Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05351


This item is only available as the following downloads:


Full Text
V!
"75-

Anno XXVI!
ik
Quarta-feira 28
nTitiAq Ttnv OOHMIOS.
Golanoa e "arali i b.i. i segundas e icxtas felras.
Rio-Grande-do-Nortc, todas as quintas feiras ao
oelo-dia.
Garanbuns e Bonito, a 8 c 23.
Boa-tistae Flores, a 13 e 28.
Victoria, ai quintas feiras.
Olinda, todos os lia.
J.. .-.:. i:-.-:
MBRB1DCI
Nova, a 30, as 6 h. e27 m. d t.
Creso, a 0. as 4 h. e 8 m. da t.
Cheia. a 13, as 4*. e 34 m. da t.
Ming. a 21, s3h. e 42 m. da t,
ras ama a DE HOJE
Priraeira as 2 horas e 54 minuto* da tarde.
Segunda s 3 horas 18 minutos da maiiha.
Maiodel851.
N. 121
TREqO DA SUBSCBIPQAO
Por tres mezesfadlantados) 4/000
Por seis inezes 8000
Por um anno. 15/000
das da mana.
20 Ve?. S. FiiippuN.-Aud. Jo. d'o-f. : st. !. v.
27 Tero. S. Jo.io p. in.. Aud. da Chae, do J. da
2 vara do c. ,e dos fe i tos da'fazcnda.
28 Ouart S. Germano. Aud. do J. da 2. vara.
29 Quint. 8>B Ascencao do Senhor.
30 Scxt. S. Fernando. Aud. do J. di 1. Tara do
elvcl, e dos feltos da la enda.
31 Sab. S. Petronila. Aud. da Ch. e do J. da 2. t.
do civei.
1 Dom. S. Firmo.
CAMBIO DE 37 BfcMAlO.
<0hre landre. a27'/. d. P. 1/000 rs.
Paris,340por fr. noraiu".
Lisboa, a 95 .Mn
Ouro.-Oncas hespanholt ... K/W>
Moedas de 6/400 velhas. 1 '#W
de6/400 nova. 10/000
de4#000....... 9/^00
Prata. Patacoes bralleiro----- # "
Pesos coluronarlos..... \\~nk
Ditos mexicanos........ I/'"
a 28/500
a i02mi
a 18B0
a 9/100
a 1/950
nMwwHemaassf^KU
GOVEHNODA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 20 DE MAIO DE \851.
Oflicio. Ao conimando das armas, dizendo
em resposta ao leu oflicio, que visto nao ter o
aviso da reparticao da guerra de 5 do correte
declarado o destino que devem ter as prajsi
do existimo oitavo batalhao de catadores, po-
de distribui-las como for mais conveniente ao
servijo, faiendo recollicr a pagadoria militar o
archiva* Bem como a cali rom os respectivos
fundos e ao arsenal de guerra o armamento,
rqiiipageui e mais utencilios do referido ba-
talham.
Dito. A pagadoria militar, intcirando-a
de haver asientado praja no segundo batalhao
decacadores o paisano Joan Nllitoo dos San-
tos, que, nos termos do decreto c regnla-
iienio de 18 de novembro de l848 e do aviso de
30 deoulubro do anno prximo passado, con-
tratou para servir por oito anuos no exercito,
mediante agratieajao de 180/rs. que li.c se-
r paga pela forma j eslabelecida.Ofiiciou-
se neste sentido ao commando das armas
Dito.Ao director do arsenal de guerra,
para mandar recollier a aquelle arsenal, e con-
certar urna cabrilha, que tendo viudo do prrsi
dio de Fernando no patacho Pirapama para
esse liin, Ihe ser mandada apresemar pelo
inspector da pagadoria militar.Neste sentido
ofBciou-seao dilo iuspector.
Dito.Ao commando do corpo de policia,
dizendo que pode mandar mudar o olficial que
eacba destacado na cidade da Victoria, Cacta-
uode Aiili Campos.
Dito.A cmara municipal do Itecife, con-
cedeudo a aulorlsajao que pedio para despen-
der mais a quantia de 400/ com a conduso da
obra do caes do aqueduelo, que segu do pa-
teo do Carino para o rio.
Dito. A irmaudade cncarregada da igreja
matriz do Honito, dijendo em resposta a seu
oflicio, que na thesouraria da fazenda provin-
cial scro entregues os 2:000/ destinados para
a obra de enlalha da capella-mr da mesiua
matriz, urna vez que preste flanea idnea na-
quella reparticao.
DEM 1)0 DA 21.
Oflicio.--Ao.Exm. director do curso jurdi-
co de Olinda, dizendo que visto nao se ter ef-
fectuado ao dia 12 do correntc, como S, Exc.
declara em seu ufliclode 13 do mesmo mez, o
concurso para a cadrlra de fraucez e ingles do
collegio das artes, pode designar outro da pa-
ra o referido concuo,prevenindoa presidencia
com antecedencia aflu de providenciar acerca
do compaieciiiiento dos professoret que.re-
quitilou.
Dito. A thesouraria de fa-zenda, devnlvendo
os papis, que se refere a sua iulorinajo,
relativos a divida de que pede pagamento
Francisca Mara como nica herdeira do Hila-
do Jos Francisco (ollares, aflu de que man-
de processar seiuelhaiitcs documeutos na for-
ma da ordem circular n. 9 .de de agosto de
1847 para ser paga a dita divida, quaudo pa-
ra ella buuver crdito.
Dilo.A mesiua, iuteirando-a de haver con-
cedido mais des das de licenja com o respec-
tivo ordenado ao promotor publico da comar-
ca do Limoeiro o bacharcl Alfonso Peres de Al-
fcuquerque Marauho Neste sentido lizeraiu-
se as convenienies couiiuunicajes.
Dito.A pagadoria militar, transmillindo a
i-elajo das pra(as do oitavo balailio de caca-
dores, que tendo liualisadoo seu lempo de ser-
vif o conlralaram nos termos du decreto e re-
gulamenfo de 18 de uoveiubro de 1818 e do
aviso de 30 de outubro do anuo prximo pas-
sado, para continuaren! no inesiuo servido, me-
diante a graliticajo que a cada una val desig-
nada em dita relata, as quaes devero ser pa-
gas pela forma j estabeiecida.
Itelacao que ti vefere o u/ficio cima.
Anspcjada, Mauoel Joaquuu de Santa Anua
aunos, ?26#.
Soldado, Luiz Jos do Monte, 6 anuos, 225^.
Dionisio hoque doBoinliii,8 anuos
Joaquim Pereirada Silva, dito.
Joo Jos de Brito, dilo.
Mauoel do Vasciineulo, dito.
Siuiio Antouio l'ereira, dito.
Luiz Francisco Gomes, dilo. 300#000
Jos Pedro Alvts. diio,
Jos Germano da Costa, dilo.
Alanocl Sil ves, dilo.
Angelo Jos Pereira, dilo.
Cmela, Ignacio Jos, dito.
CominuiiioAu-se ao commando das armas.
Dilo.Ao juii relalor da junta dejuslija,
transiniliiudo para ser relatao em sessao da
inesuia junta, o pioccssovnbal feilo ao soldado
do oitavo batalhao de cacadores, liviano Amo-
nio da Costa.lutellqjeu'ciou-sc ao commando
das armas.
Dito.Ao inspector do arsenal de marinha,
Inteiraudo-o de haver de couformidade com a
sua iiiformajo deferido convenienleirrente o
requerimenlo em que o marinheira invalido
Jos Amonio Feruaudes pede coutinuar por
iuais um anno de licenja que se aclia Gudo, com
nei.i Je de seus venciuienios
Dilo.A irmaudade de Nossa Senhora do Ro-
zarlo da Boa-Vista, approvando a proposla que
fes de Silvestre Pereira da Silva Guimarespara
theiouieiro das loteras que em favor da igreja
mesiua Senhora ten de correr de cunforuiida-
dade com o disposto no art. 42 da lei proviuciai
n. 283 de 8 desle mez.
Portarla.-Demiltindo do cargo de priineiro
suppleule do subdelegado da freguezia do Klo
Forinoso a Leandro Jos da SilvaS.-Tbiago
Couimumcou-se ao chefe de policia mu-uno,
Olla.--O presidente da provincia, em vista
do que allegou o delegado suppleute do se-
gundo dislriclo da termo do Recite Francisco
Amonio Pereira da Silva, resolve absulve-lo
das mullas que Ihc foraui impostas pelo juis de
direito da segunda vara criine desla cidade em
datai de 14 Ue Janeiro e 18 de fevereiro deste
anno por nao ter enviado a aquelle juizo a lista
de que trata o art. 225 do reguiainenlo n. 120
de 31 de Janeiro de 18.42.--Expediram-ie neste
sentido s convenientes coiuiuuuicaces.
Mac ,i r nc .. r s-ar jste.aL-wszosat-r*
s-aumw. in i lu'irt f
transmillindo para serem relatados em sessao
da mesma (unta, os processos verbses leitos aos
soldados Manoel Antonio Mascarenhas e Do-
mingos da Silva S -Tlago, este do priineiro ba-
talhao da cacadores e aquelle do segundo da
mesiua arma.Intelligenclou-se ao commando
das armas.
Dito.Ao inspector do arsenal de marinha,
inteiraodo-o de haver expedido ordem alim de
ser transportado para o MaranhSo no priinei-
ro vapor, que seguir para o Norte o dispeniei-
ro da escuna Leopoldina Hernardo Joaquim
Pinto Neste sentido ofticiou-se ao agente da
enmpanhia de paquetes de vapor.
Dito. > thesouraria da fazenda provincial,
scientieando-a de haver o director geral da
instrcelo publica participado que, em virtu-
de do artigo (1 do respectivo regiilamento, no-
mera a Candigo Eustaquio Cesar de Mello
par o lugar de Amanuense archivista.Intel-
ligenciou-se ao dito director.
Dito.Ao vigario da freguezia de Nazareth,
diiendo que remella a secretarla da presiden-
cia urna cerlido do dia em qne falleceu o te-
oenle-coronel da quarta classe Joaquim Jos
Handeira.
Dito ~A adminstrac.ao dos estabelecimntos
de caridade, dizendo que depois de pagas por
Juvencio Francisco das Chagas as despeas de
estilo, pude entregar-lhe o menino seu lilho,
que foi exposto no dia 3 do crreme, conforme
requisita o dilo Juvencio uo requinenlo que
devolve.
INTERIOR.
ALGOAS,
DEM DO DIA 22-
Ollicio.A o commando das armas, dizendo
lien scieote de haver nomeado o capilao do
quarto batalhao de arlilharia ap AUonso de
Almeida t Albnquerque para comuiandar iu-
teiinaini me a fortaleza do Brum, vislo uo po-
der continuar uo mesmo coiumando o capilao
Carlos de Moraes Caiuiso por ler de entrar
em iuspeccao a compauhla Ue ai mices, de que.
elle be com mndame.
Dilo. Ao juiz it-Utor da junta de justifa,
(iprcirndilo auembla ligitUliva provincial, no
aclo de tua imlulaco a 25 de abril pelo presi-
dente da provincia'o Kxm. Sr, coruellieiro ioii
liento da Cunhi e Piqueirtdo.
Mu dignot tendore* wembroe da atsembla le~
gielaliva provincial. Ainda me cabe a honro-
sa obrigaco de dirigir-vos a palavra neste re-
cinto, e de congratular-me com vosco pela
nuil prospera saude de S. M. o Imperador, e de
sua ougusta familia. Gracas mil sejain dadas
l'rovidencia por ir-nos conservando o firme
sustenlaculo da nossa ventura.
Devendo instruir-vos do estado dos negocios
pblicos e das providencias que mais precisa a
provincia para seu melhorainciito, coine(arei
prevenindo-vos de que mu pouco tereide ac-
crescentar ao quanlo vos relatei na sessao pas-
sada, .-i ti ni de nao fatigar a vossa paciencia com
a repetida exposico de medid j tomadas ou
consideradas, e enm outras que o boni senso
reconhecc nao poderem ser por ora satisfeitas.
Tratareido indispensavelmente necessario.
Tranquillidade publica.
Todo o imperio goza de perfeita tranquillida-
de mediante o incancavel telo, patriotismo e
consumada prudencia do governo Imperial.
As dissensdes intestinas nao tein abalado a f
das nossas iustituifues, c as ameafas externas
serviram smenle de tornar-nos mais unidos e
decididos na sustentac.no de nossa nacionalida-
de. Esta provincia continua em seu caminho
de ordem, amor e pronunciada dedicafo
constituico e ao throuo, semprc com a mes-
ina lealdade, que por tantos anuos Ihc tein as-
segurado a paz c prosperidade de que agera
nos applaudimos.
A'i-jill-liieii ni lil-i.iilil'.
Outro tanto nao posso dcsgrac.adamentc af-
lirmar da -- seguranta iudividual, Anda
existem qussl os mesmos germens de corrup-
\ao e de vicios, os mesmos obstculos de que
vos fallei no meu anterior rclalorio. Todava,
no habito comanle de se commetter asiaasi-
natos, livemos una tregoa, que pareca an-
nunciar nesta provincia alguma reforma em
lio brbaro coslume ; pelo que o goveruo im-
perial em aviso de 24 de Janeiro deste anno,
louvaudo a aclividade da policia, folgavade
ver que no mez de uovembro do anuo passado,
so tivesse lugar um assassinalo no termo de
Atalaia, sendo capturado o seu autor. Mas esta
fortuna, senhores, nao adquiri continuada
din a,.m, como era de desejar : porquanto de
cnlo paraca, uo periodo de cinco mezes, live-
mos de lamentar mal) 11 assassinatus, ntreos
quaes se nota o que ceifou na llor de seus an-
uos o i, iiriiie-i nimirl da guarda nacional da
Palmelra dos Indios Ladislu Ueiuvemilo Pinto
Cabral, victima de ligada! iuiuiisade que eulre-
iiiili i com Manoel de Sanl'Anna, senbor da fa-
zenda dos encamados, ao qual, ou pessoa de
sua familia, se atribue este alternado. \ poli-
cia ainda nao pode oblcr pleno conheciuieiiio
dos autores do delicio, lalvcz pela timidez das
lesleinuiihas, e nem ha podido capturar os in-
dignados, por se le ein evadido para a provin-
cia de Pernaiubuco.
ii desgostoporm, senhores, de que me acho
possuido uarraodo-vos una historia lo inju-
riosa nossa civilisacao, de algiim modo he
suavisado pela cousciencia que iciitto de haver
a policia sido ncetsaute em perseguir os mal-
vados, como bem prova o crescido numero de
102 presos que seacham recolhidos cadeia da
capital, que niuic vio-se to povoada alm
dos que eslao seguros as cadeias do Peuedo,
Alagoas e Auadia, d'entre os quaes alguns ba
de grande fama. Louvores ao actual chefe de
policia.
Em presenca desle quadro dos deliclos, que
nao sendo, he verdade, lao extenso quaoto o
dos anno anteriores, nao he por Isso menos
horroroso aos olhos do governo c de todo o c-
dado honesto, nao sessarei de chamar a vossa
aiienca-j para os meios repressivos forja pu-
blica cadeias.
i.'uurdu nacional.
A coadjuvajao que esta torca auxiliar nos po-
de prestar em relaco segurauca Individual,
he quasi uulla pelos motivos que j vos poude-
rei no meu primeiro relalorio.e que ainda bo-
je subsisten!. Appello porm para a uova or-
gauisa(o, a que se est procedendo em virtudc
da providente lei de 19 de seleinbro de 1850,
que Jisiiiliiiiiulo melbor o servijo, e daudo
mais esUbilidade aos olliciaes e chefes dessa
respeilavel corporaco, promelle-uos um futu-
ro bastante lisongeiro, especialmente uesla
provincia, onde se manifeala na guarda nacio-
nal a maior lendeucia aos principios de ordem
e amor s insliluicdes inonarcliico-couslitucio-
uaes. ,
Forfa de polica.
rara, nao ehegam para se conservar rVstaca-
nientos nos diversos pontos da provincia, que
reclmam a presenta de urna paquena forja
permanente, e conservar no quartel alguin
contingente dlsponivel para a diligencias ex-
traordinarias, ou momentneas da policia, He
assiin que s vezes para acudir aus disturbios
spparecidos em urna comarca, ilria-se outra
descoberta e entregue ao punhal da aiMMlao,
que alias conhece que para znniliar dos assal-
tos da jusiica, basta-lhc mudar de lugar.
No empenlio de expurgar esta provincia de
mal, iiot-es e reos de alia policia, eu me leria
achado embiransadissimo se nao contasse com
o terceiro b-italhiio de arlilhaiia que oommign
trouxe de Pernambuca, e que, grajas ao gover-
no imperial, tein sido at agora conservado. As-
siin mesmo as 200 e tantas prajas, de que elle
actualmente se comptie, nao bastam paraan-
ilarem em rontiniiadas diligencias pelo interior
da provincia, e em destacamentos, de modo
que a ; n o ni .o da cidade he aempre frita em
grande parle pela guarda nacional destacada,
que deve ser despensada.
Se, como lie de receiar, liver este batalhao
de retirar-se, nao sei com que forja poder a
presidencia conlinuar n is vias de desarmar o
crime, desengaar a perfidia e moralisar a pro-
vincia. Sou, portanlo, senhores, obligado a
insistir no augmento da forja de policia.
Cabe aqui coiiimuiiicar-vosque emdata de 7
de novembro do anno passado resolv restaurar
as prajas de policia montadas, que tinham si-
do Mi|.primillas peloartigo I.' da lei n. |40 de
6 de julbo antecedente, mandando-Ibes forne-
cor cavalgaduras e pagar as fnrragens pela ci-
fra das despezas eveutuaes. Nao atinei com o
motivo de conveniencia publica que delerini-
nou o juio desta asscnihla ; mas sendo eci lo
que esta pequea cavallara lie a nica que ex-
iste nesta provincia pan alguma diligencia
instantnea da policia, e as ordrnaiijas mon-
tadas com que pude contar o chefe de policia e
o presidenie da provincia, estou conveiicidissi-
mo de que o meu acto merecer a approvacio
da assembl, e que mandareis conservar nao
s s quatro que actualmente existem, mas
completar o numero de seis prajis montadas
que havia.
Se nos achamos, senhores, faltos de brajos,
A matriz da capital, que reputo urna obra de
urgente necessidade, nao est hoje quazi con-
cluida por haver fallecido o virtuoso capuehi-
nho Kr. Kuzehio de Salles, a quem cu a havia
encarregado. Mande! continua'-la cusa do
cofre provincial para nao perder o material,
que exista accumulado, esperando que com o
auxilio da lotera concedida pela assembl
geral pudesse ella progredir. O mni digno
fice-presidente da provincia a rxemplo meu
e com os mesmos desejos, nao qulz esbarra-la,
nao he possivel conseguir nos pequeos povoa-
dos. Convcm demais que a instruejao do ly-
oco nao se limite s cadeiras de humaiildade*
que possue ; mas que sejam creadas escolas
de nojdes geraes de agricultura, de chlmica
applicada s artes, de geometra e mecnica
pratlca, para que nao tendamos superabun-
dancia de candidatos aos empregos pblicos,
iiiingoa de pessoas que se atircm indus-
tria : he necessario guardar proporjao em to-
dos os miliares da vida
O lyceo, tal qual se aeha organisado, nao pii-
.resci'lii o sacrlllcio i|
sourari i provincial, que a( entao havia des-
pendido asommade 10:286*8-2 reliando anda
pagar a Macario da Costa Moraes a importan-
cia de 897/200 por saldo de cotilas da compra
das maileuasque por ordem do vice-presidente
se haviain contratado.
Acham-se levantadas as paredes externas de
todo o ed licio, assiin como a arcada interior
at ao nielo da sua altura ; a capella-mr prin-
cipiada ; preparadas as pedras das solciras das
portal da frente, e encostada ao lado do edi-
ficio a maior parte ila madeira da coberli. A
irmandade do Ss. Sacramento c o actual paro-
dio, que nos tein dado ja provas do seu zelo
pastoral, procuram esforjar-sc por dar-lhe
ilgum impulso, mas receio muito que sem o
auxilio desta assembl e da loleria concedi-
da, possa a obra chegar ao seu termo.
A matriz de'S. Luzia do Norte est com a
cipell i-mi'ir nleiramcnle arruinada e para rc-
para-la julgo Indspcnsavel que se lhe destine
pelo menos 1:000/. que com as rimlas que
promctle lirar o respectivo vigario ser bas-
tante pira o reparo de que necessita.
A igreja do Poxiin est com o forro di ca-
pella-mur, e o throno arruinados de sorte que
nao se i de all fazer festas solemnes.-O
mesmo he forja diier da matriz d.i villa da
Assembl. A cmara municipal da Iinpera-
Iriz pede lambem algum soccorro para a edi-
licajo da sua malriz,
Instruccio publica.
Contrista-me, senhores, o nao poder dar-vos
agora melhores noticias acerca da instruejao
tantos quantos sao necessarios para prender os publica, do que as tiue vos communiquei O
criminosos c turbulcnlos, nao he menos de '""o passado. N3o ccssaiei porem de repetir
sentir os mos elleilos que i-esultaiii do estado
incongruente de nossas prises, ou
Caiteias.
Considerando as cadeias, as suas actuae
que se esta assembl uo considerarainslriic-
jo publica como a funejo mais unlire, mais
iiiipoilaiile c mais til do seu iiiinslrrio, liiste
e mu triste ser sem duvida o futuro que nos
disposijoes, nao como instrumento propiio de guarda. Seo corajo docidadonfio he logo bem
correejao, segundo dever am ser,(mas apenas formado na juvenlude, elle hca perdido para a
como meio de manietar o criminoso, ou como
simples custodia, o numero dellas he para isso
mesmo insuuiclcute. fres sin as nicas de
maior importancia em toda a provincia:
A cadeia da capital, que como priineiro lan-
joocabadoiuppnnlia-se cun bailante capaci-
socledade, orua-se-lhc uin llagellu ; e seris
vos, seuliores, altaiueiile rcspoiaveis peran-
te Ucos e os liomens*. To desencadeada con-
sidero a edoc.ijiio entre ns, que se eu deses-
perarse do futuro diria, que fdra inellior del-
x-la entregue sua propria fortuna, do que
l ,i,llll4' lade para aatliraierasnccessidadcs do lervico, a|iadnuha-la com o pliant.isiiia da autoridad*.
acha-se hojeaba, rolada con. |.i2 presos, anin- Mullo lie conforla porm a providencia que
loados uns sobre o oulros. sem se poder des-'acaba ele tomar o governo imperial, mandando
llnr algum lugar commodo para a cnfer.uariajum cidadao de reconhecido merilo, o baclia-
,ue tee.n sido acco.nmeltidos de re Amonio Gonjalves Das, visitar e syndicar
congregijao reclama tacs, como : a crca-
jao de 4ou pelo menos 2 substitutos, que sup-
pram a falla d n lentes impedidos; a de um
auianucnie que d conta da escripturajao
cargo do lyceo, que alias tein de se correspon- .
d.r com 'todas as cotnmisses de instruejao
publica; e linalme-te a decisao da queslao
desde o auno passado sujeita a vosso conhe-
cimento a respeilo do lempo das matriculas.
Das inappas que vos serii > presentes conhe-
cerci que foram mitrlculadoi 64 esludantes,
dos quaes 7 lizeram exanies no liui do anuo,
saliiodo plenamente ipprovadoi,
Tein apparecido lias aulas alguns inmutes,
e a congregajai explica a falta de maior nu-
mero de concuricnles pela durezi da laxa da
matricula, que no seu entender convir snp-
primir, utas que sou de voto que deve ser con-
servada, seno augmentad! ; porque o estu-
i o l ni le que nao poder pagar 6,4''0 rs. por an-
no em favor de ma ediicajao secundaria,
dev procurar outra carreira, que inellior se
acommode s suis eircumstancias peculiares.
Ullimandn este artigo devn cpmmunlc n-vos,
ijue sendo por despidi de 2t de Miembro do
anuo passado conferida a jubilajao du prof s-
sirde fraucez do lyceu, naconforuildade da
lei ile Odejiillio antecedente, nomeei para pre-
enelier esla cade-ira o Dr. los Sesin.indu Ave-
lina- l'illlla.
Salubridai.
Ate esta data nao temos que lamentar novos
elleilos da febre ainarella, que Dos ni sua
Bem que te ache completa e continu pres-
tar mu buus servijos, be liisufhcienieparasa-
tisfazer s precises do servico, que s ella pu-
de deseinueuuar. Ceut pracas, uiuguem iguu-
dos mullos q
bexigas. outras enfermidades: o que assaz
indica iTnecessidade urgeute de coucluir-se es-
te edificio no seutido em que vos fallei uo meu
anterior relalorio, c o chefe de polica o recla-
ma. Est alm disso mal servida por falla de
um ajudante do carcereiro, qne por si s nao
pode dar vasiio ais trabalhos djcarccragcm, c
aos da pesada enfermarla. Achei-me, poif. na
necessidade de acceder ao que me propoz o
chefe de policia, dando-lhe um soldado do cor-
po policial para ir sei viudo de rnferuieiro, em-
planto eslaasseinlda consigna ordenado rftra
um ajudaute do carcereiro, como se torna la-
dispensavel, priiiclpalmenlc licando a cadeia
com sua enfermarla : o que na verdade julgo
mili conveniente, desengaado como estou, de
que nao he possivel curar-se no hospital da
tropa os presos de justija pelo eminente perigo
de evadirein-se, como j leu acioulccdo c me
fe/, vero chefe de policia uo relalorio que vira
s vossas nios.
A cadeia das Alagoas, cujas prises ja eslao
concluidas cin seguranja, promete algum au-
xilio i a niara da Atalaia e inesiuo de Macei,
para onde podero se passar alguns presos.
Este edificio lem custado provincia .3801111113
de I8!994,243 rs., e suppe-se nao passar mul-
ta alm de 20:000,000 de rs ; mas a ulilidade
que elle ha de prestar compensar mui bem a
careslia da obra
A cadeia de Penedo, posto que leuha repar-
lijes proprias para diversos presos, sao com-
ludo acanhadas, podendo ser incllioradas me-
diante algumas despezas, que actualmente co-
nhejo uo se podercm fazer.
Alm deltas tres principaes cadeias, restam
a de Anadia que asta necessilando de grandes
reparos, e que para poder comer os presos pre-
cisa de um forte destacamento ; a de Porto-
Calvo, que esl prestes a dcsabar seguudo vos
coiniuuiiiquei 110 meu anterior lelatorio j a de
Pono de Pedras, com que se lem gasto algum
dinheirosem nunca poder ser acabada, c o nao
ser jamis, se esta assembl lhe nu desliua
cuino me parece mm neces-
nova quola
sario.
lie obvio que essas prises uo sao bastan-
tes, e nem seacham collocadas em distancias
convenientes, para recebercm os crimosos apa-
nhados em mui grande superficie de que cons-
ta esta proviucia. tas quaudo esla assembl
nao puder consignar fundos para urna casa de
priso em talla-Grande, c outra na villa da
lio pera 11 n, deverpelo menos lomar em cou-
sideraeao os grandes conccrlos de que necessi-
taiii as cadeias de Anadia, Atalaia, Porto Calvo
e a concluso da de Porlo de Pedras. Bem se-
guras ellas, ter-sc-ha lambem augmentada a
forja publica, animada a energa da autorida-
de, e diminuidos os sacrificios e despezas, que
lodos os dias se faiem com a couseivajo e
eoinliiee.in de presos ; at que para o futuro se
possam lomar em casas fortes ai pequeas
elioupanas de t.iip.i, que scivciu de priso em
l'oxiin, Porlo da- Foltia, S. Miguel, Palmelra,
e,c-
(Julio publico.
Quanto ao culto publico, seuliores, como
que o preiiuto mais uas boasintenjes dos liis
do que as obras dos pastores ; e por isso acre-
dito, que se inellior fusse a direcjo dada aos
negocios da igreja, multiplicados beneficios
domsticos e suciaes nos resultaran! da reli-
gio sauta que professamos.
Ao menos da parte desta assembl eu quise
a instruejao publica de todo o imperio, alim
de regular e uiiiformiiar o ensillo primario e
secundario.
De que nos servir jactar-nos de consumir-"
nos o inellior de 37:000# com a uslrucjo
primaria, dc'possuiruios mais de 5l) cadeiras
de priiueiras letlras, senao temos nem mes-
tres, nem melhodo, e nem devojao de eusi-
uar ? E que inclinlo, que devojao podery
ter um professor, que se captiva a ordenados
iningoados sem calcular com a responsabili-
dade Se conta as cabejas dos meninos, lie por
que torna-se isso uecessario para os inappas
da thesouraria. Concedo que esta regra sollra
algumas honrosas excepces, mas qtiizcra que
nesle casu as cxcepjrs lossein a regra. Em
lempos mal Innocente! e mais lelizes, em que
o professor julgava-se obligado cumprir
o seu dever por motivos de coiiscieneia,achau-
do-se cun isto mui honrado, anda podeiiain
haver como haviam bous mestres cun pe-
queas pagas; mas hoje que ludo se iraduz
pilo lucro, hoje que o espirito mercantil do-
iniiia, e abala lodos os senliiueiilos genero-
sos ; boje, sem boa paga, mu assocada a urna
infullivd respousabilidade, nao se pude con-
tar com I0011 professor de primeiras letlras
senao por urna especie de anomala.
Se queris por tanto, senhores, ler bous pro-
fessores, ciimpre: rimo, que lhe assegurcii
I10111 ordenado, anda que se diiiiinua o nu-
mero de cadeiras ; secundo, que os siijeiles a
novas provanjas; Urtio, que liles indiquis
o mciliodo de ensillo sem esqiicecr-vos de
obriga-los a inculir no cspirilo dos meninos
os 1 o 11.1.1 oos da moral clirisia, de que lauto
se discuidao ; e em iilti.iuo lugar instituir una
inspecco rigorosissiina as escolas, de modo
cjue os pas de familia eslejain seguros de que
seus lilhos uo sero pervertidos, mas apro-
veitados.
Acham-se actualmente creadas c prvidas
56 cadeiras de priineiii leura-, 7 pan a sexo
femiuvio frequenladas por 598 alumas, c 39
para o sexo masculino fiequcnladas por t'892
alumnos, numero superior ao manifestado no
meu passado relalorio, para o qual peco de
novo a vossa altcnjo, principalmente acerca
Jas "ii-ei v.i,,nes que ento fiz sobre os ordena-
Idoi e gratilicajes dos prolessorcs. Quanlo ao
mais de que necessita esla assembl de oc-
cupar-se em relaco iuslriicjo primaria a-
cha-se Indicado 110 relalorio da cngregajo
do lyceo, que mui breve ser subinettido
vossa considerajao ; devendo por ultimo as-
segurar-vos que ajudado com as medidas que
parlirem de vossa sabedoria, nao dcixarci de
fazer chamar rcspomabilidadc os prolesso-
rcs, que se lomaran omissos 110 ciiuiprlnien-
los de seus sagrados deveres. Fallar-vos-liei
agora da
nstrucco tecundaria.
Como sabis, existem 4 cadeiras de lalim,
urna uo Penedo, outra em Atalaia, outra em
Anadia, c outra em Alagoas com mais urna de
fraucez, cujos alumnos lodos (era 11. de 82) uo
consta lereiu feilo exames. Parece-me que as
cadeiras de lalim da Atalaia e Anadia, e a de
fraucez das Alagoas, podem ser supprimidas
em beneficio de outras, que conforme opiuet
no meu aulerior relalorio devem ser creadas
110
Lyco.
He para niim indubilavel, que a provincia
apenas pude mantel a instruejao secundaria
ra que parlissein logo aquellas medidas que ,00 lyceo, a querer della lirar algum proveito.
estao ni esphera de suas ailribuijdcs : repa- A immediata luspecjo do goveruo, o esliinu-
rar as inalrizes, e mclhorar a diviso eccle- lo uos lentes, c nos cstudaules, aweguro van
iatlica. tageus ao entino iccuudariu ua capital que
misericordia aparlou de ns. Alguns estragos
loim lem feilo a pesie das bexlaas que ha
iido mais mortfera no hospital militar do que
uo seio di populajo, onde se apresentara
com carcter benigno. Tenho feiio activar a
vaccina vencendo ein parte a repugnancia de
muilos de nossiis concid.idos, que nfellz-
inenle un eslao aind 1 ciimpenetiailos da pro-
liculdade de um lio excedente preservativo.
O acanhamenlo das poucas Igrejaa da capi-
tal, teinfelli beraientlr nesla quadra, como
na da febre annrella, a neceisld ule de uin ce-
milerio publico. O nuil honrado vicepresi-
dente da provincia, tomando ein COM Icrajo
os traba'lios, que a (al respeilo havia eu ence-
lado, tratou de laucar a prliuelra pedra deste
julgo, qoeespero poder, nao para mui louge,
star a ulilidade pela ijual tanto urge a sau-
de publica.
Apezar de haver o iiiesmo Exm. vice-presl-
ilenle inaudado proceder aos eximes necessa-
rios acerca da localidade, e de ouvir umacom-
missiio compoita de pessoas entendida!, ha
quem diga que o cemileiio, no lugar ein que
fui assentada a primeira pedra, lica mu afil-
iad do corajao da cidade ; e por Isso JulgQ
conveiiicnle lellectir mais um pouco sobre es_
te ponto antes de mandar continuar a obra.
Enlretanto nao ser fora de proposito suscilar-
vos nesla occasio una ideia, c vein a ser;
que pela relajao muito iiniuediati ein que es-
labeleciinentoi desta ordem se acbain com os
usos e pralicas religiosas, lenlio por mais con-
veniente que o cemilerio seja construido por
emita de todas as confrarias da capital, e por
ellas dirigido sob a influencia do respectivo
parodio, nao licando da parle do goveruo se-
no approvar, 110 que diz respeilo policia
temporal, os legiilainentos que pelai mesinas.
coulraiias Ihc. I'urein ollerecidm. E como sa-
bemos que as irniaiidades, que agora existem
nao pos ne,o fundos sullicienlcs para levarem
elleiln esta obia, poderla esta assembl for-
nceer-llics fundos siifficleules a Ululo de em-
prestimo, que devenio ser iii.lemnisados me-
dida que ellas forem peicebendo reditus fune-
1 m ios pelo cemilerio. Por esla maiielra talvez
se cvilein os inconvenientes e iiiurmurajes
apparecidas em alguns lugares com eslabe-
leciinenlo dos cemiterios : ha ccrtoi preton-
eeitoa populares que conven! respeilar al cer-
to poni.
lofpilul de caridade.
Nesla provincia existe mu uuico hospital de
caridade na cidade do Penedo. e este em gran-
de e deploravel decadencia. Sei viudo me dos
usclaiccimenlos, que solicite! do prestante ci-
dadao Jos Feruaudes de Uliveira Santos, e
dos examei a que por urna couiinisso com-
posta do ju'li municipal c promotor publico
lo Penedo, e dos honrados cidados Jos Ig-
nacio de Barros Lcllc, Jos Antonio de Araujo,
Joo Pereira llypolitn c Francisco Fernan-
des dos santos iiiindci proceder, tenho de in-
loruiar a assembl, que este pi eitabele-
ciuieuln mui breve desapparecer, se o corpo
legislativo provincial l.'ie nao esleuder niao ca-
ridosa.
Sob os melhores auspicios, e com o sotlrivel
patrimonio de doze mil cruzados ein dinlici-
ro, e oito inoiadas de casas terreas, fura aber-
la a enfermarla ein 8 de deieiubro de 1827
n'uina casa junto Igreja de S Gnncalo Gar-
ca, 4 cuj Irmaudade he commcllida a adini-
nislrajo do hospital. A principio se adiiiltira
grande numero de doeutes ; hoj eistein 4
a|i,nas no hospital, e os seus rendmeolos mal
vo ebegaudo para pagar as despezas do pci-
soal, sem sobraren! para reedificar ao menos
as oilo casas tencas que se acham arruinadas.
Conta o hospital,, he verdade, como fundo
de 16.370,087 rs., alm das 12 casinlias ; mas
como .' l-.in dividas, e algumas bem mal ampa-
radas, rendendo um juro mui vil, qne nao tero
sido pago ; e a humanidade enferma Tai ge-
niendo.
Algumas dotajes feitas por esta assembl
ein beneficio do boipilal em 01 anuos de 1840
a 1840 nao foram salisl'eitas, talve por ser co-
nliecula a tibieza da adininilrajo. A caa em
que eslo estabelecidas as enfermaras he aca-
ubada e insalubre.
No meio pols de tantn desmmelo me pare-
ce que um su remedio vira salvar as vistas piaa
do instituidor do hospital, e he um acto desla
assembl, que vigorando a resolujo numero
2l de lOdejoiho de 1844, que parece ler ca-
ducado, auiorisc o goveruo a mandar ai reca-
dar, pelo meio que julgar maia conveniente
^
W "Ws- nm


-----------
7

>
m
todo o patrimonio Jo hospital, qoer cm divi-
das activai quer em propricdades; inslilu-lo
de novo rin apoliccs da divida publica, e man-
ilo ililic. r nova casa para as enfermarlas
junto i capella de S. Goncalo de Amarante,
dando-lhe um rrgulameuto, que mais appro-
xiir.ado fr ntcncao do instituidor. Karci
llegar a vossas iiios una copla anthenlica
de todos 03 papis c comas do mesmo hospi-
tal queme forain ministrados prla commisso
derxaue que nomeei ; c espero que esta ai-
lembla tome cm considerarn um objecto
que lhc deve mcreccrM mior cuidado.
Ja que vos fallo de hospitaca. nao ser fra
de proposito lembrar-vos um edificio que uie
parece mui proprio para ser convertido em
asvlo da pobreza enferma. Fallo do hospicio
de I. S. do (larmo das Alagoas, que se acha
littriramrntc dripovoado de religiosos e ha-
bitado pelos morcegos. Nao estando mais a-
quella casa sujeita s regras cannicas e ino-
uacaes, pelo abandono em que a tem dcixado
a ordeiu carmelitana, julgu conveniente que
recorris ao poder legislativo gcral prdimln-a
para estabeleeimento de um hospital ou casa
de educacao de inruinas orphaas, antes quea
lima do lemp- acab de a destruir.
Devo tanibem aqui cuinmuncar-vos a plii
lantropica tuerta, queme lizera de um dona-
tivo para una futura nstiiic.o desta natu-
rea na capital da provincia, o digno cidado
Pedro Jos Pinho, inspector do assucar, o qual
entregou-me para esse fin, e man.le depositar
na thesouraiia provincial, una apolicc de is
103,000 da caixa econmica da Pabia ; c da co-
pia que vos ser presente veris as condlccOei
dodoador, que se faz oredor de agradecimen-
to e louvores por esta necio meritoria.
( Conlinuar-se-ha.)
Bicrre, 27 DE MAIO DE 1851.
No meiado do corrente mez, quando por aqui
passnu o vapor l'aratnit, fomos obsequiados
pelo Kmu. cm.! lln ii .i presidente da provin-
cia de Alagoas Com mu excmplar do relatnrio
apresentadoporS. Esc. a respectiva asseinblca
provincial, por occasiio de sua installacn no
da 25 do passado ; mas a afluencia de publi-
tacei que haramos encelado, e nos era pre-
ciso terminar, uos nao pernclito logo, romo
desejavmos a MI* Imprenta eiu DOMO Jornal,
a qual s hoje i'de ter lugar.
Coca municados.
Tem lugar ainanha ( 20 do crreme) no
theatro de Santa Isabel um brilliautc espect-
culo em beneficio da insigne Actriz pernam-
bucana, a Sra. 1) Joanna Januaria de Son/a
Ititancourt, prima dona absoluta do mencio-
nado theatro, e urna das primeiras atrizes, que
tem pisado o palco brasileiro.
A esculla do drama 1 Moura he digna
da gentil beneficiada, lie digna de urna artista,
que com apurado cstudo' e contante prlica
tem adquerido profundos conhccimcntos scc-
nicos, os quaes nein una outra lli'os poder
disputar, e llie tem grangeadu tinto na Hahia,
e oulras provincias du sul do imperio, como
Jia um auno em o nosso thcalro, gloriosos im-
morlaes louros, com que o illuslrado publico
justo apreciador do mrito dos artistas, e seu
juiz iinparci.il a tem sempie galardoado, dando
desta arte nao enuivocas provat do alto preco
em que tema iximia atril pernanibucana pelo
perfeito ileseinpenho de qualqucrparte.quc llie
seja distribuida por mais sublime, e difcil que
seja.
Abs!emo-i,o* de fazer narraco histrica da
peca para nau destruir antccipadaiiienle a I-
luso que us devo causar; sae-sc que A
Moura lie um dos imlliorr|dramas que tem
sahido da peana portuguea, seu enredo he
bello; muito hade agiadar, piincipalmeiile
sendo as duas mais Importantes parte desem-
penhadas pelos dous priineiroi artistas da com-
pauhia dramtica, a de 'laida pela beneliciada
e a de Lopo da Cunha pelo Sr. Germano.
.Nao se tem poupado a beneficiada a diligencias,
para que o espectculo cun que pretende di-
vertir ao publico em a noite dv aumiiha, seja
o mais completo, que puder.
Confiamos na gencrusidade e justica dos per-
nambucanns para com a Sra. D. Joanna, uossa
patricia, actriz eujo merecimeiito est provado
pelos triumphos, que tem alcancado sobre a
scena iicrnambucana. Sini, por mais expres-
sivas que fossem as nossas palavras ellas nun-
ca podcrlaiu dizer quanto tem o publico expe-
rimentado ao decurso de um anuo que a Sra.
1). Joanna tem traballiado no theatro de San
ta l'-'bel. \o somos mis s'imente que publi-
camos a gloria dcsta artista sem rival no Urasil
sao os amantes do theatro, sao os entendedores
da scena, que a tem visto pisar o palco nos di-
ferentes espectculos, seiupre victoriosa, sjni-
pre radiante de gloria, os que publicam salis-
te i tos o seu nomo e o collucam ao lado
do nome da sublime (ieorge e oulras leine-
Ihantes.
Nos que a temos visto chorar a misera sorle
da infeliz Igner de t astro, gemer aus golpes
da desgraca de lledelinonda, perderos senti-
dos na exposico do lilbo de Mura Joanna, sen
tu toda a alllcc.io de Mariana, manifestar no
semblante, o riso, e logo depois mostrar os
recelos da bella Maritana, vamos amauha ex-
perimentar as mais doces sensacoes na desven-
turada amante extremosa, e constante Zaida a
Moura.
He este sem duvida ouliiino espectculo da
empresa do incansavcl artista o Sr. Germano,
que nao sabemos se continuar : fazemus votos
ao eco para que o nosso actual presidente, cuja
justica he proverbial, celebre com este exi-
mio artista a nova empresa, nem um nutro
Temos com as habilitacoes do Sr. GennaDO ,
nem to dedicado como elle : nrui um oulro
se pode encontrar, que faca es sacrificios que
ate tem fcita para dar a pernainbuco um ver-
dadeiro theatro.
l'oiista-nos que nao havendo quein se quzei-
te encarreear da parte de D. Klvira, a Sra. 1).
Joanna convidara a ~ra. Julia llosa, a qual
prompta, e generosamente se prestara : mis
de nossa parte agradecemos a Sra. Julia a sua
generotidade.
Pedimos a Sra. D. Joanna nos desculpe a ou-
sadia, com que laucamos mo da penna para
tratar estas toscas linhas, movidos nicamente
pelo desejo de ver concorrer ao tluuiro os nos-
aos patricios, e estrangeiros, que a tem sabido
apreciar, lornando-se seus mais pronunciados
l'IIO.II.I.ISl S.
Tomamos eiiilim a liberdade de convidar an
publico a i une nrrer ao theatro de Sauta Isabel
como ha praticado a rrspeito de outros artistas
que se tem abrigado a sua ellicaz prolecco ;
tendo mis esta occasio de mostrar quanto sa-
lir remunerar o verdadeiro mrito.
Recife, 23 de maio de l85i. P. C.
O 8r; Gnlinaraes e a Na. Hara
Leopoldina.
Por diversas vezes bavemos lido nesta ga-
xeta o annuiici para a rcpreienlaco dos
Dnu Hrntgad"! no theatro de Apollo, mas
Infelizmente no dia aprasado o que temos he
urna amarga deceprao e as agouias inexpri-
miveift da avidez com que agiiardavamos o
momento de applaudir e admirar o magnifico
talento da Sra. Alai a Leopoldina e du Sr. Gui-
marei!
Knlrelanto ternoi para nos que nmanlia' a
mella fatdica que guia o Sr. Guimares sur-
gir esplendida, e nos ha de pennltlir vc-lo
brilhar no papel de Samuel, eom toda a ri-
queza de talento, com que costuma arrancar
lagrimas aos coracoes mais rcbeldei s emo-
cei da cena. .
Vimos a Sra. Mara Leopoldina e o Sr. Gui-
nurei no drama Cotharina Boawrd, e os
nioviincntns c coinmoerJes que nos causaram
nao os podemos traduitr; (carao indeleycli
como ocheiro do sangue de Doean as nios
de lady Macbeth: a verdade c o sublime nao
se definen!, senle-se e admira-se. A Sra
Mara Leopoldina coSr. Guimaracs sao artis-
tas nao vulgares; o que fa/.cm he marcado
com ocunfio da crgnalidade, este cimho he
o signal do genio.
Apesar das iribulacdes do Sr. Cultnaracs
e da i-nlci iiiiuadr da Sra. .Mara Leopoldina,
temos certexa de que amanhaa Isabel e Sa
muel n!o sero uina lieco; veremos tiestas
dual personagens una realldade to viva e
palpitante como a musa que inspirara o Sr.
Mendcs Leal. fVada mais aventuraremos ccr.
ca do espectculo annuciado.
Mngamos lmente ao Sr. Gnimares c Sra.
Maiia leopoldina que sigain a sua vocacao,
e nao desanimen!. Verdade he, c sabemo-lo
por experiencia propria, que almas baix.is,
homens de carcter invejoso niuilas veres se
atiram ame certas pessoas, e prctendeln re-
p'elli-las do logar que Ihes lie assignado pelo
destino. A vehemencia satnica de semelhan-
tes perversos assustam os homena rectos e
honestos, mas nunca os desanimam, porque
elles sempre cncontram nos grandes caracle
res um senllinenlp intimo do justo, do ver-
dadeiro e do sublime, c com o amor e a pie-
rlade, um odio justo, urna santa indiguacao
lepellem esse mo. (enio qus as vezes parece
aeompanbar as almas nobre c elevadas.
Reelfe, 27 de maio de 1851.
Kep'irligu da Polica.
PARTE DO DIA 19 DI. MAIO DE 1851
Foraoi presos : a ordem do subdelegado da
freguczla de S. Krcl Pedro Goncalves do liedle
o pardo juvencio para averiguacoes policiaes ;
Jufio Damasceno, por desordein. e Joaipiina Ma-
ra daCoaceifo por insultar a um soldado do
corpo de polica ; a ordem do subdelegado da
freguezia de S. Jos, o prelo eseravo Martinho,
por criine de furto ; c a do subdelegado da fre-
guezia da i'Oa-Vista Juaquim Perora de Meu-
.lonja por desordem.
dem do dia 29.
Foram presos ordem do subdelegado da
freguezia de S. Cre Pedro Goncalves du Ue-
cife, o prelo Joao eseravo, por desonlein, Ju-
vencio de tal, Florinda Maria do Espirito San-
to, e Joao Damasceno, sem declarac.o do moti-
vo e a do subdelegado da freguezia da lloa-Vis-
ta Juo Paes /.icarias pordesurdem.
ehci;:.
ALIANDKGA.
enilimpn'.o do rlia 27 4:052,035
Duenrregam hoje 28 Barra ngl 'ZB -'Serafina niercailorias.
Iliate americano --Draco fatinha, breu e
bolicliiphaa,
CONSULADO CEU Al..
Ilendimenloilo dia I a 26 3L097.32I
Idam do din 27........ 3fi(,803
31:464,12
DIVKUSAS PROVINCIAS.
Reno i ment do dia I a 26. .1:439,200
dem do da 27......... 5,647
1:444,847
Despachos martimo* do dia 26
Cinal, barca sania llalilla, de 257 tonel-
adas, ron luz o scguinio : 4,000 saceos
com 20,00 arrobas de assucar.
llr.t.KIlKlHlHIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Reiidimcnlo do dia 27..... 63,628
CONSULADO .PROVINCIAL.
Mem 'lo d a 27.......145.779

Alovimeulo Anuos tnliados 110 dia 27.
Rio de Janei o 9 dias, sumara ncional
Paraguatsu da 110 toneliadas meslre
Francisco Luiz de Souza Jnior, equipa-
gem 12, carga farinlia do mandioca ; a
Joo Francisco da Cruz.
lUmliiirgii 50 dias, barca ilinamarqueza
Waldemar, de 204 lonellidas cajililoO
II. Rasuiosseni, o]u,iagem 11, carga fa-
7.end.s e mais genoros ; a C I. Aslley c
Companliia.
Rio Jrande do Sul --12 dias, patacho nacio-
nal L'uterpe de 163 lonclladas, meslre
Joo Goncalves dos Res, equipagem II,
carga carne secca a Luiz Jo.- de Sa
Araujo.
Kanio sahido no mesmo dia
Canal -- barca sarda llulilla, capitflo I!, lio-
zana, carga assucar
''"eda'KKs. .<
--OIM111 Sr. ollicial-maior, sel viudo deins-
pector da thrsouraria da lamida provincial,
em virtude da rciolucto do tiibunal adiuinis-
Irativo, manda larer publico, que cm cuiupri-
nicnio da le, peranle- o inetmo tribunal, si-
da de arrematar em basta publica a quem
mais der nos dias 2 27 c 28 de inaio corrente,
os iinpnslos seguimes :
2,500 n. pur cabera de gado vaceum que
tur consumido nos municipios abaixo decla-
rados.
Recife avallada annualmcntc por 5(i:di0,000
Olinda, idem, idem. 2 211.HIJO
Iguarais, idem, idem. 1:710.0011
Goianna, dem, idem. :51t>/M)0
Nazarclh, idem, dem. 4:40,t>Qo
Pao-d'Allio, dem, idem. 2:tili5,00u
Limoeiro dem, dem. 3:510,000
tJabo, idem, idem I:5l0.li00
Santo Aniao, idem, Idem. Ummo.OOO
Serinbacm, idem, IJem i60,000
Hiu-Kormoso e Agoa-Prcla, idem 2:510,000
E nos municipios seguintes nos quaes s pa-
1: un aquellos |ue talliarcm carne para nego-
cio, e os criadores o dizimo.
liuuito e Garuaru, avallado annualmenle
por 2:510,000
Hrejo, idem, idem l:>0,00'
Cimbres, idem, idem Si.vO
Garanhuns, idem, idem S:940,uuO
Flores e Floresta, dem, Idem 3971,000
Boa-Vista e Ex, Idem, (dem 4:037,000
N01 tres ltimos municipios, isto he Gara-
unhuns, Flores, Floresta, e lioa-Vista e F.x
lio arrematados conjunetmnente os impostos a
cargo dos collcutures, conforme determina o
arl. 42 da lei provincial n.'itil de 28 dejUnhu
de 1850.
20 por cento sobre a agurdenle que for con-
sumida nos seguintes municipios.
Recife, avallado annualmenle por 12:501,001
1 Huida, idem, idem 810,000
Iguarassu, dem, Idem 8l,0c0
Goianna, dem, idem 2.0WI
Pau d'Allio, dem, nem '2.000
Nazareth, dem, idem (>2,OUo
Santo Anuo, idem, idem 202,0'io
-,r-
Bonllo e Caruar, idem, idem 32,000
Cabo, Idem, Idem 43.000
Rio-Formoso e Agua Preta.idem.ldein 40,000
Serinheiii, Idem, dem 25,1100
Limoeiro, dem, idem 90,000
Garanhuns. Idem, idem ^'"J
Hrejo, idem. idem 3o,00t
tambres, idem, dem 30,001
Flores e Floresta, idem, dem 32,000
lloa-Vistae Ex, idem, idem 32,0110
As .o 1 eniataci.es sero feitai por lempo de
3 annos, a contar do Io de julho do corrente
anima .'lo de junho de 1854, e 10b ai meiinas
condi(i>es das anteriores.
As pessoas que re propozem a estas arrema-
ei miparecam na sala dai leudes do ines-
1110 tribunal uos dias ncima indicados pelo mel
dia, competentemente habilitado!
Secretaria da thcsourarla da fazenda provin-
cial de Pernainbuco, i9 de abril de I85l.
O lecretarlo,
Antonia Firreira d'Annuntiaco.
O conselho de revista da guarda nacional
deste municipio, faz publico aos guardas
nacionaes abaixo dcsignadoi, que coinpare-
s un na caa da cmara municipal desta
cidade, no dia 30, pelai 9 hora a da uianha,
al'un de sriiiii nspeecionadoi.
Freguezia de Sanio-\ntonio.
Joao de Castro Oliveira Gulmaraei, Jos
Joaquina Lopes l'ereira Guimares, Francisco
Malinas Pereira da Costa, Simplicio da Silva
Barbosa, Miguel Candido de Medeiros Pinto,
Joaquim Jos de Carvalho Sequelra Varejo,
Jos Francisco Tavarcs, Luiz de Franca Arau-
jo Santo, Manuel Eslevfio do Nascimcnto Quin-
leiro, Luiz Autonio Pinto da Silva, Francisco
Antonio Magalhes bastos, Francisco Candido
Lumach de Mello, Tiburcio Valeriano dos
Santos, llellarmino dos Santos Rolcao, F'ran-
eisco Pereira Lemoa, Bruno Comes da Silva,
Melquades Francisco da Costa, Manoel Xavier
Correa Fcitosa, Jos Hurle Jnior, Joaquim
Jos das INeves, Antonio Camello Pessoa de
I.acerda, Luil da Costa Leite, Francisco das
Chagas Caldoso, Joao Pedro da Rocha, Silves-
tre Pereira da Silva Guimares, Jos Joaquim
ila Silva Smico, Antonio Joaquim de Soma,
Manoel de Miranda Castro, Geraldo Jos Pe-
reira, Manoel Jos de Sant'Anna Araujo, Jos
FilippeNerj, Manoel Autonio Pires, Joaquim
Francisco de Albuquerque Santiago, Antonio
Seralim de Dos, Manoel Antonio de Miranda
Lessa, Gregorio Ferreira, Melquades Joaquim
.Marques Viauna, Antonio Jos Maciel, 1 1,111-
clico Ferreira Crespo, Jeronyino Pereira Vil-
lar, Firmo Antonio de Figtieredo, Joao Pe
dro da Rocha Pereira Jnior, Luiz llczerra
Monteiro Padilha, Luiz Antonio Santos, Joa-
quim de Resende, Jos Audr Lobo, Elias da
loqha Pereira, Jorge Rodrigues Machado,
Antoniu Joaquim Ferreira Guimares, Eze-
quicl da Silva Ferreira, Carlos Francisco Son-
re de Brito, Manoel da Cunha Saldauha.
Salla das scsses do couselho de revista,
20 de maio de 185l.Fronciieo Jacinlho l'erei-
ra, presidente.Francisro de Ans Oliveira Ma-
ciel Franciteo Antonio d'Uliveia.
DeclaracQes.
m%
A quem convier o encarregar-se da
li nio;ii;ji> o compra dos maleriaes do so-
brado de dous andares da ra Nova n. 25,
que tem de ser demolido, se poder dirigir
aos veroidores Jos Pires Ferreira e Manoel
CaetanoSoares Carneiro Monteiro, afitn de
tratar o prego e prazo dentro do qual deve-
r ser leita ta! demoHcfiO.
Pela segunda MCfo do consulado pro-
vincial, s faz publico, que a cobranga de
3 pt r cento do imposto provincial sobre
de diversos estabellecimentos, continua le
o lim do correte mez, linda o qual passa
9 mesilla a sr feita judicialmente.
Agrcneln la eoiiijiniihia inglcza
tic pnqiietfis u vapor.
O vapor da coinpanhia deve
aqu chegar dos portos da Eu-
ropa 110 dia i." de junho prxi-
mo futuro, e no mesmo dia se-
guir para os porto do sul. Os Sr. que pre-
tenderem passageus no mesmo, pdem diri-
gir-se com antecedencia ao cscriptorio da
agencia, ra do Trapiche n. 42.
(-'onipaiiliia tic Itcltcribc.
O caixa da compaiiliia do Hcberibe principia
a pagar o sexto dividendo, hoje, seguiudo a
inclina rrgularidadc dos divideudos antece-
dentes.
O arsenal de gueira tem de comprar
azeiti'de cairB| alo e fio de al^odSo, quem
o*, niestnos gnu ros quitar ven ler, compa-
'' 1,a no dia 29 do crrente mez trazendo
sua proposla.
Theatro de S.-Izabel.
O 06pecinculo Iyrico anntinciido para
liontein, 27, e que foi transferido por causa
da o.ma chuva, IcN lugar
lioje, 28 de maio de l85l.
Subir .1 scena, pela ultima vez, a muito ap-
plaudida opera em ires actos
OPARHEIR DE SEVILIIA.
No intervallo do primeiro ao segundo acto,
a Sra. Hderna c o Sr. Ue-Vecb, d.ine n a 1 o
lindo passo'a dous
A llUfjUIXV DE ARCIL.
Do segundo ao lercelro os mrsmos senhores
executaro a bella scena mmica, seguida do
passo a dous
OS MRDINEIItOS.
Terminar oezpcctaculo com o ultimo acto
da opera.
Cono cara as oilo horas.
Us bllhetei acbam-ie venda no cscriptorio
do theatro.
ULTIMV RECITA EM FAVOR DA ACTRIZ
Joanna Januiria de Souici tlilancourth.
Concedido por esrecial favor,
QUINTA-FEIIU, 29 DE MAIO DE I85l,
Depois de urna escolhida ouvertura, abrir-
se -1, 1 a scena para a represiiiac.o do drama
cm tres acto:
\ MOURA,
PliBSONOKril.
Os Sn. G. V. d'Olivcira.
> J. da Silva Reii
Silvestre J. M.
A. J. II. 1.111111I11 a
A. M. da Coila.
Santa Rosa.
As Sras. J. Januaria
11 Julia Rosa d'A.
M. da Soledade.
Fidalgos, homens de Zaida, familiares do
santo cilicio, criado!, etc.
No lim do drama a Sra. A. Candiani, em
obsequio beneliciada, cantar, acoinpaiiliae
da dos Srs. Capurrl e F'rederico Tati, agrand-
ara dodeliiiu da opera:
OS PUUTANOS.
Em seguida a Sra. Msrieta liado u 1 e o Sr.
Jos Dc-Vccehi, tambem por obsequio, exe-
cutariio um lindo e novo passo a dous, sobre
os melhores motivos da opera
NORMA.
A beneficiada, para mostrar o grande desejo
3ue tem de agradar ao publico e pedido
e algumas pessoas, cantar rom o Sr. Ray-
muiidii Jos de Araujo, o jocoso e muito ap-
plaudido duelo :
O MEIRINIIO E A POBRE.
Terminando o espectculo com a graciosa
comedia em um acto :
O JUIZ VE PAZ DA OCA.
le este o dive lmenlo que a beneliciada
tem eicolbldo para offerecer ao Illuslrado pu-
blico deita provincia, de quem espera aco-
Ihiinenlo e proteccSo.
Aproveita esta ocraslao, para declarar aos
seus companhelros o sen eterno reconhccl-
mento, pela manelra delicada com que se
prestaram a lervi-la icm o yienor interesse,
c com especlalldade ao Sr. Antonio Jos Duar-
te Coimbra, que se offerecra, como ae anda
fizeise parte da coippanhia.
Cometjara as 8 horas.
Os liilhotes icuatrj-se a vondano tbeatro,
ou em casa da benoficiada, ni ra Relia
n. 22 _________
The.tfO de Apollo.
lloje, ti de maio de iS.'n.
Primeira representafao da companhla dra-
mtica, sdb direcco do actor Francisco de
Sallei Guimares Cunha.
Depois de urna eicolhida ouvertura, execula-
da em grande orchesta, subir scena o multo
applaudldo drama
OS DOUS RENF.GADOS.
O director nao le poUpou a esforcos, nem
despetas para que o espectculo v com toda
a pompa e hrilhantisiim que requer o autor ; e
emprrgar toda a diligencia paraque os inter-
vfclloi sejam curtos.
Comecar as oito horas em ponto.
PRESOS.
Primtiraordtm, camarotes de frente
de lado
Seoiinda orrirm, camarote de frente
de lado
7>rrfira ordem, camarotes
Platea
Os bilhetes acbar-se-bao venda todos
dias no theatro.
O director lutando com todos os embarac.09
de nina em 1 n e/a niseoite pede ao respeltavel
publico toda a protec(o e indulgencia.
7,000
8,000
7,000
6,000
5,000
1,000
01
Fubiicaco Iliteraria.
Sahio a luz.
A inleressanle obra,'in$liluco'ti do Direilo Civil
/Iraiileiro ,
formulada segundo o sysiema do insigne ju-
risconsulto Mello Freir, do qual se colligio
ludo que nos he appllcavel de conrormidade
com o nosso governo, addicionando-se todas as
disposifas das leis brasilciras publicadas at
1850 pelo Dr. Lourenco Trigo de I oureiro, ad-
vogado muito conhecldo nesta cidade. OMel-
lo Freir de ha muito que entre nos est lein
utllidade. por sso que a nossa organisafao ju-
dicial ia he mui divenai da que em Portugal
exista no lempo em que esta excellenle obra
foi publicada. A obra que otlerecemos ao pu-
blico lie de urna necessidade inconlestavel,
guia clara, segura e infallivel na sciencia do
direito vende-se por 6,000 rs. um tol. d 200
paginas : no pateo do Collegio, casa do Llvro
- Acha-se no prelo a obra de Direito
intitulada o Advogado dos Orphaot. Ella he
tanto mais interessante, quanto so torna
nrcessiria para o uso daquelles, que ex-
ercitam a advogacia, e seteui dedicado ao
esludo de direito: conten todos os pre-
diclos da orphanologia, assimeomo a pra-
tica em vigor no juizo d'orphSos, e um adi-
tamento de leis brasileiras, qoe Ihe 1B0
concernenles. Subscreve-se por 2.500 ris,
na prarja da Independencia luja ns. 6 e 8,
no Pateo do Collegio CBSa do livro azul.
Dcos de impress veuder-se-ha cida es-
emplar por 3,000.
bulles, cafetoiras, pratos, tigdllas, quarti-
nlias, jarras para agoa, talheres e colheres
decasqtiinha usados, e outros arligos miu-
dos: quinta-feira,29 docofrenle, as 10lio.
ras il,< manliSa, na casa da referida socie la-
do, ra da Cadeia do bairro do Santo A.U.
tonio.
Miguel Carneiro far leilo no dia do
sexla-fdira 30 do corrente no caes da Alfan-
dega as 10 horas da manhla. de urna por-
q5o do farinha com algum toque de avaria,
chegada pelo navio Joune Rayitiond.
Avisos
diversos.
t.__________^._________ I.U
Avisos martimos.
Para a Italiia.
Segu com brevi lade a escuna nacional
ttlelnide, de primeira marcha, forrada e
eneavilliada de cobre, por ter parte do car-
regamenlo : quem o restante quizer cure-
garouir deassagem, queira dirigir-se a
roa da Cadeia do Recife ti. 56, loja do Sr.
Vital.
Para o Rio de Janeiro segu viageru
coni breviilmle o palaeho nacional Curioto,
capitlo Jos da Cdnlia Jnior, por ter parte
da carga engajada : quem no mnsnio quizer
carregar ou ir de passagem, pJo enten-
der-se com o capito na Praga, ou com o
consignatario Luiz Jos de S Araujo, na
ra da Cruz n. 33.
Vende-se urna lancha nova, que pe-
ga de trinta a quarenta barricas, a a qual
se acha em peiTeitissimo estado, bem co-
mo tres botes novos, ludo por prego com-
11101I0 : na ra do Vigario, n. II, primeiro
andar.
Para o Rio de Janeiro segu com a
maior breviJade o briguo Deslino, recebe
carga afrete, e leni 001)1 commodos pira
passageiros: quem pretender entenda-se
com Leopoldo Jos da Costa Araujo, na ruu
da Moeda n. 7.
O Iliate nacional aSan Jo3o* segu por
estes dias para a l'arahyba quem no mes-
mo quizer carrogar, dilijase ao mestre a
bordo ou a Justino da Silva Boa Vista, na
travessa do Vigario n. 3.
Leiloes,
D. Lopo da Cunha
I). Guiherres
II. Chlstovu
t. Alvaro
1). Palo Mai lins
Ambrosio
Zaida
D. Klvira.
Ungida
OcorretJT Oliveira far leilSo, em um
s lote, a dinheiro, ou a praso por meio de
letras com firmas salisfalorias, das fazen-
das existentes na loja de Ricardo Jos de
Freilas Ribeiro, conjuntamente com a ar-
oiiq3o da niesma loja, sita na rui do Cres-
pn. 5 e A, cujo inventario existe em tnSo
do dito correlor para exame dos pretenden-
tes ; adviitindo-se mais, que o Sr. J0S0
Honriques da Silva propietario da loja,
Jara preferencia ao alugador que arrematar
as referidas fazendas e armaeflo : sexta-fei-
rs, 30 do correte, ao meiu dia em ponto,
no in lie ido lugsr.
O correlor Miguel Carneiro, far lello
no dia sexla-feira, 30 do corrente, s 10 horas
da manila 1 no icu armaieiii, de diversos iras-
tes novos e com pouco uso; lou(a, vidros,
candiciros, lanternas, quadros, espingardas,
pistolas de um e dous canos, relogios e oulroi
objectos que serao vendidos muito em conta,
Por ordom da respectiva CommissSoda
exliucta sociedad Apolnea, o corrector
Oliveira fat KilSo do toda a molulia, e
mais objectos existentes da mesuia socieda-
de, consistindo em cadeiras usadas, de bra-
cos e de l'.il-in; 1, s-nil 1 de jacaranJa, d
Oleo e de outras madeiras, canaps, sof,
consolos com espelhos, espellio de veslir,
toucador grande, lavatorios de mogno, me-
sa redonda, mesinhas, bancsde jogo, me-
sa de jantar muito comprida, c.bids e es-
tililiS, arandellas doura.ias com mangas,
ditas e lalo e bronceadas, uin lustre dou-
radu para 24 luzes com mangas, um dito de
viJro menor, serpenleira, laolernas com
mangas, UuipeOes, candieiro da entrada
com globos, frascos para clieiros, jarros
para flores, colheres de prata, assucareiro,
conxa, salvas e palileiros da dita, copos pa-
ra violto, ditos para agoa, chicaras e pites,
Ise|-se sjber a morada do Sr. An-
tonio itnlino Monteiro: na travessa do ,\-
icile deP*ixe n. 19.
te&fc-''9*}-ttH99*t:9G9&9i'\9:t
} < (iii-iiliniio central honireo* ,v
3 pathico le I'ernanibiieo, *.,
tf Dirigido pelo Dr. S. 0. 1. Pinho, g
O Ra do Trapicho Novo n. 15. -^
9 Todos os dias uteis so darSo con- 4
*/ sullas o remedios de gracs aos po- $
> bres, desde pela menliSa at as duas |
fe horas da tarde. ^
Aj) As correspondencias e informado s j
it-r poderSo ser dirigidas verbalmente, ,j
* ou por escripto, devendo o doente 4
te indicar primeiro, o nome, a idade, <
t>' estado, profisslo e ronsliliiiQo ; se- <|
gundn, as molestias, quo tem tido, e i
te os remedios tomados ; lirceir, a po- 4
te ca do apparecimentoda molestia ac- 4
te tual, e descripQSo minuciosa dossig-
& no es 011 symptoinas que soffre. 4
te: Dr. Sabino Olegario .udgero Pinho. j
(S 3 Rftff^:* :##*#
Rogase Sra. J. Januaria para, por sua
n leo-enea, Implorar insigne cantora, a Sra,
A. Candiani, para, no da 20 do correte, le-
var scena a filha do regiment.
Pedc-se a Sra. Joanna Januaria para, em
sen beneficio de J9 do corrente, levar cnt
a til lia do regiment, cantada pela Insigne
cantora a Sra. A. Candiani.
Um espectador.
Pede-sc aos 11 litis. Srs. presidente di
'salubrldade publica e fiscal do Recife, qut
I lancem at suas piedosas vistas para uun
casa da ra do Pilar, morada de ums Al-
'' leniaei, onde existe um hospital particular
I d'onde, no dia 26 do corrente, sahirain tres
cadveres das febre reinantes, segundo a voi
publica. O Vigilante.
No dia 28 do corrente se ha de arrematar,
em hasta publica, do Dr, juiz municipal ih
segunda vara, os gneros e irais objectos pe-
nborados a Dousll & C. por execuco de Ma-
noel Jos Correa, constantes do escripto exis.
tente cm mao do porteiro do juizo.
9) Paulo Galguox, dentista
* fraiicez.offerece sen prest-f
9) mono niiblico para tollosos 9
< tnifteres le ana iiroflss: 9
' ptle ser procurado a qual- fl
9> tincr hora em sua casa, na 9
m ra larga do Rozarlo, n. 36,
* segundo andar. *
&Ql&t&Mr0fMb9lb^'&9totS%tt}&^^1i
No dia 14 do corrente deiappareceo ao
abaixo aisignado, do seu litio em Agoa-Frii
de Santo Amaro, um prelo de nome Joao,
que o apelidavam oa parcein por Joao irio-
leque ou pequeo, representa 18 a 20 annos
sem ponta de barba, baxo, secco do corpo,
mas bem prpporclonado, olhos pequeos, he
bastante ladino, fallas muito maviosas: roga-
se por muito obsequio a todas s autorida-
des policiaes c captes de campo, de o apre-
henderem e eulrega-lo no Recife, ra do Tra-
piche n. 17, ou na ra da t-'ruz n. 8, ter-
ceiro andar, ou no mesmo litio, que, alem
das despezas, se gratificar generosamente.
Ilontem, 27 do correte, pelai onze ho-
ras da manba, um prelo roubou um re glo
de prata, grande, fabrica coberta e lnglea
e com o numero 3o39, e rom as letras M G. (
L. ; sendo que de una queda que se Ihe d-
quebroii um pedacinho do mostrador, onde
inai i i as 6 horas ; a pessoa a quem for ofTe-
recido o queira aprehender levar ao abaixo
assignado, que generosamente recompensar,
Na [iraca da Boa-Vista, cas de
Joio hlanoel Franco.
Tem de ir em praca, no da 31 d cor-
rente, finda a audiencia do Sr. Dr juit mu-
cicipai da segunda vara, uina casa'terrea, sita
na ra do Rangel n. I. por execuco contri
I). Igncz Maria da Trindade, he a ultima
praca.
~ lia para alugar divenos cscravos, c urna
negra engommadeira c cozinheira, na ra do
Vigario, casa n. 7. aonde os prcteodentes st
pudcn dirigir.
Implora-De a benevolencia da insigne can-
tora, a Sra. A. Candiani, que inda por urna
vez cante no beneflcio da Sra. Joanna Janua-
ria, a filha do regiment e urna modinba bra-
sileira.

Chapeos de sol.
Ra do Passeio.o 5.
Nesta fabrica ha presentemente um rio
sortimento destes objectos do todas as c-
rese qualldades, tanto de se la como dJ
panninho, por prec.os commodos; ditos pa-
ra senhora,. de bom gosto: tltes chapeo
s3o feitos pela ultima moda ; e la adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na meso
casa se acha igual sortimento de sedas e
panninho imitando sedas, para cobrir-ar-
maQOes servidas : toda estas fazendavne s-
dem-se em porrao e a retalho : tambem s
concerta qualquer chapeo de sol, tanto d
hasteas de ferro Como de baleiatassim como
umbelas de igrejas : ludo por pre$o com-
modo. Na mesma casa ha chapeos de sol,
de mapca maior, de panno e de seda, pro-
prios para feitoresdo engenho, por seretn
os mais fortes que se podem fabricar.
Chocolate desancle e medicamen-
toso.
De todas as substancias elimentares, que,
sendo em seu principio cooslderadas como
cousas de luxo, lornam-se pelo tempo adiao-
te.de um uso geral, o chocolate pode, son con-
tradiccao, oceupar o primeiro lugar.
I Etlectivamenle, quanlas pessoas nao vemos
nos preferir hoje ao uso do quente caft, o u
do chocolate, e nisto seguir a oplnio dos m-
dicos mais celebr.s, que, de coinmum accor-
do sobre suas preciosas qualldades, o Indicara
como um doi noisos melhores estomticos sr
quelias pessoas cuja saude he dbil e delica-
da !.. Prescrevein-no aos seui doentes, acon-
elham-no aos velhos, e o rccommendaui **
Oils de familia para sois filhoi. Em nina pa-
lavra, o consumo verdadeiramente extraordi-
nario que todas as classes da aociedade faiem
deste alimento, he o mais bello elogio que nos
lhc podemos fazer.
Chegou um novo sortimento deste chocola-
te, j bem couhecido por militas pessoas que
ion felto uso delle, e alui deite sortiinenW
para o uso diario chegou mais um outro sor-
tiinentn de enclale medicinal, sendo o de
Musgo, Salcpo Ferro, Arela, mullo recom-
n.enil ido para as molestias do peilo, vende-se
na ru da Cadeia do Recife n. 25, defronle do
Uccuo Largo. |
MELHOR EXEMPL


w

'<*!
IBfTB

Casa de commissilo deescravos.
jRccebem-se escravos para se-
ren vendidos tanto para fon ,
como para dentro da provincia ,
com prestesa e seguranca sos mes-
mos : no rna da Cruz do llecife
n6.
Precisa-so de um portuguez para to-
mar corita .de um sitio e traballur nelle :
quem estiver nag circumstancias, dirija-se
ao sobrado da ra de S.Thereza, para tratar.
Etn lilis da semana passada lo i adiado
rm abandono, em um corredor de um so-
brado, da ra Direita, nm panacum com
urna porgSo de farinha de mandioca : quem
seachar comdireito aomesmo, dirija-se a
mesma ra a casa n. 63, das 6 as 8 horas da
manhSa, que dando os signaes certos Ihe
ser entregue.

BOWMAN MC. CAL1.UM, engenhei-
ros macbinislas e fundidores de ferro mu-
respeitosamente .annunciam aos Senhores
proprielanos doengenhos, fazendeiros, mi-
neiros, negociantes, fabricantes e ao res-
peitavel publico, que o seu estabelecimento
de ferro movido por machina de vapor con-
tina em efectivo exercicio, e so aclia com-
pletamente montado com apparelhos da pri-
meira qutlidade para a perfeita confecgo
das maiores pecas de machinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer
obras da sua arte, Rowman & Me. Callum
desejam mais partirularmento chamar a
attencSo publica, para a sseguintes, por
terem deltas grande sortimentoj prompta,
as quaes construidas na sua fabrica pdem
competir com as fabricadas em paiz es-
trangeiro, tanto em preco como em qua-
lidade da materias primas e m3o d'obra,
a saber:
Machinas de va por da melhor construyo.
Moendas de canna para engenhos de to-
dos os tamanhos, movidas a vapor por aga
ou animaes.
Rodas d'agoa, moinhos de vento oserra-
Manejos independentes para cavados.
Itodas dentadas.
AguilliOes, bronzes e chumaceiras.
CavilhOes e parafusos de lodos os tama-
nhos.
Taixas,pares,crivos e boceas de(fornalha.
Moinhos de mandioca, movidos a m3o ou
por animaes, e prensas para a dita.
Chapas de Cogito e frnos de familia.
Canos de ferro, torueiras de ferro e de
bronze.
Bombas para cacimba o de repudio, mo-
vidas a mSo, por animaes ou vento.
Cuindastes, guinchos e macacos.
I'rensas hydraulicas e de parafuso.
Ferragens para navios, carros e obras pu-
blicas.
Columnas, varandas, grades e porldes.
Prensas de copiar cartas e sellar.
Camas, carros de niflo e arados de ferros,
etc., etc.
Alciii da superioridaile das suas obras, ja
geralrrfente reconhecida, llowman & Me
Callumgaraiilem a mais exacta conformi-
dade com os moldei e dezenhos rcmettidos
felos senhores que se dignarem de fazero
liesenconimendas, aproveitandoa oecasiae
para agradeccrem aos seus numerosos ami-
gos e freguezes a preferencia com que teeui
sido por elles honrados, e assegurani-lhes
que nlo pouparSo esforgos. e diligencia
para continuaren] a merecer a sua confi-
aoca.
##)'i#<):?*> (f ** I onsilltoi i (i h ii i un opa til ico ( ni cv
?; Periiniiibuco t<#
e>J Bu Nova ... 58 f
^ DIRIGIDO PELO 8
4& Dr.- J. S. SANIOS JNIOR.
< Consultas e remedios de grata aos /<<>- *
ftj bres lodos os das uleis desde
da muiilula a urna da larde, e dessa Ao- ,
^? ra em (liante, sirdo visitados os doentct o
M em seus domicilios. j
*****:*.>** i**:ii;i*
Alie hicr anvtesenden dculsclie unil
schwci/.er, werden crsuclit slch gtigst mu
JJonncrslage den 20 na i, um 10 ulir Muigens,
un hause ; rua da Crus n. -, zu vcrsaiiuiieln,
uiu siclu hinsichtlich do Hils-Vercins zu bc-
raihcn.
Prccisa-se de um caiieiro para turnar
conla de urna venda, por balan(o, dando-se-
lhe bom ordenado: e passados seis niezes se
Ihe dar luleresse, no caso que agrade: i|uem
esliver nemas clrcumstaneias dlrija-se praca
da Independencia, n. 10, que se Ihe dirr
quem precisa.
~,Sr. Frederico C. Elesler, queira vir
pagar 78.C00 rs que se acha devendo, na
rua do Queima lo n. 16.
Precisa-se alugar urna piola, captiva
on forra, que de fiador a sua conduela, pa-
ra tratar de urna enanca : na rua do Viga-
rio D. 3.
- Itoga-se ao Sr. S., que tenha a bon Ja-
de de pagar o restante i'a espada que com-
prou em junho de 1849 : na rua da Cadeia
do llecife n. 36, luja de selciro.
--Em virtud de seterj anuunciado, por
tres vezes neste jornal, que o Sr. Flix Ca-
?alcante de Albuqueique Mello, compare-
cesse na botica da 1'rac.a di Roa Vista n. 32,
e como onSo lenlia foito"; roga-se ao mes-
mo Sr. de vir pagar o que deve nesta boti-
ca, |ois j he lempo, do que Ihe licar obli-
gado o aununciante.
.Lotera da matriz da Boa Vista.
O andamento das rodas he no
dia j annunciado a de junho vin-
douro s 8 horas da manha no
consistorio da mesma matriz, e o
restante dos* bilhetes est a venda
nos lugares do costume.
Am.ia se precisa, no Aterro da Boa-
Msla, sobrado u. 5, do urna ama para lodo
o servico do urna casa de familia, prefern-
do-se sendo escrava : quem esuver neslas
circuiiiSUncias, dirija-so ao referido sobra-
do, ouaniiuncie, para ser procurado.
Procisa-se de urna preta escrava,
para tratar de urna enanca, e fazer o ser-
vico interno de urna casa de pouca fami-
milia, com preferencia j idosa : na rui
do Crespo n 14, terceiro andar.
(V Rog8-se aos 8ra. devedores, da ex- ;a)
f> tinta firma social, de Jos Moreira (j)
<) Lopes & Companhia dissolvida em j)
f 31 dedozemhro p p., o ohzeqnio de A
t> sal larom seus dbitos, visto que a 4
( pessoa encarregada da" liquadacdJo la)
?) recebeu ordem para a efTectuar ami- (9
t gavel ou judicialmente. 4
Thoqsai d'Aquino Perelra Vasconcellos,
tendo de rellrar-se para Lisboa, tratar de
ana saude, deixa por seua bastantes procura-
dores a Jos Peres da Cruz, Antonio Brando
da Rocha e Joaquim Correa de Rezende Reg.
A pessoa que tiver a venda o drama
nm 5 actos, intitulado a-Escrava Andrea: an-
nnnein por esta folha.
OSr. JoSo Joaquim BaptisU, que mu-
Inu o nome para JoUo Jos Raptists, mora
na cidade do Rio Formozo.
I'recisa-se alugar urna criada portu-
fftieza. que seja bem conduzida, para o ser-
vico interno de ima casa eslrangeira de
POMO! familia: quem estiver nestas circums-
tancias, dlrija-se a rua do Vigario n. 3,
Luir Pedro das Neves remete para o
Rio do Janeiro, a su escrava parda don-
me Anna, com urna flha menor.
Oabaixo assignado faz sciante ro pu
blico, que Marmol Ribeiro Pontes Jnior,
deixou do ser seu caixeiro, desde 24 do cor-
rente. Joaquim Dias Fernandez.
O moco que em um dos Diarios da se-
mana passada, se offereceo para caixeiro de
venda : dirija-se a rua da Matriz da Boa-
Vista n 22.
Precisa-se de um amassador, qCeen-
tenda de todas asqualidades de massas : na
rua da Matriz da Roa Vista n 22.
.lu,"in Antonio Carpinteiro da Silva, em
resposta ao aununcio do Diario n. 118, de
24 do correte mez, tem adizer, queem
nada he responsavel pelos feit s do Sr. Jos
Mara de Sampaio, quando esle algum tives-
se, e que o mesmo na la tem em seus esta-
bdecimentos, por j ter sido apartada a so
ciedade, por escriplura publica, como po-
llera, provar ; oulro sim, declara que seus
bens so acham livres e desembarazados, pi-
ra com qualquer pessoa, que uiln seja dos
trapicheiros da Praija de Peniainbu o. "
O Sr. Jos i ii il'i-u de Souza, ter a
houdade de apparecer na rua do Vigario n
3, onde o mesmo Sr. alugou a sua escrava
Mariana, para receber os alugueis da mesma
e a mencionada ascrava, por nao se ter mais
preciso de seus servicos
Precisase de oito contos de ris ju-
ros, sobre liypotheca em um engenho, dis-
tante desta praca siis leguas: a fallar uo
pateo' do Carino, venda n. 1.
O Sr. Francisco Jos Arantes deizou de
ser procurador e gerente da mlnha c da casa
de ininlia lia D. Isabel Barbosa: as pessoas
porm que tiverein negocios, que nos digam
respeiio, dirijam-se ao segundo andar da casa
ii. I, da rua do Aragao, aoude acliarao com
quem tratar.Pedro te:trra Pcriira de \raujo
Ueltro.
Oabaixo assignado, tutor da menor Lu-
cinda Mara Denla, faz scienle ao respeilavrl
publico que pessoa alguma contrate venda,
hypoihcca, e outras quaesquer Iransacces
cun os bens do portuguet Joo Antonio Car-
pinteiro da Silva, morador, com padaria, no
logar du Manguind, porque os ditos bens
nao pertencem s ao dito Carpinteiro, mas
iui perteneca parte a eete e parte ao seu
sucio e coiiipanheiro Jos Maria de Sampaio,
o qual se acha fiigido desta provincia, pelo
crime de estupro cominetiidn na pessoa da
infeliz orpb, cima declarada; que pclomes-
mo crime se atlia o dito Sampaio pronuncia-j
do; e como os mesmos bens se aclicm sub-j
jeitos ao pagamento do damuo causado, que
se acha estipulado no prucesso; por isso
abaixo assignado tai o presente annuncio
para que peuoa alguma se chame igno-
rancia, pois o annunciante protesta ir haver
em lempo competente do poder.onde se adiar,
una vez que o mesmo aununciante tem no-
ticia que o dito Carpinteiro quer vender iudu
para se retirar da provincia.--7hcoilmo d'Al-
meida Cotia.
Roga-se a todas os pesseas que estSo
devendo cotilas antigs na rua da Cadeia
do llecife, n. 25 defronte do Becco Largo,
que queiram vir ou mandar pagar seus
dbitos al o IIni do crrenlo mes do mam
poi o n5o azendo lerfio de ?er seus no
mes iiest jornal, eseprocedoi nos ter-
mos da le.
- Roga-se ao Sr. Dr. Honorio Fiel de
Siginaiinga do Vascurado, que se acha bo-
je advogando en Coianua, que mande ps-
;.ar a sua liina que se cha venc la a au-
no c meio, o qual nilo ignora aonde
em qui ntu o nao lizer lia de ser lembrado.
Cuzo-sb, lava-seo engouima-so com |g
loda i ron.ptidao o ssaoo por prego y
Em aditamento ao ann i:i-m de Ignacio
Luiz de Brito labo-da a res-n'it) dos seus
devedores, mais 0' Manoel Antonio da Silva MiM i, A. B. da Sil-
va Cavaicanti, JoSu Ainclelo dos Santos,
Bento Borges Leal, Anastaeio Jos Pinto de
Souza, Jos Venceslao Affonso Rigueira,
Thereza dosProzeres, Filinpi Roman dos
Prazeres, Ignacio Joaquim Ferreira. Manoel
Joaquim l'aes Brrelo, Jos Maria Ceraldes,
Joaquim Manoel de Castro, Antonio Jos
Mrtins, Anastacio Jos de Azovedo, Joa-
quim'Rodrigues dos Santos.Manool Joaquim
deOliveira, Fr. Thbmaz ex-frado do (ar-
mo, Anlonio Ignacio deOliveira, Francisco
deM-. Ralin Aceiuli Wandorley, Manoel Ro-
drigues (ampollo, Leopoldo do C. M. Gu-
reme, JosPereira Arantes, Fr. Loureneo da
ConeeiQSo, Francisco Antonio Pereira dos
Santos, I). Leonarda Mara do Albuqucrque,
Manoel Patricio do Sacramento, Eustaquio
Jos Nunes Muniz, Antonio Cordeiro c Ezo-
quiel Ferreira Baduom. ( annunciante
proseguir n pnblicaQo dos nomos dos
mais d"s seus devolores qu* nao vierem
immediatamente pagar-lhe, e para rom a-
Ihorcs que existem em tjdo o imperio, tan-
to polo que diz respwto a capacidadlt do
edificio, como pola exci'1'enfia dos rnate-
riaos e pericii dos seus empreados ; o que
os habilita a offereeer-se com eonflanra pa-
ra a puntual exectiQao do toda a espeoi" de
machinas de vapor, de qualquer tamanho
ou dcscripQ.lo que sejam, fizas, para na-
vios, ou locomotivas. Igualmente caldei-
ras para vapor de todas as dimensOes, enge-
nhos para cannas movidos por vapor, por
aeoa, Si por animaes, con tolas as varie-
dades de moderna invenQo. Tachas da lo-
dos os tamanhos, alambiques de f,?rro de-
ludas as capacidades, instrumentos de agri-
cultura, rodas d'agoa e moinhos do vento
do todas as -jualidndos. Alvarengas e em-
barcagOes de ferro de qualquer porte ou for-
ma que so desejem. Pontes do ferro do to-
dos IS dimensOes, gradaras, varandas, por-
tfles, columnas, sinns hydraulicos, limas do
ferro, o n'UDlD palavra" todas as obras de
ferro o bronze, de que o paiz possa precisar-
Graeasa energa do governo, exisle ja una
excelleule estrada feta em linlia recta da
ponte da Roa Vista para o estah lecuiento
quelles, cujas circumstancias nHo Ibes per- em Santo Amaro, oque ofTerece a niaior
millam pagar-lhe j, declara qucao menos
seibo aprsenteos, p^ra ajusio de cuntas,
e sgsignaQllo do prazo em qui devem solver
estes seus anligu>ssimos dbitos.
--Oabaixo assigado pode a sua ta a Sra
pessoas que o quuciem
cu nmodida le s
visilar.
No di i 8 pira 9 do passado s 8 >
..y
horas ili noile, desapparecen o pelo Q

ii. Jn lima Francisca Maclal Monteiro que q Paulo,de naQflo Rengela, de 30an-(A
vista do annuncio publicado neste Diario do J, nos pouco mais ou monos, estatura "
26 do correnle, declarando so adiar revo !~f regular, rosto um tanto largo, boiQos **
gada urna procuraq.1o, quo Ihe c.inferi sua '."' grossns, bucea grande, nariz chato, !;
tnulher I). Maria da CooceioBodi Silvoia cabellos Brandes, com falla naco-
Maciel Monleiro, baja a mesma bus tiade rua da cabera proveniente de can-.!-
declarar ou transcrover essa proourafit gaxpSO, falla um tanto lina e des- Q
doahaixo assintdo, fi n de 0 canvada, o em certas perguntai usa .
da res.osta setibor sim, ou seuhor
iiiio, no andar ginga u'ii tanto com
\ aspemas trocando-as paraumeou- q
y tro lado, bebe girapa e sgo'ardente; .
2 levou calca do casixira ezul-ferrete Jr.
ll rom lisli as ao co.npi i lo o alravessa- ~
* das formando quBdius, camisa de ma- *'
dapiilu o chapeo de i ello preto no-O
vo. Este escravo foi .le Antonio Joa-
quiui, morador em Fura de Portas, e l
com leuda desiipatelro na ruada (a- 0
cimba, tendo o escravo princiiiius ra
do mesmO odlcio : roga-se a quem o .'.,
pegar de nlrvara seu senhor, abaixo
assignado! que pagar todas as des- ^
I o/as genviosainetite, na rua oa Cruz
do Recite n. 63, on atrs do Ibes tro
velhu, nruiazem que se vende laboas
do piiho, no qual servan sempre es- '-
ti. va o niesno escravo nccupado, j
Juai/uim Lopes de Almeidt, '
Curso brogresslvo (lll'erecendo em 32 e lampas, una linda c
variada collecode esludos e paliagens, objec-
tus do reino animal e vegetal, do corpu huma-
no, &c.; dedicado aos amantes do desenlio
de ambos os sesos, a 5,00 i cada obra: no pa-
teo dn Collegiii, casa do livro azul.
NOVO iituiuinl ilo fa/.i'iidflio
Ou tratado completo de medicina e cerurgia
domestica, adaptado n intelligencia de todas
as classes do povo ; seguido de mu formulario
de n-id. i iri e de um diccionario nos termos
scienlilicos, por unjean, duutor em medeci-
na, meinbro titula; da academia imperial de
' inedecina no lUode Jan-'ro: 2 vols. acompa-
quo revogou a
se tirar serlas duvidas. lodo Uznrio de Cin-
tro Maciel Umtiiro
Precisa-se do um janlneiro, que saiba
tambom tratar de arvores do fructos, para
um sitio pe toda praca: na ruada Cni7 n.
46, privoiro andar.
Quer-se saber a morada de l> Candida
Rosa mullier de Ignacio .Uves Coito, herdei-
io do finado vigario do Rio do l'eix", Clau-
dio de tal: anuuncie quo lio para negocio
do luleresse.
Offeiece-so um moco brasileiro para
tiabalhar em qualquer typograpblj : qu-im
dellc precisar aununcio.
-O Sr. Manoel Finnino Ferreira tem urna
carta .du Rio de Janeiro : na rua do Hospi-
cio n. 9
Aluga-sc o*prinioiro andar da casida
rua do (ai s n. perlencenlo a Francisco
Alvesda Cuaba, o q.iai tem excellentes e
aceiados commodos pata grande familia o
Com mtiilo boa vista i a tratar na rua do
Vigario, escriptorio do Francisco Alvos da
(unba n. 11
- 0 abaixrr assignado faz sciente ao pu-
blico que .Narciso Luiz Ferreira deixou de
ser seu caixeiro desdo 27 do crrenle.
lOl .Wlllll'l / l'llS .S'lllld't Vlll:lfH.
A pessoa que aiinuiiciou DO Diario de
hontem querer vender una taverna em
tuna das priucipaos ras desta cidade i di-
nja-searua do Rosario estrella, travessi
da do Queiniado, luja de iniu a/. .-. n. 2 A
que se Ihe dir quem compra.
Precisa-se de um forneiro. na padaria
da rua do l.i.iovcllo, n. 9.
J


&
&


iy
':>
o
-- Quem tiver um preto, que cnlonda de j, hadus de 04 estampas, puf 12.000: vcudc-se
padaria c o queira alugar, entendase na rua no paleo do Colleoio, casa do livro azul,
do Colovcllo ii. 29, ou na rua de Hurtas rrmiMTw
18.
Q Consultorio homaopalhico do faculta- Q


tino J. U. Catunorn.
Gratis para o* pobres.
0

.ompras.
Coiiipram-so urna mesa que sirva para
banca de advogado e 12 cadoiras : quem ti-
ver, a ti mnele.
ompra-gfl iin.a gargantilna
Na ausencia do facultativo J B. Ca-(; ',"'.'"
sHiiova, o professor homceopatha ^ de diamantes, urna pulMira e Diin-
^ Gosset- Birrionl continala cun os '? i cos na |.,,a (|, |j3
3 traballios do mesmo consultorio, on- '<:? ,
ueotuives n. a.
de podera ser procurado a qualquer i:)
3 bor-. (>
0<5
angel, I ja
(ompra-se una casa, sendo r.as se-
guimos ras : --Flores, Cauboa do Cermo,
-O abaixo as-ignado por meio deste faz pateos de dito c de S. Podro, Hurtas, Tiin-
publico, que ningueni faca negocio, com cheiras o Cruzes : trati-se na rua da.Man-
Jos Xavier Antunes Correia, na qualidauo ueira, no barro da Boa-Visla, casa cor de
de procurador bastante de sua mili, a Sra. CillZan.lt.
I). Rita Maria da Conccr;So, tclativo ao en-
genho Collegio, na fregueiii de 8, Louren-
eo da Malla, da comarca de Pao d'Alho, p'ir
-- ('ompram-se apoli-:es da di-
vid! (iul)lic i : ni rua das Laran-
so adiar dito engenhu em qieslos, tenden-. geirfii n.
18.
na rua de Santa Rila u.
-- Traspasse-se urna loja defazenJasem
boa lucalidade, siniplesaiente com a arma-
C3o : quem a preleuder, dirija-se a rua do
Uueiuitdo n. 7.
S comiuodo:
y 45.
>mi mwwMmwm wfmwwmmmm
Aluga-se um bom sitio riim boa casa
de vive.nda e mutos arvoredos de fructo,
boa agoa de beber, estribara para dous ca-
aalios, tendo a frente murada e grande par-
te dos lados, e nortAo de ferro : na rua da
(odeia de Santo Antonio u. 15, arniazem de
farinha.
A Sra. D. Hita Caotana Maciel que tinha
uns penhores de ouro e prala em poder do
Sr: JoSo Xavier Ribeiro de Andrade, queira
dirigir-so a rua do Uueimado n. 20, paia
tratar sub o os mesmos que se acham boje
em pujt r do procurador do dito Sr. An-
drade.
Odoposito do farinha do mandioca e
nnlho, arroz brancu o de casca da luada
Cadeia de Santo Antonio n. 19, est muda-
do para a casa u. 15 ai,me pretendo fazer
grandes compras e vendas desles gneros,
espera poilanio odonodesle eslsbelecimen-
lo de grande ueoessdaile para esta provin-
cia, pelas conlinuadas faltas que de lempos
em lempos apparecem; espera como d'antes
a concurrencia dos seus bons compradores
o vendedores de laes gneros.
= U Sr. Francisco Antonio da Silva da rua
do Hangel, queira mandar pagar a asignatu-
ra deste liiuiiu e emqnanto nao o li/.er ver o
seu nome publicado em lettra redonda.
4oj amantes do theatro S. Isabel,
No din 22 do correnle, leve lugar a aber-
tura de urna casa bem soriida de penseos
exquizilos e boas qualidades de refrescos,
com o inaior aceio e promptidfio, ao gostu
los freguezes : na rua da Florentina ao la-
io do uiesnio theatro. Cumpre lembrai
que os presos s3o tfio commodos que nao
urt'n com que os freguezet deixeni de vol-
lar segunda vez.
tes a orpbfios, sobre inleresses dos mesmos i Comoram-sp
orphSos, coiisenliorcs prejudicados. I i
Francisco de tarros omia de Queh-oz. i u,e ll"'|,uS os S(X0S d" l0 a 30 ai"
-- Roga-se a quem livor penhores na mao : ""s/ 1",,1lll,ls BB.ral: ",,,iua '-ar8a do 0-
do Maria da Conceicflo Chaves, touba a bon- <> "ineno miar
dado de Irllia-loa no praso de8 dias. nal Compra-se urna secretaria ero bom
falta perdem lodo o direilo que nolles tive- us0 : B.ru_a do Crespo, loja u. 3, ao lado
letn, e L'i.ln vendidos para pagamento da I
mesma.
* Ao rcspcltavel publico.
O abaixo assignado tem a honra d partici-
par a todos os habitantes desta cidade. prin-
cipalmente aosseus amigos, que tem de novo
aborto a sua luja de rclojuciru no largo da
matriz de S. Antonio n. 18, onde pronirtte
consertar ludo e qualquer r< logio, por muilo
ilillii i! que seja o seu estado, puis faz com
toda a peifeicao qualquer peca que for preci-
so aos relogios, pois para isso est habilitado
e aanca por seis luezet os relogios que os
freguezes entregaren! suaresponsabilidade,
e espera que desta forma nao seja mais pre-
ciso s bons relogios ircm-se consertar In-
glaterra, soll'rendo os seus donos a demora
do arco de S. Antonio
'Compra-so tiiiin venda em boa rua e
afreguezada : no largo da Assembli n. 6,
terceiro andar. Na mesma casa Irocam-se
U.t.b niiageiii do Seuhor, una de S. Anto-
nio, ni,ta do M.linio Jezus e a de Nossa
Seuhor i.
Venil
as.
Devoto Clirislo.
Vondc-se o livrinbo Devoto Christo,
o qual conten a Doulrina Christ.la, modo Je
ajudar missa, novena das arhias, voto para
reinir as mesmas do Purgatorio, exercicio
cumbido da recepciio dus relngies que me
foreui confiados, e por quem me responsabl-
liso. Aiif'nifii los da Silva (jumariei.
Desde o dii 2 de maio 4i
do concille, o Sr. Antonio
ro
Kodrigucs
(.ni
ima-
Pedi
raes, deixou de ser met cai-
:;
xeiro, e nao esteu mais res- ;
ag |iousavel por corita alguma :|
U por elle contraiiida em nome
1 do abaixo assignado vista
35 do sal.o de cuntas que me y
| passou. Joo Ozorio de \
i
1
Castiv Maciel Montetro.
\
I ti ii I i i ni> il* Aurora.
C. Slarr & Companhia, respetosamente
annunciam ao publico, que o seu estabele-
cimento para manufactura deluda a espe-
cie de murhinismo tendo desde o seu prin-
cipio em 1829 ido constantemente augmen-
tando, tem hoje chegado a um estado de
perleicao tal, que nao he inferior aos me-
ti Sanio, orac,es para do maiiu.'ia o enou-
le, ditas para t'OtifissSo, coinmunlnln e mis-
sa, mudo Je rezar a eslaeflo, e\ercicio para
oailadia, signaos de N. 8. Jezus Clirtsto e
sontenca do mesmo Senhor. dada por lila-
tos, modo do rezar o rozario e exeellencia
do mesmo, misterios dolorosos, gososos e
gloriosos, ladainba do N, Seuhora o oulraa
inuius orar;es. Fsto livrinbo organisado
por um Do.ii cufllto o u seus logos iinpres-
so \cnde-se pelo diminuto prego do duas
patecas, na hvraria n. 6 e 8, da Praca da In-
dependencia.
--Vende-se um sHio na estrada dos Afile-
los, com casa grande do sobrado, de pedra
e cal. com excellentes arvoredos do fruto,
coxeira e estribara, boa cacimba d'agoa de
ber, com tanque, o qual parlo pelo fundo
com o sitio do Sr.'lbao Caroll; outro dito
junto so acuna, con casa torrea, srrto e
arvoredos plantado de novo, cacimba que
adimito ora : trate-se com Joaquim de Ol-
veira c Souza, no Aterro da Boa Vista n. 8.
Vende-se urna casa do sobrado de dofls
andares, no Aterro da Boa-Vista : trata-se
na mesma pro. re la le n. 8.
Vende-se urna rica capa de panno, oro- i ""< ,DJ".ae m'u
, ,-.., ,,..,., n.,.1.1... wr niTi l""'""l"u i denclan. 4, vciidcmse bilhetes Htenos, uieos,
pnapaia qualquei br. oflicul militar: na qumrios. oltavos e vigsimos da deci.a-terce.
rua ao Sania mu n. 8o. J ,olerla da, Casas Ua catidade.
Vendem-se um reprtimen'o para es-
criptorio, todo deamarelo, almoadado e
Com,fc!5s'.rada, urna carleira grande de
uma^s fac?, com 8 palmos de compnmen-
to, tendo quatro armarios com diversos re-
partimentos, um pannodogosto moderno,
piqueno com muito boas vobj, urna mesa
redonda de mdo do sala de amarello, ludo
em muito hom estado o por preco commo-
dn : na rua da Cadeia de S. Antonio, so-
brado n. 25, ao p da cocheira, no pnmeiro
andar.
Vondom-se urna negra crooula de ida-
de do 10 annos, e urna varaada de ferro coro
17 l|2 palmos do comprmanlo: na rua da
Praia doS. Rila Nova, sobrado n. 1. .
Vende-se u r.a laverna com ponPos fun-
dos, sendo a armaclo nova e muito barata,
n qual so acha fechada, na rua Direita n. 36 :
trata-se com Jo3o Martins do Barros, que
faz todo negocio.
Vendem-se tres escravos mogos de bo-
nitas figuras, sendo um mnleque piqueno,
um cabra e urna negra, que cozinha o dia-
rio de urna casa o cose ch : na rua da Ca-
deia do llecife, loja de fazendas de Jo3o da
Cunha Magalhiles n. 51.
-- Vendem-se um molalinho de 17 a 18
anuos, por preco do JSO.OOO rs., o qual be
bom alviiilio, bonitinho e de boa conducta ;
urna molalinha reeolbida do boa conducta,
muilo carinhosa para enancas, sabe bem
engnmmar, coser e cozlnliar o diario do
una casa: tra(a-sc na rua Diroila n. 25, pri-
meiro andar.
-- Vondo-sn panno verde claro, propiin
para repostero e cubrir bancas, a 2,600 rs...
0 covado : n rua do Crespn. 3, ao lado do
arco de S Antonio.
-- Vende-88 atualhado branco de algo-
JSo, proprio pira mesa dejanlar, a 1,600
rs., a vara : ua roa do Crespo, ao lado do
arco do S. Antonio n. 3.
Velas de isjiermacete,
de muito boa qu.ilidade o de seisem libra,
vendem-se pelo diminuto pr.cQo du600rs.,
a libra : em casa do Kalkminn Irm.los, na
rua d i Cruz u. 10.
Lotera lo ido de Janeiro.
ais 29:000,000 de as.
Na rua do Uueimado, loja n. 18, vendem-
se bilhetes, meios, quarlos, oitavos e vig-
simos, da 13.* loteria das casas da Carida-
de, cija lista d;ve c'iegar at o da 30 do
corrento.
Vende-si csra de carnauba de pri-
meira sorte, em pnre.n o a rotalho, con-
decs du Porto, esleirs da liba do Princi-
po e d Aracaly, solas e couriohos de ca-
bra, ludo por menos prego que em outra
qualquer parle : na rua da Cruz n. 36, de-
Ironid da Lmgoeta, tatema de Mendos &.
Braga.
Cera de carnauba.
Noarmazem de Domingos Rodrigues di
Ancbade o (o,/ p.ulna, na rua d isTannei-
ros n. 5. vende s i superior cera do carnau-
ba, ltimamente \indas do Aracaly, em
porc,a*o e a retalbo, por menos prego que
em outra qualquer par', es-iin como sola o
couros mi,los.
Atlciico.
No deposito da travesea da rua do Rozario
n.2, do Policiano Looronco da Silva, ven-
de-se a bem acre lila la boUcbinha de loite,
pelo preco mais rasoavel que em outra
qualquer piarlo, | or ser a do ultimo aulor o
proa.eie servir bem a seus freguaz**.
~ Vendcai-s.' um escravo moco, bom
canooiro, cozinha o diario de uina casa e
ptimo para todo o servico; nm molato
ptimo sapaleiro o com boa conducta: na
na diMangueira do barro da Roa Vista,
caSi oi'.rde clnza n. II.
Vendem-se um.pianno novo, com ex-
cellentes vozea e a competente cadeira, lu lo
no ultimo gosto, urna cama de jaesran l
Com cortinados, todo novo, uniacommoda
de Jacaranda em muilo bom estado o un
bastidor muito bem foito : na rua larg do
lio/ario larga o. 28, armazom do louqa se
dir quem vende.
Vendem-se um bonito pa?om de 16
annos, bom bolieiroc linda figura, calsado
e fardado de panno fino, sabo bem tratar
de cavallos o agr 'a a qualquer um enhor
que o qui/.er comprar, por ser muilo activo
e diligente'no comprimentu de seus devo-
res, i molecotes bons trabajadores de en-
xad.i, de Ha 18 anuos, lindas figuras, um
bonito inoleque de 16 anuos, proprio para
pagem por eslar taiiibem a isso acoslumado,
um molalinho dol anno, muito lindo e
esperto, una negra ho i ven ledelra de rua,
moca o linda, duas dii is com principio do
CQgomtnar o eozinhir, uim negra de 30 a-
il is, peifoita co/inheia, doceira e engom-
madeira : na rua do Rozario larga n. 22,
segundo andar.
Lotera AOS 20:000,0110 UF. ns.
Na casa f li;
Nos qualro cantos ,|a rua do Qiie'nnado,
loja do lazendaa n 20, voi dem-tooi multo
afortunadosblllloles, meiis, quarlos, oita-
vos e vigsimos da decima terceira lotera
das (asas da Caridde, cuja lista se espera
at o dia 30.
Lotera Aot 20.009,009 ders.
Na rm da Cadeia do Recite n. 15, vendem-
se bilhetes inleiros, meios, quarlos. oitavos
e vigsimos, da decima terceira loteria das
casas da Caridde.
Loleiia i!o Mi ile Janeiro,
Aos 20:000,000 rs.
Na rua ilcita do Rozario travessa do Quei-
mado toja de miudezas n.2 A, de .1. F. dos
Santos isi.u 1, vendem-se os muito aforlunadoa
bilhetes, meios, qu.ntos, oitavos e vigsimos
la deciiua-terceira loteria das casas da carida
de. Ra mesma loia est palete a lista da lote-
ria da fabrica de vidros.
Uillit-tes do liio de Janeirj.
Aos 00:000,000 rs.
Na loja tic Cambio iln Vitiva V i-
eira & t il iio rna da Cadeia 11. 24:
Pelo vapor inglez 7'rrioi, chegado dos porto9
do >ul, recebemos os multo afortunados bi-
Hieles, meios bilhetes e camellas da declma-
terceira loteria concedida a beneficio das casas
de caridde, cuja lotera dcvla ser extrahida
em 21 do crreme mez, he preciso que 09 ama-
dores deste jogo attendam que nesta casa se
tem vendido conitantemente premios gran-
des.- Adverte-se que, ettao no Qm o restante
dos bilhetes, a elles antes que se acabein.
Uilhetes do IV10 Je Janeipo.
Aos 20:000,000 rs.
Na loja de miudezas da Praca da Indepen-
LAR ENCONTRADO
-^ITL.'



Yende-se un escravo de na-
?ao bom cozinheiro, bonita figu-
ra, de idade de 28 snnos : trata-
se com Machado & Pinheiro, ra
do Vigarion. Ig, segundo andar.
Arabos de ferro.
Na fundigSo da Auroro, cm S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos m-
celos.
Rape arela preta Pcrtro 11.
Vende-se. cite superior rap arela prcta Pe-
dro II. pelo preco j estabclccido na ra da
Cadeia do Becife, loja do Sr. Joo Jos de Car-
valho Moracs, c Jos Das da Silva, e no bairro
de S. Antonio naa lojas dos Srs. Francisco Da-
arte Lemos, Manoel Rodrigues da Silva, Joilo
Carlos de Leos, Joaquim Ferreira de Arujo
Guitnaraes, Joao Paulo da Silva, Joaquim
Montelro da Cruz, ra do Qupimado, Victo-
rino ti Guimarars, ra dos Quarteis, Maooel
Dias Fernandes, Hilario Perelra da Silva. Jos
Dias da Silva Gardial. Moraes Si Soares, Manoel
Jos Lopes, ra do Roiario Larga.
Deposito de cal e prtassa.
No armazent da ra da Cadeia do Becife n.
12, ha inuito superior cal de Lisboa em pedra,
assim como potassa chegada ltimamente a
preco nimio rasoaveis.
Vndese cobre metal nma-
rcllo e pregos para forro de navios : vende-se
por preco coinmodo. em casa de A. V. da Sil-
va Barroca, ra da Cadeia do Recife n. 42.
I)e superior qualidade.
Cimento novo, chrgado iillimamenloi do
Ilamburgo : venle-se noarmazem de Vi-
cente Ferreira da Costa.
Ko ariuazriii ila ra da Moeda n. 7, con-
linua-se a vender saccas com superior colla
das fabricas do Ilio Grande do sul, e o preco
ni conta.
Vende-se cera de carnauba do Aracaly,
pplles de cabra e sola por preco coinmodo : na
ra dos Tanoeiros arinazem n. 5.
iPwetprwcwsartSfwtwr*
lipr rillo II.
JP VenJe-se no deposito geral, ra dos (\
f mi irins n 24, luja de Jos Dias Simos t|
o inuilo superior rap Areia l'reta Pedro _iji
v II em pequeas c grandes porces, pelo 1
$2 preco j estabelecido, garantindo o de- J*
positario a seus freguezes a faculdade tj
9 de tornar-Ibes a receber no caso de se I
P achar em mo estado. *J
9mmmmmmm.mm--mmmmmm9 m *
Yentlem-se chapeos de pa-
Iba do Chile de diversas quidi-
dades c a precos rasoaveis : na ra
do Trapiche n 5, e^ciiptorio.
Veudc-se utn a escrava cabra de 30 annos,
queengomma, cose, cozinha e ptima ama de
urna casa, unta preta crioula, que engoimua,
cozinha, lava roupa, 2 pretos bous para todo o
trabalho, tinto da praca como do campo : ua
ra do Collegin n. 21, primeiro andar.
A os amantes do bom e barato.
Vende-sena ra da Aurora n. 32, latas com
superior bnlaxiuha de araruta, fabricada no
Hio de Janeiro a 2,400 rs., e a libra a 040 rs.,
manteiga ingeza a 72(1, 500 e 400 rs., banlia de
Sorco a 32o r., familia de trigo a 100 rs., dita
e araruta propria para papas e para engom-
mar'roupa a lUrs., farinha do Maranhao a
120 rs., sevadinlia a lo rs., bolaxinhas ameri-
canas a 200 rs., chouricas a 400 rs., ervilhas a
100 rs.. lucias garrafas de m i \ ja a 280 rs.,
ditas inteiras brancas ou prctas a 500 rs., vi-
nhodo Porto a 500 rs., aieitc francei a oGO rs.,
vinho miiscalcl a480rs., vellas de espcruia-
cete a G80 rs., talharini c lelria a 240 rs ma-
car rao a lOrs., passas novas a 280 rs., azeilo-
n.is.-Jli rs ilima dr pialu bria jzuI a I.0S0
rs., tigellas a 8(i0 rs. a du/ia, loti(inho de Lis-
boa a 200 rs., vellas de carnaliadn Aracaly
a300is., arroz pilado a Uo rs., dito do Mara-
nho a (00 rs., sendo em arroba o pilado a
1,500 rs., azeite doce a 500 rs., Irascos de ge-
nebra bollandeza a 5oii rs em botijas a 300
rs., sabao brauco a 220 rs., amarellodo llio a
140 rs., boioes de craza ingina a 10 rs., car-
tas com traques a 240 rs., e todos os gneros
proprios de venda por preco couimodo. Na
Husma casa compram->c obras velhas de co-
bre, chumbo, ou outro qualquer metal.
Vendem-se lencos encarnados cor segura
por 2,210 rs. a du/ia e 200 rs. o lenco : na ra
da Cadeia Velha n. 33.
-- Vendem-se petas de cassa lisa lein gom-
ii .i com 2o jardas a 4,000 i., ditas com 12 jar-
das a 2,4 Cadeia Velha n. 33.
Vendem-se challes pretos de seda, pti-
mos para lucio, pilo piecodeOOO rs. cada
mu : na ra da Cadeia \ ellia n. 33.
Vendem-se pecas de panniuho verde com
38 covadus por 3,500 is., e u covado a 100
rs. : na ra da Cadeia Velha n. 33.
Vende-se superior p nno
ti" algodao para saceos de assucar ;
em casa deGto licnwortby & C,
na da Cruz n. i.
Vendem-se i icos appaie-
Ibos de metal para cha : em cisa
de Ceo Keuworthy &t Companhia,
ruada Cruz n. i.
Vendem-se telina ingleses
elsticos, e ditos com borranhans
chegados agora : em casa de Ceo
Kenworlhy & Companhia, ra da
Cruz n. 2.
Vendf-se um terreno em matas virgens,
ir mo no centro ja uin prqueuo cercado, c com
grandes proporces para se levantar um bom
engenho de lzer assucar pelafrrlilidade e ea-
* ten9.1ud.1s Ierras, e distante desta piaja ape-
nas qualro legoai ; na ra da Aurora 11. 44,
das 3 horas da tarde em diante 9c dir quem
vende.
Vendem-se relojios de ouro
pera senhora, patente inglez : em
casa de Ceo Ktnwoilhy & Com-
panhia, ra tia Cruz n. a
Vendem-se cadeudos de la-
to de teltraa mu lo superiores :
em casa de Ceo Kenworlhy & C,
partida, ra da Cruz n. ?.
Jlemedlo especial pun bobas c
ernvos seceos. %
Continua a vender-se este acreditado reme-
dio, e seu receitoario na botica 1I.1 ma do Jtan-
gel n. Ii4, que lu du finado Scbasliao Jos de
Oliveira Macedo.
Rap I'aulo Cordeiro.
Na ra da Cruz n. 49, vende-se o bein co-
zihecido rap Paulo Cordeiro, eiu libras e oi-
lavas.
Cl virgem em ptdra.
Chegada Je Lisboa pela barca Margarida, ven-
de-se 110 armazem de Silva Barroca, ra do
Jruui n. 26.
- Chegou o novo rap de Lis-
boa, o qual se vende as ojtavas :
na ra da Cadeia do Kecife nu-
mero i5.
Na ra da Cruz, armazem do S Aran-
jo n. 33, vonde-sc tijolo para limpar metaos:
por preco commodo, para se fechar contis,
tambeso vendo tres mil couros do caira,
por preco commodo.
Olhcm que temos anda maii'pechinchm, no
Passeio Publico, loja n. 11, do baraletro
Firmiano Jos Rodrigues Ferreira.
Chitas sem avaria, pelo barato proco de
3,600 rs. a pessa, quem nao comprar a vis-
ta de tal preco ? algodflozinho com toque
do avaria, a 2,000 rs,; cortes de casimira de
algodSo, a 1,440 rs. ; cortes de colotes do
ISaedeseda com mofo, aSuOrs., e irfuilas
outras fazendas, por precos rasoaveis.
Para o invern.
A 2,240 rs. um corte.
Na loja n. 5, do CuimarScs 6 llenriques,
vendem-so cuites de casimira de algodSo,
muilo encordados, padrees escuros, com 3
3|4covados, pelo barato preco de 2,240 rs.
cada um corlo ; assim como outras militas
fazendas baratas. .
A 56o rs. cada um.
Na loja de C.uimarSes & llenriqucs, na
roa do Crespo n. 5, vendem-so lencos de
seda, nioito tinos, para meninos, pelo bara-
to proco do 500 rs. ; chapeos de sol de pan-
niuho, armacSo de balcia, a 2,000 rs. ; 0
antigO algodao transado monstro, a 800 rs.
avara.
( ores de casemira elstica
pela diminuto proco de 6,000 rs. cada um,
aobam-se venda na ra do Crespo n. 5,
luja que volla para a tuii do Collegio,; lti-
mamente chegadas.
Cortes tic chita do ultimo goto
a 2,000 c a 2,500, e llgOdfiOZinhO a 1,600
e a 2,000 rs. a peca.
Na ra do Crespo, loja da esquina que
volla para a Cadeia, acaba de ctiegsr um
bello s rtimen'o de cortea do cinta de bom
gOkto, com 19 CovHo, a 2,000 e a 2,500 ;
assim como pocas de algodao com loque de
avaria, a 1,600 e a 2,000; lencos de seda
muito bonilos, a 1,410, 1,000, 2,000 e 8,940 ;
alpaca decores para palitos, n 800 rs. o tro-
vado ; dila de algodSo, a 280 rs. ; e outras
niuilas fazendas por precos commodos.
;^v;;;vvvvUvv;vvv";v
'-> Arados americanos. *
ft Vendem-se arados americanos ver- ^
i^. dadeiros, chegados dos Estaius- <;
m, Unidos : na rita do Trapiche n. 8. -,
1 '; *, A *: A t, *.. ft ': A 4 .* A t-
Cera cm vellas.
Vende-se cera em vellas do I\io
tle Janeiro e Lisboa, sortitla o
gos o do comprador; lamhem ha
cal virgem da mellior que ha no
mercado vindo de Lisboa : Ira-
la-se com Machado & l'inhei-
ro, ra do Viga rio n. I9, segundo
andar
4.
s
4. O C O
s "o 5 2'c =
o- i. 1 t o

Z .5 2
ful
i s 3 11
O
O 11
Vi es ^
8 cji-
II
T ra s >/ = = -* ft
l 8l"!liig
Si44!8S
sisa.
.2c 4
* 5 S 8 a
5 1
S 5
o>
Bg-Si
a sI-se
Lotera da matriz da lioi Vista.
Vo- loe 51000,000 rs.
Na luja de calradn do Arantes na praca da
Independencia ns. I'.i c 15, vendem-se os mili-
to hibitunados bheles e nieins ditos desta lo-
tera, que enre iiilallivelmeiite DO da 2 de
junlio vinduuro:a tiles antes que se acnbeni.
liilhctcs 10,400
Mcios 6,200
dera de carnauba.
O mais superior que ha nesle genero, ven-
de-so cm porcao e a iclallio : na ra da Cadeia
do Hecilc, luja n. 50 de Cunha s Amoriiu.
Vellas de carnauba.
Vendem-se vellas de carnauba, pelo bara-
tsimo pceo de 1,500 rs. o cento : na rila
da i aileia do ltccile loja u. 50 de Cunha &
Amurim.
Vendem-se queijos londiinos, presuntos,
caikinhas de sedelites porgalivo, conservas de
todas as qualidades, cementes ou passas mia-
das para podios, carne salgada para use de fa-
milias ein barril do 50 libias o iniudos da mrs-
1.-1 forma preparados, ludo ltimamente che-
gado : na ra da Cruz, armazem n. 9. de Da-
rla & C,
= Vende-se "muito emconla para liquida-
^ao uii11 porcao de chapos de palha do Araca-
ly proprios para escravos de riigeuho : na ra
da Cadeia do Itccife n. 9, luja.
Na lojti lo l.lvraini'iito.
Continua vender lisraio, Cltitaa, a 120,
140,160, 180, 200 c 240 rs. ; cassas pintad.,!,
e bordados, a 240 rs. O cuva.lo ; cassa preta
para luto, a 120 rs.; chales de ISa, a 800 rs.;
leiiciis, para mSo de sonlmra a 210 rs., e pa-
ra cabeca a 320* e 400 rs., muito granJes ;
chamalole de seda, a 1,600 is proprio par
<-; I" < 111 lii'S e mantel* les, e outras muitas
lazendss. por presos eci conta.
Na loja las seis portas, em fente
lo I,i vi a ment.
Vendem-se coites de calsa de casimira
lisa, de cores, por 5,000 rs. ; chapeos Iran-
cezes da ultima moda, a 6,000 rs., e de mo-
las, a 5,000 rs.; coites de coleto de casimira
luinliidi.s a seda, por 5,000 rs., e nirl'tosou-
lios objeclos, por pregos rasoaveis.
I'ariilia barata
Vende-se, na ra da Cruz do Itecife, ar-
mazem n. 13, farinha de mandioca em sac-
cas, a preco baralifsimo.
Vende-se doce de caj socco, por pre-
o commodo : no Aterro da lioa-Vista, n.
12, segundo andar.
Veiii'etn-.se quatro lindos moleques de
8 a 18 annos, sendo um ptimo gapaleiro ;
6nogrosde20 a 30 anuos, sendo um pti-
mo carreiro, outro oleiro, oum pardo sapa-
leiro, que tambom trabalha alguma cousal
de carpina, de 25 annos de idade ; 2 pardas
de 15 a 20annos, com habilidades, e6ne-,
eras -nm algum^s habilidades: na ruado
Collegio n. S. ...
A .'.tellior iieclilncnn.
Vendem-se chales de seda de lindos e mo-
dernos gostos, a iprPC de 4,500 at 6,000
rs. : na ra do Crespo, loja n. 10.
-- Vende-se um moleque de 16 a 18 an-
nos do dado, bonita ligura, com principio
do cozinheiro : na rua das Cruzes n. 18, se-
i gundo andar.
! l'aienda mais barata ao que em
outre psrte.
Cobertores de algodao escuro para quem
tem fri a 720 rs. cada um, cortes de brlin
; branco trancado de linho puro a 1,800 rs., di-
tos escuro al.GOOrs. o corte, riscados de H-
I nbo a 220 e 320 rs. o covado, rlscado de algo-
' dao trancado muito cncorpado proprio para
1 eacrav a 180 e aOO rs. o covado, picote a 180
' rs. o covido, zuarle aiul de 5 palmos de lar-
gura a 740 rs. o covado, dito de cor a 200 rs. o
covado, riscado francez multo Anos a 240 rs. n
covado, chita para cobertas decores fixas a200
rs. o covado, ditas paia vestidos a 160 e l80rs.,
; cassa chita cores fixas a 440 rs. a vara, casto-
res proprio para palitos a 280 rs. o covado,
I peeas de cassa de nundros para babados e cor-
tinados de cama com 8 varas e meia a 2,400
1 rs., chapeos de niassa para escravos a 1SU rs.
' cada um : na rua do Crespo n. o.
1 -- Vendem-se amarras de ferro: na rua
da Senzalla nova n. 42.
Loteria da matriz da Koa Vista.
Aoa Io:mio,oooc 5:ooo,ooo rs.
No Atierro da lina Vista, loja de fazendas n.
,'W, vendem-se os afortunados bilhetese meios
damesma lotera, que corre inipreterivelmen-
te no dia 2 do junho vindouro, ou antes se se
venderem os bilhetes.
llholes inleiros 10,000
Ueios 5.M0
OneiU qnlzer comprar barato.
Venha ver c ailuilrar.
Por se querer liquidar.
Na rua do Quelmado, loja n. 17, veiidem-
ss casimiras france78S decores escuras, fa-
zenda muilo superior, 5,000, 5,500 e 6,000
rs., cada corte; ditos de fustflo d a cOres o
mais lino pos.sivel e padiOes muito moder-
nos, a 1,600 rs., o corle, panno fino preto e
a zul de cores fixas, a 3,500 e 4,000 rs., o co-
vado ; alpaca de quadro de cores, proprio
para palitos e jaquelas, a 200 rs., o covado ;
linos transados de cores de panno de 1 ittlio,
pelo diminuto preco de 800 rs., avara ; co-
bertores de ISa muito encorpados, a 1,600
rs., ditos muito grandes"! 3,000 rs assim
como um resto >!) madspolOes, com pique-
no loque a 2,500 rs., a peca, e outras mul-
las multas fazendas, para liquidar, a Iroco
de sed nas.
Vendem-se ricas luvas depelica, para
senhora, pelo bar?lissimo preco de 1,000
rs., o pai : na rua larga doKozario, loja de
ii.iinli'/Hs n. 26.
Vende-se urna armecSo de venda, com
todos os sous pertences, sita na povoacSo
d Matriz di Varzea : trata-se na tua Dirtita
dog Alfogados n. 66.
t Vende-se o verdadeiro charope de .^
pontotldc imbaiha, compostn e pra- p
parado | co pharn aceutioo Jos da :j
Cruz Santos. {i
Rale xarope he excellento contra S
os catarros pulmonares, agudos e |
elironicos, lysicas, roqurluxe, e mo-
leslias do corarSu: na prafa 'a Itoa- S
Vi.-ta, botica n. 32. Na mesma tam-
bem se vende remedio contra osem- |
briagados, o qual j est experimen- S
|i lado pelos seus grandes etTeitos a ti- |
?$ rar completa mente por urna vez este &
i vicii', a que mullos estSo sujeilos. ij
BWtmmwts*:: *r wmt m&'^
l'ara acabar, sarja liespanliola,
linipa, boa, a l,!>20rs.
Vi nde-se saija limpa espanhola, muito
larga, boa fazenda, a 1,920 rs : na rua lar-
ga du llozatio n. 48, primeiro andar-
Loteria <1n matriz la lina Vista.
Aos 10 000,000 de rs.
Bilhetes e caulollas da loteria da matriz
da lloa Vista, a qual corre imprelerivelmen-
le, no dia 2 de junho vindouro, a elles que
oslSo-sc acabatilo : no Alcrro da oa Vista,
loja de calsado n 58.
Vendem-so um casal de escravos, de
10 anuos de idade, cada uin, com habilida-
des e um.' novillia de n.ca luuiiua : na tra-
vesa do Veas n 9.
Vende-se urna negrinha de 13 annos,
liomla ligura, propria para se. educar : \\
ma do l'ogo n. 23, se dir quem vende,
A 2,50 rs. a peile.
Pclle de bizerro francez, de muito boa
qtmlidade, a 2,500 rs.: no Aterro da lloa
Vista, loja n. 58, junio ao selciro.
Vei de-se uina negra boa cngomtnadei
ra*e COZinheia no Mendigo, casa quefoi
do Tallecido pad o Manuel Juliao.
Vende-se una inverna, com poucos
fuodos c muito alreguezada, ua principal
luadesla cidade quem a pretender, an-
nuncie por esta folha.
Vendem-so dous lindos escravos, de
todo o servico : na venda da rua das Cru-
zes n. 20.
Vendem-se duas escravas quikindei-
ras, una por 300,000 rs., e outra por 400,000
rs., e outra dita de 10 a II anuos, rom al-
t;utiias halilidsdes : no paleo da matriz de
S. Antonio, sobrado n. 4, se dir quem
vende.
Veiideni-se um lindo mulatiuho de 14
annos, muilo bom para pagen), sem vicios;
urna dita com 18 alios, que coze e faz lodo
o servico de casa, 3 iiegrts boas quitandei-
ras ; 2 Decios bous para lodo o servico : na
rua da Cadeia do Recite n. 51, primeiro
andar
Vende-se umaesersva com urna cria,
com muilo bom le te, cozinha e lava desa-
i'.ui ua rus estrella do Rosarlo, luja n. 19.
-- Venden.-se saceos iiuvos de eslora ,
com duas varas, a 320 rs. na rua larga do
Itozanon. 4, primeiro andar.
Vendem-se 2 cmodas, urna de jaca-
randa viuda do I vi lo, outra bein feta e se-
gura, outra usada de amarlo, um sof de
oleo bein leito, com poucu uso, urna caixa
de cano com rodas o varOes para se armar
a qualro rodas, oucabriolel novo: na rua
da Cadeia de Santo Antonio, armazem du
farinha.
Vendem-se na loja de Victorino & Gui-
marSes, na rua larga do llozario n. 22, -
mludezaS abaixo oeclaradas : agulhas
curias para alfaiate, ditas muito finas para
seuhoias e tillas grossas para chapeos, a 111-
uetes de ferio para armacSo e dilus de la-
[So, camisas de meia pata dentro, botOasdo
-f
bertura do padroes muito modernos, ca-
tates, balalos e condecos, agulhclrosde vi-
dro didses de marfim o de rneUl fino,
.logrados e pra'pa'lo. v'onicas ditas di'",
milagrosis da Penha, cruzes do latao e cru-
clfixos douradosem cruzes do pao, apiios
deossopart marinha, caixas de chumbo,
de metal, de retratos, de raz e do bueno,
rozarios, contasdecoquilho, ditas de osso,
contas do po em croas, pennas de ac li-
nas, lapes e canetss para penas, ca innas
do tinta de desenlio, lonetas de metal, pa-
pel de erf, folbas grandes e pequeas, di-
to de ditas olhas grandes para enfeitar cai-
xinlias, oratorios e capas delivros, grva-
las do setim com molas, para pesclo, Ma-
dores de nayalhas, franjas e trancas de re-
troz rara vestidos de sarja e capotinhos, es-
covas de denles, linas de cabo debalea ,
franjas da algodflo para cortinados, loaihas
equardanapos, toalhas de linho do" Porto,
tinteiros de vidro, proprios para embarca-
dicos, llnbas decarrilels de 200 jardas ns.
ICO, 120 6 130, dilas maisgrossas, dilas li-
nas de meadas de ns. 8 a 15, ditas muilo
finas sem numero, lr*ansa de ISa de cores 6
lio de sap'ateiro amarello, meiaa pretas para
qenhora, ditas brancas linas para homem,
atacadores para brozeguins de senhora e
ligas de sedas de cores, sombras de dilas
para enfeites, flores, medidas de alfaiates ,
meadinhas de linhas de lustTo, ditas de pe-
zo linas e grossas.
Vendom-se por preco muito commodo,
300 formas de fabricar vellas de carnauba
de 6 e 9 em libra : cas Cinco Ponas, loja de
barbeiro n. 22.
-- Vendem-se 13 escravos, sendo 2 mo-
loques creoulos, hons i fllciaes de pedreiro,
de i.lade 20 a 22 anuos ; urna bonita mole-
ta recolhida, ptima mucamba, cose en
gomnia bein e cozinha ptimamente; 2 cre-
oulas de idade 18 anuos, com algumas habi-
liiifiles ; 1 moleque de idade 18annos, of-
ficial de alfaiato, bonita figura ; 4 escravas
de todo servido; 1 escravo carreiro, e 2 es
cravssde servico de campo com bonitas fi-
guras: na rua Ilireita n. 3.
Vendem-se cobertores do ISa pura, pe-
lo baratissimo proco de 1,500 rs., cada um,
Sfndo em porcSo 1,300 rs.; cassa de cores
com listas de seda, a 400 rs. o covado; len-
cos brincos de csssa, a 200 rs., cada um ;
casimiras de superior qualidade e bonitos
padttVs. a 6.0C0 rs., o corle ; madapolSo
com toque de avaria, a 2,400 rs.. a peca, e
wulrss muitas fazendas, por procos baraiis-
simos: nos Quatro Cantos da rua do fjuei-
mado, loja n. 20.
i ii ulia le S. Vlathcns.
A bordo do pslachoS. Cms, tundeado em
frente do Collegio, entrado no dia 24 do
correnle : vende-se a bordo, ou ao lado do
Corpo Santo, loja doCaetano da Costa Mo-
reir.
Acaba de chegar do Rio, as seguinfs
obras poticas I -- obras completas de Gon-
Calves Dias, primeiros, segundos, terceiros
o ultimos eantOS, 3 bellos volumes por 5,000
rs. : vendem se no pateo do Collegio, casa
do livro azul.
Chegaram do Rio, pelo vapor passado
os ultimos cantos poesias do l)r. Gooosl-
ves Dias, 1 bello volume 1851, por 3,000
rs.: vendem-se no pateo do Collegio, casa
do livro azul.
-- Veadem-so os dicionarios de Vieira,
nglez portuguez et vice-versa, em pouco
jso, por 12,000 rs. : na rua doQueimado,
loja n. 13.
Vendem-se urna poreBo de alqueires
de cal branca, muito fina, de Jaguaribe, por
menos preco do que em oulra qualquer par-
le : na rua dos Pires n. 19, do bairro da
Boa Vista.
Vemle-sc milito barato.
Um sobrado de dous indares no patio do
Paraizo: a tralar no Aterro da lloa Vista,
61.
~ Eni cusa le .1. Keller & Com-
panhia, na rua da Cruz n 55, acha-se a ven-
da o exci lenlo e superior rhihode tttl-
alian, em barris de 5.\ he muito recom-
mendavel as casas oslrangeiras, como ex-
cedente vinho para pasto.
[Va rua das Cruzes n. 22, segundo an-
dar, vcinle-sc urna linda pama de 22 anuos,
bonita figura, que engomma bem, cose
costura chSa, cozinha e lava de sah.lo, e
nina prcta do ihh/.'iii com as mesmas habi-
lidades, e um lindo moleque de 14 anuos
que cozinha hem o diario de urna casa, e
oplimu comprador para urna casa ; e urna
cieoulacom todas as habilidades para en-
golillo ou fr.i da provincia.
I'nra aeobor-se.
Vende-se, para senhoras, sapatos de du-
raque preto lYancez, obra muito boa, e pelo
baialissiino preco de 900 ris o par: ua rua
du 1.1 \ r.i incalo loja n. II.
Quem duvidar
Venha ve r e comprar.
Na rua do Crespo loja da esquina, que
volla pura a cadeia, vendem-S'pannos fi-
nos prelos superiores a 3,000, 3,500, 4,000,
4,500 c 5,000 ris o covado, dito azul a
3,000, 4,000, 5,500 rs, dito verde a 2,800,
6,500 rs., dito cor de rap a 3,000, 3,500 rs.,
cortes de casimira preta a 5.000 rs., dilos
mais superiores a 8,500 e .10,000 rs., ditos
de ed.es a 2,800 rs., corles de collele de
velludo a 2,000 rs ditos de setim de rre
a 1,600 rs., dilos de gorgurSo de seda a
1.280 rs dilos de fuslflo a 32d, 500, 6i0 rs.,
dilos de brim pardo de linho para calca a
1,600 e 2,000 rs., ditos brancos a 1,600,
1,800 e 2,000 rs.. dilos de ro os a 800, 1,280
rs., riscados de linho a 220 e 320 rs o cova-
do, UodSo trancado de listra escuro mui-
lo encorpado, proprio para esclavatura de
engenho a 180 rs. o covado, picote a 220
rs., zuarle azul de vara do largura a 240 rs.,
dilo de furia cores a 200 rs., riscado mons-
tro a 220 rs., dilos francezes muito bonitos
para vestidos a 2t0j, 280 rs., corles de cam-
biaia branca de quadros a 2,000 rs., dilos
de cassas de cores a 3,000 rs., ditos muito
linos a 3,500 rs., dilus pretos a 2,000 rs.,
cambrsia lisa com 8 varas e meia a 3,720
ra. a peca, dila de cores para vestidos a 280
rs. o covado, dita preta a 120 rs., melinsde
cores para borrosa 120 e 140 rs., corles de
chitas linas o de corea lixas a 2,000 c 2,400
rs., chita para cubeila de cores lixasa 200
rs. o covado, dilas para vestidos a 140,160,
180 e 200 rs., meios lencos de cassa para
grvala a 240 rs., ditos com listras de seda
* 320 rs., sarja Despatillla muito supeiior
a 2,240 e 3,000 rs. o covado, metas para me-
ninos a 1,000rs. a duzia, chapeo deso de
astoas de baleia a 1,800 rs., madapolSo
muilo superior e largo a 240 rs. a jarda, e
os acreditados cobertores de tpele para es-
aaMBteMBBflAB93a*BaBMRWRWs>srnP->'~T*3.^_>gi
cravosa 720 rs., cambraiasi bordadas pro-
pria para bahados o cortinados com 8 va-
ras e meia a 4,000 rs. a peca, e oatras mui-
I--S fri7er>das que sb os freguezes vendo acrc-
litarSo os precos.
Loteria da matriz da Boa "Vista-
Aos 10 e 5:ooo,ooo rs.
Na prati da Indopendencia loja de miiide/. i
n. 4, na rua da Cadeia n. 46. loja de iniudeas
e uo Atierro da Moa Vista, loja de calcado n,
58, e na rua Direlta, loja de ouvlres n.,124
veiiilein-se os muilo afortunados bilhetes)
meios, quanos, quintos, decimos c vigsimos
da mesma loteria, que corre infalllvelniente
uo dia 2 de junho vindouro.
Bilhetes 0,000
Meios 5,00o
Quartos 2,600
Quintos 2,100
Decimos ."00
Vigsimos 000
Bombas de ierro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na rua do Brumns. 6, 8 e 10,
lundicao de Ierro.
Arados.de ferro.
Vendem-se arados de diversos
moilelos, assim como americano;
com cambSo de sicupira e bracos
de ferro ; na fundic5o da rua do
Brum ns. G, 8 e 10.
Tnlxus para egenho.
Na fundieSo de ferro da rua do Brum,
acaba-se de receber uto completo sorliuien-
to de taitas de 3 a 8 palmos de bocea, ii
qua.is acham-se a venda por preco com.
modo, e com promptidSo embarcam-se, on
carregatn-se em carros sem despezas ao
comprador.
Loteria da matriz la Boa Vlstn.
A ns J n:......simo e .":000800o.
Na rua da Cadeia n. 24, loja de cambio di
Viuva Vieira &J-'ilhos, vendem-se os mu
afortunados bilfietese meios ditos ds mes-
ma loteria, que corre iroprelerivelmente no
dia 2 de junho prximo vindouro.
Bilhetes inleiros 10,000
Meios 5,000
IMsTlJIWWtiyPat ^Wajajajajun
*"Gantois l'aillvetck Companhia.
Conlinua-se a vender no deposito |
geral da rua da Cruz 11. 52, o excel- S
> l'Mitee. bem conceituado rap areia M
preta da fabrica de Caolois l'ailliet & %
% Companhia da Bahia, em grandes e |
!: pequelas poi ros pelo preco ostabe- ig
g lecido. i
' Monillos de vento
eom bombas de repucho para regar luirlas
d baixas decapim : vendem-se na fundido
de Bowman &Mc. Callum, na rua do Brum
ns. 6,6a 10.
Itap Paulo Cordeiro do Rio de
Janeiro
em latas e frascos, chegado recentemente:
vende-se ha rua da Cadeia do Becife, loj
11. 50, de Cunha & Amorim.
Escravos fgidos. .
Desipparcceu no dia 25 do correnle,
das 7 para as 8 horas da t,o:te urna negr
crioula denooie Sicilia, que representa 22
annos pouco mais ou menos, levou vestido
um vestido de cha azul com acento bran-
co, e tem o dedo polcger da inflo esquerJi
cortado: quem a pegar leve a rua do (li-
bug, lujado outives 11. 7, quesera gratifi-
cado.
Desapparcceo, pela terceira, ves, na mul-
te de 25 de malo, de bordo do brigue /!>:,",
o escravo, inarinheiro, de nome Candido, ni
cao Angola, que representa triuta e tantoi
annos, rosto comprido, naris chato, alto, src-
co du corpo, e barba cerrada. Cosluma andar
nos arredores da cidade, pelas vendas 1 roga.-
se a sua captura; e a pessoa que o fizer levan-
do-o bordo do dito brigue, ou rua da Ca-
deia n. 39, casa d'Amoriiu & Irmaos, recebe-
r boa gralificacao.
-- Drsaj parecern) do poder doabai\o
assignado, os escravos seguintes : Catha-
tina, de nacSo cacange, baixa, rom fall
de denles na frente, rom algumas marrsi
as cosas, signaes de sua nai-o ; a qual
fngio em 1832, com idade de 16 annos, t
deve boje representar 35 annos; Jacob,
pardo de 18 annos, secco do corpo e es-
pigado, lejn cabellos estirado, falla de um
dci.te ua frente, e um pequeo talho ni
macan do rosto, o mais visivel signal _ln
a marca de um caustico as costas, fgido
em dezembro de 1847: quem a apprelirp-
der ou queira dar noticia dealgum, diri-
ja-se a rua Nova n. 16, que gratificara.
Jos l.ni Vertir.
Dcsappareceram do engenho Brejo,
freguezia de S. Amaro de JaboalSo os se-
guimos escravos: Alexandre, cabra1 escu-
ro, idade pouco mais ou menos vinte 1
vinto cinco annos, marcado com um bezo
ga, em urna das faces, estatufa regular,
pouco barbado, tem alguns pannos ptetoi
no hombro direito ; consta andar por Igua-
rass, onde tem prenles ; est fgido lia
quinze dias : Filippe, preto crloulo, idade
poco mais ou menos irinla cinco a qua-
renta, annos tem alguns cabellos brancos ;
esteesl fgido ha uin atino Cralilica-se-l
generosamente a quem pegar qualquer den-
les escravos, e o levar ao dito engenho,
ou tiesta praca a A. I. llego Medeiros, ni
rua do Trapiche n. 7.
Ilesapparcceu, 110 dia 18 do passado, o
escravo de nacSo Cacange, de nome Jos,
representa ler 25 annos, baixo, grosso do
corro, sem barba, rosto abocetado e ps pe-
queos ; levou calca de algodflo transado
com listras azues e carniza de algodfloiti-
iilu j rola : quem o pegar, leve-o a rua do
V'igario n. 22, primeiro andar, ou na rua
da Cadeia do Becife 11. 51, que se recom-
pensar.
boa gratificacSo.
No dia 13 de marco do correnle anno des-
apparece daPassagem da Magdalena, do
sitio em que mora o Sr. hr. Malet, o mol'-
i|ur M.u\;iI, o qual he.bein contiendo e le
os segoinles signaes : representa ler 20 sa-
nos, baixo, cheio do corpo e carcundo, cor
fula e sem barba ; tem falta de um denle ni
frente do queixo inferior ebelilbo do ser-
t.1o de Paje, por isso julga so rara l te'
ido : recommenda-se, porlanlo, aos cap-
ISes de campo a captura do dito moleque,
que serSo bem gratificados.
Pf'.riN. iVA.Tvp.irf. M.F.nnFARiA.
MELHOR EXEMPLAR


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EK7I8FEFF_F999DI INGEST_TIME 2013-04-13T01:18:33Z PACKAGE AA00011611_05351
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES