Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05330


This item is only available as the following downloads:


Full Text
mm
Anno XXVII
Sexta-feira 2
aaaaajaMiBJ r. Matgan^
AMIDJS DOS COHB.EI03.
Gnianna e l'arali Mi i, s segundas e sextas lei i n.
Ho-Grandc-do-Norte, todas as quintas Teirasao
ineio-dla.
C, 11 aniiuiis e Bonito, a 8 c '.Vi.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas lenas.
Olinda, todos os dia.
EPHElMalDES.
!'Nova, a l, as 6h. e 42 m. da ni.
Cresc. a 8. nllh. e M ib. da ni.
Cli.'i... a l.-.,as 5 b. e 45 ni. da m.
Miag. a 22,islh. e38ra. da I.
MUMIB DE HOJI.
Priineira s 6 horas 6 minutos da manha-
Seguuda s 6 horas e 30 minutos da tarde.
de Maiode 851.
N. 100
i ... i ...-...<
das da semana.
t 11.....Ti-' i mi ii millia i
priEjo DA sOBScaP90.
Por tres meses f'adiantados) 4^000
Por seis metes fyUOO
Porumanno 15/U00
28 Seg. Os P. de N. S. Aud. do J. d'oif. c m. 1. v.
2!) Tere. S.Hugo. Aud. da Chae., do J. da i. va-
rado c. e dos feltos da fazenda.
30 Ouart.S. Calhariua. Aud. do J. da 2. vara.
! 1 (,)uint. >JV b. Fitippe cS. Tiago. Aud. do J. dos
orr. c du m.da priineira vara.
2-Sext. S. Atlianazlo. Aud. do 1. da I. vara do ci-
vcl, e dos lelos da fazenda.
3 Sab. >i 4 Dom. do l:nni Pastor.
CAMBIO DE 1 DE MAIO
Sobre Londres, a 29 d. p. 1/000 rs. 60 dial.
* Paris, 320 por fr.
Lisboa, 85 a 90
Ouro. Oncas hespanholas.....t$C~Z *
Moedas de 6/400 velhas. Ib/0110 a
de 6/400 uovas 16/000 a
. de4f000....... 9/000 a
Prata.Pataces brasilciros.... 1/920 a
Pesos columuarios..... 1/920 a
Ditos mexicanos........ 1/680 a
MAM
T0J20O
16(1200
9/100
1/9-10
1/940
1/700
r. waJM-'MS^>llit> SIMHII 1*1 ii^aa>yK;:-'J~,i:fflaKgBa
111 sm
C
j^aW:gc^iaiL'.^srBtiac'jai^jaaag>aiiiiiiiii n m->-j....
. "
.v-as-mV'^ii!;!';;
MMWKtt^HBHBKfBMWWBWft''W^*W^
PAPTEOFFICUL.
GOVEIliNO DA 1'I.OVIftClA.
RXPFDIENTF. DO DA 29 DE ABRIL DF. 1851.
Ofncio, Ao nominando das armas approvan-
do a nomeacao do capilo commandante da
coinpanliiadc artfices Carlos de Moracs Canil-
zo para interinamente cominandar a fnrtalea
do Brum, visto ter de seguir para a corte, ero.
|ninicuo tenenle Benedicto Jorge de Faria.
Dito. A pagadoria mililar, Inteirando-a de
haver o soldado da compnuhia fixa de cavalla-
ria tlanoel 'destino, depois de lindo o seu
lempo de servico, contratado, nos termos do
decreto e regulamento de 18 de novembro de
l848 e do avilo de 30 outubro do auno proiimn
passado, para continuar no inesmo servico, por
znais unan u annos, mediante a gratificaco de
150,000 rs., que lbe dever ser paga pela for-
ma j estabelecida. Intelligcnciou-se ao
commando das armas.
Dito. A ilirsniu.ii 1.1 da fazenda provincial
para que vista ei> certificado passado pelo
director das obras pnblicas pague Filippe
Itniclo Cavalcanli d slbiiqueiqne arrematan-
te da ponle de Iguarass, a importancia da
segunda prritaco de sua :m......ii(,m ,(1,,-
lem drelto, por ter concluido dous lerdos da
referida obra, Commuiiicou-se ao iiiesma
director.
Portarla. O presidente da provincia usan-
do da attribuico que llie coofere o art. 7 da
lei de 18 de agosto de 1834, ha por convenien-
te prorogar a pieteute sessao d asscnibla le-
gislativa priiviini.il al o dia 5 do prximo
virylou'ro nii'z aje inaio. Iuteirou-se ao pri-
inelro secretario da referida assembla, e a
thesourariade faienda provincial,
cumprimciito de nrdeni imperial, o capitn Ai.
Ionio Mara de Castro Delgado, que interina-
mente a coninianda, pausando acuelle 1 apilan
a respectiva companhia ao seu immedlato, o lavras -- primeiras lettras -- diga-se Meando
Malfc :_ _______._ U____.11 .._ ____. .. __J___J_._ .!___..^uul. 1*1__n_n.l. ,. I.......!..
accrescente-se desde ja, podendo a mesma lo-
tera ser dividida ein duasouiuais partes con-
forme convler a irmandade. -- S. R. 6'ili-
rona.
N. 19. ~ Ao art. 5. ~ F.Ieve-se o ordenado
do professor de latim da cjdade da Victoria a
600,000 rs. ~ augmente-se o quantitativo.
itirana.
N. 20.Ao art. 14. Depois das palavras
ultimas obras accrescenle-se e vlnle. pa-
ra a estrada da F.scada. S. R. SmM Ledo.
N. 21. Para a concluso da obra da matriz
de ltamarac 800,000 rs. finio de Campos.
N. 22. Emenda ao art. 6. Depois das pa
FFNAMBUt'Q
ASSKidBLKA HtOVlNCUL.
SESSAO KM 30 DF. Alllill. DE l85l. .
Presidencia do Sr. Pedro Cavalcanli.
(Concluso.)
ORDEM DO DIA .
lie approvado eiu priineira discusso o pro-
jecto n. 25 sendo a requeriinento do Sr. Oli
veira dispensado o intersticio.
He tambeiii approvado em terceira discusso
o projecto n. 17, sendo rejeitada a emruda do
Sr. Oliveira.
lie approvado em terceira discusso o pro-
jecto n. 18, sendo appravada a emeuda do Sr.
Mello Reg e rejeitadn n do Sr. Ollvtlra.
Approva-se em ultima discusso o projecto n.
3, Com a emenda do Sr. Barros Falco olt'ere
da em terceira discusso.
Submettido a discusso o projecto n. 14, he
rejeilado.
Sao approvados em segunda discusso, os
projectos ns. 22, 23 e 24
Entra em terceira discusso o projecto n. 16.
Vo mesa e rao apoiados para entrar cin
discusso as seguintcs emendas :
N. 1.luilaure-se o nico do arl.6, que
diz-com aiugueis de casas 6650,000 rs.
S. R. livtira.
N. 2.Emenda ao nico do art. II. De-
pois das palavras casa accresceute-se
inclusive o ordenado de 400.000 rs. parap por-
teiro, cujo lugar tica creado. S. II. Oli-
N. 3. additivo ao art. 33. Imposto de
1110,000 rs. sobre as casas, em que se vende-
lein bilbetes de loteras de oulras provincias.-
livtira
N. 4. Supprima-se o 15 do art. 33.Oli-
veira.
H. 5.No final do art 35, accrescente-se
devendo para tacs lugares ser uomeados,
aquellcs dos cinpregados da exlincta inspeceo
que niait aptos fortn para semelhante servico.
Olivtira.
N. 6.Fica[suppriniida a emenda do Sr. Cr-
rela de Brillo, approvada em segunda discus-
so, relativamente ao numero de alumnos exi-
gido para o pagamento dos ordenados dos pro-
liesioret deatim, e revogadas as disposicoes,
que existem a tal respeilo.
Sala das sessrs, 30 de abril de i851 uedet
de Mello.
N. 7___A' emenda do Srdepulado Oliveira,
sobre aluguris de casa, addite-se contemplado
o professor de primeiras lettras de INazareth
com igual gralilica(o aot de Victoiia e Goiau-
na. s. II. VtUei.
N. 8,Com a matriz de Allinho ; 1:UOO,000
rs. Catanho.
P". 9. Ao 2. do art. 27- accrescente-se.
sendo elevado o ordenado do solicitador a
100,000 r. 2:647,000 rs. ali Silto.
N l0. Com a concluso da obra da matriz
de Caruar.1:000,000 rs. Vellei.
N. 11. Com o exceaso do fitiodo docelfeilo
pelo cidadao Mauoei Peregrino da Silva,
600,000 rs. S. H. HalU e Mita.
N. 12. Para i> collocado aonde convicr.
Com a factura de urna ponie, sobre o rio ca-
ga fogo, na estrada que conduz t cidade de
Ooianna. 1:000,000 rs. S lt. Ralis 1 silva.
N. 13. Ao art. 12. Depois das palavras
actualmente existem diga-se sendo eleva-
do a 800,000 ii. o ordenado de 00. que ac-
tualmente percebe o regundo escripturario
Joo Francisco Regis dos Alijos eneste senti-
do augmente-se o quanlitativo. S. R. tta-
liieStlva.
N. l4. Para ser collocadc aonde convier,
Com o ac.bainento da estrada do Remedio. _
2000,0 rs. -- llulisc mi i-a.
-N. 15,Com o convento do Carino de .ni ni-
na.-- 1:000,000 n.-- Vellet.
1N. 16.Artigo para ser collocado aonde con-
vier. Com o empreslimo cmara munici-
pal de Olinda para consirueco de urna ponte,
lobre o Rio Doce, un lugar denominadoPas-
ageiii para 1er pago annualmente com o
rriidimenlo de 500 rs sobre cada cabeca de
gado, o inal reudiiiieuto ser exclusirameule
applicado para este flm 4:000,000 n. S. II.
fellee.
. 17. A o art. 16. Com o comeco da ma-
triz do Biejo. 2:4oO,oOO n.
'na conliuuaco da matriz do Allinho.
600,000 n.
Augmente-se o quanlitativo leudo preciso.
G.nrurw
IV. 18. A' emenda que manda corre/ cora
preferencia urna las loteriaa do Livramento
0 ordendado do profesior de Nazarcth elevado
a 100,000 rs. S. R. Ctulor.
N. 23. Com a concluso dos reparos da ca-
pella-mr da matriz de Iguarass. 1:000,000
rs (latiros Fonteca. Vellet.
N. 24. l'ica concedida por 111.1 is uin anno
sdmente aoi empregados de que trato o 4.
do art. 2. da lei provincial n. 261 a gratifica-
cao que un mesmo Ibes foi marcada ; isto pa-
ra o lim de ultiinarem os seus estudos de ta-
chigraphia. S. R. Cailr-i Lelo.
Pi. 25. Ao art. 18 acereicente-se e dois
1 iiiiins de ris para concluir a obra da matriz
da Boa-Vista. Barros Falco.
Ni 26.Art. substitutivo ao arl, 15. Com
as decorace*, e subsidio para o lliealro de
Santa Isabel com companhia lyrica, licando
reduzida a prestaco a 9:000,000 rs. 110 caso de
que m baja companhia dranunatica ; e incluido
0 ordenado de administrador 19:800,000 n.
Haes brrelo. Barros Brrelo.
li. 27 Com o resto do pagamento de des-
pezas feitas com a secretaria da assembla,
Paco da mesma 1:000,000 rs. sendo 400,000 rs.
para indemnlsaco de Manoel Peregrino da
Silva proveniente do docel pelo inesiuo feilo.
~ Agniar. Oliveira.
IV 28. Com a matriz da freguezia de Cim-
bres. 1:000,000 rs. Queiros Fonseca.
N 29.-- 1 mu a rellituico da quantia de
84,000 is ao cidado Firmiuo Theotonio da C-
maras, Tiago, que pagou de novos e velhos di-
1 titos de seu titulo da segunda nomeacao, que
leve parao lugar de piiineiro commandante da
terceira coiupauhia do corpe de polica, cuja
rcitituico he fundada nu art. 44 da lei provin-
cial 244. auguicute-se a quota. S. 11.
Aalis e Silva.
N. 30. A passar a emenda, *que eleva o or-
denado do professor de primeiras lettras de
Vi/aii 1I1 accresceule-se licando igual-
mente elevado a 500,000 rs. o oideuado do pro-
fessor de primeiras lellras de Vi/.u il:. S.
11. Vieira de Mello
N. 3l. Art. 33 2. Depois da paiavra
couros accrescente-se ponta e unhas de
gado, azeite de mamona, mcl, doces, madeiras,
un.., tulla, lijollu >,..., tallos-----i.upiiim.
N. 32. Artigo para ser collocado as dispo-
sicoes geraes. Fica concedido ao arrematan-
te do imposto de 20 por cento sobre o consu-
mo d'aguardentc no muhicipio do itecife no
anno linanceiro de 1850a 1x51, opraso de tres
aunos para em prestajes annuaes pagar lbe-
sourarla da fazenda provincial o importe
das dual letras que mesma eit a dever do
restante do preco do mesmo centrado no re-
ferido anno. S. R. Castro Lto.
N. 33. Emenda substitutiva ao arl. 30.
Com opagemenlo da divida do padre Jernimo
Barreiros Hangel. 7:448,020 is. llaytisla,
N. 34. Emenda substitutiva ao I. do art.
4 Em lugar das palavias licando em |vi*
gor a ili-pi su,.10 iln >, 1. do art. 4 da lei n. 244
diga-se contemplada a dill'erenca do ordena-
do arbitrado ao diretor geral dos estudos.
16:000,000 rs. S. lt. Sala das sessoes 29
de abril de 1851- Curreia de zVrilo. Barro
Hurri/oCavatcate Vellet.
N. 35. Emenda additiva ao l.doan. 5,
se nao passar a nossa priineira emenda ao(j
citado, as pala vi ts da lei u. 244 accresceu-se
nada entendendo a faculdade concedida
por tal disposico com a direceloria geral dos
estudos, e coiuprebendlda a dillerenca do or-
denado arbitrado ao director geral16:000,000
n. S. lt,Sala das sessest 23 de abril de
i85l. Correia de tirito. Borroi Brrelo. Ca-
-,ili mili Vellet
^. 36. Art. 16. No lina! do artigo ac-
crescente-se 1:000,000 rs. para a concluso da
ni.1.1 da mili i' de S. Pedro Manir de Olinda
S. R. 1 iiWn. o.
N. 37, Emenda additiva ao ^ 4 do arl. 27
apalavra cousulado[accrecenle->e passaudo a
ser consederados como einprcgadoi effeClivoi
delta n pai ii'. an com a deiiouiinaco de ler-
ceiroi eicripturarioi, o 3 escripturarios da
extinta impeceo do asiucar e algudo, cada
mu com o ordenado animal de iu.OUU n. c
regulada a deslnbuicao da porceutagem pela
tabella junta.
Nene lentido, diminaa-se o quanlitativo
S. R. Salla dai sessoes, 28 de abril de 185i.
Yc'o'rreia de lirilo. Bsteros liarielo.
N. 38. Para o recolhimento da conceico
das freirs em Olinda un cont de rala. S.
R. Castro Ltao.
N. 39. O goveruo da Provincia fica autlio-
risado a fzer correr duas loteras das conce-
dida! a iiin.iiid idc de S. Pedio Manir em Olin-
da com preferencia a quaeiquer nutras, seudo.
cada loierla devidida em qualro partes A. R.
Castro Lio.
N. 40.Substitutiva cui parle a emendado
Sr. Brilo.
Deslribuo-se 01 trez por cculo que vem-
ctni os euiprega4os do conauiatlu em a7 par-
tes, itndo o cacrivac* e o Uiesaurairo 1', e
01 inais ein pie gado ai marcada! na tabella
da 1111 cu da que aaaiui tica alterada. Jote lie-
dro.
N. 11 --',U guverno tica aulhorisado a man-
dar pagur ao piutt-sssor a latim.de S. Jos o
ordenado do miz de outubro de 1845, em que
abriu aula, provaudo o inesmo pioleMor, que
leve o n. le 10 alumnos. Neate icuiaw mar-
que-se quautilativo. S. R____Gilnumi
l'amltem sao lida e nao apoiados ai segua-
te emenda!.
Para icr collocada aoude convier fica cre-
ado na Uicsouiai ia provincial o lugar de con-
tador%Nn ordeuadu de 1:600,000 rs. que ac-
tualmente vence a oiUcial-uiaiar. O lugar
de otiacial-inaior lera curtido por un dos
priiueirus esc ipluranos com a gratilicacao au-
nual de 200,000 rs. alm do ordenado que
com tal, isto he, como prlmeiro eicripturariu,
vencer. Vellet.
Depois da paiavra ultima do II art. 33
fabrica! diga'ie a excepeo das de charutos
S. H,-/(u(is e Uva.
Emeuda additiva ao arl. 6. Elevado o or-
denado da substitua dai cadeiras da cidade
do Reefea 450,000 rs. neste sent In augmen-
te-seo quanlitativo.S. II. Sala das sessoes
29 de abril de 1851. Hatise Silva,
Com a concluso da matriz do Cabo I:o00(!
rs. aun:n Leo.
Com a pirra da igreja de N. S, do Amparo da
cidade deOlnda-200,000 rs.- Vellet.
Fallam sobre ai emendas os Srs. Oliveira,
Castro Leo. Baptista, Pael Brrelo, Corren
de lirito. Ralis c Silva e JoiPedro.
Encerrada a discusso, san approvadas as
emendas de ns. 1, 3, 4, 5, 6 8, 111, 15, 16, 17,
18, 29. 2i, 22, 23, 24, 25. S 27, 3l, 34, 37, 39,
40. e4l
Ficando empatada a de n. 9 c regeitadas as
de ni ns.
S.o approvadas as redactoes dos projectos
ns. II, 13, 15,el7.
' O Sr. Presidente'.--Designa a ordem do dia
e levanta a seiso.
MMH Rf P!RVW~
BlCirr, 1 Dai MAIO DE 1851.
A assembla provincial oceupar-sc-lia ama-
ulia com a terceira discusso do projecto 11,
25. e da emenda ollerecidaao orcainento, que
lie.1 ra empatada em una das anteriores ses-
sues. sendo o resto da ordem do dia conli-
nuaco da de hoje.
Por equivoco fizemos hontein menso do
projecto n. i4 como appro-ado quando allis
ollc fora regeitrdo.
A assembla approvou hoje a emenda ofl'ere-
cida em terceira discusso ao projeoto n. 18,
approvando igualmente ein ultima discusso
osprojeetns ns. 22, 23t24; eem segunda o de
n. 25: despensou o intersticio aliui de ser pa-
ra a ordem do dia de amanlia este mesmo
projecto : votou as emendas ollereeidas em
terceira discusso .10 de n. 18, (orcamento pro-
virfbial) ficando una deltas empalada para ser
siilniititula a votajo na stssosegiiinle
Pela Larca Margaritli chegada hontein de
Lisboa, recebemos gasetas porlugue/.as, as
quaes alcaofaiu al 26 de inarjo prximo pas-
sado, c por ellas livemos milicias de llespanlia
at 19, de Inglaterra at 17 e de Franca at
10 e da A le 111.111 lia at 12 do inesmo mez.
Em Portugal nada de extraordinario tinha
ldo lugar, o palz conservava-se trenquillo,
continuando as ertes ein seus Irabalhos, oc-
cupadas com dilferenles assuinpios que s-
mentc ao mesmo interessam.
Em llespanha tambem gnsavo os povoi de
paz e aoeego todava, segundo assegura u
/'poca fallavtt ao un* circulo* tm ...-----,----1 .
da piolialnliil.id- de uina prxima modiliea-
co ministerial, sahindo do gabinete os Srs.
rlela e liusilllos.
O governo hespanol denietlio o duque de
Sotoinayor do cargo de eiubaixador da lles-
panha junto do governo da repblica francesa
e nomeou para o suhslituir o Sr. Dunozo Cor-
tes. Esta dimisso produzio nos circuios po-
lticos de Paris uina giande sensaco c corria
na quella capital que fra motivada pelas at-
te(es com que o dito duque recibir o
general IVirvaez, quanda alli chegara: no dia
|3 de in-ir..n coinrcou na cmara dos deptua-
dos a discusso sobre o projecto de lei auiho- !
risando o governo proceder a un recrula-
mento de 35,000 homens e a applicar, por
esta vez, a nova lei de recrimnenlo segundo
a appi ouvoii o oulto corpo legislador.
A commisso de fasenda apresentara um
projecto para regular a mvida publica da lles-
panha. A principal diaposicao desse projecto
consiste ein que a totalidade dessa divida, de
todas as pocas e calhegoria, seni excepeio de
nenhiiina elasse, inclusive a liquidada e por
liquidar, ser chamada cunvcro com o
rendiuiento de 3 por cento, em una serie de
aunos que nao deve ser menor de viule e
cinco.
Em Granada hnuve no dia S de marco um
forte tremor de trra, o qual coinctra, pouco
depois das trez horas da larde, mas nao pode-
mos dizer se cauzou ou nao prejuizos.
Em Inglaterra nada .de extraordinario ba-
viaocenrrdo O gabinete conliimava anda
uo poder nao obstante os diverso reveses
que iem solfridn uo parlamento; porm o
que sobre ludo oceupa a attei^n publica lia -
quelle paiz, he a grande exliibiyao nacional.
A niii'iiii" i' exccuiiva da mesma designara
o dia 15 de abril para a sua iuauguraco pela
i .mili.i mas (..ni grande he o numero de pro-
ductos que i. in allliiul.. dos dillerenies pai-
zes do globo que pensava-se que essa cere-
monia licaria adiada para outro dia, por isso
que a dita coniinisso nao poderia uesse pra-
zo por un execuco com lodo o rigor, as dis-
posicoes determinadas. Com ellito lauto;
sao esses productos que inuitos dos coiniuis-
sarios estrangeiros lem pedido se Ibes cun-
eda estrellar as passagens, por taita de es-
pa(0 para collocarem os productos pertencen-
les a seus paizes; smenle de Tunes tinlio
chegado pelo vapor Martn 202 Miadas!
A respeilo do bil sobre a aggressa papal els
aqu o que ic l no l.-i.ml .itc de 22 de
marco:
Os joruaes inglezes continuara aoceupar-se,
como he natural, das discusses que teui lia-
vldo no parlamento acerca da questo ecclesi-
astica e do orcamento.
O ministro do interior, sir J. Cre ao termi-
nar o sen diicurso na sesso do dia 8, disse
que anda que o bil poderia parecer insullic-
ente, atteudendo s grandes esperancasque se
luiliaiii concebido, teriaseiupre a vantagem de
uiimprehender urna declaraco do parlaineulu
de que nao est autorisado de maneira al-n-
ina ao emprrgo dos mulos ecclesiaslicos de
que falla o bil, declarayao necessaria, porque
de outro modo estimularla a repelicao dos ac-
tos que a'acain directamente a independencia
da iiuco. A declaraco do parlamento couli-
uuou sir Jorge Crei, sera um protesto nacio-
nal de que os ttulos em questu emauaui de
urna autoridade que repudia o palz.
Em seguida foi lido o bil, tal como tinha si-
do modificado pelo governo e que eiuieguida
Iransti eveinns :
Em atieucoa que pela acia do anno X.
do reinado de Jorge IV. capitulo Vll.depois de
ter dito que a igreja episcopal protestante da
Inglaterra e Irlanda, e as tuas duutriuas, dis-
ciplina e governo, e tambera a Igreja presby-
le.uiia protstame da Escocia e las doulri-
nas, disciplina e goveruo forara estabelecidas
de urna maneira permanente e inviolavel ua
conformidade e nos termos das respectivas
acias de unio da Inglaterra com a Escocia c da
Cr-llretanha com a Irlanda e que o decreto
e titulo dos arcebispos sobre as suas respecti-
vas provincias, dos bispoi sofrc os seus bispa-
dos c dos deoes. lanto na inglaterra como na
Irlanda fbraiu fizadose eslabelecidos pela lei,
se mandn que depois do principio desta ac-
i j todo o que nao esundn legalmenle autori-
sado, toiuasse ou einpregasse o nome, a deno-
minaco ou titulo de areebispo de loila nina
provincia, de biipo de nina diocescou de deiio,
na Inglaterra ou na Irlanda, serla condem-
iiadn por este delicio a pagar a quantia de 100
libras esterlinas.
I'an altrnto -a que se podc-duvidar deque
esta disposico se inttn.lt coma possedn titu-
lo de areebispo ou de hispo de uina cidade,
logar ou territorio de Inglaterra ou Irlanda,
que nao he a sede, provincia, neiu diocese de
nfiiliiiin areebispo nem bispo retonlicci.lo pela
lei ; sanio que a tentativa para estabelecer o
protesto da a.itorisaco por parte da corte de
II' ni i ou de muro modo de taes sedes, provn-
ola! ou dioceses he Ilegal e milla, e que a usur
pacn Sos ttulos reelesiasticos a isso amiexos
lie incompalivcl com os diretos que a pre-
sente disposico quer proteger :e ein atteuco
1 ni I" ni a que Importa prohibir a iniirpvv'o
desses ttulos relativamente a todos os luga-
res e lerritinios do lleno-Uiiido: S. M. a ri
tnha, de aecordo com os lords esp:rtuaes e
terinporaes, e com os commum, no presente
parlameiiiu, e com a sua auloiisacao, ordena o
egiiiii|e:
Depois da adopcSo da prsenle le, toda a
pessoa que nSn esteja autorlsada pela lei, rela-
tivamente a todo o arecbspado, bispado ou
deauatoda igreja do Iteino-Unido de Inglater-
ra e Irlanda, que tome ou use o lime, titulo
ou ilenninu i..o. de areebispo, hispo ou deflo
de'quilquer cidade, litio ou territorio de dli-
Irlclo (leja qual fot a sua deseripeo oudesig-
naco) DO Reino-Unido, anda quando a dita
ciiiade, sitio, territorio ou difIricio seja ou nao
sede, provincia ou coiiliiiaule com a provincia
de todo o 1111 Insp ein, ou com a sna tt ou
diocese, ou confinante com a cadeira ou alce-
le de todo o hispo, com a cadeira ou sitio da
igreja de todo o deo, ou confinante a esse dito
territorio de um de mato da igreja unida, ento
a pessoa culpada do dilo delito ser cohdeui-
na.la por elle multa de ICO libras esterlinas,
que ser percebida como se prefine na lei men-
cionada. X*
Depois desta leilura, o inas notavel que
ollreceu a sesso, era que se tralou deste as-
luinptu, loi a declaracio de lord John Kussel,
de que os consclhos judieiacs da cora linliain
reipondldo consulta que se Ibes havia feilo ;
que a poise ou o emprrgo dos ttulos eccieilai-
lieos em queillo nao era contraria ao direilo
COIIIIlllllll, mo A ICl rita IlllO, e que pel
niesinn no preainbul
-4o algumas consideraces sobre a maneira
hostil como fura apresentado o rcquerimenlo.
Aguarda nacional de Strasburgo foi dis-
solvida por oidein do governo. O deiarma-
mento verilicou-sc cora a inaior tranqullldadr.
o sera opinio alguma.
A nomeacao do general Kxcelraans.para
inarechal de Franca, mereceu a approvafo pu-
blica, i... i. | ii- recae era um dos generaes inais
illustres do exereilo Iraucei A Franca, conta
hoje seis mareehaes que san* Soult, Gerard,
Rcille, Sebastiani, Icronynio Konaparle c Ex-
tenuaos.
Na mesma gazela de 18 de marco l-se aluda
O Seguate cere* da Franca:
b J se vo sentlndo oseueito* da votacuo da
assembla franceza sobre a proposta de Cretiui,
e eis o que sobre esle assuuipto publicara as
Feuillet lithoarapkiquet:
Para couvencer-se da desunio que existe
entre a di re ti eos amigos de Mr. Thiers. bas-
tar ler e artigo de fundo que publica a Union.
Cura elt'eito o jornal legilniista, respon-
dtn.lo aus artigns do Meniaociro la Assembla e
Ja ordem. insere as suas primeiras columnas
um veidadciro manifest, que nao he ouir.i
cuusa mais <|ue urna siguilicco mu clara i*
terminante d aquella icpara(So dos dous par-
tidos.
"espirito de partido se disperta, exclaniaa
'>niin; as personalidades longo lempo ador-
Uieclda, levantam-sc ; e umi tendencia para
a separaco e isalainenlo amea^a abrir a porta
a todas as pertences, a lodjt as ainbices, e
anda ao inesiuo socialismo.
" Os que se denominan! orleanistas fiis,
qucixara-se amargamente dos legiliinistas. O
adiamentn do regresso i patria dos principes
da casa de Orleans, he a seus olhos a tuptura
da couciliaco e daiusSo.i
a Emliui n Union, depois de ter separado os
amigos de Thiers da casa de Orleans, conclue
desiuascaraudo todas as mas bateras contra
tllts, e proclamando-os inais revolucionarios
|ue uiniiari hitos, como se ve nos seguintes pe-
riodos :
% Uns, inonarchicos conservadores, lizeram
sefusonstas, estes sao os inais numerosos; os
oulros, mais adelos revoluco que monar-
cha, proclamam-Se anli-fusionislas. .
Os priiueiros vo inoiiarchia por dill'e-
rtiiles cainiulios ; os nutrus nao se sabe onde
vo, buscando uina siluaro parte, seui prin-
cipio seindlreccSo fiza, ltenlos smente a ri-
validades pessoaes, mas a forca das ciremus-
tanclas os attrahlr ao caminno onde a Intel-
llgencia serve utilmente a una ambico legi-
tima.
Na \ lema nlia as conferencias de Dresde, das
quaes tanio se esperava. nada lem produido
para a solucao do dilficl problema da reorgi-
nisacao da ^nl'tderac;o.
Ki-o.|ul *W!^iie pul>lli-B o Kir.mdarte
de H e
do bil nao se qalifica-'maiyo lobre oinraociOl desse paiz :
11 M. ileManleilllel, presidente do cunselho de
a, regressou a Berln no dia
.....era' Johii Riisicll concluio com estas notaveis pa- jallenuies de Dresde. e depois de ter celebrado
una larga conferencia cora o priucipe Schwart-
zemberg.
va de Ilegal o emprego desses litulos, por mais 1 vi. dt alanlciillcl, pr
que este riniirrco fosse inconveniente cnin os I ministros da Prussia, n
.lii -ritos rie quer proteger aineta de 1820. Lord 24. depois da junta ger
lavras:
Era vista da opinio cralttida pelosdilosju-
riiconiultos, se comprehenderrque nao pode-
mos, nem devenios intentar perseguices di-
rectas. As peiseguicoes nao podiam, nem de-
viam ieleir-se seno ao laclo da introduteao
de Bina bulla, de lira escriplo ou de uina acta
qualquei-. Nao sei se mais adianle ser neces-
saiiofazerleisquc legulem o poder disc icio-
nal do governo sobre esle particular; maso
que sei lie que o estado da legislaco sobre a
materia esllonge de ser lalisfactorfo.
ii J disse e repito que o governo nao pensa
em fa/.er actualmente le sobre todo o enn-
juncto das relacoes entre a Inglaterra e a tur-
te de Ruma. Hoje o g.veruo [Imita-se a urna
disposicoprohibindooeraprego de certosti-
iiil.'.s, e quer esla lei para a defensa das nossas
leis e d i auloridade de nossa soberana.-
Tnhaiu se recebido em Londres noticias do
Calinda lloa eaperanca, as quaes confirmamas
anteriores sobre a Irrupcio dos Cafres na col
lia. Sabla-se tambem com certeza que estes
se linliaiu apoderado de grande quantidadc de
muiiic 'S de guerra ; mas como o governo in-
glez havia ja mandado grandes reforcos para
all, he de esperar que brcveinciiie as hordas
selvageiis sero debtlladas.
Para que os leilores salbain como correin
adulteradas na Europa as noticias relativas ao
nosso palz, varaos Iransciever aqni'o seguinle
artigo publicado pelo E,laudarte de 12 de
marco :
Tornain a conlirmar-seas noticias dai desa-
vencas entre o //rasil e Moiiievdeo.
O Murning-Ptsl de Londres di/., cora rele-
rencia a noticias recebidaspelo ttlegrapho ele-
trico, que o ministerio brasllelro lnhasidoexo-
nerado ; que se haviain euviado tropas inipe-
riaes fronte-ira, e Torcas martimas a Monte-
video; que o Brasil concluir com o Paraguay
Um iralaao de alianca oll'ensiva e defensiva e
que Rosas se preparava para a prxima guerra.
Em Franja continua riftitu i/no ; a assem-
bla aci.a-sc ainda em lula com o presdeme
da repblica, e niuguem lia que possa prcdl-
zercoin cerlcia qual litar vencedor, u.ual ven
cido.
Eis-aqui como o Estandarte de 26 de marco
resume as noticias relativas a esse paiz :
. Na assembla legislativa houve nina aca-
lorada discusso sobre o pr. jecto de lei tran-
sitorio para as cleicoe! dos olliciaes da guarda
nacional, em cuja discusso toinarain parle al-
gn* dos n ais uolaveis oradore, entre elles
Mr de Lamartine, que disse, que a lei era um
voto de descoiilianca para o paiz. A le ada
indemiiidaiuentc as eleices da guarda nacio-
nal, e foi approvada pela inaoi a absoluta de
329 votes
a Mr. de llerryer apreseulou na assembla le-
gislativa uina propota relativa ao leeiiil.ils I-
mento do imposto de 45 cntimos decretado
pelo governo provisorio. Esta propoila, que
he uina grande medida financeira, produzio a
mais viva sensaco na assembla. Algunsinem
bros da Moutanlia apresemaraiu logo propos-
tas anlogas, mas tendentes a culto fin.
O .Mi.m. m publica varias trausfereucias de
prefeilos dos departamentos, e o decreto de
suspeuso do cuisu de Mr. Micbelet, professor
de historia e de moral nocollegio de Fiauca.
.i Cora este motivo houve no dia 13 em Paiis
urna manleslavan de 200 a300esludautes, que
marchando cm columna se dirigirn) a assem-
bla nacional c all apresentaram um requen-
niento pedindo que se tornasse a abrir o curso
de Mr. Michelet. Esta inauifeataco nao leve
ulteriores resultados e naasiembla nacional,
Mr. Desinousseauz deC-irn, liuha aprcseula-
Ai negocafoes entre a Austria e a Prussia
continuarlo |" r esc ipto durante o praso de ij
deis, .I. .i .i.i i., pelos diplomticos da Alema-
uha para que os respectivos governos se de-
cidan! calbegericainente sobre as iiiodificares
projetladas na oiganisavao federal.
.i Os votos pleiupoleneiai'ics, i|uc assislirain
junta geral, dividein-se do modo seguinle.
i mu a Austria, e a f.vor do collegio dos
uove, votaran! a liaviera, a Saxonia, o II i......-
ver o \\ uittuiberg, a Ueste Kltitoral, o gr.'.o
ducado de Uesse, o Kruitiwic, N iss.u, Keus
h iiiinl.iii.: e Lippp.
A favor da Prussia vnt.ir.iin : ogro ducado
de Haden, o Liixemburgo, o Meckmburgo-
Schwerln, o Mockleinbiiig-Sirelilz, Xaxoni
\\ eiuiai, i.oburgo-Ooilia, Mtiuingeii, vUtnlnn-
go, Anhall-Uessaue Koethen Aulialt-Keinbur-
go, huhwartzburgo-Sondershausen, e Schwar-
tzburg-Radulsladil, as cidades llvrei.
" k lasela oficial de CiViuia desmenleformal-
nieiite a noticia, dada por alguns jornaes alle-
infies, de que o principe de Schwartzenberg
proposera, as cjilrencias de Drede, resta-
belecer a cora da Alemanba para o impera-
dor, c clatsifica de absurdo seinelhante no-
ticia
' O principe de Schwartzenberg chegou a VI-
euiia.
O imperador de Austria indultou tl4 ohH-
ciacs que tinham sido condemnados por lo-
inaiem parle as rcbclliocs da Italia e lliui-
gra.
"Um peridico alenioannuucia que a duquea
Orleans pailita dentro era OOUCOS das cora le-
us lilhos, o.conde de Parla e o duque de Char-
les para Eiscnach, onde lixar por cm quanlo
a sua residencia.
"O Jouma desdebats diz, que mullos mera-
bros da conferencia de Dresde receberain co-
pias do chamado proteslo da I i.m i coutra a
admissao de todo o imperio austraco na Con-
tederat;o germnica.
Segundo detiara o dilo jornal, este pro-
testo csia exagerado era uina carta do iniuisiro
dos negocios csliaiigelros ila lepublica frau-
cezadingidiaM.de Lacour. ministro de Franca
era Vicua A carta he uatada de 31 de Ja-
neiro, e conclue cora este paragrapho,
Se aa rslipulaces dos irictados de Vien
na fossciu levadas a eito sera o nosio con-
seulimeulo, e si:iu a approvaco formal .las po-
tencias que os nuil..i i- ii .un cora aa nas ai-
siguaturas, uiNdilicadas d'uuia maneira tan
cousideravel como o seria esta, o governo da
repblica se encontrarla, com grande des-
gosto seu, na necesiidade de declarar que
o.i > m .lilil:., a legiliiuidade da ordem de
colisas que resullasse d'esta Iuuovaco.
A resposta do principe de Schwartzemberg
nuil.......nu caita est coucebida nos se-
guintcs lermos.
" A nossa nova Coustiluico cstabeleceu
para serapre a unidade do nosso governo, e
todas as parles do imperio austraco- nao for-
mara mais do que um conjuncto unido,'ofue
he governado e administrado por un t e
mes.o.. goveruo. isto supposlo, oo podouoa
mais que escolher entre estes dois partid**:
perleucer a coufederaco com todas as suas
possesbes ou sep.n ai -nui do systeiua federa
ja Aleinaniia. Deixo labedocia do voiio go-
veruo o cuidado de julgar o que acontecera
ic a Austria adoplaise o ultimo partido. A
Alemauha litara merca da Pruna, potencia
vinuna e rival da Franca, o que be mais
grave aluda, be que a Alemanba seria presa
de todo os furores das paixe revoluciona-
ria! e demagogicas1 poli que .. Prusiia. e os


!
i
mais estados alemaes cslao completamente
inlnadoa pela ii \ "Ini "o c pelas doutrinas an-
tl-so i irs, contra as quaes nao ha luta ncm
victorias possiveis sem a concncnch da Aus-
tria.
O i j\ [>i.> ach ise em desiiilclligencia com a
Turqua, o vlce-rri ria e parece querer re-
novar o comportainrnto de Mchemct-Alli.
l'omeh"cito Abbas Pacha cmvez de cuuiprir
a nrilem que recebcu do sulto mandando-lhc
xedii/.ir oseu ejercito de trra e desarmaros
jjbvos, continua em seus armamentos tanto
por mar, romo por trra, am de oppor-se a
jncsina. Elle ordenou que se recrutassem 45
mil hnmens, 28,000 para o cxerclto c 15,000
pera a marinha. Todava nfio obstante estes
preparativos bellicos, be provavel que nao ba-
vera guerra entre o Egyplo e a Turqua, pois
que se falla de notas enviadas a l'ortapela
Austria e Hussla em sentido pacifico c conci-
liador.
Fit-aquioque a este respeito publica o peri-
dico constitucional da lloemia:
Aqucstao turco-egypca est distante de
ter a importancia que se Ihe deu. Nao se trata
da rednecaodo ejercito, nem da esquadra e-
gypea, e s sim de reformas que a Porta Ot-
lomana julga Indlspensaveis fazer, sobre tudo
no que diz respeito classe dos camponetes
i|iir est pereeendo a necessidade e miseria.
A l'orta Ottomana quer limitar a arbitra
icdade da admiiiistracodo pacha do Bgypto,
eobriga-lo a que modifique algumas leis. A
l'orta trata de cohibir as suas prnprias provin-
cias este abuso, p Heschild-Pach.1 j conseguiu
fellzes resultados. Com que dlrelto se opporia
o pacha do Egypto ?
Dos mus paizes nada encontramos que me-
reja ser publicado.
Correspondencia.
.Nao seguirci, Srs. redactores, periodo por
periudo do aranzel do iVaconat u. 11, re sal-
trando-os conforme a gravidade dos lacios,
que me sao nelles imputados, eccupaiido-me
boje daquellc em que se di/, que eu empreguei
no lugar de carcereiro um criminoso de mor-
te, dando isso lugar aapparecer uina denun-
cia peranle o Sr. chele de polica ; ( quan-
do rallo no Sr. chefe de polica, refiro-mc sem-
pre ao Sr. Figueira de Mello ) qu nao tendo
i'oulianca no delegado, e sem ser este ouvido,
inaudou prender o criminoso carcereiro por
um dos subdelegados.
He este um /acto, Sr. redactores, de lauta
gravidade para iiifin, qneuao posso deiiar de
ser nelle muito extenso, para o que lites peco
toda a paciencia. Huma deuuncia fui dada ao
Sr. deseuibargador ebefe de polica contra um
delegado,que pouco das antes recebera dense
^chefede polica provas deconanca, como bein
o pedido de urna proposla para os lugares va-
gos da polica, e expresses que nada menos
que isso iuculcavao; entretanto, apresenta-sc
essa denuncia, e por quem,bis. redactores ? por
um individuo que a fazer-se jusli'ra estara ic-
colhido a cadeia. corrigindo seus ciiines ; in-
dividuo de vida to horrorosa como csse mi-
seravel siguatario desse communicadit, Indivi-
duo que iiaqueila denuncia se di abastado em
i iiiniir, mas que com os dociiuientos anne-
xns, conhecer o publico a sua abaslaii;.i, de-
vendo se nolar que subdelegado e juiz de
paz que sao tambem camaristas, e liguiaui no
attestado da cmara lio amigos do denuncian-
te que di/, nao teme ser desmentido em umas
sierefo,
Km analyse que pretendo fazer a essa de-
nuncia, em oulra occasio, fonntr u publico
o seujuio ; cntretauto, com os docuniculos
agora juntos e com os que fortn publicados
nu o n. 95, pde-se j ir fazendo una deia so-
bre o carcter de tal Individuo cujo miior srr-
........... tAm A <\ ..l.illi .1 ?-,......i t\t
Paula, Joao Manuel, os Moiacs das Alagoas
Joo Gullif rmc, \ iclorino. Miguel lardado, o
dizein que errin padre e outrns, malvado que
andou matando, loubandoc incendiando ca-
sas : o que outra cousa nao era de esperar de
associaco to depravada. Entretanto lie a dcs-
presiveis malvados Jesla uature/a que est en-
tregue a reputadlo dos magistrados e ciila-
dos pacficos e honestos : he esta denuncia
aceila, volta o denunciante munido de nina l-
renca para andar armado com mais dom guar-
das cosas, e impvido se aprsenla peanle as
autoridades, aiiieacaudo e insultando a popula-
cao pacfica com prscs por se adiar para is-
so aulorisado, e segundo di, pelo descmba-
gador chefe de polica, conduiiudo na verTl.ide
nina ardein de prisiio para esse carcereiro c
mais dous que foram presos, a exceptu de un
no mcio da fcira.
Din, o Sr. chife de polica nSo ouvia ao de-
legado, uo lendooutra prov alm dessa de-
nuncia, anda sendo ella documenlaila, resta*
va-lbesaber se o delegado liuliascencia doscri-
niesdrsses Individuos, ese alguein Ih'os de-
nunciara, para poder proceder da forma que
proceden, desuioralisando assim a aceito da po-
lica, r aulorisando um prrvrrsu aunado c de
guarda costas, a comineller excessos al con-
tra a mesiiia polica.
Deixando, poiui, de parle esse acto do Sr
dezembargador chefe de polica cuja moi al id.nli
o publico avallar, vamos aos ciimes desses in-
dividuos que foram presos. Humeado pelo
Kxin Sr. Honorio, juiz municipal e delegado
de i ii ii.ti n lugar onde nunca morei, apena
i nnlipcia all um oulro individuo, bein se v
que relativamente aos criminosos cujos delic-
io* nao fossein commellidos depois de ininlia
iiiiirr.ii.nl posse nao podiain chegar ao meu
conhecimeiitn, seno ou pelos procesaos que
rxistisscm nos carinos ou por inforinacoea
dos habiljuies do lugar, (juaiitu ao carcereiro
esse outro que fura preso nao consta dos car-
torios, que -i j un criminosos, e nem os habi-
tantes jamis me denunciaran!, sendo bein pu-
ra nolar-se que ambos lilhos c nasudos dentro
davillade Caruaru', nunca aulmidade algu-
ina daquella villa c temios n conlieceit or-
ininosos, nem os processou, nao obstante o se-
lein lo reconhecidamente, e nunca lioiivciaui
denuncias contra elles, e nem e^ses indignos e
miseravris instrumentos da vinganfa de al-
gui ni.(Misti, quealli nioradorrs, sendo o llgna-
taiio do rommunirui/o all nascido, liveraiu ja-
mis nolicia drsses facto.s, sent agina paia
rom a vilrsa proprla do seu caraler. Ungir me
cun a infamia queso ibes cabe.
Mas, diz o Sr. drsembaigador chefe de poli-
ca em sua ordein de prlsio que ao riles cri-
minosos Jia comarca de Oaranliuna, Alm de
que eu nao posta advinliar criiues de comarcas
exlranlias sem que soas auloiidades me re-
ineltaui precatniias e requisiiem a plisan dos
criminosos, pelos documentos que publicare!
se ver que tal crlme nao existe nio so.....
Garanhuns como em bonito e Caruaru'. Ve-se
porlonlo, que nao os reconbecrndo cu ci-
Iiiiuosos poda propo-lot para qualquer em-
prrgo e minha jurIsdlcjSo romo o de carce-
reiro, para rujo lugar na veidade propUl a um
drsses individuos, que ora se arha preso de
tu un Jos francisco da Silva Jequiii. propos-
ta feita por nao acbar all qiicui quizesse oc-
cupsr semelhanle lugar que cun cusi e rela-
tivas foi aceito pur rsse individuo que nao s
avia sido carcereiro do termo do bouito, sol-
dado do corpo de polica desta cdade nu pos-
to de cabo por multo lempo onde bein se por-
tn, couforme lu informado pelo coiniuandaii-
lv do destacamento de Caruaru', como niesuio
se achava dilo Jequirl na occasio em que o
propuz exerceudo o lugar de agente do cr-
lelo daquella villa para que fura oouic.-do an-
tes de 'ii all ebegar como empregado, e sob a
influencia de pessoas e poca do actual sysle-
ma do governo. Iguoravain pui ventura isso
os siguataiii dessa denuncia c comuiuuica-
Uajnjw r
do, c cstavaindc cataratas, eonsrguindo ago-
ra lira-las ?
!Sao oi de minbas intenedes, Srs. redactores,
entrar rm semelhante dscussao, mis leudo si-
do a ella provocado pelo Nacional, Tollia que se
diz da repartlcao da polica, a relativamente a
factos meus, que tanto peaarto no cnimo do
Sr. deseuibargador ebefe de polica, que sem
me ouvir consentid que a reputafSo de um seu
delegado fosse alrsmcntc manchada em urna
folha publica, da qual a voi publica apregoa
S. S. como redactor em chefe; forsoso me he
nella continuar, pedindo reipeltoiamente ao
mesmo Sr. desentbargador chefe de polica In-
vocado pelo denunciante para na qualidade de
delegado de S. S. c em seu abono levar a ds-
cussao um pouco mais adiaute, alim de que
tiradas todas as duvidas possa o publico escla
recido fazer-nos juslica. Espero, portanto, que
se me responda s seguintes perguntas :
Qual a rasao porque leudo sido ordenada
pelo Sr. chefe de policia a prlsfio desses dous
individuos exgndo a remessa dellcs para a
capital, para que fossem renieltdos para Ga-
ranhuns, sao elles conservados ha mais de
dous niezcs, nesta cdade rom prejulwj seu,
eaggravodas lelsl.. Qual o motivo de nao
selhes ter mandado desde o dia de sua pnsao
al hnje dar ola de sua culpa. Picando seus
renuerinentos sem despacho na repartilo
da polica, faiendo-sc o mesmo com outro
em que se pedia mandasse ao carcereiro infor-
mar o motivo de suas ptisOef, cujo documen-
to fura mandado juntar pelo tribunal da rcla-
elo para poder conceder ordein debabeas
Corpus,--que pelos pacientes llie fra requi-
itado? Nao sera mais decente que sedase
logar a provar-se a verda le desses factos para
que inelhor se possa cada uui4iaver no cum-
pi iinenio dos seus deveres?...
Hcsejra tambein que se me respondesse
se sendo indsculpavel ao delegado de um ter-
mo da extencao de 30 lrguas,,conteii lo maltas
onde se pdem fcilmente oceultar criminosos
e escapar por algum lempo ao conlieciincnto
dajuitlca; por deixar aparecerem factos como
estes deque sou aecusado; oque se nao de-
ver enlao dizer a reSpeilo de um chefe de
polica que consentir que dentro da propria
ciiladc da sua residencia andem com (Ciencia
sua, ou mesmo sem ella, criminosos pronun-
ciados em diversos crimeift..
A comparacao creio que nao pode ser mais
igual; e o Sr. dezembargador chefe de polica
bem se poda lembrar que as mesillas dilHcul-
dades que ocercam pira o boni desempenho
dos seus deveres podcui lainbem haver para
o ile qualquer delegado que est anda mais
subjeito a engaos do que S. S por contar
com menos recursos do que os que so-lhes
concedidos. E para convicfao desta verdade
permlttt 8. S. que Ihecite alguns factos que
me parece nao me podero ser contestados
Certo empregado publico, bein condecido nes-
ta cdade, processado como pimeiro autor
do roubo e falsificacu de leliras da thesoura-
ria provincial existi por muito tempo dentro
desta ldade e na povoaelo do Poco d- panella,
onde, dizein que publicamente eslava no seu
silio, e >. S. nao o soube, c na a s era da
sua ubrigaco o prende-lo, como tinha para
isso muito especial rec iinmend icfio do Exin.
Sr.JIoiioiio, (-lilao presidente; eso fiii preso
i|nando o mesiiio Exin. Sr. o inaiidou fa/rr
pelo coinmaudaiite do corpo de policia.
l'in outro empregado da secretara de S. S.
nao se por que crinie, fra mandado prender
por ordein taiiibem do uiesuio Exui. Sr. na
propila secretaria de policia, estando eui ser-
vico. Roino do llego Barros, condenando
no juzo de S.-Anto, gales perpetuas, icm
fieqnenteineiile andado nesla cidade, por on-
de Ihe parece, e anda nao fo preso. Jos
iluliuo, apuntado como Uin dns assasssinos do
.ni, lw. Joo Perelra dos Santos Castro, juiz
tmmii:t|*i ap i'nj, e... >.,; ...va.a., de ...li-
ria por inulto lempo, e desertou ha pouco,
por ama oulra morte peipetrada, cieio, que
em Iguarass. Joo Paesdc tal, fgido da cadeia
desta cidade, criminoso de diversas mortes
e condemiiado no jury, mo s anda e re-
quema as vezes esta cdade, como nella mo-
rn por algum tempo, conforme me infor-
m.iin, em a ra do (alaboufo, por tra/. da
ra Sova, e durante o exerccio de S. S. :
mullos oulros que por ah ando em diversas
comarcas, entretanto o Sr. dezembargador
chele de policia, que tem inultos oulros re-
cursos, que tem verba paia a polica secreta,
com cujos meios Ihe nao deveria escapar cri-
minoso algum, desejaria que se dissesse que
S. S. pactua com os criminosos, que passeiam
Impunemente nesta cidade e dlstricto de sua
jurisdiccao?... uSo, ceilamente. .
Devia. poiKinto, o Sr. chefe dr policia ser
menos fcil rm concorrer para o descrdito
de um seu collega e subordinado, eoiicorren-
dn tamboin para o sen proprio, por via de
instrumentos to degradantes!.. poique S. S.
qiiando descouliasse da conduela de.ttin seu
delegado devia dlsso iiilorinar-se das autori-
dades (|ur Ihe sin superiores, ouvi-lo piiuiei-
ro, p niio allender a tim i deuuncia a que nao
acoinpanhou un s docuinrnlo, e denuncia
dada por malvados condecidos como taes ent
loda a provincia.
Nao he. por certo, com tal f.icilidadc que
se deve proceder em casos taes, e para que o
Sr. dezenib.'.rgador chefe de policia possa ine-
lhor se convencer da realidade dos faetns que
me sao imputados, pcco-lhe que exija desses
individuos, como prova de suas allrgacoes,
para que sejain publicados pelo mesmo jornal
os documentos com os quaes proveni quaes
as denuncias que me foram dadas pnr escrip-
to, ou requisicao de qualquer empregado ou
anloridade para a priso e processos dequaes-
quer criminosos do meu termo, e que des-
Iruam os docuinrnlo que lenho feto publicar
pelo Diario de \'rrn modo nao podia eu rstorva-los, pudendo qual
(|iier autoriilade policial prende-los por si
iiiesmu, ou proeessa-los, o que al boje niio
li/eraui, ceilides das pronuncias e quaes-
quee prnressns por uiiiii injustamente instau-
rados contra qualquer inemdro do partido do
governo ; cerlides dos livros dos carcereiros
da cadeia de Caruaru, e mesmo atlestados de
coinmaodanli s de policia que indiquein os
iiomes dos presos reculbidos ininlia ordein
por motivos de pertegulcao, e epie nao te-
ndo sido processados, cerlldao da lecretarla
la polica rom os nomes dos recrutadoj, en-
viados por ni i ni, pertencentes ao lado do go-
verno, que o fossem injustamente, easreela-
maces que sod e elles leudan havldo; o ft-
I iialnienle i|ue apresenlrm ludo r qu.lquer no.
me do individuo perseguido, ou qualquer aeln
meu justificado. Se Isto li/.er erit mihi mmjnitt
Appnllo; e o publico nos far a devida jusli-
ca ; c, poicm, nao li/erem, e ii, ncm s as
declamaces, prometlo-lhes que os entregare!
ao completo despreso de que sao merecedo-
res lo vis calumniadores: e nao caneare!
mais a paciencia do publico, reservaudo-ine
nicamente responder sobre a n.iiiii i con-
duela poltica em relaclo s atfcusacdes que
me sao fi itas, e ao laclo da morte do lenle
coronel Joaqulm Jos da Silva \'icira.
Recite, 27 dr adiil de 18jl.
Lourtnco Francisco d'/ilmeid : Calanho.
'2
11 nlm-es e os documentos olHclaes, a popula-
cao de Pars tem gradualmente augmentado.
No seculo 13 Pars conilnha 120,000 almas ;
em M74, 150,000 ; no reinado de llcnriquc II,
210.000 ; em iMO, 200,000 ; no reinado de Luiz
XIV, Ifl2,600 ; em l7!9, 509,610; de 1752 a
171)2, 576,030; em 1776, seguudo HulTon, 658,000;
em 1778, segundo Mohn, 670,000; em 1784,
segundo Neckel. 660.000; no lim da reinado
de Luiz XVI, 010.620 ; em 1708, segundo ocen-
so.040.504 ; em 1802,672,000 em 1806, 517,756;
em 1808, iSO.009 em 1809. 794,593; em 1817,
743,965 ; cm. 1827. 890,434; em l83l no qual
lave comeen o censo quinquenal, 774,328 ; em
IS36, 909,120; em 1841, 912,033 (exclusive os
soldados, os ausentes e as crianr.as de mama);
cmi846, 1,053,897.
A populacao de Franca, em 1,700 era d
19,669000 almas ; era l83i, de 32,560,034; e 1816,
de 35,400.480.
(Time.)
PUODUCTIVIDADE A 1MPIIENSA FRANCEZA.
Em o prximo passado auno de t850, foram
mpressas em Franca e na Ajeria 7,208 obras;
sendo4,7li em Pars, 2,400 uos depailamentos
e 37 na Algeria.
Uessas obras 1,360 foram relmpressSes e no-
vas edices, e 1,843 podem ser consideradas
como novas, 6,66l sao enmpostas na lingoa
11 anee/1 68 em varios dialectos das'provinclas
l'ranee/. is, ,'iS e ni al le mi i, 6l em inglet, '. em
arbico, 51 em hespanhol, 83 em grego, 9
cm hebraico, 10 em italiano, 165 em laiiiu,
14 na lingos polaca, 16 em portugus, 4
na liugoa romana, 1 na russa, 2 na turca,
c 2 sao polyglotas.
Entre tssas 7,208 obras contao-sc 281 ga-
zetas, algumas novas e publicadas em 1850,
das quaes 79 foram impressas e dadas luz
nos departamentos', e 73 foram impressas pe-
lo processo lithographco. Finalmente durante
o auno qu acaba de expirar, consta que ap-
parecern! 2.097 gravuras, 122 cartas geo-
graphlcas e plantas, 579 pecas de msica vocal
e 625 ditas de msica iustruineutal.
( Journal de la Librairie. )
Uepar-ligu da Policia.
PARTE DO DIA 10 DE ABRIL HE 1851.
Da parliciplco dirigida ao chefe de policia
pelo delegado do termo de Nazareth, com da-
la de 5 do correle, consta que na freguezia
de Tracuuhaeni feriram-se reciprocamente
Manuel Rayiuundo d' Aniiniinciicao e Severino
Jos Correa, fezendo-se o competente corpo
de delicio, e sendo ambos presos em flagran-
te ; que no priineiro distrctn d'aquella fre-
guezia, Msnoel Joaqiiiin, morador em Carua-
ru, commeltra o crime de offeusas physlcas
na pessoa da preta forra Francisca Mara
que nesie mesmo dislricto, Manoel Joaquiui
de Santa Auna surrra coiu una pea crioula
Mara Jos, e Jos llodrigues fra gravemente
fprido com um tiro que Ihe dra de dentro
do mato uina pessoa, que anda nao fo des-
cobprta. O inesiuo delegado declara que se
proceder o aulo do corpo de delicio, e cyie
se est tratando do respectivo processo.
DEM DO DIA 12.
Foram honleni presos ; ordem do subde-
legado da freguesia de S. Fr. Pedro Goncalves
do Hecife o porluguez Manoel Jos, por cri-
me de oflnsas physicas ; ordem do subde-
legado da freguezia de S. Antonio Serafina-
Maria da Concecao, por liaver castigado irre-
gularmenle a una sua cscrava ; Antonio Gon-
calve da Silva c o prclo Ignacio, escravo,
para <:......; e a do subdelegado da fregue-
sia de S. Jos liento Soares de Araujo, sem
declaraco do motivo.
Decima dos predios urbanos 4:002,546
Meia sisa dos escravos l:*kl>SS
SpIo de berancas e legados 14,8r
Novos e velhos dlritos Jl4,ji0
Matriculas dolyceu c seminario 110,000
Ditas de gramtica latina 50,000
20 p. c. sobreo consumo d'ago'ardente 32,200
Imposto de 2,800 12.800
Dilo de 3 por cento lOS.titi
Cinco mil rs. por escravo despachados 35,000
Passaportcs de polica 10,800
Hullas ?,?,},.
Juros 34,171
Ris. 40764,230
Mesado consulado provincial,30 de abril de
1851. -OescrivSo da prlmeira seccao, Joao
Ignacio do Reg______^^^^^^^
Movimento do porlo.
A'nto entrado to dia 1.
I'.io Grande do Sul 50 das, brigue nacio-
nal li'tiino, de 43 toneladas, capilSo ioa-
q u i ni Antonio Concalves dos Sanios,
oquipagem 13, carga carne secca ; a Leo-
poldo Jos da Costa Araujo. Passageiro,
o UrasileiroJos Rrorigues Lima.
Navio saludo* no mesmo da.
Genova Polaca sania Fidamtate, capitSo
Geecomo Tarchivine, carga assucar.
Porto liare porttigue7a Espirito Santo,
cavilan Joaquim Kerreira Leite, cirga as-
sucar. Passageiro, o Porluguez Francis-
co Jos da Silva Ainorim.
CanilBrigue inglez James, eapitlo P.
Wilson, carga assucsr.
Lisboa Brigue porluguez Coneeifllo de
Hara, cspitSo Antonio l'ereira Borgos
Jnior, carga assucsr o vail generds.
I'assageiros, o Francez Fnlippa Formul,
o padre Joflo Antonio MagalbSes o Almoi-
da, Jo5o Manoel Pinto Bastos, o padre Jo-
s Antonio dos Santos Lessa, Brasileiros ;
CosloJio Fermniles Lopes, Manoel Luiz
da Costa, Manoel Luiz la Cunln, Jos
Francisco da .Silva e Jos Nogueira da
Costa Soares, l'ortuguezas.
Vaiparaizo Brigue inglez J. Tltoms, ca-
pil.io A. Monro, carga assucar.
Camaragibe Hiate nicional Caprichoso,
mestre llypolito Jos da Silva, csrga ba-
calho e uiais gemiros, passageiros, os
Brasileiros, Jos de Barros Pimental do
llego Falc.lo, Ignacio Jos Teixeira, lly-
giuo deSoutl Arag3o e Manoel 1".niniiii
Fernando* do zevdo.
Baha por Macei Charra nacional l'er-
nambucina, commindante o primeiro to-
nento Antonio Alves dos Santos. Passa-
geiro. o Brasileiro ba,charel FelippeJan-
^ell de Castro e Albuquerque Jnior.
itMi a ihiii ii 11izw.s"uxi*B.'iixs^a
corda, difl'erentespassos e evolutiies ; o joven
e intrpido Brcmond executara dllMcel posl-
coes sem maroma ; madamesella Genny sobre
a corda executara diversos passos, aegulndo-su
os grandes salios de eievacao por madamesella
Seraphlna, terminando o aclo com os jogos da
bandeira brasilcira.
Sti/undo aclo.
Os grupos do Carnaval de Vcncza, nos quaes
madamesella Genny subir a pyramldes, for-
madas pela compauhla a grande altura.
Terceiro acto.
Grande e variado excrcicio de deslocaces
porMr.llerteaux, e o joven Urcmond, seguin-
do-se os jogos icarios por Un. Berteaux, llre-
mond e Charles.
Quarlo acto.
Les cordages franjis, pelos Srs. Herteaux.
joven liiemond, Charles,inadamesellas Genny,
Hortense e Seraphlna.
Quinto acto.
Grande pantomimo cm dous actos intitula.
do-OS 1KNJS JORGF.TES OU OS AMANTES II-
LDIUOS.
Sexto aclo.
Quadros vivos, luteiramente novos, por toda
a companhia
fcUMfl4i1QC|4
ALFANOBGAi
Readimento do dia l ... ii.olt,ii-j
ftscarreaam haje 2 'de maio.
Brigue /. /jido viudo.
Barca -- II'. Rustid faiinha de trigo.
Brigue ~ Ed liacalho.
Bares Mnrgarida srbolas e batatas.
Escuna Laura merca dorias.
CO.NSl'l.MIO CEIIAL.
Itendimento do da l
Diversas piovincias .
2.724,548
50.4UI
REM)IMF.NrO DOME/. DE AKRIL
Consulado de 7 por cento 74:030.057
Dito de 2 por cento 23.961
Dito de I;2 por cento 9,700
2:775,009
DE 1851.
Deca rag oes,
Pela segunda sec{ao da mesa do consu'
lado provincial se las publico que at o dia
15 de malo prximo vindouro, se recebe o im-
posto de trc/. ppr cento sobre divercos csla-
beleciinenlos: e de pois desse dia, s com
guiado cartorio da fizenda, por teY deserre-
mettida a rclacao dos devedores para seren
executados
Thealro de Santa-Isabel.
i." RECITA DA COMPANHIA LYRICA.
Mt'iii, 3 nu mi i ir 1851.
Depois de una dos uiellion- ouverturas lla-
vera a execuco da opera em 2 actos:
O ELEXIK DE AMOR.
DitribuicSo.
AdinaSr "Lauda.
NemorinoSr. Tati.
HelcoreSr. Vasco. ,
DulcamaraSr. Capurr.
Coros de oinponczes, de soldados etc. etc.
Terminar o espetaculo com o lindo bai-
lete
A liainha das Flores.
(.''iinee.ii.-i as 8 horas.
Os bilhetes acham-se a venda no escrip-
torio do thealro.
Ancoragem para forado
mpeiio 7:376,850
Dita para dentro do dito 173,632
Expediente da capatazia 656,625
Setos l:0lli.26l
Emolumentos de cei tides 7, i20
llcsiiluica felta como do livro res-
pectivo a folha
Diversas provincias.
Iii/inin do algodo do
Ilio Grande do norte 84,6:>8
Dito dito da Parahida 612,761
Dito do assucar da Para-
byba 4i9,280
Dito dito das Alagoas 2:820,076
-74:064,618
9:215,488
Primtira quadro.
O juiso de "Pares.
Segundo quadro.
Hebe.
V ei -, ii ii quadro.
O anjo da guarda.
Quarlo quadro.
A F, a l'.speraiiea e
a Caridade.
Oui'nfo quadro.
Susana (a casta. )
.s, ii quadro.
Massacrc dos inno-
centes.
PREQOS UOS IIILlIRTRg.
Camarotes de primeira ordem de frente rs.
6*000 ; de lado 4/00|) rs. ; de segunda ordem
de frente 8/000 rs. ; de lado 5/000 rs. ; de ter-
ceira ordem 3/o00 rs. Platea 1|000 rs.; varan-
da 500 rs.
As pessoas que pretenderem bilhetes din-
jam-se ao mesmo tbeatro.
Avisos marilimos.
Depsitos sahidos
Ditos existentes
103,595
966,613
30 de
V iftlltiLI
.'.5.
O CENSO EM FRANCA.
Sendo costunie em Franca lazer-te o censo da
populado de 5 em 5 annos, e lendo tido lugar
pela ultima vez essa grande e til operacoein
1846, ella dever ser repelida no crreme auno
de 851. \ ,
Eis-aqui a raso tui jue, segundo os hislo-
tlrsa do consulado de Pernambuco,
abril de 1851.
KXI'OIITaCAO.
Despachos marilimos no dia 1.
Ctnal, brigue inglez Von*/, de 278 lo
in-ladr.s : c.-nduz osegiiinle: 3,810 saceos
cm 19,2 10 arrollas do assucar.
Valparailn, lutgue ingl-z Jessir ThoMI,
de 211 linieladas conduz () s'egiiinte : 3,080
taceos com 13,400 arrobas de assucar.
Falmoulh, brigue sueco ivlie : eonduz o
SHguinto: 3,5iO ssccos com 17,500 arrobss
(le assucar.
dem, brigue inglea l'relliaiii, de -277 to-
n la as ; conduz u seguidle : 4,000 SaCCUI
com 20,00o anobss do assucar.
Lisboa, brigue porluguez Conceicio de
Mana : COIlduZO SOgrnte : tSOkitta, 1,402
saces etS3 barricas com 11,491 airobayo
10 libras de sssucar, 13 praiisftas amarelio.
ijs cascos inei, 4 barricas farioha de tapio-!
ca, 2 ditas aluiecega, HliaCCaa ruin 061 I
ai robas u 23 libras dfl nlgo.i3j, 2 caixa.s dojl
i', I r mo u.i.ii li fias do prala, 1 dito .|i->
viosr I baruca cal.
RCBElumiA DK UK.NDAS CKItAFS
INTERNAS.
Ilondime-oto do dia 1......766 565
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendlmento do lial......652,168
HENDIMENTO NO MGZ l)F. ABRIL DE 1851.
Direitos de 3 por cento 29:189,419
liueitos de por cento 4:700,803
Capataiia 853,120
Findou no dia 30 do prximo passado inex o
auno da minha empreza. Contando com a gc-
: nerosidade da Ilustrada assembla provin-
I cial, cujos dignos membros em sua alta sabe-
doria tem sabido comprchender os sacrificios
[que liz para levara ell'elo as condicedes do
meu contrato, nao me poupaudo em trabalhar
para esse lim de modo a satisfazer ao publico
em geral, nao deixarao de desenvolver a sua
eflicaz |'i olee., ai ein favor do thealro, o qual
lie una necessidade para um povo dcil como
he o desta capital, que outro divertmento
mais nao tem, que este honesto, e Innocente
recreo, tendo de continuar anda por este mez
83:280,106 a fin de concluir o contrato da companhia ly-
| rica, cujos espetaculos duraro al o fim de
20,856 maio, e serao exclusivamente de canto para
------------.- plena satisfacao dos dilelanli, necessto pois de
83:259,250 alterar os pre. os dos camarotes da primeira
ordem elevando-os de 6 8,000 rs., o que des-
de j fajo constar ao respeilavel publico, ao
qual nao posso, sem ser tachado de ingrato,
deixar de tributar os meus sinceros agradec-
memos pela coadjuvacao que me prestou, pela
acci i.i, ao c llenen,|,-ni i,,, com que j em pu-
i lilien, j em particular, sempre me honrou.
3:976 745 e ""almcnle pelos espontaneas applausos, com
_____'___ que me vicloriou enchendo-me de gloria todas
as vezes que em scena eu apparecl: esta coad-
juvacao, esta benevolencia, espero, que con-
iiiiiiein alila durante este curto espaso 'de
tempo, em que tem de trabalhar a companhia
lyrica.
Minha gralidao ser eterna.
Recife i." de maio de l85l.
87:235,995
Hermano Franeiico de Oliveira.
Para o Aracaty o htale nacional Exa-
acao segu por estes dias, por j ter a maior
parte da carga prompla : quem no mesmo
quizer carregar ou ir de passagem, dirija-
S9 ra do Vigario n. 5.
Para a Parahiba sahe com brevidade o
hiate nacional Espadarte : quem no mesan
quizer carregar, dirija-se ao mestre Victo-
rino Jos Pereira, no Trapiche da algodSn,
ou na ra da Cadeia n. 23, a tratar com A.
da C. Ferrcira Estrella.
Maranhao e Cear.
Segu em poucos diss o brigue-escuna
auru, por ter grande parte da carga trata-
da, tero excellentes commodos para passa-
geiros : qiem no mesmo quizer carregar ou
ir de passagem, enlenda-se cm o capitSo
na praca, ou com os consignatarios, Novaes
& Companhia, na ra do Trapiche n. 34.
Para a ilha deS, Miguel o brigue por-
luguez OUveira, sahe iufalivelmente ate o
dia 20 de maio vindouro, por ter ja parte da
carga prompla : quem no mesmo quizer
carregnr ou ir de passagem, dirija-se a rus
da Madre de Heos n. 36, a fallar com JoSo
Tavares Cordeiro.
Para o Rio de Janeiro segu viagem
com brevidade o patacho nacional Curite,
capit3o Jos da Cunha Jnior, por ter parte
da carga engajada : quem no mesmo quizer
carregar ou ir de passagem, pode enlen-
der-se com o capitSo na Praca, ou com o
consignatario Luiz Jos de S Araujo, na
ra da Cruz n. 33.
Maranhao e l'ar.
O brigue-escuna nacional Arcelina desti-
na-se para aquellns portos ; j tem a maior
parle da carga prompla : para o restante
trata-se com J. B. da Fonseca Jnior, na ra
do Vigario n. 23, seguudo mi lar.
SSMSXSISSSSSSSSSSSMaSlSSSSSSSSMSSSSJSlSSSMSSSaSlSSSSSIIIW
Le loes.
Miguel i .inicien far leiio sexla-feira 2
de maio as ll horas da man lia, no seu escrip
torio ra do Trapiche n. 40, da escuna brasi-
leira Adelaide de lolc de 45 touelladas i os pre-
lendentes acharan no dito escriploro o in-
ventario de ludo que pertence a dita es-
cuna.
II. E. Scott, capil.lo da galera america-
na l'ulesline, far leilSo (transferido do dia
29 do correnle por causa da chuva), por
iulerveiiftlo do corretor Oliveira, das ver-
gas, viil.niii! completo, cordoalha, inasta-
ros, uioiies, correles miudas e muitos
outros pertences da Jila galera, arribada a
este porlo, onde foi legalmenle condemna-
da, na sua recente viagem procedente do
porto de Calato, carregada de guano, com
destino ao de Ualtimore : senta-feira, 2 do
prximo maio, s 10 horas da manbSa, no
armazem do Araujo, becco do Concalves.
Me. tu I moni & Companhia farSo lei-
13o, por intervengo do correlor Oliveira,
de um completo sortimento de fazendas in-
glesas, lodus proprias do mercado : terca-
leira, 6 do corrente, s 10 horas, no seu ar-
mazem, praca do Corpo Santo.
min um n*!
Avisos diversos.
Tliealro de M.-Francisco.
DOMINGO, 4 DE MAIO DE iS.">i.
Grande -rpreseiitacao extraordi-
uai'lu a |n iiiiii (levarla pr^-na.
Primeiro aclo.
Dansa de corda pelo oven Carlos sobre a
irinaiiilii.il- de Santa Hita de
Cassia.
Tendo o mesma irmandade de eleger os
novos funecionarios que lio de servir de
1851 a 1852, por isso a actual mesa regedo-
t* convida pelo presente a lodos os seus
irmSos em geral, para que se reunanv no
consistorio da dila irmandade, no domin-
go, 4 do corrente, pelas oilo horas da ma-
iitifia, psra se proceder a rleigo.
Os aliaixo assignados declarara a quem
convier, que amigavelmenle dissolveraina
mu leil.iiic i|uc linii.'iin nu armazem de as-
sucar da ra du Trapiche n. 2, sol) a linna
de Mi i -srti e> Companhia ; e que o arren-
ilaii.riiln ila un mu i'.si nir escn[ilnr.i pu-
blica, no cartorio de Cuilherme Patricio
lie/era CavtlcMili, lica a cargo smentfl da
Job .Morena da Silva. Itecife, l.d< ni.io
de 1851. Jos Mullir da Silva. Tlwmuz
\de Aqu-iio Carvullio
Piudia 30 de abril prximo passsdodei-
appureceu um caxornnho dogue, aindii pe-
queo, com ni chas corladas e manchsdo
de In.iiico o pardo : roga-so a quem o tiver
adiado e o quizer restituir, lenha a bonds-
de de o uianJar a padaria da ra larga do
Itnzai io n. 18, un Je se gralilicara a quoui o
levar.
- l'ieiisa-sc de um fotneiro, que seja
ili M-inliarae dn, paga-se bein : ua padaria
da roa da Scnzalla Velha n. 96.
--Na botica, junto aoquartel de polica,
piecisa-se du um pralicanle de pharowcit,
-- Precisa-sede um Caixeiro para pada-
ria, que abone sua conducta e capacidade.
para o que se dar bom ordenado: t.s ari-
ca dar .Santa Cruz, padaria por biiXO do so-
Irado n. 106.


~""-*VTfVBI
AliiRa-s i coxeira la na do Tambi,
no rundo do sobrado n. 12 da ra do Ara-
gSo, com bons commodos, e Dor preco mo-
derado: stralar na rus do Collegio n. 16,
primeiro andar.
PesarAureceu, no dia 21 de fevereiro
do correntn amo, a escrava crioula, de no-
me Anselica, representa ter de 40 a 50 an-
iios, alta, bstanle magra, rosto redondo e
descarnado, nlhos grandes, cabellos hrsn-
ros, quando Tulla parece que ri-se e andar
(ota, mflns e ps grossos, tem urna marca
no p dlreito proveniente de urna dentada
de caxorro e emquinto o traje no se po-
de saber, pois consta que o tem mudado;
suppfte-se que anda pela encruzilhada de
lielem, Santo Amaro, e acoita-s as capo-
eiras do sitio do Cicundo : roga-se, por-
tanlo, a todas as autoridades policiaes e ca-
pilles de campo que a apprebendam e le-
vem-na o sitio do Jacar, estrada de Bebo-
ribe, a entregar a Antonio Jos da Silva
Cuirrares, que se gratiflear generosa-
mente.
No dia 12 de marco prximo passado
desappareceu de casa de sua senhora, da
ra do Commereio. na cidade do Hio For-
moso, urna preta de nacSo Benguella, ros-
to chato, beicns grossos, olhos papudos,
dente meios abertos, ps chapados, grossa
docorpo, baixa, bem fallante, de 22 annos
poueo mais ou menos : pede-se as autori-
dades policiaes, esplines decampo, ou ou-
tra qualquer pessoa que a pegsr o obsequio
de a levar a casi de sua senhora, ou entre-
ga-la na ra daPraia n. 22, que ser re-
compensada.
--Preciaa-ge de um caixeiro que tenha
bastante pralica de venda : em Fra de Por-
Ibs, na do Pilar u 83.
Desappareceu a 30 de dezembro pr-
ximo passado, da casa do depositario Fran-
cisco Jos Arantes, o cabra Pedro, compra-
do pelo bacharel Pedro llezerra Pereira de
Aran jo Bellrflo a Antonio Bicardo do Bego,
morador nesta cidade, e contra quem mo-
ve o comprador urna accflo de rerisilo da
venda, por haver declaradoe mostrado o cs-
cravo ler tres fstulas, e ossos carados no
anti-braco esquerdude que aljou depois ;
sendo alm disto minio fujam Acontece
entretanto que achando-sea quesino bas-
tante adiantada, obtendo o comprador sen-
tencas a favor na primeira instancia e na
relacSo, desappareceu o escravo do deposi-
to, no se sbese de motu proprio, ou se-
duzido por alguem. Os signaes sSo os se-
minles : cabellos crespo.', regrista, canta-
rolador o muito beberrSo, braco esquerdo
alijado, etc. Este escravo foi do Bio Grande
do norte, donde ja veio fgido, quando por-
lencia a Manoel da Fraga Vieira, morador
em Iguarass : roRa-se, pois, aos pedestres
e autoridades-de dentro e fra da provincia,
que tondo dello noticia hajam de o prendar
e reroette-lo ao referido depositario, Fran-
cisco Jos Arantes, morador na travessa da
Concordia.
Desemcaminharam-seduas lettras. urna
da quanlia de 201,500, aceita por Jof Car-
los da Silva e endossada por Jos llygino de
Miranda, j vencida e protestada, e outra
la quantia de 242,494, aceita pelo Dr. Can-
dido Autran da Malta Albuquerque, ambas
pertoncentes a Jos Moreiri Lopes & Com-
panhia : roga-se a quem as achar o obsequio
de enlrega-las na loja do sobrado amarel-
lo, na ra do Qucioiado n. 2?.
Aluga-se urna sala do primeiro andar
da ra do Vigario n. 13, propria para es-
oriptorio, mocosolleiro ou-alfaiatn : a tra-
tar na venda.
Preciea-se alugar um cavado, por 6 a 8
vetea por inri, o qual !ein de dar um peque-
uo giro da Solidade ao Bccife ; prefere-se o de
qualquer pessoa particular que nao percisando
sahlrdiariainente, queija fazer este arranjo ;
na o qual trala-ie na rualmperial n. 39.
-- A irmandade do Sr. Santissimo Sacra-
mento da matriz da l'oa-Visla, participa as
pessoas, que quiserem faier oraclo ao senlior
S. Sebastian, opodero fazer ath 4 do cor-
rete, e anoite haver una ladainlia.
O abaixo assignado declara publicamente,
que esl manuntenido na posse de sua escrava
Mara Jos, que lhe linba sido furlada e doui
lilhot Elias e Francisco, por mandado do julio
da pflmeira v%ra civel desta capital com o
cumpra-se da outra ; tendo ao incauto protes-
tado pelos das de mi vii ii ilaquella escrava e
l'dhos contra quem de direito soja res ponsavel.
JoaquimJot Pinlo (luimara'rs'
-- Quem precisar de uina ama forra para
casa depouca familia : dirija se a ra do n-
gel, n. 24.
--Oflerece-se um criado de roeia idade :
quem delle precisar, dirija-se ra de Hor-
tasn.17.
Na ra de Santa Thereza n. 48, existe
urna ama de leitepara se alugar.
- Quem precisar de una ama, diiija-se
ra de S. Jos n. 21.
Deseja-se fallar rom os Srs. abaixo de-
clarados a negocio da seus interesses, e
quando o nSo possam fazer pessoalmenle
aquelles que morarcm fra da pra;a, pode-
rSo mandar seus procuradores, a saber:
Jos Joaquim Cavalcante, Alexnndre Jos
Xavier de Miranda e Jeronymo de Farias
BraRi, moradores no Brejo d'Areia Manoel
Caetano Borges, ra da Cruz ; Julio de Oli-
veira Ramo-, Aterro dos Afogados; Bento
JoSo Cardoso, ra Pireita ; Antonio Ayies
Francisco de Oliveira Keniz, no Abreu de
Una : na ra do AragSo n 3 ; adveite-se que
isto ser no prazo de 30 di is, contados da
ilatadesir. Becife, 30 le abril de 1851.
- M. ti. de Oliveira, senlior do sitio, na
e-Irada de Sanio Amaro para llelom, o qual
houve por compra felfa a Mara A. A Tres-
ne, deelarn que ninguem lome de renda o
mesmo sitio a F. Chaves que o finita arren-
dado por alguns annos a senhora dita Tres-
se porque o seu arrendsiiieiito nlo Ihe d
poder para siMirn, e tem outras coodi-
(,'les a que qualquer que o tomar est res-
iin.siivi I, i! piolesla o aniiuncianle ; e para
evitar se chame qualquer a ignorancia, se
faz o presenta aviso.
--Precisa se de um ollieial de sapateiro
que se qtieira encarregar de fazer sapatos de
tapete ou panno na prsca da Independen-
cia ns. 13 e 15, luja de calcado.
OSr. J.A. C. queira mandar pagar a
conla que deve, na ra do ('.raspo n 12.
Jos da Silva Campos l'.z
sciente que vendeu a taberna da
ra Direita a, 73, a Soares k C. :
toda a pessoa que se julgar credo-
ra a mesnja, iaja de apresentar a
sua conla corrente e legal no pra-
zo de oito dias, contados da publi-
cacao deste, lindo os rpiies se nao
responsabilisa por qualquer con-
ta que se Ihe aprsente. Becife,
iic abril de i85i.
Quem precisar de um feitor para sitio,
que sabe plantar toda a qualidade do plan-
tas, dirija-so ao Corredor do Rispo, passan-
do a primeira casa, a immediata feita a
mei'dgoa.
Boga-seaoSr. Flix Cavalcanti de Al-
buquerque Mello, morador na cidade da
Victoria, que baja de apparecer na botica da
praca da Boa Vista n. 32, a negocio quo S
S. nSo ignora.
A abaixo assignada declara quo nfio
responde por divida alguma activa ou pas-
siva, que seu caixeiro Jos tenha feito ou
faca. E. Dalairac.
Gasa de commissao de escravos.
Vendem-se escravos e recebem-
se de commissao, tanto para a pro-
vincia como para fra della, para
o que se offerece muitas garantas
a seus (ioiios na ra da Cadeia do
Kecifen. 51, primeiro andar. .
Mobillas de aluguel.
Alugam se mobilias completas, ou outro
qualquer traste separado, tambem se alu-
gatn cadeiras em grande porelo para olli-
ciosou bailes : na ra Nova, armazem de
trastes do Pinto, defronte da ra de Santo
Amaro.
Preclsa-se de um caixeiro para tomar
eonta do urna venda por balanco, e tambem
se Ihe dar sociedado entrando com alguns
fundos: quem estiver nestaa circumstan-
cias, dirija-se Fra de Portas n. 89.
O abaixo assignado faz sciente a quem
interessar, que o escravo de nome Antonio,
crioulo, de 7 a 8 annos ; Antonia, parda, "de
10 a 11 ; c Mara de 8 a 9 pouco mais on
menos, pertencentes a Manoel Jos Vieira
Braga Ihe eslSo hypothecados por escrip-
tura publica, c registrada no cartono das
revistas desde odia 11 de outubro de 1849 ;
e para que ninguem faca negocio sobre os
mismos escravos sem ser o mesmo abaixo
assignado ouvido, fa^ o presente'annuucio.
Jot da Silva Moreira,
Altenclo !
Boga-se ao Sr. Manoel de Annunciaco
Borges que baja de apparecer na ra do
Crespo 11. 21, a negocio quo Ihe diz res-
peito.
Aossenbores de engenbo.
O arrematante das aferices desle muni-
cipio pula ultima vez faz certo aos que an-
da nSo mandaran) aferirsuas ancoras, no
obstante os continuados avisos, no EO pe-
tos jornaes, como pelos cargueiros dos
mesmos genitores, e nSo Ihe tendo sido pos-
sivel [conseguir amigavelmenle a referida
.IVi iciio, sfim de que nflo soll'ra nos seus
interesses, tem determinado usar do; meios
que a Ici imje a respeilo ; e por isso pre-
vine em tem(.o aos mesmos genitores, pata
que no apparecain duvidas.
Na padaria doSaraiva, na ra do Mon-
dego n. 95, precisa-s de um ptimo for-
neiro.
Sorvete.
No Passeio Publico, com entrada tam-
bem pela ra do Collegio, ha um armazem
prompto para as pessoas que a troco de 210
rs. cada copo, modida velha, os queira sa-
borear.
-- Precjsa-se alugar um preto que seja
deligente esirvs para bater sol vete : quem
o quizer alugar, dirija-se ra estreita do
Bozario n. 20, segundo andar.
O Sr. Jos Antonio Coelho de Goes, mo-
rador em Santo Anlflo, queira responder as
duas cartas que Ihe dirigi I. L. P. sobre
negocio: isto al odia 15 de maio futuro.
Precisa-se de um ou mais olliciaes de
entalhadorespara a igreja da Paz dos Afo-
gados : quem pretender, dirija-se a casa
das aferices.
(j No dia 8 para 9 do correule, s 8 >
p, horas da noite, desappareceu o pelo fj
q Paulo, de nacilo Benguela, do 30an- q
55 nos pouco mais ou menos, estatura q
Y regular, rosto um tanto largo, beicos y
J? grossos, bucea grande, nariz chato, X
** cabellos grandes, com (alta na co- J^
O roa d cabera proveniente do carre- *J
O garpeso, falla um tanto fina e des- O
caneada, eem certas perguntas usa
da res^osla senhor sim, ou senlior >
Q n3o, no andar gnga um tanto com Q
q as peritas trocando-as para unte ou- Q
^ tro lado, bebe garapa e ago'ardente ; rj
S levou calca de casimira azul-ferrete
I com lislrasao contpt ido o alravessa- /;,
9 das formanloquadros, camisa de ma- X
P dapoiaoe chapeo de pello preto no- **
O vo.. Este escravo foi de Antonio Joa- 0
& quim, morador em Fra de Portas, e I
O cun leuda de sapateiro na ruada Ca- Q
Q cimba, tendo o escravo principios q
f% do mesmo ollicio roga-se a quem o q,
if assignado, que pagara todas as des- ir.
~ pezas Renerosamenle,na ruada Cruz Jx
do Becife n.63, on atrs do theatro
velho, armazem que se vende taboas
O de pinito, no qual servico sempre es- 0
0 tkva o uiesoio escravo oceupado. Q
Q Juaqatm Lopc.i de Almeid. O
Precisa-ie de um menino portuguez uu
brasileiro para lomar conla de unta peque-
a venda na povoagSo dos Airombados:
quem quizer, dirija so a dita povoaro,
casa 11. 25.
O rapat portuguez, que no Diario de 28
do corrente, de 20 anuus duidade.se oll'e-
n ce para caixeiro, declarando ler bastante
pralica de venOa, dirija-se para tratar a ra
larga do Bozario n. 52, venda, ou ootro
qualquer, que tenha bstanle pralica do
mesmo estabeleciutenlo e d fiador sua
conducta. '
Tem-se justo a compra da padaria sita
na ru da (doria n. 55, o o deposito em o
Aterro da Boa Vista n. 38, com o Sr. Fran-
cisco Jos de Matos Braga : quem se adiar
com direiio aos mesmos estabeleciinentos,
anuuncie por esta folha no prazo de Ires
dias. Recite, 28 de abril de 1851.
O bacharel Antonio Mana de Faria Ne-
ryadvoga na ra do Apollo 11.15.
Aluga-se um sitio dentro da pra<;af
com a frente para o becco das Barreiras,
proprio para se plantar um ludo, por ter
boas Ierras, e por cominodo pre;o : a tra-
tar na ra do Cotovello ns. 29 e 31.
Aluga-se o larcelro ailar da ra do
Queimado n. 9 : a tratar na loja do mesmo.
--OsSrs. Antonio Ferrera Billar, arren-
datario ;do engonho da ilha das Cobras, o
Flix Cavalcanti de Albuquerque e Mello,
da cidade da Victoria, silo rogados a com-
parecer na botica da ra etreita do Boza-
rion.23, para ullimarem aquello negocio
que se comprometieran em Janeiro prxi-
mo passado.
Perdeu-se, na tarde de domingo, 27 do
corrente, urna pulseira de pedras brancas,
do braco de una menina quo acoinpanha-
va a prociss3o, vestida de anjo, e como seja
obra de pouco valor, prometiese a pessoa
quo a tiver achado urna gratficar;iio maior
que o valor da mesma, na ra da Mangue -
ra, casa terrea n. 3.
W Chapeos de sol.
3WE Ra do Passeio, n 5.
N^sta fabrica ha presentemente um rico
sormento dostes objectos de todas as co-
res e qualidades, lanto de seda como de
panninho, por precos commodos ; ditos pa-
ra senhora, de bom gosto: estes chapeos
s3o feitos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na mesma
casa se acna igual sortimento de sedas e
panninho imitando sedas, para cobrir ar-
maces servidas : todas estas hienda! ven-
dem-se em porcSo e a retalbo : tambem se
concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
basteas d ferro como de baleia, assim como
umbelas de igrejas ludo por preco com-
modo. Na mesma casa ha chapeos do sol,
de marca maior, de panno e de seda, pro-
prios para feilores de engenho, por serem
dos mais fortes que se podem fabricar.
I iimliiiio d" V11 ro i.
C. Starr & Companhia, respetosamente
annunciam ao publico, que o seu estabele-
cimento para manufactura de toda a espe-
cie de machinismo tendo desde o seu prin-
cipio em 1829 ido constantemente augmen-
tando, tem hoje chegado a um estado de
perfeico tal, que nao be inferior aos me-
luiri's que existem em todo o imperio, lan-
to pelo que diz respeito a capacidado do
edificio, como pela excedencia dos mate-
riacs e pericia dos seus embregados ; o que
os habilita a offerecer-se com confianca pa-
ra a ponlual rxecucu do tuda a especie de
machinas de vapor, de qualquer tamaito
ou desciipco que sejam, lixas, para na-
vios, ou locomotivas. Igualmente caldei-
ras parar vapor de todas as dimensOes, enge-
uhos para cannas movidos por vapor, por
itgoa, ou por animaes, co.n todas as varie-
dades de moderna invencilo. Tachas de to-
dos os tamaitos, alambiques do ferro de
todas as capacidades, instrumentos de agri-
cultura, rodas d'agoa e monillos de vento
de todas as qualidades. Alvarengas c em-
harcaces de ferro de qualquer porte ou for-
ma que se desejem. Puntes de ferro de to-
dos as dimensOes, gradaras, varandas, por-
tes, columnas, sinos hydraulcos, Imias de
ferro, e n'uma palavra todas as obras de
ferro e bronze, do quo o pall possa precisar
Cnn.-iis a energa do goveinu, existe ja urna
excellente estrada feita em linlia recia da
ponte da Boa Vista para o estabeleciinento
em Santo Amaro, oque olTerece a maior
commodidade s pessoas que o quizerem
visitar.
fe*#**:f>> 9t9:;##
fe Consultorio c-ntrnl liomoeo- ^
U pntliico de Pernambneo, y
% Dirigido pelo Dr. S. O. L. Pinho, +
ti Ba do Trapiche Novo 11. 15. 4
O" Todos os dias uteis tedirn con- 4
- sultas o remedios de graca aos po- f
?i hres, desde pela maiihaa al as duas >i
^ horas da tarde. ijk
V As correspondencias e nfnrmac.es #
(i> poderao ser dirigidas verhalmente, '4
'+: ou por escriplo, devendo o doenle f
* indicar : primeiro, o nome, a ida'le, }
? estado, proisBo e constitniQlo ; te- 1
t. gundn, asmoleslias, quetemtido, e
^ os remedios tomados ; lerceiro, a po- %
ti ca do appBrecimento da moleslia ac- ;J9
>i> tual, edescripcao minuciosa dossig- naes ou symptomas que soirre. i^
fr. Sabino Olegario l.udgero Pinho. ?
%%m%%99'%*% ##:**
__Na ra do (.'abuga loja n. 1 C, se dir
quem vende urna bonita crioula, que engom-
I na 111111 [o bem, coiiulia, faz doce, refina assu-
' car e cose alguma cousa.
O Sr. Antonio Alves Pimentcl, morador
I na freguetia do Remedio queira ir pagar o im-
[ porte de unta lettra vencida ha 'A annos, que
i deve na ra Mova n. 9.
precisa-snde um feitor ( danilo-se pre-
jferencia a Potluguez filho das libas ), que
Iseja casado, paia um sitio 110 lugar do
Remedio, que gaiba trabaihar do enxada,
f tratar de arvoredos, de veiduras c de flo-
res, e d Dador sua conducta, com a paga
I de 18,000 rs. por mez : quem estiver tiestas
circunstancias, dirija-se ao porleiro da al-
fandega desta cidade.
Quem precisar de um ollieial de barbei-
rn, duija-su prsfa da litdepi.'itdencia nu-
mero 32.
OSr, Miguel Connives do Farias, que
costunia a lomar p3es de vendsgem, o he
morador nos Afogados, queira ter a bonda-
de de ir pagar o que deve na padaria nova
do Manguinho.
Roga-se ao Sr. Anlonio Sabino Ferreu-
ra Callado, que venha pagar o mez da casa
que licou devendo, na quanlia de 14,000 rs.,
na ra do Padre Floriatino, na ra da Ca-
deia do Recife n 51, segundo andar; do
conlrrio teta sempre de ver o seu nome
nesta folha.
DSo-so 100,000 rs.
A pessoa quo desrobrtr o ladrfio tu la-
dros, que ainlam roubando as l'ateixas e
amarras das canoas ealvattngas fundeudas
no Mosqueiro, efundeadouros contiguos a
esta cidade do Recife.
Alugaut-seduasescravas paia vende-
rem na ra : quem s liver, dinju-se ra
da Cruz 11. 49.
Precisa-se alugar una preta forra ou
captiva propria para servico de casa : na
praca da Independ utia, loja n. 3.
Precisa-se alugar uina escrava para ser-
vir a unta s pessoa : na rita do Cano n. 12.
Precisa-se de um forneiro : na padaria
da ptaca da Santa Cruz, pur baixo do so-
brado u. 106.
-- Kiigomma-se e lava-se toda a qualida-
de de roupa com lodo asseio e muita promp-
ttdflo, por preco uiats couimodo do queem
outra qualquer parlo : na ra de Aguas-Ver-
des, n. 26.
O bacharel Florencio daSilteira Caval-
canti de Albuquerque advoya no erimt e ci-
vel, tu segundo andar do labrado n. 18, ard
da matriz de Santo Anlonio.
HaMppBS1
Alugam-se o vondem-se bixas hamlmr-
guezas das melhores que ha no mercado,
tanto em porcflo como a retalho : na venda
de Domlnsos da Silva Campos, ra das Cru-
zes n. 40.
--Tendo fgido do Recife, em outubro
de 1848, um nardinho claro, de nome An-
dr, cabellos louros, olhos grandes, de 11
nnos pouco mais ou menos, dizem que
anda como forro ; suppes oslar em Plane,
onde leu) a av, a parda do nome Thereza
de Jess, imilla da parda Ignacia, que foi
escrava do Antonio Bernardo, morador em
Flores, e que para aqui fugio em 1849, di-
zem que com urna carta de alforria falsa,
passada pelo escrivSo Manoel Vicente Con-
;alves Ayres, roga-se a quom o apprehen-
der de "o levar no Kccife a Manoel Alves
Guerra, qne receber a gratificado de cent
mil ris.
"nulo Galgnoux, dentlata *
w finncc/.. offereee seu preiu* s
mono publico para lodosos *>
* mtsterea l- snn pronso : w
? pode ser procurado a qual- 9
9 quer hora em sua casa, na ,*
# ra larga do Rozarlo, n. 86, -*
* -i autillo andar. <>
Lotera^ da matriz da Boa Vista.
andamento das rodas he no
dia j annunciado a de junho vin-
doaro s 8 horas da manhaa no
consistorio da mesma matriz, e o
restante dos bilhetes est a venda
nos liigaies docostumn.
-- A commissao adminisdatlva da sociedade
vpnliiiiM lai publico que na reuniao havida no
dia 25 do corrente se deliberou que foasein de
novo convidados os respectivos socios para
comparecerem no dia 2 do prximo futuro mei
as 5 horas da tarde, em o numero de que tra-
ta o final do art. i7" dos seus estatuios, visto
que os socios, que comparecern! concorda
rain na conveniencia da dissoliico da mesma
sendo que atiento o estado de iinpossibfidadi
de sua cominuaco, no dia novamenledesig.
nado se lomara respeilo urna resoluco deli
niliva, qualquer que sej.i o numero de socios
presentes. Outro sim, deliberou-se igualmen-
te pie de novo se couvldasse aos socios, que
r ai h.i ni atrasados para com a sociedade aliiu
de que al o mencin ido dia 2 de malo salisfa-
i'.iio seus dbitos, sol) i-i-n i de seren iliimna-
dos nos termos do artigo 8. dos eitalutos, e
nao poderem depois reclamar contra a decate
que por ve, tura l'or tomada na proXtnft rc-
unio.
Precisa-se alugar um sitio, que tenha
boa casa do vivenila, e que soja perto da
[irac. preferindo-se perto da 8oledade, pa-
gndose bem se tiver boa baixa para rapin:
a tratar com o Dr. Hoscoso no consultorio
lloitiusopathico, rita do Collegio n 25.
Compras.
Na ra da Cruz n. 49, cotnprani-se charu-
tos a 7,000 rs. o niillieiro, feitos na Ierra na
mesma caa vendem-se a 400 rs. o cenio viu-
dos da Babia.
Vcnde-se um negio para todo o servico
limito forte e sadio, o motivo da venda se dir
ao comprador na ra do Queimado n. lOloge.
capini e o terreno consistente de barro, com
jambieiros, manguen as, jaquelras e varias ou-
tras frmeiras, pelo preco de i :3U0,1)00 rs. pou-
co mais ou menos, dinlieiro :x vista : quem
quizer vender fardo favor de por este jornal
anmiuciar.
~ Coitiiiram-se effectivantente garrafas e
botijas vasiasa 7,000 rs. o cento : na praia
de Santa Rita, reslilacSo de Franca ce Ir-
mflo, o no deposito da mesma, na travessa"
da Madre de lieos n. 5
Coinpraiii-se traslesj usados de toda a
qualidade, tambem trocam-se por novos
na ra Nova, armazem do trastes do Pinto,
ii'li .mi da rus di' Santo Amato.
Vendas.
liilii les do Rio de Janeiro.
Aos 30:000,000 rs.
Na loja de miudrzas d.i praca da Indepen
cia n. 4, vendem-se bilhetes inteiros, meios,
quartos e oitavosa beneficio da falrica de vi-
dro e papel do Rio de Janeiro.
Vendeni-se ps de laraugeiras de dille-
rentes qualidades, em estado de seren muda-
dos : na estrada dos Allltclos em una venda.
__Vendem-se 2 excellenles clavinoles na
travessa da Madre-de-l)eo n. 5.
Vende se um engenho de fiar algodao :
na ra do Hospicio na venda do l.cio d'Ouro.
__Vcnde-se a (averna da na Dlrelta n. 18,
com pomos fundos, propria parauin princi-
piante, muito afregueada, (auto para a (erra
como para o malo : a tratar na mesma venda.
Vende-sc para fra da praca uin polli-
to escravo, e bom ollieial de inji'cineiro : a
tratar na ra Nova com Antonio Domingos
Pinto.
__Vcnde-se ou arrenda-sc pin sitio perto
da praca, com boas proporcOeS,qM vista do
comprador ou arrendador ae declarar : quem
pretender, dirija-sc a ra da Cadeia do Recife
n. 51 luja, ou 17.
-- Vendc-se urna barcaca de lote de 20 cai-
cas nova de primeira viagem e bem construi-
da, e prompta a navegar : quem a pretender,
dirij.-se a bordo da mesma denominada Moa
>n(urn, junto ao trapiche do algodao queacha-
rao com quem tratar.
A 59000 cada um.
Na ra do Queimado, defronte do becco
do rvixe Frito 11 3, vendem-sc ciberlores
lo Porto, miiilo grandes o encorpados, pe-
lo liaratissimo prego de 5.000 rs. cada um.
Vende-se urna inorada de casa no lugar
do Casanga, a inelhor que naqueue lugar
existe, por litar ao p da ponte, cuja lie de pe-
dra e cal, com duas gran.le salas, seis quar-
to, corredor lavado, quiilalcom alguns ar-
voredos, banho no fundo do mesmo, mimo
proprio para qualquer familia, por prejo mui-
to commodo, por a dona querer lequidar eon-
ta : naCambos do Carmo n. 33.
Vende-se o sitio do" Retiro defronle da
ponte da Passageni da Magdalena, com urna
grande casa de pKtlxa e cal, e tres mais peque-
uas, com inultos arvoredos de fruclo : quem o
pretender, dirija-se ao meamo, que achara com
quem tratar.
- Na estrada de Joao de Barros sitio que foi
do lulo 1 ni" Manoel' Bcrnardino, veudem-se
il.ni-. terrenos do mesmo sitio, os quacs tem
arvoredos de fruclo e vlveiro em uin dos di-
tos terrenos, tendo extensilo qualquer delles
para un bom sitio : quem os quizer, dirija-se
ao n Irru" sitio, .-11111.1 adiar com quem
tratar.
Vende-se um bonito moleque crioulo de
13 annos, com principios de marcineiro, um
dito de 7 annos tambem muito bonito, um pre-
to lambein crioulo de 22 anuos perito sapa-
teiro de toda a obra, tanto de corte como de
exeruco para a praca e que d certo 10 rs.
diarios, e urna mulatinha de ib annos, com
principios de costura, engoinmado, cozlnhado
c bem propria para educar por ter Ido do
mato : na ra larga do Rozarlo n. 35, loja
Vendem-se t0 escravos. sendo uina p-
tima cicrav de Idade de 20 annos, de bonita
gura "ngom.ua bem e cose, faz doces cco-
/inha, outia dita de idad de 18 annos, con,
algumas habilidades, quatro ditas 0P"'"'P"-
ra 10.10 o servico, '.uatro escravos de bonitas
figuras, sendo um bom moleque de lame ae
14 anuos 1 na ra Direita n. 3.
He de Graca.
Vende-se um trreno com 60 palmos de
frente e os fundos at ao caes, tem ja mais de
130 palmos de alicerce. n'iim dos oites, ue si-
tuado na ra da Praia da ribeira, fai-se todo o
negocio : quem o pretender, procure na ra
do L'abug loja n. ll.
Vendem-se hoje mesmo at ao mcio-aia,
na ra daUniao juuioa casa n. 1, 118volumea
em francez em boa cncadertiaciio e sem tacha
alguma por 50,000 rs., s obras sao as segua-
les : Voitere 36 V. Pcganlt-Lebrum 30 v. Ju-
risprudence Francaisc por Ledru-Rollin 12 v.
c os mais romances histricos. .
Sahio a luz de prximo na cidade da.Ba-
ble urna obra etn que se moslra a verac.dadr
daappariao deNoaso Senhor Jess Christo a
D. Allonsollenriquesno campo de Ourique, e
que NapoleSo o grande he vivo e vai pela ter-
ceira vei oceupar o Ihrono de Franfa : vnde-
se na ra da Cruz do Itecife n. 52, primeiro
andar, pelo prCco de 1,000 ra. cada exemplar.
Vende-se por muiocoinmodo preco urna
parte do direito de heranca em Apipucos.com
uina grande posse em un. sitio com casa de
vivenrta, estribara, casa de farinha etc. e mul-
ta malta virgen, para se faier carvo, como j
se ten feito alm de outras vautagens : quem
pretender, dirija-sc a Apipucos a fallar com
Jacintho Josede Souza, ou com o Xic na cai-
ga d'agoa.
Economa para o invern.
O barateiro do Passeio Publico Firmiano Jo-
s Rodrigues 'erreira, na sua loja deja. II,
vende superiores corles de casimiras de algo-
dao, faicnda muito eucorpada c de cores es-
curas, padrocs os mais lindos ao barato prefo
de 1,4 lo rs. cada um ci(c, e quem nao com-
prar.-'. .' Cmbralas de cores ao barato preco do
100 rs. o covado, fazenda larga e muito filia.
chitas franceas largas gostos modernos a 32(1
rs. o covado, pannos finos de lodas as cores,
selim ni 11 i", sarjas largas, superiores meri-
nos pretos, len{os de seda de cores para ho-
iiirin, fa/.euda superior, casimiras elsticas,
meias ditas, gorgures de seda para coleles,
brinsde linho trancados de todas as qualida-
des, castores para calcas, setius lavradospara
vestidos, challes ile seda e 1.1a e mullos outros
pidres, chapeos de in.issa Iraucetes, inadapo-
les, cusas chitas, chitas de todas as qualida-
des, riscados franceies, esguioes de Hubo, t-
peles, chiUS cassas a 1,200 rs. o corte, algo-
does sortimento completo, e outras multas
faiendas que se venderao a vonlade dos sculio-
res compradores.
Licores de todas as quilidades,
Sgoardente do Reino,
Dita d'anit,
Genebra da trra e de Holanda,
Espirito de 38 graos,
Agoaidente de c.inua superior,
Vinlio de caj de 4 annos.
Vendcm-se a precos moderados, e cncarre-
ga-se do despacho para exportado : no de-
posito da resilladlo de Franca & Inuao, na
travessa da Madre de Dos n. 5.
lUoiohofl de vento
eoni bombas de repucho para regar norias
d haixas decapito : vendem-se na fundiQlo
de Rowinan & Me. Callunt, na ra do Rruta
ns. 6, 8 n 10.
Deposito de cal e p.^tassa.
No armazem da ra da i.'adeia do Peclfe n.
12, ha 100un superior cal de Lisboa em pedra,
assim como poiassa chegada ltimamente a
preco multo rasoaveis.
tap Paulo ordeiro do Rio de
Janeiro
em Islas e frascos, chegado recentemente :
vr-nde-se na runda Cadeia do Recife, loja
11.50, de Cunta Polassa da Russla.
Vende-so polassa da Russia, recentemen
te chegada, o de muito superior qualidade
na ra do Trapiche n. 17.
; ^-..:**,* **i-;*****+>*
Aliiodao para suecos. ft1
S Vende-se muito bom algodSo para >;>
*> saceos de assucar, por precocommo- $'
do : em casa de Ricardo Royle, na *
4 ra da Cadeia n. 37. k>
? ^?>.|i5-:~ ( &&:9>&.9999i(9
Deposito de cal VtVgcm.
Na ra do Torres n. 12, lia muito supe-
rior cal nova em podra, chegada ultima-
nento de Lisboa no brigue Tarujo-Terceiro.
l'adeiras e sofaes
para meninos : vendem-se em casa de Kalk-
mann Irmaos, ra da Crui n. 10.
Bombas de Ierro.
Vendem-se Lombas de repuxo,
-pendulus e picola para cacimba :
i>a ra do Brum ns. 6, 8 e 10,
Jundicao de Ierro.
Arados de ferro.
Vendein-sc arados de diversos
modelos, issim como americanos
con cambo de sicupira e bracos
de ferro ; na fundicao da rus do
Brum ns. 6, 8 e IO.
Deposito de cal virgem e potassa.
Cimba & Amorim, na ruada Cadeia do
Reci'ii.50, vendem cal viigem em pedra,
chegado pelo ultimo uavio de Lisboa, e po-
tassa de boa qualidade, por menos preco do
queem outra qualquer parte.
Arados de ferro.
Na fundiciio da Aurora, em S. Amaro,
vendotn-se arados de ferro de diversos roo-
lelos.
Surja Itespanbula limpa muito lar-
_ ga a 2,000 rs.
Vende-se sarja hespanhola muito larga e
mdito eucorpada a 2,000 rs. : na ra larga do
Rozaiio n. 48, primeiro andar.
Vendcm-se relogios de ou-
ro e piala, patente inglez : na ra
da Senzalla Nova n. 4*.
Obras de ouro
ebegou um novo e. completo sortimento de to-
das as qualidades, como sejam, crreles pa-
ra relogios, aunis, pulceiras, aluuetes, ade-
recos, brincos, voltas, etc. : vendeu.-se em
casa de Kalkmanu Irmaos, ra da Cruz nu-
mero 10.
Viuho de Champagne
de superiores qualidades : vende-se ean casa
de kalkmanu Irmaos, ra da Cruz n. 10,


Vende-se um lindo moleque crioulo,
de 18 a 20 annos: no Aterro da Boa Vista
n. 48, segundo andar.
-- Vemfom-se quatro taboletas de Tina
m.ideira, que servem para pArsobre bal-
cOes, tanto para ourivcs como para toja de
miudezas, o igualmente atguns cai silbos
envidracados, tudo por prec,oomcnodo : na
ra Nova,.toja n.23.
Para bailes.
Vendem-sc ricos cortes do vestidos para
senhora, das lindas eambraias de seda
transparentes, de gostos novos, as quaes
s3o denominadas Mimos do Co : na
ra Nova, luja n. 23, de Antonio Comes
Villar.
Arados, americancs. *
^ Vondem-se arados americanos ver- ^
sj> dadeiros, chegados dos Estados- &
i> Unidos : na ra do Trapiche n. 8. 4$
Cortes de chita do ultimo goslo
8 2,00)1 e a 2,500, e algodSozinho a 1,600
ea 2,000 rs. a pega.
Na ra do Crespo, loja da esquina que
volts para a Cadeia, acaba de chegar um
bello surlimento de cortes de phita de boin
posto, com 12 covalos, a 2,000 e a 2,500 ;
tssim como pegas de slgodflo com toque da
averia, a 1,600 e a 2,000; lencns de seda
2t>v*ras cada um : na rus larga do Rozario
n. .18, primeiro andar.
Sao baratsimo*.
Vendem-se muito superiores charutos,
chegados recentemente, por prego mais
commodo do que em outra quaquer parte,
tanto em porgSo como a retallho. por se
querer concluir breve : na ra da Cadeia do
lecife n. 34, primeiro andar.
Vende-se junco bruto para e mpalhar
cadeiras : na ra do Trapiche n. 8.'
Vende-se carne de vacca salgada em
barris : na ra do Trapiche n. 8.
Q Objectos de borracha. G
J* Na loja pernambucana, de *|
0 Antonio Luiz dos Santos, ^
O ra do Crespo n. II,
/.-> vende-se superior ainaionaiinpermeiavel;,
r.n Af hnrrarha. brancas e relas : v
? Peroeb as lustrotas ;
A Sapalos para houiein e senhoras ;
Arte de nadar ;
w lloias de salvaco ;
Q Frascos para cacadores ;
?> l.apas de espingardas.
A Soo n. o covado.
Defronte do buceo do Peize Frito, loja n.
3, vende-se alpaca do cordSo pvt*, pelo
bsralissimo prego de 800 rs. o covado. lista
0
nimio bonitos, a 1,440,1.600, 2,000 e 2,240 ; rt./(.,, ne rccommendavel, nSo s para cal-
alpaca decores para palitos, a 800 rs. oco-|c|S jaqlle|fls palias, como tamben) para
vado ; dita dea Igodao, a 280 rs. ; eoutrasj t'aes e vestidos de montana: dar-se-ha
miiilas fazendas por pregus commodos.
-- Vende-se, na ra Nova loja n. 23, as
obras seguimos : obras completas de yol
litire em 7 volumes, com gravuras linas e
meia encsdernacSo, por 20,000 rs.; ditas
liopradt, em 9 voluincs, por 12,000 rs. ; di-
tas Asair, em 3 volumes, por 4,000 rs ; di-
tas Mattbus, economa poltica, em dous
volumes, por 4,000 rs.; ditas de Adam
Smilh, em quatro voiumes, riqueza das nar
cOes, por 6,000 rs. ; Historia de las Cazas ;
ditas do Mxico, 9 volumes, por 2,400 rs.;
ditas Universal de M Hu pin 10 volumes, po-
12,000 rs., em porluKuez ; ucyclopedia-
methodica, lgica e nielhaphysica, publi-
cada pur Mr. Lcrele lie, 4 volumes em quar
to, por 8,000 rs. ; dictiunusire hislonque
em 30 volumes, par une suciele de gens de
Irires, por 30,000 rs.; dita d'Academia frau,
cera, 2 voluntes, por 16,000; obras com-
pletas de Rouseau em 21 volumes, por
12,000 rs.; ludo bem encadernado e em
obm estado.
Na nova fabrica de chocolate de saude
homceopathico, a, provado e applicado pe-
los Srs. Hrs. da lioma-opalhia,. na ra das
Trinrbeiras n. 8, existe o excelente choco-
late lino amargo bespanliul para regalo, di-
to entrefino temperado tambem para rega-
lo edito para o diario, sendo tudo feto
cum o i!i;i iiii- asseio possivel; assiiii como
cale moido do melhor que lia no mercado,
toila a quaiidade de assucar retinado e grus-
so e excedente cha, tudo por prego iiuilo
comniudo. Na mesis casa precisa-se de
um pequeo de 12 anno.s, porluguez, pre-
rerindo-se dos recentemente chegados Je
Portugal.
Vendem-se, com preferencia para lora
da praca, duas eslavas muito mugas e de
bonita*figuras, sendo urna prela crioula,
boa coslureira, engommadeirn, cozinbeira
e lavadeira, propiia para lodo o mais sir-
vigo de ra e campo por ser de buoi coipo ;
urna linda mulatinha com as mesillas habi-
lidades, a qual rom quanto seja defeiluoss
de uuia penis, islo niesmo nSoa prohibe de
todo e qualquer servigu, a uem he de risco
algun : na ra da Cadeia do bairro de San-
io mii,un,i n. 25, segundo andar.
Vnile-se superior cognac velho, em
barris de 12 a 24 ranadas : na ra da Cruz
ii. 55, casa de J. Keller 6 Coni| anliia
Vende-se gesso em barricas, viudo no
ultimo navio cnegado de Franca, tendocs-
da bairica 20 arrobas pouco mais ou n.c-
nos na ra da Gru n. 55, casa de J. Kel-
ler e Companhia.
l'ara o invern.
A 2,240 rs. um corte.
Na loja n. 5, do CuimsrScs & delinques,
vendem-se cuites de casimira de algodSo,
miiilo encorpailos, padrees escuros, com 3
.T|4 covados, pelo liarato prego de 2,240 rs.
cada um corle ; assim como oulras muila
telendas baratas.
A 5Go rs. cada um.
Na loja de Cuimar.les & llenriques, na
ra do Crespo n. 5, vendem-so lengos de
seda, muito finos, pera meninos, pelo bara-
to prego de 560 rs.; chai eos de sol de pan-
ninho, armaran de balcia, a 2,000 rs. ; o
amigo algodSo transado monstro, a 800 rs.
.'i vara.
Cortes de casemira elstica
pula diminuto prego de 6,000 rs. cada um,
acham-.cc venda na rus do Crespo n. [5,
loja que volta para a ra do Collegio, lti-
mamente chegadas.
sMiiir ritnint r i' f && ^s^'iikiitJCiitttiiistt
j\a loja pernambucana, ue
Antonio l.uiz dos Sanios,
na ra do Crespo n. I I,
vende-se panno lino a/ul de muito boa
5uahdade pelo baralissimo preco de
,500 rs, o covado.
mmmmtmmw:m mmwwmwmmvT
(Jueijos e prezuntos.
No .. r 11 .-.- < ni de Mauoel Francisco Marlins &
lrmo, vendeau-sc queijos lundriuos, prezun-
tos ingleses e do l'orlo, talas com bolasinha
ingleza, ditas de ararula, ditas com sardinhas
e ervilhas, carnes, conservas inglezas, e mais
diversas gneros, tudo rin cunta : ua ra da
Cruz n. 62.
Sement de ortalice de to-
das as qualidades, feljo carrapalo muito no-
vo, vindo de Lisboa no brigue ConceicSo de Mu-
ra : na ra da Cruz airas da tacrestia do Cor*
po Santo n. 62.
Na loja de J. L. B. Tahcrda, na ra do
Crespn 10, vende-se casimira para pali-
tos de dilerentes cores, a 1,200 rs.; dita
muito propria para forro de carros, v 1,700
rs. ; corles de vestido de lita eseda, do mu
boi gosto ; ditos de cambraia de dita ; as-
siai como chitas a 160 rs. o covado ; lila e
seda para vestidos, a. 160 rs. idem; e
outras muitas fa^nJas batatas e proprias
para a presente estaeflo.
-- Vende-ae urna escrava de Angola, de
30aiuos, a qual sabe vender de taboleiro,
lava roupa e tem om leite para criar, vindu
do Ico : na fu dos Tanoeiros, armazem n.
5, se dir quem vende. .
Veiidem-.se saceos novos do estopa com
|Jail
amustia com o competente penhor.
Do suporior quaiidade.
Cimento novo, chegado ltimamente do
llamburgo : ven le-se no armazem de Vi-
cente Kerreira da Costa.
T
4)
s

'
c
i
ce o
cj
O c o ^
- J ti v '>
os a
et a2
B S. .. o f -
! c o 3 = _
5 S "9 i
o
O
o
oas-asii
o.re
a O
i.
>
N
'5
c"
S
s
O"

X p5
-da,

O
O.
*
5 S B '-o
-S>L3 2 ~ CP 2"3 3
SoSi-S!0,
o ~~ c v o o

B 1
9 c
t, Q
O c- ,j,
5 i
I
z =-7-=
V o o r %
s n c. 5
"- = ? 3
a/j o. w r 9
<==SS
i

i
Vende-se una dutia de cadeiras auierica
tus com assenlode palha, em miiiio bniii uso
por preco cominod ; no pateo do l'araizo, de-
fronte do i|uarlet de polica sobrado u. 1 e-
guudo andar.
XZj- ItAPASIADA ALERTA.
Na confeitoria da Ra estreila do Rozario n.
43. riMini,ii.i ter sorveles lodos os das das ll
horas as 2 da larde e das (i as 9 da uoile para
corroborar a libra calmosa da rapasiada, pela
usignficante quanlia de 2-iO rs.
~ Vende-se um grande sitio no lugar do
Manguinho, que lica defronle dos sitios dos
Srs. Carneiios, com grande casa de viven-
da.de quatio agoas, glande senzaila, co-
cheirs, estribara, bsixa de capim que sus-
tenta 3 a 4 ravallos, grande cacimba, com
liotnba e tanque coberlo para banho bas-
tantes arvoredos de l'ructo: na ra da Con-
cordia,primtiro sobrado novo de um andar.
Ventii-m--e os objectos seguintes.
Os prclendenles que quizrrem comprar 5
bandeiras de portas j envidracadas, ( o que a
Vista lazf.Je <|ue niio (|uriram ler o euioin-
inodo em manda-las linter lenliain a boiidadc
de dirijircm-sc a roa do Hospicio delronle da
casa do Sr. Arceno, que se dir quem vende,
pois que i.uiil,, ni na uiesina casa se vende um
excellenle piano, ineio apparelho de louca
dourada i iquissima, como bem seja duas du-
nas de calx de crysl.il para champaiiha c va-
rias garrafas de vidro, quatro pclles de onca c
varios uutros objectos.
- Vende-se manleiga ingleta superior a 3(30
rs., dita para niellior a 4(10 rs., dita primeia
sorte aU4o rs., biclias de llaiuburgo, alugadas
a 240 rs. e vendidas a (540 rs. cada urna : no
Atierro da Koa Vista, junto da refiuacao nu-
mero 70.
Vendem-se 3 escravas, urna parda qOe
engomma c coziulia mullo bem, c faz todo o
mais servico de ra c casa, duas prelas que
engoinmam, cozinhain e lavain roupa muito
liem : na ruadoCollegio n. 2l primeiro andar,
se dir quem vende.
Kiva mate,
i.iaca de vimes,
Gigos c garrofas,
Genebra de llollauda em fras-
rjnieiras : vende-se n tra essa da
.Madre de Dos n. 5.
-- Na ra do Livramentn n. 38, vende-se i
liil.ini,-.-! grande, i dita pequea, 2 pesos de 2
arrobas, \ lerno de dilos, de i arroba at meia
quarla, por prejo commodo, eji aferido esle
anno.
IIIcrs badetjas.
Vendeui-se as mais ricas bandeijas de pintu-
ras inniii, linas de mullo boni gosto, c por pre-
co mais i iiiiiiiiu,|., do que em outra qualquer
parte ; na ru.i dns_ i.hiaucis n. 24, tojadeiniu-
dezas de Jos Das Sin.des.
Itotoes pitra casaca.
Vendem- se botdes de seda prt-ta para casa-
ca, e de muito bous padres, por preco mais
mdico do que em nutra qualquer parle na
ruados CJuarleis n. 24, loja de miudcias de Jos
ias Siinoes.
I'.oiiiautcs niod riiissiinos.
Monte-Chritto, pur Alei. liumus, encader-
nado 14,000
Matitilde. memorias de una joven por E. Suc
8vol. 18,000
Carulltiru da Casa Vermelha: por Ale, Uuinas,
ti vol. 8,000
Mmlerioi do foro por E. Sue, 9 voluinc bro-
xura, 9.0U0
A ',.,, dai Uulhere por Ales. Duina 4
vol. 8,000
O anii-i inin; por Julio de Jnuruefort 5,0t'0
Paulina, por Alex. Uuuias, 2 vol. 4,000
" lluilardodeIHauleon, por lr.\. lunn. I0,o00
Vende-se no pateo do Collegio, casa do livro
tzul.
Vendem-se na ra da Aurora n. 32, latas
com IiiI.-immIi.-i-. de ararula novas, a 2,4u0 rs., e
em libra, a(540 rs., manleiga ingleza, a.'nm r.->.;
farluba de trigo superior, a I0U rs.; baulia de
poico, a320 rs.; lauguicas a -in is macar-
ro, a ni i rs. ; arroz brauco, a lOrs. farinha
de ararula, >U0 rs.
No escriptorio de F. S lia-
Lcilo ., F. no largo da asscmbla
n. 4 vendem-se pedias redondas
para ineio de sala, e *:ou>pridas
para cmodas ou mexaa, todo
de marmorc, e de bonitas cores ,
por preco commodo.
Na praca da Boa Vista, sobrado n. 12,
vande-se azeite do carrapato muito bom a
1,560 rs. a caada, e a retalhe de garrafa e
contra-metadea 1,600 rs.
.- Vende-ae um palanqun com vidro na
frente e com muito pouco uso, bem como um
berco de Jacaranda, obr mullo rica e oom
muito pouco uso i na ra das Florea, loja de
marcineiro, na quina que volta para o Cacmo.
Vende-se um muleque de 18 annos, bom
cozinheiro e serve mullo bem a urna casa, urna
negrinha crioula de iS annos, boa figura, com
bous principios de coslura e dos mais aervi-
cos de dentro de tina casa, est boa para qual-
Suer aenbora fazer urna boa mucama : na ra
o Collegio n. 21 primeiro andar.
Burros.
Virotiio, traduzido ao p da letlra, obra com-
pleta, 3 vol. 20 000
" Tilo Livio, Iraduzido com o lalim ao lado
por Brrelo Feio S.000
Horacio, traduido com o latini ao lado por
Costa e S, 3 vol. '0.00
Fbulas de Phidro, Iraduzidaa com o lalun
ao lado e enrequecidas de notas 5,000
Saluslio, traduzido ao pe da leltra S00
Vende-ae no paleo do Collegio, casa do Li-
vro Azul.
Franjas francesas para manteletes.
Vrndein-se as mais ricas franjas e trancas
par manteletes, de mullo lindos padres, por
preco mais mdico do que em outra qualquer
parte : na ra dos Quarteis n. 24, loja de miu-
dezas de Jos Ui.is Siiniii-s.
A 3,ooo rs a peca.
Vendem-se franjas brancas para cortinados,
toalhas e guardauapos, pelo mdico preco de
3,000 rs. a peca com i varas: na ra dos
(luarleis n. 24, loja de miudezas de Jos Das
Simes.
Vende-se um cavallinho bastante gordo e
bom carregador, muito manso bom para se-
nhora ou menino, por preco de (50,000 rs. :
na ra Uireita n. 25, primeiro andar.
Vende-se um nuil ni, lio quasi branco,
bom tiara pageiu, por preco de 450,000 rs.,
lambem se vende una linda negra boa para
enxada ou quitanda, por preco de 520,000 rs. :
na i n.1 Uireita n. 25, primeiro andar.
Attencao.
Na ra do Quelmado loja de ferragens n. 37
A, de Antonio Jos Rodrigues de Souta J-
nior, vendeiu-sc as excellentes panellas, cha-
leiras, fiegidrirase carcarolas, ludo forrado
de porcellaua e de todos os laman bus, por pre-
sos commodos.
Vende-se por preco commodo um oculo
de ver ao longc novo, assim como pares de es-
tribos muito linos de metal branco e ricos es-
tojos com perlences para barba e uuhas : na
ra do Qucimado loja n. 37 A.
-- Vendeni-sc as excellentes machinas de me-
tal branco proprias para se fazer caf com a
maior facilidade possivel c pelos baralissimos
piceos de 1,(500, 1,800, 2,000, 2,100, 2,400 rs.
cada una: na ra do Queimado loja de ferra-
gens n. 37 A.
Vendem-se saccas com fei
jao novo : no armazem do raes
da aifaudega n. 5, de Goveia &
Dias.
Feijo mulatinbo.
No armazem de Francisco Dias Ferreira no
caes da alfandega, vende-se feijo mulatinho
novo, por precu coinniodo.
Na ra Nova n. 33, deposito da nova fa-
brica de -.il.it ii ,, i.i c mais omciuas. sita na
ni.i Imperial n. 120 de Andrade S Leal, ven-
dem-se os seguintes objectos : as mui appro-
vadas machinas de Uerosne para restillar ; fo-
ges i-,.- luiinii i ; dito para navios alambi-
ques de cobre de tudas as dimenedea ; serpen-
tina de dito e estanto caixas com folhas de
il nuiles de superior quaiidade ; dilos com
vidros de todas as dimences ; chumbo em
lencol ; dilo em barra ; zinco em foiha ; dito
em barra ; bombas de cobre de todos oa ta-
mandoa ,* carros de mo bem construidos ,
(.111.1,1111 se faiem poilesc varandasde ferro
e oulras quaesquer obras de cobre, brouze,
I.ii.i,.. I,-i i ele: os pielendcntes que quie-
reni dar suas enemniuendas podem entender-
se em dita fabrica com o socio Manoel l.'ar-
ueiro Leal, ou no deposito com o socio Joa-
qtlilil Aulunio dos .Santos Andrade, que suns
, miiiiiii.endas scro cumpridas com exaclido
c predeza.
Ao lia ruto.
Na prac,a da Independencia, loja n. 5,
vendem-se supenures canivetes do machi-
na [ara aparar penas, a 1,200; ditos de duas
folhas, a 640; ditos de urna follia, a 280,
tesouras linas de costura, a 480, 400 e 200 ;
sabuncles, a 240; suspensorios de borris
bot dados, ii 480 ; ditos, a 400 o a 320 ; ditos
de lila, a 200 ; botoaduras de seda psrs ca-
sacp, a 480 ; pentes finos de balis de ali-
sar cabellos, a 400 e 360 ; pomada franceza,
a 100 ; ineias crua do algodSo, a 200 o par ;
ditas brancas linas, a 240 e a 180 ; ditas de
senhora, a 400 ; esiovinha de denles, a 160 ;
livclas prsteadas de calcas e collelos, a
12o rs.
~ Vendem-se os seguiutes livros: arilh-
metica, algebra, grometiia, legnometris de
llezoul, eucltdes, mathematica por l-.scail,
anthinelica por Ituurdun, diccionario fran-
cez e porluguez pelo capitSo Mauoel de
Souza, dito poitugueze latino, dito iuglez e
l e-P -nhiil, gtngia[liia2 volumes com map-
(,.-, methodo de lauta, dito de piano, guar-
da livros mudemos 3 volumes, escola mer-
cantil, tralado da rcligifio 3 volumes, .rain
malica franceza, syslcmc de la nature,
allfs g.ogiaplwque, membires do general
tiuiunrcez, li.ziadas de CaniOes, alfonseada,
les Incas, euntrsto social; grammalica in-
gleza. recreacSo philosuphica do 1'. T. de
Aln.eiiid lo volumes: ua botics da ra do
i.....,.', i o. 64.
-- Vende-se um es vallo csslanho andador
de baixo a u.ei, c que serve para ambas ss
sellas : altas du quartel de polica, casa da
esquina u. 8.
Vende-se urna escrava crioula por pre-
cisSo : na ra d Coiiceic.no da Roa Vista nu-
mero 64.
-- Vende-se una morada de casa teirea
pequea por preco muito cumuiodo, na
IravesSB que val da tus da Roda para a Bel-
la i. 5 :a tratar ua ra da Praia n. 20.
Vende-se, na ra de Agoas Verdes n.
34, um bom escravo trabalhador de una
da, pelo pi .-en de 350,000 rs.
Nao itere a ni \ |ie Vende se um bute com mastrus, velase
mais perlences, tudo por 25,000 rs. : na
praia dbanla Hila, resiilacSu de Franca &
IriiiSo, se dir quem vende.
Cassa para cortinados a 40 rs. a vara.
Defronle do becco do Peixe Frito n. 3, ven-
de-se ossa para cortinados, pelo baralissimo
preco de duas patacas a vara, lafateuda be
estampada em i .imagen de corea.
Vende-se um prelo crioulo, de idade de
30 anuos, bom canoelro, taaio de cartela* sa-
mo para canoa de conduiir lilollos, por prec o Vendem-se caixas com cera
SrffiXTS&^^}*"***0 "o de Janeiro, com
dor, efumo em folha do melltor
que ha no mercado : na Tita do
Trapiche n. 5, escriptorio.
Vende-se em grandes ou pe-
queas porcoes, a vontade dos
compradores, o vardadeiro ac de
Milo ; na ra de Apollo, arma-
zem de maqumismo de Me. Gal-
mo'il & Companhia, ou no seu es-
criptorio, praca do Commercio
numero ii.
Deposito de tecidos da abri- *
ca de Todos os Santos,
na Bahia. ^
Vende-se em casa de Pomingos Al- ^
W" ves Matheus, na ra da Cruz do Re- 4
i*
cifo n. 52, piimeiro andar, algodSo *
transado daquella fabrica, muito pro- ' prio para saceos e roupa de escra- z
vos, sssim como lio proprio para re- -
des de pescar e pavios pare relias, 2
por proco muito commodo.
co, dirija-< ----------------
mo troca-ae por um moleque. ^.Jsortimento a vontade do compra-
Na Trempe caaa n./0, vendem-se ps das en. .
Isranjeira timbos e ditos de.aapotyteiro de 2 a
7 palmos de altura.
Vende-se um psrdo bom coilnhelro e com
offlcio de balclro, ao comprador se dir o
motivo porque se vende : na ra estrella do
Hniario ii. 13.
A o bom e barato.
Ns na do Quelmado loja n. 23, que foi do
Sr. S Leilo, vendem-se as seguintes late n-
das por diminuto preco : chapeos de sol de
superior seda preta a 5,000 rs., riscado mons-
tro de vara de largura a 240 rs. o covado apa-
cadelinbo com 4 palmos de largura a dzo rs.
o covado, franquelim prelo a 320 rs. o covado,
cortes de ca.sa chita roxas a 2,000 rs., mantas
de superior seda furia cores a 8,000 ra., ensi-
les de seda a 10,000 rs., setim macao prelo a
3,000 rs. o covado, dito a 2,800 rs., dalo mullo
superior a4,200 rs., cortes das mais modernas
caanbraiaa de seda a 10,000 rs., cortes de gor-
fiur.io de seda lavrado, branco e de cores a rs.
3,500;ditos de fustoes a 700 rs., ditos das me-
lhores casimiras elascas de todas as presa
5,000 rs., chitas a 120 rs. o covado, a ICO, 180,
200 e 220 rs., chita franceza muito larga e de
muito bom goato a 280 rs. o covado, dilo de
casaa franceza muito Hna a 320 ra., e outras
mullas tasadas, e dao-seas amostras, coua
peAhores, assim como lencos de seda de su-
periores padres para pescoco a 1,000 rs.
Vendem-se duas prelas, que engommam,
corinham e fazem o mais servico de uaaaa ca-
sa, tres ditas que tem principio de coziuba. en-
eommado c sao boas quilandeiras, urna inole-
cola de IS annos. sean habelidadea e anuilo boa
para se applicar a qualquer servlf o, sean vi-
cios, um caboclo muito robusto bom para lo-
do o servico, 3 pretos" inulto bons ganhadores
de'rua, uan parda que engomma, cose e tai
todo arranjo de urna casa e de anuiti- boa coaa-
ducla : na ra da Cadeia do Kecife o. di, pri-
iiiiiiii andar.
Vende -se por prejo anuilo barato man-
leiga ingleza a 400, 480 e 640 rs., cha hysoo a
2,000 rs., inassas a 200 rs., bolachas inglezas a
200 rs., caixoes de 4 libias de doce de goiaba a
500 rs., vlaibo engarrafado a 400 rs. a garrafa,
e inultos anais gneros por precos anuilo com-
modo : na venda da ra do Rozario da Hoa Vis-
ta ai. 60.
Vende-se urna anulalinha recolhida, coan
habilidades para servir qualquer familia, ao
coanprador se dir o anotivo da venda : na ra
de S. Ritan. l4.
Vende se um elegante escravo, apto para
qualquer servico, principalmente para o cam-
po : ua ra de Sania Rila n. i-I.
Mez de Mara
ou devocao de Maris Sanlissima na loja de li-
vros do pateo do Collegio n. (i de Joo da Cos-
ta Dourado.
Caminho do Co
consideraedes sobre as mximas enterras e so-
bre os sagrados mysterios da Paisao de Cbris-
lo Nosso Senhor : na livraria do pateo do Col-
legio n. (i, de Joao da Costa Dourado.
lateada mais barata do que em
AAAafM; A AAA A AAAAAA AAfe
que
oulra parte.
Cobertores de algodo escuro para quero
tem fri a 720 rs. cada um, corles de brian
branco trancado de linho puro a 1,800 rs., di-
tos escuro a 1,600 rs. o corle, riscados de II-
nbo a 220 e 320 rs.o covado, riscado de algo-
dSo llamado mullo cncorpado proprio para
escravo a 180 c aOO rs. o covado, picote a 180
rs. o covado, zuarle aiul de 5 palmos de lar-
gura a 240 rs. o covado, dito de cor a 200 rs. o
covado, riscado ti,mee/ muito tinosa 240 rs. o
covado, chita para coberlas decores lixas a200
rs o covado, ditas para vestidos a 160 e iSu rs.,
cassa chita corea lixas a 440 ra. a vara, casto-
res proprio para palitos a 280 rs. o covado, n. 12, que pagar todas as despezas e re-
pecas de cassa de quadros para babados e cor-
tinados de cama com 8 varas e meia 2,400
r., chapeos de anassa para escravos a 480 rs.
Escravos fgidos.
Jlessppareceu, nodia 12 do correnle,
do engenho Elefante ( Rrsco-do-Meio ,, n ...
guezis da Escada, o preto Honorato, criou-
lo do Miiraniiin, escravo de Antonio Maris
Marques Ferreira, lavrador do dilo engenho,
o qual tem de idade 20 e tsntus annos, al-
tura regular, bem fsllante, cor retinta,
olhar carregado, e fecha um dos olhos qnn-
do falla, testa cantuda, queizo fino, pouca
barba, as costss urna costura com om bo-
tilo de carne, um pequeo geito de arquea-
menlo as pernss, e ns psnells da perna es-
querds urna sicstriz de ferida queseaba de
fechar e he muito temorato ; levou serouli
de algodSo transado grosso, usada, e em
lugar de camisa um sseco do mesmo algo-
dSo fursdo no fundo, e nos pernizes para
meter s cabeca e os bracos, e chapeo em-
breado de alcatrSo j velho : quem o pegar
leve-o ao dito engenho a seu legilimn se-
nhor, ou ra da Cadeia do lenle, loja n.
50, de Ciinhs & Amorim, que se gratificar
generosamente.
-- Dessppareceu, no da 4 de abril do cor-
renle anuo, da praca da Boa Vista, a prcta
Tberezs, de 40 a 50 anuos pouco mais ou
menos, alta, corpo regular, falla um lano
atravessada por ser de naa;So Congo. Esta
preta veio do serISo do Brejo da Madre de
Dos scerca de um mez, eoceupavs-se to-
das as taides a vender azeite de carrapalo ;
levou sais de chita azul cotn llores amarel-
las, caliecfio de csssa de quadros e panno
da Costa ; levou comsigo urna trooxa com
dous vestid! s, sendo um de chita roza e
outro de algodSo azul transado j usado,
um chals de sssento azul com barrs de
amsrello e encarnsdo : rogs-se ss autorida-
des policiaes e pessoas paiticulsres que o
spprehenlem e levcm-noa seu senhor, Jo-
s Antonio l'ereira, ua prsc da Boa Vista
cada um : na ra do Crespo n. 6.
Agencia de Edwio Maw.
Na ra de Apollo n. 6, armazem de Me. Cal-
moni & Companhia, acha-se constantemente
bons sorlimentoa de taixa de ferro coado e
batido, tanto rasa como fundas, anoendas in-
teiras (odasde ferro para animaos, agoa, etc.,
ditas para armar em anadeira de lodos os ta-
ninubos e auodellos o mais moderno, machina
horisouaal para vapor, com forja de 4 i aval-
lo-, coucos, passadeiras de ferro estanhado
para casa de pulgar, por anenos preco que os
de cobre, escovens para navios, ferro inglez
tanto em barras como em arcos folhas, e ludo
por barato preco.
Bom e barato
Vende-se cera de carnauba de primeira
sorte, a 6,000 rs., sspstos brancos pas ho-
rnean e meninos ; dilos de couro de lustro;
cuuros de cabra ; chapeos de palha ; pen-
uas de ema ; na ra da Cadeia do-ltccife n.
49, primeiro andar,
Aos 10:000,000 rs.
No atierro da Uoa Vista, loja de calcado n.
58, vendem-se bilbetes ioleiroa, aneios, quar-
los, quintos, decimos e vigsimos da lotera
da matriz da boa Vista, que corre no dia 2 de
junbo do crreme anuo.
Bilhetes inteiros 10,000
Meios 5,000
Quartos 2>eo8
Quintos .2,100
Decimos 1.100
Vigsimos 600
Lotera da matriz da Boa Vista.
vos 1 o;ooo,oo e 5:000,000 rs.
No Atierro da boa Vista, loja de fazendas o.
36, \ eliden, -s, oa a loi lunados lili lie Irse aneaos
da mi sin.i linea 1:1, que corre inq.rele ivelmen
te aao dia 2 de junho vindouro, ou antea se se
M-oiiei em os bilhetes.
Ii Iheie., inteiros 10,000
Meios 5,000
-- Vende-se superior cera em vellas fabri-
cada no Um de Janeiro e eaaa Lisboa, ean eaixas
de 100 libras, e anuilo bem surtida por ser de
3 al 16 em libra, barricas com cal virgem de
Lisboa da ansia nova que ba no anercado, e re-
110/ ,1.1 fabrica do Slqueira uo Porto, tudo por
menos pre(0 do que eaai oulra qualquer paa te :
a tratar com Machado & l'inbelro, na ruado
Vigaro n. 19. segundo andar.
Vendem-se as seguintes se-
mentes:
de nabos, ditas de ditas inglesas, ditas de ra-
Imiio. e11e.11 o.olas, duas brancas, duas de ce,
bolas de Setubal, ditas de alian- allaanaa,
dilaa 1 ra.Ihuila-, ditas' de cve u indiada, di-
tas de senoura anisrellaa, dilaa de chicoria, di-
las de coentro de loceira, ditas de salsa, dilaa
de tmale* grandes, ditas de repolho, ditas de
espinafre, ditas de pipinclla, ditas de aipo,
feijo, carrapalo de Irea qualidades, ervilhas
lorlaa c direllas, 1 abneles encarnados e bran-
cos : na ra da Cruz n. 46, defronle do l)r.
Cosme. Na inesma casa vendean-ae queijos 111
glezes anuilo frescaes.
lecido de algodSo trancado na fa-
brica ile .Todos os Santos.
LNa ra da Cadeia a 5i,
vendem-se por atacado duas quslidades,
poprias para saceos do assucsre roupa do
escravos.
compensara.
Dessppareceo, no dia 25 do correnle,
urna pela crioula, de nome Boza, de 34 an-
uos, n>r fula, a qual foi escrava do reve-
rendo padre Antonio Pedro de Souza; por
isso roga-se as autoridades policiaes ees-
pitSes de campo, que a sppreheudam ele-
vem-na ra larga do Itozario n. 36, que
Se tralilie.ua.
boa gralificacSo.
No dia 13 de marco do corronte anno des-
sppareceu da Passngem da Magdalena, do
sitio em que mora o Sr. Dr. Malet, niol,-
qui' Marcal, o qual he bem coubecido e I mu
os seguintes sigiiaes : represents ter 20 an-
nos, bsizo, cheio do corpo e carcundo, cor
fula e sem barba ; tem falta de um dente ua
frenle do queixo inferior ehelillio do ser-
ISo de Psje, por isso julga-se para l ler
idol recommenda-se, porlanto, aos capi-
tes de campo s captura do dilo moleque,
queserSo tem gratificados.
Dessppareceo, no dia 18 do correnle, o
escravo denscSo Csc'nge, de nome Jos,
representa ter 25 anuos, baizo, grosso do
corpo, sem barba, rosto abocetado e ps pe-
queos ; levou caifa de algodSo transado
com listras szues e carniza de algodSozi-
nho j rola : quem o pegar, leve-o a rus do
Vigario n. 22, primeiro andar, ou na rus
da Cadeia do Recife n. 51,. qoe se recom-
pensar.
Dessppareceu, no dis 24 do correnle, o
esersvo crioulo, de nome llerculano, repre-
senta ter 20 annos, baizo, secco do corito,
cor fula, sem bsrba, denles de serrs e he
olficisl de alfaiate. Este esersvo foi da viu-
va de Joaquina Jos Ferreira de Csrvalho,
escrivSo da relscSo, e servia de portscolis-,
ts; levou calca de casimira escura, e as ve-
zes brancas, ramiss de madapolio o chapeo
do Chile. Consta ter embarcado para o Itio
Formoso no dia 6 de abril : roga-se as auto-
ridades policiaes o pessoas particulares que
o a |i| relien,la 111 e avisem ne.-la prac,a aoSr.
Antonio da Silva GosmSo, rus da Cadeia do
Kecife, a Manoel de Almeida Copeas, que se
pagarSo todas asdesjezas e >u recompen-
sar generosamente.
Lleaappareceo no dia 21 do correnle mei
de abril, de bordo do brigue Arijo, um es-
cravo maiiiilieiro de nome Candido, naco
Angola; o qual representa ler 9 anuos, pouco
mais ou menos, roslo comprido, narii chala
altura legular, tem barba cerrada; e levou
vestido cal^a e camisa branca : cujo escravo
pertence ao commendador loo llapilsia da
Silva Fereira, de Porlo-Alegre. ltoga-ae, poi
Unto, ,1 todas as autoridades policiaca e ca-
pitai-s de campo, a aua aprehencao, e leva-lo
ra da Cadeia do lenle n. .'l'j, casa de Auio-
riiu & limaos, que se g'ratificar generosa-
auente.
Desappareceu no da 29 do mes passado
do sitio da Tainarineira, na ealrada dos A Mi-
toa, urna escrava crioula de mime Mara An-
tonia, estatura regular, bem preta, roato car-
rancudo, alguus dentes limados, com algu-
mas cicalrizes no braco esquerdo, una pouco
facrlra; levou vestido de cassa e de coila e
chale de seda, usado, e mais alguma roupa e
ninas argolas de ouro: queaaa a pegar leve-a
ao aaaesaaio sitio, ou na ra da Cruz do Recife,
n. 55, onde ae llie alistara a aprehentio.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPT3AP358_BL9UFO INGEST_TIME 2013-04-12T22:50:38Z PACKAGE AA00011611_05330
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES