Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05254


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo de 1844. Segunda Feira 2.%
n ii.....mili
O DlABiopubliea-se iodos ua das que nao forem santifcalos : o prego di asaignatura
fe- de l"f "!' rs. pnr quartel pagua adiantauoe. Os an nuncios une aasignanles sao inseridos
c.-.ln,, Oe (los que nao ii.rrra i raiAo de 80 re por lint... Ah reclamista fidasesUlyp., ra d>a Crines n. 34 oa > prega da Indepenlencia toja elrrasn. 6 8
PARTIDA DOS CQRREIOS TERRESTRES.
Goianna, I arahyba, secundase sextae feiras.Rio (randa do Norte, ebega a 8 a Z> e par-
le alo **.-*Cabo. Serinhaem. Rio Formuso, Macey, Porro Cal, a Alaeoai no i =
^MVAl mtl-~ Garanhun. a Honilo a 10 e '24 da caja oret soa-riita Flor -
eeafS 28 dilo. Cidade da Victoria, quinta, feiras.Olinda todos os diaa
._ das da semana.
i Seg. a. N-rvulu. Aud.do J. de da 2. T,
24 larva Gregorjo. Ral ,ud doJ. da D.d4.
jS Quarta .. Na.cimenlo da N. Seubor Jenis Cliri.lo.
'.'6 Quinta s. Esterao.'
v7 Sesta i|i Joo.
25 Sab < Os -s Innocentes.
29 Don a. Tlanna,.
de Dezembro.
IS
Aano XX. 86.
f\ j( ^ Tuo agora dapanda Ha m.e Masar**; d non. prudencia, aodaragiio- a an rgia: <
tinuenos oobio principanos a ver era a j aponlaiioa coa adrairag.io entra al oe-i~,es mal
, cultat. (Proclamag...da Assembla Geral do liaiil.
CAIISIOI No DI .'-' UB UKtEMSSO;
'/ Cambios tabre Londras "i \\
Paria iftf) reu pnr frinro
L Aa 1 JO por 100 da premio
Moeda da oobre ao par.
Idaaa da latraa la boaa firsaaa i p0ro[o
Ten da
Our.-Moeda da 6,400 M 000 I7,J(W
h. l.hOO l/.t-uu
a da 4,0OU V.400 1,600
Frata-l'atacei ,fi*0 OtO
Pesos culutamnarea 4 ,V( j 1 ,r>0
Ditos mexicanos 4.U40 4,W
phases da la no hez de dezexbro.
La.baia. 26 a. 2 bor.S e 44 -in. d.. Lu.nor. U ., 9 b. e 4 >. da ..r*>;
Minguant* a 4 as ,ir 9 ,, d, r(|e (Craseme .S 01s 5b a. ,d,.
Prcamar de hojt.
Piimair. s .5 llora am V-1 da lardr, | Serondo a 4 llura < minlos da larde
aaanaaaaasiaaaa1 ............."I aUinillalIrlMirsi'^aaasjajaasMaMJSs^ SVaatiT'
DIARIO DE PERNAMBUG
K- 't*tBaa>'nif''w'lfcl> IHlSl)"
B5Kt3waa*jis.!rJ5i.-


AVISO.
Sabajm os Srs. Subscriptores desta folha ,
que na poca em que.comeoou a na pubcacao
a prata dava dous por cento sobre o valor de 960
por cada pataco, e boje um patacao vale mais
do duplo d'esse valor quando alias o preco da
assignatura he ainda o mesino senao menor,
por quanto o formato desta folha he quasi o du-
plo do antigo quando a subscripcao nao chega
a ser sobre o primeiro de mais 60 por cento.
Entretanto ludo tem augmentado e oeste an-
no mesa o anda crescerao os valores com o aug-
mento da pauta da alfandega e at com o im-
posto da patente.
He visto pois que bao era possivel azer urna
especulado que marcha sob taos auspicios face
6s despezas sempre progressivas com urna renda
inalleravel senao retrograda, sem grandes sa-
crificios como na verdaae tem acontecido ; e
a vista disto forcoso era ao proprietario do Dia-
rio de Pernambuco lanyar m5o de algum recur-
so que fizase substar a marcha dos prejuizos.
^ O meio mi is prompto era o augmento da subs-
cripto, mas considerando, que nesta subscrip-
cao ha urna certa desigualdade e desejando
conformar a sua resolugo com os principios de
equidade resolveo lazer desapparecer esta desi-
gualdade exigindo dos Srs. Subscritores que
publicao annunciosuma retribuico moderada,
com o que ficaro os que nenhum publicao bem
compensados e resultar que o proprietario
possa evitar os enormes sacrificios que d'alguns
annos a esta parto faz.
Muitas pessoas nao ignoro que os jornaei da
Europa, os quaes todos sao mais caros que os
nossos e contao os seus subscriptores por mi-
Ihares o que nao duvidamos ser compensa-
do pela sua superioridadu tem alm disto um
grande producto na pubcacao dos annuncios ,
que sao pagos indifierentemente por todos su-
bscriptores ou nao um preco enorme.
Fica pois estabelecido para o anuo prximo
futuro quanto pubcacao dos annuncios no
Diario de Pernambuco o seguinte ;
Annuncios dos Srs. Subscriptores por nha
20 ris.
Annuncios das pessoas que nao forem subs-
criptores ( como d'antes) 80 ris.
Se o annuncio tur em typo maior do que o
do Diario pagar o duplo.
As repetirles sero contadas pela ametade
para os Srs. Subscriptores somente ; para os
demais contar-se-hao como pela primeira vez.
Os annuncios que nao forem dos proprios
assignantes, ainda que por elle assignados, se-
rio regeitados.
O annuncio que r entregue depois das 5
horas da tarde, s ser publicado no dia seguin-
to mediante urna gratificaco de 320 por cada
dez linhas, e sendo entregue depois das Ave-
Marias, a gratificaco ser dupla.
As correspondencias e outros quaesquer arti-
g08,continuaraocomo8tioje,8tohe;querasua
pubcacao quer o seu preco serao inteiramen-
te arbitrarios; e neste caso fico couipreheudi-
dos os avisos que poss3o por qualquoi modo ser
ofensivos da honra, conceito ou bom nome de
terceiro.
:-,.v m*ws.-mmam
aes
raUHtgTQ
O REL(*)
16.
PAHTin g mokber. (Cntinuacdo).
Entrelivero-se assim por muito tompo os
dous amantes, que grande consolaco achavSo
em recordar na sua memoria tantas tristezas,
tantos constrangimentos, e dores passadas, por-
que em um s minuto, urna s palavra pronun-
ciada acabava de transformar todas esses soflri-
mentos em outras tantas delicias, (uantos
xtasis a paixo produz no paito, quanto fluido
celeste no olhar, quanto tremor as ruaos que
se entrelacao. quanles cadeias de fogo entre as
almas que so unem, quanto pra/er o amor
Dos pode derramar sobre a trra, flucluava
na athmosphera em que a cabega radiosa de
Ricardo repousava sobre os joelhos de Valen-
tina.
O Video Diario n. 285.
PAUTE OFFSCUL.
Governo da Provincia.
F.XPED1ENTE DO DIA 10 DO CORRENTE.
OlcioA' Cmara Municipal do Bonito ,
approvando a resoluc5o, que tomou, de demit-
r o boticario Luii Fernandes Portella do lugar
de vaccinador naquellu municipio, e d'encarre-
gar d'essa commisso, com aobrigaco de recei-
taros presos pobres da cadera d'aquella villa o
Cirurg3o-mor da K* nha relormado Jos
Vieira de MpIio.Communicou-se ao Inspec-
tor da Thesouraria das Rendas Provinciaps.
Portara Nmeando para servir interina-
mente o lugar de Chefe de Polica ao Desem
bargador Antonio Joaquim de SiqueiraPart
cipou-se ao Chele de Polica ao nomeado ,
ao Presidente da Relacao e ao Inspector da The-
souraria da l yenda.
DitaNmeando o Bacharel Clemente Jos
Ferreira da Costa para interinamente servir o
lugar de Procurador Fiscal da Thesouraria da
Fazenda Communicou-se ao respectivo Ins-
pector, ao Presidente da Relac5oe ao nomeado.
DEM DO DIA 11.
OfficioAo Commandante da ilha de Fer-
nando communicando que para all partea
fcuna inglea Cadix Pachet em procura de
cinco homens desua tripulaco, que no dia 5
do crrente s 4 '/t horas da tarde para aquel-
la ilha dirigirfio-se em um bote em busca de
estreo de passaros que l suppunhao encon-
trar ; ordenando, que faca immediatamente
entrega do dito bote, e pessoas que nello forao,
ese presume all existirem porque nao volt-
ro escuna nao obstante haver esta os espe-
rado por tre/. das; dizendo que os individuos
chamio se lidevin Rird, Wlliam Painter, Geo.
Flliott John Gibbons e Robert Cumening ,
recommendando-lhe, que Ibes preste todo o au-
xilio de que nocessitarem para serem restitui-
dos ao mesmo navio prevenindo-o da rernes-
sa que por este navio Ihe laz dos medica-
mentos por Sm. rquisilados e de algumas la-
minas de pus vaccinieo ; significando que a
plvora e a madeira, que pedio, irao na pri-
meira ocCasiao opportuna ;e intelligenciando-o
de haverem este porto ebegado na barca Ermt-
Unda as'praces e os mais objectos, de que trata
o seu officio de 21 de Novembro ultimo.
DitoAo Commandante das Armas decla-
rando de conformidade .com o parecer do Pro-
curador da Coroa, Soberana o Fazenda Nacio-
nal, e em resposta do seu officio de 11 de D<-
mbro ultimo, que procede a duvida do Corn-
missaro Pagador d'esta proviucia a cerca dos
vencimentos do Capitao Ignacio Francisco IV-
r.'ir; liiilrn mi .1 ..n u*.JIta.a.H____. 2-
f Quarte! General em Pernambuco, 19 de
Dezembro de I84.
OllDEM DO DIA \. 3
O Brgadciro Commandante das Armas jul-
ga consequente dar publicidade ao 8. do Re
reir Dutra, que d aqu expedicionou para as gulamento de 8 de Maiu do 1843 concernenle
Alagoas, eal falleceo no ataque de 21 de Ou- as suas attribucoes para que os militares des-
tubro ultimo ; porquanto asgratiicacoes, se-
gundo a legislacao o ordens respeito, s com
petem ao exerccio ; e, sendo a expresso adi-
antameno de o/do comprehensiva da idoia de
debito beredito na quantia equivalente ao lem-
po do servico, que be necessario decoi rer, para
que possa censiderar-se devida ou vencida na
razo do sold, que compete ao Militar,
quem se haja feito um tal adiantamento, claro
be, que, quando elle tem lugar, ainda mes-
mo determinado b'galmento, dev'e ser pago,
ou por descont, at que seja a Fazenda in-
demnisada, se continuo os vencimentos do
individuo, qued'ella houver recebido isse em-
prestimo gratuito e benfico, ou por qual-.
quer outr'o meio, se aquellos cesio.
DitoAo Desembargador Antonio Joaquim
de Siqueira, aecusando recebido o seu officio
d'hoje (11), em que communicava ter acabado
de tornar posse do lugar de Chefe de Polica,
para que fra interinamente nomeado
PortarasNmeando Subdelegados, da fre-
guezia do Bizerros Jos Faustino Pues de
Lira, e da de S Caetano Manotl Joo do
Souza.Communicou-se ao Chefe de Polica
interino.
ta guamico cumprao strictumento o que no
mesmo se acha disposlo.
8. Manter a regularidad dos uniformes,
nao consentindo sejao estes alterados por qual-
quer pre'exto que seja; nem que os individuos
sob seu i (minando imponhn maior graduado
do que aquella de quo gozuo, usando de bor-
dados, galOes canotilhos ou distinctivos do
do postos superiores s o nem que se apresentcm
nos quarteis generaes ou em actos de servi-
co se nao com os uniformes estabelecidos.
Antonio Correia Seia.
'iil ^j-TJgivaraaea ?: ;t
Commando das Armas.
Continuac&o do expediente do dia 19
do panado
OfficioAo Commandante do eorpo desta-
cado, remetlendo-lhe para ser conservado em
prisao at segunde ordem, o soldado Agosti-
nho Tinoco da Silva preso pelo Subdelegado
da freguezia de S. Jos, por ter sida encon-
trado a urna hora depois de meia noute de baio-
neta desembainhada no atierro dos Afogados,
erecommendando ao mesmo Commandante que
por forma alguma consentisse que as praras sa-
hissein armadas do quartel nao estando deser-
vido, com especialidade noute para evitarem
desordens.
DitoAo Delegado da freguezia de S. Jos,
aecusando recebido o seu officio desta data, e
o preso soldado Agosnbo Tinoco da Silva,
que seria corrigdo, e bem assirn que ficavao
dadas as ordens para nao *ahrem armadas do
quartel pracas que n3o estiverem de servico, so-
bre ludo a noute, a fim de evitar desordens.
PartariaMandando desligar do corpo de
Infantaria da Guarda Nacional destacado a va-
rias pracas quoestavo de contas justas com o
mesmo corpo.

Fm quanto elles no quarto assim esqueciSo
as horas e o mundo inteiro, um ligeiro estrepi-
to se azia fra ; a porta se abri, eo desco-
nhecido do capote agaloado, que Ricardo ti-
nha visto no valle, a presen tou-se.
A' sua vista, Valentina por um movimento
espontaneo lancou-se nos seus bracos de sorte
que a cabeca della por algum tempo Ihe toma-
va a vista de Ricardo, qua nao pode descobrir-
Ihe as feicoes, e ficou por alguns instantes es-
tupefacto da entrada desta personagem. Quan-
do Valentina moderando pelo respeito os asso-
mos da sua alegra, se desprendeodo pescoco do
desconhecido, para se inclinar ante elle, foi
que o joven camponez conbeceo o re. Um
estremecimento misturado to perturbado, do
repugnancia e taivez do terror Ibe abalou ontao
o coraco. Oseu embaraco augmentava, por-
que apezar de ter os olhos baiios, pereebia
que os de Luiz XIV estavo pregados nelle.
Todava recobrando a segundado que sempre
achava no sentimento da sua dignidade, ousou
levantar a vista para oprincipe. e grande foi a
sua admiracao de Ihe nao dcscobrir na pbysio-
nomianem indignado, nem ameaeta, e lmen-
te urna extrema attencao em exam'nal-o, a
qual pareca inspirada por terno interesse.
Luiz entregue esse exame tinha ainda o
braco passado pela cintura da condessa, com
quem sempre tivera a bondade o at a doce fa-
mliaridade, de um pi; e foi ella que elle
dirigi a palavra.
Sim, soa eu, disse elle, sou eu minha
cara Valentina, que venho livrar-vos da vossa
barbara prisa o.
Senhor, respondeo ella balbuciando, eu
rendo a V. M. infinitas gracasde todo o meu
coraco por tanta bondade, que em qualquer
outra occaso me laria transportar de alegra.
Deveria eu coirespondcr-lhe apressendo-me a
seguir V. M...mas eslas paredes me retem
por lacos que subsistirSo ape/ar de me abrirdes,
Sr., as portas.
N8o ha laco algum que eu nao possa e
nao queira quebrar para livrar-vos, minha
filba.
O Sr. he urna !ei de Dos.
Mas se esse casamento vos lie odioso, acre-
CORBFIO DO RKCIFK.
CORRESPONDENCIA DA CIDADE V. PROVINCIA.
Um lado importante oceupa actualmente a
gente commercial desta cidade e nao ba nin-
guem que nao lenha aventurado sobro elle o
seu juizo. O Inspector da Thesouraria da Ba-
bia encarregado pelo Ministro da Fazenda de
sindicar da Alfandega e Meso doConsulado des-
ta provincia quiz que o Inspector d'aquella
primeira ostacao exigisse decertos negociantes
desta praca diversas facturas erignaes de gene-
ros despachados nestes dos annos em virlu-
de de um artigo do suas instrueces que nin-
guem conhece. A exigencia fez-se ; mas os
negociantes quasi todos se recusarn a cum-
prl-a baseados no regulamento de 22 de Ju-
nho de 1856, que a issn os nao obriga em tem-
po algum ; quanto mais depois que as suas fa-
zendas Ihes bao sido entregues.
Ninguem ignora que o fisco deve empre-
gar todos os meos a seu alcance para que
os direilos nacionaes nao sejo defraudados,;
mas o emprego destes meos deve ter um li-
mite que sem duvid8 nao ha de ir parar no
escriptorio do negociante. O Governo tem
a attril ucao de escolher os seus fiscaes de di-
miltil- os quando Ihe parece de mandar sindi-
car delles &c se o Ministro, ou o seu agente por quanto a
mercadoria do negociante est sujeita vigilan-
cia e exame desses fiscaes desde que entra no
porto at que sai da Alfandega ; desembaracada
abi por quem he competente e entregue a seu
dono que diabo tem mais com o homem os
agentes do fisco ? Sj estes se deixarao Iludir ,
ou subornar a correacao nao ha de partir dos
llaqueadores, ou subornadores ; e sim dos fis
causadores, e ninguem dir que com tantas al-
tribuices sobre os seus subalternos o Gover-
dilai minha menina, elle pode ainda ser dis-
solvido.
Ella exclamou com todo o orgulho do amor :
Esle casamento, Sr., tem para mim tal
valor, que antes quiera esle deserto selvagem
com as docuras que nelle devo aehar, do que o
mundo e a corte, onde elle deveria ser des-
manchado.
A esta declaracao de tao ingenua sincerids-
de, Bcardo levantou de novo os olhos para
Luiz ATV, soppondo vl-o sorprezo e indigna-
do ; mas as .feices do monarcha oflereciao a
mesma branduia, a mesma serenidade.
Pois bem, Valentina, icpcou o rei,
vslo como nao queris separar-vos do esposo
que a soite comanla extravagancia vos deo,
em vez de vos conservardes aqui junto a elle
conduzil-o-heis corte com vosco. Esper
que a vossa vida do ambos ne ser l menos fe-
liz do que nesta sodao;e eucom com isto acba-
rei a satisfacao de ter meu lado duas creatu-
rai mais, que poderei crer roconhecidas e a(-
fectuosas.
K
V -


/
do n3o possa evitar a inepcia ou malversado
desles ou impor-ihes o correctivo sem ir
mendigar dos interessados no abuso as pecas de
conviccao desse mesmo al>so. Com ist-> que-
ro s provar quesera um desproposito querer
corrigir a Alfandega com as facturas dos nego-
ciantes em rnoo ; mas o caso he que os nego-
cenles se esquivarlo exigencia qu>; Ibes foi
feita porque esta Ihes pareceo Ilegal, eoera
na verdade.
Mas o Inspector sindicante apoiado nassuas
instruccoes nao o entendeo assim e o mais he
que apoz da exigencia andou a pena. Todos
os desobedientes frao excluidos de assignantes
da allandega u a sua entrada nessa estadio
vedada por edital em consequencia de nutra
exigencia do relerido Inspector Ora como islo
be urna pena, e tanto mais infamante quanto o
citado regulamento no artigo 270 aestipulou
para ocaso em que o assignanto da Alfandega
fsse achado em qualquer Iraude contra a Fa-
zenda Nacional sogue-se que o Inspector
sindicante exigi a execuc3o de urna ordem il
legal; porque o Ministro nSo poda alteraras
penas cstabelecidas nesse Regulamento como
he estabelecido no artigo 319, e os negociantes
em questo soffrero violencia. E anda quan-
do estivesse o Ministro autorsado para tan-
to anda qunndo as suas no\a< instrurccs
autori/a-sein legalinente este proceditnentn,an-
da assim baveria violencia : por quanto sem-
pre que urna le estabeleco urna nova ohriga-
c3o, creando penas para os que a infringirem,
assa lei nao tem nem pode ter vigor antes de
ser devidamente publicada. Ora essas instruc-
c.5es em que se firma o acto do inspector, nin-
guem as condece. sao um segredp, nao pdem
portanto ser obriyatorias. Ha ate no caso ver-
tente urna especie de silada to feia em qual-
quer particular quanto mais em agentes do Go-
verno.pois que pelo menos osofficios do Inspec-
tor da Alindola deviao declarar que o nao
cumpnmento da exigencia do Inspector sindi-
cante, seria castigado com a pena d s desfrau-
dadores ila Fazenda Nacional He muito prova-
vel que o conhecimento de tal poder fizesse
recuar os mais oigulbosos porque nao ha hi
pononor, amor proprio, ou mesmo presump-
cio que nao ceda ao lerrete da infamia : antes
quereriao sem r'uvida csses uegociantes passa-
rem por caixeiros da alfandega, do que por de
fraudadoTes^dj-F-azenda Publica.
0\que me admira anda mais ueste negocio,
be que houvesse tanto cuidado em escrever 6
porta da Alfandega os nomes dos condemnsdos;
e nao se lembrasse o Inspector sindicante
de la mandar por,logo que aqu chegou aparte
dassuas instruccoes,que n.lo era segredo.e pela
qual o insigne Ministro estatuir que todo o
Assignante da alfandega que nao quizesse pa-
tentear-lhe as suas facturas, bvros, correspon-
dencia, em urna palavra sers eu caixeiro, ser-
Ihe-ia inflingida ;> petib de ladrao. Assim dar-
se ia arhitrariedade porm franca ; haveria
despotismo, mas a deslealdade nao seria tao re-
voltante Ser isfo algum artigo do capitulo
da conciliaco e reparac&o do Ministerio ? Ha
de ser; ao menos he provavel.
Foi-se o Alecrim for urna ver e no termo
de Goinnna no he que lie ser perseguido.
La! onde quem traz rodella no chapeo tem
mais faculdades que un re ? E como havin
os rapa/es de fazer face a tantas despezas, a tan
tos soccorros a quanto ladrao vem desse mundo
de Dos lorngr-se nesta ciiiade, a tantos subor-
nos, senao fossem as cdulas falsas, os contra-
bandos do alricanos, e todas as outras ladroe-
ras condecidas e praticadas pela praia i1 Onde
iriao esgotar tanto dinheiro que at chegou pa-
ra alugar geute do tope, esses pingas, que vi
vem por ah de calotear ? No lurlo e s no
furto. Furlem pois rapazes, furtem que
Ibesioprd o vento favoravul, e reduzo este paiz
O re fallava a Valentina, mas olhava para
Ricardo
Senhor, disse o mancebo no cumulo da
admiraco, V. M. nao condece sem duvida
aqtiellea quem concodc tal grata
Melhor do que vos mesmo, respondeo o
rei sorrindo-se.
V. M. nao sabe que o meu natural sel-
vagem, a minha dueacSo, a mintia pass^.la
vida,anda mais do que a minha obscura condi-
cao me privo de.. .
Tudose, mas para esqupcertudo o que
me nao apraz saber, vos viris viver na minha
corte cum vossa mulher. porque esta he a mi-
nha vonlade. Pois que tanto me censurao o
meu despotismo, exercerei o da clemencia.
Tereis a vessa habitadlo no meu real palacio,
com vossa comitiva e fortuna independenles.
Mas, essa vida he a de um grande do
reino.
He verdade, esquecia-me dizer-vos que
o sois. Como a minha cara Valentina consa-
miseria, com tanto que tenlio vo cois a pan-
sa cheia !
Ha muito tempo que me nSo avislavacom
certo bobo que aqu ha de grandes collarinhos,
e que as vezes me desenfado a ouvir-lhe as-
neiras; mas encrontei-o ha poucos das e
entre outras muitas cousas relativas praieira-
da, disse-meelle alargando a bocea de bacuro:
'< Os rapazes foro exigir a demisso do Tbo-
maz Javier que nao podo ser Presidente
desta provincia contra a vontade delles.-
Bom .' disse-lhe eu; mas como diabo ha de es-
tar o Ministerio a mudar Presidentes todos os
dias ? Ora essa he boa disse-meo asnei-'
<( rao; o Ministerio quer votos? quer: logo
u am amore recompnsalo Lembrei-meen
tao da historia do (rade com o Ghristo de mar-
ino e deixei o animal esfregando asmaos. -
Anda aqui um Hespanhol ou cousa que o va-
Iha, lado Sol, vendendo joias, e como tivesie
relegues com certos sujeitos quelberecom-
mendavao muito os homens de rodella, enten-
deo qu os rapazes criio dignos de con/langa
mesmo em objecles de commercio. Chegou-se
pois a elle um desses, e pedio Ido que Ibe con-
litissc algumas joias para mostrar a pessoa que
quera escolher e comprar as que Iheconvies-
sf m ; o homem cahio e se quiz por olhos na
sua fazenda, foi resgatal a do penhor. em que
se chava, descobrindo o rasto do tratante pelo
tamanho e forma do tope.
Pelo que medizem ltimamente de Goianna o
Delegado dessa comarca parece que cadavez
maz se aparta do seu estado per jeito de senso
commum porque nao tem conta os seus des-
propsitos e attentados. Nao ha um s Goi-
annense honesto que nao olhe para essa crea-
tura romo para um cao de fila que para flagt I-
lo do povo se damnou : os proprios prenles ja
0 detesto, e o mesmo Jo3o Joaquim principal-
mente diz contra elle cobras e lagartos.
A' principio processava por crimes imagina-
rias a todos quantos incorriao em seu estonteado
d> sagrado, mas vendo que esse meio no en-
muito proficuo, porque o 'ni/ Municipal ahi
eslaxa para cercear-lhe os vos descobrio ex-
pediente mais prompfo, e agora tem saciado seu
genio feroz, c perseguidor pondo aquella cida-
de e comarca em consternaco e alarma. A'
titulo de recrulomento melle no tronco a quem
dem Ibe perece, e s depois de Jez e mais dias.
he que pe em liberdade o preso; porque he
(uando sabe que no est no cato de ser recru-
\ado. V Ihos, meninos, bomens cazados en
summa seja l quem fr, nao tevetope no cha-
peo nao est izento do tronco ; e quando al-
gum animoso se queixa contra semelbantesde
safaros.responde o bruto quero, -posto t man-
do, e se nSo est satisftilo queixt-te de mim ao
Preiidente.n A vista do que ninguem se ulgn
escapo de ser agarrado e condusido em charola
pare a cadeia, e depois para o tronco. O agen-
te agarrad r do Delegado he um sevandija que
all ha ehamado Henrique pitorra desertor da
1 linda, e que o Delegado conserva junto a
si sob o duplicado carcter de conselheiro priva-
do, e executor de ordens. Nem ao menos ao Juiz
Municipal o faz prender para noseucorpo receber
parle do premio de suas accoes. A poucos dias.
tendo o Commandante Superior mandado urna
scolla cadeia para conduzir uns recrutas de
sua ordem para o Recife, oppoz.-se a isso o tal
Delegado e depois de urna descompostura con-
forme com a sua ndole, deitou por ahi elm a
P trullia. soltou um dos presos, e ordenou ao
carrereiro que nao entregasse os outrosa nin-
;;uem, porque d'adi em diante ficavao sua dis
posicao. Estilo agora muito em voga urnas ce-
lebres rondas nocturnas que nao tem outro
Gm se nao atropelar o pobre povo : velhos que
mal podem andar, sao obrigados a percorreras
ras da cidade toda a noute, em quanto os mo-
de Rellegarde, que destinave para seu esposo.
Desde agora sois gentihomem ordinario c via-
dor, e estero que o vosso comportamiento e
sprvicos me permiltiro em breve juntar a estes
titulos o de cavalleiro das reaes ordens, sem
que nislo daga demasiado favor da minha parle.
Senhor, a vossa generosidade, e muni-
ficencia para commigo me impem eterno re-
conbecimeoto, e confio que nao faltarei este
dever ; mas ellas nao podem estender as mi-
nhas ohrigacues at ao ponto dme fazerem
aceitar honras que me nSo assentao.
Logo que o rei ellas vos elevou, desap-
parece a insuffciencia em que vos jn gais.
Sou do povo, senhrr, e disto me honro.
Conlinuarei a vbfa de camponez, tendo s por
titulo o meu (rebalho, por esplendores os do
sol des campos, por fortuna este pardieiro.
onde viverei feliz e oreulhososo ; mas onde
dora em diante, euojuro, o respeito do nome
de V. M. habitar rommigo.
E esta moca ?
gos de tope sahem a insultar e espancar os pac-
ficos moradores da cidade.
Em dias da semana passada mandou o Delo-
gado chamar um Portuguez para rondar, o po
bre homem reclamou contra semelhantc ordem.
disendo que era estrangeiro, como provou com
o eu titulo do residencia eque como tal es-
perava que fosse dispenado=Fa rondar, que
assim o queroe mando, quando no facoo em-
barcar para fura da rro = disse-lbe o funo-
ro, e o estrangeiro foi ronder, porque contra
oquero e mandonao ha argumento. Nin-
guem (excepto os rapazes de tope ) se atre\e a
ir a casa do Delegado reclamar qualquer cousa,
por que tem de certo urna descomponenda pelo
menos, de lrma que no ha quem se anime
a queixar-se dos insultos e oflenses que Ibe a-
zam. O Subdelegado de Tijucupapo, por que
entendeo que nao devera acompanhar o Delega-
do em seu desvarios, e prepotencias recebeo
deste um officio no qual depois dos mais vis
e infames insultos e improperios Ihe ordenou,
que nao Ibe offlciasse mais, assim que nao sabe
elle com quem se deve entender cerca dos ne-
gocios policiaei.
E ainda me diz o amigo correspondente que
outros muitos fados nao menos escandalosos,
poderia relerir-me, se nao julgasse estes suffj-
cientes para dar urna ideia ainda que imperfei-
ta da lera que o Cbefe tremedor escolheo para
seu agente, na verdade digno dalle e do patrio-
tico Miuislerio de conciliapo.
Comn; nicado
S a coragem de salteador, que o D.-novo os-
tenta o poda habilitar para alcunhar de falsa a
authenlica de Ouricuri e pretender que esses
votos de Eleitores verdaderos de urna das mais
pomulosas freguezias da provincia erao falsos ,
tanto porque a parochia nao poda dar tantos
Eleitores, como porque tal reuniaode Eleitores
nunca houve.
A praia tem bastante astucia para obter vo-
tos, para nullificar a verdadeira volacSo da pro-
vincia ; mas nao tem ordem em leus planos,
esquecendo-se pelo que imagina boje, aquillo
que disse, ou fez bontem. A prmeira ideia do
club do Sr. Urbano foi atacar a eleicSo de Ou-
ricuri pelo numero de Eleitores cbamando-o
exagerado e com este lim publicou a 26 de
Novembro, urna carta do Arruda de 31 deOu-
tubro, na qual este Juiz aecusava o Dr. Alexan-
dre e o Tenente-Coronel Pacifico por terem
elevado a 98 Eleitores os 31, que o mesmo Ar-
ruda julgava que a freguezia de Ouricuri poda
dar. Assim que se Ibe respondeo que a pa-
rochia ,de Ouricuri continha quasi o duplo da
populacao do Ex e Saiguero o que at era
urna consequencia do que a praia affirmava ,
quando attriduia a creacio d'aquella freguezia
a pleno eleiloral do Dr. Alexandre Bernardino,
e que se estas duas insignificantes porcoes de um
cerlao secco e despovoado davSo 70 Eleitores ,
com razo Ouricuri podeiia dar 140 muda a
praia de rumo e resolvo levantar a lebre de que
era falsa a authenlica ; mas conhecendo-so que
os poucos votos, que nessa acta se encontravSo
para os candidatos da ordem a par dos que os
90 e tantos Eleitores podiao dar, provavao que
era resultado de eleicTio e no de falsificatao
essa authenlica, amplificad a ideia, e sustentad
que em Ouricuri nunca bouve eleicao prima-
ria nem reuniao do Eleitores, o citao para
isso um officio da Cmara da Roa-vista. O par-
tido da ordem procura e publica esse officio o
qual desmente esse aleive, e prova que em Ou-
ricuri se fez eleicao primaria, eque os seus
Eleitores fizerio collegio na mesma freguezia
por nao comparecerem no collegio de Cabrob,
onde reunirao-se os de Salgueiro e Ex.
0 I).-novo apanhado em mentira nao recua,
gra pela ecolha do seu coraco o casamento
contrahido om vosco, eu vos dou o condado' mim, replicou Ricardo, lancando sobre Va-
. 5
lentina um olhar do mais vivo reconhecimento I
Pensai bem que pela sua educacao, ju-
ventude e belleza vos idesaceitar-lbe um gran-
dsimo sacrificio.
Ricardo estremeceo lembrando-se que com-
efleito elle dispunha eom excessiva aflouteza do
deslino de Valentina ; mas a sua torga nao o
abandonou.
Senhor, exclamou elle; meu pai est
proxino sua ultima hora ; o eu pertenco-lhe
mais do que a mim mesmo, mais ainda do que
ao amor ; devo conservar-me fiel sobre o seu
tmulo nos principios que elle me transmitlio,
e que eu livremente acceitei.
Pois bem, Ricardo, d'aqui a pouco iris
presenca de vosso pai; passai a cabeceira de
seu leito estadolorosa veladura; es ultimaspala-
vras de um moribundo, Iluminadas pela eter-
na verdade moderaroa exagerado de sedi-
mentos a que ainda estis entregue ;vs beberis
a di inspirado s para o comportamentoqur-deveis
ter, e qualquer que leja depois a vossa decisao.
NA me disse ella que aqui ficaria junto \ eu me obrigo a deixar-vos toda a liberdade de
a cumprir.
a vai sempre sustentando que he falsa a authen-
lica porque para lao iinViie gene a ver-
dade he a mentira repetida ; porque o seu
papel he do aecusador por nao ver-se obrigada
a provas de urna defeza para assim fazer es-
quecer a seus adversarios os crimes que ella
commetteo as eleices, as falsificaces que fez.
Urna representacoda junta qualiicadra da
Cabrob onde os Delegados do Juiz de Direi-
to Arruda embaracro a eleicao primaria, mos-
tra que Salgueiro e Ex nao podiao dar mais
de 20 Eleitores e dero 70 e que a eleicao
foi feita a frca d'armas e o collegio dos 70
presidido pelo Juiz de Paz do anno futuro. Pa-
ra nao se aecusarem estas e outras faltas be
que se attreve a chamar seus contrarios falsifi-
cadores esse club a que pertence o falsificador
do sorteamento da Mesa deS. Jos onde en-
trera como JtrhTdb Paz eleito em meia hora pe-
los seus sequazes dos A logados,de Fra dePortas
e da Boa-vista, que at falsificou a lista da cha-
mada o Costinba que tao descaradamente fal-
sificou a sorte, chamando para eleger a Mesa da
parochia de Santo Antonio, os mesmos rfue t-
nhao de ser nomeados e todos os candidatos
da chapa praieira guardando-se para chamar
por escarneo um do partido da ordem, que fs-
se servir de testemunha a maioria dos 11. Nao
fallemos as falsificaces da eleicao da parochia
do hairroda Boa-vista, de Rizerros, de Goian-
na &c. Para cubrir todas estas mazelas cba-
me-se falsa a authenlica da Boa-vista, e verda-
deira a do Ex, que ahi est o Ministerio de 2
de Fevereiro para excluir tudo, que nao convier
pandilha de Urbano e Nunes.
as Monarchias sao cortamente as condeco-
rarles o maior incentivo para as acodes nobres,
para os servicos arriscados em prol da patria, e
do Soberano. As condecorarles tem um cer-
to imn, que attrahe ao servioo do Throno os
liberaes os mais exaltados pelas formas demo-
crticas. O cofre destas gracas deve portanto
ser aherlo com economa pelos Ministros que
frem verdaderamente amigos da Monarcbia ,
a fim de tornar valiosas essas condecorares, e
distinguir com ellas o mrito dos cidados real-
mente proficuos causa publica. Um Ministe-
rio, que tenha a sinistra inter.co de solapara
Monarcbia, atraicoando o Monarcha nao rde
echar um meio mais efficaz de acabar como
prestigio da Realeza, de fazer arrefecer o ardor
dos que tem adhesSo ao Throno de que dis-
tribuir com profuso as condecoraces e avil-
tal-as ponto, de que ellas cheguem, nao s
para os homens desconceitpados na opinio pu-
blica, mas at para aquelies, que se tem man-
chado com os crimes os mais atrozes e ainda
com os que estao legalmente declarados crimi-
nosos. Fazendo applicacao destas ideias ao Mi-
nisterio actual vemos com dor, que nellc reca-
de a responsabilidade de todas es consequencies,
que pdem ser mais lunestas 6 Monarcbia do
Brasil ; pois que no Memoravel Dia 2 de De-
sembro condecorou com a merc de Cavalleiros
dos Ordens deChristo e da Roza os assassinos
de Tenente Coronel Lira da provincia das Ala-
gas. Poucos dias depois de vermos publicados
nos despachos da Relecao os nomes de Jos* Go-
mes da Rocha e de Joaquim Jos Lima Ro-
cha pronunciados pelo assassinio do Tenente
Coronel Lira, encontramos, na relecao dos des-
pachos do Dia 2 estes niesfnos nomes com a
condecoracao dos Benemritos da patria por
terem servido s ordens do Presidente Souza
Franco as Alagas.
Que servicos tem feito esses Rochas s Ala-
gas ? Dig8o-no os dignos Magistrados Ceeta-
no Silvestre, e Piretti.ex-Presidentes dessa pro-
vincia? Ecomo he, que o Sr. Souza Franco
nomeou seus Delegados e tinha ao servicodo
Governo para lazer eleices, dous homens pro-
nunciados porassassinato no art. 192 do cod.

Alguns momentos depois vierao dizer a Ri-
cardo que seu pai o chamava.
A neis nouto nesse sala terrea das ruinas do
velho castello se passava urna scena que algu-
mas semelhangas tinha a que trez mezes antes
livera all lugar na volta da viagem de Ricardo
a Versa i I les.
A claridade da la entreva pela alta ogiva :
via-se como entao no meio do seu lmpido
reio, desenbarem-se em escuro grupo os dous
componezes, e o lobo fiel deitado seus ps.
Ambrozo anda pareca esse velho rijo, de
fronte formidavel, que tantos soffrimenlos nao
haviar, podido curvar, e eslava sentado e dirci-
lo sobre o s<-u l-ito Je morte ; Ricardo nesta
crise solemne, com todos os pezares de filho,
mostrava ao p de sou pai a indomavel cora-
pem que delle bava aprendido, e Volf indica-
va nos seus gestos que tomava parte na tristeza
dessa bora.
Tudo fazia recordar o momento em que Ri-
cardo iniciado nos segredos dessa rabana, ba-
. ir entrado no odio e nos projeclos de vingan-
ca de seu pai.
i


'..
=- = 5
man
r
or iim nrime de pena capital que nSo
dmilte anga ? Como lie, que o Ministerio de
2dePevereiro distrbue as distincoe honrosas
de Gavalleiro com 2 criminosos que ainda
se nio defender') nem se justili jaro da cul -
pa que Ibes hi imputada por Jui competen-
te nem podiao assim apparecer aos ps do
Throno para dellereceber condecoracoes ? Tu-
do se explica com a damnada intencao de a villar
a arma mais poderosa da Monarchia.
Publicagao a pedido.
O imposto le 2*000 rs., estabelecido no
5. do artigo 55 da le provincial n. 130 de 2
do Main d'este anno. he extensivo i todo o ga-
do vacum, que for consumido, querseoexpo-
nha venda nos acougues pblicos quer nao;
por isso que na mesm i lei se nao descobre dis-
tinccio alguma semelbante respeito. Fica
assim respondido o seu olTicio de 5 de Novem-
bro ultimo. Dos Guarde a Vmce. Palacio de
Pernambuco, 17 de Dezembro de 1844.Tbo-
maz Xavier Garca de Almeida. Sr. Juiz de
Pudo Ouricuri, Pacifico Lopes de Siqueira.
fru .'JUWWatMtCMtPJIg-KiT-
COMMEBCIO.
Alfandega.
Rendimento do dia 20..........6:414*742
dem do dia 21................4:746* 143
Desearrego hoje 23.
Barca inglezai i y son carvo.
BarcaBella Pernambucana vinbos e mais
gneros.
BarcaTentadoramerca dorias.
BrigueConceit&o de Martaidem.
-JL1______J _|l
ru Imrie capitSo A.Boyd com a mmtna
carga, que trouco de Bristol.
Nawtuckett; galera americana Christ r Midhel,
capitao William Keeo. earga azeite de peixe.
Navios entrados no da 20.
Bristol; 67 das brigue americano Troy, do
156 toneladas, capitao I. Grehuell equi-
pagem 22, carga pertences pira i pesca.
Barcelona; 33 lias brigue hespanlini Espe
ranea, de 176 toneladas, cepita > Joao No-
to equipagem 13 carga lastro ; a Na;i
ment ichafer 6t Companbia.
Ass; lidias, brigue brasileiro Fiel, de
200 toneladas capitao Manoel Marcianno
Ferreira equipagem 15, carga sal e palha;
a Firmino Jos Felis da Roza,
dem; 14 dias, brigue brasileiro Deos-te-Guar-
de, de 148 toneladas capitao Manuel Luiz
dos Santos oquipagem 12 carga sal e pa-
lha ; a Jos Pereira da Cunha.
Navios sahidos no mesmo dia.
Aracaty ; hiate brasileiro Nova Jlinda capi-
tao Jos Rodrigues Pinbeiro carga diversos
gneros.
Trieste; brigue inglez Jane $f Esther capi-
tao Robert Whalley carga assucar.
Navios sahidos no dia 21.
Porto ; brigue portuguez Primavera capillo
Jos Carlos Ferreira Soares, carga diversos
gneros.
Lisboa ; brigue portuguez fobim, capitao An-
tonio Goveia Borges, carga assucar.
romo os Carmelitas.. Rentos
e as militares Christo o Aviz.
Franciscanos
(25
I viso, martimos
mesmo por todo o anno. e por preco commodo,
dirija-se a esta Typographia. (4
f3O agrimensor, abaixoassignado, ofereco
os seus serviros s pessoas que tiverein proprie-
i dades demarcar e afianca a mais escrupulo-
sa exaclidao e o maior zelo no desempenho de
3 sPtM o Maranho alofim do corrente mez gua arte ; devendo todos os que do seu prest-
sabir a barca brasilcira Ermelinda; quem qui- j mose quizercm utilisar,drgirem-se (porcarta)
ao mesmo abaixo assignado, na Bua-direita,
/er c-irregar ou u de passagem,dirija-se a Fran-
cisco Severiano Rabello: o frete do assucar he a
200 ris a arroba. (5
,'i Para o Ass segu prefixamente no da
28 do corrente mez, o brigue Sagitario e so
recebe carga at o dia 23; trata-se na ra da
Moda armazein n. 11. (4
^\.soh i versos.
Ot'Ciaraces.
PRACA DO RECIPE, 21 1)E DESEMBRO UE 1844.
Revista semanal.
Cambios Houvero transacoes a 25 */ d. p.
1*000 rs.
Assucar As entradas continuao regulares e
sem alterado de preco.
Algodo Continuao as entradas limitadas,
e sem di lie renca de pVeco.
Couros As vendas frao regulares de 120 a
125 rs. a libra.
Bacalho Nao houvero entradas e o con-
sumo tein sido prompto, sendo o de-
posito boje de 2000 barricas.
Cirnesecca O consumo loi pequeo eo
depozto he de 12,000 arrobas, ten-
do -se vendido de 3*200 4*480 rs.
a do Bio Grande e 3*200 rs. a de
Buenos Ayres.
Ceneja Vendeo se a 48400 rs. a duzia de
garrafas.
Farinha de trigo NSo houvero entradas ,
nem alterado as vendas.
Dita de mandioca Vendeo se de 2*560
2*880 rs. a sacca.
Farello dem a 2*000 is. a arroba, e falta.
Feijo dem a 108 sacca.
Ferro da Sucia dem de 9*500 10*000 rs.
o quintal.
Manteiga franceza dem a 410 rs. a libra.
Sal estrangeiro dem a 760 rs. o alqueire
Toucinho de Santos dem do 2j800 a 3*200
a arroba.
Kntrrao durante a semana 9 embarcaedes, e
sahiro 6 existem no porto 52: sendo 1 ame-
ricana, 21 brasileiras, 1 dinamarqueza, 2fran-
cezas 2 hespanholas 7 inglezas, 1 lubekcn-
se 8 portuguezas 4 sardas, 4 suecas e 1 si-
cilianna.
= O Administrador da Mesa da Recebedo-
ria de Rendas Geraes internas lembra aos de-
vedores da decima de mao morta o pagamento
de seus dbitos, inclusive o primeiro semestre
do corrente anno financeiro de 1844 a 1845,
sob pena de serem executadus e sobrecarre-
ga'ios da multa de 3 por cento para aquelles
que deixarem de pagar at o ultimo do corren-
te maz de Dezembro. Recife 20 de Dezembro
de 1844.Francisco Xavier Cavalcanti de
Albuquerque.
AsfociacSo Commercial de Pernambuco.
A direceo da Associacao Commercial desla
iraca convida a todos os Srs. socios, para urna,
sesso extraordinaria em Assembla Geral ,
boje 23 do corrente s 11 horas da manhaa a
im de se tratar deobjectos de grande trans-
cendencia, e de vital interesse para o commer-
cio. Sala da Associacao Commercial de Per-
nambuco 20 de Dezembro de 1844. Jos
Hamos de Oliveira, PresidenteManoel Pe-
reira Hozas, Secretario.
ftioviceato do Porto
Navios sabidos no dia 19.
Rio de Janeiro, pela Babia; brigue inglez Ma-
Esta lembranca apresentou-se a vivaz memo-
ria de Ambrozio.
Ricardo, disse elle, e estes accenlos in
terrompidos pelos suspiros da agona lorio os
ltimos da sua bocea'; Ricardo foi em bera se-
melbante na passada primavera, que magua-
dos do ultrage que acabavamos de soflrer, e des-
colrmelo desta janella, luz da la que brilha-
va como neste instante, o campo coberto da
riqueza da natureza e da pobreza humana nos
jurarnos tomar urna parte dos bens da trra de
que nos despojavo, para os restituirmos a nos-
sos irmos to fracos quo mseraveis. A obra
de vinganca e de bumanidade se cumprio como
o baviamos juiado. V. nada desse momento so-
lemne nada se abaleo em vessas almas, nem
o santo enthusiasmo, nem a nem a coragem.
Mas as bordas do tmulo, o fana sujo se ex-
tingui em inim ; a parte brutal das paixes ,
os instmclos de ;rueldade e de colera, ludo o
que diz respeito materia terrestre nao pode
mais subsistira esta hora em que o corpo ja n&o
vive, e o espiritoTjiie lanca o seu ultimo luei-
ro he quem julga das cousas da trra. Passe
poii esta punficacao da muida alma tua, co-
PUBLICACO LITHERARIA.
GALERA
das
ORDENS RELIGIOSAS V. MILITARES,
desde a mais remola antiguidade at os nossos
dias.
Subscreve-se na praca da Independencia li-
vraria n. 6 e8a 8,500 rs.por anno, pagos adi-
antados, onde se receberao todos os nmeros do
l.'anno, elido 2.": cada numero conten 2
estampas coloridas, e 8 paginas de impresso
no formato de folha de papel de peso.
Osedictores desta obra teem em vista publi-
car resumidamente o que loro as ordens reli-
giosas de um e outro sexo, como se fundrao,
dividro e-ramiliearo, quaesseus (undadores,
qud vida tivero, de que virtudes se adornro,
e o que li/erao a bem da religiao e bumanida-
de : as ordens militares nao sero esquecidos
os importantes serviros prestados pelos institui-
dores religSo e civilisacao. Por esta yite-
ressante publicaco conhecero os lelores,
queordem pertencm os que existem entre nos
2 Os donos das madeiras que se acho de-
positadas no fundo do sobrado da ra da Praia
n. 43, queirao tor a bondado de as tirar d'alli
alias serao removidas a custa dos mesmosdono;
para que se nao cbamem a ignorancia se faz o
presente, ou pagaran 320 rs. por cada pao que
all estoja. (7
2Nicolao Rodrigues da Cunha faz publico
por este annuncio, queSr. nenhum dono de
qualquer cstabelecimento poder vender gene-
ros a seus caixeiros, valendo-se deseunome,
pois nao pagar por nao os ter autorisado, ex
cepto o seu genro Jos Pereira da Silva a quem
entregou a administrarlo de todas as suas
casas. (8
2Precisa-se de um refinador forro, ou ca-
tivo ; na Solidado venda e refinacao da esquina
que volta para Belem : na mesma se precisa de
um caixeiro para venda. (4
2 Alugio-se duas casas terreas urna no
bairro de S. Jos na ra do Alecrim n. 1 ; ou-
tra nos Quatro cantos da Boa-vista, e varias ca-
sas maiores u mais pequeas na campia c ra
da Casa forte e estrada do Poyo proprias para
se passar a Testa, ou annualmente ; trata se na
strada do Cordeiro sitio de Nuno Mara de Sei-
xas ou no Recife ra do Amorim n. 15. (8
1-0 abaixo assignado avisa aos Senbores
que teem penhores com os prazos vencidos em
seu poder que os vo resgatar no praso de oito
dias do contrario sero vendidos para seu pa-
gamento; e por isso faz o presente annuncio.
Caetano Domingos Pereira. (6
Na padaria da Camboa do Carmo fizem-se
deliciosos pastis de nata, pudim e bollo inglez,
tudo com o maior aceio possivel e commodo
preco; azendo-se a encommenda um ou dous
dias antes para mais perfeico.
2D sedinheiro a juros com penhores de
ouro, ou prata, mesmo em pequeas quantias ;
na ra da Praia n. 22. (3
3=Kngomma5-se com todo o asseio possivel
e promptidao por barato preco, aquetas de ho-
memeom annil e sem elle a 80 rs. .calcasde dito
a 80 rs., camisas com annil e sem elle a 40 rs.,
camisas de Sr.J a 40 rs., vestidos'om babados
a 240 rs., lizos sem babados a 160 rs., jaqueti-
nhas de menino a40 rs., calcinhas de dito a 40
rs., camizinbasde menino a 40 rs.: na ra do
Cotuvellon. 18. (8
1= Na relinac da ra da Senzalla nova n.
4, precisa-se. de um caixeiio, se for doschega-
dos nos ltimos navios do Porto melhor. (3
1 = Da-se 250,000 lis apremio, sobre
penhores de oura ou prata ; na ra Direita
n. 69.
2O Sr. Antonio Augusto Pereira de Bri-
to dirija-se a ra das Cru/es n. 42 a negocio
que nao ignora isto no prazo de 3 dias. (3
2Traspassao-se as chaves de urna casa em
Santa Anna de dentro para passar a festa e
mo em outr tempo se Ihe transmittio a febre
que a dovorava. Ama o povo onde tveste o teu
berco reparte com elle todo o bem que em ti
proprio poderes achar porm nao aumentes
mais o teu amor pelos teus irmos com sen t-
menlos hostis aos outros bomens, soccorre os
desgracados somente com os teus beneficios e
com a boa influencia do teu exemplo ; s apos-
tlo e nao escravo rebelde... Um brilhante
destino se te aprsenla; nao o recuses; por que
aquello que te o florece a grandeza afortuna ,
tem o direilo de t'as dar. Frequenta a socie-
dade a corte por que tens bastante forca ,
para que a alhmosfera que la reina te nao larca
curvar,nem s homem para que o vestido galo-
ado faca de ti um fidalgo. Vai, meu Ricardo,
ese feliz ; teu pai moribundo t'o pede como o
maior pra/.er que possa sentir na vida eterna.
A respiraco de Ambrozio expirou-lhe nos
labios
O padre dejoelhos a sombra orava em voz bai
xa e olhava para seu irmao com olhos tristes
e inspirados.
Como he tranquilla a minha morte, dis-
se o velbo ; sinto o efleito da absolvico do sa-
cerdote e olhando para o querido irmo e o
amado filho tenho inexplicavel satisfacao.
O silencio s foi d'alli em diante interrompi-
do pelo rumor de urna respiraco abalada, e que
ia pouco a pouco diminuindo ; e pelos tristes
accentos das oragoes fnebres.
Pela 'madrugada as leices de Ambrozio li-
nho essa tranquillidade e briMo que costumo
acudir ao rosto dos moribundos no ultimo suspi-
ro ; elle ainda murmurou estas palavras:
Marianna.. cadavez te tornas mais bel-
la. .. v esta fita que te trouce he o valor do
meu trabalbo... no fim da tarefa corro para ti...
o momento se aproxima... em breve seremos
unidos... eternamente.
Pouco tempo depois a la encobrio-se com
urna nuvem o padre suspendeo as or..coes ,
Ricardo desviou os ollios de seu pai, ecahiode
joelbos com o roslo encostado cama, \ olf deo
o seu mais doloroso gemido : Ambrozio acaba-
va de expirar
Os despojos do palriarcba licaro no valle de
Cerny Os cumes arqueados das collinas agres-
tes ; silenciosas, coroadas de sombro arvoredo,
com a capella emeima pareca ormar-lbe um
terceiro andar do sobrado n. 40. Joaquimda
Fonseca Soares de Figueiredo. (9
2Pcde-se an Sr. I.uiz Francisco de Arro-
xellas Freir, chegado no vapor J'hetis que
declare sua residencia para ser procurado, a
jnegocio seu. (4
1O abaixo assignado mudou o seuesta-
hclecimento de compar e vender cscravos para
a mesma casa em que anteriormente o tinha na
ra d'Agoas verdes n. -16. onde do novse
ollorece prometo a ellectuar todas as Irauzaces
assim de compras como de vendas u troca de
cscravos com as mesmas garantas com que ato
aqu o tem feito; igualmente se encarroa, me-
diante urna pequea retribuico, do obter di-
nbeiro a premio sobre penhores, quando os
donos destes nao queirao directamente fazerem
este trato por si.
Joao Fredtrico A breo liego. (13
)-seno pateo do Carmo defronte da o-
bra que seest fa'endo, calica e mais enlullio
a quem queiracarregar.
17= A medicina popular americana ,' e as
pillas vegelaes que,ha mijitos annos, estaoem
uso em todos os paizes tropicaes, tem se prova-
do como urna medicina inestimavel, sendo pre-
parada de proposito para clima quente, e com-
posta de ingredientes que nem requerem dieta
nem resguardo e pode ser administrada a cri-
anca mais tenra.
Cada caixinha leva o seu receituano, custa
i.)()()() risa medicina pupuiaru americana de
30 pilulas, e 800 risaspilulas vegetaes do Dr.
Rrandreth de25'pilulas.
Avisa-se ao publico que a medicina popular
ainda nao apparecoo falsificada e para maior
seguranca das verdadeiras pilulas vegetaes,
vende-se de hoje em diante cada caixinha em-
brulhada no seu receituario fechado com a firma
dos nicos, agentes para o Brasil no Rio Janeiro.
\ ende-se nesta praca em casa do nico agen-
te Joao Keller ra da Cruz n. 18, e para maior
commodidade dos compradores na ra da Ca-
deia em casa da V>uva Cardoso Ayres, ra No-
va Guerra Silva eCompanhia, Atierro da Boa-
vista, Salles e Chaves. i'2-i
Hap fino Vinagrinho.
Jernimo da Costa Guimares e Silva, deso-
jando elevar o rap de sua fabrica ao ultimo
grao de perleiyo mandou a Europa contrae-
lar com um perito fabricante a factura do rap
de sua labrica, o qual, logo depois de sua ebe-
gada esta cidade, apresentou o excediente rap
vinagrinho.
Este rap nao he preto be verdaderamente
cor de rap: tal he a sua preparaco, que urna
oitava d'este rap espalhada sobre um papel con-
serva por mullos dias a pouca humidade com que
he fabricado;accommodado a todas a? diflerentei
nalurezas elle faz o seu efleito sem que esti-
mule aos tomantes esem que estes soflrao a
repugnancia que costumo a sentir quando
vario para ditlerentes qualidades de rap ; as
boettas, e os dedos nao se sujo com este rap ;
o seu bom aroma, e todas as mais qualidades o
torno recommendavel aos apreciadores de urna
boa pitada: o papel de embrulbo he azul, e os
rtulos brancos. O proprictario.tendo em vis-
ta mais o crdito d'este rap, que os seus inte-
resses.tem resolvido mandar vendel-o as libras a
1400 ris, ea prego mais commodo de 5 libras
para cima : no deposito da ra da Cadeia do
Recife n. 50. (26
grande tmulo de verdura. A sepultura de
Ambrozio foi cavada no bosque de choupos ao
lado da de Manannaque elle proprio bavia abor-
to nessa trra. O rumor que fazia a perseveran-
te fabrica ombalou-lhe sempre o repouso Os
operarios que ella se encaminh&vo pela pon-
te, possando pelo carilindo queficava ao pedo en-
toldo das ruinas, paravo sempre em frente da
sua sepultura que os choupos Ibes indicavao ,
descobrio-se o faziao o signal da cruz ; donie-
nagem religiosa rendida urna distancia respei-
tosa e que einda recordava o amor de mistura
com o temor que os camponezos tinbo pelo seu
bemftitor. A vontade de Ambrozio nao bavia
permiltido que se Ihe levantasse o mais simples
monumento ; a relva e as urligas cobrio a
torra luncbre. Im criado fiel licou encarrega-
do de a guardar, e o lobo Volf se fez o seu mais
vigilante guarda desviando durante o dia os
passos que a podiao perturbar, e dormindo a
seus ps na tranquillidade da noute.
(Continuar-sc-hu.)
l
t


/
m
h
3Gaspar a Silva Froes, umbarca para o
Rio de Joneiro. dou escravos Lucas crilo, e
Dumio califa, perlencenesao Sr. Antonio
Amancio da Costa, que Ih'os remetloo de Mas -
tngana. (5
3D-se dinbeiro a premio sobre penhores
de euro ou prata em grandes e pequeas por-
coes ; quem percisar, annuncie para ser pro-
curado. (4
3=Precisa-se alugar alguns escravos de am-
bos os sexos,e seja de que idade forem, para car
regar: as pessoas que ostiverem queiro diri-
gir-se a ra Bella n 30. (4
2= Arrenda-sc ou compra-se um bom en-
genho sendo o esta provincia : quem o tiver
dirija-se a lexandre Pires de Mello no enge-
nbo CJueimadas Ireguezia de Una, ou no enge-
nho Pexixe freguezia de Porto-calvo ; a tratar
con o mesmo. (6
2=Roga-se aos Srs. Bento Francisco de
Farias Torres, proessor do primoiras lellras dos
Alogados, Antonio Joaquim Correa Gomes,
Joo Carlos Cavalcanti Albuquerque eoCapi-
to Pedro Ivo, ou quem suas vezes (i/.er, de
comparecerem na botica do Brandan, anego
ci de seus interesses. (7
3 DENTISTA.
J.W. Verwlen da firma de Verwlen e Ca-
rey, Dentistas tendo voltado a esta cidade ,
avisa aos seus amigos e aquelles que precisaren!
de seu servico que se acha na ra da Cruz n.
3 pnmeiro andar. (6
2 No armazem da ra do Trapiche Novo
n, 16 (urtarao oito pec,as de chita ; e roga-se
aos Srs. legistas, e ruis pessoas a quem as mes-
mas forem ollerecidas, queirao por obsequio
aprehendel-as, e dirigir-se ao mencionado ar-
mazem, que ierao generosamente gratificados^
2=Dosappareceo em 18 do correnle, de um
sitio em S. Jos do Manguinho urna caxorri-
nha ingle/a cor escura, ps, ruaos e fucinho
pardos, orelbas cortadas rabo curto e muito
esperta ; roga-se a quem delta souber, leve a
a ra da Cruz, do Kecife n. 2 que sera gene
rosamente remunerado. (7
Pela terceira e ultima vez avisa-se ao Sr.
Augusto Curios de Le nos Pacheco que, se no
praso de s das nao lor buscar a -Maula,que man-
do u concertar, ha tanto tempo.se a vender pa-
ra indemnisacao do mesmo concert.
A mulher de bons costumes, que se ofle-
rece par* servir a urna casa de pouca familia ,
ououtra qualquer que estiver nestas circums-
tancias, dirija-se a ra do Rangel n. G4.
A luga se o tercoiro andar do .-obrado n.
15 da ra da Cadeia de S. Antonio com mui-
to boa vista muito fresco, e tem ptimos com-
modos para grande familia ; a tratar no segun-
do andar do mesmo sobrado.
A padaria de urna s porta junto ao
sobrado na praca da S. Cruz foi agora re-
formada de bons trabajadores e da melhor
larinba, que ha no mercado pelo que fabrica
toda a qualidede de torrados, e excedente pao;
quem quizer experimentar he muito boa oc-
casiao de serem bem servidos. -
Jos Ployon tem a responder ao Sr. Marcel-
ino Jos Lopes, em raso de seu annuncio Jdo
Diario o. 282, que elle nao Ibe entregou a dita
flauta e por isso nao a pode considerar como
sua e que no caso de ler algum direito nella ,
deve-se entender com o Sr. Augusto Carlos de
Lemos Pacheco que foi quem a mandou con-
certar por 6? rs., que em pagando o concert ,
lhe ser entregue.
Tirou-se urna carta do Correio para Ma-
nuel Jos da Cunda ; quem for seu dono diri-
ja-se a ra do Cabug loja n. 5.
Precisa-se de dous mocos de 14 a 16 an-
uos chegados prximamente para caixeiros
de padaria ; na ra da Senzalla-velha n. 94.
Deseja-se fallar ao Sr. Jos Calasans da
Silva Fragoso a negocio de seu interesse ; na
ra do Hospicio n. 36.
O NAZARENO N. 72.
A pessoa, que estiver de posse do urna
carta vinda do Porto, na barca Tentadora ,
para Jos Francisco Das, querendo fazer o fa
vor de a entregar dirija-se a ra do Crespo
n.14.
Precisa-se de um rapaz para andar ven-
dendo pao com um preto ; na ra atraz da ma-
triz da Bc>a-vsta n. 22.
Tendo-se publicado um annuncio em que
Jernimo Scasso dit que o abaixo assignado
desisti da parte, que tem no sitio de Agoa-fria
e nao sendo isto verdade, antes pelo contrario,
ahando-seessa parte hypothecada o abaixo
assignado faz o presente annuncio para conhe-
cimeuto do publico. Francisco Chabrillac.
Aindaest para alugar a algum familia
capaz os segundo e terceiro andares do sobrado
n. 7, da ra da Crus ; a tratar no primeiro an-
dar do mesmo sobrado.
i Precisa-se de um caixeiro que tenha
pratica de venda de idade de 12 a 20 annos,
o dando fiador a sua conducta ; na ra do Li-
vramento venda n. 3. (4
1O abaixo assignado por especial lavor
pede ao Sr. Manoel Joaquim Antunes Correia ,
morador no engenho do Meio em trras da
Varzea e ao Sr. Simplicio, ou a seu mano,
que sejulga um destes senhores morar na So-
ldado que no caso de apparecer em suas casas
um preto, queja foi escravo dos ditos senhores;
de nome Joaquim de naco Mocambique, bai-
xo grosso do corpo em proporco da altura ,
cr fula nariz chato olhos pequeos nao
tem barba, bebe mu la ago'ardente, tem o apel-
lido de Jos ou Joaquim Padre, que assim o
ehamavo quando csteveem poder do dito Sr.
Manoel Joaquim Antunes Correia; este escra-
vo ugio no dia 28 de Novembro p. p. e levou
roupa branca e um chapeo de palha ; ultima-
mente foi comprado a Joao Fredirico de Abreo
Reg que negocia com escravos, morador na'
praca da Boa-vista ; consta que o mesmo escra-
vo tamhem foi do Sr. Dr. Clemente e de um
francez de nome Lutior; por quanto tendo o
abaixo assignado noticias que o dito escravo
anda pela Varzea a titulo de licenca de seu se-
nhor, lalvez para encobrir a sua fgida lem-
brou-se de fazer este annuncio, para que no
caso de apparecer em qualquer casa dos Srs. a
cima deomandarem pegar, ou dar parte ao
abaixo assignado que Ihes Mear surianamente
agradecido e muitissimo obrigado e quem o
levar a ra do Sebo n. 33, re. enera 50$ rs. de
gratificacSo. Jos Soares Pinto Correia. ^27
1 Aluga-se um sitio entre as duas pontes
da passasem da Magdalena com bom banho
no fundo e bastantes arvoredosde fruto ; na
ra da Praia n. 2.
IAluga-se um sobrado de um andar, que
representa pelo lado de detraz dous andares ,
fs-Tto na ra Augusta n. 3, comcommodos suf-
fleicntes para qualquer familia muito fresco
e com excellente vista para o mar tem quin-
tal e cacimba ; quem o pretender dirija-se u ra
do Rangel n. 3 a tratar com Fredirico Augus-
to de Lemos, que se dar por preco muito com
modo. (9
Alugao-se 3 casas terreas, com muito
bons eommodos para familia; sitas na ra Im-
perial ; a tratar na ra do Crespo n. 12. (3
1 Aluga-se um segundo andar e joto ,
com muitos bons eommodos ; na ra do Fa-
uodes ; a tratar na mesma ra n. 12 pri-
meiro andar. (4
1 Francisco Cordeiro Raposo faz publico ,
para'embarque bom pao e
qualquer encommenda destes gneros
breve possivel, e preco em corita.
Vendem-se sapatos de duas solas para
homernlTL^ rs. dito de urna sola a 1600 rs ,
sapatinbos ordinarios para meninos 120 rs. ,
sapatos da trra brancos e pretos para ho-
rneo) a 400 rs., borzeguins gaspeados para di-
tos a 6 e 7/ rs. sapatos de duraque do Lisboa,
para senhora, ditos de marroquim francez, bor-
dados dUos de marroquim. cordavo ede
aprompta-se muito linda he recolbida e tem varias habi-
o rnais lidades ; umescravacrioula.de 18 annos. ro-
se, engomma e cosinha : duas ditas de bonitas
guras boas cosinheiras e lavadeiras ; 4 eg_
cravos ptimos para todo o servico; rima ei-
crava com urna cria de dous mezes, e tem mui-
to bom Ivite dous moleques de 8 a 12 annos
ptimos para qualquer ofliiio ; na ra Direita
n. 3. (S
2Vendem-se queijos novos a 1/rs. vinho
da Figueira a 1760 rs. a caada e a garrafa a
dados anos ae marroquim, uuiuurau ouu .Buu..- .... _v...u, io,mj a
lustro, pretos e de cores, borzeguins gaspea- 240 rs. cha hisson a 1760 e 2240 rs. letria
dos para rapazes, bezerro de lustro a 3500 4# a 280 rs. talharim a 240 rs. tapioca a 80
rs. chapeos brancos de castor, ditos pretos de rs., cevadinha de Franca a 200 rs. caf em
massa, francezes, eoutras nanitas qualidades de grao a 140 rs. mauteiga ingleza a 640 rs. *
calcado tanto para bomem como para seobo- francesa a 600 r., bolaxinha americana a 200
ra ; na praca da Independencia n 33. ts. ; na venda da esquina da ra do Arago
Vende-se ctra para limas de clieiro de c- n. 43. (8
res a 1200 rs. a libra ; na ra do Rangal n. 52. 2 Vende-se um escaler, vindo proxima-
Vendem-se 4 pretas mocas, de boas Ogu- mente de Lisboa em o brigue S. Domingo,
ras engommao, cosinho e lavio ; urna dita que tem de comprido 40 palmos muito bem
recolhida de 16 annos, ptima mucama, urna construido velleiro de remos muito bem ap-
dita de 30 annos por 320^ rs ; urna negrinha de parelhados, com 4 vellas mastros, tolda, al-
ennos, muito linda, e cose bem ; 4 pretos mofadas de assento balaustres, ebumasseiras,
ptimos para o servico de campo ; um preto e as tuliteiras de bronze, com fatecha de ferro,
duas
cabras
na ra
pereito cosinheiro de um tudo
;bicho) com Albos e com muito leite
do Crespa n. 10, primeiro andar.
1Vende-se orna escrava de bonita figura ,
lavadeira; urna dita moca com habilidades, por
300/ rs. ; um moloque de 5 annos ; na praca
da Independencia loja o. 21 ,
II da manhla.
e multas bandeiras; a tratar com Manoel Gon-
calves Vianna, Capito do mesmo brigue, ou
com Mendes V Oliveira. g
2Vende-se urna lancha bem construida ,
nova e encavilbada de cobre ; a bordo da pola-
ca hespanhola Ardila ou no escriptorio de
das 9 horas as Joao Pinto de Lemos f Filho. (4
(5 2 Vende-se um preto serrador, ede boni-
Vende-se um lambique de cobre, de 10
caadas, por preco commodo ; no .-\tterro da
Boa-vista n. 66.
Vende-se um cavallo bom passeiro e
galopeador ; na ra Nova loja n. 16.
Vendem-se bocetas com muito bom doce
de caj secco de urna libra at 4 cada urna,
por preco commodo ; na ra do Sebo n. :S.
Vende-se urna canda de carreira, nova
por 70^ ; na ra da Praia de S. Rita estalei-
ro do Joaquim Jos dos Santos.
Vende-se urna casa torrea na ra Direita
dos Afogados n. 38, em chaos proprios, quin-
tal murado e cacimba ; a tratar na ra atraz
da matriz da Boa-vista n. 22.
Vendem-se duas escravas de naci de 24
annos engommao cosinho e lavao ; urna
dita crioula de 22 annos com as mesam ha-
bilidades ; duas ditas de naco de 18a 22 n-
imos, proprias para todo o servico de urna ca-
sa e mesmo para quitandeiras ; na ra das
Crmes n. 4|, segundo andar.
1Vende-seo repertorio das ordenacoes d
reino, em 2 volumes at o quinto livro ; apn-
dice das leis extravagantes, decretos e avisos,
emumvolume, tudoem muito bom estado,
e por preco commodo ; no caes da Alfandega ,
armasem n. 5. (6
1Vende-se um bote em muito bom estado,
pintado de novo proprio para passeio e pa-
ra ira sitios ; e urna lancha cora todos os ap-
parelhos e vellas em bom estado ; a tratar com
Francisco Tareult, no becco da Lingota n. 2.(5
1Vendem-se dous anneloes; um trnsela;
orna abotuadura de ouro para peito ; um reto-
gio de prata dourada i tudo por preco commo-
do ; na ra Nova n. 57. (k
1 Vende-se um par de brincos de ouro ,
por barato preco e garrafas com essencia de
aniz a 8/rs. ; quem pretender annuncie. (3
1Vende-se no grande deposito atraz do
theatro velho um completo sortimento de ta-
que tem justo e contratado com Vicente Ferrei- i boas de pinho da Suecia da melbor qualida-

Est a venda nos lugares do costume, c con-
tera varios artigos com as epigraphes segrales:
A diviso do Norte O Ministerio venceo as
eleices ? A candidatura do Sr. Thornaz Xa-
vier A ordem do dia n. i Facanhas do in-
* glez Greenffel Inda Iguarass Facanhas do
Sr. Seara no dia 16 Os pagamentos Os
exercicios lindos A guarda nacional em ser-
vico continuo Um excelcnta artigo do Guay-
an u e extractos da Sentinela da Monarchia ,
muito interessantos ; cada exemplar por ser de
folha e meia he 100 rs
Roga-se ao Sr. Jos Antonio Ramos, que
tem urnas msicas a entregar, para serem co-
piadas por ordem de Joaquim Bernardo de
Mendonca Professordeprimelras lettras e pia-
no em Macei annuncie a sua morada para
recebimento das ditas msicas.
Quem annunciou querer dar dinheiro a
premio sobre penhores de ouro, ou prata, que-
rendo dar sobre urna parte de urna casa terrea,
dirija-se a ra da Gloria n. 60.
Precisa-se de urna ama preta que saiba
cosinhar e comprar para o servir;" de duas
pessoas solteiras; na livraria da esquina da ra
do Collegio n. 20.
Manoel Joaquim Oliveira Guimares avi-
sa ao respeitavel publico que deixou de ser
caixeiro do Sr. Joo Luiz Vianna, desde o da
21 de Dezembro correte.
ra Fontes, a casa terrea da ra do Calabouco
n 6; quemsejulgar com direito a mesma ,
comparece por estes 3 dias. (5
1= Desappareceo o moieque Paulo de na-
va o Quicam de 17 annos sem barba ca-
nellas finas os dedos grandes dos ps abrem
um tanto para lira tem urna ferida ao p dos
dedos de um p procedida de urna queima-
dura cara larga nariz chato olhos peque-
nos e vermelbos cora na cabeca de carregar
taboleiro ; levou calcas brancas de brira e ca-
misa de algodao Uno he muito conhecido por
sempre andar vendendo doce de jaleia em co-
pos; quem o pegar, leve a seu senhor Antonio
Goncalves de Azevedo na ra da Praia arma-
sem de carne o. 19 que ser gratificado. (10
Compras
2 Comprao-seeffectivamente para fra da
provincia escravos de ambos os sexos, de
12 a 20 annos sendo de bunitas figuras pa-
o-so bem ; na ra da Cadeia de S. Antonio ,
sobrado de um andar de varanda de pao n. 20. 5
2 Compra-se urna preta de 16 a 20 annos,
sendo fadia por30#a 350/ rs. ; na ra de
S. Rita, venda esquina da ra do Nogoeira n. 1
Vendas.
FOLRTNHAS PARA 1845.
Vendem-se na praca da Independencia, li-
vraria ns. 6 e 8 ; na ra do Cabug, loja doSr.
Bandeira ; na ra da Cadeia do Recife loja n.
41; na ra da Madre de Devs venda da esqui-
na defronte da lgreja ; na Boa-vista botica
defronte da matriz ; em ulinda botica da ra
do Amparo e na vendado Sr. Domingos, nos
Quatro-cantos. (9
Na padaria n. 11, na travesea da Madre
de Dos, se vende caf muido em qualquer
porco assim como boa bolaxa para trra e
de que a este mercado tem vindo sendo pi-
nho branco e vermelho de 10 a 30 palmos de
comprido e de 9 a 14 pollegadas de largo ,
serrado por vapor sem n, proprio para um
lindo forro de sala, por ser muito alvo para obra
de envernisar ; assim como do que costuma vir
de costado costadinho assoalho, forro e pa-
ra lundosde barricas tudo por preco commo-
do a vista da por^ao e do comprador; a fal-
lar com Joaquim Lopes de Aloieida caixeiro
de Joo Matbeus. \-
IVendem-se saccas coro fa relio palo mdi-
co preco de 3600 rs., na ra da Senzella-velba
o. 138. (3
1Veode-se um sellim inglez em muito
bom uso e com todos os seus pertences; urna
manta de pelle de onca junto ou separado ;
na ra de S. Francisco defronte da cadeia, ar-
masem por baixo do sobrado a. 26. (5
1Vende-se urna preta crioula de 18 an-
nos engomma, cose e ensaboa, com um mu-
latinho de 8 mezes ao comprador se dir o
motivo da venda ; no Trapiche-novo. (4
IVende-se superior farinha de mandioca,
em saccas de alqueire da medida velha por
preco commodo ; no Trapiche novo. (i
i Vende-se, ou aluga-se urna canoa aber-
ta de carga de 900 tijolos ; no Trapiche novo.
1 Vendem-se ricas mantas de seda escoce-
sa e matizadas para senhora chapeos de se-
da e de veludo de formas as mais bonitas que
teem vindo luvas de pellica com guarnicoes e
sem ellas ditas de seda curtas e compridas
ditas de pellica pespootadas para bomem, len-
cos de seda escoceza para senhora toucas de
fil preto para dita botins de bezerro francez,
raprohohamburguez ricas perfumaras,
bengalas dec8nna chapeos do Chile ditos de
castor branco e preto de aba larga botins gas-
peados e um completo sortimento de sapatos
de todas as qualidadea para senhoras e meni-
nas ; na ra Nova, loja n. 6, de J. F. Mamede
de Alraeida. M3
2 Vende-se urna mulaliuba de i o annos ,
ta figura ; na ra da Cadeia de S. Antonio
11 19. ;3
2 Vende-se um relogio de ouro com sua
competente chave e correte tambem de ouro,
e he bom regulador, vende-se por necessidade;
na ra dos Quarteis n. 19. (4
2Veode-se urna casa de um aodar e soto ,
com 35 palmos de frente e 85 de fundo, em
chaos proprios, tem duas lojas e quintal mu-
rado com cacimba na ra da Guia quina do
becco do Bom Jess n. 9; tambem se hypothe-
ca ; a tratar com Leopoldo Jos da Costa Arau-
jo na ra da Moeda n. 7, que est autorisado
pelo dono para concluir qualquer das cou-
sas. (8
2Vende-se sal de Lisboa grosso e clar ,
a bordo dos brigues Gabriela e Helena, as amos-
tras esto nb armasem do Braguez, ao p do
arcoda ConceiQ.TO ; a tratar com Leopoldo Jo-
s da Costa Araujo. (5
2Vendem-se duas caixas ie tartaruga para
rap, couros miudos de diversas qualidades ,
barricas com sebo tudo chegado ltimamente
do Aracaty ; na roa da Cruz n. 26, venda de
S Araujo # Iranio. (5
2Vende-se urna escrava de naco de 23
annos sem vicios oem achaques com prin-
cipios de cosinha porSO^rs. ultimo pre-
co; no Atierro da Boa-vista padaria francesa
n. 60. (5
2 Vende-se lgica, methaphisica e elbica
por Adam pbisica e astronoma pelo mesmo,
contend) varios problemas e objecces curiosas,
curso de philosophia por Lugdunince lgica
e methaphisica por Genoense em porlugue,
ethica por Job, em portuguez, diccionario fran-
por Coostancio novo methodo por Antonio
Pereira tudo por preco commodo ; em Fra-
de-portas, ra do Pillar o. 74, segundo an-
dar. (10
2 Vende-so um tonelete que servio do
azeite, eest muito secco, proprio para ago'ar-
dente; quem o pretender annuncie. (3
2Vende-se potassa da Russia em barria
pequeos por preco commodo; na ra da Ca-
deia do Recife ioja n. 50 (3
3Vende-se em casa de Avrial IrmSos os
muitos celebres e admiraveis myslerios de Pa-
riz ntida impresso, traduzida em portuguez,
e publicada no Rio de Jaoeiro em casa de j'
Villeneuve & Companhia. (j
Escravos fgidos
No dia 10 do correte fugio do abaixo as-
signado urna escrava de nome Eufrasia de
nagio Cabund de 35 annos altura regular,
cheio do corpo peitos grandes e cahidos tem
um signal no rosto ao p do nariz e mais um
costura no cotovello do braco esquerdo ; queiu
a pegar, leve ao sitio do inspector de quartei-
ro na estrada de Joao Barros, aue ser ra-
tificado. Joo '\epomuceno- Ferreira de Mello.
1 Desappareoeo, oufoifurtado um mole-
quede nome Ignacio, crioulo de 10 aooos ,
muito fallante, magro e amarello por andar
doente, bem parecido andar empinado, bar-
riga grande psum tanto apalhetados tem
Taita de cabellos na fontes ; levou calcas de lis-
tras escuras camisa rouxo escuro e chapeo
do Chile, de beira estreita tudo velho des-
encammhou-se no dia 20 do correte ; quem o
pegar, leve a ra Nova, armasem de trastes
o. 07, que ser gratificado generosamente. (9
2 Anda nao appareceo o preto Antonio,
de uacaoCabinda, que fugio em Novembro p.
p. de \o annos estatura regular cheio do
corpo. bastante cabelludo ni pellos e com
alguns cabellos na cabeca ; quem o pegar, leve
a seus senhores Mesquita Dulra & C, na ra do
Brum, fundicoe caldeirana, quesera recom-
pensado o
>
PRhN TYP. U v. v UE KAKIA 1844


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3327UKJS_25QYUK INGEST_TIME 2013-04-12T22:19:37Z PACKAGE AA00011611_05254
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES