que se acha disposto
as Icis, cerca da relaco ccclcsiastica do arcebispadu
da Babia, he applicavcl ora relaco.
Irl. 4." Oarcebisjiado do Rio du Janeiro lera a con-
grua de 3:000,000 rs ; c ns bispns do Piauhy, Cear c do
Rio Grande do Sul, cada um, 2:400,000 rs., como aclu-
almente pereabem os demais prelados do imperio.
Art. o." Fico revogadas quaesquer Icis edispoai-
oSes em contrario,
Paro da cmara dos deputailus, em 28 de ulho de
1838 Conego Jos Luiz de Freitas.Padre Manoel do
Monte Rodrigues Araujo. Padre Antonio IWnardo da
Fncarnacao t Silva, vencido pelo que respoila ao Pi-
auhy. ii
O Sr, Urbano, como relator da commisso de resposta
fulla do throno, apresentou o seguintc projecto :
n Scnlior. A cmara dua deputados, tendo j mani-
festado a V. M. I. ns senliinentos de regozijo que parti-
lliou com lodo o Brasil pelo feliz nascimento de S. A. o
Principe Imperial, nao pude deixar despreciar no mais
alio grao a participarn que, de viva voz, se dignou V.
M I nner, no recinto da rcprescntacAo nacional, dase
moros de prazer que sentin u seu paternal coraco pnr
i.io i insto toonlecimento, em o qual v a cmara dwt
depuladns o mais seguro penhur da perpetuidade da dy-
uastia imperial A confianenque V. M I. manifesta, nn
amor c fidclidadc dos sena subditos, minio lisnnga a
cmara dos deputados, e assegura nac.o bratileira o
mais prospero reinado, fundado as solidas bases do
amor, da justica e da clemencia.
He icinpre penetrada do mais vivo sen timen lo do
prazer o gratido, Senhor, que n cmara doa deputados
riintcmpla a pacificaclo da provincia de S. Pedro do Rio
Grande do Sol Este success grandioso, que, cumple-
lando o rcatabelcciracnlo da ordem em todo o imperio,
augura ao Brasil o pervir mais venturoso, he o fructo
dos aolicitus e patriolicos desvelos de V. M. I-, que con*
aeguio, medanle uns pnlilica sabiamente dirigida, reu-
nir cm lomo do augusto throno todos os menibro. da
familia brasileira.
\
MUTILADO


2
.V cmara dos deputatlos so congratula enm V. M. I
lela continuar!) inalterada das relnces pacificas o ami-
gnvi-is rom as nares catraiigeirn, c confia que or jr
ves eonfliclon das repblicas visinlias do liida Praia,
i governo d V M I. no nao descuidar de emprear of
meon convenientes conservaos da Dll, sustentando a
dignidade < inlcressos nacionaes tem 1 1 i< 11 1.1 dos diici-
tos il.i'im ll.is repblicas.
< A cmara do denotados se o.ompraz de luvcr mere
cido approvaco do V. M 1. pelo sen icln pelo liem
publico, cananca a V. M I. na firmo eoadjuvacao em
promover o interesses moracs o maleriaes do imperio;
O para este fin evaminar com toda a attencao os relato
rios dos ministros e secretarios de estado.
Rio de Janeiro, Ib* de inaio de 1815. U. S. I'essoa
tic Mello.M. J. dcSoir.al'ranca.J. A. Marinho. -
urna caria da
na qual lomo
Toi-nos confiada lioutem lo de Ifltm
llupnns-Ayrcs com dala de 2:> do pnssadi
1 se;uiite :
O Sr. Mande;ille, ministro de Inglaterra, acaba de
dar urna queda do eavallo e ficon muflo pisado Guiso
quciilcmcutu ser demorado o paquete alguns di.
Em urna carta de Montevideo, datada em 29 do
p2ssado(abril), escripia por pessoa li leiligna.lemos o se-
guulu sobre o liloqueio da(|uella praia :
O chefe dos foreas navaes do liuenos-Ayrcs inli
niou de novo.no da l do correnle, aos chele* neutracs
obloquoio ohsoluto desta praea. O almirante Iranccz
respondeo que o rccoulieceria do dia 30 eai dianle, um
ve/, que todas as mais potencias flicMem o incsino; ma
sir Thomas Paisloy, coinmandanto das froas navaes
inglezas, ilecl.irou quo nao reconhcccria tal liloqueio
etilo quinta dius depois do Icr sido retiradlo pelo go-
verno argentino o decido de 13 de fevcroiio prximo
passad j.
s. PEDRO do su..
Prestdencia da provincia.
lilil, o Enm. Sr.EsquecenJo-mo dizer a V. Ex.,
quando estivo em S. Gabriel, que se servisse ordenar-
me n quem devo entreaar o obu?., candi e lypograpbia
que exislein no municipio de Algrete, tumpre-ino u-
gora rogar Ihequeira inJicar-ine a quem dovo lazer en-
trega de taes objectos ; na intolligeacia de que os ca-
ri boi's cstao desmontado*.
eos guardo a V. Ex Callera 21 de mareo di
1345.lllen. c Exm. Sr. bario de Caxias, general
presidente e cummandante em cheo do uxercito.
David Canabarro.
.V. B. S. Ex. recebeo lamb ni urna orla do coro-
nel [lento Goncalves, participando que linha era sen
poder urna poroto de espingarda! do iolantaria u de
lances, quo liavia rccolliido, para que S. Ex. diipo-
zesse dcllascomo entendesse.
Exm. Sr. baro de Caxias, general em chefe dos
exercilos imperiacs e presidente da provincia do Rio
Grande, etc. etc
Victoria esplendida nos campos da India Muerta,
marco 27 de 18i5.
Rcspcitavel senhor.- Com a mais intensa salistaeao
me dirijo 1 V. Ex. para communicar-lhe que baver a-
penasduas horas quo a mus completa hatalha ha co
roado os heroicos esforcos das armas orientad a argen-
tinas soh minha di recelo contra as horda* dos selvogens
unitarios que conunaodava o famoso caudilho Frucluo-
10 Rivera, inimigodc ludo que ha bom sobre aterra,
cujo poder vacillanle (.desdo muito lempo) desappareceo
pura semprc.
Mais de mil cadveres inimigos, bem como icteeen-
tos prisioneros, he o resultado deste triumpho iinmor-
lal, Picando em nosso poder lodo o material das hordas
selvegoos.
Por tal moti\o, com o exercito s minhas ordena,
mui breve lerei o regoaijo do entrar na provincia de
meu manJo (Entro Rios). onde toroi a honra do cum-
prir asrdeos particulares que V. Ex. quizer determi-
nar ateu mui atiento servido Q t. L. II. de Ex Justo
J de Vrquita.
Illm. o Exm. Sr.Aflabo de receber a honrosa
carta quo V. Ex. meescreveo em 27 de mareo (indo,
participando a victoria que nesse dia oiilivera o exerci-
to doscu commando nos campos de India Muerta : e
('licitando a V. Ex. por semclhanlo triumpho, tenho a
nimia satisfucJo de tambera Ihe coinmunicar que a
guerracivil que por mais de nove onnos devaitava esla
provincia, terminou do modo mais plausivel no 1.dc
marco, o desde este dia cin dianto nao tem coriid..
urna s gota de sanguc brasileiro; parecendo al que
tal guerra nao bouve, e quo os habitantes desta provm
ca congracadose reunidos por urna s tontada, quaes
es rnembros do urna (amiba, protesslo os mesmos prin-
cipios. Com muito prazer tproveilo esla occasia pa-
ra significar a \ Ex. o respeito e alia cor.sidcrarao que
Ihe tributo; retribuindo assim as tinas cxpresscs com
que V. Ex. me honra na dila carta, cos guarde a V
Ex.' Palacio do governo, em Porto-Alegre, 11 de abril
de 18*5 Illm. e Ex. Sr. general Justo J. Urquiza,
commandante em cicfe do exercito da lepublica argen-
tina. Bardo de Caria.
Villa de Jaguaro, 10 de abril do 1815.
Illm. e Exm. Sr. barao de Caxias. Uin rev/ do*
que naoso es(rnho3 na carreira das armas, que sol
(reo o exercito a meu mando nodia 27 do passado nos
campos da India Muerta, occasionuu depois outros a-
contecimentos, e fui forcado pelo inimigo a passar para
quem da linha da fronteira, eapresentar-mc com va
rioameus companbeiros as autoridades imperiaes, que
nos bao dado sua proteccao.
Pela lionteira de Chuy e por outros pontos, bao
emigrado varios chufes e porcia de tropa, a qual hei
ordenado se ponha disposicao das autoiidades do
paiz.
Nesta occasiJo eu tomo a confianea de enviar po
rante a V. Ex ocidadao oriental I) Yicent" Alvares
para que m meu nome receba as ordens que V. Ex
levar a bom determinar o meu respeito e de lodos os
meus compatriotas, que, como eu, nos havomos col-
locado dcbaixo da proteccao do governo de 8. M. o
Imperador _
O meu commissionado particular instruir a V.Es.,
de viva voz. de ludo que V. Ex. deseje er instruido a
resneito dos successos que motivJo esta minbacommu
nicaco paUicular. Digne-se V Ex. dar atiendo
javel. e conformes ao carcter do cidadSo que mo re-
presenta.
O commandant" geral da fronteira, o coronel Fran-
cisco Pedro, mo ha determinado um ponto para residir
com meus camarades al quo cheguem as ordena deV.
Ex., que espero me scrao Iransmiltidas, para serem
exactamento cumpridas.
Tenho com esto motivo a satislacao de saudar a V.
Ex., e repetir ser seu ltenlo servidor. CJ B. L M. do
Ex.l'iucluoto Rivera.
Illm. e Exm. Sr. general D. Fructuoso Rivora.
Accuso a reccpcSo da carta que me dirigi V. Ex.
d 1 villa de JaguarSo em 10 do correnle, dardo-ine
parto do revez que toflren na India Muerta a frga do
commando de Y. Ex. oquooobrigou a passar as nos-
sas (ronteiras com os mais emigrados, o recorrer a pro-
teccao das autoridades do imperio. Profundamenlosen-
ti esse desastre, c ja anteriormente inlormado deste a-
contecimonto. expedi o coronel Vicente Paula de Oli-
veira Villas-Boas para esso lugar com nstrucres pa-
ra dar as providencias que forem necessarias, nao po
deudo eu mesmo lransportar-me a esse ponto Com o
emissariode V. Ex., 1). V icen lo Alvares, entend-me
veri alente, o elle o informar das disposices em que
me acho ; podendo nssegurar a V. Ex., quo, som faltar
aos deveres de h spitalidadecompativcl com a gencro-
sidade da provincia quo tenho a honra do presidir,sabe-
rei maniera ncutralidadc devida em taes casos.
Tenho a honra de mi assignar de V. Ex., ltenlo
respeitador o criado.--Palacio do governo em Porlo-
Alegre, 19 de abril de 1815.--6' de Caxias.
Tendo cessado os motivos quo havia a respeito da
prohibico da sabida do gneros do commercio para a
campanha, cessa por isso lambem o despacho que at a-
qui era dad 1 por Vine, para a sabida do taes gneros :
o que participo a Vmc. para sua intelligencia, preve-
nindo-o que ao chefe das lorcas navaes e inspector da
alfandega se officia nesta data para que assim o cum-
pli.
Dos guarde a Vmc. Palacio do governo coi I orto-
Megre, It de abril de 181 Bardo de Caria. -Sr
l)r. Manoel Jos de Fre tai Travassos lilbo, Chefe do po
lacia interino desta provincia.
[Commercio).
Aclnndo so n provincia completamente prcificada, e
ordenando Sua Magestado o Imperador, por aviso ex-
pedido pelo ministerio dos ncgo.'ios do imperio em 26
demarco Qndo que se proceda cleicao do um sena-
dor, pela vaga que (i ou na respectiva cmara por 1*1-
leeimento to conegoAntonio Vieira da Soledado : o por
outro aviso de 10 do dilo mea, quo igualmente se pro
ceda ns elcoes para tres i'eputados geracs e vinte o oilo
provinciaes, o cornpclindo me pelo art. 12daledo3
de outubro do 1831, combinado como 1." do de-
creto de 29 de julho do 1828. fixar o dia para taes e-
leicooa, tenho a declarara Vmcs. que marco o da 23
do junho (uturo para as eleiVos primarias, e o de 9 de
julho para aquellas de senador o depulados geracs e pro-
vinciaes, sendo districtos oleitoraes os meamos em se proccdo.i iguaes eleicoes em 183i : a saber : o.._
pital da provnola, as cidades de Pelotase do Rio Gran't
de, eas villas do S. Jos do Norte, Piratnim, Jagua
rao, Cachoeira, Hio-Pardo, Santo Antonio da Patru
Iba. Triumpho, Alegrte, Caeapava o S. Rorja em
MssSes, o alm destes a villa da Cru/.-Alla. Cumpre
por lauto quo cssa cmara, em vista das nslrucgoes in-
clusos e mais leis e disposicoei em vigor, faca verificar
taes eleicSea naquelles das marcados. E muito reco-
mend a Vmei. que dcm as necessarias providencias
para que os referidos actos sejo leilos com toda a regu
laridadc e legalidade. E sondo anda duvidoso o paro
cer, sodevem ou nao volar os soldados; e desojando eu
que s eleicoes se fa(,'.ocom toda a hberdado, h I minha
opiniio que 01 soldados arregimentados do primeira li-
nda e os guardas nacionaes coi destacamento nao tenhao
voto ; o nesto sentido vou passar as minhas ordens a
todos oscoininan'Janlesdoscorpos do exercito.
Dos guarde a Vmcs- -Palacio do governo cmPor-
to-Alegre, 22 de abril do 18i5.~Conde de Caria.--
Srs. proidente e mais vcrcaJores da cmara municipal
desta cidade.
Do mesmo teor as mais cmaras da provincia.
(Imparcial).
(J. do Commercio)
Passando-se ordem do da, entra em discussSo o
projeclo de regulamento sobre os morcados publicla-
presentado pelo Sr. vereador Cintra, e depois de bra-
vos reflexoes, ficou adiado a pedido do mesmo autor,
para ser discutido depois de mpresso no jornal da casa.
AssignarSo-se officios e mandados, e despasharSo-se
asseguntei pelQes de Jos da Costa Pintode
Manoel Panasco do Anastacio Xavier de Couto de
Joaqun Fernandos de Aievedo ede Joao Evangclis
ta Ferrera Paz. Foi levantada a sesso sendo a lem da dia a mesma. Eu Jado Jad Ferreira de A
guiar, secretario aeserevi. Mello CavalcanU. pro-
presidente. /it>o. Carneiro Montetro. Cin-
tra Manoel. Dr. Niry da Fonteca.
r5es; ellesque os v5o imputando a quem Ibes approu-
ver.lseavenhao: as cousas esli melindrosas, aja-
mis terei coragem para nssass.nos_ e imcoeii
nicacao pamcuiai. i/ikii- r
seu. raciocinios que serio com toda a eiact.dao dse- mos da causa.
COM ME 30.
Alfandega.
Rendimento do dia 5........... ..... B:5Bi93*
DeicarregaO hoje o.
Galera ingleiaCo/umius-mercadoras.
Rrigue americano Cotcpertheuml fannha e noia-
xinha.
Brgue suecoSkelleftea- papel.
PE^-M. MBGO.
CMARA MUNICIPAL.
SESSAO ORDINintA HE 28 DE M A lo DK 18*8.
Presidencia do Sr Mello Caialcanti.
Achando-sc presentes os Srs. Oliveira, Ramos, Car-
neiro Monteiro, Ncry e Cintra, faltando os outros Srs.,
abrio-se a sessao, e oi approvada a acta da ont"cedon-
le com alguns additamenlos.
Passando-so ao expediente, Ifio-so um nfficio do con
tador da cmara representando, que, nao havendo na le
do oreamcnlo vigente quola designada para a despeza
com o concert da ponte da ra da Aurora, pareca
conveniente sollicitar do governo da provincia aulorisa-
rjio para estasdetpezas; iriim como para asevenluaes
por se ler anda de lazer outros dispendios A cmara
ordenou. quo a contadora inlormasse quanto resta das
verbas designadas para o caleamento c nivelamento das
ruis, concedo dos predios do patrimonio, e costeio da
eompanbia de ribeirinhos ; bem como, por que verba
se princiniou a fazer o concert da ponle da ra da
Aurora.
ulro do mesmo contador, pedindo providencias, pa-
ra que sejao medidos os propros municipacs, a fin de
seren competentemente inscriptos. A cmara doh-
berou, que, no podendo o engenbeiro cordeador in-
cumbir sod'esse trabalho pelos muitos afazeres deque
se ochava encarregido, so aulorisasse ao procurador pa
ra contratar com um individuo apto a salisfazer esse
servifo, medanlo urna grallicacao, precedendo appro-
vacao da mesma cmara. _
Um do advogado dacamara.em resposta a outro d es-
ta, em que insta pela vistoria, j por elle lembrada, na
casa da ordem 3.' de S. Francisco deata cidade, por ser
a mco nico, quo tem a cmara de destruir a vistoria,
que foi feita a requenmento da dila ordem. A cma-
ra delberou. que scoflicasse o procurador parare
luerer e promover essa vistoria, proseguindo nos ler-
CORREIO.
COBREPONDESCW UA CIDADE E PROVINCIA.
Entregou boje a presidencia o Exm. Thomaz Xavier;
mas nao pense elle que por isso cessaro os insultos da
praia : nio, a praa he sempro praia, o anda nn fez
cousa cuja cara n8o dissesse com a careta; o Exm. Mar-
collino de Brito foi insulUdo muito tempo depoisda sua
domssao. Venha quem vier para essa cadeira. esse
mesmo chefe do pailido praieiro que ora nella sesenta,
se n5o fot instrumento, e instrumento ceg, ha de ser
ludibriado, insultado, calumniado : loi o que sueco-
dcoaoExm. Joaquim Marcellino, ouo seusucc.ssor, e
ao successor deste e assim de geracSo em gerajao, o
mesmo acconteceria a nio dar ello 18o seguras garantas,
ea poder-seduvidarde que essas garantas soriSo des-
pretadas. Dizer-lbes quanto os ociosos evadiossoa-
legrro, quanta genteandou por ah adiicr loase in
sullos, be escusado : grande malta de rodella, que julga
haverem-so-lbe aberto hoje as portas do paraizo, andou
como galo com pulgas, ou boi solt; veremos amanha
se ca mana do ceo ; que, creio eu, os patuscos esperSo
cam mais certera do que o sol pela manba. Demo-
lidos todos os empregados que tecni pCra e mais os
quo nSo team pera, mas leem no coraefio amor a or-
dom, empolgadas as vagas quo esses deixar peles fa
mlicos mais chegados o quo tildo unto poderfi
montar a 40 ( j so sabe ou c nao tenho l em
leis ) onde se accommodarao os domis osfaima-
dos do grao partido nacional desta cdado ? Na guarda
nacional!' essa pedo dcspezai, e n5o d lucros: verde-
do be que clles querem representar; mas os cobres, os
cobres, meus amigos! o diiibcro he o quo canta, esem
dinheiro de que serve representado ? Feito islo, vai o
carpnle;ro trahalhar com o seu machado, o allaiale com
a sua agulha e os gauderios que os troucurao at boje
i reboque, torccndo-lhes a cara ou encolhendo os
hombros quando colbidos d'improviso, porque j teem
a b cea na ebuchadera, o com tanto quo na campanha
baja um, ou dous marinheros, quo entondo da mano
bra, o saibao fazer o seu quarto do leme, a chusma no-
va, Mara va com as oulras ; com tanlo, que o soldado
corra para os bolsculos, quo ludo ande a matroca,
pouco importa ; quanto mais, quo para dar com a nao
a costa, ou n'ura buixo n8o so precisos pilotos, epor
consequencia, nom marinheros leo pouco.
DiziSo hontem alguns praeiros, que boje mesmo o
st'U chofe mandava toda a baronada ao inferno; que
n8o (cava um s empregado sem a sua portara do do-
mssao, o j4 o papel esta manhaa so vonnis com mais de/
porcent, porm nao foi assim : amanhaa, meus Srs.,
amanhaa sorao Vmcs. alisfeitos; aluns bem entendi-
do, e n3o rto agora brigar por sso, netn por causa da
pechincha maior, ou menor, mostrem-se bizarros ao
monos uns com os outros ; esgotados os primeiros luga
res, contenlem-secom os segundos; estes acabados, v5o
aos lerccros o quartos: o crpo de polica compe-so
de mais de 200 lugares, e quo molhor ?
Viremos do bordo, que por esle lado vejo a praa
muito porto; ovamos agora capear um pouco la pola
corte; donde por tanto lempo nao descubrimos um pal-
mo do trra. E anda que la diz o litado : Matheus
prmeir>aos teus; comccarei pelos menos chegados,
porque na verd de nestes ha mais polpa. Consta, que o
ministerio sera refundido anda em das do mao, o que
a grando duvida eslava em adiar quem se accommodass-
com a Joanna. a cujas aitcs parece, que ho devda a dis
cordancia dos Exms.; todava, se ficar o pombalete, bem
claro lio, que a sida La do sor aquella certeza, por isso
que, sendo sempre a sida inferior ao quilate da mate-
ria do objocto soldado, nao podo vr d'abi cousa quo
presto : c por mim desejo-lhos multa duruc5o para
glora c honra deste nosso paiz, a fm de quo seja sacri-
ficado as muos dos mais vis algozes, vislo que semprc ha
de passar pelo culolo. D*zilo, que o Urbano andava a
mcller o qucixo por toda a parto, para pilhar urna pas-
ta; mas parece-me, que Ibc tinho batido com a porta
nelle. Este sugeito disso a corlo pretcndcnle, com a-
quelle ar de hipcrita, que todos Iho conhecem:
Sr. F., esleu muito arrependido do ler-mo compr-
te mcltido tanto com aquella cxclusSo do Maciel Mon-
ee teiro e Scbastiao E porquo ? disse-lhe o sugei-
to__Porque, rcspondco-lho o tabio, o bomcm que
lemjuio nio deve compromoller-se por poltica al-
11 guia do Brasil; e para o futuro s Iralaroi de
mim O Mello esl.i cada vez mais desligado dos
companbeiros, o tem dado suas satisfaces alguem a
respeilo dos ltimos rasgos de snceidade c da praia,
e das ultimas exigencias dos praieiros la da corle. O pa-
pa ang, barbicas, varella, ou como em direto mellior
nome baja, he sempro aquelle mesmo graxo. O seu.
comportamento tem sido tal,que o sujo-limpozansou se
oriamenle com a sua roeleicao para escriba,dizendo ao
collogas, que j nao poda lolcrjr ao p de si um peln-
tra queso linha na bocc obscenidades: dzem meque
o rapazola alugou urna casa terrea para oSacco-do alie
res, onde esti vivendo publicameuto amancebado. Tam-
bem me dizcm, que urna das zangas prncpaos do Ur-
bano he n3o terem sido agraciados com o florSo da ro-
za os dous Barbozas do I.imoeiro; porque o queixao nao
se contenta com pouco; he urna 110 satco, oulra no pa-
po. Ncste captulo lem sido muito os logrados, e a1'
Jos Pedro tem eto grandes queixas. O Costnha ccL
imia a fazer de rico por artes do berliques o beij|0.
ques, e a emhircar larinha : o Limpo leve de pagar.|oe
a hospedagem eo janlardo hotel Francisco, coi10 ^||0
Muviiuento do Torio.
Navio entrado no dia 4.
Rio de S. Francisco; 40 lias, patacho brasileiro Lau-
rentina, de 110 toneladas, captao Antonio Germa-
no das Noves, equipagem l, carrra larinha de man-
dioca ; a Loureneo Jos das Nevos
Vacio saAldo no mesmo da.
Bio Grande do Sul; brgue nacional Cailro /., cap-
tio Jos Maiia Ribas, carga dflerontcs gneros.
Navio suhido no dia 8
Parahiba ; barca ingina Villiam $ Ann, captao II.
Creser, carga lastro.
Edteles.
u MVjiruu)Vm v (-v------------------------------------------ sly (;
mosmo disso ao Gamba, pedindo a esle que deapa-i,,
ci 1r1n.1t> primeiro-lenle nestes termos:- Homem,
peco-lhe que pague por mim urna divida este traste.
Mendes est rom a traquea; mas assim mesmo o
quem mais grita contra aquellos que Ihe drio o r.-
He larde, e paro aqu, pois tenho de ouvir re .0
praieiro, quo mequer boje confiar alguns mysteriosie
nao quero, que por modo algum me presinta estes b~
A cmara municipal desta cidade do Recife, e nu
termo, tic.
Faz saber, que pelo Exm. presidente da provincia,
em oflicio de 24 do correnle, Ihe fOro remettidas as
seguintes posturas addicionacs decretadas pela assem-
bla legislativa provincial, das quaes a primeira lera
logo vigor da data deste em diante, e a segunda depois,
que fr marcado o prazo de que trata o arlgo 2."
A assembla legislativa provincial de Pernambuco, so-
bre proposta da cmara municipal da cidade do Re-
ci/, detreta a teguinte poitura
/.rt 1. Ho prohibido, dentro da cidade opovoa-
ces, o logo de roqueras, bombas, foguetes busca-ps
e do ar. As pessoas, que dolles fizorem uso, sofTiorO
seis mil res do multa e tres das do cadea, e o duplo
na reincidencia.
Art. 2. Fico revogadas as man disposices das
po;turas approvadas pela presidencia em vinte o oito de
ulhode 1841. ,,,.
Paco da assembla legislativa provincial de Pernam-
buco, 17 de mao de 1845. Francisco de Paula Ca-
valcanU de Albuquerque Lacerda, vicepresidente.
Francisco Xavier Paei Brrelo, I. secretario fleY*
nardo Rabillo da Silva Pereira. 2." secretario.
A assembla legislativa provincial dt Pernambuco,
tobre propoila da cmara municipal da cidade do
Recife, decreta as seguintes posturas addicionae.
Art. 1. Os quo nao tirarem lcenca da cmara mu-
nicipal, na conformidade do artigo desenove, paragra-
pho quinto,da Ici numero ceuto o vnlo, o artigo de-
senovo.paragrapho quarto.da lei numero cento e triuta
o cinco, scro multados em cinco trnta muris.
Art. 2. A cmara municipal marcar poreditaeso fo-
Ihas publicas a poca em quo sodevem tirar ditas licen-
cas.nao podendo o prazo exceder trnta das, contados
do da publicacio.
Pagoda assembla legislativa provincial de Pernam-
buco, 17 de mao de 1845 Francseo de Paula La-
valcanti de Albuquerqu Lacerda. vce-presidente.
Fiancisco Xavier Paes Brrelo, 1. secretario. Ber-
nardo Rabello da Silva Pereira 2. secretario.
E para que chegue ao conliecimento de lodos man-
dou a cmara fazer o presento e publical-o pela im-
prensa. I O II
Paco da cmara municipal da cdado do Recife, em
16 de mao do 1848 Luiz Francisco de Mello Ca-
ralcanli. pro-presidente. 7oflo Jos Ftrreia de A-
guiar, secretario.
A cmara municipal desta cidade do Reci/e e seu ter-
mo Qc
Faz saber, que por o Exm. presidente da provincia,
em oflicio de H do corrento, Iho fra remettida a s-'-
puinto rosolucao da assembla legislativa provincial, to-
mada sob sua proposta, a qual, da data deste em diante,
lera inteiro vigor, como nella se conlui.
A asscmbli legislativa provincial de Pernambuco, sob
proposla ta cmara municipal da cidade do Recife,
decreta :
Art. l.'NSo so poder edificar ou reedificar, anda
quo seja dentro do muros, cercas ou vallados, na cidade
do Recife, as povoacoos do sou termo, e nos arrabal-
des, comprehendidos no dstricto da dcima, som licen-
cia da cmara municipal : sol) pena de multa de trnta
mil ris, e demolilo da obra cusa do contraventor.
Art. 2. Ficao revogadas todas a* n ais disposices
das posturas da cmara municipal do Recite, do 9 de
maio de 1*44, e qu esqucr disposices em contrario.
Pato da assembla legislativa provincial do Pernam-
buco, I-I de mao do 1845. Vedi o Francisco de Pau-
la CavalcanU de .4lbuquerque, presidente. Fran-
cisco Xavier l'ae Brrelo, 1.o secretario. Custodio
Manoel da Silva Guimaracs, 2 secretario.
E para quo chegue ao conliecimento de lodos, man-
dou a cmara publicar o presente pela mprensa.
Paco da cmara municipal da cidade do Recife, em
23 do mao de 1845. Luiz Francisco de Mel Ca-
valcanU, pro-presidente.Joao Jos Ferrera de Agui-
ar, secretario. ,
=0 IllinSr. inspector la lliesoiiraiia da fazcntla ties-
ta provincia, achando-sc aulorisado pelo ''''>'' d"
thesouio publico nacional, para continuar a piornow 1
mesma o corte do pao-brasil, na forma los artigos
do gu ame,,,o de Il*e Janeiro de 1842, abaixo .ans-
crintos; convida aos proprieiarlos dos renoa, que
rodW'll este gento, e bem como as pessoas, qut lu-
Mmn*ka7regar.SC do corte nos nenos devolutos,
l o lim do concille anuo venbao apieseulai
iheaouraria suas propostas. Sectirla da
rnambuco, 17 de maio de lh*5. U 01-
1 ino, Ignacio menlo que se referejytilal supra.
e do po-biasil naj^T-oviiicias, em que
lo governo, stHrijnieainentc feito pe-
.. -fi*{ tejrwKisTquc o produzeni, conlor-
e as exigencias daetihesourarias. .
Art. 2." No caso orm de que o propiielai 10 recuse
enearregar-se do erteV.sendo convidado p, la 'l'"0";
ria, a uc o faca ; esta,idepois de r.ceber dillerMposta
negallva, ou nenhuma dV,tro de um piazo razoavcl, iiuc
Ihe ser marcado, poder* cncarregar o mesmo corte a
Artigo do
Art. 1." Oc
lor peiinittido .
los proprietarios
me
I

i
MUTII


.T-
qaem se propozer a fazcl-o com mais vantagem cm favor
da faaenda publica
infunnacocs das thesouiaiias, pollera elevar o preco ac-
tual do curte do pao-brasil at o mximo marcado na le.
Art. 5." As pessoas, que se proposerem ao corte, as-
InoarO termo por si, ou seu procurador, cm que se
devela declarar o preco de cada quintal, e a quantidade
,,, se obrigao a cortar, subjeitando-se a nao trazerem
.'ara o deposito senao o po-brasil de superior qualida-
ae pena de llie ser regeitada, e queimada a poi^ao,
(lli lr qualificada como inferior. K prestara, aleni
disto, Haufa idnea, salvo se frem propietarios dos
terrenos. '*'
0 Dr. Jos Thomaz Nabuco de Araujo Juntar, jutz de
dirtito do ciiel deita comarca do Kecife de l'ernam
buco, porS. M. 1. C, que Dos guarde, etc.
Faeosabei, aos que o presonto virem, quo o pro-
curador da cmara municipal dcsta cidado mo requereo
por petieaj o scgumlo : Do procurador da cmara
municipal, quo, tondo sido pelo Exm. presidente da
provincia reconliecida a desapropriacao, porulilidade
municipal, da casa de Antonio da Costa Dourado, sita
na ra da Camba do Carino, na esquina do boceo, que
vai para a ra das Flores deste bairro, depois de pre-
enchidas as lormalidades do art. lo cap. 4. da lei pro-
vincial n. 129 de2demao de18i4 ; o nao tendo o
supplicante quem dirigir-so para ajustar a compra da
dita casa, quo alias ho do urgente nocessidade, por se
adiar ausente da provincia o relcrido propietario, e
ignorar-se quom seja o seu procurador : requer o sup-
plicanto V. S., baja por bom mandar passar editis,
o publical-os por espato de trinta dias, para notifica-
cao do supplicado o seus procuradores, no termos, c
debaixo das clausulas do art. 30 cap. 5.* da citada lei.
Pede a V. S. Sr. r. juiz do civel da 2.' vara, seja ser-
vido assim o deferir, D. esta E rvoobera merc An-
tonio Joaquim de Mello Pacheco. = E nao se conti
nba mais em dita peticSo, ni qual dei e profer o meu
despacbo do theor segumte. &im. Recile, '28 de maio
de 185 Nabuco de Araujo Jnior. E sondo a-
i.rcsontado o escrivao, que loi distribuido, passou o
presente, pelo tbcor do qual mando oos pas, ilhos, p-
renlos, amigos o procuradores do ausento Antonio da
Costa Dourado Ibes digao o de.larem oin como por es-
te so cita o chama para o conteudo na petigao cima
copiada; o snbendo qualquer dos ditos, lugar corto, on-
de se ache ausente, venba declarar por termo, parase
proceder na forma do pedido na peticao, tudo no ter-
mo dotrint.1 dias da publicacao e lixacao dcsto. E
para que chegue noticia de todos, mando ao porteiro
du auditorio Joo Januario Serra-Grundo o publique
nos lugaros pblicos dustacidide, fixandoo na prona
d"ella com os prego rs do estylo. Dado e passado DMta
ciJade do Recife do Pernambuco sob meu signal e sello,
ou vallia sem sollo ex -cauta. Recife, 29 de maio do
185. E cu Josr Juttin Fernanda de Sous, es-
crivao o oscrovi. Jote Thomaz Nabuco de Araujo Ju
nior Ao sello 100 rs. V. S. S. ex cauta Nabuco
de Araujo Jnior. (46
De; larages.
IssBsio lyco desta cidado se fal publico, que, cm
consequenciu do que ordenou o Exm. Sr. presidenlo da
provincia, rito a concurso da dala desto a 60 dias, as
scguinlcscadeirasdo primeiras ledras paia o sexo mas-
culino : a de Ouricury na comarca da Boa-vista, a da
Faienda-rande nadcPaja, as i'o Anoas-Hollas o S.
liento na de Garonliuns. Os candidatos, que 6s ruluri-
dss eideirai so quizerem op or, habililem-so nos termos
da lei.
Secretaria do lycOo, 5 de junbo do 1845. No im-
ped monto do secretario, Hermenegildo Maieellino de
Miranda. (l
I s Pelo lyco desta cidado se faz publico, que, em
consequentia do que ordenou O Exm. Sr. presidente da
provincia, ir n concurso da data doste 6 40 dias ac
deira de primei as Icllr.is para o sexo feminino na vilia
delguaraK. Ascandidatas, que referida cadeira se
qucrem oppr, habiliten-su nos termos da lei
Secretaria do lyco, 5 de unlio do 1813. No im-
pedimento do secretario, llcrmen.giido Marcelltno de
Miranda. (9
1 Admin slraco do patrimonio dos orphaos
Peranle a adminis traejio do patrimonio dosoipbaos
se lia de arrematar a quem mais der, e pelo lempo, que
lia de correr do d.a du arrematadlo ao lim de junlio
do 1810, asesas n. 7 no lirgo da priH.-a da Uoa-Vis-
ta, n. 2(i na rini ta Madre do Dos, n. 41 na da Lapa,
en. 43 na do Codorniz: aspeaioai quo quizerem lici-
tar pod' rio comparecer n i casa das sesses da mesma
administraQo nos dias 9, 12, e 16 do corrento mez,
ao meio dia com seus (adores, Sala das sessoes da ad-
ministracno do pitrimnnio dos orphaos, 4dejunbode
1815../. M. da Cruz, escriplurario. (12
1 .=Tendo a mesma admiriislraco de mandar pro-
ceder o f i Ura de tres camas para ocollegio dosorpbaos
com a Inrii.a e dimens5es das quo l existen, convida
as pessoss que se quizerem cncarregur de semclliante o-
bra a compnecerem na casa ila dita adininistracao no
dia 16 do presento mez no moio da para so tratar do
ajuste. Sala das sossocs da admiiiislracao do patrimo-
nio dos orphaos,4 do junlio de 1845.J. M. da Cruz,
escriplurario. (9
CONCERT VOCAL E INSTRUMENTAL.
Eduardo dos Santos Schmitz, prolessor de piano o
cuito, tendo olilido da Ilustre sociedadu Apolliuca a ga-
eron permissao do lazer o seu cinccrlo na sala da i; es
do de gralidSo para rom esla, lem a honra de partici-
par ao respeitavel publico, e oos amadores oa harmona,
que o dito concert, quo eslava destinado p^ra o Ilute!
francisco, lera lugar na referida cusa cm o dia 7 do
Correte, pelas 8 horas da noute dcbaixo doseguinle
I'ItOGR \S1MA.
Prmeta parle.
1.' l'crceto para piano, violoncello, o ralieca por Mr.
Schmit/, Mr. Grosdidier e Mr. Steuber.
2 Fnntaxia e variicoes de bravura, sobre a cavatina
d'Anna Bolena, exceuladas no piono por Mr. Sehmilz.
5. Aria de Soprano, da favorita executada por M.
Zo Popon.
4. Eantazia para violoncello, com acompanhamento
de piano, executada por Mr. Grosdidier
6. Duelo do Belisario Liben Sielte executado
por M. Zo Popon e Toselli.
Segunda parte.
i.' Variac5es do rabeca oxecutadas por Mr. Steuber.
2. Aria do bsixo, executada por Mr, Toselli.
5.* Fantazia, Lucia de Lamcmmor, executada no
piano por Mr. Schmitz,
4.' Romance, executado por M. Zoo Popon.
5.' Variacoes de piano sobre a Norma, executadas
por Mr. Schmitz.
Os bilhetes vendem-se na loja do Sr. Lodi, na ra
larga do Rozario.
1 THEA1RO PUBLICO.
Domingo Di\ 8 de jh.ii i.
Reprosentar-se-ba a muito cxcellente peca nova do-
nominada
O FUGITIVO HAS PR18ES
da
BASTILHA.
Pertonagent.
O marquez di Leyrac-------JoSo Jos Lopes.
conde de Bcaurepaire- -F. F. Gamboa.
Mara de Boauropaire -Josepba Candida de Mello.
M. de Kersaint --------AntonioMaximianoNeves
Mr. I.'levr- -Jos Mximo Cabral.
De La Reynie --------J. M. Gamboa.
Concelbeiro e criados.
A scena passa-se em Parz.
Rematar o espectculo com a mui graciosa luna
o PAI VOBIS
ou
A fatoeira di Amor,
Produceo do finado lente coronel Francisco de
Assz o ex-inspector do arsenal de guerra desta provin-
cia.
O espectculo principiar as horas do costume (24
Avisos martimos.
5 A bircaca S. Francitco parte para Macei
com brevdade: qu.'in nella qnizor carrogar, dirija-so ao
arco de S. Antonio, loja deManoel Jos Goncalves Bra
ga, ou ao mestre a bordo. 4
2Para o Porto, a seguir om poucos dias o brigue
portugue/. Venlwa Fe/iz.capito Antonio Francisco dos
Santos:quem (|uizer carregar, uO ir do passagem, para o
quotom bonscommodos, di rija-se aos seus consignata-
rios Mondes & Olivrira na ra da Cruz n. 9, ou ao
referido capil). 6
3=Para o Cear o Aracaty sabir omito brove opa-
tacho naci mal /1/ara l.uiza, de quo he mostr Jos
Joaquim AI ves: quem no mesmo quizer carregar, (ra-
lo com dilo mestre, ou com Antonio Joaqaim deSou-
za Ribeiro, na ra da Cadeia do Recife casa n. 18. (5
1Segu viagem para o Coara, no dia 25 do corren-
to impreterivelmente, o brigue Feliz, por j ler a maior
parte do seu carregamento, podendo ainda receba al-
gumu carga a fretc; assim como recebe pipas de ago'ar-
dento, pelas quaes leva o Irele gratit, corn a condico
de serem carregadas at o dia 0 do correte : a pessoa,
que l!ie convier, pode dirigirse a ra da Cadeia de S.
Antonio casa n. 25, ou aocapitao do mesmo brigue Ma
noel Jos Ribeiro abordo, ou na ra doVigario casa
do Firmino Jos Feliz da Roza & IrmSo. (10
Leilo.
3=Ocorretor Oliveira far leilao dos riquissimos
trastes da suciedade Terpsichore, consistindo em um
magnifico piano, cadoiras do muitas qualidades inclu-
sive do balanco, canaps, sofs, toucadores, quadros,
bancas para jugo, lavatorios, mesas do difieren les ta-
maitos, serpentinas, um esplendido lustre, alcatifas,
tapetes, lanlernas com mangas, candiciro de bronze,
dito de Lilao, frascos para agoa do cheiro, vasos para
flores, cortinados, cabides estantes, toallias com bi-
cos, bandejas, porta-licores, salvas, garrafas, copos,
loua lina, qaartinhai, fogareiros, jarras para agoa, la-
ca ogarfos, um balco, perfumadores, espclhos, mili-
tas eolheres do prata o varias outras obras modernas di-
ta, ele. : hojo 6 d < corrento, s 10 horas da ma-
iihfu, na casa da dita sociedade na Boa-vista, ra que
segu para o Hospicio. (16
visos diversos.
1 SEMTNELLA DA MONARCIIIA.
' ubscreve-se paia esto peridico da oppositao da cor-
te, a livraria da pra^a da Independencia a razio do seis
mil ris por semestre, do I do abril por diante, fa-
zendo-sc logo enlnga das lolhas al a ultima dala : na
mesma livraria se cntregarao as follias, que lorom che-
gando nao su aos novos subscriptores, como tambem -
quelles Srs., que o s8o desde o 1. de Janeiro desle
anno (9
Os abaixo assignados, soflrendo, ba haslantc (cul-
po, carnosidades nos ollios, d'onde Ibes ia resultando
gradual perda da vista, alm das fortes inllamatSes, que
amiudadas vezes Ibes ecommelliSo os orgaos enfermos, e
saliendo, que existia na cidade da Victoria o lllm. Sr.
Dr. Ambrosioni, medico italiano, que mui vantajosa-
inente so tem alli leito conberer por diversas operacoes,
o curas, que ha felizmente praticado n'estas e em ou-
tras euferniidades de olhos se animro mandal o
chamar aos seus ongenhos, o submcltendo-se a precisa
operacao, ficrao maravilhados da de;treza, delicadeza,
opromplidao, com que foi ella executada ; e presente-
mente se achao livn s de todo o incommodo, e com sen-
sivel mclhoramenlo da vista : porcujo motivo julgo-sc
maVociodade, ao passo que esta grandemente penhora^s obaixo assi jnados constituidos na rigorosa obrigacSo
de darem, por meio do presente, um publico o solemne
tesleniunliO de seu reconbecimenlo ao lllm. Sr. Dr
CeeUno AmbrOfioni, a cuja habtlidade nao pdem el-
los deixar do rcd*rem justa bomenagem. Engcnho
Agoa-Comprida, 1 Ve j unbo do 18*5. Joto de Por-
ros Correia. ManoiH. dos Prazeret Barros. Fran-
citco de Banot Correia
l=:Piecisa-so de umcaixC.'fo para tomar contado
urna padaria por blanco, dendcX fiador de sua conduta;
na ra da Sen/alia-Vclha n. 98 (3
= Aluga-ae um moleque muito -sperto para t do
servico ; na ra dos Copiares n. 10. .\
=No dia 5 do correte, levando um greto *elh0 "
lardo de fazenda para casa do Sr. coroiw' Barbota de
Pajai, aconteceo, que, deixando cahir o faU'8 n0 Cnao
na praga da Independencia, outro preto s& ollereceo
para Ib'o carregar, e, sem ser conbecido eneVnoPr8'
ILADO
1
velho o acompanhar, sumio-so com o fardo, e nio appa-
receo mais; roga-se por tanto a qualquer pessoa, que,
encontrar, ou soulier do dito fardo, ou da fazenda que
ello conlinha, o faca aprehender, porque ser bem
recompensado : na ra Nova n. 12.
=Acaba-sc do receber um completo sortimentodo
papel de forrar salas do molhor ;osto possivel, as quaes
tambem se forrao por preco raxoavel; vende-so orato-
rios emaquinetas envidracadas, trocao-so magensfei-
tas com toda a perfeicio, vende se qualquer qualida-
do do tinta, tanto em p como temperada, oleo de li-
nhaca, dito de cupabiba a 640 rs. a libra, vidros para
quadros e para caixilhos, e finalmente ajusta-se qual
quer obra de pintura e dourado, pelo mais commodo
preco possivel: na loja de pintor e vidraceiro, sita na
ra das Cruzcs n. 28, de D. J. de O. Soares.
No dio % do corrente a tarde acharo-se 2 cavallos
na ruada Florentina, um selado, o outro com cangalha;
quem lr seu dono, dirija-se a estriharia na mesma ra,
que, dando os signaes cortos, Ibeserao entregues, sondo
obrigado as despo/as que fizerem. (5
O socrelario da sociedado thealrol Melpomenenso
avisa aos socios que no domingo, 8 docorrenlo, ter lu-
gar a reunian na casa da sociedade na (Passagem) para
se proceder elcicao da nova direcc5o. (4
2Aluga-sc o segundo andar do sobrado n. 43 na
ruadaPraia com grandes commodos: a tratar no mes-
mo. (3
AVISO.
Desapparcceti no dia i de jnnho
do correnle anno um imilcque de nomc
Kslevao, de idade de doie annos, potico
mais ou menos, li ixo, cheio do corpo cor
fula; levou vestido calca de brim e cami-
sa de algodSo : andava ha pouco lempo
vcndeniJo nzeilc de carrapalo, e levou o
(landres e medidas em que venda, o
izeite, e sabe-se com toda a certe/a
que esl recolhido em casa de um
rrancez, e declara-se ao mesmo haja
de o mandar entregar na ra do Livra-
meno, venia n. 38, ju.ito ao lampiao
e nao o la-
que se guardar segredo,
/cutio se proceder C9tn p
todoovigor da
e.. --------f
3=JoSo Albino da Silva Sousa retirase para fura
da provincia a tratar de sua sado, e por isso roga a
lodos os seus devedores Ibevenbao satislaxer suas divi-
das no prazo do 15 dias a contar da data desle, do con-
trario usar dos meios competentes: o annuncianle se
julga nada dever nesta praca.porm.se alguom se julgar
seu credor, aprsente su: s coritas ou titulos,para seren
salisleitos: no palco do Carino n. 13. (8
5 Josi! Fernandes bastos declara ao Sr. adminis-
trador da mesa da recehedoria do rendas geiaes, quo
deixou de vender calcado cstrangoiro em sua loja na ra
da Cudria; si'i sim contina a vender fabricado no paiz,
servir promplamcnte seus Irrguezcs. (5
LIVRARIA DA RA DA CRUZ DO BURRO
DO RECIPE N. 56
l'l III.IC \i:ao LITTiiRARIA, EM PAR/.
Caslriolo Lusitano ou historia da guerra entro o
lirasil e a Kollanda durante os anuos de 1621 a 1651,
terminada pela gloriosa reslauracSu dd Pernombuco e
capitanas continentes. Obra ini que se desco-
brem os heroicos feilos d'> illustre Jo3o Fernandes Vi-
t-ira por Fr. Rafael de Jess Nova edi(o feita so-
bre a de Lisboa de 1679, impressa por Craesbeek. Pa-
riz 181- com estampas encaderiiada elegantemente
em lei-id i inglez dourado.
Elle livro he um thesouro precioso para a historia do
Brasil, importantsimo especialmente para a do Per-
numbuco thcatro das gloriosas acces de Jo?o Fer-
nandes Vieira e do tantos Ilustres capitSes que na
guerra contra os Hollandezes so fizerSo famosos por seu
valor nos cmbales constmeia as adversidades da
guerra e acrisolado amor da patria Ello aprsenla
em scena todas as familias notaieis daepoca memo-
ravclaquo se refere edas quaes u.ui.s anda exis-
lom = osCavalcantis os Albuquerques, &c. &c.
Era summamento difficil descobrir-so um s exem-
plar do Caslriolo Lusitano, por se baver esgotado com-
pletamente ha muito, a nica edicao, quedeloex-
cellcnle obra se fizera, litando assim o Brasil, o espe-
cialmente Pernamliuco privado do mais precioso mo-
numento da sua gloria o os Ilustres descendentes da-
quclles hroes do mellior titulo de sua nobreza Este
mal se acha boje remediado com n presente edicao ,
rujos nicos ejemplares quo existio em Paria se
cilio venda na livraria da ra da Cruz do Recife n
56 a preco de 500 rs.
A prisao de Edimburgo, por Sir Waller, vi rti
do em porluguez pelo Dr. Cari no Lopes de Moura ,
traductor das obras de Sir Waller Scott, &c. ,4 v. em
12, Pariz 1844.
NA MESMA LIVRARIA.
\ Litro rarintmo.
Gasparis Bailei, Rerum per octenium in Brasilia el
alibi geslaium, sub praefectura illuslrissimi Comitis I.
Mauritii Nassaviae&c. Comitis, Historia. Editio se-
cunda. Cui accesserunt Guliclmi Pisonis Medici Ams-
tclacdamensis Tractalus 1. De Acribus, equis ct locis
in Brasilia : 2 De Arundine saecbanfera : 3 De Melle
Silveslri: 4 Do Radico altili .Mandihoca. Clivis, ex
Oflicina Tobiae&c. M. DC. IA. 1 vol. em l emoli
em pergaminbo, preco 32^ rs.
Esto livro, importantissimo para a historia do Bra-
sil e eujo mrito s pode ser devidamente avahado pa-
los amantes de taes preciosidades Iliterarias, helio raro,
que seria difficilimo seno impossivel presentar dcl-
lo um segundo cxcmplar aindu pelo preco de 100,000
ris.
2= Quem annuncicu ter para alugar urna escrara
para o servico interno o externo de urna cata dirija-se
a lioa -Vista ra da Matriz esquina da ra da Glo-
ria. 4
3=Da se dinheiro a juros com penhores de ouro e
prata. mesmo em pequeas quanlias ; na ra da Praia
n. 22 (
3=Aluga-se urna casa terrea na ra do Ouarara-
pes, bairro de Fra-de-Purtas n. 13 ; quem a preten-
der, dirija-se a Antonio Joaquim de Souza Ribeiro, na
ra da Cadeia do Recife casa n. 18. (4
3 Na ra do Collcgio n. 9. existe urna carta para
o Rovercndissimo Sr. Joaquim da Aisumpcio, escivio
da cmara episcopal da cidade de Olinda. (5
8 No dia 23 do corrente, as 8 horas da noilc, appa-
recco na ra da Piala um quarto perdido, com canga-
lha e mais algumas cousas; quem for seu dono, dando
os signaes cortos, e pagando a dcspea que com o di-
to se tem feito, llie ser entregue, na mesma ra da
l'rai.in. 2. ,u
5Jos Mara (.oncalvcs Ramos tem
a satisfacao de annunciar ao respeitavel
publico, e especialmente a seus amigse
conhecidos, tanto desta praca, como de
dentro e de lora da provincia, que elle
acaba de abrir urna nova botica e casa de
drogas em a na larga do llozario n. 12,
junio ao qnartcl de polica ( antiga ra
dos Quarteis). O annuncante protesta, no
desempeobo de sens deveres, precncher
fielmente a expectacao do respeitavel pu-
blico. (l3
LOTERA
DO GUADELUPE.
As rodas d'esta lotera correr
impreterivelmente na vespera de
S. Antonio, menos que nao esrie
a devoco a lo glorioso Santo. O
resto dos billietes ahi te acha
venda nos lugares i annuncia-
dos : a elles, e viva S. Antonio!
5 Roga-se aos Srs. Jos Goncalves Ferreira, Joa-
quim da Silva Maia, Antonio Jos Mondos(iuimarSes,
Francisco Jos Ferreira, o Antonio Jos Fernandes,
que tenhlo a bondad do declarar as suas moradas, ou
dodirigir-searuado Vigario n. 19. que sa Ibesdo-
seja (aliar. 11
2 Aluga-se urna casa com bom quintal e banho
aira/., sita na travessa da Passagem passando a pri-
meira ponto ; a tratar ni praga da Boa-Vista venda
"n. 1. 4
2 SOCIEDADE THEATRAL Ta~ ..
O primeiro secretario avisa aos Snrs socios, que os
buhles paro a recita du dia 7 do corrente dislribu-
om-senosdias5, Go 7 em casa do respectivo ttiesou-
reiro na ra do Queimado n. 67; o mesmo faz scien -
to aos mesmos Snrs. socios quo o concelho su rene
sexta feira G do corrente, para approvacao do convida-
doa. ? *
2^= Troca-se urna parda de ineia idade, robusta e
sadia cozinlm o diario de urna casa lava bom do var-
rella e sabao e be boa para trabalhar do enxada por
ser criada no mallo por urna preta que tenba as
mesmus habilidades; quem quizer annuncie. 5
2= Precisa-se de 2 bons ofliciaes charuteiros ; em
Fra-dc-Portas casa n. 109 de l.uiz Gon/aga. 2
2 Precisa-so alugar duas ou 3 pretas para vende-
r 111 na ra ; a tratar na ruadaPraia n. GG. 2
2 Francisco Jos da Costa embarca para o Rio de
Janeiro 0 ssu escravo Raymundo. 2
2 Precisase alugar pretas para venderem na ra;
nacrua Vclha n. 119. 2
2= O abaixo assignado roga ao Sr. Jos da Silva
Pereira que, no praso do 8 dias, baja delhe pagara
quantia de 19/720 rs. que llie lirn restando em 15
ile Ju lio do 1812, e adverte que se nao atemonsa
de suas ameacas ; pois he disimo a Dos : e posto que
sua merc me nao quiz passar urna leltra, talvcz j com
a malicia do negar de que boje se serve, que mo nao
deve nada antes quo eu sou o dovedor ; mas sua mer-
c sabe muito justamente, que ha testemunhas do
conducta muito dillerente da do Sr. Pereira, para eu
justifhar e ao mesmo lempo facosciente a quem o Sr.
Peieira tem dilo, que o abaixo assignado Ibe he de-
vedor de certa quantia e o Sr. Pereira queror inti-
mar do grande e bom pagador, que nao paga, por
que II10 nao paglo e gora rogo ao Sr. Pereira, como
me nao quer responder por cartas, nem fallar pessoal-
mente, responda por esta folba. Manotl Ferreira
do Valle. 1S
2= Aluga-sc a loja do sobrado da ra do Nogueira,
c 11 muito hons commodos caiada c pintada de novo,
com quintal o cacimba; na ruada Ciuz n. 6, primei-
ro andar. 4
2 Na ra Formosa, n. 4, prccisa-6e de urna preta,
que saiba co/inbar e fazer o servico ordinario de urna
casa. 3
2= Quem precisar de una ama secca para o servico
interior de urna casa de familia capaz, a qual abona
a sua conduLta dirija-se a ra da cadeia do Recife n.
13, terceiro andar, oude achar-se-ba com quem tratar.
1 O traductor da obra Jess Christo perante ose-
culo faz publico que a sua traduccao ja so acba im-
pressa, e que ateo meado do correte mez ser distri-
buida pelos Srs. assignantes: adverte mais, que a Ira
JoecBo da mesma obra pelo Sr. Lopes de Moura, an-
nuncuda na livraria da esquina do Collegio nao esl
conforme com o original pois Ihe falta o segundo pa-
ragrapho do segundo capitulo todo inteiro o qual
consta do 6 paginas, alm de outras passagens que o
Sr. .Moura saltou nao fallando em erros de traduc-
cao, que se contao nao menos de 65. 9
3Arrenda-se um sobrado de dous andsrea e loja ,
na ra do Nogueira n. 19 muito fresco e com boa
vista e commodos bastantes muito bem pintado ; ar-
renda-se nSosocada um dos andares como a urna s
pessoa ; a tratar no Atierro da Boa-Vista com Uanoel
Rodrigues Anjo. S
3= Precisa-se alugar urna sala ou um quaito do
algumacasa que seja no bairro de S. Antonio; na
ra do Cjueimado o, 15. 2


h
Antonio Ferrcira Rraga faz scicnlo ao respci-
t.ivi'l publico, que desilo hojo em vantc fica sen Jo
si'ii oaiioiro o Scnliur Jos- Joaquim du Nascimcnto,
liarais cobrangas : e para quo nmgucm so chamo a
ignorancia faz o presento annuncio.
:= Precisa-se de dous caixciroi do idado do 13 a IV
annos; as Cinco Ponas n. 56.
Queru precisar do urna mulhcr para o servigo de
una casa de pouca familia para co/inhar engommar,
ensaboar e todo o mais sorvigo interior, quo lem bon
cjstunici oflerece-se tanto para a praca como fra ,
uacompanhar alguma familia capaz dirija-so a ra
Direita o. 52.
. O autor do annnncio da ra da Cadeia do Rcci
fe n 53 queira declarar qual o documento por que
tJ constue credordo ahaixo assignado o bem ssini,
de que quantia para que o publico fique inleiradodo
falso c escandaloso prcccdimcnto do autor do nnnuncio.
que julga as bichas capa/es do pegaren* ; p iroi n5o no
abaixo assignado. = Urbano Corrua doi Sanios
l=Arrcnda-so un sitio nosQualro- Cantos da estra-
da du Relcm, fronteiro ao do K*m. Yiscondc do Goian
na pelo lempo de 5 annos a 200/ rs. annuacs, dan-
do se ao rondeirn o primeiro anno de fogo inorto, obri-
gando-sc a fazer lindo, elle, a completar dous annos,
as obras quo falli no mesmo sitio como sejo ; estri-
bara ,-cochcira e '|uirto para pretos tudo du pedia e
cal u alguns reparos na casa de vivenda o no portao ,
tujas obras entrarlo em ajuste no prego do arrendamen-
lo ; o dito sitio tcm boa casa de vivenda, cmn solfio, boa
Ierra arvores do fruto cacimba com boa agoa, i I
cercado do limlo, e portao; a quein convior dito orren
dnrr.onlo, dirjase a rua do Coliegio n. 10, primeiro
indar 12
1Roga-sc ao Sr. Jo'io Joquim Rabollo queira ap-
parecer na ra Direita venda n. 72 para concluir p
negocio quo nao ignora 3
1 Lava-so o engomma-sc com asseio e por milito
lualo prego ; na ra de S. Hita da paite da ribeira ,
w n. lo, segundo andar. 3
3^=Roga-se 8o Sr. Francisco Loclho ccntemcnle chegado do Ce ra, o favor de dirigir-so ns
Cinco-Ponas, sobrado n. 62, quo ahi se Ihe desoja
fallar. (i
NOVA FABRICA DE MACHINAS.
o cstabclecimento dos engenheiros c machinlslai Me.
Calliuu & c, na ra lo Bru n. Be S, acha-ae competen-
teniente montado moderna para o concert de machi-
nas de vapor, mocadas de caima < qualquer outro ina-
chlnitmo. Ko inotino fabrlcSo-sc taiuheiu, com a maior
pcrfelc.to, iiioinlios c piensas de maudloca, agullhdca e
cliimiaceias de rodas de agoa, veios e OUtraa peca* para
serrarlas, parafusot de iodos os tamaitos, c qualquer
especie de obra de Ierre!ro ou niacliiiiisla, (10
Compras.
'.ancezos
. massa ii.iii
'." 'L.'mno gosto ; assim como
. J.os para engenho; na ra Iin-
TTc7
perial n. 31,
335 Compra-scuma geomotria de Euclides, e urna
historia de Inglaterra em Ingles ; tudo quo esteja em
bom uso ; no Attorro da Boa-Vista n. 38. 3
3Coinpra-se um moinho grande do moer cal, com
torrador;'quem liver annuncio poa esta (olha. 2
3 Compra-ic urna colher do prata de lei do tiiar
soupa urna dita de tirar arroz o uina imagen* pe-
quea da Conceiclo do ouro para pescoro do mo-
llino tudosem leitio ; quem tiver annuncie para ser
procurado. o
Na ra da Cadeia do Recifo n. 45, compra-so c
pnga-sc bem urna escrava do boa figura c que leja pe-
rila costureira o engommadeira.
Compra-se para fura da provincio escravos de
lia 20 annos sondo bonitos, pag.io-se bem ; na rua
da Cadeia do S. Anlonio sobrado de um andar de va-
randa de pao n. 10
Vendas.
i.
1= Yendem-se na linaria da praca da Indepen-
d ma, ns. o8, os seguinles hvros: Sontencas BS-
piriluacs, 4v. ; Historia ubreviada da religiiio 2 v. ;
Retrat i da morte, 1 v. ; Coso de si inesuio 1 v. ;
Grandeza d'Alma, 1 v. ; Religiao do homem honrado ,
1 v. ; Cbiislo do tempo presento l v. ; Canelar da
amiza'de, 1 v.; Yerdadeiroi interosse da patria, 1 v. ;
Agricultura simplificada, I v.; Universo inigmatico, 1
v.; j.ingoagcm da rcligio 1 v. ; Lniao da plnloso-
pliia com a moral, 1 v. ; os Amontada Napobo com
estampas, l v. ; Alfabeto da malicia das mulhoros, 1
v.; Summario da Biblioteca Lusitana, 4 v. ; Dcadas
de Barros oCouto, 2i v 13
10 ATTENg.YO!
Vende-so a 140 e 100 rs. o covado de chita, di-
tas finas escuras a 220 rs. o covado chila a 140 rs. o
covado madapolao a ISO e 180 rs. a vara, ditos li-
nos a-200, 220 e "2'i rs. pannos linos pretos o azues a
-500 rs. o catado de urna linda vista, servindo o pri-
meiro. para pannos do pretas e o secundo para farda-
meoto de pagem meios chales de cassa de quadros a
:>6Q rs. cortes de lanzinha do bonitos padrees a 3200
rs. do 1 > covados algodao (raneado azul inesclado a
2'io rs. o covado xuarto azul da vara de largura a 260
rs. o covado muilo boa fazenda para pretos, lengos de
cassa pintada a )0 rs. algodao liso da muilo boa
qualidadc a 160 rs. a vara dito americano largo a -220
rs.'a tara muito cncorpado casimbas de quadros de
bom gosto para calcas a 1200 rs. o covado castores ,
ou riscados trancados de quadros a ilO rs. o covado de
muito bom gosto para calcas, pecas do bretanha de
rolo a 1800 rs. ditas de madapolao a .800 o 3400 rs.,
ditos Anos a 4/, 4200 e 4000 rs. a peca, madraste Uno a
Bf e 6400 a peca, ditas de chitas a 5'00, 6500 e (/rs. ,
escuras bretanha fina de puro linho a o i<> rs. a va-
ra fSvin.io da melhor qualidade do verdadeiro linho
fino a 1500 rs. a tara c ssa de quadros para babados
a 3^ rs. a peca cortes de vestidos do seda cum Dores a
30^ rs. o corte mui rica lasenda sarja hespanhola
multo eocorpada a a.'Wo o 2500 rs. o covado, cambraias
lisas muito Onas, de vara e tanto de largura a 600 e
800 rs. a vara riscadinhns trancados a 200 rs. o cova-
do : adverlindo aos compradores que todas estas la-
sendas sao drupas e de muito boas qualidades alm
de outras multas fasendas por barato prego ; na ruu do
Coliegio n. I, loja de Antonio do Azevedo Villarouco 6
Inno. 3"
12 Vendcm-so lindos cortes de chal do melhor gos-
to a 16?' rs. o corle, com listras de seda cambraias
de listras adamascadas a 520 rs. a vara chitas france-
sas tnuito Unas de vara de largura e de bonitos pa-
drees a 440 rs. o covado, escocez de algodao para ves
tido a 300 rs. o covado, brim traocado de superior
qualidade, muito encorpado sendo de puro linho, a
1400 rs. a vara ; na ra do Coliegio n. I, loja de Anto-
nio do Azevedo Villarouco # Irma. 9
5Vende-sc muito bom milho em saccas por ba-
rato proco ; no deposito do farinha do mandioca, na
ra a Cadeia de S. Antonio n. 19 3
4 Ycndem se lencos pretos de seda da India se-
tins prclos de Uaeo, velas de espermaceti;, farinha de
milho, c cera amarella em pao ; cm casa do Matheus
Auslins & Companliia na ra da Allandega Velha
n. 3G. 6
4 Ycnde-so loda a qualidade do pedra do canta-
ria la, rada e de muito boa qualidade ; e bota-se em
qualquer obra, que se ajustar a 700 rs. o palmo ; na
ra Imperial n. 63, ou na travessa do Lima n. 1. 4
3 Veude-sosal do Lisboa, em grandes e pequea
porgues; na ra da Mocda armazcm n. 7 2
3 Vende-so faro lo em barricas, viudo do Lisboa ,
ao barato preco de 4500 rs. ; nosarmazensdo Bra-
guez ao p do arco da Conceicao o de Antonio An-
nos no largo da Alfandega. 4
3 Nos armazens de Dias Ferrcira, ao pi! da Alfan-
dega e na ra da Mocda n. 7 continuao sea vender
barris do superior vinho da Figucira. 3
3 Vende se por mdico preco, o Sortilegio
Pueril para intretenimento de sociedades de fami-
lias em as noutesdo (esta deS. Antonioo S. Joao ; na
loja do livros da ra da Cruz n. 30. 4
3 \ ende-so cera de carnauba ; na ra da Madre
de Dos loja do Cunda. 2
3 Vendem-se cortes do finissimas cassa-ebitas do
ultimo gosto a 4500 r.s. ditos de cambraia de quadros
i listras de cores a 4200 rs. ditos de tarlatana do gos
to muito moderno a 4300 rs cortes de chitas finas e
de cores lixas pelo barato prego do 1700 rs. ditos de
ditas linissiuias com 17, covados a 2800 rs. corles de
lanzinha com listras da seda pela diminuto prego de
8000 rs longos linos de quadros para rap a 4i0 rs.
cada um lengos do seda a 1-HOrs. pegas do breta-
nha do puro linho a 3200 rs cada peca cambraias li-
sas linas a 180, (iiO e&00 rs. a vjra, superior bretanha
do rolo com 10 varas a 200 rs. o outras muitas fa-
/endas por barato prego j na ra do Crespo, loja n.
S, de Campos* Maya. 10
3Vendem-se couros de cabra sortidos cm porgiio
o a relallio proprios para calcado, por sercm do mui-
lo boa qualidade ; duas redes urna pintada o a outra
blanca do taipurana bem fe i la ; umi parda propria
para vender em taboleiro por ler uso ; e dou quartaos
de carga ; na ra da Conceigaoda lloa-visla n. 8. ,
3 Neiidein se superiores chapeos do castor br*;ig0
com alus largas da ultima moda chapeos
muilo finos do lindas formas ditos de
to linos e do aba larga
"' nomnenlo do to los os mus chapeos honse cha-
peos do Chile proprios para meninos a preco com-
medo ; na nova loja do chapeos n. 1, em frente do
caes da Coliegio. 8
3\ ende-so um inoleque de 18 snnos canociro ;
na ra Nova n. 57, do manilla at as 9 horas e de larde
dasduasasG. 3
3 Vendem-se couros do cabra e bezorros do muilo
boa qualidade tudo por proco comino Jo ; na ra da
Cruz n. 51 3
3= \onde-so uina oicrava da incia idade quo (a/
todo o servico do uina casa e he boa lavadeira o qui
landeira por preco em cunta ; na praga da Indepen-
dencia loja n. 21. 4
3 Vendom-se ImJos cortes do cassa-chitas trans-
parentes de todas as cores a 23G0 rs. ditos a 1800 e
2000 rs. corles de chitas linas do todas as coros a 1600
o 2^ rs., ditos de lanzinha da bonitos padr5es a 3200
rs. c em covado a 520 rs. brins francezes do qua-
dros e listras a 320 o 40U n corles do cambraia de
todas as corea o do inolbor gosto chegados a esta praga a
4200 rs. chilas fraooozsl muito largas e do ultimo
gosto a 440 rs. ditas escuras muito largas a 1260 rs. ,
riscados oscuros do quadros o listras o do muito bom
gosto a 220, 240 e 280 rs. cortes do cambraia bran-
ca com llores do cures a 4f rs. meias para meninos o
meninas 200 rs. linissunos lengos escures de qua-
dros para tabaco a 480 is algodao largo escuro, pro-
prio para escravos a 240 rs. c outras muitas lazendas
por barato pn v ; na ra do Crespo n. 1 i, loja do Jo-
s Francisco Dias. 14
3= Vende so um terrono com 90 palmos do frente,
o fundo pouco mais ou menos 300 palmos com alicor-
ee emtoda frente c mais beiufeitorias quo a vista do
pretendente far-so-ha ver sito no Atierro dos Afoga-
dos; 4 canoas de agoa um carro de 4 rodas com ar-
rojos; alguma* pecas de galio franja o volante ; urna
poreao do aducas de pipas pira obra do tanooir i : no
armazcm do vidios ao lado da cadeia. 7
3 \ ende-so mercurio doco lagedode Lisboa, la-
drilho de marmore por comm;do prego ; na ra do
Yigario n. 19. 3
3 =\ endem-se charutos regalia edo outros a imi-
tacao por prego com modo ; na ra do \ igario ar-
mazem n. 5 3
2Vende-so urna escrava crioula rccolhida,do boni-
ta figura boa engommadeira cozinheira costurei-
ra, tanto liso como faz lavarinto c he lavadeira tan-
to de varrclla como d<* sabo o ptima para casa de
familia ; na ra estrella do liosario n. 30, segundo
andar. 6
2 Vende-sc um. nogrinha do naco do Angola,
de 13 annos, de bonita figura, engomma liso,cose cbio,
cozinha lava c ho ptima quitandeira ; urna negri-
nlia do 11 annos, muito linda ; duas escravos de na-
g3o mocas c do boas figuras para todo o servigo ; 1
inolecole de 16 annos proprio para todo o servico ;
um nulatinho do 16 annos ptimo para pagom ; um I primeiro andar.
ecravo de Angola dc20unnos, bom cunoeiro ; um 1- Vende-s
dito de 40 anuos para o servigo do campo, por 350,000
rs. : na ra des Cruzcs n. 41, segundo andar. 8
2 Vende-so a obra de Thcologia Moral pulo bispo
Monte ; na ra do I'osscin Publico n. 15. 2
2= Vendem-se quartos novos o bem carnudos; na
ra da Conceicao da Roa-vista n. 60 2
2Vende-so por precisao uina prela que paga
400 rs. pordia, pelo preco do 350,000 r*. ; na ra
daVelhan. 119. 3
2 Vendeoi-se os seguinles livros : Selecta, fbu-
las de Pliedro ; Salustio ; Horacio 2 v. ; geograpbia
doGaultier; diccionario francez por Constancio, 2
v. ; historia sagrada ; as cartas geograpbicas em pon-
grande : no pateo do Carino n. 3. g
2 \ ende so um uxcellenlo terreno na ra Augus-
ta com 60 palmos de frente junto a casa nova do
Sr. Andr : no Atierro da Roa-visla loja de se-
leiio. 4
2 Vende-so urna venda em muito bom local o bom
afreguezada a dinheiro, ou metade a prazo, por mo-
tivo do dono ser obrigado a sabir dcsta praca em ra-
zao do mi estado do sua saude ; ou se da sociedado a
pessoa, que entro com algum lundr ; c laiibcm se en-
trega por balango a um caixeiro que do fiador a sua
conducta e d-so bom ordenado ; na ra de Agoas-
Verdsn. 46, se dir '8
2Yende-se um mulatinho de 14 annos do idade,
muilo proprio para pagem ou para outra qualquer
oceupacao ; na ruada Cadeia-Yelha n. 29.
2 Vende se o engenho Redemoinbo na Iregue-
zia do S. Aniao distante dosta praca 10 leguas, e 3
do Norte da cidado da Victoria, moento o corrente ,
com casa de vivenda de. O preprictario nada diz por
esta lolha sobre as qualidades de seu engenho; porque
a vista delio farA verbalmenle ao pretendente: a tratar
com Marcos Bezcrra Campello senhor o morador no
mesmo engenho ou nesta praca ns ra da Cadeia-
Velha loja n. 24.
2 Bom e barato.
Yendem se na ra do (Jueimado lujas de
miudezas junto a ra do Rangel, ns. 53 e 67 spa-
los de marro,|uim para meninos a 560 rs. ditos para
senhora a 1280 rs. ditos de couro do lustro para meni-
nos a 720 e 800 rs., ditos maiores ais rs. ditos pa-
ra senhora a 2100 rs., ditos de duraque a 800 rs. di-
tos de selim brancoe de cOr a 2000 rs. ditos de pan-
no para homem o senbora ditos do marroquim bor-
zeguins para senhora a 4000 rs., ditos para homem a
6400 o 7000 rs. carteiras para algibeira a 240 320,
400, 640 e 800 rs. luvas de seda curtas para senhora
a 560 e 1000 rs. ditas compridas a 1600 rs. ditas
de fio da Escocia para homem a 640 rs. ditas de algo-
dao do cOrcs para homem e senhora a 520, 400 e 640
rs., meias do algodao prolas para senhora a 440 r*. ,
ditas par padre a 640 rs. meias de algodao aborta
muito finas para sonhora a 800 rs. luvas de pellica pa-
ra homem a 1000 rs. ditas para senhora a 1280 rs.
dilas compridas a 2000 rs ditas com enleites a 3600
rs. chapeos do cores pora senhora a 4j 5{ e 6 rs. ,
caixos de llores para ditos e para cabera litas lisas
lavradas do seda lencos de seda pretos para gravata a
2560. 6>e 7500 rs. ditos do cores a 5000 rs. bons
para meninos a 1200, 1300 o 1400 rs., ditos para 'no-
mom a 1760 t*m ^ VSSfSfP muito suni!ri.or'*,*i e si
do papel a 3,/, 3500 e 4000 rs pontes de marfim pa-
ra alisar a 1200, 1400e 1600 rs, superiores hongalas de
canna a 2560 e 3600 rs. aljofaros, franja do retroz
do cures linha de carretel branca a 240 rs. a duzia
papel do machina a 2800 o 3500 rs. dito de peso a 3
rs. um completo sortimento de estampas de papel pa-
ra cncaixilhar, quadros de papeldo a 60, 80, 100, 150,
200, 300 e 500 r*. balaios para meninas, de diversos
padioes a 200 rs. bones de palhinha pintados a 21(00
rs. agullias Irancezas em caixinhas e carteiras u 320 e
400 rs. brinco* e pentos dourados, perfumaras de
(odas as qualidades, o um completo sortimento de miu-
pezas por preco mais commodo do que em outra qual-
quer parle. 36
2 Vende-so, a moeda ou a troca-so por urna
morada de casa terrea, em qualquer dos bairros da Roa-
Vista S. Antonio e Recifo um sitio na estrada do
Arraial om torras proprias, cacimba do boa agoa ,
com bastantes arvoredos de fruto o alguns pos doco-
queiros, com a frente e lado do Nasccnto cercado de
limao cuja casa ho de pedra o cal grande que
abrango numerosa familia ; acba-se com o leilo des-
manchado at o respaldo por ler arruinado a madeira
do ar, cujos materiacs todos se achao dentro da mesma
casa trancados, para com ellos so fazer o concert ne-
ncessario o qno nao pode a dona fazer por ser velha o
nao ttr dinheiro e por isso vendo o dito sitio barato ,
que faz cunta e intoresse comprar e concertar al psra
negocial-o no caso de no precisar para morar: quem
o pretender dirija-se ao major Filippe uarte Pcreira ,
em liebiribe ou annuncio sua morada por esto Diario
para ser procurado. 16
\ Vende-se um casa do um andar com grande
quintal e cacimba cm chaos proprios, sito na ra das
l'iinchcirat; duas casas terreas na ra do Padre Flo-
rianno com cacimba meioira ; o um palanquim aca-
bado de novo, quaaindano seivio ; na ra ra da
Cadeia do Hecife n. 25. 6
1 .._ Ycndem >o saccas com arroz do casca ditas com
milho rol oos proprios para barbeiro, cera amarella;
na venda da esquina da 1 ua larga do Hozario que vul-
to para a polica. 3
1 Yendem-ie dous barris com muito bom azeitc
de coco por prego commodo ; urna canOa nova de
carroira ; tambero se vende barato : na ra do Cabug,
loja que lo do Sr. Randeira 4
1 Vendom-se dous escravos quo oro do cam-
po mu bous trabalhadores possanles, e sem defei-
tos ; na ra do Vigario, armazcm do assucar n. 22. (2
1 Vende te o sobrado n. 7, na travs-a da Madre
de Dos do dous andares o solao em clios livros a
dinheiro, ou a prazo ; a tratar na ra da Cruz n. 50.
1 Vende-se urna poreao do saceos vasios novos,
queservem para farinha ou para assucar ; cm casa de
II. Mohrlens, na ra da Cruz n, 46, primeiro andar. (5
I- Vendo te cera lavrada para igrejas cm ca as
de 180 libras cada urna o com um sortimento do velas
desdo moia libra at 16 om libra cada caita; no ar-
mazn) de asiucir, na ra da Scnzalla-Velha n. 110.
I = Vende-se urna escrava crioula de 22 annos, mui-
lo bonita figura laz todo o servigo de uina casa, tra-
badla de enzada ; na ra da Senzalla-Velha n, 112,-
. .' 4
se urna cama de angico, moderna e bem
fcita ; na ruadas Larangeiraa n. 17, 3
viVundem-se, por medica preg/, as obras seguin-
les diclionare classique de hirfoiro naturolle ; An-
glada traite do toxicologic gvn'crale ; Guibourt, bis-
toire abregeo de drogues simples; Berzelus traite de
chimic publie em 1839 par B Valerius; Itaspal ,
chirnic organique ; Aipbonso Decandollo traite clo-
mentbire de bolani.iue ; Arse'nno Thicbaut de Ber-
neaud traite Jemcntaire de botanique ct pbyziologc
tegetale; R. .fyirtiveauzelemens do botanique etde phy-
iologie vegetile ; Loureiro Flora Cochinensis, princi-
pios elementares do botnica por Lindley traduzi-
dosdo inglez por A. J. Gomes; Magendie furmuairo
manual da chimica divertida ; Porto Real gramma-
tica gropa ; compendio de botnica, por Serpa Izudo-
reBourdon; phrcnologio ct physiognomio ; Constan-
cio diccionario francez e porluguez, o vico vera ;
Merat et Dolen*, dictionairc universcl do mntiero me-
dcalo ct de therapeutique genralo ; jornaes da socieda-
do pharmaecutica luzitano o segundo tolume com-
ploto, com mais alguns nmeros avulsos o parte do
terceiro volume : todas estas obras sao novissimas, con -
tonto quasi todas bellsimas estampas : na ra larga do
Rozaro botica n. 36. 20
1= Vende so urna escrava lavadeira quitandeira e
cozinha o diario de urna casa; na ra da Paz n. 8. (2
1 Narciso Jos da Costa ainda tem alguns cortes do
cstamenha para habito de tere ro franciscano para
vender. 3
1 Vende se urna mulatinha do idade de 13 a 14
annos muito tadia e de bonita figura ; n* ra do
Coliegio n. 1, loja de Anlonio do Azi vedo Villarouco
c\ Irmio, 5
1 Vendem-se dousmoleques da idado de 14 an-
nos cozinhao bem o diario de urna casa ; duas escra-
vas de 18 annos Loas engommadeiras e cosem ; um
mulatinho bom carniro de idade de 18 annos; 4 es-
cravos de nacu ; duas escravas quilnndeiras e cozinhei-
ra* de idado de 28 annos, na ra Direita n. 5. 6
= Vendem- se velas do carnauba de 6 o 11 em libra;
na ra do Rangel n. 52.
Vendo se urna ferramenlB de tanoeiro ; o urna
flauta ; na ra da Colgada n. 22.
Vende-se urna collier de soupa urna dita de ar-
roz de prata, urna imagem da Conceicao, de ouro do
lei ; urna escrava pega ; na ra da Praia n. 43 ter-
ceiro andar das 6 as 8 horas da manhaa e das duas,
as 4 da larde.
= Vendo-so um preto da Costa de bonita figura ,
de idade de 25 anno* ; vende-sc por motivos quo se di-
riG ao comprador, para engenho ou para fra da pro-
vincia por preco muito barato ; as Ciuco-Pontas
n. 154.
= Vende-se urna boa mesa de Jacaranda e um apa-
rador por preco commodo ; na ra Nova loja do
trastes n. 67.
Vende-se urna parda moga boa costureira en-
gommadeira c cosinheira com um filho de tre annos
de idade ; na ra Nova n. 67 primeiro andar.
s= ^ ende-se um cscravo de nacao Baca \ Ta ra das
Cruzes, sobrado n. J..I-, das. .8 as 10 horas da manhaa
o de urna as 3/cla (arde.
^== Vendem-se os livros seguinles: o Talismn, ou
Ricardo na Palestina por Sir Wollcr Scolt 3 v. ;
Paulo c Virginia 1 v. por Saint Picrre; urna gram-
malica Iramcza por Constancio tendo outra de excr-
cicio ; e um checheo muito bom cantador, que imita
a todos os passaros; no Atierro da Boa-Vista n. 58.
= Vendem-se pentes do tartaruga da ^moda, her-
ios, lisos, e de marralas ; lambem so faz qualquer obra
deste genero lano nova, como de concert quer seja
lisa, ou aberta ; desmancblio-sc pentes vellics e fazem-
se novos ; na loja de tarlarugueiro no pateo dj Car-
ino, loja do sobrado da esquina que volla para a ra das
Trincheiras n 2.
7 Vendem-se laixas do ferro coado e batido, mo-
endas inteiras para agoa e animaos, jogos de tambores
para armar em madeira formas de folha de ferro para
purgar assucar as quaes teem approvado muito bem o
*8o de multa duracao machinas de vapor de alta e
baixa pressSo, de lorca do 3, 4 o 6 cavlos inglezes; urna
prensa hydraulica para enfardar alizodao e muilos ou-
tros objectos de machinisme. A boa opiuiao do que
gosSo, ha muilos annos as forrajeas deste estaboleci-
mento, servo de garante a bondade das mesmas ; na
ra da Senzalla Nova n. 42,em casado Johnston^ Nosh,
outr'ora de Fox 6 Stodart. (0
\ ende-se um gusrda-roupa um guarda ntica.
um trem com cspellio o urna cadeirinhu de Jacaranda
para menina de escola ; na ra Imperial n 27.
Cliegou por eslo ultimo vapor do
llio de Janeiro a limito recotninendavel
obra intitulada o Jndeo Errante ,
assim como tambem o muilo interessan-
tc iblhetitn intitulado o Padrasto :
vciiilem se na rua da Cruz do tteeife
n. ao, em casa de Avrial I mulos.
Vende-se farelo, pelo mdico pre-
co de 3ooo e 5ooo rs. ; na rua da Sen-
zalla-Velln 11. 138. 4
Ka*U 'i-
Escravos Fgidos.
IPJ2 Fugio, ou furtrao o moleque Julio, em 25
do Agosto de 1813, bem conhecido que vendia can-
gica de naci Mengela seceo do corpo, 11.010 fulo ,
de 14 annos pouco mais ou menos (cm o embigo
muito grande com um taquinho tirado na ponta de
urna orelha ; quem o pegar, leve a rua da Guia a su
lenhor Manocl Anlcro de Souza Reis, quesera recom-
pensado. 8
2 Ainda anda fgido, ou furtado o cscravo do no-
mo Jacinto do naelo Rebolo do 22 annos, de bonita
figura bem preto com urna marca no pt-ito esquerdo
a imitacSo de urna ancora falla meia descansada, to-
ma bstanle tabaco ; fugio a 20 de Muio do 1S1 :
|uom o pegar leve a rua da Guia asa du 3 andares
11. 53, que roceloia 100/ do gratificacao, do seu senhor
Mano, I Antcro deSouza Iteis. 8
2'Desapparcco no dia 15 do Maio do corrcnlo
anno a escrava l.'atharn e micu feofo u'e >V-
do dtr annos, pouco mais ou monos, estatura re-
gallar secca do corpo roslo redondo nao he mal
parecida entro os pillos tem unsenfeitcs de sua Ierra,
ho bem preta levou vestido do chila j desbatado ,
panno da Costa ; andava vendendo mol em um flandres ;
quem a pegar, leve ao engenho do mujor Filippe eni
lieheribe, ou airar da matiii da lloa-Yisla n. 26 se-
gundo andar, que ser recompensado. (9
1 =.l-'ugio no dia 2 de .lunho do corrente anno um
moleque de nomo Gaspar de idade de 19 a 20 annos ,
do b nita figura ; levou caigas de panno preto com al-
gapSo largo o camisa de aigodoiinho azul, com man-
gos curtas ; suppde-se que fugio para o mallo; ro-
eommenda-so as pessoas, que o encontraren! de o remet-
ieren) para esta cidade na praca da Independencia,
loja n. 4, quo sero gratificadas generosamente. 8
PEIlN. ; NA TYP. DE M. F.DEFAMA----- lHq.6.
MUTIL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2YCFJTBV_LYWXE1 INGEST_TIME 2013-04-12T23:41:46Z PACKAGE AA00011611_05359
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES