Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05277


This item is only available as the following downloads:


Full Text
vimoqel3H5o Segunda Felra 27
O Diario publici-se lodo ni diaeqaanao Corea nlifi-a dos : o yuqo da asignatura
be re t'*a mil m. por quartel pago* adienlado* Os annunciosdos asaignantes sao inseridoa
b rasuo de '_' ris por linlia. 4o res m typo iliflerente, e as repelit.'iies pela anielade 0
que nao foresa assignantaa paglo reispo- I nl>s,1flU e typo difiranle,poi csdapublicacao.
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
gUMaA., Paianrba, segundase sextas furas.Rio (irandr do Norle, ebega a 8 22 e par
\ 10o 'i4.Cabo, Serinbaem, KioFormoao, Macer, PortoCalto, Alagues; no 1. =
Y" SlHacada ntei. Garanhuns, llonito s IU a ~H da cana mei soa-vista a Fio-
!',''<* -& dito. Cidade da Victoria quinlai Cairas.Olinda iodos oa diaa
DAS da semana.
27 Seg Vitahauo And. do J. de II. da 2. .
JS Teron a. Cjrrillo Ral. aud. do J. da D.d 4. t.
JO Iguaria a Ved o. And J. da D. da 3 t.
30 Quinta a .Vnrlinba. And do J da D da 4. t ,
31 Seila Cjro. d. do J de D da 1. fia
i Sab. s Ignacii Bal. aud do J. 'J t5". Purilica.;3o de N Senbcra
de Janeiro.
Ahii VYk 1N. '21.
BJ M
Tudo agora dapanue da aoa aesaos; da nossa prudencia, -"Oiieracjjo- en
tinutmoi ooao principiiaioa e aerea! apodados com admirajao entra a- n.
cultas. (Proclamaba.- da Asjeablca Geral do aiaiil.
tipa: eoai
-Oes nai
bloiaobra Lonure 96 |l
u Paria 5HU rea por (raneo
I.isboa i'. por lOU de praaaiu
Jocda de aobre ao par
Idaaa da leiraa Js 'M:* firaaai 1 poroso
camiioi o k|t fl ur. JAXano.
Our-Moedade 0,400
a N.
da 4.1XK
Prata--t*atec6e.
Pesos coluaaasoares
a Ditos mncanos
17 UUU
l.Mit)
7,400
4.S3U
i.y.i
l,l>.0
teada
17,-.'00
17,toO
),tU0
1 o
1 iU
a.'v-uxtjsau.ju. laiifiiiin m ni i i in huiihi
ajpjpjajpjpjgpjsjnjsjaajaaja -n......- tt -
PHASES DA LA NO MEZ DE J .M-IUO.
L'aaora a S as 4 h a 5,'atin.dsiu.
desce* a 15 as 6 horai e 31a da ni
Prtam n da inanli.ia f 5^-unda as S bufU 6 minutos da lardr
--: aa.vciiaia.a-. SahiWI
i La abala a J3 as ll boras e 59 alia, da m
I Mntuaiia i'U H horas a .-jG ain ds ai.
P.imiirs 7 hors-. 4
DIARIO DE
im-.KW.-j.nn^.ii
iatssssaatasssasssaBBM BBaMaJaTaTaTWasI ^*t """ *,-~-'1 v I aangaMO
-i ..-:-,. ...... sr: iSISS
arSPKJaigaaH^JSjSJU
PARTE OFF'iCIA!
Governo da Provincia
EXPEDIENTE DO DI A 21 DO CORRENTE.
OUlcioAoComrr.andanti) das Armas, de-
clarando em respos',o ao st te me/., que, atipla a cenerica disposicao do
aviso de 30 de Outubro do anna prximo pas
sado, que mariCj0Ui que a rompanhia Je Art-
fice* ficasse i mmediatamente sujeila ao Direct r
do Arsenal jsenta de entrar no detallie do
servico d guarnicao, excepto em casus urgen-
tes, pi'.r ili'terminacao do Presidente da pro-
vincia, parece, queestn ella fura da regra dos
ou'.ros corpos, para os quaes be da attnbuico
ios Commandantes das Armas permittirem as
pagsagens dos lnferinres e soldados, nos termos
do $ :. do artigo 7.' do regulamento do 8 de
Mudel843.
dem do da 22.
OIBcio AoCommandante das Armas, com-
municando ter concedido licenr^a, para couti
nuar os >eus estudos ao 1. Cadete Jos Joa-
quim Coelho Jnior, cujo requerimentoocom-
panhou o seu odicio de 20 d'este mez.
DitoAo Engenbeiro em Chefe das Obras
Publicas, autorisando o aier a calcada in-
terior, de qned precisar o edificio destina
do para o Lyco; declarando-lbe que a res-
pectiva importancia ser tirada do 1. orna-
mento; e significan lo, que deve Cazer o do for-
ro da sala das actos para ento resolver-se a
respe i lo.
DitoAo Commandante do 2. bataliao de
Guarda Nacional do Cabo, ordenando, que va
substituir o respectivo Commandante Superior,
em quanto estivor no gose da licenca; visto a-
cbar se doenteo Chefe da 1.* LegiSo, que es-
lava designad) para esta substituico.Deter-
ininou-se ao Commandante do l.abatalho.que
osse substituir o supramencionado Cbefe de
J.egiSo; e communicou-se ao Cummandanto
Superior.
DitoAo Secretario da provincia ; Manoi-I
Figoeira de Paria declarando, que o ExiP.
Sr. Presidente acceitou a sua demissao do lugar
de Thesoureiro da lotera do Seminario do
linda, e que para o substituir nomeuu Joao
Cardoso Ayres.Commdnicou-se ao nomeado.
doSul, teem por mais de 9 annos alimentado
a guerra civil.
As relacoes pacificas e amigaveiscom as .Yi-
ces estrangeiras continuo inafteada^, e s t i
sollicito em mantel as sem quebra da dignidadi-
e interesses do imperio.
A industria nacional em todos os seus diver-
sos ramos oceupaminba especial atlcnco, 8 re-
clama igualmente a vossa.
Os meus Ministros e Secretarios de Estado
nos seus relatnos vos darao conta Jos negocios
concernen tes s su as repartieres.
Augustos e I)inissimos Srs. Representantes
da Nagao! Da perleita barmonia enlre os pode-
res polticos do Estado, e de vossos patriticos
e bem dirigidos Irabalhos. reunidos a meus des-
velos, espero ver cada ve' mais firmadas as ins-
tituices do paiz, e consolidada a paz publica
em todo o imperio.Est aberta a ses-iio.
Concluida a leitura, retirrao-so SS. M.M.
com as inesinas ceremonias Ja recepeo.
Pareceres da Commisttlo de Podere sobre os
diplomas dos epuladotd'etla provincia, e
da de Goiaz.
a A CommissSo de Poderes, tendo de emit -
tir sua opinio sobre os diplomas dos Srs An-
tonio Alonso Ferreira, Urbano Sabino Pessoa
de Mello, Manoel Ignacio de Carvalbo IMen para o qu se expeto as precisas ordens, visto se-
donca, Jeronymo Villela de Castro Tavares, l rem os que, na Irma da acta apurada por esta
loaquim iNunes Alachado, Antonio Joaquim de iCommissao, sao contemplados Deputados.
Mello, Antonio da Costa Rogo Monteiro, Al-j Paco da Cmara. 28 de Deembro de 8iV,
varo Barbalho Ucha, Deputados da provincia Antonio Carlos R. de Andrada Machado e
de Pernambuco, e do Sr. Jos Thoinaz Nabu-'Silva VI. J. de Sousa 1'ranQa. Thnmaz I ra para que o Paiocho oinitlisse uin dos appel-
i) de Araujo, supplento da mesina provincia, Gomes dos Santos.I. Anto.J. da Cunta | lidos com que te assigoa sempre e principal-
Ires collegtn* acontados, julga niio dover esten-
der sobre elles o desagradavel rigor que l'oi (or-
eada a exercercom os primeiros.
He pois a Commisso de parecer :
1. (Jue se annull m oh :ollegio< verdadoiros
ou ilouuhadoa dn Cabo.Ouricury e Garanhuns,
e que os votos nelles obtidos so eliininem aos
que os obt verao, e assim novainenle se apure a
acta geral
2. Que pela acta assim apurada, visto esta
rem em tudo o mais conformes os diplomas a-
presentados, sejao reconhecidos Deputados ef
lectivos os Srs. Antonio Aflonso l'erreira, Ur-
bano Sabino Pessoa de Mello, Joaquim Nunes
Machado, Antonio Joaquim de Mello, Mano-
el Ignacio de Carvalbo Mendonca, Jeronvino
\ illela de (]astro lavares Antonio da Costa
Reg Monteiro; e quanto aos Srs. Alvaro Bar-
balho cha Cavalcanti e Jos Thoinaz Nabu-
co de Arau|o, como a vista da nova apurariio
be o Sr. Alvaro Barbalho prinieiro supplente, e
oSr. Jos Thnmaz Nabuco supplente mais re-
moto, seja o Sr Alvaro Rarbalho adonttido
como supplente do Sr. Pedro Francisco de Pau-
la Cavalcanti de Albuquerque.
3. Que sejo chamados para tomar assento
os Srs. Francisco Muniz Tavares, Felis Pei-
xoto de Rnto e Mello e Philippe Lopes Neto,
posto que considere lavrada a sentnea que me
repello desle recinto, eu quero ao menos quei -
iar-medella, j que nao ha nutro recurso.
A nobre commissao decide peremptoriamen-
te que se devem eliminar por nullos os collegios
de Ouricury, Caranlius e Cabo; mas(]uaeses-
las nullidades sao que inuu/.irao a nobre com-
missao a pronunciar se com tanta austeridade ,
e tal de que na i lia memoria nos aunaos do nos
so parlamento? AnnaUsemos o parecer :
O colli'gio do Ouricury he nulln : l.u, por-
que a freguezia de Ouricury de 31 Eleilores su-
bi a 98 ; 2.u. porque esta fregu-zia do sen
molu proprio seorgueo em collegio quando
nunca por tal foi recnnhecido. (Quanto pri-
meira nullidade a eummuSo se lundou neste
documento (niostrando-o), o qual Ihe foi mi-
nistrado pelos nobres Deputados da minba pro-
vincia ; mai que documento be este? Segn--
to a sua denomina(;ao, lio um diploma ou ccr-
lidao extrahida da neta das oleteos primarias a
que se procedoo tiesta fregue/ia acta que foi
no depois reformada para so elevar o numero do
Eleitores de 21 a 98 : esto documento, que
tanta f inspirou nobre commissao, ou o con-
sidero apocrvpbo e nao verdadeiro nao sti por-
que as assignaturai dello foro reconhecidas por
um Escrivo do Paz, quando alias no lugar ba
Tabelles pblicos como tambem, e princi-
palmente, porque o Parodio desaa freguezia as-
signou com o nome de Francisco Antonio da
Cimba, quando alias ello se chama Francisco
Antonio da Cunlia Peteira. ( )ue razao bave-
depoii de comparar os ditos diplomas com a ac
ta geral, e estas com as parciaes, entrou na con-
siderado da legilidade do todo e de suas partes,
e de semelhante indagacao nasceo a necessida-
de da annullacao do algumas das actas parciaes,
ja por falta da observancia das proscripcoos lo-
gaes, j por violencias e fraudes que inquinavao
oseuandamento.Nao.se demora a Commissao
>m pesar o chamado collegio de Taquaratinga
Barbosa.
A Commissao, tendo em vista os diplomas
dos Srs I). Manoel de Assis Mascaronbas e An-
uiente em um papel que exige toda a aulhonti-
cidade ? Aqui estao tro/ documentos (mostran-
tlo-os); por elles veris, Sonliores, que o nome
tomo Furreira d >s Santos Azovedo, achando os: do \ igario nao he esse com que elle est assig-
nado : compara! as assignaturas de um e outro
conforme a acta geial, o esta com as actas par-
ciaes, e nao vendo em todo o processo da elei-
cSo irrogularidado alguma importanto be de
parecer que sejao declarados Deputados pela
documento, o veris a dessemelhanca de lettra:
essedocumento poisn nhuma credibilidade me-
rece. Quanto segunda nullidade me parece
que a nobre commissao nao pz a queslo com
provincia do (oyaz os Srs. D. Manoel de \ssi
por tel-a alliviado d'osta tarla a Cmara Mu- Mascaronbas e Antonio Ferreira dos Santos A- aquella lucidez que era necessara para ficar ao
tiicipal da capital, que o desprezou nao o con- i zevedo. alcance dos nobres Deputados que nao estao in'-
cluio na apuracao geral, embora ulti'apassasso I Paco da Cmara, 28 de Dozombro do 184-i. i leirado< dos fados: a queslao he esta : E-
INTERI3B.
RIO DE JANEIRO.
NOTICIAS DO VAPOR.
Abertura do- Parlatntnto.
NO da l.*docorrente teve lugar, no paco do
Sonado, a sess&o Imperial da abertura da As-
sembla Geral Legislativa. Ao meio dia, an-
nunciando-se a chegada de SS M.M., sahiro a
receln,l -os no vestbulo as CommissOes para esse
lini nomeadas; esubindo para a tribuna 8. M.
a Imperatriz, foi S. M. o Imperador introdu-
cido no salo, a cuja porta o recebro o Presi-
dente e Secretarios do Senado, os quaes acom-
panhando- o at o Throno. ahi se sentou S. M.,
e mandando tomar assento aos Srs. Senadores e
Deputados, pronunciou a seguinte falla :
Augustos e Dignissimos Srs Representan-
tes da Naco Grande be sempre o prazer que
tenho de achar-me entre vos.
O estado precario da sade da PrinceM Im-
perial, ininlia milito amada Irmaa collocou-
me na dolorosa necessidade de a ver ausentar-se
do mitn. Annuindo s solliciUcdes do Principe
seu augusto Esposo, e meu minio presado Cu-
nhadn, tive d^ conceder um anno de licenca
para o restabelecimento, na Europa, de tan pre-
ciosa sade.
A repetidas provas do valor e lealdadedo meu
exercit) e armada continuo a merecer meu im-
perial apreco : seus esforcos e minba clemencia
pu/erao termo peiturliacao que ltimamente
afllign a provincia d s Alaz,as; e me dao bem
fundadas esperanzas de que a todo o momenti
os limites das suas allribuies, que naoplem Anliiio Carlos.Souza Franca. Tbomaz
subirajulgar aseleieoes Teve depois em vis- Comes Anulo. =Cunha Barbosa.
ta a Commissao o denominado collegio deOu"-, {Sent. da Hon.)
curv, que nao podo deixar do ser annullado, ------------
pnmeirn por se ter erguido de motu proprio e"t isiurnu do Sr. Nabuco pronunciado na ses-
collegio, quando nunca foi por tal reoonhecM so preparatoria da Cantara dos Deputados
do, sendo urna simples fregue/ia que folia par- de 29 de hzembro ultimo.
te do districto eleitoral de Cabrob; segundo, Tributo inuito respeito e venoraiao ao
pola (alsidade do alcunhado collegio, que, de memluos que compoem a commissao dono
31 eleitores da freguezia subi at noventa a oi- dens : protesto que me nao encontrara com
to como se v dos documentos que forao pre- elles nesla discussu se a causa de que se tra-
sentes Commissao. Passou depois a Com- la fosso smente minba ; mas he (brea quo
missSo a averiguar o collegio de Garanhuns. e cu sustento a legitimidade do mandato que
achou que o dito collegio teve duasseccoes. que recebi e defenda p partido que me bonrou
embora lunecionassom na mesma casa, era for- com seus sullragis e confianca, arredando dol-
osamente um das secces invalida, irrita e le as injustas accusaioes que Ihe fez a nobre
nulla pola falta da assistoncia do Parodio na cummissao. Sj nao lora o prolundo reconlie-
eleicS) parochial de (aranbuns, e por nao ser cimento que consagro aos meus constituintes ,
presidida a mesa eleitoral pela autoridade legal, eu guardara silencio porque vejo que urna
Tambem nao pode admittir a Commissao a adversidad domina a esta dtscusso : essaad-
legalidade do collegio do Cabo, vista das vio- versidado queris saber qual ella be ? Um nobre
lencias e atrocidades que tirraotodao liberdado Doputado por Pernambuco bontom a indicou :
ao povo, expoliando urna grande porte dos vo- beque o esludo das questoes especiaos as loca-
tantes, eespalhando o terror, acompinhado de lidades e dos factos succedidos as proviu-
uma morte que ficou impune com o maores- cias, causa fastio maior parte dus mombros
cndalo; o que se depreh^nde das requisicoes e dasta casa, os quaes, para so sahirom das dif-
eorrespondencias do Subdelegado do l. dis- liculdades e complica^oos louvao-se pala-
trelo do Cabo, Cbofe de Polica e Piesidente vra dos Deputados das provincias as quaes essas
da provincia, a respeito das violencias que coa- questoes o esses factos respeito.
gro a votacao da Assembla parochi I do Cabo. O >?*. A'unei Machado: At corto ponto.
SenSo por violencia,ao menos por fraude, igual O Sr. Nabuco : l'oi o Sr. Deputado que
surtedeve teravntacaodalregueziados Afogados, bontem rnesuio disso, quando impugnou o a-
feita em urna mesa sem assistencia do Parocho, diamento proposto pormim, qiie por maior
e apenas com a de um sacerdote regular, que que losse o espaeo nao se conseguira que os
nao podia exercer direitos polticos. A Commis- membros da casa estudasem as questoes das e
sao nao desconhece que nos outros collegios da luirnos das provincias. Sendo assim, be com
provincia bastantes signaos do falta de libor- razo que considero perdida e desesperada a
dade no votar, exageraco em numero de vo- causa que defendo, porque meacbo s contra
tantos, e injustas qualificafes e exclusoes se quasi todos os Deputtdos da minha provincia ,
enxergao; mas, como as fetcoes de Jorga inde- >iue pelo seu numero, merecem mais lee con-
larguem as armas aquelles dos meus sulidilo>
que, na provincia de S, Pedro do ltio Grande] bita fraude ndo tdo tito carregudas como nos lianza >Iu uiaiorja : todava, Sr. Presidente,
letores legtimos sendo impedidos por forca
maior, o por violencia da Polica e dos agentes
do poder de se rcuniroin no lugar designado pe-
la lei, 11 "iein manifestar os seus votos em ou-
tro lugar eom as domis condicoes de authen-
ticidado exigidas pola lei .' Eis a queslao : o
laclo he este <> Juiz do Paz do Cabrob, o De-
legado o Juiz do Direito reunir j forra armada
no lugar do collegio para impodirem o accesso
ilelle aos Eleilores de Ouricury, o por meio de
meacas ile morte conseguirlo seu plano e os
Eleitores do Ouricury, teniendo por sua vida, e
nao quorendo perder seu voto, so reuniro em
coliegio separado Provarei primeramente
este facto, e ao depois sustentarei a aflirmativa
da questoposta : a prova deste facto consiste
nos documentos quo vou lr: peco Cantara a
alienlo que a gravidade do objecto exige.
(O nobre Deputado ldnus ofcios dirigidos
ao Presidente da provincia do Pernambuco, o
l. pelo Juiz de Paz, Parodio o Subdelegado
da freguezia do Cabrob. em o qual participio
que o Delegado e Juiz. de Direito reuniro tor-
ea armada o empregrSo amcacas de morte ,
fScc, para impeditcm os Eleitores de Ouricury
de volar no collegio.
O 2." olficio he o seguinte :
Illm. e Exm. Sr.Havendo o antecessor
do \. Ex. determinado emoflicio de 22 de
Agosto desle anno. que nao consentisse non a
Cruarda Nacional dn meu commando se reunis-
sc nos das ilas eleieoes anda mesmo para
simples exercicio e t ndo ou dado prompto
cumprinii ntoa dita nrdent, bem a meu pezar
acabo de ser informado quo na reunan do col-
legio eleitoral em Cabrob apresentarao-se
quasi 100 bomens da (iuarda Nacional armados,
a requisicao do Delegado ; e o que mais me
sorprebenden fnisaber igualmente que o mesmo
Delegado, na ida para aquelle lugar, foireu-
iiinJo alguns Guardas, independente derequi-
r\n


&&tt'T. ^r:^s :53-.
Exm. Sr., que faltara ao meu dever se deixas-
se de levar ao con
cima lica referido
de Y. E,.Tq"ue 'ld "^ ^ 8e ence"ou ore"
Jas cdulas e quando se lazia a
i
ba
d
El
eu recebido a ordem mencionada, jamis devia
furtr-mo a este dever sob pena de se me po-
der tachar de |er concurrido, ao menos indirec
lamente, para urna scmelhante violencia ios
direilos mais importantes dos cidadaos ; tanto
mais quanto, antes do recebimento dosupraci-
tadoollcio. j tinha o Delegado, com o conse-
ibo e auxilio do Jui/ de Diroito, impedido com
forca armada que na fregue/ia da Boa-vista se
procedessem no dia 22 do passado mes ai cle
ces primarias. He .leste modo que rusta co-
marca se tem tratado um objeoto so digno de
respeito e attoncan A' vista do expendido, V.
Ex. decidir com a ju tira que costuma eni ca-
sos taes.Dos guarde a V. Ex. Ouartel da
leaiao do meu eommando -26 de Outubro d.
1844.III e Exm Sr. Thoma. Xavier Garca
de Almeida, Presidente da provincia, flfanoel
Ribeiro (irnja.
Ora S -nhores se est provado que pela*
violencias da autoridade pelas violencias da
Polica, os Eleitorcs forao impedidos a nao vo-
tar no lugar designado pela lei, tendo alias pre
enchido as demais condices de autenticidad.-,
porque bao de os leus votos ser eliminados?
Qualquerque soja o rigor das formas, este ri-
gor nao pode chegar ao poni de destruir de
matar os direitos qu" ellas formal devem pro-
teger. Eu creio que a ('amara seria summ.-
mente injusta se porvenlura privare esses Elei-
tores de seui votos, por um acto que nao he
seu, mas occasionado pela violencia da auloii-
dade; seria injusta se por ventura dsse effeito
legal s violencias dessas autoridades annul-
lando os votos dos Eleilores.
Senhores o systema representativ> enlre nos
est inteiramente falseado (milito* apniados).
O systema representativo boje se reium.
no Governo (minios apoiados). He o G >ver-
nn quem fa^ as eleices ( apoiados" : a ele-
cioheuma designarlo da Polica (muitosa-
poiados); se assim be, para que le ai dar ao
Governo maisum recurso poderoso a fim de nul-
lificar o voto deci iadao ? Passe este prece-
dente, pasan esta idea que os Delegados pdem
de mao armada impedir o accesso dos Ele:tores
nos eollegios designados pela lei, e que os ci-
dadaos opprimidos e repellidos nao pdem votar
em outro eollegio, e a Polica nao deixara de
repellir os Eleilores das freguezias em as quaes
por acaso rll* perder as eleices.
O Sr. Urbano : \ P, ||,ia esteve s do
lado do nobre Deputado.
O Sr. Xabuco : Esteve do seu lado nos
maiores eollegios no Limoeiro, Goyann e
Boa-vista.... He pois evidente para mim que .
sendo os Eleilores impedidos de votar no eolle-
gio designado por lei 0U por forca maior .
ou pela violencia da Polica pdem man fes
tar seu voto em outro lugar preenrhendo as
demais formalidades legaes, porqu^ o contra
rio a violencia e a prevaricacao seriad croadas
de um successo legitimo, e do proveito que as
deterininou.
A commissao decreta a, nulldade da ircfgn
do eollegio de Garanhuns, que votou em sepa
rado e sob a presidencia di Ju/ dePa'-Sup-
plente, nao s pelas meimaa razes que se d
rao a respeito de Ouricury. seno porque a
eleicao paroebial da freguezia de Garanhuns he
nulla porque nao essistio a ella o Parocho
respectivo.
(Quanto a primeira nulldade eu nao re-
produzirei fs ra/es que ja enunciei a respeito
de Ouricury, e que so por igual cabiveis neste
caso. Os Eleilores das fregoesiaa de Gara-
nhuns c Papacara, sendo impedidos pelo Jui/.
de Paz. de se reunirem no eollegio nao que-
rendoo luz de Pa/ inscrevl-os, para nao per-
derem seus votos, s<' reunirSo no mesmo edifi-
cio em eollegio separado: a razio por que o
Juiz do Paz impedio a rumio desses Eleitures
foi o resentimento com que licou por t r per-
dido a eleicao primaria, por nao ter sido
Eleitor : devio os Eleilores perder s<-u voto
l porque o Juiz de Paz assim quera por des-
peitne porvinganca ? Ti o poucu aprerume-
recem os votos dos cidadaos e seus direilos po-
vencida .
sentidas
maioria da mesa : o Parodio de Garanhuns
desamparou seu lugar depos que pela apurado
loi conhecendo que estava vencido que a sua
chapa estava derrotada : ora ha de dar-se por
nulla a eleicao dossa freguezia so porque o Pa-
rodio caprch smente se retirou ? s porque
elle nao sabio Eleitor? Que eleicao haver
desdora valida sem a licenca do Parocho sem
que elle seja Eleitor i' Nao he isto por as
mos dos Parochos os meos de nullificar urna
eleicao, de inutilisar os votos dos cidadaos ,
Isto nao he nulldade mas pretexto paraan-
nullar : torno a repetir que a presenca do Pa-
rodio so he necessaria para o sorteamento dos
16 votantes, e para recebimento das cdulas ,
porque ahi elle figura com um carcter privati-
vo mas que se pode prescindir do Parocho,
assim como do algum outro membro da mesa
no acto da apuradlo se alias houver maioria :
que o Parocho de Garanhuns assistio ao sortea-
mento dos votantes o recebimento das cdulas ,
prova- se com esta certidao passada pelo secreta-
rio da (.'amara, (l).
Sou chgado ao eollegio do Cabo Quer a
nobre commissao que este eollegio seja nullo ,
porque all occorrcVao violencias e atrocidades
que putera em coserlo aos cidadaos expo-
liarlo a muior parte dos volantes, sendo que
ah houve urna morte que ficou impune escanda-
losamente Quaes sao as provas que induziro a
commissao a julgnr provadas essas violencias ,
essas atrocidades ? Nao ha outras seno as
parles officiaes do Subddegedo e Chefe do Po-
licia Documentos evidentemente suspeitos !
aso raro e eslranho as proprias partes servin-
Jo de lostemunhas o de Juizes O C efe de
Polica que he chefe departido ; o Delegado
ubdelegado que enlravio na chapa que foi
oque por seiem vencidos ficrao re
he na palavra dtdlesquc a commis-
sao so louva Isto Srs. he urna calumnia
troz he urna vinganra ppssoal que se quer
exercer contra as p eleicao : esta Cmara nao deve jamis degra
Jar-sede sua alta misslo para fazer trumpbar
essa vinganra esse acinte que vai exacerbar
unda mais os odios entranbados que naquelL
provincia j sao He funestos. Para que provo
ar reaccoes ? A renovacio das eleices suc-
reuifamenle e quando anda nao e*t!o apa-
ados os resentmentos que as prximas elei
oes deixrlo be um mal de urna gravidade
incalculavel.
Senhores a que estado astamos reducidos !
|ue fataldade he esta Ou a polica ha de ven-
cer ou quando he vencida sua palavra basta
para provar a nulldade da eleicao que ella per-
leo : Oulr ora era o povo que se queixava da
polica, porque o impedia de volar livremen-
te ; boje he a polica que se quexa do povo
porque a nao deixou vencer a eleicao.
Eu appello para a consciencia dos dign s
membros da commis ao ; vos ouvistes smente
j voz do aecuiador que nada provou, ouvi agora
i voy do r" ; permtti que eu lea a defesa
que o honrado cidadao o Sr. Jlo do Reg pu
blicou no Diario de l'emambuco rejielliiidn
essai Cfllummai, essas aecusacoes que tonti
valrlo no animo da commissao 11).
Ora me parece que a voz do reo deve de
prevalecer sobre a do aecusador, quando este
s allega e no pmva : o Subdelegado o que
quera era forca publica para com ella pertur
liara eleicao que consideran perdida ee*
porque elle aleiou as circunstancias em que se
achava a fregue/ia do Cabo. Essas violencias
sao urna calumnia atroz! essa morte nao se
piule altribur a motivos politic s. como a com
uiissio inculca : mas a oesatencas particulares,
a nobre commissao nao devia sem urna prova
dura, att'Luir ao digno cidadao o Sr. Joao
do Reg Burros esses factos atrozes que por ini-
miade encarnicada Ihe atlrbuio o Subdelega-
do do Cabo.
Meus Senhores eu entendo que a Cmara,
rc llindo o eollegio do Cabo por violencias o
coiicco faz um cpinramma a si mesmo ,
quando alias approva a eleicao dos outros col-
deveannullar a eleicao do Afogado : primeiro
porque o Sacerdote que presidio a ella era re-
gular e nao poda exercer direitos polticos ;
segundo porque houve fraudes.
Direi quanto primeira nulldade que
em muitas freguezias do imperio Sacerdotes re-
gulares se achio encarregad >s da cura de al-
mas equeainda senao reputou nulla n-
ter vencSo del les no acto ilis eleices para o ejer-
cicio nao de direitos polticos, mas de func
enes que Ibes competem como Parochos : esse
Sacerdote regular foi chamado para assistir
el -cao pois que nenbum outro se quiz pres-
tar para este fim pelo terror que deixou no Afo-
gado o tumulto popular que ahi appareceo no
dia 8 do Setembro por occasiio das eleices mu-
nicpaes. Demais, Srs., quaes forao essas
Iraudes? quaes ai provas deltas ? a prova be
urna certidao que aqu esta extrabida dos
autos da justificaran que a respeito das nullida-
des das eleices do Afogado produzio em jui/o
> cidadao Carneiro Ros ; mas notai que
como consta do requerimenlo pelo qual se pe
dio esta ca lidio a justilicacao nao esta con-
c'uida seno pendente porque o Juiz de Pa
do Aogado e os membros da mesa parochial,
que foro citados para essa justificarlo pedi-
rlo vista pare constestal-a, e ella anda na<
est concluida.
Finalmente tratarei da ultima parte do pare-
cer : diz a nobre commissao que nos outros
eollegios da provincia ella enxergou bastantes
signaesde falta de liberdade de votar exage
raciono numero dos votantes, injustas quali-
licaces mas que essas irregularidades, nao
ai lo carrejadas como as que so dio om tres
eollegios, de Ouricury, Garanhuns e Cabo.
Sr. Presidente comparai as nulldades des
sei eollegios com ss que se derao nos demais, e
decid e na5 sao equivalentes ou mais pre
ponderantes.
U eollegio de Cabrob foi presidido por um
Juiz de Pa/ incompetente ; esse Juiz de Paz foi
eleto no dia 7 de *elemhro do corrente para
servir na legislatura fnturs suas funeges s
podem comecar no dia 7 de Janeiro : eis a pro-
va (ldous documentos;; mas esta nulldade
nao pesou no conecito da commissao, que alias
quer annullar a eleicao do Afogado por incom-
petencia do Parocho!
as freguezias de Santo Antonio eS. Jos
dn Recite a qualificaco findou na vespera da
eleira nao se deo lempo para as reclamacoes.
as juntas funecionrao dentro dos oilo das en'
que seus trabalhos devino estar lindos: eis i.
prova (l um documento); mas sto nao jaleo
no animo da commissao .'
Como estas, muitas outras nulldades exis
'em mas passrao inclumes, por nao aeren
-arrestadas : a Cmara compare urnas e outras
talvez ootraa questoes sesuscitem e entao i
ellas responderei.
PEHNAMBCO.
bgios de Pernarnbuco onde s dominou o
lilicos que devem Rear uierce do capricho o terror quando alias a violencia presidio a
do arbitrio de um Juizde Paz? Srs.. lde a i quasi todas as eleices do imperio nem. Srs
acta destablaban ; e pesar o em vosso animo jas necessidades da poltica exigem essa injusta
as ra/es que tiverao os Eleilores para votaren, 'exdusao dos eollegios de Pernsmbuco : a op-
em separado, (li) nio domnenle tem umagrande maioria. e
A segunda nuil, lude nao est provada. Re :nao carece de recorrer a estas exduses ; estes .
volvendo os documentos de que se servio a com- victorias muito completas sao sempre lataes verdadeiros. Fas gosto ver o tal Antonio Car-
misso, entre elles nao depare, con. um su que porque provoco reacres funestas. los alardear de justo, e chorar a ausencia dos
autonsasse a assercao da comm.ssao : be ver- A nobre commissio tambem entende que se Srs Maciel Monteiro e Sebastiao do Reg com
CORREIO.
CORRESPONDENCI V DA CID A M E PROVINCIA.
Ah chegou o vapor do Sul : tao baldos se
achavlo Vms. hontem de noticias, c..mo boje
tem deltas as suas columnas rt-ebeiadas, e tal-
vez estao desojando que me limite eu a dizer-
Ihes sm nte oque por aqu vi hojedemai
'ligno de attencao : tenho porm paciencia
jue nao posso dt-sta vez Ueixar em silencio ludo
quanto me occorre.
O que mais por diante se me pe neste mo-
mento he o procedin.ento do velho Antonio
Carlos, quo quanto mais prximo vai (cando
d s l.on.braes da eternidade, mais se esmoreja
por provar ao mundo, que se a nalureza foi
com elle generosa em intell.gencia, compensou
a sua munificencia neste artigo com grande
esquinhana em outras boas partes e p.edica-
dos. Aj;ura mesmo, quando pela iniprensa
pul licava elle na Corte, por occasiio da elei-
cao de Senador por Minas, um dos seus err-
los de orgulbo .inmoderado, curvava a altana-
da cabrea peraule os praieiros de Pernarnbuco.
e trocava todos ossentiment> de dignidade,
de justica, re pondunor, pela pn.babilidade
da sua eleicao de Senador por esta provincia,
no risco (muito grande, anda que as actas
lalsaso pdem diminuir consideravelmente] de
serenforquilhado, ou pelo menos, de o jOrem
em tereciro lugar, o que a sua soberba nao
comporta. A eleicio de Senador pois pari de
vespera a nulldade dos eollegios de Ouricury
Garanhuns e Cabo, donde nada esperava oiu-
jo d Bobadela na su i candidatura, que veio
em supplemento das de S. Catbarina, e Minas
Geraes.
Saltro os praieiros na praia do Rio a 2i de
Dezembro e, dilot feito, trocarlo os votos ue
estas j Senador pela excluso dos votos dos Deputado
as mesmas lagrimas de crocodilo com que la-
mentava em seu Ministerio da maiondade a ex-
cluso, que por sua ordem se fe/, em Minas da
Sr. Carneiro Lelo, o qual, apenas cal. o do
podor o amigo dos direitos do povo, foi eleto
unnimemente Senador pelos mesmosEleilores
da n iondade, ou, como diz.ao, do ccele.
Os praieiros teem elevado s nuveni o mrito
dos Srs. Antonio Carlos, e do Nunei Machaco.
declarando-osisemptos decrimes contra a honra
e vida dos outros, sem mancha em suj vida
publica e particular.
Quando leio tanta asneira, lembra-me ocaso
de urna mulber, que fra pedir justica ao Sr.
D. Jlo VI contra o Magistrado da provincia
de S. Paulo, que roubara a vida de seu marido,*
o sendo desattendida guardouse para vol-
ts r presenca do Monarcha assim que no
Rio de Janeiro se soube, que elle entrara
n'uma revolucao contra o seu Soberano ; as-
sim como me lembro da morte, queem 1831
no mez de Setembro soflreo um misero soldado >
que veio preso de Olnda para o Recite, entre- j
gue pelo encarregado da polica d'aquella cda-y
de a uns estudantes, que tinbio vida devassa.
Assim, meus amigos, acuelles que por sim-
plicidad.' ou bonhomia, esperavo que o parti-
do anarcl.ico- -ministerial moslrasse, quando
lodo reunido, nos seus actos pblicos, alguma
dignidade, decencia, ou circuinspe co, eriga-
nrao-se redondamente. Nos de Pernarnbuco,
senao temos a honra de ver a cara aos Pauloi-
Barbozas, e mus omtante da Joanna, temos
a fortuna de ver o fucinbo a quanto maritafede
ha na praia. E o que fazem elles ? Ha ndig-
nidade, ha maroteira, ha paulara, ha mu/eca-
ge que r< cucm ? .Nao ; pois a escoria daqui
nao he mais refinada do que a escoria de l, e
assim como daquella nada se deve esperar que
nao leja como de quem he, assim tambem des-
ta. Agora, venha quem vier governar, in-
troduza-se quem se introduzir na sala da Re-
presentadlo Nacional, faca o que fizer de infa-
me e vil nao ha de passar de imitador, de no-
vo nada far.
Este vapor leva gente, armas e munices pa-
ra o Palitinho do Cear. O nosso amabitissi-
mo Governo parece temer que aquella piovin-
cia nao soflra paciente o insulto, que j come-
cou a ser-Ihe irrogado, e que por certo ser
consummado ; ou quer dar providencias a que
as novas eleices se farao aili com aquella iibtr-
dade, que elle tanto tem recommendado, e
medante a qual obtenha aquella provincia, que
aos l|.os da chamada Cmara de Deputado ba
insignificante ter a honra de contar como
seus representantes, arnos, bandalbos, maraus,
tartufos, ser assim feliz, e nio ter que invejac
de outras
A chegada de certa pesonagem ao Rin, fer
que nao tivessemos por e-te vapor a gloria de
ver de novo na administradlo de l'emambuco
o mais nullo Presidente, que o timba desgo-
vernado por m.meacao imperial. Maldita seja
a personagem! Dizem que o Queno ficou por
isso muito zangado, e se nao fura a promessa
da pasta da Justica (depois da nomeaco do
Coelho, ha ahi alguem que nio possa aspirar
urna pasta ?) teria dado ordem ao papa-angu'
para repetir anda un. curso de guarda, com a
baoneta voltada para os ministros.
No Ro nio ha mais companhia de cavalli-
nhos e saltimbancos, que possa attrahir os pe-
lntras s suas representaces, depois que
tal papa-angu' appareceo em scena, e que o
IV.iroM) anda gritando pelas ras a cavado na-
quella cidade. Ao menos o Paulo Barbosa,
durante o seu imperio, nio tera rasio de diri-
gir um Je suis conten de tous com mais
prazer a raro limbo algum Heputadista, como
ao de Pernarnbuco Foi na verdade urna esco-
Iha digna delle, e o que Ihe faltava, arranjou-
o magnficamente!
MAMO DE PERIMBICO.
Em lugar competente achar -s nossos lei
(ores o que neste numero podemos admiltir das
noticias colhidas nos diflerentes jornaes, que
nos trouxe o vapor Imperador, vndo anlehon-
lom dos portos do Sul, < que deixou tranquillas
as provincias, por onde passou.
O Governo de 2 de Fevereiro, unido com o
"-r. Antonio Carlos e alguos Dej.utados do Sul,
unido em fim com os seus commissarios, acaba
Je dar ao Brasil o maior escndalo, lazendo
vontade aos representantes da praia Por um
jiarecer da Commissao de que he relator o Sr.
Antonio Carlos, votado depois de tres horas da
tarde, depois de terem-se retirado os Deputa-
dos, que nio estavio fallados para sellsrcm o
escndalo do Governo, lorio declarados nullos
os eollegios de Ouricury, Garanhuns e Cabo, a
fim de serem excluidos da repres- ntaco Daio- *
nal os Srs. Conselheiros Sebastiao do Bego e
Maciel Monteiro A provincia de Pernambuco
nao pode deiiar de protestar contra este acto ar-


fritrario, que em nomo da re presen taca o na-
cional praticou o Ministerio por rneio de seus
commissarios, Antonio Carlos, e u>n punhado
de Deputados do Sul. o <|ual junis impora,
como parece que al neja, u jugo de ferro sobre
esta importante parte septentrional do imperio,
seirVjiue ella se levante em pozo para lancal-o
fra. a
Os repVsentantes da praia nao podero io-
frer a demora do vapor Paraense, irrumro-
sen'um brigue do commercio de cabotagem a
13 do De/emUro para chngarem corte a lempo
de a/erem suas transacc5es com o Sr Antonio
Carlos e o Minist-ri > Logo |ue chegriio. ofle-
ferrfto ao Sr. Jos Carlos o seu apoio decid -
*do, e ao Sr. Antonio Carlos toda a votaco da
praia na eleicao de Senador, se acaso se exclu-
issem os collegios de Ouncury, Garanhunse
Cabo. Acceitarao-se ascondicoes da transacco
apezarda dificulJade. que havia a vencer para
a nullidade do collego do Cano, visto que as
falsas allegaces de forca, que a praia le contra
a eieicodoCabo, as Ir era igualmente contra
guarass, eassim oflendidos ficario o Sr. Hol-
landa, e mais Cavalcantis, que ainda nao re-
conhecro a guerra em que o Ministerio est
empenhado contra sua familia de accordo com
a praia, e ainda acceitao a ominosa can jidalu-
ra do monarchitta de eabtc-a, e anarchisla de
coraco.
Todava com duas razoes de Cabo de Esqua-
dra embala-sao Sr. Hollanda, e decreta-se a
excluso dos verdadeiros Representantes da pro-
vincia.
Tudo isto se atura porque eslava previsto por
quem conbece a protervia dos bomens de le
vereiro, e da praia, com que elles eslo liga-
dos; o que porm indigna be a insolencia com
que o Sr. Antonio Carlos proclama ainda na
Cmara que nao obra tinto por frga da jus-
tica
Se assim foi justicoiro o Sr. Antonio Carlos,
quando Magistrado, bem mal iriSo com elle os
habitantes de Santos, e de Olinda. Onde est a
justica de annullur-se o collegio de Ouricury
porexcesso de Eleitores, e approvar-se o de
Cabrob em que votro 70 do Ex e Salguei-
ro, freguczies tao pequeas, que nao podio
dar mais de 10 a 19 h le lores cada urna .' On-
de est a justica, constando que Ex fe? a sua
eleico com 20 Eleitores, ti depois improvisou
40, o mesmo praticando Salgueiro? A (alta de
ertiddes dos trabalhos da Junta qualificadra
de Ouncury arrestarlo a nullidade da eleico,
entretanto que de Ex e Salgueiro taes certi
des nao cbegro Cmara dos Deputados
nem mesmo 6 Secretaria da provincia, on le rs-
tao, por ser onde devem estar os trabalhos da
Junta de Ouricury.
A eleico dos Afogados foi milla porque
urn Frade servio nella por commisso do Vi-
gario, quand aos Frades lie probido o ex
enrielo dos direitos polticos. Nao Miemos
nos muitos Frades, que por todo o imperio sr-
velo de Cura d'Alm.s, e assistem as eleico<-s
sein que ellas por isso se tenlio annullado.
e pergunlemos ao Sr Antonto ('.ros e seus
compartes onde lie a eleico do Ex presidida
pelo Frade apostata Fr. Joa do I.ado de Chris-
to, estando a lreueza vaga deVigsrio?
A eleico do Cabo he nulla, porque o Sub
delegado depois de feita a eleicao queixou s
que bou te forca de uutro Subdelegado do dis
trido vi/inlio porque muilos Sis. d'Engenbn
ran qui/erao volar : que nao era possivel que
o hefe de Polica e o Subdelegado que isso it-
teslo fbllassem verdade. No Limoeiroe Bom
Jaidim az-sea el (Id a forca, i-so he atiesta
do pelo Vigario, pelos Juizes de Direito e pelo
Juiz Municipal, mus a estes nao se ere, e
eleico he valida, porque la venceo a Polica !
Km (ioi. una a eleicao faz-se a frca d'armas,
o Delegado tange o povo baionetas, os Che-
les de Legiu nao sao qualilicados, sendo os
mais ricos proprielarios, ninguem que se op
ponha praia tem voto, o Vigario atiesta es
sas violencias, e a eleico he valida Km S. Jo-
s o Vigario certifica as fraudes, e tuno passa
por lorca da justica, que dirige o Sr. Antonio
Carlos e seus comparces. Nem em S Jos nem
emS. Antonio, nem em Boa-Vista qui/erio
votar osamig s da ordem, o part lo da oppo-
sico, em consequencia da falsificaco do sor-
teamento da Mesa feita pelos praieiros com o
maior descaramento. A eleico deGaranhuns, a
mais regular da provincia, onde a opposicio
venceo contra a espectativa do \ igario e do Juiz
de Paz fica a merc destes empregados, por nao
quererem elles assignar a ultima acia da apu-
raco, tendo alias Bssignado a do recebimento
das listas.
Nao fallemos as eleicoes de Bizerros e S.
Cela no; lembremo-nos smente de que no
Cabo, onde o Delegado e o Subdelegado ero
praieiros, se diz que o lado da opposicao ven-
ceo forca que n'uma provincia, cujo Chefe de
Polica era chele de partido do Ministerio, cu-
jo Presidente deo demisses as rnas iniquas, e
fez uomeacoes as mais indignas, como em Li-
moeiro, Goianna, Cabo Boa-vista Bonito I
Flores, tema gente dotioverno o arrojo,'
on ant-s o cinismo de vanear, que u eleicao
onde a opposi(o venceo foi nulla por coaccao.
Nao vamos adianto com a analyse do celebre
parecer do Sr. Antonio Carlos, u so laminare-
mos ao Ministerio de 2 de Fevereiio, e a ese
punhado de Deputados, que quer dispor dos
destinos da patria dos Vieiras, que tanta pro-
vocaco Ibes pode ser funesta que Pernambu-
co he o leao do Norte.
Declara cao.
O Sr. Sebastin Riheiro Jueiro;. dirija-
i se a Administraco do Correio a negocio de seu
: interesa.
ri v [so i man ti ni os.
1 Paro o Porto, abarca porlugueza Helia
Pernambucana pretende seguir a 23 do Feve-
reiro, por lera uaior parto do seu carregamen
AilanoVga.
3Firmino Jos Folis da Rosa & Irmao mu'
da rao sua residencia e cscriptorio para a ra do
\ igario n. -23, segundo andar. (3
2Joaquim Antonio de Santiago l.essa
comprou por conla do Sr. Kstevao Lins Wan-
derley, morador no engenbo Caxoeira provincia
das Alagoas, dous meios bilheles da lotera do
theatro que corre no dia 28 do corrente de n-
meros 3t4386 9,439) os quaes ficao em seu po-
der. (7
O Sr. Joaquim da Costa Bamos haja do
vir resgatar os seus penhoaes que enpenliou na
miio do aliaixo assignado, e isto no prazo de 8
passageiros; trata-se com o Capito Manoel
Francisco Hamalbu, ou com o consignatario
Rendimento do dia 25..........3:160*373 | Tbomai de Aquioo Fonseca na ra do Vigario
Dcscarregao hoje 27.
BrigueSir Haber t Campbellbacalh o.
tingueCtnthiadem.
Estuna Archtmedesidem.
BarcaGraliadem.
Brigue Adulpho mercadorias.
BngueI'yiayoraiidem.
Briguebeliz Destinoidem.
toprompto, recebe carga a Irete de 250 por J-as contadas da data deste e do contrario se-
arroba dcassuiar. e tem bons commodos para rao vendidos nao lite litando diroito algn, a
reclamar. Antonio domes de Aravjo.
1Boga-se ao Sr. A. F. C. que queira
tora bondad'de ir conclur um negocio ao
n qual deo principioem 12 de Novembro doanno
wn prximo panado, eeomo se juka que o dito
U.boi a 6 de Fevereiro portera maior parte S. ae eaqueceo laz-ae-me lembrado que di
do seu earregamento prompto, e levar o Irete comprimeoto a SU8 patarra ; na ra dn \ igario
de 200 rs. por arroba de assucar tem bons i vendan, 13 (7
commodos para passageiros ; liata-so com o i 1Boga-se ao Sr. que pela testa de i-S'il ,
capito Augusto Antonio do Coulo, na praca mandou lazer dei cspellas de llores para a so-
do Commercio >u com o consignatario iho- ciedade Panense o obsequio de mandar pa-
! na/ de Aquino Fonseta na
ra
PRACA DO RECIFB, 25 UE JANEIRO DE 1845.
Revista semanal.
Cambios Eflecturo-so tranzaces regulares
a 25 V! d. p. 1 s rs.duranlo a semana.
AssucarAs entradas teeii continuado regula-
res, e est procurado a 100 rs. |
por arroba sobre o ferio, podandoj
obter-sea lOoOpor partidas grandes.
Algodao As entradas continan limitadas, e
esta firme a 4000 rs. a arroba.
Couros Sao menos procurados, e os vende-
dores os teem oflerecido a 125 rs. a
hbra.
Alvaiade \ endeo-se a 5*600 rs. a arroba.
Bacalho Chegarao quatro carregamentos,
depois da nossa ultima revista, com
9,500 barricas, as quaes forao ven-
didas a 11*100 e 1 ly200, sendo
hoje o deposito de 8,000 barricas.
Breu Vendeo-se a 3s800 rs. o barril.
Bolachinhadem de 3*600a 3.>70()rs. a bar-
rica.
Carne secca Cbegou um earregamento do
Rio Grande do Sul.com o qual o de
psito subi 20,000 arrobas, tendo
sido regulares as vendas da semana de
2*100 a 2*800 rs. a arroba
Cobre para pregos, e forro Vendeo-se a 600
rs. a libra.
Farinba de trigo Cbegou um earregamento
do Vigario
n. 19. (9
,'i l'ara o Rio de Janeiro partir dentr >
em puucos das, por ter parte de seu earrega-
mento engaja io, o briguo brasileiro Americano
Feliz, Capitn Joo Antonio Gomes : puia
I! carga escravos a Irete ou passageir>s trata-
se com Firmino J F. da llo/a & Iruio : na
' ra do Vigario n. 23, segundo andar. (7
i.e.l.s
3Kenworthy & Brender a Brandis farao
leilao. por intervencao do corret-r Olveira,
de grande sorlimcnlo de ferragens grossas e fi-
nas, cutilaria, armamento, e miudezas, de-
vendo vender-se tudo para liquidacao de ton-
tas ; terca I eir 28 do corrente s 10 horas da
manhaa, no seu arma/em da ra da Cruz, pr-
ximo ao arco do Bom Jess. (8
2U corretor Olveira far leilao publico ,
por ordem de Bothe & Bidoulac por autorisa-
co e em presenta do Sr. Cnsul de Dinamarca,
por conla e risco de quem pertencer do casco,
o mais pertences do brigue 1'roteus Ci pitan
K. Leigh, arribado com agoa aborta a este por-
to onde foi legalmenle condemnado na sua
recente viagem que fazia de Clao de Lima ,
rom deslino a Nantes: quarta feira, 29 do cor
rente, s 11 horas da manba em ponto, no ar-
ma/em dos consignatarios, na ra do Vigario n
4. Adverte-se que os pretendenle devem nn-
tecpadamente examinar o casco &e. no lu-
de Trieste com 1,100 barricas, que Lar onje se acha ancorado, defionte do Arsenal
forao veudidas a 17*000 rs. a bar- de Marinha assim como os mastros, vergas, &c,
que se atbao no areal de Frj de Portas, exis-
tinda os mais objectos no armazem supra de-
rica.
Garrafoes Vendro-se a 950 rs
Genebras em botijasdem a 3*300 rs.aduna.
Louca Ingleza ordinaria dem a 235 rs. poi
cenlode premio,
Manteiga Vendrao se 40 barris da Ingle-
za a 600 rs. a libra.
Oleo de Linliacadem a 1*700 rs ogolaoem
casas de madeira, e 1*800 rs. en.
botijas.
Plvora Ingleza dem a 250 rt. a libra :
desDat lio por conta do comprador.
Queijos Flumengos Idem de 1*020 a 1*040
rs. cada um.
\ inlio Champagne dem de 17* a 27* rs.
a duzia de garrafas.
Velas de espai mceledem a 760 rs. a libra.
Freles Teem baixado em consequencia das
entradas de navios durante a semana
Entra rao durante a semana 15 embarcacCes.
e sahirao J-, exn-tem no porto 69: sendo 3 ame-
ricanas, 5 austracas, 29 brasileiras 1 dina-
marqueza, 1 franceza, 1 hespanhola, 1 hambur-
gueza, 1 banoveriana, 14 inglezas, 7 portu
guezas 3 sardas 4 suecas e 1 siciliana.
ii i i1 '* wm* -' -
Moviucnto do Porto.
signado.
(17
Avisos iversos.
.Varios sahidos no dia 24.
Parahyba ; hiate nacional Pureza de Mario.
mestre Antonio Manoel Ailonso, equipagem
4, carga varios gneros.
Lisboa ; brigue portuguez Conceicao de Mara
Capilo Manoel da Costa Neves, carga as-
sucar.
Porto Alegre ; patacho brasileiro Aurora, Ca-
pito Jos Francisco Alves, carga diversos
gneros.
Buenos -A) res ; patacho sueco ri< n, Capito
Nicholas Largon, carga assucar.
Navio entrado no dia 25.
2=Acha-se correndo os das da lei.para ser
arrematada de venda, perante o Sr. Dr. Juiz de
Orlaos, a casa terrea n. 10 da ra Direita, com
14 palmos de frente, 69 e rneio de lundos.co/i-
nhad'i.tro, pequeo quintal, chaos proprios,
avahados em 500j rs pertencenles ao demen-
te Vigario Patricio JosedeSouza. (1
2= Quem tiver para alugar animalmente
um sitio, que est> ja bem plantado e que to-
nda baixa para Oapim sendo a casa de sobra-
do e situada desde o Munguinho at a pon-
te do l clnia nao excedendo o aluguel de 500*
600* rs. ; pode annunciar por esto Diarto
para ser procurado, ou entenda-se com Anto-
nio Alves Barboza em Fra de Portas. (8
1J. P. Adour & C. annuncia que a s.cieda te
que tinlia.com o Sr. F. Duprat, tendo chegado
a seu termo, tem sido amigavclmento dissolvida
a contar do l.do corrente. Desta data em di-
ente o nosso socio P. Adour fita encarregado da
gesto da nossa casa,q' continuar com o mesmo
genero de negocio e far a liquidaco ua socie-
dade extincta. A contar da niesina data o Sr.
Duprat tem tomado posso por sua conta par-
ticular da In.ja que Ovemos na ra Nova n 7, ,
(leu encarregado da liquidaco da mesma. (II
3-JOO DE OLVEIRA RAMOS.tendo de
retirarse para o Bio de Janeiro laz viente ao
publico (em resguardo de sua propriedaite).que
o esta bel eci ment de Kstevao (jse durante
a sua instalaco e adminislraco al o da 9 do
correte mez, nada ficou a dever a pessoa ne
nhuma ; assim elle anntnciante, ex adminis-
trador do mesmo istab' litimento; e se por ven
ruia algu ni se julgar de ambas as partes ere
dor ou obrigado por qualquer embaraco, de
hypotbeca, indoce de lettras ou fianza, &c.
pode annuncial-o primeiramente, querendo, e
Rio de Janeiro ; pela Babia, e Macei 9 '/* das depois apresentar sua conta, na ra da ("ni/ do
vapor brasileiro Imperador, de 467 toneladas,! Recife n. 44 primeir andar, aonde mora,
Commandantc Joo Melito Henriques, e-' isso no prazo de 10 dias por ser sua demora
quipagem 30 : a Joaquim Baptista \ioreira. cuesta. (14
gar a quantia de 6.400 rs. .importe das mesmas
capel las, 11 1 prasu d trox dias da data deste ;
se nao o izer vera o seu nome por extenso as
folbas e repetido varias vezes, ficando certo,
ile que so de xara de ver o seu noir.e as lolhas.
quando pagar a dita quantia. (9
1A loja de Garniel. relojoeiro na ra Nova
n 22 acaba de roceber um grande sortimen-
lo de biioutarias do ouro de le, como aJer"-
co de I rilhantes, ditos de ruhim, ditos esmal-
tados dito aventurino dito de luto brin-
cos com alfinetes de diversas qualidades lone-
tas de ouro boioes de camisa corrente do
relogio para colete dita para Sr. \ caixa de
rap de prata dourada relogios de ouro e de
prata patento Ingler e SuMO relogios de
mesa e parada tambem tem oculos de diversas
qualidades a/ues e brincos com graos e sem
elles, tudo do ultimo gusto e muito mais em
conta que em mitra quulquer parte. 14
2=D-se dinbeiro a juros sobre penhores do
ouro e prata. em pequemos e grandes quantias ;
na ra do Livramento n. 13. (3
2=I)eseja-selallar ao Sr. .los Francisco Lo-
pes a negocio de seu interesse ; na ra da Ca-
deia doBerifecasa 1- 4. segundo andar. (3
2 Quem "quizer comprar urna estribara
para 2 cavallos muito bem leita, e preco que
convida : trata-se na ra da Cruz do Recife n.
44 l. andar. (4
6 RAPE FINO
VINAGRINHO
Jernimo da ('osla Cuimares e Silva, ass
agradecido ao benigno publico pela grande ex-
traeco que tem lid. o rap fino Vinagrinbo
de sua labrica lem a salislaco de Ihe poder
declarar, que se nao Iludi com o acolhimen-
to que fez ao mencionado "rape.
approvacao, que a respeitavel sociedade
de Medicina desta provincia se dignou dar ao
rap fino Vinagrinh", depois de o haver subme-
(ido a urna analyse chimica asss rigorosa he
o maior elogio que se pude lazer a sua qua~
lidade.
O annuncianlc se obriga a (er sempre boa
qualidade deste rap a disposico de seus be-
nignos freguezes.
Oembrulho dos botes he azul, e os rtu-
los brancos ; vendem-se do cinco libras par*
cima a 1/000 rs. no deposito da ra da Ca-
deia do Recife n ;>0. 20
O abaixo assignado comprou e lem em
seu poder um rneio bilhete n J3li6 da 1.* parte
(la 16 lotera do theatro por conta do Si Ma-
ne e| da Cosa Moura Bravo, do Cear.
Francisco Joaquim Cardoio.
12 DENTISTA.
=J. W. Vervalen da lirma de Vcrvalen eCa-
rey, Dentistas tendo voltado a esta cidade ,
avisa aos seus amigos e aquelles que precisaren)
de seu servico que se acha na ra da Cruz n.
3 primeiro andar. (6
20 A medicina popular americana, eas
plulas vegetad que,ha muitos annos, estio em
uso em todos os pai/.es tropicaes, tem se prova-
do con,o urna medicina inesiimavel, sendo pre-
parada de proposito para clima quente, e com-
posta de ingredientes que nem requerem dieta
nem resguardo e pode ser administrada a cri-
anza mais lenra.
Cada caixinba leva o seu receituano, cusa
l.)000 risa medicina pupuiare americana do
30 pilulas, e S00 risaspilulas vegetaesdo Dr.
Ora mi re tli de 25 pilulas
Avisa se ao publico que a medicina popular
ainda nao appareceo lalsificada e para maior
segiiranc das verdadeiras pilulas vegetaes
vende-se de boje em diante cada caixinha em-
brulhada no seu receituario fechado com a firma
dos nicos agentes para o Brasil no Rio Janeiro.
Vende-se nesta praca em casa do nico agen-
te Joo Keller ra da Cruz n. 18, e para maior
commodidade dos compradores na ra da Ca-
deia em casa da \ uva Cardoso Ayres, ra No-
va tiuerra Silva e Companhia, Atterro da Boa-
vista. Salles e Chaves. (2-4


v
bilhetes
restante
i
J .
as lo horas
- Francisco
LOTERA do theatro
\iiiaiilia. i as 11 horas
do da a :lao iiu preter*
ve I mente as rodas de*t
lotera fiquem ou nao
p r vender, e o
dos mestnos esta-
rn ex pos tos venda no*
n>ares annnnciados at
(l'ajueUe di;
Aires da Cunha
mudii o seu eseriptorio para o
n do Vlioario u. ti, i "andar.
"> Precisa-se de um trabalhador de mas-
seira ; na ra Oireita padatia n. 82. [2
8 Jos Teixeira deCarvalho subdito por
tuguez retira-se para lia da provincia. 2
3 Precisa-se de urna ama, que tenha mili-
to e boin leite para acabar do criar um meni-
no de 3 me/es ; na ra da Cadeia do Roci
i). 35. (4
2 =N'a praenba Jo I.mmenlo ha urna Sc-
nhora casada su n filhos e bem condecida a
qu I pertende abrir aula d-i prmeiras d liras
para meninas, na qual cnsinara a lr, escre-
ver, e contar correctamente, assiui como gram-
matica poi tu.'ueza e diversas costuras; as pos
soas que pretenderen!, dinjo-se at o fm des
te mez, ao pateo da iiheira n. 23 e desta data
em diante na pracinba do Livraniento no pn-
meiro andar do sobra 2O abaixo assignado declara ao publico
que ninguem compre bens alguosa I). Anua
Francisca Fortes, pois que os bens de que ella
tem posse eslao para seren divididos judicial
mente, e em grande parte pertencem u meno
res, sobre pena de nullidade a qualquer venda
que a incsina houver de fa/er, pois que a I i as-
siin determina. Jos Francisco Goncalies. (8
1Precisa se de u# rs. a premio, dando-se
por seguranza urna casa terrea que custou
1:200^ rs., e que nao tem embaraco algum ;
quem quizer dar annuncio. ,4
t l)o-se 60U47 rs. a premio sobre penhores
de ouro o prata ou c >m hypotheca em algum
casa ; na ra do Mondtgo n. 85. [3
tA maca de tirar lobinhos dictada do Por-
to annunciada cas Cinco-pontas ; acha-se na
ra da Cruz do Recite n. 6 (G-
1 F. N. Colaco pretende dar principio a
suas licSes em o da 6 ile Fevereiro p. luturo, no
bairro de S. Antonio : entretanto osSrs., que o
qui/erem ouvir, quer em geometra quer em
philosophia, quer no ingle/., e no Irance/ ; p-
dem procural-o em a ra ca S. Cruz na Boa
vista n. 38. (",
Companhia yeval da agricultura das vinhus do
Alto ourv.
I O abaixo assrgnadu asente desta com-
panhia oesta praca de Pernambuco acaba de
receber pelo navio titila l'ernuinbucuna o pri-
ineiio carrcgainento de viuboa d'uqueila com-
panhia, depois que ella lu rehabilitada pela le-
gislatura de Portugal e dotada Com fundos
pblicos pela lei de '21 de Abril de 1843 para
Kvar a todos os mercados os padres e bausas
do vinho genuino e puro do Alto Do uro, eral-
mente conliecido pelo nome de vinho do l'orto,
a ti.u de serviiem de guia ao commercio.
Este carregamento, contendo vinhos das mais
escolhidas nuvidades deve ollerecer aos Srs.
consumidores nao so a cortesa da stia puresa
e supeiior qualidade mas o typo verdadeiio
dos excellenles vinhos do Porto.
seu poder o meio bilhete da 1.' parto da 16 lo-
tera do theatro pertencente aoSr. P'lro Jo
> \ntonio Vianna doOar, n. 1439.
Francisco Jo tquim Cardozo
I l'reciza-sealugar urna escrava que sai
ba vender na ra e ajusta-se p >r cada mez ;
iuem a tiver, dirija-se a ra da Cadeia do Re
ifen. 51, primeiro andar. (4
Compras
LOTERA l)E N )SSA SENHORA DO LI-
VRAMBNTO.
As rodas desta lotera ando nodia 5 de Fe-
vereirodo coi rento anne, e os bilhetes acho-se
1 venda no Recife, na ra da Cadeia luja de
.tamblo do Sr. Vieira ; em S. Antonio ra do
C.ibuaa botica do Sr. Moureira na ra do Li-
ramento botica do Sr. Chagas, e no Atierro da
Ba -vista loja doSf. Jacintho.
iEm 27 de Outubro de 1844 desappare-
ceo um moleque de nome Paulo de naci
Juicaini de 18 annos pouco mais. ou menos,
st Ihesahndo buco de barba he um tanto
secco do crpo abre os dedos grandes dos ps
um lauto para lora pernas finas, nariz chato,
"OlOS pequeos e avermelhados era costuma-
do andar vendendo d;e de jalea em copos, por
inda a part; desta cidade, julga-se tersido lur-
tado porque nunca lugio ; roga-se a qualquer
enhor de engenho, 011 outra pessoa quem el-
le tur ollerceido, ou por acaso acuitado em seus
dominios, o aprehender! e participaren! a seu
legtimo Sr Antonio Jos Goncalves Azevedo na
-nada Praia armazem de carne n. 19, que re-
compencara e pagar toda e qualquer despesa .
queseflzer. fi7
Comprase um pao de tipoia;quem tiver,
snnuocle.
Comprao-se os Annaes do Visconde de S.
Leopoldo : na praca da Independencia livraria
n. Ce8.
I Comprao-se effectivamente para lora da
provincia escravos de 12 a 21 annos sendo
de bmitas figuras pao-se bem ; na ra da
Cadeia de S.Antonio, sobrado de um andar de
varanda de pao 11. 20. g
.') -Compra-so um globo terrestre e outro ce
leste ou smenle o terrestre, esta, do em bom
uso. Quem tiver annuncie. (,j
rente, nao be de sa bonete; na ra da Cadeia do
Recife casan. 51, primeiro andar. (4
I Vendem-se em casa de Frederico Fremond,
na ra do Atierro da Boa-vista n. 5 superio-
res chapeos para senhoras flores para cabeca
e enlejes de vestidos luvas de pellica enlejia-
das para senhora conloes de aljofares ludo
da ultima moda de Pariz. vindo pelo ultimo na-
vio de Franca e do melbor gosto, que tem ap
parecido nesta praca (8
IA viuva do fallecido Antonio Ferreira de
Vasconcelos vende, para pagamento de seus
credores, duas casas de .-obrado urna comple-
tamente acabada e outra anda por acabar ,
igualmente dous caixdes para outraa duas casas
com cinco palmos de altura cima do nivel do
terreno, com trra para plantaco, no lugar das
Barreiras ; os pretndanles pdem enteoder-se
com os liquidatarios docazal. (9
I Vende-se um cazal de caes de (Illa dos
melhores que aqu teem apparecido chegados
prximamente da Una de S. Miguel; vindo do
pateo do Collegio primeira loja n. 18. (4
>Vende-se um sobrado de um andar e dous
sotos em chaos proprios quintal murado ,
sito na ra do Fogo n. 27; urna casa terrea em
S. Amaro no alinhamento da ra da Aurora,
junto a groja tendo um grande viveiro.com
porta d'agoa pela qual entra grande abun-
dancia de puixe em todas as mares; e um piano
quasi novo ; na ruaestreita do Rosario n. 1<>,
lerceiro andar. i*
.'!Vende-se um casal de cachorros de agoa ,
muito lindos ; no largo do Tercj sobrado de
um andar 11. 16. (3
3Vende-se em casa de Domingos Jos Vi-
eira na praca do Commercio n. (i., o precioso
vinho do Porto de 24 annos em caixotes de
duas duzias de garrafas. (4
3Vende-se urna porcao de (erramenta per-
tencente a marcineiro sufficiente para traba-
Iharem 7 a S ofiiciaes muito bous ferros finos.
e tudo o mais pertencente a mesma oflicina, por
preco commodo ; na ra da Praia n. 30. (5
3Vende-se urna escrava crioula boa cos-
tureira. engomma, ecosinha bem faz todas as
qualidades de doces podins e bolinhos ; na
ra do Arago casa terrea de vidracas, delron
te do tanoeiro. (
3Vende-se urna preta de 20 annos bonita
figura com urna cria, etem muito e bom le-
te, cosinha engomma nao tem vicio algum ;
urna casa terrea rectificada de novo em chaos
2 Compra se um carro ingle/ de quatro
rodas que estala em bom uso, para dous caval- .
los; a tratar na ra da (loria n 89. 3 n ?, ''p* q"C 1?! '1 TT' T
i* '"a do Fogo do lad > do poente n. 4; urna di-
Vnndas
IVendem se com alguma espera, dando-se
bom fiador.ai drogas e medicamentos da botica,
que exista as lojas do sobrado n. 120 da ra
Direita (nao leudo ja a armacao) ; a tratar no
primeiro andar do mesriio sobrado.
Vende-se um oculo pequeo de ver ao
longe por preco cornmodo ; na ra larga do
Itozaro n. 3o loja de miudezas.
1 -- Vende-se cera para limas de chairo
10440 rs.; na ra das Cruzes n. 40.
tu moderna que rende 14/ rs. mensaes fo
reir ao hospital de Angola a 1^100 rs por
anno sita na ra de Agoas-verds n. 96 lado
do poente ; a tratar na ra larga do Rosario,
junto ao quartelde polica, n. 12. (10
3 Veude-se no grande deposito atraz do
theatro velho um completo sortimento de ta-
huas de pinho chegado da Suecia a melhor
qualidade que a este mercado tem vindo ,
sendo pinho branco e vennelho de 10 a 30 pal-
mos decomprimeiito; e de 9 a |4 poliegadas
de largura serrado por vapor sem nos, pro-
prio para um lindo forro e assuaiho por ser
2 muito alvo para obra de envernisar, assim co-
jo
1 Vende-se por preciso, e preco commodo
una escrava de naco, do 24 annos de idade
pouco mais, ou menos cozinha o diario tle tambeni americano chegado ltimamente
lava de sabao e varrela muito sa-
11111.1 casa
da e diligente para todo o servco, boa ganha-
deira, que .la 480 rs. por dia ; trata-se no pa-
l > do Carino n 2* : na mesma casa vende-se
um bureo anda em bom uso e com seus cor-
tinados. ;q
1Vende-se por preco commodo urna arma-
co midracada, propria para loja deferragens,
ou miudezas. no Atierro da Boa-vista n. ?2 ; a
tratar na ra Nova n. 26.
1 \ IDROS! VIDROS !
Na loja de pintor, e vidiaceiro na ra da Sen-
dllu Velha n. 82 vendem-se vidros de espeliio
mo do que costuma vir, costado costadinho ,
assuaiho, e forro para fundos de barricas ; e
de
te de todas e quaesquei purces que desejarem.
Thotmtz de Aquino Fonitca, ,23
Lava-se e engoNiuie-se com todo o a>siio,
e por preco commodo; na passagem da Madag-
lena ao p da ponte grande n. 29.
1Na tarde dodia 4 do correte, ugirao do
engenho Suassuna 17engajados filhos da lina
de S. Miguel dos quaesj ceachro u, e fal-
to anda S Mguintos Fraucisco Cosme de
Viveiros, Francisco do le^o Aleciim Francis-
co Luiz de Aguiar, J0D0 Nunes, Julo Jacintho,
Jos Cabral alanoil (^arvallm Souza e .Manuel
Jos, viudos no patacho Alberto, chegado a es-
te porto em Outubro do auno pastado em cojo
lempo os ditos lrao eogajetfos por espaco d-
4 annos, segundo a escoptura publica falta pelo
Escrivo Guilherme Patrii o; .em vntude do que
se previne ao poblioo, para que ninguem se
chame a ignorancia admittindo-os em seu ser-
vico pois se proceder conforma a lei contra
quem Ihe der asjlo ou se utilisar de si u pres-
umo : assim como se recompensar! a quem os
fizer conduzir, ou der noticia delles no sitio do!
Pombal ou na ra larga do Rotarlo loja do
Sr. Lody. Roga-se mais as autoridades Poli-
ciaes a captura de ditos engajados prendindo-
os onde quer que se achein e nao consentind
que se retirem da proiincia. (23
Mana Joaquina de Paula Chaves embar-
ca para o Kio de Janeiro oseuescravo Joaquim,
Angola.
U a 30 palmos de comprido e ."> ditos de lar
gura ludo por preco commodo a vista da por-
cao e do comprador ; a tratar no mesmo depo-
sito ou a fallar com Joaquim Lopes de Al inci-
da caixeiro do Sr. Joo Matheus. (14
2Vendem-se saceos com farello a 2/600 rs.,
na ra da Senzalla l.')8. (2
2 Vende-se um prelode bonita figura, al-
faiate e cozinheiro e de todo o iais servco ;
i .Iuas preta* mocas de lodo o servico, lava.> de
brrela e sabao, e sao quitandeiras, urna mula-
ta de .'< annos recolhida de bonita figura, en-
gommadeira e coslureira, urna prela costureira
borda e faz lavarinto; para
na ra Oireita n. 81. (7
(ti j 2 Vende-se urna negra que sabe lazer todo
Vende-se urna venda bem afreguesada ,; o arranjo do urna casa, e por preco em conta;
sita na ponte Velha ou se da interesse al-i quem a pretender annuncie ou dirija-se a ra
21 muito bem afreguezada e com poucos fun-
dos ; os pretendentes pdem tratar na mesma
ra com Jos dos Santos Andrade. (4
2 Vende-se a bordo do brigue Paquete de
Pernambuco fundiado ao p da escadinha de
Palacio bom cebo em rama, o preco em conta.'3
Vende-se saccas grandes com farello, por
preco commodo; no armazem do Braguer ao
p do arco da Conceico. (3
5Vende-se urna cadeira de arruar, em mui-
to bom estado forrada de seda, um piano de
muito boas vozes e de forte construeco ma-
cacos para estivar carga encerados para cu-
brir gneros oleo de liohaca em botijdes ; na
ra do Amorim n. 15. (ti
6 Vendem-se saceos com farello a >800 rs.j_
ca ra da Sanzalla-velha n. 138. (
5 Vendem-se 10 escravos, 1 pretas com'
boas habilidades ; duas ditas de 30 annos, por
340/rs. cada ama cosinho, engommo e
lavo roupa ; duas pardas com boas habilida-
des ; 4 escravos bons para o trabaibo de cam-
po ; um preto bom cosinheiro ; um pardo de
18 annos, bom pagem ; na ra do Crespn.
10, primeiro andar. (^
2 -Vende-se para fura da cidade ou provincia
urna linda escrava de naco, de 8 annos de ida-
de, semnenhum vicio, sabendo cozer. engommar
ecozinhar, tudo com nimia perfelco, e dir-se-
ha o motivo porque se vende ; na ra estrella do
Rosario l:u andar n. 34. (i
2 Vende-se superior farello em saccas gran-
des, chegado ltimamente no armazem de N.
O. Bieber c C. ra da Cruz n. 4. (3
5 Vende-se un preto de uaco bom co-
sinheiro para casas Irancezas ou para oulra
qualquer oceupayo ; na ra do Sebo n. 33. (3
5Vende-se na ra da Praia de S. Rita urna
porcao de pedra da Ierra, a saber: sacadas ,
portadas sepos, cordo elageJo, todo lavra-
do e por preco commodo em raso de seu do-
no se querer retirar; a tratar na mesma ra
n. 22. 6
10 Vende-se farlnha de trigo, de muito boa
qualidade ; na praca doCorpo Santo n. li, ca-
sa de Me. Calnn.nl S Companhia. (3
VeiitJem-se duas moradas de ca-
sas de dous andares cada tuna sitas
na ra INova ; uina dita de dous
andares nos Qitatro (Jautos da Boa-
Vista ; e duas terreas juntas ao
ni es ni o ; 11111 a dita terrea na estrada
do Manguind : tuna dita dita na
ra do Padre Floriano ; e urna
inorada de casa de tres andares na
ra do Amorim: quem as preten-
der pode entender-se com Manoel
Gaelano Soares Carneiro Monteiro,
que vende a dinheiro ou a prazo.
4 Vende-se urna porcao de saccas com mi-
Iho por preco commodo; na ra da Praia, ar-
masem n. 20. (3
Escravos fgidos
Espera pois o abano assignado, que os Srs. e vidracas de todos os lmannos, por preco ra- o engommadeira I
consumidores se dir.jao a sua residencia, na soavel tamben. BeBJem veleaiannas novas fora da provincia ;
ra do \1gar10 n. 10 para tratare! do ajus- ( consertao-se o pinto-se uzadas. (C 2 Vende-se u
guma pessoa, que queira lomar conta delta ,
oand fiador a sua condula ; a tratar na praca'
da lina-vista venda n. I .
vVendem-se cassas chita de cores finas a 280
rs. o covado chitas escuras a a/ rs. a peca e
I'id r.-. o covado, ditas a u covado riscados e chitas escutas de cores fi"
xa> a 200 rs. o covado algodo trancado es-
culo proprio para escravos a 120 rs. o covado,
bros esiuros franceses de quadros largos a loo
rs. o covado ditos do linho de superior qua-
lidade a 1/280 rs. a vara meias finas para me-
ninas e meninos a 240 rs upar, luvas bran-
cas de algodo a 240 rs. o par, chapeos bran-
cs sem pello a 2/240 rs., chales de la encor-
pados com rianja a 3/240rs., ditos de cambraia
adamascados de l'i quaitas a 2^rs., ditos de
la rOxos a 2/ rs. fustoes de cores a 320 e 500
rs o cuva lo ditos brancos iavmdos a 640 rs.
o covado, lencos de cassa para grvala a o
da .Moeda n. 7. i4
2 Vende-se azeite de carrapato a 2^400 rs
a caada medida velha : no fim do bcco Largo
junto a 111 aie armasem n 33 das 9 horas da
manhaa as .1 da tarde (4
2 Vendem se 0 escravos, sendo urna preta
com todas as habilidades, 3 negrinbas de 12 a
14 annos bonitas figuras com habilidades; I
mo.e 111. pessa de 16 anuos, bom cozinheito ; 3
negras de iUa 20 annos, proprias para todo o
servco ; na ra do Rosarlo da Boa-vista n.48 (6
'2 Vende-se urna casa terna nova, na ra
da Palma : a tratar na ra da cainboa do Car-
ino 11. |7. (3
2 Vende-se um estravo do 40 annos, pes-
cador e canoeiro : em Fora de Portas 11. 37 de-
fronle do becco do Pascoal. 3
2 Vendem-se chapeos de palha, pregos a-
mericanos n. 4, pentes de travessa : em casa
d Hemy Forster jj C. ra do Trapito u. 8. {">
rs e outraa multas lazendas por commodo 2-Vende-se ummolequo de.idadede 16 anno.-
pr. co ; na ra do Crespo loja o. 14 de Jos
Francisco Das.
1 Vende-se urna linda e ptima escrava da
20 annos de idade, de eicellente conduta, com
habelidades edir-se-ha o motivo por que se
vende ; a tratar na ra eslreila Ido Rozario n
84. ,5
I Vende-se um relogio de ouro de sabone-
te, patente, um dito de dito oriental cumeor-
opimo para todo servido, tres escravos de nacao
com bonita figura sendo um bom canoeiro, um
moleque de nacao, de idade de 0 annos, uina
molalinha bemeducada recolhida com varias
habilidades, uina escrava de idade de 20 annos,
0oa engommadeira e cozinhoira, uina dita de
18 anuus de idade, duas ditas quitandeiras e
lavadeiras; na ra ireita n. 3. (8
2 Vende-se a vendada la do Collegio n.| PERM '-, TYP. DE f.qe fauia l8q.5.
1Fugio no da 23 do corrente urna negra
de nome Cervaria de nacao Calabar, cor bas-
tante preta, estatura regular, bastante gorda ,
levou um vestido de chita tendo ido vender
pao no Manguinho ; os aprehendedoies a p-
dem levar, na ra d'Assumpcaon. 60. (60
2 Fugio no dia 10 do crreme, urna negra
criolla de nome Anna idade 40 annos, pouco
mais ou menos, alta, grossa do corpo, cor meia
regular, nariz afilado e para maior signai, tem*
urna quemadura em um dos bracos ; quem a
pegar pode levar a ra das Trincheiras n. 10'
que ter una boa gratificacao. fi
2 De bordo do briuue Aero fundiado unto
a barca, na praia do Collegio, fugio no domingo
19 do corrente um negro marinheiro, por nome
Matheus, nacao Baca idade pouco mais ou me-
nos 25 annos, levou camisa de riscado, e calsa
dobrim, he altoe bem parecido, e tem andado
com o dedo grande de um p leudo, lie de sup-
por andar por Sanio Amaro, em raso de ter ha
muito lempo ahi sua morada; quem o pegar
leve-o a bordo do mesmo ou a ra da Moeda n.
'/, que ser bem recompensado. (10
8 Fugio no dia 6 do corrento o negro Ma-
noel RenKuelia, bai^o, chelo do corpo, ps cur-
tos egrossos, rosto redondo e pouca barba, va-
garoso no andar, tem offlcio do ferreiro ; quem
o pear leve-o a ra da Aurora n. 30. que ser
recompensado. (
2 Ha um mez pouco mais, ou menos au-
sentou-se da casa do abaixo assignado um rnu-
latmho. de 16 anuos, cor de canella, com uina
mancha preta sobro um signal, que tem em
urna das faces, cabellos corridos, e do nomo
Jaco. luom .. pear, leve ao mesmo abano
assignado nos AITogad.is, que por elle ser
lia ducado.
Manoel Joaquim do liego e Albuquerque.
2 Fugio ao ainaiihecerdo da 23 do corle-
lo uina parda de 33 annos; lovou vestido de
chita amarella com um rosario de contas pre-
las no pescoco cabello cortado, com urna be-
lida n.-ollio esquerdo ; quema pegar, levo a
ruadu (ueirnado n. 31, primatre andar t6
4Pfcn


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELYZS97D8_ND12Q0 INGEST_TIME 2013-04-13T03:18:52Z PACKAGE AA00011611_05277
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES