Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05350


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo *XVII
Terca-fera 27
PAHTIDAS DOS COBB.EIOS.
Golanna e Parahlba, s segundas e sextas felras.
Rio-Grande-do-Nortc, todas as quintas (Viras ao
mein-il] i. .
Garanbuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, i quintas (Viras.
linda, todos os das.
FHKMKH1DES
Nova, a 30, ai G h. e27m. d t.
Creso, a as 4 h. e 8 m. da t.
Chela, a i3,as4h. e 24 m. da t.
Miii;;. a 21, as 3 h. c 2 ni. di t.
PAEAMAB. DE HO JE
Primeira s 2 horas e 6 minutos da tarde._
Segunda s 2 horas i 30 minutos da inanhaa.
de Maio de 1851.
crv^oeuriEi

DAS da semana.
26 Seg. S. FilippcN. And. do J. d'orf. e m. 1. v.
27 Tere. S, Joo p. ni.. And. da Chano., do J. da
2 vara do c. e dos feltos da fazenda.
28 Quart S. Germano. Aud. do J. da 2. vara.
29 Qulnt. *>B Asceucao do Senhor.
30 Scit. S. Fernando. Aud. do J. da 1. vara do
eivcl, e dos feitos da fa enda.
purgo DA soBScnipgAo
Por tres mezes (adiantados) 4/000 31 Sab. S. Petronila. Aud. da Cb. e do J. da 2. t.
Por seis mezes
Por um anno.
8/000
ir>#uuu
do cb/el.
1 oiiiTS.
90R4I8MMbmk scoaoun
Firmo.
CAMBIO DE 26 DE M Al O.
Sobre Londres, a 27 V, d. p. 1/000 rs.
Pars, 340 por Ir. nominal.
Ou;o.-Obnras.,aesLho.a...... 28/000 28/|>0
. de 4*000....... ffl>* fffi
Prata.-Patacdesbrasileiros.... L/940 a V*
Peso, cotumnar.os..... 1/M0 M
Ditos mexicanos........ WJ a '*'""
...-,,------------------ ,-r
v v *iSt- nv;-i^a-.- Ka ^~ -- >-.;:-<;.; *. v
PARTE OFFfCUL
Relatorio n presen tarto ateni-
Mi i gerol legislativa pelo ml-
nlstro e secretarlo de estado los
negocios da fazendtt Joaquim
Jos Rodrigues Torres.
(Conclua do n. liS. )
Provinctaliitico dn papel matea.
A le n. 552 de 31 de maio do anno pastado,
autorisou o governo para substiiuir algumas
ou todas as classes de valores do papel que ac-
tualmente serve de mel circulante, por notas
de gyro limitado
Solicitando dn corpo legislativo esta provi-
dencia, declarei que entenda nao deverexe-
ruta-la seno acompanhando-a do resgate,
bem que lento c gradual, do referido papel.
Para este resgate contava com o augmento
Srogressivo da renda publica, e com as sobras
a receita sobreadespezaordnara.poiqucjul-
gava enlo, como anda julgo, que nao deve-
nios nein necessitamos fazer para o indicado
fim operafes de crdito, que augmectem
em demasa os onus do thesouro nacional.
Nao furam frustadas ininlias rsperancas no
que toca ao cresclmcnto da renda. Dos map-
pasquejuntei a este relatorio v-se que ape-
gar dos violentos abalos que sotTreu a ordem
publica na provincia de Pernambuco, e dos
sustos causados pela epidemia que se desen-
volveu ein quasi todo o litoral do imperio, a
qnal nao poda deixar deproduzir rsiuoreci-
menlo e estagnajo as operaces da nossa
industria e coiumercio a receita de exercicio
e 1849 a 1850, excede ein 7 por ceulo a de l848
...1840, e ein 12,5 a de 1847---1848: e se
computarmos a renda do exercicio correrte
pelo que produziram os 9 primeiros mezes,
dar o augmento de II por cenlo sobre a de
1849__18a0, onde quasi 26 por cenlo sobre a
de 1847 1848.
Nao baalava porm que a renda augmentas-
te para que me fosse licito coinecar o res-
gate do papel, e dar principio provinciali-
sacao do que ficasse em circulaeao ; cumpria
ainda podermos contar com um saldo de re-
ceita, que ao menos flzesse face ao pagamento
dos juros dos em prestimos que contrabitsemos
para levar a cuello o indicado resgate.
As despezas extraordinarias e avultadlssi-
inas, que somos infelizmente obrigados a con-
tinuar, podem produiir em nosjas rendas um
dficit ein lugar do saldo com que devrramos
contar, tm tal lltnieio, entend l nao dever
por ora fazer uso d autorsacao que pela re-
ferida le fra ao poverno concedida.
Pode aparecer que, apesar do que acabo de
pouderar, fra possivel provincialisar a nossa
nioeda papel; porqu.into, trndo-se mantido o
cambio por minios mezes cima do par. edan-
do esta clrcumstancia lugar a importado de
grande quantidade de ouro para ser convertido
em inoeda nacional, infundado seria o recelo de
que nos Calleram meios de eftectuar movimen-
tos defundos de urnas para nutras provincias
do imperio, embora a medida indicada seja
desacompsnbada do gradual resgate do ines-
n.o papel.
Importa porm rrflectir: primeice, que nem
seiupre a subida do cambio indica ainsuffi-
ciencla a quantidade do numerario segun-
do, que uo avallo em mals de 7 a 8 mil con-
loa a |>or(o de inoeda metlica nacional que
actualmente gyra no imperio ; terceiro, que
a laxa do juro na praca do Kio de Janeiro nao
indica que hajam muitos empregos para os
.capitaes disponiveis; e quarlo finalmente,
que vista deslas circunstancias nao posso
consldeiar to eatavel valor da inoeda papel
comparativamente com o do ouro, que acre-
dite Impossivel a depreciacao della, dada qual-
quer das mulla! causas que para isso podem
inlluir.
Oque levo dito nio deve todava obstar a
que se v pondo em execucao, embora mais
lentamente, a medida lembrada no relatorio
do anuo passado de substiiuir as notas de
1/ex/Mr moedasde prala Cunbadas na fr-
ina do decret de 28 de julho de 1849. Para
esse fim reallsei a compra de 29,389 marcos
de prala em barra de toque de ll diiilieiros,
que custaram 491:030/, a qual, reduziiia a inoe-
da nacioual, dcixa a senhoriagem de cerca de
5 por cento, descontadas as despezos de cu-
nhagem.
A elevacao do bambio lem-nos auxiliado nes-
ta operacio, faxendi. entrar al o presente nos
cofres pblicos, ein pagamento de direitos,
ceica de 500:000/de prala do amigo cuuho,
a qual, drpoia de aliada, vai sendo reduzida
a inoeda de troco.
Irei porlanto subsliluiodo por esta inoeda os
bilheles de 1/e 2f, para reigata-los definitiva-
mente ou convcrte-los ein notas de maior valor,
conforme as circustancias o aconseliiarcm.
Pcder-se-hia fuscitar aqu una qufslo qu rj
ti-ui attrabido a attencaodealguus governosda
Europa, cujas circumsiancias todava nao sao
idnticas as nossas, islo he, se a influencia
3ue as minas de llussia "boreal, e a riqueza
os terrenos aurferos da california, podem ex-
ercer na depreciado do metal de que he rel-
ia nossa inoeda real de pagamentos, deve
iuduzir-nos a altersr desde j a relacao marca-
da pelo citado decreto de 28 de julho entre o
ouro e prata. He ininha opiniao que seria por
ora precipitada qualquer deliberacao tomada
a este respeito ; porq ue nem se pode ainda bem
prever qual ser a balxa do ouro e da prala, e
variacao que deve sol' rer a relacao entre es-
tes dous inelaes; nem incsina quando venba
a ser grande esta variacao em favor da piala,
a exigua quantidade desle metal que pode-
reuioscunhardenlrodealguns aunos justifica-
ria desde j urna maior depreciacSo legal uu
valor do ouro.
Eximio d varias medidaf Itgitlativat.
Pelo arl. I2da le de l5 de junho de I8S,
foi o governo autorisadopara declarar revoga-
daa disposicao da de 18 de setembro de I84j.
que mandou considerar como nacionaes os
productusdogado vaceum importados dos es-
tados limiirnphes pelo interior da provincia d
Rio Crande do sul, sujeitando aos direitos d
tarifa o que fostem consumidos no brasil, e a
direitos de transito os reexportados para pai-
zesestrangeros. O came que tenho leito des
ta importante quesillo me inclina a pensar que
ainda quaudo fosse ellcaz para cobrancae ri-
calisaco dos referidos direitos a crcacaa de
mesas de rendas oualfandegasem diversos pon-
tos da fronteia, poderia a medida indicad.
tornar-se mais prejudicial do que til aos iiilc-
resses nacigiiacs,
Mais de 4P0 embarcacoes brasileiras em-
pregam-se hoje em transportar carne, couros,
sebo, graxa e outros productos do Estado Ori-
ental para o porto do Rio Grande : a imposi-
cao de 25 por cento sobre o xarque fabricado
na margen) Oriental do Jaguarao provacaria a
ni udanca das xarqueadas ahi estabelecidas pa-
ra outros pontos do referido Estado ; e sfiii
promover entrada do gado em p no territo-
rio brasilclro, faria cessar aquelle movimento
cmuinemal, c os lucros que delle resultam pa-
ra a provincia de 3. Pedro. Parcceu-ine,
pois, prudente nao fazer uso ao menos por ora
da supramencionada autorisacao.
'.Mi iiiin aos productos estrangelros introdu-
zidos no territorio do irasil pela fronteira do
Para c Matlo-Grosso, pareceu conveniente a-
diar qualquer deliberacao que se tenha de lo-
mar a esse respeito, visto como deseja o gover-
uo imperial faz-la preceder de ajustes com os
governos das repblicas vizinhas, que assegu-
rein, facilitem e desenvolvam nossas mutuas
lel.iciies commerciaes.
Para executar a disposicao do art. 4 da lei de
Gde selembro do anno passado, que mandou
venderos be os da capella deltamb na pro-
vincia de Pernambuco, instituida por Andr
Vidal de Neggreiros, exig os necessarios es-
el neeimenins da respectiva thesouraria, e del-
les se ve niio achar-seainda concluido o Inven-
tarlo a que se mandou proceder em confor-
midade do alvar de l4 de Janeiro de l8l9. O
oHicio do procurador fiscal daquella thesou-
raria de 4 de novembro ultimo, documento A
inostra as delongas, e embaraces com qne se
leu Iludida as ordens expedidas a respeito
desle negocio ;e parapor-lhes termo terlaem-
adoptado o arbitrio de ordenar ao juiz dos fei-
tos que fosse nGoianna proceder ao inventario
e mais diligencias necessari.is, se nu me obs-
tjssc a consideracode que faria assim sobr'es-
tar por muito lempo no an.'menlo dos feitos
que correm por aquelle juizo. Recouimcdei
portanto ao presidente da provincia que eu
prrgasse quanlos meios estao ao seu alcance
para fazer ultimar o Inventario dos bens da
referida capella, e dar-sc execuciio lei que
mandou veud-los.
I's nulo ila autorisacao concedida ao governo
pelo art. 11, 2, da lei de i5 de junho de 1850,
e de conformidade com o parecer do presiden-
te e inspector da thesouraria da provincia da
llahia, ordenei que fossem vendidos em hasta
publica os predios nacionaes sitos na capital
ilella, perlencenles outi'ora ao convenio de
Santa Theresa, os quaes achando-se muito ar-
ruinados, exigiam dispendiosas reparaces.
Nao mandei porm alienaros dous armazens
da cidade do Mo Grande, a que se refere e ar-
tigo 5 da mesilla lei, por estar um dellis oceu-
pado actualmente pela recebedoria de rendas
internas, e pela mesa de rendas provinciaes : e
ser o miii o ; que alias est ocrupado pela re-
partico daiuarlnha) Indispeusavel para o ser-
vico daalfandega:
Ouantoaos mais predios nacionaes, que o go-
verno est autorisadu para vender, falecem-me
ainda nformaces para resolver oque for con-
veniente aos interesses da fazenda publica.
Ubrai.
A alfandega do Itio de Janeiro acha-se hoje
augmentada com o trapiche da cidade, que o
governo comprou pila quantia de 500,000/000
rs. ein virludc da autorisacao conferida no art.
17, 1 da lei n. 580, de 6 de selembro de 1850
Alm das obras de que liz men(o no penl-
timo relatorio. concluiram-se al l8 demarco
do correnle anuo, data da ultima informaco
que me deu o respectivo inspector : tres arma-
zens : u m mi paleo da entrada, outro no pri-
ineiro pateo da estiva, e o ultimo em frente dn
mar, ao lado do amigo consulado : todos com
sobrado, e capacidade para recebercm 7,215
volumes de lili palmos cbicos urna ponte de
100 palmos de cumprimenlo e 29 de largura,
com dous guindastes, e coberta de madeira ; o
trilho de ferro, que comprehende 5 bragas
de desenvolvimento com 12 plalfaui e 64 car-
ros. Parle dos Irilhos he assenlada sobre vi-
gamento comsualho, e o rstame sobre baldra-
nes de pedra c cal com vigas c soalDo. Con-
cluio-se tambem o concert ou recdiflcafSo de
varios armazens.
Aos dous novos armazens le ferro s faltam
algumas chapas na cobertura, urna parte da
parede e a collocaco dos porlues do lado do
mar. A lecdifificafo do amigo armazeni dos
trigos acha-se muito adianiada ; c quasi con-
cluidos os concertos do trapiche da cidade, afo-
ra o telhado.quc exige reforma.
Dcu-se principio a cinco armazens novos no
segundo paleo da estiva, para os quaes ja se -
leram H porlcs de camaria com portas de
madeira chapeadas de ferro; c 65,328 palmos
cbicos de paredes e a um ramal de trilho de
ferro de 140 bracas, quedever abranger o tra-
piche da cidade uniudo a comiuuuicafo entre
esle e o' amigo edificio da alfandega, e ramili-
car-se pelos armazens ns. t) e 12.
Com estasobrasdespciidcram-sc :
No auno linaucciro de 1849-1850
No anuo correnle al 18 de
marco
Com o trilho
-IS49. .
de ferro em 1848
Deste total, que comprehende
tambem o custo dos malcriaes
existentes em depsitos, cabe:
Aos Irilhos de ferro a quanlia de
Aos 2 novos armazens de ferro .
Aos 3 novos armazens, ponte e
mais obras e concertos feitos
em commum.........
O orcamrnlo da despeza que se
ha de fazer com as obras em
andamento e em comcfo he o
seguinle :
Resto a pagar dos annazens de
ferro............
Itamal do trilho de ferro. .
Novos armazens, diversas obras
e concert.........
A capacidade que a alfandega
se leni addiclonado com a cons-
iiucc.iudas novas obras, inclui-
dos os armazens que se acaba-
rain no anuo de 18481849, e
com a auuexafo do trapu he da
cidade, orea por 1,421,300 palmos
cbicos, e poder couler.
volumes de U paluios.cubicos ca-
da um.
99:987/086
74:094/336
6:000/000
180,081/422
22:0-26/700
39:333#333
113:721/388
19:666/606
2:785/044
136:060/480
158:512/190
21.534
Os seis armazens, que cont fi-
quem concluidos no decurso do
anno correnle com capacidade
de 1,124,720 palmos cbicos, po-
derlo conler..........
Recebia a alfandega, Incluido
o trapiche da ilha das Cobras,
antes das novas obras, em volu-
mes de todas as dimensoes .
17,041
38,575
103 P63
142.238
Ainda assim nao licar comespafosumeieu-
te para receber a quantidade de volumes que
em certas pocas tcm estado em deposito nos
seus armazens e em trapiches alfandegldos,
emquanto, pela construccao do novo caes, de
que j fallei em um dos anteriores relatorio,
e Ihc nao accrescenlar todo o espado que Ron
fronlelro at o prolongamento Ja llnha recia
tirada do caes do largo do pago extremidade
da ponte grande.
O systema de c6*struccao dos fundamentos
daquellc caes, segundo o projeclo do fallecido
?ngenheiro Joao Placido Daldv, consiste em lia-
las de pedras farticias de 250 palmos cbicos
cada urna, feltasconi pedras iniudas c hydro-
argamassa sobreeaixdes, ou antes armaces de
madeira em frma de prismas rectangulares,
assentadas inmediatamente sobre o fundo do
mar ; e aflirmava elle que poda preservar ef-
ficasmente do gusano marino a madeira que
entrasse na oomposico destes volumes, por
incio de urna preparar.So de chlorureto de
cotfre.
Una commissao de ofliciaes engenheiros,
encarregada de examinar este projeclo, nada
observou quanto conveniencia c possibilidado
do inmediato assenlaiuenlo tas malenaes so-
bre o leilo, Independente de plataforma, ou de
qualquer outra consolidarlo ; mas arliou di-
minuto o' orcamrnlo de 551:372( para toda a
obra, e propoz que, em vez das pedias arlili-
ciaes; se empregassem pedras natuiars de gra-
nito das mesmas dinienses, ou ainda meno-
res, c igualmente 111 laii-iii.n i s ; ponderando
que esla construccao ollerrcei a maior garan-
ta de estabelidade e durat-o sem gran le aug-
mento de despeza.
O tenenle-coronel Ricardo JosComes lar
'I i ni, que tambem fmuuvidosobreamatciraen
tenJcque, para maior seguranca.mlo devenas
Cu mi n ues do caes assentar Immeilialamente
sobre o fundo do mar, mas por intermedio de
solidas plataformas de madeira, e prope que
se sdodle o melhodo de construccao em cai-
xcs fluctiiantcs como mais ec inomico que o
dasconsirucedesa secco.e iiicoinparavelmenle
nais seguro e praticavel, em rasfio dji naliiri-
za do local, do que ossjs'imai nao nieiuis
dispendiosos lembiados ,ior llaldy, e pela com-
missao. ,
Assim orfa elle a parte do caes desde a ex-
tremidadeS. E do trapiche da cidade at o n-
gulo que forma a p com a frente do novo arma/.eiii n 14, compre-
hendendo 522 palmos de coinpriiuenlo, c dous
ponlillioes flucluanlcs para a carga c descarga
dos navios, em 358:704 ; c toda a obra, que
comprehende l,l48palmos alea exlremldade
N. O do amigo consulado, com quatro ponti-
Ibiies, em 700:000/
Com a obra do caes projeetado ganharia a
alfandega um terreno de 2,700 bracas quadra-
das ; fazendo-se porm smente parte da
obra, sto be, desde a extremidad!' S. E. do
trapiche da cidade at ponte grande, rea do
terreno annexado alfandega seria de 1,340
bragas quadradas.
Qualquer que seja o melhodo de conslruc-
eao que se adopte, he obvio que a despeza de-
ve ser avallada ; mas quando se considera que
a obra projeclada lem por fim salisfazer a mili-
tas necessidades do commcrcio desta praca ;
augmentar a renda publica ; e facilitar o ser-
vico da mais importante de nossas eslagoes de
ai recadar.in, parece incontestavcl a convenien-
cia de corneja-la quanto antes por admiiiistra-
e|o, ou airrutatacao, se houver queni della se
encarregue com condicoes favuraveis fazenda
nacioual.
Traiismittir-vos-hei a planta e orcamento da
obra projeclada ; e peco-vos que decretis os
fundos necessai ios para leva-la a cxrcucao.
Persuailidu de que ocorpo legislativo estar
de accordo com eslas vistas, j o goveruo con-
ceden licenca a Jos .Maxwell c Kilhos para
eiliiu- nem defrontc do armazein que possiieni
na praca de marmitas, um caes, que dever
cngir-se ao incsino alinhamenlo do da alfan-
dega.
Os conccsslonarios lencionam fazer tambem
um trapiche para seu uso parlicular, c como
ndrmnisaco do terreno (jne gaiiharem sobre
o mar, ollereceram ao governo a quanlia de
20:000,000 de rs., sujeilando-se alm disto a
condieco de deixarem livres para a serventa
publica urna parle do mesino caes com a largu-
ra de 45 palmos do lado da praca do mercado,
tendo no ngulo S. E. duas escadas de cantara.
A escuna Argot, que mandei construir na
Pona da Ara para substituir a timloiu como
barca de viga da alfandega da corte, acha-se
prompta para o servio a que he destinada.
O seu eusto total mporlou em 33:1100/, e as
pecas de ferio fundido para lastro 6(960/.
Quanto s obras da alfandegada Dahia, cons-
ta, das ultimas ufortnacdei recebidas. quedo
primelro de abril de i849 at 20 de marco do
corrente anno despenderam-se 620:872,122 rs,,
vindo assim a importar toda a despeza feila
desde o seu comeco uo mez de dezembro de
1843 em 335:037,262 rs.
U semicrculo em que termina a ponte acha-
se inicuamente concluido (menos a cobertura;
com tres guindastes assenlados, e j por ah se
faz a-descarga das embarcares, que deman-
dan! at 12 ps d'agoa.
Sobie a muralha, que se conslruio do lado
do sul, est eolloeado o madelramcnto para o
trilho de ferro que deve conduzir as mercado-
ras aos armazens ; c prosegue-sc na conslruc-
Cao de una muralha do lado do norte, assim
como de um caes, que devendo ter a extenso
de 60 palmos, nao licar completo emquanlo
os foreiros dos terrenos de marinhas o nao
continuaren! na pane que Ihes loca.
Alm destas obras, dru-ie principio a cons-
aeco de outro edificio, entre a.novapoule e
alfandega actual, de 212 palmos de fundo e
210 de largura, com tres pavimentos, a saber:
um subterrneo com capacidade para receber
mais de l,000pipas de vinho, alm de todos os
nuil.is gencrosde eslivaqueno forem promp-
lamente despachados ; nutro ao nivel da ponte,
que deve comprehender ires armazens de de-
posito, e a casa de rame das mercadonas pro-
postas a despacho; e finalmente uiu sobrado
dividido em armazens de deposito, salas de es-
ciii luinriio e contahilidade, archivo, etc.
Entre as duas casas haver um pateo, fazen-
iio-.e a .oinmiinicaran por um corredor de 25
palmos de largura. A actual alfandega, que
alm de acanhada, est mas exposta ao pergo
dos incendios por sua proximdade a predios
particulares, licar reservada para o deposito
de ferragens e outras mercaduras de menor
valor.
Como principio do novo edificio esto j fei-
tas tres quintas partes das abobadas do amn-
'ein subterrneo; p o engenlieiro Andr Przewo-
devveki orea o resto em ris l45:0di',*, julgando
unciente o praio de dous anuos para a sua
conclusa ; mas o inspector da alfandega en-
tende que nao ser possivel consegui-lo em
menos da (res annos, nem eoni quamia infe-
rior a 204:J49/ viudo porlanto a elevar-seo
eusto total das obras, incluid! a ponte, guin-
daste, etc., a 539 286/262.
Devo por esta occasian declarar que, uein a
thesouro satorlsou seno as obras da ponte e
caes, nem dever dar cousentimenlo para co-
mecar o novo edificio a que ine retiro, sem exa-
minar e approvar o plano geral e o or{aincnto
de toda a despeza, que s no mez de marco ul-
timo iric furam remeilidos. Sendo porm in-
negarelque do aeanliainento da alfandega pro-
vni mullos embaracol e prejuizos ao coinincr-
cio e arrecadacffo das rendas; achando-sc a
obra j adiaulada, entend nao dever suspen-
de-la.
Quinto aos planos do engenheiro Przewodo-
elii, divergem as opinies de varias pessoas
que os tein eximnado ; e trato de fazer corri-
gir, noque fr possivel, os dffeitos que se Ihes
notam, para que nao se augmente inprolicoa-
inentea despeza.
O presidente da provincia das Alagnas tem-
ne exposio a urgente neeessidaile da construc-
Cn de lima ponte na alfandega de Macelo, of-
'erecendo escolha do governo tres diversos
(danos, dos quaes he oreado primelro em rs.
48:502.l?0; o segundo em 3i:lt3,0J8 rs. eo
terceiro em 26:506,978 rs.
A casa que actualmente serve de alfandega
naqnclle porto he apenas un barrariiu nc 273
palmos de comprimen! e 62ilelargura.com
paredes de 12 polegadas de grossurae 16 pal-
mos de p dircito, dislinle do mar 70 bracas;
e nao barendo ah ponte nem caes, s se reco-
Ihem a ella os pequeos voluiues que podem
ser transportados de bordo cabeca de ho-
mens, e distancia maior de 15 bracas por
dentro d'agoa, do que resultan! umitas avarias.
Os de maior peso deposam-se em um trapi-
che parlicular. que dista da alfandega 160 bra-
cas. Hepois indlspensavel tratar-seda cons-
truccao de um edificio para alfandega da refe-
rida provincia
A' thesouraria de Pernambuco consignnu-
se, do ere ib. concedido pela le de oreauen*
lo em vigor, a quanlia de 25:000/ para o con-
certa do palacio da presidencia c a de 9:682,571
rs. para conclusao da obra di punte daalfande-
ga, reforma dos telhados e lagcamenlo dos ar-
mazens.
A da provincia da Parahyhi foi autorisada
para despender 1 '534.500 rs. coni aconstruc-
cio lie um teihelro, ccompra de um guindaste
para a ponte da alfandega, alm de algiius re-
paros do edificio ; mas outras obras mais dis-
pendiosas serao ainda necessarias para que nao
continu a obstruirse o porto, como vaiacon-
teeendo, com grave prejui/.o di navegafao e dn
commerclo. D'enlic ellas lembia o presiden-
te como a mais urgente c. nlinuaso do cei
do Yaradouro.
Na alfandega do Para fi/.cram-se iiltimaineii-
tealguna pequeos reparos, c trata-se de levar
a elleito o lageainento das coxias, assim como
a construccao da ponte e trapiche para a con-
ferencia e embarque dos gneros, de que dei
noticia no penltimo realo- io.
Entretanto continua o inspector a represen-
tar que da iisuluciencia dos acluaes armazens
procedem muitos embaracus ao servir c a
exacta iiscalisaco das rendas, pois que indo
em progrrsslvo augmento a iuiportacio, v-te
elle na necessi 'ade de perinitlir que se depo-
siten! em armazens particulares OS lquidos, e
outros gneros de esliva, em to grande quan-
tidade, que ainda no mez de Janeiro ultimo
SUbia n numero das pipas, barris e oulnu vo-
lumes, a 2,858. Nao ser porm dillicifampliar
a alfandega, como se faz necessario, eonyer-
tendo-se ein armazens urna parte do edificio,
pie he oceupado por diversas repartieres, mi
constriiiiido-oseui terreno de propriedade na-
cional, que Ihe tica contiguo.
Outra falla que o inspector apona como
inulto sensivel he a de una einbarcacao pro-
pria para roudar vela, que nao su sirva de
vigia no rio e cosas, mas tanibciii possa acu-
dir a qualquer caso de naufragio. A's diligen-
cias fritas por algumas, que all se lem empre-
ndo ein tal scivico. allribue elle graude van-
la"ein na arrecadaco das rendas, lie pois
necessai io salisfazer com a pojsivel brevidade
esta rcuuisifo.
Alm das obras que tenho mencionado, da
conlinuacao dos concertos dos palacios das
provincias do Espirito Santo, Maraiihao c Pa-
ra comecadus em exercicius anteriores, e de
peiiueuos reparos em diversos propnos nacio-
naes, mandei continuar as do edificio do the-
souro para dar-lhe os cummodus de que care-
cen! as suas diveisas estaedes.
E poique nao era sulucicnte para occorrer
as despezas desle ramo de servlco, apezar de
seren prcfeiidas as .le mais urgeule neccssi-
dade, a quanlia de 200:000,000 i "f'guada
nara o correnle exercicio no art. 7, &2, .la le
n 555 de 15 deiunbO de 1850, viu-se o governo
obrigado a abrir por decreto de 19 da abril
ultimo um crdito suppleuieular de res
120:000,000. ,
Tacs sao, augustos e dignissunos senhores
representantes da naco, os objeclos relativos
ao iniuislerio da fazenda, que me pareceium
mais dignos de oecupar vossa aUeocSo.
Rio de Janeiro, 8 de maio de i8.il.
J i u/uim Jote lludriguii lorrti.
COVKK DA 1'UOVfNClA.
EXPEDIENTE pi) DA 19 lE MAIO DE 1851
(Jllicio ao coiumaudo das armas, devslvcn-
do convenientciiientc despachado o reque-
riinento ein que o soldado do quarlo balalho
dearlilbaria a p Aleixo l'ercira Brasileiro, pe-
de um mez de licensa de favor para ir a pro-
vincia da Cu iliib.i.
Dito. ~ Ao uiesmo, remetiendo para sua m-
lelligencia c execucao copia do aviso do ini-
nisleiio da guerra de 5 do correnle; dando
nova denoniiuaco aos balalhes de caeadores
sol ns. I, 2. 3. 4. 5. e 7., c providencian do
acerca de diversas pecas de fardamentos dos
ditos corpos.Inlelligenciou-se a pagadoria
militar.
Dito. Ao mesino, inteirando-o do dispos-
to no aviso do ministerio da guerra de 5 do
crreme, no qual se participa que se expe-.
diram ordens ao commandante das armas da
crtf, a lim de fazer seguir para esta provin-
cia o segundo sargento do segundo balalho
I ii-iliin. i a p Joaquim Garcia dos Santos
com passagem para um dos corpos desta
guarnifKo, devendo o mcsiiio ser empregado
no hospital rcginienlal.
Dito.__Ao inesuiu cominuuicando que, se-
cundo fui declarado em avi-o d> ministerio
ila guerri de fi do correnle, s<- concedeo pas-
sando para o nono balalho de Infantera SO
soldado do primeiro da niesma arma Joo do
I! mili i n
iio. \o mesmo, remetiendo copia do a-
viso da repartteio da guerra de 6 do rorrcnle,
declarando que se deve mandar admiltir aos
exames, ordrna.ds pelo de 28 de feverciro des-
le anno, os cadetes e sargentos, que alcm das
mais clrcumstanclat nelle presorlplai, iive-
rein dous annos de praca ellccliva no exerci-
lo.
Dito. Ao mesmo inteirando-o dodisposto
no aviso da rcparlieSo da guerra de 5 do cor-
rente, no qual cnniinunic.i que por decreto
de 20 de abril ultimo fnran dissoWldos, de
cotiforinidade com o plano appiovado por ou-
tro decreto sob n. 782 de 19 do mesmo mez
de abril, 06. c 8. balalhes de caeadores, pas-
sauios os respectivos officlaes para os corpos
lo exercitos mencionados na relacao que re-
melle por copia. Pieslc sentido olliciou-se a
pagadoria militar.
/lrl Para o terceiro regiment de oavailaria
ligeira o capelaa do 6. biiilh.lo de cacado-
res padre Joaquim Mara Wanderley ; para o
terceiro balalho de arlillnri 1 a pe o capclo
do 8. balalho de caeadores pidre Manuel An-
tonio do Valle ; para o segundo bitilho de
fuzilelros, o major do o i lavo balalho de ca-
eadores Joaquim Rodrigues Coellio Kelljr, e o
leme da mesmo balalho Veiidiano de
Souaa llroxado Jnior; para o quarlo bala-
llin de fuzilelros, otenentedo 8, batalbiode
cafddores Andr Accioly Pinbelro para o quin-
to balalho de fuzileiro, o major di 6. bata-
lhiio.de caeadores Madoel I.opes Pecegueiro
liara o sexto balalh 1 de fuzilelros, o len-
le coronel commandante do 8. balalbSo de ci-
cadores Luis Jos Ferrelra; para a stimo ba-
talho de fuzilelros, o coronel commandante
do 6. balalho de catadores francisco Jos
I) miaren Udsdn, e o alferes aldante do
mesmo balalho Vctor Goncalves Torres, pa-
ra a lllelra ; para o primeira baiallio de ca-
eadores, o capilao ito 8. batalhSo da mesma
arma Gregorio Antonio da Sllrelra; para a 01-
tua cuinpauhia, o leiieiilc do mesmo bala-
llio Joaquim Carduzo da osla, e o lenle
quarlel inestre Joaquitii Correia de Parla, lia-
ra .1 I,leu 1 eos alferes do mesmo balallio
Augusto Carlos Mai ia, e Joo da Silva Naza-
relli; para o segundo batalhSo de caeadores,
os capftei do 8 da mesma arma Jos Teixeira
deCainpps, para a stima coinpanbla ; (II -
noel Jos da Soledade ; para a 8. companliia,
o lente do mesmo balalho Carlos Cyrillo
de Castro, e o tenenle quarlel ineslrcdo6
balalho da mesma arma Luiz Jernimo Ig-
n icio dos Santos, para a lllelra ; os alferes do
8. balalho da mesma arma, Manuel Caruci-
ro Machado freir, Joo Antonio Leito, c
Iheotonio Joaquim de Almera Eoiluna; pa-
ra o terceiro bitalho dc*caeidoies, o alferes
secretario do 6. hatalliao di niesma arma
Guilberme dos Santos Saces ladet, para o
esmo exercicio, o major graduado do mes-
mo balalho Jos Pereira de A/.evedo; para
a 8. coinpanbla! o capitn do mesmo bata-
llie Praucisco Antonio da Fonscca Galvo ;
pira a 7. coinpuuhia, o capillo graduado do
mesmo balalho Domingos Rodrigues^ Tou-
rlnhOS, e o alferes do mesmo balalho Tito
Livio da Silva, Francisco de Assis Guimares,
o Jos Pedro Gjuzaga : para o quarlo bala-
lho de caeadores, o capillo do 6 balalho
da mesilla arma, Antonio Jos Luis de Olivei-
ra ; para a oltava companhia, os teen tes do
inetiiio balalho los Joaquim de Meirelles e
Joaquim Jos dos Santos Araujo, ns alleres do
mesmo balalho, Slnfronlo Perrelra de llar-
ros, Jos Mara Eduardo e Antonio I.uiz Du-
arlc Nunes, o alferes do 8. balalho da mes-
ma arma Antonio Jos dos Santos; para o
quinto batalhSo de oradores, os capitaes do
6. balalho da mesma arma, Francisco Ro-
drigues Cardozo para a stima companhia, c
Jos I.cilao de Alenla para a 8. companhia ;
u lente dooilavo balalho da inesnia arma,
Francisco Fi ederico Figtieira de Mello : os al-
feres do 6. balalho da mesma arma Jos da
Costa Roiiz, Jos Alaria de Ahlenla Gama Lo-
bo il'l, i, Francisco liorges de Lima, e o al-
teres do 3. balalho da niesma arma, Rodri-
go Lopes da Cunda Meuezes ; para o stimo
balalho de caeadores, o major graduado do
6. balalho da mesma arma, Joaquim de Pon-
tes Marlnho para a 8. companhia ; o lente
do mesino batalhao Rayuundo Goncalves de
Abreu, c os alferes do mesmo balalho Joo
Uorges de Campos e Joaquim Neiy da Pouse-
ca ; pan ocorpo lixo de caeadores da provin-
cia de Piauhy, o alferes ajudaute do 8. bala-
lho da mesilla arma, Mariinho Jos da Silva,
para o inesino exercicio.
Ii,i 1. V pagadoria militar, para que,
vista da relacao .que remelle em duplcala,
mande Indemnlaarocorpo de polica da quan-
lia de 34,320 rs., que fui dispendida pelo com-
maiidanic do dito corpo com o li.ru. cnenlo
10 de elapc de 3 a 13 do torrente, aos recru-
las rccottiidos aos calabouces do mesmo cor-
po. Iutclligciiciou-sc ao referido coiiiiuan-
daule. ,
Diin.__A" mesma, transmiltindo a conta
ein duplcala das despezas hilas pelo delega-
do do termo do Liinoeiio com varios recrutas
viudos daquellc -leriiio para esla capital, afim,
de que, estando ella conforme, mande pagar
a Manocl Pereira Lemos a quanlia de 118,560
rs em que importa a dila conta.- Sclenll-
cou-sc ao chefe de polica.
Dito Aojuiz relator da junta da justi;a,
11 ansinitiiiido para seren relatados em sesso
da mesma juma os processos verbaea feilos
aos soldados Mannel Flix, Jos Pucidouio Pre-
go, Luiz Francisco Xavier e Mauoel Gomes,
este do oilavo balalho de caeadores e aquel-
les do primeiro da mesilla arma. Conituu-
uicou-sc ao coiiiiiiandn das armas.
Dilo. A' Ihesouraiia da faicnda provin-
cial, remetiendo a coma das despezas feitas
"^^ *fj -


i
r/"
/
do, i.oni os presos pobres da cadeia de Olinda,
alim de que, estando ella conforme, niai.de
pagar ao delegado daquclle termo ou a pea-
no* por elle autorlsada a quanlia de 19.810
rs., em que importa a mencionada conla.-
Scicntificou-se ao cliefe de polio.
Portarla.Denilltindo a llanocICavaleantcdc
Albuquerque do cargo de subdelegado do 1
districto da freguezia de Traciinliaem, e bciu
assim a Joao Cavalcanle Mauricio Wanderlcy
do de 2." supplente do mesmo subdelegado
Intcirou-se ao chefe de policia.
CMARA MUNICIPAL DO RECIFE.~
SESSAO" EXTRAORDINARIA DE 28 DE ADBIL
DE 1851.
Presidencia do Sr. Oliveira.
Presentes o Srs. Moraes, Pires Ferreira, Car
ni ii<> Monteiro, Souza e Figueredo, faltando os
mals Srs., abriu-sc a sessfio, c foi lida e appro-
vadaa actadaantecedentc.
Foi lido o segninte
EXPEDIENTE.
Ura officio da presidencia, comrnunicando
<|ue o engenheiro director das obras publicas
em olllcio de 12 do corrente lhr hara parti-
cipado acharcm-se os dous arrematantes das
casas ao lado da estrada do cemilerio no caso
de receberem a segunda prestaciiodojseii con-
trato.Que a .mil nliii i \ paliaste inindado de
pagamento, embora ja liveiieni os cmprcilci-
ros recebido a importancia das prcstacOcs, lo-
go depois que foi 'dito offlcio entregue, para o
que se tirou no dia ludo corrente 1:000,000
xi. do cofre.
Outro do mesmo, remetiendo em satisfaco
a requisico da assunbla legislativa provin-
cial para a cmara informar acerca do sen
conledo o lequcriuiento de Jos Antonio Mo-
reira, fiscal de Muribeca, enderacado a inesma
asseinhla.Que fosse trausmittido commis-
sao de peticoes.
(luir.i do mesmo, declarando que a assem-
ii!ii legislativa provincial, segundo constou
de oflicio do respectivo priuiciro secretario,
resolveii approvar as emitas desta cmara do
anno linancriro de iSl'J a iS.iO. luleiradi e
que se particpasse a contadura e procu-
rador.
Outro do mesmo, declarando, que por dei-
pacho de21 do correle deferir favoravel-
ini-ii ir un requeiimenlo, em que os professo-
res de primelras lettras, Francisco Jos da
Silva Perelra, da villa do Pao d'Allio e Henlo
Francisco de Farias Torres da Varzea reque-
reram permutar as mas cadeiras.--Inleirada.
Outro do deputido Ucha Cav.ilcauli, com-
inonicando nao poder tomar assenlo na c-
mara qnatriennal na prxima sessao.--C)ue se
expedisse diploma ao legitimo supplente.
Outro do deputado Antonio Joaquim de Mel-
lo no mesmo senlido.Tcve Igual destino.
Outro do desembargador chefe de policia
da provincia de l do corrente, commuiiican-
do ter nessa mesina dala mandado entregar
ao procurador desta cmara a quantia de rs.
i:5'i nuil, importancia de inultas pagas pelos
estrangeiros, constantes da nota, que remeitia
por infraccoes di rcgulamenlo n. 121 de 3l de
Janeiro de 1842.--Que se aecusasse a recepeo e
se panicipasse a contadoria.
Outro do chefe de policia interino, pedindo
que a cmara expedisse ordens aos liscaes,
alim de que sejam rigorosamente observados
o art. 5. til. 9." e art. 7." c seguintes do lit. !)."
das posturas inunicipaes, e asseverando que
faria ludo quanlo esliver a scu alcance para
obter o dcsejido Ara.Que se respondeste que
iam ser expedidas as precisas ordens aos lis
caes no sentido da exigencia feila, c que acre-
ditando a cmara na aisevrraco que Ihe la/,
de coadjuva-la, pedia-llie que providenciasse
demaneira quea seniincll.i postada na ponte
da lloa-Visia para impedir que ah se facam
despejos munidos, tenha tanibein a obriga9
de vedar que os carros corraui na mesma pun-
te, e bem assim que lano ella (senlinella) ro-
mo as de mals postadas em oulras paragens
para o uie3ino ara sejim activadas no cunipii
manto deseus deveres, e se prcslem ao que
Ihes determinaren! os liscaes, lendenle a po-
licia meramente municipal, pois que apczir
desta medida, continua o abuso de se faicrcni
despejos nesses lugares.
Igualmente delierou que se ponderasse ao
mesmo chefe de polica, a necessidade da exis-
tencia de urna senlinella no caes do Passeio
Publico, que percorrendode uina oulra rx-
tremidade prohiba a contlnuacio d'alii se l,i-
7,ercm despejos, fatendo conservar-se liuipa a
Cicada de enibari|ue.
Outro do advngado da casa eniiltindo sua
opiniao sobre ser a cmara a competente para
conhecer da legiliinidade do titulo oom que
algiiem exerec a arte de pliarinacia.Que los
je (lito ollicio, por copia remettido ao procu-
rador, para pelos meios legaes obrigar a Jos
da Rocha Paranhos entregar o titulo, em vir
tude do qual exerce a referida arte.
Outro do procurador dizeudo que se nula
preciso dlnbelro, para a conlinuacao da obra
lo cemilerio. Que se lirasse do cofre ris
J:000.000.
Outro do mpsino, fa/.endo certas observa-
res, sobre tci-se excedido a (|iianlia de ris
0:770.C30 das quotas votadas na lei do orea
ment, as quaes por isso scachaui quasi lodas
extinctas, e pedino em coucluso que a c-
mara providenciasse de maneira que se nao
cxgntrissem antes He findar-sc o anno corrente.
A' commissao de polica, recomniendando-
se-lhe urgencia no parecer, que houver de
dar a respeilo.
Outro do engenheiro cordeador, apresen-
tando o orcamento dos reparos de que preci-
siin as casinhas da ribeira da freguezia de S
Jos oecupadas com lalhos, na importancia de
180,000 rs.-- Adiado.
Outro do mesmo, pedindo pagamento da
quanlia de lO.OnOrs. que despender com os
reparos da bomba do Manguind.Que se au-
torisasse ao procurador pagar.
Outro do mesmo apresenlando osorcamcD-
toi, riscos e perliz dos inellioramrnlus das
duas estradas de Olinda e Pomb^l, que condu-
7.1'in ao ceuiiterio puldicn, sendo de opiniao
que se deve preferir a aquella embura sejam
inais despendiosos scus melUoramentos.
Adiado.
Outro do administrador do cemelerio, com-
municando que no fim do crreme inez lina-
lisa-se o contrato, pelo qual Joao Antonio de
Oliveira he obrigado a aDrir as sepulturas,
que diariamente e fizcsciii precisas no ce-
ncterio, elembrando que no caso de querer
elle continuar no iiiesiuo trabalhq llie leja
impona a COndlfSo d'os coveiros, quando nao
tiverem sepulturas a abrir, Irabalharein de
serventes, visto ser possivel fazer-sc urna e
outra cousa, diininuindo-se assim a despea,
mas que no caso d'ellt nao querer, elle admi-
nistrador nem por isso deiiaria de lazer, que
aipbos os trabalhos fossein execulados por 5
coveiros.-Que se respondes*e que o referido
Joao Antonio nao se quiz mais obrigar pelas
aberturas das sepulturas, pela maneira indi-
cada, e que por isso elle administrador procc-
desse como disse ser possivel.
iiiiiiu do fiscal de S. Jos, participando
para que se providenciasse, que na ra Impe-
rial existem algumas escavaedes que iinpedcm
o tramito publico, c onde ja se teein precipi-
tado alguns aninacs i.in.- se panicipasse ao
Kxm. presidente da provincia.
Oulro (lo mesmo, dizendo que com as ul-
timas chuvas se haviam innundado algumas
ras d'aquclla freguezia, por tal maneira, que
as aguas culravo pelas casas, e pedindo pro-
no mez de deiembro do anno prximo paisa- videnciasie a cmara. Que se respondesie,
que mandasse abrir as vallas do costume para
pjgolo 'das aguas.
Oulro do fiscal dos Afosados, aulrmando
ter dcsappareeido a cerca di palhas decoquei-
ro, que exista na estrada nova do Remedio,
junto casa do Macainbira, de que fallou o
engenheiro director das obras publicas^
O Uro do mesmo fiscal, informando nao ser
exacto o que disse o vigario d'aquella fregue-
zia, de haver elle fiscal impedido que se abrs
sem sepulturas na matriz com o tempo desig-
nado as posturas; porquinto, sendo IB ne
zes o tempo marcado, urna s nao se acha
ueste caso, senda esta a rasao por que impe-
dir que se abrissein.Que oeste sentido se
despachasse a peticao do dito vigario ; recom-
mendando ao fiscal fosse assim procedendo.
Foi approvado um parecer da commissao
encarregada de contratar com Thoinaz d'Aqui-
no Fonseca, a deinolfo do scu predio de
dous andares, da ra Nova n. 25, por utlli-la-
ilc publica pela maneira seguintc: Pede o
proprietario pelo referido predio 8:000/000,
preco por que est avahado em inventaro ;
s individuos. Antonio Gomes Villar eJoaqiiim
amonio dos Santos Andrade conlribuem es-
pontneamente para essa demolicao com um
eonlo de ris, cada um, e Joao Manoel de
Sinueira com cem mil ris, vindo assim a c-
mara a ter que indemnisar fr.9U0/000, que o
dito \quino concorda receber em prestares
nor liieio de letras, acceilas pela mesma c-
mara, vencer-sc em 13, i2, 18 c 21 mezes,
cando a inunicipaliilade com direilo aos ma-
li'riaes da casa demolida, cuja importancia
servir pan alviar aquella que tem de in-
deinnlsar.Setiea termos mandou-se ofllelar
so Em. presidente da provincia, solicilando
iinlorisaciin pira se poder enlabolar o contrato
dilinitivamciile.
Foi Igualmente approvado um parecer da
commissao de petices, sobre a de Manoel
F.lias de Moura relativa a Jos da Rocha i'a-
ran'ios, na qual a ComtnitlSo haseando-se na
| i .Menta que o dito Paranhos he incompe-
tente para excrcer a arte de pharmacia, eque
i tolerancia havida a seu respeilo constiluc
um abuso que deve ser rcpremido.-Mandou-
se rcmclier copia dcste parecer ao procurador
para, ouvindooadvogado, proceder como for
de lei contra o mesmo Paranhos.
Approvou-se tarabea) um parecer da com-
missao de edilicaco opinando a favor da pe-
ticao de I.udgero f.oncalves da Silva, a rea-
peilo da obra d'unia casa de sobrado da rua
do Rangcl n. "17, c no mesmo sentido se des-
parhou dita peticao.
O Sr. Vereador Pires Ferreira, apresentou um
papel assignado com as formalidades do estillo
pur Norbe"rto Joaquini Jos Cmedes, fazendo
exponlaneaincntc cessao, em beneficio do ce-
ineterio, d'uma porfio de terreno do seu sitio
annexo ao mesmo cemeleiio. A cmara maii-
dou juntar o papel s escripturas de venda
dos terrenos do incsuio cemeterio, e odiciar
ao doador agradecendo a sua generosidade.
A cmara mandn transmittlr ao de/.embar-
sador chefe de policia, una peticao do preso
Africano, Amonio de Oliveira, intitulado rei
de Congo, queixando-.se de outro que, sem
llie prestar obediencia, tem reunido os de sua
naciio para folguedus pblicos, alim de que
ii mesmo deteinbargador providenciasse em
lenliilo de desapparecereni scinclliaiilcs reu-
nics, clianndis vulgarmente Miracats
pelas coiiseqiirncias dcsagradaveis que dellas
pudem resollar.
Ilespacliaram-se as pelicOcs de Antonio Jos
Das, Antonio Pedro das Neves, Auna Lourcn-
ca Real. Angelo Ouslodio dosSautos, Kernar.
do da Cuaba Teixeira, Caetano Coelho, Gui-
Iherme da Silva Guimaraes, Jos Joaquim
aires da Silva, Joaquim Vas Perelra d* Silva,
Isclntho Leodoro do Sacramento, Joaquim Pi-
iihcirii Jacome, Jos (Voncalves Ferreira e sil-
va, Joaquini da Silva llego, Jos Camello do
licg i HarroS, Joaquim Flix Hachado, vigario
Joao Antonio Torres, Manoel Machado Vleira,
tlanoel Machado Fagundes, Manoel Antonio
Gonealvea, Manoel Alves Guerra, Manoel Sa-
bino da Gusta, Manoel Elias de Moura. Siiuao
Machado lliuneouit e Mello, Thoresi Goncil-
ves de Jess Azevedo, bacharel Vicente Fer-
reira Gomes, viscoudc de Goianna, Venato
de Freitas Tavares e levanlouse a sessiio.
En, Manoel Ferreira Accioli, secretario ute-
rino a cscrevi --Oliveira, presidente.Barro.
Carmiru Monteiro.Souza.Fiyueiredo.
TUlbUiN/\L U JUHY.
SESSAORDINARIA.EM23DE MAIO DE i85i.
/'rsiJiici'u lie Sr. I>r. Manuel Clemenliiio
Carneiro da Cunlta.
Promolor publico interino, o Sr. Souza
Garcia.
Escnvao -interino, o Sr. Aprigio Jos da
Silva.
Advogado do reo, o Sr. Alcanforado (Fe-
nelon. J
A' urna hora da tarde, Celta achantada, c
achando-se prsenles 31) Srs. jurados,
O Sr. 'rendente abre a sessiio.
Procede-te ao sorieio do conselho, que tem
dejulgarao reo Eustaquio .luaquim Izidoro
acensado pelo crime de NIO de armas defeai,
saliiudo sorteados os Srs. : Francisco de Pau-
la iincalves da Silva, Jos Joaquim Antunes,
Manoel Goncalves Ferreira da Silva, Manoel
\nlmiio da Costa e Silva, Antonio Simplicio de
llarros, Joao Moreira de Mcndonca Manoel
Carneiro Leal, Jos Xavier Faustino Radios,
Manoel Antonio de Jess Jnior, Felippe Hilar-
lo l'creira, Jacome Gerardo ''aria l.umachi de
.Mello e Francisco Jos Aranlcs
Prestado o juramento do estilo,
U Sr. Presidente fat ao reo o segninte :
INTERROGATORIO.
Jui: : Como se chaina ?
llo : Eustaquio Joaquim Izidoro.
Juii : Que idade tem .'
Uea : 'i annoi.
Jail : Sabe cscrever?
leo -- Nao, senhor.
Juir : Qual he a sua prolissao ?
Hn : Vivo da pescarla.
Juiz : -- Sabe porque he aecusado .'
Ho : Agora saberei.
Juii : Pori|uc foi preso ?
Ilin : Diiem, que por estar com urna faca.
Jui;: Em que lugar foi preso ?
llo : Na rua da Cru'.
Jui: : Tra/.ia essa faca ?
fe : Uueinque trazia, mas nao me lem-
bro porque nao eslava em iiiiui.
Juu :" Couhecc as teslcmunhas que jura-
r.iin no processo ?
Ho : .Nao, senhor.
Jui: :__Ten! algum motivo particular a que
mnima o presente processo ?
Uta ; Nfio, senhor.
I.idas as pecas do processo e lindas as ale-
os melhores e mals relevantes favores na qua-
lidide de tutor de meu finado fiUio, e sen so-
brinho I.ulz, a quem ( gracas a suas deligcn-
eias fcilas com sacrificio de seu coraraudo e
de scu dinheiro), livrou da miseria; depois
do falleclraento deslc, anda me prestou Inn-
meros obsequios, nciimbindo-sc, sem o me-
nor intercsie, de todos os meus negocios,
pondo-os em boa ordem, c de ludo dando-me
as mais exactas e promplisslmas coalas, de j
forma que ettOII inlciramcnle embolsado de
ludo quanto me tocn, como herdeira do dito
meu lilho. Oxal lodas as pessoas, que se
acharen) em mlnhat circuinslanclas, possam
ter a fortuna de encontrar um hornera lio
honrado como he o Sr. Guimaraes Oxal
lodos aquellcs que forera chamados para fa-
zercm as vetes de pal ao orphio desvalido,
saibam Irilhar a senda honrosa, de que lhcs
ser ctemplo o Sr. GuimarScs.
Mulhcr, fraca, e sem importancia, eu nao
posso mais que ser grata ao meu bemfeitor,
de cujos beneficios conservare! eterna memo-
ria : os cos o prosperem, c permittam-lhe
umitas occaslfles de ouvir protestos iguaes
aos de
^nloiii Marii da Trindade.
Recife, 22 de inaio de I8.il.
Repartigo da Policia.
PARTE DO DIA IS DE MAIO DE 1851.
Foram presos: a ordem do subdelegado
da freguezia de Sin Jos, Maria Francisca
dn F.sitirito Santo e Mria letal, por desor-
dem ; o a do SOMelegado da freguezi da
Boa Vista Escolstica Maria da CODWIQtlO
c Luzia Maria pelo mesmo motivo.
dem do dia 16.
Foram presos: a ordem do delegado do
primeiro districto deste termo Antonio Pe-
dro Alexinlrino, por haver insultado 8
urna senlincll no theatro publico; e a do
subdelegado da freguezia de Santo Antonio,
o preto Mtrcolino, oscravo, poi correcQao,
e Joo Raitista de FreitaJ sem declaratjao
do motivo.
dem do dia 1".
Foram presos: a ordom do juiz munici-
ral da prin.oira vara dcste termo, o creou-
lo alaquias I-eite Braga, para cum rir
sntnnga ; a ordem do subdelega lo da fre-
gn7ii de San Frni Pedro GunQalvas do Re-
,cife, Severina Maria da Conceicao.por msul-
Itos feitos a urna senlinella; a ordo n do
! subdelegado da freguezia di Santo Antonio;
o pardo Jos, escravo d Manoel Jos, do La*
Ver, eo preto Lttll escravu do Jos Viclori-
j-no de Vasconcellos, por andarem fgidos, e
Gregorio, escravo de Manoel Francisco Iti-
beiro, sem declmelo do motivo; e a do
subdelegado da freguezia da Boa Vista, o
Portugu-z Bernardo Tavares Coulinho, por
briga, Manoel Ferreira, oor desordom, o o
preto Miguel, escravo de F Gonzaga da Bo-
cha, para corrc-eilo.
O Sr. desembargado- chefe de polica, para
conhecimenlo dos interessados manda publi-
car o o ollicio segninte :
lllm. Sr. Julgo do meu dever participar
a V. S. que no dia 14 do corrente foi preso, e
acha-se recolbi lo na cadeia desta villa o es-
cravo creoulo de norae l.uiz, que foi pertencen-
te ao juiz dedireito da segunda vara desta ca-
pital o Dr. Alexandre llcrnardino dos Res e Sil-
va. O referido declara ter sido libertado pelo
seu'scgundo senhor.quc he,diz elle.um Francs
denoine Jacinlbo, o qual era morador nessa
capital, e na oscatlio em que reliruii-se para a
Europa, he que passou-lhe a carta de liberda-
de ; nas como o dito escravo nao aprsenla do-
cumento que prove a sua liberdade, o conser-
vo na prisao at que c verifique averdade;
para o que digne-se V. S. dar as suas ordens,
visto que nessa oapilal reside o mencionado
Jilix de direilo j e residi Francct de que se
filia, alim de que o mesmo escravo, no caso
de ser liberto, nao continu a solrer um cons-
tiangimenlo injusto.
ic Dos guerde a V. S. Delegada de poli-
cia do termo de Ourlourv, i ti de abril de 1831.
lllm. Sr. desembargador Jeronvmo Mani-
nianiio Figueira de Mello, chefe de policia da
rovincia. Pacifico I.ope de Siqueira, delega-
do de polica.
S-cretiria da policia de Pernniubnco. 22 de
maio de I8jl. /nonip Joi de Freilai, primei-
ro amanuense.
COMMERCIO,
o flm do corrente mer, (Indo o qual passa
a mesra a ser feita judicialmente.
Agencia la companhia ingleza
de !>n|ncirs a vapor.
O vapor da companhia deve
aqu chegar dos portos da Eu-
ropa no dia l .* de junho prxi-
mo futuro, e no mesmo dia se-
guir para os portos do sul. Os Srs. que pre-
tenderen passagens no mesmo, pdem diri-
gir-ie com antecedencia ao escriptorio da
agencia, rua do Trapiche n. 12.
Comtmnliia tic Bclicvlbe.
O calxa da companhia do Deberibe prlndnla
a pagar o sexto dividendo, hoje, segnln lo a
mesma rcgularidade dos dividendos antece-
dentes.
Hoje, 27 do corrente depois da au-
diencia do lllm. Sr. Dr. juiz dos Feitos e no
salSo da mesma audiencia, se ho de arre-
matar por execucSo da fasendt provincial
os seguintes : lima casi de sobrado de
dous andares n. 82 na Mi do Burgos do
Bairro do Recito avahada por venda em
600,000 rs. por execucSo que movo a fa-
enda nrotinoial contra os presos pobres
sdpsta cidade ; urna dita trra n. 18 na rua
deS. (nncallo do bairro da Boa Vista ava-
hada dn rendaannual renda nm 60/ rs. por
execucSo que movea mesma fazenda con-
tra a irmandade 'o Sr. Bom Jesu9 das do-
res ; uma dita dita n. 30 na rua dA'legria
do bairro da Boa-Vista avahada de renda
annual em 7 2.000. rs. por execucSo que
movea mosms fazenda contra Bomo Fran-
cisco Xavier ; urna dita n. 53 na rua dos
Gararaies avahad por venda em 800,000
rs. por exeouCBO que move a mesma fasnn-
da contra JoSo Atbanatio Dias; uma dita
n. 8 na rua de S. Miguel de bairro do Af-
fngado avahada de renda annual em 36,000
rs. por execucSo que move a mesma fa-
snnda contra os herdeiros de Antonio Xa-
vier da Silva ; uma dita n. 10 na mesma
rua a cima e no mesmo bairro avahado de
reda annual em 36,000 rs. por execucSo
que move a mesma fasenda contra o mesmo
cima ; um dita dita n. 10 na travessa da
rua Bella avahada de renda annual em
96,000 rs. por oxecuQflo que move a mesma
fasenda contra Josnna Mari do Rozarlo;
uma dita de sobrado de dous anderes n. 71
na rua do padre Florianno avahada de ren
7,000
6,00o
7,01)0
.000
5,000
1,000
os
gacoes.
U Sr. /'rndenle : Faz o rclatono da causa
c entrega ao conselho os quisilos, ojqual vol tan-
do pouco depois responde allirmalivaiiiciilc as
queslOes propostas avista do que,
U Sr. I'reiidente : Condemna o reo a 4
mezes ctdiasde prlsfio simples, grao medio
do art. 3 da lei de -G de oiilubrode 1831,
Euccrra-se a prsenle sessao ordinaria.
ALFANDEGA.
Itendimnnto do dia 26 13:762,730
Descarreqnm hoje 27 de maio.
Barra ingleza trotina me'Cadorias.
Hiato americano--Oraeoftrinha, breu e
holachinhaa,
CONSULADO CEBAL.
Ronli.nentodo dia I a 21 30:530,296
Ideidodia 26........1:097,321
31:627,617
DIVERSAS PROVINCIAS,
lien lmenlo do dia 1 a24. .1:116,1*7
dem do dia 26......... 23,053
1:439,200
Despacho! martimos do dia 26.
Lisboa, barca porlugueza Margarida, con-
diiz o segninte : 69 caixas, 100 barricas,
2,632 siccas e 110 latas com 17,450 arrobas
e 20 libras de assucar, 1,500 cocos com cas-
ca, 26 pioas e 25 barril agoardeme, 50 cou-
rus seceos, 400 pcs e 12 taboas.
KKCEBEDOlilA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Rendimento do dia 26..... 146,122
CONSULADO PROVINCIAL.
dem do d:a 21. .....786.928
Alovimenio do porto.
Navio lahido ni dia 26.
liba de S.Miguel- urigue poiluguez Oli-
veira, eapilBo FrancUco Alves de Carva-
Ibo, carga assucar e mais gneros. Pas-
sagenos l'oiluguezes, Manuel de Almeida
o sua ii ii iii-r, Jos de Souza e sua familia,
Ju.'io laciiitho Soaros, Maria la Concei-
C,fiodeUirauda eumalilba, (iandida Ma-
na de Almeida, Francisco Fernandas de
Souza eJaciuiiio Parelia do Reg.
Conespondeiicia.
Sri redactor.Escando de partida para Por-
tugal, permitan! que me approveile do seu
coiiceiiuado jornal para satisfazcr um dever
sagrado, tributando ao Sr. Manoel de Souxt
Guimaraes um testeu.unho publico c solemne
de grato icconhecimento suas excelleiilcs
qualidades. ,
OSr. Guimaraes, que J me uavia prestado
Declaraces.
A quem convier o encarregar-se d
demoliciioe compra dos malcraos do so-
brado ue dous andares da rua Nova n. 25,
que tem de ser demolido, se poder* dirigir
aos veroadores Jos Pires Fereira e Manoel
CaelanoS.iares Carneiro Monteiro, alim de
tratar o preco o prazo dentro do qual deve-
r ser feita la emolicSo.
ivla segunda seceflo do consulado pro-
vincial, solaz publico, que a cobranca di
3 pur cento do imposto provincial sobre
de diversos cstabcllecimeutos, continua l
Theatro de Apollo.
(>mrM-ferii, ^9 de maio de iS.'h.
Primeira repreientacao da companhia dra-
mtica, sob a dlreccao do actor Francisco de
Salles GuimarScs i'unlia
Depois de uma cscolhida ouyertura, executa-
da em grande orebesta, subir a scena o multo
applaudido drama
OS DOUS RENEGADOS.
O director no se poupou a esforcos, nem
despezas para que o espectculo v com toda
a pompa e brilhantismo que requer o autor ; e
empregar toda a diligencia paraque os inter-
v ,llus sejam curtos.
6'omecar asoito horas em ponto.
PRECOS.
Primiira'prdem, camaroles de frente
de lado
.s'.w'iii'in ordem, caidarotc de frente
de lado
Tirceira ordem, camarotes
Platea
Os bilhetes achar-se-bao i venda todos
dias no theatro.
O director lutando com todos os embaracoi
de umaempreza nascente pede ao reipeitavel
publico toda a proteccao e Indulgencia.
Gayo Ecklerlln, faz publico que em conse-
quencla da chuva nao pode ter lugar o espec-
tculo annunciado hontem, 20 do crreme,
portanto nca transferido para sexta-feira, 30
do corrente.__________________
Avisos martimos.
Para a llahla.
Segn com lirevidade a escuna nacional
.tdel'tide, de primeira marcha, forrada e
encavilhada de cobre, por ter parle do car-
regamento: quemo restanto quizar carre-
garou ir de pajsagem, quera dirigir-se a
rua da Cadeia do Recife n. 56, loja do Sr.
Vital.
-- Par o Rio de Janeiro segu viagem
com hrevidade o patacho nacional Curioso,
capitSo Jos da Cunha Jnior, por ter parte
da carga engajada : quem no mesmo quizer
carregar ou ir de passagom, pole enten-
derle com o capitOo na Praga, ou com o
consignatario Luiz Jos de Sa Araujo, na
rua da Cruz n. 33.
Para a Babia.
Segu com brevidade por ter parte da
o patacho nacional Con-
nsrea nrompta o patacho naciona
na ruadopairej-ionanno avauaoa ne ren- org V p no ^mesmo quizer carregar,
la annual em 150,000 rs. por execucSo que, '' m capjl3f; na praca, ou
move a mesma hiendo contraCarlota Jo.- entond- ^Jg PNovaes & :, i.'rua
quina Mus Tj vares .-urna dita de sobra-, com os consigo
do de um andr n. 28 na rua de Horlas a- do Trapiche i
vahada de renda annual em 150,090 rs. por
execucSo que movo a mesma fasenda con-
tra Jos Rodrigues dos Passos; uma dita
dita de tido n. 5 na rua do Cordinis do hai-
ro do Recife avahado por venda em 700*
rs. por cxeciiQSo que move a mesm fasen-
da contra a viuva de Felippe Bandelra d'A-
zevedo; um sitio denominado Giqui na
freguesia da V.irzia com casa do vivenda e
arvors defructos a vahado por venda em
400,000 rs. por execucio da mesma fasenda
contra Jos Duarta Rangel; um dito de Ier-
ras proprias no lugar de Santo Amaro com
bastante arvores de differentes fructas, ca-
cimba, viveiro do pelxe, casa de vivenda
terrea de pedra e cal, cusinha fura, o um te-
llieiro que serve de estribara avahado por
venda em 5:000,000 rs. por execucflo que
mov? a mesma fasenda contra Elias Coelho
Cintra uma eserava crila do nome Jo-
anna de ida le 58 annos avahada em 100/
por exccuQo que move mesma fasen
Vonle-se uma lancha nov, que pe-
ca de trinta a quarenla barricas, a a qual
se acha em perfeitissimo estado, bem co-
mo tres botes novos, tu lo por prego com-
modo : na rua do Vigario, n. II, primeiro
andar. ...
Para o Rio de Janeiro segu com a
maior brevi lde o brigue flilino, recebe
carga arete, etem bons commolos pira
passageiros: quem oretender entonda-se
com Leopoldo Jos da Costa Araujo, na rua
da Mu' la n
Leioes,
da contra Joilo Joaquim de Figuer dita de nome Juliana tambem crila '
idade 27 annos, sadia do servico do casi
Ocorretjr Oliveira far leilSo, em um
s lote, a dinheiro, ou a praso por meio dn
letras com firmas satishtorias, das fazen-
das existentes na loja de Ricardo Jos de
Freitas llibeiro, conjuntamente com a ar-
magfiodt mesma loja, sita na ru do Cres-
po n. 5 e A, cujo inventario existe em m3o
la do dito correlor para exme dos prelenden-
le tes; advirtindo-se mais, que o Sr. Joao
ilonriques da Silva proprietario da loj
idade 27 annos, sadia do servigo do casi e Ilonriques ua silva proprietario o ivm
rua avahada em 300,0000 rs. para execugao dar preferencia ao alugador que arrematar
* .,..,., n ni..-mi fiwan.ta piiiilr. n mu. la rofitrulas fa7Pn.la< O. armaC.fO .* Setta-lei-
que move a mesma fasenda contra o mes
iiio acuna.
Theatro de S -Isabel.
Penltima recita da companhia lyrica e danta.
Hoje, 27 de maiode l85l.
Subir scena, pela ultima vez, a muito ap-
plaudida opera em tres actos
OHARI'EIRO DE SEVILHA.
No intervallo do primeiro ao segundo acto,
a Sra. Iladerna e o Sr. De-Vecbi, dancaro o
lindo passo a dous
A DUQUEZl DE ARCIL.
Do segundo ao lerceiro os mesmos senhores
executaro a bella scena mmica, seguida do
passo a dous
OS JARDINEIROS.
Terminar o cxpcclaculo com o ultimo acto
da opera.
Comccar as oito horas.
Os bilhetes acham-se venda no escriptorio
dolbeatro. _________________
ULTIW* RECUA KM FAVOR D\ ACTRIZ
Joanna Januiriode Soma llitancnurlh.
Concedido por especial favor,
QUIXTA-FE1RA, 29 DE MAIO DE 1851,
Depois de uma cscolhida ouvertura. abrir-
se-ha a scena para a represntaco do drama
cni tres !acto :
\ MOURA,
PESSONIGENS.
D. Copo da Cunha
D. Gulherre
D. Chistovao
D. Alvaro
I). Paio Martins
Ambrosio
/.iida
D. Elvira.
Ungida
Fidalgos, homens
Os Srs. G.F. d'Ollvcira.
. J. da Silva Reis
. Silvestre J. M.
A. J. I', i '"i iiiIh <
A. M. da Costa.
Santa Rosa.
As Sras. J. Januaria
Julia Rosa d'A.
M. da Soledade.
de Zaida, familiares do
santo nilii ni, criados, etc.
No lim do drama a Sra. A. Caadiani, em
obsequio beneficiada, canlar. acoinpanbae
da dos Srs. Capurri e Frederico Tal, a grand-
aria do delirio da opera:
OS PUlilTANOS.
Em seguida a Sra. Msricla Iladerna e o Sr.
Jos Dc-Vecchi. tambem por obsequio, exe-
tutarao um lindo c novo passo a dous, sobre
os melhores motivos da opera
NORMA.
A beneficiada, para moslrar o grande desejo
que tem de agradar ao publico c pedido
de algumas pessoas, cantar cora o Sr. Ray-
miindo Jos de Araujo, o jocoso c muito ap-
i.l iii ii !'i dueto :
O MEIB1NIIO E A POBRE.
Termaando o espectculo com a graciosa
comedia em um aclo : .,.
O JUIZ DE PAZ DA BO('A.
He este o diveitiinenlo que a beneficiada
tem escolhido para ollerecer ao Ilustrado pu-
blico desta provincia, de quem espera aco-
Ihimento e protec{3o.
Aproveita esta ociasiao, para declarar aos
seus
me.
prettaraui a servl-la sem o menor interesse,
e com especialidade ao Sr. Antonio Jos Duar-
te Coimbra, que se ofteiecra, como se anda
fizesse parte da companhia.
Comegara as 8 horas.
Os bilbetes acham-se a vond
ou em casa da benoliciada, na rua Bella
n. 22.
as referidas fazendas earmagiio : setta-fei-
ra, 30 do crranle, ao meio dia em ponto,
no in lie.do lugar.
O corretor Oliveira hra leil3o de gran-
de variedade do hiendas, que foram da ex-
tiucla loja de Fernandes da Luz & IrmiJo :
terga-feira, 27 do corrente, s 10 horas da
inanbila, no seu armazem, rua da Cadeii.
O corretor Miguel Carneiro, far leilao
no dia sexta-feira, 30 do corrente, s 10 horas
da inanha no scu armaieni, de diversos Iras-
tes novos e com pouco uso; louya, vidros,
candieiros, lanternas, quadros, espiogardas,
pistolas de um e dous canos, reloglos e outros
objectos que serao veodldos muito em contm.
Por ordem da respectiva commissao dt
extincta sociedade Apolnea, o corrector
Oliveira far leilo de toda a mobilia, e
mais objectos existentes da mesma socieda-
de, consslindo em cadeiras usadas, de bra-
gos e de balsng, sindo de Jacaranda, de
oleo e de oulras madeiras, canaps, sof,
consolos com topeltlOl, espelho de vestir,
loucador grande, lavatorios de mogno, me-
sa redonda, metinhas, bancas de jogo, me-
sa de jantar muito comprida, cabides e es-
tantes, arandellas douradas com mangas,
ditas de lalSo e bronzeadas. um lustre dou-
rado para M luzes com mangas, um dito de
viiro menor, sorpenteira, lanternas com
mangas, lampeOes, candieiro da entrad
com globos, frascos para cheiros, jarros
pura ores, colheres de prata, assucareiro,
conxa, salvas e paliteiros da dit, copos pa-
ra vinbo, ditos para agoa, chicaras e pires,
bulles, cafeteiras, pratos, tigehas, quarti-
nhas, jarras para agoa, taliieres e colheres
decasquinha usados, e outros artigos miu-
dos : quarta-feira, 29 do corrente, as 10 ho-
ras da manilla, na casa da referida socieda-
de, rua da Cadeia do bairro de Sauto An-
tonio.
Avisos diversos.
Roga-se as pessoas que teem penhores
em mao do abaixo assignado. lenham a
bonlade do os vir resgalar no prazo da
quinzo dias, do contrario serao vendidos
para embolso do mesmo abaixo assiguadu.
-- Francisco Helio de Azeredo Coulinho.
Ddse|a-se saber a morada do Sr. An-
tonio Rolino Monteiro : na iravessa do A-
zeite de l'nxe n. 19.
Aos lcvotiM e religiosos per-
nambticanos.
Acaba de sabir a luz uma nova tresena
do miraculoso S. Antonio, padroeiro desia
provincia, contando al u do excellenles o-
rages, urna bella e nova iadainha e salva
raiuba, privativas do Santo, e compoatM
Iprovella esta ociasiao, para aeciarar aos uor ,ia|jano, natural de Padua ; assim
is couipanheiros o scu eiemo reconheci- cumu 0ptim0s versos, nos quaes se resuma
ipto, pela 'naueira dccadaconi que ae a yjl|, assomhrosa do nosso padroeiro, COD1-
posig3o do primeiro poaia fluminense.
He obra prima, e sem rival no seu gene-
ro, nica que se deve adoptar esse anuo na
fealividade do grande padroeiro pernamDU-
no theatro, cano. Esta' a venda tu rua do Rotarlo es-
trella n. 8, e livrana da esquina do ooiw
gio, prego 320 rs.


O 8V
1-
FIHppe Tati. Marieta Badrma, Frederico
Tali, Constantl Capurrl e Joaquim Glanninl,
artistas da companliia lyrlca do thcatro de
SaDta Isabel, leudo concluido o* sem con-
tratos, e relirando-se para o Mi de Janeiro,
faltariam aosenlimento de verdadc c aos seus
deveres serijo dirigissem ao generoso publico
Pernambucano un sincero voto de gratido r
estima. Igmlmente ao sen collega Germano,
emprezario do mesmo theatrn, dedicaeo e
constante amlsade pelo bem com que sempre
os tratou. Adverte-se que Marieta Kaderna
leva em sua compunhia tima criada.
D. Joanna Francisca Macicl Montelro, em
virtude da procuraciio e ordens que recebera
de D. Mara da Concricao da Silveira Maciel
Monteiro, residente em Lisboa, mulher de
seu sub inli Joan Osorio de Castro Maciel Mon-
teiro. previne quem interessar possa, que
a procurado que este tinha de sua mulher,
e aeha inteiramente revogada; pelo que lhe
be vedado fazer quaesquer transacees, que
obriguem os bens de aeu casal, e nem os po-
iler.i vender, sendo que protesta deduzir em
todo tempo a nullidadc de qualquer venda 011
iransaccors que elle flier. A mulher do refe-
rido Osorio, destituida de meios, soflre ne-
cessldades ein Lisboa, sem recurso ou abrigo
algiim, entretanto que seu marido trata de
esbanjar em Pernambuco a fortuna de seu
casal!
5o$ooo le siatiflcnrio
Joao Antonio Villa-Scca, da 50/000 a quem
pegar o seu escravo crloulo, de nome Anto-
nio; altura ordinaria, cor inais vermelha do
que preta, dentes limados e finos, olhos um
pouco amortecidos, sem unhas nos dedos gran-
des dos ps, e quando faz forca enverga-os
para dentro; levou caifa e camisa de algodo
aiul trancado, e mais urna calca de algodao
azul mesclado : est fugidn desde 14 de abril
proiimo passado, quando foge costiima incul-
car-se forro, como tal he de suppnr que
esleja trabalhando a alguem : quem o pegar
conduza-o com toda seguranca, ( porque el-
le sabe multo engaar ) .i ra de S. Francisco,
segundo andar do sobrado n. )6, ou na Estra-
da-Nova, adiante da Magdalena, priineira ca
sa azul.
Alie hier anwesenden deutsrhe und
scbweizer, werden ersucht sich gtigst ain
Donnerstage den 29 mai, um 10 uhr Morgens,
jtu hause; ra da < rut n. 4, zu versammeln,
um sido linsichtlich des Hlfs-Vercins zu be-
rathen.
-- Quem for upprlmldo de molestias inve-
teradas, como sejam, asthma aguda, niorp>i gallea, bobas, roturas, e adecenes de pelle,
e quizer de taes enfermidades se curar com
serteza dirija-se ra dos Martyrios, casa n.
34, das 9 llorar at o meio da, que ahi acharil
com quem tratar a respeito.
__Precisa-se de um caiieiro para tomar
conta de urna venda, por balaneo, dando-se-
Ihe bom ordenado; e pastado! se'* '"'"' se
lhe dar Interesse, no caso que agrade: quem
esliver nestas clrcumstancias dirija-se praca
da Independencia, n. 10, que se lhe dirr
quem precisa.
USr. Frederico C. Elester, queira vir
pigar 78,C00 rs que se aclia devendo, na
ra do Queitnado n. 16.
Precisa-se de tima ama deleite, que
seja nova : (r*ta-se na ra da Cruz n. f9,
ou na Estancia n. 10, ou annuncie para ser
procurado.
Na ra do Mundego n 105 sabe se
quem tem para vender, dous Ferrol novos
de fazor ostias e obrejas.
No buhar da ra Nova n%69, precisa-
se alugar um negro captivo, para ludo o
servico.
Precisa-se alugar urna preta, captiva
on forra, que d fiadora sua conduela, pa-
ra tratar de urna crianza : lia ra do Viga-
rio n. 3.
Leocadio Jos de Figueiredo declara
que deixou de ser caixejro do Sr. Tiburcio
Antonio de Oliveira, desde o da 23 de maio
do corrente.
Iloga-se aoSr. S., quo tenha ahonda-
do de pagar o restante .;i espa ln que com-
prou em junho de 1849 : na na da Cadeia
do Itecife n. 36, luja do seleiro.
O Sr. Manuel da Silva Ferreira, queira
ter a bondade de ir na na do Trapiche n.
34, segundo mi.lar, a negocio do seu iu
teresse,
--Em virtudn deseter j annunciadn, por
tres vezes neste jornal, que oSr, Flix Ca*
valcante de Albuquerque Millo, comparn-
cesso na botica di Praca di lloa Vista u. 32,
e como o nSo leu ha feito ; rnga-se ao mes-
mo Sr. de vir pagar o quo deve tiesta boti-
ca, pois j he teuipo, duque llic Picar ob'ri-
gado o atinuncianle.
Lotera da matriz da Boa Vista.
O andamento das rodas he no
dia j annunciado a de junho vin-
douro s 8 horas da manhaa no
consistorio da mesma matiiz, e o
restante dos bilhetes est a venda
nos lugares do costume.
w9>99999999999*',<3b9W>
s> toga-se aos Srs. devedores, da ex- -t
s> tinta lirma social, de Jos Moreira g$
s> Lopes & Companhia dissolvida em 4
a> 31 dodezctnbro p. p., o obzequio de 41
>, saldaren) seus dbitos, visto que a 4
t> pessoa encarregada da liquaacBo >
(r recebeu ordem para a effecluar aoii- 4)
v gavel ou judicialmente. >
$ & ^^r^^^^^al^Mi'fsit@iS^^&'isy
Mara Josnna dos Reis, viuv'a do falle-
cido Ballhazar Jos dos Reis, ten.lo de pro-
ceder a inventario dos bens deixados por
seu marido, peranto o juizo de orph.los,
convida sos credores de seu casal, afim de
que vendam em juizo justificarseuscreditos,
como he de diretto.
Os credores da firma social Francisco
do Prado ce Compauhia, com arnuizem do
molhados, na ra Direila, avisam aos devo-
dores daquella sociedade, que achando-se
em juizo, achilo contra a mesma, e embar-
gados todos os bens e direitos della, n5o de-
vein fazer pagamento algum ao dito Prado,
ou seu socio Antonio Jos Nogueira, sem
aulorisacau do juizo da segunda vara do
commercio,esenvao Uaplista, perante quem
pende o procedimento judicial cima re-
ferido.
Ainda se precisa, no Aterro da Boa-
Vista, sobrado n. 5, do urna ama para todo
o servico de urna casa de familia, preferin-
do-se sendo escrava : quem estiver tiestas
circunstancias, dirija-se ao referido sobra-
do, ou annuncie, para ser procurado.
-- Traspasse-se urna loja defazendasem
boa localidade, simplesuenie coma arma-
cSo : quem a pretender, dirija-se a ra do
Iluminado n. 7.
Procisa-se de urna preta escrava,
para tratar de una enanca, p L/rr o ser-
Vico interno de urna casa de pouca fami-
mili.i, com preferencia j idosa: na ra
do Crespo n. 14, terceiro andar.
Itoga-so a todas as pessons quo estilo
devendo conta? antigs na ra da Cadeia
do ftecife, n. 25 defrontn do Becco Largo,
iu.' queiram vir nu mandar pagar sous
dehitos at o fim do corrento me;; de maio,
pois o no fazendo tero de ver seus no-
mes neste jornal, o se proceder nos tef-
mos da le.
Roga-se ao Sr. Dr. Honorio Fiel de
Sigmaringa de Vascurado, que so acha bo-
je advogando etr (oianna, quo mande pa-
sar a sua letlra que se acha vencida a an-
no e meio, o qual n9o ignora aonde :
cm qusnto o nilo flzer ha de ser lembrado.
-- Aluga-se a casa terrea da prarja dar Boa
Vista n. 9 com bons commodos, quintal e
cacimba : a tratar na mesma praca, n. 6
botica.
o: >,-: .::,,.,.,; "i"' $i&^M8!S;*
fti Coze-se, lava-see engomma-se com
fg toda promplido e asseio por preco
!| enmmodo: na ra de Santa Rita n.
1*5.
Aluga-se um bom sitio com boa casa
de vivenda emuitos arvoredos de fruclo,
boa agoa de beber, estribarla para dous ca-
asIIos, tendo a frente murada e grande par-
le dos lados, e portfio de ferro : na ra da
Codeia de Santo Antonio n. 15, armazem de
farinha.
A Sra. D. Rita Cactana Maciel que tinha
uns penhores de nuro e prata em poder do
Sr; Jo5o Xavier Ribeiro de Andrade, queira
dirlgir-te a ra do Queimado n. 20, para
trstar sobre os mesmos que se acham hoje
em poder do procurador do dito Sr. An-
drade.
Na ra do Rosario larga n. 26. se dir
quem precisa de una ama moca e capaz so-
monte do servico interno de tima casa.
O deposito lie farinha de mandioca e
milho, arroz branco e de casca da ra da
Cu.leja de Santo Antonio n. 19, est mu 1a-
rio para a casa n. 15 aonde pretende fazer
grandes compras e vendas desles gneros,
espera portantn o dono deste estabelecimen-
to de ranle necessidade para esta provin-
cia, pelas continuadas fallas que de lempos
etn lempos apparecem; espera como d'antes
a concurrencia dos seus bous compradores
e vendedores de taes gneros.
= O Sr. Francisco Antonio da Silva da ra
do Rangel. queira mandar pagar a asignatu-
ra deste liuii' e emqnanto nao o fizer ver o
seu nome publicado em lettra redonda.
Chapeos de sol. 4flk
Ra do Passcio, n 5. **
Nesta fabrica ha presentemente um ric"
sortimento destes objectos de todas as c-
rese qualidades, lauto de seda como da
panninho, por precos commodos; ditos pa-
ra senhora, de bom gosto: estes chapeos
sSo fritos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas frnjasele retroz. Na mesma
casa se acha igual sortimento de sedas e
panninho imitando sedas, para cobrir ar-
macOes servidas todas estas fazen Javno s
dem-se cm porcilo e a retalho : tambetn se
concerta qualquer chapeo de sol, lano de
hasteas de ferro como de baleia, assim como
umbelas de igrejas: tudo por prec,o com-
modo. Na mesma casa ha chapeos de sol,
de marca maior, de panno e de seda, pro-
prios para f.-ilores do engenlio, por seren
os mais (ortos que se poden) fabricar.
e$ una iiu* Crazea u. i- O
Q CoMulloria homceopathico do faculta- f
tivo J. II. Catanova. y
Gratis para os pobres. q
Na ausencia do facultativo J B. Ca- .,
___... .. ,.,..,, Iinnioinnalhn ,v-
sanova, o professor honiccopalha g
Gosset Bimont continuar com os J*
. trahalhos do mesmo consultorio, on- W
O de poder ser procurado a qualquer ta
c} hor-. O
A Sra. I). Anna F.rinelinda Arruda Ma-
chado, tem urna caita na ra do Rozarlo lar-
ga ii. l8.
__Precisa-sc alugar um moleque ou ino-
lecote de boa conducta, para servico interno
de una casa inglcza : na ra do Trapiche-No-
vo, aiiii.izcm n. 12.
Precisa-se de um forneiro. na padaria
da ra do Lotovello, n. 9.
nui ni tiver mu preto, que cntenda de
padaria e o queira alugar, entenda-se na ra
do Cotovcllo n. 29, ou na ra de Hurtas
n. 18.
Roga-se ao Sr. M. F. S. R. o favor de ir
ra Nova, n. 5, loja, negocio de seu in-
teresse.
~ Thomaz d'Aquino Perelra Vasconcellos,
tendo de retirar-sc para Lisboa, tratar de
sua saude, delxa por seus bastantes prooura-
dores a Jos Peres da Cruz, Antonio llr.indao
da Rocha e Joaquim Correa de Rezcnde Reg.
Desapparcceo, pela terceira vez, na nou-
te de '25 de malo, de bordo do lirigue Argos,
o escravo, marinheiro, de nomo Candido, t-
elo Angola, que representa trinta e tantos
anuos, rosto comprido, nariz chato, alto, sec-
oo do corpo, e barba cerrada. Costuina andar
nos arredores da cidade, pelas vendas: roga-
se a sua captura ; e a pessoa que o lizer levan-
do -n .i bordo do dito briguc, ou ra da Ca-
deia n. 39, casa d'Amorim & lrmaos, recebe-
ra boa gratificacao.
-- A pessoa que tiver a venda o drama
em 5aclos,iintitulado a Escrava Andrea: an-
nuncie por esta folha.
O Sr. Joo Joaquim Baptista, que mu-
dou o nome para JoSo Jos Baptista, more
na cidade do Rio Formozo.
-- Precisa-se alugar urna criada portu-
gueza, que sea bem conduzida, para o ser-
viro interno de urna casa eslrangeira de
pouca familia: quem esliver nestas clrcums-
tancias, dirija-se a ra do Vigario n. 3,
-- Luiz Pedro das Neves remete para o
Rio de Janeiro, a sua escrava parda don-
me Anna, com urna flha menor.
Oabaixo assignsdo faz setenio ao pu
tilico, que Manuel Ribeiro Pontos Jnior,
deixou de ser seu caixeiro, desde 24 do cor-
rente. Joaquim Das Fernanda.
U moco que em um dos Diarios dase-
mana passada, se offereceo para caixeiro i(e
venda : dirija-se a ra da Matriz da Boa-
Vista n. 22.
-- Precisa-se deum amassador, queen-
tenda de todas as qualidades de massas : na
ra da Matriz da Boa Vista n. 22.
Joo Antonio C.arpinteiro da Silva, em
resposla aoanuuncio do Diario n. 118, de
24 do corrente mez, tem a dizer, queem
nada be responsavel pelos feitus do Sr. Jos
Mara do Satripaio, quando esle algum tives-
se, o que o mesmo nada tem em seus esta-
belecimentos, por j ter sido apartada a so
ciedade, por escriptura publica, como p-
dela pruvar ; oulro sim, declara queseu
bens se acham livres e desembarazados, pa-
ra com qualquer pessoa, que uo seja dos
trapchenos da Pra^a de Pernambuco.
----------
-- O director do thotttro do Apol-
lo Francisco de Salle* tii-nnres
eCnnliR facsctentfl i< director do
thcatro de Santa laabet. <>Si-. Ger-
mano Francisco de, Oliveira, que
tanto elle como todos o sena ar-
tistas, tcem entrada flanea no
tneutro.
-- Oabaixo assignado faz srk-nte, quo
tendo passido urna ordem ao Sr. Anlono
Crispiano do Souza Garnouo para receber
doSr. SebasliSo Antonio Coellio do Rosa-
rio a quantia do 25.000 rs a qucllo a per-
dn no dia ssbbado 24 do correnlc, e por
isso que est provenido o Sr. Ro-nrio para
smenlc pagar no abaixo ailgnado, (lean-
do de nenhum elToito aquella ordem, caso
appaioQa. Antonio Francisco Xatttr.
I)esppareceu no dia 25 do frrenlo,
das 7 para as 8 horas da noitn urna ne^ra
crioula donme Sicilia, querepresonta 22
annos, rouco mais ou menos', levou vestido
um vestido de chita azul com acento bran-
co, o tem o dedo pologar da mflo esquerda
corlado: quem a pegar leve a roa do Ca-
linga, loja de ourives n. 7, quesera gratifi-
cado.
of5t** :iS<$^*>
Paulo Galfrnonx, dentista
franeezs oiTerece seu prest-
um no piililico para lodosos w>
9 msteles de. sua proflssfto : 4
* pode ser procurado a qual- 9
quer hora em sua casa, na is5
& rna larg;a do Rozarlo, n. :$<;,
segundo andar. V
- O abaixo assinado por meio dest! taz
publico, que ninguem faca negocio, ron
Jos Xavier Antones Corris, na quilidade
de procurador bastante, do sua mi, a Sra.
f>. Rita Mariada Conrcic.no, relativo an en-
genhoCollegio, ni fregue/ia de S Loureti-
t;oila Malta, da comarca de Pao d'Alho, p.ir
se achar dilo engetiho em questOai, tenden-
tes a orphUos, sobre interesara doa mesmos
orphos, consenhores prejudicados.
Francisco de tarros Carreta de Quciroz.
Quem annunciou no Diario de 6 do
corrente, vender uma laverna com poucos
fundos: dirija-ge a ra da Cruz n. 41, es-
qnina di l.ingoeta.
Rnga-se a quem liver penhores na tnfio
de Maria da ConceicSo Chaves, tenha a bon-
dideile ir tira-Ios no prtso de 8 dias, na
falta perdem todo o direilo que nelle live-
rem,eserHo vendidos para pagamento da
mesma.
Chocolate desande e medicamen-
toso.
De todas as substancias elimenlares, que,
sendo em seu principio consideradas como
colisas de luxo, tornain-se pelo lempo adian-
te de um uso geral, o chocolate pude, sem con-
tradiccao, oceupar opiimciro lugar.
Ell'ectivanienle, quantas pessoas nao venios
nos preferir hoje ao uso do quente caf, o uso
do chocolate, e uislo seguir a opiniaodos m-
dicos mais celebres, que, de couimuiu accor-
do sobre suas preciosas qualidades, o Indican)
como um dos nossos melhores estomticos a-
i|uellas pessoas cuja saude he dcliil c delica-
da !., l'rescrevem-no aos seus doentcs, acon-
selham-no aos velhos, e o lecoiiiiucndaui as
iniiis de familia para seus lilhos. Em nina pa-
tarra, o consumo verdaderamente extraordi-
nario que todas as clasies da sociedade fatem
deste alimento, he o mais bello elogio que nos
lhe podemos fazer.
6'hegou um novo sorlitncnlo deste chocola-
te, j bem couhecido por militas pessuas que
tem feito uso delle, e alen) deste sortimento
para o uso diario chegou mais um oulru sur-
tiiiiento de chocolate medicinal, sendo o de
Musgo, Salcpo-Ferro, Araneta, multo recoin-
inendado para as molestias do peito, vende-se
na rus da Cadeia do Recife n. 25, defioiite do
yecco Largo.
-- Desde o di) 2 de maio -i
. do corrente, o Sr. Antonio
% I'edro Rodrigues littima- ,
raes, deixou de ser met cai- I
jj xeiro, e na i esteu mais res- i
s potisavel por conta alguiiia
9 por elle contrahida em nome i
!J do abaixo assignado vista
:y do sal o de contasque me i%

i;
passou. Joo Ozorio de
Castro Maciel Monteiro.
. omi.'ioiiiiei.r para curativo tos
escravoH.
O Dr. Pedro de Alhayde Lobo Mosroso
recebe escravos, para tratar, en uma casa
na Soledade, qne tem para Isso destinado.
Os presos silo os soguintos : 2.000 rs. dia-
rios por os que padecurem de molestias in-
ternas, e 1,500 rs. por os de molestias vul-
garmente chamadas externas. Os denles
sero fornecidos de todos os objeclos nu-
cossarios para seu curativo. Oannuncianti
se obriga a curar quaosquer ulceras por
mais inveteradas que sejam, nilo havendo
grande perd de substancia, suhjeitando-se
ao onus de so receber a ler<;a parto do esli-
pen lio no caso de que nilo se consiga o cu-
rativo. Tambem subjeita-se aconlicHo de
nada receber se os escravos rnorrerem, e no
caso de escaparen) paRar-se-lhe o que se
convoncionar antes. iNu roeabe por proco
algum doente, quo nilo nllereca probabili-
dade de curar-se. Compra tambem escra-
vos doentcs e curaveis, sendo por prego
commodo. L"go quo o numero dos doen-
tes seja sulliciente para cobrir as despezas,
se fara urna diitiinuieo nos pregos diarios.
Precisa-se de um feilor para uma ola-
ria, perlo desla praca, que enlenda perfei-
tamento daquella arte, e que se ajusto a
dormir as noules do cozmento do mate-
rial, junto ao forno, < que nilo tenha praga,
para lhe n.1o servir de pretexto: aauelle que
se achar nestas circtiinstancias ealiangar
sua couducta, dirija-so a ra larga do Ro-
zario n. 18, que achara com quem tratar.
Na mesma casa cima precisa-se de um ou
dous homens, que saibilo plantar capim e
tratar de uma piquena planta, pagando-seo
que se convencionar por mez ou por
semana.
Aos amantes do thealro S. Izahil.
No dia 92 do corrento, teve lugar a aber-
tura de uma casa bem sorlida de i elseos
exquizitos e boas qualidades de refrescos,
com o maior aceio e promptidHo, ao gosto
dos freguezes : na ra da Florentina ao la-
do do mesmo Iheatro. Compre lombrar
que os precos sao 13o commojos que nilo
la rain com que os freguezut deixoin de vol-
ts r segunda vez.
INSTRUCCVO PRIMARIA.
O abaixo assignado, tendo recebido do res-
peitavel publico benvolo acolhimcnto, vito
como j inuitos paes de familia lhe tem co-
fiado seus lilhos, convencido, da inanelr
consclenciosa por que o anonadante tem dc-
sempenhado as obiigafdes .i que se_ compro,
metiera na djreccao de sua aula particular
na rua Ho Mondego n. \4, rende por este meio
um publico agradeciinentoaquellcs quenelle
trinlepositadq sua conliain a em assumpto
tilo delicado como seja a primeira edueafo de
seus lilhos O inniinciante julga dever anda
solicitar a conlianca fdra da praca. para quem foi especialmente
creado o sen estabclccimento. V. em verda-
dc, he geralmente reconhecido, que muitos
jiacs moradores fra da praca deliam de dar I
educaco precisa a seus lilhos, ou o faiicm com
grandes sacrificios c difliculdades, em raso
de faltarem aulas ou collegios. onde pos-
-ain colloca-los, por tal modo dirigidos que
descansem inteiramente, nao s respeito do
ir.llmenlo c disvellns, como respeito do dc-
seiivolvimcnln intelectual e moral ; era por-
tanto de palpitante necessidade a creacao de
um estabelecimento que rcunisse todas aquel-
las condicocs e f ol com essas vistas que o an-
nunciante estabeleceu a sua escola no iHgar
indicado. Os pensionistas, que Hie forein con-
fiado, acharao estahelcciincnlo do aunuii-
eiante lodos os elementos necessarios ao
bom descnvolvimenlo phisico, intelectual
c moral, llabitaciio sadia, com as acom-
modaves necessarias, e todos os cuidados
que um pai pode dispensar seus lilhos.
Mcslres escolhidos de grammalica latina, Irn-
ceza, msica vocal c Instrumental ; se eocar-
regaru de aperfeicoar a inleiligencia dos
alumnos, cmqiianto o annuncianle ilerigirn
especialmente as priniciras lettras, nao pou-
pando esforcos para adiantar os seus disc-
pulos ; einfll a moral c a rellgISo sern cul-
tivadas, como oonvin i quem sobie tudo quer
formar bons cidados. A nica recomenda-
:'cao plaualvel este respeito un exime oeu-
lar, e para este lim 0 annuncianle convida
: todos os paes de familia que d'anlemao quize-
Irein ccrlilicar-se da realisaciio das promessas
! do annuncianle, para que se dirijan) a sua aula
! e ahi examinen) por si mesmos a orden) c re-
1 gularidade dos trabadlos, c a, mais condifes
que Hcain eiiunieradas.
O annuneiante espera continuar i merecer o
favor e con li.inca do publico.
Francisco de Salti d"Albuquerque.
**.9- 9:aj)>:{(&% 9r
fe Consultorio central honioco- aj
| patliieo de l'erimnibuco, {.:
(j Dirigido pelo Dr. S. O. L Pinho, ,>
p Rua do Trapiche Novo n, 15. gg
& Todos os dias uleis se darSn con- j
'(fe/ suias o remedios de graos aos i'0-
il bres, desde pela niaiiliHa atasduil %
J horas da larde. %
^i As correspondencias e informacdpg ^
tj9 po leilD ser dirigidas verba I mente, -j
| ou por eseriplo, devendo o doente J$
fe indicar sprimetro, o nome, n ida le, $
| ej estado, profissfio e constilui^So i*- .;
,fe gimdo, as molestias, que tem lulo, e
f& os remedios lomados ; terceiro, a po- ii-- ca do apparecimenlo lia molestia ao- %
s tual, e descripqo minuciosa doisig- M
, naes ou symptomas que soflre. >i
4?) Dr. Sabino Olegario l.udgera Pinho. }
;> -.* ;-.;!V? "-:-' <.*'?'$
Ignacio Luiz de lliillo Tahorda, con-
vida os sonhores, CUJOS nomes em segui-
da vSo mor Clonados, a vircm pagaa-lha cm
a su i loja na roa do Crespo n 10, o que
lic.raui a ikver as exlinrtas lirnias dos li-
nados Benhores Antonio da Cunha Cuima-
I r3cs, e Jos Joaquim daFreitas CuimarSes,
[ e a viuv.. de Kreitas Cuiiiia'es depois Au-
na Maria dos l'assos GuioiarUea Antonio
Leandro da Silva, Manmi los da silva l.-i-
lo, Uanoel Novaos da Cosa, Joflo Luiz Pena,
Francisco do Albuquerque Maranho, Vi-
ente Ignacio lira neo ; -Miuncia Feliciana
dos Prazeres, das Cuicuranas ; Antonio Ja-
( nuario Paes Brrelo, do Cabo ; Marltnlio da
Silva C isla, do Li Bioeiro Jo.- Carduzo Ca-
Valcaoto, de Caruar ; Manuel da Costa llra-
gs, de Inliainan; Jos do Iteuevi es FalcSo,
do Tara em Giranhuns; Patricio los Tarares
iie Vasconcellos, do Rom Jirdim, comarca
doLimoeiro, e Manuel Gomes dos Sanios,
de l.agoa Nova : 0 annuncianle declara que
ira lazeudo meiisSo s;m exceptan alguina
dos nomos dsqueiles senhorea, cujos debi-
lus forem auiigos e n5o vieren) imediala-
tuente pagar-ihe-
i atibo.
As 7 lloras da noile do dia 27 do passado
' ;i: 111 ; i;i i ulia.l.i a loja de ourivos da
' prava da Independencia n. -25, de Manoel An-
touio doa Pasaos Oliveira, eonsisiindo o rou-
I lio as obras de ouro abaixo declaradas : a
pessoa que descobiir o roubo, ou der noti-
cias caitas, le promelle a grotilicagao de>j
!-200,001) rs., a saber : 7 voltas do armacjlo
para senhora, 12 purs do brincos granjea
IdearmacSo, 8 ditos de ditos pequenoa de
dita, 20 ditos >le ditos Je dluerentes gos-
t s, 10 allinetis do armacSo, o pares de
brincos pequeos francivcs, urna por^Ro
deargolascortadas, urna dita de uitas li-
s-f, I hatillo de Christo, I dito da ordem de
Aviz, I crranle do relogio, 14 transelina,
uma pnrco de palmos de cord.io, 30 aaneia
de ifTerenles gustos, iros pulseiraa,
urna porcSo de rselas, urna dita de solita-
rias, urna corda grande, una bandetra, urna
porQlo de solitaria para dedos, una dita
de ligas de outo e urna dita do ditas do uni-
corne.
300 formas de fabncir frita*, de cirniuhi
do 6 o 9 em lihra : os Cinco Ponas, loja da
barbeiro n. .
Vondom-so ISoscravos, sen lo 2 mo-
.equescrcoulos. bonsoffloiaes de podrtnro.
de i lado 20 a 22 anuos; uma bonita mola-
ta recolhids, ptima muca-nb, coso en-
gomma bem o cozinha oMimamente; 2 cr-
dulas do iila.le 18 anuos, com algumas baot-
lidades : 1 moleque de idade 18 ann )s, 01-
flcial de alfaiate, b mila figurj ; 1 oscravus
,! todo servico; 1 escravo carreiro, o 2 es-
cravasdo servico de campo com bonitas fi-
guras : na rua liirnita n. 3.
Vondem-so cobertores do 15a pura, po-
lo baratissioio prego de 1,500 rs., cada um,
sendo etn porc^o t,300 rs.; cassi de cores
rom lisias do seda, a 400 rs. o covado; len-
cos brancos de cassa, a 200 rs cada um ;
casimir,h desuperior qualidado o bonitos
padrOes, a 6,000 rs., o corte; madapollo
com loque de averia, a 2,400 rs., a petja, e
outras muitaa rszeridas, por preco barau-
simos: nos Qualro Cantoa da rua do Quei-
mado, lija 11. 20.
Faiinha de s. Alnthens.
A bordo do patachn.S. Cruz, fundeado em
frente do Collegio, entrado no dia 24 do
corrento : vende-se a bordo, ou ao lado do
Corpo Santo, loja do ("aciano da Costa Mo-
reira.
-- Acaba de chegar do llio, as segumlcs
obras poticas : titiras completas de Gon-
ralv s Di:s, primeiros, segundos, terceiros
ltimos cantos, 3 helios folooies por 5,000
rs. t ronden) se no pateo do Collegio, casa
1I0 litro azul.
-- CliogaraM do nin, pelo vapo- passado
os ltimos cantos poesas do Dr. Concal-
ves Das, 1 bello volume 1851, por 3,000
rs,: ven dem-se no paleo do Collegio, ^casa
do livro azul
Vendem-so o< dicionarios de Vieira,
inglez pnrliiguez o vire-versa, em pouco
uso, por 12,000 rs. : na rua do Queimado,
loja n. 13.
~ Vendem-se uma porciio de alqueirns
de cal branca, muito lina, de Jaguaribe, por
menos pre? 1 do que em outra qualquer par-
te : na rua dos Pires II. 19, do bairro da
Boa Vista.
Vende-se multo barato.
Um sbralo de dous andares no palio do
Paraizo: a tratar no Aterro da U03 Vista,
"'-- F.m casa de .1. Kcllcr & Com.
panhia, na ruada Cruz n. 55, aeha-se a ven-
da oexcellenloe su?erior rilillO fie Itn-
rclliis. em bsrris de 5.% he muito recom-
mendavel as casas eslrangeiras, como es-
ci lenlo vinlio para pasto.
-- Na roa daa (ruzes n. 22, segundo an-
dar, vende >e uma linda parda de 22 anuos,
bonita figura, que eogomma bem, cose
costura ehSa, cozinha c lava de sabSo, e
urna preta de naco com as mesillas habi-
lidades, e um lindo moleque dolannos,
qne cozinha bem o diario de urna casa,
ptimo comprador para urna casa ; e uma
creoula com todas as habilidades para en-
genho ou fra da provincia.
Para acabar-se.
Vende-se, para senhoras, sapalos de du-
raque preio franeex, obra multo boa, e pelo
b.iratlsslllio preco de OllO ris o par: na rua
do I.ivramcnln loja a. II.
Lotera do flio do Janeiro.
AOS 20:000,000 de rs.
Na casa /" lis
Nos qualro cantos da rua do Queimado,
loja de fazondea n 20, vei dem-se os muito
afortunados bilhetes, meios, quartos, oita-
vos e vigsimos da deci-na terceira lotera
das Casas da Caridad-', coja lista se espera
ale o dia 30.
Lotera do llio de Janeiro.
Aos 20;O0D.fi01dr..
Na rua da Cadeia do llecife n. 15, venderr-
sn bilhetes inteiros. meios, qttartos. oilavos
e vigsimos, da dcima terceira lotera das
asas da Caridade.
Lotera lo \\\o de Janeiro.
Aos ao:coo,ooo rs.
Na rua estrella do Rozario (ravessa do Quei-
mado loja de miudezas n. 2 A, de J. F, dos
Sintos Mala, vendem-se 01 milito afortunados
Iiilhttes, meios, quartos, oilavos' e vigsimos
da decima-terceira lotera das casas da e nula
de. ,Na mesma lo,i esta patente a lista da lote-
ra da fabrica de videos.
Lolciia do W\o ile Janeiro.
Aos 20:000,000 rs.
Na prac da Independencia loja n. 3, que
rolla para a rua 1I0 Queimado c Crespo, ven-
dem-sc os muito afortunados bilhetes, meios,
quartos, oilavos e vigsimos da decima-lcrcel-
ra lotera das casas da caridade. Na mesma lo-
ja est patente a lista da lotera da fabrica dos
vidros.
lllieU'S to Hit) de Janeiro.
Aos 20:000,000 rs.
Na loja de miiide/as da Praca da Indepen-
dencia 11 4, vendein-se bilhetes inteiros, meios,
quartos, oilavos e vigsimos da decima-tercei-
ra lotera das Casas da Caridade.
Comprast
Cmiiprani-se uinii mesa que sirva pura
banca do ailvogado o 12 cadenas : quem ti-
ver, annuncie.
Conipra-se nina g'rgnnlil a
de diamantes, ama pnlseira e brin-
cos : na rua dj La.angeira, kja
de ourives n. 2.
Compra-se uma casa, sendo i.as se-
guinlcs mas : Flores, Camboa do Garmo,
pateos de dito e de S. Pedro, Hurtas, Trin-
cheiras o frutes: Irata-se na rua da&fan-
gueira, no bairro da Hoa-Vista, rasacOrde
r II a n. II.
Compra-se uma negrinha de 3 a i an-
uos : na rua do Itozario islreita n, 13.
Compram-se apolioes da di-
vida publici : na rua das Laran-
geiras n. i8.
Compram-se
escravos de ambos os sexos de 10 a 30 an-
iiiis, bonitas ligmas : na rua Larga do [lo-
sarlo n. *8. pnmeiro andar
Vendas.
-- Vendom-so por prero muito commodo,
Bilhetes do Rio de Janeiro.
Aos 20.000,000 rs.
Na loja tic Cambio da Viuva Vi-
eira & lillio*. rua da Cadeia 11. 24.
Pelo vapor inglez Tirio!, chegado dos porlos
do tul, recebemos fis muito afortunados bi-
lhetes, meios bilhetes e rautell.iH da decima-
terceira lotera concedida a beneficio das casas
de caridade. cuja lotera derla ser extrahida
em 24 do crreme mez, he preciso que os ama-
dores deste jogo attendaui que nesta casa se
tem vendido constantemente premios gran-
des, tdverle-se que esiao no lim o restaes
dos bilhetes, a elles antes que se acaben).
-- Compram-se e vendem-se
escravos, e recebem-se de com-
missao, tuto para dentro como
para lia da provincia com segu-
raoca na sua venda, romo as in-
gas dos escravos, que para isto
tem uma ptima casa : na rua das
Lar^ngeirs n. i i segundo andar,
a qualquer hora do dia.
Gasa de commissao de escravos.
Vendem-se escravos e recebem-
se de commissao, tanto para a pro-
vincia como para fra della, para
o que se olerece umitas garantas
a seus donos : na rua da adea do
ftecife n. 5 1, primeir andar.
-^n.{
*JKBP"MBifcffl&1
.M
a*.


,*&/.* --
Ba Nova n. 6, loja de Maia Ra-
mos & G.
- Vende-se ricos capotlnhoo de verdadelro
iltlm-maca, assim como de chamaiote preto
c de sarja de cordaosinho, sendo ricamantc
guarnecidas de bonitas franjase trancas as-
seeurando o annuncianle que sao os mais ri-
cos que al hoje tein apparecido; c os precos
multao convidao ao comprador.
~ Venda-se nm cravo de na-
c3o bom cozinheiro, bonita figu-
ra, de idade de 28 annos : trata-
se com Machado & l'inheiro, ra
do Vigarion. I9, segundo andar.
Arados de ferro.
Na fundicSo da Aurora, em S. Amaro,
Yendem-se arados de ferro de diversos mo-
pelos. .,
Rrtp niela pela Peilro 11.
Vende-se este superior rap arela preta 1 e-
arle Lemoi, Manoel Rodrigues da Silva, Joo
Carlos de Lemos, Joaquiui Ferrelra de Aiaujn
Guimaraes, Joo Paulo da Silva, Joaquini
Monteiro da Cnu, ra do Qneimado, Victo-
rino & Guimaraes, ra dos Quarlcis, Manoel
Illas Fernandes, Hilarlo Perrira da Silva, Jos
Dias da Silva Cardial. Moraes Si Soare's, Manoel
Jos Lopes, ra do Rosarla Larga.
Deposito de cal e polassa.
No armazem da ra da Cadeia do Recife n.
12, ha muilo superior cal de Lisboa cm pedra,
asiim como polassa chegada ltimamente a
preco nuito rasoaveis.
Vndese cobre metal ama-
rcllo c pregos para forro de navios : vende-sc
por preco coiuinodo. em casa de A. V. da Sil-
va Barroca, ra da Cadeia do Reclfc n. 42.
De superior qunlidade.
Cimento novo, chegado ultimamento de
ilamburgo : ven le-se no armazem de Vi-
cente Ferrelr da Costa.
No armaicm da ra da Mocda n. 7, con-
tinua-se a vender saccas com superior colla
das fabricas do Rio Grande do sul, e o preco
m conta.
Atteneo.
Na loja nova da estrella na ruado Queimado
n.7, com frenle ao becco do Peize-Frlto, ven-
dem-se por preco bar.ilissinios prcas de chita*
finas a b.O'O, 0,500 e 7,000 rs., chitas Lrgas
franeezas muito linas a 280 rs. o covado, cor-
tes de cambraias de salpico inludos do iiliimo
goslo de8 varase meia.i6,500 rs., curtes de
cassa admascadas de raniagens para cortina-
dos de vara de largura com 2o varas a 14,000
rs., chitas linas em covndns a 1(0, 180 c 300 rs.,
dilapara cob^rla lina a 240 rs. o rovado, cassa
lita lina a 480 rs. a vara, panninho de vara de
largura a 480 rs. a vara, pecas de inadapolfio
fino a 3,50o, :i,800, 4,000, 4,400 rs. c muito fina
a 5,000 rs., alpacas de linho iniudas propii-
para palitos, jaquetas e calcas a 400 rs. o co-
vado, corles de gambrrdes para cl9a a 1,800 e
2,000 rs,, ditos de mcia casimira de laa a 3,l'00
rs., c outras mullas fazendas por precos ex-
traordinariamente baratas, para se acreditar
dita obra.
Vende-se cera de carnauba do Aracaly,
pilles de cabra e sola por preco cummudo : na
ra dos Tanoeii os armazem n. 5.
Tinta preta.
Tinta preta mullo preta cuja qunlidade se
garante em frascos grandes que U'in garraf i e
ineia a 480 rs. cada un: no pateo do Cclligio,
casa do l.ivro Azul.
Loja da estrella, ra do Quei:na-
i do n. 7.
Vendem-se sarjas pretas hespanhoUs pelo-
barato preco de 2,11' e 2,200 rs. o covado, cha
pos de sol Iranif/es de seda do ultimo goslo
muito finos a .500 e 7,i'0O rs a clles antes
Iue se acabem.
ioja da estrella, rna do Queima-
do n. 7.
Vcndein-se superiores curies de casimiras
pretas, setlm com 3 covados e nielo pelo bara-
to preco de 9r)00 rs. e pannos linos de todas
as cores tambem baralissimoi.
Barato.
Cheguetn ao
No Plfteio Publico laja 11. 11, corles de
catrbiaia de cores, o diminuto preo.o de
2,000 rs. ; cortes de lila para vestido a IG00
cortes de meias casemiras d'algodno a 1440
rs.: a elle antes que se acabetn, em razflo
da muita extracto.
Vendem-se sapatos do Aracaly, recem
chfgaJos para bumem, e menino, feilos ja
muito a capricho; isto pelas repetidas le
commenilin.ii es quedaqui se tem feto aos
fabricantes; este calcado alm de ser
nacional, chega para todas BS claises por,
srrem em cont, e n!io fazer callos ; quem
os quizer, va na ra Larga do Itosaiio 11.
fmwmwmmmmmmmm
H Itap l'cilro lio
i); VenJe-se no deposito geral, ra dos
p Qu iiii is n. 24, loja de Jos DiasSimes
L o muito superior rap Arcia Preta Pedro
um dever para com vosco o para com o pu-
blico etai geral, remetto-vos este certificado
das grandes virtudes da vossa salsa-parri-
Iha, para que o litros que hoje estao sof-
frendo estabelecam melhora sua confianza
e facam sem demora uso da vossa medi-
cina.
Vi-mo perseguido com urna grande fo-
nda no tornozelo, que so estendia pela ca-
nella cima at o joelho, lancava grande
porcao de nojenta materia, com comichoes
que me privavam muitas noitcs do meu des-
canso, e oram muito penosas de suppor-
tar. ,
OSr. UiogoM. Connel, que havia sido
curado com a vossa salsa-parrilha, recom-
mendou-mequecu fizesse uso della, o do-
pois do haver tomado cinco garrafas fiquei
porfeilamente curado. >
Tenho demorado um anno mandar-vos
um certificado, para reconhecer com cer-
teza se a cura era permanente, e tendo ago-
ra a maior satisfacSoem declarar que nao
visto, nem sentido cousa alguma du-
todo osle lempo, e acho-me perfeita-
nte restabelecido. Sou vossa, etc.
u Sarah SI. Inlire.
240, ra lielancey.
Nesta provincia o nico agente desle ma-
. vilhoso remedio lio Vicente Jos di, 15-ilo,
com botica na rna di Cadeia dnRecife.
Vendem-se colleecoes com
mais de sei9 lindas vistas, repre-
sentando a ponte do lecic com a
alandega, a ponte da Boa-Vista,
a cidatle de Olinda,a ponte do Ca-
chang, l'oco-da-Panella, c a ra
da Cruz com o arco do Bom-Jesus;
bem como tinas grandes vistas de
l'ernambuco: na ra da Cruz, n.
10- cas; I Knlkmanns lrmao.
BUESTOL SALSAPAIIP.II.HA AMERICANA
Melhor e mais extraordinaria do mvndo.
Preservaliva infallivel contra as febres.
A salsa parrilba original egenuiu de Bres-
tol possue todas as virtudes para curar to-
das as enormidades que provm de um es-
tado de impureza desangue das secreccOe-
morvidas do ligado e estomago, e em los
dos os casos que uecessitam -cmedios para
purificar o robustecer o sistema. Km lo-
dosos casos de escrophulas, erisipelas, ti-
nba erurcoes cutneas, manchas, bilis, eno
llaniafilo o debilitado nosollios, inrhacils
das glandolas, dores lombares, affeeces
rheutnticss, dores nos ossos e as juntas
hydorposla, despepsia, ssllinio, dearrhee
deseiitcria, tosse' ri sfriados, eiiflammacao
di) pulm5es plilliisica quando provm da
obstruyo dos bronci.ii s em pessoas escro-
pulosas, enflucnzH, indigeslflo, ciencia
debilidade geral do syslema nervoso, febles
agudas, calores, 1 literalidades das molhe-
resenfermidades beliosas, e em todas as
afeccOes provenientrs do uso moderado do
mercurio. isla salsa parrilba se empreg
com eflkscia em todos os sobreditos casos,
e he reconhecida como a melhor medicina
que existe. Os frascos de salsa de llrislol
tecni ruis de qunlro tamaiibus dos de sal-
sa de Sands entretanto que os do llrislol
sevendem por 5,000 rs. eos de Sonds cor
3,000 rs. Deposito central no Itio de Jar.el-
ro, casa de Vital l.apupe, e em l'ernambuco
na botica de Jos Maiia Gon?alves llamos,
na ra dos Quarleis pegado ao quartel de
Arados americiinos.
?t Vendem-se arados americanos ver- 3
C dadeinis, rbegailos dos Bstldot* J
9. Unidos : na ra do Trapiche n. H. <-
; *, tfl'' .1 ^ .*: &,:\MM
Cera em vellos.
Vende-se cera em vellas do Rio
de Janeiro e Lisboa, ortida
gos!o do comprador; tambem
cal virgem da melbor que ba
1
11 em pequeas c grandes porcTjes, pelo
\i preco j eslabelecido, garanlindo o de- "'*
ii.- positario a cus freguezes a faculdade i
tt de toruar-lhes a receber no caso de se fei
S adiar em mo estado.
Vendm-se tbapos de pa-
Iba do Cbile de diversas quali-
d.-.di's c a preros rasoavt is : na ra
do Trapicbe n 5, e>ciiptorio.
SalMi-pjiri'illiii pira remover curar radicalmente todas as
enfermidades que procedem da impureza
do sangue, ou habito do systeina.
Esta medicina est operando constante-
mente curas quasi incriveis, de molestias
que procedem da impureza do sangue. A
ii,feliz victima de molestias hereditarias
com glndulas indiadas, ervos encolhi-
dos, e os ossos meios arruinados, ficou res-
tabelecida com toda sua sade e forras, (i
doente escrofuloso, coberto de cbagas, cau
sando nojo a si mesmo, e a quem o servia,
llcou perfeilo. Centenares de pessoas que
t i ha m soflrido ( por annos, a ponto de
desesperaren! da sua sorte j molestias cu-
tneas, glndulas, rheumalismo chronicu
e muitas outras enfermidades procedentes
do desarranjodos orgSos de secreefio oda
circula(So, teem-seerguido quasi milagro-
samente do leito da morte, e hoje, com
constituidos regeneradas, com prazer al-
testam a ellicacia desta inestimavel prepa-
rteflo.
Comquanto tenbam apparecido grandes
curas at aqu produzidas pelo uso -destu
cslimavel medicina,comludo a experiencia
diaiia aprsenla resultados mais notaveis.
> Kew-York, 22 de abril de 1848."
Srs. A. B.\ e D. Sands. Julgando ser
un
1.a
n<>
mercado vndo de Lisboa : tra-
ta-se com Macbado tk l'inbei-
ro, ra do Vigario n. ig, segundo
andar
o S o, o c o 2 e -o w = .5 y f. v O
c v w o "- & "s si II s;:!*
01 5 5 S 5 S. c.4' = = =

c es
V o
u hm g8*2
u M 's ce 09 |" 8^ o i u a s fi * 9 B -X 0) M " C s ., 8 -*.- v- o u _^ CS E. G 9 gBS .' >tiS 2 31-3 6
O" A
S s
C ES-Seg-^8 a
Lotera da matriz da l'oa Vista.
A OS lo- ,'1:000,01111 rs.
Na loja de calcado to Arantes na praca da
Independencia ns. 13 c l), vendem-se os mul-
to foijiiniilos bllheles e meios diios desta lo-
tera, que corre iiifalllvelinenie no dia2 de
11111 Fi<> vindiiiiro : a ellesantesc|uc se acabem.
Unales 10,400
Meios a,200
('.era de carnauba.
O mais superior que ha ncsle genero, ven-
de-se em porcao e a relallio : na na da Ladcia
do Itrufc, loja n. 50 de Cunha & Amorlin;
Vellas de carnauba.
Vendem-se vellas de carnauba, pelo bara-
tissimo preco de 1,500 rs. o cento : na ra
da i .11I1 i.i do llecilc loja n. 50 de Luuha >
Amorim.
Vende-se multo boa larlnha de mandio-
ca de S. Cathenna viuda recentemenle do llio
de Janeiro : no armaiem de Das & Gouveia,
defronte da Lingueta no cae da alfundega-
-. Vendem-se queijos loudrinos, presuntos,
caixinlias de scdelucs porgalivo, conservas di
lodas as qnalidades, cemi*nies ou passas iniu-
das para podios, carne salgada para uso de fa-
milias em barril de 50 libras e miudos da mes-
ma forma preparados, ludo ultimameiile che-
gado : na ra da Cruz, armazem n. !). de Da-
vis &C,
= Vende-sc muito em conla para liquida-
cao una porcao de chapeos de palha do Araca-
ly proprios para escravus de enginho : na ra
da Cadeia do Itcclfe n. 9, loja.
Cabos da Knssla
da todas a$ grotsurct.
Vendem-se por menos 2,OoO rs. o quintil,
do que em qualquer outra parte, o em por-
eOos a vontado do comprador: na ra da
Cruz do Hecife, armazem ni 3.
Reinos de fnla
de todos o tamanlws.
Vendem-se, na ra da Cruz do Recife, ar-
mazem n. 13. *-,,
Xa loja dastels portas, em frente
do Mvramenta.
Continua a vender b.rato, chil". 0.
140.160, 180, 200 c 240 rs.; cassas Pintadas
e bordados, a' 240 rs. "ovado; cassa preta
para luto, a 120 rs.; chales de 12a, 800 rs.,
lencos para mSodesenhora tUtnn,' PJ-
ra cabcfi a 320 e 400 rs., muito grande i,
chamaiote de seda, a 1.600 rs propr.o para
capotinbos e manteletes, e outras multas
fazendas, por precos em conta.
Na loja dos seis portas, cm fente
do Mvrniiiento.
Vendem-se cortes de calsas de casimira
lisa, do cores, por 5,000 rs.; chapeos fran-
cezes da ultima moda, 6. r8;' e (,e m0"
las. a 5.000 rs.; cortes de coleto de casimira
bordados a seda, por 5.000 rs., e mu-tos ou-
tros objeclos, por precos rasoaveis.
Fnrinlm barata
Vende-se, na ra da Cruz do Uecifo, ar-
mazem n. 13, farinna de mandioca em sac-
cas. a proco baratsimo.
Fni-inba.
Vendem-se saccas de muito boa ["'n'".
boa medida, pel diminuto preco de 3,500
rs.: naruadoCollegion 25.
Vende-se doce de caj secco, por pre-
co comniodo: no Aterro da Boa-Vista, n.
12, secundo andar.
Vende-se urna escrava moca de bonita
licura, rom escolente conducta, o que se
pode (anear, cozinheira, engommadeira,
ptima vendedeira, emlim serve para todo
servico do una casa, por ser ntelligenie e
activa, a raio porque se vende se dir ao
comprador : nlrsda Matriz de S. Antonio,
sobrado n. 1K, segundo andar, por cima da
venda, que adiar com quem tratar.
-- Vendem-se quatro lindos moleques de
8 a 18 annos, sendo um ptimo sapateiro ;
6 negros de 20 a 30 annos, sendo um pti-
mo carreiro, oulro oleiro, e um pardo sapa
leiro, que tambem trabalha alguma cousa
do carpina. de 25 anuos de idade ; 2 pardas
de 15 a 20 annos, com habilidades, e b ne-
gras com ilgumM habilidades: na ruado
Collegio n. 3. ...
A iiieibor pecblneua.
Vendem-se chales do seda i!c lindos e mo-
dernos-gostns, ajpreto de 4,500 at 6,000
rs. : na na do Crespo, loja n. 10.
Vende-se um moleque da 16 a lan-
nos de idade, bonita figura, com principio
de cozinheiro : na ra das Cruzes n. 18, se-
gundo andar.
Fatenda mais barata do que em
outra paite.
Cobertores de algodao escuro para quem
tein fri a720 rs. cada um, crtesele brim
bramo trancado de linho puro a 1,800 rs., pi-
tos escuro a l.OOrs. o corle, riscadoi de li-
nho a 220 e 320 rs. o covado, riscado de algo-
dao naneado multo encorpado proprio para
escravo a 180 e a00 rs. o covado, picle a IhU
rs. o covudo, zuartc azul de 5 palmos de lar-
gura a 14H rs. o covado, dito de cor a 200 rs. o
covado, meado francez mullo linos a 240 rs. o
covado, chita para .bertas decores lisas a200
rs o covado, dilas paia vestidos a 160 c iSOrs.,
cassa chita cores (xas a 440 rs. a vara, casto-
res proprio para palitos a 280 r. o covado,
pecas de cassa de qnadros para babados e cor-
tinados de cama com 8 varas e meia a J.410
rs., chapeos de masa para escravos a 480 rs.
cada mu : na ra do Crespo n. 6.
Veniiem-so amarras de Ierro: na ra
da Senzalla nova n. 42.
Lotera da matriz da Boa Vista.
A os 10:000,000 c 5:ooo,ooo rs.
No Alterro da lina Vista, loja de fazendas n.
30, vendem-se os afortunados bilhetese meios
da mesma loteria, que corre impretcrivehncn-
le 110 da 2 de junho vindouro, ou antes se se
venderer os bilhetcs.
Ililhetc3 nidios 10,000
Meios 5.000
lurm qiiizcr comprar barnto.
Ven lia ver e ndiiilrnr.
Por se querer liquidar.
i\a ra do Queimado, loja n. 17, vendem-
se casimiras france?as decores escuras, fa-
zenda muito superior, 5,000, 5.500 e 6,000
rs., cada corte ; ditos de fuslao de cores o
mais lino postivel o padrees muilo moder-
nos, a 1,600 rs., o corle, panno fino preto e
azul do cOres ixns, a 3,500 e 4.000 rs., o co-
vado ; alpaca de quadro de cores, proprio
para palitos e jrquetas, a 200 rs., O covado ;
brins transados de coros de panno de linho,
pelo diminuto preco de 800 rs., a vara ; co-
liflores d lila muito encerpados, a 1,600
rs., ditos muito grandes, a 3,000 rs assim
como nm resto de irmdapolOes, com pique-
no loque a 2,500 rs., o peca, e. outras mui-
tas militas fazendas, para liquidar, a troco
de sed'ilas.
Vendem-se ricas luvas depelica, par
tenhort, pelo barctissimo prego de 1,000
rs.,opir na ra larga doltozario, loja de
'miude?as n. 26.
Vende-se urna armaco de venda, com
todos os seus pertcnces, sIh na povnacflo
da Matriz da Vaneen i tratase na ra Direila
dos All'ogados n. 66.
tommm*mm--#r&&toM^BMm
^ Vende-Mi o verdadnro ciiarope de ^
^ pontos de imb8iba, cotnposto e pra- |||
| parado icio pharu aceutioo Jos da jjj
f| Cruz Santos. )
tfete sarope he encllenle contra |
| os catarros pulmonares, agudos e
.. eiuonicrs, tysicas, coqueluxe, e mo- -
i! hstias do coraeflo: na praga .la lloa- i
Visto, botica n.32. Na mesma tam- 1
bi ni se vende remedio contra os em- |
brilgados, o qual j est experimen- P
; lado pelos seus grandes elleitos a ti- |
f| rar completamente por urna vez esle i,
3 vicio, a que muitos eslHo sujeitos. 1
tttfMMNMitpi mmmmmmm
l'nra acabar. Mlja licspunlioln,
limpa, boa, a l,!>2fJrs.
Vendo-so sarja limpa espanbola, muito
larga, boa fazenda, a 1,920 rs. : na ra lar-
ga do Rozaiiu ii. 48, primeiroandar-
.oici-in da matriz da Hon Vlstn.
^oj 10:000,000 ders.
Bilbetes ecaulellas da loteria da matriz
da Bou Villa, qual corre impreterivelmen-
te, no dia S de junho vindouii), a elles que
estBo-se arahando : no Aterro di Boa Vista,
lojt de iv l-.i'in n 58.
Vendem-so um casal de cscravos, de
10 annos de idade, cada um, cotn habilida-
4
des e una novilha do raga tourina: na tra-
vosss do Veras n. 9. *
_ Vpnde-se urna negrinha de 13 annos,
bonita gura, propria para se educar : na
ra do Foco n. 23, se dir quem vende.
A 2,500rs.apelle.
Pello de bizerro francez, de muito boa
qualidide, a 2.500rs.: no Aterro da Boa
Vista, loja n. 58, junto aoseleiro.
- Vende-se urna negra boa engommadei-
ra e cozinheira : no Mondego, casa que ro
do fallecido pad e Manoel JuliSo,
- Vende-se urna taverna, cem poucos
fundos o muito afreguezada, na principa
roa desta cidai. i quem a pretender, an-
nuncin por esta folha.
- Vendem-se dous lindos escravos, de
todooservigo: na venda d ra dss Cn
teto n 90
- vendem-se duas escrava qolUndeU
ras, urna por 300,000 rs., e outra por 400,000
rs., o outra dita de 10 a II annos, com al-
Bumas habilidades : oo pateo da matriz de
S. Antonio, sobrado n. *, se dir quem
- Vendem-se um liado mulatinho de 14
annos, muito bom para pagem, sem vicios;
urna dita com 18 annos, que coze e faz todo
o servico de casa, 3 negras boas quitandei-
ra 2 neeros bons para todo o servico : na
ra'da Cadeia do Recife n. 51, primeiro
'"i'vende-se urna escrava com urna cria,
com muito bom leite. cozinha e Uva de sa-
bio : na ru. estrella do Rowlo, loja a..19.
_ Vendem-se seceos novos de eslpa ,
com duas varas, a 320 rs. : na ra larga do
Rozarion. 48, primeiro anclar.
- Vendem-se 2 cmodas, urna de Jaca-
randa vfada do Porto, outra bem feta o se-
cura outra usada deamarelo, um soh de
oleo bem reito.com pouco uso, urna cana
de carro com rodas e varfles para se armar
a quatro rodas, ou cabriole! novo : ns ra
da Cadeia de Santo Antonio, armazem de
"-'-" Vendem-se na loja de Victorino & Gui-
mares, na ra larga do Rozarlo n. 22, as
miudezas abaixo declaradas : guias
curtas para alfaiate, ditas muito finas pira
senhoras e ditas grossas para chapeos, alli-
nttesde ferro para armaco e ditos dla
tSo, camisas de meia pas dentro, boloes de
abertura de padrOes muito modernos, aca-
fates, balalos e condecas, agulhelros de vi-
dro didaes de mariim e de metal Uno,
dourados e prateadw, vernicas ditas ditas,
milagrosas da l'enha, cruzes de ItlBO e era-
cilixos dourados em cruzes de pao, apitos
deosso para marinhr, caixss de chumbo,
de metal, de retratos, de raz e de bueno,
roiariot, contasdecoquilho, ditas deosso,
contas de pao em croas, pennas de ao li-
nas, lapes e canelas para penas, caixinlias
de tinta de desenlio, lonetas de metal, pa-
pel de cores, folbas grandes e pequeas, di-
to de ditas Tuinas grandes para enfeitar cai-
xinbas, oratorios e c^pas delivros, grva-
las de setimeom molas, para pescoco, aiia-
dores de navalhes, franjas e trancas de re-
troz para vestidos de sarja e capotinbos, es-
covas de denles, finas de cabo debaloia ,
franjas de algodao para cortinados, toalhas
equardanapos, toalhas de linho do Porto,
linteiros de vidro, proprios para embarca-
dicos, linlias de carrileis de 200jardas ns.
100,120 e 150, dilas mais grossas, ditas li-
nas de meadas de ns. 8 a 15. ditas muito
finas sem numero, transa de Illa de cores e
lio de sapsteiio amarelio, meias pretas paia
senhora, ditas brancas tinas para homem,
atacadores para brozeguins de senhora e
ligas de sedas de cores, sombras de dilas
para enfeites, flores, medidas de alfaiates ,
meadinhas de linhas de lustro, ditas de pe-
zo finas e grossas.
Copos para vinlio e para agoa
de qualidade muito superior f vendem-se em
casa de Kalkmann Irinaos, ra da Cruz n. 10,
tonda tambem ha grande sorliiiiento de appa-
relhos de vidro fino para sobremesa, para agoa,
para ponche, ceslos e vasos para llrese para
rulas.
Vinlios finos
de llordeaux, \ inhode Hcrcs, vlnho do Rhel-
no, vinlio deBordeaux branco de idade de 100
annos : vendem-se ein casa de Kalkmann Ir-
mos, ra da Cruz n. 10.
Charutos de Ilivana
de superiores qualidades : vendem-se ein ca-
sa de Kill.iii.ini. Irmot, ra da Cruz n. 10.
Instrumentos de msica
chegou novamentc um completo sorlimenlo
de instrumentos para msica militar, recom-
menda-se principalmente os pisles, pratos
verdadeiros da Turqua, flaulius, llaulas, bai-
xos, cometas de chave, clarius lisos e de cha-
ves, violoes riquissiinos de jacarando, clari-
nelas, trombones, trompas, calzas de guerra,
zabumbaa e arcos de cainpainhas : vendem-se
em casa de Kalkiuann Inniies, ra da Cruz
o. 10.
Tintas em oleo
branca c verde i vendem-se cm casa de Kaik-
iiiaiin Irmaos, ra da Cruz n. 10.
Livros em branco
grande sorlimenlo proprio para escrlptorio e
qualquer oulro eslabclcclmento : vcndcin-se
cm casa de Kalkmann Irmaos, ra da Cruz
n. 10.
Cadeiras e sofaes
para meninos: vendem-se em osa de Kalk-
mann Iriiiao;, ra da Cruz n. 10.
Yioho de Champagne
de superiores qualidades : vende-se em casa
di'. k,i I k iii.ui ii Irmaos, ra da Cruz n. 10.
Ubras de ouro
chegou um novo c completo sorllmento de lo
das as qualidades, como sejam, correntes pa-
ra relogios, anneis, pulceiras, alfinetes, ade-
recos, briucos, voltas, ele. : vendem-se em
casa de Kalkiuanu Irmaos, ra da Cruz nu-
mero 10.
Loteria da matriz da Boa Vista*
A os 10 e 5:ooo,oon rs.
Na praca da Independencia loja de miudezas
n. 4, na ra da Cadeia n 46. loja de miudezas
eno Aturro da lloa Vista. Joja de calcado n.
58, e na ra Direila, loja de ouvlres n. 124,
vendem-se os muilo alorlunados bilheles,
meios, quarlos, quintos, decimos e vigsimos
da ii.i-in.i loteria, que corre iufalliveluicnle
no dia 2 de junho vindouro.
Bilheles "0,000
Meios 5,000
Quarlos 2,000
Quintos 2,100
Decimos '.00
Vigsimos 000
l'olussa dn Russln.
Vende-so polassa da Itussia, recenlomen-
te chegada, e de muito superior qualidade ,
na ra do Trapiche n. 17.
MocimIiis superiores.
Na fundicSo do C. Sturr & Companhia,
em s.-Amaro, acbam-se a venda "moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construcQSo muito superior
Bom e barato.
Na ra do Passeio Publico, loja n. 9, de
Albino Jos l.eite, vendem-se lindas pecas
de chitas de cores, a 4,500 rs. e a 120 o co-
vado ; ditas para coberla, a 6,000 a pec.a e
a 160 o covado ; lencos de seda de cores,
lindos padres, a 1,000; ditos brancos de
cambraia com bicos, a 480; grvalas de se-
lim, a 1,500; chales de chita de cores, a
800 ; ricos corles de meias casimiras escu-
ras, proprias para o lempo presente, a
1,500; cobertores grossos para escravos, a
640; chapeos de sol de panninho com bar-
ras de cores, a 9,800; ditos sem barra, a
2,000; brim de linho de cores, a 300 o co-
vado ; riscados monstros, a 20o o covado ;
cambraia da India bordada, a 400 a vara ;
e outras muitas fazendas, que se deizam da
annunciar por falta de lempo.
i
Deposito de tecidos da l'abri-
v ca de Todos os Santos,
5| na Babia.
ga> Vende-se em casa de Domingos Al
* ves Matheus, na ra da Cruz do Re- * &" cife n.'52, primeiro andar, algodao <-!
* transado daquella fabrica, muito pro- ^
K prio para saceos e roupi de escra- 2
B vos, assim como lio proprio para re-
des de pescar e pavios pare vellas, ^
5V por preco muito commodo. ^
A *ft *.* 1 AAAi k AAAflMUll4i
Agencia de Edwin Maw.
Na ra re Apollo n. 6, armazem de Me. Cal-
inoiii & Companhia, acha-ae constantemente
bons sortimentos de taixa de ferro coadoc
balido, tanto rasa como fundas, moendas hi-
ten as todas de ferro para animaes, agoa, etc.,
ditas para armar em madelra de todos os ta-
maitos e modellos o mais moderno, machina
horisontal para vapor, com forja de 4 caval.
los,' coucos, passadeirai de ferro estanhado
para casa de pulgar, por menos preco queo
de cobre, cscovens para navios, ferro iogln
tanto em barras como em arcos folhas, e ludo
por barato preco.
Bom e barato.
Vende-se cera de carnauba de primein
sorte, a 6.000 rs., sapatos brancos para ho-
mem e meninos ; ditos de couro de lustro;
couros de cabra ; chapeos de palha ; pen.
as de ama : na ra da Cadeia do Recife n-
49, primeiro andar.
Loteria dn matriz la Boa Vista.
Aos lo:ooo!gooo e 5:oooSooo.
Na ra da Cadeia n. 24, loj de cambio di
Viuva Vieira & Filbos, vendem-se os mui
afortunados bilhetese meios ditos da mes-
ma loteria, que corre imprelerivelmente no
dia 2 dn junho prximo vindouro.
10,000
5,000
Ililhetes inleiros
Meios
Vende-se
Farinha fontana,
Arroz de casca,
I ai ello novo,
Cli preto,
Chumbo de municSo,
Cimento,
Bichas de Ilamburgo,
vende-se ludo por precos commodos : no
armazem de J. J. Tasso Jnior, na ra do
Amorim n. 35.
Deposito de cal virgem e potassa.
Cunha & Amorim, na ra da Cadeia do
Recife n. 50, vendejn cal virgem em pedra,
ehegado pelo ultimo navio de Lisboa, e po-
lassa de boa qualidade, por menos prero do
queem outra qualquer parte.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
RA DA SEZAI.LA NOVA -Y 42.
Neste estabeleeiniento conti-
na a haver um completo sortU
ment de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido*
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Conlinua-se a vender agoa de fazer ao
cabellos e suissas pretas : na ra do Queiindo
loja de ferragens n. 31. _________ _
Escravos fgidos.
__Desappareceo no dia 19 para 20 do cr-
reme, da povoacio do Bom-Jardim, um mo-
leque de 18 a 20 annos, com os slgnaes se-
guintes: meia estatura, seco, pernss fina,
cara comprlda, olhos regulares, de noine leo
rique ; e como se suppona ter vlndo para esli
praca, roga-e s autoridades e capitaei de
campo que se o aprebenderein o podein con-
duzlr ra do Collegio n. 6, e entregar ao
Sr. Jos Menezes Jnior, ( que ja foi o sen
senhor), que serao bem recompensados.
Desappareceo rio dia 2l urna pretacreou-
al, oe nouie Rosa, idade de 35 annos, cor
fula, com a cara picada de bexigas, estatu
ordinaria; cuja escrava foi do padre Antonio
Pedro de Souza; por Isso rogo as autorldadn
policiaca de prenderein e mandar na rna Rozarlo larga, n. 36, que ser recompensado.
Desappareccu de bordo do patacho No-
vo Temerario, no da 20 de maio correle, o
escravo marinheiro de nome Alfonso, cre-
ouloda llhia, idade 26 annos, pouco maii
ou menos, estatura regular, cor fula e ma-
gro, levou carniza ecalsa bastante alcitro-
ada. e urna siola encarnada e bonet chalo
inglez: rog-se a captura do mesmo, o qual
se er prezista nos arredores desla cidado,
porque costuma embriagar-se.e quem o le-
var a bordo do dito patacho, ou a ra da
Cadeia n. 39, escriptoi io de Amorim Irmaos,
que receber boa graticaco.
- Desappsreceram do poder doabai
assignado, os cscravos seguinles : Catha-
rina, de na(3o cucange, baixa, com folio
de denles na frente, com algumas marcos
as costas, signaes de sua naco ; a quol
fugio em 18S2, com idade de 16 annos, f
deve boje representar 35 annos; Jacob,
pardo de 18 annos, secco do corpo e s-
pigado, tem cabellos estirado, falta de un
denle ua frente, e um pequeo talho J>i
maran do rosto, O mus visivel signal "|S
a marca de um causticnos costas, fugnl
em dezembro de 1817 i quem a apprehe?'
der ou queira dar noticia dealgum, din*
ja-se ra Nova n. 16, que gratificar.
Jos Inii l'treira.
Pr.nM. naTvp.im: M-F-df: Faui^;


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESD6FDOCR_6SOAEU INGEST_TIME 2013-04-13T00:41:02Z PACKAGE AA00011611_05350
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES