Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05290


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de i843;
Ter^a Fetra II
> lli.M nijMoa- toa o dainne n io for-in aiii'fioado : O prego da laaignalnra
h ,> t-ti mil -.. por fuarla! papu adian;adi > nniincidm tRninMI fio inaeridoa
a ,.,.., de 20 icil por Unlia. *fl rci em lypo dilferente, e repeliciaa pe, amelada Os

:fvi.ii-.:!i;inl ipugJ'i U reispo-1 nln.KWe Ij .. h" irenle, r i cada pul, licacao
G II -i
cada ionaoa-viata fio
Oliuda lodoi o din.
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
,i rniir,- aeXlai e:raMin tirando do Norte, eneja 8 52 par-
b< i.....*ui. BoPoraoao, Maety V CirioCilm, a Alaron, no l.1
s' .'. Garanbuna lionilo i., a I l
w <\\t> o tTo'ioti qatotai faira,
DAS da semana.
F.KCulastiea Aud ilo do i), da 2. >.
. \.'i ro ilat am. lio J. D,d 4.
a Eulalia Ao.< J di I). da t
s Gregorio. Am! d .! d' D.oaS. t
Valenlim. d. do J da 1) da I. ta.
|5 .' s Georgia '.al. .uJ do J. fe D.rf !. t.
,'i ._'_'. da Ijaarcaaa s. Profiri
lu < s
H
i Q ,.
a ; i
i ii<
de Feveretro;
Anco XXI. N* 2U*
.ul!l|,d
e energa : cun-
iuao ora fftM u. aoa mmtmu,, da no.. pru 3- u, ,, .3o prtaoa-oa .era.- fWA> --' ''" ^ '" "" "s "*"
M j,,!,,, (Proclaaaaga- da taaainbl. 'al .10 aianl.
CiailDI Ri, Via l:l DI KVK1\KU ">.
Caaikioa abra Loadraa -'5 ''l* tur.-Ma.ia oa o,*GU
Paria *U na por franco
, Liahoa 150 por lG(l de prtajio
ii'ofdade oubre ao par
Maai da latraa Ja boaa Eraaaa 1 por 0|U
i\.
. da 1,00a
Prala--aiac&a
a VaiOi ooluaainam
Paol aiieanoa
reo da
17 000 i?,-0
Jo.UU 17,tU
J.iUU .l.fU
i.iiO
l,S0
1.9-20
i '.OJ
1 U60
1.940
\';:

-ssan
^.'Ur,R&**E J6-t -!l(^:t....
PHASKS DA LA NO MEZ DE FEVFRK1RO.
I.i.innii a 6 nli h a 1C, -ir. da Urde, i La el ;a a ?2ai4 hi.rai i 7 ai di m.
(,'! enia 14 aa .' Iira e 4 da m. I Min.uanie II | \ borea a i da aa.
/-'r*cmar de hoje.
P ai a ira aa 8 borai 30 aaia da manliaa | StRonda ai S hora K4 nianlo da larde
T&^'KaRJHHBHHMaaWanHD?: '--'"-------at-aB--.-....:-. _:- -:--
...., .......... ; .,.--" .. -
*........- -.. t.it.v.,....,-,,,,,-...,...,-..,..-.-.-'-.- r-T"w:wmt.-ISn>5sTSE-BS
INT^RIO .
Ki.KICAO DO CEAR.V.
Ni di 'i "2i d" 5e8inbro principiarJoas se
g5o |ircparitoriis da Cainara do' Senbores De-
ptaiJoi ; no da l.do Rorrelo foi a abi'riura
solo uno da Ais-n i'i'm Geral, cat bojo(M
Jiiiciro) rida n5o t-'in appirecid > a dooi<&Q so-
bro alogldade ou illogalidad/) das eloic5M da
pr.>vn;:i do Otara. Trfsoilias nio foro bas-
tahlc pira i|ue ai conniivs-s de poderes so
dignissem dar o sou parecer, qtiando o regi-
munt da ea qu nulo om tola a Cimaras preoedentes soin-
pre !oi j'ulgado objecto da maior urgencia a de-
cisao sobro diplomas. Os 3 mumbros da com-
mis8o do poderes, (a preparatoria) julgano
em cauta propria approvarao Mpiiainento
suaa proprias eteicSes; mas quanto as da pro-
vincia do Cear, que nao to.m agora na repre-
sentai'o nacional urna s voz quo so lavanlo
para reclamar o seu direito, ossas ncjlbcs ine-
rccdiio consideravao alguma, o quo igUalmentu
acoiitece com a nova cominisso do poderes (a
permanente)!!! Trese dias so tem passado, e
inila nao tem bavido tompo de so eiamiuar as
actas, noin de formar-se juio a resp'-ito !. ..
Us triblho I'gislativoa vo encetar-sc ; ea-
pe/ar do qu a Cmara dos Diputados so nao a-
che eompiet ; hpesar de quo j tem bavido oc-
corronci s de lovantar-se a sessffo por falta'de
membros : comtudu, inda o esame dos diplo-
mas los llcpula los do Coar nao pode ,er lu-
S'ir'. Que obstculos sao esses quo se nao cx-
plico ; quo se nao mamostao 00 jui/o da Ca-
nara ? Porque motivo a cominissao Perina-
neote mo da*conta d'essas'dilTIcuUladesquea
relem? Para que lim deisar suspenso o ju-zo
publico, m un negocio em que, j de limito
lempo sutes, se snnunciava a m vontado de
tilgucm. que muito intereasava na unnullacao
das eleicSrS do Ceara ? Sebe notorio que una
porsonageu ,nojo importante na poltica dopaiz,
tom s IJiritadO < iir uintalj do i o empenlios os
membros das commiss5es do poderes ; s n ins-
tancias d'esla infl icnl personagem se tem feito
M-unioos do Deputadus om Sua Casa, na ra da
Quitanda n onde a materia da annulluan se
ti ta, nao segundo os principios d ou illeiialidade uleitoral mus conforun- as ra-
yos lo conveniencia ou d.esconv< n encia de par
tidos polticos ou de facgoi-s; emlim so estaques-
to vital para a indcpejidenca do poder de.toral
tem de ser decid da pela preponderancia das mai
orias compactas, sem sttencao ao direito dos re-
presentados; nao podemosdeisarde lastimar essa
poiigosa tendencia, que parece invadir e emba-
razar o juio decisorio da actual commissfio. So
lai-s so as causas quo lito retardado o nugoco
)< eleicSes do Cear, podemos rccar que den-
tro em breve \o m- a doutrinJ deque nao be o
novo quem clege os eus representantes, mas
a Cantara quem os designa ; ella us iiuahlirara
o dusqunliicara como melbor be aprouver ; el-
la emlim viril a ejercerjjm arl.it- i.i purificador,
tomivel, idioso, intoloravel, quo, longe de Ibe
aquistar aquel a considerado e respeito que
mi-recem os serdadeiros representantes do povo,
pelo contrario acanetarfi sobre si a atersio pu
tilica, e ao paii desconceito das instituices
representativas. Espera a Sentinel a da Mo-
narchta, para honra da Cmara dos Sis De-
pillados, <|ue oslas supposif-oes sejio sem Iun-
d..mento, e que oulros unitivos, quo nao es-
ses, bajao embaracado ate agora o parecer da
COin.IltissSo perin -ni-nte.
Temos um cabal conliocimenlo das ai tas c
documentos etfst ntcs na pasta la commissio
de p'mieres ; porque pessoas, em quem dep i-
silamos a maior oonliaug, (eem examinado
%iifc> as relativas ao Cear como as das outras
provincias do Imperio, cujas elevos lorio ja
apprOva la pela < iiimar-i ; e podemos assegurar
com toda con icao da verd.ide que be impos-
sivol quo a Cambra ios Srs. Deputados reprove
as el fcdoi do C ara, sem inconer na nodoa de
eontraditoria e parcial : atienda ella i approva-
co que j deo as do outras provincias muito
inais afeiadas com abusos, fraudes, violencias
e irregularidades, em urna palavra, immora-
lida-tes. Os membros da commisso de pode-
res, nos seus par-cores ja publicados, e nos
I discursos com quo os sustentarao as sesses
i preparatorias, assaz manifostarao o s"U pensa-
mento sobro esses escndalos, que nao obstante
tolera rio, em atteneao aos incor.vonieutes das
novas e repetidas eloigoes e pela grave consido-
i ra ao do nao deixar urna provincia orpha de re -
presentantes no seio da Cmara do povo.
1 Como pois estas mesmas considoraces niio
| leem valido para dirigir os Ilustres membros da
: actual commisso do poderos no seu parecer so-
bre as eloieas do Coar, que a muitos respei-
tos estilo menos conspurcadas de vicios que as
de Pernambuco e da llallis, que as deSergipe
o do Kspirito Santo ? Porque motivo influen-
cias inui albeias do interosse publico, conveni-
encias do partido, ou antes arranjos do familia,
tero a forca de obstar a decisio imparcial da
commisso n'esle caso especial? Sim ; dire-
mos arranjos de familia, porquo he voi mu
repelida por certos conhocedores los manejos
secretos d'esta trama nojenta, que, se tivesse
todo incluso na eleicao do Ceara mn c rto car-
; rpalo (o reverendo Carlos Augusto l'eixoto de
! .Menear) prente de urna Ilustro personagem da
corte (o reverendo Senador J- Alencar), nao terio bvJo embaraeos, nem
retardamentos na approvagio das eleiioes d'es-
Isa Provincia. Mas agora sera mister que to-
: dos os Cearenscs fiquem ponidos pelo despeito
. de tao alta potencia poltica ?... Tornar se-ba
! a alear na provincia o lacho da discordia, se-
! mear os odios c as intrigas, err.pregar a frauda
6 a violencia, por ludo em aaitaeao, provocan
; ilo a sonlia dos partidos, e ludo islo s> por sa-
lisfazer-ae o amor propiio oflondido d'essa in-
lluento, ret'eremj/ssima personagem .'!... Se-
! ra indespcnsavel pois que o C ara nao possa j-
I mais usar do livre arbitrio do escolher aquelles
I que o devem representar no Parlamento, sem
pedir lioenca a essa maligna, asquerosa, in-
munda, selvagem influencia, cuja preponde-
rancia na provincia do Ceara hesempre acom-
panhada de calamidades e desoldeos deplora-
reis;'!____
R. Iluta bem nislo a illusire Cummissa de
Poderes ; luinbre-se que as provincias sabem
; iieifeitamenlo quantos e quao escandalosos abu -
' sos entorpecen! as eleicoes do I8i'i ; quo ellas
[jondero os motivos que dirigen) a maloria
da Cmara as suas decises e nao poderd
'deixar de indignar se quando nolarem a par
ciaiidade com que em urna parto se lavao todas
as manchas com inciivel celeridad" e em
outra se demora se retarda a decisao e se
am.ilin e se apoquento com injustas deion-
gas aquello homens do Povo, que uao lei-m
menos dlreitos de sentarem-se na Uepresenlaco
| Nacional do que esses, quo agora exercem tao
ijiscricionario poder a seurespeit. Bemcon-
; vencidos estamos, que, sea Commissa > do Po
! deres tivesse, como Ibe compria iniittido em
i um s parecer o seu juizo cerca das diversas
eleicoes las provincias, ha muito os Srs. Depu-
i lados do Ceara tormo oceupado o seu assento
| na Cmara temporaria. Mas es-e desvio dos
;estylos, essa excepQao lo regiment da casa e
das regras seguidas pelas Cmaras preced ntes.
forinaraosempre um justo fundamento do quei-
xumes para todos os prejudicados. A Cmara
le 18ib, djrfto lodos desnou-se dos estylos
usados pelas suas predecessoras ; o depois
do npprovar as eleicoes de tiez grandes provin -
cas, cojos membroa eslava presentes Ionio
dando |iariM eres destacados a cerca de ca a u
ni i das outras e dem raudo alguns al mais
de \-i dias depois do sua primeira reumao pre-
|iar.iloria !!!. ...
emais o Poder .Moderador est vigilante e
sobranceiro: elle observa a marcha e lireccao
que tomar a Cmara; se ella se mostrar fatcio
aa, purificadora e exclusiva ; se ella em vei
de Coipo Legislativo, requizer constituir em
( onvenedo Nacional;so ella qui/er arrogar asa
faculdado de designar Deputados, usurpando
aos EHettorea o direito constitucionil de sua vo-
laco e scollia a maioria lo votos, o Poder
Moderador, dizemos saben tomar a attit_.de
que Ihe competo.restabelecer a harmona per-
turbada dos podfires politicos, e restituir ao
povo a livre laculdade do nouiear os seus ropre
sentantes, tal como a constituido Ibe asse-
ura. (Sentinella da Monarc'tia.)
MAItAMIAO.
Accuso a recepvi'to da portiriade V. Ex. sob
n 283 em data Je .'5 do Uezembro do corrente
anuo, pela qual me communica haver-me exo-
nerado do lugar de Promotor Publico desta
comarca. Cumpre-me responder a V Ex.,que
(ico intelligenciado nao soda minlia demisso,
como de que por este modo, |uiz V. Ex. dar a
- onhecor a uiitii, eao publico que nao sou do
numero daquelles que meierem a sua estima e
confianca
Portento seja-me permittido osseverar a V.
Ex. que essa estima nao me he to lisnnge ra
como a que me tributa > os meus concidadaos,
que por homogoneidado do ideas e principios
leem sompre pugnado, e continan a pugnar
pela prospendade do Brasil, e do nosso Augus-
to Monarcb-i Constitucional o Senhor I) Pedio
Segundo, sem jamis transigir com os adver-
sarios do tao charos objrctos, nem mostrar ver-
satibilidade de o) inies e conducta; e essa con-
lianea que V. Ex hoje de mim retira, de mui-
to boin grado eu a dispenso, e j meso o a nao
apeteca.
Desde que \ Ex. soube a noticia da disso-
lucaoda Cmara dos Srs. Deputados, collocou-
se a Irento de um partido, o deixou por conse-
guinte de repartir imparcial justica aos povos
que forao confiad s ft sua admi istraco. le-
mitlindo a un, e repreheudeudo a oulros sem
serem ouvidos, bem como aconleceo a ineu r-s-
peito na portarla que V. Ex. me dirigi em
data de 25 le Junho do corrente a qual res-
pond com aquella muderaco e respeito pro-
pnos da minha oducacao o carcter, defenden-
me cabalmente das falsas ai-cusa^ s que me
lez o Dr. Juiz de Direito desta comarca, D
Francisco Ballbazar da SilveJra, por via do seu
substituto o bem conhecido nesta mesma co-
marca Anloni i Prxedes Cordeiio.
Anda eslao recentes Ex Sr., os actos
praticailos nesta villa durante os dias luctuo-
sos das eleicoes primarias do dia l.deOutu-
bro do coriento anuo por e.vse Magistiado que
tanto solliciU.u a V. Ex. a minha demissao !
E poique.' Porque tive a coragem. ape/ar do
ineu eslauo excepcional, e de todos os cidados
amantes o respeiladores das nossxs bellas insti-
luicoos, ifdi instar todos os pongos e supe-
rar lodosos obstculos, par levar a> conhe-
cimenlu do tribunal ooinpet nte esses factos re-
provados pi las nussas leis, e que tanto comprn-
ineitein o lultiro estado desta comarca Ainda
mais; logo que luubfl ter a Kelaeao dessa cilla
de desprezaiJo a denuncia por nao ir docu-
mentada llalla Jevida tao somonte a acbar-ii e
rodeado do autoridades que uierecem a conli-
aiKu e estima de Ex. e f rao correos dos
mesnios crunes) eu com assuiuo l abalbo e
nao peiinenus despe/as, com proprios coln os
nreti/.os ducumenios, para aatisiazer a justica
publica, o lim de nao licarem impunes criu.es
to notorios, e do tanta magnitude.
Nao prosigo no ineu intento para desagravar
a le ollendida, porque no da 10 do corrente
recebi a portara de minha demissao, a qual
bem longe de denegrir a minha reputaco, pe-
lo contrario servo de mostrar que na qualidado
do Promotor desta comarca soube cumpnr com
o ineu dever, e V. Ex. na sua alta posicao se
curvuu a s pedidos desse Magistrado de quem
denuncio; por cuja razoslenho a agrade-
cer a V. Ex. o dispensar me de servir debaixo
de suas ordena, por isso que os meus concida-
dos me aro a justi,a que mereco.
Como nao sei quem he o meu digno substi-
tuto, e nao se acbe presentemente nesta villa
um si) Juiz, liz entrega do archivo da Promo-
toria, e ludo quanlo a ella pertence aoSr.
TabelliSo Mannol Caetano lo Carvalio, com
quem se deve entender aquello que por \ Ex.
vier despachado.Dos guarde a V. Ex
(iuimaies, 1*5 de Dntembro le 1841. lllm.
< Exm. Sr. I>r. Joao Jos de .Moura Maglhaes,
('residente da provincia.Judo Coelho de Sou
sa. (Da Ilevisla )
) Vigario de ianna. ,
No dia 11 do corrente chegou preso a esta
cidade, onde saltou, escoltado por um Sargen-
to o Reveiendo Vigario de Vianna Francis-
co le Barros (lardoso L na o qual foi sem
provas algumas condemnado pelo jury da mes-
ma villa pena de gales perpetuas,pido suppos-
to crimo do assassinalo. mandado perpetrar na
pesaoa do denominado Carambola segundo a
invencao dos seus figadacs inimigos ; e acha-se
actualmente recluso no quarlel do Campo de
(hinque, esperando pela decalo do seu proces-
so em novo jury por lijo julgamenlo protestou.
AIt'ni do longo maituiu,porque passou na im-
n.nuda enxovia da cadeia de Viauna onde es-
leve incommunicavel e sollreo com resigna -
cao evanglica toda a sorle de privaces e trata-
lientos barbaros, leve o respeitavel paciente
ordem de seguir para aqui com oulros presos ,
mesma hora do embarque n'uma canoa que
se achava carregada de tropa e em que veio
exposto ao sol e chuva por esparo de 8 dias
que durou a viagem. Por todas estas tribua
.dos e ignomm as leve de passar um Ministro
de Jess Christo ruja innocencia he patente
a toda a \ ianna nicamente pelos caprichos
de 4 mandoes que, abusando da autorioade de
|ue se cimo revestidos para saciar torpes vin-
gan(as lyranniso aquella malfadada trra
por um modo nunca visto nem ouvido .'.. .
Das monstruosidades do processo peita das
teslemunhiis e parcialidad* dos Juizes ja demos
suicinta noticia no coniinunidado mpreso na
liensia anterior A uiorte violenta e desas-
trada do Carambola que so suspeita ter sido
mandada commelter por urna sua amasia foi
o pretexto de que se serviro os inimigos do
Vigario para calummal-o e opprimil-o to
airo/mente. He o segundo processo iniquo
que soilre esta victima da mais clamorosa das
injusticas pela inabalavel frmesa de seus
principios politicos. A lei, a justica, a moral,
a razao a humanidade ludo tem sido calca-
do aos ps pola infernal pandha que Ihe he ad-
versa para descartar-se delle ou antes da
justa influencia que elle exerce sobre o povo de
Vianna de quem he o pai e o amigo. As
eie,oes sao a piimeira causal de taes allan-
tados.
A dediraciio sincera e ardente que Ihe ronsa-
grarao os \ ianenses nunca se desmentid em no-
ubuiii dos periodos desta airo/, perseguido.
Em {uanlo podero penetrar na sua prisao es-
levo ella sempre cheia at de Senhoras. No
jury a excepeo dos 7 Juizes parciaes que to
injustamente o condi ninarao (leve 5 votos a
fa>orj lo Promotor nomeado id boc (*) do
Jai/, le Direito digno Presidente de seme-
Ibante tribunal, do Delegado de Polica, lorja-
ilor do processo-monstro e de Manoel Anto-
nio de ou/a que levou a iiiimoralidade a pon-
to de introdutir-se no quarto das testemunbas,
nao bottte ninguem que leixasse de indignar-
se i commover se vi-.ta le tanta injustca pra-
licada com o ri^o : Juizes Advogados (**),
(') Por impedimento do Promotor nomeou-
se paia (azer as suas vezes um analphebeto que
nao eoohecia a numerario dos artigos do cdi-
go e mal sabia assignar o seu nome. Tanto
era a sua ignorancia que para fazer a applicacio
dos referidos arligos era preciso ser insinua-
do pelo Jui de Direito Esta nomeacao hon-
ra muito o Sr. Cerqueira Pinto !....
(") O Sr. Dr. J So Pedro Dias Vieira foi o
Advogado do reo; e fez urna brilhante e elo-
quenie dellesa em que pj mais patente que a
luz do da a innocencia do seu cliente mas
ludo loi baldado diante do escandaloso e atroz
despotismo judicial que esmaga \ ianna.
ILEGIVEL


_____
espectadores e guardas todos derramrSo la-
grimas. Na oceasio do seu precipitado embar-
que foi elle acompanhado praia como em
prodssao pelos habitantes da villa que so de-
hu liavao em pranto. Depois que ehgou a es
ta cidade lem sido visitado por urna infinidad*
______..... $ :. ,-,
della, que em ar de lograrlo, vai roobando I demorar se o parecer at que urna noa com-
ero 6 ou S, a urna venda da ra da Guia,
inde comerlo o bcbcrio na importancia de 6
mil e tantos ris e doro as boas tardes ao do
de pessoas c ntre estas mu.tas da pruneira no da casa safando-se todos com o desemba-
gradugao, as quaes todas I he teem dado aquel-
las provas de int-resseo considcracao de que
be rredora a innocencia tao brutalmente oppri
mida com espccialidade n'um homein reves-
tido de carcter sacerdotal o respeitavel por
muitos ttulos.
Tal he o triste estado de oppresso e indigni-
dade a que se acha redusido este confessor da
f pelo abuso mais cruel (fue nunca se le da
autoridade publica com vergonhnso escameo da
le da justica e da moral ; ou antes (al be a
horrorosa situacao d malfadada Vianna onde
por um modo digno da pandlbado seu credo. | missao se nomeasso, da qual se excluase o Sr.
Ante-honiem pelas 5 horas da tarde forSo ellos, Gonego Januario, e izessem parte os Srs. Ot-
toni e Urbano, os quaes com o campeio An
drada Machado erao aptos para declararem, co-
mo d'tlarrao, nulla toda a eleicao do Cear, e
assim punirem o Brigadeiro Bittancourt de nao
ter empregado escandalosamente a Torca, ea
raude para que a chapa doGoverno vencesse,
os Vieiras eseus Miados por fazerern opposi-
>ao ao Ministerio, e o que era mais urgente ar-
redarem da Cmara um dos seus ornamentos o
Sr. Sousa Martins.
raco do salteadores ; e esta madrugada pela 1
hora haterao urna padaria da niesma ra
pedirfio pao e b O lintel Francisco desarmou a sua mesa re-
donda ; cortea IlegnetM dessa casa queran con-
tinuar a especulado da otga na casa de pasto
de um tal Pistn ; mas este pot-lhes um blo-
queio c creii) que vo ficar estes consuman -
dures sem fornecedores, que nao tem razao
u Iguana.
Km urna das sessoes da Cmara,como em ou-
tra Ibes disse o Urbano ou Nicolao queixfio ,
nao ha protecoo nem recurso de qualidado i usando do seu direito acceitou para si e para
alguma para o cidadao Brasileiro, porque a j os seus o nome de praieiros eo Nunes
sso se oppoc a tyrannia judicial de tros ou qua- I nao I lie querendo ficar atraz disse que elle f6-
iro depositarios e agentes do poder, os quaes. ra o director das massas Ora dirigir mat-
atncoando indigna e cobardemente os seus de- tata praia quando nao deshonrase a sua pes-
veres, saltao por cima de todas as considea- soa nao o deixaria muito limpo e cheiroso..
oes para satisazer paixoes truculentas o ex lissa gente da praia julga que tudo Ibesfica
craveis A conlicco dessa misera trra onde > bem ?
se faz. da Administrarlo da Justica um meio de | () Padre Malagrida ou Dr.Potidori foi(d/em)
oppressao a de vin.-anca he peior mil mes j no vapor Bahianna j sabernos disto porque foi a
an
e de vin.'anca he peior mil Vfles no vapor Bahianna : sabemos disto porque foi
que a do paz mais brbaro e selvsgem. \ ian ra da Aurora a fabrica do Start encomrnendar.
na em summa he urna verdad eir provincia da alguna biscoutos e sequilhos adhoc: regalase o
Turqua tyrannisada por um hacha com sues! ruaganao !
g*.
Mi
(dem)
PE5
BUCO.
SEGUNDA EXPLICACAO DA
PROPHECIA.
Por mais de urna vez se tem affirmado que a
patria dos Camarese Negreiros, ou antes co-
CORREIO. mo boje se diz, dos Canecas, heo pa das ra-
COBRBSPONDBNCU n\ CIDADE E PltOViNCU. ridades: accrcsce porm agora :i mais provar
Hnntem pela manhfia na praca da Boa-vista esta verdade aapparico de um Propheta pro-
dou- frangotes derodella. ou por ciumadas em .no-ticando futuros, e estahelecendo mximas ;
nlgum namoro, ou por outro qualqaar motivo j (diario novo n. 32) digo os incrdulos que
que nao admitte concumitancia, vi era o se asjniuguem he propheta em sua patria O Pro-
maos um pel activa e outro pehr'passiva, um pheta he escuro, mas como quanto predi/, tem
com um chicote, e outro com seoslas, sacud lem pouco tempo de acconlecpr pouco vivir
rao se muito bem: como ambos sao praieiros, quem nao vira realisaco do predito O ad-
no systema do Diario da praia l se Rvenhlo.
Pelas seis horas da t.rrle do inesmo din pre
senciei eu enlrarcm muitos soldados na casa de
um Porluguet, J. G \ ielra Quintarles que
v.'gado que so tem 3 causas (assim diz o nosso
ii wimuiia porqu odeia de morte os seus col-
legas, que mais ganhAo no foro, deve em pouco
lempo morrer de fume, ou tem de ir para o
mora ao p do arco da ConceicSo, e parando! ArraialQuero s-ra esse prximo vindouro
pt-ra observar em que aqullodave,ti que os sol-1 detento ? Eu conheco alguem que tem 3
dado* linho invadido aquella casa p rseguindo causas, islo be, urna do Padre Felis outra do
troz rnarujos da corveta < arioea, com os quaes prclo Leopoldo e outra da Adriana : ser esse
Sahirlo depois de andan m at pelos te pobre rapaz em quem cahir o raio ? Mas esse
Ihados agorrand na icios ro>PS. 'u/-
me a pista do n gocio e pelo que pude colhei
passou se o caso assim: um sid lado d'Ar
tilices jogava com os marujos em frente do
seu quarlel estes ganbaro-lhe os cobres ,
o soldado prolestou contra a sorte e quil
rehaver o seu dinheiro mediante a foica ,
o marujo que havia ganbo arvorou um dos re
mos e deixou-o calnr de prancba sobre a lata
do soldado, que Ihe deo a voz de preso, e os
marujos recotrbecendo que no estao no seu
elemento, corlarlo a amarra p largarlo com
vento endjpopa para o Recife : all acolhflo-se
.'i primeira enseada que encontr rfio; e o sol
dado temen !> atacal os assim, foi aguardada
Allandega, e intimando o'dcm do Chele de
Policia ao Goinmaudantc, deo-lhe este tres sol
dados.com os quaes e c ni outros que se Ihe ag-
rer, o aconcelbariamos a que antes acceitasse ir
fiara n Arraial, e ja que o Propheta Ihe d a
escolher. por esta graca Iho mandasse algumas
gregaro foi atacar oe novo os marujos, que \c i oabantnhas (|ue nfio he prezente para desprezar
o.oco nao pode rnorrer d. fowe em quanto ihe
durar a marninba.... poisdi/em, que a m<, a
senh ra I Tolerancia (que moca! ) Ihe da 720
pela porta dianteira e pela trazeira elle rece-
be o que pode, Santa Luzia nao ha de permittir
taldesgraca ; alma do Padre Felis orai por el-
le Conh CO outro, que. mas este nada
quer deote vale de lacrimas, despre/a suas poro
pas, alira as vaidadts, d sua esmolinha a por
la, e como quem d um recebe cem .. elle
lie podar rnorrer de fume mesmo apezar da
grande falta de pasto... CJuem ser p is esse
que lern em breve de deixar este vi le de lacri-
mas, ou ir para o Arraial ? >e tivessemos a for
tuna de conherer o advogado que tem de mor- j r.vo Parocho deixra a mesa sem bavr
Kxposifo ou voto do Sr. Conego Januario da
Cunha Haibosa, como membro da cummis-
sao de poderes. nasesso preparatoria legis-
lativa sobre as eleices do Cear.
Do exame, confrontaco e analyse das actas,
e mais documentos relativos a eleico dessa pro-
vincia, deduzo e pens oseguinte :
Compoo-so a provincia de 18 collegios, cu
jas actas, bem como a acta da apuracao geral,
me orao presentes.
Julgo valiosa e inquestionavel a eleiciio a que
se proceder) nos collegios da capital, Aquira/,
Gascavel, Villa Nova, Queixeramobim, Batu-
rit, Ir, Riacho do Sangue, S. JoodoPrin
cipe, Imperatri/. Sobral, Jardim e S. Ma-
theus. Cumpre-me porm fazer cerca dos tres
primeiros algumas consideraedes.
CAPITAL.
O Presidente da provincia declara em seu of
licin0 99, que o respectivo Parocho, queren-
da que fosse inscripta urna re laca o de indivi-
duos que elle apresentra, nao devidamente
distribuidos, segundo determinan as instruc-
tes, e sendo contrariado pelos outros niem-
bros da junta, se retirara, continuando a jun-
ta sem a sua assislencia. No dia porm da elei-
eao primaria apresentou-se eservio-se da mes
ma lista que nao assignra.
Nio constando, quer dos documentos pre-
sentados, quer das inf. rmacSes offlciaes. ra
zao por onde se possa aecusar de nullidude se-
melhantecleicao, nao pode deixar ella de ser
considerada legitima.
AQURAZ.
O Parocho deste termo queixa-se de que f-
ra eshulhado do direito de assislir A eleicao, em
consequencia de nao querer elle la/er a cha-
mada pela lista dos votantes apresenlada p1 lo
Jui* de Paz, visto nAo ser ella legitima. Na ac
la porm da sessao da assembla parochial des-
se districto se observa que a lista ofterecida pe
loJui/dePaz tinha sido fielmente extrahida
da que havia sido (ixada na pnita da matriz, e
bern assim que aquello Parodio nao so nao que
ria annuira isto, mas ainda declarara que nao
cedia oseu lugT a nenhum outro, dando isso
motivo a que se cbamasse um sacerdote para
suhstituil-o em ras funecoes. He minba opi
nio que semelhante oceurrencia no pode pre-
judicar aquejla eleicAo.
CASOAVEL.
Noto que entre as actas apparece urna da e-
leico primaria da villa de Gascavel, em a qual
se declara que, principiados os Irahalbos, e a-
chando-seno recebimento das cdulas,o respec-
occor-
lnternalio pela casa dentro, e os meus solda-
dos assentando que aquillo craomisriio que a
ra, la forao ter aos ltimos quartos. r usinha,
etc., sem autoridade nenhorna policial pre
sent, e s da autoridade do tl soldaifo d'Ar
tiliecs. Os man joa licaiAo na cadeia, o sida
do glorioso da sua tallada e espalhafacto. e o
di no da casa insultudo sem remedio, porque
os nossos soldados anda oslan no redo de que
elles sao autoridades competentes para ludo.
Hontem mesmoanode chegou s cadeia res la
capital quelle surrudor do Co que u Diario
da praia ja nao quer n coni ecer por fllio.si ndo
o elle e muito amado. Di/ern que depois da
surra espancou elle nu mandou espantar um
lavrador do rnesmo eugenbo Penanduba Ku
convido a praieirada aira cadeia verificar a
identidade da pesaos, e diga-ue depois, se o
humeni he aquella mesmo que nns eleices de
S,Jos,no guarda de cujas um s servia de senli-
nelle, gritava : quemvemla?se he tat
peba retire-se, se he erdadeiro avance : se
be oquelle mesmo Cami lio (Manoel P. reir),
que nessa poca rnernoravel andava de f2randa
rodella no chapeo, e se o seu fidus Adales, um
tal Gitirana com quem entrou na oadeia, be
um >ujeilinho fusco, que aqui servio de espole-
ta aos dous Villelas. por cuja qualidade foi qua-
hfcad ) (em S. Jos; votante e elegivel. .Mui-
to sem vergonba he esta gente I'udos no ba-
camarte, e ras notas falsas sSo capa/es de che-
gar com as obras, onde o diabo nunca chegou
com o pensamento
Pelo entrudo estahel-ceo-se urna coripanhia
de patuscos no bairro do Recife, gente de ro-
quem as sabe escascar.
Se alguem se consom
Diga oseu nome.
Km mximas he que o Pror hrta nao he la
grand cousa : eisa naxinia asneira). Oca-
vallo m- rio a fume roe a mangedora Se o ca-
vallo est iiioro como pude roer, e roer man-
graoru ? K que querer significar mange-
dora ;' Manjadora sabemos nrs que be urna
piperic de tarirra sobre que se pe a palha das
tiestas 'esse he o seu nome) na estribara; mas
mangtdora? O Propheta deo com as bodes
ro ar. ia Ka irophephia etcti'o, na mxima
asrio
tir
(lARKi nmmm.
Os documentos qje, do Jornal do C'ommer-
ciu abaixo tianscievemos provo claramente,
que a commissao Je poderes leve ordem para ex-
rloir os verdadeiros representantes di Cear.
visto nio poder-se contestar o parecer de um
dos seus membros, nem acbar se meio de en-
caixar o Padre Carapato, e mais alguns seus
corriparces; e como o Cear nao losse urna pro-
rido o menor constrangimento ou circunstan-
cia, passando a mesma a nomear para o substi-
tuir um cidadao. em consequencia de ser o
Coadjutor estrangeiro. Isto porm sendo filbo
da necessidade e conforme mais de urna vez se
tem praticado, de nenbuma sorte pode influir
na validade da el> icao daquelle collegio.
Passo agora a tratar da eleico dos cinco col-
legios restantes, que me parece insustentavel.
GRAMA.
Na apuracao geral feta na Ornara Munici-
pal do Ceai nao foi conten pldo o collegio da
Granja por ebegar na occasiao da apuracao, se-
gundo diz a Cmara no officio que cobre a
acia geral, e por ser o minero de Eleilores ex-
cessnun.ente extraordinario. Essa acta d A fre
guezia da villa da Granja o numero de 3*9 \.
leitores, que, multiplicados por cem, appare-
ce em resultado o numero de 34,900 fogos. Se
dermos a cada um fgo o numero de 5 indivi-
duos, ter-se-ba que urna pequea freguezia nos
serldes do CeaiA ol rece urna populadlo de
174,500 mil almas. Estas simples considera-
cues bastaras para se julgar nulla urna seme-
lhante eleico. Nao obstante, live tambem em
atlcncao a acta da eleicao a que se proceden na -
quella villa em 18V2, e d Ha consta que o nu-
mero ento de Eleitores lora de 23. I'oi-me
preseiite igualmente um oflicio do primeiro sup-
liente do Subdelegado dessa villa, e outro do
Padre Antonio Manoel Diniz Pereira, que ser
vio como Parocho, nos quaes se declara que,
vincia importante, como a patria da maioria do
Ministerio, que em todo ocaso devia ser re-
pres. nlada, nem se acbavao envolvidos com os [ depois de extinctos os trabalhos da junta de que
Deputadosda opposico os Bamiros e Barbozi-i li/ero parte, e de extincU ella, novos traba-
nhas, cortou os representantes de CearA para obrigar-se a- 349 Eleitores.
quella provincia a passar por urna crise terrivel, U Presidente da provincia, nao so no seu of-
a de elci(,oes ccete. Ificioo' 91 de 30 deUulubro, como no de no
O meto que havia era recorrer chicana, ej95de7 de Noveinbro, confirma todooeipen-
dido, declarando que all se proceder crimi-
nosamente. O mesmo observa a Ca.nara da ca-
pital.
A' vista do exposto, entendo que semelhan-
te acta he illegal e nulla, e como t ,1 deve ser
desprezada.
S. BERNARDO.
Tive presente duas actas de duas eleices des-
te districto, urna authentica srgnada pelo Se-
cretario Francisco Xavier das Ghagas, e outra
sem asignatura do Secretario, como recorn-
menda e dispoem as instruccoes.
O Presidente, em seu officio n28, nos diz
que neste collegio houve duas mesas e duas elei-
ces para Eleilores. seguind>.-se dahi lambern
dous collegios eleitoraes, as quaes peitencem
as duas actas. O mesmo Presidente relere, que
mandou processar os que naquelle acto exerc
rAo funecoes <|ue nao Ibes compeliAo. Seja po-
rm como lOr, o certo he que all nao se pode
considerar eleicao alguma prirm ria valida, vis-
to que a validade obsta a divisao do povo em
dttM fraccoes, as quaes produzirao o duplo dos
Eleitores, cuja melado devra sabir do puvo le-
gitimameute reunido e presidido.
He minia opinio que devein ser despreza-
das as duas actas.
MVRAS.
Outro tanto digo das duas ele'coes da villa
das Lavras, porque apparecem duas mesas pri-
marias, dous collegios e duas eleie,des, mili-
lando conseguintemente os mesmos deleites e
irregularidades, que nAo se pdem suppnr.
ARACATY.
Nesla cidade o Juiz de Paz e.Parocho compe-
tente presidem a urna eleicao primaria; um
simples clrigo e Juiz do Paz do um districto
diverso formao c presidem a outra.
Ha a respi ito desta eleigSo os mesmos fun-
damentos para que plenamente se annullemdes-
prezando-se asadas.
CRATO.
No dia marcado o Juiz de Paz e Parocho se
reunirao na matriz e procedrao a eleicao ao
lempo que um dos supplenles do mesmo Juiz,
reunimlo um grupo de 100 a 200 bomens, pro-
cedrSo em lugar aperlado a outra eleica>, ha-
vendo Bssim Eleitores em duplcala, e lorman-
do-se posteriormente dous collegios e duas ac-
tas. Laborando a respectiva eleicao as mes-
mas nullidades, e concorde nos mesmos prin-
cipios, entendo que ambas as eleices lo Ba-
gaes, e por isso devem ser deprez*da. Devo
notar que entre os officios e pecas authenlicas
lipareceum officio do Presidente do Ceara n
99, dedjtade27de Novembro, com o qual
se faz urna succinta. clara e in.parcial analyse
da eleiciO geral. Nello igualmenle ba.-eioa opi-
niao que levo espendida
CONCLCSO.
Em resultado pois, dando como boas e va-
liosas as eleices dos treta primeiros collegios,
contra os quaes nao apparece fundamento razoa-
vel algum, entendo que devem ser recunbeci-
doa como legtimos os Depulados em rjue ieca-
he a maioria dos votos dos mesmos collegios,
que sao justamente os que se a presen taro com
os seus ttulos, havendo apenas diflerenca na
collocncao delles, como se v da ordem se-
guinte :
Dr. Miguel Fcrnandes Vieira 482
Dr. Antonio Jos Machado 4o
Dr. Andr Bastos de Oliveira 438
lirig. deiro Bittancourt 425
Dr. Souza Martins 410
Dr. Figueira de Mello 393
Dr. Jos1 Pereira da Greca 354,
Dr. Baymundo Ferreira de Araujo Lima. 349
xipplentes.
Padre Pinto 255
Dr. Soares 215
Dr. Barros 213
Padre Carlos Augusto Pexoto de Alencar 197
.Noto finalmente cue organizada e decidida
assim a eleico, fica a maioria de votos da par-
te duS oito, em favor dos quaes ainda licarj, se
se figurar qualquer outra hypolhese, lilba do
que se encontr provado'nos respectivos docu-
mentos.
ENSINTACAO DO PADRE CARRAPAT0.
Inclusos adiar cinco mappas relativos as e-
lecoes de Depulados Geraes por nossa provin -
cia. que agora foi que os pude aprompUr, e
delles fer escolhido o melhor e mais con-
veniente :
Omappa n 1 apresenta o resultado de todos
os collegios eleitoraes da provincia, incluidas
nelle as actas dos collegios do Aracalv, S. Ber-
nardo e Lavras, laitas por gente nossa, e des-
prezadas as desses mesmos collegios feitas pelos
Gaii inhs ou gente Carecer, e com esta apu-
racao d um tntimpho completo para nossa cha
pa ; mas, a nao ser admittida a acta da Granja,
que aqui a Gamara exc'uio por ser de 3 9 Elei-
tores, numero que Ihe conveio apurar, bem
como pralicou com a acia do Ciato, designan-
do desta forma os Depulados por nossa provin-
cia, ento nesse caso com ellas devem ser tato-


.1
fig

bem excluidas as do IcA, S. Matheos e Sobral,
ficando quatorze collegios. como so ve do map-
pa n. 2, i" MUBl ''* '*" Miguel era oilavo
lugar e o Sr. Vicente em nono: este mappa
po
,-ria servir se losse verdadeira a noticia de
ie Souza Marlins sahira Deputado pelo Piau-
|iV o que nao ha certoza ; o a nao haver me-
||(,r, serlo os mappas n. 3 c 4, que qualquer
Jelles di bom resultado, com a diflerenca de
que em um entra ocollegio do Aquinz, eem
outro o do Kiaclio do S ngue. pois a entrarem
aml>os dar o mesmo re ultado do mapp* n. 2 ;
e tanto o de n. 3. como o do n. 4 aprsenla a
maioria d' Eleitores da provincia; porm. a
querer-sc appmvar toda a eleicao ("entrando nos
CollejIMl de duplcalas as n issas actas), ento
ncsse caso alii lem o mappa n 5, no qual s-
mente conlemplei do Aracaty a acta dos Cami-
na s, ea nao quaierern senao actas nossas, abi
est o mappa n. 1.
Muito deve ter-se em consideraeao a eleicao
de DepuUdos provinciaes, e ella depende Ja
approvaco das actas na Cmara dos Deputados.
Sea Assembla qu/er -xcluir as actas dos col-
legio* do Aracaty. S. Bernardo o Lavras, bem
como a da Granja, por eicessivo, ento apu-
rando-se assiin, com esta excluso d o resul-
tado que se v da lista n. 6. Pela lista n. 7
ver tambem o que contm, e todo esse tralia-
Ibu vai falto poique, nlo havendp la as actas,
que anda assupponho n..s musdo PitSidonte
Hitancourt, nao podero fazer urna apurarn
geral, e mesniu porque este vapor vai chegar
nos ltimos di.sde Ue/.embro, quando ja a C-
mara se acha constituida pelos Deputadus de ou
tras provincias, e quando j nao resta lempo
para bem medtr-sc neste negocio, principal-
mente nlo bavendo l as actas, corno ja dis>e :
e a vista deste pequeo tiabalbo. se poder!
promover o que melhor convier a provincia a
prol de seus interesses, ha muito privada delles.
Cidade, 7 de Dezembro de 1845.
\'aviosahido nodia 10.
Babia ; sumaca brasileira Sania Atina, Capi-
tal) Jlo Antonio da Silva, carga diversos
generas.
Obtervacdo.
Fundiou no lameiro, o brigue inglez Cyn-
thia, para acabar de carpgar.
nomn
Eiioe*.
le Fevereiro de 1818.
Francisco da Cunha
O Fisca I Antonio do corrente as 10 horasda manhSa em pool",
na ra de Apollo armasen) n. 8. (
gUMWWWBi --.-'
ifecsiac es.
IDoordtimdo Sr Inspector do Arsjnal
de .Marinba Ion do arrematar-se em hasta pu-
lilica, as ll horas do da 13 do correte, um'a
porcia de faijSo e bolacha arruinada propria
visos diversos.



H>Xr^--:*rr'.,r.'-*-
Correspondencia.
Sr$. (eductores. Queiro por favor res-
ponder as seguntes perguntas relativas a cerlos
lacios praticados na comarca de Nazaretb.
1." Seum Supplente do Juiz de Paz pode
eolrar em exercieio como a respectiva Canta-
ra o deterteinou sem ojui de Pal eleito ser
olTiriado e nem a metma Cmara ter ublido des-
te um motivo justo de nao poder exircer tal em-
prego, ou enlo os artigos 17 e 18 das ins
truecoesde 1.de Dettniliro do 1828 j loro
supprimi'los vislo no-seiem obseivados.
>.* Se um Juizde Paz pode na primeira au-
diencia mand.r luvrar t rmo do reveha por nao
achar-se presente o reo, e n- ni ser pessoa do
losa, e alut disto ter participado o estado de
molestia em que se acluva
3. 8o um Inspector de quarteiro pde.de-
pois d piender a um iiminoso csligo! o
com plmalo, das e depois solalo Srs.
Redactores, queiro inserii no seu Diario es-
SaS Imhas pois Ihe licara ansas obngado a
sou constnte leitor
* O Amigo dajustica.
Alfandega.
Rendimento do da 10.......... 4.082$590
Desear rey o hoje 11.
EscunaArchelausmercaduras.
Barca Anioinelleidem.
Rrigue.1 me i hiadem.
'lovii-uento rio l* Navio tahido no da 9.
Bremen ; barca sueca Um, Capillo Rohoman,
carga assucar.
Trieste ; brigue austraco Ruena Matildes,
CapitSo George Maierich, carga assu> ar.
Hamliurgo ; pata lio inglez Archimedes, Ca-
pillo William Harl, carga assucar, algodao
e couros, passageiio a brasileiro Eduardo
Candido de Oliveira
Giliraltar; barca ameiicana Borneo, Capillo
Charles lluntington, carga pimenla.
Parahyba ; biate nacional Conceica Flor de
Virtude, Capillo Mu noel Victorino Jos
Pereira. carga *arios gneros.
Navas entrados no metmo da.
Rio de Janeiro ; 20 das, briguo barca austra-
co Aaik, de 391 toneladas, Capito V.
a Ragulin, equipagem 15, carga lastro, Le
ftvton Scharamm & C
Genova poiGibiallar ; 44 das, e do ultimo 29,
brigue lardo Jo>ephma de 25a tonelada-,
Capito GiovaliM l.happene, equipagem 15,
ctrg.. a-eile doce e mais gneros, Lenoir
Puget 4 C
De ordem do Illm. Sr. Inspector desla The-
zouraria se la' publico para o d iviJo conheci-
mento, a relaclo das p-ncionistas do Estado .
as quaes (icio inhibid is do perceberem sua*
pencoes em quanto nao satisfizerem o que na
mesma relaclo se exige Secretaria da Tho-
/ouraria da Fazenda de Pernambuco? de Fe-
veirode 1813.
O Ofi'i 11 da Secretaria.
Antonio Luiz do Amiral e Sira.
Relaco das pencionistas do Estado, que,ten-
do prestado fanca na Secretaria para apresenta
rem cortides do The/ouro pelas quaes pro-
veo que nao percebem venvin entos por o
colre do metmo Thezouro ainda nosutisi-
zerlo esta condiclo e os prasos, que so Ibes
- oncedeo para este elleito se aclio lindos.
Antonia Cavalcanto d'Albuquerque 2 llancas.
.Mara da Conceicao
a de Mello
dos Remedios Sulgueiro
GoncBlves Barboza, viuva doCirurgiio
Francisco Alejandrino de Ciqueira
Caneca
Florencia, mulber de Joaquim Mala-
qnias Pacheco
Anna Francisca de Barros Lima lita do Anto-
nio de Barros de A mujo
Luiza Freir do Andrade
Bernarda de Jess
Oint.-ria de Souza Cosa
Alexamlrina Fn Aguida de Abren Lima
Augusto, tutor Domingos dos Passos Miranda
Caetana de Abreo Lima
Tlwri'/a Dornellas Pessoa,viuva do Al-
teres Gamillo de Leliz Noronha
Clara Francisca de Mello
Jozepha de Mello B rges
Candida Vana de Avelloz
Roza da Fonceca
' erlia Mara da Fonceca
l ranchea de Paula de Oliveira Pilla
Mara da Silva
Felicia Anlunes de Freitas
Feliciunna Mara
Juo Nepomuceno Xavier de Mendonr;a
loanna Gomes de Jess
.ler.inima Mara da Paz
Justa Rufina dos Sanios Portugal, tutor Mano-x>
el \ iilonio Coelho de Oliveira
Ignez F> licia da Cunha
Luiza de Abreo Lima
TherezadoJ sus Cavalcaoti Correia
Leocadia Hoza da Costa
Miguel, lu'or Francisco Alejandrino de Vas
concellos t-allaca
Marcolino, dito Domingos dos Passos Miranda
Marciolino dito dilo
Mana Rufina di banta Anna
Francisca da lonceca
Ignacia de Jess
>ebastianna do Loreto Mello
da ('onccigao, viuva do Tenente Ma-
chado
Henriqu- ta de Brlo Noronha
Marianna Antonia dos AnjosSoares, 3 flaneas
Marianna Francisca deCorlona
Rila Lourenco Proc pa do Carmo
Thereza Candida da Fonceca Galvo
Vieenle, tutor Domingos dos Passos Miranda
Victorianna Mara do Espirito Santo
Esla conforme.Antonio Lun do Amoral
e MI va.
i Um rapaz Brasileiro de 18 annos de ida -
de, que sabe ler. escrovere contar, ofTerece-se
para ser caixeiro de ra ou de escriplorio de
qualquer casa de commercio, e d fiadores de
sua conducta; quein se quizer ulilsar do seu
para alimento do animaos, pelo que convida se ()reslimu annuncie ou dirja-se a ru das Cinco
a aquellas pessoas, que quiterem tancar sobre
laes generes, compireyo na arinazem do Al
niox' rifado, no da e hora mdic do. Almoxa-
nfado do Arsenal de M >nnba de Pernambuco,
10 de Feveieiro de 1845 O Eerivo interi-
no, Lhristoi fo Santiago de Oliveira (11
Pomas n 11.
(7
Amanhaa, 12 de Fevereiro, se ha de arre-
malar em prai;a do Sr. Dr Juiz do Civel da
segunda vara um escravo da viuva efilbosde
Luiz Eloy Duro.
-O Sr mestre de marcineiro ou carpina
1 -Aadministraeaodos Et,lielecimentos de U(lqui/er r,cebl.r 2 meninos pretos para Ihes
Caridade, mnda fa>er publico a quem convier
que nos das 14 e "21 ilu corrente, e no da 4 de
Marco prximo futuro, irao a praca por arren-
damiento trienal a liba de Nogueira e asseguin-
les cosas, ra do Padre Floriauo n 43 ; 3 ditas
da ra da Calcada ns 32, e 38 ; I dita as
CimoPntas n. 98 ; 1 dila na ra da Viracaoi |j(|rpg
n. 7 ; 1 dita na ra de Horlas n. 33 1 dita
atraz da ra Nova n. 18 ; I dita no atierro da
Boa visla n. 68 ; 1 dita na ra da Gloria n.
05. e 1 dita no beccodo Ojuiabo n 8 ; as con
dieces serao piesentes aos licitantes nos das
indicados as 4 horas da tarde na sala das sesses
da mesma administradlo, onde dever com-
parecer munidos de fiadores. Sala dassessoe
de adminislracao dos Estabebcimentos dela-
rdade8 de Fevereiro de 1845. O Escritura-
rio, F. A. Cavalcanli Cosseiro. (18
8 !! /!
V THEATRO PHILO-ORAMATICO. f
9 f
I Comnanha Italiana. I
9 .. *
| Quinta je'ira \ 3 de f-evereir |
*
Sexecutar-se-ha a segunda representacaott
da opera 5
/ / tiarbiero de Ser alia,
Adores. |
[Marg. LemoS $
9
PertoHagem.
^Rossina, papilla de D. Har-
tlo .......
Hartlo, tutor ....
onde d'Almaviva .
^Fgaro barbiero .
jii). Haailio, mestre de mu-
tg sica........
jjjFlorello, chele da banda de
J' msica......
ijG boro da banda Solda-
dos, &c.......
I
{J. Chaves.
N. N.
Director da orchostra Mr. Grosdidier.
useppeGalleti.X
arlos tticco. ?
Luiz Guu/oni.
' Jlo Toselli.
I^'OOO
Antonio Francisco da Cunha, Fiscal do des
trido de Seberibe. pela Cmara Munici-
pal de linda, &c.
F. co saber aos moradores deste deslricto-
que sio obrigados todos aquelles que pnssuem
terrenos, quedemarco com estradas, a con
serval-as com quaienla palmos de leilo, ea des
ga.'barem quatro vezes poranno as cercas nati-
vas feilas a margem das mesmas estradas, sob
as penas comminadas nos artigos 5 e 15, das
posturas u-unuipoes. E bem assim, que nin
guem lance ou exponha animaes morios ou si
ii.ivivos na.i ras, (iracas, caes e estrados, ean
(es os laca enterrar em covas bastantes fundas e
longo do povoado. Igualmente adverle aos
que compro e vendern por pesos e medidas,
que os deverio quanto antes aferir, sob as pe
as dos arligos 12 e 42 das para que cheguem tacsdisposicoes ao conheci-
mento de todos, he o presente afxado nos luga
res mais pblicos, e pul licado pela imprensa ;
ficando marcado o praso do qumze das, para
que Ibes deem inteira execucao. Boberibe 5
Pceo da entrada.
ilhetes de platea......
*i.adeiias de galera de 1.*, 2.a e 3.
i ordem.........9^000. |
$ Os bilbetes vender-sc-hao na vespera efl
*nu dia no inesioo theatro no pateo do < ol-^.
glegio. |
* .Y B. Na 2." e .V galera podem ir honicnsjT
*e seolioras pe teocentes a oiesnia laoiilia. a>
O espeetaculo principiar as horas do cos-f
tiinie %
Avisos martimos
Para Naiitcs ou Havre por va de Nante
o muito veleiro biigue inglez Emerald, a sahi-
pnr estes 6. ou 8 das, ainda recebe aluns sac;
cus de asucar ou algodo por frete colDIBoduj
a tratai com Rothe $ Itedoulac na ra do Vi-
ario n 4. (fi
1 Para o Bio de Jm iro sahir dentro eo
poucosdiasu biigue americano Feliz, por le
a maior parte uo seu carregamento proinpt..
p deudo ,nuil,i tomar alguma carga miuda a
frete e escritos, paia o que tiata-se com os con
signatarios Firmino J. F. d Roza & Irin^o; na
ru do Vicario n. 25, ou com o Lapilo Joo
Antonio Gomes. (S
1Para o Aracaty saliir iinpreleri\elmenl
no da 18 do correte rom a carga que lem
a bordo o brigue escuna Uennqueta, para car-
go e passaj ou com Novaes & O na ra da Cruz n. 37. (o
i.e 16 s.
ensmar o oflicio morando os mesmos em sua
cosa, dirija-so a ra da Cruz n. 6i.
1Roga se Illm. Sr. Chele de Polica quei-
ra por amor ao publico,mrmcnte a pobresa,que
se a.-lia a morrer de fotne causada por se a-
: ehar o mercado da farjnbn cheio do atravessa -
aquello genero, pois be a da primeira
nec s-idade; a 1 i ha para mais de (rinta atraves-
adores e entre estes < mor parle sao Porlu-
gue/es que lar^o suas tabernas e all v <> re-
tender ao pobre povo a farinba por um alto pre-
co: a farinba que os soldados de Polica levao
para o merend, all vai ser entregue aos taes
manopolistas, e os matulos recebern o seu di-
nlieiro c os atraesodorrR fico revendendo
ao pobre povo pelo duplo do que compruro :
estes factos go pblicos; consta-nos que o Ins-
pector do qiiarleiao daiuelle lugar exigir dos
Ins atrivessadores a licenca que linbao
para assin o (azerem e nppresentarao Ihe
do Illm. Sr. Chefe de Polica a quem ago-
ra rogo queira informar-se do que all se pra-
lica, e dar suas providencias a respeito; tam-
bem roga-seao llim.Sr.Coinmandaute Geral do
ci rpo de P( licia, que.por quem he,esculla sol-
dados para, o lm cima dilo pois entro elles
ha bous e por isso cnpazes de darem cunipri-
menlo as ordena de S. S. (25
1Aluga-se duas moradas de calas terreas
na ra da Alegra da Boa visla ns. 1G o 18,
pmprias para pequea familia por se alugurem
i 7.000 rs. mensaes: a tratar com o propieta-
rio na venda da esquina da ruado Araglo n.
45 ^ (6
1 Joo Hernordino de Moraes e Castro,
retira-fe para Portugal a trotar de sua saude. (2
Precisa-se de una ama de leile ; na ra
das Cruses n. 26.
Precsa-se do urna mulber para criar em
urna casa particular, forra ou cativa; na ra do
((mimado, leja de ferragens n. 4.
5Aluga-se urna preta que saiba cozinhar,
comprar, equeseja fiel, nlo se olfaa a preco,
no largo do Terco na fabrica de licores n. 10;
na mesma fahrica ha superiores licores cha-
mpes agurdenle do remo a 800 rs., aniz a
700 rs e genebra a 750 rs medida velha; sen-
o em grandes poreoes ainda se lar algum a-
bate.
12 LOTHR1A DO CU A DLO PE.
A lotera do Guadelupe que fura preterida
no andamento de suas rodas pelas de S. Pe-
dro Martyr e Iheatro deve correr impreteri-
velmente no dia 15 de Marco como por S.
Ex. o Sr. Presidente da provincia foi confir-
mado. Os b Hieles esto venda as lojas de
cambio na ra da Cadeia do Recife na de
miudezas do Sr. Fortunato proca da Unilo ,
na botica do Sr. Moureira Marques em S.
Antonio na botica do Sr. Couto largo da
Moa-visla e finalmente em 'Muida luja do Sr.
Domingos nos Quatro Cantos. (12
] (i nbaixo ussigoado sabo perleramente
onde se ai lia oeculla o sua preta de nomc Eu-
' razia, fgida nodia 15 de Janeiro do presente
auno, e tein exacto conhecimento da pessoa que
lilos*.....n'.e a occultou por isso roga a esta
mesma pessoa o obzequio do a mandar entre-
gar, a lini de nao passar pelo disgosto de ser em
*ua cosa aprehendida, esoflrera pena da lei.
Juli Nepomoceno Ferieirade Mello.[l
1 Preeisa-se lugar urna escrava para o
se meo de urna casa de poun familia que sai-
ba comprar roziebar eensaboar, dando-
se-ihe o sustento e 10,1000 inensae : na So-
lidiule indo pela Trempe lado esquerdo casa
n. 42. (6
?.- Joao Antonio Coelho barbeiro sangra-
dor e dentista examinado, faz scienle aos seus
frrguezes e a todos que de seu prestimo preci-
saren) que mudou a sua leja da ra Direita
para a ra estrella do llosario n. l'J aonde se
acha prompto a qualquer hora para servir a
quem o procurar com luda a promptido e
(8
2 Kenworlhy & Brender a Brandis conli-
nuaio para liquidadlo por intervenclo do
eorrelor Oliveira o seu leillo de ferragens
linas o grossas rutilara e miudozas, hoje
ori'e do corrente, as 11 horas da manilla,
no seu armasem ra da Cruz. 6
2 Rothe & Bedoulac ar leilao por nter-1 delicadesa possivel
venco do eorrelor Oliveira em preseoca e por I 2 Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
aut' risaco do Sr. Cnsul de Dinamarca e por ra Nova n. ; a tratar no segundo andar Uo
c na e risco de quem pertencer de cerca de niesmo sobrad".
"0 toneladas de guano eslrume) desembarca 1 2Um homem solleiro precisa de urna cria-
do de bordo do brigue Prolews; quarta lelra, 1 i \ da : em Frade-poilas, casa terrea n 30. (2
l


i-*>$. .........iiiyjM
O Sr. Jos Antonio Crrela Gome qaeira
ir a ra Nova n. 41, a negocio de seu intercsse.
= Aluga-se o primeiro andar do sobra do da
ra do l.ivramenlun. 'i ; a tratar na ioja do
mesmo sobrado n. 8.
O Sr do armasein de assucar que no
da -21 do Dezembro doanno p. p. deo em pa-
gamento de uma porco de assucar, que com-
prou uma das notas de 200# rs roubadas do
Thesouro Publico Nacional ha.ja de no praso
de 8 dias mandal-a substituir por outra que
verdadeira seja alias alm de se declarar o
seu nome para que o publico o Oque condecen-
do se proceder criminalmente contra sua
pessoa, para o queja tem o annuncianto as ne-
tessarias provas.
Precisa-so de uma ama para o servico de
uma pessoa solteira ; na ra de Hortas n. 68.
1 Aluga-se o primeiro andar do sobrado
da ra Direita n. 137, com muitos commodos,
quintal bastante grande, cacimba com boa agoa;
a tratar na ra do Crespo Ioja n. 15. (4
1 Troca-se um escravo de todo o servico,
de 30 a 40 annos por um moleque dn 10 a 12
annos ; quem quizer annuncie. .!
1 Troco-se 3 imagens de jaspe sendo
uma S. Anna com N. S. outra N. S. das Do-
res todas muibem feitas por outras de pao,
mesmo de outros nomes ; quem quizer annun-
cie. n
i Troca-se uma marqueza de amarello
qtiasi nova por um sof de qualquer madeira,
que esteja em bom uso e volta-se o que for
justo; quem quizer annuncie. (4
1 Troca-se um bom relogio de prata dou-
rada mui chatinhoe dos modernos por ou-
tro de igual qualidude que seja de ouro e
volta-se a difTerenca ; quem quizer annuncie. A
1 Quem precisar de uma escrava cosinhei-
ra, dirija-s-a ra Velha n. 83. (2
1 Na padaria da ra larga do Rosario n.
48 precisa se do um forneiro quo ontenda
bem de seu offlcio. (3
t Aluga-se uma casa terea, com bons com-
modos ; na ra do Camarao ; a tratar no Atier-
ro da Boa-vista n. 34 (3
1 Peie-se ao Sr. Luiz Jacinto Raposo, cm-
pregado no deposito de farinha do Sor, Maga-
ihaes Bastos actualmente morador na ra
Helia n. 2 que baja de mandar pagar quantc
antes o aluguel, da casa, donde prximamen-
te se mudou seno quer ter o desgosto de ler
neste Diario a historia de seu procedlmenlo ,
alm de se buscar o recurro da lei. 8
1 Roga-se ao Sr. Jorge Alves do Nascimen
to, mestre alaiate.ide ir a venda em que tem um
penhor para o resgatar, isto no praso de 8 dias.e
quando o[nao laca ser o dito penhor vendido
para pagamento do annunciante e litando
tnesnio sem responsabilidade algu na. ,0
1O Professor de msica Antonio Wences-
lao Chaves com a sua familia embarca-se para
a I iba dos Acores a tratar de sua saude; o mes-
mo Professor avisa aos amadores de msica,
que sequizerem utilisar de boas msicas de
piano como de cantona de raneca simpho-
nia variaedes melhodus, quadrilhas e val-
sas dirijao-se a ra Nova n 5 segundo an-
dar. (8
1Exequiel faz sciente aosseus discpulos,
e aquellas pessoas que de seu presumo se
quizerera utiiisar, que no da 1-2 do torrente
continua a dar liges du dansa na traversa dos
Expustos sobrado n. 10, primeiro andar. (5
I O bachaiel formado abaixo asignado ad-
voga no civel e crime e pode para isso ser
procurado na casa de sua residencia na ra das
Cinco-Pontas n. 11, onde contina a ensinar
particularmente a lingoa latina, podendo ad-
mittir anda alguns alumnos, externos e dous
ou trez pensionistas por mais mdico preco quo
em outra qualquer aula e com as mesmas van
tagens. O mismo abaixo assignado comprme! <
te-se a dar promplo na dita lingoa a qualquer
estudante que nao for otetramente estpido,
em dous annos seguidos, e em menos lempo a
quem (juer que ja tiver alguns principios de
grammatica. Lourenco Avellino de Abuquer-
que Mello. (lo
22= A medicina popular americana, eas
pilulas vegetaes que,lia muitos annos, esto em
uso em tildones paizei tropicaes, tem se prova-
do como uma medicina inestimavel, sendo pre-
parada de proposito pura clima qucnlc, e com-
posta de ingredientes que nem requerem dieta
nem resguardo u pode ser administrada a cri-
anza mais tenra.
Cada caixinha leva o seu receituano, cusa
ijO(ii) ris a medicina pupuiare americana de
30 pilulas, e 800 ris as pilulas vegetaes do Ijr
Brandreth de25 pilulas
Avisa-se ao publico que a medicina popular
anda nao appareceo falsilicada, e para maior
segurante das verdadeiras pilulas vegetaes
vende-so de boje em diante cada caixinha em-
brulhada no seu receituario fechado com a firma
dos nicos agentes para o lirasil no Rio Janeiro.
Vende-se nesta prata em casa do nico agen-
te Joan Keller ra da Cruz n. 18, c para maior
commodidade dos compradores na ra da Ca
deia em casa da Y uva Carduso Ajres, ra No-
va (juerra Silva e Companhia, Atierro da lioa-
vista. Salle* e Chaves. 'i
2__ Aluga-se o armasem da casa da ra es-
trella do Rosario o. 22 ; a tratar na ra do
yui-imado ioja o. 23. '3
ii.- J____=
3. ADMIRAVEIS
\ V V.U.IIAS RE AC0 HA CHINA.
Tem a vantagem de cortar o cabello sem of-
fenca da pelle deixando acara parecendo es-
tar na sua brilhante mocidade.
Este ac vem excluzivamente da China e s
nello trabalhao dous dos melbores e mais aba-
Usados cutileiros da nunca excedida e rica ci-
Autor Shore.
N. B. Un recommendado o uso destas na
valhas maravilhosas, por todas as sociedades
las sciencias medico-cirurgicas, tanto da Eu-
ropa como da America Asia o frica nao
sopara prevenir as molestias da cutis, mas
tambem como um meto cosmtico.
Vendom-se nicamente, na ra do Crespo,
Ioja n. 12, de Jos Joaquim da Silva Maia. (15
'lPrecisa-se de duas pessoas forras ou
captivas que entendao de abrir viveiro ; na
ra da Praia n. 2. (3
20 abaixo assignado roga ao Sr. Reveren-
do Vgario da freguesia da Varzea que nao
acceite o assento de allorria de 1 moleque fltho
de uma sua escravade nome Thbresa a qual
se acha em poder deD. Mara Gomes da Con-
reieio pois que o dito moleque he verdadei-
rament i captivo delle supplicante Francisco de
Salles Cavalcanli de Albuquerque ; assim como
tambem faz saber ao respcitavel publico, que
n >o seja aeccita em qualquer tribunal ou com-
inertio proi'iiratao bastante passada em seu no-
me salvo se for na pessoa do Sr. Francisco de
Salles Cavalcanti de Albuquerque o qual he
seu verdadeiro procurador. Ser nulla toda e
qualquer asignatura quepossa apparecerem
su nome a qual nao seja por lettra do rele i-
doseu procurador. Francisco Jo da Silva
hitas. (15
2 Luiz Pcreira Baposo, Brasileiro adopti-
vo retira se para a Ilha de S. Miguel levando
aro sua companhia sua lamilla. (3
2Pesappareceo na noute de 7 do corrente
da casa do Engenheiro Botoman, na ilha de Se-
vu um tavallo que se julga ter sido furtado ,
o qual tem os signaes seguintes : cor castanha ,
duas cicatrizas no lornoselo da mao direita, e no
lugar do sellim um pequeo inchago ; quem o
achar e quizer restituir, ser generosamento
recompensado. (8
2Vende-se um preto de 10 annos, de bo-
nita figura proprio para qualquer servico ; 1
dito offlcial de alaiate, e lie cosinheiro ; duas
pretas de todo o sorvlco lavadeiras o quitan-
deiras; uma dita de "20 annos, osturcira,
engommadeira faz lavarinto e birda para
fra da provincia ; urna parda do 18 annos ,
mucama recolhida costureira e engommadei-
ra ; na ra Direita n. 81. (8
2 Vendom-so 4 escravas mofas, de boas
figuras, coslnhao er.gommao o lavo ; urna
dita de 20 annos costureira de corlar e fuer
vestidos de senhora e camisas de homem ; 3 es-
cravos para u servico de campo ; um dito do 40
dir o motivo da venda; a tratar na mesma
villa com Francisco Felis do Val Peixoto ou
no Recife. na ra Nova, Ioja n. 32, de Manoel
do Amparo Caj. il2
1 Vende-se um cavallo, multo novo e bom
carregador ; na ra Nova Ioja n. 16. (2
1 Vende-se uma escrava de 30 annos, co-
se, cosinha, engomma, e faz renda, tudo com
perfefcao sem vicios nem achaques o moti-
vo da venda se dir ao comprador ; na ra do
Livramonto n. tt. (5
1 Vende-so uma barcada em muito bom
estado que carrega 22 calas; um escravo
de 19 annos ; um mulatinho de 9 annos quo---------,-------
tambem se troca por uma escrava que cosinhe annos bom coinbelro deurn tudo; na ra do
eengomme, voltando se o que se convenci-Crespo n. 10, primeiro andar. ;(>
nar; sebo do Aracaty de muito boa qualida- V. 2 Vende-se sarja preta larga muito boa ,
de, em barris pelles de cabra cera de car- 'los de linn branos e prelos hicos pretos de
naba e bezerros surrados ; na ra da Cruz I seda meis pretal Inglesas sapstos da tilas
n. 3 segnndo andar. (8 asqualidades e outras fasendas proprias para
1Vende-se superior cha bisson a l'HO rs. a a Quaresma por prego enmmodo ; na ruado
libra ; na venda da esquinada ra do Arago Cabug lojas de fasendas ns. 4 e ti, de Pereira
n. 43. (3|#Guedes. O
1Vende-se uma preta crioula de 18 an-j 2-Vende-se uma casa de i andares com
nos, de bonita figura ; na ra do Vigario, ar- quintal murado e cacimba muito forte por ser
masern de assucar n. 24. (3 do constroccao anliga sita na ra de S. Fran-
g Vendem-se sarjas esetins pretos lavra- cisco, defronte da cadeia n. 26 ; a fallar cora
dos, ditos lisos, meiasdeseda preta para so- o pioprietaro no sogundo andar da mesma
nhora luvasdeseda prota curtas e compri- casa. (
das, com dedos e sem elles chapos pretos 2 Vende-se uma casa com b >ns commodos,
francezes da melhor qualidade chales de seda com sitio frente murada propria para so
preta, merino preto muito fino, ricas sedas edificaren) I casas com boa largura, e fundos
brancas lavradas, lindas flores de laranja, bor- sufflcientos nos Afogados, defronte do becco
zeguins para homem o sentura, sapatos do lus- do Rosario n. 96; a tratar com o Major Nas-
tro para senhora e meninas e outras umitas cimento na Roa-vista. 6
fasendasde gosto ; na ra Nova, lojas fran- 5Vende-se no deposito da praca da S. Cruz,
cezas n. 8, e na esquina da ra do Cabug n por baixo do sobrado o. 12.7, acucar retinado
11, junto a botica do Sr. Joao Moreira. (10 e de todas as mais qualidades assim como ca-
1 VenJe-se uma porcao de tamarindos, lem grao e superior cha hisson todo por
dos grandes a 1/ rs. o alqueire ; na estrada de preco commodo ; no mesmo deposito se precf-
Joo de Barros, defronte do Exm. Vizconde de sa de um pequeo pura caixeiro. |6
Goianna sitio da esquina que volta para S. 2Vende-so uma parda moca ; na ra do
Compras
Coinpra-se efectivamente nesta Typogra-
phia toda a qualidade de pannos cortados ou
velhos, sujos, ou limpos aparas de papel, pa-
pelo e toda a qualidade de papis velhos.
I Comprao-se electivamente para fra da
provincia escravos de )2 a 20 annos sendo
do b triitas figuras pago-se bem ; na ra da
Cadeia de S. Antonio sobrado de um andar de
vuranda de pao n. 20. (5
1 Compra-se uma corrente de ouro para
relogio mesmo sem chave, e sem feilio; quem
tiver annuncie. (3
1 Compra-se um re fe e tercado para guar-
da nacional, que esteja em bom uso ; na ra
de Hortas n. 64 ,3
Comprao-se qualro milheiros de tullas ,
e 4 ditos de lijlos de ladrilhu sendo de boa
qualidade ; no principio do Atierro dos Afoga-
dos n. 31.
Comprao-se enloites para cintei/o de me-
nino sendo do ouro de lei e sem leitio ; quem
tiver annuncie.
Cabug n. 16. (2
S As Dcadas de Joo de Barros conti-
nuadas por Diogo do Couto -i volumes in 8."
portuguez ntida edico de Lisboa, oncader-
nac.o inteira. Vendem-se pelo mdico preco
de 5lf rs na Ioja de livros da viuva Cerdoso
Ayres ra da Cadeia do Recife. (6
4 Vende-se farinha de mandioca; abordo
do hiate Flor d Recife, Tundeado defrunte do
caos do Collegio. (3
Vendas
t Vende-se urna escrava de Angola de 25
annos cosinha e lava; na ra da Cruz n. SI. |2
1 \ende-se urna canoa que carrega um
milheiro de lijlos, bem construida e multo
foite; a troco de lijlo; na ra da Cruz n. 02. |2
i Vendem-se apparelbos para cha, do por-
celana dourada a 2o/ rs. com duas duzias ,
chicaras e pires douraos a 6# rs. a duzia, man-
gas de vidro a 8/ rs. o par garrafas de cristal
para vinho compoteiras para doco porta-li-
cores clices lapidados para vinho calhetei-
ras para azite e vinagre, ludo muito em conta,
e por menos que em outra qualquir parle ; na
ra da Cruz n. 62. 8
Vende-se urna escrava moca de bonita fi-
gura de muito bons costumes coze e em-
gomma sollrivelmente eperitima 011 todo o
mais servido de urna : na ra Nova n. 35.
Vendem-se libras de reros preto azul
ferrete e sortido ern cores de pnmeira qualida-
de resmas de papel oe meia holanda ditas de
almaco branco e azul di primeira e seguuda
qualidade ditas de peso branco e caixinbas de
logo americano por barato prego : na Ioja de
fiiiudezs da prac da Independencia n. 4
c;l Vende-se urna botica cornos fundos de
t:$00T8. poucomaisou menos, na villa de
Mamanguupe, distante da Caramba 12 leguas;
assim como duas moradas de casas de taipa ,
bem construidas uma di lias ha 6 anuos,
com 6 quarlus e4 salas, mais um sitio perto
da mesma villa com meit iegoa de Ierra e
casa de laipa cubera de tulla e outras casinbas
de palha para escravos ; tambem permula-se
por um sitio perto detta praca, ou por escra-
vos faz-te todo o negocio ao comprador ta j
Amaro. (s
1 Vende-se uma preta moca de bonita fi-
gura, e bem prendada ; na ra do Crespo, Io-
ja n. 4. (3
I Vende-se um carro de 4 rodas, em bom
uso e muito forte propiio para familia : na
ra do Aurora n. 62. [3
IVendem-se saccas com 5 quarlas de fei-
jao mulatinho muito novo sola escolhida ,
cera de carnauba couros de cabra escolhidos,
peonas de ema e cera amarella tudo por
preco commodo ; na ra da Cruz n. 5). (5
= Yende-se uma bonita mucama de 14 an-
nos vende-se por preciso coze muito bem e
faz o mais servico de uma casa ; no Atierro da
Boa-vista n. 26.
Vende-se farinha chegada, ha 15 dias, de
Cravelas de superior qualidade a granel, ou
eusaccada ; no arco de S. Antonio, Ioja n. 2.
Vende-se, para fra da provincia uma
escrava crioula de 18 annos, de bonita figu-
ra perfelta costureira engommadeira e co-
sinheira ; no pateo da Penha n. 4.
Vende-se cevadinha de boa qualidade, a
4/ rs. a arroba em barris de duas arrobas e
meia ; ua ra da Cruz armasein n. 48.
Vendem-se meias de seda de peso pro-
prias para padres sendo de muito boa qua-
lidade ; na ra da Cruz armasein n. 48.
Vende-se um pardinho escuro de 8 an-
nos muito vivo e habilidoso ; na ra das Cru-
zes n. 39.
Vende-se, por 100^ rs., uma canoa de car-
regar agoa com muito bons encolamentos ;
na ra Nova venda n 65.
2 Vende-se uma casa terrea de pedra e cal,
com 'i camurinlias quintal grande, na cidade
de Olinda na ra que vai do Amparo para a
Misericordia ; no eslaleiro defronte do conven-
to deS. Francisco a tallar com o seu propie-
tario Manoel da Silva Mariz. (6
2Vende-se um cavallo novo, carregador bai-1
xo e mullo proptio para carro; no paleo do do estopa|, e ceroulas de algodoiinho : quem
Carino n. 20. (3 j 0 pegar, leve a estrada de Jom de Barros de-
^2VflOde-M urna rabeca de exccllentes vozes, fronte do Exm Viscundu de Golauna. tf
eos eguiutes litros : diccionario inalez cum^-'-'-. Do-se b/V ra. de gralllcbco a quem
prunuucia historia de Inglaterra atlas geo- pegar um morque de nomo Antonio, baixo ,
liiplnco geographia univei'sal com cartas, teeco bem paiecid eespeilo tem urna ii.ar-
eslainpas dos habitantes o inocuas de tudas as Ca no peito reprsenla l a 18 anuos ; fuglo
naces 4 v. ; ensaio sobre o costumes ees- no da "24 de Janeiio p. p.; levou camisa de ma-
Eseravos futidos
1 Fugiro no da 5 do corrente dous mole-
qnes crioulos um de 20 annos, de nome Be-
nedicto, estatura regular, secco do corpo, bem
preto e bem (eilo do corpo ps e mos. o
outro de nome Seralim de 14 annos meio
lulo estatura regular para a idade, urna quei-
madura.na moe outra no joelbo,autigas;a.7itjos
fallobem e sao mui condecidos por andarem
de manbaa venderem flores e ps do ditas,
e de larde- azeile de carrapato ; levarlo camisa
de fazenda azul dn aLo.no e caigas tambem
azues, Mas desbotadas; quem os pegar, leve a
Solidado a seu senhor Francisco Jos de Souza,
casa n. 7 que ser generosamente recompen-
sado. (12
1 Fugio o preto crioulo de nome Fran-
cisco baixo, tbeio do corpo, rosto ii-doodo,
denles alvos e sem (alta de nenbum peinas
linas ps pequeuos nal venlbas tem bastan-
tes cicalrires, as nadegas grandes desappare-
ceo na madrugada do da ; quem o pegar, le-
ve a casa de Manoel Jos Gousalves Braga ou
em sua Ioja no arco de S. Antonio que ser
gratificado. 8
i Fugio de Jofio Ncpomuceno l'crrcira de
Mello no da 8 do corrente um preto (le uume
Antonio, de naci Congo, reprsenla le 50
anuos baixo e obelo do corpo ; levou camisa
pinto de todas as incoes e sobre os principaes
latios da historia 8 v. ; as carias geogiaphi-
ta> em ponto grande Oracio por StlO rs. ; se-
cretario porluguez manual de philosophia,
ludo por preco commodo ; no pateo do Carmo
n.3. (10
2 Vende-se uma casaca e urnas calcas no-
vas de panno tino preto ; no paleo do Carino
n. 3, luja Ue allante. 3
'i Vende-se urna oegrinba de 16 annos, do
naco com principios de costura e engomo.a-
do ; urna diia de 14 annos recolhida cose e
faz uein lavarinto ; urna mulalinua de 10 an-
uos, cose, engomma, e be ptima para muca-
ma ; uui moleque de iiavo bom cosinheiro ; i
di to de I annos, cosinha bem o diario de uma
casa ; um aito da mesma idade com ofiicio de
allante ; > esciavjs de naco, quitandeiras e
lavaueuas ; um moleque do 9 anuos muito
espolio lodode boa conductas o que se
a Un lita ; na ra Direita n. 3. ilO
-Vende-se a venda nova da ra das Cinco-
pona n. loo, cornos luidos que pretenderem,
o aluguel be muito barato isto para pagar aos
electores da mesma venda ; a tratar na mesma.
4Vende-se a mais bem fabricada tinta de
escrever ; na ra do do Livrameulo Ioja n.
34, e no paleo do Carmo o. 22.
dapolo e calcas de rucado ; quem o pegar, le-
ve d ra da Cadeia do Recife ioja de leiragens
ii. 56 ou na Passageili, no sillo eolio o liiea-.
tro o a ponte pequeua que recebar a gratifica -
oa cima. (8
200^000 rs. de j;ratficacao
3 A quem dei noticias di) dous escravos ,
que no dia l!) para 20 do p. p. lu^uo, ou fur-
tio do sitio da viuva Vasconcelos na estra-
da dos Remedios, os 4uaes (uem os signaos se-
guintes : Domingos de naco Congo baixo,
cor prota com urna cicatriz na cabeca, le-
vou camisa d bata vente e calcas de riscauo.
Pompeo alto, reforcudo cor lula roslo re-
dondo beigos grosos denles ubt-ilos na I ren-
to com signaes de sua Ierra poi ludo o t..i|.o
e rosto ; levou camisa de biim blanco o caigas
de nscado; quem os pegar lera a gratificado
a cima levaudo-os ao dito sitie, ou ua ra de
Aguas-verdes n 46. 13
Fugio no na de naco Bengueila de 50 anuos {. lovou
panno azul com oiela branca conserva sem-
pre na caneca un lengo orunco ; quem a pegar,
leve a ra das Cruzes n. 'J.
PERN1 TTP- DB M. I DEFAMA l8qf.



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3MWJ7WKH_USOYXI INGEST_TIME 2013-04-12T23:02:20Z PACKAGE AA00011611_05290
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES