Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05292


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1845.
Quinta Feira 15
i,.
O 'tiAM i |>itMiaa-e* lodos oa diae que nao fore aant'ficadoe : o prego da aaa^rnaeara
(' fea mil rs. por quirtol va*o* edian:a-los Os annunnioss eeejie*nantea en taarsrdoe
a tubo de Sjl iis por linlia. 4 rea em tvjio differente, e as reucliiea pela amelade O
j,i tul forec iiii:iiini'> pg.iu ">0repo Imha.lfiO e ly,io tiflerenle, pul cada publicaco.
t'ARTIOA DOS CORREIOS TERRESTRES.
tiuli*----- :'. r.iyba se-undar.e aeXI.it feiraa.Rio Grande do Norte, chep. a 8 e ?i o par-
te lili M 'abo. iernibaem, Rio 'ormuao, Mauey, l'orlo llil'u, e Alegoae: no 1. e
:' | i la rada ssei. Garamhuna e Bonito a !u e .'I de cada aaeiaua-eiaia e Flor
ai i <3 i." d'o. Cidel* ta VolOfta quintas feiras. Olinda lodna oa diaa
OAS oa semana.
i Stff. Escolstica And do J. de D. da "i. t.
ji l'ary .Lauro He! auci.doJ. de D.d....
M QuarU s Eulalia. Aod J. de 1). da 3 t,
f{ (juirla a Gregorio. *ud d-> J d- D Ai?.*
) Vil a \ alentim. d. do J de I). da I, ra,
15 Sab. s Georgia Ral. ud doj.dc U.t'al, .
46 II:, B, da quaresma s. Profiri
t'van '-. .. jBigaaeagtaCTcwmaw
de Fcvereiro:
Aupo XXI. N. U.
anaenBBSveja>aB7XMaBaaneaaneeaBaaBaBaBa*x1. .*r^^-~^-.v?--3vY-v.*'-.-v.'srae*'-^isei--
/lo .fura upen... de .o. Mw: da noaaa prudem-.a. odOTa^a, eener;i. : oon-
Lr ii.-icuo. uoaao principia a aereu-e apouuuue aaaiireytt autie as na.;.*s maia
J r aulla li'naolaaeajja. da Aaamolca laeral > aiaul.
,' ((,:, .obre Lor.rtrea _>5 ;i|(
a a Ferie t me por fr,C(1
:l*BIO ,0 nil 12 DS HVMIMO.
Our-Moe.iaiia 8,40*
, liakoa lOpoi tOO oepreaio
' la n. hra ao par
Ideaa de leiraa -Je l>oe firaas 4 pnroui
a
I ra:a--l'aiace
m Paaus columiauarea
Ilitoa etieaooe
.enri.
7 000 i 7,-00
lo. '-00 17,.oo
j dOO J.fU
1 ,i0 l.ioJ
i,y>o l.WiO
i :'i 1,'-()
MIASES OA LA NO MF.Z DE FEVEREIRO.
Luanora a Ti aa S h. a l(i aain. da lirde. I Loa :! a '.'_'ae 1 h<.ra e ?7 alia dam.
Craecsnie a 14 es S horas e n da m. I Mia-uaoia a II i | ) oraa e 36 aaia da ni.
Pv%mr de koje.
aa 0 horas f> aain da maah.'ia |.Scgundeea lu horas 30 minlos de larde
.~aavujti.. <. naaif aair
H>IA
DE PERNAMB
aaemanaRa- ya.f.ti^&^^.'jsn-iiia.>.a.ca'av^_ii.cjaaa!QaaVi.jwai
...._. v .'jaj^ juj
'_,.. A--i l.i.'JK^i
(..J/5J-;3S3^
.' I
B7;
^F2
'SIAI
Govrno da .Provincia.*
EXPEDIENTE DO I)|A 1." DO CBRENTE.
OH:o.Ao Delegado do lerm de Goian-
naGhegan.lo ao conb 'cinienta d'esle Gover-
no por perticipico do Commandante Supe-
rior da (ii;ird i Vanional d'esse districto quo
\mc. se opposera a que fossem recebidos n
cadeia d'essa oidade <|iiatro recrutas qui ahi
forao mandados recolber pelo Teen te Coro-
nel do 6.batalho ; cu|o procedimiinto preten-
de Vine justificar com dizeremseu olfimo de 28
de Janeiro ultimo que nao tein a mesma ca-
deia as necesarias accornrnodaedes fim que estejo os recrutas separados dos crimino-
sos que all existem : nao posso deixar de
desapprovar como irregular e prejudicial tu
servico publico a maneira, porque se houve,
faiendo voltar aquelles recrutas pelo pretexto .
de que para islo se servio ; purquanto nao ha-
vendo outra prisSo em que podessem elles ser
recolhidos e teniio Vmc. sua ilispnsicSo o
destacamento de Polica para os guardar a
nenbum pretexto devra deixar de preitar-se a
um objecto que nao he de particular inleresse
do Commandante Superior parecendo d'esta
forma querer tirar desformo de indisposi^es
pessoaes com detrimento ta causa publica.
Por esta occasiao tenbo de responder outra
parte do dito sea offluio que os Commandan-
tcs da Guarda Nacional s8o autorisados inde-
p nte de requisicao de autoridade civil a reu-
nir patrullis para as diligencias do recruta-
rnenlo da Guarda Nacional seu cargo h bem
assim para conduzir e escoltar os recrutudos ,
as quaes necessariamente devem ser armadas e
munici idas; e bem que ellas posso entrar
inesperadamente nessa cidade he de presu-
mir o o pede a boa ordem do servico que
i Vmc. se dirijao os respectivos Comtnandan-
tes dando lli parte da diligencia (|ue se
destinao.OIBciou-M re-peilo aotJomman-
danteSup rior de (oiann...
Dito Ao Inspector da Thesouraria das
I'endas Provinciaes coinmunicando ijueap-
provou e mandou imprimir o ornamento para
o aimn financeiro de 1845 a 1846
Portara Ao Conimissario Pagador or-
denando que a Manoel Carni-iru de 'ouza
l.acerda mande pagar a .mportancia das con-
tas, que Ihe remelle, da despeza leta pelo De-
|< gado de Garanhuns com nove recrutas e um
desertor, que remelteo p^ra esta capital.
Gommuniou se ao Delegado de Garanhuns.
dem do da 5.
OfTicioAo Desembargador Chufo de Poli-
ca interino, declarando em letposta ao seu of-
licio d'hoje (5), que, exemplo do que se pra-
tica na corte, e segundo o pensar do lixm. 15is -
po Diocesano, a quem consullou sohre a mate-
ria, nao ha ra/o para prohibir a representa-
cao da opera Italiana, de que trata o seu r feri
do olilcio. ,
DitoAo Brigadeiro Commandante das Ar-
mas, significando, que o Major do s gundo ba-
talbo d'Artilharia a p Gustavo Adolfo l'er-
nandes Pinheiro da Cunha, de quem trata em
cilicio do 1 do correle, deve seguir para a cor-
te na primeira occasiao opportona.
DitoAo Commandante Geral do Curpo de
Polica, utorisando-o a excluir do estado el
lectivo do inesina corpo ao soidado da l.*com-
panhia, Manuel iiiheiro Paz, sentenciado
um anno de prisao por crime de le miento.
DitoAo Commandante Superior da Guar-
da Nacional de Santo Antao, dando-lbe a la-
culdade, que gedio em ollicio de -i deste mez,
para mandar acompanhar por urna guarda de
Tloia/a a procissio de S. Sebastio no da 9 do
rnesmo me/.
DitoAo Delegado de Goianna, ordenando,
que faca pr a disposicodo Commandaiile Su-
perior do respectivo Municipio os cinco recru-
tas, por elle eitos, que se echo recolhidos a
cadeia d'aquella cidade, e que S. inc., nao obs-
taoto estar sciente de que elle est autorisado
oara recrutar aquelles dos Guardas Nacionaes,
que nao se acbarem bem qualificados, tem-se
recusado mandar entregar. =Communeou-se
ao Commandante Superior da Guarda Nacio-
nal do municipio de Goianna.
PortaraAo Co nrmndante Geral do Cor-
po de Polica, determinando, que faca apromp-
tar um destacamento de vinte pragas, comman-
'lado por um OrTicial da confianca fim de
marcar amanha (6j para a villa do Bonito.
dem do da 6.
OfTicioAoJuizde Direito interino da co-
marca do Bonito, aecusan lo recebido o seu of-
ficio de 30 do passado, em que participa oas-
assinio do Vlajor Andr Barboza de Mello; re-
eommendando-lhe toda a sollioilude na capturo
0 formacio da culpa do perpetrador d'este de-
licio; ecommunicando. que, para que isto se
consiga, assim como a represse de qualquer
iiiovimento, a que possa dar lugar aquelle de-
sagradavel acont-jcimento, faz pira all mar
ehar uin destacamento do Corpo Policial, com-
mandado por Official.No rnesmo sentido of-
ficou-se ao Delegado do Bonito.
Dito-A Cmara Municipal d'esta cidade.
ordenando, faca intimar aus propietarios dos
lerrenos confinantes da estrada do Pao d'Albo,
desile o seu principio, na -Magdalena, al a
lente do Caxanga, que devem conservar sem-
ine aberta e lmpa a vala lateral da mesma es-
Irada, sobas penasestabelecidas as posturas;
e que ao Fiscal respectivo recommende toda a
vigilancia a semolhante respeito.
DitoAo Engenheiro em Chefe das Obras
Publicas, determinando, quo mande recolher
..oquarto do palacio doGovorno, contiguo ;i
secretaria respectiva, todos os instrumentos
chimicos, existentes no Lyco; e que far;a in-
ventario dos ditos instrumentos, para, com a
chave do rnesmo quarto, ser guardado na refe-
rida Secretaria.
Dito Ao Juiz Be'ator da Jimia de Justica,
remetiendo, para, dpois do visto, ser presen-
tea mesma Junta, o processo do soldado da
coinpanhia provisoria de Caladores da provin
cia do Rio Giande do Norte, Jgnacio Jos do
espirito Santo.
DitoAo Inspector da Thesouraria da Fa-
zenda, ordenando, que suppra o Arsenal de
Marnba das quantias, de que for carecendo
para occorrer s despezas com o corpo de A ti -
litara de Marnba, cuja quota, segundo parti-
cipa o respectivo Inspector, ucha-se conaUni
da, por se haverem pago os sidos das pracas
da curveta Carioca na importancia de 262^320
rs. os das do tingue -escuna Guararapes na c-e
IJ.o'jOSO rs., e os das do vapor Gua/>iass na
de l;i,)8()0 rs. Communicou-se ao Inspector
do Arsenal de Marinha.
DitoAo Delegado de Goianna, declarando
em resposta ao seu ofilcio de 29 do mez (indo;
1., que :is contas das despezas, que se fizerem
com o recrutamento, devem continuar ser
remedidas para aqu, fim deserem pagas pe-
la Pagadoria Jas Tropas, visto nao convir que
sejo satisfeilas pelo Collector daquelle termo,
como por vezes lem feitovr o Inspector da The-
souraria da Fazenda; 2., que, dado o c,.so de
importar em menos ou na mesma quantia mar-
cada as instrueces de 6 Je Abril de 1841 pa-
ra a conducan dos recrutas, a que pretende la
zor em l arcacas, podo recorrer este expedi-
ente.
Dito- Do Secretario da provincia a Irmnn-
dade de Nossa Senbora do Livramento, commu-
nicando, que o Kvm Sr. Presidente, em at-
tenco sua representaco d'bontem (o), rnar-
cou de novo o da 10 do Abril prximo futuro
para o andamento das rodas da respectiva lote-
ra.
DEM DO DI\ 7.
Officio Ao Inspector da Tbesouraria das
BendS ProvinciaesPara lacilitar o expedien-
te d'essa Thesouraria no pagamento dos em-
preados pblicos, poupando estes o traba-
llio e o lempo, que gaslo, antes que consigao
receber os seus ordenados, atiento o atraso oc-
fcasionado pela deficiencia das rendas provin-
ciaes, sobre o qual costuma especular o espiri-
to de agiotagem por meio de r -bates, o outros
reprovados na le : Vmc, fazendo organisar
jma tabella de todas as clauei de empregados,
repartiedes e estabelecimentos, que percebem
dinheirosdos cofres da provincia em trato suc-
cessivo, designe, de inlelligencia com o respec
tito Thesoureiro, a ordem ou seguimento, por
que devem ser pagos, fazendo publicar em ca-
da mez, quaes os das, em que havero de rea-
lsar-se taes pagamentos.
DitoAo rnesmo. ordenando, que mande
pagara quantia de -!)jc2-0 rs que segundo
rommttnca o Kngenheiro em Chefe, se des-
pendeo do mais com os reparos da casa, para
onde tranfeno se o Lyc d'esta cidadePar-
ticipou se ao Engenheiro em Chefe e ao Ins-
pector Fiscal das Ohral Publicas.
DitoA Commissao Administradora das o-
bras de Theatro. dizendo, hija de convidar to-
dos os accionistas do rnesmo Theatro para,a urna
hora da tarde do dia 10 do correte, reunirem-
e em palacio, a fim de tralarem de negocios de
inleresse seu
DitoDo Secretario da provincia Admi-
nistrara > dos Estabelecimentos do Caridade.
significando, que o Exm. Sr Presidente orde-
na, seja recebido no respectivo Hospital o des-
graciado Antonio Joaquim Pizarro.
I
RIO DEJANEIRO.
VOTO DE GRAQA.
Srs. Eleitores da provincia de Minas : A
bondade que W. SS. tero de votar em mim,
para um dos eomprehendidos na lista trplice
de Senadores por sua provincia, causou-me sor-
preza e prazer. Sorprehendeo-me a honra que
W. SS. me li/erao, por nao dever esp ral-a,
pois nem por sonhos a tinha procurado; entre
iiiim e VV. SS nenhum ponto de contacto ba-
ria, senSo a conlormidade de principios poli!
eos; mas ;i paixes de inU'resscs, que nro
principios, teem as aceoes humanas devido qua-
m aenipre a sua origem Tal vez porisio maior
lose o meu prazer; o so bem cabido lora o or-
giilbo em tao mesQOnba creatura como en, cer-
lo lornar-me-hia orgulloso, e far-nie hia en-
soberbecer ter sido lembrado por urna provin-
cia i orno a de Minas, tio distincta por sua il-
loslracSo, nobre/a dosent tnentos, firmeza de
principios, e, sobreludo, amor invariavel da
liberdade, de que nos d sobejas provas a sua
historia, jinda nos lempos em que s o norne
de liberdade conilu/ia ao cadalalso os iiue o
(ironunciavao; e mesmo agora, quando. cm
hora se tolere o norne, aborrece-pe com ludo a
cousa Mas, como o orgulho he um vicio, ea
solierba um dos \ eccados morlaes, creio que
por isso a caridade christa de alguem incum-
Ino-so de abalar, logo no nascedouro, esses
senlimentos perigosos sade d alma, pondo-
me no tere iro e ultimo lugar da lista.
Bu nao questiono ajustic,a da classificacao,
nao por ceito; nao tenbo a honra de ser nasci-
do na provincia de V\. SS., nao sju nella es-
tabeiecido, nem mesmo ahi tenho oceupado
cargos em cujo desempenbo possa ter ganhu
sympalhias. Demais, meus mingoados cimentos e insignificantes servicos me nao alo
direito a poder rivalisar com alguem Todava,
apezar de coarctada e restricta como loi a prov
do considernco que recebi, muito me satisle/;
porque nella parece-me enxergar a genuina ex-
presso da opinio livre da proviixia; i rendo
ser a diflerenca cm desfavor devida a votos que
nunca desejra obter.
Uecelio, pois, VV. SS., pela sua benevo-
lencia, os meus sinceros agradecimientos. O
voto popular, qualquer que seja, honra-me
tanto, quanlo me honrara atseolhada cora.
quando ella podesse ter lugar; o que nao espe
rava, nem mesmo dflsejava, no caso presente
bu nao rebaixo a superioridade da cora, cu
jas detei-minacocs sei acatar como devo, e apre
I co a sabedora e intereza do concelho que a
roJeia, o i|ual sem duvida agora, como sem-
pre, outra guia nao teve, senao a co.istituicao,
mas, homtm do povo como sou, amo-o em de-
masa, e he a approvat;o livre d'elle o que
mais anhelo; p >r isso tal vez Ihe exagero a con-
siderarlo relativa. Rio de Janeiro, 20 de De-
zembro de 1844.Amonio Carlos lUbtiro de
Andrada <\acidoe Silva.
[Sentinella da Munarchia.)
A vistadistohe de espear que o Sr. Antonio
Carlos,queem poltica lambem confiere as trans-
acces, e qu as conbeceo este anno muito de
perto, regeite a nomeacao; porque por mais
que fizerao os seus novos adiados, e apezar do
que elle mesmo fe/ 6 respeito das eleicoes desta
provincia, que das suas b nd.ides nenhuma
prova tem, nao nos parece que Ihe venba a to-
earo primeiro lugar na lista trplice; excepto
se o Governo conciliador houver por bem dar
inda mais alguna collegios por nullos, para re-
duzir o negocio a urna perfeita designac\o, com
que muitas glorias e synipatliias mais alean-
caria. E nao diz o insano Souza Franca que
Ihe importa saber se he lleputado pela votacao
de 400 ou de 100 Eleiloies ? O que Ihe impor-
ta saber he se os cobres correm; pois diga o Sr.
Antonio Carlos o rnesmo a respeito de Senador,
eo nosso nunca i)ssaz hualo Governo reduza
os Eleitores de Pern<>iiibuco aos de Goianna,
Limoeiro e Recife, e tudo lloara a medida do
seu deseio.
rastreo.
CORBEIO.
CORRESPONDENCIA I) \ CIDADE E PROVINCIA.
Aqu Ibes transmiti alguns tpicos de duas
cartas que do Limoeiro recebi e me parece
merecerem as honras da imprcnsa :
Limoeiro 28 de Janeiro de 18?.
Hontem o bando infame de praieiros d es-
ta comarca concluio a sua eb icio. Tendo sido
julgados nullos alguns dos n0S8< s collegios ,
aini de algumasoutrasoccurrencias.que appa-
recrao julgamos (refere se aos Eleitores do
Taquaritinga.) que nao deviamos jogar as
ebrstas com estes brutos furiosos salvo com
08 bacamartcs No sabbado pelas 5 horas da
tarde nqui veio um portador d'ah elles diri-
gido Ira/emlo cartas.nas quaes instantemen-
te pediSo que afastassem o Presidente da vula-
i;3o porque eslava unido aos Cavalcanlis para
fazerem a divisao 'To Norte e logo o Delegado
Barboza o seu apostlo ChristovSo das Mar-
ii, velbo jezuil i que tantas vezes subi ai
escadas do Exm Barao da Boa-vista,protestan-
do Ihe ihIhe,-jo e amizade.e iie boje um dos
seus fortes antagonistas e seu circulo entrarao
a espallfar esta odiosa intriga contra o Presi-
dente ; mas como mudos dos Eleitores ja ti-
nhao sido lerrados e de mais ja entre elles
existe nao pequea divergencia por causa dos
insultos que o Yi-ano Moit.i lem recebido da
polica to Barbota por Ihe prenderen! urna
pe-soa sua alm de outros ataques consegui-
mos e.ta votacio.para o Presidente pelo que
elles esto dando coices, ('umpre queselo
deixe isto em silencio ,para u final esses trai-
dores e manhosos, nao quererem arrogar
si este servico ao Presidente que deve licar
com el es desengan do. No mesmo dia sab-
bado tamben) cbegarSo cartas do Lrbano Joa-
quim Nunes e Antonio Joaquim de Mello,
os dous primeiros pedjao ao Barboza e Henri-
que com grande instancia que nao deixaasem
de incluir na chapa u Antonio Carlos pois que
esse andan muito se hada prestado annulla-
o dos collegios orden os, e que Antonio Car-
los eslava disposto a trabalhai cm favor do par-
tido d esta comarca ao passo que o ultimo, An-
tonio Joaquim pedia com instancia ao mes-
mo Barboza e licnnque que absolutamente
nao incluisseui Antonio Carlos na chapa, por-
que sahindo na lista triplico tinha elle de
ser tirado e perda o Antonio Joaquim ; as-
^-r*


......! i i.u iimatfr'TmiiSmSSSmmimmmmmmmSi
sim virJo-^i1 este* di abo* aqu em collisao ;
final decidirtlO qup de.via ir o Antonio Curios
na china porque o Urbano e Joaquim Nu-
nes e-tavo compromet los para com o Gover-
no. Batas informac -s tenho as de dous prai-
eiros que sao E'eitores e que devio fa/.er
partt> do club.
Fevereiro 7.
Se o publico imparcial temi lulo os factos,
que por sua gravidade col lora3 os Delegados
das coinareis de Goianna, Bonito na posic'o
de dspotas desenfreidos, reputa aquel 1*1 duas
comarcas como as que mais ge.mem sob o peso
da arbitrariedade, deve V c mostrar-lhu que
a do Lmoeiro, nlo menos perseguida, que
aquella!, se vr\ lutndo com a brutalidado, e
despotismo que cerco a miseravel polica deste
lugar, a qual por nossa desgraea ainda reini
para descontarmos os apreciaveis dias, em que
nada tiuhamos que receiar de nossos direito*.
boje Bggredidoi para satis cao de nieii duzia
de reos de polica. Receio ser enfadonlio com
a narrado do (actos, que por sua nntureta, e
especialidade consomem a paciencia di* leitor,
mas. comprooi'tto-ir.e a ser breve, e relatare
mos parte dalguns, que indiibitavel nente pro-
to o genio bran >o, c affltotl do treflenle e jus
ticeiro Delegado Manoel Barbosa da Silva e sua
comitante caterva O rerrutamentn, a panna-
ca dos despotas, o vingativos, tem servido ao
grande Barbosa de meio o m .is a/ado para se
desforrar de lodos aquellas que em 22 de Se-
tembro do anno passado nao subscreverfio as
laal chapas para E lei lores, e que ou*8o decla-
rar-so anti praieiros, sendo os^h sua lacro,
pso facto, isentos de ver suas casas cercadas,
varejadas, insultadas, e quandoo furor sextre-
ma. Uvadas em sangue como ja se tem n esta
parle feito constar, ao que apenas se ha respon
dido com descomposturai sem que sejo con-
testados os factos que fono publicados no Dia-
rio de "29 do prximo pisado fue/.. No dia 10
desso mesmo passado mei urna palrullia cercou
a casa do cidadSo Manoel Gomes de Soma mo-
rador em Cumiru, lio nem manso, d' bons
costumes, respvitador das leis, talvez por ser
casado com urna prima legitima do digno Te
nente Coronel Jos Lelo Pereira do Me lo, a
espinba de garganta do bom Delegado, para
prender un sen lilho, solirinho d aquelle l-
enle Coronel e isto era Instante para que to-
das as vi ileneias se eomm--ttcsscm, como de
facto foriio realisadas, porquanto tendo o inti-
tulado preso II .mnos de dado, sendo o mais
veilio dos verdes, dirigi se o pai a casa do De-
legado, e possuido de rasiin, cono entenda,
p.'dio-lhe houvesse de mostrar a le em que se
fundava para recrutar seu lilho dellannos,
persuadido como eslava, de que pan tanto nao
se ncliava autorisado o Delegado, nas est se
gundo o seu genio jusliceiro dignou-te de res
pomler nestas lormaes palavrai nao seja 19o
atrevido, ja para a eadeia tendo sido
com efleto arrojado a prisi > um pai, por pug-
nar pelo di re lo de seu lilbo, infeliz p,r ser so-
brnho do distinc'o cidadiio Pereira de Mello.
que devendo ser asfaltado dos impulsos, que
em tacs uceas Oes abaleo o roracAo, humano,
impassivel descar.cou na Justina do Exm. Pre-
sidente da pr vincia, drixando que n Delegado
saciasse bom a sua vinganca, como o fez, a pon-
to de di/er que na. sollava o menin |ior
ter gnsto de amarrar o snhrinho do Jos l.eao
corn cordas, e botal-o ap para o Recife, = i
assim cumprio. A justica porm. que nao
desa<>para os desvalidos, eque (a/ un dos bri
I han tes ornament' s do digno Presidente dest..
provincia, permittio que loase flesonrrada dos
ferros, urna das victimas do Delegado tendo1
sido solt o sohnnbo do !>f Jo Lelo, apenas]
chegado a essa capital, defin* de provado o seu
arbitrario recrulamento; entretanto direi que
airi'la continua a ser cercada a casa desse rda- !
dio. de que tratamos, nafa o que nao pude
saber, talv / para o D-leaado dar a entender,
i|ue o seu poder aqui no l.imoeiro he superior
ao do Kxm. Presidente, Outr s inuitos factos j
desta especie, k mais extraordinarias aind i tem
assoi'ido os campos desta comarca, onde habi-
tuos cidadS is do partido da ordem, dic.
DIARIO PE M\ por
Hontem pelas 7 horas da noite, um prelo es-
cravo do Tenente Coronel Vmaro, que tmha
suas intrigas com urna esrrava quitanJeira que i
venda na travesea do Ouvidor, entre a ra das
Cru/es c o paleo do Hotnitul, pedio all um ma-
diado, eindo-se a preta deo-lnecom elle uma|
pancada que apanhando-lhc um hombro, per-
mittio quu ella podesse anda correr; maso
prelo seguindo-a de perto deo Ibe segunda ja
ao entrar no paleo, que Ibe panhou o outio
li rubro : a pobn preta entrn na carreira por
o iiuartel da polica e 11 mesmo dentro o seu
perseguidor Ibe desrarregou lea-ira pancada
.iiie dando-Ihe na (beca a estcndO UiOita. O
assassino oi all preso.
2
B"
Corre pondenrias.
Srs. Redacto re*. Urna correspondencia .
inserta em seu muito conce tus lo jornal n.
261 de 21 de Novembro do anno lindo, e as-
signada por um Bi > Grandense ,me chamou por
esta veza campo a di/er o que sei acerca das
eleices da fregue/ia de Goianninha. Antes de
entrar na oxoosicflo, eanalise das occorrencias
de taes eleices. cumpre-me declarar que, ou
o Rio Grandense he um amigo simulado do Sr.
Relio, expondo os seus erros como justica, para
Me appareca quein mostr em toda a evidencia
tais erros; ou entao ignora no todo a marcha do
Governo do Rio Glande do Norte, e as leis
provinciacs, que elle tem transgredido. Deixe-
I mos de parte o que figurou a imaginaran do
Rio Granlense, por que como diz Horacio
, Piitonbus, Potlis, dique Polilicis quid libet
\andiendi semptr futt cequa poteras. He cr
i caso. Tinha-se de proceder as eleices de
i \ creadores, ejuizes de Paz da freguezia de
Goianninha; e nao querendo o Sr. Bello que
os moradores dodistricto daSerradeS. Btntovo-
lassem em seus Jui/i s de Paz, em um officio de
26 e Agosto do anno prximo passado que
dirigi a Cmara daquella freguezia, prohi
bio expressamente aquelle dstricto do livredi-
reito de escolher seus Delegados. A mesa paro-
> hial, tendo em vista a lei provincial n. 100 de
Outubrode 1843, que instaurou aquelle ds-
tricto nao julgou o Sr. Bello autorisado
para dispensar na lei. decidi que se recehessem
as sedulas : o Juiz de Paz entendend
as decisos do Govefno e nao as
sao as que reg m as eleices suspendeo
os trabalhos da mesa e communicou ao Sr.
Bello, que, bem seu pezar, respondeo que a
mesa tinha obrad >cm regra, c que se conti-
nuassem ss ele ces : ellas se fizero com eflei-
t i ; mas nem o Juiz sabio reeleito como pre-
tend i.e nem a sua sucia. Dntao as cartas, eof-
(icios chovem pedin lo que se annullassem as
I eleices, que j estavo feilas. K o que fez
o Governo ? In\estindo-se do poder, que pelo
' aviso de 25 de Agosto de 1837 exclusivamente
, compete as Assemblas Legislativas Provin-
ciaes, por uina portara de 23 de Setembro
. mandou annullar as eleices, marcando o dia
I 15 de Novembro para se procederem de novo.
Note-se que a Assembla eslava em seus traba
Idos, e quu de proposito o Governo maodou
fa/er ludo no lempo, em que os seus traba-
\ Ihos se tintillo ultimado O Juiz de Paz, tendo
a seu lado o Governo da provincia mandou
ilutar editaes nos dous dislrictos da freguezia
no dia 13 de Novembro, mediando s dous dias
pura o das eleices : bella disposicSo do artigo
2. da lei de 1. de Oulubro de 1828!!
A Cmara entao rene se no dia 15 para
remetter por copia ao Presidente a acta das elei-
ces d'- 7 de Setembro, e nesse dia he que re-
cebe um fficio do Governo com dala de 12 .
ordenando, que cumprisse o que Ibe disia res-
I. i i > a cerca daqui Has eleices: nova e bem
notoria jusiica do Sr. Bello !.' A Cmara no
loi acreditada na resolucao que tomou; entao
nomeou urna ccmmisso de trez membros para
aiTfsenlar ao Governo <> livrodas actas, em que
eslava inserida a das eleices de 7 de Setembro;
mas o Governo nao quiz ver a acta e tralou
mal a COOiintf'O. No entanto o Juiz de Paz
nao quer que o Parodio da freguezia assista a*
e'eices, n anda chamar o de At/, estedeix*
na mesa parochial de sua uvgue/ia um secular
(lalve qu< por ser calvo podesse figurar de Sa-
cerdote), e despre.-andu a jur s 'icao do Paro-
c: o de Goianninhs.que em seu officio de t5 do
d lo mez Ibe declara nao estar impedido toma
ausento na mesa paiorhial. Que tal? liitum
leneati, Amici ? 0 Parocho de Goianninha ,
olfendid > em seu direito pelo de Arcz. nega a
sua matriz a um acto de crinie publico; e en-
lo a sucia recolhe-se a urna casa particular e
nella procede a apuracao dos votos; e como os
Jui/es dePaz nao fossem os predilecto,queimo
as sedulas.e remettem < lamara a acta das elei-
ces Taes sao as de 15 de Novembro,autorisadas
pelo Governo !
Oque dir agora o Sr. Rio Grandense ? A-
inda queren endeosar o Sr Relio, e equiparal-
a com os homens justceiros ?
\ amos as eleiides para tleitorcs: dizoSr.
correspondente que assustando-se o Coronel
{com allusao ao muito digno o honrado Joao de
Oliveira Memles i defronte do Vigario. e fa-
/endotentar a sua aeitra uns poucos de sicarios,
intimidou assim o Juiz de Paz que deo por
visto o acto, ffic ou a < Governo, e entregou a
vara ao Supplente 0 Sr. Rio Grandense, faca
justica, lenil a narraco fiel dessa eleicao. U
Juiz de Paz linba mandado arrancar a lista dos
votantes queso tinha affixado a porta da ma-
triz, e no da da eleicao apresenlou com duas
folbas de menos o caderno, em que a junla ti-
nha inscripto os nomes dos votantes, e elegiveis
da lregue/ia e quiz que por essa lista mutil;
da o seu Kscrivao l/e-s a extravio dos nomes
de todos os elegiveis para entrar no torteamen-
to dosdesesses membros da commissSo. O Vi-
gario (aqui he quo elle (oi Vigarioem ludo)
conheceo a pilula, reclamou e fez conhecer a
imperfeico da lista: felizmente anda se a-
chava na agencia do Correio a copia, que devia
iras maos do Governo pedio-se-lh'a e por
ella se ieza extracQfio; continuou-se nos traba-
Ihos da eleicao ; e o Juiz de Paz, ou porque
ficasse envergonhadodesua falta ou por que
a sorte se nao decidi a seu favor suspendeo
os trabalhos da mesa, e officiou ao Governo ,
que assim tinha obrado ; por que o Perucho
tinha arrancado duas folbas da lista. (Mas no
te-se que a lista eslava em poder do Juiz de Paz,
qne tinha encarregado ao seu Escrivao deex-
trair as copias). O Governo ordenou ao Juiz de
Paz que fosse pre/idir as eleices visto que s
no caso do artigo 20 do decreto de 4 de Maio
de 1842 tinha lugar a suspensio da mesa: nao
convindo mais ao Juiz de Paz entrar na com-
poscao de urna mesa, perante, e contra a qual
elle tinha mentido deo-se por impedido f
entregando o expediente no seu officio de 19
de Oulubro declara que remedia as duas folbas
da I i la mutilada asquaes 'estavo em poder
do seu Escrivao ; eisaqui como saino a verdade
da penna do Juiz de Paz; e como o Parocho de
Goianninha, ollendido em sua leputaciio, vio
restabelecido o seu crdito.
Se o Sr. Rio Grandense convence-se destas
verdades, urna s cousa nao drci mais; se po-
rm lusca justificar o Governo do Rio Grande
do Norte com sacrificio da reputacao dos Srs.
o que Coronel Joao de Oliveira Memles, e \ gario
leis ,]Manoe! Ferreira Borges eutao dar-me-hei a
obrigacao de apresentar por certido toda a
correspondencia officiaI que houve naselei
ces, e ter o Sr. correspondente o dessabor d
ver na maior evidencia os erros do Presidente ,
seo predilecto, e a honra dos dous objectos
dos seus sarcasmos.
Sou, Srs. Redactores o seu respeitador
assignante O inimigo da mentira.
Srs. liedactortt Havendo-se dito muitas
cousas (al em folhas publicas) a cerca da visita
que o Kxm. Sr. Presidente da provincia fe/ ao
forte do Buraco no dia 16 de Janeiro prximo
passado e das censuras que o mesmo Kxm
Sr. dirigi nessa occasio ao commando do di-
to forte; e sendo eu presente a ludo quinto si
passou no acto da fallada visita, forcoso me he
declarar, que os termos mais severos que S.
Ex. entao empregou forSoque nao ndmittia
disculpa, pois o que bavia notado provinha de
falta de zeto e deileixo. Eis ludo quanto d
mais lorie proferio S. Ex. e percebido foi
por mim e mais alguem quo commigoestava:
declarado quo faco para desvanecer qualquer
ideia que a meu respeito se possa fa/.er de ine-
xactidao ou exageracao sobre o objezto de que
se trata, e por isto, Srs. Redactores, rogo-Ibes
que, por obzequio, acAo inserir em seu Diario
a mencionada declaracio pelo que Ibes sera
grato o seu muito venerador e obrigado
Salvador Coelho de Drumond e Albuquergue.
Sr. Itedaclor. Tendo o Correio do Recife
dito alguma cousa (talvez fundado em inlorma-
ces). respeito ao baile de mascarados, que te-
ve lugar na Passagem da Magdalena; nao pare-
cer ocioso que urna testemunba ocular seja um
pinico mais extenso.
O divertimenlo innocente, inteiramente no-
vo para esta provincia, teve estas feices: or-
dem, decencia, rego/ijo e bom gosto. Para um
primeiro ensaio forca be confessar, que o baile
iteve bellas feices.
Nao consta, que mascarado algum figuraste
de Plutio; osattributos mytbnlogicos, quede
veriao designar a divindade, nenhum mascara
lancou ir.lo del les.
A riqueza e profuso, que nem sempre sa-
bem aliar-se com o bom gosto, no forao pre
dicados salientes do baile.
He iuco'iitestavel, que alguns individuos no
seu dislarce comprehendrio em que consista a
belleza d'um baile de mascarados, adoptando
costumes rigorosos de diflerenles personagens
de diversas naces e pocas, inculcando cadh
um no seu trajar o estado ou condicao que Ihc
aprouve : um representava Ahailbard, um ou
tro Poyem, Guarda-portan este. Negocian!)
Armenio aquelle; pagem do lempo de Lu7
A'IV aprouve a um ser, agradou a oulro passii
por pastor, peralta, ou petit-maitie conveio i-
um, outro (ezcom que um lndigeua visitasse i
passifem; os (Ihos das monlanhas da Esc ci
c lebrados por Waller Scote, tiverao seu repre
sentante n'um carador; um rgido puritano fi
nalmente achava-se em um baile. Os dez mas
carados que se mencionao. poderi3o sem re-
cri figurarem nos bailes deste genero na Eu-
ropa; e no divertimenlo a que elles concorre-
r.io, s ao refinado bom gosto seria licito clas-
ificar os graos de superioridade, que entre o>
dez haverSo.
Entre trinta e tres mascarados appareccren
des, trajando com gosto, propriedade, e ele
gancia, be alguma cousa. Mais alguns mascara-
dos se poderio mencionar, se a falta da con-
gruencia em uns e costumei muito vistos em
outros, nao indu/isse a quem se considera com
algum voto na materia, extremar do povo mas-
carado os dez releridos. Sou como devo de
\ me. mu adecluoso venera lor, e assiduo leitor
Um malcarado.
aaiga'' mi "!
Suhiica(;ao a pedido.
SONKTO
Improvisad') por um joven estudante perante
alguns de seus collegas.
Si alguns carmes eu sollo ao som do vento,
Sem temer voraz de.ite dos censores,
Arriscando me 6 critica, aos neores
D'um povo em censurar sempre tedento,
NlO por convencer-me um s momento
Da sua perfeco, dos seus primores,
Mas hesomente, crticos Doutores,
Por me vir lembranca um pensamento.
Um Bardo anda sou muito menino,
Trez lustros cont penas, e um anno,
Sem arte, e no talento pequenino.
Si alguem quer censurar -me leviano,
Censure a natureza, o dom divino,
Qu'os meus versos nao tem soccorro humano.
Publicado por um seu amigo.
R
lfattdpga.
Rendimento do dia 12......____ l:586f419
DescarregSo boje 13.
RrigueJosepbinamercaduras.
Barca 'ranceza Anfoinettedem.
JJL-l----------- I II--------1.' '.I -d!_!J1L-U
Movimento do l^urlo
iViio entrado no dia. 10
Camaragipe ; hiate nacional ConeetcSo, mes-
Ir Jos Alves Pen ira, equipagem 13, car*
'' ga assucar, passageiro, o Brasileiro Lourcn-
co Malhiai.
IS'avios sabidos no da 11.
I'almoulh ; brigue inglez Cyntbia, Capito
William Cordswortby, caiga issm ar.
Trieste; barca sarda juro>a, Capilo M. Vas-
sallo, carga assucar.
.\ actos sahdos no dia 12.
Rio Grande do Sul ; patacho brasileiro ( attrt
II, Capitao Joaquim I'rancsco do Espirito
Santo, carga di lele liles (.'eneros.
Baha; sumaca lino i lena Sonta Cruz, Capi-
tao Manuel Peieira de Sa, carga diversos
gneros.
Kdital.
Miguel Arcan jo Montriro de Andrade Ofi-
cial da Imperial Ordem.da Rosa. Caralleiro
da de Cbrislo e Inspector da Alfandega de
Pernambuco, jfe.
Faz sabir que no dia 13 do rorrente ao meio
dia se ha de anemalar em hasta publica a porta
da niesma um orillo de ver i-o longe, valor
20s000 rs., um chapeo prelo de ca.lor 8^000
rs., 12 carteiras de o ailim l-J.iOdO is,. 9 lan-
cetas l-500, ) caivetes de lies feros I#600,
1 estojo ue navalhas -ij()(.!() is.. I siringa com
bomba IjOOO rs., 1 livro 1*000 is. 12 pares
de meias de algudio 1*500 rs.. 2 lene s de
seda 1*150 rs.. appn-hendidos pcloGuarda-
Mor Escrivao das Descargas, e o Guarda Ge-
meniano de Asevedo Mello no acto da visita
da barca ingleza liliza Jokmton, sendo a arre-
matarn hvre de direitos. Alfandega 12 de
Fevereiro de 1845.
Miguel Arcanjo Mcnteiro de Andrade.
*
3De oidem do Sr. Inspector do Arsenal
de Marinha lem de arrcnuvlar-se em hasta pu-
blica, as 11 horas do dia 13 do torrente, urna
porcao de fcijao e bolacha arruinada propria
para almi nto de animara, pelo que convida se
a aquellas pessoas, que quierem lanyar sobre
taes gneros, compj.recao na ain>azen> do Al-
fiiox rilado, no da e hora indic do. Almoxa-
nfado do Aisenal de ^lunnhn de Peinan.buco,
10 de Feveieiro de 1845 U Esciivao interi-
no, Christot/u Santiago de Oliveira. (11
3 A administrara,i dos EsUbelccinienlos de
Caridade manda faer publico a quem convier
que nos dias H e 21 do cotrento*, e no da 4 de
Marco prximo futuro, rao a praya por ar/en*
damenlo trienal a liba de Nogueira e asseguin-
la ra da Calcada ns 32, e 38 ; 1 dita as
Gimo P ntas n. 98 ; 1 dita na ru da ViracSo
n. 7 ; 1 dita na ra de llorl-sn. 33 1 dita
atraz da ra Nova n. 18 ; 1 dita no atierro da


51
itie d*ve ter lugar exta feira
.uta n 68 ; 1 dita na ra da Gloria n. trata com Gaudino Agostinho de Barros na ra ma commissSo qi
Bf ,lditanobeccodoQu.abon 8; as con-: da Cruz n. 66. ou com o C.pitio a bordo. (5 U do correte pelas o horas da tarde.
diccw serao presentes aos licitantes nos das,--------.----------------------------------------
picados as 4 horas da tarde na sala dasscssSesj LCilfl'-
L ,nena admin8trac,ao, onde deverS com-! f ______________
rU1T munidos d--fiadores. Sala dassess5es .
ffSSSJ Kslabel, cimentes det.a-1 1-k-Dworlhj Brender a Brand.s conl.
as, agrossas cutila.ia e uiiuJezas : IBlU
leira 14 d crrante s 10 horas da Binaba
no seu armazem ruadaCiuz.
Avisos diversos.
re
(.
] ...iniinisiracao uos Mwvrocnoenio -------------> -------
'V 8 de Fevereiro de 18*5. O Escriplura-1 nu.ro para lequ.dacao por .nterveago do
'o /' A. Cavaleanti Cosseuo. (t8C"rretor Oliveira o seu leilo de lerragons ..-
i O Arsenal de Guerra precisa comprar
tola enfestuda propria para corrame de tropa;
ein a tiver de melhor qualiJade mande a mos
*{ra u o seu ultimo preco i;a reparticao do
mesmo Arsenal as horas do seu expediente. Ar-
enal de Guerra 11 de Fevereir.) de 18i5.
>0 impedimento do Eser|>turarioUo Ri- \
car,lo da Silva
THEATRO PH1LO-DRAM TICO. I
$ Companhia Italiana. $
4Desappareceo na noutede 7 do crrante
da casa do Engenheiro Boioman, na ilha de Se-
ve um cavallo que sa julga ter sido furtado ,
t o qual tem os sigoaes seguintes : cor castanha ,
THEATRO PH1EO-DRAMTICO, f duascicalrizes no tornoxelo da mao direila, e no
lugar do sellim um pequeo inchaco ; quem o
achar e quizer restituir, ser generosamente
'( recompensado. '8
w r\ f 4q\jm i:MntmIl 3 Juao Bernardino de Moraes e Castro,
$ Qmnin fcira 13 de I ever.no 11 ^.^ ^ ^^ $ ^ ^ ^ (2
Wcxecutar-se-ha a segunda rcprescntac,slo
$da opera #
|// JBarbkro deSetigUaA
f*
Personagens.
VRoMina, pupillado D. Bar-
** tolo .
ttbartolo, tutor.....
* onde d'Alinaviva
*;Figaro barbioro.....
' l). Hazilio, mostr do m-
sica ........
Klorello, chelo da banda do
w msica......
TC boro da banda Solda-
Actores.
|Mart- Lcmos. g
GiuseppeGalleli.
(arlos IV icco.
Luis Gulstoni.
| Joao Tosolli.
nardo Cavaleanti Miguel Bezerra Cavaleanti .
o Paulo Besjrra Cavaleanti ; pols o abaixo as-
signado, vendo estes Srs. asonados como pro-
pietarios na peticao dos f>.'i transcripta no
Diario n n. '27', do auno passado e nao sa-
bendo em que lugar existem essas propiedades,
a vista do diversos annuncios do Diario de Per-
nambuco do mez de Detembro ultimo deeeja-
va que o maritalede Ibe as apontassa. Com a
resposta voltar a carita. Luiz Velis Ferretra.
Eava-see engomma-seem 10 dias com
muito perleicaoeasseio toda a qualidade de
roupa por preco commodo ; atraz da matriz
deS. Antonio n. |6.
3_Precsa-se f lugar urna escrava para o
servico de urna casa de pouoa familia que sei-
ba comprar cozinhar e ensaboar dando-
se-^he o sustento o HW000 mensaes : na So-
lidade indo pela Trempe lado esquerdo casa
n. 42. (6
2 Francisco do Paula Cey. natural de Bar-
celiona, retira-so desta provincia. (*
2= Manoel da Silva Santo! manila para o
7__Aluga-se urna preta que saiba cozinhar,
e comprar, e que seja fiel, nao se olha a preco,
no largo do Terco na fabrica de licores n. 10 ;
na uiesma fabrica ha superiores licores cha- ,
roes agoardente do reino a 800 rs.. aniz a 1= Antonio Nobre de Almeida Jnior em-
Da-so dinheiro a juros em pequeas qun-
tas sobre pnhores de ouro ou prata : na ra
Direila n 76
i =Arrendo-seosdous andares e duas lo-f
ge* da casa n. 18 na ra do Fogo : a tratar no
labrado h. 44. na ruado Queimado nos dia
quartas feiras esabbados. *
No an-o de Santo Antonio loja n. 2, ha
farinha de S Matheoi e de Cravellas de supe-
rior qualidade ensaccada e aos alqucires.
1= Aluga-se o sobrado de dous andares n.
22, na ra da Aurora, com excellestes corn-
mo'dos ; o terceiro andar e sotao da casa n i
no atterro da Boa-vita ; urna casa terrea nova
na ra Formo/a esquina da ra do "-ove, con.
duas salas, dous gabinetes, quatro quartos mui-
to bons, cada um com sua janella, cozmha fu-
ra e quinta! com porlo ; urna dita na ra do
Seve de 14s' rs. monsaes; o segunito andar do
obrado n 20. na ra estreita do Rosario ; o H;d primeiro andar do sobrado n. 14, V>wf 2= Eslao proniptoi 1 o 2 tomos das
Santa Cruz; duascas^s torreas ns. JUeJ/iie Mt,mo(ias Hlsl()M(.as Jetta provincia, aquellos
trazda Matriz da Boa vista ; urna moia agoa ni ; ra do Cebo n 37 de G rs. mensaes : a tratar ^ ^ da lndopendMa l-vraria n. 6e
na ra da Aurora o. 26 com Franciiro Anioni. g ^ ^ (om dOlivoira. ou co.n seu ca.ze.ro Manoel J..a- mgnalura c0lltin4< e fecbar-s.- -h. logoque
Muim da Silva ..... i m Miiunciar publi6alo do .i tomo. (s
K 700 r. e genebra a 750 rs medida
s. I ito em grandes porcoes ainda se fa
., B bate.
velha; sen- : burea para lrt da provincia 0 seu escravo cr.
j J. Chavos.
IN.K.
i
i
i
dos, c
Director da orchostra Mr. t.rosdidier.
j
Preco da entrada. m
Hilhotes do platea...... l.#OD0.|
t^Cadeiraa de galena de 1.*, 2.a e 3." &
& ordom..........WM.
$ Os bilhetes voiidor-so-hao na vospora o
Hno dia no menino theatro no patoo do <-ol-
K. B. Na 2.* e 3.1 galera podem Ir homonsf
*c sonhoras portoncontos a inosma familia. fci O espectculo principiar as horas do cos-j,
turne ___
Us membros da commissao
administradora das obras do Titea-
tro segunda vez convida? aos ac-
tionislas para que eoniparcco boje
l3 iuma liora da tarde na sala do
palacio do goveno, para onde Jo-
rao convidados pelo aviso inserto
neste Diario iN. 33. A commi^sao
espera que os mesnios accionistas
se preslein .. concot rer afim d<
(|ue se delibere sobre o negocio de
intereese aos meamos accionistas.
Jos liamos d'Olh'eira. Fran-
cisco Antonio noel Cae tao Soares Cmaro
Monteiro
Av -os martimos.
ara algum a
3 Precisa-sede 1:500/ rs. a premio de um
oulo.de nome Antonio. (3
l=rJos Pedro da Silva, no tendo lempo
sulicienle para despedir-se de toilos os seus u
e meio por cento por temp de um anno e m;g0S> 0 iaz por esle. eotlereco Ibes no luo no
do-se duas moradas de casas lerieas por segu-
ranca da dita quanlia ; qutm qui*er dar an-
nuncie. '
13Em 27 de Outubro de l>*, desappare-
ceo um moleque de m.me l'aulo de naca o
nufeam de 18 annos pouco mais. ou menos,
osla Ihesabindo buco de barba he um tanto
seccodocrpo abre os dedos grandes dos ps
um tanto para lora pernas Anas, nariz chato,
i.lhos pequeos e averrnelbados era coslurna-
ilu andar vendeudo doce de jalea em copos, por
loda a parle desta cidade, julga-se ter sido lur-
tudo ,
Janeiro, para onde vai, os seus diminutos pres-
timos. '5
1 = I.udgero pardo forro, criado de J l.
George Smith, pretendo seguir para a Babia.(
= Precisa-se de oflioiaes de sapatoiro, tanto
orn calcado de hornees como de aenhora ; quen
quizer procure em lora de Portas n. 85
l=r O baixo assignado faz ver a todos os ou
freguezes que mudou sua residencia para a ra
estrella do Rosario n. 18, e por isso laz ver .
todos os Srs. que sequi/ere.n utilizar do seu
pane oei ciuoun, jui^a-oc .- todos os srs. que mmui/.cmm ....-. --
porque nunca fugio ; roga-se a qualquer, nrt,s(n)0 (|irijo-se a menina casa que sero scr-
sonhor de engenho, ou outra pessoa quem el-: Jog (o(Ja ( pron,jj0.
le lor onerecido, ou por acaso acodado em seus ( Franeueo Kodrigues dos Santos ("6
dominios, o aprehender. e participarom a seu ;
legitimo Sr Antonio Jos Goncalves Atevedo na 3_ Troca-se urna marqueza de amarello
ra da Praia armazem de carne n. 19 que re- qUaS nova f por um gof de qualquer madeira.
compeiicar e pagar toda e qualquer despeza qu e5leja em um us0 e volta-se o que for
ue se li/or.
3- Para o Rio de Jnnoiro sahir.i dentro em
poucosdiaso briguo americano Feliz, por ter
a ma.or parto o seu carregamenlo promptu,
p idendo ainda tomar alguma carga miuda a
frete e escravos, para o que trata-se com os con-
signatarios Firmino J. E. d.. Boza & Irmao; na
ra do Vigario n. 25. ou com o Capilo Joo
Antonio Gomes. (8
3Para o Aracaty sahir impreterivelmento
no da 18 do correte com a car^a, que tem
a bo.do, o br.gue escuna Hennqueta, para car-
ga e passageiros trata-se cor o Capilo a borde
ou com Nivaes& C. na ra da Cruz n. 37. (8
i Para o Porto segu a barca portugue-
xa Espirito Santo, Capilo Rodrigo Jo..quim
Correia ; quem na mesma quizor carregur ou
ir de passagem para o que ten os melbores e
maii asseados com modos ; dirjase a ra do
Vigario n. 11, 1 'andar, ou ao Capilo na
3 Aluga-se o primeiro andar do sobrado
da ra Direila n. 13? com mullos commodos.
quintal bastante grande, cacimba com boa agoa;
a tratar na ra do Crespo loja n. 15. (4
oTroca-se um escravo de lodo o servico ,
de 30 a 40 annos por um moleque de 10 a T2
nnus ; quem quizer annuncie. 3
3_ Tmro-e 3 imagens de jaspe sendo
urna S. Anna com N. S. outra N. S. das l)o-
(es todas muibem ledas por oul.asde pao,
mesmo de outros nomos ; quem quizer annun-
cie. <6
= Um estrangeiio com vinle annos de prali-
ca decommercio no Brasil, e igualmente de
escripluracfio mercantil offerece o seu prest-
mo para tratar de qualquer esc. iplurayao pelo
inolhodo i-s partidas singelas ou dobradas,
vonlade de quem o empregar lano no idio
ma poituguez como no inglez; igualmen-
te se propdo a dar lines de escriptu.acao ^quel
las pessoas curiosas, que sen. terem uso da
mesma nem pralica da aula Jo commenio ,
se quizerem instruir nao s na escripluracao ,
como em lodos os diflerenles rangos do commer
ci em geral. Epiometlo instruir qualquer
nesla scicucia no curio espaco de 3 inezes,
por mu commoda recompenca.
Tanibem se obliga a lomar conta da escriptu-
racSo de qualquer casa como caixe.ro ou Je
outra qualquer mane.ra que convier a quem o
queira empregar e isto por mu. mdico sala
rio : quem do seu prestimo se quier utili>ar ,
dirija-se a ra da Cruz n. 43 que abi sera infor-
mado damoradia do pretendente.
Precisa se alugar mensalmeiite urna preta,
que saiba vender na ra e que seja lid e
tambem moloques, ou pretosque saibao ven
derazeite decarrapato psgando-se urna pa-
taca por cada caada ; quem tiver para alugar
dirija se a ra de S. Bita sobrado n. 27, no
primeiro andar.
Acliando-se a sociedade Apollinea endivi
dada em nao pequea sonima em virlude da
(6 taita de pagamentos das mensalidades de mui-
l_Para o Bio Grande e Porto Alegre segu, tos de seus socios : a commUso udm.nistrati-
em poucos dias o patacho Continente o qual va da ...asma so.iedade roga aquelles de eus
oneiece bons commodos para passageiros, e socios, que se acboem divida | jra com ella,
recebe e^cravoi a freto quem pretender pode hajao de fa/er os seus pagamento*.ateo ultimo
tratar na ra da Cadeia n. 45, cofn Amorim do corrente pois do contrario vor-se-ha obn
jrn.aog (6 gada a decltrar osseus m.n.es e incuml ir ao
i 1 .-_Para a Bahia segu com brevidade o bli-j seu Procurador de haver esses mesiius paga-
cu escuna Aleg>ia quem no mesmo qui/er'menls por meioejudiciaes.
carregar ou ir de passagem pode tratar com A commisso administrativa da sociedade
Amorim Irmao: ra da Cadeia n. 45. I i Apollinea convida as Me. socios.que quizerem
l_p,ra o Rio de Janeiro sal'ir co.n bievi- la/or pTODOSla de convidados para o baile da
dade o brigue Bom Jess recebe nicamente abe.tura deslo anuo no dia 4 de IBico | roxi-
passage.ros e escravos a frete para o que se mo fuluro a presntalas na sesao da mes-
que nao forem assignaoles nao teio a obia pelo
mesmo preco. V*
2=Tralao-se cavallos, curao se. sangrao se.
comproste e vendem-se na ra da Concei-
cio da Roa-vista n 60 (
2 = De/oja se mudo fallar h Sr.i D. Fran-
cisca Candida a negocio de seu nter este ; an-
nuncie sua morada por osla loll.a (O
t Precisase du urna pessoa para costura
em um sitio porto du prava ; na pracinba do
Livramento n. 42. (
2= Da se dinheiro a juros sobre penhores de
ouro ou praia em pequeas quantias ; na ra
Jo Livramento luja n. 1"'. ('
l OlTerecese um rapaz Portuguez com
idade de 18 annos. para servir em qualquer
casa eslrangeira; sebe ler, escrever e contar;
quem pretender annuncie. (*
2 Piecisa-se de um moco Porluguez de
idade de 16 a 20 annos, que saiba trabalbar
orn padaria e to.i.ar conta de urna (reguezia de
vender pao aqui mesmo na pra^a ; as Cinco
Ponas n. 32. (&
1= O armazem de chapeos, que Henrique
Zimmer tinha na ra do C-llegio n. 8. transfe-
no-se para a ra da Cruz do Becifo n 55, son-
de lem todosortimento de chapeos e pertences
o1
2-' Roape Brooking. tendo de retirar-se
para Inglaterra.tiansfere, por preco mais lasoa-
v Exm. Senador Manoel de Carvalho, na ra do
\m rim, por dou< annos e meio, que ainda
falli para concluir-se : os protendentes enten-
dto-se com o mesmo, ou com o corre lor Oli-
veira. (9
2 Antonio Jrw Pimenla da Conceicao faz.
justo ; quem quizer annuncie.
S Troca-se um bom relogio de prata dou-
rada mui cbatinhoe dos modernos por ou
tro de igual qualidude que soja de ouro e
volta-se a dTenmca ; quem quizer annuncie. A
3 Na padaria da ra larga do Rosario n.
48 precisa se de um forneiro que entonela
bem de seu oflicio. '3
3 Aluga-se urna casa torea, com bons com-
modos ; na ra do Camaio ; a t.alar no Atler
ru da Bua-visla 0. 34 '3
3 Bogd-se aoSr. Jorge Alvesdo Nascimen
to. meslre sllaiate, de ir a venda em que lem um
penbof parB o resgatar, isto no praso de 8 das,o |
quando o nao lava sei o dito pent.oi vendido j
para pagamento do nouncianle e Ufando o ,c0"por ,e annu0l.0f (|ue tod-s os
mesmo sem resuonsab lidade alguma. (o i r r i
3-Ol'lofesordemuslca Antonio Wences- -egoc.os. e quaosquer cor.lracl.seUo* desde
IAo Chaves com a sua lamilla embarca-se pare 26 de 81 a 10 do anno passado por Manoel Jos
a liba dos Acores a tratar de sua saude; u nos- da Silva Braga com o capital em moeda da be-
mol'roftssor avisa aos amadores de niuaica, ranea do ogro do annuuciante. que at esse
que se quizerem utilisar do boas msicas de ,|ia estove sol a administroslo dalle, sao nullos,
piano, como de canloiia de rabeca Blmpbo-1 e nsul>Stcnta, devendo ser considerados taes
variaves motliodos, quadr.lbas e
il
ma
lelhodos. quadr.lbas e val-1 n tJ0S e ContratlllS Cl0 propriofl delle. e por
sas dirjaos a ma Nova n 5 segundo an- >ua C()1)|a )|)r na lt,r nl,rvindr> aulorisacao do
dar.
2= Precisa-se de um caixeiro pequeo pbia
padaria, e de um am.cador; no Coiredof do
Bispo n. (6
O NAZARENO N. 81
annunciante; e declara este, outrosim, que,
sondo o capital administrado por aquelle antes
do dito ili/a pertcnconte a mulber do annunci-
ante, ^ji/o entao era orpbia, os negocios e con-
vencoas detse lempo devom sel autorisados com
Est a venda nos lugares docostume nos o conrentimento do Juiz competente na forma
quaos se assigna a 2/ rs? por trimestre. j da lei.nao constando dos autos do inventario tal
Cniitm os seguimos artigos : da origem dos autorkiejio 4 (16
governos velhos acluafs; noticias da provincia; | ,= Em casa de Femando de L
Bonito, L.mooiro, Nsrareth Garanhuns. Gol- TpM ;.ViSl. J1(.it, UII, prandt.
anna, Iguarass; sempreo .ec.uta.nonto ; Oh h>* guperl0fes ,,,. Bordeaus lan
como sao estnp.dws ; a surra ; l.berdade da m- ........ '
2= m casa de Femando de Lucca, ra do
sortimenlo de
to em quarto-
p're'n'sa da"paia;"chroi.ica admin.straliva da Ba- J.....' '"' "- Madeira-.ecca, vinbo do
hia actual pelo Guayeuru'. Po. e do Bruxelas. tbeiry. v.nlu. de Mar-
^ ...........,, sai es em barnins pequeas de a 9 caadas ;
Ouem an.iunciou querer trocar urna mar- .,^ _
,.... r& HirTii iMtua da Caiifin vl" '""'to de loroeaux, como Pateme ,
nuera por um sida dirija m a ra aa i.auea ,
de S. Antonio o. lo, segundo andar. H-'"1 ,,,rs1"- *<> >e l.l.eno, Cogntc. agoa
Dase dinheiro a premio em pequeas; mineral, champagne de lodos osles vinhos; e
quanlias ; na ra Direila venda n. 72 se do sempre amostras, eos compradores pdem
_ __ i convenco.-se da qualidade: charutos da bem
O abaixoass gnado, vendo no IMario-n. o. | .
, ..,.!.........1,1.. ;corihecida marca regala ; conservas de todas
20, do corrente anno um aranzol com o Ulu- \ e /
lo de communicado em que se peem duv.da as qualidade* e inultos outros gneros. (13
ser elle pruprietario, por ter como tal assignado j 2= Aluga-se un,a casa de 2 andares e soto,
a repreneotaeio que a S. Ene. dirigi.ao os; com seu Competente armazem, sita na ra de
Empiogados Pblicos e diversos proprielarios ; Apollo n. 27, onde presentemente se acba o
abitantes na coma.ca de Nazareth podindo a tlroMe,|, desocar BSMirar do Sr. Reg; e tam-
. unseivavo do mui digno Delegado o lll.n. Co-; bp||i m a] 0(jlr() .> .|(i(Jar (,() gOra,l0 ua rua
ronel Jos Mara de Barros .Brrelo declara a.. A 0 os ,,pnder dirija.se
oublico e partid, rmente ao maritalede au-; ',; .
fot de ta nojento rascunho, que be com-senbor -<> P **. If te do Pelour.nho. no armazem de
da propriedade denominada Ulho d'agoa do a'sur de Silva & Aolunes. '7
sangue na provincia de Alauas. que her- 8 Alugs-se por preco commodo o primeiro
dou de seus fallecidos pas. Quena poisoabai- [ andar d.. sobrado da rua da Kt.da n. 45; a 1ra-
M assignado que o tal marital, do Ibe deca- l*' o segundo andar do mesmo sobrado. | -i
rasse quaes as propnedades de Joaquim Fian-! 2= Francisco Celestino Ramos, Rrasile.ro.
cisco Cavaleanti de Albuquerque^Franciscu Ber- vai para o Aracaty. (2


!** Pede se a pessoa qim tirn ama carta
do Gmalo viudas -los portos do Norte
Jos Soares !'. ni'!;i i
para
Gloria, sobrado pirle e meia ao de n. 87. (*
1Vende-se uma ecrava e um escravo de
ricos apparelbos para oh, de metal do prin-
cipe e cest.ieaes do difiranles iiostos de 8 a
12 pcilleifadas do mesmo metal. (j
1 Peideo-se no principio do corrente me*
na visinhanoa del'ontede Uchoa um rachor-
ro inglot, trum, rom algumas rnanrhas pretas
no corpo e as orlhes cortadas ; quem sou-
Ler delle queira levai-o na ra da Cruz n. 2
que ser recompensado, eg
1Na ra do I.mmenlo n. 3o, precisa-se
alujar prctas para venderem a'eite de Garrapa-
to e tambem se vende asalte a "2880 rs. a ca-
ada mesmo em pequeas-porcoos. 4
i Quem precisar de urna ama de leite, par-
da, dirija-so a ra do Crespo n. 18, segundo an-
dar. [3
i No dia II desappareceo do primeiro beco
do Camboa do Carino um cachorro pequeo
amurallo Descoco cuito grosso naos gros-
sas e calcadas de branco cabeca grande; quem
O achar. leve a ra Nova n. 35, que. ter 2- rs.
de gratiflracSo. C,
IAluga-seum primeiro andar por datrai
da casado Atierro da Boa-vista n. (i!. 2
1 Joaquim Anio do Sena doutor em
medicina, pela Fac.uldade do lio de Janeiro,
mura na Nova n. 6>; as pessoa s, que sa quite-
rem utilissr de seu, prestimo ahi proinpto
sempre o-icharao (
ID. Mara Barbosa remette para o Itio G.
do Sul o seu escravo crioulo da nomo Seve-
rino. 3
I Gaspar da Silva Fres embarca para o
Rio de Janeiro os escravos se^uintes; Casimi-
ro, crioulo ; llollherme, da Costa ; Antonio .
crioulo ; e fifatheus, Angola Rufino, crioulo]
os quaes Ihe loiSo remetlidos pelo Snr. .Minu;
Garc.ez Al ves Lima da Junqueira. (
Quem anoonciou querer dar 40s rs a
premio de dous por oento sobro brpolhaca
dirija-sea ra do Hospicio luja do sobrado da
esquina n. 2.
Quem annupciou querer dar 500^ rs. a
jaros com hypotheca, dirija-se ao principio da
ra do II ispioio por baixo do sobrado n. 'l.
Precisa-se de um cobrador para recober
as subscripces deata folha ; na praca da In-
dependencia livrana ns 6 e 8.
Dfferece-se uina mulher para ama de urna
casa de pouca familia ou de hometn soltelro ,
inda que seja estrengelro para o ser vico ln-
teiior ; quem a precisar dirija-se ao Mundo-
novo n 36-
Na Typograpbia Natarena precisa se de
um impressor.
i Participa-te a os devotos de
S l'antaeao da (apella do Uonlei-
ro que h frsla foi intidada
dia 23 pa ra o
(5
i
Compra-S" effeclivamente nesta Typogra-
phia toda a qu:lidadfl lie pannos cortados ou
velhos, sujos, ou liutpos aparas de papel, pa-
neliui etoda a qualidade da papis velhos.
3 CuNiurio-seflectivamente para lora da
provincia escravos do ti 20 annos sendo ,. dTunn."0^ TTV MOa Ur"a negr"
Kbunitas floras, pagfio-se bem ; na ra da fo* "*""' da "" flgura e com babilida-
sobrado de um andar de
la ra da Palma ; na ra Direita n. 8i. (8
1 Vende-se um escravo de naco Costs ,
ainda moco de bonita figura e proprio para
pialquer servico ; no Forte-do-Mattos pren-
V'a n. 18. (4
1 Vondem-se dous bules, um para caf e
o nutro para cha, urna manteigueira sobre urna
salva arrendada um assucareiro um jarro
sobre urna salva arrondada um paliteiro, um
laqtieiro com urna duzia da colheresde cha,', tu-
do de prata : na ra da Madre de Daos n. 7. (5
i Na ra doQueirnado lojaJe ferragens
n. 10, continuarse a vender excedentes ovas
do sertio, muito fres c a es e por preco comino-
do. (4
! Vende-se uina armacao envidracada ,
Cimseu baldo ; na rui > Vigario n. II, pri-
meiro andar. 3
I Vende-se relrot de primnira e sogunda
sorto preto, azul ferrete o sortid o massos de
malas de linho, toalhas e guardanapo de Gui
maules pecas do coeiros de algodo chapeos
deso, do seda fechaduras de broca barricas
com amadas de (erro, ditas com farinha SSS e
americana, por prec > com modo ; na ruado
Vigario o. 11, primairo andar. (7
Vende-se, ou troca-se uma casa de sobra-
do par oulra terrea no bairro da Boa-vista ; a
tratar na ra da Gloria ao pe da fabrica do
Gervasio.
Vendem-se canarios de imperio om viveiro,
! loODrs. ; na ra estrella do Ituzario ven-
da D, 8
Vende-se um moleque crioulo de bonita
iyura de, 14 annos proprio para pagem; em
S. Amaro na entrada da estrada do mesmo
sitio de J. i. C. Tresse.
Ainda continua-soa vender o judeo erran-
te, ou historia de Isaac Ahasworus e poucos
exemplares resigo desto interessanto opscu-
lo, que podem ser procurados na livraria da
esquina da ra do Collegio.
Vende-se uma canda propria para so abri r,
por ser muito grosna ; na ra Nova, loja de
Forreira & Braga.
Vende-se uma casaca e calcas de
preto. eum cutete do setim branco
do Livramento loja de alfaiate n 26.
^Vendem-se, por preco commodo.os se-
guirles Irnos em inglez, grammatica por Cons-
tancio ; as estacos por Thonson e Viear of
Workefietd ; em francs fbulas de la Fon-
laine em 2 v. com estampas finas, e Algebra
por Bezout, em portuguez, arithmetica por
Lacrois ; na ra do Collegio botica n. 10.
Vendem-se velas de carnauba por preco
commodo ; na ruadoKangel n. 52.
2-Vendem-se libras de reros preto azul
Irrate e sortido em cores de primeira qualida-
de, resmas do papol de meia liollanda, ditas de
ulinaco branco e azul de primeira e segunda
qualidade ditas de peso branco e caixinhas de
logo americano por barato preco : na loja de
mrudezHS da praca da Independencia n. 4 (7
-v 2Vendem-se os seguidles livros: Lobao
notas de uso pratico ; Cuvier, lo regne animal;
estes litros esto quasi novsedo-se por mui-
2. .'4
para graode familia bastantes arvoredos de
fruto, trra para plantacSas. bom pasto pira
ter seis vaccas na estrada de S. Amaro para
Belem ; a tratar na mosma estrada passando
apeqnena ponte da Tacaruna no primeiro si-
tio, ou na ra do Rangel n. 17. (7
2 No deposito de bolacha da ra estreita
do Rosario n. 2. junto a bitica, van lo se bo-
lacha para escravos a IfiOO rs. a arroba e dita
de boa farinha para negocio por prec > com-
modo. (5
2Vendem-se duas vaccs de leite com crias;
no sitio grande do Mmdego junto do Sr. Luiz
Gomes Forreira. (.'i
2 Vendem-se instrumentos de msica, sen
do guitarras, rabacas, trombetas, cornetas ,
flautas, cirmelas, trombes, (agotes campai-
nbas de todas as qualidades, o por proco com-
modo ; na ra do Amorim n. TI ; segund an-
dar. (6
2 Vende-se a maissuperior sarja preta hes-
danhola com a propriedade de nao mofar,
nem se amoarrotar, cuja (asenda para vestidos
desenhora he a mais escolente e anloga nes-
le santo e sublime tempo da Quaresma assim
como outras fasendas finas ; na ra do Cabug
n. 16 (7
3Vende-se um carro de 4 rodas, em bom
uso e muito forte proprio para familia : na
ra do Aurora n. 62. (3
3Vendem-se sancas com 5 quartas de fei-
jSo mulatinho muito novo sola escolhida ,
cera de carnauba courosdo cabra escolhidos,
pennas do ema e cera amarella ludo por
proco commodo ; na ra da Cruz n. 5). (5
4 -Vende-se urna raboca do escolenles vozes,
eos seguintes livros : diccionario inglez com
pronuncia historia de Inglaterra
SUPERIOR CUV MPANHE;
vende-se etn casa de .\vrial Ir-
maos, ra da Cruz n. ao
1Vende-se uni-i casa terrea no alinhamenlo
da ra d'Aurora em S. Amaro.com boa cacimba
eum grands viveiro com muito poixe cuja ca-
sa est colocada em um terreno de 140 palmos
de largura e 1100 ditos do fundo ; um sobra-
do de um andar e dous sotaos na ra do Fogo
n. 27 em chaos proprios ; um piano quasi
novo por preco commodo ; uma parda de
muito bom comportameolo, engommadeira ,
cosinheira doceira rendoira propria para
reger uma casa oque tudo se adiinca por
'i.o^rs. ; e uma crioulinha de 12 a i."> annos;
na ra estreita do Itosario n. 10 terceiro an-
dar. (12
1 Vende-se uma cama de angico nova ,
com todos os seus perlences muito em con-
ta ; na ra de Agoas-verdes n. 33. [3
Escravos fgidos
panno
na ra
lo commodo preco; na ra Nova, loja n. 2
2Vendem-se 8 escravos sendo una nt
Cadeia A- S. Antonio
veranda de pao u. 20.
3 Compra-se uma correte de ouro para
relogiu mesmosem chave, e sem feitio; quem
tver annuncle <3
Compra-se o n. :i\ da fiibltohecafamiliare
/'creativa, linpressa em Lisboa em (842 ; na
ra do Cldeireiro sobraintio n. 4.

1Vende-se milno em sacias, muito novo e
por preco commodo assim tomo couros de
cabra a rt'talbo, nu em por(3o; na ra da Con-
celcSo da l > vis1.! n. 6. (4
Vende-se um cavejio ruco-pombo, gordo |n. 22);e uma de d
chaos proprios
urna parda de 17 annos, tambem com
habilidades ; dous moloques pecas do 12 a 15
annos cosinheiros ; .> pretas fle ^0 annos .
quilaiidcras ; um preto de 23 annos de ele-
gante figura ; na ra do Kosario da Boa-vista
n 48. (7
i- Vende-se um escravo bom cosioheiro :
na ra do Sebo n. 30. >
1 Vendem-se, por preco commodo lardos
com fumo em lolha proprio para charutos ;
no aunase) do llagues, junto ao arco da Con-
celcao, ,-.
Vende-se uma preta de 40 a nos, cose,
e lava ; na ra do Hospicio a. t. (O
Veude-se uma casa de sobrado deum an-
dai com gremio quintal, na ra do (Jueima-
do n. i oulr'ora precinlia do Livramento
graphico geographia universal com cartas t
estampas dos habitantes o moedas de todas as
nace.s 4 v. ; ensaio sobre os costumes e es-
pirito de todas as n,icoes e sobre os principaes
lacios da historia 8 v. ; as cartas geographi-
cas em ponto grande Oracio por 500 rs. ; se-
cretario portuguez manual de philosophia ,
lulo por proco commodo ; no pateo do Carmo
n 3. fio
3 Vende-se uma preta moca de bonita fi "
gura, e bom prendada ; na ra do Crespo, lo"
ja n. 4. (3
4 Vende-se uma casaca e urnas Calcas no-
vas de panno fino preto ; no pateo do Carmo
n. 3, loja de allaiate. j
G -Vende-se a mais bem fabricada tinta de
escrever ; na ra do do Livramento loja n.
34, e no pateo do Carmo n. 22.
4 Vondem-se 4 escravas mocas, de boas
figuras cosinhao er.gommo e lavao ; urna
dita de 20 annos costureira de cortar e fazer
vestidos de senhora e camisas de homem ; 3 es-
cravos para o ser vico de campo ; um dito de 40
annos, bom cosioboiro do um tudo; na ra do
Crespo o. 10, primeiro andar. <6
7Vende-se no deposito da praca da S. Cruz,
por bauo do sobrado n. 127, assucar refinado
e de todas as mais qualidades assim como ca-
l em grao e superior cha hisson tudo por
preco commodo ; no mesmo deposito se preci-
sa do um pequeo paracaiseiro. (6
4 -Vende-se uma parda moca ; na ra do
Cabug n. 16. (2
5 Vundem-se saccas com Tarello, pelo m-
dico preco de 3200 rs. ; na ra da Senzalla ve-
Iha n. 136. (3
6Arithmetica, Algebra e Geometra para
uso dosestudantes do Lycoe do Collegio das
Arles Vendem-se na loja de livros da viuva
Cardoso Ayres ra da Cadeia do Kecile. (4
3 Vende-se urna escrava de Angola de 25
annos cosinba elava; na ra da Cruz n. 51. (2
3\ende-se uma canoa que carrega um
miibeiro de lijlos bem construida e muito
fo
2 Desapparoceo no dia 22 de Janeiro do
corrente anno um cabrinha de nome Manoel,
do 8 para 9 nnnos, dosconfia se ter sido fur-
tdoporser muito esporto, andava vendendo
inelanciaem um taboleiro ; levou calcas de ris-
cado e camisa de nhila tem o cabello pegado,
e collado com gaforina tem uma empinge na
cabeca do lado dedotraz ,aonde no Ihe nasco
cabello he muito amigo de brigar e dar cabe-
Cadas muito risadore regrista t:m astucias
para dizer quo he forro ; reeommenda-se a
atlas go- (Iua'cluer autoridade policial, ou possoa par-
ticular, quedello tiver noticias, do o fazer pren-
der, e levar as Cinco-pontas n. 82, que ser bem
recompensado ;2
2Fugio no dia 2fi do p. p. uma preta de
nomelzabel de meia idade de naca o Costa ,
lavadeira, consta andar para as partos do Man-
guinho tem falta de denles na frente e est
bastante magra ; na ra da Cadeia n. 1 venda
do l'itomba que ser recompensado. (6
3 Desapareceo nodia 18 do mez passado
um moleque crioulo de nome Christianno de
7 a 8 annos bem parecido e bastante regrisla;
suppdo-se estar (urtado por isso recommen-
da-se a qualquer autoridade policial, ou pes-
soas particulares quo delle tiverem noticias ,
de o fazerem prender, e mandal-o condu ra da Cadeia do Kecifo n. 13, terceiro andar ,
onde ser gratificada to la a despesa. (8
3FugirSo nodia 5 do crrante dous molo-
ques crioulos um de 20 annos de nomo Be-
nedicto, estatura regular, secco do corpo, bem
preto e bem leito do corpo ps e mos. O
outro de nome Serafim de 14 annos meio
fulo estatura regular pare a idade, uma quei-
rnadura,na mao o oulra no joelho.antigas;a.".ihes
Callao bem e sao mu (.-orinecidos por andarem
do mantaaa venderem flores e ps do ditas,
ede tarde azeitede carrapalo ; levar camisa
de fazenda azul do algodo u calcas tambem
zues, Nas desbotadas; quem os pegar, leve a
S.-lidadea seu senhor Francisco Jos do Souza,
casa n. 7 que ser generosamente recompen-
sado. (|2
3 Fugio o preto crioulo de nome Fran-
cisco baixo ebeio do corpo rosto redondo,
denles alvos e sem (alta do nenhum pernal
finas ps pequeos as venillas tem bas'an-
; tes cicatrices, as oadegas grandes desappare-
coo na madrugada do dia 8; quem o pegar, le-
vo a casa de Manoel Jos Gonsalves Braga ou
|Cm sua loja no arco de S. Antonio que ser
gratificado. 18
200^000 rs. de gratificacao
5 A quem dei noticias de dous
escravos
gas de vidro a8/rs. o pr garrafas de cristal j vu camis'i
a tratar com
.. Jous andares na ra do Pnaa
obem passeiro ; na roa de Cadeia de S. Aiilo-|n. 18, un.bus em '
nio ao pe da guarda n. 25.
1 Vende-se, nu permula-sepor um |
uo Mtio na Boe-vlsta, Solidade, ou Afogados j 2-Vender um ricofaquelrode pra
um sobiaui.iio de > '= *> "........i-i .....
-----------I------r..^ a unini UOIII
u proprietano na ra do Queirnado n. 44 as
peque- quaitas Liras esabbados. ,7
um andar, na roa Imperial traslada Cegado ltimamente de Lisboa; na
ua da l'raia n. 2. /a
fronte do mesmo sobiuuinho
o. I0; a ire'.ii d
n. 167. 15
1 iNo novo deposito do Atierro da Boa-vis-
ta aopda ptinte 11, 'l\ vende-se assucar rcr-
linudo e de todas us mais qualidades, assim
enmu caf moidu o em grao, lulo por preco I
eummodo. 5,
t Vendem-se 4 moloques d nacao sendo
dous de 18 annos e dous de 16 ; dous escravos '
para o secvico de campo ; 3 oegriobas de 14 a j
18 annos, costni e eogommio e urna (ai b; m
Javarinto ; urna mulatinlia de 10 annos, mui-I
t linda e-osee engornma com perfelco; ni
ra Uireila n. 3 ,7
t Vende-se um teneno por detrs do At-
ierro da Boa-vista em seguimento da travs-
sa do Marlins com 3(10 palmos de fente a
fundos suflicientes para se edificar ; na ra da
(3
2-Vende-se urna cabra bicho, sem cria que
(a todos us dias meiu garrafa de leite de ma-
nba e de tarde contra-iuetade, he muito nova
e gorda ; us Cinco-pontas n. 32. (4
1 Vende-se uma toalba toda aberta de la-
varinto por preco commodo ; na ra do Ca-
bula n. 9. ,.
'i Vende-se urna porcao de obres de ouro
e piala de muito bom gosto cora meio feitio;
Da ra Direita n. 104. (3
2 Vende-se metade de urna casa terrea na
ra de S. Rila n 67 com duas grandes salas
4 quartos, c.isinha fura
com uma cicatriz na cabeca, le.
..ad bala verde ecalcus do riscado
re.oaaiSlee?m ? IPf 2 1? ?'" dond "icol groiioi, denles abertos na fren,
ras pare azeiie e vinagre, tudo multo em conta,
e por menos que em outra qualqutr parte ; na
ra da Cruz n. 62. g
3 Vende-se um cavallo, muito novo e bom
carregador ; na rua Nova loja n. 1C. (2
Vende-se urna escrava de 30 annos, co-
se, cosinba, engomma, e faz renda, tudo com
perl.icao sem vicios ocm achaques o moti-
vo da venda se dir ao comprador ; na rua do
Livramento n. 11 {5
3 Vende-8e uma barcaca em muito bom
estado que carrega 22 caixas ; um escravo
de 19 annos ; Um mulatinho de 9 annos que
tambe! se troca por uma escrava que cosintie
e engomme voltando-seo que se convencio-
nar; sobo do Aracaty de muito boa qui
do, em barris pellos de cabra cera do
naba
ida-
car-
e bezerros surrados ; na rua da Cruz
D. i segundo andar. (8
3 Vendem-se sarjas esetins pretos lavra-
dos ditos lisos meias de seda preta pare se-
nhora luvas de seda preta curtas e compri-
dus com dedos e sem ellos chapeos pretos
francotes da melhor qualidade chales do seda
preta, merino preto muito fino, ricas sedas
brancas lavradus lindas llores do laranja, bor-
quintal murado, ca-j zeguins para homem o senhora, sapatos de lus-
cunoa nidependente porto pare a praia e to pare senhora o meninas, e outras multas
ooir.i commodidades ; a tratar na rua do Kan-! fasendas de gosto; na rua Nova, lojas fran-
gt',n- ''. (7 tesis n. 8, e na esquina da rua do Cabug n
- venoe-seum sitio com muito boa casal 11, junto a botica do Sr. Joo Moreira. (10
te, com signaes do sua trra por todo o corp0
e rosto ; levou camisa de biim branco e calca8
de riscado; quem os pegar ter a grutificaca,,
a cima levando-os ao dito sitie-, uu ua rua d(,
Agoas-verdes n. 46, 1 3
l Fugio no dia i) do corrente um preto de
nome Joaquim levou calcas o camisa de algo-
dozmho chapeo de pulba, lio quebrado e por
isso traz funda cosluma beber e tem sido
visto por detraz dos Maityiios o 11 boira da Boa-
vista as vendas ; quemo pegar, leve a rua
Direita n. 10, quo sera recompensado. (7
Fugio no dia 10 do corrente a escrava Ma-
ra de nacoCacango representa 28 annos,
haua a secca do corpo pes e mos grossas ;
levou vestido de cbilu com remen,l s novos pe-
las costas e ferro no nescoco ; iioe.o a pegar,
levo a loja do chapeos junto a cadeia que
sei gratificado.
1 Em 14 de Novcmbro do anno p. p. fu-
gio uma preta de naco Costa de nome Albina,
alta bem parecida com dous signaes as
maces do rosto que parecem dous calombos,
lea 30 anuos ora vendedeira de bullnos ,0 *
cangica ; quem a pegar, leve a rua da Cruz .
5, quo ser recompensado. (7
PERiN^TYP DE M. F DEFAMA t 8.J 5


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXT849ONP_A1E6OK INGEST_TIME 2013-04-13T03:08:36Z PACKAGE AA00011611_05292
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES