Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05269


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A
Annde 1845.
Sexta Felra 17
O DiABI' publica-ee todoe oe diaiqut tio fortn eantificados : O pre<0 da aeeignatura
b- da 'rae Mil ra. por querte! peros adierUedos Oe-ennunciosdoe aaeignantee sao inaaridna
raso de|'>0 reis por linha. 40 reig em rypo differenle, e aa rcpeliroes peta smetade. Og
que nio oreaa aaaignanl a [agio 60 reja por linlia.liiU ea lypo diffesent poi udspoblicatao.
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
Gmiarr, f rahyha, acgandaaa eextaa (tiras.Rio Grande do Norte, chegt a 8 a J par-
la i 10a -'4,Cano, Serinhaem, RioForaeao, Macer, Porto Cairo, a Alagoae: no 1. c
11 '21 d> rada aefil Garanbune e Bonito a 10 a '24 da cada asea. loa-riete e Flor-
ea a l3e 38 dito. Cidade la Victoria, quintaa feiraj. Oliada todoe oa diaa.
DAS da semana.
11 Seg. Hilario: And. do J. de D. da '2. t.
14 Tarca e.Felia. Ral. aod. doJ. da D.del.r.
1F Qu.ru a. Amaro. Aod J. .la I). da 3 a,
ti Quiote a Berardo. Aurf do J de D. da 2. r .
17 Seila n Ani.io. Ad. do J da D da 1. ala
1H Sab. s. Frisca Ral.
19 I Ion* O. SS Nome de Jess.
de Janeiro: ___Aano XXi N. 15.
ludo afora dependa da eos nesaios: da Meai arattteeie, auiebragSe)' a en rgia: eoa
n otme OOalO principiaoaoe a aeramae apoaladni .Ma a.Un'avio entre e nar.oai sai
oultaa. (I'mclaoiaQ.i i .! AseeabUa C"'ei do sutil;
OAiniOi ajo mi r' UR ji.si.iuu.'
.-' Caaabiue aobre Londra '-a .;( | Our-Moede de 0,400
f a a Feria SS'J rea por franco
a a Lisboa KOpur 100 dt |iraio
N.
Hodeda e-bre eo par.
Ideas de le.raa '.* buei f,rte 1 pOroio
.le i,:/.)
{'.'ate i' ataofiej
a PeaOI i'olumoaiiarp
Ditos aieiicanof
17 (100
IC.lMI
J 400
1,5 JO
l.ilil
1,.'0
renda
17,-00
17,100
JtiO
1 050
1 !> 1.9J)
l'HASES DA LA NO HEZ DE J l.MllltO.
n-y-;.
Lia a..,. S.,4h.e Bleaia.dain i La ib.. .-,.1| hora, e asa, da ea
trbenla a Jo ai I, .re-e 31-. dan, I a..,,, .1 borai t a "
Preamar de hoje.
I'rimefra as II luir eiin 45 da iii.inli'ia. I Si DIARIO
kk-ub
PARTE OrfCIAL
Governo da Provincia.
EXPEDIENTE DO DA 9 DO CORRENTE.
OicioAo Inspector da Tbesouraria da
Fazenda, remetiendo, para que faca examinar,
se com efleito sao falsas, oilo cdulas verdes
de cem mil reis, e 9 encarnadas de vinte, que
como taes orao apprebendidas pelo Subdele-
gado Supplenle de Caruar; e ordenando, que
com o resultado do exame devolva as menciona-
das cdulas.
DitosAo Inspector da Thesouraria das Ren-
das Provinciaes, determinando, que vista das
condicoes que Ihe envia faca por em arremata-
cao a factura de urna calcada de barro no 1."
lanco da estrada do Norte, e a obra da pontezi-
nha da camboa dos Arrombados.Communi-
cou-se ao Engenbeiro ero Cbefe e ao Inspector
Fiscal das Obras Publicas.
PortaraO Presidente da provincia, tendo
em considerado as informacos do Engenheiro
em Cbefe das Obras Publicas em data de 23
de Outubro do anno findo, e de 9 do Janeiro
corronte, em as quaes faz ver achar-se ausente
d'aquella reparticao o Escripturario Augusto
Carlos de Lemos Pacheco desde o fim do mez
de Agosto prximo passado at o presente, em
cujo esparo de tempo apenas participou achar-
se doente de herisipclla em 17 de Outubro, au-
torizado pelo artigo 21 do regulamento de l\
de Maio do 1842, ha por bem demittir o men-
cionado Augusto Carlos de Lemos Pacheco do
emprego de Escripturario polas mencionadas
faltas consideradas graves pela reinci leticia, de
que ho aecusado.Participou-se ao Engenbei-
ro em Chefe, ao Inspector da Thesouraria das
Rendas Provinciaes e ao Inspector-Fiscal das
Obras Publicas.
Officio Do Secretario da provincia ao Doutor
Philippe Lopes Neto. De ordem de S. Ex.
o Sr. Presidente da provincia participo V.
S., que ello acceita, para mandar copiar, os
manuscriptos, que V. S. possue sobra varios
aeonlocimentosil'esle imperio e particularmen-
te dVsta provincia ; manuscriptos que V. S.
generosamente o derecera em seu officio de 10
de Junho do anno p. passado respondondo ao
qne pela Presidencia lie fo enderecado em9
do mesmo me/, e anno, pedindo semelhantes
documentos. Outro sim acceita o mesmo Sr.
a disserlaco sobre Botnica escripia pelo
Doutor Manoel de Amida Cmara, e o volu-
mti das Instituidles Canonico-Patrias, escrip-
ias pelo Doutor Francisco Soares Maris que
V. S. diz existir na sua estante; passando S.
Ex. diligenciar os outros voluntes d'esta obra,
que paiao na mao da pessoa, por V. S. indi-
gnada, fim de sor ludo romeltido ao Archivo
Publico do imperio noHiodo Janeiro, como
lie vontade do Governo Imperial, manifestada
em aviso do 9 de Marco do anno, que acabou,
o 1 i de Dezembro prximo findo.
DEM DO DA 10.
OfficioAo Desembargador Cbefe do Poli-
ca interino.Remello V. inc, por copia, o
officio do Subdelegado Supplento, em exercicio,
da povoacao de Caruar, acompanliado do oito
cdulas verdes de cem mil ris cada una e de
9 vermelhas do vi tito mil ris cada urna as
quaes (rao apprebendidas por falcas naquella
povoacao. E poi que palo exame. que a-
companha, se verifica a falsidado, e tlevo el-
las ser juntas ao processo que so formar aos
individuos, que do mesmo ofluio consta serem
os paseadores dellas, dos quaes se acbao presos
dous, V. me, prestando a devida altencao
negocio do tanta gravidade, dar as necesarias
providencias, fim de que prosiga-se nesta di-
ligencia, de forma que nao ppareeo irregu-
laridades, que final bajao do favorecer a ini-
punidade dos reos. Communicou-se ao Dele-
gado Supplenle de Caruar.
ment j s sabe) e isto para llie perjauntur a I or duvida a respeito do espirito, que a guia ,
razio ponme nao volia esta argumentaco aos
guabirs ? Esta perguntinha ir-riacapaz de en-
covar quem boa fe juntasse dous dedos de boa
lgica, mas procurar lgica na praia o oi -
contral-a, he tao difficil como encontrar chen-
ro no Escaravelko.
DM CASAMENTO NOS CARCERES (*).
(E'poca do terror)
VIL
Alguns dias depois, os presos do-Luxem-
bourg estavao reunidos no salo do polacio.
Diversos formavSo um grupo pouca distan-
cia da grade, que deitava para a ra deTou-
mon. Estava-se no fim do mez de Maio, e
um bello sol, dardejando obliquamento sobre
o fastigio do vasto edificio inuodava de luz a
a parte opposta do pateo. A vista d'este es-
pectculo, que todo respirara vida, os prisio-
neros, tranquillamente sentados sombra,
parecio ter perdido o sentimenlo do seu infor-
tunio presente, e a inquietaco pela sua surte
futura. Todos, esquecendo seus males por
um instante, entretinho-se de suas esperancas
desalvacao, e insensivelmente tinbio travado
urna agradavel conversacao, quando se fez ou-
vta travoz da grade do Luxembourg a voz na-
zal d'um d'os regates, cntao numerosos em
Pariz, cuja profisso era apregoar e vender as
(*) Vid. Ditrio a. 12.
CORREIO.
CORRESPONDENCIA DA CIDAOE E PROVINCIA.
Os maritafedes rabiscadores do correio de
petas, sao guapos rapa/es, digao l,i o que qui-
zo rom as malditas linguazinlias, que de ludo
lallo : elles perlencem sucia praieira, o
nesta sucia nao ba quo melter bico, nao ha que
arranhar; tudo quanto escreve, ludo o que diz
a sucia, cheira a santidade praieira, teui uu-
cao da praia ; os livros sagrados nao sao para
praieiroi onze mil virgens; elles os leem sem-
pro como urna guia, e delles tirao as palavras a
justificarem-se. J no correio do diario novo
n. 10, para detrahirom os guabirs alirarSo-ae
as paginas santas como gato a bofes, c l
mesmo derao com os porcos possessos ( nao se-
r esta a voz primoira quo so ten ha u atirat'o o
apanhado porcos nao possessos porin gordi-
nlios...) com que julgao cncovarao os guabirs;
no correio n. 12 voltario ao mesmo lugar e
para so acobortarem encuntrarao com Judas
(esse lio o seu nome) o dizem quo ssim co-
mo a maldade Jete nao manchou os outros A -
postolos assim tambem o laclo mo do um
praieiro nao Jevo manchar a santidade, apre-
la e a belleza da praieira bucia..!...NTs aceita-
mos econcordamos com a praia ( l no argu-
Coiuni'iiiicado.
Todas as vezes que se procura descobrir as
tendencias e os principios t|uo dirigein esse
aggregado de sallo-ador s polticos que se de-
nomina se partido da praia = frga be chegar
a um resultado c vem a ser, que a anarchia .
o a desordem o desrespeilo as leis, e A moral
publica formiio a liase do seu sjstt'ina ; por-
quanto a esperiencia de todos os dias nos tein
demonstrado, que os apostlos d'essa seita, as
sim como seus adeptos para conseguirem seus
lius lorp s o deshonestos nao duvidao lanca
mao de qualquer meio ou soja altamente cri-
mininoso, ou profundamente inmoral. Estas
refiexoos nos sao insinuadas por um fado, que
acaba de praticar a Cmara .Municipal deGoi-
anna, quo para satisfazor os inleresses do seu
infame partido nao hesilou commetter urna
rovoltante infraccao d lei e saltar por cima de
todas as consideracoes do bem publico A lei
provincial n. 134 do 2 do Maio do anno p. p.,
mandou restabelecer os anligosdistrictos de Paz,
criados pelo cdigo do processo ; o a Cmara
Municipal de Goianna dando cxecuco a essa
lei dividi, e alterou alguns districtos do cor
tas fregueziasdoseu Municipio dcixando eu-
ros intactos porque approvou a sua divisao ,
nega a posse aos Juizes de Paz eleitos a T de Sc-
temliro, e deleriiina, que um \ creador \ii pre-
sidir a cleitjo que mandou proceder no dia
2 do correlo He de primeira inluicSo .
que semelliante dmao alein de ser contraria ao
espirito da lei, est em peifeita anlinionia com
0 Aviso de 15 do .lulho de 1 iST. V. Com efleilo ,
nada seria mais perigoso, Jo quo deixar ;s C-
maras Municipacs a faculdade illimitida de di-
vidir e alterar os districtos vezes que Ibes parecesso ; porquanto sendo
bem con nocidas as consequencias desastrosas .
que quasi sempre airnsto as elei< oes quo de-
\em acompanhar a tris divisdes (riamos .
que seinclhante arbitrio importara o mesmo
que abrir as portas o tornar interminaveis es-
sas lucias assuslador.'s que tantos, e to gran-
iles males bao proJusido. E fui sem duvida (ia-
ra atalhar males tao palpitantes, e mesmo por-
que nao he possivel que de um momento
pira outro, sed a necessidado de novas divi-
soes, que no citado aviso so deelarou, que nao
era concedido sCmaras Ilimitado arbitrio
cerca das divisocs tos districtos. Isto posto, lie
obvio, que a Cmara Municipal de C .latina nao
podia agora quitro mezes apenas depois, que
proceden as divisos, quo julgOUnecessarias, a-
zer essa de que fallamos; o a illegalidade d'esse
acto sobo de ponto, quando so atiende para a
GrcUinslancia de ler sido na sessao de 7 do cor-
ronte destinada exclusivamente pela lei do !."
de Oolubroxpara a posse das novas autoridades,
quo se o praticou. Quanto ao procodimento da
Cmara em negar a posse aos Jiii/es do Paz de
1 jucupapo sii se o pude explicar por esse ci-
nismo o doscomedimento que cm regra .
|U6 deelarou se adiar em parleito accordo com preside a todos os actos da facca > praieira. O
ras os folhelos e jornaes da poca, as exposi-
ces das sesso.s da ussemblea, adescripeo da
execucoes das sentoncas do morte, &c.
Chegai, cidados, vinde saber o quo ba
de novo gritava com toda a forca dos pulmos
o bofarinheiro popular. Aqui esla a lista dos
jogadores, que ante-hontem, 7 do messidor
(dcimo mez) do anno II da repblica nica c
indivisivel, g-'nhrao na lotera da santa gu-
lliolina !
Oucamos!. .. dissero os presos, para
quem esta vo fatal leve o mesmo effeito, que
aijuelle que no moribundo prodoz o fnebre
son do sino, que dobra pela alma do dofunlo.
Aqui acharis, continuou o regalo, urna
curiosa narracao da morte inteiramento diver-
tida do ex-nobre Monten I, ex-Mrquez e
emigrado, que, depois dhaver motejado dos
juizes, do Dumas, e do aecusador publico,
fez o mesmo com Samsao, quem, quando
o atava au cepo, i indo-so como louco, di-
riga to ensacadas pilelias, quo o mesmo
Samsao, em cujos labios anda se nio vio o
riso, por pouco que so sai do serio....
Ah I impudente bregeiro '.
Dizo antes hroe, miseravel, gritou um
dos presos em resposta exclamacao com que
bofarinheiro |ulgou conveniente entiemediara
a lei, o com o inleresse geral. Os districtos oe
Paz da freguezia do Tijucupapo fdin do nu-
mero d'aqucllcs que nenbuma alteracio sof-
frerao, e assim devia acontecer; porque aquel
la pequea freguezia cuja popuiacao lio tao
diminuta, que penas da 19 Eleilores nao
podia suportar mais do trez districtos do Paz ,
em que se acbava dividida. Esta deliberaco da
Cmara foi tomada 12 do Agosto do anno
passado, e tonda merecido a approvacoda Pre-
sidencia, procodt'o-se no dia 7 do Sclcmbro a
eleica'o para os trez Juizes de Paz dos respec-
tivos districtos : mas como o seu resultado nao
foi favoravel a praia que sem duvida reconlie-
00 a impossibllidade em <|iie est do vencer
qualquer eleica'o que nao presida algum dos
seus satlites, que coinmotta quanta infamia ,
e arblrariedade ha cnlendco a Cmara que
devia de n vo dividir os districtos de Paz da fre-
guezia de Tijucupapo, e para nao deixar a nie-
9BB9 *B '-' :J^-gj>eJJBgtigjBaaii6CT7jw^
a eiposcao do seductor programma, que reci
lava aos papahos apinliados na ra do \au-
girard.
Tambem veris aqui, replicou o regalao,
os pormenores da absolvicSo do cidadao Be-
naud, aecusado do ter desposado a ex Con-
dessa de Saint-Di, como se descobrio, que a
cidadoa nao era mais que sua amasia comoem
fim leve a sobredila a impudencia de. (O ruido
d'um cabriol,quoneste momento passou cncO-
brio a\ozdobalarinheiro,o fez com que ella nao
chegasse aosouvdos dos presos) .. na esperance
de anda demorar por nove me/esa sua viagem a
pracada Revolucao...;mas,nao tooi duvida: ella
nao h gai nao cusa mais que um sold.
Anda nao eslava acabada esta tirada,d'um
lugar, nao lonje do grupo dos prisonciros,
que estavao sentados ao p da grade, surgi
um doloroso grito. A pessoa, quo o linha
dado, era urna bella moca, que nao bavia
tomado parle na conversacao, nterrompida
pela apparico do regalao.
Modestamente sentada em um banco de mu-
deira, silenciosa oceupava se u'uma obra
d agulha ; pareca querer conservar-se solada,
o nenhum dos seus companheiros de prisao Ihe
tinba dirigido a palavra.
laclo de se ter do proceder urna nova eloicio ,
nao pode cerlamente disculpar a Cmara ; por-
quanto he inquestionavol que at que novos
Juizes tle Paz fssem eleitos o principiassem
i funecionar, os actuaos linbSo c tem direito
d i esercer os lugares para que orao Icgalmentc
eleitos, A i.v.ao portanlo quo moveo a C-
mara .'i com melter mais este escndalo foi o
desojo tle excluir da presidencia da eloica > quo
mandou proceder no dia 22 o Juiz de Paz do
L* distrelo, da honradez, e probidade do qual
a Cmara nao podia arrancar os desatinos, e il-
egalidades indispensavois para obter o trium-
|iho em um lu^'ar cuja popuiacao tem cons-
tantemente repellido seus vis, o detestaveis ma-
nejos : era preciso que a bachanal, que so pre-
para para o dia 22 fsse dirigida por um jo-
ven ardenle, e pois l va i um vereador presidir
a eleicSo !...() que porin nao podemos asso-
verar lie, se 08 Tijucupapenses se sugeitaro de
Entretanto, aponas Soou 0 grito, diversos
presos loventro-se precipitadamente, e api-
nharao-se em Ionio d elle. A pobre moca des-
fa/ia-se em lagrimas ; o panno, que Celia, Ihe
havia escapado das maos ; c bem do iressa
tranoniiou-se Ihe a tmocito cm um violento
attaque de noi vos.
Alguns cuidados 11)0 for5o imniediatamento
prodigalisados, mas scmafloicSo o cordial ida
de. Urna expresso dedesdenhosa piedade lia-
se no r.sto dos que a ceresvao, e que ao mes-
mo tempo. que a soccorriSo, parecio que em
nada por ella se inlerossavao ; evidentemente se
nconbecia quo nada mais faziao do que cum-
prir um deverd'humandade, queIcom direito
as mais nfimas e vis crealuras.
tal be O olleito do remoiBO) disse altiva-
mente um dos presos na occasiao em que cl;e-
gava no nariz, da Condossa a sua redoma de
mbar.
Confcssai, ao menos, que ella be digna
de lastima, disse com brandura um outro, an-
da moco, o que esfor<;a\a-se por sustentar a
cabeca da doente, cujas convulses crao mu
foi tea
Tamliem vos P. r ventura nao he a vos-
sa Condossa merecedora dos males, que soflro !'!
respondeo a viuva d um anligo thesoureiro'
^
-t


T
bom uta ilo a semelhante insulto, e se a presen-
ca do Delegado, quo, como he publico, se pro-
para com Turca armada para vir oadjuvar o
por i'in pratica os prejectos da Cmara ser
bastante para sopear qualquor repugnancia ,
que por ventura se manifest da parle d'aquel-
les cujos direitos so pretende com tanta ou-
sadia conquistar. Ja o anno passado oSr.Cu
nha .Machado conseguio om os seus 70sequa-
zes vencer a eleicio de Goianna obrigando
a maioria dos votantes a se retirar da Matriz. ,
e agora pretendo faier o mesmo em Tijueupa-
po para o que ditero se prepara o Bata-
Ihio -Je Goianninha que no dia 2- deve mar-
char sobre aquella Iroguozia Assim permi-
ta Deus que a mesma docilidade encontr nos
habitantes d'esse lugar e que naj tenha-
mos de lamentar terriveis desgracas! .. Se
nos fsse permitido diriu'ir ao Exm. Presiden-
te da provincia mis Ihe diriamos : Senhor ,
V. Ese. cumpre como primetra autoridado
da provincia e mais que ninguem int restado
no seu bem estar previnir os males incalcu-
laveis quo ameaco os leaos, e pacficos habi-
tantes da freguezia de Ti|U.cupapo. A Cama-
ra Municipal de Goianna Exm. Snhor, te-
rnendocom razio a Ilustrar ) e imparcia-
lidade de V. Exc nao se tem queriJo reunir a
fim de nao infirmar a representaran que V.
Exc. loi inderegada pelos Juiz.es de Paz exclui-
dos : he seu plano como mesmo o tem de-
clarado alguns dos seus membros, nao cumprir
ossu dever, scnaodcp'is do salisfeitos os seus
desejos e ja quando o mal estoja feito. quan-
do o arbitrio, a violencia c o hacamari te-
nhio assegurado esses homens inimigos da lei,
um triumpho talvez, manchado de crimes: una
medida portanlo que desfaca esses indignos
manejos obstando que se realizem os projec-
tos da Cmara antes, que V. Exc decida a re-
pre Pernamhucanos honestos di sabia e prudente
administracao de V. Ec.
Correspondencia.
Srt lltdaclores.Tendo o Eleilor do Iteci
fe voltado ao I). oco de 15 do presente n 11,
respondendo a minha carta inserta em seu jor-
nal de 13 a coica dos candidatos do partido da
ordem para o eminente lugar de Senador do
Imperio, a quem o collega Eleitor do Ricife
denomina candidatos do arrouxo, permita que
eu tambem in primo loco denomneos da praia
como candidatos da repblica.
Diz o collega (se lie que o lie) que h i bstan-
lo pobre pois que vivo do seu trabalho, e que
eu lalvez seja alguin d >s contrabandistas, ou
traficantes de escravos, &C no que en^anou-
se completamente, pois al vivo do mesmo tra-
badlo do colh'ga do que muita h nr.i tenho ,
mas nem por isso deixarei de votar em tre/. I-
lustrados o respeitaveis varos com inumeraveis
servicos prestados ao Brasil, e a esta bella pro-
vincia para dar o meo voto a papeloes que se
forem ao Senado, ser para fazorom decalun-
ga de cordio e quando muito darem descom-
possados apoiados. Collaga, dispa-se como eu
do espirito de pai tido, compare o saber, servi-
ros, e mais qualidudes dos Exms. Thotnaz. Xa
vier, Bario da Boa-vista, cSebastian do riego,
com os seus Manoel de Souza, que mal servio
de Presidente d sta Provincia como servio o
Felis Lira, o o Mello advogado velho, (|uo s
pode ser alguma cousa na chicana dos provars,
ediga-rne cntao quaes devm ser oscscolhidos
pelos Eleitores Pernamhucanos!
i i.'jj-"
mulher vellia. e que nao passjva por muito
virtuosa.
Lm signal de approvaeao foi a resposli das
outras prisioneiras. \E quando a moca reco-
brou os sentidos, todos lorn iriio abandona!-
a, como se temessom respirar junto d ella algum
or envenenado.........
VIII
Os dias do terror linhio disapparccido da
Franca; odia 9 de thermdor (undcimo mez
da repblica), poca para sempre memoravel,
bavia posto termo as malricas; e, assim co-
mo depois d urna longa tempestado vio as agoas
do Ocano lornando-se pouco i p .uco lisas e
transparentes, ia o nosso paiz sendo gradualmen-
te restituido a >s praz.eres da paz. e tranquillidu
de. As prizdes tinbao-se evacuado, os emi-
grados voltovo patria, e o governo se nao
(embrava do incommodal-os ; os mesmos pa-
dres reappareciao ; o club dos jacobinos acibava
de ser dissolvido em virtuilc d'ordem superior.
Assim preluoiava a reaeco anti-revolucionaria,
que, mais tarde, e por um oulro caminbo, dc-
via condu/ir nos ao fatal ponto donde batamos
sabido. Entre 03 realistas, ludo era festas,
roreiose divertimenlos, o para que niocafaiise
em desuso o famoso baile chamado dus Victi-
man, onde os filhos, as filbas, os irmios, as
Pretendo nio voltar mais a oste assumpto seja
qual for a sua resposta, porque pareco-me estar
vendo o collega unir o seu votinho a > do
Outro Eleitor dt fecife.
I^iblicaccs a pedido.
No dia 13 do corrento mez do Janeiro foi
instalada a aula de primeiras leltns da compa-
uhia da aprendizes monores do Arsenal de
Guerra com assistoncia do actual Director in-
terino o Sr Coronol Trajano Cezar Burlama-
que, em cujo neto fez um longo discurso aos
mesmos aprendizes, exorlando-os, e aconse-
Ihando-os como um bom pai, queso disvela
na educacao de seus lilhos.
Ninguem deixar de reconhecer a necessi-
dado que havia dessa inslrucco primaria para
estes menores, que se acbao debaixo da pro-
tecoiio do Governo e de seus Delegados ; pois
que eiistindo quasi a 11 para 12 annos um
r<'gulamcnto, quo manda eslabelecer aulas
denlro do Arsenal, nenhum dos antecessores
ilo actual Director pode vencer os impecilios,
e obstculos sempre apparecidos, para que isto
se cumprisse a beneficio dos menores ; jazen-
do estes na escuridade em urna provincia, quo
se acba bastantemente adiantada na civilisacao
de seus habitantes.Sao dignes de elogios pbli-
cos por um acto de tanta benevolencia, c cari-
dado o Exm, Sr. Presidente da provincia, e
o actual; Coronel Director int rio, de cuja
administracao, o direccao recebrao a quelles
menores um dom, do que a tanto lempo se
achavao privados.
Foi nomeado para Profesiordo ensinoo res-
pectivo l'edegugo, que no dia da abertura do
mesmo recitou a alocuco seguinte
Aprtndizes menores.
Ene rregado pelo Governo da provincia da
vossa educacao, civilisacao, e moralidade, sou
agora incumbido de inslruir-vos no entino Je
primeiras lettras ; e com quanto seja bastante
ardua esta t.irefa ; todava eu espero, que
conenrrois com a vossa applicaco. e cuidado
para obterdos a instrueco necossaria, sem
a qual nao podis entrar na sociedade dosbo-
inens, nern merecer eslima, econceito de
vossos concidadaos.
Se tiver a fortuna de conseguir o aperfeicoa-
mento do vossa educacao, receborei a gloria,
quo me cabe, e vos os louvores do Governo
la provincia, e do Ilustro Director, que nos
governa.
Aula dos aprendizes menores 13 de Janeiro
de 1845.
Antonio Jos de Q'.iveira t Miranda.
Pedagogo.
//(mo Sr. l)r. Juizdos rphaos.
Diz. Antonio Joa Pimenta da Conceigio,
que, havendo seu bastante procurador na justa
ausencia do supplicante requerido nestejuiso
entrega dos domis bens, consistentes em
ilinheiro, e letras, que por fallecimento de
seu s.'gro Na re so Jos dos Santos couberSo
lilha deste, Maria Magdalena Parzi dantos,
nulher do supplicantc ; e havendo esta entre-
ga sid i injustamente impugnada e retardada
com pretextos falsos c Ilegtimos, todos indu
idos do /acto licito e innocente da ausencia do
supphcante, facto, que a malignidade, ou
totes a srdida cohica d'alguem, prelendeo
qualificar desinistro, e calculado a tesar a mu-
lher do supphcante, para desforte, e com tal
invento poder continuar a locuplelar-so com
i a/enda allieia, sem lembrar-sc, quofoiesse
mesmo motivo de ausencia allegado em lempo,
-WMc.aO
rmaas, e os amigos dos guillotinadosdansa-
vao piedosamente, urna noutn inteira, em bon
ra dos morios, reunios d'esla nalurez.a succe-
liao-se em Pariz sem interrupcao.
Foi numa d'essas fostas, cujo theatro era
nina ilas mais bellas casas do arrabalde de S.
Germano, que, meia-HOute e no momento
-m que a reunan eslava mais animada, rapen-
linamente sppareceo, entrada do sali prin-
cipal, urna moca estremamente bella, arrima-
da ao braco d'um offieial republicano, em gran
de uniforme de Cliefe de meia brigada. A'sil-
la d esle par. um surdo murmurio levantou-so
em loda a sala, e, "]uando a moca quiz. tomar
lugar emum das banquetas, destinadas s pes-
soasdo seu sexo, todas as que deviao licar-lhc
prximas, levanlaro-se simultaneamenle, e
f ^rao refugiar se em oulro ngulo do quarto.
Que tend s, bellas senhoras, qual o mo-
tivo, por que assim ugis! disse, rcunindo as
desertores, um dos membros dessa galharda
mocidade, que, ao sabir do t rror, aspirava \
faier reviver em Franca o tom e as maneiras da '
regencia.
Como responden urna d'ellas, com a
indignscSo ocotera sobre o rosto estampadas, |
queris, <|U3 fi|iiemos prximas urna sem-
vergonba, que, nao contente de ter comprado!
que determinou eslejuizo a mais dopressa con-
ceder I cenca para o casamento da mulher do
supplicante, como so v da policio e despacho
respectivos E tendo ao depois apparecido
motivos, pelos quaes o dito procurador dosup-
plicanto enlendeo, que devia propor suspeicio
contra V. S.; agora, que com sua presenca
tem feilo calar a voz da calumnia desappare-
cendo inteiramente todos os pretextos excogi-
tados para a denegaco da entrega; o supph-
cante para por termo d'uma ves s injusticas e
prejuizos, que tem soffrido, quer quo tal sus-
peicio nao v por diante, como nao pode ir i
vista da Orden ; sogundo a qual caduca a sus-
peicio ; cis que o recusante requer ao juiz que
deu de suspoito; como o supplicante o faz,
requerendo a V. S. seja servido ordenar, em
observancia das leis. que o competente Escri
vio passe em continente mandado de entrega
dos bens, que ainda existen) por entregar, c na
indevida posse de Manoel Jos da Silva Braga,
o qual por interesse proprio fumentou toda a
opposicio feita na ausencia do supplicante.
E. H. M.--Antonio Jos Pimentada ConceifSo.
Nos autos deferrei Recife, 15 de Janeiro do
1845Carneiro da Cunha
*Si:.*-M.rU77T"*
Alfandpg.
Rcndimento do dia 16...........7:498*035
I lesear regao koje 17.
BrigueJoven Henriquevinlios o frutas.
BarcaJVavarremercadorias.
BrigueLoperidem.
Brigue Lumberlandidem
Escuna inglezaQuizbaca I bao.
IMPORTACAO.
Navern; barca americana, vinda de Phila-
delphia, entrada no correnle mez, a consigna-
cao de Luiz Gomes Ferreira & C. roamfestou
o seguinte :
1356 barricas larinha de trigo, 120 ditas
breu, 50 ditas salitre, 300 barricas bolaxinha,
20 barris queijos, 50 caixas canella 30 ditas
elia, 80saceos pimenta 150 caixas velas de
espermacele, 2 caixas sedas e setim 15 cai-
xas phosphoros, 40 duzias o trez cadeiras, 253
fardos e 56 caixas do algodio branco e de cores;
ans consignatarios.
IVUle ; barca americana, vinda de Boston ,
entrada no correnle mez a consignaran do
Luiz Gomes Ferreira & C., manifestou o se-
guinte:
100 barricas cun farinha do trigo 2700
barricas abatidas o 120 ditas com tampos 20
fardos o 5 caitas algodao entramado, 20 caixas
queijos, 1 dita pentes 22 ditas phosphoros ,
246 embrulhos com 492 cadeiras, 10 barricas
maraes soeces, 1 caixii.ha ignora-se; sos con-
signatarios.
Joven Henrique briguc-escuna hespan' vimlode Barcelona e Malaga,entrado no corren te
mez, a consignacao de Manoel Jnaquim Ramos
e Silva, manilestou o seguinte :
100 pipas vinli'i tinto 102 barris uvas 60
tambortes figos, 6 saccas 70 arrobas pimen-
la inoida 6 saceos 9 alquoires alpista 41
barris 405 arrobas azeite do oliveira 280
caixas de urna arroba cada urna 96 ditas de
meia arroba dita 200 ditas de 8 libras dito
passes muscatel, e 3 c. ixas bizas ; ao consig-
natario.
Andes, brigue ingle/. vindo do Liverpool ,
entrado no correnle mez, a consignacio do La-
tham & Hibbertt & Companhia manilestou o
seguinle :
vida troco da reputacio, ousa apparecera
qui, trazendo o amante ao braco ?
Seu amante? perguntou o galhardo jo-
ven. Ali I sim, he justo. nSo me lembrava...
o Coronel Renaud, nao he-isto? Ah mas
nao ouvist s dizer que elles se haviao casado ?
Na prisao ? Como he islo possivel E
quem OSCaSOU ?
F.u respondeo urna voz grave. Todas
ns vistas voltario-se para o ngulo da salAo,
donde esta voz havia partido, e, nio sem es-
panto poisr n'um bello velho. que se tinha
levantado, e pareca esperar, que houvesse si-
lencio, para poder Miar. O nomedo vencra-
vel abbade Carn, foi immediatamente repeti-
do de bocea em bocea.
Sim, eu, disse apaixonadamenle o velho
padre, eu. que devia a vida ao corajoso Phi-
lippe Renaud, e que tive a felicidade de poder
pagar-lhe esta divida. Approximai vos, Se-
nliora, continuou elle, dirigindo-se para a
abandonada moca, e conduzindo-a ao meio do
sali. Approximai-vos, ha muito tempo, que
vivis desconhecida ecalummiada; o diada
justica deve emfim luzir para vos. Por urna
heroica mentira sacrificastes vossa reputacio. e
para salvar a vida do vosso esposo deposestea
pdica aureola tao necessaria fronte d'uma
5 caixas fazendas de algodio 76 toneladas
de carvio de pedra 1 embrulbo amostras; sos
consiguatarios.
1 embrulbo livros; a G. Patcbett.
8 caixas fazendas de algodio ; a H. Gibson.
75 barris manteiga 100 ditos chumbo ; a
N. O. Bicber & Companhia.
40 barris manteiga, 20 caizas liabas, 3 far-
dos fazendas de algodio ; a Cocksholt & Com-
panhia.
.'caixas ferragens com 9 quintaes ; a C.
Star.
I caixa fazendas de lia ; a Ferreira & Com-
panhia.
3 fardse 4caixas fazendas de Algodao ; a
V. Howie & Companhia
97 gigos e 2 caizas louca ; a Fox Brothers.
1 quartola espirito de trebentina 6 barris
tintas, 1 pipa oleo de linbaca i caixa prepa-
i os para botica ; a V. Brav & Companhia.
600 barris plvora ; a Smith & C"rbett.
500 gigos btalas ; a Jonkein.
24 fardos fazendas do algodao, 1 dito papel;
a Crabtree & Companhia.
91 caixas e 3 fardos fazendas de algodio 3
caixs rendas do dito; a Russell Mellors & Com-
panhia.
1 barril cerveja ; a J. Broadbent.
1 barrica louca 2 embrulhos ignora-se ; a
Schramm & Companhia.
2 barricas farinha de trigo 10 ditas cerveja;
do navio.
I caita ignora-se ; a Itavni >nd.
1 embrulhodito; a Ridzwary & Companhia.
10 ditos amostras ; a diversos.
I I II I gB^ III I I 11 !!
Movimiento do Porto
Navios entrados no dia 16.
Terra Nova ; 33 dias, escuna ingleza Quis.de
97 toneladas, capitio P. Binet, equpagem
7 carga bacalho ; a M Calmont & Com-
panhia.
Philadelphia ; 37 dias, brigue-escuna ameri-
cano Cumberland, de 155 toneladas capi-
tio Anthony Philips, equipagem 10 carga
farinha do trigo, e mais gneros ; a Matheus
Austin & Companhia.
dem ; 66 dias brigue-escuna americano R.
F. Loper de 167 toneladas capitio Wil-
liam North equipagem 8, carga farinha de
trigo e mais gneros; a Matbeus Austin &
Companhia.
Navios tahidos no mesmo dia.
Angola ; brigue Triumpho do Brasil, capitio
Nicolao Maria Passalaqua Jnior carga di-
versos gneros.
Rio de Janeiro; brigue nacional Indianno, ca-
t pilao Antonio Baptista de Oliveira, carga di-
versos gneros.
Rio Grande do Sul; brigue brasileiro 5. Afana
Uta-sor le, capitio Jos Joaquim Dias dos
Prazeres carga diversos gneros.
(Jbiertaco.
A barca americana George Mary seguio hon-
lein para New London, com a mesma carga que
trouce.
Edita s.
I--Perjnte aThezouraria da Fazenda deita
provincia, se ha de por em hasta publica para
serem arrematados por quoni inaior renda an-
nual offerecer,, os 3 telhoiros, e pateo, que
licio ao lado da casa dos engajados, no areial de
Fora de Portas. As pessoas, se que propozerem
a seinelhanto arremalacao, doverao compare-
inulher. Dos, que l no fundo de nossos co-
raro s, e julga todas as nossas acedes, por meu
orgio vos absolve d'essa sublime impostura, e
eu, ministro do Attissimo, vos proclamo urna
Santa e virtuosa mulher!
Apenas o piedoso ecclesiaslico acabou de
pronunciar islas palavras, manifestou-se a
mais geral admiracao por um excessivo numero
de elogios eapaixonadas exclamar-oes. N'um
abrir lechar d'olhos, o vacuo, que existia em
derredor da Condessa, foi prehencido por di-
versas pessoas, tio empenhadas em lelicital-a,
quanto, havia pouco, tinbio sido em desacro-
dital a. Asmulheres sobretudo nao cessavio
de apresentar os seus protestos do amisade e de-
dicacao mesma, quom. pouco-anles, tanto
haviao despiezado. A mor parte valia-sed'es-
le meio para melhor occultar o seu despeito e
confusio Os homens erio em geral menos
expansivos ; mas nio havia all um, que inte-
riormente nao invejasse a felicidade de Pbilippe
Renaud.
Fim-
F. Mornand
(Ilevue de la Presse non polMque)
141 ITII


-J
cer ifosta Thezouraria al hora Ja tardo dos
das 21, 24, e 28 do crrenle.
Secretaria da Thozouraria do Pernambuco
16 de Janeiro de 1845.
Antonio Luizdo Amaral e Silva.
Olicial da Secretaria. (13
\ Cmara Municipal da Cidade do tecife e
seu termo &
as Faz saber que no dia 23 do corronte se-
rao arrematadas triennalmento por quem mais
der as casas de nM 6,8,103,i36,38,e 40 da Pra-
ca da Independencia, que deixrao de ser an-
teriormente arrematadas, por n5o torem tido
lanzadores. Os licitantes podem comparecer
em o mencionado dia, munidos de (adores
dneos, e habilitados na forma da le, na casa
de suas ses-es.
fi para quo cheguo ao conbecimento do to-
dos se mandou publicar o presente.
Manoel Joaquim do Reg e Albuquerque
Presidente
Luis de Franca t Mello Jnior.
f-ecretario interiuo.
se
Declaraoes.
1A Pagadoria Militar tem do remetter
para o Hio de Janeiro a quantia de 1:290 ^235
rs produelo da venda de plvora; quem qui-
zor saccar sobre a mesmapraca pela reforida
quantia, dirija-se a dita Pagadoria as horas
de seu expediente. (2
1_ O Arsenal do Guerra preciza contratar
um escravocozinheiro para a companhia de a-
prindizei menores, pagando-se 500 rs. diarios,
edando-se acomida troz ve7.es ao dia ; quem
otiver, entenda-se com o Sr. Coronel Direc-
tor do mesmo Arsenal as horas do sou expe-
diente. Arsenal de Guerra, 16 de Janeiro de
1815. No impedimento do Escripturario ,
Jo/lo Ricardo da Silva. (9
O Administrador da Mesa da Recebedo-
ria das Rendas geraes internas,avisa aos des-
pachantes d'Alfandega, para que venho pagar
o que esto a dever. Recebedoria 16 do Janei-
ro de 1845.
Francisco Xavier Cavalcanti de Albuqutrque.
6 COMPANHIA DO BEBIRIKB.
Os Srs. accionistas da Companhia do Hube
ribe queiro realisar urna prestado de 4 por
cento sobre o valor de suas acedes, dentro do
praso de 15 dias, contados de 15 de Janeiro em
diante. Com esla entrada completar-so ha 40
''por cento. Escriptorio da Companhia 8 de Ja-
neiro de 1844. O Secretario.B. J. Fernan-
ees Barros
1Precisa -se de amas de leite para a casa
dos expoitos; as. pessoas qim quizerom criar ,
dirijo-se a mesma casa. (3
2 PUBLICAQES LITHERARIAS.
AOS SRS. SACERDOTES QDB SB DEDICAM A'
PRDICA.
As duas excellentes obras chegadas ultima-
mente de Franca :
Meditaces Religiosas em forma de Discur-
sos para todas as pocas, circunstancias e si-
tuarles da vida domestica e civil, 6 volumes em
grande oitavo franco/, e rica encadernacao al-
lemSa.
La Mennais, obras completas em 12 volu-
mes Irente das quaes vein o erudito trocla-
do Da indifferenca em materias de Religiao,
com o retrato do aulhor.
o que servir do muita utilidade para as Senho-
ras do lom tom.
As pessoas quo pretenderem subscrever para
esta excellente obra podem dirigir-so a Joaquim
Baptista Moreira (rua do Apollo n. 6) agente
da sociedade nesta provincia, om casa de quem
se achilo as collocces do primeiro voh-mo 1
at 16 e da primeira serio do segundo volu-
nte at n 21.
Primeiro volume do Mu seu.
Consta de 16 numerosa! ata 16 = com
32 estampas, frontispicio, ndice, <3c. por
128960
Segundo volume do Museu.
A primeira serie ser de 8 numoros, princi-
piando ern n. 17 e (nalisanJo em n. 21 in-
clusive, 6^720
A segunda serie ter oulros 8 nmeros,
comecando em n. 23 e terminando em n. 32
inclusive.
N. B. Dar se-ha com o n. 32 um novo
frottispicio, e o ndice geral das materias tra-
tadas em os 16 nmeros das duas seref=17
al 25 inclusive =<\\n reunidos (ormaro o se-
gundo volume do Museu. (55
Avisos martimos.
4Para o Rio Orando do Sul seguir em
poucos dias o brigue Jpiter pdi recebo r
200 barricas a frote, o tambem recebe passagei-
ros e escravos a frete ; dirij5o se a bordo do
mpsmo hriguo ou na rua do Vigario n. l,a
fallar com Jos Xavier Vianna. (6
1Para o A>s e Cear. sahir em pouco*
dias a sumaca Estrella do Gafo,quem nella pre-
tender carregar pode entender-so com Antonio
Rodrigues Lima, na Praca do Commercio, ou
com o Mestre da mesma Antonio Jos Vianna ;
no Trapiche Novo. (6
Para Lisboa o brigue Veriato com toda
brevidade, por ter a maior parte do seu carro-
gumenlo prompto.rec-be C8rga a Irete e passa-
geiros: trata-so com o Capillo Augusto Anto-
nio doCouto, na Praga do Commercio. ou
com o consignatario Thomaz d'Aquino da Fon-
ceca na rua do Vigario n. 19.
Para o Rio Grande do Sul com brevidade
segu o brigue-escuna Cacique, o qual pode
ruceber passageiros, e escravos a frete, quem
quizer embarcar no mesmo pode tratar na rua
da Cadeia 1. 4o com Amorim Irmfios.
i Vende-so a sumaca brasileira Incansa-
vel CaTtal, do construcciio brasileira, e de pti-
ma marcha prompla a seguir viagem ; na
rua da Moeda n. 11, ou a bordo da mesma su-
maca, tundeada em frente do caes do Palacio.
IVende-se o patacho brasileiro Emulacdo,
de primeira marcha forrado o encavilhado de
cobre tem excellentes commodos para passa-
geiros upparelhado de novo panno om meio
uso j)C. ; a tratar com Manoel Goncalves da
Silva ,' na rua da Cadeia ou com o capitn a
bordo do mesmo patacho Tundeado delronte
do trapiche novo. >8
1 Para o Porto segu viaeem com muita
brevidade a barca portugueza Tentadora capi-
to Emijrdio Jos de Oliveira; quem quizer car-
regar, ou ir de passagom dirija-se ao mesmo
capitn ou ao seu consignatario Mauoel Joa-
quim Ramos e Silva. (6
Lciloi's.
4 Abraliao Crabtree ar leilo por inter
Vendem-so em casa de Jos Joaquim da Sil- vengan do corretor Oliveira do toda arica ,
va Maya rua do Crespo n. 12. (15
1 MUSEU PITTORESCO.
Este jornal,publicado em Lisboa por urna so
ciedade de litteratos Pnrtuguezes, contom as
seguintes materias ; religiao. historia antiga,
e moderna ; philosophia ; geographia ; va -
gens ; sciencias, e bellas artes ; agricultura ;
novollas escolhidas ; estudos moraes, e bio-
grahpicos ; (offerecendo nesta classo a descrip-
cao da vida, e accoes de todos os Reis de Por-
tugal, e dos hroes que mais ilorescerao em
cada um dos reinados, dando-so os scus res-
pectivos retratos) pensamentos; anedoctas ;
mximas moraes, e miscellanea. Todos estes
objectos, tratados com o esmero de que sao
credores, formo urna biblioteca variada, e
instructiva, um alimento para a reflexo, um
recreio depois dos trabalhosdo dia.
0 primeiro volume consta do 16 cadernos ou
nmeros, em cada um dos quaes ha duas fo-
Ihas d'impresso de 17 pollegadas de comprido, '
e 11 de largo; ^y*s_magnificas estampas (de
formato igual ao da impresso para a final se
encadtrnar o volume) lylbografadas em papel
quanto valiosa mohilia, e mais utencilios da ca-
sa de campo de sua residencia de um fa-
moso pianno um cavallo cnsinado para car-
ro e urna excellente vacra ingloza : sexta fei-
ra, 17 docorrenle as 10 horas da manhaa, na
Magdalena, sitio pertenconte ao Sr. Joao Fer-
r ira dos Santos. (9
4 Manuel Joaquim Ramos o Silva far lei-
lo por ntervengao do corrector Oliveira, de
grande porgan dos mais deliciosos, e ja I pm co-
ndecidos vinlios do Porto tinto e branco, em pi-
pas, meias ditas e barris vindos pela barca
.ortugueza Firmeza : segunda feira 20 do
crrente, as !() horas da manhaa no arma/em
alfandegado, na rua de Apollo n. 6. Adverle-
se que estes vinhos. sendo de avultado custo pe-
la sua genuina quanto superior qualidade e
bem merecido conceilo sero vendidos em
lotes do urna duas pipas para commodidadej
dos pretenden tes particulares ou em maioresi
poredes vontade dos compradores, quer para
(15
romo seiao ricos corles de vestidos diz pertencer a Feliciano Pinheiro. ambos mo
. ,. jon I "dores no lu^ar denominado Raposa matriz
de sedas para senhoras, laas de qua- doS. Caetano os Srs. quo so tobaren com
rJrO milito finas, CassaS C chitas direilo aos ditos escravos. dirijad-se a rua da
r ., 1 ...; Ln;inc nrwlrps Praia de S. R?. n. 3,na cortesa de que o abaixo
francezas oV muito botutos padroes, assjgnado n5o $0 rc diales, e mantas de seda milito, outra qualquer cousa que possa acontecer.
rins Invas e meias dp seda de mni .. _. ... Manoel Jote Dantas, (in
ricas, mva.i cim.dsuc cua 2Joao do Oliveira Ranos tom entregue
(O boa qualidade, riSCadoS esCOSSC- por ordem de EstevaodcGassodoRio de Ja-'
7es tle bom rosto, madapolfies mui- i ]'>. deposito geral de rap princesa ,
' i i nesta provincia deque foi administrador, ao
tolmos, lenCOSdeCambrairt, eSgOIIIO Sr.Antonio Pereira da Cunda, com quem do
de linho, liretanlias de Praoca, I ho|edlanleae deferid" entender todas as pes-
, V soas devedoras ao dito estabelocimento. 7
chapeos Irancezes para homens, di- o NAZARENO N. 77
tos de sol para hornons e senhoras, Estara a venda ao meio dia na loja do Sr.
p,. (nos e cshnira, .le todas J~g. -l^*i-Kl.|j|l.
as qnalidades, selim de Hac.io de Ijrpographla do jornal, no pateo do Paraison.
muito superior qualidade, sarjas '. 80r.cada eroplar; nesses mesmo*lu-
1 i gareso subscreve a -J/ rs. por trimestre.
pretas largas, brins de quadros, e Contem : um exoellente artigo doGuaycuru';
laas mni finas para calcas, c ontrosl" missaodi>Sr. Fontoora urna lleio da his-
, / loria de Inglaterra ; os lisiados-Unidos: o Exm
inultos objectOS de gosto e de mu- viaconde do Goianna : a um Interessantlssimo
to superior qualidade, que se vende-1extracto da Senlinellada Monarchia.
rao por preco comino lo, o se darfwi
as amostras todas as pessoas aman-
tes do bom gosto
1 Jos Joaquim de A/evedo Carvalho, re-
t ira-se para (ora da provincia. (2
1 I.ni/. Antonio Pinto, subdicto Portuguez,
relira se para Portugal. (2
Di'i-se dinheiro a juros sobre penhores
de ouro ou prata ; e vende-se um relogio de
ouro com correnteochavo ; na ruaeslreita do
Rosario n. 35. (4
OSr. F. R C. S quoira lera bonda-
de de apparecer no atierro da Boa-vista, loja de
miuilezas n. 51. resgatar seus penhores at o
dia 28 do correte, e nao o fazendo se vende-
rlo, para pagamento do principal ejuros; e
para que se nao chame a ignorancia faz-seo
prosonte annuncio.
Desappareceuao lscriptorio do Consulado
Britannicoum relogiode prata com despertador
autor Roskcll, a quem foi oferecido e pude
aprehender e leva!-o ao dito Consulado que sera
generozamenle recompencado.
AntonioPedro Goncalves Rodrigues Fran-
Qa.tendo-se recebido em matrimonio com The-
reza de Jezus Franca.se fez nocossario na quali-
dade de Cadete de 1 linha marchar para o Rio
Grande do Sul, e tendo deixado em companhia
de sua tia D Therea de Jezus nt> lugar dos
Afosados esta conduzio a mulher do annun-
eianto para n casa da mi desta Philippa Carlo-
ta d Azevedo, aonde se acha.e querendo o nn-
nunciante conduzir sua mulher para sua compa
nhia, o nao tem podido fazer por opposicao da
mai.de quem muito se teme sua mulher, por
ser urna menina, que nSo passa de 1 i annos; o
annunciantedosapprova, e noconvemem que
sua mulher rezida em companhia de sua mili ,
porque esta Senhnra he de prssima moral e
desde j o annunciuntu protesta nao s contra a
mi. como a tia,por todas as consequencias, que
procederem por semolhantes fados, violencias,
eshulhos praticados contra as leis civis e religio-
zas que rao permittem a separac'iodos con
jugessem autoridade compelento que assim
o termina.
LOTERA DO THE AIRO
As rodas desta lotera
ando impreterivelmente
no dia 28 do torrente, fi-
quem ou nao bilhetes por
vender, eo restante dos mes-
mosacha-se a venda nos lu-
gares flnnunciaaos. (9
2 Ha um lindo sortimenlo de sedas e pan-
& visos diversos.
velin(de 40000 ris fortes cada resma) com v T\\n~ ln' l n i
tal perfeico que, melldas em quadro. podem I X ,Jl0{?0 Jos da Costa, com loja
servir para ornamenta, das melhores salas, e lia na Nova n. 12, annilticia aos
finjlmenle em cada nuVro impar se v urna seus freonezes, cine acaha de receber
Atarla descrincio das moflas sendo esta acom- .
p.hd.TfiS.rino.. lollecces de lindissi- "m completo sort.mento de fazendas
mos debaxos para bordar *e brancoe de matiz, irancezas einglrzas do ultimo gosto,
ninhos para cohrir cliapeos de sol na lahrica
de chapeos de sol na rua do Passeio-publiro;
assim como se concerta toda a qualidade de cha-! Cudeia vcllia, Coja N. 35).
peos de sol, por preco mais commodo do que
em outra qualquer parle; tambem acba-so um
sortimento de chapeos promptos dos mais
modernos e baratos. s
2 Aluga-se um bom armasem, na pra?a da
Boa-vista n. 19, pelo preco de IV*- mensaes,
quantia muito commoda a vista da boa casa ;
trata-se no segundo andar por cima do dito ar-
masem. fB
2 Precisa-se de urna preta captiva, para o
servico de urna casa de pouca familia ; na rua
da Senzalla-velha n. 142 segundo andar. 3
2Quem precisar de entulho pode mandar
buscar no pateo do Carmo confronte a obra
da casa de um andar que se dar gratis. (3
2Precisa-se de um preto para todo o ser-
0 VBRDADEIRO REGENERADOR N. 1(1
Apparecer amanhfia em resposta ao in-
teressanle artigo do dino oullega do Comi re-
lativamente ao requerimonto dos artistas; subs-
creve-se para elle n \ft rs. por trimestre nos lu-
gares em que se vende
3As pessoas que quizerom fornerer dia-
riamente d'agoa polav I a reparlicao d.i Alfan-
dega.e igualmente d'agoa c aieite do mamona
para una luz, a rasa da guarda da mesma Al-
fandega. bajo do se acharen) na dita repart-
?ao das 9 horas em diante no dia 22 do corren
te, e ie entenderflo com Jos Antonio'o A/r-
vodo Santo;-, encarre;;ado do referido forneci-
mento, rom quem por menos o fizer. Alian-
dega, 15 de Janeiro de 1815.
Jos Antonio de Azevedo Santos.(\ I
2 A abaixo assignada viuva do fallecido
Jernimo Jos Kustorft* convida aos credores
de seu casal para que no dia 21 do eorrenle ,
pelas 9 horas da manhaa compareci em sua"
casa em Fra-de portas n. 'i!l para resolve-
ren! a respeilo do pagamento do seus crditos,
pois agora acaba de sollrer o seu casal um em-
bargo por parlado Sr Nuno Mara de Seixas o
convern tornar medidas para que sejo todos
proporcior.almeote embolsados. Luzia Marta
da Silva. |n
3J. Keller avisa ao respcitavel publico e
ao commercio em particular, que desde o 1.a
de Janeiro deste anno enlrou o seu irmaoj.
Gh.r Keller Rordorf como socio na sua casa de
negocio, a qual continuar no mesmo giro de-
bati da nova firma de J Keller t C. (u*
3Precisa-se do dous bons trabajadores
de padaria, que sailio desempenhar o seu lu-
gar com perfeicao, fazem-se interesses corres-
pondenles ao Irabalbo, e alianca-se o bom tra-
lamenlo : quem quizer dirija-se a rua do Ran-
gel n. 45. (g
S l'recisa-sede urna ama do leite prele-
rindo-se captiva ; na rua da Assumpciio n |li
3 Al)?.! 111A VEIS
.YVYAI.IIAS DEAfO DA CHINA.
Tem a vanlagem de cortar o cabello sem ol-
fenca da pello deixando a cara parecendo es-
tar na sua briihante mocidade.
Esto ac vem excluzvamente da China e s
nelle trabalhao dous dos melhores e mais aba-
lisados cutileiros da nunca excedida c rica ci-
dade de Pekn capital do imperio de China.
Autor Shore.
N. B. He recommendado o uso deslas na-
valhas maravillosas por todas as suciedades
das sciencias medico-cirurgicas, tanto da Eu-
ropa como da America, Asia e frica nao
sopara prevenir as molestias da cutis, maj
lamben como um meio cosmtico,
Vendem-se nicamente, na rua do Crespo ,
loja n. 12, de Jos Joaquim da Silva Maia. (15
2 = Preciza se saber, se existe nesta provin-
cia Jos Francisco Pereira I'enna, que esteve
no Maranbio em Jullio de 1818 ou aiguma
pessoa, que d noticias do mesmo : na rua da
(5
3 Ausrnlou-sc do engenho Serra-nova ,
freguesia da Escada no dia 'i de Novembro do
anno passado, um escravo de Angola de no-
me Manoel de25 annos baixo secco per-
nai finas testa bastante grande rosto largo,
cor um tanto fula, urna marca de ferida em
urna das ranellas que parece de queimadura,
pouca barba fuma cachimbo e as vezes toma
tabaco; recommenda-so a todos os capitaes de
campo a apprehencao do dito escravo pela
qual entrega sendo no mesmo engenho ao ad-
ministrador ou nesla praca na rua da Praia,
armasem n. l'i, do Antonio Caldas da Silva,
recbela com vantagem a recompensa de qual-
quer Irabalbo e despesas, que houverem de
vi na Solidado n. 11. (3 prao e vendem escravos o lavor de se liles lor
2 O Sr. Jos Antonio da Costa Rraga quei- ollrecido o mencionado ou momo que delle
ra ir a praca da Boa-vista n 13 para receber tenho noticias participaren) ao dito Caldss ,
urna carta. > que alm de pagar toda e qualquer despesa,
2 Existem dous escravos no poder do abai- Ihes ser muilu agradecido pelo grande bene-
xo assignado um de nomo Manoel que diz ""co, quo fazem a 4 orphaos depai e mai que
ser de Jos A ntonio Lima ; eo outro Jos, que apenas he o nico bem quo possuem. ^0
V
_ADO >


*l
{
2 Aluga-sco primoiro andar da casa na e o novo processo qua cmprega no applicar e
42 da pracinha do Livramento ; a tratar n. bruir o ouro turna o seu dourado do urna
loja da mesma casa. (3
- Perdeo-se da ra das Larangeiras ate o
arco do Boffi Jess un saquinho escuro, con-
tendo 'i chaves pequeas sendo 3 com una
correntede Lilao e urna presa ao mesmo sac-
so ; quem o achou dirija-so a ra das Laran.
geiras n. 1S quesera gratilicado. ;g
..?". .::.
2 A direccao convida aos Srs. socios para
se reunirem no dia 17 do correnle pelas G ho-
ras da tarde, na ra da Cruz n. ;>, casa do Sr.
Oliveira a lm de se tratar negocio de inters-
se da mesma sociedadu. (5
2 Aluga-seo terceiro andar da casa da ra.
do Queimado n. 9 ; a tratar na loja da mesura
casa. (.">
3 Antonio Jos de Siqueira embarca para
o Hio Grande do Sul oseu moleque, de nome
Galdino. (3
3Precisa-sede urna ama deleite; na ra
Direitan. |0. (*?
3 Arrendase um sobrado com sitio, na
ra da Trempe ; e no mesmo lugar vondem-se
terrenos ; a (aliar na mesma ra n. I. (3
3 Aluga-se urna casa terrea na ra dos Pes-
cadores n. (0, com quintal e cacimba ; na ra
larga do Itosario n. 52. 3
- Aluga-se a casa n. 5, de dous andares ,
sita na ruadas Larangeiras; a tratar nu rua
do Encantamento n. 8 A. (3
11 Claudio Dubeux niudousua residen-
cia da casa n. 5 para a casa n. 18 da mesma
ruadas larangeiras, do tallecido eirurgio Pei-
xoto. ,4
** Na rua Nova n. aC acaba de
se estabelecer una nova loja de al-
faiate, na qual se aclia um comple-
to soctiinento de pannos linos de
todas as qt.iaiii.iade, merino preto,
e verde, britll de quadrs, culos tremar a roupa servid*.
, i i 5.* As horas mais p
transados urlicos e escuros, risca-
dinhos de gosto moderna para cal-
ca, setim maco pelo para collete,
permanencia infalivel. A mesma oficina si. en-
carrega tamben) do brochar quaesquer obras
impressas com a peroicoj conhocida do pu-
blico e a um proco moderado. (11
CULLEGIO S. ANTONIO,
Abrise no dia 13 do corrento. As ma-
terias que ..elle so ensin.lo sao : as lingoas na-
cional, latina, Ira necia, inglesa ; o os cursos de
geometra, rhetorica, philosophia geographia
e historia.
Paga cada alumno em trimestre adiantado ,
sendo interno -5# rs. por mez, sendo ineio pen-
sionista 14/rs. e sendo externo 5? rs.
Qualquer alumno pode trequentar mais de
urna aula sem que por isso se augmente a re-
tribuifiSo. As aulas de recrcio sao pagas em se-
parado c a retribuirlo do cada urna dolas he
1/ rs. mensaes.
.1 "s estatutos do collegio se addicionao as se-
guintes disposices.
1 Como a direccao deve sempre estar em
circunstancias de traier em dia o costeamento
do collegio, por isso previne que aquello alum
no cuja prestaco nao Cor satifesta no prao
do 15 das, se julga despedido do collegio,
um vez quescus pas, ou correspondentes se
nio lenhin entendido com o director, ou com o
rocebedor; pois que ho bem obvio que se nao
devesobrecarregardo dilfkuldades umadirec-
c8o que deve sempro oslar applieada ao ensi-
llo c educaco ; e que bem mal o pode fazer ,
quando faltao os meios para o costeamento dia-
rio o para o pagamento dos empreados.
2.a Fica vedada toda c qualquer correspon-
dencia dos alumnos internos com os meios pen-
sionistas e externos e por isso a estes su be
permitlido entrarem as aulas, no gabinete e
sala da direccao, qoando liverem que represen-
tar e no refoitorio as horas do comer.
.'> Nenhum alumno interno poder admittir
no seu dormitorio pessoa alguma e quando
alguern o vier visitar, logo que for avisado e
tiver licenca vira tomar a vis ta na sala que
a direccao ha destinado para isso.
4." todas as cartas e roupa sero" recebidas na
casa para isso destinada bem como ahi se co-
ditos de diversas cores sarjas di-
tas, casimira pela de tniiito\supe-
rior qualidade, lencos para grava-
tas de militas qualidades, al ni de
oulras muilas fazendas de bom nos-
to, teiu todas as qualidades de o-
bras l'eitas, assim cuino se recebe
toda e qualquer encommenda de
oliras para se 'azerein o que se
promelle dse m pe n liar o niel lio r
possivel para agr Jar o freguez,
para o que teni hbil mestre j lia
muito lempo acreditado nesta ci
dade na sua arle. (3o
1 Precisa-se de un preto para andar com
taboleta na rua ; na casa de relojoeiro junto
oo arco de Antonio. (3
1As pessoas, que lecm penhores em casa
do relojoeiro junio ao arco de S Antonio, e
juntamente relogios para concertar queirao
no praso de olio dias procural-os do contra-
rio sero vendidos para pagamento, (5
1 Dase dinbeiro a juros sobre penhores de
ouro ou prata. em grandes c pequeas quan-
tias ; na rua do Livramento n. 13. (."',
\ Nao se pode tratar com seguranca com
Sr. Manoel Zeferino dos Santos a venda ,
h
5.' as noras mais proprias para recober a
roupa lavada e entregar a suja he das 6 horas da
iiiuiiIiQj as 9 e das 5 da tarde as 6. Aquellos
portadores que vieren) lora dcsta occasiao se-
ro ilgumas vetes demorados.
6.* llavera no collegio um recebedor que
actualmente lio oSr. Gaspar da Silva Loyo a
cargo de quem tica a contabilidado a cobran-
ca das prestacoos e o passar os competentes re-
cibos. O Director, ernardino Freir de Fi.
gueiredo Abrco e Cus\ro. so
Precisa-se de um homem Portuguez ,
chegado de prximo; na rua da Praia de S. Hi-
ta n. 'i 3.
I UITerece-se um rapaz Portuguez para
caixeiro de escripia ou rua ; quem o precisar,
dirija-se a rua das Cruzo n. 14. (3
Tirao se passaportes o folhas corridas,
com milita prcslesa ; na rua Bella n. 23 das
6 os !> horas da manla e das 3 as 6 da tarde.
1 AGENCIA DE PASSAPORTES
Na rua do Hangel n. 34 correm-se fo-
lhas e tirao passaportes para dentro e (ora do
imperio com muita brevidade e preco comino-
do. (j
Precisa-se de urna ama para o servico de
una casa de pouca familia ; na rua estrella do
Itosario n. 1<>
Precisa-se fallar ao Sr. Manoel Antonio de
Miranda a negocio de seu particular interesse ,
para so llicdar noticia de um escravo que se
diz Ihe prtente e corno se ignora sua mora-
da queira dirigir-se as Cinco-pontas largo
do Torco sobrado do um andar n. 21 das 6
as 11 horas da manilla, e das duas as 5 da tarde.
Urna mullier de bons costumes se encar-
roga da crlaclo de meninos de peito impedi-
oo arrematado, que elle tem pretendido eflei-jdos e desimpedidos : tamben recebe meninos
pura desmamar no que promette esmerar-se;
quem de seu preslimo se quizer utilisar dirija-
so ao pateo do Carmo n. 24; na mesma casa
vende-se um bercoem bom uso, com seus cor-
tinados.
= Quem annunciou querer comprar urna
carteira de embarque querendo urna de mog-
no que leve pouco uso, dirija-se a rua de
Hurtas n. 120 at 7 horus da manhaa, ou na
rua do Livramento, loja n. 4.
Admitto-se um homem solleiro ainda
que soja idoso para servico leve e interno ,
dando-se Ihe morada e comida ; na rua de S.
Hita n. So
Precisa-se de urna mullier para o servico
de urna casa de lamilla c que saiba engom-
tuarpclo Juizo do Civel da primeira vuia.de
um terreno com ,livores de Iruto cusa, e ca-
cimba sito na Passugem da Magdalena, en-
tre as dUAt ponlcs porque entre elle o Joo
Thurnaz Pereira em accao de destrato de afo-
ramento c pelo mesmo Juizo t Escrivo San-
to! entre elle e o abaixo assignado em execu-
cao que corre pelo mesmo Juizo Escrivo
Reg, existem judiciaes e legues embarazos ; 0
que se declara para inteligencia do mesmo Jui-
zo c de qualquer pretendente a esse terreno e
mais objectos plantados sobre o seu St>lo.Jo
Joaquim fczerra (axulcanli. 13
1 L'm homem Portuguez de 3o anuos que
sabe trabulhar em jardim o podar parreira
seofferece para fuilor de sitio perlo da praca
quem o precisar dirija-se a rua larga do Hoza- I
rion. 40, primeiro andar (S Comprou-sc por orden, do Snr. Joaquim
Joan Laricio I ereira Freir embarca para Avelina lavares morador na cidade de Lisboa,
o Rio de Janeiro a sua escrava do nomo Auna, 0 bilhete n. 216( da primeira parto da 16. lo-
de nacao Angula e de 30 annos ,.>, ,,,ria u (eatro publico desta cidade do Re-
mar ; Da rua das Cruzes n. '26.
I Jos Ramos de Olivcia remelle para a
Baha o escravo Jos de naco Costa porten-
cente a Jos Antonio liorges, daquella cidade
1 A oficina de encodernocao, que o Padre
F. C. do Lomos e Silva dirige na rua Bella n. !
45, acha-so provida do ricos ferros do dourar, !
magnificas placas de relevo, excellcnles cotiroi
c i fe.
Compras
Ni
2 Compra se urna carteira de viagem, que
lenba algum uso, mas que seja (orlo nao mui-
e marroquins de todas as cores com o que p- ; to peqiieua e com algum segredo ; quem tiver1
de execular a mais elegante encadernaco que annuncie. (al
ce exigir, quer inteiras quer [cartonadas ; 2Comprao-se duas negrinhas de 13 a 10
annos, e dous moloques paglo-se bem ; na
rua Direita n. 3. (3
3 Compra-se um quarto novo possante,
e forte para urna viagem longe na rua Au-
gusta soto do sobrado n. 9.
Vendas
I Vende-se um escravo da Costa, do bo-
nita figura, ptimo para palanquim; urna mu-
latinha de 16 annos de muito boa conducta ,
engomma cose bem e horocolhiJa ; um ca-
brinha de 12 annos, ptimo para qualquer
offlcio ; um moleque de nac m do t> annos ;
urna escrava do'JO annos, cosinha e engom-
ma bom; urna dita cosinheira o lavadeira; duas
ditas quitanderas ; '! escravos do naco de
ser vico de campo ; na rua Direita n. 3. (10
1 Vondem-se i caixdes envidracados para
venda em bom estado, um braco do batanea
e conchas com pesos de meia arroba a meia
quarla j ateridos; na rua larga do Rosario
n. 29. (4
I Na padaria da ruada Senzalla velha n.
94 se vendo e fabrica superior pao bolaxa ,
biscouto o bolaxinha tudo muito enchuto e
das melhores fariuhas, que ha no morcado. (4
iVende-se urna preta boa cosinheira en-
gommadeira e qultanteira ; na rua da Senzal-
la-velha n. 92 (3
1Vendem-se 12 escravos, sendo 4 protas
de 12 a 16 annos, com habilidades ; 2 molo-
ques de 12 a 1(5 annos cosinheiros ; um dito
de 12, rnuito lindo ; 4 pretas de 20 annos, com
habilidades; urna parda de 22 annos, com ha-
bilidades ; um preto de 25 annos ; na rua do
Rosario da Boa-vista n. 48 C
IVende-se a venda n. II das Cinco-pontas;
a tratar na mesma venda. (2
1Vende-se urna venda nova com os fun-
dos que quizorem sendo de esquina a di-
nhero uu a praso ; um braco de balance
grande com conchas e correnles de ferro, e com
os pesos que qui'erem todo o negocio se (ara;
as Cinco-ponlas n. 1(50. ,6
1 Vende-se um mulatinho de 18 annos, sa-
pateiro, e he ptimo para pagom ; na rua do
Hangel n. 52. (3
I Vendem-se barretes de relroz preto ,
singelos c dobrados, para Padre lacre preto
e encarnado o mclhorque tem apparecido, oleo
da China ou essencia da formosura pos car-
minados para os dentes ; na rua da Cadcia n.
15, loja do ourgard. (6
1Vende-se urna preta moca de 20 annos ,
para todo o servico, e he lavadeira e quitandei-
ra ; urna parda recolhida de 16 annos sabe
perfeitamente engommar coser o tratar de
criancas ; um preto do 22 annos para todo o
servico ; na rua rua Direita n. 81 (G
1 Vendem-se 4 sacadas de superior canta-
ra do Lisboa 40 palmos de soleira de cordao,
urna verga para porta de cocheira e 4 portas
dcamarello ; na rua da Cadeia do Recito n. I.
Vende-se papel pautado para msica do
supoiior qualidade ; na praca da Independen-
cia loja n. 3.
Vende-se um moleque, proprio para todo
o servico sem vicios nom achaques, ou troca-
se por outro, sondo esperto e tenha offlcio,
voltando-se o que for rasoavel; na rua das Trin-
cheiras n.:tS.
Vendem-se duas canoas urna de 700 lij-
los c a nutra de carrea por precocommodo,
ou lrucan-m; por lijlos ou telhas ; na ruada
Praia n. 43.
2Vendem-se saccas com muito boa gomma
de mandioca ; no trapiche novo ou na rua
da Senzalla-velha n. 142, segundo andar. 3
Vende-su urna salva de praia, grande,
muito bonita e chegada pelo ultimo navio do
Porto ; na rua da Senzalla-velha n. 142, segun-
do andar. (4
2 Vende-se sarja prela muito boa para ves-
tido ; na rua da Cadeia do Becife loja de Jos
Comes Leal. |3
2 Vende-se por commodo preco urna casa
terrea de podra e cal em Olinda defronte da
igreja de S. Theresa com duas salas grandes ,
4 quartos, cosinha lora e um quarto conti-
guo a cosinha para escravos e tem um terreno
bastante comprido.rom alguns ps de coqueirot,
tendo a cornmodidade de ter perto banho de
agoa doce e de salgada quando a mar est
cheia o desalobra na vasante, lenha de man-
gue, e com embarque e desembarque no lundo;
quem pretender annuncie. (tf^
2Vende-se um sitio na Capunga a mar-
gem do rio com boa casa de vivenda por
preco commodo ; na rua da Madre de Dos, lo-
ja do (india. (4
2Vende-se um forro completo para sala de
lindo c brilhante papel dourado una balan-
ca grande com pesos do bronze o ferro urna
porco de diaiios e outros impressos a peso; na
rua de Apollo n 6. (5
2 Na ruadas Cruzas, vendado Snr. Joo
Jacinto Morera vende-se loite puro as 7 ho-
ras da manhaa ; va o (landres fechado comca-
deado, e he aberto pelo mesmo Sr. Morona. (4
5 Vende-se una porco do saccas com mi-
lito bom, por proco commodo; na rua da Praia,
armasen) n. 20. (3
6 Vendem-se phosphoros americanos de
primeira qualidade por preco muito commodo;
em casa de L. G. Perreira S Companhia, na rua
da Cadeia do Recifo n. 52. (4
9 Vende-se sal de Lisboa em grandes e
pequeas porcoes ; a bordo e no armasom da
rua da Moeda n. 9 o proco he em conta e
trata-se com Leopoldo Jos da Costa Araujo. ( 4
3 Vende-se a recreaco do homem sensivel,
em 5 volumes hoyos; na rua do Collegio loja
n. 3. (3
3 Vende-se urna morada do casa terrea',
sita na rua dos Copiares n. 22, com soto, com
duas portas e urna janela ; a tratar no cartorio
dos orpilaos. (4
3 Vende-se na rua da Cruz n. 63 primei-
ro andar, um ptimo sortimento de charutos,
sendo urna parte da afamada marca Regala ,
de S. Felis, comarca da Baha por preco com -
modo. (5
3 Vende-se urna barcaca que carrega 10
caixas ; e urna preta de 20 annos, na rua das
Trinchoiras n. 19, primoiro andar. (3
2 Vende-so urna escrava de Angola mo-
ga e do bonita figura cosinha, lava e engom-
ma ; na rua Direita padaria n. 40. (3
3Vendem-se rolhas de boa qualidade o bem
sortidas em tamanhos, a 2400 rs. o milheiro
no Atierro da Boa-vista fabrica de licores
n. 20. (4
3Vende-se doce de caj secco muito bem
feito ; na rua do Cabug loja de miudesas,
junto da do iiandeira. (3
3 Vende-se um cabrinha de 16 annos, e
umacabrinha de 17, com algumas habilida-
des, ambos com bonitas figuras e sem vicios;
a tratar no botequim junto ao Iheatro. (4
4No grande armasom atraz do theatro ve-
Iho, ha um completo sortimento de taboas de
pinho chegadas da Suecla da melhor qua-
lidade que a este mercado tem vindo sendo
pinho branco e vermclho, de 10 a 30 palmos
decomprido ede 9 a 14 pollegadas de largu-
ra serrado por vapor, sem nos proprio para
um lindo forro e assualho por ser muito al-
vo para obra de envernisar, assim como do
quecostuma vir, costado, costadioho assua-
lho e (orro para fundos do barricas; assim como
americano de 10 a 30 palmos de compri Jo e 3
palmos de largo chegado ltimamente tudo
por preco commodo avista da porco e do
comprador; a tratar no mesmo deposito, ou
a fallar com Joaquim Lopes de Almeida cai-
xeiro do Sr. Joao Matheus. .14
3Vendem-se duas moradas de casas terreas
novas, una dolas com soto corrido com as
demencoes para se levantar um sobrade na
rua da Concordia ; tambem se troco por algum
sobrado ou casa terrea em rua de negocio ; a
tratar na rua Augusta n 22.
3 Vende-se (arluha de trigo, de muito boa
qualidade; na praca do Corpo Santo n. II, ca-
sa de Me. Calmont Companhia. (3
6Vende-se um bom preto ao comprador
e dir o motivo da venda : na rua do Sebo
n. 33 ou na rua da S. Cruz venda rr. 58. (3
4 Vendem-se S escravos um perieito co-
sinheiro de um tudo ; um dito bom carreiro ;
3 ditos ptimos para todo o trabalho de campo,
um pardo de 18 annos, bom pagem ; 3 pretas
quoengommo, cosinho e lavao roupa ; duas
ditas de 30 annos por 340# rs. cada urna, en-
gommo, cosinhaoe vendem na rua ; na rua do
Crespo n. 10, primeiro andar. (8
4 Vende-se muito boa farinha do mandio-
ca chegada recentemente de S. Matheu pro-
pria para familia por ser de muito crescimen-
lo ; a bordo da sumaca IncatiQavel Carol, tun-
deada defronte do caes de palacio, ou na rua
da Moeda n. II. (g
4 Vende-se urna parda moca de bonita
gura com habilidades ; no Hospicio n. 4. (2
3 Vende-se superior bolaxa i'eita em Geno-
va muito torrada e alva propiia para em-
barque, e para mesa ; noarmasem de laboa-
do do pinho, atraz do theatro ou em Fra-de-
p.nas n. 96. (5
3 Vende-se urna escrava de nacao de bo-
nita figura lava, engomma, cosinha e cose;
portadas de pedra do cantara de tamanho re-
gular e para cocheira cordao do pedra de can-
tara e da Ierra e portas inteiras de amarello ;
na rua da Cadeia do Reciten. 51, primeiro a 11
dar. ,7
Vende-se nina poicaode bau-
nilha muito fresca, por preco com-
modo : na rua iNova n. 2.'i.
Escravos fgidos
2No dia 12 do correle fugio do Angelo
Francisco Carneiro, o escravo Manoel, dona-
gao Henguella estatura regular abela do
corpo olhos pequeos beicos grossos born
retinto da cor, he quebrado de urna verilha o
anda de funda ; levou jaquota do chita amarel-
la, calcas brancas collete de riscado e cha-
peo preto do pello ; quem o pegar, leve a casa
do annunciante na rua da Aurora que ser
recompensado. (ju
2 Desappareceo no dia (4do correntoas7
horas da noute o preto Antonio de nacao Con-
go cor preta, alto, barba no_,qeixo bastan-
te compnda, com um talhonodedo grandeda
mo direita, o qual aii.da est aberto com
urna belida ao peda menina doolho esquordo :
levou ca case camisa de riscado azul; tem as
naos calejadas de trabalhar na masseira de Du-
dara o qual linha ido levar bolaxa na Passa-
gem da Magdalena; quem o pegar, love a rCa
Direita n. 69, que ser recompensado. (|0
PER* ; TYP. DE *. DE FARIA 1845.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQQA0DIER_JXAKB5 INGEST_TIME 2013-04-13T02:31:52Z PACKAGE AA00011611_05269
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES