Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05271


This item is only available as the following downloads:


Full Text
nno^dc 1845.____Segunda Felra 20
O i1' uio pi,blioa- Ii- il lata vi1 rs. por quarle) paros adianiadoa Os annuncioedoe aeeignantes sao inseridos
a rssao do 20 iris por linlia. res em tvpo ililTerenle, e is repetidles pela ametade Os
q i: nao oitm signantes pagua ?Ureispo- linlia.llii) e < IjrpO liflerenle, Od*publicaciio
PARTIDA DOS CORREIOS TERRKSTRES.
''i'"'-" Parahyba, segundase sextas fciras.Hio Grande do Norte, chega a 8 e 22 e par
te n 10a i.Cabo, Serinbaere. RioFormaeo, Macejo, Pono Cairo, a Alagoaa: no 1. c
41a '1 derada met. Garanhuns a lioniio a iu r -.'tria cana aieiios tisis a Flor
asa l.'ie '28 dito. Cidade da Victoria quintas fairss. Olinda iodos os diaa.
DAS da semana.
SU Seg 9. SrbastiAo Aud\ do J. de I), da > T, '
9I Tarja a Ignet H.l aad. do J. da D.d i. .
2'2 Cuarta Vi ente. Aod J. da t. da 1 t,
gl Quinta Ildefonso *ud do J da 0. da 2. T
2* Seate a Ihimolbeo do J da I) da 1. va.
3 Ssb. s Ananias al. auil do.), de 1 > '" 1. \.
26 lio* 1 Pol carpo
U6 rlllllllU.
A1111U .tJH ni 1
mrmmrmaBn'r?B.iv7r, u.unua aya j=. n
ludo ajfora uapea.ie da a os asanos; da nosaa prudencie. esoderasSo- a rgia: eoa
I uemoa eosso principinao e serete-a apoatadoi Mari admirado entre i s ages ai
cultas. (Proclaosac.i.. da *Jsembl.a Gerel do Nttil.
' ctmio no ota Sub.jinp.iiio;
Caaabiua olirs Londres '.'5 ;| 1
a Paris 381) rea por frsnro
a Lisboa f.O por lu de premio
4o*da ii cobre ao par
Ideas da letras 't boaa firaaaa i porop
ruda
Our.-..l-,dade 6,400 17 0 I. U
M. lo.'UU IV.MiU
.. de *,IWU .OU lije
Preta--"aiacoei *,M0 i !
Pesos colummnsres l,9Hi 1 loJ
itos aancanoa l.UjO I. O
DIARIO
PHASES DA LA NO MF.7- DE I VMIIIO.
Luanoea a R as 1 h e 5 i asm da m I Loa abata .:{.,il bcrM 59 aain ria-a.
Oescente a lo es 0 li.iras e 31 si ,1. ni I Miacnaala a (I al 11 borss a 36 asn fe m.
frmaf Je '.<)>.
P iraira as 5 horas fi ain da larde | -gunda a< 1 hora jl minlos da Is
CK3Czrier;-.;-.n'.-:r-a;.T;; r-^^'g.: i;;..-.:.... .. .f; ...^_ as .-:.. ,.: qK-ab o/.--..'
ERNA
a'JKJii i^-^M7yggswaB!stasrivvsgTiiwr.-i:ar5/! s
-....-I'.. _... ., .':-- ..._!.-iiS*i;11\.l': "." T^srjsawaaa
PIRTE OFF.CIAI
Governo ca Provincia.
EXPEDIENTE D<> DI V f 5 D)C0ltRENTE.
OicioAo Commandante Superior Jj G.
'Nacional do mjnicipio do Goianna, ordenan-
do, que mande dispensar do respectivo servico
activo Joo Carneiro de S Mosquita Do-
mingos Goncalvos da Silva o Rornao Jos de
Oliveira Gitai que pelo Delegado d'aquelle
'termo oro nomuados Inspectores do quarle-
ro, por nao haverem Guardas de reserva u.ip t-
zes do desemp-nhar as funxes, t^es lugares
'inherentes.Co nmunicou-se ao Desoinbarga-
dor Chele do Polica interino, cuja requisicao
de.i lugar esta ordem.
DitoAo Knjenheiro em Chele das Obras
Publicas, devolvendo os rcqueriinentos de Jos
dos Santos Nunes de Oliveira, Jos Rodrigues
do Paco Victorino JosdeSousa, Jos An-
tonio da Silva Mina llo'/a da Assumpcao ,
Mara Margarida Velloso, Joo Jos de Carva-
Ibo Moraes, Antonio da Costa Rugo Monteiro,
Jos Antonio, de Hweda Santos o Thomai
Dowsley fim de que baja d/.nlormar em
olficios separados a cerca do terreno de quo
trata cada um dos peticionarios.
dem do da 16.
OicioAo Presidente da Cmara Munici-
pal do Bonito, declarando em resposta ao seu
oflicio de 9 d'este me*, que lie da competencia
da Camarade nao do seu Prndente isolada-
mente mpr aos Vcreadores, que faltaren,,
sem justificado motivo, a multa designada no
artigo 28 da lei do l.4 de Outul.ro de 1828 ; e
que na mesma pena ncorrem os Vereadores,
quo som impedimento justo dcixarem de
prestar juramento o tomar posso, urna voz quo.
conformo o aviso de 2 de Julbo do 1833, esteja
cumpr ida a dsposco do artigo 16 da referida
lei,ti nao tenba reclamado em lempo,o obtido a
escusa de que trata o artigo 20 da citada
lei.
DitoAo Commandante Superior da Guar-
da Nacional do municipio da Victoria, orde-
nando, que mande dispensar do respectivo ser-
vico o Guarda da 1 companhia do esquadrao
de Cavallaria Hermorgenes Goncalves Lma.em
quanto estiver empregado no lugar de Ajudan
te do Agento do Correio naquella cidade
Communicou-so ao Administrador do Cor-
reio.
DitoDo Secretario da provincia Cmara
Municipal do Brejo, necusando recepQo do
seu oicio de 8 do corrente, em que participa ,
que no dia antecedente tomara posso para ser-
vir no quatricnio do IS i.'i 1818.
IIM.Il DO DIA 17.
OicioAo Director interino do Arsenal de
Guerra, determinando, om cumprimento de
ordem Imperial,mande apresentar ao Comman-
dante das Armas pjra assentarem praca no<
dierentes corpos da provincia as pracas da
companhia de Arlificfls quo nao tiverem offi-
cios, proprios das officinas d'aqiiello Arsenal;
exigindo a relaoio nominil das pracas, que
om tal destino tiverem; o prevonindo-o de
quo o fado de ser apr-ndiz de qualquer o lucio
nao isenta do dosligimonto.Participou-se ao
Commandante das Anuas.
Dito Ao Commandante Superior da Guarda
Nacional do Cabo concedendo-lhe dous
inezes de licencapara ir comarca do Rio-For-
mos > tratar dos nogocios da sna casa ; c Desig-
nando, para, durante esso tempo, substituil-j
no Commando Superior, ao Coronel Cbefe da
I.* legiao o para fa/er as ve/.'s d'este na mes-
ma legiao ao Tenento-Coronel Chofo do .
bataliao.- OTiciouse respeito ao Ch-fe da
I.'legiao, e ao Commau'i? do .'k1.-
Ibao,
PortarasNomeando Subdelegado da fre-
gueza d'Alagda-do-Baixo Jos Alves de Si-
quera c Supplentes d'este, em 1. lugar
\ntonio Alvos de Squeira, em2. JoSo de
Siquora Cavalcanto em 3.' JoSo Alves do
Siquora, om 4o Joaquim de Siqneira Barlio-
za, om o." a Antonio de Siqueira Barbota e
em 6. Antonio Marques de Sousa Rcmet-
terao-so as nomeagoes ao Desembargador Cbefe
do Polica interino para Ihes dar destino, o
participou-se-lbo ter-se concedido Joao Al-
ves de Sousa a demissao que pedir do lugar
de Subdelegado da supramenconada regue-
zia.
FLMITD
OQUARTODK AMIGA.
Ha urna poca da minba existencia,
dsse a Condessa de Bresmes ao Mrquez Leo-
poldo de Blanca y, da qual me nao posso re-
cordar sem experimentar inauditos tormentos :
he aquella quo precedeo a nossa amizade. Meu
Dos! quanto ou era ditosa! Meu marido so
tinha ausentado e me bavio rondado sua mai,
a melhordas mulheres. Virtuosa por principio
e por inclinaco, ella nio acreditava no mal;
o, se mo vigiava, nao era por desconfanca,
vos o sabis, mas sim por ternuri. Oh eu es-
lava pura ento, nenbuma ideia de amor ti-
rilla feito palpitar meu coraco Mous dias se
escoavo cheios do solidao o de tedio : meu
marid(devia demorar-so annos talvez n'essa
vi igoin de Madrid, da qual dependa a sua for-
tuna. Minhasogra incessantemente mo fallava
n'elle. Era seu fllho, Leopoldo .' o qual be a
mai que nao adora seu lilho i1
Urna lagrima correo pela face de Julia; ella
pareceo absorta em penosa saudade, passou a
mao pela testa e continuou :
Vs voltastes para o castello, d'onde vos
tinbeis ausentado precipitadamente ao mesino
lempo que o Conde. Tinbeis liecnca por seis
mozes, dizieis vos: a Condessa de Bresmes vos_
PEBNAMBJICO.
CORREIO.
CORHESP0NDENCIA DA CIDADE E PROVINCIA.
O supplemento ao Correio (O.-novo n. 13)
he o documento mais azado provar a capaci-
dad da best a que anda com smalas. Lido ,
e relido o tal supplemento delle s se colhe urna
fez ficar no castello todo esso tempo. Vos vos
oceupaveis de mim, vos me lastimaveis: eu a-
creditei em vossa honra, em vossa boa f; a-
mei-vos Recordar-vos-hoi esses momentos em
que me embalaveiscom fingida ternura ? Oh !
erao horas de delirio essas em que, illudindo
toda a vigilancia, eu vos recebia, no jardim,
debaixo d'aquelles arvoredos de lilaz tiio por-
fumados, to frondosos Como me lembro at
das menores circunstancias d'essas entrovis-
tas!... Mais morta que viva eu descia, parava
a cada passo; via em torno de mim cem olhos
abortos, ouvia mil voz s, e no entanto eslava s
com a minba consciencia. Entrava no terrado,
applicavao ouvido pequea porta, e, depois
verdade o he, que a pzlmitoria se torna bo-
je t5o necessariri como be necessario o pao
para a bocea. Do nada fez l)eo> o munJo, por-
que he Omnipotente ; o correio de petas; po-
rm porque he asno lez do urna chimera um
aran/el tao desgranado e lio l.aruMiado, como
esta o mundo ; tao compndo o escuro como sua
cara Nao nos daremos ao tr.il.albo de appre
sentar os erros de graminatica deque esta ro-
cheado o tal supplem nto; porque isto, ou disto
se nao faz boje caso, o temo correio raxo em so
nao importarse qui, queti, quod he ou nao re-
lativo; corramos a esponja sobro o que he gram-
matica certo do quo o tal correio o os que
com elle se correm s querem gramar eseja
a corrida para admirar o baver-so o tal Senhor
correio demorado na analyso do todos os mem-
l.ros do bucephalo ou bovis-capul passando
pela cauda do tal bixo sa como gato por bfa-
ZMSbT o a razao de nossa admiracSo estt em
que = sendo o rabo o peior de esfollar ah so
devia elle demorar. Analyso o.correio das pe-
tas a cauda, ou rabo do animal, demore se por
11 e nisto tirar melbor fructo ; nao se en-
vorgonhe : quem se obriga a amar, obriga se a
padecer.
Existern nesta cidade trez reos do polica ,
collegas do correio de pelas e seus correligio-
narios que mediiCfj IdVOfSl!} estado de re-
sidencia na cadoia por urnas bagatollas praieif-
ticas daquellas que o tal correio de petas a-
conselha o nutras do que elle nao falla mas
gosta ; o c'iamao-se os taes praieiros so l.em
mo record 'exas, Eloy, e Miranda : estes
patuscos andao todas as noules de sucia e ja se
sabe com o competente espinho de rigor, gri-
tando pelas ras viva a praia. At aqu na-
da lia via a di/er ; cada um da vivas qtiillode
quo gosta' mas os rapazes que saoardcntrs
quando pdem levao a cousa ao seu insulto c
una destas noules em que havio entortado
mais o coluvello quasi que esfagueSo um mi
seravel talvez porque nao quiz pagar Ibea
pinga. Todos trez tracen) rodella
Hontem |'17_) depois das 8 horas da noule no
adro da igreja do Terco dous jovens e estes
erao na verdade jovens haviSo comprado urna
melancia por um cruzado e nao sei porque ,
tal desavenca houve, ou pelo cruzado, ou pela
melancia, qne os rapazes mimozoarao se com
algumas bengaladas ecluganao cousa mais
seria se nao se inlromettessem de permeio uns
sugoitos que eslavao na botica prxima. Ora
um golpe horrivel veio ferir-mo: chegou-vos
ordem de partir !
Eu devia comtudo estar afeita drem se-
melliante caso. A primei'a noute, passada com
a Conde no castello do sua mai, tinba sido
pertrbala por igual ord com esta creio que teria morrido, so mo nao
livesseis jurado que voltarieis. Fallaveis de a-
mor e do constancia eterna : eu anda nao ti-
nba aprendido a dt-ixar do acreditar-vos.
Aquolles dias do ausencia pesrao com todo
sou peso sobre meu corceo. Urna carta vossa
deo-rne um pouco do animo. Eu vos oscrevia
constantemente, vos me respondieis mmlas ve-
zes. D" repente deixei de roceber noticias vos-
o meu caudatario sabor que osla n'xa nao lio
como aquella dos A logados e que os rapari-
nhos traziio ambos topo ambos sao praiciri-
nbos, &c., &c.
Quando Ibes eu dizia.que os franciscanos vi-
viao n urna fraseara e dovassido escandalosa ,
Olivia dizer a algnns seus defensores quo
isso sf di/a por espirita de partido porque
os frailes ero/iatriotas e libera s, o quo n um
religioso para mim equivale a nao ser irado ncm
ser nada : bi tem agora essesSrs. um facto/-
nho fresco dos tai'S patuscos de burol, antebon-
tem 17, tal fii o l.arulbo que houve no con-
vento de S. Antonio do Recie que o respectivo
(iuardiaoso vio obrigado a pedir ao Subdelega-
do forra armada, para chamar a ordem um
fradinho da mao furada, que com um punbal
ameacava ludo, e a ninguem obedeca. Frutos
das doutrinas liberaos nos conventos!
Parecem-mo ioteressantol os dous reiatorios
quo me remetieran das duas comarcas que
abaixn indico o por isso aqui os transcrovo.
De Santo Antao Ion lio o seguidlo :
Considerando-so null.i a eleic;8o fe i la no dia
7 de Setembrodoanno lindo da Cmara ejui-
zes de Paz, procedo-se nodia 3 de Novembro
a novo recel.iinento de cdulas, onde appare-
cerao as maiores patifarias que so pido conside-
rar ; porque alm dos iin-mbros da misa recebo-
rem tudo quanto foi lista quo Ihescooveio, o
Jais a'c J'az Manoil Camello Cavalcanli d'Albu-
querque aprCaV.ntou um supplemento a lista de
chamada, organisada pc-'I.seu antecessor, con-
| tendo neste supplemento mais {le 800 nomes,
dizondo elle quo iao de pessoas at/ 1 districto,
quo nao tinbao sido alistadas; e a*<-'/ar de nao
baver quem conhecesso una su posstJia da tal rc-
laeao, com ludo a proporeo, quo 4^ sendo
chamadas rao entregues as lisias por uV" agento
doJuidoPa/, que eslava com as 8l)0 fl tantas
listas emacadas, e sem mais nenhum examio io
lancando se na urna, pelamesa; lindo u\sta
maneira o rocebimenio das listas dos 1., 2.", e
3." districtos. calculou-so com tudo, tercm-so
recebido 3000 listas para Ver adores, e logo
i|ue trataran do apural-as, iclirarao-sc para
suas inoradas Iros meml.ros da mesa, (cando o
Juiz de Paz, o Vigario, eojuil Municipal
Jos Felippo de Souza L- ao, os quaos nomoA-
rao para a mesa lies membros que assignassem
tudo quant > el les quizessem, como de laclo as -
sim succedeo, pois s tratarao de appuraco,
um ou outro dia, u espora de saberem o resul -
de'um momento do espera, distingua oruidojsas A priin>-ira i Jeia que me veio foi quo mi-
de vossos passos : vos chegaveis, baties, e cu
abra e caba palpitante em vossos bracos !
Os indierentes nao ignorro o quo entre
nsse passava : he tao dilicil a urna alma jo-
ven constranger so, e a um fatuo occultar sua
victoria .. Minha sogra o soubo; ella tentou
com brandura convoncer-me de meus erros.
Eu apenas os comprebendia, pois que esses er-
ros erao o meu amor !
D'ahi a dias ella levou-me para a casa do um
de seus irmaos, algumas leguas distante de
Bresmes; vos para l me seguistes occultamen-
te. Ronovrao-se as nossas entrevistas a noute:
eu enganei-a; jurei-lbe quo nossos vnculos
estavao quebrados: ella mo acreditou... ella
nunca tinba mentido !... Eu anda era feliz!
nha sogra tinba descoborto a nossa correspon-
dencia; fcilmente me certifiquei do contrario.
Ento minha inquietarlo foi horrivel... eu es-
lava grvida !...
Fiquei quasi louca : disserao-me que vos
tinbeis demittido om consequ ma de um du-
ello, e que vos havieis cstabelecido em Pariz.
Nao vos aecusei; recciava quo otvesseis doen-
le, e esso receio me fazia desesperar.
Porque modo dissimular o nascimento de
meu filho ? Meu marido, saliendo o, ter-nos-
bia morto a ambos A quem revelar o meu op-
probrio .' Minba pobre sogra I o pezar a tena
levado ao tmulo. Porm onde acbar mais in-
dulgencia ? Meu to, o Mrquez de Montal !
esso ter-me-bia amaldicoado, como o bouvera
feito meu pai, se fra vivo !
Se soubesseii ludo quanto padeci Resolv-
me a confessar tudo a minba melbor amiga,
succedesse o t|ue succedesse. Eu esperava quo
Ihe seria mais fcil do que a mim fazer com que
a comprebendesseis, E nao tinba cu acredita-
do, na minba ignorancia dos bomens, quo
vos loriis um coracao de pai? !...
Entrci em seu aposento para fazer-lhe a ter-
rivel confidencia; acbei-a iiuasi insensata de a-
legria Meu marido tinba ebegado a Bavona,
d'ahi a oito das devia estar comnosco .'.. Ella
mo annunciou com transportes que Ibo nao
deixrao ver que sua alegra nao era comparti-
da. Ja se nao lembrava que eu tinba sido cul-
pada, OU antes julgava que cu nao tinba a ex-
probrar-uie sanio urna simples imprudencia.
Aquella excellente mai abracou-me dndome
os parabens pela volta do meu guia, do meu
prolector : Agora, exelamou, elle estar pre-
sente para defender to.
iictirei-me em um estado impossivel de ex-
presfar-se. Fecbei-me no meu quarto, o ahi
puz-me a meditar. S achei um partido ato-
mar : fugir. Nao me teria sido possivcl susten-
tar ns vistas irritadas de meu marido, menos
ainda a sua ternura; o meu lilho, cumpria sal-
val-o! Os planos nao deixrao de apresentar-se
do tropel ao meu espirito : era mui difficil nao
despertar suspeitas e nao deixar vestigios. Se
me perseguissem, tudo so acabava; o eis-Squi
ao que me decid :
Havia, perto da casa do rendeiro, um pre-
cipicio cuja piofundidude inda ninguem tinba


T
"\
lado da eleicodo 4.dislricto da mesma freguc-
zsa, o da freguezia da Escada, para podercm
augmentar e diminuir vutos em quein elles qui-
zessom ; o vendo que 0 Jui/. de Paz. daquelle
dislricto nao man Java esta, por conhecorave-
Ihacada dellts, dirigiro-se c levarlo a C-
mara dirigir-te ao Exm. Presidente pe-
dindo-lho hzesse com que ai|uelle Juiz de
Paz remettosso a acta : o quo saliendo o Jui/.
de Paz, fez ver a S. Ex. a razao por que a nao
mandava: a vista do que determinou S. Ex. que
os dous Juizcs di; Paz no d'8 11 de De/emhro
entregassem as actas a Cmara o que elles as-
sim fi/erao no dia 2 do Janeiro'; porm qual
oi o resultado ? A mesa da cidade vendo que
nao cunhecia a volacao do i. dislricto lavrou
no dia 29 de Dczumbroa sua neta contend)
nove mil o lanos votos, Jo 1., 2. e 3 "dis-
pelos, pois a vista disto era impossivel perde-
r m a eleicao como assim sucedeo. pois s sa-
bio VereadoreJuiz de Paz quemquizeraoosSrs
Juizes de Paz e Jui? .Municipal cheles da elei
cao; vindo d'est'arte a perderem a eleicao os
candidatos da freguezia da Escada, edoi.dis
trido ( que erao os mesmos ) por urna minora
de 5 mil o lanos votos, tundo obtido o Presi-
dente da Cmara II mil u tantos votos. He
precito notar que em toda a freguezia de Santo
Aula i foro qualilicadoscm Selembro cinco mil
e tantos fogos, que sao os que jucamente exis-
ten), e se a fregue/ia d) 71 leitores foi por
tersido dado o numero 7100 fo^os pelo Vigari
a pedido de seus (tingos para haveruin tnuitof
leitores,c a prova disto be nao lerem querida o
\ gario c Juiz de Paz, (|ue foi o encarregad
do apresenlar em limpo a lista dos fogos or>a
nizada p< la junta qjslifkadora at o presen-
te pr curado apicsentar. e remoller ao Exm.
Presidente a dita lista dos fogos da freguezia
conforme a disposico da lei.
Eis-aqui o que me dizem do Bonito :
O partido da ordem, os feliciladorus do paiz,
os amigos das insliluicoes livres, e da consti-
tuic3o,em surnina o partido praiuiro, vaifazendo
o seu progresso. No da, em que su completarlo
dous mezes, que mandarlo matar o Feij, man-
darlo tambum para oCeoaManoel Pinto por
lerem sido estes dous infelizes os que por vezes
quizerlo partir, quando estiverSo os dous exer-
citos acampad s nos diss8, 9. 0 10 de Selembro
do anno passado; filiando a inda seguir viagemo
Candido, dizem, que por ser concellieirodo
Biterra OO sustentador do partido; i;o.-ii:m a
morte deste ser sein duvida vilela, poralir-
marum, que elle tem Q%u a pessoa, que cum-
pre exatamtv1"- u seu mandado, e os fiadores
dessa existencia sao certos meninos que se teein
em conta d e bons, que de curto nao se livraro
da herva d fe rato, que tambem laz o mesmo ef-
feito com os gatos estes trez individuos eslavao
na carte/ira de certo Dr. para serem processa-
dos: lerrivel m do de sumtnariar porm ao
mesm'o lempo me lembra, que este meio be
mai's abreviado ; para o que no sao precisas
(fostomunbas. Jury, nono (ciencia; bastando a-
penas ter o corelo de fera
No dia da fusta ou por outra, no dia 2G do
Dezembro.parti da \ illa o tal Dr. ;bouve sucia
noEngenbo Verde,e nodiaseguinle abiebegou,
a chamado seu,o celebre Pedro Calangro assas-
sino do Feij; foi recebido por um lerno de
cbaramelas, passro o dia juntos, ao jantar
houvero vivas a quem lirou a onca do pasto ;
antes deste toast mandro chamar a um tal Bi
sondado. S ah de noule do meu aposento, cn-
trei no pateo ed'ahi corri para o barranco;
puz o chapeo sobre a borda, rasguei e pendu-
rei o veo em urna sarta : j no declivio, pisei a
herva em derredor e voei, antes do |ue cami-
nhei, at estrada real. Eusabia queo coche
de Bourgcs, quo conduzia al prirr.eira pou-
sada, nao tardara o passur. Escondida detraz
; de urna aivore esperei-o...
Acreditareis que, durante aquelle longo
transe, notiveum pens.ment para a minha
, familia, que a minha supposta morte ia deseg
perar, um pesar para aquella boa mii CU jo sa-
l criliiio eu pa^ava Ido mal ? No; duas cousas
me oceupavao : vos, prmeiramentu, vos a
quem amava mais do que ludo no mundo, e
que ia tornar a ver, e esse filho... eris vos
anda !
O da eslava a raiar, quando o rodar do co-
che de Bourges retumbnu porto de mim : en-
trei e partimos. Ninguem nos arredores mu ti-
nha visto, os campos anda estavo desertas,
Lancei urna extensa vista d'olhos sobre os cam-
panarios da cidade quo so ostenlavo no hori-
zonte, e cbore..
Adeos, minha mi, me d:zia cu; adeos, san-
ta e doce companbera, quo deixo entregue
dor Devo acaso tornar a ver-te '... D'ahi a
nada, nao me oteupei mais com o passado, nao
pensei seno no luturo. Vos eris esse futuro,
Leopoldo Aligurava-se o vosso espanto mi
nba vista : vinte vezes dispuz o momento da
he, e fi/ero fortes indagacSes a respeito de um
onredo fulminado pelo celebre Esleves, quo o
Bizerra e oulros baviao pago ao dito Bihe pa-
ra assassinar ao Calangro, e como nada con-
clusscm do proveitoso, fizerao a vista do pobre
homem um protesto do o arranjarem, e al os
lillios pequeos, caso cumprisse a ordem.
Honra soja feita nesla parte ao Capito los
Alves, Subdelegado daquelle districlo, que, a-
chando-se na casa do Maitinho, quando ebe-
gou o Pedro, rclirou-so pouco salisfeilo, o
consla-me, que elle dissera nao sabia como se
faziao as cousas tao calvas; porque, tendo elle
ordem para prndcr aquelle facinoroso, era
mofar da sua aulondado mandarem chamal-e
publicamente : e o caso he, que nos aflirma
quem presenciou, que nesse dia elle nao lora
casa do Sr. do Engenho, e tudo isto o pro-
pro Martnho nSo negou ; doscuberto este
pessmo procedimento, trata o motor d> todas
usas inlriyas do espalbar, que o Martinbo man-
dara chamar a Caelano Alves. e que o Pedro
viera em companha deste (linda evasiva); mes-
mo assim parece-me, quo cumpria ao Juiz do
Crime da comarca pedir auxilio ao Subd. lega-
do c fazer a prizao d> sse criminoso. Corre tam-
bem por certo, que a morle do Feij fora pa-
ga entro quatro camaradas. e deste o ultimo,
que falta pagar, he o tal sujeilo; isto mesmo lie
licao de Dr. : o fim est conseguido, pagara
parle, que Ihc tocou, he loucura.
Tomou posse no dia 7 do correle a nova
Cmara, c em seguida o Delegado Francisco
Xavier l.ima: c Dos queira que elle, abrindo
os ollios, e querendo cumprir com os seus de-
veres, veja morando no AfulOZO de publico o
facinorozo Manoel Francisco, que (ugio da
cadoia ji processado (dizem, que por influencia
do Dr.); quo veja o grando Pedro Calangro
morando no Capim ; que veja Joao Guilhermc
de A/evedo inlrodurtor de sedulas falsas em
Garuar; que veja Joao Menino (que todos
do por assassino do Braga.) morando em Ser-
rolo-l.iso; e que veja, alm de oulros muitos, o
celebre Tbeotonio Jos de Freitas, que he rnais
de quo publico ser um dos mandantes da morte
do Feij, o que insuQou o assassino, e enlrou
tambem com a sua quota o pagou a vista,(ludo
isto a voz publica oapregoa), esse mogo, cujo
genio he bem conhecido pelos Ri.i-Olvnben-
ses: elle, que digo oseu procidimenloquan-
dc Sargento de Lacadores naquella provincia,
o que I lie resullou em paga de urna revolu-
ta i em quo elle figurou;foi este mesmo patriota
quem, ha pouco,tonlratou com o Carcereiroda
cadeia a fuga de Manuel Brabo, que se achava
prezo por passador de moeda (alsa, e o caso he,
que cumprio a palavra, foi levar o dinheiro fura
da villa onde o Carccreiro o esperou.
No dia 7 do corrente comparecrao os Juizcs
de Paz para tomarem posse, ejuramentarlo a
todos, com exceptan doJuiz de Paz Supplente
da villa, pelo simples fado de ser Ajudanto da
C. Nacional da mesma freguezia, isto sem du
vida para sur empossado o 3. 'votado, queheo
celebre Theotonio, e d'aqui a pouco (eremos de
ver este moco feito Vice-Piesidente da Cmara,
Juiz de Paz Supplenle, ( Subdelegado, o l.t
Supplente do Delegado para o que.hamuito.tra
falla) c mandante das execucoes, que decreta
o concelho dos quatro ; eo mais quevmr, que
para ludo elle da, por ser um raio de jurispru-
dencia. Adeos, logo voltarei com noticias mais
frescas, e entre ellas urna que est na forja dig
na de publicacio.
Correspondencias.
nossa reuniao, vinte vezes o saboreei com toda
a alegra E so o nao encontrar mais !... Esse
pensamento gelou-me. Dr vaga e sem motivo
murchou todas as minbss illuses de felicidade:
s urna ideia me nao assaltou, loi a de vossa
indiffercnca I... Eu confiava em vos como em
Dos : Dos s nao me trahio !...
Ella fe/ um esrto para continuar, e pro
seguio : Emlim ebegamos a Poriz.
Para onde vai a.Senhora? pergunta-mu
um mariola ofleiecendo-me sua cadeirinba e
acenando aoseu companheiro que pegasse em
minha leve bagagem. Praca Real n.7, Ihc
d isse.
Enlrei na cadeirinh : na verdade eu nao
sabia o que fazia. Ella approximou-se de um
palacio cujo guarda-porlo lumava tranquil-
lamente na porta.
Pergunlei pulo Mrquez Leopoldo de Blancay.
Ha mais de 9eis semanas que anda na ca
ca Senbcir.i respondeo aquelle homem corn
esse ar malicioso, que se torna urna injuria em
presenca de urna mulher que padece. Nao sois
a nica que venbais procural-o Porm elle
nao diste onde ia passar este mez.
Catii semi-morta sobre urna cadeira.
Parti, cxcUmei, o sem dizer para on-
de !... E as minhas caitas ? ... .
Nao be isto ? e foi tirando algumas de
d miro de urna pequea pasta ; trazem a ru-
brica de liourges.
Arranquei-h'as : ero as minhas proprias
cartas.
Srt. Redactortt.
Desde o principio da discusso, que se tem
suscitado por causa da eleicao de Senador, tive
vonlade de oppr-m a algumas propositos
que do um u nutro lado se teem enunciado; e
agora que o jornal da praia aprsenla oficial-
menle os seus candidatos, nao posso guardar si-
lencio, estando informado por pessoas fidedig-
nas, que o Padre solapador be um dos candi
datos de mais empenho, que tem de substituir
nos collegios mais obedientes o nomo do Sr.
Antonio Carlos, que nao se tem impremido,
nem o Ministerio recommendou, senao para
cubrir as nullidades Souza, e Mello, u fa/el-as
passar nos collegios menos submissos.
Depois de notar a traico da praia, sou por
espirito de imparcialidade obrigado a contestar
a assercao de um correspondente de seu Dia-
rio que attribuioao Sr. Antonio Carlos, quan-
do Ministro do Imperio a sua candidatura por
Cear e Para, pois me lembro deouvir na ses-
sode I8il a este Ilustra parlamentar contra-
diieraosquo Ihe imputar.) essas eleices, e
declarar que para tal nao concorreo, accres-
centando que aluns votos, que os Pernam-
bucanos Ihe draoem 1837 os nao solicitou;
pois era Paulist. e um Paulista jamis se
opresentari'a candidato por outra provincia de-
pois de seguir o principio de nao deverem os
Paulislas dar seus suflragios aos ambadoi das
outras provincias. Este bairrismo do Sr. Anto-
nio Carlos dusculparia a praia em regeital-o de
sua chapa puritana, assim como justifica o ou-
Iro lado, que nelle nao vota; mas no ha ar-
gumentos quedesculpem a traico de um par-
tido apresenlar como seu primeiro candidato
aquello, que vai ser por ello tnforou hado com
o fim de arranjar as nullidades, que no mesmo
partido, e s nelle sao figuras culminantes
Z.
Sn. Ittdactortt. Como em Pernambuco..
depois que os bichos mais mmiyj.'os e escoro-
sossenozet/iA>i7.vrac"ao com o Ministerio, e
dellc receben gratas, aflagos, beijos, ludo esta
reauzidoa bicho, nao se admirara Vms. que
um bicho tome a ousadia de Ihcs dirigir urna
correspondencia, mxime quando elle quer tra-
tar daquelles, que per sua manlia cao sempre
inuteis e muitas vezes prejudiciaes Bem veem
Vms. que eu quero fallar dos maritafedes, des-
sa praga, que surgi da praia, 15o nauseabun-
da como a sua origem, que por toda a parte le-
va a sua arma favorita, incommodando a uns,
fazendo andar a cabeca roda outros, e mos-
trando lodos, que quem nio tem vergonha,
todo o mundo be seu ; que dizer maritafe-
des ou praieiros he urna e a mesma
cousa, assim como que praieiro he synonimo
develhaco, de sem-vergonha, de covarde, de
adulador, de vil e infame ; e a prova desla as-
sercao consta dos seus proprios cscriptos. ede
militares de lacios,que teem sido postos a luz do
dia.
Que importa quo nesse bando andem outros
bichinhos lolos, que sem pertencerem a raca
essencialmente infame, nem so doao trabalho
de indagar para onde ella os leva, nem os meios
lhai proseguid esse homem queris
um bom conselho minha pobre moca ? Dci
xai o Mrquez. Elle nao se importa comvosco,
estou d'isso convencido Na vespera da sua par-
tida entreguei-lhe um cmbrulho como es-
te : elle sahia. Reconhecendo a lettra dis
se : Anda e metteo-o na algibeira c >m
humor; e de mais, se he preciso dizer-vos ludo,
eu creio que elle foi casar-se. Homem um
Mrquez he necessario quo cuide em sua ge-
racao. Eu conheci o pai d'elle : .quiln he que
era homem e bello cavalheiro!Se vindes da vos-
sa provincia por amor d'elle como parece, Ca-
riis bem de para l voltar. Tendesapparencia
de padecer muito; queris que abra a janella?
Aquelle homem teria podido continuar a fal-
lar seis horas inteiras sem ser interrompiJo. Eu
o escutava com avidez e no entanto compre-
hendia o apenas; meus solTWmentos erSo to
atrezes que esperava nao sobreviver-lhes.
Anda um instante elle parou defronte de
mim : Ouvis-me ? .. .. Oh! oh! pobre rapa
riga murmurou sacudindo a cabeca pobre
rapariga causa d !
Acabavadeconhecer o meu estado que cu
j nao dissimulava.
Entrou sua mulher: examinou-mc com cu-
ri sidade. Elle contou-lho o que havia passado.
Aquella mulher era humana; veio em meu au-
xilio ralhoucom seu marido por ter-tneaf-
fligido e, vendo-me um pouco socegada, di
rigi-me algumas perguntas.
que emprega para conseguir os seus fi.' nem
to pouco o proveilo ou prejuizo que d'ah. 'bes
ha de resultar? O mal se vai fazendo; se os ve-
Ihacos o dirigen), os nescios, com seu apoio e
numero, carrego com tal qual responsabilida-
de, e slo indignos de perdao, em quanto nao
reconhecerem o seu erro, e nao provurem que
este foi devido au seu curto instincto. Nao veem
elles como todas as imputacoes que partem do
seu bando, sobre si proprio teem recabido ?
Nao veem os AJccrins e Joao Guilhermes pro -
cessados por introductores de cdulas falsas, que
a corja infame tem procurado fazer persuadir
serem obra dos seus adversarios? Nao veem que
a scicncia, a virtude, o patriotismo que se Ibes
promet!a que nos seus candidatos bavio de^
brilbar para ofluscarem o mrito alheio, se re-
duziro a ignorancia crassa, ou estupidez,
velhacaria, ou baixeza, egosmo ou infamia .'
Nao veem como procuran nos jornaes e no pu-
blico justificar-sc daquillo mesmo, quo nos seus
cjvs dcliberlo, e de que l fazem o maior alar-
de ? Tal vez nao ve|o ; mas quem lem culpa
da sua cogueira? Temolhos; sirvo se delles,
e nao os fecbem de proposito.
Se o Ministerio apoia o bando destruidor, se
este apoio pode servir de justificado ; porque
nao examinao elles os factos do Governo i' Ben
da Pernambuco o mais que for possivel, e v
esta renda desfazer-se por entre as suas maos ;
gaste o menos que se pode gastar; obedeca cur-
vado, v envi uns bichos que so chamem denu-
edos c votem por tudo quanto elle quizer,
eisa qui a cartilha do Governo;com o mais.pou-
co se importa elle ; quo justificaco pode dar
aosontros, quem de tanta precisa para si ? Go-
verno que recommenda nos avisos, que ase-
l> ites se aco livremente, mas que conserva
o Chefe de Polica, porque piopoe Delegados
que as violento, porque da sua parle nada
mais faz seno cuidar de eleices, e demitte o>
Presidente que, prudente, procura conservar a
provincia em paz, eapoiado no aviso do Go-
verno quer que as eleices expriman alguma
cousa da vontade da populaco, e se nao prest
aos manejos infames da pojicia, be Governo em
quem alguom dejrtsfincio poss acreditar?
V "j;;;^ t'm'uns tanta malvadeza existe, e em
outros tanta inercia, tanta indiflerenta, tanU
leima, irei batendo n'uns c noulros. servindo
a presente de introducan a outras ; que, per-
mittindo a bondade de Vms. Ibes irei envi-
ando, onde especificare alguns factos, que p s-
so por a calva anda mais : mostra desses tra-
tantes, quo tan altanados nos vo vpodrecendo
a alhomosfcra.
A presento a Vms. os meus protestos &c. &c.
O Furo.
MMI namg.-K-!gr-f-~ -si
Aifandeg.
Rcndimentodo dia 18..........11:454*726
Descarregao hoje 20.
BrigueJoven Henriquevinbo.
Bjrca Bella t'ernambucana cunhetes aba-
tidos.
Escuna inglezaQuixbacalho.
BarcaNavarrefarinha e bolathinha.
Brigue Lumberlandmercaduras.
BrigueLoperidem.
Oque ides fazer agora ? Crde-me, tor-
nai para a casa de vossos prenles. Elles vos
perdoar ; sois to mdca !
Fiz um aceno negativo.
Ento vou levar-vos a um hotel perto
d'aqui, e iroi tirar inqurigOes. Animo! ve-
jamos, Senhora, elle la I vez volte Pensa em
vosso filho.... Vinde, lentai andar.
Demos alguns passos, ella parou.
Tondes dinheiro ? Eu lnba trazido al-
gumas joias.
Fez que se me dsse um quarto Lancei-
me sobro um leito; a boa mulher retirou-se,
sem duvida para me deixar dormir.
Apenas me vi s, verdadeira desesperaco se
apoderou de mim. Eu gritava ; tinha febre.
Exbausta de fadiga adormec ao romper do
dia. Ouando acordei, nao me reconheci mais.
Minhas ideiai eslavao Iranstornadas, ou antes
urna nica ideia me oceupava : a leinbranca
do vosso desamparo E, quando lancei a vista
em torno de mim, aquelle quarto de estalagem,
aquella aoa-furtada, aquella desurdem tudo
me fallou da minha solidan Desfu-me em la-
grimas felizmente porque teria enlouque-
cido Depois de ter bem chorado scntei-ine.
Inslito movimento recordou-me que eu era
mi e translormou todo o meu ser. Eu tinha
sentido o meu filho. Jurei que (eria frcas pa-
ra elle que havia de viver com minbas dores :
cumpri a jura *
(Con(inuar-$t-ha.)


r
3
Movimento do Porto
Navio tahido no dia 18.
Rio de Janeiro ; brigue brasileiro Fiel, capi-
to Manoel Marcianno Ferreira carga di-
versos gneros.
Editae
^.
2Perante a Thezouraria da Fa7enda desta
provincia, se ha de por em hasta publica para
serem arrematados por quem maior renda an-
nual olerecer os 3 telheiros, e pateo, que
tiran ao lado da casa dos engajados, no areial do
Fura ilc Porta*. A* pessoas, se que propozerem
a semellianlu arrematacao, devero compare-
cer nesta Thezouraria a 1 hora da tarde dos
das 21, 24, e 28 do corrente.
Secretaria da Thezouraria de Pernambuco
16 de Janeiro de 1845.
Antonio Lu\z do Amaral e Silva.
Olicial da Secretaria. (15
2 A Cmara Municipal da Cidade do Rea fe e
seu termo &
= Faz saber que no dia 23 do corrente se
rao arrematadas triennalmenlo por quem inais
der as casas de nM 6,8,103,i36.38.e 40 da Pra
ca da Independencia, que deixro de ser an-
teriormente arrematadas, por nao terern tido
lanzadores. Os licitantes podern comparecer
em o mencionado dia, munidos de fiadores
idneos, e habilitados na lorma da lei, na casa
de suas sessoes.
E para que chegue ao conhecimento de to-
dos se mandou publicar o presento.
Manoel Joaquim do liego e Albuquerque
Presidente
Luis de Franga e /Helio Jnior.
.'ecretario interino. (17
gUIMiHII
53-Bfl8C!
'-* ** fc III v1 \
1
PHILO DRAMTICO.
Sabb/ido 25 de Janeiro,
i
BENEFICIO DO TENOR CARLOS RICCO. ', %
i
Vendem-se bilhetes para este inte-[g
ressante divert ment na ruado Quci-j*
jmadoN. 11, loja doSr. Castro & (',. ;||
fjna do Crespo, loja do Sr. Jos dos:j
{Santos Nevcs ; na ra Nova N. 11, lo-ja
ja do Sr. Guerra Silva & C.; no Recite, *
I ra da Alfandega Velha no Hotel
{Francisco; na vespera e no dia no
iTheatro.
avisos martimos.
leilaragovs.
1:= O Arsenal de guerra precisa para forne-
cimento dosaprendizes menores, do 1. de Fo-
vereiro ao ultimo de Junho do corrente anno ,
os Roneros seguintes : carne fresca e secca, ba
callio, toucinbo foijao coco, arroz, milho,
manteiga assucar, azeite doce, vinagre, cha,
caf, frinda, lenha. verduras, temperos e Inic-
ias : as pessoas, que tiverem taes gneros e
queiro forneccr por 6 mezes, sendo de melbor
qualidade. e por proco commodo, ppderocom
parecer nosdias 21, 22 e 25 as horas do seu
expediente. Arsenal de Guerra, 18 de Janeiro
de 1845. No impedimento do Kscriptururio
JoBo Ricardo da Silva. (14
3 O Arsenal de Guerra preciza contratar
um escravocozinheiro para a companhia de a-
prendizes menores, pagndose 500 rs. diarios,
e dndose a comida trez vezes aodia; quem
o tiver, entenda-se com o Sr. Coronel Direc-
tor do mesmo Arsenal as hon-s do seu expe-
diente. Arsenal de Guerra, 16 de Janeiro de
1815. No impedimento do Kscripturario ,
Jodo Ricardo da Silva. (9
8 COMPANHIA no BBBIR1BB.
Os Srs. accionistas da Companhia do Bebe
ribe queiro realisar urna prestaco de i por
cento sobre o valor de suas acedes, dentro do
prasode 15 das, contados de 15 de Janeiro em
diante. Com esta entrada completar-se-ba 40
por cento. Fscriptorio da Companhia 8 de Ja-
neiro de 1844 O Secretario.R. J. Fernan-
det Barros.
3Precisa-se de amas de leite para a casa
dosexpostos; as pessoas que quizerem criar ,
dirij'So-se a mesma casa. (5
O Administrador da Mesa da Recebedoria de
Rendas Geraes internas, pelo presente, avisa
aos Srs. Thezoureiros das irmandades auaixo
mencionadas, para virem salisfazer os respec-
tivos dbitos da 2.a decima de mo morta,
contada do 2. semestre de 1842 1843 al o
1. semestre do corrente anno; sob pena de
mandar proceder a executivo, se nao realizaren)
os pagamentos at o ultimo do corrente mez,
accrescendo a multa de 3 por cento. A saber:
2Para o Rio Grande do Sul com brevidade
segu o brigue-escuna Cacique, oqual podo
receber passsgeiros, e escravos a frete, quem
quizer embarcar no mesmo pude tratar na ra
da Cadeia 1. 45 com Amorim Irmos (5
6Para o Rio Grande do Sul seguir em
poucos dias o brigue Jpiter pode receber
200 barricas a frete, e tambem recebe passagei-
ros e escravos a frete ; dirijo se a bordo do
mesmo brigue ou na ra do Vigario n. l,n
fallar com Jos Xavier Vianda. (6
3 Para o Asse Cear, sahir em poucos
dias a sumaca Estrella do Coo.qucm nella pre
tender carregar podo entendor-se com Antonio
Rodrigues Lima, na Praca do Commercio, ou
com o Mostr da mesma Antonio Jos Vianna ;
no Trapiche Novo. (6
3Vende-se o patacho brasileiro Emulac&o,
de primelra marcha forrado e encavilhado de
cobre, tem excellentes commodos para passa-
geiros upparelbado de novo panno em meio
uso 6)'c. ; a tratar com Manoel Goncalves da
Silva na ra da Cadeia ou com o capitao a
bordo do mesmo patacho fundeado delronte
do trapiche novo. 8
3 Para o Porto segu viagem com muita
brevidade a barca portugueza Tentadura capi-
tao Emigdio Jos de Oliveira; quem quizer car-
regar ou ir de passagem dirija-se ao mesmo
capitao ou aoseu consignatario Mauoel Joa-
qun Ramos e Silva. (6
2 Para a Bahia segu at o fin do corrente
a sumaca nacional S. Anna, mestr Joto An-
tonio da Silva ; quem na mesma quizer carre-
gar ou ir de passagem dirija-se a ra da
Cruzn. 37. ;5
2 = Para o Rio de Janeiro com brevidade par-
tir o brigue Americano feliz de que he capi-
tao Joao Antonio Gomes : para carga, escravos
a frete ou passageiros trata-se como Firmi-
noJ. F. da Rosa & Irmo na ra da Moeda
n. 7 ou com o capitao. (7
abaiio assignado declara, que nao responde por n8o tenhSo entendido com o director, ou com o
qualquer divida, ou prejuizo, que na mesma recebodor ; pois que he bem obvio que so n3o
venda appareya. deve sobrecarregar do dilkuldades urna direc-
Joto Joaquim de Faria. ; c'0 que deve sempre estar applicada ao ensi-
Quem quizer dar BOjOOO rs. com *-! no e educacio ; e que bem mal o pode fazer ,
garanta, para receber 58*000 rs. no fim de 5 q.u,ndo falia os ",cio" P" costeamento da-
mezes ; .innuncie. I "' .e Par" Pa*amen dos empreados.
3-Aomcinadeencadernacao, que o PadreLA.7*lmao* '"lcrD0S s" HerSo sabir
F. C. de Lomos e Silva dirige na ra Bella n. j "m d,a fer,8(,0J en> cad* mez- e nas fer,as gan-
des, no entrudo, na Puscoa o Espirito Santo.
43, acha-se provida de ricos ferros de dourar,
magnificas placas de relevo, excellentes couros
e marroquins de todas as cores, com o que pode
executar as mais elegantes encadernacoes que
so exigir quer inteiras quer cartonadas ;
e o novo processo que emprega no applicar o
bruir o ouro toroa o seu dourado do urna
permanencia infallivel. A mesma nllicina st, en-
carrega tambem de brochar quuesquer t bras
3.a Fica vedada toda e qualquer correspon-
dencia dos alumnos internos com os meios pen-
sionistas e externos e por isso a estes s lio
permittido entraren) nas aulas, no gabinete e
sala da direceo, quando tiverem que represen-
lar e no refeitorio nas horas do comer.
&.* Ne-nhum alumno interno podara admiitir
no seu dormitorio petsoa alguma e quando
impressas rom i perfeicoj conhecida do pu-: aluem vit'f visitar, logo que for avisado e
blico e a um proco moderado. 11 ,iver ,,ct'ncJ *ira u,m*' a risita na sala que
FIRMIANNO JOS RODRIGUES Fll- dJrec" destinado para isso.
REIR, faz saber a todos os seus devedores' 6. loda5 sc"'as e roupa serio recebidas na
_____ ii i i casa para isso destinada bem como atuse ea-
em geret.qae elle.ha muito, seacha estabeleci- ,regart ro Mrv|d>
docomlojadcfazendasno passe.o publico n.0| C.' As horas mais proprias para receber a
II. e Mies roga quo quanto antes tratero de vir i roupa lavada e entregar a suja he das 6 horas da
realizar seus pagamentos, visto que na mor par- | manhaa as 9 o das 5 da tarde as 6. Aquelles
Leili s
o Manoel Joaquim liamos e Silva far lei -
lio por intervenido do corrector OHveirc, de
grande porcan dos mais deliciosos, e ja I em co-
nhecidos vinlos do Porto tinto o branco, em pi-
pas, meias ditas e linrris vindos pela barca
portugueza Firmeza boje, 20 do corrente ,
as 10 horas da manhaa noarmazem alfande-
gado na ra de Apollo numero 6. Advcrte-
se quo estes vinhos. sendo de avultado custo pe-
la sua genuina quanto superior qualidade e
bem merecido conceito serSo vendidos em
lotes de urna 6 duas pipas para commodidade
dos pretendentes particulares ou em maiores
pon ("es vontade dos compradores quer para
consumo, quer para reexportacao. (15
\ Kalkmann & Rosemund farao leilao.por
intervencao do corretor Oliveira de um rico
sortimento de fazendas proprias para quaresma
como sarjas prctas largase estreitas, sotins
pretos lisos o lavrados, gros de aples lavra-
dos, lencos prelos dos mais ordinarios al os
mais finos, luvas, meias pretas de seda e algo
Irmandade do \ S da freg. do R 358 965 j d8o, manas prelas bordadas de matiz, pannos
Dita dita dita de S Antonio 1:015,254 fios pretos, merino prelo do todas as qualida-
Dita dita dita do Afogado 62.958 j des, lapim prclo e maisfazendns de prompta
Dita dita dita do Poco 18,560 extraeco : terca feira, 21 do corren to as 10
Dita dita dita de Reberibe 50.240 horas da manbSa, no seu armazem da ra da
Dita dita dita de Jabuatao 25,920 Cruz.
Dita das Almas da freg.* de S. Antonio 74.384
Dita dita dita du Boa-vista 10,800
Dita do Rozario dos brancos do R.' 74,160
i Dita dita dos pretos de S. A nt. i 25,876
[Dita dita ditos da Boa-vista 27 270 O abaixo assignado,estando desociedade
lita dita do Afogado 3,240 na venda n. 29, da ra das Cruzes.ba 9 mezes,
I i'.ecolhimento da Gloria 645,321 com seu mano Jos Joaquim de Faria, para
SdeOImda 52,380 cuja sociedade entrou com a quantia de Bs
O Arsenal de Guerra compra cal preta boa : 95,000 em moeda;e como esto tivesso urna dif-
queui tal genero tiver, compareca as horas do puta com ello no dia 13 do corenlo,e passasse a
expediente no mesmo. Arsenalde Guerra 17 de maltrtalo, e a botal-o pela porta aosempur-
Janeiro de 1845 =No impedimento do Escrip- [ ves (as9 horas da nou'.e) e at boje nao Ira
lurano. Jod Mear do da Silva. tasse de dar balanco, como Ibe cumpria, o
to delles teem bavido muita omissao.
3 Deseja-se fallar ao Sr Antonio Jos Cor-
roa, chegado a esta cidade na baica Tentadora.
em Desembro do anno p. p., e ixualmento ao
Sr. Francisco Antonio do Mello, filho do cirur
eio Joaquim Antonio de Mello da cidade do
Porto ou ao menos saber o lugar da sua resi-
dencia ; na ra de Apollo n 6. (7
2Na ra da Cadeia do Recife loja de Joao
da Cunha Magalbes existem urnas cartas para
os Srs. Joaquim Francisco dos Santos Joao
Manoel de Siqueira Antonio Joaquim de Mi
randa Jos Joaquim do Lima Couto, Jos Go-
mes do Sobral do Nascimento Bernardino do
Ambrosio e Theresa de Jess. (7
2 Aluga-se o segundo andar do sobrado n.
9 da ra do Queimado ; a tratar na loja do
mesmo sobrado. (3
2Ausontou se do engenho Sorra-nova ,
freguezia da Escada no dia 30 do corrente do
anno passado um escravo pardo de nome Cu-
listo, de 35 annos baixo corpolento un
tanto barrigudo cabellos sollos, rosto redondo
e carnudo, a perna direita torta,que enconlra os
joelhos quando anda; recommenda-se aos <-api-
taes de campo a aprehencao do dito paido,assim
como a todas as pessoas.que delle tiverem noti-
cias e mesmo as autoridades policiaes o faco
prender, e avisaren) no mesrno engenho a Joa-
quim Rodrigues Estoves ou nesta praca. na ra
da Praia, armasem n. 14,de Antonio Caldas da
Silva que alin de se nao fazer repugnancia
de qualquer desposa, ser bem pago pelo tra-
badlo (13
LOTERA do theatro
As rodas desta lote i;i
ando irapreterivelinente
no dia 28 do torrente, i-
quem ou nao bilhetes por
vender, eo j estante dos mea-
mos ucha-se a venda nos lu-
Avisos diversos.
g.iresannunciaaos. (9
3Quem precisar de entulho pode mandar
buscar no pateo do Carino confronte a obra
da casa de um andar quo so dar gratis. (3
4 Aluga-se a casa n. i, dodous andares ,
sita na ruadas Larangeiras ; a tratar na ra
do Encantamento n. 8 A. (3
3 Precisa-se do um preto para andar com
taboleta na ra ; na casa de rclojoeiro junto
aoarcodeS. Antonio. (3
3As pessoas, que teem penhores em casa
do relojoeirojunio ao arco de S Antonio, e
juntamente rologios para concertar queirao
no praso deoitodias procural-os do contra-
rio soro vendidos para pagamento. (5
3 D so dinheiro a juros sobre penhores de
ouro ou prata, em grandes e pequeas quan-
tias ; na ra do Livramento n. I .'i. (3
3 Um hornero Portuguez de 3o anuos que
sabe trabalhar em jardim o podar parreira ,
se oflerece para feitor de sitio perto da praca ;
quem o precisar, dirija-se a ra larga do Roza-
rio n. 40, primeiro andar (5
COLLEGIOS. ANTONIO,
3Abrio-so no dia 13 do correte. As ma-
terias quo elle se ensiuao sao : as lingoas na-
cional, latina, frenceza, ingiera ; e os cursos de
geometra, rhetorica, philosophia geographia
e historia.
Paga cada alumno em trimestre adiantado ,
sendo interno 'ls rs. por mez, sendo meio pen-
sionista 14/rs e sendo externo 5? ri.
Qualquer alumno pode frequentar mais de
nma nula sem que por isso se augmente a re-
tribuico. As aulas de recreio sao pagas em se-
parado e a retribuico de cada urna dolas he
V rs. mensaes.
Ana estatutos do collegio se addiciono as so-
guintes disposicoes.
1 Como a direccao deve sempre estar em cima a 1^0(|0/<, no deposito da ra da Ca-
circumstancias de traier em dia o costeamento ('e'.8 (' Rec o ft. (ao
do collegio, por isso provine que aquello alum- 3-Jos Joaquim do A^evedo Carvalho, re-
no cuja prestaco nao for satifesta no pra-o lira-sa para fura da provincia. (2
de 15 dias.se julga despedido do collegio, 3Luiz Antonio Piolo, subdito Portuguez,
um vez que seus pas, ou correspondentes se retirase para Portugal. (2
portadores quo vierom fra desta occasio se-
roalgumus vezes demorados.
7.' llavera no collegio um recebedor quo
actualmente he o Sr. Gaspar da Silva Loyo a
cargo de quem flea a conlabilidade a cobrao-
ca tas prcslacoes o o passar os competentes re--
cibos. O Director, liernardin Freir de Fi-
gueiredo Abreo e Castro. ,50
3Jos Ramos de Oliveira remello para a
Itahia o escravo Jos de naco Costa porten-
cont a Jos Antonio lorges daquella cidade
3 OITVrece-se um rapaz Portuguez para
caixeiro de escripia ou ra ; quem o precisar,
dirija-se a 1 ua das Cruzes n. 14. (3
2=.\lanoel Jos Machado Malheiros embar-
ca para o Rio do Janeiro, por conta do Jos
Rento Ferreira Mastos da mesma cidade, um
molequode naco por nomo Ventura. (4
3Desappareceodo Fscriptorio doConsulado
Rritannico um relogio de prata com despertador
autor Rotkell, a quem for oflerecido o pode
aprehender o leva!-o ao dito Consulado que ser
generozamente recompensado. (5
5- Ausentou-se do engenho Serra-nova ,
freguesia da Escada 110 dia 4 de Novembro do
anno passado, um escravo de Angola do no-
me Manoel de-25 annos baixo secco per-
nas finas testa bastante grande, rosto largo,
cor um tanto fula, urna marca de ferida em
urna das canellas que parece do queimadura,
pouca barba (urna cachimbo o as vezes toma
tabaco ; recommenda-se a todos os capites da
campo a apprehenco do dito escravo pela
qual entrega sendo no mesmo engenho ao ad-
ministrador ou nesta praca na ra da Praia,
armasem n. 14, do Antonio Caldas da Silva,
recebei com vantagem a recompensa de qual-
quer trabalho e dospesas quo houverem de
tor, igualmente roga-se as pessoas, que com-
pro e vendem escravos o tavor de se Ibes for
oll'orecido o mencionado, ou mesmo que delle
tenho noticias participaren) ao dito Caldas-
que alm do pagar toda o qualquer despesa,
Ihes ser multo agradecido pelo grande bene-
ficio, que l'azem a iorphos depai e mai que
apenas he o nico bem quo possuem. 20
5 ADMIRAVEIS
N.VVALIIAS DE AC DA CHINA.
Tem a vantagem de cortar o cabello sem ol"
fenfa da pelle deixando a cara parecendo es"
tar na sua bullante mocidade.
Este ac vein excluzivamente da China e s
nelle (rabalhao dous dos melbores e mais aba-
Usados cutileiros da nunca excedida e rica ci-
dade do Ptkim, capital do imperio de China.
Autor Shore.
N. B. He recommendado o uso destas na-
valhas maravilhosas, por todas as sociedades
das sciencias medico-cirurgicas, tanto da Eu-
ropa como da America, Asia o frica nao
s para prevenir as molestias da cutis, mas
tambem como um meio cosmtico.
Vendem-se nicamente na ra do Crespo ,
loja n. 12, de Jos Joaquim da Silva Maia. (lo
3 RAPE FINO
VlNAGRlrtlIO
Jernimo da Costa Guimares o Silva asss,
agradecido ao benigno publico pela grande ex-
traeco que tem tido o rap fino Vinagrinho
de sua fabrica (em a satisfacao de Ihe poder
declarar, que se nao illudio com o acolhimen-
to que fez ao mencionado rap.
A approvacao que a respeitavel sociedade
de Medicina desta provincia se dignou dar ao
rap fino Viuagrinh, depois de o haver subme-
tido a urna analyse chimica asss rigorosa he
o maior elogio que se pode fazer a sua qua-
lidade.
O annunciante se obriga a (er sempre boa
qualidade deste rap a dlsposicao do seus be-
nignos freguezes.
O embrulho dos botes he azul, e os rtu-
los brancos : vejfdom-se de cinco libras par*
LADO

>


!5
2 Avisa-se ao Snr. thcsoureiro da lotera
do Uicatro que no caso do sabir premiado o
meiobilhcto n, 1097, nao pague seno ao
abaixo assignado, que o perdeo, estando as-
signado pelas costas pelo mesmo. Fortunato
Francisco Marques. I'
2 Precisa-so de urna ama do leite lorra ,
ou captiva; na ru;i do Rangel n. 51). (2
2 O Padre joio liento Alvos Ferreira re-
tir.i-sc para o Aracaty. (8
2 Francisco Cocino Leitio rclira-se para
ra do provincia. (2
AULAS DS PLUMGllUS
LETTIUS.
O abaixo assignado participa ao publi-
co quo as suas aulas pira meninos o moni-
as achao-se abertas desdo o dia 10 do cor-
que as horas vagas se propSe a dar licoes das I mesmo escravo j a multo V*i***
mesrnas disciplinas emeasas particulares; quem do tem tido denuncia que o eswafO MMJ no
,e qui/er utilisar. dirija-se a aula o casa de sua mesmo engenho que por uso|* wm iioe
residencia na ra de S. Am.ro entrando pe- lecidoieu procurador naquolla 9**
la ra Nova primeiro sobrado n. 18. flO obter a si o reler.do escravo. parNa *
1- Joi Xavier Vianna embarca para o Rio cio-preyineao leu dito Pr60raJor J? J"
Grandedo Solos seus dous escravos de nome Igocio algum de vend fae* WUMWMieu re
loaqulm erioulos. ferido escravo po.s que ja seacha J
\- Odep.sito do rap princesa de Gas* po0do MM Oiaravoaeonla'"f^J"
transforio-so para a ra da Cruz n. 38 defron- vender obngado ; estira como pelo mes
rente mei em casa do sua residencia ra da
Conceico da Boa-vista sobrado n. 8 wnde
anda podo admittir alguns pensionistas. O an-
nuncianto declara que para tnelhor adianta-
raento das meninas toma a seu cuidado o que
diz respeito a escripia leitura e contabilidade;
e o mais que concornenta for a costura iScc.,
fica entregue a sua senliora o Riba que pos-
sucm os conhocimentos necesarios a esto Bm.
Potycarpo JSunes Crrela
1 Roga-scaoSr. A. M R. B., quo.ha pou-
eos dias, se retirou desta praca para Nazareth ,
haja de mandar entregar o transelim o a moo-
da do ouro o juntamente os brincos do ouro ,
que ludo tomou emprestado a pessoa que nao
ignora, isto no praso do 15 (lias, senao tora
do ver o seu nome publicado por extenso nosta
lolha ese far ver ao publico a mancira por
que sua merc, obrou con: tanta falsidade para
com a dona do dito ouro. (!)
1 (i abaixo assignado avisa ao Snr. Gon-
calo Lopes Galvao morador cm Curraos-no-
vos que tem em seu podor urna sua osera va
de nafo Angola de nome Mara, a qual, sen-
do capturada no dia 14 do corrente anno de
18*5 pelo capitao de c. Victorino Jos da Costa,
veio procurando a casa do abaixo assignado ,
por ter pertencido em aluum tcrnpo aosogro do
abaixo assignado, Jos Antonio do Souza; e para
que consto ao publico o cheguo as ouvidos
dosupradito Sr. vai inserido nesto Diario;
assim como 1 lio admocsta qnc deo de gratifi-
cacao ao apprehcndedor 10,y rs. e que nao se
responsabilisa por alguma fgida que a osera-
va possa laier. Joo yepomuceno Gomes 13
1Joao Antonio dosSantos Andrado tondo
do azer urna viagem a Portugal Taz publico,
que tem associado no seu cstabeleoimento de
lerragons na ra do Queimado n. 30 dos lo
odia primeiro do corrente a seu iiniao Anto-
nio Joaquim dus Sant>s Andrado, o debaixo
da firma de Joiio Antonio dos Santos Andrado
) lrmao a qual fica autorisada a liqui laco
do seu activo e passivo. f{8
1 A criada Portuguesa que annuncicu
no Diario a. it querer prestar sous sorvicos ,
dirija-se a ra do Rangel n. 64, ou outra qual-
quer, que estoja as mesrnas circumstaneias 'i
1Precisa-so de urna mulher para o sorvico
de urna casa do familia o que saiba engoin-
mar ; na ra das Cruzes n. 26. ,'3
4Faz-sc publico, para evitar duvidas futu-
ras, que oengenhoAraguaba com todos os ter-
renos a elle annexos, na riboira de Una, fro-
guesia do mesmo nonio ; Una da comarca do
Rio Formoso esta aogeito a serias questes
judiciarias pola lezao que sofrem os herJei-
ros do mesmo ongonuo com o ivontario e par-
tilbus e infinitas outras rasos fundamentadas
em diroito ; portento avisa-se a quem for ofle-
recido esse engenho oualgunsdos terrenos a
elle annexos a venda que nao facao negocio
pelas rasos expendidas em sustontacao das
quaes pelo presente se protesta. i i 1
\ Aluga-se a casa de 3 andares n. 51, sita
na ra da Cruz pegada a que mora .Manuel
Joaquim Ramos e Silva ; a tratar na venda da
te da Cacimba aonde so acha a venda as tres
superiores qualidudes de rap princesa fino ,
grosso, e meto grosso pelo prego j estipulado.
) Aluga-se urna casa na ra do Jardim ,
com cornmodos para duas familas, por terduas
salas, duas alcovas cosinha fra quntale
cacimba, comaotSo, com 4 quartose cosinha;
a tratar na rna da Sonzalla-nova n 7. >*
1 O abaixo assignado faz ver a todas os
sous devedores que compraro lazondas a
Antonio Jos do Magalhos Basto assim como
a extincta firma de Novaos # Basto por conta
dolivro, lott'as, obrigacdes, ou outro qual-
quor titulo que no praso de 15 dias conta-
dos da data dosle venhao realisar suas contas
com o abaixo assignado por quanto ha deve-
dores do 1828 at |84, como o abaixo assigna-
do na i poda pessoa I mente laier ver aos seus
devedores a falta que os mesmos teom comine-
tfdo em deseinpenho de seus deveres .inuito
principalmente nosta oidade e seus suburbios,
faz-se-lhos sciento, que lindo o praso referido
nao vindo arranjarsuas contas os manda oxo-
cutar sem execopcao de pessoa. Joto Ant.t-
ni o Mar litis IS'ovaes. t'
-Aluga-so o grande sitio da passagem da
Tacaruna pertencentea viuva do finado Ma-
noel Rodrigues do Passo ; no Adterro da boa-
vista n. 47.
O Padre Joao Jos da Costa Ribeiro faz
sciento aos pais de seus alumnos o aos quo o
qui/erom procurar que pretende abrir sua au-
la de primeiras ledras no primeiro da Feve
reiro c quo recebe alguna pensionistas obri-
gando-se a ensinar-lhes arilhmelica gramma-
tica portuguesa, latina e francesa ; na ra do
Vigario n. 8.
nuncio participa ao Snr. do oaganho que so
tem direito ao referido escrav que oin seu
domioio e posse o tinha em seu engenho debai-
xo do nome de Antonio novo, baja de apre-
sentar seus ttulos a flm de se saber quem he
seu verdadeiro senhor, sob pena de so pro-
ceder com o rigor dalei e protestase percas o
5 Vende-se muito boa farinha de mandio-
ca chegada recentemente de S. Mathous prc-
pria para Tamilla por ser de muito crescimen-
to ; a bordo da sumaca lncancavel Carol, fun-
deada defronte do caos de palacio, ou na ra
da Moeda n. II. 10-Vende-se sal de Lisboa em grandes e
pequeas porc5es ; a bordo e no armasem da
ra da Moeda n. 9 o preco he em conta 0
trata-se com Leopoldo Jos da Costa Arauj. ( 4
3 Vendem-se barretes de retroz preto ,
singelos e dobrados para Padre lacre preto
e encarnado o melhorque ton apparecido. oleo
da China ouessenciada formosura pos car-
minados para os denles ; na ra da Cadeia n.
lo, toja do Bourgard. >
3Vende se sal do Ass; abordo do brigue
cedercom o rigor da le e priHaw---"- B-iflo =- -- "-- .'.
damnos, dias do servico, contra o dito Sr. queo i)eos-te-guarde fondeado defrono do tjapichc-
possuioillegalmente3anno*. mezes 6 o dia OVo ou na ra da Udeia-velha a masem
oue so achou lora do dominio de seu verdadoi- ,2, de Hennque Bernardes de Oliveira |
ro senhor o para dar principio a este negocio
o abaixo assignado Ihe marca 30 dias para apre-
sentarao publico sua defesa a tal rospeito.
bernardo Jos Rodrigues Ptnheiro.
tefe S0CIEDADE
PHILO-DRAMATICA
__O primeiro secretario avisa aos Srs. socios
cm geral quo, para tratar-se do objectos de
considerarlo ha sessao da socieJade boje
pelas 0 horas e moia da tarde.
Compras
A pessoa, que precisar de um homem ,
quo entende de escripturacao commcrcial di-
rija-so a ra do Rangel n. II.
A requerimento de Joao Pereira Lagos ,
como tutor do menor Domingos Pereira Lagos,
vai a praca poja ultima vez, para sor arrema-
tada por 3 annos a rendado sobrado de um
andar e sotao quintal murado cacimba, tan-
que para banho pelo mdico preco de 350^
rs. sito na ra do Livramento n. 10, da par-
to do poento segunda feira, -20 do corrente, as
'1 horas da lardo, na porta do Sr. Dr. Juizde
rpbaos, no Atierro da Boa-vista sobrado
ammarello defronte da matriz.
Roga-se a pessoa que tiver achado urna
carteira com papis pertoncentes a Manoel Di-
eren Dirkenarn subpilo hespanhol queira
lor a bondado de os entregar no Consulado Hes-
panhol que se Ihe Picar obrigado.
Quem annunciou precisar de um homcm
para tomar conta de urna escripturacao com-
niorcial e trazel-a sompre em dia dirija-se a
travesa da Madre do Dos sobrado n. 5, pri-
meiro andar quo ahi achara pessoa quo se
acha habilitada para esse flm, asseverando ,bfla
ledra e pralica para seguir qualquer melhodo
de escripia quo queira.
Joaquim Ferreira de Moura natural des-
ta cidade retira-so para o Maranbo.
Ou,;,n annunciou precisar de um homem,
que entenda de escripturacao commercial di-
rija-so ao hotel do Sr. Pistas.
Precisa-se alugar urna preta ; na ra dos
Pescadores n. 39.
Doseja-se saber quem est na vara de Juiz
de Paz do segundo districto do bairro de S An-
tonio pois quo se tem procurado algucm ,
que exerca este cargo e n." do-so vago por conseguinte o lugar.
O Sr. quo veiodelronto dooilo do Li
vramenlo empenharum flauta pela quantia de
off rs. queira ir 11 ral-a no praso de 3 dias, do
contrario perder todo o direito dola.
O despachante que lem banca onde est
o Porteiro do Consulado se offerece a quem
Ihe der embarcacoes para despachar, para agen-
ciar es despachos do todos os gneros, que di-
las eri.barcacos recoberom a seu bordo, pou-
pando assim os trabalhosdos caixoiros dos seus
, bemfeitores que so pdem empregar cm outro
servico o quo be um puro signal do gralidao e
I reconbecimento o muito podo intercalar aos
Sis. negociantes do quem espera proteceo ;
igualmente tira passaportespara dentro e fra
do imperio.
abaixo assignado faz publico por esta
que no dia 10 do Janeiro de 1815 Ihe
tro
aco
Ode
mes-
mei
vos un .-iiiutu no iuo isnciiu 11. k>. [V e anno constando de seu
1Aluga-se o t rceiro andar de nma cusa da como o annuncianlo nao tivesse noticias pas-
rua da Guia com ba&lautes cominodos por, sou a por nota na matricula dos seus respecti-
casa da ; vos escravos quedado havia no tribunal das
ra larga do Bosario n. 3U ; a tratar defronte Diversas Rendas acontecendo que regressa-
1 Comprao-seeffectivamenle para fra da
provincia escravos do ambos os sexos d
12 a 20 annos sendo de bonitas figuras pa-
go-so born ; na ra da Cadeia de S. Antonio ,
sobrado de um andar de varanda de pao n. 20.
Compra-se o diccionario topographico do
Brasil ; na praca da Independencia livraria
ns. 6 e 8.
Compra-se um oratorio feilo no Porto ,
aindaquo soja com algum uso; quem tiver an-
nuncie.
2-Compra-se urna flauta de bano, de 4
chaves ; na ra do Padro Florianno n. 07. (1
2 Compro-se cffectivamento para fra da
provincia mulatas negras, e moloques de 12 a
0 annos pago-se bem ; na ra Nova loja
de (erragens n. 1G.
1 C itnpra-so, na Ra da Cadeia Velba do
Recua n. 29, no terceiro andar, urna bomba de
ferro para cacimba :na mesma casa vendo se
oleo de li.iliaca em barris, e cssencia d'anis.
Vendas
l_Vendem-se saceos com farello a 3000 rs.
r.a ra da Senzalla-velha n. 138.
1 Vende-se a colleccao do Panorama atjg"ra
Companhia. j5
3 Vendem-re saccas com dous alqueires de
muito boa farinha chegada ltimamente do
Bio de Janeiro; na ruada Cadeia-velha arma-
sem n.12. I*
3Vendem-se 4 caixes envidracados para
venda, em bom estado, um braco de balanca
e conchas com pesos de meia arroba a meia
quarta j aferidos; na ra larga do Rosario
n. 29. /*
3Vendem-se 12 escravos, sendo 4 prelas
de 12 a 16 annos, com habilidades ; 2 mole-
ques de H a 16 annos cosinheiros ; um dilo
de 12, muito lindo ; 4 pretas de 20 annos, com
habilidades ; urna parda de 22 annos.com ha-
bilidades ; um preto de 25 annos ; na ra do
Rosario da Boa-vista n 48 (7"
3 Vendem-se 4 sacedas de superior canta-
ra de Lisboa 40 palmos de soleira decordao,
urna verga para porta de cocheira e 4 portas
deamarello; na ra da Cadeia do Recile n. I.
3Vende-se una preti moca de 20 annos -
para todo o servico, e he lavadeira e quitandeie
ra ; urna parda recolhida de 16 annos sabe
perfeitamente engommar coser e tratar do
criancas ; um preto de 22 annos, para todo o
servico ; na ra ra Dreita n. 81 (6
3Vende-se um sitio na Capunga a mar-
gem do rio com boa casa de vivenda por
preco commodo ; na ra da Madre do Dos, to-
ja do Cunta. (
5Vendem-se duas moradas de casas terreas
novas, urna dellas com soto corrido com as
de meneos para se levantar um sobrade na
ra da Concordia ; tambein se trocao por algum
sobrado ou casa terrea emrua de negocio; a
tratar na ra Augusta n 22.
2 Vende-se um cavallo bom passeiroeear-
regador ; na ra Nova loja n. 16. (2;
2 Vende-se sarca-parrillia.oleo cupaiba em
barris, ludo de superior qualidade e por preco
commodo ; no armasem do Braguez, junto ao
arco da Conceico. (4
2Vende-se urna parda de 30 annos com
um (Uno de 8 metes ; na ra do Crespo n. 13.
2 Vende-se um escravo peca do bonita li-
sem vicio algum ; na roa das Larangoi-
mesma casa.
fk
1 =
Antonio Jos Goncalves avisa ao publi-
co, que por liaveroulrodti igual nomo seas-
signa de boje em dianto por Antonio Jos Po-
dro Goncalves. (4
1 Precisa-se de urna casa terrea quo le-
nho quintal e cacimba ainda que lenha pe-
queos commodos para una pequea fami-
lia e sendo as seguinles ras : S. Bita Pa-
dre Floriano Nogueira S. Ji>sc Fagundes ,
ou as travossas dostas; quem tiver annuncle.
1Precisa-so de urna ama de leite, prefe-
rindo-so captiva ; na ruada Assompcao n. 16.
1 Robate-se sold do Olliciacs reformados,
jjor menos de que em outra qualquer parto; na
ra da Assumpco n. 16. 3
1 O Sr. Joaquim da Costa Ramos baja de
ir resgalar os seus penhons que toem empe- fo
eo segundo andar da
.-sario n. 30 ; a tratar defronte Diversas
do Corpo Santo loja de cabos :. 17. d0 0 referido escravo ao dominio o posse de seu
1 Manoel Francisco Coelho faz scionle ao verdadeiro senhor, confessa ter sido urtado por
publico, que o exercicio da sua aula do\gram- I'. P. S. e vendido no engenho do Lucena de
inatiea latina e poriugueza comecou no da 7 do que he proprietario Antonio Mauricio Accioli
que contina a ac- Canavarro diquelo do Passo de Camaragibe
corrento mes de Janeiro
1812, outra do Archivo Popular, completa .
urna grammatica italiana por A. Prelenno, um
diccionario francez e italiano, e italiano e fran-
cez porG. Biagioli ; na ra ra da Madre de
Dos n. 9. <6
IVendem-se duas pretas mocas de lean-
nos de todo o servico sendo urna lavadeira;
urna dila do bonita figura, costureira, engom-
madeira faz la varilo, renda o borda para
lora da provincia ; urna parda do K> annos ,
perfeila engommadeira costureira e he mui-
to carinhosa para meninos; na ra Direita
n. 81. (8
IVendo-so urna casa de um andar, com
grande quintal murado boa cacimba com
chaos proprios e por preco commodo, sita
na ra das Trincheiras; a tratar na ra Cadeia
do Recife n.35. (5
1Vendo-so u 111 casal de escravos, com *
filhos menores e erioulos a saber : um escra"
vocrioulo de 30 annos, pedreiro: urna dita
de 35 annos quitandeira, lava de labio e co-
sinha : um moleque de 13 ai.nos ; um dilo de
8; um dito 3 e outro de 2; em Fra-de-porlas,
ruados Guarerapcs n. 3.S. (7
1_ Vendem-se dousmoleques de nacao .de
14 a US annos
ras n. 22. (3
2__Vendu-se Champanhcdo boa qualidade,
vinho de Bordeaux ern caixas de dusias, vinho
do Rbeno, ago'ardente de Franca ; na ra da
Cruz n. 10, em casa de Kalkmann & Rosen-
mund.
2 Vende-se um carro de 4 rodas para doua
cavallos; outro de 4 rodas, muito leve para um
cavallo e outra de duas rodas ; no Atierro
da Boa-vista a tratar com Miguel Segeiro.
Vende-se urna cama do angico, com pou-
co uso, e de muito bom gosto ; na ra Bella
n. 45.
Vende-se urna porcaode bau-
nillta muito fresca, por preco com-
modo : na ra Aovo n. 23.
Escravos fgidos.
1 No dia 10 de Dezembro desappareceo
um escravo de nome Joao Camundongu alloe
magro representa ler 30 annos he alguma
cousa gago e sua oceupaco he de serrador;
, quem o pegar, leve a ra do Amorim n. 36. em
na ra de Manoel Coco, venda casa de Antonio Vaz de Oliveira que sera
ceitar alumnos para as mesrnas disciplinas, e provincia das Alagos e de cuja conflssao do I n. 33, ou ra da S. Cruz venda n. 08.
n 20. i-
IVende-se a colleccao do Panorama do an-
no de 1844; na ra do Crespo n. 4. (4
1_ Vende-se urna parda de 20 annos, eduas
pretas de 18 annos todas com habilidades ; na
ra Nova n. 50, terceiro andar. (5
1 Vende-so assucar mascavado refinado,
muito proprlo para caf, assim como do outras
qualidades ludo por preco commodo ; na re-
flnacao da ra da Senialla-nova n. 4, e nos de-
psitos da praca da Boa vista n 7, o na ra lar-
ga do Rosario n. 38. '$
Vende-se, por proco commodo urna arma-
caodeloja propria para forragons ou miu-
desas, sita no Alieno da Boa-vista n. 72 ; a
tjatar na ra Nova n. 'i.
Vende-se cal branca o preta, eflectivamen-
le por proco commodo ; no armasem do Sr.
Nicolao Rodrigues da Cunha na ra Floren-
tina .confronte a casa doSr. Berangern. 14.
4 Vende-se farinha de trigo, de muito boa
qualidade ; na praca do Corpo Santo n. II, ca-
sa de Me. Calmont 4/ Companhia. (3
7Vende-se um bom preto ao comprador
so dir o motivo da venda ; na ra do Sebo
(3
recompensado \i
Fugio no dia 3 do corrente, do engenho Ja-
guar um cabra do nome Elias de estatura
regular, bvm barbado cabellos bem pegados,
alguns dontes do queixo superior tirados; le-
vou calcas de algodozinho com lislras azues e
jaquela de frankilim rouxo co.v. gola de ve-
ludo chapeo branco sem pelo j usado, e pre-
sume-se ter ido para as partes de S. Anido ;
quem o pegar, leve ao dito engenho ou na ra
do Livramento n. 20, primeiro andar que se-
r gratificado; adverte-so que o dito cabra he
carpios.
* Fugio no dia 13 de Janeiro urna osera-
va de nome Benedicta baixa, e secca, vesga de/
um olbo, tem falta de denles no queixo do cima/
tem urna cicatriz as costas; levou vestido branf-
co velho e por cima urna saia de ganga azull,
panna da costa com listras azues o branca: quem
a pegar dirija-so a ra Augusta n. 14, que
sera recompensado.
.J"
V
\
1:
PEltf
TYP. DE rDE FAR1A 18/|5.
u.
afe-^.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETK6MAO3Z_9F22NI INGEST_TIME 2013-04-13T03:20:58Z PACKAGE AA00011611_05271
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES