Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05328


This item is only available as the following downloads:


Full Text
mm
Anno
Quarta-feira 30
FAB.TIDA8 DOS CORBEIOS.
Goianna e Parahiba, segundas e sextas feiras.
Rio-Grande-do-Norte, todas as quintas feiras ao
meio-dia.
Garanbuns e Bonito, a 8 e 23.
Koa-Vistn e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas feiras.
Ollnda, todos os da.
IPHEMIBIDII.
'Nora, al. a* 6h. e 42 m. da m.
.... n. .. jCretc. a 8. aslth. e 14 m. da m.
Ph.si da WMJ55J, a 19,as 5b,e 45 m. da m.
Uling. a 22,slUb. e38m. da t.
UltAMlll DE HOJI. (
Primeira s 3 horas e 42 minutos da tarde
Segunda s i horas e. o iniuiitos daraauhaa.
de Abril de 1851.
N. 98
DAS
raiqo da subscbippao
Por tres meses f adan lados) 4/000
Por seis metes 8J000
Porumanno 15/000
28 Seg. Os P. deN. S. Aud. doJ. d'otf. e m. 1. v.
,29 Tere. S. Hugo. Aud. da Chae, do J. da 2. va-
i ra do c. e dos feitos da fazenda.
30 Quart.S. Calharlna. Aud. do J. da 2. vara,
i Quint. Fillppe eS. Tiago. Aud. do J. dos
or. e do m.da primeira vara.
2 Seit. S. Alhanazio. Aud. do J. da I. vara doei-
vcl, e dos feitos da faienda.
3 Sab. ;; lnvencao da S. Cruz.
4 Oom. do Bom Pastor.
CAMBIO Bt 39 BE ABBIX.
Sobre Tendr, a29 d. p. 1/000 rs. 60 dial.
Pari, 320 par fr.
Ouro. -Onca's hespanhotas-------38/000 a 28/500
Moeda de'(i/400 velha. 16/000 a legU
. de 6/400 novas 16*000 a 16K00
de4f000........9/W0a W
Prata.-Patacees brasileiro..... 1/gO a 1/941
Pesos oolumnarios..... 1/920 Q
Ditos mexicanos........ 1/680 a if7W
r-rmt-rmj^
PkTZ OFFICW..
COVERNO DA PROVIRCI.
EXPEDIENTE IK) DA 25 llB ABRIL DF. 1851.
OBicio.Ao coimnandantc superior da guar-
da nacional dente municipio, recommendando
aexpedicodc suas Orden*, para que o com-
maiidaDte do quinto batalho sob o seu com-
nando superior mande apresentar em frente
da igrrja matrit dos Afogados.no dia 27 do
torrente as 3 lloras da tarde urna guarda do
nipsmo batalho para acompanbar at o Tigl-
pi a iinag.iude Vossa Senhora do Notario,
que teindescr conduzida fin procissao para a
sua capella.
ilo,-Ao juiz dos feitos da faienda, trans-
mttindo para eu conhecimento e direccao um
exemplar do Diario de l'ernambuco a. 93, no
jnslica de 24 de marco ultimo, determinando o
modo porque ein todos os juizos se deve har-
monisar a pratica nj contagem de cusas das
demandas, em que a fazenda publica for ven-
cedora.Nestc sentido omciou-seao presiden-
teda rclacao, ao inspector da tbesouraria de
fazenda e a lodos oa juizes muuicipacs da pro
vincia.
Portarla.Nomeando, de conformidade com
n dlsposto no aviso da reoarticao da guerra
de 28 de fevereiro ultimo, o otncial e empre-
gados abaixo declarados para a commissao que
nos termos do citado aviso deve toiftar as con-
tas e examinar a escripturacodas exllnctas
caixas particul.res dos corpos de primeira li-
nba da guarnic desta provincia.
Prfii'dn(.
Tenenle-coronel graduado, Joo Pedro de
Araujo e Aguiar.
Membroi.
Escrlvao da pagadoria militar, Joao Arcc-
nio Barbota.
Segundo escripturario da thesouraria, Jos
Innocencio PereiradaCosta.
Fieram-se as convenientes communicacocs.
Dita.Romeando, em cumpriment ao dis-
posto no aviso da reparllco da guerra de 2S
de fevereiro ultimo, o coronel Trajano Cetar
Kurlamnque. tenentes-coroneis Antonio Ma-
ra de Souta, Luit Jos Ferreirae Innocencio
F.ustaquio Ferreira de Araujo e o major Sebas-
tio Lopes Guimares para examinaren! os
sargentos e cadetes dos corpos da guarnic
desta proviucia nos exercicios de mas armas,
e no niais que determina o citado aviso. Nes-
te sentido olTiclou-se ao commandBnte das
armas.
minn
PERNA^BU^J
CMARA MUNIQY7ALDO RECIFE.
SISSA 0BU1NAM DE 22 DE MAHCO
DE 1851.
Presidencia do Sr. OHvtira.
Presentes os Srs. Carneiro Monteiro, Moraes,
Vianna, Pires Ferreira, c Figueiredo, abriu-te
a sesso, efoi lida e approvada a acta da an-
tecedente.
Foi lido o seguinte
EXPEDIENTE.
Um offlcio do Exm. presidente da provincia,
mandando que por boaexecucao do art. 1 do
regulamento de 17 de fevereiro prximo pas-
tado, designasse a cmara os limites dos subur-
bios desta cldade, fazendo publica sua delibe-
rarn.Addiado.
Huiro- Domesmo, autorisando a cmara a
despender a quantiade 8800 com a construccSo
docaes na embocadura do aqueducto do pa-
tao do Carino para o rio.lnleirada, e que se
participasse ao procurador e contador,
Outro.Do mesmo, communlcando haver
expedido oidem ao commandanle do corpo de
policia, para mandar postar no comilerio nos
domingos e dias santos uina guarda de um cabo
e seis soldados, afun de evitar que as pessoas
que concorremao mesmo cemilerlo estraguem
as obras que se eito fazendo.Inteirada, sen-
do de voto osSrs. presidente c Carneiro Mon-
teiro, que se tornasse a ofliciar a5, Exc. pon-
derando-lhe que a guarda se fai prlcisa all
diariamente.
Aqui oSr. presidente deixa a cadeira, que he
oceupada peloSr.vereador,CarneirolM.,e vai em
outra tala conjunctamente com o Dr. juiz de
dirello da primeira vara do termo desta cidade
e o Dr. promotor publico entrar nos trabalhos
da reviao da qualilicaco dos jurados. Conti-
nuando a leitura do expediente, foi lido mais
outro ofnclcio do mesmo Exm. presdeme, que
vai no liiu desta transcripto, respondendo-
a consulta que lhe fea a cmara sobre a in-
(clllgeocladoart. 75 do regulamento do cemi-
tcrlo, e dando soluco outrasduvidas que e
tem suscitado a respeltodo mesmo regulamen-
to, o qual sendo posto ein discusso, resolveu a
cmara que.com o que originou, e o requeri-
ineoto do empresario dos carros fnebres fos-
se remettido ao seu advogado para este orien-
ta-la sobre a possibilidade ou nao possibili-
dade da rescito do contracto, requerida pelo
mesmo empresario.
Outro.Do fiscal do bairro da Boa-Vista,
participando que a pontesinha da Passagem da
Magdalena se acha bastante arruinada.Que
se participasse ao Exm. presidente da provtn-
i'ia.Inteirada.
Outro.Do fiscal de Santo Antonio, pedindo
se inandasse pagar ao Dr. Joo Jos Pinto a
ouautia de l80/de tres corrida de saude que
fez em outubro e novembro do anno panado.--
Que se passasse mandado.
Despachou-se uina peticao da irmandade de
Santa Rita de Cassia, requerendo terreno no
cemlterio publico para 100 catacumbas, man-
dando-ie qne a peticionaria se entendesse com
a commissao encarregada da direccao das obra
cm andamento do mesmo cemlterio, para esta
lhe indicar o lugar para o estabelecimento das
mesnias catacumbas, e depois de accordarem
na quanlidade do terreno para i-so preciso, se
lavrar termo na forma do art. 76 do regulamen-
to do cemlterio.
Foi approvado um parecer da commissao de
policia, dando por conferidas e exactas as con-
tas da receita e desptza municipal dos mezea
de Janeiro e fevereiro prximo passsados. e os
respectivos balancetes Mandou-se darscien-
cia disto ao procurador e contador, e levantou-
se a sesso. Eu, Manuel Ferreira Acaoll, se-
cretario interino, a escrevi.
Officio da preridencia de que te fas mentao cima.
Tenho presente o offlcio da cmara muni-
cipal da cldade do Recife, datado de i 2 do tr-
renle em que consulta se o art. 75 do regula-
mento de 17 do uiez prximo passado comer
o direito exclusivo a mesma cmara de fazer
conduzir em carro, es cadveres dos que falle-
cerem na cldade e seus suburbios, de sorte que
por outro modo nao possa o administrador do
cemlterio rccebe-los. ou se pde_ qualquer
conduzir corpos em calxOes pela inao, ou em
canoas ; e, ein resposta tenho a declarar mes-
ma cmara que o dito artigo do regulamento,
sendo acopia fiel do art. 7 da le provincial n.
9l de 7 de maio de l84l,s poderla ser icter-
petrado por acto legislativo, se de Juterpetra-
co carecesse ; mas, desuadisposieo fcilmen-
te se deprchende que, comquanto pertencam
ao estabelecimento do cemlterio os carros f-
nebres, nem poi' isso se excluc outros modos
deconduccao emuso ; e tanto assim entend,
ii.mil.i confecionei o regulamento, que no til.
. nao se encontra a respeito dos carros uina
disposicaoseinelbanteadoart. 21, a respeito
dos caixdes ein que devem ser encerradas os
cadveres.
Tendo chegado ao meu conhecimento que de
inais se teein suscitado as segulntes duvids :
primeira, se as irmandades, contrarias e ordens
religiosas leem obrigacao de comprar terreno
para o estabelecimento de cemiterios priva-
dos e catacumbas: segunda, se he rigorosa-
mente necessario que sejam de pinho os cai-
xdes em que devem ser encerrados os cadve-
res destinados as sepulturas cm cominuin :
tercelra, se pdein ser feltas as matrizes e
igrejas respectivas encoinmendacOes ; julgo
conveniente declarar a cmara municipal para
seu conhecimento: priraeiro, que he despida
de todo o fundamento a priineiaa duvida, pois
que da expresaa disposicao do art. 77 dj regu-
lamento com referencia aos arts. 22 e 23 se v
que semelhante obrigacSo nao tecm aquellas
corporacdes.que nao so sujeltas inais do que
os particulares, quanto a sepulturas reserva-
das, e esto inais favorecidas que estes, quanto
as catacumbas, pagando por cada cadver
inhumado smente 5J sem mais despezas ;
segundo, que o art. 9l. dispondn cadver seja admittido inhumaciln, em que
esteja encerrado em atade ou caixao de ma-
deira, convenientemente fechado, tem cstabe-
lecldo a restriccao, aiin da qual nlio he per-
initlido ir i sendo, pois, que nait. 64, onde in-
cidentemente ae trata de cadveres encerra-
dos cm caixaes de pinho. se deve entender de-
mostrativamente, porque em verdade se espe-
cificon all aquella madeira, por sera de menos
custo, e maisao alcance, nao obstando porm
isso quese admitlam caixdes de outra madei-
ra: terceiro que naosnao haarligoMgum que
prohiba que as encominenda(5es se fac.im fura
do cemlterio, onde os parochos e autoridades
ecclesiasticas competentes o determinaron,
como para que se facamellas na capella do ce-
miterio, exige o citado regulamento no art.57,
que preceda faculdadee nicipal, e licenca das ditas autoridades eccle-
iastica*.
De outro modo se olTenderiamas prcrogati-
vas dos parochos, e o direito da igreja que o
governo se empenha em manter Ilesos.
. Palacio do governo de Pernambuco, 20
de marco de (851 Joi Ildefonso de Souta Ramos.
A cmara municipal do Recife. Oliosira,
presidente Carneiro Mdnlciro.--Varros.Fer
reir.Figueiredo.
BALANCO DA RECEITA EDF.SPEZA DOS ESTAHELECIVIENTOS DE CAR1DADE, VERIFICADO
NO ANNO FINANCEIRO DE 1849 a 1850, E NO PRIME1RO SEMESTRE DO DE 1850 a 1851.
Receila.
Por saldo em 30 de junho de 1849
Subsidio do grande hospital
dem do hospital dos Lazaros
dem da casa dos exporto
t \nisignacau para a obra do hospital Pedro II
dem casas de albergarlas
dem reedificacao dos predios
Rendlmento dos mesmos
Dito do segundo andar da casa dos expostos
Dito de curativos no hospital
Dito de amortalbamento de cadveres
Dito de corridas de porcos
Dito de amostras de assucar
Recebido do ex-lhcsoureiro Moraes, a sabeer '
Cobre 097
Notas 159.000
Letta 2:954,945
Producto de expostos reclamados
Ditos de legados
Saldo a favor do thasourelro
Despeza.
Com os empregados
Com as amas da casa dos expostos
Com os enfermeiros
Despezas do grande hospital
dem do hospital dos Lasaros
dem da casados expostos
Vveres
Medicamentos
Utencls
Obras do hospital Pedro II
Reparo dos predios
Fatendas
Bitas
Dizimo dos cocos
Dotacao de expostas
Enchoval para as ineimas
Impresses e expediente
Obra da capella do Lazaros
Despezas judiciae
Multas p.or nfraccOes
Reparos do grande hospital
Anniversario dos estabelecimento* g
Enterro de expostos
Sustento dos Africano que existan) no quartel de
policia, e que fram destinado para o servico
dos estabelecimentos
Aluguel da casa dos expostos
Sello de herancas e legados
Letra existentes
i4nnnit nanceirot.
1849 a 1850 1850 a 1861. Total.
735.149 / 7.15,249
11:083,334 2:400,000 13:583.334
4:500,000 750.000 5:250,000
4:016,668 t:00,0O0 5:016,668
14:5(10,000 12!000,000 26:500.000
3:000,000 3:000,00o
2:500.000 1:500,000 4:0(>0,C0C
11:800,000 8:750,000 20,550,00(1
687,500 275.000 962,501
355,147 85,423 440.67C
12,120 7,000 19.72C
502,480 1)5,580 618,06(1
243.577 43,200 286,776
3:114.042 /
40,000 /
} 1:310,000
57:090,117 28:339,903
1:310,000
85!427,020
3:849,677
89:276,697
Annoi
1849 a 1850
5:749 586
3:864,6.10
1:031.250
6:599.484
3:577.460
3:519,776
9:644,084
1 616,598
269,755
8:485,242
374,310
1:262.622
8i8,250
250.000
1:650,000
654,760
24,000
318550
i
15,000
45,620
/
19,200
1:833,333
82,000
financeiros.
1850 a 1851
2:565,uO
2:081.916
525,133
3:411,070
2:240,560
2094,070
3-115,337
745,000
200,370
15:235,136
231,750
271,322
286,075
t
218,480
60.000
422,6)5
5i3,)04
28,000
157,570
85,080
50,000
I
5)784,184 34:537,588
Total.
8:314,586
5:946,546
l:556,383
10:0l0,:>54
5:8)8,020
5:613,846
12:759,421
2:441,552
470,125
23:720,37S
606.060
1:533,945
1:104,325
250,000
1:650,000
873,240
84,000
740,865
5)3.104
28,000
172,570
129,700
50,000
19,200
1:833,333
82,000
80:321,752
2:954,945
89:276,697
AdutlnUlracaogeral dos e.tabelecimento de caridade, 8 de marco de
Oecrivi% Y j*
Antonio Jote Gomeftto Correio.
1851.
eaoureiro,
losi Pires Ferreira.
Mappii rio movimento do grande hospital de Vartdade do primeU
.unppii re w ^ janeiro a m de dezembro de 18.o.
DOENTES.
Exisliam
Entraran)
Sahiram.
Morreram
Existen).
Curados......
Melhorados. .
Nfo curados..
as 24 h. d'entrada
Depois dessa poca
i
178
76
28
10
'58
15 17
\
\U
51
15
5
5
58
17
44
310
130
43
15
12
122
42
Hospital dos lazaros.
DOENTES.
Existan)........
Entraran)........
! Curados. .
Melhorados .
NSo curados.
Morreram........
Existen).........
2i
8
0
0
o
8
Casa dos expostos.
EXPOSTOS.
Existiam............
Entraran)...........
Sahiram.............
_ i as 24 h. d'entrada
"""""j nepois d'esta poca
Existen).............
Sexos.
o
- c
110
47
0
0
24
133
i
126
45
5
0
20
1*6
23
92
5
0
44
279
Administrarlo geraldos estabelecimen-
tos de caridade, :t de narco da 1851. 0
escrivSo, Antonio los Gomes do Correio.
DMMO M FlRlttlBlICO.
aicirr, 29 x ABBll. m 1851,
Por portara de S. F.xc. oSr. prrtidente da
provincia datada de hojr foi prorogada a ses-
so da lisc.nbl a provincial at o dia5 do mez
d malo prximo, leixauto a mesina de func-
cionar hoje, por falta de coniparecimcnto dos
Srs. deputadus em numero legal, motivada
pela copiosa chuva que cabio durante todo o
dia.
No domingo27 do corrente estando donnin-
dooSr. Domingos Ferreira da Silva Campo,
morador em Fora de Portas, eom casa de reli-
naco de assucar, foi accommetido por um
sen escravo crioulo, que lhe deu tres facadas,
das quaes se acha em perigo de vida, conse-
giiiml-i o.....sin,, escravo evadir-sc demaneira
lile aindi ata pOdeser capturado
COMMiNlG\DOS.
Est annunciado para manhia 30 do corren-
te um brilhante espectulo em beneficio do
etnio artista dramtico o Sr. Germano Fran-
cisco de Oliveira, administrador e emprezario
do ihealro de S.-Isabel. Todos, que tem felto
beneficios nestes ltimos dias, como j por cos-
tiime, hao liilq nos campies, que e encarre-
gam de apreciar e encarecer seus servicos,
para d'esta arte captarem a altencao do pu-
blico, e concorrerem com este trabalho a que
o povo corra a assistir a estes espetaculos ;
nos seinelhanteinente desrjamos atlingir ao
mesmo lim.
Se estes artistas aqui chegados apenas ha trez
inezes foram, dignos de apreciar-se grande-
mente osseusservicos.osquaes nos nao contes-
tamos, e somos os primeiros a reeonhecer,
eremos que o respeitavel publico nao estra-
nhar que digamos alguina alguma cnusa a
respeito do incancavel administrador, o qual
com o niaioi zelo, actividade, e bom gosto con-
segniu no curto espaco de mu anuo dar-nos
um Iheatro dramtico, e lyrico com plena sa-
lisfaco do publico, oque lhe custou nao pe-
queos sacrificios; sacriiicios bem conhecidos
de todos, e ante os quaes outro, (fue nao tlves-
se a constancia c retignacao do Sr. Germano,
por certo suecumbiria.
Nao precisamos relatar um a um dos gran-
des servicos do Sr. Germano prestados ao
theatro, de que he digno administrador, para
satisfazer aos anhelos dos amantes da scena :
ah est esse theatro, c sob o dominio doco-
uliecimeniodo respeitavel publico esio igual
mente o seus sacrificios, e proverbial desin-
teresse tendo, por norma de sua conducta o
,cto cuiUEtimeiito do contracto, que com
le tao acertaaamente celebron o~gdv"e"mo.
Nao sao portanto as nossas palavras que jusli-
ficam essa sua extraordinaria dedicaco, sio
os homens Ilustrados, he o governo, lie o po-
vo, s.io os feitos gloriusoa do incomparavel ar
lista brasileiro, que fallam inuilo mais alto do
que nos. Sabe multo bem o Ilustrado pu-
blico desta cidade o estado em que o Sr, Ger-
mano recebeu o theatro, c o em que elle boje
se arha, e com razao lhe tem dado o titulo de
creador do theatro cm Pernambuco, titulo que
deve encher de ufana, c de gloria ao Sr.
Germano sempre ncancavcl, semprc zeloso,
sempre fiel em cumplir seus deveres por mais
arduos queelles fossem, ate mesmo com o pe-
noso sacrificio dos seus iuleresses, particulares
e oque mais he da suapropria saude.
Artista de reconbecido e nunca contestado
mrito, dotado de nao vulgares conhecimeu-
los scenicos, sofreg s por agradar, luctando
com mil embaracos e difliculdades, que sem-
pre accompaiiham urna cuipreza nascente;
o Sr. Germano ludo veneco, e por seus esfor-
cos tudo conseguio a bem do seu crdito, e
geral salisfacao de todos quantos cons-encio-
samente o julgarao. E no cabo da sua em-
preza o que tem o Sr. Germano lucrado ? nada
inais do que a gloriosa satisfazlo de haver
preheucliido a expeclacao de todos, os que
irru sabido apreciar iuiparcialmeiue os seus
talentos, c mrito, unauimeneute vistoriados.
E' este o ultimo expeclaculo da empresa do
Si. Germano, c o publico pernambucauo, ca-
da re mais almejante de bellas distracoes,
que tem frequenlado o theatro de S.-Isabcl
desde a sua abertura, nao deivar de compa-
recer a este tao bello, como variado espect-
culo, com o qual feixa o iuiuiilavel artista
o auno da sua, empreza e bem assim attendeu-
do ao iiiuiloque elle h fcito nao hesitar ein
ser-lhe summamente generoso.
E pois est concluida a empreza do Sr. Ger-
mano, e nos concluimos tainbem este artigc
fazendo votos ao eco para que o governo ce-
lebre com o mcsiiio artista a nova empreza,
porq uc temos coosciencia de que outro melbor
nem mesmo igual se poder encontrar.
C......
THEATRO DE S,-FRAi\CISCO.
Asslstiinos no dia 25 do corrente ao expeta-
culo dudo pela companhia franceza, e com jus-
tica podemos asseverar ao respeitavel publi-
co desta capital (quanto ao nosso fraco enten-
der) que a companhia em parle trabalha mag-
nilii'.luiente, o que lastimamos he que ella te-
lilla sido to infeliz e que a par da infilicidade
lhe teuha succedido o desprezo, como tem
mostrado com a pouc* concorrcucia aos seus
espectculos: por isso chamamosattenco des-
te povo generoso, c elle Ilustrado como he,
poder, conhecer se lhe fallamos a pura verda-
de, apreciar melhor do que nos o mrito da
companhia ; desde j tributamos elogios( a
nosso ver bem merecedos) a Mr. Iierteaux, e Ma-
damesclleGeny, as duas joven meninas, aos
dois juveus meninos principalmente ao iuler-
pido Ureinond, que trabalha magnficamente
na d ni, a de corda, sua agillidade, e destreza
nos fez pasmar, e ao resto da companhia; e pe-
dimos a Madamesel le llcrleaux que apezar dos
sacriiicios que tem fcito para se conservar
nesta Provincia, teuha inais alguma perseve-
ranea, e nao estri, porque o respeitavel pu-
blico desta capital, nunca foi iugrato, (nr-
menle com artistas que lem feilo ludo quanto
lhe he posiivel para agradar o momo publi-
co; hoje pertendemo Ir ao espectculo an-
nunciado, e esperamos que ter muito mais
concorrencla. e com ella melbor poderemos4
mitliruossa opiuiao principalmente.O
-i-
Correspondoiifiia.
Su. Redactores.t.'onfesso-lhes, que a leitura
da correspondencia, inserta m seu jornal,
n. 96, de 28 deste mei, sob a signatura (por
antithese) doAmigo da verdade,me deixou
boqui-aberto; pois que, sendo da manior
nutoriedade publica no Hio-Grande-do-Norte,
que al,i, a 12 do corrente mez, proceder a
cmara da capital apuraciio geral dos votos
da provincia, expedindo em seguida o compe-
tente diploma ao Sr. Dr. Octavano, que reco-
nhecera ter sido o inais votado, jamis nunca
me persuadir quealguem liouvesse tao misa
do e desmoralisado, que, ao passo que enf-
ticamente inculca prestar santo culto ver-
dade, j usando das sedicas expresse cm
homeiiagcm verdade, he esta a verdade o e
no final do seu artigo em obsequio ver-
dade com maior descaro se apresentasse ante
o respeitavel publico, nrostituiido to sagra-
dos vocabulos, e prncmando com elle aco-
bertar amis requintada falsidade He que
me nao recordava que o autor do tal artigo,
fertllisdino na invenco das mar absurdas
assercoes, calejado na estrada da torpesa e da
infamia, nao trepida aute COnslderacSo algu-
ma, e mais que tudo ceg e desatinado agora
por haver o Pr, Dr. Octaviano triumphado na
provincia, atira-se todos os meio, crendo
que p'ii-taes gritos conseguir fazer crcr que
o Sr. Dr. Octaviauo nao he o legitimo repre-
sentante de sua provincia! Collado I Como
se engaa! E com ell'eito, sendo certo que
pela cmara muuieipal fra, no dia 12, etpe-
dido o diploma ao Sr. Dr. Octaviano, s assim
leria esse artiguisla. que lanto se tem exfor-
cado por fazer crer o contrario, o desfacamen-
to de negar a verdade de um facto sabido por
todos na provincia.
Mis que prora* exhibi elle, pela quaes
podesse ser acreditado? Pensar acaso, que
smenle com meras banalidades e vagas de-
clamaces ter o po.ler de destruir proposi-
1,11's. selladas com o cunti da veracidades
Pcrfeitamente se engaa1 E, pois, para sua
completa confuso e vergonha, e para que
com elle me nao pareca no sentido das diva-
gaces, exporei ao respeitavel publico o que
se paisou no IUo-Grande-do-Norte, anterior-
mente ao dia i2de abril, marcado para a apu-
rsco geral.
Constando por denuncia particular dada
promotoria publica d'aquella capital, que al-
guns vereadores da cmara municipal havio
incorrido ein crime pelo facto de, para fins
rrprovado, haverent funecionado em sesso
apenas com quatro vereadores, e que Isso
mesmo constava do livro das actas, teve ella
de requerer um exame no referido livro, do
jual certaineute se verlicou semelhante pre-
varicaco. Em face do que, teve o promotor
publico de enderezar ao Exm Sr. presidente
da proviuej a competente denuncia docti-
TtRnrarJii, 1}ue den lug-ir que ". Exc, no
dia 10, suspendesse os vereadores denuncia-
do, mandando responsabilisa-los. Divulgan-
do-se este acto, Domingos ilenrique de Oli-
veira, um dos vereadores suspenso e que
exercia a presidencia da cmara, mancommu-
n.iil i com o secretario della, correu casa de
suas sesscs, e pode furtivamente subtrahir o
archivo com todos os papis e actas da eleico
pelos dulcientes collegios da provincia remet-
ilos acamara.
Os vereadores supplentes, aos quaes olHcira
a autoridade competente para que enlrassem
em exerciclo, conhecendo de tacs faltas, olfi-
cialuiente e diiigiram ao Exm. Sr. presiden-
te da provincia, depois de se haverem'debalde
procedido, no dia i2 pela inanha, as conve-
nientes buscas em casas dos ex-secretario da
camarac do vereador Domingos Ilenrique, e
nada se haver encontrado, pois que se hario
c(. miado com o criminoso fruto de seu pla-
nos, para que se dignasse S. Exc. de obviar
a uipossiblidade em que se achava a cmara
de poder proceder a apuracao, remetiendo
quilla cmara as actas de todos os collegios
que em virtude da le deveram ter sido re-
medidas aquella presidencia, i cuja exigen-
cia salisfazeudo S. Exc teve a cmara de ve-
rificar a apuracao, e reconhecendo que o Sr.
Dr Octaviano obtivera a inaioria de rotos,
expedir-lhc o competente diploma.
He esta a verdadeira narraco dos factos
que se passaram na capital d'aquella provin-
cia ; sao ellos hoje do dominio publico, ese
acbo de mais continuados com o sello da
autoridade legitima.
Nao os pode, certamente, ignoraro amigo
da verdade,que tanto se alaba de estar a par
dos nesocios d'aquella provincia! Y. como
assim ousou allinnur, sem o menor pejo, que
aoSr. Joao Carlos pela legitima cmara lora
expedido diploma ?
I'oia nao sabe que pelo facto de achar-se
suspenso no dia 10 o vereador Domingos Ilen-
rique c responsabilizado, esta suppoila acta,
feita no dia 12, e que boje apparcccu na lm-
prensa assignada pelo mesmo e outros verea-
dores tambem suspenso por um acto da au-
toridade legitima, se reveste altamente de um
carcter criminoso c millo por su i oalure-
za, revelando alias a insolencia c dcsmorali-
saco, com que uina faeco, zombando das
autoridades e leis do paiz, por esse acto revol-
taute inda mai se quer celebrisar n'aquella
provincia, outr'ora theatro das maiores ini-
quidades ? 11 Sin; elle tudo abe; mas o
contrario lhe couvjm escrerer! Oh! meix
Dos! Piedade para quem assim procede!
contina anda o artiguisla em allirmar,
que o Sr. Dr. Octaviano obtivera lmente 14
voto; pois bem; destrua o argumento que
j uina vez ilie apreentei, que enlo poder
ser crido; e veni a ser:Seo partido nortina
dispc de 120 eleilore, como sejam os de
Vila-flor. Macau, As, Campo-Craude, Apo-
d\, dEO", Kc. i eo Dr. Octaviano fura o nico
candidato desse lado, em quem recahiraut
todos esse votos, e inda inais os do eleito-
re sulistas, como fossem 10 no collegio do
Serid, jc, vc, como pertinaz persiste an-
da na momita, que elle simiente tirera 14
votos ?
Uiffirilem rem postulasti!
He muito zombar c eicarnecer do bom tenso
publico *
i
VaKI^Uaii..
STATISIICA DA ASSEMHLEA NACIONAL
DA REPBLICA FRACESA.
A assembla legislativa tem de idade em seu
todo no mez de julbo prximo passado 35,6)3
anuos. A data delta especie de acto de estado
ciiil tero alguina Importancia, t rcllcctiriuvg
ILEGVEL


/

que em cada auno a assembla envelhece de
750 annos, e em cada dia, de 2 anuos e 20 dias.
lie pois, ao melado doanno de i850 que o nos-
so calculo se refere.
Mr. deKratrj nasceu em 17B9.
Depois dcllr, os mai> idosos silo Mr. Vandeul
nascido em (775; o general Subervie, ai de
seletnliro de 1776 ; o general Rog, a 19 de no-
vcinbro de l?"G; o general Pelel, a l.'i dcjulno
de 1777 : o general Archad. Mr. de lloudetot,
e Mr. Ducluseau em 1778 ; o general Radoult
de I. iiu- r, em 1789 o general l.aidet, Mr.
Martn de Villers, em 1780 : Mr. Mole, a 24
de Janeiro de 178l ; Mr. Viclor de Tracy e Mr
Harscouit de Sant-Georges, em i78i o coro-
nel I ilmi.I, Mr. I. iin.iiais, Mr. l.epcletier de
Aunay, e os generaea Fabvier, H.ipalel, em
S782 ; Mr. Duplo ain, no l." de l'cvereiro de
1783 ; os generaes Gourgaud, de Bar, e Mon
tholon, Mr. Huot* e Mr. Lcmaire, em 1783;
Mr. Oupin, a 6 de outubro de i784 Mr. Ju-
n\ ni'ii, Mr. Trlpler de Loi, Mr. de l'Espinas-
se, Mr. Darblay.e o coronel Vaudrey, em i784;
Mr. de Uroglie, a 29 de novembro de 1785; o
general llusson, Mr. Fourniere Mr. Aragr,, em
i?8(i ; os geueraes Rullises e Wast-Vinieux,
Mr. de fanal, Mr. Malbois e Mr. Manguin, em
1787 ; Mr de Laribosirc. Mr. Deville e Mr.
Roux-Carbonnet, em 1788 os generaes de
Crouchy, d'IIautpoul e de la Hile, Mr. de Vaty,
Mr. Leinercier, Mr. Debrolonne, e Mr. Journu,
cin 1789 Mr. Hernier, Mr. Uerger, Mr. Berryer,
Mr. de la Bruguierc, Mr. Conslans Touruier,
Mr. Defourmeut, Mr. Amable Dubois, Mr.
Gasticr, Mr. Joly, Mr. de Lamartine, o general
de I inii-.t.n. Mr, Lebeuf, Mr. Marchau, Mr.
llonjat e Mr. Viguier, em 1790-; Mr. Allier,
en 1793.
Os ui.iis mocos sao : Mr. Uocbslubl, nascido
a ll> de outubio de isj:; Mr. lieiijaininliaspail,
nascido a l(i de agosto de 1823 ; Mr. Kscliasse-
rlaui, a 25 de julhodc J823; Mr. Kslanccliu, a (i
de millu de 1823 Mr. de Coltllo, Mr. de Coulain-
COUrt, Mr. [Sapoltoh Uonaparle, Mr. Frcsncau.
c Mr. Valentn, em 1822 ; Mr. Houill c Mr.
Chaix, em I82i ; Mr. Greppo, Mr. Ga\ini, Mr.
de Bryas, Mr. Colfavru e Mr. Aubiy, 1820 ; Mr.
Mainel, Mr. de Falliouet, Mr. Verrigoy, Mr.
Saiiil-Hvue e Mr. Chaberl, em 1819; llr. Iluf-
fet, Mr. Vaudor, Mr. Uruys, Mr. Cordier, Mr.
Delbelz, Mr II ni,-rl; Mr. Kvaiu c Mr. Hatt-
dscpl, ein I8r8 ; Mr. Henjamin Uelessert, Mr.
oc Mousticr, Mr. Tu le, Mr. Uesinarcst, Mr. La-
marque c Mr. Boysset, em I8l7 i Mr. Ilnwyti
de 11 anchi ie, Mr. Osear Lafjyetlc, Mr. Frdc-
ric de Lagrauge, Mr. Maigne. Mr. Matheus-
hodet, Mr. Ressguier, Mr l'ioger, Mr. l'igeon.
Mr. Peupin, Mr. de Merode e Mr. Antuiue liona
parte ( nascido em liorna em 18i.
Els aqui a data do nasclinento de alguas dos
homens mais consideraveis da asseinbla :--
Mr. Arago, 1786"; Mr. Ilarocbe, 1803; Mr.
(Milln Hair.it, i de 1790; o general lledeau,
184 ; Mr. Berrier, 1790 ; Mr. Aiitoiue Ilonapar
te, l8l ; Mr. Lucien Uuuaparte 1812 ; o gene-
ral avaignac, 18 2de abril de l/ti ; Mr. Oulaure, 1798 Mr,
Dupetlt-Touars, 1793; Mr. Duplo. i. de U-ve-
jeiro de 1783 ; Mr. Len Faucher, 1801, o gene-
ral Courgand, 1783 .Mr. Vctor Hugo, 1802,
Mr. de 1.amaitine, l~i)0 Mr. l.ameuiiais, 1/82 ,
o general I.ainoricire, i80(i: Mr. le Ycriier,
1811 Mr. Ltou de Maleville, 1803; Mr. Manguin,
1187 ; Mr. Micliel de Uouiges. 1799 Mr. Mole,
24 de Janeiro do 178: ; Mr^.tlonlaleiiibert, 38iO;
Mr. Montebello, l80l ; Mr. Mural, 18u3 ; Mr.
Uadles de Moucln. 18118 Mr. l'aillet, 1796 I
Mr. I'.i.ssy. 1793 | u general Rapatel, 1782 ; o ge-
neral Regnaull de Saint- eau-d'.ingely, 1794j
Mr lleuiusai, 1797 o general llullicret, 1787
Mr. Louis Reybaud, 1799 ; Mr. Tiers, I7U7;
Mr. de Tocqueville, 1805 Mr. de Tracy, l"8l ;
Mr. de Vatimesnil, 1789.
A assembla nao comaeui scu seioseuao43
ministros ou c x-micislros em qualquer poca
do pausado. Estes sao :
Mr. Aiago, Mr. Barocbe, Mr. Odilon llarrot,
Mr. Fcruand Harrot, Mr. tfedeau, Mr. Aiueau,
Mr. ixio, Mr. de //roglic, Mi. bulle!, Mr. <.'/-
not, Mr L'aiaignac, Mr. Cbarras, Mr. t.rtuieux,
Mr. Urouyer-dc-Lhuys, Mr. Uull'ore, Mr. Uu-
mas, Mr. uupin, Mr. l.arlos Oupin, Mr. Kalium,
Mr. Lon Faucbcr, Mr. Achilles Fould, Mr.
Gouin, Mr. de llautpoul, Mr. Lacrosse, Mr. de
la Hile, Mi. de Lamartine, Mr. de Lamoricire,
fllr. I.anjuinais, Mr. Len de Maleville, Mr. de
Montebello, Mr. Mul, Mr. de Parieu, Mr.
l'assy, Mr. Komain Desl'osss, .Mr. de Rciuusal,
Mr. Rouher, Mr. Rullires, Mr. Subervie, Mr.
Tbicrs, Mr. de Tocqueville, Mr. de Tracy, Mr.
de Yatimesnit, Mr. Yeruinac de Saim-Maur.
Ha na assembla 52 embajadores, ininislros
ouex-iniuislros de Franca em paizaa estrangei-
ros a saber.
Mi. Emmanuel Arago Mr. aragucry de
ililliers, Mr. Kernaud Itarrol, Mr. i.u-t.ve ne
leauimni, Mr. Ilenoil Cahmpy, Mr. Hixio, Mr.
Kapoleon lionaparte, Mr. de broglie, o almiran-
te Clcilc. Mr, de 6'orcellcs, Mr. Drousyn-de-
Lhiiys, l"r. de Lagrcn, Mr. de Lamartine.
Mr.de I.emoricire, Mr. de Montebello, Mr.
Luciano Murat, Mr. Oudinot, Mr. Casimir Pe-
jier, Mr de Persingy, Mr. Piscatory, Mr. Soull
de Dalmalie. Mr. 'lliurinl de la llosierc.
22 nien.bios do Instituto: Mr d'Albert de
Luyncs, (academia das inscripedesj. Mr, Ara-
go (ciencias), Mr. fiarebou de Penhoeu (is-
cripefies), Mr. fiailhelemy Saint- llilaize (ci-
encias inoraes e polticas), Mr. Gustuvc de
Beaunoiu (siencias moraes e polilicas), lleu-
gnot (uscrirredes), Mr. de broglie (siencias
moraes e polilicas), Mr. Humas (sciensias ),
Mr.Cliardes Dupin ("sciencas inoraes e pol-
ticas e ciencia), Mr. Dupin I academia frail-
era esciencia inoraes e polilicas), Mr. d'llou-
delot 'bellas artes), Mr. Vctor Hugo (acade-
mia francesa), Mr. Lamartine (academia frau-
cesa), Mr. Llul (scicncias inoraes e polili-
cas), Mr. Le Verrier (ciencias), Mr. Mole
(academia francesa), Mr, Lon Faucher 'sci.
encas moraes e polticas), Mr. Ilipolite Passy
(sclencias moraes e polilicas), Mr. de Rmu-
sat (academia francesa e scieucia9 moraes e
publicas), Mr. Thiers (academia francesa e
eciencias moraes e polilicas), Mr. de Tocque-
ville (academia francesa e ciencias moraes e
polilicas). Mr. Vitet (academia francesa e
iuscrepies).
vicc-aliuiranles ou contra-almirantes: Mr.
Cecllle, vice-aliniraule; Mr. Dupetil-Tonars,
vice-almirante ; Mr. Lain, vic-almiranle ;
Mr. Romain Desfosses, contra-almirante,
Mr. Yerninac de Saint-Maur contra-almirante.
34 generaes:Mr. Achard, Mr. Arrighi de
Padoue, Mr. de flar, Mr. Aaraguey d'Hilliers,
Mr. //r.'i ni Mr. Cavaignae, Mr. Changarnier,
Mr. Chasseloup Laubat, Mr. Fabvier, Mr.
Gourgaud, Mr de Grammont, Mr. de Grou-
chy, Mr. de llautpoul, Mr. Husson, Mr. de
la ilitte, Mr. Ladet, iMr. de Lamoricire, Mr.
de Laureston, Mr. Lebretnu, Mr. Le Fio, Mr.
Maguan, Mr. d'Omano, Mr. Oudinot de Reg-
gio, Mr, Pelel, Mr. Radoult de Lafosse. Mr.
Rapatel, Mr. Regnaull de SautJean, d'An-
gely.Mr. Hey, Mr. Rog, Mr. Kullire, Mr. de
iaint-Priejt, Mr. Subervie, Mr. Tartas, Mr.
Wat-Viiueux.
32 ex-pares de franca:Mr. d'Albufera, o
general, Mr. Dambray, Mr. zVeaguot Mr. de
Hraglie, Mr.de Crouseilhes, Mr. Curial, Mr.
Napolen Daru, Mr. Chai les Dupin, o general
Fabvier, Mr. de Flavigny, o general Gour-
gaud, o general de Croucliy, o general d'Hant-
puul, o general d'liondetot, Mr Vctor Hugo,
Mr. de Kvatry, Mr. de Lagren, Mr. de Lari-
boislre, Mr. de Laurision, Mr. Mathieu de l
Redorlc, Mr. Mul, Mr. de Montalemberi, Mr.
deMontabello, Mr. Ney de la Mosku,va. Mr.
d'Ornano, Mr. Hipotilc l'assey, o geueral Pelel,
Mr. Peicatory, o geueral Rapatel, o general
Rullire, Mr. Sauvaire-Bartblemy.
ilOei-membros da cmara dos deputados.
l-'iniiiii de 900 membro da assembla con-
litulnte smtnte 330 forao reeleito e faiem
lioie parte da awembla legislativa.
Resumo: assembla tcm de Idade em sen
todo 35,613 annos. O meio para cada .um de
seus membroa he 47 anno 5 ineie 2 dias e
um quarlo.
20 representantes tem de 25 a 30 annos l
I62,de30a40; 316, de 40 a50 189, de 50 a
60, 53 de 60 a 70 9, de 70 a 80, 1 mals de 80.
O mais velho nascco em 1769, o mais moco
em i823. A assembla conta em eu seio 43
ministros ou ex-mlnlstro, 22 embaixadores,
ex-erabaixadores, menistros, ou cx-ministro
i Ir I i -a n. i em paizes cstrangciros;22 meinbroi
do Instituto; 6 almirantes; 34 generaes; 32
ex-pazes de Franca; 110 ex-deputados c 330
membros da assembla constituinte.
( / ii i i" Bauouj ).
Moniliur.)
"Publicaijoes a pedido.
NECROLOGA,
DUAS PALAVHAS.
A' memoria do Illm. e Reem. Sr. Franciico
Ferreira harreio. rommendador da ordtm di
Chriito, cavaltiiro da do cruttiro, prgador da
Imperial ropilla tugurio da [requeiia de S.
fr. Pedro 6'oncalef, da ptuvincia de pirnam-
bueo etc., ele.
Homenagem virtudc.
Tributo ao saber.
Haixou sepultura o Illm. c Revm. Sr.
Francisco Ferreira /Jarreto! A morte ceifou
nina existencia toda virtudc e philosophismo !
I mi lu se desprendeo do foco da illuslacao
brasileira, e sumiu-se para sempre a nonsos
olbos! A igreja calholica perde um de seus
uns conspicuos ministros, as letras brasilci-
i as choram enlutadas pela morte do sabio va-
rio pernambucano. O pastor de urna das
mais importantes paroohias da cidade de per-
nambuco cuja \ ida foi sempre o typo da mo-
ralidade, devotado a seu sagrado ministerio,
de urna regidei de principios cvicos e pro-
verbial honestidade: dotado de urna eloqucn-
cia deiiiostheuica, patcntiando seus inesgota-
veis recursos oratorios, quer na tribuna sagra-
da descreyendo a sublimidade^ do christianis-
mo, quer na da lepresentarSo nacioual ad-
vogaudo os direilos de seus compatricios, sen-
do um dos escolhidos para representar sua
bella provincia as cortes porluguezas- de
1820, j nao existe!... O Cicero da Vcneza
llrasilica, que' estasiava a quantos o ouviao e
admiravoa fecundade de seu .talento e llus-
tracao, solveu odoloroso debito que con-
tradir huinanidade, baldo de meios pecu-
niarios !. pobre sim, porque o ouro parece
s vezes fugir ao merecimento litterario '.'.
mas foi rico de saber, mas abastado de virtude
e resignaco, semelhautc ao illuslre vice-rei
da ludia Castro, que no leito da morte p ten-
ta .un indisivel iugeuuidade a deficiencia de
seus recursos para satisfacao das mais triviaes
necessidades da vida, para provar sua aquila-
tada virtudc! Mas os bros Jos compatricios
do venerando pastor ludo supprem, ludo fa-
cilitao para 'ne se llie preslem as honras fu-
nerarias mu o acatamento devido,
A-sim i. r ni 11, <>ii a sua carreira o illuitiado
Francisco Ferreira Brrelo por este pelago de
illusues, por esta senda tortuosa da peregri-
uaco Iiiiiii.hu ai ia chamada mundo. Sua
alma subiu.'serena e pura, maiico dos jus-
tos, e l, perante o ente dos entes, recebe o
premio de seu elevado merecimento. L, a
parle dos sabios brasilienses, dos padres Cal-
das e Pizarras, dos Audradas, Cayis e Mari-
cas, dos S. Leopoldos, Saiupaos e outros, gose
da eterna beiuavcnturanca. Aqui, na terra, li-
cao -o is timas e os preciosos e irrecusaveis
testeinunbos de sua erudicao : csses ttulos
que uuuca morrem, para acatar a sua memo-
ria c atleslar o culto c progresso das letras
brasileiras. huleemos um Paalmo pelo ilei-
canso de sua alma, e lancemos nina violeta
sobre a lousa que nos esconde seus restos
uiortaes, como symbolode uossa dr por Seu
pjssamento. *)
Peona desbabililada traca ousadamente es-
las liuhas como tributo de aiuiade c respeito
ao illustre moito; tarefa tao elevada cabe a
subido mrito
J. Marque* Perdigan.
Rio de Janeiro, 31 pe marco de 185l.
( Crrelo ilelcanli do /lio di Janeiro.)
A MndniioiscUr (enny.
Teus altos encantos quiz.era cantar
Se dado me fura nina gloria tamaiiha ;
Quizera tecer-te encomios sem par,
F.inbora accendesse dcsl'ai te a vil sanha,
Teus ledos, fagueiros c nobres mencios,
Se urna lyra d'oiro Uvera contente
Quiera eutoarvibrar sem receios,
i,iue iiiiirein ioiiIi i-,-r nuil 111 un phn ingente.
Mas baldo de engenho Poeta nao sou,
.Nao gozomaugrado! do encanto de Orpho;
Sem genio, sem arte, sem estro, Berteaux,
Formar nao me he dado o elogio teu.
Recebe com ludo, Genny-joven bella,
Os votos de estima, que aqu le dedico:
Se he iTime estiiner-le, segu minha estrella,
de be crime louvar-lc, eu me sacrifico.
Por um teu apreriadur.

u
A.LFANDBGA.
RendimeiUodo dia 29 4:042,555
Desnarregam hoje 30 de abril.
flrigue U Uo vinho.
Hirca II'. Ilussell mercadorias.
ICscuna fens/iaie -- idaoi.
Iliate Sociedade o resto.
CO.NSULADO GEIUL.
Abril.
r.,'ii liinenl.ii do dia 1 a 26 ,
IJeui do da 29 .". .
; i .i; in,:u>
3:587,221
78:235,536
" DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimento do dia 1 a 26 3:834,442
Idnni do da 29........ 7,475
3:841,917
EXPORTACAO.
Despacho martimo no dia 29.
Genova, polaca sarda Fidantali, de 395
toneladas : conduz o seguinte : 8,000 sar-
cos com 40,000 arrobas de assucar.
i;i.(.i:i;i.iiolti.\ ni; i;r.M.,\.s GKKAES
INTERNAS.
Kendimentododia 29.....183,359
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do lia 29......1.263,037
Movitneiito do porto.
Navios entrados no dia 29.
Macei 2 dias, ba/ca inglcza Archer, de
,*, He sensivel entre os a falta de um mo-
numento para repouso das cinzas de nossos
grandes boinens, a exemplo das naces civi-
lisadas.
237 toneladas, capitSo Cullherme Alo-
xandre, eqoipagem 12, carga assucar e
algod3o;aJames Crabtree& Cotnpanhia.
Veio recebarordens e segu para Li-
verpool.
Parahiba 4 dias, hlate nacional N.-S. das
Nives, de 20 toneladas, mestre JoSo Fran-
cisco Martins, equipagem 4, carga toros
do mangue ; a Justino da Silva Boa Vista.
Oburvacio.
Fundeou no LamairSoum brigue hespa-
nhol, o qual no teva coromunicaQSo com
aterra. _____________________
O Illm. Sr. oflicial-maior, servindo de ins-
pector da thesourarla da fazenda provincial,
em -iinipi iinentii da ordeip d Exm. Sr. presi-
dente da provincia de2 do.correte manda fa-
zcr publico, que nos dias 29 e 30 do crreme,
e primelro de malo prximo vindouro ir a
prava perante o tribunal administrativo da
niesina thesouraria para ser arrematado a
quem por menos fuer a obra do 23. lanco da
estrada da Victoria, avallada em 11.500,000 rs.,
e s6b as cjausulas especlaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem a esta arrema-
tado comparecain na ala das sessdas do raci-
mo tribunal nos dias cima mencionados pelo
meio-dia competentemente habilitadas na for-
ma do artigo 24 do regulamento de 7 de maio
de 1850.
E para constar se mandou amxar o presente
e publicar pelo Diario.
Secretada da thesouraria da fazenda provin-
cial de Pernainbuco, 4 de abril de 1851.
O secretario,
ylnlonlo Ferreira d'Annunciaco.
Clauulai eiptciaet da arrematacio.
1. Os trabalhos c obras deste lanco de es-
trada.'serao feitos pela forma, sobas condiedes
e do modo indicado no orcameuto e planta, e
mais riscos approvados pela directora emeon-
sclho, e apresentados ao Exm. Sr. presidente
da provincia, pelo preco de 11:500,000 ri.
2, As obras pripcipirrao no prazo de um
mez eserai acabadas no de dez mezes, ambos
contados da entrega do termo da arrcinataco.
3. Em todos os pontos onde a estrada nova
coincide ou encontra-sc com o caminho ac-
tual, dever ser dirigido o servifo de tal modo
que haja sempre um transito fcil, ou na es-
trada nova, ou no caminho.
i. 4.' O pagamento do importe da arrinata-
ciio ser feito em quatro prestaedes regulares
como marca o artigo38 do capitulo 3 do regu-
lamento de 7 de maio de 1850.
.i j Para ludo mais que nao est determi-
nado as presentes clausulas eguir-se-ha iu-
teiramente o que disprje o precitado regula-
mento.
Directora das obras publicas, 20 de marco
de 1851. Approvadas pela directora em conse-
Iho, no dia 20 de marco de 185l. O director,
Jo ilamede Mvu Ferreira. Ftoriano Delir
Portier-
Approvo. Palacio do governo de Pernain-
buco, i de abril de 1851. Souxa Ramos.
Conforme. O ollkial maior, ioaquim Pires
Machado Portilla.
Conforme. O secretario, Antonio Ferreira
d'Annunciaco.
O Illm. Sr. offlcial-maior servindo de
Inspector da thesouraria da fazenda provin-
cial, i-iii cuiuprimento da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia de 9 do corrente,manda
fazer publico, que nos dias 29 e 30 do mesmo
e 1 de maio prximo vindouro ir a praca pe-
rante o tribunal administrativo, da inesma the-
souraria para ser arrematado a quem por
menos fizer a obra da ponte da Gamboa dos
Arrumbados, avallada em 4230,640 rs. e sob as
clausulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem a esta arreina-
tacao comparecam na sala das sessdes do mes-
mo tribunal no dia cima mencionado, pelo
meio-dia, competentemente habilitadas na for-
ma do artigo 24 do regulamento de 7 de maio
de 1850.
Epara constarse mandou amiar o presente
e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda provin-
cial de Pcrnambuco, 10 de abril de 1851.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciacao.
Claualat etpeeiaei da arrematacio:
l." As obras da ponte dcsta arremata-
cao serao feitas em conformidade com o or-
., iinenin appresentado nesla data ao Exm. Sr.
presidente da provincia pelo preco de rs.
4:230,640.
2.' o arrematante comecar as obras no
prazo de um inez e concluir no de seis me-
zes ambos contados conforme determina o
aitigo30do regulamento.
3.a A importancia da arremataco ser pa-
ga em quatro prestaces, conforme determina
o artigo 38 do regulamento de 7 de maio de iS'h .
4.' Durante a execuco da< obras o arrema-
tante dar paisagem aos carros qara a povoa-
co dos Arrombados pela ruajunto ao sitio do
(..nrvalbo.
5.' O prazo de responsahllidade pela con-
servaco e perfeilo estado da obra ser umanno
contado da data do recebimento provisorio.
6.a Para ludo o mais que nao est determi-
nado pelas presentes clausulas segulr-se-ha in-
tegramente o que dispdeo regulamento das ar-
mataedes de 7 de maio de 1850.
Feitos e approvados pela directora em con-
sclho e sessao de 25 de fevereiro de l85l. O
director Jote Mamede \lvei Ferreira.--Joao Luir
l'eor' Lieuthier. Florianno Desiri Portiir.-
Approvo Palacio do governo de Pcrnambuco,
8 de abril de 185l.~ Souza Ramoi. Conforme.
iioiin i.il maior, Joaquim Pire Hachado Por-
tilla.Conforme O secretarlo, Kntini, Fer-
reira da Knnunciao.
Olllm.Sr. oliicial-maior, servindo de
inspector da thesouraria da fazenda provin-
cial, em cumprimenlo da ordem do I ah
Sr. presidente da provincia de 4 do corren-
te, manda fazer publico, que, no3 dias29 a
30 do mesmo, a 1. de maio prximo .vin-
douro, ir a praQt) perante o tribunal ad-
ministrativo da inesma thesouraria, para
ser arrematado a quem por menos lizer, a
obra do terceiro lanco da estrada do norte,
avahada em 14:684,923 rs. a sb as clau-
sulas especiaes abaixo transcriptas.
As pessoas que se propozerem a esta ar-
reiiialrtefiu i'oni|iarecam na sala das sessfies
do mesmo tribunal, nos dias cima mencio-
nados, pelo meio-dia competentemente ha-
bilitadas, na forma do artigo 24 do regu-
lamento de 7 de maio de 1851.
B, para constar, se man lou afiliar o pr-
senle e publicar pelo Diario.
Secretan,! da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 5 de abril de 1851.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciacao.
a Clausulas especiaes da arrematacio.
1. Ostrabalbos e obras desta porrjSo
de estrada serao feitos pela forma, sb as
coiidicOes e do modo indicado no orea man-
to, planta e perfil approvadu pela directo-
ra em consellio, e apresentado ao Exm.
Sr. presidente, pelo prego de 14:684,923 rs.
2. As obras principiarSo uo prazo de
um mez, e serao concluidas no de um anno
ambos contados dr entrega do termo da
arremata (So.
3. Em lo los os pontos onde a estrada
nova coincide ou encontra-sc com o ca-
minho actual, deer ter dirigido o ser vico
da modo tal, que haja sempre um trapsito
fcil, ou na estrada nova ou no caminho.
4. O pagamento do importe da arre-
matasSo ser feito em quatro prestaefles re-
gulares, de conformidade com o artigo 38,
capitulo 3. do regulamento de 7 de maio
de 1850.
5. Para tudoo mais que nao esta deter-
minado as presentes clausulas, soguir-se-
ha oque dispOe o citado regulamento de 7
de maio de 1850.
Feitas e approvadas pela directora em
conselho, em sesso da 31 de marco de
1851. O director, Jote Mamede Alvet Fer-
reira. 0 engenheiro, Joao Luiz Viclor Li-
euthier. i/, de Mattot, ajudante do en-
genheiro. Approvo. Palacio do governo
de Pernambuco, 1 Je abril de 1851. Sou-
za Hamos. Conforme. O oulcial-maior,
Joaquim Piret Machado Portetla. >
conforme O secretario, Antonio Fer-
reir da Annunciacdo.
Deelaraco.
-- arsenal de guerra compra azeite de
carrapato e fio de algo 13o: quem os mea-
mos gneros quizer vender, comparec no
dia i." de maio prximo vindouro, trazan-
do sua proposta,
Theatro de Santa-Isabel.
RECIRA EXTRAORDINARIA, EM BENEFICIO
DO ARTISTA GERMANO FRANCISGO DE
OLIVEIRA.
IIO'B, 30 DE ABRIL DE 1851.
Depois que os professores da orchestra tive-
i em executado urna escolhida simphonia abrir-
se-ba a cena, e a compauhia nacional repre-
sentar a encllenle tragedia em 5 actos :
Nova i: a-lio.
A parte de Aflbnso IV, ser deseinpenhada
pelo artista Jos da Silva Res.
No Inn da tragedia a senhora Baderna e o
Sr. Jos De-Vecchi dancarSo o novo e lindo
passo a dous, coiuposto pelo mesmo Sr. inti-
tulado,
A Duqueza d'Argil.
Depois do que a seuhora Candan! o beneli-
ciado e o Sr. Silvestre canurao, em portuguez,
um bellotercito jocosomsica escripia ex-
pressamente pelo maestro Joaquim (iiannini,
sendo a poezla do beneficiado
Terminar o espectculo com o lindo bailete
intitulado,
.4 Discipula de Amor, ouo Salyro.
Composto pelo Sr. Jos De-Vecchi.
Persnnagens.
SvlphideM. Baderna.
/curoA Morcan.
SatyroI. De-Vecchi.
AmorTbotnazia.
Nymphas ele. ele.
O artista beneficiado, dirige desde j,
um voto de gratido as pessoas que o obie-
quiarem.
Os bilhetes acham-se disposicao do publi-
co no escriptorio do theatro.
Comecar s 8 horas.
Theatro de S.-Francisco.
QUINTA-FEIRA I. DE MAIO DE i85i.
GruiKlc i-i'|ii'<'-i'iiiiici(i extraor-
dinaria
Primeiro acto.
Dansa de corda pelo oven Carlos sobre a
corda, difiranles passos e evoluces : o joven
e intrpido Brcmond executar dlfflcel posi-
ei.es sem maroma ; inadamesella Gcnny sobre
a corda executar diversos pa.ssos, seguindo-se
os grandes saltos de el, va. ,m por raadamesella
Seraphina, terminando o aclo com os jogos da
bandeira brasileira.
Seyundo acto.
Os grupos do Carnaval de Vcneza, nos quaes
inadamesella Genny subir a pyramides, for-
madas pela compauhia a grande altura.
Terceiro acto.
Grande e variado exercicio de deslocacocs
por Mr. lierteaux, e o joven Hreroond, seguin-
do-se os jogos icarios por Mrs. Berteaux, Ure-
iininil e Charles.
Quarlo acto.
Les cordages i raneis, pelos Srs. Berteaux,
joven Bremond, Charles, madainesellas Genny,
Hortense e Seraphina.
Quinto aclo.
Grande pantomimo em dous actos inlitula-
do-OS DOUS JORGETEA' OU OS AMANTES IL-
LUDIUOS.
Sexto acto.
Ouailros vivos, i nleirmenle novos, por toda
a companhia.
Primeiro quadro.
O juito de Pares.
Segundo quadro.
Hebe.
J'erciro quadro.
O anjo da guarda.
Quarto quadro.
A V, a Esperanca e
a Caridade.
'Qut'nlo quadro.
Susana (a casta. )
Sexto quadro.
Massacre dos inno-
centes.
Para a Baha sahe em poucos dias o hia-
te Amelia, por ter parle da carga prompta
quem no mesmo quizer carregar, emenda-
se com os consignatarios, Novaes & Com-
panhia, na ra do Trapiche^ n. 3*.
Maranhao e-Cear.
Segu em poucos diss o brigue-escuna
Laura, por ter grande parle da carga trata-
da, tem excellentes commodos para passa.
geiros : quem no mesmo quizer carregar ou
rdepassagem, entenda-se com o capiHo
na praca, ou com os consignatarios, Novaes
& Companhia, na ra do Trapiche n. 34.
Para a ilha de S. Miguel o brigue por-
tuguez OUveira, sahe infalivclmente at o
dia 20 de maio vindouro, por ter jn parte da
carga prompta : quem no mesmo quizer
carregar ou ir de passagem, dirija-se ra
da Madre de Daos n. 36, a fallar com Joo
Tavares Cordeiro.
-- Para o Rio de Janeiro segu viagem
com brevidade o patacho nacional Curioso,
capitSo Jasada Cunha Jnior, por ter parte
dn carga fugaj'la i quem no masmo quizar
carregar ou ir de passagem, pJe enlen-
der-se com o capito na Prac, ou com o
consignatario Luiz Jos de S Araujo, ni
ra da Cruzn. 33.
Maranhao e Tara.
O brigue-escuna nacional Arcelina desti-
na-se para aquelles portos; j tem a maior
parla da carga prompta: para o restante
trata-secom J. B. da Fons?ca Jnior, na ra
do Vigarion. 23, segundo andar.
Por preco commodo.
Vende-se a muitn veleira e galante escu-
na brasileira Aielaide, Je porta de 45 tone-
ladas, forrada e encavilhada de cobre, e ver-
feitamente apparelhada, a qual se acha Tun-
deada confronte o caes do Hamos, pnde po-
de ser examinada : os pretndanles podeni
dirigir-se ra do Trapiche n. 11,
Navios a carga.
Para o Rio Grande do Sul, o brigue na-
cional C.arlot, capt5o Jos Joaqnim Soares,
segu em poucos dias, por ter dous tercos
de sua carga promptos : para o restante,
passageiros, para os quaos lera bons com-
modos, ou escravs a frea, trata-se com o
referido capitSo, ou com os consignatarios,
na ra da Cadeia do Recife, armazem o. M.
Para o Caar sahe at o fin) do corren-
te mez a escuna nacional Marta Firmina,
capitSo e pralico JoSo Bernardo da Roza,
por ter 0 sou carregmento quisi comple-
to : quem na mestna anda quizer carregar
ou ir de passagem, pode cnleuder-se codi o
consignatario da mesmi, Luiz Jos de S
Araujo, na ra da Cruz n. 33^____________
Leiles.
PRECOS bOS IIII.I1KTFS.
Camarotes de primeira ordem de frente is.
(iiiim ; de lado 4/0Oo rs. ; de segunda ordem
defrente 8/000 rs. ; de lado5/000rs. ; de ter-
celra ordem 3/i 00 rs. Platea 1|000 rs.; varan-
da 500 rs.
As pessoas que pretenderen! bilhetes diri-
ja m-se ao iiie8ino theatro.
Pubhcaco Iliteraria.
Sahio a luz a stima edicao do mui prefe-
rivel e adoptado Compendio de Gramticas
portugueta do Sr. Salvador Henrique de Al-
bu.juerque. Este compendio pela sua con-
siso e claresa e peU san doutrina que expe
torna-se recommendavel para o u/.o das au-
las primara.
Ofaclo de sua impressao por setc vezes no
curto espaco de dezaaetc annos sendo todas aa
ediedes composta de grande numero de exem-
111.11 es be urna prava mais que sutnciente do
aeu mrito.
A tudo lato e aoa melhoramentos introdu-
sidos por seu labarioao autor, rene aprsen-
te edicao, urna impressao mui limpa.
Acha-se avenda na loja do editor Joao da
Costa Dourado pateo do Collegio n. 6. meta
eiicadernaciio a 640 rs, cada exetupiar.
~ Brender a Brindis & Companhia fa-
ro leilao ( em conlinuacSo do de 25 do
corrente, no qual n3o houve tempo da ex-
pnr todas as suas mercadorias venda por
interveneflo do corretor Olveira, de diver-
sas ferragens para concluir facturas, a le
minias cnlilerias allcinaes, >: outras, assim
como de miudezas: quarta-faira, 30 do cr-
renla, s 10 horas da manha, no seu arma-
zem, ra do Trapiche Novo n. 16.
-- Fox Brothers farfio leilflo, por interven-
Co do corretor Oliveira, de um perfeilo
sortimento de fazeodas inglezas as maii
proprias do mercado : quinta-feira, 1. do
maio, s 10 horas da manhSa, no seu ar-
idazem, ra da Cadeia.
O corretor Miguel Carneiro far leilSo,
no dia quinta-feira,.!.0 de maio, s 10
horas da manhSa, no seu armazem, na ra
do Trapiche n. 40, de dilTerentes trastes no-
vos e em meio uso, como seja louc*s, can-
dieiros, cailicaet le casquinho com man-
gas de vidro, ricos quadros, relogios, es-
pingardas e pistolas patente inglez a urna
porcSo de vinho de Chen muito superior,
que ir a leilflo ao meio-dia ein ponto.
-~ii corretor Miguel Carneiro far leillo,
sexta-feira, 2 de maio, asi I horas da ma-
nha, no seu armazem, na ra do Trapicho
n. 40, da h iicac i denominana Diligencia,
que serve para cronar navios, forrada a on-
cavilhada Je cobre, com crranles d : ferros
cadernaes, apparelhos e diversos objeclo,
constantes do inventario, que estar a vis-
ta dos pralendentes, cuja barcaca se ven-
der anda mesmo em particular antes do
dia marcado do leilSo, por preco muito
commodo, a dinheiro oua prazo com let-
tras a contento.
Miguel Carneiro far leilSo aexta-feira2
de malo as ll horas da manha, no seu escrip-
torio ra do Trapiche n. A0, da escuna brasi-
leira Adelatdi de lote de 45 lonclladaa os pre-
tendentes acharo no dito eacrlptorio o in-
ventarlo de ludo que pertence a dita es-
cuna.
II. E. Scolt, capitao da galera america-
na Paleslie, far leilSo (transferido do dia
29 do corrente por causa da chuva), por
inlervencSo do corretor Oliveira, das ver-
gas, veame completo,* cordoalha, masla-
ros, moites, corren les minias e mullos
outros pertences da dita galera, arribada a
este porto, onde foi legitmenle condemna-
da, na sua recente viagem procedente do
porto de Calaio, carregada de guano, com
destino ao de Baltimore : sexta-feira, 2 do
prximo maio, s 10 horas da manhSa, o
armazem do Araujo, becco do Conexivas.
II. E. Scott, capitSo da galera america-
na Palestine, far leilSo, por iulervenc*o do
corretor Oliveira, do casco forrado e nca-
vilhado de cobre, amarras, ancoras a fogSo
de ferro, um bote, mastros reaes, etc., da
dita galera, arribada a esto porto, onde mi
legalmenta condemnada, na sua recente
viagem do porto de Calaio com destino ao
de Baltimore: segunda-faira, 5 do prxi-
mo malo, s.ll horas em ponto, porta da
associacSo commarcial desta praca.
.J.I-
Avisos martimos.
Ageajj|a7 da companhia dos vapo-
res inglezes.
O vapor Tefi'ol deve aqui che-
gar procedido dos portoa da
Kuropa no dia l. at 2 de malo
prximo futura : aquelles se-
nhores que prelenderem passagem no mesmo
para oa portoa do sul, queirain diriglr-se com
a necessaria antecedencia ao eacrlptorio da
respectiva agencia na ra do Trapiche n. 42.
Os excellentes commodos, asaeio e attencoao
I ral inienlo, que se enconlram a bordo destes
vaporea felizmente ae acham demostrados pela
experiencia durante o pequeo tempo em que
se acha eatabelecida esta companhia, o que
tudo unido a brevidade de suas viagens fazem
toda a recoulmeodaco e garanta aquelles
aenhorea que desejarem fazer urna commoda e
bit-ve viagem.
Avisos diversos.
Odesembargador Jeronymo M*rlima-
no Figuera de Mello, devendo seguir para
o Rio de Janeiro no prximo vapor da com-
panhia ingleza, e nSo podando despedir-se
de todos os seus amigos e pessoas que o
honrara com a sua eslima e considractoi o
faz por meio da imprensa, e sinceramente
llies offereca naquella corte o sau limitado
prestimo, certifican lo-lhes que por muito
feliz se dara se em algutna cousa Ibes po-
desseser til.
Koga-se as autoridades policiaes, qua
por sua hondada hajam da remover a douda
que se acha na cadeia desta Cidade para o
hospital, pois com a sua gritara de dia a de
noite muito incommoda a vizinhanc-
Vm dot incommodados.


ss
'3
O primeiro secretario da sociedade Nora
Tilia convida aos socios da inesma para urna
reunan no dia 30 do corrrntc pelas seis e meia
horas da tarde na ra de Hortas n. 36. Os gra-
ves Inleresses da socicdade exigein imperio-
samente a presenca de todos os socios, t co-
mo ja por diversas vcies teuha acudido mu
diminuto numero de socios ao convite, que
pelas gaietas desta cidade Ihes tein sido fei-
to, declara o primeiro secretario em m...... da
cnmmlssao, que aquellos socios que nao com-
parccerem, tem adherido tcitamente a tudo
(jiianto dclibcrarem os socios presentes.
Roubo.
As 7 horas da noite do dia 27 do corren-
te (abril) Coi rouhada a loja de ourives da
praca da Independencia n. 25, de Marmol An-
tonio 'los Passos Oliveira, coasislindo o rou-
bo as obras de ouro abiixo declaradas : a
pessoa que descobrir o roubo, ou der noti-
cias certas, se promette i gratificacSo de
200,000 rs. a saber : 7 voltas de armario
para senhora, 12 pares de brincos grandes
de armacBo, 8 ditos de ditos pequemos de
dita, 20 ditos de ditos le dlmfJMites gos-
tos, 16 a Heles de armarnoJF pares de
brincos pequeos trancazos, uma porcflo
de argolas cortadas, urna drade ditas li-
sas, 1 habito de Christo, 1 dito da ordem de
Aviz, 1 corrente de relogio, 1* transelins,
uma porcSo de palmos de cordao, 30 aunis
de diferentes gostos, tres pulseiras ,
uma porco de rozelas, uma dita de solita-
"rias, urna cora grande, uma bandeira, uma
porcSo de solitaria para dedos, uma dita
de ligas de ouro e uma dita de ditas do uni-
corne.
Quero comprou um escravo de nomo
Antonio, a Domingos Jos de Souza l'er-
reira, morador na ciliada d Penodo, e
qtiizer saber noticias ilelle, dirija-se ra
iln Queimado n. S, defrontu do *becco d*o
Pe i se Frito.
Hoje, 30 docorrenle, na sala das au-
diencias, e depois logo da mesma, so li<1o de
arrematar de renda annual, por sera ulti-
ma praca, os armazens e trapiche da ra do
i iii'iiin, um dos pontos de embarque, e um
sitio na Torre com casa de vivenda o arvo-
redos de fruto, a margetn dorio Capibari-
be, levados a praca por execucSo de Ma-
nuel l'ereira Magalnfles conlra l.uiz Antonio
llodiigues de Almeida : os pretemlentes,
comparecam logo depois do meio-dia.
--Eu absiio assignado admiro que o Sr.
Francisco Antonio de Miranda tenha enlre-
gue os fundos de sua venda aos seus ere-
dores, o iimi mu lenha contemplado no oi
desles, metiendo em si a quantia de 29,84o
rs que me he devedor : porlanlo advirto
aos mais credores que conten mais com
esla quantia, a qual se provar sendo pre-
ciso. Francisco Jos Gnncalves.
Precisa-se alugar mu inolcque que seja
fiel, para todo servico de um huiiiein solteiro:
na ruada Cruz n. 15.
Roga-sc as pessoas que tcm penhores na
mo do abaixo assignado, li.ij.-iin de us mandar
tirar no praxo de oilo dias, da data deite, do
contrario serao vendidos pata pagamento do
abaixo assignado. Recite, 29 de abril de l85i
Joic loaquim da Silva Mata.
O Sr. Manoel Joaquim da silva Maga-
Ihaes, tein urna carta vin.'a de Pedras de 1- o-
go : na praca da Independencia ns. 24, 2 e 28
J.olera da matriz da Boa Vista
O andamento das rodas he no
dia j anounciado a de jiinho vin-
douro s 8 horas da manhaa no
consistorio da mesma matriz, e o
restante dos bilheles est a venda
nos luga es do costume.
Precisa-se fallar com liento Fcrreira Al-
ves, filho de Antonio Fcrreira Machado, e
Aguida Mara Al ves da freguezia deS. Joao de
Cuides, do Conselho da Maia, em Portugal, a
negocio de seu interesse : dirija-se a ra do
Crespo n. 10, segundo andar.
-- Os senbores devedores as extinctas casas
de Fox & Stodant W. E. Sinith c James Cocks-
holt & Companhia eutendam-se com S. P
Jolinston & Companhia, liquidatarios do> mes-
inos : na ru da Semalia Nova n. 42, afun de
salvaren! seus dbitos.
*-- Faz-sc negocio com una divida de 10 con-
tos e tanto de um dos senhoresde engenho em
Serlnhem, coin liypolheca n'um dos enge-
ulius do inesmo : a tratar com A. P. Jobnston
& Companhia : na ra daSenzalla Nova nu-
mero 42.
Precisa-se alugar duas prelas que si-
bam vender na ra, pagando-se 12,000 rs.
iii.-ii-.nes : quem as livor, dirija-se a ra do
llangel, sobrado de un andar n. 57.
Furtsram um aderes^p de ouro com pe-
dras rosas e alguns aljofares, em uma cai-
xa iio rnarroquim, consislindo em brincos,
pulseiras e allinete de peito : pede-sea pes-
soa a quem for ollerecido para o comprar o
apprehenda, eannuncie por este Diario pa-
ra ser procurado e generosamente recom-
pensado, mi .i matulo entregar no primeiro
andar da casa n. 38, da ra da Cadeia do
Recite;
O abaixo assignado declara a quem in-
teressar, que he senhor e possuidoavdos ter-
renos outr'ora poitencentes a- capella de IS.
S. da ConceicSo dos Coqueiros do bairrotla
Boa Vista, que estavam linos, desembar-
gados e nao letigiosos; e as pessoas que
teem casas sitas nesses terrenos obrigadas
a pagar foro e'laudemio no casodealhea-
c,'m, ik'voni procurar edirigir-seao abaixo
assignado. Jado Hentiques da Silva.
Precisa-se fallar ao sr. Manoel de Frei-
las GuimarSes, Portuguez, lilho da fregue-
zia de Santa Chi'istiua de Longos, a nego-
cio de seu interesse, na ra da Cadea de
Santo Antonio, veuda n. 2, defronte do
Iheatro velho.
-- Deseja-se fallara negocio de particular
interesse com os Srs. Fernando Rozauro,
capitSo do segundo batalbSo de caga.Unes,
e o cmico Sebastiao de arruda Miranda:
na ra da Cadeia Velha n. 56, loja de fer-
ragens.
--O mogo brasileiro de 15 a 16 anuos,
com bastante pralica de venda, que se of-
fereee pjra caixeiro no Diario djs quarta-
feira, 22 do correnle, dirija-se sos Quatro
Cantos da Boa Vista n. 1.
Auguslus S. Corbett begs lo inform
bis fren.is and lite commercial public ibat
oii the 22 nd Instant h resigoed the pro-
curaron of the llouse of James Ityder &
C*, aml tliat bis Counting llouse and
Ware.house are at n. 45, ra da Cadeia, Re-
cilfe where hia business will in future be
conducted. l'ernaro.* 23"* April 1851.
-- Pelas oilo horas da noite do (Ha 22 de
abril, correnle, desappareceu do sitio do
Mondego, casa de um andar, ao p da que
esl eslabelecida a fabrica de rap Meurom,
um preto de nac3o Costa, estatura regular,
cu o tallios no rosto ; lovou caigas azues e
sem carniza : quem o pegar o levar a dita
casa, ou a Magdalena, sitio de Jos Antonio
Basto, ser bem recompensado.
- Os Sr. JoSo de Dos Moreira de Carva-
Ibo ( do Cabo ), Anlonio Gongalves de Oli-
voira ( de Pedras de Fogo ), Agostinho Co-
mes Feitoza (do Brejo ) e Joaquim Dias de
Sant'Anna, vilo, ou mandetn ao- Aterro da
Boa Vista, sobrado n. 10. a negocio que Ihes
dizem respeilo.
Precisa-se de uma mulher, que cozi-
n lio. o cun pro para uma casado duas pes-
soas i quem quizer apparega no sobrado
contiguo a igreja dos Martyrios : prometie-
se pagar bem.
--Arma Benedicta da Rocha Silva avisa
ao respeilavel publico, que mudou o seu
collcgio de educagSo de meninas para o si-
tio do Sr. Ilerculano, na travessa da Sole-
dade.
Precisa-se de uma ama de leile prefo-
riado-se escrava : a tratar na ra da UniSo,
casa de Jos Mariano de Albuquerque, lado
esquerdo, indo para a mar.
A pessoa que precisa de 150,000 ris,
dando os servigos de um escravo por pre-
mio, entenda-se na ra do Cotovello ns. 29
e 31.
Quem annunciou querer 150,000 ris,
dando para seguranga um escravo pelos ju-
ros do dinheiro, dirija-se ra daSenzal-
la Velha n. 46, que achara com queo tra-
tar, ou na ra da Guia n. 9.
-- Precisa-se ;alugar um preto ou mole-
que para servir a um liomem solteiro, nSo
precisa ler habilidades, porm que seja bs-
tanlo ladino : quem liver, dirija-se ra
do Queimado n, 16, que se dir quem pre-
cisa.
> .-y imilia 13 do corrento em d-
5" ante haver o bello sorveto feito a "fl
moda do Farul, na corte, na nova j|
casa da ra do Rozario larga, junto ^ :
a ultima botica, pelo prego de 200 -
rs. ; laiiilu-iu tem com-nodos para tor jj
das equaesquer familias, com entra- 2<
da separada, que queiram honrar a 2
5- Uita casa, o dono deste estabeleci-
".j- melo promelte ao repeitavel pu- :
. blicoapresentar sempre bous sorve- J<
j. les felos de diferentes frutas, e os^j
^ servigos da casa com toda a apiolan. +*
iMtikt AAA A A a%>
Precisa-se alugar um sitio, que lenha
boa casa de vivenda, e que seja perto da
praga, pieferiudo-si; pe rio da Soledade, pa-
gando-si! bem se tiver boa baixa para capim:
a tratar com o llr. Moscoso, no consultorio
llomoe'opalhico, ra do Collegio n. 25.
t- Pelo ultimo navio viudo de Franga re-
cebeu-se, na casa de modas francezas do
mu Intu Millochau Buessard, Aterro da lloa
Vista n. 1, um sortinienlo de modas prelas
para luto e quaresm, como seja : maulas
do bien preto para a cabega, capotinhos e
manteletes de seda e de bico, lengos de gar-
ga, de fil e de rade do retroz par pescogo,
cabegOes de bico, litas de todas as larguras,
crep liso, barege, filos lisos e bordados
do liiiliu e de retroz, luvas de seda o de re-
do com dedos e sem olios, ditas compridas
para ceremonias de igreja, transas e fran-
jas de todas as larguras para enfeites de
vestidos e manteletes, bicos pretos, etc. ,
etc. Na mesma casa faz-se electivamente
chapeos o vestidos, e tudo o mais que for
ciiu rnenlo a toilette das senhoras.
-- Prpcisa-se de 300,000 i. a juros : quem
os livor, annuncie.
Arrenda-se um sobrado de dous anda-
res e loja, na ra do llangel, e veude-se uma
parle de oulro sobrado de tres andares, em
una das melhores ras do bairro* de Santo
Antonio : os pretndanles podem dirigir-se
a ruados Pires n. 19.
Precisa-se de uma ama : na ra do Ran-
gel n. 25.
-- Deseja-se ter noticias de George Ab-
bitt ( carpinleiro que voio de Lisboa para
0 Brasil i.o anuo de 1836, e sua mulher Ihe
seguio no anno seguinte ) : na ra do Tra-
piche n. 14
O bnchorel Florencio daSilceira Caval-
canli de Albuquerque advoga no crime e ci-
vel, 7io segundo andar do sobrado n. 18, airas
da matriz de Santo Antonio.
A commlssao administrativa da sociedade
Apolnea fax publico que na reuniao havida no
dia 25 do correnle se dellberou que fossein de
novo convidados os respectivos socios para
coinparecerem no di* 2 do prximo futuro mei
aB 5 horas da tarde, em o numero de que tra-
ta o linal do art. <7a dos seus estatutos, visto
que o socios, que compareceram concorda-
i un na conveniencia da dissolucao da mesma;
aendo que atiento o estado de iinposslblidade
de mii conliuuacao, no dia novanieule desig-
nado se tomara respeito una resoluco defi-
nitiva, qualquer que seja o numero de socios
{ireaentes. Outro sim, deliberou-se igualmen-
e que de novo se convidasse aos socios, que
se achajn atrasados para com a sociedade ahm
de que at o nieucionado dia 2 de inaio salisfa-
cam seus dbitos, sob pena de seren ilimina-
dos nos termos do artigo 8. dos eitatutos, e
nao podcrein depois reclamar contra a deciso
que por ventura for tomada na prxima re-
uniao.
Uflerece-se um rapaz brasileiro para
qualquer estabelecimeulo: quem de seu
presumo se quizer ulilisar, dirija-se ao
becco do Abreu, dentro do.Recife.
Oabaixo assignado fas selente ara credores
de seu mano Tliom ArChanjo Teixeira Caval-
canti que elle seu mano nenhuiira parte tem no
sitio da Capunga que possue o annunclante ;
si) sim, apenas he elle consr.ihor d'ametade
de um terreno que tica no fundo do inesmo
sitio ib) annunciante cujo lerrcun tein a fren-
te para a estrada da Baixa Verde, como tudo
provado he pela cscriplurl de compra passada
pelotabeliao Regia em 18 de novembro de l84l
a elle annunciante, e ao fallecido padre Tho-
m Teixeira Cavalcanti pelo vendedor, Fran-
cisco Cordeiro Raposo. Adveite maii o annun-
ciante para duvida ncnbuma baver de futuro
que a casa de vivenda de dito sitio e terreno
com fruteiraa he propriedade dlatincta ao an-
nunciante, pois qu': para isao deu pelo inesmo
ao dito vendedor <:i00,000rs. fbula quantia
pagouo .umiini i.uiU: a >a, e o |s.lrun> padre
comprador com u annunciante tao smenle
coAiprou e Ihe pertencla melade do terreno
desse sitio do meio do inesmo para o lugar da
llaixa Verde ond'- faz frente,como assiin decla-
radamente est ua referida escriplura. E anda
mais se diz que deasa amelado de terreno sem
casa pertenceote ao referido fallecido padre
1 hum he elle, aouunciante e o dito seu mano
Thoiu henliros desse quinho que de dito
terreno era proiirietario aquclle referido pa-
dre fallecido, de quem be o aonunciaote seu
verdadeiro iherdelro como declarado est em
verba testamentarla por aquelle reverendo
fallecido, q como regMado se acha no carto-
rio de residuos aonde toda e qualquer duvida
UDto com a referida escriptura ou compra se
pode ventillar loda essa verdade do annun-
ciante. E para que entendido fique qualquer.
credor qne se chama ser aquelle referido Tho-
m\ faco esta publlcaco bem e declaradamen-
te feita, para que de futuro nao haja engao
no comprador ou arrematante aquellos que
fol do referido anniinci1'" Thom.
Joo Baptista Teixeira Cavalcanti.
Candido Alberto Sodre da Motta, declara
que he lodo falco o annunclo do Sr. Francisco
Antonio de Miranda publicado no Diario de
Pernambucon. 93 de 24 do corrente met de
abril d'esle anno. O Sr. Miranda, por cir-
cular de 23 de fevereiro d'esle anuo eonvidou
a cus credores que por urna nota incluida
na circular eram smente os Sn. Jos Rodri-
gues Pcreir de 55,040 rs. Joao Tavcrea Cor-
deiro de 10S.44O rs Luli Jos da Costa Amo-
rim de 40,200 rs. Manoel dos Santos Pinto de
43,270 rs. Jos Joaquim Das Fernandes de
27,000 rs. Pinheiro Jacome del7,100 rs. e o
annunciante de 67,440 rs. para tomar eonta da
sua venda no pateo do llospltal 11. 3n, e dis-
porm d'clla afun de serem cmbolcados, vis-
to achar-se elle fallo de saudc, c em cir-
cunstancias de nao poder inais continuar.
Em vista d'essa circular apresentou-se o an-
nunciante, e apresentaram-sc alguns outros
credores do Sr. Miranda, e lbe cxlgiram o ba-
lanco; mas o Sr. Miranda, ou nao quiz entao
aprsenla lu ; e ficou de o aprescniar e s no
i. desie mea foi que o Sr. Mlrapda apresen-
lou o tal balanco que dlx baver na renda
585,150 rs.. de inaneira que montando as di-
vidas ento declaradas por Sr. Miranda a
4i2,090 rs. apenas tinha-mos a diferenca de
I93.00 rs. alavor do Sr. Miranda. F.m conse-
quencia, pois da circular a vista do balanco e
do accordo tomado por oa credores desde 11
de mi 11 o d'este mesmo anno de conformidade
com a vontade do Sr. Miranda, Sodr toinou
conta davenda que espontneamente Ih'o en-
tregou o Sr. Miranda. Cumpre porin de-
clarar, que quando o Sr Miranda entregou o
balanco da venda, entregou tambem urna no-
va relac.o de credores, que s defera do an-
terior as dividas de aluguel de casa, novo
imposto, consumo d'agoardcnte e trez letras
da compra da mesma venda, augmentando
Sor isso o debito passivo do Sr. Miranda
26,090 ris de inaneira que nao obstante dar
elle nessa segunda relacao a quantia de
414,000 ris de dividas activas que Dos sahe o
que sao anda assiin o saldo he conlra o Sr.
Miranda como elle mesmo reconheceu e de
clarou, e porisso que os credores viro que
lodo esse restinbo seria consumido por a icn-
posslbilidade confessado por o Sr. Miranda
aeei-ii ii un esses r-slos para pagarein at
onde cnegarem os bens do Sr. Miranda. Por
expendido, que consta de documentos, que
Sudr est pompto apresentar a quem os
qtriier ver, e a onde for mister j se v que
he falco, e falcisslino o anmincio do Sr. Mi-
randa ; mas ainda occorre que agora quer o
Sr. Miranda apresentar mais credores elicar
todava deshonerado de indos os seus dehi-
bitos com essa Insignificante, e incerto va-
lor que deu, o que nao pode chamar se seno
eclravaganle prelenco.
Porque quanto ao augmento dos credores,
est visto que o .vr. Miranda de incz em inez
ou de la em la ir apreseniando novos cre-
dores, o que corto nao he nein foi nunca re-
gular, c cabivcl e quinto a ficar aqui t, con-
ven! que o Sr. Miranda dii;a qual a lei que
tanto manda para ticarcm seus credores con-
vencido; e porisso que Sodr esl crenle que
n u pode ler cabimento essa perlenco do
Sr. Miranda concluir aprsenle declarando-
Ihe que nao continu uosse terreno porque
talvcz nao encontr na lei, c nos seus credo-
res apoio para tanto abuso, Rccfe 25 de
abril de l85l.
Francisco Cavalcanti de Albuquerque
l.ins, herdeiro universal do finado conego
vigario de Santo Antonio do llerife, l.uiz Jo-
s Cavalcanti de Albuquerque l.ins, roga ao
aclual senhor do engenho Pedreiras, da en-
marca do i.minina, em cujo engenbo exis-
tem os patrimonios do dito vigario e sei
mano o padre Antonio Jos Cavalcanti, ha-
ja de mandar pagar-lhe os respectivos ju-
ros, bem como se quizer desolirigar-se des-
se onus, entenda-se com o annunciante em
seu sitio, na estrada de Jo5o de Barros, em
qualquer ora do dia, ou no Recifo, com seu
procurador, Joaquim de Albuquerque e Mel-
lo, na ra do Collegio n. 7, segundo andar,
das 6 s 10 horas da manlia, e das 4 s 6
da tarde.
As tres horas da tarde do dia
3o de dezemhro prximo pausado
esappareceu da casa do deposita-
rio Francisco Jos Arantes, o'ca-
bra de nomo Pedro, pertencente
aoSr. l)r. Pedro Becerra l'ereira
de Araujo lie 11 rao, com os signaes
seguintes : cabellos caixados, bra-
co esquerro alejado, cicatrizes na
p e no braco esquerdo, e outra
no estomago de um laceada ; quan-
do falla finge ser gago, muito pro-
sista e canttdor ; levou camisa de
riscado azul e calca de algodo
transado, lislrado, americano: ro-
ga-se a polica e aos capitaes de
campo, se o viren), de o pegar e
leva-lo matta da Torre, sitio do
Leao, ou no Hceile, ma da Cadeia
de Santo Antonio, armaztm deti-
jolo.
O padre Thomaz de Santa Marianna de
Jess MagalhSes tem aborto aula para ensi-
nar primeiras lettras" e Utim, segundo o
systema adoptado as aulas publicas desle
imperio, na casa de sua residencia, n rui
do Rozario da lloa Vista n. 48, e recebe
alumnos, nSo s externos como meio pen-
sionistas, e tambem pensionistas, o seobri-
ga a dar bom tratamonto ; escusaudo porm
de mencionar precos e qunlidadedo ira la-
men tu, porque com.os pas, tutores ou cu-
radores se entender* : o que, porm, pro-
mi'iin he o adianlameoto dos seus alumnos
e a boa educado.
O Rila 0 Consultorio homieopathico do faculta- Q
q tivo J. U. Casanova. q
Gratis para os pobres. rx
Na auseucia uo facultativo J. B. Ca- t
% sanova, o professor homasopalha J*
v Gosset Bimool continuar com os '
& trabalhos do mesmo consultorio, on- O
O de poder ser procurado a qualquer O
O hora. &
INSTRUCCAO PRIMARIA.
0 abaixo asaignado, leudo recebido do res-
peilavel publico benvolo acolhimento, visto
.ionio j nimios paos de familia Ihe tem con-
fiado seus tilhos, convencidos da maneira
conscienclosa por que o annunciante tein de-
seinpenbado as obrigacea que se compro-
metiera na direceo de sua aula particular,
na ra do Mondego n. 44, rende por este meio
um publico agradecimentoaquelles que nelle
tem depositado sua, coniiini;a em assumpto
to delicado como seja a priineira educaco de
seus filhos O annuuclante julga dever aluda
solicitar a confianca das pessoas moradoras
fra da prafa, para quem foi especialmente
creado o seu estabelecimento. L em verda-
de, he geralmcnte reconhecido, que muitos
paea moradores fra da praca deixam de dar a
aducaco precisa a seus filhos, ou o fazem com
grandes sacrificios e diflieuldades, em raso
de lilil em aulas ou collegos, onde pos-
sain colloca-los, por tal modo dirigidos que
descansen! inteiramente, nao s respeito do
li.llmenlo C di.vellos. COIIIO respeilo do dc-
scnvolviincnlo intelectual e moral : era j>or-
tanlo de palpitante neceasidade a creacao de
um estabelecimento que rcunsse todas aquel-
las condices c fol com essas vistas que o an-
nunciante e8tabeleceu a sua escola no lugar
indicado. Os pensionistas, que Ihe forem con-
fiado, acharo estabelecimento |do annun-
ciante todos os elementos necessarios ao
bom desenvolvimento phisico, Intelectual
e moral. Habitacao sadia, com as acom-
modaces necessarias, e todos os cuidados
que um pai pode dispensar seus filhos.
Mestres cscolhidos de grammatica latina, fran-
ceza, msica vocal e instrumental ; se cncar-
regaro de aperfeicoar a intelligencia dos
alumnos, emquanlo o annunciante derigir
especialmente as primeiras lettras, nao pou-
pando esforcos paia adiantar os seus disc-
pulos ; emtiio a moral c a relgiao serao cul-
tivadas, como convein i quem sobre tudo quer
formar bons cidados. A urrfea recomenda-
cao plausivel este respeito um exame ocu-
lar, e para este timo annunei.iule. convida e
todos os paes de familia que d'antemau quize-
rem ccrtilicar-sc di rcalisacao das promessas
do annunciante, para que se dirijam sua aula
e abl i \ no I uno por si meamos a ordem e re-
gularidade dos trabalhos, e as mais condices
que licain euumcradas.
O annunciante espera continuar merecer o
favor c conlianca do publico.
Francisco de Sales a"Albuquerque.
Commoditlaile para citratico tlot
t'srravoM.
O Dr. Pedro de a Un y,lo Lobo Moscoso
recebo escravos, para tratar, en uma casa
na Soledade, qne tem para isso destinado
Os preQossn osso^uintcs : 2,000 rs. dia-
rios por os que padecerem de molestias in-
ternas, o 1,500 rs. por os de molestias vul-
garmente chamadas externas. Os doentes
serflo fornecidos de lodos o objectos ne-
cessarios para seu curativo. O annunciant
se obriga a curar quaesquer ulceras por
mais inveteradas que sejam, nSo havndo
grande perda de substancia, subjeilando-se
ao onus do s receber a terrja parte do esti-
penlio no caso de que riilo so consiga o cu-
rativo. Tambem suhjeita-se a con licflo de
tuda receber se os escravos morrerem, e no
caso de escaparen! pagar-se-lhc o que se
convencioriBr antes. Nao recebe por preco
alguai doente, que nSo ofTeraf*. probabili-
da-lo de curar-se. Compra tambem escra-
vos doentes e curavuis, sendo por preco
cominillo, l.-'go que o ouroero dos doen-
tes seja sulliciente para cubrir as despezas,
se fara uma diminuiclo nos presos diarios.
--Pela segunda vara do civel, escrivito
C.unlia, se hSo de arrematar os bens mo-
vis de Maria tlmbelina, porexecuglo que
conlra a nesma move o testamenleiro do
finado padre Domingos Germano Alfonso
Regueira ; e na mesma vara, pelo mesmo
escrivflo. tambem vilo praQa os bens mo-
tis de Cusma Damiana, por execucHo do
mesmo leslani nteiro.
- A v"iu ravel imagen) do glorioso S. Se-
bastiSo acha-sn exposta vista dos liis, em
sua igreja matriz da lloa Vista at o dia 4
de mato prximo, pelo qu convida-se aos
liis devotos a comparecerom na dita
matriz.
.Vi da i", do mu,', na sala das audien-
cias, linda a do lllm. Sr. Dr. juiz de direito
da ( rimeira vara civel, se ha de arrematar
um escr. vo do sorvigo do mar, penhoradu
a Mano I Jos Soares, avahado por 500,000
rs i be a ultima pi ac, escrivilo Cunha.
-Pela primelra vara do civel, escrivSo
Sarilus, se hSo de arrematar tres casas sitas
no lugar do Monteiro, peitenrentes a Jos
i,limes 1a Silva, por execucilo que ao mes-
mo ihe movo Joaquim Rodrigues de Almei-
Ja, sendo a ultima pu-c i no da -2 do mato.
Francisco Jos da Silva Amoria>, Por-
tuguez, relira-se para Portugal a tratar de
suasale. <
Qusita-feira, 30 do corrente, asi ho-
ras da larde, na ra da Madre de Dos, na
piaea do Dr. juiz municipal da segunda va-
ra, se ha de arrematar de renda os alugueis
de um sobradinho na ra do Itozario da Roa
Vista n. 27, avaliado em 12,000 rs. pormez,
por o\. i ne.'i i de Manoel Joaquim Pinto Ma
Citado CuimarSes conlra Roberto de Souza
Zuzarte.
Antonio Domingucs Pinto, remete para
o Rio de Janeiro o seu escravo Domingos de-
nac.no Masambiquc.
-- Aluga-se ou compra-se um preto que
que seja fiel, c nao beba agoardentc no largo
de S. Pedro n. 4.
Os Srs. Jos Uernardino Pereira de tiri-
to, I). Anua Maria Josefa da C. Monteira,
Kranctsco'Jos de Sanl'Anna, Jos francis-
co de Sales, Kelix Jos de Albuquerque e
Manoel francisco das Chagas, dirijam-se i
ra do Crespo n. 10, a tratar de negocio que
uo ignoram.
Ao respeilavel publico.
O abaixo assignado tem a honra de partici
par a todos os habitantes desta cidade. prin-
cipalmente aos seus amigos, que tcm de novo
aberto a sua loja de relojoeiro uo largo da
matriz de S. Antonio n. 18, onde prouirtte
consertar lodo c qualquer relogio, por muito
difiicil que seja o seu estado, pois faz com
toda a perfeicao qualquer prca que for preci-
so aos i-eloglos, pois para isso est habilitado
e afianca por seis meses os relogios que os
fregurzes entregaron sua responsabiiidade,
e espera que desta forma nao seja mais pre-
ciso oa bons relogios ircin-se consertar In-
glaterra, soilien lo os seus donos a demora
e a incerteza do que aspiram para este lim
lecho escolhido, para gerente de todos
ineus negocios tendentes minba dila loja,
ao Sr. Joao Joaquim Rabcllo, e que tica in-
cumbido da recepeo dos relogios que me
forem confiados, e pdY quem me responsabi-
lilo. Antonio Jost da Silva tuimaraet.
Urna senhorn de meia idade, desemba-
racada, com pratica ha anuos deensinsr pri-
meiras letlras, desoja eusinar fra da ni-
ca e ler, esciever e contar as quatro espe-
cies, as principaes nocOes da grammatica
porlugueza, coser chSo com perfeic8o e
doulnna christSa com cxplicc/ies : quem
le seu prestimo se quizer utilisar, proru-
rc-a defronle de S. Pedio, loja que faz es-
quina para a ra do Fogo.
-- O Sr. Aprigio Ferreira Gomes tenha a
bondade de ir a ra do Vigario D. 9, a no-
gocio que Ihe diz respeito, ou auuuuci
sua morada para ser procurado.
O abaixo asaignado roga a todos os dono s
de obras e encarregadoi de qualquer 'vico,
que examinen se ba entre os seus trabalhado-
tonio, que representa 20 a 22 annos.erma
vennelha do que preta. altura ordinaria u r,
pouco reforcado, denles limados e bnoi. sein
linhas nos delos grandef dos ps, quando laz
forc enverga os ps para dentro; levou calca
c camisa de algodao azul trancado, c mais
uma calca de algodao azul mcscUdo e *Pf
depalha: est fgido desde 14 do corrente,
lie natural que tenha mudado o nome, c ines-
mo a roupa, e ate diga que he forro, porque
he muito capadocio; uo caso, pola, de ser
pegado o poderao mandar revar coiu toda a
seguranca i ra de S. Francisco, no segundo
andar do sobrado n. 16, ou na Estrada-Nova
adiante da Magdalena, priineira casa azul,
onde pagar com generosidade todo o tra-
balho.
Joo Antonio Tilla-Scca.
-- Na praca da Independencia n. 17, exis-
te uma carta, vinda do Rio de Janeiro, para
o Sr. Caldas, que morou na ra do Rozario
largan. 30. __________.__^^___
Compras.
Compram-se escravos de ambos os se-
xos robustos, para dentro o fra da provin-
cia : na ra larga do Rozario n. 48, primei-
ro andar-.
Compram-se, em meio uso, os seguin-
tes livros : uma pliilosophia por-Tessot on
por Delavigne, e a recrearlo philosophica
pelo padre Theodoro de Al neida : na pra-
ca da Roa Vista n. 28.
Compra-se urra^ou mais moradas do
ras de sobrado as seguintes ras : Cadeia
do Rocife, Cruz, Corpo Santo e Nova : quem
as tiver e as quizer vender, dirija-se ra
la Gloria o. 70, que se dir quem as pre-
tende.
-- Ns ra.da Cruz n. 49, compram-se cha-
rutos a 7,000 rs. o milheiro.
Compra-se uma veneziana : na ra
larga do Rozario, loja d miudezas u 26.
Compra-se um bom escravo, que seja per-
feito co!nfu*iro de fogao e forno e milito di-
ligente, sondo que se alliance o seu bom coiu-
pnrtainento, pagase bom prer,o : na ra do
Trapiche n. 4fl, segundo andar.
Compra se um sitio perto da praca nos
seeuintes districtos: Soledade, Manguinho e
Afilelos, com boa casa dr taipa, boa baixa de
capim e o terreno consistente de barro, coni
jambreiros, mangueias, jaqueiras e varias ou-
iras fruteiras, pelo preco de 1:300,000 rs. pou-
co mais ou menos, dinheiro vista : quem
quizer vender far o favor de por este jornal
annuiiciar. ___
W III I MgJ
Vendas.
,;it>-rt-*j,mJBBJBSBliSMSlli
Bill) tes do Rio de Janeiro.
Aos qo:ooo,ooo rs.
Na loja de inludezas da praca da Indepen-
da n. 4, vendem-se bilhetes inteiros, melos,
i un m- e nitavosa beneficio da fabrica de vi-
dro e papel do Rio de Janeiro.
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos 20:000,00a rs.
Na ras eslreila do Rozario, travessa do
Queimado, loja de miodozas n. 2 A, de J. F.
dos Santos Maya, vendem-se os mui afortu-
nados bilhetes, meios, quartos, oitavos e
vigsimos a beneficio da fabrica de vidros
de S. Roque, oda fabrica de papel de Zefe-
rino Ferraz.
Vendem-se ricos corles de sedas furia co-
res para vestidos : na ra do Cabug loja do
Duarte.
Vende-se um muleque de 18 annos, bom
cozinheiro c serve muito bem a urna casa, uma
egriuha crioula de id annos, boa figura, com
bous principios de costura e dos mais servi-
fos de dentro de urna casa, est boa para qual-
quer senhora fazer uma boa mucama : na ra
do Collegio n. 21 primeiro andar.
Burros.
Virgilio, tradu/.ido ao p da lettra, obra cora-
plcta,.3vol. 20,000
Tito Livio, traduzido com o latim ao lado
por brrelo Feio 8,000
Horacio, traducido com o latim ao lado por
Costa eS, 3 ol. '0,000
Fbulas de Phtdro, traduzidas com o I umi
ao lado e enrequecidas de notas 5,000
Saluitio, traduzido ao p da lettra 800
Vende-se no pateo do Collegio, casado I.i-
vro Azul.
Franjas francezas para manteletes.
- Vendem-sc as maia ricas franjas c trancas
par manteletes, de multo lindos padres, por
preco mais mdico ds que em outra qualquer
parte : na roa dos Quarteis n. 24, loja de mlu-
dezas de Jos DiasSimes.
A 3,ooo rs a peca.
Vendem-se franjas brancas para cortinados,
toalhas c guardanapos, pelo mdico preco de
3,000 rs, a peca con 15 varas: na ra dos
Quarteis n. 24, loja de miudetas de Jos Dias
Simos.
Vende-se um cavallinho bastante gordo e
bom carregador, muito manso bom para se-
nhora ou menino, por preco de 60,000 js. :
na ra Direita n. 25, primeiro andar.
Vend -se um mol iiudm qn.isi branco,
bom para pagem, por preco de 450,000 rs.,
tambem se vende uma linda negra boa para
enxada ou quitanda, por preco de 520,000 rs. :
na ra Direita n. 25, primeiro andar.
Attencao.
Na ra do Queimado loja de ferragens n. 37
A, de Anlonio Jos Rodrigues de Soma J-
nior, vendem-se as excellentes panellas, cha-
leiras, fregideiras c carcarolas, tudo forrado
de pon r.Lina e de todos os tamanbos, por pre-
cos commodos.
Vende-se por preco commodo um oculo
de ver ao longe novo, assim como pares de es-
tribos muito linos de metal branco e ricos es
tojos com pertences para barba e unhas na
ra do Queimado loja n. 37 A.
-- Vendem-se aa excellentes machinas de mo-
ni branco propriaa para se fazer caf com a
lli.llor r.ieilul.ide possivel C pelos li.il'alissimus
precos de l.CoO, 1,800, 2,000, 2,700, 2,400 rs.
cada uma : ua ra do Queimado loja de ferra-
gens n. 37 A.
Vende-se melade de urna caa, sita no
pateo de S. Jos n. 4l, por preco commodo : a
tratar na ra Direita n. 56.
.'ijfi iDulatinho.
No armaiem de Francisco Das Ferreira no
caes da alfandega, vende-se feijo inulatinho
novo, por precu commodo.
Veudem-se saccas com fei-
jo novo : no armazem do caes
Dias.
Vendem-se vaquetas de lustro para co-
bertas de carro : na ra da Senzalla Nova nu-
mero 42.
Vende-se um palanquim com vidro na
frente e com muito pouco uso, bem como um
berco de Jacaranda, obra muito rica e com
multo pouco uso -. na ra das Flores, loja de
i marcineiro, na quina que volta para o Carmoj


I
I
Vende-so, na ra Nova loja n. 23, as
obras seguintes : obras completas da Vol-
taire em7 volumes, com gravuras finas e
meia encadernagflo, por 20,000 rs.; ditas
Deprsjdt, em 9 volumes, por 12,000 rs. ; di-
tas A9air, em 3 volumes, por 4,000 rs ; di-
tas Matthus, economa poltica, em dous
volumes, por 4,000 rs.; ditas de Adam
Smilli, em quatro volumes, riqueza das nar
gCes, por 6,000 rs. ; Historia de las Cazas ;
ditas do Mxico, 2 volumes, por 2,400 rs.;
ditas Universal de Millot em 10 volumes, po-
12,000 rs., em portuguez ; Encyclopedia-
methodica, lgica e meth8physica, publi-
cada pnrMr. Lacretelle, 4 volumes em quar
to, por 8,000 rs. ; dictionnaire historique
em 30 volumes, par une societ de gens de
ltres, por 30,000 rs.; dita d'Academia frao.
ceza, 2 volumes, por 16,000; obras com-
pletas de Rouseau em 21 volumes, por
12,000 rs.; tudo bem encadernado e em
obm estado.
2,00o para a pobreza.
Vende-se excellente farinha de mandioca re
.cernemente chegada de S. Catharina'.temboas
saccas novas de bom algodozlnho : na praca
da oa Vista venda de Joaqulm da Penha Lo-
pes ii. 18 : approveitem a occasio antes que
appareca o especulador para a usura.
No caes da alfandega armazem de Fran-
cisco Das Ferrcira, que volta para alfaiidc-
ga, vendem-se boas saccas de farinha de man-
dioca ao mdico preco de 2,000 rs. cada urna.
Vende-se urna mulalinha propria para
*-
ca .'"na rna larga do Rotarlo n. 48. prlmelro
andar.
Peciniha para os pintores.
Vende-se no armazem de Francisco Dias Fer-
rcira defronte do caes da alfandega caixas de
vldro de 9 polegadas de largura a H de cum-
prido por 7,000 rs.
O Objectos de borracha. O
|* Na loja pernambucana, de ^
Antonio Luiz dos Santos, q
0 ra do Crespo n. II, <&
nvende-se superior amasona iinpermelavel;
1 Capas de borracha brancas c pretas ; "
Botas russianas ; j
V Pernciras lustrosas ; O
(J) Sapatos para homeni e senboras ; 0
S Arte de nadar ; k
Roias de salvaco .
O Francos para cateadores ; JP
Capa* de espingardas. O
C50:J0 0: O
Boticas bomoeopathicas, na ra
do Crespo n. 4-
Vende-se boticas homojopathica, com os
competentes llvros, tanto em portuguez como
ein francs, vindo ltimamente do llio de Ja-
neiro do grande laboratorio central da ra de
S Jos n. 59. Este laboratorio estabeleceu-se
ha mata de seis annos, possuindo j uma coK
leccao preciosa dos medicamentos homteopa-
thicos, mellior tnnhecdos na F.uropa e na
America, e coluidos uus nos lugares mala
inocaiiia de casa por ter principios de costura, I apropriados e escolhidos. outros com o maior
corintia eser multo linda, e um muleque sa- fero nosmais acreditados laboratorios. Des-
tilo e esperto, que trm 14 anuos, e urna preta deessa poca la.....id c iitaiitcmcnte reno-
hoa coiinhrira, e um bom sapateiro para toda va()a e enriuii.Td i e-sa cdlccciio com mui-
obra, este s para a praca, pois d 40 rs. dia-
rlos : na ra larga do notario loja n. 35.
Vende-se um lindo moleque crioulo,
de 18 a 20 annos : no Aterro da lloa Vista
n. 48, segundo andar.
-- Vendem-se quatro tabolelas de fina
madeira, que servem para por sobre bal-
Cfles, tanto para ourives como para loja de
miudezas, c igualmente alguns camllio
>-i'. draga los, tudo por prego commodo : na
ra iNova, loja n. 23.
l'ara bailes.
Venden.-sc ricos corles de vestidos para
senhora, das lindas cambraias de seda
transparentes, de gostos novos, as quaes
sao denominadas Mimos do Co : na
ra Nova, loja n. 23, de Antonio Gomes
Villar.
ttfftfUfiftftf^i^tp vy^vV vVvv v*v' v
;v Arados americanos. J
gj, Vendem-se arados americanos ver-
gj. dadeiros, chegados dos Estados- S> Unidos : na ra do Trapiche n. 8. 4
Cortes de chita do ultimo goslo
a 2,000 e a 2,500, e algodilozinho a 1,600
e a 2,000 rs. a peca.
Na ra do Crespo, loja da esquina que
volta para a Cadeia, acaba de chegar um
bello sortimento de curtes de chita de bom
gosto, rom 12 covados, a 2,400 e a 2,500;
assim romo pegas de algodSo com toque de
avaria, a 1,600 e a 2,000; lencos de seda'
muilo bonitos, a 1,440,1,600, 2,000e 2,240;
alpaca de cores para palitos, a 800 rs. o co-
vado ; dita de algodSo, a 280 rs. ; e outras
minias fazendag por presos commodos.
Na nova fabrica de chocolate de sade
homceopalhico, a provado e applicado po-
los Srs. Drs. da homceopalhia, na ra das
Trincheiras n. 8, existe o excellente choco-
late lino amargo hespanhol para regalo, di-
to entrefino temperado tambem para rega-
lo edito para o diario, sendo ludo IV,lo
eom o maior asseio possivel; assim como
cafe moido do melhor que ha no mercado,
toda a qualidado de assucar retinado e gros-
soe excellente cha, tudo por preco muilo
commodo. Na roesma casa precisa-se de
um pequeo do 12 annos, portuguez, pre-
ferindo-se dos recenlemente chegados de
Portugal.
-- Vendem-se, com preferencia para fra
da praga, duas escravas muito mojas e de
bonitas figuras, sendo uma preta rrioula,
boa costureira, engommadeira, cozinheira
o I avade ira, propria para todo o mais fjtr-
vigo de ra e campo por ser de bom co.'po ;
um)linda mulalinha com as mesmas habi-
lidades, a qual com quanto seja defeiluoss
de iiT.a peina, isto mesmo noa prohibe de* harris : na ra do Trapiche n. 8.
....i_______._i____________:_____ ir___I.__ .. Ma-l^.l^J..
todo e qualquer servigo, e nem he de risco
algum : na roa da Cadeia do bairro de San-
to Antonio n. 15, seguudo andar.
-- Vende-se superior cognac voltio, em
barns de 12 a 24 rai>adas : na ra da Cruz
n. 55, casa de J. Keller & Companhia.
Vende-se gesso em barricas, vindo no
ultimo navio chegado deFranga, tendo ca-
da barrica 20 arrobas pouco mais ou me-
nos : na ra da Cruz n. 55, casa de J. Kel-
ler & Companhia. t
Para o invern.
A 2,240 rs. um corte.
Na loja n. 5, de CuimarScs & llenriques,
vendem-se cortes de casimira do algodSo,
muito encorpados, padrdes escuros, com 3
3|4 covados, pelo barato prego de 2,240 ra.
rada um corte ; assim como outras muitas
fazeodas baratas.
A 56o rs. cada um.
Na loja de GuitnarSes & llenriques, na
ra do Crespo n. 5, vendem-so lencos de
seda, muito finos, para meninos, pelo bara
lo prego de 560 rs. ; chalos de sol de psn-
ninbo, armagSo de balea, a 2,000 rs. ; o
antigo algodo transado monstro, a 800 rs.
a vara.
Corles de casemira elstica
pela diminuto prego de 6,000 rs. cada um,
acnam-se venda na ra do Crespo n. 5,
loja que volta para a ra do Collegio, lti-
mamente cliegadas.
Vendem-se sapatoesde cou-
rode lustro de tres solas, pro-
prios para o invern, a 3,5o rs. ;
ditos ditos, a 3,5-jo e 4,000 rs. ,
ieitos no paiz : na ra da Cadeia
do Becife n. 9, loja.
frC 1 1 ^**imB*m
lia loja pernambucana, de |
. Antonio Luiz dos Santos, '
A na ra do Crespo n. 11,
J vende-se panno fino azul de muito boa
qualidade pelo baratsimo preco de
3,500 rs, o covado.
ttmmiiimmmw mvzwmmmwi-
Um bonito molecijo de ao annos
Vende-se um bonito moleco de 20 anuos
peca, sem achaques, cozlnbeiro, bom cmpra-
los outros remedios que a experiencia de todos
01 Ihiiiiii>p.iiIh.h tem reconhccidoemcazes, e
alcn disto com minios outros que anda care-
cendo iie experiencias homceopathicas mais
positivas sao com ludo j acreditados como
uleisc eflicazes por distiuctos' praticos e por
muitos amigos da sciencia e de huinanidadc
quer na America do sul, quer na frica e na
Asia.
Queijos e prezuntos.
No armazcm de Manoel Francisco Martins &
Irmo, veudem-se queijos londrinos, prezun-
tos inglezcs e do Porto, latas com bolaxinha
ingiera, ditas de ararula, ditas com sardinhas
eervlhas, carnes, conservas inglezas, e mais
diversas generas, tudo em conta: na ra da
Cruz n. 62.
Sement de ortalice de to-
das as qualidades, feljao carrapato multo no-
vo, vindo de Lisboa no brigue ConceicSo de la-
Lri'a : na ra da Cruz atrs da sacrestia do Cor-
po Santo n. 62.
eqeoa as ,-mli saine
im|.)iiii|.i,iiI e ui.-)i.iaoji! enb sajopvJtltuoo
sob ..>-i.(.u.iiuni.i.i >si "tnn epao 000'9 op
olajii ojajeq o|ad o5*,p orSaiuj op ouioo
ujiss'8 : ii.ii apeo "J 000*6 P o5ajd oinnim
-ip (i|,id 'joijadns o||inu epuazej 'ni.'|i!i| op
or.'lHUI.IB 'ijjimi linu 'MZ|80j 'BpOS op JOS
ap soadeqo es-UJdpuaa's "u odsoj;) op anj
au 'niquadujoa ^ saBJBtum'j ap O| bm
>i(|i;.)i; 98
.llili s'.)|llH ;)|l.)A().Iill! JSZtnb l(I3ll(v)
-- Na loja de J. L. B. Tahcrda, na ra do
Crespo o. 10, ven Je-se casimira para pili-
los de differentes cores, a 1,200 rs.; dita
muilo propria para forro de carros, a 1,700
rs. ; cortes de vestido de 13a e seda, do m u
bom gusto ; ditos de cambraia de dita ; as-
sim como chitas a 160 rs. o covado ; 13a e
seda para vestidos, a 160 rs. dem; e
outras muitas fazendas batatas e pruprias
para a presente estago.
Vonde-se uma escrava de Angola, de
30 annos, a qual sabe vender de taboleiro,
lava roupa e lem bom leite para criar, vinda
do Ico.-na ra dos Tanoeiros, armazem n.
5, se dir quetn vende.
Vendem-se saceos novos de estopa com
20 VAras cada um : na ra larga do Itozario
n. 48, primeiro andar.
Silo biirutissltuos.
Vendem-se muito superiores charutos,
chegados recentemenle, por prego mais
commodo do que em outra qualquer parle,
lano em porg3o como a relallio, por se
querer concluir breve : na ra da Cadeia do
Recite n. 34, primeiro andar.
Vene-se junco bruto para empalhar
cadeiras : na ra ilo Trapiche n. 8.
-- Vende-se carne de vacca salgada em
Vendem-se enxadas calgadas com ago,
I ain-llas, cagarollas, chaleiras forradas de
porcellana, hules e cafeiteias de metal : na
ra Nova, loja de ferragen n. 16, de Jos
Luiz Pereira.
Vende-se uma preta crioula, de boni-
ta figura, boa cozinheira de forno e fogSo,
refina assucar, faz muitas qualidades de do-
ces, cose bem chSo, e he boa engommadei-
ra e ensaboadeira o motivo por que se ven-
de se dir ao comprador : na ra da Praia,
armazem de carne secca n. 20, se dir quem
vende.
A So rs. o covado.
Defroote do becco do IVixe Frito, loja n.
3, vende-se alpaca do cordSo preta, pelo
baralissimo prego de 800 rs. o covado. Esta
fezenda he rccoinmendavel, n3o s para cal-
gas, jaqueles e palitos, como lambem para
jaques e vestidos de montarla : dar-se-lia
amostra com o competente penhor.
A 5$'ooo cml um.
Na ra doQueimado, defronle do becco
do Peixe Frito n. 3, vendem-se cuberlores
do Porto, muito graudese encorpados, pe-
lo baratissimo prego de 5,000 rs. dada um.
Vendem-se ou permutam-se duas casas
terreas unidas, do pedra e cal, tendo uma
cinco janellas nooilSo, sitas na cidade Alta
da ain,i : quem as quizer comprar ou per-
mutar por outras nesla cidade, dirija-se
ra da Aurora n 24 para tratar.
De superior qualidade.
Cimento nuvo, cegado ltimamente de
llamburgo : vende-se no armazem de Vi-
cente Ferreira da Costa.
Vcnde-se uma linda escrava crioula, de
20 annos, que sabe engommar, coser e co
zinhar i ua ra de Sania Hita n. 14
Veudem-se 4 lindos moleques de 8 a
18 annos ; 6 prelos de 20 a 25 annos, de lo-
do o servigo ; 2 pardos de 18 a 26 anuos,
tendo um bous principios de carpina; 2
pardas de 15 a 20 anuos com habilidades;
6 pretas de 15 a 25 annos, algurnas com ha-
bilidades e outras proprias para lodo o ser-
vigo : na ra do Collegio n. 3,
Vende-se a welbor casa tejrea o. 27 nos
Arrombadns, e a parte do sobrado n. 45 na ra
Iiirrii.i ; tudo nao chegaa tres contos de rls:
os preteodeutes dirigtrain-se ao Hotel Com-
mercio, que acbaro coui quem tratar
Pechincba.
tente Ingles, pelo diminuto preco de 4,990 ra.
cada um na ra do Collegio n. 4.
A os Srs. estudantes do quinto
anno.
Vendem-se a 5.000 rs. compendios de pra-
tica do Foro por Piscboal Jos de Mello Frei-
r, tradcelo portugueza: na ra do Cabug
a. 18, loja do Sr. Jos Brando da Rocha : ael-
Ics que restam poucos.
Vende-se ama dutia de cadeiras america-
nas com asiento de palha, em multo bom uso
por preco commodo ; no pateo do l'arai/.o, de
fronte do quartcl de polica sobrado o. 1 se-
gundo andar.
SS5- RAPASIADA ALERTA.
Na confeitorla da Ra estrella do Rozano n.
43. contina ter aorvetes todos oa dias das 11
horas as 2 da tarde e das 6 as 9 da nolte para
corroborar a Abra calinosa da rapasiada, pela
iiisigiificautc quantia de 240 rs.
Borxeguins hoinicopathlcos.
Vendem-se borseguin* ingleiea de casimira
de corea aspeados de couro de lustro, com
sola batida prova d'agoa, proprios para esta-
cSo de invern, a dinheiro i vista: na ra No-
va loja n. 2, atrs da matrit.
~ Vendem-se diversas casas terreas, dous
sobrados de um andar e utn bom terreno na
praia de Santa Rita, por precos commodos : a
tratar com o aolicludor Joaquim de Albu-
querque e Mello, na ra do lollegio n. 7, se-
gundo andar, das 6 s 10 da inanbaa.
"Vendem-se toalhas de panno de linho pa-
ra maos, massos de meias de linho para h o-
mem: na praca da Independencia os. 13 e 15,
loja de calcado.
- Vende-se um sitio na estrada Nova da
Magdalena, defronte do major Villaseca, com
frente de 150 palmos e 800 de fundo, com di-
versas arvores novas : quem o pretender, dirl-
ja-se ao uiesmo lugar.
Vendem-se camisas homceopathicas,
por sereindefelanela muito fina, proprias para
estaco de invern e privativo de coustipaces :
na ra Nova loja n. i.
ptima cera de carnauba.
Vende-se cera de carnauba, tanto cm por-
ches como a retalho : no Atierro da Boa Vista
numero 73.
Vendem-se os objectos seguintes.
Os pretendentes que quizerem comprar 5
I,mili o is de portas j envidracadas, ( o que
vista la/ ir, que nao queiram ter o encom-
modo em manda-las fazer tenhain a bondade
de dirijircm-sc a ra do Hospicio defronte da
casa do Sr. Arcenio, que se dir quem vende,
pois que tambem na inesina casa se vende um
excellente piano, meio apparelbo de louca
dourada riquisslma, como bem seja duas du-
slas de calix de cryatal para champanba e va-
rias garrafas de vidro, quatro pelles de onra c
varios outros objectos.
Vende-ae inantelga inglesa superior a 360
rs., dita para melhor a 400 rs., dita prlmeira
sorte a64n rs., bichas de llamburgo, alugadat
a 240 rs. c vendidas a 640 rs. cada urna : no
Atierro da Hoa Vista, junto da refinaco nu-
mero 70.
Vendem-se 3 escravas, urna parda que
engomma e cozinha multo bem, e taz todo o
mais servifo de ra e casa, duas pretas que
engommam, cozinham c lavain roupa muito
I.i-iii : na ra do Collegio n. 2l primeiro andar,
se dir quem vende.
Vende-se uma escrava crioula de 18 an-
nos, sadia e perfeita costureira, engommadei-
ra e coziuheira, sem vicios : na ra Augus-
ta n. i7, e o motivo da venda se dir ao com-
prador.
Sapatoes de Nantes
Na ra Nova n. 9, acha-se a venda o muito
superiores sapatoes taxeados da fabrica do Su-
zer do Nantes proprios para a estacao do in-
vern.
Erva mate,
Liacas de vi mes,
Gigoi) de garrafas,
Genebra de liollanda em fras-
vende-se na travessa da Ma-
ma do rio Serinhaera do lado do sul, o enge-
nho Caxoelrinha oora os aeguintea quisltos, e
objectos declaradoa, e em elles. O seu terre-
no he de tres quartoe de legoa para quem do
sul, e mela legoa de nascentea poente, firma-
dos por marcos a 45 annos, aem contradiccao
alguma, come consta dos seus ttulos; o seu
slo he todoMwro, quer seja ladeira, quer se-
ja varzea, ten baslante maltas vlrgena e nellas
bastante madeira de construccao, he bom moe-
dor com agoa, porque moe com o citado rio ;
os seus edificios sao, casa de engenho sobre
pilares tapado todo de paredao, cavoco de cal
e tljollo, tanque de agoa da mesina forma,
cora um forte escorinhote de ferro, tambem
rica obra e duravel, uma fainos casa de ba-
gaco, com tres thesouras e duas tacanlcas, es-
i'.--..i. ,,,i.i. i,,mi,'ras lavradas. boa serrana de
eos
dre de Dos n. 5.
-- Vende-se um bonito escravo preto, de
19 a 20 annos, de elegante figura e comple-
to oflicial de sapaleiro : na ra do Queima-
do n. 57.
Na ra do Livramcnto n. 38, vende-se i
balanca grande, i dila pequea, 2 pesos de 2
libras, i terno de ditos, de i libra ate \\\. tudo
por preco commodo, c j aterido este anuo.
Vende-se uma casa terrea si la no lugar da
Capuuga, na estrada da Jacobina, de pedra c
cal com dous quarlos, cozinha fura; tambem
se vende nina preta crioula de 25 a 30 annos :
na ra da Cadeia de Santo Antonio n. 18 casa
de marcineiro.
Tendo chegado ltimamente uma grande
factura de caixas de vellas de cera de carnauba
de primeira qualidade de6 ein fibra, e 9 ten-
do em caixas de urna arroba, 300 rs. por li-
bra ; avisa*-se aos fregueses que tem comprado,
j das mesmas velas, os que precisarem ni -
rijam-se ra do Queiinado loja de Francisco
Ignacio Ferreira Das n. 46.
14leas liiulcijas.
Vendem-se as mais ricas bandeijasde pintu-
ras muilo finas de limito bom goslo, e por pre-
co mais commodo du que em outra qualquer
parle na ra dos Quarteia n. 24, loja de miu-
dezas de Jos Dias Simdcs.
Botoes para casaea.
Vendem-se botes de seda preta para casa-
ca, e de inulto bous padrdes, por preco mais
mdico do que em outra qualquer parte ; na
ruados Quaileis n. 24,iojade miudezas de Jos
Dias Siiuoes.
Bomances modrnissimos.
Montc-Chriito, por Alea. Humas, encader-
nado 14,000
Maihilde. memorias de uma joven porE. Sue
8vol. 18,000
Caralltiro da Cata Vtrmtlha: por Alcx, Duraas,
6 vol. 8,000
Uyiltrioi (I Puco por E. Sue, 9 voluine bro-
xura, 9,000
A Guerra das llulhtre por Alex. Duina 4
vol. 9.000
O anie-i', ufo,- por Julio de Jouruefort 5,000
Paulina, por Alex. Dumas.2 vol. 4,000
O UaitardodeUaulton, por Mcx.Iium. lO.uOO
Vende-se no pateo do Collegio, casa do livro
Wlll.
Ve n de ni-se na ra da Aurora n. 32, latas
com bolaxinhas de araruta novas, a 2,400 ra., e
em libra, a640 rs., nunteiga inglcza, a500rs.;
farinha de trigo auperior, a lOO rs. braba de
porco,a320 rs.; languicas a 4uo rs. ; macar-
ro, a Mi" rs. ; arroz branco, a I60rs, farinha
de ararula, i60 rs.
No escriptorio de F. S Ka-
bello & F. no largo da assembla
n. 4 vendem-se pedras redondas
para meio de sala, e compridas
i i a cmodas ou mezas, tudo
de. marmorc, e de bonitas ores ,
por preco commodo.
--No prega da. Boa Vista, sobrado n. 12,
vdiide-seazuitnde carrapato muito boro
1,560 rs. a caada, e a retaliio de garrafa e
contra-nelade a 1,600 rs.
Vendem-se chapeos desold sedaprelosel Vende-se na distancia de 2 legoaa mela
tivada aobre inadeiras lavradas, boa serra
agoa prosnpU de tudo, casa de purgar e en-
caiiarnenlo, tudo firmado aobre paredes de
tljollo e pedra; est remontado com o pre-
ciso para sua manufactura, tudo em bom es-
tado, boa capella, urna rica sanzala, firmado
tudo aobre tljollo, com um terraco na frente
urmado aobre columnas e soffrivel caaa de vl-
venda, sendo metade terrea e raetade sobra-
dada, casa de fazer farinha, estribarla, casa
de euiprcgado, forno de coslnhar obraa de bar-
ro, o cercado he todo de vallado e limpo, um
sobradinbo dentro do engenho, e mais uma
dislillacao proinpta com tudo, que pdde dis-
tillar quarenta caadas de liquido diariamen-
te, cujos preparos sao, 24 cubas para garapas,
duas pipas, um tonel que leva 2 pipas e meia
de liquido para deposito, canecos, bicas, res-
fiiador, faz todo o preciso de agoa, deita gara-
pa no alambique, deita as caldas fora sem que
se pegue nella, e aem ser tocado por bomba,
40 bois na neos, 6 carros, 6 burros, 2 quartos,
16 escravos c safra que pode regular 1,500
paes.
Vende-se englobado ou a parte um en-
genho novo denominado Independente, no
fundo do engenho cima, que moe com ani-
uiaea. O seu terreno he de meia legoa em
quadro, e firmado aobre marcos, e quasl co-
uerto todo o seu terreno de maltas virgens e
com elle os objectos seguintes, ou sem elles,
10 bois mancos 20 cavallos, 4 escravos e safra
que pode regular 1,200 pes : quem pretender
dirijae nesta praca, ao Sr. Manoel Goncalves
da Silva, que Ihe espora a forma do negocio, e
nos engenhos ao seu proprietario e residente
Pedro de Mello e Silva.
Na loja de Antonio Gomes Villar, na
ra Novan. 23, esquina que volta para a
Camlioa do Carmo, vcnJe-so um grande
sortimento de pannos finos pretos e de co-
res, casimiras pretas e de cores, madapo-
I6es finos e de outras qualidades, algodSo-
zinhos, cambraias lisas, ditas para corti-
nados, brios transados de cores, colletes de
fustSo, de ISa muilo modernos o de bom
goslo, ditos de seda de muitas qualidades,
e outras muitas fazendas, sendo tudo por
muilo commodo prego, a vista da boa qua-
lidade.
Bombas de ierro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
ua ra do Brum ns. 6, 8 e 10,
lundicao de ierro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com camban de sicupira e bracos
de ferro i na fundicSo da ra do
Brum ns. 6, 8 e xo.
Deposito de cal virgem e potassa
Cunha & Amorim, na ra da Cadeia do
Recite n. 50, vendem cal virgem em pedra,
chegado pelo ultimo navio de Lisboa, e po-
tassa de boa qualidade, por menos prego do
que em outra qualquer parte.
jlloinbos de vento
eom bombas de repudio para regar hortas
d baixas de capim : vendem-se na fundigSo
de Bowman & Me. Callum, na ra do Brum
ns. 6, 8e 10.
Acaba de chegar para a ra Nova
n. 8, loja de Jos Joaquim 31o-
reir-. ck Companhia
excellentes esparlilhos de linho para senhora,
guarnecidos de' balelas e de dille, entes mo-
lellns. cousa papalina e intelramente nova
nesle genero, vendem-se por preco muito em
conta, chapeos francezes modernos e de boa
peluda a 7,000 ra., aarja preta bespanhola,
vi os pretos multo finos, luyas de todas as qua-
lidades quer para homem quer para senhora,
lanlernas de vidro de todos oa tamaitos e de
lodos os precos, dilas bronzeadas, lencos para
grvala de cores e pretos, um bello sor tmen-
lo de cordas para violo muito novas que ae
vendern a lOO rs. cada urna,
ffVfVffVfVVfWtffVfVf
i
i
criptorio, praca do Commercio
numero it.
JVIoendas superiores.
Na fundigilo de C. Starr & Companhia
em S.-Amaro, acham-se venda moendas'
de canna, todas de ferro, de um modoloa'
construcgSo muito superior.
Escravos fgidos.
t
Depotito de tecidos da fabri-
ca de Todos os Santos,
na Babia.
Vende-se em casa de Domingos Al- *
?* ves Matheiis, na ra da Cruz do-He- *
r rife ti. 52, primeiro andar, algodSo "
transado daquella fabrica, muito pro- J
W prio para saceos e roupa de escra- "*
^ vos, assim como lio proprio para re-
p, des de pescar e pavios pare veilas,
i, por prego muito commodo.
e
Depositode cai^'potassa.
No armazem da rija da Cadeia do Peclfe n.
12, ba inulto surjtior cal de Lisboa em pedra,
assim com potassa chegada ltimamente a
preco muito raaoaveis.]
Kap Paulo Cordeiro do Uio de
Janeiro
em latas e frasco.-, chegado recentemente :
vende-se na ra ta Cadeia do Kecife, loja
n. 50, de Cunha & Amorim.
Potassa tta Rnssln.
Vende-se potassa te chegada, edemuit,,, superior qualidade
na ra do|Trapiche n. n.
^^jHtews* ?**:***???
Algmlo par. muios. f>
f> Vende-se muilo bom, algodSo para t;
m sacco**assucar, poripregocommo- k
m do: em casa de lticar>do Itoyle, na >
f| ruada Cadeia n. 37. g)
:* **:>
Deposito !< cal ivirgt-iu.
Na ra do Torres n. 12, ha muito supe-
rior cal nova em pedra, cl^egada ultima-
mente de LlsbOa no brigue 'tUrvjo-Ttreiiro.
Vende-se em grandes ou pe-
quenas por oes, a vo^itade dos
compradores, o vardadei ro 890 de
Milito na ra de Apolle, arma-
zem de maqumismo de Me. Cal-
ino'it & (j.ompanbia, ou 11 > seu es-
Desappareceu, no dia 12 do correnle
do engenno Elefante ( Brago-do-Meio ), fre-'
guezia da Escada, o preto Honorato, criou-
lo do MaranbSo, escravo de Antonio Mari*
Marques Ferreira, lavrador do dito engenho,
o qual tem de idade 20 e tantos annos, ai-
tura regular, bem fallante, cor retinta,
olhar carregado, e fecha um dos olhos qnin-
do falla, testa cantuda, queixo fino, pouca
barba, as costas uma costura com um bo-
tilo de carne, um pequeo geito de arqtiea-
mento as pamas, e na canella da perna es-
querda urflntcatriz de ferida que acaba de
fechar e lia mu i lo temorato ; levm seroula
de algodflo transado grosso, usada, e em
lugar de camisa um sacco do mesmo algo.
dSo Turado no fundo, e nos pernizes par
meter cabeca e os bragos, e chapeo em-
breado de alcatro j velho : quem o pegar
leve-o ao ditoengeuho a seu legitimo se-
nbor, ou ra da Cadeia do Recife, loja n.
50, de Cunha & Amorim, que se gratificar'
generosamente.
Desappareceu, no dia 4 de abril do cor-
rente anno, da praga da Boa Vista, a preta
Thereza, de 40 a 50 annos pouco mais ou
menos, alta, corpo regular, falla um tanto
atravessada poraerde nago Congo. Esta
preta veio do serillo do llrejo da Madre de
Dos acero de um miz, e oceupava-se lo*
das as tardes a vender azeite de carrapato;
levousaia de chita azul com flores amarcl-
las, cabegSo de cassa dequadros e panno
da Costa ; levou comsigo uma trouxa com
dous vesttdi s, sendo um de chita lxa e
outro de algodSo azul transado j usado,
um chales de assenlo azul com barra de
amarello e encarnado : roga-se as autorida-
des policiaes e pessoas particulares que o
apprehendam e levem-noa seu senhor, Jo-
s Antonio Pereira, na praga da Boa Vista
n. 12, que pagar todas as despezas e re-
compensar.
-- Desappareceu, no dia 25 do corrente,
uma preta crioula, de nomo Roza, de 34 an-
nos, cor fula, a qual foi escrava do reve-
rendo padre Antonio Pedro de Souza; por
isso roga-se as autoridades policises era-
pites de campo, que a apprehendam e le-
vem-na ra larga do Rozario n. 36, que
se gratificar.
Desappareceu em o mez de fevereiro
um escravo de nome Jos, de nagSo, o qusl
representa ter 30a 40 annos, com uma bel-
lido em um dos olhos, secco do corpo, al-
tura regular, pouca barba e pouco desem-
baragado na falla ; levou camisa e seroula
de algodSo da trra. Este escravo foi com-
prado ao Sr. Thomaz Antonio Maciel Mod-
leiro : pede-sc, portanto, as autoridades po-
liciaes e capitSes de campo, onde quer que
elle seja encontrado, que o apprehenlam, e
por esta|mesma fulha o annunciem para ser
procurado, ou o conduzam a seu senbor,
J0S0 Francisco do Reg Maia, na povoagiio
de Apepucos, que serao generosamente re-
compensados.
Boa graliflcagSo.
No dia 13 de margo do correte anno des-
appareceu da Passagem da Magdalena, do
sitio em que mora o Sr. Dr. Malet, o mole-
que Margal, o qual he bem conhecido e lem
os seguintes signaos : representa ter 20 an-
nos, baixo, cheio do corpo ecarcundo, cor
fula e sem barba ; tem falta de um dente na
frente do queixo inferior ehefllho do ser-
13o de Paje, por isso julga se para l ter
ido : recommendt-se, portanto, aos capi-
tSes de campo a Captura do dito moleque,
que serio bem gratificados.
Desappareceu, no dia 18 do corrente, o
escravo de miran Cagange, do nome Jos,
representa ter 25 annos, baixo, grosso do
corpo, sem barba, rosto abocetado e ps pe-
queos ; levou caiga de algodSo transado
com listras azues e carniza de algodSozi-
nho j rota : quem o pegar, |eve-o a ra do
Vigarion. 22, primeiro andar, ou na ra
da Cadeia do Recife n. 51, que se recom-
pensar.
Desappareceu, no dia 13 do corrente,
do engenho Cuararapes, um moleque criou-
lo, de nome Maxitniano, de 10 a II annos,
cor fula, ps pequeos e pernas muito fi-
nas : quem o pegar, pode leva- lo ao mesmo
engenho Goararapes a seu senhor Francis-
co l'aes do Reg, que ser generosamente
recompensado.
Desappareceu, no dia 24 do correnta, o
escravo crioulo, de nome llerculano, repre-
senta ter 20 annos, baixo, secco do corpo,
cor fula, sem barba, dentes de serra e he
oflicial de alfaiate. Este escravo foi da viu-
va de Jinquim Jos Ferreira de Carvalho,
nscrivSo da relagSo, e servia de portacolis-
t; levou caiga de casimira escura, eas ve-
zes brancas, camisa de madapolilo e chapeo
do Chile. Consta ter embarcado para o Rio
Formoso no dia 6 de abril : roga-se as auto-
ridades policiaes e pessoss particulares que
o apprehendam e avisera nesta praga aoSr.
Antonio da Silva CusmSo, ra da Cadeia do
Recife, a Manoel de Almeida Lopes, que se
pagarSo todas as despezas e se recompen-
sar generosamente.
Desappareceo no dia 21 do correnle mez
de abril, de bordo do brigue a reos, um es-
cravo marinheiro de nome Candido, naco
Angola; o qual representa ter V9 annos, pouco
mais ou menos, rosto comprlo, naris chato
altura reaular, tem barba cerrada; e levou
vestido calca e camisa branca : cujo escravo
nertence ao commendador Joo Baplista da
Silva Pereira, de Porto-Alegre. Rogi-se, por
tanto, todas as autoridades policiaes e ca-
niines de campo, a sua aprebenctio, e leva-lo
ra da Cadeia do Kecife n. 39, casa de Amo-
rim ti Irmos, que se gratificar generosa-
mente.
Desappareceu, no dia 22, de Mara Fa-
rinha, um preto de nome Filippo, crioulo,
de 30 annos, alto e espadaudo, cor preta,
ps chatos e com alguma falta de denlos:
quem o pegar, pode leva-lo casa do Sr.
Jos Antonio llanto, na ra da Cadeia do
Recife, que ser recompensado,
Desappareceu uma preta de idade, da
tiaeao Angico, de nome Quitea, no dia 18
do abril, ps meins cambados com bixos,
falla multo mal, e com cabellos brancos :
quem a pegar, leve-a ou mande ra Di-
reita n. 26, que ser recompensado.
P:nv. Nr\Tv" DF M.P.nrr
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQ5R0F48K_EMYSU3 INGEST_TIME 2013-04-13T00:46:31Z PACKAGE AA00011611_05328
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES