Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05253


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A n no de 1844.
Sexta Felra 20
O l)lB!0 p'jblica-se loaos o din que n.o forera (1011 Scadoe : o prago .la aaa.gua-.ura
kt d> tres Jai' rs. por quartel psgos adiintados. Os annuncioadoa aisignanlea sao insaridoe
(.'til, Ol (ios que n.u> foreaa ruo de X rus por linha. Al reclimieeidrem ier diri-
(ji.las Mi If-p-t ra das Cruiea n. 4 ou i praga da Independencia loja di litroan (i a 8
PARTIDA DOS COKUEIOS TERRESTRES.
GoilHHA,* l'aranya, segunda eextaa fciras.Rio Grande do Norte, chega a 8 e2 a par-
la 10c 24.Cabo, Serinhaem, RioFormoio, Macer, PortoCalro, Alagoaa: no i. = ,
11 21 dtoada raei. Garanhun Bonito a lUe 4 da cada raer. loi-riila a Flor-
as a i'3 28 dito. Cidada da Victoria, quintas feirat. Olinda todos oa diaa
DAS da semana.
16 Sag. m, Ananias, Araase Sftitasl. And. do J. de D. da 2. t.
17 Tarca a. fianhulameo Ral. aud.doJ. da ll.d.1.,
1S Quartai N. S. do O1. And do J. da D. da 3 t.
19 Quinta a Fausta. Aud do J. da I) da 2. w
JO Salta a. Domingos Aud. do J. de D. da 1. .
21 S.li. 4 a, Thornc
i Hora a. IIiiimii i,,.
srupaaaaaa..tu. -... -..''^''Taaaaaaanaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaganaaaaai
de Dezcmbro.
5*
Auno K. fl8.
Tu'o agora dapandi da n.,i ata loto.; da ansia pr-: odarago' a an rgia : wat
r.'',S tmurniua COsao paaoipaaai irtai apontadoi cora aiiioirai'jo anua al aqOaa rail
pi cullas. (Fro.-l.in.; .- ,la A>embl<-a Gafa! &U ""I.
' C4IIII05 Lli Caabioiaal>riLondra 5 i(j :5.| Our.-Moada da 0,400
ti*" a a Pars 180 re, por franco
'Ml^ii- Lisboa J* 1"" ,UU ,:' praraio
ioeda da cehre ao par.
g6 Idaaa da latra -la bou Gran 1 pOl ojo
a di ,0u
Prata--f atac6ea
Pesos culuramiiarea
a Dito, amicn!
renda
17 000 17,-0
l.Bo 17,i uy
>,40o y o
1,S0 i.yoi)
i,<;> i loo
l.40 l.KriO
i mi RHaMBB 11 :_".-.
phases da la no hez e dezembro.
Lu. obeia a 26 ai 2 horas e 44 .n. d. Luanor. \\ .. 9 b. e 4 .ir da tarda
Mtnguante a alj Oor.s g ca Urda [Cscenla 18 .. tf .. rd#.
Praor < Aq/e.
Priman albor* (lia 14 da larde. | Segundeas!, hora VS n.inuloada larde
1 "M-'_iiaS*:i-r*iV .
------------"-----------------------------------Z_J_J^-'-_------------!-----------------~-"" '-- ~.--..~..,. .r ....-aWrra.,Taiifr,.(.lr aun y, t-'-taMt|gfaBifJiaa>.- TJtaif .
DIARIO DE PERNAMBUC
*j3*vesiOAE9.MmLi'i:jr--!:-zu.
:-:-z. : '
BaVJt .
tfjnfln


vt-aiwaa
EXTERIOR
Recebamos,pelo brigue ConceifOo de Marta,
folhas de Lisboa que alcaneao a 10 do Novem-
bro p. p.
Continuava a gnzar-se de Iranquillidade em
todos os districtos do Reino de Portugal; eSS.
M.M. de perfeita saude, assim como ademis
familia real.
O anniversario natalicio de El-Re D. Fer-
nando foi celebrado com os festejos e pompa
do costume No dia '28 de Outubro vespera
do mesmo anniversario, foi lancado ao mar o
brigue de guerra Mondtgo ; a cuja ceremonia
assistirao SS M.\I. e AA. e un grande concur-
so depessoas de todas as classes.
Chegou a Lisboa l-'uad Efendi, Enviado da
sublime Porta Ottomana e foi recebido em
audiencia solemne por S. VI. a Rainha, a quem
dirigi em francez o discurso congratulatorio
do estylo.
0 Governo publicou a convenci concluida
entre a Franca e Portugal para a navegaeio
transatlntica de paquetes a vapor da marinha
franceza; e outros acL-s do admimstracSo or-
dinaria.
Na Cmara dos Pares approvou-se o parecer
da commissao cerca do uso que o Governo fez
dos poderes discricionarios e extraordinarios.
Na Cmara dos Deputados approvou-se o de-
creto absolutorio pelas medidas legislativas to
ruadas pelo Governo e tratava-se de outr.is as-
sumptos de menos considerado,
Continuavao a crear-se novos tributos. Ha-
via poucos dias que o Conde do Tojal tinba a-
presentado na Cmara dos Deputados urna pro-
pota de lei (que copiamos em lugar competen-
te) para os povos seren obrigados a pagar mais
5 por o/o (tnei'a decima) sobre a importancia to-
tal dascontribuices que j pagavo.
ACamar* dos Pares parece que tambem ap-
provou, no dia 13 de Novembro, um novo'im-
posto de tre/ ris porarratel de toda a carne que
se costuma cortar o vender no acougues. No
mesmo dia comecou a dos Deputados a discutir
um projecto do Sr. Jos Maria Grande sobro o
systema penitenciario.
Tratava-se das eleicoes municipaes as quaes
se dizia que o partido dominante empregava as
maiores violencias. ''
A imprensa franceza combate o tratamento
de commercio concluido entre a Blgica e a liga
das Alfandegas Alientas como prejudicial aos
interesses da Blgica. Tambem desapprova a
IFOIMITIMI.
o re. o
16.
PARTIR E MORRETt.
Dissemos que pelas sete horas da tarde, e
no mesmo momento em que Ricardo descubri
ti Hnciinhpciiln mu. si> aproximava da cabana,
acabava elle de tomar urna generosa e rpida
resoluco, e que sem deixar-se levar da admi-
rarao que Ihe deveria ter causado a presenca
do opulento viajor que atravessava a aldeia, di-
rigio-se immediatamente ao quarto da condes-
vi. Deste modo, durante a secna que teve lu-
gar na sala terrea, eis aqui o que se passava no
primeiro andar do panlieiro.
Ricardo franqueou com passo firme e segu-
ro os umbraes dessa porta, que at alli havia
sido sagrada p >r elle A'sua vista, Valentina
deo um grito de sorpreza, ergueo-se rpida-
mente da cadoira em que eslava sentada, e am-
bos se conservarlo por algum tempo immoveis.
Eslava ella negligentemente vestida com o
mesmo roupo de cambraia que Ricardo Ihe ti-
a visto na noute em que vagando no jardim
[reforma constitucional da Hespanha como ex-
tempornea : o proprio Journal des Debis nao
Ibe be favoravel.
Verificou-se no dia 28 de Outubro com a
maor solemnidade a abertura da nova bolsa,
ou Praga do Commercio d. Londres (oval Ex-
cbange).
Chegou h Londres o Sr. Visconde de Abran-
tes, encarregado pelo Governo Brasileiro de a-
j ustar um tratado de commercio com a liga das
Alandegia' allemas (o Zolvertim.)
As folhas de Hespanha rece-bidus em Lisboa
chegavSo a 9 de Novembro; e das ultimas no-
ticias (I alli transcrevemos n'outro lugar as
rnais notaveis. ------*
portug\L.
Proposta de lei.
Artigo 1. Todas as conlnbus publicas
serio addicionadas com cinco por cont da sua
importancia.
1. Exceptua-se :
1. A decima dos juros da divida fundada in-
terna.
2. A contribuidlo do papel sellado.
3. A do sello de verba.
4 A das estradas.
5. As das congruas dos Parochos.
2. Naose comprehendem debaixo da de-
nominadlo de contribuidles publicas para os
efleitos da presente lei :
1. O preco dos exclusivos do tabaco, sabo
o plvora.
2. Os portes de cartas e outros rendimentos
da repartico dos correios.
Art. 2. Os cinco por cento addicionaes de
que trata o artigo antecedente sero (aneados
em relaco a todo o actual anno econmico ,
quanto s contribuidles seguintes :
Decimas e impostos anoexos. -
Tercas dos concelhos.
Contribuidas dos concelhos para a univer-
sidadede Coimbra.
Art. 3. O Governo providenciar conveni-
entemente quanto arrecadar;8o dos cinco por
cento addicionaes das contribuidles que se a-
chao contratadas.
Art 4. Fica revogada toda a legislado em
contrario.
Secretaria d'Estado dos Negocios da Fazenda,
em 5 de Novembro de 1844. (7on do Tojal.
(A RevolucHo de Selembro. )
HESPANHA.
Copiamos do Morning Chronicle de 31 de
Outubro prximo o seguinte :
A hulla do Papa ebegou a Madrid no dia
10 do Outubro.
O Enviado por S. Santidade pedio inme-
diatamente urna audiencia i Rninha Chrisli-
na em a qual declarou, que, anlos de enlregur
a bulla que S. Santidade mandava exiga de
S. M. Maria Christina a renovaran e confirma-
gao das condieoes previamente estabelccidas pa-
ra o cazamento d* Rainha D. Izabel com o ilho
de O. Carlas. Estas condieOes foro com efiei-
to renovadas accedas e assignadas.
A bulla foi entregue no dia 12 eeml,3,
Madame Munhoz vio a sua cora de flor de
laranja benzida pel.i Patriarcha das Indias.
As condieoes do contrato entre a Rainha
Christina e S. Santidade sao as seguintes:
1.a A declaradlo legislativa decretada pelos
estamentos de 1834 durante a administradlo
de Martnez de la Rosa, ser revogada e o pri-
meiro artigo que destroe o direito de D. Car-
los e sua familia cora de Hespanha se de-
clarar nullo e de nenhum effeito.
2 Em virtude desle acto official se devol-
veris a D. Carlos e a D SebastiHo as propie-
dades que Ihes forao confiscadas, com todos os
rendimentos que tenho produzido.
3.* cazamento de D. Izabel 2.*como
filho de D. Carlos se celebrar tomando o Prin-
cipe o titulo de ISABEL E CARLOS.
4.* Se D. Carlos eleger residir lora de
Hespanha se Ibe garantir urna pensao igual
a que gosava Maria Chnslina como regente de
Hespanha, 8 saber=l2 milboes de reales de
velln.
5.a A naco hespanhola reconbecer todas as
despezas, emprestimos e ohngacoes contrahi-
das por O. Carlos, e seu governo em os dous
soberanos rivaes.
6.* Todos os ttulos, graos, empregos e
honras conferidas durante o mesmo periodo,se-
rio reconhecidos, e pessoa alguma ser perse-
guida ou privada dos empregos por suas opi
niocs polticas.
7.a Todos os equipamentos de guerra e
raiis objectos fornecidoss tropas quesuslent-
rao os direitos de D. Carlos, serio pagos pela
Tbesouraria Publica do mesmo modo que o
foiao os subministrados aos da Rainha Iza-
bol.
8.a A independencia da igreja cotholica
apostlica romana ser reconhecida. Os bens
de que foi despojado o clero sero restituidos ,
e se isto fr impralicavel, se restituirs os que
nao esli vendidos com urna renda de todo o
valor das propiedades de que se privou a igreja,
que segundo o calculo, importao em quatro
mil millioosdo realesde velln(160,000:000j
rs. da moda poitugueza )
borda do rio,e se recolhera depois a sua priso.
A condessa pareca ter deixadoa catbegoria que
gozava no mundodespojando-se das suas sedas,
rendas e ornatos do cabello ; o simples tecido
de linho que a envolva nao pertencia a classe
alguma ; era urna mulher sem plana designada
sobre a trra, e prestes a entrar naque-lia que
o amor a ronduzisse.
Osjacinthos que ella havia furtivamente co-
Ibido, Bsda que de todo mrchos, e debt-
dos estavio anda em um vaso ao lado d'ella.
Ao levantarse de repente havia a moca dei-
xado cali ir a seus ps alguns ramos de hervas do
matto, que tinha sobre as pernas; grande por-
cao destas mesillas plantas eslava tambem so-
bre urna meza que Ihe (cava ao p ; o creps-
culo da tarde que penetrava no quarto a travs
das vidra^as cobertas de folhas, lancava no in-
terior um reflexo esverdeado : Valentina er-
guendo-se assim esbelta, de urna alvura etherea,
com os ps sobre essas [llantas, rodeada de um
reflexo de venlura, pareca urna fada que pre-
para os seus encantos uu centro da campia so-
litaria.
Ricardo, grave e melanclico, mas perfei-
tamente tranquillo, tinha pintada as feices
essa tristeza altiva do homem que toma sobre
a pobre prsioneira havia sabido clandestina- si toda a desgraca, para della livrar os outros.
Senbora, disse ello, nao se oflenda de
me ver aqu, esobruludo nao crea que por
monte,para ircolherum ramalhetede acinthos
O Video Diario n. 28a.
promefsa que fiz de nunca os franquear antes
da hora da minha morte. Vou para sempre
deixar a minha aldeia, esta morada que me he
lio cara, onde esgolei a mesquinha existencia
que me tem sido dada sobre a Ierra, e esta par-
tida equivale bem a hora da minha morte, e
me permitte fozer o que fu sem quebrar o meu
juramento.
Valentina encarou-o perturbada.
Em poucos instantes, continuuu ee,
meu pai nao existir mais. Este acontecimento,
horrivel para mim, me deixa ao menos a lber-
dade do dis'por da sua sorte, minha sendera.
D'amanha em dante lera a sua liberdade ;
porque nio tenho mais coragem de continuar
lio cruel taiefa. Conduzi!-a-hio at a ear-
ruagem que farei postar na estrada de Versail-
les, e a senhora se recolhera ao palacio do so-
berano. Tudo o que ousaria pedir-lhe neste
ultimo momento, seria que deixasse a estj al-
deia a porto dos seus bens que foi embregada
em remontar a sua manufactura, para nao per-
turbar o repouso de meu pai no seu tmulo,
para nao transtornar em um instante essa pros-
peridade de um canto da trra que o digno pa-
triarcha desta aldeia tanto trabalho leve em
estahelecer : mas he sn a titulo de esmola que
Ihe pedirei este abandono de urna pequea par-
te da sua fortuna, deixando-lbe toda a liber-
dade de decidir por si mesmo esle ponto.
Madrid 7 de Novembro.
O Congresso dos Depuludos contina na dis-
cussao do projecto de r.'sposta ao discurso da
corda, lendo-seapprovado no dia 7 o paragra-
pho dcimo do mesmo projecto.
Pelo Ministerio da Guerra linha-se publica-
do variosdecrclo*, em virtude dos quaes forao
nomeados para Capillo General da Estremadu-
ra o Marechal Amor (cando exonerado da-
quella commissao o General I) Francisco San-
juanena, c para o mesmo cargo as provincias
Vascongadas o Marechal l). Jos Concha.
0 processo do General Prim foi annullado
pelo conselho de guerra, e mandado instaurar
de novo, em consequencia do que tornaran a
ficar incommunicaveis tanlo o mencionado Ge-
neral, como os oulros individuos involvidos na
mesma aecusacao.
A imprensa do Mairid dedica se especial-
mente a tratar do projecto de reforma consti-
tucional, e todos os jornaes publicao o parecer
que a commissio respectiva do Congresso apre-
sentou sobre o assumpto.
Contina-se a fallar sobre a sabida de Ingla-
terra do General Espartero, mas os peridicos
do Ministerio desmeriten) semelhante noticia.
Os jornaes respondencias das provincias,assegurio, que os
projectos de revolla, de que tanto tem fallado
o Governo nao teem sido mais do que um
prfido estratagema do partido dominante, para
perseguir os seus adversarios; e accrescentfio ,
que as armas encontradas em diflerentes pontos
da capital forao alli mandadas por pelas auto-
ridades, a fim de fazerem melbor acreditar nos
planos revolucionarios, que teem denunciado.
Causou bastante sensagio em Madrid a exe-
cuco, que leve lugar ltimamente em Barce-
lona; e o Castelhano jornal ministerial, la-
menta que o Bario de Meer dsse aquelle exem-
ple de crueldade intil.
9 de Novembro.
No dia 8 terminou no Congresso dos Depu-
lados a discussao do projecto de regposta ao
discurso da cora, que loi approvado.
No dia seguinte comecou o debate na gene-
ralidade do projecto da reforma constitucio-
nal.
A Rainha tinha dado no dia 7 um concert
no paco ao qual assistirao varias personagens
m
ullrapesur os umbraei daquea porta falte eu | O Sr. quer se ir embora disse Valenti-1 osso pensei anda.
na, que de quanlo Ihe dissera Ricardo, s isto
tinha ouvido.
One importa a minha sorte Em que
se deve cuidar he em restitur-lhe a sua feliz e
brilhante liberdade, e btnir da sua memoria a
lembranca desses mezes crueis, em que della
se achou violentamente privada.
Valentina, ao aspecto dessa liberdade que se
Ihe oflerecia, ideia dessa volta ao mundo,
que ella tanto havia desejado, nio mostrou a
menor alegra,o abalimenlo do rosto conservou-
se o mesmo e os olhos conlinuarao abexados
para a trra, exprimndo a mesma tristeza.
E porque quer Vmc. deixar estes luga-
res ? Perguntou ella voz lamentosa.
Depois da peda de meu pai... da perda
de quanto me tornava esta residencia ao
mesmo tempo dolorosa e chara,ser-uie-hia mui-
to horrivel morar aqui s
E que fara \ me. em outros lugares ?
Padeccrei como aqu ; mas os objectos
das minhas penas cstarao no meu pensamiento
me vez de os tersoh meus olhos : eis aqui toda
a di llore nra.
Para onde ir o Sr .'
-Se houvesse um clima onde os dias mais
rpidos fi/essem tambem mais curtos os annos,
e a vida mais depressa se passasse, eu o escolhe-
ria ; mas como o curso da existencia he em to-
da a parte mesmo, nao sei onde irei, nern

aaaaaaaaaaT


t
r
da corte, os mcmbros dos corpos legislativo ,
c do corpo diplomtico.
O parecer apresentado pela commissfto res-
pectiva do Congrcsso sobre a reorma constitu-
cional exigida pelo Ministerio era objecto de
grave polmica entre os jornaes de Madrid.
O processso de novo nstallado contra o Con-
de de Reus e oulros accusados progredia coin
presteza, e a imprensa da opposieao, analysan-
do as pecas, queservirio de base ao primeiro
procsso annullado, prova que oGeneralPrim
be victima de um trama atroz, urdido pelo par-
tido dominante, para se vingar dos seus ad-
versarios.
Dizia-se que o Coronel A Ibero t, delator do
General Prim, obtivera um despacbo com urna
commissao lucrativa para o Ultramar.
Tinba-se aberto em Madrid urna subscrip-
co entre o partido progresssta, para soccor-
rer todos os individuos necessilados, (|ue erao
victimas das ultimas perseguidles do Go-
verno.
Pelas noticias de Barcelona constava, que as
execucoes ainda nao estavao terminadas na-
quella cidade; porque no dia 4 do correte lo-
ra fusilado D. Antonio Sanjust poi si-nlenca do
conseibo de guerra, e accusado de cumplici-
dade na revolta, que o Governo di/, eslava pa-
ra estalar, naquelle ponto.
Com um semel'iiante pretexto foi publicado
1 no dia 5 um bando em Lrida declarando a-
quella cidade e a provincia cm estado de si-
tio.
as outras provincias adoptsvo as autorida-
des pouco mais ou menos medidas tao oppressi-
vas, e tyrannicas; e em quanto as cortes se oc-
cup&oem reformara redacco do prembulo ia
lei fundamental do reino, diz o Clamor Pu-
blico, a nac3o contina n'um estado excepcio-
nal, os carceresestao atulbados de infeli/es, o
sangue bespanhol corre nos patbulos innu-
meraveis victimas perecem assassinadas por si-
carios o pranto e o luto reino por toda a
parte, a miseria devora o povo oppritnido ; a
fraude, a delato e a mmoralidude eslao na
ordem do dia, e todos os horrores do urna dis-
soluc5o social acompnnhao a discssao da re-
forma do cdigo de 1837, e presagio a sorle,
que cabe nsc no dia em que se celebra -
lem seus funeraes. (dem.)
"^PNAruwT^
CORREIO DO RECIPE,
CORRESPONDENCIA DA CIDADE E PROVINCIA.
Em falta de noticias, que nu tenho boje
dar, porque ando com a cabeca por estes ares
sem saber como hei de aarranjar a minha des-
pensa para ir possar a festa, e nao querendo
deixaro respeitavel publico com agoa na bocea,
assenlo de mim para mim Ihe devo manifestar
o juizo que semp.e iz desle nosso pai/. Sim,
leitores pos, e leilores nao ptoi : eu sempre
estive convencido que este torraozinho, ou tor
raozao de Pernambuco fru destinado para nel-
le habitarem os grandes descubridores. Em
Pernambuco appareceo o inventor de serras
surdas para seriar amarras de navios e fa/el-os
vir a praia sem sentirem os que dentro estavao :
em Pernambuco appareceo o descodndoi da
quadraturu do circulo (logodous) e bem que
se oterecessem a demonstrar nao o quse-
ro ouvir, e fizerao muito bem os Inglezes:
em Pernambuco se dcscobrio, que cubanos no
erao mulberes; em Pernambuco, digamos de
mm
= Nao tem en tao Vmc. mais nenhum de-
ver a satisfazer ?
Amanha. quando meu pai bouver sido
por mim depositado na trra sagrada, s<> me
restar a consolar meu tio, o tanto pastor desta
Ireguezia. Depois, se a tanto me ajudarem as
forras, voltare aqu para viver com elle. Alm
destes dous velhos, ninguem mais conheceo o
pobre Rica i do.
Valentina estremeceo, os olhos se Ihe co-
briro de nevoa, c urna pallidez mais profunda
Ibe veio ao rosto.
Ricardo lancou entao os olhos para as plan-
tas agrestes espalbadas aos oes da rapariga. Seus
olhos acostumados ao estudo dos simples, de-
pressa reconbecero que algumas dessas bervas
quasi sectas, erao venenosas; distingui entre
ellas a cicuta, a herva moura, a sabina, ea
flor purpurea do digital, e a tal vista arripiou-
se de horror.
Estas bervas. disse elle, sSo venenosas !
Sei, respondeo ella com voz sumida ; sSo
plantas que crescem entre as pedras das ruinas
e dao a morte.
E para que estao ellas aqui :'... CJue,
quer a Sra. fazer dellas ?
Valentina respondeo com ahaixnr a cabeca,
urna vez, appareceo hontem o escuro o Ada-
mastor do Correio novo e descobrio. dcsco-
brio=a* contradieces do Correio velho = .
i)h homnm singular! Tu s digno de eter-
nas luminarias: tu tens direito a que te levan-
tem urna estatua de ges$o, ou outra cousa
mais mole, em alguma das nossas praias !
I'eu nomi> ficar gravado com letras de pos de
sapatos em duras laminas de Louro cag Tu
es., es... es da praia o Dung a.
Correspondencia.
Srs. Redactores.Se bem eu conheca odes-
prezo, para nao dizer a asea, que inspiro a to-
llos os homens rectos e respeitaveis asimputacoes
calumniosas, que contra os seus adversarios lan
efio de continuo os peridicos da praia ; toda-
va julgodo meu d ver a fim de prevenir fal-
sos jui/os ou dissipar duvidas prejudiciaes ao
meu crdito dizer duas palavras a cerca de al-
gumas allusoes tao prfidas como injuriosas,
que a meu r'speito lorao publicadas no D.-no-
vo de 17 do corrente mez. He completamente
falso he sobre modo infame, ludo quanto a-
quelle vehculo de diflamacao geral ouzou as-
soalbar no citado numero relativamente s cdu-
las falsas que um seu alliado, de mime Alecrim,
procurou ntroduzir nesta praca como be no-
torio : e para que melhor se conheca a perver-
sidade com que a folha a que alindo pro-
curou involver-me em tal negocio, tenho a de-
clarar que quando a visita da Alfandega chegou
a bordo do navio que transportou a esta cida-
de o passageiro Rento Jos da Silva Magalhaes ,
ja este demandava o porto no escaler da saude ,
e em companhia doSr. Antonio Jos Gomes,
empegado do Correio ; cujo testemunbo invo-
co nesta occasiao para prtr a salvo minha repu-
tadlo calumniosamente aggredida pela folha,
que combato.
Tenbo assim respondido a aecusacio infame,
que me foi feita em ponto do maior melindre ;
e se esta nao passa de mero ardil para justificar
a injusta demisso, queme foi dada pela mais
violenta dequantas administrares tem dirigido
o Brasil tenho somente a ponderar que im-
proficuo e at estupido me parece o estratage -
ma ; pois que certo nao pertenco ao numero
d'aqupllcs empregados que com escassos venc
mentos e sem patrimonio seu ou de seus paren-
tes bao podido accumular capitaes para levanta
rm predios ou compral-os. Sou dos Srs. Re-
dactores constante leitor.Manotl Jos Mar-
tins Ribeiro.
Londres; barca ingleza Loxeita, capiloJ. Pal-
csrg o mesma quetroucede
SiHncv
Ufanriegri.
Rendimiento do dia 19.........12:097*637
Descarregio hoje 20.
BarcaPernambucanamerendonas.
RrigueGdr/apedras de ladrilho.
RrigueConceicOo de Martamercadoria.
BarcaTentadoraidem.
Barca ingieraDyson carvao.
IMLI .11.11 II III | |B | ni W>
Movimento do Porto.
Navios sahiins no dia 19.
Rio de Janeiro ; brigue-escuna brasileiro Bo-
nito Poito capitSo Victorino Jos Rilte ,
carga varios gneros.
Ricardo inclinando-se para Ibe pegar na miio
que ella tinba descuidosamente cabida ao lado,
achou-se de joelhos ante ella ; abrio-lhe os de-
dos com urna especie de violencia, arrancou-lhe
a planta venenosa, arremecou-a para longe. e
erguendo para Valentina os olhos cheios de an-
gustia edepaixao, pedio-lhe com esta lingua-
gem muda e ardente, contas da sua dr.
Encarados assim, com asmaos unidas, Ibes
correo as veas o mesmo calor elctrico, todos
os graos da unio intima, todas as confidencias
mutuas, que illuminao a vida todos os la-
gos de sympatbia que se urdem devagar para
unir eternamente, todas as horas doce que
fortifico a doce intellgencia das almas, tudo
se passou e executou em aiguns instantes
Porque queras tu partir ? disse Valen-
tina.
Porque queras t morrer ? perguntou
Ricardo.
Porque eu te amava.
Estas ultimas palavras pronunciaro-nas el-
les ambos ao mesmo tempo.
Valentina quebrada por tantos abalos e emo-
cescahio sobre a cadeira ; ainda psllida en-
c stou a cabeca ardente da febre borda da me-
Edital.
A Cmara Municipal da cidade de Olinda t
seu tamo, emvtrtude da lei $c.
Faz saber, que em cumprimento do Impe-
rial aviso de 24 de Outubro do anno corrento,
o qual fez sciente esta Cmara o Exm. Sr.
Presidente da provincia; que a Serenissima
Princesa a Sra. D. Januaria, tendo obtido per
missio deS. M. O Imperador para ir a Europa
procurar restabelecer-se dos graves incommo-
dos. que ba soflridoem sua preciosa saude, de-
pois da grande molestia, de que foi acommet-
tida o anno paseado, e que tantos recelos cau-
sou a todos osBrasileiros, parti para aquelle
destino com o seu Augusto Esposo no sopradi-
lodia em a fragata franceza La Reine Blanche,
acompanhada pela crvela brasileira Sele de
Abril; e que ha as molhores esperangas de
que em menos de um 8nno sero os Mesmos Se-
renissimos Principes restituidos a corle do Im-
perio.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandou a Cmara publicar o presente nos luga-
res do costume. e pela imprensa. Paco da
Cmara Municipal da'cidade de Olinda, em 16
de Dezembro de 1844. Jos Joaquim de
Almeida Guedts, Presidente. Jotto Paulo
Ferreira. Secretario.
do corrento mezie principiarSoacontar o30d-
s uteis para s cobrene", horca do cofre, da
decima dos ditos predios do primeiro semestre do
corrente anno financeiro do 1844 a 1845; eos
que nao pagarem dentro do referioo praso, in-
correra na multa de 5 por cento do valor da de-
cima devida em conformidade do 1 artigo
21, capitulo 16 do regulamento de 16 de Abril
de 1842, mandado observar pela lei provincial
n. 130 de Maio deste anno. E para que che-
gue ao conhecimento de todos os interessados e
nao possao allegar ig norancia, .mandei alixar o
presente e publical-o pela impreosa. Recile 13
de eiembro de 1844. Jos Guedes Sal-
gueiro. (21
Avisos martimos.
Declaracors.
Peranle a Thesouraria da Fazenda da pro-
vincia, se ba de vender pelo maierpreco, que
se efferecer a quantia de rs 2:409*472, cm
moeda de prata
As pessoas, que se propozerem a licitar do-
verao comparecer 1 hora da tarde, boje 20 do
corrente mez, na sala das sessoes da dita The-
souraria. Secretaria da Thesouraria de Per-
nambuco 17 de Dezembro de 184.Joaquim
Francisco Bastos, Official Maior.
2Compra-se para o expediente da Mesa do
Consulado, papel almaco, azul e branco de 1 *
e2.*sorte, dito dehollanda grande e menor
para mappas pennas de secretaria lapes, ca
nivetes finos, tinta obreias. cadago de cores
e folhinhas para o anno de 1845. Os preten-
deres deverS comparecer com as suas amos-
tras nos das 19 e 20 do corrente as 10 horas
da manhfia na referida Mesa para ajustar-se;
preferindo-se a quem por menos vender. (10
O Arsenal de Guerra precisa comprar sola,
sapatos para soldados, botins para ditos de ca-
vallaria, luvas deeamursa para os ditos, eslei-
rs d'Angola ; quem tiver taes gneros de me-
lhor qualidade. queira mandar em caria fe-
chada os seus ltimos precos, e amostras no dia
23 do corrente mez ; assim como quem se qui-
zer encarregar de fazer bons de gorra para
soldados de cavallaria, ditos para a companhia
de Artifices, queira comparecer no indicado
dia no dito Arsenal as horas do expediente. Ar-
senal de Guerra 19 de Dezembro de 1844. No
impedimento do Escripturario
Jos Ricardo da Silta.
2=0 primeiro Escripturario,servindo de Es-
crivo e Administrador da Mesa de Rendas In-
ternas Provinciaes. ahaixo assignado, faz cons-
tar a todos os Senhores propietarios de predios
urbanos dos quatro bairros desta cidade, e da
povoacodos A logados que do dia primeiro
mostrando affliceao e n^nia piofundas. des-sa. ao p dessas flores muraban, desas hervas
animo e/adiga de vitar. venenosas, que ainda deitavao um chairo pe-
Llla tinba anda algumas vergonteas da cicu- netraote. Ricardo sempre prostrado ante ella
ta fechadas na mao. deMf- turrerem a, |8grjmas abrazadas pela
paixo, as quaes nesso momento erao a nica
linguagem que Iheconvinba.
O amor verdadeiro e grande, mesmo ventu-
roso, tem sempre o quer que seja de Irisl'-za,
como tudo quanto em si comporta as revelaces
do co. Esse xtasis profundo de duas almas
apaixonadas, unindo-se em eterno amor por
cima de urna cmara mortuaria, nao era um
sacrilegio. Ricardo poda conservar a imngem
de seu pai ante os olhos, poda ter delle as mais
vivas saudades,ao mesmo tempo que se exhalava
de amor aos ps de Valentina, porque hhi nada
havia dr profano, era um pra/er puro, extti-
co, como aquelle que o mesmo Ambrozio ira
em breve acbar na presenca de Daos.
Valentina, disse-lhc o seu amante, pro-
mette-me vollar vida, recobrar as las bellas
cores, o teu sorrizo, a serenidade dos leus
olhos.
Ella p>. a mao de Ricardo sebre o coracao.
Tu sentes, disse ella, que eu agora res-
piro livremente, que este coracio bate com
brandura, c que o sangue me circula as veas.
Que terrivel mal te havia atacado ?
Oh I bem terrivel e o ataque foi repen-
tino L'ma noute, ba ja muito tempo, creio
eu, porque desde entio que a minha memoria
nao conta mais os das ; foi la emhaixo, sob
essas arvpres, ensopadas da chuva. onde me eu
havia lancado quando me escapei de casa para
fugir da presenra do marquez deSavernv, que
2=Para o Maranhao atofim do corrente mez
sahir.a barca brasileira Ermelinda; quem qui-
zer carregar ou ir de passagem.diriji -se. a Fran-
cisco Severiano Rabello: o frete doassucar be a
200 ris a arroba. (5
2 Para o Ass segu prefixamen te no dia
28 do corronte mez, o brigue Sagital io e s
recebe carga ata o dia 23 ; trata-se na ra da
Moda armazem n. ll. (4
Leilao.
2Leilao. de urna porco de barricas com /a-
rinha ebegadas ltimamente de Liverpool, qo
se vendero pelo preco que se acbar boje 20
do corrente; no caes d'Alfandega as 11 ho-
ras da inanhaa. (5
Avisos diversos.
Jernimo Martinianno Figueira de Mello,
nao podendo despedir-se de todos os seusa-
migos, quando d'aqui parti para o Rio de Ja-
neiro pela brevidade da sua sabida por meio
d'estn o faz,oflerecendo-lhes o seu prestimo na-
quella Corle.
2=Engommao-se com todo o asseio possivel
e promptido por baralo preco, jaquetas do bo-
rne m com annil e sem elle a 80 rs.calca de dilo
a 80 rs. camisas com annil e sem elle a 40 rs.
camisas de Sr.J a 40 rs. vestidos com babados
a 240 rs. li/os sem babados a 160 rs. jaqueti-
nhas'de menino a 40 rs calcinhas de dito a 40 rs.
camizinhasde menino a 40 rs.: na ra do Co-
tuvellon. 18. (8
S0CIEDADE
PHIL-DRAMATICA
O 1. Secretario avisa aos Srs. socios que a
commisso administrativa se rene boje pelas
6 V 'oras da tarde para approvagao de convi-
dados.
= 0 Sr. Francisco Moureira, filhodejos
Moureira e Joaquina de Campos, queira vir
receber urna caria, vinda pela barca Tentado-
ra', na ra das Cruzes venda n 40.
= Precisa-se de um rapaz Portuguez de 12
a 18 annos de idade, que tenba pratica de ven-
da, dando fiador a sua conducta ; quem estiver
nestas circumstancias, dirija-se a ra do Livra-
menlo n. 3.
Constantino Jos Raposo embarca pan
o Rio de Janeiro o seu escravo de n< n.e JoSo ,
naco Angola.
na sua bebedeira repulsiva e feia me fazia sentir
tao grande horror por elle e pelos homens que
se Ihe assemelhao, que tu le echaste em minha
presenca, tu. tao puro, tao nobre, to bello !
Para melhor evitar um objecto de desgosto m de
odio, eu mecerrei contra o teu seo... e depois
nio vi nem ouvi mais nada. Quando desper-
tei, e rae achei s no meu quarto, tudo em
mim octava ,.nl.. .1 m i....... ,1 ......, nol'^
CSIBTB ...mu4\.u \j lugl uu D16U Uc.fcl-
quo o teu havia locado, ainda arda ; eu via a
tua imagem com urna lucidez, com que nunca
outro qualquer objecto se me apresen tara na
memoria ; as lagrimas que eu verta de conti-
nuo destes olhos linho urna docuia abraza-
dora, que eu nunca havia conhecido ; mil ve-
zes pronunciavao os meus labios o teu nome ;
e o meu coracao bata com violencia, ou se
suspenda de repente. De manha, quando
me ergui. vi-te de p. immovel, debaixo des-
se mesmo arvoredo, ende a noute eu havia des-
maiado em teus bracos; cahi de joelhos de-
fronte de ti, di?endo Ricardo, Ricardo, eu te
amo Estes momentos terriveil de perturbaco
sesuccediao de continuo : as noutes, passava-
as em vigilias a ver-te e a lallar-te assim ; to-
dos os (lins. quando te eu avislavano jardim, o
mesmo lastimoso grito e exhalava do meu
coracao : Ricardo, eu te amo Esta palavra
que a minha bocea pronunciava tao repelidas
vezes, afn que u minha vontade Iba dic-
tasse. excitin no men esoirito um pensa-


V
5
Si
O Sr. Antonio Joaquim da Silva Maya ,
queira dirigir-so a praca da i> )a-visu n. iu, pa -
ra recebar urna carta.
Tando o abaixo assignado annunciado por
este Diario n. 270 que a casa rrmia-agoa n.
1 sita na esquina do becco do Vintem na po-
voagao dos Aogados nao poda ser vendida
por pertencer ao abaixo assignado ; por este
declara o abaixo assignado, que a sua casa meia -
agoa, de que he proprietario nao be a de n. 1 ,
esim a de n. S que lica nos fundos di casa
grande que tem frente para a mesma povoa-
cao e por isso declara, que tica de nenlium ef-
feito o dito annuncio que o abaixo assignado,
menos informado da numerario mandou pu-
blicar Junoel de flmeida Lima.
Joaqun) Jos de Santa Anua Barros faz
cente ao respeitavul publico,quu deo este anno
por promptosa tres dos seus alumnos, os quaes
foro examinados, e sabirSo approvados, cujos
exames tivero lugar no dia 17 do correte ;
a ceremonia deste acto teve comeco as oilo Lo-
ras da manhaa, e terminou a urna hora da tar-
de, no meio do grandes applausos de todos da
aula; eis-aqui os nomes dos alumnos, quoob-
tiverao a approvacao : Ballhazar Jos dos liis
Jnior, approvado plenamente com preferen-
cia, JosLuiz Ferreira, approvado plenamen-
te, Antonio Joaquim Simes, approvado ple-
namente.
Pela segunda vara do Civel EscrivSo
Magalhes, se pora ein praca o escravo Joa-
quim, penhorado porexecucao de Joaquim
Martina Moureira, contra Francisco Ignacio de
Alhayde : faz-so este annuncio por assim de-
terminar o Juiz.
Precisa-se de um caixeiro de 12 a 14 an-
nos de idade dos chegados prximamente do
Porto; quem estiver nestas circumstancias di-
rija-se a ra do Rangel loja de cera n. 1.
1 = Em casa de Fernando de Lucca, ra do
Trapixe n. 34, tem superior vinho do Bordaux
em caixase quartolas, vinbo Madeira, Cberry,
Cognac, Champanhe, superiores queijos Par-
mesan, caixinhas com ameixus, passaseoutras
difieren tes fructas da Europa em conserva, cai-
xas de 100 charutos de regala c outros di-
versos gneros, que se vendem por preco com-
modo. (9
= Quem precisar de um oicial de bahu-
lero, ou para outra qualquer oceupaco, diri-
ja-se ra das Flores n. 28.
Alugao-se 4 canoas abortas sendo urna
de condusiragoa ; na ma doCaldeireiro n. 56.
Fazem-se podins pastis, pao de-l e
bolinbos de todas as qualidades, iuito bem fei
tos; na ra do Caldeireiro n. 56.
1D sedinheiro a juros com penhorps de
ouro, ou prata, mesmo em pequeas quantias;
na ra da Praia n. 22. (3
1Pede-seao Sr. Luiz Francisco de Arro-
xellas Freir, chegado no vap r Thtlit, que
declare sua residencia para ser procurado, a
negocio seu. (4
A pessoa que annunciou precisar de 2
contos de rs. a premio de um e meio p. c. ao
rnez, por um anno, sobre duas casas terreas ;
dirija-se a ra do Livramento n. 52.
1Nicolao Rodrigues da Cunha faz publico
por este annuncio, queSr. nenhum domnode
qualquer estabelecimento pnder vender gene-
ros a seus caixeiros, valendo-se deseunome,
pois nao pagar por nao oster autorisado, ex
cepto o seu genro Jos Pereira da Silva a quem
entregou a administracao de ludas as suas
casas. (8
O Sr. F. D. C. queira ter a bou I ido de
ir at ao fim do correle me resgatar os seus
penhores pois 20 me/es ji he muito lem-
po e apezar do seu valor, vendidos ellos, na >
dao para o principal ejuros; e prtalo, nao
indo tiral-os at o fim deste m z. so vendom
para pagamento do principal e juros, o dep >is
deste prazo nao icar co.n direito aos ditos
penhores.
= Aluga-se um sobrado na povoacao do
Monteiro com bastantes commodos ; quem o
pretender dirija-se ao armazem de vidros ao
lado da cadeia.
Na ra das Ciuco-pontas n. 160, preci-
sarse de um charuteiro perito.
1Precisa-se de um relinador forro, ou ca-
tivo ; na Solidado venda e refinacao da esquina
que volta para Belem : na mesma se precisa de
um caixeiro para venda. (4
1 Alugao-se duas casas terreas urna no
ha ir r o do S. Jos na ra do Alecrim n. 1 ; ou-
tra nos Quatro cantos da Boa -vista, e varias ca-
sas maiores u mais pequeas na campia e ra
da Casa -forte o estrada do Poqo proprias para
se passar a festa. ou animalmente ; trata se na
estrada do Cordeiro sitio de Nuno Mara de Sei-
xas ou no Reciferua do Amorim n. 15. (8
Quem qui/er sociar em urna sociedade ,
que j est bastante adianlada, a qual pude dar
bastante ntcresse;annuncie para ser procurado.
2 Agencia de paisa por le.
Na ra do Rangel, n. 34 tir8o-se passapor-
tes para dentro e fra do imperio, correm-so fo-
llias, e despachao-se escravos, tudo com bre-
vidade e por preco mais commodo que em outra
parte. (6
2 Aluga-se urna casa terrea com sotao na
ra da Concordia muito fresca, tembem se alu-
gao os baixos e altos em separado por haver in-
dependencia nos commodos: a tratar na ra
\ugusta n. 22. (5
3= Antonio Monteiro Pereira, assistente na
oshymnos coma mesma voz de un orgao de 22do corrente, pelas 9 horas da manhaa ha -
groja; as pesjoas, que quizorem, dinjlo-se ver reuniao da sociedade nacasa -'a mesma
para eleigao de alguns membros, que frao
tos para a nova direccao. a naaacceitar ao.elei-
- Urna pessoa que tem bastante pratica de Co-
mercio e da coutabilidade ommercial se of~
ferece para arranjar qualquer escripia | se-
guida, ou para organisar, e tumbem se incum-
be de tirar passaportes para dentro e fra do im-
perio ; na ra da Praia n. 33.
1 O Sr. Antonio Augusto Pereira de Bri-
to dirija-se a ra das Cru/es n. 42 a negocio
que nao ignora Uto no prazo de 3 da. f3
l=Desapp3receo em 18 do corrente, de um
no Atierro da Boa-vista n. 26 a fallar com o
Sr. Chaves, ou no sitio em Santo Amaro na
entrada da astrada do mesmo, que vai para Bu-
le n a fallar com o mencionado Tresse,
2 DENTISTA.
J. \V. Versvlon da lirma de Verwlen e Ca-
rey, Oculistas tendo voltado a esta cidado ,
visa aos seus amigos e aquellos que precisaron!
do s'3U servico que se acha na ra da Cruz n.
3 primeiro andar. .'6
. 2 Deseja-se fallar com os Srs. Francisco
Paes Brrelo, e Manoel Joaquim do Reg Bar-
reto a negocio de seus interesses, ou com seus
correspondenles ; em casa de Domingos Jos
Vieira na praca do Commercio n. 6. (5
.2 -D-se dinlioiro a premio sobre penhores
de uro ou prata em grandes e pequeas por-
ces ; quem percisar annuncie para ser pro-
curado. (4
2=Precisa-se alugar alguns escravos de am-
bos os sexos,c seja de que idade forem, para car
rogar: as pessoas que os tiverem queirao diri-
gir-sc a ra Bella n. 30 (4
1= Arronda-so ou compra-se um bom en-
gaito sendo n'estn provincia : quem o tiver
dirija-se a dlexandre Pires de Mello no enge-
nho Queimadas Ireguezia de Una, ou no enge-
nho Pexixe freguezia de Porto-calvo ; n tratar
com o mesmo. (6
l = Roga-se aos Srs. Bento Francisco de
Farias Torres, proessor de primeiras lettras dos
Aogados, Antonio Joaquim Correa Gomes ,
Joo Carlos Cavalcanti Albuquerque eoCapi-
tao Pedro Ivo, ou quem suas vezes fizer, de
comparecerem na botica do Brandao, a neg
ci de seus interesses. (7
Manoel Boarque de Macedo Lima em bar-
ca para Porto calvo, provincia das Alagoas, le-
vando comsigo seus escravos Bartolomeo, e Be-
nedicto crioulos.
__ Precisa-se de um trabalhador de masseira
e de um homem para vender pao com um pro-
, ;tiiiuuiu ifiuiiicnu ruiDiio, u^ii.uiaiu] na
ra do Livramento d'esta cidade. e recontemen- \ J? ""a"*** pessoas capazes ; na ra do
te chegado de Portugal, participa a todos os seus
freguezes. e amigos com quem tinha transac-
edes commerciacs, que vai continuar com o seu
estabelecimonto de fazendas, e que outro sim se
acha munido de procuraco bstanle de seus
pais ( legtimamente habilitados) para poder
receber o administrar tudo aquillo, que per-
lencia a seu irm8o Jos Monteiro Pereira ,
fallecido nesta cidade em 31 de Julho deste pre-
sente anno. (12
==J. B. C. Tresso avisa ao respeitavol pu-
blico, e principalmente aos Srs. Thesoureiros
e pessoas encarregadas de igrejas, que elle con-
tinua a fabricar orgao de todos os tamaitos
com clarim, cromorno, vor. humana e qual-
quer jogo, conformo as despezas, que se quei-
rao fazer; orgio fque sendo ouvdo no tem
apparecido aqu) a duas finas, a clavier e chave
de realejo, por falta de organista, ou por falta
de saber tocal-o, ento se toca com a chave,
como se fosse um realejo, obiendo a mesma voz
de um orgao de igrej contendo nos cilindros
a missa. os hymnos para todas as festase das
santos do anno, tudo reunido na mesma obra ;
orgos forte-pianos com voz humana para can-
tar a msica vocal (proprio para casa) ; realejo
com tambor e trombeta, para recreio de casas,
com quadrilbas para dancar, pantaln, ett ,
[ioiiI's, trenis-finales e valcas, outro dito de
todas as dimemoes para Igreja com a missa o
Pilar cm Fra de Portas n. 122.
Precisa-se de um pequeo chegado ago-
ra do Porto, para caixeiro de venda ; na ra
d'Agoas verdes venda n. 15-
= Precisa-se fallar com o Sr. Antonio Fer-
reira morador no engenbo Santa Roza, a ne-
gocio de inleresse para o que ter a bondade
dedirigir-se ao eaesd'Alfandega no armazem
do Sr. Bacellar.
= Offerece-se um rapaz Brasileiro de 14 an
nos de idade, para caixeiro de "loja de fazendas,
sale lr escrever e contar soflrivelmente e
tem boa conducta ; quem precisar, annuncio.
O Juiz da festa de Nossa Senhora da Con-
ceicao da povoacao de Bebiribe convida a todos
os devotos que tem concorrido como empre-
gados da mesa do prsenle, e dos pretritos an-
nos, para urna reuniao no consistorio da mes-
ma Igreja no dia 22 do corrente pelas 10
horas da manhaa, afim de se proceder a eleico
das pessoas, que para o anno hao de festejar a
mesma Senhora.
SOCIEDADE THEATRAL PH1LO-
THALIA.
O 1." Secretario avisa aos Srs. socios, que os
hilhetes para a recita do dia 21 do corrento ,
sero distribuidos nos dias 19, 20 21, na ra
doQueimado loja n. 67, at as 9 horas da ma-
nhaa. e das 2 da tarde em vante : o mesmo fa/
sciente aos referidos Srs. socios, que domingo,
monto extravagante : esse amor apaixonado ae
que eu nunca livera idei., e que nos meusce-
gos prejuizos eu no julgava possivel sentir
naturalmente por um homem de urna classe in-
ferior minha esse amor lomei-o eu por
urna loucura ; suppuz que a rasao se me havia
perturbado, e que desse modo se exhalava o
seu delirio. Pensei que este fatal pardieiro ,
sendo em outro tempo habitado por mgicos ,
havia conservado ne ar que nello girava al-
guns uos seus venenos, e que tul/. ruQ no
obscuras cavidades destas ruinas alguns dos es-
piritos malficos que abi em outro tempo ha-
vio sido evocados esses genios da morte que
soprao as treras, tomavao o infernal prazer de
me voltarem o juizo. Oh tao grande foi en-
to o terror que experimentei, que quasi venbo
a soflTrer na realidaJe o mal de que me julgava
atacada. Eu orava, cborava, espargia agoa ben-
ta por toda a parte implorava os Anjos a
Dos.. Mas Dos e os Anjos que sabio que o
que eu senta era amor, nao queriao curar-me.
Eu s sabia noute ra ao jardim, inclinava-
m; sobro o muro para ver a luz das estrellas as
flores que tu havias plantado para mim, eque
eu as havia desprezado. Emlim urna noute
fese momento terminou minhas horriveis
Ibe um beijo respirei o leu perfume ; trouce-'
o para aqu, e dorm sob suas doces emenaedes.
nesta athmosphera por elle purificada e da
qual elle expeda os tristes fantasmas. Foi a
primeira noute que repousei em paz depois de
tanto padecer. 0 Ricardo o perfume destas
flores, que tu havias plantado era a alma ce-
leste, a luz, a rasao, que havio voltado a mim.
Conbeci en tao a verdade... conheci que eu ha-
via estado douda, com efleito, mas que o lem-
po Ua miiiia (iomen;i.i era aquene, em que su-
geita s idias communs.procuravaa ventura nos
festins, nos prazeres do mornonto na graca do
re no casamento de fortuna com um ente
fri e vao como eu. Conheci que amar-te ,
Ricardo a ti sao superior a todos os homens
que eu tinha visto tao grande nm tua modesta
condico, to helio a contemplar no fundo d'al-
ma era pelo contrario o maior e melbor uso
qne eu podia fazer da minha rasao e do ineu co-
raco.
O' Valentina !
Mas a minba desventura s fez mudar de
natureza. Pensei que tu tendo tao profunda
aversao alta jerarchia em que eu nasci es-
sa nobreza a que eu pertencia poderias nao
querer perdoar-me a minha origem ; que na*
B
luses) ao chegar ao p da barreira que me se- devia esperar de ti nem perdi nem amor. Re-
parava das plantacoesdos jacinthos vi que se cordava-me dessas expresses picantes com que
haviao esquecido de fechar a grade do portao. e tratavas a casta fidalga ouvia-as anda resoar
que eu poda chegar essas flores. Sahi, des- ; nos meus ouvidos e seus speros accentos me
ca nbanceira colhi o meu ramalbete dei- j atravessavo o coracao de um fro mortal. Eu-
tao lembrei-me de Mara, dessa rapariga que t
fiavia amado tanto at amorte ; pensava qu
quaado ella assim se desapegara da trra e do
Co procurando s acbar a vida no leu coracao,
a nao havia obtido eu devia necessariamente
suecumbir como aconteci essa infeliz me-
nina.
Pelo amor de Dos, Valentina! nao pro-
sigas que muito me fazes padecer. .
Deixa-me que te falle anda desse ultimo
momento de desespeayo porque, cm o vs,
foi elle quem nos trouce a salvacao de ambos.
Eu via incessantemente a sombra de Mara, aon-
versava com ella e ella desejava irunir-me.
Tambem me recordava das scenas de espanto ,
de que estas ruinas deviao ter sido testemunhas,
mas com sentimnntos muito diflerentes. Oui
zera que os demonios que as baviao habitado ,
abi tivessem deixado algumas migas dos seus
festins de morte ; procurava os maleficios es-
tampados sobre estas paredes ; pedia mortferos
venenos s agrestes campias que as rodeao; a-
juizava que estas deviao ter sido semead&s dal-
les por sen antigoa possuidores ; pensava que
sob os leus passos, Ricardo, debaixo dos ps do
bomem que eu adorava, e que nao podia amar-
me deviao nascer para mim plantas veneno-
sas ... Mal se fechava a noute sabia eu a
procurar as fondas das paredes ao pedos ro-
chedos, nos antros formados pelo entulho, her-
vas de sueco mortfero. Em fim honlem nou-
te ao pe. da torre cabida, curvando-uie para a
sitio em S. Jos do Manguinbo urna caxorri-
nha ngleza cor escura, ps, maos e ucinho
pardos, orelhas cortadas, rabo curto o muito
esperta ; rogase a quem della souber, leve-a
a ra da Cruz do Recife n. 2 que ser gene
rosamente remunerado. (7
Aluga-se por prego commodo a casa sita
no Poco da Pauella. muito fresca e com bas
lantes coiiimodos, pelo lempo da festa ou por
anno; a tratar com seu proprietario Joao Igna-
cio do Reg na ra do Livramento n. 2.
Perdeo-se da ponte do Recife at a pateo
da Matriz de S. Antonio, urna charuteira de
flandres, envernisada de azul, tendo em um
dos lados as lettras iniciaos P. F. C. O com
54* rs, em redulas, das quaes urna era de 20*
rs., seis de 5rs. e 2 de'a* rs. : quem a char,
tenha a bondade de leval-a a casa do Sr. Mes-
quita j Dutra, ou Gamboa do Carmo, casa
n. 6# que em qualquer das duas partes recebe
r 208000 do gratiffeaelo.
Tendo sido na noute do dia 18 para 19
do corrente mez arrombado o armazem siio no
largo do Palacio por baixo do convento dos re-
ligiosos Franciscanos perlencente ao abaixo
assignado, morador na ra das < i u/es n. 30, e
delle routiadas 16barricas com familia de trigo
de marca surperfina,c lina,assim como urnas pou-
cas de saccas com farinha do mandioca ; roga u
qualquer pessoa que llie fur eflorecido de ap-
prehender dito roubo, e a pessoa que oflerecer,
assim cmoda 1 ()(!.> rs.a quem denunciar onde
existe. J. /'. Faria.
1 Traspassa-se as cliavesde urna casa em
Santa Anua de dentro para passar a festa e
mesmo por todo o anno, e porpreQo commodo,
dirija- se a esta Typographia. (4
Ai'ugo-se um sitio entre as duas pontes
da Passagem da Madagnela com bom banho no
fundo e bastantes arvoredos do hons fructas :
a tratar na ra da Praia, armazem n. 2.
Jaco Nekel faz ver ao respeitavel publi-
co e a todos a quem nteressar o prrsente, que
nunca leve sociedade com Manoel Panasco de
Sousa Brito, como se v da compra da casa: s
sim, que Ibe dava um terco nos gauhos, e que
despedindo-o por seus bons feitos, o dito Pa-
nasco Iho ficou devendo 38*800 rs. (7
Francisco Cordeiro Raposo faz publico,
que tem justo e contratado com Vicente Fer-
reira Fontes a casa da ra do Calabouco, n. 6 :
quem se juigarcom direito mesma compareea
por estes tres dias.
1 No armazem da ra do Trapicho Nov
n, 16, furtarao oilo pegas de chita ; e roga-se
aos Srs. logistas. e mais pessoas a quem as mes-
illas forem olerecidas, queiro por obsequio
aprebendel-as, e dirigir-se ao mencionado ar-
mazem, que serao generosamente gratificados(6
relva coberta de cauca, e tostada pelo sol, des-
corr a c'.cula. a dedaleira, e todas estas bervas
que aqui vs, e trouce-as para casa.... E pa-
ra ellas oihava cheia de esperance quando en-
traste.
Lm tremor geralque abalou lodos os ervos
de Ricardo interrompeo estas doces e crueis
confidencias de Valentina.
Seu amanto embriagado de tanta ventura
inesperada s pode dizer-lhe sempre de joelhos
ante ella ..;. profundo anobo :
\ alnima, eu le amo desde que respiro,
sem comtudo poder dar um nomo mulber ide-
al que vivia no meu pensamenlo e sem me a-
trevor a reconhecel em ti, depois que a ven-
tura me fez encontrar-te. O amor com seu
brbaro poder na desesperacao do solamente s
me induzia a tristes pensamentos e me levava a
esse aniquilamento em que cae a alma fatigada
deaspiracoes inuleis e vaas. Hoje me ha de
elle conduzir aonde for preciso para que sea
eu digno de ti ; hei de ter a coragem e a (brea
para desempenhar loda as emprezas quer de-
pendentes do braco quer do pensamento que
me collocaro na plana a que tu me ordena-
res que eu chegue e que poderao tornar-
me tao grande quanto seja neeessario para que
o mundo le perdoo llaveros amado na sua obs-
curidad o pobre Ricardo .. O' meu pai, por
que nao hasde tu ver esse dia !
(Continuar-te-ka. i
1


r
4
2-=Gapar da Silva Froes, embarca para o
Rio de Joneiro. dous escravos Lucas crilo, e
Damio cubra, pertencentesao Sr. Antonio
Amando da Costa, que Ib os rcmettc o de Mas-
sangana. I (g
3= Precisa-sede 2:000,000 a uros, a um
e meio por cento, por lempo de um anno, sobre
doas casas terreas livres e desembaracadas; quem
estiver nestas circumstancias annuncie. (4
2 Roga-se ao Sr. Jos Antonio Borges, o
favor de annunciar a sua morada, ou dirijir-se
a ra do Livramento n. 6 primeiro andar que
te Ihe deseja fallar. (4
2 Precisa-so de urna amasecca, moca pa-
ra casa de um homem com tres filhos; cuja leja
de capacidade e ;elo ; preferindo-se parda ou
branca ; quem estiver nestas circumstancias
dirija-ie a ra doColuvello n. 31, que achara
com quem tratar. (6
2Oflerece-se um sacerdote para dizsr as
Missas de festa, e por mais algum tempo :
quem precisar dirija-se a loja de livros de Lo-
pes & Coutiuho, ra do Collegio n. 20. (4
2AlugaO-se urna escrava, que sabe com-
prar, e cosinhar o diario de urna casa, ensaboa
c engomma liso, pelo preco de IOjOUO rs.
mensaes : quem a pretender dirija-se a ra de
S. Tbereza n. 25. (5
2 Avisu-se ao Sr. thesoureiro da lotera
do Theatro publico, que se desencaminbou o
meio bilhetc n. 2701 cujo so acha assignado
por Joao Collassio Das, o qual sendo apresen -
tado pede-se o favor (sendo que saia premiado)
de o nao pagar se nao ao mesmo que so acha as-
signado no mesmo. (7
2 Aluga-se as lojas do sobrado da. ra Ve-
Iha n. 127 esquina da praca da Santa Cruz,
propria para arma/em, venda, ou outra qual-
quer estabelecimento : a tratar no sobrado do
mesmo numero. (5
3 A Senliora D. Mara Theodora do Sacra-
mento queira mandar na ra do Cadeia-velha
luja o. 2o* na esquina do boceo largo rece-
bar urnas cncommondas vindas da llha deS
Miguel. (5
3= Desappareceo o moleque Paulo de na-
cao Quicama do 17 annos sem barba ra-
/ellas linas os dedos grandes dos ps abrem
um tanto para fura tem urna ferida ao p dos
dedos de um p procedida de una queima-
dura cara larga nariz chato ollios peque-
nos e vermelhos cora na caneca de carregar
taboleiro ; levou calcas brancas de brim e ca-
misa de algodao fino he muito conhecido por
sempre andar vendendo doce [de jaleia em co-
pos; quem o pegar, leve a seu senhor Antonio
Goncalves de Azevedo na ra da Praia arma-
sem de carne n. ti), que ser gratificado. (ID
Aluga-se o sobrado de dous andaros na
ra do Fagundes n. 25 ; o terceiro andar do
obrado do Atterro da Boa-vista n. 34 ; a loja
do sobrado dos Quatro-cantos n. 1 ; e a casa
terrea no mesmo lugar n. 5 ; a tratar com Ma-
nuel Caetano Soarcs Carneiro Monteiro.
Compras
1 Compro-seefectivamente para (ora da
provincia escravos do ambos os sexos de
12 a 20 annos sendo de bonitas figuras pa-
go-se bem ; na ra da Cadeia de S. Antonio ,
sobrado de um andar de varanda de pao n. 20. 5
Compra-so um sellim em meio uso, quem
tiver annuncie.
Compra-se urna preta de 16 a 20 annos,
sendo radia por 300^ a 350/ rs. ; na ra de
S. Rita, venda esquina da ra do .Xogueira n. 1
Compra-se um pardo de 10 a 18 annos,
sem defeito e robusto ; em casa de Thomaz Jo-
s da Silva Gusino Jnior, na ra da Penha
n. \.
Vendas.
FOLHINHAS PARA 1845.
Vendem-se na praca da Independencia, li-
brarla ns. fi e 8 ; na ra do Cabug, loja doSr.
Bandeira ; na ra da Cadeia do Recfe loja n.
41; na ra da Madre de l)es>s venda da esqui-
na dfronte da Igreja ; na Boa-vista botica
defronte da matriz ; em olinda botica da ra
do Amparo e na vendado Sr. Domingos, nos
Quatro-cantos. (9
2 Vendem-se todos os utencilios e mais
materiaes da ollicina de ferrarla na rui do
Brum n. 7, tambem se cede a chave da mesina ,
para igual estabelecimento, ou'para outro qual-
quer ; na ra da Cadeia do Recile n. 51 pri-
meiro andar. (6
2 Vende-se um cordao de ouro de lei, com
o peso de 54 oitavas, outro dito com 13, e um
transelim com nove; na ra larga do Rosario
n. 52. (4
2 Vende-se o superior vinho de Champa -
nbe das bem conhecidas marcas de July e Pitiat;
em casa de Avriai irmaos, na ra da Cruz n. 20
2Vende-se em casa de Avriai Irmaos os
mu tos celebres e admiraveis mysterios de Pa-
riz nitida impresso, traduzida em poituguez,
e publicada no Rio de Janeiro em casa de J.
Villeneuve ex Coropanhia. (5
2Vendem-se 3 escravos de naco Costa, sen-
do urna prota um dosinbeiro eo outro bom
trabalhador de enchapa sabe bem tratar de
um sitio entende muito do servico de gado ,
e he bom tirador de leite; na ra estroita do Ro-
sarlo n. 34, primeiro andar. (6
2 Vende-su um sellim com cabecadas para
menino montar em carneiro e por proco com-
modo de 10/ rs. ; na ra do Collegio, botica
n. 10. ;4
2 Vende-se a propriodade denominada
Tabocas, sita na Agoa-brauca de N. S. do
O' de Goianna com meia legoa quadrada ,
duas vertentes de excellente agoa de beber, um
assude, quasi todo o terreno he coberto de mat-
(i virgem muito boa casa bastantes (rutei-
ras o com capacidade para se levantar enge-
nho ; a tratar na mesma propriodade. (8
2 Em casa de Domingos Jos Vieira na
praca do Commercio n. 6, continua-se a vender
o precioso vinho do Porto de 24 annos em
caixotes do duas duzias de garrafas. (4
2 Vende-se um jogo de bancas de Jacaran-
da a moderna ; na ra do Collegio o. 8. (2
2Vende-so urna negri/iha crioula de 12 an-
nos e de bonita figura; na ra da Praia n. 66.
2 Vende-se superior carne do serto ; na
praca do Commercio n. 4, armasem de J. F.
Carvalho. (3
2Vende-se um moleque crioulo de boni-
ta figura para (orada provincia ; na ra da
Cadoia-velha loja n. 24. (3
2 Vende-se o deposito de assucar, e arma-
cao de venda que existe na ra larga do Ro-
sario n 38; a tratar no mesmo deposito. (3
2 Vendem-se 12 paos de sedro de 60 pal-
mos de comprido e nove de circunferencia ,
proprios para embono de hiate ; na ra da
Madre de Dos prensa de algodao n. 4. (4
2 Vende-se um fardo de fenno muito bom,
vindo do Rio de Janeiro para sustento do ca-
vados ; na ra da Cruz n. 26 primeiro an-
dar. (4
2 Vende-se um excellente e mui lindo car-
rinho de 4 rudas, quasi novo com assento
para 4 pessoas para um, ou dous cavallos ;
na cocheira do Seget, no Atterro da Boa-vis-
ta. (6
2 No Atterro da Boa-vista loja de miu-
dezas n. 54 vende se o excellente rap Impe-
rial do Rio de Janeiro, o qual parece muito com
o de Lisboa em core aroma e lio fabricado
com a maior perleico possivel o seu preco
he de dous mil rs. a libra ; assim como rap
aroia prota de Meuron Companhia lodos
chegados ltimamente do Rio Janeiro ; e espe-
ra que seus frogoeses vo confirmar-so da v< r-
dade ; tambem vendem-se fitas lavradas de to-
das as qualidades e de bonitos gostos bicos e
rendas de linho fino superiores navalbas de
barba e mais miudesas por preco comino-
do. (il
Vendem-se sapatos de duas solas para
homem a -2 rs., dito de urna sola a 1600 rs ,
sapatinhos ordinarios para meninos a 120 rs. ,
sapatos da trra brancos e prelos para ho-
mem a 400 rs., borzeguins gaspeados para di-
tos a 6 e 7/ rs. sapatos de duraque de Lisboa,
para senhora, ditos de marroquim rancez, bor-
dados ditos de marroquim, cordavo ede
lustro, pretos e de cores borzeguins gaspea-
dos para rapazes, bezerro de lustro a 3500 e 4#
rs. chapeos brancos de castor, ditos pretos da
massa, francezes, eoulras muitasqualidades de
calcado tanto para homem como para senho-
ra ; na pr^ea da Independencia n 33.
Vende-se umcavallo ru andares e por preco com modo ; na ra dos
Marlyrios n. 1.
Vende-se urna caixa de prata de lei, com
pouco uso para rap, por preco muito em
conta ; na ra larga do Rosario loja de miu-
dezas n. 3o.
Contina-se a vender cerveja ngleza ,
branca e preta, e Champanbe, tudo de superior
qualidade por preco commodo ; no Forte-do-
Mattus ra do Amorim n. 35
Vende-se um palauquim ja usado, muito
seguro e de bom gosto : cu ra da Senzalla-ve-
1.a n. 78.
Vende-se um sitio bastante grande com
bastantes arvoredos de fruto de diversas quali-
dades com plantacoes de mandioca o macu-
cheiras capim de planta casa de vivenda ,
excellente agoa de beber pasto annualmenle
para 4 a 6 vaccas de leite e muitas plantacoes
novas como sejo; larangeiras, romeiras li-
rnoeiros, pinheirasc bananeiras ; a tratar na
estrada do Arraial delronte do sitio da viuva
Burgos,
Vende-se urna escrava jnocs de nacao ,
de elegante figura sem vicios nem achaques,
engomma, cosinha cose, he lavadeira e mul-
to boa qutunden a ; na ribeira venda o. 1.
Vendem-se queijos de pinba de superior
qualidade e muito frescaes ; na ra larga do
Rosario venda da esquina, por baixo do so-
brado de 3 andares n. 39.
Vende-se macarrao superior a 160 rs. ,
cerveja branca bocea de prata a 4800 rs. a du-
zia e em garrafa a 400 rs. geropia a 320 rs.
a garrafa vinho do Porto a 480 rs e todos
os mais gneros ; na ra do Rosario venda da
esquina que vira para o quartel de polica u. 21
Vende-se urnajeama nova, por preco com-
modo ; na ruado Horlas confronte ao neceo
do Pocinho tonda de marcineiro.
Vende-se fejo mulatinho a 1 rs. a sacca,
arroz pilado a 120o rs. a arroba fumo em o-
Iha de piiuieira qualidade; no armasem de An-
tonio Teixeira Bacelar no caes da Alfandega ,
e na travessa da Madre de Dos n. 5.
Vende-se urna esorava de nadu de
23 annos com principios de cosinha, por 3S0^
rs. ; no Atterro da Boa-vista loja n. 48.
Vendem-se vas do serto, muito frescaes;
na ruado Queimado loja deferragens n. 10.
Vende-se urna opa de casimira, por pre-
co commodo ; na ra da matriz da Boa-vista
n. 33 segundo andar.
Vende-se um boi novo e manco proprio
para carrosa ; na ra Nova n. 33.
Vende-se um completo sortimenlo de sapa -
tos da ultima moda de Lisboa sendo de dura-
que preto de crese brancos, com fitas e for-
rados do pellica ditos de couro de lustro para
homem, senhorase meninos botins e sapatos
de bezerro para meninos botins e bules de
couro de lustro para homem e meninos bo-
tins de duraque com ponta de couro de lustro
para meninos e mtninas, rap de Lisboa es-
senca da formosura ou oleo da China pos
carminados para os dentes ; na ra da Cadeia,
loja do Bourgard n. 15.
Vende-se um sellim inglez, em muito bom
uso, e com todos os seus pertences, urna man-
ta de pello de onca para o mesmo ; na ra de
S.Francisco, defronte da cadeia, armasem n.
26, por baixo da casa de 3 andaras.
Vende-se um relogio de ouro, com corren-
te e chave ; na ra estrella do Rosario o. 35.
Vende-se superior bezerro do lustro ben-
galas de canna de superior qualidade e outras
muitas miudesas e calcado ; na ra do Quei-
mado, loja de miudesas n 67.
Vende-se urna venda nova com os fundos
que pretenderem a dinheiro ou a praso; as
Cinco-pontasn. 160.
Vendem-se duas moradas de casas de 2
andares cada urna sitas na ra Nova ; um dita
de dous andares nos Quatro-cantos da Boa-
vista ; duas ditas terreas junto ao mesmo ; urna
dita terrea na estrada do Manguinho ; um dita
na ra do Padre Florianno ; urna morada de
casa de 3 andares na ra do Amorim ; e um
terreno com alicerces no lugar do Caldeireiro ;
a tratar com Manoel Caetano Soares Carneiro
Monteiro
1 Vende-se urna mulatinha de 16 annos ,
muito linda he recolbida e tem vanas habi-
lidades ; um escrava crioula de 18 annos, co-
se, engomma e cosinha : duas ditas de bonitas
figuras boas costnheiras e lavadeiras ; 4 es-
cravos ptimos para todo o servico; urna es-
crava com urna cria de dous mezes, e tem mui-
to bom leite dous moleques de 8 a 12 annos ,
ptimos para qualquer ollicio ; na ra Diroita
n. 3. (8
1Vendem-se queijos novos a 1/rs. vinho
da Figueira a 1760 rs. a caada e garrafa a
240 rs., cbhisson a 1760 e 2240 rs. latra
a 280 rs. talharim a 240 rs. tapioca a 80
rs., covadinha de Franca a 200 rs. caf oui
grao a 140 rs. manteiga ingleza a 640 rs. e
francesa a 600 rs. bolaxinha americana a 200
rs. ; na venda da esquina da ra do Arago
n 43. (8
1 Vende-se um escaler, vindo prxima-
mente de Lisboa em o brigue S. Domingos,
que tem de comprido 40 palmos muito bem
construido velleiro de remos muito bem ap-
parelhados, com 4 vellas, mastros, tolda, al-
moladas de asatmto balaustres, chumassoiras,
e as tuliteiras de bronze, com (atocha de (erro ,
e muitas bandeiras; a tratar com Manoel Gon-
Calves Vianna, Capit3o do mesmo brigue, ou
com Mendos $ Olive ira. (8
1 Vende-se urna lancha bem construida,
nova e encavilhada de cobre ; a bordo da pola-
ca hespanhola Ardila ou no escriptorio de
Joao Pinto de Lemos Sf Filho. (4
1 Vende-se um preto serrador, e de boni-
ta figura ; na ra da Cadeia de S. Antonio
i 19. (3
1 Vende-se um relogio de ouro coro sua
competente chave e corrente tambem de ouro
e he bom regulador, vende-se por necessidade; ,? pa ra
-. .. i .* : Anuiiptannc n
beira ricos chapeos do Chile e de sol chales
de seda do todas as qualidades, mantas para
homem e senhora 'uvas de seda curtas para
senhora a 320 rs. o par, o outros mullos objec-
tos vindos de Franca bem como um grande
sortimento de calcado tudo mais em conta do
que em outra qualquer parte ; na ra larga
do Rosario o. 24. (9
] Vende-se urna cadeirinha de arruar,
ainda nova o toda forrada do seda, um piano
de forte construcejio e do muito boas vozes ,
macacos de estivar carga encerados de cobrir
gneros, oleo de linhaca em botijoes ; na ra
do Amorim n. 15. '6
I Vende-se um tonelete que servio do
azeite, e esta muito secco, proprio para ago'ar.
dente; quem o pretender annuncie. (3
1 Vendo-se potassa da Russja em barr,
pequeos por proco commodo; na ra da Ca.
deia do Recifo ioja n. 50 (3
Escravos fgidos
Fugio ou furtro o moleque Julio, om
25 de Agosto de 1843, bem conhecido por ven-
der angica, de naco Benguella secco docor-
po, meio fulo de 14 annos, tem o embigo
multo grande tem um taquinho tirado na
orelha ; quem o pegar, leve a ra da Guia a
seu senhor Manoel Antoro de Souza Res que
ser recompensado.
Ainda anda fgido o escravo Jacintho, de
naco Rabolo, de 22 annos, de bonita figura ,
bem preto, com urna marca no poito esquerdo ,
a imitacao de urna ancora, falla meia descan-
tada toma bastante tabaco, fugio no da 20
de Maio do 1S4I ; quem o pegar, leve a ra da
Guia sobrado de 5 andares n. 53, que receba-
r 100/rs. de gratificaco de seu senhor Ma-
noel Antoro de Souza Res.
1 No da 29 de Novembro p. p. fugio o
escravo de nomo Victorino alto, secco do cor-
po, pernas compridas bastantes finas e zam-
beas ps apalbotados semblante carregado ,
beigos grossos, tendo no inlerior urna cicatriz,
urna grande belida em um olho ; quem o pe-
gar, leve ao engenho Poeta Ireguesia dos Alo-
gados, que sera generosamente recompensado.
Fugio no mez de Outubro do correte an-
no um pardo acaboclado claro, de nome
Cosme, baixo e reforcado do corpo, de 16 an-
nos quando falla inclina a cabecu e bocea
para a banda desconfia-se que esteja em al-
gum lugar para o mallo a titulo de forro; quem
o pegar, leve ao largo do Corpo Santo n. 11 ,
que ter 100# rs. de gratificaco.
1 Em Maio de 1844, de bordo do patacho
Aurora fugio um preto de nome Antonio ,
de 30 annos ; levou chapeo de palha e roupa
de ganga azul e sem a parte inferior de urna
das orelhas; o qual pertence a Jos Das de
Sousa de Porto Alegre ; quem o pegar, leve a
pracinha do Corpo Santo n. 66, casa do Caudi-
llo Agostinbo de Barros que ser gratificado,
ou ao Capiro Jos Francisco Alvos, a bordo
do dito patacho, fundeado junto a ponte do Re-
cile. (10
2 Roga-se a pessoa, que em seu poder
tem a escrava Maria do Rosario a qual nao
resta duvida que foi seduzida a queira man-
dar entregar a Maria Rosa da Assumpco mo-
radora no Atterro da Boa-vista, casa de 3 anda-
res n. 47, ou no Monteiro a Jos Rodrigues do
Passo. Pede-se com instancia a todas as au-
toridades policiaes capitaes de campo ou
quem da mesma escrava tiver noticias a cap-
tura da mesma escrava cujos sieaaes sao ng
seguintes : crioula altura regular; rosto pe-
queo feicoes miudas corpo secco, bem fal-
lante conversadera ,
um tanto demorado
na ra dos Quarteis n. 19. (4
1Vende-se urna casa de um andar soto ,
com 35 palmos de fente e 85 de fundo, em
chaos proprios, tem duas .lojas e quintal mu-
rado com cacimba na ra da Guia quina do
boceo do Bom Jess n. 9; tambem se hypothe-
ca ; a tratar com Leopoldo Jos da Costa Arau-
jo na ra da Moeda n. 7, que est autorisado
pelo dono para coocluir qualquer das cou-
sas. f8
1Vende-se sal de Lisboa, grossoe claro,
a bordo dos brigues Gabriela e He lena, as amos-
tras esto no armasem do Braguez, ao p do
arco da Concento ; a tratar com Leopoldo Jo-
s da Costa Araujo. ,5
iVendeui-se duas caixas e tartaruga para
rap couros miudos de diversas qualidades ,
barricas com sebo ludo chogado ltimamente
do Aracaty ; na ra da Cruz n. 26 venda de
S Araujo y Iriuo. (5
1Vende-se urna escrava de naco de 23
annos sem vicios nem achaques com prin-
cipios de cosinha por380# rs. ultimo pre-
V'oj; no Atierro da Boa-vista padaria francesa
a. >0. ,5
1 Vende-se lgica, methaphisica e ethica
por Adam pbisica o astronoma polo mesmo,
contando varios problemas e objeccoes curiosas,
curso de philosophia por Lugdumnce lgica
e methapbisica por Genuense ero porluguet,
ethica por Job, em portuguez, diccionario fran-
por Constancio novo methodo por Antonio
Pereira tudo por preco commodo ; em Foru-
de-portas ra do Pillar n. 74, segundo an-
dar. (10
1Vendem-se folhinbas de porta e de algi-
e risonba tem o andar
, os tornozelos dos ps sa-
os ps um tanto grossos e
apaliietados ; o seu laboratorio he de cosinhei-
ra ; mas pela manha do da 13 do corrente ,
indo vender flores at o prosete nao appare-
ceo ; a pessoa que a apprehender leve em di-
tos lugares que ser gratificada. (18
2 Desappareceo nodial4do corrente um
mulatinho de nome Joaquiro de 12 annos ,
levou jaqueta do ganga ontrancado alvadia ,
camisa e calcas brancas bon de panno azul
ordinario e roto sem forro com pala de sola
som ser envernisada ; quem o pegar, leve a ra
da Cadeia de S. Antonio n. 3.
2 Desappareceo no lia 17 do corrente urna
negrinha de nome Genoveva de naco Congo,
de l. annos foi vista na esquina da ra das
Flores para a travessa da Can ba do Carino e
julga-se ter sidu urtada yor ser muito nova-
ta na trra ; quem a pegar levo a ra do Ca-
no n. 16 que ser gratificado. 7
3 No da Jo do corrente pelas onze horas
da manba desappareceo urna negrinha de no-
me Joaquina, naco Angola, de idade 14 a 15
annos, secca do corpo, cara comprida, nariz
grande, tem os ps alguma cousa apalbotados,
levou vestido de riscado do algodu e bastante
sujo; alm de tudo isto, tinha urna corrente
em um p, por bavor desconliancas do so que-
rer evadir. K !ia toda a corto/a de que se acha
oceulta, e por isso roga-se a pessoa aondo ella
estiver, que a mando entregar a sou senhor na
ra Nova u. 53. (12
PERiN } TYP. D **.. DE FARIA l844


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECGL0XRRD_RAK4NL INGEST_TIME 2013-04-12T23:52:20Z PACKAGE AA00011611_05253
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES