Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05273


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1843:
-- i .....
guara Felra -<2
> l>lk; publioa-ae tadoe oe diae qae nao furr.n aantifinadoa : o | tyi da aeaigaaliua
h- d '-* i*l ra. por quarlel peeoa adien:dn* Oa anniincioidoe eeeignanlea aao naeriiloe
raaao de '20 ,/' por linda uMnem tvpo differcnte, e a* repelieea pela amelade O
que uau torea aaaignantre pagan -Ureitpo 1 nU.IGUc ly|10 dilfcrentc, pi cada publicara.
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
CH" Feranyba. eegundee. aeXIaa feras. Hio rende do Norte, cbega a 8 e ii a pai
le 10 -!4 alio. Sarinhaero. Rio Forneo, Maceyu, PortoCelro, e Alegoaa. mil
11 a daada aeiGaranhuna a ilonito a lje Jt de cada aeiana rate e r'lni
Iee a 18" i* d!o ('.ida i- da Yieloria quintas feiraa. Olinda mdoi o diaa
DAS DA SEMANA.
2U beg a. Febastiao And. do J. de l). de 2 t.
jl Tero. lRnei Re aud. do J. dall.d.i.,.
.''.' (fuerte e Vi ente. Aud J. de 1). da 3 .
2 i Quinta Ildefonso. And do J de D. da 2. T
2i San. 'Jbimolbeo Ad. do J de D li 1. til
S4 Sab s Ananias 8*1, aud. doJ.de D.da !. t.
Sti Uoia t, Policarpo.
de Janeiro.
Anuo XXI. N.'17.
0
Tuilo agora ..epenite de ., Mm; da MU! prudencie. ...Hea^io- e en rjia: eo
lHau coa" principiamo e arreare (pontedue OOB aiinnrayao entre ai r.e-ica ">ei
ooltej (i'roeletuay.i da ASMinbl. a (.eral do lilil.
C1IUI0I mi |,lt .1 uejiNrmo.
CaakioaelbreLonorai '*> :l| Oui>-Mo*dide 6,iOO
a Fana JW' rea por franco
, Lieboa i:0|hi lu > ,.,
alo^dade o bre ao per
Ida- de letrae da bou f.rwae 1 pOro|o
e de ,IW>
Fraie f atacoea
. Peana CLiluaanarra
Uitoa extcanoa
tend
M OO I?,'.Ol
16, U0 47,1 UU
y 4U i iJo
.,931) 4 i/su
1,0 tt ii&i
1,J0 1 .'>.
HlASKS DA LIJA NO MEZ DE l .NRIRO.
Lmtori a S ni l, 5iaia.da ai
Creacente a la lili hura* e 31a da ni
KS3X
La abata i 1hi| luras e i 9 ain da -o
Mmeuanlea II el I I l'oree e .'til in t ni,
Preamar de hoie.
P-imura ai 3 liora- i! am di Urde | Seguida aai he (I ainuloi di II il
DIARIO DE
:_ -mry.:.- :-i".^.H(,-_.i'.^- u, ;*KiGxirr;.*3zi??amewrv ftotnii.ai.di ? das Irmas.
Quarttl General na cidade d Rea fe, O de
Janeiro dt iSi.'i.
ORDKM do da n. 12.
El. observancia da rec irnn n lardo exarada
oo aviso da 18 >le Maiodn 18tV> previne o Rri-
g ideiro huilln ni I inte as Amias, que no dia 23
todas
i-s ciuti-i di Caita do Hoqiilal Ke^imental i'S-
lalii-li-ciilo no ed'-lluio si ni indagir-se-ha em seguida, cono he i-xines-
lo no art 19 lo reguramentn de 17 de F-ve-
reirode 1832. dos nelhora'nent'is. que o mes-
ial o H i-pit il p isa reci'li-r : consciiuenteinenle
o mesmo Bn^adeiro nonvoea, p ra e*te duplo
lim o OmiCvtho I A I inini-lr;n'io respectivo,
bem como o Sr Dr. Jo> Eustaquio Gomes, e
o Cirurgiio eocarreita io do mesmo Hospital, o
Sr Manuel Iternirdino iVIonteiro. Ordena o
Brigadeiro Commandante, que o Sr. Capitn
encarroado do Depisito de rei'rutas mande
presentar na estaco compet rite, p^ra terem
varcinados nos dias quinta leira e sahba lo. to
dos os recrutas, que nao tenho tido beiigai
confluentes
Antonio Correa Sera.
Conforme Jote da Silva GuimirSts, Aju-
dar.te d'ordens.
CRREIO.
CORRESPONDENCIA DV CIliADK E PROVINCIA.
Omanlafede que rabiscou o nojento com-
municado que ie 16 no D.novo n. Hdizque
oSr. Antonio Carlos he rejeitado e posto lora
da chapa pura Senador porqueo hornero do
mrito reconhecido. de probidade inteira, e
do saber eminente nao pode jamis encontrar
sympaihias entre ladroes. a$samnos, ignoran
tes.Chama lhe,/lha,antvi que le chumem ...
O cao Cerbero com todas as suas trezgoelas
nao ladrou mais a> pai Knas. do que tema
drado o marilafede correspondente do l) novo
aos Kleitores para que se lembrem do pai da pa
tria Andrada Com quanto um marilafede seja
FOLHIiTII
O QUABTO DE AMIGA. (*)
Minlia dr nao diminua: nao obstante, mi-
nba sadose fortaleza, eu tornavi-mo muta;
o Marianna, um certo dia, c ntnu nm a sua
historia Klla tinha sido seduzida, depotanao
donada,como eu.como tantas outras. Fo levada
do erro em erro; emlim, expulsa da casa de .\1.
Laurent. enlrogue a si mt-sma, a miseria a ti-
nhi Imcado na ignobil posica em que na acha-
ca. Q ie sociedado para mi'", mu Dos!...
A > oouiiiiigo pu/ me ri fli'clii e iehorroi
de mim mesma Nao me wat va outro apoto
seno una croatura sem honra !... Ku que ti -
ola tido todas as comiiiodidades da foriu.ui e
tulas as garantas do nasennento. nao po.lia
implorar proleccao alguma. Era-rne de imsler
mciir.T un inindigar .' Ali .' meu Dos! excla
mei. al que ponto es'.ou abatida onde me
rraifciu tumba iinioa culpa Eu nao tinha a-
uimo de lonnur um projecto; no entanto, 11/
um ensaio de minhas I >rgai Pai me a bordar;
depois de alguns minutos caho-me a obra das
oaos, eu oala va !...
Ento i-enti realmente lodo o horror de meu
abandono; pensei eu. meus prenles, em mi
nh sogra. lo boa. tao compassiva O remor-
so oenais horroroio me dilacerou : lovantei-
me, qui/. sabir d'csta casa, disto quarto de
um cao em carne, osso. ecaroio, com turto
esse marilafede rabiscadur do ero {que na
malicia he iorra) nao segu em seus latidos u
(al Cerbero ; porque este latia ou I drava para
que o pai Eneas nao entraste, o marilafede
i'Oini hu-a para que na chapa entre o pai An-
drada : Cerbero cahu-se, logo que a Si^ylla
Cumfa llie aprezentou sopas ; mas o cao mari
taff.de nao se calara.vendo o pai Andrada repim
nado no Senado porque ento ainda ladrar,
remiendoservioos ...
O Eleitor de S. Jos (/> oco n 1G) ni
alloeucAo que faz aos sou* rol legas da praia es-
gotl ludo o que ha de bom na lioa oratoria
Ao lr o serinolho pareceo-me e^tar ouvindo
a defeza do Doutoraqui tein causa : lem
lira-me a falla do pedagogo do Trein, recitada
aos pobres rapa/.es, o a quem quiz ouvir, como
se para diaar que era o mestre destinado a ens-
nor o A. IV C fosso precito urna allocii(o :
forte man'a certo he que o tal Eleitor, pelo
que parece, lem todo ogeilopara nedir: e os
praieirot, se querem dar urna prova ie ju- -
tiren os, meitrii) llie ruis mn una Roca onde
se lance para a lrmandudo....
Tinha al boje para rnim que o Inglo/es e-
rao os homens que mais prirnavao no socco o
pensava mesmo que os Mrasileiros nao erao for-
tes nesta arma natural; hontem porin suecedeo
um Tacto que me tirou do erro em que eslava.
Pelas 7 1/2 horas da noute na ra das
Plores,um caboclo deoem umpardo, com quem
disputa va, um socco de tal calibre sobre o esto-
mago que o estendeo por trra morto.
O fradinhode quem,ha dias Ihes failei.he um
tal Roxael ( nome de comii "> ) que, anda ha
pouco lempo,andou fazendo proezas pelo Brejo,
e all concitando des irdens : dizem -me que se
.pz ao fresco; inasqu hoje f >i mrttido no car- ,
cere outro patusco conhecido por Fr. Cadete '
para o que o Padre Guardio requsitra de no- j
vo frca secular. Faca assirn o Reverendo Pro- !
lado Jetta casa e chamo estes ("arietes i ordem
que merecer a npprovac,o dos homem sensatos.
Hojo um h mi'iri, i|uo moravu na tu a do I.i-
vrainento. appaneco morto na praia do Briim,
lanrado alii pela mat; dizem que hontem sel
deilra ao mar, mas nao me informarn em
que lugar, nem o motivo que o levou a suici-j
darse
Recebi do Bonito mais esta informarai), que
a olereco aos seus .nitores :
O inlames praieirot d nata comarca teom lo-
mado a seu peilo detcartarem-se de todoi a-
quellefl, que Ihet fazem frente, elhetembara-
qSo a exenucio de seus damnados planos e!e-
toraes; eomeio, de que infelizmente te lem
elles servido, be o baca marte: por meu de
Oeos livrou-t" de tuat riladas, e armadilhas o
Dr. Francisco Dominguet, ex Jui/. d'* Direito
do Crime dVs'a desditoza catuana, a quem
preleodrAo la s toeleratos assassinar por ordem
de quem, para conseguir tetlt fins, he capaz de
tud i; e esse laclo he tao publii o. que nao ou-
s-rSo ess s infames negar, quando sabio publi-
cado no Diario de Pernimbuco e, depois da re-
lirada do referido Juiz de Direito paraaespn
tal, comee nao a appirecer as vinancas contra
aqm lies, que tiverao a honra de viv ra elle li-
gados, sendo um J elles n infeliz Feij, que.
por conservar s mpre relacoes d'amizade com
elle, e com os demai* Magistrados, foi victima
do banamarte, indo refugiar so o perpetrador
dfsse terriv I attenludo en terral prximas do
engonho d um amigo do indiciado mandante
que, estando em um jantar. diieili litera a lau-
de do quem tirara a existencia da (Inca do Bo-
nito, advertindo que eslava presente a esta lau-
de o proprio assassino.
Depois de baverem feito desappareeer da so-
ciedade o inlel/ Feijo, e verem que nenhum
mal Ihes sobrevinha dero ordem para ter
igual sorto Manuel Pinto, que, pela mesmissi-
ma razio, f i barbaramenle assa-sinado ; e di-
versos cidados da comarca do Bonito se acho
condeinnados a mora pela mesma sjcia, que
he presidida pelo decantado ch-ife. e os sica-
rios apresento-se todos os di is na villa arma-
dos, e fazendo reconhecer a quem pasea ; e es- i
pera-se a cada momento a triste noticia de ser
morto mais algUfll dos cidados. ^uevivem se-
gregados de sua p dilica ; e ja nSo lem posto
em pratica ossa infernal sucia, por estirem ain
la reconlesaquelles dous attenladot, e por ler
dito esses infames um ampo, nosso digno
correligionario, quo estiva disposto a tomar
toda e qualquer vinganva so por ventura elles I
assassinassom mais a algum outro ; esto pois
dando lempo ao lempo, e ento veremos que a
mortandade continuara ; pois um homem, que
amiga, d'onde me sentia espedida por um ie-
dio involuntario, ir lancar-mo a seus pus, im-
plorar o meu pordo e morrer. Ai de mim !
meus ps recus rao -se a andar; eu eslava inui-
to Iraca, desmoei...
Fsla noute, dizeis Conta ello achar-ine
aqui ?
Nao.
Saltoi fra da cama e procurei precipitada-
mente o meu vestido. Do repente parei; ti-
Marianna voltou, achou-me n esse estado, j nlia mudado do itleia : nao era a vossa vida
Quando recobrei os sentidos, ella eslava ao pl que quera, era outro supplicio; aquella leria
de mim. Sua physionomia oflerecia singular i sido muito repentino.
mistura de detastocego e preoecupaco. To- Marianna, queris vs la/er me um ul-
mnii-me o pulso; approximando-se do meu j limo obsequio, provar-me que me amis ? Sa
leito, achei-a bastante pensativa. Aquello mo- J h, deixai-me este quarlo at amanhBa. Fu o
do era-I he lo pouco usual, que me lez im-j receberei... e Iho farei as bomas, accrescentei
| foi convidado por essa criminosa sucia para
tirar a existencia ao digno cidado, Candido
.lose da Silteira, nao l recuou, como veio
communiear um tal convite ; e qual !ie o cri -
me d esse cidado Vi\er nicamente sepa-
rado dessa ridicula, e criminoza sucio! !
Maravillia o triste quadro d'uma d marca, quo
foi oillr'ora to tranquilla e socegada.
Fallar-llie-liei agora d'oulras coutas, quo
desgracadamenle occoirem pelo Ron to. Ha-
vendo tomado posse da Delegatura do Bonito o
lenle Coronel Francisco Xavier Lima, tcm
representado pestimmenlo o papel, que se Iho
; incumbi ; he verdade que ludo era de esperar
il elle, por ser nimiamente ignorante, assigna'n-
do apenas o seu nome a sucia exige d'elle,
que prop nha aos nosos dignes Presidente, e
Chele de Polica interino a demissao daquelles
Subdelegados, que llie sao infensos; elle, por
ser escravo d'ella, nao pode appor-se a esta
exigencia, mas, por ser medroso, e conheccr,
que be urna injusliea, quo lem do fazer,
lem por i*so estado vexadissimo, desejando sua
ptoneracSo: entretanto nao sei que fara elle ;
inclno me a cir que cuoiprir risca ludo
! quanto a sucia exigir. I .-t Xavier l.ima, em
quanto cuidou de seus eorjenhos, o nao titeo
, ligado intimamente a infame sucia, que infe-
lsmenteda boje as cartas no Bonito, foi tido e
consid rudo como bom homem ; depois porm
qiieoFxm. Rara o da Boa \ ista Ihe conferio
honras, e Ihe den importancia, nomeando-o
Pnenle Coronel do batalblo de Guardas Na-
conaes d'aquelle lugar, e Subdelegado do dis-
tricto de Bierros, deixou a lionnza carreira
que sempre trilhra, principiando por commet-
ter oconsideravel crtme d'ingratido.
Quero, j que filio n'esse hoinoin, referir
um lado que oerorreo, ha pouco. Pendo bavi-
do huma unirle no da d'AnnoRom no enge-
nho Verde, commarca do Bonito, o tendo sido
capturado logo o autor d'ella, o enviado para
a villa com a competente participacao, e re-
messa das teslemunhas presenciaos do delicio,
para depArem no sumario, foi o referido preso
posto em liberdade por ordem do Delegado,
Xavier lima, que smenlo o fez, para satisfa-
cer a exigencia, que Ihe lizero o J. M rhefe
das palilanas da villa ; o o incomparavel Esto-
ves, seu conselbeiro, fazendo dispedir astes-
(') Vid. Wirw n. 16.
pressao.
Ocuetendes? Ihe disse.
quelenbo. Julia? Estou bem emba-
ncada : sei alguma cousa que vos loca de porto,
e nao me atrevo a dizer-vol a.
Fallai, l'iai. O que ha ?
Pois bem. vou ludo dizer-vos. Eu o vi,
Quem ? ello Leopoldo ?
F pu/ me a tremer de maneira to honivel,
que a imiilia companheira se assuslou.
Perdo, perdo, pobre mullier / Sim,
eu devia ter-me calado, isto faz-vos um ml
lerrivel; talvez o amis ainda.
Fu amal-o o carrasco de meu fillio !
aquelle que me lancou sobre este Icilo de mi-
seria Fu amal-o! oh I nao. Se tremo, be
porque seu nome despertou o ultimo sentimon-
to oo iiieu corai.o, o odio que llie consagro;
he porque emlim venho de sader que potSO vaJ-
o, que nn morrerei sem me tor vingado. On-
de esta elle ? Meu Dos eu vos agradeeo.
File ha de vii esta noute, lornou Mari-
aona.
com um sorriso que fe/ estremecer Usriannt
Fila hesitou: receiava deisar-me s, inda
to doente.
Tenlio torcas, tornei, tel-as he i : eu o
quero, he uiist-r que esta entrevista tetilla lu
garwm lestemunhas; depois sahirei de voa
casa. Nao pensis que eudeixe de ser-vos gra-
ta por tudo quanto leudes leito, Marianna em
quinto viter. hei de cons rvar a lemhranca de
tudo. Sei que nao est lis caneada da minha prc
senes que de bom tirado continuareis a pres
lar-mevossis beneficios; porm nao possopor
mais lempo incommodarvos A quo horas vem
ello?
A' meia noute; sao onze horas e um
quarto.
Bem. Adeos, tenho preciso de cnsul-
lar-tne; be um passo ponderoso que vou dar
\dos, .Marianna. minha nica amiga! A
dos, e agrade(o-vos a vossa ami/ade .' Nao
VOS esquecaisde mim .'
Marianna aliracouine. porque, quanto ar>
essencial, liiiha um coraco generoso. Fiqu i
10 em seu quarto. Ouvi-a descer, depois fe-
char a porta-da ra, e ento recolhi-me. Meu.
partido eslava tomado : eu ia lindar todos os.
meus malos, ia legar-vos, para o resto de tos-
sos dias, um remorso devorador. Depois que
anabei os meus preparativos, osperei por meia-i
noute com mais impaciencia, mil vezes, do que
quando esta vamos no caste.lo. F.reis vos ainda
que d vieisvir; mas que differem/a .* Fu escu-
lava, como oulr ora, o ruido dos paseos que s
cruzavo; emlim, reconbeoi os vossos! Meu
coraco palpita va a saltar-me do peito. Sabis
que entrastes aqui, sabis o que vinbeis buscar,
sabis o que acliast, >; todava, nao sabis tu-
do. .
Calou-se : violentas dures contrahio seu
semblante; durante esta loriga narrar o, ella as
liatia superado. Encoitou-se um momento o-
bre o marmore da chamin pareceo recobrar
alguma frca, correo para a poila, tirou a cha-
ve e I incou-a na ru.i; depois lechando com va-
gar a vidraca lornou a por-se defronte de Feo-
poltiode Blancay que a contemplava. aterrado,
confundido o sern nada comprehenilei do que
ella medita,a.
I'ensastes pois, Leopoldo, que seria pos-
livel a um h iiiem tranttornar nssim a vida de
urna mullier, abrir-lbe a estrada do crime, con-
duzil a pela miio at o precipicio, o que depois
elle licaria nipassivcl sobre a borda, olbando-a
ealiir no abysrno e n ello ir aflundando do dia
em dia ?.. Enganastes-vos, enhor Vos me
arrancaste! minha pacifica existencia; sois res-
ponsavel das minhas fallas e da minha morte,
ouvis ?... Ah pois haveis de abandonar vosso
lilho, sua mi; elles hao de perecer de miseria
e de lome... evos, vs prodigalisares o ouro


i
\
HW

r
i
temunhas, e o prop-io assassino, que ficou ha-
bilitado para Tactos da mis mu natureza. Eis
o Delegado li >je do Bonito, eis os dign os ami -
go, que o guiao: u homem est om um de-
sespero, porque nao lein remedio, senao sujei
tar-sc a todas esas exigencias, as quaes o h 1TI
gem, e morlificao ; e a pezar d'isto o bom Jis-
teves, nao estando contente, procura o empre-
o de Delegado; forte mi/eria Gracas a
Providencia be esse Esleves bem conhecido de
todos.
Aqui tem Vmc. um Tacto imprtante da
Cmara Municipal do Bonito. Depois de 1er
sidoempossada a nova Cmara, tratou ella de
dar posse a todos o Jui/es de Paz, Supplen-
tes, &c, e entao comparecendo Candido Jos
da Silveira como Juiz de Paz Supplente do
districto da villa, oi Ihe denegada a poste sob
o fundamento do ser ello Ajudante do hata-
Ihio de Guardas Nacionaes, djndoessa diana
Cmara posse a Manoel da Silva Souza de Jui/
de Paz Supplente deCaruar. sendo Ajudante
do batalhio de Guardas Nacin nao he o proce lmenlo da Cmara pelo menos
inconsequenlc? !
O grande Joo Guilhermo, por nao poder
mais passar cdulas faltan, foi reugiar-se com
urna quadnllia na Bapoz, e boje anda cena-
do de valenloes.
O faciuoro/o Manoel Francisco, que, alm
de j estar condemnado gales perpetuasen)
Garanhuns.tem diversos processos por crimede
morte acaba agora de assassinar a um Indio.
e no dia seguinte apprczt-ntou-se na povoarao
de Bizerros, que he por elle frequenlada, assim
como o he ao que dizem, a casa do Dele-
gado Xavier Lima, que nao o tem prendido
, e nem nunca o captcuani)rezidindo elle publi-
camente no Mimozo. lugar prximo a Bizerros.
Correspondencia
Sr. Hedactnret. O promettid he devido ;
aqui teem Vmc. o Furoo. Talvez pergunte el-
gum daquelles bichos de quem Ibes fallei na
minha anterior, o que vem a ser furao e pura
ir ao encontr dos seus detejos aqui Ihes ex ki-
nho o que he um furao : lnchinlio quadrupede.
que se cria e mora n<.s maltes e sertoes, vive da
caca e do ii.el he milito perseverante e au-
daz em suas empre/ns bastante valoroso lo-
dos os mais bichos desde o colho al a onca, e
os metmos quadrimanos o evito respeilao ou
temem pelo vigor assiduidade constancia, e
extrema resolucao com que persegue a aqiielle
a quem pretende dar cafa : os maritafedes pe-
lio-se delle, niesmo no fundo das suas locas os
vai arrancar : nada-escapa aos seus penetrantes
olhos; e fino olphato. ahi tendetramigunbO<.
o bichinho. que est disposto a guerrear-VQl :
tem elle, alm disto o couro grosso c flexivel ,
os pellos longos, grossos e espessos que opreser-
vao das intemperies das estacoes ; se lh tocis,
-lles se errigao, o que he sipnal de raiva cen-
ISoguardais-vos das suas unbas e denles que
nao sao de brincar
Este he o fiel retrato do furio o qual s
teme o hacamarle do Iraicoeiro; Bgnra en ata.
Tenho conlas primeiro que ludo com o n arita-
fede que no i).-novose assigna O Eleitor
do Recife. Sinto que a nojenta, e fastidiosa pro-
duccio do tal bicho, tem duvila encommenda-
da trate de um objecto que talvoz fosse mais
prudente entregar ao despreso mas comoo
maldito assim o quiz assim o tenba ; que a ma
lulamente, sabem -no todos aqui; mas he pro
cso desmentil -a perante os que nos licio Ion -
ge, que para esses he que essas mentiras sao es-
criptas : as veniales que disser serio nuas o
cruas. se a alguem frem amargas queixe-se
dos que para seusfins Ihuassaco qualidades ,
que nunca tove; aduladores, que esses vi/, sao.
como nunca houve no mundo gente tio baixa
Sem o menor recato atira o tal Eltitor pra-
i;a os seus insignes candidatos Antonio Joa-
quim de Mello, o Souza Teixeira aquelle pe-
los relevantes serviros feitos a Pernambuco ,
os quaes sio tao desconhecidos que todos os g-
norao e esto pelas suas virtudes que ainda
ninguem Ihe descobrio Oh 1 !!... o here da
praia? ... cujo port-- grave, sublime tciencia,
eoslumes severos o irreprehensiveis, collossal
lortuna, hoi,r<.dez. cm fim, 13o alto, tao gran
de tao poderoso he, tao elevado se acha que
deixa muilos aps de si, nao j quaesquer ou-
tros memliros da groi Brasileira mas ateos
mais distingos e benemritos cidadios os mais
prestantes Brasileiros.o por conseguinte os can-
didatos do lado l-ironi-l tod p |iinto nao faz o dedo mendinho do Se-
nhor M.-tii-- de -ou/a o qual Ihe adivinha .
assim como todas as suas qualidades sao de adi-
vinhacao. Isto na verdade he cnusa para fsier
miIiir da toca ainda bichos mas bravios, quanto
mais um furao, que he capaz de correr mil pe-
rigos para torcer a cara a um pedaco d'asno e
p r ahi descobrir algum mel de po.
E como se trate de compararles e para es-
ttl con em Irazer a luz do dia todas as qualida-
des do objecto, que se quer comparar vejamos
o que he, e o que lem sido, esse predilecto dos
maritafedes, qu tao fal'ado hoje vai em nossa
Ierra e com quem a praia tanto se ufana.
Estn a praia esquerida, mas, Pernambuco
nao, da juventui'e do grande homem dpsde Ca-
dete e Ajudante do tinelo regiment al
1817, quando foi como preso de Estado para a
Balra Ahi andan seus ro npanheiros v con
temporneos, que di em fugiSo do se acompa
nhn ni com elle tal era o reparo que elle a
todos iiii'iecu ; porque, adivinbe o quem qui-
zer; e quando elle ps-ou de rapazinho a chele
de familia se elle be capaz que o diga se Ihe
nao ra a cara de vergonha.
Essa prisao na Bahia foi qu*m moslrou de-
finitivamente sua inepcia, porque quando todos
os seus companheiros procurarlo dar exercicio
ao espirito, e expaucio a suas (acuidades intel
Irruas; quando lodos mais ou menos se a pro-
veitarao, elle o que fez ? tahio t3o estupido t o
que mais he lio ignorante como enlrou. Al
essa poca pois nem conducta nem instruccio o
fazio recommendavel mesmo como um sim-
ples militar. E depois ? Depois, quanto 6
sua honradez deixo isso s essas lingoas maldi-
zentei que em ludo Iramelio murmuraren)
que com o andar do lempo te ver o desenlre-
cho ila comedia, em (|ue por artes de berliques
e lierloques surdio do bobo o pobre Malinas Vi-
dal, ecujo enredo lem sua gr>ca e mostra o
talento do autor: mas sua fortuna colossal.
A
/
as orgias e nos prazeres os mais objeet s; vos
viris aqui aqui, Leopoldo Eis-me,
eu em lugar d'aquella que procurareis.
quedi/eis da troca ? Soueu, eu, a C<>ndessa
Julia, que vos adorava, ainda vos pertcnco :
pastaremos a noule junios; passal-a-hemos toda
inleira, nao he assim ? Eu lancei a chave a
ra; estamos socejtados.
Ella ria com riso doloroso e louco.
Subiste quatro andares, nao he verda-
de ? Impossivel hedescer pela jam lla.e as chaves
das portas nao esto mais em vosso poder. \ *
nao as arrumbareis, essas portas!... sao tao
solidas, e por mais que gritasteis, nenhum en-
te acuderia a voseos gritos. Toinei bem toda*
ai minhas ptecaueoVs, que pensis ? Examinai
vOt mesmo !... Agora, queris saber o resto
Ide me ver morrer. t'W eslou envenenada :
Envenenad.! Julia, vos /ombais de
ni i m : dizei que nao he verdade, deixui me
procurar soccorro. Em nome do ero, nao lite
condemneis teste borrivel supplicio. Que eu
vos nio veja morrer, que nao possa arguir-me
a vossa morte Nao basta a de meu filho i Nao
estis sullicientemente vingada ?
Elle eslava a seus ps; ella o nao arga.
__ Estou envenenada, toinou ella, os r<-
mediosnome saivanao. Paiece que escolhi
bem a minha vinganca, vos a toflreit!... Es-
per.ii. collegi vossas forras; aindao vos reslo
muitas horas Ides assistir a minha agonia.
Leopoldo Ides contar as minhas dores: sao
horrorosos os tomentos, que padeco, elles
rescem; vos os resentiris todos: e eu, eu le
fepelirei, Marques de Blancay, para que esta
lembranca te fique eterna, para que se enllo-
que al junto ao leito em que diotares a tua
noiva, eu te repetirei que hes o autor d esses
tormentos, chamar-te-hei m-u assassino, o as-
sassino de meu filho, entend s? ..
As convulses cmbargrao-lhe a voz. Leo
poldo assenlou-a em urna cadeira, locou todas
as campainhas, bateo em todas as pandes, cha-
mou mcsii o para a ra : a aquellas horas mor-
as, nao foi ouvido e (ornou para o lado d'ella
Julia, hes bem cruel castigisos meu*
asgravoscom o espectculo o mais pungente !
l'erdoa-n.e Aponta n.e um meio de sahir. de
hav- r um medico : oepois nao nos separaremos
mais, far-te-htfi esqueier O pastado a forca d
amor n de arropen di ment. Oh! i-u te suppli
co. Em nome do nosto filho que he um anjo :
se fosse vivo elle intercedera por seu pai !
Ella ievanlou-sc e lancou os cabellos para
Iraz. Assim de p, pallida c com a cara man-
chada de nodo is lvidas, Julia eslava horrenda
Pegando nu ino do Mrquez, moslrou-Ihe o
co.
Cala-te, homem sem compaixao cala-
te. nao me pecas o (eu perdao em nome de teu
filho lile morreo, porque sua misera mi nio
tinha mais para Ihe dar senao seu sangue: e
lu queres que eu te perdoe a n orle de meu fi
Iho ? Oh Mrquez, entre nos dous ha um
ahysmo He em nome de meu filho, que fallo,
de meu filho, de meu filho adorado, de meu
lilho morlo : eu le amaldico, Mari|uez de
Klaneaj. eu te umaldiioo na minha hora derra
deira I possas tu viver dntgiacado e morrer, co-
mo eu, abandonado de lodos !...
que alias nada tem de extraordinaria, pode o
Sr. Manoel de Souza di/er como a houve ? O
que eu sei he, que seu pai a nao deixou, nem
a ganhou ; u como senhor d'engenho inepto, e
preguicoso oSo seajunta dinbeiro para figurar
de ricasso.
Agora faci as suas comparaces e meci
as distancias do seu candidato aos dos dignos do
partido da ordem Tendes um campiio que
para ser mais alguma cousa precisa da obscuii-
drde que he obscuro em tudo e por ludo; que
teve urna vida nulla para o seu paiz durante per-
to de cincoenta annot ; que quando sahio por
bamburro do circulo acanhado em que vegeta-
va foi para fazer um papel miseravel, que to-
da a sua illustracio he ter figurado na praia co-
mo tolo, que nao tem virtudes domesticas, nem
instruccio ordinaria, nem aquelle uo do mun-
do que ao homem publico he^ndispensavel.
Eis-abi um candidato digno de maritafedes, dig-
no da praia ; e como esse achariao fcilmente
outros muilos, nem era preciso escolber
Suspendo aqui a minha arenga e voltarei
breve. Sou, &c. O Fmilo.
1*mblicario a pedido.
feceila e dtspeta das obras e do patrimonio da
matriz da Boa-vista desde 9 de Julho de 1843
at 15 de Agosto de 1844.
Rtceit.
Importancia das esmolas
pedidas
dem do liquido de trez
loteras
dem de madeiras que se
venderio
lieceita do patrimonio.
Bolsos das quintas-feiras
Saciistia ecaixinha
Entrada de irmios
Jotas.
O Juiz Luiz Gom'sFer
reir 100,000
O ex EscrivJoMayer 50,000
O Escrivao Patricio Jo-
s Borgcs 50.000
6:011.730
5:^2,420
182.080
450 470
96 620
400,000
200.000
Esmolas para a festa.
O S'. Juiz Luiz Gomes
lerreira 60,000
O Sr. Escrivfio Patricio
Jos Borges 20.000
70,000
Para a procisso do S mhor 1
dos enfermos.
O Sr Juiz Luiz Gomes
Fcrreira 101,000
Sepulturas 20.000
Esmola que deix u o
fallec do Joio Fran-
cisco Begis 9 000
Beodas das casas 566.000
Rs. -13:592,320
Des peta.
Dividas contrahidas pela administracao passads
e pagas pela actual.
Ao ex-Thesoureiro Pedro Igna-
cio Baptista 788.116
Leopoldo curvou involuntariamente a cabera
sob esta maldicio, que Ihe pareceo urna sen-
tenca do co. Depois de alguna minutos de si -
fencio tmente interrompido pelo estertor da
desbragada que luctava contra o veneno, elle
t( nlou de novo gritar, chamar soccorro; nio
veio ninguem.
He intil, repeta Julia, he intil; el-
les nio ouvem. Ficars, Leopoldo, at que eu
me tenha tornado cadver. Su entao poders
ahir, poderas ir ver a tua noiva .... porque,
eu o sei, ella te espera
Cada minuto redobrava os tormentos da ni-
ca testemunha da secna. Em fim, tomado de
urna especie de vertigem, ello deixou se cahir
oir a beira da cama onde ella jaria, aniqui-
lado, nao tendo mais animo nem quasi co-
nhecimento. Ella lez um esforco incrivel pa-
ra chegar at a elle
Mrquez, foi tambem de noute que mor
reu o meu pobre Manoel ; foi de noute que eu
fugi na casa de minha mi ; era de noute que
< ulr'ora lu vinlias ler commigo; he de route
que ao p' de ti darei fim minha carroira de
dores e de remorsos! E tu mesmo, he de
noute que has de de morrer. de noute. e eu es
tarei l, l. com o espectro de ama crianca ;
nos te esperamos ainda para le renovar a nossa
maldicio eterna .... Oh! meu Dos! per
dio.' Meu lilho he um anjo. que ellerogue
por iiiini! nao nos separis Meu filho meu
filho !. ..
Depois de alguns istantes de agonia de ge-
midos suflocados, de estrebuchamentos e dr
convuboes, Julia tinha deisado de existir e de
padecer.
1:584.780
6.000
118,955'
27,495
118.740
26.120
22,680
2.600
8,960
A Jos Francisco de AzevedoLis-
boa
Di i ei tos de oito pedras
Frele das mesmas
Conla papa a Jos Pereira Tei-
xeira
A Manoel da Cosa Oliveira,
conducio de maleriaes
Conla paRa ao ferreiro
Dita a Wilmer
Dita a Geraldo de Amarante dot
Santos
Dita a Clorindo Ferreira Clao
Urna lettra paga a Joaquim da
Silva Lopes
A NoIiitIo Joaquim Jos Lopes
de conduzir as pedras para a .
Ponte Velha
Dividas do patrimonio.
Quartel de missas dasquinta-feiras
vencido em 50 de Junho
Epstolas de um anno vencido em
30 de Junho de 1843
4officios de agonia
Decima geral e provincial
Foros
Ao Juiz de Capellas
Concert do orgao
52 Missas de legados
Cusas pagas aos berdeiros de
Mara Jos
Detpexas feitas pela mesa actual.
Importancia das despesas leitas
com a obra da frente e do inte-
rior da igreja 6:687.050
De'ptza do patrimonio
Missas das quintas
(Juicios de Agonia
Mitsas pelos irmios fallecidos
Decima geral e provincial
Muzicas det quintas-leiras
hespe/a da sao istia
Importe de objectos que se com-
praiao
Conccrtos
Multas
Festas
Ao guarda da igreja
(era qu lidia na
Missa dos legados
483,60*
19,200
18,080
4.000
5.120
406.480
21,940
84.410
200.000
33,280
34.000
4:014,456

\
65.280
8,960
364,800
2'7.804
171.200
34,940
336.680
85.700
8.400
936.640
308.320
236,640
99.840
Saldo a favor da rmandade que
recebeo o novo Tbesoureiio
Nota.
A prsenle administracao pa-
g u o empenhode 4;014,456 rs.
cantiahido pela anteriorcom-
prou moblia nova para o consis-
torio assim como coreto novo
para muzica; deixou 402 lijlos
de marmore que crescerao da li-
bra.
Deixou mais cera e encenco
para alguns mezes para o uso da
'-43*57676+6 x ]
15,710
13:592,320
;
Eslava o dia a romper, urna voz fresca e jo- I
ven, garganteando nio sei j que estiibilbo de L
mosqueleiro, desperlou o Mrquez da lethar- l
Eslava o dia a romper, urna voz fresca e jo-
'gando n~
nosqueteiro, desperl__
gia estupida em que se acbava.
Marianna, radiante de alegra e com o sor-
rito nos labios, abri a porta ....
Enlo, Julia, ests satisfeita de mim ? .
Creio que fui boa camarade!
Dizendo isto, ella corra para a cama cu jos .
cortinados abri o Mrquez tinha-os deita-
do sobre a cara da mora; parecia que Ibe cus- .
tara a ficar com os olhos aberlos dianle de ca-
dver. ... Marianna, que se felicitava de ler
reconciliado os dous amantes, fitou alysu.ada
a vista do corpo de Julia ....
Desgraca clamou ella, desgraca Vol- i
tei mudo tarde 1
Esforcou-se por despegar os dedos j rijos e[
arroxados do Julia, para arrancar-lhe o Irasco i'
que ainda apertavam... .
Mora! mora! repeta Marianna sacu-j
dindo o braco de Julia. M< ra em quanto,
eu dancava Pois nao navio ninguem aqui !k
Virou a cabeca, o Mrquez esconda a suaj
entre as mios. Marianna ia a lallar-lhe, l
quando elle rpidamente se aproveilou da i
porta enlre-aberla para precipitar se sobre a.
curda que servia de corrimo escada .
Fugindo, lancou a sua bolsa a Marianna.. *
Aquelle ouro culpado, Irazido para urna}/
orgia, servio para os gastos do enterro de Julia/
de Montal, Condessa de Bresmes.
FIM.
(O brasil.)
\
K
^^
MUTIL



r
V
Aj-

igrejs; finalmente acabou com-
pletamente o interior da matriz ,
bcando ludo pago ; e alm do
pequeo saldo que entregnu.dei-
xou triis perto de 200,000 rs. de
alugueis de casas vencidos pa-
ra seren cobrados pela nova aJ -
ministrado
Luiz domes Ferreira, Juiz; Patricio Jos
forgetde Freitat, Kscrivo; Bernardina Joto
Monteiro, Thesoureiro.
COMMERCiO.
Rendimento do dia 21...........8:506^365
Detcarreg/lo hoje 22.
Brigue /tragomarcador as.
B.ircaGratnhacalho.
BrigueCinthiaidem.
mammmmmmmmsaammmaem il. j
Hvlmento do l*orlo.
/
-
*' t..
>
Navio entrado no dia 19.
Trieste ; 52 das brigue austraco Ge rgto ,
de 381 toneladas capitn R. Joanconich .
equipagetn 13 carga farinha de trigo ;
N. O Bieber & Companhia.
Havre de Grare; 41 das brigue franrex Ara-
go de 176 toneladas capilo Deyrecu
equipagein 10 Carga azendas; a Luiz Bru-
euiere.
Terra Nova ; 30 das, brigue ingles Cynthia.
de 21 t toneladas capilo William Golds-
woriby equ'pagem 13 carga bacalhao ; a
ordem.
Navio taidos no metmo dia.
Boston; barra americana .Vi/#, capilo Knots
Pedrick carga assucar.
Val-Paraiio; barca inglca Inda, capilo Da-
vido M. K< n/ie carga assucar.
A (icios entrados no da 20.
Terra Nova ; 28 das esetna ingleza Archi-
me es, de 188 tonelada*, capilo W.m lluit
equipagein 10. carga hacalho; a ordem.
libas d Sandwich, temi sabido deSag llabor.
ha 30 mezes; galera americana Tuscany de
300 toneladas capitao James Golliec, equi
pagein 23, carga a/eile Londres ; 4&5 dias brigue inglez Pilhagura .
de 2.M toneladas capit>oJ Carnet, equi-
" pageml. carga* fazendas e plvora ; a M.c
I Calmont& Companhia.
Terra Nova; 39 dias. brigue inglez Gratia
< de 189 ton ladas capilo John Polard ,
equipagem 13. carga bacalhao; a Jame
Crabtrce & Companhia.
Navio sahido no mttmo dia.
Lisboa; brigue portugus i Domingos, capi-
lo Manuel Gumalves Yianna carga as
sucar.
Navios entrados no dia 21.
Santos; 27 dias galera austraca Fideli, de
298 toneladas capitao Barlbolomeo Gav-
ni equipagein 11 carga lastro; u Le Bre-
tn Scbrainm & Companhia
Hamburgo; 45 dias. brigue hamburgus Adol-
pho, de 250 ton. ladas, capilo Hones. equi
pagem 10 carga faz-ndas; a N. O. Biebei
& Companhia.
Lisboa ; 40 dias. brigue porluguez Feliz Des-
tino de 230 toneladas capilo Antonio
Goncalves de Azevedo equipagem 16, car-
ga diversos gneros.
dem; 31 dias, brigue francs Circumitance.
de-221 toneladas capilo F. Enet, equi-
pagem 11 carga sal ; a Avrial r reres.
dos Arrombados na importancia de 2:08f200
ris.
Os licitantes devidamente habilitados com
parecao na dita Thesouraria no dia e llora in-
dicados.
Secretaria da Thesouraria das Randas Pr<>
vinciaesde Pernambuco 13 de Janeiro do Is'iS
O Secretario,
/.. da C. Porto-carreiro.
ESTRADA DO NORTE.
Primeiro lanco desde o caminho do Pom-
bal al o Varadouro de Olinda.
Feitura de urna calcada n'uma parte do dito
lanco.
Clausulas especiaes da arremataeo.
1.* As obras dependentes desta arremataeo
serd feitas de conformidado com o orcamenlo
appresentado n'esla data ao Eira. Sr Presiden-
te pelo preco de 3:960/0(10 rs.
* As obras principiars no decurso de um
me/., e ser acabadas no de 6 mezes ambos
contados conforme ao artigo 10. "do regula-
mento das arremataces.
3.a O pagamento do i n realisar se-ha conforme as prescribes do ar-
tigo 15. do regulamento respectivo sendo dr
6 rm-zes o praso da responsabilidade.
4.* Para ludo o mais que nao est deter-
minado pelas presentes clausulas seguir-se-ha
inteiramenle o que dispe o regula.nenio das
ariemataces de 11 du Janeiro de 1843.
Keparticiods Obras publicas 7 de N nom-
dro del8'il. O Engenheiaoem Chefe. Watt-
ibier.Approvo. -Calado do Pernambuco 'J
de Janeiro de 1845 Almeida, Presidente.
PONTKS E AHCOS.
Pontesinha da Camboa do< Arrorohados.
Clausulas especian da arremataeo.
1.* Os treballios e obras da dila ponlesinha
far-se-bo, conforme ao orramento e risco ap-
presentados em 8 de Ouluhro ao Exm. Sr.
Presidente, e additamento ao orramento d'esta
lata, preco de ris2:608 200
2.a As obras principiaran no praso de um
rnez, e findai5 no de seis me/es ambos conta-
dos em conformidad*] do artigo 10 do regla-
mento das arrematad-oes
3.* O pagamento far se-hn conforme o ar-
tigo 15 do dito legulainento, sendo de 8 me-
tes o praso de responsabilidade.
4' Para ludo o mais que nao est determi-
nado as presentes clausulas seguir-se-ha in-
leiramenle, o que dis| oe o regulamenlo das ar-
rematacoes de 1 1 de I (litio de 1845.
Reparlico das Obras Publicas 13 de De-
-embrode 1844.O Engenheiro em Chefe
Vaulhie .Approvo. Palacio de Pernaini
buco, 9 de Janeiro de 1845.Almeida Presi-
pente
Senhor Bom Jess da Visssacra 52,380
' apella da Conceicao da ponte 61,34
tnceigo do Cnllegio
Conceicao dos Militares
Santa Auna dos Militares 24,840
Recebedoni 21 de Janeiro de 1845.
Francisco Xavier Cvatcanti de Albuquer-
que (2
aA Pagadoria Militar tem de remetler par
o Rio de Janeiro a quanlia de 1:2901235 rs.
producto da venda de plvora ; quero quizer
surcar sobre a mesma praca pela referida quan-
lia dirija-se a dita Pagadoria as horas de seu
espediente. (6
I
[I
ir
piulo DRAMtico.
Quinta fe ra 30 de Janeiro ,
BENEFICIO DO TF.NOK aJULOS RICCO.
I
Vendem-se bilhotes para este inte-j t
ressante diverliinenlo na na do Qliei-] J
madoN. ti, loja do Sr. Castro & C.; 11
j :na do Crespo, loja do Sr. Jos dos: '
gjSanios Nevos ; na ra Nova N. 11, lo-:|;
;ja do Sr. Guerra Silva jja ui> 01. i>u.ei ii oiivm tv \.. ni nokiici i
5ra da Alfandcga Velha no Hotel 5 !
{Francisco; na vespera e no da no i a
lTheal.ro. II
t i I
Mi MU- safe mt# Mr s*? 9 s s& mu? > *
recbela com fantagem a recompensa de qual-
quer Irabalho e despesas, que houverem de
45 000 ,er' igualmente rnga-se as pessoas, que com-
81 7*i0 P'a,M' *endeni escravoso favor de se Ibes lor
: fleiei ii o o mencionado, ou menino que dclle
tenhu i oiicias parliciparem ao dito Caldas ,
que alm de pagar toda e qualqner despesa ,
Ibes ser minio agradecido pelo grande bene-
lii io. que tazeio a 4 orphos de pai e mi que
apenas he o nico bem que possumi. -'"
l^r J. s Pinto de Campos retira-se para
a cidade do Porto tratar de sua sade.
= Na noute de 17 para 18 do crrente, lur-
tro do quintal de Manuel do Nascimento Pe-
reira Dutra, tres cavados, em Olinda, cornos
signaessiguintes: um ruco de pello preta c;.r-
il,u> de mei.-i elina e c.iii'la. tem unas verrugas
grandes e pequeas no pescoco, o menos eru
todo o corpo, e he capado; um dito quartao po-
dres, grande, laiiibem capado; um dito quartao
ruco preLocom urna pequea estrella na testa,
un signa! no beico. Roga se as autoridades po-
I ciaes, e mais pessoas em particular a quem II-
i vernolicias.de os aprehender lrn7el-os ao nci-
nia j dilo em Olinda, que pngai a lespeza,
grntificaio, e Ihe fi;ara muito agradecido.
Aluga-sp nina cosa de dous ndales c so-
tao sita no Alloiro da Boa-vista n. 3t; quem .i
quizer Mugar, dirija se a rm do M^ndego
n 71.
1 Os Srs Pedro Ferreira Raonos e Francis*
roJos Tavnns, (ueiiiio procuiar na ra da '
< adeia.armazen: n. 12, unas cillas indasda
cidade do Porto. (i
I
1
f
*!
A \ l*Os liitriiliini.
uso dfc. ; a tratar com Manuel Goncalves da
3 A Cmara Municipal da Cidade do fecife e \ Silva ,* na ra da Cadeia ou com o capitn a
2 Para o Porto a barca portuguesa Espiri
to Santo, seguna com brevidade, por le urom
pa a sua earrega ; quem qui/er carrejar, ou II
de passagein por ter muito bous commodos .
dirija-se a Francisco Altes da Cunta, ou ai
capilo da mesma barca, Rodrigo Joaquiin C>r
rea na piafa. ('
2 Para o Pollo o brigue porluguez Mara
Feliz capilo Antonio Luis Gomes, est a salo
muito bieve, por ler parle de sua earrega prom
pta ; 4Ueii. nelle qui er cairegar, ou ir de pas
kagem dirija se ao dito capitn na prafa .
ou no seu consignatario Antonio Joaquim Souza Ribeiro. '7
5 Vende-se o patacho brasileiro Emulag&o.
de pri'neira maicha forrado e en> aviihado d
cobre, tem excellenies commodos pra passa
geiros uppaielliado de novo panno em mei
o.
eu termo &
= Faz saber que no dia 23 do corren te se-
rio arrematadas triennalmente por quem mais
der as casas de nis 13,8,10.36,38,e 40 da Pra
ca da Independencia, que de xaio de ser an-
teriormente arrematadas, por nao lerein lulo
lanzadores. Os licitantes podem coHparecer
em o mencionado da, munidos de (adores
idneos, e habilitados na forma da lei, na casa
de su."i sessdes.
I para qoe chegue ao conhecimento de lo-
os se mandn publicar o presente.
Vanoel Joaquim do llego e Atbuquerque
Presidente
Luis fie Francas Mello Jnior.
J-ecretaiio interino. (17
eelarages.
)
Edita*
a.
3Pennte a Tbezouraria da Fazenda dest
provincia, se ha de por em hasta publica para
serem arrematados por quem maior renda an
nual oflerecer os 3 lelheiros. e pateo, que
fi. o ao lado da casa dos i ngajad >s. no areial de
Fora de Porta. A* pessoas, se que propoierem
asemelhante arremataeo. deveno rmpate
cer nesta Thezouraria a 1 hora da tarde do>
dias S i. e 28 docorrente.
Secretaria da Thezouraria de Pernambuco
16 de Janeiro de tSi.'.
Antonio Lu z do Amaral e Silva.
Oflb'tal d>- Secretaria, (l
0 Illm.Sr.Iiisppclo Ti m.rer a das Rendas
pnivinciaes em cumpiim* "l" olTicios
Esm. Sr. Presidente da provincia de 9 do cor-
rente manda faier publico que no dia 7 de
Fevereiro proiimo vindouro ao meloda, pe-
ra uto a meMiia Tliesouraiia se arrematars
quem p-r menos fl-er. sobas clausulas es-
pe, iaes aba iio transcriptas asduas segrate
obras: _._ .
i... calcada de barro no primeiro lanco rl*
estrada do Norte, na impoilaticia de 3:960/0011
Coostructo de uuia pontesiuba na CambOa
3-= O Arsenal de guerra precisa para forne-
ciinento dosaprendizes menores, do I," de Fe-
vereiro ao ultimo d Junho do correle anno ,
os gneros seguinles : carne Iresca e secca, ba
calbo, toucinbo feijo coco, arroz, milho,
manteiga assucar, azeite doce, vinagre, cha,
caf, farinha, lenha erduias, temperos e fruc-
ias : as pessoas, que tiverem Iaes gneros e
queiro fornecer por 6 mezes, sendo de melhor
qualidade. e por preco comm< do, podero com
parecer nos dias 22 e 25 n.s horas do seu
expediente. Arsenal de Guerra, 18 de Janeiro
de ISiri No impedimento do F>criptur,rio
Juao llicardo da Silva. ( 4
lO Administrador da Mesa da Recebedoria
de Rendas Geraes internas, avisa aos senho
res Tbezoureiros das irmandades abaixo
Mencionadas, para virem satisfazer os respec-
tivos dbitos da 2.* dcima de mo moila.
rontada do 2.' semestre de l8i2a 18i3ato
I i semestre do correte anno ; s. b pena de
oandar proceder a eteculivo, se nao realizaren
os pagamentos at o ultimo do coi rente mez.
accrescendo a multa de 3 por cento. A saber :
Pairimomo da Mitra
Ordem terceira do Carino
Mostciro dos Benedictinos
('..'pella dos Prazeres
Senhor Rom Jess dos Passos
Senhor Bom Jess das Portas
Senhor Rom Jess das Dores
Senhor Bom Jess dos Afl dos
Senhor Bom Jess dos Martirios
bordo do in es ni o patacho Tundeado elronli
do trapiche novo. ib
3 Para o Kio de Janeiro com brevidade pai
tira o brigue Americano Feliz de que he capi-
lo Joo Antonio Gomes : para carita, escravos
a lete ou passageiros tratase cuino pirmi-
no J. F. da Itosa ex Irmo na ra da Moed-
n. '/ on com o capilo. /
1Para o Ce .ra regu nestes 15 dias a > urna
ca Estrella do Cabo os pielendentes a carre-
garem, se pdem entender com Antonio Kudti
gues Lima na praca do Cummercio ou n
ra da Caeiu-velha ii. I, primeiro andar. [:>
Para Lisboa sai iu preteritelmente n<
dia 24 do correte o brigue Lonce'no de A/a
fia .recebe passageiros nica.i ente; (rala-se
com o capilo ou ou c m Tlioma/ du Aquino
Fonseco, ra do Vigario n. 19.
Le^ls,
29.348
198 8 0
258,570
222.885
23.400
61.200
58,3*0
Lcilo de 20 caitas de lijlos para limpar
facas e metaes, quinta feira, 2\l do correnle ,
por conta de que peitenrcr ; no armasem de
Dias Ferreira no caes da Alfandega.
]N. O. Bieber Companhia farad leilo,
por intervencao do Corretor Oliveira de US
barricas de farinha de trigo americana sexta
l'eira 4 do crtente as 11 horas da manha
em ponto no armasem do Sr. Mendonca, no
Forte-do-Maltos. ''
No dia 22 do correnle, pelas 10 horas da
manha em casa de J. P. Adour & C. ra da
{'tui. peranle um delegado do Consulado de
Franca ser vendida em leilo urna caixa de
hrins brancos avaiiados, descarregada do bri
que francez Arago entrado neslo porlo a 19 do
correte.
IVIftOH tiV^TfOS
-6 Ausentnu-se do engenhn Serra-nova ,
freguesia da Escada nodia 'i de Novembro do
anno passado, um cscravo de Angola de li-
me Manuel de 25 annos baixo secco per-
1A pessoa que no Diario de 12 do corren -
te pedia um rapa?. del6annos, com boa le-
tra para escrever em um escriptorio, dirija-sc a
ra da Cruz n. 5 ou annuncie para ser procu-
iado.
() Coronel Francisco Jos Martins em-
barca para o Rio Grande do Sul os seus escra-
vos Albeito, e ieiniao.
Aluga-se um quarlinbo da loja d'um
sobrado da ra das Cruzesonde esteveum em-
i alhador de cadeiras' na Prac,a da Independen-
cia Itvratia n. 6e 8.
19 =. A medicina popular americana e as
ululas vegelaesque.ha muitos annos, esto em
>iso em todos os paizes tropicaes, tem se prova-
lo con o nio medicina inesiimavel, sendo pre-
parada de proposito para clima quente, e com-
posla de ingredientes que nem requercm dieta
nem resguardo e pode ser administrada a en-
anca mais lenra.
Cada eaixinha leva o seu receituano, cusa
IjOOo ris a medicina pupuiare americana de
30 pilulas, e S00 risaspilulas vegetaesdo Dr.
Brandrelh de25 pilulas
Avisa se ao publico que a medicina popular
linda nao appareceofalsificada e paro maior
seguraoco das verdadeiras pilulas vegetis
vende-se do hoje cin diante cada eaixinha em-
brulbada no seu receituario fechado com a lirma
ios nicos agentes para o Brasil no Rio Janeiro.
Vende-se nesta praca em casa do nico agen-
to Joo Keller ra da Cruz n. 18, e para maior
cominodidiide dos compradores na ra da Ca-
deia em casa da \ -uva Cardoso Ayres, ra No-
va Guerra Silva e Companhia. Atierro da Boa-
vista, Salle? e Chaves. [2\
2 Os administradores da extincta casa de
i. 0. Elster vendem por todo e qualquer pre-
co quatorze ledras ac.eitas por Francisce Anto-
nio Puntual n:i importancia de Rs. 676.427 ,
sendo trezo da quantia de Rs. 50,000 cada
urna e urna de Rs. 26,'i27 vencidas men-
salmente cada urna de per si, desde 26 de Mar-
co de 1842 al 26 de Abril de 184"., e todas
protestadas; quem este negocio pretender, di-
rija se a ra da Cruz n. 11. (10
h KA PE FINO
VlNAGKIiNIlO
Jernimo da Costa Gulmares e Silva, asss
agradecido ao benigno publico pela grande es-
tracfo que lem lid.- o rap fino Vinagrinho
de sua fabrica tem a salisaco de ibe poder
declarar que se nao illudio com o acolhimen-
to que fez ao mencionado rap.
A approvaco que a respeilavel sociedad
de Medicina desla provincia se dignou dar ao
rap fino Vioagrinh -, depois de o haver subme-
tido a urna analyse cbimica asss rigorosa hs
o maior elogio que se pdelazer a sua qua-
lidade.
O annuncianle se nbriga a ter sempro boa
qualidade deste rap a dtsposico de seus be-
nignos fteguezes.
O embrulho dos botes he azul, e os rtu-
los brancos ; vendem-se de cinco libras pan
cima a 1/000 rs\ no deposito da ra da la-
deia do Kecife n. 50.
20
2 As pessoas que quitaren fornecer diaria-
en finas teta bastante grande rosto largo, mente d'agoa polavel a reparlico d'Allandega ,
cor um tanto fula, urna marca de lerida em i e igualmente d'agoa c de azeite de mamona pa-
uma da canellas que parece de qu poma barba fuma cachimbo eas ve/es toma
tabaco; recommenda se a lodosos capites de
campo a appMienco do oito escravo pela
. qoal entrega sendo no uiesino engenho ao ad-
17 280! mostrador, ou nesla praca na ra da Prai, Santos enerreg- do do referido fornecimento ,
59,940 amiatem n. 14, de Antonio Caldas da Silva com quem por menos o fizar. [9
j
ra urna luz. a casa da guarda da mesma Alfan-
dega ; bajo de se achar na dita reparticao
ila>9 horas em diante nodia 22 do correnle ,
e se entender < com Jos Antonio de Azevedo
.DO
\
i
\

i
i


h
r
\
lotera do theatro
As rodas desta lotean
audo im preter velmente
no da ^8 do corrente, fi-
quem ou nao bilhetes por
vender, e o restante dos mes-
mosucha-se a venda nos lu-
g AULAS E>E PB1MEIRA8
LETTttAS.
4O abaixo assignado participa ao pub!i
oo que as suas aulas para meninos o meni-
nas, achao-se abertas desde o da II) do cor-
rente roez em cusa de sua residencia ra da
Conceico da Boa-vista, sobrado n. S onde
anda pode admiltir alguns pensionistas. O an-
nunciante declara que para mullior adiantu
ment das meninas toma a seu cuidado o que
diz respeito a escripta leltura e cootabilldade;
0 0 mais que concernenta or a costura &C.,
fica entregue a sua senhora e filha quo pos-
uem os conbecimcntos necessariosa este Din.
Polycarpo Nunes Correia.
3- Roga-seao Sr. A. M R. JJ., que.ha pou-
cos dias, se retirou desta praca para Nazarelli ,
baja de mandar entregar o transelim e a moe-
da de ouro ejuntamente os brincos de yuro..
que tudo tomou emprestado a pessoa que nao
ignora, isto no praso de (5 dias, seno ter
de ver o seu nome publicado por extenso nesta
lolha e se fara ver ao publico a maneira por
que sua merc, obrou cora tanta lalsidade para
i <>iii a dona do dito ouro. y
3 U abaixo assignado avisa ao Snr. Gon-
talo Lopes Galvo morador em Curraes-no-
vos que tem em seu poder urna sua escrava
de naco Angola de notne Mana, a qual, sen
do capturada no dia t4 do corrento auno de
1845 pelo capito de c. Victorino Jos da Costa,
veio procurando a casa do abado assignado ,
por ter pertencido em alaum tempo ao sugro do
abaiio assignado, Jos Antonio de Souza; e para
que conste ao publico e clieguo aos ouvldos
dosupradito Sr. vai inseiido oeste Diario;
assim como llie admoesta qne deo de gratifi-
cacaoao apprrhendedor 10 rs. e que nao se
responsabiliza por aluuma fgida que a escra-
va possa laier. Joo Sepomuceno Gomes (13
3Joo Antonio dos santos Andiade tendo
de a/er urna viagem a Portugal faz publico ,
que tem associado no seu estabeleciiiiento de
erragens na ra do (Jueimado n. 30 desde
odia primeiro do curenle a seu irmo Ante-
J nio Joaquim dos Santos Andrade, e debaixo
da firma de Joao Antonio dos Santos Andrade
;N Irmo a qual tica auti>nsada a liquidacu
do seu activo e passivo. ( s,
5 A criada Portuguesa que annunciou
t no Diario n. II querer prestar suus cvicos ,
. dirija-se a ra do Rangel n. 64, ou outra qual
quer, que esteja as mismas circumstancias 4
3 Aluga-se a casa de 3 andaies n. 51, sita
4 na ra da Cruz pegada a que mora Manuel
Joaquim Ramos e Silva; a tratar na venda da
iiiisina casa. /.i
3 Precisa-se de uma casa terrea que le-
nbo quintal e cacimba anda que tenba pe-
/quenos commodos para urna pequea fami-
^ ha e semiu as seguinles ras : S. Rita Pa-
dre Floriano, Nogueira S. Jos Fagundes ,
ou as travossas destas ; quem t ver annuncie.
4Precisu-se de urna ama de leite prele-
rindo-se captiva ; na ra Ua Atsumpco n. 16.
3 Rebate se sold de Olhciae reformados,
Ipor menos de que em outra qualquer parte; na
'rua da Assumpc > n. 16.
iAluga-se o t-rceiio andar de nina casa da
iTUa da (iuia Coiii bastantes coiiimodus por
fc/rs. mensaes ; eo segundo andar da casada
%ua larga do Rosario o. 311 ; a tratar delronte
do Coi p.> Sanio loja de cabos 3. |7.
3 O deposito do rape princesa de Gaste
transferio-se para a ra da Ciu/ n. 3S delron-
te da Cacimba aonde se acha a venda as tres
superiores qualidades de rap puncesa fino ,
grosso, e meio grosso pelo pieco j estipulado.'
3 Aluga-se urna casa na ra do Jaidun
com commodos para duas Camilas, por tei duas
salas duas alcovas cosintia fura quintal e
cacimba com toldo, com 4 quertos acostaba;
a tratar na rna da Senzalla-nova n 7. ,5
3 abaixo assignado la/ ver a todas os
seus devedores que compiaro lazendas a
Antonio Jos de Ifagaihaea Basto assim como
l a extincta firma de iNovats ) Basto por conta
de livro letl'as obrfgacde uu oulio qual-
quer titulo que no praso de 15 dias, cotila-
dos da data deste vcniu rea Usar suas tontas
com o abaixo assignado por quanlo lia deve-
dores de 18:28 at 1644, como o abaixo assigna-
do nao pode pessoalmeote laier ver aos teus
devedores a falta que os meamos teem com me- !
tido em desempuuho de seus deveres, multo
principalmente nesta cidade e seus subuibios, '
faz-se-lhes sciente, que lindo o praso referido!
nao vindo arranjarsuas cuntas os manda exe-1
cuar sem execepto de pesSoa. Joo Ant.i.
nio Marlins Notaes. (I
2 Aluga-se urna excellento casa le rea em
Ol inda, ruado Passo Casieiliaiio, peno o a ac
demia, por preco coiiiUiodu; na iua da Cadeia
vtlba n. IG.
4

<,
2 Precisa-se de um moco de 10 aonos, que
tenha boa lettra para o servido de um esoripto
rio : quem estivor nestas circumstancias an-
nuncie. 14
2 Alugo-se duas casas terreas urna no-
Cuatro-cantos da Boa-vissa e a outra na ra
1o Alecrim n. I ; a tratar na ra do Amorim
n. t 4
2 -I)-se dinhoiro a juros com penhores de
uro mesmo em poquenas quantias ; na ru
Vova n. 87, (4
-s- D'sappareceo na madrugada de sabba
lo de 18 do crrente da casa n. 34 da ru..
lo H spicio urna gata malteza cor de chum-
en, orelhas e rabo corlado; quem a ter e
quizer restituir, o puder fazer na dita casa .
que recbela degratilicaco /rs. (6
2 Joao de Oliveira Ramos retira-se para o
Rio com escala pela Rabia (2
2(J abaiio assignado faz ver ao respeitavel
publico qu, eslabelecendo-se nesta cidade em
legocio de fabrica de restilaca com o teu ver
ladeiro nome de J >aquirn Jos Lobato e
onstaiido-lhe hjver nesta cidtde oulro do mis-
ino nome, passou assignar-se simplesmente
J laqnm Lobato e como sem embargo desta
mudanca de nomo tom apparecido cuntas e
ettras para pagar sem as d -ver, de novo decla-
ra ao respeitavel publico que do boje em di-
ante v. se signara com o nome de Joaquim
Lobato Kerreir. ^|
I Precisa se de um forneiro quo en tema
bem de seu officio, tanto de fornear como de
i'unbeoiinenlo demassas ; na ra taiga do Ro
iario padaria n. 48, de manba aleas 9 no-
ras e das 3 da tarde em diante. ;5
I Precisa-se de dous tontos de ris aume
meio por cenlo ao niez pur tempo e um au-
no, com seguranca em um sobrado de um ao
partilhas por allecimento de sua mi Eugenia
la Costa Cordeiro, viuva de Jos Antonio Viei-
rado Mello: se alguem se jalear cm d'reito ao
'lito sitio, qu -ira declarar por esta ful ha no pra
o de 8 dias contados da data deste. Recite 20
le Janeiro de 185.
U Antonio Nobredt /meida Jnior. (10
Compras
340/rs. cada um 1 cosinhio engommio 1
lav-xi roupa ; duas pardas com boas habilida-
des ; 4escravns bons para o trabalbo de cam-
po ; um preto bom cosinheiro ; um pardo de
KS anuos bom pogem ; na ra do Crespo o.
10. primeiro andar. (8
2 Vendem-se 12 vasos para flores sendo
muito lindos e vindos do Porto ; a tratar com
Antonio Joaquim du Sousa Ribeiro. {3
2 Vende-se um oratorio grande pintado
. de novo e por preco commodo ; na ra Di-
r i (a n. 87. (3
2 O capito da palaca sarda Roza tem pa-
ira vender um bonito escaler: a tratar com o
I mesmo capito na praca do commercio, ou com
i
[4
dar e sotan, ha pouco lempo edificado, no bair
ro da Uoa-vista o qual est no valor de dote
coritos de ris; quem quizor dar annuncie. (6
I Pedro Jos Fernandas avisa aos seus fre-
> a ra da Seiuala-nova n. 6 e promette ser
ir com promptido a todos os freguezes. (4
1 Precisa se de um cosinheiro ; na ra
lar^a do Rosario, butequim n. 27. 3
1 Joo Fereira dos Santos, oflicialde car
pina assistenle em Fra-de-portas e subdito
portuguez retira-se para o Rio Grande do
Sul. 4
i ( fferece-se urna crioula de meia idade
B de bons costumes para ama de una casa de
pouca familia ou de homem solleiro sabe
bem cosinhar cengommar ; quema prelendei
dirija-se a la Dlreita, loja de barbeiro n. 123.
1 Aluga-se um segundo andar de sobrado
com duas salas S quartos e cosinba o qua
tem excellente vista de mar ; a tratar na prava
da Independencia, livraria ns. f> e 8. (4
Diogo Jos* da Costa faz scieole que Jo-
s de Paiva Ferreira delxou de ser seu caixeiro
desde o dia 20 do corrente.
-~0 abaixo assignado tendo, ha poucot dias,
ouido dizer que Joaquim Correia de Araujo
qui< vender urna preta pertencenle ao casal do
fallecido Luiz Jos de Araujo previne ao pu-
blico que muguen, laca negocio com elle por
compra nem por oulro qualquer meio relativa-
mente ao engenho Dous bracos e mais bem ,
que (orlo do lalleciuo Lttll Jos de Araujo ,
por que alm de ter o annuntiaute eilo peniio-
ia desde 9 do Julbo p. p. no dito engenho e
escravos, queseachavo na occasio e bois.
e como o mandado be para fazer pendura em
todi s os bens do dito casal, pelo debito de mais
de Ilota contos de ris por execuco contra
elle apparelbada, como tulor do menor her-
deiro daquelle Luu e coinu anda reslo al-
guns esciavos que estejo por lora estravia-
ios e quo nao furo aluda penborados tuja
realisacau o annunoiaote est pronovoado, e
protesta ir haver em qualquer parle que se
a be qua.quer agravo que per tenca ao dito
caial e atcresstntando mais, que o diio Cr-
rela do Araujo como tutor do menor nao po-
do por si fazer negocio alguin, quo valido seja
Albino Jos Ferreira ta Cunha.
Quem annunciuu precisar deum muco de
16annos e com boa lettra para servir em
umescrlptoiio annuncie sua morada.
Quam annunciou precisar de um moco
para escriptono dirija-se a ra do Fagundes
n. 27, segundo andar.
Tem-te justo urna escrava da Senhora
Paulina Mara, viuva do fallecido Matheus Ja-
ques por isso se alguma pessoa tiver algum
negocio sobre a dita esciava baja do no praso
de 3 das comparecer na ruad.' Cadea do Re-
icife n. 30, ese o nao fi/er neste pra o nao
tei mais que lazei reclamaco alguma.
Cjuem annunciou precisar do um 111050
para escrover em 11 m escriptorio dirija-se a
ra das Trincbeiras n. 42 segn 10 andar, que
encontrar um com boa lettra, e que etereve
Odilo poi ter istudos.
rrctisa-se do umo ama preta ou parda ,
que saiba cosinhar e comprar para urna casa d
pouca lamilla ; na ra do Hospicio n. 5.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
ra da Praia de S. Rita n. 37 com commodos
suilicientes para grande familia ; a tratar ua
ra do Crespo n 23.
20 abauj assignado tem c mtratado com-
prar ao r. Jos Amonio Vieir.i de Mello, a
uieta.le do sino do trras denominadoOla- |
rid-nuluar do Lorelo, que Ibe coube em
' Compra-se um diccionario Migno Lexi-
cn em meio uto ; na loja de livros do pateo
do Collegio.
Compra-se um methodo do flauta, que ("MjKTliriiY"p.'dorCompobal 1-
esteja em bom estado ; na ra Nova n. 1 /. 3-Vendem-se ptimos selins de molas e
2-Co.npra-se qualquer obra do ouro ou pra- elsticos, os melbores que existem no mrca-
la na ra de S. Amaro n. 32. (2 d e M, |oj lens ,ogleiM de ouro
4 -Compra-se urna flauta de bano de 4 ata na rua d^: arniaS01 n. a4. ,4
chaves ; na rua do Padre Florianoo n. 67. rl 3 _Vendom-ae saceos com farello a 5600 rs. ;
3- Compro seeflectivamente para fra^da ca rua da Senzalla-volha n. 138.
provincia escravos do ambos os sexos, de 3-Vende-sea cnlleecao do Panorama at
.2 a 20 aonos sendo de benitas figuras pa- |gl4 oulra do Archiv0 Popu[ar CU(np|ela
zao-se bem ; na rua da Cadea de S Anton.o grammatica italiana por A. Prefenno, um
sobrado deum andar de veranda, da1 pao n 20. diccionafi francez e italiano, e italiano e fran-
3- (. mpra-se, na Rua da Cadea Velhado CM porG. Biagioli na rua rua da Madre de
Recile n. 29, no terceiro andar, urna bomba de pes n. y, (g
ferro para cacimba:namesmacasavende.se 3Vende-se urna casa de um andar, com
>leo de li.iliaca em barris, e essencia d ans. grande quintal murado boa cacimba com
chaos proprios e por preco commodo, tita
na rua das Trincheiras; a tratar na rua Cadeia
do Recife n. 2o. (5
Vendem-se saccas com dous alqueires e
meio de muito boa lanuda chegada ltima-
mente do Rio de Janeiro ; na rua da Cadeia-ve-
Iba armasem n. 12.
Vendem-se 41100 botijas vasias para gen-
tica chegadas agora de Hamburgo ; em casa
H. Mehrtens na rua da Cruz n 46.
Vende-se urna crioula de 10 anuos sem
vicios nem achaques, ensalma e cose alguma
cousa ; na rua de aortas n. 94
Vendem-se dous barris com azeite de carra
pato por pre^o commudo ; na rua das Cruzes
o 40.
Vende-te farelo novo em taccas e barri-
cas, edegado de Lisboa, peio ultimo navio;
na rua da Cadeia n. 11.
4Vende-se Champanhe de boa qualidade ,
irVnda
1 Vende-se chocolate de superior qualidad6
a 280 rs. a libra, e em porcao a 8 rs. a arroba ,
caf muido a 200 rs. a libra e em porfi a
5760 rs. a arroba dito em grao a 140 rs. e em
rroba a 3St rs. ; no paleo do Carino esqui-
na da rua de Hortas n 2. 6
1 Vende-se urna preta de idade por -LA)?
rs.; na rua de Agoas-verdesn. 4. C-
I Vende-se urna preta boa para ama de lei-
te cosinba. engomma, cose e lava ; no Hos-
picio n. '1, j no rim da rua. ,3
I Vende-se um preto de naco bom co-
sinheiro para catas Irancezas ou para outra
qualquer occUpaeo ; na rua do Sebo n. 33. (3
1 Vende-se urna escrava crioula, de 20 an-
uos, engullidla, cosinba e he quitandeira ; na
32
1
rua das Cinco puntas n. 32 (;j i vinho de Bordeaux em caixas de duaias vinho
1Vende-te urna rabeca de escolenles vozes; I d, M,,eno. ago'ardente de Franca; na rua da
o ensaio sobre os costumes e espirito das na- c'rui ,() em casa de Kaltmann & Rosen-
' iiiund.
1 Vende-se a casa junto ao muro do so-
brado que foi do fallecido Joo .Manuel Pereira
. das na-!
coes. e sobre os principaes lacios da historia l
em francez 8 v. ; no pateo do Carino n. 3. 4 '
IVende-se na rua da Praia de S. Rita urna
porcao de pedra da (erra, a saber: sacadas,
portadas sepos, cordo e lagedo tudo lavra-
do e por pieco commodo, em rasau de seu do-
no se querer retirar; a tratar na inesma rua
n. 22. ,g
I Vendem-se 3 negrinhas de 14 a 16 annos,
com habilidadea e de bonitas figuras; doua mo-
loques cotinheiros, de 16 annot ; um dito de
Ii2. duas pretal de 20 proprias para todo o
servico ; oa rua do Rosario da Boa-vista n. 48.
1 Vende-se urna escrava de naco, que faz
todo o servico de urna casa; na praca da Inde-
pendencia loja n. 21. (3
Vende-se urna preta moca muito boaco-
I
(raides, na rua do Cotovello 11. 139, boa ca-
sa de campo para grande lamilia, e em bom lo-
cal; quem a pretender dirija-se a rua de S.
Goncalo n. 22, que adiara com qiiem trf'tr^'f*
Escravos fgidos.
3= Fugio no dia 13 de Janeiro urna escra-
va de nome Benedicta baixa, e secca, vesga do
umolbo. tem falta de denles noqueixode cima,
tem urna cicatriz as costas; levou vestido bran-
co velho e por cima urna saia de ganga azul.
venae-se urna prea moca muito boa co-1 "j v t"" v,,,,a uma aa,a uo ga"8< ui,
sinheira e lavadeira ; na rua do Rangel n. 40, |>nno da coila com lislras a/ues e branca: quem
segundo andar a pegar dirija-se a rua Augusta n. 14, que
Vendem-se palhas seccas de coqueiro a 1/1 *<'''< recompensado.
rs. o cenlo, e lenha do mangue ; na libado 2 No dia 10 de Dezembro desappareceo
Nogueira ,a tratar com Antonio Cavalcanti de i um escravo do nome Joo Camundongo, altoe
Andrade. m""' nnimcuni. i..- m .......... u. >i.___
Vende-se uma porcao de niel do luro, em
carga, ou em barris ; na rua da Cadeia-velha
n. 60.
6 Vende-se farinha de trigo, de muito boa
qualidade ; na praca doCorpo Santn. II, ca-
sa de Me. Calmont & Companbia. 3 ...-----------
8Vende-se um bom preto ao comprador] bro do anno passado, representa 40 annos
se dir o motivo da venda ; na rua do Sebo | tatura regular chelo do corpo, bastante
magro representa ter 30 annos he alguma
cousa gago e sua oceupacao he de serrador ;
quem o pegar, leve a rua do Amorim n. 36, em
'asa de Antonio Vaz do Oliveira que ser
recompensado 7
2Anda naoappareceo o preto Antonio, de
nacao Cabinda que fugio no mez de Novem-
es-
ca-
n. 33 ou n rua da S. Cruz venda n. 58. (3 belludo dos peitos, e com alguns cabellos bran-
3Vende-se um carro de 4 rodas para dous os na cabeca ; quem o pegar, leve a casa de
cavallot; oulro de 4 rodas, muito leve para um seus senhoret Mesquila Dutra & Companbia ,
cavallo e outra de duas rodas ; no Alieno
da Boa-vista a tratar com Miguel Segeiro.
2 -Vende-se uma venda com os fundos que
convier ao comprador; na travessa doCJueima-
do n. 3. (3
2Vendem-se duas escravas de naco, de 20
annos com algumas habilidades ; urna mula-
ta de 10 annos engomma, cose cosinba e he
recolbida ; 3 escravos de naco, ptimos para
todo o sen ico ; a rua Direita n. 3.
na rua do Brum fundicao e caldeirarSa que
, ser bem recompensado. (9
I No dia 9 do crrenle fugio uma preta de
I nome Maria de naeio Benguela alta, de bo-
- nita figura nariz chato ps grandes tem
uma cicatriz antiga as cosas d chicote ,
fdla muito deicansada: esta preta, quando f-
gida, eos tu ma para melbor se disfamar vender
0'jus o laranjas, pelo Montuno, Apipucos e Afo-
gaiios, e a pouco foi vista pela Passagem da
----..,_ __ ..,. ... --------, ^ ,. ,,...!.. i.ii,i poia I U'SagL'lll III
3 Vendem-to barricas com superior farelo Magdalena; quem a pegar, leve a Fra-de-oor
li.l.., ..!.. .....I.. ..,,..._._______1. .... I ____ j i". .. .

y
de Lisboa chtgado recentrrnente ; no urma-
sem de Fernando Jos Hiaguez aup do arco
da Concelelo. (4,
2Vende-se por preciso e por proco mui-
to commodo. urna preta do -2 annos lava de
saba e varrella COSO na alguma cousa he
muito sadia o diligente para todo o seivico e
be inuiio boa quitaudeira que d 480 rs. por
da ; na rua do Collegio loja de batios n 7.
2Vende-se urna cadeira de arruar, em mul-
to I .m estado forrad de seda, um piano de
mu.10 boas vosea e de loite construeco ma-
cacos para eslivar carga encerados para cu-
brir gneros, oleo de linhaca em botijes ; na
rua do Amorim n. 15. [0
2 Vendem-se dous methodos de msica ,
tendo um paia violo eo oulro para flauta ;
e uma flauta com 6 chaves, tudo m muito bom
es ado, e por p eco commodo ; na rua larga do
Rosario u. 52. (j
1 Veiiuem-se 10 escravos, 4 pretas cm
boas habilidades ; duas ditas de 3o anuos, pur
P~r
tas rua dos Guararapes n. ig que ser' re-
compensado. -jq
Ainda continua a estar fgido desde Ju-
nlio do auno p p. o escravo Joo de naci
1 Cacaoge, cor bem preta, reforcado do corpo
tem os dou, denles da frentuda parte superior
aeitos para os lados, p* matos o ho pacno-
la tem o offieiu de serrador ha noticias de
que anda pura as bandas do Nasareth |0 Norte-
quemo pegar, leve a rua da Prau de S Rita
u. 37 que recebera &M rs do gralincacao.
l-r-No da 20 do corrente fugio L.na preta
noula. de nome Francisca, de 10 ul,nos, esta-
tura regular, b.nila figura, tem um dedo da
inao direila san unba urna marca preta em o
hombro esquerdo ; quem a pg(ir |ve a rua
velha o. >, que sera generosamente -ecompen-
sado. r -
PERSI ; TYP. DE V p.0E FARU *tg^5,
/
/
MI ITIL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETHSCLELY_1ILSZG INGEST_TIME 2013-04-12T23:41:36Z PACKAGE AA00011611_05273
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES