Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05336


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Ann XXVII
Sabbado 10
i> amidas sos con. mo.,
Goianna e Parahiba, s segundas e sextas feiras.
njo-Grande-do-Norte, toda as quintas feiras ao
melo-dla.
Garanbuns e Bonito, a 8 e 23.
Ii,..i-Visw c Flores, 13 e 28.
Victoria, s quintas feiras.
Olinda, todos os dias.
m.uitaa
EPHEMtalDES.
rNova, a I,
PHASI Di LDA.)?-re*C- "
as 6 b. e 42 m. dam.
as II b. e 14 m. da in.
Chela, a 15,as .') h. c 45 ra. da m.
Ming. a 22,sl0b. e38m. da t.
VBKAKAB DE HOJI.
Priraeira 0 e 3>) minutos da tarde.
Segunda 0 e 54 minutos da manha.
de Maiode 1851.
W. 106
pnrqo da aUBacniPtjlo.
Por tres meses/adiantados) 4/000
Por seis raexei Hf 000
Porumanno 15/000
das da imam.
5 Seg. S. Pi Aud. do J. d'orf. e m. 1. vara.
Tere. S. Joo. Aud. da Chae, do J. da 2. va-
ra do c. e dos feitos da fazenda.
7 < Ju.-irt S. Estanislao. Aud. do J. da 2. vara.
,8 Qulut. S. Apparijo de S. Miguel Arcbanjo.
Aud. orf. e do J. m. da primeira vara.
9 Sext. S. Geronclo. Aud. do J. da 1. vara doel-
vcl, e dos feitos da fazenda.
10 Sab. S, Piladelpho. Aud. da Ch. e do J. da 2.
varado civel.
11 Dom. do Dom Pastor.
CAMBIO 1>E 9 DE MAIO.
Sobre Londres, a 29 d. p. 1/000 ".80 dias.
Pars, 320 por fr. nominal.
Lisboa, 85 a 90 ... .
Ouro.-Oncasliespanholaf..." *ffl"
Moeda.dc 6/400 veltaaa. 16/000 a
. de 6/400 nova. 16/000
. de4*000....... 9/000 a
Prata.PatacOcs brasllelros.... J/w"
Peso coluinuarios..... JSSj
Ditos mexicanos........ 1/boO a
28/500
lf.*m
161200
9/1 (Mi
1/940
1/940
1/700
^y'<%
EXTERIOR.
Slemarandum dirigido pilo gorirno [ranees ao ga-
binete austraco e aoi oulros gobinele lignata-
roi do acto do congresso di Vienna, acerca da
questo germnica.
A confederacao germnica foi cousliluida
pelo pacto federal concluido em Vienna aos 8
dejunhode l8i5, pelo, governos allomaos, e
cujo prlmeiro artiga he concebido nos se-
guimos termos:
Os principar soberanos, e as cidadea li-
vres da jVllemanha, coinprcbendendo "uesla
convenci S. S. M. M. o imperador da Austria,
o re da Prussia, o re de Dinamarca, o rei dos
Paite.-Balxo*, e especialmente o imperador da
Austria e o rei da Prussia.portodasaquellas das
.uas possessdes, que penenecram amigamen-
te ao imperio germnico, o rei de Dinamarca
pelo ducado de Holstin, o rei dos Paizes-Bal-
xo. pelo gro-ducado de Luxeniburgo, esta-
bellescem entre si urna confederacao perpetua,
a qual se deu o noroe de confederacao germ-
nica.
Este artigo e bera assim o. de oulros do pac-
to federal, o. quae. conten as base, principaes
da conferacao, foram reproduzidos textual-
mente sob osns. 53a63, no acto geraldeVieuna
assignado no dia seguinte, 9 de junho pelos re-
presentantes das principaes potencias euro-
peas. Quanlo ao art. 12 a 20 do pacto federal,
comprehendidos conectivamente debaixo do
titulo de dl.po.ijoe. particulares, os quaes se
appllcam as quesloes menos importantes, el-
les nao faro.como os precedentes formalmente
reproduzidos no acto geral do congressn ; po-
rm, o que vem a ser o inesmo, o art. 64 d#ste
acto, ao qual foram annexados, declarou que
teriam a misma forja e valor, como .e nelle
fo.sem litteraliHeote inseridos.
Assim pois o pacto sonslitutivo da confede-
racao, inclusive a. .uas clausulas menos es-
senciaea, faz parte integrante do acto geral do
congre.so; portante no rigor do principio, nao
se pode faser nenhuma allerajo na menor
dessas clausula, .em o concurso de todo, os
governos que a.aiguaram este ultimo aelo.
(om oais forte rasaose applica este princi-
pio ao artigo cima citado (odo pacto fede-
ral, o 53, do acto geral) o qual cria a confede-
racao, da-ibe lugar na ordem europea, e de-
termina o. mu. limite..
Da. declaracdes feita. em 18l8 pela Austria,
e pela Prussia, no momento em que em execu-
co da clausula que Ihes diz respeito no art. 1.
do acto federal de 8de junbo de )8i5 (art. 53
do tratado de 9 do mesmo me/.), estas poten-
cias designarain como devendo fazer parle da
confederacao germnica aquellas de suas pos-
aessdesque amigamente perttmeeram ao Impe-
rio, tem-se querido inferir que esta clausula
fora considerada antes como facultativa do
que como obrigatoria, donde .e seguirla que se
a Austria particularmente nao comprehendeo
a Lombardia entre as suas provincias, cha-
madas para entrar na confedera j.i, como en-
i.io ella prelendeu poder faze-lo, por causa das
relenos que tinham existido entre esta pos-
se.sao italiana, e o imperio romano, he por
que qulz, como bein o declarou, nao dar sin
rilrnio ao artigo.
A Au.tria nao linha nem que interpretar,
iiem que irnaVr, e.te artigo. Para ella, como
para a Prussia tralava-se simplesmente de exe-
cuta-io, designando aquellas de suas possdes al-
lemaes que deviam entrar na clrconscripjo
territorial da confederajso. A Lombardia cor-
tamente no poda ser considerada como de-
vendo figurar em urna talnoinenclatura porter
tido relacdes feodae. com o imperio da Alle-
manha. Foilstooque o gabinete de Vienna
coinprebendeu mullo bem, excluindo-a na ses-
so da Dieta de 6 de abril de 1818, da lista das
provincias austracas, que deviam fazer parte
la confederacao. A Austria linha enlao que
prot-ar Allemanha ; auo pouco entrava cm mu
planoi atender alm dot Alpes a linha de diftsa
da confederacao.
A Austria nao linha dreilo algum relativa-
mente a esta circumscripjo territorial da con-
federacao germnica, alm daquelle que o tra-
tado de 9 de junho de 1815 Ihe deu.
Seria igualmente difcil admiur esta outra
bypotbe.e que a Prussia em 18l8, quiz dar a
entender que, em rigor, nao era obrigada a
entrar na confederacao com todas aquellas de
auas prvlncias que tinbam sido outr'ora de-
pendencias do imperio.
Julgue-se desla hypoihrse pelos proprios ter-
mos do voto, enunciado em nome do rei da
Prussia na sesso da Dieta de 4 de malo :
S. M. nao er poder melhor significar a
parte sincera qnc continuaa lomarem ludo que
prouielte a.segurar o repouso futuro da Alle-
monha, e o desenvolvimento o mas perfeito da
aua forca interna, seno associando-se para
este fim com a confederacao germnica com
todas a. provincia, allcmc. da monarchia j
amigamente ligada, Allemanha pela liugua,
pelos costumes, pelas leis, e em geral pela na-
cjonalidade. > L >igue-ie a designacao diitai pro-
vincial.
Urna tal declaracao nao implica nenhuma es-
pecie de reserva, nem suppde segundas in
lencoes. Pelo contrario ella mostra quanto a
Prussia era enlao animada pelo espirito de ho-
tnogeinidadi gumanica <\ue presidia a formajo
ccomposicd da confederacao,
A Prussia conformava-se pura e ..imples-
menie com a clausula do art. 1.* do acto fede-
ral de 6 de junho de 1815, e aluda mais com o
art. 53 do tratado europeo de 0 do mesmo
mes.
O nico arguinentoque se tem prodnzido at
boje para contestar s potencias europeas sig-
natarias do acto de Vienua, o direilo de inter-
vir na. modificaje. que se julga deverem ser
feitas ao. limites lerriloriae da confederacao,
funda-se no art. 6 do aclu final concluido em
Vienna em 1820, ntreos plenipotenciarios dos
governos germnicos, para completar e desen-
volver as di.po.icoes do acto federal.
Este artigo dii o seguinte :
A admlsso de um novo inembro na con-
federacao, nao poder ter lugar se nao quando
for unnimemente julgada compalivel com as
relacdes existentes, e com o ulerease geral dos
estados confederados.
He diflicil comprehender.se cm que e.te ar-
tigo pode invallidar o direlto que tem as poten-
tcncla. europea., de tomar parle as altera jrs
que por ventura le julgar que devero ser fei-
tas i convenco de 1851.
Elle falla da adtnissao de um noro membro,
e de nada disto se trata boje. A Austria faz
j parle da confederacao, e nao exige seno
figurar nella para o futuro com todas ai suas
provincias, cm vez de tmente figurar com
suas provincias germnicas.
Ainda que se devesse por fim admittir que
em falta do sentido textual, o espirito desta es-
tipulajo se aplique ao caso da incorporado
de novos territorios na eonfederajo, ella 'nao
terla o alcance que parece Ibe querem suppor;
por quanto de exigir ella para este caso o con-
senlimento unnime de todos os governos ger-
mnicos, nao se segu por nenhum modo,
que declara este consentimento sufflciente, e
que contesta aos signatarios dos tractados de
1815 o direlto de intervir para legitiinarem
esta alleraco, ou para se opporem a ella. Aiti-
pulacao diz que he preciso, para regularisar
urna tal medida, o consentimento innime de
todos os governos germnicos; mas no diz
que este consenlimento dispensa o das outras
potencias e nem o podia dizer, pois que o
contrnrio resulta positivamente do tracta-
do de Vienna. Comprehende-se portanto que
nao depende smenle dos governos allemaes
alterar estipulajoes que a Europa regulou em
comnium.
He pois evidente que o art. 6 do acto final
no derrogou, nem podia derrogar em ne-
nhum respeito o art. 53do acto geral, o qual
deixou as cousas no mesmo estado em que as
linha posto este ultimo artigo, e que por con-
seguinte para as modificar releva recorrer
aucloridade, que assim as regulou isto e, re-
leva obler o consentimento dos principaes
governos da Europa.
Objecta-se que ein 1848 a dieta de Francfort
fez entrar na confiderajo sem este consenti-
mento muitas provincias da Prussia, que at
enlao Ihe tinha sido estranhas. He fcil de re,-
pondrr-se qne esta deci.uo nao leudo sido
sanecionada pela Europa, he em direlto mil-
la, e que as circunstancias gerae. que abala-
vam o edificio europeu, explicao bastantemen-
te a ausencia de protestos formis. Parece que
uinguem tem intere.se em sustentar que in-
do o que enlao se passou na Europa fora legi-
timado rnente pelo factode nao de se ter feilo
nenhum protesto em contrario. Arranca fez
todavia conhecer qual era sui opiniao.
Resta a examinar se ha rases suflicicntes
para determinar as potencias europeos a da-
remo consentimento cuja necessidade acab-
bamos de estabelecer.
Dis-se que a Austria, tendo estabelecido em
sua administraco interior o systema_ de uni-
dade, nao pode ficar na confederacao seno
com a totalidade de .cu territorio. Se nao se
Ibe conceder islo, ella est resolvida a deixar
antes de fazer parte da mesma do que a devi-
dir a. suas possessdes submettendo-as a dous
rgimen. dltlerentes.
Ha aqui una questo de direito, e outra de
facto. Examinemos a gora a primeira.
(liando a confideraco se formou, o sistema
interior da Austria Ihe permetlio de as.ociar-
se a ella com as condiede. pre.criplas pelo
pacto federal, pelo acto geral do congre.so.
Ella nao pode boje allegar modificacoe. que
Ihe apruuve fazer sua constiluico particu-
lar, para exigir que se mude a propria natu-
reta di Confideraco. Ella nao pode tambein
amentar de reiirar-s,. da confideraco, se a
casse nao acceder a sua exigencia: corueflito
o art, 53 do acto geral tantas vezes j cltadn,
diz que os governos allemaes estabelecem en
treaiuma confideraco perpetua, eo acto final
de 1820, interpretando esta clausula, diz ex-
pressainenle no seu art. 5 que a confidera-
co be indissoluvel pelo principio mesmo de
sua instituico de sorte que nenhum dos seus
meinbros nao tem a liberdade de separar-se
ilell.l
Isso quanto ao direilo; quanto ao facto,
o qual releva aempre tomar-.e em consideraco
quando te traa de um estado lo poderoso
como a Austria, pde-se arfirmar sem hesita-
cao que o gabinete de Vienna, quer obleuha,
qur nao a iocorporacao da totalidade de suas
provincias, nao renunciar jamis volunta-
riamente o fazer parle da confederacao .obre
a qual exerce urna infiuencia, que he um dos
elementos piincipae. da sua forca poltica.
Pde-se accrescentar que a existencia unitaria
do imperio Austraco nao tem ainda um ca-
rcter de tal sorte absoluto, nao he um facto
lio completo, que se nao possa achar meio
de a conciliar com a manuteuco de nina por-
cao deste imperio lora da confederacao, da
qual o resto continuar a fater parle.
Para tranquilisar a Europa contra as con-
sequencias da innovacao proposta, c mesmo
para fazer que ache nella vautagens, tem-se
recorrido a argumentos de naluresa diversa.
Em resposta aquelles que allegain que a
Franca e a Russia, cm caso de lula com a
Austria, seja na Italia, seja do lado do Orlen-
te, se veriao, pelo cuello desla innovacao,
necessariamenle reduzidos necessidade de
combater toda a confederacao totnando-se
consegiiinleinente peior a sua condicao, e que
ellas teein o direito de se oppor a mesma,
d-se a entender que isto nao mudara nada
s probabilidades actuaes. pois que a forja
da. cousas dever necessariamenle arra.lrar
a confederacao mais cedo ou mais tai de a um
conflicto um pouco serio, no qual se poderao
achar empenhados os seu inembios mais po-
derosos. .
Esta allegacao e, por consegumte, a. induc-
cde. que della se quer liar, no. sao perfei-
tamenle exactas No passado quando mesmo
a Austria, pela dguidade Imperial de que o
seu soberano eslava hablualmeule revestido,
se achava collocada frente da Allemanha,
nem aempre conseguio arrastrar esta as
guerras da Italia e da Hungra. Nada prova,
pois, de urna maneira absoluta que debaixo
do imperio do pacto federal de 1815, ella de-
vessse ser nisso inelhor succedlda. Suppondo
inesmo que este resultado fosse provavel,
nao se tratara ainda seno de una verosimi-
Ihanca : em vez de que, depois da incorpora-
cao projectada, o facto lornar-se-hia verda-
deiro. Hasta dzer que esta incorporacao
nao he como se procura fazer crer, urna cir-
cumstancia indellerente relativamente ao equi-
librio europeo com a qual os outros governos
nada teem que se oceupar debaixo deste pon-
to de vista.
O gabinete de Vienna pretende tambem que
quanto ao es.cncial nada se alterarla nos
principio, do direito feder! allemao, aggrc-
gando-se explcita e eOectivamente a confe-
deracj germnica as provincias nao allemaes
da Austria, ou a Prussia e acharem empe-
uhadas urna ou outra, antes como depois de
urna tal incorporacao, trazia para a lula todas
as suas torcas dlsponiveis, sem nenhuma
dstinecao entre as que fosseui fornecid. pe-
la, provincia germnica., e as que provie-
cm das provincias nao germnicas. Accrcs-
centa-se que no estado actual das cousas por
pouco que a guerra toma.se vastas proporces
a confederado serla lnevitavelmente levada
a assocar-.e a ella em virtude do art. 47 do
acto final de l5 de malo de 1820. Este artigo
dispe que se nm estado confederado se achar
ameacado nu alterado as sins possessdes
nao coinpreehendidas na confederacao, esta
nao ser obrigada alomar medidas Jedefeza
ou unta parte activa na guerra, senao depois
que a Dicta tiver reconhecldo em conselho
permanente, a pluralidad/i de votos, a exis-
tencia de um perigo pira o territorio da con-
federacao. Das inesmas palavras deste artigo
e v claramente que um estado da confede-
r ii.ni germnica que tiver de combater pelas
auas possesse nogerinauicas, nao pode in-
volver ipio /icio a Allemanha na aua questo ;
mas be preciso primeiro que tudo que a Alle-
manha julgue necessaria para aua propria
teguranca, lomar nella parle activa, em quan-
to que na situacao nova e anormal que Ihe
f.iiia a incorporacao de todas as provincias
da monarchia Austraca, a confederacao se
acharia obrigada priorf pelo effeito de urna
solldarledade militar completa, a tomar parte
e inleresse pela Austria em urna guerra que
esta poderla ter que sustentar fra da Alle-
manha. No estado presente das cousas, a
confederacao deve examinar, discutir, appro-
var ou rejeitar, conforme julgar conveniente
Na combinaco de que se trata, ella nao teria
outra cousa qne fazer senao obedecer; o
seu livre arbitrio desappareceria. Por certo
esta slluacao lie milito defireme.
He verdade que se auppe que no raso de
a Austria inteira fazer parle da confederacao,
a Dieta, usando do sen direito sobre un es-
tado subinetlido completamente sua autori-
dade, impedirla que o governo Austraco se
empenliasse fcilmente em lutas, das quaes
ella terla que soll'rer as consequencias, Este
argumento funda-se na liypolhese de que a
Austria, posto que iigurasse na confederacao
com um territorio e una populaco tres vezes
mais consideraveis do que aquelles, com que
presentemente figura, nao exercerla com tu*
ilii i prepondera in; i absoluta que nm (al acres
cimento parecera dever ,is isso nao pretendera mais influencia do que
no passado.
Os apologistas do projeco de incorporacao
preten'loin com eoeilo que esta medida, exi-
gidas pelas necessidades interiores do imperio,
nao deve trazer para o mesmo um augmen-
to de poder, nem na Europa, nem no seio
mesmo da confederacao.
Esta asserco parece asss dillicil de consi-
liar-se com o raciocinio a que se recorre, .ein-
prc que >e quer demonstrar as vantagens que
a Incorporacao teria para a causa da ordem e
da paz. Ento dlz-se que a Austria, tornado
mais poderosa nos conselhos federaes, estara
ein posico de inelhor conter na Allemanha
o espirito revolucionario, e as influencias am-
biciosa, que tanta, vezes tem procurado fazer
delle um meio de engrandeciincnto e de u-.ur-
paco.
Sem duvda, exprimindo-se assim, o gabine-
te imperial nao prelendeu agitar em favor da
ua causa, em vo fantasma de terror. A rea-
lidade revolncionaria, tal qual elle a encara,
obriga-o a sabir da legalidade. 0_ perigo- he
ilumnenle aos seus olhos, e a unio da Alle-
manha be forte bastante para preven-lo. Po-
reni teja-mc permittido diser que ba urna e>a-
geraco evidente neslc modo de estabelecer a
que.lo. Os fados nao autorisaiu a Austria a
usar de semelhanle liuguagem. O seu exerci-
to be forte, a revolta achou-o inabalavel; as
dcstestaveis doutrinas da demagogia nao o at-
tingirain; elle aprsenla 400 mil hoiuens ;
aguerridos para urna prova quealgumas vezes
desmorarlsa a. tropa, a. mais bravas; o contac-
to com as idea, revolucionarias e as popula-
ces insurgentes. Nada enfraqueceu este po-
deroso exercito, e seria baldado querer repre-
sentar como dbil, ecomo desprovidodemeios
sullic eniei de represso um poder que se acha
lo forle depois de ter alravessado o. perigo.
das guerras c das revoluce.
He preciso optar entre estes dous thronos i
ou a nmilaiiea proposla augmentar desmesu-
radamente o poder austraco, e enlao a Euro-
pa, a Franca particularmente lem o direito de
oceupar-se da manntencao do equilibrio pol-
tico ; ou nao ter neuhum eflito scusivel a es-
te respeito, e aiuda ne.ta bypothcse como, uo
resultada della nenbuiua vanlagem, seria pre-
ciso repelllr una innvafo que inquietara a
opiniao publica, alterando o direito publico
europeu.
A confederacao be uina das bases deste di-
reito publico. Interposta as graudes poten-
cias, cuja.usurpaces ella sobreludo tem inle-
resse em embaracar, coutribue poderosamente
poriua massa, c porassim dizer, por.ua forcn
passiva a conservaco da paz geral.
A homogelnidade de rajas que no meio de
numerosas diversidades ihe conslitue nina un-
dade verdadeira, a turna inaravilbosainente
propria para esse grande e nobre papel. En-
cerrada nos limites que Ihe assigna esta ho-
mogeinidade, logo que a confederacao se im-
poser ao mesmo lempo a le de uo excede-los,
e a deno solirer que sejam restringidos, ella
era a mais segura salva-guarda, da ordem e
da pai europeas. Urna poltica contraria teria
naturalmente consequencias inteiramenle op-
poslas. Estender arbitrariamente esles lem-
tes naluraes, ou consagrados pelo lempo ; i en
mr as popiilaje. allemaes, bungaras.illyricas,
italianas, no meio das quaes as piimcira. sc-
rain absur vnias, seria desnaturar a confedera-
cao, da qual seria preciso at mudar o nome,
para nao ficar em coniradicco com a realda-
de: Esta massa que absorve em seu seio vinle
povos e viole estados dilleieutes ; se apreseu-
taria ao espirito, nao mais como uma garanta
de paz ede equilibrio porm como umaamea-
ca, um symbolo de conlisso e de invaso. No
interior uiesmo dos territorios que reunisse,
he duvidosoque, apezar da sua forja appareu-
te, ella podes.e melbor ou me.uto lambein
como a confederacao actual, manler a ordem
ea auioildade. Goucebcseque um fundo de
nacionalidade couimuui permute fazer luter-
vir, sem oll'ender muito o senlliuento pnblco,
as forjas da Austria, da Prussia, da //aviera,
para sustentar ou para reslabelecer na Saionia,
no graude ducado de faden, uoeleitorado da
llessj, no ducado de Holstein o poder abalado,
ou decablda do. governos ; porm ter-se-ba
pesado bem o elleito que produzirla com o
andar dos lempo, ou uuiii momento de crise
violenta, o emprego das tropas hngaras, ou
polaca, para reitabelecer a ordem na margen
do Rheno ; o das (ropas bavaras e prussianas
parasubmetter a Hungra sublevada ?
Um tal rgimen proclamado, nao mais a ti-
tulo de medida excepllonal, e em uma cir-
cunstancia dada, mas como um estado de
cousas normal, constjtucionaes no disperta-
ra mais tarde ou mais cedo repngnancia, iml-
tajes que comprometen un o socegoda Eu-
ropa ? Nao espanta porventura a dimeuldade
que se experimentarla, ein por em movimento
una maquina (o enorme, (ao complicado ?
A organisajao federal sinceramente appllcada,
e respeitosa por conseguinte para com a inde-
pendencia dos governos particulares, seria
evidentemente Impotente para isso. Um ho-
inein de genio, um despota favorecido pelas
circunstancias, tal como Ca los V, ou Fernan-
do II. (alvez o conseguisse por nin'momenln ;
porm entao o instrumento posto em suas maos
se tornara mili terrivel para a Allemanha, e
para a Europa inteira. Pesiado este momento
o pretendido poder federal, esgotado por os-
le mesmo excesso, cahiria em una verdadeira
atona, e a confedorajap, porter querido es-
tenilcr-se demasiadamente por ter forjado as
molas de sua existencia, acabarla (alvez por
dissolver-so, lanjando a Alomanha em tuna
anarchia, que dexaria a Europa.sem contra
peso.
Iteleva, pois evitar coinbuaje. que sem
ofl'erecer noiihumas vantagens estilo expostas
a (antas eventualidades perigosas, e funestas.
( Journal des Debat.)
INTERIOR.
COnilESPOMDENCIA DO DIARIO DE PER.
NAHBCO.
Pari '22 de abril de 1851.
Depois das ultimas nolicias que d'aqui
Ihe dc sobre o estado sanitario ta provin-
cia cm nada temos pcorado ; a epidemia se
pode dizer entre nos com|iletatanien(c ex-
tinela; o cstou capacitado do que para isso
muito tem concurrido as obras t\\io o go-
verno tem feito.
Que inercca altcnr;ao nada tem occor-
rido, no ser a apprchensiio d'um con-
trabando no valor de 7 8:000,000 rs. prego
do mercado, e umassassinatocommettido
por um cabocolo om a pessoa de su i nmazia
a bordo do uma canoa. Foi preso na mesma
Milita: o assassino, e no dia immedialo en-
contrado o corpo da victima.
J socstJo astillando as mesis do qua-
ificaQilo para a guarda nacional,, e espe-
ramos anciosos pela decisHo do governo
central sobre as propostas -Jos empresa-
rios da navegacHo vapor pelo Amasonas.
Oj paraenses ainda nlo podem tolerar
sem horror a vista de Eduardo Angelim
quo aqui veio na barca Bailtiantia.
Gozamos da mais perfeita tranquillidadc,
lenas plena conlianca no bomem quo nos
governa.______

t
immmo
CMARA MUNICIPAL DO RKCIFE.
StsSMI KXTIIAIIIII-INAH I A DE 7 DE ABBIL
DE 1851.
Presidencia do Sr. Mameie.
Presentes os Srs. (tarros, Mamode, Carneiro
Honteiro, Vianna c Figueircdo, abriu-se a ses-
so.efo lida.eapprovadaa acladaantecedente.
Foi lido o seguinle
EXPEDIENTE.
Ui%ofiicio do Exm. presdeme da provincia,
transmiltiudn qualro cxemplares do peridico
.1 ii ri/, i / r da Industria Nacional pertenceme aos
mezesde agosto, selembro, oulubro e novem-
bro do anno passado. Que se arquivassem.
OiKro do procurador, apresentandoum map-
padasiiiliumajdes feitas no ceniterio no mea
de marjo prximo lindo. Inteirada.
Oulro do mesmo, aprosentando o balanjo da
receitaedespciamuiiicip.il no me de mareo
ultimo. A'coininisso de polica.
Outro do advogado, pedindo que se Ihe re-
meuesscni as informajoes, que lia muito, exi-
gir ilu i clmente, e por intermedio do procu-
radora respeito da conta apreseuada por An-
tonio Joa'iuim de Mello Pacheco, em opposijo
que a cmara exhibi ein juizo contra elle.
(Jlli- se roinette,-,e dito ofiicio por copia ao
procurador, determinando-se-llie que forneja
ao advogado todos e quaesquer documentos
que se fizerem precisos econslarciii da secre-
taria ecnntadoria municipal para o boin xito
da questo, requerendo por certido aquelles
que por outro modo nao poder obler ; e que
ueste sentido se respondesse ao advogado.
Outro do mesmo, dando sua opiniao a res-
pei(oda maleriadapetijo do coroucl Estevo
Gavalcanli de Albuquerque, feita ao governo
da provincia, e por este mandado ouvir a c-
mara, na qual o peticiouario quexa-se da in-
competencia dos juzes de paz do primeiro e se-
gundo dislricto dcsta freguezia de Santo Amo-
nio, que eslSo em exerccio no correle anuo.
Que se informasse com a opiniao emitlida, e
se olficiasse ao cidado Joo Francisco llas(os,
11 ii ii tu juiz de paz do seguudo dis(ric(o da mes-
ma freguezia, para funeciouar nesle anno, vis-
to a, hai -se legtimamente empedido o juiz de
paz, a quem caba semelhaute exerccio; e que
se scicutilicasse a S. Exc. que pela attluencia
de ir ili,,1 lio- de transcedencia nao fra possivel
a cmara informal' antes dita petijo.
Outro do fiscal de Santo Antonio, dando a
raso porque n.i > podera -ainda iolormar a pri-
meira petijo de Ludgro Gonjalve. da Silva,
relativa a urna rdificajo na ra do llangei.
Que losseremetnda a comiuisso de edilicajo,
piui um me i .un a. informajao dada sobre o
mesmo assumpto pelo engenheiro cordeador,
para, teudo em vistas a iuforinajo que der o
fiscal interpor seu parecer. Que se olucasse
ao mesmo fiscal para remetler com urgencia
essa informajao referida comiuisso extra-
nhando-se-llie que o nao tenba j feito, visto
nao seren plausiveis a. rases quo expoz.
Oulro do inesmo, parlicipaudo Juo poder
comparecer boje por estar coucluindo os traba-
llio. de escripturajo da junta de qualificajo,
de que he secretario. Inteirada.
Oulro do juiz de paz mais volado do primei-
ro dislricto da freguezia de Jaboatao, remet-
iendo o livro da qualificajo dos volantes da
mesma freguezia. Que se archiva.se.
Outro do administrad ir interino do ceinite-
rio, remetiendo a folba para pagamento do
ordenados dos respectivos cinprcgadoa, venci-
dos no mez de marjo ultimo. e.pachou-e,
un mi i u.l-i.so pagar.
Outro do fiscal de San Jos, participando que
as o.isinliis da ribeira, oceupadas actualmente:
com talhos e achain deterioradas, tanto a res-
peito de suas paredes como do ladrilho. Que
se detcrmlnasse ao cordeador fizesse o orja-
mento dos reparos precisos.
Outro do fiscal de Moribeca, remetiendo os
termos de multas quo-impozera por Infracjfle*
de posturas, no anuo passado e no corrente.
Que fossem remedidos ao procurador para
proceder como Ihe cumpre.
Oulro do fiscal do Poje, expondo a necessi-
dade de seren alerrados algn, lugare da
mesma freguezia. Que mandasse aterrars-
mente a baila frnmeira ao dito sitio do falleci-
do Pita, sendo a trra para isso precisa, tirada
do mesmo lugar indicado pelo fiscal.
Oulro do contador, dzendo nao poder aver-
bar certos documentos de despezas eventuaes
e de caljamentos de ras, por excederem das
respectivas quotas, e pedindo esclareciinento.
a respeito. Que se respondesse que eleva.se
as despezas quota de 790,000 rs., consiguada
na Ici do orjamento vigente, para pagamento
de Jos Itodrigues Fercira, uma vez que seme-
lhanle pagamento j foi ett'ectuado o anno pas-
sado, e ao restante d'outras quolas, como o
permitte a mesma lei; e quando ainda assim
nao seja .ufficente, o. documentos de despe-
zas, que a falla de nuota nao poderem ser aver-
bados, devero ser conservados em cofre, at
que o baja pela Ici do orjamento futuro. Is-
to mesmo se oominunicou ao procurador.
Outro do engenheiro cordeador, cominuni-
cando haver subr'estido nos reparos do calja-
menlo do aterro da lloa-VIsti c das ras do
Cabuge Crespo, por Ihe constar que se acha
raptada a referida ritila, e reflexionando so-
bre a conveniencia de so continuar nelies por
alguna dias. Que se cnulinuasse nos reparo.
d.is dins ditas ras do < ahtig e Crespo, sendo
a dospoza feita pela quota de 790,000 rs. cima
mencionada.
Foi approvado um parecer da cominlssao de
edifleacio, relativo as prelenjes do engenhei-
ro Jos Mamada Alves Kei reir e Lata Jos de
Souza sobre terrenos de inarinha, e no senti-
do do mesmo parecer se maiidouofDciar a pre-
sidencia.
Foi o Sr. vereador Matncde enfiarregado de
sabor se os moradores e propietarios da ra
do Rosai io larga ainda querem mandar caljar
suas expensas a me.ma ra, alim de para ahi
ser removida a pedra de caljar que se acba
junto as ponles do llecife e uoa-Vista.
l iei i Me ron a cmara que se otlicias.e a pre.i-
dencia, dzendo que ella lem incumbido a urna
comiuisso de seus membros a iudicajao dos
Ino.ii-es que devom de ser condecido, como su-
burbio, da cldade, para depoi. dar a necesa-
ria publicidade Jesses irabalhos.
Mandou-ae remetler a cominiaso de edifica-
jo, os reqiierimcnlos de Adelo Jos de
Mendonj e Manuel Pestaua de Audrade, so-
bre terrenos de inarinha.
'I ii ou se do cofre no dia 4 do corrente um
cont de ris e boje igual quanlia para as des-
pezas do cemilerio.
Uespacharam se as petijd-s de Am.ro Perei-
ra da t ruz, Antonio Pedr- das Nev, Felicia
do Sacramento, Joao Marllus Ribeiro, Joaquina
llenedila Vicira da Silva, Jos Saport, Lou-
renjo de Jc.us Mara, Manoel Antonio de Aze-
vedo, Manoel Machado Viraos, de Mara da
Carvalho Paes de A mirado, Ponciauo da Silva
Tavarcs, e levautou-sea sesso.
liu, Manoel Ferreira Accoli, secretario inte-
rino a escrevi.Uainede, P. P. Figueiredo
Dr. Souia. Uoiaei. Carmiro Monteiro.
TiUBUiNALDOJURY.
SESSA ORDINARIA, EM 8 DE MAIO DE 1851.
Presidencia o Sr. Dr.Manoel Clementino
Carneiro dn Cunha.
A. ouze horas da inanhua, faz-.e a chamada,
acham-.e prsenles 39 seuhores jurados.
O Sr. i"rjiif>ii< abre a sesso.
Apregoados os reos e testeinunhas, compare-
ce barra do tribunal o indio Candido Jos de
M.ii aos, que representa ter 2G a27 auiios, altu-
ra c feijes regulares, para resnouder pelo cri-
me provisto nu art. '201 do cdigo penal ( otteu-
sasphyscas.)
Proccde-seao sorteo do conselho, e s.iliem
escolhidos os Srs. : Joao Manoel Kilie.ru de Cou-
to, Jos Francisco Ribeiro, Joo Rodrigues
Ciuipeilu, Francisco de Paula Gonsalves da
Silva, Manuel Carneiro Leal, runo Amonio de
Serpa lirando, Aotoiiio Simplicio de l'arres,
Francisco Jos Arantes, Manoel Jos de Olivel-
ra Lima, Manoel Fraucisco Marques e Domin-
pos Soriano Alves da Silva.
O Sr. Presidente : Dill'erindo ao conselho o
custumado juramento, passa a fazer ao reo o
seguinle
INTERROGATORIO.
Juis Como se chama '
Rio : CandidoJos do .Muraos.
Juiz i Qual he a aua prnfisso ?
IMa(embancado): sr cu uo tenhoofflelo
nenhum.
Juis : Sabe porque he aecusado ?
Bo :Nao, senhor.
juis :Foi preso por ordem do subdelegado
do Pojo daPanella?
Rio :Sim, sent ii,
Juis :Porque raso foi preso ?
ii, : Fui preso, porque Uve um barulha
com outro, elle quiz dar-ine com um ferro, e
grudou-se commigo, eu eslava com urna l'i-
quiuha, elle cahio por cima de uii.n e entao
se ferio.
Juiz:Coohece lodas'as leslemuuhas que ju-
r.n.nii cintra o senhor ?
Peo : Conhejo, sim, senhor.
Juiz Coohece a setima tesletumunha Ro-
mana Mara Francisca i
Rio i Conhejo, sim, senbo,
Juiz;Em ca.a de quein eslava quando teve
esta desavenja?
Rio : Ein casa dessa mesma testeinunba.
Juii: -Qual foi o inolivo dessa briga do Sr.
com Francisco de Paula Fernaudes ?
/' i: Por causa de uina rapariga.
Juis : Quem provocou a questo, Jo i o Sr.
ou elle?
Ha : Foi elle, porque pegou a me des-
compon
J,,i: :Mas, porque rasao o descompoz elle ?
Rio i Porque e.ta rapariga eslava commi-
go ; nos vinhamos de um baile, de uina fuoc-
jo de pastoras, diego, acho elle dentro de ca-
.a, nao Ibe eiisse nada, elle eolio pegn a me
dcscompor e quiz me dar com um pe de cabra*
' ^F


_. .
'%,/
K,
M
cu dlssc, que rile nao era capas, elle ento
grudo.i-se commigo, e cahime todos dous c
ento ferio-se.
Juix: --E de una queda s ferio-se duas
Vezes ?
Ro:-- Sim,senhor, ale me pregou odente,
porque cu cahi por balxo e elle cahio por
cima, c enlao passou-me o dente aqu.
Jhii ; Com quantos frrimentos licou Fran-
cisco de Panla Fernandcs ?
Rio '. -- Disse que eram doua.
.lu;: F. ambos feltospelo mesmo modo ?
J, lo: Diz que Ib i,
Jui: iNa occasiao da queda, ambos ?
Rio : --Slm, senhor.
Jui: : Tcu alguma cousa a alegar em sua
defesai?
O Ro balbuca algumas palavras, no saben-
do o qne reipnnda.
OSr. drogado : O querelle tein de expor
em suadefesa,eudirei como advogado e o que
elle tem dito, isto he, que commetteu o crinie
em defesa proprla, he bastante para mostrar
qne nao he criminoso.
Jui: ( continuando o interrogatorio ) j O
acto Coi commettido em sua defesa ?
Rio : Sim, senhor.
Findo o interrogatorio, sao lidas as difieren-
las pecas do processo e segue-se as allegaces
pro e contra o reo, nudas as quaes ;
O Sr. Presidente: Faz o relatorio da causa e
entrega ao conselho os segrales
QUIZITOS.
1. O reo Candido Jos de Moraes prattcou o
facto de que be aecusado de ter feilo olt'ensas
pliysicas napessoade Francisco de Paula Fer-
nandes ?
2. O reo commetteu esse crinie impellido
por motivo reprovado 011 frivolo ?
3. O reo commetteu esse crinie leudo supe-
ridade em armas r
4. O jury reconhece a circumstancia justifi-
cativa, de ter o delnqueme commettido o cri-
nie para evitar mal inaior ?
5. O jnry reconhece a circumstancia juslili-
cativa, de ter o delnqueme commettido crinie
em defesa de sua pessoa ?
. Existen, circunstancias altenuantes a fa-
vor do reo ?
O jury recolheu-se a sala das conferencias,
e volt iinlii i'ouc.i depois, julga o criiuejuslili-
cavel por 7 contra 5.
O Sr. Croidenle : Absolve o "reo, appell indo
es ollicio para o superior tribunal da rrlaco.
Levanlou-se a scsso, s6 horas da larde.
DIARIO DE PE MMICO.
BECIFE, 9 DE MAIO DI ISM.
Recebemos hoje pelo vapor IWi/ann entrado
do norte gazetas do Para, al l do passado,
do Maranhao ate 26, do l ear at 30 e da Pa ra-
in ha at 19 do mesmo nicz.
Ao que se le em a carli do nosso correr pon-
dente na primeira das referidas provincias, e
que transcrevcinos em .otitra parle, temos de
accrescentar o seguinte. Foi contratalla pelo
respectivo presidente rom o Sr. Antonio Jos
de Miranda a construeco de urna doca no lu-
gar do lguarap-Jo reducto, pela quanlia de
7:700.000 rs., devendo a mesma ser concluida
dentro de um auno. Esta obra, que tara P "
liiu abrigar alli as uccasies de mares fortes
as pequeas cii.barcar.oes de coinmercio, pro-
nette anda por outras circuinslaucias da lo-
calidnde grandes vantagens.
Chegra aaquelle porto a galera francesa Ati-
na com a noticia de que graisava intensaiiieu-
te na mesilla colonia a epidemia da febre ama-
relia, que, em novembro do anuo paisado,
tinha victimado una grande parte das pessoas
mais qualilicadas e nolaveis da capital, taes
como o governador jVfassiii reeem-eliegado da
Franca, o presidente da cour d'nppell, n enge-
lihero do gorerno.dous inedieos, e quasi todos
os chefes das repartieres, haveudo porm espe-
ranzas ile que em breve se exlingueria ella pe-
la grande declinado que apresenlava ultina-
iiiente.
< mista va a redaceo do Trt:e de Mato que a
proposta do negociante paraense Joo Augusto
Crrela ao governo imperial sobre navega-
cao a vapor pelo Amazonas, fora submellida
ao conselho de estado, e acliava-se em infio do
Eim. visconile de Olinda, para dar, na quali-
dade de relator de una das scccocs do mesura
conselho, o scu parecer acerca das vantagens
das coudiccoes oll'erecidas.
O referido jornal em seu numero de 5 do
passado narra pela mancha srguinte os dous
factos, do contrabando e do assassinato, a que
perece alludir o nosso correspondente em sua
mencionada carta :
No dia 2 deste mez foi urna diligencia
por parte d'alfandcga e policia ordenada pelo
Sr. inspector de fazenda publica desta provin-
cia a Mi i das Oncas furo do Piraiiianlia, e alli
em una casiulia apprehendeu '21 voluntes
com calcado e outras mercado! ias uo valor de
.V.!.V.!,i>ii."i rs., para pagar direitos.
a noile de 'i do crreme pelas 9 horas,
em frente da casa do cidado Joaquim Kr.ui-
ciico Dauin eslava urna montara clieia d'agoa,
eslando dentro dell.i urna menina de 8 anuos,
a qual grilava chorando, ao mermo tempoou-
viram-se gritos de una pessoa, que se afoga-
va, e de urna canoa que eslava ancorada eni
distancia parti o grito de--ja nialou ',o guar-
da da atfandega Vicente Kerreira de Mello Al-
buquerque Pilta, que se achava de ronda no
mar, por parte da alfandega, acudi inconti-
nente ao lugar do conllicto, e quaude alli clie-
gou, o assassino por noine Pedro Alexandre,
atirou-se ao mar para evadir-se, abandonando
infelit crianca na moutaria alagada. A vic-
tima chainava-se Mara Vidornia, e o assas-
aino, tendo-a afogado e alirado ao mar, ten-
tando evadir-se, lo preso pelo j mencionado
guarda Pitia, que o couduzio para b r I. da
Larca de vlgia da alfandega, bem romo para
all tambera levou a iiinoeeiite Hosa, que |.,, ,_,
conseguir salvar. No dia 5 indo o Sr. guarda-
inr da alfandega bordo daquella barca para
fazer conduzir o preso para ierra hlim de ser
entregue a autoridade policial, vio o cvlavcr
da victima boiando pela superficie d'agna, e
mandando logo dous escaleres a reeollirreui
aquelle despojo mort.il, obra dainas nefanda
crueldade, o fez pedozauenle amorlalliar
bordo, e fez transportar para ierra, vindo no
mesmo escaler o monstro assassino em frente
da misera victima. Esle espetaculo do algoz,
eda victima promoveii. profuuda sensaco no
grande concurso de espetadores, que cuucor-
xeu a praia para ver aquelle espetaculo extra-
liul arrancando lagrimas pelo iuleliz lim da
desditoza Mara Vlctorina!
No Mai.u.lia tiulia apparecido lima cpi.le-
inia, cujo carcter aiuda seno achava bem
deleriniuado, e que lem poslo a cidade em al-
guma consternaco. O Publicador Slaranhen-
o refere nos termos scguiutes os progressos
por ella feltos, e a mortaudade, que lem occa-
ionado :
Reina actualmente nesta capital urna fe-
Jare que parece epidemia, e sobre cujo ver-
dadeiro carcter, se he ou nao a febre ama-
ii II i, j se vai disputando, como aconteceu
cin quasi todas as provincias visitadas por es-
te lltgello. O certo he que casas ctu que to-
dos os moradores lem cabido doenles, e o mal
\ai fazendo algumas victimas entre as crian-
cas, os adolescentes, mormcnle Porluguezes
pertenceutes elasse dos caixeiros, e os que
Bollrein de complicacucs de outras molestias.
Como se ver das colninnas do Publicador a
mortalidad.- em duplicado no decurso lo
colera celeste-Mas na general!- | nenliuma esborda furiosamente a velha, ca-
sos o mal cede promptamentc a panca o rapaz, e nao contente com ludo lito
eir meditacao. W "otos e quer corta-
. JS Inexactldao as copia, do regs-! n.embro n este empenho corre n
to dos morios que tem sido remellldas a es- quases para Impedir esse negro ,
le jornal dos ceinltcrlos da Mlzericordia cdos mis o monstro que ja se acha, na I
Paso. a niorlalldade tem sido esta desde o parles gcnltacs do infeliz lanca mi
ra aplacar a
dade dos casos
qualqucr llgeira inedilacao. agarra dos escrotos e a""
' Se na'o ha inexactldao as copia, do regs-! n.embro n'e.te empenta ~ro J-
posse das
mao da faca
principio do anno. Km Janeiro sepultaran!- e faz ".mpiiueao. Dteem que o c.bocio e.i
se M cadveres, em fevereiro 9(i em marco inulto Inchado, e suppoe-se nao escapar, sea
104, em abril at o dia 25 smente 130.' A esta hora j nao esta inorlo.
proporco lem sido a seguinte : em jane.ro a | II. inulto, das queeorM I ftMttgj*
molalidade diaria foi de mals de duas pes-' corre de plano. enWtanto M **g>
dia, em fevereiro e marco de mais dormem o somno da ind.ller^en{a anda que
abril finalmente pouco mais de he bem natural esse M
mesmo o abafamento .
No tornfifa Poran6ano nada eucontramos
que podesse ser mencionado.
sois por
de ties, em
cneo.
Era consequencia deste mal e da copiosa ebu-
va que cabio, passou-se tristemente a semana
senta na cidade de S. Luiz, pois que Igrejas c
ras mais pullcas se acharara desertas.
O portuguez Antonio de Oliveira, mandan-
te doassasslnato do Inglcz I). Tullock, cuja
Tendo apparecido mpresso emum peridico
de hoje, que na noite de 4 do correnle: percor-
rera as ras desta cidade, urna banda de musi-
sentenca de .norte fora confirmada pela rea- ca, acompanhada p" Bnde "'"o *lP;
cao, cncebeu um projeclo de fuga, que nao soas, e alguna officiaes do exercilo, alguns
f ex to. or serem logo descobertos os pre- d'enlrc eslessenhnrcs que fazem parte da guar-
nielo desta cidade nos pedem declaremos de
sua parte, que tal facto se nao deu, e nem bou-
ve outra banda de msica que percorreise as
ras nessa noite a nao ser a que tocou o reco-
Iher, nao havendo durante o leu transito algu-
ma manifestacao, ou signal de regozijo
teve xito, por serem logo descobertos os p
peralivos da mesma. Kis como o Porlo-h'ranco,
d conla das circunstancias que acompauha-
ram este facto.
Na segunda-feira l4 do corrente quasi ao
anollecer foi descoberta urna especie decons-
piraco, para arrombar por meios astuciosos a
cadeia desta capital, am de dar fgida ao pre-
so Antonio de Uliveira, mandante do assassiua-
to do Ingloz Tullock.
. O dilo Oliveirs, tinha pedido ao sentencia----------------
do Manoel Grimaracs Preto. que quando sahis- :THEATRO Db APOLLO.
se a ra, losse em casa de sua mulher, que ti- | BxfttUuuio jtt 11 *. corrnl. -
nha de dar-lhe una encoiniiienda para elle.
Coixmunicado-
Ntele que esse sentenciado coslumava levar
recados e objectos de Oliveira para a sua mu-
lher, c vce-versa, desta para aquelle. O sen-
tenciado deu parle ao carcereiro do podido
que Uliveiea Ihe tinha feito, c suspeilando o
carcereiro que algnma nuvidade de pondera-
cao tafia nesse pedido, acouselhou ao mesmo
sentenciado que fosse com o seu guarda a casa
da inullicrdo referido Oliveira, que trouxesse
aencommendae Ihe uioslrassc. O sentencia-
do assim o fez, e apreseutou ao carcereiro a
eiicoiiimeuda que receben, c que consista un
seguate: un Vldro OOtn (i oncas de acido n-
trico; un dito com 12 oncas de agua raz, duas
limas peqdcuas triangulares e una mola de
elogio, que poda servir para serra.
Prevendo o carcereiro o lim destes instru-
mentos deu parte de tildo ao Sr. ebefe de poli-
ca, queexpedio para logo ordein ao delegado
de policia para mandar prender a mulber de
Oliveira e o t inocuo Duarte Oliveira que com
ella mu ava.
A mulber tinha tdo o scu bom suceesso lia
20 das, co i ilion id achava-se bastante moles
lo. O subdelegado de policia da Conceicaoque
por orden, do delegado tinta ido con. o cscri-
vao tieWo ellectuar a priso, informado de que
essa seiihorano tinha completado aiuda o res-
guardo do parto, nao a quiz levar presa seni
consultar pi iineiro o Sr. chefe de polica, c di-
rgiu-se a casa deste Sr. para este lim, dcixan-
do em casa dalla o dito eserivo. Porm, in-
slstraloasenbora que leudo de ir presa dse-
java ser naquella mesma occasiao, e nao de dia,
a levou o e.crivao em una rede de (aboca a
casa doSr. chefe de policia, que a iiiaudou re-
colher a cadeia em lugar decente.
O tanociro foi recolhido preso ao hospital,
tres di as depois.
i. O arronibainento da pristi tendo de ser
ellctuado pelo preso Anlonio de Oliveira, sua
mulber c o tanueiro Duarte de Oliveira s po-
den, ser aecusados de cuinplices de tentativa
de arrombaiuento de cadeia por meios asiu-
c osos, visto nao se ter elle realisado por cir-
cuinstancias iidepeudcnles da voulade dos de-
liuquentes.
Consta que fiira o tanoeiro quera comprara
os instrumentos que foriiiavam a eiicoin-
inenda. -
Nao podemos admittir com o contempnra-
neo que a mulher de Oliveira e o tanociro que
Ihe comprou os Instrumentos devam ser aecu-
sados como cuinplices de tentativa de arroin-
baiuento da priso, pois que tal tentativa se
nao deu, pela ausencia de tima das suas con-
iin,no ou elementos essenciaesqual o comeen
de execucio.
Tinha sido pronunciado pelo chefe de poli-
cia o iuinressor do peridico ProarrMo, no pro-
cesso que peranlc o mesiiri corra por parte da
cmara muuicipal da capital, mas a redac(ao
do iiiesinu peridico nila sabia, anda a res-
peilo, porque nada tiuba aiuda sido intimado
ao dito impressor ule o dia em que o seu jor-
nal publieou unta tal noticia, rclcrindo-se ao
Porto Franco.
Ct.egra a S. I.uiz no vapor lli/iiana o poeta
maianhense l)r. Goncalves Oas ; consta que a
iucti.ubido de importantes Irabalhos acienli-
licos c literarios sobre os indgenas, assnn co-
mo sobre a inslrucco publica das provincias
do norte.
No i ear continuava com aclviilade a per-
seguicao dos criminosos, e minios d'enlre es-
tes Unbam sido presos en. varias comarcas.
O mesmo jornal publica mais em os ns. de
il e 21 do pretrito mez asseguinles noticias
lucaes :
CHATO. Una carta com dala de 21 de
ni o n diz o seguinte :
Oepuis de i.ma lnnga pau?a as chuvas,
comecLi'aui estas a 10 dn crreme. Aeba-se
preso na cadeia desta villa Alexandre Gibio,
sua inullicr e um lilho, porque sendo aggre-
dllo por um tal Vicente Ferreira, deo-lhe
unas cacetadas na cabeca, das quaes veu a
uioirer d'ab a (uatro das. O Vicente Fer-
reira durante a luta, que teve, dco nina fa-
c.tda no filbo de Alexandre Gibao. Tambein
esl na caricia Joai|uiin Moreira, morador na
s* rra de S. Pedro, por ter a tres deste mez
iinrto asna propria filha Joaquina Francisca
(-uibciii de cacetadas na cabeca. Mora a
desgracada lilha sepulloi. a na beira do riacho
S, Oomingos; e no lim de 15 nas, indo nina
mulher por aquelle lugar, casualmente des-
cubri una cachorra sepultara, e sendo
esta cavada pelo inspector de quarteiro en-
controu-se o cadver eni putrefaco, o qual
depois de vestunado foi de novo enterrado.
To horrorosa be a historia dos crimes entre
nos, que ni nlinni casu atroz c contrallo s
leis mais santas da nalurrza deixar de encon-
trar-se repelido. Tal be adesutoralisacao a que
temos tocado .
SOBIIAL. Acabamos de receber diversas
cartas referindo um caso sclvagem aconteeido
eni Sobral; um primo do Sr. Iloiningites chefe
de polica c astrou um iufelit rapaz, o qual
licava morle Da carta iufra vero os nossos
leitores omotivo de um facto que tatito con-
trasta i......a benignidade do carcter de nosso
novo. Pergunlainiis aoSr. Dumingues, se est
criiue n.i valle mais duque as paluialoadas
que servirn, de base ao prncesso do capitn-
MOf Marlins ou ao laclo de ter ao Sr. Valle
de \,lipidio o lilho de um criminoso?
Sobral, l5 de abril de 1851.
Vicente Gomes, morador as Jaibaras,
da gema da familia Gomes desta nossa trra,
primo legitimo do chefe de policia Domiu-
gues, e do delegado, Antonio Uoiningues, des-
la cidade el reliqua, linha em sua coinpanhia
na fazenda em que mora, un. cabocolinho,
quando a ...... c um mano mais velbo se lem-
brarain de visita-lo, nesle intuito abalaram-se
da erra os dous peregrinos iufelzes, l rsli-
veram com o cabocolinho alguns das al que
sr ri tu iran, enlao, como he muito natural,
o pequeo segu sua iiiu e mano, ou iudu-
sido por estes, ou por seu pruprio instinclo,
o certa he, que o tal Vicente Gomes persua-
,ln.lo-se ter bavioo eouluio segu traz d'ei-
ind.aga
corrente mez. A irmaudade do Senhor dos I les con. alguns sequases, alcauca-os, r. indag
lyayegaalc; j aouuucigu c ioccieu ptecea p^-1 pelo tueuiuo, uo putluUu obUr iuroiwac
11UVNI" ------------
toard. fslrea daSra. Diaria Leopoldina. A
Sra. A. Candiani.
A socedade Harraonco-Theatral, que tao
bous variados i mesmo bullanles espectcu-
los ten. dado no theatro de Apollo, ha al gura
lempo se rcfocilla, em completo (f int, fadi-a dos passados trabalhos. Se a memoria
nos nao falla, f-i em deicnibro do anno pas-
sado que teve lugar a sua deiradeira renresen-
tacao e o ser este prasentero mez o da f>a,
bom te.npo dos rires e folgaies campestres,
nos leva a crer que o goxo delles, a socedade
das lindas njuiphas das amenas margens do
Capibaribe, e quic os bandos fessa moderna
panacea romntica, que oUerece motivos plau-
siveis para tanta cousa) foram as rases re bem
poderosas sao ellas) da diverso dos membros
activos dessa socedade. Sua indagacao, po-
rm, nao entra em o nosso proposito. Quer
fossetn os rbes e folgares, qur as nympdas,
queros bandos, quemes ou frios, qur mesmo
theatraes rases de estado, a nos nao compele
iuvesliga-las: tome essas comas, quera para
toma-las tiver aulorisacaoe vontade.
Depois dos dous bailes de mascaras do car-
naval e do de sabbado de Alleluia, nos quaes
lomamos, por convite honroso, pequenina par-
te (se bem que houve quem quizesse exagera-
la', apenas voltamos ao Apollo alralitdos pe.a
noticia de que alli se ensaiava o excellente dr o
ni de A. buinas. Calharinalloward, eina-
qual farla sua eslrea a Sra. Alaria Leopoldina,
actriz edegada prximamente, cujo noine, mu
condecido na ada, e em Macelo, anda bn-
Ihanteinente vinculado secna brasileira. A-
companhados por um socio tivemos a salisfa-
can de passar neste theatro algumas doras da
noile; c baseados as impresses que recebe-
mos, c as observaces que lizeraos durante o
ensato, diremos que se aescolha do drama foi
feliz, por ser elle histrico, apparatoso, leple-
10 de bellas c interessantes scenas, e ha muito
nao representado nesta cidade, alligura-senos
que o seu desempenho ha de ser lisongeiro.
A Sra. Maria Leopoldina, o Sr. Leal, e o Sr.
Guimares, nos tres priucipaes papis do dra-
ma rio niarsrtlta; pois comprebendemos
caracteres dislinctos. que representara ; e as
bellezas, situaces e incidentes dos ricos qua-
dros tao hbilmente delineados a coloridos pe-
lo eximio dramaturgo, talharina Uovvard
mulher de imaginaco ardeute, ambiciosa e
ebea de vaidade ; llenrlque VIH, o rei-pon-
tilice despota, captiedoso e dissoluto;
Kldelivood amante apalxouado e marido ciu-
iiienio e vingalivo ; sao, em nosso humilde
pensar, caracteres perfectamente comprenen-
didos c fcliunente interpretados.
A Sra. Maria Leopoldina lem bous predica-
dos para ser actriz cuiisuminada bella figura,
voz. agmdavel e exprcsso e gesto adaptados
paixo, que a possue. Se a isto ella accrescn-
tar esmero e propriedade no vesiir-se, desde
j Ihe presagiamos iuiuieiiso applauso.
Disse-noso nosso amigo que os intervallos
do drama seriaui preenchidos con. cantona
pela Sra. A. Candan!. Com esta circumstancia
sube de poulo o niercciiiieulo do espectculo
o drama s por si o faria bullame ; a cantoria
o tornar esplendido. De mistura com as vi-
vas cinocdcs causadas pelo drama apreciar-se-
ha a locante melodia dessa dulcsona voz, qne
lem feilo ltimamente as deliciasdesta cidade.
Se nos lora peruiiltido pederamos Sra.
A, Candiani que entre os moreiaux, cora que
leucioua deleitar seu audictorio, se lembrasse
de por a aria Fatal Gofredo da opera Torquatu
Tano, c oulro sim alguuia das nossas lernas
un almilas, que mais lernas a tornara com. o
seu uiavioso cantar.
Se as nossas iiilormaces nao errara os blhe-
tes de adnisso, sao j procurados con. empe-
nho. Isto prognoitlca graude allluencia para a
noite de 11 do corrente; e de de crer que as-
sim seja. Sao bem merecidos, os eiupenl.os
para se gozar o que ella pi muelle, c a di la;de
o fazer esperar.
Itecife, 0 de n.aio de 1851.
O < a.iiiiiiiiiiiraiiiii',
exprime o autor da publicacao, arbitrario,
mandando passar os ttulos cima menciona-
dos; e se algutn desar deste procediraenlo
resulta he aos liscaes da proprla fazenda na-
cional, por se raostrarera pouco escrupulo-
sos as suas informaedes dando logar a qne
appaic. im conflictos continuados entre as
parles e a propria fazenda nacional.
Aguardamos a deciso da appellacau para
dizermos mais alguma cousa a respeito.
Reclfe, 9 de malo de 1851.Joan Cavalcantr
d'Albuq\urq\u.--R*tno Joi Fernandts di Figwi-
redo.
ALFANDBGA.
Rentlimnnto do di 9 ... 13.96,38
Desearregam hoje 10 de mato.
Escuna brasileira Galante Maria merca-
dorias
CONSOLADO GERAL.
Rendimentodo dial a 8 8:219,321
dem do dia 9........ 1:528,799
8:748,123
DI VERSAS PROVINCIAS.
Rendimentodo dia la 8. 270,596
dem do dia 9......... 73,751
344,347
Despartios martimos no dia 9.
i.'-.in i Ion ., bilgue liespanhol Tibidabo, de
4l4 toneladas, conduz oseguintel l,4l0saccas
cara 7,724 airobas e 6 libras de assucar e 250
couros salgados.
Liverpool com escala por Maceiii, barca lu-
gleza W, Rtml, de 44l toueladas, coudui o se-
guinte: I.80O sacaos cora 9.000 arrobas de as-
sucar, 167 couros salgados, 91 saccas com 520
arrobas c 12 libras deslgodac.
KECEIIEDORIA DE RENDAS CERA ES
INTERNAS.
Rendimento do di 9......538,098
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimentodo di 8......1013,118
dem do d 9....._.-__i_6*8jg02
Movmento do porto.
Navios entrados no dia 9.
Para e porto. Intermedios 16 dias, vapor na-
cional HaMana, coimnandante o primelro l-
ente Segundino. Passageirospara esta pro-
vincl. Manoel Paz Pinto de Vasconcellos.
Zeferino Gil Pires da Molla, padre Antonio
de Oliveira Antunes, Dr. Jos de Araujo Ro-
zo Danm, Francisco Peres Carneiro, Mar-
cos Jos Ferreira, Olinto Jos Melra e um
mano menor, Manoel Davino Telxeira Bas-
tos, Ignacio de Albi.querque Marando, um
lillio e2 escravos, Francisco Flix do Reg,
Kellarmino P. da Gama e Mello, Joao Rodri-
gues Chaves, Antonio Francisco de Oliveira,
Forluoso Pereira Freir, Antonio Manoel de
Medeiros Furtado, Antonio t.oelho de Mello
e sua familia, Jos Concalves Ferreira e sua
familia, D. Maria Alexandrina Gomes da Sil-
va; os Porluguezes, Jos Malinas Ferreira,
Jos Maria Pestaa, Manoel Rabello de Oli-
veira. Anlonio Pereira Vianna, Francisco Ta-
vares Ferreira, Jacinlho Jos de Medeiros
Correia; o Hamburguez Joo Joaquira Pa-
gele, o Inglez Eduardo P., 3 presos dejustl-
ca, e 3 escravos a entregar. Passageiros pa-
ra o sol. os deputados a mire bastos de Oli-
veira e I escravo, Jos Pereira da Graca e 1
escravo, Raymundo Ferreira de Araujo Li-
ma. J. s Joaquira Pimenta de Magalhes e 1
criado, Cregorio Tavares Otario Maciel e
sua familia, Fiederico de Aliueida e Albu-
querque e I criado, 42 pravas para o exercilo
e mal l nba e 2 mullid i s ilus mes mus
Lmcrick 40 dias, escuna inglesa Spy, de 170
toneladas, inestreG. Iilatilield, equipageu. 9;
ao ineslre.
Rio Grande do sul 23 das, sumaca nacional
Hrmesa, de 133 toneladas, ineslre Firu.lano
Goncalves da Rosa, equipagcui 10, carga
carne secca ; a Hallar t Oliveira.
Navios sahidon ni mesmo dia.
Lear -- Escuna nacional Uaria FirmiM, ines-
t.e Joo Bernardo da Rosa, carga fizendas e
mals gneros. Passageiros, o brasilero Joa-
qun. Jos barbosa, os Porluguezes Francis-
co Coelho da Fomeca, Manoel Nunes de
Mello, Joo Correia de Mello, Manoel Jos
Vieira de Araujo.
Parahyba Hiale nacional Conecico Flor das
l'n fuili, mestre Elias do Rosario, carga va-
rios gneros.
Parahyba lliate nacional Tres lrmiot, ines-
lre Jos Duarte de Souza, earga varios gene-
ros. Passageiros, os tfrasileiros Joo Cor-
reia da Silva, Francisco Teixeira da Silva
Piulo, Francisco Seralini de Miranda de Hon-
ra, Manoel Francisco da Silva, Adriano Jos
Luca, Joanna Joaquina do Espirito Sanio
Italiano Carlos Agostinho Golseo ___
UDJLTAES.
Coriepondencia.
Srs. Redactores- Lemos com admiraco
pnli'n ii.in a pedido no Diario de Pernambueo.
n. 103 de 7 do corrente, assignada por Manoel
Luiz da Veiga, na quahdade de herdero do
finado Veiga, relativa a propriedade do sitio
Arac, em trras de Santo Ainarinho, e della
se deprehende tuna aecusaco directamente
feita ao Kim. conselheiro Anlonio Pinto Chi-
chorro da Gama, ento presidente desta pro
viuca: he veidade que por parte dos herdei-
ros de Veiga, foi apresentado um requeri-
mento, ou exibico, como Ihe qiii/ereui cha
mar, ao gorerno da provincia, o qual querco-
do acceilar a exibi$i>o dos lilulos que Ihe foram
api i -i i.....- por parle dos herdeiros de Vci-
gi o, i. n i a informar ao engenheiro
enrairegado dos terrenos de marinha. que
ui.iiiii.1 o Woutbier, ao inspector da tbesou-
aria da fazenda, cora opaiecer do procura-
dor fiscal, ao Exm. presidente da relacao e ao
pi mu nii i da cora, fazenda e soberana
nacional; e com estas inforuiaces e pareceres
os quaes foram todas concordes c contra u>
lu llenos de Veiga, indeferio o requeriincnto
pur elle apreseniado, e mandou passar titulo
a Caralcaule e a Rufino, o que resultou ser-
illos chainadus pelos lierdeiros para um exi-
bendo, do qual tivemos seutenca a favor;
notando que o juiz julgador da causa foi o
Dr. Jos 'l in.ma/. Nabuco de Araujo, o qual
nao cortejava ao Exm. conselheiro Chlchorro
.la (.ama, resultando desla, nao sei se justa,
seutenca appcllarem os herdeiros, e no final
da appellaco desistirein, e depois desta man-
daram-nos citar para novo exibendo, com
o qual resultou cha marinos a fazenda nacional
authoria, visto que nao appareciam oulros
ttulos niaisqiie os priraeiros, alini d'ella dcfl'en-
der, como Ihe cumpria, aquillo que poriusls
de una vez ella suslenlou que fazia parle da
fazenda nacional.
Parece termos demonstrado que o governo
da provincia, d'aquella poca, nao infringi
o dureilo Uv i>rontteUde, ueut foi cotuo le
Pela inspectora da alfandega se f*z
publico, que no dia 12 do corrente, tem
ile ir notamente. pra?a as seguintes mer-
[cidoriss, abandonadas por diversos, pelos
iln eiUis, vislo nflo se ter concluido a ar-
rematarlo no dia annunriado, saber
48 chai ios de palta ordinaria, para meni-
nos no valor de 200 rs. cada um, total
9,600 rs., 44 pecas de tenda de algodSo
rom 849 varas a 160 total, 135,890 rs, 14
lencos de cass pintada, no valor de 2,800
r.-., .seno" a aiti'iiiatacan livre de direitos
ao arrematsnle. Alfandega 9 de maio de
1851. O inspector interino, liento los
Fernandei Barros.
Pe inspectora da alfandega e faz
publico, que por nao se ter cffectuado no
ilia 6 do crrenle a arremataba.) da bar-
ca de viga u. 2, ir novamente praQa
no da 12 ilupois do meio dia. Alfande-
ga 9 de man de 1851. O inspector inte-
rino, Rento Jos Fernandes llarrot.
Ignacio Joiii i'inlo, fiscal da fregueiia da Boa-
Vista, em 11 tu./f da tti, ele.
Faz publico as disposices dos artigo.; abaiio
transcriptos das posturas municiptes vigentes :
TITULO III.
Artigo 3. Neuhum morador lancar, era
mandar lanzar, as mas ou lugares pblicos,
que nao foram para este l'uirdesignados, lixos,
iinmuudices, ou quilquil cousa que possa iu-
coiiiiuodar, ou causar dau.uo ao publico: os
infractores sero multados em 2,000 rs.
Art. 5. Ningueii. poder laucar agoa lra-
pa na ra das varaudas abaixo, de da e raes-
uioa nouc, su o poder faier depois de II do-
ras: os infractores alera do damno que causa
rcio, sero multados en. 0,000 rs ese a agoa
for suja e infecta,pagaran a multa de 12,000 rs.
E, para que nao aleguen, ignorancia, vai pu
blicado pela imprensa.
I i. i; iu /.id da lina-Vista, 7 de raaio de I Sal,
Olisca I,
Itjn ocio Joic Pinto.
Declaraces.
CONSULADO DE PORTUGAL EM
PEIIISAMHUCO.
O abaixo assigoado, manda fazer publico os
ti amules dovutueuto, iuu coatwoiiuealo dos
subditos porluguezes e mals pessoas interej-
"cousulado de Portugal em Pernrobuco, aos
7 de malo de i851. -- Joaouim Baplista Momra,
cnsul.
//im. Sr. Dr.juis dos orphios e ausentes. 0
cnsul de Portugal nestar provincia para dar
cumpriraento aos seus deveres, e ao que Ide
Incumbe o art. U do decreto n. 422 de 27 de
unho de 1845, declarando o regulamento de 9
de malo de 1842, precisa que se Ihe mande dar
urna certidao narrativa do estado em que se
achara as tarantas, e beos dos segralas sub-
ditos portuguezes fallecidos nesta cidade, e de
outros, cujos herdeiros[resldememPortugal;
e sao em.....
1846.Jos Antonio de Moraes.
Antonio Machado da Costa.
Joao Raposo Simas.
Manoel los Machado Malheiros.
1847.Antonio Vieira Coelho.
Cyprlano Jos Ferreira Pinto.
Jos da Silva flotelho.
Jos Joaquim de Souza Castro.
Manoel Pereira de Oliveira.
Seralim Jos Crrela de Sa-
Domingos da Silva MouU.
l848.-Jos Pereira Cardoso Guimarei.
Manoel da Silva Santos.
Antonio Jos Francisco Veiga.
Jas Pinto Moreira.
Jos Vicente da Cruz.
1849.Jos Carlos de Leraos.
Jos Antonio de Carvalho Braga.
Jos Monteiro, e a preta
Izabel Francisca de Jess.
1850. Gabriel Goncalves Lomba.
Antonio Joaquim da Silva Mala.
Vicente Jos Correia.
O preto Anlonio Manoel do Nascimento.
Jos Pinto da Fonseca e Silva.
Isto he, quaes sao os curadores s dife-
rentes herancas ; quaes os fiadores de cada um
dos curadores ; os dias em que se prestaran.
as Sancas ; se, para cada um dos fiadores se
deu nova llanca, no caso do curador ser
mais de uina heranca ; quanto montara o ac-
tivo do Inventariado ; a quanto chegou este,
depois de arrematados os bens ; se existein
bens movis ou de raz era adrainistrayo dos
curadores ; se os curadores j todos deraut
contas da sua administrado ; se os bens se-
questrados foram arrematados em hasta publi-
ca ; quaes os credores e devedores cada he-
ranca, e porque titulos; se o producto liqui-
do de cad urna heranca foi meltldo no depo-
sito publico ; e finalmente quaes as quantias,
parcenlagens deduzidas para os curadores, of-
ficiaes, e mais despezas judlciaes em vista do
exposto.
P. V. S. lllm. Sr. Dr. juiz de orphaos e au-
sentes nesta cidade se digne deferir como re-
quer E. R. M.Pernambuco,23 de novembro
de 1850. Joaouim Bapsta Moreira, cnsul de
Portugal.
Certifique. Ilecifc, 26 de novembro de
1850. llenriques da Silva.
Galdlno Tenilslocles Cabra! de Vasconcellos,
eserivo vitalicio de capillas, residuos e
auseules nesta cidade do Reclfe, e seu ter-
mo por S. M. I. e 6'., que Dos guarde, etc.
Certifico, que nene juiso nao se procedeu
a arrecadaco dos bens que Acarara por falle-
ciraento das segninles pessoas : Antonio Ma-
chado da Cuoha; curador o bacdarel Antonio .
//urges Leal; Manoel Jos Machado Malheiro ,
curador n'Dr. Jus Francisco de Paiva; Anto-
nio Viera Coelbo, curador o Dr. Jos Quintino
de Castro Leo ; Cyprlano Jos Vital Ferreira
Pinto, curador o Dr. Angelo llenriques da
Silva ; Jos da Silva oielho, curador o Dr. An-
gelo Llenriques da Sil va; I o. Joaquira de Souza
Castro, curador o Dr. Angelo llenriques da
Silva ; Manoel Pereira de uliveira, curador o
Or. Joo Francisco Duarte : Serafim Jos Cor-
reia deS, curador o Dr. Angelo llenriques da
Silva, e hoje o bacharel Pedro Camello Pessoa;
Domingos da Silva Moula, curador o bacharel
Angelo llenriques da Silva ; Jos Carlos de Le-
mos, curador o bacharel Jos francisco de
Paiva ; por haveretn as inesinas pessoas f'aleci-
do cora testamento, e nem aquellcs curadores
receberau. bens alguns, s tendo havldo se-
questro nos bens que ficaram por fallecltnen-
lo de Cypriano Jos Vital Ferreira Pinto, que
con si,nulo de casas fora ra logo recebidas pela
mullicr no mesuio, que se habilitou herdeira.
Certifico, que o Dr. Jos Quintino de Cas-
tro Leo, foi curador da heranca de Jos Anto-
nio de jMoraes, cora flanea de Jos Leo de
Castro, era 26 de outubru de 1816, e importan-
do o activo en. 2:693,800 rs. apurou-se embasta
publica 287,800 rs. ; exlstindo uina casa no va-
lor de 2:400,000 rs. ; e foi recolnido a tbesou-
raria da fazenda a quantla de 262,511 rs.; de-
pois dedusida a de 83,398 rs. de i orcen ios e
despezas de lauderaio e sita da arretnataco de
mu terreno.
Certifico, que o curador nomeado paras
heranca de Joao Raposo Simas, fui o Dr Jos
Quintino de Castro Leo, que nao se encarre-
gou da heranca por nao lereiu os bens valor
algutn.
Certifico, que o curador da heranca de Jo-
s Pereira Cardoso Guiu.ares foi o Dr. Ange-
lo llenriques da Silva cora funca de Agosti-
nho llenriques da Silva, era 2l de fevereiro de
848 e consta do sequeslro terem importado
os bens sequeslrados era 187,640 rs. cujos bens
foram arrematados era praca publica, por
180,800 rs., que foi recolhido thesoraria da
fazenda publica, bera como 522,540 rs, de di-
versos devedores, tendo-se deduztdo 49,720
rs de por ceios e guias nao constando do
sequestro quaes os credores da dita beranfi
nem os outros devedores.
Certifico, que o curador da heranca de Mi-
noel da Silva dantos, foi o Dr. Angelo llenri-
ques da Silva com funca de Agostinho llenri-
ques da Silva, prestada en. 22 de malo de >848,
constando ser o activo 1:910,840 rs., que foi ar-
rematado em praca publica por r.9&6,280 rs.
e recolhido o producto de arre.natacao a the-
souraria da fazenda publica nacional cora guia
dojuiz.i tendo-se deduzl-io a quanlia de
224,774 rs. de por centos, comedorias de doui
escravos, ...etade da slza, cusas e costelo di
arreinataco.
Certifico, queo curador da heranca de An-
tonio Jos Francisco Veiga foi o Dr. Jos
Francisco de Paiva cora llanca de Jos Antonio
Correia Jnior, e..i26de raaio de 1847, e cous-
ta do sequeslro que os bens inventariados fo>
rain avallados era 1:373,780 rs. e arreinalado-
em praca publica por 1:576,020 rs. e ten'do-se
arrecadado 4:564,79o rs. foram recolhidos a
thesourar.a da fazenda publica nacional ten-
do-se abatido a quanlia de 467,106 rs. com a
porceutagem, cusas, comedorias dos escravos
constando do mesmo sequeslro bavereraos se-
guintes devedores : Joo Xavier da Mala por
5 ietiras, 62,000 rs. : Loureuco Jos das Neves
por iimi lellra 118,000 rs. ; Lino Jos de Cas-
tro e Araujo por lellra, 776,920 rs. : Burade por
lettra 291,700 rs. Foi recebida e recolhida a
thesouraria, Mauoel Jote de Souza braga, por
lema, 1;402,960 rs. ; Miguel Francisco lun"'-
Machado, por lettras 2:000,000 rs.; liento Jos
Antunes Pereira, por 4 ledras 5:864,780 rs. ;
Jos Soares Correia. 367.770 rs. Deve Jos Al-
ves Penlo, por lellra 183,350 rs. ; Anlonio da
Silva braga, por 2 lettras 2:059,000 rs. ; Anto-
nio Gou.es de Macedo, 2:694,660 rs, ; Joaquim
Luiz da Silva. 995.870 rs. ; Agostinho Pereir
da Silva, 392 '695 rs. Appreheeodida pela poli-
ca e recolhida a thesouraria, u quanlia de'
2:697,070 rs. ; 3 oilavas e niela de ouro, e 38 e
u.eia de prata, nao constando dos ditos autos
quaes os credores.
Certifico mais, que o producto da heranca
e mais bens furain recebldos pelo procurador
de uaoiiel Jos Francisco e Quiteria Jluri
berdeiros habilitado* do dito Veiga,



m Certifico que o curador da heranca de
Jos Plato Moreira, fo o Dr.Jcs Francisco
de Paiva com (anca de Jos Antonio Crrela
Jnior prestada era 4 de Julho de sis e cons-
ta dos autos de seques tro ter sido o activo se-
3u, strado 365,110 rs. consistente era (eneros
e 2 tabernas na ribeira da lloa-Vista avalla-
das 225,410 rs. i 2 vaccas por 40,000 rs. e uin
terreno por 120,000 rs. de cujos bens rom
arrematados urna taberna no valor de 135,470
rs. por 136,000 rs., e 2 vaccas por 40,000 rs.
sendo a prlmeira arremataco fcita a praso
por Joaqnim dos Reis Gomes, credor da be-
ranca por alugueis de casa, existlndo a nu-
tra taberna com os gneros que por falta de
lanfador nao foi arrematada.
Certifico que desta heranca nenhuma por-
centagem se recebeu tendo sido levantada da
nao do curador por Jos Rodrigue* Pereira,
o producto das vaccas por divida de gneros a
que estava obrigada a heranca.
Certifico que o curador da heranca de Jos
Vicente da Cruz fui o Dr. Jos francisco de
Paira com flanea deManoel Pereira Magalhes
prestada em ti de dezeinbro de 1849, sendo
o activo da heranca 3:847.850 rs. foram a-
valiados os bens secuestrados em 567,850 rs. ,
e arrematados por 569,100 rs.: sendo o restan-
te em dinheiro, e tudo recolliido a thesouraria
da fazenda pnblica nacional ; tendo-se deduzi-
do 27t,790 rs. de porcentosecusas.
Certifica que o curador da heranca de Anto-
nio de Carvalho Braga, ibi o Dr. Augelo Hen-
riqnes da Silva com ianca de Agostinho Hen-
riques da Silva prestada em 2b de abril de
1849, tendo sido|recebidos os bens sequestrados
por Manoel Maximiano Guedes tutor de Joa-
quina Januaria dos Santos Aguiar, que se op-
poz aosequestro com embargos de terceiro
poruin escravo; eJosepha Narcisa que tamben)
apresentou embargos pelos movis, uo tendo
Jicado outros bens.
Certifico que o curador da heranca de Jos
Moiiti'ii n, fui o Dr. Augelo Henrlques da Silva
com anca de Agostinho Henrlques da Silva ,
prestada a 26 de abril de 1849 ; tendo sido re-
cebido os bens sequestrados que conatavam
de urna loja de calcados por Francisco Anto-
nio do Valle, que aosequestro seoppoicom
embargos de terceiro senhor e possuidqr pre-
judicado.
Certlfico^que para a heranca de Isabel Fran-
cisca de Jess se nomearam auccessivamente
o Dr, Jos Francisco de Paiva, o advogado Jo-
s da Silva Guiuiares o Dr. Angelo llenriques
da Silva, e o Dr. Manoel Jos Pereira de Mello
ulliiuaniente para curadores, e nenhura des-
tes receberain bens, que j se achavam pe-
. nhorados por Antonio Moreira Reis a quem
fura ni adjudicados por falta de lanzadores
que os quizes.e arrematar.
Certifico que o curador da heranca de Ga-
briel Gonjalves Lomba foi o Dr. Angelo Hen-
riques da Silva com funja de Agostinho llen-
riques da Silva prestada era 25 de Janeiro de
is.'iii, e para sub ilui-lo foi nomeado bgidio llen-
riques da Silva ruin lianj 'lo inesmo Agostinho
llenriques da Silva prestada em 10 de setem-
Xro de 1850 e consta do sequestro ser o aclivo
o seguin-le.Fazcndas 9:058,100 rs ; queforam
arrematadas em pra(a publica por 9:065,000 rs
Movis 224,600 rs; que foram ariemalados por
225,000 reis. Escravos 700,000 rs ; que fo-
ram arrematados por U'-!3,000 rs ; Urna casi-
jilia incia agoa avallada em 400,000 rs ; que se
con.ei va .-.-Dividas activas Boa Ventura da Ro-
cha por letra 553,000 rs Antonio Baptista (li-
tuana por letras 305,295 rs ; Ricardo Jos iti-
ieii o por letra, 70,220 rs ; Marcelino Jos de
aleneze. por letra 1:621,325 rs ; bernardo Jos
de Araujo Soares 33,266 rs ; liento Gomes de
Andradepor letra 1:445,230 rs Antonio Perei-
ra 32,100 rs ; Jos Coelbo Nev. 62,450 rs : Jo-
o Salgado de Carvalho 36,200 rs ; Manoel de
Azevedo Hairo 35,880 rs ; Jos Marcelino da
Costa 51,050 rs; Camilo Jos Pacheco Bastos
79,800 rs Francisco Luiz Feruaudes da Costa
S9.480 rs; rtveliuo Pereira dos Santos Bastos
113,140 rs; Domingos Mara da (onceico
408,895rs; Jos Pereira Bastos 495,120rs: Ma-
noel Antonio dos Maityrios 30,000 rs ; Joo da
Silva Coelbo 450,430 is ; Antonio Jos de Je-
ss 159,020 rs ; Joaquim Jos AI vea 180,00o r
Alejandre de Castro Barreto 2:496,740 rs ; Sil-
vestre Pereira da Silva Guiuiares 522,880 rs .
Manoel Antonio da Silva Motta 563,88 rs ; Se-
bastin Jos Mendes 30,000 rs ; Manoel Fran-
cisco Claudino 19,340 rs; Pedro Alexandrno
l'creira 44,450 rs; Domingos Jos Vianna
34,740 rs ; Viuva Brilo (v Kiltaos 83,330 rs ; Ma-
noel Alexandre Pereira 20,750 rs ; Antonio Ga-
briel Pernaudts326,005 rs ; Liciuo Pereira Nor-
tban de Andradc 113,360 rs ; llerculauo Ale-
jandrino de Mello 5,780 rs; Antonio Luis de
Santa Anna 12,920 rs ; Claudino Amancio Pres-
te 19,025 rs ; Francisco de Souza Reg 20,000
; Isabel Maria dos Santos 16,000 rs ; Anto-
nio I Vi i en a t.'oimbra 16,560 rs ; Luiz Jos da
Fonaeca 19,120 rs ; Jos Urbano da Silva 16,080
rs ; Manuel Marques '23,300 rs ; Manoel Ramos
9,720 rs ; Francisco Teixeira tiastos 8,900 rs ;
Manoel Severiaono Veroza 5,100 rs; Domin-
gos Francisco da tosa 18,320 rs; Jos Francis-
co de Arruda 48,500 rs : Jos de Munida Bar-
reto Bastos 30,000 rs; Manoel Goncalves Braga
8l,l30 rs ; Andr Avelino da Cruz 12.000 rs ;
Mauoel Biterra de Olanda l:406,lS0rs ; Manu-
el Ferreira Ramos 278,920 rs; Tbemoteo Pinto
Leal 20,400 rs. Antonio Matoso Andrade da C-
mara (39,93i rs ; Manoel llenriquc da silva Caval-
canti Wanderley 16,380 rs; Jos Tavares da
Cama 5l,800rs; Ambrozlo Rodrigues Macha-
do356,000 ; Manoel Jos Ribeiro t avalcanti
N 419,890 rs; Autono Januario Cabial 8,000. As
dividas cima consta de letras, e outros docu-
mentos e as seguintes por conta de livros.
Julio da Costa Ribeiro 1:514,350 rs ; Jos Joa-
Juim Barboza da Silva 3-760,676 rs; Maria
ranchea de Jess i'arafua 465,380 rs. Jos
Martina da Cruz 14i,022 rs; Mara Victorina
Paes Marrlo 287,811 rs ; Jos Caetano de Me-
deiros 146,945 rs. Loureuco Jos de Carvalho
Moraes l09,'4 rs ; Anna Candida de Bastos
000,5!) I rs ; Miguel Goncalves de Kritto 325,000
rs. l-.in dinheiro achado por falleeimenio de
Gabriel Concalves Lomba, 432,000. Tendo re-
ido de diversos devedores3:22i,005 rs;ereco-
lhido-se todas as quaulias j mencionadas a the-
souraria da fazenda publica com guiadojuizo
sendo deduzidas as porceulagens, coatas e des-
pesas do deposito na importancia de 1:278,248
M.
Certifico que se pagou ao Dr. Joaquim de
Aquino Fonseca proveniente de junta* 71,223
rs; ao Dr. Alexaudre de Souza Pereira do Car-
ino por curativo 95,000 rs ; ao Dr. Joo Fer-
reira da Silva por conferencias 31,7i4 rs; e
nao consta do sequestro quaessejo os inais
credores.
a certifico que para a heranca de Antonio
Joaquim da Silva Maia foi uomeado curador o
Dr. Antonio de Va.concelios Meuezes de Dru-
mond que prestou a flanea de Luis Fiauciaco
Paes Brrelo, que sendo substituido pelo Dr.
Pedro Camello Pessoa com fiauca de Alexan-
dre Rodrigues dos Aojos, prestada a primeira
em 3 de agosto de 1850, e aseguoda em 18 de
uutubro do inesmo anuo oem urna arrecada-
cao procedeu se assiui como oprimeiro, sendo
entregues os bens como se haviam sequcl-
tiados a Aguida da Silva Maia, mi do huado
Antonio Joaquim da Silva Maia, que se hab-
litou tunca berdeira.
Certifico que o curador da heranca de An-
tonio Mauoel do Nascliuenlo fui o r. Angelo
Henrlques da Silva com flanea de Agosliuho
llenriques da MI va prestada era 2 de julho de
1850 e sendo o aclivo da heranca 2 escravos
no valor de 450,000 rs; foi urna eserava decla-
rada liberta arequerimentu de Francisco or-
es Mendes, que olercceu uiais a r,uiuta parte
^e230,000 rs ; preco da avaliaco para ese nui,
c pamou-ie su*, seuteuca de alorria, c o co-
I
eravo foi arrematado empraca publica por
202,000 rs; recolhendo-se o producto de am-
bos a thesouraria da fazenda publica com guia
tlojuizo, tendo-sc dedusido a'quantia 83,286
rs ; de porcentos, desprzas do deposito geral,
comidorias dos escravos e cusas, e pago a
Joaquim Pinto de Barros 71,500 rs ; que justi-
flcou dever-lbe olinario prcto Antonio Manoel
do Nascimento de servios prestados em suas
demandas. *
Certifico que o curador da heranca de Jos
Plato de funrea e Silva he Francisco Bap-
tista de Alunada com a flanea de Luiz Fran-
cisco Barbalbo prestada em 6 de agosto de
1850, e havendo Joao Keller se opposto ao se-
questro com embargos de terceiro senhor
e possuidor recebeu os ben* sequestrados no
niesmoestado em que seachavo quando fal-
lecen Jos Pinto da Fonceca c Silva,
a Certifico que o curador da heranca de
Vicente Jos Crrela foi o Dr, Angelo llenri-
ques da Silva cora lianta de Agostinho llen-
riques da Silva em ni de marco de 1850, e foi
substituido pelo Dr. Egidio Ueoriques da Sil-
va cora fiauca d > inesmo Agostinho Henrlques
da Silva prestadas em 10 de seleinbio de
I8M). Consta do sequestro ser o activo o se-
guinte, fatendas 1:520,260 rs ; arrematadas em
hasta publica por 2:1)00,000 rs; dinheiro,
70,600 rs; dividas activas, 15:585,655rs; das
quaes se recbenlo' 10:000,000 rs; e existera
asseguintes, Manoel Joaquim de Souza Ribei-
ro de Portugal era libras, producto letra sacada sobre Foster Brothers de Loades,
675. Manoel Alexandre |Torres por letra
502,350 rs; Joaquim Baptista Vleira 380,000
rs; Raymunrlo Ferreira de Rrito por urna
obrigaco 198,060 rs; o mesmo por urna
letra 400,000 rs; Francisco Chavier das Cha-
gas Barros por obrigajo 31,000rs; Antonio
Francisco dos Santos por obrigaco 545,740 rs ;
Antonio Termo da Silveira por obrigaco
21,600 rs; Antonio da Gosla Guiuiares por
letra 157,800 rs; Manoel Teixeira Coimbra
por conta correnie 2:436,555 rs; Manoel Joa-
quim Goncalves par letra 55,3l0rs: Jos de
Alemn Coelbo por letra 270,420rs; Candido
Goncalves da Roxa 65,820 rs; tendo sido to-
das as quantlas arrecadadas recolhidas a the-
souraria da fazcnJa publica Nacionaal cora
guia do juizo abatido a quantla de 997,242 rs ;
de por ceios cusas despesas do deposito ge-
ral nao se havendo felto pagamento algum
por divida contra aheranca nein constando
do sequestro quaes os credores. O referido
he verdade e consta dos autos de se questro e
inais papis a que me reporto, e passei apr-
sente era virlude do despacho retro que vai
por ni i ni escripia e assignadt conferida e cou-
cervada n'esta cldade do Recife de pernarabuco
aos 28 de abril do anno do nassimento de nosso
senhor Jess t-hristo de 1861 Trigsimo da
Independencia e de Imperio do /rasil. Fit
escrever e assignel. Era f de verdade t con-
ferida, (altno T-mutocUi Cabral di Vaicon-
celos. ^^^^^^^^^^^^
Correio.
O vapor Bahiano parte ho-
je para os porlos os Sul s
. 4 horas la tarde: as correas
pondeueias que liverem do ser remettid*;
pelo dito vapor, sorSo receidas no cor-
reio at o meio dia ; depois desta hora a
entrega ds malas dar-se-ha direcco as
cartas quefotnm encontradas com o por-
to dobrado na caita geral, mas nSo se-
rijo acompanhadas da relacSo nominal.
As folhas peridicas deverao ser envia-
das at s 9 horas.
Cartas seguras exitente* naadmiulstrafo do
correio. paraos senbores :
Alfonso Jos de Mcndonca, Domingos das
NcvesTeixeira Bastos, Francisco Antonio Viei-
ra da Silva, Jos lunocencio de Brillo, Luiz
Antonio da Cunta Luiz fortnalo Mendes,
Marianna Gomes Hozarlo Torres, Nicoincdes
Maria Freir, Pedro Marinho Falcao. Zeferino
lustino -da Silva Mcirelles.
Cartas seguras viudas do Norte para o
Senhores.
Lourenro Jos deFigueiredo, Lino Fer-
reira Pinto.
Pela subdelegada da freguezia dos
Afogados, se fsz publico que foi remettido
para a enfermarla da cadeia, no mez de
marco do corrente anno, crioulo Cosme
que diz perteucer a viuva do senador Jos
Carlos, cujo escravo foi preso por andar
fgido, e na occasiSo de ser tirado do ca-
labouco paraja cadei, deu em si um for-
te golpe no pesclo, com urna navalha que
trazia oceulta, e como j esleja restabele-
cido, avisa-se a quem for seu senhor que
compareca nesta subdelegacia, a lint de
Ihe ser entregue: tambem ainda existe
cargo da mesma subdelegacia a caisinba de
lencos Jannunciada por suppor-se a mes-
ma ser furtada : assitn como um cavallo
que foi apprehendido no lugar da Psssagem,
de cor caslanho escuro, multo velho e ma-
gro.
Companhia do Beberibe,
O presidenta da administrarlo da com-
panbfa de Bebetibe convoca os Srs. ac-
cionistas da mesma para se reunirem em
ssse.nbla geral no dia 20 do corrente pelas
10 lloras da manha no escnplorio da mes-
ma, a Un Jo se eleger nova ordem, e
dar cumprimento ao disposlo no artigo |7
Jos estatutos. Escriptorio da companhia
2 de malo de 1S5I.
A adruinisiiacuo geral dos estabelle-
cimentos de caridade, precisa de um phar-
msceultco spprovado, para que com o do
graude hospital de caridade e um ajudau-
le se encsrreguem da ,prepsrarao dos re-
medios precisos uara os enfermos, tanto
daquelle hospital, como do regimen-
tal. A pessoa que estiver nesta circums-
tancia dtriia-se ao Sr Dr. Simplicio ;An-
toid Maviguier, que se aclia compe-
teulemente aulorisado para tratar este ne-
gocio.
Theatro de Santa-Isabel.
QUINTA FEIRA 15 DE MAIO DE 1851.
Itt-cita extraordinaria em Be-
neficio da cantora,
.iiiintuin Vandiani.
Espt'laculo variado de canto, dramtico,
9 llanca dividido em cinco partes :
Primeira parte.
A orcheslra executara urna excedente
ouverture, grande scena e-aria do delirio-
do maestro Belleni.
J. PUUITANI.
executara pela benoliciada, eoa Sr. Ca-
purri, e Frederico Tati. *
Duelo da mesma opera, pelos Srs. Ca-
purri, eTali filho.
Duelo do terceiro acto da mesma opera
pela beneliciaJ, e o insigue cantor Filip-
P "' O PASSO DA ROSA,
Por Mademoiselle Baderna, e o Sr. Jos Do-
Vecchi.
SMWMM Parle.
A compannia drumatica em obsequila
beneficiada reprosentu o muito applau-
dido e interessanle dama,
A GARCALIIADA.
No q-jal tomata parle o Sr. Curmano : o
papel de L^clerk sera desoin; anhado pelo
Sr. Reis, que por obsoquio la muera se pres-
ta.
Tercena parte.
Urna Aria executada pelo Sr. Filippo Tatl.
A cschuxa por mademuisello Baderna.
Aria executada pelo Sr. Capurri.
Grande scena, e aria da calumnia da ope-
ra Barbeiro deSevilha. poloSr. Eckerlin.
Quarla parte.
O muito applaudido terceto em portu-
guez, muzica do maestro f.eannini, e poe-
zia do Sr. Germano, execulado pela bene-
cisda, e os Srs. Germano e Silvestre
Grande scena mmica.
O PARRICIDA,
executada pelos Srs. Jos De-Vecchi, e
Maximiano Costa.
Quinta Parle.
Terminar o espetaculo com o ultimo
acto da opera do maestro Paccini,
SANIO,
emoqual tomarlo parte por obsequios
Srs. Silvestre, Maximiano Costs, Raymun-
do, u Santa Rosa, sendo a parte principal
desempenhada pela beneficiada.
A beneficiada muito confia na distincta
predileeco com que o generoso o illustra-
do publico desta capital a tem honrado
sempre.
Os bilbetes acham-se vens no At-
ierro da Boa Vista n. 4, terceiro andar,
cssa da beneficiada.
2." REC1TV DA COMPANHIA LYIUCA.
SABBaUO, 10 na lAIO DK 1851.
llavera a execufo da opera em2actos, do
maestro Donisetll :
O ELF.XIR DE AMOR,
Pcrionaonu.
AdlnaSenhoraCandiani.
NemorlnoSr. Tatl.
DulcamaraSr. Capurri.
BelcoreSr. Eckerlin.
Coros de carapouezes ditos de soldados.
No iotervallo do primeiro ao segundo aclo a
sen liora Baderna e o Sr. Jos. De-Vecchi dan ca-
rao o passo a dous
A Diiqucza il'Argila.
Comecar s 8 horas.
Os bilheles acham-se i venda no escrip-
torio do thealro.
Avisos martimos.
m A veleira escuna (alante Mara segu com
brevidade para o Kio de Janeiro por ter parte
da carga engajada, para o resto, escravos a
frete e passageiros, para o que tem bous com-
nindos, trata-se com Silva s> Grillo na ra do
Vigario n. 4, ou com o capilao.
No dia l5do corrente mez sahe para a Kahia
o hiate nacional Sociedad? ; ja tem tres partes
de seu carreganicnto prompto, e inda se rece-
be carga a frete, e nesse dia sem falla sahe
co m a carga que tiver : trata-se na ra da
Cruzn. 27.
Para Lisboa a barca portugueza lur-
garida, capitSo Silverio Manoel dos Res,
sai com a maior brevidade possivel, por
ter parte da carga prompla, quem na mes-
ma quizer carregar ou ir de psssagem pa-
ra o que tem excedentes commodos diri-
jam-se aos consignatarios Oliveira Irmiios
Precisa-se alugar um moleque que se-
ja fiel para comprar na ra, e cozmhar pa-
ta duaspossoas, pagando-so bem : na ra
da Direila n. 53.
Os Srs. Jos J. da Fraila CuimarSes, e
Jos Antonio du S, tecm cartas de Portu-
gal : na llua da Cadeia do Recife n. 42,1.
andar.
-r- Piecisa-so de umbom foitor para um
sitio ao [ da igreja da Estancia beira da
f si ni l na, quem estiver apto para isso v
ao mesmo sitio de manhia das 6 s 7 ho-
ras; e a tarde as mesmas horas, que acha-
ra com quem tratar.
Aluga-se o terceiro andar da casa da
ra do Queimado, n. 9.
Precisa-se de 150 a 200 mil rs., sobre
penhor de um escravo livra e desemba-
razado, cujo escravo he bom refinador,
cozinheiro o padeiro, dando-se em segu-
ranza do premio o servico do mesmo es-
cravo : a pessoa que pretender este nego-
cio dirija-se ao Passoio Publico na loja do
Sr, Fcrmiano Jos Rodrigues Ferreira n.
11 que se dir quem faz este negocio,
Roja-se a todas as pessoas que estSo
devendo contas antigs na venia da ra
da cadeia do Recife n. 25 defronte do
linceo Largo, quo queiram vir ou man-
dar pagar seus dbitos at o fim do cor-
rela mez de maio, pois o n.1o fszendo
torio de ver seus nomes oeste jornal, e
su proceder nos termos da lei.
Manoel da Silva llellomonte e Albuquerque
f. dentista, mudou-sa para a ra do Rangel n.
7l, segundo andar, e est prompto a servir o
respcitavel publico cora todo esmero delica-
desa.
A o publico.
AmanhSa (11) pels 10 horas do dia, ins-
titlar-se-ha na casa da bssemhla provin-
cial um inalilulo, filial ao dos aivogados
brasileos da co-te. Roga-se pois a todas
as pessoai do Toro que por inadvertencia,
ou por falta de lempo, nao recebam con-
vito especial, que so dignem de honrar es-
se aclocom asuaassistencia.
Segunda feira 12 do corrente mez
de maio, na travessa do Corpo Santo n
29, segundo andar, se abrir urna aula
de meninos, dirigida por Honorato Au-
gusto de Miranda, cujo magesterio elle
exerce perto de vinto annos em casas
particulares. Os Srs. Paes de familias que
quizerem essa aula mandar os seus li-
lhos, pdom ficar cerlos que serSo ah
Iratados e ensillados com corintio e cui-
dado, esmerando-se o director em con-
seguir a confianca e a proteccSo das pes-
soas qun Ihe coiiliarem seus Julios. Para
tratar dirijam-so a mesma casa.
f.ompra-se um espelho de tres a qua-
tro palmos em hom estado, ou s vidros :
no Becoo do Azeile do l'eixe n. 7.
Emerencia da Trindae, morador*
em Oiinda, constandn-lhe que seu filho
Luiz Francisco, tem illudido algumss pes-
soas dizendo que tem moradas de casas em
Oiinda, faz scieute ao publico que nin-
guem contracto negocios relativamente
a morades de casas com dito Luiz Fran-
cisco, pois que sao bens que elle nSo pos-
sue.
Rnca-se ao Sr. capitSo de campo JcSo
Di-
rior. tem nma cicatriz om um braco, cu-
ja cicatriz foide queimadura de um ferro
de engommar, tem os ps ara tanto apa-
ibetados.quem a pegar leve-a no Becco da
Bomba, sobrado n. 2.
Desappareceu da nova fazenda dosar-
13o do Cariri Velho da provincia da Pa-
rahiba no dia 17 de fereiro deste anno, o
escravo de nome Jos, de nacSo, e couhe-
cido por Zuza, dado pouco mais ou me-
nos de 48 annos, cor preta, alto e secco do
corpo, cara descarnada e barbado, tem
urna orelba furada ; seguio para S. An-
3o, dizendo vinha procurar aoSr. Chris-
ovo Dionizio de Barros para o comprar :
foi escravo do casal do finado Francisco
Ribeiro Peres, sogro do Sr. ChristovSo ; e
como possa acontecer quo favorecido por
algum preto que tivesse sido delle par-
ceiro, esteja occulto em algum engenho,
ou sitio dos herdairos daquellr finado ;
roga-se aos mesmos harbeiros, bem como
s autorrdades policiaes, e capitSes de
campo de o fazerem apprehender e remet-
ter a esta ci la le a seu senhor Manoel Jo-
s doS. Auna e Araujo. que ser recom-
pensado o conductor.
-Lino Jos de Castro Araujo.embarca pa-
ra a provincia de Alagoas os escauos,
Amaro e Filippa, pordos, o Anglica cn-
oula, a entregar a seu senhor Jos de Bar-
ros Pimentel do Rego_Falc3o_
Vendas.
'"", ""T*r. "- ""--- Luiz de Souza, que annnnciou, no IMo-
& O. na ra du Cruz n. 9, ao refer.do ca- ^^sexta feira 8 do crrente, saber de
pitao.
Para o Rio de Janeiro segu viagem
com brevidade o patacho nacional Curw*o,
dous eseravos fgidos, cujus signaes de-
clara, queira rever se algum delles tem
urna costura deferida na perita direita lo-
rua da Cruz n. 33.
ante promette generosa recompensa, se
-Para )Rio Grande do sul pretende aegulr! '""' ^s escravos fr um seu, que tem
cora brevidade o patacho Aovo J'mtrario, para 'UgiJo. ... i, ,
o que ten, prompto parte do seu carregamcu- O Sr. JoSo Joaquim Baptista, que no
to. Quem no mesmo quizer.carrtgar, embar- Diario de hontem declarou mudar seu no-
car escravos ouir de passagein puder enten-'me para JoSo Jos Baptista, advertc-se-lhe
der-se cora Anoritn Irmaos na tua da Cadeia qUe Da outro mais velho.
___lloga-se ao lllm. Sr
n. 39, ou a bordo, e mesmo na praca com o
capilo Jos Antonio Caudido de Souza.
Leiles.
commaodante
do corpo*de polica, que por caridade quei-
ra lancar as suas vistas para dous bote-
quins que se acbSo eslabellccidos atrs do
quarlel do mesmo corpo, porque alera dos
jogos prohibidos que nelles existera con-
tinuadamente, demais a mais todas as noi-
Leilao de nudezas e ferragens
Kalkmann liman, farSo leililo por i.,
ter veneflo do corrector Oliveia de gran-tes as hoYas que deve reinar o silencio,
de soitimente de miudezase ferragens; ter. reunem-se soldados e paisanos, que ira-
ca feira 13 do corrente, as 10 horas em'pedem ate o transito, enSo be Uto so, as
ponto no seu armazem, ra da Cruz, obsenidades e pantanas que all se prati-
James Cablrce& Companhia farSo lei- cam, poraquelles mesmos que devem fa-
lso, por inteivencSo do correlor Oliveira, ^er coi:, que seja respeitada a le ; e des-
de grande e variado sortimento de fazendas sa forma o decoro do algumas familias,
iuglezaa, as mais proprias do mercado: que por aquelles arredores morara. Espc-
segunda feira, 12 do corrente, s 10 horas 00 mesmo lllm. Sr. tenento coronel,
da manhaa em ponto, no seu armazem, comuid.,qu* deas provideuctas,. a fim [de
Ra da Cruz. que semelliante escndalo, nao continu.
-O correlor Miguel Carneiro, far lello no'' U lncommudaio.
dia terta-feira i3 do corrente, as 10 horas da Honorato Joscph de Oliveira riguei-
manha, no seu armazem na ra do trapiche redo, como administrador de sua mulher
o. 10, de varios trastes novos e em nielo uso ; Thcrcza Ferreira Diniz, filha e berdeira do
urna collecto de ricos quadros, conlendo a f,liauU Manoel Ferreira Diniz, tondo em-
Ulsloria Sagrada; urna porco de livros era b a senleuca qu0 julgou as paiti-
brauco, nautadus e com ttulos; couro de por- "e-"*"' v i i >p___r
co : candiei.os, louca. vidros e outro. multo, ibas do casal asquaes s3o inte, ament lo-
objectos : assim como, relogios, espingardas, ivas a mulher o aununciante, e outros
e selius inglezes com pouco uso, que se ven- herdeiros, resenlindo-se alcm disso o iu
der niuito cui conta. ventano de multas inexclidOes ( como dl-
______________________vidas falsas etc.,) e omisses. e estando
resolvido usar nessa questSo de todos
Avisos diversos.
os recursos, que as leis Ibe permittim, pre-
vine que ninguem compre ou fac,a nego-
O Sr. J. F. P, queira mandar pagar C|0 a|gUUi relativamente aos bens do ca-
a subscripeSo do Diario, alias se publi- sa|( quer com meieira Balbina Custodia
cara seu nome por extenco.
___O Sr. Francisco Antonio da Silva
da ruado Rangel queira dirigir-se a esta
typographia a pagar a subscripcSo deste
Diario.
Nos abaixo assignados, tondo de reti-
rar-nos para a corte no primeira vapor que
vier do Norte, e lalvez nos falte o tempo,
pela presteza da viagem,para despedirmos-
nos, e agradecennos os favores que temos
recebido, por isso fazemos por meio | leste.
Muito agradecemos ao lllm. Sr. coronel,
inspector da pagadoria militar, o bom tra-
tamento, e maneiras com que sempre nos
tratou o que he proprio do seu carcter pe-
la sua honradez, e eduoacSo; da mesma
forma agradecemos a todos os emprega-
dos da mesma reparticSo, porque vamos
penliorados pelas bas maneiras por que
sempre fomos por elles tratados : e na-
quella corte Ihes offerecemos os nossos ser-
vicos ; diminuta paga vista dos fa-
vores retebidos. Jote boza, Francisco Antonio Xavier da Coila.
Jos Bololho de Mell, subdito por-
taguez, relira-separa a llha de S. Miguel.
Maria da Concec3o(de Miranda sub-
dita Portugueza retira-se para fra do im-
perio, levando em suacompauhiastu filha
menor Candida Mana de Miranda.
de Oliveira Diniz, quer com outro qual-
quei lenle no, ja na posso dos seus qui-
uhOes em virlude da senleuca embarga-
ga. Recife 9 de maio de 1851.
~ Goipra-so urna negra nova do boni-
ta ligur*, e sem habilidades, em Fura de
Portas, u. 127.
- i re i-a s,- de oito ceios mil rs. a um
conlo de rs, a premio, com lelira segura, ou
era hypolheca em predios: a quem convier
este negocio annuncie.
Os credores do tinado Gabriel Con-
calves Lomba queirSo ter a bondade de
coojparecerem em casa de Janes Patn &
C, segunda feira 12 do correle, a 1 hora
da larde a tratar de negocios concerneuies
ao estado do dito liuado.
Roga-se ao Sr. Joarjr'de A'ieT.ln Sis-
neiro. o favor de mandas? concluir o nego-
cio queSnic. nSo ignora: na ra do CreS
po, loja n. 12. /
Aluga-se um sitio no Atierro dos
Afogados, quem pretender dirija-se a ra
da l't'iiiia, sobrldo u. 23 primeiro andar,
ou na rus Nova fabrica de charutos.
No dia 34. de abril prximo passado,
desappareceu .a preta Alexandrina, que tem
os siguaes seguintes : estatura regular, fal-
u-lhu um tiento na fenle da parte supe-
-- Vende-ie ou permuta-se por propneda-
des nesta prac o engenho Amollar, collocado
em uina sismara de trras de urna legoa qua-
rlrada, na ribeira de Sauto Antonio Grande,
freguezia deCaraaragibe, da provincia de Ala-
goas, moente e corrente, d'agoa, copeiro, com
casas de engenho, de purgar, de vivenda, ola-
ria e de bagasso, tudo de niadeiras de quali-
dade excellente cercado ( lalvez o melhor da
ribeira) coberlo de matas que ticam annexas
ao mesmo cercado, trras de muitaproduccao
e bom assucar, podendo-se na mesma pro-
prledade levantar mais dous engenhoi, sendo
um para agoa, cora as meluore* proporedes :
os pretendenles dirijam-se nesta prafa, a Fran-
cisco Jos Crrela, na ra da Cadeia de Santo
Antonio primeiro andar u. 21, e na provincia
de Alagoas ao proprietario Jos Paulino de
Albuquerque Sarment, no seu engenho Sau-
to Antonio Graude, tambem se arreuda o men-
cionado engenho caso nao se d a venda.
O legitimo barateiro.
Chapeos de seda para cabeca finos preto
pelu diminuto preco de -2,5i>0 rs. cada un, rls-
cadinhos de linho a lu rs. o covado, meias
para meninas de 1 a Salinos de idade a 200 rs,
par, meias casimiras de pura La padrdes a iu-
gleza pelo rediculo preco de 2,500 rs. o corte,
chita, bonitos padroes escuros claros muito
linas a I(i0, 180, 200, 220, 210 r.. eada covado.
e um completo sortimeuto de outras umita;
fa/.endas que s os freguezes deixarao de cora-
prar seuo tiver vonude e nao levar dinheiro :
na ra do Crespo n. 2i.
Carlos llardy ourives, ra Nova
numero 34.
Annunciaao publico que querendo liquidar
as obras de ouroque tein, as vende pelo cut-
io, lindos aderemos para menina de i2 a 13 an-
nos com pulceiras, brincos, alfinetes e gargaa-
tllha a 40,000 rs., para senhor a 60,000 rs.. e
aderecos de senhora brincos, alfinetes e gar-
gantilla a 35,000 rs., pulceira a 23,000 rs., urna
a 28,000 rs., aneis esmaltados paia senhora
muito lindos a 4,000 rs. cada um, um sorti-
mento de brincos para meninas e senhoras
que vende igualmente pelo custo, todas estas
obras sao de ouro de lei.
liillit.tcs Jo Rio de Janeiro.
Aos ao:ooo,ooo rs.
Na loja de miudezas da praca da Indepen-
dencia n. 1, vcudem-sebilhetesinteiros, meio,
quartos, oitavos e vigsimos a beneficio da fa-
brica de vidros e papel, espera-ae a lista no
primeiro vapor. Na mesma loja recebem-se
bilbetes premiados de todas as loteras em tro-
ca do. que tema venda.
Lotera da matriz da Boa Vista.
Aos 10 e 5:ooo,ooo rs.
Na prac da Independencia loja de iniudezas
n. 4, na ra da Cadeia n. 48. loja de iniudezas
e no Atierro da lloa Vista, loja de calcado n.
58, e na ra Dircita, loja de ouvlres n. 124,
vendem-se os mullo afortunados bilbetes,
meios, quartos, quintos, decimos e vigsimos
da mesma lotera, que corre ufallivelitieute
no dia 2 de junlio viudouro.
Bilhetes
Meios
Quartos
Quintos
Decimos
Vigsimos
Compra-se urna carrosa com um boi :
quem tiver para vender, dirija-se a ra Direi-
la n. 25 no primeiro andar, que achara com
quem tratar.
Lotera do Kio de Janeiro.
Aos 30:000,000 rs.
Na praca da Independencia n. 3, que volta
para a ra do (Jueimado c Crespo, vendem-se
os muito afortunados bilhetes, meio., quarloa.
oitavo. c vigsimos a beneficio da fabrica de
vidro de S. Roque e da fabrica de papel de Zt-
leiino Trras. Na mesma loja e.ta pateute s>
lisia da decima-quarta lotera do Theatro de S.
Pedro de Alcntara.
Bilhetes do Kio de Janeiro.
Aos 30:000,000 rs.
Na ra da Cadeia do Uecifen.24.
Acha-se a venda na loja de cambio da Viuva
Vieira & Filhos os muito afortunados bilhe-
tes, ineios c cautelas a beneficio da fabrica de
vidros de S. Roque, e da fabrica de papel de
/c 1. 1 un. Ferrer por conta da quinta dos vidros
e saldo da quarta de ferrer, cuja lotera devia
ser 1 mi aluda a 29 do mez prximo passado de
abril, e na mesina loja foiain vendidos da de-
cima-quarta deS. Pedro de Alcntara os pre-
mios seguintes-169-4:000,00010J3100,000
5884 -100,000-4734- 100,000-5862-100,000
2161l00,00-593-40,0O0-S263-40,000-918
40,000 5192 40,000 392-40.0UO-J783
40,000.
I'nlli .tes do Rio de Janeiro.
Aos ao:ooo,ooo rs.
Na loja de iniudezas da prava da Indepen-
da n. 4, vendem-se bilhetes inleiros, ineios,
quartos e oitavos a beneficio da fabrica de vi-
dro e papel do Rio de Janeiro.
Lotera do Bio de Janeiro.
Aos ao:ooo,ooo rs.
Na ra estrella do Rozarlo travessado Quel-
.nadu loja de iniudezas n. 2 A de J. F. dosSan-
\s Maia, vendem-se os muito afortunados bi-
lletes, relos, quartos, oitavos e vige.iinos da
loiena a beneficio da fabrica de vidros. Na
mesur) loja est patente a lista da decima-
quarla Jo theatro de S. Pedro de Alcntara.
__ Vefde-seuui moleque de 9 para 10 annos,
de inuil bonita figura, proprio para ser appli-
Icado a qui'quer officio : quem o pretender,
dirija-se a r >a do Queimado n. 44,
10,000
5,000
2,000
2,100
1,100
600
MUTILADO


f^

Na nova fabrica de chocolate do sade
homoeopalhico, approvado e applicado pe-
los Srs. Drs. da homceopathia, na ra das
Trincheiras n. 8, existe o excellente choco-
late fino amargo hesranhol para regalo, di-
to entrefino temperado tambem para rega-
lo e dito para o diario, sendo ludo feito
coro o maior asseio possivel; assim como
caf moido do melhor que ha no mercado,
toda a qualidade de assucar retinado e gros-
so e excellente cha, tudo por privo muito
commodo. Na mesma casa precisa-so de
um pequeo do 12 anuos, portuguez, pre-
ferindo-se dos recentemente chegados de
Portugal.
Vende-se superior cognac velho, em
lu mis de 12 a 24 caadas : na rus da Cruz
n. 55, casa de J. Keller & Companhia.
Vende-se gesso em barricas, vindo no
ultimo navio elegido de Franca, tendo ca-
da bairica 20 arrobas potico mais ou me-
nos : na ra da Cruz n. 55, cusa de J. Kel-
ler & Companhia.
Vende-se carne de vacca salgada em
barris : na ra do Trapiche n. 8.
l'ara o invern.
A 2,240 rs. um corto.
Na loja n. 5, de CuimarSes & Manriques,
vendem-se cortes de casimira de algodflo,
milito encorpados, padrOes escuros, com 3
3|4 covados, pelo barato preco de 2,240 rs.
rada um corte jsssm como oulras muitas
fazendas baratas.
,\ 56o rs. cada um.
Na loja de Cuimarfles & llenriques, na
ra do Crespo n. 5, vendem-so lencos de
seda, muito finos, para meninos, pelo bara-
to preco de 560 rs. ; chapeos de sol de pan-
ninho, armacta de baleia, a 2,000 rs. ; o
antigoalgoduo transado monstro, a 800 rs.
a vara.
Cortes de casemira elstica
pela diminuto preco de 6,000 rs. cada um.
4
Ihi
He de'Graea.
Vende-se um terreno com 60 palmos de
frente e os fundos at ao cei, tem j mais de
i30 palmos de alicerce, n'iim dos oilfies. lie si-
tuado na ra da Piala da ribelra, fai-se todo o
negocio : quem o pretender, procure na ra
do Cabug loja n. 11.
."-.iliiii a luz de prximo na cidade da Ba-
hia una obra em que se inostra a veracidade
daapparicao de Nosso Senhor Jess Cliristo a
D. Allhnso Heni i-iues no campo de Ourique, e
que Napoleo o grande he vivo e vai pela ter-
Cira vei oceupar o tbrono de franja : vnde-
te na ra da Cruz do Reclfe n. 52, .primeiro
andar, pelo preco de l ,000 rs cada exemplar.
Economa para o invern.
O barateiro do Passeio Publico Firmiano Jo-
s Rodrigues Ferrclra, na sua loja de u. 11,
vende superiores cortes de casimiras de algo-
do, faxenda muito eucorpada e de cores es-
curas, padres os mais lindos ao barato prec.o
de 1,11o rs. cada um corte, e quem nao com-
prar ? Cambraias de cores ao barato pree.o de
400 rs. o covado, fazenda larga e muito fina,
chitas francezas largas gosios modernos a 320
rs. o covado, pannos finos de todas as cores,
setim iii.u.ni, sarjas largas, superiores meri-
nos pretos, leufos de seda de cores para ho-
meiii, fazenda superior, casimiras clsticas,
nielas ditas, gorgurrs de seda para coletes,
bros de linho naneados de todas as qualida-
dcs, castores para calcas, setius lavradospara
vestidos, challes de seda e 13a e inultos outros
padres, chapeos de massa fraucezes, madapo-
loes, cassas chitas, chitas de todas as qualida-
des,. riecados franceses, esguies de liuho, ta-
pete, chitas cassas a 1,200 rs. o corte, algo-
does sortiinento completo, c outras muitas
lateadas que se vendern a voutade dos senho-
es compradores.
Vendem-se
Licores de todas as qualidades,
Agoardente do Reino,
Ditad'aniz,
Gcnebra da torra c de Holanda,
Espirito de 38 graos,
Agoardente de canna superior,
Vinho de caj de 4 aunos.
Vendem-sc a prejos moderados, e cncarre-
acham-se a venda narua do Crespo n. 5, ga_se do despacho para exportacao : no de-
loja que volta para a ra do Collegio, lti-
mamente chepudas.
|* Arados americanos. *'
sa> Vendem-se arados americanos ver- ^j
psito da reitilacao de Franca & Irmao, na
travessa da Madre de Dos n.5.
Vende-se una escrava crioula com urna
cria de M mezes, que sabe coiiuhar bem o
diaria de urna casa, lava e sem vicio algum : a
tratar das 0 horas em diante, na ra do Cabu-
dmleiros, chegados dos Estados- 2 g loja de iniu le/.as n. I c.
;;> Unidos : na ra do Trapiche n. 8. < '
Cortes de cliita do ultimo goto
8 2,000 e a 2,500, e algodSozinho a 1.C00
e a 2,000 rs. a peca.
-- Vende-se urna morada de casa de pedra c
cal, sita no oito da igreja do Poco da Pancha,
com sala, gabinete e varios quartos, e bem as-
sim um urub rei limito bonito e manso, lu-
do por precos coii.modos : na ra rio I.ivra-
niento segundo andar do sobrado u. 24.
Narua do Crespo, loja da esquina que |"vwwv^vww
volla para a Cadeia, acaba de chegar um g Vende-se a padaria nova doMangui- O
bello sorlimenio de cortes de chita .le bom *? nll0> com todos os seus perlences; e ft
costo, rom 12 covados, a 2,000 e a 2,500 < bstanteme afreguezada: quem a >
assim como pecas de algodflo com toque de O l"'*'tP'"|er dinja-se a mesma, que a- q
avaria, a 1,600 e a 2,000; lencos de seda Q chara com quem tratar. q
muito honilos.a 1,440, 1,600, 2,000 e 2,240; \&G>QQGQiQQ alpaca de cores para palitos, a 800 rs. o co- Lotera da matriz da Bo i Vista,
vado ; dita de algodflo, a 280 rs. ; e outras ,, Slooo OIM, n
tnuitas fazendas por precos commodos. ,/ ca.c^aL do Arantes .,a praca
Cera de carnauba.
O mais superior que ha neste genero, ven-
de-se em porcio e a retalho : na .ra da Cadeia
do Recife, loja n. 50 de Cunha & Amoriin.
-- Vende-se um pelo de na cao, de liladc
pouco mais ou menos de 28 annoi, bonita Figu-
ra c ptimo cozinheiro : Irala-se na ra do Vi-
gario n. i9, segundo andar.
n. 15.
Vellas de carnauba.
Vendem-ie vellas de carnauba, pelo bara-
tsimo preco de 1,500 rs. o cento : na ra
da Cadeia do Itecife loja n. 50 de Cunha &
Amorim.
wt*ww**m fwwimiwiiiMiii
da
Independencia ns. 1.3 e 15, veudem-se os mui-
to lu um iilni bilhetes e incloa ditos desta lo-
tera, me corre iiifallivcluiente no dia2 de
lrinao, ve.ideiii-se_que.jos loudrinos, prezun- jull,|(, ;.il|douro. a cUcs alllcs ()ue se aeabein.
Queijos e prezuntos.
No armazem ile II,......I Francisco Martins k
tos inglezes e do Porto, latas com bolaxiuha
ingleza, ditas de ararula, ditas coin sardinhas
e eivilhas, carnes, conservas inglezas, e mais
diversos gneros, tudo em conta : na ra da :
Cruz n. 62.
IIiIIh ir*
Mrios
Vende-se
u
s
cr-
oa
v
-
e
CS
m a. c e O "-
c-3 := .5 vo -
-~ C o
. f c e o.
3 Q. a...o
a
O'en
e-JSE.

es i
~ , O O
a w o J 5 =
-i
v. ce
V -
s s
a."

HE
r.
p
S "
gc-5o|-
|?o1
C c st : ';> 5-
a> .* B e S

>~~2.
o
a;az o
3*2 o
r o
5 e S jf
. i- t 3
-
9m
S w s - S-a -t =>e .2,. SU W ^ m "3 3 O (A 1 -> 3-S .S ~S o -1 O 5
Semenle de ortalicc de to-
das as qualidades, feijao carrapato muito no-
vo, vindo de Lisboa no hrigue Conceico de Ma-
ra na ra da Cruz atrs da lacreitia do Cor-
po Santo n. \si.
Vendem-se saceos novos de estopa com
20 varas caita um : na ra larga do Itozario
n. 48, primeiro andar.
De superior [qualidade.
Cimento novo, chegado ltimamente de
Ilamburgo : vende-se no armazem de Vi-
cente Ferreira da Costa.
Vende-se um grande sitio no lugar do
Manguiulio, que tica defronte dos sitios dos
Srs. Carneiros.com grande casa de viven-
da.de quatro agoas, grande scnzalla, co-
cheira, estribara, baixa de capim que sus-
tenta 3 a 4 cavallos, yrande carimba, con
bomba e tanque coberto pura banho da
tantes arvoredos de fructo: na ra da Con-
cordia,primeiro sobrado novo de um andar.
Vende se
Erva mate,
Liara- de vimes,
Gigos de gurrafas,
Genebra de Ilollanda em fras-
qufiras : vende-se na travesea da
aladre de Dos n. 5.
Cassa para cortinados a 640 rs. a vara.
Oefronlr do becco do Peixe Frito n. 3, ven-
de-se cassa para cortinados, pelo baraiisslino
preco de duas patacas a vara, esta razeuda he
estampada em ran.agens de cores.
A ."iSiiiiii ciulii mil.
Na ra do Queimado, defronte do becco
do l'eixe Frito n 3, vendem-se cobertores
do Porto, muilo graudese encorpados, pe-
lo barat.ssimo pr.'r;o de 5,000 rs. cada um
Vrnde-te una innraOa de casa no lugar
do Caxanf, a melhor que naquellc lugar
existe, por ticar ao p da ponlr, cuja he de pe-
dra e cal, ccui duas grandes salas, seis quar-
tos, corredor lavado, quintal com alguns ar-
voredos, banho no fundo do inesiiio, miiilu
proprlo para qualquer lamilia, por preco inul-
to i oiiiiiinihi, por a .lona querer lequi.iar con-
ta : naCamboa do Carino n. 33.
Vende-se um bonito mnleque crioulo de
13 ,innos, com principios de niarcineiro,. un
dito de 7 anuos tambem muilo bonito, ur.i pre
to tambem crioulo de 22 annos peritri sapa-
teirn !. toda a obra, tanto de corte cromo de
execucao para a prara e que d.i certo b'10 rs
diarios, e u.ua mulatinha de i( nnos, con,
principios de costura, engoinmadc,, cozinhado
e bem propria para educar petv ter sido u
mato i na ra larga do Rozarlo n. 35, loja.
10,400
5,200
muito boasicupi-
ra ass, propria para coistrucco
de carrocas e carros : quem a pre-
tender, dirjanse a ra da Fraid
n. 55, que se dir (juem vende.
o resto da peciiinclia.
Na ra do Qurimado loja n 17, vendem-se
para acabar u.n resto de cambraias de Iaa-
berias, de cores muito delicadas, intitulados
li.il/ o in.is, ni un. i propria para vestidos para
senhoia a 3U0 rs. cada covado, corles de ves-
tidos de ch.la de barra, fazenda muito nioderO
na e de gostos muito graves a 3,500 rs. cada
corte, corles de fil de cores bordados a G,00-
rs_. com 7 varas cada corle, esguio de algo-
dao com 10 varas a 2,400 rs. cada peca, assim
como outras fazendas por precos muilo em
conta.
Sorvetes as 11 boras e a noite.
Na confeitaria da ra eslreita do llozario n-
43, continua a haver sorvetes de diversas qua-
lidades por preco comniodo.
Vcudc-se familia de mandioca dc'S. Ma-
theus, por prefo cuinmodo : na ra da Cadeia
numero 1-
Vende-se uu.a canoa que pega cm 1,500
tijollos : na roa das Larangeiras n. 18.
-- Vende-se u.ui escrava parda, que sabe
eiigouiinar e cozinhar o diarlo de uu.a casa,
lava, e coser liso, com um lill.u de 7 annos de
idade de ptima figura : na ra Dircila n. Ii2,
primeiro andar.
C3P Jogos de vi.spora.
Ko Atierro da boa Vista, loja e calvado n.
58, vendem-se jogos de vispora a 1,000 rs.: a
elles que estilo no resto.
-- Vendem-se pecas de bom panno de linho
com 19 varas por 5,500 rs.: na ra da Cadeia
Velha n.33.
Vcndem-ae pecas de cassa lisa sem gom-
ma com 20 jardas por 4,000 rs., e de 12 jardas
por 2,400 rs., e em varas a 240 rs. ; na ra da
l.adeia Velha n. 33.
Vender se lenfos encarnados cor segura
a 2,200 rs. a duzia e o lenco a OO rs. : na ra
da Cadeia do Itecife n. 33.
A o bom e barato.
Na r ta do Queimado loja n. 23, que foi do
Sr. S I. ni. ii, vejidein-se as seguintes fazen-
das por diminuto preco : chapeos de sol de
superior seda preta a 5,000 rs., riscado mons-
tro de vara de largura a 240 rs. o covado, alpa-
ca de linho com 4 palmos de largura a 320 rs
o covado, franquclnii prelo a 3211 rs. o covado,
corles de cassa chita rosas a 2,000 rs., mantas
de superior seda furia cores a 8,000 rs., chal-
les de seda a 10,"0 rs., setim maco prelo a
i.ii.'o rs. o covado, dilo a 2,801 rs., dito muito
superior a 4,200 rs corles das mais modernas
cambraias de seda a 10,000 rs., cortes de gor-
gurao de seda lavrado, branco e de cores a rs.
3,500, ditos de fu' trs a 7110 rs ditos das ine-
Ihores casimiras elsticas de todas as cores a
5,000 rs., chitas a 120 rs. o covado, a IG0, 180,
200 e 220 rs., chita fiauccza muito larga e de
muito bom gosto a 280 rs. o covado, dito de
casia franceza muito lina a 320 rs., e outras
iniiii.s fazendas, e dao-se as amostras, enm
penhores, assim como lencos de seda de su-
periores padiues para pescoco a l,00 rs.
- Vndese todos os pieparos da casa de sor-
Ivfit* e seus petlenccs de loja ua ra dos i. un
teis un quem a dita qui
.uizer, dirija-se as
Cinco Puntas u. S2.
Vende-se uV' bonito inoleque de 20 an-
nos, muilo bom A/iel tomprador, nunca fugio
oque se allianca,\ozinUin muilo bem o diario
de urna casa : na iva laKga do itozario n. 48,
primeiro andar.
Rap raulo Cordeiro,
cheg.do ultiiuaiiiihle : na ra da Cruz n. 57 a
1.600 rs, a libra.
-- Methodos d violao por Carulli, sexta
iili.c.o : \ i niii ii.'Si' no palco do Collegio, ca
M do Livro Azul,
Lima.
Participa a seus freguezca ea quem m
mais convier, que inudou o seu esiabe- j;
lirimento de uniformes militares do so- 2
brado da ra doQuciniado para o pateo 3
da matriz n. 2, aonde continua a ven- *
sl der o mais superior galo de ouro e pra- a
" ta para divisas mililares elibrs de pa- I
gens, assim como promptifica unifor- B
ff mes para msicas, ou o completo de H
i qualquer batalhao.
mmm^m**.....mmmmmsmm^
i I i mi ii novo rape de Lisboa, o qual se
vende as oitavas: na ra da Cadeia do Recife
Vcnde-se cnenlo novo, chegado no ul-
timo navio de Hainbnrgo, em barricas e meias
barricas, e tambem se vendem as tinas : atrs
do tbeairo velho, armazem de taboas de pi-
nlio, por prero coniinodo.
A a4 rs ca(^a uma-
Cheguem a ellas antes que se acabem.
As ptimas esleirs de palha de carnauba,
pelo baralissimo pre;o de doze vintens cada
urna : na ra da Cadeia do Recife n. 23, ar-
mazem.
Vende.n-sc sapatoes de couro de lustro
pelo baralissimo preco de 3,000. 3,500 e 4,000
rs., ordinarios de 2,l>00 rs., brancos de orelha
a i ,-.ro rs.: na ra da Cadeia do Recife n. 9,
loja.
Vende-se ainda mais em conta do que se
liuha annunciado, o grande sitio pertoda pra-
ca, nuil duas cxcellentes casas de pedra e cal,
sendo una dtllas com bastantes commodos, e
outra a face da estrada com toda afrente mu-
rada, bastantes fructeiras, terreno para plan-
taces, baixa para capim, com 4 cacimbas : a
fallar com o corretor Miguel Carneiro :
Vendem-se lindos p becco do I i| inlie.ro primeira casa ao entrar
pela estrada de Joao de llanos. Na mesma ca-
sa se vende um boi de carro muito manso.
No armazem da ra da Moeda n. 7, vcn-
de-se colla muilo superior, viuda agora lti-
mamente do llio Grande do sul.
Jarros e bacas chin zas.
Na ra Nova n. 20, loja de Joao Fernandes
Prente Viai na, vende-se ricos e nunca aqui
vistos, jarros e bacas da China, tendo a pro-
piiedadc de nunca se quebrarem, e se lornam
tanta mais recomineudaveis por seren enver-
nisados de cores Anas e com bellissimas es-
tampas : a illis antes que se acabem.
A ilitilu ini vista, a 8,5oo rs. a
arroba.
Vellas de carnauba de ptima qualidade, fa-
bricadas no Aracalr : vendem-se na ra da Ca-
deia do Recife, armazem n. 23.
Enxadas.
Vendem-se na ra Nova n. 20, loja de P-
renle Vianna, as muito fortes e acreditadas en-
xadas do Porto raleadas de ac, cuja duracao c
fortaleza, as tornam duplicadamente melho-
n s do que as que commuiiimente temos no
mercado.
Vendem-se escravos baratos 100908 e de
bonitas figuras, e caso teuham vicios nao se
esiondem nem outra qualquer molestia.
5 pretos mocos opfmiospara lodo servico.
1 dilo mais velho bnm para sitio.
1 dito ptimo cozinheiro e de boa conducta
por preco muito em conta.
2 molecas coin algumas habilidades,
1 mulatinha coin habilidades, que cozinhae
entornilla.
4 negras moca ptima para qualquer serv.
1 muala de 30 anuos muito boa cozinheira e
que engomma bem e de boa conducta, e inul-
tos outrosescravosque sempreseacharao nesta
casa a venda : na ra das Larangeiras n. 14, se-
gundo andar.
Vende-se una escrava de naco, que re-
presenta ter 25 anuos pouco mais, por preco
commodo : na ra do Apollo n. 19, primeiro
andar.
Oh que pechincha.
Cortes de brim trancado de puro linho a rs,
1.200o corte, ditos de brim pardo a 800 rs ,
casias sedas a 3,000 rs. o corte, a elles antes
que se acabem : na ra do Crespo loja n.2l.
Vendem se lolhas de robre
e de zinco, para forro de navios, com os com-
petentes pregos de um e outro metal.
Estantos em vergtiinbas, al-
vaiade puro em barris pequeos, um sorti-
inento de vidros para vidracas, copos, calixe
garrafas brancas de vidro dellamburgo.
Vitibos de (hampa n lia e Bor-
deaux engarrafados em cestos, e calxat de urna
duzia, chegados 110 ultimo navio e do mais su-
perior que ha.
Um foite piano com caixa de
Jacaranda, tudo limito em conta : no armazem
de C. I. Asltey & Companhia, ra do Trapiche
numero 3.
Vende-se um piano por preco commodo .
na ruada Cadeia de Santo Antonio, no se-
gundo andar do sobrado n. i4, esquina do Ou-
vidor.
Vende-se una prela, que engomma, co-
zinha e entende alguma cousa de costura e
tem bonita figura : na ra das Larangeiras nu-
mero 5.
Vende-se por muito commodo preco urna
parte do dirrito de heranca cm Apipucos, com
urna grande posse em um sitio, com casa de
vivenda, estribara, casa def.rinha etc. e .nu-
la mata vigem para 6e fazer carvao, como j
se tem feito alm de oulras vantagens : quem
pretender, dirija-se a Apipucos, a fallar com
lacinlho Jos de Souza, ou com o Xic na cai-
xa d'agoa.
Vende-se urna escrava crioula de 22 an-
nos, que cose chao c tem principio de en-
goiiiinado, por preco commodo : na ra do
Aragao n. 11.
Vende-se o engenho Cumbe, sito na fre-
guezia de S. Jos de leterros, distante de C-ra-
vat tres legoas, moenle e crreme, com ter-
reno Millo nuil' para 3500 paes de assucar,
sendo copeiro, d'agca permanente do Ro Ara-
maragi, con. boas obras de pedra e cal, sendo
engenho, casa de purear, encaxamento com
bous depsitos para assucar e niel, o assenta-
menlocoin cinco vasos, e estes em perfeito es-
tado, boa nioeuda de ferro, caa de vivenda ei|i
bom estado, sen/alia e mais una serrara, ca-
sa de familia d'agoa, com a safra criada ou
sem ella, a voutade do comprador, vende-se
metade a dinheiro para pagamento d* credo-
res, e o rstame a prazo i quem preteudercom-
pra-lo, pode dirigir-se ao incsuiengenho pa-
ra examinar, enlendcndu-se com o proprlela-
rio Manoel Jos llenrique c nesta praca para
tratar Coin Rodrigo da Costa Carvallio que
esl autorisado pelo mesnio para fazer todo o
negocio : na ra da Crus do Recife n. 25.
Vende-se na ra da Aurora ... 32, latas
com superior bolaxiuhas de ararula do Riod
tehra ineleza a 720, 500 c 400 rs., banha de do rres a 2,800 rs., cortes de col lote da
! "?.... ._ i..;.u..i.....ii.., ., um .-. Hila ,,.,n.i in n -) nuil ra ditni la anl im Ha aAm.
,orco a 320 rs.. farlnha de trigo a 100 rs., dita
de araruta a 160 rs., tapioca a 120 r., sevadi-
nln a iGOrs., bolaxinha americana, a 200 rs.,
choiiricas de Lisboa 400 rs., ervilhas a 100
rs meias garrafas da erveja a 280>., ditas
de'garrafa, branca ou preta a 500 rs., vinho
do Porto superior engarrafado a 500 rs., talba-
rim lelrla a 240 ra., macarrao a ibO rs., duzlas
depratosou tigellas a 1,080 ra.. ditas inais pe-
queas a 800 r., latas com marmelada a 400
rj.. toucinho de Lisboa a 200 rs., vellas de es-
permaecte a 640 rs., carnauba a 320 rs., ama
bom a 60 rs., em arroba a 1,600 ri., cha hyson
a I 800 ri., dito brasileiro a 1,500 rs., caf a IbO
rs., vinbo muscatel a 400 rs., azeite refinado
francez a 560 ra., dito de Lisboa a 600 rs., frai-
cos de genebra de Hollanda a 500 t., em boti-
jas a 300 rs., sabao branco francs a 220 rs..
eraxa a 160 rs.. traques a 210 rs., azeitonas a
?0 a* quartha. da trra a 240, 200 e 180
rs., e todos os gneros que sao proprioi de
venda por preco commodo. Na mesma casa
compra-se toda a qualidade de cobre velbo,
ainda inutels.
fX Vende-se urna preta crioula de bonita n-
gura, boa cozinheira de foroo e fogao, refina
assucar, faz inultas qualidades de doce, en e
bem chao, he boa engommadeira e cnsaboa-
delra, o motivo porque se vende se dir ao
comprador: ua ra da Praia armazem de car-
ne secca n. 20, se dir quem vende.
__Vendem-se na ra do Queimado loja n.
10, esteiras indas da India pelo diminuto pre-
co de 2,400 rs. a esleir, franqueliin prcto pro-
prio para caifas e jaquetas a 360 rs. o covado,
riscadinho francez a 220 rs. o covado, chapeos
deso de seda a 5,500 rs lencos de grvala de
seda a 500 rs lencos de lavarlnto a 400 rs.,
cortes de caifa a i,00 ra leiifos de seda para
menino a 560 rs., meias para meninos e me-
ninas e todos os lmannos, acha-sc um gran-
de sortiinento de fazendas por preco coin-
modo.
Attenc3o.
Novos apparelhos de melal para cha, por pre-
co commodo,vendein-se na ra Nova n.20,loja
de Prenles Vianna.
Vcnde-ie urna casa com taverua bem afre-
guezada e bastantes commodos para familia,
quntale cacimba, ou iroca-se por outra em
qualquer ra desta prafa : quem pretender
fazer este negocio, dirija-se a mesma casa, na
ra Direita dos A Togados veuda n. 42, a tratar
com o mesmo dono.
Na ra do Rangel casa n. 2), aonde de
vende carne de porco, tem todos os dias leite
superior liquido, conforme he tirado do peito
da vacca 200 rs. a garrafa.
Vende-se uina linda escrava de excellente
conducta e com habilidades: na ra de S. Ri-
tan. l4.
Vende-se um preto de nacao com idade
de 20 annos, bonita figura, he bom canoeiro e
cozinha o ordinario de una casa : a tratar na
ra estrella do Rozario travessa do Queimado
loja de ..lindezas n. 2 A de J. F. dos Sanios
Mala.
iliiiii e barato.
Na ra do Queimado loja n. 18, vendem-se
chapeos de sol de seda muilo hons a 5,500 rs.,
ditos de panno a 2,000 rs., cortes de vestido
de cmbrala de todas as qualidades, leucos de
seda para senhora e para homeiii, curtes de
casimira decores, ricos manteletes de todas as
cores, chitas francezas, luvas de todas as qua-
lidades, chapeos f.ancezes para cabefa, panno
lino preto e azul, setim prcto muito bnm, ca-
simira preta setim, merino preto muito fino,
cambraia de seda, e outras muitas fazenda,
por commodo preco.
Vo- Srs. c-tiiilanti -.
Vende-se na loja do antigo e bem conhecl-
do barateiro da ra do Crespo n. II Dicciona-
rio Universal de Geographia moderna porA.
M. Peirotem2 voluntes, muilo boa encader-
niiian, Atlar deGcographia Universal pelo Ab-
bade Gaultier, obra publicada em Paria em
1848, Instilulces de Rhetorica por IU. F. Qnin-
teliano em 2 volumes, Diccionario de Inglez e
l'orluguez, e Portuguez e Inglez porj. P. AJ|.
lad, todas estas obras se vendem por metade
de seu valor,-assim como na mesma loja se
vendem muitas c variadas obras de diversos
autores, e finalmente o Diccionario de Cons-
tancio por 10,000 rs.
Vcndem-se ardiles de muito boa quali-
dade e por prefo muito commodo, que convi-
da ao comprador : na ra do Hrum u. 28.
Vendem-se 2 inolequei de 18 a 20 annos,
bom para todo o tiabalho, tanto da praca co-
mo do campo, um escravo muito bom padeiro,
una escrava crioula de 20 annos, de muilo boa
figura, que engomma, cose e cozinha, 2 ditas
com as mesmas habilidades :na ra do Colle-
gio o. "i primeiro andar.
Veudem-se urnas tahoaa de requesiteem
muito bom uso ua ra da Praia armazem nu-
mero 2.
Vendem-se 13 escravos, sendo 2 negri-
nhas muito lindas de 11 c 13 annos, urna das
quaes cose muito bem, e ptimas para mu-
camas, sem vicios nem molestias, o que se af-
li.mo i. 5 pretos muilo inofos bous ganhadores
e para todo o servifo, um cabouclo bom para
campo, 3pardas mofas, sendo 2 com habilida-
des, 3 pelas muito boas quitandeiras e boas
para lodo o aervifo : na ra da Cadeia do Reci-
fe n. 5l primeiro indar.
Vendem-ae chitas de bonitos padrdes c de
cores fixas, pelo barato prefo de IbO, 180 e 200
rs. e finas a240 rs. : na prafa da Independen-
cia n. l.
Casa de commissSo de escravos.
Vendem-sc e.cravos e recebem-
se de tommissao, tanto para a pro-
vincia como para lora della, para
o que se olerece muilas garantas
a seus donos : na ra da (Jadeia do
Becifen. 51, primeiro andar.
Vcnde-ae muilo boa farlnha de mandio-
ca de S. Calheiina \ inda recentemente do llio
de Janeiro : no ariuaiem de ias & Gouveia,
defronte da Lingueia no cae da allandcga.
Unni e barato.
No Atierro da Roa Vista, venda n. 75, dee
fronte da paderia do Sr. Uurans, vende-se
manleiga ingleza superior a 400 rs. a libra-
salames superiores a 400 rs.
1 Deposito de tecdos da lahri- *
ca de Todos os Santos,
na Baha.
Vende-se cm cusa de Domingos Al-
ves .Mal i ns, na ra da Cruz do He- 4
cife ti. 52, p uneiio andar, algudo "^
transado daquella fabrica, muito pro- ^
prio para saceos e roupa de escra- 2
jjj vos, assim como lio propro para re-
-> dos de pescar e patos pata vellas, 2j>
?> por preco muito cotnrnodo- <^'
aMA&AMM AAaWAaW
Quem duvidar
Venha ver e comprar,
ruado Crespo loja da esquioa, que
velludo a 2,000 rs., ditos de setim de croi
a 1,600 rs., ditos de gorgurlo de seda a
1,280 rs ditos de fusto a 320, 500,6t0 rs.,
ditos de br*m pardo de linho para calca
1,600 e 2,000 rs., ditos brancos a i,60o,
1,800 e2,000 rs., ditos de cores a 800,1,280
rs., riscados de linho a 220 e 320-rs o cova-
do, algodSo trancado de listra oscuro mui-
to encorpado, proprio para esoravatura de
engenho a 180 rs. o covado, picote a 220
rs., toarte azul de vara de largura a 240 rs,,
dito de furta cores a 200 rs., riscado mons-
tro a 220 rs., ditos francezes muito bonitos
para vestidos a 2*0, 280 rs., cortes de cam-
braia branca de quadros a 2,000 rs., ditos
de cassas de cores a 3,000 rs., ditos muilo
Unos a 3,500 rs., ditos pretos a 2,000 rs.,
cambraia lisa com 8 varas e meia a 2,720
rs. a peca, dita de cores para vestidos a 280
rs. o covado, dita preta a 120 rs., metins de
cores para forros a 120 e 140 rs., cortes de
chitas linas e de cores (xas a 2,000 e 2,400
rs., chita para coberta de cores lisas a 200
rs. o covado, ditas para vestidos a 140,160,
180 e 200 rs., meios lencos de cassa para
gravata a 240 rs., ditos com listras desedi
a 320 rs., sarja llespanhola muito superior
a 2,240 e 3,000 rs. o covado, meias para me-
ninos a 1,000 rs. a duzia, chapeos de sol de
asteas de baleia a 1,800 rs., madapoUo
muito superior e largo a 240 rs. a jarda, e
os acreditados cobertores de tapete para es-
cravos a 720 rs., cambraias bordadas pro-
pria para babados e cortinados com va-
ras e meia a 4,000 rs. a peca, e oulras mui-
tas fazendas que so os freguezes vendo acre-
ditaro os presos.
l'ola--l la llllssiu.
Vende-se potsssa da Russia, recentemen
te chegada, ede muito superior qualidade
na ra doJTrapiche n. 17.
Escravos fgidos.

Na
volla para a cadeia, vemlem-se pannos li-
nos pretos superiores a 3,000, 3,500, 4,000,
4,500 o 5,000 res o covado, dito azul a
3,000, 4,000, 5,500 rs, dito verde a 2,800,
6,500 rs., dilu cor de rap a 3,000, 3,500 rs.
cortes de casimira preta a 5,000 rs., dilu
Janeiro a 2,400 ra., em libras a 640 rs man-1 mais superiores a 8,500 e 10,000 rs., ditos
No dia 4 docorrente mez, desappi-
receu a preta escrava Thereza, de nacSo
Rebolo, de 34 annos pouco mais ou me-
nos, estatura regular, um tanto gorda,
rosto redondo, olhos pequeos e afuma-
gados, orelhas pequeas, tero alguma bar-
ba, no qoeixo de haixo, a qual tras sem-
pre cortada, quado anda tem as pernasum
poucozambeas, andava as vezes com o ca-
bello penleado e usa delle grande ; levou
vestido de chita de listras azues e rama-
gens brancas, panno da Costa, com mata-
mes brancos. Esta escrava lia tres mezes
que est nesta cidade, pois antes sua se-
nhora morava em Olinda na ra de Ma-
linas Ferreira. Roga-se a polica desta ci-
dade de Olinda, eaoscapitues de campo,
se a virem de a pegar e leva-la a tras da
Matriz de Santo Antonio no segundo andar
n. 18, por cima da venda.
Desappareceu, no dia 7 de maio de
madrugada, o pardo ftlignel con.[os sig-
naes seguintes : idade 25 annos pouco mais
ou menos, cor parda escura, altura re-
gular, rosto oval, cabellos grenhos, e
cortado bem rente, olhos pretos, nariz
regular, dentes limados e esponlados, n9o
tem barba, e .smenle buco, ar risonho,
tem as pernas um pouco arqueadas, e com
jgumas cicatrizes nss ndepas; he ofl-
cieal de sapateiro, e por isso com callos
as mos de puxar olio. Foi escravo do
capiUo de cavallaria ligeira do Ic, Anto-
nio Bezerra de Mcnezes, quo o vendeu
nesta prafa ao Sr. Jo-e dos Sautos Nevos;
foi escravo e cria de um padre vigarioda
Concedo do Itiacbo dos Porcos, segundo
dizia o mesmo escravo ; levou com sigo um
liiiliu de couro preto com bastante roupa,
quefurlou da casa ; umanelSo de ouro es-
maltado com a (Irma K. A. A., estas lettras
tembem esmaltadas de azul, dous boloes
de ouro, cada um com um brilhante com
esmalte azul ferrete, com a conliguracio
quadnlonga, outro oval coro um brilhante
e esmalte azul, todos de grande valor;
levou algnm dinheiro e.n sedulas e pila-
cOes; levou um chapeo, de seda novo, e ni
cabeea um lo Chile ordinario. Consta que
tirou passaporte da polica como forro, e
c.im nome mudado, e que ia psrao se'lo
curar-so Quem o pogar, ter de gratn-
c iciio 50,000 rs. ali'in das despezas que
lizer, que tudo pagai seu senhor Rufino
Jos Corris de Almeida, morador nesta
cidade do Itecife ra da S. Cruz, da Boa Vis-
ta n. 78. Na provincia do Cear, a entre-
gar ao Sr. tenenie corooel Favilla; e na
harahiba so Sr. Claudino do llego Barros,
no engenho Novo, que sendo entregue a
estes Srs. elles satisfazlo a graliic8c.3oe
despezas.
-- Desappareceu no dia 30| do paaaado do
engenho Piaba, freguezia de Serinhaem o mu-
lato Raymundo de20 a 22 annos. sem barba,
alvo, de cbelo preto, naris afilado e pequen",
ebelo do corpo, espadando, orelhas pequeas,
e tem nm andar que parece acatruzado do
corpo, quem o pegar leve-o ao dito engenho a
seu legitimo senhor, ou a ra los Torrer ar-
inaseni n. 12 de Mamede Jnior que ae gra-
tificara" generosamente.
boa gralificagSo.
No dia 13 de marco do correte anno des-
appareceu da Passagem da Magdalena, do
sitio em que mora o Sr. I)r. Malet, o niole-
i|ue Mairi.l, o qual he bem conhecido e tem
os seguintes signaes : representa ter 20 an-
nos, baixo, cheio do corpo ecarrundo, tor
fula e sem barba ; tem falla de um denle ni
frenle do queixo inferior c he lili.o do ser-
tSo de Paje, por isso julga so para l ter
ido : recommenda-se, portanto, aos capi-
I3es de campo a captura do dito moleque,
queserHo bem graiilicados.
Desappareceu, no dia 18 do passado, o
escravo de nacflo Cagauge, de nome Jos,
representa ter 25 annos, haixo, grosso do
corpo, sem barba, rosto abocetado e ps pe-
queos ; levou calca de algod3o transado
com lislras azues e carniza de algodozi-
nl.o j rola : quern o pegar, leve-o a ra do
Vigarion. 22, primeiro andar, ou na ra
da Cadeia do Recife n. 51, que se recom-
pensar.
--Desappareu no dia 20 de abril p. P->
do engenho (Clephante ou Braco lo Meio
urna escrava, nacao Costa, bastante ladi-
na de nome Mariana, alta egorda, peitos
grandes, rosto redondo, com tres riscos
em cada macan do rosto, cor preta, com
7 mezes de peiiada, cuja escrava suppOe-
se estar acoitada : quem a pegar e levar
ao seuproprielario Joaquim Concalves Fer-
reira no referido engenho ou nesta prac
a Jos Gumes I.eal sera bem recompensa-
do, protestando-so desde j contra qual-
quer pessoa que defacto a lenha acoitada.
rV.p.y. rVATvi. /): M.FvdfI F/u-.i a-
MUTIL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENETDDC42_F1KU6B INGEST_TIME 2013-04-13T02:02:13Z PACKAGE AA00011611_05336
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES