Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05323


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anno XXVII
Quinta -feira 24
PARTIDAS DOS connEos.
Goianna e Parahiba, s segundas e sextas (oirs.
Rio-Grandc-do-Nortc, todas as quintas foiras ao
roeiu-dia.
Garanhuas e Doolto, a 8 e 23.
Boa-Vilta c Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quiutas fe i ra.
Olinda, todos os da.
EPHEMSBIDEI.
4 b. e 3m. da t.
Nova, a l,
Cresc. a 9. as
iiiiii;. a !'(,as -ib. e38iu. da m.
ICresc. a 9, as -ib. e 42 m. da t,
'Cheia. al5,as 8b.el6ra.da t.
'BEAHiB be aojz.
Primeira s lOboras e 54 minutos da mauha.
Segunda s i i horas e 18 minutos da urde.
de"Abril de 1851.
N. 93
das da semana.
..> >j;.v^.r-rr,.7aaw
21 Seg. .;; I. Oitava.S.Anseluio.
22 Tere. >f< 2. O. S. Senborinha Aud. da Chae.,do
J. da 2 varado c. ,e dos feitos da fazenda.
?3 Quart S. Jorge. Aud. do 1. da 2. vara.
24 Quint. S. Fidelis. Aud. do J. do orf. c do m.
da primeira vara.
PBE90DASITBSOBIV9I0. 25 Sext. S. Marcos Aud. do 3. da 1. vara dui-
Portres meses 'adlantados) 4/000 vcl,.e dos feitos da fazenda. ^
Por seis meses 000 26 Sab. S. Ciclo. Aud. da Ch. e do i. da 2. vara
Porumauno 15/000 do civel.
27 Uuui. da PaschoclU.
i
CAMBIO VE 23 PE ABBIX,
Sobre Londres, a 29 d. p. 1/000 rs. 60 das.
Paris, 320 por Ir,
Lisboa, 85 a 90 0
Ouro. Oncas bespanholas... 28/000 a
Mocdas de 6/400 velhas. 16/000 a
. de 6/400 novas 16/000 a
de4*000....... 9/000 a
Pral. Patacdes brasilciros.... 1/920 a
Pesos columnarios..... 1/120 a
Uilos mexicanos........ l/l80 a
28/500
16*20
16*20
9/10
1/940
1/MO
1/700
>i,inritx.; yir< rniirwnri'/v
MNISTKIUO DA FAZENDA.
' DECRETO V. 771, DE 28 DE HA RO DE 1851
fevogando n dtrrtlo n. 619 de 7 de jullw di 1849.
Ilei por hem ordenar quedo 1." dejnlho
em diante fique sem effeito o decreto n. 619
de 7 de j 1111 lio de 18t9, mandando despa-
char por I' rhirii o calcado estrangeiro.
Joaquina Jos Rodrigues Torrea, do meu
conselho,, senador do imperio, ministro e
secretario de estado dos negocios da fazen-
da, e presidente ido tribunal do tltosou-
10 nacional, o tenha assim entendido e
faca executar. Palacio do Itio de Janeiro,
un 28 de marco de 1851. trigsimo da in-
dependencia e do imperio.
Com a rubrica de S. M. o Imperador.
Joaquim lo Rodrigues Tomt.
MINISTERIO DA JUSTICA.
CIRCULAR.
Terceira seccao. Ministerio doi negocios
da Juslica. Itio de Janeiro em 24 de marco
de 1851.
III111. e I-.mii Sr. Determinando o artigo
50 da le de 28 de oulubro de 18I8 que as de-
mandas em quedecahir a fatenda nacional, fi-
car esta sujeita ao pagamento das cusas de-
vidas parte vencedora, ful por isso revogada
a di9posi0.no da ord. liv. 3. tit. 67, 3.", que
isentava de custasos processos civeis, em que
o procurador da fazenda fosse autor ou reo ; e
porque se drve conservar a reciprocidade sem
pre observada na legislaco, he nconteslavel
que do inesmo modo que a fazenda nacional
heobrigada a pagar cusas s parles, quendo
vencida, nos termos da ord., liv. I., tit. 91,
princ, assim tambem as deve exigir das parles,
quando vencedora. E para que em todos os
juizosse harmonise a praticana conlageiu das
cusas, cumpre que V. Exc. coinmunique esta
deciso aos respectivos juizes.
Dos guarde a V Exc. Euiebio de Qutiroz Cou-
linho Matloso Cmara. Sr. presidente da pro-
vincia de l'ernambuco. Cumpta-se. Palacio
do governo dePernambuco,i6deabril de l85l.
Souta llamos.
- -TIIMHI 11 ni i^L-j^tac^sCTuaaei.yjauscaaegssgaBaa
director das obras publicas. Communicou-
sc ao mesmo director.
Dito. A mesma, remetiendo copla do or-
namento que approvou para a obra da pontezi-
n ii 1 da passagem a qual tem de ser feita por
adnnislracao conforme propoz a directora
das obras publicas em conselho. Intelligen
ciou-se ao respectivo director.
Portara. Ntimeando, de couformidade
coin a proposta do desembargado!- chele de
polica, para o lugar de priineiro supplentc do
delegado do termo do Ouricury o bacharcl Joao
Francisco da Silva draga. Scientificou-sc ao
referido chrfe de pollera*.
Dita. Mandando por em liberdade o re-
crula Joao Ribeiro de tirito por ter apreienla-
do isenco legal.
guvekn da Provincia.
LE N 273.
Jos Ildefonso de Souza Ramos, presidente
da provincia de Pernambuco. Faco saber a to-
dos os seus habitantes, que a assembla legis-
lativa provincial decrelou e eu sanecionei a le
seguinte:
Artigo 1. A frca policial da provincia para
osuno Hnanceiro de i85l a 1852 constar de
mu enrpo de inf.iiii.mi cora o inclino numero
de praras e organlsacSo que actualmente tasa.
Art. 2 Ausofficiaes que nao tiverem caval-
gaduras, ser abonada una, nn valor de 60,(00
rs., com a'duraco de oito anuos, e uina forra-
; 1 111 na raso de 600 rs. diarios, ficando excep-
tuados o quartel-mestre, secretario e cirur-
giao-mr, que percebero 400 rs. por legoa,
todas as vezes que sahireiu em diligencia fura
da capital.
Art. 3. 1' ii 1111 em vigor os artigos 2., 5." e
8. da lei n. 59 de 11 dejunho de i850.
Art. 4 Para o curativo das pra;as enlermas
observar-se-ha as disposices dos arligos (>." e
7. da le cima referida.
Art. 5.* Ficam revogadas as disposiccs em
contrario.
Mando portanto a todas as autoridades, a
quem o conhecimenlo e esecu(o da referida
lei pertencer, que a cumpram e facam cum-
prlr tao nteiriniente como nella se con-
tui. O secretario interino da provincia faca
imprimir, publicar e correr, tildada do Hcci-
fe de Pernambuco, aos 7 de abil de i85l, tri-
gsimo da independencia e do Imperio.
L. S.
Ole Ildefonso de Suta Ramos.
Carla de lei pela qual V. Exc. manda executar o
decreto da assembla legislativa provincial, que re-
solva sanecionar, filando frca policial de toda
a provincia para o anno financeiro de 1851 a 52 na
forma cima declarada.
Para V. Exc. ver.
Sellada e publicada ncsla secretaria do go-
verno de Pernambuco, aos 8 de abril de t85l.
Antonia franrisco Pereira de Carvalho.
Francisco Ignacio de Torres Bandeira, a fez.
Registrada a folhas.. do livro segundo de leis
provinciaes. Secretaria do governo de IVr
nambuco, 8 de abril de l85i.
Soan Domingos da Silva,
EXPEDIENTE DO DA l."l)E ABRIL
DE 1851.
Ollicio, A pagadoria militar, inteirando-a
de haverem o pifano Joao dos Santos Farias eo
soldado Zacaras Pai da Encarnaco, ambos do
quanto batalho de artilharia a p, depois de
Ando o seu lempo de servico, contratado, nos
termos do decreto e rrgulainenlo de 18 de no-
vembro de 1848 e do aviso de 3li de outubro do
anno prximo passado, para continuar no mes
ido servan, o primeiro por oito annos median-
te a gratificacodc 300,000 rs., e o segundo por
quatro, pela de 150,000 rs. que Ihca serao pa-
gas pela forma j estabelecida. Communi-
cou-ae ao commando das armas.
Dito. Aojuiz relator da junta de justica,
Irnnilltindo para aerein relaiados em sesso
da mesma junta os processos verbaes feitos aos
foldidos do aegundo batalho de catadores
Faustino da Gama e Leonardo Joi Gomes.
lotelllgenciou-se ao commando aas armas.
Dita. Ao director das obras publicas, de-
volvendo 10 requerimentos de diversos pro-
pietarios dos lugares pur oude tem de passai
o primeiro lauco da estrada do norte, e recom-
uendando-lbeique juste com os inesmos pro-
prietarios a indeinnisaco, que reclaman); in-
formando posteriormente a presidencia para
resolver o que for conveniente.
Dito. A tbesouraria da fazenda provincial,
para mandar adianlar ao engenheiro director
das obras publicas, que assim requisita, a quan-
tia de 4:000.000 de rs pira coolinuaco das
obras da casa de delcnco Scienlicou-se ao
dito engenheiro.
Dito. A mesma, para que mande adiantar
ao engenheiro Joao Luis Viclor Lieulhier a
quantia de 4:000.000 de rs., aendo 2:000.000 de
rs. para conlinuacao do i4." lanco da estrada
do Paa-d'Alho ; 1:000,000 de rs. para os repa-
ros do 8.", 9." e 11." Uncos da mesma estrada,
600,000 rs. para os esludos graphicos da mes-
ma e o resto para os estudos giaphicos da de
Po-d'Allio, conforme requisita o engeuheiro
Commando das armas.
Quarlel do commando das armas na cidade do
llecife, em 3 de abril de 1851.
De orden do lllm. Sr. coronel coinmandante
das armas, se faz saber ao reveiendo padre An-
tonio de Oliveira Antunes, nomeado por decre-
to de 8 de marco ultimo, capellao para o quar-
to batalho de artilharia a p, em guarnif o
nesta provincia, que se deve quinto antes a-
presenlar na secretaria militar, aliiu de entrar
110 cxcrcicio do seu emprego.
leipoldino da Silva e .levedo,
Primiro tenenle, ajudante d'urdens.
ERMa#mu;o
CMARA MUNICIPAL DO BECIFE.
M->>A I.VIluiilUMVllilA DE 12 DE MARQO
DE 1851.
Presidencia do Sr. Oliveira.
Presentes os Sis. Mamxde, Carneiro Mon-
leiro, Nones, Vianna, e Figueiredo abrise
a sossSo, efoi lida e approva la a acta d'an-
tadceilent'.
Foi lido o seguinte expediente,
I ni ohiciodo Era. Sr. presidente da provin-
cia, approvando as posturas addicionaes feitas
pela cmara em 18 do inez pas nicando que havia providenciado sobre oulras
requisicoesda mesma cmara, tendentes a salu-
bridade publica, (lelerininaiido em ultimo lu-
gar que se fizesseiu pblicos as lugaresonde de-
vem ser feitos os despejos pblicos.A cmara
ficou inteirada,esesolveu que scpedUsse atito-
iinii presidencia para despender coui a
limpeza da cidade at o lim do anno financeiro
correntc mais do restante da respectiva quota
consignada no orcanicnto, porque sendodito
restante l^OO.O^O rs. ; a limpi-za pela uianeira
porque esl sendo feita deve Importar em inul-
to mais ; resolvendo igualmente que se couvi-
dasse por editaes pcasoas que contractem a
i-on haver declarado o br. t.'arneiro nioniefroque as
quatro que contratara para este servico, a ra-
so de 3,o00 rs. diarios, por cada urna, nao o
tem fem feito a contento do publico.
Outro do mesmo dando-se por inteirado de
flaver a cmara contratado com Manoel Este-
vao do Nasclmento Quinteiro 6: Irmo o for-
necimento de carros fnebres e de todos os
pertences necessrios aos enterramenlos no ce-
miterio. Intcirada.
Outro do un sino autorisando a cmara a
mandar tirar nos arrecifes desle porto, nos lu-
gares para isto designados, as pedras precisas
obra do ceiniterio.-Inleirada.
Outro do I.\in. bispo diocesano, cominu-
nir.1 mi 1 haver recebido odesta cmara de 28
de fevereiro ultimo, e ter determinado aos
reverendos parochos d'esta cidade para nao
darem licenca para eiiierramenlo as Igrejas,
esperando porcm que a cmara de ordem
que nenhuin cadver seja recebido no ceuji-
terio sem que se aprsenle documento au-
Ihenlico do parodio ou prioste de ter sido en-
comendado. -- Addiado.
Outro do coronel coinmandante das armas,
aecusaudo recebido o desla cmara de 28 do
me/, passado relativamente a iuhuma(o de
cadveres de soldados do cemiterio. Intci-
rada.
Oulro do chefe de polica aecusando o recebi-
inento do d'esta cmara de 28 do inez lindo, c
coinmunlcando baver ofliciado ao coinman-
dante do corpo de polica, para que preste to-
do o auxilio e for;a nesessaria aos tiscacs
quando tiverem d'obstar os enterramenlos
lora do cemiterio: intcirada e que se scieii'
lieasse aos liscaes.
Oulro do incsiuo, communicando haver, por
oflicio de 3 do crreme mandado entregar ao
procurador d'esta cmara a importancia de
2l8,000 rs. de multa, que por infraccoes do
regulamento n. 120 de 3i de Janeiro de l842
pagaram os estrangeiros constantes da ivl.nn>
dorla.
Ouii-o do subdelegado da Boa-Vista, com-
municando haver substituido por outro, de
aulhor Romo uin-.n,.1 da balaoca do repeso da
mesma freguezia, que era inexacto, e pedin-
do que no caso de a cmara approvar isto,
dctermiiMsse opagamento do mesmo bra^o na
importancia coustaute da conta que juntava:
que se respondesse ao subdelegada que com-
quanlo esleja a cmara convencida de que o
selo pelo bem publico oftzesse uzar d'este ar-
bitrio, todava nao partlndo della ordein neste
sentido, nao podia authorisar o pagamento
requerido, mais que la ordenar ao seu pro-
curador para que verilicada a inxactido do
mesmo braco o subslituisse por outro, exacto,
e de preco menor do que o fornecldo pelo
mesmo subdelegado podendo preferir a este
no caso de uo achar outro com estas cundi-
eres.
Outro do administrador do cemiterio, ri-
quisitando certos objecin, constantes da re-
la(o que remeta, que se fazem precizos ao
mesmo cemiterio que o procurador fornecej,
se, sendo a despesa feita pelos reodiuieutos do
estabelecimento.
Oulro do iiicsmo participando, para que a
cmara providencie, que no dia 2 do crreme
fora lanjado aquein da muralha do cemiterio
uin cad.ver, que elle fuera abi mesmo sepul-
tar, podendo saber d'uin dos aeus conducto-
res, que poude ser aprehendido, e que era
escravo de JosCaetauo de Medeiros, que dito
seu Sr. fora quem mandara praticar semilhau-
te abuzo: que fosse rcmeliido ao procurador
para saber do advogado se ha direito de pro-
ceder-se contra o infractor.
Outro do mesmo solicitando a approvaco
d'uin contracto que lucra com Joao Antonio
d'Oliveira, obrgando-se estopor 2 inczes a
mandar abrir diariamente no cemiterio o n.
de sepulturas que for preciso, mediante a
auantia de 150,000 rs. mensal que se respon-
esse ao administrador, que comquanto reco-
nheca a cmara que a impossibilidade que
tem elle encontrado em achar coveiros c ao
mesmo teinpo, o zelo pelos dinheiros pbli-
cos, o zesse tomar semilhante arbitrio, to-
davia o nao julga autorisado a faxer contrac-
tos sobre qualquer rouzas tendentes ao cemi-
terio, pelo que deixa d'approvar o contracto
feito mais que sendo o offerceimrnto vanta-
joso e econmico, |l.n i elle administrador vir
apresenca da cmara o ladividuo que quer
contratar.
Outro do mesmo, aprrsrnlando a conla da
deipeza de 11,680 rs., que fl/.era com a compra
de certos objecin indispens.iveis ao cemiterio:
e pedindo desse a cmara ordem ao procurador
1 pagar as desprzas que fosse elle administra-
dor fazendo com o mesmo cemiterio : que se
aulorisasse o procurador o pagar dila dcspea,
e se prevenlsse aoadminislr.idor, que seuipre
que se flzerem precisos objectos para o des-
empenho de auas funeces e oulras cousas, os 1
requisito previaincnle, ouvlndo ao vercador
encarregado da direceo das obras do ccmile-
1 n,, ] > > > 1-. 1111 -111 devem ser rubricadas as comas
de despezas.
Outro do mesmo, communicando que tivera
ordem do F.xin. presidente da provincia para
mandar publicar seinanalinenle, por emquanlo
o mappa dos cadveres sepultados no cemite-
rio, e remetiendo o mappa dos que o foram al
0 dia 8 do correute. Que se respondesse que
nao obrigando o regulamento a fazer seme-
ntante publicarlo, e mesmo nao estando mui-
lo conforme os mappas remetlidos, deixara a
cmara de a fazer, r que em lempo opporiuuo
he enviara um modelo por onde se deve se-
guir na confecfo desses mappas. OSr. ve-
rcador Moraes eucumbo-sc de apesenlar o
modelo.
Outro do mesmo, participando que o fiscal
do bairro do Recifc mandara no dia 2 do cor-
rente um cadver para o cemiterio, semas for-
malidades do artigo 62 do respectivo regula-
mento ; ao qual, pelo seu estado de corrupe.o,
li/ei.i dar sepultura aquem das murallias.
Que o fiscal Informaste.
Outro do procurador, pauiclpando ter em
seu poder apenas a quanlia de 243,170 rs. para
1 i-......1111.1t.ni das obras do cemiterio. Que
se tlrasse do cofre 1:000,000 de re,
Oulro do mesmo, apresentaudo o balanro da
receila e despeza municipal, no inez de feve-
reiro findo. A commisso de polica.
Outro do juis de paz mais volado do priineiro
districlo dcsta freguezia de Santo Antonio, re-
inaltendo o livro da qualilicaco dos votos da
mesiua freguezia. Inteirada.
Outro do fiscal da Koa Vista, participando
que as multas por iufracedes de posturas, 110
inez de fevereiro ultimo, importara*
. i-i,. ... v. ,-. .>>Li > st iiijiiuiiuu1 aaii^
ilanoel Duaitc de Faria a quanlia ae 12.000 rs.
de duas conidas de saudc que fez nos das 14
e 20 do inesiuo inez. Que sepassasse man-
dado.
Outro do mesmo, pedindo o pagamento da
quanlia de 1,1)80 rs. que despender com o en-
terramento de um cvailo que apparrceu na
ra Formosa, no dia 7 do crreme. Que se
passasse mandado.
Mandou se remeltcr a commisso de saude
um oflicio do commandante das armas feilo ao
governo da provincia, e por este mandado c-
mara a informar, cobriudo outro do tenenle-
coronel commaudantc do segundo balalbo de
capadores, allojado no quarlel das Cinco-I'on-
las, representando contra a insalubridade da-
quelle lugar.
A cmara resolveu que se representasse
presidencia a necessidade da creaco de qua-
tro guardas inuuicipaea, para coadjuvarem aos
liscaes desla cidade no descmpenlm de seus de-
veres, pedmdo-se ao governo o lizesse cliegar
ao conhecimenlo da assembla provincial esta
represenlaco, assim como que providenciasse,
afim de que seja postada no porlo do cemite-
rio a pequea guarda que S. Exc. promctieo de
pera l maudar.
Mandou-se ordem aos tiscaes desla cidade
para darcm pablicidadcpela emprcusa,a parte
da lei proviucial n. 91, e a do respectivo regu-
lamento, que obrigain os enterramenlos no ce-
miterio.
A requerimento, do Sr. Carneiro Monteiro, o
engenheiro cordeador declarou perante a c-
mara que o concert do calcamento da ra do
Crespo est sendo feito em regra.
Tendo o encarrogado doforiieciincnlo de car-
ros fnebres requerido a rescisao do contrato
respectivo celebrado entre elle e a cmara, fun-
danilo-se na declaraco apparecida no iario
di Pernambuco a. 53 de 5 de marco correte, pe-
la qual ticra elle reduzido ao mero encargo de
conduzir os cadveres que o devem ser gratui-
tamente, resolveua cmara que/ como a quet-
lo se reduz a enteiligeucia da lei n. 91, e do
respectivo regulamento ; se consullasse ao go-
verno da provincia se o artigo 76 do mesmo re-
gulamento llic confere o direito exclusivo de
fazer conduzir em carros os cadveres dos que
lallecerem uesla cidade e seus suburbios, de
sorte que por outro mudo nao possam ser rc-
cebidos no cemiterio pelo administrador, ou se
pode qualquer condui-los pela man ou eiu ca-
noas.
Despacbaram-se as peticocs de Antonio Jos
de Oliveira, de Antonio Jos Das, de Aulonio
los de Abi eu Ribeiro, de Antonio Joaquim de
Moraes e Silva, de Antouio Jos de Araujo, de
Francisco Jos Gomes de Santa Rosa, de U.
Francisca Mana de Carvalho, de Jos Ribeiro
de m un, de Iguacio Firmo Xavier, de Jos da
Fonseca e Silva, de Manoel Llemente Carneiro
da Cunli.i, de Alanoel Paulo Quiutella, de Ma-
noel Francisco da Silva, de Mauoel Francisco
Alexo da Trlndade, e de Manoel Rodrigues
de Albuquerque, c levanlou-se asetso.
Eu Manoel Ferreira Accioli, secretario me-
rino a escrevi. Oiiwim, presidente, Fiannu.
- -Ilarros. Carnstro AJunleiro. Moraes.
Uamede.
Pela barca William. Russel e pela escuna
A'ymp/i, recebemos o Time, que alcanca de
la 15 de muren prximo passado.
Inglaterra. .0 ministeiio inglez ainda se
mantinha no poder somonte pela conlianca da
cora ; mais nao podia continuar a governar
p.irl.-iiii. mu mente, porque nao tinba maigria
na cmara dos commnns.
N sesso de ll de marro annunciou Mr.
Ilailllc, fque 15 dia depois proporla um voto
de censura ao gabinete acerca dos negocios de
Ceylao. E na mesma sesso havendo lord liun-
can pioposto urna rcsoluco, com referencia a
tr.i i'iil ule das rendas lerritoriaes da eoroa, o
agrande soiiiuta dcduzida para satisfarao de
encargos e despezas com visns de por este ra-
mo do servico publico sob a immediata ins-
pecro do parlamento para que a renda total
das Ierras da cora entrasse para o tlies' uro, e
a desprza fosse votada animalmente pela casa
sobie orcimenlos aubmrtlidos pelo governo,
foi esta resoluco adoptada por 12o votos con-
tra n9, havendo conseguiilemenle maiora
de 1 vol contra o governo.
Na sesso de t4, lord J. Russel, referindo-
se i- >.....1 n nv 1 1 1 anterioiuienle feita, de
que o-ehanceller do Ihesouro pretenda expor
11 iquell.- dia as alleracoes que se propunha fa-
zer as disp-.isiQes linanceiras, observou (juc
t comodepois disso havia Mr.ltaillie annunciado
um voto de censura ao governo. relalivamenlc
aos negocios de Ceylao. e nao lite parecii jus-
to que estando um tal vto pendente sobre
as suas caberas propuzessem os acluaes mi-
nistros, medidas algumas linanceiras ; por isso
esperada que se decdisse, se ellos 011 algum
nutro futuro governo, dcveiiain aprcsenlar as
propostas linanceiras. 11
Entrando na ordem do dia asegunda leilura
do lll sobre a assumpco de ttulos ecclesias-
ticos, depois daaprescntafo de muitas petiedea
pro e contra elle, e em geral a rotpelto do que
cliamam aggrcssao papal, propoz o conde de
Arundel e Surrey que se addiasse a segunda
leilura por espado de 6 inezes 1 mas sob nior.no
de Mr. Moore ficou o dt-l-ate adiado.
O vapor yVno.tiolia ebegado a Soulhainplom
coin as malas do biasil e do Ho da l'rala. no
dia ll de inar^o s 10 horas da inaiiba hora
preflxa, em que devia all thegar, segundo as
cuinlieiii s do novo contracto.
Portugal. Por aquelle paquete receberam-
se cartas de Lisboa ale 10 do predito inez. As
novittades polticas desse pala nao oram de
grande monta Passra-se all o carnaval lian-
quillameme. as curtes tinham os deputados
coilUfado a diseusso do orramenlo pan 1851
a 52, o qual mostrava um dficit calculado em
1.252:000,000. Ka cmara dos Pares havia o
conde de Lavradio apresenlado um projectn
para regular e reprimir a Indiatlncta dislribui-
{o de cuiidrcoraves mililarrs eCivil paia lilis
eleiloraes. Os corlezos de Lisboa eslavam em
da aotts' d iiiinilerir ..bl*.z,
r. Jfalmeislou licetie Pdet.
O conde doToJanTnha allercado com o conoe
de Tliomar, em rallo de ler sido nomeado o
Sr. Joo Antonio Lobo de Moura, ministro em
Londres sem que aquelle losse consultado co-
mo ministro dos negocios estrangeiros. Toda-
va, por iilmo o conde do Tojal referendou o
decreto econsentio em ficarno poder. As no-
tas do banco de Lisboa estavam de 3 i|4 a 1|2
por ceuto de descont.
As noticias recebidas em Londres pelo Tele-
grapho electiico al as ultimas dalas eram as
seguimos:
Franca. As eleijes dos nlliciaos da guarda
nacional do Seua linhaui lldo adiadas, at que
fosse volada a lei orgnica. A guarda nacional
de Strasbuigo la ser dissulvida. A fragata de
vapor Chaptal com o alinlrantc Kouiain l)es-
fosse havia partido de Urcst para o Levante. A
esquadra existente em llrcst eslava receben-
do provises, e preparava-se para dar vella
por todo o me: de marco.
O Slonileur publicara a promoco do general
Excelmaiis ao posto de marocha! de Franca. Os
socialistas linliam ultiniaiiieute tentado de-
monslraroos sediciosas em varias cidades dos
departa memos. Havia sido deso.bcrta urna so-
ciedade secreta em Lile no acto de cnfoicar o
presidente em estatua.
O mesmo peridico anuuncira mais algumas
uud meas entre os prcleitos dos depar lamentos e
fuucciouaiios.judiciaes. O ministro do interior
tlnba manifestado a la inirn.ao de nao olle-
reccr um piojocto para prolongar o cxcrcicio
dos olliciacs da guarda nacional.
llolaa de Paris, t4 de marco.ltimos pro-
cos.lauco por ci-niii. 94 1. 25 O.i tres por como,
57 f. 80 c.; banco de Franja, 2,2l2f. 50 c.
l'ruiiia. Uerliu. 7 de marfo.o tnbam
transpirado novos eventos a respeito da ques-
i.in alii-m.ia. A gazeta de Cologne dizia que os
dous primeiros ministros da Prussia e Austria
dcviaiu reuuir-se em Uresdcn a 9.
dem 8. Ka cmara baixa do parlamento
lAUl Pltii\r\MBIJ(jO.
U1CIFE, 33 DX ABBlI. II 1851.
A assembla provincial nao funecianou hojo,
por falla de numero legal.
Por carta vinda da curte, sabemos queJalle-
ceu ali o Sr. lente coronel Manoel Ignacio
de Carvalho Meudonca.
Srussiano fia rojeitada por urna maiora de
-S contra 4i votos a mociio do bario Vincke,
ali 111 de uomear-sc urna commissi) para in-
vestigar o estado da naco. Na queslo allc-
ni.11 os orgos minisleriaes ainda advogavatn a
volia para a anliga confedoraco.
dem. 9 Cousiderava-se como imminenle a
ii'ii'ii.i.j da amiga dieta da Frankforl; e fa-
ziam-se preparativos para um tal acunteciuien-
to. O conde Alvcusleboii, agente prussiano em
Uresdcn, devia vullar para aquella cidade a 10.
r.nn 10. Ko dia antecedente liuha havldo
uin coucelbo do gabinoie 110 qual resolveu-se
publicar um memorndum coinprehensivosobre
a queilo alleniaa. Este documento contera as
vistas da Prussia relativamente a renovaco da
anliga Confedera(o germnica. AsSborasda
inanhaa daquelle dia inanifeslou-se um incen-
dio na casa das sesses da enmara alia do par-
lamento prussiano.
Idcm 11. -- Aununciou-se haver sido comple-
ta a distruicao do mencionado edificio. >al-
varam-se somonte o archivos parlauemares e
a iivrara. Todava nao sedeu lempo a propa-
gar-se a conflagrado.
11 general Koeucke, conimissario prussiauo
em llesso, tinba sido revocado daquella po-
sico.
dem ti. Havia ebegado aquella cidade o
general Tbumeu, comuiissario prussiano em
liolsieiu. U Conslitutiunnel de 12 de 111.11 eo fura
appreheudido. Diiia-se que os ltimos despa-
chos de Vicua tendiam a excitar appreben-
scs a respeito da questo allema.
Austria. Vlenoa, 5 de marco. Confirmara-
e a anterior noticia da pretendida reslgnaco
do baro Welden, goveiuador daquella capital.
O seu lugar seria oceupado pelo general Wol-
gciiiulh. Havia all ebegado o conde de West-
uioreland, novo einbaixador inglez.
dem 6.-TiuiMa-sc reolYldo teduiii cireu-
1 1. .11' das notas do banco somma que gy-
rava em 1848 isto he, a 176,000,000.
Idim 9. O governo austilaco havia reolvdo
estabeloeer una estrada real para Holsteln. Os
orgos miuisleiiaos piolestavam qne a auslra.
nao mil-i i" 1 1 1 .1 -'i 1 meili ,n> no Piemont 011
ua Snlssa.
Ilotstcin: llamburgo, 7 de mar(o. Dzia
se que parle das tropas austracas sahirlam
das cidades de llamburgo o I.uliock, e que vol-
tariatn para a Austria. Tinlia-se decretado ul-
terior roduoeo no oxercito do llnlstoin.
dem 8. Todas as tropas austracas existen-
tes 0111 I.ubeck linhain recebido ordem do vol-
tar para a Bohemia. As ultimas tropas devlam
sabir de I.ulieck a 10. Rio linha havido movi-
montos entre as tropas austracas estacionadas
0111 llamburgo.
bolitmia. Uin despacho tclograpbco de
Agrain em dala de 6 de muren dizia que os in-
surgentes bohemios (inliaui lomado a cidader
e a cidadolla do llania'nka, Foi concedido a
n irn' i Turca daiiuella praca o sabir sob p.t-
larra.
Recebemos jornaes americanos, o tVeekly
Herald, c o Xeir- York Herald, os quaes alcau-
(am do 22 do fevereiro a 15 de marco prxima
passado ; o driles extractamos o seguinte :
Em consoquoncia de alguns motius popula-
ros que appareccram em Knslon contra a exe
COcSo da novissitna lei, relativa aos oscravos
fugitivos publicara o prcuidente dos Estados
l! nidos c Fillmore, a seguinte prnclamacjo :
Havrndo ebegado ao meu conhocuiiento>
que varias possoas, principalmente de .cor,
reunidas e ligadas para o lim de se oppo-
n ni com lu 1 1.1 1 m eu .1 > das lois dos Estados-
Unidos, em lloslon a 15 do crreme inez, fize-
r.iiii um violento ataque ao marecbal ou a leus
delegados do dlltrloto de Massacbuselts, na
casa do respectivo tribunal e nao s insult-
ramos ditos ollictaes, seno que liramni-lhes
um individuo preso, como escravo fugitivo, c
legalmenlc entregue sua guarda, ocoinmetto
rain outios actos escandalosos com violaran da
ioi : por isso, o aliiu de que soja mantilla a au-
Imidade das lois, epara que todos aquellos que
livoraui parle na iufracci) dolas, so0fraiu im-
medala c condigna punico, lonho expedido-
osla minba proclamarlo convidando todos os
cidados boui intencionados a rounironi-se enx
apoio das lois do seu palz ; exlgindo, c orde-
nando a todos os etnpregailos ctvis e militares
]uo se acliarciu na visiuhanca do lugar do de-
licio, queso coadjuvom e auxiliem por todos
os nioios ao seu alcance, para -minear aquella
e oulras combina;os semelhames, e ajudem o
marocbal c seus delegados a tornar a captu-
rar o preso a cima mencionado. Y. ordeno es-
pecialmente que se iiislaurcm processos contra
todas as possoas que se tiverem constituido
cumplios ou fautores de lo criminoso altou-
tado. Outiosiiii ordeno que o procurador geral
ojn Estados Unidos e todas as oulrai pessoas
UTJC Irrm paree un mliullifstl flciru -tro ar?* uy
ilas leis dos Estados Unidos facam com que os
r ele I-1 dus del 1 liquen les e Indos q lian Id OS ajtld J -
rain, iiisligaram ou auxiliarain.ou que se achar
terein acoutado 011 oceultado aquelle escravo
fugitivo contra a lei, sojam inmediatamente
presos e processados, segundo a .....mu lei. Da-
do sbinoii signal c o sello dos Estados Uiiidon,
aos 18de fevereiro de t85l.Millord Fillmore.
Daniel Webtler, secretario de oslado.
O senado tambem havia feito um movimentn
decidido sobre esle negocio. A resuluco de
Mr, Clay, que lora anlcriornicnle proposla, re-
lativa tirada do escravo fugitivo em Boston,
fura discutida logo no dia seguinte ; e depois
de algum debate passuti unnimemente. A rt-
soiuciio tinba por lim pedir ao presiden-
te todas as informarnos que tivesse aquelle
respeito, se nao Tosse isso incotnpativel com o
intoresse publico e que communicasse igual-
monte ao sonado as providencias que tinba da-
do sobre aquella emergencia, declarando-lbe
ao mesmo lempo, so na sua opinio nao era ne-
cessario algitma medida legislativa para occor-
rcr a siuiilhanlc caso.
Constata por noticia tclographicade Spring-
fiold, a 19 de fevereiro, que o abilicionisla In-
gle, Georgc Thompson, fora apedrojado com
ovos no deposito do caminho de, ferro, por una
grande multido que o apupou, e que teria
1 niiiiin itiilu alguma violencia contra a sua pe-
soa, a naoscrem as autoridades ; que na noi-
tc antecedente Ihe aliraram podras polas janel-
las do quarto,dentro; e que Daquella mesma
uianba partir elle para o Oeste nos carros.
Ka da 22 de fevereiro fura celebrado em New
York com a inaior pompa c cnthusiasino possi-
vil pela primeira voz, depois de uieio seoulo, a
sempre momoravrl 1 iBanuiversarionalaliciode
Jorge Washington, o patriareba da indepen-
dencia dos Estados Unidos ; por cuja occasl*
deu-se no sallan do theairo de Nlblo um magni-
fico e espleudidu banquete, no qual foram re-
citadas lo lili 1- ur.vui-s p.l'.l I >He 1-.
Na sesso do senado de 20 de fevereiro apre-
icutou Mr. Scvvard uina pellco dos cidados
de New-York, arguindo de iuconslicional a lei
sobre os escravos fugitivos, e pedindo a sua re-
vogao,o ou que fossein cites desligados de to-
da a obediencia s suas disposi;es. Ficou so-
bre a mesa.
a mesma sesso suscilou Mr. Tote urna
resoluco que autorisava o secretarlo da ma-
rlnhaa por um navio disposico de Kossttth e
de seus coinpanhoiros para leva-Ios aos esta-
dos Unidos, e deliberou-sc que passasse a ter-
ceira leilura.
Na sesso de 4 de marco foram subineltldos
ao sensdo pela commisso dos negocios es-
trangeiros os seguimos tratados; um com a
Suissa, urgociado por Mr. Mand, a favor do
qual deu a cotnmisso parecer unnime, coin
oxcepciio da clausula relativa a inhabtlitaco
Judaica, a qual ella rccotiimendava que fosse/
eliminada, outro com Porlugual, que se ott'e-
recia a pagar certas sommas, c que lubmettia
v arbitramento a parte illiquidada ; foi un-
nimemente recoinmeudado e outio com o
Mxico que se compromellia a deixar cons-
tiuii- o caminho de ferro de Tehuantepec, e a
ceder sele leguas de cada lado daeitrada para
esse flu : o meiino tratado concede aos cida-
dos Americanoi privilegio! iguaes aos dos Me-
xicanoi. A commisso presluu-lhe unnime-
mente parecer favoravel.
Conslava haver sido nomeado Mr. Schenk,
mililitro para o Brasil, com referencia directa
suppreiiao do trafico de escravos ; nouiea-
co capital : todava esta nao foi irausinlllida
ao senado naqucllc dia.
No dia 5de marco fallava-se muito nos cir-
cuios tlnancelros, e produzlra um pnico en-
tre os correlores c eipeostladores de New-York
a falleucia. de /Mateos 8c Splcer, F. UoUUle &
ilLEGIVEL



UaaHa*a
" .
m
_*_
'2!
Tanibcni se dlzja que havla fallido nm grande
especulador de algodo en, uiarlefton.
liavendo expirado o 1 de marco ao mwo di
o'Jl coneresso dos Estados unidos foi adiado.
A 4 de marco de 185i coniccou o 32. congres-
., que ha de terminar a 1 de marco de 1853 ;
* sua prlmeira sessao abrir-sc-ha no i." de
jcz(.,bro de 1851. O senado consta de dous se"
jijiinre's de cada estado. Ocpois da admisso
tados por 02 senadores. Dos amigos existem 41
senadores ; seudo 18 VVhigs c 23 Demcratas.
Dos 21 senadores novos, anda lio de ser elti-
tos seis. A casa dos representantes consta de
233 uiembros e 4 delegados tcrritoiiaes : os
quacs delegados todava nao ten voto. Dos
Miembros da nova casa j tcm sido eleitos 127
dosquaesoito Ao fue soilers, ou abolicionistas.
Tem decorrido 62 annos desde a organisaco
do governo dos Estados Unidos sb a consli-
ttico Federal, que foi posta ein execuco a
4 de marco de iT89 ; mas o numero legal do
primeiro congresso que se reuni na cidade
dcNcw-YnrU, nao se coinplelnu senao a 6 de
abril, llalli pois deve propriainente datar-seo
coincco das tcstoc congressionaes nao leudo
sido inaugurado o general Washington tenia
a 30 de abril Nao podemos anda diz o IIV-
ckly Herald, dar ao cerlo o numero dos actos le
gislativos que passaram no ultimo congresso ;
mas achar-se-lia que, coinqiianto tivesse elle
mais dias de sessao do que uenhum dos prece-
dentes, todava trabalhou menos do que qual-
quer dosoutros. Releva emn ludo observar,
que alguns actos do ultimo congresso, mor-
inenlc os que se referen! a medidas compro-
missorias, c adinlstSo da California, sao da
m.iiur importancia para a nnciio.
O arcebispo Ilugbes de New-York achava-se
eleito cardeal.
Cartas de Caycnna ate 8 de Janeiro ultimo re-
feran! que a febre atuarella eslava fazendo all
estragos lerriveis. Ja tiuliam perecido victi-
ma della o governador c tnuilos dos principaes
cidadaos.
As noticias recebidas da America Central,
transmitlidas por jornaes de San Salvador e
Guatemala, alcam ;a\ mu .i 5 de Janeiro e crain
de alguina Importancia as que se rrferiam
guerra ilumnente entre aquellas duas rep-
blicas, cujos presidentes Iiaviaui proclamado
nesse sentido aos seus respectivos povos. As
insurrelces ein Guatemala crain incessan-
tes.c a (iacela daquelle estado lancava toda a
culpa sobre Sau Salvador.
Os Inglezes continuavam a bloquear os por-
los de San-Salvador, e nao consentiain que na-
vio algum mercante all descarregasse plvora
c municel. A (iacela de San-Salvador, cria
que o governo de Guatemala tinha alguma
parte nessa medida ; e por outra parte a 6cr/a
de Guatemala acusava o povo de Saii->alvaor
"de perturbar sempre a paz do paiz por suas
continuas aggresses.
Tinha sido inaugurado o novo presidente do
Mxico, Mariano Arista, cujo ministerio se
achava organisado da mancira seguiute : mi-
nistro da fazenda, Paynar, dito dos negocios
esinngeiros, Vanei ; dito da juslfa, Aguirre .
dito da guerra, Robles.
A ceremonia da inaugurado fura meramen-
te oll'n'ial sem driiionstracao alguma po)iular,
segundo os desejos do presidente poucas pes-
soas do povo foram ailmillidasa assistlrao
acto do juramento. Pela manha cedo for-
inou-se a tropa de linha e a guarda nacional
iiii numero de 3,000 liomeiis. A's 11 horas
postrou-se na Alameda, onde perinaneceu at
depois da inaugurarlo e cnlo acoinpanhou
o presidente e as autoridades a catbcdral, na
qual se celebrou un grande Te Ueum, ein ac-
i.iiii (Ir gracas. A' 1 hora da larde dirigio-se o
general Arista cmara dul dcpulados para
prestar o juramento.
O Eco iltl Conereio de Vera fin dizia, que
do 1. de Janeiro ein diante devia ser Sau Juan
de Nicaragua um porto frauco.
t fulhju do Viuauc fisfav.im muilo iuaig-
as contra as autoridades inglezas por inter-
ferlrein nos negocios da Peniuiula. Os jornaes
de Vera Cruz entendiaui, que o Mxico devia
representar seriamente Graa Drctanha sobre
a infraeco das cslipulaces do scu tratado.
Dizam elles, que a llespanlia smenle per-
mitlira Inglaterra cstabcleccr na feitoria
en Caliza para fase* o commercio do po-cam-
peche, sob expressa condico de nao se cons-
truir all forlilicacao alguma. Sem embargo
d'isso os inglezcs linliain forlilicado Baliza,
apossaram-sc de urna grande extensio de ter-
ritorio, e exerciam auloridadc sobie elle do
. hufMnfeAM hancarias- adoptou unnimemente na resolucao exigindo
C. de Utlca, e de qual,oi ,n'"fu ^' JJ do Residente todas as informacoes de que es-
Uambem se diva que:havla fallido nm grande "^ ,,c posse, relativamente s operacSes
eagr ..-ssesbrilannlcas na America Central.
Desde cntao tem sido o publico entrelldo por
escriplorcs de cartas de Washington, dizendo
ora que o governo nao eslava de posse de in-
lonnaab alguma a tal respeito e ora que a
demonRm responder resolucao era motiva-
da pelo voluine da correspondencia que se exi-
ga lhc fosse submellida. Enlrelanto, lein-te
pastado o lempo, e estamos j no iim da sessao
do congresso, sem que naja transpirado cou-
sa alguma, c parece liaver probabilidadc de
que tudo ficar no esquecimento.
Protestamos contra essa inaccao. O oD-
jecto he daquclles que tcem creado forte tcna-
cidade no espirito publico c se os negocios
da America Central nao forem ja arranjados
de una maneira justa c permanente redunda-
ro em desgosto. Nao obstante haver a In-
glaterra formalmente convencionado por um
tratado, nao oceupar nem exercer dominio so-
bre parle alguma da America Central, todava
anda se conserva na posse de San Juar, c mos-
tra-se mais arrogante, se be possivel, em suas
prelcncoes do que danles. O seus agentes
com todas as esquadras das Indias Occidentaes
e do Pacifico de guarda-costas, commetlem to-
da a especie de actos caprichosos, sem repres-
so alguma ; bloqueam os portos da America
Central a qual por noticia momentnea, com
llagrante violacao da lei e dodireilo intcrna-
cionaes, c com exclusao dos vasos dos Estados
Unidos em beneficio do commercio ingles ; ar-
rogamasi o direilo de definir os limites das
diversas repblicas, e ameacain a qualquer
governo que tenha agalhardia de repcllir seus
assaltos.
Os nosios concldadaos que transilam pe-
los portos d'euai repblicas amigas, sao tub-
mctlidos a indignidades repulsivas a lodo o
sentimento de direito e de propriedade, ater-
rados, pelas boceas dos canhoes britaunicos.
TuJo isto he notorio. Em quanlo durar tal
submissao, permaneceremos deshonrados e
liumilhados perante o mundo.
Podemos asseverar aos homens que eslao
poder, que o povo exige que o tratado Clay-
>.. e uulwer seja cumprido leltra, e eiu todo
o seu espirito, ou alias, seja declarado fraudu-
lento a doloso, c como tal se de formalmente
por terminado. Se assim se nao lizer, occor-
inevitavelinenlc colhsoes no Ultimo,
que produzirao sanguinolentas consequen-
cias.
i A nossa inlluehcia na America Central,
posto que ltimamente muilo abalada, ainda
be grande, e pude ser emnregado etn prol da
elevaeo c prosperldade de suas diversas re-
pblicas. Os nossos interesses all sao gran-
des c os nossos prospectos inmensos. F.is-aqui
o cans por onde estamos reduzidos necessi-
netrar at o Intimo do coracao do espectador,
e a despertar-lhe os mais doces senlimentos,
as emocOei mais agradaveis. He para lamen-
tar que estando aqu esta linda, incompara-
vel arlisla desde dezembro do anno prximo
plssado s houvessc urna penna que escre-
vesse algumas palavras a respeito della.
Pode ser que alguein me diga: por que
rasao vos que sencuras aos outros vos pendes
conservado callado at hoje? porque nao tcn-
dus cscrpto e ddo vossa dama aquillo que
queris que outros lhc dem? Eu respondo:
' sobre thealro, nao so
outros
porque nunca cscrevi
no
ton i
dade decommunicar com os nossos estados do
por nao ter as babeltacoes precisas, como
porque vi logo desde a abertura do novo
thealro que apparecram escriptores abalea-
dos becupadot em analysar lodos os espect-
culos com aquella sabedorla, elegancia e vi-
gor lgico, que caracterisa o critico impar-
cial, c desejoso da prosperldade e progresso
d'uma arte tao til, como a arte dramtica:
porque esperava pelo juizo do Mapa, do W,
do Arion, com quanlo saiba que este ultimo
conservando-se firme no seu posto, nao tem
continuado por embaracos e obstculos que
nao tem podido vencer : porque esperava que
os vates sublimes que tao juiiammi cantavam
as Emilias e os Cabraes, nao deixassem em
olvido urna artista, cujo mrito nunca des-
mentido, nem contestado firmou-se, nao em
l'ernambuco, mas na corte do Brasil depois
de reconhecida na Europa, onde foi ella sem-
pre admirada, victoriada e applaudida com
enthusiasmo sempre novo. Eslao salisleitos
com a resposla ? Pois forao estes os motivos
por que a mais lempo nao fallei; mas agora
que o silencio de lautos folhetinistas cmmu-
decidos de repente contra toda a espectacao
do publico: agora que o silencio de tantos
escriptores abalisados, cujos pensamentos pa-
rece terem-se esgotado, agora que o silencio
de tantos cantores, poetas, trovadores e bar-
dos, cujas lyras como que desafinaran!, me
obrigou a sabir da ininba humilde concha,
julgo do meu rigoroso dever ( e eslou no
mea direilo ) nao deixar ein um criminoso
silencio o inerilo dessa cantora, cuja voz he
mais que humana, he celeste. Eu nao minio,
nem nunca poderei ser tachado de exagerado,
e o juizo do publico imparcial c justo apre-
ciador do merecimento dos artistas que diri-
ge a minha mal aparada penna, sao os nusstr-
roiOI applausos, com que este publico illu*-
liado vlctoreia o lido anjo do bello co da
Italia: sempre que apparece em secna, e o
xtasi que arrebata a todos quanto cliegain
aos seus ouvidos os inaviosos acentos de sua
inelodiosissima vox, que eu invoco para pro-
var a veidadc do que digo.
Estoii, portanio, j que todos se callam,
desposto a dar ao publico uina noticia dos
expectaculos em que liver parle esta artista
sem igual.
tem sei nuc a fama de que ella goza, os
im os nossos esiauos uo 1 reccbeu Ri de jaelr0i
mesmo da trra, saltou e se oceultou na
Itoaista em casa de Bento Constantino Alves
do Nascimento, no becco do Tambla, n. M,
sendo disto informado o dito br. Oonje "
dia 14, de manhaa, requereo ao IlUss ar. ur.
delegado a prisao do mencionado escravo, e
encar.egando-me o mesmo desta d.gencla,
dirigi-me .Boa-Vista, e de facto prend o
meuclonado escravo, que apresentando-o ao
Sr. De. delegado o fez recolher a cadea para
ser remetttdo a seu legitimo senhor, precedi-
das as formulas legaes.
He esta a pura verdade, que declaro para
inlelligencia de alguem. e nao como se decia-
rou no Diario de Ptrnambuco sob o n. 87 de
15 do correte mez, declaracao que assas me
surprehendeo por ser controversa a veracida-
de do facto occorrido.
Jlo Alhanatio Uotelho.
Si
Pulicago a pedido.
Illm. e Exm. Sr.-Fol deferido o requeri-
mento da viuva Guadlno & Filhos, que velo
acompanbado pelo offlcio de V. Eic de iJ de
setenibro do anno passadosob n. quarenta, no
qual pediain, em recurso contra o despacho
da thesourarla dessa provincia, que se Ibes
mandasse restituir a importancii dos dlreitos
que injustamente foram obrlgados a pagar
correspondentes mil quatro ceios e quinze
arrobas de carne de charque, que te tendo
arruinado a bordo do brigue brazlleiro Pen-
omenlo-- da consignacao dos recurrentes, ha-
via por elles tido abandonada; cumprindopor
tanto que se Ibes fafa a dita restituicao. Dos
guarde V. Exc. Palacio do Rio-de-Janeiro
em 12 de marco de mil oitocentos e cincoenta
c um.Joaquim Jos Rodrigues Torres,Sr.
presidente da provincia de Pernambuco.-Cuni-
pra-se e registe-te. Palacio do governo de
pernambuco, 4 de abril de mil oitocentos e
cincoenta e um.Souta Ramos
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Rendimnnto do di 23 ... 5:896,280
Pescarregam hoje 2 de abril.
Escuna A'ympa mercadorias.
Escuna Rensliatc ideal,
tlrigue Ledo vinhos.
Patacho Nereida o resto.
Iliate i4me/a dem.
CONSULADO GERAL.
Abril.
Rendimentododii1a22. .59:343,235
dem do dia 23........1:171,635
Pacifico c pelas rotas
niose perder urea oppoiluuidadep
desculpavcl inercia e ignorancia, despejar-se-
ho ein nossos seios os thesouros do mundo
oriental. A inaccao agora he um crime por-
que temos aqui um dever a cumprir, nao s
para comnosco, scnSo para a causa do republi-
canimo c da humanidade. Se consentirmos
que a Craa Hretanba conlinue a violar sysle-
maticaiiiente as suas obrgac.6es para comnos-
co, conlrahidas por um tratado, viremos a ser
o scarneo e a irrisao das naces. He este um
assumpto que nao pude deiiarde oceupar a al-
[rin.ni da adininitlracao imii instante esolici-
tamente ; e confiamos que nao se adiar o con-
gresso sem algum acto formal a scmelhsnte
respeilo, o qual faja conhecer distinctamente
a l.ord Palmerston, e aos seus assiduos c nada
escrupulosos gentes daqui, que o seujogn de
fraude e duplicidade deve de acabar na Ame
rica Central.
A 4 de marco recebeu se em Molule urna
"ollecco do \acional da cidade do Mxico al
iSde levereiro ultimo. Uou tpicos pareciam
j>lllJM-........n ..<,u|.oi o e|,liltupUOIICO~O
exilio de um editor e a recusa do Seor Mun-
guia, ltimamente eleito bispo de Michoacan,
que nao quera prestar o juramento ditado pe-
lo governo supremo.
Poucos dias antes, chegral). Raphacl a Mo-
hile, de rola balida para Nova Orleant. Era
elle hespanhol de iiasciincnte e resida ha mui-
tos annos ein Kew-Vnrk, onde redima o pri-
niero jornal hespanhol que te publicara na-
quellet estados intitulado O Nolicimo de amboi
as .Wuni/or. llavia doze annos que se cstabele-
cera no Mxico, dirigir elle o L'niertal, cera
considerado como chefe do partido conserva-
luta presidencial, litera vio-
ncunio modo que se sempre Ibes liouvcsse per-dor. Durante a I
temido. lenta opposlcao a Arista, e valera-sc da sua
penna para dcirota-lo: mas os seus esforcos
nao aprnveitarain ; c quando Arista aehou-se
tranquillamente sentado na cadeira presiden-
cial, desterrou o seu inimigo. I). Raphael era
homem de capacidade ditlincia; c possuia o
fogo do genio e do enthusiasmo que sempre
aconipanha o verdadeiro talento Smente se
Ihe concedeu a dilacao de 24 horas, e foi com-
pellido a abandonar a sua casa, e todas as cha-
ras rclaces de familia.
O Seor Munguia er Mexicano ; dez annos
havla que abandonara a proflltSo forense pela
religiosa ; e ltimamente fura eleito bispo de
Michoacan. Nao quiten elle prestar O jura-
mento exigido ; mas acastcllra-se nos direltos
reservados e privilegios, concedidos ao clero,
no primeiro eslabeleciinento da sania f na
ierra dos Azlecs Era aulor de celebridade e
os seus escriplos erara tidos por lio potentes
e insidiosos que limitas cidades, onde havia
ellegios eslabelecidos pediram una lei qnc
prnhibiise n introducao das >uas obras, im-
prenta era rigorosa para com elle ; mas todos
Ihe reconheciam vasta inlelligencia ; e gozava
elle de maravilbosa inlluencia sobre o povo.
Em Guerrero honve um terremoto a 26 de
No mesmo momento appareceu nos
Em Antigua tiuliam sido experimentados
dous forles abalos suliterraueos. Diiia-se ha-
ver o segundo abalo durado tanto como o ter-
rivel terremoto de 1843: todava nao foi se-
guido de consequencias graves.
Pela escuna Vccrlett, ebegada de Crdenas a
JV'cw-Yoik em 3 de marro, rccebcrain-sc jor-
naes de llavana c Matanzas al 20 de feverciro
os quaes noticiavam que havia all mullos ca-
aos de cholera, que Uuhaiii sido fataes cnlrc
os pretos em ierra, e alguns entre ot blan-
cos ; mas havia mili la saude a bordo dos na-
vios.
Corria o boato de haver una escuna des-
embarcado um carrrgaiiienio de esclavos a
sotavento de ardenas, pouco autes da sabi-
da da l'etilctt. Dizia-sc que seriam 420 es-
eravos.
Receberam-se em New-York milicias de San
Juan de Nicaragua al 4 de marro pelo vapor
CretcenlCily. Neiibuiua uiudauca tinha havl-
do naquelli' lugar depols das dalas anterior**.
As autoridades ingletas haviam completado a
nova alfttndega c oulros edificios que tiuliam
principiado seis inezes antes. Os cidadaos
americanos rram ainda desarmados ao saltar
all ;iudignidade a que nao eslao sujeilos em (Janeiro
algum outrn porto do continente.
Este estado de cousas havia produzido gran-
de e\i llmenlo no interior, onde a principio
se cria que o Iraiado Clayton e Kuliver tivesse
por i lieiiu immedialo a evacua^o de San Juar
e da praia do Mosquito pelos inglezes, e a sua
restituicao a Nicaragua. Porm, como quer
que os agentes inglezes lenhain negado que
tal fosse o remido do tralado, havia o gover-
no de Nicaragua publicado na circular dirigi-
da aos oulros estados da nova |confederacao.
na qual cila a lingoagem de Mr. Clayton a tal
respeito em urna ola enderrc'da a Mr. Squier,
e por elle communicada com urna tupia do
tratado ao governo em queslio. Aquella nota
era da maior importancia por mostrar o ver-
dadeiro sentido do tratado, e como um fornal
' emphalico desmentido falla/ declaracao de
Mr. I'ulwer de que etse trata'do nao tinha re-
ferencia, nem se devia entender que a tivesse,
praia do Mosquito. Podemos assegurar a
esse ravalheiro e ao seu governo ( diz u Y'eek-
hj Herald), que a inlelligencia, dada ao trata-
do por Mr. Clayton, he a que Ihe d o povo
americano, e este paiz susteuiara essa inlelli-
gencia al sua maior amplid.io. He este um
objecto que nao pude passar desapercebido ;
tao profunda raiz tem elle no animo popular,
3lie O Iioiiii III publiCO (pie lizer lli lie a g r.lll-
e questao americana, e se declarar aberla-
mente a favor da sustentaco do principio que
ellaenvolve, ser o prximo presdeme desta
repblica, lie urna questao que sobrepujar
a todas as outras de menor monta acerca de
tarifas e distribuirlo de trras. E se o tratado
nao for observado em toda a sua extenso e
em lodo o seu espirito, producir inevitavel-
luente, na phrase de Mr. Claytou, o rompi-
jiieiiiu entre os tslados l'nidose a Gra tire-
launa.
(i ll.i quasi teis semanas ( diz ainda o mes-
mo jornal,' que o tenido dos Estados Unidot
do leste para oeste, acoinpanhado de terrivel
trovoada.
0 A'infffiir! Century fazia urna pintura me-
lanclica dos negocioe de Yucatn. De 13,000
a 14,000 soldados, dignos de melhor sorte,
batlain-M nolte e dia com os Indios, llavia
grande escasse- de vveres ein Merida; e o
Mxico nao fornecia com que comprar, qur
trigo, qur plvora.
Os ludios de Sanora tinham-sc cnguerrilha-
do, e assassiuavam os inermes habitantes sem
piedade.
As ultimas noticias do Cabo de boa-Espe-
ranca annunciavam que tendo o governdor,
Sir Uawy Smilh, pariido da capital para o
districto perturbado pelos cafres, fra all cer-
cado por um grande numero delles no For-
tebox; mas que lograra abrir caminho pelo
eio dos cafres, desfarcado em iin|iles sol
dado c acoinpanhado por 250 aliradores do C'a-
bo montados. Dizia-se que esta sortida fra
mui desastrora para os selvagcns; mas que
o governador e a sua comitiva escaparan! il-
lejos ; e que os cafres desciam sobre elles aos
inilhares. O resultado foi que Sir llawy pu-
blicara urna proclamacao, declarando guerra
de exterminio contra os indgenas.
COMMUiNlAOS.
Apreciador do mrito em qualquer parte
onde elle appareca uo me posso despensar
Je tributar-lhe os encomios que lbe sao de-
vidos de juslica. Seria una grande offensa
nense a victoreou, ot elogios que lbe prodi-
galisavam diariamente os bahianos, e mesmo
o que aqui j disse esse correspondente do
Diario de Pernambuco, tudo, est inulto aquem
do alto inercciiuento da Sra. Augusta Can lia-
ni; portanlo nao serei eu que possa dizer
quanlo lbe be o publico desta cidade devedor,
uem tu pouco quanlo ella merece ; todava
quero acompauhar a todos csses que lem sa-
bido aprecia-la, quero igualmente concorrer
com o meu fraco e limitado contingente para
a gloria interuiinavel desta sublime artista.
Ein outro dia darei cunta do eipectaculo
de 2 do corrente, em que ella mimosiou ao
publico cautando urna modiuha brasileira;
e como o farei, se anda no instante em que
estas linhai escrevo, me siuto iinr^ressionado
de lauta (locura? Conbeco que sao fracas as
minbas expressdes, e que para pintar um qua
dro lo embellesaute requer-se tintas inuito
muilo mais fecunda que nao a nimba, mas
far o ouepodr.
?= .F
o leiiniuir Diinunn,
Br. (>eaiuiiiic.
He hoje o dj> do beneficio do eusigne ma-
estro, cujo mue tomamos para epigrapho
de quatro Hullas, que pedimos iicenca ao pu-
blico para escrever; licenca que nos nao de-
ver ser negada, una vez que a outros o nao
lem sido, isso com juslica.
Esse beneficio he concedido ao Sr. Gean-
nine, nao como un favor (bein o sabemos),
mis como una fraca rctribuico do inunenso
trabadlo que sobre elle peza na qualidude
de maestro, ensaiador, e director dos canto-
res italianos, que sem essa enlidade, endis-
peiisavcl nos thealros lyiicos, achar-sc-hiam
grandemente cuibaracados se nao impossibi-
litados de executar msicas de parles concer-
tantes. E te a esse irabalho, j em ti lin-
menso, accomular-se o da instrumentado e
compoticio nao s para canto como para dan-
5a, reconhecer-se-ba que elle excede s forjas
de um s boiiiem, e que o Sr. Geannine, de-
sempenbando-o com pontualidade e enleira
8alislco de Codos, he credor, alcui da estima
a que seu mrito o recommeiida, da ad-
iniraco e considerarlo e toda proteceo pos-
sivel do Ilustrado publico pernambucano.
Artista de talento, inleirameote desenteres-
sado e abslrahindo de paga material, todo vo-
lado ao ccumpriincnlo de seus deveres e a
ii un xito de seus collegas na tcena, o Sr.
Geaniiiue val lioje apresemar-se genero-
i.inle dos peruainbucanos: eremos que suas
coiilianca nao sera illudida, porque seus ser-
vicos ao nosso thealro, e consiguintemente ao
publico que he queiu gosa ahi os dlvertimen-
tos, sao reconhecidos de todos.
A chegada dos artistas italianos forma sem
duvida urna nova rpocba para o treatro de
Sama Izabel, a que hoje apressurada corre a
pnpulaco desla capital, pois que Ilustrada, in-
lelligente, e marchando rpida as vias de ci-
vilisaco, nao se podesubtrabir poderosa in-
fluencia da msica sobre ot espiritol, quando
creaudo a ameuidade do trato, e docura dos
coslumes, substiluc paixes ms e iustinclot
adiemos por senlimentos temos, piedosos e
elevados.
Se, pois, toda proteco e animaran se deve
a estes artistas, doSr. Geanniue se deve mais
que a neiihiiiii outro, porque sua nica paga
he esse beuelicio, segundo o seu contracto,
Seja o publico generoso com esse arlisla,
j que o empresario do thealro o nao pode
ser, para reiribul-lo na rasao do seu traba-
Ibo, comn ciemos era de suainteuco.
A.....
Correspondencia.
Srj. Redactores. O pardo Jos, eteravo de
Jos Huuorli da Fonseca, morador no Rio de
Janeiro, nao yeio como captivo na charra
nacional l'ernainbecana, ebegada a ette porto
no dia i3 do corrente, e tundeada ao mar do
Lameiro; veio tim como ex-soldado, e por
nuil ni do quarlel-general de marinha, com
o supposlu ni,me de Francisco Jucca da Fon-
seca, trazia serviudo-lhe de pastaporte a co-
pia de una baixa de um soldado desle nome,
com a qual talvez arranjasse o embarque na
uieima charra.
60:514,870
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rend ment do dial a 22 2:417,69*
dem do dia 21........ 501,448
2.919,142
RECEBEDORIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Rendiroentododi23......770,111
CONSULADO PROVINCIAL.
Ranrllmentr. do dia 23 1-097,819
Alovimento do porto.
Navio entrado no dia 23.
MaranhSo com esctla pelo Ceara -- 19 dits
e do ultimo porto 10, brigue-escuna na-
cional Laura, de 163 toneladas, capito
Jos de Jess Cruz, equiptgem 14, carga
diversos gneros; a Novaes & Compa-
nhia. Passageiros, os Brasileiros Jos
Urasilino na silva com sua familia, Ma-
nuel Bezerra de Albuquerque, Jacintho
Jos de Freitas, Manoel da Costa Bravo,
o Portuguez Manoel Jos Vieira de Arau-
jo e 4 escravos a entregar.
EDITA L
representar o multo conceltuado eapplaudido
drama em 5 actot: ,
A Cra^a de Dos.
0 artista Bels detempenhara a parte de
/.ou.la/o-N intervalo do l.ao 2.actoaSra.
Candiani c o Sr. Tati cantarao o duetto da
opera- MareicioHa d'ancr. Em seguida a
Sra.Landae o Sr. Vasco execularSo o duetto
na opera- Mainadin -depols do que as Sras.
Baderna e Moreau, dangarao o lindo passo a
d0U, OS JARDINEIROS.
Terminar o espectculo com o ultimo
acto do drama.
Comecars 8 horas. ,
Ot blhetes acham-se a venda no escrip-
lorio do thcatro.
1\ESSURIE19A O DO
Theatro de S.-Francisco.
A Sra. vluva Berteaur a pedido de muilai
pestoas tem a honra de prevenir ao ettlmavet
ublico pernambucano, que texta leira 2b do
corrente, pretende dar urna represenlacao ex-
traordinaria no theatro de San-Francitco, cons-
tando dos Irabalbot segulntes.
Primeiro acto.
Danca de corda por toda a familia, diversos
paesos graciosos executadot por inadanietelU
Genuy, terminando pelot saltos de elevacao
e danca sem maroinba por madauesella Scra-
phina,
Segundo acto.
O carnaval de Veneza, grupo piramidal for-
mado por des pessoas.
Tercetro acto.
Divertot jogos d'aguilldade ntelramente no.
vos.executados pelos jovent remond echarles,
seguindo-se o jogo da tranca por Mr. Ber-
teaux.
Quarto acto.
Ot jogos Icarios por Mr. erleaux e teus dous
filhos-'
Quinto acto.
Pantomimo por toda a companbia intitulado
uarltquim immovel.
OL'ADROS VIVOS.
I. I iv.
At tret gracas. | A F, Etperanca eCa-
I ridade.
II. I v.
O ciume I A'danja das Nymphai,
III I VI.
O roubo de Orpho. | O roubo das Sabinas
PRECOS DOS nll-BKTBS.
Camarotes de prlmeira ordem de frenle rs.
6000 ; de lado 4/00o rt. ; de tegunda ordem
de frente 8/000 rt.; de lado 5/000 rs. de ter-
ceira ordem 3/iiOOrt. Platea 1*000 rs.; varan-
da 500 rt.
As pessoas que desejarem bilhetes com an-
tecedencia, poderao dirigir-se ao mesmo
theatro. ____________^_____
De Ordem do Illm Sr. Inspector da the-
souraria de fazenda d'esta 'provincia se faz pu-
blico que, nos dias 19, 50, e 21, do mez de
maio prximo futuro, se hade arrematar, ein
hasta publica a quein por menos fizer, o ser-
vico da capalazla da alfa ndega d'esla cidade,
por lempo de tres annos, que decorrera do
primeiro de julho do corrente anno ein di-
ante. As pessoss pois que te proposerem a
dita arreinatacao, compareco, nos indicados
diat, na talla dat sesses da mesma theso ti-
rara, as horas de seu expediente, munidas,
das competentei habilitacoes. E para constar
se publicou o presente pelo jornal. Secreta-
ria da thesouraria de fazenda de pernambuco
19 de abril de 1851. =No empedinienlo do of-
iiei.il maior.
Antonio Luit do Amara/ e Silva.
Declara $So.
Avisos martimos.
Maranho e ara.
O brigue-escuna nacional Arcelina desti-
na-se para aquelles portos; j tem maior
parle da carga prompta : para o restante
trata-se com J. B. da Fonseca Jnior, na ra
do Vigarion. 23, segundo andar.
Para a Baha sabe em poucos dias o hia-
to Amelia, por ter ptrle da carga prompta :
quem no mesmo quizer carregar, emenda-
se com os consignatarios, Novaes & Com-
panhia, na ruado Trapiche n. 34.
Por preco commodo.
Vende-se a muito veleira e galante escu-
na brasileira Adelaide, le porte de 45 tone-
Uil;.s-, forrada e encavilhada de cobre, e per-
feitamente apparelhada, a qual se acha fun-
deada confronte o caes do Ramos, onde po-
de ser examinada : os pretendentes podem
dirigir-se ra do Trapiche o. 11*.
Navios a carga.
Para o Rio Grande do Sul, o brigue na-
cional Carloi, capilSn Jos Joaqnim Soares,
segu em poucos dias, por ter dous tercos
de sua carga promptos : para o restante,
passageiros, para os quaos tem bons com-
modos, ou escravos a frete, trata-se com o
referido capilflo, ou com os consignatarios,
na ra da Cadeia do Recife, armazera n. 12.
A barca portugueza Espirito Santo sa-
be impretcrivelmente para o Porto no dia
30 do corrente : ainda recebe alguma carga
a frete e passageiros, para o que tem ex-
cellentes commodos : os pretendentes di-
rijam-se ao consignatario, Francisco AI ves
da Cunha, na ra do Vigario n. 11, primei-
ro andar.
- Para o Rio de Janeiro, a galeota nacio-
nal SS. Trindade, san por estes dias: an-
da recebe alguma carga a frete, para o que
tratase com Francisco Alves da Cunha, ra
do Vigarion. 11, primeiro andar.
Para o Par.
A escuna nacional Emilia, de que he ct-
- Hela tripolaco da barca de escavacao fo'pilao e pratico Antonio Silveir Haciel Ju-
apanhada urna canoa de carreira, que hia por nior, deve chegar do Par* por estes das, pa-
agoa abairo j quasi na voltado Pbarol da bar-|ra onde voltar em direitura com a maior
ra, quem, pois, sejulgar com direito 3et-l brevldade : quem na mesma pretender car-
ina canoa compareca netta capitana, as bo- re(r8r poder entender-se com JoSo Carlos
ras do seu expediente, se entender eom o Alf ',' da silva, na ra di Cruz n. 13, ar-
abaixo assignado.
Capitana do porto de pernambuco 23 de
abril de iS.'.i.
Ilodrigo Theodoro de Freitat
capito do porto.
Theatro de Santa-Isabel.
RECITA EXTRAORDINARIA EM BENEFICIO
DO MAESTRO JOAQUIMGIANNINI.
Quinta-feir, 24 de ubrit de 1851.
Depolt da execucao de uina dat melhores
ouverturat a companbia nacional reprcaea-
t.-ir.-i o muito Inlerettanle drama em 5 aclos e
1 prologo
Pedro -lili, que ja teve c agora
nao tem.
No lim do prologo,o Sr. Tali cantar a gran-
de tcena e aria da operaJI Jiravodo maes-
tro Mercadante.
No intervallo do primeiro ao segundo acto
as tenhorat Haderna, Moreaux e o Sr. Jos
De-Veccbi, acompanhados de figurantes exe-
cutaro o DiverliiiementIntitulado
A rainha dat flores.
Composico doSr. Jot bc-Vccrh.
No intervallo do tegundo ao terceiroacto a
tenhora Candiani cantar a excellente aria da
operaA l'r.iudo maestro beneficiado.
No primeiro acto, na occaso do festejo pelo
casamento de Pedrotem, o amigo Lourenco
( o Sr. Silvestre) cantar una aria anloga,
composico do maestro beneficiado.
Terminar o etpelaculo com o ultimo acto
do drama.
He cite o espetaculo que o beneficiado tem a
honra de ollerecer ao lutelligente publico del-
ta capital, de quem etpera apoio e acolbi-
llavia o capito Manoel Joaquim Gomet
recebido ordem de um scu amigo do Rio de
Janeiro, anterior a ebegada da charra, para' ment',
requerer polica a captura dette escravo, I Os bilhetes achtm-se a venda no escrio-
no caso d elle all vir, requereo e obleve urna torio do Ihnatrn
portara do Illm. Sr. deteuibargador ebefe de i
polica para cite lim, dirigida ao Sr. Quicial
qual Ihe
ra l u ii-
e ter
55 RECITA DA ASSIGNATURA.
SAliutuO, 26 UK ABRIL DE 1851.
Eilrta do artista dramtico los da Silva Res.
bel, cantora, cuja voz extensa, doce, agr- I gitirado n'.quelle da, e o pardo aproveiundo Uepoii de urna dat melhoret ouverturat,
davel e melodiosa tem o mgico poder de pe-' >W> de um escaler que veto n aquelle i abrlr-te-u. a tcena, e a conipanbia nacional
gusto i
mazem.
Para Lisboa she por todo o mez da
abril o brigue portuguez Conceicio de Va-
ria : quem nelle quizer carregar ou ir de
passagem, para o que tem excellenles com-
modos, dirija-se aos consignalarios. Tho-
mazdeAquino Fonseca &Filho, na ra do
Vigario n. 19, primeiro andar, ou ao capi-
13o na praca.
Para o Rio de Janeiro sahe breve a ga-
eota SS. Trindade i quem na mesma qui-
zer carregar ou ir de passagom, dirija-se ao
seu consignatario, Francisco Alves da Cu-
nha, ruado Vigario o. II, primeiro andar.
Para o Citar sahe at o lim do corren-
te mez a escuna nacional Marta Firmina,
capit3o e pratico JoSo Bernardo da Roza,
por ter o seu carregamento quasi comple-
to : quem na mesma ainda quizer carregar
ou ir de passagem, pode cnlender-se com o
consignatario da mesma, Luiz Jos de S
Araujo, na rus da Cruz n. 33,
Leiles.
Schafheitlin & Tobler farfio leilao, por
intervengSo do corretor liveirs, de um
completo sorlimento de fazenlas, '"||IS
pr6prias do mercado : quinta-feirt, 21 do
correle, as 10 horas da manhaa, no seu
armazem, ra da Cruz.
Rrender a Brandis &Companhia farao
leilSo, por intervenr;3o do corretor Olivei-
ra, de diversas ferragens para concluir fac-
turas, ede muitas cutillerias alemaes, e
outras, assim como de miudezas ; advertjn-
do-se aos freguezes, que a mor parte dos
mencionados artigos ser3o vendido sem
reserva, pelos presos que se ofTerecereai:
sexat-feira, 25 do crrente, s 10 horas da
iiiaima, no seu armazem, ra do Trapiche
Novo u. 16.


Avisos diversos.
Preci38-se do urna ama forra para cozi-
nbar o comprar na ra : a ir,-.lar na ra lar-
ga do Rozario n. 48. pallara.
Perdpu-se um lenco de marca no bai-
le de mascaras de Santa Isabel, com as ini-
ciaos KA. M. : quem oachou e quizer ter
a bondade do o restituir, pode manda-lo-
ra Nova n. 8, loja, que so llie ficar muito
agradecido.
Precisa-se de um feitor expedente em
plntateles de sitio: a tratar na ra da Ca-
lleja do Recife n 60.
O Dr. Francisco de Paula Baplista, mudoii
a sua residencia da ra d'Aurora, para a ra
Direita, n. 32, piiineiro andar.
- Precisa-ae alugar urna mulher idosa, i|uc
compre e cosinhe para- urna pcasoa : na tra-
vessa dos Marisrios n. 5, sobrado de um an-
dar. Na inesina casa aluga-se uina casa ter-
rea, ou pequeo sobrado, nos bairros de San-
to Antonio e San Jos, cujo aluguel mcnsal
nao exceda de I0# a 12/000.
O abaixo assignado faz publico, que
pessoa alguina compre c nem Taca outro qual-
quer negocio com a casa da Camba do Car-
ino, n. 8, por se achar subjeita, por una
obrlgaco passada em 15 de seteinbro de 1849
pelo proprictario, quantia de 325/201 ris e
aeus juros; e para que nao apareca duvidji
para o futuro faz o present-, Recife, 23 de
abril de 1851.Jodo Goncalres Lucas Lisboa.
Sr.reiator.~-Sendo eu morador em Carlris-
Velho e como la diz o ditado dos autigos que
a necessidade tem cara de erege be que me fez
perder o amor da minha familia por alguna
mezes, e vim trabalhar as obras publicas da
estrada da Victoria, felismcnte foi-me mui-
to bem porque encontrel um chefe que nao
.1,1 iini ehele, era um pai amante dos seus li-
llios. e desde que o Sr. Miletdeichou a dlre-
cao desta estrada, e licou provizoriamente o
Sr. Portier este inesmo Sr. se quitesse entre-
j>ar-se ao trabajho de vir fazer mesmn o pa-
gamento, nos niio tinha-mos sofrido tanto de
umcbarlato que o Sr. Portier mandou para
faier o pagamcnto'do 1 a i5do corrente mez,
eite cbarlalo parece-me que est acoquina-
do a lutar com fabricas de engenho, trata-nos
o peior pbssivel e nem admite razo, por
este motivo Sr. redator he que eu lanco
man da tousca pena para dizer que no lempo
em que o Sr. Milet este7e cocarregado da d-
recao desta estradasempre tinhainos de 8 cm8
dias pagamento e nunca sufremos tanto, pois
pode o Sr. Milet contar com os meus fracoi
serviros era qualqner parte que o destino me
conduca. Sou, Sr, redator. ele.
A7. J. de S.
operario
Bcnto-Velho 19 de abril de i85i .
O abaixo assignado faz sciente a todos os
aeus credores tanto do commcrcio, como par-
ticulares que o Sr. Candido Alberto Sodr da
Milita, negociante, dirigio-sc a sua venda no
pateo do Paraizo, no dia l3 do corrente, e diise
ao abaixo| assignado que vinha por si, e por
parte dos mais credores lomar cunta da ven-
da ; como de laclo que tomou conla tanto da
niesiiia venda, como tambem de todos os II-
vros, e papis que pertenciam a mesma ; e
sein dar halan.;.> feichou as portas, e levou
coinsigo as chaves ; sendo ludo isso procedido
sem inlervir Icrino alguin judicial : E como o
abaixo assignado nao leuha mais bens alguns
com que possa pagar a algum credor que uaa
ior pago, ou que seno apresentar para ser
pago por isso faz sciente a todos seus credores
que se dirijatn a casa do dito Sr. Candido pa-
ra serein pagos de suas quautias que o abaixo
assignado for devedor por inteira, ou em ra-
teio no cazo que o producto da venda nao che-
gue, licando com isso os inesmos pagos, e sa-
tisfeitoi, e o al.ai ni assignado desonerado dos
restantes dos dbitos que bouver contra si ou
de qualqurr debilo que nao for apresentado
em lempo competente, una ve/, que o abaixo
assignado declara nao ter mais bens com que
possa pagar, e para constar a todos faz o pre-
sente anuncio afun de que nenhum de seus
credorca fiquem prejudicados. Recife 22 de
abril de i85i.
Francisco Antonio de Miranda.
Rogase ao Sr. Sob-delegado da freguezia
de S. Pedro Marlyr de Olinda a quem boje
perlence o districto de llibiribe baja de Unen-
as suas vistas policiacs para aquella povoaco
a verse espalha um bando dei.ebrioi, por ofii-
cio que nella continuamente se ajuntam, ja
com palavradas ofiendendo a moral publica,
j com puchameoto de facas, e ja finalmente
jiromovendo ttesordens proprlas de arrieiros,
o que continuando assim nao admira o acn-
tecitnento de algum sinistro que quasi tcin-
prc seiiielh.unes vicios ar.arrctaiii.
Quem pergunta quer saber.
~Perggnla-sc ao annunciante do Diario de
Pernami uco de i7 do corrente, que, oruan-
do-se com os denles cahidos dos quexos do ca-
saca, (i. nuil tte responder ao pedido do.clari-
'iii 11 feito ao emprezario do theatro de Santa-
l/.ahel, se a sua resposla he dada em proza, ou
fin verso, se no segundo caso si-r o seu ver-
lo solt ou rimado, ou se a resposla ser igual
aos estallos, e sios, que deu ou mandou dar na
segunda vez que foi a acea o dramaA dego-
/ii'i.i doi Innocentes? Tudo i sin quer saber,
O poeta arrependido
Offercce-se nma mulber para ama delei-
te : na ra da Mocil. n. 35.
- Uina mulher pobre e honesta, se propc
a enainar meninas por proco commodo, eo-
lito bem, costura, lr e escrever; e admite
tambem escravas. Quem do seu presumo pi ca-
lar pode dirigir-sc a ruado t'ogo casa onde tem
o lampio novo.
Precisa-sede um homem para traba-
lhar em um sitio, que entenda de planta-
cOes i na ra larga dy Rozario, venda nu-
mero 46.
-Aluga-se um segundo andar com so-
tfloe cummodos para grande familia, na
ra da Cadeia Velha ti. 17 : quem o preten-
der, siirii i -si- luja du mesmo, quo ahi
adiar com quem tratar.
O abaixo assignado faz sciente ao pu-
blico, que deixou de ser caixeiro do Sr. Jo-
te Comes Moreira, o ao mesmo lempo apro-
veila a occasiDo para, por meio desle, llie
agradecer o bom tralatnento e eslima que
recebeu, e de toda a sua familia, durante o
tompoemquena sua casa estove. Recife.
22 de abril de 1851.
Nanoel Antonio de Souta Ribeiro.
-- A pessoa que no Diario de lioutem ( 21
de abril) se otfereco para caixeiro, e que
diz ter bastante ortica de venda, queira di-
rigir-se a ra do Queimado, luja de ferra-
gens n. 14, para tratar.
-- Acha-so contrtalo a compra da pada-
ni da ra da Gloria n. 55, so algueai se jul-
garcum direito a ella, dirija-se mesma,
a enlender-se com Francisco Jos de Mal-
los llrtga : isto no prazo de oito dias.
Hecifc, 22 ile aliiil de 1851.
Aluga-se urna ama forra ou escrava pa-
ra pouca familia : na ra da Calcula, de-
fronte do sobrado amarello, ou atrs de S.
Jos, casa de Jos Ignacio de Muraos Passos.
Turto.
iini tranceln de borracha, roga-sc a quem f<" ofTerecido queira tomare participar ao dono na
ra de S. Cruz n. 26 que aera gratificado ge-
nerosamente, ou no Porte do Mallos n. 8.
Tenda na noile dodia2l do corrente en-
tregado-se um cavallo aellado a um prelo
para trazer da Passagcm para o Recife, em ca-
nii niio o*cavallo deilou o preto no chao, e pela
nea noile foi ter ao sitio de Joaqnlm da Silva
Lopes sem o selim, o qual he feito na ierra
com estribos d'acoe arreios brancos de couro
ingle/., tuilo em muito bom tizo quem soubcr
ou o tiver achado leve-o na ra da Madre de
Dos armaaem n. 20 que ser generosamente
recompensado.
Mauricio Norat retira-so para Macei.
-- O Sr. acadmico Jos Roberto de S Ri-
beiro queira mandar buscar urna carta, na
ra do Vigario n. 23, segundo andar.
Antonia Maria da Trindade, subdita
portugueza, retira-se para Lisboa, e dcixa
Dorseu bastante procurador ao Sr. Manoel
de Souza Guimares.
Na praca da Independencia n. 17, exis-
to urna carta, vinda do Rio de Janeiro, para
o Sr. Caldas, que morou ua ra do Rozario
larga n. .30.
%3
Furtaram de uina caa ni ra do Cotuvello
no dia 22 do correle, pelas 11 horas da na-
nliaa um relogio de ouro, mostrador de prata,
de \idio, e uui lonelo le praia domado coui
Precisa-se alugar urna preta forra ft
ou escrava para ama de urna casa de 8
pouca familia : na sua das Cruzes n. j
28, segundo andar. T
ir^.wiw. mwmm iot^
Jos da Silva Campos faz
sciente, que vendeu a venda sita
na ral Direita n. 72, a Soares &
Companhia. Toda a pessoa que se
julgar credora a mesma venda ha-
la de apresentar sua conta corren-
te legal no prazo de oito dias, con
talos da publicacao deste, lindos
os quaes se nao responsabilisa por
qualquer conta que se llie apresen-
te, Recife, 22 de abril de l85l.
Precisa-se alugar um primeiro ou se-
gundo andar de urna casa, que tenha com-
modos para urna familia, j. referindo-se no
bairro de Santo Antonio, ou mesmo seto-
mar toJos os dous andares, paga-se bem :
bo Passeio Publico, loja n. 11.
As tres horas da tarde do dia
3o de dezembro prximo passado
/esappareceu da casa do deposita-
rio francisco Jos Arantes, o ca-
bra de nomo Pedro, pertencente
ao Sr. Dr. Pedro Bezerra l'ereira
de Ai aiijo Beltrao, com os signaes
seguintes : cabellos caixados, bra-
co esquerdo alejado, cicatrizes na
p e do braco esquerdo, e outra
no estomago de um laceada ; quan-
do falla finge ser gago, muito pro-
sista e canli dor ; levou camisa de
riscado azul e caira de algodSo
transado, listrado, americano: ro-
ga-se a policia e aos capitaes de
campo, se o virem, de o pegar e
leva-lo ma;ta da Torre, sitio do
Leao, ou no Recife, ra da Cadeia
de Santo Antonio, armazem de ti-
j lo.
-- O bacbarel P. C. Pessoa tem o seu es-
criptorio deadvogado na ruado Queimado
n. 32, primeiro andar, onde pode ser pro-
curado das 8 horas da manliSa at s 3 da
tarde.
Precisa-se de urna ama para fazer as
compras e o servico interno do urna casa de
la 11 ilia : na ra Bella n. 23.
Socicduuc Apolliiiea.
A direcc,3o da sociedaJe Apolliiiea convi-
da iu Srs. socios, que se acham quites pa-
ra com a mesma sociedade, a comparece-
rem em sessSo geral no da 25 do corrente,
pelas 5 horas da tardo, aflm de tomar- sr
uuia deliberarlo definitiva, se se dever
qpnlinuar ou dissolver a mesma, a vista do
seu estado.
-- Tendo fgido do Recife, em outubro
de 1848, um pardinho claro, de nomo An-
Ir, cabellos louros, olhos grandes, de 11
anuos pouco mais ou menos, dizem que
anda como forro ; suppes estar em Plane,
onde tem a av, a parda de nome Thereza
de Jess, irmOa da parda Ignacia, que foi
escrava do Antonio Bernardo, morador em
Flores, o que para aqu fugio em 1849, di-
zem que com una carta de alloma falsa,
passada pelo escrivBo Manoel Vicente Con-
calves Avres, roga-se a quom o epprahen-
der de b levar no Recife a Manoel Alves
Guerra, qne receber a gratificarlo de com
mil ris.
Pakenham \V. Bealty retira-se para f-
do imperio.
-- Antonio da Silva OusmSo embarca pa-
ra o Rio de Janeiro o seu escravo, pardo,
de nomo Joa'o.
Custodio Fernandes Lopes, subdito por-
tuguez, vai Portugal tratar de sua saude.
-- Raymundo de nacSo Costa, Aiiaslacia
de afio Nag, Roza de nac^o Costa edous
lilhos, sendo um de nome Manoel e outro
de nome Domingos, crioulos, retiram-se
para a Baha.
Desappareceu, no dia 11 do
corrente, um prelo de nome Cle-
mente, de nacao Costa, de 35 an-
nos, estatura e corpo regulares,
com um defeito em a mo diieita,
proveniente de um talho que re
cebeu sobre o mesmo braco, tem
mbcm um outro sobre a cabera
que corresponde a testa, com al-
guns tullios que mal se percebem
sobre as faces [marca de nacao].
Este preto andava a vender pues
para as bandas deTegipi, por is-
so desconfia-se que tenba levado
deslino pela estrada da Victoria,
ou eolo talvez esteja acoutado
nesta praca : roga-se, portanto,
I "'.. fc tan juni jiii un., uua iwv,w uijMi....
S autoridades policiacs, capilues este negocio ,annuncie por eiia folha.
de campo, cu outra qtr Iquer pes-
soa particular, que o npprehen-
dam e levem-no ra Imperial,
sobrado n. 3i, que se recompen-
sar generosamente a estes.
t) Consultorio central lioiiioro- m
ti putliico de Pernmnhiico, %
Dirigido pelo Dr. S. O. L. Pinho, ,>
*') Ruado Trapiche Novo n. 15.
))) Todos os dias uteis sedarSn con- 4
k> sullas e remedios de graca aos po- -}
O bres, desde pela manhSa at as duas %
# horas da tarde. (%
te As correspondencias e nformacOes 4
W poderao ser dirigidas verbalmente,
O ou por escripto, devondo o doente -;4
te indicar primeiro, o nome, a dado, *
te estado, pronsso econstiluirfio; se- (#
te fundo, as molestias, que tem tido, e (%
te os remedios tomados ; terceiro, a po- #
te ca do apparecimentoda molestia ac- l
te tual,edescripc3o minuciosa dossig- 9
til naes ou symptomas que soffre. 4
te Dr. Sabino Olegario I.udgero Pinho. '
Antonio de S l.elt8o, achando-se do-
ente de cama ha mais de 15 mezes, e nao
sabendo quando Dos ser servido restabe-
iece-lo de sua molestia, e achando-se por
isso impossibilitado de dirigir o seu estabe-
lecimento de loja que leo na ra do Quei-
mado, tem resolvldo vender a dita loja a
lim de pagar a seus credores: quom lbe
convier comprar, dirija-se ao Sr. Jos Anto-
nio Rasto, proprictario da casa onda esta
dita loja, que nflo pOe duvida na transferen-
cia de dita loja, e est encarregado de effec-
tuaedita venda.
O Sr. Frederico G. Elster compareca na
esquina da ra doCabug, loja n. 11, para
fmalisar certo negocio que nao ignora.
O Sr. Francisco Xavier Carneiro da Cu-
a Campello compareca na esquinada ra
Cabug n. 11, para realisar certo nego-
cio que o mesmo Sr. n3o ignora.
Jos da Maya contina a dar licOes de
inglezede escripturacfio commercial em
sua propria casa e as particulares ; e pode
ser procurado todos os dias no escriptorio
dos Srs. C. Starr& Companhia, na ra da
Aurora, das 8 horas da manhSa s 2 da
tardo.
Aluga-se urna casa as se-
guales ras : lloilas, Agoas Ver-
des, pateos do Carmo e do Ter-
co, c ra do Rangel : quem a ti-
ver e quizer alugar, dirija-se ra
da Fraia n. 55, typograpbia, que
ah se dir quem precisa.
Precisa-se de um caixeiro que enten
da de escripturac5o simples, escreva com
ortographia e enleoda alguma cousa de
mercadorias, para urna casa e loja em Ma-
cei .-quem estiver neslas circunstancias,
dirija-se ra do Crespo, ao p do arco nu-
mero 3.
Precisa-so de um feitor, que seja tra-
balbador e fiel, para um sitio : quem esti-
ver nestas circumstancias, dirija-se ra da
Assun peru 11. :iii, ou ao Cequia, defronle
do engenho, no sitio ds Sra. D. Archan-
gela. ,
Aluga-se um sitio dentro Mu praca,
com a frente para o becco das Barreiras,
proprio para se plantar um tu lo, por ter
boas trras, e por commodo preto : a tra-
tar na ra do Cotovello ns. 29 e 31.
Precisa-sede urna ama, que engomme
bem e lave, smente para esse lim: na ra
Augusta n. 3.
Aluga-se a coxeira da ruado Tambi,
no fundo do sobrado n. 12 da ra do Ara-
gao, com bous cuniiiniliis e por pre^o mo-
derado : a tratar na ra do Colegio n. 16,
primeiro andar.
O abaixo assignado faz sciente ao pu-
blico, que o Sr. Jo^quim dos Anjos Soares
deixou de ser seu caixeiro desde o dia 17 do
corrente. -- Antonio Ferreira da Costa Braga.
#JMI #*## #(t#5:'**!W*
Consultorio hoiiiatopatilico cid.9
.. Pe rna 111 buco (sj
^ Ba Nova n. 58 ->
te DIRIGIDO PELO J
i- Dr. J. S. SANIOS JNIOR. #
>i Consullas e remedios de graca aos po- *
t^n bres todos os dias uleis desde di 8 horas
te '/" miiiiliaa a urna da tarde. 4
J. Keller & Companhia fazem sciente
que oSr. Leonardo SchuliT so despedio de
sua casa desde o dia 15 do corrente, dei-
xando por isso do ter toda e qualquer ge
retira em os seus negocios.
prensa sr an un feitor ( dando-se pre-
ferencia a Poituguez lilho das llhas ), que
seja casado, para um sitio 110 lugar do
Remedio, que saiba trabalhar do enxada,
tratar de arvoredos, de verduras e de flo-
res, e d fiador sua conducta, com a paga
de 18,000 rs. por mez : quem estiver nestas
circumstancias, dirija-se ao porteiro da al-
fandega desta cidade.
Achou-se na matriz do SS. Sacramento
de Santo Antonio do Recife, no dia quinta-
feira santa, um livro de oraces e um len-
co : quem for seu dono, dirija-se mesma
matriz pela manhSa, ou na ra das Trin-
cheiras, sobrado de dous andares n. 48, 110
primeiro andar, a fallar com o padre Ma-
noel Florencio de Albuquerque, que, dando
os signaes, se Ihe entregara.
Aos artistas.
Andradc & Leal precisan para a sua
fabrica de caldeiraria. na ra Imperial ns.
11-8 e 120, do officiaes de funileiro e de IV1 -
reiros de forja ; tambem se recebem apren-
dizes para' as diversas officinas que se
acham na dita fabrica : os pretendenies po-
derSo enlender-se na mesma com o socio
administrador Manoel Carneiro Leal.
Desaparecen do largo do palacio da pre-
sidencia, uina cabra bixo com um cabrito de
cor vermellia. tanto a cabra como o cabrito;
quem delta dr noticia, ou quier restituir ao
aeu dono, leve-a ra do Rozario Larga,
n. 32, que ser recompensado.
Aluga-se um sitio com decente casa para
inoradla, cora bastantes arvores de fructo e
trras para planlaces, peno desta praca c
por pre9o coininoJo ; quera o pretender pode
procurar no Recife, ra do Trapiche-Novo,
n. 18 aegundo andar, que lhe Indlcaro onde
be o diio litio.
~ Preclia-se de 150,000 rli apremio, por
algum ineiei, e para garante empenha-ie um
escravo de lodo o servico, cujos servicos lica-
1 .ni pelo premio dos 150,000 ; a qnera convier
O abaixo assignado, roga ao Sr. Nicolao
Rodrigues da Cunba, que tenha a b.mdade
de mandar pagar a quanlia de 127,040 : sendo
(0,800 em uina letra, vencida cm 20 de julho
do anno panado, e 6(5,240 importe de tres
barra com manteiga, que me comprou era
12 de goato do anno paisado, o qual talvez
nao tenha feito por ignorar.
Candido Alberto S. da Molla.
Aluga-se o segundo andar do sobrado
da ra Nova n. 25 : a tratar na loja do mes-
mo sobrado, ou na ra da Cadeia do Reci-
fe n. 42, com Antonio V. da Silva Barroca.
Offerece-se um rapaz brasileiro para
ensinar meninos fra da prar;a ou em qual-
quer engenho, do que tem bastante pratica
m prmeiras leltras e lingoa nacional :
qualquer pai de familia quo de seu presu-
mo se quizer utilisar, dirija-se ra estrei-
ta do Rozario n. ti, ou annuncie.
-- Aluga-se o segundo andar do sobrado
silo na ra do Rangel, defronte da botica.:
a fallar na ra do Cabug, loja do Joaquim
Jos da Costa Fajozes.
Olllm.Sr. tenente-coronel Jos Luiz
ReltrSo Mavignier, queira por [obsequio ap-
parecer na ra da Madre de Dos n. 34, se-
gundo andar a certo negocio.
Previne-se ao publico, e especialmente
ao Sr. Dr. J. A. Sou/.a llellrao de A. Percira
que a casa da ra da Concordia de Manoel Ig-
nacio das Candelas se acha bypothccada ao
abaixo assignado, registrada competentemente
no cartorio das hypothecas. Recife, i5 de abril
de 1801,(ialdino Joo Jacintho da Cunta.
> Rna das Cruzes n. -">'. (>
A Consultorio hommopalhico do faculta- fS
-1, tino J. f. Casanova.
m Gratis para os pobres.
m Na ausencia do facultativo J B. Ca- X
!? sanova, o professor homceopatha **
* Cosset Bimont continuar com os 9
' trabalhos do mesmo consultorio,on- &
& de poder ser procurado a qualquer O
3 hora. O
--No dia 16 do corrente perdeu-se, desde
o lugar da estancia at o pateo da Santa
Cruz, duas leltras, sendo urna da quantia
de 497,400 rs. sacada por SebastiSo Jos da
Silva em M de outubro do 1850, aceita por
Ignacio Jos da Silva, a' vencer em 19 de
abril ron etil e garantida por Joaquim An-
tonio dos Sintos Andrade, outra de 570,000
rs. sacad por Joaquim Antonio dos Santos
Andrade em 29 de outubro de 1850, aceita
por Valentim da Silva & Companhia, a ven-
cer em 29 de abril corrente, ambas foram
descontadas na casa de cambio de Manoel
Joaquim Silveira, assim como urna obriga-
e,"in de Jos Comes da Silva, passada a favor
de Francisco Correia Vieira, da quantia de
500,000 rs cuja foi passada em 3 de feve-
reiro de 1850, do que j r-stao scientes os
ditos devedores, anuo pagarem senHo ao
abaixo assignado : quem achar ditas leltras
e nimbaran as levara no Forte dos Millos,
|i'rni;.i dealgodo n. 1, de Manoel Jos da
Silva Braga, ou no sitio da F.stancia, ra
Real n. 2, quo ser generosamente recom-
pensado ; adverte-se que as ditas ledras e
obrigacSo eslHo emhrulhadas em um lenco
encarnado. francisco Correia Vieira.
do urna perna, isto mesmo nfloa prohibo do
todo e qualquer servico, e nem he de risco
algum "na ra da Cadeia do bairro de San-
to Antonio n. 25, segundo andar.
-Vonde-se couro de lustro, a'~rs;"
pello : na ra da Cadeia Velha n. 17, loja do
miudezas. .. _.,
- Vendem-se luvas de seda do cor para
homem, a 1,000 rs o par: na ra da oa-
deia Velha, loja de miudezas n. 17.
-- Vendem-se muito bom doe secco
goiaba e iraca, bem como om caixOes :
ra Direita u. 12, primeiFO andar.
JJilh.tesdo Rio de Janeiro.
Na foja de miudezas da praca da Indepen-
da n. i, vendem-se bilheles inteiros, meios,
Hilarios, oitavos c vigsimos da decima-quaria
lotera a beneficio do Theatro de S. Pedro de
Alcntara. Sa ineinia loja recrbem-ic bilhc-
tea premiados de todas as loteras era troco
dos que tem a venda, e tambem se inosirain
as lisias.
de
na
S
O"
u
= r3?=
=,7;
.no
o O R
a O c.
O- -
2 52
<0 G
.a
o
= ?H
u
u
(J
<
(impas.
Co npram-se cscravos de ambos os se-
xos robustos, para dentro e fra da provin-
cia : na ra larga do Rozario u. s, primei-
ro andar.
-- Compram-se 36 travos de 40, e 54 pal-
mos de sacada de peJra : na ra Direita nu-
mero 3.
Compra-se urna escrava mo;a, criou-
la, quo iiSo tenha vicios nem achaques, e
que saiha engommar e cozinhar : na ra do
Queimado, loja de ferragens n. 37 A, de
Antonio Jos Rodrigues de Souza Jnior.
Vendas.
Na venda da ra da Aurora ti. 32, ven-
dem-se os seguinte-t gneros : vinlo do
Porto, feitoria, engarrafado, a 500 rs o mo-
lido, a 300; dito de Lisboa, n 280 e 240 ;
dito da Figueira, a 240; dito branco de Lis-
boa, a 320 o 280 ; azeite-doco, a 600 ; dito
de coco, a 400 ; dito de carrapato, a 240 ;
azeite retinado francez, a 560 ; vinho mus-
calel, a 400 ; cerveja, a 480 e 320 ; pratos o
tigelasde 10 a 80 ; tigelinhas, a 800 quei-
jos, a 1600 ; genehra de Dolanla em fras-
cos, a 500 ; dita em botijas, a 300; latas
com marmrlada, a 400 ; velis do esperma-
ceti, a 610 ; toucinho de Lisboa, a 200 ;
manteiga inglcza, a 800, 720 e 640; dita
franceja, a 560; evadinha, a 120; cevada, a
80 ; tapioca, a 120 ; farinha de trigo, a 100 ;
arroz do Maranhfto, a 100 e a 60 ; caf, a
160; liaiiha de porco, a 320; lingoiras,
400 ; pus sus, a 240; letria e talharim, a 240
macnrr3o, a 160 ; cha hyson, a 1,800 ; 4it
!os
a a>
o.t;
m 0 M
c*. x r-4 0 ro - s
O 3 3f 1 O tu r, *m
B 3 te T3 3 n 8 0
9 O 3 n O o 9 O O i (A
sus ai"""" o BO 3 en a m S3- a
O > o B Q 0 35 5 O m
0 Ca) >J -j (D
2 8l8i|*i
=j B S-Sfi-a S 11'.i aJ a asa
3 O _
o : 'j o
'^ er- ^.

Vende-so urna preta de 16 annos, que
sabe engommar e coser: na ra da Guia n.
9. Na mosma casa tambera vende-se urna
preta com duas crias.
Chirotes para carros.
Vendem-se excellentes chicotes ioglezes
para carros, chegados ltimamente : na ra
do Trapiche Novo n. 18, escriptono de Edu-
ardo H. Wyatt.
Vendem-se 6 escravos acostumados a
todo o servico de engenho, muilo desem-
barazados, do urna p -ssoa que se setira pa-
ra a praca ; dous ditos para todo o servico ;
2prelas, que engommam muilo bem, co-
sen, cozinhamefazem todo o mais servi-
co ; 3 ditas muito boas quitandeiras, que
fazem todo o servico de uina casa ; urna
parda, que engomma bem, cose, lava e co-
zinha : na ra da Cadeia do Recife n. 51,
primeiro andar.
Sellins inglezes.
Vendem-se sellins com todos os perten-
ces, a saber : cabecadas, estribos d'ago, si-
lbas, etc. ; assim como di-.os proprios pira
viagem com coldres, macas e mais perlen-
ces, sendo tudo da mcllror quahdade pos-
sivel : na ra do Trapiche Novo n. 18, es-
critorio do Eduardo II. Wyatt.
Lotera do Ro de Janeiro.
Aos 20:000,000 rs.
Na ra estreita do Rozario, travessa do
Queimado, loja de miudezas 11. 2 A, de J. V.
dos Santos Mava, vendem-se os mui afortu-
nados bilheles', meios, quartos, oitavos e
vigsimos a beneficio da fabrica de vidros
deS. Roque, e da fabrica de papel de Zefe-
rino Ferraz.
Para o invern.
A 2,240 rs. um corto.
Na loja n. 5, de Cuimares & Manriques,
vendem-se cortes de casimira de algod3o,
muilo encorpados, padrees escuros, com 3
3|4covados, pelo barato prego de 2,240 ra.
cada um corto ; assim como outras minias
fazendas baratas.
A 56o rs. cada um.
Na loja de Cuimarfies & Manriques, na
ra do Crespo n. 5, vendem-so lengos de
seda, muito linos, para meninos, pelo bara-
to preQO do 560 rs. ; chapeos de sol de pn-
ninho, .1 Mii.ne'iii de balcia, a 2,000 rs. ; o
antigo algodilo transado monstro, a 800 rs.
a vara.
Corles de casimira elstica
pola diminuto preco de 6,000 rs. cada um,
acham-se venda na ra do Crespo n. 5,
loja que volta para a ra do Colegio, lti-
mamente chegadas.
-- Vende-se urna crioula para fra da pro-
vincia, que cozinha, coso chao e engomma
alguma cousa ; urna dita, que cose muito
bom chSo, com um pequeo defeito em um.
dedo do p, moga, por 380,000 rs.; outra
dita, boa quitandeira, pur 480,000 rs., por
haver precisSo na ra do Rangel n. 38, se-
gundo andar.
Vende-se urna boa cabra de leite, pari-
brasileiro, a 1,500; slelo brauco, a 220; I.
dito amarello, a 140 ; graxa ing|ez, a 160 |da h? 0I u,n le,rno ^ P,?r 1
quartinhas da trra, a 240, 200 e 180 ; lra: arroba ato meu quarta, um braco de_
ques, a 240 ; bolachinhas inglezas, a 200 ; ]
ba-
lanza e um sellim usado ni ra da Con-
ri'ii,'!.! da Vista n. 60.
Billietes do Kio de Janeiro.
azeitonas, a 200a garrafa ; ervilhas, a 100 a
libra ; copos para luz, a 160 e 120 ; choco-
late, a 100 rs. ; e todos os mais gneros de
venda por preco commodo.
--Vendem-se velas de espermacete de,I{,,a da Cadeia do Recife n. 244
supe ior qualidade, cm Caixas de 25 e 50 li- Pe, vapor /Vrnamucana, entrado dos por-
bras : na ra da Cruz 11. 55, casa de J. Kei- lo do aul, recebemos a lina da vigeuma-iex-
Aos 20:000,000 rs.
ler & Companhia.
Vende-se superior cognac velho, em
barris de 12 a 24 caadas : na ra da Cruz
11. 55, casa deJ. keller & Companhia.
Vende-se gesso em barricas, viudo no
ultimo navio chegado dr I-r.iiira, tendo ca-
da barrica 20 arrubas pouco mais ou me-
nos : na ra da Cruz n. 55, casa de J. Kel-
ler & Companhia. o
-- \ en.I.- M- um terreno com cem palmos
de frente e quinlienlos de fundo, sito na
l'assHgeii-i da Magdalena, entre asduaspon-
les, com porto de embarque ; um dito com
i'iini e setenta palmos de frente e noventa
de fundo, silo a beira do mar em Fra de
Portas, foreuo aos proprios nacionaes: a
tratar na ra do Rozario larga 11. 30, primei-
ro andar.
Boa e barata.
No Aterro da Boa Vista n. 15, venda ao
lado da matriz, veu le-se manteiga ingleza
superior, a 400 rs. a libra ; salame, a 400 ;
macarrao e letria, a 200 ; arroz, a 80.
-- Vendom-se, com preferencia para fra
da pra^a, duas escravas muilo, mocas e de
bonita! figuras, sendo um preta crioula,
boa costureira, engommadeira, cozinheira
e lavadeira, propria para todo o mais ser-
vico de ra e campo por ser de bom corpo ;
urna linda mulatinha com as mesmas habi-
I liades, a qual coui quanto seja defeituosa
la lotera do Monte Pi Geral, e juntamente os
muito afortunados bilbetes, meios e cautelas
da iln 1 iiii mu 111 1 lotcria a beneficio do Tbea-
iro de S. Pedio de Alcntara, cuja loleria de-
vi.i ser 1 mi.iluda em ib do corrente mez. Abai-
xo mencionamos os premios vendidoi na inei-
111 a loja. Da vigesiuia-sexta lotera do Monte
Po Geral da economa dos servidores do cita-
do n. 3627-4:000,000-2804-1 ;0O0,000-5672
200.000-581-100,0(10-5342 100,000-1745
40,000-4612 40,000- 3S29-40.0001827
-10,000.
Lotera do Kio de Janeiro.
Aos 20:000,000 rs.
Na praca da Independencia, loja de calcado
do Arantes, c na ra da Cadeia 11. 46, loja de
miudezas, vendem-se os mui aforluuados meios
bilheles e cautelas da deciina-quarta loleria
do theatro de S, Pedro de Alcntara, e paga-ie
qualquer premio que miles sabir sem ganan-
cia alguma, e a sorte de 10:000,000 rs. da vi-
gesiiiia-scxla Jolcria do Monte Po saino no nu-
mero i4s6, a qual foi vendida era cautela*.
Meios bilheles 11,000
guarios 5,500
ilavos 2,800
Vigsimos 1,300
Deposito da fabrica de Todos|o
Santos na llaliia.
Vende-se, em casa deN. O. Bieber&C. ,
na ra da Cruz n. 4, algodSo transado da-
quella rbrica, muilo proprio para saceos de
assucar e rgupa de escravos, por preco com-
moao.
II FGIVFI


AL


a,ooo para a pobreza.
Vnde-sc excellente farinha de mandioca re
centemente ebegada de S. Camarina emboas
saccas novas de bom algodaozinho : na praca
da I!oa Vista venda de Joaqun da Penha Lo-
pes n. 18 : approveilem a occasio antes que
appareca o especulador para a usura.
__ No caes da alfandega rmazem de Fran-
cisco Das Ferrcira, que volta para a alfande-
ga, vendem-sc boas saccas de farinha de man-
dioca ao mdico privo de 2,000 rs. cada urna.
Ra larga do Hozario n. 33, se-
gundo andar.
Vendc-se una bonita crioula recolhida com
i8annos, que engomma com perfeico. cosej
qualqucr uina costura, como teja camins de
hometn, vestidos de tenhora c faz lavarioto,
urna cria de 2 annos, duas pretas mocas com
habilidades, urna dita da Costa boa quitandei-
ra bonita figura, urna negrinlia de 12 annrts
com principios de costura, urna preta de meia
idade boa para vender na ra, 5 escravos mo-
cos bous trabalhadores de enxada, um mulali-
uho de 10 annos bom pagem e bom copciro,
pois foi de una casa eitrangeira, um moleque
de 10 annos muito esperto.
O novo e bonito cabriolete descoberto,
com o seu grsndc e valente cavallo rudado :
vende-se c quem o pretender, dirija-se a ra
do Crespn. II.
Sortimento 1 lon<;a vlrtratln
como sejam : panellas, papeiros, fregideiraa
alguidares de todos os lmannos, jarras, qnar
tiuhas finas, moringos, esfrladorcs, garrtfas
brancas para resfriar agua, balaios para me-
Vende-se urna prela muito mogae dp
bonita figura : o motivo por que se vende
se dir ao comprador: no pateo do Carmo,
vendan. 1.
Arados americanos. Jj
g Vendem-se arados americanos ver- ^
j> dadeiros, chegados dos Estados- <;
3 Unidos : na ra do Trapiche n. 8. -f?
Vende-se urna bonita escrava de oag.lo,
muito gentil e moca, boa quitandeira, co-
zinbeira e lavadeira : na ra da Cadeia do
Recite, defronte do Becco Largo n. 25. Ni
mesma casa venilo-se um violto Je boas
vozes.
Balanza grande.
Na confeitaria da ra estreita do Rozario
n. 43, vende-se urna halanga grande, por
proco commodo.
Sorvete as 1 1 lloras e a iioite.
Na ra estreita do Bozario n. 43, confei-
taria, contina a ter orvetes das 11 horas
as 2 da tarde, e das 6 as 9 da noite, por pre-
go commodo.
_ Vende-se, na ra Nova loja n. 23, as
obras seguintes : obras completas de Vol-
taire em 7 volumes, com gravuras linas e
meia encadermgo, por 20,000 rs.; ditis
Depradt, em9 volumes, por 12,000 rs. ; di-
t'S \sair, em 3 volumes, por 4,000 rs ; di-
tas Matthus, economa poltica, em dous
, andarn, ditos para costura c com.volumes, por 4,000 rs. ; ditas do Atlam
pras, condecas; na ra da Cadeia do Recite Smilh, em quatro volumes, riqueza das nar
n. g.' gfles, por 6,000 rs.; Historia de las Cazas ;
Na loa das seis portas, em fenle Mitas do Mxico, volumes, por 2,400 rs.;
J ditas Universal de Millotem 10 volumes, po-
do J^ivramenio.^ ^ 12,000 rs., em porluguez ; Encyclopedia-
metliodira, lgica e methaphysic, puhli-
cada par Mr, l.acretelle, 4 volumes em quar
lo, por 8,000 rs. ; dictionnaire historique
<*m 30 volumes, par une societ de gens de
ltres, por 30,000 rs.; dita d'Academia fran,
ceza, 2 volumes, por 16,000; obras com-
pletas de Bouseau em 21 volumes, por
12,000 rs.; ludo bem encadernado a cru
bom estado
-- Na ra da Traa, becco do Carioca n.
armazem de Antonio Pinto Soares, vendem-
se os seguintes gneros : arroz de casca, a
2,560 rs. oalqueire ; tapioca do Matatihao,
a 1,600 rs. a arroba ; arroz pilado ; milho ;
farinba de Santa Cathafina, muito nova, em
saccas : tudo mais barato do que em outra
qualquer parte.
,f. Vende-se um piano do uso e novo, '})
g com encllenles vozes: os preten-
g denles que o quizerem comprar, di' g
j rijam-se a ra do Mondego n. 51, ca- S
{i sa da esquina do becco das Barreiras. ;j
-- Vende-so um prelo de 18 a 20 anuos,
de bonita figura, sapaleiro : na ra do Vi-
gario n. 23, primeiro andar,
Vendem-se boas uvas muscatel : nos
Coelhos, onde foi tanque d'agoa, por pre-
go commodo.
Cortes de chita do ultimo gosto
a 2,000 e a 2,500, e algodaozinho a 1,600
ea 2,000 rs. a pega.
Na ra do Crespo, loja da esquina que
volta para a Cadeia, acaba de chegar um
bello sortimento de cortes de chita de bom
gosto, com 12 cova Jos, a 2,000 e a 2,500 ;
MSim como pegas de algoduo com toque de
avaiia, a 1,600 e a 2,000; lencos de seda
muito bouilos, a 1,440,1,600, 2,000 e 2,240 ;
alpaca de cores para palitos, a 800 rs. o co-
vado ; dita de algodao, a 280 rs. ; e outras
muitas fazetidas por precos com modos'.
-- Na nova fabrica de chocolate de sade
homceopathico, a,provado e applicado pe-
los Srs Drs. da homoeopathia, na ra das
Trncheiras n. 8, existe o excelbtnte choco-
late fino amargo hespanhol para regalo, di-
lo entrefino temperado lambe ni para rega-
lo edito para o diario, sendo tudo feto
comomaior asseio possivcl; assitn come
cal moido do melhor que ha no meicado,
toda a qualidnde de assucar refinado e gros-
so e escolenle cha, luJo por prego muilo
commodo. Na mesma casa precisa-se de
um pequono do 12 anuos, porluguez, pre-
ferindo-se dos recentemente chegados de
Portugal.
Quem duvidar
Venha ver e comprar.
Na ra do Crespo loja da esquina, que
volta para a cadeia, vendem-sa pannos fi-
nos pretos superiores a 3,000, 3,500, 4,000,
4,500 c 5,000 ris o covado, dito azul a
3,000, 4,000, 5,500 rs, dito verde a 2,800,
6,500 rs., dito cor de rap a 3,000, 3,500 rs.,
corles de casimira preta a 5,000rs., ditos
Vendem-se pecas de bretanha de algodao-
coin 10 varas por cinco patacas, manteletes de
fil preto a 8,000 rs., challes pretos de reda a
10 rs., lencos para mao de senhora a 210 rs.,
c lodas as mais fazendas por precos em coma
Charutos de llavana.
Na ra da Cruz n. 49, vendem-so os bem
conhecidos charutos de llavana, chegados
ltimamente do Bio de Janeiro.
-- Vende-se um bonito escravo de 20 an-
nos.bom carreiro e trabalhador de enxada:
na ra larga do Ilozario n. 48, piimeiro
andar.
Chegaraui aflnal
os superiores e muito acreditados sapales de
Nante: veudem-se na ra da Cruz do Recife
n. 14.
V Chegou a primeira vez os bons e apre- 0
5 ciaveis charutos Caxoeiranos da fabri-
v ca de S. Flix : 11a ra da Cadeia do Re- O
@ cife n. 15. O
OeOGOOG00
Vende-se doee secco de caj, em caixi-
nhas de meia arroba ; na travessa da Madre
de-Deos, armasem n. 5.
De psito de salitre.
Na loja de Francisco Custodio de Sampaio,
na ra da Cadeia Volita n. 50, ha continuada-
mente por vender-se salitre tino de muitu
boa qualidade e por preco mais commodo do
que em outra qualquer parte.
Como le lustro.
Vende-se couro de lustro de inulto boa qua-
lidade a 2,800 rs. a pelle : na ra da Cadeia Ve-
llia loja de lerragens n. 5.
-v Vendein-se enxadas calcadas de 390, di-
tas do Forto, btni como chaleiras e panellas
forradas de porcelana, tudo por mdico preco
e de superior qualidade : na loja de ferragens
na ra Nova 11.25, quina daCambado Carino.
Veodt-se, por precitfio, um escravo
cozinheiro, mui'o forle e sadio, o que he
proprio 1. ara andar embarcado por nao en-
joar : 11a ma do AragSo n. 12, segundo an-
dar, demanhSa at as 8 horas, ou a noite.
i-> Na loja do subrailo amaiello, nos <3
i- quatro canlos da ra do Queimado j. n. 29, vendem-se as mais modernas ^
> cambraiasabcrlas, decores, padies <:
il> iniriramenle novos. < :
AMAAM AMdsAMAAit
-- Vende-se urna mulatinha propria para
niocama de casa por ter principios de costura,
connha e ser muito linda, e um muleque sa-
dio e esperto, que tem 1 1 anuos, e una preta
boa cozinbcira, e um bom sapaleiro para tuda
obra, rale sopara a piafa, pois d 610 rs. dia-
rios na ra larga do Rozario loja 11. 35.
-- Vende-se, na loja de Antonio Joaquim
Vidal, na ra da Cadeia do Recito D. 56 A,
a Revoluglo, poema heroe-cumico em seis
cantos, oitava rima, obra prima, chegada
ltimamente de Pars.
Vendem-se palhas de coqueiro muilo
boas, ja seccas, a 1,600 rs. : no Cequia, de
fronte do engenho, e deitam-se nos bairros
de Sanio Antonio ou Boa Vista a 2,2(0:
quem es pretender, dirija-se piaga da lo-
depemleLCia n. 12, ou a ra da AssumpgSo
n. 36.
.stciios do Poro por E. Sue.
Nove volumes do inleressante romance
de E. Sue Mysterios do Povo a 1,000
Vende-se um lindo moleque crioulo,
de 18a 20 annos : 110 Aterro da Boa \ista
n. 48, segundo andar.
No Aterro da Boa Vista, luja de calgado
n. 58, vendem-se jogos de vispora pelo di-
minuto pngo de 1,000 rs. cada 11 ui : a el-
los antes que se a cabe 111.
Veudem-se ou permutam-se por dous
moleques tres moradas de casas de laipa,
bem construidas, em chaos proprias, sitas
na esl'ada nova que vai da Soledade para a
estiada do Manguind : todo o uegocio se
faz a visla do comprador : a tratar com o
sangrador Jos Anacleto da Silva, na ra do
Itozarlo estreita, ou uo largo da Assembla,
loja detauociro n. 10.
-- Vendem-se quatro taboletas de fina
madeira, que servem para por sobre liti-
gues, tanto para ourives como p>ra loja de
imudezas, o igualmente alguna camllio
envidragadus, ludo por prego commodo : ua
1 ua Nova, loja n. 23.
Para bailes.
Venden.-se ricos cortea de vestidos para
senhora, das lidas cambraias de seda
transparentes, de gostos novos, as quaea
sao denoniiiiadas Mimos do Co : na
ra Nova, loja n. 23, de Antonio Comes
Villar.
Continuam-su a veoder saccas com fa-
rinha de mandioca : na ra da Cadeia do
llecife, luja de Joaquim Itibefro Pontes.
Veuue-ae urna armag3o de loja toda
envidragada : na praga da Independencia
numero 23.
Vende-se muit em conla um bom re-
logio de repe'.icSo, ou permuta-se por ou-
tro, sendo pequenino : na praga da Boa Vis-
ta 11. 6, ou aununcie.
Mysterios do l'ovo por E. Sue. oais superiores a 8,500 e 10,000 rs., ditos
de roes a 2,800 rs., cortes de collele de
velludo a 2,000 rs ditos de setim de cores
, no pateo do Col-}'^ ^MlSfffiS, tti
l*%2SL*ifflI?i2llt.i-______..." uios debrim pardo de linl.opara caiga a
1,600 e 2,000 rs., ditos breos a 1,600,
1,800 e2,000 rs., ditos de cores a 800, 1,280
rs., riscados de linho a 220 e 320 rs o cova-
do, alr'odSo (raneado de listra escuro ii.ui-
to encorpaJo, proprio para esclavatura de
engenhe a 180 rs. o covado, picote a 220
rs., zuarte azul de vara de largura a 240 rs.,
dito de furia cores a 200 rs., riscado mons-
troa 220 rs., ditos francezes muito bonitos
para vestidos a 240, 280 rs., cortes de cam-
braia branca de quadros a 2,000 rs., ditos
de cassas de cores a 3,000 rs., ditos muilo
'1110- a 3,500 rs., ditos pretos a 2,000 rs.,
cambraia lisa com 8 varas e meia a 2,720
rs. a pega, dita de c6res para vestidos a 280
rs. o covado, dita preta a 120 rs., metins de
cores para forros a 120 e 140 rs., cortes de
chitas linas e de cores fixas a 2,C00 e 2,400
rs., chita para cobert* de cores fixas a 200
rs. o covado, ditas para voslidos a 140,160,
180 e 200 rs., meios lengos de cassa para
grvala a 240 rs., ditos com listras de seda
a 32o rs., sarja Despalillla muito superior
a 2,240 e 3,000 rs. o covado, moias para me-
ninos a 1,000 rs. a duzia, chapeos de sol de
asteas de baleia a 1,800 rs., inadapoluo
muito superior e largo a 240 rs. a jarda, e
os acreditados cobertores de tapete para es-
cravos a 720 rs., cambraias bordadas pro-
pria para babados e cortinados com 8 va-
ras e meia a 4,000 rs. a pega, e outraa mui-
tas fazendas que s os freguezes vendo acre-
ditado os plegos
Tecido de algodao trancado na fa-
brica 1 de Todos os Santos.
Na ra da Cadeia n. 5a,
vendem-se por atacado duas qualidades,
poprias para saceos de assucar e roupa do
rscravos.
Arados de ferro.
Na fundigSo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Vinho de Champagne
de superiores qualidades : vende-se em casa
de Kalkmann Irinaos, ra da Cruz n. 10.
Vinlios finos
de llordeaux, vinhodc Heres, vinho do Rhel-
no, vinhodeBordeaux branco de idade de loo
annos : vendem-se cin caa de Kalkmann Ir-
mos, ra da Cru n. 10.
Charutos de llavana
de superlore qualidades : vendem-se em ca-
sa de Kalkmann Irinos, ra da Cruz n. 10.
Yellas de espermacete
de multo boa qualidade e de 6 em libra : ven-
dem-se pelo diminuto preco de 600 rs. a li-
bra, em casa de Kalkmann Innps, ra da Cruz
n. JO.
Continua-se a vender agoa doueimdos
cabellos e sulssas prelas : na ra do efcafazer
loja de ferragens n. 31.
Fil bordado a i,aoo rs. a vara.
Na ra do Queiinado defronte do becco do
Pelie Frilo, loja n. 3, vende-se fil bordado
branco e de cores pelo baratissimo preco de
tres patacas e doze vintn a vara, esta fazenda
pelos eu lidos e ditterentei desenho tor-
na-se muito recomnicndavel nao s para ves-
tidos de senhoraa, como tatnbem para man-
teletes : dar-se-hao amostras com o competen-
te penbor.
Instrumentos de msica
chegou nvamenos um completo sorllmento
de instrumentos para msica militar, recoin-
menda-se principalmente os pistes, pratos
verdadeiros da Turqua, flautius, (lautas, bai-
<<>.-., cornetas de chave, ciaras lisos e de cha-
ves, violes riquiimoa de Jacaranda, clari-
neta, trombones, trompas, caixas de guerra,
zabumbas e arcos de campainhas : vendem-se
em can de Kalkmann Iruios, ra da TJruz
n. 10.
Tintas em oleo
branca e verde i vendem-ie em casa de Kaik-
uann lrmos, ra da Cruz n. 10. ^
l.ivios em branco
grande aortimento proprio para escriptorio e
qualquer oulro estabelecimento : vendem-se
em casa de Kalkmann lrmos, ra da Cruz
n. 10.
- Vendem-sc saceos novos de estopa com
duas varas cada um a 320 rs. : na ra larga do
Rotarlo n. 48, primeiro andar.
Obras de ouro
chegou um novo e completo sortimento de to-
das as qualidades, como sejam, cor rentes pa-
ra relogios, aunis, pulceiras, aIRnetes, ade-
recos, brincos, voli.is, etc. : vendem-se em
casa de Kalkmann lrmos, ra da Cruz nu-
mero 10.
Cadeiras e sofaes
para meninos : vendem-se cin casa de Kalk-
mann lrmos, ra da Cru n. 10.
Copos para vinho c para agoa
de qualidade muito superior : vendem-se em
casa de Kalkmann Irinos, ra da Cruz n. 10,
aonde tambeni ha grande sortimento de appa-
i el luis de vidro fino para sobremesa, para agoa,
para ponche, cestos e vasos para flores e para
frutas.
Moendns superiores.
Na fuodigSo de C. Starr & Companhia,
em S.-Animo, acham-se venda moendas,
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construcgSo muilo superior.
tudo sobre tijollo, com um terraco na frente
firmado sobre columna e ollnvci caa de vi-
venda, send-. nietade terrea e metade obra-
dada, casa de fazer farinha, estribarla, caa
de empregado, torno de coilnhar obra de bar-
ro, o cercado he todo de vallarlo e limpo, um
tobradioho dentro do engenho, e mais urna
distillacao proinpU com ludo, que pude dls-
tillar quarenta caada de liquido diariamen-
te, cuios preparo sao, 24 cubas para garapas,
duas pipas, um tonel que leva 2 pipase meia
de liquido para deposito, caneco, tuca, re>-
fiiador, faz todo o preciso de agoa, delta gara-
pa no alambique, delta s caldas fora sem que
se pegue nella, e em ser tocado por bomba,
40 bois mancos, carros, 6 burro, 2 quartos,
10 escravo e afra que pode regular 1,501
pe.
__Vcnde-sc englobado ou a parte um en-
genho novo denomiuado Independente, no
Tundo do engenho cima, que moe com anl-
m.ii's. O seu terreno he de meia legoa em
quadro, e firmado sobre marcos, e quasi co-
berto lodo q seu terreno de malta virgens c
com elle os objectos icguintea, ou sem elles,
10 bois mancos, 20 cavallos, 4 escravos e safra
3ue pode regular 1,200 paes : quem pretender
irija-e nesta praca, ao Sr. Hanoel Goncalves
da Silva, que lhe espora a forma do negocio, e
nos engenhos ao seu proprietario c-residente
Pedro de Mello e Silva.
Vende-se em grandes ou pe-
quenas porc5es, a vdntade dos
compradores, o vardadeiro ac de
Milao ; na ra de Apollo, arma-
ktf.3
100, ao entrar pelo Becco Largo, vende-so
superior farinba de mandioca vinda ultima-
menlo de Santa Calharina, por cada saoca
nova de bom algodflozinho levar o porta-
dor a pequea quantia de 2,000 rs., equo-
rendo deconta-se-lhe 260, passando para
outra que o portador levar.
Sarja hespanhola limpa muito lar-
ga a 2,000 rs.
Vende-se sarja bespanbola multo larga c
muito encornada a 2,000 r, : ua ra larga du
Rozario n. 48, primeiro andar.
Pecas de chita limpas a 4,000 rs.
Vendem-se peca de chita limpas escuras
propria para escrava a 4,000 ra., e a 120 a rc-
talho, e corte de bonitas cambraias para ves-
tido a 2,60o rs. : na ra larga do Rozario n.
48, primeiro andar.
Bombas de Ierro*
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum ns. 6, 8 e 10,
rundirn de ierro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com camban de sicupira e bracos
de ferro ; na fundirn da ra do
Brum ns. 6, 8 e xo.
I zem de maqumismo de Me. Cal-
moit & Companhia, ou no seu es- Deposito de cal virgem e potassa.
. r ,__,..:. Cunha & Amonm, na ra da Cadeia do
ha
edra,
isba
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17,
muito superior cal nova em p>
chegada ltimamente de L
na barca Ligeira.
f f Vf ff ff f?f f ff f ? f ? V
Deposito de tecidos da fabri- a
ca de Todos os Santos, *
na-Bahia.
Vende-se em casa de Domingos Al- <
'^ ves klalheus, na ra da Cruz do Ke- *
2 cife n. 52, piiimeiro andar, algodlo 9
*" transadodaquella fabrica, muito pro- jj
'->
prio para saceos e
roupa oe escra- 2
v. vos, assim como lio proprio para re- ^
^ des de pescar e pavios para Yellas, ^
^. por prego muito commodo. ^
h .i "i.A.lft' 4' .'K,*'i1)AfcAs>
Madama JAosa Hardy, modista
brasileira, ra Nova, n. 34,
Annuncia ao publico, e particularmente leu
freguezes, que tem receido um bello sorti-
mento de fazendas novas, ricos chapeos de se-
da, de gros de naplcs e gorguro de todas as
cores, lisas, franzidas e de pregas, dito de
seda para meninos se baptlsarem, chapeos de
palha de todas as qualidades, para senhora e
meninas. Um grande sortimento de mante-
letes e capotinbos de todas as cores, pretos
de cbamalotes e gros de naples, capotinhos
ile lil de llnho preto verdadeiro, ditos para
menina de quatro aoilo annos; ricas cpelas
de llores de laranja e ramos para enfeilar ves-
tidos, ricas luvas de pelica compridas e enfei-
ladas, ditas curtas pretas e de seda de lede
para meninas e senlinra, ditas de pellica cur-
ias para senbra c para homem ; camisinha
para senhora, ricas roineiras, meias de seda
branca para baplisar menino de quatro me-
ze a ins annoa, ricos penachos brancos para
enfeilar chapeos, e ramo finos para ditos;
trancas e franjas de serla preta e de cores;
gros de uaples preto e furia-cores, com franjas
e trancas da uiesina cor para os ditos capoti-
nhos ; se vende vontade do comprador.
Lindas toucas de gorguro, vinda de Fran(a,
para baptisado. Na mesma loja faz-se vestl-
dinbos para baptisado, toucas para criancas,
capotinhoi, vestidos para senhora, chapeos de
crep preto e muitas outras fazendas que e
1 emir ni mais em conla que em qualquer outra
parte.
Vendc-se na distancia de 2 legoa t meia
da cidade do Rio-Formoso, pela margein ci-
ma do rio Sei ii.lifn'iii do lado do ul, o enge-
nho Caxoeiriuha com o seguintes quisitoa, e
objectos declarados, e aem elle. O eu terre-
no he de tres quarto de legoa para quem do
ul, e meia legoa de nascente a poenle, firma-
do por marcos a ib annoi, sem contradieco
alguma, como consta dos seu titulo ; o seu
lo he todu barro, quer seja ladeira, quer te-
ja varzea, teta bastante maltas virgen e nellas
bastante madeira de conslrucco, he bom nioe-
dorcom agoa, porque uioe com o citado rio ;
os seus edificios sao, casa de engenho sobre
pilares tapado todo de paredo, cavco de cal
e tijollo, tanque de agoa da mesma forma,
com Un) forte escorinhote de ferro, tambem
rica obra e duravel, urna famosa casa de ba-
gaco, com tres thesoura e duaa tacanica, es-
tivada sobre maduras lavradas, boa ser ra ii i de
agoa prowpta de tudo, casa de purgar e en-
caixauenlo, ludo firmado sobre paredea de
tijollo e pedra est remontado com o pre-
ciso para sua manufactura, tudo em bdm es-I
tado, boa capella, urna rica lnzala, firmado]
criptorio, praca
do Commercio
numero n.
Na ra da Cruz n. 7, no primeiro andar
vende-e salsa parrilha de boa qualidade, che-
gada prximamente do Pari no vapor /mpe-
ralri.
Vende-se uperior cera era vellas fabri-
cada no Rio de Janeiro e em Lisboa, em eaixas
de (00 libra, e inulto bem sortida por ser de
li al 1( em libra, barrica com cal virgem de
Lisboa da mais nova que ba no mercado, e re-
trozda fabrica do Siqueirauo Porto, tudo por
menos preco do que em outra qualquer pa> te :
a tratar com Machado & Plnheiro, na ra do
Vigario u. 19, segundo audar.
VenJem-se as seguintes se-
inciiles:
de nabo, dita de dita ingleas, dita de r-
banos encarnadas, ditas brancas, dita de ce,
bola de Setubal, ditas de alface allamaa,
ditas repolhudat, ditas de cve trinchada, di-
ta de senoura amarellas, ditas de chicoria, di-
tas de coenlro de toceira, duaa de salsa, ditas
de tomates grandes, dita de repolho, ditas de
espinafre, dita de pipinella, ditas de aipo,
feijo, carrapato de tre qualidade, erviihas
torta e direilas, rabaoetes encamado e bran-
co : na ra da Cruz n. 46, defronte do Dr.
Coime. Na mesma casa vendem-se queijo in-
glezei limito frescaes.
Lotera dn nniiri/ da Jlon. Vista
vos lo:ooooooc 5:ooo*ooo.
Na ra da Cadeia n. 2*. loja de cambio da
Viuva Vieira & Kilhos, vendem-se os mu
afortunados bilhetes e meios ditos da mes-
ma lotera, que corre imprelerivelmeole no
dia 2 de junho prximo vindouro.
Bilhetes ioteiros 10,000
Meios 5,000
<)##P 9!i99!9 9999 -*99M9
' Na loja de Jos Joaquim Mo-f
reir & Coiiipunliiu, na 4
lina Nova n. s. 4
vendem-se manguitas e meias man- ??
gas de fil il linho e cambraia, cou- '4
ca degostoeque muito se usa em "*
vestidos de cassa, cambraia e seda,
custando o par 2,000 rs. smente;
cabegOes ou romeiras de fil de li-
nho, tanto para senhoras como para
meninas, pelo baratissimo prego de
4,000 rs. ;camizinhas de fil e cam-
braia ; talhos de bico de seda ou
blonde, tanto pretos como brancos ;
capotinhos de chamalote e setim ma-
ceo ; mantas de garga brancas, mui-
to proprias para noivas ; capellas e
ramos de flor de laranja ; chapeos
a> de palha arrendados e lisos para se-
0 nhoras e meninas ; e outras fazendas
t mais, que na mesma loja se vender
> muilo em conla.
:# 9999-9M999
Livraria n. 6, do pateo do Col-
legio.
t begou o oitavo folheto do Misterio do Po-
vo, vende-ie este por 7,009 rs.
Vende-se na loja de Jo.-t- Joa-
quim Moreira ck Companhia, na
k ra Nova n. 8,
lindos gibes de fil de linho guarnecidos de
tranca c proprios tmente para senhora, o pre-
co seia o mais commodo possivel.
Bom e barato
Nu ma do l'asseio Publico, loja n. 9, de
Albino Jos l.eile, vendem-se lindas, pegas
de chilai de cores, a 4,500 rs. e a 120 o co-
vado ; ditas para coberta, a 6,000 a pega e
a 160 o covado; lengos de seda decores,
lindos padrCes, a 1,000; ditos brancos de
cambraia com bicos, a 480 ; grvalas de se-
lia-, a 1,500; chales de chita de cores, a
800 ; ricos cortes du meias casimiras escu-
ras, proprias para o lempo presente, a
1,500 ; coberlore grossos para escravos, a
640 ; chapeos de sol de panoinho com bar-
ras de cores, a 2,800; ditos sem barra, a
2,000 ; brim de linho de cores, a 300 o co-
vado ; riscados monstros, a 200 o covado ;
cambraia da India bordada, a 400 a vara ;
e outras muitas fazendas, que se deixam de
annunciar por falta de lempo.
Recife n. 50, vendem cal virgem em pedra,
chegado pelo ultimo navio de Lisboa, e po-
tassa de boa qualidade, por menos prego do
que em outra qualquer parte.
Moinhos de vento
eom bombas de repucho para regar borlas
d baixas decapim : vendem-se na fundigSo
de Bowman & Me. Callum, na ra do Brum
ns. 6, 8 e 10.
O Antigo Barrateiro ao Passeio Pu-
blico Loja n. ii de Firmiano
Jos Bodrigues Farreira.
Tem para vender, superiores sarjas de seda
hespanbola larga a 2,000, 2,400,2,600 e 2,800
rs. auperior, aelim maco preto a 3,200 rs fa-
renda rica, panno finos pretos e de cores
por precos muito barato, brim trancado de
toda a core, merinos prelo, princeza, chi-
ta franceza largas, casemiras, lasde calcas,
tapetes, los pretos, bicos, lonas, madapoles
linos e outras muitas de difireme precos,
algodozinhos de toda a qualidade, chita li-
na de todos o precos, alm de multa outras
fazendas que se vendero a todo preco, rassas
chitas, challes de Ua e eda e de la, dito de
ganga franceza, lencos de seda de peso su-
perior, e outras mullas fazendas baratas.
*
4
i
i
9
i
Escravos fgidos.
Desappareceu no dia 14 do corrente um
preto de nome Antonio, crioulo, de 22 an-
nos, cor vermelh, denles limados e finos,
altura regular, magSas do rosto um pooco
altas, nflo tem unhas nos dedos grandes dos
ps poras ter perdido, quando faz forga en-
verga os ps para dentro e tem os ollios um
pouco amortecidos ; levou camisa e caiga
de algodo azul transado, e mais urna cai-
ga de azul mesclado e chapeo de palha
quem o pegar, leve-o ra de S. l'Vancisco,
sobrado n. 16, segund andar, ou ni estrada
nova, adianle da Magdalena, primeira casa
azul, onde se pagar com generosidade to-
do o trabalbo.
Boa gralillcagSo.
No dia 13 de margo do corrente anno des-
appareceu da Passagem da Magdalena, do
sitio em que mora oSr. Dr. Malet, o mole-
que Margal, o qual he bem conhecido e tem
os seguintes signaes representa ter 20 an-
uos-, baizo, cheio do corpo e carcundo, cor
fula e sem barba; tem falla de um dente na
frente do queizo inferior ehefilho do ser-
illo de Paje, por isso julga se tara l ter
idp : recommenda-se, portanto, aos capi-
tSes de campo a captura do dito moleque,
queserSo bem graiificados.
Uesappareceu, no dia 18 do corrente, o
escravo de nagSo Cagange, de nome Jos,
representa ter 25 annos, baizo, grosso do
corpo, sem barba, rosto abocetadee ps pe-
queos levou caiga de algodSo transado
com listras azues e carniza de algodSozi-
nho ja rota : quom o pegar, leve-o a ra do
Vigario n. 22, primeiro andar, ou na ra
da Cadeia do Recife n. 51, que se recom-
pensar.
Uesappareceu, no dia 13 do correte,
do engenho Guararapes, um moleque criou-
lo, de nome Mazimiano, de 10 a 11 annos,
cor fula, ps pequeos c pe mis muito fi-
nas : quem o pegar, pode leva-lo ao mesmo
engenho Cuararapes a seu senbor Francis-
co Paes do Reg, que ser generosamente
recompensado.
Uesappareceu, no dia 15 do corrente,
um preta de nome Marianna, de nagflo Mo-
gambique, de 25 a 30 annos, cheia do cor-
po, tem urna marca de frula no p esqunr-
do e algumis as cenias, ps cambados. Es-
la preta pertenceu ao-Sr. Chagas, morador
no Corredor do Bispo, e foi comprada ao
Sr. Fonseca : quem a pegar leve-a a ra do
Passeio n. 5, que sei recompensado.
Desappareceu, no dia 24 do corrente, o
escravo crioulo, de nome Herculano, repre-
senta ter 20 annos, baizo, secco do corpo,
cor fula, sem barba, denles de serra e he
oflicial de alfaiate. Este escravo foi da viu-
va de Joaquim Jos Ferreira de Carvalho,
escrivSo da relago, e servia de portacolis-
ta; levou caiga de casimira escura, e as vo-
zes brancas, camisa de madapolSoe,chapeo
do Chile. Consta ter embarcado para o Rio
Formosonodia 6 de abril : roga-se as auto-
ridades policiaes e pessoas particulares que
o apprehendam eavlsem nesta praga aoSr.
Antonio da Silva GusmSo, ra da Cadeia do
Recife, a Manoel de Almeida Lopes, que se
pagar3o todas as despezas e se recompen-
sara generosamente.
Uesappareceu, no dia 6 do corrente, um
preto de nagSo, de nome Antonio, de 40 an-
nos pouco mais ou menos, estatura regu-
lar, cheio do corpo, um pouco fulo, rosto
carnudo e leio, e com urna grande ferida
na peina esquerda ; levou camisa e serou-
a dealgodfio ; foi visto na estrada nova, e
descoufia-se que ande aqu pelo Recife :
quem o apprehender, pode leva-lo sua
senhora, a viuva de Domingos Jos Mirtina
Vieira, em seu sitio, no corredor de S. Juflo
^^.I.0eVeedr!qnrruatTr.p?ch7O9:inB Vm" *U "* ""P-.
Hotel Francisco.
Ma ra da Senzalla Velba, padaria n.
Farellos de arroz, barrica a ris
a,ooo.
F.sla lo til lubtlancia alimentaria para os
animaes, muar, ea val lar, ovelum etc., etc., em
barricas de 4 arrobat ao diminuto prreo de rs.
2,000, vende-se na ra da Madre-de-Dcos, ar-
mazem n. Se defroute do cbafaaiz daescadi-
nha uo Recife.
Joias modernas.
Simo Luit & Nora t, tem a honra de partici-
par ao reapeitavel publico desta cidade, que
acaba de receber um novo loriiinento das se-
guintes joia : relujo de ouro de patente, de
prata e dourado, teliiidres horizontae muito
superiores, ditos para senhora giavados com
diamantes e peioias finas e esmaltados, uui
soi'iimeuto de piilseiras de ouro e de brilhan-
tes das mais inodernaaque tem vindo de Pars,
assim como aderecos, llores e brincos de bri-
lliantes, liebas, bolea e memorias, tudo do
melbor goslo, e vendero mais em coota que
l'.u- possivel, e afianca-se a qualidade. Com-
Pr.iyv va.Tv np M-F.:;^: Par; a
mi


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELGZC2Q40_7SIOF7 INGEST_TIME 2013-04-13T02:06:01Z PACKAGE AA00011611_05323
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES