Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05342


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Lja
Anno XXVil
Snbhado 17
tabtids do coamioi .
Oolanna e Parad iba, s segunda* e sextas felras.
Itio-Grande-do-.Norte, todas as quintas fciras ao
meio-dia.
Caranhnus e Bonito, a 8 e 33.
Boa-Vista e Plores, a 13 e 38.
Victoria, quintas felras.
Olinda, todos os dia.
rauniBii
Pmasis da loa.
c
<::
(si
Nova, a 1, a* 6 h. e 43 ni. da ni.
Creso, a 8. as ll b. e 14 m. da tn.
Chela, a l5,as 5h. e 45 m. da .
Mlng. a 32, as 10h. e 38 ni. Ha t.
S
raiAMia DI HOIE
iraelra s 6 horas e 6 minutos da manhaa.
gunda s (i horas < 30 minutos da tarde.
PBEtJO DA SBlOniPtJAO
Por tros inei fadlanUdos) 4/000
Por seis ineies tfOOO
Por um anno. 15/UuU
de MaocJel851
DAS SA AMA.
13 Seg. S. Joanna. Aud. do J. d'orf. e m. I. vara
13 Tere. S. Servado. Aud. da Chae, do J. da 3
varado c. e dos feitos da fazenda.
14 Quart S. Gil. Aud. do J. da 3. vara.
15 Qulnt. S. Isidoro. Aud. orf.e do J. m. da pri-
incira vara.
l Seat. S. Uhaldo. Aud. do J. da 1. vara do eivcl,
e dos feitos da fa euda.
17 Sab. S. Possidouz.eo. Aud. da Ch. e do J. da 3
varado civel.
18 Iimn. do iiom Pastor.
Esa n liasaTisiuiaiamii i
CAMBIO III 16.B>K KAIO.
Sobre landres, a38 e S8 /. f P- ifm "
a Paris, 320 por Ir, nominal.
Lisboa, 85 a 90 o#nnn .
Ouro.-Oncaihespanholas-... ggff a
Moedas de 6/400 velhaa. Ib/JlO a
de 6/400 novas ''V^VO a
. de4000....... MWO
Prata.-Patacdes brasileiro..... #
Pesos columnarios..... i#j"
Ditos mexicano........ i0" *
38/500
16*200
1BI/300
9/100
J#940
1/940
1/700
-. .Cii-aaSS
rsr-t-nanani'i"" ^-i,-.<-sasMssjasn
parte orriciiL.
jttllt.5TEI.IU DA FAZENDA.
Deere (on. 777 de bde abril dt I85l.
Altera a tasa dos direitos das chitas, niorins e
vnadapoldet, que forc) importados n re-
ta I los.
Hei por bem, ein virtude da aulorisacao con-
fiada ao governn pelo artigo 39 da le n. 369
chitas, morlr.s e madapoloes, que forem im-
portados eni rctalbos. sejam regulados pela
tabella que com este balsa, assignada por Joa-
quim Jos Rodrigues Torres, do incu conse-
lho, senador do imperio, ministro e secretario
de estado dos negocios da fazenda. e presiden-
te do tribunal do ihesuuro nacional, que as-
sim o tenha entendido e faca eiecutar. Palacio
do Rio de Janeiro, em 16 de abril de 1851, tri-
gsimo da Independencia e do Imperio.Com
a rnbrlca de Sua Mageslade o Imperador. =
Joflomm Joi Rodrigue! Tona.
TAISU.LA
para regular os direitos das chitas, morlns e
madapoloes em re tainos, a que se refere o
decreto desta data.
Chitas em moriin,. panul
libo, madapolrs ou gar-
raz, at 3 varas siogelas
de cumprimento varaquadrada cliii
Horios ordinarios ou mada-
poloes Anos al duas va-
ras singellas de cumpri-
mento 4065
Ditos entrefinos e finos,
idem /o80
Madapoloes entrefinos idem /050
Ditos ordinarios, idem /040
As chitas, morins e madapoloes que excede-
rem o cumprimento marcado nesla tabella
nao serio considerado* retalhoa, e pagaejio as
laxas da tarifa.
Palacio do Rio de Janeiro, em 15de abril de
185l Joaquim Jote Rodrigue! Torra.
TRIBUNAL DA HELAGAO'
SESSAO DElODE MAIODEI85I.
Preiidenci* 4o Exm. Sr. comelheiro Aitvtdo.
As 10 horas da manhaa, estando presentes os
aenbores desembargadores Villares, Bastos,
Leo, Souza, Rebello, Luna Freir, e Pereira
Monteiro, o Sr. presidente declara aberta a
sessao.
JULO AMENTOS.
Rteurio erimi.
Appellante, ojuizo; appellado, Joao Pedro
de Araujo. Mandaran! descer os autos, e
3ue subiste o traslado ua forma da lei de 3
e drzembro de 1841.
Processo criuie de responsabilidade do ex-juiz
de direito de Anadia Antonio deS Cavalcan-
ti. Ficou adiado por falla de juizet para
julgamento.
AppeltarOei eirrii.
Appellante, Joaquim Lobato Ferreira ; appel-
lado, Manuel de Alenla Lopet. Despre-
sarain os embargos.
Appellante, Jos de Barros Wandcrley ; appel-
lado, Fillppe de Santiago Vleira da Cunha.
Confirmaran, a senlenca.
Appellante, Antonio Pires Ferreira e outros;
appellado. Luiz Pires Ferreira. Nao toma-
la m conheclmenlo da appellaco por nao ser
caiodclla.
Appellante, Antonio Ricardo do Reg appel-
lado, Pedro Beterra Pereira de Araujo I cl-
trao. Despresaram os embargos.
Appellante, o juizo ; appellados, Malalda de
Castro Figueira e outros. lonfirmaram a
senlenca.
A; pe liante, Bernardo Antonio de Miranda; ap-
pellado, Joaquim Jos de Miranda.Nao
tomaram conbecimenioda appellacao.
OILIEKCIAS.
Appellante, o juno ; appellado, a cmara mu-
nicipal da cidade da Forlalcsa. Mandaram
com vista ao Sr. desembargador procurador
da corda.
Appellante, Manuel da Silva Lopes ; appella-
dos, o curador beranca jacente de Fr. (Me-
tano de Santa Engracia e outros.
Appellante, ojuizo; appellada, a cmara mu-
nicipal da cidade da Fortaleza. Idem.
Appellante, o juizo; appellados, os adminis-
tradores dos bospitaet de caridade. dem.
Appellantea, Joac Franclsoo Regis Coelho e a
irmandade do Santissimo Sacramento da Boa
Vista; appellados, Joaquim Galdino Alves
da Silva e sua mulher.Mandaiam com vis-
ta ao curador geral.
DKMGMAQKS.
Appellantrs, Estevo Cavalcantl e sua mulher;
appellados, Jeronymo de Albuquerque e Oli-
vera e sua mulher.
Appell.nle, Maria Felismina do Reg Gomes
appellado, Joaquim Aurelio Pereira de Car-
valho e sua luulber.
Appellante, Jos da Silva Mendonca Vianna;
appellado Manoel Jos Ferreira.
Appellante e appellado, Isabel Barbosa Rodri
gues Machado Freir e Francisco Machado
Teixelra Cavalcantl.
Appellante, Joi Dlogo da Silva; appellado,
Jos Antonio Lopet.
Appellante, 1). Leopoldina Emilia de Moraes
Cisneiros ; appellados, Manoel Pires Ferrei-
ra e outros.
Appellantes, Francisco Miguel Arcbanjo e sua
mulher ; appellado, Antonio Manoel da Silva
Uedeiroi.
Appelltnu, Vicente Ferreira da Fonteca; ap-
pclladot, Joaquina, Francisco, e Josofa por
teu curador.
Appellaule e appellado, Jote Francisco Bclcm
e Manoel Jote Correa.
kivisOeS.
Pattaram do Sr. desembargador Villares ao
Sr. desembrgadorHastos as seguintes appel-
lacdes em que sao :
Appellaule, o julio; appellados, Vicente rer-
reira da Costa e outros.
Appellantrs, Joaquim Antonio de Amorim, sua
mulher e outros; appellados, Claudio Pe-
reira da Coila e sua mulher.
.Appellante, D. Maria Felismina do Reg Go-
mes; appellado, Joaquim Aurelio Pereira
de Carvalho e sua uiulher
Appellante, Rairao Aj Macedo ; appellada, Jo-
sefa Maria de Jess Coutinbo.
Passaram do Sr. desembargador Bastos ao
Sr. desembargador Leo as seguintes appella-
edet em que sao
Appellante, N. O. Bieber &C. ; appellada, a
administracfio do patrimonio dot orpbaos
desta cidade.
Appellante, D. Mara Francisca de Souza Ra-
mos ; appellado, Jos Mara Goncalret Ra-
mos.
Passaram do Sr. desembargador Leo aoSr.
desembargador Souza as segointes appellacdes
em que sao;
Appellante, Sebastiao Jos da Silva Braga ; ap-
pellado, Bernardo Benrlquet.
Appellante, Patricio Jote de Sant'Anna; appel-
lada, Claudina Maria da Conceico.
Passaram do Sr. desembargador Souia ao Sr.
desembargador Rebello as seguintes appella-
ces em que sao :
Appellante, Antonio Pereira Pinto de Faria e
sua mulher; appellados, a vi uva e herdeiros
de Silvestre Joaquim do Nascimento.
Appellante, Joaquim Alves Camello de Araujo
Pereira, appellado, Flix da Cunha Navarro
Lius.
Appellante, Domingos Francisco Cavalcantl,-
appellada, lgoes Mara das Neves e outros.
Appellante, Joaquina Maria do Espirito Sanio ;
appellado, Manoel Claudio de Queiroz.
Passaram do Sr; desembargador Rebello ao
Sr. desembargador Luna Freir as seguintes
appellacdes em que sao :
Appellante, Francisca Thoinazia da ConceicSo
Cunha;. appellados, Joao Keller !t C.
Appellante, Joaquim Francisco Cavalcantl ap-
pellado, Manoel Francisco da Crut.
Passaram do Sr. desembargador Luna Frei-
r ao Sr. desembargador Pe.reira Monteiro as
seguintes appellacdesemque sao;
Appellante, ojuizo; appellado I.ou renco Con-
calves Gmese oulrot.
Appellante, D. Rrltes^Sebasliana de Moraes; ap-
pellado, Anacleto Jos de Mendonca.
Appellaule, o procurador fiscal; appellados,
Kruchemberg Denyt & C,
Passaram do Sr. desembargador Pereira Non-
teiro ao !-r. desembargador Villares ai seguin-
tes appellacdes em que sao i
Appellante, Antonio Gregorio Natiazeno; ap-
pellado, Manoel de Paiva Olas.
Appellante, Jos Antonio Pereira da Silva ; ap-
pellado, o julio.
Appellantes, Joao Pedro Adour fcC; appella-
da, D. Tliei esa (liuii;alves deJesus Asevedo.
Appellaule, Joao Antonio loares de Abreu ; ap-
pellado, Manoel (ioncalvet Valente
Appellante, Francisco Heraldo Moreira Tempo
ral; appellado, Joaquim Antonio da Silveira.
A petioao de denuncia do promotor publico
da Atalaya Antonio de Carvalho Raposo, con-
tra o chefe de polica Francisco Joaquim Go-
mes Ribeiro, mandou o Eini. Sr. conselheiro
presidente da relacao, que fusse reconhecida a
assignatura, por ser a pelicao datada em lOde
novembro de 1849, e s agora apresentada.
lllSTRIBUHtlKS.
Ao Sr. desembargador Luna Freir as se-
guintes appellacoes em que sSo: f
Appellante, o julzo ; appellado,Antonio Serial
Pamplona
Appellante; Joaquim Teixelra Peixoto; appel-
lada, Isabel Francisca de Oliveira.
Ao Sr. desembargador Pereira Monteiro a
seguinte appellaco em que sao :
Appellante, o juizo; appellado, Joao Vieirade
dandis.
Ao Sr. desembargador Villares at seguintes
appellacdes em que sao:
Appellantes, ojuizo e o promotor publico ap-
pellados, Francisco de Paula Soares da C-
mara e oulros.
Appellante, o juizo; appellado, Petronlllo Vl-
eira do Nascimento.
Appellante, Bernardo Ferreira Loureiro; ap-
pellada, a fazenda provincial.
Ao Sr. desembargador Itastos as seguintes
appellacdes em que sao :
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel The-
inoteo do Nascimento.
Appellante, ojuizo; appellado, Joaquim Nu-
iles de Farias.
Appellante, Jos Baptltta Ribeiro de Faria;
appellados, Francisco Ribeiro de Brito.
Ao Sr. desembargador Leo as teguintet cau-
tas em que sao:
Kecorrente, o juizo; recorrida, Maria Joaqui-
na do Nascimento.
Appellante, o julio ; appellado, Andr Ferrei-
ra Lima.
Appellante, Joao Vieira da Cunha ; appellado,
Franclsoo Jos da Costa.
a o Sr. desembargador Souza at teguintet
causas em que sao :
Recrreme, o julio; recorrido, Jos Alejan-
dre Castello Urlico.
Appellante, ojuizo; appellado, Manoel do Nas-
cimento.
Appellantes, Diogo Cokschot & C.j appellada,
1). Cicilia Cjtli.ii in i do MonteSinay.
Ao Sr. desembargador Rabello as seguin-
tes causas em que sSo:
Recorrente, o juizo; recorrido, o fiscal da c-
mara municipal da cidade da Fortaleza.
Appellante, o promotor publico; appellado,
Vidal Rodrigues Lima.
Appellantes, o procurador fiscal eoutro ap-
pellado, bento Joaquim de Medeiros.
I.evantou-se a tetto a urna hora e tres quar-
tos da tarde.
ratrls, sahem as deputaeSes a espera-Ios por-
ta do edificio. EntrandoS. M. o Imperador na
sala, be ah recebldo pelo Sr. presidente e se-
cretarlos, os quaei,unindo-te adeputacao, a-
companham o menino augutto Senhor al o
Ihrono, no qual toma atsento. !\ M. manda as-
sentarem-se os senhores deputados c senado-
res e pronuncia a seguinte
FAELA.
Aiiguttu edignlssimostenliores represen-
tantes da naci. Cheio do milis vivo jubilo
por me ve> rodeado da repretentaeo nacional,
rendo graeas ao Todo Poderoto, e congratul-
me com vosco pela tranquillidade que feliz-
mente reina em todas as provincias do imperio,
que espero nao ser perturbada.
Muito (Uestes na pa sada sesso legislativa.
Mas em um paiz novo como o nosso, onde ai
mtitnicoes nao receberam todo o d'esenvolvi-
menio e perfeicao pratlca de que sao suscepti-
veit, onde os innmeros recursos naluraes do
tolo precitam do impulso da autorldade para
produslrem grandes vanlagens sociaes, muito
ha anda que esperar da vossa patritica soli-
ittnle.
a I.eis que sabiamente coriijam os defeitos
que ainda possa apresentara lei eleitoral, para
que nem a liberdade >lo voto, nein a tranquil-
lidade publica soira na appllcacao de um dos
mais sagrados principios da nossa conslituifo;
quedm torca moral lustitulcao das munici-
palidadet para que dellas tire o povo o bene-
ficios que podem dar; que regulem melhor a
adminlstraco das provincias e habilltem o go-
verno a ter nellas adipinistradores habis e
mais permanentes ; que provejam educatao
popular; quefornecam meios para formar um
clero moralisado e Ilustrado, que pelo seu
ejemplo e conselhos detenvolya e firme os sen-
tiinenlot 8e inoral, de religiao e amor ao tra-
lialho ; que lenliain por fun .iraiiiell.ii as ron-
sequenclas que da falla de bracos possam pro-
vir nossa produccao quasi toda agrcola ; e
dlgnlilade da classe he conservado no com-
mando das armas da edrte O que dir o et-
trangelro que procura ler as ordens do dia do
general, que conceito far da iuslruccao de um
exerclto que possue generaes de tao curtas
vistas ?
Principiaram no rlia 35 as sessdes prepa-
ratorias. Deputados das d Oleren les provincias
do norte erain esperados com a clirgada do ul-
timo vapor.entrelantopoueos foram osvindos:
dessa provincia supponlm que s um.
I' u depulalo iiiiu me demorara em minha
provincia, e ul que asslni nao peusarem delxa-
rao com poueas excepedes de ser considerados
as comuilssdes, o que nao he muito conve-
niente.
Com a abertura das cmaras espero nina mu-
d ni i em'nosso estado de paz armada He ne
cessarl) escolher entre a paz c a guerra, e en
espero que a honra donme brasileiro ser
sustentada no seio da representaban nacional.
O Slereauli de Santos faz nos conhecer a vi-
da de um h iniein singular por suas elevadas
virtudes, manifestadas na admlravel existencia
da solido, onde o hnmem pensador e religio-
so pode a sua voutade cnnlemplar as inaravi-
Ihas da creaciio, c enlregar-se a incoinprehen-
sivel mages.laile divina. Este homem, cuja vi-
da headniirarel, fez cinco annos de peregrina-
cao por todos os sancluarlos da Europa, vio e
condecen diversas creaturas, esludnuseus ge-
nios, oppostos uus aos outros, enganando-se
reciprocamente.
Depois de sele annos de penitencia, as par-
tes mais desertas da llalla, parti de Roma pa-
ra a Suissa, peregrinou pela Gennania, Fran-
ca, Inglaterra, llespanda ePortugal, embarcan-
do-se ltimamente em Nantes para atravessar
o grande mar occeano, e vir no novo inundo
continuar sua pregrinafao religiosa. Desem-
barcando juulo a cidade de Caracas, com um
sacco de livros seoslas, paisou por horriveis
e deseito. lugares, por entre feras e caudelo-
sos ros at Santa Fe de Bogot, Quilo e o in-
INTERIOR.
KIO DE JANEIRO
SF.SSAO' IMPERIAL
da abertura la atumbUa geral legislativa.
Presidencia doSr. Casslano Esperidio de
.Mello Mallos.
Ao meio-dia, reunidos os neuhores deputados
e senadores na sala das tessdes do senado, sao
noineadns para a depulacao que deve receber
S. M.o Imperador, os senhores deputados Nu-
nes de Aguiar, Miranda, monsenhor Silveira,
Oliveira, Belisario, Machado, Souza Franco,
Janeen, Fernandes Vleira, Aranha, Dlat de
Carvalho, Henriquet, tfandeira de Mello, Vil-
lela Tavares, Sayo Lobato, Jobim, Habla, Za-
caras de i,nes, Aprigio, vlsconde de Baeprn-
dy, Silva Gulinares. Santose Aducida, Venan-
cio Lisboa, e Paula Fonseca ; e os senhores se-
nadores Araujo Vlauna, Haptlsla de Oliveira,
Limpo de Abreu, Monteiro de Barros, Alvet
/iraiicu, Cunha Vasconcellos, tiollanda Caval-
cantl, vlsconde de Olinda, Frauco deS.Car-
neiro Lcio, Dantas, e Clemente Pereira: c pa-
ra a depulacao que tem de receber a S M. a
Imperatriz, os senhores deputados Monttzuma,
Azambuja. Carvalho Moreira, e Magalhaes Cas-
tro ; e os senhores senadores marquez de Va-
lencae D. Manoel.
A' uina hora da urde, annunciando-se a che-
gada de S. M. o Imperador c de S. M, a linpe-
que melhor consultem o deslino do excrcito e ,
marinha, sao urgentes nfcessidades do presen- comniensuiavel Simboraiso as grandes coi-
lee do futuro dilhelras e o Guaiaqml, donde passouao Per.
. Nao he possivel em u.na sessao legislativa I "' ^Pois le perconer mullas outras par-
emprrhender e levar ao cabo tamanlia larefj. les, navegou o g.ganlc Amazonas e desembar-
uuinpre -porm, coineca-la, que o tempo c a 'cou no primelro ponto do Brasil, em Fabalin-
perseveranca aconcluirao. g. seguindo depois pelo mesmo rio at Acai-
. Esforcemo-nos, pois, em obter o concurso cara e caminhando por Ierra ale Pernamuuco-
de lodos para o bem de todos, preferindo dis- donde parti para esta corle e depois para San,
cnssn de principios abstractos de poltica a dos
remedios para as primeiras e inmediatas ne-
cessidades do nosso paix.
Uonllnuam inalteradas as nosias rela;es
com todas as potencias estrangeirat.
Tal he o grande circulo que em suas peregri-
naedes fez o inonge Jos Alaria de Agostine,
italiano supportando privaedes c fazendo por
meio de prega;des, restaurar inultos altares
A lei de 4 de setembro do annopassado "es e capellas. Que grandiosa vida he a do
tem sido vigorosamente executada. A ella te
deve principalmente o etlado de quati extlnc-
ao do trafico. Espero que continuis a coad-
uvar o mi'u overno com todos os meios que
los para obstar a que reap
pareca, atada que em pequea escala.
O genertl Oribe recusou-se a adoptar |iro-
videnelM sjue Vuesseni cessar as violencias e
veirainet que.em vis lude das ordens suas. erara
e tao exercidat. sobre as pessoas e proprieda-
des de grandajpinero de ilrasileij-os estabele-
cldosnas Ironteiras do Estado Oriental.
O ministro argentino insisti em tomara
homem que assim procura chamar -ao gremio
daigrejaseus raos barbaros, que assim der-
rame o balsamo consolador da f catbolica nos
cora^des desviados do verdadeiro caminlioque
in,ico conduz a felicidade eterna i
Este inonge, maravilda do nosso seculo. vi
ve do seu proprlo suor, prega quando sahe d"
deserto, nao pede comida nem pousada, se, Ihe
dan aceita. Habita actualmente a trra do Cu-
balao em Santos.
Tendo de exercer as funcedes de membro
da camarados deputados o Dr. Francisco Dio-
go de Vasconcellos, que exercia as de chefe de
rain concedidos.
Por maior que teja o mcu desejo de man- h0 sinto palpitarme o eor.19.ao quando me
teranaz; nao delxarel de dar aos mcus subdi- record de sua esbelta figura de seu porte
tos a proteccaoque Ihes.dovo, nem seiei Indif- K.e"ll de suas graciosas inaneiras.. Sois re-
ferente a aconlecimentos que possam prejudl- '" porque possuis a ma.s bella das fadas do
car a seguranca e tranquillidade futura do im-
perio, tendo sempre por um dever respeitar a
independencia, as Inslituifdes e a inlcgridade
dos estados visinhos, e nunca me envolver de
modo algum em seus negocios internos.
Ser-vos-da presente o orcamentn da recei-
la e despeza. Vejis que a renda tem augmen-
tado progresivamente, mediante medidas a
doptadas c a tranquillidade de que tem gozado
a nacao.
11 Augustos e dignissimos senhores represen-
tantes da na(ao, unamos os nossos esforc.os pa-
ra desenvolver e consolidar as no-sas nslitui-
edes, a cuja somdra temos atravessado unidos
e em progresso mais de um quarto de seculo
llvres das grandes tempestades revolucionarias
que tem abysmado outros paizes, para reunir
em torno dellas lodosos Brasileircs; ei'aiermos
trra que nos vio nascer todo o bem que ella
de ods espera. Cont para isso com a vossa
patritica e leal coadjuvaco.
Est aberta a sessao.
Terminado este acto reliram-se S. M. o Im-
perador e S M. a Imperatriz com o inesmose-
re111111n.il com que iiaviam sido recebidos, e
immediataueule o Sr. presidente levanta a
tesso. ^^^^_______
CORRESPONE.NCIA l0 DIARIO DE PEIl-
NAMBUCQ.
Rio, i de mato de 185!.
Os nossos negocios domsticos conlinuam da
mrsma maneiit. A autorldade publica nao tem
aquella forja moral lio necettaria sempre pa-
ra a boa esecuciio das tels, e tinto dize-lo, be
la em parte a culpada.
Nao tou daquelles que suppoem no ministe-
rio urna poltica tpparalosa, que dlzem existir
nos que hoje dtrigem ot negocios una certa
propento para o absolutismo, nao; muito
longe dissoacho que elles por certas conside-
raedes procuram afrouxar lac.os Indispensaveis
para a manutensao da sociedad.'. A recente
fuga do herde das matas he urna pro va do que
digo. De felto : este facto, que unto desacredi-
ta o encarregado das fortelezas da edrte nao
pdde pastar desapercebido, nao pelat conse-
quencias que delle pdem resultar, mas pela
desmurad sacan da a uloi idaile que ser menos-
cabada e aviltada e cdmo consequencla desse
menoscabo .e avlltamento vira o desrespeilo
sempre perigoso porque com elle nenhuma
fdrma de governo he possivel.
1 ai ve/ pareca Injusto quando quero fazer pa-
gar o governo'o deleixo de autoridades subal
lernas, mas elle s deve lancar uiiios de pes-
soas, cuja probidade seja reconbecida.
O general Antero, chamado ao commando
das armas da corle, tem mostrado tua apouca-
da inlelligencia, tem ridicularisado a briosa
classe a que nertence. Suas ordens do dia sao
vergonhosos padrdes de sua ingloria carreira :
nellas sao todos ot dias reprehendidos officiaes
por cumprirem a risca seus deveres"; por
nao quererem abaixar a fronte peranleot det-
temperos de cerlos conselheiros, por nao que-
rem curvar-te ao jugo da disidida clatte dos
Inspectores de quarteirdes. E o militar que as-
tiiu ptatica, o Uomeui que nao abe sustentar a
lago, porque em Santa Isabel podis admi-
rar a pi 1 leiciii da sylphide italiana, desle as-
tro luminoso, cuja apparijiio no firmamento
de S. Pedro extasiou os filhos do Rio.
Que de sensaedes se nao experimenta 110 La-
go das fadas, quando a rainhi apoderando-se
das vestes de pastor principia a dancar ao pal-
udo claio da la que despoiit.i Que marm-
reo coracao existir que no sinta commoedes
de ineffarel prazer na contemplado daquelle
lodo anglico, assim circundado do silencio e
do luar '
Como tem sido recebida a ( andiani.este me-
lodioso roxinol da Italia, que oulr'oracom en-
th i.si.isiiin era puxada dentro de um carro por
mocos de distinecn ? Hoje apenas a voz de
algum antlgo apaixonado afronta as injusti^as
de seu destino, apenas o admirador da Norma
de 1341, lw Un- una saudafo de reminiscen-
cias .' Quid pesado nao deve ser o vlver dessa
mulher, assim despregida de suas mais caras
aHiicoes publicas,assim oll'endida em seu amor
proprlo.
Quanto a dcvertimeulos theatraes estaes mais
d-in aquinhoados do que nos. He verdade que
a 1111 trabalho os idanos de S.Pedro, S. Fran-
cisco e S. Jauuario, mas nenhuma das compa-
nhias que nelles represento merece ser victo-
riada. OS Pedro est sob a direcfo do Joao
Caetano, cujo genio tou opriineiro a admirar,
mas sem urna coiupanhia que o coadune nada
ptide faier.
A poueos dias peguel 00 jornal edeparei com
um pomposo annunciu, ein o qual promedia o
Joo Caetano ao publico appresenlar em se, na
o Ckevalitr de maiion rouge com lodo o appara-
to : d'ante mo predispuuha-o a ver sem te-
mor um grande parque de arlilharia enllocado
no temple, .mude se achava preza a heroica
Maria Antouielle. Eu nao sou dos mais apai-
xouados das representaedes dramticas, mas
tentio lido o romance e por consequencla re-
solvl-me a comparecer, comprando logo, por
causa das duvidas, uina entrada. No dia de-
signado derigi-me pressuroso ao Roci, e ape-
nas foi franqueada a grande porta, entregue!
a iniulia senha e pizei ufano o salo. Depois
de muito haver esperado vi com prazer levan-
tar se o panno, mas ah esvaeceram-se logo to-
das as minli is esperances, porque o Caetano,
amigo do Arago, nao entrava em scena ; con-
vencido de que grande seria a alHuencia no
priineiro diajulgou desncceitarla tua presen-
ta e n se enganou, porque nao fui eu o nico
tolo: os camarotes, cadeiras e geraes estavam
todos oceupados.
Ainda mais desesperado fique! quando de-
pois de malogrados os nobres intentos do ca-
valbeiro, que seja dito entre parenlbsis,
inorreu sem ter apparecido, e quando depois
de apanbado o cravo com o escrito que dizia
instruir a rainba de sua fuga, ainda mait
desesperado fiquei. digo, quando depois de
descoberta a cnnrplrac.o tocou a chamada
e appareceu o famoso aanterre com seu bu-
llante eslado-maior, composto de dous co-
cheiros da casa do major dos carros, e con-
du/.indo o tao decantado parque de artubera,
cuja peisriccUva. militar atenou-ine, apetar
de estar prevenido. Este immenso parque de
duas pecas de papelao. guarnecida por sel
toldados, assestado em frente a uina multldao
inerme nao pode deixar de Intimidar. Enta
jk nao me foi possivel esperar pelo Hm d
espectculo; sahi vendendo azelte t caada*
c jurando que em outra nao cairla.
Ilaizaram da secretaria de estado dos nego-
cios dajustica os teguintet decretos datados
em 22 do corrente:
A presentados os conegos de me^a prebenda
\ntonio Joaquim das Mercs, e Miguel Antonio
Ferreira, em cadeiras de prebenda ntera da
S metropollna.
Idem o cnnrgo de meia prebenda Marcelino
Antonio Dorncllas na prebenda de doural da
S de Olinda.
Idem o padre Joiio Jos Pereira na cadeira
de meia prebenda da mesma S.
Tendo a lega{5o Imperial em Hamburgo ex-
poslo ao ministro de estrangeiros as duvidat
em que est a sociedade colonlsadora all esta-
belecida se as embarcares que levarem colo-
nos ao porto de San-Francisco, em Santa-Ca-
tharina, podem metter lastro de sal com car-
vo, para os transportar qnalquer porto do
1111 pe. o, depois de desembarcados os colonos
bem como se essas embarcaedes tendo de di-
rlgir-se outra qnalquer parte do Imperio
para tomar carga, podem receber lastro de
inadelra na colonia de San-Francisco, foi resol-
vido que nao pode ser peimittido metter las-
tro de sal ou carvo as embarcaedes vindas
da Europa, nem de madeira as que sahirem
do dito porto de San-Francisco.
S. M. o Imperador e sua augusta familia
recolheram-se no dia 29 a seu palacio da
Boa-Vista, e consta que nao voltaropor ora
Petropolis. "'
O viador Darrigue Faro vai assumir de novo
a vice-presideneia do Rio de Janeiro durante
0 impedimento do Dr. Pedreira, que rom lo-
mar assentn na cmara dos deputados.
P01 decreto de 3i de marco foram nomeados
cinco cavalleiros de Chrsto, todos residentes
no Para.
Foram esculhidns senadores pela provincia
dalladla, os Srs Tosta, Montezuma e Goncal-
es Mu un. 1 pelo Espirito-Santo o Dr. Cruz,
Jobim.
As mais recentes datas do Rio Grande alcn-
tara 24 do passado. *
A provincia eslava em paz. O presidente
e commandante das armas bavio regressado
capital, o priineiro no dia 12, e o segundo
nodi.i'l
O tenente coronel do imperial corno de en-
genheiro Joiio llloem, deputado do quartrl-
uiestre general no exercito do sul, sulcidou-
se em Porlo-Aiegre no dia 2l de abril, com
um lito na cabeca. O motivo desse desastroso
aconleciniento era ignorado, mas attribuido
feralmente a desgOStO de I lliuli.l.
Ojuiz de direito de Peratinim, Dr. Antonio
1 idi .1 1 1 de Flgueredo Rocha, esl nomeado
.befede polica do Rio Grande, em lugar do
Dr. Sayfio que tem de vir tomar asseuto na
cmara temporaria.
Rio 3 de maio de 18.1.
S. M. o I abri hoje 3, as cmaras legisla-
tiva c heriditaria.
S. M. congralula-se com a representaciio do
paii pela traoquilidade que reina em todas
as provincias do imperio; dis que muito se
fez na passada sesso legislativa, mais que
eill Um pala novo como o nosso, onde as ins-
iitiii.ues nao recebeiam anda lodo odeseni-
vnh miento e pe l'eicao pratica, onde os inn-
meros recursos naluraes do solo precito do
em 1 ni .o da auloridade'para produsirm grao-
des vanlagens s ciaes, muito ha ainda que es-
perar do patriotismo das cmaras; pede lels
que sabiamente corrljo os defeitos da lei e-
leiloral para que nem a liberdade do voto
nem a tranquilidade publica sofra na appli-
cafio de um dos mais sagrados principios da
cont titlelo.
S. M., quando falla das rclafdes exteriores
diz que ellas continan inalteradas com to-
das as potencias, mas era referencia a Oribe
diz : O general Oribe recusou-se a adoptar
providencias que fizessem cessar as violencias
e vexames, que era virtude de ordens tuat,
cro e sao exercidas sobre as pessoas e proprie-
dades de grande numero tle brasllelros esta-
blecidos as Ironteiras do estado oriental.
O ministro argentino insisti era tomar a ti
essi quest 1, e como nao Ihe fosse dado a so-
lucao que exiga o governador de Buenos-Ay-
res, pedio os seus passaportes que Ihe foram
concedidos.
Por maior que seja o raen desejo de ni .n-
ter a paz, uo deixarei de dar a meos subditos
a protec{ao que Ibes devo, nem serei iuditte-
rente ao aconlecimentos que posso preju.li-
car a seguranca e tranquilidade futura* do
imperio, leudo sempre por um dever respei-
tar a independencia, as insirtuifoes e a Inte-
giida le dos estados visinhos e nunca me en-
volver de modo algum em seus negocios in-
ternos.
S. M., annunciando'a prxima appresentafao
do orcamento de receita e despesa, diz que a
renda tem angmenlado progresslvaineule,
mediante medidas adoptadas, e a tranquili-
dade de que tem gozado o paiz.

_____i_ !l
>
ERNAMBUO
TRIBUNAL DO JURY.
SESSAO ORDINARIA. EM l4 DE MAIO DE 1851.
Presidencia do Sr. Dr. Manoel Clementino
Carneiro da Cunha.
relia a chamada, s oiw.e doras, c adiando
se prsenles 37 senhores jurados.
O Sr. Presidente abre a sessao.
Procede-te ao eouselho, que tem de julgar ao
creoulo liernardino de Sena Cruz Leao, aecu-
sado como cumplice no crme de furto de et-
cravos ; sahindo sorteado! 01 tenhoret : Ma-
noel da Silva Ferreira Jnior, Joaquim Antonio
de Moraesf Joao Moreira de Mendonca, Caeta-
no Xavier Pereira de Brito, Jos Joaquim An-
m nes, I us Guedes Salguero, Joao Manoel Ri-
beiro de Cunto, Jos Innocencio Pereira da
Cosa, Francisco Jos Arantes, Joaquim Rodri-
gues Pereira, Francisco Goncalves de Moraes e
Ignacio Francisco da Silva.
Prestado o juramento do estilo, I
O Sr. PrMioVntt faz ao reo o seguinte :
INTERROGATORIO.
Juit: Como se chama ?
Uro : Bernardino de Sena Cruz Leo.
Juis 1 Sabe lr e escrever ?
Reo : Nao, senhor.
Juis; Que idade tem?
II F^lV/PI


7C*~
^"
'a*
Reo : -- 51 annos.
Jais : Qual be a >ua profisao.'
Rio : Sapateiro.
jul: :__Sabe porque he aecusado ?
Ho __Sr ("i porque, lendo-me Jos Ole-
garlo dito, que un scu concunhado tinha un
escravo para vender e informando-mc delle le
seu con-cunhado (inha comprado esse escravo,
elle me dlise, que este Ihc dissera, que tendo
trabalhado eni um engenho, o senhor delle,
Ihe o il < r i (in pagamenlo. t.......ni. I). I.u-
vi.i precisasse comprar um escravo, eu lbe in-
dique! esle, em virtude do que fui com o con-
cunhado de Jos Olegario a casa da dita Sra.
levar o escravo para ella ver : agrandando-se
ella do escravo, inandou, que fosse-mos na ra
Vclha, em casa de um sru cunhado, que he
professor para elle ajusfar o escravo : o dono
pedio 4X0,000 rs daudo-o finalmente por 380/
rs. E perguntando eu ao dito professor, te nao
sepassava papel, elle me diste, que deslet es-
cravot novot nao se coslumava passar papel :
Jalii o dono do escravo recebeu o diuhelro e
deu-me 30,000 rt pela minba coinmisso, foi
t o que eu liz oeste negocio, loi procurar com-
prador para o escravo ; agora se era furtado
ou nao, nao tabia.
Juit: De quem recebeu o senbor esse es-
cravo para procurar comprador ?
Rio : a casa de Jos Olegario, foi que me
entregaran!, e de la fui com elle mas o tal con-
cunhado para a lloa-Vista, para casa da com-
pradora.
Jim: : Teve esse escravo algunt das euiscu
poder ?
Reo : -- Nao, senhor, se de la da casa de Jo-
s Olegario cu fui logo pira a casa da compra-
dora, com o que te diia senhor do eteravo.
Jui'j : E nesse incsiiio dia se etl'ecluou a
venda ?
/(,,. i Sim, senhor.
jux __Nunca mais vio o com-cunhado de
Jos Olegario ?
Rio : Vi-o a ultima vei, sabbado de alie-
luia, o anno patsado.
jUi: :__E quando o vio, j sabia que o es-
cravo era furtado ?
Rio : Nao senhor, do contrario te-lo-hia
capturado.
Jtti: Conlicce as testemunbas, que jura-
ran! no procesto ?
Rio : De vista, algumas.
( O aecusado he c-ro uo processo julgado
na sesso pastada.)
Lidas as pecas do processo e fcitas as alle-
eacoei pro ecoutra.
USr, Preiidente : Faz o relatorio da causa
e entrega ao conselho os quiiitos, o qual reco-
Ihendo-tc sala de suas couferencias, volla
um pouco depois, respondeudo negativamente
s questoe proposlas.
OSr. Presidente : A vista da decisao do ju-
j-, abtolve o reo.
n V > -- -. - Mes. V ? 0 > =*5
3 3 Diai.
2 c s Cadaverei.
ei 3 Ilomeni. r < y ?95 r. se > Si z.7 > la > 9 9 a.| m
O. o 81 ilulherei.
A n i? Prvulo!.
o. n ** Ilomtns. O*. > o r.
itulherei. !t
l = o i 1 Prvulo: M um
~ (iralii. y. rr 3 ->
i Je 3/000 rs. -
le 50/ TI.
"O 3 i l s Importancia arrecadada. I -> 0 9 -US S
IIIARI 01 NllillOCO.
SECIFB, 16 DI MAIO DE 1851.
Recebemos boje pelo vapor Paratnsc a carta
do nosso correspon.lente do Rio de Janeiro,
que tica tianscripta em outro lugar, assim co-
mo jornaes da inesma provincia que alcancam
a 5do corrente, da llahia que alcan(am a 12, e
IMacci a 9 do dito mez.
Como se ver pela leitura da mencionada
carta, nenhinua uovidade importante ha oc-
corrido na capital lo Imperio,
A falla, com que S. M. o Imperador abri no
dia 3 do ntrente a terceira sessao da oitava le-
gislatura da assembla gernl, vai exaradn em
lugar competente, para que ns Icitores possam
di'vidameiiteapprcciar por ella osientiiuentos
Io. nuil, un .i primeiro representante da na-
ciio, nao s no que rrspeita a politica iuterna
do p ii/ como especialiueiiic ceica das uossas
relacors com Puenos-Ayrei.
O Correiti Mercantil de 3 do corrente publica
os segulntes trechot de urna carta que dii ter-
Ihe sido communicadacoin data de iS a 23 do
passado :
Parece que bom resultado se tem tirado do
convite frito a soldados de Oribe pelos agen-
tes do goveruo para encorporarem-se a nossa
lu i, i ; c ilicni-iiii' que mais de mil ettao en-
gajados. *
Alguns officiaes que scrvlram a Rivera es-
i.iii em ditterentes pontos, e he para estes
depoisque recebem o sold e premio
Caliula-se a forja da guarda nacional em U
a 10 mil hoiuens ; nem todos porm poderao
entrar em campaiiha, e apcuat cinco mil, e
comniacdados pelos cliefes em que depo-
silam coiilianca, como o baro de Jacuy, Je-
1-onimo, e Canavarro.
Og verno tem em varios pontos urna re-
serva di-Gil mil cavallot.
22 de abril.
A demora do vapor he attribuida espera
r despachos importantes da campanha. A
guarda nacional est concentrada em dous
pontos, a Kncru/.ilhada e /mqueiro. Alguns
ofiici'ict e sargentos daqul partirn) para o
Paraguay. Oribe apoderou-se de todas as
carretas que haviam na campanha, certa-
mente para dellat servir-te.
Uia carta de S. .Servando diz que ot ori-
entis, exceptuando os ebefes, decliram que
nao querem a iuria, e que te at cousas
cbegaieui ao ponto de ter ella inevitavel ,
promoverlo a dettiluico de Oribe,
Orden! furaiu dadas ao nosso ministro em
Montevideo para declarar a Oribe que se
dentro de um praso dado nao dsse as satis-
faedes eligidas,-os porloi de buceu e Maldo-
nadoseriaiu bloqueados.
No Diaria do Rio de 2 do corrente eucontra-
ae a trguiite noticiado desastre acontecido a
corveta D. Jannaria, que fazia parte da etqua-
dra ao cominando ed i lele Greenfell :
r.sl.1 vista da barra e desarvorada a tone-
laD. Jantiana, que tegura uo dia l doiuez
passado, para o Rio da Prala com a esquadra
ilo chefe Greenfell.
Km o dla22,'pelas II horas da manhaa, es-
tando o lempo regular, navegava ao tul de
Santa Catharlna com os outros navios perten.
cenes aquella forca, quando desarvorou do
ni i-un do traquete, e consequentemente do
mastirco de gavia.
O commandante da esquadra fez-lhe signal
de inmediatamente arribar ao Rio de Janeiro,
e maudou que o brigue Caliope a comboiasse.
Uina galera ingleza foi a prlmeira que trouxe
a noticia daquelle dcsatlre por haver encon-
trado a D. Januaria, cujo commandante apro-
veltouopportunldade de olliciar afim de pre-
venir toccorros. Mas este navio de poucas ho-
ras preceder a corveta.
Manilou-seiinmediatamentesahir um vapor
de reboi|iie com ossoccorros necessarios. Cous-
ta-not que a cauta do detarvoramcnlo foi et-
lar o masii o do traquete podre ao pe da romn,
e que licaram levemente contusos 8 homens,
sem que eliimente houvcssessem perdas de
vidas
(i A D. Jannaria, que armou neste porto, virou
de querena, c ueste processo teve de fazer grau-
de esforco sobre os maslros. Admira que net-
ta occasio aquella parte do mastro nao tivet-
se dado signal de seu deterioramento, tanto
mais que nos affirmain estar todo elle ar-
ruinado.
He de esperar querem pouco lempo esteja a
D. Januaria de volla sua commissao.
llouve no da 2 do corrente um pequeo In-
cendio no Rio, o qual comecou em urna casa
da ra do Aljube, c coinmunicando-se ao furro
da mesma passou logo a cumicia de oulra ca-
sa sita na ruada (.'onceicSo, que Ihe licava con-
tigua ; nas sendo com presteza extiuclo pela
inpeccao gertldtu obras publicas, nao tiveram
os moradores a lamentar grandes picjuizos, _
Teve lugar no dia 30 do passado a rtrhiao
dos accionistas do novo banco, para o fim de
eleger-se o respectivo conselho de direccao.
Koram recebidas l> listas, que representavam
9,700 acedes, e procedendo-te a anuraco sa-
hiram mais votados os Srs. lreneu Evangelista
com 785 votos ; Ilarao de Ipauema7b7, Mililo
Mximo 7(57 : Figncircdo Junior756 ; Machado
Coelho72,
Por decreto de 22 do passado foi nomeado
juiz municipal e de orphao do termo de lia-
baiana. em Sergipe, o icharel Antonio Caeta-
no de \lmeida Rabia ; e por decreto da inesma
data removido Antonio de Sorna Mendes J-
nior, juix municipal e de orpliao dos termos
reunidos da Parnabibae Piracuruca para o do
Principe Imperial, no Piauh), por o haver pe-
dido.
Por decreto de 20 do passado faram nomaa-
dos para os empregos ua coutadoria geral da
guerra os seguintes individuos :
o Para contador geral: --0 contador geral
da secn taria de estado dos negocios da guerra
Joao los de Souza Silva Rio.
Para chefes de teccao : chefe da terceira
seceo da mesma tetretaria de estado Jos de
oliven a e Silva.
O chefe da quart seccao da dita secretaria
de estado Jos Joaquim Ju3liniauo, o Dr. Mi-
guel Joaqun) Pereira de S.
Para priineims ofliciaes : Os primeiros
olliciaes da mesma secretaria d'estado Joaquim
Joo brusco. Jos Rulino Rodriguei de Vas-
cnncellos, Possidonio Cameiro da Fonteca
:osta.
a Para trgundot escripturarios :Ot segun-
dos ufliciaes da dita secretoria d'estado Frcde-
derico Ernesto de Frias e Vascoucellos, Joo
Alves de Araujo, llrasiliano Cezar Petra de
farros
O oOicial da extincta conladoria do arse-
nal de guerra da corle, Antonio Alves llrauco
Mum/ brrelo.
Para terceiros escripturariot: Os ama-
mi tuses da subredita secretaria d'estado, Edu-
ardo Alvet Cabral Descnamps, Jos Joaquim
das Trina*, Luis Alves d'Widrade bastos e
.Man..el Augusto d'Azevedo Helio.
O amanuense da exmela eonlailuri i do
arsenal de guerra da curte, Antonio Joaquim
Pinbeiro de Carvalho.
O segundo ollicial da secretaria do mesmo
arsenal, Jos Antonio da Silva,
Paraquarlos escripturarios :Os pratican-
tes da referida secretaria d'etladn, Lilla Ma-
noel Antonio Teixeira, bstcvab Joaquim Jos
i en na (ulini.n .ns e Jos I eiielra de l'alva.
O amanuense da cuntadoria do arsenal
de guerra, Manuel Antonio Teixeira.
" O praticanlc da mesma cnoladoria, Lino
Jos de Souza.
" O aniaiiiieiise do hospital militar, Candido
Mariano Rodrigues.
" Para cartulario : Candido Jos de Si-una
Molla.
" Para porteiro :Oajudante do carlorario
da dita secretaria d'estado, Antonio Alves da
Silva Penna. ,,
Os individuos residentes no Para, que por
decreto de 31 de marco foram condecorados
com o habito de Carillo sao os Srs. : Francisco
da Silva Castro, Gamillo Jos Valle Guimares,
jJos da Gama Malcher, Joaquim Frucluoos
j Pereira Guimares, Augusto llago Pinto e An-
tonio M iiiin, Pereira.
Da llahia nada vimal de iuteresse. Tomn no
| dia 2 do corrente posse da administrado provin
dial oExill. vice-presidrute l)r. Alvaro Tiberio
de m,me..i v o Lima, achaudo-se desde o dia I na
ubltttuicau da vara da polica o Sr. Dr. An-
;dr Conloo Pinto Cbichorro da Gama.
Em Mecei teve logar uo dia 25 do passado
abertura da assembla provincial alagocnsc.
"--inri t-----tnanrr h u aii tal
Goaimunicaclo.
Kecitn do lia ll. no tlieatt'u
(Ir Apollo.
Acabamos de assistir a una das maisbrilhan-
tes represemaces que se tem dado nos thea-
Iros desta provincia. No dia 11 do corrente foi
scena no tbeatro de Apollo o drama CalAarina
II ne m com imervallos de cantoria pela Sra.
Candiaui, e foi no thcalro detsa tociedade par-
ticular que eslreou em Peruambuco, lalvez a
primeira actriz brasileira.
Que diremos nos sobre a cantoria tenao que
a Sra. Caudiani com a sua voz tao suave II-
ongeou o publico e arrebatou os teus ap-
plausos ?
Emquauto ao drmna, todos sabem o astump-
10 delle, niuguem ignora que na primeira me-
11 led i si i lili. Iliexisli.i em In-lalerra um re
celebre que nao se toruou menos nolavel pe-
las suas victorias sobre os franceses e escosse-
zet, pela reforma que ell'eitoou na religio do
seu p n/. e por ser um dos uioilarchas mais
poderosos e inlluentes da sua epocha, do que
pela lorie que tiveram as tuas esposas. Estas
foram Gathariua de Arago, a quem repudiou;
Auna !i.ileua, a quem fez decapitar, Joanna
Seymour que inorreu de parto; Anua dcCIeves
aquem tambem repudiou, Calharina Howard
que inorreu no patbulo e Calharina Parr que
|he tobeviveu.
Henrique VIH depolt de lantoa deigottoi
com os seus casameutos, pareca gosar de urna
solida ventura com a unio de Catbarina Ho-
ward, neta da duquesa de Norfolk. A bcllesa,
a mocidade e o carcter amavel desta rainba
transportavam de tal lorie ocoiacao d'el-rei
quechegou a dar publicamente, na sua capel-
la, acedes degracas solemneao co pela fe-
licidade de que o taturava^ layo conjugal e a
eucarregar o bispo de Liucoln e couipor urna
especie de liyinuo a este respeito. Entretanto
o arcebispo Cranmer lufurmado da vida de
devastidao que Uvera a rainba, nao tardn a
quebrar o encanto dessetaiuoies e a augmen-
ta! o numero das esposas sacricadas de liu-
rlque. Foi demonstrado que Catharlna Howard
antes de calar vivera no mais escandaloso con-
cubinato comdous officiaes da caa de sua av.
a velha duqueza de Norfolk chamados Drfcim
e Mannoc. Uto Junto i suspeilai de adulterio
com um tal Colepepper e a clrcumstancia de
haver ella tomado ao seu lervico o teu antlgo
amante Uerham a fez subir ao cadafalto, com
aquelletque foram Julgadosseus curaplices.
Eis o facto que deu assumpto ao drama de
Alexandre Dumas, cujas personagens pree-
minentes ao Calharina Howard, Elbeiwood e
Henrique VIII.
Vemos em Calharina a mulher chela de val-
dade e deamblcao.que n'uma sltuacao humil-
de se enche deorgulh" P'l bellea e deixa
correr urna Imaginario ardenle anos sonhos
de desmedida ambicio corjull, porm Inien-
sivcl ao amor, ella respira aquelle tenlimen-
to, por en i tua ambicio que a fara commelter
um crinie horrivel lie anlcs uina loucura para
assim diier infantil, um dilirio, do que um
pensamenlo frlo.calculado e Inflexlvel.
Ethelwood, inarqurz de Derby, duque de
Dierham, pertonagem inventada pelo autor e
j se sabe de que maneira, he um homem ca-
paz de mullo amor, de sacrincar-lhe toda a
ambicio ; porm tao grandes sao a sua ternu-
ra e os sacrlcios que faz pelo seu amor quan-
lo he cruel o lentiinento que soffre ao ver-
se indignamente trado e lerrivel he a vln-
ganca que executa seu corayao pelrin-
cado.
Henrique VIII nao desdlz desse re que nos
pinta ahistoriacomtaovario caracter.qne una
exforco, valor, vigilancia, inilexibilidade a vo-
lubllidaile, liramnia.crueldadc, iujustiya. que
era teimoso, arrogante, supersticioso, bomem
de profusao c rapacidade, ao passo que dotado
de grande tlenlo c vasto engenho, sincero,
franco, amavel, liberal, e sitsceptivel ao menos
de uina iuclinacao passageira.
Se o drama de A. Dumas nao se distingue,
como he fcil de ver, pela exaclido histrica
nem tao pouco pela eeroiim/iinea, se elle he
iii,i verda.leiro filho dessa escola ultra-romn-
tica que he mais nolavel pelas exageraefles do
que pelo culto severo das leit do bom gotto e
do bello, ao menos he inegavel que nelle se
descobre alguma cousa daquellas preciosas
qualidades que, segundo um escriplor, distin-
guen) o autor de I niim;/, a saber : uina grande
forca d'iinaginaio, um poder inconleslavel de
invencao, de duposicao, esobreludode aeco
ili.-aii'il o s, mmenlo dot eouliasles e Ulna
inteligencia suiricieuteinente viva de cerlos
iiovimentos do coracao humano.
A execucao do drama etleve boa. O priu-
eip es actores comprebenderam os teus papis
e os desemp nliai .un como vamos ver.
A dillicilima parte de Catharlna Howard foi
representada por um modo que revela uina ar-
tista superior, um talento de primeira ordem ;
sobreludose rellectirmos que quem a desem-
penbou nunca tinha representado, nem vltto
representar, pelo que cite papel foi inteira-
menle errado pela artilla. Nao he exagera-
cao, a Sra. Mara Leopoldina possue qualidades
que raras vezes seencontraui reunidas, c que
sao mais que suflicicntes para fazer o successo
de uina acliiz-uma estatuar esbelta, dotes de
grande belleza beui visiveis apezar de se achar
dilintiada por seis mezes de febres intermitien-
tes e oulros eucommodosum pello quede
certo nao he fracourna expresso bellissiina,
uina voz tocaulepratica de theatrogostos
de elegancia c riqueza no trajarmulta seusi-
bilidadee grande inteiligencia.
O papel de Calharina foi admiravelmente
coinprehendido pela Sra. Leopoldina, e difli-
cil ser dicidir em que lance, na expresso de
que scnlimeiito mais se avantajou a insigne
artista___Os sonhos de ambicio a fina coquetle-
rin, sem ser escandalosa, o despenar de um
letbargo, o terror, o deslumbramento de am-
lm,.ni, a volubllidade de inulbcr, a satisfayo de
algum modo mi.mu ao conseguir o anhelo
supremo dos seus peusamentos, o horror, o
ai i epi inli|,iriiiu, o remorso despedacador, o
enfado, o mello, e no linal todos ot pensa-
im i.ios de um condemnado ao deixar a vida.
i ii un passagens allcrnativa e divinamente
dcscriptas, e as quacs ser diflicil decidir
se cutrou mais arle ou mais naluralidade.
Que dotes naturars! que talento! que gei-
tot e .'inundes! que magnificencia nos ves-
tuarios! que enlhusiasmo que cautou a Sra.
Hara Leopoldina! As palmas, as curdas com
que a applaudiram crio nada visla da
nuncio e do seniinienio geral de admiracao
que se manifestava. Vimos uin velho e illus-
tre cantor Italiano com o seu enlliusiasmo de
artista logo depois do primeiro quadro em
que representou a Sra. Leopoldina, procla-
ma-la una aln/. .i.'.imf, dirim, a mellmr que
tinha cirio no Uratil, descrever calorosamente
a commocao que senta apesar de multo ha-
bituado a esses expectaculos, e comparar a
a Sra. Leopoldina aos primeiros genios da ar-
te que elle tinha visto na Europa.
Por causa do drama e por motivos insepa-
raveis das sociedades particulares o expecla-
culu durou lempo extraordinario, a sua, mi-
pies.au durar minio mais anda! Ero cin-
co horas da manhaa do da seguinte, e a Sra.
Alaria Leopoldina reliuha no theatro com o
eximen do seu talento as primcuas autunda
des da provincia e o publico todo '. A's cin-
co horas da manhaa os expectadores apesar de
fatigados nao se fatigavam de applaudi-la com
estrondo 1
O Sr. Leal que fez o papel de Henrique VIII
,,,iiipi-, iieiulen lieui o carcter arrogante, des-
ptico c caprichoso da personagein que re-
presentava; em algumas scenas agradou-nos
bastante e seno llruu palmas estando lo acos-
iuiii.nl.i a arrebata-las, estamos certos que
foi pelo papel concorrer pouco para itto e se
achar indisposto no da.
O Sr. Guimares agradou vivamente no pa-
pel de Elbeiwood que deseinpenhuu com in-
teligencia' e do qual se couipenelrou. Elle
leve scenas muito boas, laes como quando
tomou o narctico, cujo elleiio nos parece
iudi.el lplivi-1.
O Sr. (i ni ni ai ies tem inulto gotlo para o
theatro, por causa dessa paixao detpresou a
existencia uo ineio* de urna familia distincta
do Para a que perlence. O leu tlenlo para
a scena, a extraordinaria sensibilidade que
possue sao iucontestaveit, e uin-llie grangeado
encomlot de homens taes como o Sr. Goncal-
ves Das.
No .ii .un os doui rnugaJoi que nos consta levar
brevemente scena no tbeatro de Apollo' tem o
Sr. ('.uiin.ii aes um papel iinportanlissiino e para
o qual emprasainos o publico para que o v
apreciar. Seria taubeiii para detejar e nos
rogamos ao Sr. Guimares que represente tam-
bem brevemente alguns papis graciosos, que
u vimos desempenbar em Macei, e para os
quaes di/i im.. allbitamenle que nao conce-
demos que actor nrnhuui llic seja superior.
Actores do inercclmentu do Sr. Guimares
e da Sra Mara Leopoldina podem sem receio
contar com a pruteceo de um publico illus-
trado e generoso como o de Pernambnco.
/ m alaaoana em PcrnamAuco.
ai mesmas cartas tres, quatro e cinco das, e
depois entrega-lat seus donos, lendo-lhet
causado assim um gravisiimo dainno em seus
negocios?
Com alguma resposta, ou sem ella, hcamos
de alatela at outra occasio.
O l'rijudiradu.
Repartigao da Polica.
PARTE DO DIA 26 DE AHRILP. P.
Foram prezos : a ordem do delegado do pri-
meiro dislricto desle termo, Jote Antonio de
Figueiredo Furo, tem declaracao do motivo ;
c a do subdelegado da freguezia de S. Frei Pe-
dro Goncalves do Reclfe, Paulo Jos dot Santot
e Antonio Jote Teixeira, por te preiumlrem
deteriore! do exerclto.
O subdelegado de polica da freguezia de S
Jote detla cldade, communlcou em officio de
23 do corrente, que no da 2l, tora roubado Jo-
te da Cosa Carvalho Guimares, morador no
pateo do Terco, comitlindo o roubo em ums
porcio de roupa branca e algumas obras de
prala de pouco valor.
DEM DO DIA 28.
Foram prezos : a ordem do delegado do pri-
meiro dlttrlclo deste termo, Lolz Francisco
Correia Gomes de Alineida, por se acbar pro-
nunciado a ordem do subdelegado da fregue-
zia de S Antonio, o preto Francisco, escravo
de Francisco Ferreira de Andrade, por andar
fgido; Rento, por brlga; o Portuguez, Francis-
co Rabello Muniz, e Joao, escravo de Ignacio
Ferreira dot Santot, por crime de roubo ; a or-
dem do subdelegado da freguezia de S.Jos
l.brlspinlano Jos de Mello, para recruta e Joa-
quim, escravo de F. Fonteca, por correcao;.do
subdelegado da freguezia da Boa-Vista, Bazilio
Alves de Miranda Varejao, por estar condem-
nado e Francisco Pcssoa daGama, sem decla-
racao do motivo.
DEM DO DIA 29.
Foram prezos : a ordem do subdelegado da
freguezia dos Affogadot, Joi Severino Gomes,
para averiguaedet policiaes, e a do subdelega-
do da freguezia da Var zea, IjinoJos doNas-
cimento, para o ineimo m.
DEM DO DIA 30.
Foram prezot : a ordem do subdelegado da
freguezia de S. Antonio, Pedro Franciico Cr-
rela, por ebrio ; a ordem do tubdelegado da
freguezia de S. Jos, a preta Luza, escrava de
Tito Flock Romano, por desordem, e a do sub-
delegado da freguezia da Roa-Vista, Paulo Jo-
s" de Araujo e Caetano Rarboza, sem declara-
cao do motivo.
DEM DO DIA I DE MAIO.
Foram prezos : a ordem do delegado da fre-
guezia de S. Antonio, o pardo Jote, escravo de
Jote n ionm Lopet, tem declaracao do motivo,
e a do tubdelegado de um dot ditlritot da Ire-
guezia de Jaboato, Joo Uarboza Raima, por
crime de furto.
O subdelegado da freguezia da Varzea, com-
municou em officio de 28 do mez p. p., que ten-
do maullado vistoriar o cadver de Jos Ma-
nuel do Rozarlo, que se achava nat maltas do
Cumbe, retuitou o conbecimento deque o fi-
nado te havia tuieldado, corlando a garganta
com uina navalha, que junto de si lora encon-
trada, e que lito nao poda entrar em duvid-,
visto sua familia asseverar que elle j ha mui-
to padecia alguns eucommodos no cerebro.
DEM DO DIA 2.
Foram prezos : a ordem do chefe de polica
interino, o escravo Antdnio Domiugues Pinto,
a requisico de seu senhor, e (iermano Jos
Flotes de Santa Auna, por haver no theatro pu-
blico articulado com uina tentinella perten-
dendo entrar sem estar munido do necestario
bilbete.
GOMME3CIO.
...... '
Correspondencia.
-So. Redactare!.Como nao lenhauos conhe
cimento profundo soDre o que vamos tratar,
lamn ni nao quereinot dizer tudo que pensa-
mos sobre, ot carleirot deste nosso correio ,
todava i.i/i uin. as duas seguintes perguntas
a quem souber e no qulzer responder. Man-
dar o regulaineulo do correiu que as partes
ao receberem suas cartas paguem aos carleiros
alian do porte marcado pelo mesmo correio ?
Ignorando as partes o que seja propina de
carleiros, podetu ettei seu bel prater reter
ALFANDEGA.
Reodimento do di 17 12.269,671
Dtscarregam hoje 16 de nato.
Barca sarda Anula -- mercadarias.
> J. Iluimond vitiho.
Galera ingleza -- Bonita morcadorias.
ltate brasileiro Dutidoio gneros do
pait.
Patacho nacional. Anglica idem.
CO.YSn.AllO GEIIAL.
Rondimento do dia 1 a 15 18:357,294
dem do da 16........ 1:379,361
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimento do dia 1 a 15. .
dem do da 16.........
19:746,656
725,403
207,124
932,527
RECEREDORIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Rendimento do dia 16 :. 506,244
CONSULADO PROVINCIAL,
dem do da 16 :......986,835
EXPORTACAO.
Despachos martimos no dia 15.
Canal, brigue hamburguez Ei, conduz
o seguinte: 5:700 saceos com 28,500
arrobas de assucar.
EDITAL.
O Illm. Sr. inspector da Ibesouraria da
lamida provincial, em cumprlmento da or-
dem do rOxm. Sr. presidente da provincia de
lOdo corrente manda fazer pnbllco, que nos
das .'!. i ;> ili- junho prximo viodouro hlr
a praca perantc o tribunal administrativo da
mesma thesouraria para ser arrematado a
quem por menos fizer a obra dos reparos a fa-
zer-se no Atierro dos Alocados ou ra Im-
perial, avallados em 3:520,000 rs. e sob as clau-
sulas especiaes abalxo declaradas.
As pessoas que se propozerem a esta arre-
inatacao comparecara na sala das sessdes do
mesmo tribunal nos dios cima mencionados
pelo meo-dia competentemente habilitados
na formado artigo Udo rcgulameoto de 7 de
malo de 1850.
E para constar se mandou aflixar o presen-
te e publicar pelo Diario.
Secretaria, da Ihesouraria da faseoda pro-
vincial de Pernambuco, l3 de malo de 1851.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Annuneiaco.
Clausula! especules da arremalfo.
1.a Os reparos a fater-se no Atierro dos Afo-
sados, sero fe los do modo indicado no orca-
uiento apresentado neila dala a approva(o
do Eim Sr. preildente da provincia pelo pre-
So de 3:520,000
2.* Ai obrai princapiajao no prazo de um
mez, e concluir-ie-ho no de quatro mezes,
ambos contados de conformldade com os ar-
tigos 30 e 3i do regulamento de 7 de malo
de 1850.
3.a O pagamento ser feito em duas presta-
fdes iguaes, a primeira quando tiver feito
metade da obra, e a segunda depois de con-
cluida.
24.a Para ludo mais que nao esta determina-
do as presentes clausulas, seguir-se-ha Intei-
ramente o que dispe o regulamento de 7 de
malo de 1850.
Repartirn das obras publicas, 10 de abril
de 18510 director, Jos Mamede Alvi Ferrei-
ra. Fhriano Detere Portier. M. L. Mattoi,
ajudante de engenheiros.Approvo. Palacio
do governo de Pernambuco, 10 de malo de
185l. Soasa Ramos.-Conforme.No impedi-
mento do officlal-maior.O ollicial, Domingo!
ioti Soarei.--Gonfonne.-O aecretario,
Antonio Ferreira il'A nnuncinf a'o.
mst
l)eclarac5es.
AIovimenlo do porlo.
Navios entrados no dia 16.
Rio de Janeiro, pelos portos intermedios
10 dias e 19 boris o vapor taraense,
commandante, capitSo de fragata Ca-
is no Pereira. Passageiros para esta pro-
vincia, dezembargador S. de Amorim
do Valle, esua familia; bacharel JoSo
da Silveira e.Souza, esua senliora ; um
ex cadete Jernimo Jos Ferreira, Manu-
el Theodoro Collado, 8 pracas para o
exercito, 1 largenlo, e 1 ex soldado,
Josi Pedro das Noves, Suicu Leonardo
Schuler, pottuguezes Anlotiio Jos Pe-
reira da Silva, Jos Antonio Maximia-
no das Neves, Joaquim de Azevedo Vil-
la Roma. Para os portos do norte Fran-
cisco Jos do BOUS*) Salustiano Seivolo
da Cruz, Jos Pinto liaruo/a a Antonio
Poglianich.
Navios sahidos no mesmo dia
Paialuba hiale nacional N. S. das Neve,
meslre Joao Francisco Martius, Carga la-
zondas u carne. Passageiro brasileiro
Francisco Tavsree Correia.
Canal-brigue hamburguez Ed, capito
John Oldriy, carga assucar.
Rio Grande do Sul -- brigue nacional Car-
los, capitSoJos Joaqnim Soares, carga
assucar. Passageiro brasileiro Jovino
Simplicio Monteiro, e uina escrava par-
da do mesmo capilSo.
NOTICIAS MARTIMAS.
Navios sabidos do Rio de Janeiro para
Pernambuco.
29 de abril patacho Conliauca carga
fumo e cu He.
Navios i carga no Rio de Janeiro com des-
tino a Pernambuco, brigue escuna
Oliuda.
O Exm. Sr. conselheiro presidente d
provincia, as vistas de dar cumprimento
lei provincial n. 278 do 6 do corrente, quo
oautorisaa empregar medidas convenien-
tes fim de remover as causas, que produ-
zem o encarec ment das carnes verdes nes-
ta cidade, manda pelo presente convidaras
pessoas quesejulgarem om circumstancias
de a bastecer desse genero o mercado remet-
terem suas propostas em carta fechada a
esta secretaria at o 1. do prximo futuro
moz de junho, declarando em taes pro-
postas :
i.* O maior numero do rozos, que se com-
promettem a talhar por dia.
2.0 0 menor preco porque se obriga a
vender ao povo a carne verde boa, tanto no
invern, como no verilo.
3.a As garantas que teem a dar, quor pa-
ra seguraue.a de qualquer quantia que pe-
los cofres pulilicos Iho for emprestada,
quer para manutencao do contracto, que se
houver de lavrar.
4.* As condices com que lhes convem
contratar o fornecimento, de quo se trata,
para vista deltas, Sua Excellencia delibe-
rar e resolver do melhor modo as uecessi-
dades .publicas neste olijecto.
Secretaria do governo do Pernambuco,
aos 13 de tnaio de 1851.
O secretario intorino da provincia,
Antonio Francisco Vertir de Carvalho.
O vapor Paraense parte hoja
para us portos do norte s 4-
. horas da taide : as correspon-
dencias que tiverem de ser remeltidatfpel
dito vapoY.serSo recebidas no correio atao
meio dia ; depuis desta hora al a entre-
ga dss malas dar-sc-ha directo as cartas
queforem encontradas corno porte dobrado
na caina geral, mss nSo serSo acompsnha-
das derelaQSo nominal. As folhas peridi-
cas deverSu ser enviadas at is 10 horas.
Cartas seguras viudas do sul para os Srs.
Francisco Antonio Vieira Silva, Pran-
cisco Raphael de Mello Reg, JoSo Anto-
nio Leitflo, Jo3o Cunha MagalhSes Jnior.
Manoel Joaquim llamos e Silva,
iireiiria la companhla le nv5-
tiaciio los patinetes Inglezes a
vapor. .
O vapor Tciol deve aqu chegar
de volta dos portos do Sul, no
dia i7 do corrente, e no mesmo
. dia seguir o seu deslino paia
Soutliampton, com escala por S. Vicente, Te-
nerife, Wadeira e Lisboa; os Srs. que no mes-
mo quizerem ir de passagem (para o que offe-
rece osmaiseicellentes e asseados couiinodos,
apar do mais ateuciuso tralaineuio dirijao-te
com antecedencia a casa da respectiva agencia,
na ra do Trapiche n. 42. ^^^___^___
Theatro de Santa-Isabel.
CRANDE E VARIADO ESPECTCULO DE
CANTO E RANGA,
Dividido em tres partes.
SABBADO 17 DE MAIO DE 1851.
Primeira parte.
1. Ouvertura pela orcheslra.
3. O segundo acto da opera Norma.
3. O inleressante bailete A Rainha das
Flores.
Segunda Parle.
1. Simphouia pela orcheslra.
2. O segundo acto da opera /. Puriltani.
3. O bailte O Satyro.
Terceira parte.
1. Ouvettura pela orcheslra.
2. O linal da opera Sapko pela Sra.
Candiani.
3. Para terminar o espectculo o gracio-
so bailete intitulado
OS MULEIROS.
Comecar ss 8 horas.
Os bilhetes acham-sc venda ooescripto-
iio do theatro.
Theatro de !*>.-Francisco.
DIA I8 0E MAIO DE l85l.
Ultima representuco da companhia francesa, t
pedido dot amadora.
Dirigida por M. Rerteaux.
i.raiide representacao extraordi-
naria beneficio de niadeuiol*
selle t.( uiij.
Primeiro acto.
llanca de corda pela familia ferteaux.
Mademoiselle Seraiihina Yrteaux, termina
r este exerclcio de elevaco pela dauca sema
maroma, um passo a dous na corda por mada-
tuoiselle Serapuiua. e madainoiselie Geno;.
I


E=S
Se//unclo acto.
Grandes varia cries, cxerclcios novos, posi-
rocs engranadas, e quadros cadentes, por Mon-
liiiir Herteaux, madamolselle Genny, a bene-
ficiada, e o joven Hreinond.
Ksles exerclclos nunca forain vistos neita el-
dade e he a primeira vez que sao aqui execu-
ladgs pola familia.
Terctlro acto.
Danra antpoda, executada por Mr. Gerteaux,
terminar pelo vfin de Mercurio, ou os defen-
sores da bandeirabrasileira.
Quarlo acto.
Grande exercicio de deslocacao (cotocacio e
deslocacao dos ossos ) executado p->r Mr. //.-r-
leaux, e un seu llhcr, tpenino Bremond, se-
guido dosjogos icarios pelos mcsiims, e outro
mu liilin. Intermedio de physica pelo benefl-
ciado coin grandes varioedes.
Quinto acto.
O trapesio pelo joven Hremond.
Sexto acto.
Grande pantomimo intitulado
LA. MOITE OS AVENTURE.
Os qnadros vivos.
Primoiro quadru. I
A morte de Abel.
Segundo quadro.
Uin lloin.no prole-
gendo sua familia.
Terceiro quadro.
Os jogos.
(*urlo quadro.
Os lutdores.
(Quinto quadro.
O juizo de Pares.
Serlo quadro.
O roubo das Sabi-
nas.
Stimo quadro.
O ciunie.
Qilavo quadro*
As hachantes.
Publicago Iliteraria.
S.ihio a lux a stima edicao do mui prefe
rivel e adoptado Compendio de Gramticas
portuguesa do Sr. Salvador Henriqde de A I -
buquerque Este compendio pela sua con-
sisto e claresa e pela san doutrioa que expe
toma-se recomuiendavel para o uzo das au-
las primarias. ,
Ofacto de sua impressao por sete vi'/.es no
curto espaco de dezasetc annos sendo todas as
ediefies composta de grande numero de exem-
plarea be urna prova mais que sulliciente do
seu mrito.
A tudo Isto e aos melhoramentus introdu-
sidos por seu labarioso autor, rene apresen-
te edicao, urna impressao mu limpa.
Acha-se avenda na loja do editor JoSo da
Costa Dourado paleo do Collegio n. 6. meia
encadernacSo a 640 rs. cada exemplar.
Sahio a luz.
A Meressanlt obra, fraiileiro ,
formulada segundo o systema do insigne ju-
risconsulto Mello freir, do qual se colligio
tuda que nos he applicavel de {conformidade
como imsso governo,addiconniido-se toda as
disposicas das leU brasileiras publicadas al
1850 pelo l)r. Lourcnco Trigo de I n uro yo, d-
vogado uiuilo conhecido uesla cidade. O Mel-
lo Freir de ha muito que entre nos esta sem
utilidade, por isso que a iinssaorganisacao ju-
diclaria he mui diversas da que era Portugal
exlslia no lempo ein que esta excelleote obra
foi publicada. A obra que ollereceiiios a pu-
blico he de urna necessidade inconlestavel,
guia clara, segura e iufallivel na sciencia do
direito vende-se por 6,000 rs. un ?ol. d 200
paginas : no paleo do Collegio, casa do I.ivi u
Asul.
Acha-se no ptelo a obra de Itireilo
intitulada o Advogado dos Orph-iot. Ella he
tanto oais interessanle, quanto se torna
necessaria para o uso daquelles, que ex-
ercilam a advogacia, o se lem dedicado ao
estado de direito: conlem todos os pre-
ceitos ila orpbanologia, assim como a pra-
tica em vigor no juizo d'orphos, e um ad-
itamento de leil brasileiras, que Ihe silo
concernentes. Subscreve-se por 2.500 ris,
na |tih;i da Independencia loja ns. 6 e 8,
e no Paleo do Collegio casa do livro azul,
bepois de impressa vonder-se-ha cida ex-
emplar por 3,000.
Os Srs. asslgusntes das Instituices de
direito Civil Bras," residentes fra desta ci-
dade. dignein se mandar buscar a casa da
residencia de seu autor o I)r. Lourenco Tri-
go de Loureiro, ra da Saudade, defronle
do Hospicio, Itairroda lloa Vista, o primei-
ro voluine dessa obra, cuja subscripijao
continua a estar aberta ua mesina casa at
a conclusBo da impressilo do ultimo volu-
viuwe duver findar emjulho, ou agosto
douiu, sando o preso do ultimo volumo
o mesmo que o do primero, isto he 5,000
rs. Na mesuia casa continua-se a vender o
compendio de pralica do Processo do mes-
mo autor.
sortimento de fazendas, todas proprias do
mercado : terca feira, 20 do corrente, s
10 horas da manilla, no seu armazem, ra
da Cruz.
ir rrrr-'i---------r. i. iJ*j
Avisos diversos.
Avisos martimos.
-- Para o fio de Janeiro segu viagem
com brevidade o patacho nacional Curioso,
capilSo Jos da Cunha Jnior, por ter parle
da carga engajada : quein no mesmo quizer
carregar ou ir de passsgem, pode enlen-
der-secom ocapilflo na Presa, ou coiu o
consignatario l.uiz Jos de Sa Araujo, na
ra da Cruzn. 33.
Para o Rio Grande do sul pretende seguir
com brevidade o patacho JVoeo Temerario, para
o que tem prompto parte do seu carregameu-
to. Quein no mesmo quizer carregar .embar-
car escravos ou ir de passagem poder enleii-
der-se cora Amonio Iruios na ra da Cadea
n. 39, ou a bordu, e mesmo na praca com o
capitn Jos Antonio Candido de Souza.
A velleira escuna nacional Ualant de
Mafia, dever segnir par* o Rio de Janei-
ro denlro em p ucosdias, ainda pJe re-
ceber alguma carga minda, passageiros e
escravos a frete, trata-secom Silva & Grilo,
ua ra do Vigai io o. *, ou com o capitao.
__O hiato Corolina, outr'ora Sociedade
nfio II sendo posaivel sabir para a Haiiia
. no da 15, como hsvia annunciado, sahe
impreterivelnieiile no dia 20 do corrente ;
para o testo do fele trata-se na la da
Cruz n. 27, ou com o mestre abordo.
Leilo.
lleurv Gibson, far leilo por inlerveu-
cSo do'corrector Oliveira, de perfeilu sor-
trmenlo de fazendas inglezes, as mais
proprias do mercado ; segunda leira 19 do
correte, s 10 horas da n-.aiihSa, no seu
armazem, ra da CadtH. .....
-O corrector Miguel Cameiro, fara lei-
10o no dia terija feira 20 do corrente s 10
horas da mauhaa no seu araazeni na ra
do Trapiche n. 40 de urna completa e rica
mobilia com pouco uso, e oulias pecas no-
vas e usadas: como lambem candieiros
lanternas, mangas de vidro. ricos quadros
conleudo a historia sagrada, relogios, es-
pingardas, pistolas, seliins inglezes, bur-
ras de ferro, um aqueiro completo, e duas
bacas de prata- muito ricas e de bom gosto,
ambem obras esmaltadas com diamantes.
-Kalkmann IrmSos, farao felino, por
ulervenc,ao do corredor Olivoirs, de liado
Lotera da matriz Ja Boa Vista.
O andamento das rodas he no
dia j annunciado a dejunho vin-
douro s 8 horas da manha no
consistorio da mesma matriz, e o
restante dos bilhetes est venda
nos luga:es do costura?.
--Roga-seao Sr. Francisco Perelra Pin-
to Cavalcan'i o favor de dirigir-se ao pa-
teo do Terreo n. 22 iue se deseja fallara
tiegocio.
~ No dia 5 do corrente, fugio do enge-
nho Mussomb, comarca de Goianna, o
pardo escuro, Luiz, escravo do lavralor
do mesmo engenlio, Antonio Pessoa de
Albuquerque, e lem o dito escravo os sig-
naos seguintes : be baxo, secco, rosto
redondo e cheio, orelhas pequeas, sobre
a sobrancelha direita lem urna pequea
sicatriz, pouco barbado, representa ter de
vinte e doos a vinte e cinco arroos, tem o
dedo ndice do p direilo defetuoso : quem
o prender leve-o a sen senhor no lugar de
sua residencia, ou no Recife a Verissimo
Jos Moreira na rus do CYespo loja n. 23,
quesera geuorosamenle reconpensado.
Aluga-.se u.i'ii ama secca, Torra ou
captiva, para pouca familia : atraz de S. Jo-
s, em casa de los Ignacio de Moraes
Passos.
Precisa-se de urna ama para tratsr de
um homem solleiro : no atierro da Boa
Vista, casa n. 52
Precisa -so de urna de leite no Becco
do Peixe Frito n. 3. 2.' andar
0 Sr. Joaqun) da Silva Costa, romo
herdeiro da fallecJa D. Anna Francisca da
ocha, queira dirigr-se negocio de seu
inleresse, a loja da esquina da rui do Ca-
bug, n. II, para ah se Iho dizercom quem
se deve enteuder sobre o indicado nego-
cio.
-- Offerece-se uina mulher para ama de ca-
sa, para fazer o servico interno, de casa de ho-
meiii solleiro. ou casa de pouca familia : quem
precisar, dirija-se a Boa-Vista, na ra da l on-
ceifo, casaao p da igreja do Koi.au > n. 62
Precisa-sc de pessoa capaz que se encar-
regue de lavar e eiigoinmar peifcilaineule a
roupa de uina casa de pouca familia, respon-
sabilisando-se pelas fallas que houverem : di-
rigir-se ra das Trincheiras, sobradon. 19
Ignacio de Albuquerque Maranbao J-
nior, sahe para fra da provincia, poi ler de ir
a Europa tratur de sua saude, e por isso faz o
presente anniincio.
Precisa-se de uina ama forra para casa de
pouca familia : na ra da Santa Cruz n. 22.
~ Precisa-se de um feitor que cutenda de
plantaces para un sillo! afiliar na ruado
Rosario larga, venda u. 4 ou na Passagem,
sitio do Valcuca.
Joaquim Lopes de Almelda, declara que
se acha pago e satisfeito da lellra que annun-
ciou ler perdido, nos Diario n. 197, 108 e 110,
daquanlia de 1:911,728 rs. saccada pelos Srs
Crabrelt&C. com o n. ll>5S, acceila pelo Ar.
I.niz Antonio de Siqueira. sob o n. 1058, e des-
contada no cambio debaixo do n. 2372. cuja
lellra tica pelo prsenle sem vigor algum ; e
quein a tiver adiado querendo restituir o po-
dr.. Tater na caso do auuuciaule na ra da
Cruz n 03 segundo andar.
__Precisa-sc de uina ama para engommar
e coziuhar com perfeico, para casa de um
homem solleiro : quem quizer.aununciepara
ser procurado.
___Quer-sc um capellao para o engenho
Pintos, silo na freguezia de Santo Amaio Ja-
boalo, que queira ser taubeni lavrador do
mesmo eugenlio : a tratar na ra Direita
u. 121. .
___Toma-se 000,000 rs. a premio de 2 por
cento por I) mezes e d-se por garanta Oes-
cravos, tojos crcoulos livrese desembarcados
e mui sadios tanto os escravos, como o Sr.
dos iiiesmos u.oraiii nesta cidade : a quem con
vier o negocio annuncie por esla lolha.
Precisa se de urna ama na ra do llange
__O administrador interino do crrelo des
ta cidade, para com acert providenciar sobre
o pedido que no /lario n. 111 de 16 do corren te
se Ihe fez, pede que se Ihe dirija queixa por
escripto. .
__Quem annunciou no Diario querer com-
prar uina mobilia de Jacaranda em bom uso,
pode procurar na ra do Hospicio, sobrado
em frente ao lllm. Sr. chele de polica, ou an-
nuncie.
^. Compra-se um guarda livros moderno :
queui tiver annuucie. ^ ,.
* '-'$?# !<:#> #--*^*^> 8'
(. L'ongDltoi'lo central hoiuoco- ^,
fci paihiio tle l'eriiaBtbueo, >
Dirigido pelo l)r. S. O. L Piano,
^ llua do Trapiche Novo n. 15. 4
< Todos osdias Otis se darflo con- 4
fy sullas o remedios de greca aos po-
0> hi rs, desde pela nianhaa al as duas 4
. horas da larde. <
f As correspondencias e informacOes $
pn 1. iaj ser dirigidas verbalmente, 4
j ou por escripto, devendo odoeute 4
) indicar -.primeiro, o nome, a idade, 9
i) estado, prufissSo e consiiluicao; se- tj
fe gundo, as molestias, que lem tido, o 4
1g os remedios tomados ; ttreeiro, a po- %
O ca do apparecimentoda molestia ac- >.#
?'. tual, edescripQSo minuciosa dussig- *
bf naes ou symplomas que sofTre. 4
t^t Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinho. g>
___ Domingos Felippe Ferreira Campos
subdito porluguez, lelira-se para forado
impeiio.
JoSo Ferreira, subdito portoguez, rc-
tira-se para fra do imoerio.
__Jacinlho Pavfio do Kego vai a liba de
S Miguel, a tratar de suu saude.
__Manoel Jos de Moraes Suerra, subdito
porluguez, vai a Portugal.
__Antonio Nunes Pires, subdito porluguez,
retira-se para portugal, a tratar desua saude
pncisa-se aiugar um prelo lorcoso,
para andar com labpleiro de fazendas,: a
iralar na ra da Cadeia do Becife n M.
___Precisa-se fallar com o Sr. Jos Cae-
tano das Chagas, para Ihe eutregar una
encommenda viuda de Lisboa : fia ra No-
va 11. 3.
Pelas oilo horas da noite do dia 22 de
abril, passado, dessppareceu do sitio de
Mondego, casa de um andar, ao p da quo
est estabelecida a fabrica de rap Meurom,
um prelo de naflo Costa, estatura regular,
com tainos uo rosto; levou calcas azues e
sem carniza: quem o pegar e levar a dita
casa, ou a Magdalena, sitio de Jos Antonio
Basto, ser bou recompensado.
Urna Sra. propOe-*1 a -nsinara lor,
escrever, contar, grattiir.i portugue-
za, e toda qu lidide de costura; pro-
meti todozelo, e cuidado no andiantamen-
tode iuasdiscipulas, q em do seu presti-
mo precisar dirija-so a ij do S. Gonc.alo
Desappareceu no da 5 do corrente
urna negra de nome Mara, de nacSo an-
gola, com os Signaei seguintes: cor fula,
cara comprida, olhos pequeos, nariz cha-
to, bocea grande, orelbas pequouas, le-
vou um vestido de chita a desbotado, e
dous de cassa roxa : quem a pegar leve aa
Pateo do Carmo n. 9, primeiro andar, que
ser recompensado.
Perdcu-se un estolla, rouia bordada,
j usada, cun um roquete de padre, dentro de
um lenco de chita, em a nolte de sexta-feira
santa, desde a matriz da Boa-Visla al o pateo
da Penha quem isto achou e quizer reslilulr.
cutregue na loja desta typogranhia quesera
recompensado.
-- Precisa-se de um feitor que entenda de
plantacfles e do trabalho para um silio : a tra-
tar na ra larga do Rozarlo n. 46, ou passa-
gem da Magdalena no silio do Valenca.
Roga-se ao Senhor que deixou um
relogio empenhado oa ra da Cadeia do
Becife n 1, deovir resgatar 110 preso de
oito das, contados da data desle, do con-
trario se far venda da dito para pagamen-
to, que ho quinto elle poder valer.
O abaixo assignado roRa aos senhores que
vendem bilhetes das loteras do Rio de Janeir 1
de nao pagar, e nein fazer Iransacao com o bi-
lliete inleiro 11. 3,882 ; e tambein tres vigsi-
mos ignorando-se os nmeros ; porin, tanto
o bilhete, como os vigsimos eslao firmados
as costas pelo abaixo assiguado, cujo bilhete e
tres vigsimos sao da 5.* e !.' lotera da fabri-
ca de vi Iros, e papel, eztrahida no dia 29 de
abril prximo passado.
Jos Narciso da Silva,
Arrenda-se um terreno no lugar do Gi-
qui, outroca-se por predio, ou escravos: quem
0 pretender, dirija-se a ra da Florentina n.3.
Una pessoa que consomm diariamente
duas e niela arrobas de carne verde, precisa
contratar o fornecimento de tal genero com al-
gum marchante: os que a isto se proposerem,
dirijo-se em carta fechada a prar/a da Inde-
pendencia ns. 6 e 8, com as iniciaes M. A.
declarando o ultimo preco, devendo a carne
ser de segunda qualidadei a forma do paga-
mento sei como inelhor approuver ao lor-
necedor.
1 Fugram do silio da i'apclla da Ponte do
1 clia, duas vacos com crias, sendo urna pre-
ta e outra aiuarrlla : quem as pegar leve-as ao
dito sitio que ser recompensado
O Sr. Paulino da Silva Mendello, ha-
,a de ter a bondade de aparecer na loja da
ra do Passeio n. negocio de seu in-
Manoel Goncalves de 0llveira,|vai a Por-
tugal a tratar de negocios de sua familia.
__Precisa-se fallar a negocio de inlo-
ress com os berdeiros de Francisco Cor-
reia de Qnadros, natural da 11 lia Graciosa,
e quo foi feitor da mina do ouro; fallecido
nesta cidade, segundo consta, ha sete an-
nos. A qualquar dos mesmos lierdeiros, ou
pessoa que delles saiba pede-se queira
dirigir-so casan. 6 defronto do trapiche
novo, ou annunciar sua morada para ser
procurado.
Pede-se ao Sr. que empeobou na ra
do Queimado loja, lpar de brincos de filu-
grana pela quantia de 8,000 rs., h isto bas
tanto tempo, o favor de o ir tirar 110 pa"
so de tres dias, do contrario serSo vendidos
para pagamento do dita quantia.
Quein quizer receber pcrlo de 500/000
na ilha de San-Miguel, dando aqu a dilleren-
5a do cambio, dirija-se ra da Prala, arma-
zem n. 18, para tratar.
Tendo-se desencaminado, como j foi an-
minciadu, uina lellra n. l058de reis i:n,728
aceita pelo abaixo assignado, em 11) de maio do
anuo prximo passado, a James Cablree 8c C,
vencida em 10 do eorreulc o annuuciante,
em cumpriiueuto da segunda parte do arl. 88
do cdigo coinmercial fez recolher ao deposito
publico aquella quanlia para d'alli ser levan-
tada por quem direilo tiver. Recife, 12 de malo
de IS.m.-./.iii: AntonioSequeira.
Precisa-se de uui feitor no enlienho
do Amparo, prehrindo-se porluguez, o
dilo engonho he distanto da cidade d'j S.
Antro ao sul 3 legoas, quem se adiar nec-
ias crcuuislaiiciis dirija-se ao referido,
engenho, ou na ra do Vigario. casa n. 14
do Sr. J. SiuiOes do Almeida, que achara
com quem tratar.
Aluga-se mensalmcnte, ou annual-
meule una proprieJade de podra e cal no
lugar da Casa Forte, cum comuiodossuf-
licientes para qualquer familia contigua
do Sr. niajor Vilella, quem a pretender
entenda-sc coin o caixeiro dos Srs. Bovv-
niau 61 Me. Callem ua iundico da ruado
Ilion, ns. 6, 8e 10.
Precisa-se de 500,000 rs. 8 premio de
um e uieio por cento ao mez, com hypo-
theca de una casa sita ua freguezia de S.
Jos desla cidade, isto por tempo de dous
anuos, pagando-se os juros mensa I me ule,
quem quizer fazer este negocio dirija-se a
ra da l'raia 43, segundo-andar qnesj
_ Aluga se o sillo c casa de sobrado da ra ,..,;.
oS.bo, onde eslava murando o Sr. \ igucl dir quem precisa.
Pessoa basianle habilitada, cque val-
para a rorxaica de l'aji-, nao duvida cn-
carregar-se de coUiiuis.'Ocs d.) cobraiiQis
por aquella coc.aica e suas imiiiediacVs,
Cameiro: a tratar na ra do Crespo 11. II.
Alugi-se ou compra-sr um escravo, que
entenda do servico depadaria: na ra Direi-
ta n. 82.
Precisa-se de um bom coziuheiro, forro 11a
I i v 1
scravo, para una casa eslrangeira de pou-1 CuI.vlur
unilii: no Atierro da l'oa-Visia n. 35.
'ca fan__
i Rogase encarecidamente ao Sr. Joaquim
1 Francisco de Paula F.slevcs Clemente, que le- "
. nha a bondade de dirigir-se ao pateo da S.
.Cruz, padarian.U, a negocio que Ibe diz res-
peito ou annuncie sua morada para ter pro-
curado.
Quein tiver para vender duzia e meia a
duas duiiasde pombos para embarque, cque
seja ein conta: queira dirigir-sc a ra da Cruz,
armazem n. 15.
-- Precisa-se deumbom farneiro, que sai-
ba peifeilamente fazer pao de proveuja : na
' ra da Matriz da Boa-Vista n. 22
mmm re r saaie 3mm*
$& Itoga-se aos Srs. develores di ex-
I linda firma social de Jo Moreira W
K Lopes & C. dissolvida em 31 de de- p
-. zembro p. p, o obsequio de saldarem :f
S seus dbitos, visloquo a pessoa en- W
-.1 carregada da liquidacfio recebeu or- ;}
tf dem para ell'ecluar ainigavel e judi- ;i-"
S cialmente. i
#i^*iMiisiirsB mmmiMwtmmm
Precisa-sede um feilor pira urna ota-
ria lerto desla praca, que enlenda perfei-j
lamente dsquella arte, e que se ajuste oj
dormir as noites de cozimento, do male-
tas posslvein de iealisar-.se : a quem
piocure infoilliar-se Desle, dias,
10a Nova, lija franceza dosSis. Diedei
Perdeu-se na noile de 7 do corrente,
desde aiua do Collegio ale o thealio de
S, Francisco, um corceo do lilagrana,
quem o achou, querendo restilui-lo sera
lem recompensado, 111 mesma ra 11. 6 bo-
tica de (,\ pn um Luiz da Paz.
O Sr. Irancisco Xavier Caroeiro Rodri-
gues i.a ii. 1 rlin'e Jos Xavier Cameiro Ro-
drigues Ciii.pi'liu queiram dirigir-se a
ra da Cadeia lio Recite loja de ferrsg) ns
n. 53 paia realisar o negocio que Sincs.
sabem.
Ignacio Luiz de Brillo Tabonla, pelo
presento nicio convi la aos devedores do
liudo Jos Joaquim de Freilas Guimaiiles,
da viuva desle, e de Anua Maris dos Pas-
sos Cunta, boje mulher do .nnuiicianle,
dos qiiais, apesar de deligencias, ha qua-
tro mezes empregadas nflo lem podiiio co-
brar, a que veiiham solver seus dbitos na
sua loja da ius do Crespo n. 10 dtntio do
praso de trinle das, lindo o qual, recor-
rer a matas cocisivos, e ueste mesmo joi-
inil faia mensSo especial dos nomes d'a-
quelles dos mesmos devedores quo se1 de-
para Ihe nao servir de pretexto etc., aquel-. clareui remissos. Ilecile 4 do maio de 1851.
le que se achar nestas circunstancias] e ali- Hoga-se ao Sr. capiiao de campo JCflO
aneara sua conduela, pode dirigir-se a an- Luiz deSooza, que aniinnciou, no 10-
liga ra dos Quartcis, boje Rosario Larga, [rio de sexta IVira 8 do correnle, saber de
11. 18, que achura com quem Iralar. Na | dous escravos fgidos, cujo J6J}ede-]
mesma casa acuna precisa-se de um
dous homens que saibSo plantar capim,
e tratar de urna pequea ulanla : quem
Ihe convier engajar-se por mez, ou por se-
mana, dirija-se a tratar na mesma cima.
Paulo tinlgnoux, dentista >*
6 frniiocz.olTcrece seu prest-
9 mono puolieo para tollosos *
u9 misteres le. sua prollssao : #
f pude ser procurado a qual- !f
9 quer hora em sua casa, ua w
9 ra larga do Rozarlo, 11. Uti,
j segundo mular. #
9.99 9.9 i* # 9 &;
tirios Claudio Tres.ie i'a-
itripnnip de ureSos o realejos na ra das!
Fta"s 19 .vis. ao resp.iavel publicoj vina.1 como para lora della, para
que concerla orgOos e realejos, por mar- oque se ollertce mullas garaitlias
ch.s modernas desu paih^^J^' a seus donos : na ra da Cadeia do
Seraplnnas, cachas de msica, acoroes, .
e qualquer instrumento que aparee: tam- Kecilen. 51, primeiro andar.
urna cotura deferida na perita direila lo-
go acinta do lornozello da parte de fra ;
e, sendo que lenba, faca o favor de an-
nuucUr por esta follia, :ia se tratar dc-
limlivunieiite desle negocio. O aiiuunci-
anle pronittle generosa recompensa, se
algom dos escravos i'r um seu, quo tem
fugiu'o.
O Sr. JoSo Joaquim Raptisla, que no
Diario de honteni declarou mudar sen no-
me para Joo Jos BaptiSla, adve te-se-Hi
quehauulro mais velho.
Casa de commissao de escravis.
Vendem-se ecravos e recebem-
se de commissao, tanto para a pro-
A nomina de angico he couhecida e empre- 7\ 11a ausencia uuui'ii.muj. o. ua- ft
gadaa muito tempo pelos habitantes do inte- % sanova, o professor honiujopalha *^
rior do Brazil eomo un escellente remedio pa- w Gosset Ilimonl continuara com os**
ra as molestias de pello mas ein um estado 0 trahallios do mesmo consultorio, on- &
Mide impureza, conleudo corpoa eslranbos fj de poder ser procurado a qualquer O
que muilas vezes Impedindo aeus eeilos. ~ ft q
lornavam suspeitas suas propriedades, eobn- Qn~MQQpirl>0 gavam o doente a lomar una porcao de ma- VVWWV WWJUV. WVVUBV
terias estranbaa nao obstante que inertes,
mais que 110 tmanto dillicullava o seu u/o.
Hule einiii esia goninia be por us levad
ao mais alto grao de puresa e assiu com ella
preparamos o uosso xarope tao agradavel e
fcil de tomar como prompto e ellicaz nos
sens resultados. Os mdicos desla cidade
outros inultos que tem observad/ seus eei-
los provam sua superioridade absoluta para a
cura das inflainacoes do pello, toces, dellu-
xos, catarros, escarros de sangue, Jkc.; a ap-
plicam aos seus doenies como o melbor es-
peeilieo at boje conbecldo.
Acabo de ebegar urna nova quanlidade deste
xarope j bem conhecido por multas pessoas
que tem feilo uzo dclle, e vende-se no mesmo
lugar do cosuuue ua venda da ra da C'adeia
do Recife n. 2b defronle du lleco largo.
Antonio Francisco d'Azevedo Campos re-
ora -se para fora deste imperio, e por iiso a
deveile a lodaa pessoas que liverem piuho-
res em sua mo os vvubao lirar ^dentro du
praso de 8 das.
Compram-he e venedem-s
escravos, e receliem-se de com-
tr>isso, L.nio para dentro como
para lia da provincia com segu-
ranca na ^ua vtiula,romo as lu-
gas dos escravos, que para isto
tem urna oplimu casa : na ra das
Laiangeiras n. iq segundo andar,
a <| 11 a I iiii 11 hora do dia.
a
Compras.
-- Compraiii-se moedas de ouro de 20,000
rs. do nov,o cuulio brasileiro : na prava do
Coiiiiuercio n. 1, primeiro sudar.
Cumpra-se urna negra de narjSo, que
saiba engommar, o Coziuhar com perfei-
9&0 : na ra da Couceicao da Bou Vista u.14.
-. Compra ae : um sillo Krta Prat nOS
,eBulnrPdislrlcto, So.edade &*>
iillirios com boa casa de taipa, boa Daixa at
calmeo0 terreno consistente de barro coja
a.nbreiros, manguel,as,ja.|ue.ras o varia, o
tras fruleiras, pelo preco de l:JO0.O0O rs pou
co mais ou menos, dinheiro a vista- quem
quizer vender far o favor de por este jornal
annunciar. .
Gompram-se efTectivamente garraias. e
botijas vasias a 7,000 rs. o cento : na praia
le Santa Rita, restilacao de Franca & Ir-
mSo.e no deposito da mesma, na travessa
la Madre de Dos n. 5.
-- Conipra-se urna cmoda ou secreta-
rii que esteja em bom estado : quem tiver
annuncie. ...
Compra-se em segunda man a hxposicao
da Doutrina Christaa pelo hispo D. Thomaz de
Noronha : na ruada Assuuipcao 11. '.Vi. segundo
andar.
Compram-se
escravos de ambos os sexos de 10a30sn-
nns, bonitas ligura*: na ra Larga do Ro-
sario 0. 48. primeiro andar
Compra-se um guarda louca de ama-
rollo, em bom uso, e urna voneziana, no
lljltel Coinmercio : ra da ca leia. ou an-
nuncie.
Compra-se um jogo de labolas deutarm,
para gamao : ua tua de S. Francisco n. 10.
Compra-So ,wnt sacada com 9 pal-
nos do coinprimenlo e tiualro de largura.
na roa Vendas.
Loteri-i do l Aos 20:000,000 rs.
Na Pra?a da Independencia n. 4, veodem-se
bilhetes inleiros, meios, quarlos, oitavos e vi-
gsimos da vigcsinia-ieiiiiia lotera a beneficio
do Monte Pi, boje chega a lisia pelo vapor
inrjlcz.
Vende-se cera de carnauba do Aracaly,
nelles de cabra e sola por preco commodo : na
roa dos Tanoeiros armazem n. 5.
Vende-se mu preto de 30 annos, proprio
para lodo o servico : na ra larga do Rozarlo
11. 2b\ loja de miudezas.
Vende-se um bom moleque na ra da
Aurora n. 24.
A 2,600 rs. cada um par.
Sapaldes de couro de lustro, obra do Araca-
ly mui bei acabada c baratissiina, o que os
senborej compradores recouhecerao vista da
ipialiil.nle, assim como penuas de eme, cera
amarella e pelles de caiiiurca, tudj por precos
eommoilos : na ra da Cadeia Velha loja de
miudezas n 17.
|i Aos amantes do bom e barato.
Na ra do Crespo 11. i2, loja de J ts da Silva
Campos & Companbla ha Uin grande sorti-
meoiode charutos linos inda di Bihia pelo
hiale .S'. Ju'in, chegado proxiiiiamciile, como
scjain : Fama Va, S. Pella e oulros de quali-
da-les nunca aqui viudas : por tanto, quem de-
sojar fumar o que he bom, nao perca esla 00-
casilo com din...... vista.
Vende-se uina mulata de 18 annos, de bo-
nita figura, cose, lava, engomma e cotinha,
ludo isto com perfeicao, preferindo-se para .
fra da provincia: na rua lirg do Rozarlo 11.
armazem de louca, se dir quem vende.
Aos Srs. mdicos ccstudaiiles.
Vendfin-se os seguintes livios, uo Atierro
da /loa Vista loja n. 58 : obras diversas de Lal-
I.mu I. memoria sobre o estado actual das
instiluicoes medicas de Franca, Prussia e Gua
RrCtanha, llueolica de Virgilio e Oicciouario
Potico.
Vende-se 11111.1 mullo linda mulatinlia, de
idade de 15 a lli annos, propria para mucama,
pois lie recolliida e sem achaque algum, sabe
inulto bem entornillar, coser e cotinliar, tem
multa boa conduela, lie muilo humilde e ca-
rlobosa para crian(as, o motivo pon|ue se
vende se dir ao comprador : na rua Direita
numero 25.
Ao nuil e barato, no Atierro da
lina Vista 11. 7 5.
Junto a loja de cera, vende-se I irinha de
aramia a 100 rs. a libra, dita do Maranbao a
80 rs., toiicinh'i de Lisboa aSOOrs., dito de
Santos a 100 rs inaulcig ingleza a 560, 480
e 400 rs. superiores, banha a 320 rs., arroz a
SOrs., salames a400 rs., letria a 200 rs.. ma-
carro a 10 rs., chocolate a 400 rs queijos
dos in 11 nnvo's a 1,600 rs., sabo do Rio a 140
s. a libra, eito prelo a 120 rs., dito braueo a
220 rs cha brasileiro a 1,000 rs., dito muito
superior hyson a 2,000 rs., dito preto em em-
hrulhos chinrzes a 700 rs. o embrulbo ciu li-
bra, a 2,000 rs., azeile doce de Lisboa a 560 rs.
a garrafa, dilo de coco a 360 rs,, vinho b'ranco
a,320 rs.. dito Vuscatel a 400 rs., dita do Porto
engarrafado a 400 rs., dito Keitoriaa480 rs.,
dilo de Lisboa em pipa a 240 rs., dilo de 11-
gueira a 200 rs., vinagre a 80 rs., licor francs
a 1,000 rs., serveja branca a 4u0 rs., dita pieta
al80rs., genebra de II.dandi a 300 rs., caf
muido a 200 rs., dito ein giao a I0 rs., tra-
ques a carta a 240 rs., holaxinhas ingieras a
S40 rs., passas a 240 rs., vellos de espermacete
de, : e s 1 libra a 64 rs., ditas c carnauba
de 6 e 9 em libra a 3u0 rs., azeile doce francez
a garrafa a 800 rs pralos e ligellas a 1,080 rs.
a duzia, ligellas pequeas a 800 rs., espirito
de vinho de 37 groi a lOO rs. a garrafa, e a
caada a 1,000 rs., agoarilculc do Itio a 700 rs.,
dita de aula a 61 o rs., dita de geuebra a 600
rs., e oulros mullos gneros por menos preco
do que ein oulra qualquer nano,
v 1111 lia iV Amoriiu, na ruada C'a-
deia lo Heelfe n. 5o.
Vendem paunes inesclados para palitos a
2,400 rs. o cva -o, corles de asimilas superio-
es a 5,000e 6,400 rs. o corle, riscados pro-.
prios para vestidos e para outra qualquer
obra com liinla plegadas de largura a 220 rs.
o covado, casimira de unto larguia mesclada
a 1,200 rs. o covado, e outras muilas fazendas
por preco muito commodo, que vista se
inoslraro.
Novo manual
Do Oeitillador e do Perfumista.
Conlem o melhodo de destillar as agurden-
les e o espirito de vinho ; de compor os lico-
res tinos c superfinos de aromas fructas e llo-
res ; de fazer os que se chamam ratafias ; de
conservar as fructas em agoardeotc ; de obler
a agoardente de varios Inicios e cereaes;de
proparar as massas aromticas, pos, sabonetes
de toucador, agoas e vinagres aromticos, ex-
tractos, essenciaes coleos, uovn impressao re-
vista e emendada : iS'.i, encadernadu l yol.
3,000 rs. : vndese no paleo do Collegio, casa
do Livro Azul.
Vende-sc um sitio por bailo preco no lu-
gar dos Remedios, a beira da Estrada Nova,
com alguns 60 ps de coqueiros, alguus j dan-
do huelo, grande baixa de caplm, um pequeo
viveiro muito abundante de peixe, casa de lal-
pa, cacimba, etc., que por seu dono se retirar
para o serlo faz lodo negocio, nao so ein ba-
rateza como permutar por um escravo : quem
pretender, dirijo-sc ao dito lugar o enteuder-
se coin seu proprietario Jeremas Jos Gon-
calves, ou com o Macambira morador no incs-
mo lugar, que tem poder para ajustar.
Vende-se a loja de raleado da rua Direita
n. 5, o motivo dir-se-ha ao comprador.
-- No armazem da rua da Moeda n,7, conli-
Inua-se a vender saceos com supeiior colla das
fabricas do Hio Grande do Sul, por preco em
conta.
.
? *"
nm


.?.r.'.' i** I
m
4
Para o invern.
A 2,240 rs. um corte.
Nt loja n. 5, de Guiroarfles & llenriques,
vendem-so cortes de casimir de algodo,
milito encorpados, padrOes escurrs, com 3
3|4 covados, polo barato prego de 2,240 rs.
rada um corte ; assim como oulras muitas
fazendas baratas.
A 56o rs. cada um.
Na loja de CuimarSes & llenriques, na
ra do Crespo n. 5, vendcm-so lencos de
seda, muito finos, para meninos, pelo bara-
to preco de 560 rs. ; chapeos de sol de pan-1
ninho, srmacflo de balcia, a 2,000 rs. ; o
antigoalgodHo transado monstro, a 800 rs.
a vara.
Orles de casemira elstica
pela diminuto preco de 6,000 rs. cada um,
acham-se a venda na ra do Crespo n
loja que volta para a ra do Collegio, lti-
mamente chegadas.
Cortes de chita do ultimo gosto
2,000 e a 2,300, e algodflozinho a 1,600
e a 2,000 rs. a pega.
Na ra do Crespo, loja da esquina que
volta para a Cadeia, acaba de cbegnr um
bello sortimento de corles de chita de bom
posto, com 12 covalos, a 2,000 c a 2,500 ;
assim como pegas de algodno com toque de
avaria, a 1,600 e a 2,000; lengos de seda
multo bonitos, a 1,440,1,600,2,000 e 2,240;
ilparg rie core* par palito*, 800 r. n en-
vado ; dita de algodflo, a 280 rs. ; e outras
muitas fazendas por pregos commodos.
Vende-se .-ame de vacca salgada em
birria i na ra do Trapiche n. 8.
f f ff 1f Wf f^yV*"H" V'-'V
> Arados americanos. J
S Vendem-se arados americanos ver- ^
> dadeiros, chegados dos Estados-
g>. Huidos : na ra do Trapiche n. 8. pelo baratlasimo preco de 3,000, 3,500 e 4.000
rs., ordiDarloa de 2,000 rs., brancoa de oreiha
a 1,900 rs.: na ra da Cadeia do Recite n. 9,
'"ja- _
A dinheiro a vista, a 8,5oo rs.
arroba.
Vellaa de carnauba de ptima qualidade, fa-
bricadas no -\ rae-11 : vendem-se na" ra da Ca-
deia do Recife, armazem n. 23.
-- Vende-se cobre metal ama-
rrllo c pregos para forro de navios : vende-se
por preco comtnodo. cm ca9a de A. V. da Sil-
va Barroca, ra da Cadeia do Recife n. 42.
Vende-se muito boa larlnha de mandio-
ca de S. Calherina vinda recenteinenlc do Rio
de Janeiro : no armazem de Dias & Gouvea,
defronle da I.ingucta no cae da alfandega.
Carlos Ilardy ourives, ra Nova
numero 34.
Annuncioao publico que querendo liquidar
na obras de ouro que tem, aa vende pelo cus-
i, lindos aderecos para meninas de 19 a i Jan-
nos, com pulaeiras, brincos, alfinetesegargan-
lilba a 40,000 rs., par senhor. a 00,000 ra.. e
aderecos de senhora brincos, alfineles e gar-
ganlilha a 35,000 rs., pulceira a 23,000 rs., urna
a 28,000 rs., aneie esmaltados para senhora
muito lindos a 4,000 rs. cada um, um sorti-
mento de brincos para meninas e senboraa
que vende igualmente pelo custo, todas estas
obras sao de ouro de lei.
Aviso eos Srs. ourives.
l'ma grande porcao de cadinhos franceses
sonidos de tamanbo. que se vendem em rrla-
Iho e em porcao por preco commodo, tornos
de nio, armacao de serrotes, ferros de aliin-
par sida, pedra de desenliar. Na mesma loja
cima. -
Na ra da Cruz n. 7, no prlmeiro andar,
vende-se salsa panilha de boa qualidade, che-
gada prximamente do Para no vapor Impe-
ralrii.
Litros batos,
Revista Militar, Elementos de Arillimetica,
Historia Natural, Memorias deUH)Dolido, Con-
tos do Serao, Poesas de Rivera, Duas Dianas,
Almanaks, Leitura
__V.nil-s suneiinr Ci nac velhc. em Gencvievc de Lamartine,
bmltt a g2S ^ rua r Cruz | *J-fcO tZSS2t mo-
n.55, casa de J. keller Companhia. dco rua cslrei,a do Rozarlo luja
Vende-se gesso em barricas, viudo no' 15
ultimo navio chegado de Franca, tendo ca- j sj ^ 6 | je pjaa fta_
da barrica 20 arrobas pouco mili ou me- """ "*" J
mos ex ti.
.- Vende-se ricos capotinhos de verdadelro
sitim-maca, assim como de chainalole preto
da
nos : na rua da Cruz n. 55, casa de J. Kel-
ler & Cumpanhia.
(Jueijos e prezuntos. .^^^.^ rlcamaiite
No arinazem de Manoel Francisco Martina & euarnecdas de bonitas franjas e trancas as-
lnnao, veudem-se_queijOslondr.no5, prezun- rindo o annuucianle que sao 01 mal ri-
------------ S i I I i ,1 1 1 I i I \J lUIIMUIl .nuil lllli rf.il w^ --------
tos inglezes e do Porto, latas com bolaiinha fc .# ,c,n apparecido; e os precos
ingleza, ditas de araruta, ditas com sardlnhas '.o ,.;,,< ao comprador.
e emitas, carnes, conservas inglezas, e mais vende-se na rua largado Rozarlo n. 39,
....... .. ........ Ill.l. .I..I ...... I I MI ,111 : I ** .__
din i s s gneros, tudo en
Cruz n. C:
cunta : ua rua
3
O"
x
4>
B T5 5 35.5 <*
U" 1 o
~ '. ** e o
OJ-C,
-

"-S 5
"IJI
i = -
- .2 2 6

a
O
j 1 s ,-; s
2
o. K ec Bi
So*
r.
I
N
'3
c
E
V
s
-sSf.e.S'&.S-S
c => S n =. B =
/.
.=..- m
- = r^
u Z *
O s
g-O 3
er

aa 5 C 3 Sr
o j. 2
5 -a

**2 I
C 7(6 =
- Seinenle de ortalice de to-
das as qualidades, feijao carrapato muito no-
vo, vindo de Lisboa no brigue Conffi-.o de Jl/a-
rio : na rua da Cruz atrs da sacieslia do t.or-
po Santo n. !>J.
lie superior qualidade.
Cimento novo, chegado ltimamente de
llamhurgo : vende-se 110 armazem de Vi-
cente Eerreira da Costa.
Vende-S um grande sino no lugar i'o
Manguind, que tica defronle dos sitios dos
Sis. Cameiros, com grande casa de viven-
da, de quatro agoas, grande senzalla, co-
cheira, estribarle, baixa de capim que sus-
tenta 3 a 4 cavallos, grande cacimba, com
iomha e tanque coberto para banho bs-
tanles arvoredos de fruclo: na rua da Con-
rumia,primeiro sobrado novo de um andar.
-- Sahio a luz de prximo na cidade da Ra-
bia urna obra em que se mostra a veracidade
daapparico deNosso Senhor Jess Christo a
1). Alfonso llenriques no campo de Ourique, e
que apoleio o grande he vivo e val pela ler-
ccira ver oceupar o tUrono de Franca : vnde-
se na rua da Cruz do Itecife n. 52, primeiro
ao.lar, pelo preco de 1,(100 rs cada ejemplar.
Veode-se larinha de mandioca de S. Ma-
theus, por prejo commodo : na rua da Cadeia
numero I"
Lotera da matriz da Boa Vista.
Aos lu- .'1:000,111111 rs.
Na loja de calcado do Arantes na praca da
Independencia ns. l3e l5, vriidrm-se OS limi-
to sfoi lunados bilbrles e nilol ditos desta lo-
tera, que corre iiifallivelinente no da 2 de
junho vindouro:a elles antes que se acabem.
Bilhetes 10,400
Meios 0,200
Cera de carnauba.
O mais superior que lia neste genero, ven-
de-se em porcao e a rctalho : na rua da Cadeia
do Recife, luja n. 50 de Cunha ai Amorim.
Deposito de cal e p .tassa.
No armazem da rua da Cadeia do Recife n.
12, ha muito superior cal de Lisboa em pedra,
assim como polassa chegada ltimamente a
preco muito rasoaveis.
Velias de carnauba.
Vendem-se velias de carnauba, pelo bara-
tsimo preco de 1,500 rs. o ceuto : na rua
da Cadeia do Recife loja n. 50 de Cunha &
Amorim.
'ir?
SI illlil ft
Participa a seus fregueies e a quem I
mais convler, que mudou o seu esiabe- n
K lecimenlo de uniformes militares do so-
S brado da la doCjueimado para o pateo
confronte a igreja, manteiga ingleta da mais
nova que ha no increado a preco de 500 rs. a
libra, assim como cha llysoua 2,000 rs., dito
deS. Paulo a 1,020 ra., "dito preto a2,000 rs.
a libra, familia do Maranh muito nova a 100
rs-, tenia muito uovaa 1150 rs., Suelte francs
engarrafado a 800 rs., ervilhas muito nova a
IU(l rs : equem quizer exprimentar.vt nha com-
prar para se acapacitar.
Nova* pecliinclias.
No Passeio l'ublico loja n. II, do
antigo barateiro t'irmiano
Tem modernas chitas francezas largas para
roberas fazeuda realmente nova ao barato pre-
code3-2urs. o covado, assin^coino cortes de
vestidos de seda denominadas Jasminsa preco
de 13,000 rs. o corle, riscadinhos francezes de
diversas cores a 220, 2C0, 280 e 300 rs. o cova-
do, meias de algodo muito lina para senho-
ras a 040 rs., fazeuda que val 1,000 rs. o par,
cortes de vestidos de cambraia de barra e de
corea fazeuda a mais moderna a ti.500 rs. o
curte, manteletes muito ricos a 19,00(1 rs. cada
um, obra prima, e outras muitas lazendas de
gosto, que se venderao a precos commodos.
-. Vendem-se as seguirles casas livrese des.
embancadas, as eguinles ras, duas casas
terreaa na rua Augusta, qualro ditas na rua Im-
perial cuma na rua das Agoas Verdes.'a tra-
tar com Leandro Fcrrrria da Cunha na rua da
Cadeia de Santo Antonio 11. 9.
Cha honiieopalhico cmembrulbos cbine-
ze*a 1,000 rs. cada um : no pateo do Collegio
casa do Livio Azul.
- Cha brasileiro, cuja qualidade excellente
se garaute a dous mil ris cada laia de libras:
110 pateo do Collegio, casa do Livro Azul.
Vende-se a vetdadeira te-
cupira menni de toda gressura
propiia para fabrica de carros i
carrocas : quem a pretenda, di-
rija-se a rua da raa n. 55, que
aiii se dir quem vende.
-- Vende-se un escravo de na
cao bom cozinbeiro, bonita ligu-
da matriz n. 2, aonde continua a ven- fi
4 der o mais superior galao de ouro e pra- ,
? (:i |iara divisas militares elibrs de pa- S:
V gens, assim como promptifca unifor- "
9 mes para musical, ou o completo de
qualquer balalbao. {$
mmm^mmmm^ mm,mmmmmmmm
Vende-se cimento novo, chegado no ul-
timo navio de Hambnrgo, em barricas e meias
barricas, e tambein se vendem s tinas : atrs
do tbealro velbo, armazem de laboaa de pi-
nho, por pre;o commodo.
A 340 rs. cada urna.
Cbeguem a ellas autes que ae acabem.
As ptimas esleirs de palha de carnauba,
pelo b.iraiissimo preco de doze vintens cada
urna : na rua da uaueia do Recife n. i, ar-
Nazein.
Vendem-se sapales dejcouro de lustro
ra, de idade de 28 anuos : trata-
se com Machado & Pinheiro, rua
do Vigarion. I9, segundo andar,
(ouro de lustro.
Na loja de feriageos de Antonio Joaquim Vi
dal, rua da < adeia do Recite 11. 50 A, vende-se
couro de lustro a 2.00U rs. a pelle.
Jera em velias.
Vende-se cera em velias do llio
de Janeiro e Lisboa, sortida ao
gosto do comprador; lamban ha
cal virgem da melhor que ha n
mercado vindo de Lisboa : tra-
ta-se com Machado & Finhei-
ro, rua do Vigario n. I9, segundo
andur
Ao bom e barato.
Rua do Passeio loja u. 9, de Albino Jos Lei-
te, vendem-se corlea de meias casimiras multo
encorpadas propriaa para o lempo presente
pelo diminuto preco de i,50o rs. o corle, a el-
les ames que se acabem, assim como pecas
de cbitas escuras a 4,500 ra. a peca, o covado a
120 rs., ditas para cobertas ab,0OU rs. a peca o
covado a 160 ra., lencos de seda com lindos pa-
a 1,11)0 r c-bapos de sol de pauuiulio
illa fregueila de S. Jos, com frente para aen
inoradas de casas em reapalde com allcerces
para aobrados de dous ou tres andares, e doua
calxocs tambem em respalde com frente para
a traveasa do Monteiro : a trilarcom Jos Mo-
relra Lopes, na rua do Queimado n. J9, e
para examinar a fallar com Pedro Antonio Tel-
xcira GulmarSea, na prala do Caldelreiro.
Polassa nacional.
Vende-se auperlor potasaa nacional chega-
da ltimamente do Rio de Janeiro, por menos
preco do que em outra qualquer qarte : a tra-
tar na rua do Trapiche n. 34, com Novaes c
Companhia.
Para o commerclo. R5rT-
Elementos de coutabilidadecommerclal por
M. Burnier o aulor dos arllgos publicados oom
a inicial Z no Jornal do Comnwrcio 1 vol. grosso,
encadernado por 6,000 rs. Tem por fin eata
excellente obra vulgarlsai no Kra-.il a-aclencia
Importante do guarda livros, por partidas siu-
gelaa e partidas dobradas. Sendo a pratica a
parte mais easenclal do eatudo da eacriptura-
cio, forcejou o autor nao aumente por deaen-
volver os principios e regraa com clareza tal
que podessem ser entendidas pelas pcsioas
que poucas Ideias tivessem adquerido da es-
cripturacao, como de enriquecer a sua obra
com tantos exemplos pralicoa que pof neio
della poder qualquer adquirir os precisos co-
nheclincnlos que ornam um guarda livros
completo : vende-se no pateo do Collegio, ca-
sa do Livro Aiul.
Carapucas de seda preta para
homero<
Vendem-se superiores carapucas de seda pre-
ta tura hoiueMi pelo diminuto preco de 500
rs., isto he por Baver grande porcao e terein-
se comprado barato : na rua do Queimado loja
de iniudezas junto a de cera n. 33.
Para criancas.
Vendem-se ricas loucas de Lia guarnecidas
com froco pelas beiras a 800 rs., dilas de seda
preti fazenda superior a 320 rs maracas que
tocam de tres manelras a 240 e l20rs.cada
um : na rua do Queimado loja de iniudezas
junto a de cera n. 33.
lie muito barato por sere.n hons.
Vendem-se superlorea pentes de tartaruga
de mar rafa a 800 rs. o par : na rua do Queima-
do loja de miudezaa junto a de ceran. 33.
Bom e barato.
Vendem-se carteirinhas deagulhas france-
zas proprias para todas as qualidades de cos-
turas a 320 rs., dilas em caixinhas com seis
papis a 320 rs., caixinhas com brinqudospa-
ra meninos a 400 rs., linhaa de peso a 60 rs. a
miadinha, ditas de carrltel de 200 jardas a 60
rs. cada carrltel, agulhas cantofas a 60 rs. o
papel, pentes de baleia para aliiar os mais li-
nos que se pdeiu eucoutrar a 400 rs., ditos
abertos para segurar cabellos a 400 rs., agu-
Iheirinhos linos a 200 rs., babados abertos de
liuho a 120 rs. a vara, e outras muitas cou-
sas que se vendem muito barato : na rua- do
Queimado loja de iniudezas junto a de cera
uumero 33.
Cliaruteiras muito tinas.
Vendem-se linissimas charuteiras douradas
por preco que ningueui vende a 1,200 rs. cada
uina, ditas mais ordinarias a 320 rs.: na rua
do Queimado loja de iniudezas junto a de ce-
ra u. 33.
Chicotes baratsimos.
Vendem-se superiores chicotes pequeos
proprios para senhora a 800 rs ditos para ho-
meiis a 600 e 800 rs. : na rua do Queimado loja
de miudeas junio a de cera n. 33.
Cartas linas para voltarete.
Vendem-se cartas finas |para voltarete pelo
diminuto preco de 500 rs. o baralho na rua
do Queimado loja de iniudezas junto a de cera
ra n. 33.
Hequeifes para enfeites de ves-
tidos.
Vendem-se requelifes de todas as cores pro-
prios para enfeites de vestidos pelo diminuto
preco de 240. 320 c 400 rs. a vara : na rua do
Queimado loja de iniudezas junto a de cera
numero 33.
Micas litas lavradas.
Vcndem-se filas lavradas de ditt'ercntes lar-
guras as mais linas que se pdeui encontrar e
de muito bonitos padrees : na rua do Queima-
do lojad* iniudezas junto a de cera n 33.
Camilas de meia.
Vendem-se camisas de meia as mala supe-
riores que se pdein encontrar a 1,280 rs., di-
tas de cores padres muito bonitos a 10 00 rs. :
na rua do Queimado loja de iniudezas junto a
de cera n. 33.
ideiasde laii para padres.
Vendem-se superiores meias de laia para
padres pelo diminuto preco de 2,000 e 1,700
rs.! na rua do Queimado, loja de miudezaa
junto a de cera n. 33.
Vendem-se charutos da Ba-
bia de muito boa qualidade a rs.
i,5oo cada Caita de cen no pa-
teo do Collegio, casa do Livro
Azul.
Vendem-se saccas com feijao mulatinho
muito novo : no arinaiein de Gouvea c Dias,
no caes da alfandega n. 5.
No bairro de Sanio Antonio em urna das
ras principaca, vende-se urna parte de um
sobrado livre e desembarazado, por preto mui-
to favoravel, o qual rende annual 1:800,000
rs : os pretendentes pdem dlrijir-sc a rua
dos Pires n. 19-
- Cbcgou o novo rap de Lis-
boa, o qual se vende as i lavas :
na rua da Cadeia do Heciie nu-
mero i5.
fl Na loja do sobrado amare I lo noa qua- Q
tro cautos da rua do Queimado n. 29, ^
tem para vender um grande sorlimen- JJ
to de cortea decalcas dmela caaimira, V?
O padrees de casimiras finas e pelo dlmi- <3
$ nulo preco de S.000 rs. cada corle. Q
No armazem de Francisco Olas Ferreira
no caes da alfandega, vendem-se batatas Ingle-
zas muito superiores a 1,000 rs. a arroba.
-. Vende-se por 32,000 rs. um casal de pa-
voes muito manaes : na rua do Livramenlo
venda n. 6.
Vende-se multo cm conla a paite da casa
de tres andares na rua do Collegio, que rende
toda ella 1:800,000 rs. por anno, chaos pro-
prios : a fallar com o correlor Miguel Car-
neiro.
Vende-se urna taberna com poucoa fun-
dos, sendo ai mai.'.o nova e muito barata, a qual
se acha feichada, na rua Direita n. 36: quem
a pretender, enienda-se com Joo Martina de
Ramos que llie promelte fazer todo o ne-
gocio.
Vende-se porprecisao pclaquanlla de ra.
500,000 um pequeo sitio na estrada de Joao
de Uarros, coutendo 335 palmos de frente, 800
de fundo, casa nova de taipa multo asseiadae
bem construida, com 30 palmos de frente, 4
quartus, coiinlia fdr'a, cacimba de pedra e cal
com muito boa agoa de beber, 80 ps de la-
rangeiraa e outras muitas arvorea de diversas
qualidades, todo cercado de limao, alguin tr-
ros, mas, pcnavauti ..,,--------------,
vende pelo custo, querendo acabar peto i.
i juilio, lindas toucas para baptisar meninos
ndas de-Franca e feitas aqui. Na mesma loja
relroe paga l20rs. por palmo, o qual sillo
rende anoualmenlepor arrendamento 120,000
n.:auem o pretender, dlrija-se a mesma es-
trada a Patricio Antonio de Torrea Baudeira,
que Indicar o litio e dir quem vende.
Madama Rosa Uardy, modista
brasileira, rua Nova n. 34-
Annuncia ao publico, que acaba de receber
de Franca um lindo sortimento de capotinhos
pretos e de corea delicados multo enfeitados,
gros de naplea e chainalotes, ditos de fil de
linho preto para senhora, gros de naples de se-
da furia corea para vestidos e capotinhos, ditos
de cor de rosa e gorgurao de roea para vesti-
dos e proprios para chapeos, groa de naples e
<-haiualotes preto para capotinhos, bolotas pre-
tas para capotinhos, franjaa e trancas pretalie
de cores para capotinhos, trancas de seda
branca, azul, cor de rosa, roxa, azul para en-
feilar veatidos, luvas de seda e pellica para se-
nhora e meninos, meias de seda para criancas
de 1 a 4 annos, capellas de florea para bailes e
casamentos, ricoa chapoa de seda franzida
para senhora. ditoa de palha para senhoras e
meninas, chapozinhos de seda para criancas
de 1 a 4 annos, lindas tocas para aenboraa vln-
daa de Franca, romeiras, camisinhas com gol-
la e sem golla, com o peito bordado e guar-
necido de renda e blco de linho, peililhoa de
cambraia bordado com bico de linho, mangui-
tos de fil de linho, cambralas de linho borda-
das, enfeites de llores de cabeca para bailes e
theatros, ejparlilbos para senhora, o que ha
de melhor, armacao e capas para fazer cna-
pos, fitas, penachos, florea, perfumarlas, que
se
de_
vinlas dcfranc- -
se faz vestidinhos de menina e de casamento
capotinhos de eucommenda por preco coin-
'n-Na rua do Collegio n. 25, venda da quina
defronte do crrelo, vendem-se os verdadeiros
charutos S. Flix, por menos preco do que em
outra qualquer parte, e assegura-se a sua boa
qualidade, asilui como muitas outras quali-
dades. ,
-- Vendem-se funda de camurca e borra-
cha, multo boa qualidade para hotnein, meni-
nos e senhoras a i .000 rs. cada urna : na rua
da Cadeia do Recife, loja de selleiro n. Jb.
No armazem da rua da Moeda n. 7, con-
tinuare a vender aaccas com superior colla
das fabricas do Rio Grande do sul, e o preco
- Vendem se 97 apollces da companhia de
Beberibe : quem as pretender, ou parte deltas,
dirlja-se a rua da Cadeia do Recife, casa de
cambio n. 34.
Attenco.
Na loja nova da estrella na ruado Queimado
n.7, com frente ao becco do Peixe-Frito, ven-
dem-se por preco baralissimos pecas de chitas
finas a 6,000, 6,500 e 7,000 rs., chitas largas
francezaa multo finas a 280 rs. o covado. cor-
tes de cambraias de salpico miiidoa do ultimo
gosto de 8 varase meia a 6,500 ra., cortea de
cassa admascadas de ramagens para cortina-
dos de vara de largura com 2o varas a 14.000
rs., chitas finas em covados a 160. 180 e !00 rs..
dita para coberta fina a 240 rs. o novado, cana
lisa fina a 480 rs. a vara, panninho de vara de
largura a 480 rs. a vara, peca de madapolao
fino a 3,50o, 3,800, 4,000, 4,400 rs. e muito fina
a 5,000 rs.. alpacas de linho miudas propri-
para palitos, jaquetas e caifas a 400 ra. o co-
vado, cortes de gambreSes para caifa 1,800 e
smente do leito da morte, e hoje, com
constituicoes regeneradas, cora prazer at-
testam a elllcacis desta ineslimavel prepa-
racB. ,.
Comquanto tenham apparecido grandes
curss al aqui produzidas pelo uso desta
eslimavel medicina, cocotudo a experiencia
diaria aprsenla resultados mais notaveis.
New-Vori;. 22 de abril de 1848.
Srs. A. B. e D. Sands. Julgando ser
um dever para com vosco o para com o pu-
blico em geral, remetto-vos este certificado
dss grandes virtudes da vossa salsa-parri-
Iha, pars que outros que hoje estSo sof-
frendoestabelecain mefhtJra sua confianca
e facsm sera demora uso da vossa medi-
cina, a
Vi-me perseguido com urna grande fe-
rida no tornozelo, que seeslendia pela ca-
nella scima at o joelho, lancava grando
porc3o de nojenta materia, com comichees
que me privavam muitas noiles do meu des-
canso, e eram muito peuosas de euppur-
O Sr. liiogo M. Connel, que navia sido
curado com a vossa salsa-parrilha, reeom-
mendou-me que eu Ozesse uso dells, e de-
pois de haver tomado cinco garrafas flquei
perfeitamente curado.
Tenho demorado um anuo mandar-vos
um certificado, para reconheccr com cer-
teza ses cura era permanente, e tendo ago-
ra a niaior satisfaeflo em declarar que nao
tenho visto, nem sentido cousa alguma du-
rante todo este lempo, e acho-me perfeita-
mente restabelecido. Sou vossa, etc.
e Sarah U. I i tire, a
240, rua Delancey. -
Nests provincia o nico agente deste.mi-
ravilhoso remedio he Vicente Jos de tirito
com botica na rua da Cadeia do Recife, .
BRESTOL SALSAPAKRILHA AMERICANA
Melhor e mais extraordintria do mundo.
Preservativa infallivel contra as febres.
A salsa parrilhs original egenuia de Ri es-
tol possue todas as virtudes psra curar to-
das as enfermidades que provm de um es-
tado de impureza desangue das secreccoe-
morvidss do ligado e estomago, e em tos
dos o< casos que necessitsm remedios psra
purificar o robustecer o sistema. Em to-
dos os casos de escrophulss, erisipelas, li-
aba erupcOes cutsneas, manchas, bilis, eno
flamscaoe debilidade nosolhos, inchscis
das glndulas, dores lombares, aTeccOes
rheumtiess, dores nos ossos e nss juntas
nydorpesia, despepsia, aslhmo, dearrhee
desenteria, tosse resfriados, enlammacSo
do pulm5es phthisica quaodo provm da
ohstiucodos bronebios em pessoss escru-
pulosas, enfluenza, IndigesWo, ictericia
debilidade geral do systems nervoso, febres
sgudss, calores, enfermidades dss molhe-
res enfermidades beliosas, e em todas as
afeccOes provenientes de uso moderado do
mercurio. Ests salss parrilha se emprega
com eilicacia em lodos ossobreditos casos,
e he recouhecida como a melhor medicina
que existe. Os frseos de salsa de Brislol
leem mais de quatro tamauhos dos de sal-
2ooo'rs ditos de meia casimira de lia a 3,000 !Sa de Sands entretanto que os de Brislol
di des
com barra a 2,000 rs. cada um, cambraias da
ludia bordadas a 400 rs. a vara, riscados de li-
nho de cores a 300 rs. o covado, dito monstro
a 2U0 rs. o covado, e oulras muitas lazendas
que se deixam de anuunciar por falta de
lempo.
Gi Vende-se a padarla nova doMangui- Q
Q nho, com lodos os scus perleuces; e O
Q baslaiilaule alieguezada: quem a &
($ pretender dinja-se a n.enia-, que a- f
a chara coui quem tratar. q
Vendein-se qualro molcques de 8 a lo
annos, qualro pretos de 75 a 30,* sendo um
oleiro, dous pardos de 25 anuos, duas pardas
de i'ia 20 anuos com habilidades, e quatio
prelas algumas cou habilidades! na rua do
Vende-se uw terreno na rua da Coucor-I reno para plauaco, Adverte-se qu he fo-
rs., c outras inuilas fazendas por precos ex-
traordinariamente baratas, para se acreditaj
dita obra.
Loja da estrella, rua do Queima-
do n. ""
"Vendein-ie sarjas pretas hespanholas pelo
barato preco de 2,0('0 e 2.200 rs. o covado, cha-
peos de sol francezes de seda do ultimo gosto
muito finos a 6,500 e 7,<>0i> rs a elles antes
que se acabem.
Loja da estrella, rna do Queima-
do n. 7.
Vendeip-se superiores cortes de casimiras
prelas, setiin com 3 covados e inflo pelo bara-
to preco de 9,500 rs. e pannos linos de todas
as cores tambem baratissimoi.
Ricas franjase trancas para man-
teletes.
Vcndem-se trancas e franjas para mantele-
te! do melhor gosto possivel: na rua do Quar-
teis n. 24, loja de Jos Dias SimOes.
Colheres de metal principe.
Vcndem-se eolheres para cha e para soupa
de metal principe, por preco mais mdico do
?ue em outra qualquer parte : na rua dos
uarlels n. 24, loja de Jos Oias Slmues.
Facas e garfos.
Vendem-se facas e garfos de muito boa qua-
lidade 3,00 a 3,400 rs. a duzia : na rua dos
Quarteis n. 24, loja de Jos DiasSiinoes.
Caixas para charutos.
Vendem-se caixinhas ou charuteiras de Ja-
caranda mullo delicadaiproprlas para guardar
charutos por preco mdico : na rua dos Quar-
teis n. 24, loja de Jos Dias Simos.
Vende-se urna morada decaaa terrea per-
quena por prejo commodo, na travessa da rua
da Roda para a da rua Helia n. 5 : a tratar na
rua da Praia n. 20..
Vende-se farinha da trra muito boa ao
alqueire a 4,800 rs. : no armazem n. 4, do tra-
piche do Ramos.
__ Vendem-se batatas muito boas a 1,000 rs.
a arroba : no armazem de Diaa Ferreira, de-
fronte da alfandega.
g, Vende-sc um moleque de 15 annoi crl-
oulo, bonito, proprio para o campo por estar
acostumado, ou para outro qualquer servifo :
na rua larga do Hozarlo n. 35. loja.
Vende-se nina negrinha de bonita figura,
com idade de l4 a 15 annos pouco mais ou me-
nos : na rua da Cadeia do Recife, loja de miu-
deas n. 7. Na mesma loja vendem-se oculoi
de verao longe por preco commodo.
Tinta preta.
Tinta preta inulto preta cuja qualidade le
garante em Irascos grandes que tem garraf 1 e
meia a 480 ri. cada um : no pateo do Celllgio,
casa dol.ivro Azul.
Veodc-se una preta de nafao de boa fi-
gura, que engomma alguma couia, cozinhs,
lava de labao, boa quilaudeira por ter andado
com taboleiro de iniudezas, d-se em conla :
ua rua do Rangel n. 38, secundo andar.
Salsn-itni'i-illia de santis
pars remover e curar radicalmente todas as
enfermidades que procedem da impureza
do sangue, ou habito do systems.
Esta medicina esta operando constante-
mente curas qussi incriveis, de molestias
que procedem da impureza do sangue. A
infeliz victime de molestias hereditarias
com glndulas indiadas, ervos encolhi-
dos, e os osSos meios arruinados, ficou res-
tabelecida cora toda sua sade e forcas. 0
lente escrofuloso, coberto de chsgss, csu
sando nojo a si raesmo, e a quem o servia,
licou perfeilo. Centenares de pessoas que
tinhatn soflrido ( por annos, a ponto de
desespero 1 em da sua sorle ) molestias cu-
tneas, glndulas, iheumatismo chrooico
e muitas outras enfermidades procedentes
do desarranjodosorgSos de secrec3o e da
circulado, teem-se erguido quasi milagro-
so vendem por 5,000 rs. e os de Ssnds por
3,000 rs. Deposito central no Rio de Janei-
ro, casa de Vital '.apupe, e em Pernambuco
na botica de Jos Mara Goncalves Ramos,
na rua dos Quarteis pegado ao quartel de
polica.
Vendem-se collecoes com
mais de seis lindas vistas, repre-
sentando a ponte do Uecie com a
alfandega, a ponte da Boa-Vista,
a cidade de Olinda.a ponte do Ca-
chang, Poco-da-i'anella, e a rua
da Cruz com o arco do Bom-Jesus;
bem como duas grandes vistas de
Pernambuco: na rua da Cruz, n.
10. cas.'< 1 ; Knlkiiiaims Irinao.
4) Alquilan para sarco. V
*>: Vende-se muito bom algodao para #
<. saceos de assucar, por preQocommo- f)
i do : em casa de Ricardo Royle, na O
4 rua da Cadeia n. 37. #
Tecido de algodo trancado na lu-
brica de -Todos os Santos.
Na rua da Cadeia n 5a,
venderii-se por atacado duas qualidades,
poprias para saceos de assucare roupa do
escravos.
Nape Paulo Cordeiro do Rio de
Janeiro
em latas e frascos, chegado recentemente:
vende-se na rua da Cadeia do Recife, loja
n. 50, de Cunha Amorim.
H Conlinua-se a vender agoa de fazer ao
cabellos e sulssas pretas : na ma do Queinido
loja de ferragens n. 31.
Escravos fgidos.
Roa gralflcacSo.
No ili 13 de marco do corrente anno des-
appareceu da Passagem da Magdalena, do
sitio em que mora oSr. Dr. Malet, o mole-
que Marcal, o qual he bem conhecido e tem
os seguntes signses : representa ter 20 an-
nos, baixo, cheo do corpo ecarcundo, cOr
fula e sem barba ; tem falta de um dente na
frente do queixo inferior ehelilho do .ser-
ta o de Paje, por isso julga se para IA ter
ido : recommenda-se, porlanto, aos ca pi-
taes de campo a captura do dito moleque,
que serao bem gratificados.
-- Desappareceu, no da 18 do passado, o
escravo de nacSo Cacange, de nome Jos,
representa ter 5 annos, baixo, grosso do
corpo, sem barba, rosto abocetado e ps pe-
queos ; levou caiga de algodo transado
com listras azues e carniza de algodSozi-
nho j rola : quem o pegar, leve-o a rus do
Vigarion. 22, primeiro andar, ou na rua
da Cadeia do Recife n. 51, que se recom-
penssr.
Desappareceu no dia 4 do corrente
urna negra de lucilo Costa de nomeili-
nervina de idade de 24 annos pouco mais
ou menos, estatura alta, cabcQS pequen,
com algumas faltas da cabellos no canto
direilo ds testa ; julga se ter rapado a ca-
beca para encubrir a falta : rosto curto e
largo, lemas linas, levou vestido de ra
magem rouxa o panno da costa: qnem a
pegar leve-a ao trapiche do Ramos qua
aera recompensado.
Pf'.ttN. na.Tyi.I)i: M.F.nnrAi'.T.v-
\\


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAXFM01KF_1A1TBO INGEST_TIME 2013-04-13T00:59:13Z PACKAGE AA00011611_05342
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES