Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05303


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1845
Quinta WtirA 27
.1 (,u'ilia-a
rea mil
indos os diaa qae nao (orna aanlifiaai ni : r.,
pur iinarlal pairos arliania.los Os anuncio* loa ajilan
Jnlta 1 II * prego 'la asaignalura
nica san |,. e tief-milra. pnr ijnarttl pairos arlian:a.los >' annuncioa loa assie;nanies san naaridna
ras o de'20 ria por linha o res em Irpo diferente, e aa repeticOes pela ametade Os
juc a* foreni essignent's pagan lreiapo- linba.lOe lypo differente, pa cada poblicaco.
PARTIDA DS CORREROS TERRESTRES.
tolva*', Parinyba ar^umla. aextaa eiraa Rio Grande do Norlc. aheg. a 8 e 22 a par
it fitiftif 'abo. Sarinhaera Rio Kormoso, Macay, PorioCalao, a Ala'oaa: no i.
',< 4 da nadaran*, Garanhuna a rinnilo a 4o e 24 da caa mei Boa-a-iaia a Fio-
.. '*v le. __ uil #! V (M.ir.i nHIHUa I..... ___ i'llin.t- Ujai _. 1--.
aaa *3
da Vieont quinina eiras. Olinda indos oa diaa
IAS DA SEMAJNA.
> Sp a. Maibiet.
25 la'V' ".Cetario Ral and. doJ. da D.dal.t.
j OuarU a Torcato. Aud J. da I1, da 3 ,
7 i.iumu Leandro. Aud do J da D da 2. y .
'.'B SeKa liciin.it, \il. do J d* D.rlal. ala.
J Seb s *driao Bal. aud do.l.'c ll.i !. v.
_' Don. 4 da quarcsoaa a Mmplicio.
de Fevereiro.
Abao XXI. N. 47-
Tu mi agua, japenue na ,,.< *vsaaui, da aoaaa pruda .oa, a>odataiji>, e ttaergia : eon-
iiuuonius uoiao principiados a i riaui apoaladoa r-nm adira.,ao eut:o aa afitea niaia
oultee (lroetaeMgft da aVMewblea leral do aianl.
cttiaio M DU
abi,a obra Luauraa .'5 i|
Paria I7 ret por fnco
a l.itboa .JO por IilU d. praouo
aturda da auhre ao par
Idaaa da ietraa da boae firaaaa i pjreo
u* rKVKREIKO.
Our--M"a0ada 0
Praia
a da 4,000
-i'aiace.
PaaOS noluaoanarra
lieos aaeacanua
compra renda
17 200 7,i0
i7.UUU 17,:00
a luii ,,60U
l.SrtiU lt'HO
.oou 2 020
,*50 I.V70
PfiASES DA LA NO MF.Z DE FEVRRKIRO.
Llanura a 6 as b h a 16
Craacaata a il aa horas e 4n
i aa irde. La .... '.'_ aa 4 hura* a 27 ai da m.
da m. I M ia;,. ( II ,j | ) i.,.-., a .'fi aain da m.
intuan:
frramar de koje.
Pimefra is 9 horas 1S san da manliaa | Segunda aa 1) horas A? minutos d
IaaiiaiH IISI 111 .....II III I -.*,tJW ,..> ?- ;-K.-..*^ nm,,ri.l,.m 1
larde
DIARIO DE PERNAMB
9mirf ^aoxssB'jHix. vsfxivLsa-.. s&sxGBUUEixa
..^".'jraL

.. .. \ -:xn 1;.;
*MTt OTFrCIAL;
tov^rno da Provincia.
EXPEDIENTE DO DA 17 DO CORRENTE.
OlcioaAo Comiaiiiliint'" das Armas e an
Coinmissario Pagtd)r scientificando-os de
ter S. M. o imperador por decreto de 13 de
Janeiro ultimo, concedido passagem para o 2. o
atalho de Fuzileiros ; no posto de Alferes ,
aos segundos Tenentes do segundo batalbo de
Artilharia p Jos Manoel de Sousa e Mi-
guel Venceslao Cidade.
DitoAo Inspector do Arsenal de Marinba,
declarando, que visto segundo S me. in-
forma, est r muito aeanbado o lugar, em que
se ach o porto das canoas do bairro de S. Fr.
Pedro Goncalves, eser mais conveniente, que
se elle translira para a travessa d'aquelle Arse-
nal, que divide a ra de Apollo da do Brum ,
por poderein as mesmas candas transitar all com
toda a liberdade autorisa-o fazer eflectuar a
indicada transferencia. Communicou-se
Cmara Municipal d'esta cidade, e ao Delega-
do iio i.'diftricto do termo do Recie.
DitoAo Engenheiro Moral ordenando ,
que, em quanto durar a factura da ponte do
Caxang, sob sua direcQao lac.a extrabir do
leitodorio, as immediacoes da mesma ponte,
e depositar ao longo da respectiva margem, a
mxima quantidade de pedregulho que all
houver; para que seja transportado para esta
cidade logo que crescao as agoas ponto de
piTinittirem a novegaco das canoas.
PorlariaSupprimindo em virtude do ar-
tigo 12 da le provincial n. 91 de 7 de Maio de
184-2, a cadeira de Grdmmatica Latina da villa
de Flores cujo Prolessor o t'adre Jos de
Sousa Magalhaes bavia concedido a requeri-
da jubilago. Participou-se a Cmara Muni-
ripal de Flores ao Inspector da Thesouraria
das Rendas Provinciaes e ao Director do Ly-
ceo.
dem do da 18.
OfficioAo Presidente da Relacao, remet-
iendo um exemplar do relatorio, que pelo
Ixih. Sr. Ministro da Justica foi apresentado a
Assembla Geral Legislativa na presente sesso
da 6.* legislatura; recommendando a regular
organisaco d'um mappa, segundo o modelo,
que o mesmo relatorio acompanha, de lodosos
fuitos distribuidos e despachados; e significan-
do, que o dos 3 primeiros mezes d'este anno
(leve desde j;i principiar ser confeccionado, a
fim de ser transmitido quelle Ministerio em
lempo de por elle ser apresentado mesma As-
sembla na sesso ordinaria do futuro mez de
Maio.
DitoAoCommissario Pagad ir, remetien-
do, para ser posto em execucao, o modelo,
segundo o qual deve ser escripturado o livro de
contas de sua repartico.
DitoAo Administrador do Corre O, trans-
niittindo, pura ser devidamente executado, um
exemplar do regulamento dosCorreios, man-
dado observar por decreto n. 399 de 21 de De-
/'rnliro (Jo i.nnn lindo. Igual transmissao se
fez ao Inspector da Thesouraria da F-zeoda.
Dito Ao Agente da companbia das barcas
de vapor, determinando, ordene ao Comman-
dante da que acaba de chegar do Sul, que re-
ceba seu bordo, e transporte provincia do
Cear o soldado Antonio Thomaz de Lima,
que de ordem do Commandante das Armas ser-
llie-h'i apiesentado.Communicuu-seao Com-
mandante das Armas.
Dito \u Inspector da Tbesoursria das Ren-
das Provinciaes, enviando, para seu governo,
Ires dos ex-'mplares descriptivos dos signaes das
diversas codolas falsas ultimamenti apparecidas,
"andados publicar na corle pelo Exm. >r. Mi-
nistro da Fazenda.
%l)itn,\o Cjmmandante das Armas, detur-
"liftndo, faca executar as rdens Imperiaes,
cummunicadas por visos da Secretaria da (uer-
"a de 17 de Dezemhro p. p. el.' de I'evereiro
Cl>rrente, que nando de>ligar do segundo ba-
talhao d'Artiliiaria a p, que &stava addido,
'o Padre C8pellSo Fr. Jos de S Jacinto Ma-
rgaiae, e recolher corte o 1. Tenente do
1." batalbo da mesma arma, Salvador Jos
Maciel. actualmente empregado no Uuartel Ge-
neral d'esta provincia. Officiou-se a rospeito
a j Coinmissario Pagador.
Ditos Ao mesmo, e ao Commissario Paga-
dor, intelligenciando-os d'baver S. M. o Im-
perador concedido passagem para o Estado
Maiorda 2.a classe do exercito ao Major gra-
duado do segundo batalhSo ci Artilharia p
Caetano Manoel de Faria e Albuquerquo, e a
demissao, que do seu posto pedir o 2. Tenen-
te do referido batalhSo Augusto Francisco
Caldas.
DitoDo Secretario da provincia ao Inspec-
tor da Thesouraria da Fazenda, transmittindo,
para seren cumpndas, as ordons do Thesouro
de ns. 19 24.
..laaai ^aasaaaaMamawana
EXTEf.10!.
COItRh>PONDENCIA DO DIARIO DE PERNAMBLCO
Pariz, 14 de Janeiro.
Cstou attonito do que hontem se passou na
Cmara dos Pares : nao ba remedio senao ac-
creditar em agouros. Aquelles que presencirao
as trevas de que Pariz se cobrio no dia da aber-
tura das Cmaras, logo dissero que era o lem-
po que tomava luto pelo Ministerio que eslava
na liara do passamento : sao passadas apenas
tres semanas desde que a prophecia foi feita, e
eis ahi j o agouro com ares de querer-se ve-
rificar.
No dia 11 appresentouo Conde Portalis, Se-
cretario da commissao do voto de gracas da C-
mara dos Pares, o seu proj' co de resposla jo
discurso do tbrono. Era um panet;vnco tao
exagerado da poltica do gabinete, que mettia
nnjo. A caterva dasfolbas ministeriaes clamou
logo victoria; mas parece que se nao lembrou
do adagio poituguez que di:Al o lavar dos
cestos he lindima. Hontem 13 do crrante,
comt-<;ou a discusso Ninguem esperava por
sombra de opposico em una Cmara, fetura
extreme do Ministeiio. nem bavia na lista dos
oradores que tinbo pedido a palavra, nome que
promeltesso cousa d'eslrondo : o Mrquez de
Boissy, que falla de ludo a tirio e a direito, o
Conde de Montalembert para pregar o seu ser-
mao do costume sobro a questao religiosa, e ou-
tros que taes. Vai senao quando. levanta-se
urna figura em que ainda ninguem linha Wla-
do, pede a ceeso da palavra ao que primeiro a
tinba.e apparece de repente na tribuna. Lovei 2
lormidaveis cotoveles dosdous vismhos que me
ficavaode umeoulro lado as galanas. Ia Com-
le Mole I me gntou um da direita l.e Cumie
Mol- me gritou o outro da esquerda. Era
com effeito o Conde Mole em coi po e alma : o
Conde Mole que havia quatro anuos intuiros
que nao fallava O Conde Mole, que passa pela
pessoa mais influente do partido conservador !
O Conde Mole, cujas entradas nn paco o habi-
lito para poder ennhecer o pcnsamenlo occul-
to do eleitor dus Ministros Todo o mundo fi-
cou espanta.Jo, quando o vio, eGuizot man <(ue
ninguem. De toda a parte esperava hostilida-
des; porm de um conservador, e de mais a
mais amigo intimo de L. Philippe, custava-
Ihea coisa a crer.
O orador cabio sobre apoltica do gabinete
sem piedade, e com muita fortuna. Pode-se
fazer boa idcia, disse elle, do systema poltico
adoptado pelo Governo, cliamando-lhe polti-
ca ESTL'RRADX, ATE AS SL'AS FRAQUEZAS; poli-
ligue oul-anee mime dam set faibeises. Os
principios em que ella se funda, sao verdadei-
ros; porm Guizot, exaggertndo estes princi-
pios, provoca reaeces inevitaveis pelas conse-
quencias extremas que ilella deduz : tanto he
verdade, como diz o adagio, que corruplio
oplimi pett'tnal O principio da vantagem da
allianya ingleza, por exemplo he na realidade
verdadeiro e salular; porm Guizot, exagge-
raudo-o, cahio no svslema de concessSes sem
devia ser o complemento dos de 1831 e 1833 so-
bro o direito de visita, e collocou-se em posico
tao embarazada, quo agora ou ha de obrigar a
''amara dos Di-putados que Ibe impoz a obriga-
cao de abolir os tratados de 31 c 33, a desdi-
zer-se, oqm nao he possivel, ou ha do obri-
gar a Inglaterra a desistir dolas, o que nao he
de esperar.
Para fazer boa ideia dos terriveis resultados
desta poltica exaggerada, basta lancar os olhos
para o que se tem pasudo em Taity. Bem se
devia logo v6r que estas possesses tao remotas e
tao mesquinhas, que a Franca deve perder ao
primeiro tiro do peca que so dispaiar, nao po-
(iiao valer os inconvenientes que a sua oceupa-
eo devia trazer comsigo. Fosse como fosse, o
Governo decidi se a occupal-as; mas Inglater-
ra a quem isso nao agradou, c que | estava na
posse do principio das concessoes sem recipro-
cidade, exigi, exigi, exigi, e impoz
Franca as vergonha? quo todos saben). E se is-
to acconteceo, em quanto a cordial intelltgen-
cia existia em lodo o seu vigor, que se deven)
esperar em as circunstancias (endo mudado?
A resposla de Guizot nao teve nada de notavel
senao a violencia das invectivas que dirigi ao
seu adversario De tal mancira se deixiu levar
da colera que o inspirava, que at o Conde de
Montalivel, que he a moderaco em pessoa,
le/, coro om os que gritavo de todos os ban-
cos :Poinf de haine I'oint de haine Urna
s cousa importante resultado esluir o discur
so do chefe do gnbinete; he a extensao das tao
celbralas concessoes, feitas pela Inglal rra
Franca relativamente ao direito de visita, /ti-
sumteneatis, amici? Roduz-se tudo a consen-
tir que se nomeie una cmniriissao mixta para
propr os meios de conciliar a efcacia da re
pressio do trafico da oscravatura com a suscep
tibilidade franceza a respeito do direito de visi-
ta Ernpalhacao e mais empalhagao, que so
serve paiaganhar lempo, ci|uo nao ha de pro-
du/ir cousa nenhuma.
Sealguem nao advinha, logo h primeira vis-
ta, quaes sao as miras secretas do Governo In-
glez com esta extica proposicao, eu Ihe vou prtr
a cousa em pr tos I hipos, le que i Inglaterra
esta com a corda na garganta por causa do as-
pecto que vao tomando JS cousas em Washing-
ton. Resistir aos Estados Unidos, em caso de
CollisSo, sem o cmcurso da Franca, he mpos-
sivel : trali-sn por tanto de obter esto concur-
so a todo o custo. Assim, em quanto por um la-
do fe faz a extica proposicao da commissAo
mixta, para lazer nascer esperancas da aboli-
rs (om que seguramente se niio pensa) dos Ira
tidosdel831 e 1833, pelo outro dirige lord
Covvley urna nota mui terminante a Guizot, e
exige urna resposta cathejjorica do Governo
Francez, em que Ihe diga se a sua nlencSp he
luz r causa coma Inglaterra para sustenUr a
independencia do Texas ou nao L' note-se at
onde chega a arrogancia ingiera Em quanto
o Embaixador Inglezem Pariz dirige ao Gover-
no I' rancez a nota de que acabo de lallar, res-
ponde de la o Times de Londres : Que com
toda a certeza a Franca ba de fa/er causa com a
Inglaterra na queslaodo Texas. quacs sejdoassuas piomessas anteriores em sentido
contrario, porque he i sla a condico indispon-
sau'l, sem a qual a boa inteligencia entre as
duas naces nao pode continuar a subsistir
Faca-se bem reparo neslequaesquer que sejdo
as suas piomessas anteriqiesem sentido contra-
rio, e diga-se se se nao sent ferver o sangue,
ouvindo taes insolencias. Esta expressuo he vi-
sivelmente dirigida a L. Pbilippe, e relativa
aquella carta de que Ihes fallei na minha cor-
respondencia passada, na qual o Ministro dos
Negocios Eslrangciros Americano se congratu-
lava com o seu representante em Pariz sobre as
promessas do Rei dos Francezi s relativamente
aos interesses da Uniio. Diga e prometta L.
Philippe o que qui/er, ha de fazer o que nos
Ihe mandarinos !
Tornando porm nossa questao da Cmara
Jos Pares, o que resulta da sessao de hontem
marcada entre o partido doutrinario, represen-
tado por Guizot, e o partido puramente conser-
vador representado por Mole. Ser comtudo
possivel que Cmara dos Pares, renunciando
ao* seus hbitos e trac'icO's, se resolva a fazer
seriamente opposc, parece que nao; mas como a discussao conti-
na boje, e com o progresso que ella for tendo,
hio de desapparecer todas as duvidas. he preci
so ver o que a sesso da de si e vou-me l.
As 8 horas da noute. Mou dito, meu fcito !
Tudo degenerou em agoa rnorna Fallou-se
muito o disso-se pouco. Tralou-se de materias
inteiramente estranhas questao ministerial, o
reciprocidade, assignou o tratado de 1841, que j be que temos urna sciso bem decidida e bem
que por consequencia nao tem interesse nen-
hum, ao menos neste momento; porm a dis-
cussao ainda contina amanhaa, e talvezdal-
guma cousa de si. \ eremos.
I de Janeiro.
Venho da Cmara dos Pares, e com as espe-
rancas perdidas de poder dar conta do resultado
final da di-cussao nesta correspondencia : em
consequencia disto, vou concluil-a e remettel-a.
Contra tudo o que se tem visto nos annos ante-
cedentes, em que as cousas ao de galope, nao
sendo a discussao senao urna pura formalidade,
prolonga-se este anno a balalha de tal maneira
que, sondo boje o 3 diada discussao, ainda
se nao volou ien8o o primeiro ^ do projecto.
U publico segu os debates com interesse, pou-
cas ve/es visto lodos os olbos eglao boje fila-
do no I.uxemburgo, onde se receia que o Mi-
nisterio faga naufragio. Mais de 200 Deputado*
tinho boje abandonado a sua propria Cmara
p.r.i virein assislir sessao. O Principe de Mos-
kowa escolheo o terreno da questao de Marro-
eos para dar batalha no iWmisterio, represen-
Ldo por Guizot; mas. com ser a posic,o excel-
lente, nao soube approveitar-se della. O galu-
xo icou eompletcmente batido pelo veterano;
porm como a peleja ficou adiada para a mo-
fihaa, porque a noute a veo interromper, nao
sabemos por ora de que lado (cara a victoria.
Apesar do tudo quanto se diz e quanlo se es-
creve, eslou em que o Governo ha de sabir com
grande maioria no Luxemliurgo.
O Principe de Joinvillej voltou da peque-
a digressao que foi lazer, e que parece nao ter
tido nenbum motivo poltico.
A Prnceza D. .(anuaria parti no dia 10 pa-
ra Marselha, sem que podessem ler mo nella.
nem a companhia de ua mnaa, nomos diver-
timentos das I ulberias, onde agora ha bailes,
concerlos, seroes, e al comedias pela medida
velh. Cuido que O clima da trra Ihe rnetteo
medo, e que vai procurar em aples melbores
ares, e temperatura mais accomn-odada so seu
estado.
A posieo do Almirante Dupetit Tbouars
fimiu nao be bem clara. Recusou he ver-
dade a espada d'honu que os seus admirado-
res Ihe ofleiecrao e foi convidado a jantar as
Tul heras ; porm como o Ministerio d ares
de vacillaote tambe ni elle se porta com reser-
va proporcionada a gravidade da siluacao. Nao
se sabe anda bem se o Goterno o tera pelos ps
ou pela caln ca.
A imprensa continua a oceupar-se das cousas
do Brasii que por va de regra he maltratado.
I eolio ra/oes de suspeitar que a missao de Cal
mou para obler a intervenco da Europa a fa-
vor de Montevideo nao vai em boa figura : se
assim (r, remediou o acaso o erro crasso do
Governo Brasileiro. Se o Imperador tiver ao
seu lado amigos seus e do paiz eis aqu o que
Ihe bao de dizer ; CJucni considerar Monte-
video de outro modo que como estado de inde-
pi ndencia transitoria he um profano : logo
toda a poltica que tiver por base principios op-
poslos a estes nai vale nada. Montevideo ja-
mis pudera subsistir senao a costa dos seus
visinbos ; e por consequencia todos os seus es-
forcos se I. a o de cilrar em suscitar otiles perlur-
baces de que se approveite. (Quanto maiores
ellas lorem tanto melhor. Se o Krasil enten-
de que deve unir-sc rom urna das parles helli-
garantcs uiib-so com Rosas restabeleca Ori-
be e estipulo condiioes relulivauente aos te-



beldes do Rio Grande : cale se por-'m mui rala j Na Cmara dos Deputados lendo M H-bert,
dinho: quanto 88 soas intn.coes a respeit da' relator da commisso da ,.lla !e to no di
Repblica Oriente, e por nudo nenhum re-
nuncie ao que o futuro poder facer ein seu fa-
vor.
NOTICIAS DIVERSAS.
Os jornaes ingleiM ltimamente recehidos
chegao a 28 de Janeiro p. passsado e os franje-
zes a 19.
A Rainlia Victoria fo a 20 f7.er urna
taita ao o(|ue de Welliogton em Stralfield
gaje; e voliou i23 para o Castalio de Windgor.
No da 16fa/iao-se preparativos para aparti-
da da curte do Castillo para o palacio de liu-
ckingham a 3 do correte, ve.'pera da reuna
do Parlamento que seria aberto pela Rainba
em pesaoa. No sabbado seguinte segundo as
disposicoos fritas, partiriao S. M. e o Princi-
pe seu consorte para o Pavilhao da Brighton ,
onde se esperava que a cort> se demorara
cerca de 15 dias ou 3 semanas. TinbSo-se ex-
pedido as circulares do costume aos sustonlado-
resdo Governo na Casa dos Communs, ins
tando pela sua inmediata asistencia aberlu
ra da sessao do Parlamento.
Le-se no Nomina Posto lego inte:
Morrinba na Inglaterra. Com bastante
pezar dizemos, que circula o boato de baver
cliegailu a este paiz aquella fatal molestia que
da no gado, e que tem causado tao graves per-
das no continente da Europa. Nao podemos
garantir veraeidade de tal boato; mas, segn
do as inormoces que temos colhido somos
inclinados a crr, qae a enfermidade que ora
gnssa tao geralmente, gobretudo entre os ca-
vados expostos ao recente lempo fri e muda-
vel, he urna especie do influenza, cujos symp-
tomas sao de urna natureza mais grave do que a
ordinaria. Di/em-nos, que muitus propricta-
rios de cocheiras de alluguel teeo disposto de
quasi rnetade dos seus cava I los e as morios
durante as ultimas semanas teeo regulado a
25 por cento.
Na Irlanda ja se tinba assaz manifestado,
conforme u phrase do Times, o espirito de re
sistemia s ordena contidas na carta emanada
da Propaganda; e apeznr da bem fundada es-
peranza de que o Arccbisp de Crolly, tanto
pela sua policio, como pela inabalavel lirme/a,
que at aqu tem mostrado interpuztsse
promptamente a sua autoridade, e nao conaen-
tisse que o rescripto Pontificio de 1843 fosge
tratado como um papel lujo, do mesmo modo
que o outrorecebido em 1839 anda aaiirn
levantou-se um brado de exultarn entre os de-
mcratas que olhao para a carta do Rispo
M'Nally, lida na associagao a 20 do Janeiro .
como a primeira decan ao episcopal da nulli-
dade do rescripto. A S a que preside o |)r.
M'Nally, esta deotro da juriidicSo do r. Crol-
ly, e na verdade por toda a dircese d'este pre
lado tinhao-se desenvolvid > os maig fortes
symptomas de manifista insubordinarn. Hou-
ve um meeting em Clones no rondado de Mo-
naghan, no cursos da natureza a maig inflamatoria contra
o acto dos legados, tomando os Padres a dian-
teira, segundo o costume.
Muitos jornaes annunciao que o magni
(ico boi do Principe A Ib rto tinba sido servido
no mesmo dia, ea mesma hora, no Lodo an-
uo a mesa da Rainba da Inglaterra e .i do
Rei dos l'rancezes; e como as olbaa de Lon-
dres julganao commetter um attentado con-
tra a verdade histrica se nao referissem >
maig minueios s pormenorea tinha acres-
imudo que a posta ofler.-cida t Familia Real
de Franca ra da alcatra. No dia IGannunciou
o Speclador citado pelo Morning Post, quec
Conde de Montalivet enviou ao rarniceiro da
Rainba Victoria umaciixa de tomar tabaco com
o retrato do Rei em agradecimeuto d'aquelle
prezente gastronmico.
A Cmara dos Pares em Franca approvou no
da 18 os ltimos paragraphos dos 11 que
tinha o projecto da rosela a falla do throo
depois de una disnissao sem intercale. Hou-
ve s um ficto digno de menco; foi a votaco.
O escrutinio englobado deo 39 e'pberaa pretaa,
o que he ligoifieativo em Lutembourg inor-
mente qundo os debates occuparno urna sema-
na i n te ira. O anno oassado a leitura do pro-
jecto, a discussao, a votado tud isto e con-
cluo n'uma s<> sessao. Sl4 votos havia pro
testado contra essa approvaeo tai expedita.
Egte anno v-se que o caso loi diflerente :
bouve um debato serio e prolongado; oMi-
nigterio teve de reccorrer a um dos seus maig
poderosos auxiliares; introduzio-se no projecto
urna emenda relativa ao direito de visita, coli-
sa que o Ministerio tinha impedid at agora;
finalmente nao obstante todas estas cireumitao-
cias, persistir 39 votos na opposicao. Kj(e
resultad tem cortamente importancia para to-
do aquelie que seguir de pertoo movimento dos
espritus.
A mens8gem dog Pareg foi apresentada ao
Rei no dia 19 ooute.
Goncalo Lopea da Silva, o mesmo VarejSo, Pbi-
ppe Jo de Sant'Anna e outros, que nao ero
15 a 2'leitura d s>-u trabalbo. **ntru em elegiveig e gao estes Mamoeiro que augmenta
rao ao candidato Mello, porque as actas tra,
o Sr. Arruda em branco, tendo disposto para
lodos os manejos o Secretario da Cmara Muni-
cipal da Ra-vista I
Diz o P.-novo queso le falla um collegio.
porque nao cunta com o collegio da Boa-vista,
onde *e reunir os 9* Kleitores do Ouricury,
s 21 de Santa Mara, e os 18 da Assump
cao, (a) porque esteg Eleitores sao do partido
da ordein, e inadmissiveis para o U. novo.
nio por ntillidadc, e sim por ogeiiga, por quan
to ge os votog dog de Ouricury inqmno os de
Santa Maria e Assumpcao, os da eleicao Ma-
motiro devem ser contagiosos aos j i por si bem
tinhosoi deEx e Salgueiro. Maso D.-novo tem
razao, porque abi osto os avisos do Ministerio
de 2 de Fevereiro para mandarem apurar todos
os collrgios de fraude ou ccete, como o da
Granja de 349 Kleitores, e excluir aquelles em
que os desordeiros minister alistas nao forao vo -
tadog, como Ouricury, Cabo e Garanhuns.
Mas na eleicao de Senador a verifica^ao de po-
deres ha dse fiar mais fina, porque o Senado
nao consta em sua maioria de commissarios da
Joanna.
discussao n dia 20; e na sessao de 24 baven-
do solo presentada por \. Carn urna emen-
da ao !.. deslavoravel apoltica do Gover-
no, dep. ig de lerem orado MM Cretmeux ,
Gatarim.Rillault,e Duchat l.deo-ge porfinda a
discussao i s 6 hora! da tarde na urna appa-
receo a gegmnte voiacao:
Votog.
A lavor da emenda 197
Contra ell 225
iMaioi ia pelo Ministerio 28
Sendo approvadoi na mesma sessao os 1. e
2 ilo projecto de resposta ao discurso da
cora enlrou em discussao o 3.. no dia
25, ao qual oflereceo urna emenda IM, Len de
Malleville.
A maioria obtida pelos Ministros n'aquella
votacao parecen tao inopinadamente grande ,
que se o ia as duas Cmaras que o Ministerio
atravessaria a sessao.
^Gr^iHu^r.m
C1
C
NA.
CORREIO.
CDRKESPONDENCIA DA CIDADE E PROVINCIA.
.Na sessao de 16 do passado Janeiro susten-
tando o Deputado Sabino de Mello o parecer
da commisso de.... digse= Eu portento divi-
direi meu discurso em trez partes: na 1.a res-
ponder!' as aecusacoes__na 2.* sustentare! o
projecto.... e na 3.* tratarei de combater al-
gumns i. incideraces.. Este tpico, ou este
trecho porque hojetudolie copino, tudo he trecho
me parece ser urn dos tpicos nao de Arist-
teles, mas de. um frade Bernardo pregando de
S. Joa i=D!a o Bernardo: eu dividirei o meu
discurso em tre partes, fogo, fugete e fo-
que : na 1.* mostrarci que S. Joao foi quente;
na 2.que foi fervente;e na 3.* esquentadaco !.'
One imitacao tao urbana !
Estamos arneacados de um novo tributo: da-
se a entender no re'atorio daFazenda que nos
querem ir as venias pind no fumo a pequea
bagatela deGO por 100 Como a immensidade
de tributos que ja sobre nos peza nostenha da-
do icheirar he justo que agora appareca um
r|ue nos faca clieirar menos.
No bumba-mcu-bui ao divino de que hon-
tem fallei e disse forao as maiores festinhas
queso fi/.erao em honra de S. Panlalea fIluu-
rne referir-lhes que ern lugar di caipora ca-
vall i-marinho, e da hurrinha, apparecerao trez
marhara/esfa/cndo de Reis Magos aos quaes
guiou na a estrella vero menino, masa la
para vercui \s meninas.
DIARIO DE PERMITO.
COMARCA DA BOA-VISTA.
Pnhlicou bontemo D.-no >o a eleicao do col-
legio de Gabroh, assegurando que falta ape-
nas o de l'acaral, o aprsenla o resultado de
81 votos para o seu candidato rnais necesitado
o Sr. Mello, o rnente 08 para o Sr. Andra-
da Machado. O que querer dizer isto ? Em to-
dos os collecioa loi aempre o Sr. Antonio Car-
los o candidato de mais eslrco da praia, agora
be ao Sr. Mello que se di maior volu^ao no ce-
lebie collegio dos Eleitores do Ex e >algueiro
reunido em Cal.r. b Os Eleitores sao setenta
(40 da Ex, e 30 i'e Salgueiro) e o Sr. Mello
tem 81 votos Consta que a maioria do colle-
gio de Cabrob foi de 68 votos das duas fregu
zias referidas, porm que o Sr Arruda man-
dou-lhes addicionar os votos de 21 Eleitores de
Mamoeiro, fetos em Janeiro na Capella da Con-
ceiro da lioa-visla aervindo de Parocbo um
iOiiiein casado e cunhado do Paula doudo por
nomo \ arejao, e isto depois que a praia per-
deo completamente a eleido procedida regular-
mente em Dezemhro pelo Juiz de Paz, e pelo
Vigario na Matriz de Santa Maria.
I'.in Itezemb c publicamos o acto escandaloso
do agente do curreio da Roa vista Francisco
Antonio A'avier, que abri os ollicios da Presi-
dencia dirigidos ao Nigario, e ao Juiz de Paz
Rodrigues Coelbo p.ira a eleicao, e s entregou
do Vigario, passado o dia marcado com o im
de ser translenda para Janeiro a eleigo. S. Ex.
tendo parte do Juiz de Paz, que nao tinba fet-
to a eleicao no dia marcado, magia proceder a
ella brevemente, deiiberou que se fizesse a 20)
de Janeiro caso ja nao estivesse feita. Mas a|
praia que onde nao vence perturba, vendo-ge
abandonada da melhor genio da freguezia de S;
Maria, onde os 21 Eleitores forao todos do par-
tid da ordem, fez urna eleicao na capella com
novo Jui/ de Paz Francisco Antonio Xavier,
Publicaba o a pedido.
Para conbecimento dos Iludidos se publica
o seguinte.extrahido dos estatutos da sociedade
Theatral Pbilo-Tbalia, illegalmente digsolvida
no dia 19 do coirente.
Art 3 A sociedade compete :
11. Dissolver-se.quando duas tercas par-
tes de seus membros assim o quizerem.

Alfandega.
Rendimento do dia 26.........10:531*744
Desearrego hoje 27.
PatachoS. Binneybacalhao.
RarcaCo/umbtaazeite de peixe,
BrigueItunamercadorias.
BrigueThomas Leechidoui.
loviuuento to Porto
Navw sahtdo no dia 25.
Falmouth ; galera americana W. Pin, Capi-
tSo John C. Linele ; com a mesma carga
que trouxe.
Navio sahtdo no dia 26.
Rio Grande do Sul ; brigue brasileiro Gmt
roto, Capitao Jos d'Oliveira Souza ; car-
ga differenles gneros.
eciaragoes.
cado para o recolbimento da ultima prestacao
de 4o/o, e que muito breve tem de apreson-
lar suas contas a Administracao. O mesmo
Caixa annuncia ao publico que se acba a ven-
da algumas arces cujas entradas reverterSo
em beneficio da Companhia em virtude do ar-
tigo 9." dos estatutos. O Csixa
M Goncalves da Silva. (11
FBLIC'ACx' UTTElUim.
i__Nova e coirectissima edicao
das Fbulas de Phedro em lalim,
com a ordem grammatical das pri-
meiras de cada livro designada
em algarismos e addiccionada de
commentos para intelligencia do
lexto accommodada para as aulas
de latim : vende-se as livrarias
da ra do Collegio n. ao e da
Praca da Independencia ns. 6 e 8.
^as mesmas Jivrarias vende-se por
6$ rs encardenado oDigestu For-
tuguezedicao correcta impres-
so em bom papel typo grande ,
com um minucioso ndice das ma-
terias. O supplemento que con-
ten a prati'ca do processo, vende-
se junto ou separado.
(ao
Administracao do Patrimonio dos Orphos.
6= Perante a administracao do Patrimonio
dos Orphos, se ha de arrematar a quem mais
der ag rendas da caga n. 24 sita na ra da Madre
de Dos do bairro do Rtcife, pelo lempo que ha
de decorrer do dia da arrematacao ao fim de
limbo de 18 ; as pessoas que quizerem lici-
tar, poderao compaiecer na casa del sesses da
inesma i dministraco nos dias 1. 3 e 5 do fu-
turo rnez de Marco, ao meio dia, com seus fia-
dores.
Sala das sessdes de administracao do Patri-
monio dos Urpbos 13 de Fevereiro de 1845.
Jos Varia da Cruz.
Escriturario.
3A Administracao dos Eslabelecimentos
de Caridade convida a aquellas pessoas que
quizerem visitar csa dos expostos que no
da I.4 de Marc,o prximo futuro estar aberta
a mencionada casa das A horas da tarde at as
9 d.i noute.
A mesma Administrara manda fazer publi-
co a todas as pessoas, que tiverem expostos em
seu poder que os devero spresentar na res-
pectiva casa as 4 boras da tarde do indicado dia,
sob pena de seren recolhidos a mencionada
casa. Sala das sesses da Administracao dog
Estabelecimenloa de Caridade 22 de Fevereiro
de 1845.
0 Egcripturtrio.
Francisco Antonio Cavalcanti Couseito.[li
5 COMPANHIA DE BERERIBE.
0 Caixa da Companhia do Beheribe avisa aos
Srs. accionistas, que se acha (indo o [raso mar-
COMPANHIA ITALIANA.
TUEATRO p|Hi,0-l?IUU,rlC0-
Segunda-feira 3 t Marco.
Excular-se-ba a primeira i epreaentacao do
Melodramma em muaica em doua actoa.
LJTALIANNA 1N ALGElU
Do iltstre G. Hostini.
A acea ge pasaa em Argel assento da re-
gencia. Os vestuarios decoraces sienas
e demaig accessorios sao preparados ao vei'da-
deiro carcter e com toda elegancia nao se
poupando despezaa nem fadigag para o bri-
Ihantismo do espectculo.
PRECOS A ENTRADA.
Cadeiras de galera primeira ordem para
bomena..........2/000
Ditas ditas de segunda e terceira ordem para
familia..........2/000
Bilhetes de platea......1*000
As pessoas que se quizerem prevenir de luga-
res poderao entender-se com Carlos Ricco ,
ra larga do R. sano n. 30, primeiro andar.
O resto dos bilhetes ven er-se-bao no dia da
representaco no theatro pateo do Collegio.
O espectculo comecar as horas do costume.
THEATRO PUBLICO.
PR0GBAHMA DA PEA
Passagem do Alar Vermelho.
Os Israelitas que por morte de Jcob linhao
cado no Egyplo bavendo-se multiplicado
consideravelmeute naquelle paiz, causaroa ni
veja, e excitara oa receios nos Reis successores
do grande Pharao, snico de Jos : estes suc-
cessores se liao tornando (a medida que o de-
curso do lempo ia apagando da memoria dos
Egypcios os beneficios que havio recebido do
mimoso lilbo de Jacob) cada vez mais oppreggo-
res do povo Hebreo, obrigando-o a dar a grande
immensidade de lijlo preciso para a construc-
co das famosas pvramides, at que Dos, ven-
do a afflicao do seu povo, Ibe enviou Moiss
para o libertar, o qual apresentando se a Pha-
rao Ibe pede Ikcura de ir com o povo sacrificar
ao Senhor no Deserto. Este pedido augmen-
tou a b rocidade de Phara, julgando que a
ociosidade era o motivo daquella supplica, por
cuja causa mandou que os Israelitas fossem
obrigadosa dar a mesma pon;o de lijlo, po-
rm ne^ando-lhes a lenha para o co/erem, a
qual deveria ser lomeada pelos momos lilhos
de Israel : mandando anda o te'rivel Phara
que fossom cruelmente acoutados os que nao
dessem a mesma quantidade de tijolo cozido :
foio muitas as victimas dos acoules: Moiss,
orando ao Senhor,parece que o increpava por o
haver escolhido para libertador do seu povo,'
pois da primeira supplica que tinha leito 6 Pha-
ra, dimanava o augmento de tao grande op-
preggao, e marlyrio : o Senhor ento revestio
Moiss do poder de ferir o Egyplo de terriveia
pragag, at que abrandando-ge o corceo de
i'hara.doixassc sihir o povo Hebreo; com cflei-
to, Moiss converteo as aguas em gangue, in-
nundou o Egypto de raes.de mosquito! e moscas,
encheo de ulceraa os homens, e tocou de peste
os irracionaes, fez descer sobre a trra urna co-
piosa chuva de pedra, innundou a trra de ga-
,a; Hnra se|a feita ao Capitao Jos Perei- fanbotos, e as trevas vierao repentina mente*
J"' .CS'8n' fe ,na Malr'7' 8rvorou Bra"^o, Juiz de Paz supplente. que presi- I substituir o d.a, mag nada foi bastante bran-
u.i.tunliadodo Paula doudo em Sacerdote, ej di ao collegio. sem deixar se levar dos pedidos dar o coraCo de Phara: at que a decima
em talla de homens ice fcleitore alguns prole- de Francisco Antonio Xavier, que se oceultou1
taos, que nem ero qualiflcados votantes, co- para ver ge estorvava a eleicao da cabeca da co-
mo porexemplo Jos Dooiingueg Monte-negro, marca.
a morlc de todos os primognitos, des-
de o lilbo de Phara, at o do nfimo ecravo,
e at o primognito do ultimo irracional, o que


ausou pela meia note o mais espantoso alari- | 1= Kenwortby & Brander a Brandis finali-
zo fm toJo o Egyplo por nao haver urna hab- sarao para liquidacao, por intervcnco docor
taco em que nao houvesse um moflo Deixou relor Oliveira, o seu leilo de ferragens final
enlo Pbarasalnropovo, ma alguna dias de- e grossas cutilarias, e miude/.as sexta fera 28
pois arrep.-ndido da palavra que havia dado de do trrenle as 10 horas da manliaa em p nto.
Jiberdade aos Hebreos, vai com todas as suas no seu arma*em ra da Cruz (Q
5
tropas, os (canga junto ao Mar Vermelho,
para onde i.mbo sido guiados de da por una
coluna de nuvem, e de noute por urna d logo.
Os minutos de Moi>s, e do povo Henreo, a-
conse'iharo a Pbara que oscercasse de to-
das as partes para ejercitar nos d llios de Israel a mais cruel malenca ; ento
Moiss ora ao Senhor, estende a sua vara sobre
asagoas, estas sedividem, dando franca pas-
MgttOl ao povo Hebreo : Phara, instigado pe-
los seus, julga que pode aloutamente trilhar o
iresmo caminho : ayanca com o seu eiercito,
entao Moiss levanta das agoas a sua vara, e o
mar se une, deixindo sepultadas em suas agoas
todas as tropas Egypicias.
Domingo 2 de Marco se representa no Thea-
tro Publico este passo da Santa fccriptura em
una pera dramtica-do grande Baiard que a
aormoseou com um inleressante enredo dos
Magos, a abobada de ac, e os mysterios de
terror dos Sacerdotes de Oziris, Dos dos Egy p-
tos, e da grande Sacerdotiza de Izis, contra
Moiss; juntou-lhe o milagro d'agoa do ro-
chado e do man que cao posleri res a passa-
gem do mar, e a inauguracao do Bezerro de
(Juro, sublevacao de Abiron e Arca d'Allian-
$a ; mas como esta falta de seguimento da ac-
edo em nada prejudica, antes entreten) a espec-
tativa, por isso (em merecido grande aceitacao
este drama, e a uiesma gozou em Pernambuco
ba douannos que foi representado e mu bem
Uesempenbado o machinismu do mar.
O corretor Oliveira fara leilo de grande
variedade de fazendas Inglesas Suissas e
Al lemas as quaes sero vendidas por qualquer
preco para liquidaco : quaria feira 27 do cor-
real*, ai 10 horas da manbaa no primeiro an-
dar da sua casa ra da Cadeia.
3= Jos* Mari A>> Jess Muniz participi aoj 3A luga-se o segundo andar do sobrado n.
respelavel publico,que no contrate negocio al- 46 da ra das Tnocheiras; no primeiro andar
gum com um escmvo Paulo pertencente boje a do mesmo. (3
Ricardo Antonio Vianna, cujo eacravo se acha 2Aluga-se o segundo andar esotao do so-
liypothprado ao abaixo assignado. Cunha. brado da ra da Moeda n. 9 com bastantes
4 Precisa-se arrendar urna casa terrea ou coinmodos para urna grande familia; assim
sobiado, em Fra-de portas, com coinmodos orno o armasem da mesma casa, que serve
para urna pequea familia estrangeira ; quem P8 recolher, por ser vanidoso, o da estar per-
%l;S& l i Y 4.1*80.
Personagent.
Phara. Bei do Egypto.
Agenor......Seu primognito.
Tbelai......Princeza do Egypto.
Zamira......Sua amiga.
Artabaze.....Sacerdote de Oziris.
Otomaidi.....Sacerdotiza de Izis.
.Magos, Sacerdotes e soldados Egypcios.
0 genio do mal.
Aoiss. Mifrael.
Morab. Corh.
Datbam. Abiron.
Elezias. Povo Hebreo.
.-aras
A v nos mar i tmniis.
4Para o Havre sai com brovidade a barca
Iranceza Cautntr dt Lavigne : quem quizer
i arregar ou ir de passagem para o que tem ex-
cedentes commodos, dirija-se aos seus consg-
natenos B. Lasserre &C. ra da Sensalla
Velha, n. 138. (6
3 = 0 brigue nacional ero de que he Ga
(iio Joo Pedro de S lana segu para o
iio Grande do Sul por estes oito dias; recebe
nicamente escravos a fete : quem os quizer
embarcar entenda-se com Leopoldo Jos da Cos-
a Araujo na ra da Moeda n. 7. (6
:iPara o Maranbo sahir em poucoi dias,
por ler ainaior parte de seu carregamentu a
burdo, o palacbo fieptuno para carga e passa-
geiros, (rulase com Manuel Duarte Rodrigues,
na ra do Trapiche o. 26. (5
3Para Lisboa o patacho pe-ituguez Noto
(ongresso devesabir com (oda berevidade, por
ler a maior parte do seu carregamento promp-
to para carga e passageiros para os quaes (em
extellentes commodos trala-secomo consig-
natario Manoel Jos Machado Malheiro na ra
da Madre de Dos o. 5 primeiro andar, ou
com o (Ja puo. 18
3Para o Bio de Janeiro o brigue nacional
Feliz capito Manoel Jos Bibeiro sai im-
pretenvel mente no dia 2 de Marco com a car-
ga que tiver ; recebe carga escravos a (rete e
passageirns para os quaes tem bons u n.riio-
dus ; a tratar com Manoel Jo. Mac liado Ma-
Iheiro na ra da Madre de Dos o. 4 primei-
ro andar, ou com o capito. (8
= Em 28 de P'eveieiro corrente improteri-
velmente sai para o Bio de Janoiro o brigue
Rom Jesui ; o que se annuncia as pessoas que
teem de embarcar escravos a frele e aos Srs.
pawageires.
Leudes
22Em 27 de Outubro de 18**, desappare-
ceo um moleque de nome Paulo de naco
Quicam de 18 anuos pouco mais, ou menos,
est Ihesahindo buco de barba be um tanto
secco do corpo abre os dedos grandes dos ps
um tanto para lora pernos finas, nariz chato,
olbos pequeos e avermelbados era costuma-
do andar vendendo doce de jalea em copos, por
toda a parte destacidade, julga-se tersido lur-
tado porque nunca fugio ; roga-se a qualquer
senbor de engenho, ou outra pessoa quem el-
le fr oflerecido, ou por acaso acoilado em seus
dominios, o aprehenderem e participaren) a seu
legitimo Sr Amonio Jos Goncalves Azevedo na
ra da Praia armazem de carne n. 19 que re-
compensar e pagar toda e qualquer despeza ,
que se fizer. n-j
21 LOTERA DO GUADELLPE.
A lotera do Guadelupe que fra preterida
no andamento de suas rodas, pelas de S. Pe-
dro Martyr e theatro deve correr impreteri-
velmente no dia 15 de Marco, como por S.
Ex. o Sr. Presidente da provincia foi cooir-
mado. Os b I beles esto venda as lujas de
cambio na ra da Gadeia do Becife na de
miudezas do Sr. Fortunato praca da Unio ,
na botica do Sr. Moureira Marques em S.
Antonio, na botica do Sr. Couto largo da
Boa-vista e finalmente em Olinda loja do Sr.
Domingos nos Quatro Cantos. (13
1No dia sexta faira 28 do corrente se ha
de arrematar na porta do Dr. Juiz do Civel da
1.' vara.Silvh Neves.na ra Nova.duas boas mo-
radas de casas terreas naPonle-Velba da Boa-
Vista n. 48 e 50, e um sobrado na ra da
Senzalla, ludo pertencente ao casal do finado
Marques e avallados por baixos precos: quem
pretender compareca as 4 horas da tarde. (7
1Tem-so justo e contratado a compra da
parte da ;asa de dois andares no Atierro do Alo
gado que foi do finado Manoel Francisco Pe-
droso e boje pertence a seu ilho Venancio
Jos Francisco Pedroso e sua mulber Simiana
Roza de Moraes : se houver quem tenba direi-
toa obstar qualquer duvida a mesma parte da
casa,queira annunciar por este Diario, no pia-
so de t das e caso nao appareca nao st res-
pomabilisa por qualquer duvida. (10
1Em casa de Augusto Corbett na ra da
(adoia do Becie n. 46, ha sempre um gran-
de sortimento de vinbos engarrafados Porlo
Madeira Cberry tucellas Gbampagno ,
agoa-ardenle de Franca e Sh'rub ; ludo das
uielhores qualidades que (em viudo a esle mer-
cado ; igualmente tem os aflamados charutos
da Regalia Saos Pareil e Patriotas che-
gados ulliinamenle da Ulna : tudo por preco
mais comuiodo do que em outra qualquer par-
\ (10
o Antonio Jos Leal Beis retira-se desla
piovincia o declara nao dever a pessoa algu-
m. (3
2Arrenda-so o sitio Jacau um pouco a
diante da Cruz d'Alfliaj com muita boa casa ,
famosa baixa pora plantaco rnuito urvoredo,
bom pomar de larangeiras emo muito boa a-
goa porque cruzao pelo sitio dous riachos ;
quem o pretender dirjase a ra nova de S.
Amaro casa nova de dous andares n, 6 (7
2Em S Francisco deronte de Palacio,
ha lannlia de mandioca de S. Malbeus e Cra-
vellas em saceos e a alqueires e pedras de
amolar, para vender ; quem prelender dirija-se
ao armazem, ou ao arco de Santo Ai.l ru
loja n. 2 : tambem ha um cavailo russo pedrez
de multo bons andares. (g
2A pessoa que quizer por sociedade con.
um mogo em urna venda o qual tem bastante
pralica do mesmo negocio entrando com
2008000 rs e tem algum crdito na praca :
dirija-se a ra larga Jo Rozario venda o. d. (5
2Aluga-se por preco commodo um sitio
com boa casa e olaria e urna casa com com
modos para urna grande familia ; tudo na Pas-
liver annuncie. 14
3Aliiga-s um armasen) com 4 poitas de
(rente, na ra de Apollo n. 13, confronte ao
(beatririho; e na ra da Moeda n 23 um so-
brado de um andar com varanda de ferro pin-
tado e promptu de tudo; a tratar na ra da
n.
Vi se-
Madre do Dos confronte a igreja
gundo andar, das 6 as 8 horas da man ha a e
das 3 as 5 da tarde. (8
2Henriquo Jos da Cunba retira-se pa-
ra fra do imperio. (2
2= J. Boyer e a senhora seguem de viagem
para Maranbo. (2
2Perdeo-se no principio do correte na vi-
sinhanca de Ponte de Ucha um cachorro in-
gles brnco, com alKumas manchas pretas no
corpo e as orelhas cortadas ; quem delle sou-
b r queira leval-o na ra da Cruz n. 2 que
(era lH rs. de gratifleaco. (6
Aluga-se urna preta para o servido de urna
casa ; na ra Bella n. 22.
= 0 Bacbarel Joo A. deSousa Beltro de
Ajaujo Pereira faz publico que elle nao se as-
signou no authographo doedital para a con-
v?cacaodo jury corrente como titulo de Dou-
t'T.que Ibe nao compete por lei o que foi devido
todo embarque; a tratar coas Prexedes da
Fonseca Coutinho na ra do Hospicio n. 1*. (7
LOTERA
(i/i Matriz da foa-viski.
Esta lotera que por todos os
ti lulos merece a maior atteneao ,
j por ser para o flu mais pi e
sanio possivel j pela magnificen-
cia da obra j mesmo pelo crdito
em que est porque sempre tem
corrido no dia annunciado com
poucas excepcoes, apezar de grandes
sacrificios e onde nunca appare-
ceo a mais pequea falta est an-
niniciaila para o dia 28 do corrente
marcado por S. Ex. o Sr. Presiden-
te da Provincia continuando a r-
pida extraccao dos meios bilhetes
provavelmente a engao dos compositores da | qe restao. a Jrmandade laz todo O
tvpographia. I / i
iV Y (sacnlicio para que corra neste da,
ix n /4i r i "gem da Magdalena : quem prelender diriia-
O Corretor Oliveira fara le-;Sea ra da C.uzn. 5. (5
lO de excellente vinho Champa- | 2Aluga-se o primeiro e segundo andar do
"lia, agurdente de Franca, vinlio sobradon 36 8,to no Atierro da Boa-Vista
Kordeaux, e azeite doce tino em cai- IZ^TlZT?0 8SSe a"'bos por
6UO#000 rs annuaes : quem o pretender din-
de ja-seao Mondgo sitio confronte aLuizo-
,l0 mes Ferreira. /g
armazem de Josc Pereira & C per- ,. 3Tllao?1 LourenS de Azevedo e Jos
lo do arco da Conceicao. ^.? ^^' '^^ d'est8 *'%
(3
xas f
gigos.
segunda
Marco ao mcio dia em ponto,
Como no annuncio inserto
no Diario de liontem existem al-
gnns equvocos, o autor do mesmo
de novo o repele mais especificado,
(ando aquelle por millo,
Pelo successivo abuso da parte
d'alguns donosde penhores, que to
marao quantias sobre estes, no so-
brado n. 9 do largo de S. Pedro, e
qtie segundo o prazo convenciona-
lito prazo, declaja-se para detcsa
do carcter, e exoneradlo de res-
ponsibilidade do aceitante dos di-
tos penliores, que toda pessoa a
quem pertencao tes penliores ha-
jao de resgala-Ios impreteiivel-
mente al o dia 28 do corrente de-
rigindo-se para tal (i 111 casa 11
i5 ao lado do novo theatro no lar-
go do Palacio Velbo, e quando o
nao facao de tal data em van te-, pe-
lo prcente se desoncra de toda a
responsabilidade que possa ler o
aceitante dos ditos penliores; o
mesmo annunciante continua a dar
pequeas quantias a premio sobre
penhoiesde o uro e prata, e decla-
ra que desde hoje (26) todo o pe
tibor que se vencer o prazo con-
lencionado e nao fr rescatado pre-
cisamente ica para pagamento da
quanlia recebida, c juros vencidos
110 dito prazo, e | aia evitar quaes-
quer polmicas, ou nullificacoes
que possao sobrevir, se faz o pre-
sente e publico annuncio.
2Alugao-se duas casas terreas atraz da
matriz da Boa-vista lendo cada urna dellas 6
quartos duas salas, cosinha fra, corredor ao
lado, quintal muiado ; quem as prelender,
dnija se a ra da Aurora n. 58 15
Manoel Joaqun Pascual Ramos embarca
para o Bio de Janeiro a parda Joanna escra-
va do Sr. Coronel liento Jos I.emenda l.ins ,
a entregar ao lllm. Sr. Deputado Antonio da
Costa Reg Monteiro.
lendo vindo ao conbecimento dos abaixo
assignados que o Sr. Joo Augusto Bandeira
de Mello, socio da casa fallida de Oliveira Gon.
Calves & C. recebeo do Sr. Antonio Pedro de
Barros Cavalcanli no dia 11 do corrente.o
que esteSr. devia a fallida firma sem autorisa
cao dos encarregados da liquidacoda dita casa,
a quem nao fez entrega o nao tendo este Sr.
direito a lazer cobranca alguma prevenimos
ao dito Sr. Cavalcanli, e aos mais devedores
que so sao validos os recibos passados por nos ,
liquem ou nao bilhetes por vender.
3 Fugiro no dia 5 do corrente dous mole-
ques, um crioulo e oulro de naco o criou-
lo tem 20 annos, de nome Benedicto, esta-
tura regular, secco do corpo, bem preto, cara
redonda nariz um tanto afilado testa peque-
a ps e mos bem feitos bem civilisado ,
muito astucioso e amigo de fumar charutos.
O de naco cbama-se Sera (i m de 14 annos ,
peuco mais ou meos be um tanto fulo, es-
tatura regular para a idade ; rosto comprido e
descarnado tem urna marca de queimadura ,
em urna das mos e outra em um joelbo, cujas
marcas sao antigs e bem pretas, falla bem por-
tuguez he muito alegre e sempre est nad-
se ; a.Tlbos sao mu condecidos nesa praca por
andarem de manbaa a venderem flores, e ps de
ditas e de tarde azeite de carrapato; levaro ca-
misa de algodozinhoentrancado azul, de man-
gas curtas, c calcas tambem azues, desbotadas,
cajos molequ es nunca fugiro, e como agora
seausentassem de casa do abaixo declarado,
pede eroga a todas as autoridades policiaes ,
tanto desla praca como de todas as comarcas e
villas do centro e aos Snrs. de engenho pes-
soas particulares e capites de campo que
delles liverem noticias dos aperehenderem e
levarem ao seu senbor Francisco Jos de Souza,
morador na Solidade, casa n. 7, que dar 100^
rs. de gratilicacao por cada um. (25
1Arrenda-se um sitio na estrada de Joo
de Barros, na esquina do becco do Espioheiro ,
com casa de taipa armac,o para venda boas
fruteias e cercado de limo; a tratar oa pra-
ca da Boa-vista venda n. 18. (5
1 Qualquer pessoa,a quem (or offerecido um
relogio de prata patente inglez de saboneta,
latinea coberla, tem a mola de abrir Iraca, tan-
to que nao salla a lampa e urna pequea
amassadura no friso de um dos lampos com
um transelim de prata inglez queira appre-
hendel-o e enliegal o na ra da Cadeia do le-
nle n. 6, uu a J. J. Tasso Jnior que gratifi-
car com generosidade. f8
t Aluga-se urna cusa terrea na ra do Mon-
dego n. 7, outra dita na ra do Alecrim n. 1 ,
e junto duas pequeas lujas; dous .sitios na
campia da Casa-lorte com boas casas de vi-
venda, fruteiras, Ierras de plantar, e boa agoa,
e varias casas na mesma campia ; a tratar oa
la do Amorim n. lo, ou no Cordeiro sitio
n. I. (g
1 l'rccisa-se de 50^ rs. por espado do 5
mezts, para no (im delles dar-se 70#rs. sobre
ledra, ou nanea. (3
- Jos Bibeiro Barbosa relira-se para o Bio
de Janeiro levando em sua companhia um seu
moleque crioulo de nome b'raocisco. (3
Quem annunciou precisar de um homem
para obrar urna divida 00 mallo dirija-se a
ra de Uortas o. 62.
= Aluga-se na ra do Collegio o 3." andar
do predio n. 18; tem muitoscommodos, e he
muito arejado, prefenndo-se pessoa de pouca
familia.
= Quem precizar de un homem forro para
caixeiro ou criado de urna cas de pouca fami-
lia, ou de homem solleiro ; dirija-se a ra da
Cadeia n. 19.
2 A pessoa, que se quizer encarregar de co-
brar urna divida no matto a qual se gratifica-
r generosamente, dando fiador a sua conduc-
ta annuucie. (4
= Precisa-se de 00,000 rs. a juros pagan-
do se 2 p. 0/0 ao mez por espaco de um anno,
ou pelos Srs. Kalkeman& Rosemund que so- dando se firmas a contento; quem quizer fazer
mos os uniros encarregados dos recebimenlos, esle negocio annuncie por esla folba a sua mo-
da mencionada casa.
Ltnoir Fuget & C.
rada ou dirija-se a ra do Collegio loja de al-
afiateo. 12, que su dir quem pretende.


M)UL)iU)E
O primeir secretario faz ceilo aos Snrs. So-
cios, que usbilhetes para a recita do lia pri-
tnoiro ile Margo sabbado ) pnncipiao a dis-
tribuir-se": boje Jen|eaa do respectivo thesou-
reiro, e que a cnmmisso se rene nos dias '7 e
28 do correte para approvagao de convidados,
e aquelles dos Srs. Socios que as na apresen
tarem.ficaro sein direitoa .eclamal-as so qual
quer pretexto
Precisa-se de un caUeiro para loja e co
branca dando liador a sua conducta ; na ra
do Cabug loja de seleiro
Silva $ Grilo teem comprado por ordeni
dos Srs. Gomes i Neves do Maranho e p ir
cunta do Sr. Joo Raymundo Pereira da Silva
Ju ior e seus irmos Carlos e Anna moradores
na villa de Vianna da mesma provincia, o be-
lliete n. 2(89 da quarta e ultima parto da se-
guida nova lotera a favor das obras da matriz
da Boa-vista cujo bilbete lica em seu poder.
Precisa-sede urna ama para fura da pra-
ca que seja de idade e de boa conducta que
saiba bem engomtnar, cosinbar e arranjar bein
urna casa de homein solteiro ; no segundo an-
dar da casa portima la botica delronte da ma-
triz da Boa-vista.
OfTerece-se para administrar um engenho,
um homem casado j;i multo adiestrado nesse
/ servido pela pratica de 16 annos sucessivos ,
onde ha mostrado muila aclividade zelo e
propenso e de urna conducta asss illibada ;
queui de seu presumo se quizer utilisar an-
nuncie.
Anda est por alugar um segundo andar
na ra da Penha ; quem o pretender dirija-se a
ra do Cabug loja de miudesas de Joaquim
Jos da Costa Fajoze.
Nodia 23 do corrente appareceo no sitio
de i. Mana una em S. Jos do Mangui.iho ,
urna vacca com cria ; quem Ior seu dono di-
rija-se bo mesmo sitio que, dndoos signaes,
llie ser entregue.
O deposito do rape de Gasse do Rio de
Janeiro transferio-se para a ra da Cruz n. 38,
delronte da cacimba aonde se achu a venda o
superior rap princesa lino, grosso, e mel gros-
so e a nova qualidade do rap intitulado do
Principe rhegado ltimamente pelo vapor S.
Salvador, fabricado nicamente com o genuino
tabaco Virginia e a sua preparara tal qual a
do princesa de Lisboa ; seu preco be de 14001
ts. de cinco libras para cima B a 1000 rs. sen-
do menos desta quanlidade ; adverle-se aos
lregueies deste deposito que acaba de chegar
sortimento de rap gross i e meio grosso em
meias libras ronlorme descjavn.
Alugo-se -i, ou S prelos para todo o ser-
vico ; na roa de Agoas verdes o. 46, ou no
Atierro da Boa-vista n. 6
Precisa-se de um homem para tomar con-
ta e traball.ar em um sitio perto desta cidade ;
na ra Direita n. 36, pruneiio andar.
Quem precisar de um caixeiio de 14 an-
nos sugeitando-se todo negocio, e da liador
a sua conducta dirija-se a la do Arago o. 9
Aluga-se o segundo andar do sobrado da
ra Direita n. 36, com expelientes commodos ;
a tratar no primtiro andar do mesmo sobrado.
No dia il do correte perdeo-se desde a
ruada Cruz at Apipuco* um embruihu con-
tendo alguns papis impressos cujos sao ttu-
los de conservadores da estrada de l'o d'Albo,
e alguns recibos ; quem o tiver adiado e qui-
zer restituir, dirija-se a ra do Fogo n. 54.
Tendo-se de fazer um contrato sobre as
casas de Jos SimOes de Magalhes, no lugar
da travessa da Passagem da Magdalena entre
asduas puntes, sendo urna den. 14, o outra
por acabar, qualquer pessoa, que sobre ellas
se julgar cuui algum dlreito de dominio, ou pre-
ferencia baja de declarar no praso de quatro
das.
O VERDADE1RO REGENERADOR N. 15
Est a venda nos lugares do costume.
l= nos (undos de urna casa terrea sita na ra do
Seve, junto ao collegio S. Antonio diiija-se a
ra da Cadeia a tratar com Jos Gomes Leal.
.
3 Comprao-se efectivamente para fia da
provincia mulatas, negras, e moleques de 1 -i a
20 annos pago-sebem ; na ra Nova, loja
de ferragens n. 16. f4
2 Comprao-se eflectivamente para fia da
provincia escravos de 12 a o annos Kurido
de bonitas figuras pago-se bem ; na ra da
Cadeia de S. Antonio, sobrado de um andar de
varanda de pao n. 20. (5
i Compra- se um carro de iiim eii bom
uso ; na ra larga do Rosario, venda n. 38. 2
Compra-se um cachorrinho de lila de um
inez ; quem tiver annuncie.
Compra-se urna preta de bonita figura ,
que saiba bem engommar e cosinhar; na ra
Direita n. 55, das 6 as 9 horas da manba e das
duasas 6 da tarde.
Venda*
Vende-le a arte de fumar, ou o cachim-
bo e o charuto poema em 3 cantos, de Bar-
Ihelemy traduzido do ftancez em verso por-
tugue/es por Miguel Augusto de Oliveira ; por
tu rs. ; na praca da Independencia livraria
us. 0 e 8.
I Vendem-se na botica da ra eslreita do
Rosario n '27, defronte da casa amarella, li-
monadas gazuza febrfuga preparacao espe-
cial bastante acoreditada o recommendada pe-
lo seu bom sabor por varios mdicos de di-
versas (acuidades de medicina da Europa espe-
cialmente contra sezoes e mais intermitentes re-
beldes cuj >s bous resultados leem sido gaba-
ilos por diversas pessoas desta cidade ; assim
Como tinta superior para marcar roupa. 8
1Vende-se una boa banca redonda de Ja-
caranda nova, feta por um novo gosto, e
milito bem (i-i'a ; na ra estrella do Rosario
n. 32. f*
^ I Vendem-se ricas sedas lavradas brancas e
pretas, setim prcto de Maco luvas o meias
de seda pretas chapeos pretos francezes da
melhor qualidade lindas flores de laranjas ,
boizeguius para homem e senhora leques da
ultima moda e outras multas fanendas de gos-
lo, por prego cotnmodo ; na ra Nova n. 8 e
na esquina da ra do Cabug n. 11, lojas de
Amaral $ Pinheiro. (8
5Vendem-se duas escravas sendo urna
crioulinha de 12 annos e outra da Costa de
18 annos; no bccco do Sarapatel sobrado
n. 12. (4
1 Vendem-se dous cavallos novos e gor-
dos um ruv> carregador baixo at meioe bom
esquipador, eo oulro castanho exercitado em
oarriabo tanto um como oulro nao tem delei-
to e iiem achaque algum ; na ra do Crespo ,
loja n. 4 que vira para a da Cadeia. (6
1Vende-se urna escrava crioula, de bonita
figura de 18 annos cosinha, engomma e la-
va de sabo e varrella ; na ra do Vigario, ca-
sa de Thuna/ de Aquino Fonseca. (4
1 Vendem-se as Obras Polticas de Mr.
Pradt, em 28 volumes, novos por 50/000
lis ; na ra da Cadeia loja da viuva Cardoso
A y res. (4
Vende-se arroz de casca a 3200 rs. o al-
queire saccas com farinha a 5500 rs feijo
macoca a '.'.> rs. a sacca azeite doce a 480 rs.
a garrala e .'0 meios de sola do serto por
| preco commodo ; na venda da esquina da tra-
vessa das Cruzas, que vira para a polica, n. 21
"VVrt livraria da esquina da ra do (Collegio
\ende-se lormulano geral para mdicos ,
cir.e pbarmaceuticos, precodidode um indicuclo
ira neo/, e portuguez das substancias medcinaes
' Miuples e seguido de um memorial teraputico,
pelo l)r. J. P. Reis, edico de 1841 augmen-
tada com multas preparaces novas, e com um
resumo tuerapeulico de envenenamentos ; for-
mulario magistral por Cadel, oitava edicao;
primeiras lindas de pbysiologia pelo Dr. Jer-
nimo Jos de Mello 2 tomos em I v. 184o ;
msliluiges de patheologia geral medico-cirur-
gica por A. F. Braga, 1840; ensaio de pbi-
losophia physica por Gruyer, 2 v. novo manual
jileto de phisica por ('. Builly, 1841; dicciona-
rio de botnica por Benevides, 1841; museu pit-
toresco, ou historia natural dos 3 reinos com
50 estampas; diccionario portuguez das plan-
tas, arbustos &c. por .1. M. de Carvalho ,
2 v. ; segiedos da naturesa com 5 differentes
tratados ; colleccao de segiedos e receitas per-
(ercenles a varas artes e cilicios 1 v. 1841 ;
armaseni de conhecimentos uteis ; cartas sobre
pliysica cbymica e historia por Aim Mar-
tin, 2 v.
Vende-se um veslidinho urna touca e
um par de bolins ludo de sarja branca pro-
prio para baptisado ; na ra do Livramento .
loja n. 13.
Vende-se urna commoda com pouco uso ,
por preco commodo ; na ra do Livramento,
loja n. 13.
Vende-se urna escrava de 24 annos en-
gomma, cosinha cose t lava ; 3 escravas de
naco de 18 a *24 annos proprias para todo o
servigo ; um moleque de 18 annos, para todo
o servico ; urna negrinha de 12 annos, propria
para costura ; na ra das Cruzes n. 41, segun-
do andar.
Vende-se a posso de um terreno no lugar
da Casa forte, tendo 30 palmos de Irente e lun-
do ate encontrar trras do Poco da Panella; um
bote novo e bem construido casco americano,
com remos e leme ; no principio da ra Impe-
rial n. 63
- O abaixo assignado vende a sua loja sita
na ra do Queimado n. 14, cornos fundos
existentes ou sem elles da qual tomou pos
se judicialmente e tem auturisaco do pro-
pietario da casa para fazer arrendamento da
mesma loja pelo que convencionarem a tra-
tar na mesma loja, ou no segundo andar da
dita casa. Luii Jos de Souza.
Vendem-se dous bonitos escravos um
crioulo de muito bonita figura bom para pa-
Venle-se um diccionario portuguez e al-
lemio.eatlemao e portuguez, noo ; na ra
do Trapiche n. 34
2Vende n-so saceos com farelio pelo m-
dico preco de 3/ e o rs. ; na ra da Senzalla-
velha n. 138. ,3
2 Vendem-se sellins elsticos inglezes os
melhores que ha no mercado e setim de Ma-
co de suprior qualidade; oa ra da Cruz n. 2.
2 Vendem-se 6 escravos, sendo 3 de 18
aonos ptimos para todo o servico ; dous dar
9 a 13 annos ; um ptimo mulatinho para
pagem ; J escravas de naco com boas habi-
lidades ; na ra Direita n. 3. f4
2 -Vendem-sesuperiores presuntos iogleies,
queijos londrinos tanto ioteiros como a re-
talho superiores vinhos do Porto, Sherry, Ma-
deira do Reino Constancia Clarete Cham-
panhe caixas com Irascos de genebra tanto
de 12 frascos, como de 16 latas do hervilhas
franuezas e ioglezas, tanto grandes como pe-
quenas, ditas com sardinhas cha preto ehis-
son, frascos de frutas para podim, ditos de con-
servas grandes e pequeos sapatos abotina-
dos inglezes botijOes de cevadinha e hertilba
para soupa, as afamadas pirlas do Dr. Mauri-
son tudo chegado ltimamente ; na ra do
Trapiche n. 40. [*
Vi Vendem-se pannos finos azues pelo ba-
rato prego de 1200 2400 e 4/ rs. o covado, di-
to preto de rela branca superior a 6500 rs. ,
bretauha franceza C3in a varase roeia por 4/
rs., cortes de chita fioa com 13 otados a 3500
rs. bros de linho cor de palha a 600 rs. a
vara cortes de cambraia pintadas as maismo
deroas a 7o00 rs., longos de seda preta a 1280
rs., e outras muitas fasendas por barato prego;
no Atierro da Boa-vista loja n. 14. (9
2 Vende-se um mulatinho de Ib' aonos,
ptimo pagem ou para aprender qualquer of-
ficio e tem principios de cosinha ; no Atier-
ro da Boa-vista terceiro andar do
geni ou bolieiro, e o outro de
Angola ,
na ra
em
do
casa de Anlonio da Silva Gusmo
Queimado.
Vende-se urna escrava recolhida de ele-
gante figura de 20 annos sem vicios nem
achaques perfeita cosinheira de um tudo, en-
goauna, cose e (az doces de todas as qualida-
des; urna dita de 18 annos, com as mesmas
habilidades; duas ditas para todo o servico;
duas pardas recolhidas, queengommo, cosem ,
corto vestidos ecosinho ; 4 escravos de na-
gao de 18 a 20 annos ; urna negrinha de 15
annos ; na ra de Agoas-verdes n. 46.
sobrado
amarello delronte oa matriz (5
2 Vende-se farinha de mandioca em saccas,
do Rio de Janeiro ; na ra da Cadeia do Reci-
te armasen) do Bailar, n. lid. (3
2Vendem-se 10 escravos sondo dous mo-
leques de 12 a 16 annos, de lindas figuras ;
duas pretas de 20 annos, com habilidades; um
preto de 5 anuos 5 pretas de 21, boas qui-
tandeiras ; oa ra do Rosario da Boa-vista
n. 48. (6
2 Vende-se, ou hypotheca-se um alicoree
com soleiras assentadas no qual existe urna
meta agua, que rende 3200 rs. mensaes pela
melado do que se gastou na ra Imperial n.
109; a tratar na mesma ra n. 959 e n. 218. 5
s.2 Vende-se um diccionario ingiez com pro-
nuncia historia de Inglaterra asearlas geo-
graphicas, em ponto grande ensaio sobre os
coslumes e espirito de todas as nages e sobre
os principaes fados da historia profana e sa-
grada 8 v.; manual completo do bacharelato
em lettras con tendo as resposlas a todas as
questes de riietorica, philosophia, geographia,
phisica echiinica ; o Piloto, novella martima,
4 v. ; sollcjos de msica por Ma/.iotti quadri-
ihase valsas parj violo Selecta ao p da let-
tra o bom lavrador 2 v. ; no pateo do Car-
ino loja de charutos o. 3. (II
2 Vende-se urna casaca e caigas de panno
lino preto ; no pateo do Carino n. 3. (2
'2Vende-se urna linda escrava de nagao ,
com habilidades ts de encllente conducta, o mo-
tivo da venda se dir ao comprador ; na ra
eslreita do Rosario n. 34, primeiro andar. (4
2Vende-se um cava I lo castanho grande e
novo exercitado em carrinho; na ra da Glo-
ria n. 91. (3
2 Vendem-se saccas com alqueire de mi-
lito ; na ra da Cadeia do Kecile n. 8. (2
'Vcnde-se um piano iuglez com pouco
uso e boas vozes pelo barato prego de 240^
rs. ; na ra do Crespo, loja n. 12, a tratar com .
Jos Joaquim da Silva Maia. (4
2Vendem-se urnas conchas de pao com cor-
renles de Ierro, proprias para taberna, um bra-
go de balanga grande com conchas e correntes
do Ierro e pesos quantos queiro urna por-
gao de caixas vasias do Porto dous pares de
esporas de lato, modernas todo o negocio
aclara; na ra dasCinco-pontas n. 160. (7
2Vende-se, por prego commodo, urna mo-
bilia do pao d'oleo quasi nova ; no Atierro da
Boa-vista sobrado amarello delronte da ma-
triz terceiro andar. ;4
2 Vendem-se dous cordes de ouro, um
grosso pelo barato prego de 2560 rs. a oitava,
um annelo, um alfiuete de abertura com bo-
nitos brilhantes um adereco urna garganti-
lla de bom gosto por prego commodo ; na
ra Bella n. 37, primeiro andar. 6
"i Vendem-se sapatos do couro do lustro
para homem a 2o00 rs. e para senhora a 1600
rs., borzeguins gaspeados para homem a 5/rs.,
ditos para senhora a 1600 rs. ; na ra do Cres-
po n. 12. loja da viuva Cunta Guimaraes. (5
2 Vendem-se 3 partes de urna casa de so-
brado de dous andares e sotuo com grande
quintal o desembarque para o mar cuja ca-
sa he nova, e mu bem construida, assim como
tres parles de urna casa terrea no fundo do
mesmo sobrado sito na ra Imperial logo
adianledu viveiro do fallecido Muniz ; a tra-
tar na ruado Crespo com Jos Joaquim da
Silva Maia. (8
2Vende-se superior vinho do Porto em bar-
ris; na ra do Crespo n. 17. (2
2 Vende-se, por preciso urna negrinha
do 14 annos crioula, de bonita figura sem vi-
cios nem achaques com principios de costura
e renda cosinha e engomma ; na ra Velha,
sobrado de um andar n. 65. (5
Vendem-se, por prego commodo. as dro-
gas e medicamentos e tuda o mais que par-
tencia a botica, que existia as lojas do sobra-
do n. 120 da ra Direita j nio tendo arma-
goi; a tratar no primeiro andar do mesmo so-
brado, que todo o negocio se iar. (6
3 Vende-se urna boa fliuta de bano, com
chaves, sobre tudo muito atinada e com
sua comptente caixa ; na praca da Indepen-
drtla, loja n. 39, de Jos Pereira Arantes {*
3 Vendem-se travs de 40 a 42 palmos e
palmo e torno de face ditas de 32 palmos
palmo e coito enchameis de 22 reforjados
em grossura ditos de 20 e uaibros de 30; em
Fra-de-portas, ra dos Guararapes n. 38. (5
3Vende-se um preto por 250/ rs. ptimo
para o servigo de urna casa, ou para trabalhar
em sitio, por estar a isto acostumado ; 3 ditos
bons para o servigo de campo ; um moleque
de 18 annos, de muito boa conducta ; um pre-
to de meia idade bom cosinbeiro ; urna preta
recolhida, de 20 annos corta e faz camisas de
homem e vestidos de senhora borda e iaz
iavarinto ; 4 ditas com boas habilidades e en-
gommio e cosinbta; na ra do Crespo o. 10 ,
primeiro andar. |9
3Vendem-se couros de cabra, sortidos de
milito boa qualidade em porgao por prego
commodo; na ra da Conceigo da Boa-vis-
ta n. 8. (4
3Vende-se um cavallo alazao bom anda-
dor tambem serte para carro, por ser gran-
de por prego eommodo ; na ra da Cruz, ar-
masen) de assucar n. 54. (4
3_ Vende-se urna morada de casa terrea em
Fra-de-Portas n. 10 na ra do Pillar; a tra-
tar atraz da groja de N. S. do Pillar n. 26, de
manhaa das 6 as 9 horas e das duas as 6 da
larde. (5
3 Vende-se urna escrata preta, moga sa-
liendo cosinhar o ordinario de urna casa en-
gommar liso e lavar de sabo ; no pateo do
Carmo n 22, das 6 as 9 horas da manba e das
4 as 6 da tarde. i5
3Vende-se urna escrava de Angola moca e
bem parecida com algumas habilidades, e
com urna cria mulatinha de 4 mezes, muito Ro-
da ; a escrava tem muito bom leite e por isso
he propria para criar por ser muito cariohosa ;
na pracinha do Livramento, loja de Jos Este-
ves Vinna n. 41. (7
3_Vende-se um lamoso grilho de ouro, do
Porto com o peso de 34 oilas, levando-se pou-
co pelo feilio ; quem o pretender annuncie. (3
3 Vende-se um preto idoso sem vicios ,
que sabe tratar de vaccas e tira bem leite, por
prego commodo ; no Atierro da Boa-vista, fa-
brica de licores u. 26. (4
.l--Vende-se urna preta de 14 aunos e unu
mulata ambas de bonita figura as babelida-
des ao comprador se diro : na ra da Praia
armazem n. 32. (4
3Vende-se sal de Lisboa em grandes e pe-
quenas porges ; na ra da Moeda armasem
n. 7. 13
3Vendem-se riquissimas barretinas de to-
das as qualidades, vindas agora de Franga jes-
tas barretinas sao asmis commodas e bonitas
possiveis, leem a commodidado de se desfazerem
e lazerem por meio de molas; na ra larga do
Rosario n. 24. ;6
4Vende-se urn escravo de nago mogo ,
obusto e sem vicios canoeiro e cosinbeiro ;
em Olinda, ra de S. Rento sobrado junto ao
palacio velho. (4
6Vende-se um cavallo gordo bom carre-
jad r por preco commodo : na ra Nova n.
39. (3
Escravos fgidos
No da 27 de Dezembro do anno
fugio de S. Anna da Casa-forte um moleque de
20 annos, crioulo, de nome Joaquim he que-
orado, estatura regular, cheio do corpo, sem
barba ; levou camisa e ceroulas de algodo ;
heescravo de Jos Candido de Carvalho Me-
deiros.
Do abaixo assignado desappareceo na
noute de 14 enrente Fevereiro urna escrata de
30 annos de nome Maria Benedicta de nago
Congo, baixa, grossa, meia fula olhos gran
dse apitombados, nariz medio, ventas des-
cobertas beiguda toma tabaco e lem ns
costas algumas cicatri/es de chicote levou dous
vestidos um branco do babado grande e o
outro amarello dobrunhado de branco e urna
saia preta ; quem a pegar, leve a ra eslreita
do Rosario n. 22, segundo andar, que ser bem
gratificado Jodo da Silveira tiorges.
10Fugio da Capunga na noute de 10 de
Dezembro de 1844 o escravo Jos crioulo ,
de 43 aonos seccodo corpo e de boa altura;
quem o pegar, leve ao sobrado novo do mes-
mo lugar, ou na ra da Senzalla-velhan. 1>8.
2.Na noute de 24 para 25 do crrente fugio
o escravo Salvador, de nago Angola, de 46
annos, j tem cabellos brancos pouca barba ,
baixo, falto-lhedenles adiante ; levou camisa
de madapolo e caigas de brun trancado pa>J
quem o pegar, leve a ra do Livramento n. R
ou ra da Cadeia do Recife o. 20. ('
PERPiJ TYP. DE M. F- DE FARIA----llty5*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQX2UV6ME_8FMFZ0 INGEST_TIME 2013-04-13T01:22:33Z PACKAGE AA00011611_05303
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES