Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05357


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anno de 1843.
tf.mmum w.
0 DI AMO publica-sc todos os das que
nao foreui de guarda: o prcco da assigna-
tura lie de 40'rs. por quartel pago adianlados.
O annunclo dos asslgnantes sao inseridos
:, ra5o de i rala por [taha, 40 rs. em typo
dllTerente, c as repeticSes pela mettae.
que nao forera assignantes pagao 80 rs.
por linlia, e 100 em typo dulciente.
" i
PHASES DA LA NO MF.7. DE JUNHO.
I.ua nova a 4 as 10 li. e 43 min. da tarde.
Crcente a 13 a 1 or, e M mo. da man.
Lita clieia a 19 as 81ior. c 58 HlO. di tai de.
Mingoaute a 2o' a l lior. e 7 min. da tarde.
Qtiarta
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Goianna Parahj ha, e Rio Grande do Norte
Segundas e Sextas feiras.
Cabo, Serinhaom, Rio Formoso, Porto Cal-
vo, e Macey, no 1 *, 11 e 21 de cada mcz.
Garaiiliuus c Bonito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 c 28.
Victoria Quintas feiras.
linda todos os dias.
de'tfnnho.
HIIMIM.........-----------"----------------'-"""""-----
Anno XXI N. 121.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiraa4 h. e30 min. da tarde.
Segunda a 4 h. c 54 minutos da maiiliaa.
vJ?, DAS DA SEMANA.
1 Secunda S. Marcellino and. do J. de
,w/ 1). da 2. v., e do J. M. da i. f.
*lW' 3 Terca a. Paula, aud. do J.del). da 1. v,
edo J.dos Feitos. ,,,,,
K.y 4 Quarta S. Querino, aud. do J. de ui-
reitO da 3. vara. .... ...
5 Ouinta S. Marciano aud. do.lniz. ac v-
vrcito da >. vara, e do .1. M. da 1. e 2. v.
Sexta S. Noberlo, aud. da 1. vara, e do Juit dos Kcitos.
7 Sabbado S. Roberto, aud. do J. de Di-
reito da 2. vara.
8 Domingo S. Salustiano.
CAMBIOS NO DA DE3 JUNHO.
Cambio sobre Londres.....2. Vi-
.. Paril 372 rete por franco.
Lisboa 120 por 100 de prem.
Hese, de le. de boai Urinas I Vi '/*Jt2t
Oero-Oncashespauhoia 3IM0 a '
Mocda deO#iOU re. 17 de 67400 mov. i? ". i; a
de 4/000 9/590 a
Piala P itacdcs .... 1/980 a
ii Pesos Coluiumres. 1/9S0 a
Ditos Mexicanos lilil a
Uoedas de2 pavtac. 1/280 a
AcccsdaC do Beberibc WDOO
'31^800
17#500
9/600
1/980
2/oon
1/1H50
i/:wo
ohb c.....-.-.- -^- *"";
PARTE QFF.C.AL
Goterao da Piovincia.
EXPEPIENTE DO DtA 31 DO PASSADO.
OHicio-Ao engenheiro ata eliefe da obras publica,
concedendo a qunta de 240,000 r., lirada das sobra da
contribuicn vigente, para pagamento do que cresta
ao arrematante da radeia doLimoeiru pela facturado
respectivos bancote larimbas CommunirOU-ee ao ins-
pector da tlicsouriria das rendas provinciacs, o ao ins
pcc.tor-fiscal das obras publicas.
DitoAo inspector da tlicsoiirarin das rendas provin-
ciac, ordenando que ao engenheiro em cliefe das obras
publicas mande entregar a quantia de 200,000 rcis para
continuadlo do calcamenm do pateo do palacio dogo
vemo.
PortariaReformando, por terete sido julgado inca
pases do cvico pela junta de sadc, O eepittO da ter
ceira companliia do ]irimciro batalhio da guarda naci
nal do municipio da Recife, Manuel Duarte Rodrigue,
e o alferes da mesma cunipanbia Manoel Ribeiro da Fon-
seca Braga. Ofliciou sea rvspcilo aocommandaiitc su
perior il.i guarda nacional do municipio do Recito.
m*"- PE
CO.
Rtni/imento da mesa da lecebedoria de rends
geraet no mez de mato prximo /indo.
Sita dos bens de raz. 2
2 dcima de mo inorta.
Direitos novo e velhos.
Ditos de cbancellaria.
Dirime da mesma.
Matricula do curso jurdico.
Sello fixo. 2
Dio proporcional. '
Imposto sobre casas de modas, roupos, tSic.
Emolumentos do certidoes.
Imposto sobre a typograpfias.
Sello de herancas e legados.
Imposto sobre lojas abeitaa.
Dito sobre barcos d> interior.
Taxa sobre escravos.
in'.trvas
:489,000
669.361
419,586
10,070
174,403
153,000
:09,020
:566,230
160,000
2 714
30,000
1,280
726.000
4,800
563,000
Rs. 8:999,0G4
Recebedoria, 2 do n.aio de 1845.
O escrivio,
Eitanitlo Pe:eir de iiveira.
CORREIO.
COBBEnrOXnENCIA DA CIDADE E PROVINCIA.
Nao tcnbo noticia algum a dar Ibes, meus amigos;
o que ba de novo he muilo velho; isto be, todos o dias
se falla em um rompi'mento, em urna rusga, em urna
malanga, o para que islo nao fique ero boato scmlun
demento, todas as noute ba reunioes em casas, cujos
moradores nao deillo duvidas sobre o objecto dos clubs;
slguma nonti sencontrao-se grupos de gente pelas ras.
e a seguranza, e as garantas (So completamente nullas
departe da autoridado publica : cad i um r,.io tein que
esperar tenioda proptias (reti, Anda a noute passa-
da espalhou-so por ti da a parte que bau-ria desordem,
e semclhantes boalos \ao p ndo esla cldade como a po-
de deiejar o ministerio de 2 de fevereiro ; a quem tan
to< bens deremoi. ___________
Con espondencias.
Srs. RedactoresEm urna correspondencia, que
publiquei no Piaiio de l'ernambuco, cintrbindo-me
nos neceiMTOl limites de minba defeza, deixei de dc-
-7.'PiiHrj%_ w
FOLHE1
CAROLINA NA SICILIA. (*)
In tanguine ftedm
divisa da mn n s. iamoabio.
PR1MEIRA PARTE.
XVIII.
O DUEX.O.
Veio ti r com cffeito Rafaella no dia segninle cun sen
tio ii Trapan, c abi soube (;uc e trata va de tirar o seu
retrato por Errante. Ao principio oppoi ella tira resis-
tencia;
__ Que quer Vin. faicr desla copia, diste ella a scu
pal adoptivo, qiiand" tem em seu poder o original?
Quero pessuir-te dua8 vetes, responda o excel-
Icnte bario, emil quiteraen; dcsta maneira, cbara flba,
nunca me deixars, ter-le-bci sobmeus ollio, anda na
la ausencia.
__ E cu tcnbo de nuscntar-ine?
Quem sabe o que pode acontecer?
Para que pcnsaiuentoa suislro, uicu tio? Vrn. v-
me j inorta? :
Mora nao, porem casada porque nao r .^
Ou religiosa, disso ella eom melaiicelia.
O barao *gastou-se, e derlarou que antes ve-la morta,
'(*) Vide Diario a.' 120.
nuncarao publico todos o fados, o atrocidadc com-
mettidas pelos meus calumniadores, que, para atte-
nuarem a tanecio moral quo os condemna, pro-
curao parcera na sua infamia ; nossa correspon-
dencia apona publiquei algn laclo. n5o na vistas
deaggredir, sonao du determinar a liuia divisoria que
mo separa dos monstro sanguinarios, que me tecm
guerreado; e longo eslava de pensar que cl.es tivossem
o arrojo de nogar osses lactos.que.pornotonos.nao care-
cio do prova; mas,como querquo o iiepubluo.e outros
(cuja vida passada os carectisava), contestassem,_entre
outros. o faci quo releri relativamente arevelaeaoque
(/.era Francisco Pedra perante testemunhas fidedignas,
apresso-me em pedir-Ibes a impressio do documento,
que remello, o qual nao deixa amenorduvida no ani-
mo o ni a is escrupuloso,
Reeife, 2 de junbo de 1345.He seu constante
leitor, Joto Antonio Camtcanli Atbuquerque.
3* QUE HORROR II!
Documento.
Herculano Franciico Bandeira de Mello, tenente de
<. N., e subdelegado tupplente da freguezia de
guaran, por S. M. 1. C que eot guarde,
Se.
Altesto, quo no dia 20 do abril do corrento anno,
acbando-me no engenho Monjopo. mais o tenente co-
ronel Francisco Cavalcanti Jaime Galvao, o major Cos-
me Joaquitn da l-'onseca Galvo, o capito Jos Xa-
vier Rocha Wanderlcy, o sargento de guarda nocional
Jola Velloso de Albuquerque.o ciadio Manoel Jos de
Albuquerque, Simio Antonio Freir. Manoel Joaquitn
do Reg o Albuquerque, e Antonio Silvestre, e nesta
mesma occasio, chegando o tenente de polica Tbo-
maz Peroira Pinto com ordem do Sr. desomliargador
chele do polica para condu/r os presos a capital, Kran-
cisco, por antonomasia Pedra, e Manoel Pereira, assim
como outros ; nesta mesma occasiao, foro ditos pre-
sos interrogados pelo delegado dcsto termo, o capito
Joio Cavalcanti de Albuquerque e disso o primero;
que, vendo-se vexado por mim, em qualidade de sub
delegado, para o capturar, em virtude da requiicao do
Juiz municipal d cidade de Goianna, por estar all
pronunciado, o continuava a procralo, foi valer-se
do Sr. Manoel Pereira de Moraes no engento Innha-
man, por saber que estesenhor a lodos os criminosos
prelegia, quando o procuravao, e assim pedio llie sua
protecco, e o Sr. Moraes com o Sr. doutor liorges da
["enseca, que lili se achavao, o convidou para o rio on-
de se lorio banhar; all propoz-lhe o Sr. Moraes. que
o acceitava em sua companhia com a condicao uelle Pe-
dra matara Joao Antonio Cavalcant; pirque tinha j
mandado lazer por outros porm que estes cio mul-
to roins, e por isso nio tinlio lelo ; ao que retpotv-
deo dilo l'edra, que nao conheca a esse homem: dis-
se-l e o Sr. .Moraes, quo quanto a isso nao liie dsM
cuidado, que elle o nundava ao Sr. Manoel, filbodo
senhor do engenbo Timb, para llie dar una casa a
bera da estrada, e que,quando tvesse moncao, mand-
ria um homem avisal-o; isto dilo, e apellado na pre-
tenda do Sr. Borgcs da l-'onseca. respondeo esto ; o
homem lio fraco, nio tem animo dedesempenhar, o
que \ me. Iho mando, cu o conbeco pela cara; ao que
o l'edra responder, que iiuubuma razao tinha de des-
confiar dele porque o naoconhecia; ento respondeo
o Sr. Borge do Fonscca, poisva, clizera empreza,
eu carrego-o para minba casa no Recife, aonde nada
Ihe faltar; tem roupa, comer, e dinheiro; fui para a
casa destinada no engenho Timb a espera do aviso; he
quando logo na outra noute apparece um homem cn-
vallo dizendome, quo o Sr. Morae, e seus guarda-
costas linho todo9 ido para a ilha de Itamaraca,
mmmttto ni- if ii -,i
do que reclusa cni um convento; c para fazer aa pases
leve Rafaella de ceder ao seus deseje, o que por cousa
algonta loria ella feito, se suspeitnssc omento que o seu
relrato era por seu prfido tio destinado a Fabin ; que
eom toda a rasao chavera revoltado o seu orgulbo;
mas como sutpeitar traiojo tio negra?
No mais Fabio a encontrn tal qual a liavia deludo em
Segesto, imperlubavcl, serena, evasiva, impeiictravcl, c
mais bella anda, sabe possivel.
Tive um mo encontr a portas de Trapani, to
horrivel quedelle me acbo anda toda abalada, e se fra
supersticiosa trsira d'alli mesnio voltado, sein entrar na
cidade.
Que vos aoonteceo ento?
A rolaba liteira enconlrou-so obro a priincira pon-
te levadica com urna padola onde condutiao um ofllcial
inglcz ferdo em duelo, ao que me duem, por um Sici-
liano.
Menos um, que importa!1 Anda ficao bastantes.
__Oh! como ohouiciis sao cm piedade, usaniosaes
feroze ao menos crueis que elle. V cnlio iccde
praier em vrJerramar anguo? Com tanto que nao e-
jais o matador.......
Sou smeme lestciiiunb.
Pois vos, Fabio, em tfo>aca cunta tende as nos-
sas recomniendacoes .' lie possivel que desprezeii assim
o nMaos sustos'' Vos cutio nao teussja jnizade nenhii-
ma aaaeu lio, ueiii mi ni.
Que fiz eu, bom Dos! que lana eftnsnra mereca?
Por quefui padrinho em um combate d'honra? Ma, en-
tra militares, fazem-se todos os dia estes favores, em
Ibes dar a menor importancia.
Como re tribu telo, nao he assim? Hojctcstcrau
nha, amanhaa actor. E vos credo que o vossos ami
gospdeui encarar indifferentea s.cuclhantc perspeo-
com modo de urna grande tropa do delegado, que lilao
para prendel-os; ello Pedra lugo do Timb para Fapi-
cur ondo morava. o eolia Iota chamado polo guarda-
costa Manoel Pereira, um dos presos, para estarom em
companhia do juir municipal, aonde lo preso Disse
Manoel Pereira, queocibra Flix Iho tinha dito, que
eiio com Paulino (assassino do capitao Rolnn ) va-
rias ve valcant para o matar, por mandado do Sr. Moraes.
referido he veruade. o passei o presente, por me ser
pedido. Villa de Iguarass, 20 de maio do 185.
Herculano Francisco Bandeira de M lio.Francisco
Cavalcant Jaime Gako Cosme Joaquimda Fonje
ca Galvao Jnior.-Jos \avier da locha Wander
ley ManoelJosr de AlbuquerqueAssigno a ro^o o
Simio Antonio Freir, liberto Gomes de Fraga Vi
tira. Assigno I rogo de Antonio Silvestre Bezcrra,
7os I cidra de Sousa.
[Estaca reconnecido.)
Srs. Redactores. Havendo o Sr. Francisco Car
neiro Machado Itios publicado urna correspondencia em
10 do setembro do anno p. passado, e, entre pedac
nhosd'ouro, dito, quo tinha tirado da nullidadu rm
quojazia oSr. Manoel Joaquim do Reg o Albuquer-
que, o continuando o mesmo a dizer as boticas, lo
jas, tabernas, botequns, e em lodos o lugares, onde
pudo resoar sua cloquete voz, e encontrabasbaqu.es,
que o oueao. Quem nao rir-so-ha ouvir essas pala-
vras arrojadas ? Estes ditos nao pasrto do um cumulo
do palavrasresiveis, que s denota a sua grande vaida-
de, ou estado, em quo se acha, de alienacio, o,cu-
pando-se de um ente, tao pequinino, tio abjeelo, mais
vil, qu o Cata-vintein, e quo lano dclle dista, quan-
to do elefante ao moquim. Supposto quo conbeca o
Sr. Carnero, cscoimado do todas as faltas, e porcon-
sequenca o primerooidadio do Brasil, aquello, que
nassuas moslem fechado os destinos desle imperio, a
quelle, que n'um fechar de olhos, querondo, he capaz
de reduzir a p o Sr. Manoel Joaqu'.m e toda a sua (ami-
lia. c lazer delle lijlos, aquelle. que como fiscal das
leis, e o uppremo arbitro do poderes do imperio, tem
o direito de pegar em armas, para desafrontar as leis
calcadas por autoridades caprixosas, e prepotencias
dos manaoes.aquelle, que parece lerdeixado cansada a
natureza, com a sua proJuccao, exaunndo-se, para
enchcl-o de qualidades, que o tornassnm mais proprio
para um tlirono, do que para oleiro da Piranga, aquello
em lim, quo a uian-ira do Pedroso, quuodo em pol-
tica apparece sua influencia, s denota o estado anor-
mal da sociedaile. a fraqueza das autoridades, a au-
sencia do imperio dj le, c por consequencia o susto e o
tenor geral do todas as familias; supposto em lim,
conbeca o Sr. Carnero maiur do que o proprio mundo,
quo para ludo serve, e que ludo be capaz da lazer. c
obrar, nao Iho posso conceder com ludo o ter tira
do da nulldade o Sr. Manuel Joaquim, porque cada
ra mais o remo na nulldade, ponto do j estar ro-
duiido a insolo i infeliz do homem, que o Sr. Carne-
ro oliver tirado da nulldade; pois que esta comple-
tamente morlo, e acabado: a vista do que levo dilo,
permita o .vr. Carneiro perguntar-lhe, como fez esta
operado, ou como obrou; so loi pela a dei bailo,
do pa com o si U lote, ou se por a va dcima, do
doutor arroto. Por que meo o Sr. Carneiro. tirou o
Sr. Manoel Joaquim da nulldade? Apouca ou umita
lot'tuna, que tem. ou he furtada, ou jpubada, como
jftioSr. Carneiro. porm nunca sua, que pouco, ou
nada tem, ou entio. s a deve ao scu trabalho, e eco-
noma ; os pequeos empregos. que oceupa na socio
dade, oque tanto excitad o rancor, eodiodoSr. Car-
-;Tinniiirr jiu-j
lira? Sbela, alera disto, e esse duelo nao lera conse-
nnenoiaa?
E que conscquenoias queros vos que elle lenha
__ Ignoro, ma recaa todo da hoatilidade do lo-
^leic.
Que pdein elle agora fjier-me? Estuu a abrigo
de seu golpes, pela rasM de que leudo me destituido,
nao tem mais por onde alacar-ine. Mas pelo amor de
Dos, Rafaella, deixemus estes objecto mortificadurca;
ajudai-me ante a cgquece-los, em rea de tallarde de
niim fallai-mede v, o que nunca fozei.
Quo queris que vos liga? Coulicceino-nos ba lan-
o lempo, que nada mais temos de novo a saber um do
oulro.
__ Que vos me coiibccai be possivel; que nao mecs-
comlo cu ; mas confesso humildemente que vos nao oo-
nbecn ; nuda sei a VOSSO rcpeilo, o quitora por \s mes-
illa sabc-lo. _
lie bom nial avisada essa eunosidade; cu devia a*
ifaie-la, quando mais nao fusse, para vos punir com
isso.
Fallemos seriamente, Rafaella : no n5o somos mata
enancas; nao Iludis aaminhaaqueatOea; roe bornea-
deis que vo amo
__ Ol! osc be o meu direito : os liomens aman to-
das as mulbcres; mas como aa amia elle P Esta he a
qucsto.
_ Eu amo-vos.....
__ Como a una menina, com quem se brinca.
__ Por.niuilo lempo, confesso, que assim vos amei, e
non poda amsr-vo d'oulra orle ; mas hoje sois urna
miilher, c a mais encantadora da niulhcres, e fra cu o
ma ceg do hoinens se houvera podido confcrvar-me
inscnsvcl i tio rara belleta.
De orle que se cu fgssc feia vos nao me amarici:
nciro, | ara elle em que concorreo c Sr. Carneiro ; se-
ria nomrado tenente coronel e subdelegado, por sua in-
fluencia ? as pocas destas nomcacoes o Sr. Carneiro
nao govornava. o Sr. Carneiro nao tinha influencia,
so se exerca aquella igual a luz, qne costuma reflec-
tir os corpos opacos Pela primera vez que sahio
juz de paz, em que concorreo o Sr Carneiro? O Sr.
Carneiro era freguez de Santo Antonio, quando foi rce-
leito pela prmeia vez, nao precisava de sua influencia,
pois que j era bem conlieciJo e tinha pela sua conduc-
ta subido acarear as syinnalhias dos Afogadenses; cat
os que boje roaior guerra Ihe fazeni leve protestos do
amzade. (")
Ouando pela segunda vez foi reeleito. entio leve
desofirer o grande peso da influencia do Sr. Carneiro,
apfBwnlaodo nos Alegado! gfopoa de raquial, anar-
chistas, e lacinora de freguezia eslranhas, a dispu-
tar-lh- a cleico, a ponto de apreaenlar nos Argados a
anarchia, con'i toJas as suas vestes, faltando-lho ni-
camente o sangue, que. pela prudencia Je seu adversa-
rio.nao lez correr, esperando do governo da provincia
o remedio a tantodesacato; eendo quo entio a m
fluencia do Sr. Manoel Joaquim j i Ihe servio para ser
cleitor em 42.
Natcido ludo do p, ludo sendo nulldade, na boc-
ea do Sr Carneiro, a Je seus infames assecbs.'s sen-
do grande o Sr Carneiro; s o Sr. Carneiro ton pres-
tigio, so o Sr. Carneiro nao he nulldade: le mulhcr
quo eoneebeoem suas enlranhas um tal mortal; feliz o
paiz.qucdeo o berco a lamanbo homem: tutuma
parece risonba, quando o contempla, o ae ufana de o
possuir. Nao te ufanes, 0 Irlanda, como nica que pos-
inaa um 0*Conncll;a praia de l'ernambuco lambn tem
o seu, e vive seinpre limpa ; em lim em p > te voltaria,
mortal Carneiro, c com as tuas nullidades.la nos tmu-
los.te comen os b'xos, e fieari 0 mundo livre do peso
de leu corpo. O Hmliaqued- Co'tume

WIME O
Alfanclega.
Rcndimcnto do da 3................v 6:169j709
Descarrega hoje 4.
Galera inglezaColumbasmercadorias.
IJIPOHTACA.
Skeleftea, bri^uo sueco, vindo de Trieste, entrado
no mez p. passado ;i consignacao de N. O. Bieber &
Companhia, manilcsiou oseguinle:
20 caitas papel ; a Eu Bretn Schramm & <*
1,835 barrioaa farioba do trigo; aos consignatarios.
I') Eia-aqui una carta que um desses sugoitos es-
creveo ao Sr.Manoal Joaquim, o que he urna provado
que levo dito.
lllm. Sr. compadre.Alegados, 13 de agoste
de 1844.A quadra be a mais propria para intrigas,
e meus victorioso inimgoa, sublimes nesta arle, vendo
breu perdido para com V. S. aquella confianco, quo
julgava, anamorteacabara, bio doempregartoda a sua
arte para lovareni-mc,nio s>> ultimo apuro deavilta-
mentoa lim da saciarem sua justa colera,como para mais
inblimarem sua obra, bao de ver. seconseguem excluir-
me de sua amitade, que tanto pre/.o, e para que a tan-
to nao chegue.lhe scicntifico.quo.usando doexpedente,
que j-i.ha muilo,devena ter usado, irei s tratar de re-
mediar 8S precisoes da minba familia, nica compa-
nheira que ho de adiar, tanlo nos prazeres, como no
trabalho. Isto avisa o quem sempre foi e aeri seu a-
migo sincero, ohrigado, criado, Firmino Theotonio da
Cmara S. Thiago.
Precrvc-mo Deo das bexgas. Mas, se bem conipro-
licndi. aeruatcs me de dissimulada?
Dissimulada, nio, porm reservada.....muito.
Vou manifestar-TOi todo o meu pensamento, ou
nao ereio na metfaamorphosea deaentimentoa; como
mu roa se ama, nnia-so sempre; aaaflfeieoes nao lo
tranafprmlo, O amor he absoluto; elle nio ton eome-
o, rcvcla-se, arrebenta: ama-so antes de conhecer.
Ama-sc depoi muto mais.
-- Vos queris diicr que c ama son duvidas; ho pra-
deute fazi-lo depois que se tem a segnranca, mas qual
be o ceraoio dotada de nobre orgulbo que se nao indig-
aaria de semelhante calculo?
Da minba parte nao bouve calculo, o que cu fu foi
obodecer iforca das censas. He minba a culpa de vo
oonheccr menina antes do roa oonbeeer malher? Quo-
reis punir-mo do orime iiinoe.oite, ai! a em demasa ex-
piado de haer nascido antes de v doaaauoa.
-- Punir-ros, com que direito? Nio dependis mais
do meu tribunal (loque on dependa da roaao. Sois livre,
utai da roata liberdade aem reeeio deque jasjtaia roa po-
ca cunta do uso que dola fateis
" Prouvera a es que o fscasei! 1 prorana ao
menea que vos nterosaaia por mim,
O meu interesse, replico Rafaella com vivaeida-
de, ha muilo lempo o leude. E com deitaria eu de in-
leressar-me por um homem que qaaai he da familia, o a
quem meu tio tem tan viva nlFcicJo.
Essa segunda parle, minhn chara Rafaella, dctroe
a priincira. Assim VOS me aaiaia por imitaolO, portabli-
Iba. Retire-me o bario a ana arniaade, ecu nada maia
sei ii para v.
V erci emprc para mim, ao menos eu o ea-j
pero.......
O que?
LAR ENCONTRADO
L<
y


.Ifnvimento do Porto
.Varios entrados no da 3.
Yalparai/o ; 77 din, gulora ingleta Dalepark, de 402
toneladas, capilo John Coombef, equipagem 23 ,
carga guana e la ; ao capitSo
Pbiladelphia ; 46 das, hngue americano Joseph Coa
periwut, do 170 toneladas, capito Andr Evans,
cquipagem 8, carga arinba da trigo echa; u Ma
theus Austin & < .< >iii !>.- ii hi .i.
Edtaes.
Achando-sc vago um dos lugares do amanuense
llcst 1i secretaria, manda S. Exa. o Sr presidente da
provincia declaral-o em concurso, marcando o prazo
ie um mez, contado da data desto, para dentro dcllo
83 aprcscntaroin os concurrentes, os quaes doverao ter
) curso do preparatorios, boa lettra, o expedicSo na
cscripturario, e mostrar que no ostao comprebendidos
em nenfcuma das excepcoes do artigo 1. da lei provin
ctl n. lO do 7 de maio ultimo. Secretaria da pro-
vincia de Pernambuco, :i dejunbo de 181a.O udicial
naisr, Antonio Jos de Oliveira.
O lllin. Sr. inspector da theaouraria defxenda
manda notamente convidar aoa Sr, negociantet, que
quiorem ucear lottras sobre landres, para que bajo
le comparecer na incsma thesnuiaria coi., as sitas pro-
postas. Secretaria da theaouraria de Poroambuco, 3
de junlio de 18ii. oflicial inoior interino, Ignacio
tios Santos a Fonseca.
o O liim.Sr.inspector d.i theaouraria da faxenda aca-
ta provincia, achando-se aulorisado pelo tribunal do
ineaouro publico nacional, para continuara promover
lia inesina o corte do po-brasil, na forma dos artigoa
lo rcgulamento de II de Janeiro de 1842, abaixo trans-
criptos; convida ooj proprietarioa <1<>s terrenos, que
produxem eatc genero, e bein como as pessoas, que qui-
acrein cncarrcgar-sc do curte nos terrenos devolatos,
liara que at o liui do crreme auno venliio apresentar
na iiiesina theaouraria suas propostas. Secretaria da
theaouraria de Pcruaubuco, 17denuda de 1845, Ool-
Jiii.il inaior interino, Ignacio dos Santos da Fmueea,
Artigoi la iegulumenlo que st trfrrc o edital tupra,
Art. I." o curte do po-brasil as provincias, ein que
fur .infinido pelo governo, ser nicamente feitope-
los proprietarioa dos terrenos, que o produieui, confor-
me as exigencias das tliesourarias.
Ari. i." No caso porcn de que o proprietario recuse
rncarreg ir-cc do corte, senda convidado pela ihosoura-
> i.i, a que o i'.n .i; esta, depois de receber dille resposta
negativa, mi nenhuma deutro de um prazo razoavel, que
lln- sera marcado, poder em arri gar o ineaino corto a
|nciii se propozer a lazcl-o com uiais vantagem em favor
Ai i .'i.u Jios terrenos devolutos, he permittido o un-
te a (ptaesquer pessoas, que fdrem para isso dcvidanicn-l
ie autor sadas pelas thesourarias respectivas.
Art. 4." o tribunal do thesouro sobre propostas, r.
informages das thesourarias, poder elevar o preco ac-
tual do corte do po-brasil at o mximo marcado na lei.
Art. ."i." Aspeaaoas, que se proposerem ao corte, as-
aignar termo por si, ou sen procurador, em que se
devora declarar o proco de cada quintal, e a quantidade
que se obrigo a corlar, subjeitnndo-se a nao trazerem
tiara o deposito senfi e po-brasil de superior qualida-
pena de llie ser regeitada, e queimada a ponan,
tia de dous contos de res, c a segunda pela de um cont
a quinlieutos mil res.
As pessoas que se propozerem a esta arrcmalacao
compareci na saladas sessdesda inesma thesourariauos
das aeima indicados, competentemente habilitadas. K
para constar se mandoii allixar o presente, e publical-o
pelo pelo.
Secretaria da theaouraria das rendas provinciaes de
Pernambuco, 23 de maio de 1845. O secretario interi-
no, Juao ValtnUm Vitleta.
INo leudo concorrido hontcn licitantes para a ar-
rematacb do acabamento das obras da capella-mr da
matriz da villa do bonito, oreadas em dous contos de
rea, o lilil. Sr. Inspector desta theaouraria manda faier
publico, que ir iiovanienlo piara dita empresa no dia
20 de juulio prximo futuro ao lucio dia. K para constar
se uiandou allixar o presente, e publicar pelo prelo.
Secretarla da tbesouraria das rendas provinciaes de
Pernambuco, 24 de maio de 1845. O secretario interi-
no, Sedo Vtilrnlim Villcla.
que lor qualilicad.i como inferior. K prestar.., alen.
disto, lianea idnea, salvo se liiiein proprietarioa dos
terrenos. (i
3 O Illin. Si. insiiector da theaouraria das rendas
provinciaes manda fazer publico, que, em cumpriinenlo
d'ordcm do Exm. Sr. presidente da provincia de 80 do
trrenlo, ir a praca, no dia 20 de junlio prximo futu-
ro, a empieza das obras da matriz de .Santo Amaro de Ja-
Imi it.io, oreadas na quantia de 3:320^000 rs., sob as clau-
sulas especiis abalxo transcriptas.
Os licitantes, devidamente habilitados, devorar com-
parecer no dia, lima c lugar indicados, munidos das
competentes propostas, conforme o rrgulamcnto de 11
dejulbode 1843.
Secretaria da tbesouraria das rendas provinciaes de
Pernambuco, 23 de maio de IS.j. u secretario interi-
no, roao V'itciitiin YHUla.
Art. 1/ As obras de reparos da matriz da villa de S.
Amaro de Jaboato far-se-liuo conforme ao orcamento r
plauos approvados pelo Exm. Sr. presidente cin 17 de
ni.no de 1845, e pelo preso de tres eolitos trezcutos e visi-
te mil ris, 3:320/000 rs.J
Art. 2 As ulnas principiars no prazo de dous me-
aes, > aeran concluidas no de dozc mezes, ambos os pra-
i outadns em conforiuidadc do art. lo do rrgulaiuen-
iii das arremataedes.
Art.3.* O pagamento fur-se-ha conforme aoart. 15
lo precitado regulaineilto, sendo de 12 mezes o prazo de
respousabilidadc.
Art. i." I'ara ludo o inais que nao est determinado
jias presentes clausulas especiaes, seguir-se-ha inteira-
liienle o que dispoe o pretil.ido rcglllailieiltO de 11 de
jiiiiho de 1843.
llepartico das obras publicas. 19 de maio de 1845.
A cmara municipal dista cidade do fecife, e sin
termo, tic.
I'a/ saber, que pelo Exm. presidento da provincia,
em cilicio do 2 \ do corronto, Ibe fro rometlida as
seguintes posturas addicionaes decretadas pela assem-
bla legislativa provincial, das quaes a primeira lera
logo vigor da data desle em (liante, o a segunda dopois,
que Mr marcado o prazo do que trata o artigo 2.
.1 asscmbla legislativa provincial de Pernambuco, so-
l/re propoita da cmara municipal da cidade do He-
ci/e, detreta a seguintc postura
Alt I lio prohibido, dentro da cidade e povoa-
(".e. o logo de roqueiras, bombas, logeles busca-ps
: (loar. As pessoas, que dclles lizorom usa, solTiero
seis mil rci do multa e tras (lias decadeia, o o duplo
na reincidencia.
Art. Si, Fico rovogadas as maij disposicoes das
posturas approvadas pela presidencia em viole e oito de
julhodo I.Sil.
Paco da asseinbla legislativa provincial do Pernam-
buco, 17 do maio de 1845. Francisco de Paula Ca-
valcanti de sllbuquei\/tte Lacerda, vico-presidente.
Francisco Xavier Pac Harrelo, l.secretario l'.tr-
nardo llabello da Silva l'ereira, 2." secretario.
A atumbla legi-iuliva provincial di Pernambuco,
sobre propisla da cmara municipal d< cidade do
/lecife, deciela as seuuintei posturas addicionaes.
Art. 1. Os que nio tiraren) licenca da cmara mu-
nicipal, na conformidide do ailigo desenovo, paragre-
pho quinto da lei numero cont o unto, e rtico de
tenovo.paragrapbo tjuarto.da lei numerocento e trinta
e cinco, serio multados cm cinco trinta mil ris.
Art.>.Acamara municipal marcar norejdilaest fo-
Ihas publicas a poca em qoeeodevem tirar ditas licon-
cas.nSo poiiemlo o prazo exceder trinta das, contado
lio da pulilicacao.
Paco da atsembla legislativa provincial do Pernam-
buco. 17 do maio do I8i.F ancuco de Paula La-
valan I i de ./l/iiK/uerque Lacerda, vice-prosidente.
Francisco Xavier Paos Barrlo, 1. secretario.__Ber-
nardo llabello da Silva l'ereira 2. secretario.
V. para que ebegue ao conliociinento de todos man-
dou a cmara fjzer o prsenlo o publcalo pela im
prensa.
I'aco da cmara municipal da eidade do Itecife, em
It de maio da 1845. Luis Francisco de Mello C'o
ralcanti, pro-presienle Jouo Jos Ferrena di A-
guiar, srcrcluiio.
valcanti, pro-presidente.Jo/lo Jos Firrtira de Agui-
ar, secretario.
Deelaragoes.
I! A directora do arsenal de guerra precisa mandar
i (-i.-lli.il parte dos tediados da sala da niesina, do quar-
tel dos apreadizes menores, c dasquatro nllicinas: quem
qulxe'r se encarregar comprela na dita directora para
contratar. Directoria do arsenal de guerra, 29 de maio
de 1S45. No impedimento do escriturario, Joao llicar-
do da Silva. (7
2 O escrivSo o administrador da mesa de diver-
sas rendas internas provinciaes desta cidade faz saber
a todos os proprietarios de estabelecimentos, que pagao
impostos provinciaes, taes como serraras, otarias, fa-
de urna alma d'outro mundo, he tudo histrico; .
Mauzi, Mauratori, Scrassi, Tiraboschl, Beltlnelll, Coni-
pagnoni, Zuecala, Giocomazzi, Mall'ei, yron, ("olleoni,
sao echos liis de todos esses contos que dizein rcspeiio
ao poeta ; s,porm,llossini parece, segundo una carta
erudita de belti, quc,procurandoa estatua no mariuore,
mclhor a encontrou.
Prego* de entrada, como de coslume. Os bilhetes
rendem-se na ra do Sol n. 0, casa do beneficiado, na
ra do Kozario n. 30, primeiro andar, e, no dia, no
tlieatro.
Avisos martimos.
Para > Rio de Janeiro pretondn sabir, hojo 4
do presente, o patacho nac mal S. Jos Americano,
anda recebe alguma carga e escravos a frele ; quem do
bricas de chspos, de charutos, e de tabaco, casas del mesmoquizer carregar, ou ir do passagom, para o que
J*t W^ *V 1 t J J* -A J* ^J K ^ J A 1 ** I ^ a j*aSaA.ljt. f^ o. B^^k **4AJAaft 1 11 __ 4______________ ___ _-!_ -]______ __ ^ 1 h
cambio, de modas, edeleilo, situados no municipio ,
desodores dos referidos impostos, que vsi proceder exe-
cutivamento contra aquelles, cujos dehitos j se te-
nli.o vencido. E para que chegue noticia de todos,
mandei allvar o presente, e publical-o pela imprensa.
Luiz Francisco de Mello Cavalcanti. 11
2 Companhia de Bebiribe.
Os Sonbores accionistas da companhia do Rebirihe
bajito de realisar urna prostacao da A por cento (000
rs. por accao) sobre o valor do suas aeces, dentro do
prazo de 30 das, contados deSdejunho a 5dojullio
do corrente anno. Escriptorio da companhia em ses-
sao de 2de junbo de 18ia. 0 secretario, B. J. Fer-
nandes Barros. 8
O lllui. Sr. inspector da tbesouraria das rendas pro-
vinciaes manda faser publico, em cumprimento da or-
di ni do Kxui. Br. presidente da provincia de 20 do cr-
lenle, que nos dias 20, 23 c 25 do prximo futuro un de
iinlio se lia de arrematar em hasta publica, por lempo
le um auno, na forma da lei, a tasa das barreiras das
pontos doCaxange fYujary, sendo api uncir pelaijuau-
*' *"T*"rr/TglSJfclSjTlSJiljllllOT^ 1 l_i li ITISSSI
I'in amigo.
Ali. Somos cliegndos s consular io nao sochega l to depressa; r* comecsis o ro-
Dauco pelo oliiroo capitulo.
Quo romanceP
Visto que estis decidida a Dio entender, cu von
ixplicar-me sem figuras escm rodeos. Taires me fiqueis
ijra(lecid.i pela franqueza. O liomem quo obliver n VOS-
ia niao, Bafaclla, ser o mala feliz dosmortaes; porque
lio cotilleen mullicr ntais perl'eit i do que vos.
Ah, pertnitti que vos interrumpa, n para que vos
I0 illinlars a nieu respeito de nianeira alguma, vou pa-
pr-vos rranqoexa com franqueza, vos me suppondcn
imito mais ucrl'eila (loque eiisuu; faeo-
4 cmara muniripal desla cidade do fici/t i seu t$r-
m; $c
Faz sabor, quo por o Exm. presidento da provincia,
em oflicio de I do corrente, \u- fora remullida a so
uinte resolucSo da assombli legislativa provincial, to
mada soh sua proposla, a qual, da data desto em diante,
lera inleiro vigor, romo nolla se contm.
.1 assimbUa legislativa pruvincial de Pernambuco, sob
propotta ou enmura municipal da cidade do lite i fe,
deiicla :
Att. l." N,*io se poderj edificar ou reedificar, ainda
que seja dentro de muros, cerca ou vallados, na cidade
da Recito, as povoaeffei do seu termo, e nos arr. bal-
dos, oompreheodidoi no dittrclo da decima, sum licen-
ca da amara municipal : sol pena dd multa do trinta
mil ris, e demolicao da olira cusa do contraventor.
Art. 2. Fico rovogadas todas as n ais disposicoes
das posturas da cmara municipal do Rocic, de 9 do
maio do 1 Tj't, o quseaquor disposicoes em contrario.
Paco da assomlila legislativa provincial de Pernam-
buco, 11 do maio do 1845.Pedio Francisco de Pau
la Cavalcanti de Albuqueraue, presidente. Fran-
cisco Xavier l'ues Harrelo, l.i socre'ano. Custodio
Manuel da Silva (iuim'xrilis, 2 secretario.
E para que chegue ao coiihecimcnto dd loJos, man-
.lou a cmara publicar o presento pola imprensa.
Paco da cmara municipal da cidade do Rocife, cm
23 de iii.i o do 1845. Luis Francisco de Millo 6a-
COMPAiNHIA ITALIANA.
THE A TRO 1' II I I. O-II s M a i' I l'11.
Iloje 4 de jiinlio.
Espectculo extraordinario beneficio do primeiro bai.ro
cantante da companhia, l.itigi tiuizzoni
O dito artista, pela primeira vez, toma a liberdade de
convidar o illustre publico, para quo se sirva houral-o
eom sua presenca. Kilo nao confia as suas li ca ., mas
si m na gralido dos habitantes desta capital, cuja estima
j llic demonstrarn: cm tal circuinstancia, o beneficia-
do estodoii e einpreheiideo, sem poupar despeza algu-
ma, combinar um divertiiueulo todo novo nesta scena,
procurando, alm da variedade. fazer una esculla de
pe^as classicas e chelas do maior interesse e etlcilo.
Odivci linicnlo ser combinado como se segue :
1." parto.
1." Grande siinpliouia do iiiese Magcrbcrg no dra-
ma Margariila d'Aujoa.
2." Scena e duelo Orida c questa nntle da opera
LUCIA DE LAMMERMOOR,
pelo primeiro tenor Carlos Iticco c o beneficiado; msica
do I luin/rlli.
;t. (inve iin.i rscolhidapola orchostra.
4. Scena e duoto ah' se polesi piaiiijcrc da opera
KELISAAIO,
pela primeira dona Margarida Lomos o o beneficiado ;
msica de Donitetli.
2." parle.
Kxcciitar-se-ha, por toda a companhia, a applaudida e
iutercssaulc 2." parte da opera
NORMA.
msica do eximio meslic .Vclliui,
3.' parte.
Graude scena c coros, que forman todo o terceiro acto
do drama sentimental
tou(h;ato tasso
msica de Uonizzetli: dcsonipeuho especial ao cuidado
do beneficiado, posto em scena e decorado com todi a
propriedade, como merece to importante produeco.
O beneficiado se compraz em dedicar este quadro s pes-
soas imc so diguo favorecer-Ule.
.i-isim/u traductor.
A biographia do Virgilio Italiano he coberta de algu-
inas nuvens to densas, que milito a toman senielfinte
a um retnanee. Coliluni Goethe, Huv.-il, Tosini, e o
professor Rosaini pozeraoem scena os vaivens da fortu-
na, por que passou esse venerando prisioneiro, ora ser-
viudo-se de monumentos histricos, ora de tradifes
que mais favoraveis achanto .-.os seus intentos, ora de
recentes e inesperadas descobertas do escriptot inditos,
escapados do poder d'esso desventurado, c por longo
lempo ou ignorados, ou despiezados, ou de proposito
enterrados.
A poca em que se passo os successos do primeiro
e segundo acto he pela historia consignada ao anuo de
l.'i/'J ; o suppoe-se que de ento coircni seto anuos at
os factos que se represen to no .'!." acto, que se suppc
terein lido lugar em 1588. A duqueza Kleonor, raro
tjpo de belleza e de vil lude, liaveudo sido consumida
de urna cufcrmldadc lenta, expirou em 1581 eeu sup-
puz nao incorrer cm falla lingiudo ignorada por Tasso
a morte d'ella, para obler um melhor eliito na scena
tem excellontes commodos, dirija-se a Gaudino Agos-
tinbo de Barros, na rus da Cruz n. 86, ou ao capitio
a bordo. (7
l=Para o Cear e Aracaty subir muito breve opa-
tacho nacional Alaria l.uiza, do que he mestre Jos
Joaquim Alvcs : quem no mesmo quizer carregar, tra-
to com dito mestre, ou com Antonio Joaqaim deSou-
za Ribeiro, na ra da Cadoia do Recife casa n.' 18. (6
= O lirigue nacional Feliz, do primeira marcha,
foirado e progado de cobre, devo sabir para o Cear
com muita brevidade, por 1er grande parle do sou car-
regamento engajado : quem no mesmo quizer carregar,
dirija-so a Firmino Jos Flix da Roza A Irmio, na ra
do Vigario, n. 25, segundo andar, ou ao capitn Ma-
nuel Jos Ribeiro.
Leiles.
30 corretor Olivcira continuara o loilio de tras-
tes novos, proximamtnto vindos do Porto, consistindo
em cadeiras do Jacaranda, d'oleo ocidreira de difiran-
les qualidades, mesas redondas, bancas de jgo, com-
modas, toucadores, solas, marquezas, poltronas, car-
teiras e moxos para escritorio etc. : boje 4 do cor-
rente s 10 horas da machia, na casa do Exm. Snr.
Manoel de Carvallio. na ra do Amorim, onde conli-
nao a vender-se diariamente o trastos, que resta-
reui. (jo
1:=0 corretor Oliveira far leilao dos liquissimos
trastes da snciedade Terpsichore, consislindo em um
magnifico piano, cadeiras do muitas qualidades inclu-
sive de balanro, canaps, sofs, toucadores, quadros,
bancas para jgo, lavatorios, mesas do differontes ta-
manhos, serpentinas, um esplendido lustre, alcatifas,
tapetes, lantornas com mangas, camlieiro do tronzo
dito de lalo, frascos para agoa do cheiro, vasos para
flores, cortinados, caliides estantes, toallias com lii-
cos, bandejas, porta-licores, salvas, garrafas, copos,
loura fina, quar;inbas, fogareiros. jarras para agoa, la-
ca* e garfos, um balcao, peifuiniulores, espelbos, mui-
tas colheres do prata e varias outras obras modernas di-
ta, etc. : sexta leira, 6 d i corrente, s 10 horas da ma-
nilas, na casa da dita sociedlde na BoB-viata, ra que
segu para o Hospicio. | (
%>isos diversos.
1 -Se houvor algum liomem capaz, (se frsolteiro)
que queira tomar conta de um sitio perto da prora, o
qual lum boa casa d livond*, o bastantes arvoredos do
fructo, e trra para planlaeii do capim, ortalico, inc-
ides e mclanciss, dando-so-llio pelo seu trabalho lodos
os fructos quo produzir o dito sitio, com tanto quo
trate bem dos arvoredos o da casa : annuncie para ser
procurado. ,g
laarjolo Albino da Silva SouSa retira se para fra
da provincia a tratar de sua sade, e por isso roga a
todos os seus llovedores Ibe venhao salislazer suas divi-
das no prazo de 5 dias a conlar da dota desle, do con-
trario usar (los ineios competentes: o annunciante so
julga nada deier nesta praci.porem.se algucm sejulgar
seu credor, spresento suas contal ou titulos.para serc.-n
satisloilos: no pateo c'o Carmo n 13. (8
O abaixo assignado, icndo o annuncio, no Diario
nica do.'!." acto, nao me importando com a fiiuida do .1,, 'i ,,; ,i i.' i m ,, .
carece, eco... as lalvez caprichosas peref-rinacoes do '" P' ineu protogonista, antes que o duque Alfonso de novo o ")' l' Ml'IIii. declara que elle nao podo embarcar a
-me justica, r
no declaro incapaz de fazer a ventura do qiieui quer que
rja. Nein eu sei, infeliz de luini, fazer a iniliha. Sabei
os, j que o ignoris, que em alleieao sou absoluta e
e um ciuine excessiVO, d'uma exigencia intratan!. au
alio de um engao veriAcado, quo o no suppnrtaria,
ias aappareucia de mysterio mnporia em desespero;
.....eo deapreto, deapreto eterno, seguira irrcvocavel-
lenle a suspeila. Credos VOS que sejjo estas dsposc6cs
mito favoraveis ventura?
Era a vez primeira que Rataella asen respeito se ox-
riuiia em termos explcitos, eemquanto ella fallav,
Sus grandes olhos negro illuminavio, trsnsflgaravio-
ie as feices. t'ubio nunca a tinlia visto assm; ella se
ie revelava sob nova face: emSegesto a enanca havia
esappareoido para empre de sensolhoa; aqu elle en-
asta o ardore apaixonadns da miillivr sob a tiuiid.i l.ui-
lidez da juvcniudc Essa chama revoladora depressa se
tinguii; fui como mu ram RafaeJIa tornou-se e que
a empre, serena a reservad*. Ma* Fabio havia roce-
do no coraeo a Gtiaea elctrica; erguendii-se m\ a
fluencia dacommufo que havia aentidu :
Rafaclla, dissoelle, com vux agitada; debaldr* vos
calumniis; nio conseguiris deaacurofoar*mo* o mal
que de vos mesilla discis 6 faz tornar-vos a nieus ullm
mais perfeita. Muitas vezes na minha vida tunho lastima-
do vr-rao sem fortuna, s-m earreira, sem pusicAo no
mundo; mas nunca u deplorei tanto Oumo boje.
Acoosas-mo de naluinniar-me, quando sois vos
que vos calumniis. O liomem tem no mundo n poaleau
que nelle I nina: a Fortuna nada tem com isso, e por eu-
enntr.ir mu obstaeulu, nao he vossa earreira iiicnus se-
gura ; crede-uie. VOS p >d s aspirar i tildo.
Dizc-mc ssoj pecu-v.is enearocidamenl
tivesse un nulo em reelusao.
Que Tasso vagasse nos seus amores ; que um falso
amigo trahisse os zelosos segredos que se devio calar ;
que arrumbado l'osse um cofre, onde com imprudencia
guardara papis destinados ao logo ; que estes escriptos
livresde mala obrigasse o duque a lomar medidas seve-
ras ; que Tasto nomoderassesua demasiada bilis mes-
no nos aposentos da duqueza ; que Huberto Geraldini,
encarregadu pelo duque Allonso de negocios importan-
tes, vilmente conjurasse contra Torquato ; qued'esta
Iniqua conjurace l'osse origem a alta reputado e inve-
Jado favor de que gozava esse grande poeta junto ao
duque e suasiriuaas ; que talvez de mais se entregaste
Torquato aos impulsos de seu arden te genio, a ponto
de fazer dilogos con. entes creados pela sua pl.au tasia ;
que cegaiueutc acredilasse lias bizarras perseguirnos
, repeli-
u niiiiias vetes, Tcnhu neoessidsdedeapoio, porque
siiilo dcsfillccimentos, o u horisonte enm frequencia me
parece escaro, in.eacador. Sim, leudos rasan, liavendo
energa e vontado indo se ennsegue; ede mais eu leulm
[imjeotot....... esperances, ooncedcl-me algum lempo
o-nnnte, o eu espero provar-vos, que se un ambientan,
minlia anilne.io ii.'iu est a cima das luinhaa furcas.
Oh! se no negocio entra ambicio, est tudo per-
dido ; enm ella inaiclia-sc s.....pro, e nunca se chcga.
Eu be deebegar, reapundeo Fabioeom ccento
da rniiverao; leulm alguma cnusa que m'u diz. Minlm
.nnl.icao he raudo, lio venale; ho inmensa, pnrquc
aapirn a agradar-vea, a moreccr-vot; lambom me iirulii-
bia, Rafaclla. osla ambieto.
A ohegada do harn diapentou Rafhella da rcspotht,
Ojucajietar da sua reserva, e por causa dessa uiesina re-
serva niiii deixava de ser embancada, o pintor Errante
o arompenhava.
PurBacoho! disso n bario entrando, toda acida-
de esta em rumor, oppidum procellosum, e a guarnieto
esta en. armas. Hnuve cata manilla por Iraa doaqe
lucio, um duelo entre ollleiaes illglctct o sicilianos : um
Inglc ficu.i morlaluieiite ferido.
.... -.
Ai! disso Rafaella, he o desgranado que cnconlrei
ferido quando chegava,
Ksse ferido he inurto esla hora, ferilus mortuus
tst; d'ah todo esso tumulto,
Parece, cxclainuu Pabo, que nunca ss vio uto due-
lo na Sicilia Poi nu he d'hojo que os iijjlczcs tem fo-
lo OonhucimentO com as nussas espadas?
Sim, mas taiubcm parece quo nao he um dos ordi-
narios, a quosiu so complica.
E do que se complica ella ? He um duelo como to-
dos os oulrus.
Oi.a.Hn a mira, replicn o liarn, nao e..leudo na-
da dessas censas, cgubo me disto. O duelo heiimpre-
juizo brbaro, prtvjudicium barbarum, que na amigos
igunravo, e do quo US modernos deverio envergo-
liar-te, elles que ie... soinpro na bucea n pompusa iiala-
vrauivilisaolo, palavra que nein ho latina! Que quem
:u fazer dessosauguc, animal feroz, queres licl.-Ior Em
una palavra, pens a esse respeito como o cidado de
Gencbra.
Sr. Bario, dii Errante, tcinrasio; pensase como
Rousseau, e obra-se com. c pode.
Mas, vollaudu a quoslu, perguntou Fabio, que
ou vio Viu. dixer ?
Hizein as lesiemuuhas doroortu que a ferida quo o
ni.lino nio fui leal.
Nao fui leal ? Us ofliciacs Sicilianos sao por ven-
tura assassinnsP Errante que iijulgue.
' Vejamos, responden u pintor que de boni grado
fazia ostentaclo do son talento na esgrima, c que dc-lle
ni.ni so ensoherbecia do que do da pintura.
Logo que se chegou ao terreno tirou-se o sortc n
lime dos d ius campers, visto que o nrgocio era'do
muitiis, e njo podiu baler-ne todos Feito isto es dous
|sorteados poserAo-se em guarda e o combato couiceou.
dita cscrava Rita, e outro qualquer ; porque cst5o pc-
nborados polo o abaixo assignado, para pagamento do
reposicDo de partidlas, que elle tem do fazer a abaixo
assignado e suas irniaas; e i.s providencias a osle res-
peito ja estJo dadas pola polica; issiin cono declara,
quo o dito p'eij nao podo dispr nein do engenho llam-
hurral, n.m do nenbum de seus hens, sem efleituar o
dilo pagamento; porque lodos eslao suhjeilut a dilas
reposicoes.Jusii (abiiel oV Maraes Mayer.
Jos Horculano Ferreir d'Horta retira-se desta
provincia; no caso de alguom se julgar sou credor po-
de apresentar suas cuntas no escriptorio do Sr. cnsul
Portugus.
Atahi, responden Errante, nada ha a dixer; mas
o Siciliano! cra por acaso fe,tu sallar a espada do seu
adversario, un ter Ih'a-I.i.i lomado eom a mi o ?
Nada disso levo lugar j na uccasio de aparar o
golpe do odvcrsnrio, di-srcveo um circulo, c teru-u
em segunda eom admirare! destreza
Tudo isso esta na regra, diz Errante, e cu me
servo em caso de neeetlidadc, a citar a isso
iiiiulins autoridades,
Purem, mea charo afiilhado, ilis o bar,
em Fabin admirados olhos, se tu cttivesset no
cnuibale nao podas dar melhor Cunta d
ro-
retpeito as
filando
igar do
Oh! meu lio, pois Vnic. nio ndevnliou que elle
l eslava ?
He possvel ? Sers tu o autor dessa deagraca ?
Isto ho, fui testomunlia della, iijuntnu Rafaela, o
jue ja au lie ponen
U' dcsavei.lurado tu cnlo queres fazernus mor-
rcr de susto ?
Rallie com ello Sr. bario, diz Errante, e ralhciu
ambos; j o fiz pola minha parte, o pretendo faze-lo an-
da ; porque nio lio rasoavel a respeito da Albiun, e vai
ato a anglophobia Meu charo] o... patriotismo oomu
cm tudo o mais deveni se evitar us exoessos A prupus
tu, ci.nlnuuu elle fazendn a rabio sentas, .inda ver o
meu quadro do Mucabuos, antes de o entregar a Mac-
Farlane, quixera ouvir a la opinn.
Fabio enleudeo, quo queria fallar-llie em particular.
Aa taaa ordena, meu amigo, responden elle; nas
repara que nio posso ser juiz competente. Tu, anda
que artista, leus votonojogo das armas como um mili-
tar; euque nio sou seuio .soldado, nada eutendo dos
placis.
A pintura eapocaia sin irn.aas, diase o baro, Ho-
racio assm o escreveo : ul pictura poe$ii.
MUTILADO


1 =Jos Fernandos Gastos declara ao Sr. adminis-
trador da mesa da recebedoria do rendas getaes, que
deiiou de vender calcado estrangoiro eni sua loja na ru
da Cadoia; si sim contina a vonder fabricado no paiz.
a servir proinptaniente scus Iregueos. (5
l=Precisa se fallar nos Srs. Anacleto Alves da Sil-
va, Miranda & Companhia a negocio doseus interesses;
no armazem do Baeellar, na cscadinha da nlfandega. (o
. 1 =Koga-sc ao Sr. Francisco (.ollio da Fonsees, re-
centcmento chegado do Ce ir. o favor de dirigir-se as
Cinco-Pootas, subrado n. G2, que abi se Ibe deseja
fallar. (4
l = I) se dinbeiro a juros com penhores de ouro e
prata, mesmo em pequeas quanlias ; na ra da Praia
n. 22 (3
l=Precisa so de um caixoiro que cntenda do ne-
gocio do venda, nao se duvida dar um boin ordenado,
sendo que agrade, e juntamente dando fiador a sua con-
duta; na ra da Senzalla-Velha n. 48. (4
l=flerece-se una parda moca de bons costuraos
para ama de casa de bomem solteiro, ou de pouca fa-
milia, para servico do interior, cozinha.engomma com
inuita perfeicao ; na ra de S. Sicilia n. 45. (45
1 =Aluga-se urna morada de casa no paleo da Solc-
d idu n. 1, com duas salas, quatro quartos, dispensa,
cozinba, agoa de beber e um grande quintal a fallir
na mesma casa acuna, n. 2. ['
= Lava-se e cngninina-se roupa, por proco com-
modo; no principio da ra do Atierro das Cinco-Pun-
tas, o. 14.
= Aluga-se urna, prela cscrava para o srrvico in-
terno e eiterni de urna casa ; queui portender, annun-
cie sua morada.
Aluga-se a loja do sobrado da ra Velha n. lil
propria para qualquir estabclucimento, e com comino
dos para moradia ; a tratar na ra das Cinco-pontas
n. 44.
= ftoga-se aoSr. S. A. Percira 15. queira ir bus-
car o seu chapeo no prazo de 3 dial, pois que do con-
trario so-r vendido para o m boleo do annunciante, da
quantia de mil quatro cuntos u quarenta reis.
Jos Zacariat de Cartalho.
1= Aluga-se urna casa terrea na ra do Guarara-
pes, bairro de Fra-de-Portas n. 13 ; quem a preten-
der, dirija-so a Antonio Joaquim de Souza Kibeiro.na
ra da Cadeia do Kecife casa n. 18. (4
l=Maria Candida Ferreira da Cunha, viuva de Joo
Ferreira da Cunha, declara quo so nao responsabilisa
por qualqner objecto, quo em scu nomo se pee.a em lo-
ja, ou em outra qualquer casa de ncgucb, salvo com
biHiele, ou ordum sua. (5
l=Na ra do Collegio n. !), existe u na carta para
o Bevorendissimo Sr. Joaquim da AHUOipeio, escivao
da cmara episcopal da cidade de UhnJa. (5
l=:Precisa-se do 1:200,* rs. a 1 '/' !' P"r espa-
co de seis ine/.us, hypothccando-se urna casa no valor de
quatro cotilos; na ra \ cilio, venda n. 65, se dir quem
os precisa. (4
==; A Sr." Mara Jos do Sacramento queira ter a
bondade de ir a venda da ra da Cadeia do Itccife n '23,
a negocio de seu intercssi, pois que por (r.'S vetes (ein-
se annunciado.
= U Sr. Manoel Ignacio Das Jnior, morador em
S. Goncalo*, baja de vir tirar os penhores, quo se acbao
c .ipenhado pois j soacha vencido o prazo mareado ;
c so os nao rsgate no pra/o de 8 dial, (carao vendidoi
para pagamento do principal o juros, sem que haja re-
clamtclo alguma.
3= Sr Alexandre I.opcs Ribciro dlrija-se a ra
das Crutea n. Ai, a negocio que nao ignora, do contra-
ria ser publicado. (3
2 Da-se dinlioiro s premio sobre penhoies de ro-
logins scr4o modernos o de boa qualidade ; na ra
das Flores, casa de relojoeiro n. 18. 3
2 Agencia de pussaporles.
Na ra do llangel n. 3i, tirio so passaportcs para
lirnlrii nr.i do imperio, despachan-so escravos e cor-
rcm-se folbas; assim como se copia quali|uer escriptu-
racio, udo com presteza o proco mui commodo. (5
4=l)ao-se diuriiins mil ria a juros (obre penhores
de ouro, ou piala, e tambera se dao em pequeuas quau-
lias: dirija-so a rua das Grilzei n. 34, ijiicalii SC dir
quem o Mi. ou annuncio. _A
2lislao por alugar os segundo e lerceiro andares c
soliio da casa n. 7 da rua da Cruz, multo leseos, epin-
tado de novo : a tratar no primeiro andar da mesma. (;t
2 (i tbesouruiro M i iiin.iin! iili' da Sra. Sant'An
na, erecta na igreja.da Madre de Dos, convoca a todos
os irmaos da mesma irmanJa le, para se rcunirein em
mesa (jaral quinta-feira, 5 do correte, as quatro horas
da tarde, para se tratar negocio de grande urgencia. (5
2Francisca d Paula Sanl s, lendo o hario de
l'ernambuco n. 112, de 23 do mez panado, nclle en-
controu o annuncio de Luir Candido Ferreira, que ina-
aSi'.-,.5v.c-.-.''. :
Mal liavia elle oomeoado, que Errante e Fabio desam-
pararlo a prnc.a, dando-so por fclitei de eseapareiii pela
regida diasertaclo artstico liticraria, de une efluvio
I......icados. Rafaellii assini abandonada .i seu lio soilicn-
te eonjurou da aun pane a tempestado, reeolhendo-se ao
sru quarto. U bario Hcou soiinhu e inbalarel, oomo <
justo do poeta que elle acabara deoitar, sebre a rui-
na da sua barenga nterrompida: Impavidum /rient
ruina
Bem ves, iiicu charo capillo, diz Errante a Fabio
(piando se adiarn na rito, que o mous Machaboos torio
mero pretexto) nao qoii diter-le nada diante do liarn c
(leua sobrinha para os nao ussuslar.
Koi'iu que lu ?
II.i (|ue os I ii;; le/.i-s se queixaro, c que os ofliciacs
sicilianos estilo presos.
Cresos?
Teslciiiiinhas c Combaten tes, O menos que ibes
pode acontecer he paasarem por um conccliio de guerra,
I--H be una Infamia !
O fado lie este. J exasperado pela rcenle mor
te da Spagnol.i, os Inglcics t'allo |de si; dar mu (;ramlc
exempln, e como elles tem de i'ompor amelado do aon
eelbo de guerra, os indiciados nao levarlo a melhor, eg-
ion nreveniido le. Agora se me onvisaea, dcixariai
Trapnni no mismo inslanle C sem cnlrarcui casa; por-
que infallivelmeiite has de ser preso como os Olltros
K tu queros, que en fuja eomo um malfeitor ? Que
deixc no ji perlo os mena eamaradas ? I. es tu, um aun
(o, que me das lio cobarde cons Iho ? Nao pensaste :ia
lo! Que diria de iiiim lodo o mundo0 Despiezar uic-hia,
c mu razao.
Ao menos ucculin-lc por algum lempo
Tao pooen o cont fazer, que vou rcoolbrr-mo
casa pelo cnimnlto mnis trequenlado.
Faze o que qnizere, mcu charo; se be do teu go>
liciosamente pretende embaracar a annunciante em scus
direitos: sim, a annunciante deve a esto Senhi r ril
211 jOOO, porm sem onus nenbum no sitio da estrada
do Arraial, do que a annunciante ho proprietaria o
qual se acha desembargado, o livro de hypolliea; po-
dendo por isso a annunciante vendel-o a quem bem I lie
convicr. A annunciante aproveita a occasiao para convi-
dar ao Sr. Luiz Candido para que aprsenle ao publico
o fallado documento, pelo qual pretendo ixbulbal a de
seus direitos 13
2 Precisa-so fallar com o Sr. Candido Percira de
Souza para negocio de seu interesse; e como se ignora
a sua moradia, a queira annunciar por esta folba, ou
dirigir-se a casa de Joaquim Goncalves \ ieira (iuima-
res no armazom n. 1, no caes da Alfandega, oo no
Fortc-do-Mattos rua da Moeda n. 7, primeiro andar, que
dir a qualidade do negocio. ^
3 Arrooda-se una olaria por detraz do recolbi-
mento da Gloria ; procurem ao Dt. Pereira, na ruado
Bangel n. 59 primeiro andar. 3
3 Traspassa-so a renda de um pequeo sitio per-
to da Casa Foite com bastante rora e mais lavoura
plantada ; comprando u dita lavoura : quem pretender
annuncio. 4
(i = No dia 23 do correte, as 8 horas da nolte, appa-
receona roa da Prala um quarto perdido, com oanga-
Iha e mais algumas cousas; quem for seu dono, dando
os signaes cortos, e pagando a despoza que cora o di-
to se teni fcilo, ibe ser entregue, na mosma rua da
Praia 11.2. (O
BOjOOO rs. de gratilicaco.
Fugiro doongenho Sousa, da freguezia de Agoa-
Preta, quamio erooscravos de Sr. iVIanoel Francisco
l.emenha Lins, que os codeo ltimamente ao abaixo
assignado, os escravos seguinles, que o annunciante
promelte nao castigar, so so apresentarem voluntaria-
mente, e vende quaiquer dilles que ten lia conseguido
illudir a algucm o so ache om sua casa, e por cada um
dosquaes finalmente dar 50g rs. a quem Ih'o apreson-
tar no ItioFormoso, ondeo annunciante he morador :
a saber:
Caelano, Angola, carreiro, alto o secco, pernas ar-
queadas, fugio em junlin do anuo passado.
.Miquilina, Angola, baixa o grossa, sicatrisada pelas
costas, do relho.
.Mina, do Contente, alta e socci, cor fula e boin la-
dina.
Matlicos, Angola, baixo o grosso, cor bom prola,
reprsenla ter de idado 24annos.
Francisca, mulata, alta o se:ca, cozinboira, engorn-
madeira, e canta bem.
Joaquim, crioulo, altura regular, bem prolo, mul-
lo Udno, fugio cm outubro ou noveinbro do tnno pas-
sado. FiunciicoJut de Araujo Lopes. (23
3 No dia 29 de maio tardo, desappareceo do por-
to do becco Largo em Fra-de-l'ortas urna canoa do
carreira aborta o curta, he cncavilbada na caverna da
pul 1 e da popa, com cavilbas do cobro, nao tem panei-
ro, maistein Iraveodes para paneiro de tirar e pr, foi
pintada do cinzento, mas est j toda desliotada por
sor anliga, e tem corrente nnva ; julga so ter sido tira-
da por algum curioso : quem souber delta o der noti-
cia em Fra-de-l'ortas n. 95, ser bem recompen-
sado. (10
3 Prccisa-se alugar urna mulher forra ou escravo,
du mui bunscoslumes o sem fillios para criada de
urna casa do pouca familia : quer-se que saiba cozi-
nhar o ongommar. Dirigir-so a rua eslreita do Rosario
n. 30, primeiro andar. 5
Casa de commercio de compras 1 vendas de eicracos, na
rua de Agoa verdes n. i (i.
Itecebcm-se escraves para se vender por commissao
levando-so dous por cento do venda e compra, assim
como so recebem objectos de ouro, o prata, trastes &c.
dando-se a ludo competente seguranca: na mesma casa
ha pessoa idnea quo se encarrega de tirar passaporles
para dentro o fora do imperio ; correm-se lolbas; co-
brao-se divides dentro da praga dando seguranca no-
cessaria. 10
5=Prccisa-se do dous ofliciacs de charuteiro ; na
rua Direila n. 117. (2
3=A Sr.* A. M. C. ( com venda no Manguind ) ,
queira mandar pagar o saldo do sua conta, que deve na
rua da Cadeia do Kecife n. 48, terceiro andar, pois pa-
rece ser tempo sufTicienle. (4
l'rccisa-se de un pequeo com al-
giins conlici inicnlos de pliarmacia na
botica das Cinco-pontas n. 4'i- (3
3Jos Mari Goncalves Ramos tem
a satisf'acao de aiiniiiiciar ao espeitavcl
publico, c especialmente a seus amigos e
condecidos, lauto desta praca, como de
iisiPTiiaiBriiiiiii'riiviiiitf i frtsiiMi ,\i*j. _.. ..u.^-a^.. i lo nioller le as arras do Leopardo, bom proveilo que
te faca. Pelo que acontecer, nein leras quei\as de iiiiui,
e ni ni ou uno errepender-me.
Nao laidou niiiilo ,i re.llisar.ao das | ropborias do pru-
dente *rtis(a, e ule inoltu mais cedo do que elle suppo
lera, jtorque ao soltar da prxima rua, rabio foi brutal
monte agarrado por dous esbirros, all poslos d'aloalea,
o iiiiniediiManieiile eouduzid'i prisiio.
Errante t'oi quem primeiro deo esta triste noticia ao
lio (lo Kafaolla.
Imi (liara ceito, disto o liom do bario baiendo com
desespera^fio na fronte, de que a sua infernal polillos
Ibe bav a do procurar nlguinn desgrana. Para que se fui
elle ntrometter no diabo desse duelo P Mas, nao digo
una s patarra n iiiiulu sobrinlia lie preciso ter mulla
cuidado enin a fonsibilidadu das inulliercs Essa chara
menina Bearfa InoonsolsTcl.
-0.01110 com o mais Completo silciiriu.
E agora que liavemos nos fazer? Pur que modo o
tiraremos da prieto ?
A cousa mo he faoil; ma* oocorre-me urna i .-
porque nao vamos aconsclliar-nus com o conde Alie
gran!
En ia propor-Ihc isso mosmo. O cunde lio um bo-
mem perspiejs c do recursos, quando quer, vir solerlis-
simus.
E conliece toda a cidade, e nao tm grande anu-
lado aos lnglcics
He una rafa feroz, brilannia ferox Como diz Ju-
lio Cesar noi sena Commcntarios; dopuis dcllo os bre
toes anda nao mudaran. Agora acbo raiSo em Fabio
nunca liaver com elles sympalliisado.
iNiinca o bjiao dissera tanto contra Albiao, cera a
primeh*a ves em aua vida que llie acontecia formular
urna opiniio polilioa, Claro ora que a des;;r.ica de sen
ablhado o liavia fcilo sabir dos eixoi.
dentro e de lora da provincia, que elle
acaba de abrir urna nova botica c casa de
drogas em a rua larga do Kozario n. i,
junto ao quartel de polica ( antiga rua
dos Quarteis).() annunciante protesta, no
desempeiibo deseos deveres, preencher
fielmente a expectacao do espeitavcl na.
blico. (i3
3 Precisa-Fe de urna mulher do bons coslumes pa-
ra ama de urna casa de pequea familia que saiba beiii
cngorr.mar ; em Fra-de-Porlas, rua do Pilar n. 145,
primeiro andar. 4
3O Sr C. S. A. quoira ter a bondado do vir ou man-
dar pagar a conta quo dove na loja da esquina da rua
do Crespo ao p do arco de S. Antonio pois ja basta
de demora. 4
2Parlero para Lisboa, a tratar de sua sado, Joao
Cavalcanti de Mbuquerque, o sua mulher, (2
MIJITO IMPORTARTE CARA 0 POYO UE CERIUMBOO
10lie espantoso o numero dos uossos sonielliautos,
que cada anuo siiccumbc molestias que, so fssein
tratadas simplosiiieiilo serio aluda vivos! Entre na
oslas molestias sao feralmente a phtbTSica, catharros ,
indigestao dispepsia anoplezia obres do toda a
capele,assim comoIntermitientes, bilis, escarlatina,
gotta, molestia de ligada pleuresi, Inflammajoes ,
poraliala, hydropesia, bechigas, sarampo, lombrigas,
disenteria eryaipelas, inchassos do pos e pomas,
heinorrhoidaa, liia as molestias de aenhoras.
Minias dostas molestias sao radicalmente curadas o
todas aliviadas com aquella celebre medicina popular
do Dr. Suoll o as pilulas vogolaes do l)r. liaiulictli.
Ilccoiiimciidaiiios a lodos os Mocles pois nao ro-
quer resguardo algum. Ka Inglaterra e nos Estados
I nulos oslas pilulas teem sido o iinico remedio de IKC*
las familias por loiif-n lempo, tirando semprc o desoja-
do Bin, restabelccendo asando.
Na corto o as provincias teem una extraccaoenorme,
o sao receitadaa por inultos dos medios mais habis do
Braail.
Acaba de chegar una nova porfo doslas invalua-
veis pilulas, aos nicos agentes para PernaiuDUCO J.
Keller StC. e Tondem-se miicainente porautorlsacio dos
ditos agentes, na botica francesa dos Sis. aisset & c.
na rua da Cmi ii. ii, ao proco de I^UIM) i s. cada caixinha
do ambas as qualidades, advorlindo-se ao publico que
as nicas vordadoiras pilulas vegetara sao ombrulliadas
no seu receituario, fechado com o sello em lacro prcto
dos nicos agentes pelo Brasil no Uio do Janeiro.
2 Aluga-so o primeiro andar do sobrado por cima
da bolira da rua do jjuoimado n. IS. (fl
2 Joao da Costa faz scienle aos seus freguc7.es da
loja do sapiteiro da rua da Cruz quo foi do Sr. lia
lael Fornandes Abrautes que comprou a Mili luja e
continua a servir a todos com a mesma promplidao co-
mo al aqu g
2 l-sc (linhe.ro a premio sobro penhores de ou
ro mesmo em pequeas quantias; na rua do Itangtl
n. 3. primeiro andar. 3
2 FranciscoJoaquitn Cardoso embarca para o Rio
de Janeiro o seu escravo do nomo (Juerino o oulro
de nonie Caetano por ordem do Sr. Francisco Coclho
da Fonseea. 4
2 Jos do .Mello Costa liveira embarca para o
Itio do Janeiro o seu escravo Antonio, crioulo. -j
2= No becco da Virar;ao, n. 5 lava-so o engom-
ma-se com perfeicao tanto com unil como sem elle,
ao seguinles procos: caifas a meia pataca, camisas a
quatro vtntcns, rlleles a trez vinlens o jaqueles a
meia pataca. g
2= Precisa-sc do um caixeiro do 12 a 10 anuos ,
para urna venda ; e do utna criada Portugucza : na So-
ledad indo pela Treinpe do lado direilo quasi
ao p da igreja, n, 7, 5
2 Aluga-so urna casa terrea muilo larga por
proco ccirnuiodo na rua da Soledado, com duas salas,
ti quartos, corredor ao lada e um grande quintal mu-
rado com outro -Jiaior cercado; a tratar na rua da
Aurora n. 58. 5
2 Aluga-se urna casa terrea atraz da matriz da
Boa-vista repartida a moderna com duas salas, (i
quarlos cpzinba fura, corredor ao lado o quintal mu-
rado rom cacimba com muitu boa agoa; a tratar n
rua da Aurora n. 58. 5
2 Alu^a-so urna casa terrea na rua da Soledado ,
rom duas salas, 3 quartos solio c quintal murado ;
a tratar na rua da Aurora n. 58. 3
2 Aluga-se urna preta por IOS rs. mensaes para
todo o servico de casa menos o do vender na rua : na
travesado Lobato n 16. acbar-se-ha com quem tratar
2 Precisa-IO do um padeiro do meia idado para
fazer pao am urna casa distante desta praca duas ou ">
legoas : na rua lar.a do Rosario n. 33 3
&:Quem precisar de utna lavadeira de varrella que
d conhecimenlo de sua capacidade dirijasu a rua do
Sol sortaria n. 19. 3
2= O abano assignado, vendo o annuncio inserto
no Diario de l'ernambuco, 0. 117, por Domingos Alves
Barbosa sn Iho ter desencaminnado urna ordem do
tboor seguinte : A quem convier podera entregar,
ou vender Cem arrobas do carne secca quo pelo trato ,
que o mesmo fi/er pelo prsenlo me rosponsabiliso.
O abaixo asignado declara que lio falso o ter-sc-llie
desemeaminhado ; pois quo o dito Alves Barbosa a
entregou para so Iho dar as cem arrobas de carne cujas
o abaixo assignado as entregou a vista da mesma ordem;
mas o abaixo assigm>do (em testemunbas d- vista em
como o dito Domingos assistio a pesara carne no dia
i do Fevoreiro e levou pessoa que ajudou a pesar ,
e ficando do vir passar o recibo, no veio para usar
do monopolio de dizer que a dita ordem esta sem vi-
gor. Antonio Pinto Soares. 13
4 A viuva Cunha din maraes a luga um grande ar-
mazem ou alias dous, queso coinmunicao do lugar
do embarque, na praia de S. Francisco ao oulro lado
da rua do mesmo nomc. 4
l'J Aluga-se urna excediente casa na rua do Sevc
n. 14 peito do Collegio S. Antonio aondo se acbao
as chaves; a tratar na rua lardado Rosario n. 48. 3
2 Arrenda-se um sitio no lugar dos A togados; na
rua da Cinceicodn Boa-vista n. ,'iS. 2
DO
TEMA
GUADELUPE.
As rodas d'esla lotera eorrer
mpreteiivclmente na vespera de
S. Aiilonio, menos que noeslrie
a devoco a lo glorioso Sanio. O
resto dos billictes alii .^e acha
venda nos lugares ;i annuncia-
dos : a elles, e viva 8. Antonio !
Cautellas contra as falsi-
fica coes.
a
I
S5r
Constando a medrov te c. que em al-
urnas lujas desta cidade so vende un rapo S?
B Com i falsa denominaran ib; RAP REA
9 PRF.TA o com astuciosa mitaeflo, nio s
>'>m
H chis bolos rtulos c sellos do sua fabrica >5V
Escomo do proprio nome dos annuncianes, fa-B
iS /IMI1 sciente aos scus Ireguezos e ao pu- ts
g blico, que, om resguardo de sua propriedade B
2< e dos scus direitos Indos os hotos o iiii'ios -^
cvflo por cxli'iiso a tirina $y
MEUROBX ii C. : o lgiio a %.
> linios do scu rapi
3 dos annunciante
' a os nomes de Mouro <\ C. Muibom 2 ecc., inventados para Iludir ao publico por
!m este meio, digno de scus auctores. Por tan- ft^
B loqualquor outro rap que se aprsente de- &
Ss baixo da ilcnnniiiiacanilc RAP ARA PRKTA
S lio urna falsilicaco dos producios da fabrica
gado MEtmcN tt c. inventores, e tnicos
?-3 proprictarios das lubricas de RAPE AH.V
& PRETA tanto no Rio de Janeiro, como na
s=g Babia, o nesta Provincia, o rogfio aos Srs.
B compradores, o com ospecialidade os do
K| interior la Provincia para onde consta aos
annuncianes torem-se fcilo grandes remes-i
Bsas] se acantellcn contra a fraude, pois'
H nSotrocOo. o nem se responsabilisffo pela
^ qualidade dos boles que nao tenlio a sua
;<^ firma : o preoo be de Ifooo ria a libra, e
jj no se vende menos de S libras.
8!
i?;
\n:i;ko3 & c.
EiTiinto c elle nada disnerao de novo ao conde Allc-
Briini : ella sabia ciroumstaiiciadamenlo tudo o que si-
liavia pastado desde c provocarlo dos elBcaet ale i iiri-
ar impatsivel, e sem dar
Daeao,
So de labio. Onvio elle com ar impassivel, c
inostras do menor interesse as lamntameos do
eomo este Iho perguntava todo consternado :
Mas eiiifini, meo charo conde, que haremos de
fazer ?
Ponssrei nisso, responden com o sen costumadu
soonitmo.
K foi iio (uanlo delle Iho poderlo arrancar.
He ni bom signal, diste Errante ao bario, que te
raelxava da ndifterencii do comi.
Km que est o bom signal ? Nlu nos disse urna t
lalnvra de esjieranga, ou de alalo,
Tanto melllor.
Vos estis gracejando.
K o Sr. nao sabe o adagio : Quem cala coiisento ?
Fie se nn conde, quo nio lio bomem como os oulros :
aiiantu menos elle folla, mais obra,
Por bnochu devenios nesse caso esperar nne lia
de elle fazer inuito
Nn ineimt noute da ana priso, achoii Fabio no plu
que Iho leVOU n enrecreiru, mu billictlnlio denle teiir:
(i Cuida so em Vino. Donde llic vinlia esta oonsulaclo ?
Nao era do bario, nem de Rafaella, e a Ictlra ora-llie m
leiranieiiic desconheuida Mas eraflm oomo o mysterioso
aviso so de amigo poda provir, oeste amigo inha in
lelligeucias com os euipregados da pristo, resulvc Fa-
bio esperar paoicnte, e sem torturar o seu espirito, a as
sisteneia quo se Ibe promeltia.
No (lia soguiulo um nietiibro da cunraria dos Nobre
veio visitar os presos. Fabio nao o coiibcciii, nem elle a
l'';,bio. todavin ao passar junto a osle u visitante piulan
trupo Kxoii nelle os olhos, e oluimuii-o pelo nomo de
modo que por mais ninguea fosse ouvido; c logo de-
= Aluga-se urna casa terrea na Gamboa do Carmo
cum 3 cainarinhas, cosinha lora, quintal murado e por-
teo para a travest do Carino, por 14.000 rs. por ner.:
a tratar em S. Amaro, casa de Francisco Berangucr do
A.incida Guedes, coro Jos Francisco do Faria Salles.
I Koga-so aos Srs. Jos Goncalves Ferreira, Joa-
quim da Silva Maia, Antonio Jos Mendos Guimaries,
Francisco Jos Ferreira, e Antonio Jos Fornandes,
que (cilicio a bondado de declarar as suaas moradas, ou
de dirigir-se a rua do \ igario n. 19, que se Ibes de-
seja tallar. (6
iy>uci.i precisar mandar fazer obras de alfaiate
por preeocou:iiiodo,cuiii umita promplidao e muilo bem
feitas, dirija-so 6 ruadellortas n. 106,sobrado da um
andar.
HK-.M '.->..?WPrWsiUljaieSH
pois disse-lbe ao ouvido as mosnas palavrcs do bilheto
da Vespera, Cuida se Om Vine.
(lada vez mais entelado, porom socegado, Fabio nao
diividou mais da sinerridade, da aetividndc mesmo das
diligencias de quo ora cbjcclo; mas nem por isso 3iip-
portava com mais rosi;iiafo a provanca do oapliveiro:
o anda que pouno receioso pelo meto que o liavia pri-
vado da lbenla.lo, doplorav.i o Iciiiin as consequencias
indirectas do sua prisio. Aeoosata-se debaver desafia-
do sua ina fortuna, envolvondo se sem necessidade
em ame risa de quartel; porquanio que Ihc importa-
va .ilin.il aquellc duelo r Nao tinha a sustoiitjr um, eni
cuja proseny'S todos os oulroscru bngalellas ? E qunn-
las vetes nlo fasero os negooios ingsiuiKcanies <|ur u.
borloiii os grande r Quo diria a raiiiba, qunudn soubes*
se quo oncaiiegado por ella de una uiisaan capital, ello
a liavia coiii|>noiictlido ostoiivailainente comportando so
oomo um altores ? Se por isso viesse elle a perder a na
aun flanea, a ua ottima, loria rulo de qaoisar se P
Dctte modo ao semprc amargo sentimeoto de urna
dosgrooa juntava so nelle o pesar anda mais duro de ha-
ve la attrallido por sua falta \o ver destruida atoa am-
bicio, liiiimlbado o seu orgulbo, parccia-llie que ete
ountratempii Ibe viera desmoronar o son futuro, esse
futuro, qoo hallo pouoo tempo fina bnlliar eomo um
pbarol aos olhos de Rafaella. E que dovia olla pensar
disto Como encarara esta inesperada calastroplie ?
Praw a Dos quo ella eslejpsentida I ^'"a ellenom in-
genuo e cruel egosmo; porque eolio soi que me ama
(|u.nitii basta para esperar o atlrontar eomiiiiguo futuro.
Tal lie n dureza brutal das paixfles o a ferocidade do a-
niur proprio, que eiu vez de conibaler essa barbara es-
peranca, Fabio aebava na dr de Rafaella comsolaco
do eu oapliveiro
FiM DA PRIME1RA PARTE.
(Contenuarse-haJ.


A
2 = Um moco habilitado para cnsinar primoiras let-
tr-is que t em 3 preparatorios latim, fruncez c geo-
metra olTeroco-se a algum senhor d engenho, (|ue
queira mais commodemcnlc ensillar os seus filbos ; nn
ra Hireita n. 18, segundo andar. o
2 Precisa se de um trabalhador do masseira ; na
rus doCoelho n. 13. 2
3 Attencao l !
= Vende-seo resto dos bilhetes da loloria do Gua-
delupo primeira que corro; tambem so troci por
outros da primeira parto da terceira loteria do Rosario;
na ra da Cadeia do Ki-cife casa de cambio n. '21, do
Vieira ; odverte-se, quo nesta mesma casa lorio vendi-
dos os bHieles que tiverio os premios seguites na lo-
1Arrenda-se um sobrado do dous andares o !oja teria do l.ivramcnto alm do outros muitos menores;
___.1- m_____:-. D i ra do Nogueira n. 19, muito fresco e com boa
vista e cotnmodos bastantes, niuito bem pintado; ar-
rea la-se nao socad* um dos andares como a una s
fesoo ; a tratar nu Atierro da Boa-Vista com Manuel
TtodtignM Anjo. 6
1-= Precisa-se aiugar urna sala ou um quaito de
i!. u,: a rasa que rejo no bairro do >. Antonio; ni
i i ijui'iinado n 15. 3
=0s Srs., Juaquim Galdino, quo foi procurador de
orphflos c Urbano tllicial de armador do Sr. Mi-
guel Estoves AI ves queirao vir a ra da Cadeia do Kc
cifa, n. 53, pagar suas cuntas j.i antiges pois a demo-
ra be sdiciente.
= Na rila d'STrincheiras, casa terrea n 25, fa-
zem so bolos do S. Joao, com capellas de alfinim, c bo-
lintos de todas ai qualidades ludo muito bem feito
por prego commodo.
Compras.
.'! Compra-so una escrava, quo laiba porfcila-
merrte engommar sendo de bonita figura ; em Fra-
d -Portas ruado Pilar n. 145. primeir.i andar. 3
!'. Compra-se popel de diario para embrulbo a 100
rs. a libra e a 3200 rs a arroba; na travessa da Madre
de )co padaria n. 11. 3
2 Comprio-sc de 100 a 400 garrafas vastas d
sonta c limpas ; na ra largado Rosarion. 33. 2
2 Compra-so o litro Lunario Perpetuo^:, ain-
ila sendo usado ; na ra do Sol serraran 19
1 Lompro se escravos para engcnlio; na ra Im-
% perial n. 3l.
v.l = Compra-se una geometra de Euclides e una
bistoria de Inglaterra em flgle ; tudo quu esteja 001
bom uso ; no Atierro da Boa-Vista n. 38. 3
1Compra-io um moinbo grande de moer cal, com
torrador ; quem livor anriitncie poaesta falla. 2
1 Compra se una colberde prata de lei de tirar
soupa uma dita de tirar arroz o urna iuiagem pe
quena da Condigno de ouro para | escoro de mo-
llino ludo sem eilio ; quem livor annunoie para ser
procurado. 5
Comprao-se passarus viuvas da costa d'Africa ;
na venda que faz esquina pera a ra do Sebo, junto a
botica.
Vendas.
3 Na praca da Independencia linaria ns o 8,
vendem-se excedentes livros de papel branco paulado ,
de 50 a 3011 follias por prego commodo. 3
17 ATTBN$AO!
, Vende so a lOe lo rs. o aovado de cliila di-
tas tinas escuras a 220 rs. o covado cliila a 1'iU rs. o
.iva.-t. madapoln ISU o 180 rs. a vara, ditos fi-
nos a i2U, 2-20 u 240 rs. pannos finos pretos e azues a
"500 rs. o c.vado de uma linda vi*ta, M-rvindo o pii-
meiro para pannos de prclas o o secundo paia falda-
mento de pu^em nidos chales de cassa de quadros a
o60 rs. corles de laoiinba de bonitos pudines a 3200
rs. de 15 covados algodo trancado aul uiesclado a
*2'i0 rs. o covado zuarle azul de vara de largura a 60
rs. o covado muito boa fazenda para pretos, lencos de
cassa pintada a )G0 rs. algodio liso do muito boa
qualidade a 160 rs. a vara dito americano largo a 220
rs. a vara muito cncorpodn casiinias de quadios de
m gusto para calcas a 1200 r. o covado castores ,
ou rigcadol trancados de quadros a 340 rs. o covado de
inulto bom gosto para calcas, petas do Lrctanba de
rolo a 1800 rs. ditas de madapolao a iSOJ e 3400 rs. ,
. ..js tinos a 4/, 2U0e 6600 rs. apega, madrasle fino a
,"0 4U0 poca, ditas de chitas a &'2OO,,6500 u ti/rs.
'.ros brctatiha fina do puro linho a 040 rs. a va
. MguUo da melhor qualidade do verdadeiro linbo
fino a ISOO rs. a vara c ala de quadros para babador
a 3j rs. a pesa cortes de vestidos de seda cem flores a
f. o corle mui rica fasenda sarja hespanhola
mullo cncorpada u a3U0 o 2500 rs. o covado, cambalas
lisas muito finas, de vara e tanto de largura a OOu e
'i.-., a vara riscadinhos trancados a 2u0 rs. o cova-
do : adverliodo aos compradores que todas estas la-
.- ;; as sao mpas e de muito boas qualidades alm
de outros mullas fasendas por barato prego ; na ra do
Collcglo n. 1, fajado Antonio de Azovvdu Villarouco &
Irmao. 30
o Vcndem-se lindos cortes de cbali do melhor gos-
lo a U\j rs. o corto, com listras de seda cambraias
de listras adamascadas a 520 rs. a vara chitas fianco-
.... muito finas de vara do largura o de bonitos pa-
ltes a 4(0 rs. o covado escocezde algodo para ves-
tido a 300 rs. o covado brirn trancado do superior
ijualidado, muito encorpado sendo de puro linho, a
i-'iOO rs. a vara ; na ra do Collegio n. 1, loja de Anto-
nio de Azevedo Villarouco Irmo. 0
7 -* Vcnde-sc una grande porco de ferros velhos ,
proprios para algum ferreiro por preco commodo; na
ua de Agoas-Verdes n. 4S. 3
'.i ( karalus regala.
Na ruada Cadeia do Recite n. 46, lia sempre um
grande c esplendido sortimento destes afamado charu-
tos vindos recentemente da Babia ; assim como gran
de soiliinento de vinbo do Porto, M'idcira, Xerry e
agurdente Jo Franca ; tudo se vende mais em cunta
do que em outra qualquer parte. 7
3\endcm-se ps de caf de viveiro para plan-
tar a 1000 rs. o cento ; a fallar com Jos liongalves
I'crroira Costa. 3
3 Vcnde-sc uma venda sita nos CJuatro Cantos n.
0 'in Oiinda com poucos fundos, o com lulBcieotet
commodos par. familia; a dnbeiro, ou a prazo com
bol firmas; a tratar na mesma, ou com Joo .Nicolao
Comes da Molla. 4
3 Vcnde-sc uma morada de casa terrea com solio,
sita na ra dos Copiares n. 22; no cartoriodos c.rpbo
acbai-se-ba com quem tratar: todo negocio sera feilo
commodamente ao comprador. 4
3 Conlinua-se a vender a agoa de lingir os cabellos
c snissas ; na ra do Qucimado ns. 51 e 33. 2
3= Vendem-se, por mdico preco, os seguintes li-
vros ; os diccionarios ingle/es por Vieira ; Horacio ;
Pope; Voltaire; Historia da Grecia ; Martin direilo
natural; as collecces das Cartas familiares; na tra-
vessa das Cruzos n. 8. &
um mi-io n. 2464 que tirou a sorte do (i:000f de rs.,
outro dito n 3109, que tirou a do 3:000j de rs. ou-
tro dito n. 1152 que tirou a de 1:00'l;> do rs. outro
dito n. 2432. que tirou a de !0(i r>. 10
3 Vende-so bom pao e expeliente bolaxa de 4 em
libra, e biscoulo d'agoa c sal e doce tudo da me-
lhor farinha e da mais superior. que ha no mercado;
assim como bolaia de dillercntes tamaitos ouca o lu-
tada da segunda qualidade propria para venda o para
o matlo e muito em conta ; tamheni se d pao de
vomiagein dando llanca os vendedores ; na prrea da
S. Cruz, padaria de uma s6 porta junto ao sobrado
n. 10G. 8
3 Vcndn-se um piano inglez ptimo para quem
qtiizcr aprender tom boas vozes, e por preco commo-
do ; na ra do Crespo loja n. l. 3
3 Vende-se a padaria da ra da Gloria n. 55, ten-
do ludo quanlo he preciso para trabalbar ; a tratar na
S. Cruz padaria de uma so porta. 3
3 Vende-se muito bom cal inoido de primeira e
segunda qualidade i qualquer porco muito em con-
ta ; as padariaida S. Cru* junto ao sobrado n. 106
e na travessa da Madre de Heos n. 11. 4
2 Vende-ie urna lio? casa terrea do pedra e cal ,
sita no areal da Penba n. 9 em chaos foreiros ; na ra
Direita n. 40. 3
Vende-se uma canoa de carregar agoa por
preco muito commodo ; na ra Nova venda n. ta. 2
3- Vende-se a venda da ra Nova n. 50, na esqui-
na da ra de S. Amaro; a tratar na ra da Cruz n. -46.
3 Veiidem se ricos leques. chapeos de sol, de seda,
pai .i -r borzeguini e spalos do morroquim e de lustro
para homem esenhora botins lrancez.es do bezerro ,
esapatos de pala de lustro para homem llores fran-
cetai para cabeca o chapeos do sunbora crep de cores
para chapeos, metas dealgooo para senhura e meni-
nas, ditas de algodo cr para homem aventaos de
seda pura sentiora suspensorios de seda bordados ,
ditos ordinarios leneinhos de seda para senhora ri-
cas bengalas estojoscom todos os perteoces para bar-
ba bicoie lilas de seda setim lavrado du muito botn
goslo luva de pellica pespuntadas para homem di-
tas de seda curtas u compridas para senhora pontos de
todas as qualidades chapeos de seda e toucas para su-
nbora e meninas perfumaras, o afamado rap Area-
preta de Meuron t Compatihia dito Imperial do lijo
de Janeiro e oulras muitas faicndas o miudezas de
muito gosto por preco commodo ; na ra Nova fa-
jan. 21. 16
3Vende-se muito bom milboem saccas por ba-
rato preco ; no deposito de farinha do mandioca, na
ra -.a Cadeia de S. Antonio n. 19 3
3=Vende-te uma negrinha do naci, de 15 annos,
de bonita figura engotiima liso coso chao cosinha
ava ; uma dita do uacao Angola, do 26 annos, cosi-
nha, lava e he ptima quitandeira; urna dita da mes-
ma idado e de boa figura para todo o servico ; um
oscrato de nacao Angola do 20 annos, bom canoeiro;
um dito de naci de 40 annos, para o servico de cam-
po por 350,000 rs. ; na ra das Cruzes n 41 se-
gundo andar. 9
2 Vcndem se lencos pretos de seda da India sa-
tina pretos de Mac.o, velas de espermaceti:, farinha de
milito u cera amarella em pi ; em casa do Malheus
Austins & Cotupat.hia na ra da Allandcga- Volita
o. 36. 6
2 Vendem-se saccas com familia ditas com ar-
roz pilado e do casca ludo por prc(o commodo ; na
ra da Cadeia do lenlo n. 8. 3
2 \ eridein-sedous escravos, que lorao do campo .
muito bous trabalhadores de louco e enxada, e sao pti-
mos corladores de caima, esein defeitos alguns ; na ra
ra do Vigario armazem do assucar n. 22. 4
2- \ ende-sc etn carrinho de duas todas, muilo
levo com scu competente cavallo o aireios outro di-
to do 4 rodas tambem com arreios; na ra da Cruz
n, 7 primeiro andar. 4
2- Vendo so uma escrava de idade de 22 a 23 an-
nos, ptima lavadeira de varrella e sabio com prin-
cipios de coslureira u cozinheira, sem vicios; he de bo-
nita ligura e uiuilosadia ; na ra Jo Kozano da Boa-
vita n. 16. 5
2= N ende-sc un.a casa na ra da Concordia da
parte da sombra com lundos at a baixa-mar com
seu quintal de -0 palmos quudrados; a tralar na mes-
rua n. A. 4
2 Vende-se toda a qualidade do pedra do canta
ra lavrada a do muilo boa qualidade ; e bota-so em
qualquer obra, que se ajustar, a 700 rs. o palmo ; na
ra Imperial n. 63, ou na tiavessa do Lima n. 1. 4
2 V endem-se boas caxas de tartaruga pura rap ,
no (iite da matriz de S. Antonio n. i. 2
2 N endem-sc dous molocoles crioub'S de boni-
tas ligutas de 15 a 18 annos ; um mulatinbo de 16
annos, lodospropri.s para pagens; na ra das Cruzes
n. 41 segundo andar. 4
2 Vetidem se duas negrotas de 15 annos, muito
lindas e com habilidades ; duus moloques pecas de 17
annos, de bonitas liguras ; uihu mulatinha do 13 n
noi, o com algumas habilidades; urna negra de naci,
que sabe t ngommar coser a cozinhar ; duas ditas de
20 annos quitandeirai ; urna negrinha de 12 annos ;
muito experta e diligente um moleque de 9 annos,
unta preta do meia idade por 300.? rs. ; um prelo de
20 an.-tos ; na ra das Flores n. 21. 8
2 Vende se um terreno j prontpto para edificar,
com largura de 40 palmos de Ironto e 500 de lundo o
a la/, (rente par- a ra nova do Brum o para o nov,
caes proposlo ; 4 macacos de patento que servem pa-
ra arrumar algodao ; na ra dos Cuararapes no tan-
que d'agoa. 6
1 Veude-sesal de Lisboa, em granJc* e paqueoas
porioes; na ra da Mooda armazem n. 7 2
1 Vende-se farelo em barricas vindo do Lisboa ,
ao barato preco de 4500 rs. ; nos arma/cnsdo Rra
guez ao p do arco da Conceico e de Antonio An-
nos no largo da Alfandega. A
| Vende-se uma parda com baLilidades e mui-
lo airanjadeiru de qualquer casa de familia ; vende-se
por precisio : na ra Augusta o. 11. 3
1 NosarmazensdcDiasFcrreira, ao p.'da Alfan-
dega c na ra da Mooda n. 7 continuas sea vender
barris de superior vinbo da Figueira. 3
(J barato !
M Vendem-se bicos e fitas a rctalbo e em pecas ,
ditas de veludo de varias qualidados transelim de bur-
racha suspensorios de seda ditos de burracba, ditos
a imitacio escovas com espellto para cabida ditas
para chapeo ditas para falo, agulhas para allaiate, di-
tas cantofas ditas de fundo dourado ditas franceat
om camnhas e carteiras pontos para desembaracar ,
de marfim, baieia e agoa-forte ditos do tirar piolhos ,
de marfim c chifro ditos de prender cabello ditos es-
treitoi ditos virados ditos de taboa larga bordada,
ditos cobertos, ditos de tartaruga para marrafas, bons
de veludo luvas de todos os precos at 200 rs. ditas
do pellica para homotn csrleiras para algibeira do
varias qualidades, papel alinsco de primeira sorte meia
hollanda fitas para dobrum, ditas franeczas para laco,
moias de seda para homem prelas e edr de carne ,
ditas de algodio para homem e senhora thesouras de
varias qualidades o tamaitos canelas linas para pen-
nas de ac canuttlho crespo e liso, galio falsoantarel-
lo e branco botes poquenos de duraque ditos dou-
rados, grandes e pequeos ditos de vidro rebique ,
caixas para rap, finas e ordinarias, marroquins,
quadros de papelo bon do palha com aba de lustro ,
espelbos do damas, papel de cor de lormato pequeo,
cordas para viola caixinhas com brinquedos para crian-
cas caixas do buxo e baieia cr-rdio dourado o ou-
lras muitas iniude/as por preco mais barato do que em
outra qualquer parto, e dio-se amostras oos comprado-
res : na ra do Queimado n. 24. 27
1 Vndese, por mdico preco, o Sortilegio
Pueril para intretenimento de sociedades de fami-
lias em as noutes de fasta de S. Antonio e S. Joo ; na
loja de livros da ra da Cruz n. 36. 4
1 Vende-se um moleque crioulo de bonita fi-
gura ; nasCinco-Pontas n. 71. 2
1 Vende-se urna parda de 30 annos, pouco mais
ou menos, cozinba soflrivelo diario de uma casa, he la-
vadeira de varrella e sabio, e vende na roa, de tabolei-
ro ; na ra do Livramento n. 7. 4
1= Vendom-se duas pretas mogas porprecocom-
modo urna he recolhida, e a outra de ra ; na ra
Nova n. 58. 3
1= Vende-se um alambique pequeo, de cobre e
algumas pipas limpas; na ra da Gloria n. 59. 2
I Vende-se, a moeda ou a troca-se por uma
morada do casa torrea, em qualquer dos bairros da Boa-
Vista S. Antonio e Itee.ifo um sitio na estrada do
Arraial em trras proprias, cacimba de boa agoa ,
com bastantes arvorodos de fruto o alguns ps do co-
queiros, com a frente e lado do Nasconte cercado de
limao cuja casa lio de pedra e cal grande que
abrange numerosa familia ; acha-se com o leilo des-
manchado alen respaldo por ler arruinado a madeira
do ar cujos materiacs todos se achio dentro da mesma
casa trancados, para com ellesso fazer o concert no-
cessario o que nao pode a dona fazer por ser velha e
nao ter dinbeiro e por isso vende o dito sitio barato ,
que faz conta e interesse comprar e concertar at para
negocial-o no caso de nio precisar para inorar; quem
o pretender dirija-so ao major Filippe Duarto Pereira,
em ebiribe, uu ai.nuncio sua morada por osle Diaria,
para ser procurado. 16
1_ Vende-se cera de carnauba ; na ra da Madre
de Dos, loja do Cunba. 2
vi Vendem-se cortes de finissimas cassa-ebitas do
ultimo gosto a 4500 rs. ditos de cambraia de quadros
o listras de cores a 4200 rs. ditos do tarlatana do gos-
to muito moderno a 4500 rs cortes de chitas finas e
de cores fixas pelo barato preco do 1700 rs. ditos de
ditas finissimas com 15 covados a 2800 rs. cortes de
lanzinha com listras de seda pelo diminuto prego de
8000 rs lencos finos de quadros para rap a 410 rs.
cada um lencos de seda a 1440 rs. pecas do breta-
nha de puro linho a 3200 rs cada peca cambraias li-
sas finas a 480, 6i0 e bOO rs. a vara, superior bretanha
de rolo com 10 varas a 2200 rs. e outras muitas la
endas por barato prego; na uta do Crespo, loja n.
8, de Campos & Maya. 10
1Vcndem -se couros de cabra sortidos, em porgan
e a retalho proprios para calcado, porseiem de mui-
lo boa qualidade ; duas redes uma pinlada o a oulra
branca de taiporana bem faite ; uma parda propria
para vender em tabolciro por ter uso ; e dous quartios
de carga ; na ra da Conceigaoda Boa-vista n. 8. 6
1 \ cnuc-so urna preta ama de Icite, rain uma
ciia de um mcz. muito bonita ; a preta cozinba, lava,
o lie quitando! ra ; urna parda do 16 a 18 annos, per-
feita coslureira o engommadeira ; um preto do 20 a 22
annos de bonita figura para tudo o servigo ; duas
pretas para todo o servico, sendo uma por 30U> rs. ; na
ra Direita n. 81 7
1 Vendem-se couros de cabra e bezerros de muito
boa qualidade ludo por preco commodo; na ra da
Cruz n. 51 3
1Vende-so utn moleque de 18 annos canoeiro;
na ra Nova n. 57, do manlia at as 9 boras e de tarde
das duas as 6. 3
^1 Vcndem se superiores cbapqos de castor branco
com abis largas da ultima moda chapos Irancezcs
muilo finos e de lindas formas ditos de massa mui
to linos o do aba larga do ultimo gosto; assim como
um or limen to de lodosos mais chapeos bons e cha-
peos do Chile proprios para menino* a preco com-
modo ; na nova loja do chapeos n. 1, em Irento do
caes do Collogio. 8
1 Vende-se uma parda do 25 annos de idado co-
se, cozinha o diario de uma casa e he boa lavaJeira ;
na ra das Larangeiras n. 18. 3
1= Vende-so uma escrava de meia idade, que (az
todo o servico de uma casa c he boa lavadeira e qui
tandeira por preco em conta ; na praga da Indepen
doncia loja n. 21. 4
1= Vcndem-se lindos corles de cassa-chitas trans-
parentes de todas as cores a 2560 rs., ditos a 1800
2000 rs. cortes de chitas finas do todas as cores a 1600
o 2.9' rs. ditos de lanzinha do bonitos padrOcs a 3200
rs. e em covado a 520 rs. brins francezes de qua-
dros o listras a 320 e 400 rs cortes de cambraia de
todas as cores o do melhor gosto cliegados a esta praga a
4200 rs. chitas franeczas muito largas e do ultimo
gosto a 440 rs. ditas escuras muito largas a 260 rs. ,
riscados escuros de quadros o listras e do muito bom
gosto a 220, 240 e 280 rs. cortes de cambraia bran-
ca com llores de cores a 4/ rs, meias para meninos e
meninas a 200 rs. finissimos fangos escoros de qua-
dros para tabaco a 480 rs. algodio largo escuro, pro-
prio para escravos a 240 rs. o outras muitas lazonuas
or barato prego ; na roa do Crespo n. 14, loja de Jo-
s Francisco Bias. 14
1= Vende so um terreno com 90 palmos de frente,
o fundo pouco mais ou menos 300 palmos com alicer -
co em toda frente e mais bemfaitorins que a vista do
pretendente far-se-ha ver sito no Atierro dos Aloca-
dos ; 4 canOas de agoa ; um carro de 4 rodas com ar-
reios ; algumas pegas de galio, franja e volante; uma
porco de aduelas de pipas para obra do tanoeiro : to
armazem de vidros ao fado da cadeia. 7
1Vende-se mercurio doce lagedode Lisboa la-
drilhode marmore, por commodo prego ; na ra do
VRario n. 19. 3
1=Vendem-se charutos regalia e de outros a imi-
tagio por prego commodo ; na ra do Vigario, ar-
mazem n. 5. 3
Vende-se, por 900/rs. ou bypotbeca-se por
400/rs. por tempodeum anno pagando-ie 2 por
cento ao mez, uma casa terrea de pedra e cal, livre e
desembarcada tem duas salas grandes, 4 quartos ,
sita em Olindc defronto do convento de S. Theresa ,
com cozinha fra qoarto para cscravo, e tem um
terreno bastanto comprido com alguns ps de coquei-
ros, e no fundo d.stc terreno tem embarque e desem-
barque banho de agoa salgada quando a mar est
baixa-mar, e tem tambem muito perto agoa doce e boa
lenha de mangue e outras comtnodidades; quem qui-
zer fizer um dos dous negocios. -dirija-so a ra de S.
Rita, lado esquerdo indo da ribeira n. 27, primeiro
andar, ou annuncie por esta falha.
=Vendem-se 420 oilavas de prata de galio; no At-
erro da Boa-vista loja de ourives n. 67.
Vende-se uma escrava de 14 annos, queengom-
ma e lava sem vicios; na travesaa da Cruz n. 4.
Vende-se um moleque de boa figura por prego
commodo; no sobrado novo da esquina da ra da Pal-
ma logo ao sabir do l eco do Pocinho.
Vende-se urna loja de couros com poucos fundos
e bem afreguozada ; vende-se por a dona e retirar pa-
ra fra ; a tratar na ra Direita n. 49.
Vitde se uma casa na ra Vclba ; a tratar no
becco de Jos de Veras n 20.
Vende-se farelo, pelo mdico pre-
co de 3ooo e 5ooo rs. ; na ra da Sen-
zalla-Velha n i38. 4
A o bom e barato. >
S la
; O bem couliccido, e acreditado RAPfiS
W REA PRETA da fabrica de Meuron & C.g
*g assim como o bello e macio Rap Imperial g
9 da iiicsina fabrica iniillando ao de Lisboa :5?
Ci) veude-se na loja dos Srs. Gomes & Carva-*SP
i) lito, ra do Crespo, canto dada Cadeia, com
0^ mdico interesse, e troca-se 'qualquer libra (O
$) que por casualidado nao agrade ao freguez.
C <>
3 Vende-se um casa de um andar com grande
quintal e cacimba em el,aos proprios, sito na ra das
l'iinchciras; duas cass terreas na ra do Padre Flo-
rianno com cacimba muieira ; e um palanquim aca-
bado de novo, qua anda nao servio na ra ra da
Cadeia do Recifa n. 25. 6
Escravos Fgidos
1 Dcsappareceo no da 15 do Vlaio do correnle
anno a escrava Calharina de nago Rebolo, de ida-
de de 25 annos, pouco mais ou menos, estatura re-
gular, secca do corpo, rosto redondo nao be mal pa-
recida, entre os peitos loiti uns enfeites.de sua trra,
he bem preta ; levou vestido do chila ja desbotado ,
panno di Costa ; andava vendendo mel em 1 dandres ;
quem a pegar, leve ao engenho do major Filippe, em
lieb nli ou alraz da matriz da Uoa-Vista n. 26, se-
gn Jo andar, que ser recompensado. 9
1= No dia 2 do crrante Junbo as 7 boras da nou-
te fugirio dous escravos sendo um pardo de ida-
de de 35 annos com pouca dificrenga alto, cheio do
corpo de nomeZeferino cabello curto e meio liso ;
favou calcas pardas j i velhas c camisa branca : o ou
tro crioulo de nome Jos muito afufado de idade
de 20 annos estatura baixa reforgado do corpo, ca-
ra larga e beigos grossos; favou caigas brancas ja velhas
o camisa tambem branca,; ambos fugirio da ra de
Agoas-Verdes n. 46, aonde eslavo p. ra sercm vendi-
dos por conta de scu dono: quem os pegar, e levar a di-
la casa ou der nella noticia aonde se acbao ser ge-
nerosamente recompensado. 11
3=Fugio no dia 29 do p. p. pelas 6 horas da ma-
nlia de casa de Victorino Ferreira de Carvalbo a
sua escrava de nome Mari:, crioula de 36 anr.os
pouco mais ou menos secca do corpo estatura re-
gular, muito conhecida nesta praca por ter sido qui-
tandeira em outro (empu e de presente andava ven-
dendo tabolciro de frutas: quctit a pegar leve ao seu
senhor, na praca da da Uoa-vista, em sua botica, que
ser recompensado. 9
Desappareccu no dia 2 tle junho
do correnle anno um nitileque de nome
Kslevao, de idade de doze annos, pouco
mais ou menos, baixo, cheio do corpo cor
lila; levou vestido calca de brirn e cami-
sa de algodio : andava ha pouco tempo
vendendo azeite de carrnpato, e levou o
11 :t it ti res e medidas em que vendia, o
azeile, c sabe-se com loda a certeza
que est recolbido em casa de um
l'rancez, e detlara-se ao mesmo baja
de o mandar entre"; ir na ra do Livra-
ment', venia n. 38, ju.ito ao lampio
que se guardar segredo, e nao o f'a-
zendo se proceder com todo ovigor da
le. 16
PEIIN. ; KA TYP. DE H. F. DE FAMA---- l8q.5.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWPRIXCMO_AI0QRX INGEST_TIME 2013-04-13T02:24:08Z PACKAGE AA00011611_05357
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES