Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05306


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Armo XXVII
Quarta-feira 2
pautidis dos cob&eios.
Gnianna e Parahiba. i segundas e sextas felras.
RIo-Grande-do-Norle, todas as quintas leiras ao
uieo-dia.
Garanhuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 2o.
Victoria, as quintas felras.
Oiinda, lodos os dlat.
EPHIMialDES.
i h. < 3 ra. da t.
i li. o 1 ni. da t.
'Nora, al, as
Piusas da tOi,)Crt,e- a 9' "
(iMing. a 23, s i h. e 38 ra. da m.
de Abril de 1851.
VBEAMAU DE HOJX.
Primeira s 5 hora e i S rnioutos da manhaa.
I Segunda s 5 hora e 42 minutos.,da tarde.
PHEpO DA SDB3CHIPCJO.
Por tres meses 'adiantadus) -\fi
Por seis meses 8j"00
Porumanuo 15/W00:
u., .. .;. -*.-. a.: riwffr
DAS DA SEMANA.
31 Seg.S. Balbina.Aud. do J. d'o'f.ein. da 1.
1 Terc.'S. Macario. Aud. da Chae. di J. da se-
(E'in I > v ir i il > o. e ios fhitiH di I izend,i.
Quart S. Theodozla. Aud. do J. da 2. vara.
3 Qulnt. Ricardo. Aud. do J. dos orf. edo m.
da primeira vara.
4 Seu. S. Iddnro. AOd.do S. da 1. varado el-
vi l. e dos fritos da fazenda.
5 Sab. S. Iria. Aud. da Ch. e do J. da 2. vara
do civel.
6 Dom. 5 da Quarcsma. S. Diogcnes
-----------------
CAMBIO DE I DE ABBIl
Sobre Londres, a 29 /, ,% d- P- >/>0 "
* Paris, 320 por Ir.
i. Lisboa. 85 a 90 Oo*in
Ouro. Oncas hespanholas .... 28/000 a
Moe.ias de6/400 velhas. WOW) a
de 6i0il novas lb>000 a
de4?000....... 9^/00 a
Prata.Pataces brasllciros------ l/"20 a
Pesos coliimnarios..... 1/JTI20 a
Ditos mexicanos........ l/tiri a
28/500
l(i>200
lu200
y/l (10
J/940
1/140
i/roo

.' fc>1.WitA.^tji .Vi.
AflTE FFICUL.
MIN1STKIUO DO IMPERIO.
I." Srcelfe. Bio de Janeiro, Secretaria de
estado dos negocios do imperio, em -26 de feve-
reiro de l Sai --Jllm. e Eira. Sr. Sua Exc o
Sr. ministro e secretarlo de estado dos nego-
cio* do Imperio, manda rrineller a V. Exc. pa-
ra sen Conheclmenlo e governo o incluso exem-
plar iinpresso do aviso de 17 de Janeiro ultimo
solvndo duvidas apresentadas prlo presidente
da provincia da Parahiba acerca da accumula-
cao de vatios empregos publlcos.
Dos guante a V. Exc. IIlm e Exm. Sr. pre-
sidente -da provincia de pernambuco. Joie
ile l'niva Magtilhfs Calvtt
IMPERIO AVISO DE l? DE JANEIRO DE l85l
Sote* dwida opietentadas peto presidente dapro~
liiiri.i d'i Parahiba. aterca da aceumulacao de
enro emprrgoi putilieoe.
I." Serr.au. Rio de Janeiro. Ministerio dos
negocios iln iinjH'i io, em i7 de Janeiro 1851.
lllm. e Exm Sr. Sua Magesladeo Impera-
dor, i quera furam prsenles os ofliciol desia
presidencia n. 39 de 24 de inaio do auno prxi-
mo nassado, e u. 96 de l6 de dezembro do nies-
inn Huno, relativamente s duvidas que se llie
offerecriu na aceumulacao de varios empregos
pblicos: Ha por bera mandar declarar a V Exc.
i. Que nao ha inconveniente em que corli-
nue un exercicio do emprego de subdelegado
de polica o cidado, que, inerecendu a conlian-
ra de Sua Magestade o imperador, fol elevado
ao iinpurtanie cargo de vice-presidente da
provincia, pois que ambos os caigis sao multo
lurnosos, nina vc que dignamente sejain servi-
do, como he de esperar do cidado, a que Y.
Ele te refere ; exisiindo porm incompatibili-
dade, segundo he manifest, em que sejam
exereldosaiinullaneamente os dous empregos.
2. Quearespeitn da aceumulacao dos empre-
gos de subdelegado de policia e de vereador se
leve observar o decreto n. 429 de 9 de agosto de
1845, seguudo exi>res>amente i n deleruiioa-
do no aviso de 26 de aril de 1819 I, e n 158
de l6de junho do mesmo anno 3.
3 Que se observe acerca da aceumulacao dos
empregos de vereador e professor do lycccu
provincial o aviso de 22dejulho de 1843. ex-
pedido ao presidente da provincia do Para, no
qual se declara ser incorapativel o exercicio si-
multaneo dos empregos de professor publico e
de vereador, visto nao poderem ser ambos as-
Min deierapenhados satisfactoriamente; que
por lato deve o professor pedir disprnsa do car-
go de rleican, nos termos da lei do I de outu-
bro de 182Si, e que, quamlo nao o faca, tica su-
jeilo ao procediuienlo que competir aulori-
dade, que tiver a sen talgo providenciar sobre
o cumprimento dos seus deveres no inagisle'r'o.
Q;ie porm quanto aos substitutos ares do dito lyceu, cumpic que elles conser-
vein o seu lugar na cmara, oo fe devem dei-
xar de comparecer quando.o exercicio do seu
emprego complicar cora o lervico da inesuia
cmara.
4. Finalmente, que nao podem acciimular o
emprego de f >zenda ns esc ives do foro, nao
s porque, por vario* avisos teui sldo_ declara-
do que os empregados de fazenila nao devem
ser dlstrahidos de suas obrigaces paia se ein-
piegarem em fiincccs eslraulias e diarias co-
ni porque outro sira tem sido decidido i|ue as
obrigaces de tars escrives, sendo como sao
qnntidianas, de todos os momentos, e de tanta
exiencao, nao poderiam ser desrnipeiihadas
como pede a boa adniiiii-traco dajuslica e in-
teresse das parles, se fossem acciimuladas a de-
veres tambera diarios, c que pcdeiu toda a at-
tenco e assiduidade, como sao os dos empre-
gos ilc f.i/i i.il -, quer singulares, quer de re-
parlirao. O que ludo coiuraunico a V. Exc. pa-
ra sen conhrciiiientn e governo.
Dos guarde a V. Exc. Visconde de Mont'Ale
gre. Sr. presidente da provincia da Parahiba
i^iiiiin i,
Comiirando das armas.
Quarlel do commamlodas armaina cidadt do
Recife, em 2t de marfo de 1851.
OliDI'M |l() ni \ N. 65.
Devendo, de conformidade eotn as orilens
em vigor, splcinnisar-se o auniversario do
juramento caustituic.o deste imperio, de-
termina o coronel commandante das armas,
que amanha os corpos do exercllo existentes
nesta capital, e os da guarda nacional e poli-
cia. que o Exm. Sr. conseiheiro presidente da
irovincia poz sua di urraein em grande parada.
De manhaa, pelas II horas, os corpos se-
guindo a ordem que abaixo val designada,
se acharo postathis em linha na praca da
Boa-Vista, formando urna divisan, composta
di: dua biigadas; a primeira ae toda.a guar-
da nacional coinparecente, e do corpo de po-
licia, commaiiilarda pelo Sr. coronel chefe de
leglo Francisco Joaquim l'crelra l.obo; e
segunda do 2.* batalho de arlilharia a jt,
do2.*e8.' de caradores, e da companhia lixa
de cavalhria do exercilo, que ser cominan-
dada pelo Sr. tenente-ceronel Antonio Mara
de Soma, que d'enlre os olliciaes dos Corpus
que Un- flcaui subjeitos, escolher os respec-
tivos empregados.
Un parque de arlilharia cora 4 bocas de
fugo servida* pelas pracas da companhia d
artfice, e commandadas pelo respectivo Sr.
capitn, tomar posico no centro da divisan,
fazrndu parte da segunda brigada.
U lllm. Sr. coronel coimnaudanle superior
da guarda nacional, Francisco Jacluiho Percl
ra, assumi. o coinmaudo em chefe.
O inesmo coronel commandante das armas
convida aos senhores olliciaes das quatro cas-
sea do exercilo, que nao cntrarem na linha,
coiuparecerem na secretaria militar a hora
indicada, alio de assislirera parada, e au
cortejo que se tem de fater efigie de S. M.
o Imperador.
Joti Victnte 4 mora* Bnerra.
EXTERIOR.
COMUESI'ADK.N'CIAS DO DIAHIO DE PEIt-
NAMBUCO.
Para, 20 de fevereiro de 1851.
Em aminha ultima carta annunciel a Vine.
as ms disposicAes da nossa assembla legisla-
tiva acerca dos gastos de represenlao pedi-
das pelo presidente da repblica, e cora ell'eilo
nfio inreiigaiiei em uilnlias proviaes de urna
recusa definitiva, bem como passo a mostrar.
A comraisso Horneada as diversas secede
da assembla fol hostil medida: d'enlre 15
membros smente dou* foram de parecer que
ella devia ser adoptada. Os seus primeiios ac-
tos manifestaran! logo as suas ms disposices.
lla escolheu para seu presidente Mr. de Mor-
nav e para secretario encarregado do relatorio
qne devia ser apresentado assembla, a Mr
de Piscatnry, ambos inimigos declarados do
presidente da repblica. Os debates que uve-
ra ni lugar em seu seio, nao foram longos ; de-
pois de ler ouvido os ministros, smente por
lm maliil.ule, ella decidlo por 13 votos contra
dous, que a concessaode 1.800,00(1 francos, pe-
dida pelo presidente, fosse recusada.
Mr. Pscatoryleu o sen relatorio assembla
na sessode sabbado 8do crreme ; apesar da
opposicao de um certo numero de meiobros
que pediam lempo para rXlcctlr, a maioria de-
cidi que a discusso teria comeen na segunda-
feira seguinte, firmemente resolvida a abrevia
la quanto fosse possivel, para accrescentar
eve ida.le da recusa as brutalidades da forma.
<:om ell'i iiii. aliga formada entre a iiionta-
nha, os legitimistas e um pequeno numero de
o Iran Has dirigida; por Mr. Thiers, era senho-
ra absoluta da volacao, c nao quera perder o
tempo em vans palavras. Todos os seus ora-
dores senhores do santo,'guardaran! silencio.
Toilavia nilelnie aprescntoii sempreiim inte-
resse bera vivo, porque ouviraos a Mr. de Mon-
i.I in! t, um dos hoiueiis mais eminentes da
assembla, e d'enlre os principes da tribuna,
aquelle que tem mais espirito e coraco. He
ve i dade que este Ilustre orador nao faz parle
da liga, e que he dedicado causa do presi-
dente, a qual he a da Franja, e a da sociedade.
Mr. de Montalembrrt, estigmatisou nos ter-
nos os mais enrgicos, essa liga monstruosa,
que permute aos inimigos eternos da socieda-
de rii.i \ ii. ni em nos.as disputas intestinas,
para decidi-las em scuproveito; elle mnslroii
Iiiatito erara vans e pueris as quelxas dos ho-
ine.M. da direila, osquaes, no anno pissado,
conceder ni precisamente aquillo que recusan!
no presente, e descobrein boje no projecto de
dotaran tuna violacao da conslitiiico, que nao
perceberam naquelle tempo. Tal he a eterna
tilica dos paitidos que subordinara sempre os
principios, e at o bom sensoaos seus inleres-
ses, e nao sabera nunca atteuder aos iuleresses
da patria !
Este limpente discurso nao produiio ne-
iih n ni ell'eilo, porquantu a lei eslava de ante-
inao enndemuada. Os legitimistas da asscni-
blaque qbedece n ceganiente a urna coinmis-
sao de doze membros nomeada pelo duque de
Bordeaux,
rein au pres
l40 votos unidos aos 220 vot da inonianha
bastaran! para formar a ra.iioria sera fallar em
nina quarenlena de votos orleanislas que Mr.
Thieres llic trouxeem accrescimn. Assini o es-
crutinio deu em resultado a regeicao do pedi-
do do governo por 3'J6 votos contra 294.
O presidente esperara Oila recusa, e rece
licu-.i cora inulta dignidaoe. Nodia imiuediato
aquelle era que a assembla regeitra o pro-
jecto, o Unniteur, gazeta olcial do governo,
publicou a nota seguinte, tujus termos foram
regulados pelo proprio presidente.
i revendo a regeiffio, que acaba de ter lu-
gar do projecto dos gastos da represenlaco, va-
rios cidados eslao dispostosa orgaulsar subs
cripres,
o lie este um testemunho valioso e manifes-
t da sympathia e appiOvacao conduca do
presidente. Elle est por isso Intmenle toca-
do, e agradece uordialmcnte a lodos aquclles
que liveram tal pensamentn, porm julga de-
ver sacrificar ao rrpnuso do pait lima satis-
fajiio pessoal. Elle sabe que o povo Ihc fai
justica, e islo Ihe basta.
O presidente recusa portinto toda subs-
cripto, por mais espontanea e nacional que
seja o seu carcter.
HI i i i i i i t i > > i > i i | i i iii'irii u\ i
liiiham reeebido ordera de recusa- '< bwpo calliolico.
esidente toda a concessao. Os seus ''" a 7 d'' correle
J que ralle! no orjamento, dir-lhe-hci que
fol apresentado esta semana, e que snasrrin-
cipae* disposices o as segulntes. A ilespeza
para o anno de 1852. he oreada conforme as
avallares do ministro da faieuda, em I,.'173
milhes; a receita era 1,382 inilhes. llavera
portanto no prximo exercicio um excedente
de receite de 9 millies, mais infelirniente es-
te excedente nao existe seno no papel, e to-
dos nos aqu sabemos cora que devenios con-
tar. As avaliacrs do orrameuto das despeas
sao quasl sempre excedida, e quasi nao e
pasas un s anno, em que, dcbaixo do titulo
de crditos supplementanos, enni|ileo ara-
nos e extraordinarios, as cmaras legislal vas
nao vnteiii ao menos 50 milhes de despe/as
uo consignadas no orcamenlo. Por mitro la-
do, as s,jiiiiii is que acabo ile determinar nao
e referen! *enu s depezas ordinaria/. Is
lene s de mais um orjameuio de obras publi-
cas extraordinarias que sobe para o anno de
|S52. ao computo de 74 nlillies, .Nao h ,. para
fazer face a esta despeza seno o qte se chaina
entre nos a i/nilii flucuinte, islo he, o credit
Confiarme a estimajao do ministro, eta divi-
da que he sempre cxigivrl, ser de 646 milhes
ni ii i ii do me/, de dezembro prximo futuro.
\ci i, secute Vine, a esta divida, a divida ins-
crita, ou consolidada, da qual o estado nao
paga senao os juros, e que excede f nta mil
milhiti, e ver que a nosM situaco finam ei-
r nao he de iieuhuma surte animadora To-
dava este paii tem tantos recursos que es-
tou convencido que lima hbil adminisiracao
poria facilnenle em bom estado o thesouro
publico, se a ordem.se a securidade estivesse.n
mais seguras. Mas por veniura cons,enliiao
os partidos algumdiaem nos dar esta paz?
Ingtattrra. Os debates da sesso do parla-
mento ingle* aniiunciam iciiipeslades, c nao
creio que ella continu por milito tempo sera
produzir uina irise ministerial. 1'odavin nao
he sobre o voto de gracas que ns partidos han
einpeuhado o combate. O proprio Mr, D'ls-
raeh nao quiz propor unta emenda sobre a mi-
seria das classes agrcolas que ae ha convertido
ni Achules d.i.to ie.- elle dechrou que faria
ile suas quelxas o objecto de urna mocao sepa-
rada, e o voto de gracas foi approvado unni-
memente.
A malcra grave da sesso fui o bil, a que se
deu o mime de bil sobre a aggrc*>o papal, e
ijue fra annuuciado no discurso da coroa, co-
mo d, vendo reprimir as pretendidas iuv.i oes
da corle de Roma, na queslo da nonieaco dos
que lord John Russel
aprrsenlnu osen bil. Esta obra custou certa,
mente multo trabalho a esse estadista, obriga-
do I dar um golpe mortal no principio da II-
berdade religiosa que elle tem defendido toda
a sua vida. Outra eireum-laneia devia aug-
mentar os seus de-prai.eros: pediudo resttui-
ii'ies injuriosas liDerdade dus catholicos lord
John Russel pe-se em opposieao com os ho-
outrns: elle nao pretende applicar a reducefles
de encargos seno metade do saldo e eiiipreg
o resinera diminuir o imposto sobre as portas
e janrllas. Ksta combinacao nao pareccu feliz
e he atacada pnr todos os lados.
Iletpanha 0 novo ministerio hespanhol to-
mn sobre si a Inuvavel larefa de dar salisla-
co aos numerosos credores da Ilespanha. Su-
as solemnes derlarares acabain de ser acom-
pauhadas de um acln mas significativo. Na
sesso oe 3l de Janeiro ultimo, o Sr, Bravo
Morillo, presidente do conselho, nppresentoii
cmara do conselho um piojecto de lei que
lera por lira classilicaco e 0 regiilaminto
a divida. Este projecto he inulto longo e
milito complicado, e at pela mlntieioairiade
de seus detalhes, escapa I loda a anal)-se. Tu-
i o que delle posso dlzer, he que ful aco-
Ihidocom favor, pelos possuidorrs de ttulos
lirspanhes, os qiiae* nao eperivam una re-
pararn mais completa, no estado de penuria
linancera em que se acha a hespanha. Eu
signirei com cuidadido os debates do pro-
jecto na discusso que vai abrir-se perante as
cunes, e darei a cmiliecer a Vine, os seus re.
sultadns. porque lie provavel ijue, na Anieii-
ca, bajara credores da Ilespanha que se inte- i
lessem vivamente por este negocio At oj
picente, apems se non eiou seo......is-ii en-
carregad'i de examinar o projecto ministerial,
0 qual Ihe he favorave1. Ao nirsino lempo
que o gabinete de Madrid apresentava esta
medida os depulados. pedia ao senado reor-
ganisacao do banco de S.-Fianciseo. Estas
duas medidas tendera ao inesmo fin linan-
cciro.
A Ilespanha acaba de entrar na posse de sen
primeiro caniinhu de ferro, com grande ale-
giia de si us habitante*. A linha de Madrid
Aranjuez. consliuida pelos cuidados do ri-
co bauqueiro, o Sr. Salaiiiauea, foi Inaugu-
rada, nos primeiro* das dette me/, pela ral-
nha em pessna. Desde esse di* toda a popu-
laclo de Madiid, rica e pobre quer fa/er-sc
transportar p .r c-ta- via accelerada, e os es-
ereptorioi do novo caiuinlm nao se desempe-
co de viajante*.
O illuslie general Narvaez, que so linha de-
morado algiinias semanas em imssas frontei-
ras, acalla de chegar a Paris, onde tem receid
o mais desvellado aeolliimenlo. Veuio-I sem-
pre nos grandes circuios, p as sesses de nos-
si assembla, s qines elle assi-te coniiuua-
nente em nossa tribuna diplomarles.
Mlemmht. A conferencia de lresde esta a
ponto de tomar una re*olu(Ko mili grave c que
pe a Blirnpa em agitaco. At aqui a Austria
Prus-ia nao llolMn figurado no governo
central da Allennnha, seno em noinr de**
estados allemes. As-ini a llunuria, a Croacia,
a (".alucia, o reino I.ouilnid.i-Veneziinn, que
perteiicem Austria, nu eram representados
ni dieta de Kranefirt. o inesmo aconteca
com o dneado de Pu/.er perleiirenle Prusiia,
Trata-se hnje, e a qneslao parece mesmn ja
laier entrar
niens e os partidos que "tSIli sustentado at; decidida em Dresde, de laier entrar no novo
hoje, cora osprincipaes ranipoies do FreeTra- governo que se quer organisa, a Au-
de, cun o depulados irlandezes, e at com o
anligos amigos de Mr. Pecl, e nada pnder con-
seguir seno pelo apoio desilenhoso que Ihe -
cslareiu os lories Esta% tristes estremida- I bneles de Vicua e de lerlin enrgicos proles
des a que eisc estadista est rrduiido, deve
riaui provarlhe, ao nieii ver, que elle entrn
em una estrada falsa. Mas lord John Russel
ir avante, porque nao ha talvcz exen po de
um humera poltico que lenha consentido em
conlicccr seus erros.
As piinci|iaesdisposices do hiil milito com-
plicado que o primeiro ministro propnz, sao as
duas seguiutes: 1 Elle prohibe a todo subdi-
to inglcz de tomar um titulo conferido por una
potencia cslrangeira, oquaiperlenca a una lo-
calidade qualqiier do reino unido: 2." Confe-
r" cora odiieito de se apoderar de todas as
Esta nolaproduzin um excellenle eD'eito. El- doaces ou legados que forera fritos s pessoas
la animou o paiz, o qual deplorando o voto da
assembla, tema que delle procedessem per-
lurbaccs, que a sabedoria e a generosidade
do presldentcnleconjuraram. Ella nao deixou
aos adversarios systeuiaticos de I.uiz Bonapar-
te outro recurso para aiaca-lo seno insinuar
que se-elle recusava as subscrip9es era s-
mente porque sabia que ellas nao teriain bom
resultado. Era islo una mentira grosseira. As
suliso penes seriara por toda a parte acolhidas
cora culhiisiasmo : eu vi cartas de Lyo, a se-
gunda cidade de Franca, as quaes se annun-
ciava que o comineicio daquella praca esla-
va promplo para f-irnecer por si so a soiiiiiii
pedida pelo presideote. Era Lyo, em Bordeo*,
em Ruo, era todas as nnssas grandes cidades
as dispo.sienes erara as inesuias, e pelo que to-
ca a Paris, esta capital mais importante e mais
rica por sis, que todas essas cldadei reuni-
da*, Vine, pode ler por certo. que era menos
eoito das, ella teria realisado uina somma
enorme. O presidente recusou estes lestemu-
nhos para mo deixar aos partidos a menor ra-
zao de queixa contra elle, e pira uao lancar no
mel dos iuleresses privados que precisara de
ordera, a ili-ir.ic.in sempre irritante e penosa
de uina queslo poltica.
Os nuiuerosus amigos de Luiz Bonaparte nao
e dicidirain lodos fcilmente a obedecer-lhe.
Bonaparlistas houve que quierain abrir subs-
ei pedes, na obstante a declaraban de seu
chefe. Dma gascla dedicada aos iuleresses do
presidente chegoii ineiino a fazer-se o orgo
destas sulucripcoes. as quaes tinhain por lira
comprane oft'erecer ao principe o catlello de
Malmaiton.cfue foi oulr'ora habitado por sua
ar a Imperalriz Josephina, e que perteoce bo-
je raiulia viuva de Ilespanha, Mar a Cbi lati-
na- Para pr fin a estas deuionstracesque te
liara roubado ao presidente o memo de seu
sacrificio, o secretario do uiesino foi obrigado
a declarar por inein de una carta, a qual foi
publicada pela imprensa, que nenhuma subs-
.ripco, qualqiier que-fosse a sua forma e lira,
eria aceita. Tal foi o lira que leve este nego-
cio, o qual nao fex mais do que augmentar a
populaiidade do presdeme.
As consequencias do vol da assembla ap-
pareceraiu logo. Opprimldo de encargos, e
reduzidoa um subsidio de 1,200,000 francos, o
presidente vio-se obrigado a reduzir immrdia-
i.menle as despezas de Ma casa. Elle dimi
nuio o esplendor de suas recepces, e supri-
mi os bailes da quinla-fellas, que eram as
delicias das bellas parisienses, e a adniira-
co dos estrangeiro*. Elle introduzio igual-
inenle era suas estribaras urna severa econo-
ma, e as g e/a tas acabara de annunclar, que
no lioi do mes se vendero por sua ordeni Si
cavallos de estima, lislranha c misera extre-
nildade para o chefe de urna grande nacao.que
cunta 36 milhes de populaco, e cujo orja-
mcuio monta a 1,400 milhes por anuo !
revestidas deases ttulos.
Este Inll assiiii proposlo alravrssnu labnrio-
saineute a sua primeira prava. Elle foi viva-
mente atacado pelos velhos liberaes. Mr. Hume
e Mr. II iliin l>. por violar, em detrimento dos
catholicos, o grande principio da liberdade re-
ligiosa. Alguns lories exaspeadus corabaite-
ram-iiu como inellicaz, porm a immeusa mii-
oiia do partido est decidida a apoia-lo. Em-
tiin a assembla decidi, segundo a furnia in-,
Icza, que o ministro losse antorisadoa depor t'a 4r, quando.piiz dispertar este triste negocio
a sua proposla. Esta deciso foi lomada por |dO llolsuin. NettC momento, a Alleinanha es-
364 votos contra 59. Como Vmc. abe, Uto nao l perfeliamenle tranquilla, e le o goverm.
passa de urna fornialidadc preliminar. Antes "o coiniiietlereui
Pronta ron indos ns seus estados. Sobre o
boato desia resolnro lomada pela conferen-
cia, a Franc* e a Inglaterra dlrigiram aosga-
. .. de Vie..
tos. Estas duas potencias se fundara sobre es-
te principio ncnnleslavel, que os tratados nao
podem ser modificadas sean 'com o concurso
de indos aq elle*iue m concluirn. Ora, ten-
do sido a confederarlo germauioa orgauisada
pelo tratado de Vienna, suas liases esseneiaes
nao pod..... ser mnlilicadas seno eom a assis-
tenol* de lodas as potencias signatarias deste
tratado, ^.io8e sabe simia qual seia aililu-
ded.iRussia nesia queslo : esia atliiude ser i
decisiva em raso da iulliienei.i que o czar
exerce suhre os dous grandes gabinetes da Al
lemanita.
O ininslerio prussianoconsegua acabarcom
as resistencias que n espirito demaggico Ihe
oppunha no paiz e lias cmaras, hile oube
conquistar nina mainiia parlamentar que acha
lodas as vrzes que as quesles polticas estn
em jugo. Assim.o chefe da opnoilcfio, na c-
mara dos depulados. M. de Wloik, nao pode
iiieamo conseguir fazer adiniltir discnssa i
publica aanainoeioiobreo perlgoi da situa-
co. Na outra cmara, um illtra-allem.in, o
nde de Arnin, foi balido p
ir 71 votos con-
de *e tornar lei do rilado, o bil deve passar
pela prova de seis trituras, tres na cmara dos
coininuns e tres as dos lords. I'udo annuneia
portanto ura multo longo dbale, chelo de in-
cidentes e de perepecias, das quaes lerei o cui-
dado de liten a In.
Alguna das depois da moco de lord John
llussel, o chele dos lories, Mr.de Israel!, apre-
senlou a sua, a qual diz respeilo miseria das
classes agrcolas. A discusso coi.tinuou du-
rante-mullas sesses: em qualqiier outra cir-
cuinst incia, os lories que esloeui minora na
assembla, hauain sido rediuidos asnas pro*
prias l.o cas. e teriain encontrado contra ai
una maioria de crin votos, mas os Irlandezes,
que lo catholicos ante* de seren f'ree l'rmlet,
enfurecerain-se contra o bil de lord John Rus-
sel, e qulierain vingar se do ministro que alian-
donara a sua causa. Qiiarenta volos irlande-
zeivieiaui reunir-se a phalange dos-lories, e a
moco de Mr. de Israeli nao fi> repellida leno
pela fraca maioria de l4 votos. Se nao fra-es-
ta circuinslancia exeepeonal, o ministerio
Wliig se teria ceilaineule retirado diaute de
um s'cinelh me voto; mas elle est fnrteu.en-
te abalado, e mais do que nunca du vi la-e que
possa viver.
Apnz estes longos debales, o chanceller do
fisco subinelleii cmara dos coiiimun, o or-
camenlo da Inglaterra. Era verdade a liluac.io
lio.meen a deate grande paiz he Uoreisenle,
pois que resulla du relatorio do ministro que
as receiai excederam ai despejas, pouco mal*
on menos, era 50 milhes. Nao crea, porm.
Vmc. que eita prosperidade de theiouro seja
para o mi mate rio uina ci i n ta de duraco.
Pelo contrario: a' medida que a receita aug-
menta, os inglocs, povo intelligente e pralico,
se applicam a diminuir ni teus encargos. So-
bre queartigos, porcui devem cahlr as reduc-
jes? Eis a queslo que o ministerio julgou-
e obrigado a resolver, e sua aoluco ja levan-
tou no paiz e na cmara dos coniuiuns nume-
rosas objecces. O* lories querera que se .li-
iiiiniiaui ou que *e suppriinaui a Ineame Pat.
Os i"ri Tmdei querera a diuiinuc,o ou asup-
presso das laxas que veraam Sobre objeclm
necessarios vida. O chanceller do fisco, Sir
le elles suube-
reni apprnveitar as linas disposices dos povo*,
pude i au fundar a paz interior sobre bases du-
radotiras,
Jilrm, 7 de Janeiro de 1851.
Ha sempre no seio da linssa asseniblca uina
verdadeia confusso de iileias, e de mano-
bras que se ciusain, c cada partido procura
pruno ver seus iuleresse era detrimento do
inleresse geral.
O legisiimislas principalmente milito acti-
vos, multo iinpreheiidedores, esfnrcain-se pela
baliild ide di sua taclica a chamar a si a
Franca a qual lera fortes prevences a seu res
pe lo.
No principio desla quintana, derain elles
ura golpe decesivo, para lissipara* desenn-
Aanea* da opinio publica. Tudas as suas ga-
zetas publicaran! Uina carta, escripia de Ve-
neza a Mr. Iterryer, pelo seu pretndanle, o
cuide de Chambnrd: Esta caria tem pnr fin
fazer saber a Franca, que o hcrdelro legitimo
la inonarchia concille- o seu secuto, e tem a
firme lutencn de lumtar um governo t.....ni.
se por acaso fr chamado ao throno -dos seus
antepassados. C principe quiz destruir por
esta publicaco o terrivel ell'eilo que havia
proluzido o manifest de VVieshadeii, do qual
l'allei a Vrac. em luinha caria de sclembrn. El-
le quiz ao inesmo lempo aplainai as difficul-
dades de una fusao entre os seus partidistas,
eus da lamilla d'Orlean*. Veremos logo qual
o resultado que lera tido ; mas agora devo
da r-1 ie una deia, ao menos por um extracto,
da caita do cunde de l.hainbord, que he um
Importante documeulo para a bisioiia contem-
pornea.
Depois de ter dado a Mr. Berryer( chefe par-
lamentar dos legisiimislas ) os seus agradeci-
uienlo* por mu diaeuiso mu bello, que pro-
nunciou na assembla, o pnucipe continua
uestes termo* :
Deposilario do principio fundamental da
inonarchia, sri que esta inonarchia nao satis-
fara a lodas as precises da Kranfa seno rs-
tivesae era liaruioiiia com o seu estado social,
sena cusiuiiies, seus iuleresses, e se a Franca
llo r, i onlieces-e e nao ai enassc a -lia lie-
cessidade. Retpeito o mcu paiz lauto quanlu
ihrlei Wood, nao satisfaz nem a un* nem a I o amo, honro a sua civilisacao, e a sua gloria
CI"
contempornea, lano quanto as tradicies e
as lenibrancas da sua historia. As mximas
que elle tem fnrVmenle a pello, e que vos
leinbrasirs na tribuna, a Igualdade peranle a
lei, a liberdade da eonsclencia, o livre acesso
para tudas os mritos era todos os empregos,
a todas as honras, e a lodas as vantagens o-
eiaes. lodos estes grandes principios de nina
sociedade esclarecida e clirista me sao cha-
ros e sagrados, como a vos, como a to.doa o*
'raneeiel, Dar a estes principios toda as ga-
rantas, que Ihe sao necessarias, por Inslitul-
cos, conformes aovlo da naci, e fundar de
accordo com ella, um governo regular ees-
tavel, cnllocaiidii-ii sobre as bases da neredi-
lariedade monarchlea, esoba guarda das II-
ln nf.i.le- publicas, ao inesmo lempo forte*
"mente regulada c Icalinente respeltadas, lal
oiinicoliui da iniulia ambicao. Alrevo-
i esperar que com o soccorro de todos 09
liuns cidados, i\i' lodos os membros de niinha
lamilla, nao me tallar nem corageni nem
preterveranca para levar a rflelto esta obra
de restauraao nacional, nico raeio de resll-
tulr a Kranc.i estas longas perspectivas do fu-
luro, sem as quaes u presente, anda mesmo
tranquillo, torua-se inquieto, e Icrido de iste
riiidade.
Depois de tantas vicissitudes, e nisiin-rii-
fructlferos, a F.auei esclarecida por sua pn -
piia experiencia, sabei. i-uino cunlio, couhe-
cer por si mesilla, aonde esto os sens inelhi- '
rea destinos. No da emque ella le convencer
que u principio tradiccinnal, e secular da he-
reditarteilade mooaich'ca, he a mais segura
garanta da estabilidado do seu gove lio, do
desenvolviuiento de suas liberdade*, ella acha-
ra em nini um frailee/, dedicado, empenhado
em iciiuir ao redor de si, todas as capacidades,
t dos os tlenlos, ludas as glorias, todos ns ho '
inens rpie pnr seus servivns teeui merecido O
rrenuhecini- uto do paiz.
halas chaces bastara para pr Vmc. em ei-
tado de poder apreciar as nteucesdeala carta,
ti pretendeute dos legitimistas que'r-se fater a-
ceitar pelos orleaniBla*, ans qu es faz asonis
lernas proraessas, Por ofelicidade do princi-
pe, e de sen partido, os n ......us que se achain
lenle do partido de Orleam, sao mili ambi-
ciosos, e nu querein servir de degrus ao pre-
tndeme do ra......i-iis velho. Por lata em re*
posta a estes galanteios do principe, eis-aqui o
l|U6 filtran!. Un representante nrleanisla suli-
metleu a assembla una pro|iosla, estrea
raen e desagrad ivel au conde de Chambord, e
a seus partidarios. Esta pioposta tiuha por
flu fazer abrogar as leis que conderaliam ao
exilio os llurbes dos dous ramos Ora o con*
de de Chambord, SS estas leis fmem abolidas,
iio pielei.de usar do direilo que lera de en-
trar em rauca, purque sil qur vollar em vil*.
lude do seu principio e como re. 0* princi-
pes de O leans pelo contrario Cslo decididos a
entrar em sua patria e os seus mais ai denle*
partidistas es.pl irarlam a sua presenta, para
preparar a elevacu do herdelro dos de Ur-
leans cora, no dia em que a Franca se sentir
faiigada da repblica.
Eslahe a raido que levara os legitimistas a
f i/er viva opposictio adupc i deila |irnpus|a;
mas Mr, 'fhiers. e seus amigos manobraran!
activamente para que ella losse discutida, o
foram llem succedid is. A discusso leve lugar
no piimcro*de marco,
Mr. berryer coinbateu com tudas as for-
jas a proposla, e neslte ponto est em,
pe feilo accordo cooi o governo, o qual quer
evitar para o no-so ciesgiafado paiz loda nova
ccasio de diviso, e de discordia, mas os
orleanlstas mo deisniuiaram, elles defende-
rn! a proposla, a eneigia desesperada de ho-
iiieus que in II i tem empenhado tudas as -as
prub ibilidades de BUCCesso. Depois de ura
lingo c tempestuoso debate; a proposla foi
adiada para sel' meses, n que eqiuvale a urna
regeicao. L'ra incidente des? deh.te prndu-
tia .i mais priiluuda sensaco, purque rev
lra'toda a perversldade dus nussus republi-
Oanus imiuUiihezes. Um destes liumens, cha*
mado Marcos Dufrassc, fez na tribuna uina
espantosa apolcgia ao regicidio; elle leve a
audacia de, no nielo da estupefacvo, e da
indigiiacn geraes, uslilicar a oouveiico pelo
assassinalo jui iilicu de I.uiz XVI 0 presiden-
te cltsuiou a ordem a este fantico patife, mas
o que he ser chamado ordera pai a uina infa-
mia dest* uaiuieza ?
Vmc. ve que us n issni anarchistas nada leni
perdido de sua Insolencia e de seus inos
designios. I'.iu tranca, elles sao conlidos pe-
lo guveruo que viga attentiinent os seus
un ii M c- pasaos, e que os obliga a perraane-
cerein tranquillo*, Pur isso o auniversario
de 24 de fevereiro ( dia em que leve lugar a
nossa revoluco) pas9ou-se soceg.,dauiente
nao s mi Paria, como as provincias; mas
os 11.-. n, refugiados era ns paizrs estranget-
ros, os de Londres principalmente celebrarain
este anuiversai io cun frenes, cuspindo inju-
rias contra o goveruo, que airaucuu a Franca
de suas mos, %
li.i liitqueles liveram lugar naquella
cilaile, um da quiiilientus individuo! pre-
sidido por 1,1'dru Rullm, o outro de mil o
duzenioa piesidido pr Luis Klanc. Pira es-
to ullimn lianquelo foram convidados
oommunutai puros, OS quaes pretendem
que a mu, e"m dove ter por coiiSequen-
Ca mi me lia!,i a pal hlha dos beiis. II, en-
IreUnlo um liomem tnal-i feroz simia do
que e-I. a descarados la luios, reunidos
nesa ile Luis Blanc. lisie bomein be um
atiitgo conspirador, detido na prisiio de
Bella lie, e que- se chama Augusto blanque.
Elle remellen t'scnpto um brinde espanto,
so, para ser ll.lo n sle lianqueic dos igwtet.
lis cheles litio se atrever in a I lo, ni ais a
imprensa nulo den a conii*cer para nos
instruir sobre o mal moral que col; a nos-
sa velha Europa. I.u ilesprendn deste brin-
de rlguinas passagens ; depois de analne-
malisar sos Iioiihiis do seu pattido, que
nuil suubeiam promover os inieresses do
polo, que os enllocara no poder depois da
i evoitii;,iM de fevereiro, Augusto Bliuque se
expreuiio nos seguiutes termos :
Nao basta que os ladroes de fevereiro se-
jam para srinpie rrpellidos do Hotel de Ville,
releva premuuirino-iios contra novos traidores
Traidor, s serian o govcr'nanies que ele
vados sobre o broquel pruleclario nao lize-sein
operar iininediataiurnte. I., o dciarmawenlo
geral da guarda civicl ; 2.", o armamento ge-
isldc t iins osoperaiios.
Sem duvida, ha nutras medidas que sSo in-


r^
._ .-----
,
>
,i

i
des te primero Hito que he .garanila prrhm.. q"M'" i'OR',< 4dBlld|da con
ar. o ...,1ro penhorde .rguranca p.ra MM. ^!L*EK espirito dcm-eoeico; o. re
.1*5. deve ficarum. espingarda nasmaos dalo "'"""""',,Pdo ,ncio da HUH contt-
p.arda cvica. M...I.U. M.ha ..Iv.fao! M2iSKJ^^1iHJW .-
ncsedelxain divertir com passrios ridiculos
as ruaj, com rlantaco<-s f aores da librr-
dade.com plirasri sonora, de advocados, lla-
vera no principio agoa brnta, so depois injo-
i i.-is. e finalmente nietralha e miseria srmprr.a
Esta linnoanem de animal ler sa.se entre-
tanto d bocea de um hoinein mullo instruido,
.- multo brin educado, o qual lie irmo de um
doa n ssos economistas inais ilislinclos! Jul-
Kue Viucs. por essa degradac*' de una inlel-
ligencia rscolhida. dasdestruices que o espi-
rito do mal lem eilo na nossa sociedade frau-
Os' trabalhoi da nossa assembla legislativa
nao apresentain nesta quimena enu Vil in-
ters*'mediocre e inteitamente local, tspe-
ra-se de unidla para nutro ver cliegar a tribu-
na a famosa nrgncacf.o do tratado le Prdour,
proposito do subsidio que o govcrnu deve
pedir psra Monlevido.
ingini'rru. Ilouve nesta quinten urna en
e ministerial, que durou inuilus das e que
acaba de terminar pela entrada no poder dos
niuislros demissionanos. EiS-aqUl as parti-
cularidades deste negocio, cujo destecho bur-
ln asesperancas dos amadores de novida.les.
Um radical, Mr. I.ckc KiDg aprrsenlou na
acssode ldefevereirouma proposla que ti-
nha por cosluuie apn-scular lo ios os anuos, e
que at aqu, tmha sido sempre rejeitada. Li-
ta proposla linba por flu estender a liberdadc
eleiloral aos condados. A cmara dos coin-
iniins era pouco numerosa, e aprzar dos eslor
os de lord John llussel. a proposta foi appro-
vada por 100 votos contra 52. Podia-se fcil-
meule fechar os olhos sobre este revez, que
era mili fcil de ser preparado, porque os lorvs
que naolliiham volado, para faxer peca jo mi-
nisterio, se renniriam certaueiite aos VI higs
para rrjriiarem a proposla em urna segunda
leitura, mas o prlnieiro miuistro eslava eni
eus morventos de desanimo, elle vira seus an-
tigos amigos, o radicara, e os pcelislas, aban-
doaarriii-no sobre o terreno do Mil da aggrcs-
aao papal. Por outro lado o p>ojelo do urca-
xnento aprescniado por Mr. Wood tiuha 'ido
te-lo. Lord John Russtle seuscollegas julga-
r.im aoccasio boa para se retiraren!, e depo-
eram ein cominum entre as mioi da raiuha as
suas demlssdea, designando lord Stanley como
o pers u.agem naturaliiicole chamado para
compor una nova administrarn.
Porm lord Stanley vio-se em grande em-
baraco. incvmbido pela rainlia de compor um
gabinete, elle reconlieceu (em custoque lile
lili iv un dual C0UMS ; a primeira nina malo-
xia na casa dos c ininiius a segunda liomens
capazos Desde que Mr. Peel s.- Ipparou di
partido tory, este partido nao pode maii re-
parar ai perdis Uninensaa que tem lolfrldo,
e a excepen ile lr. d'lsrarll nao l......mi ora-
dor de Importancia ua cunara dos coinmum;
todava Lord Slaniley na i alreveu-se a eou-
ei-ar logo a sua iinportaucia. pedio lempo
rainha para chamar a si alguna humen emi-
nentes do partido Peel. Elle baria laucado os
olhos especialmente sobre Mr. Gl.dsiunc que
nao lava em Londres, e que. logo queche-
dru-se pr>a em declarar a Lord ls-
que se nao apartara dus seus a
dado'q'ue^u-iomado de preparar, quanto
II,.. pe, niit.em os recursos do pala ^
------- .0hre a divida, propoi
pnrlantes; quaudo se abrir
proieelo do governo
modilieaces mui i n, pnanle ,,......
debaVeen darei a Vine, coula das re.olucoe.
^FtSStmjm que .gtamg q-
val comecar teja a poca escolh.da pelos re-
".arios li.ll.no. para tentar,. ni... no-
va insurreicao. Mazzim, o qual pode ol.ier do,
fanclicos anglicanos tima om.na de 700.000
ancos, acaba defazer U.n. vi.gcm. a Soma
para se aproximar do desgraeadu paiz. i.ue el-
, ten, la muilas ve-es perl.ibado, c para pre-
parar o. elementos de ..... novo llicrodlo. Di-
e nue elle achara nielo. *flw4tr-
ma^e'u'e'mJnKoV;. as qnaes ,eu,dcse,.,barca-
---------------la. Uitlltll.4.
dos resulia-
Mnaiinen.c na.. .. ""
I
Filialinriite nada ha que temer
- desta nova tentativa, porque Aus.r.aes-
Itadetzki un, Hme-
se meclierem, o
Elle ja
a os que
prupagarr......rscrVp'iossedic.osos que Maitlul
fu espaldar por seus cominissai.os na Lom-
varia-
l prompU, eja envin a Ha
ruso reforco. Se. os Italiano!
velhomarcchal, os rednzira a ra.ao.
publlcou edi aes mui serems contra
gnu.
iVo/u-lim da lolia Os nossos lundos
,, pouco noulll.no mez. Os fundo, ,n-
glrzes ealo igualmente ...anl.dos, apezar da
fui de 97. i. Mi baiso, de *, l5. tiles fi-
caan, a W5. 05. .u
Tres por eruto. O ...ais alto curso lo. de 5H,
80; o ...ais baixo. de 07, 7o. ricara.n a
W'cSH** ing/ra O mal alto curso foi
de 92 l|2 i o '"ail >'* c bimidmiiiiiM
BiCirt, 1 DK ABRIL B 1001.
A assembla conlinunu hoje com a disct-
alo do parecer da commissao de nrcameiito
muoicinal relativo a cnnslruecao do maladou-
ro publico, f.caudo ada la por empate na vo-
lacan Ulna .......nda. qu O llieiino ollerecen o
Sr Dr HaptltU ; encetou a dlseuiso da pro-
ecto ... 1. sobre o monopolio das carnes ver-
des, qu.- fui adiada pela hora, tendo anda a
palavraoSr. Manuel Cavalean, e sendo prn-
,, ,fto pelo Sr. Aguiar o s-u ad,amento por 48
I,oras e, altencu a nao se achar na cisa o Sr.
tamley
xnigos.
A couibinaco lory ful pois, frustada, e oil-
Juslre Lrd, aprrssnu-se em ir depr nal
inaos da raiuha os poderes quedella baria re-
cebido. acouselliando-a que recurresse a lord
Aqerdeen. ,
Lord Aberdcenheo mal consideravel dos
amigos amigos de Mr. Peel. os qu.es oieeo-
nhecein hoja por aeu chefe. Por si sos ni Pee-
listas nula podein porque tao leem seuao
Uiis cineoenta v inuns, pircni elle sao lodos l.oineus mu. ca-
pazes, e a sua inllnencia he grande en, tolos
o, partido*. Depoll de ter entendido com Mr
James Graham, Lord Aherdeeu qillz enlen-
der-se com o, cheres do partid tory, leve
muilas conferencias con, Lord John llussel, e
LordLansdnwnr, mas Un obstculo invenci-
vel se oppol a todo.o aceordo.
I.ord Aberdeen. e seus amigos sao amigo!
lineme da liberdade, e por esle titulo sao
radicalmente npposms ao bil contra a g-
gresao papal, que a'-s seus olhos da mu gol-
lie morlal na liberdade religiosa dos catho-
Jicos Lord John Russel ollerec.u inodifi-
ar o bil, mas Lord Aberdeen exiga, por
preco do scu concurso, <|ue elle fosse reti-
rado.
Os Whigs nao podia fazer esta concessao, e
as negociaces foram rompidas.
Julltue VaiC. em que emharf, eslava a
rainha que no poda aehar ministro, nem
ntreos 10')'*, non. entre os Whigs. nem
enireosl'eelistss. Nesta perplexnla.ln ella
diriuio-seao humea mms oonsideravel e
mais venerav I da Inglaterra, ao duque de
Willingion, quenSo lie s 0 mal IIlustre
guerrairo da sen p um dos seus polineos mais consumados.
A fiiiiiiiio do velho iloqoeToi que a rainha
de i convidar l.orJ4ohii lu-se I e seis col-
legns a retomaren as su s pastas. Foi o que
leve lugar. 0< ministro demissioniirics
esclarecidos sobre as diulcoldadei da silua-
c8o, accedern aos desejo da rainha.
gl.inla-feira pstaads Lord Jolm Itusst'il an-
Dunciou esta noticia cmara dos com-
rriuns. Elle derlarou ao mesino lempo qu
tinha a ntencBo de (presentar un. i.uvo <.r-
c-n.enlo, oque faria lamhem uiodilicacOes
cunsideraveisao bil sobre aaggress9u pa-
pal. Nao se er ein Londres que u ministe-
rio se possa sustentar, e bem que os adver-
sarios do niesmo teuliam i.aleuleado a sua
impotencia nesia data, espera-sc que u
primeira uccasiSo, talez que a respeito do
ion snti-pipal, sobrelenhi logar algn.
Vula(Suque obrigue Lord John Hussell a
82ei urna nova e deliniljva retirada.
AVemanha.- A llrspanha e Portugal reuni-
rn ai suas prolestaces aos da r rauca
e da Inglaterra, as quaes consideran! como
urna viulacao do tratado de Vieiine, a deciso
da confederacao de Dresde, pela qual a Aus-
tria heaulo.isada a rnliar en, tudos os seus
estados n conlederaco germnica O prin-
cipe de Scliwarizembcrg dirigi a todos os
gabinetes, que lomaiam paile uos tratados
de 1815, urna nota na qual se raforca para
eslabelrcer o direilo d'Auslria en. um negocio
que elle apreseuta como diicudo respeilo ni-
camente Ae.nanha. EsU these de mui con-
tealavel, porquantn a kuropa he grandemen-
te Intercssada em que a coafederacio, a qual
tem urna populaft'o de 36 mill.oes de almas,
punco man uU nieups,. pelas adjuuccoei de
provincias que nao sao alientas, um
J.tO drU
francisco Joio.que asslgn
respectivo pnecer da coipnilssao especial
aipn.vou finalmentedouspareceres da com-
missao depolicia, um sobre a proposla fe.la
pela Viuva Roma& Hlhos conoeruenie a I ir,
presides, e outro sobre una induacao do ir.
Paes larreto.
A ordem do dia para amanhaa (SJ he a cou-
(inuacao d mesma de boje.
rada. A dleuiao da le ele.toral continua
>en,a i vonlade do ministerio, que este in-
edente acaba aioda de deotiflear com a inaio-
Sveda t Koruega.
No primeiro lestesdous pane nada de
extraurdinarin tinha orcorridr-, do segundo
porm temos que referir dous farto', a aber-
tura do StorlHngl ratlan enio ) pelo re en.
pesaos, e um letantamento que tere luga,
ni eidade de'Lavanger. .
I.is-squi a falla da abertura pronunciada
pelo rei : .
LessNor.ieguenses.--r,rande e verda-
deira lie a satMacflo que siulo ao abrir ho-
je pessnalmenle a s'ssio do Stoithmg ; eu
faro mil votos pelo bom suceesso de vossos
esloreosnoinleressedobem publico. Meu
enrocan ficou vivamente commovido pela
alegra geral que todos os meus subditos
experimentaran conimigo por occasiSo do
casan.enlo do meu multo ainado lilho. o
principe real. Esta uniSo com o luccurrt
,1a Providencia Divina, assegurar a uc-
cessSoaotbrono, eestreita.a mais os la-
cosque ligan a minha familia a nobre na-
ci noruesuense. ..
. O Ceo, que popou pennsula scandinava
os pe. igos "que durante os ltimos annoa cau-
saran, .antas dcagracas a uniros estados, quelra
permiliii-noi de conlinuar a empregar incei-
sante.uen lelodoi os nossos cuidados na conso-
lidacu de nossas insliluices e da prospenda-
de geral.' oxal que os sollri.ne.ilos nascidos
de esperances exageradas, bascadas sobre Ibeo-
,.as euganosas, e que te... abalado tantos ou-
Iros esiados. selam urna liSao que nos ponha
de sobie aviso contra idrlasque naolendem se
i,;io a laier nascer o descontenU.nenlo do que
existe, a discordia 01*11. o esquecimento do,
deveres para com o estado, e a desobediencia
as leis Itepilla.uos de conunuin aicrdo estes
principios subservisos, e trabalbcmos com to-
das as nossas furcas para o oeseuvolvimenlo
dos meiua inlellecluaes, e pblsicoi das tlasses
pouco favorecidas pela forluna.
" Euire as p.oposicOei que vos hao de ser
apreseutadas, ha urna que recoiiimeiido a
vossa alenco particular lie o p.ojeclo de le
relativo ao cslaielecimenlo de um cainiuho de
ferro de Lhristiania ao lado de Myosen. Esle
projeclo de le eu o depoubo co.u coufiauca
cu. nossas .naos.
. As nossas relacoes com as potencias es-
traugeiras ioniinua.ua ter o cm.ho'de urna
Sincera aiulsade. A exisieucla rfflca* dada por
meus liis alliados justa causa da Dinamar-
ca, a qiial laoibcm fura o objecto-de urna
grande contenda da paite dos reinos unidos,
iui termo a uu,a lula sanguinolenla. As
graves qucsloes que derain iiascimento a ca-
ta luna, e que a prolongaram recebeo be...
depresta, segundo todas a appatenelas, um;
solluco inicuamente pacifica.
,. Liu buen geral de lado de ruina vo
ser apic.cniado: Ahi veris com prazer que
a .os.sa indusiiia, apesar das conjuncluras
desfavoravels dus ltimos annos, tem i.
progreso, satisfactorio.
epois da ultima sessao do Storlhing
fui terminada a CoMlroeclO do novo palacio
real em Lhiisliania, r J dille lumei posse
. Koi con. sincero rrcuiihectmeulo que recebi
esta nova prova do amor que.o povo uorue-
gucuse lem a niiul e a miaba lamilla.
. Declaro ab. ra a sesso do dcimo lerceiro
. Dons batalhSe de Infantera forana chama-
Jln. 1evaneer, onde at eolao havia apenas
cineoenta I "mens de tropas. A vista da f-re.
.rmada Irrliou a populatao, que atacou aber-
uES* o, corno? W guarda. lancon-lhe
Dita das aulas de lalim
ultas
Juroi
HO.fOl
63.110
5,048
Rls. 4^441,033
""c Slo.lhing ordinaliode No,uega.e iuvocandoso
bre vossos uaball.os as beures do Allis.imo,
i u vos renov, senbores e I, aes Norueguenses,
a segu aoja de Hilaba iuleira benevolencia
Logo que o rei acabon de fallar, lodos os
meiubros do HlorlhtBg grilaram tiiooo rt, gri-
to que foi repetido pelos uuineroso, espectado-
res encina,u as tribunas.
Nudla H de fevereiro foi apreseulado ao rei
o voto de grafasprla mesa do alortl.ing e urna
^SI ZZESSttS2S^
Ve?To domingo, 9 de Teverelro. nenhum ex-
ceiio leve lugar, sem duvid. tf****r
vido sanlidade do dia mas na segunda-feira.
i populaca ton.ou tima atl.tude ameacadora. e
oecupouen massas compactas o. pontos prm-
C' A munlc'ipal.d'ade mandou virdeilacamentos
decavallaria.queseposlaram ao redor do Hotel-
de-Vllle Pelas tres horas da tarde, um gran-
de numero depessoai desembocaran da, ras
viiinb.i ; a cavallarla julgou-se obrlgada, a
carregar sobre ellas; mas esses Individuos lu-
Blratn, e foram substituidos por urna inultl-
do de homens armados de estacas, de forcados
e de longoi balines ferrado as extremidades,
o quaes se arrojaram sobre a cavallarla, e le-
riram os cavallos, cuja maior parte espanta-
ram-se erecuaram. Desoll cavallelroi roram
lancados fra da sella, e calcados aosps dos
cavallos.
hepoisdesta pruess, os perturbadores
se retiraran, e houve urna tregot, a qual
todava nSo foi de longa duracSo. Pelas oi-
to horas da noite, as mas se encheratn de
individuos de sinlstrss figurs, os quaes
primeiro que tydo quebiaram a pedradas
os caixilhos de todas as cazas de alguma a>-
parencia, depois entraran nestas casas,
quebraran os movis, e lsncaram pelas ja-
nellas todos os objeclos de prer;o que acha-
ram, e isto dando gritos de honra e viva aos
principios commnnistas.
No dia seguinte a eidade de Lvar.ger
foi occopaJa pur numorosos corpos de tro-
pas e por minias bateriss da artilharia, o
que poi fim revolta, Dos sabe por quan-
to lempo.
Nos arrabalilesde Levanger. e especi-
almente no districto de Sloerdalan, tam-
bem se commeltoram grandes excassos
Nesle ultimo districto. a populacho cortou
muilas arvores lias florestas, e as levpu
comsigo. .
Estas noticias produziram em Lhris-
tiania um profunda e dolorosa sensc8o. O
rei, logo que foi informado das desordens
occorridas, convocou o conselho de es-
tado, ao qual elle presidio em pessns
Depois da sessao do conselho, e Sr. cronel
Sioein Wegeld afudaote de campo do |rei,
parti para Levanger.
No Slerihlng, tamben os deploraveis a-
conlecimentos de que Levanger e seus arra-
baldes foram o tbeatro causaran! uina gran-
de emofo, O Sr. Lie, depulado, um dos che-
fe, da oppolcSo,approvelou-e da occaslao pa-
ra faier una proposla tendente a que o Stor-
lhing dirigiese ao rei una supplica coulendo
em substaucia o que se segu.
Visto a grande fcnnenlaco que reina na
naco porque o guverno nao trabalba e.n de-
senvolver en un. sentido popular as relacoes
sociaes, o Storlhing supplica ,pecosamen-
te a S. M. que tome medidas para melliorar a
surte do povo.
Esla proposla foi tomada em considera-
co pelo Stirll.ing. que uomeiou uiua coui-
misso para examina-la a
lny Interra.
Os consolidadas licarau. e.n Londres de 96 112
a!Kj.",|S ; os fundos brasileiros, os pequeos, a
92 114 os argentiuos, de 54 l|2 a 643(4 ; o,
qualro e n.ciu por cenlo russos, de 97 3|4 a 97
5|8 e os dous e ineio por cenlo hollandezes,
,i.-.,S l|1 a 583|4.
Mesa do consulado provincial. 31 de marco de
- O escrivSo da primeira iec{ao, Joo
1851.
//nado do Reg
Pelo vapor Ingle ilrilwy, que procedente
dos porios de Soulhamptan, Lisboa, fenerirel
los as du ,s ca tas do nosso cor
Pars que Qcain estampadas em outro lugar
de-ia fblha, e bem assiu, varias g.ieai male-
vas r fr necias das quaes as prlinriraa alcau-
Vama8 e a,segundas a 9 de marco prximo
passado.
Anq.ie rom.nunica od.lo nosso correspon-
dente de Pars aecrcsceiitareu.os por agora s-
menle o seguinte.
('rnnf/i llewinM
A assembla nacional legislativa da rep-
blica frauceta adoplou ulnmameutc um pro-
icelode le, o qual estei.de a det annos o rs-
IMCO de lempo concedido aos cidadaos frin-
ectes proprietarlos de eseravo en. paires es-
trangelroi para se desfaierem do meamos,
em eonfurmlilade do decreto de 27 de abril
le iSiS relativo a rscravldo.
Asituacu polilica da Algeria, excepto so-
mente a de KabvIU vai-se tornando cada vez
mais alisiactorfa.
ii:,hai ch.gado a Oran algnns chefes d>i
Uleddi- Inkh-lih iralns para o liu, de trataren,
de sua sulunlssao dellnlllva. Esta tribu ten,
nina inllnencia religiosa que se csiende ao
Sinara ; IU sul.....ssao porta,ito nao
nilhues de "almas, mas oque he
e mus serio ua nota do ministro
louge i
pode deixar de contribuir poderosa,nenie para
a n.anulensao da traoquillidade en. Inda essa
pane do territorio fraucez que fica visiulia de
Marrocoa. _
U general Wfraol, ministro da guerra lles-
nanboli ira a sua deiulssio lesle posto por
nao eslarde aceordo com a commissao do or-
canienln ;a rainha nomeia para o substituir o
general Lersundi.
conselho dni minislros decidi ltima-
mente, tendo en. vista a economa publica,que
lodas as embas, idas hesp.uholas nos paues
eslrangeiroi fossem suprimidas,
PeriMfal.
Tudo quanto temo, que dlter acerca denc
paiz consta da seguinte carta, datada de 18 de
fevereiro prximo passado:--
" Nada ha de novo aqu em poltica a nso
ser urna especele clise ministerial, aqual to-
dava nao leve nenhum re.ullado. Eis aqu as
raes que pasa isso I,olive.
' A cmara dos depiilados oecupava-iC com
a dlSCUSso da le eleiloral lal qual lora apre-
srutada pelo ministerio e aceita pela coiums-
ago Essa le que be muilo liberal, declara in-
co.npaliveis con. as funecoes de depulados as
dos prefeitos, cominanJaues de div.ses mili-
tares, presidenles de relacoes, procuradores
ocal da cora, procuradores do re, ihesourel-
,u. pagadores directores e vice-direclorea
das dilierenies linha, de alfandegas. governa-
ooi es geiaes de alen, mar c com.i.andanles das
estacoes navaes. Uulando com o bou senso
da lai oria, o gabin-le declarou que nao faz.a
dessa lei u.ua queslao ministerial. A d.scussao
une leve lugar a 15 do crlente fo. multo ani-
mada c un. depulado da opposcao propoi es-
tender as incompaiibilidades as luuc(oes de
secretarios de preleilos, chefes de corpos. aU-
judiealarios, junes, blspos, arecbspos e coi,,-
uaiidviiles de navios de guerra.
A cmara arrastrada,nao se abe como.vo-
tou nao obstante os esforcos do conde de Tl.o-
mar. algumos deslas iiicompaiibidadea ; mas
denoisos ueiiutados conservadores percebendo
que os leva.au, un, pouco Jonge e dentis ou-
viudoo presideuledocousellio declarar que
...iuisterio ia dar a ana de.nis.ao para nao
v.ramaio.a aai.ccionai urna lal let, reuui-
ra.u-se no dia seguinte e resulverain relormar
pu-' a votafo da veapera.
Se a opposcao se tivesse contentado con.
' ... .1,.~..... ...,i,.l na.
pon.leu da uianeira seguiule :
Seuhnres, recebo com prazer e recoi.beci -
nclito a expressao de vossos sei.linieuios para
com iniulia pessoa e miiilia familia. Kssses len-
lioieuius, eu os considerare! sempre como a
mais doce iceompcuca dus furtos que nao
eesso de lazer pela gloria c bem eslar do povo
norueguense, Coulu con. a activa cooiieraeia
do slortl.ing para o luesiuo liu. Nesles le.np. s
lao U.llic. is a lar. la da represeniacao nacional
ea iniulia sao graves e extrema,ueule pcniveis.
Presentemente mais que uuuca, a uui.io e a
connai.es sao necersanas entre o Storlhing c
os outros grandes poderes do esladu. lie do
nosso dever pui'-uos a cima de todos os iule-
reise mesquuh s, nao ler em vista seuo os
Uiteresses geraes da pina e ajudar-uosreci-
piooa.uedie. lie para consolidar la uuiu e
etsa coucoidia que eu me acho entre vs.
Espero que VOSSOS liabilhos farao a felici-
dad Ua necio iioruegueii.e, e esta esperauca
rundo na BSSiSteucia que a Provideucia
Divinase dignara de couceder-nos, e bem as-
iii cm so.so telo, em vossa lealdade e eu
vosso patiiolisino esclarecido.
Ueilcro-vos a assegurauft de meu favore
de nimba real benevolencia.
A respeilo da sublcvacao de Levanger, eii o
que se 14 UO Journul gcl Vtiult de 4 de HtarfO
prximo passado:
De Ubilalianla, (Noroega) escrevem-nos com
dala de ii de fevereiro o seguiule :
Picccbe.uus instes noticias da provincia de
ln o, u,ei ni. Neste paiz, onde jamis a tranquil-
l.d.de publica liul.a recebido o ...cor ataque
se. o, o eslauda le da tcvolia foi arvorado ua
lloiessculee iuduslnusa eidade de Levanger.
O Sr. Marcos I Inane, o fundador das nu-
merosas sociedades cban.adas operaras, mas
en, reaiidade couiiuuuisias, eque desgracada-
Uieni* pullulau. buin e. ludo o le. lilotio das pro-
vine,as de Aicke.sl.uus e de Uuisiiansaud,
quiz esteuder a sua perniciosa acl vid .de s re-
-un s S"epleuiriouaes da Nuruega. Para esle
un., dtspacl.ou ua provincia de roi.lheim um
ue seus continentes, de nouM Lblisliano M-
chelseu, jcastrado pela juslica. Esle indivi-
ALFANDEGA.
Rendimentodo di 1 ... .15:780,133
lieseanegam hojt 2 de abril.
Rrigue -- Entjenim t"ix8.
Brigue -'Feralo mercadoiias.
Ilrigue llr tujeu -- idem.
Barca Uroml farinba de trigo.
Ilrigue -- 6'oniiiu'fo idem.
CONSULADO GERAL.
Itendimento do dis 1 .. 4:721,88*
Diversas provincias...... 158,366
4:860,250
EXP0RTACA0.
Despachos wiiriimos no dia 1
Genova, galera portuguezs '/or do Porto
de 49 toneladas : conduz o segumlu : 5,000
sarcos com -25,000 arrobas de assucar e 1
caixa con flores de peonas.
Ii-o Grande do Sul, escuna tiacionsl San-
ta Cruz, de 115 toneladas: conduz o se-
guinte : 201) alqueires de sal e 600 barrica
coa 3,959 arrobas e 12 libras de assucar.
RECEBEDORIA DE RENDAS GERAES .
INTERNAS.
Rendimentodo dia 1......752,184
RENDIMENTO DO MEZ DF. MARCO.
Euros de terrenos de marinha .
I. milenios.........
Sisa dos bens de raz.....
Dcima addicional das corporaedes
de mo mora.......
Du eii.is novos e vclhos, e de chan-
celia, ia.........
Disuna da dlla.......
Matriculas do curso jurdico e car-
tas de hachareis......
Lrgtlimaces ........
.-ello fixo, e proporcional .
Premio dos depsitos pblicos .
Emolumento de cerlldei .
Imposto sobre lojai, e casas de des-
colaos
2VV.T83
2/500
2:799/180
45/920
I:3i5/.>I3
:i 18/418
do trauspoiiou-se a Levanger, onde comevou Dn sobre seges
mais grave, e ...ais seno ua nota uc> ministro -.. oDlido ; mas
au-trlaco, ln ai rasdes que elle indica como uma ViCWria W^J 0ppo,lteS nosa-
tendo motivado adeunninacao du seu gover-. o,o ^ u'.,ue'e lnaJla pode a lempo
. A Auilria entrando com todos os _seus berem mouciar_" ..
emdol wUcufcdr;fTo7qu.'mporuu. Mo reformar a voucao que
lbe tioa sido arrau-
a propaganda coiumuuisla, c uude recebeu um
at .iMmcnlu excellenie da parle dai classes la-
boriosas, que ein sua simplicidad primitiva,
nao coubeciam o lato hu rotoso que Ibes era
armado.
Us cidadaos de Levanger, alrmorisados
pelas novas doutriuas, das <]uaes Micbelseu,
e iinli.i i iii.i.iu apostlo, dirigiraiu urna
queixa contra elle ao bailo de Uiuesuil, em
cuja juiisdicau se acha collucada a eidade de
Levanger. este magistrado ebegou a Levan-
ger a de leverelro pela luaui.aa, e procedeo
a pruao de Micbelseu, o qual foi cuuduzido
plisaodo llolel-de-V.lle.
K Km pouco. os ubreiros e luda a popula-
ca de Lcvauger se agitaran.; e dirigiram-sc
,,o II .ie.-o.- Villa, aiiaucaram-lhe as portas
exieiiores, e .ao abrir as po.las da prisau, si-
tuada no fundo do paleo, para soltar Micbel-
seu, quaudo esle appareceo por ira/, dos va-
resaje sua celia, e.suppcou multidao que
nada uzease, porque elle eslava decidido a
sollrer o mar.yrio pela ba causa.
A mullidlo, tocada por estas palavrai,
, i u i o o --e mas desde esie uioiuanlo urna
suida Ir.meutaco vuiuecuu a reinar ua eida-
de. ^a maubaa do da seguiule, quaudo o
hallo de /iiucsuil lornuu em um batel Le-
vanger, ain,, de interrogar Micbelseu, a po-
poUc.ir o acolbeo con. um chorciro de peUras
que lbe fiteram duas leridas, uma na espa-
dua esquerda, oulra no peilo, o que o ubn-
gou a reembaicar.
do interior
9:848/400
22/4O0
5.719/199
Jli-lnli
b/OO
8;O29/30n
4&O00
4/800
B08/M0
KOTICUS COMalRBCIA.W.
lieerpool, 10 i* marco de 1SDI.
^ooddo.-0 algodao permanece o mesmo no
prreo boje duque na sexla-felra pass.da. O
m'eVe.do'do algodao nao Pde ael.r-.e de
firmeza ou anlinacao. eUnto abiindanlinen-
te supprido de qualldade de lodas as sortes
A commissao do. corretores colloca o botn
IJnhnda7 3i8d. moblle a 7 1|2 d, e Orleans
com ns ul.lmas dalas da America, nem algo-
ma cousa de novo dos di.lrictoi """,f"lu"'-
ros de Mancliesier. Com ludo devemos me-
ramente mencionar o detalhes da trlgjW
ces da semana. 2.330 saces da America,
.20 de Surrate, 2.(36fl do Kgypto. 50 de ben-
gala, e 260 do Maranhao foram tomadas pra
socculaco: e 160 laceas da America, i.w
trrate, 2.0 de Madrase70 do Egypto par.
export.9ao. AS vendas delhoje, W***
5,000 saccas. A dasemana *p."/."S,-"'
A- vendaiatestadada montavatril*^jf?
A imporufao al eita poca "'Ae^..,'Z
cas A li.porl.c5o da emana ""J *
55.371 saccai. Eilin.a-se o depo.lw at a
neiiua dada e.n 4b7.640 saccas. Para consu-
noat hoje 214.511 .ceas. Para P.""?"
a" a referida data 10.320 saccas. Os algoddc.
de Pernambuco e Paral.yba conservam apnyr
de 7 3,4 a 8 I |t d. O. do Aracalv < 'ara 7 3,4
a 8 l|8 d. Os da Babia e acet7 3|4 a 8 l|d.
Os do Maranhao 7 3|4 a 8 2|4 d.
Crie O caf est iuleirameote despresaao ;
a nica venda he smente urna pequen, par-
tida de Sau-Domlngoa a 48 por quintal.
.rar.-A procura nao fl de novamente
senao limitada; as venda consistem em iu
barricas de Ue.nerara de 36 a 38. luJO. sacc,
do amarello de Bengala chelo de tftg*
43 a 45.6. 950 saccas de Henares de 41 a y,
450 saccaa de Kans a 29, 20 barricas de I orto-
Rico aos precos anteriores, 100 saccas de Ve-
nezuela a 41, 600 saccas de Pernambuco de
19 a 2lic, e 30 caixas de Havana a i por
quintal.
Londres. ,
Caf.Da parle dos poisuidnre do cate
nativo de Ceylou existe repugnaocia de ven-
der a precos mais baixos, porm as compras
foram Insignificante! ein lodoi o casos por
tratado privado. O valor ordioarlo do tais
he de 46 a 46d> por quintal. Os Importadores
da plantaco ta.n firmes, e nenhum foi sub-
uieltldo em leilo desde-o dia desla semana
em todas as descripcei, com tudo as irani-
acedes particulares foram e.n pequea es ala,
o bom e o fino de 58 a 70, mediano e balso
mediano 54 a 57, bom ao fino ordinario
47 a 53 por quintal. Nao lemus vendas nenhu-
iii.,s que mencionar no de Jamaica, porm
o precos pedidos estam abalxo doi precos
correles para o de Ceylon. O estrange ro
nao foi ollerecldo aos precos anteriores, '"d-1-
va o supprimeoto he limitado no mercado,
com tudo as transaccei foram de pequea
onla pelos rxporladore, e o noiso nego-
canles co.nmerciaui com mais cautellai.
U.n carregamento de San-Domlngoa, consil-
iimlii cu. 3.000 sacca, ful vendido a 4 3|3 para
Vetriei. De 2.900 laceai do Klo em leilao
uma parte smente achou compradores de
. 45 para o bom e bom ordinario, e o avariado
de 37,6 a 42. porm principalmente a 43 para
o sao O valor do de Costa Rica he de 48 a 60.
Laguayia de 46 a 56, e Cuba de 45 a 90 por
quintal.
/Usurar. O mercado para o colonial esta
triste desde a nimia infnr.uaco. Na lerc.a-
feira apenas 100 barricar dai Indias Ocelden-
taes mudaran de mo. As rendas de Quarla
e rquinla-feira furain lainbem limitadas, o
poisudores conservam unlcameoie us ltimos
pie,os.
I..andes supprimentos das Maurlceai foram
uilereeido a venda nos prlinelros das_da se-
mana; na terca-feira a quanlldade rasilla an-
tecedentemente montara em 391 aaccas ; as
sortea superiores de 39 por quintal realiiarain
precos ebrios, porein abalxo drslc preco hou-
ve uma rrdurco de 6 el. por quintal.
As iinlens fura. Tracas, he pouco mal ou
ni mis 2 tercos'; acharam compradores iriRiiel-
ro de 3l 6 a 36 6, baixo e mediano amarello 37
a 30, bom ao liuo 39 6 a 42, as sorles i cor
parda, 37 a 40 8. e o amarello chelo de gr.nzl-
nhii 40 a 43 6 mercado para o de Bengala
mosirou un. aspecto tranquillo, e as vendas
publicas em algum casos foram mais bailas.
Na terca-feira, a qumtidade olleieclda ful de
4,428 saceos, porm a parte principal vendida,
o mediano e o branco liuo de henares foi de
42 a 44, o hmido 39 a 42 6, o bom e fino ama-
rello abeto de griioiiubo de 42 a 44, baixo e me-
diano brando ama, ellu 33 a 35, coiumuin ao
bou. t,gueirod.l2 a 3l. 821 saecusde Ma-
dras foram vendido* a precos mais facis, o
I,ramio amarello de 35 o 37, as demaia quali-
dadesde 30 a 33, e o irigueiro de 29 a30 por
quintal. Posto que hajam vendedores para o
assucar eslrangeiro particularmente a precos
mais baixos.alm disso os carrrgadnrrs conlive-
ram-se de negociar. A procura foi lamben, li-
mitada da parte dos refinador, e lmente
partidas iniiguificantes foram lomadas para o
casos da especiara, como os precos estao an-
da debaixo dos precos correles doasiucar co-
lonial Em leilo 700 caixas avariadas de Dava-
la foram vendidas de 38 a 41 por quintal para
o baixo ao bom. A nica rausaccao digna de
se mencionar por tratado particular he u.u
carrrgainenlo de ma.cavado de Pernambuco
para se refinar a Brislol a l3 3 porqulnUl.
lia vendedores para o baix obran* fino
de Havana noa quaea de 27 a 33, o -
amarello
Dito lobre barcoi
Tas de escravos .......
Multa por nfraccoes do regulamen-
to............
29:133^211
Rccebedorla, 1 de abril de 1851
O escrlvao,
Jfi.nurl Antonio bimei do Amaral.
CONSULADO PROVINCIAL
Rendlmento do dial......2:196,81*
RENDMENTO NO MEZ DE MARQO
IIK 1851.
Direitos de 3 por cenlo do aisucar 28:049,08:
I )n eiios de 5 por cenlo sobre o algo-
dao, caf, fumo, agoardenle e cou-
os
Capataiia
Dcima urbana
Mea sita
t lo de be i a ii, as e legados
Novos e ve ibn dlrellos
tinoluiiieutoi de paisaporle de po-
pagos os direitos de 40 a 43. o tugue,ro 32 b a
37 ; Porto Rico e llavan., mascavado de-A> a
4 o branco de Lian e China de 3 a 43. o trl-
gueiro e amarello de 30 a 38, Manilla chelo de
barro de 36 a 38, as oulras sorlea de 31 a i a
Java de 34 a 44 por quintal conforme a quall-
dade. l.oin a eacep'co da Parahiba, as vendas
publicas declaradas a ler lugar sao de pouca
iiuporlancia. O deposito do eslrangeiro aqu
he de 8,3n toneladas menor do que o anuo pal-
iado ; as iiopoi taces io lambe. 3,i00 tone-
ladas menos; as remessas da nossa negociacao
ao 400 toneladas uiaiores. porm para a expor-
lacJu a quaniidade lomada he de 1,500 loiiela-
dai menos do que no mesmo lempo. Os inrr-
cadus do continente permanecen em una po-
tico socegada, e precos mal balsos lio sub-
II.. mili.- com lepuguaucia. Pur aviaos de Ha-
vana e Porto Rico nos couheceinoi que bauma
grande procura para o Estados Unidos, e fal-
la-se anda de uma safra favoravel, nao smen-
te alteudendo a qualidade, porm a quanlidade.
5:2i5.IIP
764.480
5:716,697
979,594
123.74o
238,05o,
licia
Imposto de 3 por cento sobre diver
IOS ,-st ibelee,lientos
Dito dito de 12,800
Cinco mil rs. por escravo deipnchados
20 p. c. do consumo d'ago'ardente
Matriculas do lyceu e seminario
20,400
135,900
IS.HH)
25,000
12,000
980,0001
Al o vutienlo do porto.
Navioi entrados no da t.
Southsmptpn, Lisboa, Madeira, Canarias
S. Vicente21 di, vpor inglez '*
dway, commandante Sy inunda."
deou na Laminha as 6 horas d rna-
nnSa, eseguio pr o sul o meio-m.
levando dest provincia como pasJige1"
ros para a Uahia, Antonio Pacheco : P""
ra o Rio de Janeiro, o paires llego
Muura, Ii. Demase.
piiiladclpliia 33 dia, brigue-escun* ama-
ricano R, F. Loper, de 208 toneUd, "


J
Pililo W F. North, eqnipaeem 8. carga
fannba di trigo e fazendas ; a Matheus
Austin & Companlna.
fiaras sahidos no mesmo dia.
Baha pelo Rio Grande do Sul -- Patacho
nacional Alegra, capitlto Anlonio Eneas
Cus'avo f.alvlo, carga hacalho e mai
gneros Passageirn, 1 eseravo a entregar.
Buenos-A yrs .-- Escuna ingleza Chandot,
ca i'i I fio John Francia, carpa a.ssucar.
Valparaizo I.uger dinainarquez Hydra,
earolHn J. p Oran, carea assucar.
EflITAL.
Francisco Jacinlho Pereira, dignilario da
imperiaes ordena do Crnzeirn e Roza,
commemlador da real ordem militar re
N. S. da ConceieSo da villa Vinosa, por S.
M. Fideliasima, coronel da oxiincta se-
gunda Mua, cnmmandante superior d
guarda nacional dcste municipio por S.
M o Imperador, e presidente do cnnselho
d revista do mesmo municipio, &c., &c,
Faco saber, que no oitavo di, contado
da data deste edital, se reunir o conselho
de revista da guarda nacional na sala das
ses-W da cmara municipal desta cidade,
ia 10 horas da manhSa, na conformidad*
do artigo '44 das nstruc<;fle8 n. 722 d 25
de oulubro do anno prximo passado, para
a execucSo da lei que deu nova organisa-
C.ln a guarda nacional, alien de tomar co-
nh)cimento dos recursos que versarem s-
breos raso- indicados no artigo 33, e que
forem interpostns pela maneira determina-
da no artigo 38 das ditas inslriic<;es.
E para constar a quem convier mandei
expedir editaes, que serSo aflixados nos lu-
gares mais puhlii'ns desla cidaile, e publi-
cados pela imprensa. Recite, 1 de abril de
18!. Francisco Jnrinlhn -Vrreha
mmmt
Declarado*-.
que Wm excedientes commodos, dirij-se ao
seu consignatario, Francisco Alves da Cu-
nta, na ra do Vigario n. 11, primeiro
andar
- Para o Para com escala pelo C*ar pre-
tende seguir viagem com mnita brevidade
a escuna nacional Mara Firmina, capilflo e
ortico Jofo Bernardo da Roza : quoro na
masma qujzer carregar ou ir de passagem,
Dde enlender-se com o mesmo capito. ou
com o consignatario da mesma, lu/ Jos
de S Araojn, na ra da Cruz n. 33.
A muito veleira barca porlugueza Bra-
charense sabe para o Porto em poucos dias,
tem exrellnntes commodos para passagei-
ros, e recebe carga a frete, rara o'que tra-
ta-se com o capil3o Rodrigo Joaquim Cor-
reia, na praca do Commercio, ou com No-
vacs & Companhia, ra do Trapiche n. :i.
Para o Rio de Janeiro sahe, em poucos
dias, o brigue nacional Firma : para o resto
da carga, passageiros e escravos a frele tra-
ta-secom ocapilSo Francisco PeixoGuima-
rflet, na praca do Commercio, ou com No-
va es & Companhia, na ra do Trapiche nu-
mero 34.
z
Leiles.
~ Pela suhdelegacia de S. Jos do Reci-
pe foi apprebenclida a Lm preto nma casaca
treta com algum uso, que a oflVrecia na ri-
qeira desta freguezia por dous mil lis
fueni for seu legitimo dono, dando os sig-
naes rertose provando, Ihe ser entregue.
No da 4 de abril na porta do Illm. Sr. Ur.
juiz doa feitoa se hao de arrematar o srguin-
te: uina morada de casa terrea na ruados
Guararapes n. 53 avahada por venda em
800.000 ra. penhorada por espeucao da fazen-
da provincial contra Joao Aihanaiio Dia; urna
dita de sobrado de dois andares na ra do Pa-
dre Floriano n. 7l avahada pela renda em
150,000 ra. peohorado por eiecucao da mes-
ina farpuda contra Carlota Joaquina aluna
Tavares; uina dita de um andar na na de
Hurtas n. 28 avahada por renda rin 150.000 ra.
penhorada por eiecucao da incsina fazenda
contra Jos Rodrigues dos Passos; uina dita
terrea na travetsa da rua Bella n. 10 avahada
por renda eiu 6.000 rs. penhorada par exe-
cucaoda utesma fazenda contra Joanna Maria
do Rozarlo; uina dita dita na rua de S.Mi-
guel do bairl* dos Allegados n 8 avahada
pela renda em 36,000 penhorada por exrcuciio
dar iiiesnia fazenda contra os lierdeiios de An-
tonio Xavier da Silva; uina dita dita na iiips-
ina rua cima e uo iiiesino bairro n. 10 ava-
llada pela renda em 30,000 rs. penhorada por
expeucao da mesma fazenda contra o iiiesmo
cima; uin sitio de trras proprias uo lugar
de S. Amaro com bastantes arvoredos de hur-
tos, cacimba, viveiro de peixe casa de vivcnda
tprrea, de pedra e cal cusinl.a fra e un le-
lheiro que serve de rslribirla avahado por
venda em 5:000,000 rs penhorado por exrcu-
co da uipsina fazenda contra Kli.is Coelho
OnIra ; uina pserava crioula de nouie Joan-
i'.i que representa 58 anuos de idade avahada
pin 100,000 ra. penhorada por xecurao da
inesma farenda coni.a Joao Joaquim de Fi-
gueredo e Jos Maria de Amoriiii Lima; urna
dita de nome Juliana tainbeni crioula em 27
anuo* de idade avahada pur venda em 300,000
rs. penhorada por exrcuco da uiesuia fazenda
contra o inesino cima.
/'raaciic. da Caita Arrudat Mello,
Solicitador provincial.
J. J.Tasso Jnior faz leilSo hoje, quar-
ts-feira, 2 de abril, de 95 caixas com quei-
jos fiamengos, de 2V cada tima, em lotes a
vontade dos compradores : no caes da Al-
fandega, a-10 horas da manhSa.
-- Quinta-feira, 3 do correte, haver no
caes da Alfanlega, defronle da escadinba,
um leilio de mu boa farinha de mandioca
em grandes saccas, e em lotes de cinco para
ultimar transacc,0es : approveitem os l're-
guezes em quanto he lempo.
F. II. Lulkens far leilao, por interven-
go do corretor Oliveira, de um bom sorli-
mento de fazendas e miudezas, consislino
em faccas de mesa de minias cualidades,
navalhas, limas, enxadas, pancllas, chalei-
ras, chumbo de municHo, hacas e rame de
latan, serrotes, verrumas, pennas d'aco,
bandejas pintadas, bolOes de madree erla
e ni ni is oiiirns arligos : quinta-feira, 3 de
abril, s 10 Innas da manilas, no seu arma-
zem, rua do Trapiche
Avisos diversos.
'Ihealro de Sania-Isabel.
52- IIE"ITA DA ASSIG.NATUIU.
quima FEIIU, 2 DE aiiiiil ni: 1851.
Eipetuiula variado de canto, irumalico
edanca.
Depois de urna das nielhores ouverturas a
aenhora Candiani executaro magnifico ron-
d tiual da operat. firatoo maestro ISt-
lini.
fcmirguida a companhia nacional represen-
tar a iuleressanip comedia em l acto :
h MI LIA T&AVB8S4.
Finda a qual a senhora Candiani cantar a
bellamodinha biasittira.
Adorei urna alma impura.
Em seguida as senhoras Hadrrna c Moreaux
dancaro o lindo passo a dous:
As Odaliscas.
Depois do que a senhora Candiani e Capur-
i i cantal au o inlcreasaule duelo da operale-
litarlo
Seguir-se-lia pela companhia nacional a co-
media em I acto :
Os liinostlns Almas.
A senhora Candiani e o Sr. F.ckrlin cantaran
o muito applanilido duelo da operal Mf/M >'o
rroinxiilono qual a mesma senhora appare-
cpr vpslidn de soldado fiancez, c pxecutar
tojas as manobras militares. IJppoisosSrs. t.a-
purrl p r'rrdcrico Tali executaro o bello duelo
da opera :
OS PURITANOS.
Terminar o espeUculocomo muito applau-
dido segundo acto do baile
U Lago dan Fadas.
Coolinuando a molestia do Sr. Tati, teve o
emprezario de mudar o prograimna j annun-
ci.nlu, deixaudo de subir a acrua o spgundo ac-
to da.Wmae subslituiodo-o cmase v
"o presente annuncio*
Cometan as 8 horas.
Os l'iiiu es achain se a venda no lugar
do cosiume.____________________ __
Avisos martimos.
-- P.ra Lisboa sahe com brevidade o ber-
gaolim tpurtuguez San Domingos, capito
Manuel Goncalves Vianna : para carga ou
passageiros trata-se com o referido capitao,
ou com o consignatario Joaquim Kerreira
Mondes Cu i ma raes, na rua da Cruz n. 49.
Para Lisb6a sahe por todo o mez de
bril o brigue portuguez Couceicdo dt ila-
ria : quem nelle qutzer canegar ou .ir de
passagem, para o que tem excellentes cum-
modoa, ilirija-se aos consignatarios. ho-
mazile Aquino Fouseca & Filho, na rua do
Vigario n. 19, primeiro andar, ou ao cap-
tfio na pr.ci-
Para o Porto sahe at o dia 15 do cr-
venle a veleira e bem condecida barca iVs-
piniu Suntu, de primeira marcha, forrada e
encavilhada de cobre i quem na mesma
quizer carregar ou ir de patsagem, para o
-- Precisa-se de uina ama secca de meia
idade : na rua do Colovello n. 29.
-- O abaixo assignado, durante a sua au-
sencia, deixa o Sr. Ur. Renil incumbido de
o substituir cni todas as obrigaQO'S da sua
proSaaBo, licando para esseeffeito residin-
do no seu domicilio, e d6 posse do lodas as
notas e registros que podem facilitar esta
substituidlo ; deixa por seus procurado-
res para os pagamentos e cobriiicas a seus
P'imos, osSrs. Antonio Mano I de Moraes
da Mesquita Pimentel e Antonio Luciano de
Moraes da Mosquita Pimentel; e desde ja
pede Jesculpa por nao poder cumpriro de-
ver das ordinarias despedidas para com to-
das as pessoas, com quem tara relaiOes do
all'Mc.l i, ou de civilidade, nilo tanto por ser
bastantemente crescido o n dessas pessoas,
como por se "ver obrigado, bom contra a
sua vontade, a con'inuar com os trabalhos
da sua prnlissAo al o ultimo momenlo da
sua i-ar 11 ia ; -- i: finalmente offerece seu
fraco preslimo em Paria e em Lisboa aos
seus amigos o coohecilos, os quaes todos
podem dispor da boa vontade, que tem de
Ibes ser til ou agradavol. Recife, 2 de a-
brtl de 1851. Dr. Sarment.
- Precisa-so fallar ao Sr. Anlonio Ilypo-
lito Marques Bastos, filho da cidade do Por-
to, para negocio que Ihe diz respuilo de
sua familia ; na rua da (uia t. 40, ou an-
nuncie sua morada.
Altcncao.
Tem de ir praca nos dias 5, 9 e 12 do
correte mez, depois da audiencia do juiz
municipil da segunda vara desla cidade,
de arri'ndamento por tres annos, o predio
de tres andares, silo na rua da Snnzalla Ve-
Iha, com trapeira, SOtfiO o armazem, cujo
nredio perlenceu a Jos da Silva Braga,
commodo prec.o de 480,000 r*. por que dito
predio vai pr-Qa, aliento o bom reparti-
inenlo do mesmo, a sua localidade, que of-
IVrece linda e espacosa vista para a nova e
formosa cidade de S. Amaro, com cacimba,
porto de embarque e desembarque, nSo p
de deixar do interessar a quem desejar,
quilfr esouber conciliar os commodos e
guzosda vida com a economa, 13o ueces-
saiia ao hon.em
--Antonio Damazo Pacheco milito agra-
dece a lodas as pessoas, que durante a sua
estada nesia cidade o obsequiaran!, pedin-
do desculpa de nao ir pessoalmenle despe-
dir-se, em conseqnencia da anlecipada che-
gaila do vapor inglez ; porm faz os seus
olTerrcimetilos na cidade do Rio de Janeiro.
Achou-sc urr.a pulseira de ouro : quem
forseu dono, ple dirigtr-se rua do Pi-
lar n. 145, que, dando os signaes cerlos,
Ihe ser eulregue.
-- A pessoa que annunciou querer alugar
urna casa em lora de Portas, querendo urna
confronte ao oitao da igreja do Pilar, nova,
cot bastantes commodos e sotao, dirija-so
a rua do Livramento u. 18.
-- F.st-sa em negocio com a venda da rua
da Cruz do Itccife,' que faz esquina com o
becco da Lingoela ; por isso, quem se achar
com direito a mesma, entenda-se com
Guerra & IrmSo, na rua da Madre de Dos
n. 36, no prazo de 8 dias. Itectfe, I de abril
de 1851.
No dia 29 do passado desappareceu um
preto com I Uboleiro e 2 (landres piulados
de azul, no pequeo levou 13 libras de ca-
f muido : roga-se a qualquer pessoa que
Ihe seja ollerecido, o anprehenda e uiande-o
entregar no Alerro da Boa Vista n. 08, ou
annuiicie para ser procurado, pelo que se
Ihe (cara obrigado.......
Jusda Maya continua a dar licoes de
inglez e de escriplura^au coinuiercial em
sua propna casa e naa particulares ; e podo
ser procurado todos os dias no escriplono
dosSrs. C Starrt Companhia, na rua da
Aurora, das 8 horas da maiihaa s 2 da
lardo.
Sorvete s 11 horas e a noite.
Na rua do Buzario eslreita n. 43, conti-
na a iiaversorveles lodos os das, as boras
cima mencionadas.
Maiioel Luiz ua Cosa, aubdilo de S. M.
Fideliasima, relira-se para Purlugal a Iratar
de sua sade.
Scienlilica-se a quem houver de que-
rer comprar a casa em que passou a festa o
Ur. Paiva, o uflo etTectue sem que se euleu-
da com a ahaixo ass:gnada. para livrar-se
de letigios. Afina Josefa Velfina dos Santos-
Precisa-se do tima preta para vender
fazendas na rua : quem a tiver e quizer sin-
gar, dinja-se rua do, Rozario-Ua lloa Vista
numero 2.
Precisa-se do um homem que entend
do plantaras o de arvoredos : na rua da
Cadeia do Recife n. 52.
Convida-se a todos os irmflus da ir-
mandade do SS. Sacramento da freguezia
deS. Jos ilo Recife para m*9a geral hoje.
pelaj 6 horas da tarde, afim de tratar-se de
objectosde grande intresse.
Tendoa irmandade do Sr. Bom Jess
dos Passos convidado a irmandade do Divi-
no Espirito Santo oara acompanhar a pro-
cissSo do mesmo Senhor na sexia-feita, 4
docorrentn, o escrivSo da dita irmandade
avisa a lodosos irmilos pelo presente, para
comparecerem no lugar do esiylo, as 2 ho-
ras da tarde do referido dia 4, dignindo-se
os que nSo polerem fazer, de mandar en-
tregar as capas que teoham em seu poder
ao Sr. thesoureiro.
Precisa-se de um rapaz sem familia ca-
ra urna arruuiac,So nesta cidade : na rua Vo-
lita n 65.
A Sra. D Martinianna Francisca Ayres
tem urna carta, no paleo do Collegio, casa
do Litro Azul, yinda do Para.
Roubaram da pedreira '(os Arrecifes 3
manetas, 23 cunhas, 3 alavat >f e K picoes:
recommenda-se aos ferreiros eos casas de
fundirlo a quem forem ofTerecidos os ob-
jectos cima, hajam de os apprehender e
denunciar na rua de Santa Rila n. 97, que
0 abaixo assignado gralificar.
Joaquim Antonio de Olivtira.
Alinelo.
Furtaram do pescoco de urna menina que
se achava dormindo no MGriptOtiu do thea-
tro de Santa I/abel, na noite do beneficio
da Sra. Bailema, um cordflo grosso de ou-
ro, feito no Porto, com 30 oitavas pouco
tnaisou menos, ten lo enfiadouma fi^a do
coral encastoada. Desconlia-se de um certo
individuo, que tem este I clin costumn ; mas
para nSo lia ver engaos, roga-se aos Srs.
nyi i ves, ou pessoa a quem for offerecido,
tetilla a bondade de avisar no mesmo thea-
11 o a Antonio Maximiano da, Costa, que gra-
tilicar a pessua que tal roubo posta des-
cubrir.
O abaixo assignado, thesoureiro da ir-
mandade do Seuhor Rom Jess dos Passos,
roga a lodos os seus irmilos que tiverem
capas em seu poder, hajam de comprecer
no dia 4 do coi rente, pelas 3 horas da I ir de,
na igreja matriz da Boa Vista, afim de acoin-
panharem a procissilo do inecmo Seuhor
Bom Jess dos Pasos, alio de se tornar
nais brilhante o acto ; bein como aquelles
que tiverem capas em seu poder, e nSo po-
derem comparecer, hajam de as entregar
na vespera da proolwSo.
Ruitndo dfoei da Silva.
D3o-se 15l),000 rs. a juros do 2 por cen-
to ao me/. sobre peuhores de ouro : no pa-
teo do i'ariim, luja ii. 3, su dir i|iiem os da.
-- Boga-se ao sr. Meirelles, esiudante de
Olinda, e natural da Balea, queira ter a
lino la le de pagar o que ha lauto lempo lle-
ve na rua Nova, pois do contrario lera de
ver sempre o seu nome nesle Diario.
No dia 16 de u argo prximo passado
ili'sap',1 recen um preto do eolio de.Ango-
11, de nome Felippe, de 40 e tantos anuos e
de estatura ordinaria ; tem a palma da mo
direila foveira, procedido de queiualura;
julga-se estar homiziado em algtima parle
lu.r se achar bstanle doente de frialJade:
quem o pegar, leve-o rua Nova n. ', no
primeiro andar do sobrado n. 26.
Aluga-se urna cusa as se-
guinles ras : Iloilas, Agoas Ver-
iles, pateo; do Carmo e do Ter-
co, c rua do llungel : quem a ti-
ver e quizer alugnr, dirija-se rua
da Preia n. 55, lypogrsphis, que
ah se dir quem precisa.
Um Portuguez que tem pratica de ven-
da e liadores que almiiem sua cond-icta, se
olferece para caixeiro, ou menino ptm so-
cio entrando com os fundos de 400,000 rs. :
a tralar na iua da Praia n. 66.
OfTerece-se um rapaz hrasileiro, que
sabe ler, escrever e contar, com exanie de
lingoa nacional, para ensinar meninos fra
desta cidade, ou mesmo para qualquer en-
genho quem o pretender', dinja-se rua
do hozan-) estrella n. 8.
ti segundo cadete do segundo balalhflo
de arlilharia a | e, Carlos Augusto Pereira
de Carvailm. nilo podeiulo despedir-se pea
soalneute de todos os seus amigos e mais
pessoas, que sempre o honraiam com as
suas amizades, pela brevidade e ptcsleza
com que efnharca o halalhSo a que peilen-
ce, com profunda saudade transmute os
senlimentos de que se acha possuido aos
referidos Senhoies, e nfferece na corle do
lito de Janeiro o seu limitado prestido.
Aos ao:ooo,ooo rs.
Na rua do Cabug n. 1, vcndpiu-sp inpins bi-
1 heles da luteria do Rio dp Jaiieiio a 10,500 rs.
cada lucio, e a '/I.OtiO rs. intciius : a pIIps antes
(|uc se acabem '. a fallar com o veudedor Ma-
nuel Dual te Ferro.
Jos Vieira de Figueiredo enibarca a
sua esciava crioula, de nome Salustiatia,
para o Rio do Jajieiro.
Manoel da Silva Rarros, morador no
Loreto, freguezia de Muribeca, tem para
vender 60 bois refeilos e gordos, ptimos
para carros.
Therf za de Jess e sua Riba Maria Emi-
lia do Carmo, relirau-se para fra do im-
perio.
Manoel JosSoares CuimarSes, subdi-
to do S. M. Fidelsima, vai Portugal, e
deixa por seu procurador a Diogo Jos Lci-
leGuimarSes.
A pela da Costa que se pretende ven-
der na rua Nova n. 51, se for a de nome Hu-
mana, acha-se hypolhecada a abaixo asig-
nada pela u,nanli i de 90,000 rs.
7to;a Francisca dt Miranda.
Precisa-sede pretas para venderem do-
ces, pagando-se de vendagem 80 rs. por ca-
da pataca : na rua da Cadeia de Sanio Anto-
nio, no segundo andar do sobrado da esqui-
na do Ouvidor n. 14.
Psecisa-se engajar serventes para a ilu-
minsQSo publica desla cidade, forros ou es-
era vos quem quizer comprela em casa de
Antonio da Silva GusinSo, no Al'iro dos
Mugados, lodos OS das; as 7 horas da
manlia.
Aluga-se urna preta moga para cozj-
nhar e tralar do arranjo de urna casa : na
rua do Queimado, loja n. 10.
Precisa-sede um caixeiro para venda,
que tenha bastante pratica : no pateo da Ri-
heira, casa terrea n. 23.
Desappareceu, no dia 27 do correle,
las 5 para s 8 horas da tardp, urna flauta
le huxo, com virolas de marfim e 5 chaves
le lat5o montadas na madeira, tendo a pri-
neira pifia a marca s^guinte : rua do Lo-
-etto n. 79. L'shi, a as sezunda e lercei-
-a o nome Silva, q'ie he o autor da mesma
11 iota : roga-se as pessoas a qu->m possa ser
ff'recida pira a comprar, a queiram ap-
prehniler e entregarnm-na na rua larga
lo Bozario n. 20, que s*r gralidcado.
Pdde-se ao Sr. Antonio Norberto de
Souza, que morava em Ierras doengenho
Paulista, haja deappirecer na rua da Praia,
rmazem n. 9, para se coneluir o negocio
que nito ignora ; do contrario ser procura-
do onde estiv^r : isto no prazo de oilo dias.
Precisa-se de 400,090 rs. sobre hypo-
Iheca em urna casa nesla praca, oo boas
(Irmas : quem quizer dar, dinja-se ao pa-
teo do Carmo o. 18.
Quinta-feira, 27 do crrante, s 10 ho-
ras da ni .ulula, sabio do quinlal do sobra-
do n. 3, da rua da Concordia, um cavallo
ruco-sujo, que foi apatacado, bastante
grande e tnagreiro, e andou ao p da pon-
te ate meio-dia : roga-se a quem delle sou-
ber ou o liver, o mande entregar no mesmo
sobrado, que sera gratificado, ou na rua do
Bozario eslruiti n. 5.
Precisa-se alugar mensalmpnte um
eseravo para andar com urna carioca : quem
o liver, annuncie, ou dhija-se rua da Ca-
deia ti. 1, que sn nn'i quem pietende.
Precisa-se de um menino para caixei-
ro na rua Direila, fabrica de charutos nu-
mero 85.
Piecisa-seda um homem para o servi-
qo de paJaria : atrs da matriz da Boa Vis-
ta n. 22.
--Aluga-se ou vende-se urna canoa em
bom uso, quecarrega 900 lijlos : a tralar
na rua de S. Francisco, casa upa lacada.
Precisase alugar duas preas que sai-
bam ven ler na rua : quem as liver e quizer
alugar, dirija-se rua da Praia de Santa
Rite, serraria n. 23.
Na rua da Cruz, no Recife, n. 27, segun-
do ailar, ves'om-se aojos para prociSsSo
com o maior aceio possivel o por mdico
preeo. Na mesma caaa alugam-se azas pa-
ra os mesmos.
-- Oll'erec-so um rapaz hrasileiro para
caixeiro devena ou de r-ra qualquer ar-
rumicno, o qual tem bastante pratica, po-
icm que seja para fra da cidade : quem de
seu preslimo se quizer utilisar, annuncie.
i'j> Consultorio liointeopatliico, O
;> rua do Collegio, n. 25, 9
O Do l>r. P. de A. l-olm Muscoto. O
> O Dr. Moscoso di consultas lo los os Q
,'v dias. Os donles pobres silo tratados "
~* degrada. S serSo visitados eni suas J^
* casas aquelles que ofio poderem vir 9
ao consultorio, ou que suas moles- O
O lias n3o possam dispensar a presen- G
3 <;a do medico. O
oooooooe>oooo>oo
Engomma-se e lava-se toda a quainta-
de de roupa com to 1o assein e multa promp-
lulflo, por prego mais coiiiinu lo do queem
oulra qoah|uer pnrlo : na rua de Aguas-Ver-
des, n. 26.
--Desappareceu ou furlaram do caes da
rus da Aurora uina canoa que carrega 600
a 700 lijlos : quem a liver achalo, dirija
se a rua Tortuosa, ultima casa terrea, ou
annuncie.
Aluga-se o tereeiro andar com sot3o
corrido, e dous sobarbos mirantes, do so-
brado n. 13 a rua do Vigario, com condi-
Ces de ser i ara numerosa e decente fami-
lia : a tratar na rua do'Amnrim n. 15.
Precisa-se de um cozitiheiio forro ou
captivo para uii'ii Casa estraiigeira de pou-
ca lamilla : na rua da Aurora o. 8, segundo
au lar : paga-se 16,000 rs. mensaes.
O padre TliooiZ de Santa Marianna de
Jess MagalhSes lem aherlo aula para ensi-
llar primeiras Miras e I,.inn, segundo o
>ysluma adoptado as aulas publicas desle
imperio, na casa de sua residencia, na rua
do Rozarlo da lloa Vista n. 48. e recebe
aluinii is, nao s externos como meio pen-
sionistas, e tambem pensionistas, e se obri-
ga a dar lunit Iralamenlo ; eseusando porm
de mencionar preeoa e qunlidadedo Irala-
menlo, porque com Os pas, tutores ou cu-
radores se entender : oque, poim, pro-
iii' le he o adiantameutu dus seusaluninus'
e a ba educarlo.
Currocas de aluguel.
Alugam-se carrocas com hois para qual-
quer conducho paia dentro da cidade, ou
arrabaldes, cooduzidas por escravos inlel-
ligenles e de conliaiica, pelo que responsa-
bt lisa-se : na rua da Cadeia do Recife n. 1,
se indicar.
Aluga-se um sbralo pequeo, ou um
al dous andares de urna casa na Boa Vis-
la, em lugar que seja saudavel, dairlo-se
preferencia a rua da Aurora para Sanio
Xiiiro, ou no Hospicio : quem o tiver an-
nuncie, ou dinja-se rua do Trapiche No-
vo n. 42
No dia 19 do correle desappareceu da
rua da Cadeia do Recife um cavallo casta-
iiho-ruzlhn, grande, castrado, com urna
carga de cal prela, sendo os saceos de dous
lios de algodflo da Ierra : quem do mesmo
souber ou o tiver em seu po ler, leve-o
rua do Queimado n. 6, que sera gratificado.
li Sr. Ventura Jo quim da Boza, cai-
xeiro de Francisco Jus Galfflo, baja de ir
rua da Praia n. 46, pagar a quaulia que
u3o ignora.
Precisa-se de um feilor capaz, para um
sitio perlo da piac : a Datar ua rua da
Cruz do Recife n. 2.
Prpcisa-se de inn caixeiro que entend
de wulhatlo*, dando liador a sua conduela : a
tratar com Victorino Jos Ferrrira, rua larga
do Hozario n. 22, loja de miudezas.
-- Arreuda-se um sitio que seja grande e
que icnli.i ao mpnos uina ppquena baixa para
capim e bastantes fructeiras, laz-se Inda vau-
tagein com renda adianlada, obriga-se a afor-
motpar o sitio maquillo que esuver ao alcance
e nao deteriorar como inuitos fazem : qupm ti-
ver procure no sobrado junto a cadeia, por ci-
ma da cochpira segundo andar, que achara
com quem tratar,
Piecisa-se i ugir urna eserava para ser-
vir a urna s pessoa : na rua do Cano n. 12.
Compras.
Compra-se una eserava, que saiba betn
engommar, cozinhar eentenda de costura,
sendo moca e d boa conducta : na praca
da Roa Vista n. 28.
_ Compram-se duas pelles de oDa para
encommenda. aendo o me.hor possivel
Unto e*. t.manhocomo na llm e a^do p-lio
nao seolhando o prefl mala a m *"
n.ie ser possa : quem tiver, dirlji-se a rua da
('adela do Rpcife... 44. loja de k'W'11-..
Compra-si uma casa terrea no bairro
de Santo Antonio, n.lo san lo em ras es-
quesitas : qne-n a tiver. dirija-se '"'No-
va, loja d selleiro de Francisco Jos Car-
neirn n 47, que la achara com quo o iratar.
Co-npram-sa escravos do ambos os se-
xos robustos, para dentro e fra la provin-
cia : na rua larga do Itozarij o. 48, primei-
ro andar.
Comoram se todos os utensilios 0ra
fazer velas de carnauba, conteni tambem
formas de 6 a 9 em libra: quem tiv-r, an-
nun-le, ou dinja-se rua Nova n. 50, quo
se dir quem pretende.
Comnra-sa um diccionario de Constan-
cio em hom estado .-quem o liver para ven-
der, dirija-se i rua da Cruz n. 28, segundo
andar. .
Compra-se umjogo de char
drezem liom estado : quem o ti-
ver, annuncie, ou dirija-se rua
da Cruz n. 38.
Compra-se urna eserava. que saiba bem
engomroar, cozinhar e enlenda de costura,
sendo moca e de boa conducta paga-se bam:
na rua do Amorim n. 25.
Compra-se um eseravo de 20 ato 25 an-
uos, que seja de nacdlo, saiba comprar na
rua, fazer o servico de casa, tenha boa con-
ducta e seja de bonita figura: na rua do
Amorim n. 25.
Compra-se um methodo deviolSo por
Caruly.em bom estado : no paleo do Col-
legio o. 6. _____
Vendas.
Vende-se nma preta de uacSo, de {H an*
nos, de muito bonita figura, que engomma
ecozinha : airas dos maityrios, rua do Cal-
eireiro u. 46.
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos 90:000,000 rs.
Na praca da Independencia, laja de calcado
do Araulps, e na rua da Cadeia do Recife n.
40. loja de uiiudpzas. vendeui se os mu afor- .
tunados Hielos hilnptc e cautelas da vigpsi-
ni.i -m-m 1 lotera a beneficio do Monte-Pio, e
paga-se quilquer premio que uellcs sauir sem
ganancia algtima.
M,l0, 11,000
(loarlos ;!"
Oiiavos *W
Vigsimos 1,-100
Lotera do 11 o de Janeiro.
Aos 20:000,000 rs.
Na praca da Independencia loja de miude-
zas 11. 3, que VOlta para a rua do Queimado e
Crespo, veiidein-se os mullo afortunados bl-
indes, unios, quarios, oiiavos e vigsimos da
vigpsnna-spxla lotpria da vionte-Pio. Na mes-
ma loja pst palPiitP a lista da oilava lotera
do Ihealro publico daquclla provincia.
Lotera 1I11 matriz la Bou Vista.
Aos 1 o:oo$ton e 5:oooooo.
Na mi da Cadeia n. 24, I0J1 deCunbio da
Viuva Vieira & l'ilhos, vendein-se os mui
afortunados bilhetese indios ditos da mes-
ma lutria, que corre imprelerivef/ietllo no
dia 2 de jonho prximo vinduuro.
ftilbetes inleiros iiitim
Meios 5.000
Ricos boloes para casacas.
Vendem-se botesde seda prptos dos melho-
11". padres possivpis, proprias para casacas e
por prpeo cuiumodo : ua rua do Queimado n. .
10, loja de Jos Dias Siiues.
(spanadores para pianos.
Vendem-se espilladores para piano ou pa-
ra outro qualquer trasie dplicido : na rua do
Queimado 11. Ib", loja de Jos Dias Minora
Vende-ae urna preta dp i lade de 30 a 35
anuos. iIp bonita figura, cozinha. Uva p faz lo-
do sprvi9o|de uina casa e he boa vendedeira de
roa por spr o que ella gusta, nao lem vicios
npiii achaques : na na do l aboga laja nume-
ro 9.
Vende-se uina preta de nafo, de idade
dp ,10 a 'fu aunes, boa para ruae mesmo para
dentro de casa: na rua do Padre Honauno
n. 18.
__Vende-se uina crioula. de idade de 17 an-
uos, que engomma muito betn, cose chao, en-
salma e <-i./inli.i o diario de uina casa, he iu-
t< lligpnlp nara lodo oiervivo o motivo da ven-
da se dir ao comprador: na rua da Sanzalla
Vi'lha n. '.Iti. segundo andar.
Vendp-se um paianquime uma cadeirt-
iih i dourados c envidra;.idos, obras novas e
muito bem feta, e um vestido de seda branca
com seus enfriies proprio para nulva, novo
sera nunca ter sprvidu, ouro de lei em barra
mullo bem apurado a 3,200 rs. a oilava, e ludo
mais por pceo coiiunodo ; no largo do Terco
n. 33
Vende-se um terreno com cen palmos
de leme c 500 de fundo, sito na Passagem da
Magdalena pnlre aa duas pontea, uina eserava
crioula de Idade, que representa 18 annos, boa
coiinliiira, engominadeira e costureira, euin
eseravo moco do servico de campo : na rua
largado Hozario o. 30, primeiro andar.
Vende-se um prelo crioulo de bonita fi-
gura sapaieiro, para fra da trra,e por piteo
commodo: na rua da (oncordia defroole do
lo i o da Cadeia Nova passaodo a casa da es-
quina a terecira casa, acbar com quem.
iratar. .
Fabrica nova no Becco Largo do Recife n. 1,
.Ni -ia fabrica vendpm-se charutos superio-
res de todas as qualidades, tanto da trra co-
mo da Babia por preco mais commodo nue
em oulra qualquer parte para adquirir fre-
gUPZPS.
Vende-se uma carroca em bom estado,
c um quai tan e. ni iodos os arrcios : na rua
do Hozaiio da Boa Vista n 2.
A ellas.
I,uvas de trufa I de Lisboa para aenhora e me-
nina poi prefo commodo : na i nado Queima-
do luja de miudeas n 25.
Yonde e um boiiuo noleeao de 18 an-
nos, pioprio para pagpm : na rua larga do Ho-
zario n. 48, primeiro andar.
Vrnde-se a casa Ierra n. 3, alta na rua do
Roiii-Siiccpsso da cidade de Olinda, pelaquan-
lia de 58u,(HiO rs. : a fallar na rua Bella casa
n.35.
Vende-se um cavallo com todos os anda-
res, si liado e pufr lado, por prego commodo :
na rua da Praia n. 49.
Vrude-se o engei.'io Canga na comarca
de Naiarelh : quem pretender coinpra-lo, di-
rija-se ao eugeuho (.amaragibe, os uest ci-
dade ao paleo do Paraso n. 26.
nalle de mascaras.
Vende-se um boulio visiuario para os bai-
les de mascaras : ua roa da Cadeia do Hecife,
loja n. 50 de Cunha & Ainoriin.
Vende-se uma carroca grande com lastro
de aniarello : aa rua da Roda a- 46.
MUTILADO



imTTiii ---- -
** .r

;

11
Trapi
Lotera da matriz da Ba-Vista.
Aos lOe 5:ooo,ooo rs.
Ka loja de miudeas da praca da Indepen-
dencia n. 4, vendem-se hilhrtes Inteiros, mcios.
quarto, (|iintns. decimos e vigsimos, que
corre Iinpreterivelinenle no dia 2 de juuho ou
antes se se vender os bUhelel.
Ililheles inteiros 10.000
Mel ""00
Quarto 2.600
Quintos '.'00
Decimos 1,00
Vigsimos O
Chapeos pira senhora a 4i<"0 rs.
Vendeiil-se chape'na para senhora de palhi-
n'i.i. bordados a 4,000 rs. e lisos a 1,600 rs e
de castor para passearem a ravallo a 12,000
rs.: na loja de seis portas defronte do I.lvra-
mcnlo.
Bom e barato.
Na rua do Passeio Publico, loja n. 9, de
Albino Jos Leite, vendem-se cortes de cal-
cas, de fazendas escuras, encorpadas, pa-
drOes emitando casemira, pelo deminuto
prerjo de 1,500 rs.: a elles, nieus amigos do
bom e barato, antes queseacbem.
Ve.idem-se caixas com cera
epi velas do Rio de Janeiro, com
sortimento a vonlale do compra-
dor, efumo em folha do melhor
que ha no mercado: na rua do
iiche n. 5, e criplorio.
Sarja Hespanhola para vestidos.
Vende-se sarja prea inuiln larga e mullo
rncorpada limpa a 2.080 rs.: na rua larga do
Boiarlo u. 48, primeiro andar.
cimento.
Vendem-se barricas com cimentoj pro-
prio para qualquer obra que possa reee-
beragoa, assim como pura aljeroz e tra-
peiras, prximamente chcgado de llam-
burgo, tambem se vendem as meias barri-
cas por pre?o commoJo : airas do thealrn,
armazem de taboas de pinito, a fallar 0m
Joaquim Lopes de AlmeiJa, caixeiro do Sr.
Io5o Matheus.
Fhi iiiln fontana,
Arroz de casca,
Farello novo,
Cha preto,
Chumbo de munico,
Cimento,
Bichas de Hamburgo,
vende-se ludo por precos commodos : no
rmazeoideJ J. Tssso Jnior, na rua do
Amorim n. 35.
A o I O c 5:ooo,ooo rs.
Na loja de mludezas da rua da Cadeia do He
cife n. 46, vendem-se os mni afortunados bi-
Ihelos, meios, quarioi, decimos e vigsimo
da iiiesma lotera, que corre imprrierivel-
mente eiu 2 de juuho vindouro, ou ames se se
venderem s billielcs.
Ililhetes 10.000
Meios SOO0
Quarto 2,600
Decimos 1,100
Vigsimos 6i 0
VenJem-se amarras de ferro : na rua
da Senzalla nova n. 42.
No becco do Goncalves, ar-
mazem do Aranjo, e na na da
Cim, armazem i S Araojo n
33, vende-se superior farinha un
sacras, chegada ltimamente, poi
proco coiniiiudo : a tratar nos mes-
nios,
Deposito de cal e polassa.
No armazem da rua da i'adeia do r 12, ha'muilo superior cal de Lisboa em prdra,
assim como polassa chegada ulliiiiainciiie a
precos muito rasoaveis.
Vendem-se dnus cavatina, um ala-
sao bom carrrgador baixo c oulro
l ruco carregador al ineio, por pre-
rcos commodos : ua ruado Quciiua-
* do o. 32, loja.
Vendem-se supeuores loalhas de lavarin-
to com bico, lencos de cainbraia de lavarinto.
bico cousa mullo boa : na rua da Crui n. 24,
armazem de Manoel J. de S Araujo
__Vende-sc una parda com 70 annos de ida-
de, bein prendada, com uuia |cria : na rua da
Praia n. )6. -
Tem para vender, superiores sarjas de seda
hespanhola larga a 2,000. 2,400, 2,60u c 2,8(10
ra. superior, scilin maco prelo a 3,200 rs fa-
senda ilca, pannos linos prelos e de cores
por precos muilo baratos, brim trancado de
todas as cores, inri mis prelos, piipcrzas, chi-
tas franceas largas, caseniiras, laasde calcas,
tpeles, los prelos, bico-, lonas, inadapolAet
iin.,< e outras muilas de diU'erciilcs precos,
aliodaozinhos de loiias ts qualidades, cimas li-
nas de todos os precos, alm tle muilas unirs
fazendas que se vende rao a todo preco, rassas
chitas, challes de la e seda e de la, dius de
ganga franceza, lencos de srda de peso su-
perior, e outras muilas lazendas baratas.
Aos lo:ooo,ooo rs.
No atierro da lloa Msta, loja de calcado n.
.'>8,' vendem-se bilheles inteiros, meios, quar-
ius, quintos, decimos e vigsimos da lotera
da matriz da boa Vista, que corre no dia 2 de
juuho do rorrenle auno.
Hilhetes iuleiro 10,000
Meios 3.000
Ouartos 2,600
Quintos 2.100
Decimos J
Vigsimos 600
Vende-se o engenho F.sliva na frrguezi
do (abo, distante da praca U legoas, de agoa
'nioenie e correle, de boa produccao qoem
o pretender comprar diriju-sc a l*ravinlia do
Livramento n. 46, terceiro andar, a traiar com
o baro de Jpojuca, ou no icu engculio tu-
ranhem. m ...
Loleiia da matriz da Boa Vista.
Aos lo;ooo,ooo e 5:ooo,ooo rs.
No Atierro da hoa Vista, loja de fazendas n.
36, veudein-se os aloi tunados bdheiese meios
da uioiui lotera, que corre uiprelertvcln.cn-
te no dia 2 de iunliu vindouro, ou ante se se
venderem os bllhelei.
Hilhetei iuleiro 10.U0U
Meios 3,000
noria da alfindega, vendem-se bacalho de es
<:aina 6.000 ra. a barrica.
Cementes He ortalice
de flores mullo novas vlndaa de Lisboa no
brigue Conrrico de Mara, feijao carrapato :
na rua da Crur n. 6?. ..__;____..^.
Na loja do sobrado amarello nos qna- *
m tro cantos da rua do Quelinado n. 29, g
g vendem-se manteletes pelos desellin,
~ chamalole e gros de naple, com riros ,;
9 enfeltese com bico preto de mais de pal- *
l mo de largura, sendo os mais modernos t
S iiuc bola ha, los de linho prelos borda- *l
2 dosa seda, cortes de vestido de sarja g.
5 prrta lavrada, padrrs de milito posto, g
sellm preto para vestido de senhora, jt$
i
sarja de seda prela legitima hespanhola,
P meias de seda prela de peso, e outras la- a
zendas finas, ludo por precos muilo |
i em conta.
Vende-se uina canoa que carrega 2,000
lijlos : quein pretender, dinja-se a casa de
Antonio Martin Saldanha, na rua do Colovel-
lo, 011 na mi.1 olaria.
Vende-se urna parda perfeila engomma-
deira, cozmlieira edoceira. fas bollos de todas
a, qualidades, cose chao; 5 ditas para servlco
de campo ; una dila quitandrira ; mu lindu
prelo de 20 annos, mullo bom bolieiro e co-
pelro ; um dito para o servico de campo, e una
liuUtlnha de 6 annos : no pateo da matriz de
Sinto Antonio sobrado n. 4, sedira quem ven-
de, e o niolivo desla venda.
Na antiga loja de Victorino 8c Guimaraes,
na rua largado Rotarlo n. 22, vendem-se cor-
netas de lolha de llandrei, soldados de chum-
bo, cmelas de chaves e diversas oulras coli-
sas para meninos, galdrs noiiradoa de luslro,
rendiulias muilo finas do incsino, c realejos de
calungas. '
Ateia preta de.remando.
Vende-se em grandes e peque-
as porcSes : na livraria do pateo
do Collegio n. G, de Joao da Cos-
ta I)onrdo.
Vendem-se dous burros muito mansos _e
ensillados a puchar carros, para o que sao
muilo proprlos para carrinhos de duas rodas :
uaruado Hospicio ou ua alfandega, a tratar
com menlo Fortunato da Silva, ou com seus
lilhos.
Vendem-se portoes, portas e sacadas de
pedracom soleiras de granito : na rua da Cruz
armairiii e primeiio andar n. 51, ou DO Alieno
da Hoa Vista u. 3, segundo andar.
Sarja btrspanhola.
Milito superior sarja hespanhola por mili
coniinodo preco, los prelos, rica f.izenda a rs.
8,000 cada um, panno de buho ptimo para
leucoes, pecas de 15 varas por 5.500 rs., casia

Sarja hespanhola.
Na loja do sobrado amarello no* quatro
y
^E cantos da rua do (jueimado n. 20, ha
fj.ai .1 venderse um completo soriiuiento >
d*sarja deseda pela verdadelrabespan- s>
bola, a precosde agradar .10 comprador. ^
Cha homoeopathic .
Cha boiuueopathico eui embru-
Ihos clnnezes, a mil lis cada um .
venilt-se no pateo do Collegio, ca-
ga d L,ivro Azul.
. No armazem do baraleiro Silva Lopespa
rua Imperial n. 128 de Andradc Leal, ven-
dem-se us segulnles objectos : aa mu appro-
vadas machinas de Derusnc para restlllar ; lo-
grs econmicos dito para navios; alambi-
ques de cobre de todas as dlniencfles serpen-
tina .de dito e estanho ; caixas com folhas ir
dallares de superior qualidade ditos com
vidros de todas as dlmenccs chumbo en.
lencol; dito embarra; zinco fin folha dilo
em barra bombas de cobre de todos os l-
mannos f carro, de mo bein construidos ;
tambem se faiem porlflese yarandaade ferro
.. outras quaesquer obras de cobre, bronze,
latao. ferro etc.: os pretendentes que qui.e-
rem dar suas encommendaa podem entender-
se em dita fabrica com o socio Manoel Car-
nelro Leal, ou no deposito com o soco Joa-
quim amonio dos Sanios andrade, que suas
encommendaa scro cumprldaa com eiactldao
e prc.teta.
Chapeos da ultima moda de fa-
ris a 6,000 rs.
Na loja de seis portas em frente do Llvra-
mento, tem chapeos de masa prelos do ultimo
gosloem Paris, que vendem-ie a 0,000 ., e
de molla a 5,500 ri aBKswBi^i
iGantois Hailhetck Companhia.P
l1 Conlinua-se a vender no deposito
li geral da rua da Cruz n. 52, o excel- *
^! Imite o bem conceiluado rap area *
preta da abrira de Ganlois l'aillietci 1
4H Companliia da Babia, em grandes e |
f| pequetas porcOes pelo pr-eo eslabe-
SRW j?&:wm*v&ii-mwY
- Vendem-se 200 foixes d sarraros de
pinhoparn estuque, ou eiigradeameiilo de
jardim : no armazem do caes da alfandega
numero 5. .
Vendem-se 3 escmvoi com 20 annoi ae
idade, bonitas figuras, aem achaques, uina
escrava d.' 20 annos deidad robusta, que en-
gouiina, cose muito bem e de milito bolilla fi-
gura, pr preco cominodo : na rua da Cailea
do Bfclffl n. IV segundo andar.
- Vende-se uina escrava crioula com as na-
bilidades segiiinles : colinda o ordinario de
una casa, lava bem de varrlla e de sabao, IU
toda a qualidade de doces de calda e ptrfelU-
inenle rendas e bicoi : na rua das Gruzes u.
18, primeiro andar.
loi orino inglez.
Vndese um bol torino para pai de lote:
na estrada do Roz.iiindo silio das roseiras ao
iiiajor Joaquim KUas de Moura.
- Vende-sc um sobrado de tres andares com
solao, na rua do Vigarlo n. II : quem o pre-
tender, dinja-sca uiesina Ijpograpbla que se
dir ciuein vende.
Cha llyson superior qualidade.
Vende-se na livraria do pateo do Collegio n.
leucoes, ecas 1 10 vina. |.ui *.,.. .., ..-.-.. ,.-,.....-r.. ..- ---------
lisa sem goniina para forros de vestido! a 240 6, de Joo da (.osla Dourado
rs. a vara, l.ncos enramados t r irgura a -2,200
rs. a duzia, luadapolocs, algodoes, editas, e
oulras mu i tai fazenda poi barallaiiuio pre-
co : ua loja n. 33, da na da Cadeia do Re-
cite.
Uvas to srilo.
Vendem se ovas do lerto muito frescaes,
e por preco comuiodo ; na rua do (lueiniado
n. 14.
L'ivas de trccal.
Vendem-se luvas de Irocal da ineldor quali-
dade possivel, lauto para ICnbora como para
iiienlnas por mdico preco : na ruado Quci-
mado n. 16, loja de Jos Das Simoei.
Tinta prela garantida.
Vende se Irasco de mais de gar-
rafa a 4oo rs e g.rrufa a 3ao is. :
na liviaiia lo paleo do Collegio.
n. G, de Joao da Costa Dourado.
Kap l'aulo Cordeiro do Rio de
Janeiro
em Islas e fraseos, chegada recenlemente :
vende-se na rua d Cadeia do liecife, loja
n.50, deCniliH o Ainnrim.
Vendeni-M'sipalOes de couro]de liis-
iro pelo baraiissimo pretjo de 3.000 rs.; di-
loa superiores, 4,000 ra. Olios de couro
lira neo pa> bomem" e menino: na rua da
Cniea do Recre n. 9, loja.
Cera em velas.
Vendem-se caixas com cera em
velas, fabricadas no liio de Janei-
10, sorlidas ao desejo do compra-
dor, e por preco nais barato do
que em outru qualquer parle;
tamliem se vende cera fabricada
em Li.-ba, em caixoles de ioo li-
bras cada um : Irata-se com Ma-
cado cv l'inbeiro, rua do Vigaiio
ii. 19, segupdo andar,
Conlluua-se a vender agoa de fazer 01
cabellos e lOitiai putas : na la do Qucima'lo
loja de leiragcus n. 31.
iMoinbos de vento
eom bombas de repudio rra regar borlas
d haixai de capim : vendem-se na fundicao
de liuwniaii Me. Callum, na rua do llium
lis. 6, 8 e 10.
JiomliHs de Ierro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulos e picota para cacimba
na rua do lrum ns. ), 8 e 10,
fundicao de Ierro.
Potasa* Vende-se polassa o Russia, irenlamrn
te chegada. 8de muilo superior qualidade
na rua du Trapiche o. 17.
#$#.^:# A.**:.#SAl>t
l> Alumino par saceos. te
+ Vende-se mullo bom algodo para >
S> sarcos (e assucar, por pret}0 con mo- 0
* do : em cisa de Itirardo Itoyle, na J
^ rua da Cadeia n. 37.
#:* rf^:#*f
Talxas paiu cnm-nlio.
Na fundiCuO de Ierro da rua do llrum,
eaba-se de recebar um completo sortimen-
to de laixas de a 8 palmos de bocea, as
alises acliaiii-s* a venda por preco cum-
modo, e com promplidao enibaicm-se, ou
carregam-se ero carros seui despezas ao
eomprador
Dtposilo le cal Virgen
Na rua do Torres n. 12, ha muilo supe-
rior Cal nova em pedra, chegada ullima-
oii ule de Lisboa no brigue Tonjo-Tireilro
__Vende-se superior sl do Assu bor-
do da escuna Mura iirminu tundeada na
volla do Korle do Mallos: a Halar como
r\ 13o a bordo, ou com o consignatario da
oi.sma, ImzJo.-deSa Araujo, na rua da
Cruz n. 33, aonde se tde ver a au.oslis.
.- Na rua Nova n. 33, deposito da nova fa
No armatem da ruada Voeda n. 15, yrn-
dem-se saccas com superior farinha c inilho,
e ludo por menos pieco que em outra qual-
Vendem-se canaslras com batatas a l,8t.0
rt cebollas a 600 rs. o cento, sardiohas em
barricas e touiiolio de Lisboa em barricas de
urna ai roba a 24.000 rs., e oulro gneros l-
timamente tingados : m. ru da Aiadre-de-
Ucus arinazcni u. 31.
Couro de luslro. -
Vende-se couro de luilro de muito boa qua-
lidade a 2,800 r. a pelle : na rua da Cadeia
Velda do K.iilc loja de l'erragens n. b de
Francisco Custodio uc Sampaio.
Vende-se uina preta perfeita engomma-
drira c lavadrira, que cose muito bein, uina
dila que COliuha. lava e vende na rua. tres di-
las ii.uilo boas vendedeiras de rua. <|Uc cozi-
nliain a lavain, una dila de meia idade, tres
piet.s bous para lodo o servico : na rua da
Cadeia do eclfe U. M, primeiro andar.
Vendem se chapeo de palpa
do Chile, muito superiores, por
preco muito coinmodo para lechar
coot'as : Iraia-se no escriptorio de
Novaesck Compaiihia, rua do Tra-
piche n. 34*
Vendem-se garrafoes de tin-
ta pela pata escrever, muito boa,
a 4 rs esda um : no pateo do
Collegio, casa do Livro Azul.
Vende-se, por preco com-
modo, cera em velas, muito bom
-ni lmenle, fabricada no RO de
Janeiro : no armazem de Das Fer-
reita, no caes da alfandega, ou
com LNovaes ck Companhi^, na rua
do Trapiche n. 34.
Na rua do Crespo n. 10, loja de
J. L. de \i. Toborda,
vendem se as seguitites fazendas, proprias
da prsenle eslac,3o, saber: SH'ja hespa-
nhola, a 2,400, 2,600, 2,800 e 3,000 rs. O C0-
\a 1111 ; dila inferior, a 1,200 ; chamalole de
seda, 3,000 ; murcullni preta de ISa, tam-
bem propria para vestidos por ser fazenda
muilo lina, a 960; merino preto Tino, a
3,500; casetnira prela selim, a 3,500 e
3,8i,0; panno preto lino, a 4,000, 6.500 ea
6,809; '' '" superior, a 8,000 o covado;
lencos de letirn prelos para gravata, a 4,500;
ditos de seda de cores para algibeira, a
1,000, 1,1,011 o 2,000 ts.; ditos para gravita,
1.000 ditos superiores, a 2.O0O; chrpos de
sol de seda liaucezes, a 5,500 e 6,500 ; di-
tos para senhura, a 1,000; ditos de panni-
nho de cores com cabos d'osso e annacSo
de ferro, a 2.000; chapeos de massa fran-
ceses da ultima moda, 7,000rs.
N mesma loja vendem-se
tambem s precos muito commodos, as fa-
zendas seguintes : corles de esmbrais bran-
ca pira vestidos, a S.oOO a 4,000 f.; ditos
de murculina, a 3,000, ditos de cassa-chi-
ta, goslos modernos, a 2,H80e a 3,200 ; roj-
eado monslio, a 140 o covado ; dito para
cicas, a 160; lencos de seda com fianj, a
3,500 chales de lila e seda finos, de lindos
1. modernos padrOes, a 7,500; dilos ditos, a
5,500 ; dilos prelos, a 2,000 ; raniizinhaa de
cembraia pata senhors, a 1,500; golllobss
para ditas, a 640; lencos de quadros encar-
nados com franji, a 320 ; dilos de fil pre
lo de tres ponas, a 200 rs.; luvas de algo-
dSoedeseda para homeo; ISazinha cor
.le caf, proprias para jaquetas, a 200 rs. o
covado ; laa e seda, propria para palitos, a
440 rs. camisas de meta, a 1,280; uitus de
Ifl
.. e de seda, a 2,000; laaziuba du Itstras
para caigas, a 2*0 rs. o covado ; brim pardo
lelinlio tra diias.a 1,000 o corte; cotes
dncasemirs e de fuslao para collel-s, a
1 Oi'O ; li neos de seda preta para grvala, a
00e64ors. cada um ; suspensorios de
cadarzo, a 60 rs. o par; ditos de meia, a 40
br^Se^Krl. FJTJStiXX -., nautas de ,*.' par. pesco.o, 320 rs.,
alpaka prets.a 720e00rs. ; dita superior,
1 000 e 1,200 o covado ; brtnsjle Imhp de
cr'es. frsnceiS, de nritos padrOes e supe-
oerior qualidade, a 1,40 s vara j -casemirs
.le cores psra calrjas, gostos modernos, a
6 500 e a 7,000 o cne ; casineta de laa pa-
ra ditas, a 3,500 e 4,000 o corte ; bretanlras
de linho, francpzas, pe?a de 0 varas, a
3 500 ; cobertores de ISa, a 1,000; breta-
n'hss de rollo, a2,000; lafel de cores, a
500 e a 610 rs. o covado ; renda de.linho, a
40 rs. a vara ; e outras muitas a precos ba-
ratsimos. .
Vndele urna prela moca,que cnunna o
diarlo de urna caa, lava e cose : na rua do
Queimado loja n. 10.
Cabos da Uussia de ip polegada
at 3 lia.
O melhor lorlimento de cabos da Busila
que teinvindoa te mercado: acbam-se a
venda no armaiein.da rua da Crux o. U, e e
vendem em porces vontade dos conipraua-
res, e a preco o mal barato qne he possivel
boje encontrar-ie.
Toucinho California a 18,000 rs.
o barril de too libras.
Vende-se este excellente toucinho, multiisl-
mo superior ao de Lisboa : na rua da Cruz n
i.'l, armazem.
A 160 rs.
Na loja do barateiro da rua do Crepo n. I i,
vendem-ie riscadindos de linho niiudindo
emitando alpaca de cor, propria para vealidoa,
jaqtietai e palitos a t60 rs. o covado. alpaca de
quadrm preta e roa a 200 r. o covado, um
resto de veslidoi de barra com poiico molo a
2,000 r o corte, leucos de aedaal.OOO rs.,
caisas chita francezas de todas as core lindos
padrei a 240 n. o covado a mal superiores,
chitas francezas, ricos padrrs e assento e-
curo a 320 rs. o covado, dila miudinha multo
fina cores fixas, rico padres emitando cossa
a 200 rs o covado, sarja lieapauhola inulto su-
perior a 2.400 rs. o covado, casimira prela
muilo superior a 2.400 rs o covado, e outras
muitas fazendas por muito barato preco : na
rua do Creipo n. l4, loja de Jos Francitco
Das.
Fil bordado bfl.aoo rs. a vara.
Na rua do Queimado defronte do beeco do
Peie rrilo, loja n. 3, vende-se hlo bordado
branca e de core pelo baralissimo preco de
tres patacas e doze vintens a vara, esta Tazenda
pelo eu lindo e diU'erente desenho tor-
na-se muito recoinmendavel nao para ves-
tidos de senhoras, como tambem para man-
teletes dar-se-hao amostras com ocouipeter.-
te penhor.
Ganga mesclada a a4o rs. o co-
vado.
Defronte do becco do Peixe Frito n. 3, ven-
de-se ganga mesclada de quatro palmo refor-
cados de largura pelo baralissimo preco de do-
ie vintn o covado : esla fazenda torna-e
muilo reoniinendavrl nao s parajaqueas e
caltas, como tainbeui para palitos e casacos.
l'il bordado preto a a,ooo rs. a
vara.
Na rua do Queimado loja n. 3. vende-se fil
bordado prelo pelo barato preco de 2,000 rs.
a vara : esta fazenda pelos seus agradaveis dc-
aenhoa he recomuieodavel para manteletes e
capoiinbos.
.- Veudein-ae cordas de tripa e bordoes pa -
ra rabeca e violao, papel pautado para msi-
ca, tudo de superior qualidade e chegado pro-
x mmenle: ua praca da tudepeuJeucia loja
u.3.
A l,Goo rs. por covado.
Na loja n. 3 da rua do Queimado, vcndein-ic
casimiras de cor de cima pelo baratlesimo pre-
co de cinco patacas o covado : esta fazenda be
propria para forros de carros.
Aviso a pooreza.
No Passeio Publico loja de Finniano Jo
Rodrigues Ferreira n. ll, vende-se madapo-
les linos com um pequeo toque de avaria a
3.000 rs. a peca, algodo a 2,000 rs.. pecas de
chitas prrns adamascada a 5.000 rs. fazenda
boa, cassa chita encarnada a iliO rs. a vara, _e
ouiras muitas fazendas Innpas que se vendero
por baratos precos. ,
Espirito de vinbo de 37 graos
a relaldo : na rua Dtreita, yenda 11. 72.
Itap Paulo Cordeiro
edegado no ultimo vapor do norte, na venda
da rua da Cruz 11. 57, vende-se rap Paulo
Cordeiro, viajado ao l'ar.
Frezuntos novos.
Na venda da rua da Cruz n.- 57, vende-se
presuntos do Porto, 01 mais supeiiores pos-
sivel.
l'ara o primeiro auno da aca-
demia.
Adren: Direito natural em dou voluntes
por 2.50o rs. cada obra : uo palco do Collegio,
casa do Livro Azul.
Na rua das Cruze n. 18 terceiro andar,
vendem-se duas ciinulas, urna della tem 20
annos, engomma, cozinha e lava, ea oulra
tem todas as habelidades e t se vende para
engenho, urna preta de na(o de 20 annos, que
cozinha e lava, e um ecravo de nacao de 35
anuos para servico de campo 011 da praca.
Vende-se urna bonita escrava boa en-
gommadeira, cosiurcira c coziuhcia. alm de
minas habilidades : na rua de Santa Rila nu-
mero 14.
__Vende-se urna preta pe'.Wcozlobcira,
e que faz toda qualidade 'te doce, cose," en-
gomma liso ctem boa pualidadia : ua rua
larga do Rotarlo n. 35, loja. t -
Aos Srs. fabricaues de vi-lias.
Na rua do Vigario n. 1, armazem d mca-
me, vende-se grasa do Rio-Crande de lupe-
lior qualidade por preco commodo.
__O novo e bonito cabriolete deicoberlo,
com o seu grande e vaiente cavallp rudado :
vende-se e quem o pretender, dlrija-se a rua
do Crespo o. 11.
Um cavado. i
Vende-se um cavallo, proprio park aendora,
por ser muilo manso e de bom tairtanto, ter
andar muilo macios e estar gordo,'por mui-
to barato preco : quem o preicuder, Uirija-se a
rua do Apollo, estribara do Paulo para e
tratar.
Isto lim de que fax conla.
Vende-se manteiga inglesa a 560 r. a libra,
lingoicas do serto a 2K0 rs. a libra, holaii-
nta inglrza a 260 rs. a libra, dila de 5 em li-
bra a 200 rs. a libra, batatas a 60 rs. a libra,
azrile doce superior a 6*10 rs. a garrafa, vinbo
verde a 200 rs. a garrafa, taindas da Alagoas
al'20c 160 r., queijos de Miuaa 560 rs., pa-
pel perlino a 3,000 rs. a reama, marmelada.
e doce de goiaba muito fino : na rua das Cru-
ze, piiini 11 a venda pintada de azul.
Lima mulatinha.
Vende-se urna mulatinha de 15aunos, a qual
sabe coser liso, marcar, coziohai peVfeilamen-
le o diario de una casa, ensaboa, e (em as
habilidades que e exigem para o domestico
de uina lamilia, sendo inulto geitosa para li-
tar cotp < naneas : quem a pretender, dirija-se
a rua das Larangciras n. 14 aegundo andar, ou
a rua do Trapiche n. 4l>. que achara Com quem
tratar modicameuteo preyo.
-- Vendem-se 4 molecotes de idade de 15 a
18 tonos, sendo um dclles carpina e oulro pe-
dreiro, um eacravo bom carrelro, trea escra-
va mocas, uina dita de meia idade: na rua
Uirelta n. 3.
Fumo do serlao de pateme.
Vende-sa o mais excellente fumo do ertao
em rolo e libra : na rua da Cadeia do Reci-
te n. 44, loja de ferragena.
lbum.
Acaba de chegar de Paris ricos
albuns de velludo marchetado de
ouro e de marroquim. Sao do ul- .
timo gosto, e vendem-se no pateo
do Collegio, casa do Livro Azul.
._ Vende-e urna (averna em Olinda nos
Quatro Canto, lugar muilo inleresiantepara
negocio : quem a qulier, dirija-e a rua de
Santa Therea na mesma cldade, caa n. 2,
que achara com quem tratar.
Vende-se um pequeo sitio ua estrada
de Helio, defronte do becco do Espinheiro
com 360 palmos de frente e 800 a 900 de fundo,
cercado de llmio, bailante arvorea de fructas,
casa de laipa nova e hem construida, boa agoa
de beber : quem o pretender, dirjate a roa
Dlreila sobrado jun(o ao da quina do becco
que volla para o pateo da Peuha primeiro an-
dar, se dir o dono.
Na rua da Cruz, armazem de
S Araujo n. 33, vende-se supe-
rior farinha de mandioca em sac-
cas, por menos preco do que em
outra qualquer parle.
Vende-se urna mobilia de Jacaranda j
servida, sendo um inf, duaa mesas modernas,
urna dila de meiodesala quadrada, nove ea-
deiras, um locador, tudo por preco commodo :
na rua Direila n. 84.
- Vende-se una escrava com lima cria de
8 mezei, cuja escrava lava, cozinha e engom-
ma. e be de ptima conducta : na rua Velha
u.65.
Vende-se urna taberna na rua da Aurora
n. 32. bem afretiuezada para a Ierra.
Vende-se um moleque crioulode ili a 17
.unios de Idade : no armazem de moldados n.
11, ua rua do Kncauainento do Recife.
Vende-se um moleque crioulo de 18 an-
uos de idade, bonita figura, ptimo para pa-
gem .* no Atierro da boa Vista n 41.
Vende-se um carro do que carregain na
alfandega, de novo e bem construido: a tra-
tar com Manoel Antonio da Silva Molla no Becco
Largo no Recife.
Vende-se nina escrava de naci de 30 an-
uos pouco mai ou menos, inulto robusta, sen)
vicio nein achaques : na rua estreita do Roza-
rio n 19.
Escravos futidos.
Do engenho Jaguaribe, do termo de
[gosrsss, distante desta prses 4 legoas,
ru8oha25dias, o escravo Jos, cabra, de
90 a 22nnns,hom cabello,sem barba,honila
figura, pea grandes, falla um pouco descan-
sada e descorado : quem o appreheoder,
leve-o ao Recife, rua do Encantamento, ao
Sr. Francisco Xavier Martins Bastos, que se-
r recompensado, ou no- mencionado en-
genho.
Desapparrceu em (ns de fevereirn do
engenho Santa Roza um prelo de nome Mi-
lh mis. de 20 a 25 anuos, olhos grandes e
hrancos, alio, secco do corpo, crioulo e
muito caxaeeiro : quem o pegar, leve-oao
dim engenho, ou nesta praca, em casa de
Jos, Antonio da Costa e Sa, na ruado Li-
vramento n. 18, que ser gratificado.
~ Fus'io no dia 24dopas*do do engo-
nho Tapera, sito na freguezia d,e Jaboalo,
o escravo de nome JosA, de nac.lo Nag,
cojo sinaes caractersticos sSo os seguintes:
corpo e altura regulares, olhos salientes e
vivos, em barba, com falta de dentes, ros-
to talhado, ps grossos. representa tarde
idade 30 anuos, he muito ladino; avista
do exposto recomm.-nda-se aos capiles de
campo a captura do dito escravo, pelo que
srSo generosamente gratificados.
Desaptarecen, no dia 14 do corrente,
um moleque de nome Mathias, de nac.lo An-
gola, de 20 annos, pouco mais ou menos,
altura regular, secco do corpo e falla des-
embarazada ; tem o oflieio de serrador e
tem sido visto em varias ras desla cidade :
roga-se. pois, as autoridades policiaca que
o aprrehendam, ou qualquer pessoa que o
pegar, |eve-o rua'do Queimado n. 20, que
ser generosamente recompensada.
~ Desappareceti, no dia 24 do corrente, o
escravo crioulo, de nome Ilerculano, repre-
senta ter 25 annos, ha izo, secco do corpo,
sem barba e um tanto fula ; levnu cal$a de
casimira usada e chapeo do Chile. E>te
esr'ravo foi de Antonio Joaquim Ferreira de
Carvalho, escriv.lo da rrtacflo, o qial ser-
via de portacolist : quem o pegsr lev-o a
rus da c-nieia do Recife n. 51, ou a Antonio
da Silva GusmSo.
Evaristo, pardo, de 32 a 35 annos, es-
tatura regular, um tanto secco do corpo,
com todos os dentes da frente em bom es-
lado, rosto comprido e feio, muito pouca
barba noqueixo ecria bigodes. cantos da
tesla bem elevados, como que j principia
a calvejar. urna dasorelhas Turada por tra-
zer um brinquinbo, e de presente anda sem
elle, dado a divertido, e tem o vicio de
beber ago'ardente ; levou camisa e cerou-
la comprid, tudo de algodSo grosso, e
chapeo de palha de oleado prelo. Este es-
cravo fogio do engenho Machados, fregue-
zia de Iguarass, no dia 23 de feveroiro do
corrente nno : roga-se as autoridades ci-
vis e militares, ecapitSes decampo, q je o
apprehendam e levem-noao dilo engenho,
ou no Itecife, pr.icn da Hoa Vista, sobrado
n. 12, que seu senhor prometa urna gene-
rosa recompensa.
-- Desappsreceu em agosto de 1848 do
engenho Periquito, um escravo do abaiio
assignado, de nome Jos Congo, de 45 an-
uos pouco mais ou menos, cor fula, bein
barbado, principiando a pintar ; tem falla
de um denle na frente, pernas algum tan-
to arqueadas, as quaes foram quebradas
por ter passado um carro sobre ellas, da
urna pouco se devulga, mas da oulra ( que
se me nSo engao he a direila ) foi quebra-
da na canella, e ftcou bem visivel a emen-
da por Icrlicado gross, sendo este o me-
lhor signal. Este esenvo fui de JoSo Bsp-
tista, morador no engenho Pracions ; ha
noticias que passou para as partes do nor-
te : raga, porlanto, o megmo abaixo assiK*
nido as autoridades poltciaes, cspitSes da
campo, ou tneMiio a qualquer pessoa que
do mencionado escravu tiver noticias, o f-
qxm prender e entregar a seu cunhado Ma-
noel Ferreira Cavalcanli, no engenho Ca-
mxregt) do l)r. Pedro, que se recompen-
sar. Jou Lu boza luciel.
Pnr.v. vaTyf'.df M.F.nnFahia


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXY7NEWIB_B0JVNF INGEST_TIME 2013-04-13T03:14:08Z PACKAGE AA00011611_05306
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES