Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05325


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1PP
rv.

Anno VXXI1
Sabbado 2G.
PARTIDAS DOS COBREIOI.
Goianna e Parahiba, s segundas e sextas feiras.
Rio-Grandc-do-Norte, todas as quintas feiras ao
meio-dia.
Oaranbuns e Bonito, a 8 c '-VI.
Boa-Vista e Flores, a 13 c 28.
Victoria, s quintas feiras.
Olinda, todos os dias.
EPREMKBlDEB.
!'Novn, a I,
C'resc. 9.
Chela, a l:i,
ai 4 li. e .1 ni. da I.
as 4 b. e 42 m. da t
.as 8h.e ltim. da t,
l.Ming. a 2.'!, as 4h. e 38ni. da m,
V&XAHAR SI HOJI.
Primeira 0 e30 minutos da urde.
Segunda Oe 54 minutos da maiiha.
>. .~-i>:*-MlSmlmimB
de Abril de 1851.
N. 95
das da sema va.
21 Seg. ;.-: l. Oitava. S.Anselmo.
2J Tere. >|i 2. O. S. Scnborinha Aud. da Chanc.do
J. da 2 varado c. ,e dos feltos da fazenda.
|3 Quart.S. Jorge. Aud. do J. da 2. vara.
24 onint. S. Fidclis. Aud. do J. dos orf. c do m.
| da primeira vara.
125 Sext. S. Marcos Aud. doJ. da 1. vara do ei-
vcl, e dos feitos da fazenda.
8f000 26 Sab. S. Clcto. Aud. da Ch. e do J. da 2. vara
15/000 do civel.
27 oin. da Paschoella.
-.aizyr-iin 11 mannn< juac -
PBCCO DA SBSCE1PQO.
Por tres meses adiantados) 4/000
Por seis meses
Porumanno
CAMBIO D* 25 Z ABB1I.
Sobre Londres, a 29 d. p. 1/000 rs. 60 dias.
i Pars, 320 por Ir.
i Lisboa, 85 a 90
Ouro. Oncas liespanliolas.....28/000 a
Moedas de 6/400 velhas. 16/000 a
. de 6/400 novas 16^000 a
de4*000....... 9/100 a
Prata.Patacdes brasilciros.... 1/920 a
Pesos columnarios..... 1/920 a
Ditos mexicanos........ 1/680 a
28/500
101900
18/200
9/100
1/M0
1/940
1/700
j0uaete.\Lat
sbbv
-, 1 fi'n-TJfJMSrA'TlMi-i,
PAUTE OFFICIIL.
COVEIliNO DA PROVINCIA.
1.EI N. 275.
Jos Ildefonso de Souza llamos, presidente
da provincia de Pernambuco. Faco saber a to-
dos os seus habitantes, que a assembla legis-
lativa provincial decretou c eu sanecionei a lei
seguinte:
Art. nico. Pica siipprimida a freguezia de
('ruangy, creada pela U-i provincial n. 155 de
3l de uiarfo de i846, e em vigor a logislacao
anterior por ella revogada.
Mando portanto a todas as autoridades, a
qiiun o conhecimento e execuco da referida
lei pertencer, que a cumpram e facam ctiin-
prir tao inteiramente como nella se con-
tcin. O secretario interino da irvincia a faca
imprimir, publicar e correr. Cidade do lleci-
fede Pernambuco, aos 7 de abiil de i85l, tri-
gsimo da independencia e do Imperio.
L. S. .
Jos Ildefonso de Suso Ramos.
Carla di lei pela qual V. Kxe. manda execular o
lalo da assembla legislativa provincial, que
sanecionou lupprimindo a freguezia de Cruangy,
creada pela lei provincial H. i.'. determinando
que fique em vigor a legislatao anterior por ella re-
vogada.
Para V. Exc. ver.
Sellada e publicada nesta secretaria da pro-
vincia de Pernambuco, aos 7 de abril de l85l.
Antonia Francisco Partir de Carvalho.
Domingos Jos Soares. a fes.
Registrada a folhas.. do livro segundo de leis
piovinciaes. Secretaria do governo de Per-
nauibuco,8de abril de iS.'n .
Joao Domingues da Silva
EXPEDIENTE DO DA 3 DE ABRIL DE 1851.
Cilicio. Ao comniandn das armas, dizendo
que visto nao estar espccilicado na guia passa
da aos officlaes do quarto balalho de artilha-
ria,amaneira porque se deve faser o descont
na pagadoria militar desta provincia do inez
de sold que na pagadoria das tropas da corte
se adlantnii os ofliciaes do dito batalhao, o
mencionado descont deve considerar se feito
de conformidade coin o que ilispde o aviso
circular de lide agosto de 1848, e nao pela
quinta parte como pede o respectivo coin-
mandante.'
Dito.Ao mesmo, inteirando-o da disposi-
cao dn aviso da reparticao da guerra de 17 de
marco ultimo, no qual se determina que se
proceda odesconto pela quinta parte no sold
do coronetdo estado-inaior da segunda clas-
se Trajano Cfzar liuriamaque at completa
indemnisacao da quantia de 349,643 rs. em
que se acha alcancado coin a caixa do terceiro
batalhao de fuzileiros o mencionado coronel.
Neste sentido otBciou-se a pag.don mi-
litar.
Dito.Ao mesmo, communicando que, se-
gundo constou de aviso da reparticao da guer-
ra datado de 15 de narco ultimo, se conce-
deu passagem pa ;j primeiro batalhao de
fuzileiros ao seglo sargento do quarto de
arlilbaria a p J-.io Jos Harrozo da Silva
para um dos corpos estacionados na provin-
cia do Rio Grande do sul ao primeiro cadete
do referido quarto batalhao Tiburlino Pinto
de Almeida Jnior, os quaes, conforme se de-
termina em o citado aviso, devem regressar a
curte na primeira opportunidade.
Hilo.Ao mesmo, scientilicando-o de ter
concedido tres mezes de licenca com meio
sold para ir a provincia do Cear tratar de
aua saudc ao alferes do corpo fixo daquella
provincia Luizda Franca de Carvalho, que ser
ve nesta o emprego de ajudante da fortaleza
de Itamarac. -- Fieram-se neste sentido as
convenientes communicaedes.
Dito.--Ao presidente do tribunal do com-
inercio communicando que, por decreto de 18
de marco ultimo, segundo constou de aviso da
reparticao da justiea de 20 do mesmo mez, fo
rain nomeados Maximianu Francisco Duartee
Joo Facundo da Silva Guimaraes para ofli-
ciaes escripturarios do mesmo tribunal, e por
portarlas de 15 Gustavo Adolfo Ramos e Jos
Francisco do Reg Rangel para amanuenses e
Innocencio Antunes de Farias para continuo e
ajudante do porleiro.
Dito.A thesouraria da fazenda provincial
para que vista do competente certificado,
mande pagar ao emprelteiro de um lanco do
atierro da casa de detenco, A ntonio Jaciulho
llorgcs, o importe da segunda prestaco,
que teui direito, por ter feito duus tercos do
dito lanco.Sclentificou-se ao ciigenbeiro di-
rector das obras publicas.
Portarla.Mandando dar passagem para c
Para no vapor Uahiann como passageirodo go
vornoao dispenseiro do patacho Independencia
Joao Pereira da Paz.Inteirou-se ao inspector
do arsenal de marioha.
1DEU DO DA 4.
Ollicio, Ao Kxm. presidente do Espirito
Santo, aecusando recebido o oflicio com queS
Kxc. reinetteu o inappa demonstralivo'das dis-
tancias pelo caminhu mais curto entre as ca-
breas das comarcas daquella provincia, e eu-
tre ellas e as de suas continantcs uas ouuas
provincias.
Dito. Ao commando das armas, ioteiran-
do-o de haver sido prorogada por seis mezes,
segundo constou do aviso da repartido da
guerra, datado de l5de marco ultimo,a licen-
9a de favor com que se acha na corle para tra-
tar de sua saude o alferes do oitavo batalhao
de tajadores Rodrigo Lopes da CunbaMeneies.
Intelligenciou-se pagadoria militar.
Dito. A thesouraria da fazenda, remetien-
do de conformidade com o aviso da reparticao
da guerra de 17 de marco ultimo, o requeri-
meiito documentado, em que o tenente do
quinto batalhao de fuzileiros Jos Luis Teixei-
ra Lope pede pagamento da despeza que fez
com a condueco de municoes de guerra e
com a bagagem dos ofliciaes da quarta compa-
nhia do uietmo batalhao na primeira pbase da
revolta desta provincia, para que mande pro-
ceder a respelto de seinelbaote divida, o que
liiici mina a circular do thesouro publico na-
cional de 6 de agosto de 1847.
Dito. A mesilla, iuteirando-a da dlsposi-
f ao do aviso do ministerio da justiea de 15 de
marco ultimo, no qual se commuulca que por
decreto de 12 do mesmo inez foram lemovldos
os juizes de direito Jos Chrislianno Garco
Stockler da comarca do Cabo desta provincia,
par a da capital de Santa Camarina e Fran-
cisco Elias do Reg Dantas, desta para aquella
comarca por assiui o terein pedido. Neste
sentido Azerain-se as convenientes cointnuni-
cacues.
Dito. A pagadoria militar, para mandar pa.
gar Jos Lulz Moreira a quantia de 49,920 rs.,
em que, segundo a conta que remelle em du-
plcala, importam as despesas fritas coin o em-
barque do segundo batalhao de arlilbaria a p
para bordo do vapor Imperador. Sclcnllficoii
se ao inspector do arsenal de marinha.
Dito. A mcsiiin, inteirando-a de haver as-
scutado piara no segundo batalhao de cacado-
res o paisano Felinto Elisio de Carvalho, que
contratou nos termos do decreto e tegulamcn-
to de 18 de novembro de 1848, e dn aviso de 30
de outubro do anno prximo passado, para ser
vir no exercito poroito annos, mediante a gra-
tificado de 200 000 rs., que lbe ser paga pela
foima j estabelecida. Cominunicou-se ao
commtndo das armas.
Dito. Ao capitn do porto, dizendo flear
inteirado do que (em a noite do dia 2 do cor-
re 11 te) acn teceu a barcaca Defensora dn Brasil,
c dos soccorros que promptamente prestou ca-
sa capitana, em virtudc dos quaes foram sal-
vos o carregaraenlo e a respectiva trlpolaco.
Dilo. Ao director do arsenal de guerra,
communicando que cm aviso circular da se-
cretaria de estada dos negocios da guerra de
l5de marco ultimo se determina que remella
regularmente a mesma secretaria de estado as
comas de plvora forneclda pela reparticao da
guerra a quaesqueroutras.paraexercicios, di-
ligencias, ou com oulro destino.
Dilo. A' thesouraria da fazenda provincial,
remetiendo para sua intelligencia e execuciio
copia do orcamento que approvnu para os con-
certos da ponte de Santo Amaro, os quaes de-
vem ser feitos por administraran conforme
propoz a directora das obras publicas em con-
selho. Scientilicou-se ao respectivo director.
Dito. A mesma, transmttindo a planta do
terceiro lanco da estrada do norte j bein como
copias do orcamento e clausulas especiaes ap-
provadas para a obra do dilo lanco, al'un d*
que a pnnlia cm arremataran. Inteircu-se
ao director das obras publicas.
DEM DO DIA 5.
Ollicio. Ao comiiiandanle da fortaleza do
llriiiu, inteirande-o de haver expedido ordem
ao commandanle das armas, para scrcm rece-
bidos e tratados no hospital regimenlal os re-
crulas que enfermarein, e determinando que
faca remover para o referido hospital os que se
acham presentemente na eiifcrmaria de mari-
nha. Neste sentido expeduam-se as conve-
nientes ordens.
Dito. Ao director das obras publicas, au-
torisaudo a contratar com o tenente-coroncl
Francisco Carneiro Machado Rios a indemni-
sacao que pede pelo damno causado em sua
sprupriedade com a cxlracciio de trras para a
obra do aterro da estrada dos Remedios.
Portara. Mandando dar passagem para a
corte no vapor que se espera do norte ao ina-
rinheiro Raj mundo Marcello, dizerlor do va-
por Ulitis. O qual ser manda lo apresen! ir pe-
lo cummandant* do briguv-t-scuua Canopo
(.'niuiiiuiiicoii-sc ao commandanle do referido
brigue.
Commando das armas.
Quarltl do commando das armas na cidade do
lecife, smiOde abril de 1851.
ORDEM DO DIA N. 73.
liavendo o Exm. Sr. couselheiro presidente
desta provincia, de coniormidade com 6 (lis
posto no imperial aviso de 17 de fevereiro ul-
timo, concedido de 8 do crrente, que o Sr. se-
gundo tenente do quarto balalbo de arlilba-
ria a p, lleorlque de Amorim Uezerra, siga
para a corte do Rio de Janeiro al'un de inatr
cular-se uo stimo anno da escula militar, o
I Hu Sr. coronel cominahdaate das armas, as-
sim o manda declarar na guarnicao para os
flus convenientes,
J.eopotdino da Silva e Jsetedo,
Primiro tonento, ajudante d'ordens.
observacoes acerca do iftlgo em discusso,
vao mesa as seguintes emendas.
Depois das palavras pessnas fallecidas na
cidade do Recife c seus suburbios, acrescen-
te-se at aspohtes dos Afogados, Passagem da
Madalena e Cruz das Almas o mais como no
artigo. Baplisla. Borros barrdo. Pae /fr-
relo,
Depois das palavras suburbios diga-se to-
mando por este os limites das quatro fregue-
sias desia cidade. Mello Hegn.
O Sr. Pa< Brrelo declara aceitar a emenda
do Sr. Mello Reg, visto que a ideia nella con-
signada he a mesma da sua emenda.
O Sr. 'residente: Eu tenho a observar que
o que me pareca mais regular era entrar em
dlscussah o regulamento, e a medida que se
fosse disculindo irem-se oflerecendo as emen-
das, porque pela forma que usii a commlsso
nao sei como he de ser, entretanto algum dos
membros das conimissocs pnder mandar una
emenda remediando islo.
Vai mesa e he approvada para entrar em
discusso a seguinte emenda
Aassembla legislativa provincial reso|\e:
Art. 1. r'ica approvado o rrgulamenio de
17 de fevereiro de i85l com as alleracocs se-
guintes. -- l'aes harreto.
Encerrada a discusso he approvado o arligo
com as emendas dos senhores Paes Brrelo c
Mello Reg.
Entra em discusso o artigo 2.
Ai 1.22. O preco de una catacumba ser
de 35,000 rs., de urna sepultura commum 3,000
rs., e de urna dita reservada 5,000 rs. sendo por
tres an nos,e 300,000 rs., sendo a perpeliiidadc
O Sr. Mello llego faz Igumas rellexdes e
manda a mesa una emenda, que he apoiada
O preco de urna catacumba ser de 50,000,
o de urna sepultura reservada 4,000 rs. e o de
una sepultura commum 2,0?0 rs. Mello
Hego''
O 'Sr. PaesBarrcto : opp0c-se s emendas
olt'rrecldas.
O Sr. llalli e Silva : Sr. presidente, eu en-
chergo boas cousas 110 artigo que se discute,
e I iinljciu enchergo ideia* muito boas 11a e-
mendi do nobre deputado. Eu emendo, que
quanto ao preco das catacumbas o que marca
o art. 2. he muito suflicirnte ; 35,000 rs. por
cada catacumba hejasoavel. entendn lambeiu
que a dimiiiiiico que se exige nos precos das
sepulturas reservadas e cuiuiuuns lie rasoavel.
Quanto s cotatumbas, eu direl, qne se caiisi
prejuizo o enlerramento nas catacumbas, en-
lo nao se deviam consentir, mas nina vez, que
se li/ei un devem ellas ficar, nao s ao alcan-
ce do rico, como daquelleque anda que. me-
nos abastado quer tainbem gozar dessa especie
de privilegio c enlao ser mais fcil pagar 35
mil ris do que 50....
Um Sr. Deputado : E quanto se paga actual-
mente ?
O Orudori Paga-sc de 35 a, 50 mil ris, he
conforme as iiininiiiK Atho tamliem, que o
preco de3 mil ris por urnasepulturacummuin
he muito caro, be pesado para aquelles que
tem dse servir dessas sepulturas : disse mui-
to bem o nobre deputado, que as sepulturas
cummuns s servem para os escravos, ou para
os indigentes, poique eu enteudu, que os que
nao estiverem nessas circumslancias preftri-
ro dar mais 2 mil ris com tantu, que uo vao
Art. 2. Cada caixao dos cadveres que fo-
rem sepultados em cova commum levar um
numero aberto cm lijlo, o qual ser decla-
rado no livro dos assentos do ccmiterlo.
Depois de breves reflexes, he submcltido
votaran e approvado.
Entra em dlieussSo o art. 3.
Art. 3. De seis em seis mezes o administra-
dor remetiera ao consclho de sulubridade pu-
blica un inappa dos sepultados no cemllerio
com as declarajoes marcadas no livro dos as-
sentos.
Trndo fallado os Srs. Mello llego c Paes Bar-
reto.
I) a hura.
O Sr Presidente declara a discusso do artigo
adiada, designa a ordem .do dia e levanta a
sesso.
ASSK..1BLKA PROVINCIAL.
SESSAO EM 24 DE ABRIL DE l85i.
Presidencia do Sr. Pedro Cavalcanti.
(Concluso.)
Seguidamente entra em discusso o artigo 28
do orcamento municipal.
" Art. 28 Fica a cmara municipal do Reci-
fe autorisada a applicar o producto liquido do
rdito do cemiterio, abatidas as despezas feitas
com os ordenados dos respectivos ehipregados,
para concluso da obra do mesmo cemiterio.
O Sr. Baplisla corabatendo o artigo em dis-
cusso, pouderou que a obra do cemiterio de-
via-se acabar com urgencia, e com os fundos
destinados para o matadouro, para este ser fei-
to pela mesma cmara, depois da concluso da-
quella obra,
O Sr. Carneiro da Cuuba oppondo-se a Ideia
do Sr. Baptista, mostra que os fundos destina-
dos para u matadouro publico nao devem ser
desviados para o acabamento de cemiterio, o
qual j csi em estado de preenclier o flu para
que fol creado, no entanto que aquella obra
carece ainda de principio.
Depois de fallarem ainda os senhores Bap-
tista, e Carneiro da Cunha.
Encerra-se a discusso, e sjjbmettido vota-
cao o artigo he approvado.
Seguidamente sao approvados os arligos 29 e
30, sendo-o este com a seguinte emenda.
Depois das-palavras 1845 diga-se c do
artigo 24 da lei 11. 25t, de 22 de juuho de 1848.
auuiii 1 j de liveira.
Em seguida he approvado, depois de admit-
tido discusso o seguinte artigo adtivo.
Fica approvado o abate de 99,426 rs. conce-
dido pela cmara de Pao d'Albo, e Antonio
Barbosa da Silva Couliuho, arnemalante dos
cepos e repesos daquelle muuicipio, e a cma-
ra obrigada a restituir ao dilo arrematante es-
la quantia, caso elle j tenha entrado com ella
para os cofres municipaes.Mello Arfe.
O artigo 24 que havia licado empatado, he
approvado, e bem assim a segundaJttrte do
naragrapho aditivo do Sr. \ elez aof^go 3."
com a emenda mo votado o projeclo era segunda discusso
Entra em seguuda discusso o projecto u. 17
que faz diversas slteraces ao regiment do ce-
miterio.
a Art. 1. Depois das palavras pessoas falle-
cidas na cidade do Recife e seus suburbios
accrescentc-e al a ponte dos Afogados, e
povoaces de Sania Auna e Passagem da Mada-
lena. -- O mais como no artigo.
0 Sr, Sais tiarnio depois de fatei algn
para aquellas sepulturas que suuproprias
para esclavos c pessoas miSraveis, parece um
pouco pesado, que .aquello que tem uinou
dous escravos, inurrendo-llie um, tenha de pa-
gar 3 mil ris...
O Sr. Paes arreio : Isto he proteja-se os se-
nhores dos escravos.
O Orador : Fallo daquelle.- que querem as
sepulturas reservadas, porm que sao menos
abastados, todos pagaro 4 mil ris am de
que nao vao para as sepulturas s rescivadas
aos escravos. A vista destas cousiderasces
peco desde j a V. Exc. que quando puzero ar-
tigo vofaco o faca por partes.
O Sr. t,ualc> de Mello ; Eu uem- voto pelo
artigo, nein pela emenda da couiinisso: quan-
to ao preco das catacumbas acho, que o regula-
memo quer muito, e acommisso menos do
que convin ; a commisso quer 350 e eu cn-
tendo, que 40/ he um preco snlliciente, por-
Jue se nao se d uina raio aritliinetica paia os
ig tambem posso elevar a 40/ ; cu tenho al-
gumas veies carecido deliase tenho pago 40# :
eu voto por isso, e nao acho que srja prejui-
zo, porque he apenas una decencia para os
enlerraui uto-, se he prejuizo o dar-se essa
decencia aos nimios, enlao lia tambem pre-
julio na construeco de grandes mausoleos;
enlendo que deminuindo-se o pu'90 das ca-
tacumbas licavam ellas sujeilas a uina grande
concurrencia, e dessa forma nao se deniiuuc o
prejuizo, que se suppe.
Val a un a e he apoiada a seguinte e-
inenda.
u Em lugar de 35JI por cada catacumba, di
ga-se 40/.-ti tiles de Mello.
l.neeria-.se a discusin, he approvado o ar-
tigo salvas as emendas : consultada casa acer-
ca das emendas he approvada a do Sr. Mello
Reg que laxa o preco das sepulturas com-
munse|ii2jsendoiegt'iladas as de mais.
A emenda do art. 23 do regulumenlu que he
a seguinte i
Art. 23. Quando o terreno concedido perpe-
tuamente abrauger o espaco de duas sepultu-
ras custar 500/ de tres 800# e de quatro rs,
1:200/
He approvada sem discusso.
Entra em discnsso a emenda ao art. 75 do
regulamento.
Ao art. 75, Logo que a cmara municipal
desta cidade, tiver carros fnebres e utensi-
lios necessarlos para couduccao dos cadve-
res lica-lhe perteuceiido o exclusivo desse i'or-
nri menlo, nao pudendo exigir mais do que os
precos mateados no paragrapno seguinte.
Por um carro de primeira ordem, ou de
pompa 50/ por um dito de segunda ordem 30
e -.- por um de lerceira ordem.
Um regulamento especial marcar a qua-
lidade e circunstancias dos mesmos carros.
Depois de breviissimas reQexoes dos Srs.
Mello Reg e Paes Brrelo.
Eucerra-se a discusso e submetlido o arti-
go do projecto a votarn he regeltado
Entra em discusso o art. 1 dos additvos do
mesmo projecto.
" s.rt. 1. Cada sepultura, tera cinco ps de
profuudidade, quatio de largura, e seis de
cumpriineulo. A sepultura commum dever
ter a largura que exigir o numero de cadve-
res que nella tiver de ser depositado.
lie supprimido por unta emenda do Sr. Paes
brrelo.
Ealta em discusso o ar(. 2.
SESSAO' EM 25 DE ABRIL DE 1851,
Presidencia do Sr. Pedro Cavalcanti.
A- II huras l.-J da manlia,taita a chama-
'Ia;verlici.-jesiarem presentes 2 senhores
debutados.
Sr. Presidente declara aberta a sesso.
O Sr 2. Secretario \(; a acia da anterior
que lio ap[irova<1a.
O Sr. 1 .tcrelmio menciona 0 seguinto
<4p EXPEDIENTE.
Ulo oflicio do secretario da provincia re-
melleiido o orcamento da cmara do Bonito
para o anno de 1850 a 51.A'commisso de
orcamento municipal.
tintn do mesmo rcmettendo as posturas da
cmara municipal de G-ranhiius.A'coinniis-
so de posturas de cmaras.
Outro do mesmo remetiendo o additamento
relacio da divida passiva provincial at 8 do
correle.A' commisso de orcaiucnto pro-
vincial.
Outro do Sr. deputado Jos Nicolao lleguci-
ra Costa, participando, nao poder continuar
a tomar parte nos trahalhos da nasa por se
acliar cncommodado da saude.-Inteirada.
."o lidus '^approvados os seguintes pare-
ceres:
A commisso de posturas e negocios de
cmaras, leudo examinado as posturas da c-
mara municipal da villa de Flores, conforinou-
se com ellas ; pelo que sem oflerecer emen-
das, he de parecer que ellas entrein em dis-
cusso.
Saladas commissrs, 54 de abril de 1851.
Dr. Ilnplislit.ltalise Siira.s
11 A commisso de negocios de cmaras, ten
do presente o requerimenlo de Jos .loaquim
Beicrra Cavalcanti, o qual quer permutar o
foro de 1,280 rs. que elle paga a cmara mu-
uicipal de Ollnila por urna porco de terreno
na esirada de Helm, por oulro foro na Impor-
tancia de 2(1.000 rs que a elle supplicante pa-
ga los Antonio de Oliveira por um terreno
no lugar da Passagem da Magdalena, he de
parcr-er. |"<* s/-j mivida a rainnra inunicijial
de Olinda a quein este negocio loca.
" Sala das coininisses, 23 de abril de 1851.
Dr. lio/ilista.Bats."
He approvada a urgencia requerida pelo Sr.
Aguiar para entrar em discusso o seguinte
parecer.
A commisso de polica examinando as
comas dadas peloSr. deputado Pedro Gaudia-
110 de Ralis e Silva, encarregado de' faser as
despezas com o paco desta assembla, e com
um docel para o retrato de S. M. I achou-as
conformes e legalisadas, reslando-sc 565,680
rs. para complemento das ditas despezas in-
clusive a de 4l0,000 rs. resto do ajuste du do-
cel, cuja quantia deve ser designada no orca-
mento provincial que se acha em discusso.
11 Paco da assembla, 25 de abril de 1851.
Pedro\Cavalcanti.Aguiar.Oliveiran.
Depois de algumas reflexes do Sr. Ralis e
Silva, c Aguiar, fleo parecer approvado.
He approvada a redaeco do projecto u. 20,
que atiera o regiment da casa.
ORDEM DO DA.
Continua a discusso do art. 3. dos auditi-
vos do projecto n. i7, adiado da sesso an-
terior.
Vao mesa e sao apoiadas para entrar em
discusso as seguintes emendas :
Em lugar de seis mezesdiga-se--de tres
cm tres mezeso mais como no artigo.Itatis
e Silva."
Ao art 69depois das palavrasao lempo
cm que fallesceuaccresceute-se--e molestia
que deu causa a inurle-u mais como 110 arti-
go bapli.ia.Paes 'arrelo. Karros Itaricto.*
l'.iiii 1111 parte nesta discusso os Srs. Bap-
tista, Aguiar, Brillo, Mello Reg c Ralis e
Silva.
Encerrada a discusso, he o artigo approva-
do com as emendas dos Srs. Ralis e Silva, llap-
lista, Paes Brrelo, Barros Harreto.
Em seguida sao approvados sem discusso
os seguintes arligos :
Art. 4. Se algum enterramenlo se lizer nas
igrejas a excepfo dos permiltidos no art.
74 ; o emeumbido do enterro c o sacristo, ou
administrador da igreja, pagaro cada um a
multa de 200,000 rs. para os cofres da muni-
cipalidide. O cadver ser ex-humado a cus-
a da familia a que pertencer, e sepultado no
cemiterio, sendo o traballio da cx-huuuco
dirigido pelo cousclbo de salubridade pu-
blica,
Art, 5. A cada rmandade, ouconfrarla re-
ligiosa, que pelos seus coinpromissos tem pre-
sentemente a obrigaco de mandar enterrar
seus irmos, 011 contralles, ser concedido
gratuitamente' um espaco de terreno nocemi-
leriu para nelle fazerem os seus eiitcrramentos.
Art. 6. Urna commisso nomeada pela cma-
ra municipal designar o espaco que deve ser
concedido as irmaiidades ou contrarias, as
quaes podero edilicar nos terrenos que Ihes
forcui concedidos as catacumbas, quejulga-
rem convenientes, nao exceden Jo esse terreno
a quarta parte do cemiterio.
Entra em discusso o art. 7.
Art. 7. A e011ce1s.11) de que trata o artigo
antecedente nao iscnta as irmandades da obri-
gaco de pagarem acamara municipal por ca-
da enlerramento que tizerem em catacumba
20,000 rs., e em sepultura reservada 5,000 rs.
Vo mesa e sao apoiadas para entrar em
discusso as seguintes emendas :
Em vez de 20,000 rs.-diga-se 10,000 rs.
Paes Barrito
Em vez de ?0,000 rs.diga-se 5,000 rs.
Aouiar.
Em lugar de 20,000 rs.diga-se 7,000 rs
afelio llego.
>'
do com a emenda do Sr. Aguiar, sendo as de
mais prejudicadas
Entra cm discusso o art. 8.
Art. 8. O presidente da provincia fica auto-
risado a facer no presente regulamento aquel-
las alteracoes que a experiencia for mostrando
que sao indispensaveis, menos no que diz res-
|o tn aos precos que s pdciuscr modificados
por acto d'assembla provincial.
Vai inesae he apoiada para entrar em dis-
cusso a seguinte emenda :
Depois das palavras--indispensaveissup-
prinia-seo reslo do artigo.augusto Uliveira.a
Oppe-se o Sr. Paes Barrcto-a esta emenda e
que be sustentada por su autor.
Encerra-se a discusso, sendo o artigo ap-
provado c regeitada a emenda.
Entra em discusso o art. 9.
Art. 9. O cemiterio ter um capello, com
o ordenado de 600,000 rs., ao qual incumbe dl-
" 1 missa nos domingos c dias santos em inten-
{o dos sepultados, e encommendar os cada-
veres ainda nao encommendados.
He lida e apoiada para entrar em discusso
a seguinte emenda.
> Supprima-sc as palavras, que se seguem
depois da palavra sepultados al ao fiual do
ai ligo. S. K.Bats e Silva
Encerrada a discusso, he approvado o arti-
go e regeitada a emenda.
Em seguida entra cm discusso o artigo sup-
pressivo propusto pela commisso.
h Suppi uia-se o art. 67 do regulamento. <>
Depois de breves rellexges, he approvado.
Em seguida, vo a mesa e sao successivamen-
le apoiados os seguintes arligos addilivos.
N. 1. Fica penuiiiilo a irmandade de S. Pe-
dro desta cidade, utilisar-se de snas calacum-
bas por esparo de dous anuos. J'info uV
Campos.
N.2. Se passar a emenda do Sr. deputado
Pinto de Cainpos.'.fac.i-sc extensivo o mesmo a
favor a todas as irniandades.-S. R.-Velle:.
N. 3. Fica permettido a todas as irmandades
desta cidade, que tivcicm catacumbas, ulili-
sarem-sc dellas por espaco de dous annos.
Catiiultu. m
N. 4. Supprimam-sc os arts. 21 c63 do regu-
lamento.-- kgniar.
N. 5. Os cadveres das pessoas fallecidas na
cidade do Recife, e seus suburbios, nao pode-
ro ser enteirados seno 110 cemiterio publico,
sb pena de iiicorierem 1 s contraventores na
disposlco do art. 4.S. R. Paes tivrreto.
Em lugar de 800,000 rs. -diga-se 1:000,000
rs.--Agn/(ir.
Suppriinam-sc as palavrasser assignadu
pelo administradordo art. 69 do regulamen-
10Aantar. '
Eucerva-sc a discusso, em que totu6ram
parte alguus Srs. diputados c fiualmjt'nlcso
approvados osarls. 4 e regeitados cjaj de ns, 1.
3, 5, 6 e 7 prejudlcado o de 11. 2. /
Em seguida he adoptado n prntr.io om -
- mu. o. -1 o- i" cot, trs rmrnriw -fr-"
faiiam acerca desta materia os Srs. Aguiar,
Mello Reg e Baptlsla.
Encerrada a discusso, he o artigo approva-
Passa-se a segunda disqusso lo piojelo 11.
18 relativo as obras publicas coin as emendas
ao inesiiio-ullerecidas pelos Srsi Barros Brre-
lo, e Mello Reg \
Vai a meza e he apoiada para 1 ntv.ir en, dis-
cusso a seguinte emenda substitutiva
Fica oppruvadou regulaiuentn de 7 de malo
ile 1850 con asseguiutcj alterarnos. S, II. Mel-
lo Bego.
leudo dado a hora.
O Sr. Presidente noineia inteiinamente para
a comissu de cunsliluico c poderes, porse
acharem ausentes o Sr, Francisco Joo, e do-
ente o Sr. Rlgueira Costa : ao Sr. Baptista: de-
sigua pare a ordem do dia alcn da j, dada
mais asegunda discusso do projecto 11, 15 e 3
do de n. 13 c levanta a sesso,
CMARA MUNICIPAL DO BECIFE.
8ESSA.0 EXTRAORDINARIA. DE 20 DE MARQO
DE 1851.
Presidencia do Sr. Oliveira.
Presentes os Sis. Barros, Moraes, Vlanna e
Figueiredo, abriu-se a sesso, e foi lida e ap-
provada a acta da .inleei denle.
Foi lido o seguiute
EXPEDIENTE.
Um ollicio do I-.xni. presidente da provincia,
11 .ni i leudo, com a sua competente approva-
(o, a planta gcral e descripco dos arrua-
lientos do cemiterio publico, alim de lerem a
devida execuro. Que se lirasseni copias de
tima C outra cousa para seren logo remettidas
commisso eucairegadada direcco das obras
do cemiterio : se encaixilhassc a planta para ti-
car exposta onde se acham as uulras ese re-
gisirassc a descripco em livro competente.
Uutro, do secretario Interino da provincia,
leinettendo um cxeinplar da-falla que S. Exc.
deiigio no da i. do correte, assembla le-
gislativa provincial, por occasio da abertura
de sua sesso.(ue se archivasse.
Outro, du fiscal do Por.o, apresentando os
m.ipp is il 11 iiu .ni. i do impusto das rezes mor-
as em dita freguezia, para consumo, desde 11
de Janeiro at i4 do orrente, cuja importancia,
a-siui como toda a arrecadada anteriormente
.me, i i mi icr entregado ao procurador, sem
liear ilevendo um real ao cofre muuicipal ; e
pediudu despensa dcslc encargo.A cmara
aceituna escusa dada resolvcndo, que o fiscal
coutiuuasse seiiielhautc arrecadaco, at ser
arrematado este imposto, mandando publicar
editaes, pondo-a praca.
O'Sr. vrreador Figueiredo fez o seguinte re-
querimenlo, que ful approvado, re-olvendn .1
cmara que a pelico que elle se refere fosse
reiuellida commisso de pencos.
Requeiro que entre em discusso a peticao
que se acha adiada da irmandade do Espirito
Santo, requerendo urna porco de terreno no
ceniiterio, para construir seus jazigos. Recife,
20 do man,o de 1851.Jooi/um Canuto dt Fi-
gueiredo.
O Sr. \ ri ruin! Barros, licou Incumbido de
ciiteuder-se com Juo baptista Pereira Lobo,
relativamente a acquislco de um terreno, silo
na freguezia do Poco, de que he o mesmo Lo-
bo foreiro, o qual terreno foi Indicado pelo
iiiesmu ven-ador como o mais adoptado all pa-
ra a construeco de uiu matadouro.
A cmara adiando justa a represenlaco que
llie lizeram osempregados de sua secretarla,
pedfndu a orgauisacau da mesma,'quinto S-
meute a mudauca da deuoinlnacu de seus em-
pregos, mauduu-a leinctler presidencia, para
por intermedio desta ser levada consideraco
da assembla provincial.
Mandou-se reinetter commisso de edifica-
cao o requerimenlo de Joaquim Antonio dos
Santos Audrade, pedlndo licenca para cons-
truir o oiloda casa que esta edificando na ra
II FGIVFI


jixl m
r.
*
nova, que devidc coni a de Tilomas de Aqulno
'onseca.
Despacharam-sc as petijoes de Aprigio Jos
la MI va ( 2 ), de Mara Theodora do Sacramen-
to, de Mauocl Pereira Leinos, de Joao Caelano
lcAbrcu, de Jos, de Alexandre Ribeiro, de Mi-
guel Rodrigues da Silva Cabrnl, de Francisco
T'.t v.i I i ii 11 deAlbuquerque, de Amonio Alves
Ferreira, de Francisco Mara Carocho Guima-
jiies, c levantou-se a sess.o.
F.u, Manoel Ferreira Accioli, secretario In-
terino aefereviOliviira, presidente.Barra*.
--Moraei.- Tiunna.- Figueindo.
Correspondencias.
N. 5. O i ipil in Joao de narros Silva e Albu-
Sucrqiicsub-dclegadododistiicto de *cbe-
oro da comarca de Caruar por S. M. I
constitucional o Sr. D. Pedro II. o quem dos
guarde etc.
Atiesto bem daverdade que o Sr. Dr-
jui municipal e delegado dcste termo.(o ha-
chare! Lourenco Francisco de Almcda Cala-
nlio) tem sido bistante* deligente cm Cap-
turar os criminosos e que sua ordens a tal
respeitn sao terminantes, e que nenhum dos
iniciados cm dimes traniitam impuiiaincnte
nein na villa c nem no termo lie o que te-
nlio d'airiruiar era f de meu cargo. Sanli
Theresa i |de mar90 de 1831. Joto de barros
Silva e Albuquerque.
Attesi i por me ser visivel a cslima do
lllin. Sr. Dr. Lourenco Francisco de Umcida
Calanho, delegado do termo, a respeito de
mi i |m. I mi i, a. ni he precito maior probidacle,
e prudencia no desenipenho do srus deveres
isto afirmo em f de nieu cargo siibdclegacia
do I. districtodc N. S. do O' do Allinho 5 de
marco de 1881. OjuU de paz e subdelegado
1'homix Jo'; d'Aquiao lluro.
Atiesto do que me consta cm f dever-
dade que o bacbarcl Lourenco -Francso de
Almcda Calanho juit municipal e delogirto
da comarca de Caruar tem dado toudas
asprovidencas necc9sarias a bem do publi-
co c de seu cargo da pulida, e nao me consta
que haja qualquer criminoso impunes publi-
caiiieiiies. Subdelegada do districo de S. Cac-
tauo 7 de marco de 831.--0 subdelegado
francisco Xavier Lira.
[ Preccdco requerimento e despacho.)
N. Atiesto que o Dr. LourenjO Francis-
co de Amelda Catalina, juiz municipal e dele-
gado deslc tormo nunca me privn de eu na
qualidade de sb-delcgido do prlinelro dis-
uado desla freguesla do mesino termo de fa-
ier prizao algiima, o*nte me tem recomen-
dado que osla subdelegada enipregue todo
o zelo eactlvidadc alitn de capturar q.ialqnr
oriiuinozo que possa liaver ; emquanto houver
criminosos ueste termo, tenlio a dizer que no
distiiclo de ni i ciln jurlsdlcao existem alguns
tona, pertencentes ao partido do governo, criminosos, de inortc, porm vlvcm couti-
|ue nao duvido acreditar, que se revoltarao iniailainenle oceultosde uianciras que nao tem
contra tao calumniosa asscrjo, para que podido esta sulnlelegicia os capturar, e nem
nao tcodo eu ali a mais pequea desaven;.!! menos o actual delegado apetai das iiuniero-
ciiiii ninguem abso'uiimente al o lempo de' sas deligeoclai que se tem f.'ito,
iiiinba sahida, sendo por lodos tratado com a] Bita sub-delegacla lein sido auxjjjada pelo
maior estima e considera;fio nao sei como tito dito delegado, todas a* vetes que p^n precl-
covardemente se anima a pronunciar cm pu- sado, e isso sem nenliuiiia perda de lempo;
Conceda-me Sr. redator o continuar na dis-
cussao, que cm o n 89 de sua folha prinei-
jiiei, occu pando-me desta vez com os pontos
le aecusacao, que em a correspondencia con-
tra unin toi lacerta, em o n, li do INacloii.il
tratando nicamente dos Tactos, e entregando
ludo mais ao desprezo, Ve-se em o segundo
periodo dai|iirlia correspondencia, que os me-
tas leitos sao taes, que pelo meu genio intri-
gante deixe fic.ir entregues a horriveis intri-
gas, e odenlasdiscussOcs, o llrejo e S.-tnlao,
Iqgires em serv para que o publico sensato
comer a avaliar a perfidia e gosto satnico
com que se me procura deprimir, basla saber-
se, que nunca fui empregado em S.-Anto,
!. ni mesmo em suplencias. Tive ali um en-
genho onde morei|por pouco lempo e poucas
vezes hia a cidade, c a nica occasiao, que ti-
ve para i-nvolver-inc cm negocios publicas foi
tas ultima* elelcSea, que ali se fizcr.nu pira
senadores durante o doiiiiuio departido pra-
eiro ; he verdade, que nessa occasiao disputri
a clleijo com todo o vigor contra esse mes-
luo partido mas com tal decencia, que nao re-
ceb o menor insulto, e fui bem tratado, e
liga esse inesmo partido se ja mais se vio ali
di 11 tu i ti lo. ou aecuzando ai ;uem de seu la-
do, ou se etiste um s individuo, a quem eu
tenha intrigado ou procurado fazer mil, Fa-
co tanta justija aos habitantes da ridade da Vi-
partido do
blico urna tal proposicao. Kspero que se pu-
blique qu"aes a especie de intrigue, c com
nein alio llz. Vamos ao brejo. Quando foi
c linalinci.le duraule o nieu excrcio, milito
teloso, exacto no boin andamento da polica
deste termo tem sido o Dr. delegado Aliuei-
creada a lei das reformas aocodigo fui no-da Calanho, isso o auirmo em f do meu
meado juiz municipal para aquella comniis- cargo.Subdelegada de Caruir !i
sao, onde tem o governo de montar a sua po-
ltica, e por consequencia desmontar ali as
localidades, que Ihe fossem nfensas, e crear
ouiras lavoraveis, e bem se v, queem tal ca-
lo nunca pode deixar de apparecer a desin-
telligencia, entre as influencias locaes: e de-
vc-sc aqu notar, que eu uo era ali delegado
c que toda a polica fura ali moulada pelo ac-
tual chefe de polica, sem intervenjao niinlia.
lie verdade. que com toda a energa susten-
te! al o partido do governo csysteinaactu.il,
e com os maiores sacrificios, conseguindo sem-
jire victoria, resultando-me por laso urna re-
inocao; mas tanibem he verdade, que sem-
pre espeild os meiis contrarios, garantiiuto
ibes toda a liberdade seguran;.! em sua exis-
tencia e propredade ; e em quanto eu alies-
tive empregado poseo feliitneote dizer, que
i rain ali ni ntidos os prlnepiof de ordeiu e
seguran;a publica, c individual. Pela mesmi
forma apello para o partido contrario que
peitenccm as familias daquclla commarca,
que ine liieram opoiicfio, para que me con-
ii si, ni isso fazendo nicamente justic t e
aqui c.abe-me o notar, que sendo tantas as in-
triga*, qi;e por ali deixe nessas minareis
nenhum de seus habitantes se tem dado boje
ao trabalho (c MCUiar-me entretanto que um
"l>j;iJui atli<4' aoi "''o dclla.i gratBIla-
~*...u1t? 'se itmtconstituido procurador de to-
dos s pelo gorsto de faier mal. Oh! que ge-
nio terrivel de malidiccnca ? Vamos agora
ao Caruar lurgar em que sou empregado.
Por boje Sr. redator nada mais dire para me
nao tornar enfadonho, pedindo-Die apenas a
publicidt-dc dos documentos, que a estas li-
ndas acoinpanham relativos a minha couduta
como empregado naqu^lle termo,
liedle 15 de Abril de 185i.
Cviirenro f'roncico DOCUMENTOS.
N. 1.Attestaiims, que o supplicanle ; ba-
i h ii i l l.oiiren;o Francisco de Aliueida Cala-
nho) tem multa boa conduela civil moral, e
iue tem cuuiprdo exactamente com sens de-
veres como empregado policial empreganilo
todos os mcos ao seu alcance para puni;ao c
de marco
de i8l.
/inlonio Lciit de Aterido.
Sub-dilegailo
H, 7.Illin. Sr. Em virtude do presente ofli-
cio atiesto quanto o priineiro quitito <|iie nao
me consta existirem ueste dislriclo ciimino-
sos alguns ese existe be por tal forma ocul-
tos que nao chcgain ao meu conheciuiciito ;
qiianio ao segun.io iieotiuin cxlorvo tenlio ti-
do nesta delegada para o cuui|t''.iiento dos
nuil, deveres e pelo contrario tem sido sem-
pre satsfeitas todas requislcdes e providencias
por mira pedido a esta delegada durante o
lempo do exercicio de V. S em quanto ao
ultimo quezito scinprc V. S, me tem recom-
iiiendidj avgilanciac eaplura;ao dos cremi-
nosos a sua punlcfio. lio o que tenlio a in-
formar em ledo cargo que oceupo.Subde-
legada do segundo districto de HC/.erros 7
de inar;o de l8f>l,
Manotl Kntonio Firreira
Sob-dleegado
Sis. Redactores. Oomo lenlia havido pessoas
que ine increpara de ter sido eu quem de
ni' ii molu proprio ordenaste a prohibi;ao de
SollaretU foguetei deiiorainadns do arno
festejo que leve lugar no sabbado d'lllcluia
neata treituaxlai i.nr amta mni.-o v..i ..-
coiiimudar, rogaudo-lhe o obseijuio de ense-
rir os ollicios que por copia Ihe remeto, del-
les ver o respeitavel publico os motivos que
tive para asSim obrar.
Ubsequio este, do qual Ihe licar agradeci-
do o subdelegado da fregue/.ia da Roa-Vista
Rufino Jos Correa 'Almeida.
Illm. Sr.Com pungente dor vou levar ao
conliecimrito de V. S. um acoiiteciinenlo, e
que talvez tenha de ser repelido, se, sciente
delle, V. S. se nao dgnar de providenciar
remover a causa que o produzio.
Segua boje, s nove horas da manliaa, pela
rua d'Aurora, a proeisao do Senlior aos enfer-
mos desta freguezia, quando soltado esmo
um fogucle do ar tomando direcefie orisontal,
e indo bater na test de um pobre menino
fractmou-llic o osso frontal, esiiiigalhnu-llic
os milos, c dexou-o em tal estado, que ape-
xeprcsao dos crimes. rao nos consta que| za|. (los nCcssantes cuidados, que, dirigidos
. t p*l...nnpnB ...... .ll.Av.nrap nneln .l .. ...... ., '. ..
existao criminosos nem duerlores neste ter
nio. Sabemos por esperiencia que este irrmo
goza plena tranquilidade e existe sem receios
os povos, de dezordens: nao s por nao ave-
tciii seinptomas, ou motivos que as excitem,
como pela confianca que deposita nos em-
pregados policiaes. Passo cipal da villa de Caruar em sesso ordinaria
de5 de fevereiro de i8.il. C. V. Va*concrllos.
Gonfalres da Cruz. --Silva e Smiza.-- Alenzes,
f'onceca Sitva.
(Piecedeo requerimento.;
1S. 2. Attestainos que o supplicanle (ba-
cliarel Loureii;o Francisco de Almcida Cala-
nho) juiz municipal e delegado deste termo,
desde 2trde fevereiro desde anno em que to-
iiii ii posse destes lugares adiando o termo
anda em sofrlmento das minas e perturba-
rdes cauzadas pelas desordens da provincia
nada poupou de seus esfor;os Itslra cinprc-
gando a sua authoridade como a particular
influensia e considcra;ao t.im feliz resultado que obtive a completa
tranquilidade dos cidaHos desta villa e seu
termo dezarmando do mesmo as preven;oes
c progressos das rizal particulares que produ-
ziriam funestos resultados, e que pella sua
conducta civil e moral louvavel prudencia se
deve quellc espirito de tranquilidade. nrdrm
prolfundo respelo ao governo c a le, que
ueste termo se Conserva, e nao eonsia-nos
|ue alguma authoridade do termo seja infeu-
\ a ao governo, nem dezarmunezada Cntrr
si. Passo da cmara municipal da villa e co-
marca de Caruar 2li de irivembro de l?\o. --
V. P. Mello.Ooncalres tlu Cruz.-- Meneas,
Silva.
'(Precedi requerimento. )
. 3. Atiesto, que o Sr. ^bacharel Lou-
renjo Francisco de Almeida Calanho) juiz.
municipal de nrphaos e delegado tem servido
c serve satisfactoriamente os deveres inhe-
rentes a seus diversos cargos ; he magistrado
de limita honeslidadc, honra e probidade: o
referido he verdade, que apello com jura-
mento. Caruar ti de mar;o de l83i. Cut-
iano Vicente d'Almeida Jnior, juiz de direito.
(Prtcedeo requerimento e despacho.,
. 4. Atiesto que o supplicanle (hacha-
re! Louren;o Francisco de Aliueida Calanho)
de que trata apeti;o, tem mostrado nina mu-
dla ptima tanto civil, como moral, cuin-
prindo as suas obriga;es com urgencia, nao
sendo linpellido por odio e amisade, c cons
ta-me que tem proseguido os criminosos pwn-
dendo-os processando-os e cm quanto a
ultima parle nao me consta que dentro desta
villa andem e passem criminosos, porque eu
seria oproprlo a mandar prendc-los. leo que
ojtenlio attestar em abono da verdade, e por es-
se me ser pedido assim o IU. Promotoria na
villa de Caiiiarn (i de niarjo de 1161. Manoel
Jlodrigues l'inhiiro.
i Prttedeo requeriincnto e despacho},
por mdicos dislinclos, dedic.idamente Ihe
prodigalUa a familia do cidadao Joo Jos Fer-
reira de Aguiar, para cuja casa o conduziram
poucos momentos poder ter de vida.
Dos guarde V. S. Subdelegada da fre-
guezia da Hoa-VIsta, lU de abril de 1831__
Illm. Sr. drzembargad ir Jeronymo Martinia-
no Figueira de Mello, chefe de polica da pro-
vincia. subdelegado Rufino Josc Correa u'A/-
tnsitfa.
Illm. Sr.Penalizado, participo V. S, que
deixou esta vida o infeliz menino, que lia pou-
co levei ao couhecliiiento de V. S. a cataslro-
phe nelle acontecida, pelo logete do ar, que
esmo loi soltado na rua d'Aurora ; o des-
grafado cliama-se Francisco Ignacio Alves,
ti I lio do fallecido Germano Antonio Alves-
Dos guarde V. S. Subdelegada da fre-
guezia da Roa-Vista, iti de abril de ?851.
Illm. Sr. dezembargador Jeinnymo Martinia-
no Figueira de Mello, chefe de polica da pro.
vincia.O subdelegado, Rufino Jos Corread'Al-
me ida.
Illm. Sr.'i'mdo o Illm. Sr. dezembaigador
chefe de polica me ordenado em seu olHcio
datado de l(i do crrente, que cu prohibisse
o uso (los logeles denominados do ar em
todas as festividades, para evitar que se repi-
tan! desgra;as, e que smente consinla o dos
fogos amarrados; assim llie eouimniiico alim
i de que de as neeessarias providencias para ser
cuiiiprtda ai|iiella ordem.
Deol guarde V. S. Delegada do priineiro
distrlcto, 17 de abril de I83i. O delegado
de polica do priineiro dislriclo, Francisco de
Assis Oliveira Maciel. Illm. Sr. Ilulino Jos
Correa d'Almeida, subdelegado da freguezia
da liua-Vista. ____________^_
Publicayo a pedido.
CONSULADO'CERAL.
Abril.
Rnndimento ilo dial a 2t. .63:074,752
! l.m ilo tlia 25........6:t33,67*
69:238,426
DIVERSAS PROVINCIAS.
R>n I ment do dia 1 a 21 '. 3:353,512
Mam do dia 25........ 445,888
3:799,400
EXPORTARAO.
Despacho martimo no dia 25.
Rio Gratulo do sul, hrigno Srasileiro Dos
te Guarde, tic 119 ton'ltdas: conlu/. o sa-
guinlo : 375 barricas OOItl 2.457 arrobas e
1T libras de assucar, 400 alquaires sal, 6 pi-
pas caxaf;a, 50 barrilinlios doce do calda o
13 V'il'imes estopa.
hBCBBEDORIA DK RENDAS GERAES
INTERNAS.
Itftinlimpnto do dia 25 ..... 358,090
CONSOLADO PROVINCIAL
. 3:141,688
RendlmAnto do dia 25 .
IMovimenlo do porto.
Savias entrados no dia 25.
Para, Maranhlo e Ciar 43 das, e do ul-
timo porto 12, escuna nacional Emilia,
ilo 111 toneladas, capiMo Antonio Silvei-
ra Maciel Jttnior, nquipsgem 15. carga
millio e mais gneros ; a Joilo Culo; Au-
gusto da Silva. Pa'ssigeiros, os Brasilei-
ros Joaquim los Pdreira, Joaquim Pj-
dro, Manoel Cot-lho deGuimar5es o 1 es-
cravo aentragtr-
Parahiba 3 das, hilte nacional Santa
Cruz Nora, de 28 tonela las, mestre llan-
riqun du Souza M-af'a, equipagem 5, car-
ga loros do manguo ; a Joaquim lo da
Silveira. Pas^ageiros, os Brasil^iros Jok
Maria e Auna Joaquina da Araujo.
Iletn21 horas, hiato nacional Tres fr-
mSo$,de 31 3,1 toneladas, maslr o Jos
Diarle de Soaxi, cquipagen 5, carga to-
ros do mangan ; a Joaquim Duarte de
Azevpdn. Passigeiros, os Rrasilciros Fran-
cisco Teixeira da Silva Pinto, Jo3o Cr-
rela da Silva c o Italiano Carlos Agosti-
nho Golzio.
Navio sahido no mismo dia. '
Cttmaragibe Hiate nacional Noto Deslino,
mestre EslevSo Itibniro, carga carne sec-
ca e mais gneros. Passageiros, os'Urasi-
leiros Itozilino Jos Sereno e Jos Lonas-
co l'iniPDlel.
SliTAK.
50:010,000
2:241.000
1:710.000
:OI6,000
4:405,o0fl
2:665,000
3:510,000
:5i0.000
GiOiO.OOO
560,000
2:510,000
Sabe-se por caria do Rio C.rande do nor-
te, que 12 do correle Uvera all lugar,
como eslava designado, a .ip|iurat;3o gem
da capital expedido diplom^ao Dr. Octa-
viano Cabral Ra|Kizo da i anima, que obti-
vera a niaioria de votos.
COMMEaCIO,
ALFANDEGA.
l'.eiidiniHiito do da 25 .24875.912
Descarregam hoje 26 de abril.
Esc ana -- Nymptt mercadorias.
Escuna -- llens/iato dem,
tingue Laura barricas vasias.
ltale Sociedade fumo e charutos.
O Illm Sr. oindal-maior, scrvlndn de ins-
pector da Ihesouraria da a/m la provincial ,
em virtude da resoluc.ao do tribunal adminis-
tiativo, manda fuer publico, que em cumpri-
mento da lei, perante o mesmo tribunal, se
ha de arrematar em hasta publica a quem
mais der nos das 26 27 e 28 de inaio prximo
vindouro os Impostos seguinles :
2,500 rs. por cabera de'gado vaceum que
for consumido nos municipios abaixo decla-
rados.
Reclfc avallad > annualmente por
Olinda, dem, dem.
Iguarass, idem, dem.
Goanna, idem, idem.
Nazareth, i-lem, dem.
Pao-d'Alho, idem, dem.
I.imociro idem, idem.
Galio, dem, idem
e-.n,- A..tSu, iJtm, Illm,
Serinhacm, dem, idem.
Ro-Formoso e Ago.i-Prela, dem
F. nos municipios seguinles nos quaes so pa-
gain aquelles que talliarem carne para nego-
cio, e os criadores o diziino.
Ronito e Caruar, avahado annualmente
por 2:510.000
llrejo, idem, Idem i:6i0,00n
Cimbres, idem, idem 8l0,0o0
Garanhuns, idem, Idem J:910,U0
Flores e Floresta, idem, Idem 3:9? 1,000
lloa-Vista e Kxii, dem, dem 4:037,000
Nos tres ltimos municipios, isto he Gara-
nhuns, Flores Floresta e lloa-Vista e Exii,
so arrematados c-oujuiictamente os impostos a
cargo dos collcttorc, conforme determina o
ari. 42 da lei provincial n.-Jlit de 28 dejunbo
de 1850.
20 por cento sobre a agurdente que for con-
sumida nos seguHites municipios.
Recfe, avahado nnnualmentc por 12:001,OOP
1 llinda, nli tu. idi-m 810,000
Iguarass, idem, dem 81,000
Gnianna, idem, dem 62,000
Pau d'Alho, idem. nem 62.000
N'azireth, idem. dem 62,00o
Santo Anio, idem, idem 202,000
Unidlo e Caruar, idem, idem 32,000
Cabo, idem, idem 43.000
Rio-Formoso e Agua Pela,idem,idem 40,000
Serinhacm. idem. idem 25,000
I.imociro, idem, idem 90,000
Garanhuns. idem, idem 47,000
l'rejo, Mein. dem 3o,000
Cimbres, idem, idem 30,000
Flores e Floresta, Mein, idem 32,000
lloa-Vista e Fx, dem, idem 32,000
laxa da barreira da estrada e ponte doGi-
qtii.i, avallada annualmente por 7l0l,000
Dita, da Magdalena, dem, dem 4:430,000
Hita, do Motocolonib, Idem. idem 2:721.000
Dita, doCaxang, idem, idem 2:100.000
Dita, da Tacarona, dem, idem 641,000
Dita, de Rujary, idem, idem. 641,000
Um por cento do producto de cada Icilo,
que n.io for feito poi ordem judicial, ou admi-
nistrativo, avahado annnalmrnte por 1:824,000
As arremalacoes serao feitas por lempo jdc
3 anuos, a contar do i" de julho do crreme
anno a 3) de jtinho de 1854, e ob as mesinas
condices das anteriores.
As pessoas que se propozem a estas arrema-
tes coiiiparrcim na sala das sessOes do mes-
mo tribunal nos dias cima indicados pelo meio
dia, competentemente habilitados.
Secretaria da ihesouraria da fazenda provin-
cial de I'ernaiiibuco, 19 de abril de iSOi.
O secretarlo,
Antonio Fernira d'Annuntiacao.
Pela inspectora da alfandega se nao de
arrematar no dia 29 do crreme depois do
meio da, porta da mesma reparlicao as mer-
cadorias abaixo declaradas i abandonadas pelos
direitns, por diversos : 84 chapeos de palha or-
dinarios para meninos, a 200 rs. total 16,800
rs. ; utna caixa com 44 pecas de reudas de al-
godao bordada, com849 varas a 160 rs. tolal rs.
135,890 ; 24 caixiubas com 23 l|2 duzias de po-
tes de vidro com pomada avahada a 480 rs. to-
tal 90,240 rs. ; 6 bengalas de cana ordinaria a
Vil rs total 3.000 rs. ; i8 chicotes com acuite
avadados a li>J)00 rs. a duzia, total 5,000 rs.;
10 inassos de thesouras ordinarias de mais de
6 pr.lrgadas coni 59 duzias, a 3,200 rs. total rs,
18S.800 88 lencos de chita, sendo 22a 320 rs.
tolal 5,060 rs.e i i com avaria a 165 rs. ; totxl
2,310 rs.; 30 chales de dita, a 850 rs. tolal 25,500
rs. ; 22 varas de tranca de algodao e seda, a
300 rs. total 6,600 rs. ; I lata com 12 nvelos de
|inha de algodao em caixas no valor de 240 rs.;
i barrica com 984 duzias de lesourasat po-
legadas, dtiiia 600 rs. total 596,000 rs. ; i cai-
xa com 43 libras de rap avariado a lOOrs.
total 4,300 rs. ; l dita com 8 cichos de flores de
penna a 500 r. total 4 000 rs. | 1 balaloi. 300
rs total 600 rs. | l quadro no valor de .OU rs
12 chales de chita escarate no valor de i.ouo
rs 23 varas de pao de llnho e algodao, a JU
rs. tolal 6,900 rs. ; 2 livros Impressos no valor
de 1,000 rs.; 8 folhetos Impressos no valor de
500 rs. ; I caixa com brinquedos para criancas
no valor de 1,600 rs. ; I caixa com 37 chales de
i-hila, a 800 rs. total 29,000 rs. ; 2 lencos de
cassa bordados, a 400 rs. total 800 rs.; 2 cober-
tores de la a l .500 rs. total 3,000 rs. l embru -
Iho com 7 chales de chita, a 800 rs. total S.bOO
rs. ; 1 dito com 4 chales de dita, a 800 rs. total
3.200 rs. dito com seis resmas de papel a 1,000
rs. total 6,000 rs. ; c l dito com20 varas de al-
godao cru a imltacao do brasilelro. a.200 r.
tota! 5.000 rs. ; sendo a arrematado livrc a-
reltos ao arrematante. .
Alfandega de Pemambucn, 24 de abril de
1801. O inspector Interino, Denlo Jor Fernn-
dn Barros.
O Dr. Manoel Clementlno Carnciro da Cunha,
juiz municipal da primeira vara, como au-
ditor de marinha desta provincia de Pernam-
buco, por S. M. o Imperador, que Dos
guarde &c.
Fajo saber aos interessados no casco da bar-
caja A&ysmo de Macci aprehendida como im-
portadora de Africanos livres, que no praso
de cessenta dias, contados da data do presen-
te, devem vlr deffender seus dlreitos perante
este jiiizo, na forme do art. 8 e 1 do decreto
n. 708 de l4 de mimbro de 1800. F. para que
cheguc ao conhecimento de quetn convier,
mande! fazer o presente, que ser publicado
pela mpreusa.
Dado e passado nesta cidade do Recife, sob
o signal c sello deste julio, ou valha sem sello
ex causa, aos 24 de abril de l85l. Eu Fran-
cisco Ignacio de Attayde, escrivSo o escrevi.
Manoel Clemsnlino Carneiro da Cunha.
Declaraco.
Tendo de se contratar a remes de varios
objeclos Minios da corte, com deslino
provincias do Dear, Ma.anhSo, e Para Arse-
vida em conseguencia, o inspector do ,con-
nal de M irinha, a todos os capitans ou mestres
dos navios mercantis que se dirijao aos
portos das referidas provincias, e que quei-
ram transportar taes gneros, a se emende-
rem com elle aiim de se tratar conveniente-
mente.
Inspeccio do arsenal de mariuha de per-
nambuco 25 de abril de 1851.
flodrigo Thtodorode Freitat
inspector.
Theatro de Santa-Isabel.
55 REG1TA DA ASSIGNATIJRA.
SAUDO, 26 DE ABRIL DB 1851.
Eslrii do artista dramtico Jos da Silva Res.
Depois de urna das melhorcs ouverturas.
abrlr-se-h a scena, e a companhia nacional
representar o mult conceituado e applaudido
drama em 5 actos:
A t i ai a de DCOS.
O artista Reis desempenhar a parte de
7.iuit.i/ii( N> intervalo do l. ao 2. acto a Sra.
Candan! e o Sr. Tal! canlaro o duelto da
opera Uanscialla d'ancre. Em seguida a
Sra. Canda e o Sr. Vasco exceularao o duetto
i*a opera Masnadiiri --depois do que as Sras.
Uaderna e Moreau, danr.aro o lindo passo a
dous.
OS JARDI.NEIROS.
No iniervaUn do segundo ao terceiro acto, a
Sra. I.anda executar urna linda aria.
Terminar o espectculo com o ultimo
acto do drama.
Comejars 8 horas. *
Os bilheles acham-sc venda no escrip-
torio do Un atril.
Avisos muriiimos.
O paquete de vapor hrasilei-
ro Bahiana, commandanle o
primeiro tenente Segundino,
deve ebegar aqui, vindo do
norte em viagem para Macei, Bahia e Rio
de Janeiro, no dia 4 do majo prximo : os
pasogeiros, que pretenderen! embarcar
nelle, deverSo com antecipacSn dirigir-se a
agencia da companhia, pagar as sttss passa-
gens, para tercm preferencia aos lugares
que se acbarem disponiveis.
Maranltao e Tara.
O brigue-escuna nacional Arcelina desti-
na-se para aquellos portos ; j tem a maior
parle da carga prompta : para o restante
Irata-se com J. B. da Fons?ca Jnior, na rua
do Vigario.n. 23, segundo andar.
Maranho e Cear.
Segu em poucos dias o brigue-escuna
Laura, por ler grande parte da carga trata-
da, tem exeellentes commodos psra passa-
geiros : qaem no mesmo quizer carregar ou
ir de passagem, enlenda-se com o capito
na prar^a, ou com os consignatarios, Novaes
& Companhia, na rua do Trapiche n. 34.
Tara a ilha de S. Miguel o brigue por-
tuguez Oliveira, sabe infalivelmente at o
dia 20 de msin vindouro, por ter ja parte da
carga prnmpla : quem no mesmo quizer
carregar ou ir de passagem, dinja-se A rua
da Madre de Dos n. 36, a fallar com JoSo
Tavares Cordeiro.
Para a Babia sabe em poucos dias o hia-
to Amelia, por ler parle da carga prompta :
quert no mesmo quizer carregar, enlenda-
se com os consignatarios, Novaes & t.'om-
pinhis, na rua do Trapiche n. 34.
Por preco commodo.
Vende-se a muito veleira e galante escu-
na brisileira Adelaide, de potte de 45 tone-
ladas, forrada e encavilhada de cobre, e per-
feitatnente apparelhada, a qual se cha Tun-
deada confronte o caes do Hamos, onde po-
de ser examinada : os pretendentes podem
dirigir-se i rua do Trapiche n. II.
.Navios a Carga.
Para o Rio Grande do Sul, o brigue na-
cional Carlot, capilSo Jos Joaqnim Snares,
segu em poucos dias, por ter dous tercos
de sua carga promptos : para o restante,
passageiros, para os quaos tem bns com-
modos, ou escravos a frele, Irsla-se com o
referido capitlo, ou com os consignatarios,
na rua da Cadeia do Recife, araiazem n. 12.
Para o Cear sane at o lim do corren-
te mez a escuna nacional Maria lirmina,
capilflo e pralieo Joilo Bernardo da Roza,
por ter o seu carregamento qutsi comple-
to : quem na mesma anda quizer carregar
ou ir de passagem, pode enlender-se com o
consignatario da mesma, I.uiz Jus de S
AraujojPa rua da Cruz n. ,i3.
II E. Scotl, capitlo da galera amotici-
na Palestine, far leilSo, por intorvanclo do
corretor Oliveira, das vergas, vohmacom-
plelo, cordoalha, masUros, moilOos, cor-
reittes miudas e muitos outres pertences da
dita galera, arribada a este porto, onda foi
legitmente condemnada. na sua recontu
viagem procedento do porto de Calato, car-
regada do guano, com destino ao do llalli-
mire : terca-feira, 29 do corrente, s 10 ho-
ras da manhSa, co armozcm do Araujo, bec-
co.do Conexivos. -
O corretor Miguel Carneiro rara leilao,
torca-feira, 29 do corrente, s 10 horas da
manhia, no sen armazem, na rn do Tnpi-
che n 40, da b ircafi dnnomitiada Diligen-
cia, que servo para crenir navios, Torrada e
encivilhaJa de cobre, com correnles do
ferro, cadernaes, apparelhos o diversos ob-
jeclos constantes do inventario, quo estar
avista dos pretendentes, cuja barcada so
vender ainda mesmo om particular anles
do dia marcado do leilSo, por preco inulto
commodo, a dinheiro ou a prazo cora lat-
irs a contento
i.nMMie. i ruta L I
Avisos diversos.
Leiles.
-- Fox Brol'.ers farSo leilSo, por interven-
cao do corretor Oliveira, de uro perfeito
sorlimento de lazendas ioglezas as mais
proprias do mercado: segunda-feira, 28 lo
crreme, as 10 horas da .manhai, no seu ar-
tnazem, rua da Cadeia.
Quem precisar de um oflicial de barbei-
ro, dirija-se prar,a da ludependencia nu-
mero 32.
Manoel Ferreira Campos retira-so para
a cidade do Porto.
Desappareceu, no dia 15 do corrente,
nina preta de nome Marianna, de mr;9o Mo-
(imbique, de 25 a 30 anuos, clieia do cor-
po, tom urna marca de ferida no pe esquor-
do e algumas as pernas, ps cambados. Es-
ta preta pertenceu ao Sr. Chsgas, morador
no Corredor do Bispo, e foi comprada ao
Sr. Ponseca : quem a pogar leve-a i rua do
Passeio n. 5, qus s^r recompensado.
Quarta-feira, 30 do corrente, s 4 ho-
ras da larde, na rua da Madre de Daos, ni
praca do Dr. juiz municipal da sogunda va-
ra, se ha de arrematar de renda os alugueis
de um sobradinho na rua do Rozario da Boa
Vista n. 27, avahado em 12,000 rs. portnaz,
por execuc3o de Manoel Joaquim Pinto Ma-
chado CuiroarSes contra Roberto de Souza
Zuzarte
-OSr, Miguel GonQalves de Ferias, que
costuma a tomar pSes de vemiageg, e lie
morador nos Afogtdos, queira ter a honda-
da de ir pagar o que deve na padaria nova
do Manguinho.
Roga-se ao Sr. Antonio Sabino Ferrei-
ra Callado, que venht pagar o mez da casa
que ficou devendo, na quantia de 14,000 rs.,
na rua do Padre Florianno, na rua da Ca-
doia do Recife n. 51, segn lo mi lar; do
contrario ter sempre de ver o seu nomo
nesta folha.
D3o-so 100,000 rs.
A pessos quo descobrir o ladran ou la-
dr 's, que audam roubando- as fateixas e
a marras das canoas ealvarengas Tundeadas
no Mcsqueiro, e fundeadouros contiguos a
esta cidade do Recife.
Desappareceu, no dia 23 do correnle,
pela manbSa.o escravo Luiz, de nagSo, de
36 anuos ; levou duas camisas, sendo urna
de estopa a outra de algodSo transado, cai-
ga de algodSo delistras e chapo*de palha
j usado; lie de estatura regular, rosto
compiido, nariz chato, bastante -barbado a
suissado, falla de denles na Trente do lado
superior. Este escravo vei" em agosto do
anno prximo passado de Garanhuns, do si-
tio da Paimeira, onde Toi escravo do Sr. An-
tonio Mendes de Azevedo Cunha, o qual fez
doagao a seu genro ChristovSo Lins Caval-
canti : julga-se ter ido para o mesmo ser-
t3o : roga-se, portanto, a todas as autori-
dades policiaes e rn pitaes decampo o ap-
prebendam e levem-no ao sitio Santo Ama-
ro, que Toi do Tallecido Veigas, a entregar a
seu senbor, Miguel Arcbanjo Fernandes Vi-
anna,queserSo generosamente recompen-
sados.
A quom der noticia d-se a quantia de rs.
100,000 rs. degratilicaclo.
Jeronymo de Albuquerque Mello, senhor
do engehh) llamos em Pao d'Alho, tem Ires
escravos Tugitlos, e paga, alm do qualquer
despeza que se iizer para a apprehensSo
dos mesmos, cem mil ris por cada um que
for preso, ou a quem der noticia certa on-
de eslejam ditos escravos, os quaes iSo:
Diogo, preto crinlo, de 30 annos, estatura
regular, pouca barba, porm muito cabel-
ludo dos peitos, bocea grande, cibera com-
prida, nariz afilado, os dedos das mSos um
i .miro iMii'iillii los, peritas linas, calcanha-
res pontudos, falla muito gago e tem urna
marca de Terida em um dos joelhos, for-
mando urna cruz ; julga-se andar pelo ser-
tSo por ter sido visto em Pedras de Fogo no
mez de maio de 1850, em cujo mez Tugio O
mesmo preto tem tambem em urna das
[naos oadedos cortados pelas pontas. An-
gelo, crioulo, de 35 annos, alto, secco,
olhos vosgos, dosdenlado na Trente, pouca
barba, porm bigodes Techados, ps gran-
des, e com os dedos grandes aberlos para
fra. bastante caxasseiro; julga-se andar
pela comarca de Goianna ou para n lado da
Parahiba. Ribianno, pardo, de 20 annos,
ebrio do corpo, cor embassada, cabellos an-
nellados, rosto grande, beicos grossos, na-
riz grosso, ps e m5os bem Teilas, e com
duas marcas de Terida em tima perna ; tan-
to o dito pardo como o preto Angelo rugi-
rn) no mez de setembro de 1850.
D-se sociedade em urna das melhores
vendas de Fra de Portas a urna pessoa que
queira entrar com alguns fundos e tomar
conla da mesma: faz-se este negocio por
sou dono nSo poder estar dentro della oler
outra urcupacSo : quem quizer, anniMicie
para ser procurado.
Desappareceo no dia 21 do corrente mei
de abril, de bordo do brigue Araos, um es-
cravo marinheiro de nome Candido, najso
Angola; o qual representa ter 19 auOos, pouco
mais ou menos, rosto cornprido, naris chato
altura regular, tem barba cerrada; e levou
vestido rali,-1 e camisa branca : cujo escravo
pertence ao commendador Joao Baptista da
Silva Pereira, de Porlo-Aiegre. Roga-se, por
tanto, todas as autoridades policiaes e ca-
pites de campo, a sua aprehenjao, e leva-lo
rua da Cadeia do Recife n. 39, casa de Amo-
nio st Innus, que se gratificar generosa-
mente.
Augusto S Corbelt participa ao reipei-
tavel corpo do coinmercio de Pernainbuco,
que desde o dia 22 do corrente resignou a
procurajo que possuia para dirigir a casa
de James Ryder & C, por sua livre e espon-
tanea volitado, e em amigavel convenci com
os tnesmos senhores, salvando qualquer di-
reito que Ihe pude tocar em negocios penden-
tes ; e que elle agora tem estabelecido o seu
escriptorlo c armazem de fazendas na rua da
Cadeia do Kecife, n. 45.
I


eH
Preciss-se de um trabalhador de mas-
seira : na ra Direa n. 69. Na mesma ca-
sa precisa-se de urna ama de leite, que sai-
ha engommar e cozinhar.
AttenciSo.
O abaixo assignado, como administrador de
sua imilhrr, I). Maria Lina de Barros Wandcr-
Jei Costa, lilha do fallecido Manocl de Harros
Henrique Wanderlri, previne ao publico de
que ninguem 11\ i transaccao alguma sobre a
escrava Christina e sua cria que se achaiu cni
poder do depositarlo particular, Antonio Fcr-
nandes Rosa, por seren, a dita escrava e cria,
pettepcentes referida mulher do annuncian-
le, havlda emquanto esta era orpha, por titu-
lo ligltimo que possue; e pelo que protesta
rcvendlcar de qualquer injusto detentor.
Uarlinho da Silva Coila Jnior
Quarta-feira, 23 do correte, desappa-
receo do engenho Novo de Couceicao, fregue-
sa de Santo-Amaro, um cscravo de noine
JManocl, de Angola, de ldade de 20 annos,
poned milis ou menos, baiio, grosso da cin-
tura para cima, nariz chato, tem umita carne*
nos olhos, pernaa finas, ps apalhetados; le
vqu vislido camisa e seroula de algodo da
trra; levando com sigo um cavado melado
j velho, com cangalba e cacoaes : he de sup-
por que vlesse para o Recife, porque um ca-
dello que o acompanhava elle vendeu no por-
tan do Jiiiii i na occasiao em que entrou para
a cidade : quem o pegar leve-o ao mesmo en-
genho, ou na ra das Cinco-pontas, n. 82, que
ser generosamente recompensado.
O abaixo assignado rnga a todos os donos
de obras e eucarregados de qualquer servifo,
que examinem se ha entre, os sen trabajado-
res nlugados, um negro crioulo, de nome An-
tonio, que representa 20 a 22 annos, cor mais
vermelba do que preta, altura ordinaria, um
pouco reforcado, denles limados e finos ,
sem unhas nos dedos dos ps, quando faz
forca enverga os pus para dentro ; levou calca
e camisa de algodo azul trancado, c mais
urna calca de algodo azul mcsclado e chapeo
depalha: est fgido desde li do corrente;
lie natural que tenha mudado o nome, e mes-
mo a roupa, e ate diga que he forro, porque
lie limito capadocio; no caso, pois, de ser
pegado o poderao mandar levar com toda a
seguranca ra de S. Francisco, no segundo
andar do sobrado n. 16, ou na Estrada-Nova
adiante da Magdalena, primeira casa azul,
omle pagar com generosidade todo o tra-
J>alho.
Joo Antonio Villa-Scca. t
Ao respeitavel publico.
O abaixo assignado tem a honra de partici
par a todos os habitantes desta cidade, prin-
cipalmente aos seui amigos, que tem de novo
aberto a sua loja de relojociro no largo da
matriz de S. Antonio n. 18, onde promelte
consertar lodo e qualquer relogio, por muito
dillicil que srja o scu estado, pois faz com
toda a perfeicao qualquer peca que for preci-
so aos relogios, pois para isso est habilitado
e afianca por seis tunes os relogios que os
JYeguezes entregaren) sua responsabilidade,
< espera que desta forma nao seja mais pre-
ciso os bons relogios ircm-se consertar In-
glaterra, "MitimIii os seus donos a demora
e a incerteza do que aspiram ; para este lim
i, nlio escolhido, para, gerente de todos os
meus negocios tendentes niinlia dita loja,
ao Sr, Joo Joaquim Rabello, e que fica in-
cumbido da recepcao dos relogias que me
Joirin confiados, e por quem me responsabi-
liso. Antonio Joi da Silva Uuimares.
Urna senhora de meia ldade, desemba-
razada, cum pratica ha annos de ensillar pri-
meiras leltras, desejn ensinar fura da pra-
*; e ler, esetever e contar as qualro espe-
cies, as priheipaes nocOes da grammalica
portugueza, coser cho com perfeicSo e
loutrina chrisla com expliccOes : quem
le seu pnslirno se quizer utilizar, procu-
re-a dcfronle de S. I'idro, loja que faz es-
quina para a la do Fogo.
-~ Aluga-se urna escrava milito boa e fie!,
para o servido de casa, a qual lambom com-
pra bem na ra i os pretndeme*, dii ija-se
u ra 'do Collegio n. 16, terceiro andar.
-- Precisa-se de nm aaiassador : na ru
Direila, padaria n. 82.
~ Na quinla-feira da semana santa des-
ai parecou da ra do Crespo, defronto de
iiin.-i !nj:i, um cavallo com um par do ca-
jues.contendo dentro delles urna pori5o de
relalhosde fazenda : roga-sc a pessoa que
tiver apprehendido de dar ou mandar dar
parte no pateo do Carmo, venda n. I, que
se gratificar.
Alinelo !
O tliesourciro de N. S. dos Prazores, erec-
ta na matriz de S. Fr. Pedro Goncalves do
ltecife, faz ver aos devoto! que coucorre-
ram com suas esrnolas para a Testa da mes-
ma Senhora, que por motivos imprevistos
nSo pode ler lugar a Testa no da 28 do cr-
renlo ; o por isso Tica transferida para o dia
4 de malo vindouro.
-- Precisa-se de um fornciro : na padaria
la praca da Santa Cruz, por baiso do so-
lirado n. 106.
Quem quizer incumbir-se de folear
as forminas que existen! em alguns lugares
do aditicio da alTandega desta cidade, tendo
lotes nos mais pertences, entenda-se com
o porteiro da mesma.
II. Tayloresua familia retiram-so pa-
ra Tora do imperio.
-- Segunda-Teira, 28 do corrente, pelas 4
lloras da tarde, porta do Sr. r.juiz dos
o-pbSos, se bSo de arrematar, por ser a ul-
tima praca, duas cazinhas no Manguioho
ns. 30 e 32, pertencenles as orphSas filhas
do finado JoSo Antonio de Siqueira, a re-
querimento do tnlor.
- Manoel llarlioza Ribeirb, subdito por-
lugiiez, relira-se para Portugal.
Jos Antonio de Mello embarca para o
Itio de Janeiro o seu cscravo, pardo, de
nome Juvencio.
Domingo, 27 do corrente, pe-
las 4 lloras da tarde, he a IransTerencia da
imagem do glorioso San Sebasli 0o da igre-
ja do S. Goucalo para a sua igreja matriz
da boa Vista, em solemne procisso.
Mauricio, Moral retira-se para Macei.
Antonia Mara da Trindade, subdita
portugueza, retira-se para Lisboa, e deixa
porsi'ii bastante procurador ao Sr. Manoel
de Souza Guimaraea.
fii #'# ##:ft###9l#
> ( 'O ti Mi I o ni ol (llliu-ll'lil til ICO III *
PcrnamlHICO 4
IJ Boa Nova d. 58 \
*> DIRIGIDO PELO 4
(0 Dr. J. S. SANIOS JNIOR. 9
9 Consullas e remedios de graca aos po- 4
9 om todos os das uleis desde i 8 huras -.*,
fe da man/ida a urna da larde. 4
Aluga-se a coxeira da ruado Tambi,
no Tundo do sobrado n. 12 da ra do Ara-
gSo, com bons commodos e por preco mo-
derado : a tratar na ra do Collegio n. 16,
primeiro andar.
O abaixo assignado Taz scienle ao pu-
blico, que o Sr. Jcquim dos Anjoe Soares
deixou de ser seu'caixeiro desdo o dia 17 do
coi rente. -- Amonio Ferreira da Cosa Braga.
J. Keller & Companhia Tazem scienle,
que o Sr. Leonardo Schuler se despedio de
sua casa desde o dia 15 do correnle, dei-
xa ndo por isso do ter toda e qualquer ge-
rencia em os.seus negocios.
Precisa-sede um fritor ( dando-se pre-
Terencia a Porluguoz filbo das linas), que
seja casado, para um sitio no lugar do
Remedio, que saitia trabalhar de enxada,
tratar de arvoredos, de verduras e de (lo-
res, o de fiador sua conducta, com a paga
do 18,000 rs. por mez : quem estivor nestas
circunstancias, diiija-se ao porteiro da al-
TatiUi'sa desta cidade.
Aos artistas.
Aiulradc Sl Leal precisan para a sua
Tabrica de caldciraria, na ra Imperial ns.
118el20, do ofiiciaes de Tunileiro e do fer-
reiros de Torja ; tambem se receben) apren-
dizes para as diversas ofiicinas que se
acbam na dita Tabrica : os prelendenies po-
derflo entender-se na mesma com o socio
administrador Manoel Carneiro Leal.
, Aluga-se um sitio com decente casa para
inoradla, com bastantes arvores de fruclo e
trras para plantacOes, perlo desta praca e
por preco commoJo ; quem o pretender pode
procurar no llecife, ra do Trapiche-Novo,
ii. 18 segundo andar, que Ih indicarn onde
he o diio sitio.
Offerece-se um rapaz brasileiro para
ensinar meninos Tora da prara ou em qual-
quer engenho, do que tem bstanle pratica
em primeiras leltras e lingoa nacional :
qualquer pai de familia que de seu presu-
mo se quizer ulllittT, dirija-se ra estrei-
ta do Rozario u. 11, ou annuncie.
> lina das Cruzes n. 28. 0
f.Consultorio liomteopathtco do faculta- Q
\ I litio ./. li. Catanova. r
.^ I Gratis para os pobres. *v
n Na ausencia do TacullalivoJ li. Ca- Jjf
9 sanova, o proTessor homocopalha 2
Cossct Bimont continuar com os 9
r trabalhos do mesmo consultorio,on- W
& de poder ser procurado a qualquer 0
a hon. o
Eogomma-se e lava-se toda a qualida-
!e de roupa com todo asseio e muita promp-
tid3o, por preco mais commoJo do queem
outra qualquer pnrte I na ra de Agoas-Ver-
des, n. 26.
Alugam-seduasescravas para vende-
rem na ra : quem as liver, dirija-se ra
da Cruz n. 49.
Lotera da matriz da Boa Vista.
Aos 10:00015000 e 5:ooo9ooo.
O thesourciro da lotera da matriz da boa
Vista, Salustiano do Aquino Ferreira, Taz
scienle ao respeitavel publico, que as rodas
da mesma lotera Un fin o seu gyro impre-
teriveltnente no dia 2 de junho vindouro, e
o respeitavel publico pernambucano deve
preTeiira nossa lotera s do Itio de Janeiro,
uina vez que o plano da mesma lotera olio-
rece as meslas vanlagens que as do Itio do
Janeiro ; e com a diminua quantia de 10 e
5,000 rs. pJe-se tirar o premio de 10 o
5:000,000 rs. ; e os bilhetes acham-se ven-
da nos lugares j annunciados.
Precisa-ae de um Teilor ( dando-se pre-
TeToiicia a hnmem casado) para um sitio
perlo da praca, que saiba trahMhar do en-
xada, i mu .i.i 1-, euxertar, tratar de arvore-
dos, de verduras o flores, e d fiador sua
conducta : quera estiver nestas circumstan-
cias, procure no ltecife, ra do Trapiche
Novo 11. 18, segundo andar.
Precisa-se alugar uuia preta forra ou
captiva propria para servico de casa : na
pra;a da Independencia, loja 11.3.
s-
aillo G'aignonx, dentista #
a flanee/., offerecc sen prest-
1110 ao publico para todos os o
* inisteres de sna proflssao : w
9 pdc ser procurado a qnaN -1
qner hora cin sna casa, na 4!
# rna luisa do Hozarlo, 11. 30, *
secundo andar. w
Livrinlio milag:rozx>.
Da vera efigie divina do rosto de Nosso Sc-
nhnr Jess Christo acompanhado da mesma
lipagein ricamente gravada, e de um breve re-
sumo da vida do nosso Divino Salvador olTe-
recido a todo o fiel christo, 1 volnme 1,000 rs.
Acha-se estampada na frente desie lindo livri-
nho a seguinte poderosa recoinmendacao. Es-
te Hvrinho parece-me proprio para excitar a
piedade e devoco dos fiis ; segu una tradi-
cao sobre o verdadeiro retrato de NOMO Scnhor
Jess Christo, que nao contradiz as que sao
adoptadas sobre o mesmo ubjecto por alguns
escrlptores, referlndo-se a outros amigos. O i
livrinho pode ser lido com fructo pelos ficis.
Conceico, 25 de Janeiro de IS.'iiliispo conde
capello mor : vende-se no pateo do Collegio,'
casa do Livro Aiul. |
Alugam-se e vendem-se bixas hambur-|
guezas das melhores que ha no mercado,
tanto cm porco como a retalho : na venda
de Domingos da Silva Camposr ra das Cru-
zes n. 40.
Tendo fgido do ReciTe, em outubro
de 1848, um pardlnbo claro, de nomeAn-'.
dr, cabellos Uniros, olhos grandes, de II '
annos pouco mais ou menos, dizem que
anda como Torro ; suppOes estar em Plane,
onde tem a av, a parda de nome Thereza
de Jess, irmfla da parda Ignacia, que foi
escrava de Antonio Bernardo, morador em
Flores, e que para aqu Tugio em 1848, di-
zem que com urna carta de alTorria falsa,
passada pelo escrivo Manoel Vicente Gon-
calves Ayres, roga.-se a quom o apprehen-
der de o levar no Recite a Manoel Alves
Guerra, qne receber a gratitlcacSo de cem
mil ris.
Desappareceu, no dia 11 do
corrente, um prelo de n me Cle-
mente, de nacao Costa, de 35 an-
nos, estatura e corpo regulares,
com um defeito em a mao direila,
proveniente de um talho que re-
cebeu sobre o mesmo braco, tem
t ni Ix'tn um outro sobre u cabera
que corresponde a testa, cifhi al-
guns talbos que mal se percebem
sobre as faces [marca de nacao] .
Este preto anda va a vender paes
para as bandas deTegipi, por is-
so desconlia-se que tenba levado
deslino pela estrada da Victoria,
ou entao talvez estrj.i acontado
nesta pra$a : roga-sr, portanto,
es autoridades policiacs, capilaes
de campo, ou outra qualquer pes-
soa particular, que o apprehen-
dam e levem-no ra Imperial,
sobrado n. 3i, que se recompen-
sar generosamente a estes.
Jos da Maya contina a dar licoes de
inglezede escripturacto commercial em
sua propria casa e as particulares ; o pode
ser procurado todos osdias no esenptorio
dosSrs. G Starr& Companhia, na ra da
Aurora, das 8 horas da manlifia s 2 da
tarde.
Aluga-se urna casa as se-
guinles ras : Ilortas, Agons Ver-
des, pateo- do Carmo e do Ter-
co, c ra do l'angel : qwem a ti-
ver e quizer alugar, dirija-se ra
da Fraia n. 55, typograpbio, que
ahi se dir quem precisa.
Prccisa-se de um caixeiro que enten-
da.de escripturaclo simples, escreva com
mograpbit e entemla alguma cousa de
met^adorias, paia tima casa e loja em Ma-
cei .oucm estiver nestas circumslancias,
dirija-le ra do Cresjo, ao pA do trro nu-
mero 3.
Prccisa-se de um Teitor, que seja tra-
balhador e fiel, para um sitio: quem esti-
ver nestas circumslancias, dirija-se a na da
AssumpcSon. 36, ou ao Cequia, deTronto
do engenho, no sitio da Sra. I). Arcban-
gcla.
Aluga-se um sitio dentro 'da praca,
com a Trente para o becco das Rarreiras,
proprio para se plantar um lulo, por ter
boas trras, e por commodo preco: a tra-
tar na ra do (ntovello ns. 29 e 31.
-- Precisa-se de urna ama Torra pan cozi-
nhar e comprar na ra : a trttar na ra lar-
ga do Rozario n. 48. padaria.
__Precisa-se de um Teilor experiente em
plantacOes de sitio: a tratar na ma da Ca-
deia do Recife n. 60.
O Dr. Francisco de Paula Raplista, mudou
a sua residencia da ra d'Aurora, para a ra
Direila, n. 32, primeiro andar.
Prccisa-se alugar una mulher idosa, que
compre e cosinlie para una pessoa : na tra-
vessa dos Marlyrios n. 5, sobrado de um an-
dar. Na mesma casa aluga-sc urna casa ter-
rea, ou pequeo sobrado, nos bairros de San-
io Antonio e San Jos, cujo alugucl lucnsal
nao exceda de l0# a 12^000.
__O abaixo assignado faz publico, que
pessoa alguma compre e ncni Jaca outro qual-
quer negocio com a casa da Camba do Car-
mo, n. 8, por se adiar subjeita, por una
obrigacio passada em l de setembro de IS4l
pelo proprielario, quantia de 325/201 ris e
seus juros; e para que nao apareca duvida
para o futuro faz o presente. Recife, 23 de
abril de 18SI. Joio Uoncalvn Lucas Lisboa.
Precisa-sede um liomem para iraba-
lhari-m um sitio, que entenda de planta-
cOes : na ra larga do Rozarlo, venda nu-
mero 46.
Aiuga-se um segundo andar com so-
t3oe commodos para grande familia, na
ra da Cadeia Velha 11. 17 : quom o preten-
der, diria-so loja do mesmo, quj ah
achara com quem tratar.
O amaizo assignado faz scienle ao pu-
blico, que deixou de ser caixeiro do Sr. Jo-
s Gomes Moreira, c ao mesmo lempo apro-
veila a occasiio para, por mcio deste, llie
agradecer o bom tralamento e estima que
rocebeu, e de toda a sua familia, durante o
tompoemquona sua casa esteve. Itccifo.
22 de abril de 1851.
Manoel Antonio de Souza Ribeiro.
A pessoa que no Diario de honteni ( 21
de abril) se oll'ereco para caixeiro, e que
diz ter bastante pratica de venda, queira d-
rigir-se ra do Queimado, loja deferra-
gens n. 14, para tratar.
Acha-se contratado a compra da poda-
ra da ra da Gloria n. 55, se ulguem se jul-
gar com direlo a ella, dirija-se mesma,
a entender-se com Francisco Jos de Mal-
los Rraga : isto no prazo de oilo das.
ReciTe, 22 de abril de 1851.
Aluga-se urna ama Torra on escrava pa-
ra pouca Tamilia : na ra da Calcada, de-
fronte do sobrado amarello, ou airas de S.
Jos, casa de Jos Ignacio do Moraes Passos.
Furto.
Furlaram de una casa na ra do Cotuvello
no dia 22 do corrente, pelas 11 horas da ma-
uhaa um relogio de nuro, mosliador de prata,
de vldro, e um lonelo de prata dourado com
um tranceln de borracha, roga-se a quem for
ofl'erecido queira tomar e participar ao dono na
ra de S. Cruz n. 26 que ser gratificado ge-
nerosamente, ou no Forte do iiatlos n. 8.
Sa praca da Independencia n. 17, exis-
te urna carta, vinda do Ro de Janeiro, psra
o Sr. Caldas, que morou na ra do Rozario
larga n. 30.

Precisa-se alugar urna prela forra &
ou escrava para ama de urna casa de !)$
pouca familia : na sua das Cruzes n. %
28, segundo andar. ii
Precisa-se alugar um pr V) ou se-
gundo andar de urna casa, me tenha com-
modos para unia Tamilia, ^peferindo-se no
bairro de Santo Antonio, u mesmo se lo-
mar todos os dousand-rs, paga-se bem :
bo Passeio Publico, lo: n. 11.
As tres hotfs da tarde do dia
3o de dezembro prximo passado
desappareceu da tasa do deposita-
rio Francisco Jos Atantes, o ca-
bra de nomo Fedro, pertencente
ao Sr. Dr. Fedro Beze: ra Fereira
de Araujo Beltrao, com os sgnaes
seguintes : cabellos caixados, bra-
co esquerco alejado, cicatrizes na
p e no braco esquerdo, e outra
no estomago de um faccada ; quan-
do falla finge ser gago, muito pro-
sista e cantt.dor ; levou camisa de
riscado azul e calca de algodo
transado, listrado, americano: ro-
ga-se a polica e .aos capilaes de
campo, se o viren, de o pegar e
leva-lo malta da Torre, sitio do
Leao, ou no Recife, ra da Cadeia
de Santo Antonio, armazetn deti-
j lo.
-Precisa-se de urna ama para Tazer as
compras e o servico interno do urna casa de
Tamilia : na ra' Relia n. 23.
CommodUlade para curativo dos
fsr.raron.
O Dr. Pedro do Athayde Lobo Moscoso
receboescravos, para tratar, on urna casa
na Soledadc, qne tem para isso destinado
Os prei;oss3o os seguintes : 2,000 rs. dia-
rios por os quo padecercm do molestias in-
ternas, o 1,500 rs. por os de molestias vul-
garmente chamadas externas. Os doentes
serilo Tornecidos de todos os objectos ne-
cessarios para seu curativo. Oannunciants
se obriga a curar quaosquer ulceras por
mais inveteradas que sejam, nSo havendo
grande perda de substancia, subjeritando-se
ao onus de SO receber a ter$a parte do esti-
pendio no caso de que nflo se consiga o cu-
rativo. Tambem subjeita-se acondicilo de
nada receber se os escravos morrerem, e no
caso de escaparem pagar-se-lhe o quo se
convencionar antee, tio recebe por preco
algum doente, que nlo ollercc"! probabili-
dad de curar-se Compra tambem escra-
vos doentes o curaveis, sendo por prego
commoJo. I."go quo o numero dos len-
les seja sulliciente psra cubrir as despezas,
se Tara urna diminuicfto nos precos diarios.
ttftitfiM *
Consultorio central honiOBO >>
patiiico Dirigido pelo Dr. S. O. L Pinho, (>
llua do Trapiche Novo 11. 15.
(1 Todos osdias uteis se darflo con- $
ftj sullas c remedios de graca aos po-
t* bres, desde pela maiiha at as duas 4
>j horas da tarde. "<
4> As correspondencias c nTormacOes ^
ptenlo ser dirigidas verbalmente, 4
Sai ou por cscripto, devendo o doente
*i indicar: prinulro, o nome, ldade,
\4 Miado, profllsOO econstituic3o; se- (f
*," (jnH'li. as mnli'.-iiiis, quclemtido, o
i) os remOTios lomados ; terceiro, a po- 4
la ca do apparecimentu da molestia ac- dJf
4$ tual, o descripc3o minuciosa dossijg- 4)
$} naes ou symptomas quefoffre, 4
r Dr. Sabino Olegario l.udgero Pinho. &
9% #y*:** 4r"*--G&M^9i9
s^ Cbaposde sol. ^%
^*^ Ra do Passeio, n 5. *K
Nsta fabrica ha presentemente um rico
sortimento desles ohjectos de todas as CO-
res e qualidades, lauto de se la como de
panninbo, por presos commodos ; ditos pa-
ra senhora, de bom gosto: estes chapeos
s5o Teitos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na mesma
casa se acha igual sortimento de sedas e
panninbo imitando sedas, para cobrir ar-
macOes servidas : todas pstas fazendas ven
deni-se em poreflo e a retalhn : tambem se
concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
hasteas de ferro como de haleia, assim como
umbelas de igrejas: ludo por preco com-
modo. Na mesma casa ha chapeos de sol,
de marca maior, de panno e de seda, pro-
prios para feitores de engenho, por serem
dos mais fortes que se podem fabricar.
Fiiiulico d'Anrora.
C. Starr & Companhia, rcspeitosamcnte
annunciam ao publico, que o sen eslahele-
cirrjonto para manufactura de toda a espe-
cie do maehinismo tendo desde o seu prin-
cipio em 1829 ido constanlemenlo augmen-
tando, tem lioje chegado a um estado de
per foleto tal, que no lie inferior aos me-
hore que existem em todo o imperio, lan-
o pelo que diz respeito a capacidade do
edificio, como pela cxcvllenria dos mate-
riaes e pericia dos seus empregados ; o que
os halnliia a oTTerecer-se com confianca pa-
ra a puntual execucSo do toda a especie de
machinas de vapor, do qualquer tam>nlio
ou descripcBo que sejam, lizas, para na-
vios, ou locomotivas. Igualmente caldei-
ras para vapor de todas as dimcnsOes, enge-
nlios para cannas movidos por vapor, por
agoa, ou por animacs, co.11 todas as varie-
dades de moderna nvencao. Tchas do to-
dos os lmannos, alambiques de Trro de
todas as capacidades, instrumentos de agri-
cultura, rodas d'agna e 1......In s de vento
de todas as qualidades. Alvarengas o em-
barcacoes de Trro de qualquer porte ou for-
ma que se desejeji. Puntes de ferro de to-
dos as dimcnsOes, gradaras, varanJas, por-
U'irs, columnas, sinos hydraulicos, lunas de
ferro, o n'uDlQ palavra todas as obras de
frro e bronze, de que o paiz possa precisar
(iraqas a energia do governu, existo ja una
excellente estrada feita em liulia recta da
ponte da Roa Vista para o astabelecimenta
em Santo Amaro, o que oferece a maior
commodidade as pessoas que o quizerem
visitar.
O padre Thomaz deSaata Marianna de
Jess Magallifies lem alicrto aula para ensi-
nar primeiras leltras e latim, segundo o
systema adoptado as aulas publicas deste
imperio, na casa de sua residencia, na ra
do Rozario da Roa Vista n. 48, o recebe
alumnos, no s externos como meio pen-
sionistas, e tambem pensionistas, e se obri-
ga a dar bom tralamento ; escusando porm
de mencionar presos e qualidadodo trala-
mento, porque com os pas, tutores ou cu-
radores se entender : o que, porm, pro-
melte he o adiantaoieiito dos seusalumuus
e a boa educacSo.
A pessoa que perdeu um relogio de cai-
xa de ouio rom vlUro na Trente, dirija-so a
livrar.''JJS. 6 e8daprga da Independen-
cia, que." dando os signaes, Ihe ser en-
tr>-ue-______________________
Compras.
Compram-se escravos de ambos os se-
xos robustos, para dentro e Tora da provin-
cia : na ra larga do Rozario 11. 48, primei-
ro andar.
Compram-se 36 travs de 40, e 54 pal-
mos de sacada de pedra : na ra Direila nu-
mero 3.
Corxpra-se urna escrava, que saiba co-
ser engommar, pieTeriudo-se crioula, que
no imiiia vicios uem achaques : na ra das
Cruzes n. 22, venda.
Compram-se ossos de boi : na ra da
Concordia n. 8.
Vendas.
MUTILADO
-- Na loja de J. L. B. Taborda, na ra do
Crespo n. 10, vende-so casimira para pali-
tos de dillerentes cores, a 1,200 rs.; dita
muito propria para Torro de carros, 1,700
V
rs. : cortes do vestido de lita e seda, do mu 1
bom gosto ; ditos de cambraia de dita ; as-
si "como chita 160 rs. o corado ; 13a e
seda para vestidos, a 160 rs. dem; e
outrasmuitsfaZ?edas baratas e propr.u
pira a presente eslagito. ,_i. ,1.,
Vende-se urna escrava fc*'
30annos,aqualsabe vender detabole.ro,
lava roupa e tem bom le.te para criar, vina
do Ico : na ra dos Tanoeiros, armszem n.
5, se dir quem vende.
Vendem-se saceos novos de estopa com
20 varas cada um : na ra larga do .Rozan
11. 48, primeiro ailar.
Vende-se um completo sortimonio an
marroquins de to las as cores, couro de lus-
tro do melhor que lem vin Jo a esta mrca-
lo, tamancos para liomem e senhora, sapa-
los do Aracaly para homem e menino, sol-
la superior e couro curtido, tuJo por menos
preco do que em outra qualquer parte, tan-
to em porcSo como a retalho : na ra do I.i-
vramento, junto ao nicho, loja de couros e
Vende-se um famoso preto, excellente
mostr refinador deassucir, que coznha
diario de urna casa e tem limita prtUM qe
sitio ; assim como a obra de Santa Camari-
na o Quintino Duruard, por preco? commo-
dos : na ra da Conce3oda Boa Vista nu-
m --Vende-se um sellim com todos os seas
pertences, por preco commodo 1 na ra No-
va n. 69. 1 n- .o
Vende-se um preto do nacilo, de 2j an-
nos, e urna pn-ta crinla de 20 annos, am-
bos de bonitas figuras e propnos para en
geulio : na ra da Aurora n 28.
Ilalan.it s"'e- .
Na ra cstreit* do Rozario n. 43, conrei-
taria, vende-se urna balanca grande com
pesos para a mesma, tendo ja sido afend*
este anuo, por preco commodo.
Vendem-se dous barcOes que sertem
para venia, nm lamporlo de qualro vidros,
ilgumas medidas de pao, catxiliios envi-
iracados proprios para armacilo de qual-
quer loja e urna comino la velha que serve
para ler urna cnzinha em lugar de armario :
no Aterro da Roa Visla, loja da nnudezas
numero72. ....
-Vende-se tima boa esersva com habili-
dades: o rrolivo porque se vndese dir ao
comprador : na ru da Arago n. 10.
3 Bandejas enfcltadae.
Na luac-treila do Rozario 11. 43. conTei-
(aiia, iiicumbe-se do apromr.tar bandejas
de 10 las as qualidades, com mullo gosto,
por preco commodo. Na mesma casa ven-
dem-so sexta, caixas c Trascos com doces
(itos para presentes.
sao baratisslmos.
Vendem-se muito superiores charutos,
chegados repentemeiit?, por preco mais
commudo do que em outra qualquer parte,
lauto em porco como a retalho, por se
qu> rer concluir breve : na roa da Cadeia ao
Recife n. 34, primeiro ndr.
couro de lustro a2Sooo-a pella.
Vende-se na ra da Cadeia Velns, loja de
miudezas n. 17. .,
Lavas de seda de eor paro liomem
1 $000 o par. .
Vemie-se na ra da Cadeia Velha, loja dei
miudezas n. 17. ,
Na imada Cadeia Vellia, loja oe
niiiiili"/.:-- n. 11,
vendem-se luvas de pellica psra homem o
senhora de todas as qualidades; ditas_ to
torea* para senhora, a 900 rs. o par; caixi-
nh"S com 6 papis deagultias mglezas, a
300 rs cada urna ; carleiras com as mes-
mas, a 320 rs.
Curtas fi-niicc/as multo Unas.
Vende-se na ra da Cadeia Velha, loja de
miudezas n. 17.
Vende-se junco tirulo para empalnar
caleiras : na ra do Trapiche n. 8.
Vende-se carne de vacca salgada em
barris : na ra do Trapiche n. 8.
Vendem-se nieias de algodo cru mui-
.0 linas em duzia, por preco commodo : no
armszem de Miguel Carneiro, ra do Tra-
piche n. 40.
Vendem-se enxadas calcadas com ac,
panell, cacarollas, chaleiras forradas de
porcellana. bules e cafeiteiras de metal : na
rua Nova, loja de Terragens n. 16, de Jos
Luiz Pcreira. ,
Billi-tes do Rio de Janeiro.
Ka loja de miudezas da pra?a da Indepen-
d n 4. vendem-se bilhetes inteiros, meios,
luartos, oilavns e vigsimos da decima-quarta
rotera a beneficio do Theatro de S. Pedro de
Ikantara. Va mesma loja rrerbem-se bilhe-
e premiados de todas as loteras cm troco
los que tem a venda, c tambem se mostraiu
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos 20:000,000 rs.
Na rua estreita do Rozario, travessa do
)ueiiiiado, loja de miudezas 11. 2 A, de J. F.
los Santos Mava, vendem-se os mui aTortu-
lados bilbeles", meios, quartos, oilavos e
rigesimos a beneficio da fabrica de vidros
le S. Roque, e da Tabrica de papel de Zefe-
ino Perras,
Bilhetes do Bio de Janeiro.
Aos 30:000,000 rs.
ti.i da Cadeia do Recite n. ifa
Pelo vapor rmumioucnna, entrado dos por-
to* do sul, recebemos a lisia da vigesima-sex-
ta lotera do Monte l'io ('.eral, e juntamente os
muito afortunados bUhctcs, meios e cautelas
da decima-quarta lotera a beneficio do Thea-
tro de S. Pedro de Alcntara, cuja lotera de-
via ser mi alud i em 16do corrente mez. Abai-
xo mencionamos os premios vendidos na incl-
ua loja. Da vigesima-sexla lotera do Monte
Pi Gcralda economa dos servidores do esta-
do n 3627-4:000,000-2804-1:000,000-5572
200.000-581-100,000-5342 -100,000-1745
.40,000-41512 40,000-3529-40,000-1827-
40,000.
Lotera do rtio de Janeiro.
Aos 2o:ooo,ooo rs.
Na pra9a da Independencia, loja de_ calcado
un riuiiis, c na rua da Cadeia n. 46, loja de
miudezas, vendem-se os mui afortunados meios
ilbetes e cautelas da decima-quarta lotera
uo theatro de S. Pedro de Alcntara, e paga-se
qualquer premio que nelles sahir sem ganan-
alguma, e asortede 10.000,000 rs. da vl-
K< ^ima-M'Ma lotera do Monte Po saino, no nu-
mero 1456, a qual foi vendida em cautelas.
Meios bilhetes 11,000
Quartos 5.&00
Oitavos 2.800
Vigsimos i.JOO
Moendaa superiores.
Na fuud:co de C. Starr 61 Companhia,
em S.-Amaro, acham-se a venda moendas,
de canna, todas de Ierro, de um modelo 9
construcsBo muito superior.
do


r "*-
1 '"
Gliarulos de Ilavana.
Na ra da Cruz n. 49, vendem-so os bem
roubecidos charutos do Ilavana, chegados
ltimamente do llio de Janoiro.
__Vende-se doee secco de caj, em oalxl-
nhai de meia arroba na travessa da Madre-
dc-l)i'us, armasem n. >.
Deposito ilc salitre.
Na loja de Francisco Custodio de Sampaio,
na ra da Cadcia Vollia n. .Vi. ha continuada-
mente )>or vender-sc salitre tino de mullo
boa qualidade e por preco mais cominodo do
que em mitra qualquer parte.
coiiid le lustro.
Vende-ie couro de lustro de inulto boa qua-
lidade a 2,800 rs. a pelle : na ra da Cadeia Ve-
Iba loja de ferragens n. 56.
i,ooo para a pobreza.
Vende-sc eicellente farinha de mandioca re
centemente chegada de S. Calliarina'|ein boas
saccas novas de bom algodozinho : na praca
da Boa Vista venda de Joaquim da l'enha Lo-
pes ii. 18 : approveiteui a occasio antes que
appareca o especulador para a usura.
To caes da alfandega armazcm de Fran-
cisco Dias Ferreira, que volta para a alfande-
a, vendem-se boas saccas de familia de man-
ioca ao mdico preco de 2,000 rs. cada urna.
11 ff ffff fff ** ffffffff 1
? Na loja do sobrado amarello, nos s> quatro cantos da ra do Queimado *:
, n. 29, vendem-se as mais modernas g
S cambraias abortas, decores, padrOes <$
> inleiramenle novos. <-;
**lmmtmummv*mm~m-mm 11.....
azeito refinado frnnccz, a 560; vinho mus-
cate!, a 400 ; cerveja, a 480 e 320; pratos e
tigelas de 10 a 80 ; tigelinhas, a 800 ; quei-
jos, a 1600 ; genebra de llollanda em fras-
cos, a 500 ; dita em botijas, a 300; latas
com mermelada, a 400 ; velas do esperma-
cete, a 610 ; toucinho de Lisboa, a 200 ;
manteiga ingleza, a 800, 720 e 6*0; dita
frapcP7, a 560; cevadinha, a 120; cevad, a
80 ; tapioca, a 120 ; fsrinha de trigo, a 100 ;
arroz do Maranli.to, a 100 e a 60 ; caf, a
1"0; banlia de porco, a 320; lingoicas, a
100 ; passas, a 240; letria e talharim, a 240 ;
macarro, a 100 ; cha hyson, fa 1,800; dito
hrasileiro, a 1,500; sabSo branco, a 220;
dito amarello, a 140 ; rasa ingleza, a 100 ;
quartinhas da trra, a 240, 200 e 180 ; tra-
ques, a 240; holachlnhas inglezas, a 200;
azeitqnas, a 200a garrafa ; ervilhas, a 100 a
libra ; copos para luz, a 160 e 120 ; choco-
lata, a 100 rs. ; e todos os mais gneros de
vend por preco commolo.
- Vendem-se velas de espermacete de
superior qualidade, em csixas de 25 et50 li-
bras : na ra da Cruz n. 55, casa de J. Kel-
ler & Companhia.
Vendem-so, com preferencia para fra
da praga, duas escravas muito mocas e de
bonitas figuras, sendo una prela crioula,
boa costurcira, ctigommudeira, cozinheira
c lavadeira, propria para lodo o mais ser-
vico de ra e campo por ser de bom corpo ;
urna! linda mulatinha com as mesmas hab-
4
W "" '^"TV rrr*. 1^
MMhMmM S^J* AAAAAMA lidades, a qual com quanto seja defeiluosa
-- Vendc-se urna mulatinha propria para Ido una perna, i.-ln mesino n.loa proliihe de
iiiocama ile casa por ter principios de costura, i todo e qualquer servigo, e nem he de risco
My
Sue.
rga ao Hozarlo loj
i-.stci ios do l'ovo por E
Nove volumes do inleressanto romance
de E. Sue Mysterios do l'ovoa 1,000
rs. cada volume : vende-se no paleo do Col-
egio, casa do Litro Azul.
Vende-se um lindo moleque crioulo,
de 18 a 20 annos no Aterro da liua Vista
n. 48, segundo andar.
No Aterro da Boa Vista, loja de calcado
n. 58, vendem-se jogos de vispora pelo di-
minuto prego de 1,000 rs. cada um : a ti-
les antes que seacabem.
-- Vendem-se ou permutam-se por dous
moloques tres moradas de casas de taipa,
bem construidas, em chaos proprias, sitas
na estrada nova que vai da Soledade para a
estrada do Manguind : todo o negocio se
Taz a vista do comprador : a tratar com o
sangrador Jos Anacleto da Silva, na ra do
Hozarlo estrella, ou no largo da Assembla,
loja de tanoeiro n. 10
Vendem-se quatro tablelas de lina
madeira, que servem para (or sobre bal-
gOes, lano para ounves como para loja de
miudezas, e igualmente alguna caiailhoa
envidracados, ludo por prego cummodo : na
ra Nova, foja n. 23.
l'ara bailes.
Venden.-se ricos curtes de vestidos para
senbora, das lindas cambraias de seda
transparentes, de gostos novos, as quaes
sSo denominadas Mimos do Co : na
ra Nova, loja u. 23, de Antonio Comes
Villar.
VVt'v'JrVv^' fW^H'Wv'
I* Arados americanes. <
^ Vendem-se arados americanos ver- 2
.>. dadeiros, chegados dos Estados- m
^ Unidos : na ra do Trapiche n. 8. ={
-- Vende-se una bonita escrava de nagio,
muito gentil e moca, boa quitandeira, co-
zinheira e lavadeira : ua ma da Cadeia do
llecife, derrubie do liceco Largo n. 25. Na
niesma casa venile-se um viol&O de boas
vo2es.
Vende-se, na ra Nova loja n. 23, as
obras seguintes : obras completas de Vol-
taireem 7 volumes, com gravuras linas
meia encadernagiio, |i>r 20,000 rs. ; dilus
lirpradl, em 9 volumes, por 12,000 rs. ; di-
txs Asair, em 3 vulumes, por 4,000 is ; di-
tas Matthus, economa poltica, em dous
volumes, por 4,000 rs. ; ditas de Adam
Smith, i ni quatro voluntes, riqueza das nar
ci'S, pur 6,000 rs. ; Historia de las Caas
uilas do Mxico, 2 volumes, por 2,400 rs.;
ditas L'niversal de .Millot em 10 volumes, po-
12,000 rs em porluguez ; Kncyclopedia-
melhodica, lgica e methaphysica, publi-
cada pur 111. Lacretelle, 4 volumes em qual
lo, por 8,000 rs, ; diclionuaiie hisloriqiic
em 30 volumes, par une sociele de gens de
llres, por 30,000 rs.; dita d'Acadenna Irn,
ceza, 2 volumes, por 16,000; obias cm-
plelas de Houseau em 21 volumes, por
12,000 rs.; ludo bem cticadernado e om
Loiu estado.
Vende-se um piano do uso e novo, jj
com excelieiiles vozes : os prelen- H
denles que o quizerem comprar, di- j^-
rijan.-si1 a na do Mondego n. 51, ca-
sa da esquina do becco das llaneiras. r
. .,,_-^^ -f.f -,- -fmmwS
Cortes de chita do ultimo goMo
a 2,000 e a 2,500, e algodiiozinho a 1.600
e a 2,000 rs. a pega.
Na ra do Crespo, loja da esquina que
volta para a Cadeia, acaba de cnegar um
ello sorlimenio decolles de chita de bom
go.sto, com 12covaios, a 2,000 e 8 2,500;
assim como pegas de aigodlo com loque de
avaria, a 1,600 e a 2,000; lengua de seda
muito bonilos, a 1,440, 1,600, 2,000 e 2,240 ;
alpaca de cores pera palitos, a 800 rs. o co-
vado; dita de llgodilo, a 280 rs. ; e outras
militas fazendis por prego commodos.
Na nova fabrica de chocolate de sade
homoeopathico, a,provado e applica lo pe-
los Srs. Drs. da hmoeopathis, na ra das
Trinrheiras n. 8, existe o encllente choco-
late lino amargo hespanhol para regalo, di-
to entrefino temperado tambem para rega-
lo edito para o diario, sendo tudo*feito
com o maior asseio possivel; assim como
cal moido do melhor que ha no mercado,
toda a qualidade de assucar refinado e gros-
so e excellente cha, ludo por prego muito
commodo. Na mesoia casa precisa-se de
nm pequeo do 12 anuos, porluguez, pre-
ferindo-se dos recenlemente chegados de
Portugal.
Na venda da ra da Aurora n. 32, ven-
dem-se os aeguintes gneros : vinho do
Porlo, feitori, engarrafado, a 500 rs e me-
dido, a 360; dio de Lisboa, ii 280 e 240;
dito da Figueirf, a 240; dito branco de Lis-
tn, a 320 e 280; aziile-docc, a 600; dito
de coco, a 400 ; dilodo carrapato, a 240 ;l
miudezas.
-- Vendem-se luvas do seda de cor para
homem, a 1,000 rs o par: na ra da Ca-
deia Velha, loja de miudezas n. 17.
Vendem-se muito bom doce secco de
goiaba e aiag, bem como em caixOes : na
ra Direila n. 12, primeiFO andar.
Vende-se superior cognac velho, em
barril de 12 a 24 ranadas -. na roa da Cruz
n, 55, casa del. keller & Companhia
Vendc-se gesso em barricas, viudo no
ultimo navio chegado deFranga, tendo ca-
da bairica 20 arrobas pouco mais ou me-
nos : na ra da Cruz o. 55, casa de J. Kel-
ler & Companhia.
Vende-se um terreno com cem palmos
de frente e quinhentos de lundo, sito na
PaMagem da Magdalena, entre as duas pon-
les, com porto de embarque ; um dilo com
cenlo e seto palmos de frente e noventa
de fundo, sito a beira do mar ero Fura de
Portas, foreiro aos proprios. nacionaes : a
tratar na ra do Hozario larga n. 30, primei-
ro andar.
Uoa e barata.
No Aterro da Boa Vista n. i:>, venda ao
lado da matriz, vende-se manleiga ingleza
superior, a 400 rs. a libra ; salame, a 400 ;
macarrSo e letria, a 200 ; arroz, a 80.
. Vi ea
K O
.^ J O* o "

C n
CC S
B. (J
I:
EX
a
~
u
ti
'5
S
u
3
o. o o
.-s*
?SI|e
? = ; .Sos
; ooi..i>
te oj q t> ^ c -; -
S e a
= g E o S *
"S" S-
5sIb
v


4

9
cz
2 .
o X
5;
asw 5.-
o
-=
5
m
3 Sol
*- )

o c -
> v
ii
SBS-".S
1-Ss
|r.
s'S
- Vende-se urna prela do 16 anuos, que
sabe engommar e Coser : na ra da Cuia n.
9. Na iik'mii i casa tambem vende-se urna
prela com duas cria-:.
Chicotes para carros.
Vendem-se cxcellenles chicotes inglezes
para carros, chegados ltimamente : na ra
do Trapiche Novo ii 18, escnplurio de Edu-
ardo II. Wyatl.
Vendem-se 6 escravos acostumados a
todo o servigo de eligenhu, minio desem-
baragados, de una pessoa que se setira pa-
ra a praga ; dous ditos para todo o servigo ;
2 pelas, queengommam muito bem, co-
sem, coziiiham e fazem lodo o mais servi-
go ; 3 ditas muito boas quitandeiras, que
tazem lodo o servigo de urna casa ; urna
parda, que engomma bem, cose, lava e co-
zinlia : na ra da Cadeia do llecife n. 51,
primeiro andar.
Sellitis inglezes.
Vendem-se sejlins com lodos os perten-
ces, a saber : cahegadas, estribos d'ago, si-
Ihas, ele. ; assim como ditos proprios para
viagem com coldres, macas e mais perten-
ces, sendo ludo da melhor qualidade pos-
sivel : na roa do Trapiche Novo n. 18, es-
critorio de Eduardo II. Wyatt.
Para o invern.
A 2,240 rs. um corto.
Na loja n. 5, de Cuimariies & Henriques,
vendem-se cuites de casimira de algudSo,
muito encorpados, padres oscuros, com 3
3|4 covados, pelo barato prego de 2,240 rs.
rada um corle ; assim como outras muitas
l'azeudas barat;s. .
A 56o rs. cada um.
Na loja de Cuimarfles & Henijiiues, na
ra do Crespo u. 5, vendem-so lengua' de
seda, muito linos, para meninos, pelo bara-
to prego de 560 rs. ; chapeos de sol de pan-
niiihu, armagilu de balcia, a 2,000 rs. ; o
autigo algodo transado monslro, a 800 rs.
a vara.
Cortea de casimira elstica
pela diminuto pregu de 6,000 rs. cada um,
acham-se venda na ra do Crespo o. 5,
lija que volta para a ra do Collegio, lti-
mamente chegadas.
Vende-se urna crioula para fra da pro-
vincia, que cozinha, cose ch3o e engomma
alguma cousa ; urna dita, que cose muito
bem chSo, com um pequeo defeilo em um
dedo do p, moga, por 380,000 rs.; oulra
dita, boa quitandeira, por 480,000 rs., por
haver precisao : na ra do Itangel u. 38, se-
gundo andar.
Yende-se multo nova cimente de coen-
tro a ion rs. a garrafa e abanca-se a qualidade,
a ellas antes que se acabem, assim como 9 ca-
l'ir.is de Jacaranda em ineio uso e por barato
preco, una taixa de cobre com pouco uto, nina
espingarda liua de caca com seus perteuces
por preco commodo: na praca da oa Vista n-
mero 17.
Vendem-se sapat5es de cou-
ro de lustro de tres solas, pro
prios para o invern, a 3,5oo rs. ;
ditos ditos, a 3,5oo e 4,ooo rs. ,
leitos np paiz : na rui da Cadeia
do Kecife n. 9, loja.
mmmmmmmm mmmmmmm
. Na loja pernambucana, de |
; Antonio Luiz dos Santos,
I na ra do Crespo n. II,
vende-ac panno lino aiul de muito boa 1
f qualidade pelo baratissimo preco de
3,500 rs, o covado.
^-~**~f *m*wwimmm
Vende-ae um bonito escravo pardo de 25
a 96 annos de elegante figura, completo olfi-
cial de pedreiro.de todae qualquer obra, tam-
bem um preto de nacao moco, com officio de
carniceiro, do qual ganha 800 ra. diarios : na
ra do Mondego n 99.
-- Vende-se cobre metal ama-
iello e pregos para forro de navios : vende-se
por preco commodo. em casa de A. V. da Sil-
va barroca, ra da Cadeia do Recife n. 42.
Um bonito moleco de ao annos
Vendc-se um bonito molecao de 20anti
peca, lein achaques, c?7.inheiro, bom compra-
dor, muito fiel e nunca l'ugio, o que se nan-
ea : na i ua i..i::., .! Rozario n. 18. prlm'iro
andar.
Pecintlia para os pintores.
Vende-sc no armazem de Francisco Dias Fer-
reira defronle do caes da alfandega calas de
vldro de 9 polegadas de largura a II de cum-
prido por 7,000 rs.
. Vende-se e permula-se por um terreno
em bom lugar ou escravo urna casa de taipa
bem construida no lugar da Torre perto do
rio, com varios ps de cajuciros, tendo o ter-
reno de frente 200 palmos e de fundo 1200,
i ni quiua e com frente para duas estradas :
quem o pretender, dirija-se a ra Nova arina-
lem n. (7, que se dir com quem deve tratar.
Vendem-se carrocas novas fortes c bem
construidas com os competentes arreios, ca-
vallo para o mesmo, carros de man, ps de la-
ranjeiras, snpolv, fructapao, ditos de liman pa-
ra cerca, tudo por preco mullo commodo : na
Ponte de L'cha sillo de JooCarroll.
Vendc-se urna taberna coin poucos fun-
dos a pr-zu u a ulnheiro na ra do Senhoi
li'uii Jesus da-. Crioulas i quem a pretender,
dirija-se a ra da Madre de Dos n. 21.
Vendc-se urna crioula bonita figura mul-
to moca, que engomma e cozinlia muito bem,
cose chao, faz doce c renda, muito diligente :
outra de nacao de 18 annos, bonita figura, que
engomma, cozinha e faz pao-de-ld c bolli-
nhos : atrs dos Marlyrios, ra do Caldeireiro
numero lG.
Vende-se urna escrava crioula muito ro-
busta, que salic cozinhar bem e lavar de sabao
e varrella, com uina cria de 8 mezes : na ra
larga do Rozaiio n. 22 segundo andar.
0:<2Q:0<> <3:OOOG0
O lijcttos de borradla. O
S Na loja pernambucana, de |>
q Antonio Luiz "dos Santos,
CJ ra do Crespo n. 11,
m vende-se superior amazona imperinelavel;
Capas de borracha brancas c pretat ; **
Ilotas russianas ; w
c
9
Perneias lustrozas .
'j Sapalos para homem e senhoras
Ai ir de nadar :
V-, AI1C UC J l.l u.i l i ,.
~ lioias de salvafo ; w
O Frascos para cacadores ;
O Lapas de espingardas. fj>
i^O 0: Ot>
Vende-se una roda de fiar algodo, sen-
do nova : na ra do Hospicio venda do I.eo
d'Ouro.
Boticas boniueopatbicas, na ra
do Crespo n. 4>
Vende-se boticas hoinwopathica, com os
competentes llvros, tanto em porluguez como
em h i ni iv, \ imi ltimamente do llio de Ja-
neiro do grande laboratorio central da ra de
S. Jos n. 59. Este laboratorio estabeleceu-se
ha iniis de seis annos, posguindo j una col-
lecco preciosa dos medicamentos nomceopa-
lliicos, melhor conhecidos na Europa e na
America, e colhidos uus nos lugares mais
apropriados e cscolhidcs, outros com o maior
esmero nos mais acreditados laboratorios. Des-
de essa poca tem sido constantemente reno-
vada e enriquecida essa collecco com mul-
los outros remedio.1 que a eiperiencla de todos
os lioiiia-opalbus tem teconliecldo elficazes, e
alm disto com mimos outros que ainda e.are
tendo de experiencias hoinceopathicas mais
posiliras sao com tudo j acreditados como
uleise efticaze por disliuctos pralicos e po
inultos amigos da sciencia e de humanidade
quer na America do sul, quer na frica e na
Asia.
~ Vende-se arroza 00 rs. : no pateo do Car-
ino venda n. 1.
Queijos e prezuntos.
No arma:em de Mauoel Francisco Martina &
Irino, vendem-se qurijos londrinos, prezun-
tos inglezes e do Porto, lilis com bolaxinha
ingleza, ditas de araruta, ditas com sardinhas
eirvillias, carnes, conservas inglezas, e mais
divrrsus gneros, tudo em conta : na ra da
Cruz n. 02.
Sement de ortalice de to-
das as qualidades, feijo carrapato muito no-
vo, viudo de Lisboa no briguc Conceicao de Ma-
ra : na ra da Cruz atrs da sacreslia do Cor-
po Santo n. 02.
-- Vendem-se dous bonitos escravos, sendo
um mulvinh de 12 a 14 anuos proprio par
page-.u por ler muito bonito, e um moleque
de i anuos ni ii i m robusto, chegados ultima-
mente iio ( cu., no brigue escuna aura : na
ra do Crespo loja da esquina qne vira para a
cadeia.
Vendem-s.
ra e prata, patea
Abl Scnzttlla Nov
lVc-(t.osi)j-
reiogios
inglez :
de ou-
tiu ra
n. 4?.
cale putassa.
Vende-se na loja de Jos Joa-
quim Moreira & Companhia, na
ra Nova n. 8,
lindos gibes de fil de linbo guarnecidos de
iran a c proprios smente para senhora, o pre-
co ser o mais commodo possivel.
Bom e barato
Na ra do Passeio Publico, lo]a n. 9, de
Albino Jos l-eite, vendem-se linda pegas
de chita- de cores, a 4,500 rs. e a 120 o co-
vado ; ditas para robera, a 6,000 a pega e
a 160 o covado; lengos de seda decores,
lindos padrOes, a 1,000; ditos braocos de
cambraia com bicos, a 480 ; gravatas de se-
tim, a 1,500; chales de chita de cores, a
800 ; ricos cortes de meias casimiras escu-
ras, proprias para o lempo presente, a
1,500 ; cobertores grossos para escravos, a
640 ; chapeos de sol de panoinho com bar-
ras de cores, a 2,800; ditos sem barra, a
2,000 ; brim de linbo de cores, a 300 o co-
vado ; riscados monstros, a200 o covado;
cambraia da India bordada, a 400 a vara ;
e outras muitas fazendas, que se deizam de
annunciar por falla de lempo.
Joias modernas.
Simio Luis Noral, tem honra de partici-
par ao respeitavcl publico destacidade, que
acaba de receber um novo sor ti ment das se-
guintes jolas : relojoi de ouro de patente, de
prata c dourados, selindres horizontaes muito
superiores, ditos para senhora gravados com
diamantes e perolas linas e esmaltados, um
sorlimcnto de pulseiras de ouro e de brilbau-
tes das mais modernas que tem vindo de Pars,
assim como aderreos, llores e brincos de bri-
Ihantes, lichas, bolOes e memorias, tudo do
melhor gosto, e vendero inail em conta que
for possivel, e afianca-se a qualidade. Coui-
pra-se e troca-se qualquer objecto de ouro e
prata velha e pedras : narua do Trapiche u. 9,
Hotel Francisco.
Na ra da Senzalla Velha, padara n.
100, ao entrar pelo Decco Largo, vende-se
superior farinha de mandioca vinda ltima-
mente de Santa Catharina, por cada sacca
nova de bom algodozinho levara o porta-
dor a pequea quantia de 2,000 rs.', eque-
rendo deconta-se-lhe 260, passando para
outra que o portador levar.
Sarja hespanhola limpa muito lar-
ga a a,ooo rs.
Vende-se sarja bespanhola muito larga e
muito encornada a 2,000 rs. : na ra larga do
Rozario n. 18, primeiro andar.
Pecas de chita limpas a 4,ooo rs.
Vendem-se pecas de chitas limpas escuras
proprias para escravas a 4,000 rs., e a l20 a re-
i.illm, e cortes de bonitas cambraias para ves-
tidos a 2,000 rs. : na ra larga do Rozario n.
18, primeiro andar.
Bombas de ierro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum ns. 6, 8 e 10,
fundicSo de Ierro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com camban de sicupira e bracos
de ferro : na fundicSo da ra do
Brum ns. G, 8 e io.
Deposito de cal virgem e potassa.
lainlia & Amonio, na ra da Cadeia do
llecife n. 50, vendem cal virgem em pedra,
chegado pelo ultimo navio de Lisboa, e po
lassa de boa qualidade, por menos prego do
que em outra qualquer parte.
Moinbos de vento
eom bombas de repucho para regar hortas
d baixaa de capim i vendem-se na fundigSo
de Rowman & Me. Callum, na ra, do Brum
ns. 6,8 e 10.
Acaba dechegar para a ra Nova
n. 8, loja de Jos Joaquim Mo-
re ir & Companhia
cxcellenles esparlilhos de linbo para senhora,
guarnecidos de baleias e de difterentes mo-
dellos, cousa papalina e inleiramenle nova
neste genero, vendem-se por preco inulto em
conta, chapeos francezes modernos e de boa
pelucia a 7,000 rs., sarja prcta bespanhola,
veos prelos muito finos, luvas de todas as qua-
lidades quer para homem quer para seuhora,
Linternas de vidro de todos OS [amanilles e de
todos os preces, ditas bronzeadas, lencos para
grvala de cores e pretos, um bello sorliinen-
to de cenias para violo inulto novas que se
vendero a 100 rs. cada una.
Madama JAosa Hardy, modista
brasileira, ra Nova, n. 34,
Annuncia ao publico, e particularmente srus
freguezrs, que tem recebido um.bello sorti-
mento de fazendas novas, lieos chapeos de se-
da, de gros de naples e gorguro de todas as
cures, lisas, franzidas e de pregas, ditos de
seda para meninos se baptisarem, chapeos de
pal ha de todas as qualidades, para senhoras e
meninas. Um grande aorlimento de mante-
letes e capoiflihos de todas as cores, pretos
de chamalotes e gros de naples, capolinhos
de fil de linho preto verdadeiro, dltoa para
menina de quatro a olio annos; ricas cpelas
de llores de laranja e ramos para enfellar ves-
tidos, ricas luvas de pelica comn idas e enfei-
tadas, ditas curtas pretas e de seda deiede
para menioaa e senbora, ditas de pellica cur.
tas para senbora e para homem ; camlsinha
para senhora, ricas romriras, meias de seda
branca para baplisar meninos de quatro me-
zes a tres anuos, ricos penachos braucos para
enfetar chapeos, e ramos finos para ditos,;
trancas e franjas de seda prela e de cores;
gros de naples preto e luna-cores, com franjas
e trancas da mesma cor para os ditos capoli-
nhos ; se vende vontade do comprador.
Lindas toucas de gorguro, vindas de Franca,
para baptisado. Na mesma loja lz-se vesii-
dinlios para, baptisado, toucas para ciiauras,
Uvadaaobre raadelras lavradas, boa serrad\ .1 ,.
agoa proaipta de tudo, casa de purgar c cn-
caixamento, tudo firmado tobre paredes de
ii olio e pedra ; est remontado com o pre.
clso para sua manufactura, tudo em bom es-
tado, boa capella, urna rica aanzala, firmado
ludo sobre lljollo, com um terraco na frente
firmado aobre columnas e sollrivei casa de vi-
venda, sendo nietade terrea c inelade sobra-
dada, casa de fazer farinha, estribarla, caa
de euipregado, forno de coslnbar obras de bar-
ro, o cercado be todo de vallado e limpo, uun
sobradioho dentro do engenho, e mais urna
dlstlllacao proinpta com tudo, que pdde dis-
tillar quarenta caadas de liquido diariamen-
te, cujos preparos sao, 24 cubas paragarapas,
duas pipas, um tonel que leva 2 pipas e meia
de liquido para deposito, canecos, bical, res-
frlador, faz todo o preciso de agoa, delta gara-
pa no alambique, deita as caldas fora sem que
se pegue nella, e aem ser tocado por bomba,
10 bois mancos, 6 carrol, 6 burros, 2 quartos,
16 escravos e safra que pude regular 1,500
pes.
Vende-ie englobado ou a parte um en-
genho novo denominado Independente, no
fundo do engenho cima, que moa com ani-
maei. O seu terreno he de meia legoa etii
quadro, e firmado aobre marcos, e quasi ca-
berlo todo o seu terreno de mallas virgens e
com elle os objecloi seguintes, ou tem elles,
10 bols mancos, 20 cavallos, 4 escravos e safra
que pode regular 1,200 pes : quem pretender
dirija-ie nesla praca, ao Sr. Manuel Goncalves
da Silva, que lhe espora a forma do negocio, e
nos engenbos ao leu proprietario e residente
Pedro de Mello e Silva.
Vende-se. em grandes ou pe-
quenas pcrcSes, a vontade des
compradores, o vardadeiro ac de
Milao ; na ra de Apollo, arma-
zem de maqumismo de Me. Cal-
tno-it & Companhia, ou no seu es-
criptorio, praca do liommercio
numero It.
Na ra da Cruz n. 7, no primeiro andar
vende-se salsa parrilha de boa qualidade, i lle-
gada prximamente do Para no vapor Ivipe-
ratrii.
Vende-se superior cera em vellas fabri-
cada no Rio de Janeiro e em Lisboa, em calas
de mu libras, e inulto bem lortida por ser de
3 at lli em libra, barrica! coin cal virgem de
Lisboa da mais nova que ha no mercado, e re-
troz da fabrica do Slqueira no Porto, tudo por
menos preco do que em outra qualquer pai te:
a tratar coin Machado & Pinheiro, na ra do
Vigario n. 19, segundo andar.
Vendem-se as seguintes se-
mentes:
de nabos, ditas de di las inginas, ditas de r-
banos encarnadas, ditas brancas, ditai de ce,
bolas de Setubal, ditas de alface allanen,
ditas repolhudas, ditas de cve trinchada, di-
tas de senoura amarellas, ditas de chicoria, di-
tas de coentro de toceira, ditas de salsa, ditas
de tomates grandes, ditas de repolho, ditas de
espinafre, ditai de pipinella, ditas de aipo,
feijo, carrapato de tres qualidades, ervilhas
tortas e direitas, rabanetes encarnados e blan-
cos : na ra da Cruz n. 46, defronle do Dr.
Cosme. Na mesma casa vendem-se queijos in-
glezes muito frescaes.
'fecido de algod5o trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na ra da Cadeia n. 52,
vendem-se por atacado duas qualidades,
poprias para saceos de assucar e roupa do
rscravos.
Escravos fgidos.
o armazem ga ra da (.adea do Kecife n. capolinhos, veatidos para senhora, chapeos de
i-, ha multo superior cal de Lisboa em pedra,
assim como polassa chegada ltimamente a
preco uiuito rasoaveis.;
Itap l'aulo Cordeirodo Bio de
Janeiro
em latas c frascos, chegado recenlemente:
vende-se na ra da Cadeia do Kecife, loja
n. 50, deCunha & Amorim.
I'iiiiii da i;u>sia.
Vende-se |olassa da llussia, rerenlemen
te chegada, i de muilo superior qualidade
na ra do Trapiche n. 17.
Algodo para -uceo-. p
tji Vende-se muitu bom alpodSo para %
y saceos de assucar, por prego comino- i>
p du : em casa de llicardo lloyle, na %
4 ra da Cadeia n. 37. f
crep preto ; e multas outras fazendas que se
vendem mais em conta que em qualquer outra
parte.
Vende-se na distancia de 2 legoaa e meia
da cidade do Rio-Formoto, pela margem ci-
ma do rio Serinhem do lado do sul, o enge-
nho Caxoeiriuba com os seguintes quistoa, e
objrctos declarados, e sem elles. O seu terre-
no be de tres quartos de legoa para quem do
sul, e meia legoa de nascenle a puente, firma-
dos por marcos a 15 anuos, sem contradieco
alguma, como consta dos seus ttulos ; o seu
slo he lodo barro, quer seja ladeira, quer se-
ja var ea, tem bastante manas virgens e nellas
bastante madeira de conslrucco, he bom moe-
dor coin agoa, porque inoe coin o citado rio ;
os seus edificios ao, casa de engenho sobre
pilares tapado todo de paredo, cavco de cal
e njollo, tanque de agoa da mesma forma,
com um forte escorlnhotc de ferro, tambem'
rica obra e duravcl, una famosa casa de ba-
gaco, com tres thesouras e duas tacanicas, es-
Hesappareci'u no da 14 do corrente um
preto de nome Antonio, crioulo, de 22 an-
nos, cor vermelha, dentes limados e' finos,
altura regular, maguas do rosto um pouco
altas, nSo tem muas nos dedos grandes dos
es per as ter perdido, quando ft forga en-
verga os ps para dentro e tem os ulhos um
pouco amortecidos ; levou camisa e caiga
de algodSo azul transado, e mais urna cai-
ga de azul mesclado e chapeo de palhi :
quem o pegar, leve-o i ra de S. Francisco,
sobrado n. 16, segund andar, ou na estrada
nova, adianle da Magdalena, primeira casa
azul, onde se pagar com generosidade lo-
do o trabalho.
boa gralidcagSo.
No dia 13 de margo do crrenle anno des-
appareceu daPassagem da Magdalena, do
sitio em que mora o Sr. Dr. Malet, o mor-
que Margal, o qual he bem conbecido e tem
os seguintes signaos : representa ter 20 an-
nos, baixo, cheio do corpo ecarcuodo, cor
fula e sem barba ; tem falta de um dente na
frente do-queixo inferior ehefilho do ser-
ian de Paje, por isso julga se para l ler
ido : recommenda-se, portanto, aos capi-
tSes de campo a captura do dito moleque,
que serSo bem gratificados.
-- Desappareceu, no dia 18 do corrente, o
escravo de nagflo Cagange, de nome Jos,
representa ter 25 annos, baixo, grosso do
corpo, sem barba, rosto abocetado e ps pe-
queos levou caiga de algodo transado
com listras azues e carniza de algodSozi-
nho j rota : quem o pegar, leve-o a rus do
Vigario n. 22, primeiro andar, ou na ra
da Cadeia do Recife n. 51, que se recom-
pensar.
Desappareceu, no dia 13 du corrente,
do engenho Cuararapes, um moleque criou-
lo, de nome Maximiano, de 10 a 11 aunns,
cor fula, ps pequeos e pernag muito fi-
nas i quem o pegar, pode leva-lo ao mesmo
engenho Cuararapes a seu senhor Francis-
co Paes do Pego, que ser generosamente
recompensado.
-- Desappareceu, no dia 24 do corrente, o
escravo crioulo, de nome Ilerculano, repre-
senta ler 20 annos, baixo, secco do corno,
cor fula, sem barba, dentes de serra e he
oflicial de alfaiate. Este escravo foi da vul-
va de Joaquim Jos Ferreira de Carvallio,
escrivao da relagilo, e serva de portacolis-
ta; levon caiga de casimira escura, easve-
zes brancas, camisa de madapoln e chapeo
do Chile. Consta ter embarcado para o llio
Formoso no dia 6 de abril : roga-s as auto-
ridades policiaes e pessoas particulares que
o appreheodam eavisem nesta praga aoSr.
Antonio da Silva CusmSo, ra da Cadeia do
llecife, a Manoel de Almeida Lopes, que se
pagarSo todas as despezas e se recompen-
sar generosamente.
Desappareceu, no dia 20 do corrente,
do engenho Palmeira, freguezia de Jaboa-
t&o, o preto Manoel, crioulo, de 25 annos,
estatura regular, com duas marcas de ren-
das sendo urna na testa e oulra na cabega :
qnem o gegar, leve-o s Cinco Poetas o.
134, ou no referido engenho, que ser bem
recompensado.
V. \NTY'.m; M..UF. Fa.;.a.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EY2H9K8Y4_ZV08XN INGEST_TIME 2013-04-13T01:21:42Z PACKAGE AA00011611_05325
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES